políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

As oligarquias do PT

Posted by Pax em 16/06/2010

Nestes dias de copa as cenas políticas que mais chocam são da greve de fome de dois petistas no Congresso. O deputado federal Domingos Dutra (PT-MA) e do militante petista Manoel da Conceição, de 75 anos, protestam contra o apoio do PT nacional à candidatura de Roseane Sarney ao governo do Estado. Estão em greve de fome há 5 dias.

Dutra subiu à tribuna e fez um discurso emocionado em resposta às críticas que José Genoino fez sobre a greve:

“Eu vou morrer aqui para que se respeite a democracia. Entregaram o PT de mão beijada”

Impossível não ficar solidário aos grevistas.

Greve de fome de petistas contra aliança com PMDB no Maranhão entra no quarto dia

Iolando Lourenço – Repórter da Agência Brasil

Brasília – Entrou no quarto dia a greve de fome do deputado federal Domingos Dutra (PT-MA) e do militante petista Manoel da Conceição. A greve é um protesto contra decisão do diretório nacional do PT de intervir no diretório local para garantir o apoio petista à candidatura da governadora Roseana Sarney (PMDB) à reeleição. Os dois estão no plenário da Câmara dos Deputados.

O deputado Domingos Dutra disse que o limite da greve é dia 30 de junho, quando encerra o prazo legal para as convenções partidárias. “Esperamos sensibilizar o diretório nacional e reverter a decisão. Não pretendemos morrer de fome. Estamos estudando a possibilidade de entrar na justiça contra a decisão nacional”, disse o deputado.

O PT maranhense aprovou a coligação com o PCdoB, que tem como candidato a governador do Maranhão o deputado federal Flávio Dino. Mas, na última sexta-feira, a direção nacional do PT decidiu que o partido vai apoiar a candidata Roseana Sarney em nome da aliança nacional firmada pelos dois partidos em torno de Dilma Rousseff, candidata petista à Presidência da República. “A decisão que foi tomada pela direção nacional não tem base na legislação partidária”, protestou o deputado.

Observação: um artigo que merece ser lido sobre o assunto foi escrito por Leandro Fortes, na Carta Capital. Sugiro a leitura – O feitiço de Sarney

Observação 2: O movimento mais engraçado dos últimos tempos na internet é no Twitter com o CALA A BOCA GALVAO. Relendo o post a vontade é criar um novo com o mesmo tom, o CALA A BOCA GENOINO.

Atualização: Notícia de hoje sobre a greve de fome, da Agência Brasil.

Fundador do PT, em greve de fome, é atendido pelo serviço médico da Câmara

Priscilla Mazenotti – Repórter da Agência Brasil

Brasília – Um dos fundadores do PT nacional, Manoel da Conceição, que faz greve de fome junto com o deputado Domingos Dutra (PT-MA), passou mal na noite de ontem (15) e foi atendido no Departamento Médico da Câmara.

Ele tem sido acompanhado pela equipe médica da Câmara e por assessores, que monitoram sua saúde. Há cinco dias, Manoel da Conceição iniciou a greve de fome em protesto contra a intervenção do diretório nacional do partido no Maranhão.

O PT nacional decidiu apoiar a candidatura de Roseana Sarney (PMDB) ao governo do estado e anular a decisão do diretório estadual em favor da candidatura do deputado Flávio Dino (PCdoB).

Flávio Dino pediu a Manoel da Conceição que acabe com a greve de fome. “Ele tem 75 anos, é um herói da luta contra a ditadura, fundador do PT. Está doente, pode morrer a qualquer momento”, disse.

Manoel da Conceição foi preso, torturado e exilado durante a ditadura militar. Teve uma perna amputada porque foi alvo de tiros da polícia na época.

“Só saio daqui para o cemitério, ou se o PT suspender a decisão que tomou. Enfrentei 20 anos de ditadura, não vou enfrentar isso?”, disse o militante.

Desde sexta-feira (11), o deputado Domingos Dutra está no plenário da Câmara bebendo apenas água mineral e água de coco. Ele dorme em um colchão e usa o banheiro dos servidores da limpeza. Dutra disse que já emagreceu mais de três quilos no período.

“Nunca fui de comer muito mesmo”, afirmou.

Anúncios

23 Respostas to “As oligarquias do PT”

  1. emerson57 said

    pax,
    lula perdeu várias eleições por falta de coligações.
    ai aprendeu a lição.
    isso explica sir ney,
    pior ainda que roseana é temer (que dona dilma não pegue nem um resfriado durante seu mandato).
    temer deveria ser vice do serra (que o cão lagosta não nos ouça).
    e, a despeito de todas opiniões em contrário, lula vem acertando muito mais que errando.
    sua candidata que, diziam, não passaria de 15% das intenções de votos, já lidera a disputa, com reais chances de ganhar já no primeiro turno.
    quanto a essa deploravel greve de fome, entendo que, se necessário, o próprio lula deveria agir com sua autoridade e seu carisma para acabar logo com isso.
    isso é apenas uma batalha,
    a guerra é enfrentar a imprensa partidária (pig).
    abraço.

  2. Pax said

    Caro Emerson57

    Claro que entendo as coligações, mas me reservo o direito de não aceitá-las calado. Assim foi do FHC com ACM, assim é com Lula e Sarney.

    Neste caso do Maranhão nem mesmo os petistas estão aceitando, a não ser meia dúzia que parece não sentir qualquer mau odor.

    O pior de tudo é pisar em cima de fundadores históricos do partido, como no caso do Manoel da Conceição.

    Já faz um tempo que não consigo concordar com a postura do Genoino. Nesta, então, de subir a tribuna e criticar os dois grevistas, acho que passou dos limites.

  3. Mona said

    Reproduzo aqui, comentário que fiz no NPTO:
    Concordo que o PT vai sobreviver, assim como os demais partidos e partidecos do espectro político brasileiro. No entanto, apenas um partido vem se afigurando com chances de crescer avassaladoramente. Adivinha qual é ele e quais as perspectivas que isso traz?
    Taí um bom assunto: o Brasil vai virar um Brasão (Brasil com o perfil do Maranhão), com a ajuda do Lulão?
    Particularmente, rendi-me ao efeito dos 80%. Creio, sinceramente, que a companheira Dilma vai ser nossa presidenta nominal. Não acredito que haja páreo nessa luta do rochedo (o bom senso) contra o mar (Lula). A criatura (Lula) vai fazer a sua sucessora, é o sentimento que tenho, mas quem vai levar efetivamente a fatura vai ser o monstrengo PMDB.
    Não tenho o menor receio de os companheiros aloprados mais à esquerda terem seu espaço e, assim, impor suas teses totalitárias. O centrão mercenário pmdbista e petista (em muito menor grau) é que vai impor suas teses pragmáticas, explicitamente mercantilista (no espírito retributivo do “é dando que se recebe…), mas suficientemente distributivas (expansão do bolsa família e do crédito consignado, por exemplo), para haver a sustentação popular do governo.Agora, esqueçam essa história de avanços educacionais, reformas tributárias ou qualquer coisa que sirva para a verdadeira alavancagem do País. A carga tributária jamais se reduzirá (como, se há necessidade de expansão dos gastos públicos para sustentar o apetite dos corruptos pmdbistas e petistas, aboletados nos ministérios, autarquias e fundos de pensão?); reforma política? educação? avanços tecnológicos? mais liberdade econômica para produzir? Esqueçam. Vem aí o PMDB, cuja expressão maior são os Sarneys, com todo o avanço que eles levaram ao Maranhão, estado exemplar em termos de gestão da coisa pública, em nível educacional, em interação com o resto do mundo , como bem atestam as notícias que vêm de lá.
    Bom retorno, PMDB! Vocês trabalharam direitinho para chegar lá e agora vão ser muito bem recompensados. Os demais partidos, incluindo aí o PT, tenderão a minguar. O PT de maneira voluntária, rendido ao projeto de poder (!?) imposto pelo Lula, que é quem verdadeiramente manda lá (mas, o Lula, embora muita gente pense que não, é mortal. Quando ele sumir, o que vai restar de músculo ao PT, voluntariamente sacrificado no altar da vaidade do Lula?), e os demais, porque a política de chão, que é a que acontece no nível dos municípios, flui para onde está o $$$. E com que ficará a grana, quem tem a aptidão para manipulá-la? O PMDB, haja vista o que o Geddel Viera Lima fez à frente do Ministério da Integração Nacional, trazendo para a Bahia grande parte dos recursos à sua disposição (a gente agradece…).
    Acho que os únicos locais onde o PSDB terá alguma expressão será em SP (Alkimin) , MG (Aécio)e PI (com o Sílvio Mendes, mas esse Estado não conta, dada a sua pequena base eleitoral) Lá, o Wellingtos Dias – PT não fará seu sucessor. Acho até que não tem ninguém do PT concorrendo).
    E os demais – DEM, PSB, PP, etc – vão se contentar em ter uma aparição pontual aqui e acolá.
    Acabou-se, até o início de um novo ciclo, por absoluta exaustão desse modelo político-partidário.

  4. Pax said

    Bom comentário, Mona.

    Também acho que o PMDB é um monstrengo que coloca o PT numa posição, digamos, de quatro. Uma pena.

    Mas teria algumas objeções ao teu comentário. Um dos exemplos é o Alckmin em São Paulo. A mim parece um enorme atraso. É só ver o estado da Educação no estado de SP para perceber isso.

    Outro ponto é que, segundo informações, em vários estados o PT abriu mão de candidatos ao governo em troca da disputa do Senado. O gol, segundo me informaram, é ter mais 16 senadores. Não sei se conseguem.

    O terceiro ponto é a questão de olhar o outro lado, que seria o monstrengo do DEM. Ou seja, segundo me parece, o PSDB também tem o seu. Talvez o DEM esteja em pior momento, mas não deixa de ser um partido, ao menos em minha opinião, parecido com o PMDB.

    Juntando com o ponto acima, há, sim, de minha parte, uma enorme crítica a essa oposição de hoje. PSDB com DEM e PPS formam uma fraquíssima oposição. Impressionante. E não acho isto bom para o Brasil.

    Mas reafirmo que teu comentário me parece muito bom, ainda mais super pertinente com essa questão da greve por conta da clã Sarney colocar o PT nacional como servo.

    Uma tristeza.

  5. Olá!

    Não deixa de ser engraçado e, ao mesmo tempo, triste ver os esquerdistas choramingando uma realidade que eles mesmo construíram. O Lula, que é uma construção ideológica, está, aos poucos, destruindo o PT. O Golbery do Couto e Silva certa vez afirmou que o Lula cumpriria a missão histórica de destruir a esquerda no Brasil. Algo deveras grandioso para alguém de origem tão humilde e de parca formação intelectual — ou não, já que essas qualidades dele contribuíram para tornar as esquerdas brasileiras ainda mais primitivas em seus atos e discursos.

    Daquelas maluquices utópicas de construir uma sociedade onde todos sejam iguais e tenham todos as mesmas coisas, hoje, a esquerda brasileira se conforma com migalhas que nem de longe se comparam às suas antigas bandeiras. Em vez de terem atingido a antiga utopia de uma sociedade onde os meios de produção e o capital sejam propriedade coletiva, com Welfare State de qualidade excelente para todos, hoje, as esquerdas brasileiras ficam conformadas em se gabar do Bolsa Família, da Petrobras e da popularidade do presidente Lula. (Ao que parece, o lulismo tornou primitivo até mesmo os maiores objetivos das esquerdas brasileiras.)

    Isso, pelo menos a mim, não é estranho, pois sempre foi um traço da estrutura mental esquerdista colocar feitos grandiosos no futuro, quando não, no futuro do pretérito. Sabe-se a priori que tais feitos são impossíveis de serem atingidos e, justamente por isso, se tornam um poderoso instrumento de manipulação nas mãos de uma figura carismática (como o Lula) assessorada por um séquito que não precisa lá de uma formação intelectual acima da média.

    No final das contas, o objetivo majoritário dessa gente é atrair uma massa de militantes para servirem de idiotas úteis à máquina do movimento/partido/clube/etc. com o objetivo principal de mantê-la funcionando. Para essa gente, é muito mais importante manter a base de militantes do que atingir os objetivos pregados (vide o MST), já que o movimento não pode acabar. Daí que esses objetivos fiquem, eternamente, no futuro (do pretérito) e jamais serão alcançados, pois alcançá-los seria retirar o instrumento através do qual os mentores intelectuais desses movimentos/partidos/etc. descarregam todo o ódio e frustração em relação a aquelas pessoas que possuem méritos pessoais que eles próprios não têm.

    Esses oito anos de governo Lula resultaram em nenhuma reforma estrutural importante para o Brasil. É uma pena que 80% de popularidade não se traduzam em reformas desse tipo, que são feitas com muito mais elementos do que uma simples porcentagem.

    O FHC é odiado até os ossos nas hostes petistas. Ele é uma espécie de Emmanuel Goldstein para o PT — com a diferença de não ser um dissidente do partido — e basta citar o nome dele diante de um petista para os dois minutos de ódio começarem (só falta os petistas fazerem a sua semana do ódio dedicada ao FHC). Mas isso é bastante compreensível, pois os petistas, sobretudo os que ainda tem lá o seu naco de inteligência, sabem que o legado do FHC supera e muito tudo o que o governo Lula fez. Aliás, sem governo FHC e suas reformas não haveria o governo Lula que aí está. Isso é um fato.

    O Lula gosta de se gabar do seu passado sofrido, quando ele não tinha acesso ao serviços básicos de saneamento e o menino Lula tinha que beber água com caramujo. No entanto, o Lula atual não hesita em se aliar aos representantes que dão continuidade às forças mais retrógradas do país, forças essas que, no passado, obrigaram-no a beber água com caramujo e, no presente, condena um outro monte de pessoas às piores brutalidades.

    Mas… esperar o quê de um país que foi construído sobre bases que concentram os poderes econômico e político nas mãos de poucos? Esses poderes deveriam estar diluídos ao longo da sociedade, no entanto, com a desculpa esfarrapada de fazer “justiça social”, “política social”, de implantar um Welfare State escandinavo e dar tudo para todos, sem que as pessoas assumam responsabilidades individuais, o resultado não poderia ser outro.

    Mas é legal ver os esquerdistas choramingando… Hehehehehehe!!

    Até!

    Marcelo

  6. Olá!

    O texto que segue serve como um excelente adágio para o atual momento político do PT:

    Oligarquia (do grego ολιγαρχία, de oligoi, poucos, e arche, governo) significa, literalmente, governo de poucos. No entanto, como aristocracia significa, também, governo de poucos – porém, os melhores -, tem-se, por oligarquia, o governo de poucos em benefício próprio, com amparo na riqueza pecuniária.

    As oligarquias são grupos sociais formados por aqueles que detêm o domínio da cultura, da política e da economia de um país, e que exercem esse domínio no atendimento de seus próprios interesses e em detrimento das necessidades das massas populares; num país pós-colonial, como o Brasil, os interesses oligárquicos estão diretamente relacionados aos interesses do imperialismo (o domínio de um país para o atendimento das necessidades – também oligárquicas – de um outro país, este dominante); o imperialismo, por sua vez, participa diretamente da sustentação daqueles grupos sociais oligárquicos no domínio do ‘seu’ país: os oligarcas de um país dominado são, portanto, ‘subdominantes’.

    Oligarquias são grupos fechados e pequenos que detêm o controle do poder, geralmente formadas por familiares de grandes proprietários.

    Agradeço ao Pax que o indicou a mim no outro post.

    Até!

    Marcelo

  7. Pax said

    Marcelo Augusto,

    Este teu comentário é histórico. Montar toda sua crítica em duas questões muito questionáveis:

    1 – A apologia ao Golbery, a eminência parda da ditadura.

    2 – A sua teimosia em perceber que o Brasil está anos luz melhor que à época do mesmo, ou seja, da ditadura.

    É a tal questão, com certeza devemos criticar a situação, mas com esta oposição, ao menos com este tipo de argumentação, ainda teremos muito tempo até qualquer mudança ocorrer.

    E aí haja paciência para aguentarmos o Sarney dando ordens para o Lula, exatamente como ACM dava em FHC.

  8. Olá!

    “Este teu comentário é histórico. […]”

    Isso foi uma ironia, Pax?

    “[…] Montar toda sua crítica em duas questões muito questionáveis:

    1 – A apologia ao Golbery, a eminência parda da ditadura.”

    Não fiz uma apologia ao Golbery do Couto e Silva. No máximo, uma citação. Apenas citei algo que ele, certa vez, afirmou. Isso não quer dizer que eu concorde com os métodos que o grupo dele utilizou enquanto no poder.

    “2 – A sua teimosia em perceber que o Brasil está anos luz melhor que à época do mesmo, ou seja, da ditadura.”

    Da onde foi que você tirou isso, Pax? O Brasil que vem sendo construído ao longo do período pós-1985 é muito melhor do que o Brasil da ditadura militar. Não atribua a mim argumentos que não são meus, Pax.

    É inegável que o FHC teve que se juntar às forças retrógradas desse país. O Lula fez o mesmo. Mas, aqui, vai a pergunta: Quantas reformas estruturais o FHC fez ao se aliar a tais forças? E o Lula?

    Até!

    Marcelo

  9. Jorge said

    é inevitável esse tipo de tensão. Foi assim no passado em outros estados, agora, ocorre no Maranhão. Mantemos a oligarquia do Maranhão no poder, mas impedimos que uma oligarquia ainda pior volte ao governo federal. É uma escolha difícil. Mas nenhum brasileiro sensato pensaria de outra forma – nós em SP vivemos sob o coronelismo tucano que a cada dia está mais parecida com a família sarney, somente que são várias famílias ao invés de uma só.

  10. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Só coloquei, com uma ênfase maior, os pontos que você se baseou em seu comentário… onde quero chegar? Devagar nas pedras, criticar é um esporte que implica, no meu entender, em equilíbrio. Como diz o nosso colega Elias, pau que bate em Chico é o mesmo que bate em Francisco.

    Caro Jorge,

    Leia o post novo e verás que não dá para ficar calado. Respeito todos que apoiam o governo, mas jamais vou deixar de colocar as questões intragáveis que fazem parte do jogo político de hoje em dia. Minha doce ilusão é que o dito popular “água mole em pedra dura…” um dia funcione. Ficha Limpa já está aí. Quem sabe um dia as alianças políticas não sejam tão venais ao país?

  11. Olá!

    Pax, não me leve a mal, mas confesso que fiquei sem entender em qual ponto você queria chegar ao dizer que embasei minha crítica em uma apologia ao Golbery do Couto e Silva. Não fiz apologia desse personagem do período da ditadura militar no Brasil. Apenas citei uma afirmação dele. O problema de se argumentar com um esquerdista brasileiro é que basta citar algo ou alguém relacionado à ditadura militar e logo quem citou é acusado de simpatizar com tal regime, de fazer apologias e coisas tais. Isso acaba levando à uma avaliação rasa da história dessa época — não é à toa que, nas esquerdas, há um enorme deserto intelectual quanto a esse período. Pouca coisa se aproveita.

    Você afirmar que eu tenho teimosia em não perceber que o Brasil está anos luz melhor que à época do [Golbery do Couto e Silva], ou seja, da ditadura é uma suposição toda sua. Em nenhum momento afirmei que a ditadura era melhor do que aquilo que vem sendo construído desde 1985. É covardia atribuir ao seu debatedor argumentos que não são dele.

    É um porre ter que colocar o debate intelectual nesse nível de pobreza argumentativa.

    Até!

    Marcelo

  12. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Vou pegar algumas frases do teu primeiro comentário, veja só:

    “contribuíram para tornar as esquerdas brasileiras ainda mais primitivas em seus atos e discursos.”

    “Daquelas maluquices utópicas de construir uma sociedade onde todos sejam iguais e tenham todos as mesmas coisas, hoje, a esquerda brasileira se conforma com migalhas ”

    “Ao que parece, o lulismo tornou primitivo até mesmo os maiores objetivos das esquerdas brasileiras.”

    “se tornam um poderoso instrumento de manipulação nas mãos de uma figura carismática (como o Lula) assessorada por um séquito que não precisa lá de uma formação intelectual acima da média.”

    “o objetivo majoritário dessa gente é atrair uma massa de militantes para servirem de idiotas úteis à máquina do movimento/partido/clube/etc. ”

    etc etc

    E agora reclama que:

    “É um porre ter que colocar o debate intelectual nesse nível de pobreza argumentativa.”

    Ou seja, caro, impossível não perguntar se existe um espelho onde você tecla.

    Para se atirar pedras, antes há que se ter certeza se não temos telhado de vidro.

    Quando quiser um debate mais educado, voltamos. No momento que focar em menos rotulações e adjetivismos, talvez consigamos.

  13. Jorge said

    Pax, não sou contra voce tocar no assunto, não. Pelo contrário. As contradições devem ser indicadas. Por mim não haveria apoio a Sarney, mas, se o PT jogá-lo no lixo, o psdb passará por lá e o pega, como pegou quercia, roberto jeferson e maluf. a justiça é que poderia por fim a esse tipo de gente.

  14. Olá!

    Pax, a sua tentativa de colocar meus argumentos nivelados por baixo demonstra a sua pobreza de argumentação neste caso em questão. É fácil fazer recortes de um texto, tirá-los do contexto e, no final, atribuir um determinado significado a eles diferentes da concepção original.

    Por quais motivos você não procurou rebater meus argumentos com os seus argumentos? Ficaria muito agradecido de ler o que você teria a dizer.

    Se você considera meus argumentos pobres, cheios de adjetivações e rotulações deveria, ao menos, demonstrar isso via argumentos. Gostaria de saber se isso que escrevi acima estão fora de sincronia com os fatos.

    Mesmo assim, vou me dar o trabalho de explicar cada um dos recortes que você fez do meu texto original.

    “[…] O Golbery do Couto e Silva certa vez afirmou que o Lula cumpriria a missão histórica de destruir a esquerda no Brasil. Algo deveras grandioso para alguém de origem tão humilde e de parca formação intelectual — ou não, já que essas qualidades dele contribuíram para tornar as esquerdas brasileiras ainda mais primitivas em seus atos e discursos.”

    Isso é verdade ou não, Pax? O Lula não contribuiu para tornar os discursos e atos esquerdistas mais primitivos? Daqueles objetivos sofisticados de transformação completa da sociedade via o ideário político-econômico das esquerdas, hoje, os esquerdistas se gabam de coisas como o Bolsa Família, a Petrobras e a popularidade do presidente Lula. É um fim muito humilde para quem, um dia, pregou grandiosidades.

    Daquelas maluquices utópicas de construir uma sociedade onde todos sejam iguais e tenham todos as mesmas coisas, hoje, a esquerda brasileira se conforma com migalhas que nem de longe se comparam às suas antigas bandeiras. Em vez de terem atingido a antiga utopia de uma sociedade onde os meios de produção e o capital sejam propriedade coletiva, com Welfare State de qualidade excelente para todos, hoje, as esquerdas brasileiras ficam conformadas em se gabar do Bolsa Família, da Petrobras e da popularidade do presidente Lula. (Ao que parece, o lulismo tornou primitivo até mesmo os maiores objetivos das esquerdas brasileiras.)”

    O parágrafo na sua totalidade responde e embasa os destaques em negrito e que você, Pax, utilizou como recorte no seu comentário acima.

    “Isso, pelo menos a mim, não é estranho, pois sempre foi um traço da estrutura mental esquerdista colocar feitos grandiosos no futuro, quando não, no futuro do pretérito. Sabe-se a priori que tais feitos são impossíveis de serem atingidos e, justamente por isso, se tornam um poderoso instrumento de manipulação nas mãos de uma figura carismática (como o Lula) assessorada por um séquito que não precisa lá de uma formação intelectual acima da média.

    No final das contas, o objetivo majoritário dessa gente é atrair uma massa de militantes para servirem de idiotas úteis à máquina do movimento/partido/clube/etc. com o objetivo principal de mantê-la funcionando. Para essa gente, é muito mais importante manter a base de militantes do que atingir os objetivos pregados (vide o MST), já que o movimento não pode acabar. Daí que esses objetivos fiquem, eternamente, no futuro (do pretérito) e jamais serão alcançados, pois alcançá-los seria retirar o instrumento através do qual os mentores intelectuais desses movimentos/partidos/etc. descarregam todo o ódio e frustração em relação a aquelas pessoas que possuem méritos pessoais que eles próprios não têm.”

    Os dois parágrafos descrevem a essência do que sempre foram os movimentos políticos de massa ao longo da história. Gostaria que você rebatesse isso com os seus argumentos. Além do que, me diga: O quê há de errado com esses dois parágrafos?

    Mais uma vez, Pax, você não rebate com argumentos seus o que escrevi acima, limitando-se a recortar meu texto original e dar-lhe uma qualificação que não corresponde a aquilo que o texto realmente é. Assim fica difícil de argumentar.

    Por isso, repito: É um porre ter que colocar o debate intelectual nesse nível de pobreza argumentativa.

    Até!

    Marcelo

  15. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    em outros comentários, faz algumas semanas, argumentei que para “dialogar” com o Marcelo Augusto torna-se necessário um intérprete interplanetário.

    É isso aí, caro Pax,

    A casca jurássica é mesmo bem grossa.

  16. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Amanhã prometo uma resposta mais precisa aos teus comentários e reclamações. Farei com um pouco mais de tempo, espero.

    Por enquanto somente deixo a pergunta: você se sentiu agredido com minha réplica, certo? Agora pare um pouco e pense se teus comentários, via de regra, não são repletos de generalizações e adjetivações.

    São sim, caro. Tenho enorme prazer em debater com gente inteligente, como você, mas cipó que vai, volta, meu caro. Você acusa todos esquerdistas de limitados. Daí para baixo. Via de regra se entusiasma e chega a deixar entender que seriam todos desonestos, ou algo neste sentido.

    Não são, caro Marcelo Augusto. Não generalize. Há esquerdistas desonestos? Sim, claro que sim. Há esquerdistas limitados intelectualmente? Sim, claro que sim. Assim como direitistas, liberais, neoliberais ou o diabo a quatro.

    É por esta razão, meu caro, que insisto aqui no blog em educação nos debates. Volta e meia há agressões que considero desnecessárias, ou, mais que isso, improdutivas. Já tivemos longas discussões que foram excelentes. Exatamente as que se abstiveram de generalizar e agredir.

    Por favor não entenda que desgosto de discutir, de forma alguma. É, para mim, um enorme prazer. Via de regra mudo uma ou outra opinião aqui aprendendo com todos.

    Mas também leio – e participo (ou participei) – de outros blogs. E afirmo para você que quando a educação cede lugar às agressões, não vejo sentido algum. Há quem goste. Eu confesso que não.

    Não acho que você seja o único a agredir, nem acho que você sempre agride. Algumas vezes sim. Então, antes que eu responda em cima do teu texto, fica este desejo, mais uma vez, de deixar o tom que busco, se é que tenho este direito que acho que tenho.

    Um abraço

  17. Pax said

    Caro Patriarca,

    Enquanto escrevia meu comentário acima você fazia o teu anterior a este.

    Peço a todos meus colegas daqui que reflitam sobre o desejo de termos boas conversas, plurais, onde todos tenham voz e que os debates se atenham às ideias e não às pessoas.

    Considero um enorme privilégio tê-los todos por aqui, acreditem.

  18. Olá!

    Pax, não me senti agredido pelo que você escreveu. Apenas considerei que sua forma de argumentar neste caso em questão é pobre. Você recortou partes do meu texto e, ao que parece, aleatoriamente selecionou alguma acusação e a atribuiu ao que escrevi, sem nem mesmo embasar os seus argumentos.

    Aliás, Pax, em um outro post, um leitor daqui do blog me chamou de fascista e enganador. Não vi você, Pax, levantar sequer um dedo nesse caso. Mas quando eu digo que o grosso das esquerdas adora uma alfafa ideológica, aí, eu sou mal educado e coisas tais. Mas tudo bem, pois não pego corda quando alguém me xinga.

    Não considero que todos os esquerdistas sejam limitados. A esquerda européia, por exemplo, é civilizada. O grosso da esquerda brasileira utiliza um discurso muito primitivo. Alguns leitores daqui mesmo do seu blog são exemplos disso, Pax. Com frequência, é comum vê-los se gabando de coisas como o Bolsa Família, a Petrobras, a popularidade do presidente Lula e coisas do gênero. É um direito deles fazer essa escolha. Porém, quando isso se torna a principal bandeira intelectual em uma argumentação, aí, então, não vejo outra classificação para isso a não ser o primitivismo.

    Quanto ao meu primeiro comentário deste post, não vi agressões a ninguém.

    Até!

    Marcelo

  19. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Prometi uma resposta. Talvez saia em partes, mas vamos lá. Em cima do teu primeiro comentário neste post, o #5.

    Não deixa de ser engraçado e, ao mesmo tempo, triste ver os esquerdistas choramingando uma realidade que eles mesmo construíram. O Lula, que é uma construção ideológica, está, aos poucos, destruindo o PT. O Golbery do Couto e Silva certa vez afirmou que o Lula cumpriria a missão histórica de destruir a esquerda no Brasil. Algo deveras grandioso para alguém de origem tão humilde e de parca formação intelectual — ou não, já que essas qualidades dele contribuíram para tornar as esquerdas brasileiras ainda mais primitivas em seus atos e discursos.

    Aqui tivemos nosso primeiro quiprocó. E qual é meu ponto? É que acredito que teu arrazoado está errado pelos seguintes motivos:

    – Não acho que Lula esteja destruindo o PT. Gostaria de ter maiores informações numéricas, mas arrisco a dizer que tanto o número de filiados quanto o número de vereadores, deputados estaduais, federais, senadores e governadores aumentos ao invés de diminuir. Fico aqui somente com a informação cabalística mesmo, a numérica.

    – Outra questão, também objetiva, é esta que você teima em não aceitar, da aprovação do governo Lula por uma ampla maioria do povo brasileiro. É fato. E as causas deste fato merecem uma análise um pouco mais profunda que entendo em tuas críticas, se você me permite uma crítica às críticas. Aliás, é a mesma que faço para alguns pseudoanalistas políticos da atualidade. E, também, na essência da plataforma da principal oposição ao governo de hoje, formada, principalmente, pelo PSDB e DEM.

    – Citar Golbery não me parece lá uma boa. Opinião pessoal. Gosto de citar os gregos, gosto de citar outros filósofos consagrados, mas você não me vê citando pessoas mais contemporâneas, como exemplos. É uma mania, nem sempre absoluta, mas é, sim. Porquê? Porque os consagrados, os que ficaram para a História, merecem que eu – veja, falo de mim – os cite. Ainda mais quando é um cara tão polêmico e que, para mim, representa um tempo que quero lembrar como um tempo passado, muito ruim, onde não havia liberdade, o bem que mais prezo. Liberdade acima de tudo. Qualquer ditadura não merece, de mim, respeito algum. Só desprezo. Vivi os tempos da ditadura, meu caro. E as lembranças são muito ruins. Péssimas. Deploráveis.

    – Onde tento entender teu lado, com certa concordância, é que estas questões das alianças, motivo do post, também me são intragáveis. Tanto que reclamo dia sim e outro também, ou não?

    Daquelas maluquices utópicas de construir uma sociedade onde todos sejam iguais e tenham todos as mesmas coisas, hoje, a esquerda brasileira se conforma com migalhas que nem de longe se comparam às suas antigas bandeiras. Em vez de terem atingido a antiga utopia de uma sociedade onde os meios de produção e o capital sejam propriedade coletiva, com Welfare State de qualidade excelente para todos, hoje, as esquerdas brasileiras ficam conformadas em se gabar do Bolsa Família, da Petrobras e da popularidade do presidente Lula. (Ao que parece, o lulismo tornou primitivo até mesmo os maiores objetivos das esquerdas brasileiras.)

    – Aqui é outro ponto que tenho uma enorme discordância de você. Vou tentar da forma que melhor consiga te mostrar. Você, sem que queira te acusar ou desmerecer, é useiro e vezeiro em rotular qualquer um que não seja liberal de esquerdista. Ok, direito teu. Mas colocar no mesmo saco todas as correntes da tal esquerda é um erro crasso. Você mistura comunista utópico, que imagina que somente a ditadura do proletariado é que pode ser proprietária dos meios de produção e tudo mais que você sabe, com os sociais democratas, como eu, que imagino um estado suficientemente capaz de promover igualdade de oportunidade (educação, saúde, segurança à vida e liberdade de ir e vir, etc e que, em essência, assegura a propriedade privada e incentiva que os meios de produção sejam privados, também, como fonte de geração de riquezas. O Estado atua somente em algumas áreas. Aliás, no meu entender, quanto menos melhor, com relação a produção, diferente de educação, saúde etc. É um erro, meu caro, no meu entender e me repetindo, um erro crasso colocar toda a dita esquerda no mesmo balaio.

    Isso, pelo menos a mim, não é estranho, pois sempre foi um traço da estrutura mental esquerdista colocar feitos grandiosos no futuro, quando não, no futuro do pretérito. Sabe-se a priori que tais feitos são impossíveis de serem atingidos e, justamente por isso, se tornam um poderoso instrumento de manipulação nas mãos de uma figura carismática (como o Lula) assessorada por um séquito que não precisa lá de uma formação intelectual acima da média.

    – Aqui vejo outro erro, de novo. Vou te contar uma história real. Quando resolvemos montar o projeto Pandorama, eu e mais dois caras, que respeito pacas, profissionais de alto gabarito, quisemos equilibrar os blogs que comporiam o projeto. Sabe o que aconteceu? Tínhamos inúmeros blogs da esquerda que poderíamos chamar, era uma lista, difícil de decidir. E de outro lado chegamos a triste constatação que havia quase uma nulidade de blogs de direita que consideramos, à época, inteligente o suficiente pra convidarmos. É fato, não boato.

    Afirmar que toda a esquerda, ou insinuar, pra ser mais honesto com teu comentário, é pobre intelectualmente é o mesmo que desprezar o “inimigo”. Vale lembrar das lições de Sun Tzu, se é que valem.. “Se você se conhece e conhece teu inimigo, não há o que temer 100 batalhas…”.

    Aliás, Marcelo Augusto, você é um cara liberal que tem uma capacidde intelectual muito acima da média (geral). Porque não se entusiasma e monta um blog. Se for diferente destes pseudoanalistas políticos histéricos da oposição, não só acho que terá um enorme sucesso como me terá como leitor, com certeza.

    Enfim, caro Marcelo Augusto, reinterando meu desejo dos bons debates, volto a insistir que não devemos nos ofender, e sim discutir ideias. Que vençam as melhores, afinal. E que quem decida seja a maioria da sociedade, sempre. Ela que é a soberana.

  20. emerson57 said

    pax,
    a greve de fome = deplorável, porém justificada?.
    as alianças = é o antiodoto ao “pig” , aarrrrgggghhhh,
    como combater o adversário que tem uma aliança espúria com o “partido da imprensa golpista”?
    então somos,todos os brasileiros, pt inclusive, obrigados a engolir sir neys e temer.
    enjoa? claro mas……….

    o que vejo no brasil é, de um lado, a direita chorando o fim da primazia. eles todos só sabem andar a reboque. mesmo quando ricos, vivem atrás de migalhas caidas da mesa do poder.
    é o que a direita, a meu ver, fez nos últimos 500 anos.

    já por outro lado, vejo a esquerda falha, hesitante, abrigando muitos com raciocínio similar ao da direita acima, porem representando a única via de progresso real para a maioria do povo.

    dilma eleita, torço que continue caminhando na direção de governar para a maioria.

    vejo os partidos da seguinte forma:
    pt : lula e o que ele representa.
    psdb : fhc e o que ele representa.

    os outros: qual outro, existe?

  21. Pax said

    Caro Emerson57,

    Não admito essa história de Pig. A imprensa sempre foi, e deve ser, crítica aos governos. Aqui e alhures.

    Se temos maus jornalistas e péssimos analistas políticos? Sim, temos sim. Mas temos alguns bons, outros muito bons.

    A turma que inventou essa história do Pig me parece pouco merecedora de crédito. Vejo pseudoanalistas políticos histéricos tanto de um lado quanto de outro.

    Com relação a Dilma, acho que foi você quem falou em outro post, que, caso ela vença, é torcer ao máximo para que não tenha qualquer resfriado. Imagina o vice assumindo e tomando decisões. Se forem parecidas com essas de agradar o baixo clero que ele adora fazer onde está, estamos fritos e mal pagos.

    Resta esperar a decisao de vice do Serra. Hoje parece mais um parto de porco espinho. Impressionante como enrolam esta decisão.

    A notícia é que o tucano andou brigando com outros caciques, coisas de centralização que o candidato quer e os outros não querem. Quem tem razão? O que se percebe é que as lutas fatricidas do PSDB não tendem a acabar tão cedo.

  22. Olá!

    “- Não acho que Lula esteja destruindo o PT. Gostaria de ter maiores informações numéricas, mas arrisco a dizer que tanto o número de filiados quanto o número de vereadores, deputados estaduais, federais, senadores e governadores aumentos ao invés de diminuir. Fico aqui somente com a informação cabalística mesmo, a numérica.”

    E você, Pax, está corretíssimo. Penso que a tal da destruição que o Golbery se referiu não era em termos numéricos, mas, pior ainda, em termos de valores essenciais. Genericamente falando, há vertentes esquerdistas que pregavam o socialismo utópico. Veja, hoje, como o grosso da esquerda brasileira se comporta. Gaba-se do Bolsa Família, da Petrobras e da popularidade do presidente Lula. É uma atitude realmente bem mais humilde em relação aos ideais grandiosos que havia na gênese das esquerdas.

    “- Outra questão, também objetiva, é esta que você teima em não aceitar, da aprovação do governo Lula por uma ampla maioria do povo brasileiro. É fato. […]”

    Sim, Pax, é um fato. Não tenho problemas com a popularidade do presidente Lula. O lance é que porcentagem não se traduz em reformas estruturais, já que estas são feitas com muito mais coisas do que isso.

    “- Citar Golbery não me parece lá uma boa. Opinião pessoal. Gosto de citar os gregos, gosto de citar outros filósofos consagrados, mas você não me vê citando pessoas mais contemporâneas, como exemplos. […]”

    Pax, citei tal personagem da ditadura pelo simples fato de ele ter dito o que disse sobre o presidente Lula e a missão histórica deste em destruir a esquerda brasileira.

    “- Aqui é outro ponto que tenho uma enorme discordância de você. Vou tentar da forma que melhor consiga te mostrar. Você, sem que queira te acusar ou desmerecer, é useiro e vezeiro em rotular qualquer um que não seja liberal de esquerdista. Ok, direito teu. Mas colocar no mesmo saco todas as correntes da tal esquerda é um erro crasso. Você mistura comunista utópico, que imagina que somente a ditadura do proletariado é que pode ser proprietária dos meios de produção e tudo mais que você sabe, com os sociais democratas, como eu, que imagino um estado suficientemente capaz de promover igualdade de oportunidade (educação, saúde, segurança à vida e liberdade de ir e vir, etc e que, em essência, assegura a propriedade privada e incentiva que os meios de produção sejam privados, também, como fonte de geração de riquezas. O Estado atua somente em algumas áreas. Aliás, no meu entender, quanto menos melhor, com relação a produção, diferente de educação, saúde etc. É um erro, meu caro, no meu entender e me repetindo, um erro crasso colocar toda a dita esquerda no mesmo balaio.”

    Concordo com alguns dos seus pontos, sobretudo quanto ao papel de geração de riquezas que deve ser do setor privado. Quanto a colocar toda a esquerda no mesmo balaio, se o fiz foi justamente pelo fato de as vertentes esquerdistas compartilharem de alguns valores entre si. A própria natureza do meu argumento é genérica e não critica uma esquerda em específico, mas, sim, todas as vertentes.

    “- Aqui vejo outro erro, de novo. Vou te contar uma história real. Quando resolvemos montar o projeto Pandorama, eu e mais dois caras, que respeito pacas, profissionais de alto gabarito, quisemos equilibrar os blogs que comporiam o projeto. Sabe o que aconteceu? Tínhamos inúmeros blogs da esquerda que poderíamos chamar, era uma lista, difícil de decidir. E de outro lado chegamos a triste constatação que havia quase uma nulidade de blogs de direita que consideramos, à época, inteligente o suficiente pra convidarmos. É fato, não boato.”

    É verdade. Há poucos blogs de direita e menos ainda blogs liberais. Afinal de contas, os militares ajudaram a “destruir” a direita no Brasil.

    Quanto a iniciar um blog, acho melhor não. Não teria tempo para atualizá-lo, além do que sou muito ocupado. Mas agradeço a sua gentil sugestão e os seus elogios à minha mui humilde pessoa.

    Até!

    Marcelo

  23. emerson57 said

    pax,
    obrigado pela resposta acima.

    concordamos em quase tudo.
    menos na questão do pig.
    para mim o pig é real,
    e perde relevância a cada dia, porque a net ganha em importãncia em relação à midia tradicional.
    como já disse, essa é a última eleição na qual o pig ainda vai ter algum peso.
    com a popularização da internet, bye bye pig.

    porque acredito que o pig existe?

    para ficar em dois exemplos emblemáticos:
    ficha falsa da dilma,
    edição do debate lula x collor

    milhões de outros exemplos. veja a capa da folha de hoje, que li pendurada na banca, “Dado de dossiê contra tucano saiu do fisco”
    e diga que isso não é partidário.

    e.t. o serra arranjar um vice é mais fácil que o povo brasileiro engolir temer.
    isso doi.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: