políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

No Pará mais um rompimento do PMDB com o PT

Posted by Pax em 28/05/2010

Desta vez foi no Pará. Jader Barbalho não apoiará Ana Júlia Carepa para reeleição da governadora.

Notícia da Folha de São Paulo

PMDB rompe com PT no Pará e Jader tentará voltar ao Senado

JOÃO CARLOS MAGALHÃES
DE BELÉM

Publicidade

Depois de cerca de oito meses de indefinição, o PMDB no Pará decidiu que não irá se coligar com o PT para apoiar a reeleição da governadora petista Ana Júlia Carepa.

Em reunião na noite de ontem, os peemedebistas decidiram que lançarão candidatura própria. Inicialmente, o escolhido foi o deputado estadual Domingos Juvenil, presidente da Assembleia Legislativa.

Ficou definido também que o deputado federal Jader Barbalho, principal líder da sigla no Estado, tentará voltar ao Senado, onde chegou a ser presidente.

Em 2001, ele renunciou ao cargo de senador, em meio a escândalos de corrupção.

Continua na Folha…

Nota do blog: assunto para nosso colega Elias dar sua opinião mais apropriada, por conhecimento de causa.

Anúncios

8 Respostas to “No Pará mais um rompimento do PMDB com o PT”

  1. Elias said

    Pax,

    Não convém a Jader se candidatar a governador, porque isso truncaria a carreira de seu filho, Helder, atual prefeito do município de Ananindeua, em 2º mandato. E Jader está montando o quebra-cabeças que fará de Halder candidato ao governo do Estado em 2014.

    Restariam a Jader 3 alternativas: (a) apoiar a reeleição de Ana Júlia (PT); (b) apoiar a candidatura de Simão Jatene (PSDB); (c) lançar candidato próprio do PMDB.

    As 2 últimas alternativas seriam lances de risco. Se Jatene ou o candidato do PMDB forem eleitos, claro que, em 2014, se candidatarão à reeleição, melando os planos de Jader para Helder. Este seria espalmado pra 2018, quando a idade de Jader já pesará muito mais.

    Acresce, ainda, que a confiança de Jader em Jatene é menos que nula. Jatene foi secretário de planejamento de Jader. Quando este assumiu ministérios (Previdência e Reforma Agrária), Jatene foi seu Secretário Geral.

    Só que, em seguida, Jatene se tornou tucano e amigo de Almir Gabriel desde criança, renegando seu antigo chefe, a quem fez pesados ataques. Almir Gabriel fez de Jatene governador, mas este fez corpo mole na campanha de Almir em 2006. Hoje, Jetene e Almir são inimigos desde crianças…

    Em resumo: de tanto ser esperto, Jatene acabou colando em sua própria careca um luminoso rótulo de traíra, do qual será difícil se livrar.

    Jader preferiu a 3ª alternativa, porém minimizando riscos. São remotas as chances de Juvenil passar para o 2º turno. Vencer a eleição para governador, então, seria a mais autêntica zebra.

    Conclusão: Jader deixou pra dar a cartada final no 2º turno.

    Se Dilma vencer no 1º turno, Jader ficará de mãos soltas pra pintar e bordar. Se houver 2º turno pras eleições presidenciais — hipótese bem mais provável — Jader tentará vender mais caro, ainda, seu apoio ao PT…

    Aqui no Pará, Jader é conhecido como “Anhanga”. O cara é o capeta, mesmo!

  2. Jorge said

    Elias, a regularização fundiária da Amazônia que entrou em vigor recentemente casou algum impacto aí no Pará?

  3. Pax said

    Obrigado, Elias, pela luz sobre a questão.

    Boa pergunta, Jorge.

  4. Elias said

    Jorge,

    Aqui no Pará, o Governo do Estado está executando 2 enormes programas de regularização fundiária: um para áreas urbanas e outro para áreas rurais.

    Posso lhe falar um pouco sobre a regularização fundiária em áreas urbanas.

    É um problema sério no Pará. Vários municípios não arrecadam IPTU porque as respectivas áreas dominiais não estão regularizadas. Há pouco mais de 2 anos, raros municípios paraenses dispunham de plantas de valores.

    A taxa de gerenciamento de resíduos sólidos deve ser cobrada juntamente com o IPTU. Como este não é cobrado, a taxa idem. Logo, não há receita municipal para gerenciamento de resíduos sólidos. Não há receita, mas há despesa. Esta acaba sendo bancada precariamente, com recursos que, originalmente, deveriam ser dstinados à educação, à saúde, etc.

    Resultado: o gerenciamento de resíduos sólidos funciona mal — o que já é um problema sanitário de bom tamanho! — e ainda prejudica o funcionamento dos demais programas de governo dos municípios.

    O Governo do Estado já atingiu aproximadamente 130, dos 143 municípios parenses, com ações de regularização fundiária em áreas urbanas. É um trabalho e tanto! Geralmente a regularização fundiária em áreas urbanas acompanha projetos de saneamento integrado em assentamentos precários. São projetos que envolvem habitação, esgoto sanitário, abastecimento de água e pavimentação (além de equipamentos coletivos como praças, escolas, etc, em alguns casos).

    Minha opinião é de que esse trabalho só começará a produzir frutos — notadamente em termos de arrecadação municipal — lá por 2020 em diante.

    E isso desde que o pique atual seja mantido. Há dezenas de localidades que ainda não puderam receber investimentos via PAC, porque a liberação dos projetos depende da conclusão dos processos de regularização fundiária.

    Se a situação em áreas urbanas é essa, imagina do jeito que as coisas estão em áreas rurais… Mas eu não tenho acompanhado a quantas anda a regularização fundiária em áreas rurais.

  5. Jorge said

    Obrigado, Elias. Eu não tinha idéia que as cidades paraenses enfrentavam tal situação.

  6. Carlão said

    Pax
    desculpe-me por um comentário off-topic mas não sabia inde colocá-lo.
    Use de sua habitual sabedoria e re-arranje para o local mais adequado.
    Por favor.
    Vai lá!
    Serra abusou da “arte” do planejamento de campanha hoje(As declarações da Bolívia não valem uma nota de 3 Reais, focando hoje o lula abraçado ao Evo Morales, o cocalero presidente).E com uma campanha contra o crack sendo anunciada pela candidata.
    E Serra vai ainda irá mais fundo se necessário.
    E a Polícia Federal contribuiu aprendendo um “carregamento pesado” vindo exatamente da Bolívia.
    Além do mais, prometeu, se eleito Presidente, ser ao mesmo tempo presidente da Sudene e promover o desenvolvimento do Nordeste.
    Coisa que nunca passou pele cabeça de Lula.
    Enquanto isso Dilma estava sendo aclamada presidente numa reunião de ong em Santa Catarina.
    Se fosse apenas por competência inteligente a eleição teria sido decidida aqui.
    Mas a decisão será em Outubro.
    A campanha de Serra está mostrando cimpetência …Lula terá que pular miudinho a partir de agora.
    Serra acertou um dos “calacanhares de Aquiles” de Lula. E parece que ainda virão mais.
    O próximo será a Educação.Deixando a Saúde para o fim. Chave de ouro.
    Parece que com Serra o Nordeste poderá mais…
    Golpe de Mestre…
    Sou brasileiro e desejo que nenhuma coca boliviana entre no Brasil
    …Amanhã Dilma responderá alguma bobagem para tentar proteger a Bolívia,
    …como Serra planejou. hehe

  7. Pax said

    Carlão,

    Deixa aqui mesmo, caro. O blog não tem tamanha rigidez assim.

    Mas, cá entre nós, tenho algumas discordâncias sobre teus pontos, vamos lá, em partes (as Jack, the ripper):

    1 – A questão de afirmar que o governo da Bolívia é conivente com o tráfico de drogas não me pareceu muito adequada. Há outras formas, principalmente para um país que é líder incontestável da região, que é o caso do Brasil. O que queremos? Arrumar briga com toda nossa vizinhança? Claro que há um problemão de drogas vindas da Bolívia, Colômbia e Venezuela, mas será este o melhor caminho para combater estes crimes? Acho que não.

    2 – SUDENE? Bem, você deve se lembrar de toda a roubalheira que a SUDENE representou durante anos, décadas. Me lembro de uma história que um amigo me contou, um engenheiro que trabalhou com obras no NE nesta época. Eram contratados enormes quantidades de nordestinos, nas construções de barragens, durante os períodos de estiagem braba. Eram programas assistenciais, um salário mínimo ou menos, não lembro, para aqueles chefes de família terem o que levar para as panelas de casa, senão morriam de fome mesmo. Só que eram contratos no papel, somente. Os coronéis ficavam com metade dos salários e nada era construído. Essa é uma entre várias histórias. SUDENE, SUDAM etc, estas superintendências sempre foram pivôs de escândalos enormes de corrupção.

    A ideia do Serra pode até ser boa, de apresentar algum movimento coordenado de melhorias do NE, mas lembrar da SUDENE, ao menos para mim, traz uma memória não muito eficiente, no mínimo.

    3 – Com relação à Saúde acho que ele tem o que falar mesmo. Tem história. Não só na Saúde como na Economia. Aliás, ontem o programa do DEM, que cometeu o mesmo “crime” do programa do PT, segundo a fajuta legislação eleitoral brasileira, o Serra apareceu um bocado, acho que por volta de 80% do tempo e achei que foi bom, um bom discurso. Pena que no dia seguinte surgem as notícias que o Rodrigo Maia, presidente do DEM, estava no esquema do Arruda em Brasília, notícia que precisa ser apurada, denúncia grave.

    4 – Educação? Bem, cara, moro no Estado de São Paulo há 16 anos e acompanho um pouco a questão, tenho uma cunhada diretora de escola etc. Caro, Educação não é um ponto positivo para o Serra, para Alckmin, para o PSDB em geral, pode escrever.

    5 – A questão da indecisão do vice é outra que desgasta. Vale a pena ler o colunista de política do Estadão, o João Bosco Rabello, Espera por Aécio já produz desgaste na campanha de José Serra.

    Enfim, Carlão, tentando somente fazer contra-pontos aos teus pontos, não acredito que a campanha do Serra passe por um bom momento não. Afora os pontos acima, os números das pesquisas corroboram com o que falo.

    Mas também vejo alguns riscos na campanha da Dilma. E eles vem de questões que o Lula precisa resolver. Uma é o aumento dos aposentados e o fim do fator previdenciário. Se Lula não assina corre o risco de perder um monte de votos para Dilma, uma reação enorme. Se assina o próximo governo já vai entrar devendo. Outra é a PEC 300 para os policiais. A terceira é o projeto Ficha Limpa que precisa da sanção do presidente, enfim, várias questões (fora as que esqueci agora) que podem reverter o alto índice de aprovação de Lula que reflete no crescimento de Dilma, claro que sim.

  8. Jorge said

    Serra apelou para a demagogia barata tentando reverter sua queda contínua nas pesquisas. Realmente, é o “fim de feira” total. Imagino os jovens nos cursos de relações internacionais vendo o candidato a presidente do Brasil fazer tamanha baixaria. Vai ficar desmoralizado. O serra é a direita que Lula gosta, virou praticamente um bush brasileiro. É tudo que Lula queria para fazer o plebiscito.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: