políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Archive for the ‘Pedro Marcos Dias – Pedro do Ovo’ Category

De olho na Justiça do DF

Posted by Pax em 21/01/2010

Há algo diferente no ar. A Justiça do DF toma decisões incomuns, primeiro afastou o presidente da Câmara Legislativa e depois afastou os deputados suspeitos, flagrados recebendo dinheiro, dos trabalhos de análise sobre o impeachment do governador.

As decisões foram de juízes da 2a e 7a Varas de Fazenda Pública do distrito federal.

A procuradoria da Câmara já recorreu do afastamento de Leonardo Prudente, o deputado do dinheiro nas meias, da presidência da Câmara. A oposição criticou o recurso.

Quais serão os próximos passos dentro do processo legal? Este caso chegará no Supremo? Se sim, qual será a decisão da última instância da Justiça Brasileira sobre a constitucionalidade dessas ações judiciais das Varas de Fazenda Pública? (*)

Independente do andamento dos processos e recursos, o fato é que a Justiça de Brasília parece se mover ao encontro da angústia da sociedade sobre a corrupção apontada no mensalão do DEM.

(*) O blog é absolutamente ignorante na área em discussão.

Estátuta da Justiça, na Vila Antiga de Berna, onde são visíveis os aspectos que a devem caracterizar: cega, pois deve ser isenta e imparcial; a balança, pois deve ter discernimento para avaliar as provas apresentadas; a espada, para exercer o poder de decisão. – Da Wikipédia

Justiça anula composição de comissão que vai analisar pedido de impeachment de Arruda

Luana Lourenço – Repórter da Agência Brasil

Brasília – A decisão judicial que afastou oito deputados distritais e dois suplentes da análise dos processos envolvendo o suposto esquema de corrupção no Distrito Federal prevê também a anulação da eleição da atual composição da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Legislativa.

Na decisão, o juiz Vinícius Silva, da 7ª Vara de Fazenda Pública do DF, reconhece como inválido todo ato deliberativo relacionado às denúncias em que “houve interferência e cômputo do voto dos deputados ora afastados”.

No dia 11 de janeiro, foi realizada eleição da CCJ, que vai analisar os processos de impeachment do governador José Roberto Arruda (sem partido). Uma dos integrantes escolhidas foi a deputada Eurides Brito (PDMB), suspeita de participar do esquema e flagrada em vídeo colocando na bolsa maços de dinheiro que recebera do ex-secretario de Relações Institucionais do governo do DF Durval Barbosa, autor das denúncias contra o governador e parlamentares.

Eurides presidiu a primeira reunião da comissão. Líder do governo na Câmara, a deputada é acusada de receber R$ 30 mil mensais em troca de apoio político-partidário a Arruda.

“Tendo em vista a nulidade absoluta das deliberações levadas a efeito na convocação extraordinária do dia 11 de janeiro de 2010, por contar com votos e composição da CCJ por deputados supostamente envolvidos nos fatos a serem apurados, tal pronunciamento de nulidade urge, a fim de evitar deliberações inócuas e maior prejuízo à moralidade e erário público, uma vez que todo o restante do procedimento estaria contaminado pelo vício inicial, impossível de ser convalidado”, afirma o juiz, em seu despacho.

O presidente da CCJ é o deputado Geraldo Naves (DEM) e o vice Dr. Charles (PTB), ambos aliados de Arruda. A relatoria ficou com Batista das Cooperativas (PRP), também da base governista. Outro integrante é o petista Chico Leite, único representante da oposição no colegiado.

Eurides Brito é a única dos deputados afastados indicada para comissões que analisarão os processos de impeachment de Arruda. Porém, os outros parlamentares poderiam participar das deliberações em plenário.

Os outros deputados afastados são: Aylton Gomes (PR), Benedito Domingos (PP), Benício Tavares (PMDB), Júnior Brunelli (PSC), Leonardo Prudente (sem partido), Rogério Ulisses (sem partido), Rôney Nemer (PMDB) e os suplentes Berinaldo Pontes (PP) e Pedro do Ovo (PRP) – todos suspeitos de envolvimento no esquema e citados no inquérito da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, em andamento no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O juiz Vinícius Silva determinou a convocação imediata dos suplentes dos distritais afastados para atuarem exclusivamente na análise dos processos de impeachment. Se a decisão for descumprida, o magistrado fixou multa diária de R$ 500 mil, contado a partir do quinto dia depois da intimação oficial.

Posted in Aylton Gomes, Benício Tavares, Benedito Domingos, Berinaldo Pontes, Eurides Brito, José Roberto Arruda, Leonardo Prudente, Mensalão DEM, Operação Caixa de Pandora, Pandorama, Pedro Marcos Dias - Pedro do Ovo, Rôney Nemer, Rogério Ulisses | 4 Comments »

Tirando as raposas do galinheiro

Posted by Pax em 20/01/2010

Enquanto o STF parece uma tartaruga para julgar a constituicionalidade da lei orgânida do Distrito Federal no caso de José Roberto Arruda, o Tribunal de Justiça limpa o galinheiro.

Justiça afasta deputados suspeitos de processo de impeachment de Arruda

Luana Lourenço – Repórter da Agência Brasil

Brasília – O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) determinou hoje (20) que sejam afastados do trabalho de análise dos pedidos de impeachment do governador José Roberto Arruda os deputados distritais e suplentes acusados de envolvimento em um suposto esquema de corrupção no DF

O juiz Vinícius Santos Silva argumenta que, por serem alvo da investigação, os deputados Aylton Gomes, Benedito Domingos, Benício Tavares, Eurides Brito, Júnior Brunelli, Leonardo Prudente, Rogério Ulisses e Roney Nemer e os suplentes Berinaldo Pontes e Pedro do Ovo não podem participar da apuração das denúncias, nem julgar os pedidos de afastamento do governador.

“Um investigado não pode apurar fatos que estejam correlacionados com a suposta prática em que esteja supostamente envolvido”, diz o juiz na decisão.

Para substituir os deputados afastados pelo processo, o juiz Vinícius Silva determina a imediata convocação de suplentes – que não estejam envolvidos no esquema – “para que atuem exclusivamente no processamento e votação de toda e qualquer atividade vinculada ao processo de impeachment”.

A decisão prevê multa diária de R$ 500 mil em caso de descumprimento, contados a partir do quinto dia após a intimação oficial.

Posted in Aylton Gomes, Benício Tavares, Benedito Domingos, Berinaldo Pontes, Eurides Brito, José Roberto Arruda, Leonardo Prudente, Mensalão DEM, Operação Caixa de Pandora, Pandorama, Pedro Marcos Dias - Pedro do Ovo, Rôney Nemer, Rogério Ulisses | 3 Comments »

Caixa de Pandora: pessoas, partidos e empresas acusadas

Posted by Pax em 02/12/2009

Saiba quem são as pessoas, partidos e empresas acusadas de participar de esquema no DF
Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil

Brasília – Nos depoimentos que prestou aos promotores de Justiça Sérgio Bruno Cabral Fernandes e Clayton da Silva Germano, do Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) e Territórios, o ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, acusa mais de 30 pessoas e várias empresas de participarem do esquema de desvio e distribuição de recursos públicos à base aliada do governador José Roberto Arruda (DEM).

Brasília - O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, fala com jornalistas sobre as denúncias de suposto esquema de corrupção no seu governo Foto: Valter Campanato/ABr Brasília – O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, fala com jornalistas sobre as denúncias de suposto esquema de corrupção no seu governo Foto: Valter Campanato/ABr



Alegando temer ser apontado como chefe do esquema criminoso comandado, segundo ele, pelo próprio governador, Barbosa entregou aos promotores 30 fitas de vídeo que gravou enquanto negociava ou distribuía aos destinatários, supostamente indicados por Arruda, parte da propina paga por empresas que prestavam serviços ao governo do Distrito Federal. Entre as empresas citadas, estão a Combral, do secretário de governo José Humberto, a Info Educacional, a Vertax, a Adler, a Linknet, o Grupo TBA, entre outras.

Além disso, Barbosa entregou aos investigadores uma quantidade de documentos que reforçariam suas acusações contra o governador, seu vice, Paulo Octávio (DEM), secretários de governo, deputados distritais, integrantes da equipe de governo, um conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal e várias outras pessoas, entre elas o filho de Arruda, Marcos Sant’anna Arruda, apontado como um dos sócios de uma empresa contratada pela Codeplan na época em que esta era presidida por Barbosa, já então um aliado político de Arruda.

Abaixo, a Agência Brasil elenca alguns dos nomes apontados por Barbosa, que, pela gravidade das acusações, teve que ser colocado no Programa de Proteção à Testemunha. Por meio de sua assessoria, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) destacou que todos os citados estão sendo investigados, mas que, até o momento, ninguém foi indiciado e que ainda não há elementos conclusivos sobre a eventual participação de qualquer um deles no suposto esquema. Arruda não está na lista, porque já é o principal acusado por Barbosa.

Adalberto Monteiro – presidente do Partido Republicano Progressista (PRP) no Distrito Federal, teria, segundo Barbosa, recebido R$ 200 mil para que seu partido aderisse à coligação de Arruda. O dinheiro, segundo Barbosa, teria vindo dos recursos desviados de contratos de prestação de serviço na área de informática.

Alcir Collaço - dono do jornal Tribuna do Brasil, foi gravado guardando dinheiro na cueca. A reportagem não localizou nos depoimentos de Barbosa ao MPDFT mais informações sobre a participação do empresário no esquema.

Benedito Domingos – deputado distrital e presidente regional do Partido Progressista (PP), é acusado de ter recebido cerca de R$ 6 milhões para aderir à coligação de Arruda

Cristina Boner – empresária do ramo de informática é dona do grupo TBA, que, conforme o inquérito, conseguiu um contrato de prestação de serviços com o GDF por ter doado R$ 1 milhão à campanha de Arruda. O contrato, classificado como emergencial, previa a prestação de serviços ao programa Na Hora e era gerenciado pelo subsecretário de Justiça e Cidadania, Luiz França, gravado recebendo dinheiro de Barbosa.

Divino Omar Nascimento – presidente do Partido Trabalhista Cristão (PTC) no Distrito Federal, é acusado de ter recebido R$ 100 mil para aderir à coligação de Arruda quando este disputava o governo local, em 2006.

Domingos Lamóglia - ex-chefe de gabinete de Arruda na Câmara dos Deputados, atualmente ocupa o cargo de conselheiro de Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF), para o qual foi indicado pelo próprio governador. Junto com Omézio, assessor de imprensa do governo, era, segundo Barbosa, o representante de Arruda durante a campanha de 2006, ou seja, quem dizia o quanto era necessário levantar em dinheiro. Barbosa também acusa Lamóglia e o secretário de Governo, José Humberto, de serem os destinatários do dinheiro por ele coletado em nome de Arruda. Barbosa garante, no depoimento ao MPDFT, ter entregue “lotes de R$ 1 nilhão” a Lamóglia várias vezes.

Eurides Brito – líder do governo na Câmera Legislativa, a deputada distrital (PMDB) é acusada de receber R$ 30 mil mensais em troca do apoio político-partidário ao governo Arruda. Foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ e aparece em vídeo enchendo sua bolsa com dinheiro entregue por Barbosa.

Fábio Simão – ex-chefe de gabinete da Governadoria, é apontado por Barbosa como o responsável por “gerenciar os contratos de terceirização de serviços do GDF”, cabendo-lhe “arrecadar dinheiro de propina dessas empresas e repassá-lo a quem Arruda determinasse. Foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ e afastado do cargo no último dia 27.

Fernando Antunes – presidente regional do PPS e secretário-adjunto da Secretaria de Saúde, seria, segundo Barbosa, a pessoa autorizada pelo secretário de Saúde, Augusto Carvalho, a negociar o pagamentos de propinas em troca da assinatura de contratos com empresas privadas.

Gilberto Lucena – dono da Linknet, empresa que tem contrato com o GDF, aparece em vídeo reclamando do valor de dinheiro exigido por integrantes do governo, do qual, segundo ele, não estariam sendo deduzidos as quantias pagas a título de adiantamento para o vice-governador, Paulo Octávio; o secretário de Ordem Pública, Roberto Giffoni e o secretário de Planejamento, Ricardo Pena.

João Luiz – médico e atual subsecretário de Recursos Humanos da Secretaria de Saúde do DF, aparece em um vídeo recebendo cerca de R$ 20 mil relativos a um contrato assinado entre a secretaria e a empresa Unirepro, para serviços de impressão, reprografia e gráfica.

José Celso Gontijo – Ou “Zé Pequeno”, como o chama Barbosa no vídeo em que o dono da construtora JC Gontijo Engenharia aparece entregando ao ex-secretários dois pacotes contendo, supostamente, dinheiro. A empresa de Gontijo foi a responsável pela construção da Ponte JK, concluída durante o governo de Joaquim Roriz (então no PMDB, hoje no PSC), obra que o Ministério Público acusou de ter sido superfaturada. Atualmente, a empresa toca a construção da nova rodoviária, inicialmente orçada em R$ 47 milhões.

José Geraldo Maciel – ex-chefe da Casa Civil, teria sido encarregado de, entre outras coisas, pagar aproximadamente R$ 400 mil mensais a alguns deputados distritais da base aliada pelo apoio ao governo Arruda. Um dos alvos dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ. Foi afastado do cargo no último dia 27.

José Humberto – homem de confiança de Arruda, o secretário de governo seria um dos responsáveis por receber o dinheiro recolhido por Barbosa, que garante ter entregue pessoalmente a Humberto “lotes de R$ 1 milhão” em pelo menos duas ocasiões, além de ter deixado iguais montantes na empresa do secretário, a Combral, em pelo menos outras duas ocasiões. A Combral foi alvo dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ.

José Luiz Valente – ex-secretário de Educação, é acusado de ter recebido R$ 60 mil da Info Educacional, empresa contratada para prestar serviços ao GDF. Foi afastado do cargo no último dia 27.

José Luiz Vieira Naves – secretário de Planejamento na gestão de Maria Abadia e hoje presidente da Companhia Habitacional do Distrito Federal, aparece em dois vídeos recebendo valores não declarados “por facilitar a liberação de recursos orçamentários de interesse de Arruda quando este ainda era candidato ao governo do DF.

Júnior Brunelli – deputado distrital (PSC) e atual corregedor da Câmara Legislativa, é acusado de receber R$ 30 mil mensais em troca de apoio político ao governo Arruda. Aparece em vídeos recebendo dinheiro e rezando junto ao também deputado Leonardo Prudente (DEM) e Durval Barbosa.

Leonardo Prudente – deputado distrital (DEM), atual presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, aparece em dois diferentes vídeos recebendo dinheiro. Em um deles, de 2006, é flagrado guardando “cerca de R$ 25 mil” em bolsos do paletó, da camisa e até na meia. De acordo com Barbosa, recebia R$ 50 mil mensais do esquema e mantinha parentes e pessoas próximas em cargos estratégicos que lhes permitiam desviar dinheiro de órgãos como o Detran-DF, extorquindo empresários que disputavam licitações. Foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ e, no último dia 30, admitiu ter recebido dinheiro para sua campanha e não tê-lo declarado à Justiça Eleitoral.

Luiz França – subsecretário de Justiça e Cidadania, aparece em vídeo recebendo dinheiro de Barbosa. França seria responsável pelos contratos de gestão Na Hora Fixo e Na Hora Móvel

Márcio Machado – Atual secretário de Obras, é presidente do PSDB no Distrito Federal. Barbosa afirma que ele esteve em sua sala e até mesmo em sua casa a fim de negociar a liberação de “dinheiro para saldar compromissos assumidos com os políticos coligados”. Ao MPDFT, Barbosa diz que Machado teria negociado o pagamento de R$ 6 milhões para o deputado Benedito Domingos (PP), além de R$ 200 mil para Adalberto Monteiro, presidente local do PRP e de R$ 100 mil para Omar Nascimento, que comanda o diretório regional do PTC.

Marcelo Carvalho – diretor do grupo empresarial Paulo Octávio. Segundo Barbosa, Carvalho foi diversas vezes ao seu escritório a fim de recolher o dinheiro arrecadado das empresas de informática, cujo percentual da equipe de Paulo Octávio era de 30%. “Marcelo foi um dos responsáveis pela distribuição dos valores arrecadados para pagamento dos deputados distritais da base do governo por conta da aprovação do Plano Diretor de Ordenamento Territorial do DF, arrecadado entre empresas que se beneficiaram da aprovação do plano”, afirma Barbosa em depoimento ao MPDFT.

Nerci Soares Bussamra – diretora comercial da Uni Repro Serviços Tecnológicos, foi gravada quando entregava a Barbosa uma sacola com dinheiro. No vídeo, Nerci acusa o PPS de chantageá-la e cobrar propina para manter um contrato da Secretaria de Saúde, comandada pelo deputado Augusto Carvalho, filiado ao partido. Ainda segundo o diálogo gravado, parte do dinheiro teria sido destinada ao presidente da legenda, o ex-deputado Roberto Freire (SP), que já anunciou a intenção de processar Nerci.

Odilon Aires – Ex-deputado distrital pelo PMDB e atual presidente do Instituto de Atendimento à Saúde do Servidor do Distrito Federal (DF), aparece em um vídeo recebendo dinheiro de Durval Barbosa, que o acusa de receber R$ 30 mil mensais do esquema.

Omézio Pontes – assessor de comunicação e “homem de confiança” de Arruda, afastado do cargo na última sexta-feira. Junto com Domingos Lamóglia, representante de Arruda durante a campanha de 2006. Aparece em pelo menos dois vídeos recebendo, segundo o depoimento de Barbosa, “mais de R$ 100 mil” da primeira vez e R$ 100 mil da segunda, esta junto com Domingos Lamóglia. Um dos alvos dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ. Foi afastado do cargo no último dia 27.

Orlando José Pontes – Ao lado de seu irmão, Omézio Pontes, e do filho do governador José Roberto Arruda, Marcos Sant´anna Arruda, era dono da empresa de comunicação e marketing Notabilis quando esta passou a prestar serviços à Codeplan, então presidida por Durval Barbosa. Em dezembro de 2005, próximo a posse de Arruda, Omézio e Marcos deixam a sociedade da empresa, que passa as mãos de Orlando e do novo sócio, Milton Dias Guimarães.

Paulo Octávio – vice-governador do Distrito Federal e presidente regional do Democrata, é citado por Barbosa como beneficiário da partilha das propinas pagas por empresas que prestam serviços ao GDF. Empresário do ramo da construção civil, é um dos homens mais ricos do Distrito Federal.

Paulo Pestana – assessor da secretaria de Comunicação Social do GDF, aparece em um vídeo recebendo R$ 10 mil. Segundo ele, o dinheiro era o pagamento por ter “assessorado Arruda”.

Paulo Roberto – diretor do DFTrans, aparece em vídeo recebendo supostos R$ 20 mil de propina, obtidos graças aos contratos para prestação de serviços de informática no departamento.

Paulo Roxo – apontado como outro dos captadores de recursos para Arruda, exigindo propina das empresas interessadas em contratos de prestação de serviços ao GDF. Um irmão seu chegou a ocupar um cargo na diretoria do Banco de Brasília (BRB) – “um dos setores do governo mais cooptados pela corrupção”, mas foi afastado “porque estava extrapolando nas negociatas”.

Pedro Marcos Dias (Pedro do Ovo) – suplente de deputado distrital (PRP), é outro dos acusados a receber propina em troca de apoio político ao governo Arruda. Foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ.

René Abujalski – citado como dono da empresa Nova Fase. Barbosa diz que Arruda o apresentou a Abujalski  antes mesmo de ter sido eleito governador, com a recomendação de que a Nova Fase fosse contratada para prestar serviços à Secretaria de Previdência Social. Dois contratos teriam sido assinados, totalizando a soma de R$ 27 milhões. Em seu depoimento, Barbosa diz suspeitar que Arruda seja o verdadeiro dono da Nova Fase.

Roberto Giffoni – secretário de Ordem Pública, é mencionado pelo empresário Gilberto Lucena, dono da Linknet, como tendo recebido “pedágio” de R$ 280 mil para que o GDF reconhecesse e saldasse dívidas com a empresa.

Rogério Ulisses – deputado distrital (PSB), presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Legislativa, é acusado de receber dinheiro do esquema ilegal. Foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ.

Ricardo Pena – Secretário de Planejamento, seria dono da empresa Soma, contratada para prestar serviços de pesquisa de opinião para o governo.

Posted in Adalberto Monteiro, Adler, Alcir Collaço, Augusto Carvalho, Banco de Brasília - BRB, Benedito Domingos, Câmara Legislativa do Distrito Federal, Codeplan, Combral, Cristina Boner, DEM, DFTrans, Divino Omar Nascimento, Domingos Lamoglia, Durval Barbosa, Eurides Brito, Fábio Simão, Fernando Antunes, Gilberto Lucena, Grupo TBA, Info Educacional, Instituto de Atendimento à Saúde do Servidor do Distrito Federal, Júnior Brunelli, JC Gontijo Engenharia, Joaquim Roriz, João Luiz, José Celso Gontijo – Zé Pequeno, José Geraldo Maciel, José Humberto, José Luiz Valente, José Luiz Vieira Naves, José Roberto Arruda, Leonardo Prudente, Linknet, Luiz França, Marcelo Carvalho, Marcos Sant'anna Arruda, Márcio Machado, Na Hora Fixo, Na Hora Móvel, Nerci Soares Bussamra, Notabilis, Nova Fase, Odilon Aires, Omézio Pontes, Operação Caixa de Pandora, Orlando José Pontes, Paulo Octávio, Paulo Pestana, Paulo Roberto, Paulo Roxo, Pedro Marcos Dias - Pedro do Ovo, PMDB, PP, PPS, PRP, PSB, PSDB, PTC, René Abujalski, Ricardo Pena, Roberto Giffoni, Rogério Ulisses, Soma, Tribuna do Brasil, Tribunal de Contas - DF, Uni Repro Serviços Tecnológicos, Vertax | 1 Comment »

Crise entre DEM e PSDB

Posted by Pax em 02/12/2009

O DEM recentemente pressionou o PSDB a definir seu candidato à presidência. José Serra queria esperar. Talvez tivesse razões que nem ele mesmo supunha.

O PSDB abandonou o DEM em Brasília, mas o DEM não abandonou o PSDB no Rio Grande do Sul, no caso da governadora Yeda Crusius.

Yeda, Arruda e Azeredo fazem a festa da situação. Mas é uma festa que pode acabar em mais tristezas que alegrias. Os casos de corrupção da oposição acabam por lembrar dos casos de corrupção da situação. Não só na lembrança do povo, mas como arma de defesa.

Brasília - O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, fala com jornalistas sobre as denúncias de suposto esquema de corrupção no seu governo Foto: Valter Campanato/ABr Brasília – O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, fala com jornalistas sobre as denúncias de suposto esquema de corrupção no seu governo Foto: Valter Campanato/ABr

Tucanoduto para segundo mandato lembra Valerioduto do Azeredo, que lembra agora o Mensalão do DEM mas que acaba por lembrar do Mensalão do PT e assim as associações se fazem mais cedo ou mais tarde. E basta que um dos operadores ou envolvido resolva contar o que sabe, seja por delação premiada ou por qualquer outro motivo, que as bombas voltam a explodir.

As eleições de 2010 estão definitivamente fadadas ao “meu corrupto é melhor que o teu”.

Se nada mais acontecer até outubro de 2010, o que é praticamente impossível, hoje a situação, mesmo com calças curtas, pode comemorar.

Uma pena que tudo acaba em pizza e o projeto de Lei Ficha Limpa não sai do lugar. A tal apatia da sociedade não faz qualquer pressão significativa no Congresso. Basta ver que é pauta de rodapé nos principais meios de comunicação.

Denúncias contra Arruda desencadeiam crise entre DEM e PSDB

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil

Brasília – As denúncias contra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), que segundo inquérito da Polícia Federal seria o chefe de um esquema de pagamento de mesada a deputados distritais e assessores, podem ter abalado a relação entre DEM e PSDB, os dois principais partidos de oposição ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na tarde de hoje (1°), após reunião da direção nacional do PSDB, o presidente tucano, senador Sérgio Guerra (PE), classificou as acusações contra Arruda de gravíssimas e determinou o desligamento de todos os tucanos do governo do democrata.

Um pouco mais tarde, o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), disse que se crises como a enfrentada atualmente pelo DEM fossem motivos para impedir candidaturas, o PSDB não poderia lançar candidato à Presidência da República no ano que vem.

Questionado se o escândalo envolvendo Arruda poderia prejudicar a aliança entre tucanos e democratas, Maia tentou minimizar eventuais desgastes. No entanto, comparou a crise no DF com a vivida pela governadora Yeda Crusius (PSDB) no Rio Grande do Sul.

Para Maia, falar em sucessão presidencial neste momento é “misturar assuntos”. “Não sei quem entrou nessa tese da discussão de chapa presidencial. Da mesma forma que a direção nacional do Democratas foi solidária com a crise que passa até hoje o PSDB no Rio Grande do Sul, não entendo porque alguns tentam misturar temas”, disse o presidente do DEM.

“Vamos julgar o governador Arruda nesse plenário, nessa executiva e não estamos tratando, nesse momento de eleição, até porque, se crises como essa fossem impeditivos de alguma coisa, talvez, o PSDB, se fosse o caso, não poderia ter candidato próprio para presidente. Crises, infelizmente, acontecem”, argumentou Maia.

Leia também – Agência Brasil:
Decisão sobre punição a Arruda provoca racha no DEM
Presidente da Câmara Legislativa do DF pediu afastamento do cargo

Leia também – Folha de São Paulo
Ah, se meu panetone falasse…

Atualização: Este assunto tende a nos deixar em looping, como numa lemniscata, e acabo de me lembrar: o PT não abandonou José Sarney nos escândalos do Senado com contratação e loteamento de cargos e favores para apaniguados. Mas o PMDB não é lá tão fiel assim nos estados. Basta ver o recente lançamento da pré-candidatura à presidência de Roberto Requião, governador do Paraná pelo PMDB.

Atualização2: Leia no R7
Chapa “puro-sangue” do PSDB ganha força com escândalo do DEM no Distrito Federal

Atualização3: Leia no Terra Magazine
“Isto aqui não é a Santa Inquisição”, diz ACM Neto

Atualização4: Veja a charge do Nani – dica do blog Pena de Morte Política para…
O meu mensalão é tão grande quanto o de vocês

Atualização5: Os nomes da Operação Caixa de Pandora na Agência Brasil
Saiba quem são as pessoas, partidos e empresas acusadas de participar de esquema no DF

Atualização6 em 03/12: PSDB discute chapa puro-sangue, no Estadão
No PSDB, aumenta pressão por ”chapa puro-sangue”

Posted in Adalberto Monteiro, Alcir Collaço, Benedito Domingos, Cristina Boner, DEM, Divino Omar Nascimento, Domingos Lamoglia, Eurides Brito, Fábio Simão, Fernando Antunes, Gilberto Lucena, Júnior Brunelli, João Luiz, José Celso Gontijo - Zé Pequeno, José Geraldo Maciel, José Humberto, José Luiz Valente, José Luiz Vieira Naves, José Roberto Arruda, Leonardo Prudente, Luiz França, Marcelo Carvalho, Márcio Machado, Nerci Soares Bussamra, Odilon Aires, Omézio Pontes, Operação Caixa de Pandora, Orlando José Pontes, Pandorama, Paulo Octávio, Paulo Pestana, Paulo Roberto, Paulo Roxo, Pedro Marcos Dias - Pedro do Ovo, René Abujalski, Ricardo Pena, Roberto Giffoni, Rogério Ulisses | 6 Comments »

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 37 outros seguidores