políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Cabral, Cavendish, Cachoeira, Garotinho…socorro!

Posted by Pax em 30/04/2012

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, está enrolado até o pescoço pela sua íntima relação com Fernando Cavendish, o todo poderoso dono da Delta Construções, que, sem perder o fio da meada, é alvo da CPI do Carlinhos Cachoeira, o mafioso dono de senadores, jornalistas e outras atividades pouco recomendáveis.

Cavendish deu a Cabral suas viagens de helicóptero, a Paris, shows de bandas internacionais e toda sorte de troca-troca entre os amigos. E, obviamente, entram debaixo dos holofotes os contratos de R$ 1,5 bilhão de reais que um amigo cede ao outro. A entrega e Cabral é com dinheiro público e todos os contratos da Delta com o governo do Rio de Janeiro merecem especial atenção. Se o empresário lucrou tanto a ponto de poder fazer enormes e pouco recomendáveis favores particulares ao governador e ao bicheiro mafioso, no mínimo fica a desconfiança de sobrepreços e superfaturamentos dos tais contratos que devem ser investigados amiúde.

O problema é a fonte de algumas das informações, fotos e vídeos da riquíssima relação do governador com o empresário. Nada menos que Anthony Garotinho, o ex-governador envolvido em um sem número de escândalos durante seu governo e o de sua esposa, Rosinha Garotinho, que também não deixou por menos. Garotinho parece querer empunhar uma bandeira com o famoso dito popular sobre a política, a ironia que o povo inventou sobre a necessária alternância de poder nos regimes democráticos: “Tá na hora de trocar de ladrão”.

O Brasil tem demonstrado que a arte de fazer política está muito próxima da atividade de infraestrutura de saneamento básico, em especial a coleta de esgoto.

Cabral diz que ‘jamais imaginou’ que a Delta fizesse negócios com Cachoeira – Estadão

Publicação de imagens no blog do deputado federal Anthony Garotinho levou governador a divulgar nota

RIO DE JANEIRO – O governador Sérgio Cabral (PMDB) disse neste sábado, 28, por nota, que “jamais imaginou” que a Delta Construções – que faturou R$ 1,5 bilhão em contratos com o governo do Estado em cinco anos – “fizesse negócios com um contraventor no Centro-Oeste brasileiro”.

A declaração foi divulgada pela assessoria de Imprensa do governo no segundo dia em que o deputado federal Anthony Garotinho (PR/RJ) publicou imagens em seu blog que mostram momentos de intimidade entre o governador Sérgio Cabral (PMDB) e o dono da Delta, Fernando Cavendish. As ligações entre a construtora e o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foram reveladas pela Operação Monte Carlo, da Polícia Federal. (continua, no Estadão…)

Anúncios

130 Respostas to “Cabral, Cavendish, Cachoeira, Garotinho…socorro!”

  1. Elias said

    Pax,
    Sempre que eu leio o nome “Sérgio Cabral”, a primeira imagem que vem não é a do Governador do RJ, e sim do pai dele, jornalista e crítico musical de excelente texto, que escrevia n´O Pasquim e, aliás, dirigiu esse em uma de suas melhores fases, e que, junto com Paulo Francis, Millor, Jaguar, Ziraldo, Fausto Wolff e outros, esteve entre os poucos que seguraram a barra da resistência à ditadura militar, num dos momentos mais críticos da história deste país.

    É melancólico ver alguém com esse nome chafurdando no lodaçal em que se converteu a política brasileira…

  2. Elias said

    “Levantamento feito pela Secretaria de Fazenda demonstra que no governo anterior ao nosso, os investimentos totais foram de R$ 4 bi e 985 milhões. E a Delta recebeu por obras realizadas R$ 402 milhões. Já no nosso governo, os investimentos totalizaram R$ 14 bi e 754 milhões. E a empresa recebeu R$ 1 bi e 176 milhões. Isso significa que a empresa teve no governo anterior uma participação de 8,07% no total investido. E, no nosso Governo, de 7,98%. A diferença é que mais do que triplicamos o valor investido pelo Estado”. (Anthony, o Molequinho)

    Sentiram a barra, meninos? Na gestão dos Molequinhos, a participação da Delta na garfagem do investimento público, caiu de portentosos 8,07% para meros 7,98%!

    Caramba! Despencou nada menos que um portentoso 0,19 ponto percentual!!!!!!!!

    Como será que Anthony, o Molequinho, conseguiu isso?

    E — vejam bem! — antes, eram 8,07% sobre R$ 4,98 bilhões.

    Com os Molequiinhos, passou a ser 7,98% sobre R$ 14,75 bilhões.

    Ou seja, a Delta só tem motivos pra reclamar dos Molequinhos…

  3. Patriarca da Paciência said

    Minha opinião é que o fato da Delta realizar obras para o governo do Rio de janeiro não envolve diretamente o governador.

    Agora, se ficar provado que o governador Sérgio Cabral recebeu “vantagens” por contratação de obras, aí é outra história. Mas essa tendência de já ir apedrejando pela simples suposição de culpa, considero muito precipitada. Principalmente tendo por fundamento dados obtidos através do Anthony Garotinho.

    De qualquer forma, o fato é que ninguém está acima de qualquer suspeita. Que todos respondam por seus atos e se expliquem.

  4. Elias said

    Patriarca,
    Membro do Serviço Público, eleito, concursado ou de livre nomeação e exoneração, NÃO PODE NEM DEVE, em qualquer hipótese, sob nenhum pretexto, aceitar favores de quaisquer espécie, de empresas privadas.

    Nada de caronas em aviões ou barcos, estadias em hotéis ou colônias de férias, garrafas de bebidas, cestas de natal ou o que diabo for.

    Na minha opinião, no máximo vai uma agenda ou um calendário. Passou disso, já está em perigo.

    Se o cara não pode passar sem isso, melhor pular fora do serviço público.

    Aceitou, tá ferrado! Tá sob suspeição! Até porque ninguém oferece esses presentes a troco de nada.

    Quando o cara chega à situação em que ele “tem que se explicar”, já fedeu…!

    Se ele não aceita nem nunca aceitou nada de ninguém, ele não dá espaço pra ninguém acusá-lo de nada.

    Se alguém acusar, ele deve partir pra cima com tudo! O F.D.P. que acusou vai ter que provar. Se não conseguir, o acusado deve fazer o diabo com o acusador. De preferência, levá-lo à falência.

    Um padrão de conduta desse tipo, ou mais ou menos assim, faria muita diferença no Brasil…

    Uma das piores falhas da legislação eleitoral brasileira é a permissão de doações de empresas a comitês individuais. A meu ver, não deveria ser permitido a doação de empresas nem mesmo a partidos (e aí já se abre uma controvérsia, já que é sempre possível alegar que o doador nunca sabe a quem, individualmente, acabou destinada a contribuição que ele fez ao partido).

  5. Pax said

    Pois é, ou o Cabralzinho prova que pagou pelo helicóptero que caiu no Sul da Bahia, aquele que acabou de forma trágica, ou todas essas informações podem e devem levantar um caminhão de suspeitas sobre sua íntima relação com o tal Cavendish, também íntimo do Carlinhos Cachoeira, o mafioso que mantém em seu curral – ou chiqueiro – desde altos empresários até senador, deputados, prefeitos, vereadores e, ao que tudo nos leva a desconfiar… Governadores.

    E a gente está falando só da Delta. Neste abecedário não podemos esquecer da Camargo Corrêa e outras que tem farto noticiário disponível.

    Haja imposto pra pagar tanto superfaturamento que banca essa roubalheira fim.

    Dinheiro do povo, bravo povo brasileiro, que já já estará empunhando porretes de aroeira por aí.

    Enviado via iPhone

  6. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    Petralhotários são animais sinantrópicos. Duvida?

    1.Presidente da CPI do Cachoeira, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) decidiu distribuir uma cartilha aos membros da comissão. Folheando-a, os congressistas conhecerão as sanções a que estão sujeitos caso patrocinem o vazamento de dados sigilosos da investigação. Vital explica:

    “Estamos elaborando uma cartilha que resume o material que está posto nos três códigos de ética e nos regimentos que codificam esse trabalho. Tanto o regimento comum do Congresso, como o do Senado e da Câmara. Estamos instituindo essa cartilha ressaltando a conduta de cada parlamentar em relação ao sigilo.”

    2.Embora o STF já tenha autorizado o envio de cópia do inquérito do Cachoeiragate à CPI, o papelório ainda não chegou. Só na quarta (2) haverá alguém para receber o calhamaço no Congresso. Porém, o “sigilo” a que se refere Vital do Rêgo já não existe. Os autos encontram-se expostos na mais devassada das vitrines: a internet.

    3. Assim, já que resolveu gastar dinheiro público com a impressão de uma cartilha antivazamento, o presidente da CPI deveria encomendar a edição de uma segunda publicação, a ser distribuída junto com a primeira. Uma espécie de manual do ridículo. Já imaginou que Legislativo magnífico teria o Brasil se, de repente, baixasse no Congresso uma epidemia de ridículo?

    4. “O preço a pagar por sua não participação na política é ser governado por quem é inferior”.
    (Platão 400 BC)

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Basta ver os escritos de V.Ex.ª e do Otto Bonehead.

    Sent from my iPad

  7. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    Pax, os petralhotários são animais sinantrópicos. Duvida?

    Perguntinha que não quer calar: Quem traiu o governador Sérgio Cabral, do Rio, entregando a Garotinho, seu notório desafeto, fotografias e vídeos de viagens de Cabral ao exterior na companhia de Fernando Cavendish, dono da empreiteira Delta, e os mais poderosos secretários do governo?

    Fotografias e vídeos só podem ter sido produzidos por algum membro da comitiva de Cabral (que de posse dos vídeos e ambicioso, vendeu para um “intermediário” e este os vendeu ao Garotinho).
    A essa altura, não é possível que Cabral ainda esteja à procura de uma resposta para a pergunta sobre quem o traiu.
    Mas se ele ainda não sabe, vamos ajudar o Cabral, escolhendo seu favorito dentre as alternativas:

    (a) Agnelo (b) Cachoeira (c) Zé Dirceu (d) Serra (e) Veja

    divirta-se quebrando a cabeça, petralhotário!

    “O preço a pagar por sua não participação na política é ser governado por quem é inferior”.
    (Platão 400 BC)

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Basta ver os escritos de V.Ex.ª e do Otto Bonehead.

    Sent from my iPad

  8. Pax said

    Caramba, acabou de dar num famoso telejornal, ou seja, numa fonte duvidosa – ironia, meus caros, triste ironia que tangencia a realidade – que o Carlinhos Cachoeira, recém descoberto czar brasileiro, tem delegados da Polícia Federal, brava Polícia Federal, em seu curral, ou chiqueiro.

    As imagens são mais fortes que aquelas em que transformaram uma minúscula bolinha de papel num objeto voador não identificado que obrigou determinado político nacional a fazer uma caríssima tomografia computadorizada.

    Caramba, será que minha mãe recebeu alguma coisa do Cachoeira? Sei não, não vou botar minha mão no fogo. Da última vez que estive em POA, em recente viagem, vi um ar condicionado novo no apartamento da velha.

    Vai saber a origem do aparelho.

    Pau de aroeira no delegado!

    Enviado via iPhone

  9. Zbigniew said

    Essa do Molequinho foi sensacional, Elias! O Molequinho é um verdadeiro cara-de-pau.

    É como diz o Pax: cipó de aroeira pra todo lado. Não sei se Lula e Dilma vão bancar essa CPI até o fim, doa a quem doer. Se conseguirem, ´podem escrever, vai ser a melhor reforma política que poderíamos ter.

    Mas ainda sonho com a pedagogia de um figurão desses algemado (um político ou um ministro de uma alta corte talvez? Que tal o dono de uma grande editora ou emissora de tv?) e cumprindo pena direitinho, sem direito a aposentadorias e outros penduricalhos impostos pela nossa elite direitoba e provinciana, maior responsável pelo sentimento de impunidade que reina por essas plagas.

  10. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    Pax, os petralhotários são animais sinantrópicos. Duvida?

    FOTOS E VÍDEOS DO CABRAL EM PARIS/MONACO/MONTECARLO

    Pax, O conjunto da obra suscita várias questões.
    Garotinho não chega a ser exatamente uma figura acima de qualquer suspeita, não é mesmo?
    Ninguém teria dúvida em acusar que está usando as imagens que provam a perniciosa intimidade entre Sérgio Cabral e Fernando Cavendish de olho nas eleições deste 2012, de 2014, 2016, 2018… Está, em suma, fazendo política de baixo nível. Ou terá ele,Garotinho, virado agora, o professor de Educação Moral e Cívica e referência de ética na política?

    Pax, mas se pergunta igualmente: foi ele Garotinho quem produziu as imagens?
    Acho que não! Foi ele que “armou” para Cavendish, Cabral e a cúpula do governo fluminense se entregarem ao “desregramento sistemático dos sentidos” — para citar o poeta francês Rimbaud em homenagem às folias parisienses da turma? Também não!

    Mais curioso ainda: PRATICAMENTE TODAS AS FOTOS SÃO POSADAS.
    Os vídeos que vieram a público foram feitos por alguém que estava à mesa.
    Tudo teria sido enviado por e-mail a pessoas de confiança e depois vazado? Duvido!
    Há fotos bestas, sem importância. Há vídeos até bobocas. Não evidenciam crime em si, claro!
    Só a escandalosa intimidade e a falta de fronteiras entre o público e o privado.
    Cabral disse que pagou a farra com o seu próprio dinheiro.
    O seu salário de governador faz milagres.
    Permite-lhe ter casa em recanto de alguns milionários e se divertir a valer em Paris.

    Garotinho, está claro, quer queimar Sérgio Cabral politicamente. Ok. Isso é sabido.
    O material, no entanto, deveria ser amoitado ou ignorado? Acho que não! A pessoa que fornece essas preciosidades a Garotinho estaria interessada apenas em proteger os cofres do Estado do Rio de Janeiro? Huuummm… Tenho razões para duvidar, não?
    Se estava lá… Mas, se estava lá e agora divulga essas imagens incômodas, por que o faz?
    Terá tido interesses contrariados? Rompeu com a turma? Vai saber…

    Esses aspectos e indagações têm a sua relevância no conjunto da obra.
    Mas se deve ignorar o que está à vista de todos, por isso?

    Pax, a qualidade da “fonte” muda a importância da informação?

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Basta ver os escritos de V.Ex.ª e do Otto Bonehead.

    Sent from my iPad

  11. Pax said

    Cara Michelle,

    A qualidade da fonte permite olhar a informação com a menor distorção, se for boa. E o contrário, se for ruim.

    Em alguns casos a informação boa pode se perder por conta da fonte desgastada, como na fábula dos porquinhos anunciando a chegada do lobo.

    É bem simples.

    Enviado via iPhone

  12. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Dilma está muito bem na foto porque, acho eu, sua foto não está diretamente ligada ao PT.

    Esta estratégia é dela? Não sei. Sei que está funcionando bem.

    Lula está ligado ao PT, link umbilical, visceral. Mesmo assim Lula consegue ser absolutamente teflon, como diz o caro Elias. No imaginário popular Lula nunca está envolvido com os malfeitos – como Dilma cunha – quando estes eventualmente estão diretamente ligados ao PT ou à seus cardeais. O caso do Waldomiro plantado dentro do Planalto nunca chegou no Lula. Colou como gema seca no Zé Dirceu e ali parou.

    Se Dilma e Lula forem inteligentes e visionários, farão, como você torce – e eu também – uma reforma profunda neste modelão pra lá de canalha, corrupto ao extremo. Em outras palavras é cortar na própria carne para não perder credibilidade.

    Dilma já viu esta oportunidade e está agarrada à ela com unhas e dentes. A questão que se coloca é se os compromissos políticos de Lula permitirão o mesmo direcionamento.

    Claro que esta reforma não será a tábua de salvação. Nem mudará, da noite para o dia, o jogo que é jogado em todas as esferas, em todos os âmbitos do Brasil, seja no federal como nos estaduais e municipais.

    O que mais importa é o aprendizado que a sociedade tirará de todos estes descortinamentos da canalhice nacional. Tá mais que na hora do povo, bravo povo brasileiro, perceber que o somatório de todos estes desvios está diretamente ligado às principais carências nacionais. É a grana que falta à escola, ao hospital, ao policial.

    Quando o povo perceber isto, o bravo povo brasileiro pegará os tais porretes de aroeira e sairá às ruas exigindo o que é seu de direito e de fato. Serão décadas neste caminho.

    Cabe a nós que já vimos muito bem como funciona o modelão, participar deste processo da melhor forma que pudermos. E não será com complacência com aliados que encontraremos eficácia nestas contribuições que estão, sim, ao nosso alcance.

    Enviado via iPhone

  13. Zbigniew said

    Pax,
    como nao estamos nem nos bastidores da politica brasileira, o que podemos fazer e supor situacoes pelas informacoes que tomamos por mais pertinentes e confiaveis.
    Embora o PIG insista em querer separar Lula de Dilma, fico com a ideia de que ambos se entendem muito bem e tem sim estrategias em comum. Claro que estas coisas nao dependem so dos dois, mas sem sombra de duvidas a criatura e o criador vao ter muita influencia nesta CPI. O que vai requerer muita paciencia e sabedoria politica. Afinal de contas tratar com raposas do PMDB e PT, e ainda, com a oposicao, mesmo que enfraquecida, mas secundada por um aparato midiatico que sabe fazer barulho, nao e para amadores.
    A CPI do Cachoeira veio para por a prova as reais potencialidades do pais no que se refere a possibilidade de se colocar nossa politica num outro patamar. Um patamar mais etico e menos suscetivel aos apelos de esquemas de corrupcao.
    Sentimos que isto agora e possivel, e, ao que parece, Lula e Dilma, atores poderosos neste teatro, tem a chance de se colocarem no panteao dos grandes estadistas, se conseguirem o rompimento desta logica perversa.
    Lula fez aliancas espurias, pagando um alto preco em nome do projeto de poder do PT. E esse projeto tinha um nome: Dilma Rousseff. Lula, o homem politico, forjado nos embates do sindicalismo de composicao e conciliacao. Dilma, a tecnica, forjada nas lutas ideologicas dos poroes da ditadura. Nao sao salvadores da patria, mas poderao baguncar o coreto, com certeza. E isto que esperamos.

  14. Pax said

    Bem colocado, caro Zbigniew.

    Tomara que nossas torcidas tangenciem a realidade à frente.

    Cá estou assistindo a Globonews, uma entrevista com Washington Novaes. Vale cada segundo.

    Quem dera Dilma parasse para ouvir todo conteúdo que este Jornalista – com jota maiúsculo – tem na bagagem.

    Enviado via iPhone

  15. Chesterton said

    No imaginário popular Lula nunca está envolvido com os malfeitos –

    chest- não é assim, é como o brasileiro se acha esperto, acha que lula está sendo só espertinho…license to steal.

  16. Pax said

    chest- não é assim, é como o brasileiro se acha esperto, acha que lula está sendo só espertinho…license to steal. Caro Chesterton,

    Discordo desta opinião. O povo, bravo povo brasileiro, é mais inteligente do que supõe a vã filosofia da atual desgastada e perdida oposição.

    E esta tese, que a oposição não achou um rumo, se confirma dia após dia, eleição após eleição, escândalo após escândalo.

    Peguemos o DEM como exemplo e alguns de seus nomes que se tornaram “famosos”: Lembra do Efraim da PB? Lembra do Arruda do DF? Lembra do Demóstenes de GO? Lembra do Índio da Costa do RJ? Lembra da Kátia Abreu? Etc etc.

    Um a um ou caíram por escândalos de corrupção ou abandonaram o barco à iminência do naufrágio.

    Pegue o PSDB e não terá dificuldade de fazer uma lista parecida, pode começar pelo Eduardo Azeredo em MG e seguir adiante.

    E o discurso? E a renovação dos nomes?

    O discurso é o mesmo de sempre: eles são corruptos e nós … ops, desculpa aí, é um caso isolado dos outros até que … ops, desculpa aí, é mais um caso mas é isolado do isolado anterior. E a bancada menor e menor. Os outros, como disse, pulam fora do barco com tamanho rombo no casco.

    E o aliado? Bem, o PSDB é o saco de egos que conhecemos. Resultado? Não existe uma forte liderança que tenha suficiente capacidade de renovar seus desgastados nomes. Serra e Alckmin disputam mais entre si que contra o PT. Aécio fica de fora esperando o circo pegar fogo e sua vez de subir no palco.

    O que aconteceu com Lula? A oposiçao acha inteligente chamar o cara de burro. Pois bem, o tal burro anteviu que o PT tinha seu quadro também desgastado e pinçou Dilma. Pinçou e alçou. Teve liderança para bancar esta decisão. Deu no que deu, não só Dilma ganhou como, até o momento, emplaca. Está se saindo muito bem por sinal. O animal político Dilma Rousseff aconteceu.

    A inteligente oposição cunhou em Dilma algumas pérolas como poste, gepone e mais meia dúzia de exemplos de descompasso político.

    Em Dilma o bravo povo brasileiro vê firmeza dentre as adversidades, entre a podridão. Este tal povo, que a oposição menospreza, parece entender mais o jogo político brasileiro, o canalha jogo político brasileiro, e vê na presidente uma luz no fim deste túnel. E este mesmo povo sabe que Dilma é a criação de Lula que deu certo, mais uma decisão do ex-presidente que funcionou. Não só isso, é mais que isso, o bravo povo brasileiro está cansado de tanta corrupção. Acredite que está porque é verdade. E quem tem aparecido como agente de pequenas melhorias?

    Muito diferente da tua opinião que Lula tem licença para roubar, na minha opinião.

    O que insisto é que o PT é que precisa se reinventar, ou se renovar. Há nomes na cúpula do partido que parecem não aceitar os caminhos definidos por Lula. Antigos companheiros, fundadores do partido, mas que se desgastaram. Alguns por questões que o STF precisa julgar e outros por total inabilidade, aptidão política eleitoral.

    Ou o PT se renova ou não sei dizer o que vem à frente.

    Mas, veja bem, o PT está no poder. O que mais me preocupa é a falta de uma oposição competente. Já não é de hoje que afirmo esta preocupação.

    Só pra não deixar em branco, recentemente apareceu o partido do Kassab. Em semanas juntou uma galera e parecia que seria um Fênix da oposição nacional. Pois bem, fiquei olhando ao largo. Como moro por aqui sei bem do que se trata. E lá foram tua musa, a Kátia Abreu, o muso da Serra, o tal Índio da Costa e mais uma galera. Ato contínuo o tal Kassab, que me lembra a misteriosa AIB, Associação Imobiliária Brasileira (procure neste blog se tiver curiosidade) e a indústria das multas, sinaliza vontades de amor com o governo e os cofres federais. Barbaridade, a fraude não durou nem três meses.

    Ou seja, meu caro Chesterton, velho e bom Chesterton, estamos sem oposição. O problema não é Lula. O problema é que, infelizmente, FHC não fez um sucessor à sua altura.

    E não vejo muita luz no fim deste triste fim da oposição. O que é péssimo para o Brasil.

    Enviado via iPhone

  17. Zbigniew said

    Numa entrevista a Carta Maior, o secretário de Comunicação do Partido dos Trabalhadores, deputado André Vargas (PR), se pronunciou muito pertinentemente sobre a necessidade de uma marco regulatorio da midia, da qual destaco o seguinte trecho:

    “(…)
    Nós não temos muita alternativa. Quando nos pronunciamos a favor da regulação e o PSB, do neto do Miguel Arraes [Eduardo Campos, governador de Pernambuco] falou contra o documento do PT [que propõe o novo marco regulatório, democratização da comunicação etc], deu para perceber que não seria fácil . E tudo isso passará pelo Congresso Nacional. Para falar muito claramente sobre a correlação de forças: a Emenda 3, a famigerada, perdemos. O Código Florestal, nós arregimentamos forças e contamos 180 votos. Mas quando foi a voto não chegamos a 120 votos. Esses são os aliados que temos.
    (…)
    Onde é que o povo se manifesta nessa questão? Essa discussão não vai provocar uma passeata com 50 mil pessoas. Há poucas manifestações sobre isso no campo das redes e esse é um debate que a população ainda não assumiu. São importantes estratégias como a do FNDC [Fórum Nacional de Democratização da Comunicação], de fazer uma campanha de popularização do marco regulatório da comunicação. Mas o PT não pode fazer essa mobilização sozinho, inclusive porque o tema fica estigmatizado como sendo algo do PT. Este é um trabalho para o conjunto de partidos, entidades, grupos e movimentos envolvidos nesse debate. Aliás, muito me impressiona entidades do nível da OAB e a CNBB não entrarem nesta agenda, pois isso interessa também a esses seguimentos.
    (…)”

    Como podemos acreditar numa sociedade realmente democratica quando a maioria dos atores se furta a discutir essa correlacao de forcas em que a velha midia, vulgo PIG, esta sempre acima de tudo, do bem e do mal, sendo intocavel e inatingivel. Que especie de sentimento e este? A verdade e que a concentracao de midia serve a muitos que dominam a politica nacional e, hoje, a sua discussao esta fora de cogitacao. Ruim para o pais. Ruim para nossa democracia.

  18. Pax said

    A velha mídia, a mídia ruim, cai por si só, no meu entender.

    Esse papo de regulamentar a mídia não só traz cheiro de mofo como não tem nenhum eco na minha lista de prioridades.

    O governo que faça sua parte antes de querer se meter na seara que deve ser livre.

    E a EBC? Porque a Agência Brasil é tão ruim? Pior que ser ruim é a constatação que conseguiram piorar o que já não era bom.

    Ora bolas, se o governo fizesse sua parte será que a mídia podre, essa que supostamente está comprada, se estabeleceria?

    Minha opinião sobre o assunto é que há projetos bem mais importantes com que se preocupar.

    Quem tem medo da mídia ruim?

    Lula tem medo? Dilma tem medo?

    Ou serão, talvez, os réus do mensalão?

    Que tal focar os esforços numa revolução em nossa educação pública? A triste constatação que mais da metade dos alunos destas escolas termina o ensino fundamental sem saber ler e escrever não comove ninguém?

    Enviado via iPhone

  19. Zbigniew said

    Caro Pax.

    Regular midia nao e controlar midia, tampouco mitigar conteudo. Regular midia e torna-la mais democratica, no sentido de menos concentrada. Midia boa e midia distribuida, sem monopolios, oligopolios, e de preferencia fora da alcada de politicos, ainda que alguns grupos se sobressaiam e se tornem mais poderosos que outros, o que e normal.

    Regular as telecomunicacoes no pais nao tem nada a ver com proteger reus de mensalao. Talvez tenha a ver com uma abordagem mais equilibrada de todos esses escandalos, isso sim, um servico de qualidade para toda a sociedade.

  20. Elias said

    Pax,

    O PT se sai melhor que seus concorrentes, porque o PT sabe se renovar, sabe se reconstruir.

    O PT é assim, porque se forjou nos movimentos sociais. Se forjou no sindicalismo, nas associações de moradores, no movimento estudantil, etc. Se forjou em áreas onde a negociação política é tão necessária quanto o ar que se respira.

    Por outras palavras: a capacidade de negociar, interna e externamente, está no DNA do PT. É inerente a ele.

    Ao final do 1º mandato de Lula, quem diria que Dilma seria sua sucessora? As pessoas mal sabiam quem era ela… Li vários artigos de abalizados analistas políticos, no Estadão, na FSP, no Globo, etc., dizendo com todas as letras que o PT estava defintiva e irremediavelmente pendurado no Lula. Quando acabasse o governo Lula, o PT definharia, murcharia, acabaria…

    Pois é… né?

    É isso que os outros partidos não conseguem fazer, porque, na realidade, não são partidos políticos. São escritórios políticos, criados por um morubixaba ou um grupo de morubixabas. Aí, ficam — eles sim…! — dependentes dos objetivos pessoais dessas lideranças, e da capacidade política dessas lideranças em realizar seus objetivos políticos. Quando as lideranças envelhecem, os escritórios políticos também envelhecem. Quando as lideranças morrem, os escritórios políticos idem.

    O PFL, p.ex., se formou em torno de ACM e outros da mesma geração. Essa geração envelheceu e morreu, levando consigo o partido que criaram. O que ficou é material de segunda. Não dá pra segurar a barra do jogo bruto da política brasileira.

    Os jornais e revistas conservadores poderão encher de azeitonas as empadas desse pessoal. Não vai ajudaer…! Eles vão ficar empanturrados, com os ventres timpânicos, e morrer de indigestão. A abundância de alimentos não só não os fortalece, como os mata… Sabe por que? Porque são materiais de segunda.

    É só dar uma olhada: Kátia, Demóstenes, ACM Neto… Tudo material de segunda. Não chegam nem aos pés daquelas lideranças conservadoras que eles tentam, em vão, substituir…

    Vou bebericar com uns amigos, tirando o gosto com deliciosos bolinhos de bacalhau, saturados de azeite de oliva extra virgem e molho de pimenta de cheiro no tucupi…

    Mais tarde, se conseguir, volto pra encher o saco de vocês…

  21. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Continuo com meu ponto de vista. Transformem a EBC numa BBC e promovam um projeto consistente em Educação que o lucro é bem maior.

    Este assunto só traz desgaste ao PT.

    A mídia podre cai por si só, como fruta no pé.

    Enviado via iPhone

  22. Zbigniew said

    Caro Pax,
    respeito seu ponto de vista.
    Entretanto nao concordo com a questão do desgaste do PT.
    Acredite: há muito mais antipatia da sociedade em relação a esse modelo de comunicação do que se pensa.

  23. Pax said

    Pode ser, caro Zbigniew,

    Assim como há tanto de antipatia com o modelo dos planos privados de saúde, das empresas de telecom que vivem de ludibriar os consumidores etc etc.

    Qual dessas bandeiras é a melhor para empunhar?

    Sinceramente, caro amigo, com todo respeito que tenho por tuas opiniões, acho que há assuntos mais importantes na pauta nacional.

    De novo, não é porque um editor de um veículo foi pego, segundo fortes indícios, com as calças na mão que a pauta muda.

    A pauta, segundo o que imagino, é a mais básica do dia-a-dia.

    Educação, Saúde e Segurança.

    E, insisto, antes de reclamar e propor projetos antipáticos, há um caminhão de tarefas bem mais fáceis de fazer, bem mais proveitosas. Hoje temos amplas condições de termos uma EBC ainda melhor que uma BBC.

    Porque mesmo a pauta não vai neste sentido mais positivo?

    Adoraria ter como fonte a Agencia Brasil como era antes. Hoje nem mais a categoria “corrupção” existe por lá. Acabaram com o problema numa canetada de algum visionário que desconheço?

    Não, preferiram entrar na agenda negativa em contraponto à positiva.

    No meu entender um belíssimo tiro no pé. Simples assim.

    Enviado via iPhone

  24. Chesterton said

    O povo, bravo povo brasileiro, é mais inteligente do que supõe a vã filosofia da atual desgastada e perdida oposição.

    chest- não confunda esperteza com inteligencia. E compare os resultados dos nossos alunos com o de outros países. Somos um povo inteligente? Ora, claro que não., Somos ixperrtushhh

  25. Chesterton said

    Trabalhadores do Brasil
    Novo ministro do Trabalho, Brizola Neto apanhou no microblog Twitter: “No Dia do Trabalho, Dilma nomeia quem nunca trabalhou.”
    ch

  26. Patriarca da Paciência said

    Se fôssemos avaliar o povo brasileiro, tomando como parâmetro o Chesterton, certamente que nosso nível iria lá embaixo.

    Mas como o Chesterton é uma minoria de 4%, assim como os leitores da Veja, felizmente o nível do povo brasileiro é ótimo.

  27. Chesterton said

    Ou seja, meu caro Chesterton, velho e bom Chesterton, estamos sem oposição. O problema não é Lula. O problema é que, infelizmente, FHC não fez um sucessor à sua altura.

    chest- meu caro, o que você diz equivale a dizer que o bandido não tem culpa se a criminalidade é alta porque falta polícia, capisce?

  28. Patriarca da Paciência said

    Tenta se eleger vereador, Chesterton, depois volta a falar que o Brizola Neto nunca trabalhou.

  29. Chesterton said

    É com satisfação e extrema alegria que informo que o Chestinho 1.3 já está com 3 meses, firme, forte e saudável.

  30. Zbigniew said

    Pax,
    essas coisas nao sao excludentes.
    Um governo, uma sociedade nao se limita a alguns temas ou projetos.
    Nao vivemos mais em pequenos burgos, cujos problemas se limitavam ao tamanho e complexidade da sua area geografica.
    E, apesar de graves problemas ainda existentes, reconhece-se que houve avancos em todas as areas apos os governos do PT, de Lula e Dilma, no ambito federal. O Brasil esta melhor e merece um sistema de comunicacao mais democratico.

  31. Chesterton said

    quais são as inovadoras lideranças que o PT para substituir Lula?

  32. Pax said

    Esta é uma boa pergunta que coloca nosso caro Elias em posição de resposta: quais são estes novos nomes do PT, onde, na atual direção do partido, podemos identificar estes novos ares?

    Caro Zbigniew,

    É evidente que um país é mais complexo que três ou quatro principais bandeiras. É lógico, também, que informação é um dos itens que deve estar na agenda de quem quer o poder para melhorar um país. Tudo é muito coerente.

    Mas, cá entre nós, monte uma campanha política que privilegie informação, a regulamentação da mídia, e espere para ver quantos votos terá.

    Agora fale em hospital, transporte público, segurança e escola e veja a diferença.

    Se não respeitamos a pauta da sociedade não respeitamos a própria sociedade.

    Este é meu ponto. A agenda tem que ser positiva.

    A mídia incomoda mesmo quem não tem história positiva pra entregar. Vai ver se o Estadão, a Folha, a Veja, a Globo derrubaram Lula. Veja, também, se estão derrubando Dilma. Estão?

    Claro que não. Por mais histerias e besteiróis que os titios queiram plantar, o que vence mesmo são dados e fatos. Comida na mesa, dinheiro pra roupa, pro aluguel e umas geladas.

    Quem efetivamente se incomoda com a mídia é quem borrou seu caminho e não tem entregas realizadas para se ancorar.

    De novo, pergunte para o Lula se ele acha isso importante ao ponto de gastar seu tempo em tv falando do assunto. Talvez até diga que sim pra agradar o Zé Dirceu, mas na frente da câmera da Globo ele vai falar de hospital e escola. Burrice do Lula?

    Enviado via iPhone

  33. Zbigniew said

    Sim, Pax. Ninguém ganha eleição falando em regulamentação de mídia. Há assuntos mais urgentes e importantes? Sim, há. Mas se existem oportunidades de mudanças não podemos descartá-las. Assim fosse jamais organizaríamos uma olimpíada ou copa do mundo porque o Brasil é um dos paraísos da roubalheira. Teríamos que esperar que o nosso grau civilizatório alcançasse um mínimo aceitável. Quanto tempo?
    Ora, se a regulamentação das comunicações é um dos pontos que ajudam na qualidade de informação da sociedade, por que não implementá-la? Qual o problema? É justo que um político tenha numa mesma área geográfica emissoras de rádio, televisão, jornal, revista, portal de internet, lan houses, o escambau? Diga-se o mesmo para os barões da velha mídia (vulgo PIG)? Isto é democrático?
    Você diz que educação resolve o problema. Será? Sabendo-se que tais empreendedores e políticos terão também acesso ao processo educacional (veja o caso das apostilas, livros e cursos da editora abril, globo e que tais), que espécie de informação está sendo oferecida para nossa sociedade?
    Uma questão deveria ser colocada: o porque da apatia do brasileiro em se posicionar politicamente sobre assuntos que lhe atingem diretamente. Não é de sabença geral que somos mais murmuradores do que entusiastas da ocupação de ruas? E sendo assim, reféns da boa vontade dos políticos ou da sorte de se ter um Lula no governo?

  34. iconoclastas said

    Qual o problema? É justo que um político tenha numa mesma área geográfica emissoras de rádio, televisão, jornal, revista, portal de internet, lan houses, o escambau? Diga-se o mesmo para os barões da velha mídia (vulgo PIG)? Isto é democrático?”

    defina justo, por favor.

    p q por tudo no mesmo saco? o que tem a ver rádiodifusão com lan house? esclarece para gente o que é que tanto te incomoda. quem tem jornal não pode ter revista? e se tiver site, não pode ser concessionário de tv? e esse teu panejamento democrático envolve o conteúdo?

    — xxx—xxx—

    Doc, muita saúde a seu novo herdeiro, e energia aos pais…

    ;^/

  35. Patriarca da Paciência said

    Uma coisa não se pode negar – o tal Carlinhos Cachoeira “pensa grande”. Estava pensando até em expandir seus “negócios” pela Itália de Berlusconi:

    “Em outra gravação, Cachoeira pede a um de seus funcionários para que usasse a suposta influência de uma aliada junto ao ex-premier italiano Silvio Berlusconi, para que Demóstenes fosse convidado a visitar a Itália e faturasse politicamente com a decisão do governo brasileiro de não extraditar Cesare Battisti.”

    http://oglobo.globo.com/pais/demostenes-negociou-nome-de-aliado-de-cachoeira-para-receita-4767867

  36. Zbigniew said

    É importante que se entenda que informação é um ativo de curial importância para uma nação (não estamos na era da informação?). Quem detém informação detém poder. Há poder demais nas mãos de poucos, e ele, de maneira alguma, foi concedido pela sociedade. A melhor forma de tratar com a questão da informação sem prejudicar a liberdade de exercê-la (mal ou bem) é distribuí-la da forma mais igualitária possível na sociedade. Não dá mais para conviver com megagrupos, que associados a outros formam uma rede exclusivista, cujo principal objetivo é a defesa de seus próprios interesses. O exclusivismo, aliás, é o cerne do neoliberalismo.

  37. Zbigniew said

    Já sobre o conceito de “justo”, que deve nortear as relações de uma sociedade, é admissível a noção de função social da imprensa ou tudo não passa de um nogócio, cujo único objetivo é o lucro? Se a própria constituição inseriu o conceito de função social da propriedade, seja ela material ou intelectual, por que a imprensa se furtaria a esse aspecto?

  38. iconoclastas said

    Não dá mais para conviver com megagrupos, que associados a outros formam uma rede exclusivista, cujo principal objetivo é a defesa de seus próprios interesses.”

    sei, mas o CADE tá aí para evitar isso, ou não?

    quem foi que bancou a fusão OI – Brasil Telecom, alterando, inclusive, a lei geral de telecomunicações? e da Fibria, quem é o padrinho? quem foi que estimulou o agigantamento da JBS? quem é o maior anunciante da “média”? quem é que controla a EBC?

    “O exclusivismo, aliás, é o cerne do neoliberalismo.”

    queria ter capacidade para entender isso, mas, talvez, só em outra vida…

    “Já sobre o conceito de “justo”, que deve nortear as relações de uma sociedade, é admissível a noção de função social da imprensa ou tudo não passa de um nogócio, cujo único objetivo é o lucro? Se a própria constituição inseriu o conceito de função social da propriedade, seja ela material ou intelectual, por que a imprensa se furtaria a esse aspecto?”

    bem, pelo que sei, empregos são gerados, impostos são pagos ( e se não são, que sejam devidamente cobrados), valor é adicionado, e, adicionalmente, informações produzidas têm sido úteis até para a principal mandatária, que sagazmente baseia-se nas mesmas para fazer uma limpa em seus ministérios. função social?

    ;^?

  39. Chesterton said

    Obrigado, Icono.

    Oposição é jornalismo, o resto é armazem de secos e molhados (Milor Fernandes) de novo

  40. Zbigniew said

    Função social tem a ver com pacificação de interesses conflitantes e em primeira análise com dignidade da pessoa humana. Pagar impostos e gerar empregos é uma das faces, mas não a única.
    Qual o conflito?
    É admissível à sociedade que um órgão de imprensa se associe a um grupo criminoso para revelar esquemas de corrupção, observando-se que esse órgão dará publicidade apenas aqueles casos de interesse próprio? E em assumindo o direito de “testar hipóteses” ou renegar o “outroladismo”, em caso de atingir personalidades inocentes, não estaria aí atingindo a dignidade da pessoa que, muitas vezes, verá a sua boa-fama irremediavelmente prejudicada pelo afã do negócio?
    Não se fala aqui de casos isolados mas de práticas reiteradas que se tornam “modus operandi” de uma organização.
    Megagrupos são bons para levar o país ao mercado externo e para fortalecer sua postura geopolítica o que não quer dizer que não sejam prejudiciais quando representarem a diminuição da concorrência ou um poder capaz de dominar o próprio Estado. Quando isto ocorre a organização passa a ser um fim em si mesmo, e a sociedade, que é o motivo pelo qual ela existe, passa a ser prejudicada por sua existência. Faz-se necessário providências desta mesma sociedade para trazer tais entidades de volta à noção de função social.

  41. Chesterton said

    dignidade da pessoa humana.

    chest defina melhor.

  42. iconoclastas said

    “Função social tem a ver com pacificação de interesses conflitantes e em primeira análise com dignidade da pessoa humana.”

    fala aí o que vc quer tirar disso, seja específico.

    “É admissível à sociedade que um órgão de imprensa se associe a um grupo criminoso para revelar esquemas de corrupção, observando-se que esse órgão dará publicidade apenas aqueles casos de interesse próprio?”

    se associar? bem, o que prevê a lei quanto a quem se associa a “um grupo criminoso”? é o suficiente para responder se é ou não admissível, certo?

    quanto a decisão do que publicar, esta cabe apenas a publicação, e que faça proveito do bônus e arque com o ônus.

    “não estaria aí atingindo a dignidade da pessoa que, muitas vezes, verá a sua boa-fama irremediavelmente prejudicada pelo afã do negócio?

    na hipótese de alguém ser prejudicado há as leis de injúria, calúnia e difamação. para que mais?

    “Megagrupos são bons para levar o país ao mercado externo e para fortalecer sua postura geopolítica o que não quer dizer que não sejam prejudiciais quando representarem a diminuição da concorrência ou um poder capaz de dominar o próprio Estado.”

    pois é, mas teu amado guia não quis saber de nada disso, ou talvez só tenha pensado nisso – poder capaz de dominar o próprio Estado – qd alterou a lei das telecomunicações.

    equanto isso as organizações Globo, por exemplo, levam, há décadas, o país ao mercado externo…

    “Quando isto ocorre a organização passa a ser um fim em si mesmo, e a sociedade, que é o motivo pelo qual ela existe, passa a ser prejudicada por sua existência. Faz-se necessário providências desta mesma sociedade para trazer tais entidades de volta noção de função social.”

    bem, ainda que eu não tenha ciência de qual é o seu conceito de “função social”, dê um exemplo de um órgão da imprensa privada que prejudique a sociedade, e neste caso, explique pq as leis existentes não o alcançam.

    ;^?

  43. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    Para reflexão:

    O CONTO DO ESPANTO
    01 de maio de 2012 | 3h 07
    DORA KRAMER – O Estado de S.Paulo

    Quanto mais informações vão sendo reveladas a respeito dos serviços prestados por Demóstenes Torres às organizações Cachoeira de armações ilimitadas, mais esquisito parece o fato de que ele tenha durante tanto tempo podido atuar como o sujeito oculto na defesa dos interesses do contraventor Carlos Augusto Ramos sem despertar suspeitas.

    Que o senador tenha conseguido enganar a plateia e parte considerável do elenco da República com o personagem que encarnava em público, compreende-se. Dificilmente alguém que age com tanto vigor e destemor é alvo de desconfiança.

    Sempre existe o risco de ser confrontado por um adversário no meio de um discurso, levar um troco na base do bateu levou. Eleito senador pela primeira vez em 2002, notabilizou-se por bater. Nunca levou e, entretanto, vê-se agora como era vulnerável.

    Os grampos da Operação Monte Carlo revelaram as conversas com o contraventor, mas suas atividades como praticamente um procurador do bicheiro eram exercidas com boa dose de desinibição.

    Pelo divulgado até agora, movimentava-se para todo lado, falava com muita gente, pedia, solicitava, defendia interdição de depoimentos no Congresso e até um episódio em tese menor – o pedido de emprego no governo de Minas Gerais para uma prima de Cachoeira – não se coadunava com a atitude de um defensor intransigente dos pressupostos constitucionais de impessoalidade, probidade e transparência na administração pública.

    A julgar pelo conteúdo das conversas telefônicas – e, note-se, não são conhecidas as do senador com personagens outros que não o contraventor – Demóstenes Torres fazia lobby por Cachoeira nos três Poderes, abria portas para negócios comerciais para além da Região Centro-Oeste, interferia na transferência de policiais presos, obtinha informações de bastidores na Polícia Federal e no Ministério Público, atuava aqui e ali como facilitador para a construtora Delta, circulava com desenvoltura entre deputados, senadores, governadores, magistrados.

    Será possível que só ao amigo bicheiro revelasse seu lado eticamente permissivo? Apenas ao telefone com Cachoeira deixava-se desvendar? Nas abordagens em prol do contraventor não precisava “abrir” aos interlocutores a natureza dos pleitos pretendidos?

    Fica cada vez mais inverossímil a possibilidade de que o senador tenha atuado nesse diapasão por tanto tempo sem que ninguém, entre as pessoas experimentadas com quem o senador convivia, tivesse notado algo de anormal ou de inadequado no comportamento dele.

    Mais não seja pela discrepância entre o discurso e as ações. O mais provável, chega-se à conclusão por pura lógica, é que a surpresa manifestada na dimensão de unanimidade não seja de verdade tão unânime assim.

    Pelo visto, boa parte dos que se mostraram surpresos depois da eclosão do escândalo considerava perfeitamente normal o uso privado que o senador dava a seu mandato e talvez até admirasse sua capacidade de mimetização.

    Só uma hipótese não é crível: a de que o senador tenha enganado completamente a todos os ditos tão espantados.

    Contenção. Noves fora o imprevisto absoluto, as versões de que Carlos Augusto Ramos poderia queimar caravelas na CPI guardam mais relação com prevenção de danos do que com chances reais de o bicheiro representar o papel de homem-bomba.

    O advogado dele, Márcio Thomaz Bastos, não é exatamente um construtor de explosivos. Ao contrário: como ministro da Justiça do primeiro governo Lula e depois como conselheiro desarmou vários deles.

    Cacoete. Publicamente a presidente Dilma Rousseff não fala no assunto, muito menos teria condições de fazer algo parecido. Privada e ideologicamente, no entanto, deixa muito claro que viu com bons olhos na nacionalização da petroleira espanhola YPF pela colega argentina Cristina Kirchner.

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.
    Basta ver os escritos de V.Ex.ª e do Bonehead.

    Chesterton parabens pelos 90 dias do 1.3 firme e forte.

    Sent from my iPad

  44. Chesterton said

    TKS Michelle!

  45. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    Para reflexão 2:
    terça-feira, 1 de maio de 2012
    CPI x Mensalão.

    O que o senador Demóstenes Torres fala com Carlinhos Cachoeira, citando nomes, sem que estes tenham sido gravados ou tenham concretizado algum ilícito relatado pelos dois bandidos, não pode ser considerado uma prova contra os citados.

    Na maioria das gravações vazadas é flagrante que ambos supervalorizam as suas influências e importâncias, contando vantagens e antevendo resultados de um típico trabalho de lobby. É o caso de Cachoeira em relação ao repórter da Veja. Não existe nenhuma relação entre o que o bicheiro propala com o que saiu publicado na revista. Há, aí, uma nítida tentativa de tipificar como crime o relacionamento de um jornalista com a sua fonte, liderada por mensaleiros e seus tentáculos na esgotosfera, na tentativa de desqualificar a Imprensa.

    Até estourar o escândalo, não havia nenhuma acusação contra o então pujante empresário do ramo farmacêutico, Carlinhos Cachoeira. Seria muito mais criminoso se o repórter da Veja tivesse José Dirceu – o chefe da sofisticada organização criminosa do Mensalão, definição cunhada pelo Procurador Geral da República – como fonte. Pano de fundo: os mensaleiros querem atingir a revista, de qualquer forma, pelo fato de que a mesma nunca poupou a corrupção do PT. E encontram parceiros em ex-jornalistas que odeiam a Edtora Abril e a mídia em geral, o PIG, de onde foram chutados por desonestidade ou incompetência.

    Até agora, vários ministros são citados. José Carlos Toffoli deu carona para o senador Demóstenes. Alexandre Padilha teria facilitado a vida do bicheiro na Anvisa. Edson Lobão estaria alavancando a venda da Celg, a empresa de energia de Goiás. Gilmar Mendes estaria trabalhando para reduzir a dívida desta estatal. Nada disso está confirmado em gravações, apenas em conversas entre o senador e o bicheiro. Os mensaleiros não escondem que gostariam de envolver o ministro Gilmar Mendes no escândalo e, inclusive, a revista bandida Carta Capital chegou ao ponto de estampar a sua foto na capa, sugerindo o seu envolvimento.

    É preciso que a CPI não sirva de instrumento para jogar uma cortina de fumaça que empane o julgamento do Mensalão.
    E que não deixe de ouvir os efetivamente envolvidos, como Sérgio Cabral, governador do Rio, pelas suas relações umbilicais com a Delta. Marconi Perillo, por tratar e conviver diretamente com o bicheiro.
    Agnelo Queiroz, o sempre suspeito petista que desgoverna Brasília.
    Enfim, chamar para depor aqueles figurões carimbados e tarimbados em tornar a vida pública do país um mar de lama.

    A CPI do Cachoeira, com provas guardadas durante dois anos para serem vazadas faltando alguns meses para o julgamento do Mensalão, é uma estratégia minuciosamente traçada pelos corruptos que estão prestes a serem julgados.
    Uma tentativa desesperada que começa a se voltar contra os seus criadores.
    Daqui a pouco será mais vantagem perder um dedo do que entregar a mão inteira, com anéis e tudo.
    Lula é especialista nisso.

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.
    Basta ver os escritos de V.Ex.ª e do Bonehead.

    Sent from my iPad

  46. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Que história é essa de 1.3?

    Você é pai fresco? 90 dias do rebento? Parabéns!

    Enviado via iPhone

  47. Chesterton said

    Eu sou o 1.0. Mais 3 machos, obrigado pelos parabens.

  48. Pax said

    Ironia é ver o Paulo Maluf fazendo propaganda do PP na tv paulista lembrando que no seu tempo a Rota – Rondas Ostensivas Tobias Aguiar- estava às ruas protegendo os cidadãos de bem. “Quem tinha medo eram os bandidos” é uma de suas falas.

    Pois bem, tomando todo o cuidado porque o meliante internacional é famoso por processar quem quer que seja que fale algo contra sua pessoa, Maluf, segundo farto noticiário, não pode pegar avião para o exterior.

    Se pegar será preso pela Interpol.

    É acusado de uma série de crimes nos EUA envolvendo dinheiro mal explicado.

    O Brasil tem muito caminho à frente no combate à corrupção. Tomara que todos os envolvidos nesta CPI não consigam guarida e blindagem de seus pares.

    Principalmente o senador do DEM (ex) e os governadores do PT, do PSDB e do PMDB.

    Ou se explicam, o que acho bastante difícil, ou têm mais é que dançar. O melhor dos mundos seria a Justiça recolher aos cofres públicos tudo que os eventuais meliantes tenham auferido em suas supostas relações ilegais com o mafioso bicheiro e o empresário da construção, este que empresta avião e helicóptero a quem lhe empresta, supostamente, apoio para seus bilionários contratos.

    Imaginem só a tal cozinha importada do tal senador sendo recolhida da mansão e leiloada.

    Ia ficar bonito na foto. Ah, ia sim.

    De outro lado, uma forte possibilidade, intragável possibilidade, é os partidos no tal esforço de blindagem.

    No mínimo nos levará à suspeição que tais partidos não só sabiam das eventuais atividades criminosas como participavam da pilhagem dos cofres públicos, do dinheiro do povo, bravo povo brasileiro.

    Porrete de aroeira em todos que não se explicarem. Bandidos e partidos. Doa em quem doer.

    A partir desta semana começaremos a ver as posturas dos partidos nas decisões do presidente (PMDB) e relator (PT) da CPI.

    Do partido de Sarney, Renan, Jucá e Temer já guardamos poucas expectativas.

    Quem efetivamente estará na berlinda será o jovem deputado do PT. Tomara que o cara mostremos que o PT não quer virar um PP, um passo à adiante do desgastado PMDB.

    Seria o pior dos mundos.

    (Em tempo: que tal chamar o tal Dadá e dar uma canseira nele à frente da mesa da CPI? Tipo canseira mesmo, três dias inteiros de interrogatórios intensos para que explique este mundaréo de gravações. Será que o bichão agüenta nos arreios?)

    Enviado via iPhone

  49. Chesterton said

    http://www.pannunzio.com.br/archives/10807#comments

  50. Michelle de Souza Malone said

    (continua)

    Pax
    (Em tempo: que tal chamar o tal Dadá e dar uma canseira nele à frente da mesa da CPI? Tipo canseira mesmo, três dias inteiros de interrogatórios intensos para que explique este mundaréo de gravações. Será que o bichão agüenta nos arreios?)</i)

    Cumpre lembrar que o Toninho do PT e o Celso Daniel foram assassinados por muito menos.
    Se Dadá falar tudo o que sabe…
    (e quem sabe se a Veja já não tem um “depoimento exclusivo” devidamente guardado justamente para esta ocasião ???)

    Petralhada tremei…até o julgamento do Mensalão…tudo pode acontecer.
    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.
    Basta ver os escritos de V.Ex.ª e do Bonehead.

    Sent from my iPad

  51. Chesterton said

    o mercenário ético…

  52. Pax said

    Bom link, caro Chesterton, velho e bom Chesterton. Até que enfim procuras fontes que merecem serem lidas.

    Quer dizer que o PHA faturou R$ 1 milhão em seu blog só no último ano? Em contratos com BB, CEF, Petrobras, governo Tarso Genro e Correios?

    Segundo o post do Pannunzio foi isso ou algo do gênero. Segundo afirma confirmou com as fontes pagadoras.

    Caramba.

    É por essas e outras que tomo um bocado de cuidado com as fontes que trago para cá. E mesmo assim ainda faço uma seleção particular dos jornalistas que leio e linko por aqui, dos veículos de onde faço a coleção de notícias que o blog se propõe.

    Essa história toda fede. De todos os lados.

    Quando os jornalistas pulam a cerca da ética o caminho parece mesmo sem volta.

    Ainda bem que este blog tem absoluta independência. Nunca recebeu um puto sequer. Pelo contrário, gasto para manter este espaço, mesmo que pouco, mas gasto, sim.

    E ainda bem que não comprei a história do Policarpo Jr. Pedi fontes e procurei no Google e não achei boas origens, dessas que uso. Pelo contrario, onde vi as notícias foi em fontes que não uso. Aliás, dos dois lados.

    Estou inocentando a Veja e seu editor? Não. Somente espero que os tais 200 telefonemas possam ser melhor esclarecidos por fontes que ainda acredito.

    Barbaridade também é a acusação do Pannunzio que o Zé Dirceu que está por trás de muitos posts que estes tais jornalistas do que ele chama de BESTA – blogosfera estatal – publicam.

    Uma coisa é fazer política e ter relação com jornalistas. Outra, bem diferente, é ter as rédeas dos freios e bridões que alguns destes se sujeitam a troco de fartos trocados.

    Bariu, como diz o Chico Véio, um cumpadi mateiro do interior paulista.

    Também vamos devagar nas pedras que o Pannunzio fala sobre complicadas relações com, aparentemente, pertinência.

    Mas…

    Todo cuidado é pouco neste caminho pedregoso. Há muitos santos de pau ocos nesta trilha.

    Enviado via iPhone

  53. Pax said

    Ah, YouTube eu não consigo ver daqui. Sacanagem, pô!

    Sim, um bom interrogatório do tal Dadá parece ser uma boa.

    Petistas vão tremer? Pode ser. Pouco me importa. Mas parece que o senador e o governador goiano têm mais a perder.

    E o tal diretor da Delta preso? O cara já tá com o orifício fecal às mãos, umas perguntingas a mais outras a menos e o bichão abre o bico, em frente às câmeras de tv muito meliante, se for o caso, treme e não se segura.

    Bora lá. Só não pode é acabar em pizza. Infelizmente essa possibilidade é forte, sim.

    Enviado via iPhone

  54. Elias said

    “O que o senador Demóstenes Torres fala com Carlinhos Cachoeira, citando nomes, sem que estes tenham sido gravados ou tenham concretizado algum ilícito relatado pelos dois bandidos, não pode ser considerado uma prova contra os citados.
    Na maioria das gravações vazadas é flagrante que ambos supervalorizam as suas influências e importâncias, contando vantagens e antevendo resultados de um típico trabalho de lobby. É o caso de Cachoeira em relação ao repórter da Veja.”

    Verdade!

    De minha parte, sempre estive plenamente convencido de que “PJ” e “Poli” são termos que nada têm a ver com Policarpo Júnior. Qualquer consulta superficial ao sânscrito subclássico ou ao dialeto uro-caucasiano do idioma proto-indo-europeu comprovará isso. Falar nisso, numa das variantes do ladino falado no sul do Marrocos lá por volta do Século XVIII, “Poli” significa, literalmente, “Roberto Irineu Marinho”…

    Claro que Cachoeira e Demóstenes “supervalorizam as suas influências e importâncias”. Taí o caso daquele desembargador que não deixa ninguém mentir… A nomeação daquela sobrinha do Cachoeira pra uma diretoria no governo mineiro é outro episódio de flagrante supervalorização de influência… No mais, é só pegar a íntegra do processo, hoje disponível na Internet. Aqui e ali, não faltam exemplos acabados de supervalorização de influência… Um atrás do outro…

    Sei que bate-pau é bate-pau, mas me espanta a rapidez com que os bate-paus da imprensa já estejam chamando o Demóstenes de “bandido”.

    Que negócio é esse? Calma lá, pessoal… Gregor Samsa ainda não foi nem julgado, quanto mais condenado… E vocês já estão chamando a barata de “bandido”?

    Olha que vocês tão brincando com fogo…!

    Vai que o cara se sinta abandonado — e está sendo abandonado, mesmo! — e resolva abrir o bico… O ambiente vai ficar no mínimo insalubre pra vocês…

    Pelo que se pode depreender, a partir das pontas soltas existentes nos autos do processo da PF, se Gregor Samsa der o serviço vai enrolar um monte de gente da direita que, neste momento, não abre a boca nem pra comer papinha…

    Aparentemente, se o cara botar a boca no trombone será m… no ventilador dos arraiais direitobos. Uma verdadeira direitorréia, das mais repugnantes…

    O bate-pau que chama o aliado de “bandido” pode estar escarrando catarro pro alto…

    Aliás, já que é assim… Deixa ele escarrar, deixa…

    Manda outra, Michelle…

    Huá! Huá! Huá! Huá! Huá! Huá!

  55. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    Atendendo ao pedido do petralhotário (ou assemelhado)…

    Para reflexão 3:

    As penas alugadas ao petismo e a máquina de demolir reputações

    O leitor que se quer bem-informado deve estar atônito com a lama que escorre no entorno da CPI do Cachoeira. A imprensa brasileira — aí compreendidas todas as publicações, nos veículos formais e também na internet — parece ter sido tomada por escribas ora a serviço da quadrilha do bicheiro Cachoeira, ora a serviço da quadrilha do mensaleiro Zé Dirceu. A disputa nas várias mídias parece ser em torno de quem representa melhor os interesses espúrios das hordas de bandidos que se acercaram do Poder.

    O grande esforço da BESTA (Blogosfera Estatal), neste momento, é para comprovar que a Revista Veja, na pessoa de seu editor Policarpo Jr., estava a serviço do submundo da espionagem e à disposição da interface parlamentar da organização, capitaneada pelo ainda senador Demóstenes Torres.

    Do outro lado, jornalistas de grandes veículos e blogues a eles vinculados (chamados de PIG pela BESTA) tentam desmontar o jogo de manipulação de colegas regiamente pagos — e isso é inquestionável — pelo dinheiro público para mover uma campanha de desmonte da “velha mídia”, ou do jornalismo formal, como queiram.

    Em meio a essa confusão, surgem outros atores, que passam a duelar publicamente, difundindo informações que põe em xeque a lisura das apurações e das intenções de seus contendores. Na contradita, os injuriados do outro lado apresentam argumentos de que seus novos desafetos estão igualmente comprometidos com uma ou outra vertente derivada do problema. E isso faz com que todos os jornalsitas pareçam iguais aos olhos do público, o que não é verdade.

    Vou tratar aqui do caso Policarpo. Há cerca de um mês o editor de Veja em Brasília está sob fogo cerrado. Primeiro, falava-se que ele tinha trocado cerca de 200 telefonemas com os arapongas de Carlinhos Cachoeira. Se não serviu para condená-lo definitivamente, a quantidade de conversas apresentadas o incriminava de maneira contundente. Nada, além de suposições perniciosas, demonstrava que havia algo errado na relação entre o jornalista e suas fontes.

    Quando a íntegra do inquérito contra Demóstenes vazou, uma vez mais não havia ali qualquer indício de anomalia nessas relações. O que ficou comprovado, entao, foi que Policarpo recebeu informações dos arapongas de cachoeira e as utilizou em benefício do interesse público. Foi assim com a cena da propina paga a um dirigente dos Correios que despertou a fúria de Roberto Jefferson, e que serviu para desbaratar a quadrilha dos mensaleiros arregimentada por José Dirceu. Foi assim mais tarde, quando se descobriu que o “chefe da quadrilha” havia transformado a suíte de um hotel de Brasília em gabinete do governo paralelo que, sob Lula, o mesmo Dirceu continuava comandando.

    A esta altura, sabe-se que os arapongas de Cachoeira comentavam em suas conversas pornográficas os resultados que esperavam advir da publicação do material que haviam fornecido ao jornalista. Isso, nem de longe, leva a qualquer indício de atrelamento entre o repórter e o esquema que os inimigos da liberdade de imprensa pretendem implodir. Apesar disso, a BESTA continua tentando colecionar elementos que possam referendar sua teoria conspiratória com recortes das gravações vazadas do inquérito da PF.

    Ao mesmo tempo, o que se pode comprovar é que o time que ataca o jornalismo formal — ele mesmo composto por jornalistas que perderam espaço da grande imprensa e ocupam hoje posições terciárias em veículos aparelhados pelo pior do petismo — está claramente comprometido com um lado do problema.

    E os interesses podem ser vistos a olhos nus, sem a necessidade de lentes ideológicas ou doutrinárias. É o caso notório do chefe da claque da BESTA na internet, Paulo Henrique Amorim, cujo discurso paranoico é financiado por empresas estatais como o Banco do Brasil, a CEF e a PETROBRAS. A respeito disso, o Blog do Pannunzio descobriu que, só em contratos firmados com a CEF, o governo Tarso Genro e os Correios, Paulo Henrique Amorim se transformou num gênio financeiro da “nova mídia”, com faturamento de quase R$ 1 milhão desde o ano passado. As informações foram confirmadas por fontes oficiais e não houve nenhuma contestação ou desmentido.

    O trabalho a que se propõem os arautos do fim do jornalismo, no entanto, não se limita ao ataque institucional. Para demolir a Imprensa, é preciso dinamitar reputações. É a isso que se dedicam com muito afinco os atores secundários do esquema da BESTA nesse dias de conturbação absoluta.

    A investida não constitui propriamente uma novidade. O método é o mesmo de 2009, quando a organização que chamo de BESTA criou seu know-how de injuriar em série. A estratégica consiste em repercutir ao máximo “informações reveladoras” que um dos militantes “descobre” invariavelmente na internet, em investigações pífias e cheias de problemas éticos, até que o assunto “denunciado”se transforme em “verdade absoluta” e, em seguida, em fato político. É sempre assim, não importando se o objeto da denúncia é ou não verdadeiro — ou quiça verossímil.

    Uma das primeiras vítimas do esquema dos detratores profissionais da BESTA foi o jornalista Heraldo Pereira. Em maio de 2009, ele ocupou a posição em que hoje está Policarpo Jr. A história vem sendo contanda por este blog desde então. Sinteticamente, Heraldo foi acusado de trabalhar para o então presidente do STF, Gilmar Mendes, que era a quem se pretendia atingir. As “provas”contra ele foram coletadas pelo site Cloaca News, organizadas em formato de reportagem por Luis Carlos Azenha e, na sequência, passaram a servir como munição para Paulo Henrique Amorim atacá-lo até a insanidade das injúrias raciais, que já lhe custaram uma indenização de R$ 30 mil e um recalcitrante pedido de desculpas publicado em dois grandes jornais brasileiros.

    Para construir a série de injúrias, a BESTA ignorou pressupostos elementares do Código de Ética dos jornalistas, como ouvir o outro lado. Isso apesar de Heraldo ter sido muito próximo de um de seus detratores — foi ele quem indicou Azenha para a Rede Manchete, onde consolidou sua carreira. A história é contada pelo próprio Azenha, em julho de 2010, conforme o trecho que reproduzo abaixo:

    Um dia, estudante em São Paulo e desempregado, passei pela entrada do Hospital das Clínicas, onde Tancredo Neves estava moribundo, e encontrei o Heraldo Pereira, então repórter da TV Manchete, que me disse que a emissora tinha vaga para repórter (àquela altura eu já tinha quatro anos de experiência em TV, o que incluia longos meses cobrindo férias na Globo de São Paulo, com muitas reportagens em jornais de rede e algumas no Jornal Nacional).

    Fui contratado.

    Vinte e cinco anos depois, nem a gratidão motivou Azenha a cumprir o dever ético de ouvir o outro lado antes de condenar o colega. Em seu blog, depois de apresentar como verdades as denúncias falsas dos outros blogues coligados à BESTA, Azenha escreveu o seguinte:

    “Tendo em vista que Gilmar Mendes teve participação direta e decisiva na polêmica que levou ao afastamento de Paulo Lacerda da ABIN, você considera que Heraldo Pereira deveria ter revelado que é funcionário de Gilmar antes ou depois do comentário que fez a respeito de Lacerda no Jornal da Globo?”

    Aí está a soma de mentiras rematadas transformada em verdade absoluta pelos inimigos da imprensa livre. O post sumiu do site de Azenha, mas ainda pode ser lido no webarchive.org. O link está aqui. As aleivosias jamais foram objeto de um desmentido. Heraldo suportou um período terrível de provações até conseguir a primeira reparação — a sentença que obrigou PHA a se retratar e a indenizá-lo. E ainda aguarda a condenação do editor do Conversa Afiada por crime de racismo, que deve acontecer antes do recesso forense.

    Hoje, é Policarpo Jr. quem está no alvo das penas alugadas da BESTA. Contra ele erguem-se suspeitas infundadas construídas sobre falaciosos recortes da investigação. Até agora, no entanto, não há uma evidência sequer de que o editor de Veja tenha oferecido qualquer contrapartida a suas fontes, muito menos que tenha de alguma forma auferido qualquer tipo de vantagem pessoal a partir das relações com o submundo da espionagem de Cachoeira.

    Para quem prometia revelações bombásticas nos “200 telefonemas”, o resultado do frenético CTRL-C/CTRL-V nos inquéritos vazados é pífio. Onde estão os elementos que levam à suposição de que Veja planejava golpear o governo Lula ? Onde estão as provas de que Policarpo era parte do esquema Cachoeira, como muitas vezes a BESTA tem sugerido e afirmado em suas copiosas páginas de aleivosias ? Simplesmente não há.

    Em compensação, repito, há evidências de sobra de que a Blogosfera Estatal acumula privilégios e vantagens no acesso aos cofres da União e seus prepostos. Vantagens checadas e confirmadas por fontes limpas, que não foram nem serão objeto de contestação porque simplesmente não podem ser contestadas. Ao contrário dos sofismas da BESTA, as informações sobre o comprometimento dos escribas a mando de José Dirceu são verdadeiras e cristalinas.

    Ao leitor, antes de entrar em desespero com tantas versões antagônicas sobre os mesmos fatos políticos, recomendo que façam uma triagem dessas fontes de informação. Antes de elaborar juízos de valor a partir do que se escreve, é preciso saber quem escreve e com que propósitos escreve.

    Só assim será possível separar o joio da imprensa de aluguel do trigo da informação genuína.
    Petralhada tremei…
    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.
    Basta ver os escritos de V.Ex.ª e do Bonehead.

    Sent from my iPad

  56. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    Atendendo ao pedido do petralhotário (ou assemelhado)…

    Para reflexão 3:

    As penas alugadas ao petismo e a máquina de demolir reputações

    Os links:

    CEF http://www.pannunzio.com.br/archives/9597
    Correios http://www.pannunzio.com.br/archives/9422
    Azenha http://web.archive.org/web/20090526215313/http://www.viomundo.com.br/opiniao/o-comentarista-da-globo-gilmar-e-paulo-lacerda/

    Se o Dadá abrir a boca….
    Petralhada tremei…Pax, Protógenes, o “ínclito” e a gepone (ou seria gepona
    como já disse meu dentisto).

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.
    Basta ver os escritos de V.Ex.ª e do Bonehead.

    Sent from my iPad

  57. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    Atendendo ao pedido do petralhotário (ou assemelhado)…

    Para reflexão 5:

    Pax… muro tem lado? É claro que tem.
    Nem se avexe, meu caro.
    A Gepona ( como diz meu ginecologisto) também.
    Ela é “por fora”, rsrsrs

    Bah tche! Os sobrinhos histéricos comentaristos do pedaço estão assanhados.Querem “democratizar” as comunicações
    Logo vão pedir a estatização da Telefônica…seguindo a Madame K e o indio bolivariano.

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.
    Basta ver os escritos escrotos de V.Ex.ª e do Bonehead.

    Sent from my iPad

  58. Zbigniew said

    A Gepone ou, como é mais conhecida pelos direitobas, o “poste”, manda o seu recado: quem manda aqui sou eu!

    Pra banca da FEBRABAN e os esquerdistas que a acusam de ter tucanado, um pronunciamento em rede nacional cujo núcleo foi: os bancos não baixam os juros porque não querem, e isto é totalmente contrário à população.

    Num outro ponto nomeu o Brizola Neto para a pasta do Trabalho, outrora ocupada pelo “ínclito” Lupi. Só o sobrenome deixam arrepiados alguns setores da intocável mídia brasileira.

    Aliás, a gepone é realmente uma incompetente, sem noção alguma:

    “Os trabalhadores não têm do que se queixar neste 1º de maio. Em março, o desemprego subiu para 6,2%, mas, por incrível que pareça, essa é uma boa notícia porque sempre sobe nessa época do ano e, em 2012, teve o menor aumento desde que começou a ser apurado pela metodologia inaugurada em 2002, portanto há uma década.

    A massa salarial, por sua vez, segue engordando. A renda média em seis regiões metropolitanas sob escrutínio constante do IBGE cresceu 5,6% acima da inflação apurada nos últimos 12 meses e a renda dos trabalhadores superou a inflação em 7% no período. Como se não bastasse, o consumo vai muito bem, obrigado. As vendas ao varejo subiram 8,7% em 2012.
    (…)”

    http://www.blogcidadania.com.br/2012/05/blogueiro-progressista-se-torna-ministro-e-dilma-peita-bancos/

    Pois é. A gepone é uma incompetente, mesmo.

  59. Zbigniew said

    Alguns afirmam que a gepone está “satanizando” os bancos.

    Coitado dos bancos!

  60. Zbigniew said

    Assistam a partir dos 3min25s. Interessante que ninguém falou da retirada dos impostos sobre a folha de pagamento.

  61. Pax said

    Hoje a CPI vai apresentar o Plano de Trabalho. Será à tarde, claro. V. Ex. não podem trabalhar às manhãs como o povo, bravo povo brasileiro.

    Teremos uma noção de como será o andamento da Comissão. Caso ameacem pegar em farinha e queijo e coloquem lenha no formo, só nos restará abrir o bico e alardear aos quatro cantos.

    Do presidente, do PMDB, confesso que não espero muito. Conhecemos bem o partido do Sarney, Renan, Jucá e Temer.

    Do relator, do PT, é onde pode sair algum indício sobre como serão os encaminhamentos.

    Dos integrantes será mais do mesmo, aquelas cenas de sempre. Os governistas querendo as cabeças de Demóstenes e Marconi e os oposicionistas querendo as cabeças de Agnelo e Cabral.

    Cá, quando possível, tentaremos analisar estes comportamentos, dentro dos enormes limites de competência do amadorismo do blog, mas atento às boas informações e análises dos comentaristas.

    Confesso que o foco do blog será no comportamento do relator, o jovem petista. Torço para que não lhe sejam dadas tarefas hercúleas que acabem por destroçar sua carreira.

    Mas poderemos ver com certa clareza onde anda o estado do PT neste lamaçal. Será um bom termômetro.

    Cachoeira empresta aviões para Cavendish. Segundo uma das gravações sua esposa diz algo como: –

    -“Amor, será que não podemos ir naquele avião modelo xpto (não lembro), do fulano?”

    E tem como resposta do mafioso dono de senadores, governadores, deputados, vereadores e, de quebra, delegados das polícias civil e até federal:

    – “É só pegar”.

    Ainda não sabemos ao certo – e à bem da verdade – o quanto determinados jornalistas estão – ou não – com seus rabos presos com o mafioso, mas é um caminho que eu não deixaria em branco se estivesse nos sapatos do jovem deputado petista relator desta CPI.

    Aguardemos, o fim do dia promete fortes emoções ou gosto de pizza marguerita de tamanho gigante, regada com sangue de jovem deputado petista.

    Enviado via iPhone

  62. Pax said

    Ops…

    Jornal da Record não pode ser descartado.

    Um contraponto ao Pannunzio, sim.

    Quero mais é que convoquem todos na CPI.

    Obs.: vi a dica do YouTube numa rede social, indicado por um conhecido, mineiro, profissional que trabalha com a esposa na produção de vídeos. Ambos dão um duro danado pra sobreviver. Não recebem nada do BB, CEF, Correios etc.

    Enviado via iPhone

  63. Chesterton said

    Pax, você tá de brincadeira se só agora com o testemunho do pannuzzio você acredita que a BESTA existe…

  64. Elias said

    Michelle,

    I
    Gostei de ver que reproduziste um artigo que, em um de seus trechos, esculhamba com o “frenético Ctrl-C/Ctrl-V”.

    Mas creio que andas um pouco desCONTROLada. Não estás nem identificando o(s) autor(es) dos textos que copias…

    De qualquer modo, tua escarradeira pregada no teto deve ter dado “altas” gargalhadas…

    II
    O jornalista Heraldo Pereira ocupou a posição em que hoje está Policarpo Jr?

    Como assim?

    Vocês estão insinuando que o Heraldo Pereira estava metido com bicheiro, traficante e explorador de prostitutas?

    Provem isso!

    Vocês estão doidos…! Bando de irresponsáveis!

    III
    “…a serviço da quadrilha do mensaleiro Zé Dirceu”.

    Sei… O Zé Dirceu tem quadrilha…

    Já o jornalista-professor Carlinhos Cachoeira, editor-chefe da Veja, tem uma “instituição zooempresarial que também opera investimentos na produção e no comércio atacadista de substâncias químicas causadoras de self-induction, além de interesses econômicos em atividades turísticas direcionadas ao exercício da sexualidade, em contrapartida a uma compensação pecuniária…”

    Rapaz honesto e empreendedor, esse Cachoeira…

    Além do mais, é um grande empregador, que proporciona emprego pra senadores, deputados, governadores, empresários e editores-chefes da revista Veja…

    IV
    “A imprensa brasileira — aí compreendidas todas as publicações, nos veículos formais e também na internet — parece ter sido tomada por escribas ora a serviço da quadrilha do bicheiro Cachoeira, ora a serviço da quadrilha do mensaleiro Zé Dirceu.”

    Viu só, Pax?

    É assim que esse doido vê a imprensa: um campo de batalha entre o Cachoeira e o Zé Dirceu…

    Ele não dá a mínima pro tal “bravo povo brasileiro” de quem tu tanto falas, e que poderia estar pelo menos levemente interessado nos resultados da CPI do Cachoeira/Demóstenes/Policarpo/Veja…

    Aliás, ele nem conta mais com a parte da imprensa onde operam os bate-paus como ele.

    Ou seja, ele vestiu a carapuça da própria irrelevância.

    A menos que ele próprio esteja a serviço de um dos grupos de “escribas” (putz!) que tomaram a imprensa brasileira. E, como ele, notoriamente, não está a serviço do Zé Dirceu, resta o…

    Ah, deixa pra lá… Vocês sabem, né Michelle?

    V
    Ah, sim… A Abril não depende nem um pouco de verbas estatais, né?

    É só olhar as páginas das publicações dela. Aqueles anúncios são todos veiculados gratuitamente. Matéria paga em publicação da Abril? NUNCA!

    E nem me falem das dezenas de milhares de revistas encalhadas que ela vendeu pros governos tucanos e demistas distribuírem nas escolas das redes públicas.

    Aquilo faz parte de uma experiência científica, uma pesquisa, destinada a demonstrar que as revistas da Abril são boas pra limpar bunda de pobre em estados e municípios governados pelo PSDB, ou pelo DEM, ou por ambos

    Segundo os Civita, uma equipe de cientistas coordenados pelo professor-jornalista Carlinhos Cachoeira, e pelos filósofos Praga de Mãe, Cara de Cavalo e Coisa Ruim, membros do Conselho Editorial de Veja, está trabalhando numa tese científica segundo a qual pobre que limpa a bunda com páginas de revistas da Abril caga mais culto…

  65. Elias said

    Pax,

    Claro que a CPI tem que convocar TODOS.

    TODOS, mesmo!

    Não tem por que o Roberto Civita ficar fora dessa! Ele tem que ser convocado!

    Sei o que estão tramando. Primeiro, todos eles defendem o Policarpo (assim como “defenderam” o Demóstenes).

    Mais à frente, quando a sujeira toda vier a tona e começar a exalar aquele fedor de podre, o que eles farão? Fingirão que não sabiam de nada, que se consideram “traídos” pelo Policarpo, etc e tal…

    Da mesma forma como, agora, já estão chamando o Demóstenes de “bandido”, de “membro da quadrilha do bicheiro”, etc.

    Esse lance é mais velho que a posição de fazer cocô…!

    Tem que convocar os Civita, sim!

    E, se a coisa evoluir como penso que evoluirá, também se terá que convocar os Frias (pra variar, seria uma boa ver os Frias metidos numa fria…).

    Sem essa de crucificar só a porcada! Tem que funerar os donos da pocilga, também!

  66. Patriarca da Paciência said

    É claro que a BESTA existe!

    E ela fica o tempo todo postando textos do Reinaldinho Cabeção aqui no blog do Pax.

    E agora sequer coloca a autoria ou entre parênteses!

  67. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    esta foi demais!

    Antológica!

    “Segundo os Civita, uma equipe de cientistas coordenados pelo professor-jornalista Carlinhos Cachoeira, e pelos filósofos Praga de Mãe, Cara de Cavalo e Coisa Ruim, membros do Conselho Editorial de Veja, está trabalhando numa tese científica segundo a qual pobre que limpa a bunda com páginas de revistas da Abril caga mais culto…”

  68. Elias said

    Patriarca,

    Pode crer: o Reinaldo Azevedo é um agente da IV Internacional. É um agitador do PSTU infiltrado na direita brasileira.

    Na verdade, ele é parte de uma pesquisa experimental que a IV Internacional está realizando no Brasil, com o objetivo de provar a tese de que a direita brasileira é completamente imbecil.

    Algumas pessoas podem questionar. Como a IV Internacionalesses teve a coragem de confiar tão importante tarefa a um doido como o Reinaldo, que fica babando e espumando em cima do teclado, feito um desvairado, enquanto escreve idiotices para insuficientes mentais?

    Os técnicos da área psico-social da IV Internacional dizem que por isso mesmo é que Reinaldo foi escolhido. “Eis porque Reinaldo é bom pra essa tarefa, companheiros… Ele não precisa fingir que é doido. Basta ser ele mesmo…”.

    Diante dos resultados alcançados pelo Reinaldo Azevedo, mesmo com seu comportamento ostensivamente psicótico e absolutamente idiota, os cientistas ligados ao politburo da 4ª IC reformularam sua tese, que, agora, está assim enunciada: “a direita brasileira é ainda mais imbecil do que nós pensávamos.”

  69. iconoclastas said

    o Zigb,

    vc não vai fazer a gentileza de esclarecer as minhas dúvidas? não te interessa nos convencer da necessidade e utilidade daquilo que vc pleiteia?

    olha que, a depender da sua capacidade de persuasão, mais de 50% do espaço podem passar a abraçar a tua tese – Paxowner, Doc, Michelle e este inexpressivo curioso que lhe roga. fora a turma que apenas lê, se diverte, e se aborrece…

    depois repete – kilpleztim…

    ;^)))

  70. Patriarca da Paciência said

    Pois é, Elias,

    esses imbecis, são tão imbecis, que vivem fazendo a maior torcida para o STF julgar o “mensalão”, título este conforme as sábias palavras do Bob Jeff, o qual, inclusive, já negou tudo e se constituiam nas únicas provas “reais” do tal processo.

    Pois é, mas será que esses imbecis estão preparados para aceitar o julgmento do STF?

    Eles viviam fazendo a maior torcida para que o STF julgasse as cotas universitárias. Perderam de 10 x 0 e aí passaram a insultar o STF dizendo que foi uma decisão errada.

    Ou seja, para eles, somente a decisão conforme o que eles pensam é certa.

    Como são uns imbecis, vai ser difícil acertar.

  71. Pax said

    Bem, senhores do Conselho Administrativo e Fiscal deste insignificante espaço que, à além de insignificante é, também, incompetente por não ter nenhuma propaganda do BB, da CEF, da Petrobras, da editora Veja, nem mesmo das Casas Bahia ou Magazine Luiza, enfim, este insignificante espaço declara que:

    Escreveu, não leu, ou é analfabeto ou deve ser convocado para a CPI do czar do Brasil, digo, o mega e multi investidor Carlinhos Cachoeira.

    Este minúsculo espaço também declara que nunca recebeu qualquer ligação deste sr czar, nem mesmo foi agraciado com qualquer vinho de qualquer nacionalidade ou safra.

    Abro todos os meus sigilos e minha paupérrima adega de vinhos, umas 3 ou 4 garrafas, sendo 2 chilenos, 1 argentino e 1 último uruguaio que comprei numa promoção de um dos supermercados da cidade.

    Talvez, se procurar bem, ainda encontre por aqui as Notas Fiscais destas compras.

    =)

    Falando mais sério ainda, dizem nesta imprensa marrom, vermelha e azul, que a tal CPI abre às 14h30 de hoje.

    Parece mais abertura de Copa do Mundo ou Olimpíadas.

    Será que vão chamar o Luan Santana pra cantar o hino nacional? O povo, bravo povo brasileiro, não merece este desaforo.

    Enviado via iPhone

  72. Zbigniew said

    Fica tranquilo, Icon.

    Não tenho nenhuma, mas nenhuma pretensão de te convencer de nada.

    Aliás, o espaço aqui, democrático e bastante agradável, com as sábias intervenções do Pax, é uma oportunidade de exercermos nossas argumentações e trazermos informações sobre a política brasileira.

    Sempre com a certeza de que ninguém é dono da verdade. Até porque política é um terreno muito movediço para ser pautado por certezas absolutas.

    Se acreditas em tuas certezas como absolutas, repetes aos teus, sem cessar: “asinum asellus culpat”. Senão, abres a tua mente, e sejas feliz.

  73. Pax said

    Opa, caro Patriarca, eu também quero que o mensalão do PT seja julgado, sim.

    Nenhuma prova?

    Se isto fosse verdade estaremos negando toda capacidade da PGR e do STF de ter qualquer capacidade. Não é lógico?

    Porque estas entidades da mais alta esfera da nossa Justiça manteriam um processo sem que houvesse provas?

    Confesso que ficaria tonto, sem entender patavinas.

    Enviado via iPhone

  74. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    o seu interesse no julgamento do mensalão é bem diferente do interesse do Reinaldinho Cabeção, Michelle, Chesterton etc.

    Tenho certeza que você não ficará contestando, com os argumentos mais pífios, a decisão que o STF tomar.

    Eu também, se por acaso alguém sair condenado, não serei eu a julgar o STF.

    Mas você contou quantos textos esses direitobas postaram contestando a decisãodo STF sobre as cotas universitárias?

    Quanto ao PGR, ele teria mesmo que acatar uma denúncia feita por um deputado, o qual era presidente de um partido de alguma significação. Acontece que a denúncia já foi negada pelo denunciante.

    Processo não significa condenação.

    É isso que esses direitobas não entendem!

  75. Elias said

    Zbigniew,

    Mas estou com saudade da Michelle, aquela uma do “Ctrl-C/Ctrl-V”.

    Ela lembra o Chester de antigamente, que adorava copiar e colar textos do Reinaldo, do Coronel (se é coronel da reserva, então é cabo…).

    Mas o Chester esquecia de citar a autoria dos textos só de vez em quando… De quando em vez, ele lembrava…

    Os textos que a Michelle copia e cola são uma fonte inesgotável de diversão… Daí porque tô com saudade dela…

    Volta, Michelle…!

  76. iconoclastas said

    “Se acreditas em tuas certezas como absolutas…”

    opa, quem acredita em certezas absolutas mantém a curiosidade?

    por lógica, quem tem certeza não pergunta, afirma.

    eu, por exemplo, baseado no que disseram os próprios envolvidos (JPC, Delúbio, Duda “Dusseldorf” e etc,) afirmo que não só o presidente da república eleito em 2002 financiou sua campanha de forma fraudulenta, como grande parte de sua base de apoio fez o mesmo e que, portanto, não poderiam ter concluído seus mandatos se as leis fossem cumpridas.

    tenho certeza também que o referido presidente fez uso de suas prerrogativas ao propor, e incentivar que o congresso aprovasse, pelo menos uma lei em claro conflito de interesse entre o pessoal e o público.

    agora, continuo curioso a respeito de qual seria o órgão da imprensa privada que tenha agido em prejuízo da sociedade.

    também gostaria muito de saber o pq das leis que abrangem ofensas morais serem insuficientes, na opinião daqueles que pedem controle prévio do que é liberado ao público.

    quero saber, inclusive, pq julgam que houve associação entre um repórter ( e/ou daqueles que o empregam) e um contraventor, se o inquérito enviado pelo minsitro do STF, e disponível na rede, não sugere nada neste sentido?

    ;^?

    tempo livre é f0d@…

  77. Chesterton said

    http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-05-02/delegado-fleury-foi-morto-pelos-militares.html

  78. Chesterton said

    Um post antigo sobre Spread Bancário no Brasil
    Em 2 de fevereiro de 2009 eu escrevi o texto abaixo. Em virtude da atual polêmica sobre as taxas de juros brasileiras, acredito que o post seja relevante. Vale a pena reler. Parece que em 2009 esse blog já mostrava o que deveria e o que não deveria ser feito…

    O spread é a diferença entre a taxa de juros que o banco paga para receber recursos e a taxa que ele recebe por seus empréstimos. Por exemplo, se você colocar 1.000 reais numa aplicação financeira receberá algo em torno de 1% ao mês de rendimento. Contudo, se ao invés disso você precisar tomar emprestado 1.000 reais do banco irá pagar por esse empréstimo algo em torno de 7% ao mês. Essa diferença entre taxas é o que chamamos de spread. Em nenhum lugar do mundo o spread bancário é tão alto quanto no Brasil.

    Existem pelo menos 3 argumentos para explicar o porque do spread bancário brasileiro ser tão alto. Em primeiro lugar a legislação brasileira protege demais o devedor. Quanto maiores forem a proteção aos devedores, mais difícil aos credores é recuperar uma dívida. Assim, o risco do empréstimo aumenta, o que afeta diretamente o spread. Em segundo lugar vários tributos incidem sobre a atividade financeira, nada mais natural que parte desses tributos sejam repassados aos consumidores por meio do spread. Em terceiro lugar a atividade bancária brasileira é extremamente concentrada. Com pouca competição os bancos conseguem cobrar mais por seus serviços.

    De maneira simples, o spread bancário no Brasil é alto por causa de uma legislação inadequada em conjunto com um ambiente pouco competitivo. Os acontecimentos recentes no setor bancário com a fusão entre grandes bancos só tende a agravar esse quadro. Dessa maneira, é difícil de entender a atitude do governo brasileiro que parece celebrar a união entre bancos, e consequente redução da competição.

    A redução do spread bancário passa necessariamente por uma mudança na legislação brasileira. Mas também é necessário aumentar a competição entre bancos. Contudo, devemos entender que o aumento da regulação bancária implica na redução da competição. Ambientes muito regulados costumam não raras vezes exigir garantias e procedimentos que só podem ser fornecidas por grandes corporações, afastando as pequenas empresas e diminuindo a competição. Dessa maneira, a crescente demanda de determinados setores por um aumento da regulação do setor financeiro irá inevitavelmente aumentar os spreads.

    POSTADO POR BLOG DO ADOLFO

    QUEM SOU EU

    BLOG DO ADOLFO
    Doutor em Economia e defensor do livre mercado como forma de se preservar o mais nobre de nossos direitos: o direito ao livre arbítrio, o direito à liberdade de escolha.

  79. Zbigniew said

    Elias,
    a “whore” chega a ser pueril nas argumentações. Não sei como uma pessoa perde o tempo para se expressar com o fígado.
    Certamente é cacoete ideológico – que é pior do que o da idade. Aí mermão, tem jeito não. Não desentorta nem com eletrochoque e 10 mg de Diazepam.

  80. Zbigniew said

    Continuo com pena dos bancos brasileiros….

  81. Chesterton said

    Dilma ameaça bancos, mas quem perde é a caderneta de poupança.
    Dois dias depois de defender em cadeia nacional de TV a redução dos juros, a presidente Dilma Rousseff reúne hoje os líderes dos partidos governistas para discutir medidas econômicas que permitam baixar ainda mais as taxas bancárias e pode incluir na discussão mudanças na remuneração da caderneta de poupança.Dilma definiu como estratégia de seu governo reduzir os juros reais da economia para no máximo 2% ao ano até o fim de seu mandato, meta que para ser atingida demanda alterações no rendimento da aplicação mais popular do país.

    A medida, já tentada antes, tem caráter altamente polêmico, principalmente neste ano eleitoral. Em pronunciamento de TV e rádio anteontem, Dilma acusou uma “lógica perversa” do setor financeiro e cobrou redução dos juros cobrados pelos bancos privados. Segundo assessores, na reunião de hoje no Palácio do Planalto ela pretende “preparar o terreno” para tratar das mudanças na poupança. Um assessor presidencial disse à Folha que ela quer discutir o assunto com seus aliados, mas ainda avaliava a viabilidade política, já que este é um ano eleitoral e o tema de “mudar a poupança” é visto com desconfiança.

    Atualmente, os juros reais -taxa do Banco Central, descontada a inflação- no Brasil estão em 3,3% ao ano, nível mais baixo desde o início dos anos 90. Apesar de próximo ao piso de 2% ao ano desejado por Dilma, as reduções a partir do patamar atual são mais difíceis por esbarrarem em problemas estruturais -um deles, a remuneração da caderneta de poupança. Fixado em lei, o rendimento mínimo da poupança equivale à variação da TR (Taxa Referencial) mais 6,17% ao ano, funcionando como um piso para taxa de juros.

    Se a taxa básica do BC, hoje em 9% ao ano, ficar próxima do rendimento da poupança, aplicações como fundo de investimento ficariam menos rentáveis que a caderneta porque pagam Imposto de Renda e taxa administrativa. Isso provocaria fuga de recursos para a poupança, criando problemas para os bancos e dificuldades para o governo financiar sua dívida. Alguns líderes governistas, porém, estão aconselhando Dilma a deixar a mudança para depois das eleições, o que pode fazê-la mudar de ideia e não apresentar o tema hoje.

    Mas há um grupo dentro do governo e também no Congresso que defende que a presidente enfrente o tema já. Além de contar com a popularidade recorde de Dilma para esse período de governo, o Planalto discute fórmulas para evitar o desgaste político que aconteceu durante o governo Lula, que ensaiou mudanças na poupança. Recuou diante dos ataques da oposição e porque o BC começou a subir os juros, tornando desnecessária a medida.

    Agora, técnicos preparam o que está sendo chamado de uma “nova modalidade de poupança”, que seria vendida para a sociedade como um investimento que poderia até render mais do que a atual e abriria espaço para uma queda mais acentuada dos juros. Alguns nomes são citados por assessores, como “poupança flex” ou “poupança ouro”.(Folha de São Paulo) do blog dop Coronel

  82. Chesterton said

    Reportagem da Folha de S. Paulo:

    Em Presidente Kennedy, no litoral sul do Espírito Santo, a Justiça determinou no mês passado a prisão do prefeito e afastou o vice e quatro dos nove vereadores da Câmara. A decisão foi o primeiro resultado de uma operação da Polícia Federal, batizada de Lee Oswald (assassino do presidente norte-americano John Kennedy em 1963), contra esquema de fraude a licitações e desvio de verbas que envolveria empresários e administradores da cidade.
    As investigações da PF e do Ministério Público estadual encontraram indícios, no entanto, que Presidente Kennedy -distante 150 quilômetros de Vitória- seria apenas a ponta de um esquema que se espalha por outros municípios do Espírito Santo, Goiás, Bahia, Minas e São Paulo. Em dado momento, apareceu nas investigações o nome do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, um dos réus do processo do mensalão, conforme revelou a coluna Painel. Delúbio teria discutido formas de vender a outras cidades lousas digitais, um dos focos de fraude apontados.
    De acordo com denúncia do Ministério Público, os atos criminosos eram liderados pelo prefeito de Presidente Kennedy, Reginaldo Quinta (PTB), 65. Os vereadores afastados seriam responsáveis por evitar que os contratos fossem fiscalizados. A CGU (Controladoria Geral da União) calcula que R$ 55 milhões foram desviados. Um dos casos diz respeito a contrato de pouco mais de R$ 1 milhão para instalar três lousas digitais nas três escolas do município, mediante aluguel mensal de R$ 101 mil.
    O contrato foi fechado pela secretária de Educação, Geovana Costalonga, sobrinha do prefeito, com Jurandy Nogueira Júnior, sócio da Matrix Sistemas e Tecnologia. Quando as lousas foram instaladas não havia internet na cidade, nem os professores receberam treinamento. Na época da licitação, a empresa, especializada em moda, mudou sua razão social. Sua proposta foi apresentada 15 minutos antes da abertura dos envelopes.
    A Matrix tem como endereço um terreno baldio. O empresário fez o mesmo negócio em Anchieta (ES).Em janei­ro, diz a PF, Nogueira pediu ajuda ao deputado estadual Misael de Oliveira (PDT-GO), que prometeu apresentá-lo a prefeitos. O deputado, segundo a investigação, intermediou encontro entre o empresário e Delúbio Soares. No dia 31 de janeiro, Nogueira e seu sócio se encontraram com o ex-tesoureiro do PT em restaurante do Aeroporto Santos Dumont (Rio), por 35 minutos.
    Na mesma noite, Nogueira liga para a mulher e conta que conversou com o “presidente do PT”. Depois, fala do encontro com o deputado Misael e diz que “foi tudo bem”. Recordista no recebimento de royalties do petróleo no Estado -R$ 98 milhões em 2011-, Presidente Kennedy tem 10 mil habitantes, cerca de 20% deles analfabetos, e um dos piores IDHs do Estado: o 74º lugar entre 78.

    do Implicante

    chest- esses são os novos quadros do compretentíssimo PT?

  83. Elias said

    Acuma? Quem? O Reginaldo Quinta? O Misael?

    Tu tá ficando maluco, seu doido?

    “compretentíssimo PT”? Não mesmo!

    Competentes são vocês, que desde 2002 não perdem uma eleição presidencial e, agora, se preparam pra bamburrar politicamente, por obra e graça de uma CPMI maneira…

    Huá! Huá! Huá! Huá! Huá!

  84. Chesterton said

    Chinelada bem merecida

    Inocente como um feto
    ESCRITO POR OLAVO DE CARVALHO | 02 MAIO 2012
    ARTIGOS – ABORTO

    A prova de inépcia suspende, automaticamente, a responsabilidade moral, civil e penal.

    O traço mais pitoresco do analfabeto funcional é que ele não compreende o que diz. A maneira mais rápida e fácil de diagnosticar isso é verificar se as afirmações dele conduzem, de maneira imediata e incontornável – não remota e forçada – a consequências que ele mesmo não subscreve de maneira alguma. Num de meus últimos programas de rádio, critiquei en passant o sr. Rodrigo Constantino por conceder ao Estado, cujo poder ele abomina e diz querer limitar por todos os meios, o mais alto e presunçoso dos poderes – que é o de conceder ou negar a condição de ser humano a uma criatura proveniente de pai e mãe humanos.

    Vermelho de raiva – literalmente –, ele colocou na internet um vídeo em que me acusava de mentiroso, jurando que falsifiquei o sentido de suas palavras; que nunca lhe passara pela cabeça atribuir ao Estado tamanha prerrogativa.

    Nem precisava. Sei perfeitamente que essa ideia jamais lhe passou pela cabeça. Passou a quilômetros de distância dela, sem nem mesmo roçar-lhe a carapaça, quanto mais o conteúdo, se algum existe. Nem eu afirmei o contrário.

    Afirmei, sim, que aquela consequência, por menos que o sr. Constantino o percebesse, decorria logicamente, necessariamente, imediatamente, da sua opinião quanto ao começo da vida humana. E afirmo agora que, ao bradar contra a consequência, sem abdicar da premissa que a impõe, ele dá prova cabal de que não entende o que diz.

    Qualquer pessoa na posse normal das suas faculdades mentais percebe que, se a condição humana não é inerente ao feto desde o instante da concepção, alguém terá de decidir em que instante do processo gestativo essa condição se anexa a ele. É isso, precisamente, o que advoga o sr. Constantino: ninguém é humano por natureza, desde o instante em que é concebido. Só se torna humano depois.

    Quem decide o “quando”? Como dessa decisão depende o direito – ou não – de interromper a gestação mediante um aborto, é lógico que terá de ser uma decisão legal, imposta a todos os membros da sociedade pela força do Estado. Logo, torna-se prerrogativa do Estado determinar o momento em que o feto em gestação, até então inumano, se torna humano e passa a ter direitos humanos.

    Não há uma terceira hipótese concebível. A consequência, por ir flagrantemente contra as convicções liberais e anti-estatistas que ele alardeia com tanta paixão, parece abominável ao sr. Constantino. Mas ela decorre inapelavelmente da sua própria opinião segundo a qual a condição humana não é um dado imediato, inerente ao puro fato de o nascituro ter sido concebido por dois seres humanos, e sim o resultado de uma decisão posterior tomada por terceiros.

    O único terceiro que pode impor essa decisão é, com toda a evidência, a autoridade legal, ou seja, o Estado. Defender uma opinião sem arcar com o ônus das suas consequências é, no mínimo, uma irresponsabilidade. Mas toda responsabilidade cessa quando o emissor da opinião dá provas de não ter percebido consequência nenhuma. O sr. Constantino não só provou isso, mas provou também que, mesmo depois de alertado, continua incapaz de percebê-la – ao ponto de atribuir enfezadamente a mim, que só apliquei à sua opinião uma regra elementar da lógica dedutiva, o desejo perverso de falsificar o sentido de suas palavras.

    A prova de inépcia suspende, automaticamente, a responsabilidade moral, civil e penal. Ninguém nega que o sr. Constantino seja, na sua dupla e contraditória atitude, perfeitamente sincero: ele quer porque quer que o feto não seja humano desde a gestação, mas também rejeita enfaticamente, apaixonadamente, a hipótese de que ele se torne humano mais tarde por decisão legal. Ele usa a primeira afirmativa como argumento para justificar a legalização do aborto, mas ao mesmo tempo não aceita que uma coisa tenha algo a ver com a outra. Se ele percebesse nisso alguma incongruência, e continuasse, por malícia, a defender a opinião incongruente, seria um farsante, não um genuíno analfabeto funcional. Mas ele não percebe nada. Está inocente: inocente como um feto.

    Há indivíduos que desejam casar mas permanecer solteiros. Outros querem falar grosso como homens adultos mas continuar desfrutando do colinho da mamãe e da proteção do papai. Outros, ainda, querem que dois mais dois sejam quatro sem deixar de ser cinco. Todos são sinceros. Todos são inocentes.

    A diferença que os separa do sr. Constantino é que, em geral, eles não se pavoneiam de ser porta-vozes da “razão”, nem proclamam que quem discorde deles é um fanático religioso, um obscurantista, o apóstolo de uma ditadura teocrática ou coisa pior. Contentam-se com desfrutar da sua inépcia em privado, sem desejar impô-la como norma ao restante da humanidade.

    Serei um malicioso, um conjeturador de hipóteses rebuscadas, um “teórico da conspiração”, ao supor que o estado terminal em que se encontram os partidos “de direita” do Brasil deve algo ao fato de aceitarem como doutrinários pessoas da estatura intelectual do sr. Constantino?

  85. Elias said

    Chester,

    O ar tá pesado e insalubre pra direitorréia nacional.

    Tá congestionado de bicho-trolha voando desgarrado (vai ver, é a pomba do Divino, operando o milagre da multiplicação…).

    O Demóstenes já falou que não admite ir pro sacrifício sozinho. No momento oportuno ele vai dar o serviço…

    Meio time direitoba só se locomove agora com a boca fechada e a bunda colada às paredes…

    Tá fedido e mal pego…

  86. Elias said

    Imagina só…

    1) Escutar programa de rádio!

    2) Escutar programa de rádio do Olavo de Carvalho!!

    3) Escutar programa de rádio do Olavo de Carvalho sobre aborto!!!

    PUTZ!!!!

    Voolta, Michelle!

  87. Elias said

    “Serei um malicioso, um conjeturador de hipóteses rebuscadas, um ´teórico da conspiração´, ao supor que o estado terminal em que se encontram os partidos ´de direita´ do Brasil deve algo ao fato de aceitarem como doutrinários pessoas da estatura intelectual do sr. Constantino?”

    De jeito nenhum!

    És, apenas, um Napoleão de hospício…

    Tomara que os partidos “de direita” do Brasil aceitem como doutrinário o Olavo de Carvalho.

    Aí eles se ferram de vez!

    Huá! Huá! Huá! Huá! Huá! Huá!

  88. Pax said

    Ai ai ai caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Olavo de novo? Despolua-se senão vou trazer o Tiririca para contrapor.

    Prezados,

    Alguém poderia ver se o tal plano de trabalho da CPMI já está disponível na web?

    Se sim, por favor me fornecer o link ou o texto.

    Voltando ao caro Chesterton,

    Há fontes onde possa ver essa história do empresário Delúbio fornecendo e/ou intermediando as tais lousas eletrônicas? Links, por favor.

    Enviado via iPhone

  89. Chesterton said

    Ora, vocês não acompanham os debates porque não querem, está tudo escrito, é hilário.
    Me expliquem como pode um liberal que repudia o estado indiretamente esperar dele, estado, que diga quando começa a vida? Vocês não eprcebem a importância disso? Ora, talvez não, o PT tem mais do que se ocupar, não é? Vão para o colo de Dirceu…digo, Morfeu.

  90. Zbigniew said

    Dá um desânimo quando vc vê um Cássio Cunha Lima como “julgador” na CPI. É dose.

    Olha o Collor aí!!!!

    Tô acompanhando aqui pelo Iphone. De prima: a oposição defende a tese de que o PGR não deve ser convocado, nos termos do art. 27 da CF, e etc., etc., etc. Dizem que o titular da ação não poderia atuar como testemunha (na CPI?). Em contra-ponto argumentou-se (não me lembro quem) que o PGR não está atrelado ao princípio do juiz natural.

    Outrossim estão entendendo que as investigações não se limitem à Delta em Goiás, mas em todo o Brasil.

  91. Elias said

    Zbigniew,

    Dificilmente o Procurador Geral da República irá à CPMI.

    E, cá pra nós: a presença dele serviria apenas pra animar o circo.

    Procurador Geral da República deve falar no processo. O que ele tem a dizer, que o diga no processo. O que quer que ele diga, e que esteja fora do processo, não tem relevância.

    Não é por aí…

    O negócio é começar com os senadores, deputados, governadores, vereadores, servidores públicos, empresários, etc., ou seja, a buchada; o pessoal da cripta; do porão. A ralé…

    Em seguida — aí, sim, é quando o jogo realmente vai começar — deve-se ouvir a cúpula.

    É quando devem entrar em cena o patrão desse pessoal, professor-jornalista Carlos Cachoeira, editor-geral da Veja e, evidentemente, o mordomo do Cachoeira, também conhecido como “Poli”, ou “PJ” (que, como todos sabem, é pseudônimo do jornalista Zé Mané do Patrocínio) e, mais adiante, ainda, o principal sócio do Cachoeira, Roberto Civita.

    Mas nada disso é definido agora.

    De cara, agenda-se as oitivas iniciais. Aí, conforme a marginália for dando com a língua nos dentes, serão acrescidas novas convocações.

  92. Elias said

    Agora, dizer que “…o titular da ação não pode atuar como testemunha” é de uma ignorância monumental…

    Por que não, caceta?

    De onde esses bundões tiraram essa idéia idiota?

    Depois reclamam quando a gente diz que a direita brasileira é, antes de tudo, uma imbecil…

  93. Zbigniew said

    É isso, Elias. Embora seja muito estranho que o clone do Jô tenha ficado sentado tanto tempo em cima do Inquérito sem oferecer denúncia. É que ele tava esperando o outro. Sei não.

  94. iconoclastas said

    “Dilma e o fantasma da Delta
    Autor(es): Guilherme Fiuza
    Época – 30/04/2012

    Dilma Rousseff pediu a sua assessoria um pente-fino nos contratos da construtora Delta com o governo federal. A presidente da República quer saber se há irregularidade em alguma dessas obras. O Brasil assiste embevecido a mais uma cartada moralizadora da gerente. Mas o ideal seria ela pedir a sua assessoria, antes do pente-fino, uns óculos de grau. Se Dilma não enxergou o que a Delta andou fazendo com seu governo, está correndo perigo: pode tropeçar a qualquer momento num desses sacos de dinheiro que atravessam seu caminho, rumo às obras superfaturadas do PAC.

    Como todos sabem, até porque Lula cansou de avisar, Dilma é a mãe do PAC. Por uma dessas coincidências da vida, a Delta é a empreiteira campeã do PAC. Segundo a Controladoria-Geral da União (CGU), as irregularidades nas obras tocadas pela Delta vêm desde 2007. A mãe do PAC teve pelo menos cinco anos para enxergar com quem seu filho estava se metendo. E a Delta era a principal companhia do menino, andando com ele Brasil afora num variado roteiro de traquinagens. Mas as mães de hoje em dia são muito ocupadas, não têm tempo para as crianças.

    Felizmente, sempre tem uma babá, uma vizinha, uma amiga atenta para abrir os olhos dessas mães distraídas. Dilma teve essa sorte, em setembro de 2010. A CGU, que vive controlando a vida alheia – uma espécie de bisbilhoteira do bem –, deu o serviço completo: contou a Dilma e Lula (a mãe e o padrasto) que o PAC vinha sendo desencaminhado pela Delta. Superfaturamento, fraudes em licitações, pagamento de propinas e variadas modalidades de desvio de dinheiro público – inclusive com criminosa adulteração de materiais em obras de infraestrutura – estavam entre as molecagens da empreiteira com o filho prodígio da então candidata a presidente.

    De posse do relatório da CGU, expondo a farra da Delta nas obras do PAC, o que fez Dilma Rousseff? Eleita presidente, assinou mais 31 contratos com a Delta.

    Talvez seja bom explicar de novo, para os leitores distraídos como a mãe do PAC: depois da comunicação à administração federal sobre as irregularidades da Delta, a empreiteira recebeu quase R$ 1 bilhão do governo Dilma. Agora, a presidente anuncia publicamente que passará um pente-fino nesses contratos, e a plateia aplaude a faxina. Não só aplaude, como dá novo recorde de aprovação a esse mesmo governo Dilma (64% no Datafolha), destacando o quesito moralização. Infelizmente, pente-fino não pega conto do vigário.

    A presidente corre o risco de tropeçar de repente num saco de dinheiro que atravessa o governo rumo ao PAC

    Mas o show tem de continuar. E, já que o público está gostando, a presidente se espalha no picadeiro. Depois da farra da Delta, que teve seu filé-mignon no famigerado Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Dilma diz que quer saber se a faxina no órgão favoreceu Carlinhos Cachoeira. Tradução: depois de ter de demitir apadrinhados de seus aliados porque a imprensa revelou suas negociatas, Dilma quer ver se ainda dá para convencer a plateia de que o escândalo foi plantado pelo bicheiro. É claro que dá: se Lula repete por aí que o mensalão não existiu (e não foi internado por causa disso), por que não buzinar a versão de que o caso Dnit foi uma criação de Cachoeira?

    Pelo que revelam as escutas telefônicas da Polícia Federal, o bicheiro operava com a Delta na corrupção de agentes públicos. Dilma e o PT são candidatos a vítimas desse esquema – daí Lula ter forçado a CPI do Cachoeira. O problema na montagem dessa literatura é que a Delta, mesmo depois da revelação do esquema e da prisão do bicheiro, continua recebendo dinheiro do governo Dilma – R$ 133 milhões só em 2012, e através do Dnit…

    A atribulada mãe do PAC não notou a Delta, não percebeu Cachoeira, engordou o milionário esquema deles no Dnit durante anos por pura distração – e agora vai moralizar tudo isso com seu pente-fino mágico. Na próxima rodada das pesquisas de opinião, o vigilante povo brasileiro saberá reconhecer mais essa faxina da mulher destemida, dando-lhe novo recorde de aprovação.

    Nesse ritmo, a CPI do Cachoeira acabará concluindo que até o escândalo do mensalão foi provocado pelo bicheiro (essa tese já existe). E Dilma conquistará para o PT o monopólio da inocência.”

    ;^/

  95. Pedro said

    Sr. iconoclastas, a Dilma está ocupada fazendo contas:

  96. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly) (*)

    Da série: No Brasil, a realidade imita a ficção. Infelizmente.

    1. A ficção
    Em um comunicado conjunto emitido pelo Pentágono, a CIA e o Departamento de Estado da Casa Branca, o governo dos Estados Unidos admitiu oficialmente, pela primeira vez, a existência de um plano para infectar presidentes latino-americanos com estupidez.

    A secretária de Estado, Hillary Clinton, reconheceu que as missões secretas para infectar vários presidentes latino-americanos foram concluídas com sucesso. “Nosso plano original era infectar com câncer vários presidentes do continente sul-americano, mas descobrimos rapidamente que isso era inviável. Ao invés disso, optamos pela a infecção com estupidez galopante que é mais barata, mais simples e se dissemina com mais facilidade. Um borrifo durante uma reunião do Foro de São Paulo fez todo o serviço”, disse Clinton.

    O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse que foi vítima da conspiração dos Estados Unidos. “Eu sabia que os americanos tinham essas armas secretas diabólicas. Percebi que haviam me infectado com estupidez quando atribuí o meu câncer a um raio imaginário. Viram como sou inteligente? Assim se desmascara uma conspiração imperialista!”, disse o presidente, que está escondido num bunker anti-estupidez construído pelos russos em Havana e que custou 800 milhões de dólares.

    Outros presidentes latino-americanos também afirmaram que foram vítimas da conspiração americana. O presidente boliviano, Evo Morales disse que sentiu essas rajadas de estupidez por um longo tempo, “quase desde o nascimento”, assim achou melhor se trancar em sua cabana. “Para me proteger, eu uso este colete feito de pele de Alpaca. Mas esta não é a única precaução que eu tomo. Também mastigo centenas de folhas de coca colhidas por mim mesmo todos os dias”, afirmou o Índio de Araque.

    Questionado sobre a possibilidade de Dilma Rousseff ter sido vítima dos raios idiotizantes, um porta-voz da presidência afirmou que isto era “muito pouco provável”. “Contra Dilma nada foi feito, os analistas americanos recomendaram não perder tempo e dinheiro infectando uma mente que já está em estado calamitoso”, conclui o porta-voz.

    2. A realidade
    “…
    No último domingo, 15 de abril, Dilma informou o anfitrião, o presidente da Colômbia Juan Manuel Santos, que pretendia antecipar seu retorno ao Brasil pois, como não haveria declaração conjunta no final, por falta de consenso sobre a inclusão de Cuba no colegiado, sua presença não seria fundamental. Preferia voltar mais cedo para reduzir o estresse, chegando ao Brasil ainda no domingo, e não na madrugada de segunda-feira. Santos foi compreensivo e desmarcaram o encontro bilateral que teriam depois da cúpula. Ele mesmo informou a imprensa da alteração na agenda.
    A seguir, Dilma pediu a seus auxiliares que preparassem o avião e tomassem outras providências para a partida. Algumas envolviam o governo colombiano, que também começou a se mobilizar para a mudança no plano operacional. Em algum momento, a embaixadora, que como é de praxe deslocara-se para seu pais, procurou a presidenta brasileira e informou-a de que o avião estava pronto para a decolagem. Neste momento Dilma se irritou, pois havia recebido informação contraditória de outro funcionário.
    Fuzilando a embaixadora com o olhar, disse que o avião não estava pronto coisa nenhuma, e criticou a incompetência dos responsáveis pelo assunto, como se Maria Elvira fizesse parte da equipe. Ela se retirou sem que Dilma percebesse a gafe cometida. Mas, chegando a Brasília, na quarta-feira foi ao Itamaraty e protestou contra o tratamento recebido. Correu no ambiente diplomático o rumor de que pretenda deixar o posto mas, na embaixada, a telefonista recusou-se a passar a ligação para um assessor de imprensa que pudesse falar do assunto. Disse que o pedido seria levado à própria embaixadora e que esta, se pudesse, retornaria a ligação. Não retornou, até o momento.
    As broncas de Dilma em ministros e auxiliares já são conhecidas. Eles quase sempre engolem em seco. Há alguns meses, entretanto, ela enfrentou uma forte reação do governador do Ceará, Cid Gomes. Irritado com o tratamento que ela lhe dispensava, quando discutiam questões do Nordeste, levantou-se e deixou a reunião, dizendo que ela não falasse assim com um governador eleito como ela. Coube ao governador de Pernambuco e colega de partido, Eduardo Campos, colocar panos frios e trazer Cid de volta para a sala”.
    …”

    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly) não vão entender a ficção e tentar negar a realidade.

    (*) http://en.wikipedia.org/wiki/File:The_Three_Stooges.jpg

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.

  97. Pax said

    Teste…

    Tá duro hoje, nem a conexão do iPhone funcionando. Outro dia encontrei mais uma equipe passando uma fibra ótica aqui na região. Como faço sempre parei e perguntei. É da net. Estão instalando 4 km daqui. Uma hora chega. Disseram que vão até a próxima cidade. Passarão, então, bem perto, 850 mts.

  98. Michelle de Souza Malone said

    (continua)

    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly)

    Para reflexão:

    BRIZOLA NETO nomeado para substituir Lupi.

    Os ingleses contam uma história interessante. Vou dividir com os meus queridos comentaristos do pedaço. Em especial товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly), meus desafetos anencéfalos.

    Navegando há vários meses, sem que os marujos tomassem banho ou trocassem de roupas, o que não era novidade na Real Marinha Mercante da Coroa Britânica, o navio fedia.
    O Capitão manda parar o barco e chama seu Imediato:
    “Mr. Simpson, o navio fede. Mande os homens trocarem de roupa!”
    “Yes, Sir!”
    Simpson reúne seus homens e diz:
    “Sailors, o Capitão está se queixando do fedor a bordo e manda todos trocarem de roupa. David, troque a camisa com John; John troque a sua com Peter; Peter, troque a sua com Alfred. Alfred troque a sua com Fred…
    E assim prosseguiu. Quando todos tinham feito as devidas trocas, ele retorna ao Capitão e diz:
    “Sir, todos já trocaram de roupa”.
    O Capitão, visivelmente aliviado, manda prosseguir a viagem”

    Com isso, vocês acabam de entender exatamente como o Brasil funciona no atual governo:
    Dilma troca “Merda de Ministro” por “Ministro de Merda”

    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly) não vão entender a ficção e tentar negar a realidade.

    (*) http://en.wikipedia.org/wiki/File:The_Three_Stooges.jpg

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.

  99. Chesterton said

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,joao-paulo-cunha-nega-mensalao-e-diz-que-houve-erro-politico-do-pt,867923,0.htm

    Mensaleiro da mensalidade da TV a cabo diz que Mensalão foi um erro do PT.
    Lembram do João Paulo Cunha (PT-SP), cuja esposa sacou R$ 50 mil em dinheiro vivo para pagar a TV a cabo, na boca do caixa do Banco Rural? Leiam o que ele está falando…

    Às vésperas do julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), um dos réus deste processo, disse que o maior escândalo do governo Luiz Inácio Lula da Silva foi um erro cometido e já corrigido pelo PT. Em entrevista ao site Consultor Jurídico (Conjur), o deputado nega a existência do mensalão e alega que o que houve foi “financiamento irregular de campanha” do PT e seus aliados. E, no seu entender, o processo no qual é réu é uma questão para o Código Eleitoral, enquanto o esquema envolvendo o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e parlamentares, como o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), se enquadra no Código Penal

  100. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly), meus desafetos anencéfalos, literalmente falando.

    Para reflexão:
    Afinal, copiamos um mau modelo: o ‘racialismo’ (Editorial)
    O Globo

    A aprovação das cotas raciais pelo Supremo Tribunal Federal (STF) encerra apenas do ponto de vista institucional a discussão sobre a reserva de vagas para estudantes negros na universidade.

    Ficam em aberto, no entanto, outras questões que não podem ser resolvidas pelo viés próprio de decisões como a tomada pela Corte semana passada.

    Uma delas é que se deixou espetada na conta do branco pobre a fatura da suposta “dívida histórica” da sociedade brasileira com os negros, que a brigada racialista invariavelmente antepõe como pressuposto da defesa de suas ideias.

    De resto, é discutível o alcance desse resgate de “dívida” social, num país que patrocinou uma odiosa escravidão, fato inquestionável, mas cuja história registra casos de ex-escravos que, libertos e tendo ascendido socialmente, passaram também eles a ser donos de escravos. Alguns foram negociantes no ramo.

    Outra questão, de alcance mais amplo, é que se relega a segundo plano, em nome do alegado problema da discriminação de que seriam vítimas os estudantes negros brasileiros, a questão-chave, a mãe de todas as ações afirmativas, na qual se inserem as cotas: a melhoria do ensino básico público.

    Este, sim, seria o ponto de inflexão da educação no país. Enfrentá-lo com iniciativas que de fato deem condições a estudantes pobres, independentemente da cor da pele, de pleitear seu direito à ascensão social baseada num ensino de boa qualidade seria contundente demonstração de justiça social.

    Essa visão, mais de acordo com a realidade social do país, baseia-se numa constatação: não é em razão da cor da pele que decorrem as baixas taxas de acesso do estudante negro à universidade.

    Este inegável e vergonhoso indicador é resultado das poucas oportunidades que o ensino público de base oferece ao estudante pobre, em geral, de se instruir, e, por conseguinte, de disputar vagas — nas faculdades e no mercado de trabalho — em igualdade de condições com aqueles mais bem qualificados.

    O negro tem presença rarefeita na universidade não por ser negro, mas por ser pobre.

    Outra questão a ser discutida é o modelo sobre o qual se alicerçou todo o movimento pela instituição das cotas raciais no Brasil. A referência direta é o sistema americano. Ao importar a réplica dos Estados Unidos, o movimento cotista eclipsou aspectos que distinguem a sociedade americana da brasileira.

    Relevou-se, por exemplo, o pressuposto histórico de que, lá, a sociedade se constituiu sobre “raças”, ao passo que no Brasil consagra-se o princípio da miscigenação. Aqui, o risco é de o país ficar suscetível a tensões até agora inexistentes.

    Além disso, enquanto a sentença do STF implica a adoção de um percentual rígido de reserva de vagas nas universidades, a Suprema Corte americana estabeleceu um conjunto de fatores baseados no nível social do candidato, que obrigatoriamente devem ser levados em conta como critérios para a aplicação das cotas. Esse princípio, de certa maneira, dilui o caráter racialista do sistema.

    A decisão do STF, por óbvio, tem de ser respeitada, sob pena de se arranhar o protocolo do estado de direito. Mas é uma posição que não invalida — antes, a torna inadiável — a tarefa de se buscar, para todos, a democratização da educação, pela radical melhoria do ensino público básico.

    ERA DA MERDIOCRIDADE
    Petralhotários (e assemelhados) são animais sinantrópicos.
    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly) ficaram muito felizes ao imaginar que as cotas pra estudantes de etnia negra, traria igualdade sócio-econômica.

    Ao contrário: os “caucasianos” pobres com mérito (nota) serão preteridos por negroides pobres com “mérito (nota) assegurado” pelo STF, nas faculdades que adotarem as cotas raciais.
    A idiota da nova Ministra (sei lá o nome) do STF ainda citou a “raça amarela” como prejudicada.
    Ela vive em outro planeta. No Pará talvez.
    Em Sampa – nas universidades – os amarelos ( filhos e netos de imigrantes do princípio do século 20 – trabalhadores em condições semi-escravas) hoje disputam sempre os primeiros lugares.Seria uma extrema desonra para eles dependerem de medidas judiciais.

    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly) adoram ser os novos “sinhosinhos” da etnia negra.
    Os nhô-nhôs politicamente corretos da ERA DA MERDIOCRIDADE
    Os pobres caucasianos e índigenas que também foram escravizados, agradecem o Supremo, pela deferência.

    Sent from my iPad

  101. Michelle de Souza Malone said

    Gooday everyone

    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly), meus desafetos anencéfalos, literalmente falando.

    Para reflexão:
    Eis a renovação do governo do PT

    1.Atacar juros é o Plano Real de Dilma
    (No blog Balaio do Kotscho, cabe qualquer assunto. Quem manda é o freguês. Paulista, paulistano e são-paulino, Ricardo Kotscho, 63, é repórter desde 1964. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos da imprensa brasileira, nas funções de repórter, repórter especial, editor, chefe de reportagem, colunista, blogueiro e diretor de jornalismo. É atualmente comentarista do Jornal da Record News e repórter especial da revista Brasileiros. Leia mais… ) Eu li. Nenhuma palavra por que foi demitido por Lula ainda no primeiro governo.

    Cada um tem o Plano Real que merece!
    O da Gepona (como a chama o meu ginecologisto) é o do discurso demagógico.
    No palanque eletrônico (rede de TV) no 1o. de Maio. ( por sugestão de João Santana, o Rasputin da corte petralha):
    A culpa é do outro. “Se deixarmos os banqueiros comem criancinhas pobres”.
    Eu estou aqui pra não deixar deixando, como diria o Chaves humorista.

    Dilma é apenas uma mulher de estilo, raivoso, como disse Teresa Cruvinel, “praspicada” recentemente da EBC: A mulher dá esporro até na Embaixadora da Colômbia. (VIDE ACIMA)

    Merckel e Obama deixaram Dilma falando sozinha..tsunami financeiro.
    a culpa é do Antonio Patriota que será demitido, Dilma já decidiu.
    Vai aguardar outro momento, menos sensível.

    2.É preciso examinar todos os elementos. Acho que é precipitado convocar o Sérgio Cabral agora.
    (Jilmar Tatto (SP), líder do PT na Câmara, contra a convocação de Cabral na CPI do Cachoeira)

    Não precisa chamar o Cabral, chama o Garotinho.
    Suas fontes/videos são inquestionáveis.E nem foi a Veja, para espanto da BESTA ( não a sua mãe, aquela santa, V.Ex.ª).

    товарищами, V.Ex.ª e Bonehead (or Moe, Larry, and Curly) irão discordar. Afinal eu sou apenas uma puta brasileira que não tem direito a ter opinião.rsrsrs
    Pax como sempre dividirá as culpas. Com maior peso para uma oposição fraquíssima. Há 50 anos-luz ele fala a mesma coisa.
    A culpa é do outro. O muro tem lado. rsrsrs

    ERA DA MERDIOCRIDADE!

    Sent from my iPad

  102. Zbigniew said

    Pax, a agenda de trabalho aprovada pela CPMI ficou assim:

    8/5: delegado da Polícia Federal Raul Alexandre Marques Sousa, responsável pela Operação Vegas

    10/5: delegado da PF Matheus Mella Rodrigues, e os procuradores da República Daniel de Rezende Salgado e Lea Batista de Oliveira, responsáveis pela Operação Monte Carlo

    15/5:Carlinhos Cachoeira

    22/5: Supostos membros da organização: José Olímpio de Queiroga Neto, Gleyb Ferreira da Cruz, Geovani Pereira da Silva, Wladimir Henrique Garcez, Lenine Araújo de Souza e outros

    24/5: Outros supostos membros da organização Idalberto Mtias de Araújo (o Dadá), Jairo Martins e outros

    29/5: Cláudio Dias de Abreu, da Construtora Delta, e outros

    31/5: Senador Demóstenes Torres

    12/6: Debate sobre as relações de Carlinhos Cachoeira com os governos estaduais

    14/6: Debate sobre a relação de Carlinhos Cachoeira com membros do Ministério Público

    19/6: Debate sobre a relação de Carlinhos Cachoeira com membros das polícias Federal e estaduais.

  103. Pax said

    Obrigado, caro Zbigniew.

    Pelo que vi ontem nos telejornais, e alguns trechos na TV Senado, houve uma série de elogios ao plano do Odair.

    Claro que houve uma lista de sugestões nos debates, mas a essência do plano não foi massacrada.

    Parte da imprensa, querendo produzir notícia, pinçou uma ou outra declaração de oposicionistas forçando a barra para demonstrar que teria sido montado um plano que interessa somente ao governo.

    Não foi isso que vi o senador Álvaro Dias afirmar. Podemos ter neste senador, talvez, a maior voz da oposição dentre os membros da CPI.

    Uma grita geral foi com relação a circunscrever a investigação da Delta ao estado de GO. Odair negou, mas este me parece um ponto fraco do plano, sim.

    Se esta CPI não chegar nos indícios esquisitos no DF e RJ, haverá, com certeza, motivos reais para que a oposição acuse a situação de manipulação.

    E eu, cá com meus botões, darei razão para eles. Ora bolas, o povo, bravo povo brasileiro, quer saber do buraco todo, não apenas das cavernas de (a) ou (b).

    O que existe de indícios nas duas operações?

    Qual a abrangência do império mafioso da Cachoeira?

    Como Demóstenes e os outros congressistas e políticos favoreceram sua máfia?

    Como e quais servidores públicos agiram para a máfia?

    Qual a relação de Cavendish com a máfia?

    Qual a relação da Delta de Cavendish com os governadores envolvidos?

    Há outros governadores que devem entrar na lista de suspeitos? Lembrando que a Delta age em 20 estados brasileiros.

    E, por fim, há desvios – leia-se superfaturamento – nos contratos direto da Delta com a União?

    Como cereja do bolo, bônus, capítulo extra da novela, prêmio para os espectadores, a descoberta de quem pagou as contas das viagens européias do Cabral e trupe que o suspeitíssimo moloquinho fez questão de nos brindar em seu blog com “espírito absolutamente abnegado em busca da proteção dos cofres do povo, bravo povo brasileiro”.

    Enviado via iPhone

  104. iconoclastas said

    uma questão de método…

    “Veja Edição 1842 . 25 de fevereiro de 2004

    Governo
    Eleição a qualquer preço

    Ex-diretor da loteria gaúcha diz que foi
    obrigado a intermediar pedidos de dinheiro
    para o caixa dois da campanha petista

    Ronaldo França

    Liane Neves
    JOSÉ VICENTE
    Em e-mail enviado a Waldomiro Diniz, queixas sobre a ação eleitoral do PT

    Notícias diárias sobre o caso Waldomiro

    Na segunda-feira passada, José Vicente Brizola, diretor-geral da Loteria do Estado do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra, enviou um e-mail a Waldomiro Diniz, demitido do cargo de subchefe de Assuntos Parlamentares do governo federal, tendo trabalhado sob as ordens do ministro José Dirceu. Entre Waldomiro Diniz e José Vicente Brizola há pelo menos uma coincidência. Ocuparam, em governos petistas, o cargo de dirigente de loteria estadual. Foi nessa posição que Waldomiro recolheu contribuições de um empresário acusado de contravenção, em 2002, o que rendeu a primeira grande crise do atual governo. O e-mail despachado por José Vicente a Waldomiro dizia o seguinte: “Lamentavelmente percebi que foste detonado como tantos outros. Claro está que o ‘Cardeal’ Dirceu, quando o escândalo bate em sua porta, detona seus amigos, seus inimigos. Transfigura a reforma ministerial de tal modo que a responsabilidade de atos protagonizados por ele recaiam em Aldo Rebelo, que nada sabia do assunto. Pois eu sei. Assim como foste compelido a achacar dinheiro de concessionários públicos em benefício do PT, eu também o fui. Eu diretor da Lotergs, tu presidente da Loterj. Desde já estou à sua inteira disposição para testemunhar a seu favor, seja em juízo ou em quaisquer instâncias que solicitar”. José Vicente é filiado do PT – do qual afirma estar se desligando – e filho do ex-governador Leonel Brizola.

    Os concessionários a que se refere a mensagem são donos de bingos, videobingos, jogos de cartela e máquinas de videoloteria, os caça-níqueis. José Vicente referia-se a fatos ocorridos em 2002, conforme relatou a VEJA, na semana passada. A entrevista, realizada numa suíte do hotel Blue Tree Towers, em Porto Alegre, durou cinco horas. Começou na noite de terça-feira e entrou pela madrugada. Durante a maior parte desse tempo, José Vicente, gaúcho de 52 anos, repetiu um gesto. Com o dedo polegar de sua mão direita esfregava insistentemente a outra mão toda vez que a narrativa, já naturalmente assentada em terreno minado, se aproximava de temas mais explosivos. Estava nervoso. O episódio que detalhou tem inquestionáveis semelhanças com o caso de Waldomiro Diniz. Além de ocupar cargos equivalentes no momento em que se deram os fatos, estavam trabalhando por candidaturas do PT e lidavam com empresários acusados de ligações com a contravenção.

    Rafael Neddermeyer/AE
    TARSO GENRO
    O atual ministro da Educação foi derrotado na eleição para o governo gaúcho em 2002

    Durante a campanha eleitoral de 2002, José Vicente, à frente da Lotergs, recebeu um pedido, segundo seu relato. Vinha de Carlos Fernandes, filho da então candidata à reeleição ao Senado pelo PT Emília Fernandes, que acabou agraciada com o cargo de secretária especial de Políticas para Mulheres, posição com status ministerial. Ela foi ministra durante o primeiro ano do governo Lula e saiu na recente reforma ministerial. Carlos Fernandes teria solicitado ajuda para a arrecadação de recursos financeiros destinados à chapa majoritária do partido, formada também pelo candidato ao governo, Tarso Genro, e pelo então candidato ao Senado Paulo Paim. A missão de José Vicente seria contatar os empresários da jogatina e convidá-los a contribuir com a campanha da chapa majoritária – não como doadores oficiais, registrados no Tribunal Regional Eleitoral, mas na forma popularmente conhecida como caixa dois. Embora, na prática, isso significasse que o dinheiro iria ajudar todos os candidatos, em nenhum momento teve algum contato com Tarso Genro e Paim e tampouco se falou deles nas conversas que manteve. Os pedidos, fora instruído, deveriam ser feitos em nome da chapa majoritária e, quando mais especificamente, da candidatura da senadora. José Vicente afirma que se declarou impedido de atender à tal demanda. Entretanto, à medida que a campanha avançou, a insistência teria se transformado em pressão.

    Nessa ocasião, o panorama político do Rio Grande do Sul era peculiar. O então governador Olívio Dutra havia perdido a disputa na prévia eleitoral que escolheu Tarso Genro como o candidato do partido ao governo do Estado. Com sua derrota – e com todas as pesquisas indicando a vitória de Genro –, o escritório da campanha majoritária passou a funcionar como uma espécie de gabinete paralelo. Era na condição de representante desse gabinete que Carlos Fernandes ganhava força para cobrar participação na arrecadação de fundos para a campanha. Rompido com seu pai, o ex-governador Leonel Brizola, desde que trocou o PDT pelo PT, no início de 2001, José Vicente é um militante dependente de emprego público para sobreviver. Diz que temeu pela ameaça, implícita nesse tipo de relação, de não ser nomeado para nenhum cargo público no novo governo. E passou a colaborar.

    José Paulo Lacerda/AE
    EMÍLIA FERNANDES
    Em seu nome seriam feitos os pedidos de doação a empresários do ramo de jogos e loterias em Porto Alegre

    Os encontros teriam sido marcados com os representantes de empresas apontadas pelo próprio Carlos Fernandes. Da lista, chegou-se aos nomes de Silvana de Luca, representante da empresa Kater, que administra o Toto Bola (jogo que também é explorado em Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná), Jaime Sirena, então presidente da Associação Gaúcha de Bingos, e Miguel Mucilo, dono de máquinas de videoloteria, os chamados caça-níqueis, que entraram para o rol de atividades dos bicheiros brasileiros a partir da década de 90. “Desminto qualquer pessoa que diga que fui procurado e colaborei financeiramente com campanhas”, afirmou Mucilo a VEJA na semana passada. Um dos encontros de apresentação, no escritório político de Emília Fernandes, teria tido a presença da própria. A então candidata ao Senado teria tomado o cuidado de se retirar da sala quando a conversa ameaçava tornar-se mais objetiva, abordando quantias e pedidos de doação. No entanto, teria deixado claro que seu filho e Claudio Milan, o caixa da campanha, falavam em seu nome quando tratavam do assunto. Na quarta-feira passada, entrevistada por VEJA, Emília negou-se a comentar o episódio. “Não conheço essas pessoas”, afirmou. “Não quero dar declarações antes de falar com o presidente do partido.”

    Contravenção – O envolvimento com tais empresários durante a campanha não era apenas um ato de desavisada impropriedade. O PT do Rio Grande do Sul havia passado em 2001 por uma comissão parlamentar de inquérito da Assembléia Legislativa estadual. Embora na origem fosse uma CPI de segurança pública, acabou se voltando para a investigação do envolvimento da Lotergs com empresários suspeitos de contravenção. O governo do Estado havia editado um decreto que, em última análise, levaria à legalização de todos os jogos e sua devida normatização pela Lotergs. O decreto gerou uma manifestação do Ministério Público. Os procuradores orientaram o diretor da Lotergs a não tornar oficiais tais jogos, alegando que se tratavam de empresas supostamente envolvidas com contravenção. A insistência do governo em levar a legalização adiante provocou suspeitas.

    No decorrer das investigações da CPI, veio a público um lote de fitas e CDs com conversas de integrantes do PT e membros da Secretaria de Segurança Pública. Em uma das gravações, o ex-secretário de Finanças do PT gaúcho, Jairo Carneiro dos Santos, diz que a compra de uma sede para o partido foi financiada com dinheiro do jogo do bicho e que a operação foi autorizada pelo próprio governador Olívio Dutra. Em depoimento à CPI, Santos negou a conversa, apesar de as fitas mostrarem o contrário. As investigações, no entanto, revelaram uma história de contornos claramente antiéticos. Em 1998, uma ONG chamada Clube da Cidadania comprou um prédio, com recursos arrecadados para “projetos sociais” junto a entidades, empresários e também contraventores. Concretizado o negócio, o prédio foi disponibilizado, em regime de comodato, para servir de sede ao PT gaúcho. O presidente da tal ONG era Diógenes de Oliveira, ex-militante do grupo Vanguarda Popular Revolucionária e arrecadador de campanhas petistas. O mesmo que aparece em outra gravação que caiu nas mãos da CPI, pedindo ao então chefe de polícia que os bicheiros não fossem incomodados. “Dei um carteiraço, falei indevidamente em nome do governador”, admitiu Diógenes na ocasião. No curso da CPI surgiram também denúncias de que a Lotergs estaria abrindo caminho para a entrada de máquinas caça-níqueis e de loterias on-line no Rio Grande do Sul, administradas por líderes do jogo do bicho associados a empresários suspeitos de lavagem de dinheiro e de conexão com a máfia italiana. Uma denúncia que se repete agora no caso Waldomiro.

    Dos 41 indiciados pela CPI – na qual o ex-governador Olívio Dutra acabou inocentado –, dois nomes chamam atenção. Jaime Sirena e João Carlos Franco Cunha, ambos donos de bingos em Porto Alegre. Sirena foi um dos empresários que teriam sido contatados pela campanha petista por intermédio de José Vicente. E Cunha é dono do Bingo Roma, o mesmo que na semana passada foi invadido pela Polícia Federal por suspeita de sonegação fiscal. Cunha esteve presente a pelo menos uma das reuniões com os emissários da senadora, numa ocasião em que a CPI já fizera tamanho barulho que era evidente o embaraço desse tipo de relação. Mesmo assim, os contatos teriam ido adiante. José Vicente permaneceu em seu cargo até o último dia do governo do PT no Estado. Desde então, está desempregado. E o PT aparece, cada vez mais claramente, como um partido que utiliza, em campanhas eleitorais, as mesmas práticas que sempre fez questão de denunciar.

    “Sofri pressões do partido”

    VEJA – Por que o senhor ajudou a levantar recursos para a campanha do PT no Rio Grande do Sul, de senador e governador, fazendo a ponte com empresários ligados ao jogo de azar?
    José Vicente – Porque eu sofri pressões nesse sentido.

    VEJA – Quem o pressionou?
    José Vicente – Em meados de 2002, em junho ou julho, fui procurado pelo filho da então candidata ao Senado do PT Emília Fernandes, o Carlos Fernandes, conhecido como Carlinhos. Ele me perguntou se eu tinha possibilidade de arrumar algum recurso para a campanha da senadora. Eu disse que não, que morava em Porto Alegre havia pouco tempo, não conhecia empresários. Ele então foi mais incisivo. Disse que existiam vários empresários que eram ou gostariam de ser concessionários na área de jogos. Para não ser deselegante, fui levando o assunto, até que ele disse que havia uma determinação do comitê de campanha para governador e senador para que isso fosse feito.

    VEJA – Onde se deu essa conversa?
    José Vicente – No escritório da campanha de Emília Fernandes, na Rua Riachuelo. Eu questionei. Disse que gostaria de ouvir isso da própria senadora. Num encontro seguinte, ela compareceu, com Carlinhos e Claudio Milan, que era o caixa da campanha. Ela não falou muito, mas disse que os credenciava para continuar com esse pleito. Eu continuei conversando com eles. A pressão ficou mais violenta e eu disse que não pediria contribuição a ninguém. Eles recuaram. Combinaram que eu fizesse as apresentações e eles passariam a cuidar disso. E disseram: “Nós sabemos quem são os empresários que você deve procurar, são esses e esses”.

    VEJA – Quem eram?
    José Vicente – O Miguel Mucilo, dono de empresas de videoloteria, o Jaime Sirena, que à época era o presidente da Associação Gaúcha de Bingos, a Silvana de Luca, do Toto Bola, um jogo de cartela, e o Germano, da June, que administra o Mais Fácil, outro jogo de cartela.

    VEJA – Quem tinha os nomes?
    José Vicente – O Carlinhos. Ele não sabia o nome das pessoas nem o nome das empresas, mas sabia os nomes fantasias, as marcas dos jogos. E sabia quem estava regulado pela Lotergs (Loteria do Estado do Rio Grande do Sul), da qual eu era diretor-geral, e quem pretendia estar.

    VEJA – O que era dito nas conversas?
    José Vicente – Eles diziam que precisavam de 900 000 reais para a campanha da senadora. Isso era misturado com a campanha majoritária, porque os candidatos a governador, a vice e a senador andam sempre juntos. A agenda da majoritária é uma só, administrada pelo coordenador de campanha.

    VEJA – Como foram as apresentações?
    José Vicente – A primeira reunião foi com Silvana de Luca, do Toto Bola, no piano-bar do Shopping Praia de Belas. Disse a ela do que se tratava, que a solicitação era da candidata a senadora Emília Fernandes e que, como eu havia me negado a pedir contribuições, o combinado era que eu faria as apresentações, se estivessem de acordo. Disseram que sim, que até gostariam de conhecer a senadora. Marcamos no escritório dela. Estávamos sentados à mesa eu, Carlinhos Fernandes, Claudio Milan e a senadora. Dali a pouco chegou a Silvana de Luca. Conversou amenidades com a senadora, que num certo momento se retirou. Eles então disseram que uma campanha ao Senado poderia custar de 2 milhões a 3 milhões de reais, mas que eles precisavam de 900 000. A Silvana disse que ia conversar com seu sócio e que posteriormente diria com quanto e como poderiam contribuir. Essa foi a última reunião que eu tive com eles juntos. Depois fiquei sabendo que haviam chegado a uma cifra de cento e poucos, ou 200 000 reais, que isso seria pago em duas, três ou quatro vezes e que os encontros para efetuar os pagamentos seriam no hotel Blue Tree. Essa informação eu tenho porque o Carlinhos me deu posteriormente.

    VEJA – Como foi o contato com Miguel Mucilo?
    José Vicente – Foi no restaurante Rio Carreiro, em Ipanema, na Zona Sul de Porto Alegre. Estavam presentes Carlinhos, Claudio Milan, eu e o Miguel Mucilo. E também o João Carlos Cunha, o Jonca, dono do Bingo Roma. Houve um outro almoço, na churrascaria Barranco. O Mucilo se mostrava muito arredio. Não creio que dali tenham tirado algum dinheiro, porque ele condicionava a contribuição da campanha a que fosse aprovado o projeto de regulamentação dos bingos e do videobingo, o que era impossível.

    VEJA – E com o Sirena?
    José Vicente – Ele foi ao meu escritório na Lotergs, a meu pedido, e eu expliquei do que se tratava. Marcamos um encontro no escritório da senadora, onde estava somente o Carlinhos, mas o Sirena se deu por satisfeito, porque já conhecia a senadora. Ele começou a conversa falando a mesma coisa, que uma campanha custava de 2 a 3 milhões de reais, que eles precisavam de 900 000. Aquilo parecia um discurso pronto. Preferi sair antes. Mas, se arrumaram alguma coisa, foi pouco.

    VEJA – Por que o senhor demorou todo esse tempo para trazer isso a público?
    José Vicente – Porque esse episódio do Waldomiro Diniz passou a ser uma confirmação de que esse ato…

    VEJA – Mas o senhor queria confirmação maior do que estar com pessoas suspeitas de contravenção negociando contribuição de campanha?
    José Vicente – Veja bem, era um ato localizado aqui no Rio Grande do Sul, que tinha partido da senhora Emília Fernandes, dizendo representar a chapa majoritária. Agora estamos diante de um fato provado, que eu posso então associar ao que vi com alguma coerência. Se eu saísse denunciando um ato isolado, sem provas, aonde isso iria chegar? Além disso, sinto um cheiro de ditadura no ar.

    VEJA – O que esses fatos têm a ver com ditadura?
    José Vicente – O governo do Estado usou uma prática que não é lícita, de instruir os depoimentos na CPI da Segurança Pública (aberta no governo de Olívio Dutra para apurar o envolvimento da Lotergs com empresários suspeitos de contravenção). Eu tinha de comparecer à Casa Civil, onde me entrevistavam, me perguntavam como se fazia isso ou aquilo, o que eu iria dizer. Sei que foram ainda mais contundentes com pessoas menos importantes. Foi meu primeiro choque com o PT.

    VEJA – O que o motiva a dar esta entrevista?
    José Vicente – Em primeiro lugar, quero frisar que jamais peguei em dinheiro. Se tivesse passado dinheiro pela minha mão, jamais daria uma entrevista. O motivo de estar falando isso agora é que percebi que esse partido que eu supunha imaculado era igual ou pior que o anterior, o PDT. E mais: no PDT, nunca presenciei banditismo, como é o que aconteceu com o Celso Daniel. Não está e nunca esteve nos meus planos compactuar com esse tipo de coisa. Como é o caso também de um telefonema que eu recebi na segunda-feira à tarde, ameaçando a mim e a minha família. Um dos motivos pelos quais estou dando esta entrevista é porque temo pela minha segurança e pela da minha família. ”

    ;^/

    – se, por acaso, alguém não associou, o denunciante é pai de um ministro recentemente nomeado…

  105. Zbigniew said

    Pax,

    este foi um ponto levantado por alguns paralmentares, inclusive a questao do CNPJ do Carlinhos Cachoeira. Ao que parece a proposta de trabalho citou apenas o CPF, o que seria ridiculo para uma CPI que quer se mostrar seria.

    Como estamos muito no inicio acredito que tanto as investigacoes nao se restringirao ao estado de Goias, como o CNPJ do Cachoeira vai ser rastreado (o que e ate obvio). O proprio relator afirmou isto ao final da sessao. Mas e bom a oposicao esta sempre atenta.

    Como disse: estamos so no inicio.

  106. Pax said

    Um pequeno complemento:

    Não sei porque o noticiário geral reluta em chamar este esquema inteiro de mafioso. Alguns veículos chegam a chamar o principal suspeito de empresário do jogo.

    Caramba, o sujeito usa, segundo fortíssimos indícios, um esquema envolvendo jogos ilegais, construtoras, talvez, um forte talvez, empresas de comunicação, governadores, senadores, deputados, servidores públicos, policiais civis e federais, além de seus capangas etc etc e não pode ser chamado de mafioso?

    Me arrisco a ser processado pelo tal czar nacional, mas este blog o chamará de mafioso sim senhor.

    Enviado via iPhone

  107. Pax said

    Sim, caro Zbigniew, concordo, CPF, CNPJ, RG, certidão de nascimento, principalmente de casamento, sem esquecer dos filhos, afilhados e apadrinhados.

    E, claro, do laranjal, “famosa fazenda agrícola” que esta turma costuma investir.

  108. Pax said

    Acabaram de me ligar. Uma empresa que instala antenas e roteadores em áreas rurais. Vou arriscar também este caminho. Não sei quando a tal fibra da Net chegará e é melhor ter um plano B.

    Vou aproveitar as 5 antenas que já comprei e contratar o serviço dos caras que sabem como apontar e instalar. Aqui foi onde meu limite de competência foi atingido.

  109. Elias said

    Pax e Zbigniew,

    Ao que parece, o esquema de trabalho da CPMI foi armado escalando o Demóstenes pra expiatório.

    Aparentemente, ele, e não o Cachoeira, é o objeto do cerco.

    Se fosse o Cachoeira o alvo principal, no mínimo ele seria ouvido DEPOIS dos tais “supostos” membros da organização. Nas oitivas destes, a CPMI “supostamente” colheria elementos pra instruir a inquirição do “suposto” chefe da “suposta” organização criminosa que teve algumas de suas “supostas” conversas telefônicas “supostamente” gravadas por “supostos” delegados de uma “suposta” Polícia Federal que, “supostamente”, estaria investigando uma “suposta” vinculação do “suposto” zooempresário com um “suposto” esquema de corrupção, que,… PUTZ!

    Ouvir o Cachoeira logo ao início dos trabalhos vai deixar o Demóstenes sem pai nem mãe…

    Deixar o Demóstenes para o fim é o mesmo que dizer, antecipadamente, que o depoimento dele não terá importância nenhuma… Que dele não se espera que surja nenhuma nova linha de apuração… É como se a instrução do processo fosse toda contra o Demóstenes, que falaria por último pra apresentar sua defesa, antes de lhe enfiarem o punhal na fossa clavicular…

    Gregor Samsa…

    É de ser ver se esse cabra vai pro sacrifício calado ou se vai berrar…

    Se ele se deixar sangrar sem berrar, como bezerro bom, será uma bela pizza (de bezerro!!??). Mas sempre cabe perguntar: em troca do quê ele faria isso?

    Se ele berrar antes, pode até desmoralizar a CPMI. Se botar a boca no trombone só no dia da oitiva, pode ser que detone uma bomba eleitoral (em 31 de maio as candidaturas já estarão definidas…).

    No esquema inicial dos trabalhos, parece que a CPMI não incluiu o “PJ” ou “Poli” — como é também conhecido o jornalista Zé Mané do Patrocínio — entre os funcionários do Cachoeira, editor-chefe da Veja.

    Não sei se é bom ou ruim pro Poli (pode ser que isso deixe o Demóstenes ainda mais p… da vida…).

    Enfim, como o Brasil não é pra amadores, melhor esperar mais uns dias, pra saber direito que diabo de jogo é esse que os profissionais estão armando…

    Por ora, tá embolado…

  110. Elias said

    “12/6: Debate sobre as relações de Carlinhos Cachoeira com os governos estaduais; 14/6: Debate sobre a relação de Carlinhos Cachoeira com membros do Ministério Público; 19/6: Debate sobre a relação de Carlinhos Cachoeira com membros das polícias Federal e estaduais.”

    Ao que parece, a Delta está capitulada nas relações de Cachoeira com os governos estaduais. Isto significa que a oposição, até aqui, levou farelo no atacado.

    Vai ter que se virar mais que charuto em boca de bêbado, pra conseguir alguma coisa no varejão…

    Nas relações do Cachoeira com membros do Ministério Público e com a PF, sinto um forte odor de óleo crepitando numa enorme frigideira…

    É coisa de profissionais, que sabem e gostam de jogar pesado…

  111. Zbigniew said

    Elias,

    o Demóstenes já foi pro saco.

    Resta saber qual será o indicativo do CPI para as relações da máfia com o sistema político em geral.

    Com tamanha amplitude de investigações fica difícil acreditar em qualquer efeito sobre nossa tão “nobre” classe política e empresarial.

    Sem a pressão da opinião pública que – aqui no Brasil – às vezes se deixa acordar por estímulos da grande mídia (que situação! e a grande mídia também está envolvida), a tendência é que o corporativismo e o aparente 0 x 0 entre os podres da situação e da oposição deixem esse jogo sem muita margem de manobra.

    A não ser que outros atores poderosos entrem em campo. Mas quem quer se arriscar a bagunçar o coreto?

  112. Elias said

    Como ninguém falou nas relações do Cachoeira com os Judiciários estaduais, aquele desembargador de quem o Demóstenes falou, numa conversa telefônica com o Cachoeira, pode dormir na santa paz…

    Pelo menos, por enquanto…

    Afinal, o Demóstenes disse que ele “pegou aquele negócio lá…”.

    Pegou sem pagar? Pagou, mas não levou? Levou, mas não desembrulhou?

  113. Elias said

    Zbigniew,

    Na definição do esquema de trabalho da CPMI, o jogo entre situação e oposição não ficou 0 X 0.

    Nesse jogo, a oposição apanhou de goleada.

    A posição da Delta no embrulho é um indicativo. Parte-se do princípio de que só existe a possibilidade de haver irregularidades nos contratos da dita cuja com governos estaduais (ou seja, em áreas onde a oposição estará, sempre, sob o risco de chutar contra o próprio gol).

    Jogo pesado, seu Zbigniew…

    Estou entranhando é a oposição não ter esperneado.

  114. Zbigniew said

    Pode ser, Elias. Pode ser. É jogo pesado, mesmo.

    Quero acreditar que disso tudo vai sair uma outra quebra de paradigma (estamos na era da quebra de paradigmas, não?!)

    O PGR (clone do Jô) justificou a impossibilidade de comparecer à CPI ao Presidente e Relator, argumentando que, para este caso, poderia ficar impedido para atuar nos inquéritos em curso ou nas ações penais futuras.

    Realmente existe o princípio do promotor natural, mas tenho dúvida se isto se aplicaria aos inquéritos sobre fatos que ainda não são objetos de denúncias.

    Se assim não for, trata-se de uma ação política para convocá-lo. E esta ação submeteria o PGR ao constrangimento de ter que dar explicações, justificativas ao preço de se afastar das ações penais – o que, tecnicamente, não seria problema. Existem outros procuradores. O problema é de constrangimento político (e, sob uma certa ótica, até profissional).

    O PGR explicou-se afirmando que “quando recebeu material referente à Operação Las Vegas, fez uma avaliação preliminar e verificou que os elementos não eram suficientes para qualquer iniciativa no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF), optando por sobrestar o caso, como estratégia para evitar que fossem reveladas outras investigações relativas a pessoas não detentoras de prerrogativa de foro, inviabilizando seu prosseguimento, que viria a ser formalizado na Operação Monte Carlo.

    Somente no dia 9 de março de 2012, a Justiça Federal em Goiás encaminhou ao Procurador-Geral da República o material relativo à Operação Monte Carlo. Este material, agora sim, reunia indícios suficientes relacionados a pessoas com prerrogativa de foro e, assim, menos de 20 dias depois, em 27 de março, o Procurador-Geral da República requereu a instauração de inquérito no STF, anexando tudo o que recebeu nas duas oportunidades. (Operações Las Vegas e Monte Carlo)

    O Procurador-Geral da República explicou ainda que o Ministério Público Federal é o titular da ação penal, a quem cabe definir os rumos e estratégias da investigação. Acrescentou que o material do inquérito é muito vasto e está sendo analisado com o devido critério e a necessária prioridade, bem como que o Ministério Público Federal, como sempre, não se furtará a investigar quem quer que seja.”

  115. Edu said

    Para mim essa CPI não passa de mais um circo. A dúvida está em saber se essa CPI é um míssel teleguiado ou não. Se ela for, ela vai cumprir com seu fim: o bode expiatório da vez, o Demóstenes já era e a oposição já sofreu esta baixa. Se ela não for, virará um grande rodízio de pizza. Obviamente, a oposição se cala por supor que poderá sair por cima da carne seca e, obviamente, a oposição está redondamente enganada, assim como o povo que acredita na CPI.

  116. Elias said

    Zbigniew,

    Eu já havia lido as explicações do procurador, no site da BBC.

    Pessoalmente, não acho que o Procurador Geral da República deva prestar depoimento à CPI. Essa que taí ou qualquer outra…

    A menos que a própria procuradoria seja objeto de investigação da CPI.

    O Procurador Geral da República deve falar nos autos, e pronto! Se a CPI achar que, no trabalho dele, tem algo insuficientemente apurado, deve notificá-lo pra diligência. Se algo no trabalho dele está mal relatado, impreciso ou insuficientemente justificado, deve notificá-lo, para que complemente seu relatório.

    Com ele deve ser tudo preto no branco. Tudo por escrito.

    Duvido que algo assim se aplique à CPMI do Cachoeira/Demóstenes/Veja/Policarpo… Dificilmente uma declaração verbal do Procurador Geral da República acrescentará algo relevante ao processo.

    Não é ouvindo procuradores ou investigadores que a CPI vai trabalhar bem. Convocar esse pessoal é só enchimento de linguiça, porque o que de mais importante eles tinham pra dizer, já disseram nos autos, com o suporte das comprovações que puderam reunir.

    Não é por aí que a CPI deve transitar. O negócio dela é com os implicados, que, até aqui, não tiveram a oportunidade de se manifestar, salvo em insuficientes exposições via imprensa. Agora eles terão oportunidade de ir fundo em cada questão, com os elementos de convicção que tiverem em mãos, assessoramento de advogados e outros técnicos, etc.

    É trabalhando com os implicados que uma CPI mostra a que veio… Daí porque o arranjo das oitivas é tão importante…

    De qualquer modo, o futebol está delineado. Alguns movimentos a gente só vai entender quando os desdobramentos se tornarem públicos.

    Estou particularmente interessado nos desdobramentos dos tópicos: “relações do Cachoeira com o MP e com a PF”. Nunca tinha visto nada parecido numa CPI…

    Quando li esse troço, imediatamente comecei a ouvir o crepitar de uma imensa frigideira e o ar se encheu do odor de azeite quente…

    Ou será que foi só uma súbita impressão de incesto?

  117. Chesterton said

    Quais os Requisitos Petistas Para Virar Ministro do STF
    O PT conspurcou o moroso e ineficiente STF infiltrando seus comissários. A maioria famosa por vender sentenças judiciais seja diretamente ou via seus filhos, genros e apaniguados AdEvogados. O lulo-petismo, entretanto, não vende barato suas benesses, é preciso suar a camisa, jogar com o time o que implica, acima de tudo, lutar pela manutenção da impunidade em defesa da bandidagem do pulhas do partido e quejandos: Hoje na Folha O senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) disse ao empresário Carlinhos Cachoeira que o governo federal condicionou a nomeação de um ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) à absolvição de réus no processo do mensalão, informa reportagem de Fernando Mello, Breno Costa e Leandro Colon, publicada na Folha desta quinta-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).
    POSTED BY SELVA BRASILIS

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1084737-governo-impos-condicoes-para-vaga-no-stf-diz-demostenes.shtml

    chest- tá ficando cada vez melhor.

  118. Pax said

    “Duvido que algo assim se aplique à CPMI do Cachoeira/Demóstenes/Veja/Policarpo” Caro Elias,

    Não estariam faltando “Agnelo/Cabral” neste título?

    Caro Edu,

    Cabe a nós, povo, bravo povo brasileiro, espernear e gritar se esta CPI se encaminhar para uma tremenda pizza, enterro do jovem Odair Cunha e descrédito total do PT.

    Caro Chesterton,

    Cá entre nós e que ninguém nos ouça, mas dá pra dar muito crédito no que o Demóstenes fala atualmente?

    Não foi ele que disse que só tinha relações de amizade com o mafioso mor da república, o novo czar do Brasil, o tal comprador de congressistas, funcionários públicos etc?

    Que bela amizade. Chego perto de correr lágrimas ao ver essas fraternidades como essa e a do Cabral com o Cavendish.

    E confesso que morro de inveja. Nenhum amigão meu tem um jatinho pra me levar para Paris e me pagar um jantar num luxuoso restaurante regado com vinhos que custam o preço de um carro.

    Poxa, oh céus… oh vida cruel para comigo.

    Enviado via iPhone

  119. Edu said

    Pax,

    Essa CPI só não termina em pizza porque é mais uma pá de terra sobre o corpo da oposição. Se vc olhar por esse ângulo, pode se dar por satisfeito.

    Alias, a CPI é para o Demóstenes ou é para o Cachoeira? Se for para o Demóstenes acabou por aí. Se for para o Cachoeira, a CPI mal está começando, mas nesse caso, a pizzaria está montada.

  120. hermenegildo coelho said

    SO ESPERO QUE NAO TERMINE EM PIZZA, PORQUE TEM ITALIANO POR AI QUE GOSTA,SE FOR EM CACHUEIRA QUE NAO SEJA FOZ DO IGUAÇU,ASSIM SO VAI AUMENTAR A ATIVIDADE CRIMINOSA DOS NOSSOS POLITICOS BRASILEIROS,VAO FAZER CONTRABANDO DO PARAGUAI

  121. Chesterton said

    Pax, sinal de que coisas vêm aí. Vai ser um tiroteio divertido.

  122. Pax said

    Caro Edu,

    A CPI é do Cacheira. Já há proposta de processo do Senado contra o Demóstenes.

    Se desviarem deste foco será, mais uma vez, uma vergonha para o PT e o enterro político do jovem Odair. Até em Lula respingará. Não foi ele um dos incentivadores desta CPI?

    Caro Hermenegildo,

    Bem- vindo ao blog.

    Enviado via iPhone

  123. Chesterton said

    Cabral e Cavendish preparam festa em Paris para comemorar blindagem na CPI. Agnelo do PT será homenageado por ONGs e fará ampliação na mansão do Paranoá.
    Com a ameaça de convocação do governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), PMDB e PT deram início ontem a um pacto de proteção mútua de seus governadores na CPI do Cachoeira. Pelo acordo, o PMDB evitaria exposição do governador do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz, em troca da blindagem de Cabral. À frente da CPI, PMDB e PT deram um primeiro passo ontem ao deixar a investigação dos governos estaduais fora da pauta de investigação nos próximos 40 dias.

    Emissários de Cabral foram informados que, segundo o plano de trabalho do relator Odair Cunha (PT-MG), o eventual envolvimento de governadores com esquema do empresário Carlinhos Cachoeira só será objeto da CPI a partir de 12 de junho. Os governadores não foram citados na apresentação do plano e há a possibilidade de os casos serem remetidos às Assembleias Legislativas. O nome de Cabral veio à tona após o blog do deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) exibir fotos do governador numa confraternização com o presidente licenciado da Delta, Fernando Cavindish, durante viagem a Paris.

    Para o sucesso desse acordo, petistas e peemedebistas contam com a adesão do PSDB, que tenta poupar o governador goiano Marconi Perillo. O líder do PT da Câmara Legislativa do DF, Chico Vigilante, e o vice-governador, Tadeu Fillippeli (PMDB), têm conversado todos os dias sobre a CPI. “Não vão convocar o Cabral nem o Agnelo”, afirma Vigilante. “Para convocar o Cabral, tem que convocar o Alckmin, o Kassab, porque a Delta também prestava serviço para esses governos”, acrescentou. Peemedebistas não são tão otimistas. Para deter a investigação, líderes do partido estariam trabalhando até por um acordo para preservar o mandato do senador Demóstenes Torres, mas temem que as disputas internas no PMDB e PT inviabilizem a operação.(Folha de São Paulo)
    POSTADO POR O EDITOR CORONEL

  124. Elias said

    I
    “Duvido que algo assim se aplique à CPMI do Cachoeira/Demóstenes/Veja/Policarpo/Civita/Agnelo/Cabral”

    Tá bom assim, Pax?

    A essa altura do campeonato…

    II
    “Pelo acordo, o PMDB evitaria exposição do governador do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz, em troca da blindagem de Cabral. À frente da CPI, PMDB e PT deram um primeiro passo ontem ao deixar a investigação dos governos estaduais fora da pauta de investigação nos próximos 40 dias.” (3º sargento taifeiro)

    Esse recruta é mesmo um babalhão… Consegue ser pior que o Reinaldo Cabeça de Balão.

    Olha e não vê…

    Quem ficou de fora da CPMI foram os contratos diretos da Delta com o governo federal.

    E a oposição nem chiou…

    O Cabral é envelope lacrado. A sorte dele ainda não foi decidida. Tudo vai depender do que for aberto na primeira semana de funcionamento da CPMI. Ele pode até se dar bem. Mas pode se ferrar também…

    Só um recruta denotativo apostaria numa blindagem do Cabral nos primeiros 2 minutos do 1º tempo.

    Além disso, o beiçudo precisa saber que, numa CPI, nem sempre ficar pra depois é uma boa… Quase sempre não é. Em geral, o que fica pra depois é o que está sendo “cercado”, ou seja, o produto do cruzamento de cabra com periscópio, vulgarmente chamado bode expiatório.

    Talvez o recruta se saia melhor lambaiando na copa do quartel, lavando prato e panela, em troca da permissão pra comer o cu da Barbie (resto de mingáu de milho branco que fica pregado no fundo do caldeirão).

  125. Pax said

    Beleza, caro Elias, assim ficou melhor:

    “Duvido que algo assim se aplique à CPMI do Cachoeira/Demóstenes/Veja/Policarpo/Civita/Agnelo/Cabral”

    Aliás, acabei de fazer um novo post na correria, tentando colocar todos estes elementos no caldeirão.

  126. Patriarca da Paciência said

    Mais uma vitória do governo Lula.

    “A validade do ProUni (Programa Universidade para Todos), que auxilia o ingresso de alunos de baixa renda no ensino superior, foi confirmada nesta quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Por um placar de 7 votos a 1, os ministros entenderam, no julgamento de ações de inconstitucionaidade, que o programa foi necessário para otimizar as oportunidades de estudo e que vem obtendo bons resultados”

    http://www1.folha.uol.com.br/saber/1085187-julgamento-do-stf-confirma-legalidade-do-prouni.shtml

  127. Zbigniew said

    Muito bom, Patriarca. O voto contrário foi do GM?

    Estranho! Será que não tem mais ministros corruptos para a Veja caçar?

  128. Patriarca da Paciência said

    Zbigniew,

    por íncrível que pareça, o GM votou a favor, mas o Marco Aurélio de Mello não falhou… e votou contra.

  129. Insurgente. said

    Seria cômico se não fosse trágico, um corrupto denunciando o outro, Brasil.

  130. streaming servidor

    Cabral, Cavendish, Cachoeira, Garotinho…socorro! « políticAética

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: