políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Ibope: Dilma 51%, Serra 25%, Marina 11%

Posted by Pax em 18/09/2010

Tudo indica que a agenda negativa proporcionada pela campanha tucana foi negativa para José Serra que perdeu 2% das intenções de voto nas últimas duas semanas, com Dilma Rousseff estável e os votos perdidos pelo tucano parecem ter se transferido para Marina Silva.

A pesquisa Ibope divulgada ontem foi realizada entre os dias 14 e 16 de setembro. O estrago causado pelo novo escândalo que o noticiário aponta sobre o suposto tráfico de influência dos parentes de Erenice Guerra na Casa Civil ainda não estão computados em sua totalidade. As novas pesquisas de intenção de votos a serem divulgadas nos próximos dias trarão melhores indicações se abalarão ou não a campanha de Dilma Rousseff e quanto será este eventual impacto.

A agenda negativa até agora não foi favorável ao candidato tucano José Serra. Em duas semanas perdeu mais 2% de intenções de voto que, segundo indícios, se transferiram para a candidata verde Marina Silva. O fato é que a distância para a primeira colocada aumentou e as chances de um segundo turno se mostram pequenas.

Confira a informação da pesquisa na notícia do site G1, abaixo.

Dilma tem 51%, e Serra, 25%, aponta pesquisa Ibope
Marina Silva (PV) aparece com 11% das intenções de voto.
Margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos.

A candidata Dilma Rousseff (PT) lidera a disputa pela Presidência da República com 26 pontos percentuais à frente de José Serra (PSDB), segundo pesquisa Ibope de intenção de voto divulgada nesta sexta-feira (17) pela TV Globo. De acordo com a pesquisa, Dilma tem 51% das intenções de voto; José Serra (PSDB), 25%; e Marina Silva (PV), 11%.

O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 205 municípios de 14 setembro a 16 de setembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Isso quer dizer que Dilma pode ter entre 49% e 53%; José Serra, entre 23% e 27%; e Marina Silva, entre 9% e 13%.

Segundo o Ibope, considerando apenas os votos válidos, Dilma seria eleita no primeiro turno, se a eleição fosse hoje. No levantamento anterior do Ibope, divulgado no dia 3 de setembro, Dilma tinha 51%, e Serra, 27%.

Continua no G1

Anúncios

15 Respostas to “Ibope: Dilma 51%, Serra 25%, Marina 11%”

  1. Carlão said

    Novidades na Veja as 9 …hehe

  2. William said

    hhahahahaha, as novidades da Veja sao pra variar supostos fatos sem nenhuma prova. é ridiculo. é golpismo barato.

  3. William said

    e o detalhe é que nada conseguiram contra a Dilma. O panfleto tá desesperado com suas mentiras.

  4. Patriarca da Paciência said

    Se por acaso, por uma possibilidade muito remota, houver segundo turno, será com a Marina.

    “Serra é o Carlos Lacerda repetido como farsa!”

  5. Chesterton said

    DE JORNAL SÉRIO
    A PASQUIM VENAL

    Leitora me escreve:

    Caro Janer, você sacou bem a relação da bajulação com os Rafales. Li, a propósito, num destes sites jornalísticos, que o Franklin Martins teria contratado firmas internacionais de marketing por valores milionários. Na véspera de mais um desastre, com a eleição da Dilma, você acha que esta reportagem, logo agora, nas eleições, teria a ver? Afinal a turma do Le Monde é bem afinadinha com eles, e poderá estar levando uma grana brava.

    O suplemento tem toda a cara de matéria paga, leitora. É pura louvação ao Brésil de Lula e a Lula. O mitômano analfabeto é visto como gênio da oratória. Nenhuma palavrinha sobre as corrupções que saltam de seu governo como cogumelos após a chuva. No artigo sobre a Rocinha, nada sobre drogas ou criminalidade, muito menos sobre o poder paralelo dominado pelos traficantes. Apenas uma simpática menção à prática de boxe tailandês. As favelas desde há muito são Estados dentro do Estado e sobre isto o jornal não disse água.

    Nenhuma menção tampouco à guerrilha católica do MST, que invade terras e destrói laboratórios em total impunidade. Mais ainda, com financiamento do governo. Ao falar dos índios, entrevista um ridículo caiapó, de óculos, short grunge e tórax pintado, que caça macacos ou pássaros, “presas fáceis para suas flechas coroadas de plumas vermelhas”. Nenhuma versão ao Paulinho Paiakan, o grande ícone caiapó, que foi saudado em capa de uma revista americana como “o homem que pode salvar a humanidade”. Que estuprou barbaramente, com o auxílio de sua mulher, uma jovem professorinha. E que hoje, apesar de condenado à prisão, vive em sua reserva livre como um passarinho.

    Tampouco falou da exportação ilegal de mogno praticada pelos caiapós, mogno que hoje reveste os corredores quilométricos da Grande Bibliothèque, obra faraônica de Tontonkhamon. Sobre a prática comum de enterrar crianças vivas, em pleno século XXI, comum a várias tribos indígenas no Brasil, nenhum pio.

    Sintomaticamente, ao falar do território conquistado em Roraima pelos selvagens, em momento algo pronuncia a palavra ianomâmi. Parece que a ficção criada por Claudia Andujar já não está convencendo sequer os crédulos franceses. Em outro artigo, uma menção gentil ao assassino Raoni: “A cruzada do cacique Raoni, em 1989, ao lado do cantor Sting, permitiu ao povo caiapó financiar a demarcação definitiva das reservas”.

    O articulista só esqueceu de dizer que, nos anos 80, Raoni (em verdade, txucarramãe) exibia orgulhosamente aos jornais a borduna com que matou onze peões de uma fazenda. Não só permaneceu impune, totalmente alheio à legislação brasileira, como foi recebido com honras de chefe de Estado na Europa. O papa João Paulo II, François Mitterrand e os reis da Espanha, entre outros, o receberam como líder indígena. Raoni, com seus belfos, se deu inclusive ao luxo de expor sua pintura em Paris. Um dos quadros do assassino atingiu US$ 1.600 em uma lista de preços que começava a partir de mil dólares.

    A área da literatura é representada por Jorge Amado, o mais venal dos escritores brasileiros, que na juventude foi nazista e comunista e, depois de velho, rendeu-se aos charmes da rede Globo. Um box diz que o baiano viveu quase toda sua vida no Estado da Bahia, “do qual ele fez o décor de sua obra”. Le Monde esqueceu de dizer que Amado gostava mesmo era de viver às margens do Sena, contemplando a Notre Dame. “Em 86, os americanos me pagaram um adiantamento alto pelos direitos de tradução de Tocaia Grande: US$ 250 mil. Juntamos com os guardados de Zélia e compramos nossa mansarda no Marais, em Paris”, declara o escritor que em 1940 recebia dinheiro da Alemanha nazista e, em 1945, da Rússia stalinista.

    O suplemento enaltece o que de pior o Brasil ostenta e omite o que de pior o Brasil produz. Le Monde, que já gozou de credibilidade, hoje é pasquim decadente. Ao que tudo indica, vendeu suas páginas à propaganda eleitoreira do PT.

    Pois não se admite que um jornal europeu, que um dia se pretendeu sério, incense um governo notoriamente corrupto em plenos trópicos. Pelo que sei, o outrora glorioso jornal francês anda mal das pernas. Uma graninha, ainda que do Terceiro Mundo, sempre vem a calhar.

    – Enviado por Janer

  6. Chesterton said

    e o detalhe é que nada conseguiram contra a Dilma. O panfleto tá desesperado com suas mentiras.

    chest- ué, a Erenice não caiu? Quem cairá quinta feira que vem?

  7. Chesterton said

    Caraca, dei uma espiadinha na Veja e no reinaldão.

    William, você está ganhando a propina tambem? O Palacio do Planalto virou sede de quadrilha.

  8. Chesterton said

    “Caraca! Que dinheiro é esse? Isso aqui é meu mesmo?”. Um colega tratou de tranqüilizá-lo: “É o ‘PP’ do Tamiflu, é a sua cota. Chegou para todo mundo”.

    chest- agora sei porque o direitores de bancos estatais paga apartamento em dinheiro vivo….
    É uma quadrilha, crime organizado!!!!
    Eleitores brasileiros elegerão para presidente do País uma quadrilha de assaltantes. Stalin, o maior assaltante de bancos de até então, ficaria com ciúmes.

  9. Chesterton said

    Fábio Baracat (foto de Manoel Marques), uma das fontes dos jornalistas na revelação da existência do esquema de arrecadação de propina na Casa Civil. narrara, em conversas gravadas, as minúcias de suas tratativas com a família Guerra, que tinham por objetivo facilitar a obtenção de contratos da empresa MTA nos Correios. No sábado, depois de, como disse, sofrer “fortes pressões”, Baracat divulgou uma nota confusa, na qual “rechaçava oficialmente a reportagem”, mas, em seguida, confirmava os fatos relatados. Com medo de retaliações por parte do governo, o empresário refugiou-se no interior de São Paulo.

    Ele aceitou voltar à capital paulista na última quinta-feira para mais uma entrevista. Disse ele na semana passada: “Temo pela minha vida. Vou passar um tempo fora do país”. O empresário aceitou ser fotografado e corroborou, diante de um gravador, as informações antes prestadas à revista. Leia na VEJA.

    Por Reinaldo Azevedo

    chest- até o çpax vai comprar a VEJA

  10. William said

    hahahaha , pa veja nao disse logo dois milhoes, nao precisa de prova mesmo. patetico.

  11. Chesterton said

    Provas? Quinta feira sempre cai alguem, configurando confissão de culpa.

  12. Chesterton said

    Erenice Guerra era secretária-executiva da Casa Civil. Encontrem, acima, alguma atribuição que ela possa exercer que não necessite da delegação e aprovação da Ministra-Chefe. Dilma Rousseff é a responsável direta por tudo o que aconteceu dentro da Casa Civil. Erenice Guerra era tão somente a sua secretária. Uma reles secretária. Obedecia as suas ordens. As suas determinações. Dilma Rousseff deve explicações e respostas ao Brasil. A primeira delas é se deu ordens para que Erenice montasse um balcão de negócios sujos dentro da Casa Civil. Erenice não tinha caneta para o poder que dizem que ela tinha. A não ser que tivesse delegação da Ministra-Chefe Dilma Rousseff. É o que diz a lei. A não ser que ambas estivessem fora da lei.

    coronel

  13. Patriarca da Paciência said

    Essa Janer é uma típica pessoa acometida da molétia “diarréia mental”.

  14. Patriarca da Paciência said

    Essa Janer é uma típica pessoa acometida da moléstia “diarréia mental”.

  15. Patriarca da Paciência said

    “Temo pela minha vida. Vou passar um tempo fora do país”. O empresário aceitou ser fotografado e corroborou, diante de um gravador, as informações antes prestadas à revista. Leia na VEJA.

    Já o francenildo, que foi o pivô da queda do Palocci, está aí firme, saudável fazendo campanha para o PSOL.

    Quem é o mafioso nessa história?

    “Serra é o Carlos Lacerda repetido como farsa!”

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: