políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

A culpa da mulher

Posted by Pax em 11/06/2011

O prefeito de Campinas afirma que não tem responsabilidade sobre as supostas fraudes que aconteciam debaixo de seu edredon.

Prefeito de Campinas diz que não tem responsabilidade por operações fraudulentas da administração

Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil

São Paulo – O prefeito de Campinas, Hélio de Oliveira Santos (PDT), disse que não tem responsabilidade sobre as supostas ações fraudulentas ocorridas em sua administração, denunciadas pelo Ministério Público Estadual (MPE). De acordo com Santos, o relatório com o conteúdo das investigações feitas pelo MPE isenta de responsabilidade a figura do prefeito.

“As suspeitas de envolvimento de agentes da prefeitura em operações fraudulentas envolvendo a Sanasa [Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento] na gestão de Luiz Aquino estão na esfera das responsabilidades individuais, cabendo a cada um deles – e a seus representantes legais – responder por seus atos”, disse o prefeito em nota divulgada na noite de ontem (10).

Santos destacou que todos os citados como suspeitos de participação no esquema fraudulento foram exonerados e que continua a exercer as prerrogativas legais do seu mandato. “Todas as secretarias municipais estão em franca atividade para atender as políticas de gestão estabelecidas no programa de governo”, diz a nota.

Foram presos na manhã de ontem mais dois suspeitos de envolvimento no esquema de corrupção em Campinas. O ex-secretário de Segurança Pública Carlos Henrique Pinto e o ex-diretor da Sociedade de Sanasa, Marcelo Figueiredo. Henrique Pinto renunciou ao cargo logo após a deflagração da operação policial que prendeu os primeiros suspeitos no mês passado.

Foram expedidos mais cinco mandados de prisão contra suspeitos de participar de fraudes na contratação de serviços pela companhia de abastecimento da cidade. Entre os que tiveram a prisão decretada estão a primeira-dama de Campinas, Rosely Nassim Santos, o vice-prefeito Demétrio Vilagra e o ex-secretário municipal de Comunicação Francisco de Lagos Viana Chagas, que também renunciou ao cargo após a divulgação das denúncias.

O caso levou a Câmara Municipal de Campinas a abrir um processo de impeachment do prefeito Hélio de Oliveira Santos. A defesa do prefeito sustenta que não existem indícios de que ele tenha participado das fraudes apontadas pelo Ministério Público.

Anúncios

117 Respostas to “A culpa da mulher”

  1. Patriarca da Paciência said

    Como diz a história: um pode ser acaso, dois pode ser coincidência, três já indica suspeição, quatro, cinco, dez etc. aí é pura evidência.

    O tal prefeito está mesmo em maus lençóis.

    Ou é conivente ou é ingênuo – não se sabendo qual das duas é a pior qualidade de um prefeito!

  2. Carlão said

    Mais informacões

    Radar político do Estadão

    A primeira-dama de Campinas, Rosely Nassim dos Santos, e o vice-prefeito, Demétrio Vilagra, tiveram prisão decretada na noite desta quinta-feira, 9, e são considerados foragidos da Justiça. Rosely foi ouvida pelo Ministério Público na semana passada e é apontada como centro de suposto esquema de corrupção, fraudes em licitações e desvios de recursos públicos desmantelado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), braço da Promotoria do Estado de São Paulo. Nova operação da Polícia Civil e do Ministério Público, nesta sexta-feira, 10, está em andamento para cumprir os mandados de prisã.

    Além deles, tiveram mandados de prisão expedidos pela 3ª Vara Criminal de Campinas outros cinco ex-funcionários da administração Hélio de Oliveira Santos (PDT): o ex-secretário de Comunicação Francisco de Lagos e os ex-diretores Ricardo Candia (Prefeitura) e Aurélio Cance Junior (Sanasa), ainda não encontrados; e o ex-secretário de Assuntos de Segurança Pública, Carlos Henrique Pinto, e o ex-diretor comercial da Sanasa, Marcelo Figueiredo, ambos presos na manhã desta sexta.

    Em maio, polícia e Ministério Público deflagraram megaoperação com 20 mandados de prisão de suspeitos de envolvimento em suposta organização criminosa que teria causado prejuízos de R$ 615 milhões aos cofres públicos. Sob acordo de delação premiada, Luiz Augusto Castrillon de Aquino, ex-presidente da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S.A. (Sanasa), revelou em janeiro deste ano detalhes do suposto esquema de corrupção.

    Pax vai ter que aumentar o file
    A coisa vai aumentar quando a Roseli resolver abrir a boca!

  3. Carlão said

    Agora …se tiverem estomago assistam até o fim este discurso da presidenta doenta:

    Alguém acredita que “desse mato algum dia ainda vai sair cachorro”?

    Depois de ouvir isto, nossos melhores analistas estarão dispensados de fazer grandes malabarismos de ciência política ou teoria geral do estado para um dia tentar explicar por que o governo Dilma foi uma grave ofensa ao país.(por Celso Arnaldo)

    Dilma vendida por lula como chocolate é, na verdade, xxxx!
    56 milhões de brasileiros, na minha opinião, foram enganados pelo “ouro de tolos”.
    Parece ouro mas é apenas pirita dourada. Ouro falso.
    Merda!

  4. Pax said

    Carlão,

    apaguei o xingamento que você fez acima.

    por favor, acalme-se e discuta civilizadamente.

  5. Zbigniew said

    E um caso patológico de desvinculacao com a realidade. Não teve Palocci, nem inflação. A grande maioria dos brasileiros acreditam q o Brasil pode continuar melhorando a despeito dos problemas crônicos como a corrupção e o complexo de vira-latas. A questão e colocar na balança os acertos e desacertos e ponderar se vale a pena continuar aprovando o governo. E ao q parece… a Folha, patologicamente, “errou” de novo, conforme se depreende do post lá do Brizola Neto:

    (…)Dia 8, quarta feira, a Folha publicava que a “Perda de popularidade (do governo) definiu queda de Palocci”.
    Hoje, dia 11, sai a chamada para a pesquisa Datafolha de amanhã: “Aprovação de Dilma resiste à inflação e crise, diz Datafolha“.(…)

  6. Patriarca da Paciência said

    E a oposição cada vez pior!

    Como diz o Elias, cães que aprenderam alguns truques enquanto novos e ficam repetindo os mesmos truques depois de velhos, pois são incapazes de aprender algo novo.

    Tentativas de desqualificação, xingamentos, histerismos etc.

    Chega a ser mesmo triste e patético!

  7. Zbigniew said

    Bom saber (lá do Nassif):

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/marcas-de-lula-pela-america-latina

    Comentei na semana passada acerca dessa influência continental das concepções e ações políticas do  ex-presidente Lula, caso inédito no nosso país. Muita gente deve estar incomodada, a começar pelo FSP ao encabeçar a matéria com uma manchete cretina de tão dúbia.

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft1206201113.htm

    Lula fatura eleição de aliados e espalha suas marcas pela AL

    Ex-presidente vê “momento extraordinário” na região e compara onda progressista à liderada por Vargas e Perón

    Petista exporta receitas para países vizinhos e mina a influência do venezuelano Hugo Chávez no continente

    BERNARDO MELLO FRANCO
    DE SÃO PAULO

    O discurso do “nunca antes” já não cabe “neste país”.
    Empolgado com as vitórias de aliados pela América Latina, o ex-presidente Lula adotou um novo mote: o continente vive um “momento extraordinário”, sob inspiração do seu governo no Brasil.
    Ele tem se empenhado para espalhar marcas pela região, desde estratégias de campanha até programas sociais como o Bolsa Família.
    A nova vitrine do “lulismo de exportação” é o Peru, onde Ollanta Humala triunfou ao trocar o nacionalismo do venezuelano Hugo Chávez pelo esquerdismo moderado que alçou Lula ao poder.
    A receita eleitoral incluiu assessores do PT, como Luís Favre, e a divulgação de uma “Carta ao Povo Peruano” inspirada na “Carta ao Povo Brasileiro”, de 2002.
    Agora, prevê a reciclagem de programas petistas e a criação de um órgão similar ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.
    “Se Ollanta for um fracasso, estamos derrotados”, resumiu Lula após se encontrar com o aliado, na sexta-feira.
    Ele chegou a convidar uma repórter do país vizinho a entrevistar ministros brasileiros para ter “um retrato fiel do que acontecerá no Peru”.
    A diferentes plateias, o petista tem se apresentado como líder de uma guinada à esquerda do continente, na contramão do que chama de “direitização da Europa”.
    “Os setores progressistas, em cinco décadas na América Latina, nunca estiveram no poder como estão agora”, disse, ao lado de Humala.
    Dois dias antes, ele comparou o momento atual à década de 50, quando os populistas Getúlio Vargas (Brasil) e Juan Perón (Argentina) ditavam as regras na região.
    Num discurso semelhante ao que tem feito aos aliados latinos, Lula reivindicou um “milagre”: a distribuição de renda com crescimento.
    “Esse milagre aconteceu no Brasil e pode acontecer em qualquer país da América Latina”, prometeu. “E, se algum de vocês se levantar de mau humor com a América Latina, ligue para mim!”(…)

  8. Carlão said

    Tudo bem Pax.
    O que eu queria mesmo é que o vídeo fosse assistido.Assistiu?
    (O xingamento era apenas um “boi de piranha”).
    De onde não se espera nada, é daí que não sai nada mesmo.

  9. Carlão said

    Agora comparem a Dilma lá de cima com esta aqui debaixo:

    Governo dilma privatizará aeroportos
    Aeroportuários ameaçam com greve em julho, bem no meio das férias do meio do ano; motivo da paralisação é a proposta de privatização de aeroportos no Brasil; protestos podem levar sistema aéreo, já sobrecarregado, ao colapso.

    Dilma vendida por lula como chocolate é, na verdade, xxxx!
    56 milhões de brasileiros, na minha opinião, foram enganados pelo “ouro de tolos”.
    Parece ouro mas é apenas pirita dourada. Ouro falso.
    Merda!
    CQD
    como queríamos demonstrar

  10. Chesterton said

    eu tenho a impressão que as liberdades de pallocci e a do terrorosta italiano, o inominável, foram vitórias de Pirro do PT.

  11. Patriarca da Paciência said

    “Desta vez, o Presidente de Nascença deverá evitar que seu chapa Berlusconi envie de volta ao Brasil um terrível pacote de material contaminante que mantém escondido em Veneza.

    A defesa civil distribuirá antídotos contra a carga contaminante que Berlusconi quer enviar ao Brasil.
    O fodão de Roma, Milão e adjacências fez essa ameaça depois que o STF declarou que a decisão do ex-usurpador do planalto no caso Battisti era válida.

    Segundo informações publicadas na revista de uma das famiglias amigas do Sr. Berlusconi no Brasil, o FHC da Lombardia teria dito a assessores: “Se eles querem guerra, vão ter. Vamos mandar o Diogo de M. de volta para aquela republiqueta de bananas!”

    As mesmas fontes informam que o Sr. Diogo de M. relutou em aceitar a missão. Cedeu apenas depois de garantias dadas pessoalmente por Berlusconi.”

    Já pensou que vingança maligna?

    Mas o Berlusconi é bem capaz disso!

    http://tiacarmela.wordpress.com/2011/06/10/caso-battisti-italia-ameaca-mandar-diogo-de-m-de-volta-ao-brasil/

  12. Carlão said

    Betty

    que mau gosto!
    quem dorme com luisnassif acorda sujo e sem a carteira.
    é um boa-noite cinderela.
    A Matilde dormiu e se arrependeu, hehehe

  13. Pax said

    Off topic mode = on

    1 – Seu Cabral faca o favor…

    Notícia que li por aí… http://200.189.161.92/pt/247/brasil/4306/Você-perdeu-Cabral.htm

    Você perdeu, Cabral

    DEPOIS QUE 27 MIL CARIOCAS FORAM ÀS RUAS EM APOIO AOS BOMBEIROS, O GOVERNADOR SERGIO CABRAL DESCOBRIU QUE OS “VÂNDALOS” SÃO HERÓIS; HOJE, ELE ENVIA PROJETO À ASSEMBLEIA AMPLIANDO GRATIFICAÇÕES; SE NEGOCIA AGORA, POR QUE NÃO ANTES?

    Em outras palavras, perdeu, playboy, perdeu

    Cá entre nós, acho que Cabral sifu nessa.

    2 – D Marina está de saída do PV, ao menos é notícia em vários cantos por aí. Dizer que ou funda outro partido ou arruma outro cobertor já existente. Mas acho que ficará a pecha: “se não conseguiu consertar um partido, como quer….”. Acho que sim.

  14. Elias said

    Pax,

    Lembra do que eu disse, no ano passado, sobre a permanência de Marina no PV?

    Caixa de passagem, mestre Pax, caixa de passagem…

    O problema dela é: pra onde? Voltar pro PT?

    Uma reforma política cairia bem também pra absorver um monte de políticos de boa qualidade, que não se sentem confortáveis nos partidos em que se encontram, mas que não dispõem de alternativas partidárias.

    Quanto à Marina, insisto: a saída dela do PT foi uma decisão tomada não pelo cérebro, mas pelo fígado.

    O pior tipo de decisão política que se pode ter…

    Zbigniew,

    Não custa lembrar que a oposição brasileira sempre disse que Chavez e Evo faziam gato e sapato do Lula.

    Vão ficar “boca de abiu”, ao ver que Lula costurou uma articulação que simplesmente cercou politicamente Evo e Chavez. Lula, sozinho e sem estar na presidência, influi mais do que os dois juntos.

    Exatamente como Obama disse que ocorreria, razão pela qual ele gostaria de ver o Lula na presidência do Banco Mundial.

    Se isso acontecer, vai ter neguinho aqui comendo o travesseiro…

    Do outro lado do muro, o ex do PSDB, FHC, não consegue influir nem mesmo no próprio partido.

    FHC foi duramente criticado pelos tucanos, quando disse que o novo alvo político deles deveria ser a “nova classe média”.

    Ora, os tucanos nem admitem que a “nova classe média” existe…

    Admitir isso, seria o mesmo que reconhecer que o governo Lula produziu mudanças estruturais na pirâmide social do Brasil. Algo simplesmente inconcebível para os cérebros tucanos.

    Os tucanos continuam achando que o sucesso deles depende do fracasso total do PT. É a tese do “quanto pior, melhor”…

    Algo assim como o PT achar que só poderia vencer uma eleição presidencial se o “Plano Real” se revelasse um completo fracasso.

    O que impressiona é que mesmo as raposas velhas tucanas entraram nessa roubada. Como se houvessem esquecido dos mais elementares conhecimentos do fazer político…

  15. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    sinceramente, eu vejo como bastante positiva a atitude do Sérgio Cabral – reconheceu o erro e tomou a medida correta.

    Executivo é uma posição bastante delicada. Se o Cabral simplesmente aceita a primeira reenvidicação, a “grande imprensa” cai de pau: Banana!

    Borrou nas calças! Não tem personalidade! etc.etc.

    Para um governador, é sempre desagradável.

    Então, tem que fazer primeiro o tal “jogo de cena” etc e tal.

    Sinceramente, não creio que o Cabral saia muito arranhado com o episódio.

  16. vilarnovo said

    Ué Elias, o PT foi (e é) adepto do “quanto pior melhor” desde sua fundação. Funcionou para eles…

  17. Elias said

    Vilarnovo,

    Se é assim que você vê o PT, tudo bem. Opinião sua. Mas saiba que você é minoria.

    Pra maioria dos adversários, já ficou claro que o PT aprendeu a fazer política. A bem da verdade, o PT é uma máquina de fazer política.

    “Melhor” é o que mais se aproveita politicamente, independentemente de ser “melhor” ou “pior”, sacou? O que importa é que você tenha estratégia e táticas pra lidar com as situações.

    Quer um exemplo? Observe como era e como ficou a conduta do PT — ainda na oposição — com relação à privatização.

    A maioria dos consultores de estratégia, hoje em dia, destaca exatamente isso: que o PT aprendeu, fez a lição de casa. Já os outros, nem sempre…

    Tempos atrás, participei de uma reunião na qual os consultores recomendavam uma inflexão política. Dias depois, as falas de algumas lideranças de várias partes do país, mesmo sem saber o que os consultores haviam dito, sugeriram algo mais ou menos na mesma direção.

    Mais de um ano depois, li o artigo do FHC. Pra minha surpresa, e por caminhos totalmente diferentes, o cara chegou praticamente às mesmas conclusões!

    Pro PT, isso deve ser um indicador do quanto seria perigoso se o FHC voltasse a dirigir o PSDB. E do quanto é bom para o PT que nenhum dos que hoje comandam o PSDB tenha pelo menos a metade da capacidade do FHC de ver o processo político em perspectiva.

    Assim, tudo fica mais fácil…

  18. Elias said

    “Raposa tucana”?

    Fulaput! Deve ser um híbrido! Como o burro…

    Daí, talvez, porque não se reproduz.

    Como um burro…

  19. Chesterton said

    Ué, agora FHC é o tal para Dilma? Que couve?

  20. Olá!

    Como esse é o post do momento, eis um site comemorando os 80 anos do “neoliberal” FHC.

    Há o depoimento de algumas lideranças mundiais, jornalistas, celebridades, economistas, escritores e etc. Há também o depoimento da presidente Dilma. Pela primeira vez dá para ver um petista do alto escalão reconhecendo os méritos do FHC.

    Mas a militância do rabo sujo não aprende e insiste em usar algumas bandeiras políticas do mundo civilizado para esconder aquilo que realmente é.

    Até!

    Marcelo

  21. vilarnovo said

    Não é assim que eu “vejo” o PT. São fatos. Estão na história.

  22. vilarnovo said

    Então concordamos que o PT “aprendeu” a fazer política após usar e abusar do “quanto pior melhor” até chegar à Presidência. Nisso concordo contigo. Depois teve a leitura que o povo brasileiro quer pão e circo. Substituiu os coronéis do nordeste pelo Bolsa Família. Programa que magistralmente roubou do PSDB sem que os tucanos demonstrassem qualquer reação, pois estavam mais preocupados a queimar o FHC.

    O PT em matéria de política, economia e avanços sociais não mostrou nada que não existisse. Deu um grande incremento financeiro ao Bolsa Família (que é sim um bom programa assistencialista). Deve ter gasto o triplo em propaganda.

    De resto não apresentou nada novo. Ou você é capaz de mostrar algo?

  23. Olá!

    Eis aqui um vídeo que mostra muito exemplarmente qual foi a grande contribuição do PT para a estabilização monetária do Brasil ao longo do Plano Real.

    Neste outro vídeo, eis a ordem social que o PT daqueles tempos queria que se mantivesse, afirmando que era necessário combater as medidas econômicas trazidas pelo Plano Real pelo fato delas representarem “neoliberalismo” e colocarem em risco o patrimônio público, a segurança nacional e coisas tais.

    Aqui, os resultados finais de anos e anos de governos irresponsáveis.

    Até!

    Marcelo

  24. Elias said

    Vilarnovo,

    Não é só você. Tem muita gente boa que pensa do mesmo jeito.

    A incapacidade de entender adequadamente o adversário é um dos primeiros requisitos para a derrota.

    Vou dar um exemplo:

    Em 1999, participei de uma série de reuniões pra avaliar o PT e recomendar estratégias para o futuro. Essas reuniões foram realizadas um ano após a 2ª derrota frente a FHC e 10 anos após ter chegado “quase lá”, contra o Collor.

    Uns dois meses antes das reuniões, fora contratada uma empresa especializada em cenários e estratégia, pra realizar alguns estudos e assessorar os participantes da reunião.

    Uma das coisas que nos chamou a atenção, foi o fato do PT ter crescido e se fortalecido enormemente ao longo dos 10 anos, contados desde a derrota frente ao Collor. Nesse período, o PRN do Collor tinha virado pó, e o PSDB tinha crescido artificialmente, apenas atraindo caciques trânsfugas de outros partidos.

    Perfilamos as principais lideranças do PSDB, e vimos o quanto esse partido era fraco. Um dos que me coube fazer o perfil foi o Albano Franco. Ele havia sido da Arena, do PDS, do PMDB, do PRN e, àquela altura, era um dos cardeais do PSDB. Na prática, ele estava com quem estivesse por cima. Não é o melhor parceiro para um momento de dificuldade. Mais: ele construía politicamente pra ele mesmo, não para o partido.

    Num quadro assim, você turbina seu desempenho nas municipais e, quase que automaticamente, mina o adversário, por dentro, para as eleições presidenciais.

    Ou seja: pra nós, o quadro era altamente positivo, apesar das 3 derrotas eleitorais seguidas.

    Aí, fomos ler o que a imprensa dizia. Não deu outra: o PT era quase que um cachorro morto. Suas facções internas, lutando entre si, o incapacitavam pra vôos mais largos. Que o PT só poderia dar, no máximo, bons prefeitos, etc e tal.

    Veja no que deu: em 2000, o PT teve um bom desempenho nas municipais e, em 2002…

    É impressionante como a imprensa trabalhou mitos sobre o PT, criando uma espécie de simplificação, um “senso comum”, que fez a cabeça de muita gente boa…

    Houve uma época em que a Veja dizia que o PT era um partido “leninista”. ..

  25. Chesterton said

    Sanatório Geral
    Vivendo e aprendendo (29)

    “No conjunto do partido, salvo exceções de honrosos militantes, o PT trocou um projeto de Brasil por um projeto de poder”.

    Frei Betto, ensinando que, na novilíngua companheira, “projeto de poder” quer dizer “garantir o futuro dos parentes e amigos”.

    AN

  26. Pax said

    Caro Elias, #14 – pois é, neste caso da Marina você cantou a pedra lá de longe. E foi exatamente como você descreveu que aconteceria. Tiro meu chapéu. Será que com o capital político que ainda lhe resta há o suficiente para montar uma nova legenda?

    Caro Patriarca, #15 – eu discordo. Acho que Cabral não sai bem nessa não. Meu achismo é que não. E minha opinião é que foi um péssimo governador para deixar a situação chegar onde chegou. Saber negociar é uma arte que os políticos tem que aprender. E depois chamar os tais 439 de marginais, em público, pronunciamento na tv e tudo… hum… a população gosta dos bombeiros, em todos os estados brasileiros. Acho que deu uma bola fora danada.

    (esses dias ando meio atrapalhado, perdoem-me as ausências)

  27. Chesterton said

    .. e o Garotinho atrás, empurrando…

  28. Chesterton said

    Carioca é como torcedor de futebol: se orgulha de coisas das quais ele não teve nenhuma participação (paisagens naturais), mas fracassa miseravelmente onde ele poderia fazer a diferença (limpeza, organização, civilidade, etc. etc. etc.).

    Claudio Avolio

  29. Chesterton said

    “Os empresários vão ser parceiros do ‘Brasil sem Miséria’. Os supermercados, por exemplo, se comprometeram a contratar pessoas que recebem o Bolsa Família, como caixas, empacotadores, auxiliares. Estamos finalizando também um acordo com a Associação Brasileira de Supermercados para que eles comprem alimentos: frutas, verduras, grãos, leite, direto da Agricultura Familiar, e vendam nos supermercados”.

    Dilma, sem noção.

  30. Carlão said

    “Lembrarei de atitudes fundamentais para o sucesso de uma boa pescaria. A paciência e a espera.
    Paciência para encontrar o caminho do entendimento.
    E a espera para que sempre que a urgência se faça necessária, compreender que o recuo é fundamental”.

    Ideli Salvati
    Seja lá o que isto quer dizer.
    Com a palavra os pescadores

  31. Chesterton said

    O Elias vai contribuir para o desfalque da caixinha do PT?

  32. Carlão said

    E a espera para que sempre que a urgência se faça necessária, compreender que o recuo é fundamental”.

    Ideli falava de Medidas Provisórias, que urgentes merecem a compreensão que recuar é fundamental ou do recuo de dilma sobre os segredos de estado, eternamente sigilosos, conforme desejo de sarney e collor?

    Com a palavra os pescadores

  33. Elias said

    Pax,

    Observe que também antecipei que: (a) o comando político do governo seria redesenhado (ou seja, a coisa não se restringiria ao Palocci); e, mais tarde, também disse que: (b) o PMDB-SC não iria além de verbalizar discretamente seu descontentamento com a nomeação da Ideli; (c) o PSDB silenciaria na questão das ONGs, porque a tucanada tem um rabão, enorme e gordo, pra lá de preso; e (d) a Ideli inauguraria uma fase “paz e amor”, falando manso no início do jogo, só pra contrariar as previsões funestas de grandes mestres, como Pedro Simon.

    Dê uma checada, porque acho que também cravei essas quatro.

    Outra previsão minha: a “grande” imprensa, expressando mais um desejo que uma constatatação, insistirá em dizer que a Dilma está mais perdida que filho de puta em festa do dia dos pais. Enquanto isso, Dilma vai continuar a faturar elevados índices de aprovação, uma vez mais demonstrando que a opinião pública está andando e andando pra opinião da grande imprensa.

    Por fim, registro: pode-se dizer que, agora, o comando político do governo federal está, literalmente, entregue às baratas: Presidência da República, Chefia da Casa Civil e Coordenação das Relações Institucionais.

    Tá quase do jeito que sonhei: sempre quis ver a muierada dando as cartas no poder político…

  34. Pax said

    Bem, Elias, então, já que você está com a bola de cristal mais em dia, que tal comentar esta notícia aqui:

    http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110613/not_imp731559,0.php

    Governo e direção do PT tentam selar união
    Para evitar nova derrota no Congresso, Planalto e lideranças do partido vão a campo para pacificar a bancada de deputados

    Eduardo Bresciani e Denise Madueño – O Estado de S.Paulo
    Governo e lideranças do PT desencadeiam nesta semana uma operação para enquadrar os grupos do partido conflagrados desde a disputa pela presidência da Câmara. A preocupação é evitar que esse racha promova instabilidades no novo comando político do Palácio do Planalto, reacendendo o “fogo amigo” e levando o governo a sofrer derrotas no Congresso.

    O presidente do PT, deputado estadual Rui Falcão (SP), está acionando ex-presidentes da sigla e ex-líderes da bancada na Câmara para tentar pacificar o clima entre os deputados. Ele conta com a ajuda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para atuar como bombeiro na disputa entre os grupos que se enfrentaram na tentativa de fazer o sucessor de Luiz Sérgio na Secretaria de Relações Institucionais.

    A nova ministra, Ideli Salvatti, já deu o tom do que o governo espera dos campos envolvidos na disputa. “Se há um partido que tem a obrigação da unidade é o PT. Isso não é um desejo, a unidade é uma obrigação”, afirmou ela, ontem.

    A divisão entre os grupos remete ainda à escolha do candidato petista à presidência da Câmara. Marco Maia (RS) se uniu aos grupos de Arlindo Chinaglia (SP) e de Paulo Teixeira (SP) e derrotou Cândido Vaccarezza (SP), apontado na ocasião como o preferido do Planalto. Após esse round, Vaccarezza conseguiu se manter como líder do governo na Casa e ainda emplacou Luiz Sérgio no ministério de Dilma contra a vontade do grupo de Maia.

    Desde então, as duas alas vêm trabalhando como bancadas independentes.

    Essa disputa se transferiu para as votações durante o embate sobre o Código Florestal. O grupo de Maia acusa Vaccarezza de ter se articulado com o PMDB, isolando o PT. A divisão também pôde ser vista quando o líder do governo procurou lideranças de outros partidos com objetivo de se cacifar para chefiar a pasta das Relações Institucionais, enquanto o grupo de Maia trabalhava o nome de Chinaglia.

    Ideli considera normal a existência de disputas, mas pede aos dois grupos que tenham paciência e busquem um entendimento. “Todos os partidos têm briga interna. Uns são mais discretos, outros menos. Quando não tem espaço, tem que organizar a fila. As pessoas precisam ter clareza de que têm de aguardar.”

    Protagonismo. Os dois lados reconhecem a necessidade de união e observam estar perdendo espaço e protagonismo político na Câmara para o PMDB, apesar de a bancada do PT ser maior. Eles entendem que, ao escolher Ideli em detrimento das opções defendidas pelos grupos, a presidente Dilma Rousseff mandou um recado claro: dividida, a bancada não será atendida.

    Além de uma solução para a briga interna do PT, a ministra promete empenho para afinar a relação entre petistas e peemedebistas. Para ela, dessa união depende o sucesso do governo. “O PMDB integrou a chapa. Esses partidos são a espinha dorsal do governo Dilma.”

    A minha dúvida é se este racha no PT existe mesmo e se é deste tamanho que o Estadão aponta.

    E ainda outra dúvida, um pouco mais capciosa: o PT está se tornando um PMDBzão?

    Veja, não há nenhum demérito nesta minha dúvida corolária, acima. O PT realmente cresceu muito. E é natural que haja rachas.

    (e, cá entre nós, eu não compraria um carro usado do Vaccarezza)

  35. Pax said

    E, um pouco à além, o Marco Maia, atual presidente da Câmara, não te parece, caro Elias, um marionete? Se sim, quem manipula as cordas?

  36. Patriarca da Paciência said

    Assisti a toda a verdadeira “aula” de direito do ministro Peluso.

    Fiquei de alma lavada. O ministro falou tudo que eu gostaria de dizer e não tenho “verbo” para tanto. Falou durante mais de uma hora, sempre coerente e verdadeiro. Apresentou números, fatos e soluções.

    A “melhora” do Brasil já está em marcha.

  37. Pax said

    Essa aqui é boa. Principalmente para os caríssimos colegas que discordam de mim quando digo que a oposição é uma lástima. Ou pior que isso…

    Augusto Nunes é tudo que você possa imaginar diferente de alguém que tenha alguma simpatia pelo PT. Alguma dúvida aqui? Acho que não. Então sigamos em frente.

    Em seu último post o cara afirma que Dilma é mais coerente que Serra e Alckmin, por conta da mensagem elogiosa que a presidente fez ao FHC pelos seus 80 anos.

    (aliás, elogios que concordo).

    Vejam só – blog do Augusto Nunes
    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/a-mensagem-de-dilma-a-fhc-comprova-que-a-oposicao-oficial-sabe-perder-como-ninguem/

    Mensagem de Dilma para FHC prova que a oposição oficial sabe perder como ninguém

    Na campanha de 2002, o candidato apoiado pelo governo, José Serra, avisou que não queria discutir o passado, garantiu que nada teve a ver com a privatização de empresas estatais e fez de conta que conhecia só de vista o presidente Fernando Henrique Cardoso.

    Na campanha de 2006, o candidato da oposição, Geraldo Alckmin, avisou que queria discutir apenas o futuro, garantiu que passaria nas armas quem ousasse privatizar a Petrobras e, para mostrar que não estava brincando, apareceu no segundo turno exibindo no peito o logotipo da empresa.

    Na campanha de 2010, o candidato da oposição, José Serra de novo, avisou que não queria discutir o passado, acusou a adversária de apreciar privatizações, manteve FHC fora do horário eleitoral e derramou-se em afagos ao presidente Lula. Já em maio, por exemplo, numa entrevista à Rádio Jornal de Pernambuco, replicou à pergunta do locutor Geraldo Freire com uma proposta: “Vamos fazer o seguinte? Lula está acima do bem e do mal, não comparo Lula com nada”. Jornalistas quiseram saber se fora irônico. De jeito nenhum, esclareceu o entrevistado: “É uma imagem. Hoje ele está acima do bem e do mal, exatamente”.

    Nesta sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff cumprimentou FHC pelo aniversário com a seguinte mensagem:

    “Em seus 80 anos há muitas características do senhor Fernando Henrique Cardoso a homenagear. O acadêmico inovador, o político habilidoso, o ministro-arquiteto de um plano duradouro de saída da hiperinflação e o presidente que contribuiu decisivamente para a consolidação da estabilidade econômica. Mas quero aqui destacar também o democrata. O espírito do jovem que lutou pelos seus ideais, que perduram até os dias de hoje. Esse espírito, no homem público, traduziu-se na crença do diálogo como força motriz da política e foi essencial para a consolidação da democracia brasileira em seus oito anos de mandato. Fernando Henrique foi o primeiro presidente eleito desde Juscelino Kubitschek a dar posse a um sucessor oposicionista igualmente eleito. Não escondo que nos últimos anos tivemos e mantemos opiniões diferentes, mas, justamente por isso, maior é minha admiração por sua abertura ao confronto franco e respeitoso de ideias. Querido presidente, meus parabéns e um afetuoso abraço!”

    Na mensagem de 150 palavras, as referências elogiosas a Fernando Henrique Cardoso superam amplamente a soma das feitas nos últimos oito anos por Serra e Alckmin. Das oito frases, uma registra as divergências que separam a remetente e o destinatário. As sete restantes fazem constatações deliberadamente omitidas pelos dois candidatos à presidência do PSDB. Não ocorreu a nenhum deles, por exemplo, lembrar ao país que FHC foi “o ministro-arquiteto de um plano duradouro de saída da hiperinflação e o presidente que contribuiu decisivamente para a estabilidade econômica”. Nem isso.

    Depois da leitura da mensagem de Dilma, tanto os candidatos quanto os marqueteiros das campanhas eleitorais da oposição deveriam sentar-se na sarjeta e chorar lágrimas de esguicho. É incontestável que Lula e Dilma ganharam as eleições. Mas está mais claro que nunca que os adversários fizeram o possível para perdê-las. Souberam como ninguém planejar a própria derrota.

    Depois reclamam quando eu digo que Serra e Alckmin são abaixo da crítica.

  38. Elias said

    Pax,

    Dilma foi justa, apenas.

    E são referências sinceras, de quem nunca teve nem nunca terá o apoio político de FHC para praticamente nada.

    Nas campanhas eleitorais de 2002, 2006 e 2010, tanto os candidatos a Presidente da República quanto o PSDB fizeram questão de empurrar FHC pro quarto dos fundos.

    Não foi só a defesa das realizações de FHC. Foram, sobretudo, divergências quanto a estratégias e táticas políticas e eleitorais.

    Em 2010, p.ex., FHC sustentava que Lula seria, sim — como de fato foi — capaz de transferir votos pra Dilma. Daí porque o PSDB deveria se apresentar ao eleitorado com fisionomia própria, desistindo de tentar apresentar Serra como um “continuador” da política de Lula.

    Já o PSDB — baseado numa vantagem inicial de Serra — dizia que Lula não transferiria votos pra Dilma, o que abriria espaço pro PSDB disputar com ela o voto “lulista”. Daí porque Serra dizia que Lula estava “acima do bem e do mal”, entrando em contradição até mesmo com os bate-paus do PSDB, que passaram 8 anos dizendo que Lula é medíocre, burro, desonesto, apedeuta, etc.

    O PSDB acabou parecendo um sujeito com problema psiquiátrico; um cara com dupla personalidade…

    Agora, mais uma vez FHC sai na frente, colocando a “nova classe média” na equação política brasileira. E, mais uma vez, PSDB e aliados caem de pau nele.

    Tudo isso só pra não contrariar um discurso que, há muito tempo, já se revelou burro e insustentável. O PSDB simplesmente não admite a existência da “nova classe média”, simplesmente porque, admitir isso, implica reconhecer que o governo Lula promoveu, sim, mudanças estruturais na pirâmide social brasileira.

    Acontece que os “intelequituais” do PSDB já decretaram que isso não aconteceu, em que pesem análises de organismos como o BID, o Banco Mundial, a ONU, e de publicações como Economist, Financial Times, todos afirmando que houve, sim, essa mudança. Os “intelequituais” tucanos preferem simplificar tudo, afirmando que houve, apenas, uma “cooptação” política (uma simples avaliação nos volumes do consumo de leite e derivados, materiais de construção, vestuário, aparelhos de tevê, geladeiras e equipamentos de som já recomendaria cautela ao emitir esse tipo de juízo, mas…).

    Resultado, FHC mais uma vez no quarto dos fundos, conservado em naftalina, como as avós de certas famílias.

    O PSDB insiste em ignorar a cabeça que arquitetou as maiores e mais duradouras vitórias nos campos eleitoral e administrativo, preferindo se deixar conduzir pelos bois de cabeceira que só conseguem levar a manada ao box de atordoamento e abate dos matadouros.

    A maior parte das pessoas gosta dos olhos. Mas há quem prefira a remela, né?

  39. Chesterton said

    Em seu último post o cara afirma que Dilma é mais coerente que Serra e Alckmin, por conta da mensagem elogiosa que a presidente fez ao FHC pelos seus 80 anos.

    (aliás, elogios que concordo).-Pax

    Dilma foi justa, apenas. Elias

    chest- hein? Mas vocês não passam de neo-liberais, neo-capitalistas, privatistas, istas, isto e aquilo, aquilo outro……

  40. Elias said

    Chesterton,

    Sei que na tua cabeça, habituada a um modo de pensar totalitário, é dificil entrar certas concepções.

    Claro que a esquerda, de modo geral, tem sérias divergências com relação ao que pensa FHC.

    E isso não é de hoje, Chesterton. FHC era contra a criação do PT, achando que toda a oposição ao regime militar deveria se unir dentro do PMDB.

    São muitas e antigas as divergências, Chester.

    E isso é uma coisa.

    Outra, completamente diferente, é reconhecer a capacidade intelectual do cara, a contribuição dele pra reconquista e a consolidação da democracia, o fato de ter conferido sustentação e coordenação política a um plano econômico que obteve sucesso no combate à inflação, etc.

    Idiota é quem passa 8 anos chamando Lula de imbecil, burro, etc., ao mesmo tempo em que fica levando porrada política e eleitoral do dito cujo.

    É o pior tipo de idiota. Aquele que nem consegue tomar consciência da própria imbecilidade, o que significa condenar a si mesmo a jamais superar essa condição.

    Entendeste? Não, claro!

    Vida que segue…

  41. Chesterton said

    máxima de Millôr Fernandes: “imprensa é oposição, o resto é armazém de secos-e-molhados”.

  42. Chesterton said

    Elias, você pode dizer o que quiser, mas impedir que eu caia na risada ao ver esquerdistas se contradizendo alguns anos depois, ou desmascarar mentiras, não vai conseguir.

    Esse contorcionismo do PT tentando explicar o inexplicável, é hilário.

  43. Chesterton said

    Claro que a esquerda, de modo geral, tem sérias divergências com relação ao que pensa FHC.

    chest- FHC é da esquerda

    Sei que na tua cabeça, habituada a um modo de pensar totalitário, é dificil entrar certas concepções.

    chest- bla, bla, bla para não ter que apresentar lógica e coerência a longo prazo

    Outra, completamente diferente, é reconhecer a capacidade intelectual do cara, a contribuição dele pra reconquista e a consolidação da democracia, o fato de ter conferido sustentação e coordenação política a um plano econômico que obteve sucesso no combate à inflação, etc.

    chest- coisa que o PT nunca fez,, se classificarmos a Dilma como PDT.

    Idiota é quem passa 8 anos chamando Lula de imbecil, burro, etc., ao mesmo tempo em que fica levando porrada política e eleitoral do dito cujo.

    chest- tambem acho que Lula não é idiota, sempre falei que era esperto demais, como Chaves, Fidel, Hitler, Stalin, essas figurinhas da política. Lula mé um fascista light, nos moldes do PTB de “Getulho”.

    É o pior tipo de idiota. Aquele que nem consegue tomar consciência da própria imbecilidade, o que significa condenar a si mesmo a jamais superar essa condição.

    chest- é verdade.

  44. Elias said

    Chester,

    Cada um ri do que pode e quer.

    A hiena, p.ex., come carniça e merda, trepa uma vez por ano e ri pra caramba…

    De minha parte, não chego a dar gargalhada — até porque a situação não é pra isso –, mas bem que me divirto vendo uma oposição incompetente, burra, amontoar imbecilidade a torto e a direito, pegar porrada em 3 eleições presidenciais seguidas e não perder a pose arrogante, de quem acha que tem resposta pra tudo.

    Quanto mais come merda, mais tenta arrotar caviar.

    Bobinho, quando Millor disse o que disse sobre a imprensa, fica certo de que ele pensava em algo muito, mas muito mesmo, diferente do que é o Estadão, a FSP, a Veja…

    Se tu não percebeste isto, é sinal de que nunca entendeste o que Millor escreveu, o que nos leva — como quase sempre ocorre sempre que lemos o que tu escreves — a ponderar sobre aquele que, no passado, te enganou, dizendo que tinha te ensinado a pensar.

    Na luta política, Chester, o mais primitivo erro que se pode cometer, é subestimar o adversário. É o primeiro e irreversível passo pra derrota certa.

    Ter um adversário inteligente e capaz em alta conta, bobinho, não significa concordar com ele.

  45. Elias said

    “FHC é da esquerda” (mais uma do Chesterton)

    Quem pensas que és, miserável bípede, ou o que pensas que pensas, que te faz pensar que podes conceder atestado ideológico ao FHC?

    FHC fez carreira como intelectual acadêmico socialista (esquerda); fez carreira política como social democrata (centro esquerda) e, no auge do seu sucesso político, rompeu com suas concepções passadas, pedindo publicamente que esquecessem o que ele escrevera.

    Hoje, nem o próprio FHC se reivindica de esquerda. É, muito mais, um político de centro.

    De mais a mais, FHC exerceu o poder por tempo suficiente pra entender que, para o exercício do governo nas sociedades democráticas, as doutrinas políticas e econômicas servem muito mais como referência, não como cartilhas ou manuais. Não existe manual de governo, bobinho.

    Quem berra doutrinarismo como cartilha é o rebanho, que não tem necessidade de provar nada, de apreseentar resultados. Basta berrar as 3 ou 4 “verdades” que acredita…

    Já o dono do rebanho necessita ser pragmático.

    FHC raciocina como homem do poder, não como galera. Ele passou tanto tempo atuando como dono do rebanho que não consegue pensar mais a partir de outro ponto de vista.

    Bobagem querer transformá-lo em parte da manada…

  46. Elias said

    Pax,

    Há alguns anos, eu participei da promoção de um “cachimbo da paz” entre grupos internos do PT do Pará. A reunião final foi na sala de jantar da minha casa. A costura antes da reunião terminou às 3h30 de uma manhã de domingo. Às 4:00 o pessoal começou a chegar. Às 4h30, começou o papo. Do resultado dela, pendia um “racha”, ou não, em uma reunião do Diretório Estadual, que começara no sábado pela manhã, e iria até às 18h00 de domingo.

    Abri a reunião e, no minuto seguinte, passei a palavra aos dois grupos. Eu estava tenso pra caramba, achando que a coisa não ia funcionar. Com a palavra,o grupo “A” baixou a porrada no grupo “B”. Este, em resposta, baixou a porrada no outro.

    Na cabeceira da mesa, respirei aliviado: tava fechado o acordo!

    E realmente estava. Pouco mais de uma hora depois, estava ajustado até a ordem das intervenções e o conteúdo das falas, quando o ponto de pauta origem do “quase racha” fosse colocado em discussão. Saíram de lá com tudo amarradinho: quem iria falar, em que ordem iria falar, quanto tempo falaria e o quê falaria.

    E assim foi.

    No PT é assim. Você indica um sujeito para um cargo num diretório, p.ex., e vai negociar com a corrente “X”.

    Aí o negociador da corrente tece um longo comentário elogiando o indicado. E tome elogios! Pode estar certo que a resposta será NÃO! Depois dos elogios, ele dirá PORÉM… e aí virão as razões definitivas pra negação do apoio.

    Já se o negociador iniciar a fala baixando a porrada no cara, isso será apenas o intróito para um outro PORÉM… após o qual virão os motivos maiores que, em que pesem as restrições já expostas, determinarão o apoio pretendido. É um modo de demarcar posição, de mostrar para o sujeito da outra corrente que ele não é invulnerável, que não tem privilégios, que está sob observação, e, ainda, um modo de dizer ao interlocutor que ele não joga um futebol tão excelente assim que o credencie como um negociador mais hábil que os demais.

    Em certa medida, é a velha matreirice do PSD mineiro, que se institucionalizou na política sindical e nos movimentos sociais brasileiros, os quais, por sua vez, deram conteúdo e, principalmente, forma, ao PT.

    Assim, ponha um pé atrás quando uma crítica interna de petista é verbalizada muito ostensivamente. Tem que ver se, depois de um PORÉM… não virá um arriar de calças generalizado.

    Lembra do Serra, candidato a presidente? Ele não estava à altura, certo? Nos momentos em que ele tinha que assumir a liderança do processo, ele piscou. Se pôs à sombra.

    Quando se deu pela coisa, a direção da campanha tinha sido assumida pela FSP, pela Veja e pelo Estadão. Serra se tornara um coadjuvante. Na prática, um anticandidato.

    Aquilo era demais pra ele. Dava pra perceber, quando ele começou a insistir naquele papo de que “em toda a sua vida” ele se preparara pra ser presidente. Nenhum candidato a presidente que se leve a sério diz uma merda dessas.

    Talvez ele próprio tivesse dúvidas a respeito de si mesmo, sei lá… O fato é que Serra não estava à altura.

    É o mesmo que ocorre com o Vaccarezza, com todo o respeito. Ele poderia ser esforçar pra ser um bom deputado federal. Talvez conseguisse. Mas, Presidente da Câmara? Líder (de governo, de bancada ou o que for)? Nem pensar! É demais pra ele. Não está à altura. A votação do Código Florestal foi um exemplo gritante. Imagina uma pauta mais complicada…

    Marco Maia age de acordo com a sua “instância de debate”, no jargão. Mas também já deu pra sacar que não foi a melhor escolha. Também ele não está à altura…

    Assim como o sucesso tem muitos pais, o fracasso é órfão. Ou, como se dizia nos anos 1960, “mana Culpa morre virgem. Ninguém quer trepar com ela. Casar, então…”.

    Quem quer ser o pai da derrota na votação do Código Florestal? Ninguém! Nem a Presidência da Casa, nem a liderança, nem o governo.

    Quem é culpado? Todos! Governo, Presidência da Câmara e liderança.

    Presidência da Câmara e liderança foram medíocres. E ainda se deixaram chantagear pelo que há de pior e mais baixo no baixo clero, permitindo passar o plebiscito da divisão do Pará, mesmo sabendo que, se essa merda for aprovada, trará pra União um aumento de despesa de mais de R$ 3,4 bilhões (cerca de R$ 1,7 bilhão pra cada novo Estado), e só em atividade MEIO, ou seja, só em aumento do custo da máquina pública, sem nenhum retorno econômico ou social. Isso praticamente inviabilizaria o projeto social do Governo Dilma.

    Uma puta irresponsabilidade! Faltou habilidade! Faltou coragem! Faltou cojones! Só quem se portou à altura foi o Chico Alencar, cujo partido, o PSOL, nem faz parte da base governista.

    Se isso fosse possível, o correto seria demitir os dois, Maia e Vaccarezza, por incompetência. Como isso não é possível, é de se esperar que, daqui pra frente ambos pelo menos tentem melhorar seu desempenho. Talvez se reforce a assessoria de ambos, por aí…

    É, mais ou menos, o recado que acho que Lula terá dado aos dois.

    E o governo? Também foi culpado, claro! Há um tempão o Palocci havia se tornado imprestável politicamente. Deveria ter sido demitido há muito tempo ou, pelo menos, se licenciado, abrindo espaço para que a coordenação política do governo começasse a funcionar.

    Com a Casa Civil politicamente paralisada, o abacaxi sobrou pra Presidência da Cãmara e pra liderança do governo, que…

    Agora, racha? O Estadão tá confundindo os saltos dos seus tamancos com os altos do Himalaia…

    Mais uma vez, é o desejo tomando o lugar da constatação.

  47. Pax said

    Caro Elias,

    Obrigado pelo #46 acima. E fico feliz que você concorde que Marco Maia e Candido Vaccarezza, se quiserem mudar de partido, a torcida é que engordem excelentes partidos existentes, como o PR, o PTB, esses assim. E que sejam atuantes, por favor.

    (cada deputadozinho mequetrefe que vejo pela frente…)

  48. iconoclastas said

    “no auge do seu sucesso político, rompeu com suas concepções passadas, pedindo publicamente que esquecessem o que ele escrevera. ”

    puff…

    será que alguém vai (quem sabe, até, uma criatura vil), em algum momento, se dignar a apresentar essa declaração, ou se perpetuará a repetição de tal estória tal qual aquela da frase que por tanto tempo foi atribuída ao de Gaulle?

    ;^?

  49. Pax said

    Caro Iconoclastas, em #48

    Achei isto aqui, não sei se é o mesmo contexto, mas está lá, na ISTOÉ de 1999.

    http://www.istoe.com.br/reportagens/28743_ESQUECAM+O+QUE+EU+DISSE

    O argumento de busca que coloquei no Google foi ‘Fernando Henrique Cardoso +”esqueçam o que eu disse” ‘ – veio este link, entre outros que desconsiderei.

  50. iconoclastas said

    Pax, só me confirma: vc tá zoando, né?

    ;^/

  51. Elias said

    Merda!

    Quem quer que acompanhe a trajetória política de FHC sabe que ele disse a frase.

    Tempos depois, Lula diria quase a mesma coisa, referindo-se a “lambanças”.

    FHC nem precisaria ter dito a frase.

    Qualquer estudante — mesmo um estudante merda — pode analisar os trabalhos que FHC escreveu como sociólogo socialista (alguns em parceria com o também sociólogo Florestan Fernandes), e, facilmente, concluirá que a concepção de Estado que ele então defendia, é absolutamente diferente da concepção de Estado que ele implementou como presidente.

    Quase todos os trabalhos que FHC publicou, como sociólogo socialista, ainda estão disponíveis em livrarias e sebos.

    PQP!

  52. Chesterton said

    44, Elias, claro, luta política, onde não há ética é permitido mentir, mentir, enfim, como diz um professor meu, político de todos os partidos deveriam estar em cana, terreno de bandidos.
    Ria com a hiena, fique à vontade, mas não me venha dizer que o PT reconheceu FHC, como estão tentando fazer crer (claro, os guerrilheiros marxistas tambem queriam implantar uma democracia no Brasil).
    Quanto ao Miloor, estive com ele semana passada e ele me garantiu que a frase dele é válida para o momento atual, mais do que no momento original.

    —-
    45 FHC é social democrata, para mim, bem à esquerda. Aumentou tremendamente a carga tributária, e não fez 10% das privatizações que deveria. Claro está que, para os marxistas et caterva, ele está a direita.

    ————–

    46- meu Deus, onde vamos parar, um antro de petistas reunido, chame a policia, o ministerio público,..

    ——-

    51
    sei , se FHC mudou, logo ele é direita….mas Elias, você só pode estar se fazendo de idiota para parecer o Patriarca, não é possível. Você não é tão primário assim.

  53. iconoclastas said

    “Quem quer que acompanhe a trajetória política de FHC sabe que ele disse a frase.”

    quem sabe? quem leu? quem ouviu?

    ou será algo?

    “A maioria dos que gostariam que eu tivesse querido esquecer o que pensava nunca ouviu ou leu o que disse ou escrevi. ”

    – FH

    rasteja, criatura pútrida, e tenta aprender algo…

    ;^))

  54. Chesterton said

    Talvez Alon tenha razão…talvez não .

    http://www.blogdoalon.com.br/2011/06/agrados-convenientes-1406.html

  55. Chesterton said

    Talvez Alon tenha razão…talvez não .

    http://www.blogdoalon.com.br/2011/06/agrados-convenientes-1406.html

    cheast-na minha opinião, no futuro estudarão Lula como à direita de FHC.

  56. Chesterton said

    Ph.D. em Manga Rosa
    A educação brasileira nunca foi grande coisa. Sob o PT ela se tornou objeto merecido de piada. Vejam o caso da UFPE, essa Harvard do sertão [ou zona da mata]. Enquanto instituição internacional de pesquisa a UFPE inova no ensino de agronomia. Ela está oferecendo um curso sobre o cultivo de maconha, bastante popular entre os esforçados e dedicados alunos. O mais revolucionário do curso, entretanto, é que o professor é um antropólogo.
    POSTED BY SELVA BRASILI

  57. Chesterton said

    mas o espertalhão é iletrado

  58. Chesterton said

    E tem mais, no post anterior, Elias gritava que o capitalismo não é monopólio da direita. Agora, só porque FHC tentou praticar um pouco de capitalismo (e não conseguiu, essa joça é um socialismo das amarras das liberdades econômicas ainda), FHC é um direitão. Porra Elias, decida-se.

    Elias não é burro, se faz de burro, ele é apenas intelectualmente desonesto.

  59. Carlão said

    Eis o PT do Pará: A mentira deslavada como método

    Josias, o idiota, com ares de quem já cansou das obscenidades do governo petralha
    passado presente e futuro escreveu:

    “Coincidência ou insegurança?”, eis a pergunta que encerra a propaganda eletrônica do PT.

    Presidente do diretório estadual do PT, José Batista responde: não se trata de mera coincidência. Por quê?

    “Madeireiros e latifundiários truculentos sentem-se mais à vontade no governo do PSDB, por estarem ligados a pessoas do partido”, diz ele.

    Para Batista, as mortes são causadas pelo jeito tucano de governar, “que tem como prioridade o grande produtor”.

    Beleza. Transpondo-se o raciocínio do presidente do PT-PA para a Brasília de Lula e Dilma Rousseff, pode-se dizer:

    1. Episódios como mensalão e ‘Paloccigate’ têm similitudes que os aproximam mais da desfaçatez do que da coincidência.

    2. Os mensaleiros e o companheiro consultor sentiram-se mais à vontade nos governos do PT por estarem ligados a pessoas do partido.

    3. As valerianas não contabilizadas e o patrimônio milionário decorreram do jeito petista de governar, que prioriza o manuseio de verbas de origem suspeita.

    Para não estragar a analogia, o repórter menciona só de passagem, bem baixinho para que ninguém ouça, um derradeiro detalhe: sob a petê Ana Julia (2007-2010), foram anotados no Pará 54 assassinatos no campo. O dado é da CPT (Comissão Pastoral da Terra).

    Com a palavra os petralhas paraenses!

  60. Elias said

    Chesterton,

    TU foi que disseste que estavas dando gargalhadas.

    Eu disse que não tinha motivos pra rir.

    É o que está escrito aí, acima.

    TU é que estás te fazendo de idiota.

    Há muito tempo, FHC deixou de se autodefinir como político de esquerda. Ele se define mais como político de centro.

    Não vejo nenhum problema nisso. TU é quem insistes em dizer que FHC é de esquerda, só porque, na tua estreita concepção política, fica mais fácil criticá-lo.

    Quando fica impossível deixar de reconmhecer que FHC cometeu um erro, aí se diz: “Ah, isso é porque ele é de esquerda…”.

    Pura flatulência!

  61. Chesterton said

    FHC é de esquerda, da esquerda vegetariana. Lula é menos esquerda que ele. O resto é eructação.

  62. Elias said

    Pax,

    Pra apimentar as coisas aqui no PolíticAética:

    COM RELAÇÃO AO 1º MANDADO DO ATUAL GOVERNADOR DO PARÁ, SIMÃO JATENE (2002-2006)

    1 – Diz a Lei Complementar 101 (Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF)

    Art. 42. É vedado ao titular de Poder ou órgão referido no art. 20, nos últimos dois quadrimestres do seu mandato, contrair obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele, ou que tenha parcelas a serem pagas no exercício seguinte sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para este efeito.
    Parágrafo único. Na determinação da disponibilidade de caixa serão considerados os encargos e despesas compromissadas a pagar até o final do exercício.

    Art. 73. As infrações dos dispositivos desta Lei Complementar serão punidas segundo o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal); a Lei no 1.079, de 10 de abril de 1950; o Decreto-Lei no 201, de 27 de fevereiro de 1967; a Lei no 8.429, de 2 de junho de 1992; e demais normas da legislação pertinente.

    2 – Diz o Decreto-Lei 2848 (Código Penal Brasileiro – CPB)

    Art. 359-C. Ordenar ou autorizar a assunção de obrigação, nos dois últimos quadrimestres do último ano do mandato ou legislatura, cuja despesa não possa ser paga no mesmo exercício financeiro ou, caso reste parcela a ser paga no exercício seguinte, que não tenha contrapartida suficiente de disponibilidade de caixa: (Incluído pela Lei nº 10.028, de 2000)

    Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos.(Incluído pela Lei nº 10.028, de 2000)

    3 – DIGO EU, ELIAS:

    3.1 – QUE, ao encerramento do seu primeiro mandato como governador do Pará, o Sr. Simão Jatene deixou dívidas em valor superior a R$ 100 milhões, referentes a despesas que, embora contraídas e executadas nos dois últimos quadrimestres de seu mandato, não estavam cobertas por dotações orçamentárias pré-existentes, não tendo sido empenhadas, portanto, ou, tendo sido empenhadas, e o fornecimento ou o serviço sido executado e aceito, não foram pagas no exercício de sua contratação e execução, não tendo o referido gestor, ao final do exercício de 2006, deixado reservada disponibilidade de caixa suficiente para o pagamento dessas dívidas.

    3.2 – QUE, em virtude dessa irregularidade, tais dívidas tiveram que ser pagas no exercício de 2007, pela gestora que substituiu o Sr. Simão Jatene, ocorrendo os pagamentos à conta do Elemento de Despesa “DESPESA DO EXERCÍCIO ANTERIOR”, nas Categorias Econômicas Despesas Correntes e Despesas de Capital.

    3.3 – QUE, em face do que aqui se acha relatado, o Sr. Simão Jatene e/ou seus auxiliares diretos, responsáveis pelos atos que deram causa às irregularidades que mencionei, estão incursos nos dispositivos da LC 101, que transcrevi acima, e sujeitos às penalidades previstas no Código Penal Brasileiro – CPB, em seu artigo 359-C, também acima transcrito.

    3.4 – QUE eu, Elias, me disponho a provar o que afirmei neste comentário, em Juízo ou fora dele, pelo que aceito prazerosamente qualquer desafio nesse sentido, podendo tal desafio ser proposto por qualquer dos comentaristas deste blog, isoladamente ou em grupo (só o Carlão, p.ex., ou ele o Chesterton, o Marcelo e o Miconoclastas, juntos, auxiliados por amigos, parentes, aderentes, etc.).

    3.5 – QUE, sendo desafiado a provar extra-judicialmente, exijo:

    3.5.1 – QUE o desafio tenha como penalidade o pagamento de importância não inferior a R$ 100 mil e não superior a R$ 350 mil, considerada a soma de todos os desafios propostos;

    3.5.2 – QUE o pagamento da penalidade pela parte perdedora seja garantido, no ato da proposição do desafio, por meio de bloqueio de valor equivalente, depositado em conta corrente ou caderneta de poupança, aberta em nome do(s) desafiante(s) e do desafiado.

    3.5.3 – QUE o valor da penalidade seja destinado a instituição de caridade atuante no Estado do Pará, onde tal valor deverá ser empregado, sendo essa instituição de livre escolha pelo(s) desafiante(s) ou pelo desafiado, conforme o caso.

    3.5.4 – QUE, no caso de desafio extrajudicial — e desde que o Pax concorde, evidentemente — seja o desenvolvimento do mesmo acompanhado por este Blog, que publicará, diariamente, informações sobre o andamento dos procedimentos.

    3.6 – QUE o(s) interessado(s) poderá(ão) obter junto ao Pax, desde que este concorde, um e-mail meu para o contato.

    3.7 – QUE só tomarei conhecimento de mensagens com a expressa finalidade de propor o desafio aqui referido, e que contenham a identificação comprovada do(s) desafiante(s).

    Pronto, crianças. Bola com vocês!

  63. Elias said

    Onde está escrito:

    “COM RELAÇÃO AO 1º MANDADO DO ATUAL GOVERNADOR DO PARÁ, SIMÃO JATENE (2002-2006)”

    Leia-se:

    “COM RELAÇÃO AO 1º MANDATO DO ATUAL GOVERNADOR DO PARÁ, SIMÃO JATENE (2003-2006)”

    “MandaTo” e não Mandado, iniciado em 2003, e não em 2002 (este último foi o ano da eleição).

  64. Pax said

    E quanto o blog leva no serviço de mediação desta contenda, caro Elias?

  65. Carlão said

    HEHHEHEHE

    O “tucupi de pato” é um cérebro de concreto protendido metido a bravatas
    inconsequentes. Uma castanha de laboratório. Veneno. Mandioca brava.
    Tô fora dessa!
    até o Pax começou a zoar da pequena “pimenta” do Elias.
    Miudinha, amarela e sem cheiro. Adocicada.Frutinha.
    Dá até pra fazer “chutney” com ela.

    e rindo prá kct do petista que virou petralhotário e ainda se acha!
    seria trágico se não fosse cínico, hehehe
    ….
    Meu conselho não solicitado:
    Enfie o Simão Jatene no rabo. O Simão primeiro depois o Jatene.
    Usando a Carepa como lubrificante anal.
    Eu não votei neles! Nem na dilma.
    Você votou.

  66. Chesterton said

    hilário!

  67. Elias said

    Carlão,

    Terei o máximo prazer em enfiar o Jatene no teu rabo, sim!

    Sem papo furado, babaca!

    Tu puxaste o assunto. Encara, agora, bundão! Rabo frouxo!

    Vocês são hilários, mesmo, Chester. É só blá, blá, blá…

    Pax,

    Como você viu, a coisa está fixada entre R$ 100 mil e R$ 350 mil. Nada contra que o blog seja remunerado. Fixe o preço.

  68. Pax said

    Prezados,

    Vamos à frente que tem coisa melhor que colocar Jatene aqui ou acolá.

    Como por exemplo marchar. Mas sem tragar, por favor. Assim como o velho e bom FHC.

    E ainda melhor que tudo é ver o nervosinho do titio histérico (ou louco de vivo malaco safado?) dando uma de democrata.

    Essa democracia dele é com d minúsculo. Na que eu torço e “acho que posso falar”, a tal da liberdade de expressão é estimulada. Até falar bem do FHC eu falo, ora bolas, mesmo tomando porrada de petista mais abobalhado.

    Pronto!

    Eu já mudo a aposta. Quero ver alguém me mostrar um comentário por lá dizendo que Lula fez um governo bom e que a histeria dele não ajuda em nada a tal da Democracia com D maiúsculo.

    Se isso acontecer, bem, o que podemos prometer? Ok, este blog fará 10 posts seguidos afirmando que o titio histérico (ou louco de vivo safado canalha básico enganador de criancinhas atrás do armário?) é um exemplo de democrata.

    Será que um maconheiro comunista comeu o cara e depois o largou? Hum… sei não.

  69. Carlão said

    Tucupi de pato
    que assunto que eu puxei, ô idiota?

    O video acima é uma confirmação cabal que o PT do Pará mentiu deslavadamente
    nesta campanha eleitoral.Apenas isso.Qualquer idiota percebe. Menos o Elias, a castanha de laboratório. Nuthead petralhotário.
    Ai o ofendido idiota (sei lá por que?) vem aqui dar uma de macho e tentar desafiar quem não é burro nem petralhotário.
    E dai que o tal do Jatene é supostamente um governador “corrupto” se o partido da gestora substituta foi derrotado nas urnas. O eleitor paraense, em sua imensa maioria escolheu demiti-la. Apesar do maciço apoio do molusco ex-presidente.
    http://eleicoes.uol.com.br/2010/para/ultimas-noticias/2010/10/31/jatene-confirma-favoritismo-e-se-elege-pela-2-vez-governador-do-para.jhtm
    E pelo visto(é o que se depreende) da verborragia inconsequente da sua proposta, ele o governador reeleito, nem chegou a ser processado. Se foi, o “tucupi de pato” esqueceu de informar aos circunstantes.

    Ser macho é igual ser virgem.
    Quem realmente é não precisa ficar alardeando todo dia
    que é!

    Tomo que o filho é teu. Você votou neles.
    Já sabe o que fazer…com a sua proposta indecorosa.
    e não esqueça de usar a Carepa como lubrificante anal.
    Até lula já enfiou o pt do pará no rabo. Beijou a Mão do Jader e a Carepa praspicou-se.

    E aí Pax….tudo por dinheeeiroooo?
    hehehe
    continua apaixonado, vigiando de perto o que o RA escreve? Até os comentários? Esqueça o safado o titio histérico (ou louco de vivo safado canalha básico enganador de criancinhas atrás do armário?)
    Ah…não consegue? Sei.
    Porra, Pax, isto é que é Paixão com P maiúsculo.
    Essa de maconheiro comunista é de lascar, meu.
    Qual foi o seu caso?

  70. Elias said

    Carlão,

    Já te desafiei.

    Aceita o desafio, seu merda!

    Só mesmo um idiota com o tu poderias dizer que eu votei “neles”.

    Claro que não, imbecil! Desde 2002 o PT do Pará disputa o Governo do Estado em 2º turno com o PSDB. Claro que votei no PT, seu pulha! Ganhei uma vez e perdi duas. É da democracia.

    O que falei sobre o Jatene, mantenho. E, se tiveres peito, aceita o desafio que eu te fiz. Quero ter o prazer de enfiar uma trolha grande grossa no teu rabo, já que pareces não saber viver sem isso. Em toda e qualquer discussão política, ficas logo falando em “enfiar no rabo”…

    Pois bem. Mete a cara, filho de égua, porque eu tô a fim de meter no teu rabo.

    Esse papo de “Carlão” nunca me enganou. Tu és mesmo um florzinha remelento. “Carlão” é o que tu desejas ter enfiado em ti e não tens peito de assumir.

    Enrustido tirando onde de machão.

    Patético!

  71. Pax said

    Carlão,

    Acompanho o idiota, fazedor de cabeça de idiotas filhotes, pelo twitter. Algumas vezes até leio seus posts de través, correndo. É sempre a mesma coisa, qualquer coisa que ele possa tecer histeria, dizer que o mundo está comunistando, se drogando, qualquer babaquice para fazer a satisfação de um conjunto pequeno de babacoaras, ele faz. Faz por dinheiro. O cara é canalha mesmo. Simples. E tem pro outro lado, um bocado. Tem dos dois lados.

    Carlão e Elias,

    Basta. Nada digo mais. Basta diz tudo.

  72. Carlão said

    Pax
    eu só não entendo essa sua mania de acompanhar o cara.Se é tão ruim assim
    você já teria desistido.É masoquismo ou então é Paixão, com P maiúsculo.
    Qual é o seu caso?
    Prometo que não vou mais chamar o Elias de “castanha de laboratório” nem de “tucupi de pato”.
    O Pará é um pais maravilhoso. Adiantadíssimo. Conseguiu tirar os petralhas do poder por mais 4 ou 8 anos. Está bom assim?

  73. Pax said

    Ora, eu também acho o PHA, o Azenha, o Brizola Neto etc uns bocós, histéricos, espertalhões. E também acompanho o twitter desses caras.

    Não é masoquismo nem paixão. É do “ofício” de gostar de política.

    Mas confesso que prefiro ler gente mais decente, Villas-Bôas Corrêa, Fernando Rodrigues, Josias etc etc. Há uma penca de bons jornalistas. Até mesmo quem se declara partidário, o que acho ruim, já há que se ler de través, tem quem mereça maiores considerações. Exemplos disso? O Kotscho de um lado e o Augusto Nunes de outro são dois bons exemplos, apesar de achar que o Nunes nunca declarou o que de fato é.

    Mas, voltando, o titio é espertalhão, salafrário, no sentido de patife, mesmo. Disso não tenho menor dúvida.

  74. Pax said

    Ora, eu também acho o PHA, o Azenha, o Brizola Neto etc uns bocós, histéricos, espertalhões. E também acompanho o twitter desses caras.

    Não é masoquismo nem paixão. É do “ofício” de gostar de política.

    Mas confesso que prefiro ler gente mais decente, Villas-Bôas Corrêa, Fernando Rodrigues, Josias, Paulo Moreira Leite, Alon, etc etc. Há uma penca de bons jornalistas. Até mesmo quem se declara partidário, o que acho ruim, já há que se ler de través, tem quem mereça maiores considerações. Exemplos disso? O Kotscho de um lado e o Augusto Nunes de outro são dois bons exemplos, apesar de achar que o Nunes nunca declarou o que de fato é.

    Mas, voltando, o titio é espertalhão, salafrário, no sentido de patife, mesmo. Disso não tenho menor dúvida.

  75. Elias said

    Pax,

    Como você e outros aqui já devem ter notado, esse Carlão costuma usar a mesma tática de um conhecido nazista, chamado Julius Streicher, que foi nomeado gauleiter e que também dirigia um jornal nazista na Baviera, se não me engano.

    Streicher costumava intimidar as pessoas, com o constante recurso à ofensa e à pornografia. Era essa história de “socar no rabo”, “enfiar no cu”… a mesma porcaria que esse tal de Carlão faz aqui. O jornal de Streicher era cheio dessas referências, assim como as porcarias que o Carlão escreve aqui.

    Observe acima: lancei um desafio, a partir de uma provocação que ele fez. Lancei o desafio a sério, embora saiba que as chances dele ser aceito são remotas. Lancei esse mesmo desafio há alguns anos, aqui em Belém, e ninguém topou, porque sabe-se que não terei a menor dificuldade em vencer.

    E o que o Carlão fez? Veio de lá mandando “socar o Jatene no rabo”, exatamente como ele costuma fazer, e como fazia Julius Streicher.

    No cérebro desse pervertido, está a noção de que, partindo pra esse tipo de agressão gratuita, ele vai intimidar as pessoas que pensam diferente dele. Exatamente a mesma noção que tinham os nazistas, de modo geral e, em especial, Julius Streicher, a quem os próprios nazistas viam com certo desprezo…

    Bobagem Carlão tentar isso comigo. Escrevo bem mais, melhor e mais rápido do que ele, em qualquer estilo. Em termos elevados ou na baixaria, comigo ele não tem a menor chance. Rapidinho o estoque de argumentos dele se esgota, e ele cai na repetição.

    Julius Streicher terminou seus dias pendurado pelo pescoço, numa corda.

    Talvez Carlão deseje o que, pra ele, seria um fim mais prazeroso, sentado à beira do caminho…

    Como imitador de Julius Streicher, Carlão tem a mesma mediocridade, mas sem nada do senso dramático do modelo original.

    Streicher, pelo menos, soube ser trágico. Carlão é apenas ridículo.

  76. Carlão said

    Elias xinga, mas não esculacha! …hehehe
    Comparar-me ao nazista fodão Julius Streicher é elevar-me a um poder que não tenho e nem quero ter.Não sou petralha.Tô fora do perfil.
    Muita gentileza sua.
    Eu não tenho um tostão da competência maléfica do citado alemão estrategista.
    Coisa de palocci.De um Gushiken. De um zédirceu competente, por assim dizer.
    En passant.

    Eu prefiro é ser chamado de filho da puta, viado, cínico e até de membro do PSDB…hehehe tanto faz.
    Mas eu nunca desviei verbas, trafiquei influência ou roubei nada e nem menti deslavadamente pra provar que meu partido e eu estamos certos.
    E não preciso provar.
    Nem lançar desafios impertinentes.

    Caro Elias,ao comparar-me com Julius Streicher, tu estas me colocando num pedestal de poder que não mereço.
    Eu sou mixo e mal sei escrever.
    Cato milho no teclado do computador e uso frequentemente o corretor do Firefox.
    Ás vezes até escrevo em inglês ou espanhol e tenho que me traduzir para o português. Sou um burro dislexo poliglota.
    Sou um psicopata maniaco-obessivo.
    E por isso Elias, quero dizer que, humildemente, prefiro evocar a lenda do menino que grita O Rei está nú! referindo-me à era da merdiocridade vigente no Brasil atual.
    (Sob o reino da presidenta doenta sucessora do doente ex-presidente).

    O Tio Pax prefere gritar o Tio Rei está nú !, todo dia. Talvez por esquecer de sua própria lenda pessoal, onde o porquinho mentiroso da lenda gritava Lobo,Lobo,Lobo ! jurando que era verdade. Pax, ficou traumatizado (?).

    Ele, o Tio Pax jura que não é Paixão, com P maiúsculo, mas não deixa de seguir todo dia o twitter do safado, espertalhão, salafrário, no sentido de patife, mesmo.
    Parece que ele gosta de enfiar o nariz no rabo do outro pra provar que a merda fede.(?)
    Todo santo dia dia.
    Seria distimia, bipolaridade ou coprofagia?
    Afinal cada um tem o Tio Lobo que merece.
    Dilma prefere o Tio Lobão do Sarney. O Tio Lobo do lula é o Obama.
    Meu Tio lobo é o moluscão sem vergonha. O ex-presidente zombie. O morto vivo palpiteiro..

    O Tio Lobo do Tio Pax é o Tio Rei, (ou louco de vivo safado canalha básico enganador de criancinhas atrás do armário?)
    Pax parece ter tido problemas na infância com um determinado tio num determinado local.
    None of my fucking business!

    Agora ultimamente, parece que o Elias, que não é nem uma castanha de laboratório, e muito menos (e ainda menos ainda) um tucupi de pato, quer tentar me transformar no seu Tio Lobo particular, comparando-me ao Tio Julius, o nazista.
    Quanta gentileza do nobre intelectual paraense, uma flor em pessoa.
    Mas, tomo isto como um elogio indevido e por isso aqui repudio o elogio em nome da verdade.Eu não sou flor que se cheire.
    Eu não mereço tanto poder. Nem sou petista.
    Mas de qualquer forma agradeço ao caro Elias, prometendo chamá-lo sempre e carinhosamente de
    “Elias, o tio rui barbosa do Pará, s.m.j”.
    hehehe

    PS. Cá entre nós, Tio Elias (o tio rui barbosa do Pará, s.m.j) tu és baixinho?
    Tu compras sapatos em loja infantil?
    Não precisa explicar, eu só queria entender.

  77. Chesterton said

    Me espanta saber que Pax finalmente reconhece que acompanha diariamente o reinaldão.

  78. Elias said

    Tens razão, Carlão.

    Te comparar a Julius Streicher é te colocar num pedestal…

    Pela primeira vez escreveste algo muito justo e sincero.

    Lê com atenção o que escrevi. Lá está dito que, do Julius Streicher, tens só a mediocridade e o recurso à ofensa e à pornografia como argumento.

    Julius Streicher, p.ex., tinha muito mais coragem do que tu.

    Pela primeira vez, quase concordo contigo. Pra concordância ser maior, basta tirar o Julius Streicher do pedestal onde tu o imaginas, e colocá-lo num buraco cheio de merda.

    Aí, sim! Fica de bom tamanho, contigo lambendo as mãos dele…

    Ruy Barbosa?

    Nem pensar, Carlão!

    Considero o Ruy Barbosa um bundão, cujo liberalismo de almanaque levou o Brasil à falência. (E ao encilhamento. E à intervenção da Inglaterra na economia brasileira, tomando na marra quase todos os equipamentos de infraestrutura urbana que o Brasil tinha instalado até então: ferrovias, linhas de bonde, geradoras e distribuidoras de energia elétrica, distribuidoras de água potável, etc.).

  79. Chesterton said

    Em 1976, em Porto Alegre, tive a honra de conversar com Guilherme Figueiredo, irmão do João Figueiredo, aquele general que proclamou a anistia no Brasil. Diga-se de passagem, ele não gostava de ser visto como irmão do João. “O João é que é meu irmão” – disse-me. Bom, o Guilherme Figueiredo tem um livrinho que, sei lá como, sumiu de minha biblioteca, o Tratado Geral dos Chatos. Foi publicado nos anos 60 e lembra muito o Rol de Cornudos, de Camilo José Cela, que por sua vez inspira-se no utopista Charles Fourier, que publicou um estudo em que classifica 144 tipos de cornudos. Cela acresce a generosa contribuição ibérica.

    Mas falava do Figueiredo. Contou-me ter recebido propostas de tradução de seu livro em vários países. Não aceitou, o livro é intraduzível. Os jogos de palavras em português não poderiam ser transportados a outra língua. Entre os vários tipos de chatos, o autor situa os catequéticos: são aqueles que tentam nos catequizar. O tempo todo querem converter-nos à sua religião, ao seu partido, ao seu time de futebol, ao seu esporte preferido.

    É o caso dos analisados. (Se bem que prefiro dizer analisadas, já que estes espécimes existem mais no feminino). Se contestamos a psicanálise, a resposta vem de bate-pronto: estás precisando de análise. Quanto às duas ou mais pessoas que fazem análise conversam entre si, vou discordar. Conforme uma das leis da chateação de Figueiredo, dois chatos entre si não se chateiam.

    Como não pertenço à raça das analisadas, com elas sempre tive conflitos. Quando uma pessoa destina parte de seu salário para pagar um analista por dez, vinte ou mais anos, de nada adianta dizer-lhe que entrou numa fria. Teria de admitir que sua vida toda – ou quase toda – foi um erro. É o mesmo dilema dos velhos acadêmicos comunistas. Renunciar ao marxismo significaria admitir que todas suas obras não passavam de lixo. Para um velho, isto não é fácil admitir. Niemeyer, por exemplo, jamais aceitaria a idéia de que sua vida toda foi um equívoco.

    De minhas relações com as moças – e não foram poucas – fiz algumas observações. Elas todas desenvolveram um certo sistema de defesa. Quando não conseguem se contrapor a um argumento lógico, apelam a um recurso aparentemente eficiente: “ isso, eu me recuso a discutir”. E encerram a conversa.

    Cansei de ouvir isso em minha vida. Há muitos anos, conversando com uma analisanda, ela contou-me que tinha feito uma viagem à Europa. Espero que não tenhas ido pela Varig – aventei. Porque ir pela Varig era a maneira mais burra de voar. Ela foi rápida: se insistes nisso, vou embora e não pago a conta. Tudo bem – respondi – pago a conta com prazer.

    Mas não foi embora. Contou-me que, em Lisboa, havia perdido seu passaporte. Foi perguntar a seu analista porque havia perdido seu passaporte. Ou seja, ela não sabia porque havia perdido o documento. Teve de perguntar ao analista, que não estava em Lisboa e certamente não tinha a mínima idéia de porque ela perdera o passaporte.

    Mas se não tinha a mínima idéia, tinha uma resposta: “Você queria despir-se de sua identidade – disse o guru. Ora, objetei, se querias perder tua identidade, melhor perder tua carteira de identidade. Mas jamais o passaporte. Stephan Zweig já dizia: o homem não é apenas corpo e alma. É corpo, alma e passaporte.

    Curiosamente, boa parte das analisandas contemporâneas são petistas. Pelo jeito, precisam de suporte para suportar as contradições do partido. Dizia eu outro dia a uma destas moças: lembras de quando o PT denunciava as privatizações? Lembras de quando o PT denunciou Fernando Henrique por ter privatizado a telefonia? Lembras de quando se pagava quatro mil dólares por um telefone fixo? Como entender então a dona Dilma, que agora propõe a privatização de aeroportos?

    – Ah! Isto eu me recuso a discutir.

    Então tá. Costumo afirmar que certas vigarices só enganam pessoas com certo nível cultural. Quem faz análise, de modo geral, tem formação universitária. É o mínimo que se exige para ser marxista ou psicanalisada. Meu barbeiro, minha faxineira, meus garçons, meus taxistas, jamais cairiam em tais engodos.

    Mas não se pode generalizar. Admito que há psicanalistas sensatos. Há muitos anos, quando vivia ainda em Porto Alegre, conheci uma moça em meus botecos. Uma semana depois, para minha surpresa, ela bateu à porta de meu apartamento.

    – Meu analista me liberou para te visitar.

    Se liberou, então entra. Quem sou eu para contestar um cientista? Ao sair, pedi que passasse meu endereço ao sábio analista, para que me enviasse suas outras clientes.

    – Enviado por Janer hilarious)

  80. Carlão said

    Ao querido Tio rui barbosa do Pará, s.m.j

    Mais uma vez obrigado por seus candentes elogios.
    Não se amofine.Não o comparei ao Rui Barbosa histórico por sua carreira política ou inteligência. Nem se preocupe em criticá-lo.
    O seu apelido decorre de sua baixa estatura, perceptível ao ler seus escritos e elogios.
    O Rui também era baixinho, em torno de 1,5 m., como tu, “pouca-sombra”.

    Não fique envergonhado.
    Cá entre nós, qual é o número do seu sapato? Sem mentir hein?
    Tenho um amigo que trabalha na Footlocker Kids e posso
    descolar um snicker Mickey Mouse Adidas com desconto.
    Quanto menor o pé mais bonitinho fica.
    Usando com roupinha de marinheiro então fica uma gracinha.
    Xuxa, a rainha dos baixinhos, iria adorar.
    P.S. Se não houver loja de roupa infantil ai onde moras avisa
    que eu mando alguém
    comprar e despachar pra ti. Não se acanhe.

    É só pedir.
    hehehe

  81. Olá!

    Não havia ainda notado o desafio que o Elias propôs ao pessoal, digamos assim, não-esquerdista daqui do site do Pax.

    Fiquei surpreso ao ler tal desafio e, honestamente, não entendi muito bem qual seria o objetivo de tal contenda.

    De minha parte, eu declino tal proposta. Declino não por falta de argumentos, dinheiro ou coisas tais, mas, sim, pela pura e simples razão de que discutir com o Elias é perda de tempo e de preciosas palavras. Uma pessoa que modifica os fatos ao seu bel prazer e da falta de coerência argumentativa, sinceramente, não merece que eu dedique uma parte do meu precioso tempo para uma argumentação.

    Exemplos, aqui mesmo no site do Pax, há aos montes. Eu destaco alguns. Em um deles, o Elias afirmou que a verdadeira riqueza das nações é fruto da pilhagem e do roubo que as nações mais fortes exerceram sobre as mais fracas. Em um outro comentário, o Elias afirma que “‘Liberdade de empreender’ é potoca!”.

    Juntando os dois comentários, é como se o Elias dissesse que liberdade econômica e liberdade de empreendimento são bobagens inúteis, pois a verdadeira riqueza das nações é proveniente da exploração e da pilhagem que as nações mais fortes exerceram sobre as mais fracas, sendo o mérito da existência de uma Apple ou de um Google a simples consequência dessa exploração (já que os americanos conquistaram belicamente a Califórnia dos mexicanos) e não o resultado de todo um processo que os americanos deram início quando implantaram toda uma rede de valores, leis e instituições após conquistarem a Califórnia.

    Mais um exemplo, quando o Elias afirma o seguinte sobre o liberalismo e a natureza humana:

    “Lamentavelmente, o liberalismo jamais pôde — e, provavelmente, jamais poderá — ser colocado em prática em toda a sua extensão. Não tem viabilidade prática, porque parte do princípio de que o ser humano é, essencialmnente, um animal sensato e decente. E sabemos que não é.”

    Enquanto que, na realidade, praticamente todas as instituições construídas sobre os pilares do liberalismo apontam para uma direção oposta a essa e mostram uma enorme desconfiança em relação à natureza humana.

    Depois de ler essas barbaridades, eu decidi não mais perder meu tempo com esse tipo de gente. Se esse tipo de pessoa é capaz de afirmar todas essas barbaridades em uma simples argumentação que não vale sequer 1 centavo, imaginem o que gente assim não seria capaz de afirmar em uma argumentação que vale algo entre R$ 100.000 e R$ 350.000, não é mesmo?

    Além do mais, se eu tivesse à minha disposição uma quantia entre R$ 100.000 e R$ 350.000 para fazer doação, eu iria doá-la imediatamente, sem necessitar de demonstrações baratas de um saber político que eu, de fato, não tenho.

    Até!

    Marcelo

  82. Olá!

    Apenas corrigindo uma parte do comentário acima.

    Onde há “Uma pessoa que modifica os fatos ao seu bel prazer e da falta de coerência argumentativa”, leia-se “Uma pessoa que modifica os fatos ao seu bel prazer e se utiliza da falta de coerência argumentativa”.

    Sorry!

    Até!

    Marcelo

  83. Elias said

    Carlão.

    Não entendi essa tua fixação em baixinhos.

    Qualé, rapaz? Te apaixonaste por algum baixinho que te desprezou?

    Não te desespera, rapaz! Mesmo alguém repugnante como tu pode ser feliz.

    Só porque és uma pessoa nojenta e desprezível, não significa que, um dia, não encontrarás tua alma gêmea ou caridosa, que se disponha a levar a felicidade ao pústula que tu és.

    Mas acho que deves sair do armário, florzinha. Fica difícil o baixinho dos teus sonhos se interessar por ti, se continuares enrustido, negando tua própria natureza, tirando uma de machão, quando tudo o que queres na vida é rosetar com a brachola de um baixinho.

    Assume, frutinha! Assume e sai em busca da felicidade. Vai tratar sexualmente essa tua agressividade patológica e imbecil.

    Infelizmente, não poderei te ajudar, mesmo que penses que eu sou o baixinho dos teus sonhos (e eu não sou, Carlota, podes ficar certa).

    Não me entende mal. Não tenho nada contra essa tua opção ainda não assumida, apesar dela ser uma doença nojenta, um hábito asqueiroso…

    É que eu não trabalho com esse artigo, entendeu Carlota?

  84. Elias said

    Marcelo,

    Mais uma vez me decepcionaste.

    De ti, esperava algo mais inteligente. E mais honesto.

    Ora, Marcelo: fiz uma declaração completa, afirmando que, em seu mandato anterior, o atual governador do Pará, Simão Jatene, infringiu disposições da LC 101 e do CPB. E reproduzi, textualmente, que disposições da LRF e do CPB ele infringiu.

    A partir daí, me dispus a provar o que afirmei, em juízo ou fora dele.

    O que significa provar EM JUÍZO, Marcelo?

    Significa que a questão será objeto de contenda judicial. Não se trata de ME convencer nem de TE convencer de nada Marcelo. Trata-se de convencer Á AUTORIDADE JUDICANTE, Marcelo.

    Se não tens interesse nem condições de encarar a parada, Marcelo, não encara. Não vejo nenhum problema nisso.

    Agora, tentar sair pela tangente, desqualificando o desafiante sem apresentar argumento, meu caro, é COVARDIA e BURRICE.

    Como todos os que leram teu comentário, a esta altura, já sacaram.

  85. Olá!

    Elias, veja bem, eu tenho outras coisas para fazer em vez de ficar por aqui perdendo meu tempo em argumentações inúteis.

    Se decepcionei você, Elias, lamento, mas não estou aqui para agradar aos outros ou seja lá quem for. Comento aqui no site do Pax para mostrar meus pontos de vista e minhas concepções sobre economia, leis, política e etc.

    Isso aqui vale um comentário:

    “Agora, tentar sair pela tangente, desqualificando o desafiante sem apresentar argumento, meu caro, é COVARDIA e BURRICE.”

    Essa é a versão Reinaldo Azevedo do Elias.

    E você, Elias, ainda quer que eu participe de uma argumentação que vale algo em torno de R$ 100.000 a R$ 350.000?!?!?

    Se em um simples comentário, que não vale sequer 1 centavo, você me xinga gratuitamente, imagine o tipo de coisas que eu não teria de ler em uma argumentação valendo uma considerável soma em dinheiro, não é?

    De minha parte, Elias, não acho você covarde e/ou burro. Apenas considero que você modifica os fatos de acordo com a sua conveniência argumentativo-ideológica e você opina sobre determinados assuntos nos quais você não tem o mínimo de conhecimento sobre os conceitos mais básicos (vide a sua opinião sobre o liberalismo e a natureza humana).

    No mais, eu não fugi pela tangente, apenas mostrei minhas breves considerações para não participar de tal desafio. Aliás, o seu comentário acima (#83) apenas corroborou o ponto que coloquei no meu comentário anterior (#81).

    Até!

    Marcelo

  86. Olá!

    Correção.

    Onde há:

    No mais, eu não fugi pela tangente, apenas mostrei minhas breves considerações para não participar de tal desafio. Aliás, o seu comentário acima (#83) apenas corroborou o ponto que coloquei no meu comentário anterior (#81).

    Leia-se:

    No mais, eu não fugi pela tangente, apenas mostrei minhas breves considerações para não participar de tal desafio. Aliás, o seu comentário acima (#83) apenas corroborou o ponto que coloquei no meu comentário anterior (#80).

    Sorry!

    Até!

    Marcelo

  87. Elias said

    Marcelo,

    Mais uma vez, pra que tu não possas nunca te fazer de desentendido:

    1 – TU disseste que discutir comigo é perda de tempo, porque eu acho que a riqueza das nações decorre de pilhagens, etc, etc.

    2 – EU, estou dizendo que, no caso, não se trata de uma questão de mútuo convencimento. Trata-se de um desafio, no qual, quem deverá ser convencido é o julgador do desafio e não os querelentes.

    3 – Assim, criatura, tanto faz que os querelentes “A” ou “B”, sejam ou não teimosos, ou se deixem ou não convencer. O que interessa é o que pensará o julgador.

    4 – Assim, as razões que deste pra não aceitar o desafio não são válidas.

    5 – Nem cabe dizer que estás fugindo pela tangente, porque não estás tangenciando nada. Estás fugindo, simplesmente.

    6 – É mais honesto e inteligente, Marcelo, dizer, simplesmente, que não está a fim, e pronto. Agora, apresentar as razões que apresentaste é BURRICE, Marcelo.

    7 – E tu não és burro. Lê de novo o que tu mesmo escreveste, e verás que deste um mau passo.

  88. Olá!

    Veja, Elias, eu declino o seu desafio pelo fato de eu não ter o tempo disponível para tanto e, principalmente, pelo fato de que discutir com você é perda de tempo (ver as considerações do meu comentário #80).

    Não é bem uma questão de falta de vontade, basta ver quantas argumentações travei aqui com você e outros comentaristas do site do Pax. O detalhe é que vivemos em um mundo no qual os recursos são finitos, incluindo a minha paciência.

    No mais, se você tem disponível uma quantia entre R$ 100.000 e R$ 350.000, não seria mais interessante você mesmo abrir um processo contra o governo do seu estado para avaliar os pontos que você colocou no seu desafio?

    Boa sorte com o seu desafio. Espero que os paraenses possam colher coisas boas a partir disso.

    Até!

    Marcelo

  89. Carlão said

    Marcelo também é uma flor de pessoa.
    Tão educado! Intelectual!
    Não entendi nada, mas adorei…!
    Estou torcendo por ele!
    hehehe

  90. Elias said

    Marcelo,

    Mais uma vez: se me interpelares judicialmente, NÃO VAIS DISCUTIR COMIGO (aliás, pra quem não quer discutir comigo, estás te referindo demais ao que escrevo…).

    Se tu AINDA não sabes do que estamos falando, vou ser ainda mais detalhado: no caso de interpelação judicial, os querelentes nem podem dirigir a palavra um ao outro. Aliás, na maior parte do tempo, que se pronuncia são os respectivos advogados. Os querelentes falam apenas se perguntados pelo(a) juiz(a) e só a este(a) é que respondem.

    Por exemplo: se meu advogado quiser fazer uma pergunta a ti, ele não se dirigirá à tua confusa pessoa. Ele fará a pergunta ao juiz, que a transmitirá a ti.

    E, MAIS UMA VEZ, MARCELO, a controvérsia de que estamos tratando, não implica um de nós convencer ao outro.

    Implica um de nós demonstrar À AUTORIDADE JUDICIAL, que são verdadeiras as afirmações que fez, competindo ao outro demonstrar, à mesma autoridade judicial, que as tais afirmações são falsas.

    Vale dizer: não estarias discutindo comigo, mas COM O JUIZ, MARCELO. COM O JUIZ! Do teu ponto de vista, as minhas alegações seriam, apenas, o objeto de que tu te servirias, pra obter a minha condenação.

    Não enrola, e não tenta parecer mais burro do que já estás parecendo.

  91. Olá!

    Elias, veja bem, eu não tenho interesse no seu desafio e já expliquei mais acima as minhas considerações para tanto.

    É claro que desde o começo eu tinha em mente que haveria uma terceira parte (uma autoridade judicial) envolvida na argumentação e que seria responsável por avaliar as considerações de ambas as partes.

    Ainda que a argumentação fosse indireta, isto é, sem uma das partes dirigir-se diretamente à outra, considero que teria de lidar com o seu já conhecido estilo de argumentar muito bem documentado aqui nos comentários do site do Pax. Afinal de contas, não é a natureza de como um debate é desenvolvido que muda a natureza dos argumentadores.

    Por exemplo, se tal debate fosse sobre o liberalismo e como tal conjunto de valores considera a natureza humana, eu teria de lidar com aqueles seus erros fundamentais sobre tal assunto. E quando digo fundamental é fundamental mesmo, coisa de quem, ao que parece, nunca leu nada a respeito.

    Só me referi à sua pessoa, Elias, pelo fato de você ter tocado no meu singelo nome no comentário em que você propóe o tal desafio aos comentaristas não-esquerdistas daqui.

    No mais, Elias, ao declinar de tal desafio, eu acabo lhe prestando um singelo e mui humilde favor, pois, assim, evito que a sua pessoa viesse a passar por um possível embaraço público diante de autoridades judiciais e profissionais da advocacia.

    Sucesso com o seu desafio.

    Até!

    Marcelo

  92. Olá!

    Correção.

    Onde está escrito:

    Afinal de contas, não é a natureza de como um debate é desenvolvido que muda a natureza dos argumentadores.

    Leia-se:

    Afinal de contas, não é a natureza de como um debate é desenvolvido que muda a natureza de argumentar das pessoas.

    Sorry!

    Até!

    Marcelo

  93. Chesterton said

    é impossível argumentar com quem muda o significado das palavras de a\cordo com suas conveniências, Marcelo, a única coisa possível é rir apontando as discrepâncias. Elias, “a-direita-não-tem-o-monopólio-do-capitalismo”, anda muito nervoso.

  94. Pax said

    Inacreditável o esforço para acabarem com este blog NÃO progressista.

    Ainda bem que a teimosia pode ser uma virtude.

    Sou de um tempo em que argumentar, permitir opiniões contrárias etc era estimulado. E, também, de um tempo em que ser vencido em uma discussão, por ter piores argumentos, era considerado um privilégio, um método de aprendizado.

    Acho que estou anacrônico nestes tempos de trollagem.

  95. Chesterton said

    este blog NÃO progressista.

    chest- hein? Mudou de lado tambem?

  96. Patriarca da Paciência said

    E aí, Chesterton,

    O Geraldo Alckmin não vai mais te pagar pelos teus plantões fantasmas?

    Vais ter que bater cartão ponto com as digitais?

    Que vergonha para a classe médica!

  97. Pax said

    Ora, caro Chesterton,

    Este blog se dedica a colecionar notícias sobre corrupção. E há corrupção para todos os lados na política nacional. Seja de quem está no poder, seja de quem estava no poder. Via de regra quem está no poder tem mais condições de produzir corrupção que quem não está, por motivos óbvios de posse temporária da chave do cofre da viúva.

    Os que se auto-entitulam “progressistas” são os que apóiam incondicionalmente o governo. Neste apoio, infelizmente, esquecem de criticar qualquer corrupção do governo. E há, sabemos muito bem que há. Como há, também, do outro lado.

    Este blog, somente pelo seu mote, dentro de um país corrupto como o nosso, não pode ter simpatias nem de um lado, nem do outro. Nasceu para ser antipático, em essência.

    O que fico incomodado é o fato dos blogueiros auto-intitulados progressistas estarem fazendo um desfavor ao Brasil. Pelo menos vejo assim e explico: suponha que os tais blogs continuassem da mesma forma que estão, apoiando o governo. Claro que teriam este direito. É óbvio que sim. Assim como os blogs que criticam o governo. Agora suponha que todos os blogs, tanto os que apoiam quanto os que criticam o governo, passassem, também, a criticar diuturnamente a corrupção com a mesma gana, seja esta corrupção de qual berço vier. Acredito eu que o assunto corrupção tomaria um lugar na pauta nacional bem maior que existe hoje. E de forma bastante diferente que existe hoje.

    E como este blog acredita que é exatamente a corrupção que desvia o país de um rumo melhor que poderia estar, não consigo ter um tal lado como você quer dizer que tenha, pelo que interpreto. Não acho que seja verdadeira esta afirmação. Tanto que este blog aceita críticas diariamente. Nunca houve, que eu me lembre, corte de comentários aqui porque o blog tenha sido acusado de parcialidade ou algo deste gênero.

    As tesouradas deste blog, poucas, diga-se, são de outra natureza. E acredito que estejam dentro do que podemos chamar de democracia de opiniões, onde todas têm direito de existir, dado pouquíssimas restrições a que o blog se sente no absoluto direito de executar.

  98. Chesterton said

    Capitalista e não progressista= reacionário, esse foi seu mote sempre.

  99. Olá!

    Não acho o site do Pax “progressista” ou coisa do tipo. Pode até ter um certo viés esquerdista, mas não ao estilo da esquerda brasileira que idolatra sem-terra, sindicato e estatal. Acho que o próprio Pax se sentiria mais confortável em um partido de esquerda realmente moderno, ao estilo do trabalhismo inglês e/ou da social-democracia escandinava. e não nessas estrovengas esquerdistas ainda retrógradas em diversos sentidos e que há no Brasil.

    Isso aqui vale um comentário:

    “O que fico incomodado é o fato dos blogueiros auto-intitulados progressistas estarem fazendo um desfavor ao Brasil. Pelo menos vejo assim e explico: suponha que os tais blogs continuassem da mesma forma que estão, apoiando o governo. Claro que teriam este direito. É óbvio que sim. Assim como os blogs que criticam o governo. Agora suponha que todos os blogs, tanto os que apoiam quanto os que criticam o governo, passassem, também, a criticar diuturnamente a corrupção com a mesma gana, seja esta corrupção de qual berço vier. Acredito eu que o assunto corrupção tomaria um lugar na pauta nacional bem maior que existe hoje. E de forma bastante diferente que existe hoje.”

    Pax, não é à toa esse apoio chapa-branquista dos tais “blogueiros progressistas” ao governo do PT. Tem muita gente esperta dentro desse meio “progressista” que pretende obter um naco de financiamento para os seus blogs via dinheiro público. Há até um documento registrando isso:

    “4. Reivindicamos a elaboração de políticas públicas que incentivem a blogosfera e estimulem a diversidade informativa e a democratização da comunicação. Os recursos governamentais não devem servir para reforçar a concentração midiática no país.”

    Nos países desenvolvidos, há toneladas e mais toneladas de blogs particulares que se mantêm por conta própria e sem a necessidade de financiamentos via dinheiro público.

    Esses “blogueiros progressistas” gostariam que, no Brasil, os seus blogs também pudessem se manter economicamente por conta própria. O problema é que o Brasil não é um país desenvolvido e os brasileiros não têm o hábito de ler blogs (e muito menos o de fazer doações para blogs). Sem contar que o “blogueiro progressista” local hostiliza com todas as suas forças todos os valores que tornaram possível aos blogueiros do mundo civilizado manterem seus blogs sem necessitar de financiamentos estatais.

    É a velha história paradoxal e problemática da esquerda brasileira: A esquerda brasileira quer imitar a ordem social dos países civilizados mas sem aderir às medidas econômicas que tornam possível tal ordem.

    Pax, é muito boa a sua idéia de que quanto mais pessoas estiverem criticando a corrupção melhor para a sociedade como um todo. O único detalhe é que eu não esperaria que os tais “blogueiros progressistas” fizessem isso. É uma gente sem independência nenhuma.

    Até!

    Marcelo

  100. Chesterton said

    ..assim uma social democracia grega, ou portuguesa, você quer dizer né Macelo?

  101. Elias said

    Realmente, é impossível debater SERIAMENTE, com quem muda o que diz que pensa a torto e a direito.

    Exemplo:

    1 – Por R$ 250 por mês, é possível obter ensino de qualidade média-boa.

    2 – Mesmo as escolas particulares brasileiras não prestam. Na escola onde estuda meu filho, top no RJ, a professora de biologia vive evitando as perguntas dos alunos, dizendo que “…isso é matéria do ano passado…”.

    3 – As escolas particulares do Brasil são boas. Só no RJ é que elas não prestam.

    Autor dessas pérolas: CHESTERTON.

  102. Elias said

    “No mais, Elias, ao declinar de tal desafio, eu acabo lhe prestando um singelo e mui humilde favor, pois, assim, evito que a sua pessoa viesse a passar por um possível embaraço público diante de autoridades judiciais e profissionais da advocacia.” (Marcelo)

    “Declinar de tal desafio” é eufemismo pra “fugir da raia”, “tirar da reta”, “ficar de costas pra parede” e outras expressões precisas tanto quanto.

    Ao fugir da raia, estás mais é prestando um favor a ti mesmo!

    Em primeiro lugar, porque, se aceitasses o desafio, terias que casar de R$ 100 mil a R$ 350 mil e, provavelmente, não tens essa disponibilidade sobrando pra enterrar em solo mole.

    Em segundo porque, certo como dois e dois, jamais terias esse dinheiro de volta (porque serias derrotado), e não seria nem um pouco inteligente perder essa grana toda só pra segurar um alinhamento político com alguém que, provavelmente, nem conheces pessoalmente (no caso, a pessoa que postou o comentário que provocou meu desafio).

    Em terceiro, porque há uma enorme distância entre “fazer um discurso político” e “levar esse discurso pro terreno da conseqüência prática”. O segundo estágio não é pra qualquer um. Não é pra maioria das pessoas. Seguramente, não é pra ti…

    Não é necessário que continues te justificando. Todo mundo aqui já sacou quais são as tuas razões.

    E nem estás só na distância que manténs entre discurso e coragem pra assumir os riscos do discurso.

    Cadê o partido liberal que os liberais não têm coragem nem disposição de trabalho pra criar, preferindo parasitar siglas partidárias que, já na própria denominação, nada têm de liberais?

    Estou me referindo a um padrão de comportamento, Marcelo, se ainda não percebeste…

  103. Chesterton said

    A burrice, quando crônicva , fica quse insuportável

    1 – Por R$ 250 por mês, é possível obter ensino de qualidade média-boa.

    chest- sim, é possível, não ótima, de ponta mas boa. Ensinar a ler, escrever, pensar e fazer as 4 operações matemáticas não sai caro.

    2 – Mesmo as escolas particulares brasileiras não prestam. Na escola onde estuda meu filho, top no RJ, a professora de biologia vive evitando as perguntas dos alunos, dizendo que “…isso é matéria do ano passado…”.

    chest- sim, é verdade, apesar de cobrarem uma baba, são cheias de defeitos.

    3 – As escolas particulares do Brasil são boas. Só no RJ é que elas não prestam.

    chest- essa conclusão é tua, pois creio que nos outros estados tambem não sejam tão boas.

    As escolas particulares em média são melhores que as públicas, ainda assim tem defeitos além da conta. Não é porque sejam melhores que as públicas que automaticamente se tornam excelentes

    Entendeu? Ou quer que desenhe mais uma vez?
    (Vá ler o Ioschpe)

  104. Elias said

    Pax,

    Devo fazer algumas restrições à tua conduta.

    Como é possível facilmente perceber, pela consulta ao arquivo do blog, existem pelo menos 2 pessoas que quase nem se dão ao trabalho de argumentar com quem pensa diferente deles: partem logo pra ofensa pessoal.

    Não atacam o argumento; atacam quem argumenta.

    Trata-se, notoriamente, de uma mática intimidatória, que, em outros blogs, já provocou o afastamento de alguns comentaristas; pessoas cuja opinião valia a pena se conhecer, mesmo que se discordasse delas.

    Dá uma olhada no que ocorreu no post sobre as agências reguladoras. Vínhamos batendo um papo — Vilarnovo, Patriarca, tu, eu — sobre o assunto.

    Aí pinta o sujeito de sempre, com as imundícies de sempre (e sempre com o apoio do Chesterton que, espertinho, só atiça o cidadão, sem meter a cara, ele próprio).

    Enche o saco, Pax! Tem quem prefira não revidar, e eu respeito isso. Mas não é o meu caso, evidentemente. Eu revido, na mesma moeda.

    Qual o problema que vejo na tua conduta?

    É que, por muito tempo, deixaste rolar. Não fizeste nada pra inibir esse tipo de comportamento, ao contrário do que fazia, p.ex., o PD.

    O Dória dizia: “Meu blog é minha casa. Não permito que o sujeito entre na minha casa chutando os móveis, ofendendo os visitantes, etc.”.

    Tu, não! Tu deixaste rolar. É só ver, p.ex., o que foram os debates durante as eleições do ano passado.

    Entendo as tuas razões. Provavelmente, tens que combinar a administração do blog com tuas atividades profissionais que, no frigir dos ovos, é que põem à mesa. Imagino o que tens renunciar, a cada dia, pra segurar uma iniciativa como esta.

    Além do mais, um blog como este, que bate da direita à esquerda, não dá nem jamais dará dinheiro. Mexe com tanta gente, e com tantas tribos, que nunca será um sucesso acima da média. Nem foi feito pra isso, aliás.

    Sempre vi o PolíticAética como aquele pentelho que desafina o côro dos contentes…

    Mas fato é fato. E o fato é que deixaste rolar as ofensas pessoais. Ao fazer isso, acabaste contribuindo para que essas pessoas se convencessem de que sua tática de “argumentação” era aceitável para o blog.

    É uma pena.

  105. Elias said

    Chesterton # 103

    Sabia que dirias isso.

    Volta aos teus comentários originais, e verás algo diferente do que disseste agora.

    Terás que pedir ao Pax pra deletar teus comentários anteriores.

    Ou, então, eu reproduzo aqui.

    Desenhar? Eu passo! Se, escrevendo, já és isso, imagina desenhando…

  106. Patriarca da Paciência said

    “assim uma social democracia grega, ou portuguesa…”

    Deu no telejornal da Globo:

    “O governo de direita da Grécia escondeu a realidade das contas públicas. Apenas quando um governo social-democrata assumiu, a realidade veio à tona”.

    O que afundou Grécia e Portugal foi governos de direita!

    Não a resta a menor dúvida, nem para a Globo!

  107. Chesterton said

    Elias “0 capitalismo não é monopolio da direita” está nervosinho. Seu espírito autoritário agora pede que Pax interfira com Censura!!!
    Elias, use um saltinho alto.

  108. Olá!

    Elias, apenas para esclarecer o meu posicionamento e os seus pontos.

    Eu não estou fugindo de nada e a razão é bem simples: O seu desafio não me interessa. Como irei fugir de algo que sequer aceitei?

    No mais, não sou de ficar por aí fazendo a defesa de partidos políticos e de gente corrupta.

    Se há alguém aqui que faz parte de uma militância político-partidária, com filiação, carteirinha de partido, número de série, código de barras e tudo mais, esse alguém é você, não eu. Existe essa diferença entre nós.

    “Ao fugir da raia, estás mais é prestando um favor a ti mesmo!”

    Você, Elias, mais uma vez, não entendeu.

    Ao declinar de tal desafio, poupo você de ter de mostrar o seu já conhecido método argumentativo perante autoridades judiciais e de profissionais da advocacia. Seja tal argumentação direta ou indireta. É um mui humilde e mui singelo favor que lhe presto.

    “Em primeiro lugar, porque, se aceitasses o desafio, terias que casar de R$ 100 mil a R$ 350 mil e, provavelmente, não tens essa disponibilidade sobrando pra enterrar em solo mole.”

    Você dorme comigo para saber como anda o meu bolso, Elias? Eu hein. . . sai pra lá!

    “Em segundo porque, certo como dois e dois, jamais terias esse dinheiro de volta (porque serias derrotado), e não seria nem um pouco inteligente perder essa grana toda só pra segurar um alinhamento político com alguém que, provavelmente, nem conheces pessoalmente (no caso, a pessoa que postou o comentário que provocou meu desafio).”

    Acho que nesse ponto há um certo desentendimento da sua parte. Eu não quero mostrar alinhamento político-ideológico com nenhuma pessoa. Em todos os meus comentários anteriores, eu apenas mostrei minhas breves considerações sobre os motivos pelos quais argumentar com você é perda de tempo, sendo esta a principal razão de eu declinar do seu desafio.

    “Em terceiro, porque há uma enorme distância entre ‘fazer um discurso político’ e ‘levar esse discurso pro terreno da conseqüência prática’. O segundo estágio não é pra qualquer um. Não é pra maioria das pessoas. Seguramente, não é pra ti…”

    Bom, eu sou apenas um cidadão comum e não tenho intenção nenhuma de fundar um partido político. Ao longo da minha experiência de vida, tomei para mim valores que considero inegociáveis (liberdade de expressão, liberdade de imprensa, liberdade política, liberdade econômica, democracia, eleições, e etc.) e procuro avaliar o mundo e as coisas por essa ótica.

    Acho que não preciso reinventar a roda quando tais valores já estão sendo postos em prática (ainda que o processo que os colocou em prática seja recente — 1985). O que conta mesmo é buscar utilizar os meios pacíficos e democraticamente estabelecidos para preservar e melhorar gradativamente todas essas liberdades, instituições e demais valores liberais, fazendo com que, assim, a sociedade possa cada vez mais experimentar e absorver tudo isso.

    “Não é necessário que continues te justificando. Todo mundo aqui já sacou quais são as tuas razões.”

    Todo mundo quem? Você?

    “Cadê o partido liberal que os liberais não têm coragem nem disposição de trabalho pra criar, preferindo parasitar siglas partidárias que, já na própria denominação, nada têm de liberais?”

    O que eu gostaria que houvesse no Brasil não é bem um partido liberal puro sangue, mas, sim, que os partidos à direita e à esquerda pudessem agregar mais valores liberais às suas práticas.

    No mundo civilizado é isso o que acontece. Por exemplo, o pessoal mais conservador tende a aderir mais aos princípios econômicos do liberalismo, enquanto que as esquerdas tendem a agregar mais os aspectos dos direitos civis, mas sem solapar a liberdade econômica, liberdade de empreendedorismo e coisas tais (vide o caso da esquerda européia e do Partido Democrata americano — só aqui mesmo, no Brasil, que a esquerda ainda é uma das mais jurássicas do planeta e fica nessa ladainha de “neoliberalismo” e etc.).

    Você mesmo, Elias, afirmou há um tempo atrás que a esquerda pode também fazer a defesa do capitalismo e do empreendedorismo. Eu concordo 100% com você, mas não se a esquerda em questão for a esquerda brasileira.

    Se o partido social democrata sueco viesse ao Brasil disputar uma eleição presidencial contra o PT, imediatamente os petistas rotulariam tal partido de “neoliberal”, “entreguista das riquezas nacionais”, “americanizado”, “reacionário”, “golpista”, “privateiro” e etc.

    A esquerda do mundo civilizado não menospreza os valores que deram ao mundo o iPhone, o Google e a Internet. Bem diferente da esquerda brasileira que idolatra sem-terra, sindicato e estatal (vide o caso recente da estatal de microchips que nada produz e compare isso com as empresas de tecnologia que são comandadas por empreendedores e não por politicos).

    Elias, quem seriam esses liberais que parasitam os partidos alheios?

    Se você citar gente como Kátia Abreu, Kassab e Cia., é passar gratuitamente recibo de ignorância quanto ao que é liberalismo e valores liberais. Aliás, isto você já fez mais de uma vez quando tentou divagar sobre o liberalismo. Portanto, não ficaria surpreso se você os citasse.

    No mais, sucesso com o seu desafio.

    Até!

    Marcelo

  109. Olá!

    Elias, eu escrevi algo que lhe ofendeu?

    Se for o caso, eu gostaria de saber onde está tal comentário e pedirei ao Pax que imediatamente delete tal comentário.

    Até!

    Marcelo

  110. Elias said

    Marcelo,

    I
    Meu comentário sobre ofensas não tem nada a ver contigo.

    II
    Se o assunto do desafio não te interessa, não deverias ter te dedicado tanto a ele.

    Simplesmente deverias tê-lo ignorado ou, se tanto, dizer: isso não me interessa.

    Quiseste ir além disso e acabaste abrindo o flanco…

    Não é preciso dormir com alguém pra saber se o cara tem ou não disponibilidade financeira, ou, ainda, tendo alguma, se tem peito pra arriscá-la em alguma coisa que, aparentemente, o cara acredite.

    É só desafiá-lo a correr esse risco.

    Se o cara tiver grana e cojones pra arriscá-la, ele mete os peitos. Senão tiver uma ou outra, ele fica à sombra.

    Se, além disso, não tiver noção do ridículo, ele ficará arranjando desculpa pra não dar na vista que amarelou.

    E, quanto mais se justificar, mais parecerá que amarelou.

    III
    Os liberais brasileiros que parasitam os partidos alheios, Marcelo?

    Fácil: TODOS!

    Por preguiça, incompetência ou inconseqüência, os liberais brasileiros até agora não moveram uma palha pra fundar seu próprio partido.

    Não vou citar nomes, porque quem gosta de dar atestado ideológico às pessoas são os fascistas (que, no Brasil, vivem de braços e abraços com os liberais).

    É só pegar qualquer um brasileiro que se autodenomine “liberal”. Ele fez ou está fazendo alguma coisa pra organizar um partido político de ideologia liberal? NÃO!

    E como esse autodenominado “liberal” atua, politicamente? Filiando-se a um partido que nada tem de liberal e/ou apoiando políticos que, tembém, nada têm de liberais.

    Esses partidos e os políticos nada liberais são os “hospedeiros” do liberal brasileiro, seja ele “meia-boca”, “boca-inteira” ou “boca-e-meia”, pra usar — e abusar — da terminologia do Pax, o que quer que isso signifique.

    Discurso político sem prática política é pura perda de tempo. Ou coisa pior…

  111. Elias said

    Chester,

    Pega o cara que disse que te ensinou a pensar e processa por estelionato.

    Ele te enganou!

    Salto alto, eu?

    Não faz meu estilo, Chester. Eu topo qualquer parada. Sei argumentar em termos educados ou no baixo nível.

    Evidentemente que prefiro debater em termos educados. Tanto que jamais tomo a iniciativa de ofender quem quer que seja.

    Nervoso?

    Realmente não tens a menor idéia de como sou. Eu me divirto escrevendo meus comentários. Na verdade, uso isso pra relaxar.

    E contraditar gente como tu é galho fraco…

  112. Pax said

    Caro Elias,

    Não me lembro do Pedro Doria ficar cortando brigas entre participantes. Sinceramente não lembro. Raramente aconteciam cortes, principalmente por assuntos fora do tema.

    Mas aceito tua crítica, sim. Claro. Não é de hoje que temos uma relação de respeito que muito me agrada e você sabe disso.

    E retribuo com outra, que espero que recebas da melhor maneira possível. Depois de tantos anos participando de blogs, seja como comentarista, seja como autor e aqui onde sou mais um “responsável” comentarista (na medida que mais coleciono notícias que coloco opiniões) que participa do debate, a gente acaba percebendo comportamentos que são definidos como troll. E esta definição é complicada, não é exata, nem mesmo as pessoas com este comportamento são iguais e nem sempre são 100% dentro dele, mas sempre, com certeza, o cara vem agredir o dono do blog e os participantes mais influentes. Bem, não vou me atrever a querer dar outra definição. A que existe na Wikipedia é a melhor que conheço. ( http://pt.wikipedia.org/wiki/Troll_(internet) )

    Bem, o pior Troll é aquele que nem quer admitir que é. Ele age assim mas pensa que se isso existe é no vizinho do lado, que jamais é com ele.

    E agora a tal da minha crítica: o que é o pior que se pode fazer com um troll? Alimentá-lo. Este é o conselho que todos os experts da internet dão, de A a Z. E, de uns dias para cá, acredito que você tenha se dedicado a isso.

    Por favor, pedido sincero, passe batido, não responda, pense que não existiu. Se eu tiver que ficar controlando tudo não dá, como você mesmo disse acima com absoluta precisão e pontaria. Isso aqui não dá dinheiro e nunca vai dar. Este blog não será jamais classificado com “progressista” pela turma que só sabe aplaudir seu lado e fazer vista grossa.

    Se eu tiver que fazer um blog pré-moderado fica um saco e se eu tiver que censurar alguém eu perco meu imenso prazer em dizer que o titio histérico (e outros, mas este é o mais patético) é qualquer coisa que seja diferente de um democrata que acredita e estimula a liberdade de opinião e expressão.

    Pense sobre isso. E eu prometo pensar, também, numa forma de coibir estas agressões desnecessárias que atrapalham um bocado o desenrolar das discussões que tanto me ensinam.

    Mas uma coisa posso declarar com certeza, absoluta certeza: aqui TODAS as opiniões e expressões são bem-vindas. E TODAS as críticas idem. E sei que se você fizesse um blog, o tal eterno convite que te façoi, não teria comportamento diferente.

    Valeu, obrigado.

  113. Elias said

    Certo, Pax.

    E, Chester,

    O capitalismo não é monopolio da direita.

    Sei o quanto isso te irrita, porque desfaz a ilusão que te embala, de atribuir alguma respeitabilidade à direita.

    Esquece, Chester. A direita brasileira não é e jamais será respeitável.

    Tanto não é respeitável, que o direitista brasileiro nem tem coragem de se assumir como direitista. Ele parte pro estelionato, se dizendo “liberal” (que ele nunca foi nem será).

    Quando não dá mais pra enganar ninguém com essa balela, o direitista brasileiro começa a se dizer “conservador”.

    Se não colar, ele se dirá de “centro”, e que “esquerda” e “direita” não existem, e blá, blá, blá…

    Enfim, ele saltará de um estelionato pra outro.

    Só não terá a coragem moral de reconhecer abertamente o que todos os seus circunstantes estão cansados de saber: que ele é de direita.

    A tua cara, Chester…

    Se o cara não tem coragem ou tem vergonha de assumir o que ele realmente é, só pode ser porque boa coisa ele não pode ser.

    E, Chester: o capitalismo não é monopolio da direita.

  114. Chesterton said

    bla,bla,bla…

  115. Chesterton said

    22/06/2011 | 00:00
    Uma África
    Dados da Unicef, Fundo da ONU para a infância, revelam que o Brasil está só três pontos acima do Congo em analfabetismo: 17% x 14%.

    ch

  116. Elias said

    E aí, Chester,

    Quando terás coragem de te assumir como direitoba?

    Se e quando tiveres coragem moral pra isso (o que duvido), não esquece: o capitalismo não é monopolio da direita.

  117. Olá!

    Fico satisfeito em saber que não ofendi você, Elias.

    “Se o assunto do desafio não te interessa, não deverias ter te dedicado tanto a ele.

    Simplesmente deverias tê-lo ignorado ou, se tanto, dizer: isso não me interessa.”

    Eu sequer me dediquei ao seu desafio. Apenas toquei no assunto e apresentei as minhas razões para declinar de tal embate pelo fato de você, Elias, ter citado o meu singelo nome no comentário em que a sua pessoa propõe tal desafio aos comentaristas não-esquerdistas daqui do site do Pax.

    A razão de eu ainda estar argumentando com você é que você não entendeu as minhas considerações para declinar de tal desafio e fica me fazendo perguntas. Somente isso.

    Se eu nada tivesse dito a respeito do seu desafio, tempos depois você diria por aí que apresentou um desafio aos comentaristas não-esquerdistas daqui do site do Pax e que nenhum deles aceitou, todos ficaram quietinhos nos seus cantos e etc. Considero que eu tinha um certo dever em, pelo menos, apresentar as razões para não participar de tal contenda.

    “Não vou citar nomes, porque quem gosta de dar atestado ideológico às pessoas são os fascistas (que, no Brasil, vivem de braços e abraços com os liberais).”

    Ué, Elias, mas você mesmo, mais de uma vez, buscou definir quem é e quem não é de direita ou esquerda. Isso está registrando aqui mesmo nos comentário deste site e o próprio Vilarnovo notou isso também. Ele, inclusive, destacou que a esquerda brasileira, historicamente, sempre deu a si o monopólio de definir quem é e quem não é de direita ou de esquerda, logicamente que atribuindo à esquerda tudo aquilo que os esquerdistas consideram como essencialmente bom, e à direita tudo aquilo que for de natureza deletéria.

    E você ainda vem falar de fascismo e coisas tais.

    ‘”É só pegar qualquer um brasileiro que se autodenomine ‘liberal’. Ele fez ou está fazendo alguma coisa pra organizar um partido político de ideologia liberal? NÃO!

    E como esse autodenominado ‘liberal’ atua, politicamente? Filiando-se a um partido que nada tem de liberal e/ou apoiando políticos que, tembém, nada têm de liberais.”

    Você precisa entender o seguinte: A experiência do brasileiro com os valores liberais (democracia, liberdade de imprensa, liberdade de expressão, liberdade econômica, liberdade de empreendedorismo, eleições, separação entre os poderes e coisas tais) sempre foi bastante conturbada e houve inúmeras interrupções ao longo da história que impediram que o brasileiro pudesse experimentar e absorver tais valores. A tendência ao autoritarismo sempre esteve presente, ainda que tacitamente, até 1985. A nossa experiência com instituições e valores liberais ainda é muito recente.

    Adicione a isso o fato de que a tradição anti-liberal no Brasil sempre foi consideravelmente forte. Seja à esquerda, seja à direita, sempre houve essa tradição.

    A esquerda brasileira, tradicionalmente, é anti-liberal por ter ido buscar possíveis soluções aos problemas sociais e econômicos do Brasil em instituições e valores coletivistas (o marxismo e suas derivações) e/ou no autoritarismo, havendo, em dado momento, até mesmo a presença de grupos esquerdistas armados que queriam implantar, pela via do conflito direto com o Estado, uma ordem social construída sobre tais valores coletivistas. Mesmo a parte mais moderada da esquerda pré-golpe de 1964 se utilizava de instrumentos extremamente deletérios para as instituições (populismo, nacionalismo, estatismo e coisas tais). Isso também representa algo anti-liberal.

    Por exemplo, pegue a produção acadêmica da esquerda brasileira. Mesmo entre esses cidadãos e cidadãs iluminados pelas letras, há uma tradição extremamente anti-liberal e a produção intelectual dessas pessoas segue essa tradição anti-liberal. Aliás, os intelectuais, no geral, apresentam essa tendência anti-liberal.

    A direita brasileira, tradicionalmente, é patrimonialista e fisiológica. Ela se apropria do Estado e o converte em mera extensão de sua propriedade. Ela também segue a tradição anti-liberal. Os efeitos disso são conhecidos de todos os brasileiros.

    Assim posto, a inexistência de um partido liberal puro sangue não é nenhuma surpresa (e nem mesmo sei se os liberais brasileiros gostariam de um partido assim). Aliás, não apenas a inexistência de um partido liberal puro sangue, mas o próprio desprezo pelas instituições e valores liberais (vide a experiência brasileira com o autoritarismo).

    No entanto, com a redemocratização em 1985, a garantia de direitos fundamentais na Constituição de 1988 (discordo de alguns pontos dela, mas uma Constituição democraticamente implementada é muito melhor do que qualquer ditadura militar), a abertura econômica dos anos de 1990, a redução da participação do Estado na economia (pelo menos em relação ao que era até 1985), a estabilidade monetária trazida pelo Plano Real e coisas tais, tudo isso colocou em funcionamento um processo que permitiu aos brasileiros experimentarem um pouco dos valores e instituições liberais (seja em termos políticos, seja em termos econômicos).

    A própria esquerda brasileira teve de absorver um pouco tais valores para chegar ao poder, basta observar que o PT do Colégio Sion, de 1980, é muito diferente do PT de 2002. Aliás, o PT de hoje, inclusive, já fala em privatizar certos setores da economia, como aeroportos. Isso mostra que, mesmo por necessidade, o PT teve de apelar ao liberalismo econômico para lidar com um problema que a natureza anti-liberal petista não conseguiria resolver adequadamente. Se o PT continuar assim, talvez, dentro de uma década ele se torne uma esquerda mais civilizada e mais próxima dos seus colegas europeus e norte-americanos, deixando um pouco de lado essa coisa jurássica de idolatrar sem-terra, sindicato e estatal.

    À medida que o país e os brasileiros forem, gradativamente, experimentando e absorvendo valores liberais, os próprios partidos políticos terão de mudar consideravelmente as suas respectivas tradições anti-liberais.

    Espero que, um dia, os valores e instituições liberais triunfem no Brasil, pois nenhuma democracia moderna foi construída sem isso.

    Até!

    Marcelo

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: