políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Marconi Perillo, Cachoeira e a oposição Titanic

Posted by Pax em 17/04/2012

Não bastasse o senador Demóstenes Torres jogar mais uma pá de cal no cadáver do DEM, o governador de Goiás, Marconi Perillo, do PSDB, ajuda a colocar a oposição a pique.

Desde o primeiro governo Lula os partidos apeados do poder – principalmente PSDB, DEM – nunca souberam achar rumo. Não têm qualquer discurso que se aproxime da sociedade. Não há, sequer, alguma proposta, nem mesmo uma bandeira que se pode dizer que está com a oposição.

Havia uma pose de guardiães da moral e da ética, principalmente depois do estrago causado pelo mensalão do PT, ainda para ser julgado pelo atrasado STF. Mas fatos desastrosos e retumbantes tiraram qualquer condição deste discurso único e fraco.

A sociedade brasileira, o povo às urnas, parece anestesiado com a roubalheira, os desvios e anomalias com a coisa pública. Uma pena o estrago causado pela pior classe política de todos os tempos.

As escutas telefônicas do mafioso Carlinhos Cachoeira, compadre de desmandos, segundo o noticiário geral, de Demóstenes Torres, chegam muito perto de Marconi Perillo, governador tucano de Goiás. Lotes de cargos do estado eram passados para a quadrilha de Cachoeira.

Perillo tenta desesperadamente se esquivar das acusações mas nem mesmo tucanos acreditam em sua defesa.

A oposição parece o Titanic que afundou matando 2/3 de seus ocupantes.

Isto é péssimo para o país.

Governador de Goiás se defende da suspeita de envolvimento com Cachoeira – Jornal da Globo

Marconi Perillo teria, segundo a escuta da Polícia Federal, autorizado a contratação de funcionários indicados pelo bicheiro Carlos Cachoeira.

Vladimir Netto – Brasília, DF

Gravações divulgadas nesta segunda-feira (16) dão conta de que o governador de Goiás, Marconi Perillo, do PSDB (GO), teria nomeado funcionários a pedido do bicheiro Carlinhos Cachoeira e, outra série de gravações, envolvendo o presidente da empreiteira campeã de contratos públicos, a Delta Construções, sugere que a empresa fazia pagamentos ilegais a políticos.

A empresa Delta já está no centro das atenções da CPI, que deve ser instalada para investigar as operações Vegas e Montecarlo, na qual foi preso o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

“É uma empresa que tem contratos com vários estados, tem contrato com o governo federal e eu acho importante a CPI convocá-la”, diz o deputado Jilmar Tatto (PT-SP).

“As relações da empresa Delta e de Carlos Cachoeira com o governo são inegáveis”, fala o líder do partido, senador Álvaro Dias (PSDB-PR).

Levantamento do site Contas Abertas mostra que a empresa atua em 23 estados e no Distrito Federal. Em 2011, recebeu quase R$ 89 milhões pelo serviço de limpeza em Brasília; R$ 55 milhões do estado do Rio de Janeiro, quase R$ 13 milhões do governo do estado de São Paulo por serviços de conservação de estradas, entre outros e perto de R$ 900 milhões do governo federal.

A Delta é a 6º maior empreiteira do Brasil. As investigações da Polícia Federal mostram a utilização de empresas de fachada do bicheiro para movimentações financeiras entre a Delta e ele.

Gravações divulgadas nesta segunda-feira (16) no blog do jornalista Mino Pedrosa revelariam o modo de operação da empresa. O empresário Fernando Cavendish, presidente do conselho de administração da construtora, aparece em uma reunião falando sobre dinheiro para políticos. Ele foi gravado em 2009, por um dos integrantes da reunião entre Cavendish e outros dois empresários.

“Se eu botar R$ 30 milhões na mão de políticos, eu sou convidado para coisas para ‘…’. Pode ter certeza disso! Te garanto!”, fala Cavendish.

Quando fala em ser convidado, segundo o blog de Mino Pedrosa, Cavendish estaria se referindo a uma maneira de conseguir obras pagas com dinheiro público. “Vou ser muito sincero com vocês: seis milhões aqui, eu ia ser convidado. Isso aqui o, senador fulano de tal, se me convidar, eu boto o dinheiro na tua mão!”
Em nota, a Delta afirma que o áudio foi produzido clandestinamente e editado por ex-sócios da empresa, que estão sendo processados por calúnia e difamação.

Depois do governador de Brasília, Agnello Queiroz, mencionado em algumas gravações feitas pela Polícia Federal com autorização da justiça, hoje foi a vez do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) entrar em cena no caso Carlinhos Cachoeira.

No dia 11 de março do ano passado, Carlinhos Cachoeira conversa com o ex-vereador do PSDB, Wladimir Garcez, considerado braço direito no esquema do bicheiro. Garcez, que está preso, fala que o governador de Goiás, Marconi Perillo autorizou contratações de pessoas selecionadas por Cachoeira.

Wladimir: então é o seguinte, o governador liberou os negócios dele e eu falei para ele que nós temos mais quatro pedidos. Esse de Anápolis ele resolveu vai lotar nas nomeações. Os de Goiânia, ele vai ver a questão de gerência aqui. Aí, tem duas ou três gerências para vir para nós para gente discutir quem são os nomes.

Carlinhos: Tá, cê põe a Vanessa numa. A Rosana pode ser um salário de R$ 2 mil. A Vanessa é gerência, tá.
(Continua no Jornal da Globo…)

Anúncios

86 Respostas to “Marconi Perillo, Cachoeira e a oposição Titanic”

  1. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    há aí uma boa diferença entre as provas obtidas contra Marconi Perillo e as provas obtidas contra “os políticos em geral, os quais chegam a valer 30 milhões”.

    As provas obtidas contra Marconi Perillo são da Polícia Fedeal, devidamente autorizadas por ordem judicial.

    As provas obtidas contra os “políticos em geral”, além de anônimas, estão sendo contestadas de terem sido editadas.

    É uma diferença enorme!

  2. Elias said

    Pax & Patriarca,

    Quero ver como se portam nossos colegas comentaristas, que encheram a lista de comentários do outro post, com ameaças do PSDB de investigar a Delta.

    Repito: se o PSDB fizer isso, será uma monumental escarrada acatarrada pra cima… O partido do bico grande vai tomar um banho com o que sair das profundezas de seu próprio ser…

    Junto com ele o PPS e o que ainda resta do DEM…

    Ou eu muito me engano ou a conta eleitoral da oposição de direita será altíssima.

  3. Cebolinha said

    Sei não.

    O Caven dixe que contratou o chefe da sofisticada organização criminosa como consultor internacional. Mas, em seis meses a atuação internacio nal diminuiu e o faturamento com o governo petista subiu R$ 395 milhões. Coincidencia, diria o sabio, sabão Elias.

    Aquele acidente de helicoptero no Rio que morreram parentes do Cave e do Cabrinha, como é que foi mesmo?
    Aliás, cadê o Cabrinha?

    Parece que a oposição está alvoraçada, mas, é pra saber o que mais o Cave dixe sobre o governo Iceberg. (apenas a pontinha é visível)

  4. Chesterton said

    Elias, fodam-se os inúteis da oposição, será que você nãos e mancou.
    “Oposição é o jornalismo, o resto é armazem de secos e molhados…” Millor fernandes

  5. Chesterton said

    Dizem que um certo advogado famosíssimo foi contratado para defender um certo contraventor não menos famoso por R$ 15 milhões. Seriam os maiores honorários já cobrados por alguém no Brasil. Tolinhos. O certo advogado famosíssimo só ficará com os R$ 5 milhões pagos à vista. Os demais R$ 10 milhões são para pagar diversos silêncios necessários para livrar a cara do não menos famoso contraventor. Os pagamentos já começaram a ser feitos e a CPI entrou em regime de espera. Espera pelos próximos pagamentos.
    POSTADO POR O EDITOR Coronel

  6. Chesterton said

    Quem tem medo do Cachoeira?
    O PSDB afirmou hoje, de forma peremptória, que não possui qualquer ligação ilícita com Carlinhos Cachoeira. E liderou ato em prol da abertura da CPI. O PT também afirma que não existe assunto proibido na CPI, não temendo que o escândalo respingue no governo federal, via José Dirceu e Delta Construções. Quem tem medo do Cachoeira? O PMDB do Sérgio Cabral que, como sempre, sumiu, escafedeu-se?
    POSTADO POR O EDITOR

  7. Patriarca da Paciência said

    Esse comentário n 03 é típico de quem está contaminado pelo PIG, ou seja, insinuações e mais insinuações baseadas em simples suposições.

  8. Cebolinha said

    Então tá, vamos brincar de insinuar caro Patriarca, (que baba ovos para um governo que foi vendido como Matriarcal ” A mãe do foribundo PAC, lembra?”)
    Caro Patriarca, parece que seu nick não está muito coerente com suas idéias, ou vc está supondo alguma coisa que não entendi, com o nick Patriarca?
    Eu suponho também que vc vive numa ilha de uma certa professora que virou ministra da pesca, antes dela houve o primeiro ministro da pesca também, que também era muito entendido no assunto pois fez carreira política a mais de 600 km do litoral, Fritschschsch nem me lembro do nome dele. Parece qiue é uma sina, todo candidato do PT ao governo de SC, derrotado, vira ministro da pesca.

    As lanchas eram pra que mesmo? Não, não ousaria dizer que eram apenas pra pagar a campanha, pois até hoje elas estão estacionadas em terra pra não estragar. ( Todo mundo sabe que lancha no mar estraga).
    Mas, falando continuando falar em insinuação vc ousaria insinuar quando a duplicação da BR 101 ficará pronta.

    Segundo o seu guru que já a inaugurou trozentas vezes ela já está pronta.

    Responda para quem paga pedágio pra trafegar numa rodovia inacabada, quanda ela ficará pronta?

  9. Cebolinha said

    Então tá, vamos brincar de insinuar caro Patriarca, (que baba ovos para um governo que foi vendido como Matriarcal ” A mãe do foribundo PAC, lembra?”)
    Caro Patriarca, parece que seu nick não está muito coerente com suas idéias, ou vc está supondo alguma coisa que não entendi, com o nick Patriarca?
    Eu suponho também que vc vive numa ilha de uma certa professora que virou ministra da pesca, antes dela houve o primeiro ministro da pesca também, que também era muito entendido no assunto pois fez carreira política a mais de 600 km do litoral, Fritschschsch nem me lembro do nome dele. Parece qiue é uma sina, todo candidato do PT ao governo de SC, derrotado, vira ministro da pesca.

    As lanchas eram pra que mesmo? Não, eu não ousaria dizer que eram apenas pra pagar a campanha, pois até hoje elas estão estacionadas em terra pra não estragar. ( Todo mundo sabe que lancha no mar estraga :-)).

    Mas, continuando a falar em insinuação, vc ousaria insinuar quando a duplicação da BR 101 ficará pronta?

    Segundo o seu guru que já a inaugurou trozentas vezes ela já está pronta.

    Responda para quem paga pedágio pra trafegar numa rodovia inacabada, quanda ela ficará pronta?

    CORRIGINDO

  10. Patriarca da Paciência said

    Cebolinha,

    só uma afirmaçãozinha, seu nick é muito coerente com o que você escreve.

    Pax e Elias,

    tudo indica que a coisa sai mesmo:

    Depois do Senado, foi a vez da Câmara conseguir, nesta terça-feira, reunir as assinaturas necessárias para instalar a CPI do caso Cachoeira.

    A CPI será mista, com presença de deputados e senadores e vai investigar a relação do empresário de jogos ilegais Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com políticos, servidores públicos e empresários.

    Até agora, 272 deputados assinaram o requerimento. O mínimo de apoio para a instalação da CPI é de 171 assinaturas.

    No Senado, o documento conta com o apoio de 28 parlamantares –o mínimo é 27.

    Na Câmara, foram 78 apoios do PT; 46 do PMDB; 50 do PSDB; 16 do PR; 25 do PSB; 11 do PC do B; 27 do DEM; 16 do bloco PV/PPS e 3 do Psol.

    Todas as assinaturas devem ser reunidas para que o documento seja protocolado oficialmente na secretaria-geral da Mesa do Congresso. Depois disso, as assinaturas são conferidas. O requerimento precisa ser lido em sessão a ser presidida pela vice-presidente do Congresso, deputada Rose de Freitas (PMDB-ES), já que o presidente José Sarney (PMDB-AP), pediu licença do cargo..

    Mais cedo, a deputada disse que seguirá o regimento. “Não fugirei de nenhum dos meus deveres. Se a Casa optou por fazê-lo, evidentemente que tem que ser feito”, afirmou.

    Entre as relações que devem ser investigadas pela CPI está a ligação de Cachoeira com o senador Demóstenes Torres (sem partido, ex-DEM). Interceptações telefônicas feitas com autorização judicial indicam que o parlamentar atuava no Congresso em favor do empresário.

    Outras gravações revelaram o envolvimento de servidores públicos do Incra e de funcionários dos governos estaduais de Goiás e do Distrito Federal.

    A expectativa é que a CPI saia do papel nesta quinta-feira.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1077554-deputados-reunem-assinaturas-e-cpi-ja-pode-ser-aberta.shtml

  11. Cebolinha said

    Não respondeu nada, e o insinuador sou eu?

    Aliás, vc está confundindo cebolinha, com as suas abobrinhas

    O famigerado FHC duplicou o trecho norte da 101 em 4 anos, no primeiro mandato, com túneis, serras e o escambau. Enrolou, enrolou e não fez nada no trecho sul no segundo mandato.

    Lula, fez campanha aqui, dizendo que faria o trecho sul no primeiro mandato, enrolou, e começou a obra prometendo acabar em 2008.
    Depois na reeleição, prometeu para 2010, aí veio a mãe do PAC e prometeu que se não ficasse pronta em 2010, iria ficar pronta nos primeiros meses do seu governo. ( Não ouse INSINUAR que é mentira, tem vários audios disso, consulte sommaiorfm). Agora, já não tem mais coragem de INSINUAR que a BR 101, a rodovia do mercosul, e da copa do mundo, ficará pronta em 2014, já estão colocando o prazo de conclusão para 2017.

    Em tempol, Qualquer anarfa que olhar no gurgouertle verá que o trecho norte: divisa com o paraná até fpolis tem o mesmo tamanho de – fpolis até a divisa com o rio grande do sul.

    E vou afirmar mais uma coisa, sem insinuação nenhuma, o pessoal que coloca o selo de privatização na testa da oposição, já cobra pedágio da rodovia inacabada.

    Sou eu que estou dizendo, insinua que não é verdade caro Patriarca.

    Esta não foi o Caven que dixe.

  12. Patriarca da Paciência said

    Caro Cebolinha,

    eu não sou procurador do Lula, muito menos do FHC.

    Comento em blog porque me julgo um cidadão brasileiro com direito a ter opinião sobre tudo que acontece no meu país.

    Você também tem todo o direito de ter suas opiniões.

    Mas realmente eu não tenho nada a declarar sobre suas opiniões.

  13. mauro said

    e ANTONIO cachoeira GOMIDE,prefeito de anapolis, como é que fica…de que partido ele é mesmo??? PT…aaá bom! e a delta óóó´….e anapolis óóóó…

  14. Cebolinha said

    Me atrevo a INSINUAR que vc emudeceu.

    Talvez aquela ostrinha, lá em Santo Antonio de Lisboa me dê a resposta.

  15. Michelle de Souza Malone said

    Good day for everyone

    Cebolinha
    Enquanto os anencéfalos morais – os petralhotários- cantam vitória sobre uma oposição inexistente,
    o PMDB janta o PT pelas bordas…

    PMDB quer controle de CPI do Cachoeira para coagir Planalto
    PT, por outro lado, acelerou coleta de assinaturas para afastar rumores de que estaria envolvido numa ‘operação abafa’ para proteger parlamentares
    17 de abril de 2012 | 22h 30
    João Domingos e Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo

    BRASÍLIA – O PMDB quer ser tutor da CPI do Cachoeira e assim negociar com o Planalto os rumos da investigação sobre as ligações políticas do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. A ideia é mostrar que a CPI é uma “invenção do PT” e que, uma vez instalada, vai acabar respingando no governo de Dilma Rousseff por culpa do voluntarismo de seu próprio partido.

    O PT, para amenizar os rumores de que estaria envolvido numa “operação abafa” para proteger os parlamentares citados nas conversas com Carlinhos Cachoeira, correu nesta terça-feira, 17, para colher assinaturas a favor da CPI tanto no Senado quanto na Câmara. O requerimento de criação da CPI mista necessitava de pelo menos 171 assinaturas na Câmara e 27 no Senado.

    Por volta das 21h, a CPI foi protocolada com 67 assinaturas no Senado e 340 na Câmara. A oposição, que continuou denunciando a tentativa de “a CPI já nascer com cheiro de pizza”, também foi atrás de apoio para as investigações.

    Pelo Planalto, a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) disse que o governo não participará de “nenhuma operação abafa”, porque a agenda do Executivo é outra: aprovação de projetos como a Lei Geral da Copa e a flexibilização da Lei de Responsabilidade Fiscal.

    O senador Aécio Neves (PSDB-MG) reagiu contra a tentativa da base de excluir das investigações da CPI empresas e pessoas ligadas ao governo. “Não podemos começar uma CPI tirando ou incluindo de uma forma discricionária A ou B, seja agente público ou privado.”

    Detentor da presidência da CPI, por ser o maior partido no Senado, o PMDB vai esperar para ver o PT chegar ao auge do desgaste com a presidente, para assim aparecer como o “salvador da Pátria”. “Essa pode ser a CPI mais sangrenta da História”, disse o presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RO). “Nós não queríamos a CPI. O PT insistiu em fazê-la. Tudo poderia ter sido resolvido pelas investigações da Polícia Federal e Ministério Público”, afirmou Raupp.

    O PMDB manteve a cautela enquanto petistas e oposição iam atrás das assinaturas. “Não há mais como deixar de assinar a CPI. Mas temos a consciência de que o PMDB não é um partido com vocação para pitbull. Não temos essa espécie na nossa bancada”, disse o presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Eunício Oliveira (CE). Ele avisou ainda aos petistas: “Não botem no colo do PMDB um problema que não é dele”.

    Antes de liberar a assinatura de parlamentares a favor da CPI, o PMDB buscou orientação do Planalto sobre a investigação. O líder no Senado, Renan Calheiros (AL), perguntou ao líder do governo, Eduardo Braga (PMDB-AM), qual era a ordem. Braga respondeu: “Não tenho nenhuma orientação”.

    Hospitalizado, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), licenciou-se por 15 dias. Caberá à vice-presidente da Câmara, Rose de Freitas (PMDB-ES), convocar sessão para a leitura do requerimento de criação da CPI. Assim que as assinaturas forem conferidas, ela chamará a sessão. / COLABOROU ROSA COSTA
    ***

    Nem adianta cobrar inteligência da V. Ex.ª …”Little Onion”
    Ele senta nas patas de trás e rosna, tenta fingir que não é com ele, mas
    aumentando o número de asneiras por pixel quadrado, ao cometer comentários.

    Bem vindo (de volta?) “Little Onion”, eu não te conhecia.

    Beijinhos

  16. Michelle de Souza Malone said

    Good day for everyone

    Cebolinha

    Hoje me contaram uma piada de gosto “quase bom”…
    Para registro vou colar aqui:

    PRESÍDIOS DO REGIME MILITAR
    >
    > Falem o que quiserem, mas os presídios da época da ditadura militar eram
    > muito bons.
    > Existem comprovações irrefutáveis que, eles sim, recuperavam presos e
    > deveriam servir de exemplo para o mundo.
    > Nenhum país e nenhum modelo prisional conseguiu reabilitação igual. Orgulho
    > brasileiro!
    >
    > ENTRARAM:
    > – GUERRILHEIROS, TORTURADORES, FRAUDADORES, SINDICALISTAS BRAVATEIROS, LADRÕES, ASSASSINOS E
    > SEQÜESTRADORES.
    >
    > E SAÍRAM:
    > – GOVERNADORES, MINISTROS, PREFEITOS, DEPUTADOS, SENADORES, VEREADORES e
    > DOIS PRESIDENTES da REPUBLICA
    .


    hehehe

  17. Patriarca da Paciência said

    Sra. BESTA,

    vou citar uma passagem da Bíblia, desta vez com capítulo e versículo:

    “As tribulações, que parecem destruidoras e ameaçam nos consumir, ajudarão no aperfeiçoamento do nosso caráter. As lutas da vida nos ensinam lições que, de outro modo, não aprenderíamos (Dt.8.3)”

    Quem já possui um grande caráter, mesmo que passe por grande provações, seu caráter apenas será aperfeiçoado. Um caráter fraco, ao passar por grandes provações, será destruído.

    Entendeu, Sra. BESTA?

  18. Patriarca da Paciência said

    Cebolinha,

    Santo Antonio de Lisboa é um lugar maravilhoso, quase mágico, mas não sabia que as ostrinhas de lá falavam.

    Quem sabe as ostrinhas não oferecerão respostas paras as tuas indagações!

  19. Patriarca da Paciência said

    Folha redescobre a pólvora e reinventa a roda – revela que há políticos que podem ser subornados!

    http://esquerdopata.blogspot.com.br/2012/04/folha-revela-fato-desconhecido-e.html

  20. Patriarca da Paciência said

    “Há uma enorme, uma gigantesca, uma brutal diferença entre divulgar informações que chegam a jornalistas e patrocinar ilegalidades para obtê-las; entre denunciar crimes e violar sigilos que, muitas vezes, protegem pessoas.”

    Acreditem, foi escrito pelo Reinaldinho Cabeção.

    Pena que ela seja do tipo, “faço o que digo mas não faça o que faço”.

  21. Patriarca da Paciência said

    Corrreção:

    o Reinaldinho Cabeção reza pelo credo: “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”.

  22. Chesterton said

    Camisa aberta ao peito, cabelos em desalinho (que esconde um prenúncio de calvície), olhos azuis de galã de folhetim e costeletas de milongueiro, eis Kicillof. Consta que Cristina está inteiramente entregue a seus cuidados… E até a suas ideias.

    Só os tolos ignoram a aparência quando ela se faz tão eloquente. Imaginem se alguém exibindo essas costeletas e se comportando no Senado da República como se estivesse num boteco pode ditar os rumos da economia. E, no entanto, Kicillof, de 41 anos, egresso da “juventude kirchnerista” — esse negócio de “juventude” dedicada a um líder nunca resulta em boa coisa — dá hoje as cartas. Entusiasta da reestatização, é ele o principal interlocutor da presidente e arquiteto da retomada da YPF.

    Os espanhóis querem US$ 10,5 bilhões pela empresa. Kicillof disse que o governo não vai pagar. Em sua exposição, a que não faltou murro na mesa, afirmou: “Não pagaremos à Repsol aquilo que eles querem. São imbecis os que pensam que o Estado argentino deve ser tonto e cumprir aquilo que a empresa deseja”. Deixou claro, também com o vocabulário, o padrão em que passou a operar o governo argentino. A canalha dita anti-imperialista chega aos estertores do prazer, baba de satisfação. Segurança jurídica pra quê? A empresa e o governo espanhóis dizem que vão recorrer à arbitragem internacional. Uma coisa é certa: investir na Argentina passou a ser uma operação de risco.

    Petrobras
    O Brasil não está fora do furor nacionalista da dupla Cristina-Kicillof. O governo argentino cancelou, sem mais nem menos e sem prévio aviso, uma concessão da Petrobras na província de Neuquén. Ao mesmo tempo, exorta a empresa a investir mais no país, entenderam? O governo brasileiro, até agora, está mudo. Edison Lobão, ministro das Minas e Energia, limitou-se a reconhecer a “soberania” dos argentinos para tomar suas decisões, como se isso estivesse em debate. E, no entanto, não está.

    Até agora, só um “líder” emprestou seu apoio irrestrito ao governo argentino: Hugo Chávez! Néstor, marido e antecessor de Cristina, era conhecido por seu temperamento mercurial. Muitos desconfiavam que não batesse bem dos pinos. Começa a se ver agora que era ele a parte moderada do casal…

    Por Reinaldo Azevedo

  23. Chesterton said

    Mais um ministro de Dilma sob investigação. Desta vez é o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo (PT-PR), que está na mira do Ministério Público de Brasília. As informações são do Jornal Folha de São Paulo:

    O Ministério Público Federal em Brasília abriu inquérito para apurar se houve improbidade administrativa do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, ao usar o jato de uma construtora.
    O Código de Conduta da Alta Administração Federal proíbe essa atitude. “Nenhuma autoridade pode receber transporte […] ou qualquer outro favor de fonte privada”, prevê a norma.
    A construtora Sanches Tripoloni faz obras públicas com recursos federais no Paraná, base eleitoral do ministro e de sua mulher, ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil).
    Em julho do ano passado, a Folha revelou que a consultora Teresinha Nerone, amiga de Bernardo e Gleisi, trabalhou para convencer o Ministério dos Transportes a reajustar os valores de uma obra da Sanches Tripoloni.
    Ontem, o ministro disse que não poderia comentar o inquérito, o qual declarou ainda desconhecer.
    Em 2011, quando o voo foi revelado pela revista “Época”, Bernardo divulgou nota em que disse ter viajado em 2010, em finais de semana, feriado e férias, em aviões fretados pela campanha do PT. Ele disse não saber quem eram os donos dos aviões.
    A construtora afirmou que não comentaria o caso.
    Íntegra aqui (para assinantes).

    O petista Paulo Bernardo certamente não perderá o sono com essa investigação.(do Implicante)

  24. Otto said

    A YPF não abria um poço na Argentina desde 2009.

  25. Elias said

    “Oposição é o jornalismo, o resto é armazem de secos e molhados…” Millor fernandes (Chesterton)

    Eu vivo dizendo que a direita brasileira ficou doida… O Chesterton, que é médico, me ajuda a provar isso, servindo como exemplo.

    Chester, tenta assim: “Jornalismo é oposição; o resto é armazém de secos e molhados”.

    Entendeu? Não? Vou expandir:

    1 – Todo violinista é músico; mas nem todo músico é violinista.

    2 – Todos os coronéis são militares, mas nem todo militar é coronel.

    3 – Todo veleiro é um barco, mas nem todo barco é um veleiro.

    4 – Todo automóvel é um veículo, mas nem todo veículo é automóvel.

    5 – Todo jornalismo é oposição (segundo Millor Fernandes, para quem, se não fosse oposição, o jornalismo seria um mero armazém de secos & molhados), mas nem toda oposição é jornalismo.

    Entendeu agora, lusa e alentejana criatura?

  26. Zbigniew said

    E hoje a Cristina Kichner e execrada no Bom(?) Dia Brasil, que faz coro (nada mais logico) ao stablishment internacional e aos gerentes espanhois. Interessante e que colocaram o Presidente do Mexico pra dar esporro na Cristina.
    A urubologa Mirian Leitao levantou as seguintes e fantasticas verdades (sim, porque eles consideram que o que dizem transforma-se automaticamente em verdades. E isso e verdade para alguns acefalos, comuns mas, gracas a Deus, em menor numero no pais):
    – E ruim para o pais porque o Mercosul passara a ter dificuldades de fazer negocios com a Europa (como se a Europa fosse suspender os negocios em virtude deste fato ou pudesse se dar ao luxo de abrir mao de negocios);

    – E uma providencia populista, ja que a Presidente da Argentina esta com problemas de popularidade. Dai terem entrevistado um unico hermano que falava mal da Argentina, para reforcar a tese (desculpe, verdade) do problema de aprovacao popular.

    Estas sao as analise “inteligentes” que nos brinda a Globo e sua urubologa logo de manha cedo.

    Nao conseguem ser um minimo honestos e analisar os motivos alegados pelo governo vizinho.

    A falta de investimentos, a necessidade de importar petroleo quando pelas reservas calculadas o pais poderia ser auto-suficiente trazem prejuizos a Argentina. E ai pergunta-se? Em materia de energia e confiavel que o setor esteja nas maos exclusivas da iniciativa privada? Mesmo que haja um sistema de regulacao?

  27. Pax said

    Caro Otto,

    Entrando neste teu off topic, acabei de passar pela Argentina de Norte a Sul, de Buenos Aires a Ushuaia. O problema de abastecimento é grave mesmo. De moto a solução é levar galões extras de combustível. De carro idem, se a autonomia for menor que 500 km.

    Usei dois de 5 litros que comprei em Comodoro Rivadávia. Galões fabricados no Canadá. Queria um de 10 litros mas não havia mais, tinham vendido todos e…

    A Cristina Kirchner tomou uma decisão imbecil de bloquear todas as importações, erro que já cometemos no passado e que não deu em nada à além de atraso.

    Agora essa história da YPF. Não sei julgar, não tenho elementos para tanto.

    Só sei que a Kirchner está apelando pesado para o nacionalismo argentino, para implantar seus projetos que me parecem amalucados.

    E, tempos atrás, tivemos a mesma coisa com o imbecil do General Leopoldo Galtieri que usou do mesmo nacionalismo para fazer uma guerra onde muitos, centenas de hermanos foram massacrados, passando fome e frio embaixo de bombardeios sem fim.

    Particularmente acho que as Malvinas são, sim, argentinas. Só que a forma que o fdp do ditador assassino usou o nacionalismo foi não só improdutiva como provavelmente postergou a posse das ilhas pelos hermanos por décadas ou séculos.

    E agora Cristina…

    Sei não.

  28. Elias said

    Xebolinha,

    Pol quê voxê dixe que eu xou xábio e que vou dixer que é coinxidênxia que o fatulamento di num xei quem xubiu tlezentos e tantos milhões?

    E o que é que ixo tem a ver com a molte de palentos do Cablinha?

    Aliás, quem é Cablinha? É palento do Xebolinha?

  29. Pax said

    Assim funcionam as ditaduras… matam e mudam a cena do crime. Alguém quer covardia maior ou esta já basta? Alguém ainda acredita que Democracia deve ser desprezada? Alguém acha que viver fora do Estado Democrático de Direito é bom?

    Bariu, como diria o Jeca Tatu.

    http://blogs.estadao.com.br/roldao-arruda/juiz-muda-atestado-de-obito-de-perseguido-politico-tortura/

    (hoje é dia de off tópic por aqui?)

  30. Pax said

    Enquanto vocês acham que brigar é agredir uns aos outros, eu brigo é comigo mesmo. Até agora não sei se a expressão “a pique” leva ou não crase.

    Caramba, como posso ser tão ignorante?

  31. Zbigniew said

    So mais uma coisinha: a YPF foi privatizada na epoca do Menem (o tucano deles), o que nao conseguiram fazer aqui com a nossa Petrobras (que queriam que fosse PETROBRAX). Hoje a Petrobras e um agente de suma importancia no processo de desenvolvimentismo brasileiro. A Kichner notou isto e vai imitar o Brasil.

  32. Zbigniew said

    Elias, em #28, hahahahahahahahahaha!

  33. Pax said

    Se quiserem privatizar a Petrobras eu entro na briga contra, sim.

    Se quiserem dar uma limpada na cambada que anda roubando da Petrobras, eu entro na briga à favor, sim.

    Ontem, olhando o noticiário, vendo o Edison Lobão falando sobre a questão de Neuquém, confesso que meu deu um baita embrulho no estômago. Quem é este cara para sobre os interesses da maior empresa brasileira? Filhote do Sarney, o dono do Brasil.

    Peraí que vou ali escolher um galho de aroeira para fazer meu porrete.

  34. Edu said

    Zbig e Otto,

    A Cristina tentou, acredito que há uns 2 anos, contribuir com a triticultura, que é um dos diferenciais agrícolas do país. Ela descobriu que o trigo argentino é de boa qualidade, e que é exportado, inclusive ao Brasil para a produção de farinha.

    O que ela fez? Ela elevou as taxas de exportação do trigo e criou isenções para a farinha, acreditando que isso iria fazer com que moinhos de farinha de trigo fossem ser criados na Argentina, e que o país passaria então a exportar produto com mais alto valor agregado.

    Resultado: Os triticultores argentinos quebraram, os que não quebraram compraram terras e foram produzir trigo no Uruguai. O Brasil passou a importar mais trigo dos EUA e do Canadá (que é considerado o melhor trigo do mundo). Até hoje não vi um pacote de farinha no supermercado brasileiro escrito: fabricado na Argentina.

    Em relação ao petróleo, eu não sei direito, mas gostaria de entender melhor: a Argentina tem tecnologia, conhecimento e capital humano necessários para tocar uma empresa de petróleo? As refinarias da Argentina conseguem refinar o petróleo extraído lá?

    Para efeito de comparação, o Brasil, dizem, é auto-suficiente em petróleo, mas isso é uma meia verdade, já que as refinarias brasileiras conseguem refinar apenas petróleo leve (acho que é essa a terminologia), e o que extraímos é petróleo pesado. Daí temos que exportar o petróleo pesado e importar o leve para conseguirmos sobreviver. Se o Brasil tivesse uma relação ruim com países sede das empresas que exportam o petróleo que as refinarias brasileiras suportam, o Brasil seria altamente dependente de petróleo importado, porque não há tecnologia para isso, para haver tecnologia teria que reformar o parque industrial brasileiro e isso demoraria muito tempo.

    Mas eu acho legal um país tão impressionantemente rico como a Argentina se rebelar contra o stablishment internacional. Vai terminar de enterrar o país quebrado, vai acabar com a economia, vai fazer um monte de gente passar fome, mas os fins justificam os meios.

    Viva lá revolución! E seja o que Deus quiser…

  35. Pax said

    Falando em porrete, o que ainda faz o Agnelo no PT?

    Não há mais militância ativa neste partido?

    Estão esperando o quê mesmo?

    Peraí que vou ali escolher um galho…

  36. Pax said

    O Agnelo vai deixar o PT de bunda de fora nesta CPI. Vão provar um monte de coisas, gente do DEM metido até os esses, gente do PSDB metido até os esses e…

    O Agnelo, do PT, metido até os esses…

    Ou seja, o PT tal e qual o DEM, tal e qual o PSDB e todos à cabresto do PMDB do bigodão.

    É o que indica o farto noticiário.

    De novo: O que o Agnelo ainda faz no PT? Não há mais militância ativa neste partido?

    Peraí que vou ali escolher um galho de aroeira…

  37. Edu said

    Em tempo, não defendo a privatização da Petrobras. Principalmente porque ela é lucrativa. E há um fator importante que eu disse antes: a Petrobras tem tecnologia. A Argentina tem tecnologia?

  38. Elias said

    Pax,

    As dificuldades que enfrentaste têm tudo a ver com que o Zbigniew disse no comentário # 26.

    Foi um erro a Argentina colocar praticamente toda a produção de óleo nas mãos da iniciativa privada.

    Empresa vive de e para o lucro, não para atender necessidades ou prioridades de tal ou qual país. Quando as necessidades do país combinam com o propósito lucrativo, tudo muito bem. Quando não combinam, danem-se as necessidades!

    Tu, eu e todos o que já trabalhamos em estruturas empresariais de grande porte sabemos como é que se joga. E não há nada de errado nisso. Você tem que prestar contas aos acionistas e sabe muito bem o que eles querem, quanto querem, quando querem e como querem. Ignorar essas condicionantes é bancar o palhaço do sistema… Acaba se ferrando a troco de nada.

    Os governos — estes sim! — devem atentar para as necessidades e prioridades nacionais. Quando isso combina bem com os propósitos empresariais, tudo muito bem. Quando não combina, danem-se as empresas!

    É a vida…

    Não tem sentido a Argentina viver em cima de jazidas de óleo e, ao mesmo tempo, ter que importar óleo e derivados. Principalmente agora, quando a capacidade de importação do país tá mais baixa que poleiro de pato… Na trilha em que estava metida, a Argentina ia acabar (e se acabar…) no Século XIX, à luz de lamparinas queimando gordura de foca…

    Tá complicada a situação dos países da América do Sul, quanto a esse assunto. O tal do Pré-Sal brasileiro embaralhou tudo.

    A Bolívia, p.ex., com suas reservas de gás e sem saída pro mar, ficou ainda mais dependente do Brasil. Que, por seu turno, praticamente não precisa mais da Bolívia pra nada. Li há alguns dias, que só os lotes arrematados pelo Eike Baptista têm um volume de gás equivalente a mais da metade de todas as reservas bolivianas. Isso é o que está nas mãos de um único arrematante (o único que fala abertamente sobre o que tem em mãos). Imagina o que há nas mãos do resto, que tá de bico fechado…

    Num contexto assim, quem tá a fim de sair do Brasil pra explorar óleo ou gás numa Argentina cheia de problemas? Ou no Chile? Ou na Bolívia?

    O governo Argentino tinha que fazer alguma coisa, pra tentar sair do buraco. Não sei se o decisão que tomou é a melhor, mas há que se admitir que ele não tinha muitas outras alternativas, né?

    Quem acha que tem uma solução mágica pra Argentina, tem mais é que vendê-la ao governo de lá. Vai ficar rico…

  39. Zbigniew said

    Edu,
    nao sei se tem tecnologia, mas um Estado tem condicoes de desenvolve-la, se necessario. A Argentina nao e um pais qualquer. O que nao podia era o governo ficar nas maos de uma empresa privada que se negava a investir, principalmente numa area tao sensivel como a de energia.
    A Cristina tem errado a mao em muitas questoes de economia, mas neste ponto ela nao tem alternativas.

  40. Pax said

    Caro Elias,

    Quem sabe chamar a Repsol para uma mesa de negociação antes de conclamar a sociedade para um movimento nacionalista?

    Ela acabou de fazer uma “boa” jogada de marketing político com o renascimento da questão das Malvinas, agora mais esta. Será que é a melhor forma de fazer as coisas?

    Sei não, nacionalismo exacerbado acaba dando em merda. Lembra do bigodinho que assumiu em 1933?

  41. Elias said

    Pax,

    “Pau a pique.”

    “O navio foi a pique.”

    SEM crase.

    Crase só nas contrações da preposição “a” com o artigo definido “a”, independentemente da expressão estar no singular ou no plural.

    A necessidade do artigo definido “a” indica que a contração deve se referir a uma palavra no feminino.

    Não é o caso de “pique”, né?

  42. Elias said

    E, Pax,

    Além do mais, é bom não esquecer: o nacionalismo é o último refúgio do canalha.

    Como serve de refúgio pro canalha, o nacionalismo acaba servindo, também, como uma espécie de ópio pros idiotas.

    De qualquer modo, nas condições em que a Argentina se encontra, não sei se o governo de lá tem tantas alternativas assim…

  43. Edu said

    Zbig,

    Concordo que um Estado tem condições de desenvolver tecnologia, tem inclusive como comprar para ficar mais rápido. Só que aí esbarramos em 2 coisas:

    – A Cristina deu um tiro no pé da diplomacia para conseguir comprar a tecnologia, e mesmo que consiga, botar a coisa pra funcionar numa indústria desse porte dá trabalho
    – Desenvolver demoraria quanto tempo? Até lá como a Argentina vai se virar?

    Eu espero sinceramente que tanto a Cristina quanto seus assessores tenham pensado bastante a respeito, afinal, não é possível que toda uma equipe política tome uma decisão tão tacanha do tipo: “já que vcs não querem brincar, devolva a bola que eu vou pra casa brincar de paredão sozinho”.

    Será que a negociação com a YPF vinha rolando sem resultados há tanto tempo que acabaram as opções diplomáticas e resultaram em uma medida tão drástica assim? E ainda que isso tenha ocorrido, já que trata-se de uma concessão, não seria o caso de multar a YPF por falta de investimentos, ou mesmo cancelar o contrato e abrir uma concorrência? E se haviam essas saídas, como não taxar o governo da Cristina de populista? Como bem disse o Pax, ela vem tomando decisões nacionalistas, atabalhoadas e canhestras nos últimos tempos… felizmente, neste caso, não sobra para o Brasil.

    Concordo com o Elias, quem tiver uma solução mágica para a Argentina que a venda.

  44. Elias said

    Pax,

    Onde está escrito:

    “Crase só nas contrações da preposição ´a´ com o artigo definido ´a´…”

    Leia:

    “Crase nas contrações da preposição ´a´ com o artigo definido ´a´…”

    Sem o “só”… Já que se crava a crase em outras circunstâncias, tipo “…àquela altura…”, etc.

  45. Edu said

    Eu não entendo, como a Cristina, com o exemplo do Chile ao lado, resolveu atuar como a Venezuela!

    O Chile é um país que só tem cobre, peixe e agora um pouco de vinho e turismo. Foi esperto o suficiente para entender que uma hora as reservas de cobre se acabam. Até onde eu sei, as minas são chilenas e a exploração é licitada para empresas de quaisquer países que queiram explorar, desde que haja investimento e transferência de tecnologia, os impostos são pesados, pois há uma poupança nacional que está sendo criada pela extração do cobre para que, no momento que o cobre acabar, o dinheiro levantado seja usado para que o país invista em outros países e consiga, por meio dos investimentos sustentar sua economia.

  46. Pax said

    Obrigado, Elias.

    Enviado via iPhone

  47. mona said

    Querem saber, amores meus?
    Quero que a Cristininha Botox tome mais medidas populistas do tipo… sobra pra nóis, né não? Imaginem uns camaradinhas montados na grana (chineses, por exemplo); eles olham para a Argentina, olham para o Brasil, comparam a beleza das duas presidentas e, tchan, tchan,tchan: nossa tia ganha de goleada. Valeu, Cris!
    Quanto aos nossos corruptuzinhos encachoeirados: que venha a CPIIII. Que os contratos com a Delta sejam analisados (humm, o Serginho Cavendish Cabral, jogando pra platéia, já disse que vai fazer isso…) e que tudo seja esclarecido… Mas, venham cá, amores meus: quando todo mundo quer a mesma coisa, há algo errado, não? Oposição e situação no mesmo abraço de afogados? Ou tudo vai dar na maior pizza ou essa vai ser a verdadeira revolução nos costumes políticos do país, sem derramar nenhuma gotinha de sangue, apenas a perda de alguns fiapos de cabelo…
    Ah, Michelle: retribuo os beijinhos.

  48. Elias said

    Edu,
    A estrutura econômica da Argentina tem pouco a ver com a do Chile.

    Diferentemente do cobre chileno, o óleo argentino não se destina à exportação, e sim ao consumo interno, mesmo.

    Basicamente, a economia chilena é mantida pelas exportações de cobre e dos produtos extraídos da área de Atacama (principalmente salitre e guano), que os chilenos tomaram da Bolívia na porrada(no episódio conhecido como “Guerra do Pacífico”). Quando esses produtos acabarem, a economia do Chile quase que desaparecerá, a menos que o país desenvolva outras estratégias de sobrevivência.

    A forte dependência chilena em relação às exportações de cobre tende a ser abalada pela entrada no mercado mundial do cobre brasileiro (a Vale está começando a explorar as jazidas paquidérmicas que existem aqui no Pará).

    Em tempo: pra que tu tenhas uma idéia do tamanho da encrenca, um dos subprodutos do cobre é o ouro. Onde tem cobre, tem ouro. Milhões de toneladas de cobre significam milhares de toneladas de ouro. Assim, quando uma jazida de cobre se exaure, é como se morresse, junto com ela, um porrilhão de galinhas dos ovos de ouro… Literalmente! Dá pra imaginar o abalo a que o Chile está sujeito, caso alguma coisa ruim aconteça com o cobre do país (exaustão de jazidas, concorrência de entrantes infinitamente mais poderosos, como o Brasil, etc).

    Já a Argentina tem uma economia mais complexa, com um grau de industrialização mais elevado e um mercado interno de bom tamanho.

    Boa parte da prosperidade argentina, durante o Século XX, surgiu das exportações de trigo. A Argentina vendeu muito trigo, e por muito tempo, porque a produção européia praticamente zerou, por causa das duas guerras mundiais.

    Aí os argentinos bamburraram! Antipáticos e metidos a besta como só os argentinos sabem ser, os miguelitos portenhos diziam que o resto da América Latina se alimentava com o que a Argentina jogava no lixo. E, descontado o evidente exagero, era mais ou menos isso…

    Quando a II GM acabou, o aparelho produtivo europeu se recompôs e a prosperidade argentina se foi pra nunca mais voltar.

    Durante o tempo das vacas gordas, os argentinos foram perdulários. Gastaram mal a grana que ganharam. Em vez de estruturar uma economia com um mínimo de sustentabilidade, a elite argentina torrou o dinheiro macaqueando o luxo europeu.

    Até hoje o país paga por isso.

  49. Elias said

    “Boa parte da prosperidade argentina, durante o Século XX, surgiu das exportações de trigo. A Argentina vendeu muito trigo, e por muito tempo, porque a produção européia praticamente zerou, por causa das duas guerras mundiais.”

    Trigo e gado, né? Muita carne bovina e derivados.

  50. Edu said

    Elias,

    Eu não disse que as economias eram iguais. Na verdade, o Chile tem uma grande desvantagem, como vc mesmo disse, visto que possui apenas 1 recurso estratégico em que pode conseguir um dinheirinho e ganhar um pouco de visibilidade no cenário mundial.

    Como eu disse, justamente por isso que os chilenos estão com uma poupança interna bastante grande, para que possa ser usada quando não sobrar pedra sobre cobre.

    Quanto ao fato de a produção de petróleo da Argentina ser para o consumo interno ainda tenho minhas dúvidas. Vc garante isso Elias? Como eu disse, o Brasil precisa exportar seu petróleo e comprar o petróleo compatível com a tecnologia existente por aqui. A Argentina tem tecnologia para refinar o petróleo que ela extrai? Ou, assim como o Brasil, a Argentina precisa vender o petróleo que extrai para fora e importar o petróleo que consome? Se for o segundo caso, as pessoas estão sem abastecer seus carros porque o próprio governo não está fazendo o trade direito.

    Além disso, a Argentina depende somente da concessão da YPF? Se sim, por que a Argentina foi fazer uma única concessão para o petróleo dela: para a YPF? Não poderia ter diversificado mais? Quem mediu esse risco? Se os argentinos não estão conseguindo abastecer seus coches, é muito menos em função da YPF e muito mais pelo fato de o governo argentino ter feito uma única concessão…

  51. Elias said

    Bem, Edu,

    Nunca vi petróleo e derivados na pauta de exportação da Argentina. Não digo que ela não exporte nada disso. Apenas, que não é um item importante nas exportações deles. Não tem expressão na economia.

    É exatamente aí que está a diferença. O Chile está poupando (se é que está) em cima de um recurso natural que hoje lhe permite fazer essa poupança.

    A Argentina não tem como fazer isso agora. Ela teve a chance de fazer na primeira metade do Século XX, e não fez. A Argentina fez mais ou menos o que o Pará fez no final do Século XIX/Início do Século XX, no “boom” da borracha. Gastou, gastou e… Gastou! Achava, talvez, que aquela onda nunca fosse acabar.

    E é bom lembrar: hoje, o Brasil já refina qualquer tipo de óleo. Não o suficiente pra atender a todas as suas necessidades, mas já refina.

  52. Pax said

    Caro Elias,

    O dia em que fizeres uma viagem ao interior da Argentina, se é que ainda não fez, e precisar da ajuda dos hermanos do interior, será o turning point sobre a imagem daquele bom povo.

    Em outras palavras seria o mesmo que eles julgassem o PT pela borrada e indigesta imagem do Agnelo Queiroz.

    Aliás, só um instante que vou ali num pé da aroeira…

    (sim, aqui em casa tem essa árvore)

    Onde estão os briosos militantes petistas? Vão sustentar todo tipo de gente?

    Na boa?

    Este partido já foi bem melhor. Não é porque a oposição avinagrou que tudo pode, ora bolas.

    Minha torcida passa a ser que a CPI caia de pau em cima das questões candangas antes de qualquer outra.

    Aí sim teremos um equilíbrio ao descobrirmos todos os capachos de Cachoeira. Goiás tá no papo. Quero é saber de BSB, se houve, ou não, consultoria do ZD etc.

    Briga só é boa quando tem cobras e lagartos desenterrados.

    Enviado via iPhone

  53. Elias said

    Pax,
    Já fui à Argentina, algumas vezes. E até tenho alguns amigos argentinos…

    Quando instalei minha primeira lujinha, ela só dava despesa, uma atrás da outra… Passei a chamá-la de Selenita Gonzalez, minha amante argentina…

    O Che, que era argentino, tinha sua definição de melhor negócio do mundo: comprar um argentino pelo que ele vale e vender pelo que ele pensa que vale…

    Um sábio, o Che… Pena que ele próprio também tenha se achado mais do que era…

  54. Xandão said

    Pax, péssimo para o país é ter uma oposição como esta. Vou logo avisando que gosto dos partidos de esquerda, mas a gente não tem direita aqui para confrontar. O DEM é uma piada. O PSDB não é de direita, é o irmão de mal com o PT. Eu faço coro com você: sem oposição, qualquer governo fica perigoso. Mas não espere da turma do Demóstenes, Agripino, ACM e quetais qualquer brilho nesse sentido. Eles só querem o poder. Não têm ideias para quando chegar lá.

  55. Elias said

    Pax,

    Sonbre uma notícia que linkaste mais acima.

    Digna dos maiores elogios a decisão do juiz Guilherme Madeira Dezem, da 2.ª Vara de Registros Públicos, em São Paulo, determinando a retificação, no atestado de óbito, do local e da causa da morte do economista João Batista Drumond, assassinado sob tortura nas dependências do DOI-Codi do 2º Exército, em SP, e até aqui dado oficialmente como morto por atropelamento.

    Por essas & outras que, volta e meia, eu, que não confio nem um pouco no Judiciário brasileiro (por mim, deveria ser peneirado com peneira de trama extra fina…), sou obrigado a reconhecer que nem tudo é lama nesse pântano…

    Num país em que a maior parte das manchetes trata apenas de safadeza no trato da coisa pública, é um alento ler a notícia de um comportamento digno e honrado, por parte do membro de um dos poderes mais desmoralizados desta nossa infeliz República.

    Se a decisão do juiz Guilherme Dezem vai ou não ser mantida nas instâncias superiores é outro papo. Provavelmente não será mantida. Mas ele terá feito a parte dele.

    Sendo assim, só nos resta desejar que a dignidade e a honradez do juiz Guilherme Dezem vire doença contagiosa, e que ela contamine irremediavelmente seus pares (e ímpares…).

    A humanidade agradeceria, penhorada.

  56. Chesterton said

    Elias, nunca vi v. tão ansioso.

  57. Otto said

    Alguém ai em cima escreveu, não me lembro se o Edu ou o Pax:

    “Vai terminar de enterrar o país quebrado, vai acabar com a economia, vai fazer um monte de gente passar fome, mas os fins justificam os meios.”

    Isso já aconteceu, com Menen, em 1999, com a crise prolongando-se até 2002.

    De lá pra cá a Argentina tornou-se o país que mais cresceu no hemisfério ocidental. Sim, isso mesmo.
    A ARGENTINA FOI O PAÍS QUE MAIS CRESCEU NO HEMISFÉRIO OCIDENTAL.

    Crescimento do PIB, Argentina – 2003-2011: 8,7%, 8,3%, 9,2%, 8,5%, 8,7%, 6,8%, 0,9%, 7,5%, 8,8%.
    E isto porque em em 2002, último ano antes do Néstor Kirchner, o PIB teve queda de 14%.

    Taí a razão da popularidade do casal Kirchner.

  58. Otto said

    Para colaborar na discussão sobre a expropriação da YPF.

    REPSOL: PALMAS PARA A ARAGENTINA
    Bruno Lima Rocha
    do Blog do Noblat, hoje.

    A (re)-nacionalização da empresa Yacimientos Petrolíferos Fiscales (YPF) foi uma ação correta. O equivalente a Petrobrás argentina, privatizada a preços ínfimos e cuja compra fora com moeda podre foi retomada através do controle acionário por parte do Poder Executivo.

    E, ao contrário do que por aqui foi veiculado sobre a espanhola Repsol, “dona” da YPF S.A., esta petrolífera não é necessariamente uma investidora.

    Pouco ou nada foi realizado após sua aquisição no meio da farra de pizza com champanhe (em 1993), característica dos governos de Carlos Saul Menem. Aliás, foi o não cumprimento de metas contratuais o que oportunizara a presidente Cristina Kirchner executar uma vontade política das maiorias eleitorais da Argentina.

    Só é possível compreender a dimensão das medidas de Cristina se houver algum conhecimento a respeito do significado para a sociedade argentina, tanto da Era Menem em geral, como da YPF em particular.

    A petrolífera dos hermanos teve sua primeira versão no governo Hipólito Yrigoyen, no ano de 1922. Entre 1928 e 1930 a YPF se concretiza como empresa de petróleo, mas ainda sem o monopólio, e enfrentando a pressão da Standard Oil e da Shell.

    A ação das transnacionais dera resultado, sendo fator determinante para o golpe de Estado de 1930. Como de hábito, um dos idealizadores do empreendimento nacional, a exemplo de Enrique Mosconi, renuncia ao seu cargo à frente da YPF e morre no ostracismo em 1940.

    É somente em 1949 que o monopólio é assegurado, já no primeiro governo peronista. Isto dura até o auge da Era Menem, quando o Partido Justicialista (PJ) abandona as posições históricas.

    Não é mensurável para nós os desmandos e a corrupção dos oito anos de Menem (1989-1998), o fracasso da Aliança (com De la Rúa) e os quase dois anos de governo tampão de Duhalde (2002-2003).

    Se comparados com a Argentina, o livro de Amaury Ribeiro (Privataria Tucana, Geração Editorial, 2011) é um conto de fadas. Assim, retomar o controle nacional, respeitando as vontades manifestas pela maioria dos argentinos, é o mínimo que se espera de um governo eleito. Senão, seria apenas a cópia dos gerentes anteriores.

    Para além das acusações de populismo e de ocultar uma “crise”, qualquer pessoa que conheceu a Argentina das décadas anteriores, sabe que hoje há tudo, menos crise!

    É preciso entender que os argentinos foram saqueados nos anos ’90, derrotaram um projeto neoliberal através de uma rebelião popular (dezembro de 2001) e exigem medidas de retomada do patrimônio.

    Bruno Lima Rocha é cientista político e viveu entre o Uruguai e a Argentina de 1994 a 1997

  59. Patriarca da Paciência said

    É isso aí, meu caro Otto,

    os comentários 57/58 respondem brilhantemente aos críticos do casal Kirchner, o qual tirou a Argentina de um PIB teve queda de 14% ao PIB que mais cresceu no hemisfério ocidental.

    O povo argentino está bem governado e saberá apoiar seu governo.

    Acho que está na hora de reestatarmos nossas teles e ferrovias, as quais são uma vergonha para o Brasil, graças à privatização.

  60. Zbigniew said

    A verdade e que no mundo (e em particular no Brasil), a imprensa, como socia do poder – o neoliberal – esta acostumada a “investigar, denunciar, julgar e condenar” e as pessoas simplesmente assistem a isto passivamente, como se este orgaos fossem intocaveis em nome de um suposto absolutismo do principio da liberdade de expressao. Sabe o resultado? Muitos consideram que aquilo que por eles e dito e lei, ou, a priori, verdade.

  61. Pax said

    Caro Otto

    Nasci na fronteira com a Argentina. Não sou profundo conhecedor do país, mas …

    1 – alguns indicadores da Argentina estão bastante mascarados. Um deles é a inflação. Estive lá ano passado e este ano. E não foram passagens rápidas não. Hotéis, refeições e combustíveis tiveram aumentos expressivos. Em alguns casos posso afirmar que praticamente dobraram.

    2 – o país, de forma geral, está muito pior que em idos recentes. Estive a trabalho algumas vezes no final “do século passado”. A decadência já era evidente. De lá para cá piorou sensivelmente.

    3 – este nacionalismo exacerbado não me parece a melhor conduta política. Nem interna, muito menos externa. A História nos mostra que as consequências tendem a ser desastrosas.

    4 – é verdade que o problema de desabastecimento de combustível é grave. Também atesto por experiência própria. Na Patagônia chega a ser gravíssimo. Sem galões extras é impossível viajar pela região. Motos sofrem ainda mais pela baixa autonomia, em média 250 km com um tanque. A minha tem autonomia um pouco maior, 330 km. Precisei acrescentar mais 200 km em galões para poder viajar pela região. Mesmo em Neuquém, uma das maiores cidades, tive problemas para abastecer, tendo que esperar em filas enormes para que chegassem os caminhões tanque. Entre lá e Buenos Aires passei por algumas cidades sem que houvesse uma gota de gasolina nos postos. As causas eu desconheço e não dou razão, a priori, para a Repsol.

    5 – não fui eu quem escreveu o texto que você menciona.

    Enviado via iPhone

  62. Pax said

    Caro Xandão,

    A chaga da corrupção só tende a piorar se o país não tiver tanto uma oposição competente quanto uma imprensa boa.

    Hoje não temos nem (a) nem (b).

    A situação, de forma geral, reclama da imprensa, muitas vezes recheada de razão, e festeja o naufrágio da oposição.

    Como você fico muito apreensivo com este rumo. Não me parece nada bom.

    Taí o Agnelo nadando de braçadas no colo do PT sem que eu veja qualquer reação dos nossos amigos petistas.

    Quando tudo pode, o povo se phodde. A tal da História é teimosa em nos mostrar que absolutismo não dá muito certo.

    Enviado via iPhone

  63. Patriarca da Paciência said

    Vejam o que diz o nosso novo presidente do STF:

    O capital reduz
    Homem do povo a animal,
    E quando o homem do povo
    Se comporta como animal,
    O capital exige contra ele
    A pena capital – Pena de morte, 177

    Isto é o que se pode chamar de verdadeira sabedoria.

    Finalmente temos um verdadeiro sábio como presidente do STF.

  64. Otto said

    Pax:

    não nego que não haja problemas na Argentina, e entre eles o mascaramento dos índices da inflação.
    Mas não há o que comparar quando se olha para o estado de terra arrasada deixado pelo desgoverno Menem.
    Há 10 anos 40% dos argentinos estavam abaixo do índice de pobreza. Hoje são 10%.
    Abraços!

  65. mona said

    Pelo que pude perceber, qualquer estatística oficial vinda da Argentina carece de credibilidade… Assim, aqueles que vêem e sentem o país de perto, estando dentro dele, passando algum tempo lá, podem falar melhor que qualquer número publicado por populistas, demagogos e kitais. Vale para qualquer lugar do mundo e não apenas para nossos hermanos.
    Pax, querido, que tal passarmos nossa lua de mel na Terra do Fogo? Tem tudo a ver, não?

  66. Elias said

    Pax,

    Uma coisa é certa: a privatização da petroleira não foi uma boa pra Argentina.

    Tanto não foi que taí a situação que viveste e rapidamente resumiste (e que não vem de hoje, né Pax?).

    A privatização não deu certo. Qual a saída? Não sei se o governo argentino tem outras alternativas, além da reestatização.

    O ideal seria uma outra empresa comprar essa petroleira xexelenta e começar a fazer os investimentos que ela se comprometeu a fazer e nunca fez. Mas… Alguém conhece alguém que esteja a fim de fazer isso?

    Insisto: o Pré-Sal mudou muita coisa no setor, na América Latina em geral e na América do Sul em particular.

  67. Edu said

    Otto,

    “De lá pra cá a Argentina tornou-se o país que mais cresceu no hemisfério ocidental. Sim, isso mesmo.
    A ARGENTINA FOI O PAÍS QUE MAIS CRESCEU NO HEMISFÉRIO OCIDENTAL.

    Crescimento do PIB, Argentina – 2003-2011: 8,7%, 8,3%, 9,2%, 8,5%, 8,7%, 6,8%, 0,9%, 7,5%, 8,8%.
    E isto porque em em 2002, último ano antes do Néstor Kirchner, o PIB teve queda de 14%.”

    Opa opa opa… devagar aí.

    Há pelo menos 3 razões pelas quais esses números podem estar distorcidos:

    1 – Se o PIB em 2002 era zero e em 2003 era US$ 1, o crescimento foi de infinito. Como vc sabe matemática, espero que vc entenda que acréscimo de valores sobre bases pequenas normalmente geram porcentagens grandes… vc mesmo disse, em 2002 houve uma queda de 14%, qualquer recuperação já seria bastante.

    2 – Este crescimento do PIB que vc disse: qual é a fonte? Isso é está sobre pesos argentinos ou US$? Além disso, esta evolução está deflacionada? Tome cuidado com isso ao aceitar esses números…

    3 – No site oficial de estatísticas da Argentina eles apresentam os valores apenas em pesos, é uma confusão danada. Mais um indício de que muito provavelmente estes dados estejam mascarados.

    Mas, se vc, assim como o Patriarca quiserem acreditar nesses números, fiquem à vontade. No entanto, quando forem analisar o Brasil espero que tomem mais cuidado porque provavelmente votarão na pessoa errada.

    Sobre a estatização petroleira, uma coisa é certa: foi feita de forma canhestra, e o resultado é o que se vê.

    Eu não li notícia nenhuma sobre agência reguladora na Argentina. Eu não li nenhuma notícia sobre esforços do governo argentino em tentar negociar com a empresa, multar a empresa ou tentar estipular metas, prazos ou qualquer coisa que o valha. Tudo o que é dito é que a Repsol não investiu e ponto.

    Só que é muito curioso: sendo que o preço do petróleo tem atingido valores estratosféricos, por que sera que a Repsol, que iria lucrar com a exploração do petróleo não iria investir na produção? Será que os executivos da Repsol são burros? Se o Elias tiver razão e a Argentina não exporta o petróleo, o único motivo que sobra para o não-investimento é o governo argentino não querer subsidiar o valor do petróleo ou não deixar a Repsol repassar os preços com base no valor de mercado…

    Sabemos que a Argentina está com um problema de inflação, e sabemos que o preço do petróleo impacta bastante os indiacores de inflação de um país. Será que a Cristina não está querendo resolver inflação com o petróleo, não?

    Além disso, vimos casos de nacionalização na Venezuela, Equador e Bolívia. Mas… uma vez nacionalizadas os indicadores de desempenho das empresas somem, aí ficamos sem referências para avaliar se a nacionalização foi realmente positiva ou negativa. A Argentina mesmo tem as Aerolíneas Argentinas como exemplo, só que simplesmente não há informações para avaliar se o resultado foi positivo ou não… alguém viajou de AA para dar o depoimento?

  68. Elias said

    Edu,

    PIB zero?

    Isso não existe, Edu, a menos que o país tenha sido varrido do mapa.

    O que pode ter zido “zero”, ou mesmo NEGATIVA, foi a EVOLUÇÃO do PIB em um dado período. Ou seja, em um determinado ano, o PIB foi o mesmo do ano anterior (evolução “zero”), ou foi até MENOR que no ano anterior (evolução negativa).

    Mas isso, de modo, algum, significará que o PIB do país foi “zero”.

    Logo, o cálculo da retomada de evolução positiva, a qualquer tempo, não pode ser feito na base “zero”.

  69. Patriarca da Paciência said

    Edu,

    Vamos continuar usando de uma matemática bem simples:

    Em 2002 o PIB teve queda de 14%.

    Em 2003-2004, crescimentos de 8,7% e 8,3%, o que já recuperou, com folga a queda de 2002.

    Então os crescimentos de 2005/2011, respectivamente de 9,2%, 8,5%, 8,7%, 6,8%, 0,9%, 7,5%, 8,8%, são reais e bem expressivo.

    O crescimento de 2009 foi de apenas 0,9% mas, naquele ano, a maioria dos países apresentaram forte recessão.

    E se por acaso a melhora de vida dos argentinos fosse falsa, o que se veria nas ruas seria revolta e não apoio maciço.

    Também concordo que deve haver alguns dados que não correspondam muito com a realidade, mas no geral, a vida dos argentinos, sob o governo do casal Kirchner, melhorou e bastante.

  70. Edu said

    Elias e Patriarca,

    Desculpem acho que eu não me expressei direito:

    Vamos SUPOR que o PIB seja zero. De zero pra 1 a variação é infinito, é isso que eu quero dizer.

    Vamos usar outro exemplo:

    Se o PIB de um país é 100 e cai 10% no ano I para o ano II, ele cai para 90.

    Do ano II para o ano III, para subir 10% o PIB só precisa ir até 99.

    Por que? Porque acréscimos sobre uma base pequena geralmente geram porcentagens grandes.

    Então, para a Argentina, vamos SUPOR que o PIB seja 100.

    Se entre 2002 e 2003 o PIB caiu 14% significa que ele foi pra 86, ou seja, perdeu 14.

    O esforço que o Quiche fez para subir 8,7% no primeiro ano foi de 7,48; e no seguindo ano, para subir 8,3% foi de 7,76. Somados 86 + 7,48 + 7,76 = 101,241.

    De 100 para 101,241 não tem nada de recuperar com folga, na verdade, recuperou bem apertadinho, com crescimento REAL praticamente nulo.

    Isso SEM CONTAR, como eu disse, mudanças na inflação e no câmbio da moeda, que significa que:

    Se entre o ano I e o ano III a inflação foi de 2%, essa “recuperação com folga” vira pó.

    Se entre o ano I e o ano III houve desvalorização da moeda, essa “recuperação com folga”, igualmente, vira pó.

    Novamente, gostaria que o Otto informasse a fonte, informasse se os dados são deflacionados e se isso é em dólar ou em pesos.

    Agora vamos imaginar, se em 1995 a economia tivesse gerado 400, por diversos problemas internos ela foi perdendo força, chegando a 150 em 2002. Não seria mais do que a obrigação dos Quiche, usando apenas de medidas sanitárias retomar a base de 400, já que o fato de o país ter atingido 400 reflete um potencial.

    Novamente, cuidado com as bases ao analisar porcentagens, cuidado com as referências.

    Além disso, não estou falando que os Quiche foram incompetentes, só estou falando que os dados são altamente questionáveis e vcs estão acreditando neles sem um mínimo de análise.

  71. Pax said

    Caro Elias, em #66,

    Também concordo que a privatização da petroleira, algo similar ao que queriam alguns, de privatizar a Petrobras, foi uma besteirada sem tamanho.

    Energia, Comunicações e outras áreas são muito estratégicas para ficar somente nas mãos do interesse puro do capital.

    No caso das Comunicações, como disse o caro Patriarca, acima, em #59, temos problemas, sim. Com certeza tínhamos problemas ainda maiores, com nossas estatais fazendo água, sendo roubadas diuturnamente e sem investimentos. Todos nos lembramos que até no Imposto de Renda declarávamos linhas telefônicas como bens. Demorávamos 5 anos para conseguir uma linha e não temos a menor saudades daqueles tempos.

    Acontece que hoje colocaram tudo na mão dos grandes investidores que só querem saber de lucro e mais lucro. Têm direito a isso, sim. Só que nós, pobres e indefesos consumidores, ficamos a ver navios. Tem linha que sobra. Comprei um celular e me deram mais um chip de graça, oferecem linhas a três por quatro. Mas… e os serviços? Pior que isso, e os preços? A ANATEL virou um capacho do interesse dos investidores e ficamos completamente desprotegidos. Cheios de ofertas, de um serviço bem questionável e com um preço absolutamente absurdo. Mesmo que tiremos os altos impostos.

    Mas, voltando a YPF e a Repsol.

    O que questiono é a forma como a Kirchner está fazendo seus movimentos. Está chamando o povo quase da mesma forma que Leopoldo Gualtieri chamou para promover a desastrosa Guerra das Malvinas.

    Não seria mais fácil chamar os espanhóis para a mesa de negociações?

    *** Meus amigos petistas fogem do assunto Agnelo como diabo da cruz. Me obrigam, desta forma, a dedicar um post somente para este tema. Enquanto não ver o brio dos bravos petistas indignados com alguns maus elementos do partido não vou parar de criticar. Sinto muito.

  72. Patriarca da Paciência said

    Edu,

    vamos continuar analisando o desempenho do casal Kirchner objetivamente.

    “Néstor assumiu em 25 de março de 2003, e manteve o ministro da economia de Duhalde, Roberto Lavagna, e outros membros do gabinete de seu antecesor. A política econômica do governo de Kirchner continuou as linhas estabelecidas por Lavagna, mantendo a desvalorização da moeda mediante uma forte participação do Banco Central na compra de divisas, impulsionando as exportações e levando a um crescimento econômico com taxas próximas de 10% do PIB. Em novembro de 2006 as reservas internacionais subiram acima de 30 bilhões de dólares, o desemprego baixou para 10% e a pobreza se manteve em 33,5%.”
    http://pt.wikipedia.org/wiki/N%C3%A9stor_Kirchner

    Veja que estes são dados da wikipedia, ou seja, sem coloração partidária.

    Saltar de uma recessão de 14% para um crescimento de 8,7%, de um ano para o outro, é um feito notável, acho que muito raro na história dos países.

    e continuar crescendo por todos os anos seguintes, apesar da pressão internacional e de toda a má vontade dos posicionistas, é outro feito notável.

    Então o homem fez história mesmo, não é simples loas de admiradores.

  73. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    todos os petistas são unânimes em dizer, juntamente com o Lula, que a CPI deve investigar tudo, doa a quem doer.

    Se o Agnelo tiver rabo preso, que responda por seus atos. O que não podemos é julgar e condenar por antecipação, como faz o PIG e como este fez com o José Dirceu, o julgando, o condenando e o expondo à execração pública, sem uma única prova concreta.

    A CPI já é uma realidade.

    Como sempre o PIG anda dizendo que a Dilma está contrariada. Até agora, não vi um único pronunciamento da Dilma dizendo-se contrariada.

    Já tentaram envolver até o autor da CPI, o delegado Protógenes, como suspeito.

    O PIG está em polvorosa, principalmente a revista Veja e o grande Policarpo Foda, (Foda conforrme o Reinaldinho Cabeção).

    O Delegado Protógenes já fez vários pronunciamento declarando a revista Veja como informativo criminoso.

    A coisa promete.

  74. Patriarca da Paciência said

    Correção:

    O Delegado Protógenes já fez vários pronunciamentos declarando a revista Veja como informativo criminoso.

  75. Patriarca da Paciência said

    Comentário 72, correção:

    Continuar crescendo por todos os anos seguintes, apesar da pressão internacional e de toda a má vontade dos oposicionistas, é outro feito notável.

  76. Pax said

    Caro Patriarca,

    Em resposta ao seu comentário #63, acima, tenho como resposta um post escrito aqui, neste humilde blog, tempos atrás…

    https://politicaetica.com/2010/07/04/ayres-britto-e-nosso-pele/

    =)

  77. Pax said

    Quero mais é que o Agnelo responda pelos seus atos. Se for limpo, o que me permito duvidar um bocado, desde seus tempos de PCdoB e ministério dos esportes, assim, em minúscula mesmo, serei o primeiro a me redimir por aqui, com post exclusivo e tudo mais.

    (acho que não escreverei este tal post)

  78. Otto said

    Edu, Pax, Elias, Patriarca et all:

    Eu pequei aqueles dados do PIB da Argentina de várias fontes (mas confesso que numa pesquisa rápida).
    Colo então um link do Google (com dados do Banco Mundial), portanto insuspeito de Kirchnerismo.
    Deem uma conferida no gráfico e verão porque o casal K. é tão popular na Argentina. Aliás, a voga neoliberal na América Latina (Menem, FHC, Fugimori etc) foi uma catástrofe para o nosso continente. vejam que montanha russa:

    http://www.google.com/publicdata/explore?ds=wb-wdi&met=ny_gdp_mktp_cd&tdim=true&dl=pt-BR&hl=pt-BR&q=pib+mundo#!ctype=l&strail=false&bcs=d&nselm=h&met_y=ny_gdp_mktp_cd&scale_y=lin&ind_y=false&rdim=country&idim=country:ARG&ifdim=country&hl=pt_BR&dl=pt_BR

  79. Elias said

    Certo, Otto.

    Edu,
    Vamos lá, com dados que peguei no teu comentário # 67.

    Evolução do PIB da Argentina, em números índice, com 2001 funcionando como base 100:

    2001 — 100,0
    2002 (14,0%) 86,0
    2003 8,7% 93,5
    2004 8,3% 101,2
    2005 9,2% 110,6
    2006 8,5% 119,9
    2007 8,7% 130,4
    2008 6,8% 139,3
    2009 0,9% 140,5
    2010 7,5% 151,0
    2011 8,8% 164,3

    Se as taxas estão corretas, em 2004 a Argentina terá restabelecido o nível de produção existente em 2001, na véspera do desastre. Daí até 2011, ela adicionou 64,3% ao PIB do ano base.

    Não é um resultado modesto, especialmente tendo-se em conta a merdolência mundial a partir de 2008.

    Claro que, em países pobres, há necessidade de taxas de crescimento elevadas, a fim de que se reduza a miséria.

    Nos países onde há má distribuição de renda a coisa é ainda mais complicada, porque a elite econômica garfa uma boa parte do aumento do PIB (daí porque, no início dos anos 1970, o general Médici dizia, a respeito do Brasil: “A economia vai bem; o povo vai mal…”).

    No caso de uma série histórica extensa, como essa aí de cima, além de coisas como a deflação, é de se ver, ainda, qual a evolução da população no mesmo período…

    De qualquer maneira, levando-se em conta a média mundial no mesmo período, acho que a Argentina melhorou, sim, de 2003 pra cá. E não foi pouco…!

  80. Elias said

    Pax,
    É a primeira vez que escrevo a respeito desse tal de Agnelo.

    Minha opinião? Se ele tem rabo preso, ele que se exploda! Que se dane! Que se ferre!

    Não tenho por que compactuar com ladrão. Por mim, caro Pax, a canalhada toda deve ser tratada na lei do cão: errou, leva pau!

    O negócio é colocar a CPI no ar… E botar as onças pra brigar…

    Quem ficar em pé, escapou… Quem morrer, a gente enterra e pisa em cima…

  81. Elias said

    E, já que aqui vôa bicho bala a propósito de qualquer vacilo:

    Pessoal, quando eu disse: “Daí até 2011, ela adicionou 64,3% ao PIB do ano base.”, foi no sentido de chamar atenção para o fato de que, em 2011, o PIB dos nossos chatíssimos vizinhos portenhos correspondia a 164,3% daquilo que fora o PIB dos mesmos chatarrões em 2001.

    Pra acelerar ainda mais a recuperação da Agentina, sugiro que dona Cristina se dedique ao melhor negócio do mundo, segundo Che Guevara (comprar argentinos pelo que eles valem e vendê-los pelo que eles pensam que valem).

    E, como sugestão se dá completa, recomendo que dona Cristina venda argentinos na Venezuela, que já está por merecer o troféu de país mais chato do planeta, por ser o único governado pela Convergência Socialista (na Bolívia, a CS governa em coligação com o PSOL…).

  82. Elias said

    Otto, # 78

    I
    Pelos dados que linkaste:

    2000: US$ 284,2 bilhões
    2010: US$ 368,7 bilhões

    Se o crescimento em 2011 foi 8,8%, então o PIB de 2011 foi US$ 401,2 bilhões.

    Isso dá um delta (epa!) de 41,1% sobre 2000, e não 64,3%, como apurado segundo aqueles outros dados que tu (ou o Edu, sei lá…) postaste.

    Não bateu!

    Mas 41,1% no acumulado é um resultado bom. Não chega a ser excelente, como seria 64,3%, mas não compromete de jeito nenhum! Principalmente pra quem saiu de 14% negativos.

    II
    Não dá pra levar a sério o que a “grande” imprensa brasileira diz a respeito de privatizações, estatizações, reestatizações, etc., porque a putada daqui reage com as bundinhas empanturradas de ideologia.

    Na cabeça desse povo, privatização é sempre uma boa, enquanto estatização ou reestatização é, sempre, “coisa de comunista” (mesmo vivendo num país como o nosso, onde a estatização está para o capitalismo assim como o oxigênio está para a vida…).

    Daí porque há um abismo entre o que a “grande” imprensa brasileira pensa que pensa e o real (em mais de um sentido) pensamento do grande capital brasileiro.

    No caso da Argentina, a privatização da petroleira deu com os burros n´água. O país não está produzindo praticamente nada e, face às circunstâncias, não tem como importar o mínimo necessário pra continuar funcionando.

    Aí tava desse jeito que o Pax viu com os próprios olhos, sentiu e sofreu.

    Quem tiver alguma solução pra essa embrulhada, que venda pra dona Cristina (e fique rico!).

    Aparentemente, a saída é reestatizar, mesmo.

  83. Edu said

    Patriarca,

    “Veja que estes são dados da wikipedia, ou seja, sem coloração partidária.”

    Vamos ver as fontes usadas no Wikipedia, com o link direcionado por vc: Carta Capital, Correio Brasiliense e G1. Realmente, sem colaboração partidária mesmo…

    Otto,

    Obrigado pelo link. Acho que esse gráfico é muito esclarecedor e acredito que dê pra confiar nos dados do Banco Mundial.

    Olhando os gráficos, a evolução do PIB realmente não desmerece os Quiches, visto que fizeram, entre 2003 e 2010 com que o PIB saltasse de US$ 129 bi para US$ 368 bi. Um crescimento médio anual de 13,9% um pouco a mais que o período Menem, entre 1989 e 1999, em que o PIB saltou de US$ 76 bi para US$ 283 bi, obtendo a taxa média anual de 13,6%.

    Após o período Menem, a Argentina se estrumbicou. Eu não entendo nada de história política da Argentina, então deixo para os comentaristas as observações pertinentes a cada governo.

    Fico muito satisfeito que o debate esteja caminhando com pontos de vista objetivos.

    Do ponto de vista da análise econômica:

    Em termos de PIB os governos se equivalem.

    Em termos de crescimento real, após os US$ 298 bi alcançados com Menem em 1998, os Quiches só foram alcançar este número entre 2007 e 2008, em que conseguiram US$ 326 bi. Não há demérito nenhum em recuperar uma economia em frangalhos, que saiu de US$ 298 bi para US$ 102 bi. Eles levaram aproximadamente 5 anos para conseguir chegar ao que a Argentina já tinha sido um dia, se isso é rápido o suficiente ou não é outra questão. Porém, merece no mínimo uma observação: melhorar algo muito ruim é muito mais fácil do que melhorar algo bom.

    É necessário lembrar que o PIB é apenas um indicador econômico, para uma avaliação melhor, faria sentido no mínimo a análise das taxas de juros, inflação, déficit fiscal e balança comercial para ambos os governos e pelos mesmos períodos.

    Além disso, em termos do que é bom para o povo, concordo totalmente com o Elias: crescimento de PIB não significa melhoria de vida para a população. É sempre útil analisarmos conjuntamente com alguns indicadores sociais também.

    Para meus amigos que viajaram para a Argentina recentemente,

  84. Edu said

    Para meus amigos que viajaram para a Argentina recentemente, disseram que é um país decadente. Dizem que os argentinos dizem que está tudo bem, mas na verdade é visível o perrengue da população.

    Opiniões… opiniões…

    Uma pergunta: vcs investiriam na Argentina?

    Minha resposta: se o Elias estiver correto, dado o ego dos ditos cujos, sou comprador! hehehe

  85. Edu said

    Elias,

    Eu questionei as taxas do Otto. Usei as taxas dele para faer as minhas contas, e, pelo que eu entendi, elas estavam erradas porque não bateram com os novos dados do link do Otto. Então vamos tomar como base o gráfico que ele enviou do Banco Mundial, que é uma fonte confiável.

    Vlw!

  86. Elias said

    Edu,
    Pelos dados do BM, a Argentina não se saiu tão mal.

    No que respeita à reestatização da petroleira, há um troço que não se pode perder de vista: as economias de pequeno porte, como é o caso da Argentina, não podem se dar ao luxo de ter um grupo empresarial muito forte. Quando isso acontece, o grupo empresarial acaba determinando os destinos do país, e, aí, não tem diabo que aguente.

    Veja o que aconteceu no país dos chatorebas e das loiras falsas: as petroleiras simplesmente se desinteressaram pela produção local e o governo não dispunha de meios pra fazê-las cumprir os compromissos que assumiram, quando da privatização. A única saída acabou sendo a da recompra (e nem sabemos se não era exatamente isso que a empresa queria…).

    O Brasil só não passou por isso com a Vale, porque, na prática, a União ainda é a sócia majoritária da empresa, via fundos de pensão estatais, BNDES, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Petrobrás, etc.

    Mesmo assim, o Roger Agnelli, por meio de interpostos testas de ferro, meteu dinheiro a rodo nas campanhas políticas do PSDB (a coisa só apareceu levemente na mídia por causa de uma briga interna tucana, e o ex-senador, ex-governador e ex-candidato a Vice-Presidente da República tucano, Almir Gabriel, ao sair do PSDB, resolveu entregar o jogo e revelou o esquema, dando nome aos bois).

    E não foi só: com o Brasil fazendo os maiores sacrifícios pra impedir que a crise econômica mundial repercutisse ainda mais aqui dentro, o Roger Agnelli deu uma banana pra indústria naval brasileira e foi comprar navios no exterior (navios que acabaram se revelando uma grande roubada: um deles ficou encalhado em Itaqui e o outro tá virando ferrugem, porque a China se recusa em autorizar que ele atraque nos portos de lá, por causa dos riscos que isso implica). Além disso, Roger estava fazendo corpo mole na implantação da planta de aços laminados (Alpa, em Marabá) e na segunda planta de alumina (a planta de aços laminados é um passo essencial para a verticalização da cadeia brasileira do ferro, fazendo com que, aos poucos, o Brasil deixe de ser um eterno exportador de matérias primas e intermediários minerais).

    Como a União ainda dá as cartas na Vale, o Roger acabou levando o pé na bunda que já estava por merecer há muito tempo.

    Mas essa situação pode mudar da água pro vinho — melhor dizer do “vinho pro vinagre” — se o governo brasileiro permitir que a Vale prossiga com a política de fusões e incorporações que ela vem desenvolvendo. Essas fusões e incorporações podem alterar por completo a estrutura de poder dentro da empresa, fazendo com que a Vele se torne, definitivamente, um Estado dentro do Estado. E um Estado mais poderoso que o Estado que o contém.

    Isso acontecendo, o Brasil perderá o poder de decisão estratégica sobre sua própria política mineral, o que seria desastroso para o país que tem as maiores províncias minerais do planeta, e que depende do bom uso delas pra tirar o pé da merda…

    Acho que o sufoco em que a Argentina se meteu é um ótimo contra-exemplo pro Brasil.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: