políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

PSDB quer reabrir caso dos aloprados

Posted by Pax em 22/06/2011

PSDB protocola na Câmara pedido de reabertura de inquérito para investigar Mercadante por montagem de dossiê

Priscilla Mazzenotti – Repórter da Agência Brasil

Brasília – O PSDB pediu hoje (22), na Câmara dos Deputados, a reabertura do inquérito que, em 2006, investigou a denúncia de que o ex-senador pelo PT de São Paulo, Aloizio Mercadante, hoje ministro da Ciência e Tecnologia, teria encomendado um falso dossiê contra o então candidato ao governo de São Paulo, José Serra.

O líder do partido, Duarte Nogueira (SP), pediu ainda que o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Leandro Daiello Coimbra, reabra a investigação, feita pela Superintendência da PF em Mato Grosso, onde surgiram as denúncias. O inquérito foi arquivado por falta de provas quanto à autoria do suposto dossiê.

O pedido para reabertura dos inquéritos se deve à reportagem publicada pela revista Veja desta semana em que o bancário Expedito Veloso, um dos acusados de envolvimento no caso, afirma que Mercadante foi o mentor da elaboração do dossiê, o principal beneficiário do esquema e também um dos arrecadadores do dinheiro para levantar os documentos falsos.

“O que, sem dúvida, merece relevo, neste momento, é que essas informações, passadas pelo senhor Expedito Veloso, são mais do que suficientes para justificar o aprofundamento das investigações para, além de se indiciar o atual ministro Aloizio Mercadante, descobrir-se a origem do dinheiro e, finalmente, dar aos cidadãos brasileiros uma resposta efetiva sobre todo o ocorrido”, alega Duarte Nogueira na representação.

Anúncios

81 Respostas to “PSDB quer reabrir caso dos aloprados”

  1. Pax said

    Há quem diga que o assunto está ligado com os fogos amigos que passaram a colorir o ambiente interno do PT que, segundo alguns, passa por um processo de peemedebização.

    Sei lá.

    O que sei:

    1 – a cúpula do PT tem enorme capacidade de perder nomes com potencial político. Basta nos lembrarmos dos nomes do Mensalão (Dirceu, Genoino, João Paulo etc etc) e agora o retorno do caso que chega no atual ministro, Aloizio Mercadante. A própria presidente Dilma é reflexo desta capacidade do PT de perder nomes capazes de suportar eleições sem que tenham telhado de vidro fino.

    2 – o PSDB, de outro lado, faz bem neste papel de apontar tudo que achar incorreto no governo, claro que sim. O PT foi campeão neste papel quando era oposição e não pode reclamar desta postura de qualquer partido da oposição. De outro lado seria de bom tom a oposição preparar um discurso que reflita uma plataforma inteligível para a tentativa de retomada do governo federal. Somente este papel não há de ser suficiente para as novas eleições.

  2. Chesterton said

    quarta-feira, 22 de junho de 2011
    RORAIMA, A LAS VEGAS TUPINIQUIM
    Leia nota do site de Claudio Humberto:

    Vegas tupiniquim

    O senador Mozarildo Cavalcanti (PR-RR) quer fazer de Roraima a Las Vegas brasileira. Propõe projeto que libera os bingos na Amazônia. Para ele, seria uma maneira de levar empregos e renda à região.

    Querem saber? Eu concordo! Depois que o STF com a ajuda de ONGs nacionais e estrangeiras, da Funai, do PT, entre outros, proibiu Roraima de produzir comida e transformaram plantadores de arroz em favelados, a pretexto de salvar os índios dos malvados homens brancos (coisa que nem nossos silvícolas queriam) talvez a jogatina comece atenue este quadro de miséria, não é.

    Ademais, seria a mais perfeita tradução do Brasil: você não pode plantar, mas pode jogar!

    Só não fazem a proposta pra transformar Brasília em cassino, porque ela já é um.

    Detonado por Felipe Flexa

    __________________________________

    chest= será esse o tal de “capitalismo de esquerda” que o Elias tanto fala?

  3. Elias said

    Pax,

    Não entendi.

    Primeiro, a notícia diz que “o inquérito foi arquivado por falta de provas”.

    Em seguida, o cara diz que quer que o Marcadante seja “indiciado”.

    Que eu saiba, “indiciar” um indivíduo é formalizar a constatação de que há INDÍCIO de que ele é culpado de algo que se está investigando.

    Aí embolou tudo. Há “indício” de que o cara é culpado? Então, por que a PF arquivou o processo? Se o “indício” existe, o cara deveria ter sido indiciado e o processo deveria ter prosseguido.

    Se foi esse o caso, a primeira denunciada deve ser a PF, que arquivou o processo quando deveria dar prosseguimento.

    Se não foi, e se não apareceu fato novo, o Duarte Nogueira deve estar jogando mau futebol pra galera. Como a eleição presidencial de 2010 demonstrou fartamente, requentar escândalo não faz gol.

    Enfim, ele que é tucano, deve saber lá em que pau ele se empoleira…

    Chester,
    Mesmo tu, um dia hás de entender: o capitalismo não é monopólio da direita.

  4. iconoclastas said

    Pax, desenha…

    ;^))

  5. Chesterton said

    rs

  6. Pax said

    Caro Elias,

    Leia aqui, por favor…

    Mercadante vai ao Senado falar sobre aloprados
    Autor(es): agência o globo:Gerson Camarotti
    O Globo – 22/06/2011

    BRASÍLIA. O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, acertou ontem sua participação em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado na próxima terça-feira, às 10h. Apontado pela revista “Veja” do último fim de semana como um dos “mentores” do suposto dossiê contra o tucano José Serra, seu principal adversário na disputa pelo governo de São Paulo em 2006, Mercadante se antecipou à convocação da oposição para prestar esclarecimentos.

    Para o Palácio do Planalto, o ministro da Ciência e Tecnologia foi vítima de “fogo amigo” dentro do PT. A convicção no núcleo do governo é que as declarações do ex-diretor do Banco do Brasil Expedito Veloso sobre a participação de Mercadante no dossiê dos aloprados tiveram como objetivo atingi-lo politicamente.

    Segundo um assessor da presidente Dilma, a denúncia ocorre no momento em Mercadante aparece em primeiro lugar na disputa pela prefeitura de São Paulo e tenta consolidar internamente sua candidatura. Para interlocutores da presidente, o novo episódio evidencia a disputa acirrada no PT paulista.

    Mercadante é considerado um petista de linha mais independente e que tem arestas com setores do partido. Segundo um dirigente do PT, o ministro da Ciência e Tecnologia estaria sendo vítima da dificuldade de convivência política com os caciques. O ex-presidente Lula teria mandado recados de que estava preocupado com o novo tiroteio sobre Mercadante.

    O ministro recebeu sinal verde do Planalto para dar explicações imediatamente e ir ao Congresso. Ele foi aconselhado a não cometer o mesmo erro do ex-ministro Antonio Palocci, que demorou muito para dar explicações sobre o seu patrimônio, o que só aumentou a crise.

    Como a CAE já havia aprovado requerimento do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) para que Mercadante comparecesse ao Senado para falar do Plano Nacional de Ciência e Tecnologia, o ministro foi consultado ontem sobre se preferia que o pedido fosse adiado. Mercadante optou por ir ao Senado, onde passou os últimos oito anos:

    – O ministro disse que vai falar não só sobre o Plano Nacional de Ciência e Tecnologia como está disposto a responder a qualquer pergunta sobre o caso do aloprados, pois não tem nada a esconder. Ele faz bem em se antecipar e esclarecer eventuais dúvidas – elogiou Lindbergh.

    Outro petista que elogiou a postura de Mercadante foi o senador Walter Pinheiro (BA):

    – Tenho certeza que o ministro se sairá muito bem.

    Na Câmara, o PSDB protocolou três requerimentos de convocação de Mercadante para que ele explique sua participação na elaboração do suposto dossiê. Os requerimentos foram apresentados na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, pelo deputado Vanderlei Macris (SP); na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, pelos deputados Fernando Francischini (PR) e Carlos Sampaio (SP); e na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, assinado pelo deputado Antônio Imbassahy (BA).

    Também foram apresentados dois requerimentos de convite a Expedito Veloso, que confirmou à revista “Veja” ser Mercadante um dos mentores do dossiê. Eles foram protocolados nas Comissões de Fiscalização Financeira e de Segurança Pública. Hoje, o líder do PSDB, Duarte Nogueira (SP), pretende protocolar representação no Ministério Público e um ofício na Polícia Federal solicitando a reabertura das investigações do caso.

  7. Pax said

    Ou seja, caro Elias, caso de perguntar ao petista Expedito Veloso, ex-diretor do Banco do Brasil e, salvo engano, filiado ao PT.

    Como disse no meu comentário primeiro

    Há quem diga que o assunto está ligado com os fogos amigos que passaram a colorir o ambiente interno do PT que, segundo alguns, passa por um processo de peemedebização..

    Em outras palavras, este incêndio, se é que podemos chamar assim a questão, tem ignição dentro do próprio PT e, como disse também acima, o PSDB pegou a faísca e jogou gasolina, como qualquer uma oposição aqui ou alhures, faria igual.

  8. Elias said

    Pax,

    Sei que o Expedito disse o que disse.

    Mas, pergunto: e daí?

    Há indício? Se há e, mesmo assim, o processo foi arquivado, a primeira interpelação deve ser dirigida à PF, que arquivou o que não deveria.

    Não vejo ninguém no PSDB com peito pra fazer isso.

    Daí porque insisto: é mau futebol.

    Lembra daquela convocação que você noticiou que o PSDB faria?

    Eu disse que ela não seria feita, lembra?

    Pergunto: foi feita? Ao que eu saiba, não.

    Pelo que sei, tem alguns assuntos que o PSDB sacode um pouco e, depois, se aquieta.

    A questão das ONGs, por exemplo, seria um prato cheio pra incomodar a Idele (o Pedro Simon chegou levantar o assunto).

    Só que, se o PSDB encarar, vai ser uma cuspida pro alto. A catarrada que vai cair em cima dele será de bom tamanho.

    Idem, idem, qualquer coisa que se relacione a Serra. Vai ficar todo mundo quietinho, Pax, porque ninguém quer experimentar a volta do cipó de aroeira.

    Principalmente se o cara for de SP.

    É mau futebol, Pax. É só a presepada da semana. Mês que vem, ninguém vai falar mais nisso. Nem você. Como a convocação no Senado…

  9. Patriarca da Paciência said

    “Segundo um assessor da presidente Dilma, a denúncia ocorre no momento em Mercadante aparece em primeiro lugar na disputa pela prefeitura de São Paulo e tenta consolidar internamente sua candidatura. Para interlocutores da presidente, o novo episódio evidencia a disputa acirrada no PT paulista.”

    Para mim está claro como água.

    É pura politicagem!

    Além do mais, quem, ganharia o quê, com dossiês contra José Serra?

    José Serra é que é o homem dos dossiês”

  10. Pax said

    Caros Elias e Patriarca,

    A questão é que este assunto é da pauta do blog. E, não só como disse acima, o PSDB faz o papel que o PT faria, tal e qual.

    O velho dito popular de sempre: “calça de veludo ou bunda de fora”.

    Se o Mercadante não tem nada a dever, ótimo. Se tem, o ótimo passa para o outro lado.

  11. iconoclastas said

    Merdandante e os aloprados II (versão para colorir):

    motivado por fato novo, o MPF (MT) solicitou a PF que volte a investigar o assunto referente aos aloprados. Anteriormente o próprio MPF havia expedido um parecer no qual não via indícios da participação de Merdandante na tentativa do engôdo, e a partir do mesmo o STF mandou que o inquérito fosse arquivado.
    a recente solicitação do MPF foi provocada por reportagem da revista Veja baseada em conversas gravadas , e confirmadas, de Expedito Veloso, nas quais o ex-diretor do BB, e participante da compra do “dossiê dos aloprados”, afirma à outros petistas(!!!) que o, à época (2006), candidato ao governo de São Paulo, e hoje, ministro da ciência e tecnologia, Aloisio Merdandante, o Merdandante, foi o mentor da farsa.

    ;^)))

  12. Olá!

    Observações Aleatórias #1

    Preparem-se, pois vem aí a Blogbrás, a nova estatal dos blogs.

    Excerto:

    Democratizar a distribuição de verbas públicas de publicidade, que deve ser baseada não apenas em critérios mercadológicos, mas também em mecanismos que garantam a pluralidade e a diversidade. Estabelecer uma política pública de verbas para blogs.

    O segundo negrito é meu.

    Sei lá. . . Em um país onde faltam políticas públicas para que os alunos saiam da escola sabendo ler e escrever de fato (e também que 10 — 7 = 3); em um país onde faltam políticas públicas para melhorar o sistema público de saúde (utilizado, principalmente, pelas camadas mais humildes); em um país onde faltam políticas públicas para lidar adequadamente com a segurança pública (vide os traficantes que andam com bazucas em plena luz do dia), blogueiros vêm pedir política pública para blogs?!?

    Essa galera progressista, no geral, deve ser, no mínimo, de classe média, deve ter estudado em boas escolas particulares, deve ter lá os seus planos privados de saúde e devem morar em prédio/locais com algum tipo de segurança particular e coisas tais. Aí fica fácil pedir dinheiro público para financiar blogs.

    Até!

    Marcelo

  13. Chesterton said

    Progressismo é defender vantagens para uns às custas do dinheiro arrecadado de outros.

  14. Chesterton said

    T Sowell

  15. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    to rindo pra caralho da tertúlia entre Branca de Neve e os 2 anões.
    hehehe

  16. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    Branca
    mais um caso de corrupção a ser apurado:
    MPF apura uso da FAB no traslado de corpos para RJ
    no josias

  17. Pax said

    Caro Elias, em #8,

    Vamos devagar mas vamos em frente. Este assunto é pauta, sim. Claro que é. O estopim de ter voltado à pauta partiu de um petista de segundo ou terceiro escalão, o que seja, mas um petista que tem tanto prestígio quanto o de receber uma diretoria do BB no passado.

    O que motivou o Expedito? Não tenho menor ideia.

    O que digo, basicamente, tem 2 fundamentos:

    1 – O PT passou de atirador de pedra a vidraça. Não só porque assumiu o poder, a mais natural causa desta inversão, lógico, mas também porque o PT gostou de um certo jogo jogado sobre o qual este blog coleciona notícias, ora bolas. Não dá para negar, caro Elias, sinto muito. É uma generelização? Gostaria que não, mas o fato é que o noticiário tem sido farto. E este noticiário está aí e o blog continua com a mesma declaração da sua fundação, ou seja, vai colecionar o que sair na grande mídia. Tá lá escrito, desde o início, nunca mudei. Vide, caso queira relembrar, a página SOBRE O BLOG disponível aí em cima.

    2 – Há um processo de peemedebização do PT, sim. Há inúmeros casos. Um bem recente, só para ilustrar, é o da Serys no MT. O que acontece com este processo? A brigaiada interna aumenta. Às vezes estas brigas acabam como neste caso do Expedito e os “new” aloprados. Não adianta querer tapar o Sol com peneira de malha grossa. A coisa é prato cheio para a oposição, para a mídia (seja ela golpista – segundos alguns querem crer – ou não). E nós sabemos que há uma questão ainda não muito clara (e nunca será) sobre a insatisfação de uma ala do PT paulista pela pouca disponibilidade palaciana, digamos assim, uma turma que, segundo parece, perdeu capital político e quer manter o poder na força que ainda tem no partido. Lula toreava estas disputas internas, tinha capital político para tal. E Dilma? Sempre disse que ela tem enorme chance de fazer um bom governo, um país estabilizado e em crescimento mais acentuado, uma demanda reprimida alta, aprovação popular, dinheiro em caixa etc etc. Mas… há que ter a tal da miserável política bem administrada. E aí é onde mora a falta de experiência de campo de Dilma. E se Lula tiver que vir em socorro toda santa (e maldita) crise, aí mesmo que Dilma se enfraquece em cada episódio. A presidente, hoje, luta mais com o apetite do PMDB (natural de um lado, mas nojento de outro, por conta dos participantes do tabuleiro) e o tiroreito amigo que propriamente com a oposição que nem sabe bem se quer comprar uma bicicleta ou disputar as próximas eleições com um discurso que realmente seja combativo.

  18. Elias said

    Pax,

    Que o PT há muito se desnaturou é fato sabido. Dizer isso é lugar comum. Nem é disso que estou falando.

    Estou dizendo é que o tal tucano Duarte tá jogando mau futebol. Pagando um mico. Tá investindo num negócio que não tem fôlego pra mais do que 30 dias. Talvez nem isso. No fim, não vai render nada, nem pra ele nem pro PSDB.

    O brasileiro já não é mais tão otário assim. Em matéria de escândalo, circo, etc., ele se tornou mais exigente. Quer coisas novas, malabarismos mais complexos.

    Bobagem repetir truque velho, feito macaquinho de realejo dos anos 1930 repetindo o mesmo espetáculo pela bilionésima vez, em pleno 2011…

    Em 2010, ano eleitoral, o PSDB requentou escândalo e não deu em nada. Por que em 2011 — ano de entressafra — daria? Ainda mais num episódio menor, sem nenhuma conseqüência prática e sem a mais remota chance de atingir um alvo de bom tamanho…

    Pior: o cara tá requentando a partir da bundice de um boquirroto petelho. Ou seja, até pra requentar um escândalo, o PSDB tem que ser pautado por um petista.

    É muita falta de rumo… É muito não saber o que fazer da vida…

    E é pouco, pra um partido que esteve no páreo em 5 das 6 eleições presidenciais que o Brasil realizou, desde a redemocratização.

    O PSDB deveria ter uma pauta, pelo menos pra requentamento de escândalo. Um mínimo de planejamento pra sua mediocridade…

    Pelo que você fala, parece que há tucano achando que esse tipo de coisa aumentam suas chances para as municipais de 2012.

    Isso é tanto verdade, como é verdade que a Marina tirou votos do PT em 2011 e o Serra se elegeu presidente, coisa para a qual, aliás, ele se preparou toda a sua (dele) vida (o cara que preparou o Serra, esqueceu que, antes, deveria tê-lo preparado pra vencer uma eleição presidencial).

  19. Chesterton said

    as pessoas nãso se preocupam mais com o que é certo e o que é errado, mas com a utilidade que certos atos podem ter na política. Isso leva o país inexoravelmente à decadência.

  20. Pax said

    Problema, caro Elias, é que se não tivermos nenhuma esperança mais no PSDB, de um lado, ou no PSDB, de outro lado, onde é mesmo que colocaremos nossas ‘orações’ ?

    No DEM? No PPS? No PSD? No PP? no PR? No PSTU? no PSOL?

    Confesso com tranquilidade que torço para que o PSDB e o PT se manquem que este caminho de avinagramento não é bom.

    Quem já está no vinagre total cai naquela do Barão de Itararé, saca? (de onde menos se espera… daí que não sai nada mesmo, vide o caso esverdeado que falo abaixo)

    Kassab lançou seu partido, o PSD. Pois bem, há quem talvez goste da ideia. A musa do nosso amigo, o velho e bom Chesterton, foi pra lá. A Marina ameaça que sai e não sai do famigerado PV, mais desmatado de moral que qualquer outra coisa. E por aí vai. Então, o que sobra, o que ainda tem alguma “sustança”, esperança e calibre, são esses dois, sim, PT e PSDB.

    Se não torcermos para que estes saiam deste péssimo caminho que estão, não há mais por que torcer, em minha desamparada opinião.

  21. Pax said

    Tendo a concordar com o comantário do caro Chesterton, em #19.

  22. Pax said

    E tendo a concordar com o Editorial do O Globo que acaba de ser apontado no twitter do Noblat e reproduzo abaixo, apesar de achar que está um tanto tendencioso (pende para um lado só me pareceu).

    Essa é a tal questão da discussão que bate naquele tal dito popular: calça de veludo ou bunda de fora.

    A promiscuidade na vida pública (Editorial)
    O Globo

    A frase “restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos”, atribuída ao Barão de Itararé (Aparício Torelly), retrata bem a postura irônica do humorista, de muitas décadas, diante da crônica de maus costumes éticos na vida política do país. O afrouxamento moral tem longa história, e não parece que terá fim.

    A tragédia ocorrida no fim de semana, com a queda de um helicóptero no Sul da Bahia, desvendou ligações do governador Sérgio Cabral com empresários que colocam questões sérias sobre até que ponto deve ir o relacionamento entre pessoas do mundo privado e público, sem que seja ultrapassada a fronteira do conflito de interesses.

    Não se pode imaginar que o governador do Rio de Janeiro, seja qual for, não conheça pessoalmente o empresário Eike Batista, inclusive morador do Rio. Nem que deixe de ter contato com outros empresários, entre eles empreiteiros, cuja parte ponderável do fatura mento vem de verbas públicas. Eles batem sempre à porta do setor público, nada a estranhar.

    A questão entra em área sombria quando é perguntado se o governador deveria ter viajado para Porto Seguro no jato de Eike Ba tista, numa escala para desembarcar num resort próximo, em que haveria a festa de aniversário de Fernando Cavendish, dono da Delta, construtora com R$ 1 bilhão em contratos com o governo do Rio, alguns obtidos sem licitação.

    Eike, procurado pela imprensa, declarou ter emprestado o jato “com satisfação”. Não se trata disso. Cabral é que teria de perceber a inadequação da carona e a inoportunidade da festa.

    Ligações perigosas existem pelo mundo.

    Quando os estragos ocorrem na vida da pessoa pública, nota-se que ela nada enxergava de mal naquele relacionamento indevido. A ministra francesa de Relações Exteriores, Michele Alliot-Marie, por exemplo, era próxima de empresários tunisianos da órbita do ditador Ben Ali.

    Passou, inclusive, o feriado de Natal em Túnis, quando já cresciam as manifestações contra o regime. Como nos enredos da maioria das histórias desse tipo, a ministra voou em jatinhos privados. Pois os ventos da Primavera Árabe derrubaram Ali e a ministra.

    O próprio chefe da ministra, presidente Nicolas Sarkozy, deve ter pago algum preço ao aparecer no avião particular e iate do amigo Vincent Bolloré. E não faltam amigos para pessoas poderosas na órbita pública.

    No Brasil, depois de, no governo Collor, PC Farias ter ultrapassado todos os sinais vermelhos, a ponto de o presidente sofrer impeachment, veio a Era FH, na qual houve alguns cuidados na separação entre o público e o privado. Criou-se, então, a Comissão de Ética da Presidência.

    Já nos oito anos de Lula, a ética — inclusive a comissão — foi mandada às favas, uma contribuição dramática à deterioração dos costumes na vida pública.

    O fato de o partido e o grupo de políticos que se apresentavam como reserva moral fazerem o oposto em Brasília funcionou como um “liberou geral”. Até porque o presidente sempre defendeu “mensaleiros” e “aloprados” petistas.

    A tragédia no Sul da Bahia ocorreu dentro de todo este contexto. Deveria servir de alerta aos homens públicos que se descuidam e não delimitam os devidos espaços entre os cargos eletivos que ocupam e os interesses que os cercam. Legítimos, mas tóxicos. Precisam ser administrados com cuidado.

  23. Chesterton said

    agora, Pax, virou moralista co mo eu? Amazing…

    olha essa do site do seu futuro amigo desde criança Claudio Humberto

    ———————————–

    O então presidente José Sarney e seu ministro da Fazenda Dilson Funaro empolgavam o País com o Plano Cruzado quando o governador do Rio, Leonel Brizola, tomou a decisão de fechar questão contra as medidas.
    – Esse Plano Cruzado é uma imposição do FMI! – proclamou.
    O deputado e economista Tito Ryff divergiu, mas Brizola insistiu:
    – Para o povo, FMI é uma coisa ruim. Nós achamos que o Plano Cruzado é uma coisa ruim. Então, o plano é coisa do FMI.

  24. Chesterton said

    http://cristaldo.blogspot.com/2011/06/fumace-na-unb-veja-ainda-vai-acabar.html

    da uma olhadinha no Janer. As classes alta e média alta brincam de usar e abusar de drogas sem muita consequencia, mas as classes baixas se afundam permanente mente. Como disse T Darlymple , “enquanto as mulheres das classes altas brincam de revolução sexual, as mulheres das classes baixas tem bebês”

  25. Pax said

    Tito Ryff é tio do Luiz Antonio Ryff, o blogueiro do Nonsense.

    Moralista? Alto lá, caro Chesterton, diga-me quem não se declara e dir-te-ei que este tal não existe.

    Uma coisa é se declarar moralista – e todo mundo adoraria que sua imagem fosse assim vinculada – , outra é passar a bater na trave nas questões legais e morais, o tal começo do fim. E, então, quando chega ao fim, aí mesmo que a coisa degringola, passa a ser aceitável roubar dinheiro de merenda escolar, de medicamento de hospital, bater em mãe etc.

  26. Elias said

    Pax,

    Lamento não acreditar que o tal tucano Duarte tem propósitos moralmente elevados.

    Ele é político, está fazendo política, e nada mais distante de um padrão moral elevado do que a política.

    Também lamento não acreditar que o Chesterton tem propósitos melhores do que o tal tucano Duarte.

    Dê uma olhada nos seus arquivos e nos arquivos do Weblog.

    Invariavelmente, quando você ou o PD publicam uma notícia sobre corrupção praticada por um político de direita, o Chester copia e cola uma notícia sobre um corrupto de esquerda, tentando desviar as atenções.

    Você sabe disso. Nem precisa consultar arquivo.

    Pois bem. Partindo do princípio de que aqui ninguém é otário e de que não existo político ssntinho, analiso os fatos do ponto de vista da política, ou seja, da luta pelo poder.

    Que é o que interessa ao tucano Duarte e o que está no ponto futuro de suas ações.

    Repito: o brasileiro não é tão otário, assim, a ponto de comprar essa falsificação barata que o Chester ofereceu no comentário # 19.

    Hoje em dia, isso não engana ninguém, Pax.

  27. Elias said

    “No Brasil, depois de, no governo Collor, PC Farias ter ultrapassado todos os sinais vermelhos, a ponto de o presidente sofrer impeachment, veio a Era FH, na qual houve alguns cuidados na separação entre o público e o privado. Criou-se, então, a Comissão de Ética da Presidência.” (O Globo)

    É verdade.

    Tanto que não houve nenhuma corrupção nas privatizações. Também não houve nenhum suborno para aprovação da emenda da reeleição.

    Foi tudo feito na mais estrita observância dos altos preceitos da moralidade, da impessoalidade e dos demais princípios que informam a boa gestão da res pública.

    Quem tiver dúvidas a esse respeito, que pergunte ao Papai Noel, ao Saci Pererê, ao Curupira e à Matinta Perêra…

  28. Chesterton said

    Elias, você está atirando como bêbado no escuro. Hilário.
    Que que aconteceu que você está assim perdendo a linha logo na primeira frase?

  29. Pax said

    Caro Elias,

    Esta frase aqui: nada mais distante de um padrão moral elevado do que a política se afasta um bocado do princípio geral socrático. Aliás, ele, Sócrates, aquele um pouco mais antigo que o bom jogador de futebol, tem entre suas principais considerações e elogios, o combate ao ascetismo teórico e a perniciosa licença política e moral de sua época. (achei isso num blog, pasme, meu mesmo, um outro aí que penso em mesclar com este aqui)

    Um pouco à além, e tentando não ser tão chato ao ponto de poder ser tachado de professoral, o tal do Sócrates desenvolveu o tal postulado eudemonístico, aquele que diz que o bem moral se identifica com o útil.

    O diacho é que a gente se lembra não só do tempo do tal do Sócrates, este tal que não jogava futebol, como também se lembra dos tempos em que o PT e o PSDB também entendiam que a tal da política deveria servir aos interesses mais gerais, até admitindo que sua prática não é a coisa mais virgem do mundo, mas considerando que até a mulher de César, aquela tal, não só deve parecer honesta como, em essência, ser efetivamente – e ao menos um pouco – honesta.

    Lembro, inclusive, tanto ao PT quanto ao PSDB, esses dois grêmios políticos nos quais ainda deposito alguma esperança, que o discurso do tal Sócrates, de novo, aquele que não jogava futebol, foi e é bom, em todos os tempos do nosso senhor Jesus Cristo, os únicos que posso falar pois são mais alcançáveis ao mestre e sr Google.

  30. Elias said

    Pax,

    Sem fantasias:

    1 – Sócrates filosofava com uma das mãos sobre a cabeça de um escravo…

    2 – A mulher de César? Lembre a história completa, Pax.

    Por cálculo político, César disse o que disse, recusando-se a testemunhar contra a mulher (que, a essa altura já era ex-mulher). Mas isso foi um embuste.

    A verdade é que ela, aquela mulher de César, não era honesta nem fazia a menor questão de parecer. Ainda casada com César, ela transava adoidado com mais de um amante.

    A coisa virou escândalo porque, numa festa na qual só poderiam entrar mulheres, ela combinou com um amante que ele entraria disfarçado de mulher. Aí, eles passariam o dia na sacanagem. Foi o que ele fez. Só que algumas mulheres descobriram o cara, deram o alarme e o escândalo estourou.

    A mulher de César acabou não sendo condenada por adultério (se fosse, seria morta), porque não convinha politicamente a César essa condenação. Daí o testemunho que ele deu. Já o Ricardão, coitado, acabou seus dias assassinado…

    Se as referências são essas — Sócrates e o conceito sobre a honra da mulher de César — então vamos de mal a pior.

    Mas claro que você deve ter alguma informação que eu não tenho.

    Agradeceria, portanto, que você me informasse: em que planeta, país ou época, a luta política foi travada pautando-se pelos elevados conceitos e critérios morais a que você se refere?

  31. Pax said

    Caríssmo Elias,

    Você diz: Agradeceria, portanto, que você me informasse: em que planeta, país ou época, a luta política foi travada pautando-se pelos elevados conceitos e critérios morais a que você se refere?

    E eu digo: Planeta: Terra, País: Brasil, Época: quando o PT nasceu até quando foi oposição. Se quisermos, podemos pegar semelhanças em vários outros exemplos de partidos brasileiros.

    Ao menos, no discurso, era – ou eram-, sim.

    E insisto na provocação com uma simples questão: diga-me, aponte-me, em que planeta, país e época, o discurso da probidade, do bem comum, da ética e moral, da utilidade, não foi um bom discurso para quem esteja na oposição?

    Desculpa, mas tenho absoluta convicção do que escrevo. Desde Sócrates existe o discurso sobre a moral e ética visceralmente ligado ao bem comum. E ele não é fraco, não. (esse papo de Sócrates e escravos é interessante, sim, desde que esquecêssemos que temos empregados domésticos ou qualquer outra desigualdade que aceitamos)

    Um pouco mais longe, meu caro, a angústia deste blog é olhar o estado atual e perceber que nosso país se perde totalmente nesta verdade tão simples e absoluta.

    Basta pegar qualquer democracia mais velha, onde o tempo já desgastou a falácia que “todos são corruptos, então relaxemos”, ou, como li hoje e coloquei aqui, do editorial de O Globo: “restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos” frase atribuída ao famoso barão de Itararé.

    Cara, vai por mim, abandonar este discurso é o começo do fim. E este começo, para muitos, já aconteceu faz um bom tempo.

    Ninguém me tira esta simplória visão.

    O PT hoje está nas cordas, não consegue nem mais colocar na pauta nacional as falcatruas dos seus opositores, virou uma vidraça de cristal tão fino que não tem mais reação à além da falta de argumento. E prefere insistir em se defender com este discurso que “todos são assim”. Perdoe-me pela minha infantil discordância. Absoluta discordância. O partido abriu o flanco para ser atacado até que seja esfrangalhado ou, em outra hipótese – e a mais provável- peemedebezizado. Ou retoma o rumo abandonado ou morre num espaço de tempo que não consigo precisar porque o que há do outro lado é tão ruim ou pior. Carregando nas tintas: você votaria num candidato à presidência que fosse do PMDB? (eu não).

    O Brasil é que sofre. Vê seu futuro, sua Escola, o maior trunfo possível, fugir pelo ralo da corrupção.

  32. Elias said

    Pax,

    Não estou abandonando discurso nenhum, nem estou querendo que ninguém abandone.

    Eu apenas disse que: (a) o tal do Duarte está jogando mau futebol, comprando um peixe que vai apodrecer rapidinho; (b) que a iniciativa dele não tem nada a ver com moralidade, e sim com oportunismo político (no caso, um oportunismo pouco oportunista); (c) que, nada mais distante da moral do que a política.

    Só que, a cada argumentação minha, você inclui novos conceitos. O que você escreveu mais recentemente tem mais a ver com ilegalidade.

    Mas “moralidade” é uma coisa; “ilegalidade”, outra.

    É perfeitamente possível um indivíduo praticar atos reprováveis pela maior parte das pessoas, do ponto de vista moral, sem que isso constitua, necessariamente, uma ilegalidade.

    Isso é o que acontece o tempo todo, na política.

    No ano passado, quando Aécio deixou Serra falando só, isso foi uma conduta imoral e oportunista. Mas, foi algo ilegal? NÃO!

    No fazer político, esse tipo de jogada é absolutamente comum, desde a antiguidade. E achar que, na oposição, o PT não cometia esse tipo de esperteza, é ingenuidade.

    Quer dois exemplos? Veja como o PT se conduziu, ainda na oposição, em relação ao Plano Real e à privatização.

    Não se trata, apenas, do partido ter se convencido de que o Plano Real foi, sim, uma estratégia consistente para combate à inflação. Não é vantagem nenhum reconhecer isso, 2 anos depois do Plano Real ter sido deflagrado e estar, então, produzindo os resultados que estava produzindo.

    Mais do que isso, estou me referindo à forma como esse reconhecimento foi incorporado à estratégia e à tática do partido. Foi uma conduta moralmente questionável? Foi. Foi ilegal? Não.

    E isto pra ficar no grande jogo. Se formos pro bate bola, pra pelada, passaria horas, aqui, lembrando a você as dezenas de vezes que o PT se conduziu com esperteza e oportunismo político, sacrificando critérios morais.

    O que não significa, evidentemente, cometer atos ilegais. Isso é outra coisa.

    Pretender que a política, a luta pelo poder, seja, em algum momento, presidida por elevados padrões morais, Pax, me desculpe, mas é ingenuidade. Não acontecerá. Neste últimos 2 mil anos, nada autoriza ninguém a pensar que algo assim está no horizonte humano.

    Nada a ver, evidentemente, com o cometimento de crimes, roubos, subornos, etc.

    Acho que estamos falando de coisas diferentes. A menos que se diga, agora, que moralidade, ética, legalidade e sei lá mais o que, é tudo uma coisa só.

    Mas não pegaria bem sacar um argumento assim, tipicamente sofista, pra dar respaldo a um raciocínio que começou se baseando exatamente em Sócrates que, segundo Platão, dedicou um de seus mais brilhantes diálogos exatamente pra refutar os sofistas.

  33. Chesterton said

    Agora que Pax e Elias inventaram a esquerda “não socialista” e “não progressista”, esse blog virou o samba do afro-descendente mentalmente prejudicado.

  34. Pax said

    Off: inacreditável, o PTB acaba de colocar aquele deputado gaúcho que “se lixa para a opinião pública” em sua propaganda no horário nobre.

    O nome dele é Sérgio Morais.

  35. iconoclastas said

    muito on:

    fogo x fogo…

    “A ex-senadora pelo PT-MT, Serys Slhessarenko, disse ontem que o petista Expedito Veloso, implicado no “escândalo dos aloprados” admitiu em conversas com ela que integrantes do partido haviam montado dossiês na campanha de 2006. Naquele ano também foram encontrados documentos reunidos pelo partido para tentar atingir a candidatura do tucano José Serra ao governo de São Paulo. Serys é a primeira petista a confirmar a montagem de dossiês na campanha. Ela contou que, há cerca de três anos, Veloso a procurou para dizer que setores do PT de Mato Grosso, liderados pelo ex-deputado federal Carlos Abicalil, hoje secretário no MEC (Ministério da Educação), promoveram uma “armação” contra a então senadora.”

    FOLHA.

    ;^/

  36. Olá!

    Parece que os petistas esqueceram a sua própria história de fundação de um partido baseado na moralidade, no combate à corrupção, na valorização do patrimônio público, no bom uso do dinheiro público e etc.

    Para refrescar a memória dos petistas, nada melhor do que a grande filósofa petista, Marilena Chaui (vídeo):

    Lourival Santanna: Professora, nesse início de conversa eu fiquei com uma sensação de que se, no ano que vem, a Marta Suplicy, por exemplo, só uma hipótese, fosse eleita a prefeita de São Paulo, a senhora poderia tentar um convite. E, junto com isso, como é que a senhora avalia o benefício que o PT pode ter com o que está acontecendo hoje em São Paulo… essa espécie de expurgo, essa depuração que começa acontecer em São Paulo?

    Marilena Chaui: Então, para a sua primeira pergunta, a resposta é não. Eu, efetivamente, sou uma intelectual. Sendo uma intelectual, eu considero que a melhor maneira de se participar da atividade política é através de intervenções públicas, debates, polêmicas, participação nas atividades de discussão do partido, mas eu não tenho nenhuma vocação para atividade administrativa. Foi um sacrifício para mim, foi muito complicado, foi muito difícil e não é o meu lugar. Eu não faço nem com gosto nem com prazer. Com relação à segunda pergunta, eu diria que é a sociedade inteira que se beneficia com o que se passa nesse momento de revelação das condições das várias constituições em São Paulo. Eu penso que o PT se beneficia, porque mesmo nos períodos mais complicados da gestão da Luiza Erundina uma coisa nunca foi posta em dúvida, pela direita, pela esquerda, pelo centro, nunca: é a honestidade de um governante petista e a maneira como ele trata a coisa pública, efetivamente como uma coisa pública. Então, eu penso que a situação atual, ela beneficia o PT, ela faz com que seja recordada, relembrada e recuperada essa marca petista que é a honestidade política, a honestidade pública, a honestidade administrativa.

    Até!

    Marcelo

  37. Chesterton said

    vocês estão querendo que o Elias padeça de gastrite….

  38. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    Branca
    enquanto a tertúlia filosófico-petista continua, eu tomo a liberdade de sugerir um grande tema de corrupção em escala internacional que vai afetar a todos nós:
    A Copa do Mundo de 2014
    Festa macabra

    “Há uma percepção crescente de que a aritmética da Copa do Mundo é um tanto instável”, escreveu o Times de Johannesburgo um mês depois do triunfo da Espanha nos campos sul-africanos. “Temos estádios em excesso para nosso próprio uso. Talvez devêssemos exportar estádios para o Brasil, que fará sua Copa do Mundo?”. A constatação estava certa; a sugestão, errada. O Brasil, país do futebol, terá o mesmo problema que a África do Sul, país do rúgbi. Aqui, como lá, a festa macabra da Fifa é um sorvedouro implacável de recursos públicos.

    leia completo:
    http://arquivoetc.blogspot.com/2011/06/festa-macabra-demetrio-magnoli-e.html

  39. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    Chesterton disse
    23/06/2011 às 22:53

    vocês estão querendo que o Elias padeça de gastrite….

    Sim.
    M. Augusto dessa vez vc foi troll!

  40. Pax said

    Caro Elias,

    Acredito que esta crítica da Inês Nassif resuma um bocado o que venho dizendo, leia abaixo, por favor. E um pouco à além: porque mesmo o PT agora só apanha e parou de bater? Acabaram os problemas da oposição? Não existe mais corrupção e desvios nos governos dos partidos da oposição? O PT passou a gostar de estar nas cordas apanhando como boi que entra em horta?

    Maria Inês Nassif

    O PT não passou incólume por oito anos no poder e, se não alterar a rota, tende a acumular mais desgastes nos próximos quatro anos. Como já não se imaginava mais, o partido foi engrossado, nas bases, por um contingente de militantes lulistas – o partido de classe média intelectualizada, de esquerda, não apenas capturou eleitores na base da pirâmide social, como incorporou parte desse contigente em sua militância. Esse é o sonho de todo partido de trabalhadores, mas isso acontece no momento em que a legenda, totalmente institucionalizada, consolidou um processo de transferência de lideranças criadas na estrutura burocrática para o Parlamento e elas delimitaram territórios, ungidas por um sistema partidário uninominal que é intrinsicamente personalista. Esse descompasso se mostra mais agudo quando a direção nacional afrouxa e perde capacidade de unir a máquina partidária. As bancadas legislativas tendem a ocupar, então, maior destaque. Se não tomar um rumo, o PT pode perder o que tinha diferente em relação aos demais partidos, e a grande chance colocada, nesse momento, de renovação de quadros partidários.

  41. Pax said

    Caro Iconoclastas, em #35,

    Então, discordando do caro Elias, há foto novo, sim. E merece investigação, sim. Calça de veludo ou…

  42. Elias said

    Padecerão de gastrite os carinhas que dedicam horas de seu tempo, dia após dia, ano após ano, pra redigir comentários políticos contra o PT e a favor de qualquer um que seja contra o PT, e que se frustram ao ver que, eleição após eleição, o PT chega lá e… cráu!

    Imagino daqui a 20 anos, o Chesterton, já velhinho, com as mãos trêmulas e a saliva amargando na boca, escrevendo comentários antipetistas, e dizendo que, desde que o ensinaram a “pensar”, ele acha que o capitalismo é monopólio da direita, que todo cara de esquerda é socialista, que todo socialista é comunista…

    Fica triste, não, Chester. A vida é assim mesmo… Sem os otários, o que seria dos espertos?

    Além do mais, não estarás só… Terás a companhia de um monte de Napoleão de hospício com o fracasso subindo à cabeça…

  43. Pax said

    Caro Elias, em #42

    Espero que não me inclua na lista acima. Já disse, repito: torço para que o PT e o PSDB se depurem, façam auto-análise, olhem bem o espelho e vejam se vale a pena o curso adotado.

    Aliás, no jornal de Minas, há informação que Marina Silva declarará saída do PV na próxima terça, provavelmente para abrir um novo partido.

    O PSD do Kassab já vai de mal a pior ainda. Ontem pegaram o menino Indio, o garoto de ouro do Serra e do titio histérico (era, sim) manguaçado dirigindo no Rio. Mais um da oposição desabilitado…

  44. Elias said

    Pax,

    1 – O PT capturou o apoio das camadas de mais baixa renda

    Claro, amigo! Se não fizer isso, não ganha eleição. Só agora perceberam?

    2 – A direção nacional afrouxa e perde capacidade de unir a máquina partidária.

    Errado! Ela nunca teve essa capacidade. Não pode perder o que nunca teve.

    A “máquina” petista sempre foi anárquica e disforme, porque formada por correntes que estão em permanente luta interna. É porrada o tempo todo, Pax….

    A “união” em termos nacionais só existe verticalmente, em cada corrente. A “união horizontal”, seja em âmbito local, seja em termos nacionais, é, sempre produto de negociação.

    No mais, também é bom lembrar que a “direção nacional” é produto da luta política e da negociação decorrente. A composição da direção nacional sempre expressa a correlação de forças existente no momento de sua constituição, etc e tal.

    3 – O PT pode perder o que tinha diferente em relação aos demais partidos, e a grande chance colocada, nesse momento, de renovação de quadros partidários.

    Expressão típica de quem olha e não vê.

    Há anos que o PT perdeu quase tudo o que o fazia diferente dos demais partidos.

    Se estes não fossem tão retrógrados, tão descompromissados com a melhoria de vida das parcelas mais fragilizadas da sociedade, o PT já teria dançado há muito tempo.

    Esse é o nó da questão, Pax. O PT não é forte porque é forte. O PT é forte porque seus oponentes são fracos.

    “Nesse momento de renovação de quadros partidários”?

    Sim. Há, no PT, um esforço pra se renovar as lideranças partidárias. A meu pensar, todo aquele pessoal que participou da fundação do partido, deve partir. Bem ou mal, certa ou errada, essa geração já deu o seu recado. Hora de ir embora!

    Quem pensa assim, não derrama uma gota de lágrima quando desembarca gente como Palocci, Dirceu e muito mais (Mercadante também. E Tasso Genro. E Olívio Dutra…). Basta que se disponha de gente mais jovem, com capacidade pra segurar o tranco político.

    Observe que uma das fragilidades dos demais partidos é, exatamente, a incapacidade de renovação. Os tuxauas concentram tudo, fecham todas as portas e não dão chance a ninguém. Os “capos” de hoje, são os mesmos de há 20 anos.

    Vai dar certo? Não sei. Se der, acho que o Chesterton et caterva terão motivos pra viver se lamentando por mais uns 25 anos, tomara. Se não der, não deu. Perde-se o poder e… todo mundo pra casa, lamber as feridas.

    4 – “Fato novo”, Pax?

    O que é “fato novo”? (a) a bundice do aloprado boquirroto? ou (b) a bundice do aloprado boquirroto associada ao chororô de uma ex-senadora fracassada?

    Chororô de político derrotado nunca foi fato novo, Pax. Daqui a pouco ela vai dizer que perdeu a eleição por causa de um dossiê que, se existiu, nunca foi usado.

    Ora, Pax. Sabe o que faltou pra ela ganhar a eleição? FALTOU VOTOS!

    Seria até interessante que o aloprado e a ex-senadora fossem convocados pelo tucano Duarte.

    Aí eles chamariam o Serra e, todos juntos, formariam um grupo interpartidário: “Valhacouto dos fracassados”. Ou “Valhacouto dos derrotados”. Ou “Valhacouto dos aloprados”.

    Por aí…

  45. Chesterton said

    Olha Elias, eu acho que ser petista é simplesmente ser fascista. Abominavel.
    Quando eram anti-capitalistas e progressistas, representavam uma parte importante da esquerda. Agora que não são mais progressistas nem socialistas, são capitalistas (o-capitalismo-não -é-monopólio-da -direita) sobrou o quê?
    Nada, só “espertos” (nas suas palavras) que se incumbem de roubar o máximo de recursos públicos para proveito próprio.
    Pode dar certo? Pode, num país de analfabetos e idiotas alfabetizados pode, mas na minha opinião o mais provável é que o petismopermaneça lulismo e vai ter um lugar na história junto com kirschnerismo, peronismo, fascismo, chavismo essas correntes populistas autoritárias.

    O que sobrou da esquerda? Ora, o comentário do Elias: “Sem os otários, o que seria dos espertos?” responde bem. Nada, , alguns espertinhos usam o nome da esquerda para parecerem moderninhos e descolados….e se acham espertos. Mussolini fez esse percurso e deu no que deu. Elias se comporta de modo ignóbil.

  46. Chesterton said

    Dilma privatiza 5 aeroportos e 45 portos, a noticia dos jornais…..

    Ela tambem acha que é de esquerda? Se a esquerda privatiza, sobra o que para a direita? Nada, a esquerda virou administradora do capitalismo. E acha que não endireitou….

    Que saudades daquela esquerda, era muito mais coerente.

  47. Patriarca da Paciência said

    “O que sobrou da esquerda? ”

    Ora Chesterton, simplesmente a maioria das leis que governam o mundo!

    Férias, 13º salário, planos de saúde, salário decente, descanso remunerado, licença maternidade, aposentadorias, distribuição de renda, bem estar social etc.etc.etc.

    Somente alguns malucos acreditam em total privatização e total estatização.

    Como já dizia Aristóteles – a verdade está no meio.

    E como é que está a histórias dos médicos baterem ponto com as digitais e câmeras de vigilância?

    Eu acho que é uma ótima medida contra a corrupção.

  48. Pax said

    Caro Elias, em #44

    Interessante essa visão de renovação do PT. Tomara que seja levada a cabo. Também concordo que a velha guarda do PT já deu o que tinha que dar. A notícia de hoje, por exemplo, é que o DIrceu fará um arraiá em seu sítio em Vinhedo. E um convidado muito especial é o tal prefeito de Campinas que tem aquela esposa que corre da Polícia Federal e ele, o prefeito, claro, nada sabia. Essa turma já deveria ter perdido o comando do PT nacional faz tempo. Mas não foi bem o que aconteceu nas últimas eleições no partido, no final do ano passado. Ou seja, corrobora um tanto com o que venho afirmando sobre minha torcida para que tanto PT quanto PSDB retomem antigos rumos.

    Já torci para que se unissem e agora tendo a concordar contigo numa opinião (e discussão) passada, que é melhor que o PSDB seja oposição, sim, mas que seja bem melhor que é atualmente. Idem ibidem, enquanto a velharia de Serra, Alckmin etc estiver disputando o poder nacional teremos o que temos. Aliás, hoje tem noticia que o Gustavo Fruet, um tucano que ja afirmei que gosto, está com um pé no PDT por conta dos problemas regionais no Paraná. Houvesse um comando nacional forte no PSDB o tucanato permitiria um movimento desses que está, segundo notícias, prestes a acontecer?

    Caro Chesterton,

    Quando você diz que ser petista é ser fascista eu só posso discordar. Esta é uma visão histérica que sabemos de onde vem e pra onde vai.

    Porém…

    Quando você diz que sente saudades de uma esquerda mais coerente eu tendo a concordar contigo.

  49. Pax said

    Caro Patriarca,

    A verdade está no meio

    Mais preciso que isso impossível.

  50. Pax said

    Boa essa crônica que saiu no Noblat – http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?cod_post=388258&ch=n

    Desconheço este Sandro Vaia, mas o cara parece ter bagagem.

    POLÍTICA
    Cara de PT, alma de PMDB
    Cargos ou encargos?

    Esse é o grande – e falso – dilema que define a verdadeira participação do PMDB no governo Dilma Roussef.

    Para o senso comum, é evidente que o PMDB é um partido que desde os idos de 1980, quando deixou de ser MDB e terminou a sua tarefa civilizatória na transição da ditadura militar para a democracia, trocou o pouco que tinha de ideologia por uma consistente e voraz fisiologia.

    O presidencialismo de coalizão que caracteriza a democracia brasileira desde o fim da ditadura tem uma característica irremovível: ganhe quem ganhar, só consegue governabilidade a partir da adesão de uma espécie de “centrão” desprovido de princípios ideológicos ou programáticos, mas cheio de apetite fisiológico.

    Foi assim nos dois governos FHC, foi assim nos dois governos Lula e agora mais do que nunca está sendo assim no governo Dilma.

    A enorme maioria da chamada base aliada no Parlamento, que em tese daria ao governo uma folgada margem de manobra para impor sua vontade, na verdade depende mais do que nunca da boa vontade, dos caprichos e dos apetites da bancada do PMDB, cada vez mais um partido de profissionais.

    Sem a liderança macunaímica de Lula, que impunha sua vontade à federação de tendências e subtendências que forma a bancada do PT, cada uma delas se sente liberada para tentar fazer prevalecer seus pontos de vista.

    A verdade é que o PT sob o difuso comando de Dilma é bem diferente do PT obediente e submisso à mão de ferro da vontade do líder.

    Lula sempre foi maior do que seu partido e sem ele por perto, por mais que ele se esforce para manter a sua influência autoritariamente agregadora, o PT tende a dissolver a sua disciplina férrea em desgastantes embates internos.

    Lula continua sendo Lula, mas por mais que tenha liderança moral e ascendência sobre o partido, não tem mais a caneta. E sem caneta, nem Lula é o mesmo Lula.

    A crise da queda de Palocci foi bem uma amostra disso: apesar dos apelos do chefe moral, em nenhum momento o partido se uniu para dar sustentação a um dos seus.

    O PT não foi capaz sequer de socorrê-lo com uma nota de apoio de suas bancadas no Congresso e deixou que a voragem da crise o engolisse.

    Tudo isso faz com que o PMDB se fortaleça cada vez mais como a verdadeira base de sustentação do governo.

    Numa entrevista ao Estadão esta semana, o líder do partido na Câmara, Henrique Eduardo Alves, não poderia ter sido mais claro. Ele disse que seu partido, tanto quanto a presidente Dilma, disputou e ganhou as eleições, e por isso deve participar da gestão do governo.

    “Mais do que cargos,o PMDB quer encargos”, disse o líder. Apesar da retórica do jogo de palavras (é claro que o PDMB quer tanto os cargos quanto quer os encargos, porque os encargos trazem como conseqüência os cargos), o governo de Dilma Roussef caminha cada vez mais para ser um governo com aparência petista mas com a alma peemedebista.

    Sandro Vaia é jornalista. Foi repórter, redator e editor do Jornal da Tarde, diretor de Redação da revista Afinal, diretor de Informação da Agência Estado e diretor de Redação de “O Estado de S.Paulo”. É autor do livro “A Ilha Roubada”, (editora Barcarolla) sobre a blogueira cubana Yoani Sanchez. E.mail: svaia@uol.com.br

  51. Chesterton said

    Ser petista é ser humilhado pelos próprios complexos de inferioridade. O PT caminha acelerado para o fascismo autoritario.

  52. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    “O presidencialismo de coalizão que caracteriza a democracia brasileira desde o fim da ditadura tem uma característica irremovível: ganhe quem ganhar, só consegue governabilidade a partir da adesão de uma espécie de “centrão” desprovido de princípios ideológicos ou programáticos, mas cheio de apetite fisiológico.

    Foi assim nos dois governos FHC, foi assim nos dois governos Lula e agora mais do que nunca está sendo assim no governo Dilma.”

    Eu acredito que seja verdadeiro, mais ainda, foi assim desde a proclamação da república.

    Por que será que Vargas caiu? Por que será que JK governou?

    Por que será que Collor caiu?

    Por que será que FHC e Lula governaram?

  53. Patriarca da Paciência said

    A “lógica” do Chesterton é totalmente irracional.

  54. Patriarca da Paciência said

    Eu não estou querendo justificar nada, tipo, em todo lugar é assim etc. Mas essa ilusão de que a justiça funciona muito bem em outros países e apenas no Brasil não funciona etc. é também uma grande inverdade.

    Vejam só, o cara fica até aos 81 anos praticando tudo quanto é tipo de crime e somente depois de velho, talvez por queda na qualidade vital, é preso. Isto aconteceu nos Estados Unidos.

    http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2011/06/23/fbi-prende-gangster-james-whitey-bulger-que-inspirou-filme-infiltrados-de-martin-scorsese-924757400.asp

  55. Elias said

    “Olha Elias, eu acho que ser petista é simplesmente ser fascista. Abominavel.” (Chesterton)

    Tens todo o direito de pensar assim.

    Faz uma enquete, e vais encontrar um monte de gente achando que o fascista és tu.

    Na bebecinha distorcida do bobinho, “esperto” é sinônimo de “desonesto”.

    Então, tá, Chester… Todo mundo aqui é idiota e, assim, vai se deixar enganar por esse tipo de mistificação.

    Tens saudade é da esquerda que perdia eleições, Chester.

    Porque, quando a esquerda perdia, quem ganhava era a tua tchurma.

    O bobinho ainda não sabe que, pra ganhar eleição, tem que ser esperto. Não pode ser otário.

    Continua assim, rapaz, que a gente tem que ter alguém de quem rir…

  56. Elias said

    ” O PT caminha acelerado para o fascismo autoritario.” (Chesterton)

    “Fasciscmo autoritário?”.

    Sei… Pra diferenciar do “fascismo não autoritário”. Ou do “fascismo democrático”.

    O “fascismo não autoritário ou democrático” é o fascismo da direita, quando ela não está no poder e não tem força pra dar um golpe de Estado (e, também, quando vive com o rabinho entre as pernas e não tem coragem pra tentar o golpe).

    Aí o fascista se torna um falso defensor da liberdade e um falso guardião da moralidade, e desenvolve o cacoete de chamar os outros de fascista.

    Esse truque é mais velho que a posição…

  57. Pax said

    Para desconstrai um pouco, que o baixo astral tomou conta deste post, aqui vai a manchete da notícia no G1 e o “lead”

    Mulher é flagrada com celular nas partes íntimas na Bahia
    Celular era para companheiro que cumpre pena em Feira de Santana.
    Segundo a polícia, aparelho estava enrolado em plástico.

    e a pergunta que não quer calar: e se o bicho toca no modo vibrador, será que a moça chega lá?

  58. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    Nossa Branca
    fiquei descontraído!
    hehehe

  59. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    Portanto já é hora de voltar à luta:
    ONU põe Brasil sob suspeita de tortura e visitará cadeias e unidades para jovens
    http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,onu-poe-brasil-sob-suspeita-de-tortura-e-visitara-cadeias-e-unidades-para-jovens,736307,0.htm

    Os torturados e mortos sem pedigree
    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-torturados-e-mortos-sem-pedigree/

    A ONU promete fazer uma mega-inspeção nas cadeias brasileiras para apurar o que é público e notório: o Brasil está, certamente, e há vários governos, entre os países que mais torturam pessoas — e também é um dos campeões mundiais em homicídios: mais de 50 mil por ano. Nossas cadeias, na média, são verdadeiros pardieiros, que não oferecem àqueles que estão sob a guarda do estado, condições dignas de existência — refiro-me a condições dignas, porém próprias a um preso. Torturam-se pessoas até em delegacias.

    Que borra esse Reinaldo é mesmo um filho da pulga!
    Deve estar fumando muita pamonha.

  60. Patriarca da Paciência said

    Será que a ONU vai inspecionar também Guantánamo?

    Seria ótimo!

  61. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    Branca
    Veja aqui o WIKI Mapa da Corrupção do Brasil
    http://maps.google.com.br/maps/ms?hl=pt-BR&ie=UTF8&msa=0&msid=204209735970361037698.0004a40f41edf1d554ba0&t=h&z=7

    A cineasta Raquel Diniz, 31 anos, criou o Mapa da Corrupção, um gráfico colaborativo que pretende listar os casos de corrupção no Brasil.

    Lançado em 24 de maio deste ano, o projeto foi visto mais de 60 mil vezes e já conta com mais de 80 casos. Entre eles, os escândalo do Mensalão, dos Cartões Corporativos e dos Sanguessugas. Além da Máfia da Merenda, do Caso Bancoop, das investigações de subornos e corrupção na CBF e da quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo.

  62. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    Branca

    Entrevista do Gilberto Carvalho no G1:
    parte final:

    G1 – Lula não quer voltar?
    Carvalho – Não quer, em 2014, em hipótese nenhuma ele gostaria. E 2018 está muito longe. A oposição precisa levar em conta isso. Nosso time, além de bom plantel, tem bom banco. Não pense que colocamos todas as fichas na mesa. E Lula permanece figura que nos ajuda, apoia. Como candidatura, nenhuma hipótese de ele ser candidato em 2014. Ele não aceitaria de jeito nenhum.

    Não ficou claro se esse bom banco seria o do Brasil ou a CEF.
    Quanto ao bom plantel … disso ninguém duvida!

    Significado de Plantel
    s.m. Bras. Lote de animais de boa raça, especialmente bovinos e equinos, reservados para a reprodução.
    Grupo de animais selecionados.

  63. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    cortado
    (se continuar a trollagem vai passar a moderado…)

  64. Chesterton said

    Plantel é um termo correto, nem em equipe de futebol se usa mais, pois é ofensivo.

  65. Chesterton said

    Elias, não dá para discutir o certo e o errado com uma pessoa que só raciocina em termos “do que é útil para nosso partido vencer as próximas eleições”. Parece que tua vida se resume a isso, a tomada do poder.
    Se você se acha esperto e ri de seus oponentes, é coisa que não me diz respeito algum, a mim os resultados da briga politica no Brasil importam tanto quanto o resultado do Fla x Flu a um torcedor do Barcelona. Só tem perna-de-pau.
    Agora, gozado é o capitalismo de esquerda , o esquerdismo não progressista, enfim….hilário.

    Pax, grudei no livro ” Os cientistas de Hitler”, muito bom para ver onde o uso do estado e seus favores pode dar.

  66. Chesterton said

  67. Patriarca da Paciência said

    Pois é, Pax,

    o celular, que já tem mil e uma utilidades, passa a ter mais uma possibilidade.

  68. Patriarca da Paciência said

    Você entendeu o vídeo, Chesterton?

    Pelo que eu entendi, mostra a canalhice de certos telejornalistas.

  69. Patriarca da Paciência said

    Lula pé quente.

    Ele não perde uma!

    Quem Lula apoia, ganha!

    http://www1.folha.uol.com.br/mundo/935062-brasileiro-jose-graziano-da-silva-e-eleito-para-dirigir-fao.shtml

  70. Patriarca da Paciência said

    Que situação mais esdrúxula!

    Então, o filho do FHC não é filho do FHC?

  71. Pax said

    Não li a Veja, parece que levantaram mais coisas sobre os aloprados e a ministra Ideli. A pancadaria está forte para cima da equipe da Dilma.

    Coisas da Democracia. Quem tem telhado, seja de vidro ou de concreto, está no jogo pra tomar pedrada.

    Mas às vezes a Veja erra, sim. E muito.

    Saca só, coisa de agora…

    Ministra da Casa Civil enquadra colunista de Veja
    http://brasil247.com.br/pt/247/poder/5872/Ministra-da-Casa-Civil-enquadra-colunista-de-Veja.htm

    (E, sim, este caso do filho do FHC está esdrúxulo, caro Patriarca. Chego a ficar com dó do menino e até do FHC, sem sacanagem)

  72. Chesterton said

    Em torno da causa gay (blog do Noblat)
    Toda a campanha em favor da causa gay, e que orienta a aprovação do projeto de lei 122, em tramitação no Senado, parte de uma mesma premissa: haveria, no Brasil, um surto de homofobia – isto é, hostilidade e ameaça física aos gays.

    A premissa não se sustenta estatisticamente. Os números, comparativamente aos casos gerais de homicídios anuais no país – cerca de 50 mil! -, são irrelevantes.

    Segundo o Grupo Gay da Bahia, de 1980 a 2009, foram documentados 3.196 homicídios de homossexuais no Brasil, média de 110 por ano.

    Mais: não se sabe se essas pessoas foram mortas por essa razão específica ou se o crime se deu entre elas próprias, por razões passionais, ou pelas razões gerais que vitimam os outros 49 mil e tantos infelizes, vítimas do surto de insegurança que abala há décadas o país.

    Se a lógica for a dos números, então o que há é o contrário: um surto de heterofobia, já que a quase totalidade dos assassinatos se dá contra pessoas de conduta hetero.

    O que se constata é que há duas coisas distintas em pauta, que se confundem propositalmente e geram toda a confusão que envolve o tema.

    Uma coisa é o movimento gay, que busca criar espaço político, com suas ONGs e verbas públicas, ocupando áreas de influência, com o objetivo de obter estatuto próprio, como se opção de conduta sexual representasse uma categoria social.

    Outra é o homossexualismo propriamente dito, que não acrescenta nem retira direitos de cidadania de ninguém.

    Se alguém é agredido ou ameaçado, já há legislação específica para tratar do assunto, independentemente dos motivos alegados pelo agressor. Não seria, pois, necessário criar legislação própria.

    Comparar essa questão com o racismo, como tem sido feito, é absolutamente impróprio. Não se escolhe a raça que se tem e ver-se privado de algum direito por essa razão, ou previamente classificado numa categoria humana inferior, é uma barbárie.

    Não é o que se dá com o homossexualismo. As condutas sexuais podem, sim, ser objeto de avaliação de ordem moral e existencial, tarefa inerente, por exemplo (mas não apenas), às religiões.

    Elas – e segue-as quem quer – avaliam, desde que existem, não apenas condutas sexuais (aí incluída inclusive a dos heterossexuais), mas diversas outras, que envolvem questões como usura, intemperança, promiscuidade, infidelidade, honestidade etc.

    E não é um direito apenas delas continuar sua pregação em torno do comportamento moral humano, mas de todos os que, mesmo agnósticos, se ocupam do tema, que é também filosófico, político e existencial.

    Assim como o indivíduo, dentro de seu livre arbítrio, tem a liberdade de opções de conduta íntima, há também o direito de que essa prática seja avaliada à luz de outros valores, sem que importe em crime ou discriminação. A filosofia faz isso há milênios.

    Crime seria incitar a violência contra aqueles que são objeto dessa crítica. E isso inexiste como fenômeno social no Brasil. Ninguém discute o direito legal de o homossexual exercer sua opção. E a lei lhe garante esse direito, que é exercido amplamente.

    O que não é possível é querer dar-lhe dimensão que não tem: de portador de direitos diferenciados, delírio que chega ao extremo de se cogitar da criação de cotas nas empresas, universidades e partidos políticos a quem fez tal opção de vida.

    Mesmo a nomenclatura que se pretende estabelecer é falsa. A união de dois homossexuais não cria uma família, entendida esta como uma unidade social estabelecida para gerar descendência e permitir a continuidade da vida humana no planeta.

    Casamento é instituição concebida para organizar socialmente, mediante estatuto próprio, com compromissos recíprocos, a geração e criação de filhos.

    Como aplicá-lo a outro tipo de união que não possibilita o que está na essência do matrimônio? Que se busque então outro nome, não apenas para evitar confusões conceituais, mas até para que se permita estabelecer uma legislação que garanta direitos e estabeleça deveres específicos às partes.

    Há dias, num artigo na Folha de S. Paulo, um líder de uma das muitas ONGs gays do país chegou a afirmar que a heterossexualidade não resultaria da natureza, mas de mero (e, pelo que entendi, nefasto) condicionamento cultural, que começaria já com a criança no ventre materno.

    Esqueceu-se de observar que, para que haja uma criança no ventre materno, foi necessária uma relação heterossexual, sem a qual nem ele mesmo, que escrevia o artigo, existiria.

    Portanto, a defesa de um direito que não está sendo contestado – a opção pelo homossexualismo – chegou ao paroxismo de questionar a normalidade (e o próprio mérito moral) da relação heterossexual, origem única e insubstituível da vida. Não há dúvida de que está em cena um capítulo psicótico da história.

    Ruy Fabiano é jornalista

  73. Chesterton said

    68, me explica o video, *** cortado *** (rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsr)

  74. Chesterton said

    This discussion is, of course, a belabored example of why and how socialists do not like socialism. Indeed, statism is not a desired outcome, but rather more a strategy for obtaining power or winning acclaim as one of the caring, by offering the narcotic of promising millions something free at the expense of others who must be seen as culpable and obligated to fund it

    http://pajamasmedia.com/victordavishanson/there-are-no-socialists/2/

  75. Chesterton said

    Agora eu entendo porque o Elias é fã da Ideli: Ela é muito “espertinha”…..

  76. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    #77 e 79

    Acertou(ei) na mosca! Adivinhe a reação.

    Seu comentário está aguardando moderação.
    25/06/2011 às 22:59

    Branca: (se continuar a trollagem vai passar a moderado…)
    Duca vc vai ter que ler tudo o que escrevo…até nas entrelinhas
    hehehe

  77. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    “What’s done in the dark will come out to light”

    O trabalho exemplar de Paulo Renato e
    a máquina petista de moer reputações

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-trabalho-exemplar-de-paulo-renato-e-a-maquina-petista-de-moer-reputacoes/

  78. Grande Troll ( ex-Carlão) said

    “What’s done in the dark will come out to light”

    O trabalho exemplar de Paulo Renato e
    a máquina petista de moer reputações

    destaco um trecho.

    Vale dizer: o governo Lula inventou o Fundeb, que já existia; inventou o Bolsa Família, que já existia; inventou o Enade, que já existia; inventou o Luz Para Todos, que já existia; inventou até a política econômica, que também já existia!!!

    O PT é, em suma, o maior inventor de obras alheias da história!

  79. Chesterton said

    Há algo desarrumado numa sociedade que exige criminalizar todo desmatamento enquanto, com o mesmo ímpeto, exige também o amplo direito ao aborto, a ser catalogado entre as prerrogativas inalienáveis da mulher.

    Num caso, prevalece a responsabilidade social. No outro, a liberdade individual. Por quê? Ninguém explica.

    Arrancar uma planta é em princípio criminoso, mas arrancar um embrião ou feto do útero materno deveria ser livre, em nome do direito de a mulher decidir sobre o próprio corpo.

    Ainda que no rigor lógico-científico o embrião, ou feto, não faça parte do corpo da mãe. Ela apenas o abriga. São duas vidas, e não uma só.

    Não estou, e penso que o leitor ou leitora já notou, fazendo juízo de valor sobre os temas, apenas enfatizando o desarranjo, uma assimetria sistemática.

    Que fica também evidente no contraste entre a proteção militante à vida animal e a condescendência com as ameaças à vida humana.

    Desde há muito as pessoas mobilizam-se em defesa de outras espécies. Já há nessa agenda uma ética consolidada. Matar um bicho ou fazê-lo sofrer lança o sujeito no rol da execração. Usar peles de bichos, por exemplo, é encrenca na certa.

    Num episódio célebre após o falhado levante comunista de 1935, o advogado católico Sobral Pinto defendia presos ligados ao movimento derrotado e pediu que eles tivessem respeitados pelo menos os direitos previstos pela lei de proteção aos animais.

    Arrisco dizer que seremos uma sociedade mais coerente quando a vida humana merecer a mesma defesa radical que merecem hoje as plantas e animais.

    No debate do Código Florestal exige-se a perseguição e a punição implacáveis a todos que um dia decidiram ocupar beiras de rio para dali tirar o sustento, seu e de suas famílias.

    Aqui as circunstâncias não servem de atenuante.

    Já quando alguém menor de 18 anos comete um crime hediondo o vento sopra no sentido contrário: aqui é imperioso olhar atentamente para as circunstâncias. Imperioso reabilitar, dialogar, integrar.

    E não simplesmente condenar. Ou punir.

    Se o leitor pedir a explicação do desarranjo, dos dois pesos e duas medidas, admitirei que não tenho uma pronta e acabada. Esta coluna é só divagação. Mas desconfio que a raiz esteja mesmo é na desumanização. Ou humanofobia.

    O homem visto como estorvo, como vetor daninho, a ser contido e evetualmente removido.

    A não ser que persista em “estado natural”, signifique isso o que significar. Então o problema não está no homem, mas na civilização, talvez olhada apenas como ampliação das consequências do pecado original.

    Vai mal

    Saiu ontem mais uma consolidação periódica de dados sobre as drogas. Desta vez a fonte é a ONU e o Brasil vai muito mal.
    No consumo e no tráfico.

    E nada indica que vá melhorar.

    Com uma mão, os modernos procuram convencer a sociedade das vantagens de liberar o uso e o comércio. Com a outra, vendem ao país o “sucesso estrondoso” da experiência do Rio.

    Onde o consumo e o comércio vão à toda, mas em paz. Quase a legalização, de fato. Só se pede à bandidagem que não conturbe muito o ambiente. E que se mude para mais longe, por favor.

    Pouco a pouco, e alavancada também pelo desejo de políticos adquirirem para si uma tardia máscara “progressista”, o combate à droga vai se tornando “out”.

    Verdismo

    Dilma Rousseff era desenvolvimentista no governo anterior. Agora, não se sabe mais o que é.

    O desenvolvimentismo deixou de ser atraente para o PT depois dos muitos milhões de votos recebidos por Marina Silva ano passado.

    O PT avalia que há uma chance de a oposição mais perigosa em 2014 surgir de um polo não tucano, mas verde.

    Então o desenvolvimentismo e o que pejorativamente se xinga de “produtivismo” caminham para o arquivo das coisas que não pega bem defender.

    Uma pena.
    af

  80. Chesterton said

    “Este es un país asqueroso! Aquí los únicos que triunfan son los sinverguenzas!”

    Ernesto Sabato, Sobre Héroes y Tumbas.

  81. Elias said

    “Há algo desarrumado numa sociedade que exige criminalizar todo desmatamento enquanto, com o mesmo ímpeto, exige também o amplo direito ao aborto, a ser catalogado entre as prerrogativas inalienáveis da mulher.”

    “Num caso, prevalece a responsabilidade social. No outro, a liberdade individual. Por quê? Ninguém explica.”

    “Arrancar uma planta é em princípio criminoso, mas arrancar um embrião ou feto do útero materno deveria ser livre, em nome do direito de a mulher decidir sobre o próprio corpo.” (AF, citado pelo… Chester, claro!)

    Um cara que se amuleta na oposição ao aborto pra justificar o desmatamento só pode ser um péssimo caráter.

    Há algo de desarrumado e patológico numa cabeça que pensa assim.

    Como se uma pessoa que é contra o desmatamento tenha que ser, automática e necessariamente, a favor do aborto. E vice-versa.

    Deve ser o tal fascismo democrático a quem o Chester tanto ama…

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: