políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Sensus: Dilma 52,8%, Serra 47,2%

Posted by Pax em 21/10/2010

Sensus mostra Dilma com 52,8% e Serra com 47,2% dos votos válidos
Pesquisa foi divulgada pelo site da Confederação Nacional do Transporte.

Pelo critério de votos totais, petista tem 46,8% e tucano, 41,8%.

Do G1, em Brasília

Pesquisa Sensus divulgada na noite desta quarta (20) pelo site da Confederação Nacional do Transporte (CNT), que encomendou o levantamento, indica a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, com 52,8% dos votos válidos e o candidato do PSDB, José Serra, com 47,2%. Os votos válidos excluem brancos, nulos e indecisos.

Pelo critério de votos totais (que incluem brancos, nulos e indecisos), Dilma tem 46,8% e Serra, 41,8%. Brancos e nulos são 4,1%, segundo o instituto Sensus. Os que não sabem em quem votar e os que não responderam somam 7,2%.

Continua no G1

Anúncios

31 Respostas to “Sensus: Dilma 52,8%, Serra 47,2%”

  1. Elias said

    Pelo que sei, as sondagens do PT batem com a pesquisa do Ibope.

    Acho que os números do Data Folha, se saírem nesta semana, estarão mais próximos aos do CNT/Sensus.

    É que nós estamos na penúltima semana da campanha. Neste período, o diferencial delta, confluindo para o alinhamento de Júpiter com Urano — ou Plutão, ou Netuno, sei lá — acaba repercutindo fortemente sobre a expectativa de tendência futura.

    Na semana que vem, todos os institutos apresentarão resultados praticamente iguais.

    O tempo passa, a barba cresce… e tem gente que não muda. A Proconsult era mais criativa.

    Depois das eleições, a FSP vai divulgar 2 interessantes séries estatísticas elaboradas pelo Data Folha.

    Uma delas, estuda o comportamento pré-nupcial da porca e suas repercussões sobre a psicologia dos porquinhos.

    A outra, demonstra a influência dos ventos alíseos na menstruação da borboleta azul.

  2. Concordo com suas teses caro Elias……
    Depois do teatrinho lá no rio eu começo a acreditar em duendes e logoestarei assistindo o programa da Xuxa.

  3. Aqui, familia dividida mas importante apoio!
    http://noticias.terra.com.br/eleicoes/2010/noticias/0,,OI4744674-EI15315,00-Filha+de+Chico+Mendes+declara+apoio+coerente+a+Dilma.html

  4. Pax said

    Esta pesquisa está realmente esquisita. Tudo indica que as tendências das curvas se alteraram, Dilma passou a subir e Serra a cair.

    Já falamos bastante disso, o feitiço, segundo este entendimento, virou contra o feiticeiro. Como coloquei no comentário do outro post, esta análise do Toledo – Estadão, para mim, se aproxima da realidade. Houve muita reação ao aborto no pé, ou aborto na culatra, e mesmo ao Malafaia na campanha do Serra. Num momento pareceu positivo, mas o voo foi de galinha, não se sustentou. A campanha do Serra, como anunciado ontem, sabe disso. Enfim, vejam o post do blog do Estadão abaixo

    http://blogs.estadao.com.br/vox-publica/2010/10/21/ibope-tendencia-do-eleitor-e-oposta-a-do-1º-turno/

    O que acho é que ainda é tempo de fazer enormer burradas, seja de um lado como de outro. Algumas são estruturais, não se resolve mais, um dos bons exemplos é a escolha dos vices. Algumas tropeçadas são conjunturais, de momento, militâncias e gente do partido que é capaz de fazer enormes estragos.

    Enfim, diria que:

    – Para Dilma: hora de errar menos
    – Para Serra: hora de achar um rumo, se é que ainda dá tempo

    Tudo ainda pode acontecer, sim.

  5. Pax said

    Boa essa questão que você trouxe, caro HRP.

    Aqui entendo que a militância, como um bom exemplo, cometeu e ainda comete um enorme erro. O de atacar Marina, apedrejar mesmo, alguns sim. E os sinais são que Marina, independente disso e de alguns do PV, afirma que a campanha de Dilma foi quem mais se moveu, mesmo que discretamente, para a agenda que ela propos. Isto foi dito e está na imprensa. Ouvi no rádio um detalhe, não consigo me lembrar direito, mas com certeza foi na CBN que é a que escuto enquanto pago pedágios, que a Dilma escreveu de próprio punho para Marina, falando dos compromissos que poderia assumir etc. E que o PSDB enviou uma carta bem menos entusiasmada. Vou tentar achar, se tiver tempo.

    Mas vai lá no PHA, por exemplo, e vê o que o cara fala. De traíra para baixo.

    Aliás nosso colega Zbigniew pediu um exemplo de baixaria que a campanha da Dilma tenha cometido. Pois bem, não foi a campanha da Dilma não, mas que teve uma elenco de petista cainda nesta baixaria, teve sim.

    Bem onde estas eleições deixaram uma grande marca, que foi o surpreendente resultado de Marina.

  6. Aqui um bom texto do Idelber sobre Globo, agreções e midia comprometida:
    http://idelberavelar.com/

  7. chesterton said

    xiii, se deu isso na Sensus, Dilma está na realidade atrás de Serra.

  8. Chesterton said

    Xiiiiii…..Se a Sensus deu isso, na realidade Dilma está atrás de Serra

  9. É pois é…..Vox populi, Ibope, agora Sensus,,,,,,,,,só falta a rainha e seu filho darem seu parecer…..

  10. Continuando com a vida secreta de Serra e FHC.
    Tudo contado com detalhes:
    http://www.diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=7815:editorial-do-diario-liberdade-sobre-reuniao-de-fhc-em-foz&catid=253:institucional&Itemid=131

  11. Serra e seu site pessoal!
    http://retrotv.uol.com.br/especiais/carequinha/

  12. Pax said

    De novo recorro ao Estadão e ao José Roberto de Toledo que fez um post bom sobre as médias das últimas pesquisas.

    http://blogs.estadao.com.br/vox-publica/2010/10/21/na-media-das-pesquisas-dilma-tem-55-a-45-sobre-serra/

  13. OFF TPIC pero no mucho:
    http://colunistas.ig.com.br/leisenegocios/2010/10/21/jornalistas-vao-ao-stf-pedir-regras-para-direito-de-resposta/

  14. Não para , não para , nãopáraaa.
    Campanha do Serra perdendo o medo e atuando a luz do sol!
    http://www1.folha.uol.com.br/poder/817799-campanha-de-serra-faz-ofertas-a-evangelicos.shtml

  15. Elias said

    Pax,

    É absolutamente reprovável que um candidato seja agredido fisicamente por militantes de um partido adversário, ou que tenha cerceado seu direito de se locomover livremente para trabalhar em sua campanha.

    O comportamento das pessoas que perpetraram o ato não é representativo da conduta de nenhum dos dois partidos que disputam as eleições presidenciais de 2010.

    Mas isso não muda os fatos: trata-se de conduta criminosa, praticada por uns marginais sem nenhum compromisso com o progresso do país nem com a consolidação da democracia brasileira. Uns arruaceiros fascistóides.

    Só posso recomendar uma coisa: cadeia pra corja que faz isso, seja de que partido for.

  16. Zbigniew said

    Caro Patriarca.
    Acredito que não há mais o que discutir em matéria de baixarias. Infelizmente esta pleito foi repleto delas, mas principalmente por causa da candidatura Serra. É tanto que temos dificuldades de apontar uma diretamente ligada à campanha da Candidata.

    Você foi certeiro ao afirmar que o tiro saiu pela culatra dos tucanos. Este movimento de ascensão de Dilma nesta altura do campeonato – não havendo erros crassos de campanha, ou, talvez, uma possível bala de prata incontestável -, deverá ser inexorável.

    Bom para o Brasil, bom para o povo brasileiro.
    Já viram os útlimos índices de desemprego e do salário médio do brasileiro?

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/818006-rendimento-medio-do-trabalhador-atinge-patamar-recorde-em-setembro-diz-ibge.shtml

    http://g1.globo.com/economia-e-negocios/noticia/2010/10/desemprego-em-setembro-fica-em-62-o-menor-desde-2002-diz-ibge.html

  17. Zbigniew said

    Perdoe-me. Era: caro Pax.

  18. Elias said

    Zbigniew,

    Boa lembrança o índice de desemprego: bem mais baixo que há 8 anos.

    Esse Lula é um fracasso mesmo!

    O que ele conseguiu, em 8 anos de mandato?

    Nada! Só zerou a dívida externa, mais do que quadruplicou as exportações, enfrentou com êxito uma crise econômica mundial, reduziu o desemprego, criou mais universidades que nos 10 anos anteriores e retirou da miséria cerca de 30 milhões de brasileiros.

    Fora isso, o que mais ele fez?

    Nada! Só reduziu drasticamente o “risco Brasil”, elevou as reservas internacionais e deu partida num imenso programa habitacional.

    Poderia elencar mais umas 10 ou 15 coisinhas aqui, mas isso não mudaria nada, na essência: em 8 anos de mandato, Lula não fez nada que se aproveite.

    Fracassado!

    Rola pela Web um texto muito bom, cujo autor explica por que vai votar no Serra: ele já não agüenta mais ver nos supermercados, fazendo compras, aquela gentinha que, há alguns anos, não tinha condições de comprar nem lâmpada queimada.

    Tudo por causa desse fracassado!

  19. Olá!

    Há basicamente quatro problemas com o post do José Roberto de Toledo:

    01. Usar médias móveis para fazer predições de algo tão cheio de incertezas como eleições é muito arriscado. As chances de os resultados estarem errados é grande, pois a quantidade de informações levadas em consideração nesse método é muito baixa.

    02. Outro problema com as médias móveis é que há uma forte tendência de as previsões convergirem para um valor constante e não mudarem mais. Por exemplo, usando o mesmo método (médias móveis) e a mesma quantidade de valores (quatro) que o Roberto de Toledo usou, a partir da 22a previsão os valores para a Dilma e o Serra ficam constantes: 55.1% para ela e 44.9% para ele. Pouca informação dá nisso.

    03. Ele mistura dados fornecidos por institutos diferentes, sendo que tais institutos utilizam metodologias diferentes para produzir esses dados.

    04. No gŕafico que ele montou para mostrar a tendência de cada um dos candidatos, o Toledo colocou na série histórica valores que ele não utilizou para fazer as previsões. O “correto” seria começar a série a partir do primeiro valor utilizado para fazer as predições — no caso seria os valores da pesquisa DataFolha de 15/10.

    Como faz falta no Brasil um Keilis-Borok.

    Até!

    Marcelo

  20. Olá!

    Um dos grandes problemas das pessoas em geral é que a grande maioria não sabe a diferença entre correlação e causalidade.

    O fato de dois eventos ocorrerem ao mesmo tempo (correlação) não quer dizer que um seja a causa do outro (causalidade) ou vice-versa.

    Toda essa balela de que o Lula fez isso e aquilo é pura tolice. Se hoje o país está bem é graças aos efeitos de breve e médio prazo das reformas feitas nos governos Itamar e FHC.

    Aliás, qual foi a grande reforma estrutural que o governo Lula deixará para a posteridade? Apontem pelo menos uma da lista abaixo:

    01. Tributária
    02. Trabalhista
    03. Fiscal
    04. Educacional
    05. Saúde
    06. Segurança Pública
    07. Política

    O grande mérito do Lula é que ele teve dois bons antecessores. Sorte a dele, pois o PT nunca mostrou competência para fazer e/ou no mínimo participar de reformas estruturais — FHC que o diga.

    Não é uma questão de gosto político, mas, sim, de fatos históricos.

    Até!

    Marcelo

  21. Zbigniew said

    Ainda no tema sobre baixarias, acirramentos, orgulho e preconceito, não podemos fechar os olhos para tais problemas, agora que temos cada vez mais certeza de que isto é comum em qualquer sociedade. O que não é comum é que seja algo preponderante para nortear as políticas públicas:

    “O Voto e o Preconceito de Classe

    (…)
    Pois é. Em meu carro tenho um adesivo no vidro traseiro da candidata Dilma Roussef – além de um da Portela e outro da Igreja Messiânica, mas isto é outra história… Com o acirramento da campanha tenho de ouvir comentários de vizinhos na linha “vai continuar a sustentar vagabundo?”, “eles vão tomar o seu lugar, hein!” e coisas correlatas.

    Ando pelo hortifruti onde faço compras às vezes e ouço uma senhorinha, bem jovem, com seu bebê no colo: “vê se pode, esta gentalha fazendo compra no mesmo lugar que a gente. Não pode!”, apontando para um senhorzinho que comprava a carne provavelmente para o almoço de domingo.
    (…)”

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-voto-e-o-preconceito-de-classe

  22. Zbigniew said

    É difícil para alguns tucanos enxergar qualquer coisa que esteja fora do padrão de números baseados em verdades técnicas insofismáveis.

    Por isto que não é possível admitir que o governo Lula e o PT sejam capazes de fazer isto ou aquilo, porque tudo está ligado a uma correlação de causalidade, que, ao que parece, se estende ao passado, em maior grau nos remetendo ao governo tucano.

    Com todo respeito, é muito parecido com o auto-engano, muito comum a quem está preso a conceitos de forma absoluta. Esquecem que este raciocínio cartesiano é o menos apropriado, principalmente quando na análise dos fatos estamos tratando com variáveis humanas. E a política é demasiadamente humana!

    O que fica difícil explicar é como, com todas as reformas estruturais que supostamente foram feitas num passado recente, os tucanos não lograram êxito num projeto de nação que englobasse o povo como um todo e distribuísse renda.

    Mais uma vez fica parecendo que, toda vez que são divulgados dados positivos sobre a economia no governo Lula, vem à tona um sentimento muito comum aos humanos que se colocam num patamar de superioridade em relação a outros, mas que não são capazes de admitir que “os inferiores” possam ter sucesso: a inveja!

  23. Olá!

    Zibgniew, talvez você entenda: Afirmar que a atual situação do Brasil mudou por causa do governo Lula é o mesmo que afirmar que a hiperinflação na época do governo Sarney foi causada por este (e não pelos irresponsáveis governos anteriores, sobretudo os militares).

    O fato de o governo Lula desfrutar de índices parcialmente bons não significa que tal governo seja a razão de ser (a causa) desses índices.

    “É difícil para alguns tucanos enxergar qualquer coisa que esteja fora do padrão de números baseados em verdades técnicas insofismáveis.”

    O PSDB é um partido de esquerda. Mas uma esquerda mais civilizada. Aliás, é o único partido que até hoje mostrou algum projeto de país, vide Plano Real, Lei de Responsabilidade Fiscal, privatizações e etc. O PT, que nunca soube fazer nada, pegou para si esse projeto e, hoje, faz de conta que sempre foi seu, esquecendo a era da bravataria que sempre assolou essa agremiação.

    “Por isto que não é possível admitir que o governo Lula e o PT sejam capazes de fazer isto ou aquilo, porque tudo está ligado a uma correlação de causalidade, que, ao que parece, se estende ao passado, em maior grau nos remetendo ao governo tucano.”

    Diga, Zbigniew, apenas uma reforma estrutural, uma apenas, que o governo Lula deixará para a posteridade? Só uma.

    Hoje, o brasileiro pode avaliar se o governos Itamar e FHC foram ruins de fato. Se tivessem sido ruins, o Brasil estaria em uma situação complicada, mas não está. O governo Lula será avaliado futuramente. Aliás, Itamar e FHC fizeram dois governos tão bons que permitiram a um político medíocre e sem propostas como o Lula fazer um bom governo.

    Lembre, Zbigniew: O governo Lula é o primeiro governo desde 1985 a começar sobre uma base sem hiperinflação e tal governo iniciou após um período relativamente longo (1994-2002) de inflação em níveis humanamente aceitáveis.

    O que você afirmou sobre correlação e causalidade é besteira.

    “O que fica difícil explicar é como, com todas as reformas estruturais que supostamente foram feitas num passado recente, os tucanos não lograram êxito num projeto de nação que englobasse o povo como um todo e distribuísse renda.”

    Os resultados de uma reforma estrutural são vistos apenas no futuro. Não é no momento em que elas são implementadas, apesar de que algumas melhorias imediatas possam ser vistas logo nos momentos iniciais, como foi no caso do Plano Real e o fim da hiperinflação.

    Você deveria ler menos a cartilha que dão na Escola Nacional Para Formação de Militantes. Isso é alfafa ideológica.

    Até!

    Marcelo

  24. Zbigniew said

    Caro Marcelo,

    apesar da “alfafa ideológica” você meio que desceu do pedestal. Já é um início.

    Não se está a não reconhecer os méritos de governos anteriores. O próprio PT e o Lula reconhecem que o controle inflacionário foi de grande importância para o país. Mas aí você escorrega naquilo que todo tucano (ou simpatizante) faz questão de escorregar:

    “O fato de o governo Lula desfrutar de índices parcialmente bons não significa que tal governo seja a razão de ser (a causa) desses índices.”

    A começar pelos índices parcialmente bons que dão a ele mais de 80% de aprovação. O FHC terminou o seu governo com índices bem baixos de aprovação, desemprego em alta e um sistema elétrico em frangalhos, além de outros dados bem aquém e já fartamente divulgados, isto apesar do Plano Real e etc. Há! Mas tiveram as crises externas, havia esquecido. Bom, esta também foi a base encontrada pelo Lula. É importante observar que a fixação de políticas de redes de proteção social como ativos de Estado, a valorização do salário mínimo e a efetiva oferta de crédito foram conquistas deste governo, ainda que governos anteriores tenham seus méritos em outros campos que auxiliaram nesta empreitada.

    Isto é projeto de Estado, projeto de nação, e não apenas efeitos de ações anteriores. Como o foram, sem sombra de dúvida, o Plano Real, a Lei de Responsabilidade Fiscal e o marco regulatório do sistema financeiro. Todos se tornaram ativos de Estado, seja em forma de normas impositivas, seja em forma de ações efetivas de políticas públicas. Mas todos foram políticas que deram certo e que se somam para a melhoria do país. No campo filosófico poderíamos afirmar que boas idéias não têm dono, pertencem a todos.

    Afirmar que o PSDB é um partido de “esquerda civilizada(?!!)” porque teve um projeto de país baseado no Plano Real (iniciado em Itamar Franco) e desqualificar o PT porque “tomou para si” o Plano Real é de uma infantilidade patente, pra se dizer o mínimo. Concluir que, pelo PT ter mantido o que de bom foi feito pelo FHC, Itamar ou D. Pedro II, é ter se apropriado de tais políticas, numa discussão minimamente inteligente, realmente é de “difícil refutação”. Até porque não se trata de apropriação, mas de continuação e de não interrupção. Você parece ser um cara inteligente, apesar da miopia ideológica, por isto vou debitar a afirmação no âmbito da pequenas idiossincrasias, muito embora ainda acredito que o conclusão do #22 seja mais pertinente.

    Por fim você afirma que:

    “Os resultados de uma reforma estrutural são vistos apenas no futuro. Não é no momento em que elas são implementadas, apesar de que algumas melhorias imediatas possam ser vistas logo nos momentos iniciais, como foi no caso do Plano Real e o fim da hiperinflação.”

    Concordo com a afirmação. Mas aí temos que ser razoáveis. Se o FHC, Serra e os tucanos não conseguiram passar para a sociedade as melhorias que as reformas estruturais implementadas seriam capazes de oferecer, paciência. Se o Lula, Dilma e o PT fizeram, competência deles. Assim como o FHC, Serra e tucanos levaram um segundo mandato com o sucesso do Plano Real – embora o processo tenha sido manchado pela emenda da reeleição -, nada mais justo que o Lula, Dilma e PT sejam beneficiados politicamente por terem sido capazes de, não só dar continuidade, mas melhorar e inovar no que foi feito, e assim melhorar a condição de vida de todos. Este é um dos belos efeitos das democracias. A continuidade das boas políticas.

    Marcelo, não fique triste, nem enciumado. Pense que, de uma certa forma, a nossa incipiente democracia parece ter encontrado o caminho de um desenvolvimento sustentável, e que todos nós fazemos parte deste processo. Será bom para todos.

  25. Pax said

    Prezados Marcelo Augusto e Zbigniew,

    Lembrem-se do mais famoso caso (que eu conheço) sobre economia e eleições:

    Sir Winston Leonard Spencer-Churchill

    Talvez os ajude nesta discussão que acompanho.

  26. Olá!

    Zbigniew:

    “[A]pesar da ‘alfafa ideológica’ você meio que desceu do pedestal. Já é um início.”

    Pedestal? Quem geralmente tem essa tendência de se colocar acima do bem e do mal, pregando possuir um conhecimento absoluto sobre o passado, o presente e o futuro é o pessoal da esquerda e suas derivações da ideologia marxista.

    “Não se está a não reconhecer os méritos de governos anteriores. O próprio PT e o Lula reconhecem que o controle inflacionário foi de grande importância para o país. [. . .]”

    É engraçado, Zbigniew, pois parece que você mora em outro Brasil e em outra realidade. Sempre que o presidente Lula tem uma oportunidade, ele trata os governos anteriores — sobretudo os governos com ligação direta com o Plano Real (Itamar e FHC) — com a mais brutal retórica. Um exemplo dessa brutalidade retórica:

    “Lula lembrou um ‘presidente que viajava o mundo à procura de um título de ‘doutor honoris causa’ e que ‘terminou o mandato sem fazer uma única universidade neste país’, em referência indireta a FHC.”

    É uma brutalidade profundamente tosca reduzir o ex-presidente FHC à condição de uma pessoa que viajava o mundo em busca de um título de doutor honoris causa enquanto que, na realidade, o que foi feito no governo FHC foram reformas estruturais importantes para o atual desempenho econômico do Brasil.

    Aí está, Zbingniew, o reconhecimento que o Lula tem pelo antecessor dele. Parece que você, Zbigniew, habita um outro Brasil.

    “A começar pelos índices parcialmente bons que dão a ele mais de 80% de aprovação. [. . .]”

    Nesse ponto você omite uma informação muito importante: Os mesmos institutos de pesquisa que dão ao presidente Lula 80% de popularidade, são também os institutos que erraram brutalmente quanto aos resultados do primeiro turno destas eleições.

    “[. . .] O FHC terminou o seu governo com índices bem baixos de aprovação, desemprego em alta e um sistema elétrico em frangalhos, além de outros dados bem aquém e já fartamente divulgados, isto apesar do Plano Real e etc. Há! Mas tiveram as crises externas, havia esquecido. [. . .]”

    Novamente, você, Zbigniew, omite informações. A base em que o governo FHC começou foi bem diferente daquela que o governo Lula encontrou. A começar pelo fato de que o governo FHC tinha que consolidar um plano de estabilidade monetária e fazer reformas que iriam auxiliar no sucesso desse plano. O Lula não precisou fazer nada disso — e não fez. Ele já pegou um país monetariamente estabilizado. Sem estabilidade monetária, Zbigniew, nenhum país consegue melhorar o seu desempenho econômico.

    “[. . .] Bom, esta também foi a base encontrada pelo Lula. [. . .]”

    Leia o parágrafo anterior.

    “[. . .] É importante observar que a fixação de políticas de redes de proteção social como ativos de Estado, a valorização do salário mínimo e a efetiva oferta de crédito foram conquistas deste governo, ainda que governos anteriores tenham seus méritos em outros campos que auxiliaram nesta empreitada.”

    Zbigniew, lembre-se que o PT e o Lula foram contra algumas políticas de proteção social, como o Bolsa Escola. O salário mínimo se valorizou ao longo do governo Lula, mas este não tomou nenhuma medida que fosse a causa disso.

    “Afirmar que o PSDB é um partido de “esquerda civilizada(?!!)” porque teve um projeto de país baseado no Plano Real (iniciado em Itamar Franco) e desqualificar o PT porque “tomou para si” o Plano Real é de uma infantilidade patente, pra se dizer o mínimo. [. . .]”

    O PT representa uma esquerda pouco civilizada. Veja lá quantas forças retrógradas não estão abrigadas no íntimo do PT. Há diversos grupos que representam esses tipos de forças, eis alguns: Racialistas, abortistas; charlatões econômicos (vide os conselheiros petistas nessa área ao longo das décadas de 1980-1990); grupos simpatizantes das FARC; e etc. Sem dizer que o PT abriga, convenientemente, o grupo mais retrógrado do Brasil atual: O MST, que destrói plantações, pesquisa científica e já disparou tiros contra um helicóptero — provavelmente para testar o alcance da arma.

    Esse último episódio envolvendo o José Serra e militantes do PT no Rio de Janeiro, onde o candidato do PSDB foi agredido pelos petistas, é mais um exemplo dessa falta de civilidade dentro do PT. Reedição da prática que os petistas fizeram nas eleições de 1989. Nessa época, a jogadora de basquete Norminha relatou ter sido agredida por petistas pelo simples fato de não votar no PT. Outro dia, o Vilarnovo relatou algo semelhante: Ele viu petistas agredindo pessoas dentro dos seus automóveis pelo fato de não estarem apoiando a candidatura do PT de 1989.

    Isso é civilidade, Zbigniew? Quantas vezes você, Zbigniew, viu pessoas do PSDB fazerem o mesmo?

    O PSDB é um partido de esquerda que estaria até mesmo mais à esquerda do que muitos partidos esquerdistas europeus, por exemplo. O Partido Democrata dos EUA está bem à direita do PSDB.

    “[. . .] Concluir que, pelo PT ter mantido o que de bom foi feito pelo FHC, Itamar ou D. Pedro II, é ter se apropriado de tais políticas, numa discussão minimamente inteligente, realmente é de ‘difícil refutação. [. . .]”

    Não se trata de refutação. O problema fundamental com o governo Lula e, sobretudo, com o presidente Lula, é que ambos não reconhecem que o legado dos seus dois antecessores (Itamar e FHC) é que permitiu ao atual governo desfrutar dos índices que tem. Sempre que pode, o presidente Lula trata esses dois governos, sobretudo o de FHC, com a pior das brutalidades.

    “Concordo com a afirmação. Mas aí temos que ser razoáveis. Se o FHC, Serra e os tucanos não conseguiram passar para a sociedade as melhorias que as reformas estruturais implementadas seriam capazes de oferecer, paciência. Se o Lula, Dilma e o PT fizeram, competência deles. [. . .]”

    De fato: O PT colheu frutos que não plantou e nem legará à posteridade uma reforma estrutural sequer.

    Até!

    Marcelo

  27. Zbigniew said

    Caro Marcelo,

    há uma tendência sua de misturar alhos com bugalhos, e daí para a generalização é um pequeno passo. Aliás, é uma estratégia recorrente dos tucanos. A desinformação. E ela é muito eficaz, principalmente num meio em que o preconceito de classes é bem intenso, como ocorre no Brasil. Nisto temos que dar o braço a torcer, vocês foram muito bem sucedidos. Pena que para o mal do país. Vou até fazer uma pequena digressão com relação ao recentíssimo caso do Ministro do STJ e o estagiário. Embora haja ali um orgulho e um destempero, há também a idéia de que alguém é melhor do que outrem. Tem muito a ver com esta idéia tucana de generalizar para cima do PT.

    Se alguém defende o governo Lula ou o PT apaixonadamente, ou é petista ou marxista ou militante. Talvez a última expressão seja a mais apropriada no seu sentido mais geral, porque conheço pessoas que jamais se envolveram com política e hoje são fãs de carteirinha do Lula e da Dilma. E ao que consta, pelo país são milhões. Estes jamais estiveram num pedestal ou se colocaram como infalíveis, até poque a “ideologia” tem mais a ver com o personagem e o resultado do seu governo. A questão é do discurso e do método. Engraçado como vocês pegaram o cacoete da extrema-direita americana: tá tudo num mesmo balaio, é tudo marxista.

    Você continua misturando as coisas quando diz que o Lula se refere ao ex-Presidente FHC de forma supostamente desrespeitosa ou tosca. Esquece que o FHC desde o início tem se intrometido em questões do atual governo, dando opiniões desfavoráveis sobre políticas públicas e estratégias políticas, inclusive no âmbito internacional, e ainda, emitindo impressões sobre a própria personalidade do Lula. Você acha certo ele se referir ao Lula como iletrado? Quem está sendo grosseiro e tosco? Eu te pergunto: isto é postura de ex-Presidente? É óbvio que aí tem uma conotação eleitoral bastante presente, até porque o FHC quer ter um papel preponderante no PSDB, e ele deveria, já que um ex-Presidente. Porém tem sido esquecido convenientemente pelo candidato e pelos tucanos. Interessante que o Serra preferiu – e ainda prefere – apresentar o Lula no seu programa eleitoral do que o próprio FHC. Deve ser duro para ele ter que aceitar tamanha ingratidão.

    Aqui também é importante destacar que em campanhas anteriores o aspecto pessoal tem sido bastante focado. O que nos remete ao caso da filha do Lula. Mas nunca ouvi o Lula falar de questões íntimas do FHC, nem em campanha política, nem fora dela.

    É para falar de civilidade?!!!

    Abortistas, recialistas, charlatães econômicos, simpatizantes das FARCs, acobertadores do MST, agressivos. Admira-me você não ter citado também ladrões.

    Há alguma coisa boa no PT? Preocupa-me muito esta visão depreciativa e raivosa que se tem de uma agremiação política. Ela me remete a uma afirmação do Sr. Bornhausen, um dos que compõem a aliança com o PSDB e o Serra, de que “esta raça deve desaparecer do mapa”. Herr Bornhausen ficou chateado quando Lula, em campanha política, afirmou que “O DEM deveria sumir do mapa”. Herr Bornhausen fala em raça… Lula na expressão política das idéias. Quem é racialista? Ou melhor, racista? Quem é o incivilizado?

    Aí você entra no campo das impressões perigosas: abortistas. Rapaz! Eu sinceramente não acredito que você tenha entrado nesta conversa. Não quando o Serra, de forma hipócrita, tenta angariar votos dos extremistas religiosos. Ele que escondeu que assinou uma norma regulamentar (coisinha de nada) sobre o aborto no SUS. E com toda a baixaria, levou de rodo a própria mulher nesta história toda. Quem é o incivilizado?

    Voltemos ao balaio. Falar em FARCs e MST. Esta aqui é batata pros doutrinados, uma vez que para eles são exclusivamente movimentos criminosos e o PT é, logicamente, a expressão do crime. Aliás, é bem afeito aos tucanos criminalizar movimentos sociais. É muito mais fácil se você mistura, desconstrói e deslegitima os movimentos sem se aprofundar nos motivos que estão por trás de suas ações. E aí é só baixar o sarrafo e apontar o dedo para quem é moderado. É tudo vagabundo mesmo! Porque onde existe o extremismo não há o diálogo, os conceitos já vêm todos empacotados para consumo, sem direito a devolução.

    Se os tucanos baixam o cacete na própria polícia, em professores e em estudantes, como vem acontecendo reiteradamente no governo
    Serra em São Paulo, quanto mais em movimentos sociais maiores e mais articulados, que sim, têm o direito de existir por uma causa ou demanda, e, por óbvio, devem responder pelos crimes que porventura venham a cometer?! É bem provável que os tucanos queiram colocar numa lei a forma como os movimentos sociais devam se expessar pra não levar bomba na cara. Mas, e as demandas? São ou não legítimas? Quem é o incivilizado?

    Aliás, todo tucano deveria ter vergonha de falar de civilidade quanto têm um candidato da envergadura do Serra. Uma pessoa que tenta simular um atentado da forma como ele tentou foi no mínimo jocoso pra não dizer ridículo. É claro que o “atentado” com a bolinha de papel vai virar um acinte à democracia pelas mãos dos tucanos. Eu até entendo isto do ponto de vista eleitoral. Mas numa discussão política, aí você já ta querendo demais.

    Vou terminar com estas tuas duas afirmações, que eu reiteradamente ouço aqui neste espaço democrático oferecido pelo caríssimo Pax.

    A de que o colega Vilarnovo já viu petistas agredindo e a de que o Lula foi contra o bolsa-escola. Aliás, sobre a versão do Vilarnovo, o que eu li foi que petistas agrediram os caras-pintadas. Olha, eu já li que tucanos agrediram petistas, já li que tucanos roubaram, já li que tucanos assassinaram, mas não generalizo e não tacho o PSDB de um partido de agressivos mauricinhos prontos para privatizar tudo que estiver no caminho, ganhar dinheiro, fazer as malas e ir morar em Miami. É o tipo da generalização pobre e rasa. Dá até náuseas.

    Aí vem a história do bolsa-escola. Que sim, o Lula criticou, foi contra da forma como era feita, o que lhe é legítimo. E que estava tão certo que transformou, agora sim, num ativo do Estado, capaz de ajudar a colocar milhões de pessoas no mercado de consumo e fazer girar a economia. É daí que vem o charlatanismo econômico dos petistas?

    Permita-me uma última digressão. É bom o povo brasileiro ficar de olho no temperamento do José Serra. Principalmente os que defendem a liberdade de expressão. Não é incomum ao candidato se contrariar com perguntas, destratar jornalistas e deixar entrevistas pela metade por se sentir “pouco a vontade” no debate. O que está ocorrendo na TV Cultura é um bom exemplo do perfil deste senhor e ele não é nada democrático.

  28. Olá!

    “[H]á uma tendência sua de misturar alhos com bugalhos, e daí para a generalização é um pequeno passo. Aliás, é uma estratégia recorrente dos tucanos. A desinformação. E ela é muito eficaz, principalmente num meio em que o preconceito de classes é bem intenso, como ocorre no Brasil. Nisto temos que dar o braço a torcer, vocês foram muito bem sucedidos. Pena que para o mal do país. [. . .]”

    É engraçado que você cometa exatamente o erro que atribui aos outros: A generalização. É um hábito comum dos petistas/esquerdistas darem a si o monopólio de definir quem é e quem não é de direita ou esquerda, logicamente que reservando à esquerda tudo aquilo que a esquerda vê como essencialmente bom e atribui à direita tudo aquilo que for de natureza deletéria. Isso é sinal de imaturidade intelectual e política.

    “Se alguém defende o governo Lula ou o PT apaixonadamente, ou é petista ou marxista ou militante. [. . .]”

    Leia o excerto acima retirado do seu comentário anterior. Uma pessoa que mostre uma opinião diferente daquilo que o mainstream petista pensa é logo rotulada de tucana, direitista, de extrema direita e etc.

    Não há nada de errado em defender apaixonadamente um governo, um partido, um político, uma ideologia ou seja lá o que for. O detalhe é que há um enorme abismo separando essa defesa apaixonada e a realidade; e por maior que seja essa paixão, por maior que seja a vontade de ver uma sociedade inteira construída através desse conjunto de valores defendidos, isso não é razão suficiente para impôr tal vontade aos demais.

    “[. . .] Engraçado como vocês pegaram o cacoete da extrema-direita americana: tá tudo num mesmo balaio, é tudo marxista.”

    Não é uma questão de generalizar, mas a gênese do PT possui uma forte componente marxista. Você pode até não gostar, Zbigniew, mas isso é um fato.

    Não apenas a componente marxista está presente nessa origem do PT, mas outras derivações dessa maluquice ideológica, como socialismo, comunismo, bolchevismo, sindicalismo e outras doidices afins que, consequentemente, trazem uma outra componente extremamente retrógrada para a composição de um partido político que pretende funcionar dentro de um regime democrático: O autoritarismo. Aquela afirmação do presidente Lula de que eles são a opinião pública, fora as constantes investidas contra a liberdade de expressão, é reflexo desse autoritarismo.

    Essa componente autoritária é bastante perigosa, pois ela dá embasamento ideológico/doutrinário/etc. para que um grupo se considere detentor de um conhecimento absoluto capaz de reconstruir toda uma sociedade. A história do século XX e as experiências coletivistas (vide nazismo e comunismo) está repleta de exemplos desse tipo. Sem dizer que o autoritarismo é uma força incompatível com a democracia e as liberdades do cidadão. Aliás, nenhuma das derivações do marxismo foram capazes de construir países desenvolvidos.

    “Você continua misturando as coisas quando diz que o Lula se refere ao ex-Presidente FHC de forma supostamente desrespeitosa ou tosca. [. . .]”

    Não há mistura de nada, Zbigniew. São fatos. O presidente Lula se refere da maneira mais desrespeitosa ao seu antecessor.

    “[. . .] Esquece que o FHC desde o início tem se intrometido em questões do atual governo, dando opiniões desfavoráveis sobre políticas públicas e estratégias políticas, inclusive no âmbito internacional, e ainda, emitindo impressões sobre a própria personalidade do Lula. Você acha certo ele se referir ao Lula como iletrado? Quem está sendo grosseiro e tosco? Eu te pergunto: isto é postura de ex-Presidente? [. . .]”

    Se intrometer nos assuntos alheios é errado. Emitir uma opinião como cidadão não há problemas.

    Você, Zbigniew, se esquece de como o Lula agia ao longo da década de 1990, sobretudo nos anos FHC. Ele, o Lula, emitia opinião sobre tudo quanto era assunto. O Lula afirmou que o Plano Real era um estelionato eleitoral e que não iria dar certo — em pleno governo Itamar, quando o ministro da fazenda era o FHC. Mesmo após as derrotas nas urnas em 1994 não fizeram com que o Lula se limitasse à uma atuação mais civilizada e democrática. Quem não se lembra do Fora FHC e o FMI!??

    Quer intromissão maior do que essa, Zbigniew? Por acaso os ex-presidentes Itamar e FHC trataram o Lula através de brutalidades retóricas, afirmando coisas como o Lula não passa de um torneiro-mecânico à procura de uma prensa para os seus dedos e coisas tais?

    Afirmar que o presidente Lula é um iletrado é estar de acordo com os fatos. O próprio Lula afirma que não gosta de ler. O Lula, por adversidades e ironias desse país mais interessado em vender gasolina do que investir em educação, não pôde se letrar, estudar, se esclarecer e etc — apesar de que tenha sido sustentado pelo PT por um longo tempo, podendo se letrar, estudar e etc.

    “Há alguma coisa boa no PT? [. . .]”

    Sim, há! A atitude do presidente Lula em afastar aqueles charlatões econômicos e demais malucos ideológicos do processo de tomada de decisões. Foi a melhor coisa que o PT fez nesses 30 anos da sua existência.

    “[. . .] Ela me remete a uma afirmação do Sr. Bornhausen, um dos que compõem a aliança com o PSDB e o Serra, de que ‘esta raça deve desaparecer do mapa’. [. . .]”

    O PT tem o direito de existir. Resta saber se o PT acha o mesmo em relação aos demais partidos políticos. Ao que parece, julgando pelas maracutaias, dossiês e golpes institucionais (vide Mensalão), esse direito o PT quer reservar para si.

    “[. . .] Herr Bornhausen ficou chateado quando Lula, em campanha política, afirmou que ‘O DEM deveria sumir do mapa’. Herr Bornhausen fala em raça. . . Lula na expressão política das idéias. Quem é racialista? Ou melhor, racista? Quem é o incivilizado?”

    Não é de hoje que o PT utiliza termos e simbologia nazistas para se referir aos seus inimigos.

    Ambas as declarações são asquerosas. O Bornhausen se referiu aos mensaleiros de maneira incivilizada. Bastava dizer o que aquela corja de fato é: Golpistas institucionais que não deveriam viver em sociedade.

    A declaração do Lula é essencialmente diferente, pois ele afirma que o DEM deveria ser extirpado da política nacional. Pelas vias legais, se há um partido que deveria ter sido liquidado, esse partido é o próprio PT, pois em nenhum país democrático, sério e civilizado um partido comanda um esquema de suborno e corrupção de um dos poderes da república (o legislativo) em prol de um outro poder (o executivo), e permanece livre e solto. O Mensalão foi isso, Zbigniew: Um golpe institucional. O evento histórico mais próximo que houve de um golpe de Estado desde o último dado em 1964.

    “Aí você entra no campo das impressões perigosas: abortistas. Rapaz! Eu sinceramente não acredito que você tenha entrado nesta conversa. [. . .]”

    Toda vida humana tem o mesmo valor e os mesmos direitos à liberdade, à vida e etc. Toda vida humana é digna de ser vivida.

    “[. . .] Não quando o Serra, de forma hipócrita, tenta angariar votos dos extremistas religiosos. [. . .]”

    Quem seriam esses extremistas religiosos? Por que eles seriam extremistas?

    É muito conveniente para você não aplicar o mesmo parâmetro para julgar o PT e as relações deste com a Igreja Universal do Reino de Deus, propriedade do empresário Edir Macedo.

    “[. . .] Ele que escondeu que assinou uma norma regulamentar (coisinha de nada) sobre o aborto no SUS. [. . .]”

    Parece que essa norma regulamentar era anterior à presença do José Serra no ministério da saúde

    “Voltemos ao balaio. Falar em FARCs e MST. Esta aqui é batata pros doutrinados, uma vez que para eles são exclusivamente movimentos criminosos e o PT é, logicamente, a expressão do crime. Aliás, é bem afeito aos tucanos criminalizar movimentos sociais. [. . .]”

    As FARCs sequestram, torturam, prendem, executam e matam pessoas. Esse tipo de força não deve existir em um regime democrático, em uma república. Hoje, o que sustenta essa força retrógrada das FARCs, é o narcotráfico. As FARCs são uma narcoguerrilha.

    O problema do MST é outro. O MST é um “movimento” que não quer saber de reforma agrária e coisas tais, muito menos fazer com que seus militantes se tornem pessoas produtivas e geradoras de riquezas. O que o MST quer, de fato, é manter essa gente escravizada para sempre. Para o MST, manter sua base de militantes é muito mais importante do que atingir as causas que eles defendem, já que o “movimento” não pode acabar. Daí que o objetivo desse movimento esteja, eternamente, no futuro do pretérito e jamais será alcançado, pois alcançá-lo seria tirar o instrumento através do qual seus mentores intelectuais expressam o ódio àquelas pessoas que possuem méritos e qualidades pessoais que eles próprios não têm.

    “[. . .] É muito mais fácil se você mistura, desconstrói e deslegitima os movimentos sem se aprofundar nos motivos que estão por trás de suas ações. E aí é só baixar o sarrafo e apontar o dedo para quem é moderado. É tudo vagabundo mesmo! Porque onde existe o extremismo não há o diálogo, os conceitos já vêm todos empacotados para consumo, sem direito a devolução.”

    Não raro, os tais “movimentos” “sociais” possuem em seus quadros de liderança pessoas de origem privilegiada. Vejam, por exemplo, o caso do João Pedro Stédile. É uma pessoa que estudou em uma das mais caras universidades privadas do Brasil (PUC-RS), tem acesso fácil às estruturas de poder (coisa geralmente reservada aos economicamente poderosos, como o Abílio Diniz), tem um padrão de vida muito acima daquilo que, geralmente, é visto nos acampamentos de lona do MST e etc. Sem contar os milhões que foram repassados ao MST nos últimos anos.

    “Se os tucanos baixam o cacete na própria polícia, em professores e em estudantes, como vem acontecendo reiteradamente no governo
    Serra em São Paulo, quanto mais em movimentos sociais maiores e mais articulados, que sim, têm o direito de existir por uma causa ou demanda, e, por óbvio, devem responder pelos crimes que porventura venham a cometer?! [. . .]”

    Veja aqui como os tais policiais foram tratados pelos estudantes da USP durante a greve de 2009. Parece que você, Zbigniew, habita outro mundo ou outro Brasil.

    Veja aqui como o Stédile reagiu à ação criminosa dos militantes do MST que destruíram e vandalizaram a propriedade da Aracruz, destruindo pesquisa científica de longos anos. Os próprios militantes do MST e o Stédile comemoraram essa ação. Transcrição das palavras do Stédile:

    ” — As companheiras, mulheres, estão de parabéns porque tiveram coragem de fazer um ato para chamar a atenção da sociedade […]”

    Houve condenação da parte dessa liderança do MST, Zbigniew?

    Mais uma vez: Parece que você, Zbigniew, mora em outro Brasil.

    “Aliás, todo tucano deveria ter vergonha de falar de civilidade quanto têm um candidato da envergadura do Serra. Uma pessoa que tenta simular um atentado da forma como ele tentou foi no mínimo jocoso pra não dizer ridículo. [. . .]”

    Típica atitude retórico-falaciosa dos petisto-esquerdistas. Não houve simulação de atentado. O José Serra foi, de fato, atingido por um objeto com peso suficiente para ferir uma pessoa. As imagens mostradas no Jornal Nacional evidenciaram isso.

    “[. . .] É claro que o ‘atentado’ com a bolinha de papel vai virar um acinte à democracia pelas mãos dos tucanos. Eu até entendo isto do ponto de vista eleitoral. Mas numa discussão política, aí você já ta querendo demais.”

    Esse ato antidemocrático dos militantes petistas não precisa da ajuda do PSDB para ser aquilo que já é: Uma demonstração plena de ódio à democracia, à liberdade, ao direito de ir e vir, ao direito de fazer oposição e etc.

    Aliás, o presidente Lula age nesse episódio como o Stédile agiu no vídeo do link acima: Em vez de condenar essa militância que tentou prejudicar uma pessoa, ele, o Lula, tratou o episódio com a mais brutal retórica, fazendo comparações descabidas para um presidente da república.

    “Vou terminar com estas tuas duas afirmações, que eu reiteradamente ouço aqui neste espaço democrático oferecido pelo caríssimo Pax.

    A de que o colega Vilarnovo já viu petistas agredindo e a de que o Lula foi contra o bolsa-escola. Aliás, sobre a versão do Vilarnovo [. . .].”

    Esse comentário do Vilarnovo está registrado aqui no site. Se você quiser, Zbigniew, pergunte diretamente a ele.

    “Aí vem a história do bolsa-escola. Que sim, o Lula criticou, foi contra da forma como era feita, o que lhe é legítimo. E que estava tão certo que transformou, agora sim, num ativo do Estado [. . .].”

    Até onde se sabe, nos anos iniciais, o programa social chefe do governo Lula não era o Bolsa Família, mas o Fome Zero. O governo Lula pegou o Bolsa Família exatamente pelo fato de o Fome Zero não estar rendendo os lucros sociais (e eleitorais) previstos.

    “[. . .] [C]apaz de ajudar a colocar milhões de pessoas no mercado de consumo e fazer girar a economia. É daí que vem o charlatanismo econômico dos petistas?”

    Bolsa Família não converte ninguém em consumidor no mundo moderno, até mesmo pelo fato de que esse programa foi feito com o intuito de amenizar situações de pobreza extrema.

    Não há charlatanismo no Bolsa Família. Havia, sim, charlatanismo econômico no PT dos anos de 1980 e 1990. Vejam lá quem eram os principais conselheiros econômicos do PT nessa época e veja também as decisões que o PT tomou em relação ao Banco Central após 2003. O que o PT fez no Banco Central? Encheu-o de — como é mesmo. . .? — neoliberais. A começar pelo atual presidente do BC.

    Para finalizar. Eis aí o grande problema que é tentar discutir com um esquerdista: Você oferece argumentos e fatos, mas não recebe nada em troca — a não ser mentiras e fatos deturpados.

    Até!

    Marcelo

  29. Zbigniew said

    Caro Marcelo,

    de fato a explicação está na gênese do Partido. O PT será sempre e necessariamente marxista. Não importa o que ele faça, será sempre a antítese de tudo que possa ser considerado civilizado, pois eis que o marxismo levou o mundo às trevas. O interessante é que os partidos não evoluem, não mudam ou aperfeiçoam suas ideologias. São estagnados no tempo e no espaço. E pensar que a Social Democracia teve no seu berço enxertos da ideologia marxista.

    O marxismo está na base da sua argumentação, e o PT é marxista, por isto…

    Lula é autoritário e atenta contra a liberdade de expressão.

    Alguém acredita nesta afirmação? Quais iniciativas do governo Lula que levam a esta conclusão? Você citou alguma? Seria o fato do Presidente ter criticado uma parcela da imprensa que, tão polida e imparcialmente tem coberto as eleições, sem nenhum interesse maior, a não ser bem informar? Seria o fato do Presidente ter convocado uma CONFECOM para discutir com toda a sociedade a democratização da comunicação no país. Aliás, país que não tem o hábito de discutir alguns assuntos, como imprensa e direitos humanos. Mas o PT é marxista! E quem é que vai colocar nas mãos de um partido marxista assuntos tão sensíveis como estes?!

    Lula foi brutal contra FHC!!!

    E contra Itamar também, porque quando na oposição, criticava as políticas dos ex-Presidentes. O que lhe era legítimo, afinal não era ex-Presidente, e não estava na oposição pra ficar calado. Agora, há uma regra de ética para ex-Presidentes de que não se deve criticar, pelo menos não pessoalmente, aquele que está no exercício do mandato. Coisa que o FHC não conseguiu fazer. As críticas de Lula ao governo anterior se dá no momento em que, na democracia brasileira, de forma inédita no mundo, os maiores grupos de mídia formam um consórcio para defender a candidatura que melhor lhes apetece. Isto de forma dissimulada e desonesta.

    Mas o brutal Lula reconheceu que errou quando criticou o Plano Real, e que o controle inflacionário foi de suma importância para o desenvolvimento do país. Mas como ele é de um partido marxista…

    Os mensaleiros.

    Esse discurso moralista é bem afeito aos herdeiros da velha UDN. Está no sangue do conservadorismo brasileiro, atualmente bem representado pelo DEM. O padrão é seguido pelos aliados no Congresso, e o PSDB, com a ajuda do consórcio midiático, trouxe para o dia-a-dia do brasileiro. Coincidentemente davam sustentação ao único governador eleito pelo partido neo-udenista. Mas o José Roberto Arruda foi afastado pela Justiça por quê? Corrupção. O famoso mensalão do DEM. Temos também o mensalão mineiro, tucano ou o valerioduto tucano. O Lula afastou a todos. E o PSDB? Lembra da emenda da reeleição? Como foi que se chegou àquela situação?
    O erro do PT foi achar que tudo ficaria encoberto, quando se tinha toda a mídia a favor do sistema anterior. O que digo é que o esquema do mensalão existia antes, de maneiras e formas distintas, como hoje também existe. Veja o caso Paulo Preto e o DERSA, veja o caso do mensalão mineiro, veja o caso da ALSTOM e as propinas a parlamentares tucanos. O mensalão é um termo empregado para corrupção, mas que ficou tatuado no PT, afinal trata-se de um partido marxista…

    A Relação do PT com a IURD e as FARCs

    Qual é mesmo? Como a IURD foi ajudada pelo PT? Quais as provas disto? E as FARCs? Qual a relação do PT com a narcoguerrilha? Foi a camisa colocada no sequestrador do Abílio Diniz (que é fã do Lula e da Dilma) que dedurou o esquema?

    As FARCs sequestram e matam, e isto é errado, devem pagar por isto. Mas dizer que o governo tem relações ou protegem a guerrilha, é, no mínimo uma afirmação absurda.

    O MST

    Como te disse, os tucanos passaram apenas a criminalizar os movimentos sociais, principalmente se for o MST. Este caso é emblemático. O movimento comporta excessos, isto é verdade, como foi o caso lá da Monsanto, entre outros. É possível fazer algumas ressalvas a atuação do Stédile mas daí a utilizar o padrão de vida dele para deslegitimar o MST como se o movimento fosse apenas ele, aí tem uma simplificação braba. Aliás, é esta simplificação para o mal, para a abordagem da destruição do outro, muito comum a alguns tucanos, que retira a seriedade do argumento. Até porque o que menos se discute é qual o papel do movimento na questão da reforma agrária no nosso país. Alguns estudiosos já se debruçaram sobre o tema, como o Sr. Miguel Carter – professor da School of International Service da American University, em Washington DC, que coloca em perspectiva o senso comum criado em torno do MST. Primeiramente, ele propõe que se deixe de lado dois exageros: da direita, que, no limite, equipara o movimento pela reforma agrária ao terrorismo; e o de esquerda, que o romantiza, superestimando a sua influência. A abordagem deve ser equilibrada para se tirar as devidas conclusões. O texto da Maria Inês Nassif no Valor Econômico, de 11.04.2010 (MST: Nem Demônio, nem anjo, mas Ator Social – http://www.ecodebate.com.br/2010/04/11/mst-nem-demonio-nem-anjo-mas-ator-social-artigo-de-maria-ines-nassif/) traz algumas informações que fogem deste lugar comum. Há, mas o PT alcovita o movimento, e é tudo coisa de marxista. Não importa estudos ou argumentos.

    Olha, Marcelo. Há um grande problema com este moralismo udenista que você mal emprega neste espaço. A Maria Inês Nassif resolveu muito bem o fenômeno quando definiu o neo-udenismo e a sua moral, nestes termos:

    “(…)
    O udenismo pode ser definido como uma ação política firmada num discurso de muita agressividade, em que a retórica moral e moralista é tornada pública, reiterada e repetida de modo a tornar-se impositiva, um padrão que deve ser aceito como uma verdade para todos. O discurso é construído com base em interpretações sobre fatos que são refratados sob a ótica do moralismo e quase nunca os expressa com o seu exato tamanho, mas de forma muito amplificada, de acordo com a necessidade de propaganda política.
    (…)
    Existe uma diferença fundamental entre o moralismo udenista e a ética. O moralismo udenista aumenta, exagera, cria situações-limite – e relativiza a ética, ao distorcer fatos e forçar julgamentos coletivos pautados por fortes ondas de comoção. Por esses critérios moralistas, é feita uma confusão intencional entre moral e ideologia – passam a ser taxados como imorais opções político-ideológicas justificáveis numa democracia. Essas situações são facilitadas quando o partido – ou o espectro político – que se coloca como juiz da moralidade consegue bom trânsito em setores conservadores. Essa confusão produziu muitos danos políticos nos últimos governos.
    (…)”

    Sendo assim, acrescento apenas que, com a retórica de cunho absoluto, na deslegitimação do PT por sua gênese marxista, a moral neo-udenista prega a destruição do outro desde o seu nascimento. É exatamente este o seu discurso.

  30. Olá!

    É o velho negócio: Discutir com um esquerdista é a mais pura perda de tempo. Os esquerdistas mentem e deturpam fatos para que se encaixem como argumentos na sua lógica ofuscada pelos vapores da ideologia que seguem.

    “[D]e fato a explicação está na gênese do Partido. O PT será sempre e necessariamente marxista. Não importa o que ele faça, será sempre a antítese de tudo que possa ser considerado civilizado, pois eis que o marxismo levou o mundo às trevas.[. . .]”

    O marxismo foi incapaz de construir um país desenvolvido sequer. As idéias malucas de Marx tinham pouquíssimo contato com a realidade, fora os dados estatisticamente enviesados que ele utilizou para construir parte da sua teoria. Por onde o marxismo e suas derivações passaram, foi deixado um rastro enorme de violência, fome, desespero, genocídio, morte e terror. O lucro final das experiências marxistas e suas derivações foi, na média, 150 milhões de mortos.

    O marxismo afirma que o socialismo/comunismo seriam mais propícios de prosperar nos países em um avançado estágio de capitalismo, esquecendo que, à medida que o capitalismo avança e evolui, também melhora o padrão de vida do cidadão médio, daí que essas maluquices ideológicas são desnecessárias.

    “[. . .] O interessante é que os partidos não evoluem, não mudam ou aperfeiçoam suas ideologias. São estagnados no tempo e no espaço. E pensar que a Social Democracia teve no seu berço enxertos da ideologia marxista.”

    O PT mudou ao longo desses 30 anos de sua existência e a melhor coisa que tal partido fez foi tomar para si o plano de governo do PSDB. No entanto, ainda permanecem manifestações marxistas no PT. A tentativa de censurar a imprensa é uma delas.

    “Lula é autoritário e atenta contra a liberdade de expressão.

    Alguém acredita nesta afirmação? Quais iniciativas do governo Lula que levam a esta conclusão? Você citou alguma? [. . .]”

    Mais de uma vez o governo Lula buscou criar mecanismos de controle da imprensa e da liberdade de expressão. Veja lá aquele jornalista do The New York Times, o Larry Rother, que foi expulso do país por ter criticados os gostos etílicos do presidente Lula.

    Outro exemplo: Quando o Lula afirmou que eles são a opinião pública e não todo a diversidade de opiniões que compõe a sociedade.

    O PNDH3 há pontos que tratam da imprensa e da censura à liberdade de expressão.

    Zbigniew, há diversos exemplos disso.

    “[. . .] Seria o fato do Presidente ter convocado uma CONFECOM para discutir com toda a sociedade a democratização da comunicação no país. [. . .]”

    Eis aí uma mentira enorme. A CONFECOM não contou com a participação de toda a sociedade, mas, sim, com algumas organizações que, no fundo, não passam de ramificações do PT e não representam a diversidade de opiniões que compõe do país.

    “Esse discurso moralista é bem afeito aos herdeiros da velha UDN. [. . .]”

    Engraçado, a velha UDN tem mais semelhanças com um partido de esquerda do que com um liberal (liberal no sentido iluminista do termo). Veja lá as loucuras que essa agremiação defendia. Coisas como:

    01. Monopólio da Petrobras no setor petrolífero.
    02. Reserva de mercado.
    03. Nacionalismo xenófobo.
    04. Patrimonialismo.
    05. Apoio aos militares estatistas.

    O estatismo, o monopólio, a reserva de mercado e a defesa de grupos autoritários estão mais próximos de um esquerdista do que de um liberal.

    “[. . .] Temos também o mensalão mineiro, tucano ou o valerioduto tucano. [. . .]”

    O caso do PSDB é essencialmente diferente do Mensalão, pois não houve a deturpação dos valores democráticos (voto representativo) e republicanos (separação dos poderes) que constituem o país. O que o Azeredo fez foi caixa 2. Ele não comprou o poder legislativo como fizeram os petistas no Mensalão. Não houve golpe institucional. Você igualar ambos os esquemas é uma enorme falta de noção sobre como funciona uma democracia republicana.

    O Mensalão foi isso: Um esquema de corrupção e suborno do poder legislativo para beneficiar o poder executivo, minando, assim, as bases de uma democracia republicana, pois, ao comprar os políticos do congresso, era como se o voto do cidadão de nada valesse, bastando um suborno para que eles votassem de acordo com as vontades do poder executivo — deturpando completamente a separação de poderes essencial em uma república.

    “[. . .] O Lula afastou a todos. [. . .]”

    Conta outra, Zbiginiew. Nenhum mensaleiro foi expulso do PT. O José Dirceu foi cassado por haver provas suficientes contra ele.

    Eis uma lista com os mensaleiros e demais comparsas desse esquema do Mensalão.

    O José Genoíno foi afastado do PT, Zbigniew? E os demais mensaleiros?

    “Qual é mesmo? Como a IURD foi ajudada pelo PT? Quais as provas disto? [. . .]”

    Há funcionários da IURD recomendando voto na Dilma Rousseff.

    “[. . .] E as FARCs? Qual a relação do PT com a narcoguerrilha? Foi a camisa colocada no sequestrador do Abílio Diniz (que é fã do Lula e da Dilma) que dedurou o esquema?”

    O PT e as FARC mantiveram relações ao longo de toda a década de 1990. Inclusive, membros da narcoguerrilha vinham participar do Foro de São Paulo. Isso é um fato, Zbigniew.

    O restante do seu texto não vale a pena ser comentado pois é puro lixo. Aliás, Zbigniew, faça comentários sem essa veia lixo-ideológica.

    Até!

    Marcelo

  31. Zbigniew said

    Pois é, Marcelo.

    O resto do texto, segundo você afirma, é lixo, mas é a mais pura verdade.
    Vocês gritam e mentem descaradamente para justificar sua ideologia. O neo-udenismo está aí, as escâncaras. Não quer dizer que vcs tenham todas as características dela, mas as mais funestas, com certeza. É só ver como age o teu candidato. Com mentiras e meias verdades, apelando para o extremismo religioso e simulações de agressões. Isto é de quem não tem proposta, de quem não quer verdadeiramente debater os problemas do país! E quem mente não pode ter qualquer tipo de confiança, nem chegar a uma Presidência da República.

    Você fala em censurar a imprensa no PNDH-3 e na CONFECOM, mas não dá um exemplo sequer, unzinho para corroborar tua afirmação. Fica no discurso das ilações sem provas, como a Veja costuma fazer com suas reportagens sem áudio (pra proteger a fonte, é claro!). Sua crença se baseia no discurso pobre e vazio do marxismo pra cá, marxismo pra lá. De que o marxismo não criou um único país sequer que tenha dado certo, e que, o PT por ser marxista estaria “ab initio” desqualificado para isto. Isto não é nem neo-udenismo. Isto não tem nem qualificação.

    Aliás, o PSDB, dito por vc como “civilizado”, em matéria de liberdade de expressão tem um telhado de vidro e tanto. O teu candidato, quando constrangido ou perguntado sobre algo que o deixa inseguro, costuma bater boca com repórter ou, melhor ainda, liga pra redação do jornal ou emissora e manda demitir o repórter. Foi o que aconteceu com o Heródoto Barbeiro no Roda Viva da Cultura, quando “pegou pesado” na questão dos pedágios, ou quando o Markum se colocou muito “frouxo” na direção do melhor programa da TV Cultura de São Paulo. Serra bateu boca com repórteres da RBS, com a Miriam Leitão na CBN(?!!!), deixou a Márcia Peltier falando sozinha na Gazeta, e por aí vai. Isto é postura de quem só aceita imprensa amiga, como ocorre em São Paulo. Na realidade, imprensa subsidiada. Pergunta pra ele quanto sai dos cofres do governo de São Paulo direto pra Editora Abril, Folha de São Paulo, etc. Isto me lembra o caso do repórter Jorge Kajuru lá no Mineirão, nos idos de 2004, quando do jogo entre Brasil e Argentina, e quando o mesmo repórter foi demitido ao vivo por ter feito críticas a como as pessoas estavam sendo tratadas na entrada do Mineirão (mais especificamente os cadeirantes, que tiveram sua entrada “adaptada” para os convidados VIPs do então governador, Aécio Neves). O PSDB, o partido mais “civilizado” tem este costume de dar um tratamento “especial” à imprensa quando esta não divulga notícias que lhes são favoráveis.

    Quando não é o PSDB é um órgão da mídia engajada, como no caso recente do Estado de São Paulo, que demitiu a psicanalista Maria Rita Kehl por supostamente está fazendo jogo para a candidatura governista, pelo fato de ter emitido opiniões sobre as eleições presidenciais em curso, fugindo dos assuntos relacionados à psicanálise que é a sua especialidade. Há! Mas é um órgão privado, pode fazer o que quiser. É verdade, mas as intenções são reveladas, principalmente quando este órgão se diz alinhado com a candidatura PSDB-Serra.

    O neo-udenismo do PSDB e do José Serra é isto: extremismo e mentira, e a liberdade de opinião ou expressão às favas. Exceto, é lógico, quando você fala bem deles. Mas aí tem que ter o subsídio. Se sair o subsídio ou trair a ideologia, é cacete meu amigo, sem apelação. Um exemplo foi a foto do Serra na primeira capa do O Globo, quase caindo de uma escada rolante, logo após ter criticado a política de juros altos do Banco Central. Foi só um recadinho. O stablishmente internacional não perdoa.

    Não é à toa que tais órgãos estão dando de tudo nesta reta final da campanha. A Globo, por exemplo, teve os 90% das verbas publicitárias do governo federal, reduzida, no governo Lula, para 45%, proporcional à sua audiência média, que está na casa dos 44%. O resto é distribuido com os demais órgãos e com blogs na internet, sejam os “sujos” como dito pelo José Serra, sejam os limpinho, como o da Veja (os da massa cheirosa, segundo a Catanhêde, conforme impressão sua no lançamento da candidatura Serra).

    Aliás, este viés anti-democrático é bem comum ao partido “mais civilizado” e ao candidato “mais preparado”. Nenhum mensaleiro foi expulso do PT, assim como nenhum foi expulso do PSDB, mas, diferentemente do PSDB, foram alijados dos cargos no governo, de modo que ao partido, a desfiliação só se dará com o trânsito em julgado de uma sentença condenatória. Sabe como se chama isto, Marcelo? Presunção de inocência até que se prove o que foi alegado. Aí expulsam. Mas no governo tem que sair logo para se defender. O Paulo Preto tá aí, ainda no governo do PSDB, todo selerepe, mandando recado pro Serra de que não se deixa um líder caído à boca da morte. Mas é que o Serra tem uns lapsos de memória e não sabia que o cara se chamava Paulo Preto.

    Há! Mas o mensalão do PSDB foi caixa 2 e o do PT não. Foi compra do Poder Legislativo (putz! generalização para reforço na argumentação). Vou por este viés por amor ao debate. Foi o mesmo que o PSDB fez com a emenda da reeleição? Comprou o legislativo descaradamente e quebrou o país. Aliás (novamente), em matéria de lisura de qualquer processo que envolva a coisa pública, o PSDB de José Serra tem muita virtudes, como esta: dá uma olhadinha lá – Resultado de licitação do metrô de São Paulo já era conhecido seis meses antes (http://www1.folha.uol.com.br/poder/820054-resultado-de-licitacao-do-metro-de-sao-paulo-ja-era-conhecido-seis-meses-antes.shtml). Olha, os tucanos e José Serra são uns santos.

    Como é este negócio com a IURD? Cadê as provas? Os santinhos e panfletos a favor de Serra distribuídos pelos pastores e padres estão aí para todos verem, inclusive com a utilização de gráficas de uma diocese de São Paulo. E você em com esta da IURD? Faz-me rir.

    Por fim o PT e as FARCs (mais uma vez a generalização para reforçar a argumentação). Talvez devéssmos incluir o Irã nesta relação. Com toda esta postura “amiga”, do PT e o LULA, temos a palavra da mais famosa sequestrada pela narcoguerrilha, Ingrid Bitterncourt: “Ingrid: “Lula e eu defendemos ação militar contra as Farc” – http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI18806-9531,00-INGRID+LULA+E+EU+DEFENDEMOS+ACAO+MILITAR+CONTRA+AS+FARC.html); bem como, no caso do Irã: “Americana que foi solta no Irã agradece ajuda do Brasil” – (http://www1.folha.uol.com.br/mundo/802445-americana-que-foi-solta-no-ira-agradece-ajuda-do-brasil-em-sua-libertacao.shtml).
    A generalização é perversa porque, como tática neo-udenista e especifica dos tucanos, serve para desinformar, e, sem sombra de dúvidas, eliminar o debate.
    Não é postura do PT apoiar narcoguerrilha alguma. Mas é verdade que o partido busca o diálogo nas relações com outros países, sejam quais forem as partes envolvidas. Porque, diferentemente dos tucanos, o conflito só leva à guerra e à destruição de vidas. Bittencourt e a americana foram soltas porque o diálogo se fez presente. Isto é um lado da questão. O outro, o de se combater a ação criminosa da narcoguerrilha é outro aspecto que o PT e o LULA não se furtam a enfrentar.

    É isto, caro Marcelo. Este é o aspecto. Dos lances levantados estão na gênese dos valores colocados no tabuleiro o “defeito congênito” do marxismo petista e o “desvio de caráter” adquirido com o exercício de poder do neo-udenismo tucano. Qual deles prevalecerá nestas eleições? Um último alerta quanto ao estilo neo-udenitsta tucano. Tudo leva a crer que vão apostar suas fichas na idéia do “radicalismo marxista” do petismo e sua candidato. Tentaram com a bolinha de papel e não deu certo. Outras tentativas surgirão. Afinal, não é difícil colocar uma camisa do PT num partidário e tumultuar qualquer passeata. A conferir.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: