políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Rotos e Maltrapilhos

Posted by Pax em 01/12/2011

Em 29/11/11 o PSDB veiculou propaganda acusando o PT de corrupção. Utilizou a ideia de Duda Mendonça, numa propaganda de 2002, onde ratos comiam a bandeira do Brasil. À aquela época o governo era tucano.

Com a enxurrada de escândalos de todos os dias, a propaganda faz sentido, sim.

O que não faz sentido?

A grande imprensa esquecer dos escândalos que envolvem outros partidos. Para ficarmos só em São Paulo podemos citar o afastamento do presidente do metrô, o problema da empresa Controlar S.A. (Faustino), as questões envolvendo as obras do Rodoanel e da nova marginal Tietê (Paulo Preto), a impossibilidade de instauração de uma CPI para apurar os suspeitos caríssimos pedágios e por aí afora.

PT e PSDB são os dois melhores partidos no Brasil. Sinal de evolução. Os mais à direita são fracos e com tendência de se tornarem ainda mais fracos. Os mais à esquerda idem. Sobraram os dois que se dizem sociais-democratas. Um mais liberal e outro menos.

No que se refere ao principal tema do blog, porém, temos de um lado um partido roto. E de outro, um maltrapilho.

Ainda assim dizem lá de fora que o país melhorou na questão da corrupção. Um nada, mas uma pequena melhora. Será? A sensação que fica é que, independente das roubalheiras generalizadas e das posições atuais dos dois principais partidos brasileiros, os ratos estão em todos os lados e o coronelato continua dando as cartas, mandando e desmandando em todos os cantos.

Brasil apresenta ligeira melhora em relatório sobre corrupção – G1

País evoluiu de 3,7 para 3,8, na comparação com o ano passado.
Diretor de ong elogiou papel de Dilma Rousseff no combate à corrupção.
(continua no G1…)

Anúncios

47 Respostas to “Rotos e Maltrapilhos”

  1. iconoclastas said

    a “grande imprensa” dá destaque ao desvios no RJ, no ES, no RS, em MG, no CE, no MT e etc?

    ;^?

  2. Pax said

    Caro Iconoclastas,

    Às vezes, sim. O caso Cavandish no RIo é um exemplo.

    Mas o ponto não é este. O ponto é: a tal grande imprensa cai de pau em cima dos casos de São Paulo como cai nos outros casos?

    Ou, de outra forma, essa tal grande imprensa: Folha, Estadão, Globo e Veja, os principais, não tem, notoriamente, linha editorial de oposição? Me parece que sim. Alguns até com declaração púbica.

    Tem este direito? Tem, sim.

    Equilibra o jogo? Não me parece.

    Já disse inúmeras vezes que não comungo com a tal história desta grande imprensa ter um movimento articulado, o tal do PIG. Só acho que esta grande imprensa acaba não produzindo um bem que poderia produzir.

    O PSDB é a bola da vez. Uma hora, como diz o caro Elias, o PT sai do poder. Haverá fadiga de material (de novo, palavras do Elias) e a natural e saudável alternância acontecerá. E tomara que entre o PSDB, admitindo que minha opinião é correta, que estes são os dois melhores partidos brasileiros.

    Mas o PSDB precisa se encontrar, achar um rumo, um discurso, ter uma proposta que agrade o povo. Se isto tudo ficar somente no “eles são ratos” e nós somos honestos, não só é um rumo fraco como um tremendo telhado de vidro. E este telhado não se reforça quando não se expõem as feridas existentes.

    Muito difícil achar que o PSDB tenha modelo diferente de financiar suas campanhas. Ou achamos que somente os partidos da base aliada fazem seus caixas dois de forma que fazem? O PSDB é santo? Não, não é.

    Por mim que todos sejam expostos, seja de que lado for. Este seria o ideal e uma postura mais adequada do quarto poder. Na minha humilde opinião.

  3. elias said

    É, Pax… O Brasil melhorou. Passou de 3,7 pra 3,8 em um ano.

    Nesse rítmo, ele precisaria de “apenas” 32 anos pra atingir a nota 7,0 que o Uruguai tem hoje. E de singelos 34 anos pra alcançar o desempenho atual do Chile, com nota 7,2.

    Pelo menos por ora, não há o que elogiar, né?

  4. Pax said

    Pois é, caro Elias,

    Infelizmente não dá para elogiar coisa nenhuma nesta questão.

    Incomoda a corrupção. Incomoda muito. Afora a corrupção tem a ineficiência, que é enorme.

    Gasta-se demais, rouba-se demais, desperdiça-se demais.

    Com essa dinheirama de impostos era para termos serviços muito melhores.

    (Ah, sim, conheço o Uruguai e o Chile e confesso que sinto uma enorme inveja deles no que se refere à corrupção. Pega o caso das polícias, em ambos países, só como um dos exemplos. Estão anos luz à nossa frente.)

  5. elias said

    Também já fui ao Chile algumas vezes. A primeira, ainda rapazola, quando o presidente era o Eduardo Frei, da democracia cristã (cujo filho também presidiria o país tempos depois). Seu Sucessor seria o Allende…

    Naquela época, achei os chilenos bem mais educados e politizados que nós. E eles não deixavam por menos… Em debates nos quais estive presente (excursão de estudante), os palestrantes chilenos (professores, líderes estudantis, políticos, sindicalistas, etc.), diziam que eram remotas as possibilidades de que houvesse um golpe de Estado no país. Os chilenos, diziam eles, não eram “tropicales”. Pra eles, o Chile nunca seria uma “banana republic”, com “el general presidente” no poder, cagando regra, a exemplo de seus vizinhos menos civilizados.

    Deu no que deu…

    Depois disso, voltei outras vezes ao Chile, durante a ditadura e depois dela. Sempre me impressionou o fato de que, em regra, a polícia era considerada incorruptível. Os turistas brasileiros sempre foram alertados pra que nem tentem subornar guardas de trânsito. Dá xilindró, na certa… Era assim antes da ditadura, continuou sendo durante, e ainda é, hoje.

    Acho que o problema é cultural. No Brasil, a impressão que se tem é que as pessoas não acham errado roubar. Aqui parece que se despreza apenas o ladrão incompetente que se deixa apanhar roubando.

    Aqui no Brasil, rouba-se nas empresas, no governo e até nas igrejas…!

  6. Pax said

    A polícia no Uruguai também é muito pouco corruptível.

    Acho que não chega junto da situação do Chile, mas não está muito distante.

    Distante estamos nós, os argentinos, os paraguaios, os peruanos etc.

  7. iconoclastas said

    “Às vezes, sim. O caso Cavandish no RIo é um exemplo.”

    fogo de palha…

    “Ou, de outra forma, essa tal grande imprensa: Folha, Estadão, Globo e Veja, os principais, não tem, notoriamente, linha editorial de oposição? Me parece que sim. Alguns até com declaração púbica.

    Tem este direito? Tem, sim.

    Equilibra o jogo? Não me parece.”

    ué, e desde quando o jogo político é equilibrado ?

    o que os incomoda (petistas e afins) é que não há empresas de comunicação competentes (gostem ou não, é por acaso que vcs preferem citar essa turma aí de cima?) que os apóiem, e não é por falta de “veículos” no bolso, tampouco espaço, dada a popularidade da situação.

    ;^/

  8. Zbigniew said

    O que incomoda é que empresas de comunicação fazem às vezes de partidos políticos no que se refere ao jogo político, utilizando de concessão pública. Mas o que mais chateia é a imobilidade da Dilma e do PT.

    Ontem o Noblat ordenou que a Dilma demitisse Ministro, com dia e hora marcados. O PT peca pela inércia ou pela simples impossibilidade de reagir aos casos de corrupção, já que o sistema é dominado, e não vai ser o PT que há anos atrás condenava a corrupção que vai acabar com ela. Estão se fiando na economia. Nos índices de aprovação herdados por Dilma do governo Lula.

    Dilma ainda vai se arrepender de não ter sido pró-ativa.

  9. iconoclastas said

    “O que incomoda é que empresas de comunicação fazem às vezes de partidos políticos no que se refere ao jogo político, utilizando de concessão pública.”

    1) ah, então o papel dos partidos políticos é noticiar pilantragem?
    2) a única concessionária pública entre as mencionadas é a globo, e aqui, felizmente, ainda não é Venezuela.

    “Mas o que mais chateia é a imobilidade da Dilma e do PT.”

    porr@, a mulher ficou 8 anos sem fazer pn ( além de dossiês) e nego ainda se supreende…

    “não vai ser o PT que há anos atrás condenava a corrupção que vai acabar com ela.”

    claro que não, vão continuar a se lambuzar e ampliar seus tentáculos…

    ;^/

  10. Zbigniew said

    Partido politico trata de ideologia. As empresas de comunicacao o fazem, e as concessionarias (tvs) estao neste esquema bem engendrado. Isto a nivel mundial repetindo-se aqui no Brasil. A ideologia do mercado e dominante, embora esteja sofrendo criticas contundentes pelos problemas de liquidez e a consequente crise bancaria na Europa.
    Essa ideologia cooptou os partidos, com a ajuda da midia e do capital. Seu paroxismo e bem retratado com a crise na zona do Euro, e a troca de primeiros-ministros de paises em crise. Mas estao bem protegidos nos EUA, berco de toda essa zorra.

    O que nos deixa perplexos e que, mesmo partidos ditos de esquerda e suas liderancas nao foram capazes de quebrar o sistema e sua logica (uma reacao bem interessante foi na Islandia). No Brasil, embora o Lula tenha construido um arranjo politico bastante favoravel a sua sucessora, nao foi capaz de implodir as forcas mais reacionarias e poderosas, estas associadas a alguns Estados da Federacao (os mais importantes), numa relacao midia-partido politico. Mas alguns lances deveriam ter sido dados. A CONFECOM foi um inicio, mas parou por ai. A Comissao da Verdade e outro exemplo de acomodacao de forcas. A Dilma, neste ponto, nao vai partir para o confronto. Nao ha porque. Ela aposta na inocuidade do tema corrupcao em termos eleitorais. E esta certa, apenas enquanto a economia estiver bem e a oposicao so tiver esta bandeira.

    Isto mostra que a situacao teme um confronto ideologico mais profundo que provoque mudancas nas relacoes de poder no Brasil. Ela, num primeiro momento, teve que associar-se ou conviver com o lado mais reacionario da politica nacional, que o digam as aliancas com o PMDB do Sarney e a moderacao no que se refere ao tema controle social da midia e a inercia no que se refere ao denuncismo seletivo da grande midia, alem da acomodacao a questao da Comissao da Verdade.

    O que demonstra que o PT acomodou-se no centro, com algumas politicas de sucesso de esquerda. Mas cada vez mais com um vies de centro. Quem fica no centro abre espacos para que outros ocupem os lados sob o vacuo. A sorte do partido e que a oposicao nao tem vocacao nem propostas para isto.

  11. iconoclastas said

    #10 – Zbg,

    isso é deboche, né?!

    ;^)))

  12. Pois então, será que a corrupção diminuiu no Brasil, ou será que aumentou a visibilidade sobre ela, ou sobre algumas de suas nuances, desde o governo Lula?

  13. Zbigniew said

    Aumentar ou diminuir? Esse não deve ser o foco. O foco deve ser o combate e a fiscalização. Se o Estado cresce, a economia se desenvolve, há mais transparência e a imprensa se engaja no “combate” a corrupção, e obvio q a idéia e a de q há mais corrupção. E dai a fazer a ligação com o partido ou coligação da vez, sim, pode-se afirmar q a corrupção aumentou naquele governo. Principalmente num pais q sempre primou pela corrupção institucionalizada. Faz parte do organismo. Qdo ele cresce, ela cresce também. Caberia ao partido da vez se antecipar naquilo q esteja sob sua responsabilidade: secretarias e ministérios.

  14. Chesterton said

    O que na verdade querem com essa crítica à imprensa é abrir caminho para
    os petistas governarem sem freios…..o velho cacoete da censura.

  15. Pax said

    Caro Catatandotatau,

    Não sei os parâmetros que esta ONG usa para afirmar que melhoramos a nota de 3,7 para 3,8 que vai de zero a dez.

    O que sei é que somos a sétima/oitava economia do mundo e estamos na septuagésima terceira posição em corrupção.

    Ou seja, uma dinheirama danada jogada no lixo, seja da forma que for, tanto pela corrupção privada como pela corrupção pública.

    Fora ainda a falta de eficácia, o inchaço da máquina pública e outros desperdícios. O Estado brasileiro, de forma geral, funciona mal. Até podemos ter políticas boas aqui e acolá, e temos mesmo, mas a máquina governamental, em todos os âmbitos, do municipal ao federal, é paquidérmica, ruim pacas.

  16. Chesterton said

    Fora ainda a falta de eficácia, o inchaço da máquina pública e outros desperdícios. O Estado brasileiro, de forma geral, funciona mal.

    chest- Bravo!!!

  17. elias said

    “…o PT acomodou-se no centro, com algumas politicas de sucesso de esquerda. Mas cada vez mais com um viés de centro. Quem fica no centro abre espaços para que outros ocupem os lados sob o vácuo. A sorte do partido e que a oposição nao tem vocação nem propostas para isto.” (Zbigniew)

    É isso aí!

    Mas a “sorte do partido” é o “azar do país”. Com uma oposição medíocre e incompetente, o PT não se vê forçado a melhorar.

    E quem perde é o país.

  18. Chesterton said

    Mas a “sorte do partido” é o “azar do país”. Com uma oposição medíocre e incompetente, o PT não se vê forçado a melhorar.

    chest- sei, quando o PT é oposição, a culpa é da situação, quando o PT é situação, aculpa é da oposição….mas nem criança diz uma coisa dessa sem rir.

  19. iconoclastas said

    é isto aqui que deixa a turma doente:

    http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/televisao/fina-estampa%E2%80%9D-bate-recorde/

    o que, convenhamos, é uma tremenda bobagem. o mesmo populacho que dá aundiência aos folhetins, e, consequentemente, grana à sua produtora, é aquele que suporta os níveis de popularidade do molusco e sua discípula…

    mas vcs tem um ponto: o sucesso político é mesmo proveniente de uma economia que desfrutou nos últimos 7 anos de impressinante melhora nos termos de troca e – salvo por um breve período ao final de 2008 ( aliás, com queda de colossais 3,3% do pib em um único trimestre!!!) – de abundante liquidez de crédito externo.

    assim, é claro que deve preocupar muito a exposição de tanta patifaria no momento em que o cenário econômico global se torna mais nebuloso ( e aqui a gente já tem um semestre de estagnação…).

    ;^/

  20. Pax said

    Concordo com as opiniões dos caros Zbigniew e Elias.

    Aliás, vou um pouco à além. Acho que não só o PT foi ao centro como em muitas situações passou para centro direita. Pior ainda, para o centro do colo do coronelato.

    Poderia fazer diferente? Não sei. FHC não conseguiu, Lula também não. Beijaram as mãos de ACM, Sarney etc caterva.

    Hoje estes todos dependem de figuras como Romero Jucá, Renan Calheiros, Agripino Maia e por aí vai.

    Há um poder encalacrado no país que teria que desaparecer para que algum progresso político acontecesse.

    Caro Chesterton,

    Não é que a culpa esteja sempre do outro lado. Mas você há de convir que o PT na oposição era melhor que este PSDB/DEM na oposição. Tanto que cresceram até 2002 enquanto estes de agora diminuem.

    O que se está dizendo é que não há oposição que preste. Nesta situação não há muita razão para o PT deixar de seguir este rumo (os petistas vão se aborrecer comigo pelo termo) de apodrecimento.

    Não vejo no PT (o Elias discorda) uma galera nova, motivada, com coragem de peitar os manda-chuvas de sempre, Dirceu, Genoíno, Berzoini etc e o próprio Lula. Creio que faz uma falta danada esse sangue novo.

    Mas o mito se estabeleceu e aí não há quem desmonte o que deve ser desmontado, que, no meu entender, foi a acomodação e até o gosto pela tal “governabilidade ingovernável”.

    O que resulta? Nisso que estamos vendo, um jogo de entregar o pão de ló para uma bandidagem sem fim da tal base aliada e até uma boa parcela do PT metendo a mão no pote sem o menor pudor.

    O problema dos oposicionistas atuais é que acham que atacar esta situação é plataforma, proposta de governo, plano para um país, estratégia eleitoral. Não é. Não só os oposicionistas tem a bunda de fora como essa conversa fiada não convence mais ninguém, esse papo que “nós somos limpinhos, vamos tirar os ratos do governo”.

  21. Chesterton said

    E o PT na oposição era melhor que o PSDB na oposição….tábom. Eu acho que vocês tem geléia no lugar nos neurônios da memória.
    Lembrem-se agora o que o PT fez na oposição. Lembrem-se que Lula só venceu para presidente quando deu uma rasteira no PT e se ligou ao PMDB, a ponto do partido rachar em dois.

    Mas, tudo bem, geléia é geléia.

  22. Zbigniew said

    Pax: “Aliás, vou um pouco à além. Acho que não só o PT foi ao centro como em muitas situações passou para centro direita. Pior ainda, para o centro do colo do coronelato.

    Poderia fazer diferente? Não sei. FHC não conseguiu, Lula também não. Beijaram as mãos de ACM, Sarney etc caterva.”

    Acrescentaria q Lula e o PT conseguiram quebrar diversos paradigmas, colocando definitivamente o social no centro das políticas Publicas o q, combinado com boas praticas economicas e ventos favoráveis advindos dos preços internacionais das commodities, fez um bem enorme ao pais. Mas o PT e o Lula, ao acomodarem-se no poder central (e já se vão 9 anos), contraditoriamente as bandeiras ideológicas q nortearam o nascimento do partido, optaram por uma postura conservadora em atenção ao seu projeto de poder. Com isto não se deu a tão esperada ruptura com as forcas reacionárias há tanto tempo encasteladas na Republica brasileira. Para isso o PT teria q proceder a uma reforma politica profunda e romper com a relação incestuosa político-meio de comunicação. Esta relacao e um dos braços mais importantes, se não o mais importante, do sistema de currais eleitorais pais a fora.
    Mas por que raios Lula e o PT, do alto de índices de aprovação popular jamais experimentado por qualquer de seus antecessores, não procederam a esta ruptura? Haveria forca suficiente para q ele “governasse com o povo” em detrimento das ditas alianças espúrias? Ou o povo esta ainda muito distante do jogo jogado no Parlamento a ponto de não entende-lo, ainda mais qdo se sabia q o Lula foi e será sempre intragável aos principais grupos de comunicação do pais? Lembremos de Getulio Vargas e Janio Quadros.
    Até aqui entendo a posição do Partido e do Lula. Mas com uma oposição esfrangalhada e com o pais indo bem nos fundamentos econômicos (embora seja compreensível toda a cautela da Dilma), esta mais do q na hora de se romper com esta velha estrutura, e que e a mãe de toda essa corrupção. Torço para q a “centralizacao

  23. Zbigniew said

    Pax: “Aliás, vou um pouco à além. Acho que não só o PT foi ao centro como em muitas situações passou para centro direita. Pior ainda, para o centro do colo do coronelato.

    Poderia fazer diferente? Não sei. FHC não conseguiu, Lula também não. Beijaram as mãos de ACM, Sarney etc caterva.”

    Acrescentaria q Lula e o PT conseguiram quebrar diversos paradigmas, colocando definitivamente o social no centro das políticas Publicas o q, combinado com boas praticas economicas e ventos favoráveis advindos dos preços internacionais das commodities, fez um bem enorme ao pais. Mas o PT e o Lula, ao acomodarem-se no poder central (e já se vão 9 anos), contraditoriamente as bandeiras ideológicas q nortearam o nascimento do partido, optaram por uma postura conservadora em atenção ao seu projeto de poder. Com isto não se deu a tão esperada ruptura com as forcas reacionárias há tanto tempo encasteladas na Republica brasileira. Para isso o PT teria q proceder a uma reforma politica profunda e romper com a relação incestuosa político-meio de comunicação. Esta relacao e um dos braços mais importantes, se não o mais importante, do sistema de currais eleitorais pais a fora.
    Mas por que raios Lula e o PT, do alto de índices de aprovação popular jamais experimentado por qualquer de seus antecessores, não procederam a esta ruptura? Haveria forca suficiente para q ele “governasse com o povo” em detrimento das ditas alianças espúrias? Ou o povo esta ainda muito distante do jogo jogado no Parlamento a ponto de não entende-lo, ainda mais qdo se sabia q o Lula foi e será sempre intragável aos principais grupos de comunicação do pais? Lembremos de Getulio Vargas e Janio Quadros.
    Até aqui entendo a posição do Partido e do Lula. Mas com uma oposição esfrangalhada e com o pais indo bem nos fundamentos econômicos (embora seja compreensível toda a cautela da Dilma), esta mais do q na hora de se romper com esta velha estrutura, e que e a mãe de toda essa corrupção. Torço para q a “centralizacao” e o pragmatismo do PT não impeça q o partido cumpra com o seu destino histórico, porque o gosto do poder inebria e abastarda os sentidos.

  24. Zbigniew said

    Desculpem a duplicidade. Teclar num IPhone e complicado.

  25. Chesterton said

    Mas por que raios Lula e o PT, do alto de índices de aprovação popular jamais experimentado por qualquer de seus antecessores, não procederam a esta ruptura?

    chest- porque ninguem teve a cara de pau de pedir tanto dinheiro emprestado, havia um pejo, uma ética com despesas das gerações futuras.
    Agora, Lula realmente tem sorte, pois quando for a hora de pagar ele já não mais estará por aqui.

  26. elias said

    Pax e Zbigniew,

    O PT é a esquerda que o Brasil pode e merece ter.

    Tempos atrás, o Raymundo Faoro disse que o que se chamava de “esquerda” no Brasil, poderia, por muito favor, ser chamada de “centro esquerda”.

    Pois bem: a “esquerda” do tempo em que Faoro escreveu isso, ainda era esquerda demais pro Brasil. Foi preciso se deslocar ainda mais em direção ao centro (que, na prática, significa se deslocar à direita), pra ser aceita, ter voto e ser governo.

    Claro que isso implicou, no caminho, o descarte de um monte de gente que não concordou com esse deslocamento. Gente que lutou contra esse deslocamento e, tendo sido derrotada, sumiu dentro do partido ou saiu dele. Outros se deslocaram também, aderindo à opinião majoritária (como o Genoíno e o Tasso Genro, por exemplo).

    Sem esse “deslocamento à direita” o PT jamais seria governo. Foi bom ou ruim? Isso, gente, a História vai responder.

    Chesterton,
    Política é uma teia, cara! Tá tudo imbricado. Sem uma oposição burra e incompetente, jamais o PT teria se mantido no poder por tanto tempo.

    Com uma oposição de melhor qualidade, o PT se veria forçado a melhorar, também, sob pena de ser chutado do poder e ficar na oposição por 16 anos seguidos…

    Como um pessoal aí de quem eu já ouvi falar. Não sei se tu conheces…

  27. Chesterton said

    Dois fatos recentes revelam como está mudando a realidade no campo. Como resultado da perda de militantes, surgiu um racha no Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), que veio a público com a divulgação de uma carta de 31 de seus apoiadores mais radicais se desligando do movimento e acusando sua direção de “subordinação às linhas políticas do governo”, que prefere “movimentar a massa dentro dos limites da ordem e ampliar projetos assistencialistas”, deixando de lutar pelo socialismo. Por seu lado, o Incra, depois de constatar que mais de 100 mil famílias assentadas venderam os lotes que lhes foram destinados, lança uma campanha para alertar a população contra esse tipo de operação ilegal. (OT)

    chest- perda de militantes agora, pois sem terra desapareceu há muitos anos. Dividiram-se entre guerrilheiros marxistas e beneficiários de dinheiro público a fundo perdido. Haja impostos para os trabalhadores sustentarem uma malta estatal e para-estatal. E os assentados descobriram recentemente que não tem lá muita vocação para a vida de campo…..é aobsolutamente hilário.

  28. Pax said

    Caro Zbigniew, em #23

    Concordo em muito com teu comentário.

    Caro Elias, em #26,

    “A esquerda que o Brasil pode e merece ter” você diz. Hum… não sei se concordo.

    Entendo (de mau humor) o deslocamento que o PT fez ao centro (ou à direita) para assumir o poder. Não exatamente por se tornar menos socialista. Ao contrário. Mas, precisamente, por ser tornar mais corrupto, ou, se quiser não carregar tanto nas tintas, por aceitar, compactuar e participar de tanta corrupcão. E por se aliar com sorrisos largos com o que há de pior na política nacional, o tal coronelato que exige fatias absurdas do país. Energia é um só de vários exemplos. Uma das variáveis mais importantes para nosso futuro entregue nas mãos de quem não tem o menor compromisso com o país, com a sociedade. Verdade ou não?

    Poderia fazer diferente? Com certeza.

    Como? Não tenho uma fórmula, um modelo, mas sei que ao abandonar convictamente os compromissos éticos e morais adotou o caminho errado. Uma coisa é fazer alianças, outra, bem diferente, é “dar” o que é do povo para ladrões conhecidos, bandidos de marca. Pior que isso é participar desta pilhagem, adotar o modelo.

    A História também vai anotar este desvio. Tenha certeza.

    O problema é este que a gente vem falando e o caro Chesterton não quer ouvir: falta uma oposição que seja boa e forte o suficiente.

  29. Chesterton said

    Falta um governo genuinamente comprometido com o amadurecimento democrático e pessoal do povo. Chega de escapismos. Chega de paternalismo que aleja um homem na alma.

    E aí, Pax, resolveu o link?

  30. Chesterton said

    aleija…

  31. Zbigniew said

    Pax, infelizmente no Brasil fazer alianças comporta em “dar o q e do povo”. Quebrar isto exigiria romper com um modelo q da sustentação politica a um governo. Observe q um Sarney, um Calheiros ou uma bancada não governam só. Obedecem a interesses. São esses interesses q determinam as ações. Estaria o PT (ou qq outro partido – observando q todos eles devem ter compromisso com a ética), disposto a enfrentar tais interesses? Sabemos q, se a imprensa quiser, ela publica “um escândalo por dia”. Mas quais escândalos? Vai depender dos interesses envolvidos.

  32. Chesterton said

    http://www.dicta.com.br/consciencias-negras/

  33. Pax said

    Caro Chesterton,

    Ainda não resolvi. No fim de semana que vem farei um teste com umas antenas para ver se consigo captar um sinal de celular 3G no alto de um lugar por aqui. Mas até agora nada…

    Caro Zbigniew,

    A questão é a acomodação do PT com o modelo. Parece que gostou do que encontrou e o estimula, ao invés de trabalhar para mudá-lo.

  34. Zbigniew said

    Caro Pax. E temerário dizer q a corrupção e estimulada pelo PT. Creio q se acomodar e estimular são coisas bem distintas.
    Concordo com a acomodação e entendo q cabe uma reação, sim. O problema e o custo político e o enfrentamento q o partido esta disposto a bancar. Na verdade, rupturas como essas q esperamos, de regra – e não estamos mais na época das grandes revoluções políticas – demandam tempo. Podem ocorrer naturalmente, através do amadurecimento gradual da sociedade e suas instituições. O q não quer dizer q não possam ser acelerados por intervenções pontuais de atores importantes (partidos políticos, instituições diversas, etc.). As relações de poder definirão o grau de transformação. E aí e q questiona-se: na reforma politica proposta pelo PT em q o financiamento de campanha torna-se publico e na qual se esta a discutir a forma do exercício do voto (se distrital, distrital misto, em lista, etc), não estaria uma bela oportunidade de se mudar este estado de coisas? E se o PT encabeça essa iniciativa, poderíamos julgar q a agremiação tomou gosto pela corrupção? Não seria uma generalização injusta?

  35. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Talvez você tenha razão. Posso ter carregado nas tintas.

    Problema é que olhamos para este leque de parcerias que o PT montou e o elenco escalado por eles – parceiros – para administrarem fatias importantes do país e a coisa fica um tanto intragável.

    Energia é um destes casos que venho citanto. Está nas mãos do Ribamar, escalou um jornalista de quinta categoria para administrar um dos ministérios mais importantes para o país, o de Minas e Energia. Isso é coisa que se aceite sem reclamar? Sinceramente não consigo.

    Afora estes outros ladrões de galinha que toda semana aparecem no noticiário e acabam caindo do ministério formado.

    Aí ficamos naquela questão semântica: isto é ou não estimular? O que é mesmo estimular?

    Olha que nem entramos em questões Land Rovers da vida pregressa.

    Você toca num ponto importante, a reforma política. E aqui temos outra discussão a desenrolar: o PT realmente encabeça uma proposta de Reforma Política? Mais uma vez coloco isto em dúvida. E já digo de antemão que não vejo enormes esforços do partido em pegar esta bandeira.

    Aliás quem está tentanto é o Kassab com este novo e fajuto partido que criou.

    Quem pode surpreender um pouco mais à frente é o Eduardo Campos e o PSB. Agora é esperar os movimentos que acontecerão nas eleições municipais do ano que vem e 2014 para termos uma visão mais clara deste futuro.

    O que posso assegurar é que neste caminho que o PT adotou eu não vejo muito futuro. Ao contrário. Independente de uma oposição risível e desnorteada, o PT se enfraquece e mais dia menos dia tende a aparecer algo, alguém, um partido, sei lá, que venha a estimular os corações do povo.

    Se a economia der para traz, seja lá porque motivo for, esta minha visão se acelera um bocado.

  36. elias said

    Pax,

    O PT é o partido que o Brasil queria no poder, nesta fase de nossa história. É o partido que mais corresponde às expectativas da população, não apenas desta ou daquela classe social. É “transversal à sociedade”, como dizia Marina Silva.

    É pouco? É, pro meu gosto e pro seu também. Mas o que o brasileiro quer. Um discurso mais à esquerda não sensibilizaria o eleitor.

    Corrupção? Roubalheira? Ora, Pax. Isso é generalizado no país. Você compra um produto, paga uma grana por ele e, mais adiante, descobre que o produto que você comprou não é nada daquilo que te prometeram. Isso nunca te ocorreu antes? Não está ocorrendo agora?

    Bobagem pensar que a desonestidade existe apenas no aparelho estatal. Esta ainda tem o pra lá de duvidoso mérito de ser denunciada. A par dessa roubalheira existem outras, nos mais diferentes campos da atividade humana, que causam danos à sociedade tanto quanto ou mais que a roubalheira estatal. Pra citar só mais um exemplo, lembro os cirurgiões plásticos que, volta e meia, matam alguém numa mesa e cirurgia e nunca são punidos pelos CRMs.

    Ingênuo acreditar que o brasileiro se torna milagrosamente desonesto apenas quando tem acesso à administração pública. E que se torna milagrosamente mais honesto quando fora da administração pública. Ingênuo pensar que, fora da administração pública, o brasileiro seja mais honesto. Ou menos desonesto.

    As pessoas que argumentam como se assim fosse, estão, na realidade, agindo como militantes políticos. Não por acaso, quando o assunto é a roubalheira de alguém com quem elas se afinam politicamente, essas mesmas pessoas viram a cara pro outro lado, fogem do assunto, fazem cara de paisagem…

  37. Zbigniew said

    Reconheco, Pax. E dificil encarar esses ministros e suas praticas cartoriais. Ainda que se entenda que as aliancas politicas exijam cotas para aliados e que o governo apenas faca marcacao sobre aquilo que lhe e mais sensivel ou caro para nao melindrar a base. E aqui nao se entra em valores, quantitativos, mas apenas nas questoes eticas que, parecem, estao esquecidas por alguns blogueiros progressistas, embora concorde com a afirmacao sobre a campanha seletiva de parte da midia. E dificil engolir que so se governa se se fechar os olhos para algumas praticas.

    Acho importante fazer a distincao entre estimular e acomodar. Nao e so semantica. Nao acredito que a Dilma tenha colocado aliados em ministerios para que eles roubassem ou privilegiassem esta ou aquela empresa, ONG ou Estado. Ela muito menos, por ser uma tecnocrata de escol, talento, e nao ter qualquer mancha na sua vida publica (o Agripino ainda tentou imprimir a pecha de mentirosa, e deu no que deu. No maximo conseguiram o de “durona” o que nao e de todo ruim).

    Na cabeca do partido do poder, do Chefe do Executivo, a relacao de confianca e suficiente para impedir “investigacoes”. Para isto existem as Controladorias, Comissoes de Eticas, Ministerios Publicos, Tribunais de Contas, e toda uma serie de leis que deveriam ser suficientes. Se se provasse que a Dilma ou o PT fizeram pressao para este ou aquele aliado ser poupado de alguma investigacao, ai tudo bem. Era acobertamento, estimulo. Mas nao ha noticia disto. O Governo deveria pedir aos partidos aliados que trocassem os ministros apontados em irregularidades constatadas pelas instituicoes oficiais. Mas isto comporta um preco politico. So que quando a midia entra no jogo os pejos se tornam irrelevantes pelo efeito politico das denuncias. Esse trabalho seria salutar se nao fosse seletivo e feito por instituicoes particulares com interesses politicos bem definidos embora nao declarados.

    O PT tem um projeto de reforma politica bem interessante. Ha criticas a favor e contra, logicamente. Ha noticias aqui: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=1&id_noticia=149689; aqui: http://www.pt.org.br/index.php?/reforma_politica/ ; aqui: e um bom texto aqui: http://www.viomundo.com.br/politica/maria-ines-nassif-pt-sem-a-reforma-politica-um-caminho-sem-volta.html. Ha sim iniciativas importantes neste sentido.

    Por fim vcs ja firam a foto da Dilma que esta sendo publicada na internet? http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-re-dilma-em-novembro-de-1970. Bem simbolica, nao?

  38. Chesterton said

    Corrupção? Roubalheira? Ora, Pax. Isso é generalizado no país. Você compra um produto, paga uma grana por ele e, mais adiante, descobre que o produto que você comprou não é nada daquilo que te prometeram. Isso nunca te ocorreu antes? Não está ocorrendo agora?

    chest- há uma enorme diferença entre roubo entre cidadãos e corrupção governamental. O primeiro não lesa o contribuinte, o segundo lesa o contribuinte. Parece que os petistas não aprenderam a fazer diferença entre o dinheiro do contribuinte e o o próprio.

  39. Chesterton said

    O PT é o partido que o Brasil queria no poder, nesta fase de nossa história. É o partido que mais corresponde às expectativas da população, não apenas desta ou daquela classe social.

    chest- eu substituiria partido PT por Lula. Lula acabou com o petismo. Rachou o PT em 2, os puros, de esquerda, e os fisiológicos, os da boquinha, que acompanharam Lula.

  40. Chesterton said

    O mundo desaba e Obama tira 17 dias de férias no Hawaii (as décimas férias deste ano).

  41. Pax said

    Caros Elias e Zbigniew,

    Não consigo concordar que o PT seja o partido de esquerda que o Brasil quer neste momento.

    Uma coisa é o modelão político instaurado e apodrecido. Outra coisa, e infelizmente há uma distorção, é o que quer a sociedade.

    A sociedade está apartada da política. Só para discutirmos as causas teríamos que desenvolver uma tese.

    Mas o que importa é que a sociedade não quer o que vê na política.

  42. Pax said

    Bom o artigo da Maria Inês Nassif linkado pelo caro Zbigniew.

  43. Chesterton said

    Recebo de um desses leitores que, em princípio, não têm o que fazer no meu blog, mas que me adoram, um comentário até bastante cru, quase bobinho. Ele se chama “Renato”. Os esquerdistas mais espertos do que ele certamente não endossariam o seu texto porque revela coisas demais. O fato é que Renato presta um serviço à verdade ao tirar o glacê de suposto requinte que cobre o pensamento da esquerda e expressá-lo na sua essencialidade. Leiam na forma como chegou. Volto em seguida.

    Se os Guerrilheiros infelizmente mataram gente inocente durante a ditadura foi por descuido de uma guerrilha que foi provocada pela ação golpista dos militares que tomaram o poder civil legalmente constituido. Ou seja, os responsáveis pelas mortes inocentes provocados pela guerrilha, foi quem deu causa a que ela surgisse: Os Próprios militares. Essa falácia de que os guerrilheiros queriam impor uma ditadura comunista é muito usada para justificar um golpe abusivo e vergonhoso para a história do Brasil que suprimiu toda e qualquer liberdade de manifestação e oposição no Brasil, foi péssimo para o povo, mas que foi ótima para certas elites.

    Voltei
    Entenderam? Não fossem, então, os militares, os esquerdistas não teriam matado inocentes! Assim, temos como corolário o seguinte: quando um direitista mata alguém, o culpado é o direitista; quando o assassino é um esquerdista, o direitista segue sendo culpado. Interessante o mundo de Renato! Divide-se em dois grupos: o dos culpados de sempre (a direita) e o dos inimputáveis e inocentes de sempre (os de esquerda).
    O reinaldão.

    chest- mais ou menos a discussão de vocês sobre a oposição…..

  44. elias said

    Pax,

    Você disse: “A sociedade está apartada da política.”

    Por isto mesmo é que o PT é a esquerda que o Brasil atualmente quer. A esquerda possível…

    Um PT pouquinha coisa mais à esquerda simplesmente não teria voto.

    Chesterton,
    O “roubo entre cidadãos” afeta quem? O “não contribuinte”?

    Quem é esse cara? O desempregado?

    Uma empresa de construção civil que burla a convenção de construção (ou seja: praticamente todas as construtoras); colocando lajota cerâmica onde deveria colocar porcelanato, reduzindo a quantidade de ferro na concretagem; modificando a proporção cimento/seixo/areia no “traço” do concreto; colocando sempre o “similar” nas ferragens, onde, na convenção, está escrito “Deca ou similar”, é tão ladra quanto qualquer corrupto da Administração Pública.

    É danosa à sociedade tanto quanto.

    Esse negócio de dizer que Fulano é menos ladrão do que Sicrano, só porque Fulano rouba de “A” e não de “B”, é típico das sociedades com moral de hímem complacente. É essa tolerância que acaba permitindo coisas muito piores.

    No limite, é como se, por trás de cada centavo roubado dos cofres públicos, não houvesse interesses privado se beneficiando…

  45. elias said

    “não houvesse interesses privado se beneficiando…”

    …interesses privadoS, claro.

  46. Elias said

    Quando um político ou analista político de direita lamenta ou critica o “deslocamento político-ideológico” do PT em direção ao centro (ou à direita, conforme o enfoque), quase sempre ele está sendo sincero, embora quase nunca revele a verdadeira razão.

    E a verdadeira razão é que, quando o PT era mais à esquerda, também era mais fácil derrotá-lo…

  47. Pax said

    Caro Elias, em #44

    “Um PT um pouquinho mais à esquerda… “.

    Desculpe-me, caríssmo amigo de tantos anos. Não acho que a questão discutida aqui seja um posicionamento mais ou menos social democrata.

    A questão aqui é a aceitação ou não de um modelo politico apodrecido.

    Soube-se jogar um jogo estabelecido? Sim.

    Haveria de envidar todos os esforços possíveis para mitigar este rumo? SIM!!!

    Foi o que fez? Esta parece ser, para mim, a discussão.

    O caro Zbigniew trouxe alguns links acima, em #37, apontando que o PT quer as tais mudanças que eu entendo serem fundamentais para se sair dessa ciranda venal. Mas, confesso, não me convence.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: