políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Serra volta a subir

Posted by Pax em 27/03/2010

Última pesquisa Datafolha realizada dias 25 e 26 deste mês mostra que a candidatura de Serra inverte tendência de queda e volta a subir.

  • Serra tinha em dezembro de 2010 tinha 37% das intenções de voto, em fevereiro caiu para 32 e agora volta a ter 36.
  • Dilma tinha em dezembro de 2010 tinha 18%, em fevereiro passou a 28 e agora cai um ponto e está com 27.
  • Ciro cai constantemente. Em dezembro tinha 13%, em fevereiro passou para 12 e agora aparece com 11.
  • Marina estagnada em 8% nas três pesquisas. (*)

Segundo os dados da Datafolha destas três últimas pesquisas teremos uma disputa acirrada entre as principais forças políticas da situação e da oposição. Diferente de um quadro que vinha sendo comemorado pela situação que dava a candidatura de Serra fadada ao fracasso tendo em vista a subida vertiginosa de Dilma e a consistente tendência de queda de Serra que agora se altera.

Este mês Lula foi multado duas vezes pelo TSE por propaganda antecipada na campanha eleitoral e o TRE de SP mandou retirar propagandas irregulares de Serra e Dilma veiculadas. Caso a Justiça Eleitoral continue agindo na tentatida de aplicar corretamente as leis vigentes, quem tende a sofrer impacto mais significativo nestas decisões será Dilma ao perder o maior cabo eleitoral brasileiro, Lula, um presidente com 83% de aprovação popular.

(*) Dados da coleção de pesquisas eleitoras do jornalista Fernando Rodrigues, do UOL – Disponíveis aqui neste link.

Anúncios

56 Respostas to “Serra volta a subir”

  1. Olá!

    Vamos esperar para ver o proselitismo petista de alguns comentaristas daqui do site. Nos locais dos subterrâneos do jornalismo, já há pessoas desqualificando o instituto de pesquisa DataFolha, dizendo que pertence ao tal do partido da imprensa golpista, que a pesquisa não possui validade e coisas desse gênero. Vale fazer uma pergunta aqui: Se essa mesma pesquisa mostrasse o crescimento de Dilma Rousseff, haveria a mesma reação dessa gente?

    É engraçado que o mesmo instituto de pesquisa, que há aproximadamente um mês atrás mostrava uma vantagem de 4 pontos a favor de Serra e o crescimento de Dilma Rousseff, seja, agora, rotulado como golpista e coisas tais. Quando essa pesquisa de Fevereiro foi publicada, os petistas e seus cabos eleitorais comemoraram. Por quê, agora, o DataFolha é golpista e a pesquisa não tem qualidade?

    Antes que o Pax desentenda as palavras acima: Não estou dizendo que você fez qualquer uma das declarações acima. Elas são apenas observações pessoais.

    Mas, enfim, vamos esperar para ler afirmações como esta:

    Nesse andar da carroça, até final de março a Dilma ultrapassa o Serra.

    Até!

    Marcelo

  2. Zatonio Lahud said

    Pax,
    a campanha ainda nem começou-a não ser a da Dilma, e já havia gente descartando o Serra: quem tem 30 ou 35% de intenção de votos não pode ser descartado. Como disse aqui outro dia, ele pode pagar para ver até onde Lula consegue transferir seus votos para Dilma- que na primeira queda encontrará forte resistência no próprio PT, já que foi enfiada goela abaixo do partido por Lula. A própria Marina tem espaço para crescer…é muito cedo ainda, mas te

  3. Zatonio Lahud said

    Pax,
    a campanha ainda nem começou-a não ser a da Dilma, e já havia gente descartando o Serra: quem tem 30 ou 35% de intenção de votos não pode ser descartado. Como disse aqui outro dia, ele pode pagar para ver até onde Lula consegue transferir seus votos para Dilma- que na primeira queda encontrará forte resistência no próprio PT, já que foi enfiada goela abaixo do partido por Lula. A própria Marina tem espaço para crescer…é muito cedo ainda, mas tenho impressão que o PT ainda criará problemas com a Dilma. Aguardemos.

  4. Pax said

    Marcelo Augusto,

    Quando escrevi a frase que você trouxe de volta “Nesse andar da carroça, até final de março a Dilma ultrapassa o Serra.“ a tendência era exatamente esta. Em dois meses Serra tinha caído 5 pontos e Dilma subido 10. Se a tendência continuasse, pela pesquisa Datafolha, no mês seguinte, só olhando as curvas, Dilma teria subido mais 5 pontos e Serra caído mais 2,5. E aí a frase se aplicaria completamente. Repito, a frase era, no meu entender, absolutamente correta se olhássemos somente a tendência que foi o que fiz. Seria algo como prever que Ciro em abril tende a aparecer com 10 ou um pouco mais, pois vem caindo com consistência. Ou tambám afirmar que Marina, pelas tendências das curvas, deve aparecer em abril com, de novo, 8%.

    Zantonio,

    Concordo com você em partes. Vamos lá: sim, Dilma já afirma que é pré-candidata faz um bom tempo, desde quando Lula decidiu e o PT aceitou, ou engoliu. E eles vêm fazendo campanha mesmo. Tanto que foram multados. Mas dizer que Serra não vem fazendo campanha, com propaganda atrás de propaganda, falando da Sabesp em Natal como um bom exemplo, não me parece uma afirmação completamente correta. Posso até entender que você esteja falando que não era uma campanha completamente declarada, que o PSDB ainda não tinha se posicionado, que ainda havia (ou há?) perspectiva de Serra desistir e entrar Aécio etc. Mas campanha já há faz um tempo. O mesmo acontece para Ciro e Marina, dois que assumem suas pré-candidaturas e fazem o que podem para divulgar seus nomes e ideias, nas brechas que a lei permite.

    Se você quiser chamar a atenção que a máquina do governo é muito maior e mais poderosa e que faz “mais” campanha eu entendo e concordo. Ainda mais com a facilidade que é para Lula falar e pedir voto, tento tanta aprovação nacional. Assim é, foi e será. Se agora está mais ou menos que no governo anterior não sei avaliar. Mesmo porque, que me lembre, FHC não teve tão alto índice de aceitação quanto Lula está tendo, sem querer aqui entrar em análise mais profunda deste tema para não alongar demais.

    Quanto ao teu ponto de quem tem 30 ou 35% não poder ser descartado concordo completamente. É uma mensagem que deve ser dita para aqueles que ensaiavam colocar sapatos altos para entrar em campo. Eu mesmo cheguei a pensar que no andar anterior da carruagem as coisas estavam muito ruins para Serra. Com essa pesquisa de agora, quando mal o candidato do PSDB anunciou num programa do SBT que é candidato os números já mostram uma inversão da tendência anterior que era forte na subida de Dilma, então há indícios que as coisas não necessariamente serão um passeio para a situação.

  5. Nicolas Arrau said

    Melhor esperar a confirmação de outros institutos de pesquisa.

    Faltou qualquer fato político que implicasse uma melhoria da popularidade do Serra, qualquer coisa que pudesse se sugerir como causa desse aumento.

    Será que foi por que o problema das enchentes em São Paulo foi definitavamente resolvido?

    Ou seria porque os malufistas e demais direitistas truculentos, após o tratamento dispendido pelo governador aos professores paulistas, se identificaram com o Serra em peso?

  6. jorge said

    segundo a folha

    “Um fato a contribuir para Dilma estar agora estacionada na pesquisa é que só 58% dos eleitores sabem que ela é a candidata de Lula; 5% acham que o atual presidente apoia Serra. Esses percentuais pouco se alteraram de dezembro para cá”

    até o dia da eleição, 99% dos eleitores saberão que Dilma é Lula. A vitória é inexorável.
    só para lembrar: em 1998, a folha manipulou a eleição para governador de SP de forma a prejudicar Marta Suplicy e levar Maria Convas, do PSDB ao segundo turno contra Maluf. O PT apoio Covas, apesar da fraude. O caso já foi incorporado a bibliografia política.

  7. Olá!

    “Melhor esperar a confirmação de outros institutos de pesquisa.”

    Engraçado, quando o DataFolha mostrou, há mais ou menos um mês atrás, a subida de Dilma Rousseff, os petistas e simpatizantes não esperaram os outros institutos de pesquisa para comemorar. Alguns chegaram ao ponto de declarar vitória logo no primeiro turno.

    “Faltou qualquer fato político que implicasse uma melhoria da popularidade do Serra, qualquer coisa que pudesse se sugerir como causa desse aumento.”

    Diga apenas um fato político que concorra a favor de Dilma Rousseff. Limitando a definição de fato político, poderia ser dito que uma pessoa que jamais foi eleita para nada e nunca recebeu votos do eleitorado nem sequer poderia requisitar o status de político profissional, daí que seria injusto para os demais (que receberam votos) dar à ela alguma relevância nesses termos, já que Dilma é politicamente/eleitoralmente inexistente. Fato político existe para quem é político eleito pelo voto. (Claro, claro… fato político pode existir para qualquer pessoa.)

    “Será que foi por que o problema das enchentes em São Paulo foi definitavamente resolvido?”

    O problema das enchentes em São Paulo apenas será resolvido quando houver uma política supra-partidária nesse sentido. Os fatos históricos nos mostram o quanto o PT é hostil a adotar um projeto de governo que não seja de sua própria lavra. O Plano Real, a Lei de Responsabilidade Fiscal, os programas de complementação de renda familiar e de distribuição de alimentos estão aí para provar isso.

    “Ou seria porque os malufistas e demais direitistas truculentos, após o tratamento dispendido pelo governador aos professores paulistas, se identificaram com o Serra em peso?”

    Hehehehehehe… um petisto-simpatizante citar o Maluf com o objetivo de atacar o José Serra é por demais engraçado. Em um passado recente, vejam só quem se aliou ao Maluf. Vai ver os malufistas e direitistas truculentos votaram em massa no PT.

    Até!

    Marcelo

  8. Olá!

    “só para lembrar: em 1998, a folha manipulou a eleição para governador de SP de forma a prejudicar Marta Suplicy e levar Maria Convas, do PSDB ao segundo turno contra Maluf. O PT apoio Covas, apesar da fraude. O caso já foi incorporado a bibliografia política.”

    É engraçado que, na mentalidade esquerdista, os fracassos são, freqüentemente, atribuídos a fatores externos e a responsabilidade por eles nunca é coletiva (algo deveras estranho, pois, pelos exemplos que a história nos mostra, os esquerdistas são extremamente coletivistas e tendem a criar, nesse sentido, um sistema interdependente para alcançar os seus objetivos).

    Jorge, na pesquisa do DataFolha feita no final de Fevereiro e que mostrava Dilma Rousseff próxima ao José Serra, você considera que houve manipulações?

    Até!

    Marcelo

  9. Zatonio Lahud said

    O que é ser esquerdista e direitista(nome horroroso) no Brasil: O PT resolveu que o Serra é direita, nunca foi; o PSOL diz que o PT é direita; o PSTU afirma que todos são de direita e eu não entendo nada direito. No Brasil ser de esquerda pressupõe que o cidadão é honesto e tem bom coração; podendo até, alguns, roubarem que estão perdoados…né Zé Dirceu, Delúbio e outros menos votados, como o irmão do Zé Genoíno com uma cueca- muito da vagabunda, recheada de dólares!

    E o mundo mais uma vez se curva perante o Brasil: o presidente do Banco Central do governo esquerdista é ex-presidente do Banco de Boston. Eo vice-presidente da república é um dos maiores empresários do país. Me poupem…

    Ah, e o candidato(a) do ptas eleições foi escolhido(a) democraticamente por uma só pessoa: o Lula. Me poupem…

  10. jorge said

    Marcelo, tenho a impressão que voce, sim, faz parte de “um sistema interdependente para alcançar os seus objetivos” do Zé Serra.

    Marcelo a folha não manipula a pesquisa, ela manipula todo o noticiário para favorecer o zé serra e os tucanos. Há vasta literatura sobre o assunto. Ou voce acha que a ficha da Dilma que ela publicou era verdadeira?

    A manipulação da pesquisa em 1998 é fato comprovado. Curioso como direitistas como voce se negam a assumir suas responsabilidades, sempre atribuindo a um complô de esquerda, a constatação da venalidade dos métodos direitistas.

    Marcelo, em 2006 voce estava convencido que o Alckimin venceria o Lula, não estava? E que o PT iria acabar, não é? Marcelo, voce não estaria em melhor companhia nos blogs da veja? Ou voce está aqui profissionalmente?

  11. Elias said

    “Nesse andar da carroça, até final de março a Dilma ultrapassa o Serra.“

    A frase é minha, e o Pax a comentou dizendo não acreditar que essa ultrapassagem acontecesse, como de fato não aconteceu.

    Mas insisto: seja quem for o candidato do PSDB — Serra, Aécio ou qualquer outro — já dará partida na campanha com, no mínimo, 35% das intenções de voto.

    Já o(a) candidato(a) do PT, qualquer que seja, dá ignição com, no mínimo, 25% e, no máximo, 30%. É, mais ou menos, o tamanho dos simpatizantes do PT.

    Esses simpatizantes não são “voto fechado”. Um grande número deles pulou fora por causa dos acontecimentos de 2005 (mensalão & afins). Mas uma parcela de bom tamanho voltou a apoiar o PT com a justificativa de que “dos males, o menor”.

    O cenário, mais uma vez, será uma eleição pebiscitária e, sendo assim, a disputa será por uma fatia não superior a 20% do eleitorado.

    Acho que Serra não tem discurso nem pique pra ganhar essa fatia. E acho que ele sabe que não tem.

  12. Olá!

    Alguns comentários.

    “Marcelo, tenho a impressão que voce, sim, faz parte de ‘um sistema interdependente para alcançar os seus objetivos’ do Zé Serra.”

    Não sou coletivista, meu caro. Ao contrário: Tenho um profundo apreço pela liberdade e independência de agir. Não devo nada a partido nenhum e nunca me filiei a nenhum deles. Ao contrário de outros comentaristas daqui que fazem parte de agremiações políticas como o PT que é, atualmente, o partido mais corrupto em atividade, além de abrigar forças extremamente retrógradas em seu núcleo. Fora os idiotas úteis da militância.

    Já expliquei aqui no site do nosso colega Pax que não me sinto representado politicamente no cenário brasileiro atual. Ah, sim: O José Serra é de esquerda, inclusive foi perseguido e escapou por pouco de ter sido assassinado pela ditadura do Pinochet. É de deixar estarrecido que os petistas chamem o Serra de “direitista”. Nem ele e nem o PSDB o são.

    “Marcelo a folha não manipula a pesquisa, ela manipula todo o noticiário para favorecer o zé serra e os tucanos. Há vasta literatura sobre o assunto. Ou voce acha que a ficha da Dilma que ela publicou era verdadeira?”

    Esse argumento retórico-falacioso de que a Folha de São Paulo manipulou a última pesquisa DataFolha é por demais tosco e não se sustenta à simples comparação de reações petisto-simpatizantes entre essa pesquisa recente e aquela feita no final de Fevereiro passado. Vale perguntar: Houve manipulações nessa pesquisa de Fevereiro e que foi favorável à Dilma Rousseff?

    Dizer que a Folha de São Paulo manipula o noticiário para favorecer o José Serra é uma tremenda falta de bom senso. Basta ver como as enchentes em São Paulo foram tratadas pela mesma Folha e como as matérias chegavam ao ponto de, praticamente, colocar no José Serra a culpa pelas enchentes.

    Para um petisto-simpatizante será sempre mais retoricamente útil dizer que os grandes veículos de imprensa são serristas, direitistas e coisas tais, pois quando esses mesmos veículos noticiarem algo que é favorável aos petisto-simpatizantes, estes saem lucrando. Mas quando noticiarem algo que os atinja, aí, a “mídia é golpista e está a serviço da direita”.

    “A manipulação da pesquisa em 1998 é fato comprovado. Curioso como direitistas como voce se negam a assumir suas responsabilidades, sempre atribuindo a um complô de esquerda, a constatação da venalidade dos métodos direitistas.”

    Aposto duas jujubas como você utilizou o termo “direitista” no sentido de xingamento. Gostaria de saber a sua definição de direitista. O Vilarnovo fez, há algum tempo atrás e aqui mesmo no site, uma observação muito interessante:

    Freqüentemente, os esquerdistas reservam para si o direito de definir quem é e quem não é de esquerda e de direita, atribuindo à esquerda tudo aquilo que eles vêem como essencialmente bom e à direita tudo o que for de natureza deletéria.

    Não foram com essas palavras, mas penso que a estrutura do argumento é a mesma. Se não for, pode apitar aí Vilarnovo.

    O grupo político que tem por hábito o uso de constructos como complôs, conspirações, armações e coisas tais para justificar o próprio fracasso é a esquerda. Veja os exemplos recentes do Mensalão. Se o Mensalão fosse uma pessoa, pela lógica dos esquerdo-petistas, ele já estaria na qualidade de uma impessoa. Afinal de contas, nunca existiu e foi tudo armação da “mídia golpista”.

    “Marcelo, em 2006 voce estava convencido que o Alckimin venceria o Lula, não estava? E que o PT iria acabar, não é? Marcelo, voce não estaria em melhor companhia nos blogs da veja? Ou voce está aqui profissionalmente?”

    Em 2006 eu estava na universidade estudando. Eu vi como os esquerdistas universitários pintavam o Geraldo Alckmin e como representavam o Lula. Maniqueísmo total. E hoje, o Alckmin tem chances consideráveis de vencer o governo de São Paulo logo no primeiro turno e com uma vitória arrasadora de mais de 50%.

    Em 2006, achava o Geraldo Alckmin um candidato fraco e que seria aniquilado logo no primeiro turno. Mas, para a surpresa geral, o Lula teve que suar a camisa para vencer o Alckmin — aliás, talvez tenha sido por isso que o Lula chamou o Alckmin de troglodita e o responsabilizou pelo nível da disputa entre os dois ter sido baixo.

    Três coisas que o Lula não engoliu até hoje: Ter sido derrotado por um candidato sem sal como Fernando Henrique Cardoso em 1994 e, ainda por cima, no primeiro turno; ter sido derrotado, novamente — pelo mesmo FHC — no primeiro turno, mesmo tendo a favor do candidato petista as crises externas que se iniciaram no ano anterior; ter sido confrontado pelo Alckmin, um candidato mais sem sal do que o próprio FHC e ter suado para vencê-lo. É o que costumo dizer: Se FHC tivesse sido um presidente ruim, ele não teria vencido o Lula duas vezes consecutivas e ainda por cima no primeiro turno.

    Quando ao PT acabar ou não, não seria o caso de tanto radicalismo. Se o PT aceitasse com mais firmeza algumas nuances da esquerda européia, acho que seria um partido bem melhor do que isso que é atualmente. As esquerdas européias não são hostis ao capital e à livre iniciativa como o PT é e não abrigam dentro de suas hostes forças retrógradas como o PT abriga.

    O PT ainda é um partido extremamente dependente do Lula e este sabe disso. Tanto é assim que Lula pode impõr suas vontades goela adentro dos membros do partido — vide o caso da candidatura de Dilma Rousseff. A questão é: O que acontecerá com o PT quando não houver mais Lula?

    “[…] Marcelo, voce não estaria em melhor companhia nos blogs da veja? Ou voce está aqui profissionalmente?”

    Vivemos em um país onde (ainda) é possível fazer escolhas. Se escolho vir até aqui ao site do Pax e comentar sobre o que ele escreve aqui — bem como o que os demais escrevem — é um direito meu de fazer essa escolha. Caso o dono do site considere que minha presença não é bem vinda, então, eu me retiro numa boa.

    Esse seu comentário revela mais uma nuance da estrutura mental esquerdista: A dificuldade de conviver com opiniões dissonantes e a subseqüente iniciativa de eliminar essas opiniões. O atual governo é profissional nisso.

    Ah, sim: Jorge, você não respondeu a pergunta que lhe fiz no comentário anterior.

    Até!

    Marcelo

  13. Olá!

    “‘Nesse andar da carroça, até final de março a Dilma ultrapassa o Serra.’

    A frase é minha, e o Pax a comentou dizendo não acreditar que essa ultrapassagem acontecesse, como de fato não aconteceu.”

    Poxa, Elias, esperava mais proselitismo petisto-simpatizante da sua parte. Esperava ler coisas na mesma veia poética destas aqui:

    “Continuo acreditando que, se Dilma ultrapassar Serra até o final de março, ele pula fora. Vai partir pra uma reeleição, quase certa. Vai tucanear o PSDB, tirando a forra da tucanagem que fizeram com ele em 2006.”

    “Aí o PSDB se enfrangalha de vez. Vai saltar caco de tucano pra tudo que é lado. Serra, como governador de SP, vai juntar esses cacos (os cacos que ele quiser), rearrumar a casa e ficar com um partido inteirinho pra ele.”

    “Em campanha eleitoral tem, ainda, um outro lance: um eleitor que já havia se definido por candidato, e que, por alguma razão, resolve desistir daquele candidato, dificilmente volta atrás.

    “É o que, aparentemente, está acontecendo com o Serra. A candidatura dele está encolhendo. Ele está perdendo eleitores.”

    “Essa perda, geralmente ocorre porque a antiga preferência está sendo transformada em rejeição. Trata-se de voto que ele dificilmente vai recuperar, e que, por isto mesmo, fará uma enorme falta no 2º turno.”

    Ao que parece, esses comentário apenas surgem quando as pesquisas são favoráveis à candidata do PT.

    “Mas insisto: seja quem for o candidato do PSDB — Serra, Aécio ou qualquer outro — já dará partida na campanha com, no mínimo, 35% das intenções de voto.”

    Engraçado, o Aécio Neves, quando era colocado no lugar do José Serra como candidato do PSDB, aparecia com menos de 35% das intenções de voto…

    “Já o(a) candidato(a) do PT, qualquer que seja, dá ignição com, no mínimo, 25% e, no máximo, 30%. É, mais ou menos, o tamanho dos simpatizantes do PT.”

    Sei lá, mas considero essa idéia dos 30% completamente furada.

    “Esses simpatizantes não são ‘voto fechado’. Um grande número deles pulou fora por causa dos acontecimentos de 2005 (mensalão & afins). Mas uma parcela de bom tamanho voltou a apoiar o PT com a justificativa de que ‘dos males, o menor’.”

    Ué, Elias, e toda aquela sua “teoria” de que um eleitor que já havia se definido por candidato, e que, por alguma razão, resolve desistir daquele candidato, dificilmente volta atrás?

    “[…] Um grande número deles pulou fora por causa dos acontecimentos de 2005 (mensalão & afins). Mas uma parcela de bom tamanho voltou a apoiar o PT com a justificativa de que ‘dos males, o menor’

    Eis aí mais uma nuance da estrutura mental esquerdista: A corrupção e pilantragem do partido político que um esquerdista defende/apóia é sempre menor e menos danosa do que a corrupção e pilantragem dos demais partidos — que são, na visão do esquerdista, reacionários, de direita e coisas tais.

    Infelizmente, essa é a nossa esquerda.

    Até!

    Marcelo

  14. Pax said

    Marcelo Augusto e Jorge,

    Caros, eu não tenho nada contra as opiniões contrárias. Exatamente o oposto é o que procuro aqui no blog, ou seja, abrir espaço para que todos tenham voz.

    Existe aqui um único caso que recentemente eu bloquiei, que foi o Chesterton por estar me acusando diariamente de coisas que não sou, como por exemplo filiado a partidos e até de receber pelo que estou fazendo aqui. Não sou filiado e não recebo nada de ninguém, muito menos de partidos. E não aceito acusações do que não sou. Direito meu. Se o Chesterton quiser escrever ele pode, mas, por enquanto, seus comentários são pré-moderados e quando ele deixar de ter um comportamento absoltamente irresponsável, acredito até que por uma infantilização e carência da parte dele, eu tiro os bloqueios que fiz nos seus endereços IPs.

    Já tive meus contratempos com acusações também do Marcelo Augusto, mas acredito que ele tenha entendido minhas reclamações sobre acusações infundadas e entendo que parou com elas. E não tenho nenhuma objeção que faça críticas ao que escrevo, por mais pesadas que possam ser. Desde que não me acuse do que não sou. Vale para qualquer um.

    Onde quero chegar?

    Sim, o espaço é mais interessante se houver vozes de todos os lados. Aqui tem gente dos dois lados e gente que não está em lado algum. Hoje em dia me coloco nessa segunda posição: não estou em lado algum. Mas, com certeza, não sou da opinião de um estado mínimo, ou do que denominamos de liberalismo ou, principalmente, de neoliberalismo, apesar destes conceitos estarem sempre muito vagos. Para não cair neste problema, prefiro definir o que acredito que é que o Estado tem que ser forte, atuante, que deva prover modelos eficientes para Educação, Saúde e Segurança Públicas, mesmo admitindo que o próprio Estado tenha concorrência da iniciativa privada nessas três questões. Mas que todos tenham direito à elas, providos pelo Estado de forma mais que aceitável, ou seja, que sejam serviços com excelência. Em outras áreas? Bem, há algumas, como bancos de fomentos e crédito que também deve atuar e algumas áreas estratégicas. Uma visão bem aprioristica mas que talvez defina um pouco minha posição. A prioria as três áreas, o resto, que se discuta à exaustão para que a sociedade aceite ou rejeite a participação do estado e que, nesta discussão, a propria sociedade se envolva, participe e fiscalize o que foi definido.

    Voltando..

    Minha sugestão é que não partamos para acusações e rotulações agressivas e genéricas. De que vale a pena? Ganhamos na qualidade das discussões? Me parece que não.

    Com relação a imprensa, esta é uma boa questão e sugiro duas visões antagônicas que me parecem boas:

    – É papel da imprensa fiscalizar os governos e poderes públicos. Todos eles. Deve cobrar de todo mundo, perguntar tudo que der na telha e merece respostas, por mais estapafúrdias que sejam suas questõs. Imprensa é um poder e todos devem tê-la como aliada. Ajuda pacas na Democracia.

    – De outro lado existe, sim, a partidarização da imprensa por parte de alguns. E há uma explicação até mais lógica sobre isso. Quando as oposições são fracas, pouco mobilizadas, a tendência da imprensa é se partidarizar mais. Um exemplo? Na ditadura tínhamos isso, a grande maioria da imprensa era absolutamente contrária ao governo e isto era, para quem gosta da democracia, muito bom. Acontece que num processo democratizado essa tendência pode (vejam, pode) não ser tão boa assim. Vejo hoje em dia um pouco dessa constatação. Há um lado da imprensa que se situa na oposição. É um lado claro. E um outro lado que é situacionista, que defende abertamente o governo. Ok, até aí tudo bem. Mas quando ficam antolhados demais, acabam assumindo o papel dos partidos. Num processo democrático me parece que é melhor que os partidos façam o papel dos partidos, não a imprensa, como a gente pode perceber hoje em dia, para os dois lados. Fosse numa ditadura talvez eu não reclamasse tanto, mas num processo democrático não sei, veja, não estou com verdade absoluta nenhuma, mas não sei se é de todo saudável.

    O papel da imprensa, prioritário, é o de informar. O que, quem, quando, onde, como e porquê. Claro que pode opinar. Claro que jornalistas podem ter posição política. Mas se fugirem sempre dos fatos, ou só olharem fatos que forem favoráveis às suas posições políticas, a mim parece que tendem a perder credibilidade.

  15. jorge said

    Marcelo, voce é engraçado. A folha pode ter sim manipulado a pesquisa em que Dilma aparecia perto de Serra – quem sabe ela não o teria ultrapassado, na realidade. Voce inicia seus comentários com jargões – esquerdistas, coletivistas, etc, e reclama de ser designado direitista… é pândego.

    Agora tudo ficou bem claro, voce não é tucano mas admira calorasamente Geraldo Alckim…

    Por fim,

    “Se FHC tivesse sido um presidente ruim, ele não teria vencido o Lula duas vezes consecutivas e ainda por cima no primeiro turno.”

    Bem, Marcelo, o povo brasileiro não concorda com voce, tanto assim que Serra esconde FHC. FHC venceu em 1998 enganando o povo, que estava toda endividado em dólares. Voce lembra o que ocorreu em 1999 com o dólar, Marcelo? Lembra o que FHC fez para que ele não se desvalorizasse em 1998, ano eleitoral? Acho que não, era muito jovem. Recomendo que leia sobre o período.

    Marcelo, voce acusa todos esquerdistas da internet de vendidos ou militantes tolos enganados. Então, Marcelo, me responda, essa tua militância virtual direitista é o que? Por que voce milita na internet, Marcelo? Não devia dedicar seu tempo a ganhar dinheiro e subir na vida? Marcelo, por que voce é militante?

  16. Jorge said

    Marcelo, voce é engraçado. A folha pode ter sim manipulado a pesquisa em que Dilma aparecia perto de Serra – quem sabe ela não o teria ultrapassado, na realidade. Voce inicia seus comentários com jargões – esquerdistas, coletivistas, etc, e reclama de ser designado direitista… é pândego.

    Agora tudo ficou bem claro, voce não é tucano mas admira calorasamente Geraldo Alckim…

    Por fim,

    “Se FHC tivesse sido um presidente ruim, ele não teria vencido o Lula duas vezes consecutivas e ainda por cima no primeiro turno.”

    Bem, Marcelo, o povo brasileiro não concorda com voce, tanto assim que Serra esconde FHC. FHC venceu em 1998 enganando o povo, que estava toda endividado em dólares. Voce lembra o que ocorreu em 1999 com o dólar, Marcelo? Lembra o que FHC fez para que ele não se desvalorizasse em 1998, ano eleitoral? Acho que não, era muito jovem. Recomendo que leia sobre o período. Em 2002 o candidato de fhc perdeu, em 2006 também. Em 2010, ele vai fingir que é o candidato de Lula.

    Marcelo, voce acusa todos esquerdistas da internet de vendidos ou militantes tolos enganados. Então, Marcelo, me responda, essa tua militância virtual direitista é o que? Por que voce milita na internet, Marcelo? Não devia dedicar seu tempo a ganhar dinheiro e subir na vida? Marcelo, por que voce é militante?

  17. Olá!

    Ainda não terminei de ler o último comentário do Pax, mas faço uma pausa para comentar o seguinte:

    “Já tive meus contratempos com acusações também do Marcelo Augusto, mas acredito que ele tenha entendido minhas reclamações sobre acusações infundadas e entendo que parou com elas. E não tenho nenhuma objeção que faça críticas ao que escrevo, por mais pesadas que possam ser. Desde que não me acuse do que não sou. Vale para qualquer um.”

    Pax, acho que não foram bem acusações, mas houve um desentendimento seu em relação ao que escrevi. Não sou de xingar as pessoas e/ou agir nesse sentido. No entanto, aproveito a oportunidade para registrar minhas sinceras desculpas a você. Não era minha intenção ir no sentido da ofensa.

    Se algum outro colega aqui do site se sentir ofendido por algum comentário meu, basta dizer que eu de imediato peço as devidas desculpas e que o comentário seja apagado.

    Até!

    Marcelo

  18. Olá!

    “Marcelo, voce é engraçado. A folha pode ter sim manipulado a pesquisa em que Dilma aparecia perto de Serra – quem sabe ela não o teria ultrapassado, na realidade. Voce inicia seus comentários com jargões – esquerdistas, coletivistas, etc, e reclama de ser designado direitista… é pândego.

    Jorge, não me leve a mal, mas isso que você escreveu é maluquice total. Veja bem, vamos fazer uma diferença aqui: O seu argumento é maluco. Isso não implica dizer que você o seja.

    “Agora tudo ficou bem claro, voce não é tucano mas admira calorasamente Geraldo Alckim…”

    Eu não admiro o Alckmin, Jorge. O que me deixou surpreso foi a dificuldade que o Lula teve para vencê-lo em 2006.

    “Bem, Marcelo, o povo brasileiro não concorda com voce, tanto assim que Serra esconde FHC. FHC venceu em 1998 enganando o povo, que estava toda endividado em dólares. Voce lembra o que ocorreu em 1999 com o dólar, Marcelo? Lembra o que FHC fez para que ele não se desvalorizasse em 1998, ano eleitoral? Acho que não, era muito jovem. Recomendo que leia sobre o período.[…]”

    O que o PSDB fez em 1999, ao desvalorizar a moeda perante o dólar com objetivos eleitorais, foi errado. Fôssemos um país mais sério, isso acarretaria em investigações dos órgãos competentes e cadeia para quem perpetrou essa jogada.

    “Marcelo, voce acusa todos esquerdistas da internet de vendidos ou militantes tolos enganados. […]”

    Isso não é verdade, Jorge. Não acuso os esquerdistas da internet de serem vendidos — quanto à militância, bom, isso está na estrutura fundamental das esquerdas. Há alguns esquerdistas que eu leio, como a esposa do Roberto Romano, a Maria Sylvia de Carvalho Franco.

    “[…] Então, Marcelo, me responda, essa tua militância virtual direitista é o que? Por que voce milita na internet, Marcelo? Não devia dedicar seu tempo a ganhar dinheiro e subir na vida? Marcelo, por que voce é militante?”

    Esse seu argumento é a mais pura loucura. Não sou militante de nenhuma causa e os pontos que defendo seriam extremamente impopulares perante o povo.

    Acho que a militância de internet é mais compatível com blogs e sites amigos do BNDES e do presidente Lula. Acessem os jornais na Internet que permitem comentários nas notícias. Esse espaço de comentários é completamente aparelhado pelos militantes do petismo e suas vertentes virtuais. Defendo que os comentários deveriam ser liberados apenas para quem é assinante do jornal, pois, assim, seria mais justo para ambos os lados saber que quem está comentando é uma pessoa com nome, telefone e endereço e não um pau mandado do sindicato-petismo da Internet.

    Até!

    Marcelo

  19. iconoclasta said

    MA, vc de forma geral é muito bom, surpreendo-me q seja tao jovem e já muito lúcido e atento a detalhes, mas nesta aqui vc escorregou:

    “O que o PSDB fez em 1999, ao desvalorizar a moeda perante o dólar com objetivos eleitorais, foi errado. Fôssemos um país mais sério, isso acarretaria em investigações dos órgãos competentes e cadeia para quem perpetrou essa jogada.”

    não, não foi errado liberar a flutuação da moeda. esta foi exatamente a parte certa e já não tinha objetivo eleitoral algum pois o pleito já havia ocorrido. caro, muito caro, foi dar sustentação a sobrevalorização do real em 98, isto sim, com objetivos eleitorais.

    as investigações aconteceram e de fato houve (e ainda há) detidos, mas a razão foi outra…

    ;^/

  20. vilarnovo said

    Não queria me meter nesse assunto mas vamos lá…

    Tenho dito que só poderemos ter um quadro mais claro a respeito da eleição quando começar os programas eleitorais na TV. Falei isso quando alguns aqui estouravam champagne com a subida da Dilma e falo a mesma coisa agora.

    As “análises” de hoje são baseadas não em fatos, mas principalmente de wishiful thinking de lado a lado e por conta disso não acertam. Ainda está muito no início, muita água vai rolar ainda, mas parecem que já querem decidir a eleição agora por base em pesquisas de opinião.

    Uma coisa, porém, devo dizer: o que se estaria dizendo hoje se a pequisa mostrasse que Dilma poderia vencer no primeiro turno?

    Outro ponto: filhinhos de papai. Ouçam esse jovem velho. PT e PSDB são ideologicamente iguais. Ambos são partidos de esquerda. Um representa a esquerda da FIESP e a outra a esquerda sindical. Cada um com seus objetivos, com seus interesses, mas operacionalmente são ambos de esquerda.

    Marcelo – É isso mesmo. A esquerda desde sempre se julgou proprietária de tudo o que é bom. Achei engraçado outro dia alguém dizendo que “educação sempre foi bandeira da esquerda”.

    Lembro de um filme com o ótimo comediante Chris Rock que ele se candidata a presidente dos EUA em que seus adversários (logicamente caracterizados como republicanos, mesmo de uma forma caricaturata – Hollywood é tão de esquerda quanto os professores da Unicamp) mostravam uma propaganda política na TV que dizia:

    “fulando de tal (não lembro o nome do personagem) não foi à passeata contra o câncer. Fulano de tal é a favor do câncer”.

    A coisa é tão ridícula mas mostra exatamente a meneira de pensar de muitos aqui.
    Não os culpo, afinal de contas primeiramente o que se chama realmente de direita no Brasil é uma porcaria e segundo é porque são anos, décadas de doutrinamento nas escolas, imprensa escrita, televisão, universidades etc e etc…

  21. Olá!

    Ao Iconoclasta:

    “não, não foi errado liberar a flutuação da moeda. esta foi exatamente a parte certa e já não tinha objetivo eleitoral algum pois o pleito já havia ocorrido. caro, muito caro, foi dar sustentação a sobrevalorização do real em 98, isto sim, com objetivos eleitorais.”

    De fato, Iconoclasta, você tem razão. A desvalorização do câmbio foi a medida acertada e errei ao confundir esse mecanismo cambial com a sobrevalorização nos idos de 1998. Não houvesse sido o câmbio desvalorizado, a situação do país teria piorado profundamente.

    Correto, Vilarnovo. Eu concordo com o que você disse e evito fazer estardalhaços com pesquisas do momento — como alguns aqui fizeram na pesquisa DataFolha de Fevereiro passado. Apenas esperava um pouco mais de proselitismo desse pessoal quanto à atual pesquisa que mostra o José Serra nove pontos à frente de Dilma Rousseff.

    “Uma coisa, porém, devo dizer: o que se estaria dizendo hoje se a pequisa mostrasse que Dilma poderia vencer no primeiro turno?”

    O Jorge ou o Elias poderiam responder essa para você.

    “Outro ponto: filhinhos de papai. Ouçam esse jovem velho. PT e PSDB são ideologicamente iguais. Ambos são partidos de esquerda. Um representa a esquerda da FIESP e a outra a esquerda sindical. Cada um com seus objetivos, com seus interesses, mas operacionalmente são ambos de esquerda.”

    Eu concordo, Vilarnovo. O detalhe é que o PSDB é, hoje, um dos poucos partidos que poderiam trazer alguma medida liberalizante para a economia e o único partido que trouxe ao Brasil, após a redemocratização, alguma reforma com envergadura histórica considerável (vide o Plano Real e a Lei de Responsabilidade Fiscal) e que permitiu ao país avançar.

    “Marcelo – É isso mesmo. A esquerda desde sempre se julgou proprietária de tudo o que é bom. Achei engraçado outro dia alguém dizendo que ‘educação sempre foi bandeira da esquerda’.

    Hehehehehe… isso (em negrito) é engraçado mesmo. A educação esquerdista poderia ser considerada como uma Escola Nacional de Formação de Militantes. Estaria a esquerda interessada em uma educação voltada para um processo que gere mais riquezas, sem abandonar, logicamente, a essência da formação educacional?

    Adicione esse aspecto militante da educação brasileira pública ao baixo investimento no mesmo setor e o resultado final é esse desastre que está aí e que fica, frequentemente, nas últimas posições nas avaliações internacionais.

    Eis a esquerda brasileira.

    Até!

    Marcelo

  22. Pax said

    Prezados,

    Porque vocês insistem em esquecer as questões éticas e morais quando elas pegam o lado da oposição?

    Aqui no blog garanto que tudo que aparece vai para os posts, a não ser que o tempo não me permita ou haja alguma distração que vocês sempre me lembram.

    Mas parecem esquecer da aliança do FHC com ACM, da Yeda, do Cássio Cunha Lima, do Azeredo, do Arruda, do Efraim, da Alstom etc etc etc.

    Não lhes parece que, agindo assim, vocês são tais e quais os que vocês acusam aqui de “militantes da esquerda”?

    Por essas e outros que fico com enorme conforto, ao me obrigar a olhar para todos os lados, seja pelas virtudes ou pelas borradas.

  23. Jorge said

    Marcelo, quem começou fazendo estardalhaço com a pesquisa da folha é voce, utilizando-a para atacar gratuitamente os leitores de esquerda do blog. É absurdo, voce faz tudo aquilo que critica. Como não se exerga? Desde usar um palavreado cheio de jargões (direitista, coletivista, pau-mandado etc), até somente ler pessoas que pensam como voce. A esquerda governa o Brasil desde 2002. O ensino público federal melhorou. A direita governa São Paulo desde 1994, o ensino público acabou. Voces não aceitam a realidade. Agora, a esquerda brasileira, cujo maior expoente é o PT, é responsável pelo desastre da educação paulista, obra da direita faz 16 anos. Insano, impossível qualquer discussão racional. Por esse pensamento, todas as conquistas que voces dizem ter existido no governo fhc seriam obras da esquerda, ou, seja, do PT. Insanidade.

  24. Carlão said

    “Por essas e outros que fico com enorme conforto, ao me obrigar a olhar para todos os lados, seja pelas virtudes ou pelas borradas”.
    UAUH!
    Pax acabou de comprar um “time-sharing” no Condomínio da Verdade e agora se candidata, humildemente, a presidente?
    Não. Acho que não, afinal Pax é humilde e sábio e apenas se dedica “a olhar para todos os lados, seja pelas virtudes ou pelas borradas”…
    Nada a ver.
    Mas de qualquer forma, Pax, parabéns por sua declaração de princípios!

    E agora voltemos à “corrupção moral” do que representa lançar um PAC2, em Março de 2010 a ser tocado em 2011, se e quando adotado por um novo presidente.Tudo para dar visibilidade à candidata Dilma.
    PAC2- lançado num evento que gastou muitíssimo dinheiro de nós, cidadãos contribuintes, para fazer “vento politiqueiro”!
    Quem pagou a conta???
    Eu não. Moro no Caribe. Ah foi a viúva né?
    Com a palavra os comentaristas do blog…e é claro o nosso isento “contemplador” de virtudes e borradas, o Pax.
    OFF TOPIC
    Pax aprendi uma coisa interessante hoje: A “Nassifopédia”, onde todo mundo vai corrigindo pouco a pouco,tudo. Desde a realidade e até o que Nassif escreve,ou não. E acrescentando, a cada dia, melhoramentos imperdíveis, na área de comentários. Vá dar uma olhada…é um modelo de negócios interessante e surrealista. Capitalismo de serviços?
    Não, não é …mas parece.
    Ainda bem que aqui neste espaço, isso não acontece.
    Ainda bem.

  25. vilarnovo said

    Jorge – “A esquerda governa o Brasil desde 2002. O ensino público federal melhorou. A direita governa São Paulo desde 1994, o ensino público acabou. Voces não aceitam a realidade. Agora, a esquerda brasileira, cujo maior expoente é o PT, é responsável pelo desastre da educação paulista, obra da direita faz 16 anos. Insano, impossível qualquer discussão racional. Por esse pensamento, todas as conquistas que voces dizem ter existido no governo fhc seriam obras da esquerda, ou, seja, do PT. Insanidade.”

    Realmente cara… bem insano. Totalmente insano. Absurdamente insano.

  26. Olá!

    “Porque vocês insistem em esquecer as questões éticas e morais quando elas pegam o lado da oposição?

    Pax, não sou de fazer rodeios quando vejo um político metido em corrupção. A solução que defendo é bem simples: Cadeia.

    É inédito na história do Brasil o escancaramento dos esquemas de corrupção como ocorreu durante o governo Lula. O Mensalão, o dossiê anti-Serra, o Caseirogate e coisas tais são exemplos disso.

    Diga se houve caso semelhante ao Mensalão durante o governo FHC. Ou, então, se ocorreu de figuras do alto escalão do PSDB comprarem um dossiê para preudicar os seus adversários. Não lembro disso haver acontecido. Corrijam se essa consideração estiver errada.

    O Mensalão é emblemático por ter sido um esquema no qual um dos poderes da república — o executivo — ter utilizado dinheiro para corromper um outro poder — o legislativo. Como construir um país sério através de uma lógica dessas? E o pior é que dinheiro público foi utilizado para tanto.

    O caso do dossiê mostra bem qual é a noção de democracia do PT e de suas figuras do alto escalão. Até hoje não há absoluta certeza de onde veio o dinheiro destinado à compra desse dossiê.

    O Caseirogate é o mais interessante em essência e demonstra algo engraçado/estranho. Nesse caso, a máquina estatal foi mobilizada no sentido de prejudicar um pobre caseiro que apenas relatou aquilo que viu lá na Casa do Lobby. A saber: Reuniões de, novamente, figuraças do PT e de lobbystas, fora as prostitutas que eram contratadas para “animar” o local (suspeito que até as prostitutas esses caras devem pagar com dinheiro público).

    Mobilizar a máquina estatal nesse sentido é uma atitude que vai contra a natureza de um partido que se diz dos trabalhadores, pois o que o Caseirogate revela é exatamente isso: Um partido que se declara dos trabalhadores utilizou mecanismos do maquinário público para prejudicar um pobre trabalhador, um simples caseiro. Isso é hipocrisia, Pax.

    “Mas parecem esquecer da aliança do FHC com ACM, da Yeda, do Cássio Cunha Lima, do Azeredo, do Arruda, do Efraim, da Alstom etc etc etc.”

    As alianças no congresso com as oligarquias nordestinas é o tipo de coisa que apenas o tempo poderá se encarregar de dar um fim, à medida que a qualidade dos políticos dessa região forem melhorando. A aliança entre FHC e ACM é exemplo disso. O detalhe é que dessa aliança saiu a base política para reformas importantes para o Brasil, como a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há dúvidas de que ela também tenha sido usada para abafar CPIs e afins. Infelizmente, é essa a qualidade dos políticos brasileiros e um dos sinais do que é um país construído sem os valores do liberalismo — valores esses que a própria esquerda petista se mostra extremamente hostil.

    Esses outros políticos que você citou devem ser tratados sem rodeios. Investigação e punição para os culpados.

    “Não lhes parece que, agindo assim, vocês são tais e quais os que vocês acusam aqui de ‘militantes da esquerda’?”

    Aí, você é insjusto, Pax. Não vejo, por exemplo, um cara como o Vilarnovo pertencente a nenhum tipo de militância. Só se for a militância da solidão, pois ser um liberal no Brasil é estar diante de um enorme deserto, Pax. E isso se reflete na qualidade de país que o Brasil é.

    Essa militância esquerdista, por exemplo, aparelhou praticamente todos os espaços de comentários e blogs hospedados nos principais veículos de imprensa da Internet brasileira. Você não verá um de nós fazer isso. O seu site é um dos poucos que visito e comento.

    “Por essas e outros que fico com enorme conforto, ao me obrigar a olhar para todos os lados, seja pelas virtudes ou pelas borradas.”

    Bom, Pax, fica meio complicado de ter esse posicionamento quando você escreve coisas como essa aqui.

    Até!

    Marcelo

  27. Pax said

    Marcelo Augusto,

    Vou te fazer um desafio com duas pequenas questões:

    1 – Este blog começou em agosto de 2008. Me aponte algum escândalo envolvendo o PT que não tenha sido catalogado aqui neste blog.

    2 – De outro lado, me aponte algum escândalo do PSDB ou do DEM que você tenha apontado por aqui.

    Se você aceitar e conseguir me provar que você é isento e eu não, aceitarei tua última frase no comentário acima.

    Me parece um desafio justo.

  28. Olá!

    Ao Jorge.

    “Marcelo, quem começou fazendo estardalhaço com a pesquisa da folha é voce, utilizando-a para atacar gratuitamente os leitores de esquerda do blog. […]”

    Não houve estardalhaço da minha parte. Apenas fiz uma singela requisição ao pessoal que, na pesquisa DataFolha anterior, escreveu coisas como essa aqui:

    “Nesse andar da carroça, até final de março a Dilma ultrapassa o Serra.”

    Esperava um pouco mais de proselitismo, também, nessa última pesquisa.

    “A esquerda governa o Brasil desde 2002. O ensino público federal melhorou. A direita governa São Paulo desde 1994, o ensino público acabou.”

    Maluquice total, Jorge. Desafio você a nos dizer pelo menos uma grande reforma que o governo Lula tenha feito desde que assumiu a presidência em 2003 e que tenha uma envergadura histórica semelhante à do Plano Real. Houve reforma tributária? Reforma política? Menor aparelhamento da máquina estatal? Mais liberalização da economia? Melhorias nos mecanismos e processos de geração de riquezas e/ou maior liberdade para que o setor privado pudesse agir nesse sentido?

    Chamar o Mário Covas de direita é injusto. Foi um governador corajoso que teve peito para enfrentar os “sindicatos” mais retrógrados de São Paulo, como a APEOESP — que era insuflada por gente como o Dirceu a sair às ruas para agredir os seus adversário políticos.

    Eu me formei em uma universidade federal ao longo do governo Lula e garanto a você que pouca coisa mudou nesse período. Não houve esse salto de qualidade que você tanto alardeia.

    Inclusive, alguns dos meus antigos professores são filiados do PT de longa data e sabe o quê eles faziam? Quando algum político petista ou aliado os chamava para assumir um “cargo de confiança” dentro da administração, eles sumiam da sala de aula. Tive alguns professores que ficaram de “licença” durante todo o período em que estive na universidade, quase nunca apareciam para dar uma palavrinha aos alunos e quando nós íamos até a sala/laboratório dele para pedir que nos desse uma aula, o kamarada nos dava as costas. Muitas coisas nós tivemos que aprender sozinhos. Porém, quando havia algum evento administrativo e/ou beija-mão/lambe-bota, lá estavam os professores gazeteiros dando os ares de suas graças. Esses professores são pouco “respeitados” pelos alunos por causa disso, fora que havia (e ainda há) profundas suspeitas, corroboradas por exemplos práticos, de que esses professores evitavam a sala de aula por não saberem o assunto a que se dispunham a ensinar.

    “A esquerda governa o Brasil desde 2002. O ensino público federal melhorou. [..]

    E as greves de 2005, Jorge? Houve greves que duraram praticamente um semestre do calendário civil (180 dias). Lembra do aumento que o governo federal deu aos professores das federais? Os professores pediram 18% e o governo Lula só podia dar 10%. Cheguei a ver dentro do setor de exatas um outdoor que afirmava ser o aumento de apenas 10¯¹% (10 elevado a -1 = 0.1%). Esse outdoor era engraçado… hehehehe.

    Mas, sim, Jorge, onde está esse salto de qualidade que você tanto alardeia? Daqui a pouco você vai dizer que o governo Lula criou o primeiro MIT brasileiro! Algo complicado de ser feito em uma economia fechada e hostil à livre iniciativa.

    “[…] Agora, a esquerda brasileira, cujo maior expoente é o PT, é responsável pelo desastre da educação paulista, obra da direita faz 16 anos. […]”

    Você fez duas afirmações no mesmo argumento. Primeiro, você disse que a esquerda brasileira, do qual o maior expoente é o PT, é a responsável pelo desastre educacional em São Paulo. Logo em seguida, você diz que o desastre na educação paulista é obra da direita. Fica complicado de entender.

    “[…] Insano, impossível qualquer discussão racional. Por esse pensamento, todas as conquistas que voces dizem ter existido no governo fhc seriam obras da esquerda, ou, seja, do PT. Insanidade.

    Você deveria ler com atenção. O PSDB é um partido de esquerda, porém foi o único partido, desde a redemocratização, a implantar algumas reformas liberalizantes na economia e isso foi feito a um custo político enorme, sobretudo pela oposição irresponsável do PT.

    O PSDB e o PT são de esquerda. O PSDB é uma esquerda mais civilizada e livre das forças retrógradas (MST, ONGs pró-cotas, APEOESP e afins) que são abrigadas no PT. Se você levasse o PSDB para disputar uma eleição na Europa ou no EUA, ele seria tido como um partido à esquerda de algumas esquerdas desse lugares, pois, por exemplo, o PSDB está bem à esquerda do partido Democrata do EUA.

    Até!

    Marcelo

  29. Olá!

    “1 – Este blog começou em agosto de 2008. Me aponte algum escândalo envolvendo o PT que não tenha sido catalogado aqui neste blog.”

    Bom, Pax, eu não vou me dar o trabalho de ler todo o arquivo do blog para ver se você reportou ou não alguma corrupção envolvendo o PT.

    “2 – De outro lado, me aponte algum escândalo do PSDB ou do DEM que você tenha apontado por aqui.”

    Mas o blog é seu, Pax! Mas, como você pediu, eu aponto a farra do dinheiro cueca do Distrito Federal. Aquilo merece punição — ao contrário do que o Lula disse.

    Entendeu a diferença, Pax? Não faço rodeios para punir político corrupto. Já o Lula, o maior líder esquerdista do Brasil e do mundo mundial, mesmo tendo as imagens mostrando tudo de maneira escancarada, afirmou que as imagens não falam por si!

    “Se você aceitar e conseguir me provar que você é isento e eu não, aceitarei tua última frase no comentário acima.”

    Mas eu não sou isento, Pax. Não sou jornalista, analista político, colunista e coisas tais. Meu único compromisso é com os meus princípios e com as minhas opiniões. Só.

    Até!

    Marcelo

  30. Pax said

    Então, Marcelo Augusto, seria de bom tom você retirar esta tua frase do comentário #26 acima

    “Bom, Pax, fica meio complicado de ter esse posicionamento quando você escreve coisas como essa aqui.”

    Na medida que o objetivo do blog está declarado na página:

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.

    E afirma no texto da página “Sobre o blog”:

    Este blog não cria notícias. Este blog coleciona notícias vinculadas com a corrupção, desvios ou anomalias no tratamento da coisa pública. Tece alguns comentários sobre algumas das notícias colocadas. Sobre os comentários sou responsável. Sobre as notícias colecionadas aqui não. A responsabilidade é dos jornais que as publicaram. Em todos os posts há os links de onde a matéria selecionada foi colhida.

    Este blog procura, de toda forma, não privilegiar nenhum partido político, ou seja, as notícias que são dadas pela mídia, no tempo que disponho de olhá-las pela internet, são colecionadas sem isentar qualquer entidade ou cidadão. Aqui admito reclamações ou alertas pertinentes que porventura possam surgir. Mais que isso, sinceramente ficarei agradecido sobre qualquer observação que venha a contribuir para que o blog se mantenha nessa posição de isenção.

    Também são evitadas notícias de sites e blogs extremados, pelos mesmos motivos acima. As preferências são para notícias vinculadas nos grandes jornais e entidades respeitadas pela sociedade brasileira..

    Somente por uma questão que me parece de justiça.

  31. Elias said

    Marcelo,

    Pois eu acredito, mesmo, que, se Dilma ultrapassasse Serra agora, ao final de março, ele desistiria da candidatura.

    E, veja bem, não o censuraria por isso. Uma coisa é fazer política; outra, é embarcar em canoa furada. Político com bom faro — e faro é o que não falta a Serra — não dá ponto sem nó.

    E nem tenha dúvida, Marcelo: o eleitor que desiste de um candidato dificilmente volta pra ele. Pelo menos, não na mesma campanha. Pergunte a quem quer que já tenha trabalhado com pesquisa e/ou campanha eleitoral.

    Isto nem de longe quer dizer que o cara não pode voltar a crescer. Na medida em que há um expressivo número de indecisos, qualquer candidato tem, em tese, oportunidade de crescer.

    O eleitor indeciso não tem definição ideológica e, muito menos, político-partidária. Quem tem esse tipo de definição escolhe seu candidato na primeira hora. E, no primeiro turno, mantém sua escolha, mesmo que o candidato não tenha a menor chance. É o caso do eleitor de candidatos que, durante toda a campanha do primeiro turno e até o dia da eleição, estacionam em níveis que nunca chegam a 10%. No segundo turno, o papo é outro…

    Agora, o indeciso não. Se ele tivesse um mínimo de definição ideológica ou político-partidária, dificilmente se manteria como indeciso. Ou ele teria candidato ou se declarararia disposto a anular seu voto.

    É pra esse pessoal que se faz campanha. É em busca desse eleitor que todos os candidatos se movem.

    Obviamente que não faço a menor idéia do que seja ou será a estratégia do Serra. Aliás, um porrilhão de comentaristas políticos experientes — como Jânio de Freitas e Villas Boas Corrêa, para citar só dois exemplos — também não sabe.

    Pode ser que Serra tenha uma tremenda carta na manga, que só vai usar no que ele entender que seja o momento certo. Pode ser que não.

    E essa carta tem que ser muito boa. Só pra lembrar: os 4 pontos percentuais que Serra ganhou
    agora, representam menos que a terça parte do que ele perdeu entre a ante-penúltima e a penúltima pesquisa (quando ele despencou 13 pontos).

    Claro que, em se tratando de pesquisa eleitoral, crescer um pouco é infinitamente melhor do que despencar muito. Mas…

  32. Elias said

    E, Marcelo,

    Também nem tenha dúvida: se o PSDB perder as eleições presidenciais, vai saltar caco de tucano pra tudo que é lado.

    Com Serra sendo eleito governador em SP, os tucanos se reorganizariam a partir daí. Mas Serra seria o novo tuxaua bicudo. Ao final do segundo mandato, ele se candidataria a presidente com absoluto controle da máquina estadual e do partido.

    Duvido que ele não esteja considerando essa hipótese.

    Se Serra mantiver a candidatura a presidente, e perder, ele vai murchar. Terá que esperar 4 anos no limbo (não é fácil!), pra tentar voltar como deputado federal (duvido que, em tais circunstâncias, ele encare uma majoritária…).

  33. Elias said

    No Brasil da reeleição, o pior que pode acontecer a um partido é ter mais de um candidato de alto nível com pretensões presidenciais, ao mesmo tempo.

    Nos EUA, quando isso acontece o pessoal bate chapa e descola quem vai à luta. Não é raro que um dos pretendentes acabe entrando de cabeça na campanha do escolhido e até participe do governo, como vice ou secretário de Estado. Caso de LBJ e madame Clinton, pra ficar em só 2 exemplos mais notórios.

    No Brasil, com toda a tradição de caciquismo que aqui impera, as coisas são infinitamente mais complicadas.

    O caso do PSDB é típico. Serra e Aécio querem concorrer à presidência. A menos que um seja vice do outro, certo como 2 e 2 que, escolhido um, o outro fará corpo mole na campanha.

    Se Serra desistir da candidatura agora, será, apenas, pra ajustar a alça de mira em cima de 2014. Com Aécio eleito, Serra teria que adiar o sonho por mais 4 anos.

    Ou seja, Serra não tem um único bom motivo pra ajudar na eleição de Aécio.

    A recíproca é verdadeira.

    Por outro lado, uma chapa “puro-sangue” não ajuda na costura dos apoios…

    Não vai ser fácil!

  34. Fôlego para Serra

    O último Datafolha suscitou comoção exagerada. As médias dos principais institutos apontam para o estabelecimento de duas linhas paralelas: José Serra na faixa dos 35% e Dilma Rousseff na dos 28%. A tendência é esse quadro permanecer, até o acirramento da disputa, a partir de julho.
    As oscilações apontadas pelo Datafolha foram construídas pela agressiva campanha midiática empreendida para salvar a candidatura Serra. Houve peças publicitárias financiadas pelo contribuinte paulista; nenhum analista mencionou-as porque possuem uma conotação explicitamente eleitoreira e, portanto, ilegal. Mas houve também ativa contribuição dos grandes veículos “jornalísticos”, fabricando noticiário e colunismo escancaradamente favorável ao governador.
    É um equívoco menosprezar a pesquisa. Seu resultado era previsível. Serra conta com uma competente assessoria de comunicação, gigantesca máquina administrativa, apoio da mídia corporativa. Todas as fichas do projeto oposicionista estavam empenhadas no crescimento do governador antes da desincompatibilização. Foi sua manobra estratégica mais importante do primeiro semestre.
    Se os coordenadores da campanha de Dilma não perceberam que isso poderia acontecer, a candidata tem mais problemas do que imagina.

  35. Pax said

    Caro Guilherme,

    Apesar de não compartilhar completamente desta tua afirmação

    “ativa contribuição dos grandes veículos “jornalísticos”, fabricando noticiário e colunismo escancaradamente favorável ao governador.”

    Compartilho desta outra:

    “É um equívoco menosprezar a pesquisa. Seu resultado era previsível. Serra conta com uma competente assessoria de comunicação…”

    Discordando, de novo, desta parte:

    “gigantesca máquina administrativa, apoio da mídia corporativa.”

    Pois aqui a coisa empata para os dois principais lados. Mas concordo bastante com estas duas finais:

    “Todas as fichas do projeto oposicionista estavam empenhadas no crescimento do governador antes da desincompatibilização. Foi sua manobra estratégica mais importante do primeiro semestre.

    Se os coordenadores da campanha de Dilma não perceberam que isso poderia acontecer, a candidata tem mais problemas do que imagina.”

    Sabendo que você torce por Lula, diria que este é um dos teus melhores posts.

  36. Olá!

    Pax, eu não retiro o que escrevi no meu comentário #26 por considerar que, uma vez que você escreveu um post que mais parece uma ode ao lulo-petismo, mostrar isenção é algo por demais complicado.

    Escrever um troço desses sem nenhum embasamento em fatos históricos:

    “Lula é o melhor presidente que o Brasil já teve. Apesar de todas as fundamentadas críticas sobre o apoio de Lula a Collor, Renan e Sarney, personagens do modelo pouco elogiável da política brasileira, há uma realidade que merece ser dita: o Brasil nunca esteve melhor.

    É pura “forçação” de barra, Pax.

    Primeiro você afirma que Lula é o melhor presidente que o Brasil já teve e logo depois, uma proposição dentro do mesmo parágrafo, mostra que esse “melhor presidente” se aliou às forças históricas mais retrógradas deste país — oligarcas nordestinos, do tipo que coloca o açude dentro da própria fazendo para controlar o acesso à água e obter vantagens políticas sobre a população pobre — e sem conseguir, com essa aliança, nenhuma reforma estrutural importante para o Brasil, e olha que a oposição atual é bem menos refratária do que aquela representada pelo PT nos idos de 1995-2002.

    Se, hoje, o Brasil vai bem não é em decorrência de nenhuma medida adotada pelo PT e/ou posicionamentos econômicos que o PT sempre defendeu.

    “O pouco que o governo do presidente Lula fez para a base da pirâmide social – garantindo aumento real do salário mínimo, reforçando o necessário assistencialismo iniciado por Ruth Cardoso, e permitindo a continuidade dos privilégios das estruturas econômicas tradicionais, principalmente as bancárias – teve conseqüências benéficas para o país. A base da pirâmide é tão grande que foi capaz de, ao ter o direito de não passar fome, suportar a tsunami da crise econômica mundial.”

    Em apenas um parágrafo, há um show de maluquices, Pax. Que governo é esse que dá migalhas aos pobres e um banquete para os ricos? É esse o governo do “melhor presidente que o Brasil já teve”, Pax? Então não há nada de diferente, pois essa foi a lógica de sempre dos governos que as esquerdas brasileiras consideram como “reacionários, direitistas e neoliberais”.

    O aumento real do salário mínimo é apenas uma consequência proveniente das reformas feitas no governo anterior e que poderiam ser melhor observadas uma vez que a conjuntura econômica mundial se mostrasse mais estável e sem aquele bando de crises que houve no período de 1997-1999.

    “Lula chutou. Assim como Ronaldo Fenômeno, que entende tudo de futebol, o presidente entrou no jogo do poder, usou a máquina, deu migalhas aos pobres e fez o Brasil melhor. […]”

    Em apenas um só parágrafo e com algumas dezenas de palavras você conseguiu escrever um monte de bobagens, Pax.

    O chefe de um governo, que dá migalhas aos pobres, pode ser considerado como o melhor que já houve na história do Brasil, Pax? Como tornar um país melhor através dessa lógica? Uma lógica que amarra o indivíduo à uma elevada carga tributária e não permite que ele tenha liberdade econômica — e, bem menos, proporciona locais de melhoria pessoal e profissional adequados — para gerar riquezas, dando aos mais pobres apenas migalhas, é uma lógica condenada ao fracasso.

    Eu fico abismado com as esquerdas: Primeiro, as esquerdas criam todo um mecanismo que dificulta a liberdade econômica dos indivíduos e, também, a geração de riquezas, daí que haverá menos recursos disponíveis para as pessoas garantirem a sua sobrevivência. Depois, essas mesmas esquerdas, criam toda uma rede estatal de assistencialismos para buscar amenizar a pobreza que ela mesma ajudou a criar. É um troço assustador. Aí, os esquerdistas vêm com aquele papo de “justiça social”, “ações afirmativas”, “universidade para todos” e coisas tais. No final, acabam gerando mais dependência e pobreza — quando não, são processados por formação de quadrilha.

    “[…] Deu uma lição nos neoliberais que sempre basearam sua lógica na farsa que a capacidade dos poderosos de produzir riquezas era de tal monta que todas as camadas sociais seriam beneficiadas. Uma falácia que hoje leva os EUA a estatizarem grandes ícones dessa fracassada ideologia.”

    Uma consideração antes de comentar esse parágrafo: Seria interessante saber quantos livros do Hayek, Friedman e outros autores “neoliberais” as pessoas, que utilizam o termo “neoliberalismo”, leram.

    Lula deu uma lição nos “neoliberais do norte”? Quantos lugares semelhantes ao Morro do Vidigal e/ou Complexo do Alemão existem nos países da Europa Ocidental e/ou EUA?

    Na concepção maluca dos esquerdistas, o “neoliberalismo” é um troço ruim, que coloca a exploração do “homem pelo homem” e coisas tais.

    Prefiro entendê-lo de outra forma, a começar jogando na lata do lixo o termo “neoliberalismo” cunhado e esculachado nas hostes mentais das esquerdas. Reduzir a carga tributária, o tamanho do Estado e dar maior liberdade econômica para que as pessoas possam gerar riquezas, não são medidas ruins. Ao contrário. Os países que as adotaram melhoraram e muito os seus padróes de vida em todos os aspectos.

    Você, Pax, ainda coloca uma “explicação” completamente unilateral para a “estatização” de algumas financeiras do EUA.

    “A grande culpa de Lula é não ter promovido as mudanças necessárias para sair desse modelo. Com tanta aprovação popular, e mundial, teve absoluta condição de fazê-las para alterar esse quadro sujo que impera no Brasil, como havia prometido. Não fez. E não fará. Empurrou o problema com sua pronunciada barriga.”

    Eis aí, Pax, o seu melhor presidente do mundo mundial.
    Lula não legou ao Brasil algo com o mesmo significado histórico que teve o Plano Real. O pior é que poderia ter feito, mas não o fez.

    Depois de escrever um troço desses, Pax, fica meio complicado de parecer isento. Você, ao que me parece, tem lá o seu apreço pelo governo atual. Não é errado e você é livre para escolher. Apenas não queira mostrar isenção quando há, de sua parte, afinidades, sobretudo ideológica, com o governo Lula.

    Até!

    Marcelo

  37. Elias said

    Dificilmente os coordenadores da campanha de Dilma não terão percebido que as intenções de voto em Serra podem crescer.

    Em pré-campanha ou campanha eleitoral essa é uma possibilidade sempre presente.

    Uma coisa é não acreditar que algo assim pode acontecer; outra, bem diferente, é, acreditando, inventar uma contramola capaz de evitar o tal acontecimento.

    Ao que parece, a estratégia do Serra é tentar descolar Dilma de Lula (“Os candidatos somos eu e ela; não Lula!”). ´Nem precisa explicar por quê, né?

    Pela mesmíssima razão, Dilma permanecerá colada à Lula, e desafiará Serra a fazer o mesmo em relação ao seu correspondente, FHC (“Eu me orgulho de ter feito parte do governo Lula; Serra parece que tem vergonha de ter sido ministro do FHC…”).

    Claro que Serra não aceitará a provocação, e, por isto, vai apanhar feito boi ladrão. Se aceitar vai piorar, porque a ajudação do FHC é altamente atrapalhante.

    O problema de Serra é estruturar um discurso de oposição a um governo cuja aprovação bate perto de 80%.

  38. vilarnovo said

    Desconstruindo um post:

    “Fôlego para Serra

    O último Datafolha suscitou comoção exagerada. As médias dos principais institutos apontam para o estabelecimento de duas linhas paralelas: José Serra na faixa dos 35% e Dilma Rousseff na dos 28%. A tendência é esse quadro permanecer, até o acirramento da disputa, a partir de julho.”

    Já de cara podeos afirmar de uma relatividade moral. Quando as pesquisas mostravam o crescimnto de Dilma a comoção não era exagerada. Já quando é de Serra…
    Sobre a tendência, concordo com ele. A coisa realmente só vai esquentar a partir de julho.

    “As oscilações apontadas pelo Datafolha foram construídas pela agressiva campanha midiática empreendida para salvar a candidatura Serra. Houve peças publicitárias financiadas pelo contribuinte paulista; nenhum analista mencionou-as porque possuem uma conotação explicitamente eleitoreira e, portanto, ilegal. Mas houve também ativa contribuição dos grandes veículos “jornalísticos”, fabricando noticiário e colunismo escancaradamente favorável ao governador.”

    Aqui é o típico chororô… engraçado para alguém que não concorda com a “comoção exagerada” ele parece extremamente triste e até irritado. Cria acusações para todo o lado para algo que ele mesmo caracterizou como “normal”, ou seja, para ele é normal os números atuais, mas a normalidade foi alcançada de meneira espúria e até ilegal. Se alguém conseguiu encontrar alguma lógica nisso me avise.

    Outro acusação bastante cansada e o ataque à mídia. Ora, qualquer pessou que lê jornal e ve TV sabe que se há alguém que tenta monopolizar a mídia esse alguém é Lula. O rítimo de inaugurações de maquetes, obras prontas, assinaturas nunca foi tão grande neztepais. Também é engraçado o silêncio sobre a campanha antecipada de Lula, coisa que até o TSE foi obrigado a sair da letargia de tão absurda que foi. Tava ficando muito na cara.

    “É um equívoco menosprezar a pesquisa. Seu resultado era previsível. ”

    Volto a perguntar: se era previsívil porque a irritação e as acusações? E o chororô continua:

    “Serra conta com uma competente assessoria de comunicação, gigantesca máquina administrativa, apoio da mídia corporativa.”

    A assessoria de comunicação de Serra é tão boa que até mesmo os tucanos ficaram confusos com a estratégia do mesmo. Será mesmo que ele está comparando a máquina adminstrativa de Serra com a máquina administrativa de Lula? Será mesmo? É para levar isso a sério? Em relação ao “apoio da mídia corporativa”, só podemos lamentar. O desejo de pautar a mídia é enorme. Não se pode falar mal do governo Lula, tadinho…

    “Todas as fichas do projeto oposicionista estavam empenhadas no crescimento do governador antes da desincompatibilização. Foi sua manobra estratégica mais importante do primeiro semestre.
    Se os coordenadores da campanha de Dilma não perceberam que isso poderia acontecer, a candidata tem mais problemas do que imagina.”

    Aqui discordo dele e do Pax. Se havia alguém que apostava em crescimento antes da desincompatibilização esses eram os partidários de Dilma.

    Os motivos são bastantes claros: depois do processo será mais difícil Dilma usar os inesgotáveis recursos da União para continuar a realizar a campanha antecipada. Dilma será obrigada cada a vez mais a falar e não Lula. O que sabemos tem um enorme risco. Serra é um político conhecido no Brasil inteiro enquanto Dilma é conhecida como o papagaio de pirata de Lula. Tanto é que a esperança de todo petista não é em relação à campanha de Dilma e sim na capacidade de transferência de votos da popularidade de Lula para a sua candidata.

    Mas para falar a verdade a “culpa” dessas análises foi que primeiramente desconsideraram a transferência de votos da Heloisa Helena para Dilma quando a primeira desistiu da campanha. Basta pegar as pesquisas mais antigas. Um exemplo?

    Pesquisa realizada em Setembro de 2009:

    Serra – 35%
    Dilma e Ciro – 14%
    Heloisa Helena – 8%
    Marina Silva – 6%

    Nessa pesquisa aparecem:

    Serra – 37%
    Dilma – 27%
    Ciro – 11%
    Marina – 8%

    Basta olhar as pesquisas, e ter um pouquinho de honestidade e verificar que a “subida meteórica de Dilma rumo ao altar da Presidência seguindo os passos do Grande Timoneiro Mor do Universo Conhecido” deveu-se não a uma queda de Serra e sim na transferência de votos de Heloisa Helena e da queda do apoio a Ciro Gomes.

    O motivo para essa desonestidade (esquecer totalmente dessa transferência) é a campanha, o wishful thinking, a vontade de que as coisas funcionem da meneira que espera e não calcado na realidade.

    E esse quadro demonstra que o governo Lula terá duas dificuldades: a primeira e quebrar o alto índice de rejeição de Dilma (fato esse que também é “esquecido” quando os partidários de Dilma fazem suas “análises”). Contudo, esses se prendem dizendo que Dilma ainda é pouco reconhecida como candidata de Lula, mais uma vez provando que a única tática da campanha petista é colar a imagem de Dilma a Lula. Se irá acontecer algo semelhante ao que aconteceu no Chile não sabemos. Mais uma dica: o candidato de Uribe, apesar de liderar as pesquisas, não está com uma vantagem colossal…

    A verdade que os petistas não querem encarar é que Dilma possui muito pouco a apresentar ao país. O PT pode muito bem tentar usar a chantagem como arma (aliás já vem fazendo isso há muito tempo), mas basta começar o programa eleitoral e Serra afirmar que os programas sociais (BF principalmente) irão continuar que as ameaças não surtirão mais efeito. Lembro aos meus amigos petistas (e eu tenho) que Serra não é Alkimim e que Lula não ganhou a segunda eleição, o PSDB perdeu.
    O PAC também é de uma falsidade tão grande que qualquer programa de 1 minuto desconstroi todos os números apresentados pelo governo. Aliás isso já é feito toda vez que Dilma mente descaradamente quando apresenta os seus números fraudulentos.

    Desculpem pelo texto extenso. Juro que escrevo outra sobre os problemas do PSDB. E há inúmeros.

  39. Pax said

    Marcelo Augusto,

    Você está sendo pouco honesto com o que disse e, para variar, se descuidando dos fatos.

    Leia o “disclaimer” do blog e me aponte onde há falta de isenção ao apontar notícias de desvios, anomalias e corrupção, seja de que lado for.

    Não fuja do ponto e não esconda seu erro.

    Não quer olhar o blog como um todo? Ok, vá pelas tags. Mas prove-me que o blog não é isento em colecionar as notícias.

    Ou então retifique o que você afirmou. Acaba ficando chato para tua própria imagem.

  40. Pax said

    Elias,

    Acredito que você gostará desta crítica do José Nêumanne no que se refere à questão do PSDB renegar o FHC. Talvez não goste muito do que ele fala sobre desdém de Lula às multas que recebeu por campanha antecipada, mas, vá lá, o cara deu uma no cravo e outra na ferradura. Trago para cá o que corrobora com teu comentário acima, senão vejamos:

    Você (Elias) diz:

    “Pela mesmíssima razão, Dilma permanecerá colada à Lula, e desafiará Serra a fazer o mesmo em relação ao seu correspondente, FHC (“Eu me orgulho de ter feito parte do governo Lula; Serra parece que tem vergonha de ter sido ministro do FHC…”).”

    Mas você afirma também que:

    “Claro que Serra não aceitará a provocação, e, por isto, vai apanhar feito boi ladrão. Se aceitar vai piorar, porque a ajudação do FHC é altamente atrapalhante.”

    Mas o Nêumanne diz>

    Se o sucesso turva o bom senso de Lula, o pavor do fiasco leva o PSDB a cometer, a pretexto das pesquisas, outro erro crasso. Ao responder “esquece Fernando Henrique” à pergunta de repórter da Folha de S.Paulo sobre a ausência do ex-presidente entre os oradores da convenção em que os tucanos ungirão o governador de São Paulo, José Serra, seu candidato ao posto de Lula, o presidente nacional do partido, Sérgio Guerra, cometeu uma grosseria, uma ingratidão e uma estupidez, de uma vez.

    Sua vítima entrou na História do Brasil ao pilotar o Plano Real, que dizimou a inflação, o rato que roía a roupa e o prato do povo pobre, e este, grato por isso, o elegeu duas vezes para o poder máximo no País.

    Mas o artigo é muito bom, sugiro a todos a leitura completa.

    Aqui: Os maus conselhos que as pesquisas dão
    Autor(es): José Nêumanne
    O Estado de S. Paulo – 31/03/2010
    http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2010/3/31/os-maus-conselhos-que-as-pesquisas-dao

  41. Olá!

    “Desculpem pelo texto extenso. Juro que escrevo outra sobre os problemas do PSDB. E há inúmeros.”

    É verdade, Vilarnovo. Senão, irão dizer que você não é isento.

    Até!

    Marcelo

  42. Pax said

    Mas, Marcelo Augusto,

    Você jura que quer se considerar isento nas tuas opiniões?

    Eu reclamo que o blog é isento na coleção das notícias.

    E até agora você não conseguiu provar a tua crítica (quase injúria, calúnia ou difamação – nunca sei qual destes) que o blog não é isento.

    Nada como um dia após o outro, com uma noite no meio, nada como um post atrás do outro, e os comentários no meio… o tempo é, sim, senhor da razão.

  43. Pax said

    =-)

  44. vilarnovo said

    Vamos ao PSDB. E foi bom o Pax ter escrito isso acima pois é bem o que eu acredito.

    Se pudermos caracterizar o PSDB seria um paciente que sofre de multiplas personalidades associado a um quadro de esquizofrenia aguda.
    O PSDB tinha tudo para se tornar um partido engemônico na política brasileira. Tinha mesmo, e jogou tudo fora.

    Começou pelos erros de FHC enquanto presidente ao manter as rédeas no Real deixando-o valorizado artificialmente frente ao dólar. Esse foi o único erro digno de nota em seu governo. A derrota de Serra frente ao Lula foi muito mais consequeência de um momento econômico do que reprovação ao governo FHC. Porém foi tão traumática ao partido tucano que eles abandonaram sua maior estrela: o próprio FHC.

    Os feitos do governo FHC nem de longe foram superados pelo governo Lula. Nem perto, porém o PSDB rifou o ex presidente de uma maneira única. O problema é de multiplas personalidades: enquanto o PT sempre se escorou no Lula o PSDB possui, pelo menos, três grande personalidades: FHC, Serra e Aécio Neves. A disputa entre esses três é totalmente fraticida. O que trás a parte de esquizofrenia do partido.

    Isso se mostrou bem característico quando Alkmin foi escolhido para disputar a presidência e não Serra, mesmo esse sendo lider nas pesquisas de opinião. E é por isso que eu digo que o PT não venceu aquelas eleições, o PSDB perdeu.

    Essas características do PSDB, aliado a sua falta de jeito para oposição, fizeram a festa do PT. Permitiu que Lula e seus comandados se apropriassem de muitos dos feitos de FHC: desde a estabilização econômica até mesmo o Bolsa Família. Se o PSDB tivesse mostrado que o Fome Zero, que era o programa social do Lula falhou miseravelmente e esse “apenas” mudou o nome dos programas já existentes e criados por FHC teriam um grande capital político. Mas isso não era da vontade de Serra e talvez também não de Aécio.

    Com o PT se apropriando impunemente dos feitos de FHC o PSDB ficou e está sem discurso. Os dois partidos, após a Carta aos Brasileiros, se tornaram ideologicamente semelhantes. Enquanto o PT ACB era um partido virulento, confuso, equivocado, perdido pós a queda do muro, se tornou quase uma franquia pobrinha do PSDB, mais próximo ao “povão”. Lula e as pessoas que mudaram o partido foram perfeitos: se apropriaram do avanço ideológico do PSDB (e não se enganem, até hoje tem gente no próprio PT que não gosta disso, mesmo depois da criação do PSOL, mas preferem não perder a boquinha dos recursos públicos), e apostaram na figura do “pai dos pobres” de Lula, mística essa que sempre existiu na política tupiniquim.

    O PSDB está ainda perdido. Falta um discurso, falta um projeto. Porém Serra não é Alkimin, é mais tarimbado, não necessita tanto da sombra de FHC até porque esse já foi devidamente queimado.

    Só quando começar a campanha da tv é que poderemos ter visão melhor da estratégia do PSDB porque até hoje nenhuma me parece clara. E não duvido que nem mesmo os tucanos sabem o que Serra irá fazer.

  45. vilarnovo said

    Marcelo Augusto – Eu não perco meu sono com isso. Já estou acostumado a levar borduada por todos os lados. Quem me conhece daqui sabe muito bem no que eu acredito. E sempre disse isso aqui: PT = PSDB.

  46. Iconoclasta said

    boa sacada, Pablo.

    essas pretensas análises sobre eleições eu normalmente acho um saco, são, de forma geral e inequívoca, de uma leviandade sem tamanho, e 95% do q vai acima se enquadra nisso, mas a tua foi bem mais prática.

    Pax, melhor não provocar o guri, ele é muito safo…

    outra coisa q eu lembrei: vc salvou uma graninha, hem? gostei,torcida não combina com aposta, para fazer isso é preciso informação…

    ;^/

  47. Iconoclasta said

    “Esse foi o único erro digno de nota em seu governo.”

    ai vc já tá de sacanagem…

    ;^(

  48. Pax said

    Pablo Vilarnovo: “PT = PSDB”

    Já eu afirmo diferente.

    PT é mais perto do PSDB que o PT do PMDB e o PSDB do DEM.

  49. Iconoclasta said

    fato q o principe participou, continuou, criou…, alguns projetos sem paralelo de importância (nos ultimos 50 anos, pelo menos?…)para o desenvolvimento do país, mas…

    a emenda da eleição – ainda q eu acredite q, em termos praticos, para dar seguimento a estabilidade monetaria, o segundo mandato tenha sido fundamental – não foi apenas oportunista, foi imoral e deu margem para muito do descaramento q se ve hj.

    o apagão em 2001, e a desfasatez com que foi tratado, foi vergonhoso. apesar da cara de pau de atribuir a falta de chuvas, aquilo se tratou de descaso, indecisão sobre continuar as privatizações no setor elétrico. de fato, com o crescimento diminuto durante boa parte de seu governo, ele quase conseguiu empurrar a piaba para o sucessor, pois a verdade era que não havia contingencia na geração de energia para dar conta das necessidades de consumo. ou pior, em determinada parte do país (sul) a energia era até mais do que suficiente, mas não havia linhas de transmissão q a levassem aonde era necessário. ou seja, foi pura incompetencia administrativa, e custou caro p/ KCT.

    isso justifica q queiram esconde-lo? eu acho q não, afinal, como eu escrevi no primeiro paragrafo, o legado positivo foi sem igual, e a lista é longa, mas não dá para ignorar a sujeirada toda, inclusive o citado uso excessivo ( e de custo astronomico), e escancaradamente eleitoreiro , do cambio fixo.

    ;^/

  50. Iconoclasta said

    emenda da reeleição

  51. Olá!

    “Você jura que quer se considerar isento nas tuas opiniões?”

    Pax, eu já disse que não me considero isento em minhas opiniões. Eu tenho um enorme compromisso com os meus princípios e com as minhas opinões.

    “E até agora você não conseguiu provar a tua crítica (quase injúria, calúnia ou difamação – nunca sei qual destes) que o blog não é isento.”

    Pax, tudo bem. Desculpe-me por ter feito considerações que são incompatíveis com o seu blog. Não era meu objetivo promover nenhum tipo de desconforto aqui. Portanto, desculpe-me.

    Até!

    Marcelo

  52. Pax said

    Marcelo Augusto,

    Está desculpado, com certeza. E continue a criticar tudo que escrevo, por favor. Me obriga a escrever melhor.

    Também tenho minhas opiniões, claro, minhas torcidas, claro que sim.

    O que me comprometo, aqui no blog, é nunca deixar de colecionar notícias de corrupção de quem quer que seja. Aqui exijo de mim mesmo. E para isso peço ajuda, vocês sempre podem me cobrar.

    Não fosse assim, o blog teria outro “disclaimer”.

  53. Olá!

    Muito bom o seu comentário, Vilarnovo. Foi uma das avaliações mais intelectualmente honestas que li sobre os dois últimos presidentes do país.

    Sobre a proximidade entre PT e PSDB, destaco um trecho de uma entrevista de Maria Sylvia de Carvalho Franco à Revista Veja:

    Veja – Na sua opinião, quais as chances de o candidato tucano, Geraldo Alckmin, vencer a eleição?
    Maria Sylvia – Eu sempre imaginei que havia algo por trás dessa escolha de Alckmin. Por que a opção por uma pessoa tão inexpressiva – sem carisma, sem ligações importantes em lugar nenhum – para enfrentar um homem como Lula? Hoje está na cara. Alckmin foi escolhido para perder.

    Veja – Como assim?
    Maria Sylvia – Aécio (Neves, governador de Minas Gerais) e Tasso (Jereissati, presidente do PSDB) escolheram alguém para ser queimado. O projeto do PSDB é para 2010. As chances de Alckmin são muito pequenas porque, inclusive, o tucanato não vai se empenhar. Diz-se que Lula não tem herdeiros, daí o “Lulécio”, o Lula com Aécio. Meu marido (o filósofo Roberto Romano) tem uma expressão muito adequada. Afirma que os tucanos são primos do PT e que, no futuro, vão se reunir em família e dividir o bolo. Acho que haverá um ajuntamento entre Lula e esses dirigentes mais novos, como Aécio. O único problema é o PMDB, um partido muito forte e oligárquico. O Brasil é assim: de um lado, a força do governo federal; de outro, o poder das oligarquias regionais. E quem congrega essas oligarquias é o PMDB.

    Até!

    Marcelo

  54. Elias said

    Pax,
    O que torna mais fácil o debate entre nós 2, é que ambos já passamos da idade de se portar com a (ir)racionalidade de membros de torcida organizada. Aliás, nunca me portei e duvido que você tenha se portado assim.

    Pra mim, o saldo de FHC é altamente positivo, exatamente pelo Plano Real. Sabemos muito bem o que foi viver a barra de uma inflação estratosférica sem perspectivas de saída.

    FHC foi bem como o ministro de Itamar que coordenou a equipe de técnicos que mostrou a saída.

    E FHC foi melhor, ainda, ao capitalizar politicamente o êxito do Plano Real. Itamar, o presidente que botou o Plano Real pra rodar, não ficou com nenhum crédito.

    É a velha história: em política não existe espaço vazio. Qualquer mínimo espaço que aparece é, de pronto, ocupado por alguém. Itamar não soube capitalizar politicamente o Plano Real. FHC soube. Pior pra um, melhor pro outro. E, verdade seja dita: sem FHC não haveria Plano Real.

    Só que, pra uma imensa parcela do eleitorado de hoje, o Plano Real é história. A população brasileira com até 30 anos sabe da inflação estratosférica por ouvir dizer. Não viveu o problema, não sabe a importância que o Plano Real teve e tem para o país.

    Para uma parcela cada vez maior da população, ouvir o político do PSDB falar no Plano Real, é o mesmo que ouvir um velhinho contar histórias do tempo em que ele era jovem, bonito, vigoroso e batia um bolão. Literalmente e com as gatinhas do pedaço.

    Esse pessoal — notadamente a turma indecisa — quer mais é saber o que se pretende para 2011 em diante.

    Dilma diz que vai continuar a fazer exatamente o que o Lula está fazendo. Serra diz que vai fazer… o que é mesmo que ele diz que vai fazer?

    Sejamos francos: o embananamento não é só do Serra. No PSDB inteiro pipocam pra todos os lados indícios gritantes de fadiga de material.

    De qualquer modo e, talvez, por isso mesmo, Serra pede tanto pra que esqueçam o FHC. E FHC tanto pede pra não ser esquecido.

    Bem feitas as contas, às vezes a vida é cachorra. E morde…

  55. Pax said

    Elias, meu caro,

    Concordo, faz alguns anos que debatemos sem nos agredir, vários momentos discordando bastante dos nossos pontos de vista.

    Não chamo a mim nenhuma grande competência porque não sou idiota de querer o que não tenho.

    Mas, sim, cobro de mim mesmo um pouco de maturidade, pricipalmente para fazer um blog como este, mesmo que insignificante.

    Com relação a torcida, acabo de colocar um post super provocativo, mal escrito pacas – tô num sufoco local aqui dos grandes, de trampo mesmo – mas que pretende chamar os colegas comentaristas para um debate de cobrança de compromissos das duas candidaturas com reais chances de vitória e que ontem deram o pontapé de suas campanhas ao deixarem seus cargos públicos.

    Mas a turma que vem aqui é boa, um ou outro momento de juventude exacerbada, um ou outro deslize do acusar o blog do que ele insiste em não fazer, o de ocultar os grandes escândalos de corrupção do país seja de que origem for.

    Mas a juventude é assim. Fomos assim.

    Tenho saudades de várias coisas da juventude, mas confesso que nenhuma de fazer parte de torcida organizada, como você bem colocou.

    A estética da existência, segundo os gregos, pressupunha a capacidade de gerir o estado, a casa/economia e a si próprio. E para gerir a si próprio não há qualquer possibilidade quando nos distanciamos da liberdade.

  56. Elias said

    Pax,

    Matou a pau!

    Assim que descolar um tempinho, vou lá pro post provocativo.

    Um abraço.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: