políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

O quê Fernando Collor, André Vargas, Luiz Argôlo e Cândido Vaccarezza têm em comum

Posted by Pax em 23/05/2014

Segundo a Agência Brasil, Alberto Youssef, o doleiro envolvido nas investigações de desvios e lavagem de mais de R$ 10 bilhões.

Há registros de envolvimentos do doleiro com Fernando Collor (ex-presidente, hoje senador pelo PTB-AL), André Vargas (ex-vice-presidente da Câmara de Deputados pelo PT, hoje deputado federal sem partido), Luiz Argôlo (deputado federal pelo Solidariedade SSD-BA) e Cândido Vaccarezza (deputado federal PT-AL).

Como diz o comentarista Pedro, Alberto Youssef parece siri de balaio. Puxa um e vem uma fieira pendurada.

Juiz diz que PF apreendeu com doleiro recibos de depósito em favor de Collor

André Richter – Repórter da Agência Brasil Edição: Davi Oliveira
O juiz Sergio Fernando Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, informou hoje (22) ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que a Polícia Federal (PF) encontrou comprovantes de depósitos bancários em espécie em favor do senador Fernando Collor (PTB-AL). Segundo o juiz, os comprovantes estavam no escritório do doleiro Alberto Youssef, durante o cumprimento dos pedidos de busca e apreensão da Operação Lava Jato.

De acordo com relatório enviado pela Polícia Federal ao juiz, ocorreram oito depósitos fracionados em espécie de R$ 1,5 mil; R$ 9 mil; R$ 1,5 mil; R$ 9 mil; R$ 8 mil; R$ 9 mil; R$ 8 mil e R$ 4 mil em favor do senador. Segundo a PF, os depósitos ocorreram em fevereiro, março e maio do ano passado. Apesar dos achados da polícia, Moro afirma que o senador não é investigado na operação.

“Relativamente ao material apreendido, juntado ontem nos autos eletrônicos, foi este juízo alertado pela autoridade policial que nele constam oito comprovantes de depósitos bancários em espécie que teriam sido encontrados no escritório de Alberto Youssef e que teriam por beneficiário o senador da República Fernando Affonso Collor de Mello. Apesar disso, observo que não há qualquer indício do envolvimento do referido parlamentar nos crimes que já foram objeto das aludidas oito ações penais propostas”, informou o juiz.

O juiz ressalta no documento que não seria possível prever a apreensão de achados relacionados a um senador. “Tal prova e eventual relação entre o suposto doleiro e o referido senador era absolutamente desconhecida deste juízo, tendo sido encontrada fortuitamente durante a busca e apreensão. Inviável antes da busca, concluir pela presença de indícios de crimes praticados por parlamentar e pela competência do Supremo Tribunal Federal, já que surgiram somente após a diligência”, declarou.

No ofício enviado ao ministro, Sergio Moro ainda afirma que não autorizou a Polícia Federal a fazer a diligência que encontrou conversas entre o deputado federal André Vargas (sem partido – PR) e Youssef, na qual teria sido marcada uma reunião na casa do deputado Cândido Vacarezza (PT-SP).

“Muito embora o relatório preparado pela Polícia Federal para a remessa do material do deputado federal André Vargas mencione o deputado federal Cândido Vaccarezza, observo que a menção diz respeito a suposta reunião dele com Alberto Youssef, sem que, em princípio, se possa inferir caráter criminoso do evento em questão. Apesar do agente policial sugerir, no relatório, a este juízo, que obtivesse confirmação de que determinado aparelho de Blackberry pertenceria ao referido deputado, observo que este juízo não autorizou essa diligência e a recomendação consta em relatório solicitado por este Juízo com o propósito específico de remessa do material ao Supremo Tribunal Federal”, disse Moro.

Sérgio Moro também afirmou que o deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) não é investigado na Lava Jato, assim como o deputado André Vargas. Durante as investigações, a PF captou conversas entre os parlamentares e o doleiro que sugerem favorecimentos entre eles. “Apesar da remessa, observo que não há qualquer indício do envolvimento do parlamentar nos crimes que já foram objeto das aludidas oito ações penais propostas”, garantiu o juiz.

As informações foram produzidas pelo juiz ao enviar ao Supremo todas as ações penais oriundas das investigações da Operação Lava Jato, conforme decisão do ministro Teori Zavascki. O magistrado entendeu que as investigações deve ser suspensas devido à presença de parlamentares nos autos.

Procurada pela Agência Brasil, a assessoria do senador Fernando Collor disse que não tinha conhecimento do assunto.

About these ads

38 Respostas to “O quê Fernando Collor, André Vargas, Luiz Argôlo e Cândido Vaccarezza têm em comum”

  1. Patriarca da Paciência said

    E o Robson Marinho, caro Pax,

    esse sim, parece peixei grande.

    Esses troquinhos aí, ” De acordo com relatório enviado pela Polícia Federal ao juiz, ocorreram oito depósitos fracionados em espécie de R$ 1,5 mil; R$ 9 mil; R$ 1,5 mil; R$ 9 mil; R$ 8 mil; R$ 9 mil; R$ 8 mil e R$ 4 mil em favor do senador. Segundo a PF, os depósitos ocorreram em fevereiro, março e maio do ano passado. Apesar dos achados da polícia, Moro afirma que o senador não é investigado na operação.”

    Veja os troquinhos do homem:

    247 – Formalmente acusado pela Justiça Suíça de manter conta em paraíso fiscal, abastecida por propina da Alstom, o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Robson Marinho colocou à venda uma casa na praia Domingos Dias, em Ubatuba, litoral Norte de São Paulo, por R$ 7 milhões.

    Promotores que investigam o envolvimento do ex-chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB) em caso de suborno da multinacional francesa para fechar licitações, acreditam que se trata de uma manobra para evitar eventual pedido de bloqueio.

    Marinho atua no TCE há 17 anos, com ganho mensal de R$ 30 mil. O MP investiga se seu patrimônio, que inclui ainda Ilha de Araçatiba, com 63 mil metros quadrados, em Paraty, no Rio de Janeiro, é compativel com sua renda.

    A Suíça também congelou uma conta de US$ 1,1 milhão em nome de Marinho desde 2010, a pedido da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público.

    http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/140828/Investigado-Marinho-vende-casa-por-R$-7-mi.htm

  2. Pax said

    Caro Patriarca,

    Você tem razão, falta um bom post sobre Robson Marinho. Esses dias andou complicado por aqui.

    Esse tal Robson, secretário de Covas, tem um balaio de siri pendurado. Já pago a dívida ao blog.

    Mas Alberto Youssef é siri de fieira enorme e gorda. Muito gorda. R$ 10 bilhões não é brincadeira.

    Como disse nos comentários do post anterior, a roubalheira é pra todos os lados.

    Isso que a conexão Londrina ainda não foi melhor explorada. E te confesso, não vejo a hora de levantarem bem as relações de Paulo Bernardo com André Vargas.

    Se o cara me ferra todo santo dia, esse Paulo, vou eu lá não querer saber? Quero todos os detalhes, incluindo os mais sórdidos.

  3. Patriarca da Paciência said

    Jornal do Brasil:
    “x-responsável pela área de negócios internacionais da Petrobras, Nestor Cerveró negou, em depoimento à CPI do Senado na manhã desta quinta-feira (22), que a refinaria de Pasadena fosse “sucata” ou “ferro-velho” quando foi adquirida pela petrolífera brasileira em 2006.

    “O valor pago pela Astra Oil foi muito explorado pela mídia. Mas não foram US$ 48 milhões, como amplamente noticiado. Isso é totalmente irreal. A Astra teve que investir nessa unidade e para colocá-la em operação gastou US$ 360 milhões. Não era uma refinaria sucateada e não custou só 48 milhões”, enfatizou.

    Cerveró explicou que Pasadena pertencia a uma empresa americana tradicional na área de refino. Mas havia sérios problemas administrativos, trabalhistas e ambientais. “A Astra aproveitou a oportunidade, negociou, resolveu os problemas trabalhistas e ambientais, e ainda teve que investir numa unidade de processamento de gasolina para atender requisito de qualidade do mercado americano”, explicou.

    Segundo Nestor Cerveró, hoje, sete anos depois, Pasadena virou uma refinaria padrão e premiada nos Estados Unidos, o que é motivo de orgulho para a Petrobras.

    O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras confirmou também a afirmação do ex-presidente Sérgio Gabrielli, segundo a qual, em 2006, o planejamento estratégico da estatal apontava para a necessidade da compra de uma refinaria no exterior.

    “Nosso plano apontava para a necessidade de expansão do refino fora do Brasil Havia produção crescente de petróleo pesado na Bacia de Campos. Aliado a isso, o mercado americano crescia em taxas elevadas”, explicou.

    O fator geográfico também foi importante, segundo o executivo, visto que a refinaria de Pasadena está perto de Houston e do Golfo do México, numa posição estratégica.

    O ex-diretor da área internacional da empresa foi o autor do relatório que serviu de base para a aprovação dada pelo Conselho Administrativo da Petrobras à compra da refinaria de Pasadena, em 2006.”

    Enquanto isso o DEM fez ontem um vergonhoso programa político martelando em cima das mesmas mentiras de sempre: Valia 42 milhões, foi comprada por um bilhão e duzentos milhões etc.etc.etc..

    E o Agripino dizendo que sabe como resolver todos os problemas do Brasil.

    Pois não é ?

    O dito cujo foi governador duas vezes do Rio Grande do Norte.

    É claro que o Rio Grande do Norte é um estado modelo e não apresenta o mínimo problema que seja !

  4. Patriarca da Paciência said

  5. Guatambu said

    Pax,

    Experimente a Oi.

    Ela é do filho do Lula, e é muito boa.

    O meu 4G funciona a maior parte do tempo aqui em São Paulo… por incrível que pareça.

  6. Zbigniew said

    Interessante isto aqui:

    “Números oficiais da Fifa confirmam que a Copa do Mundo de 2014 traz uma lista de recordes na história do futebol; o Mundial terá o maior retorno financeiro de todos os tempos, recebeu o maior pedido de ingressos, será visto pelo maior número de pessoas, distribuirá os maiores prêmios e terá ainda os craques mais caros da história em campo; com 12 sedes no Brasil, competição foi também a que teve preparação mais cara; a exatos 20 dias do jogo de abertura, entre Brasil e Croácia, em São Paulo, realização e gastos com o evento ainda têm causado protestos da população e, recentemente, greves em todo o País ”

    http://www.brasil247.com/pt/247/247_na_copa/140851/Sob-tens%C3%A3o-Copa-ser%C3%A1-a-mais-lucrativa-da-hist%C3%B3ria.htm

  7. Daise said

    RIR É O MELHOR REMÉDIO

    Piada politicamente inconveniente mas muito engraçada.
    Confiram abaixo:

    http://prosaepolitica.files.wordpress.com/2014/05/depoimentos.jpg?w=897&h=659

  8. Zbigniew said

    Quer dizer que agora… a copa tem… um lado bom?!!!

    “(…)
    O Estadão solta enorme matéria sobre “a Copa das Copas”, lembra o óbvio – vai ser o evento de maior visibilidade para o Brasil, em sua história. 14 mil jornalistas levando a imagem do país para todos os cantos, o maior público de televisão para um evento.

    A Folha dá o óbvio incompleto: a informação de que os gastos com a Copa representam um naco dos gastos com educação. Não ousou explicar que são recursos dierentes, que financiamentos não podem ser confundidos com gastos orçamentários, que gastos com obras são permanentes. Mas vá lá!
    (…)”

    http://jornalggn.com.br/noticia/a-brincadeira-da-midia-com-a-opiniao-publica

    Pergunta: trouxe mais prejuízo ou trouxe benefícios permanentes?

  9. Guatambu said

    Zbigniew,

    Em vez de comemorar a copa, deveríamos comemorar isso aqui:

    http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/05/23/no-ultimo-dia-de-inscricoes-enem-2014-bate-recorde-do-ano-passado.htm

    Pelo menos a população está buscando mais a educação.

    Quanto à Copa, os números são genéricos, e não está informado onde isso ajuda a população.

    O governo deveria fazer um balanço de tributos arrecadados e capital investido pelo governo na Copa, para nós sabermos o real retorno sobre o investimento feito.

    Todo o resto é bobagem.

  10. Guatambu said

    Zbigniew,

    O Nassif está distorcendo informações.

    A questão não é a qualificação da verba: se a verba é para isso ou para aquilo.

    A questão é que o bolso é o mesmo: o bolso do governo; e a origem do dinheiro é a mesma: os impostos que todos pagamos.

  11. Zbigniew said

    Ótima notícia, Guatambu. Ótima notícia.
    Aliás, o ENEM, iniciativa do governo petista, veio pra ficar e para quebrar com alguns esquemas que incluíam cursinhos, vestibulares e apostilas.

    Inclusive, essa das apostilas explica um bocado o porquê de alguns grupos de mídia detestarem de coração o PT.

  12. Zbigniew said

    Bom, caro Guatambu.
    Se você acha que o retorno não existe em função da origem do dinheiro, bem, aí já não poderemos nem começar a discussão.

    Torço para a Copa dar muito certo (e já está dando). Torço para que o retorno cubra os gastos e traga mais benefícios do que problemas para a sociedade.

    Temos que reconhecer que a questão da mobilidade está fazendo governos de todos os níveis: estadual, municipal e federal, queimarem as pestanas para fazer os projetos saírem do papel. E que, aqueles que não conseguirem uma boa performance vai dançar (vide as eleições que se aproximam).

    Também na pauta os famosos aditivos e o porquê de tantas obras sofrerem acréscimos nos seus custos iniciais. A sociedade está vendo isso, e, afora os coxinhas de sempre, a maioria está se perguntando de quem é a culpa? E exigirá a mudança desse sistema, indo às ruas ou expressando-se nos seus votos.

    A geração de empregos em virtude das obras (muitas ainda precisarão de mais algum tempo para serem concluídas) o que mantém o nosso índice como um dos maiores do mundo.

    Enfim, o Brasil tem sim, muito a comemorar, inclusive a potencialização de uma nova e bem vinda consciência crítica.

  13. Guatambu said

    Zbigniew,

    Entenda: o retorno não está sendo corretamente medido.

    Nem mais, nem menos que isso.

    E a conta deveria ser relativamente simples:

    O governo gastou X bilhões em aeroportos, rodovias, metrô, etc, etc.

    A Copa rendeu ao fisco Y bilhões.

    Se Y>X, então a Copa foi benéfica.

    Se Y<X, então nós, brasileiros, pagamos pela copa (porque o dinheiro do governo é o dinheiro de impostos), e houve prejuizo.

    Bem diferente disso é avaliar como retorno o benefício das obras ao brasileiro.

    Não sei você, Zbigniew, mas eu penso assim:

    Se calcularmos a % de dinheiro investido nos estádios e a % de dinheiro investido em mobilidade (exemplo que você trouxe), qual é o resultado?

    Estádios ajudam alguma coisa no social? Talvez muito pouco.

    Mobilidade, hospitais, escola, saneamento sim.

    Minha visão, Zbigniew, é que estamos comemorando algo que até pode ter dado certo: por exemplo a melhoria de infraestrutura dos aeroportos, pelo motivo errado.

    O motivo da melhoria não deveria ser a copa.

    O motivo da melhoria é que o governo está empurrando esse tipo de investimento com a barriga desde a era do Collor.

    Percebe a ligeira diferença?

  14. Patriarca da Paciência said

    o mais triste do vídeo do comentário nº 04, é que o Fernando Henrique Cardoso deu demonstrações claras de que é um ingênuo. Ou seja, estava apelando para a “solidariedade” internacional, quando Platão, 400 anos antes de Cristo, já dizia: “è possível haver solidariedade real e sincera entre pessoas. Entre nações não. Entre nações só existem interesses”.

    .

  15. Guatambu said

    O ENEM é uma ótima ideia.

    Pena que foi muito mal implementado.

    Posts atrás o Pax e o Elias estavam discutindo a origem da corrupção: um dizendo que é cultural e outro dizendo que provém das instituições.

    O ENEM foi corrompido, houve fraude, mais de uma.

    Nesse aspecto, Zbigniew, estamos usando de fraudes para promover a educação.

    Qual é o impacto disso para quem é estudante?

    Minha opinião é que o impacto pode ser muito, mas muito ruim. Soa quase como se estivéssemos ensinando esses pré-universitários que eles tem que aproveitar das fraudes para conseguirem as coisas.

    Bizarro.

    Mas, há o benefício de conhecermos melhor a educação estatisticamente.

    Isso é coisa que eu venho reclamando bastante aqui: nós, brasileiros, somos preguiçosos para debruçarmo-nos e aprofundarmos nossas análises, seja por falta de informações e dados consistentes, seja porque acreditamos demais na mensagem que mais nos agrada.

  16. Zbigniew said

    Guatambu,

    talvez o retorno (financeiro) não seja imediato, porque avaliar em quanto tempo um aeroporto, porto, metrô, corredor para ônibus, esteiras rolantes, aerotrens, etc. (que são exemplos de iniciativas com vistas ao torneio sediado pelo Brasil), cobrião os seus custos vai depender de muitas variáveis.

    Entretanto, você há de convir que existem outros ganhos que devem ser creditados no conta “Copa no Brasil”, que vão desde a melhoria do bem-estar da população até a agilidade na movimentação de mercadorias, bem como visibilidade para investimentos e turismo. Assim sendo o retorno será no curto, médio e longo prazos.

    Neste ponto, no meu entendimento, a Copa vai trazer dividendos importantes para o país e não tem porque torcermos contra (não estou dizendo que você esteja). É como dar um tiro no próprio pé.

  17. Zbigniew said

    Quanto ao ENEM, Guatambu, você poderia citar uma fraude que não aquele vazamento das oficinas gráficas do grupo Folha?

    Seguindo, você acerta em nos apresentarmos como preguiçosos. Vou além: somos desidiosos com a boa informação. Temos dificuldade em buscar, cascavilhar dados (e olhe que nossas instituições, em sua grande maioria, têm sítios na internet, portanto, um mero contato por busca de informações é possível.). A nossa cultura folhetinesca é de receber tudo mastigadinho, fast food, ligeiro e raso, ao estilo Jornal Nacional.

    Outro dia alguém aqui se vangloriava de ter a Veja como fonte principal de informação. Putz! Nem a própria Veja acredita na sua imparcialidade e escorreita forma de fazer jornalismo. Mas sempre teremos “inocente úteis” para ler exclusivamente aquilo no que acredita.

  18. Guatambu said

    Zbivniew,

    Copa:

    Por isso que eu estou delimitando o escopo da minha análise somente a: valor gasto X valor recebido (no período da copa).

    Se fosse um investimento a longo prazo, não precisaríamos da Copa como desculpa para investir.

    Na realidade, nunca precisamos da Copa como desculpa. Como eu disse, investimentos desse tipo são de responsabilidade do governo desde que o rei andava nas ruas… e o governo empurrou com a barriga até ter uma “boa” desculpa. Que foi a Copa.

    Já que a Copa foi a desculpa, que seja avaliado o retorno dentro do escopo da desculpa que justificou o investimento.

    Percebe a ligeira diferença?

    ENEM:

    Grupo Folha ou não, houve.

    E sobre informações: não podemos nem sequer confiar em fontes oficiais.

    Exemplo1: do Ipeadata que teve que se desculpar publicamente sobre a pesquisa realizada sobre o estupro, que gerou um bafafá nas redes sociais.

    Exemplo2: a mudança de cálculo do PIB, não lembro se foi pelo IBGE ou se foi pelo BC.

    O que eu sei é que se não podemos confiar nem em fontes oficiais, como podemos analisar alguma coisa?

  19. Zbigniew said

    Guatambu,
    não podemos restringir a avaliação dos investimentos (e seus retornos) da Copa apenas ao período da mesma. Seria um equívoco. Em lugar nenhum do mundo se tem um retorno financeiro tão imediato.

    Aliás, todo grande evento tem seus efeitos mensurados projetando-os para o futuro. Por isso se costuma falar em legado. E aí a inevitável pergunta: qual o legado da Copa para a sociedade brasileira?

    Quanto ao ENEM ainda estou em dúvida.
    Acrescento apenas que, no seu começo, a torcida contra (como essa agora em relação à Copa) era muito grande, mas o certame restou por firmar-se no cenário educacional brasileiro.

  20. Guatambu said

    Zbigniew,

    São pontos de vista de análises distintos.

    Se prefere uma avaliação mais abrangente, não há problema, no entanto, a pureza do resultado é afetada.

    Mas então uma questão se impõe:

    Se os benefícios de um evento (a Copa é um evento), são refletidas na sociedade de forma tão abrangente?

    Por que o país então não se dispõe a viver de eventos?

    Informação adicional: ao redor do mundo eventos como esse são amplamente questionados pela população, justamente pelo caráter duvidoso do retorno.

  21. Zbigniew said

    Exatamente!
    Esses eventos são realmente bastante questionados pela população. Principalmente de países desenvolvidos que preferem ver o dinheiro do tesouro aplicado na sociedade de outra maneira. E, concordo que as somas são vultosas.

    Há pouco a população suíça rejeitou a criação de um fundo para a compra de caças, isto num país cuja força aérea só funciona das 8h às 17h. Mas temos que lembrar que a Suíça não é mais do que uma bola de gude neutra encravada no coração da Europa. Se o caça acelerar demais corre o risco de entrar no espaço aéreo de outro país. Obviamente que isso é um exagero mas é interessante observar a participação popular nos destinos do seu rico dinheirinho.

    Citei esse caso, também, porque a Suíça não vai criar o fundo, mas não quer dizer que não vá adquirir os aviões. Só não será por um fundo adicional.

    E aí vou concordar contigo, Guatambu. Não deveríamos ter a desculpa da Copa para investirmos em infra-estrutura. Isto deveria ser algo natural no nosso país.

    Entretanto, não é. Pelos motivos que sabemos, como incompetência, corrupção, desídia, imprevidência, ausência de políticas específicas para o setor, etc.

    Daí enxergar a Copa como um paradigma novo, capaz de colocar definitivamente a questão da infra-estrutura e sua importância na ordem do dia da nossa nação. Daí a força dos holofotes, das manifestações, da luta pelo poder e da polêmica criada em torno do certame. Acredito que vamos ganhar muito mais do que pensamos com essa Copa.

  22. Guatambu said

    Zbigniew,

    Então!

    Enxergar a Copa como um paradigma novo para resolver problemas antigos?

    Parece-me um raciocínio muito indireto.

    Se os motivos são incompetência, corrupção, desídia, imprevidência, etc, por que então não cuidamos dos motivos originais?

    Se vc tiver paciência, meu depoimento a respeito:

    Eu não sou contra a Copa.

    Acho que vai ser legal termos essa energia nessa época que sempre foi especial aos brasileiros emanando daqui de dentro do país, e olha que nem gosto tanto de futebol! Na verdade, eu gosto mesmo é da farra!

    Mas a análise que eu faço pode não agradá-lo muito.

    O PT teve uma ideia muito boa, de fato.

    Imagine caso ocorresse o seguinte:

    As políticas sociais implementadas com sucesso.

    As obras públicas implementadas.

    Depois de 12 anos de governo do PT.

    Seria tempo mais que suficiente para demonstrar que a gestão do PT era mesmo competente.

    Seria a coroação do partido.

    O partido talvez até mesmo mudasse a maneira do povo olhar para os políticos, como pessoas realmente comprometidas em ver o país caminhando, etc.

    O Lula pavimentou o Brasil para a atuação da Dilma. Não quero entrar no mérito se isso foi mais ou menos bem feito, se teve ou não mensalão, etc.

    O ponto é que o Lula passou o bastão para a Dilma, que poderia ter “reinado em berço esplêndido”.

    O plano não era ruim, de todo!

    Olhando para as obras do PAC1 e PAC2, que mudariam uma questão fundamental para o desenvolvimento do país: a infraestrutura; que culminariam na Copa do mundo, poxa vida, seria muito legal!

    Bastava encontrar alguém que soubesse conduzir o país.

    O Brasil, inclusive, já havia passado por uma crise, que, contra as palavras do Lula, não foi uma marolinha não. Afeta o mundo inteiro até hoje.

    Por algum motivo as coisas parece que não andaram do jeito que o plano foi feito.

    Eu não sei a que medida de desenvolvimento do PAC1 e PAC2 estamos, nem quero entrar em detalhes técnicos disso também.

    Faço essa análise somente no que eu sinto, e sinto que o país parece um grande canteiro de obras superfaturadas e mal acabadas… sinto que parece que o plano não era tão bem planejado; os riscos não eram bem calculados; a costura política necessária para fazer acontecer parece que não rolou… e a Dilma e sua equipe parece que perderam a mão.

    Penso assim: com quase 8 anos para investir centenas de bilhões na economia, se o governo fosse capaz de fazer uma fração disso, a economia já sentiria. Tamanha a quantidade de dinheiro que essas obras colocariam em circulação.

    Eu esperava mais. E acho que não era só eu.

    De uma hora para outra o Brasil cresceu pouco. Parece que foi resultado mesmo só daquela fração que eu tinha imaginado…

    É triste.

    Mesmo com uma oposição fraquíssima; mesmo com a maioria no congresso; mesmo com um plano e uma base econômica razoável, a Dilma não colocou o país onde ele deveria estar.

    A Copa, para mim, é a ponta do iceberg.

    Seria o ápice de uma lista enorme de expectativas que o povo que o povo tinha quando o Lula anunciava que o esforço social seria amplificado pelo salto econômico brasileiro…

    Nesse sentido, Zbigniew, parece-me que o PT foi muito bom em plantar expectativas na população.

    Não sei em qual medida essas expectativas foram ou não cumpridas.

    Posso estar enganado. Eu achei que nesse período, com tantos investimentos, o país fosse virar a página de um histórico de desenvolvimento lento e cauteloso. Mas não foi assim.

    Essa história de “não vai ter Copa”, as manifestações, etc.

    Talvez somem todas essas expectativas que não forma sendo cumpridas.

    A Copa, sabemos que vai existir.

    Mas, ainda que sejamos vencedores no campo, não sei se seremos vencedores como país.

    Afinal, os problemas continuam os mesmos: competência, corrupção, desídia, imprevidência, etc

  23. Zbigniew said

    Sim, sim, caro Guatambu.
    Não tiro a sua razão, tampouco a de muitos que depositaram expectativas de melhora, principalmente nas relações políticas, com a ascensão do PT ao poder.

    Fazendo uma pequena digressão, aqueles que atuam com o Direito costumam chamá-lo de ciência do “dever ser”. Porque as condutas estão todas disciplinadas, mas, em contrapartida, temos também a aplicação das sanções. Exatamente porque o dever ser é utópico em face da imperfeição humana.

    Sei que é impossível exigir perfeição nas relações políticas, mas não se deveria descartar pelo menos uma mudança que aprimorasse tais relações para o bem da sociedade como um todo.

    Entretanto não acredito que um problema dessas proporções, porque inerente à nossa sociedade, formação do nosso povo e das nossas elites, pudesse ser extirpado em algum prazo que pudesse ser considerado razoável. Nem sei te dizer o que seria razoável, ou qual o horizonte temporal, mas acredito que iniciativas em educação e melhoria da condição de vida da população já seja um bom começo.

    Você falou em pessoas adentrando ao ENEM. Isso revela uma preocupação com a formação educacional pela sociedade. Acho que é por aí. Mas também nossas elites, aqueles que fazem parte da super-estrutura social, têm (ou deveriam ter) a obrigação de contribuir para essa mudança.

    Daí ser impossível, pelo menos na minha visão, de se colocar unicamente nas mãos de um partido político o dever de mudança, ainda que este mesmo partido tenha criado expectativas a esse respeito. Evidentemente não se pode afastar as responsabilidades inerentes às relações políticas, especificamente eleitor-partido-candidato, das quais o PT faz parte.

    A partir daqui caberá ao eleitor sopesar se, pelo conjunto da obra, a ação política do partido, o transitar entre o projeto de poder e o projeto de nação, trouxe benefícios suficientes capazes de minorar sua pretensa impossibilidade de mexer com o status quo, principalmente quando se observa evidenciada a valorização do projeto de poder em detrimento do projeto de nação.

    Aconselho a se observar as alternativas política e verificar se existe potencial de mudança neste que é o ponto nevrálgico dos insucessos do Brasil enquanto nação.

  24. Daise said

    RIR É O MELHOR REMÉDIO ???

    Se for piada eu confesso que não entendi. ë piada?

  25. Daise said

    Itália vai incluir prostituição e venda de drogas ilícitas no cálculo do PIB

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/05/1459026-italia-vai-incluir-prostituicao-e-venda-de-drogas-ilicitas-no-calculo-do-pib.shtml

    E NO BRASIL? EIS UMA BOA IDEIA PARA ENGORDAR O NOSSO PIB.

    UM “PACpib”

  26. Daise said

    O BRASIL EXPORTA PIB

    Gasto de brasileiro no exterior contribui para rombo nas contas externas

    Os brasileiros gastaram US$ 2,34 bilhões no exterior em abril, valor recorde da série histórica iniciada em 1947 pelo Banco Central.

    P. Por que os brasileiros gastam tanto no Exterior?
    R. Porque no Exterior os preços são em média 50% menores.

    Resultado: Estamos exportando PIB. Por que?

    Eis a pergunta.

  27. Daise said

    A gastança da Copa em mais de R$ 60 bi

    BRANCA NUNES

    Os R$ 1,7 bilhão que transformaram a Arena Mané Garrincha, em Brasília, num dos estádios mais caros do mundo, ou a bolada de R$ 1,7 milhão consumida no puxadinho construído para fingir por 90 dias que o aeroporto de Fortaleza ficou maior, vão parecer “dinheiro de pinga” – expressão cada vez mais comum entre os figurões federais – perto dos prejuízos decorrentes dos feriados impostos pela conjugação da inépcia do governo com as correrias da Copa prestes a começar. O país deixará de ganhar pelo menos R$ 60 bilhões nos dias em que terá de parar porque é incapaz de mover-se normalmente quando a Seleção Brasileira entra em campo.

    A conta é tão simples que até Guido Mantega pode entender. Graças aos oito feriados de verdade que caíram ou cairão no meio da semana, 2014 terá um calendário de 244 dias úteis. Baseado no PIB de 2013 (R$ 4,8 trilhões), André Perfeito, economista chefe da corretora Gradual Investimentos, calcula que a perda por dia parado seja de R$ 19,7 bilhões.

    Só na primeira fase da Copa, a seleção de Luiz Felipe Scolari vai paralisar o país três vezes. Embora o governo federal tenha feito de conta que não haverá feriados nacionais, feriados informais já foram programados por escolas, fábricas, empresas e órgãos públicos. Todos avisaram que, se não estiverem fechados o dia inteiro, depois do meio-dia até creches e pré-escolas onde os alunos mal aprenderam a falar gol, deixarão de funcionar.

    Os argumentos para justificar as interrupções das atividades vão desde questões logísticas com transporte até preocupações com segurança por causa de possíveis manifestações. Mas todas essas hipóteses convergem para mascarar a verdade solar: a inépcia do poder público não permitiu que o Brasil cumprisse o que prometeu. E a decretação desses “feriados” é a prova contundente de que as obras de mobilidade urbana não foram feitas. O país precisa parar pela simples razão de que não tem condições de andar.

    As contas feitas por André Perfeito indicam que nem mesmo as horas extras programadas por algumas empresas ou os possíveis lucros do comércio varejista com a venda de aparelhos televisão ou geladeiras, conseguirão compensar o tempo perdido. O aumento de 30% nas vendas do comércio popular, esperado pelos comerciantes da Rua 25 de março, em São Paulo, também serão infinitamente menores do que os ganhos que o país poderia ter com o Mundial.

    “Não é exatamente a Copa que faz crescer um país”, explica Perfeito, baseando-se num estudo feito com os países que sediaram os jogos nos últimos 30 anos. “O campeonato permite principalmente melhorar gargalos de infraestrutura, forçar o poder público a investir em determinadas áreas e gerar um potencial de crescimento para os anos seguintes. Este definitivamente não foi o caso do Brasil”.

    Se depender dos esforços do governo, nem o turismo será alavancado da maneira como poderia. Além de ser um fato que os turistas brasileiros continuarão a gastar mais nas viagens ao exterior, os estrangeiros têm cada vez menos motivos para desembarcar por aqui. Numa de suas últimas entrevistas, Aldo Rebelo, ministro do Esporte, usou um argumento no mínimo esdrúxulo para tentar atrair para o país os visitantes preocupados com a violência: “Não creio que o Brasil vá trazer mais riscos para os ingleses do que o risco que eles enfrentaram nas províncias iraquianas, nas guerras que praticaram recentemente”.

    Se o Brasil tem muito o que lamentar, Joseph Blatter e outros dirigentes da Fifa estão rindo à toa. Uma reportagem publicada no Estadão desta quinta-feira mostrou que a renda da entidade com a Copa no Brasil ultrapassará a marca de US$ 4 bilhões, mais de US$ 800 milhões do que faturou na África do Sul em 2010.

    Também nesta quinta, números publicados na Folha de S. Paulo mostram que os gastos e os empréstimos dos governos federal, estaduais e municipais com os jogos somam R$ 25,8 bilhões. O valor equivale, por exemplo, a um mês de gastos públicos com educação e ao triplo do que se planeja gastar na transposição do Rio São Francisco. Só com estádios foram R$ 8,5 bilhões, 36% a mais dos que os iniciais R$ 5,9 bilhões.

    Em julho de 2010, o ex-presidente Lula disse, durante a Copa da África do Sul, que era “descabido alguém se preocupar com alguma coisa sobre a Copa de 2014″. “O Brasil vai investir em infraestrutura até 2014 o que não investiu em 30 anos”, delirou o palanque ambulante. “Se com tudo isso o Brasil não tiver condições de realizar uma Copa, volto ao país a nado”. Pouco depois, Lula voltou ao país. De avião.

    A menos de 20 dias do início dos jogos, não há dúvida: vai ter Copa. Também está fora de dúvida que o que foi planejado para ser o grande acontecimento esportivo-eleitoreiro para 2014 não passará de um fiasco político-econômico.

  28. Daise said

    Sindicato de jornalistas adere a ato ‘contra ataques da mídia’ à Petrobras
    Josias de Souza

    Sob a liderança da CUT, sindicatos, organizações sociais, estudantes e petroleiros farão uma manifestação na próxima terça-feira (27), em São Paulo. Vão à Avenida Paulista para “protestar contra os ataques da mídia e da direita” à Petrobras. O ato conta com o inusitado apoio do Sindicato dos ‘Jornalistas’ de São Paulo, que divulgou a convocação em seu site.

    No texto, o petroleiro Roni Anderson Barbosa, membro da Executiva Nacional da CUT, tenta explicar o sentido da pajelança: “Nós sabemos que a direita que ataca a Petrobras quis vendê-la no passado. Precarizou a empresa, diminuiu número de trabalhadores, tomou decisões muito ruins e fez o contrário do que diz que quer fazer agora.”

    O companheiro acrescenta: “A direita e a mídia golpista querem mudar a legislação, pois não aceitam a Petrobras como operadora única do pré-sal”. Nenhuma palavra sobre Paulo Roberto Costa, o ex-diretor da estatal que, apoiado por PT, PMDB e PP, tornou-se protagonista de um escândalo que mistura propinas e caixa dois.

    Nada sobre as patrióticas indicações feitas por Renan Calheiros para a Petrobras —entre elas a do ex-parlamentar Sérgio Machado, no comando da Transpetro há 11 anos, desde 2003. Nenhuma menção à ruinosa compra de Pasadena —aquela que Dilma Rousseff disse em nota que jamais teria avalizado não fosse pelo parecer “falho” do agora ex-diretor Nestor Cerveró, um chapa do PT e do PMDB.

    A convocatória do protesto faz menção à defesa de “uma gestão 100% estatal e pública para a Petrobras.” Nem sinal de Lula e Dilma, sob cujas gestões a estatal foi levada ao balcão e rateada entre os partidos. O texto que o sindicato dos ‘jornalistas’ difundiu prefere mirar noutros alvos: “o ato alertará a população para as reais intenções da mídia e dos políticos nesta campanha contra a empresa.”

    Se Cristo voltasse à Terra e intimasse o Sindicato dos ‘Jornalistas’ de São Paulo a optar entre os malfeitores da Petrobras e os repórteres que os denunciam, a casa sindical aprovaria em assembleia: “Abaixo a mídia golpista, morra o reportariado.”

    E, com isso, ficaria claro para todos: se os sindicatos fossem feitos à base de lógica, faltaria matéria prima.

    E o povo de São Paulo que se foda!

  29. Patriarca da Paciência said

    “Ao indeferir o pedido, o ministro Tarcísio Vieira considerou que, “sob o manto da ordem constitucional vigente, no que asseguradas às liberdades de expressão e de manifestação de pensamento, inexiste campo fértil para a concessão de liminar que implique a censura prévia requestada na peça”; no pedido, o PSDB solicita que o TSE impeça o senador Lobão Filho de reproduzir supostas “inverdades” contra o pré-candidato do partido a presidente da República Aécio Neves”

    Vejam só. O pessoal aqui do blog fez o maior aranzel com as declarações do “Lobinho” e vejam o que realmente aconteceu.

    O PSDB entrou com uma ação contra o “Lobinho” e o TSE considerou que, deferir o pedido, seria o mesmo que impor censura prévia o cerceamento de livre expressão.

    Esse pessoal do PSDB não cansa de apanhar !

    Achei justo, muito justo, justíssimo !

  30. Patriarca da Paciência said

    Quando se cai na real, a conversa sobre a Copa é outra
    23 de maio de 2014 | 08:55 Autor: Fernando Brito
    graficocopa

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=17602

  31. Daise said

    E por falar em cair na real : Sorry Seleção

  32. Pax said

    Caro Patriarca,

    Falei que estava devendo escrever sobre Robson Marinho, mas não é bem assim. Tem matéria colecionada sobre ele faz tempo.

    Saca só

    http://politicaetica.com/category/robson-marinho/

  33. Pax said

    Aliás, o novo post é mais um sobre este cidadão que foi o segundo homem da hierarquia no primeiro governo Covas. Parece um Maluf, desde muito que nega ter contas bancárias fora do país, o que não parece ser muito condizente com os fatos.

  34. Daise said

    MULHERS LINDAS ( aka Caindo na real SORRY PT)

    Pax …afinal vc concorda, discorda ou ainda ficará aguardando a vinda da real “sócio democracia”, a panacéia para todos os males?

    Re-eleger Dilma é o caminho? E se Dilma não for re-eleita o que acontecera?’

    Estou muito preocupada. VC não?

    PS Agora vc foi inquirido!

  35. Patriarca da Paciência said

    Ricado Melo

    “Se a mídia mente assim na Copa, imagina nas eleições

    Poucas vezes viu-se tamanha desinformação como antes desta Copa. A previsão era dantesca. Caos nos aeroportos, estádios incompletos, gramados incapazes de abrigar jogos de várzea, tumulto, convulsões sociais, epidemias. Os profetas do caos capricharam: alguns apostaram que as arenas só ficariam prontas após 2030. Só faltou pedirem à população que estocasse alimentos em face da catástrofe.

    Diante de um cenário diametralmente oposto, os mensageiros do apocalipse ensaiam explicações. A principal é a de que a alegria do povo brasileiro suplantou a penca de problemas que estava aí, a olhos vistos, e ninguém queria enxergar. Desculpa esfarrapada.

    Se é inquestionável que os brasileiros têm uma tradição amistosa, ela por si só não ergue estádios decentes, melhora aeroportos, acomoda milhares de turistas e garante acesso aos locais das partidas. Problemas? Claro que houve, mas infinitamente menores do que os martelados pela imprensa em geral. Muita gente mentiu, ou, no mínimo, não falou toda a verdade –o que em geral dá no mesmo…”

  36. axzz3EB4RS5ej

    O quê Fernando Collor, André Vargas, Luiz Argôlo e Cândido Vaccarezza têm em comum « políticAética

  37. Post Brothers

    O quê Fernando Collor, André Vargas, Luiz Argôlo e Cândido Vaccarezza têm em comum « políticAética

  38. Saleh Stevens

    O quê Fernando Collor, André Vargas, Luiz Argôlo e Cândido Vaccarezza têm em comum « políticAética

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 36 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: