políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Datafolha: Dilma 54%, Serra 46%

Posted by Pax em 16/10/2010

Dilma tem 54% dos votos válidos, e Serra, 46%, aponta o Datafolha – Do G1, em São Paulo
Considerando votos totais, petista registra 47%, e tucano, 41%.
Margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

O Datafolha divulgou na noite desta sexta-feira (15) sua segunda pesquisa presidencial no segundo turno das eleições deste ano. Segundo o instituto, a candidata do PT, Dilma Rousseff, tem 54% dos votos válidos (que excluem brancos, nulos e indecisos), e o candidato do PSDB, José Serra, 46%.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Isso significa que Dilma pode ter de 52% a 56%, e Serra, de 44% a 48%.

Na primeira pesquisa realizada pelo Datafolha no segundo turno, divulgada no último dia 10, Dilma registrou também 54% dos votos válidos contra 46% de Serra.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “Folha de S.Paulo” e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número 35746/2010. O Datafolha fez 3.281 entrevistas na quinta-feira (14) e na sexta-feira (15).

Continua no G1

Anúncios

29 Respostas to “Datafolha: Dilma 54%, Serra 46%”

  1. Tudo como dantes no quartel de Abrantes….
    Essa pesquisa deve dar uma esfriada na euforia da oposição.Mas fica constatada uma coisa velha e indiscutivel:
    O país nesses segundos turnos sempre racha ideologicamente.
    Agora nesse caso com temas religiosos e de como encarar os defeitos humanos com mais ou menos prgmatismo.
    As minhas teses esquerdistas ainda tem influencia mas a politica de hoje é insipida e superficial nesses papos de boa gestão, competencia e eficiencia.
    Deixando de lado o emocional e utopias.
    Eita mundo sem graça!

  2. Luiz said

    HRP,

    “Quase” tudo como dantes.
    Uma semana a menos de campanha faz uma bela diferença…
    E acho que Dilma quase bateu no fundo (ou algo assim…), e Serra quase bateu no teto.
    Saberemos muito em breve.

  3. Concordo Luiz, mesmo!

  4. Patriarca da Paciência said

    A diferença é que a Dilma realmente subiu de 8% do início da campanha para 47%.

    Serra apenas recuperou as intenções de voto que já tinha em agosto de 2008.

    Vejam com fatos:

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u476418.shtml

  5. Eu sei que é off topic mas…..agora esse safado monstruoso vai ter o que mereçe.
    Mesmo que seu tio seja o “poderoso” Biscaia!
    http://www.jb.com.br/rio/noticias/2010/10/15/policia-civil-indicia-por-crime-de-tortura-o-pai-de-joanna-marins/

  6. Patriarca da Paciência said

    Serra não tem limites.

    Quando a gente acha que ele já chegou ao fundo do poço, o gajo consegue descer mais ainda!

  7. Patriarca da Paciência said

    Serra não tem limites.

    Quando a gente acha que ele já chegou ao fundo do poço, o gajo consegue descer mais ainda!

    http://www.jb.com.br/eleicoes-2010/noticias/2010/10/15/serra-distribui-santinhos-com-frase-sobre-jesus/

  8. Patriarca essa daí me lembra aquela coisa da primeira mulher do Lula dando entrevista e falando que ele propora um aborto!
    Moralismo sujo que fez efeito.
    Mas o tapa na car veio muitos anos depois quando Lula mandou a menina para a Sorbonne.
    Da primeira mulher dele nem rastro…….
    A Direita não suporta mais ficar fora dos núcleos de decisão!
    Já pensou no que passa pela cabeça desses boçais tendo que ver a Hillary Clinton mandando uma carta rogando pela soltura de cidadãos americanso presos no Irã, através do sapo barbudo?
    Tem mais que que apanhar na cara, essa ralé facista!

  9. Pax said

    Acaba de pipocar uma chance de ouro… vamos ver se saberão entender e responder à altura. É enigmático, sim. Mais tarde volto com os esclarecimentos.

  10. Para toda ação tem uma reação, né Serra?
    Guenta então….
    http://anti-tucano.blogspot.com/2010/10/video-sensacional-serra-tem-muito.html

    SENSACIONAL!

  11. Patriarca da Paciência said

    HRP,

    muito legal mesmo.

    O pessoal do PT vence, de 10 x 0, o pessoal do PSDB.

  12. Chesterton said

    Vi o clip. Dilma não tem anda a esconder, né? Porque a amiga dela bloqueia o processo retido no STM?

  13. Carlão said

    Pax disse
    16/10/2010 às 9:49

    Acaba de pipocar uma chance de ouro… vamos ver se saberão entender e responder à altura. É enigmático, sim. Mais tarde volto com os esclarecimentos.

    :)É uma verdadeira “chance de ouro”:
    Lula aceitou debater com FHC!

  14. Agora com mais detalhes.
    O que essa gente está querendo?
    Estamos voltando aos anos 80 em matéria de apelação!
    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/10/16/noticia_eleicoes2010,i=218337/CAMPANHA+DE+SERRA+MANDA+FAZER+2+MILHOES+DE+CARTOES+COM+NOME+DE+JESUS.shtml

  15. Carlão:
    Lula é o maior debatedor que conheço!
    Sem dúvidas ele levaria a conversa para o lado que mais conheçe:
    Tudo de ruim que os governantes anteriores a ele fizeram a mando dos nossos “empresários” e do capital internacional.
    Só aí ele mata o Boca de Suvaco!

  16. Chesterton said

    É uma verdadeira “chance de ouro”:
    Lula aceitou debater com FHC!

    chest- para o Pax estar todo excitadinho deve ser coisa da Marina. De outro modo ficaria calado.

  17. Chesterton said

    Para HRP

    A Oligarquia Financeira Transnacional nunca esteve tão tranqüila em relação ao resultado de uma eleição no Brasil. Qualquer que seja o vencedor, continua tudo como está em termos macroeconômicos. Banqueiros e seus investidores-especuladores permanecem ganhando do mesmo jeito. Com Dilma ou com Serra. Dói escrever isto. Não dá é para contar historinha do Boi Tatá para o (e)leitor…

    Quem perdeu a tranqüilidade foi a petralhada. De repente, intensificou-se o fogo amigo contra o marketeiro João Santana – que até vésperas do primeiro turno era considerado “gênio da raça”. Culpam-no por Dilma ter caído na “armadilha religiosa”, ao mudar de posição sobre o aborto sobre o qual ela sempre foi publicamente a favor. Também criticam Santana por ter diminuído a participação de Deus – digo, Lula – na campanha.

    O fato é que Dilma começa a perder votos entre o eleitorado conservador, seja católico ou evangélico, nas regiões Norte e Nordeste. Tanto que a tática petista, na reta final, é tentar salvar os votos em São Paulo, Minas e Paraná. Já se fala também em fazer Lula aparecer mais ao lado de sua candidata biônica. Todo desespero foi causado porque Dilma caiu na armadilha do aborto.

    E não tem como sair dela. Ontem, virou alvo de ironia do deputado federal Luiz Bassuma (PV-BA), presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Vida. O ex-petista avacalhou que a Dilma Rousseff deveria responder à comissão de ética e ser punida pelo partido, como ele foi, por se declarar contra o aborto, contrariando resolução do PT de 2007. O partido tentou expulsá-lo e, não conseguindo, terminou por puni-lo com a suspensão e ele decidiu ir para o PV.

    Os tucanos ontem também demonstravam uma empolgação fora do comum. Falavam em pesquisas reservadas – daquelas que não são publicadas pelos partidos – que indicariam um crescimento consistente de José Serra. Pode ser. O problema é a postura do tucano. Até agora, Serra não demonstrou, claramente, aquela gana de vitória necessária a quem pretende vencer uma eleição. O debate do próximo domingo na Rede TV pode ser fatal. Se Serra for mais ofensivo, e Dilma mais desesperada, a eleição embola de vez.

    Mas que ninguém se iluda. Dilma ou Serra ganhando, fica tudo muito parecido. Talvez um pouco mais pior com o PT, que terá maioria parlamentar para deitar e rolar politicamente. Talvez um pouco mais instável com os tucanos, que terão de negociar – sabe-se Deus a que preço – com o Congresso a falta de hegemonia política.

    Enquanto nada se decide eleitoralmente, divirta-se com o vídeo acima: Danilo Gentili Politicamente Incorreto 01/10/2010. Se a petralhada odiou, deve ser bom. Pelo menos no campo da galhofa, o PT já perdeu a eleição.
    J.S.

  18. Chesterton said

    Ex-guerrilheira
    society perde ação
    de R$ 70 milhões
    O Tribunal Superior do Trabalho negou à ex-guerrilheira Ana Cerqueira Cesar Corbisier a reintegração e R$ 70 milhões em supostos salários atrasados da Fundação Padre Anchieta (Rádio e TV Cultura), que ela abandonou há 40 anos para atuar na luta armada pela ALN, a Aliança Libertadora Nacional, de Carlos Marighela. De tradicional família paulista, ela já havia abiscoitado R$ 361,5 mil de “bolsa-ditadura” e pensão vitalícia de R$ 2,7 mil como “anistiada política”.

    Clandestina
    Ana participou de dois assaltos a banco e de um homicídio na ditadura. Fugiu para Cuba e viveu em Paris, de onde voltou em 1979.

    Fora do prazo
    A ministra-relatora Maria Cristina Peduzzi, uma das mais admiradas do País, considerou prescrito o processo que se arrasta desde 1998.

    Nome de bairro
    O caso desgostou a família: o tio-bisavô foi presidente da República, o bisavô, governador e nome de bairro paulistano, Cerqueira Cesar.

    Ironia
    O pai, Roland Corbisier, foi um conhecido jornalista, deputado federal e autor do livro “Reforma ou Revolução”, em que condena a luta armada.

  19. Chesterton said

    Do site do CH

  20. Chesterton said

    Pastor bom de briga, e é lulista!

  21. Carlão said

    #15 HRP depois de todas as pragas!
    exatamente por isso é que chamei de “chance de ouro”.
    Acabaria imediatamente com essa imagem de covarde associada à imagem do presidente quando
    se sente ameaçado. Todos teríamos a ganhar com isso.
    Que Deus o ilumine! A verdade liberta.
    É preferível ficar vermelho por 2 horas discutindo “cara a cara” por algumas horas do que amarelo pelo resto da vida.
    Concorda?
    :);)

  22. Patriarca da Paciência said

    O nível está terrível mesmo:

  23. TERRIVEL?
    talvez fique pior porque as pesquisas mostram que não vai dar….sorry PSDB!
    Acabou!

  24. Chesterton said

    Lula e Dilma, indignados com as vaias recebidas em Belo Horizonte. Carreata termina como se fosse o enterro de uma candidatura derrotada. Observem a expressão dos dois.

    “Você (virando-se para Dilma) viu a diferença da elite e do povo. E é por esse povo, Dilma, que você vai ganhar as eleições. É com esse povo e para esse povo que você vai governar. Nós começamos essa caminhada lá em cima no Bairro das Mangabeiras, onde mora o povo mais rico de Belo Horizonte, e você percebeu que lá tinha pessoas que faziam assim para nós (sinal de desaprovação). Eu diria para vocês que eu fico constrangido porque aquelas pessoas ricas foram as pessoas que mais ganharam dinheiro no meu governo.”

    Lula, aconselhando Dilma a odiar quem não a apóia, diante de mirradas 4.000 pessoas, no centro de Belo Horizonte, Minas Gerais, hoje pela manhã, depois que os dois foram vaiados durante quase todo o percurso de uma carreata.

  25. Chesterton said

    O Partido dos Trabalhadores (PT) está tentando impedir agora à tarde que cerca de um milhão de panfletos encomendados pelo bispo da Diocese de Guarulhos (SP), Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, seja distribuído à população. O panfletos recomendam aos brasileiros e brasileiras que deem seu voto “a candidato ou candidata e partidos contrários à descriminalização do aborto”
    O material, segundo a advogada Ana Fernanda Ayres, do escritório Bottini Tamasauskas Advogados, que assessora o PT, seria ilegal, uma vez que não apresenta o CNPJ do autor. “Queremos assegurar que não houve qualquer tipo de crime (em relação ao material)”, afirmou.
    A Editora e Gráfica Pana, responsável pela impressão do material, mostrou documentos que comprovam o pedido feito por Dom Luiz Gonzaga. Os proprietários alegam que, da parte deles, apenas cumpriram encomenda legal feita por um cliente.
    Um primeiro lote de um milhão de panfletos já havia sido distribuído antes do primeiro turno das eleições, segundo Paulo Ogawa, pai de Alexandre Takeshi Ogawa, proprietário da gráfica.
    De acordo com Paulo Ogawa, pai de Alexandre Takeshi Ogawa ainda há cerca de 1 milhão de unidades do panfleto na gráfica, que fica no bairro do Cambuci, em São Paulo. O caso está sendo registrado neste momento no 5o. Distrito Policial.

  26. Chesterton said

    Pedro Roussef trabalhou para a siderúrgica Mannesmann, além de construir e vender imóveis. A família vivia em uma casa espaçosa, servida por três empregadas, onde as refeições eram servidas à francesa. Os filhos tiveram uma formação clássica, tendo aulas de piano e francês. Vencida a resistência inicial da sociedade local contra os estrangeiros, passaram a frequentar os clubes e as escolas mais tradicionais.[13] Incentivada pelo pai, Dilma adquiriu cedo o gosto pela leitura. Falecido em 1962,[2] Pedro Roussef deixou de herança por volta de 15 imóveis de valor.[10]

    chest- ei, Dilma era milionaria, herdeira burguesa quando entrou para a guerrilha.

  27. Chesterton said

    Sociólogo e fundador do PT afirma que ‘Lula é mais privatista que FHC’
    PUBLICIDADE

    UIRÁ MACHADO
    DE SÃO PAULO

    No começo de 2003, ano em que rompeu com o PT, o sociólogo Francisco de Oliveira, 76, afirmou que “Lula nunca foi de esquerda”.

    Agora, o professor emérito da USP dá um passo adiante e diz que Lula, mais que Fernando Henrique Cardoso, é “privatista numa escala que o Brasil nunca conheceu”.

    Acompanhe a Folha Poder no Twitter
    Conheça nossa página no Facebook

    Por baixo disso tudo está a velha história de que São Paulo é uma locomotiva que puxa 25 vagões vazios.

    Essa tensão existe. Esse desequilíbrio vai criando a sensação de que há um lado pobre e um lado rico. Como se houvesse um voto comprado, de curral eleitoral, e outro consciente. Há de fato uma fratura, e isso ressurge em períodos eleitorais.

    Marina aparece como uma terceira força sustentável?

    Acho que não. A ascensão dela se dá pela falta de radicalização dos dois principais, e a questão do ambiente é relativamente neutra. Não vejo eco na sociedade, a não ser de forma superficial. Não é um tema que toca nos nervos das pessoas. A onda verde é passageira.

    O sr. foi um dos primeiros a romper com o PT, em 2003, e saiu fazendo duras críticas ao presidente. Lula, porém, termina o mandato extremamente popular. Na sua opinião, que lugar o governo Lula vai ocupar na história?

    A meu ver, no futuro, a gente lerá assim:

    Getúlio Vargas é o criador do moderno Estado brasileiro, sob todos os aspectos. Ele arma o Estado de todas as instituições capazes de criar um sistema econômico. E começa um processo de industrialização vigoroso. Lula, é bom que se diga, não é comparável a Getúlio.

    Juscelino Kubitschek é o que chuta a industrialização para a frente, mas ele não era um estadista no sentido de criar instituições.

    A ditadura militar é fortemente industrialista, prossegue num caminho já aberto e usa o poder do Estado com uma desfaçatez que ninguém tinha usado.

    Depois vem um período de forte indefinição e inflação fora de controle.

    O ciclo neoliberal é Fernando Henrique Cardoso e Lula. Coloco ambos juntos. Só que Lula está levando o Brasil para um capitalismo que não tem volta. Todo mundo acha que ele é estatizante, mas é o contrário.

    Como assim?

    Lula é mais privatista que FHC. As grandes tendências vão se armando e ele usa o poder do Estado para confirmá-las, não para negá-las. Então, nessa história futura, Lula será o grande confirmador do sistema.

    Ele não é nada opositor ou estatizante. Isso é uma ilusão de ótica. Ao contrário, ele é privatista numa escala que o Brasil nunca conheceu.

    Essa onda de fusões, concentrações e aquisições que o BNDES está patrocinando tem claro sentido privatista. Para o país, para a sociedade, para o cidadão, que bem faz que o Brasil tenha a maior empresa de carnes do mundo, por exemplo?

    Em termos de estratégia de desenvolvimento, divisão de renda e melhoria de bem-estar da população, isso não quer dizer nada.

    Em 2004, o sr. atribuiu a Lula a derrota de Marta na prefeitura. Qual sua avaliação de Lula como cabo eleitoral de Dilma?

    Ele acaba sendo um elemento negativo, mesmo com sua alta popularidade. O segundo turno foi um aviso. Há uma espécie de cansaço. Essa ostensividade, essa chalaça, isso irrita profundamente a classe média. É a coisa de desmoralizar o adversário, de rebaixar o debate. Lula sempre fez isso.

    Como o sr. avalia as afirmações de que o comportamento de Lula ameaça a democracia?

    Não vejo como uma ameaça. Mas o Lula tem um componente intrinsecamente autoritário.

    Em que sentido?

    Ele não ouve ninguém, salvo um círculo muito restrito, e ele tem pouco apreço por instituições.

    Eu o conheço desde os anos de São Bernardo. Ele tem a tendência, que casa perfeitamente com o estilo de política brasileira, de combinar primeiro num grupo restrito e, depois, fazer a assembleia. Ele sempre agiu assim.

    Não é pessoal, é da cultura brasileira, ele foi cevado nisso. Mas não que ele queira derrubar a democracia.

    Isso é da cultura política em que ele foi criado: o sindicalismo, que é um mundo muito autoritário, muito parecido com a cultura política mais ampla. E ele se dá bem, sabe se mover nesse mundo.

    As instituições de fato não são o barato dele. Mas ele não ameaça a democracia do ponto de vista mais direto nem tem disposição de ser ditador. Acho essas afirmações um exagero, uma maldade, até. Elas têm um conteúdo político muito evidente.

    Agora, certa ala do PT, com José Dirceu… Esse tem projetos mais autoritários.

    E essa ala ganharia mais força num governo Dilma?

    Acho que não. Porque Lula vigia ele de muito perto. Lula não gosta dele [José Dirceu]. Tem medo, até, do ponto de vista político. Ele veio de outra extração, a qual Lula detesta. Uma extração propriamente política, de esquerda.

    O sr. já disse que Lula havia matado a sociedade civil. O que pode acontecer num governo Dilma e Serra? Haveria diferença?

    Os governos tucanos têm horror ao povo. Isso não é força de expressão. É uma questão de classe social.

    Eles não têm contato com o real cotidiano popular. Eles não andam de ônibus, não têm experiência do cotidiano da cidade. Nem de metrô eles andam, o que é incrível.

    A cidade é grande, tem violência, a gente sabe. Mas eles não sabem como é o transporte, como são os hospitais, as escolas públicas. Há uma fratura real, eles perderam a experiência do cotidiano real. E isso não entra pelas estatísticas, só pela experiência.

    Por causa disso, o governo deles é sempre uma coisa muito por cima. Eles são pouco à vontade com o popular. Essa é a diferença marcante em relação a Lula.

    Sobre Dilma eu não sei. Ela pode também sofrer desse mal.

  28. Elias said

    Pax,

    Continuo achando que Dilma vencerá por uma diferença de, no máximo, 5 pontos percentuais.

    É o que todos sabemos e, no calor da disputa, fingimos esquecer: não é que o 2º turno zere tudo, mas claro que ele realinha pra caramba.

    Com Marina se declarando neutra, o caráter plebiscitário da disputa se acentuará ainda mais, o que tornará a eleição mais apertada.

    É, em grande medida, o retrato da sociedade brasileira, com as parcelas mais à direita se pendurando ferozmente em tendais cujos ganchos misturam liberalismo com toda a sorte de preconceitos.

    Veja, p.ex., a questão da legalização da união civil entre pessoas do mesmo sexo.

    Os liberais deveriam considerar isso questão vencida, né mesmo?

    O Estado intervir nesse assunto é um puta desrespeito aos direitos e às liberdades individuais, conceitos tão caros aos liberais.

    Mas não ao “liberal” brasileiro. De olho nos votos das pessoas mais influenciáveis pela hierarquia religiosa, o “liberal” brasileiro finge que não percebe a contradição e grunhe raivosamente o mais virulento discurso homofóbico.

    Aqui mesmo, entre os comentaristas do PolíticaÉtica já pintou esse troço.

    É escroto? É. É nojento? Também.

    Mas é o retrato do Brasil.

    Pra mim, se esse pessoal perder ou vencer por pequena margem, já é um bom indício de que o brasileiro está mudando pra melhor.

    Há pouco tempo atrás, essa gente venceria de goleada.

  29. Chesterton said

    Elias, para os conservadores o nenê na barriga da mãe tem direitos. Não entendo como tirar direitos naturais de alguem torna as coisas melhores.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: