políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

O link entre Alckmin, Delúbio e Requião

Posted by Pax em 26/04/2011

O serrista Walter Feldman anunciou que deixará o PSDB. Sai acusando Geraldo Alckmin de trair a aliança com Kassab e de um personalismo que desequilibra as gulas tucanas em eleições majoritárias, segundo notícia da Folha de São Paulo dos jornalistas Daniela Lima e Felipe Caruso (aqui, para assinantes).

A crise PSDB se aprofunda em São Paulo, ninho do partido mais significativo da oposição brasileira. Some ao desmanche do DEM, principal aliado e entenda o rumo da oposição política atual no Brasil.

Em outra notícia no mesmo jornal, a Folha, há informação que o ex-presidente Lula avaliza a discussão sobre o retorno de Delúbio Soares aos quadros do partido. O assunto está incluído na pauta da corrente CNB – Construindo um Novo Brasil – atual majoritária e que comanda e define os rumos do PT. É a mesma chapada de sempre, mudando apenas sua fachada, composta, entre outros, pelos conhecidos Zé Dirceu, José Genoíno, Silvinho e o único que pagou o pato, o colega que articulava as operações não contabilizadas com Marcos Valério na, digamos, confusa prestação de contas da campanha de Lula em 2002, bem como da ainda mais confusa, digamos assim, articulação política que o ex-ministro da Casa Civil, Zé Dirceu, pilotava à época do que culminou no mensalão do PT.

Some as notícias acima o triste episódio de ontem quando o destemperado Roberto Requião tomou o gravador do repórter da Rádio Bandeirantes da filial de Brasília que lhe perguntou sobre sua aposentadoria vitalícia de mais de R$ 24 mil que recebe por ser ex-governador do Paraná. Falavam sobre medidas antiinflacionárias. O truculento Roberto Requião não gostou da pergunta repetida e tomou uma atitude parecida com a do aposentado general Newton Cruz – aquele que chicoteava o que estivesse à sua frente caso lhe perguntassem algo que o incomodasse – soltando uma de perder o mandato por falta de decoro parlamentar ou falta de capacidade de entender o verbete democracia (associado intrinsecamente com a expressão “liberdade de imprensa”): ‘Já pensou em apanhar, rapaz?’. Requião deve ter estudado as técnicas de falta de democracia com os generais da ditadura, de tão bem que reproduz suas práticas.

Roberto Requião explicava ao jornalista que usava o dinheiro da aposentadoria para pagar multas que a Justiça lhe impôs por chamar outros de ladrão. Ou seja, em outras palavras, ele transgride a lei, segundo sua condenação, e se apropria do dinheiro público para pagar por seus erros. Impressionante o raciocínio patromonialista brasileiro.

Entre as três notícias há um link assustador: quando a oposição se esfarela o caminho do autoritarismo se consolida.

Anúncios

11 Respostas to “O link entre Alckmin, Delúbio e Requião”

  1. Carlão said

    E a coisa piora…
    eis tio rei(pra tremenda alegria do anfitrião) questionando algo mais:
    hehehe

    Sarney sobre a agressão a um repórter: “Essas coisas acontecem”

    “Alguém mais tomou algum microfone hoje? Vou tomar aqui os microfones [e pega os microfones dos jornalistas]. Agora, quero pegar um gravador digital daqueles modernos. iPhone não tem aí? iPhone é melhor”.

    Esse que fala acima é Marco Maia (PT-RS), presidente da Câmara, tentando ser engraçadinho ao se referir ao episódio em que o senador Roberto Requião (PMDB-PR) arrancou o gravador da mão de um repórter e confiscou o cartão de memória.

    Agora leiam isto:
    “Acho que é um episódio que poderia não ter acontecido. É uma questão de temperamento, cada um tem o seu, e, evidentemente, essas coisas, às vezes, acontecem. O problema de temperamento acho que foi um atrito, mas não tem essa conotação de agressão à liberdade de trabalho e de imprensa, uma vez que é um episódio passageiro”.

    Esse é José Sarney (PMDB-AP), presidente do Senado, um PhD em censura à imprensa, como bem sabe o Estadão. A família Sarney só é um pouco mais sutil do que Requião, que se comportou como um brucutu. “Essas coisas, às vezes, acontecem”? Não, senhor! É evidente o esforço para minimizar a gravidade do fato. Como presidente da Casa, deveria, no mínimo, ter se solidarizado com o repórter. Ignorou a sua condição de representante de um Poder, da instituição, para dar amparo a seu parceiro.

    Eis o comando do nosso Legislativo. Convenham: era só um senador tomando o gravador de um repórter, ameaçando dar-lhe uns sopapos.

    “Essas coisas acontecem…”
    Por Reinaldo Azevedo
    pax espuma de raiva contra a veja e seus blogueiros…por falarem a verdade.
    LOL

  2. Carlão said

    escutem atentamente e depois ma digam se é ou não pra ter vergonha dessa presidenta:

    Um discurso sem maior significado… um lenga lenga, sempre elogiando o nós (lula) e demonstrando ignorância sobre a língua pátria – ela nem sabe o que quer dizer DIUTURNAMENTE e emenda com um NOTURNAMENTE (odorica paraguassu?)
    AFINAL DILMA É MERDA OU CHOCOLATE ???
    Respostas para a Redação!

  3. Zbigniew said

    A ausencia de oposicao e uma lastima para qualquer regime dito democratico. Entretanto, acredito que o processo que vemos hoje esta mais para um caminho que indique uma nova configuracao, talvez uma nova postura, que enterre de vez a incompetencia e inoperancia que tanto e apontada aqui mesmo. Sinceramente nao ha risco de autoritarismo, como nunca houve, mesmo quando o Lula, no periodo eleitoral, apontou o dedo para os baroes da midia. Resultado? A Dilma fazendo omelete no “Mais Voce” da Globo e prestigiando o aniversario da Folha de Sao Paulo.
    O Requiao e um destemperado – nao e a-toa os processos que tem nas costas. Mas seria interessante observarmos algumas afirmacoes do mesmo, pos-arroubo autoritario. Entre elas a da questao do direito de resposta nos veiculos de comunicacao. Seriamos tao democraticos a ponto de concedermos direito de resposta proporcional ao agravo como diz a Constituicao? Digo, sem necessidade de um processo judicial? Se num blog e possivel conceder tal direito com o mesmo destaque, sem direito a replica ou comentarios, seria possivel faze-lo num jornal diario, revista semanal ou telejornal? Temos cultura para isto? Porque os brios se ferem quando a imprensa e ofendida (e com toda razao em muitos casos, como o foi no caso do Requiao). E o contrario?

  4. Pax said

    O problema não são as verdades que o tio histérico doente (ou espertalhão?) diz. O problema é que o que ele diz está mais desacreditado que os porquinhos que anunciam o lobo chegando.

    Cabo eleitoral acaba assim, sem credibilidade. Ou achamos que PHA merece crédito? Brizola Neto? Etc etc. É igual para os dois lados. Não que eles, algumas das vezes, não digam verdades. De novo, dizem sim, mas seus créditos são pequenos. Este é o ponto.

    Requião merecia perder o cargo, isso sim. Ou entendemos que o que ele fez está dentro do “decoro parlamentar”? O cara simplesmente ameaçou bater e tomou o gravador das mãos do jornalista.

    O que é isto? Não existe democracia sem imprensa livre. É muito simples esta questão.

    Se Requião não gosta de imprensa livre, então não gosta de democracia, então não presta para ser político, simples assim também. No meu entendimento deveria perder o mandato.

    Acontece que o Conselho de Ética do Senado… vejam o novo post.

  5. Chesterton said

    o mandato do Requião é de seus eleitores. Deveriam ser cassados tambem?

  6. Pax said

    Não, claro que não, caro Chesterton, em #5, deveriam aprender com este erro, isto sim.

    Mas num país onde deveriam funcionar as leis e as regras gerais, o Conselho de Ética deveria cassar um cara que toma gravador e ameaça dar porrada em jornalista por causa de uma pergunta mais que apropriada sobre uma aposentadoria indecente de R$ mais de 24 mil que o cidadão pouco respeitável recebe do povo.

  7. Chesterton said

    1. a aposnetadoria é lei (pelo menos por enquanto), logo o mecanismo para mudar essa lei não é pressionar os que a recebem, mas o judiciário.
    2. jornalista tem que saber que essa é uma profissão de risco. Vai perguntar merdinha (que não tem a menor pertinencia- é ínfima comparada com o bolsa presidio e o bolsa ditadura, por exemplo) pode levar porrada.
    3. deputado tem que ter imunidade para poder exercer seu mandato, abusos serão tratados na justiça.
    4. você realmente acredita que sabe o que é certo e errado em poklítica? 50% das pessoas, em termos de política, tem absoluta certeza que as outras 50% estão erradas.

  8. Catatau said

    Salve Pax!

    Pois então, a cobertura sobre o caso Requião foi bastante injusta, não com Requião mas com os fatos.

    Sim, o Requião é arrogante, truculento e outras coisas mais. Ele agiu mal e deu um baita tiro no pé.

    Mas o jornalista estava tentando usar de malandragem nas perguntas, malandragem que foi repercutida (com certa hipocrisia) depois na imprensa.

    Tudo foi mostrado como se Requião se sentisse ofendido pela pergunta sobre sua aposentadoria, como se fosse um corrupto acuado. Mas não foi isso, ele se sentiu ofendido pela tentativa de extrair algo distorcido da questão da aposentadoria.

    O governador do PR determinou a suspensão dessas aposentadorias, clamando pela ética, os bons costumes, o “saneamento” do Estado etc. Só que cabe notar uma coisa: essa suspensão foi seletiva, pois a própria mãe do governador continua recebendo pensão por ter sido esposa de outro ex-governador (José Richa). Isto é, por um critério de “justiça” o saneamento vale para os outros; mas por um detalhe legal e estrategicamente calculado, não vale para a família. E outra, o discurso de saneamento de Richa contradiz diversas medidas dele desde que assumiu o governo, como terceirização de serviços já feitos por funcionários públicos ou realizações públicas sem licitação (às vezes milionárias, como na questão de dragas ou no transporte por helicóptero). É irônico por exemplo a mídia local dizer que a suspensão das aposentadorias economizará 90 mil por mês enquanto não se mostram os milhões gastos também por mês sem licitação.

    E outra: Richa censura de fato um blogueiro no Paraná há tempos, sem que isso tenha gerado qualquer indignação na imprensa.

    Então sim, é certo: Requião é autoritário, não mede as palavras e, sabendo que a política é suja, sai por aí volta e meia respingando sujeira.

    Mas também é errado: a cobertura do fato foi criminosamente seletiva, pois resumiu qualquer culpabilidade ou negatividade à figura de Requião, não abrindo a pergunta ao contexto no qual Requião é apenas mais um player.

    É como ver um problema no qual há vários antagonistas, escolher um deles como “o” antagonista e, assim, neutralizando-o, negar que o problema inteiro existe.

    Se Requião reage de um jeito muito errado a uma situação, ignorou-se a situação para olhar apenas a Requião e, enfim, o jornalismo foi “salvo” (malgrado as maracutaias que permanecem invisíveis).

  9. Pax said

    Caríssimo Catatau, salve!!

    Obrigado pelo teu comentário localizado, pois você é, além de respeitável, um dentre poucos brasileiros, como nós daqui, que tem paixão por política e você, em especial, pela paranaense.

    Aliás, de você trago minha admiração pelo Dr Rosinha que passei a acompanhar mais amiúde. Como acompanho, também, o Gustavo Fruet, outro que gosto, um no cravo e outro na ferradura.

    Mas, respondendo direto e reto ao teu comentário acima, vou com um dito popular que muito gosto:

    calça de veludo ou bunda de fora

    Requião tem uma lista de débitos, de explicações, que não me aconselham muito sua defesa. Esta da aposentadoria é uma delas (calça de veludo ou…). A questão de seu irmão na administração dos portos etc etc. Há uma lista.

    Claro que a imprensa sempre vai querer buscar as fraquesas dos políticos. São elas que geram notícias. Vai falar do quê? Do carro novo que o cara comprou?

    E, sim, claro que a imprensa tem o papel de questionar tudo que lhe vier à cabeça. Seja isto fazendo um bom jornalismo ou um mal jornalismo.

    Discuto muito aqui com outro comentarista que respeito (aliás, respeito todos que gostam da educação como meio de discussão) é o Patriarca que fala repetidamente sobre o PIG. Eu não acredito que haja um movimento golpista na imprensa. Eu acredito que haja uma imprensa de péssimo nível, de péssimos costumes, useira e vezeira de benesses do poder, de incentivos fiscais etc etc (como sempre nos lembra o Elias).

    Mas foi, é e será assim, aqui e alhures.

    E melhor que seja uma péssima imprensa livre que uma medíocre imprensa censurada.

    Voltando a resposta ao teu comentário: se Requião deu uma de general Newton Cruz (e deu mesmo) que se estropie. Eu não coloco minha mão no fogo por ele nem aqui nem na China.

    Beto Richa? Bem, este é outro, mas o fato em questão não envolveu este político de meia pataca e sim o Requião.

  10. Catatau said

    Pois então, não sei se coloquei bem meu ponto: com certeza o Requião deu uma de general Newton Cruz, não há dúvidas sobre a pisada de bola dele. O problema me parece o enredo da história terminar aqui.

    É como se o episódio do Requião, que faz parte de uma série, ocupasse o papel da série inteira.

    Aí que está, certamente o Requião é grosso e errado por isso. Mas o conteúdo da grosseria, seu tema (a aposentadoria), não se esgota no Requião. Daí a imprensa ser tosca em não apurar o vespeiro no qual Requião é apenas uma das vespas. Piso na vespa, mas o vespeiro está logo acima… Aí que está, a questão da aposentadoria chama a atenção ao vespeiro: Alvaro Dias e a mãe de Beto Richa diretamente envolvidos, por exemplo. Mas o holofote se resumiu ao Requião, esse parece ser o erro. Deveria sim era focar o Requião, o Richa, o Dias…

  11. Pax said

    Veja, caro Catatau,

    O post fala de um link entre a gula destrutiva do Alckmin (sem menosprezar a gula do Serra, igualmente destrutiva) e este desmoronamento da oposição que se liga com a volta do Delúbio pródigo e o momento Newton Cruz do Requião para afirmar que sem uma oposição forte há um caminho para o autoritarismo que me assusta um bocado.

    Vivi tempos autoritários, ditadura, porrada, porões de torturas etc. Não aconselho, como diz caipira amigo meu que foi torturado e teve irmão morto.

    Beto Richa tem dois posts aqui, um sobre seus episódios de censura e outro que puxei de você mesmo, basta ver aqui:

    https://politicaetica.com/category/beto-richa/

    Se o Requião deu uma de valentão, de censor, de general que dá porrada em quem faz pergunta que incomoda, ele é que vira notícia.

    Este é meu ponto.

    Entendo – acho que sim – o teu alerta. Mas confesso que não é o questionamento do post a tal questão das aposentadorias dos ex-governadores do Paraná.

    Até deveria ter um post sobre isso, sim. Já há várias decisões do STF, salvo engano, em outros estados, que considerou ilegal esse tipo de aposentadoria.

    Mas não é este o post.

    Cá fico é assustado como um estado como o Paraná tenha uma política de tão baixo nível. Mas não me assusto muito, basta olhar para São Paulo, para o Rio etc e perceber que esta questão não é um ‘privilégio’ paranaense. É, no fundo, uma chaga nacional.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: