políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Datafolha: Dilma 46%, Serra 28%, Marina 14%

Posted by Pax em 28/09/2010

A pesquisa Datafolha foi divulgada nesta madrugada. Como este instituto já divulgou resultado muito anormal recentemente, é aconselhável esperar os próximos resultados dos outros institutos, o Vox Populi e o Ibope.

Se a tendência se confirmar nestes próximos dias há alguma possibilidade das eleições à presidência serem conduzidas para um segundo turno.

Uma possibilidade de avaliação deste momento é olhar esta pesquisa Datafolha e analisar as curvas do Tracking Vox/iG/Band.

Vantagem de Dilma sobre a soma dos adversários cai a 2 pontos, diz Datafolha

A seis dias da eleição, a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, já não tem mais garantida a vitória em primeiro turno, revela nova pesquisa Datafolha realizada ontem em todo o país.

Continua na Folha

Vox Populi/Band/iG: Marina mantém crescimento e chega a 13%

Dilma segue com 49% das intenções de voto, apontadas no tracking anterior, mas venceria no 1º turno; Serra mantém os 24%

Continua no iG

Sugestão de leitura: Datafolha: será uma longa noite de apuração – blog do jornalista Fernando Rodrigues

O parágrafo final do post: Em resumo: 1) Dilma está em primeiro lugar, mas sua posição confortável para vencer no primeiro turno não existe no momento; 2) o desfecho de domingo é imprevisível.

Anúncios

21 Respostas to “Datafolha: Dilma 46%, Serra 28%, Marina 14%”

  1. William said

    Vou comprar a Folha com minha nota de tres reais pra ver mais essa manipulação descarada da datafalha.

  2. Eduardo said

    O Brasil estaria acordando?

  3. Elias said

    Pax,

    Decididamente, não acredito mais em pesquisa eleitoral feita pelo Data Folha.

    Depois da “estimativa de tendência futura”, piorou.

    Creio que houve, sim, um “efeito Erenice”, mas ele não terá sido suficiente para impedir a vitória de Dilma no 1º turno.

    Tenho visto algumas qualitativas, e elas mostram a opção por Dilma bastante cristalizada. É bem pequena a proporção de eleitores ainda dispostos a mudar de opinião.

    Além disso, há o fato de que o PT geralmente cresce nos momentos finais da campanha.

    Vou arriscar um prognóstico: acho que vai dar Dilma no 1º turno, com 51% dos votos válidos. Serra vai fechar com 25% e Marina com 17%.

    Não é pesquisa. É chute mesmo!

    Creio que, entre os ainda indecisos, aqueles que não optarem por Dilma irão para Marina, e não para Serra.

    O indeciso dos momentos finais, que opta por Marina, e não mpor Serra, é a fatia mais difícil do eleitorado. É o pessoal mais exigente, do ponto de vista político e também da ética.

    Dificilmente esse pessoal votará no Serra.

    Serra desapontou. Simplesmente não se mostrou à altura: não uniu nem mobilizou o PSDB, não uniu o PSDB aos seus aliados e, por fim, acabou deixando que jornais e revistas travassem a luta que, afinal de contas, deveria ser dele.

    Ao fim da campanha, Serra se tornou um eco de má qualidade ao que dizem a Veja, a FSP e o Estadão. Menos que um porta-voz…

    Isso é péssimo pra quem deseja conquistar o eleitor mais exigente, que é, exatamente, o que mais pensa e mais demora a se decidir.

    Pra esse eleitor mais exigente restou quem? Marina, a quem não se pode imputar vinculações a escândalos, que não apelou pra baixarias, manipulações de pesquisas ou coisa do gênero, e um monte de etc.

    Creio que Marina ainda vai subir pelo menos uns 3 pontos percentuais.

    Se o Serra tivesse que subir no voto emocional, já teria subido.

    A opção emocional acontece de bate-pronto. Se não for assim, é opção pensada, refletida. E Serra não fez nada pra conquistar esse tipo de voto.

    Boa parte dos eleitores de Dilma, migrou do Serra. Como regra, depois que o eleitor desiste de um candidato, dificilmente retorna.

    Eu disse isto aqui, há alguns meses. Alguns comentaristas, como o Marcelo, discordaram com veemência.

    Mas… veja só o que está acontecendo.

  4. Chesterton said

    Dias piores esperam o Brasil. Nada de melhor se pode esperar de uma terrorista – que eu saiba, a candidata ainda não se penitenciou de seu passado – dominada pela atrabilis e mandonismo. E que consegue falar um pior português que o Supremo Apedeuta. País inacreditável, este nosso: pelo jeito ainda sentiremos saudades de Lula.

    De minha parte, tanto faz como tanto fez. Desde há muito não deposito esperança nenhuma neste Brasil. Quando um presidente que acoberta crimes durante dois mandatos tem ainda 80% de aprovação do eleitorado, nada mais se pode fazer. Lasciate ogni speranza voi che entrate!

    Vou cuidar de meu jardim. Tratar de bem viver os dias que me restam. E o Brasil que se lixe. Povinho que elege Lula ou Dilma não merece sequer uma lágrima.

    – Enviado por Janer

  5. Pax said

    O cara chama os brasileiros de “povinho” e você, caro Chesterton, ainda lê.

    Pois é. Direito seu. Claro que é. E o meu de desconsiderar pessoas desse “tipinho”.

  6. Chesterton said

    Radical.

  7. Chesterton said

    De qualquer maneira, você acha o povo brasileiro santinho?

  8. Pax said

    Acho o povo brasileiro maravilhoso. Fico imaginando com escolas públicas de muito melhor qualidade, da creche a faculdade e digo: melhor povo do mundo.

    Intolerância quase zero. Quer mais? Povo trabalhador. Quer mais? Riquíssimo, plural. Quer mais?

  9. Chesterton said

    no mercado futuro, pode ser, mas não alimento ilusões. Trabalhador? Essa não. Riquíssimo? Em quê?

  10. Chesterton said

    Mas, como espinafrar um ex-operário? É tabu. Tragicamente, nossos pobres são fracos, doentes, ignorantes e não são a força da natureza, como eles acham. Precisam de ajuda, educação, crescimento para empregos, para além do Bolsa-Família. Quem tem peito de admitir isso?

    chest- cincidencia, depois de afirmar o que afirmei, leio isso do Aranldo Mala- Jabor.

    http://arquivoetc.blogspot.com/2010/09/as-boquinhas-fechadas-arnaldo-jabor.html

  11. Zbigniew said

    Isto sem falar, caro Elias, que um candidato com 40% de rejeição não pode ter uma candidatura viável.

    As eleições se resumem, agora, a um embate entre a mídia partidarizada e a candidatura governista. Desta vez bem mais radicalizada porque sabe que corre o risco de perder o bastião que garante a “gordura” e mantém, ainda, seus interesses, nos moldes da época udenista.

  12. Carlão said

    Pax e companheiros

    O PT descobriu que Weslian é a Dilma do Roriz. Ou que Dilma é a Weslian do Lula!
    (Augusto Nunes)
    Weslian e Dilma tudo a ver…
    Veja agora:

    Betty, Matilde e Billy-the-kid estão em pânico.
    :) ;) :)

  13. Chesterton said

    O pessoal mais a esquerda depende de eleições para tocar a vida.

  14. Carlão said

    Bancários decidem entrar em greve em 24 Estados e no DF a partir desta quarta
    Pax ai fudeu…é a grana estúpidos!
    o eleitor “cerceado” vota contra o governo.
    Putz tem gente que quer lula fora.
    hehehe
    ;)

  15. Elias said

    Zbigniew,

    A esta altura do baile, Dilma já deve estar pensando no modelito com que tomará posse e no embate que será a montagem do ministério.

    Tem gente que não vai querer sair, quando deveria.

    E eu aqui não paro de pensar na reforma política. Dilma terá excelentes condições para fazê-la.

  16. Zbigniew said

    Pois é, Elias. A se confirmar a tendência das pesquisas sérias, e ela se eleger (seja no primeiro ou segundo turno) terá uma base legislativa bem mais tranqüila do que teve Lula.
    Neste ponto o primeiro ano do governo será de suma importância para empreender as reformas necessárias e destravar o processo democrático no país. Duas se fazem urgentes: a política e a tributária.

    É certo que uma ampla base não é garantia de sucesso, e aí depende muito da capacidade de negociação, já que vai mexer com interesses poderosos. Mas não dá mais pra vacilar. FHC teve uma base como esta construída sob o manto da unanimidade concedida pelo Plano Real e não conseguiu fazer. Vamos ver se com Dilma, protegida pelo lulismo, isto será possível.

  17. Zbigniew said

    O F.L. trouxe, lá no Eduardo Guimarães, uma informação interessante, com base no último tracking do IG/BAND/Vox Populi (http://www.blogcidadania.com.br/2010/09/golpe-da-pesquisa-fracassara-de-novo/):

    “pessoas. milhões. brasileiros.

    … De acordo com o TSE, o eleitorado total calculado para este ano está em 135.804.433 pessoas.

    cada ponto percentual equivale a 1.358.044,33 votos.

    tracking vox 280910

    dilma 49% – 66.544.172

    coiso 25% – 33.951.108

    coisa 12% – 16.295.531

    indecisos 8% – 10.864.354

    brancosnulos 4% – 5.432.177

    ..

    dilma 49% – 66.544.172

    coiso + coisa – 37% – 50.247.640

    a diferença – 12% – 16.296.531

    ..

    esse números são votos eleitores pessoas. brasileiros.

    dilma 49 pontos – 66.544.172 votos. milhões de brasileiros.

    a diferença – 12 pontos – 16.296.531 votos. milhões de brasileiros.

    .. “

  18. Pax said

    Supondo, ainda que improvável, um pleito em segundo turno, volta uma questão que discuti com o caro Elias, um bom tempo atrás, ainda no início do ano: Marina se tornará uma peça cobiçada pelos dois eventuais (acho difícil que ela chegue lá) candidatos.

    Será, caro Elias, que, nesta hipótese, eu tinha razão?

  19. Luiz said

    Saiu o IBOPE:

    Dilma 50%, Serra 27%, Marina 13%, Outros 1%

    Explicando melhor: Dilma 50%, Soma dos adversários 41%.

    Votos válidos: Dilma 55%, Adversários 45%

    Datafolha precisa se explicar…

  20. Elias said

    Pax,

    A esta altura dos acontecimentos, um 2º turno é mesmo improvável.

    Se houvesse um 2º turno, Marina estaria numa sinuca de bico.

    Provavelmente ela preferiria o PSDB (dia desses, num ato falho, ela “orientou” seus eleitores a votar no PV, número 45…).

    O problema é que o PV não a acompanharia em bloco.

    Se, pressionada pelos setores verdes mais próximos a ela, Marina optasse pelo PT, de igual modo o PV não a acompanharia em bloco.

    É que o PV está dividido. No RJ, p.ex., ele está com o PSDB. No AC, no PA, etc., está com o PT.

    A primeira condição pra Marina influir num 2º turno, seria unificar o PV.

    Ela nem tentou fazer isso…

    Daí porque, diante de um improvável 2º turno, mais razoável seria esperar que Marina fizesse cara de paisagem.

    Seria péssimo pra imagem dela, Marina propor um direcionamento e meio partido ignorar solenemente.

    Ela nem tentaria isso. Como não tentou depurar nem unificar o PV.

  21. Pax said

    Hum… caro Elias, talvez venha a discordar de você neste momento.

    Ouvi comentário do Merval hoje, na hora do almoço na CBN, junto com o Sardenberg que acompanhou seu entendimento, e dizendo mais ou menos o que disse de manhã, como está escrito aí em cima, às 08h30. (ok, haverá reclamação sobre o Merval, mas quando ele resolve ficar menos Serrista até fala uma ou outra coisa interessante, quando larga a bandeira e assume papel de analista, o que tem sido raro)

    Ou seja, mesmo sem que eu acredite muito que haverá um segundo turno, mas imaginando esta possibilidade, acredito que Marina seria sim, um fiel na balança.

    E ainda me permito outra divergência no teu comentário acima: não acredito que Marina e sua turma, a nova que entrou no PV, iriam partir para aliança com o PSDB (e DEM, aqui mora o ponto, o DEM dos ruralistas mais retrógrados).

    Desta vez, caro, vou discordar, sim.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: