políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Vaccarezza e o pecado da soberba. Quem paga a conta é Odair Cunha e o PT.

Posted by Pax em 18/05/2012

O deputado Cândido Vaccarezza cometeu o pecado da soberba ontem, ao entender que pode fazer política à sua equivocada maneira e macular a imagem do PT da forma que bem entende.

No meio sessão da CPMI do Cachoeira emite uma mensagem por celular, para lá de suspeita, deixando a forte impressão de blindagem inadmissível do governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ), estado que agraciou com as maiores obras e aditivos a construtura Delta, de Fernando Cavendish.


Dica do vídeo do comentarista Zbigniew.

A mensagem enviada: “A relação com o PMDB vai azedar na CPI. Mas não se preocupe, você é nosso e nós somos teu”.

Hoje em seu blog coloca uma explicação infantil, afirmando que só queria preservar as boas relações entre os partidos PT e PMDB. Pois sim.

O vídeo produzido pelo SBT mostra que não é bem esse o tom da mensagem. Não fala em preservar as relações das agremiações políticas, mas sim de emprestar apoio – ou blindar, com pouca margem de erro esta segunda interpretação – ao governador que gosta de andar nos helicópteros e aviões de Cavendish, assim como frequentar restaurantes de luxo em Paris em companhia do empresário envolvido diretamente com os negócios mafiosos de Carlinhos Cachoeira, segundo farto noticiário.

Se esta refeição italiana será servida em fatias, para que mesmo constituir esta CPMI? Qual o ganho se os pré-condenados Demóstenes Torres e Carlinhos Cachoeira poderiam ser excluídos pela Comissão de Ética do Senado e prisão do mafioso respectivamente?

Quem pagará a conta desta pizza será o jovem deputado Odair Cunha (PT, relator desta CPMI. Ficará como garoto de recados de uma articulação porca liderada por Vaccarezza. Sua carreira nunca mais será a mesma nesta trilha apodrecida.

E a imagem do PT, indefensável nesta altura do campeonato. Há uma militância aguerrida que hoje se envergonha das atitudes deste líder do governo na Câmara.

Lá vai a fatia Sérgio Cabral acompanhada de Marconi Perillo e Agnello Queiroz. Como acompanhamento chique, Fernando Cavendish. Todos blindados pelo enorme deslize deste deputado que perdeu a grande oportunidade de ficar calado, ou com as mãos amarradas, para não se entregar tão infantilmente à frente de um batalhão de jornalistas atentos.

Agora só falta o PT manter o deputado como líder do governo na Câmara. A lambança estará completa.

Anúncios

460 Respostas to “Vaccarezza e o pecado da soberba. Quem paga a conta é Odair Cunha e o PT.”

  1. Pax said

    Se era para fazer esta lambança, por que motivo mesmo montar esta farsa de CPMI?

    O Demóstenes já é pré-condenado. O mafioso está preso e responderá por sua organização criminosa.

    Se Agnelo, Marconi e Sérgio Cabral estão blindados, se Cavendish molhou mãos demais – segundo ele mesmo um senador vale somente alguns milhões roubados dos confres públicos – e não será convocado, onde mesmo esta CPMI auferirá algum benefício ao povo, bravo povo brasileiro?

  2. A Besta Desvariada said

    A crise européia e o Brasil

    Diversamente do que diz Guido Mantega, o Brasil será duramente afetado pela crise econômica européia. Até o momento ninguém consegue saber qual o tamanho do problema. Mas algumas conclusões são possíveis de extrair:
    1. vai diminuir o fluxo de capitais para o Brasil;
    2. o dólar deverá se manter a 2 reais;
    3. usar as importações para segurar a inflação não vai dar certo;
    4. o preço internacional das commodities deve cair e a nossa receita exportadora também;
    5. o Brasil manteve (e mantém) uma estrutura de exportações neo-colonial e vai ser penalizado pela queda da taxa de crescimento da China;
    6. o governo aumentou os gastos sem ter aumentando a eficiência;
    7. os gastos de infraestrutura são pífios;
    8. a desindustrialização é evidente;
    9. as tais reformas foram para o espaço. A agenda política está ocupado com Cachoeira e companhia;
    10. o governo não soube aproveitar o longo período de prosperidade da economia internacional até o último trimestre de 2008 (considerando que o governo Dilma é o terceiro mandato de Lula);
    11. a inflação deverá se manter bem longe da meta.
    12. a permanência da crise européia e de seus efeitos no Brasil, reforça a necessidade de repensar o “modelo” econômico dos últimos anos. Sem investimentos pesados nos pontos de estrangulamento (como diria antigamente a CEPAL) e a melhoria na eficiência da gestão estatal (e de suas empresas, diga-se; basta ver o desastre da gestão Gabrieli na Petrobrás), ficaremos condenados a uma taxa de crescimento que não deve passar de 2 a 3% ao ano (isto se não for menor ainda). Enquanto isso, a China, Índia, etc, etc.

    Postado por Villa em 18/05/2012

  3. Pax said

    Cara Michelle,

    Solicito usar somente um apelido ao comentar. Obrigado.

  4. Otto said

    Pax:

    falta estudar as relações entre Cahcoeira e Policarpo Jr., ou Poli, ou PJ — apesar da blindagem da mídia.

  5. Chesterton said

    O deputado Cândido Vaccarezza cometeu o pecado da soberba ontem, ao entender que pode fazer política à sua equivocada maneira e macular a imagem do PT da forma que bem entende.

    chest- hilário, macular o PT, como se fosse possível macular o maculado.

  6. Otto said

    Michele:

    isto que é torcida.

    Você viu que o item 4 anula o 3? Se os commodities vão cair, isto anula o efeito do aumento do dólar na inflação. Ao mesmo tempo o aumento deste incrementa os ganhos das exportações.

    Aposto com você que vai ser outra marolinha.

  7. Pax said

    Caro Otto,

    Que moral temos em requerer esta investigação depois dessa do Vaccarezza? (confesso que gostaria, sim, que Policarpo fosse investigado, principalmente por conta dos interesses da Delta (e Cachoeira) no DNIT).

    Tipo: todas as notícias que a Veja publicou sobre o assunto e eventuais contatos relativos ao assunto.

    Mas… Vaccarezza colocou a vaca no brejo e montou em cima. A bicha está pra lá de atolada nessa lama.

    Como disse, só falta o PT mantê-lo na liderança da Câmara, o que não duvido mais.

  8. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom, Chesterton,

    Nem todo PT é Vaccarezza, nem todo PSDB é Marconi Perillo.

  9. Chesterton said

    Hoje aconteceu uma coisa interessante, apareceu uma paciente do Canadá, em férias no Rio de janeiro, resolveu fazer um exame de complexidade média. Sem problemas, aí contou que havia marcado esse exame para ela no Canadá…para janeiro de 2013. E olha que foi uma emergencia, 2 meses atrás, que foi completamente negligenciada no Canadá com defiti parcial permanente para ela.

  10. Chesterton said

    deficit permanente…grande medicina social…..

  11. Pax said

    Essa aqui é boa: Polícia prende oito dos dez vereadores de cidade do Alagoas
    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,policia-prende-oito-dos-dez-vereadores-de-cidade-do-alagoas,874734,0.htm

    Ou seja, 80% dos políticos da cidade foram pegos. E os outros ainda não há notícia.

    Quem sabe sobram 20% honestos.

  12. Chesterton said

    Deputado paga
    doméstica com
    verba da Câmara
    Crítico ferrenho da família Sarney e atual presidente da Comissão de Direitos Humanos, o deputado federal Domingos Dutra (PT-MA) é acusado de pagar uma empregada doméstica com dinheiro da Câmara. Regiane Abreu dos Anjos foi contratada em setembro de 2010, mas só descobriu que era funcionária fantasma do gabinete três meses depois, quando, demitida, procurou a 5ª Vara do Trabalho. Dutra alega ser vitima de adversários e disse que processa Regiane por “calúnia”ch

  13. iconoclastas said

    “Você viu que o item 4 anula o 3? Se os commodities vão cair, isto anula o efeito do aumento do dólar na inflação. ”

    isto é que é estupidez…

    ;^)))

  14. Otto said

    Prezado Pax:

    quanto ao Vaccarezza, pisada na bola feia.
    Mas isso não anula o que o Policarpo fez ou não fez.
    A priori, não deveria haver ninguém intocável na república.

  15. Michelle -A Besta Desvariada said

    Pax

    Atendo a seu pedido. Doravante,rsrsrsrs
    serei Michelle – A Besta Desvariada! como proclamou o Ascensoristo da Paciência.
    Vamos ver se ele muda o apelido também! ???
    Vamos nos divertir à tripa forra como se diz em Portugal
    hehehe

    PS Ico…#13 Na conta dele deu 4-3=13 por isso resolveu escrever
    a estupidez. A conta dele fechou…E nem adianta explicar…

    Xii mais tarde tem nova edição da Veja…

    Beijinhos da Michelle – A Besta Desvariada

    sent from my iPad

  16. jésus da silva said

    Vaccarezza deixou de ser lider em 13 de março, graças as trapalhadas aprontadas.

  17. Michelle -A Besta Desvariada said

    A lição da memória
    18 de maio de 2012 | 3h 03
    Dora Kramer – O Estado de S.Paulo

    Foi bonita a festa da instalação da Comissão da Verdade e sobre isso, noves fora quem deve e teme, há consenso. Cerimônia sóbria e cheia de simbolismos, a começar pela presença de ex-presidentes da República que tiveram significados específicos e papéis diferentes na História do Brasil.

    Até quem fez mais feio ao seu tempo estava lá como que a representar a capacidade de um País de enfrentar processo inédito de impeachment presidencial sem abalar os alicerces da ainda verde democracia recém-conquistada.

    Não faltou o reconhecimento póstumo a Tancredo Neves e Itamar Franco, ficando de fora qualquer citação aos comandantes em chefe do período autoritário. Espera-se que os militares não vejam nisso uma provocação: o ato celebrava a democracia que não cuida de homenagens a ditadores.

    Sim, senhores, a palavra é essa. O regime era de exceção, de supressão de liberdades e garantias constitucionais, entre elas o da escolha pelo voto. Portanto, tiranos seus governantes.

    Dizer as coisas com clareza denota a existência de sentimentos revanchistas? Depende da interpretação referida no grau de ameaça percebido pelo espectador engajado no processo.

    Há reclamação por parte de militares que temem ser expostos à execração pública justamente no momento em que o sentimento predominante na nova geração das Forças Armadas é o de que o poder político pertence à sociedade civil.

    Há argumentação por parte das vítimas do Estado de que não faz sentido considerar o critério dos “dois lados” no trabalho da Comissão da Verdade.

    Ora, não tendo lei caráter persecutório, tratando-se apenas e tão somente do levantamento de informações, estamos diante de uma discussão vã por óbvia a necessidade de se resgatar a história completa. Sob todos os prismas.

    Não havendo punições, não há problema algum nas revelações. Pertençam elas a que “lado” pertencerem, desde que se dê aos brasileiros já nascidos na democracia a noção do valor da liberdade e do perigo contido no despertar de soluções autoritárias.

    Por qualquer motivo, referentes a qualquer setor.

    Conceito de ética. O governo do Rio de Janeiro já mostrou o quanto é hesitante no que tange a normas de condutas para seus integrantes. Primeiro o governador Sérgio Cabral Filho precisou ser flagrado em óbvio desvio – viagens de helicóptero e festas a expensas de empresários fornecedores ou dependentes de decisões de governo – para criar um conjunto de regras de comportamento, revisto em decorrência do enredo guardanapos na cabeça no carnaval parisiense recentemente exibido.

    O alcance da comissão de ética deixa de fora o governador e o vice. Até aí, soa meio esquisito – a inclusão teria um efeito simbólico exemplar -, mas segue o critério da comissão federal que também não tem poder sobre a Presidência da República.

    Inaceitável, mas não dizer burlesca, é a decisão de manter em sigilo as sindicâncias até a conclusão dos trabalhos no intuito de “preservar” os investigados.

    Para dizer o menos, é uma contradição em relação aos termos de um código de conduta pública. Para dizer o certo, é uma agressão ao artigo 37 de Constituição: “A administração pública, direta ou indireta, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados e dos Municípios, obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”.

    Espeto de pau. A quase totalidade dos Estados não usou um dia sequer dos seis meses de prazo entre a sanção e a entrada em vigor da Lei de Acesso à Informação para montar estruturas de atendimento ao público dentro dos novos parâmetros exigidos.

    Não é mero atraso nem acaso: é descaso mesmo. E fica parecendo falta de confiança na ineficácia prática da lei. Ou seja, os próprios agentes públicos apostam que ela não “pega”.

  18. Otto said

    Um dos melhores comentaristas e analistas políticos, na minha opinião, atualmente é o Miguel do Rosário.

    Eis uma amostra do que ele postou hoje:

    “Um caso parecido é o novo escândalo ministerial envolvendo Fernando Pimentel, titular da pasta de Desenvolvimento. Ele estava na Bulgária, na companha da presidente, e teve que sair às pressas para participar de uma importante conferência em Roma, para industriais italianos. A Itália é um dos países mais industrializados do mundo, ainda é uma potência econômica, apesar de seus problemas, e a palestra de Fernando Pimentel tinha como objetivo promover o Brasil junto aos empresários italianos, tentando lhes despertar o interesse de investir em nosso país. O código de ética do servidor permite que ele use o transporte cedido por eventos deste tipo. Pimentel pegou o avião cedido por João Dória Junior e foi à Roma prestigiar a conferência, onde sua presença constava da programação. Agiu certo. Pimentel não usou um avião de empresário para ir passar férias nas praias da Sicília. A mídia mais uma vez se comportou maliciosamente, e cada vez que faz isso desvia a atenção da sociedade para os problemas realmente sério que afligem o país, inclusive no campo da corrupção e do tráfico de influência. Acabamos de ver, por exemplo, que enquanto a imprensa se apegava a picuinhas como esta, tentando desestabilizar o governo, elegeu bandidos como Demóstenes Torres como um “mosqueteiro da ética”. O governador Arruda, do Distrito Federal, também era um ídolo da publicação.

    Enfim, mídia e oposição partidária conseguiram blindar Marconi Perillo, o único governador envolvido com o esquema Cachoeira, através das ameaças a Sérgio Cabral, um dos quadros mais importantes do PMDB. É a mídia, mais uma vez, manipulando a informação em benefício de bandidos. A jibóia agradece pela exposição gratuita. Mas qualquer dia desses, ela se cansa da câmera e engole o cinegrafista…”

    http://www.ocafezinho.com/2012/05/18/a-jiboia-e-a-cpi/

  19. Pax said

    Obrigado pela informação, caro Jésus da Silva.

    Cometi o engano por conta da inverdade que ele mantém em seu site, afirmando que é o líder do governo.

  20. Michelle -A Besta Desvariada said

    Pax
    Eu desafio você e quaisquer dos comentaristas petralhotários aqui do blog a apontarem algum político do PT que não seja igualzinho ao Vacarezza.
    Só muda a fotografia.
    Topas?
    Alguém topa?
    Vamos ouvir…o outro lado.
    Citem nomes e vamos discutir…

  21. Michelle - A Besta Desvairada said

    (continuando)
    Pax
    Vamos aguardar 48 horas e em 20/05/2012 às 21:22
    vamos ver quantos petistas diferentes do Vacarezza serão citados, aqui.

    Minha aposta pessoal ? NINGUÉM!
    Aposto uma viagem de jatinho paga pelo lider do Cansei -o Dória-
    para Fernando Pimentel, no valor de pelo menos US$ 30.000,
    que haverá silêncio dos “petralho-comentaristos”.

    O PT é um mito.
    Estou errada?
    O PT é lulo-dependente e sem quadros de respeito.
    Discordam?
    Pax concorda ou discorda?
    Diga o porquê.

  22. MABD said

    hehehe

  23. Chesterton said

    LOTECA GEAP

    Após encherem a Geap de diretores petistas inexperientes a R$ 42 mil ao mês e chefias e superintendentes faturando de R$ 15 a R$ 25 mil, os conselheiros desse fundo de seguridade do servidor federal querem todos dispensados. Os demitidos receberão um ano de vencimentos.

  24. Jose Mario HRP said

    Tem gente por aqui que quer ser grande quando nunca deixará de ser médio.
    Paladino utópico de meia” tigela” é pouco!

  25. Jose Mario HRP said

    Otto, ou mais um a ser chamado de petralha, assim é gostoso ser chamado de petralha pela maliciosa suburbana pecadora!

  26. Patriarca da Paciência said

    Sra. BESTA DESVAIRADA,

    vou repetir o meu comentário, exatamente como no post anterior:

    comunico a Vossa Bestialidade que a estou promovendo a BESTA DESVAIRADA, posto que Vossa Bestialidade “embestou” totalmente.

    Posto isto, de ora em diante, tratarei Vossa Bestialidade sempre como, BESTA DESVAIRADA.

    Como Vossa Bestialidade pode observar, às vezes, eu tropeço na digitação, mas creio que é Vossa Bestialidade que não enxergou dieito desta vez.

    E, ao ler o comentário nº 2, acrescento mais um nome ao ao vosso tão famoso, ficando a ssim vosso nome completo; BESTA DESVAIRADA SINISTRÓLOGA.

    Então o Brasil vai acabar?

    Nossa!

    Mas será que o Brasil já não acabou ontem?

    Quanto ao “Vagareza”, ele que responda por seus atos. É homem adulto e responsável por seu nariz. Como dizem os malandros, “deu uma de otário, levou pau”. Vamos ver como ele se sai do embrulho.

  27. Pax said

    Caro Otto,

    Li o texto do Miguel do Rosário e confesso que não gostei. Pelo desequilíbrio, pela relativização, segundo minha interpretação.

    Direto aos pontos:

    1 – como pode se justificar a carona de Pimentel para cumprir uma agenda de trabalho e “aliviar” as caronas de Cabral em helicópteros e jatinhos para curtir o sul da Bahia e os melhores restaurantes franceses? Supondo que aceitemos a carona de Pimentel, dada a explicação, quais seriam as justificativas dos passeios turísticos de Cabral nas pás e asas de Cavendish?

    2 – como pode apontar os fortes indícios de envolvimento do Marconi Perillo com o mafioso e “aliviar” a questão dos indícios de problemas nas licitações de transporte público no DF?

    3 – como pode apontar as relações suspeitíssimas do Demóstenes Torres com a máfia do Cachoeira, que tudo indica estar visceralmente ligada à contrutora de Cavendish, a Delta, e esquecer da “amizade colorida” deste empresário com Sérgio Cabral Filho, cujo governo brindou a Delta com vários aditivos de contratos de dezenas de milhões com fortes suspeitas de irregularidades?

    Permito-me a tentativa de não cair em tanta relativizaçao, segundo minha interpretação.

    Ontem no Jornal das 10, da Globonews, Gerson Camarotti levantou uma lebre que me deixou encafifado. Ao analisar a cagalhofança do Vaccarezza falou que o PT está dividido na CPMI. Uma ala, de deputados e liderada pelo cagalhofante, resolveu partir para o ataque aos inimigos políticos e proteção dos aliados. ( Burrice ou soberba? ) Estariam – aí meu cafifo – em sintonia com Zé Dirceu. A outra ala, mais moderada e composta pelos senadores do partido, estaria mais cautelosa. Vale conferir no site se interpretei bem a análise deste jornalista e analista político que não é dos piores. Aliás vale conferir, também, a afirmação do Alberto Dinis, do Observatório da Imprensa em entrevista no Roda Viva, atualmente com o bom Mario Sérgio Conti, que este jornal da Globonews, é um que ele admira. Concordo com o Dinis.

    Concluindo, caro Otto, não gostei da análise do Miguel do Rosário. Com toda a vênia que me permites.

    Se essa CPMI vai para o lado do blinda/abafa aliado e ataca inimigo, caminho bem possível de ser trilhado pela força bruta que a situação pode impor dada a maioria dos membros, esta eventual possibilidade – ou farsa – sairá um tremendo tiro no pé para o PT.

    E será o enterro político do jovem Odair Cunha.

    A escorregada de Vaccarezza não foi pequena. Foi, sim, uma tremenda diarréia líquida em frente a um potente ventilador.

    Melhor admitir logo uma indigesta pizza que um revoltante golpe político indicado pelo diarréico ato da soberba.

    De todas as hipóteses o PT terá que escolher a de menor prejuízo. O resultado negativo já está garantido. Que agradeçam ao Vaccarezza a grandiosidade da obra.

    Minha opinião.

    Enviado via iPhone

  28. Chesterton said

    O PT tem que mudar de métodos, o PT hoje é a marca da corrupção.

  29. Jose Mario HRP said

    Eu não vejo nada de estranho ou significativo em Vacareza se colocar ao lado de um dos mais fortes aliados do gov. federal e elemento chave no entendimento com o PMDB.
    Não ficaria escandalizado se num possivel gov. do PSDB/Dem a mesma coisa fosse feita.
    Isso é politica e não tenho qualquer devaneio sobre moralidade quando se fala em poder.
    CPIs são isso: quem pode mais chora menos.
    Não estamos num mundo mágico dos sonhos nem numa colonia dos livros do André Luiz, é pau puro mesmo e ponto final.

  30. Chesterton said

    Eu não vejo nada de estranho ou significativo em Vacareza se colocar ao lado de um dos mais fortes aliados do gov. federal e elemento chave no entendimento com o PMDB.

    chest- é uma máfia!! Uma quadrilha!!

  31. Jose Mario HRP said

    “Enfim, mídia e oposição partidária conseguiram blindar Marconi Perillo, o único governador envolvido com o esquema Cachoeira, através das ameaças a Sérgio Cabral. É a mídia, mais uma vez, manipulando a informação em benefício de bandidos. A jibóia agradece pela exposição gratuita. Mas qualquer dia desses, ela se cansa da câmera e engole o cinegrafista…”

    Esse trecho do post da Jibóia, lá no Cafézinho do Miguel do Rosário, é a mais bem posta definição do está acontecendo.
    Não foi Vacareza e sim a mídia, mas enfim, sigam os sonhadores com seus devaneios de santidade.

  32. Jose Mario HRP said

    Essa CPI é uma exigencia do Lula.
    Seu inimigo Cacheiro e a velha Veja eram o objetivo de Lula, mas toca no gov.
    Mesmo assim se a coisa não esbarrasse no Cabral seria destruir Cacheiro, Perillo e Demostenes.
    Enfim a oportunidade passou, que venha a próxima.
    Um off topic:
    o cartão eletronico retirado do trem do metro que provocou a batida em Saampa é fabricado pela Alstom!
    Lembram do velho e bem abafado(até agora) escandalo da Alstom, bancos suiços e componentes do PSDB!
    Cousa de bilhão!

  33. Chesterton said

    Engraçado o Pax, quando o tal policarpo é pego trabalhando honestamente, o PT (Pax é PT) o acusa de crime, mas quando o Vacarezza é pego no crime, Pax (o PT) o acusam de pecado……é o fascismo em ação.

  34. Jose Mario HRP said

    Aos “chamados petralhas”(com mucho gusto) um recuerdo de como se fez e faz duma onda uma inundação:
    http://www.viomundo.com.br/denuncias/a-arapuca-de-carlinhos-cachoeira-para-valdomiro-diniz-e-as-escolhas-do-jornalismo-investigativo.html

    A verdade sempre aparece , agora a do Valdomiro, quem sabe um dia a do Orlando Silva?

  35. Patriarca da Paciência said

    Otto, 18,

    “A mídia mais uma vez se comportou maliciosamente, e cada vez que faz isso desvia a atenção da sociedade para os problemas realmente sério que afligem o país, inclusive no campo da corrupção e do tráfico de influência. Acabamos de ver, por exemplo, que enquanto a imprensa se apegava a picuinhas como esta, tentando desestabilizar o governo, elegeu bandidos como Demóstenes Torres como um “mosqueteiro da ética”. O governador Arruda, do Distrito Federal, também era um ídolo da publicação.”

    Pax,

    já eu acho essa análise do Miguel do Rosário simplesmente perfeita.

    Não é isso que a revista Veja vem fazendo por décadas?

    E, pior ainda, pautada pelo Carlinhos Cachoeira!

    Defendendo, claramente, os negócios do “empresário”.

  36. Elias said

    “Se era para fazer esta lambança, por que motivo mesmo montar esta farsa de CPMI?” (Pax)

    Eu te preveni…

    A CPI não se insere no quadro de um processo político de moralização. (Quem dera que sesse isso… Mas não esse, né?).

    A CPI se insere no quadro da luta política entre oposição e situação. Ela é só um momento a mais da disputa política entre situação e oposição.

    Aliás, ambas têm toda a razão quando se atacam… E nenhuma quando se defendem.

    O jogo é passar a conta pro Cachoeira e o Demóstenes, claro, e, se possível com a ajuda de ambos, causar o máximo de prejuízo aos Civita.

    Gurgel e Policarpo são peões nesse jogo. Entram no contrapeso.

    Pelo que se depreende das declarações de quem conta, se o Gurgel não tivesse a língua maior que a boca, ele nem teria entrado no rolo. Acontece que ele fez declarações políticas e isso o colocou na alça de mira de um monte de gente que, agora, quer porque quer o couro dele… Se ele houvesse ficado calado, ou se tivesse sido mais sóbrio, limitando-se a rebater as declarações do delegado da PF, a coisa ficaria por ali. Como falou demais (acabou misturando os delegados da PF, o PT e os acusados do mensalão num balaio só…), vão cobrar isso dele. Ele quis jogar pra galera, mas isso tem um preço… É a velha história: macaco que muito pula, quer chumbo…!

    Minha curiosidade é saber se a FSP vai ou não entrar no pólo passivo. Há duas semanas, tudo fazia crer que ia. Agora, nem tanto… Será que houve algum arranjo?

    Mas o futebol começa, mesmo, com a oitiva do Cachoeira (que vai ser aberta, como todas as demais, daqui pra frente, segundo terceiros…). Vamos ver se ele vai falar e o quê…

    Até agora, pelas pesquisas que eu vi, o PT tá bem na foto, pra mais de 60% das pessoas. Parece que os constantes ataques da grande mídia estão produzindo um efeito contrário ao pretendido. Estão passando a idéia de que a grande imprensa é que está com medo e, na cabeça das pessoas, vigora a velha máxima: “quem não deve não teme…”.

    A exemplo do que ocorreu com as presidenciais de 2010, essa CPI será um bom momento pra se medir a capacidade da grande imprensa em formar opinião política no Brasil.

    Aparentemente essa capacidade diminuiu ainda mais.

    E olha que esse pessoal ainda conta com a colaboração do Vaccarezza, que se esmera em chutar contra o próprio gol…!

    E aí está outra questão que aguça minha curiosidade: onde é que isso vai dar? Por quanto tempo mais a grande imprensa brasileira vai suportar essa crise de credibilidade, sem que isso afete sua própria sobrevivência?

  37. Pax said

    Prezado Patriarca,

    Sinto discordar da relativização que me parece muito evidenciada.

    Quer dizer que como ameaçou chegar no Cabral e Agnelo então é melhor tirar o time de campo? Não posso ler dessa forma?

    Ou de outra, ainda pior, quer dizer que se a mídia é oposicionista então tudo pode porque o que tem que ser feito é a política corrupta de todo sempre e, quando os problemas chegam no quintal, o lance é desacreditar a imprensa?

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton, quem dera eu fosse o PT. Faria uma boa limpada na casa.

    Caro Elias,

    Cadê aquela vontade toda de descortinar os podres sejam eles de que lado for?

    Já tem gente com o pensamento brilhante de “quem pode mais chora menos”. Pensamento brilhante mesmo. Brilhante Ulstra. Até que um dia a casa cai.

    Quando um post tem reação contrária de todos os lados sinto um cheiro que acertei no tom.

    Coitado do Odair Cunha. Foi-se.

    Garoto de recados vai ser seu eterno papel. A não ser que ele peite o status quo. E se peitar, pelo que estou vendo da defesa do cagalhofante Vaccarezza, vai ter que “ser saído” do partido.

    Mas pelo que vi na quinta, sua atuação na reunião administrativa da CPMI, ele parece ter se confortado com o papel e destino que lhe deram.

    Triste.

    Enviado via iPhone

  38. Zbigniew said

    A analise do Elias e crua, mas e verdadeira. A CPMI e teatro de embate político, o que nao quer dizer que nao possa ter como resultado, ainda que reflexo, alguma moralização. Mas o núcleo e o do embate de forcas politicas e econômicas antagônicas, com realce para, numa primeira e inédita vez, a participação de grandes conglomerados de midia, agora sob holofotes a revelar o “modus operandi” do que se passou a denominar “jornalismo investigativo”. Esse tipo de jornalismo, também conhecido como “fiteiro” em apropriada critica do jornalista Alberto Dines que já antevia abusos por parte de alguns grupos, notadamente a Veja e os Civita, teve seu ápice e também elemento desmoralizador com o episódio do grampo sem audio no STF, patrocinado pelos boquirrotos Gilmar Mendes (então presidente daquela Corte) e o nao menos conhecido Demostenes Torres. Na realidade uma tentativa esdrúxula de provocar uma crise institucional, momento em que o então Presidente do STF, de forma arrogante e desrespeitosa, decidiu “chamar o Lula as falas”.
    O mesmo juiz que, de forma mais que imediata, concedeu dois habeas corpus ao banqueiro Daniel Dantas, tendo sido – ai sim – chamado as falas pelo ministro Joaquim Barbosa em plena sessão do STF, transmitida ao vivo e em cores para todo o pais.
    Pois bem. Essa midia, caro Elias, parou no tempo. Trata seus leitores como seguidores de seita (e alguns se comportam como tais) e confia na capacidade de emparedar e enquadrar parlamentares, segurando os mesmos pelo rabo preso com a corrupção, mantendo assim um sistema de influencia nos poderes da republica, em especial no Parlamento.
    Outrossim fica dificil uma editora como a Abril se constranger de seus métodos quando sabe que seu faturamento esta garantido enquanto tiver amigos no poder.
    Nao e a toa que a atuação da Delta em SP sequer esta sendo citada pela velha midia.
    O jogo e arriscado porque em tempos de internet e com tantos paradigmas sendo quebrados, nao e mais tão improvável que esse jogo vire pra cima da velha midia. E com a credibilidade lá em baixo, vai ser dificil convencer a sociedade que o PT ta combatendo a liberdade de imprensa. Ai, meu amigo, ferrou!

  39. Pax said

    Só uma pequena lembrança a todos:

    – não foi a mídia quem teclou a infeliz mensagem do Vaccarezza naquele maldito celular!

    A mídia é ruim? É golpista? É uma concentração de poder poucas mãos?

    Tudo pode ser, mas, mesmo assim, não foi ela quem apertou as teclas da mensagem que o soberbo deputado enviou para o governador que adora andar nas asas de empreiteiros que recebem aditivos generosíssimos em seus contratos.

    Senhores, por favor, mais fácil é condenar o enorme vacilo, indefensável vacilo, do Vaccarezza que perder qualquer credibilidade para atacar quem quer que seja, de Demóstenes a Carlinhos Cachoeira. Todos passarão a ser defensáveis a partir deste ponto.

    Se um outro pode ter “negócios ” com o Cachoeira e passear de helicóptero, jatinho e restaurante de luxo com vinho francês porque mesmo Demóstenes e Perillo também não poderiam?

    Se um lado pode ser defendido por um deputado vacilão de um lado, porque o outro lado também não pode?

    O vinho Cheval Blanc do Demóstenes não pode, mas o xpto do Cabral pode?

    Qual a lógica?

    Enviado via iPhone

  40. Elias said

    Pax,

    Claro que não foi a mídia que teclou a mensagem cretina do pústula do Vaccarezza.

    A mídia, que, neste caso, atende pela alcunha de Veja, apenas se acertou com o Demóstenes, outro pústula. E com o Cachoeira, um marginal. A mídia passou apenas 10 anos associada a esse delinquente. A mídia, que, neste caso, atende pela alcunha de Veja, apenas pegou a arapongagem feita pelo marginal e vendeu aos seus 8 milhões de leitores como se fosse “jornalismo investigativo”.

    Mas… Teclar mensagem cretina no celular do pereba purulenta Vaccareza? Não! Isso a mídia não fez! Não e não! Jamais!

    E daí?

  41. Elias said

    E, Pax.

    Insisto, embora tu não concordes: não são os partidos políticos brasileiros que têm que moralizar o Estado e a sociedade. É a sociedade brasileira que tem que moralizar os partidos políticos e o Estado.

    Só que a sociedade brasileira não está com isso em sua agenda. A parcela da sociedade brasileira que, mais ou menos, se interessa por política, em grande medida atua como parte da torcida pra tal ou qual lado.

    Faz uma tabulação dos comentários do teu blog. Ele é o espelho da parcela mais politizada e atuante da sociedade brasileira…

    O problema é que, por vezes, tu apostas muito alto em uma coisa. Atribuis a essa coisa um status que ela absolutamente não faz jus. Aí, quando tudo começa a ficar mais claro, ficas achando que te decepcionaram, quando tudo o que aconteceu foi um julgamento equivocado teu. As coisas são o que são, e o que sempre foram. Apenas tu não percebeste inicialmente. Aí fizeste uma avaliação equivocada. Só isso.

    A sociedade brasileira está conduzindo um processo de moralização das estruturas do país? Não.

    Neste caso, uma CPI inevitavelmente só consegue ser um campo de batalha, entre as forças políticas envolvidas na luta pelo poder.

    Num contexto como esse, não dá pra querer ser cretino e meter a cabeça embaixo da torneira, como faz o Vaccarezza.

    Mas também não dá pra ficar tirando onda de virgem no puteiro…

    A luta política está posta, existe e existirá, independentemente dos propósitos (ou da ausência deles) da sociedade brasileira. E não dá pra estar numa dessas e ficar dando o brioco pra passarinho beliscar…

    Como diria o filósofo paulistano: quem sai na chuva é pra se queimar…

    A luta política está na mesa. Os adversários cometeram alguns erros. Escorregaram na tua frente. Deixaram a bunda bem na frente dos teus pés…

    O que tu tens que fazer? Chutar, Pax! Tens que chutar e pronto!

    Quem deixou o rabo na reta vai fazer de tudo pra tirar ele de lá, antes do chute. Quem tem a obrigação de chutar, vai fazer de tudo pra meter o pé na bunda do péssimo antes que ele consiga tirá-la de lá.

    Simples…

  42. Chesterton said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton, quem dera eu fosse o PT. Faria uma boa limpada na casa.

    chest- você é peão (rs)

  43. Chesterton said

    Tudo pode ser, mas, mesmo assim, não foi ela quem apertou as teclas da mensagem que o soberbo deputado enviou para o governador que adora andar nas asas de empreiteiros que recebem aditivos generosíssimos em seus contratos.

    chest- Pax mantendo um fio de sanidade intelectual nesse blog….

  44. Pax said

    Caro Elias,

    Este blog completará 4 anos em agosto. De lá para cá, tenho certeza, o povo, bravo povo brasileiro só fez acrescentar sua repulsa ao modelo corrupto de nossa política.

    Uma hora a casa cai.

    Tempos atrás o povo, bravo povo brasileiro, encheu o saco de viver na ditadura. Aquela casa caiu, sim.

    O futuro é logo ali. Os países nórdicos passaram por processo semelhante. Tinham política corrupta até passado os meados do século passado e mudaram.

    Não só encheram o saco da corrupção e da vida nababesca dos políticos como, neste processo, decidiram investir na educação.

    A fila anda, sim.

    Tente hoje eleger um Sarney ou um Collor para presidente e veja o retumbante fracasso que será.

    Você sabe que aprendi muito neste pequeno espaço. Deveria saber que não sou tão iludido.

    Desde o início alertei que esta CPMI poderia ser uma faca de dois gumes. Ou seria levada a sério ou o prejuízo maior seria do PT e do jovem Odair.

    Demóstenes, Cachoeira e mais meia dúzia já estão pré-julgados e condenados. Demóstenes vai tomar as últimas garrafas de Cheval Blanc e sumir do mapa político. Quem sabe tenhamos alguma sorte e a nossa Justiça mantenha o mafioso do Cachoeira afastado por uns tempos, atrás das grades. Nem isso acredito.

    Mas acho que o Vaccarezza fez o favor de adiantar o serviço e entregar a farsa antes da metade do primeiro tempo de jogo.

    Mais eleição, menos eleição essa fadiga de material cobrará o preço. Até mesmo dentro do próprio PT.

    Agora, sinto informar, o mote de uma mídia golpista fica pinto diante de tamanha cagalhofança.

    Quem você acha que estará na boca do povo, bravo povo brasileiro, neste episódio? Policarpo ou Vaccarezza e seu “testículo” soberbo gravado no celular e exibido por aí afora?

    Que moral terá um Vaccarezza et caterva para tentar convocar um Policarpo?

    Perdeu-se a chance de esclarecer qq coisa nesta farsa toda desta CPMI. E vou me atrever a achar que fui eu quem antevi este triste fim, muito mais que aceitar tua crítica, que sempre é bem-vinda, mas posso nem sempre concordar.

    Enviado via iPhone

  45. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax, 37,

    “Quer dizer que como ameaçou chegar no Cabral e Agnelo então é melhor tirar o time de campo? Não posso ler dessa forma?

    Ou de outra, ainda pior, quer dizer que se a mídia é oposicionista então tudo pode porque o que tem que ser feito é a política corrupta de todo sempre e, quando os problemas chegam no quintal, o lance é desacreditar a imprensa? ”

    eu entendi o artigo do Miguel do Rosário exatamente ao contrário.

    Veja só como o artigo termina:

    “Enfim, mídia e oposição partidária conseguiram blindar Marconi Perillo, o único governador envolvido com o esquema Cachoeira, através das ameaças a Sérgio Cabral. É a mídia, mais uma vez, manipulando a informação em benefício de bandidos. A jibóia agradece pela exposição gratuita. Mas qualquer dia desses, ela se cansa da câmera e engole o cinegrafista…”

    Ou seja, o que o Miguel do Rosário está condenando são os métodos, exatamente como você mesmo já vem falando faz muito tempo, ou seja, “meu corrupto não é pior que o teu”. ou então, “meu corrupto é melhor que o teu”.

    A “grande imprensa” não defende o Perillo apresentando argumentos em sua defesa. O que faz? Ataca o Cabral e o Agnelo.

    Até hoje não apresentaram nenhum argumento consistente a favor do Perillo, simplesmente atacam o Agnelo, o Cabral e a Delta.

    Eu, por mim, quero mais é que o Cabral e o Agnelo sejam investigados.

    Agora, a “santa inquisição” (leia-se grande imprensa) declará-los “hereges” e ficar a difamá-los todos os dias, aí já é outra história.

  46. Pax said

    Caro Patriarca,

    Se a mídia quer proteger/blindar/abafar os problemas de Perillo, este é um problema da qualidade da mídia.

    Agora, se fazem esta blindagem atacando Agnelo e Cabral é porque estes estão com a bunda de fora, ora bolas.

    Não precisamos nos esforçar muito para desenhar uma linha que se abre clara e forte:

    Cachoeira/Demóstenes, Delta/Cavendish, Perillo, Agnelo, Cabral, etc.

    Esqueça a mídia ruim, ou golpista nesta tese que não comungo.

    Se a tal mídia produziu injúrias, calúnias e difamações que a lei seja aplicada. Agora, se produziu informações em cima de fatos, que os suspeitos rebolem para se explicar.

    Você não andou de helicóptero do Cavendish para curtir o Sul da Bahia e nem deve estar tomando Cheval Blanc de R$ 47 k neste momento. Então deixe a mídia falar o que quiser. Vais te preocupar com o quê mesmo?

    Inclui-se aqui o direito dela, mídia, morrer como peixe, pela boca.

    Não leio a Veja. Reforço esta minha decisão ainda mais com estes episódios.

    Mas gostaria, se o Vaccarezza me permitisse, de olhar com lupa os contratos da Delta nestes estados.

    Acontece que Vaccarezza não quer. Então a vaca já foi pro brejo toda cagada.

    Enviado via iPhone

  47. Michelle - A Besta Desvairada said

    Pax
    matou a pau!

  48. Michelle - A Besta Desvairada said

    Pax
    A Veja, que vc não lê, iniciou um movimento: Fala, Cavendish!
    Alguem aqui teria alguma coisa contra investigar com lupa
    os contratos da Delta?
    Petistas (Paulo Teixeira) falam que não se deve fazer uma devassa.
    Portanto…por que não passar a limpo esta história?
    Apurar a verdade.
    Por que não?

  49. Chesterton said

    E vou me atrever a achar que fui eu quem antevi este triste fim,

    chest- conversa fiada, você custa a entender as coisas .

  50. Otto said

    Texto de Washington Araujo, do Carta Maior:

    “A Comissão Parlamentar de Inquérito recém instalada tem em sua essência algo que destoa por completo das muitas que lhe antecederam. É o ineditismo de, pela primeira vez neste país, a imprensa vir a se tornar alvo de investigação. E, então, temos um rosário de coisas inéditas. Primeiro, não é a imprensa que está na bica para ser investigada. É, tão somente, o jornalista Policarpo Junior, da sucursal da revista Veja, em Brasília. Mas, para a imprensa, é seu teste ético de força: devemos todos nos posicionar em defesa de Veja ou deixá-la aos humores, talentos e habilidades dos parlamentares que atuam na CPI?

    É, certamente, o caso mais escancarado de corporativismo jamais visto no país – isto para resgatar a frase tantas vezes usada de maneira jocosa pelos luminares que pontificam na mídia. O que deveria se circunscrever a uma única revista semanal, terminou por transbordar e se transformar em bandeira de luta bem ao estilo “mexeu em um, mexeu em todos”. E, no entanto, não faz muito o corporativismo era o inimigo número 1 da imprensa, não importando se surgisse na defesa de desembargadores graduados de tribunais superiores, nas direções gerais da banca financeira ou nas presidências das empreiteiras, menos ainda se surgisse nas hostes da segurança pública. Agora, vemos que o corporativismo mau é aquele praticado pelos outros, o nosso pode até parecer, mas nem mesmo chega a ser corporativismo. Atende por outro nome: defesa da liberdade de imprensa.”

  51. Zbigniew said

    Nao vejo problema algum em criticar a midia.
    A questão do Vaccarezza e dele, a do PJ e da Veja e outra. Ambas tratam e se esmeram em corrupção, mas nao há como fazer juízo e dizer que a CPMI acabou por causa do petista.
    Fosse assim a CPMI nao deveria nem ter sido instaurada, só por alguns nomes que ali se apresentam.
    E temeroso cairmos nessas simplificações apenas para defendermos nossos pontos de vista.
    Aguardemos os próximos episódios. A sociedade esta de olho e eles sabem disso.

  52. Patriarca da Paciência said

    É isso aí, caro Pax,

    estou de pleno acordo com você e também com o Zbigniew e o Otto.

    Todos devem ser investigados, o Agnelo, o Cabral, o Perillo, o Policarpo, o Gurgel, a revista Veja, a Delta etc.etc.etc.

    O que não pode é o total corporativismo da “grande mídia”, ou seja, “os nossos” não podem ser investigados, já “os de vocês” são hereges e merecem ser queimados na fogueira, como diz a “santa inquisição” (leia-se “grande imprensa”).

    Nenhum cidadão ou entidade está acima da lei.

    Mas para a “grande imprensa”, os nossos são imunes, ou seja, o Policarpo é jornalista, a revista Veja é um meio de comunicação, o Gurgel é procurador etc.etc.etc.

    É esse o tipo de blindagem que a grande mídia pratica

    Eu quero mais é que o “Vagareza”, o qual fez a esparrela dele, que assuma as consequências.

    Daí a dizer que a CPMI acabou por causa disso, vai uma longa distância!

    Também não acredito que o Odair tenha sido queimado. É uma prova de fogo mas ele terá demonstrado seu valor ao encontrar a solução do problema.

    É isso que espero dele.

    o que combatemos na mídia é a parcialidade.

    Se a “grande imprensa” quer ser partido da oposição, que assuma de uma vez que é partido da oposição, como o fez o Estadão e como o faz vários jornais norte-americanos e europeus.

  53. Jose Mario HRP said

    Até um jornalista de renome e da imprensa PIG percebeu a coisa, mas é sempre o mensalão , né?
    Até parece que ninguém fez isso antes!
    “Elio Gaspari – O procurador-geral fabricou uma crise
    13/05/2012
    Elio Gaspari

    O procurador-geral fabricou uma crise

    Numa época em que surgiu o ofício de “gerenciador de crise”, o procurador-geral Roberto Gurgel se tornou um fabricante de encrenca. O doutor sobrestou a operação Vegas da Polícia Federal, que expunha relações do senador Demóstenes Torres com Carlinhos Cachoeira durante três anos. Em março, quando outra investigação detonou a quadrilha, Gurgel representou ao STF contra o senador. Conhecem-se duas explicações de sua conduta. Uma, apresentada numa nota oficial, informa que ele “optou por sobrestar o caso, como estratégia para evitar que fossem reveladas outras investigações”. Noutra, contada pelo delegado que chefiou a Vegas, a subprocuradora-geral Claudia Sampaio (casada com Gurgel), disse-lhe que não foram encontrados elementos suficientes para a abertura de um processo. Diante das cobranças para que se explique melhor, Gurgel tumultuou o debate: tudo seria coisa de “pessoas que estão morrendo de medo do julgamento do mensalão”. Há gente com medo do desfecho do mensalão, é até possível que essas pessoas queiram azucriná-lo, mas a questão continua do mesmo tamanho: ele segurou a Operação Vegas. Pode tê-lo feito pelos melhores motivos, mas suas explicações ainda não satisfazem quem queira entendê-los. Em sua representação de 2012, Gurgel valeu-se de 22 gravações que estavam no inquérito que recebeu em 2009. O doutor não quer ir à CPI e tanto o ministro Joaquim Barbosa como seu contemporâneo Gilmar Mendes, do STF, dão-lhe razão.”

  54. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Talvez eu custe a entender porque gosto de ouvir todos os lados antes de tomar minha opinião sobre as coisas.

    Caro Otto,

    Concordo que há um enorme corporativismo na imprensa. Exatamente por isso gosto de ler o Observartório da Imprensa. O Dinis conseguiu, me parece, montar um modelo de criticar seu próprio ofício que funciona bem. Não é infalível, mas acho muito bom. E cá do meu conforto gostaria, sim, de saber o que rolou entre Policarpo e a máfia. Se estivesse nos sapatos deste jornalista – e não tivesse culpas – procuraria me defender. Poderia até preservar suas fontes.

    Caro Zbigniew,

    Também aguardo os próximos passos desta CPMI. E, ao mesmo tempo, a decisão do PT de manter ou afastar o Vaccarezza de lá.

    Caro Patriarca,

    Estou contigo: ninguém está acima da lei e que todos sejam investigados. A questão é se esta CPMI terá condições para fazer isto. Volto a lembrar que o governo tem maioria por lá, ou seja, toda e qualquer tentativa de tornar a CPMI em farsa/fraude/pizza acabará cobrando um preço.

    Caro José Mário HRP,

    Bom o texto do Gaspari. Obrigado por compartilhar. Aquela fala do Gurgel foi mesmo um desastre. Enviado via iPhone

  55. Chesterton said

    Pax, a verdade independe de opiniões, mas de análise dos fatos.

  56. Michelle - A Besta Desvairada said

    Torpedo pode ampliar CPI – JOÃO BOSCO RABELLO

    http://avaranda.blogspot.com/2012/05/torpedo-pode-ampliar-cpi-joao-bosco.html

    Vingadores

    Vera Magalhães, Folha de S. Paulo

    Em reunião na quinta-feira, a cúpula do PMDB desistiu de avalizar a estratégia do PT contra a imprensa e o Ministério Público na CPI do Cachoeira. Por isso Cândido Vaccarezza disse que a relação entre as siglas tinha ”azedado”.

    Na conversa, da qual participou o vice-presidente, Michel Temer, o PMDB concluiu que comprar briga pelo PT era um erro. “Por que vamos entrar nisso se não queremos nos vingar de ninguém?”, resumiu um dos participantes.

    Corredor da Morte

    Ilimar Franco, O Globo

    Pela praxe, o julgamento obedece a ordem de denúncia. Se isso ocorrer, a primeira defesa é de José Dirceu. Depois vem Genoíno, Delúbio e Marcos Valério.

    O 15º é o deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e o 29º é o presidente do PTB, Roberto Jefferson.

  57. Michelle - A Besta Desvairada said

    Para reflexão:

    Kafka e nossa irrealidade digital

    Ele intuiu de forma genial o mundo da irrealidade carcerária em que passaríamos a habitar.

    http://www.amalgama.blog.br/05/2012/kafka-e-nossa-irrealidade-digital/

  58. Michelle - A Besta Desvairada said

    Polícia X Polícia: cenas de sevícias morais numa delegacia paulista

    Este vídeo reflete a realidade da democracia e do Estado de Direito
    do Brasil. Infelizmente.
    A truculência não tem partido.
    Este delegado finalmente está sendo expulso da Polícia Civil.
    quer ler mais: http://www.pannunzio.com.br/archives/11509
    Eu gostaria que fosse preso também.
    Vejam e analisem… sem paixão partidária.
    Os fins justificam os meios?
    Isto é na verdade o Brasil. Nós.
    É preocupante!

  59. Elias said

    Pax,

    O que eu disse, desde o início, é que a CPI seria, apenas, um campo de batalha para o embate oposição X situação.

    Quem vem insistindo na tese de que a CPI está esvaziada, vai murchar, etc., é a oposição, porque sabe que, lá dentro, ela não tem como ganhar. Sabe que vai perder. Neste momento, a oposição faz o que pode e tenta o que não pode pra fazer com que o Cachoeira vá calado pro matadouro. Ela espera, assim, blindar a Veja e os Civita.

    Enquanto isso, tenta jogar pra galera, criticando as blindagens que a situação também está fazendo.

    Os sinais de esvaziamento de que a oposição tanto fala, refletem mais um desejo que uma constatação.

    No embate com a oposição, creio que a situação vai ganhar fácil. A oposição vai perder. No final do jogo, estará menor, mais fraca e mais desmoralizada.

    Mesmo que o Cachoeira não entregue o que sabe, ainda assim a Veja também vai sair desse episódio enfraquecida.

    Ela decepcionou seus leitores eticamente mais exigentes, e isso não tem retorno. Ao mesmo tempo, pra se defender, ela terá que abandonar Cachoeira e Demóstenes à própria sorte, e isso vai prejudicar suas associações futuras. Muita gente não vai querer se juntar a quem, na hora do vamos ver, tira o rabo da reta e deixa seus associados na roda de fogo…

    A esta altura da vida, os Civita sabem que se meteram numa confusão de bom tamanho, e que não têm remédio pra muita coisa ruim que eles têm pela frente, independentemente da blindagem na CPI funcionar ou não. Não esquecer que os objetivos da CPI são políticos… Independem de processos judiciais, condenações, etc.

    Sabe aquela história de que editar um jornal ou uma revista é o mesmo que carregar um saco de cascavéis às costas, sem poder matar nenhuma?

    Pois é… Pros Civita, uma das cascavéis tem nome: Policarpo Jr! Vão ter que ficar com ele às costas, porque, se ele for descartado, vai botar a boca no trombone. Vai dar entrevistas e escrever livro dizendo o que sabe, e aí… Barata vôa, certo?

    Situação pra lá de incômoda…

    Demóstenes e mais uns deputados federais do baixo clero vão levar farelo. A Delta provavelmente vai sumir do mapa. Se seguir a praxe da construção civil, ela vai ressurgir com outro nome e com outros sócios no contrato (quando o Marcelo Augusto fala na falta da “liberdade de empreender”, ele não faz idéia da besteira que comete…).

    Isso tudo — ou mais que isso — acontecendo, o Brasil ficará melhor? Não.

    Alguns marginais vão se ferrar, mas, e daí? Tem marginal se ferrando todos os dias, neste país.

    Eleger Sarney presidente? Numa eleição direta Sarney nunca teve chance… Nem numa indireta, por falar nisso! Aliás, nem Tancredo teria chance numa eleição indireta. Quem acompanhou o desenrolar do movimento “Diretas Já” sabe que Tancredo jamais morreu de amores pela “emenda Dante”. Ao impedir a aprovação dessa EC, o que restava do regime militar fez exatamente o que Tancredo queria…

    Collor?

    Pax, estás apostando alto demais. É certo que Collor queimou o filme, mas, no quê tu te baseias pra dizer que, num futuro não muito distante, o “bravo povo brasileiro” não elegerá outro aventureiro?

  60. Elias said

    “Aliás, nem Tancredo teria chance numa eleição DIRETA.”

  61. Otto said

    Elias:

    “Pax, estás apostando alto demais. É certo que Collor queimou o filme, mas, no quê tu te baseias pra dizer que, num futuro não muito distante, o “bravo povo brasileiro” não elegerá outro aventureiro?”

    Não seria um Aécio?

    Ah, alguém que lê a Veja poderia me dizer se Policarpo Jr. continua assinando matérias?

    E se o Poli é assim tão probo por que ela não vai na CPMI e se defende?
    Aliás, ele já compareceu a uma CPI — inclusive pra defender Cachoeira.

  62. Pax said

    Caro Elias,

    Não tenho dúvidas que a oposição tende a tomar uma surra. Já começou apanhando feio com o desmascaramento de Demóstenes Cheval Blanc.

    Mas esta cagalhofança do Vaccarezza fez o favor de dar uma boa equilibrada no jogo, na minha opinião. A imbecilidade que o soberbo cometeu não foi pequena. Me lembra da música de Ataulfo Alves, Na Cadência do Samba, onde um trecho diz:

    “mas o meu nome ninguém vai botar na lama morre o homem fica a fama”

    Pois bem, típico episódio que pode matar o político – que nunca foi grande coisa – mas deixa a fama para quem mesmo? No mínimo espirra um jato diarréico no partido, sim.

    Caro Otto,

    Disse e repito, estivesse nos sapatos de Policarpo eu iria a público, sim. E sem precisar descortinar fonte alguma.

    Porque mesmo deixar suspeições no ar se não há o que esconder?

    Enviado via iPhone

  63. Michelle - A Besta Desvairada said

    Otto
    Para vossa informação antes de repetir abobrinhas….
    Tenha a coragem de ler as notas taquigráficas oficiais sobre perguntas e respostas do Policarpo na Comissão de Ética da Câmara.
    Ele nunca foi testemunha do Cachoeira. É mentira.
    E nunca depôs em nenhuma CPI.
    Eis a prova oficial:
    Depoimento de Policarpo Júnior no Conselho de Ética da Câmara
    no dia 22 de fevereiro de 2005

    Leia integralmente e depois julgue.
    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/documentos/depoimento-de-policarpo-junior-no-conselho-de-etica-da-camara-no-dia-22-de-fevereiro-de-2005/

    chega de besteirol requentado… É mentira.

  64. Otto said

    Ah, Michele, então o Policarpo podia ir muito bem a CPMI expor qual era o nível de seu relacionamento com o Cachoeira — ou ainda publicar uma carta aberta na Veja, em vez de ficar se comunicando através de seu dublê blogueiro.
    Ah, você que pelo jeito é uma leitora fervorosa da Veja, poderia me dizer se o dito cujo continua assinando matérias na revista ou se encontra de molho?

  65. Michelle - A Besta Desvairada said

    Otto/Pax
    Se leram as notas taquigráficas do Depoimento de Policarpo Júnior no Conselho de Ética da Câmara no dia 22 de fevereiro de 2005…
    o próximo passo é imaginar como e por que ? anos depois Policarpo poderia estar enrolado com o Cachoeira.
    Comparem hoje:
    Vacarezza:
    ““A relação com o PMDB vai azedar na CPI. Mas não se preocupe, você é nosso e nós somos teu”.
    Cachoeira:
    “Policarpo é foda! Nunca será nosso “.
    Alguem mentiu ai em cima?
    Tirem suas conclusões individuais.
    Garanto que não dói.

  66. Michelle - A Besta Desvairada said

    Otto

    Essa é a sua democracia. O cara ter que ir explicar por que não é culpado de nada.
    “Ah, Michele, então o Policarpo podia ir muito bem a CPMI expor qual era o nível de seu relacionamento com o Cachoeira — ou ainda publicar uma carta aberta na Veja, em vez de ficar se comunicando através de seu dublê blogueiro.”

    A minha é outra.
    Mais simples.
    Estado de Direito. Constituição.
    E complexo.
    Nunca é tarde pra aprender…
    o significado dos Direitos Individuais.
    Clausula pétrea.

  67. Michelle - A Besta Desvairada said

    Desculpe insistir caro Otto/Pax, mas no fundo você está dizendo que a Constituição não deve ser respeitada. Uma Lei que não pegou?
    Pense a respeito e imagine se você fosse acusado de algo que não cometeu..qual seria sua reação?
    Iria à Delegacia de Polícia e se declararia “não culpado”por algo que você não cometeu.
    não te parece insano? Em demasia?
    Parece coisa de crianças!

  68. Michelle - A Besta Desvairada said

    Este vídeo reflete a realidade da democracia e do Estado de Direito no Brasil.
    A truculência não tem partido.

    Polícia X Polícia: cenas de sevícias morais numa delegacia paulista
    Este delegado, finalmente está sendo expulso da Polícia Civil.
    Eu gostaria que fosse preso prá sempre também.
    Vejam e analisem… sem paixão partidária.
    Os fins justificam os meios?
    Isto é na verdade o Brasil. Somos nós.
    Infelizmente.

  69. Otto said

    Cara Michele:

    os indícios de relações promíscuas entre Policarpo e Cachoeira saltam aos olhos,
    A verdade só saberemos quando vierem à tona todas as gravações.
    No entanto, as reações da Veja e grande mídia revelam um pavor muito suspeito.

    No mais, prestar declarações numa CPI não é só para suspeitos, mas também para testemunhas.

  70. Otto said

    Michele:

    Leia com calma, depois de um calmante:

    “Gravações mostram que Policarpo sabia da relação entre um senador da República e o bicheiro. O delegado da Polícia Federal Matheus Mela Rodrigues, responsável pela Operação Monte Carlo, disse à CPMI do Cachoeira, quinta-feira retrasada (10), que o jornalista sabia que Demóstenes Torres e o bicheiro tinham profunda relação.

    Gravações publicadas pelo site Carta Maior mostram Cachoeira conversando com o ex-diretor da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu, e deixam claro que Policarpo sabia da ligação do contraventor com a empreiteira. Mas, segundo Cachoeira, Policarpo não iria divulgar nada. Está gravado.

    Em um dos trechos, Cachoeira diz que Policarpo não “colocaria em roubada” os criminosos apesar de que ele “sabia de tudo”, ou seja, da relação de Cláudio Abreu, da Delta, com o bicheiro. Leia, abaixo, a transcrição do grampo da Polícia Federal.

    — O Policarpo é o seguinte: ele não alivia nada, mas também não te põe em roubada, entendeu? Eu falei, eu sei, ó: “Inclusive vou te apresentar depois, Policarpo, o Cláudio, eu sou amigo”, eu falei que era amigo do cê de infância. E ele: “Então, ele trabalha na sua empresa”, falou assim, “vai me contar que você tem ligação com ele”. Ele [Policarpo] sabia de tudo. “Eu não vou esconder nada de você não, Policarpo, o Cláudio é meu irmão, rapaz”.

    Policarpo “Sabia de tudo”, diz Cachoeira. Tudo o quê? Quem disse “tudo” foi o bandido. “Tudo” inclui atividades criminosas? Essa explicação não tem que ser dada? Como alguém pode exigir que não se peçam explicações sobre Policarpo e Veja saberem ou não de um esquema do tamanho que todos estão vendo?

    É muito simples: se Policarpo sabia que seus informantes estavam corrompendo, roubando e fraudando desbragadamente, há que perguntar se Veja também sabia e por que não denunciou. Foi só para obter denúncias contra o PT? Ora, se assim for, Veja cometeu um crime associando-se ao bandido. Contribuiu para que continuasse delinqüindo.

    Acobertar um esquema criminoso desse porte não se justifica pelo sigilo da fonte. Esse sigilo até pode ser usado quando o jornalista divulga informação que recebeu de um bandido, mas isso não o exime de denunciá-lo. O jornalista não tem que contar quem lhe deu aquela informação sobre outro esquema criminoso, mas isso não o impede de denunciar crimes de seu informante que nada têm que ver com a informação que ele lhe deu.

    Se ficar provado que Policarpo sabia que sua “fonte” estava cometendo tantos crimes e nada disse a fim de manter a fonte informando-o, não resta dúvida alguma de que cometeu um crime, de que foi cúmplice do criminoso. E se Veja também sabia, idem. Não existe nenhum advogado, nenhum juiz, nenhum especialista em código penal que negará isso.

    É uma enormidade o que a grande imprensa, em um surto de corporativismo, está propondo. A proposta é a de que jornalistas possam acobertar esquemas criminosos do porte do de Carlinhos Cachoeira a fim de obterem informações sobre outros supostos esquemas criminosos. E de que essa proteção possa se estender por anos.”

    http://www.blogcidadania.com.br/2012/05/entenda-por-que-a-midia-nao-quer-que-policarpo-se-explique/

  71. Michelle - A Besta Desvairada said

    CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: ADULTOS
    Para refletir:

    Kafka e nossa irrealidade digital
    Ele intuiu de forma genial o mundo da irrealidade carcerária em que passaríamos a habitar.
    http://www.amalgama.blog.br/05/2012/kafka-e-nossa-irrealidade-digital/

  72. Jose Mario HRP said

    No Cafézinho essa pérola:
    http://www.ocafezinho.com/2012/05/20/roberto-civita-segundo-mino-carta/

  73. Otto said

    Pô, Pax:

    tem coisas que eu posto aqui que desaparecem!

  74. Jose Mario HRP said

    Novas gravações entre Cacheiro e o Policarpo desnudam a vontade de Ve ja de por Zé Dirceu aonde ele nunca esteve!
    Sensacional aonde chegam os caras para montar uma farsa!
    http://www.revistaogrito.com/page/blog/2012/05/15/tiago-negreiros-a-veja-em-apuros/

  75. Pax said

    Caro Otto,

    Novidade para mim. Conte o que aconteceu, por favor.

    Não tive nenhuma reclamação de sumir comentários ainda. Ao menos que eu lembre.

    Como estou sem acesso não consigo ver se está na lista de moderação por algum motivo.

    Enviado via iPhone

  76. Otto said

    Pax: eu simplesmente colei um texto não muito extenso com a referência do link. E hoje de manhã não achei.
    Pode ter sido problema também da minha conexão.

  77. Elias said

    Otto,

    A meu pensar, o “aventureiro” é aquele político que não tem como base política uma “proposta estruturada”.

    Pra mim, a “proposta estruturada” um partido político, com uma visão de sociedade, uma estratégia e uma tática pra realizar essa visão, etc. Se o político tem por trás de si um partido com essas características, ele é representativo de uma “proposta estruturada”. Caso contrário, ele é um aventureiro.

    Por esse critério, Aécio jamais seria um aventureiro. Assim como Serra também não é. Ambos têm por trás de si um partido político, o PSDB, que dispõe de uma visão de sociedade, etc, etc. Pode-se discordar dessa visão — o que é o meu caso — mas não se pode dizer que ela não existe.

    “Aventureiro”, segundo entendo, seria um político de direita, no Brasil de hoje. Qual é o partido da direita brasileira, hoje? Nenhum! A direita brasileira tem, no máximo, escritórios político-eleitorais.

    Aliás, os direitobas brasileiros nem se assumem como tais. Eles ficam se escondendo nos fundilhos dos liberais que, por leniência, incompetência e rabo frouxo, não conseguem se livrar dos direitobas, e acabam convivendo com eles como um organismo hospedeiro convive com parasitas…

    No frigir dos ovos, os liberais acabam sendo confundidos com os direitobas, apanhando porrada e se desgastando junto com eles… E assim será enquanto os liberais brasileiros não tiverem firmeza política pra se livrar dos parasitas que os estão roendo por dentro.

    Mas isso já é outro papo…

    Ó negócio é que a direita brasileira não formulou nada pra si mesma. Política e ideologicamente, ela é uma colcha de retalhos de idéias alheias, quase sempre conflitantes entre si e, sobretudo, conflitante com o quê a própria direita costuma praticar, se e quando consegue chegar ao poder (nada mais distante do liberalismo do que o modo como a direita no poder encara o que se convencionou chamar “direitos humanos”, né?).

    Na verdade, os liberais brasileiros (assim como de outros países), se aproximaram da direita por medo do comunismo. Essa, aliás, a razão pela qual a direita brasileira ainda hoje tenta manter vivo o discurso anti-comunista, atacando furiosamente um defunto que já foi, há muito tempo, absorvido pela terra. Acontece que, sem esse discurso, a associação da direita com os liberais torna-se algo absolutamente non sense.

    Como a direita brasileira não é uma “proposta estruturada”, ela só chegará ao poder por meio da violência ou, dentro do jogo democrático, por obra e graça de um aventureiro.

    No jogo democrático, o aventureiro só consegue chegar ao poder se a população perder totalmente a confiança nas instituições democráticas (o que a fará entregar seu destinos nas mãos de um pretenso “salvador da pátria”).

    Vai daí que o principal alvo da direita são as instituições democráticas. Ela precisa dizer que essas instituições estão contaminadas pelo vírus do comunismo, da corrupção, disso e daquilo.

    É assim, e só assim, que ela consegue preparar o terreno pro tal “salvador da pátria”, seja pelo voto, seja por outra coisa…

  78. Otto said

    TVs manipulam para desmoralizar CPI do Cachoeira

    “Cochilo de Simon em sessão da CPI do Cachoeira, símbolo da cobertura desmoralizante que a TV propaga do parlamento brasileiro. Neste caso a imagem é sacada para desviar o foco e salvar figurões da imprensa

    As imagens veiculadas por algumas emissoras de TV que mostraram o senador Pedro Simon cochilando, o deputado Onix Lorenzeti tomando erva mate em seu chimarrão e parlamentares conversando ao pé do ouvido durante sessão da CPI do Cachoeira, despolitizam um assunto de grande importância para a sociedade e servem aos interesses de quem trabalha para desacreditar os esforços desta comissão.

    A impressão que fica é que querem mostrar à opinião pública o picadeiro de um circo político montado para chegar a lugar algum, com a exploração de imagens desconectadas de seus sentidos concretos para fazer-nos crer que esta investigação, no âmbito parlamentar, é perda de tempo e que os personagens que a constituem não atuam com a seriedade que o rito exige.

    A questão é mais aguda: porque apenas explorar o cochilo de um senador e não analisar, com embasamento na documentação já acumulada, os nomes das pessoas que serão convocadas para prestar esclarecimentos, conforme os requerimentos aprovados pelos senadores e deputados?

    Estes requerimentos são resultados do trabalho desta CPI e merecem ser apresentados como um sinal positivo produzido por seus integrantes. A sociedade precisa ser informada do porquê destas convocações, mais do que ser instada a rir de sonecas involuntárias.

    O que se percebe neste episódio é um esforço editorial descomunal das emissoras de TV, principalmente da Globo, em esconder da audiência o que se avançou até o momento, nas contendas políticas que uma CPI deste porte provoca, e, principalmente, onde tais disputas podem desembocar.

    Preferem apresentar ao público que o que é investigado lá no Congresso não é algo que mereça a atenção das pessoas.

    O trabalho de desconectar imagens de sua realidade e significado maiores é típico daqueles que já não queriam a instalação desta CPI, e, que agora, trabalham incessantemente para desacreditá-la, manipulando sobre acontecimentos fortuitos. Para salvar as peles que chamuscam na própria imprensa e na oposição.

    A Globo, a frente de algumas outras TVs, age, dolosamente, para esvaziar o sentido político desta comissão parlamentar. No máximo a CPI é divulgada como sessões de articulações de políticos espúrios, caracterizada pelas imagens de parlamentares falando ao pé do ouvido, e buscam germinar um sentimento de podridão no povo sobre os que investigam, igualando todos e todos os indícios levantados até agora em lixo sem qualquer utilidade social. Safando-se todos pela mediocrização da cobertura jornalística.
    Comportamento muito diferente da cobertura recente de outras CPIs, em que os requerentes eram mostrados como homens de bem em busca da verdade e em defesa da ética, imagem que construíram, sob medida, para transformar Demóstenes Torres e Álvaro Dias em heróis nacionais.
    Agora o esforço é no sentido contrário, ou seja, transformar todos em palhaços, investigados, indiciados e investigadores, como atores de uma peça desinteressante, em um palco confuso de malfeitos e inverdades, partilhada por todos os seus integrantes como valores comuns.

    A seriedade e os esforços para se alcançar, com a profundidade necessária, o esclarecimento e a penalização dos crimes cometidos, não merecem ser ilustrados por imagens que demonstrem isso com clareza, porque não gozam do interesse das câmeras de TV, nem tampouco servem de objeto para articulistas que se abrigam nos telejornais brasileiros analisarem a necessária limpeza das podres relações que setores da imprensa tiveram neste esquema.

    A cobertura jornalística, com a exploração de imagens pitorescas, quer é calar a voz dos que exigem justiça e, também, impedir que seus pares caiam nas garras da justiça.
    Pior, a intenção maior é fazer o cidadão comum desacreditar, ainda mais, em sua representação parlamentar, rotulando a todos como exemplares supérfluos à sociedade.
    Alguns espécimes da classe política não tem apresentado exemplos que a abone de alguns desmandos e atos de corrupção, infelizmente.
    Mas manipular, com uso imagens desvinculadas de sentido amplo nos telejornais, impede que a audiência perceba que há também parlamentares que buscam recuperar a credibilidade do parlamento brasileiro e dar o bom exemplo, punindo quem deve ser punido.

    O cochilo de Simon virou símbolo da jogada midiática contra a legitimidade da CPI instalada, difícil será encontrar imagens de Policarpo, Civita e outros integrantes da grande imprensa brasileira referenciadas ao escândalo, estas permanecem trancadas nas pautas, sob vigoroso esquema de segurança.

    Justiça seja feita a Record, segunda maior emissora de TV do país, a única até este momento a apresentar a Veja, O Globo e Folha de São Paulo como participantes de uma cortina de fumaça para impedir que as investigações avancem ou, caso sigam adiante, não sejam devidamente repercutidas.

    Fica escancarado neste episódio é que algumas emissoras de TV não desejam que o país seja passado a limpo nesta CPI. Talvez porque estejam, até o pescoço, encobertas pela sujeira que este esquema criminoso produziu, e temem que sejam apontadas como co-articuladoras de um grande mal cometido contra o conjunto da sociedade.

    A guerra política também está sendo travada nas bancadas dos programas jornalísticos da TV.”

    Do Blog Palavras Diversas.

  79. Otto said

    Elias:

    muito apropriado o seu comentário.
    Apenas acho que, na ausência de uma direita “orgânica” no Brasil, o PSDB (com a debacle do DEM) está assumindo essa função.
    Vide o discurso populista e farisaico do Serra e seus asseclas na última campanha.
    O PSDB sempre fora uma partido laico. E o Serra nunca fora um papa-hóstias. Mas de repente ele se vê convertido no defensor dos valores mais reacionários da família, tradição e propriedade…
    O Aécio pode ser catapultado por uma direita órfã (que na falta de partidos se manifesta na grande imprensa) e se tornar este aventureiro, como foi o Collor… Mas acho que sem resultado, pois ele não tem carisma nem aparentemente um projeto claro.
    A ver.

  80. Elias said

    Otto,

    Tenho uma opinião diferente a respeito do Serra.

    Pra mim, ele está à esquerda de um monte de gente dentro do PT. O problema do Serra, a meu pensar, é que ele não está à altura… Pelo menos, até aqui não esteve à altura…

    Se o Serra houvesse limitado o seu horizonte ao governo do Estado de São Paulo, ou à prefeitura da capital, ele se sairia infinitamente melhor. Seria um bom prefeito e/ou um bom governador.

    Acontece que ele decidiu fazer desses cargos um trampolim pra sua obsessão: ser presidente do Brasil. Acabou se ferrando.

    Em 2010, sem o FHC por perto, pra dar direção, o Serra mostrou claramente que estava dando um passo maior que as pernas.

    Simplesmente não tinha o que dizer em defesa da própria candidatura.

    Começou tentando se apresentar como o verdadeiro continuador do governo Lula. Não colou, até porque o Lula estava até o pescoço comprometido com a candidatura da Dilma (uma tática como a que o Serra usou inicialmente, só dá certo se o presidente a ser “continuado” fica meio de fora da campanha, deixando o pau comer, sem se envolver…).

    Perdida essa estratégia, o Serra se perdeu de vez… A campanha eleitoral dele ficou sem direção.

    No fim, quem acabou assumindo a direção da campanha foi a chamada “grande” imprensa, que fez o que sabe fazer: denunciou, denunciou, escandalizou, denunciou, escandalizou… E a campanha do Serra ficou reduzida a uma caixa de ressonância de jornal especializado em escândalos…

    Não se pode dizer que isso não ajuda em nada. Claro que ajuda. Mas é claro, também, que só denúncia de escândalo não segura a barra de uma campanha presidencial, né? Ainda mais num país como o Brasil, onde está enraizada na cabeça das pessoas a noção de que não há um partido mais honesto que o outro; que todos os políticos são iguais; que é só uma questão de oportunidade, etc.

    Num contexto assim, basear a estratégia política somente em denúncia é fazer furo dentro d´água…

    O Serra acabou projetando a imagem de um político fraco, sem capacidade de dirigir. E se ferrou de vez. Se ele não consegue dar direção à sua própria campanha eleitoral, como imaginar que ele será capaz de dirigir um país?

    Pra mim, esse o problema dele em 2010. Não estava à altura… Em vez de dirigir, acabou sendo dirigido. Em vez de comandar, acabou sendo comandado… Em vez de boi de cabeceira, acabou sendo rebanho…

    Aqui, na arquibancada, estou esperando pra ver os desdobramentos da CPI do Cachoeira, sobre a “grande” imprensa brasileira.

    Ela continua agindo como se fosse a rainha da cocada preta. Como se ela ainda fosse capaz de moldar a opinião pública a seu bel prazer.

    Acontece que o envolvimento da Veja com a quadrilha do Cachoeira, por quase 10 anos, pode estabelecer a noção de que a grande imprensa tupinambá cruzou a linha… Neste caso, o povão colocará a “grande” mídia no mesmo balaio em que já colocou os partidos políticos…

    O que é estranho nisso tudo é que a “grande” mídia — com exceção da Record — tá dando toda a ajuda que ninguém pediu, pra que isso ocorra.

    Se for isso mesmo, o circo de 2014 será animadíssimo…!

  81. Otto said

    Elias:

    mais uma vez concordo contigo, a não ser no quesito de Serra ter sido um bom governador e prefeito (vc. não disse isso mas de certa forma estava implícito).
    Qual o legado que ele deixou em São Paulo? Uma cidade que vive um caos a qualquer chuvinha, um metrô que dá pane, a imprensa comprada, ausência de um planejamento urbanístico… Sei não.

    “O que é estranho nisso tudo é que a “grande” mídia — com exceção da Record — tá dando toda a ajuda que ninguém pediu, pra que isso ocorra.”

    É isso aí: a grande mídia está se dando corda pra se enforcar… O mais sábio era Folha, Estadão, Globo etc se desconectar da Abril. Entrega-se um anel (e que anel!) e salvava-se os dedos… Mas parece que não vai ser por aí. E o escândalo do Murdoch na Inglaterra foi ilustrativo. Que eu saiba, a Inglaterra não é um estado “chavista”, mas lá a imprensa foi chamada às falas…

  82. hermenegildo coelho said

    se estivecemos em um pais de primeiro mundo,como pretendemos ser um dia, estaria atras da grades, o reporter comprado, os treis governadores corupitos, os delegados que envergonhan a estituiçao da policia federal,e toda cambada de politicos, que so olhan para suas fortunas bancarias e imoveis em nomes de laranjas. os chamados representantes do povo,so representan bicheiros bancario e outros, e a eles proprios,o povo precisa agir.

  83. Otto said

    Esta está engraçada. Do Blog do Mello:

    “O programa Domingo Espetacular da Rede Record apresentou mais uma reportagem em que denuncia o envolvimento da revista Veja, especialmente de seu diretor Policarpo Junior, com a quadrilha do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

    Num trecho há o fragmento de um diálogo entre o diretor da Delta Construções em Goiás Claudio Abreu e o bicheiro Cachoeira sobre Policarpo (…):

    Claudio Abreu: – Cara, show de bola, bicho (sic)… achei que ele ia me dar um beijo!

    Como se vê, as relações entre Policarpo e o bando da Papuda (“pauteiros” e “repórteres investigativos” da revista – Cachoeira, Abreu, Dadá e Jairo) eram bem mais calientes do que a fria relação entre jornalista e fonte que a Veja tenta vender à opinião pública.”

  84. Jose Mario HRP said

    Comentário 81:
    todo mundo em cana!
    Então…….
    Depois o Zé é demonio?
    E depois vem o que?

  85. Pax said

    *** sei lá porque cargas d’água este meu comentário de hoje foi parar na lixeira — então vai de novo

    Acho que temos um dilema à frente.

    De um lado a necessária existência de uma imprensa livre e competente que, ao desempenhar bem seu papel, é um veículo, porque não dizer uma arma, da sociedade. Arma/veículo/ferramenta absolutamente necessária.

    Toda democracia precisa de imprensa livre. Todo político deve temer que seus eventuais deslizes sejam divulgados.

    Corrupção existe em todos os quatro cantos. Mas há cantos e cantos e, com certeza, onde há uma imprensa competente há, também, um canto menos corrupto. Esta competência não existe se não houver absoluta liberdade de investigar, opinar e se expressar.

    Pode-se levar este mesmo raciocínio para. Justiça, mas esta é outra conversa, também necessária.

    Dada a verdade acima, tomo a liberdade e assumo a arrogância de dizer assim, temos que olhar a situação brasileira e, focando um pouco mais, a situação brasileira neste momento.

    De um lado temos a revista Veja como exemplo e, de outro, quem do poder a critica.

    O dilema é que ambos os lados, em minha opinião, têm se apequenado.

    A revista por não ter a hombridade de assumir publicamente que é veículo dirigido, veículo da oposição – e tem o direito de ser, caso queira – e arrotar democracia sem que possa ser elogiada por esta postura. Basta citar o famoso titio que não aceita qualquer opinião que não seja a sua. Isto é lá exemplo democrático ou um baita erro crasso? E este titio é ou não o filho querido, o arauto rábico da posição da revista?

    De outro lado temos um governo que também se apequena. Se quisermos ser um pouco mais criteriosos, temos um partido do governo que se apequena.

    Não só por adotar o status quo que tanto criticou, como passar a utilizar o modelo sem qualquer esforço maior para alterá-lo. Mais à além, por se sentir tão confortável nesta posição que passa a não ter mais critérios. Quem quiser fazer aliança é bem-vindo, seja este quem qualquer um. Sabemos o quanto esta falta de critério cobra. Cobra na cara, na vergonha da cara. Pouco importa estar ao lado de quem chegou a ofender e caluniar outrora, pouco importa estar ao lado de famosos corruptos. Diz-me com quem andas que te direi a política que adotas e praticas, ora bolas.

    Para piorar este partido ainda assume postura também questionável, pelo menos de alguns de seus cardeais. Intocáveis cardeais. Qualquer crítica, qualquer divulgação de seus mal-feitos, de suas práticas e omissões é, a priori, produto de uma tal imprensa golpista. Dada esta falsa justificativa aparecem as bandeiras como regulamentação da mídia, controle social, impedimento de monopólios das tais sete famílias ou qualquer destas, no meu entender, tentativas se arbitrariedades.

    Neste dilema há, ao menos, liberdade para que estas verdades sejam ditas. Em tempos de ditaduras esta possibilidade deixa de existir.

    Mas o dilema está aí, para quem quiser olhar com equidistancia.

    Este episódio do Vaccarezza que traz à tona fortes indícios que esta CPMI já tem um acordão para livrar Perillo, Agnelo, Cabral, Cavendish mostra quanto apequenamento vivenciamos.

    Quem paga a conta? No frigir dos ovos o povo, bravo povo brasileiro. Lá se vão a mistura da merenda escolar, o remédio do hospital público, o melhor preço e serviço do ônibus, a cidade mais limpa, a obra mais em conta, o melhor salário e treinamento do policial e por aí afora.

    Para não ser de todo pessimista há, felizmente, um afastamento da Dilma destas práticas mais intoleráveis. Ao menos, até o momento, esta imprensa bastante questionável não aponta seu tiroteio e suas encomendas para a presidente. Não porque não gostaria. Mas, sim, porque, até o momento, Dilma tem dado sinais que prefere mais se afastar que se acolher nesta imundície onde alguns se confortam.

    Aí, por manter suas nádegas cobertas (com todo respeito) não há como atacar.

    Parece que Dilma conhece bem o dito popular: calça de veludo ou bunda de fora.

    Dito este que Cândido Vaccarezza, em sua soberba idiotice, demostra desconhecer.

    Dito este que a revista Veja também não observa. Que vá arrotar democracia e decência na…

    Enviado via iPhone

  86. Pax said

    Teste…

    Enviado via iPhone

  87. Michelle - A Besta Desvairada said

    CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: ADULTOS
    Para refletir:

    ESTA NAÇÃO CORROMPIDA

    Por Carlos Chagas

    Sempre foi assim? Com certeza. Nem vale à pena, hoje, descer aos meandros das duas ditaduras mais recentes que nos assolaram, a do Estado Novo, de 1937 a 1945, e a Militar, de 1964 a 1985. Horrores se sucederam nos dois períodos, do massacre das estruturas democráticas aos crimes praticados por agentes do poder público contra quantos se insurgiam diante da distorção dos valores devidos a uma sociedade iludida pelo sonho de tornar-se dona dos seus próprios destinos. Fica para outro dia abordar a abominável violência praticada contra o ser humano e contra as instituições duramente construídas através dos anos, nessas duas fases da vida nacional.

    Importa, acima e além dos passados regimes geridos pela exceção, focalizar o nosso comportamento em tempos ditos normais, à maneira do atual, que os detentores do poder exaltam como ímpar em nossa História, 28 anos de democracia, jamais registrados desde a proclamação da República…

    Vamos começar de baixo.
    Qual o pintor de paredes que, contratado para reformar uma casa, deixa de misturar mais água na tinta, para o serviço precisar ser refeito muito antes do que deveria valer o preço cobrado pela pintura? Qual o mecânico que, contratado para consertar um motor, supre a deficiência à vista, mas deixa outra encoberta, ou até a engatilha, para o freguês voltar no mês seguinte?
    Qual o operário que, podendo valer-se de um atestado médico, mesmo sem corresponder a uma doença real, deixa de apresentá-lo para gozar de um ócio imerecido?
    O “seu” Manoel ali do açougue da esquina bota osso enrustido na balança, em vez de carne, para tapear a dona de casa. O dono do supermercado põe 900 gramas de arroz num plástico que anuncia conter um quilo. Ele e o seu fornecedor, é claro.
    Subindo sempre, um banco apregoa lucros fantásticos para o correntista se ele investir num de seus mirabolantes planos, mas deixa de alerta-lo para impostos e até comissões ocultas no sorriso de seus vendedores. Uma empreiteira candidata-se a obras públicas oferecendo preços mais baixos, ainda que depois de ganhar a concorrência, imponha reajustes capazes de tornar seu trabalho muito mais caro do que os vigentes no mercado. Claro que o funcionário ou o partido político que aprovaram o contrato recebem presentes e propinas bem acima de seus vencimentos ou contribuições. Quando se trata dos grandes servidores públicos, que por razões variadas precisou deixar o cargo, não resiste à tentação de tornar-se consultor das empresas que privilegiou. Ou até programou toda a equação. No caso dos partidos, se conseguem galgar o poder, esquecem propostas éticas dos tempos de oposição para transformar-se em quadrilhas empenhadas no enriquecimento de seus dirigentes.
    O deputado aquinhoado com vultosas doações para sua campanha eleitoral jamais deixará de aprovar projetos favoráveis ao doador, mesmo duvidosos. Quantos juízes arquivam processos ou decidem de acordo com os interesses do escritório de advocacia que, por coincidência, pertence a seus filhos ou sócios antigos e futuros?

    Mas tem mais. Qual a organização religiosa que não recolhe fortunas ameaçando os incautos com o fogo do inferno ou prometendo o passaporte para o paraíso? Qual o meio de comunicação, grande ou pequeno, que não subordina a notícia aos interesses de seu proprietário? Ou à inclinação política e ideológica de seus artífices?

    Longe de ser exceções, tornaram-se regra os toscos exemplos acima referidos.
    Verticalizando as situações, não escapa ninguém, tanto faz se nas democracias ou nas ditaduras, nos trópicos ou nas estepes.
    A corrupção deixou de ser periférica para tornar-se parte obrigatória nas entranhas de todos nós. O pior é que não tem saída.
    Somos uma nação corrompida.


    Não gosto do autor mas…resolvi compartilhar
    O povo, o bravo povo brasileiro, como diz o Pax tem deixado de lutar por seus direitos e e se tornou cúmplice.
    Como índios pré-cabralinos passamos a nos contentar com espelhos e miçangas.
    Nada contra o povo brasileiro.
    Sou testemunha. Somos esforçados e trabalhadores de qualidade. No Brasil ou fora dele.
    Mas…
    Somos uma nação corrompida.

    FALA CAVENDISH!

  88. Chesterton said

    A Veja descobre e divulga crimes de entes públicos que deveriam estar presos e ele consegue dar um jeito de fazê-los equivalentes. SAI DO MURO< PAX!!!

  89. Michelle - A Besta Desvairada said

    Dilma: Brasil está ‘300% preparado’ para crise

    Hoje a comandanta dilma discursou em Sta. Catarina:
    “Vamos resistir à crise criando emprego, investindo em infraestrutura e nas atividades sociais”, prometeu a presidente durante visita a obra de ponte na BR-101, em Santa Catarina; segundo ela, passou o tempo em que o mundo espirrava e o Brasil pegava pneumonia.

    Minha leitura:

    “Vamos resistir à crise criando emprego (automóveis com IPI reduzido e endividamento para consumo), investindo em infraestrutura (comprando a Delta e construindo estádios para a copa 2014) e nas atividades sociais” ( facebook,orkut, tweeter & blogueiros da BESTA), prometeu a presidente durante visita a obra de ponte na BR-101, em Santa Catarina; segundo ela, passou o tempo em que o mundo espirrava e o Brasil pegava pneumonia.

    Sim comandanta dilma:
    O Brasil hoje não pega mais pneumonia. Só gripes renitentes e dengue. E o SUS opera olho errado.
    Se ainda morasse no Brasil, eu estaria comprando passagem só de ida pra algum lugar.
    Sirio Libanês ou Einstein em São Paulo podem ser boas opções para quem mora fora do estado.
    Faça como lula. O exemplo vem de cima.

  90. Michelle - A Besta Desvairada said

    Taí… Tio Pax
    Sua opinião pessoal foi considerada ASSUNTO SUPERADO pelo PT.

    Segundo Jilmar Tatto, mensagem enviada para Cabral é “assunto superado”;
    ele disse também que o PT vai trabalhar para aprovar requerimento de convocação do governador de Goiás, Marconi Perillo.

    Pax: Você concorda? Discorda… ou o quê?

    FALA CAVENDISH!

    Sent from my iPad

  91. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax
    Não há mais impedimento legal para o bicheiro Carlinhos Cachoeira comparecer diante da CPI que investiga suas ligações com políticos, autoridades e empresários, mas sua defesa, liderada pelo ex-ministro Márcio Thomaz Bastos, avisa: ele vai entrar mudo e sair calado.

    Cachoeira poderia ter contratado por $15 milhões, e por seu poder de chantagem, pelo menos 10 advogados de nome e competência comprovada por $1,5 milhões, cada um. O que já é é muito dinheiro, para qualquer escritório de advocacia, numa causa polêmica..
    Ou 50 ou até 100 rábulas procrastinadores. Fazedores de bagunças e atrasos legais.Chicaneiros. Em busca de publicidade.

    Mas Cachoeira, o mafioso, resolveu mandar recado:
    < Escolheu um ex-ministro de lula.O cara do caixa 2 e "autor moral"
    dos "recursos não contabilizados" de ex-tesoureiros e próceres do PT.

    Afinal, $ 15 milhões é muito, muito dinheiro! até para um Cachoeira.

    Por que?
    Porque Cachoeira é muito burro e adora gastar dinheiro com figurões. hehehe
    O preço do MTB é 15 milhas. Give or take! Cachoeira took.
    Meu advogado custa bem menos e me diz "NÃO ABRA A BOCA" em público.
    Custa $500 a consulta.

    FALA CAVENDISH!

    Sent from my iPad

  92. Michelle - A Besta Desvairada said

    (continuando)
    Tio Pax

    Noticias selecionadas para reflexão noturna:

    Sabe quanto custa o patrocínio do BB ao volei brasileiro ? R$ 165,4 milhões!
    http://www.pannunzio.com.br/archives/11433

    Staff de Dilma tentou convencer manifestantes da Unifesp a não usarem nariz de palhaço
    http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,staff-de-dilma-tentou-convencer-manifestantes-da-unifesp-a-nao-usarem-nariz-de-palhaco,874837,0.htm

    Nassif, que falava em 200 ligações entre Cachoeira e Policarpo, agora diz que são 47
    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/59949/Nassif-que-falava-em-200-liga%C3%A7%C3%B5es-entre-Cachoeira-e-Policarpo-agora-diz-que-s%C3%A3o-47.htm

    FALA CAVENDISH!

    Sent from my iPad

  93. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax

    Noticias selecionadas para reflexão noturna:

    Sabe quanto custa o patrocínio do BB ao volei brasileiro ? R$ 165,4 milhões!
    http://www.pannunzio.com.br/archives/11433

    Staff de Dilma tentou convencer manifestantes da Unifesp a não usarem nariz de palhaço
    http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,staff-de-dilma-tentou-convencer-manifestantes-da-unifesp-a-nao-usarem-nariz-de-palhaco,874837,0.htm

    Nassif, que falava em 200 ligações entre Cachoeira e Policarpo, agora diz que são 47
    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/59949/Nassif-que-falava-em-200-liga%C3%A7%C3%B5es-entre-Cachoeira-e-Policarpo-agora-diz-que-s%C3%A3o-47.htm

    FALA CAVENDISH!

    Sent from my iPad

  94. Otto said

    Gente, o Miguel do Rosário está afiadíssimo hoje:

    http://www.ocafezinho.com/2012/05/21/o-pig-e-o-verdadeiro-chapa-branca/

  95. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax

    Noticias selecionadas para reflexão noturna:

    Sabe quanto custa o patrocínio do BB ao volei brasileiro ? R$ 165,4 milhões!
    http://www.pannunzio.com.br/archives/11433

    Staff de Dilma tentou convencer manifestantes da Unifesp a não usarem nariz de palhaço
    http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,staff-de-dilma-tentou-convencer-manifestantes-da-unifesp-a-nao-usarem-nariz-de-palhaco,874837,0.htm

    Nassif, que falava em 200 ligações entre Cachoeira e Policarpo, agora diz que são 47
    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/59949/Nassif-que-falava-em-200-liga%C3%A7%C3%B5es-entre-Cachoeira-e-Policarpo-agora-diz-que-s%C3%A3o-47.htm

    FALA CAVENDISH!

    Tio Pax
    Enviei este email a todos meus amigos na Web.
    Envie vc também. Não doi eu garanto.

    Meus Amigos / Minhas Amigas,

    Acabei de ler e assinar o abaixo-assinado online:
    «Pelo Início do Julgamento do “Mensalão” no STF»

    http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N22495

    Eu concordo com este abaixo-assinado e acho que você também pode concordar.

    Assine o abaixo-assinado e divulgue para seus contatos. Vamos juntos fazer democracia!

    Obrigada,
    Michelle

    Sent from my iPad

  96. Zbigniew said

    Excelente o texto do Miguel do Rosário, Otto. Principalmente esta passagem:

    (…) O próprio discurso desqualificador da grande mídia dificulta ainda mais o acesso da blogosfera às contas privadas. E aí eles também não querem que sequer tenhamos banners das empresas estatais? Por quê, se eles por décadas ganharam milhões e milhões e milhões de verbas publicitárias das agências estatais? A própria fundação das empresas de mídia no Brasil se deu através de empréstimos milionários que esses grupos conseguiram junto aos bancos públicos. Lembro que estudando a campanha do jornais lacerdistas contra Getúlio Vargas, topei com historiadores que observavam a ironia. Eles (os jornalões) acusavam Vargas de corromper a opinião pública (era quase igual a história do mensalão) através de empréstimos ao Último Hora, que era varguista. No entanto, esses mesmos jornalões haviam obtido financiamentos igualmente polpudos junto aos bancos públicos, em governos anteriores. Ou seja, o lacerdismo era hipócrita.

    No caso dos jornalões que chamam a blogosfera de chapa-branca, a acusação assume ares de uma tenebrosa farsa, porque essas mesmas empresas consolidaram-se como grandes grupos de mídia através não apenas de empréstimos do governo militar – elas também se beneficiaram enormemente do esmagamento dos jornais mais “independentes”. Quando a ditadura chegou ao fim, o Globo imperava solitário no Rio de Janeiro. A ditadura o ajudara a derrotar seus concorrentes. E por quê? Porque o Globo era chapa-branca, os outros o eram menos. Mesmo nos governos democráticos, eles continuaram recebendo milhões, até mesmo bilhões, em empréstimos públicos. É público e notório o empréstimo de 1 bilhão de reais que os tucanos deram ao Globo no apagar das luzes de seu reinado. Veja, Estadão, Folha, todos chapa-brancas da ditadura, primeiro, e mais tarde do governo mensaleiro e protochavista de FHC.

    Quem é chapa-branca? Quem recebeu mais dinheiro do governo?

    Quer dizer que ser amigo de ditador pode, receber dinheiro de ditadura pode, mas apoiar governo democrático e receber publicidade de um governo popular, aí não pode? Que palhaçada é essa?
    (…)

    E necessário muito cuidado para nao confundirmos a necessidade de uma imprensa livre como um dos pilares do sistema democrático, com a necessidade de uma regulação e desconcentracao do sistema de comunicação social. O Brasil vai precisar de muita coragem pra mexer neste vespeiro. Há muita hipocrisia e desinformação neste terreno e isto e o que de melhor os barões da midia sabem fazer.

  97. Zbigniew said

    Essa aqui – ainda em relação ao excelente texto do Miguel do Rosário, sugestão do Otto – nao deu pra resistir (embora criticar o Merval seja até uma covardia – o cara e ruim que dói):

    “(…)
    Com relação à imprensa, todos os esforços do senador Collor de Mello, o “laranja” da tramoia petista, têm sido em vão, e as relações do PT com o PMDB estão azedando, na definição de Vacarezza, por que o PMDB não está disposto a embarcar nessa aventura petista de tolher a liberdade de imprensa.

    Que mané tramóia petista, Merval! O PT está sendo puxado à fórceps para dentro desse debate. Se fôssemos depender do PT, não haveria nem CPI! A sociedade brasileira é que está por trás da pressão para investigar a imprensa, e não toda a imprensa, mas setores mafiosos, ou setores que mantinham relações com máfias políticas. Pára de choramingar, Merval! Nos EUA, na Europa, jornalista apanha que nem adulto quando faz merda. Não perdoaram nem o bilionário Rupert Murdoch. A troco de que os jornalistas do Brasil devem ser tratados como representantes sagrados da “imprensa livre”? Quer dizer que não existe jornalista safado, jornalista bandido? O vice do Agnelo pagava 100 mil reais por mês ao Mino Pedrosa para ele plantar matérias que derrubassem ou enfraquecessem o governador, tudo mancomunado com o esquema Cachoeira. Há gravações que revelam que Claudio Humberto também levava grana do esquema. E Cachoeira plantava o que queria na Veja. Tem que investigar sim, Merval. Não é tramóia petista. É vontade soberana do povo. A ditadura acabou, meu filho. Numa democracia, todo mundo é igual. Todo mundo pode ser preso. Jornalista ou não.
    (…)”

  98. Michelle - A Besta Desvairada said

    who let the dogs out?

  99. Olá!

    Elias, quem afirma que, no Brasil, é difícil a vida do empreendedor é o Banco Mundial e o seu Doing Business Report. A minha opinião sobre a situação do empreendedorismo brasileiro deriva desse relatório e também de notícias como esta aqui. Excertos:

    According to the World Bank’s 2012 annual global report “Doing Business”, which evaluates the ease of starting a business, dealing with construction permits, registering property, and paying taxes, Brazil ranked 126th this year out of 183 countries.

    On average, it takes 13 procedures and 119 days of work to start a business in Brazil.

    And construction permits demand an average 17 procedures and 469 days to finally get authorised.

    French chef Pierre Cornet-Vernet could never imagine it would take him 11 months to open his confectionery story Paradis in Rio de Janeiro’s famous Copacabana neighbourhood.

    To find his way through Brazil’s bureaucracy, Mr Cornet-Vernet had to hire a lawyer, a forwarding agent and an accounting specialist.

    And even so he could not see the end of the journey. Each new step would bring him a new surprise. Taxes was the next one after paperwork.

    Cristiano Prado, a Rio-based industrial competitiveness manager, says that someone starting a business has to get approval from no less than 12 government agencies. He adds that the final cost of the required documents can surpass 2,000 reals ($1,023; £633).

    In 2010, bureaucracy cost Brazil 46.3bn reals, according to a study made by Sao Paulo Industry Federation (Fiesp).

    Such high levels of bureaucracy creates a fertile environment for corruption.

    In Brazil, it’s not uncommon to be asked for a bribe to speed up issuing of a document.

    He says: “It’s a country with an excellent market and high demand. But it’s a pity it has such huge bureaucracy. Brazil is a great country when it works.”

    Veja, Elias, essas opiniões não são minhas e nem foram inventadas por alguém da imprensa local. São empreendedores de verdade buscando sobreviver na selva burocrática brasileira.

    Quando eu afirmo que empreender no Brasil é difícil e que a liberdade de empreender por aqui é baixa, me refiro a esse tipo de pessoa relatado na reportagem da BBC. Aí vem você, Elias, e traz uma “empresa” bastante conhecida pelas suas (dela) relações de proximidade com as estruturas de poder estatal do Brasil. Uma “empresa” que depende tanto do Estado que, sem ele, ela vai à falência pura e simples.

    Veja, Elias, como é que o confeiteiro francês, citado na reportagem, vai ter dinheiro para comprar um deputado, um senador, um funcionário do alto escalão, um ministro e gente de naipe semelhante? Uma pessoa que tenha poder econômico considerável para fazer esse tipo de compra, abre a sua empresa em menos de 1 minuto se for o caso, ora.

    Se a Delta vai sumir do mapa, mudar de nome, mudar de sócios e coisas tais — desejo, aliás, da grande maioria do seu partido, o PT, que tem mais de meio neurônio — , isso é irrelevante para a vida do empreendedor honesto, pois isso não irá gerar nenhuma movimentação para que sejam implementadas medidas que melhorem a vida de quem quer empreender.

    Aliás, a Delta só se tornou o que se tornou por causa das relações dela com as estruturas de poder estatal do Brasil. O que joga por terra aquela idéia tosca da esquerda de que é necessário um considerável grau de intervenção do governo na economia para evitar que as empresas grandes acabem assimilando e/ou retirando do mercado as menores. O que acontece é exatamente o oposto: Sempre que governos tentaram esse tipo de coisa, o resultado final foi a seleção de uma determinada empresa em detrimento das demais e a escolhida, geralmente, acabava se tornando uma preciosa fonte de recursos para alimentar os esquemas de corrupção do grupo político que a selecionou; e essa seleção, de uma maneira ou de outra, gera o estabelecimento de monopólios totais ou virtuais, senão dentro de todo o mercado, pelo menos em alguns setores, como, por exemplo, contratos com o governo. Isso soa familiar?

    Ah, sim: Sobre a Delta sumir do mapa e coisas do tipo, isso é o que os políticos mais querem, pois essa “empresa” tem muito congressista no bolso. O próprio governo está orquestrando para que a Delta seja transferida de um grupo de empresários amigos do poder para um outro grupo do mesmo tipo. Isso não é liberdade de empreender, Elias. Isso é o próprio governo atuando para esconder possíveis falcatruas com o dinheiro público.

    Já que o blog do Pax trata de corrupção, uma questão interessante a ser levantada seria a seguinte: A liberdade de empreender contribui para a redução da corrupção? Os países menos corruptos também são aqueles onde há um considerável ou elevado nível de liberdade de empreender? É melhor que os dados reais respondam essas questões: Eis aqui um mapa comparando o grau de corrupção nos países segundo a Transparência Internacional e o grau de liberdade de empreender segundo o Banco Mundial.

    Por que os países menos corruptos também são aqueles com considerável ou elevado grau em termos de liberdade de empreender?

    Por que os países mais corruptos também são aqueles com um baixo grau em termos de liberdade de empreender?

    Eu, particularmente, estou convencido de que os níveis de corrupção tenderiam a ser reduzidos consideravelmente, caso o Brasil implementasse medidas que aumentassem a liberdade de empreender, como, por exemplo, reduzir a burocracia, os impostos e coisas tais.

    E outra, Elias: Você acha que toda essa burocracia facilita para que o Brasil entre na era da economia da informação? Dica: Na Califórnia, uma start-up de tecnologia pode ser aberta em menos de 15 minutos. É tudo on-line.

    Até!

    Marcelo

  100. Elias said

    Marcelo,

    Sei de empresário da construção civil que já montou mais de 10 “empresas”. Uma empresa dele é declarada inadimplente e/ou inidônea. Sabe o que ele faz? Fecha a péssima, e cria outra empresa, usando outras pessoas como testas, no contrato social e um recibo de gaveta transferindo as quotas de capital.

    Outra: 15 “empresas” registradas para um único estabelecimento, um matadouro. Por que? Quando uma empresa se queimava pelo não recolhimento do ICMS, ela sumia do mapa e, em seu lugar, nascia outra, como arrendatária do matadouro (No setor da carne verde, o ICMS é recolhido em regime de substituição tributária, centralizada no matadouro. Passou dali, não tem mais imposto…).

    Isso dá a medida do quanto é difícil criar uma empresa no Brasil.

    Não estou falando de empresa grande, Marcelo. Estou falando TAMBÉM de empresa grande.

    Tu só dizes o que dizes, porque tua experiência se resume em ler e analisar mapas pirados. No dia em que tu meteres a cara pra criar uma empresa, verás que não é bicho de sete cabeças.

    Claro que a burocracia atrapalha, mas está longe de impedir. E isso é o que menos conta, na hora de abrir uma empresa.

    Pra abrir uma empresa, Marcelo, o que conta mesmo, é a existência de mercado e a capacidade (técnica e financeira) de se sair bem nele.

    O resto, sai no mijo…

    Esse negócio de abrir uma empresa em 24 horas, ou em uma semana, ou em uma hora, ou sei lá o quê, é mentira ou é uma irresponsabilidade. Não se trata de burocracia interna de tal ou qual órgão. Tem que haver um tempo, p.ex., pra que a razão social ou o nome de fantasia seja contestado por outro interessado, por exemplo.

    Imagina que tu tenhas criado, em Juiz de Fora (MG), uma empresa chamada “Infomania”. Só que ela não está ativa. Aí um cara em São Leopoldo (RS) resolve criar uma empresa cujo nome é — advinha?! — “Infomania”. Imagina se, em 15 minutos, ele receber autorização pra ir em frente…

    E não é só isso, não! Há dezenas de outras coisas desse tipo a se considerar…

    Mas eu estava, mesmo, me referindo à facilidade com que, no Brasil, se mascara a propriedade de empresas. A Delta, p.ex., não terá nenhuma dificuldade em continuar a existir com outro nome.

  101. Otto said

    Zbigniew, atualmente eu considero o Miguel do Rosário o melhor analista da blogosfera.
    E é um blogueiro que vive de assinaturas de acesso a textos exclusivos de seu blog.

  102. Pax said

    Vai Vaccarezza, blinda mesmo porque senão teu amiguinho de de SMS pode se complicar, aí não interessa, né não?

    E olha que escuto o Requião com um pé atrás, sim.

  103. Pax said

    Se for para blindar o Cavendish e a Delta, então seria melhor sugerir o Pulitzer para o Policarpo Jr e indicar o Demóstenes para o STF, como queria o mafioso que nada vai falar hoje.

  104. Pax said

    Bem, Bob Fernandes do Terra faz parte do que vocês chamam de PIG?

    Acordão para enterrar CPI. Vaccarezza escreveu epitáfio

    http://terramagazine.terra.com.br/bobfernandes/blog/2012/05/22/acordao-para-enterrar-cpi-vaccarezza-escreveu-epitafio/

  105. Pax said

    Aí você tem acesso de mais hora, um pouco mais, na internet e descobre que…

    ZD fez consultoria para a …. Delta.

    http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2012/05/21/demostenes-ajudou-a-proteger-dono-da-delta/

    E não me venham dizer que este não é um jornalista de respeito.

    É o que dá, Vaccarezza, você nos fez o favor da gente ter mais e mais curiosidades. Podes matar a carreira política do jovem Odair, podes acabar de enterrar a imagem do teu partido nesta comissão, mas nem sempre dá certo ficar fazendo teu jogo político.

    Fui…

  106. Olá!

    Elias,

    “Tu só dizes o que dizes, porque tua experiência se resume em ler e analisar mapas pirados. [. . .]”

    Não é o caso de ler e analisar mapas pirados, Elias. Procura dar um pouco de atenção àquela reportagem da BBC relatando como pessoas reais, empreendedores de verdade, passam por dificuldades desnecessárias para começarem os seus respectivos negócios, sem contar a corrupção gerada por alguns desses procedimentos irrelevantes para se abrir uma empresa.

    No mais, me deixa triste ver o Brasil na 126a posição no ranking do Doing Business Report feito pelo Banco Mundial e constatar que quase nada melhorou desde que esse relatório tem sido publicado. Acho que o Brasil seria um país muito melhor se estivesse entre os 40 primeiros países desse ranking. Da mesma maneira, me sinto desolado ao ver que o país está na 84a posição no ranking do IDH.

    Até!

    Marcelo

  107. Olá!

    Hehehehehehehe! O Lula resolveu afirmar que o Mensalão foi uma tentativa de golpe da imprensa e da oposição contra o governo dele:

    Perto do julgamento, Lula diz que mensalão foi ‘tentativa de golpe’

    Às vésperas de o STF (Supremo Tribunal Federal) julgar a ação penal do mensalão, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a dizer, nesta segunda-feira (21), que o escândalo foi uma “tentativa de golpe” contra seu governo (2003-2010).

    “O PT era mais atacado do que hoje por grande parte dos políticos da oposição e por uma parte da imprensa brasileira. Na verdade, era um momento em que tentaram dar um golpe neste país”.

    Lula afirmou que a oposição foi forçada a recuar diante do apoio que recebeu dos movimentos sociais. Ele também citou artistas populares como o apresentador de TV Raul Gil e o cantor e vereador Agnaldo Timóteo (PR).

    “Eu disse: ‘Não vou me matar como Getúlio [Vargas] e não vou fugir obrigado como o João Goulart. Só tem um jeito de eles me pegarem aqui. É eles enfrentarem o povo nas ruas deste país.'”

    O ex-presidente disse que a oposição se intimidou depois de ele receber apoio de movimentos populares em visita ao Palácio do Planalto.

    “Aquilo foi a coisa que mais deixou eles com medo de continuar na luta pelo impeachment”, afirmou.

    Lula discursou após receber homenagem da Câmara Municipal de São Paulo. Ele ganhou o título de cidadão paulistano e a medalha Anchieta.

    OK! O cidadão é eleito democraticamente para melhorar as estruturas e instituições do país. Aí, por uma questão de ranço ideológico e pelo fato de apenas o PT acreditar nas suas próprias mistificações, em vez de o tal cidadão agir com um pouco mais de senso prático, aceitar o estado de certas coisas e iniciar o estabelecimento de alianças políticas com algum outro grande partido, o camarada resolve montar um esquema de corrupção para comprar votos no congresso, utilizando, para isso, dinheiro público e, ainda por cima, destruindo um dos pilares que sustentam um regime republicano e democrático: A separação entre os poderes

    No final, tudo isso não foi de responsabilidade do tal cidadão, mas, sim, um conluio entre a oposição e setores da imprensa que tentaram dar um golpe no governo dele.

    O Lula age como o típico populista: Na hora de assumir responsabilidades pelo o que ele fez, ele prefere dar o fora e acusar os outros como responsáveis por atos que ele próprio decidiu implementar.

    Até!

    Marcelo

  108. Chesterton said

    Lula é a origem de todo mal, e Elias seu seguidor….

  109. Otto said

    Chesterton é um heterônimo do Professor Hariovaldo.

  110. Elias said

    “A norte-americana Direct Edge pretende solicitar à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), até o próximo mês, autorização para montar uma nova bolsa de valores no Brasil até 2013, informa reportagem do jornal Folha de S.Paulo. O maior obstáculo, segundo Anthony Barchetto, diretor de estratégia corporativa da companhia, é o uso dos serviços de clearing da CBLC, hoje controlados pela BM&FBOVESPA.”

    “A nova Bolsa ficará sediada no Rio de Janeiro e poderá listar empresas que já negociam suas ações na BM&FBOVESPA. Ao ser anunciada, em novembro de 2011, a Direct Edge pretendia iniciar suas operações até o final deste ano. A Direct Edge é uma das mais novas bolsas dos Estados Unidos e um de seus pontos fortes é o de já ter nascido totalmente eletrônica. Segundo seu CEO, Bill O’Brien, será essa tecnologia que estabelecerá a diferença entre a Direct Edge e as demais bolsas de valores.”

    Por que será que a Direct Edge quer abrir uma nova bolsa de valores no Brasil?

    Já sei…! É que o Brasil está em situação pré-falimentar, segundo o Adolfo… (e o Chestertão…). Sendo assim, nada mais pertinente do que abrir uma nova bolsa de valores.

    Por que será que a Direct Edge não preferiu o Chile?

    Já sei…! É que o Chile vai tão bem, mas tão bem, mesmo, e tem um futuro tão brilhante pela frente, que nem precisa de uma nova bolsa de valores.

    Quem precisa, mesmo, é o Brasil, que, como todos sabem, e conforme previu o Adolfo, dentro de alguns meses vai quebrar…

    Aliás, desde 2003 que gente como o Adolfo vem avisando que, dentro de alguns meses, o Brasil vai quebrar…

    Depois, não digam que não foram avisados…

    É só uma questão de meses…

    Até agora, só se passaram 112 meses desde que essas previsões começaram a ser feitas, mas vocês não perdem por esperar… Aguardem mais alguns meses, e vocês vão ver só…

    Dentro de alguns meses o Brasil vai quebrar… Isso é tão certo quanto é verdade que o mundo vai acabar em 2012 (quem bem pensar, que vá rapidinho pra Portugal…).

  111. Edu said

    Eu acho que o Brasil deveria reestatizar uma empresa ou outra, a exemplo do que a brilhante CK fez na Argentina, inclusive, colocar alguns limites na impresa pq a empresa anda mto suja mesmo. Bem como gostariam os esquerdistas mais…. tradicionais. Quem sabe não só uma nova bolsa de valores fosse criada, como outras grandes empresas e investidores de longo prazo viessem para o Brasil.

    Qual é a utilidade de uma nova bolsa de valores no Brasil?

  112. Zbigniew said

    A mídia tem que ter toda a liberdade de funcionar, criticar, o escambau. Mas deve ser criticada e seu modelo de operação deve sim ser repensado. Não só aqui, mas no mundo todo. Todo monopólio é perverso e contrário ao interesse da maioria, é da sua natureza. A concentração de mídia deve ser combatida porque anti-democrática e prejudicial à toda e qualquer sociedade.

  113. iconoclastas said

    “Qual é a utilidade de uma nova bolsa de valores no Brasil?”

    bem, supostamente, alguma competição tende a reduzir os preços, neste caso das taxas cobradas por transação.

    ;^/

  114. Elias said

    Edu,

    Acima de tudo, a instalação de uma nova bolsa de valores no Brasil reflete a existência de uma oportunidade de negócios.

    Se a Direct Edge realmente se instalar no Brasil, ela não virá pra fazer filantropia. Ela virá pra ganhar dinheiro.

    E, se ela se dispõe a gastar a grana que precisa gastar pra se instalar no Brasil, é porque acha que há viabilidade econômica nisso. Ela se mobiliza pra ganhar dinheiro no Brasil porque acha que é possível ganhar dinheiro no Brasil fazendo o que ela faz. E que, na economia brasileira, há lugar pra mais um fazendo o que ela faz.

    Ou seja, a avaliação que ela tem do Brasil, no mínimo, é diferente da avaliação de certos “gurus” econômicos e suas profecias catastrofistas…

  115. Edu said

    Pois é, realmente, eu não sou especialista, mas não vejo outra alternativa ao concorrente da Bovespa senão a briga por preço, no caso, o preço unitário da transação.

    O preço da Bovespa não me parece nada absurdo, mas tudo bem, se tiver que pagar menos para fazer minhas transações, ótimo!

    Mas…

    Quanto mais baixo o valor por transação, maior o volume de transações?

    Para que um maior volume de transações, se o governo está focando em investidores de longo-prazo?

    Seria a expectativa de que o capital especulativo no Brasil tende a aumentar?

  116. Pax said

    Vergonha!!!

    Enviado via iPhone

  117. Pax said

    Pizza !!!

    Quem são os pizzaiolos?

    Passa a ser mais portanto que a farsa da CPMI.

    Enviado via iPhone

  118. Pax said

    Importante… Na frase acima.

    Enviado via iPhone

  119. Edu said

    Nossa Pax,

    Desde o primeiro post sobre essa CPMI eu já sentia o cheiro de pizza…

    Afinal, qual era o objetivo?

    Incriminar o Demóstenes? – O Demóstenes já havia saído, além disso, já estava mais que queimado.

    Incriminar a Veja? – A Veja, como dito pelo próprio Elias, não tem nada.

    Incriminar a Delta? – A primeira coisa que a CPMI fez foi dizer que a Delta estaria fora das investigações…

    Incriminar o restante das pessoas ligadas à Delta? – Pra que, se nem a Delta iria ser investigada?

    Ou seja: Pizza… era uma pizza clara, óbvia, ridícula, desde sempre.

    E o mensalão? Este sim, importante… kd?

    Depende… dos termos ($$) envolvidos. Por enquanto os juizes estão ameaçando julgar… e o PT tá morrendo de medo.

  120. Elias said

    Edu,

    O preço cobrado por transação importa, sim, mas não tanto.

    Não é isso que faz com que uma nova bolsa de valores se instale no país.

    O que atrai um empreendimento como esse é a perspectiva de um volume de negócios crescente.

    Pax,

    Modestamente, cantei a pedra aí acima.

    E quem tem motivos pra dar uma respiradinha de alívio são os Civita, né?

    Mas isso é só mais um lance do jogo…

  121. Edu said

    Elias,

    Concordo contigo, na verdade era mto mais uma provocação do que uma análise propriamente dita, vc percebeu. =D

    Apenas para complementar, o que toda empresa que fez IPO nos últimos 10 anos aqui no Brasil é justamente voltar atrás. Prestar contas é um saco e grandes grupos brasileiros odeiam o mercado palpitando nas decisões que eles tomam.

    A impressão que eu tenho é que, se estes grupos lucrarem o suficiente para sairem da bolsa, eles farão isso. Concordo que o Brasil é um país-alvo para investimentos, apesar da administração política ser caótica e a administração econômica seja um tanto aquém do que o esperado para um crescimento condizente com o potencial do país. Ainda assim, se eu fosse essa Direct Edge, reavaliaria as projeções!

  122. iconoclastas said

    “Quanto mais baixo o valor por transação, maior o volume de transações?

    Para que um maior volume de transações, se o governo está focando em investidores de longo-prazo?”

    sim, para a primeira. as taxas cobradas no Brasil são altas em relação as principais bolsas, daí a oportunidade de entrada para outros palyers. para quem opera pouco não faz muita diferença, mas para um heavy user sim. não é a toa que muitas empresas nacionais têm maior volume de negócios em NY do que aqui. nessa tendência as próprias corretoras vão acabar sofrendo um squeesezinho tb, e muitas (já apertadinhas…) vão pular que nem pipoca. o fato é o seguinte: concorrência – exceto em alguns poucos casos nos quais oligopólios se justificam por causa das economias de escala (setor elétrico, por exemplo) – é sempre benvinda para o consumidor.

    para a segunda, não entendi o que o governo tem a ver com isso, a não ser o fato de que aquela lambança do IOF ter tornado ainda mais caro para o capital estrangeiro operar aqui. agora esse perebas da fazenda e do bacen estão se apavorando e passaram a empurrar dólar para o mercado para tentar aliviar a alta… se tem alguém querendo vir, estenda-se o tapete vermelho. hj, o que de fato ocorre é que quem estão dentro já começou a se proteger, e o bacen tá facilitando essa tarefa…

    ;^/

  123. iconoclastas said

    “o que de fato ocorre é que quem estão dentro já começou a se proteger,

    acontece…

    …quem está

    ;^)

  124. iconoclastas said

    ah, e aí, molambada, foi proveitosa a convocação do Waterfall? avançaram nas investigações?

    ;^)))

  125. Pax said

    Questão é que esta CPMI foi incentivada pelo ….

    Mas depois que descobriram que ….

    Os jagunços …. e ….. e …..

    Resolveram blindar …… e ……

    Melhor premiar o Policarpo com um Pulitzer e indicar o Demóstens para o STF.

    O Cachoeira? Bem, algo como empresário do ano, por aí.

    E o povo, bravo povo brasileiro?

    Um nariz de palhaço para todos.

    Que vergonha!

    Só não contavam, nesta palhaçada geral, com a soberba idiotice de quem entregou o jogo para os palhaços, digo, o povo, bravo povo brasileiro. Que um dia, quem sabe, cobrará a conta.

    Ah, sim, de quebra poderiam dar um prêmio ao Vaccarezza. Qual seria?

    Enviado via iPhone

  126. Chesterton said

    essa CPI foi para tentar pegar a Veja e atrasar a história do mensalão, só que……..

  127. Chesterton said

    The fact that so many successful politicians are such shameless liars is not only a reflection on them, it is also a reflection on us. When the people want the impossible, only liars can satisfy them, and only in the short run. The current outbreaks of riots in Europe show what happens when the truth catches up with both the politicians and the people in the long run.

    Among the biggest lies of the welfare states on both sides of the Atlantic is the notion that the government can supply the people with things they want but cannot afford. Since the government gets its resources from the people, if the people as a whole cannot afford something, neither can the government.

    There is, of course, the perennial fallacy that the government can simply raise taxes on “the rich” and use that additional revenue to pay for things that most people cannot afford. What is amazing is the implicit assumption that “the rich” are all such complete fools that they will do nothing to prevent their money from being taxed away. History shows otherwise.

    chest- aí está porque o negão Thomas Sowell é O CARA!

  128. Chesterton said

    After the Constitution of the United States was amended to permit a federal income tax, in 1916, the number of people reporting taxable incomes of $300,000 a year or more fell from well over a thousand to fewer than three hundred by 1921.

    Were the rich all getting poorer? Not at all. They were investing huge sums of money in tax-exempt securities. The amount of money invested in tax-exempt securities was larger than the federal budget, and nearly half as large as the national debt.

    This was not unique to the United States or to that era. After the British government raised their income tax on the top income earners in 2010, they discovered that they collected less tax revenue than before. Other countries have had similar experiences. Apparently the rich are not all fools, after all.

    In today’s globalized world economy, the rich can simply invest their money in countries where tax rates are lower.

    So, if you cannot rely on “the rich” to pick up the slack, what can you rely on? Lies.

    Nothing is easier for a politician than promising government benefits that cannot be delivered. Pensions such as Social Security are perfect for this role. The promises that are made are for money to be paid many years from now — and somebody else will be in power then, left with the job of figuring out what to say and do when the money runs out and the riots start.

    There are all sorts of ways of postponing the day of reckoning. The government can refuse to pay what it costs to get things done. Cutting what doctors are paid for treating Medicare patients is one obvious example.

    That of course leads some doctors to refuse to take on new Medicare patients. But this process takes time to really make its full impact felt — and elections are held in the short run. This is another growing problem that can be left for someone else to try to cope with in future years.

    Increasing amounts of paperwork for doctors in welfare states with government-run medical care, and reduced payments to those doctors, in order to stave off the day of bankruptcy, mean that the medical profession is likely to attract fewer of the brightest young people who have other occupations available to them — paying more money and having fewer hassles. But this too is a long-run problem — and elections are still held in the short run.

  129. Chesterton said

    Is it so surprising voters with unrealistic hopes elect politicians who lie about being able to fulfill those hopes?

  130. Elias said

    Edu,

    Não creio que grandes grupos empresariais brasileiros desejem se retirar da bolsa. Pode até ser que um ou outro… Mas isso dificilmente seria uma tendência… A meu pensar, a tendência é o exato oposto: uma quantidade cada vez maior de empresas brasileiras abrindo seu capital.

    Na maior parte do tempo, o mercado de capitais recebe mais influência das decisões empresariais e governamentais que as influencia. Não é que não exista a influência do mercado sobre as decisões empresariais e governamentais. Apenas ela é pouco comum e, em geral, se manifesta ostensivamente em casos extremos. Quase sempre, a influência exercida pelo mercado é mais sutil e, em regra, dificilmente é admitida pelo “influenciado”.

    O oposto é mais frequente. Acontece mais. O “mercado” é supersensível a decisões empresariais, governamentais, etc.

    Exemplo 1: a queda de braço dos juros no Brasil. A decisão do governo de empurrar os juros pra baixo, e a ampliação das carteiras imobiliárias da Caixa Econômica e do Banco do Brasil, geraram uma expectativa otimista em relação às empresas de construção civil. Resultado: aumentou a demanda pelas ações dessas empresas, e o preço dessas ações subiu um pouco.

    Exemplo 2: no final da semana passada e no início desta semana, o Primeiro Ministro chinês disse e reafirmou que vai priorizar o crescimento econômico, mesmo que isto signifique mais despesa pública e mais inflação. Resultado: expectativa otimista em relação a empresas como a Vale, cujos resultados estão firmemente amarrados à demanda chinesa (apesar do balanço do 1º tri/2012 não ser dos melhores…).

    Exemplo 3: a notícia de que a petroleira do Eike Baptista está chegando ao ponto de produção, criou uma expectativa otimista em relação a ela, apesar do balanço do 1º tri também não ser dos melhores. Acontece que ela vai operar numas jazidas imensas. Pode ser que bamburre ainda em 2012… Tem um monte de gente achando que é uma boa apostar nela.

    Por ser extremamente sensível a expectativas que nem sempre se confirmam, o mercado vive numa eterna gangorra. Em épocas de crise, como a atual… Sai de perto!

    Quem acompanhou os efeitos da crise econômica sobre o mercado de capitais europeu, deve ter notado a demência. A Grécia vai dar o calote… Pra baixo! Nada disso, a Grécia vai pagar… Pra cima! O 1º Ministro da Grécia vai ser o Fulano… Pra baixo! Não.,. Vai ser o Sicrano… Pra cima! Tudo isso dentro de uma semana ou duas…!

    Galbraith costumava comparar o comportamento do mercado de capitais com o comportamento de um portador de psicose maníaco-depressiva.

    Daí, aliás, os termos “euforia financeira” e “depressão” que, volta e meia, são usados pra caracterizar certas circunstâncias, como é o caso de uma bolha e do que acontece depois que a bolha estoura.

    Tem sido assim desde as tulipas holandesas. Na verdade, em escala bastante reduzida, esse vai-e-vem acontece o tempo todo no tal “mercado”.

    Acho que o mercado de capitais de um país se torna mais sólido à medida que o Estado fiscaliza mais eficazmente as empresas. Nos últimos 15 anos houve um brutal aumento dessa eficácia. Acho que isso está produzindo algum efeito, junto com a estabilidade econômica, um crescimento contínuo da economia e um monte de outras coisas mais.

    Um amigo meu tem uma estatística que apura a quantidade de investidores no mercado de capitais do Brasil, a quantidade de entrantes, etc. Segundo essas estatísticas, a quantidade de investidores tem crescido a taxas mais elevadas que o crescimento da população e o volume de recursos tem crescido a taxas mais elevadas que a taxa de crescimento econômico.

    Se isso realmente está acontecendo, é indicativo de um aumento no nível de confiança, né?

  131. Elias said

    Para o deputado Fernando Francischini (PSDB-PR), o depoimento de Cachoeira não “esclareceu nada”, mas “já é um primeiro enfrentamento”. “Ele viu que é necessário respeitar os parlamentares e em uma outra ocasião não vai ter desculpas para se esconder.”

    Esse Francischini só pode ser doido.

    Pax,
    Nem todo mundo se queixa da CPI.

    O advogado e ex-Ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, com certeza está entre os que não se queixam.

    O cachê dele é estimado entre R$ 2 milhões (o mínimo que ele cobra) e R$ 6 milhões (o máximo que já cobrou).

    Aqui no Pará, Márcio conseguiu livrar da cadeia o ex-deputado Sefer (DEM).

    Sefer foi acusado de abusar sexualmente de uma garota durante 3 anos. A coisa teria começado quando a garota tinha 9 anos e perdurou até que ela completasse 12 anos, quando fugiu da casa do ex-deputado.

    Sefer é médico e, segundo o inquérito policial, ele usava espéculos vaginais na garota, antes de submetê-la a outras perversões.

    Ele foi condenado em primeira instância a 21 anos de prisão. Mas Thomaz Bastos conseguiu a absolvição dele em segunda instância. Thomaz Bastos “provou” que Sefer é que foi vítima da garota, que frequentava boates, passava a noite fora de casa e se prostituía (interessante que Sefer era responsável pela educação da criança; se essa criança, que estava sob sua tutela e responsabilidade, frequentava boates e bordéis com o conhecimento de Sefer, Suas Excelências, os Juízes, poderiam pelo menos questionar o estranho modo de Sefer exercitar sua responsabilidade e tutela).

    A decisão judicial favorável a Sefer teria sido facilitada pelo fato de que as testemunhas que depuseram contra ele em primeira instância simplesmente desapareceram. Sumiram sem deixar vestígios.

    Sefer permanece em liberdade, e continua autorizado a exercer a medicina.

    Tendo defendido Sefer, Márcio Thomaz Bastos agora defende o Cachoeira.

    Putz!

    Sei que o cara está apenas ganhando o dinheiro dele, exercendo sua profissão, mas… Ele excedeu! Simplesmente excedeu!

  132. Michelle de Souza Malone said

    Tio Pax

    Noticias selecionadas para reflexão noturna:

    Sabe quanto custa o patrocínio do BB ao volei brasileiro ? R$ 165,4 milhões!
    http://www.pannunzio.com.br/archives/11433

    Staff de Dilma tentou convencer manifestantes da Unifesp a não usarem nariz de palhaço
    http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,staff-de-dilma-tentou-convencer-manifestantes-da-unifesp-a-nao-usarem-nariz-de-palhaco,874837,0.htm

    Nassif, que falava em 200 ligações entre Cachoeira e Policarpo, agora diz que são 47
    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/59949/Nassif-que-falava-em-200-liga%C3%A7%C3%B5es-entre-Cachoeira-e-Policarpo-agora-diz-que-s%C3%A3o-47.htm
    e mais
    A CPI está no caminho certo Luis Nassif
    http://www.ocafezinho.com/2012/05/18/cpi-esta-no-caminho-certo/

    FALA CAVENDISH!

    Tio Pax
    Enviei este email a todos meus amigos na Web.
    Envie vc também. Não doi eu garanto.

    Meus Amigos / Minhas Amigas,

    Acabei de ler e assinar o abaixo-assinado online:
    «Pelo Início do Julgamento do “Mensalão” no STF»

    http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N22495

    Eu concordo com este abaixo-assinado e acho que você também pode concordar.

    Assine o abaixo-assinado e divulgue para seus contatos. Vamos juntos fazer democracia!

    Obrigada,
    Michelle

    Sent from my iPad

  133. iconoclastas said

    hohoho, e quanta confiança…

    “The benchmark Bovespa (IBOV) index declined 2.7 percent to 55,038.75 at the close in Sao Paulo. Forty-nine stocks dropped while 18 advanced. The real weakened 1.7 percent to 2.0778 per U.S. dollar at 5:32 p.m. local time, the lowest in three years.

    http://www.bloomberg.com/news/2012-05-22/bovespa-drops-as-homebuilders-tumble-on-rate-outlook-ogx-falls.html

    ;^/

  134. Pax said

    Que palhaçada … Não consigo engolir o prato que essa turma põe à mesa.

    Ah, Vaccarezza, fizeste o favor de entregar a turma toda de bandeja.

    Grande Vaccarezza.

    Bem que podia voltar a ser líder do governo na Câmara, como prêmio por desempenho no circo.

  135. Chesterton said

    O advogado do PT e mais um da clientela “seleta”. A mafia tomou conta, e Lula é o responsavel.

  136. Chesterton said

    Ah, Elias, como gostaria de ter teu otimismo….

  137. Jose Mario HRP said

    Oposição chateada pois o ex amigo não “quiz” falar!
    Que seca PSDB/PEFELE!

  138. Patriarca da Paciência said

    Mudando um pouco de assunto.

    Uma opinião perfeita sobre meio ambiente e questões ecológicas:

    Mauro Santayana

    A Presidente da República, segundo as informações da imprensa, deverá vetar, em parte, o novo Código Florestal, aprovado pelo Congresso Nacional. Deixando de lado as questões técnicas, que reclamam a opinião dos especialistas, a decisão se relaciona a uma das mais cruciais questões de nossa tempo: até quando poderemos sobreviver com o atual modelo de sociedade industrial, baseado no consumo exacerbado de energia e de outros recursos naturais?
    Dentro de duas semanas fará 40 anos que se reuniu (de 5 a 16 de junho de 1972) , em Estocolmo, a Primeira Conferência das Nações Unidas sobre o Homem e o Meio Ambiente. Acompanhei, para este Jornal do Brasil, os trabalhos da reunião, recordo que a principal questão continua em aberto, até os nossos dias, e é de natureza política. Alguns especialistas concluíram que era necessário interromper o crescimento industrial, a fim de preservar o ambiente natural e, assim, manter a vida na Terra.
    A tese dos países industriais, retomando as conclusões do Clube de Roma, era a do crescimento zero, a partir de então. Ora, se esse projeto fosse adotado pelo mundo, os paises ricos continuariam ricos, e os paises pobres se manteriam na miséria.
    A melhor intervenção – confirmada em uma entrevista coletiva a que pude assistir – foi a da Senhora Indira Gandhi, primeira-ministra da Índia. Ela disse, com lucidez e coragem, que se o mundo queria sobreviver, não seria mantendo em situação infra-humana as populações dos paises subdesenvolvidos, mas, sim, reduzindo o consumo de energia (nele incluídas as calorias dos alimentos) dos povos ricos.
    Como demonstrou, com informações estatísticas, os norte-americanos consumiam, per capita, quase duzentas vezes mais do que os africanos, dezenas de vezes mais do que os indianos e tantas vezes mais do que os habitantes de regiões mais atrasadas da América Latina.
    O impasse levou a Conferência de Estocolmo ao malogro, mas provocou novos debates, sobre que providências políticas poderiam ser tomadas, a fim de desatar esse nó górdio. As nações menos desenvolvidas não concordavam, e continuam não concordando, com toda a razão, a sacrificar os seus povos, privando-os do desenvolvimento e de padrões de consumo e de saúde obtidos pela tecnologia, em favor da sobrevivência privilegiada dos ricos.
    Os ricos, com seu poder econômico e militar, não admitem reduzir o padrão de bem-estar, baseado no consumo exagerado de energia. Uma saída desonrada foi a do neoliberalismo, com a chamada globalização da economia. O objetivo foi o de construir uma “governança mundial”, não fundada na discussão e decisão de todos os povos, mediante as Nações Unidas, mas, sim, no poderio militar e econômico dos maiores paises do mundo, cujos governos são controlados pelas grandes corporações industriais e financeiras internacionais. Como efeito colateral do neoliberalismo e do governo mundial, bilhões de pessoas permaneceram excluídas da sociedade econômica, e centenas de milhões de outras a elas se somaram, expulsas da vida que conhecemos.
    Alguns cientistas argumentam que, para estender a todos os homens os padrões de conforto e consumo dos países ricos, dentro de poucos anos serão necessários os recursos de dois planetas e meio. Sendo assim, e a menos que a ciência nos ofereça saídas inimagináveis, como usinas de montagem atômica de metais, gases e outras matérias, no volume exigido pelo aumento da população, a vida se extinguirá. Provavelmente na luta brutal pela conquista e exploração dos últimos recursos naturais da Terra, entre eles a água limpa, se algum meteoro não nos conceder rápida eutanásia universal. A outra solução está na busca de outros padrões de vida, baseados na austeridade e na solidariedade, de maneira a substituir o volume das coisas consumidas pela melhor qualidade da existência.
    Já no início dos anos 40, o pensador alemão Friedrich Georg Junger, então companheiro de Marcuse e outros pensadores da Escola de Frankfurt, publicou um dos mais instigantes ensaios do século, Die Perfektion der Technik, para desmontar o mito da tecnologia. Junger demonstra que, no fundo, a técnica se baseia no movimento circular que se limita em si mesmo, apesar da aparência do avanço. A partir do relógio, instrumento tecnológico por excelência, para medir e controlar o tempo, Junger mostra que toda a produção técnica está fechada em círculos, em ciclos repetitivos (as engrenagens, os discos, os motores, as turbinas). E conclui, depois de exaustivo excurso, que a técnica não significa mais produção e, sim, mais consumo; não alivia o trabalho humano, embora possa reduzir o esforço físico, mas, sim o exacerba; não traz mais liberdade e, sim, mais submissão aos opressores capitalistas.
    Conter a destruição do meio-ambiente em nosso país é necessário, daí a administração pelo Estado do avanço da agricultura sobre a cobertura florestal. Mas é preciso, da mesma forma, reduzir a histeria – com o perdão das mulheres – dos ecologistas, grande parte deles, conscientes ou não, agentes dos interesses externos. Os ricos pretendem, por outros meios, conseguir o que desejavam, no Clube de Roma, em Estocolmo e nos demais encontros internacionais (como o que ocorrerá no Rio, também dentro de alguns dias): conservar o seu bem-estar à custa de nossa renúncia ao desenvolvimento, e, ao mesmo tempo, apossar-se do que preservamos de recursos naturais – entre eles nossos minérios raros, nosso petróleo e nossa biodiversidade.
    Uma coisa é certa: a ciência e a tecnologia – quando privadas de ética e da filosofia prática, isto é, daquilo a que chamamos política – não serão capazes de resolver a questão. O problema é político, e só o poder político poderá resolvê-lo.
    No exercício da política, que lhe cabe, a presidente deverá conter a ânsia destruidora do projeto, dentro de sua possibilidade de ação disciplinadora. Outras medidas são esperadas, na exploração racional de nossa natureza, mas pelas nossas próprias razões – não pelo interesse dos outros.

    (Blog do PHA)

  139. Jose Mario HRP said

    Veto perfeito o que a Dilma fará!
    Caos total em Sampa!
    Deve ser culpa também do PT!

  140. Patriarca da Paciência said

    Tese polêmica.

    Com base no texto do Mauro Santayana, podemos concluir:

    O modelo norte-americano é totalmente inviável para a fase em que a humanidade se encontra.

    O modelo cubano, com algumas modifificações, imprensa livre mas devidamente regulamentada, eleições livres mas devidademente regulamentadas etc.etc. é o modelo mais recomentável para o estágio em que a humanidade se encontra.

  141. Pax said

    À militância petista:

    Leiam o Kotscho.

    Não deixem Vaccarezza e Paulo Teixeira jogarem tudo na lama.

  142. Pax said

    Caro Patriarca,

    Sua tese poderia ser melhorada, se me permite.

    Troque Cuba por alguns exemplos nórdicos. Estado forte, impostos altos, busca de equilíbrio e justiça social, igualdade de oportunidades e, aqui onde tudo fica melhor na tese, em minha opinião, liberdade.

    Liberdade = opinião, expressão, ir e vir, votar, e, a pitada final –> empreender!

  143. Pax said

    Igualdade de oportunidades = Escola pública de primeira categoria !

  144. Elias said

    “Oposição chateada pois o ex amigo não ´quiz´ falar!” (Joisé Mário HRP)

    Oposição chateada, Zé Mário? De jeito nenhum!

    Ela adorou o silêncio do Cachoeira!

    Presta bem atenção no que a “grande” imprensa publicou desde a semana passada. Foi uma imensa “sugesta” pro marginal ficar de boca fechada…

    Como bom malandro profissional, ele deixou claro que seu silêncio não é definitivo. Ele deu a entender que fez a parte dele. Cumpriu a parte dele no trato. A bola está com os parceiros dele, agora. Vamos ver se eles têm cacife pra cumprir o que prometeram.

    A meu pensar, de imediato Cachoeira quer um habeas corpus. Se ele continuar enjaulado, seus concorrentes na contravenção vão acabar loteando o território dele. Se isso acontecer, ele perde dinheiro, perde o poder e o escambáu. Aí não terá motivo pra ficar calado.

    E ele deve ter muita coisa pra contar, inclusive — talvez principalmente — sobre a Veja…

    Deve ter muita coisa ainda não vazada… O que vazou há de ter sido escolhido com precisão cirúrgica… Geralmente os vazamentos são recados do tipo “Lá no lugar de onde tirei isto, há muito mais…”. É um posicionamento de mercadoria.

    Até porque, depois de 10 anos de relações carnais com a Veja, ninguém com um mínimo de juízo acredita que ele botou só a cabecinha; sem jamais enfiar tudo nem gozar dentro, né?

  145. Pax said

    E o senador Vital do Rêgo deixou seu sobrenome à mostra. “Cosas del bandonion” deste pior Congresso de todos os tempos. Vaccarezza taí pra não me desmentir.

    Acontece que Vaccarezza e sua turma já parecem preferir blindar Perillo, Veja, Olhe, Espie e tudo mais para que a Delta Brasil não exponha o “amor nos tempos do Cólera” -> “nós samu teu, amor meu…”

    Barbaridade.

    Quem lidera esse bando de destruidor de imagem? Lá no alto? Quem dita as “ordis”?

    Ao menos salvem a rainha Dilma desta porcalhada, por favor.

    Lula, entre em campo. Conserte o que iniciaste. Pau que nasce torto, morre ainda pior.

    Tem horas que é melhor expor as verdades que exibir as próprias vergonhas, os rêgos à mostra são muito penetráveis.

  146. Edu said

    A imprensa manda mais na boca do Cachoeira do que o “adevogado” dele? Desculpe, Elias, mas não entendi o raciocínio.

  147. Patriarca da Paciência said

    “E ele deve ter muita coisa pra contar, inclusive — talvez principalmente — sobre a Veja…

    Deve ter muita coisa ainda não vazada… O que vazou há de ter sido escolhido com precisão cirúrgica… Geralmente os vazamentos são recados do tipo “Lá no lugar de onde tirei isto, há muito mais…”. É um posicionamento de mercadoria. ”

    Concordo, caro Elias,

    Esse Carlinhos Cachoeira me parece o cara mais diabólico já aparecido nos últimos tempos, não só a nível nacional como a nível internacional.

    Não tenho notícia de qualquer outro mafioso que tenha chegado tão longe!

    O cara chegou a manipular, através dos seus tentáculos, decisões de governo e boa parte da opinião pública.

    É um feito espantoso para uma pessoa só.

    Realmente o goiano colocou os sicilianos como aprendizes.

  148. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    realmente, Dinamarca, Suécia etc. são exemplos bem melhores.

    Mas, a curto prazo, países pobres ainda levarão muitos anos para atingir o nível dos países nórdicos.

    Já o modelo cubano, com algumas melhoradas, está bem mais próximo.

    O IDH de Cuba se aproxima bastante dos países desenvolvidos.

  149. Pax said

    Todos são iguais ao Vaccarezza? Provocaram por aqui.

    Não! Se metade fosse igual ao Paulo Paim, a desgraça não existiria.

    Trabalha todos os dias, não compactua com o Vacc…digo Diabo, tem uma linha de atuação da maior coerência, atua com dignidade nas comissões e plenário etc.

    Nos tempos de estaleiro para conserto das fraturas a gente tem oportunidade de separar o joio do trigo.

    Há trigo no meio deste joio, sim.

  150. Edu said

    Elias,

    Sobre o assunto da bolsa:

    “Não creio que grandes grupos empresariais brasileiros desejem se retirar da bolsa. Pode até ser que um ou outro… Mas isso dificilmente seria uma tendência… A meu pensar, a tendência é o exato oposto: uma quantidade cada vez maior de empresas brasileiras abrindo seu capital.”

    Eu tendo a olhar isso sob uma perspectiva diferente: na última década houve uma onda de IPO. Pode haver vários motivos, minha opinião é de que eles viram nisso uma oportunidade de financiar seu crescimento. E nem sequer pensaram nas consequências que iriam enfrentar, como por exemplo: situações de crise econômica acabando com o valor da empresa deles, prestação de contas, profissionalização forçada. As empresas que fizeram a transição de uma cultura familiar para uma cultura profissional tendem a não sair da bolsa, as que permaneceram com a cultura familiar estão doidas para sair da bolsa. Há alguns exemplos de empresas que já fecharam capital.

    “Na maior parte do tempo, o mercado de capitais recebe mais influência das decisões empresariais e governamentais que as influencia.”

    Sim! Justamente por isso que esses grupos não têm interesse em continuar na bolsa. Uma decisão errada, as ações caem, uma decisão que o mercado não veja sentido, as ações caem, uma crise política do outro lado do mundo cujo país é o principal mercado da empresa, as ações caem. Dá trabalho! Precisa de profissionalismo, e uma coisa eu te garanto: os caras entendem muito do negócio deles, ganham rios de dinheiro, mas estão muuuuito longe de serem profissionais, além disso, prestar contas definitivamente não é com eles.

    “Acho que o mercado de capitais de um país se torna mais sólido à medida que o Estado fiscaliza mais eficazmente as empresas. Nos últimos 15 anos houve um brutal aumento dessa eficácia. Acho que isso está produzindo algum efeito, junto com a estabilidade econômica, um crescimento contínuo da economia e um monte de outras coisas mais.”

    Também concordo. O Novo Mercado da Bovespa é um exemplo disso aí, só que novamente, participar do Novo Mercado, onde as regras de governança corporativa são mais exigentes, dá um trabalhão. Mas isso não quer dizer que os caras queiram continuar no Novo Mercado.

    “Um amigo meu tem uma estatística que apura a quantidade de investidores no mercado de capitais do Brasil, a quantidade de entrantes, etc. Segundo essas estatísticas, a quantidade de investidores tem crescido a taxas mais elevadas que o crescimento da população e o volume de recursos tem crescido a taxas mais elevadas que a taxa de crescimento econômico.”

    Seu amigo deveria fazer uma estatística do aumento do day trade também e o tempo médio de posições compradas, afinal, aumento de investidores, sem outras informações, pode significar qualquer coisa, inclusive aumento de capital especulativo…

  151. Edu said

    Pax e Patriarca,

    CUBA?! hahahahahaha

    Países Nórdicos: sim muita liberdade, vc tem limite de bebida alcoólica para comprar por pessoa, por dia…

  152. Chesterton said

    Liberdade = opinião, expressão, ir e vir, votar, e, a pitada final –> empreender!

    chest- mas é um capitalista selvagem….o Patriarca tem arrepios com a palavcra empreender

    Igualdade de oportunidades = Escola pública de primeira categoria !

    chest- com esse “time” de professores sindicalizados?

  153. Chesterton said

    Edu e Elias, se ficar barato, os estrangeiros voltam.

  154. Edu said

    Chest,

    hehehehe pois é!

    Eu não acho que quedas de braço com a Europa ou EUA resolvam problemas de especulação… eu acho que políticas de desenvolvimento consistentes, direcionamento econômico e limites regulatórios claros têm mais chances de resolver.

  155. Patriarca da Paciência said

    Para Chesterton começar a entender um pouco o que significa a palavra liberdade:

    “A: Eis uma bateria de canhões que atira junto aos nossos ouvidos; tendes a liberdade de ouvi-la e de a não ouvir?
    B: É claro que não posso evitar ouvi-la.
    A: Desejaríeis que esse canhão decepasse a vossa cabeça e as da vossa mulher e da vossa filha que estivessem convosco?
    B: Que espécie de proposição me fazeis? Eu jamais poderia, no meu são juízo, desejar semelhante coisa. Isso é-me impossível.
    A: Muito bem; ouvis necessariamente esse canhão e, também necessariamente, não quereis morrer, vós e a vossa família, de um tiro de canhão; não tendes nem o poder de não o ouvir nem o poder de querer permanecer aqui.
    B: Isso é evidente.
    A: Em consequência, destes uma trintena de passos a fim de vos colocardes ao abrigo do canhão: tivestes o poder de caminhar comigo estes poucos passos?
    B: Nada mais verdadeiro.
    A: E se fôsseis paralítico? Não teríeis podido evitar ficar exposto a essa bateria; não teríeis o poder de estar onde agora estais: teríeis então necessariamente ouvido e recebido um tiro de canhão e necessariamente estaríeis morto?
    B: Nada mais claro.
    A: Em que consiste, pois, a vossa liberdade, se não está no poder exercido pelo vosso indivíduo de fazer o que a vossa vontade exigia com absoluta necessidade?
    B: Embaraçais-me; então a liberdade é apenas o poder de fazer o que bem entendo?
    A: Reflecti um pouco. Vede se a liberdade pode ser outra coisa.
    B: Neste caso o meu cão de caça é tão livre como eu; ele tem necessariamente a vontade de correr quando vê uma lebre e o poder de correr se não estiver doente das pernas. Eu nada tenho, pois, mais do que meu cão: reduzis-me ao estado das bestas.
    A: Eis uma série de pobres sofismas dos pobres sofistas que vos instruíram. Eis que estais despeitado por não serdes livre como o vosso cão. Ora, não vos pareceis com ele em mil coisas? A fome, a sede, o velar, o dormir, os cinco sentidos, não são em vós como nele? Pretenderíeis cheirar com outro qualquer órgão além do nariz? Por que quereis uma liberdade diferente da que ele tem?
    B: Porém eu tenho uma alma que raciocina muito bem, e o meu cão não pensa em coisa alguma. Ele apenas tem idéias simples, enquanto eu tenho mil idéias metafísicas.
    A: Pois muito bem! Sois mil vezes mais livre do que ele, isto é, tendes mil vezes mais poder de pensar do que ele; porém a vossa liberdade é perfeitamente igual à dele.

    B: Como? Eu não tenho a liberdade de querer o que desejo?
    A: Que entendeis com isso?
    B: O que toda gente entende. Não se diz diariamente: “As vontades são livres”?
    A: Um provérbio não é uma razão; explicai-vos melhor.
    B: Penso que sou livre de querer como melhor me agradar.
    A: Com vossa licença, isso não tem o mínimo sentido; não percebeis que é ridículo dizer: “Eu quero querer”? Necessariamente, vós desejais em consequência das idéias que se vos apresentam. Quereis
    casar, sim ou não?
    B: Mas e se eu vos disser que não quero nem uma nem outra coisa?
    A: Responderíeis como aquele que disse: “Uns pensam que o cardeal Mazarino está morto; outros, que está vivo; eu não creio nem numa coisa nem noutra”.
    B: Pois bem, quero casar-me.
    A: Isto é responder! Por que quereis casar?
    B: Porque estou apaixonado por uma bela rapariga, bem educada, muito rica, que canta muito bem, filha de pais honestos e que me ama, assim como sua família.
    A: Eis uma razão. Vedes, pois, que não podeis querer sem razão. Declaro-vos que tendes a liberdade de vos casar: isto é, que tendes o poder de assinar o contrato.
    B: Como! Eu não posso querer sem motivo? Que sucede então a este outro provérbio: Sit pro ratione voluntas: a minha vontade é a minha razão, eu quero porque quero?
    A: Isso é absurdo, meu caro amigo, pois haveria em vós um efeito sem causa.
    B: Que? Quando jogo par ou ímpar tenho então um motivo para escolher par em vez de ímpar?
    A: Sim, sem nenhuma dúvida.
    B: E qual é essa razão, por obséquio?
    A: É que a ideia de par se apresentou ao vosso espírito mais do que a ideia oposta. Seria muito cómico que nalguns casos desejásseis por existir uma razão para o vosso desejo e que noutros desejásseis sem motivo. Quando vos quereis casar, sentis a razão dominante, evidentemente; não a sentis quando jogais par ou ímpar, e contudo é mister que exista uma.
    B: Mas, uma vez ainda: sou ou não sou livre?
    A: A vossa vontade não é livre mas as vossas ações o são. Tendes a liberdade de fazer quando tendes o poder de fazer.
    B: Mas, todos os livros que li sobre a liberdade de indiferença…
    A: São tolices: não existe liberdade de indiferença; é um termo destituído de senso, inventado por pessoas que o não possuem.”

    Voltaire, ‘Dicionário Filosófico’ Tema: Liberdade

  156. Elias said

    Edu,

    I – Bolsas

    Uma parcela expressiva dos negócios realizados nas bolsas é especulação. Eu diria que a maior parte. As pessoas que compram ações com perspectiva de longo prazo não estão nas bolsas.

    Em qualquer parte do mundo, se excluirmos a aplicação especulativa, as bolsas simplesmente desaparecem.

    II – Cachoeira

    Claro que a decisão de não falar não foi tomada pelo advogado do Cachoeira. O advogado deve ter negociado o preço disso. A questão, pra ele, é: não falar em troca do quê?

    Dificilmente o advogado do Cachoeira alimenta alguma ilusão quanto ao tratamento que será dado ao seu cliente na CPI. Pro Cachoeira, a batalha na CPI já foi perdida antes de começar. A esta altura da vida, o alvo do Cachoeira é outro.

    No Brasil, qual o tratamento que, tradicionalmente, se dá a pessoas em posição similar à do Cachoeira?

    Simples. Elas são assassinadas ou desaparecem sem deixar vestígios.

    Entre os assassinados, Alexandre Von Baugarten e Paulo César Farias. PC Farias, aliás, foi desembarcado mesmo sem ter dado um pio. Não derrubou nem ameaçou derrubar ninguém. Mesmo assim, dançou… (Cachoeira, ao contrário, já disse que sabe muito… apenas não quer falar agora…).

    Entre os desaparecidos, acho que o caso mais célebre é o do Peter Kellemann. Sumiu na noite e na neblina…

    Ninguém me convence que Kellemann conseguiu sair vivo do Brasil. Vaidoso como ele era, se estivesse vivo cuidaria de dar notícias. Plantaria fofocas na mídia, dizendo que estava vivo e bem no México (se estivesse na Islândia), ou nas ilhas Papua (se estivesse na Espanha), e assim por diante…

    A meu pensar, Peter Kellemann foi vaporizado. Pode estar em qualquer lugar: no alicerce de um prédio, no fundo do mar ou num buraco fundo no meio da selva. Só não está vivo…

    Cachoeira sabe demais, como ele próprio admitiu, e também sabe que, preso, a vida dele vale menos que papel higiênico servido. O que ele tem pra negociar, hoje, é o silêncio dele.

    Ele vai fazer o possível pra sair da cana dura, usando o silêncio como moeda. Assim, ele tem mais chance de ficar vivo… Se conseguir isso, vai passar um tempo entocado numa fortaleza. Quando o pessoal se distrair, ele some…

  157. Elias said

    Edu,

    A queda de braço da Dilma com a UE não tem o objetivo de acabar com a especulação, até porque a especulação no mercado de capitais é “inacabável”.

    O problema dela — dela não, nosso! — é que, com o BCE injetando dinheiro a rodo na economia européia, a juros “zero”, uma taxa de juros excessivamente alta no Brasil vai funcionar como dreno de dinheiro, daqui pra Europa.

    Simples: tu pegas dinheiro lá a juros zero, aplicas aqui a uma taxa muito mais alta e repatrias os rendimentos.

  158. Edu said

    O cara que acha que Cuba é uma referência de país vem dar lição de moral sobre liberdade…

    Aliás, reforçando a liberdade nos países nórdicos é bastante restrita: há limite para a compra de álcool por pessoa, por dia, controlado pelo governo… muitos esquerdistas defensores da legalização das drogas não aguentariam 1 dia lá; além disso, o nosso último presidente, a referência máxima do que é a esquerda brasileira de hoje não aguentaria viver lá, afinal, como é que ele iria fazer para molhar o bico?

  159. iconoclastas said

    “Entre os assassinados, Alexandre Von Baugarten e Paulo César Farias.”

    opa, e o Celso Daniel, é inexpressivo?

    que vigarice.

    já o Marcos Valério ficou quietinho, só ameaçou, e o Silvio Pereira(?) deu um chiquinho em “O Globo” e depois se arrependeu (?!?!). pelo menos, os métodos petistas de calar os descontentes evoluiram um pouquinho…

    ;^/

  160. Elias said

    Vigarista é a tua mãe!

  161. iconoclastas said

    “O problema dela — dela não, nosso! — é que, com o BCE injetando dinheiro a rodo na economia européia, a juros “zero”, uma taxa de juros excessivamente alta no Brasil vai funcionar como dreno de dinheiro, daqui pra Europa.”

    krai, isso é uma fonte inesgotável de cretinice…

    criatura iluminada , se a demanda por [título da] divida aumenta o preço sobe e a tx. de juro cai…

    o problema dela é que joga para a platéia, não faz o que tem que fazer e, ingrata, ainda tem a cara de pau de se queixar dos outros que, enquanto tentam se salvar, ainda colaboram conosco.

    já o nosso problema é…bem cada uma tem o seu, de uns é a ignorância satisfeita, o que se transforma em diverÇão para outros…

    ;^)))

  162. Patriarca da Paciência said

    “O cara que acha que Cuba é uma referência de país vem dar lição de moral sobre liberdade…”

    Edu,

    com tal frase você só comprova que é alguém totalmente dominado pela “opinião dominante” que adotou.

    Em primeiro lugar, eu coloquei nome do autor e livro de onde o texto foi extraído.

    E você poderia me explicar, baseado em quê, alguém que tenha uma opinião positiva positiva sobre Cuba, esteja proibido de emitir opiniões sobre liberdade?

    É esse o seu conceito de “democracia”?

    Realmente é um conceito espantoso!

  163. Elias said

    Idiota!

    O esquema de Marcos Valério é de outro tipo… Não dá queima de arquivo…

    Imbecil!

    Tão otário quanto a oposição babaca, que teve nas mãos um filé desse tipo e não soube o que fazer com ele…Nem do ponto de vista legal e, pior, ainda, do ponto de vista político…

    Vira latas!

  164. iconoclastas said

    “O esquema de Marcos Valério é de outro tipo… Não dá queima de arquivo…”

    se vc diz, eu creio, ta aí algo que eu não tenho pq ter dúvida sobre o seu know how…

    ;^)))

  165. Edu said

    Patriarca,

    Então Patriarca! Vc concorda com Voltaire ou concorda com Fidel Castro?

    Para mim são posições divergentes em relação ao que é liberdade. Se vc concorda com um, automaticamente exclui o outro da sua lista.

    Não tem nada a ver com meu pensamento, aliás, eu sou bastante coerente com o meu pensamento a respeito de liberdade.

  166. Pax said

    Prezados,

    Vamos discutir a bolsa, os modelos econômicos e políticos, a desgraça da atual política nacional movida a doações em “Cachoeiras” etc sem necessariamente nos discutirmos.

    Todos têm direito às suas preferencias, opiniões e sao livres para colocá-las em discussão.

    Se em outros cantos essa liberdade é parcial, aqui não é.

    Então, como deferência especial, peço que atendam ao simples pedido de mantermos a discussão no modelo mais produtivo possível.

    Posso contar com essa compreensão?

  167. Chesterton said

    Valter Pomar, secretário de Relações Internacionais do PT, convocou os militantes do partido a se comportar como policiais da internet. Eles não só devem usar a rede para fazer campanha para Lula como denunciar o que chama de “guerra suja”. Há até um endereço para o qual enviar mensagens consideradas ofensivas. O partido ameaça os que não rezam segundo a sua cartilha com uma indústria de ações judiciais. É uma intimidação explícita. Elas podem não dar em nada, mas tomam tempo, enchem a paciência. Diogo Mainardi sabe disso. Eu sei disso. Se eu postar num blog a existência de 40 quadrilheiros aliados de Lula é “guerra suja” ou informação prestada pelo procurador-geral da República? RA

    chest- aí, Elias, é essa tua função aqui?

  168. Edu said

    Elias,

    I

    Desculpe cara, é q eu fiquei com a impressão de outros posts, q vc tinha comentado que a Europa é má com o Brasil, pq as taxas de juros de lá estimulam o capital especulativo que vem parar no Brasil, e isso e aquilo…

    De repente vc diz que especulação em bolsa de valores é a coisa mais normal do mundo… Então tá.

    Então especulação quando vem da Europa é só especulação e é ruim, mas quando é feita pelo povo brasileiro é boa e sinal de confiança na economia do país…?

    II

    Então vejamos:

    Já que o Cachoeira sabe tanto assim, qual é mais provável: que a ele morra porque ele deu com a língua nos dentes contra a Veja ou contra a oposição? Ou que ele morra porque ele deu com a língua nos dentes contra a situação?

    Extrapolando um pouco: Cachoeira se beneficiava mais com a Veja, ou se beneficiava mais com a Delta e o governo?

    Eu gostaria que ele falasse tudo sobre todos. Que o Cachoeira literalmente lavasse a nossa alma desse submundo de falcatruas… é… lavar a alma é demais, mas ele poderia pelo menos mostrar um pouco mais do que a ponta do iceberg, né?

  169. Pax said

    Troco um Vaccarezza por uma convocação do Policarpo Jr.

    Vai?

    Quem sabe o Chesterton, velho e bom Chesterton, melhore suas fontes.

    =)

    Ah, mas se os colegas toparem, permitam-me querer entender um pouco mais amiúde o modelito de coleta de lixo do DF.

    Garçom, por favor, traga- me um guardanapo de linho do Ritz que eu quero dançar rumba nas calçadas de Paris depois deste Cheval Blanc.

    Ops, Cheval Blanc é do cara amigo da fonte do Chesterton, velho e bom Chesterton. Peraí, Tô ficando confuso.

    Não há algum com cuecas limpas por aí?

    Parece que não. Malditos dólares!

    Acho que vou ali vender uma casa pro cunhado do Cachoeira. Um minuto, por favor.

  170. Chesterton said

    não embroma, Pax, a VEJA é a única com coragem suficiente para fazer oposição ao governo, o resto é caudatário.
    Policarpo é O profissional, nada foi provado (aliás, nem acusação contra ele existe) que tenha tirado vantagem pessoal na caça à notícia.
    Quer ele na CPI para livrar o Vacarezza Petezza? Ia ser ótimo! Mas isso absolve o Varezza belezza? nananananinanão!

    Vamos melhorar a capacidade de argumentação, Sr Pax.

  171. Chesterton said

    O Novo Pacote Econômico do Governo, ou Ainda bem que a JBS Friboi não produz carros!!!
    Num país sério um Ministro da Fazenda deveria explicar porque ele lança um pacote de medidas de recuperação da atividade econômica, dado que ele mesmo afirma que não há problemas com a atividade econômica. Mas enfim, nessa dialética desenvolvimentista que caracteriza a pior equipe econômica de todos os tempos, nada é tão ruim que não possa ser piorado.

    O Governo lançou um pacote de estímulos que diminui impostos, e aumenta o crédito, para determinados segmentos do mercado automotivo e de bens de capital. Cabe ressaltar que no tocante a impostos a redução vale até agosto desse ano. Então vamos ver porque esse pacote também não vai funcionar:

    1) O problema do Brasil não é conjuntural, é estrutural. Medidas conjunturais não irão resolver o problema básico da economia brasileira: alta carga tributária, baixa produtividade, legislação trabalhista inadequada, etc.
    2) O problema do Brasil não é de demanda, é de oferta. O pacote do governo parece acreditar que é possível consumir sem produzir antes.
    3) O pacote é tão ruim, mas tão ruim, que nem mesmo na indústria automobilística irá ajudar. Acontece que muitas pessoas iriam comprar carro até o final do ano, mas com o estímulo tributário elas irão antecipar a compra. Isto é, o número total de veículos vendidos no ano vai se alterar pouco.
    4) Geralmente na compra de um veículo novo você usa seu veículo usado como entrada. Como o preço de carros novos irá cair, o preço dos usados TAMBÉM irá cair. Logo, é bem provável que a diferença final que o consumidor deve inteirar se reduza pouco.
    5) Uma pessoa que pretendia reformar a casa esse ano, e trocar de carro ano que vem, pode perfeitamente inverter suas prioridades. Comprando o carro agora e deixando a reforma para depois. Isso implica que o estímulo ao setor automobilístico terá sido obtido a custa de perdas em outros setores da economia.

    O pacote do governo para ajudar MAIS UMA VEZ o ineficiente setor automobilístico brasileiro só não é pior porque o JBS Friboi não produz carro…. mas como disse antes, para essa equipe econômica, nada é tão ruim que não possa ser piorado.
    POSTADO POR BLOG DO ADOLFO ÀS

  172. mona said

    Caríssimos,
    após ler o comentário do Patriarca, contraposto com o Edu, acerca do melhor modelo de sociedade, só tenho uma coisa a declarar:
    Pat da Pac, creio que quando vc esticar a mão, na privada,e encontrar um sabugo de milho (muita gente ainda usa isso no meio do mato, sabiam?) e não a quintessência da tecnologia representada pelo papel higiênico, talvez haja um reposicionamento de sua parte.

    Elias e Pax:
    a partir do momento que um ex-ministro da Justiça – que conhece como ninguém os mecanismos do judiciário, do executivo e seus aparelhos repressivos, e também do executivo (ou seja, tem o País na mão) – é o advogado do maior contraventor e chefe do crime organizado , com suas ramificações em todos o níveis da vida pública (e privada) desta Nação, a única conclusão a que se pode chegar: estamos entregues a uma quadrilha.

    Sinto muito, queridos: estamos fodidos, somos uns grandes palhaços e estamos presenciando apenas o desenrolar de uma ópera-bufa.

  173. Chesterton said

    É, Mona, deprimi…..

  174. Elias said

    Mona,

    É isso aí. O ex-Ministro da Justiça tem olho clínico pra defender gente dessa laia… Chefe do crime organizado, médico-deputado pedófilo…

    Edu,

    Esse negócio de “Europa malvada”, por causa disso ou daquilo, deixo por tua conta…

    Eu me referi, aqui, ao fato do Banco Central Europeu ter liberado um porradal de bilhões de euros a juros zero.

    A imprensa noticiou — até com certo estardalhaço — que a Dilma foi à Alemanha protestar contra isso. O Marco Aurélio, aliás, deu entrevista dizendo que, por causa disso, o Brasil teria que baixar os juros. Dilma acabou dando uma mijada pública nele. Ela disse que política de juros era com o Banco Central, não com Marco Aurélio…

    Aí aconteceu o que aconteceu.

    Isso não é “malvadeza” de ninguém, Edu. Esse papo de “malvadeza” é conversa de bêbado…

    O Banco Central Europeu faz — ou, pelo menos, tenta fazer — o que é melhor pra Europa. Se isso ferra com o Brasil ou com qualquer outro país não europeu, azar…

    Qualquer integrante do mundo mineral não terá dificuldade em concluir que será um bom negócio tomar dinheiro a juros zero e aplicar esse dinheiro onde os juros forem muito mais altos. Não será difícil ao mesmo mineral concluir que a repatriação do rendimento dessa aplicação constituirá um “dinheiroduto” drenando riqueza do país onde o juro for mais alto para o país onde o juro for nulo ou quase nulo.

    Se a moeda do país onde o juro é mais alto, estiver sobrevalorizada em relação à moeda do país onde o juro for mais baixo, a dreenagem de riqueza será ainda mais intensa (porque o rendimento é gerado na moeda do país com juros altos, porém repatriado na moeda do país com juros baixos; assim, são drenados o rendimento e a perda cambial).

    A tal da “guerra dos juros” tem por objetivo reduzir esse processo de transferência de riqueza tanto quanto possível. Ao mesmo tempo, os juros mais baixos deverão dar uma ajuda à atividade produtiva, intensificando um pouco o crescimento do PIB (que, em 2011, foi baixíssimo, lembra?).

    Saco é brasileiro em risco de tomar onde las patas tomam por causa disso e, ainda assim, ficar abanando o rabo pro que fazem lá fora, só porque acha que, assim, está fazendo oposição ao gobverno daqui, e é idiota a ponto de “pensar” que quanto pior, melhor.

    Acabar com a especulação no mercado de capitais? Brincadeira…

    Pra acabar com especulação na bolsa, tem que acabar com a própria bolsa. A especulação é inerente à compra e venda de ações.

  175. Elias said

    “4) Geralmente na compra de um veículo novo você usa seu veículo usado como entrada. Como o preço de carros novos irá cair, o preço dos usados TAMBÉM irá cair. Logo, é bem provável que a diferença final que o consumidor deve inteirar se reduza pouco.” (Adolfo, citado pelo Chester)

    PQP!

  176. Elias said

    “2) O problema do Brasil não é de demanda, é de oferta. O pacote do governo parece acreditar que é possível consumir sem produzir antes.” (Adolfo, citado pelo Chester)

    PQP2!

    Tá na cara que esse Adolfo nunca administrou nem uma mercearia…

  177. Elias said

    Edu,

    Ontem falei da expectativa positiva em relação às empresas de construção civil, como consequência da “queda de braço dos juros”.

    Pois vê só o que aconteceu ontem mesmo:

    “As ações de construtoras foram o destaque de queda do índice Ibovespa ontem. Dentre as dez maiores desvalorizações, cinco foram de construtoras. As ações PDG Realty (PDGR3) registraram a maior queda de todo o índice, 11,94% no dia.”

    “Os analistas acreditam que o movimento é uma resposta do mercado ao pacote de incentivos revelado ontem pelo governo federal. O Banco Central decidiu reduzir os depósitos compulsórios exigidos dos bancos para facilitar o financiamento de veículos, o que poderia indicar uma nova forma de flexibilização monetária ao invés de apenas reduzir a taxa básica de juros da economia. O setor imobiliário é muito sensível à variação nas taxas de juros.”

    “Outro motivo seria a fraqueza dos fundamentos nos balanços das construtoras referentes ao primeiro trimestre deste ano. Com o mercado em queda, os investidores estariam se desfazendo destas ações e rumando para empresas melhor posicionadas em períodos de crise, como as do setor de energia e consumo, acreditam os analistas.”

    Em menos de um mês, em relação à construção civil, o mercado se movimentou 2 vezes “pra cima” e 2 “pra baixo” (contando com a de ontem).

    Exceção feita ao movimento de ontem que, supostamente, também se baseou nos balanços do 1º Tri/2012, nenhum dos demais tomou por base o desempenho real das empresas. Foi, tudo, mera aposta em algo que supostamente ocorreria, como consequência de medidas governamentais.

    Ou seja, pura especulação.

    Faz parte…

  178. Michelle - A Besta Desvairada said

    O caso Policarpo e a imprensa golpista
    Por Carlos Costa

    Há excelentes histórias contadas pelo jornalista Fernando Morais em seu Chatô, o Rei do Brasil, livro de que tenho algumas ressalvas, mas isso não vem ao caso aqui. Uma das boas histórias narradas por Morais serve de verdadeira lição no atual momento. Trata-se do episódio em que Assis Chateaubriand, ainda um desconhecido jornalista, sai à procura de uma polêmica que o projete nacionalmente. E o inimigo que “iria receber a estocada de seu florete” aparece na figura do afiadíssimo sergipano Sílvio Romero, um dos grandes intelectuais que esse país conheceu.

    “A morte da polidez” foi o título da série de cinco artigos, logo transformados em livro, em que Chatô se mete na briga entre Sílvio Romero e o crítico José Veríssimo, defendendo o segundo. Esperava que o famoso Romero revidasse, colocando Chatô na evidência nacional pretendida. Raposa esperta, Romero não revidou o ataque, abortando a pretensão do futuro criador dos poderosos Diários e Emissoras Associados, primeiro império de mídia do país.

    Essa história veio à mente quando li o editorial do jornal O Globo, “Roberto Civita não é Rupert Murdoch”, resposta à capa da revista CartaCapital, de 9 de maio. Deu margem à capa seguinte desta semanal de Mino Carta: “Os chapa-branca da casa-grande”. E com isso Mino conseguiu a proeza que Chatô buscou sem sucesso. E novamente replicou a capa da edição anterior, com seu ex-patrão e desafeto Roberto Civita encimando a tarja com o editorial de O Globo.

    Mas isso é apenas um ponto nessa complicada trama de muitos fios e nós. Estamos num ano bissexto e de alta octanagem ideológica. E o que se esgrime na mídia não é uma discussão de interesse público, como a ferida em chaga viva da corrupção ou do uso do público em interesse privado, mas a defesa de posições entranhadamente ideológicas. Não está em discussão o “baile dos guardanapos”, protagonizado pela entourage do governador carioca Sérgio Cabral, patrocinado pelo até há pouco dono da Delta Construções, Fernando Cavendish. O governador já havia dito, tempos atrás, que precisava criar um código de ética. Parece que ele não aprendeu ainda a divisória entre público e privado no uso de helicópteros, convites para “esbórnias” internacionais. Pior, incauto, deixa-se fotografar em meio a festinhas típicas de adolescentes.

    Não é preciso ser grande analista (algo que esse escriba não é) para estabelecer relações. Por exemplo, entre a criação da CPI do Cachoeira e o julgamento do Mensalão, que dá sinais de finalmente entrar na agenda do STF. A mídia, feito mariposa em redor da lâmpada, repercute jogos de cena, como os do ex-presidente Collor, e perde o foco.

    No afã de embaçar, tirando o que é sério do foco, deputados e senadores que integram a CPI levantaram dúvidas, há duas semanas, sobre a lisura do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, nas investigações sobre os negócios do contraventor Carlos Cachoeira. Presente no lançamento do Anuário da Justiça 2012, deste Conjur, ocorrido na quarta-feira dia 9, nos jardins do STF em Brasília, o procurador-geral foi alvo de animados abraços e de manifestações de apoio de ministros do STF e juristas presentes.

    Responsável pela acusação dos 38 réus suspeitos de envolvimento no suposto esquema de compra de apoio político no Congresso durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o procurador-geral Roberto Gurgel retrucou: “Tenho dito que, na verdade, o que nós temos são críticas de pessoas que estão morrendo de medo do julgamento do mensalão. São pessoas que na verdade estão muito pouco preocupadas com as denúncias em si mesmo, com os fatos de desvio de recursos e corrupção”.

    Essa hipótese explica muita coisa.

    Na coluna “Painel”, publicada naquela mesma quarta-feira 9, a Folha de S.Paulo afirmava que o PT investe para transformar a CPI do Cachoeira, que deveria averiguar a relação do contraventor com políticos, em uma investigação do trabalho da imprensa. E o traque mais articulado nessa direção foi o dado pela TV Record em sua revista eletrônica dominical e a semanal de Mino Carta, trazendo para o centro da discussão o editor da revista Veja em Brasília, Policarpo Júnior: ele “já sabia das relações entre Cachoeira e Demóstenes”, afirma CartaCapital na capa do dia 16.

    E aí sobram lições de “bom jornalismo” para todos os lados. Em alguns momentos, dá a impressão de estar lendo o Castelo de Âmbar, a reportagem em forma de ficção em que Mino destilou, doze anos atrás, seu ressentimento contra o ex-patrão, a quem agora insiste em comparar com o australiano Rupert Murdoch. Nessas aulas sobre prática jornalística, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) reproduz em sua página na internet uma entrevista concedida ao blog “Viomundo” em que afirma: “Na minha opinião, ele [Policarpo Júnior] extrapolou a sua atividade profissional. Ele ficou muito além do que é permitido. E nós temos de fazer a defesa do sistema democrático. Ele impõe limites ao político, ao empresário e ao jornalista. Liberdade de imprensa não é liberdade de prática criminosa. Liberdade de imprensa é uma luta pela liberdade e não pela prática do ilícito”.

    Como diz o provérbio latino, que o deputado por ter feito um bom curso de direito deve conhecer, “Ne sutor ultra crepidam”, não vá o sapateiro além das sandálias. (E ficar muito além faz sentido? Ou foi muito além ou ficou muito aquém.)

    Miro Teixeira (PDT-RJ), outro deputado advogado mas que entende mais do que sandálias, por ter sido repórter do jornal carioca O Dia, além de ministro das Comunicações, discorda do colega petista. Ao classificar como um atentado à liberdade de imprensa e de caráter persecutório a insistência do presidente da CPI (ninguém menos que Fernando Collor de Mello) em incriminar o chefe da sucursal de Veja, ele declarou: “A função do jornalista é investigar. O jornalista de investigação conversa, sim, com pessoas próximas aos crimes”.

    Fico num exemplo, o da revista Placar, quando em 20 de outubro de 1982, fez a histórica denúncia “Desvendamos a máfia da loteria esportiva”. Desmascarou 125 jogadores, juízes, técnicos, cartolas e jornalistas envolvidos nas fraudes dos resultados de jogos da loteria esportiva, fruto de um ano de investigação do jornalista Sérgio Martins. Muitos procuraram desqualificar o mérito, alegando que o repórter se baseara em informações de um ex-mafioso, um radialista arrependido que fizera parte do esquema. Mas a quem Sérgio Martins deveria recorrer? A alguma monja carmelita ou a algum pai de santo?

    O editor de Veja em Brasília fez o que um repórter faz: apura uma informação recebida, dada por quem for, checa se é um dado plantado ou se é verdade, faz o contraditório, como também se diz em jornalismo. O jornalista pode, sim, sem problemas, ter relacionamento com ministros e governadores, como fontes. Ou com bicheiros ou lobbistas.

    O delegado da Polícia Federal, Raul Alexandre Sousa, que comandou a Operação Vegas, garantiu que não foi encontrado durante a investigação nenhum indício que sugerisse relações indevidas entre jornalistas com a equipe de Cachoeira, segundo publicou a Folha de S.Paulo. Já o delegado Raul Marques, em sessão secreta da CPI, insistiu que a relação entre o redator-chefe de Veja e o contraventor era a de um jornalista e sua fonte de informações.

    Como se mencionou nesta coluna há duas semanas, a profissão do jornalista também é regida por um código de ética. E em seu artigo 6, este código afirma ser dever do jornalista “§ 7 Combater e denunciar todas as formas de corrupção, em especial quando exercidas com o objetivo de controlar a informação”.

    Não consta que Policarpo Júnior tenha usado de subterfúgios condenados pelo Código de Ética, como “valer-se da condição de jornalista para obter vantagens pessoais” (artigo 7 § 9); “divulgar informações obtidas de maneira inadequada, por exemplo, com o uso de identidades falsas, câmeras escondidas ou microfones ocultos” (artigo 11 § 3).

    Coisa que não pode alegar o incauto governador do Rio, aquele do baile dos guardanapos. Na semana passada, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) foi flagrado enviado uma mensagem prometendo a ele “blindagem”, na CPI em andamento. Ou seja, alguém está se valendo de sua condição (de deputado) para garantir vantagens (no caso, ao governador).

    Para terminar essa arenga sobre falta de ética, registro a fala do ex-presidente Lula, que sempre negou saber do mensalão (improbidade administrativa, por não estar atento às andanças de seus braços direitos). Ao ser galardoado nesta segunda-feira com o título de cidadão honorário da cidade de São Paulo, Lula se referiu ao mensalão como “um momento em que tentaram dar um golpe neste país”. Como disse o ex-procurador-geral da República, Antonio Fernando Barros e Silva de Souza (que denunciou os diversos membros do governo Lula envolvidos com o mensalão, grupo por ele chamado de “quadrilha”), “Negar a existência do mensalão é uma afronta à democracia”. Lula — e com ele o PT — prefere entender que tudo não passou de uma baita armação da imprensa. Então, vamos mandar para a fogueira o editor da Veja em Brasília. E não se fala mais nisso.

  179. Michelle - A Besta Desvairada said

    Lula delira de novo, diz que mensalão foi “tentativa de golpe” — desqualificando o procurador-geral e o Supremo –, mas ainda não explicou porque pediu desculpas aos brasileiros em 2005. Espante-se com as declarações e reveja o vídeo das desculpas

    O ex-procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza, que apresentou em 2006 denúncia contra os envolvidos no escândalo do mensalão ao Supremo Tribunal Federal, é um golpista.

    O ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, que recebeu (aceitou) a denúncia sobre o mensalão em 2007, é um golpista.

    O atual procurador-geral da República, Roberto Gurgel, é um golpista.

    Os delegados e agentes da Polícia Federal que chegaram à conclusão, em inquérito, de que houve dinheiro público no escândalo do mensalão, são golpistas.

    Essa é a conclusão a que se chega diante das delirantes, absurdas, espantosas declarações de Lula no final da noite de ontem, após receber o título de Cidadão Paulistano e a Medalha Anchieta na Câmara Municipal da capital.

    O ex-presidente, felizmente, curou-se do câncer graças ao tratamento e à medicação que recebeu.
    Agora, precisa de algo para a cabeça, sobretudo para a memória.

    Beba na fonte e reveja o vídeo em que lula pede desculpas em
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/lula-delira-uma-vez-mais-fala-que-mensalao-foi-tentativa-de-golpe-desqualificando-o-procurador-geral-e-o-supremo-mas-ainda-nao-explicou-porque-pediu-desculpas-aos-brasileiros-em-2005-espa/
    ….
    Seria lula um mentiroso? Estou espantada! rsrsrsrs/b>

  180. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax on #169

    Aproveitando teu bom humor:

    “Troco um Vaccarezza por uma convocação do Policarpo Jr.

    Vai?”

    E quanto você daria de troco? Vacarezza perdeu totalmente o valor.
    Ou não?

  181. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax on #169 e no títullo do post

    Aproveitando teu bom humor, pergunto:

    Vacarezza cedeu ao pecado da Soberba ou da Luxúria?

    E aproveitando o teu conhecimento sobre pecados petistas…qual seria o pecado capital de Cabral ao se comportar como um inconsequente em Paris, conforme comprovado?

  182. Edu said

    Elias,

    Aqui está seu comentário vc usa a palavra ESPECULAÇÃO para falar sobre este “investimento” estrangeiro no país, agora é outro nome, qualquer nome que não seja ESPECULAÇÃO… e especulação é perfeitamente normal. A menos que este tipo de investimento tenha outro nome…

    Tudo bem! Entendido!

    “É…

    Mas a reação dos operadores de mercado é mais que compreensível. Hoje, caíram as cotações das ações dos bancos, por causa dos juros mais baixos. Pela mesma razão, subiram as cotações das ações das construtoras…

    A redução da taxa básica de juros era mais que esperada. E, só não baixou mais desde o mês passado porque o Marco Aurélio falou muito mais do que devia, obrigando dona Dilma a lhe dar um puxão de orelhas em público (na Alemanha) e, também levando o Copom a maneirar a mão, pra não fazer a festa da ESPECULAÇÃO que o linguão do Marco Aurélio provocou.

    Essa redução da taxa básica de juros tem por objetivo:

    (1) Evitar a entrada excessiva, no Brasil, do absurdilhão de Euros que o Banco Central Europeu liberou a custo zero, pra ajudar Grécia, Portugal, Espanha, etc, a tirar o pé da m… A turma lá tá pronta pra pegar dinheiro a custo zero na Europa, aplicar no Brasil a juros muito mais altos e, em seguida, repatriar os ganhos… Um modo de fazer com que países como o Brasil paguem uma parte da conta da crise européia, drenando riqueza daqui pra lá. Daí porque a Dilma foi à Alemanha, exercitar o jus esperneandi…

    (2) Dar um impulso no PIB brasileiro, cujo crescimento em 2011 foi pra lá de discreto.

    Se o objetivo (1) não for alcançado com a redução dos juros, certo como dois e dois que virá um aumento da alíquota da tributação sobre operações financeiras.

    Tem gente querendo aumentar essa alíquota imediatamente. De um lado, porque ela seria mais eficaz pra conter os Euros da ESPECULAÇÃO. De outro, porque ela reforçaria o orçamento federal, aumentando sua capacidade de investimento.

    O terceiro lado, do qual ninguém fala, seria um monte de investidores nacionais, que ficariam como poodles metidos em briga de dobermans…

    O que fazer? Correr pra caderneta de poupança?

    Tô achando que dona Dilma vai operar com mão pesada em 2012… Quem quiser duvidar, que duvide, mas o mar não tá pra peixe…”

  183. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax
    23/05/2012
    às 13:20 \ História em Imagens

    O menino que viu a nudez dos reizinhos

    PUBLICADO EM 8 DE AGOSTO DE 2010

    Leandro, um menino do Brasil negro e miserável, ousou não enxergar em Manguinhos, no fim de maio de 2009, a favela-maravilha que Lula pariu e Sérgio Cabral amamenta. Só viu dois reizinhos nus — e contou o que tinha visto. O vídeo divulgado pelo blog do Ricardo Gama documenta a reação do Pai dos Pobres e do Governador do Povo.
    Sem perceber que estava na mira de uma câmera, a dupla mostrou-se como efetivamente é.
    Em apenas 73 segundos, desfilam na telinha a prepotência, a vulgaridade, a demagogia, a intolerância,
    o oportunismo político e o vale-tudo eleitoreiro.

    Lula e Sérgio Cabral se merecem.
    Os brasileiros decentes é que não merecem ser governados por gente assim.

    leia inteiro e reveja o vídeo

    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/historia-em-imagens/o-menino-que-viu-a-nudez-dos-reizinhos/

    Eu comento: lula,cabral e vaccareza se merecem!

    PS 1. Mona a utilidade do “sabugo de milho” x o papel higiênico…foi sensacional!
    Mijei na calcinha de tanto rir.
    É pena que eles não entendam do que estamos falando.rsrsrs

    2.Tenho medo de voltar ao Brasil…( Sindrome de Planeta dos Macacos), Mona.
    Acho que vou tomar muitas caipirinhas e jantar feijoadas completas pra tentar me curar desta alucinação holiwoodiana.
    Será que vou conseguir, Tio Pax?
    Estou muito ansiosa. Por favor dê-me uma orientação

    Carinhosamente Michelle

  184. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax
    vamos rir um pouco da Oposição, rsrsrs

    Campanha infame
    Tutty Vasques 24 de maio de 2012

    José Serra foi de fato multado, mas, ao contrário do que andou espalhando por aí a turminha do Aécio Neves – ô, raça! –,
    não perdeu pontos na carteira nem se recusou a fazer o teste do bafômetro.

    Sent from mt iPad

  185. Pax said

    Dadá, Jairo e Vladmir: falem! É hoje.

    Gurgel mandou as explicações por escrito, dentro do prazo.

    Parece que o jovem Odair percebeu que estará enterrando sua carreira se cair no jogo do blinda geral, disseram por aí que vai quebrar os sigilos da Delta em todas atividades nacionais, não só no Centro Oeste. Aguardemos confirmação. Deve ter governador perdendo o sono.

    A única certeza que temos – até então – é que os amiguinhos de Vaccarezza mandaram que a gente considere o caso do SMS vacilão encerrado.

    Mas…

    Desde quando eles mandam aqui? Não lembro de ter me comprometido ou prendido o rabo com ninguém.

  186. Pax said

    Segundo O Globo há 30 senadores à favor do crime organizado como instituição oficial na casa. É só o que falta.

    Pensando bem, pode ser até bom, para decretar de uma vez por todas a discussão sobre a necessidade de termos um Senado.

    Vão votar secreto, claro, escondidos do povo, bravo povo brasileiro.

    http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/5/24/demostenes-articula-absolvicao-em-plenario

  187. Pax said

    É, Vaccarezza, parece que você prometeu o que não pode cumprir. É melhor o cara lá de Ipanema se preocupar, sim.

    Dica: pede para urinar e não volta pra CPMI. Vai ser melhor para o PT. Vai por mim.

    http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/5/24/ex-diretor-da-delta-manejava-10-contas

  188. Pax said

    Acho que postei comentários daqui alhures.

    Paciência.

    Navegar é preciso, mas nem tanto em um iPhone.

  189. Patriarca da Paciência said

    Michelle, 183

    você acha que eu não sei, que o Sérgio Cabral não sabe, que o Lula não sabe, que existem alguns favelados que vivem sonhando em dirigir carrões pela avenidas à beira mar da Califórnia, “comendo” as louraças nativas, jogando tênis em quadras luxuosas etc.etc.etc.?

    Bom, tranquilamente o Augusto Nunes não sabe.

    Felizmente a maioria dos favelados são bem mais realistas e conseguem ser felizes com um pouco mais de segurança, com os filhos podendo frequentar as escolas, com os churrasquinhos e cervejas em finais de semana etc.etc.etc.

    É isso aí, como diz a musiquinha, cada um em seu quadrado.

    Se o cara consegue viver de sonhos, tudo bem.

    Felizmente os realistas são maioria.

  190. Patriarca da Paciência said

    “Patriarca,

    Então Patriarca! Vc concorda com Voltaire ou concorda com Fidel Castro?”

    Edu, 165,

    Não sou contra, nem a favor, muito pelo contrário!

    Acho que você não entendeu nada do que eu quis dizer.

    “Para mim são posições divergentes em relação ao que é liberdade. Se vc concorda com um, automaticamente exclui o outro da sua lista.”

    É mesmo?

    Pois olha, acho que não tem nada a ver!

    Bem Edu, acho que não adianta muito alongarmos a conversa.

  191. Patriarca da Paciência said

    Mona, 172,

    Existem dicas de higiene bem mais recomendáveis que sabugo de milho ou papel higiênico:

  192. Pax said

    Off — continuo minha via crucis — exclusão digital não é fácil. Ainda mais com a Anatel fazendo o papel de Márcio Thomás Bastos das operadoras.

     
    Agradecemos o seu contato.
    Em até 48 horas retornaremos com as informações solicitadas.

    Atenciosamente,
    NET

  193. Patriarca da Paciência said

    É isso aí, caro Pax,

    se as teles fossem estatais, os liberais do pedaço já estariam malhando o pau no governo.

    Mas é bem isso que acontece.

    Empresa privada só vai atrás do lucro farto.

    Se por acaso não existissem bancos estatais, nenhuma pequena cidade teria banco.

  194. Zbigniew said

    Excelente entrevista. Vale a pena.

    http://videos.r7.com/ciro-gomes-confessa-que-deseja-ser-presidente-da-republica/idmedia/4fb9a7826b71ae22a3420686.html

  195. Chesterton said

    Sábado fui ao aniversário de 50 anos do Chico Otávio, repórter do Globo.

    Lá estavam, entre outros, o Rubens Valente, da Folha, outros “jornalistas investigativos”. Estava também o Wagner Montes, cuja
    assessora de imprensa na Alerj é amiga do Chico.

    Soube de informações interessantes:

    1) Coisas mais graves do que as apuradas pela operação Monte Carlo (da PF, criada para investigar Demóstenes e Cachoeira) foram apuradas na operação Las Vegas, que trata de ligações do Cachoeira com a cúpula do Judiciário. Haveria material incriminando (em maior ou menor grau) nove ministros do STJ e quatro do STF. Só que o STF requisitou toda a documentação a respeito, determinando que a PF não ficasse com cópia, e sentou-se em cima da papelada. Isso era sabido não só pelo Chico Otávio (Globo) e pelo Rubens (Folha), mas (pasmem!) pelo Wagner
    Montes.

    2) Como a área de atuação de Cachoeira é perto de Brasília e ele tem desenvoltura e poder de articulação, ele atua como representante de um pool nacional de contraventores que exploram bingos, caça-níqueis, video-poquer e afins. Não fala só por ele. Daí sua desenvoltura (e seu dinheiro).

    3) Cachoeira é um arquivista compulsivo. Tem gravações telefônicas e em vídeo que comprometem todos os grandes partidos e inclusive gente graúda do governo federal. Tem um vídeo em que dá R$ 1,5 milhão a uma alta figura ligada à campanha da Dilma. O Globo e a Folha tem a informação, mas não sabem quem recebeu o dinheiro. E não têm provas.

    4) O contador de Cachoeira, cuja foto está nos jornais, está em Miami, com cópia de tudo o que ele tem gravado. Se algo acontecer com o patrão, vem tudo à tona.

    5) Cachoeira está chantageando o governo federal. Diz que não vai aceitar a prisão. Diante disso, o PT está pagando os honorários de Márcio Tomaz Bastos (R$ 16 milhões), que o defende e vai de jatinho à penitenciária de segurança máxima de Mossoró, onde Cachoeira está preso. Folha e Globo têm a informação de que é o PT quem paga Márcio, mas não a publicam por falta de provas.

    6) Todo mundo está com medo de investigações sobre a Delta. Parece que ela – que contratou Dirceu como “consultor”, o que ele não nega – tem tido uma atuação muito mais agressiva do que as demais empreiteiras e cresceu de forma vertiginosa. Tem “negócios” com PT, PMDB, DEM, PSDB

    7) Ninguém entendia muito vem por que Lula teria dado força à criação da CPI. Detonar marconi perillo parecia pouco para explicar uma CPI que pode abalar a república. Os jornais de hoje já dizem que o PT já pensa em recuar.

    De qualquer forma, como se vê, a Cosa Nostra chegou aos trópicos.

    Abraços,
    José Carlos Ururahy

    http://averdadequeamidianaomostra.blogspot.com.br/2012/05/informacoes-de-cocheira-bomba.html

  196. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Repare a declaração do blog que trouxeste como argumento:

    “Este blog denuncia o plano totalitário do PT e de seus aliados de esquerda marxista leninista nacionais e internacionais. Eles estão fazendo do Brasil um país socialista. Ajude a divulgar os links deste blog para que o povo conheça a verdade. Querem fazer na América do Sul o mesmo que os comunistas fizeram na antiga União Soviética. A imprensa nos esconde a verdade, e mesmo quando mostra alguma coisa, eles dão outra interpretação e continuam a maquear a realidade!”

    Dá para colocar crédito nisto?

    Tenha santa paciência, caro Chesterton, velho e bom Chesterton.

    Leia, de novo, o “Sobre o Blog”, por favor.

    Você acha que é fácil manter um blog como este, por 4 anos, e ainda receber visitas respeitáveis – como a tua – se partirmos para este tipo de fonte?

    O pau quebrou na CPMI. Vital do Rêgo é muito fraco para tocar a comissão.

    Os depoentes e os membros da CPMI estão fazendo o favor de comprovar que vivemos com o pior Congresso de todos os tempos.

    Queria acreditar em deuses para pedir ajuda.

    Barbaridade.

  197. Pax said

    Não custa poupar trabalho ao Chesterton, velho e bom Chesterton.

    Aqui está a declaração feita 4 anos atrás:

    “Sobre o blog
    Este blog não cria notícias. Este blog coleciona notícias vinculadas com a corrupção, desvios ou anomalias no tratamento da coisa pública. Tece alguns comentários sobre algumas das notícias colocadas. Sobre os comentários sou responsável. Sobre as notícias colecionadas aqui não. A responsabilidade é dos jornais que as publicaram. Em todos os posts há os links de onde a matéria selecionada foi colhida.

    Este blog procura, de toda forma, não privilegiar nenhum partido político, ou seja, as notícias que são dadas pela mídia, no tempo que disponho de olhá-las pela internet, são colecionadas sem isentar qualquer entidade ou cidadão. Aqui admito reclamações ou alertas pertinentes que porventura possam surgir. Mais que isso, sinceramente ficarei agradecido sobre qualquer observação que venha a contribuir para que o blog se mantenha nessa posição de isenção.

    Também são evitadas notícias de sites e blogs extremados, pelos mesmos motivos acima. As preferências são para notícias vinculadas nos grandes jornais e entidades respeitadas pela sociedade brasileira.”

  198. Elias said

    Edu,

    Lê de novo o que eu escreevi e tu transcreveste:

    “A redução da taxa básica de juros era mais que esperada. E, só não baixou mais desde o mês passado porque o Marco Aurélio falou muito mais do que devia, obrigando dona Dilma a lhe dar um puxão de orelhas em público (na Alemanha) e, também levando o Copom a maneirar a mão, pra não fazer a festa da ESPECULAÇÃO que o linguão do Marco Aurélio provocou.”

    Porra, cara…!

    O que aconteceu? O Marco Aurélio, BOCUDO, membro da equipe de governo, LINGUÃO, antecipou que o governo ia baixar os juros.

    Vamos supunhetar que, de repentelho, tu sejas um cara que ganha a vida no mercado financeiro.

    Aí tu ouves um membro da equipe de governo, próximo à Presidente da República, dizer que o governo vai baixar os juros…

    Se deres crédito ao cara que falou, o que tu farás? Vais tentar ganhar algum com isso, certo?

    Só tu vais fazer isso? Não, né não?

    Um monte de gente vai fazer a mesma coisa, certo? Não vou dizer o quê, porque, a esta altura da vida, o quê e como já viraram notícia. E notícia velha…

    A boquirrotice do Marco Aurélio provocou uma onda que se iniciou com uma fuga pra poupança e continuou com as mais coisas que já viraram notícia velha…

    Daí porque a Dilma, ainda na Alemanha, deu uma mijada pública no Marco Aurélio. Ele não tinha nada que babujar o que babujou. Ele tinha mais era que manter o linguão guardado e parado dentro da bocarra…

    Daí também porque, provavelmente, o Copom acabou maneirando na primeira baixada, pra frustrar parcialmente a expectativa especulativa provocada pela incontinência verbal do Marco Aurélio.

    Isso não significa, NEM DE LONGE, que o governo pretendesse acabar com a especulação no mercado financeiro.

    O governo não pretendeu, não pretende e, mesmo que pretendesse, não conseguiria. Esse mercado vive de especular. A especulação é inerente a ele

    Mas isso não impede que, se e quando a especulação concorre pra anular, total ou parcialmente, os efeitos pretendidos por uma medida governamental, o governo, qualquer governo, de qualquer país e em qualquer época, adote medidas anti-especulação.

    Quando se trata de vazamentos ou de boquirrotices, p.ex., os governos costumam adiar determinadas medidas, implementá-las apenas parcialmente, etc, etc, etc., frustrando as expectativas de quem especulou com a medida governamental.

    Mas o especulador continuará vivo, ativo e… Especulando, né?

    Até porque a especulação não surgiu com a desastrada declaração do Marco Aurélio, nem se limita ao assunto sobre o qual versou a tal declaração.

  199. Edu said

    Patriarca,

    Realmente cara, não entendi nada da sua lógica…

    E vc me responde com:

    “Não sou contra, nem a favor, muito pelo contrário!”

    Pô… resolveu! Agora está claro, poxa vida, como é que eu não tinha pensado nisso antes? Nem precisa explicar mais nada, e, por favor, nem queira tentar.

    Elias,

    Eu não tenho nada contra o Brasil abaixar as taxas de juros. Tenho um pouco de medo da inflação, mas… segundo o Guido Mantega – aquele economista que não sabe fazer contas – está tudo fluindo tranquilamente, o Brasil vai crescer 5% e dentro da meta de inflação. Quem sou eu pra questionar, né? Afinal, não passo de um direitoba.

    Eu ia pegar no seu pé pq vc reclama da arbitragem da Europa, sendo que arbitragem é algo tão comum quanto tosse. Assim como a especulação é algo tão comum quanto a respiração.

    Como vc gosta de dizer, “qualquer integrante do mundo mineral não terá dificuldade em concluir que informações não são perfeitas, e que, apesar do nível de desenvolvimento das telecomunicações, algumas notícias também tardam a chegar a alguns investidores, resultando em arbitragem e especulação.

    Ninguém gosta de ser passado pra trás.

    Só acho que não consigo acreditar que essa baixa de juros ocorre nesta ordem:

    “(1) Evitar a entrada excessiva, no Brasil, do absurdilhão de Euros que o Banco Central Europeu liberou a custo zero, pra ajudar Grécia, Portugal, Espanha, etc, a tirar o pé da m… ”

    “(2) Dar um impulso no PIB brasileiro, cujo crescimento em 2011 foi pra lá de discreto.”

    Vc consegue ver o que significa esta ordem que vc colocou?

    1 – Podemos assumir então que a Dilma manda no BC (mas não deveria ser independente?).
    2 – O BC (agora pau-mandado) reduziu a taxa de juros com objetivo político de pentelhar a Europa e dar uma lição de moral no Marco Aurélio.
    3 – Economia, matemática e o interesse do país não existem pra Dilma, nem pro Tombini: a taxa de juros, é um chicote. O PT usa pra castigar a Europa (como se pudesse fazer alguma coisa), e colocar o Marco Aurélio no lugar dele.

    Isso sim é uma política profissional! Não só profissional como totalmente alinhado com os interesses do povo brasileiro!

    Ninguém gosta de ser passado pra trás. Mas, se o povo brasileiro for passado pra trás pelo PT não tem problema, afinal, os fins justificam os meios.

    Não tem uma ordem melhor não? A explicação mais fácil, na minha modesta opinião, seria pura e simplesmente a dívida pública. Baixar juros também não reduz a escalada da dívida pública?

  200. Pax said

    Tchutchuca–> assim chamou o Francischini o Odair, jovem relator do PT.

    É o que dá participar deste circo, pizzaria e palhaçada geral.

    Tá dando até pena.

  201. Pax said

    =)

    http://moglobo.globo.com/blogs/blog.asp?blg=noblat&cod_post=446887

  202. Chesterton said

    Pax, só estou tentando ajudar (rsrsrsrs)

  203. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax

    Para reflexão:

    Riacho de águas turvas
    24 de maio de 2012 | 3h 07
    Dora Kramer – O Estado de S.Paulo

    Existem hoje três narrativas correntes no Congresso para explicar a lentidão no desenrolar dos trabalhos da CPMI que começou como caudalosa cachoeira e vai ficando parecida com um raso riacho de águas turvas.

    Uma versão insinua que a comissão esteja sendo vítima de boicote por parte da Polícia Federal e/ou do Supremo Tribunal Federal que não teriam enviado material suficiente para permitir revelações relevantes.

    Outra considera a demora natural. Fruto de um caminhar estratégico que, com o exame detido e cruzamento de dados, iria por si desvendando o modo de funcionamento da organização originada na jogatina goiana que depois se alastrou pelo País mediante parcerias público-privadas de natureza criminosa.

    Ou seja, o espetáculo estaria só começando e a plateia não perderia por esperar a hora H.

    A terceira narrativa qualifica as anteriores de pura conversa fiada, pois já haveria documentos e elementos bastantes à disposição da CPMI para se iniciarem quebras de sigilos bancários e fiscais e propiciar pedidos de indisponibilidade de bens.

    Por essa linha de pensamento faltaria mesmo é interesse real de apurar os fatos, sobrando motivação política para não avançar.

    Qual delas corresponde à realidade em breve o tempo dirá, não obstante no momento esteja dando razão à última.

    Seja como for ou como venha a ser, fato é que a CPMI prometeu muito e mais de um mês depois de criada ainda não entregou quase nada.

    Isso a despeito de, ao contrário de antecessoras célebres, já começar na posse de investigações completas e da indicação de suspeitos fortes.

    O pouco que produziu de concreto surgiu paradoxalmente durante o silencioso “depoimento” de Carlos Augusto de Almeida Ramos, cujo vulgo Cachoeira dá nome à comissão.

    O deputado Onyx Lorenzoni quebrou a regra do comando e relevou durante a sessão a existência de provas que obrigaram o relator Odair Cunha, visivelmente irritado e constrangido, a admitir como inevitável a quebra do sigilo das contas da Delta nacional, até então restrita à filial da empresa na Região Centro-Oeste.

    Lorenzoni foi atrás e descobriu provas de que o ex-diretor da regional da Delta Cláudio Abreu tinha autorização da matriz para movimentar as contas da construtora.

    Além disso, perícia da Polícia Federal já havia identificado transferências de recursos da empreiteira para empresas fantasmas a partir de agências bancárias localizadas no Rio de Janeiro. Parte do dinheiro direcionado a financiamento de campanhas eleitorais.

    Mesmo assim, o relator ainda insistia na inexistência de indícios suficientes para a abertura dos dados em âmbito nacional. Com a revelação inesperada, o discurso mudou: “A probabilidade de quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico da matriz da construtora aumentou muito”, passou a dizer.

    A CPMI decidirá sobre isso na próxima semana. Quando, então, decidirá também se emerge ou afunda na lama de uma vez.

    Bombas. Não está claro ainda se é boato ou produto confirmado das investigações, mas transitam entre integrantes da CPMI duas informações.

    Uma: haveria indícios de que Cláudio Abreu, diretor da Delta no Centro-Oeste, estaria desviando recursos da matriz. Em outras palavras, “roubando o Cavendish”, como diz um dos porta-vozes dessa versão.

    Outra: policiais militares de Goiás dariam proteção ao jogo ilegal em troca de 30% do lucro obtido por Carlos Cachoeira na venda de máquinas caça-níqueis aos donos de cassinos clandestinos.

    Inconsequência. Uma pergunta a ser respondida por governantes em geral, em particular pelo candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, é como conjugar soluções para a melhoria do trânsito com os incentivos do governo federal ao aumento da compra e uso de automóveis sem a menor preocupação com o efeito colateral.

    Comento.
    Pax: Existem razões para estar otimista?
    Tô com medo de voltar ao Brasil após 9 anos trabalhando fora do Brasil …
    Tô com “Sindrome do Planeta dos Macacos”. Regredimos e os macacos tomaram o poder, é minha sensação.
    Passei a tomar 30 caipirinhas e jantar feijoada completa à noite, para tentar
    virar uma total “idiota ideologilizada” e produzir os comentários sem pé nem cabeça como aqui leio, as vezes. Alguns até de uma agressividade excessiva e sem razão.
    Involuímos?
    É muito triste.
    O povo , o bravo povo brasileiro merece coisa melhor!

  204. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax

    Para reflexão:

    OS BONS COMPANHEIROS

    De “caçador de marajás” Fernando Collor transfigurou-se em caçador de jornalistas. Na CPI do Cachoeira seu alvo é Policarpo Jr., da revista Veja, a quem acusa de se associar ao contraventor “para obter informações e lhe prestar favores de toda ordem”. Collor calunia, covardemente protegido pela cápsula da imunidade parlamentar. Os áudios das investigações policiais circulam entre políticos e jornalistas – e quase tudo se encontra na internet. Eles atestam que o jornalista não intercambiou favores com Cachoeira. A relação entre os dois era, exclusivamente, de jornalista e fonte – algo, aliás, registrado pelo delegado que conduziu as investigações.

    Jornalistas obtêm informações de inúmeras fontes, inclusive de criminosos. Seu dever é publicar as notícias verdadeiras de interesse público. Criminosos passam informações – verdadeiras ou falsas – com a finalidade de atingir inimigos, que muitas vezes também são bandidos. O jornalismo não tem o direito de oferecer nada às fontes, exceto o sigilo, assegurado pela lei. Mas não tem, também, o direito de sonegar ao público notícias relevantes, mesmo que sua divulgação seja do interesse circunstancial de uma facção criminosa.

    Os áudios em circulação comprovam que Policarpo Jr. seguiu rigorosamente os critérios da ética jornalística. Informações vazadas por fontes diversas, até mesmo pela quadrilha de Cachoeira, expuseram escândalos reais de corrupção na esfera federal. Dilma Rousseff demitiu ministros com base nessas notícias, atendendo ao interesse público. A revista em que trabalha o jornalista foi a primeira a publicar as notícias sobre a associação criminosa entre Demóstenes Torres e a quadrilha de Cachoeira – uma prova suplementar de que não havia conluio com a fonte. Quando Collor calunia Policarpo Jr., age sob o impulso da mola da vingança: duas décadas depois da renúncia desonrosa, pretende ferir a imprensa que revelou à sociedade a podridão de seu governo.

    A vingança, porém, não é tudo. O senador almeja concluir sua reinvenção política inscrevendo-se no sistema de poder do lulopetismo. Na CPI opera como porta-voz de José Dirceu, cujo blog difunde a calúnia contra o jornalista. Às vésperas do julgamento do caso do mensalão, o réu principal, definido pelo procurador-geral da República como “chefe da quadrilha”, engaja-se na tentativa de desqualificar a imprensa – e, com ela, as informações que o incriminam.

    O mensalão, porém, não é tudo. A sujeição da imprensa ao poder político entrou no radar de Lula justamente após a crise que abalou seu primeiro mandato. Franklin Martins foi alçado à chefia do Ministério das Comunicações para articular a criação de uma imprensa chapa-branca e, paralelamente, erguer o edifício do “controle social da mídia”. A sucessão, contudo, representou uma descontinuidade parcial, que se traduziu pelo afastamento de Martins e pela renúncia ao ensaio de cerceamento da imprensa. Dirceu não admitiu a derrota, persistindo numa campanha que encontra eco em correntes do PT e mobiliza jornalistas financiados por empresas estatais. Policarpo Jr. ocupa, no momento, o lugar de alvo casual da artilharia dirigida contra a liberdade de informar.

    No jogo da calúnia, um papel instrumental é desempenhado pela revista Carta Capital. A publicação noticiou falsamente que Policarpo Jr. teria feito “200 ligações” telefônicas para Cachoeira. Em princípio, nada haveria de errado nisso, pois a ética nas relações de jornalistas com fontes não pode ser medida pela quantidade de contatos. Entretanto, por si mesmo, o número cumpria a função de arar o terreno da suspeita, preparando a etapa do plantio da acusação, a ser realizado pela palavra sem freios de Collor. Os áudios, entretanto, evidenciaram a magnitude da mentira: o jornalista trocou duas – não 200 – ligações com sua fonte.

    A revista não se circunscreveu à mentira factual. Um editorial, assinado por Mino Carta, classificou a suposta “parceria Cachoeira-Policarpo Jr.” como “bandidagem em comum”. Editoriais de Mino Carta formam um capítulo sombrio do jornalismo brasileiro. Nos anos seguintes ao AI-5, o atual diretor de redação da Carta Capital ocupava o cargo de editor de Veja, a publicação em que hoje trabalha o alvo de suas falsas denúncias. Os editoriais com a sua assinatura eram peças de louvação da ditadura militar e da guerra suja conduzida nos calabouços. Um deles, de 4 de fevereiro de 1970, consagrava-se ao elogio da “eficiência” da Operação Bandeirante (Oban), braço paramilitar do aparelho de inteligência e tortura do regime, cuja atuação “tranquilizava o povo”. O material documental está disponível no blog do jornalista Fábio Pannunzio (http://www.pannunzio.com.br/), sob a rubrica Quem foi quem na ditadura.

    Na Veja de então, sob a orientação de Carta, trabalhava o editor de Economia Paulo Henrique Amorim. A cooperação entre os cortesãos do regime militar renovou-se, décadas depois, pela adesão de ambos ao lulismo. Hoje Amorim faz de seu blog uma caixa de ressonância da calúnia de Carta dirigida a Policarpo Jr. O fato teria apenas relevância jurídica se o blog não fosse financiado por empresas estatais: nos últimos três anos, tais fontes públicas transferiram bem mais de R$ 1 milhão para a página eletrônica, distribuídos entre a Caixa Econômica Federal (R$ 833 mil), o Banco do Brasil (R$ 147 mil), os Correios (R$ 120 mil) e a Petrobrás (que, violando a Lei da Transparência, se recusa a prestar a informação).

    Dilma não deu curso à estratégia de ataque à liberdade de imprensa organizada no segundo mandato de Lula. Mas, como se evidencia pelo patrocínio estatal da calúnia contra Policarpo Jr., a presidente não controla as rédeas de seu governo – ao menos no que concerne aos interesses vitais de Dirceu. A trama dos bons companheiros revela a existência de um governo paralelo, que ninguém elegeu.

    * SOCIÓLOGO, É DOUTOR EM GEOGRAFIA HUMANA PELA USP. E-MAIL: DEMETRIO.MAGNOLI@UOL.COM.BR

    Comento.
    Pax: Existem razões para estar otimista?
    Tô com medo de voltar ao Brasil após 9 anos trabalhando fora do Brasil …
    Tô com “Sindrome do Planeta dos Macacos”. Regredimos e os macacos tomaram o poder, é minha sensação.
    Passei a tomar 30 caipirinhas e jantar feijoada completa à noite, para tentar
    virar uma total “idiota ideologilizada” e produzir os comentários sem pé nem cabeça como aqui leio, as vezes. Alguns até de uma agressividade excessiva e sem razão.
    Involuímos?
    É muito triste.
    O povo , o bravo povo brasileiro merece coisa melhor!

  205. Chesterton said

    Lição de demcoracia para Pteistas, O Globo de hoje

    DEMÉTRIO MAGNOLI

    De “caçador de marajás”, Fernando Collor transfigurou-se em caçador de jornalistas. Na CPI do Cachoeira, seu alvo é Policarpo Jr., da revista “Veja”, a quem acusa de associar-se ao contraventor “para obter informações e lhe prestar favores de toda ordem”. Collor calunia, covardemente protegido pela cápsula da imunidade parlamentar. Os áudios das investigações policiais circulam entre políticos e jornalistas ─ e quase tudo se encontra na internet. Eles atestam que o jornalista não intercambiou favores com Cachoeira. A relação entre os dois era, exclusivamente, de jornalista e fonte ─ algo, aliás, registrado pelo delegado que conduziu as investigações.

    Jornalistas obtêm informações de inúmeras fontes, inclusive de criminosos. Seu dever é publicar as notícias verdadeiras de interesse público. Criminosos passam informações ─ verdadeiras ou falsas ─ com a finalidade de atingir inimigos, que muitas vezes também são bandidos. O jornalismo não tem o direito de oferecer nada às fontes, exceto o sigilo, assegurado pela lei. Mas não tem, também, o direito de sonegar ao público notícias relevantes, mesmo se sua divulgação é do interesse circunstancial de uma facção criminosa.

    Os áudios em circulação comprovam que Policarpo Jr. seguiu rigorosamente os critérios da ética jornalística. Informações vazadas por fontes diversas, inclusive a quadrilha de Cachoeira, expuseram escândalos reais de corrupção na esfera federal. Dilma Rousseff demitiu ministros com base naquelas notícias, atendendo ao interesse público. A revista na qual trabalha o jornalista foi a primeira a publicar as notícias sobre a associação criminosa entre Demóstenes Torres e a quadrilha de Cachoeira ─ uma prova suplementar de que não havia conluio com a fonte. Quando Collor calunia Policarpo Jr., age sob o impulso da mola da vingança: duas décadas depois da renúncia desonrosa, pretende ferir a imprensa que revelou à sociedade a podridão de seu governo.

    A vingança, porém, não é tudo. O senador almeja concluir sua reinvenção política inscrevendo-se no sistema de poder do lulopetismo. Na CPI, opera como porta-voz de José Dirceu, cujo blog difunde a calúnia contra o jornalista. Às vésperas do julgamento do caso do mensalão, o réu principal, definido pelo procurador-geral da República como “chefe da quadrilha”, engaja-se na tentativa de desqualificar a imprensa ─ e, com ela, as informações que o incriminam.

    O mensalão, porém, não é tudo. A sujeição da imprensa ao poder político entrou no radar de Lula justamente após a crise que abalou seu primeiro mandato. Franklin Martins foi alçado à chefia do Ministério das Comunicações para articular a criação de uma imprensa chapa-branca e, paralelamente, erguer o edifício do “controle social da mídia”. Contudo, a sucessão representou uma descontinuidade parcial, que se traduziu pelo afastamento de Martins e pela renúncia ao ensaio de cerceamento da imprensa. Dirceu não admitiu a derrota, persistindo numa campanha que encontra eco em correntes do PT e mobiliza jornalistas financiados por empresas estatais. Policarpo Jr. ocupa, no momento, o lugar de alvo casual da artilharia dirigida contra a liberdade de informar.

    No jogo da calúnia, um papel instrumental é desempenhado pela revista “Carta Capital”. A publicação noticiou falsamente que Policarpo Jr. teria feito “200 ligações” telefônicas para Cachoeira. Em princípio, nada haveria de errado nisso, pois a ética nas relações de jornalistas com fontes não pode ser medida pela quantidade de contatos. Entretanto, por si mesmo, o número cumpria a função de arar o terreno da suspeita, preparando a etapa do plantio da acusação, a ser realizado pela palavra sem freios de Collor. Os áudios, entretanto, evidenciaram a magnitude da mentira: o jornalista trocou duas, não duzentas, ligações com sua fonte.

    A revista não se circunscreveu à mentira factual. Um editorial, assinado por Mino Carta, classificou a suposta “parceria Cachoeira-Policarpo Jr.” como “bandidagem em comum”. Editoriais de Mino Carta formam um capítulo sombrio do jornalismo brasileiro. Nos anos seguintes ao AI-5, o atual diretor de redação de Carta Capital ocupava o cargo de editor de “Veja”, a publicação na qual hoje trabalha o alvo de suas falsas denúncias. Os editoriais com a sua assinatura eram peças de louvação da ditadura militar e da guerra suja conduzida nos calabouços. Um deles, de 4 de fevereiro de 1970, consagrava-se ao elogio da “eficiência” da Operação Bandeirante (Oban), braço paramilitar do aparelho de inteligência e tortura do regime, cuja atuação “tranquilizava o povo”. O material documental está disponível no blog do jornalista Fábio Pannunzio, sob a rubrica “Quem foi quem na ditadura”.

    Na “Veja” de então, sob a orientação de Carta, trabalhava o editor de Economia Paulo Henrique Amorim. A cooperação entre os cortesãos do regime militar renovou-se, décadas depois, pela adesão de ambos ao lulismo. Hoje, Amorim faz de seu blog uma caixa de ressonância da calúnia de Carta dirigida a Policarpo Jr. O fato teria apenas relevância jurídica se o blog não fosse financiado por empresas estatais: nos últimos três anos, tais fontes públicas transferiram bem mais de um milhão de reais para a página eletrônica, distribuídos entre a Caixa Econômica Federal (R$ 833 mil), o Banco do Brasil (R$ 147 mil), os Correios (R$ 120 mil) e a Petrobras (que, violando a Lei da Transparência, se recusa a prestar a informação).

    Dilma não deu curso à estratégia de ataque à liberdade de imprensa organizada no segundo mandato de Lula. Mas, como se evidencia pelo patrocínio estatal da calúnia contra Policarpo Jr., a presidente não controla as rédeas de seu governo ─ ao menos no que concerne aos interesses vitais de Dirceu. A trama dos bons companheiros revela a existência de um governo paralelo, que ninguém elegeu.

  206. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax ( e por favor Chesterton não repita.rsrsrsr)

    Para reflexão:

    24/05/2012
    às 15:37
    Delegado da PF que investigou o mensalão em mensagem a este blog: “Reinaldo, a PF é um órgão do Estado, não do governo; pode confiar”

    Escrevi um post ontem em que afirmo que, na média, no Brasil, os grampos substituem a investigação e que alguns larápios acabam se dando bem na Justiça em razão da falta de provas consistentes, embora os saibamos… larápios. Luiz Flávio Zampronha, delegado da Polícia Federal, contesta essa minha afirmação em comentário enviado ao blog, que reproduzo abaixo, na íntegra. Zampronha foi o delegado que investigou o mensalão. Ele encerra sua mensagem afirmando: “Reinaldo, a Polícia Federal busca fazer seu trabalho da melhor forma possível. Não se trata de órgão de governo, mas de Estado, pode confiar”.

    Agradeço a colaboração do delegado — que, de fato, sempre me pareceu empenhado em fazer corretamente o seu trabalho — e fico satisfeito por tê-lo entre os leitores. Segue a íntegra de seu comentário.

    Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. É parte deste trabalho.
    *
    Reinaldo,
    Várias provas foram produzidas durante as investigações realizadas pela PF no âmbito da Operação Monte Carlos, além das interceptações telefônicas realizadas com ordem judicial e supervisionadas pelo Ministério Público Federal.

    Dentre elas, podem-se citar diversas filmagens (vídeos) de fatos mencionados nos áudios, tais como encontros, reuniões, salas de jogos em funcionamento etc. Entretanto, destaca-se no conjunto probatório o rastreamento do dinheiro movimentado pelos investigados, tendo por base o afastamento do sigilo bancário concedido pela Justiça (prova material), quando foi possível verificar a movimentação de recursos em contas de empresas de fachada (fictícias) sem qualquer relação com operações comerciais normais.

    Do mesmo modo, nas diversas buscas e apreensões realizadas, foi recolhida documentação probatória dos fatos em investigação.

    A interceptação telefônica é uma técnica de investigação mundialmente consagrada, sendo, na verdade, indispensável quando a polícia se depara com crimes que ocorrem em lugares fechados, tais como gabinetes de empresas, e nos quais os mentores dificilmente se envolvem pessoalmente na execução dos atos, mas apenas repassando ordens e comandos para seus subordinados.

    Reinaldo, a Polícia Federal busca fazer seu trabalho da melhor forma possível, não se trata de órgão de Governo, mas de Estado, pode confiar.
    Luiz Flávio Zampronha
    Por Reinaldo Azevedo

    Tags: Luiz Flávio Zampronha, Polícia Federal

  207. Chesterton said

    Pô, perdi por 3 minutos….

  208. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Chesterton

    Melhor sorte na próxima! rsrsrsrs

  209. Pax said

    Cara Michelle,

    O titio agora resolveu passar da histeria para a mentira deslavada:

    “Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. É parte deste trabalho.”

    Tenha a santa paciência. Qualquer um que nutra qualquer simpatia pelo governo é perseguido e censurado no blog histérico.

    Pouco tempo atrás se alguém falasse mal de Demóstenes Torres nem pensar em ter seu comentário publicado.

    É o que dá tentar ser “meio grávido” ou “meio democrático”. Acaba-se pagando o preço de ser pego num mentira deslavada como essa que ressaltei acima. Vou repetir: mentira grotesca.

    Da mesma forma que não mantenho respeito nem dou credibilidade para “meio democratas” por motivos muito fortes – vivi a ditadura – não consigo entender como o governo sustenta um jornalista como o PHA. Uma vergonha. Para se defender o governo se abaixa ao mesmo nível, ou pior. E quer que eu não me assuste em passar a mídia por regulamentações ou controles com atitudes como essa? O governo peca feio e o pecador maior parece bem conhecido.

    Aprendi com um bom jornalista que tem que ter casca grossa para sustentar um blog realmente democrata. Apanha-se de todo lado.

    Confesso que há dias difíceis, que dá vontade de parar, ou perder as estribeiras.

    Mas a educação é uma arma forte pacas. Ao se respeitar todas as opiniões, ao se respeitar as pessoas, acaba-se recebendo de volta o que se dá.
    .
    Aqui mesmo, neste post, ataco com ferocidade o comportamento de um deputado do PT que fez o desfavor ao seu partido de trazer à público uma suposta armação para proteger Sérgio Cabral.

    O que recebo dos colegas petistas ou simpatizantes? Respeito.

    Enfim, voltando ao ponto, desta vez RA exagerou no pecado da mentira. Nem vou me ater ao ponto do post que ele fez.

    O mensalão do PT nunca foi desmentido por este blog. Nem, muito menos, questionei as investigações que sustentam este processo bá iminência de ser julgado no STF. Neste blog só não há mais informações sobre o tema porque foi iniciado em agosto de 2008.

  210. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax

    Aprendi com um bom jornalista que tem que ter casca grossa para sustentar um blog realmente democrata. Apanha-se de todo lado.

    Quem é o tal bom jornalista? Policarpo Jr.?

    Acho que o Sr não entende o significado da palavra Democracia e portanto precisa qualificá-la em “realmente” em contraposição a um pretenso “falsamente”. Pare e pense, Tio Pax.
    O Sr esteve lá e comentou alguma coisa e foi censurado?
    traga aqui o seu depoimento e diga porque houve a tal arbitrariedade?
    Estou ansiosa para ouvir.
    E neste meio tempo pare e comece a pensar por si mesmo.
    É minha sugestão respeitosa que pare com essas bobagens de histeria, a menos que tenha um útero fragilizado…o que quero crer não seja seu caso. Eu duvido que tenha acontecido. Seu útero não está fragilizado.
    Estou certa?
    Parece coisa de comadre que conta pra comadre na missa de domingo.

    Não o vejo Sr. Pax, atacando ninguem ..ao contrário.
    Está mais para escada, na minha opinião.
    O título do post é já uma declaração de lado: Vacarezza o pecador capital contra os pecadores veniais do PT, inclusive o jovem quadro Odair, o inexperiente deputadinho mineiro.
    O Sr Pax, na minha opinião, está mais para “petista herbívoro” do tipo Veta tudo Dilma! Todo apoio ao WWF ou Greenpeace. Viva Marina, a deusa serelepe da floresta seringueira.
    (Mas que aqui, se cala a respeito…como se nada estivesse acontecendo, nestes dias, de discussão do Novo Código Florestal…e fazendo embaixadinhas com comentaristas afins,sobre uma CPI viciada).

    E no entanto, e principalmente, graças às dificuldades com a Anatel ( agencia administrada pelo governo) passa a reclamar como se isso, não fosse culpa de um governo que o Sr. simpatiza a ponto de dizer que Lula foi o maior presidente que o Brasil já teve.
    Depoi de 9 anos…e a Anatel ( agencia governamental montada pelo governo) não regula porra nenhuma.
    Ninguem é responsável….”Dilma está virando um animal político”.
    Enquanto isso vamos poupá-la.
    Bah tche..tu mais pareces um bagual!
    Assim sendo Sr. Pax (ou Tio Pax) publico abaixo um dos melhores posts do Reinaldo Azevedo, para seu particular deleite:

    / Blogs e Colunistas

    Blog
    Reinaldo Azevedo

    Análises políticas em um dos blogs mais acessados do Brasil
    Assine o Feed RSS | Saiba o que é
    Se em meu ofício, ou arte severa,/ Vou labutando, na quietude/ Da noite, enquanto, à luz cantante/ De encapelada lua jazem/ Tantos amantes que entre os braços/ As próprias dores vão estreitando —/ Não é por pão, nem por ambição,/ Nem para em palcos de marfim/ Pavonear-me, trocando encantos,/ Mas pelo simples salário pago/ Pelo secreto coração deles. (Dylan Thomas — Tradução de Mário Faustino)

    24/05/2012
    às 22:49
    Lula, ora vejam, deixa claro ser ele o único líder do mundo mundial. E isso é pouco!!!

    As palavras fazem sentido, certo? Mesmo quando, na boca de Lula, não fazem o mínimo sentido — em outro sentido, se é que me entendem. Não? Leiam o que informa o Estadão Online. Explico em seguida:

    Por Elizabeth Lopes:
    Em meio ao acirramento da crise econômica europeia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva revela preocupação com a ausência de liderança hoje no mundo. “(Barack) Obama (presidente dos EUA) pensa nos americanos, (Angela) Merkel (chanceler alemã) nos alemães, cada um no seu mandato. O mundo não está pensando de forma globalizada”, advertiu o petista, em entrevista exclusiva, concedida nesta semana, à documentarista portuguesa Graça Castanheira e reproduzida nesta quinta-feira, 24, no site do jornal português O Público.

    Na entrevista, Lula diz que “o pobre do povo grego” está pagando para bancos franceses e alemães e que a Europa não pode destruir a União Europeia. E destacou o fato de os países europeus terem ficado muito na dependência da Alemanha, que teve importância nessa unificação, “mas também foi a grande ganhadora desse mercado porque 70% de suas exportações são para a Europa”. Na sua avaliação, a crise da Grécia poderia ter sido resolvida há um ano “com poucos bilhões”. E frisou: “Eu gosto de fazer política. Temos de trabalhar para interferir na política mundial.”

    Lula falou da China, que tem um papel importante, mas não pode viver uma crise, e dos Estados Unidos, que têm um papel igualmente importante, “só não podem é achar que fazem com o dólar o que querem”. E alfinetou: “O mundo fica à disposição do tesouro americano. Não é justo que a gente dependa do dólar.” Não faltou crítica também ao FMI: “O FMI é muito bom quando a crise é na Bolívia, mas quando a crise é nos EUA, o FMI não vale nada.”

    Apesar de estar se recuperando do tratamento de combate a um câncer na laringe, Lula diz que não consegue descansar mais do que três dias seguidos: “Faz parte da minha genética, sempre fui habituado a trabalhar.” E falou do seu compromisso moral com o continente africano. “Não é possível que o século XXI não seja o século do continente africano e da América Latina.”
    (…)

    Voltei
    Se tiverem paciência, leiam o resto. Eu disse que as palavras fazem sentido, certo? Lula estabelece um silogismo muito cultivado num país chamado Lulolândia, de que Lula é monarca, que tem como religião o culto ao deus Lula e como herói nacional um vulto histórico chamado Lula. E que silogismo é esse?

    Um líder mundial precisa pensar em todo o mundo.
    Obama só pensa nos Estados Unidos.
    Logo, Obama não é líder mundial.

    Dá para variar.

    Um líder mundial precisa pensar em todo o mundo.
    Merkel só pensa na Alemanha.
    Logo, Merkel não é líder mundial.

    Há a variação que está na raiz de todas as outras possibilidades:

    Um líder mundial precisa pensar em todo o mundo.
    Lula pensa em todo o mundo.
    Logo, Lula é um líder mundial.

    Mas ainda não é perfeito porque outros também poderiam se dedicar a esse exercício modesto.
    Então falta complementar a constatação aí com uma sentença:
    Lula é o único líder que pensa no mundo inteiro, o que faz dele o único líder verdadeiramente mundial.

    Começou como diretor de sindicato. Era pouco.
    Atropelou companheiros para presidir o sindicato. Era pouco.
    Criou um partido. Era pouco.
    Foi eleito presidente da República. Era pouco.
    Quer-se agora o único líder mundial. E isso é pouco.
    Lula ainda vai depor o Altíssimo.

    Na entrevista, ele diz que trabalhar faz parte da sua genética.

    Lula não tem culpa se nem todo mundo tem o seu senso de humor.
    Por Reinaldo Azevedo

    A verdade vos libertará, ou não ou muito pelo contrário.
    Como diria “ascensoristo”, o higienista do blog, recomendando lavar e não limpar com sabugo de milho, como em Cuba.

  211. Patriarca da Paciência said

    Sra. Michelle — A BESTA DESVAIRADA,

    uma vez eu tentei responder a algumas das alucinações do Reinaldinho Cabeção. Fiz vários comentários que, simplesmente, eram eliminados.

    Aí eu fiz um comentário, o qual também não apareceu e que também foi o último.

    Eu disse: “Tudo bem. Você está apenas ganhando o seu pão de cada dia. Eu respeito a todas as pessoas que, de algum modo, trabalham para ganhar o seu pão de cada dia. Nunca mais farei comentários em seu blog.”

    E nunca mais fiz.

    É o meu depoimento pessoal.

  212. Pax said

    Cara Michelle,

    Não estou sob investigação, nem CPMI. E tenho o direito constitucional de ficar calado, parodiando este circo de tchutchucas e tigrões em que o papel de palhaço cabe ao povo, bravo povo brasileiro.

    Porque essa Inquisição toda? Só porque peguei o titio mentindo deslavadamente?

    Basta google para ver as censuras que ele mesmo anuncia em seu blog histérico.

  213. Patriarca da Paciência said

    O Reinaldinho Cabeção se esqueceu de falar que o Lula é a principal fonte de inspiração dele.

    Involuntariamente, o Lula presta um grande benefício ao Reinaldinho Cabeção.

    Sem o Lula, o Reinaldinho Cabeção não saberia o que escrever!

    E os seus fanáticos seguidores, 4% da população brasileira, não teriam o que ler.

  214. Chesterton said

    “Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. É parte deste trabalho.”

    Tenha a santa paciência. Qualquer um que nutra qualquer simpatia pelo governo é perseguido e censurado no blog histérico.

    chest- divergencia inteligente, ele quis dizer (acho eu). Pax, quando você crescer “mentalmente” você vai gostar dos textos reynaldianos.

  215. Anrafel said

    Não há por que se surpreender.

    Esta CPMI nasceu sob o signo do “Lá vou de novo como um tolo/procurar o desconsolo que cansei de conhecer” (Chico Buarque) ou do “De onde menos se espera é que não sai absolutamente nada” (Barão de Itararé).

  216. Patriarca da Paciência said

    “Pax, quando você crescer “mentalmente” você vai gostar dos textos reynaldianos.”

    Meu caro Pax,

    esta foi realmente de lascar!

    É claro que é necessário uma inteligência enorme para ficar xingando diariamente o Lula de molusco, apedeuta, petralha, etc.

    Xingamento estes, tão inócuos, que nunca sequer arranharam a excelente imagem que o Lula tem diante do povo brasileiro.

    A inteligência do Reinaldinho Cabeção é mesmo muito rara, mas é tão rara, tão rara, tão rara, que ninguém é capaz de perceber.

  217. Pax said

    Caro Anrafel,

    O problema é político. Existem duas “arenas” onde os problemas estão encaminhados: a Justiça Federal e o Congresso.

    Na Justiça Federal, ao que me consta, as operações da PF devem seguir seu curso.

    No Congresso há duas “sub-arenas”: a Comissão de Ética e a CPMI.

    Congresso é lugar de política. E a questão que se coloca é quem ganha e quem perde. O povo, bravo povo brasileiro, perde em qualquer hipótese.

    Mas na disputa do poder, partidos da base e partidos da oposição, quem sairá vencedor?

    Do que se tem até agora, a derrota da oposição será, ao que tudo indica, de Pirro, ou colocando na melhor forma, a vitória da situação será de Pirro, com enormes perdas. Senão vejamos algumas, segundo minha opinião:

    – dentro do PT já há animosidades, nem todos concordam com Vaccarezza e seu grupo.

    – PT e PMDB, segundo o vacilão Vaccarezza, racham.

    – o mensalão entrou na pauta, não há dia em que o assunto não seja citado.

    – Cabral e Agnello só escaparão de ter suas “intimidades” reveladas se a farsa for escandalosa demais.

    – o jovem Odair, a persistir seu rumo, virará a tchutchuca da oposição, a mulher do malandro, vai apanhar mais que boi que entrou na horta.

    – Vaccarezza já foi pro esgoto até mesmo para boa parcela petista.

    – Paulo Teixeira vai no mesmo rumo.

    – dr Rosinha, ontem, perdeu as estribeiras. Um bom quadro do PT que sai chamuscado.

    Etc, etc – tem muitos etc aqui. Me lembro destes de chofre.

    —-

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Você quer dizer que quando eu crescer vou mentir em público como o Titio mentiu deslavadamente? Posso não crescer?

    Basta pegar teu ídolo no pecado que você vira tigrão. Cai na real, caro Chesterton, velho e bom Chesterton, não existe meia gravidez nem meia democracia.

  218. Chesterton said

    Pax, meu caro, admitir a divergencia civilizada não é a mesma coisa que deixar o próprio blo ser invadido pela ralé petista. Dá para entender ou quer que desenhe. Pasra de mimimi, que essa mania de ficar “putinho” não te cai bem. Encare os fatos.
    Ah, e o Demétrio, tem ou não razão?

  219. mona said

    Houve um tempo em que eu entrava no blog do Tio, contrapondo minha opinião à dele.
    (É, meus amores, não fecho com tudo que o Tio Rei fala, não. Mantenho-me saudavelmente divergente em alguns pontos, notadamente em nível de comportamento, tais como eutanásia e aborto, criminalização de homofobia, drogas, coisas do tipo).
    Declaro, para todos os fins e direitos, que todos os meus comentários divergentes foram publicados.
    Talvez isso somente aconteça em matéria de costumes. Talvez em matéria política, ele não admita o contraditório. Ou, apenas talvez, ele não admita a presença de petralhas, para que não seja dada visibilidade a essa legião,que conta com o auxílio de ferramentas de TI para se multiplicar exponencialmente.

  220. Pax said

    Inteligência ou malandragem, caro Patriarca?

    O mentiroso sabe que os tais 4% lhe dão sustento.

    Mas a democracia dele é a tal Demostenescracia. Funciona até que, um dia, ele escorrega nas cascas de banana que deixa no caminho.

    Nunca me enganou.

    Mas, caro Patriarca, você vai se aborrecer comigo porque vou insistir que há do mesmo joio do lado do governo.

    Por essas e outras que este blog não se pauta em farsantes.

  221. Elias said

    Edu,

    I
    Aqui mesmo, no PolíticAética, eu sempre ridicularizei essa história de “independência” do Banco Central.

    “Independência de BC” é conversa pra enganar trouxa.

    Nos EUA o BC é independente? A intervenção do governo americano no sistema financeiro, no auge da crise imobiliária (e ainda no governo Bush) e a condução da atual política de juros mostra até onde vai essa “independência”.

    E na Europa? As recentes decisões do BC europeu dispensam comentários sobre “independência” de BC.

    Se queres conversar sobre “independência” do BC terás que te dirigir a outros comentaristas, tipo Pablo Vilarnovo, etc.

    II
    “Eu ia pegar no seu pé pq vc reclama da arbitragem da Europa, sendo que arbitragem é algo tão comum quanto tosse. Assim como a especulação é algo tão comum quanto a respiração.”

    Eu “reclamo” de “arbitragem” da Europa?

    Edu, deves ter bebido além da conta…

    Eu disse, apenas, que o BC Europeu liberou um porrilhão de milhões de Euros. E isso é do conhecimento do mundo mineral.

    Também disse que o BC faz — ou tenta fazer — o que é melhor (ou o que ele acha que é melhor) pra Europa.

    Isso é “reclamar”, rapaz”?

    Porra, Edu! Vamos debater com honestidade intelectual. Se tu começas a me atribuir coisas que eu não disse, pra facilitar teu contra-argumento, o respeito escoa ralo abaixo.

    Eu disse que a Dilma foi à Alemanha reclamar disso. Repito, Edu: A DILMA FOI À ALEMANHA RECLAMAR DISSO. A DILMA!

    E isso também é do conhecimento do reino mineral, já que foi amplamente noticiado COM DESTAQUE na mídia do Brasil (e de outros países, sul americanos principalmente).

    III
    Baixar os juros pra baixar a dívida pública?

    Pode até ser, mas… Já te ocorreu de te perguntar, se é tão simples assim, por que Figueiredo, Sarney, Collor, Itamar, FHC e Lula não fizeram o mesmo? Será que foi porque não te contrataram como Ministro da Fazenda? E por que o Mantega não fez isso antes, no governo Lula, numa conjuntura infinitamente mais confortável?

    Não, Edu. O buraco é noutro lugar…

    Se baixas os juros num momento em que a economia está aquecida, vais causar inflação, já que a demanda ficará maior que a oferta de produtos.

    Por outro lado, se o aparelho produtivo opera com capacidade ociosa, isto significa que há espaço para redução dos juros.

    É a lei da oferta e da procura, lembra? Não dá pra revogar essa lei só porque é a única forma de dar algum sentido a certos discursos oposicionistas…

    Mas, vamos voltar à tua tese.

    E, se o objetivo é só reduzir a dívida pública — tão simples, assim…! — por que o governo está reduzindo a taxa de depósitos compulsórios sobre depósitos à vista na autoridade monetária, e também reduzindo os impostos federais sobre a produtos de grande efeito multiplicador na economia, como é o caso de automóveis?

    Vais me dizer que a redução do IPI sobre veículos automotores tem por objetivo reduzir a dívida pública?

    Já sei: Em casa de ferreiro… Tanto bate até que fura!

    Edu, se o problema do governo fosse apenas a dívida pública, ou principalmente a dívida pública, a Dilma estaria rindo pras paredes…

    É muito pior, Edu! Mil vezes pior que isso…

  222. Chesterton said

    Vais me dizer que a redução do IPI sobre veículos automotores tem por objetivo reduzir a dívida pública?

    chest- se houver crescimento e a dívida não aumentar, em percentagem do PIB ela diminui, a lógica keynesiana.

  223. Pax said

    Cara Mona, veja bem:

    “Talvez em matéria política, ele não admita o contraditório. Ou, apenas talvez, ele não admita a presença de petralhas, para que não seja dada visibilidade a essa legião,que conta com o auxílio de ferramentas de TI para se multiplicar exponencialmente.”

    Fico com a simples pergunta: isto é democrático?

    Pode discordar desde que concorde politicamente?

    Não consigo aceitar esse comportamento de quem se diz democrata.

    Uma coisa é bloquear troll, um direito que todo blogueiro tem, no meu julgamento. Outra, completamente diferente, é censurar comentários de quem não está alinhado politicamente.

    Sinto muito, mas não consigo aceitar uma postura assim sem apontar essa falsidade ideológica.

    Nunca acusei o titio de corrupto ou algo do gênero, mesmo porque não há sequer indício de qualquer coisa neste sentido.

    Mas aponto, sim, sua personalidade falsa e mentirosa.

    Vá defender democracia na casa da mãe Joana. Se não sabe ser democrata, então não se intitule assim.

    Simples.

    E, cara Mona, TI existe para todos. Petistas, tucanos, democratas e falsos democratas. É o mesmo que dizer que a pista é culpada do Barricello nunca ganhar. Ora bolas,
    Os outros pilotos correm em pista diferente?

  224. Elias said

    Pax,

    Assim também não dá!

    O Garcez empurrou o governador tucano pra dentro da m…

    E ninguém diz nada neste blog?

    Fácil demonstrar que Garcez mentiu: é só checar o pagamento da mansão que o governador bicudo comprou, né? Como foi feito por meio de operação bancária, dá pra se checar rapidinho…

    Agora, se o Garcez falou a verdade, quando mais se mexer nessa m… mais ela vai feder, certo?

    Foi mesmo o governador bicudo quem comprou a casa? Então ela deve ter sido escriturada no nome dele, certo? Deve estar na sua declaração de bens ao IR, certo?

    Ah, não está no inventário dele, não? Por que? Ele doou? Pra quem? E cadê a escritura de doação?

    Parece que o governador “não lembra” como foi que ele pagou a mansão…

    Ah é?

    Bem, se o Garcez mentiu, será fácil desmontar as mentiras que ele contou… Agora, se ele falou a verdade, acho que começou a desmontagem de uma parte da oposição.

    O pior (pra oposição) é que isso é só o início do começo do princípio…

    Lembro, aqui, o que escrevi mais acima: quando essa CPI acabar, a oposição estará menor, mais fraca e mais desmoralizada do que era, ao início dos trabalhos.

    Derrota total…!

    O que vai ter de Gregor Samsa abandonado pelo caminho, não vai ser fácil…

    O problema da oposição é que as baratas dela estão longe de exibir a mesma resignação de um autêntico Gregor Samsa… As baratas da oposição vão sacudir as perninhas… Vão vomitar no ventilador…

    Já imaginaste um montão de baratas imensas, vomitando num também imenso ventilador?

    Nojento…!

  225. Chesterton said

    Meu Deus, Pax está carente porque o Reinaldão não dá bola para ele….amazing!
    ——————————-

    “Faz parte da minha genética, sempre fui habituado a trabalhar”
    Ex-presidente Lula contando lorotas ao jornal Público, de Lisboa

    chest- hummm, será que é problema cerebral relacionado com a quimioterapia? Está delirando!

  226. Pax said

    Caro Elias,

    Sim, bem pescado. A tal operação de compra da tal casa, envolvendo o governador e o diretor da Delta, é uma mina de ouro para quem quiser e puder investigar mais à fundo.

    Me parece difícil que Perillo saia desta sem expor “problemas de conduta”.

    Mas insisto na vitória de Pirro. O que fez a oposição de forma que parece inteligente?

    Assinou requerimento para Perillo ir à CPMI para depor. Afirma que Perillo quer depor.

    Mas…

    Exige – e parece que vai conseguir – que Agnello e Cabral façam o mesmo.

    Algo como, entrega-se um governador quase morto por dois que podem não se salvar. Mais ainda, podem acabar expondo entranhas estranhas. Coisa que o Vaccarezza, ao menos este vacilão, não queria que acontecesse.

    Demos uma volta e chegamos no título do post: Vaccarezza peca e quem paga?

    Vitória de Pirro.

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Não li o Demétrio com calma. Acho que ele acerta, em sua posição de oposição, ao conectar Collor com o discurso dos que defendem o tal controle, regulamentação, ataque à grande mídia.

    Esta pauta nunca me comoveu. Sempre achei, ao contrário, uma pauta que só traz desgaste.

    A afirmação do Demétrio que esta pauta está diretamente ligada ao ZD eu não consigo retificar nem ratificar. Sei que Dirceu gosta de andar neste terreno e acho um tremendo vacilo. Mas ele que cuide de si e o PT que o sustente. Cá mantenho minha posição: Imprensa absolutamente livre.

    Até hoje não entendi a falta de competência de não termos uma BBC like

  227. Edu said

    Elias,

    I –

    “A intervenção do governo americano no sistema financeiro, no auge da crise imobiliária (e ainda no governo Bush) e a condução da atual política de juros mostra até onde vai essa “independência”.”

    Pode ter havido interferência do governo, fazendo da intervenção uma intervenção política, mas o objetivo foi claramente econômico.

    “E na Europa? As recentes decisões do BC europeu dispensam comentários sobre “independência” de BC.”

    Por exclusão, vc está afirmando que se o BC europeu fosse independente ele aumentaria a taxa de juros da Europa? Eu acho que não… então onde está a interferência do governo? Além disso, novamente, se é que houve interferência, o objetivo também foi claramente econômico.

    Então, ainda que houvesse interferência política, ainda que os BCs não fossem independentes, em ambos os casos que vc mesmo acabou de citar, o objetivo NÃO era mandar recado pra ninguém, era resolver o problema de sua própria economia.

    Bastante diferente da atitude da Dilma, se é q vc tem razão sobre o objetivo primário da redução de juros.

    II –

    “A turma lá tá pronta pra pegar dinheiro a custo zero na Europa, aplicar no Brasil a juros muito mais altos e, em seguida, repatriar os ganhos… Um modo de fazer com que países como o Brasil paguem uma parte da conta da crise européia, drenando riqueza daqui pra lá.”

    Se isso não é reclamar… então eu retiro o que disse, só pra manter o nível de honestidade intelectual exigido, afinal, sou um direitoba.

    Além disso, o que é que a Dilma quer indo lá reclamar?! Influenciar a taxa de juros do BC europeu?! Depois é a direita que fica esperneando…

    III –

    Opa! Vamos devagar aí… aponte onde eu disse que a baixa de juros não tem o objetivo de estimular a economia? Inclusive, se vc ler com atenção, verá que eu deixo bastante explícito que a inflação me preocupa, e que eu espero que o Sr. Guido Mantega tenha feito as contas direitinho, para o bem da nação.

    Eu só disse que a ordem que vc colocou não é essa.

    Meu ponto é que a sua tese de que a Dilma mexe na taxa de juros brasileira, como quem mexe no cartão “vermelho” e “verde” de uma churrascaria de rodízio de carnes, para ficar mandando recadinho pra Europa, e não baixar o necessário só pra dar recadinho pro Marco Aurélio não faz sentido. E se for exatamente esse o principal motivo da baixa da taxa de juros, essa mulher é mais perigosa que um macaco com uma metralhadora.

    Agora, a dívida pública cresce, a Dilma ameaçou, mas não se atreveu a majorar tributos, nem recriar tributos extintos, afinal, ela mesmo prometeu que saía a reforma tributária na sua gestão. To aqui, esperando pra ver.

    Ainda assim, cortes orçamentários foram feitos, claramente o governo está passando por um dilema: cresce primeiro ou cobra primeiro? Pelo que eu entendo a vontade de qualquer esquerda que gosta do governo bem inchado e controlador é cobrar primeiro (e botar um dinheirinho na cueca se possível), só que a Dilma não está vendo saída, está se arriscando a crescer primeiro. Aí a Dilma escapa por onde consegue… felizmente a maré tá baixa (para as taxas de juros) e a Dilma pegou esse bonde. Por isso q eu chamei de simples: era algo natural, nada a ver com recadinhos e teorias de conspiração contra Europa ou Marco Aurélio.

    Agora, não custa lembrar: nós, os direitobas, estamos avisando que uma hora a conta vem. Aí vamos ver quem é o grande estadista que vai mandar entregar a conta.

    Eu torço muito para que dê tudo certo.

  228. iconoclastas said

    e daquela sábia e honesta fonte:

    ““A turma lá tá pronta pra pegar dinheiro a custo zero na Europa, aplicar no Brasil a juros muito mais altos e, em seguida, repatriar os ganhos… Um modo de fazer com que países como o Brasil paguem uma parte da conta da crise européia, drenando riqueza daqui pra lá.”

    ;^)))))))))))

    será que ele diz para gente o que nos aconteceria se esse pessoal louro de olhos azuis não afrouxasse a política monetária?

    ;^?

    ingrato.

  229. Elias said

    Edu,

    I
    “A turma lá tá pronta pra pegar dinheiro a custo zero na Europa, aplicar no Brasil a juros muito mais altos e, em seguida, repatriar os ganhos… Um modo de fazer com que países como o Brasil paguem uma parte da conta da crise européia, drenando riqueza daqui pra lá.” (Elias)

    “Se isso não é reclamar… então eu retiro o que disse, só pra manter o nível de honestidade intelectual exigido, afinal, sou um direitoba.” (Edu)

    Pois não é reclamar, não, Edu. É constatar!

    Pra mim, reclamar disso é perda de tempo.

    Pra mim, o que interessa é saber: (a) de que forma isso afeta o país onde vivo e a mim mesmo; (b) o que é que o governo do meu país está fazendo com relação a isso.

    Só um idiota pode achar que isso não é prejudicial a países como o Brasil, que usa a taxa de juros pra evitar o excesso de demanda e a inflação.

    Coincidentemente, os idiotas que insinuam isso — insiunuam, porque não têm coragem de afirmar claramente — são os mesmos que, durante décadas, defenderam o arrocho monetário como estratégia pra conter a inflação.

    II
    A ordem que eu usei foi sempre esta: (a) evitar a drenagem de recursos do Brasil para o exterior (provovcada pelos juros nulos do BCE, como qualquer integrante do reino mineral não terá dificuldade em concluir); (b) turbinar o crescimento do PIB, que foi baixíssimo em 2011 (o que permite supor a existência de uma capacidade ociosa, que, por sua vez, etc, etc, etc).

    Mas, se isso te dá algum conforto, muda a ordem desses fatores. Não vai alterar o produto em porra nenhuma!

    Aliás, é até possível que o item “b” deva ser colocado antes, mesmo. Se o crescimento do PIB não houvesse sido tão mixuruca em 2011, é até possível que o mecanismo adotado pelo governo fosse outro, que não a baixa dos juros… Foram dois coelhos com uma única porrada, Edu.

    III
    Que ” teorias de conspiração contra Europa”, caceta?

    Então tu não sabes da liberação de grana pelo BCE a juros zero? Não? Então és o único metido a debater economia que não sabe disso! Uma olhadinha nos jornais dos últimos meses não te faria mal…

    Ou sabes e imaginas que isso não teve nada a ver com a política de juros do Brasil? Idem!

    IV
    “Meu ponto é que a sua tese de que a Dilma mexe na taxa de juros brasileira, como quem mexe no cartão “vermelho” e “verde” de uma churrascaria de rodízio de carnes…”

    Estás doido, Edu…!

    Eu nunca disse isso, nem nada parecido.

    Eu venho dizendo, HÁ ANOS, que:

    (a) EM TODO O MUNDO, não apenas no Brasil, a “independência” dos BCs é algo pra lá de relativo; na hora do vamos ver, essa independência acaba virando farelo diante da política econômica dos governos; no choque entre ambas, prevalece esta última (não é uma questão de “Dilma”, portanto);

    (b) a Dilma ia usar a taxa de juros como estratégia pra enfrentar o derrame do BCE (lê a Economist, que ela está dizendo a mesma coisa).

    E essa história de dizer que a intervenção do Bush foi “econômica” (e olha que nem o Paulson, que foi quem realmente fez a intervenção, jamais disse isso — pelo contrário, aliás), e que outra intervenção é só “política”, é tão tola, que nem vale a pena deebater.

    V
    Então tu achas que a briga pelos juros mais baixos tem a ver somente com a redução da despesa pública com serviço da dívida?

    Então tá, artista. Vamos supunhetar (e é punheta mental, mesmo!), que seja isso…

    Qual o problema? Diz lá!

    VI
    Agora, que tal começar a responder algumas das perguntas que te fiz?

    Por exemplo: como é que a redução da taxa de depósitos compulsórios sobre depósitos à vista na autoridade monetária e a redução de impostos como o IPI sobre veículos automotores contribuem para a redução da despesa pública?

    Pede ajuda pro babaca do # 228.

    Pede, também, pra ele explicar como essa liberação de grana a juros zero pelo BCE ajuda a economia brasileira (Não vale responder em tese; tem que verificar PRA QUEM e SOB QUÊ CONDIÇÕES essa grana foi liberada).

    VII
    Tu és direitoba? Problema teu!

    Não te perguntei e, pra falar a verdade, tô cagando e andando…

  230. Elias said

    Edu,

    Esse negócio de misturar nosso debate sobre juros com “dólar na cueca” é criancice.

    Não tenho porra nenhuma a ver com dólar na cueca de fulano ou na calcinha da mãe de sicrano.

    Isso é problema desses merdas. Por mim, vai toda a canalha pra cadeia. Tanto faz que de direita, de esquerda ou do que diabo for.

    Agora, o que diabo isso tem a ver com a política de juros?

    Daqui a pouco, vais acabar feito um Chesterton, que diz que “o PT é a fonte de todo o mal” (ou seja, antes do PT existir, o Brasil era um paraíso pro Chesterton).

    Mas o Chesterton a gente perdoa, porque ele tem um defeito genético: é alentejano…

  231. Elias said

    E sobre a mansão do governador tucano, ninguém diz nada?

    Chesterton,
    Não estás fazendo teu trabalho direito…

    Não vais dizer nada pra defender o pobrezinho?

  232. Elias said

    Pax,
    Minha opinião é de que o PT NÃO DEVE apoiar a convocação do Perillo.

    A essa altura, o Perillo está sangrando.

    Num contexto de luta política, o PT deve deixar sangrar… Se o Perillo quiser, ele que implore pra ser ouvido pela CPI.

    O PSDB, como sempre, perdeu o bonde. Só depois que viu o bode dele na sala, botando sangue pela boca, é que se animou a assinar o requerimento.

    Se mexeu tarde, e da forma errada…

    Minha opinião é que o PT deve deixar o PSDB esgoelar.

    Quanto mais o PSDB esgoelar e espernear, mais ele terá que meter o Perillo no fogo e pior pra este… Cada vez que o PSDB tocar no assunto, estará disparando contra o próprio corpo.

    Lembra do que a gente conversou no início? Que ia ser uma porrada feia de cobra criada?

    Pois é… Né?

  233. iconoclastas said

    “será que ele diz para gente o que nos aconteceria se esse pessoal louro de olhos azuis não afrouxasse a política monetária?”

    ah, mas o tal protozoário do Maguari respondeu, sim…

    no entanto, como de hábito, fez questão de deixar suas excreSSões:

    ” são os mesmos que, durante décadas, defenderam o arrocho monetário como estratégia pra conter a inflação.”

    hummm…afetadinho…

    claro, aperto monetário não tem nenhum efeito sobre inflação (legenda…), só alguém que não conhece o oráculo da Condor pode acreditar que inflação seja um fenômeno… monetário

    ;^)))

    obrigado

  234. Edu said

    I –

    “Pra mim, o que interessa é saber: (a) de que forma isso afeta o país onde vivo e a mim mesmo; (b) o que é que o governo do meu país está fazendo com relação a isso.” (Elias)

    Respondendo ao (b): na ordem que vc e a Economist colocam as coisas, a Dilma está usando a taxa de juros pra tentar controlar o incontrolável (essa tal arbitragem), que nós concordamos que, dada a diferença de taxas de juros, continuará a ser assim, ou seja, o que ela está fazendo é uma tremenda IDIOTICE. Ou pior: se ela está baixando menos a taxa de juros do que deveria para “mijar” no Marco Aurélio, ela está usando uma ferramenta ajuste econômico de um país inteiro pra dar recado político, ou seja, IDIOTICE. Agora, se ela está preocupada com o desenvolvimento, ou se ela está preocupada com a dívida pública, acho que ela deve ter pensado melhor.

    Respondendo ao (a): se a Dilma mexe nas taxas de juros principalmente por esses motivos, temos muita sorte que a IDIOTICE feita, neste caso ajuda. Se o Guido Mantega fez as contas direitinho, coisa que eu acho meio raro, vc pode ficar despreocupado que o país está no rumo certo, haverá crescimento, haverá geração de empregos, será uma maravilha. Se o Guido Mantega errou as contas, haverá inflação, seu dinheiro perderá valor, o país inteiro vai ter que pagar a conta. No mais eu não sou analista financeiro nem economista pra ficar fazendo previsões de como a bolsa vai se comportar por isso, neste ponto, prefiro não opinar.

    Eu quero crer que não, por isso acho que vc e a Economist estão errados. E a ordem dos fatores pode não alterar o produto, mas o objetivo continua sendo uma idiotice. Já imaginou se ela faz uma dessas na hora errada, do jeito errado (como nesse caso)? Até os seres de natureza mineral se preocupariam.

    II –

    Se vc não entendeu que eu SEI que foram 2 coelhos com uma cajadada eu vou dizer: Elias, pra vc saber, eu ENTENDO que foram 2 coelhos com uma cajadada.

    O problema, como dito acima, e acima, e acima, e acima, e que vc insiste em ignorar é a distância entre o objetivo primário e o benefício primário desta decisão tomada pela Dilma.

    Atirou no que viu, acertou no que não viu… esse tipo de arma nas mãos de algumas pessoas pode ser perigoso, concorda?

    III –

    Respondido acima

    IV –

    Respondido acima

    V –

    “Então tu achas que a briga pelos juros mais baixos tem a ver somente com a redução da despesa pública com serviço da dívida?”

    Aponte onde eu disse o SOMENTE que eu respondo qual é o problema.

    VI –

    Leia com atenção este parágrafo, a resposta está aí. Vc é tão bom de interpretar as ações políticas Elias, não consegue interpretar um parágrafo de um texo?

    “Ainda assim, cortes orçamentários foram feitos, claramente o governo está passando por um dilema: cresce primeiro ou cobra primeiro? Pelo que eu entendo a vontade de qualquer esquerda que gosta do governo bem inchado e controlador é cobrar primeiro (e botar um dinheirinho na cueca se possível), só que a Dilma não está vendo saída, está se arriscando a crescer primeiro. Aí a Dilma escapa por onde consegue… felizmente a maré tá baixa (para as taxas de juros) e a Dilma pegou esse bonde. ”

    VII –

    Apela não Elias!! Apela não! hahaahahahaha

    Pare de ficar criando itens para discussão e atenha-se ao essencial: a maneira torta como a Dilma usa a “independência” do BC para fazer POLÍTICA. É esse o ponto, desta vez, felizmente, o que a Dilma fez tem impacto positivo (ainda que haja o risco inflacionário), numa próxima vez…

  235. Elias said

    Bundão,

    Não foge da raia.

    Eu perguntei: “como essa liberação de grana a juros zero pelo BCE ajuda a economia brasileira?”

    Ora, Bundão: claro que um arrocho ou um afrouxamento monetário NO BRASIL afeta a economia brasileira.

    O que eu quero saber é como ESSA LIBERAÇÃOI DE EUROS A JUROS ZERO, feita pelo BANCO CENTRAL EUROPEU, NA EUROPA, e nas condições em que ela foi feita, afeta POSITIVAMENTE a economia brasileira.

    Perguntei isso pegando a seguinte bundice que escreveste: “será que ele diz para gente o que nos aconteceria se esse pessoal louro de olhos azuis não afrouxasse a política monetária?”

    Então explica, Bundão, como esse “afrouxamento” beneficia a economia brasileira. Ou como ela seria prejudicada caso não acontecesse o afrouxamento.

    Não finge ser mais idiota que és…

  236. iconoclastas said

    o bunda mole, o que há de mais frouxo do que responder uma pergunta com outra?

    se situa… hj não vai ter aula na molezinha não. vai ter que estudar.

    ;^)))

  237. Elias said

    “se ela está baixando menos a taxa de juros do que deveria para “mijar” no Marco Aurélio, ela está usando uma ferramenta ajuste econômico de um país inteiro pra dar recado político” (Edu)

    Mas que burrice, Edu…

    Que falta de informação…

    Lê os jornais, rapaz!

    1 – O Marco Aurélio ANTECIPOU indevidamente uma medida que seria adotada pelo governo.

    2 – A antecipação feita pelo Marco Aurélio provocou um surto especulativo.

    3 – O governo frustrou o surto especulativo retardando a medida e, ao deflagrá-la, o fez a uma intensidade abaixo da expectativa especulatória.

    Não tem porra nenhuma de recado político, caceta!

    Foi uma medida pra FRUSTRAR um surto especulativo que colocava em risco os efeitos de uma medida de política econômica.

  238. Elias said

    Bundão,

    O que há de errado é que não respondeste porra nenhuma!

    E não respondeste porque não sabes responder.

  239. Elias said

    Edu,

    A mesma coisa pra ti.

    “Respondido acima” é o cacete!

    Em nenhum momento me explicaste como a redução do IPI contribui pra reduzir a despesa pública.

    Pior, ainda, como a redução do IPI contribui pra reduzir a despesa com o serviço da dívida pública.

    Diz em que comentário teu isso está respondido.

    Não respondeste nada.

  240. iconoclastas said

    isordil para a amebinha belenense… ligeiro!

    ;^)))

  241. Chesterton said

    Elias disse

    25/05/2012 às 15:57
    E sobre a mansão do governador tucano, ninguém diz nada?

    Chesterton,
    Não estás fazendo teu trabalho direito…

    Não vais dizer nada pra defender o pobrezinho?

    chest- é que não sou profissional pago para isso como você. Defende o PT não porque seja inocente, e sabe que não é inocente, mas porque é pago de alguma maneira para isso.

    Mas mansão de quem?

  242. Elias said

    Edu,

    Eu perguntei:

    “Por exemplo: como é que a redução da taxa de depósitos compulsórios sobre depósitos à vista na autoridade monetária e a redução de impostos como o IPI sobre veículos automotores contribuem para a redução da despesa pública?”

    E vê o que me “respondes”:

    “Leia com atenção este parágrafo, a resposta está aí. Vc é tão bom de interpretar as ações políticas Elias, não consegue interpretar um parágrafo de um texo?”

    “Ainda assim, cortes orçamentários foram feitos, claramente o governo está passando por um dilema: cresce primeiro ou cobra primeiro? Pelo que eu entendo a vontade de qualquer esquerda que gosta do governo bem inchado e controlador é cobrar primeiro (e botar um dinheirinho na cueca se possível), só que a Dilma não está vendo saída, está se arriscando a crescer primeiro. Aí a Dilma escapa por onde consegue… felizmente a maré tá baixa (para as taxas de juros) e a Dilma pegou esse bonde. ”

    Caceta! Começaste descredenciando a esquerda. O que se espera daí? Uma elaboração intelectualmente superior, no mínimo.

    Aí, o que vem? Baixa de juros… “a maré tá baixa (para as taxas de juros)”.

    O que significa isso, do ponto de vista científico? “Maré tá baixa pra taxa de juros”? Babaquice!

    Acontece, rapazinho, que minha pergunta foi sobre:

    a) REDUÇÃO DA TAXA DE DEPÓSITOS COMPULSÓRIOS NA AUTORIDADE MONETÁRIA, SOBRE DEPÓSITOS À VISTA; e

    b) REDUÇÃO DE IMPOSTOS, COMO O IPI SOBRE VEÍCULOS AUTOMOTORES.

    Lê de novo. Tá transcrito aí acima…

    Os peixinhos responderam… Banana não tem caroço.

    Meteste na conversa os dólares da cueca — que não têm porra nmenhuma a ver com o que estamos debatendo — e acabaste não dizendo nada.

    Que a Dilma quer turbinar o PIB é o óbvio ululante. É o que eu venho dizendo desde o começo.

    TU é que vieste com essa lorota de que o objetivo dela era reduzir o gasto público com o serviço da dívida. E não tens como encaixar isso nas medidas que o governo está adotando.

    Aliás, pra tua reflexão: a maior parte da dívida pública brasileira não é federal. A maior parte da dívida pública brasileira é dos Estados e Municípios.

  243. Chesterton said

    A porrada que o Reinaldão deu no Mino Carta é histórica.

  244. Pax said

    Foram anunciados os 12 vetos e 32 emendas que o Planalto fez para consertar o estrago que Aldo Rebelo conseguiu fazer no novo Código Florestal.

    Não há anistia e os pequenos produtores foram melhor tratados.

    Não é o ideal, claro, mas parece que mitiga a enorme cagada do Aldo. (fico antevendo a Copa de 2014…)

    Caro Elias,

    Sim, Perillo já sangra a céu aberto. Assim como Demóstenes.

    O que rola, na minha opinião, é que a oposição está conseguindo cobrar bem por suas perdas.

    Agnelo, Cabral e o que mais vier a reboque da Delta acabarão caindo no troco do sangue derramado da oposição.

    Ou vira pizza ou teremos perdas significativas dos dois lados, se a oposição souber jogar.

    Não podemos esquecer da perda já registrada do Vaccarezza. Este vacilo nunca será esquecido e será usado ad nauseam, com toda propriedade.

    Quem mais vai sangrar? O Odair é forte candidato. Já tem apanhado bem.

    Agora surgem notícias de grandes somas de dinheiro para os caixas do PT. Tudo legal, algo em torno de 50 MM. O PSDB arrecadou nem 10% disso no mesmo período.

    Mas… De onde?

    – Andrade Gutierres, J&F (leia-se JBS – Friboi – leia-se-> Delta) etc.

    Ou seja…

    Sim, a oposição mingua assustadoramente. Isso é fato. Mas não necessariamente é bom. Por mim, muito ao contrário.

  245. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax

    Destaco alguns trechos de excelente artigo do Ricardo Setti.

    Cobramos ética dos políticos, dos governantes, dos magistrados… Que tal falar da ética dos advogados?

    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/cobramos-etica-dos-politicos-dos-governantes-dos-magistrados-que-tal-falar-da-etica-dos-advogados/

    No Brasil 2012, cobra-se ética dos políticos.
    Está certo, certíssimo.
    Cobra-se ética dos governantes, de presidente e ministro até prefeitos de pequenas cidades.
    Certíssimo.
    Cobra-se ética dos magistrados.
    Ótimo. Graças a Deus.

    Mas que tal falar um pouco dos advogados?
    Durante o depoimento que não foi depoimento de Carlinhos Cachoeira à CPI mista do Congresso que leva seu apelido, na terça-feira, 22, alguns deputados questionaram a correção ética do ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos por defender, como advogado que é, o malfeitor.

    Influência direta ou indireta

    Mas será que é correto vê-los, a todos, desfrutar de sua influência pretérita, de forma direta ou indireta, nos casos em que passam a atuar como advogados?

    Há muitos escritórios que têm como sócios ministros aposentados do Supremo que advogam junto ao Supremo.

    Há escritórios de filhos de ministros do Supremo que advogam junto ao Supremo.

    Isso se repete nos Estados, com os tribunais de Justiça.

    Não se está dizendo, aqui, que ocorrem falcatruas e maracutaias decorrentes dessas situações – mas PODEM OCORRER. Muito provavelmente ocorrem, aqui e acolá.

    E aí cabe a pergunta: há transparência suficiente nessas situações?

    Honorários pagos com o produto do crime. Pode?

    Casos como o do ex-ministro Márcio Thomaz Bastos envolvem outra questão séria, não suficientemente discutida.

    Se se comprovar que Cachoeira é um criminoso, que obteve sua fortuna do crime, não será esse dinheiro – sujo – que honrará os honorários do ex-ministro?

    É correto, é certo, não merece sequer DISCUSSÃO que criminosos comprovados, como traficantes de drogas, contratem advogadões caríssimos, que serão evidente e regiamente pagos com o produto do crime?

    O que fazer, então? Deixar esses cidadãos sem advogado?

    ….

    Tio Pax: acusar outras pessoas de “mentirosos deslavados” requer muito mais que consultar o Google. Requer provas concretas. Nada de ouvi dizer.Ou eu acho que é.E ponto.
    Abusar das palavras histeria e democracia sem ao menos saber o exato significado de cada um destes termos aplicados ao contexto. Repetir acusações babacas obtidas em blogs estatais e em conversas de “comadres ideológicamente afins”, caso você ainda não entendido, Tio Pax, é falta de Ética!
    Mas você não percebeu e ao responder tentou sair como vítima da inquisição (ética) e fazendo piadinhas inconsequentes. Um pouco patético, até.

    P.S. Para ajudá-lo até o prezado “ascensoristo da paciência” deu um depoimento pessoal cativante e lindo.
    Uma versão melhorada do “você é nosso e nós somos teu, caro Pax”.
    Ele testemunhou que já ficou preso várias vezes no mata burro do blog do Reinaldo e afinal, parou de insistir.

    Fiquei aqui pensando… o que teria ido fazer o nosso colega, que acredita piamente que a democracia cubana é modelo de alguma coisa no mundo ocidental e é adorador do bezerro de ouro (lula), no blog do Reinaldo?

    Aqui nos US, onde estou, essa é a pergunta que não quer calar.
    E aí no Brasil como anda a coisa. Alguma resposta? Alguma hipótese?
    Fiquei extremamente sensibilizada com a “infância tardia”/ “senilidade precoce”
    do nobre colega comentarista.

  246. Chesterton said

    Sim, a oposição mingua assustadoramente. Isso é fato. Mas não necessariamente é bom. Por mim, muito ao contrário.

    chest- Pax, o PT hipotecou o futuro para subornar o presente.

  247. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax

    Nada como o achismo precoce pra escrever bobagens, Tio Pax.

    Na Folha Online:
    Organizações ambientalistas criticaram a decisão do governo sobre o Código Florestal de vetar apenas parte do projeto. Nesta sexta-feira (25), o governo anunciou que foram vetados 12 pontos do projeto aprovado pelo Congresso.

    Para a WWF Brasil, o país corre o risco de sofrer um retrocesso legislativo pelo fato da presidente Dilma Rousseff não ter vetado o texto integralmente. “O projeto aprovado no Congresso é fruto de um processo legislativo tortuoso, feito para atender apenas a uma parcela da sociedade que quer ampliar as possibilidades de desmatamento e anistiar quem desmatou ilegalmente”, afirma a secretária-geral da organização, Maria Cecília Wey de Brito. Segundo ela, o Brasil pode chegar ao encontro Rio+20 com um discurso e uma prática incompatíveis. A reunião para a questão ambiental acontece em junho no Rio de Janeiro. “Fora os impactos à credibilidade e à liderança do Brasil no cenário global, poderemos sofrer barreiras comerciais por seguir crescendo de forma insustentável.”

    Já o coordenador de campanhas do Greenpeace, Márcio Astrini, criticou a falta de detalhamento dos vetos e modificações do Código Florestal. As alterações serão editadas através de Medida Provisória, que deverá ser publicada e detalhada com os vetos no “Diário Oficial” de segunda-feira (28). >“O Brasil dorme hoje sem saber qual é o seu Código Florestal, qual o texto que vai ser alterado pela caneta da Dilma”, afirmou. Segundo ele, as mudanças feitas pelo governo não são satisfatórias para a recuperação das matas ciliares. “Não houve nenhum anúncio que possa garantir que essa recuperação seja eficiente e vá assegurar a recuperação do meio ambiente”, disse.
    ………….
    A WWF e a Greenpeace,na prática, estão dizendo o que?

    “A moça parece achar que o Poder Legislativo não tem legitimidade para votar um código, e o rapaz entende que a presidente não a tem para aplicar vetos e mudanças. Então quem tem? Ora, a resposta é simples: a WWF e o Greenpeace. Eles substituem os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário” (Reinaldo Azevedo)

    Tio Pax

    Ah lembrei-me de outra coisa..onde anda aquele “pauzão de aroeira” (made in china) que o titio Pax tinha preparado para ser usado na apuração de crimes de corrupção da CPI do Cachoeira.
    Deu “chaa-bu”? A polvora… amoleceu devido à umidade local? Não?
    Ah! guardou por enquanto…entendi
    Caso mude de idéia, avise, pois posso sugerir outros usos muito adequados.
    rsrsrsrs
    chest- Pax, o PT hipotecou o futuro para subornar o presente.

    Matou a pau de aroeira (made in Brazil)

  248. Pax said

    O mentiroso acha que Dilma não é democrata e que ele, que só permite que tenhamos a mesma opinião que a sua, quer dar aula de democracia?

    Entendi.

    Agora votou ambientalista também. Arrãm …

    Alô Demóstenes, arruma uma garrafa de Cheval Blanc pro titio tomar vergonha na cara.

    Cada coisa que um dia após o outro nos mostra.

  249. Patriarca da Paciência said

    Para que a Sra.. Michelle, a BESTA DESVAIRADA, comece a entender um pouco o significado da palavra Democracia:

  250. Patriarca da Paciência said

    Sra. Michelle – A BESTA DESVAIRADA,

    adorar bezerro de ouro é justamente o que os comentaristas do Reinaldinho Cabeção fazem, ou seja, o cara fica lá tecendo todo tipo de alucinação, coisas que até parecem filme B norte-americano, tipo, “invasão da internet por robôs comandados pelo PT” e os 4% de babacas ficam repetindo, “amém, tio rei, amém”.

  251. Chesterton said

    Pax, ao chamar de mentiroso você evita discutir o tema. É um subterfugio teu, a negação. Quer enganar a quem?

  252. Pax said

    Alucinação até é um problema menor, caro Patriarca.

    O problema é ser pego na mentira.

  253. Zbigniew said

    Excelente, Patriarca.

    Este sim, um verdadeiro democrata.

  254. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Que tema?

    O mentiroso diz que Dilma está desrespeitando o Congresso? A Constituição?

    Diga- me onde, por favor.

    Dilma fez o que a Constituição lhe assegura. Neste caso corrigir um estrupício criado por gente como Caiado, Kátia etc. Por acaso até recentemente gente ligada com Arruda, Demóstenes etc.

    E estes vetos ainda vieram ao encontro de mitigar as penalidades e multas, as obrigações dos pequenos produtores rurais.

    Fez dentro da Constituição e bem.

    O mentiroso falou merda, pra variar.

  255. Chesterton said

    estrupício criado por gente como Caiado, Kátia

    chest- são acusados de algum crime, como o PT inteiro? Ora Pax, poupe-me de seus preconceitos e encare a realidade dos fatos.

  256. Chesterton said

    O mentiroso falou merda, pra variar.

    chest – onde? como? porque? convença-me!

  257. Pax said

    Não, caro Chesterton, velho e bom Chesterton, estrupício mesmo.

    A proposta do novo Código Florestal elaborada pelo Aldo Rebelo era impossível de ser aprovada. Pelo bem da humanidade e, em especial, dos brasileiros e futuras gerações.

    Foi para o Senado que corrigiu os principais erros, os impossíveis, melhor, inadmissíveis.

    Voltou para a Câmara que insistiu no erro e obrigou os vetos de Dilma que os fez dentro da Constituição.

    Se quiser olhar sem paixões, é isso, sim.

    Aí o mentiroso vem e distorce. Vc está puto pq teu ídolo foi pego na mentira. Tudo bem. Normal.

  258. Chesterton said

    A proposta do novo Código Florestal elaborada pelo Aldo Rebelo era impossível de ser aprovada. Pelo bem da humanidade e, em especial, dos brasileiros e futuras gerações.

    chest- bobagem, deixe de ser histérico. Que mentira? estou vendo que você lê veja mais do que eu….

  259. Patriarca da Paciência said

    É isso aí, Pax,

    o Reinaldinho Cabeção, das duas uma, ou tem alucinações ou mente desavergonhadamente.

    Ora dizer que é um democrata!

    Que permite o contraditório em seu blog!

    É mesmo um grande cara de pau!

    É mesmo de morrer de rir!

  260. Chesterton said

    E o retardado do patriarca diz: “éisso, aí, é isso aí…” que comédia.

    ——————————

    O Estado Brasileiro e o Malvado Rei da Idade Média

    Durante a Idade Média os pobres sofriam na mão dos reis: eram obrigados a trabalhar 1 dia por semana de graça para o malvado rei. O Estado Brasileiro arrecada ao redor de 36% do PIB, isso equivale a obrigar o trabalhador a trabalhar 2,5 dias por semana de graça para o Estado. Em palavras, hoje trabalhamos segunda, terça e a parte da manhã de quarta-feira apenas para pagar impostos.

    Como contra-partida aos impostos o Rei era obrigado a conservar estradas, emprestar o moinho (capital) aos pobres, zelar pela segurança interna e externa do reino. Já o Estado Brasileiro é obrigado a fornecer educação, saúde, moradia, e segurança. Fica evidente que tanto o rei quanto o Estado Brasileiro falham em suas obrigações. Contudo, temos uma vantagem importante para o rei: ele pelo menos custa menos.

    No Brasil quase 60% da atividade econômica esta ligada, direta ou indiretamente, ao Estado. Praticamente nada pode ser feito sem a intervenção estatal, daí que as poucas empresas capazes de sobreviver no Brasil são obrigadas a se unir ao poder público, aumentando ainda mais o poder do Estado.

    Trabalho duro e honesto, esse é o segredo que nossos pais nos ensinaram. Esse é o segredo para o sucesso. Quanto mais intervenção estatal tivermos mais distante estaremos de nossos objetivos, mais honestidade e trabalho seremos obrigados a abdicar em favor das benesses do Estado. O Estado NÃO É seu amigo, ele é que toma seu dinheiro e nada lhe dá em troca. Só existe um caminho possível para preservarmos nossa liberdade: REDUZIR O TAMANHO DO ESTADO.

  261. Chesterton said

    ah, é do adolfo

  262. Patriarca da Paciência said

    O Retardado do Chesterton não sabe sequer copiar – consegue copiar errado.

    O Retardado do Chesterton só sabe dizer amém para o Reinaldinho Cabeção.

  263. Chesterton said

    PARA QUANDO
    TRAVESTIS NO
    JUDICIÁRIO?

    O racismo no Brasil, hoje, é fundamentalmente negro. O racismo que antes existia, por parte dos brancos, era mitigado e jamais foi militante. Havia – e ainda há – quem não gostasse de negros, e isto a meu ver é direito de cada um. Isso de amai-vos uns aos outros é coisa de católicos. Eu amo quem me agrada amar. Não me vejo obrigado a gostar de ninguém, seja branco ou seja negro. Respeitar alguém como ser humano, detentor de meus mesmos direitos, isto sim. Mais não me peçam.

    Desde há muito venho denunciando este racismo negro, que não ousa dizer seu nome. Já em 2006, eu comentava um monstrengo jurídico, de autoria do senador Paulo Paim, o projeto de lei n° 3.198/2000, também chamado de Estatuto da Igualdade Racial. Na ocasião, já fora aprovado pelo Senado e tramitava em regime de prioridade na Câmara dos Deputados. De uma só tacada, Paulo Paim extermina legalmente os mulatos do território pátrio: “para efeito deste Estatuto, consideram-se afro-brasileiros as pessoas que se classificam como tais e/ou como negros, pretos, pardos ou definição análoga”.

    Demorou mas chegou até nós. Está sendo introduzida legalmente no Brasil a classificação ianque, que só consegue ver pretos e brancos em sua sociedade e nega a miscigenização. Este sórdido projeto é antigo, fruto da exportação dos conflitos raciais dos Estados Unidos para um país onde o negro sempre conviveu bem com o branco, tanto que o mulato constitui um contingente considerável da população. Mal foi eleito, o Supremo Apedeuta saiu arrotando urbi et orbi que o Brasil era a segunda nação negra do mundo, depois da Nigéria.

    Até mesmo uma pessoa aparentemente culta, como Celso Amorim, ministro das Relações Exteriores, prestou-se a corroborar o sofisma safado: “como declarou o presidente Lula, o estreitamento das relações com a África constitui para o Brasil uma obrigação política, moral e histórica. Com 76 milhões de afrodescendentes, somos a segunda maior nação negra do mundo, atrás da Nigéria, e o governo está empenhado em refletir essa circunstância”. Ao colocar todos afrodescendentes no mesmo saco dos negros, o ministro demonstrou que, nos círculos do poder, mesmo homens cultos se dobram à bajulação.

    Ora, segundo o IBGE, a população negra do Brasil, em 99, era de apenas 5,4%. Com o acréscimo de 39,9% do contingente de mulatos, o Brasil estaria perto de ser definido como um país majoritariamente negro, como aliás é hoje considerado por muitos americanos e europeus. Com o projeto do senador, não teríamos mais mulatos (ou pardos, no jargão do IBGE), mas apenas afro-brasileiros. O que os ativistas negros esquecem é que o mulato pode denominar-se tanto afro-brasileiro como euro-brasileiro. Tanto afrodescendente como eurodescendente. A tônica no afro tem intenções óbvias: aumentada artificialmente a população negra, torna-se fácil pressionar os legisladores para obter mais vantagens para os que não são brancos. Os ativistas negros no Congresso querem ganhar privilégios no tapetão da semântica.

    Sensível ao apelo dos votos, o tucano Geraldo Alckmin encaminhou na época, à Assembléia Legislativa, projeto de lei que estabelecia o acréscimo de pontuação aos afrodescendentes no concurso público para a Defensoria do Estado. Após os Estados Unidos estarem abandonando a política das ações afirmativas, o governador paulista, em um gesto de mimetismo terceiro-mundista tardio, afirmava: “Estamos fortalecendo nossa proposta de ações afirmativas”. É um modo de dizer.

    O que Alckmin ignorou foi o artigo 5° da Constituição, que reza: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”. Alckmin era então visto como uma alternativa à permanência do Supremo Apedeuta no poder. Triste alternativa, a de um político que, em sua ambição de votos, começa sua campanha rasgando de uma penada a Constituição brasileira. Se já rasgava a Carta Magna enquanto candidato a candidato, podemos imaginar o que ousaria quando no poder.

    Nas últimas décadas, os movimentos negros insistiram na idéia de que raça não existe, ser negro seria apenas uma questão de melanina. Quando começou a surgir no Brasil a infeliz idéia ianque de cotas, tanto para a universidade como para admissão em empregos públicos, assistimos a uma súbita reviravolta: raça agora existe e deve ser declarada. O malsinado projeto do senador gaúcho determinava que, em várias circunstâncias – no Sistema Único de Saúde, nos sistemas de informação da Seguridade Social, em todos os registros administrativos direcionados aos empregadores e aos trabalhadores do setor privado e do setor público – o quesito raça/cor seria obrigatoriamente introduzido e coletado, de acordo com a autoclassificação.

    Se afirmar a existência de raças era sinônimo de racismo, a noção de raça passou a ser algo bom, digno e justo. Para a advogada Flávia Lima, coordenadora do Programa de Justiça da ONG Núcleo de Estudos Negros, em Florianópolis (SC), a classificação dos indivíduos segundo a raça pode ser um instrumento na luta contra o racismo. A obrigatoriedade de registro da cor seria um ponto positivo do Estatuto, já que permite investigações sobre racismo em diversas esferas da sociedade.

    Se aprovado na Câmara este projeto infame, os negros e mulatos teriam carteirinha única, e esta jamais seria a de mulato. Imagine o leitor se um deputado branco sugerisse a instituição da carteirinha de negro. Seria imediatamente comparado a Hitler, que identificou os judeus com a tecnologia Hollerith de cartões perfurados da IBM.

    Não sei que rumos tomou o projeto de Paulo Paim. Mas há dois anos foi aprovada a Lei n.° 12.888 – 20 de julho de 2010 – a qual instituiu algo também chamado de Estatuto da Igualdade Racial. Que visa obviamente a conceder aos negros mais direitos que os brancos. Com a oficialização do racismo no país por unanimidade pelo STF, com sua decisão de 26 de abril passado, foram dadas as bases para as reivindicações mais estapafúrdias dos movimentos negros.

    Leio no Estadão de hoje que a Frente de Luta Pró-Cotas Raciais no Estado de São Paulo está pressionando por cotas raciais em concursos para juízes e procuradores públicos em SP, a antiga reivindicação de Geraldo Alckmin. Um abaixo-assinado, que será entregue às autoridades estaduais, reivindica cotas nas universidades, nos concursos de acesso ao serviço público, incluindo processos de escolha de juízes, procuradores, cargos de confiança.

    Na avaliação da frente, as cotas sociais utilizadas na USP, Unicamp, Unesp e Fatec, não resolvem o problema da desigualdade entre negros e não negros. “Vários estudos apontam que a adoção de cotas raciais é o único meio capaz de mudar o perfil elitista de seus cursos”, afirma.

    Há boas décadas eu me perguntava: uma vez garantido por lei o acesso dos negros à universidade, que acontecerá se não encontrarem lugar no mercado de trabalho? Eu mesmo respondia: seriam criadas cotas no mercado de trabalho. Sem me pretender profeta do óbvio, a reivindicação aí está. O que se pede, hoje, é que prova de negro valha mais que a de branco nos concursos públicos.

    Ainda ontem, os líderes do núcleo LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) do PT pretendiam se reunir com Fernando Haddad, pré-candidato do partido à Prefeitura de São Paulo, para apresentar idéias de combate ao preconceito na capital paulista. Se a reunião ocorreu, não sei. Mas entre as reivindicações dos militantes estava uma campanha de incentivo a professores transgêneros nas salas de aula, além da adoção do “kit-gay” como ficou conhecido o material do MEC.

    Vamos deixar de preconceitos, gente! Para quando travestis no Judiciário?

    – Enviado por Janer

  264. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Você não viu, acima, o texto que a cara Michelle trouxe do mentiroso que falou que todas as opiniões são aceitas em seu blog? O mais famoso censurador de opiniões caiu em tentação. Quis parecer bacana e sifu.

    Não, não leio o mentiroso. Trazem suas mentiras e histerias para cá.

    Antes o chamava de titio histérico, doravante só posso chamá-lo de sua principal característica adotada: mentiroso.

  265. Pax said

    Você não quer que comentemos este texto homifóbico, né, Chesterton, velho e bom Chesterton.

    Ok, próximo.

  266. Chesterton said

    Homofóbico? Mas tu enlouqueceste? Travesti dando aula no primário? Ai, ai, ai…..

    Mas e a Folha tu lês?

    —————————————-
    O ex-presidente Lula procurou o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes para tentar adiar o julgamento do mensalão.

    Em troca da ajuda, Lula ofereceu ao ministro, segundo reportagem da revista “Veja” publicada neste fim de semana, blindagem na CPI que investiga as relações do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com políticos e empresários.

    Então presidente, Lula conversa com o ministro do STF Gilmar Mendes em evento que aconteceu em 2009 em Brasília
    Mendes confirmou hoje (26) à Folha o encontro com Lula e o teor da conversa revelada pela revista, mas não quis dar detalhes. “Fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente Lula”, afirmou o ministro.

    O encontro aconteceu em 26 de abril no escritório de Nelson Jobim, ex-ministro do governo Lula e ex-integrante do Supremo.

    Lula disse ao ministro, segundo a revista, que é “inconveniente” julgar o processo agora e chegou a fazer referências a uma viagem a Berlim em que Mendes se encontrou com o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), hoje investigado por suas ligações com Cachoeira.

    Membro do Ministério Público, Demóstenes era na época um dos principais interlocutores do Poder Judiciário e de seus integrantes no Congresso Nacional.

    A assessoria de Lula disse que não iria comentar.

    Na conversa, Gilmar ficou irritado com as insinuações de Lula e disse que ele poderia “ir fundo na CPI”.

    De acordo com a reportagem da “Veja”, o próximo passo de Lula seria procurar o presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto, também com o intuito de adiar o julgamento do mensalão.

    Em recente almoço no Palácio do Alvorada, na ocasião da instalação da Comissão da Verdade, Lula convidou Ayres Britto para tomar um vinho com ele e o amigo comum Celso Antonio Bandeira de Mello, um dos responsáveis pela indicação do atual presidente do Supremo.

    À Folha Britto também confirmou o convite, mas disse que não percebeu qualquer malícia em Lula e que o encontro não ocorreu.

    “Estive com Lula umas quatro vezes nos últimos nove anos e ele sempre fala de Bandeirinha. Ele nunca me pediu nada e não tenho motivos para acreditar que havia malícia no convite”, disse. Ele diz que a “luz amarela” só acendeu quando Gilmar Mendes contou sobre o encontro, “mas eu imediatamente apaguei, pois Lula sabe que eu não faria algo do tipo”.

    Na última sexta-feira (25), em Salvador, Ayres Britto disse que os ministros do STF “estão vacinados contra todo tipo de pressão”. “Ainda está para aparecer alguém que ponha uma faca no pescoço dos ministros do STF.”

  267. Chesterton said

    O molusco ainda tenta chantagear ministro do Supremo….

  268. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    “Em troca da ajuda, Lula ofereceu ao ministro, segundo reportagem da revista “Veja” publicada neste fim de semana, blindagem na CPI que investiga as relações do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com políticos e empresários.”

    Segundo a revista Veja…

    Bem, digamos que:

    – a revista está meio capenga de credibilidade.

    – a confirmação do evento de 2009 foi min. Gilmar Mendes, o tal que foi grampeado em conversas com o Demostenes, grampo este que nunca apareceu em lugar algum que eu saiba.

    – sabe-se que Demóstenes tem vínculos muito estreitos com o mafioso Cachoeira.

    – sabe-se que Cachoeira adorava grampear inimigos políticos.

    Dado a + b + c + d posso desconfiar?

    Mesmo assim não acho impossível um deslize dessa natureza de Lula. Cometeu outros.

    Mas prefiro fontes melhores para dar crédito.

  269. Chesterton said

    Pax, sai do muro, chantagem é crime. Mas eu não poderia esperar outra resposta de você que não fosse uma desculpa esfarrapada.
    (deslize….hahahahahahahaha)

    Pax disse

    Gilmar Mendes, o tal que foi grampeado em conversas com o Demostenes, grampo este que nunca apareceu em lugar algum que eu saiba.

    chest- afinal, se não apareceu é prova de que existe? De novo pergunto: enlouqueceste?
    Pax, tudo tem limite, você já está pirando na batatinha.

  270. Chesterton said

    Esses dias Elias me perguntou porque chamávamos (nós quem, cara pálida?) Cachoeira de empresário (posto que supostamente é bandido…o suposto fica pelo politicamente correto do jornalismo)…Bem, agora Fiuza desvenda a origem da expressão no O Globo de hoje…um órgão comandado pelo governo:

    O empresário da contravenção é nosso – GUILHERME FIÚZA
    A cordialidade brasileira com os suspeitos é contagiante

    Lula voltou a falar do escândalo do mensalão: “Foi um golpe que tentaram dar neste país.” Um dia. Carlinhos Cachoeira também denunciará a conspiração contra ele e o Brasil naquele triste ano de 2012.

    PC Farias e Collor só não viraram vítimas também porque o povo foi às ruas escorraçá-los. Mas esses tempos febris já se foram. Hoje PC está morto e Marcos Valério está muito vivo. O operador do duto entre os cofres públicos e o partido governante tem até moral para peitar o relator do mensalão no Supremo. Se Valério pode dizer que o ministro Joaquim Barbosa não tem autoridade para julgá-lo, e se Lula pode afirmar que o mensalão não existiu, Carlinhos Cachoeira tem todo o direito de se achar inocente. …

    Se depender da opinião pública, o bicheiro e seus clientes palacianos podem ficar tranquilos. O Brasil deixa passar tudo. O que aconteceu há 20 anos no impeachment foi uma anomalia. Perto do valerioduto, o esquema PC era uma traquinagem colegial. Mas em 1992 havia o mau humor geral com a inflação galopante. E a centelha da minissérie de Gilberto Braga. “Anos rebeldes”, que empurrou a estudantada às ruas para reviver 1968. E com multidão nas ruas, como se sabe, tudo funciona: o Parlamento faz hora extra, os inquiridores ficam espertos, os procuradores ficam corajosos, os juízes ficam velozes, as entidades de classe ficam patrióticas e as instituições pegam no tranco.

    Collor sabe disso e não se conforma. Por que logo na vez dele? Chega a ser comovente ver o presidente deposto tentando purgar a CPI do PC na CPI do Cachoeira, ameaçando a imprensa e o Ministério Público – traumas antigos agora de mãos dadas com o PT. Cachoeira agradece a bravura do senador colérico, mas não precisará dela. O Brasil mudou. Já aceita ser roubado sem pintar a cara.

    Senão, vejamos. Uma construtora se torna em menos de dez anos uma espécie de milagre brasileiro particular. Gigantes da construção civil babam de inveja da Delta, a empreiteira prodígio, cuja ascensão irresistível a transforma em nada menos do que a principal executora do PAC. Esbanjando intimidade com o poder, a Delta se torna protagonista do festival de superfaturamentos do Dnit, no caso mais vultoso da queda sucessiva de ministros em 2011. A essa altura, a Controladoria Geral da União já avisara ao Palácio do Planalto que vários contratos da empreiteira prodígio não cheiravam bem. O que aconteceu?

    Nada. A Delta permaneceu impávida como a locomotiva da aceleração do crescimento. Se o Brasil tivesse tido um soluço de curiosidade, teria se perguntado: de onde vêm essas costas tão quentes?

    Eis que surge o Nextel indiscreto de Goiânia, ou mais precisamente Miami, falando pelos cotovelos. E dizendo que Carlinhos Cachoeira, o “empresário da contravenção” (assim citado na “Voz do Brasil”), era um entroncamento de negócios no submundo da política, um agente entre o poder público e o dinheiro sujo. E quem era a pessoa jurídica por trás das transações de Cachoeira? Ela. a locomotiva do PAC.

    “Tem que ser a nível de Brasil. Pega aí com ele aí e vai ficar tudo no nome da Delta, tá?”, ordenou o empresário da contravenção a Cláudio Abreu, diretor da empresa. Uma devassa de verdade na conexão Cachoeira-Delta abriria o atlas fisiológico do Brasil – a sangria do Estado nas boquinhas (bocarras) políticas. De onde vinha a influência do bicheiro no Dnit? O que isso tem a ver com a hegemonia da Delta na farra dos transportes? Quem eram os padrinhos governamentais dessa quadrilha?

    O Brasil não faz questão de saber. Está tranquilo, assistindo de banda pela TV ao silêncio patético de Cachoeira na CPI, diante de falsos indignados. Ou esperando que o Nextel do bicheiro, com seus vazamentos seletivos, tenha a bondade de entregar os nomes e os preços dos parceiros oficiais.

    A cordialidade brasileira com os suspeitos é emocionante: a CPI anunciou placidamente que não ia investigar Fernando Cavendish – a maior caixa-preta do país – e não se ouviu um pio do respeitável público. “Não há indícios para a quebra dos sigilos do Cavendish”, declarou desinibido o relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG). O dono da Delta deve estar adorando essa era das redes sociais, com seus manifestantes etéreos que respeitam o ir e vir (de helicóptero) dos empresários da contravenção.

    Desobedecendo às ordens de Collor, a imprensa divulgou remessas da sede da Delta para empresas de fachada de Cachoeira, o que deverá forçar a quebra de sigilos da construtora. Mas a noiva do bicheiro continua sorrindo. Ela confia em Carlinhos. que confia em Fernando, que confia na CPI, que confia no Brasil.

    “Não se preocupe: você é nosso e nós somos teu”, escreveu Cândido Vaccarezza, homem de Lula na CPI, para o governador do Rio e compadre de Cavendish. Família unida permanece unida. E o povo lá fora exerce seu direito constitucional de ficar calado.

  271. Patriarca da Paciência said

    Estadão,

    “O ex-ministro da Defesa Nelson Jobim negou hoje que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tenha pressionado o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), a adiar o julgamento do mensalão, usando como moeda de troca a CPI do Cachoeira.

    Reportagem da revista Cachoeira News Veja publicada neste sábado relata um encontro de Lula com Gilmar no escritório de advocacia de Jobim, em Brasília, no qual o ex-presidente teria dito que o julgamento em 2012 é “inconveniente” e oferecido ao ministro proteção na CPI, de maioria governista. Gilmar tem relações estreitas com o senador Demóstenes Torres (sem partido, GO), acusado de envolvimento com a quadrilha do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

    “O quê? De forma nenhuma, não se falou nada disso”, reagiu Jobim, questionado pelo Estado. “O Lula fez uma visita para mim, o Gilmar estava lá. Não houve conversa sobre o mensalão”, reiterou.

    Jobim disse, sem entrar em detalhes, que na conversa foram tratadas apenas questões “genéricas”, “institucionais”. E que em nenhum momento Gilmar e o ex-presidente estiveram sozinhos ou falaram na cozinha do escritório, como relatou Veja. “Tomamos um café na minha sala. O tempo todo foi dentro da minha sala, o Lula saiu antes, durante todo o tempo nós ficamos juntos”, assegurou.

    Questionado se o ministro do STF mentiu sobre a conversa, Jobim respondeu: “Não poderia emitir juízo sobre o que o Gilmar fez ou deixou de fazer”.

    Procurado pelo Estado, Pertence negou ter sido acionado para que intercedesse junto a Carmen Lúcia: “Não fui procurado e não creio que o ex-presidente Lula pretendesse falar alguma coisa comigo a esse respeito”.

    Leia mais em: O Esquerdopata

  272. Patriarca da Paciência said

    http://esquerdopata.blogspot.com.br/2012/05/confirmado-gilmar-mendes-e-revista-do.html

  273. Patriarca da Paciência said

    Pois é, caro Pax,

    eu acredito muito mais no Estadão. Pelo menos é o único jornal da “grande imprensa” que teve a coragem de declarar formalmente apoio ao candidato Serra.

    E veja o que diz o Estadão:

    O ex-ministro da Defesa Nelson Jobim negou hoje que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tenha pressionado o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), a adiar o julgamento do mensalão, usando como moeda de troca a CPI do Cachoeira.

    Reportagem da revista Veja publicada neste sábado relata um encontro de Lula com Gilmar no escritório de advocacia de Jobim, em Brasília, no qual o ex-presidente teria dito que o julgamento em 2012 é “inconveniente” e oferecido ao ministro proteção na CPI, de maioria governista. Gilmar tem relações estreitas com o senador Demóstenes Torres (sem partido, GO), acusado de envolvimento com a quadrilha do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

    “O quê? De forma nenhuma, não se falou nada disso”, reagiu Jobim, questionado pelo Estado. “O Lula fez uma visita para mim, o Gilmar estava lá. Não houve conversa sobre o mensalão”, reiterou.

    Segundo a revista, Gilmar confirmou o teor dos diálogos e se disse “perplexo” com as “insinuações” do ex-presidente. Lula teria perguntado a ele sobre uma viagem a Berlim, aludindo a boatos sobre um encontro do ministro do STF com Demóstenes da capital alemã, supostamente pago por Cachoeira.

    Ele teria manifestado preocupação com o ministro Ricardo Lewandowski, que deve encerrar o voto revisor do mensalão em junho; e adiantado que acionaria o presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência, Sepúlveda Pertence, ligado à ministra do STF Carmen Lúcia, para que ala apoiasse a estratégia de adiar o julgamento para 2013.

    Jobim disse, sem entrar em detalhes, que na conversa foram tratadas apenas questões “genéricas”, “institucionais”. E que em nenhum momento Gilmar e o ex-presidente estiveram sozinhos ou falaram na cozinha do escritório, como relatou Veja. “Tomamos um café na minha sala. O tempo todo foi dentro da minha sala, o Lula saiu antes, durante todo o tempo nós ficamos juntos”, assegurou.

    Questionado se o ministro do STF mentiu sobre a conversa, Jobim respondeu: “Não poderia emitir juízo sobre o que o Gilmar fez ou deixou de fazer”.

    Procurado pelo Estado, Pertence negou ter sido acionado para que intercedesse junto a Carmen Lúcia: “Não fui procurado e não creio que o ex-presidente Lula pretendesse falar alguma coisa comigo a esse respeito”.

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,jobim-nega-pressao-de-lula-sobre-stf-para-adiar-julgamento-do-mensalao,878353,0.htm

  274. Patriarca da Paciência said

    Acho que agora a Veja se enrolou de vez.

    Tentou “plantar” uma “notícia” que foi desmentida no ato.

  275. iconoclastas said

    “Enviado por Jorge Bastos Moreno –
    26.5.2012
    |
    16h02m
    VAZAMENTO
    Um fato e duas versões: Gilmar e Jobim

    Um fato e duas versões. Em “furo” de reportagem, a Revista Veja revela um encontro de Lula com Gilmar Mendes no escritório de Nelson Jobim em Brasília. A conversa foi tenebrosa, pelo que se lê na revista. Indignado com o assédio, Gilmar Mendes, num gesto de coragem, confirmou tudo à revista.

    Pois bem, acabo de falar com o anfitrião do encontro, Nelson Jobim, que está neste momento passeando por uma feira em Itaipava, em companhia da mulher Adrienne e de amigos do casal. Jobim confirma o encontro, mas nega seu conteúdo. Eis o resumo do seu relato à Radio do Moreno;

    Conteúdo da conversa: —- Não houve nada disso do que a Veja, segundo me informaram, está publicando. Estou aqui em Itaipava e soube desse conteúdo através de um repórter do Estadão, que me procurou há pouco. Portanto, estou falando sem ter lido a revista. Mas, posso assegurar que, se o conteúdo for mesmo esse, o de que Lula teria pedido a Gilmar para votar no mensalão, não é verdade. Quem tocou no assunto mensalão fui eu, no meio da conversa, fazendo a seguinte pergunta: ” Vem cá, essa coisa do mensalão vai ser votada quando?”. – opa, então houve conversa sobre o mensalão, afinal – No mais, a conversa girou sobre assuntos diversos da atualidade.”

    Razão do encontro: ‘ —- Desde que deixei o ministério, o presidente Lula tem me prometido uma visita. Três dias antes, a assessora Clara Ant me ligou dizendo que o presidente Lula iria a Brasília conversar com a presidente Dilma numa quarta-feira e que retornaria no dia seguinte, mas antes queria falar comigo. De pronto, respondi que o encontro poderia ser na minha casa, no meu escritório ou em qualquer outro lugar que o presidente quisesse. Lula optou pelo meu escritório, não só porque tinha prometido conhecê-lo, mas, também, porque fica perto do aeroporto. E assim ocorreu.”

    Presença do Gilmar — O Gilmar e eu estamos envolvidos num projeto sobre a Constituição de 88 e temos nos reunidos sistematicamente para tratar do assunto. Por coincidência, o Gilmar estava no meu escritório, quando o presidente Lula apareceu para a visita. Conversaram cerca de uma hora, mas só amenidades. Em nenhum momento, Lula e Gilmar conversaram na cozinha. Aliás, Lula não esteve na cozinha do escritório.

    Repercussões do fato — Agora, não posso controlar as versões, especulações, que a mídia e as pessoas fazem desse encontro. Faz parte do jogo. O que eu posso dizer é que não houve nada disso.

    Diante do relato de Jobim, eu, como repórter crédulo, diante de fonte tão idônea, poderia me dar por satisfeito e fazer um texto jornalisticamente convencional, tipo ” Jobim nega pressão de Lula” ou, como nós furados gostamos de fazer, com muita satisfação: ” Jobim DESMENTE a Veja”.

    Mas, durante a conversa, eu notei a voz estranha do Jobim. Ele estava cumprindo um rito, um protocolo, um dever de anfitrião de evitar mais constrangimento a si e a outros atores do espetáculo. Os bons repórteres, como os meninos da Veja, Cabral á frente, são uma espécie de Eike Batista às avessas: “Vazou, furou”. Com a notícia na rua, o encontro secreto de Jobim, que tinha um proposito, pode ter outro, o de tentativa de coação de juíz ou coisa que valha. Seria coerção? sei lá.

    Nelson Jobim, meu velho amigo de guerra, não ia me deixar na mão. Repito, como anfitrião, não poderia confirmar o escândalo. Mas me deu uma pista através de um controvertido depoimento. Inicialmente, me disse que a presença de Gilmar foi mera coincidência, do tipo ” ah, eu estava passando por aqui…”. Só que o próprio Jobim deixou escapar que o encontro fora marcado com três dias de antecedência. Logo, Gilmar sabia que naquele horário daquela quinta-feira, Jobim estaria recebendo Lula. Então, não foi surpresa nem coincidência coisa nenhuma.

    E deixo pra botar no pé, o fim do mistério. Amiga minha, de Diamantino (MT), terra de Gilmar Mendes, a meu pedido, localiza Gilmar. E se atreve a perguntar se era tudo verdade:

    —- Claro que é! Eu mesmo confirmei tudo à revista.”

    ;^/

  276. Patriarca da Paciência said

    Duas perguntinhas básicas:

    Qual é poder que o Dr. Gilmar Mendes tem para adiar o julgamento do suposto “mensalão”?

    O Lula seria tão ingênuo assim para procurar a pessoa menos indicada para adiar o julgamento do tal suposto “mensalão”?

    Realmente fica muito difícil de acreditar em tal “notícia”.

  277. Chesterton said

    Jobim é aquele confessadamente que falsificou a Constituição de 88?

  278. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    O fato de ter pego o titio numa das piores mentiras parece que desestabilizou você.

    Calma. Isso acontece mesmo. Por essas e outras que não gosto de idolatrar pessoas.

    Já essa questão do Lula e Gilmar, continuo com um pé atrás, mas não posso dizer nem a nem b. Posso dizer sei lá. Eles que se entendam.

    Como disse, a revista Veja anda pra lá de equilibrada.

    Se for ler a Veja, o mentiroso ou outros do gênero faço da mesma forma que ler PHA e similares.

    Desconfio sempre. Melhor ainda, acredite, não leio.

  279. Chesterton said

    Pax, Lula para você é religião.

  280. Pax said

    Não mesmo, caro Chesterton, velho e bom Chesterton.

    Lula, FHC, Itamar foram bons presidentes. Mas erraram um bocado também.

    De novo: Lula e Gilmar – eles que se entendam. Os dois já demostraram que nao podemos assinar tudo o que dizem. Ponto.

  281. Otto said

    Pelo jeito, o Gilmar Dantas se banhou também nas águas do Cachoeira.
    E esta matéria da histérica Veja é uma tentativa de antídoto prévio.

  282. Otto said

    De um comentário de Daniel Quireza:

    A matéria é totalmente inverossimil por dois motivos:

    1) Gilmar Mendes não tem poder algum sobre a data de julgamento do processo do mensalão. Há 3 ministros como poder sobre a data: O presidente do STF, Ayres Brito, o relator do processo Joaquim Barbosa e o revisor do processo, Ricardo Lewandovisk. Repetindo, Gilmar Mendes não tem nenhum ingerência sobre a data que será o julgamento. Portanto não faria sentido algum Lula apelar ou precionar quem não tem poder de agir em supostamente seu benefício.

    2) Lula indicou a maioria dos ministros do STF. Indicou Peluzo, Lewandowisk, Brito, Tofolli, Barbosa, Carmen Lúcia. Dilma ainda indicou Fux e a Rosa Weber. Celso de Melo foi o Sarney, Marco Aurelio foi indicado pelo Collor e o Gilmar Mendes por FHC, ou seja, em tese, o mais oposicionista em relação a Lula. Não faz sentido algum, se Lula quisesse fazer algum tipo de pressão, que a fizesse sobre Gilmar Mendes quem nem amigo dele é. Se fosse para fazer, o faria sobre algum outro, possivelmente os 3 com poder de alterar a data. Mas claro que teriam que haver provas e não uma mera reportagem.

    Agora, que ficou muito estranha essa estória dele ter se encontrado em Berlim com o Demóstenes e possivelmente com o Cachoeira ficou. Provavelmente essa matéria é cortina de fumaça para o que pode vir a aparecer daqui para frente entre Gilmar Mendes, Demóstenes e possivilmente Cachoeira.

  283. Chesterton said

    Eurides Mescolotto, fundado do PT em SC, ex-marido da ministra Ideli Salvatti (a pit bull do lulismo), ex-presidente do Besc – banco que ambos empurraram para o BB – e agora presidente da Eletrosul, teve bens bloqueados por ordem da justiça. Temos aqui mais um exemplo de como age essa etnia (ave, Millôr) que tomou de assalto o poder no Brasil.(Tambosi)

    http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/politica/noticia/2012/05/justica-determina-o-bloqueio-dos-bens-do-presidente-da-eletrosul-3770539.html

    Chest- PT virou TP, tudo podre.

  284. Otto said

    GILMAR MENDES & ‘VEJA’: A PAUTA DO DESESPERO

    A revista que arrendou uma quadrilha para produzir ‘flagrantes’ que dessem sustentação a materias prontas contra o governo, o PT, os movimentos sociais e agendas progressistas teve a credibilidade ferida de morte com as revelações do caso Cachoeira. VEJA sangra em praça pública. Mas na edição desta semana, tenta um golpe derradeiro naquela que é a sua especialidade editorial: um grande escândalo capaz de ofuscar a própria deriva. À falta dos auxilares de Cachoeira, recorreu ao ex-presidente do STF, Gilmar Mendes, que assumiu a vaga dos integrantes encarcerados do bando para oferecer um ‘flagrante’ a VEJA. Desta vez, o alvo foi o presidente Lula. A semanal transcreve diálogos narrados por Mendes de uma inexistente conversa entre ele e o ex-presidente da República, na cozinha do escritório do ex-ministro Nelson Jobim. Gilmar Mendes –sempre segundo a revista– acusa Lula de tê-lo chantageado com ofertas de ‘proteção’ na CPI do Cachoeira. Em troca, o amigo do peito de Demóstenes Torres (com quem já simulou uma escuta inexistente da PF) deveria operar para postergar o julgamento do chamado ‘mensalão’. Neste sábado, Nelson Jobim, insuspeito de qualquer fidelidade à esquerda, desmentiu cabalmente a versão da revista e a do magistrado. Literalmente, em entrevista ao Estadão, Jobim disse: ‘O quê? De forma nenhuma, não se falou nada disso. O Lula fez uma visita para mim, o Gilmar estava lá. Não houve conversa sobre o mensalão; tomamos um café na minha sala. O tempo todo foi dentro da minha sala (não na cozinha); o Lula saiu antes; durante todo o tempo nós ficamos juntos”, reiterou. A desfaçatez perpetrada desta vez só tem uma explicação: bateu o desespero; possivelmente, investigações da CPI tenham chegado perto demais de promover uma devassa em circuitos e métodos que remetem às entranhas da atuação de Mendes e VEJA nos últimos anos. Foram para o tudo ou nada no esforço de mudar o foco e crir um fato consumado a precipitar o julgamento do chamado ‘mensalão’. Jogaram alto na fabricação de uma crise política e institucional. O desmentido de Jobim nivela-os à condição dos meliantes já encarcerados do esquema Cachoeira. A Justiça pode tardar. A sentença da opinião pública não.

    http://www.cartamaior.com.br/templates/index.cfm

  285. Otto said

    Do imperdível O Cafezinho:

    BOMBA! BOMBA! GILMAR BOTOU RAPOSA DENTRO DO GALINHEIRO!

    (Para ser didático:)

    1. Gilmar Mendes era presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) no ano de 2008.

    2. A Polícia Federal e a ABIN estavam chegando perto de Cachoeira. O esquema ficou paranóico. Gilmar Mendes e Demóstenes Torres inventam um grampo, com o que produzem um factóide que derruba o diretor da Abin, Paulo Lacerda.

    3. Gilmar Mendes chama Jairo Martins para ser seu consultor de contra-espionagem dentro do STF.

    4. A PF desbarata o esquema Cachoeira. Descobre que Demóstenes Torres era um dos cabeças do esquema, e Jairo Martins, um de seus principais operadores.

    5. Gilmar Mendes, desesperado, dá entrevista à Veja, tentando se blindar, acusando Lula de lhe chantagear (como se fosse possível a Lula, em tempos de informação aberta, impedir que a CPI descobrisse as eventuais falcatruas de Gilmar). Segundo Mendes, a chantagem de Lula se deu dentro do escritório de Nelson Jobim, com presença deste.

    6. Jobim nega peremptoriamente o conteúdo da Veja, e ainda afirma que Lula não ficou sozinho um só momento com Gilmar.

    7. Outros ministros do STF também negam que Lula tenha feito qualquer insinuação que possa ser interpretada como pressão.

    8. Veja consegue o impossível: ir mais fundo que o nono círculo do inferno, até então considerado por Dante como o último. Não era. Há um outro círculo: Veja o estreou.

    http://www.ocafezinho.com/2012/05/26/nassif-gilmar-trouxe-esquema-cachoeira-para-dentro-do-stf/

  286. Jose Mario HRP said

    Comentário 285:
    surreal!
    A Veja perdeu a razão!
    E o Gilmar, se sustentar isso, entrou numa guerra sem fim, e que o psdb não pode lutar, que levará a quebra da ordem institucional………..

  287. Jose Mario HRP said

    Chestinho, o Kassab também foi indiciado pela policia, por uso de dinheiro público no estádio do Coringão!
    Essa etnia não tem jeito não, né?

  288. Jose Mario HRP said

    O bom e velho Melo e uma bela e histriônica forma de ver a coisa do Gilmar ante o Lula!
    http://blogdomello.blogspot.com.br/2012/05/gilmar-mendes-acusa-lula-de-pressao.html

  289. Chesterton said

    RUI BASTIDE E SEU ALVARINO *

    Ainda Dom Pedrito. Depois que Bertrand Delanoë, homossexual assumido, foi eleito prefeito de Paris, a França passou a gabar-se na imprensa de sua mentalidade liberal. No mesmo ano da eleição de Delanoë, Veja nos informava que o Estado que reúne a maior quantidade de piadas machistas havia assumido a dianteira na defesa dos direitos dos homossexuais. A revista paulistana referia-se ao fato de a Justiça do Rio Grande do Sul ter emitido julgamentos favoráveis em causas relacionadas a reivindicações dos gays.

    A ausência de preconceitos da gauchada, no que se refere à homossexualidade, não é atitude de hoje, nem mesmo de ontem, mas data de muito mais longe. Antes mesmo que os parisienses ousassem eleger um prefeito homossexual, o Rio Grande do Sul já teve um, e dos mais queridos por seus conterrâneos. Ora, direis, Dom Pedrito não é Paris. Claro que não é. Dom Pedrito é uma pequena comuna isolada do mundo. Já Paris é uma das capitais deste mesmo mundo, com todo cosmopolitismo que isto implica.

    Feliz de quem tem uma província no coração, disse alguém. Final dos anos 50, há mais de meio século, portanto. Naquela cidadezinha da fronteira gaúcha, nos confins da fronteira seca entre Brasil e Uruguai, então com 13 mil habitantes, tive minhas primeiras lições de tolerância. Um dos líderes políticos locais, voz de estentor, bom de voto e temível nos debates, jamais escondeu suas preferências por jovens efebos. Nem por isso deixava de contar com o apreço dos pedritenses.

    Alto, apolíneo no porte, dionisíaco na vida, Rui Bastide foi eleito e reeleito vereador várias vezes e chegou a ser prefeito da cidade. Nos anos 70, teve seus direitos políticos cassados, por um ato único do presidente Garrastazu Médici. Honrado com a deferência, comemorou o ato com foguetes. Comentário indiferente na cidade: “O Brasil vai perder muito com esta cassação”. Na época, não se falava em gays, tampouco havia associações de gays e lésbicas. “Já procurei até médico” – confessou-me um dia Bastide -. “Mas que vou fazer? É a minha natureza.” Em tempo: Brasil era um negrão que fazia jus aos favores do futuro alcaide.

    Sua detenção pelos militares virou folclore. O vereador estava prestando seus serviços ao Brasil, quando batem na porta de seu apartamento. Ainda pelado, entreabriu a porta. Três militares o procuravam, um oficial e dois soldados, de metralhadoras em punho.
    – O senhor é o Rui Bastide? – perguntou o oficial.
    – Sou.
    – Então o senhor está convidado a comparecer às dependências do 14º Regimento de Cavalaria.
    – Acho que vou declinar do gentil convite – respondeu Bastide. Ocorre que não é bem um convite. O senhor terá de ir. Agora e como está.
    – Então me levem – disse o Rui – abrindo a porta e os braços, em plena glória de sua nudez.

    “Os soldadinhos enrubesceram – me contava o Rui -, não sabiam para onde apontar as metralhadoras. Aí, me deram tempo. Tomei banho, me perfumei, me despedi do Brasil, não sabia quanto tempo ia ficar preso”.

    Pelo jeito, a prisão foi produtiva. Em vez de xingar a ditadura, Rui encenou um balé, onde bravos lanceiros do Ponche Verde, envergando diáfanas bombachas brancas, executavam impecáveis pas de deux enquanto cantavam uma ode ao 14º RC: “Querido Exército…”

    A trajetória do Rui, a meu ver, está à espera de um bom cineasta. Em passadas andanças pela Europa, em vários países relatei este caso pedritense. E vi alemães, franceses, espanhóis perplexos, admitindo que em suas comunidades, por mais abertas que fossem aos novos tempos, não haveria lugar para um prefeito gay. Fala-se muito hoje em abrir o jogo, sair do armário, assumir-se. Tais expressões eram desconhecidas em Dom Pedrito. Se alguém era homossexual, ninguém tinha nada a ver com isso e estamos conversados.

    Há fatos que na infância nos marcam a memória e só depois de muito viver lhes conferimos a verdadeira dimensão. Ocorreu no Upamaruty, distrito rural de Livramento, na fronteira com o Uruguai, onde vivi meus dias de guri. Torrão de gente rude, onde qualquer adulto tinha de cuidar-se com a língua. Lá na Linha Divisória – como era mais conhecida a região – uma palavra mal empregada, ou mal entendida, podia custar uma vida. Lá, conheci Seu Alvarino.

    Fora trazido da cidade, como cozinheiro do Peixoto, um bolicheiro local. Negro, enorme, espadaúdo, durante o dia cuidava da cozinha e das coisas do Peixoto. Nas tardes de domingo, cumpridas suas tarefas caseiras, vestia uma blusinha de rendas cor-de-rosa, punha sua mais rodada saia longa e sentava na porta do bolicho, munido de agulhas e novelos. A gauchada ia chegando, boleando a perna e atando os cavalos no alambrado. Em meio àquela gente armada, revólveres e facões pendendo da guaiaca, seu Alvarino, indiferente às charlas e ruídos de esporas, permanecia absorto em seu crochê, como se ali estivesse tricotando desde o início dos tempos.

    Jamais ouvi qualquer piada a respeito das prendas domésticas de Seu Alvarino. Também, pudera! Seria uma empreitada um tanto arriscada dirigir qualquer comentário desairoso àquele par de munhecas. Seria homossexual? Ou o travestir-se seria apenas uma prosopopéia que o acometia aos domingos? Fosse como fosse, se gostava de usar saias e fazer crochê, isto era algo que só a ele dizia respeito.

    “A principal explicação para o Rio Grande do Sul estar na vanguarda da defesa dos gays encontra-se no bom nível educacional da população do Estado”, diz o redator de Veja, que certamente jamais teve notícias do Bastide ou do seu Alvarino. “Uma classe média instruída e formada com base na imigração européia tende a ser mais crítica e aberta a atitudes liberais”, afirma o historiador Luiz Roberto Lopes, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

    Pura conversa fiada de acadêmicos. Lá na Linha, não era hábito local imiscuir-se na vida de ninguém. O preconceito veio através dos padres europeus, que lá introduziram as noções de pecado e culpa entre gaúchos que viviam imersos em uma espécie de paganismo crioulo pré-cristão.

    * Excertos de um projeto de memórias

    – Enviado por Janer

  290. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Porque você se preocupa tanto com essas questões homossexuais?

    Mensalão – será fato essa notícia?

    http://moglobo.globo.com/blogs/blog.asp?blg=noblat&cod_post=447458

    ZD diz que tudo era culpa de Genoíno e outros dirigentes e que ele nada sabia. Essa será mesmo sua estratégia de defesa? E o Waldomiro Diniz?

  291. Patriarca da Paciência said

    “ZD diz que tudo era culpa de Genoíno e outros dirigentes e que ele nada sabia. Essa será mesmo sua estratégia de defesa? E o Waldomiro Diniz?”

    Caro Pax,

    discordo totalmente da afirmação (ou indagação?) transcrita acima. Em primeiro lugar, vou transcrever o parágrafo sobre o suposto acontecimento:

    “Vera Magalhães, Folha de São Paulo

    “A linha de defesa de José Dirceu no mensalão incomodou advogados do “núcleo político” do processo. Ao sustentar que o ex-ministro não sabia dos empréstimos contraídos pelo PT junto aos bancos Rural e BMG, nem tinha ingerência sobre o partido ou nas nomeações no governo, Dirceu reforça o papel de José Genoino, Delúbio Soares e Silvio Pereira nessas questões.”

    Ou seja, a única coisa que o José Dirceu, supostamente vai utilizar em sua “linha de defesa”, é que não tinha poder de comando sobre as ações do PT, o que é fato comprovado.

    José Dirceu era um ministro do governo, não um dirigente partidário.

    Então se há alguma afirmação, ou especulação, é da Vera Magalhães.

    José Dirceu nada falou sobre Delúbio ou Genoíno.

  292. Pax said

    Caro Patriarca

    Veja este trecho da mesma notícia:

    “”O presidente do PT, José Genoino, bem como os demais dirigentes partidários, Delúbio Soares e Silvio Pereira, exerciam a administração sem qualquer espécie de subordinação ao então ministro-chefe da Casa Civil”, dizem os advogados de Dirceu, nas alegações finais.

    Para refutar a afirmação do Ministério Público de que Delúbio recebia ordens de Dirceu, a defesa do ex-ministro sustenta que o ex-tesoureiro tinha “autonomia” para contrair empréstimos e repassar recursos.

    O título desse capítulo da defesa diz, em letras maiúsculas: “A comprovação de que José Dirceu não exercia controle e sequer tinha ciência das atividades do secretário de Finanças do Partido dos Trabalhadores”.

    Ou seja, o Ministério Público afirma que ZD exercia influencia sobre Delúbio, mas a defesa sustenta que quem operava o samba nao era ele.

    Não inventei nada, só comentei a notícia.

    O que acrescentei – e me parece chave neste imbróglio – é a questão do Waldomiro Diniz, que nunca ficou claro para mim.

    Este julgamento está mais que na hora de acontecer e acabar com essa novela.

  293. Chesterton said

    A novela acaba quando alguem abrir o bico e contar que o Lula é o chefão, coisa que todo mundo já sabe….como em toda novela.

  294. Michelle - A Besta Desvairada said

    domingo, 27 de maio de 2012
    Imprensa cassada.
    A tentativa de convocar um repórter da revista “Veja” para depor na CPI que investiga as relações do contraventor Carlos Cachoeira com agentes do Estado e da iniciativa privada seria um fato banal, sem transcendência, não fosse o denso simbolismo de que se reveste.

    O jornalista, como qualquer outro profissional, é um cidadão comum, sujeito às leis de seu país. No exercício de seu ofício, as ilegalidades potenciais estão capituladas no Código Penal: infâmia, injúria e difamação – crimes contra a honra. O repórter Policarpo Junior, da “Veja”, não é acusado de nenhuma delas. De que o acusam? De ter, no exercício de sua profissão, ouvido o contraventor Cachoeira.

    Acusaram-no inicialmente de ter tido com ele 200 conversas, mas a Polícia Federal diz que foram apenas duas. O problema, porém, não é de números. O jornalista é, nos termos da Constituição, soberano em relação às fontes que elege. Está lá, no inciso XIV, artigo 5: “É assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional.”

    Não é casual que o constituinte tenha inserido esse dispositivo no capítulo dos Direitos e Garantias Fundamentais, cláusula pétrea da Constituição – e, portanto, não suscetível de emenda. Sem esse sigilo, não há informação – e, sem ela, não há liberdade de imprensa, nem democracia. Simples assim. Sem imprensa livre, o Congresso Nacional deixa de ter sentido. Transforma-se num teatro de marionetes, de ínfima categoria. Não vale nada. Já vimos este filme: a democracia morre no fim.

    Daí o sentido emblemático – perigosamente emblemático – dessa convocação. Não importa quem seja o jornalista ou o órgão para o qual trabalha. O grave está em tentar constrangê-lo pelo crime de ter exercido seu ofício nos termos da lei. A simples suposição de que aí possa estar um delito estabelece um dano institucional de extrema gravidade. Um dano contra a democracia.

    Quando se constrange a liberdade de imprensa, não é apenas o jornalismo que sai perdendo: é a sociedade em seu conjunto – é o próprio princípio civilizatório. Alguns membros da CPI – e é preciso que se diga que são só alguns – questionam a legitimidade da fonte eleita pelo repórter investigativo Policarpo Junior. Querem criar o princípio da tutela moral da fonte, algo inédito desde Adão.

    Não vejo legitimidade em nenhuma instituição da República – Congresso, Judiciário ou Executivo – exercer essa tutela. O jornalista não trabalha para o Estado. No exercício de seu oficio, Ruy Barbosa o definia como “os olhos e os ouvidos da sociedade”. E o jornalista investigativo é mais isto: um detetive da sociedade, pois que se dedica, sem salvaguardas, a esclarecer questões de interesse público, ocultas por inconfessáveis interesses privados.

    O jornalista vai aonde está a informação. Muitas vezes, está no inferno. Não há problemas em conversar com o demônio; o problema está em saber o que se fará com a informação. No caso específico, Policarpo Junior publicou o que obteve. Não prestou serviços, nem deu contrapartida ao informante – que, inclusive, em uma das gravações da Polícia Federal, queixa-se disso a um cúmplice.

    Volto então a perguntar: que crime cometeu? Se não injuriou, caluniou ou difamou, nem fez do que apurou instrumento de chantagem ou extorsão, a tentativa de convocá-lo não passa de um expediente oblíquo de intimidação, dos que sonham em promover o “controle social da mídia”, eufemismo de uma velha e conhecida senhora: a censura.

    Quando, ao tempo do regime militar, foi editado o AI-5, a primeira vítima foi a imprensa. O Congresso foi mantido em sua fachada, mas perdeu caráter e substância. Sem imprensa livre, não tinha (e não tem) significação. Quando o presidente Geisel, em 1977, suspendeu a censura à imprensa, o jornalismo livre – ainda que não plenamente – revitalizou o Congresso, a política e a sociedade, impondo ao regime militar a revogação do AI-5.

    O que se pretende agora é o oposto: uma viagem de volta ao passado sombrio. Temo que, se a CPI vier a aprovar essa despropositada convocação, estará colocando o Brasil numa rota obscurantista em que já trafegam alguns de nossos vizinhos. Thomas Jefferson disse certa vez que “se tivesse que decidir se devemos ter governo sem jornais ou jornais sem governo, não hesitaria um só instante em preferir o último”. Espero que a CPI não faça a opção oposta.

    Artigo publicado hoje pela senadora KÁTIA ABREU (PSD-TO) em O Globo

  295. Chesterton said

    Quem é o Tommaso Buscetta do PT?

  296. Michelle - A Besta Desvairada said

    Chesterton

    Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência…

    It is not Cosa Nostra that contacts the politician; instead a member of the Cosa Nostra says, that president is mine (è cosa mia), and if you need a favor, you must go through me. In other words, the Cosa Nostra figure maintains a sort of monopoly on that politician. Every family head in the Mafia selects a man whose characteristics already make him look approachable. Forget the idea that some pact is reached first. On the contrary, one goes to that candidate and says, “Onorevole, I can do this and that for you now, and we hope that when you are elected you will remember us.” The candidate wins and he has to pay something back. You tell him, “We need this, will you do it or not?” The politician understands immediately and acts always.[5]

    http://en.wikipedia.org/wiki/Tommaso_Buscetta

  297. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax

    Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência…

    Fernando Gabeira Coisa Nossa
    O Estado de S. Paulo – 25/05/2012

    Desaparece, progressivamente, o espaço de uma filosofia solar que nos encarava como pessoas dotadas de uma confiança natural diante do desconhecido. E o tempo em que acreditávamos na sua palavra, exceto se tivéssemos alguma razão especial para duvidar ela.
    Vivemos outra era, tão bem expressa pelas novelas da Globo e pelos reality shows. O que ensinam eles? Segundo Zygmunt Bauman, a mensagem é clara: a vida é um jogo duro para pessoas duras. Cada jogador joga por si próprio, mas a fim de obter certos resultados é preciso cooperar. O fundamental é tirar os adversários do jogo: primeiro, os que competem diretamente; em segundo lugar, os aliados ocasionais, depois de extraída sua última gota de utilidade.
    Os outros são antes de tudo competidores. Estão sempre tramando, lançando cascas de banana, cavando buracos, montando armadilhas para nos fazerem tropeçar e cair. Nesse sentido, nada mais próximo de um reality show que a CPI do Cachoeira. Nela, como no reality show, a câmera e seus movimentos desempenham papel essencial.
    No Big Brother, ela desvenda movimentos rítmicos sob o edredom; na CPI, escrutina outras superfícies digitais, a tela de um telefone celular, por exemplo. A frase que a câmera do SBT captou no telefone do deputado Cândido Vaccarezza é de uma clareza invejável: “Não se preocupe, você é nosso e nós somos teu”. A CPI do Cachoeira não é apenas regida pela câmera, mas sua filosofia, na frase de Vaccarezza, é a de um reality show, um jogo de “nós contra eles”. Quando surgiu, com tantas promessas de vingança, eu a chamei de CPI do “ai se eu te pego”.
    Num reality show, Vaccarezza iria para o paredão. No entanto, ele prestou um serviço. A blindagem que armou para o governador do Rio, Sérgio Cabral, não é de aço temperado, mas de um latão que mais expõe do que protege. Uma frase no monitor de cristal líquido desnudou o companheiro que queria encobrir.
    Sou suspeito em tudo o que falo sobre Cabral. Fomos adversários nas duas últimas eleições. A essência dessa disputa, na visão dos estrategistas da esquerda, é o choque do proletariado em ascensão contra a burguesia decadente. Cabral faz o papel do glorioso proletariado e eu, o da burguesia decadente. Sua primeira vitória, em 2008, foi comemorada “no melhor Alain Ducasse do mundo”, ao lado de um grande doador de campanha, o dono da Delta, Fernando Cavendish. A segunda foi mais fácil porque envolvia o interior e deve ter comemorado perto de casa, no Antiquarius.
    Ao longo da campanha de 2010 ofereci aos jornalistas evidências de que se travava uma guerra suja na internet. Seu lado mais visível eram sites caros com o objetivo único de ridicularizar o adversário. Mas o lado subterrâneo era a contratação de empresas especializadas que inundavam a rede com comentários a seu favor. A divulgação dessas manobras não teria nenhuma importância no favoritismo de Cabral. Mas era um alento para pessoas que se veem bombardeadas por mensagens negativas na internet e acham que o mundo está contra elas.
    Às vezes, essas campanhas são feitas por empresas que acionam seus robôs. Contestá-las é tão inútil quanto discutir com uma gravação ao telefone. O mérito da frase de Vaccarezza foi o de revelar como Cabral teme responder a perguntas elementares que talvez não estejam diretamente ligadas a Cachoeira. Mas certamente estão ligadas à Delta e a seus métodos de corrupção de políticos.
    Em torno das placas de cobre e zinco com que Vaccarezza envolveu Cabral há uma blindagem muito mais poderosa, de um aço mais fino. Só ela poderia ter tornado possível que, ao cabo de seis anos de governo, Cabral nunca explicasse suas viagens. No princípio tende-se a supersimplificar a blindagem com o fato de o governador gastar milhões em publicidade. Mas a liga é muito mais complexa no aço que o blinda. Nela há componentes subjetivos, como o medo da Globo da vitória da oposição, a vontade de fortalecer uma política de segurança com êxitos pontuais.
    Depois do escândalo das fotos de Paris, repórteres descreveram o paraíso do condomínio de Cabral em Mangaratiba e concluíram o texto com uma cena lírica: o governador e a primeira-dama oferecendo carona aos vizinhos, numa tarde de chuva. Não perguntaram quanto custou sua mansão. E ele não teria outra resposta: R$ 200 mil. Foi o que declarou ao TRE como candidato. Ao questionar esse valor, tive como resposta uma tentativa de processo penal. Acusação: má-fé.
    Cabral invalidou nosso programa com imagens em que cantava num palanque ao lado de líderes da milícia. Retirou do ar um texto que dizia ser ele amigo de Cavendish e precisávamos estar atentos ao que fariam no Maracanã. Felizmente, não prosperou no TRE a acusação de má-fé: expressei uma dúvida e ela é a antítese da fé, boa ou má. Certas coisas nem juízes amigos podem determinar.
    Foi tanta a proteção a Cabral que ele passou dos limites. Uma tragédia na Bahia e as imagens de Paris começam a corromper o aço que o protege. Acontece que a CPI do “ai se eu te pego” se tornou a CPI do “vamos recuar os zagueiros”. Entraram na retranca. Não convocaram governadores, fogem da Delta como o diabo da cruz.
    Cabral está marcado por perguntas não respondidas e vai conviver com elas por muito tempo. E a CPI, de tanto evitar o tema Delta, acaba se enrolando nele. No início era apenas Cachoeira. Depois a Delta, mas só a do Centro-Oeste. Com as evidências de que o dinheiro clandestino tinha origem e autorização na matriz da empresa no Rio, só gente muito sem-vergonha tem coragem de restringir as investigações. E essa gente sem-vergonha é maioria esmagadora.
    O único consolo que destinam a si próprios e a Cabral é o fato de que tudo repercutiu na classe média, não chegou aos mais pobres. A desinformação é a esperança do PT de Cabral e de Cabral do PT. No passado, a esquerda ao menos se dizia aliada das luzes. Hoje, no Brasil, sonha com as trevas, bons advogados, marqueteiros que fazem do limão uma limonada e legiões de robôs para insultar os adversários. Coisa Nossa.

  298. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax
    Gabeira fechou com “chave de ouro”:

    O único consolo que destinam a si próprios e a Cabral é o fato de que tudo repercutiu na classe média, não chegou aos mais pobres.
    A desinformação é a esperança do PT de Cabral e de Cabral do PT.
    No passado, a esquerda ao menos se dizia aliada das luzes.
    Hoje, no Brasil, sonha com as trevas, bons advogados, marqueteiros que fazem do limão uma limonada e legiões de robôs para insultar os adversários. Coisa Nossa.

  299. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    o que eu quis dizer é que não acredito que a defesa do José Dirceu irá colocar a culpa no Delúbio ou no Genoíno para inocentar o José Dirceu.

    Isso é coisa da “grande imprensa”, cujos únicos argumentos a favor do Perillo são os ataques ao Agnelo e ao Sérgio Cabral.

    Até hoje não foi mostrada uma única prova técnica e realmente válida contra o José Dirceu. Baseada numa denúncia do Ministério Público, a “grande imprensa”, julgou e condenou o José Dirceu, o transformou em herege e o expõe à execração pública todos os dias.

    Só quero ver a cara desse pessoal quando sair o julgamento do STF.

    Será que eles estão preparados para a decisão que o STF tomar?

    Eu, de minha parte, aceitarei a decisão que o STF tomar.

    Mas esse pessoal que vive todos os dias a condenar o José Dirceu à fogueira, será que aceitará uma possível absolvição do José Dirceu?

    Eu quero mais é que o julgamentodo suposto “mensalão” saia o mais rápido possível.

  300. Pax said

    Há que se dar uns bons descontos no texto do Gabeira.

    – quais são os créditos que ele, o PV ou o PSDB, com quem se aliou, permitem dizer que o PT e sua base querem a ignorância e a desinformação?

    – o PSDB usou e abusou do “material” produzido pelo Demóstenes.

    – a tragédia do ensino público no Brasil é coisa de 30 anos para cá. De lá até hoje pioramos e muito. Inclui governos do PSDB e PT, sim.

    Etc

    Mas…

    Não consigo ver muita salvação para o Cabral. O bicho se enredou totalmente com o Cavendish. Desavergonhadamente. Que se explique e que pague por isso. Penalmente. Se for o caso, e politicamente, com certeza.

  301. Jose Mario HRP said

    Só um bobalhão iria crer nas declarações dum ban di do com Gilmar Mendes.
    Envolvido em inúmeros casos nebulosos como Marconi Perillo ou como Demostenes Torres , ele é um ícone , um diamante bruto e falso do estado de Goiaz.
    Como Ronaldo Caiado, Perillo, Torres, Cachoeiro, e tantos outros como Iris Rezende, tropa de choque do conservadorismo do agro negocio, dos latifundiários num dos estados, junto com Tocantins, Paraná e Mato Grossos, mais conservadores na sua elite economica, exploradores das classes sociais desprovidas de renda ou terra, usuais no uso da religião barata, do voto de cabresto e na fraude eleitoral para fazer politica e manter um estado de coisas que se chama terceiro mundismo!
    Atrazo, que lutou pelo estrupicio que seria esse novo código florestal e que manteve e bancou os 40 anos de ditadura e do momento “décadas perdidas”!
    São os amigos da FOX COM, da CIA, e da exploração do trabalho escravo que tanto vemos espolcar Brasil a fora!
    Ao tentar elamear o nome de Lula , Gilmar Mendes ratifica sua caracteristica mais marcante:
    A de Assecla, LACAIO SUBMISSO DA ELITE CONSERVADORA!
    Um VERME SUBJUGADO do Capitalismo tupiniquim!
    Uma cartada de Veja que a deixa com a BUNDA de fora!
    Histrionicamente!

  302. Jose Mario HRP said

    Comentário 299:
    Isso venho ressaltando há anos, mas o “clamor público” direitistas ofusca a prova técnica e convenientemente “empurra” pra frente os atos do processo!
    Um processo ditatorial, e me provem que não, típico de instituições típicas do “Arbitrio”.
    O STF há muito se tornou casa de favores, de qualquer diga-se de passagem, mas casa de favores!
    Politioqueira e seguidora dos ventos do momento, , daqui a pouco pagaremos pelos abortos dos que praticam sexo sem responsabilidade!
    Pra falar pouco daquela casa!

  303. Patriarca da Paciência said

    “O único consolo que destinam a si próprios e a Cabral é o fato de que tudo repercutiu na classe média, não chegou aos mais pobres.
    A desinformação é a esperança do PT de Cabral e de Cabral do PT.
    No passado, a esquerda ao menos se dizia aliada das luzes.
    Hoje, no Brasil, sonha com as trevas, bons advogados, marqueteiros que fazem do limão uma limonada e legiões de robôs para insultar os adversários. Coisa Nossa.”

    Só um maluco como o Gabeira escreveria algo tão desprovido de um mínimo de realidade.

    A educação brasileira melhora a passos largos, com reconhecimento internacional e prêmios ao Lula por toda a parte.

    Mais de 97% das crianças brasileiras já estão nas escolas.

    O percentual que ainda há de analfabetos é constituído, em sua maioria, por pessoas idosas que se recusam à alfabetização.

    De que que o maluco do Gabeira está falando?

  304. Chesterton said

    O ex-presidente Lula vem erguendo desde o começo de abril o mais obsceno dos numerosos monumentos à cafajestagem forjados desde 2005 para impedir que os quadrilheiros do mensalão sejam castigados pela Justiça. Inquieto com a aproximação do julgamento, perturbado pela suspeita de que os bandidos de estimação correm perigo, o Padroeiro dos Pecadores jogou o que restava de vergonha numa lixeira do Sírio Libanês e resolveu pressionar pessoalmente os ministros do Supremo Tribunal Federal. De novo, como informou VEJA neste sábado, o colecionador de atrevimentos derrapou na autoconfiança delirante e bateu de frente com um interlocutor que não se intimida com bravatas.
    A reportagem de Rodrigo Rangel e Otávio Cabral reproduz os momentos mais espantosos do encontro entre Lula e o ministro Gilmar Mendes ocorrido, há um mês, no escritório mantido em Brasília pelo amigo comum Nelson Jobim, ex-ministro do Supremo e ex-ministro da Defesa. A conversa fez escala em assuntos diversos até que o palanque ambulante interrompeu o minueto para dar início ao forró do mensalão. “Fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente Lula”, disse Gilmar a VEJA. Não é para menos.
    “É inconveniente julgar o processo agora”, começou Lula, lembrando que, como 2012 é um ano eleitoral, o PT seria injustamente afetado pelo barulho em torno do escândalo. Depois de registrar que controla a CPI do Cachoeira, insinuou que o ministro, se fosse compreensivo, seria poupado de possíveis desconfortos. “E a viagem a Berlim?”, perguntou em seguida, encampando os boatos segundo os quais Gilmar Mendes e Demóstenes Torres teriam viajado para a cidade alemã num avião cedido por Carlinhos Cachoeira, e com todas as despesas pagas pelo meliante da moda.
    Gilmar confirmou que se encontrou com o senador em Berlim. Mas esclareceu que foi e voltou em avião de carreira, bancou todas as despesas e tem como provar o que diz. “Vou a Berlim como você vai a São Bernardo. Minha filha mora lá”, informou, antes da recomendação final: “Vá fundo na CPI”. Lula preferiu ir fundo no palavrório arrogante. Com o desembaraço dos autoritários inimputáveis, o ex-presidente que não desencarnou do Planalto e dá ordens ao Congresso disse o suficiente para concluir-se que, enquanto escolhe candidatos a prefeito e dá conselhos ao mundo, pretende usar o caso do mensalão para deixar claro quem manda no STF.

    AA

  305. Otto said

    Já falei: Gilmar se banhou na Cachoeira e Gabeira fumou maconha estragada.

  306. Chesterton said

    O Zé Dirceu está desesperado”.

    Lula, durante o encontro com o ministro Gilmar Mendes, revelando que o companheiro acusado de chefiar a quadrilha do mensalão, que antes jurava estar “cada vez mais convencido” de que era inocente, agora parece cada vez mais convencido de que vai ser candidato a xerife de cela de cadeia. AN

  307. Jose Mario HRP said

    o velho e bom Gabeira em sua sanha vingativa contra Lula:
    inveja, despeito, ou incapacidade de perceber que não é o que pensa ser?
    http://agenciabrasil.ebc.com.br/galeria/2006-10-17/17-de-outubro-de-2006

  308. Patriarca da Paciência said

    Como disse o grande pensador, Marx, “a história só se repete como farsa”.

    A armação do grampo sem áudio pegou, a espionagem do STF pegou, mas “na armação contra o Lula” o Dr. Gilmar se lascou!

  309. Jose Mario HRP said

    A desculpa foi essa:
    http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI155593-EI1194,00-Fernando+Gabeira+deixa+o+PT+e+esta+sem+partido.html

    Mas sabemos que ele queria ser mais e não tinha cacife dentro do partido!
    Coisa de ego, ego demais!

  310. Zbigniew said

    A Veja anda tão caladinha. Nao tem mais nenhum ministro pra derrubar?
    Tão muito ocupados com a fase “Lula-vamos melar o mensalao” ou “dou cobertura pra fonte criminosa, e dai? Vai encarar?”
    E agora vale até mentir descaradamente (nao que nao fizesse antes, mas a exposição agora e de outro nível).

  311. Pax said

    Resta uma pergunta simples:

    O que Lula fará com relação à esta notícia da Veja?

    Não seria um bom exemplo para moralizar o tal PIG (tese, repito, que não compartilho)?

    Ora, se há um notícia falsa, segundo o que todos afirmam, não tem elementos suficientes para um processo de injuria, calunia e/ou difamação?

    Para que mesmo dar murro ponta de faca querendo regulamentar, controlar ou qq coisa se existe lei a ser usada neste caso?

    Outro ponto: supondo que Lula ganhe essa eventual ação, aí sim, não deveríamos ter uma lei melhor de direito de resposta? Algo do tipo: no mesmo veículo, na mesma página/horário, num prazo rápido para que nao caia em esquecimento.

    Fica, então, a proposta de discussão.

    Vai, Lula, processa já!

    (ps.: realmente a nitícia parece bastante inverossímil mas, porque cargas d’água fariam uma barbaridade dessas? Fica a curiosidade.)

  312. Pedro said

    Então foi coincidencia?

    Só rindo, pra não chorar….com o Vasquez

    “Tá podendo!

    É impressionante como Nelson Jobim ficou mais importante – e, consequentemente, mais cheio de si – depois que deixou o governo!

    No tempo em que era ministro da Defesa, jamais aconteceu de chegar o Lula no meio de uma visita que lhe fazia o Gilmar Mendes.

    Imagina o tamanho do ego do cara nessas circunstâncias!

    Parece que nem atende mais ligações do José Genoíno!”

  313. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    tecnicamente parece que é o inverso.

    O Dr. Gilmar é que tem a obrigação de processaro Lula por tentativa de chantagem e, ainda por cima, chamar o Nelson Jobim, a única testemunha do “acontecimento” como testemunha.

    A coisa engrossou de vez para o lado da Veja!

  314. Otto said

    Pax:

    “realmente a nitícia parece bastante inverossímil mas, porque cargas d’água fariam uma barbaridade dessas? Fica a curiosidade.”

    Acho que a resposta está aqui:

    http://www.blogdacidadania.com.br/2012/05/a-vacina-do-doutor-gilmar/

  315. Chesterton said

    Pax, 311, vão processar o ministro? Qual o lugar de quem tenta chantagear ministro do STF?

  316. Chesterton said

    …claro, Lula vai dizer que não sabia que não podia….

  317. Otto said

    FABIO BARBOSA, PRESIDENTE DA ABRIL, SE ENCONTROU COM JOSÉ DIRCEU NO APARTAMENTO DE ANTÔNIO PALOCCI E TENTOU CHANTAGEÁ-LO; DISSE QUE SE O PT ALIVIASSE NA CPI, QUE ESTARIA PROVOCANDO “DESESPERO” EM ROBERTO CIVITA, ELE O BLINDARIA EM VEJA E FARIA LOBBY JUNTO AO STF PARA POSTERGAR O MENSALÃO; SERÁ?

    28 de Maio de 2012 às 09:47

    247 – Fábio Barbosa, presidente da Abril, teve um encontro secreto com o ex-ministro José Dirceu há duas semanas. O encontro se deu no apartamento de Antônio Palocci, nos Jardins, em São Paulo. Lá pelas tantas, Barbosa, que foi do conselho da Petrobras no governo Lula e é amigo de Dirceu, soltou. “A CPI bem que podia evitar esse negócio de convocar jornalistas”, afirmou. “Seria totalmente inconveniente”. Barbosa disse ainda que Roberto Civita estaria “desesperado” com uma eventual convocação.

    Dirceu estranhou o tom da proposta. Mas deixou que Barbosa prosseguisse. No meio da conversa, o presidente da Abril disse ainda que poderia pedir a vários ministros do Supremo Tribunal que adiassem o julgamento do mensalão. “Sabe como é, todos são loucos por uma amarela na Veja”, afirmou. Procurado pelo 247, Palocci disse que não se lembra do teor inteiro da conversa e que os dois estiveram sozinhos, durante trinta minutos, na cozinha do seu apartamento.

    Um dia depois, ao ser procurado por outros veículos de comunicação, Palocci negou veemente o ocorrido. “Nada disso aconteceu”, disse. “Tudo mentira”. O 247, no entanto, sustenta que é verdade, uma vez que a palavra de Palocci não tem credibilidade. E o tom de voz dele denunciava certo duplo sentido no desmentido.

    Nada disso, evidentemente, é verdade. Mas poderia ser, como não ser. E é uma história semelhante a essa que ameaça criar uma crise institucional seríssima no País. Gilmar Mendes se diz chantageado por Lula. Nelson Jobim, a testemunha, nega. E o decano do STF, Celso de Mello, diz: “Se fosse verdade e Lula fosse presidente, seria caso de impeachment”. E se fosse verdade a chantagem de Fábio Barbosa sobre José Dirceu?

    Detalhe: os dois se encontraram. É o único elemento de verdade neste artigo.

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/61591/A-l%C3%B3gica-Celso-de-Mello-e-o-encontro-Barbosa-Dirceu.htm

  318. Chesterton said

    realmente a nitícia parece bastante inverossímil mas, porque cargas d’água fariam uma barbaridade dessas? Fica a curiosidade.

    chest- porque é a verdade, e um baita furo jornalístico. Inverossímil porque? quem mais além de Lula teria a pachorra?

  319. Chesterton said

    O Dr. Gilmar é que tem a obrigação de processaro Lula por tentativa de chantagem e, ainda por cima, chamar o Nelson Jobim, a única testemunha do “acontecimento” como testemunha.

    A coisa engrossou de vez para o lado da Veja!

    chest- Gilmar parece que fez o que tinha que fazer, comunicou ao presidente do Supremo. Quem tem que agir é o STF inteiro. Gilmar errou por não ter dado voz de prisão ao Lula. A VEJA? Ora, seu pateta, a VEJA é o carteiro, o problema é de quem tentou chantagear o STF!

  320. iconoclastas said

    “Lula e Gilmar Mendes: conversa errada, no local errado, com pessoa errada
    Ministro diz que esperava encontro social com Lula, mas acabou tendo diálogo pouco republicano com o ex-presidente

    Jorge Bastos Moreno
    Publicado: 27/05/12 – 23h45
    Atualizado: 28/05/12 – 9h32

    Comentários: 195
    Envios por mail: 14

    Gilmar Mendes: irritação com comentário de Lula sobre viagem a Berlim Foto: Ailton de Freitas/ 12-04-2012 / O Globo

    Gilmar Mendes: irritação com comentário de Lula sobre viagem a Berlim Ailton de Freitas/ 12-04-2012 / O Globo

    Na bela manhã de quinta-feira, dia 26 de abril, o ministro do STF Gilmar Mendes saiu de casa para, finalmente, encontrar-se com o ex-presidente Lula — com quem, até essa data, mantinha relações mais que cordiais — no escritório do amigo e ex-ministro Nelson Jobim.

    Veja também

    Celso de Mello: ação de Lula foi indecorosa
    Oposição cobra explicações de Lula
    Ministros dizem que Supremo não se submeterá a pressões
    Lula pressiona Gilmar Mendes para adiar mensalão, diz Veja
    Blog do Moreno: Jobim nega que Lula tenha pressionado ministro

    O encontro fora marcado por Jobim, a pedido de Lula. Mas, para Gilmar, o contexto era outro. Há muito, desde a cirurgia de garganta de Lula, ele se sentia devedor de uma visita ao ex-presidente.

    O ministro chegou a tratar com Clara Ant, assessora de Lula, sobre a melhor data da visita. Quando estava próxima de realizá-la, Gilmar soube que Lula se internara de novo. Numa conversa com o presidente do Senado, José Sarney, este lhe comunicou que iria visitar o ex-presidente em São Paulo.

    — Por favor, diga ao presidente Lula que estou tentando visitá-lo. O senhor bem que poderia me ajudar, marcando isso com ele — pediu Gilmar a Sarney.

    Se há uma coisa que político gosta de fazer é mediar encontros.

    Quando recebeu o convite de Jobim para encontrar-se com Lula, Gilmar ficou eufórico: finalmente, iria rever o amigo.

    Na cabeça do ministro, o encontro seria social e afetivo e realizado por desejos de ambos. E, para ser mais justo, mais pela insistência de Gilmar do que de Lula.

    Foi neste contexto que o encontro foi realizado. Convém esclarecer, também, que tudo isso e o que se segue foram reconstruídos seguindo os rastros das conversas que o ministro Gilmar Mendes passou a ter com vários interlocutores sobre o ocorrido.

    Coincidentemente, Gilmar, naquele mesmo dia, tinha marcado um encontro com o presidente dos Democratas, o senador Agripino Maia. Maia contaria aos correlegionários que Gilmar chegou ao encontro esbaforido, soltando fogo pelas ventas.

    A história espalhou-se logo pelos Três Poderes. Formalmente, Gilmar relatou ao presidente do Supremo, Ayres de Britto. Mas contou ao amigo Sigmaringa Seixas e este, supõe-se, a Dilma.

    Pelo contexto relatado acima percebe-se, claramente, que a ação de Lula era totalmente dispensável. Primeiro, a de ter usado Jobim como intermediário. Segundo erro, ao tentar sensibilizar Gilmar para assumir uma posição técnica, não política.

    Se o ex-secretário da presidência de Lula e hoje funcionário do seu Instituto, o mineiro Luis Dulci, gostasse de trabalhar, teria preparado um resumo para o ex-presidente sobre as decisões mais importantes tomadas por Gilmar a favor do PT: rejeição da denúncia contra Gushiken: voto a favor de Palloci e recusa de denúncia contra Mercadante, entre outros. Em todos esses episódios, os chamados “ministros amigos” foram todos votos contra o PT. Mercadante, inclusive, nem poderia ter sido eleito senador e, muito menos, estar hoje no ministério da Educação, se tivesse dependido do voto de Sepúlveda Pertence.

    Apesar de todas essas posições de Gilmar terem sido eminentemente técnicas, pode se dizer que houve também reciprocidade de Lula no trato com o ministro. Gilmar vai morrer agradecendo a Lula a solução de diversos problemas do Supremo que dependiam administrativamente do governo.

    Tanto isso é verdade que, no governo Lula, durante encontro social com um dos ministros, Gilmar Mendes, certa vez, tripudiou:

    — Não adianta vocês me enrolarem, eu vou ao meu amigo Lula e ele resolve tudo.

    Bem, isso sem contar a relação — e esta é a grande revelação — entre os casais Lula da Silva e Gilmar Mendes. Em todos os aniversários, inclusive no último que passou em Brasília, comemorado só entre os íntimos, Gilmar e sua mulher Guiomar estavam lá. No Torto, no Alvorada e até mesmo no restaurante “Feitiço Mineiro”, o casal Mendes era presença constante. Maria Letícia e Guiomar transformaram-se em grandes amigas.

    Por que Lula teria agido assim? Prevalece a máxima do “perdoa, mas não esquece”. Lula não se esquece de que, por espionagem a Gilmar Mendes, numa conversa com o próprio Demóstenes, fora obrigado a demitir Paulo Lacerda da Abin. Lula sentiu-se humilhado, já que a decisão foi resultado de uma delicada conversa sua, na época, com Gilmar, mediada pelo mesmo Jobim.

    No encontro fatídico de agora, Lula voltou ao tema de raspão:

    — Será que aquele grampo não foi feito pelo próprio Cachoeira ou mesmo Demóstenes ou alguém da turma deles?

    Como, a essa altura, a conversa já não estava mais sendo republicana, Gilmar tirou a toga:

    — Que é isso, Lula! A prova de que seu governo era uma bagunça está no fato de que o homem de confiança da Abin, o homem de Paulo Lacerda na operação “Satiagraha”, era o Dadá! Você sabia disso?

    A coisa esquentou mesmo quando Lula, diante da declaração de Gilmar de que nada tinha a temer da CPI, perguntou-lhe com um tapinha nas costas:

    — E a história de Berlim?

    Quem diz que tapinha não dói? Doeu mais que a pergunta. O revide foi mais forte:

    — Lula, você continua, como sempre, desinformado! Vá em frente!

    Foi aí que Gilmar teve a prova definitiva de que tinha sido escolhido pelo PT como símbolo da tentativa de desmoralizar o Judiciário.

    O que tem deixado Gilmar Mendes mais indignado é que se considera vítima de um bem articulado plano de difamação que corre não apenas pelas mídias sociais, mas no mais antigo e eficaz meio de comunicação: o terrível boca a boca.

    A conversa começou republicana, com Gilmar lembrando a Lula da necessidade de se preencher as próximas duas vagas do Supremo com critérios bem técnicos e não políticos. É que se suspeita de uma manobra para o mensalão ser votado só depois da nomeação dos novos ministros. Gilmar defende o julgamento agora para evitar a confusão e suspeição em que se revestiriam essas nomeações, até porque, sendo em agosto, o tribunal não estaria desfalcado de dois ministros que conhecem bem a matéria como os demais.

    O assunto CPI começou quando Lula disse que a tinha sob comando e, numa prova de que estava entre amigos, chegou até a confidenciar ter acertado nomeando Odair Cunha ( PT — MG) como relator:

    — O Vaccarezza não seria uma boa solução. O seu poder de articulação é tão grande, que ele acabou se envolvendo com parlamentares comprometidos com esses esquemas.”

    amigos, é?

    hummm…

    ;^/

  321. Patriarca da Paciência said

    Pateta e retardado Chesterton,

    o presidente do STF já se pronunciou que nada tem contra o Lula.

    Todos os outros ministros também já negaram qualquer interferência do Lula.

    O Dr. Gilmar está sozinho, contando apenas com a revista Veja.

    Então, o Dr. Gilmar que tome as providências!

    E a Veja simplesmente colocou o Dr. Gilmar e o Dr. Jobim numa sinuca de bico.

    Foi longe demais.

    Desta vez, tudo indica, terá sérias consequências.

  322. Chesterton said

    sérias consequências terá, sem dúvida….(rs)

  323. Jose Mario HRP said

    Estamos vendo os velhos ministros do supremo dando pitacos e dando como verdade as “cousas e causos” do Gilmar.
    Os melos e Levandowisk(?) corporativamente e tratndo Lula como o desqualificado nordestino dos sindicatos, emergem na mídia com a arrogancia costumeira dos Tribunais e seus tradicionais atores, Juizes , donos de escritórios poderosos de advogacia(Gilmar tem um embora se diga afastado, mas recebendo os lucros polpudos) e aqueles pronomes de tratamento do tempo do Império..
    Num processo hipotético seria a palavra de cada um e muito provavelmente a silente presença de Jobim.
    Gilmar seria capaz de todo esse teatro?
    Claro, e Lula nem iria passar no tal escritório, só o foi porque Jobim insistiu.
    Será que o velho puxa sacos dos milicos armou essa casa de caboclo?

  324. Chesterton said

    Alguem aqui acha sinceramente que Lula nunca poderia ter pressionado o Gilmar Mendes? Alguem acha que isso não é do feitio de Lula?

  325. iconoclastas said

    “Enviado por Ricardo Noblat –
    28.5.2012
    | 8h02m
    Comentário
    A indecência de Lula, Gilmar e Jobim, por Ricardo Noblat

    De duas, uma. Ou Lula ainda está sob o efeito de remédios contra o câncer na laringe, o que compromete seu apurado tino político, ou então se rendeu à certeza de que é mesmo infalível.

    Para chegar bem ao seu final, a CPI de Cachoeira terá que dar em nada. E o encontro de Lula com o ministro Gilmar Mendes precisará ser esquecido rapidinho.

    É improvável que nada produza de relevante a CPI inventada por Lula para atazanar a vida de seus desafetos ligados a Cachoeira, e retardar o julgamento do mensalão. O que ela produzir poderá significar problema para Dilma. Esta semana, a CPI quebrará o sigilo das contas da Delta, a empreiteira favorita dos políticos que apoiam o governo.

    Quanto à memória coletiva, até que comece o julgamento dos mensaleiros em agosto não haverá tempo para que esqueça o encontro de Lula com Gilmar. Ele é simplesmente inesquecível.

    O celular de Gilmar tocou na última semana de abril último e ele ouviu o convite: “Lula virá aqui no dia 26. Quer conversar com você”.

    Era Nelson Jobim, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), onde o mensalão será julgado. O escritório de Jobim funciona no apartamento onde ele mora, em Brasília.

    “É inconveniente julgar esse processo agora”, disse Lula a Gilmar depois dos cumprimentos de praxe. São 36 réus. Lula contou que José Dirceu “está desesperado”.

    Mensaleiros como José Genoino, Delúbio Soares, Marcos Valério e Duda Mendonça também estão. Foram advertidos por seus advogados sobre a forte possibilidade de serem condenados e presos.

    “Não tem como adiar o julgamento?”, perguntou Lula. “Se for adiado, o Supremo sofrerá um desgaste profundo”, argumentou Gilmar.

    Foi aí que Lula comentou que tem o controle político da CPI do Cachoeira. E ofereceu proteção a Gilmar. “Fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente Lula”, revelou Gilmar ao Procurador Geral da República, ao Advogado Geral da União, ao colega Ayres Britto, presidente do STF, e à VEJA.

    O constrangimento de Gilmar não inibiu Lula. “E a viagem a Berlim?”, ele perguntou. Corre em Brasília a história de que os casais Gilmar Mendes e Demóstenes Torres teriam viajado para Berlim com as despesas pagas por Cachoeira. Gilmar confirmou a viagem. Mas respondeu que pagara as próprias despesas.

    “Viajei com o Demóstenes que eu e o senhor conhecíamos antes”, justificou-se. Em seguida, bateu na perna de Lula e aconselhou: ”Vá fundo na CPI”.

    Gilmar ainda ouviu Lula dizer que encarregaria Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF, de convencer a ministra Carmem Lúcia a atrasar o julgamento. Pertence indicou Carmem para o STF.

    “Vou falar com Pertence para cuidar dela”, antecipou Lula, preocupado com a situação de Ricardo Lewandowski, lembrado por dona Marisa para a vaga que hoje ocupa no STF. Amigo da família da ex-primeira-dama, Lewandowski é o ministro encarregado de revisar o processo do mensalão relatado por seu colega Joaquim Barbosa.

    “Ele (Lewandowski) só iria apresentar o relatório no semestre que vem, mas está sofrendo muita pressão [para antecipar]”, queixou-se Lula.

    Joaquim Barbosa foi chamado por Lula de “complexado”. Lula ainda se referiu a outro ministro – José Dias Toffoli, ex-assessor de José Dirceu na Casa Civil.

    “Eu disse a Toffoli que ele tem que participar do julgamento”, avançou Lula – para quem o julgamento do mensalão só em 2013 evitaria que ele fosse contaminado por “disputas políticas”.

    O que Lula não disse: nesse caso, os ministros Ayres Britto e Cezar Peluso estariam aposentados. Os dois devem votar pela condenação de alguns réus.

    Gilmar errou ao ir ao encontro de Lula. Ministro pode receber advogados, ouvir seus argumentos, mas é só.

    Lula acha que o julgamento do mensalão equivale ao julgamento do seu governo – por isso errou gravemente ao pressionar um juiz.

    Foi indecente e escandaloso o episódio que ele e Gilmar e Jobim protagonizaram.”

    esse tipo de abordagem tem a cara do molusco, não é surpresa para ninguém, nem deveria ser para o doutor Gilmar, menos ainda se ele tinha relações próximas ao referido ininputável.

    ;^/

  326. iconoclastas said

    a real é a seguinte, escritório de Jobim não é o local próprio para ministro do supremo se encontrar com uma figura tão sórdida, independente da suposta amizade. quando o sujeito se dispõe a determinadas responsabilidades, ele tem que estar ciente de que não poderá se comportar como um ordinário pagador de impostos, pois é imprescindível que se prive de inúmeros atos -enquanto corriqueiros e admissíveis ao cidadão comum – incompatíveis para o exercício de alguns cargos públicos.

    Dr. Gilmar, visto pela petzada como um adversário – imagine!, expõe de forma inequívoca a mentalidade predominante no Brasil de que ocupantes de destacados cargos da República não se importam de manter relacionamentos próximos daqueles com extensa folha corrida de atos contra a mesma.

    Dr. Gilmar, o senhor tem todo o direito de ser amigo de quem quiser, não o condeno por, eventualmente, criar laços afetivos com qualquer escroque, mas tem que estar ciente das consequências dessas escolhas, e aceitar que enquanto ocupante de cargos da natureza do atual, não tem o direito de expor sua instiuição, e a República, a tal constrangimento.

    ;^/

  327. Pax said

    Eita história confusa. Comprei a revista hoje de manhã só para entender melhor.

    Primeira coisa: quem vazou o encontro? Só há 3 nomes possíveis, Lula, Jobim ou Gilmar.

    Muito esquisito.

    Continuo com minha opinião: ou Lula processa a revista, e o mentiroso titio que está histérico, como sempre, acusando-o de chantagem, ou a pulga continuará atrás da orelha.

    Os esforços para que o mensalão seja considerado uma invenção já passaram dos limites. Ora bolas, que seja julgado logo se essa tese dos réus é forte o suficiente.

    Mas o ponto é: acusam Lula e as acusações são se chantagem. Muito graves. Ou Lula os processa ou seu silêncio deixará muita margem de dúvida.

    De outro lado há sempre a questão que os réus mais condenáveis desta CPMI são da oposição. Demóstenes, o amiguinho do mentiroso da Veja, e Perillo, o governador enrolado até o pescoço com Cachoeira, já são defuntos enterrados. Em outras palavras, o desespero podem motivar a Veja, o mentiroso e a oposição aos atos mais inacreditáveis.

    A novela está em alta. CPMI, mensalão, Lula, Dirceu, eleições etc. Não poderíamos ter ingredientes mais apimentados. De outro lado não há como negar que nosso modelo político chegou ao fundo do poço.

  328. iconoclastas said

    “referido iniMputável.

    rhin rhon….

  329. Jose Mario HRP said

    http://www.slideshare.net/MarcoSobreira/impeachment-gilmar-mendes
    É SEMPRE BOM LEMBRAR QUEM É O CARA!

  330. Chesterton said

    ou Lula processa a revista, ……..

    chest- o Lula é safado, mas não é burro.

  331. Chesterton said

    Lula teria que processar Gilmar Mendes.

  332. Jose Mario HRP said

    A seletividade deles é de dar dó!
    http://www.viomundo.com.br/politica/miguel-do-rosario-globo-e-estadao-omitem-que-jobim-negou-chantagem-de-lula.html

  333. Jose Mario HRP said

    Relembrando o Vale das Maças!
    De um senior dos seniors:
    http://www.viomundo.com.br/politica/o-replay-do-leitor-giorgio-dalmo-dallari-sobre-gilmar-mendes.html

  334. iconoclastas said

    negou?

    hohohoh…

    “27/05/2012
    às 10:26 \ Direto ao Ponto
    Augusto Nunes
    O desmentido que confirma

    Não ouvi tudo o que foi conversado”, desconversou Nelson Jobim ao ser procurado por VEJA, depois de confessar que agendara o encontro entre Lula e Gilmar Mendes, ocorrido no escritório que mantém em Brasília. Passados alguns dias, o anfitrião da reunião que ampliou o prontuário de Lula esqueceu a versão da surdez malandra. Descobriu que ouviu tudo, mas não ouviu nada de errado.

    Ao jurar que não ajudou o protetor de pecadores a estabelecer um novo recorde no campo do cinismo, Jobim produziu o desmentido que confirma. Articulador e testemunha de uma conversa que virou caso de polícia, o ex-presidente do Supremo e ex-ministro da Defesa foi cúmplice de um crime. Só lhe resta trucidar a verdade. E caprichar na pose de homem de bem para recitar mentiras com a desfaçatez de quem acha que todos os brasileiros são idiotas.””

    ;^)))

  335. Zbigniew said

    Muito bom o que disse o Edu Guimarães no seu blog, principalmente no final:

    “(…)
    A matéria da Veja enterrou de vez uma possibilidade que jamais existiu, de ser produzido um arreglo entre governo e oposição para a CPI terminar em pizza. E essa matéria é a prova definitiva de que a mídia e Mendes concluíram que o PT e aliados estavam dispostos a levar o processo até o fim. Por isso fizeram ataque desse porte.”

    Tremei PJ, tremei Civitas, vamos passar esse esquemão todo a limpo, doa a que doer.

  336. iconoclastas said

    vamos ao Jobim:

    1) o encontro foi coincidência.
    1.1) o encontro foi uma coincidência agendada.

    2) não ouviu tudo.
    2.1) ouviu tudo e nada de errado.

    3) não se falou em mensalão.
    3.1) ele próprio levantou o assunto mensalão.

    versões para todos os gostos, vindas de um único obsrvador: 1 + 2 + 3, ou 1.1 + 2 +3, ou 1 + 2.1+ 3 …

    ;^?

  337. Zbigniew said

    Outra perguntinha pra Veja, aquela que só quer o bem do Brasil (dela, lógico.):

    “Como observou o Blog do Mello, se o caso é “mais grave do que o mensalão”, então por que a Veja não deu capa? Por que preferiu colocar a foto de um nerd na capa da última edição?”

    E outra:

    O Gilmarzinho não vai processar o Lula, não? Teve que arregar para dar matéria para Veja, a imaculada?

  338. Zbigniew said

    Hmmmmmm…. muito estranho….

  339. Chesterton said

    Gilmar errou ao não dar voz de prisão.

  340. Chesterton said

    http://www.conjur.com.br/2012-mai-27/comportamento-lula-indecoroso-avaliam-ministros-supremo

  341. Pax said

    Caros, ou Lula processa a mentiroso titio histérico, ou sua moral despenca. Ou a ou b. O cara o chama em todas as letras de chantagista:

    Do blog do mentiroso….

    “27/05/2012 às 7:03
    QUE FIQUE CLARO! AVANÇO DE LULA SOBRE O STF É AINDA MAIS GRAVE DO QUE ESCÂNDALO DO MENSALÃO. É A MAIS GRAVE AGRESSÃO AO ESTADO DE DIREITO DESDE A REDEMOCRATIZAÇÃO. O DICIONÁRIO REGISTRA O QUE LULA TENTOU PRATICAR: “CHANTAGEM”!!!

    Caros, é preciso dar à iniciativa de Lula, de tentar encabrestar o Supremo (ver post na home), a sua devida dimensão. Espalhem a verdade na rede. Um ex-presidente da República, chefe máximo do maior partido do país  — que está no poder —, atuou e atua como chantagista da nossa corte suprema. Lula se coloca no papel de quem pode27/05/2012 às 7:03
    QUE FIQUE CLARO! AVANÇO DE LULA SOBRE O STF É AINDA MAIS GRAVE DO QUE ESCÂNDALO DO MENSALÃO. É A MAIS GRAVE AGRESSÃO AO ESTADO DE DIREITO DESDE A REDEMOCRATIZAÇÃO. O DICIONÁRIO REGISTRA O QUE LULA TENTOU PRATICAR: “CHANTAGEM”!!!

    Caros, é preciso dar à iniciativa de Lula, de tentar encabrestar o Supremo (ver post na home), a sua devida dimensão. Espalhem a verdade na rede. Um ex-presidente da República, chefe máximo do maior partido do país  — que está no poder —, atuou e atua como chantagista da nossa corte suprema. Lula se coloca no papel de quem pode chantagear ministros do STF. chantagear ministros do STF.”

    Se Lula não fizer nada, muito cá entre nós, estará aceitando esta acusação gravíssima. Seria o pior dos casos, o fim de sua biografia.

    Qual outra possibilidade?

    Os réus do mensalão advogam que tudo é uma farsa. Agora acusam Lula de agir com chantagem explícita contra juízes do STF.

    Impossível Lula ficar calado sem que essa atitude deponha contra ele.

  342. Otto said

    O site Conjur presta assessoria pro Gilmar Dantas. Não tem credibilidade.

  343. Chesterton said

    Pax, quem chamou Lula de chantagista foi Gilberto Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal.

  344. iconoclastas said

    Paxnoise,

    eu tenho a impressão de que essa sua histeria não vai ser suficiente para animar o RA a te processar por chamá-lo de mentiroso.

    tenta algo de maior impacto…

    ;^)))

  345. Chesterton said

    Ta bom, Otto, e ministro do STF tem credibilidade? Quem tem mais credibilidade, um ministro do STF ou um chefão político todo peidado?

  346. Chesterton said

    Pax está desesperado porque seu guru, o Lula “dele” (lembram quando Pax chamava Lula de “meu Lula”?) se revela um criminoso. Será que essa besta não tinha nada melhor para fazer do que tentar chantagear um ministro do STF?

  347. Chesterton said

    Já até sei qual será a desculpa de Lula: “Foi idéia do Zé Dirceu, ele que me ferrou…”

  348. Zbigniew said

    O Gilma “Dantas” ou o Johnbim, qual dos dois têm mais credibilidade? Ou nenhum? Tampouco o Lula?

  349. Zbigniew said

    E a Veja? Essa tem credibilidade?

  350. iconoclastas said

    “”lembram quando Pax chamava Lula de “meu Lula”?”

    isso é hilário.

    imagina o drama de consciência de um sujeito que precisa educar os filhos enquanto tem como político de estimação uma peça que só alcançou o cargo de executivo mor da República por ter lançado mão durante a campanha de sua candidatura, segundo alguns de seus próprios asseclas e contratados, inclusive o publicitário, de recursos não contabilizados depositados em contas off shore, crime suficiente para conduzi-lo ao impedimento;

    que foi beneficiário – involuntário, carece esclarecer, afinal ele não sabia de nada, portanto, não envolvido -, de acordo com denúncia feita pelo PGR, e acatada pelo STF, do maior escândalo político da história republicana;

    daquele que alterou uma lei, e que lei!, a fim de referendar a aquisição de uma empresa por outra, enquanto seu filho era sócio de um dos controladores da adquirida -uma concessionária de serviços públicos.

    e fiel, ele agora ele se mostra preocupado com a moral de seu pet.

    ;^)))

    Pax- é brincadeira, eu sei o quão frustrante é ficar limitado por uma lesão física, mas tem que maneira nos analgésicos.

  351. iconoclastas said

    “O Gilma “Dantas” ou o Johnbim, qual dos dois têm mais credibilidade? Ou nenhum? Tampouco o Lula?
    Zbigniew disse
    28/05/2012 às 13:20

    E a Veja? Essa tem credibilidade?”

    quanto a Veja me parece que ninguém melhor para atestar sua credibilidade do que a atual mandatária do executivo, afinal não foram poucas decisões tomadas por ela que se basearam no que publicou a revista. se não presta, alguém precisa lhe avisar… rapidamente.

    do Gilmar, além desse encontro pouco republicano ,eu desconheço fatos que o desabonem.

    do Jobim eu tb não lembro de mentiras, aí é só escolher qual das versões que ele deu é a mais adequada.

    o último já é sacanagem…

    ;^/

  352. Michelle - A Besta Desvairada said

    Num país onde o ex-ministro da Justiça defende bicheiro e seus honorários serão pagos com dinheiro ilegal – Cachoeira não tem R$ 15 milhões legais -, nada mais natural que um ex-presidente procurar um ministro da suprema corte para tentar fazer chantagem!

  353. Pedro said

    Acho que o Lula vai precisar de um bom advogado pra assessora-lo neste caso.

    Será que o Cachoeira libera o Thomaz?

  354. Chesterton said

    E a Veja? Essa tem credibilidade?

    chest- se tem, até o Pax comprou….

  355. Pax said

    Basta mostrar para todo mundo que o titio é um canalha para que seus admiradores percam as estribeiras.

    Não pedi para trazerem para cá o post que o canalha afirma que seu blog é democrático que aceita todos comentários.

    Trouxeram e mostrei o tamanho do canalha que o cidadão é. Simples. Sem dramas. Preto no branco.

    Mas isso é café pequeno, só afeta súditos.

    O que interessa?

    Ora bolas, o mentiroso chama Lula de chantagista aos gritos. Convoca seus súditos para uma cruzada e o escambau.

    O que Lula, se tiver vergonha na cara, deve fazer?

    Processa o mentiroso e pronto.

    Agora, se Lula nao o processar, a coisa fica estranha para o ex-presidente. Muito estranha.

    Da mesma forma que acho estranho o paradoxo da tese que o mensalão é uma invenção e a antítese do medo deste julgamento no STF.

    Ora, se o mensalão não existiu, porque mesmo temer qq coisa?

    Agora as santas inteligências concluam …

  356. Zbigniew said

    É isso, Pax.

    É certo que o Lula vai se mexer.

    É impossível que o ex-Presidente tenha entrado numa esparrela como essa. E logo com quem? Com o Gilmarzinho. Seria um erro primário e grotesco, ainda que o Lula pudesse alegar que o fizera em forma de galhofa. Isso ninguém poderia atestar. Aliás, o panfleto já o fez, só que de forma contrária.

    No tabuleiro do xadrez a Veja tá jogando todas as suas fichas neste momento (o pool, o PIG, as famiglias – como quiserem – vão dar cobertura). Dependendo dos próximos lances, veremos se, politicamente, foi a jogada mais acertada.

    Dica: se a estratégia dos civita se mostrar inócua ou desmoralizada, é pra partir pra cima e entortar o pescoço dessa rafamea.

  357. Chesterton said

    Seria um erro primário e grotesco

    chest- mais um , né?

    E cadê o Elias, foi chamado às pressas para Brasilia?

  358. Chesterton said

    Alias, erro primário e grotesco, nana-nina-nina-não, é CRIME!!!

  359. Chesterton said

    Como toda notícia ou denúncia que chega por meio da revista VEJA, há uma resposta automática por parte dos defensores do governo (remunerados ou não). Tratam logo de matar o mensageiro; no caso, a revista.

    Ok, vamos matá-lo. Trabalhemos APENAS com as informações que independem da revista. Atenhamo-nos aos fatos confirmados, quais sejam:

    Houve uma reunião entre Lula e Gilmar Mendes, intermediada e hospedada por Nelson Jobim (o próprio Jobim confirma); e
    O Ministro Ayres de Brito também revelou uma conversa de Lula que – segundo ele – não fez sentido, mas bate com os fatos agora revelados.
    Por que a reunião?
    Quais motivos levariam Lula a pedir reunião com Gilmar Mendes, intermediada por Nelson Jobim? Esse fato, o principal, está confirmado. Que diabo de assunto ele teria a discutir com um ministro do STF, às vésperas do julgamento do Mensalão?

    Será que falaram de música, literatura ou, considerando quem pediu a audiência, talvez telenovelas ou futebol?

    Nelson Jobim, diplomático, negou que o teor fosse o Mensalão. Está na reportagem a “explicação” de Jobim: “…disse, sem entrar em detalhes, que na conversa foram tratadas apenas questões “genéricas”, “institucionais”…” e, sobre se Gilmar Mendes havia mentido: “Não poderia emitir juízo sobre o que o Gilmar fez ou deixou de fazer”.

    O mais engraçado é quando fala que foi um “encontro casual”. Justo Lula, que tem até FOTÓGRAFO PARTICULAR em sua entourage. E encontro casual NO ESCRITÓRIO? Jobim é de fato polido e gentil, mas nem sua boa retórica ajuda a limpar a barra do ex-presidente.

    Então se encontram “casualmente” (risos) Lula e Gilmar Mendes e, na falta do que fazer, resolvem tratar de questões “institucionais” justamente no escritório de Nelson Jobim. Faltou um papagaio fanho nesse relato.

    ESSA – acreditem – é a “negativa” que coube aos petistas agarrar. Vai vendo o nível do desespero e da falta de subsídios…

    Mas vamos lá! Você, que não confia na VEJA nem no Gilmar Mendes, responda com sinceridade: falaram então do quê?

    Ayres de Brito
    Para piorar o que já está suficientemente podre, OUTRO ministro do STF revela conversas nada abonadoras envolvendo Lula. O que tanto o ex-presidente quer com ministros do STF na véspera do julgamento do Mensalão?

    Ficamos assim: esqueçam a Veja, ignorem Gilmar Mendes, façam de conta que Ayres de Brito não falou nada. Apenas considerem os fatos já confirmados (reunião com um e papinho-aranha com outro) e respondam:

    – QUAL O TEMA DAS CONVERSAS DE LULA COM MINISTROS DO STF, A POUCOS DIAS DO JULGAMENTO DO MENSALÃO?

    Os mais criativos ganharão um exemplar autografado do livro “Stálin, meu Amor”, de Flavio Morgenstern.

  360. Chesterton said

    Chora, Pax, chora….é triste ser abandonado pela mulher amada (êpa, Lula é “homi”), mas pode acontecer com qualquer um.

    Cadê o Elias para as devidas explicações?

  361. Chesterton said

    Nassif dá meia volta na campanha de difamação à VEJA
    Por tb FM

    http://www.implicante.org/artigos/luis-nassif-da-meia-volta-na-campanha-de-difamacao-a-veja/

  362. Pedro said

    Aconselhado pelo advogado do Cachoeira, oops, digo, pelo seu ex-ministro da justiça, Lula está exercendo seu direito constitucional de permanecer calado….

  363. Chesterton said

    Parece que o PT inteiro, pelo menos aqui no blog, está exercendo o direito de permanecer calado. vOCÊS já viram que dia maravilhoso faz lá fora?

  364. Chesterton said

    A oposição vai ingressar nesta segunda-feira (28) pedido de investigação na Procuradoria Geral da República contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
    Segundo reportagem da revista “Veja”, o ex-presidente teria pedido ao ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), o adiamento do julgamento do mensalão.
    DEM, PSDB, PPS e PSOL afirmam que Lula cometeu três crimes e precisa ser responsabilizado judicialmente por sua atuação contrária ao julgamento.
    No pedido, a oposição diz que Lula praticou tráfico de influência, corrupção ativa e coação no curso do processo judicial –três crimes tipificados no Código Penal.
    “Ficam evidentes as práticas desses três crimes. Na ditadura, o STF não foi derrotado. Agora, não será também”, disse o líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR)…

    CHEST- chora, Pax, chora.

  365. Chesterton said

    A testemunha de defesa é prova do crime

    Deputado federal, Nelson Jobim infiltrou no texto da Constituição de 1988 dois artigos que não foram submetidos à votação no plenário. Jamais revelou seu conteúdo. Ministro do STF, criou uma pastoral da bandidagem para distribuir pilhas de habeas corpus preventivos que garantiram a impunidade de mensaleiros amigos. Continua a protegê-los, informou o encontro entre Lula e Gilmar Mendes. Ministro da Defesa, premiou com o emprego de “assessor especial” o companheiro José Genoíno, metido até o pescoço no escândalo do mensalão.

    Essa notável folha corrida foi inaugurada com o caso da sino da Faculdade de Direito, narrada na reportagem de Bruno Abbud republicada na seção O País quer Saber. O estudante Nelson Jobim foi um dos integrantes do grupo que furtou o sino. E até hoje se recusa a devolver o produto do roubo, que repousou por 12 meses num armário do Supremo Tribunal Federal quando o participante da ação criminosa usava toga.

    Para escapar da acusação de resolveu chantagear ministros do STF, Lula invoca a palavra de Jobim. Uma testemunha de defesa dessa categoria merece ser incluída entre as provas do crime.AN

  366. Chesterton said

    Lula cometeu crime, diz constitucionalista
    O presidente do Conselho Fundador da Academia Brasileira de Direito Constitucional (ABDConst), Flávio Pansieri, afirmou nesta segunda-feira (28) que o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva cometeu “crime” ao propor ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, o adiamento do julgamento do “mensalão” em troca de “blindagem” do magistrado na CPI do Cachoeira. Segundo Pansieri, a notícia representa a maior afronta tornada pública da história do Judiciário brasileiro. Ele conclamou o Ministério Público Federal a entrar imediatamente com uma ação contra Lula para evitar que fatos semelhantes voltem a ocorrer no mais importante tribunal do país. Na opinião do jurista, o STF deve agora pautar e concluir o julgamento do “mensalão”, demonstrando dessa forma a sua “independência e autonomia absoluta de relações espúrias com o poder ou ex-autoridades da República”.

    chest- temos que ajudar o pax e manter o blog atualizado uma vez que hoje não mais apareceu ninguem por aqui…CHORA PAX!

  367. Chesterton said

    OAB cobra explicações de Lula
    e repudia pressão ao Supremo

    PRESIDENTE DA OAB, OPHIR CAVALCANTE
    O presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, declarou há pouco à Coluna que repudia qualquer tipo de pressão, “por quem quer que seja”, ao Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo ele, atentar contra a independência dos ministros é um fato de “extrema gravidade, que tem de ser apurado”. “Em tese, [o fato] pode configurar crime. Se confirmado, tem de levar o caso ao Ministério Público”, explicou. “Ainda que o processo de nomeação de seus membros decorra de uma escolha pessoal do presidente da República, não cabe a este tratá-los como sendo de sua cota pessoal, exigindo proteção ou tratamento privilegiado, o que, além de desonroso, vergonhoso e inaceitável, retiraria dos ministros a independência e impessoalidade na análise dos fatos que lhe são submetidos”, disse. O ex-presidente Lula é acusado de pressionar ministros do STF a não julgar o processo do mensalão.

  368. iconoclastas said

    há certas drogas cuja reação adversa é “ausência”, não é?

    ;^?

  369. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    1- coloque as fontes dos copy and paste, por favor. É livre e liberado, mas com os devidos créditos.

    2- acho ótimo que abram inquérito sobre este assunto todo. Que Lula, Gilmar, Jobim, Veja e seu mentiroso, etc, se engalfinhem até não sobrar pedra sobre pedra.

    E essa CPMI também fica com menos chances de acabar em pizza, a não ser por uma covardia geral, que acaba em um acordão vergonhoso para todas as partes.

    Mais ainda, como sempre defendi, que este julgamento do mensalão aconteça de uma vez por todas.

    Como não vi nenhum movimento de Lula em processar ninguém, a real é que agora ele já está na obrigação de se defender.

  370. Chesterton said

    nunca vi uma retirada tão heróica por aqui….

  371. Chesterton said

    Como não vi nenhum movimento de Lula em processar ninguém, a real é que agora ele já está na obrigação de se defender.

    chest- você realmente acreditou nisso?

  372. Chesterton said

    Alem do nome, os links? Mas você aumentou a exigencia de ontem para hoje…

  373. Michelle - A Besta Desvairada said

    Eu duvido que lula tenha coragem de desmentir Gilmar Mendes.
    Aposto que vai se fazer de martir dazelite e se omitir.
    Alguém aqui encara?

  374. Chesterton said

    Acho que alguma coisa ele vai inventar…se calar, será um “nunca dantes…”

  375. Chesterton said

    E o Elias? Não vai defender o chefão?

  376. Pedro said

    Eu aposto, uma nota de tres reais, que dentro de dois ou tres dias
    Lula será internado para exames médicos ou coisa parecida.

    Quando perde a razão, apela pra emoção.

  377. Otto said

    Gilmar Mendes & Veja: a pauta do desespero

    A revista que arrendou uma quadrilha para produzir ‘flagrantes’ que dessem sustentação a materias prontas contra o governo, o PT, os movimentos sociais e agendas progressistas teve a credibilidade ferida de morte com as revelações do caso Cachoeira. VEJA sangra em praça pública. Mas na edição desta semana tenta um golpe derradeiro naquela que é a sua especialidade editorial: um grande escândalo capaz de ofuscar a própria deriva. À falta dos auxilares de Cachoeira, recorreu ao ex-presidente do STF, Gilmar Mendes, que assumiu a vaga dos integrantes encarcerados do bando para oferecer um ‘flagrante’ à corneta do conservadorismo brasileiro. Desta vez, o alvo foi o presidente Lula.

    A semanal transcreve diálogos narrados por Mendes de uma inexistente conversa entre ele e o ex-presidente da República, na cozinha do escritório do ex-ministro Nelson Jobim. Gilmar Mendes –sempre segundo a revista– acusa Lula de tê-lo chantageado com ofertas de ‘proteção’ na CPI do Cachoeira. Em troca, o amigo do peito de Demóstenes Torres, com quem já simulou uma escuta inexistente da PF (divulgada pelo indefectível Policarpo Jr, de VEJA, a farsa derrubou o diretor da ABI, Paulo Lacerda), deveria operar para postergar o julgamento do chamado ‘mensalão’.

    Neste sábado, Nelson Jobim, insuspeito de qualquer fidelidade à esquerda, desmentiu cabalmente a versão da revista e a do magistrado. Literalmente, em entrevista ao Estadão, Jobim disse: ‘O quê? De forma nenhuma, não se falou nada disso. O Lula fez uma visita para mim, o Gilmar estava lá. Não houve conversa sobre o mensalão; tomamos um café na minha sala. O tempo todo foi dentro da minha sala (não na cozinha); o Lula saiu antes; durante todo o tempo nós ficamos juntos”, reiterou.

    A desfaçatez perpetrada desta vez só tem uma explicação: bateu o desespero; possivelmente, investigações da CPI tenham chegado perto demais de promover uma devassa em circuitos e métodos que remetem às entranhas da atuação de Mendes e VEJA nos últimos anos. Foram para o tudo ou nada. No esforço para mudar o foco da agenda política e criar um fato consumado capaz de precipitar o julgamento do chamado ‘mensalão’, jogaram alto na fabricação de uma crise política e institucional. O desmentido de Jobim nivela-os à condição dos meliantes já encarcerados do esquema Cachoeira. A Justiça pode tardar. A sentença da opinião pública não.

    Postado por Saul Leblon às 08:55

    http://cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=6&post_id=992

  378. Pax said

    Retirada, Chesterton, velho e bom Chesterton?

    Você tem “esquecido” os nomes, coloca só iniciais, quando lembra e… Este blog, desde ago 2008 sempre teve a regra dos links.

    Não se faça de sonso.

    Ainda espero que Lula processe o mentiroso da Veja e a revista.

    Vamos aguardar. Já está nos telejornais e o escambau. Agora não dá pra correr deste ringue. Se correr… Fica ruim mesmo.

    E dê-lhe CPMI, julgamento do mensalão e tudo mais. Estão abertas as eleições municipais de 2012!!

  379. Jose Mario HRP said

    O observatório coloca pingos nos “IS”!
    http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/uma_historia_mal_contada_1

  380. Otto said

    É bom lembrar que Gilmar Mendes já foi pego na mentira. Na história do grampo sem áudio. Com quem ele alegou que conversava? Com o probo Demóstenes, o office-boy de bicheiro.

  381. Otto said

    Lula se pronunciou:

    Lula sobre a reportagem de Veja: “Indignação”

    publicado em 28 de maio de 2012 às 18:48
    Nota à Imprensa

    São Paulo, 28 de maio de 2012

    Sobre a reportagem da revista Veja publicada nesse final de semana, que apresenta uma versão atribuída ao ministro do STF, Gilmar Mendes, sobre um encontro com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 26 de abril, no escritório e na presença do ex-ministro Nelson Jobim, informamos o seguinte:

    1. No dia 26 de abril, o ex-presidente Lula visitou o ex-ministro Nelson Jobim em seu escritório, onde também se encontrava o ministro Gilmar Mendes. A reunião existiu, mas a versão da Veja sobre o teor da conversa é inverídica. “Meu sentimento é de indignação”, disse o ex-presidente, sobre a reportagem.

    2. Luiz Inácio Lula da Silva jamais interferiu ou tentou interferir nas decisões do Supremo ou da Procuradoria Geral da República em relação a ação penal do chamado Mensalão, ou a qualquer outro assunto da alçada do Judiciário ou do Ministério Público, nos oito anos em que foi presidente da República.

    3. “O procurador Antonio Fernando de Souza apresentou a denúncia do chamado Mensalão ao STF e depois disso foi reconduzido ao cargo. Eu indiquei oito ministros do Supremo e nenhum deles pode registrar qualquer pressão ou injunção minha em favor de quem quer que seja”, afirmou Lula.

    4. A autonomia e independência do Judiciário e do Ministério Público sempre foram rigorosamente respeitadas nos seus dois mandatos. O comportamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o mesmo, agora que não ocupa nenhum cargo público.

    Assessoria de Imprensa do Instituto Lula

    http://www.viomundo.com.br/politica/lula-meu-sentimento-e-indignacao.html

  382. Pax said

    Agora a coisa complicou mesmo.

    Na ZH o Jobim desmente, diz que nao houve conversa sobre CPMI e mensalão etc.

    Aqui:
    http://moglobo.globo.com/blogs/blog.asp?blg=noblat&cod_post=447575

    Mas acabo de ver na Globonews Gilmar afirmar que houve e quase ratificar por completo a notícia da Veja.

    E desmentiu o Jobim.

    Xi, Marquinhos …

  383. Otto said

    Só no Brasil um juíz da mais alta corte do país declara que foi “chantageado” por um ex-presidente da República em frente a uma testemunha, (que nega o fato), e em vez de dar voz de prisão foi dar uma “entrevista exclusiva” para a Veja.

    Detalhe: ele estava tão indignado que foi dar a entrevista 30 dias depois.

  384. Otto said

    Pax (382):

    das duas uma, ou Jobim está mentindo ou Gilmar está mentindo.

    E o Gilmar não era até ontem amiguíssimo do Demóstenes, aquele mentiu descaradamente até há pouco?

  385. Jose Mario HRP said

    Gilmar mentiu?……….
    É o Lobo, é o Lobo!…………………..
    Gilmar! Gilmar!…..

  386. Pedro said

    Dar voz de prisão para um ex-presidente??????
    Juiz nenhum vai dar voz de prisão pro Lula, FHC, Collor ou Sarney, isto é um delírio.

    Afinal eles só se encontraram por coincidencia, aí resolveram jogar um baralhinho, tomar umas e outras e falar sobre o campeonato brasileiro. Tudo muito republicano.

  387. Pax said

    Sinto dizer, mas parece que Lula fez titica.

    Ou então processa o Gilmar e a Veja.

  388. iconoclastas said

    “Política
    Em qual Jobim se deve acreditar?

    Blog do Moreno

    Volto aqui para tentar dar minha contribuição profissional à elucidação do caso Gilmar/Lula.

    Serei cronologicamente breve:

    No sábado à tarde, falo com Jobim, que me disse que estava em Itaipava. Ele me disse:

    — O encontro era de Lula comigo. O Gilmar apareceu por conicidência. Nós estamos fazendo um trabalho de resgate da memória da Constituinte e ele toda hora tá lá no escritório comigo. Foi uma grande coincidência! Três dias antes, a Clara Ant me ligou avisando que o Lula ia me ver. O Gilmar não sabia que iria encontrar o Lula.

    Hoje, Jobim está nos jornais e sites dizendo que Lula pediu a ele para chamar Gilmar. Que ele ligou pro Gilmar para chamá-lo para o encontro.

    Em qual Jobim devo acreditar?

    Naquele que me jurou no sábado que a presença de Gilmar no seu escritório foi mera coincidência?

    Ou no Jobim de hoje?

    Era só isso que eu tenho a dizer caro leitor.

    PS: Tem outra coisa importante. Jobim me disse:

    — Quem falou em mensalão fui eu. Eu que puxei o asunto, se não ele passaria batido. Eu perguntei para o Gilmar: ” Vem cá, quando essa coisa do mensalão vai ser votada?”. Foi só isso”.

    Gilmar me disse:

    —- Ele falou isso?! Não, não! Quando eu comecei a ficar intrigado, querendo sair onde o Lula iria chegar, foi o próprio Jobim que tentou interpretar o que o Lula queria dizer. Ele não só ouviu, como participou da conversa.

    Eu saí em socorro do Jobim, dizendo a Gilmar

    — Por questão de justiça, devo esclarecerer que quando o Jobim me disse ter negado tudo ao repórter do Estadão, ele próprio ponderou que não tinha ainda lido a Veja, que estava se baseando na informação do repórter. Certamente, qdo ler a revista, com o senhor confirmando tudo, ele não terá motivo mais para negar.

    Gilmar comentou aliviado:

    —- Ah, então ele está desmentindo sem ter lido a revista! Quando ler, certamente vai confirmar”.

    E é só.

    Parece que Lula, se já não o fez, fará um pronunciamenfo sobre o caso.”

    pois é, seu Jorge Moreno anda lendo o Políticaética, que, entre colagens, já havia cruzado as infos dele com outras…agora ele passa tudo a limpo.

    ;^/

  389. Jose Mario HRP said

    Abrão Lincon conheceu o espiritismo, por ele se empenhou para que a escravidão fosse posta a fim e deixou legado de homem bom e honesto.
    Ações pela bondade é o que conta.
    Gilmar?
    Que fizestes homem?

  390. iconoclastas said

    outra coisa: o Gilmar e o Jobim estão juntos em um projeto, sai publicada uma bomba dessas, e eles não trocam nem um SMSzinho?

    mas essa notinha do instituto podia ser mais muquirana!? quem será que instruiu redação tão vagabunda? cadê o MTB?

    ;^?

  391. iconoclastas said

    “Por Adriana Irion, do Zero Hora:
    O ministro do Supremo Tribunal federal (STF) Gilmar Mendes passou o dia tentando evitar falar da polêmica causada com a matéria da revista Veja na qual ele contou a pressão que sofreu do ex-presidente Lula para adiar o julgamento do mensalão.Fervoroso defensor do julgamento, Mendes não queria polemizar com o ex-ministro Nelson Jobim, que depois da divulgação da matéria negou que a conversa tivesse sido no sentido de interferir no julgamento a ser feito pelo STF. O encontro entre Mendes e Lula ocorreu no escritório de Jobim, em 26 de abril, em Brasília.Ao conceder entrevista a Zero Hora no começo da tarde, Mendes demonstrou preocupação com o atraso para o início do julgamento e disse que o Supremo está sofrendo pressão em um momento delicado, em que está fragilizado pela proximidade de aposentadoria de dois dos seus 11 membros. Confira o que disse o ministro em entrevista por telefone:

    Zero Hora — Quando o senhor foi ao encontro do ex-presidente Lula não imaginou que poderia sofrer pressão envolvendo o mensalão?
    Ministro Gilmar Mendes — Não. Tratava-se de uma conversa normal e inicialmente foi, de repassar assuntos. E eu me sentia devedor porque há algum tempo tentara visitá-lo e não conseguia. Em relação a minha jurisprudência em matéria criminal, pode fazer levantamento. Ninguém precisa me pedir para ser cuidadoso. Eu sou um dos mais rigorosos com essa matéria no Supremo. Eu não admito populismo judicial.

    ZH — Sua viagem a Berlim tem motivado uma série de boatos. O senhor encontrou o senador Demóstenes Torres lá?
    Mendes — Nos encontramos em Praga, eu tinha compromisso acadêmico em Granada, está no site do Tribunal. No fundo, isto é uma rede de intrigas, de fofoca e as pessoas ficam se alimentando disso. É esse modelo de estado policial. Dá-se para a polícia um poder enorme, ficam vazando coisas que escutam e não fazem o dever elementar de casa.

    ZH — O senhor acredita que os vazamentos são por parte da polícia, de quem investigou?
    Mendes — Ou de quem tem domínio disso. E aí espíritos menos nobres ficam se aproveitando disso. Estamos vivendo no Supremo um momento delicado, nós estamos atrasados nesse julgamento do mensalão, podia já ter começado.

    ZH — Esse atraso não passa para a população uma ideia de que as pressões sobre o Supremo estão funcionando?
    Mendes — Pois é, tudo isso é delicado. Está acontecendo porque o processo ainda não foi colocado em pauta. E acontecendo num momento delicado pelo qual o tribunal está passando. Três dos componentes do tribunal são pessoas recém-nomeadas. O presidente está com mandato para terminar em novembro. Dois ministros deixam o tribunal até o novembro. É momento de fragilidade da instituição.

    ZH — Quem pressiona o Supremo está se aproveitando dessa fragilidade?
    Mendes — Claro. E imaginou que pudesse misturar questões. Por outro lado não julgar isso agora significa passar para o ano que vem e trazer uma pressão enorme sobre os colegas que serão indicados. A questão é toda institucional. Como eu venho defendendo expressamente o julgamento o mais rápido possível é capaz que alguma mente tenha pensado: “vamos amedrontá-lo”. E é capaz que o próprio presidente esteja sob pressão dessas pessoas.

    ZH — O senhor não pensou em relatar o teor da conversa antes?
    Mendes — Fui contando a quem me procurava para contar alguma história. Eu só percebi que o fato era mais grave, porque além do episódio (do teor da conversa no encontro), depois, colegas de vocês (jornalistas), pessoas importantes em Brasília, vieram me falar que as notícias associavam meu nome a isso e que o próprio Lula estava fazendo isso.

    ZH — Jornalistas disseram ao senhor que o Lula estava associando seu nome ao esquema Cachoeira?
    Mendes — Isso. Alimentando isso.

    ZH æ E o que o senhor fez?
    Mendes — Quando me contaram isso eu contei a elas (jornalistas) a conversa que tinha tido com ele (Lula).

    ZH — Como foi essa conversa?
    Mendes — Foi uma conversa repassando assuntos variados. Ele manifestou preocupação com a história do mensalão e eu disse da dificuldade do Tribunal de não julgar o mensalão este ano, porque vão sair dois, vão ter vários problemas dessa índole. Mas ele (Lula) entrava várias vezes no assunto da CPI, falando do controle, como não me diz respeito, não estou preocupado com a CPI.

    ZH — Como ele demonstrou preocupação com o mensalão, o que falou?
    Mendes — Lula falou que não era adequado julgar este ano, que haveria politização. E eu disse a ele que não tinha como não julgar este ano.

    ZH — Ele disse que o José Dirceu está desesperado?
    Mendes — Acho que fez comentário desse tipo.

    ZH — Lula lhe ofereceu proteção na CPI?
    Mendes — Quando a gente estava para finalizar, ele voltou ao assunto da CPMI e disse “que qualquer coisa que acontecesse, qualquer coisa, você me avisa”, “qualquer coisa fala com a gente”. Eu percebi que havia um tipo de insinuação. Eu disse: “Vou lhe dizer uma coisa, se o senhor está pensando que tenho algo a temer, o senhor está enganado, eu não tenho nada, minha relação com o Demóstenes era meramente institucional, como era com você”. Aí ele levou um susto e disse: “e a viagem de Berlim.” Percebi que tinha outras intenções naquilo.

    ZH — O ex-ministro Nelson Jobim presenciou toda a conversa?
    Mendes — Tanto é que quando se falou da história de Berlim e eu disse que ele (Lula) estava desinformado porque era uma rotina eu ir a Berlim, pois tenho filha lá, que não tinha nada de irregular, e citei até que o embaixador nos tinha recebido e tudo, o Jobim tentou ajudar, disse assim: “Não, o que ele está querendo dizer é que o Protógenes está querendo envolvê-lo na CPI”. Eu disse: “O Protógenes está precisando é de proteção, ele está aparecendo como quem estivesse extorquindo o Cachoeira”. Então, o Jobim sabe de tudo.

    ZH — Jobim disse em entrevista a Zero Hora que Lula foi embora antes e o senhor ficou no escritório dele tratando de outros assuntos.
    Mendes — Não, saímos juntos.

    ZH — O senhor vê alternativa para tentar agilizar o julgamento do mensalão?
    Mendes — O tribunal tem que fazer todo o esforço. No núcleo dessa politização está essa questão, esse retardo. É esse o quadro que se desenha. E esse é um tipo de método de partido clandestino.

    ZH — Na conversa, Lula ele disse que falaria com outros ministros?
    Mendes — Citou outros contatos. O que me pareceu heterodoxo foi o tipo de ênfase que ele está dando na CPI e a pretensão de tentar me envolver nisso.

    ZH — O senhor acredita que possa existir gravação em que o senador Demóstenes e o Cachoeira conversam sobre o senhor, alguma coisa que esteja alimentando essa rede que tenta pressioná-lo?
    Mendes — Bom, eu não posso saber do que existe. Só posso dizer o que sei e o que faço.”

    ;^/

  392. Pax said

    Esse Jobim …

    E agora?

    O ZD está em campanha pela sua absolvição. Nota-se pelos blogs que têm relação mais íntima com o governo. Parecem antenas repetidoras de sinais de uma só fonte. Sempre com o mesmo bordão “não existiu mensalão, não há qq prova concreta contra ZD etc… ”

    Aí, ao que tudo indica, “convoca” Lula na sua cruzada. E o ex-presidente vai e se enrosca no imbróglio. Caramba.

    Ou isso tudo é uma tremenda invenção, hipótese que tem se distanciado, independente de lermos tudo com pé atrás, ou Lula se meteu em confusão para defender os réus do mensalão.

    E o Jobim fez o desfavor de tentar uma maquilagem geral. Que resulta em algo como abraço de afogado.

  393. Pax said

    Amanhã tem grandes e importantes eventos:

    – Demóstenes, o antigo porta voz da ética e da moral da oposição, depõe na Comissão de Ética do Senado.

    – A CPMI vota as convocações dos governadores e a quebra dos sigilos da Delta no âmbito nacional.

    Vejamos como se comportam os políticos. Prometo especial atenção ao Vaccarezza que o PT insiste em manter nos holofotes, depois da lambança que fez em sua soberba estúpida.

  394. Chesterton said

    Essa será a desculpa de Lula, a realidade ´que Lula está sendo “pressionado” por Dirceu. Sabe como é máfia: “se eu me ferrar levo todo mundo comigo. Aí Lula disse: ” alguem peidei, não sei que fui”.

  395. Chesterton said

    Deputado petista ameaça jornalista e população em geral pelo twitter. Estão ficando loucos.
    O deputado estadual pelo PT, que se intitula Líder do Bloco Minas sem Censura, postou o seguinte twitter:

    Cabe aí uma representação por fata de decoro, no mínimo. Além disso, o deputado acha que ninguém pode “botar a mão” no Lula, o que reforça a certeza de que as suas milícias parlamentares e virtuais acham que o ex-presidente é inimputável. Uma verdadeiro atentado ao estado democrático de direito.Aqui não é a Venezuela, deputado. Se Lula cometer qualquer crime vai pra cadeia sim e o senhor vai junto, se continuar incitando a violência e desrespeitando a lei.

  396. Otto said

    Pax, bom e velho Pax:

    1- Não é estranho essa conversa ter sido em 26 de abril e só agora repercutir na mídia?

    2- Se for verdade, por que Lula iria propor isso ao Gilmar Mendes, que é seu desafeto desde a época dos famosos grampos fantasmas e sendo que o Gilmar Mendes não tem autonomia sobre o julgamento do suposto “mensalão”?

    3- Se realmente houve essa conversa, o Gilmar Mendes admite que está envolvido no escândalo Cachoeira?

    4- Então é verdade que ele iria quebrar o galho da Celg de Goias em 2 ou 3 bi segundo conversa da quadrilha de Cachoeira?

    5- Também é verdade que ele se encontrou com Cachoeira e Demóstenes em Berlim?

    6- Bom, prá quem tinha como investigador o mesmo araponga do Cachoeira acho que o Min. Gilmar Mendes tem muito a esclarecer na CPMI do Cachoeira-Veja-Demóstenes.

    Ou não?

  397. Chesterton said

    Por demente, Gilmar deve ser internado. Ou então ele diz a verdade
    Ao jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, ontem, a propósito do encontro de Lula com o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim fez duas afirmações que não se harmonizam.

    A primeira: “Não houve essa conversa”, referindo-se ao que Lula e Gilmar teriam dito conforme publicou a VEJA. Conforme contou Gilmar.

    O repórter do jornal provocou: “Então o ministro Gilmar mentiu”…

    Jobim respondeu: “Não digo isso”.

    Ora, ora, ora…

    Ao negar a conversa contada à VEJA e a altas figuras da República por Gilmar, Jobim só pode estar dizendo para qualquer pessoa medianamente inteligente:

    – Gilmar mentiu.

    E por que Gilmar mentiria?

    Se a conversa nada teve a ver com o adiamento do julgamento do mensalão, com a viagem dos casais Gilmar e Demóstenes à Berlim, com a pressão que Lula pretende exercer sobre ministros do STF para que absolvam os mensaleiros, enfim, com nada do que saiu na VEJA, por que Gilmar inventaria uma narrativa dessas tão absurda? Tão sem pé nem cabeça? Sem amparo algum em fatos?

    Gilmar enlouqueceu? Quis arranjar uma confusão com o presidente mais popular da história do país? Quis ser desmentido pelo anfitrião do encontro – seu amigo, por sinal?

    E Gilmar arranjou a confusão e foi desmentido pelo amigo depois de um encontro que, segundo Jobim, foi “cordial” e também “formal”?

    Não faz o menor sentido que Gilmar tenha inventado tudo isso. Seria o caso de internação por demência.

    E por que Lula não grava uma pequena entrevista para dizer mais ou menos assim:

    – O ministro Gilmar Mendes mentiu.

    Pegaria mal para um ex-presidente da estatura dele descer do trono para chamar um ministro do Supremo de mentiroso? Poderia ser mais bem educado:

    – O ministro Gilmar Mendes faltou com a verdade.

    Nem isso Lula parece disposto a dizer…

    Andaram filmando o ex-ministro José Dirceu no apartamento de hotel em Brasília onde despachava com meia Repúbica.

    Quem garante que o encontro Lula-Gilmar-Jobim não possa ter deixado vestígios? http://oglobo.globo.com/pais/noblat/

  398. Chesterton said

    Otto

    1. é, deveria prender Lula.

    2.não são desafetos, se frequentam, inclusive as esposas

    3. hein? da onde você concluiu esse delírio?

    4.tá bom

    5. só Demóstenes.

    6. não

  399. Chesterton said

    O doutor facilita a minha ai que eu facilito a tua aqui…
    Obstrução da justiça é crime…. corrupção ativa é crime….tráfico de influência é crime… coação no curso de processo judicial é crime… chantagem é crime…
    POSTADO PORADOLFO

    http://bdadolfo.blogspot.com.br/2012/05/o-douto-facilita-minha-ai-que-eu.html

  400. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax
    e por falar em mentirosos e canalhas

    Não pedi para trazerem para cá o post que o canalha afirma que seu blog é democrático que aceita todos comentários.

    Trouxeram e mostrei o tamanho do canalha que o cidadão é. Simples. Sem dramas. Preto no branco.

    Que vergonha! Tio Pax

    Preto no branco você não mostrou nada e mente descaradamente.
    vide comentário #206 e posteriores …
    .

    Chegou a hora de provar sua acusação covarde!

  401. Otto said

    Do 247:

    “Uma advogada militante em Brasília, ouvida por 247, que atua há 11 anos em torno do STF e, por isso, preferiu pedir anonimato, enumerou as opções acima. Ao mesmo tempo, deu sua opinião fazendo uma pergunta. “Por que o ministro Gilmar Mendes ficou quieto até aqui? Ele é o ministro da maior corte do país e sabe exatamente o que tem que fazer. É no mínimo estranho surgir essa situação pela mídia. Parece manobra política”

    Correu cerca de um mês desde o encontro, mas o silêncio do ministro Mendes sobre o caso só foi quebrado, pelas páginas de Veja, na véspera de uma importante reunião da CPI do Cachoeira. Às alternativas constitucionais, certamente bem mais adequadas à expressão e importância de seu cargo, o ministro Mendes preferiu, como se diz em gíria, ligar o ventilador e falar a um veiculo famoso pela editorialização de seu noticiário.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/61767/A-crise-institucional-aberta-por-Gilmar-Mendes.htm

  402. iconoclastas said

    http://g1.globo.com/politica/noticia/2012/05/gilmar-mendes-confirma-que-conversou-com-lula-sobre-mensalao.html

    merece ser visto, sereno o ministro.

    ;^/

  403. Otto said

    Cachoeira arrumou jatinho para Demóstenes e “Gilmar”

    “Escutas telefônicas interceptadas pela Polícia Federal (PF), com autorização da Justiça, durante a Operação Monte Carlo, questionam se o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, “pegou carona” em um jatinho fornecido pela quadrilha de Carlinhos Cachoeira, no dia 25 de abril de 2011, quando teria retornado da Alemanha ao Brasil, na companhia do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO).

    Uma ligação interceptada pela PF no dia 18/4/2011, às 18:08 horas, mostra Carlinhos Cachoeira informando ao ex-funcionário da Delta e ex-vereador pelo PSDB, Wladimir Garcez, também preso durante a Operação Monte Carlo, que Demóstenes estava em Berlim.

    Em nova ligação, no dia 23/4/2011, às 19:31 horas, Wladimir pede autorização à Cachoeira para buscar o “Professor” (um dos codinomes de Demóstenes, segundo a PF), em São Paulo, no jatinho do Ataíde (o suplente de senador Ataídes de Oliveira, PSDB-TO) . Diz que está ele e Gilmar. Na degravação, a PF questiona entre parênteses (“?Mendes?”).

    Mais tarde, às 20:24 horas, Wladimir liga novamente para Cachoeira dizendo que não conseguiu falar com Ataíde e que mandaria o avião de Rossini. Cachoeira pegunta qual é o avião de Rossini e Wladimir responde: um jatinho King Air.

    Cachoeira: um pequeno, né?

    Wladimir: é… aí eu peguei falei com ele. Ele falou não, não preocupa que eu organizo. Porque tá vindo ele e o GILMAR, né? Porque não vai achar vôo, sabe?

    Cachoeira se despede falando que ligaria para Demóstenes em Berlim.

    Às 20:38 horas, Cachoeira liga novamente para Wladimir. Tratam de outros assuntos. Depois, voltam a discutir a “carona”. Wladimir diz que Demóstenes chegará às seis da manhã do dia 25/4 e que deixará tudo organizado para o piloto ir buscá-lo.

    No dia 25/4, às 12:10 horas, Wladimir diz à Cachoeira que o senador já chegou.

    Gilmar Mendes foi à Europa participar de um congresso internacional em homenagem ao jurista italiano Antônio D’Atena, promovido pelo Fundação Peter Häberle e pela Universidade de Granada, da Espanha. O congresso foi aberto no dia 13/4/2011, mas a participação de Mendes se deu na manhã do dia seguinte, com a palestra “A integração na América Latina, a partir do exemplo do Mercosul”.

    Não há registro públicos do que Mendes teria feito no restante do tempo em que permaneceu fora do Brasil. À revista Veja, ele teria dito que se encontrou com Demóstenes em Berlim, na Alemanha. Ainda segundo a Veja, o ministro teria uma filha residente em Berlim e, por isso, frequentaria a cidade com regularidade.

    Não há registros públicos de quais atividades Demóstenes teria ido desenvolver na Europa, mas levantamento feito por Carta Maior demonstra que ele não participou das votações realizadas no plenário do Senado entre 13 e 25/4/2011.”

    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20232

  404. Duque said

    “Não há registro públicos do que Mendes teria feito no restante do tempo em que permaneceu fora do Brasil.”

    Há sim!

    Pegamos Gilmar Mendes em Berlim.

    “Eu vou a Berlim como você vai a São Bernardo do Campo…” – Gilmar Mendes para Lula.

    Entre os dias 13 a 18/11/2008, o Presidente do STF realizou visita às cidades de Heidelberg, Berlim e Münster, na Alemanha. Na sexta-feira (14), em Heidelberg, o Presidente Gilmar Mendes participou da Reunião anual da Associação Luso-alemã de Juristas e falou sobre o tema: “Indivíduo e Sistema Legal”, na Faculdade de Direito da Universidade de Heidelberg. À tarde, participou da condecoração do professor Erik Jayme com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, comenda atribuída pelo Brasil a personalidades estrangeiras, em Kaminzimmer der Bel Etage, na Alten Universität.

    No sábado (15), ainda em Heidelberg, o ministro Gilmar Mendes participou da Reunião anual da Associação Luso-alemã de Juristas. Na segunda-feira (17), em Berlim, proferiu a palestra “Desenvolvimento da Jurisdição Constitucional no Brasil, no curso “Estudo de Direito em Língua Estrangeira – Direito Brasileiro” na Universidade de Humboldt. Por fim, na terça-feira (18), em Münster, proferiu, na Faculdade de Direito – Universidade Wilhelms, a palestra “Jurisdição constitucional no Brasil e seu significado para liberdade e igualdade”, na abertura do Fórum Jurídico “Igualdade e Liberdade no Direito”.

    (Fonte: STF)

    O Excelentíssimo Sr. Doutor Gilmar Mendes, em 1989, concluiu o seu mestrado na Alemanha, na Universidade de Münster, sob a orientação do Professor Hans-Uwe Erichsen. Em 1990 concluiu doutorado nessa mesma universidade, ainda sob a orientação do professor Hans-Uwe Erichsen.

  405. Otto said

    Se o Gilmar Mendes foi chantageado por Lula ele prevaricou por não tê-lo denunciado em seguida.

  406. Pedro said

    Sr. Otto, não seja ingênuo ou se faça de:

    A conversa que eles tiveram não foi do tipo “soco na mesa”.

    A conversa que eles tiveram foi do tipo “tapinha nas costas e sutilezas”.

  407. Michelle - A Besta Desvairada said

    Meu caro Bonehead (Otto)

    Se o Gilmar Mendes foi chantageado por Lula ele prevaricou por não tê-lo denunciado em seguida.

    petralhotário fala bobagem, admite a chantagem e ainda acha q tem razão…

  408. Pax said

    Cara Michelle,

    O titio faltou com a verdade. Você fez este desfavor ao “faltador com a verdade”. Trouxe a inverdade para cá e eu somente li e depreendi.

    Como quem falta com a verdade mente e quem mente é mentiroso, o que eu posso fazer?

    Diga-me, ou melhor, mostre-me comentários de gente que apóia Lula, Dilma etc em seu blog para comprovar que ele, o faltador de verdade, merece tua idolatria e defesa descompassada.

    Mas mostre-me que ele aceita mesmo, nao abobrinhas.

    Dessa feita, desafortunadamente, deste um abraço de afogada com o faltador de verdade.

    Veja, não é nenhum crime grave que ele cometeu. Não mesmo. Pode até continuar se dizendo o maior dos democratas e defensor da livre opinião e expressão. Claro que pode.

    Mas eu tenho o direito de dizer que ele faltou com a verdade e quem falta com a verdade é …

    A não ser que você tenha trazido um copy and paste falso. Foi o caso ou era do mentiroso mesmo?

    Agora até fiquei em dúvida.

    =)

  409. Otto said

    Pedro:

    a própria reportagem da Veja diz que Gilmar ficou perplexo. Em vez de fazer uma denúncia pública, como pede o seu cargo, ele foi fazer fofoca com a Veja. Justamente agora que o nome de um certo “Gilmar”, amigo do probo Demóstenes, aparece nas gravações da Operação Monte Carlo. Estranho, isso.

  410. Otto said

    Vamos observar o problema por outro angulo: se eu pretendesse comprar um juiz do Supremo para ganhar uma causa, obviamente eu procuraria o Gilmar Mendes. Ou alguém conhece outro mais barato? Que o diga o Dantas.

  411. Chesterton said

    Oax, cuidado com o surto (mentiroso, mentiroso, mentiroso…)

  412. iconoclastas said

    acho que o Pax vai estrilar, mas vale a provocação (não ao Pax, mas a quem quer pensar na cama).

    do RA:

    “É quase acintoso que seja a “pessoa jurídica” a fazer o desmentido. De resto, Lula não pode se esquecer de que é um falastrão, de que fala demais, de que pode ele mesmo, na certeza de que tudo sairia muito barato, ter comentado o assunto com terceiros, com pessoas que não estavam naquela sala.

    Puxe pela memória, Luiz Inácio! Puxe pela memória!

    hummm…

    ;^/

  413. Otto said

    Outra pergunta que não quer calar: teria Gilmar Mendes sido agraciado com uma cota para membro do clube Cachoeira/Nextel?

  414. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax
    e por falar em mentirosos e canalhas

    Não pedi para trazerem para cá o post que o canalha afirma que seu blog é democrático que aceita todos comentários.

    Trouxeram e mostrei o tamanho do canalha que o cidadão é. Simples. Sem dramas. Preto no branco.

    Que vergonha! Tio Pax

    Preto no branco você não mostrou nada e mente descaradamente.
    vide comentário #206 e posteriores …
    .

    Chegou a hora de provar sua acusação covarde!

    Eis o que RA falou:

    Agradeço a colaboração do delegado — que, de fato, sempre me pareceu empenhado em fazer corretamente o seu trabalho — e fico satisfeito por tê-lo entre os leitores. Segue a íntegra de seu comentário.

    Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. É parte deste trabalho.

    Comentário #209
    Cara Michelle,

    O titio agora resolveu passar da histeria para a mentira deslavada:

    “Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. É parte deste trabalho.”

    Tenha a santa paciência. Qualquer um que nutra qualquer simpatia pelo governo é perseguido e censurado no blog histérico.

    Pouco tempo atrás se alguém falasse mal de Demóstenes Torres nem pensar em ter seu comentário publicado.

    É o que dá tentar ser “meio grávido” ou “meio democrático”. Acaba-se pagando o preço de ser pego num mentira deslavada como essa que ressaltei acima. Vou repetir: mentira grotesca.

    Da mesma forma que não mantenho respeito nem dou credibilidade para “meio democratas” por motivos muito fortes – vivi a ditadura – não consigo entender como o governo sustenta um jornalista como o PHA. Uma vergonha. Para se defender o governo se abaixa ao mesmo nível, ou pior. E quer que eu não me assuste em passar a mídia por regulamentações ou controles com atitudes como essa? O governo peca feio e o pecador maior parece bem conhecido.

    Aprendi com um bom jornalista que tem que ter casca grossa para sustentar um blog realmente democrata. Apanha-se de todo lado.

    Confesso que há dias difíceis, que dá vontade de parar, ou perder as estribeiras.

    Mas a educação é uma arma forte pacas. Ao se respeitar todas as opiniões, ao se respeitar as pessoas, acaba-se recebendo de volta o que se dá.
    .
    Aqui mesmo, neste post, ataco com ferocidade o comportamento de um deputado do PT que fez o desfavor ao seu partido de trazer à público uma suposta armação para proteger Sérgio Cabral.

    O que recebo dos colegas petistas ou simpatizantes? Respeito.

    Enfim, voltando ao ponto, desta vez RA exagerou no pecado da mentira. Nem vou me ater ao ponto do post que ele fez.

    O mensalão do PT nunca foi desmentido por este blog. Nem, muito menos, questionei as investigações que sustentam este processo bá iminência de ser julgado no STF. Neste blog só não há mais informações sobre o tema porque foi iniciado em agosto de 2008.
    Michelle – A Besta Desvairada disse

    Comentário #210

    Tio Pax

    Aprendi com um bom jornalista que tem que ter casca grossa para sustentar um blog realmente democrata. Apanha-se de todo lado.

    Quem é o tal bom jornalista? Policarpo Jr.?

    Acho que o Sr não entende o significado da palavra Democracia e portanto precisa qualificá-la em “realmente” em contraposição a um pretenso “falsamente”. Pare e pense, Tio Pax.
    O Sr esteve lá e comentou alguma coisa e foi censurado?
    traga aqui o seu depoimento e diga porque houve a tal arbitrariedade?
    Estou ansiosa para ouvir.
    E neste meio tempo pare e comece a pensar por si mesmo.
    É minha sugestão respeitosa que pare com essas bobagens de histeria, a menos que tenha um útero fragilizado…o que quero crer não seja seu caso. Eu duvido que tenha acontecido. Seu útero não está fragilizado.
    Estou certa?
    Parece coisa de comadre que conta pra comadre na missa de domingo.

    Não o vejo Sr. Pax, atacando ninguem ..ao contrário.
    Está mais para escada, na minha opinião.
    O título do post é já uma declaração de lado: Vacarezza o pecador capital contra os pecadores veniais do PT, inclusive o jovem quadro Odair, o inexperiente deputadinho mineiro.
    O Sr Pax, na minha opinião, está mais para “petista herbívoro” do tipo Veta tudo Dilma! Todo apoio ao WWF ou Greenpeace. Viva Marina, a deusa serelepe da floresta seringueira.
    (Mas que aqui, se cala a respeito…como se nada estivesse acontecendo, nestes dias, de discussão do Novo Código Florestal…e fazendo embaixadinhas com comentaristas afins,sobre uma CPI viciada).

    E no entanto, e principalmente, graças às dificuldades com a Anatel ( agencia administrada pelo governo) passa a reclamar como se isso, não fosse culpa de um governo que o Sr. simpatiza a ponto de dizer que Lula foi o maior presidente que o Brasil já teve.
    Depoi de 9 anos…e a Anatel ( agencia governamental montada pelo governo) não regula porra nenhuma.
    Ninguem é responsável….”Dilma está virando um animal político”.
    Enquanto isso vamos poupá-la.
    Bah tche..tu mais pareces um bagual!

    Comentário #210
    Cara Michelle,

    Não estou sob investigação, nem CPMI. E tenho o direito constitucional de ficar calado, parodiando este circo de tchutchucas e tigrões em que o papel de palhaço cabe ao povo, bravo povo brasileiro.

    Porque essa Inquisição toda? Só porque peguei o titio mentindo deslavadamente?

    Basta google para ver as censuras que ele mesmo anuncia em seu blog histérico.

    Tio Pax
    Você estava mentindo deslavadamente e quando questionei a sua acusação vc me remeteu ao google. Hearsay!
    Calou-se.
    Ouvido prenhe…little white horse (petit cheval blanc,FYI)
    Bah tche..tu mais pareces um bagual!
    Menas mentiroso menas!

  415. Chesterton said

    e o Elias?

  416. Otto said

    Oi, Pax,

    acho que esse post de Rodrigo Vianna explica muita coisa:

    GILMAR MENDES: FOI POR MEDO DE AVIÃO…

    “Suarento e gaguejante, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes apareceu na tela da Globo na noite de segunda-feira. Confirmou o encontro com Lula e reafirmou que “houve a conversa sobre o Mensalão”.

    Ok. Mas em que termos? E o que isso teria a ver com a CPMI do Cachoeira/Veja? Gilmar respondeu no melhor estilo rocambole, o estilo de quem está todo enrolado: “Depreendi dessa conversa que ele [Lula] estava inferindo que eu tinha algo a dever nessa conversa da CPMI”.

    “Depreendi”, “inferindo”. Hum…

    De forma rocambolesca, Gilmar Mendes piscou. Pouco antes, Lula publicara nota em que manifesta “indignação” com o teor da reportagem…

    PSDB/DEM/PPS e a velha mídia, numa estranha parceria com o PSOL, tentam transformar o encontro Lula/Mendes em notícia, para impedir que venham à tona fatos gravíssimos já de conhecimento de alguns integrantes da CPI Cachoeira/Veja.

    Qualquer ser pensante pode concluir por conta própria: se Gilmar sentiu-se “chantageado” ou “pressionado” por um ex-presidente, por que levou um mês (a reunião entre ele e Lula teria ocorrido em 26 de abril) para revelar esse fato ao Brasil? E por que o fez pela “Veja”, em vez de informar seus pares no STF, como seria sua obrigação?

    A explicação pode estar aqui, nos grampos que o tuiteiro Stanley Burburinho fez circular pela rede. Nesses grampos, depreende-se que um tal “Gilmar” (e o próprio agente da PF conclui que o citado parece ser ”Gilmar Mendes”) teria viajado num jatinho emprestado pelo bicheiro Cachoeira. Na companhia (ou compania?) de Demóstenes, o mosqueteiro da ética.

    Parafraseando outro ministro do STF, Celso de Melo: “se” a viagem de Gilmar Mendes no jatinho do bicheiro se confirmar, estaríamos diante de um caso que não teria outra consequência possível, se não a renúncia ou o impeachment. Repito: “se” a viagem se confirmar. É preciso apurar. Os indícios são gravíssimos.

    A entrevista para “Veja”, seguida do suarento balbuciar no JN da Globo, parece indicar desespero. Uma espécie de defesa antecipada. Fontes na CPI informam que haveria mais material comprometedor contra certo ministro do STF, nas escutas a envolver Cachoeira.

    A entrevista à “Veja”, portanto, teria como explicação aquela velha canção: “foi por medo de avião… que eu peguei pela primeira vez na sua mão”.

    Mais que um aperto de mãos, Gilmar Mendes e Veja podem ter dado um abraço de afogados. A Cachoeira é funda e não se sabe quem conseguirá nadar até a margem…”

    http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/gilmar-mendes-foi-por-medo-de-aviao.html#more-13847

  417. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax
    Tenha a santa paciência. Qualquer um que nutra qualquer simpatia pelo governo é perseguido e censurado no blog histérico.

    Prove ou se cale!

  418. Pax said

    … Do blog do maior democrata do mundo, o jornalista brasileiro que estimula a livre opinião e promove a expressão de todos … Ficou bom assim, Michelle?

    “No dia 24 de junho, meu blog completará seis anos. Começou pequenino, depois do fechamento da revista Primeira Leitura. Hoje é o que é. E olhem que nem publico figurinha… Fez-se na contramão do que seriam as características da Internet: tem de ser texto curto, só com orações coordenadas, sem complicômetros. Eu mesmo reconheço que tenho um lado meio barroco, hehe. E escrevo artigos quilométricos. O blog deve receber perto de 130 mil visitas hoje. O post que publiquei nesta madrugada sobre liberdade de imprensa tem 16.697 toques!!! Mesmo assim, espalhou-se de modo impressionante, especialmente no Facebook. Há muita gente na rede que aprecia, como direi?, textos alfabetizados… Sempre gostei de escrever textos longos. A Internet me deu essa licença. E descobri milhares de pessoas que gostam deles.

    Eu não dou bola para torcidas organizadas, entenderam, bobalhões? Nem para as falsas “doxas”. Faço o que acho que tem de ser feito. E ponto! Quem gosta e quer ficar aqui, muito bem! Quem não gosta sabe que os milhões de outros blogs são a serventia da casa. Todos deveriam fazer como eu: não ler gente que detesta, ué. Eu não entendo essa paixão dos petralhas por mim… Gostam de levar chute no traseiro, é isso?

    É bem verdade que parte do enxame é apenas virtual, gente que não existe, invenção de quadrilheiros para tentar “trollar” desafetos, achincalhar os críticos, fazer presença na rede. Desde o primeiro dia, avisei que lido com indivíduos, não com legiões. Mas há, sim, alguns coitados que caem na conversa e vêm aqui “exigir” (é de gargalhar) a publicação da sua opinião “em nome da democracia”. E o que é a sua “opinião”? Nada mais do que uma calúnia, uma mentira ou uma bobagem colada de um desses blogs que integram o JEG e a BESTA. Copiam até os erros de ortografia.

    Não, não vão entrar! Os seis anos de experiência também me deram certa destreza para identificar idiotas e seus truques. Escapam um ou outro de vez em quando? Sim, mas os próprios leitores me ajudam na higienização do espaço. Vou lá e pimba!: meto Reinaldox na cascuda. Se o oficialismo e as estatais alimentam hoje uma rede de blogs destinada a atacar a oposição, setores do Judiciário e a própria imprensa, aqui essa canalha não estenderá as suas franjas. A razão é simples: isso é uma agressão à democracia!

    “E a diversidade de opiniões?”, perguntam alguns energúmenos, achando que caio no truque. Ora, o regime democrático permite que se façam blogs à vontade, afirmando as maiores barbaridades. Por que precisam do meu? De resto, é mentira que só publico comentários que concordem com a minha opinião, como sabem meus leitores. O caso é outro: excluo delinquências. O que não é próprio da democracia é jogar recursos públicos em páginas que servem a um partido político. Fosse apenas grana privada a alimentar a súcia, muito bem! Mas é dinheiro dos pobres que está sendo empregado para o proselitismo em favor de um partido. Não raro, em favor de quadrilheiros.

    Esqueçam! Aqui, vocês param no mata-burro!

    Por Reinaldo Azevedo
    Tags: petralhas
    Share on Tumblr
    130 COMENTÁRIOS

  419. Pax said

    Caro Otto,

    Mesmo supondo verdadeiras quaisquer destas acusações sobre o Gilmar (que nao estou tecendo qq juízo) você acha normal a conversa que estão atribuindo ao Lula?

    Me permito discordar.

    Não deveria se encontrar com qualquer ministro do STF e falar do julgamento do mensalão, em hipótese alguma.

    Se fez isso, em minha opinião, errou e errou feio. Aqui, sim, opino, dada a hipótese que falou do mensalão, CPMI etc.

    Mesmo que qualquer ministro tenha cometido qq atrocidade, este nao seria o caminho.

    Nem sei qual seria este caminho correto, mas este, com certeza, nao é.

  420. Otto said

    Pax:

    até agora é a palavra de Lula e de Jobim contra Gilmar.

    Bom, vejamos o desenrolar do imbróglio.

    Abraços a vá dormir, velho. Releve esta trouxa que está te atazanando. Haja paciência!

  421. Chesterton said

    Pax, você pretende que o Reinaldo não defenda seu blog de ataques? que deixe os petistas dizerem o que quiserem/ mas voc~e ficou doido?

  422. Edu said

    Elias,

    Vc tá insatisfeito com minha resposta?! Que pena!

    Eu não falei que a Dilma está mais preocupada em reduzir a dívida que em impulsionar a economia, aliás, como eu sempre venho dizendo: isso (estimular a economia) não é mais do que a obrigação dela, tarefa que ela, mesmo tendo nas mãos o PAC, desempenhou mal e porcamente em 2011 (vai dizer que agora a culpa é dos estados e dos municípios?), de resto ela só dá bola fora, como por exemplo tentar FRUSTRAR uma ESPECULAÇÃO (observe que agora vc volta a usar o termo como uma justificativa para a atitude dela, e, mesmo tendo combinado comigo que ESPECULAÇÃO é uma coisa normal e incontrolável, vc vê utilidade na decisão tomada).

    Agora, por que não pode ser reduzir a dívida? A redução do IPI não reduz dívida, a redução dos depósitos compulsórios não reduz dívida… e daí? Ué… de um lado ela está adotando medidas que aumentam a dívida e de outro está tomando medidas que diminuem a dívida, ela está tomando atitudes, na minha visão, normais, econômicas, e não políticas, olha só, afinal, o que tem de mais em tentar usar dos mecanismos que ela dispõe pra equilibrar as contas? É só isso, nada mais, nada menos. Mas tudo bem, Elias, vc estava certo.. e agora? Tá satisfeito? E DAÍ?

    O uso da taxa de juros menos do que o previsto pra “frustrar especulação” continua sendo, na minha modesta opinião, mal uso do mecanismo…

    É que essa necessidade de endeusar qualquer decisão da Dilma, por mais normal que seja, em uma teoria da conspiração que só mentes aguçadas como as de alguns jornalistas e petistas conseguem enxergar. Depois vem um pibinho e a culpa deve ser com certeza dos Estados e dos Municípios….

  423. Jose Mario HRP said

    Teste.

  424. Michelle - A Besta Desvairada said

    Saiba por que Gilmar Mendes resolveu revelar o assédio de Lula a Veja

    http://www.pannunzio.com.br/archives/11845

    A repórter pergunta a Gilmar Mendes: “Jornalistas disseram ao senhor que o Lula estava associando seu nome ao esquema Cachoeira?”. Ao que o ministro responde: “Isso. Alimentando isso”.

    Alimentando isso.

    Não era o que o ministro queria dizer. Se tivesse sido questionado, teria contado que foi procurado por duas importantes jornalistas dias atrás para saber da mesma história. Espantou-se com o vazamento. Apesar de constrangido, ele havia decidido falar sobre o assunto apenas com alguns de seus pares, pessoas discretas que jamais revelariam a conversa constrangedora. E mantê-la longe dos jornais.

    Essas jornalistas são profissionais respeitabilíssimas. Ocupam posições importantes em uma empresa não menos. A história chegou a elas por intermédio de uma fonte crível que preza da amizade de ambos, Gilmar e Lula.

    Sabe como a fonte ficou sabendo do diálogo ?

    Porque Lula contou.

    Isso mesmo. Foi Lula em pessoa quem cometeu a indiscrição de falar sobre a conversa com Gilmar Mendes, descendo ao nível dos detalhes que agora estão expostos por iniciativa do ex-presidente do STF.

    Esta é a razão oculta por trás da “inconfidência” do ministro Gilmar Mendes. E também a justificativa para a incapacidade do ex-presidente da República de fazer um desmentido cabal, como o assunto exigiria caso o magistrado pudesse ser desmentido.

    Não pode. Há testemunhas muito bem identificadas no caminho da informação que transitou entre o escritório de Jobim e as páginas de Veja.

    Se alguém falou demais, não foi Gilmar Mendes. Foi Lula. Simples assim.

    Quem fala demais dá bom-dia a cavalo. Deu no que deu.

  425. Jose Mario HRP said

    Do site Correio do Brasil:

    Agrava-se o ambiente de suspeição quanto às ligações do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes e seu ex-amigo Demóstenes Torres, senador de Goiás, ex-líder do DEM hoje no centro da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos da quadrilha de Carlos Augusto Ramos, o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Escutas telefônicas interceptadas pela Polícia Federal (PF), com autorização da Justiça, durante a Operação Monte Carlo, reveladas nesta segunda-feira, questionam se o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, “pegou carona” em um jatinho fornecido por Cachoeira, no dia 25 de abril de 2011, quando teria retornado da Alemanha ao Brasil, na companhia do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO).
    Uma ligação interceptada pela PF no dia 18/4/2011, às 18:08 horas, mostra Carlinhos Cachoeira informando ao ex-funcionário da Delta e ex-vereador pelo PSDB, Wladimir Garcez, também preso durante a Operação Monte Carlo, que Demóstenes estava em Berlim. Em nova ligação, no dia 23/4/2011, às 19:31 horas, Wladimir pede autorização à Cachoeira para buscar o “Professor” (um dos codinomes de Demóstenes, segundo a PF), em São Paulo, no jatinho de alguém chamado Ataíde. Diz que está ele e Gilmar. Na degravação, a PF questiona entre parênteses (“?Mendes?”).
    Mais tarde, às 20:24 horas, Wladimir liga novamente para Cachoeira dizendo que não conseguiu falar com Ataíde e que mandaria o avião de Rossini. Cachoeira pegunta qual é o avião de Rossini e Wladimir responde: um jatinho King Air.
    Cachoeira: ‘um pequeno, né?’
    Wladimir: é… aí eu peguei falei com ele. Ele falou não, não preocupa que eu organizo. Porque tá vindo ele e o GILMAR, né? Porque não vai achar vôo, sabe?
    Cachoeira se despede falando que ligaria para Demóstenes em Berlim.
    Às 20:38 horas, Cachoeira liga novamente para Wladimir. Tratam de outros assuntos. Depois, voltam a discutir a “carona”. Wladimir diz que Demóstenes chegará às seis da manhã do dia 25/4 e que deixará tudo organizado para o piloto ir buscá-lo.
    No dia 25/4, às 12:10 horas, Wladimir diz à Cachoeira que o senador já chegou.
    Gilmar Mendes foi à Europa participar de um congresso internacional em homenagem ao jurista italiano Antônio D’Atena, promovido pelo Fundação Peter Häberle e pela Universidade de Granada, da Espanha. O congresso foi aberto no dia 13/4/2011, mas a participação de Mendes se deu na manhã do dia seguinte, com a palestra “A integração na América Latina, a partir do exemplo do Mercosul”.
    Não há registro públicos do que Mendes teria feito no restante do tempo em que permaneceu fora do Brasil. À revista Veja, ele teria dito que se encontrou com Demóstenes em Berlim, na Alemanha. Ainda segundo a Veja, o ministro teria uma filha residente em Berlim e, por isso, frequentaria a cidade com regularidade.
    Não há registros públicos de quais atividades Demóstenes teria ido desenvolver na Europa, mas levantamento feito por Carta Maior demonstra que ele não participou das votações realizadas no plenário do Senado entre 13 e 25/4/2011.

    Pois isso aqui também explica os atos do “seo” Gilmar?

  426. Jose Mario HRP said

    No Cafézinho mais e mais do Gilmar descarado:

    Mendes botou raposa no galinheiro
    26/05/2012 16 COMENTÁRIOS
    O blog Nassif conseguiu matar uma boa charada. Tipo de coisa que a imprensa faria facilmente se o PT estivesse envolvido, mas que silenciam e se negam a informar como são seus aliados que estão na roda.

    PS: Leitora pediu informações mais didáticas. Vamos lá:

    Gilmar Mendes era presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) no ano de 2008.
    A Polícia Federal e a ABIN estavam chegando perto de Cachoeira. O esquema ficou paranóico. Gilmar Mendes e Demóstenes Torres inventam um grampo, com o que produzem um factóide que derruba o diretor da Abin, Paulo Lacerda.
    Gilmar Mendes chama Jairo Martins para ser seu consultor de contra-espionagem dentro do STF.
    Em 2012, a PF desbarata o esquema Cachoeira. Descobre que Demóstenes Torres era um dos cabeças do esquema, e Jairo Martins, um de seus principais operadores.
    Gilmar Mendes, desesperado, dá entrevista à Veja, tentando se blindar, acusando Lula de lhe chantagear (como se fosse possível a Lula, em tempos de informação aberta, impedir que a CPI descobrisse as eventuais falcatruas de Gilmar). Segundo Mendes, a chantagem de Lula se deu dentro do escritório de Nelson Jobim, com presença deste.
    Jobim nega peremptoriamente o conteúdo da Veja, e ainda afirma que Lula não ficou sozinho um só momento com Gilmar.
    Outros ministros do STF também negam que Lula tenha feito qualquer insinuação que possa ser interpretada como pressão.
    Veja consegue o impossível: ir mais fundo que o nono círculo do inferno, até então considerado por Dante como o último. Não era. Há um outro círculo: Veja o estreou.
    Comentário de Nassif: De certa forma, confirma o receio do Procurador Geral da República que, caso a denúncia sobre Demóstenes Torres chegasse ao Supremo, as investigações ficariam comprometidas.

  427. Jose Mario HRP said

    Já vi muita coisa nesses 55 anos, e acho que vou ver um ministro do Supremo ser deposto por infamia e ou calúnia…….

  428. Chesterton said

    JM, foi Lula quem lançou a história aos 4 ventos.

  429. Chesterton said

    O chantagista chantageado.
    Ele foi o mentor do Mensalão, não aquele outro bandido das duas caras. Ele não esteve no quarto ao lado, muito antes pelo contrário: esteve dentro do quarto, esticado na cama, negociando os valores. Quando explodiu o escândalo, a quadrilha foi prática, como qualquer outra quadrilha. Se Fernandinho Beira-Mar é o chefe e, lá de dentro da prisão, continua a comandar o crime organizado, imaginem um supremo mandatário, leve, livre e solto, dentro de um Palácio? Ninguém foi preso no Mensalão. Alguns perderam os anéis, jamais os dedos. Mas havia um pacto. Se protegessem o chefe, este, nos anos de comando máximo do país, apagaria todas as provas e faria anistiar todos os crimes. O tempo foi passando e apareceu um câncer no meio do caminho. Tendo em vista os últimos acontecimentos, se ruim para a pessoa e respeitando-se todos os limites da comiseração humana, bendito câncer para o Brasil. Atropelado pelos prazos, o chefe também atropelou as regras do jogo. Pressionado pelas promessas que fez aos cúmplices, saiu fora do juízo normal. Os cúmplices também fazem chantagem, pois passaram quase oito anos afastados das luzes e arrastados na lama para proteger o mentor, o guru, o líder. Querem reciprocidade ou, talvez, seja mais proveitoso em termos penais que contem a verdadeira história. Uma delação premiada no julgamento do mensalão não está descartada. Uma ou mais. Os compromissos cessarão com o fracasso do chefe em resolver o Mensalão com um dedaço. Afinal de contas, este era o pacto. O chantagista está sendo chantageado. A quadrilha está brigando nos bastidores. Há risco de um motim, pois todos querem salvara a própria pele. Que o STF, a Imprensa e a Democracia resistam. Que o Brasil possa livrar-se, de vez, desta sofisticada organização criminosa que tomou conta do país.

    coronel

  430. Zbigniew said

    Um Ministro da mais alta corte do pais se utiliza de um panfleto de direita para acusar um ex-Presidente que teve a insensatez de comentar sobre o mensalao, isso quase 30 dias apos o fato.

    Um ex-Ministro em cujo escritorio supostamente ocorreu o fato vem a publico desmentir o acusador. O panfleto mete o cacete no ex-Ministro. E agora? E a palavra do Lula contra o vies do pool midiatico, vulgo PIG. Mesmo com a historia de vida e politica, reconhecamos que e muito dificil para o Lula convencer que o fato nao aconteceu, ainda que os termos nao tenham sido estes, e que o Gilmar tenha “carregado” nas tintas.

    Uma coisa nos nao podemos deixar de reconhecer: Os Civita sao ousados,

    Nao importa se o resto do pais nao acredita nas suas paginas amareladas. O importante e garantir a tiragem em Sumpaulo mantendo os amigos no poder. Sem Sumpaulo a Veja dependeria muito mais de sua credibilidade que ja esta bastante desgastada e certamente a tiragem iria cair. Lembremos tambem que as maiores empresas de comunicacao no pais tem como origem e base de sustentacao o conservadorismo paulistano, e ali o maior numero de fieis consumidores. A parceria com o governo do Estado, conservador, pro-mercado e de direita, e fundamental para manter o poder politico e economico do pool. Por isso agem em grupo e sincronizados.

    Com Lula arrastado para dentro deste furacao, apostam na anulacao ou diminuicao da sua influencia sobre a candidatura Haddad e o eleitorado paulistano. De quebra se antecipam a uma suposta convocacao da CPI do Cachoeira, mandando o seguinte recado: se somos capazes de mexer com o Lula, imaginem com voces corruptos de cepa inferior. Vejam o efeito no Jobim: nao quer mais comentar sobre o assunto.

    Ora. Se os politicos brasileiros se apequenam e acovardam frente ao poder da midia e porque essa midia realmente manipula os politicos, e, sendo assim, em certa medida, ela usurpa esse mesmo poder pela fraqueza do nosso sistema democratico, mormente porque conhece bem as entranhas da corrupcao brasileira, dela se utilizando para defender seus proprios interesses.

    Esse e o jogo politico: nivelar todos numa mesma medida. O efeito? Se a oposicao esta enfraquecida, a situacao tambem estara. Resta saber se o efeito sera este mesmo.

    So a CPI poderia anular essa jogada, mas ai e depender dos politicos. Mas se sao esses mesmos politicos que alimentam essa midia hipocrita? Ta dificil…

  431. Chesterton said

    Inaceitável e vergonhosa chantagem de Lula.
    Choque de versões quanto a encontro do ex-presidente com ministro do STF eleva temperatura e ansiedade com o julgamento do mensalão

    O mais acabrunhante no episódio da estranha reunião do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes relatada na revista “Veja” está no fato de ela soar absolutamente plausível. Revela-se, de pronto, o abismo que separa a opinião pública dos operadores políticos no Brasil. Estes hão de considerar trivial o encontro. Àquela fica patente sua total impropriedade, quando se sabe que Lula está em campanha frenética para negar o mensalão -o mesmo escândalo cujas provas o procurador-geral da República e o Supremo consideraram suficientes para levar 38 réus a julgamento.

    Por certo falta esclarecer o real teor da conversa, mas ninguém negou que a reunião tenha ocorrido. No contexto da CPI exigida do Congresso por um Lula sequioso de produzir ali o antídoto ao iminente processo do mensalão, o encontro de abril arranjado à socapa pelo onipresente Nelson Jobim já pareceria suspeito; que Lula o tenha usado para fazer pressão -ou até chantagem- sobre Gilmar o colocaria definitivamente na categoria do intolerável.

    O ex-presidente mandou negar, por certo, a proposta de barganhar proteção a Gilmar na CPI pela protelação do julgamento. Não se concebe, porém, quais motivos teria o ministro do STF para dar versão tão peremptória e comprometedora do encontro, que só agora, decorrido quase um mês, veio a público.A confirmar-se na sua inteireza o relato de Gilmar (em parte desautorizado por Jobim, mencione-se, ainda que sem acréscimo de veracidade), Lula se revelará quase irreconhecível: tomado pela ansiedade com o exame do maior escândalo político desde o Collorgate e entregue à retaliação contra demistas, tucanos e a imprensa independente, em franca contradição com a lendária intuição política que conduziu o líder operário à Presidência da República.

    A soberba do ex-mandatário talvez não lhe permita perceber, como a todos parece, que terá dado um passo temerário, no encontro tal como narrado, ao tentar comprometer a independência de um ministro do STF. Que dê ouvidos então a outro, Celso de Mello (em declaração ao portal Consultor Jurídico): “Se ainda fosse presidente da República, esse comportamento seria passível de impeachment por configurar infração político-administrativa, em que um chefe de Poder tenta interferir em outro”. Tal é a gravidade do evento que reuniu um ex-presidente da República e dois ex-presidentes do Supremo (um deles ainda ministro da corte): se um dia for elucidado, ficará evidente que um (ou dois) dos três próceres faltou com a prudência, se não com a verdade.(Editorial publicado pela Folha de São Paulo, hoje, com o título Lula contra Gilmar)

  432. Jose Mario HRP said

    Não não não…..Foi Gilmar papeando com a Veja!

    Mas outro assunto que reverbera pelo país:
    Diretor e Editor da Época batendo papo com “Dádá!
    O fiel escudeiro de Cachoeiro combinando facilidades em licitações da Delta entre outros assuntos amenos!
    O grampo da PF ta aí para contar mais essa estranha intimidade entre Globo e Cachoeiro!

  433. Jose Mario HRP said

    Já pensou, na CPI, o encontro para acareação de Gilmar , Demóstenes e Cachoeiro, explicando o jatinho e Berlim??????
    Muito legal!

  434. Jose Mario HRP said

    Lá no blog do Mello, sensacional matéria sobre o gaguejar do Gimarzinho!
    Aqui uma amostra:

  435. Pax said

    Prezados,

    Gilmar Mendes já deu sua versão dos fatos. Nelson Jobim já deu mais de uma versão dos fatos. Lula deu uma nota em que afirma estar indignado com a versão de Gilmar na Veja – ratificada pelo próprio Gilmar em várias entrevistas.

    Com a palavra Lula. Que venha à público e dê sua versão. Ficar ouvindo versões nos blogs de a ou b não resolvem esta pendência de Lula nesta questão.

    Independente da versão que parece necessária vir em viva voz de Lula pode-se avaliar que:

    – esta reunião não deveria ter acontecido. Quaisquer que sejam os motivos.

    – o julgamento do mensalão ganhou destaque nacional de forma inédita. Era um assunto da pauta e agora passa a ser “O” assunto da pauta. Ficou à aquém da própria CPMI.

    – os juízes do STF foram colocados sob holofotes na expectativa que façam um excelente julgamento técnico e não político. A nação quer este comportamento. Fatos, provas e julgamento, dentro da Constituição.

    Se houve qualquer tentativa de melhorar a situação dos réus do mensalão, uma das hipóteses que ficará cada vez mais forte enquanto Lula não se pronunciar, o tiro parece ter sido no pé.

    Este tema merece um post com links, ao menos, para a Veja, a nota de Lula e as entrevistas de Gilmar e Jobim. Assim que puder faço o post.

  436. Pedro said

    Pelo menos Gilmar botou a cara.

    E o Lula? Tão eloquente, adorador de microfone, se esconde atras de uma
    nota de pessoa jurídica? huummmm

    Alguém aí escreveu que ele usaria o problema na laringe pra sair pela tangente????

    BINGO

  437. Chesterton said

    Lula se cagou todo.

  438. iconoclastas said

    “se somos capazes de mexer com o Lula, imaginem com voces corruptos de cepa inferior.”

    irretocável.

    ;^/

  439. Zbigniew said

    Há um dado positivo em tudo isso.

    Com os ânimos acirrados é mostrar os dentes e ir pra cima. Já tão falando em convocar o Gilmar.

    Neste ponto, em vista da primariedade do fato levantado pelo boquirroto e pelo panfleto, tô começando a achar que o Lula é realmente um cara maquiavélico.

  440. Jose Mario HRP said

    Gilmar+Cachoeiro+Démostenes voltando para o Galeão:
    Ai que saudades!
    06 ministros do Supremo disseram peremptóriamente que não foram abordados por ninguém pelo mensalão.
    Bom o Lula ía abordar logo o seu desafeto máximo?
    Fala sério!
    Jobim só deu uma versão e agora parou de falar.

  441. Jose Mario HRP said

    Caramba!
    Um ministro supremo inquirido por simples mortais?
    Pode?

  442. Zbigniew said

    José Mario HRP, não são simples mortais. São iguais de mesma cepa.

  443. Chesterton said

    Cadê o Elias? JNá estou achando sintomática sua ausência.

  444. Otto said

    Do Blog do Mello:

    “O ministro Gilmar Mendes, que acusou o presidente Lula de tê-lo constrangido com o objetivo de que adiasse o julgamento do mensalão, deu uma entrevista à Rede Globo, em que suou, gaguejou, se enrolou e acabou cometendo um ato falho incrível:

    Gilmar dizia que o presidente teria insinuado que haveria alguma irregularidade numa viagem do ministro a Berlim…

    (Parêntesis longuíssimus: Só rindo. Segundo Gilmar, Lula teria perguntado apenas o seguinte: – E Berlim?. A partir daí, ele começou a se justificar, porque corre um boato na internet de que Gilmar teria viajado com Demóstenes a Berlim às custas de Cachoeira, que teria se encontrado com os dois na Alemanha. Gilmar conta uma história engraçadíssima (suando, gaguejando), de que tudo seria fruto de uma incrível coincidência, porque ele e Demóstenes – por motivos diferentes – teriam uma agenda em Praga, combinaram se encontrar naquela cidade e depois foram para Berlim, onde mora uma filha do ministro.

    Amigo leitor, leitora amiga ou perdida aqui no blog, qual será estatisticamente a possibilidade de duas pessoas terem compromisso numa mesma data em Praga? )

    Voltando ao que dizia Gilmar na entrevista, ele negava que houvesse qualquer problema na viagem, mas, aí, o inconsciente escapou e Gilmar disse o oposto do que gostaria de dizer. Confira:

    Ao invés de dizer que a suposta especulação do presidente Lula era inadequada, ele disse que era adequada e ainda mostrava motivações sub-reptícias, ou seja, fraudulentas:

    – “O uso dessa informação por parte do presidente me pareceu absolutamente ADEQUADO e revelador de qualquer outra intenção sub-reptícia.”

    Então, ficamos assim: Jobim já desmentiu Gilmar. Lula desmentiu Gilmar. E agora Gilmar desmentiu Gilmar.”

    http://blogdomello.blogspot.com.br/

  445. Pax said

    Prezados,

    Tem um monte de gente achando que o suor de Gilmar Mendes é prova que ele está errado?

    Vale lembrar que estava em … Manaus.

    Não há melhores argumentos? Olha, na boa, cada vez fica pior. Enquanto Lula nao der sua versão dos fatos, como disse acima, a situação dos réus do mensalão só piora.

    Ainda mais com esse tipo de argumentação, do suor de alguém que está em Manaus.

    Parece argumento daquele famoso jornalista que nem sempre tem compromisso com a verdade. Aquele um que nem posso citar para nao aguçar a defesa rábica do tal que gosta de ser chamado de irmão da mãe ou do pai.

  446. Jose Mario HRP said

    Comentário 442-Sensacional!

  447. Michelle - A Besta Desvairada said

    http://g1.globo.com/platb/cristianalobo/2012/05/29/uma-visita-a-lewandowiski/

    Uma visita a Lewandowiski…

    A preocupação de Lula com o julgamento do caso do Mensalão, conhecida de todos no mundo político, aumentou com a chegada de 2012 – ano do julgamento e, ainda, coincidindo com as eleições municipais nas quais o PT deposita grandes esperanças de crescer, particularmente, em São Paulo, antigo território adversário. Foi a partir daí que ele incluiu o assunto em sua agenda prioritária do ano.

    Fiel a seu estilo de falar muito e revelar seus passos políticos, mesmo aqueles que exigem maior discrição, Lula contou o desejo de visitar o ministro Ricardo Lewandowiski, ministro-relator do Mensalão, um amigo de sua família. E assim fez.
    No começo do ano, acompanhado do prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, ele foi à casa de Lewandowiski e, conversa-vai-conversa-vem, chegou ao assunto: quando será julgado o mensalão? Sua preocupação central…

    Depois dessa conversa Lula passou a explicitar aos amigos políticos grande preocupação com a dificuldade de se deixar o julgamento para o ano que vem. Ele diz abertamente que considera inconveniente o julgamento do caso este ano. Com elogios à casa de Lewandowiski, num condomínio chique de São Bernardo, Lula relatou a um aliado a pressão que o ministro vem sofrendo para apresentar logo o seu voto-revisor. E mais: o temor de que essa pressão de opinião pública possa afetar o conjunto do julgamento.

    Este é Lula. Por bravata ou relatando a realidade, ele conta a amigos os seus passos, até mesmo uns que deveriam ser inconfessáveis, como uma visita a um ministro do Supremo Tribunal Federal no ano do julgamento mais importante para sua história política – o caso que marcou negativamente o seu primeiro mandato.

    Lewandowiski ensaiou negar a conversa com Lula. Mas, diante dos detalhes da conversa – a companhia do prefeito e os elogios à casa – ele sorriu e disse: “ele é amigo da família”. De fato, a mulher de Lula, Marisa Letícia, foi amiga da mãe do ministro, falecida ano passado.


    Lula, o mentiroso bravateiro se cagou nesta.
    O covarde não vai processar ninguém!
    Esta com medo.

  448. iconoclastas said

    Crisitiana Lôbo, é?!

    ih, rapaz, até os amigos já começaram a entregar…

    o que eu temo é que se agrave o problema de saúde desse sujeito, isso crie um clima de comoção, e ele parta antes dos quadrilheiros serem enquadrados…

    seria uma mega KK, estilo Argentina – Perón…gggrgrrgrgr…

    ;^/

  449. Michelle - A Besta Desvairada said

    Tio Pax
    Você estava mentindo deslavadamente quando afirmou que RA se diz democrata e que não censura ninguém.
    RA nunca disse que não censurava ninguém.
    E sempre disse que censurava idiotices vindas de petralhas e assemelhados
    Não confunda democracia com falta de ética e respeito.
    Com falta de regras. Com agressões.

    No post acima você acaba de mentir de novo:
    Do blog do maior democrata do mundo, o jornalista brasileiro que estimula a livre opinião e promove a expressão de todos … Ficou bom assim, Michelle?

    Menas mentiroso menas! Não se faça de bobo.

  450. Michelle - A Besta Desvairada said

    Ex-ministro advogado de Cachoeira acusado de crime

    A representação foi feita pelo procurador Regional da República Manoel Pastana, do Rio Grande do Sul.

    Para procurador, Márcio Thomaz Bastos pode ter cometido os crimes de lavagem de dinheiro e receptação ilícita por receber dinheiro de origem ilegal do bicheiro.

    ….
    Para Pastana, o fato de Thomaz Bastos receber R$ 15 milhões em honorários para defender Cachoeira é indício de crime. Na representação à Procuradoria da República em Goiás, Pastana argumenta que o bicheiro não tem recursos de origem lícita para bancar tamanha despesa. Assim, ele quer saber de que forma ele paga os serviços do ex-ministro da Justiça. Para tanto, o procurador pede a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Thomaz Bastos e informações ao Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) sobre eventuais movimentações ilegais de dinheiro do exterior.

    Na opinião de Pastana, são claros os “indícios” de que Bastos cometeu ou está prestes a cometer um crime. E poderia mesmo ser preso. “A prisão em flagrante é possível, caso o advogado seja pego recebendo os recursos oriundos de condutas ilícitas praticadas por Cachoeira”, argumentou Pastana no documento, que deve ser protocolado nesta terça-feira (29) no Ministério Público Federal.

    Bens bloqueados

    Cachoeira está com os bens bloqueados. Assim,ele não tem como pagar R$ 15 milhões a Thomaz Bastos para defendê-lo. “A medida restritiva parece não ter sido suficiente, porquanto, se o fosse, ele não teria condições de custear o contrato advocatício”, disse Pastana na representação. Segundo noticiou no domingo (27) a coluna Radar, da revista Veja, Bastos disse que são os amigos que custeiam as despesas de clientes em situações como estas. A mesma revista informou que os R$ 15 milhões foram divididos em três parcelas, a primeira já paga.

    Leia completo em
    http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/ex-ministro-advogado-de-cachoeira-acusado-de-crime/

  451. Chesterton said

    Jurista cobra do
    MPF ação contra
    ‘crime’ de Lula
    Os detalhes da conversa entre Lula e o ministro Gilmar Mendes, já do conhecimento da maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal, consolidam a impressão de comportamento inapropriado do ex-presidente. O jurista Flávio Pansieri, da Academia Brasileira de Direito Constitucional, foi mais além: diz que Lula cometeu um crime e essa “afronta” deveria motivar ação do Ministério Público Federal na Justiça.

    29/05/2012 | 00:00
    Toma lá, dá cá
    Lula pediu ajuda do ministro para adiar o julgamento do mensalão no STF e insinuou, que, em troca, ele seria blindado na CPI do Cachoeira.

    29/05/2012 | 00:00
    Outro homem
    O ex-presidente Lula ficou surpreso e desconsertado porque esperava que Gilmar Mendes estivesse acuado, com medo, e não foi o que viu.

    29/05/2012 | 00:00
    Descompensado
    A atitude de Lula, primária para um político tão experiente, reforça a tese de que o tratamento do câncer o teria deixado “descompensado”.

    29/05/2012 | 00:00
    Muy amigo
    O ex-ministro José Dirceu agora sabe: quem tem um amigo como Lula pode dispensar inimigos nas proximidades do STF.
    Claudio Humberto

  452. Chesterton said

    QUEM CALA, CONSENTE
    Por Carlos Chagas
    Reúne-se hoje a CPI do Cachoeira para levantar o sigilo fiscal e bancário da construtora Delta em todo o país e, possivelmente, convocar para depor os governadores Marconi Perilo, Sérgio Cabral e Agnelo Queirós. Apesar da importância da decisão, os debates serão mais acirrados diante da afirmação atribuída ao ex-presidente Lula, feita pelo e ao ministro Gilmar Mendes, sobre controlar a CPI e poder, nela, blindar políticos e empresários, em troca de ser adiado o julgamento do mensalão.
    Até ontem o Lula estava disposto a não se pronunciar a respeito, ou seja, não desmentir Gilmar Mendes nem admitir que pretendeu influir nos trabalhos do Supremo Tribunal Federal.
    A crise é grande, imensa, exigindo uma palavra formal do ex-presidente. Peso bem menor teve o desmentido do ex-ministro Nelson Jobim, anfitrião do encontro. Se o Lula fica quieto, o mínimo a supor é a aplicação da máxima popular de que “quem cala, consente”.
    No Supremo, a reação à suposta intervenção do Lula tem sido veemente. Celso de Mello, decano dos ministros, chamou de indecorosa a intervenção do ex-presidente e lembrou que seria o caso de impeachment, caso ele estivesse no exercício do cargo. Marco Aurélio Mello usou os adjetivos “espantoso”, “inqualificável” e “intolerável”. O próprio Ayres Brito, presidente da mais alta corte nacional de justiça, disse ser inconcebível a tentativa de se cooptar um ministro.
    No Congresso, sucederam-se os protestos, não apenas da oposição, mas no PMDB, PP e penduricalhos. A impressão é de que o episódio não poderá virar fumaça. Senão omissão, porque jornais, telejornais e revistas divulgaram a denúncia de Gilmar Mendes, ressalte-se a timidez quanto à emissão de opiniões: nenhum editorial, ao menos até ontem.
    Convenhamos, e com todo o respeito ao passado e à figura do ex-presidente Lula, trata-se de um escândalo inconcluso. Não dá para encerrar-se com o silêncio de um e as diatribes de outros. Afinal, vale repetir, quem cala, consente…

  453. iconoclastas said

    “Saiba por que Gilmar Mendes resolveu revelar o assédio de Lula a Veja

    Fábio Pannunzio

    O que você vai ler abaixo não é inferência, interpretação nem opinião. É informação. Este post vai revelar o motivo pelo qual o ministro Gilmar Mendes decidiu contar à Revista Veja detalhes da insidiosa conversa com o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva ocorrida no dia 26 do mês passado.

    Desde que a revista chegou às bancas, três perguntas recorrente e importantes permaneciam sem resposta: Por que Gilmar Mendes resolveu agir dessa forma? Por que o atraso de um mês entre o fato e a versão apresentada pelo ministro? Gilmar tem como provar que ouviu de Lula o que disse ter ouvido no escritório de Nelson Jobim?

    Uma parte das respostas está contida na entrevista na entrevista concedida hoje ao Jornal Zero Hora. Disse o ministro:

    “Fui contando a quem me procurava para contar alguma história. Eu só percebi que o fato era mais grave, porque além do episódio (do teor da conversa no encontro), depois, colegas de vocês (jornalistas), pessoas importantes em Brasília, vieram me falar que as notícias associavam meu nome a isso e que o próprio Lula estava fazendo isso”.

    Em seguida, a entrevista envereda pela seara de outros assuntos — as intrigas da CPI do Cachoeira. A repórter pergunta a Gilmar Mendes: “Jornalistas disseram ao senhor que o Lula estava associando seu nome ao esquema Cachoeira?”. Ao que o ministro responde: “Isso. Alimentando isso”.

    Alimentando isso.

    Não era o que o ministro queria dizer. Se tivesse sido questionado, teria contado que foi procurado por duas importantes jornalistas dias atrás para saber da mesma história. Espantou-se com o vazamento. Apesar de constrangido, ele havia decidido falar sobre o assunto apenas com alguns de seus pares, pessoas discretas que jamais revelariam a conversa constrangedora. E mantê-la longe dos jornais.

    Essas jornalistas são profissionais respeitabilíssimas. Ocupam posições importantes em uma empresa não menos. A história chegou a elas por intermédio de uma fonte crível que preza da amizade de ambos, Gilmar e Lula.

    Sabe como a fonte ficou sabendo do diálogo ?

    Porque Lula contou.

    Isso mesmo. Foi Lula em pessoa quem cometeu a indiscrição de falar sobre a conversa com Gilmar Mendes, descendo ao nível dos detalhes que agora estão expostos por iniciativa do ex-presidente do STF.

    Esta é a razão oculta por trás da “inconfidência” do ministro Gilmar Mendes. E também a justificativa para a incapacidade do ex-presidente da República de fazer um desmentido cabal, como o assunto exigiria caso o magistrado pudesse ser desmentido.

    Não pode. Há testemunhas muito bem identificadas no caminho da informação que transitou entre o escritório de Jobim e as páginas de Veja.

    Se alguém falou demais, não foi Gilmar Mendes. Foi Lula. Simples assim.

    Quem fala demais dá bom-dia a cavalo. Deu no que deu.”

    pois é…

    ;^/

  454. Pax said

    Cara Michelle,

    Do seu comentário anterior:

    “Eis o que RA falou:

    Agradeço a colaboração do delegado — que, de fato, sempre me pareceu empenhado em fazer corretamente o seu trabalho — e fico satisfeito por tê-lo entre os leitores. Segue a íntegra de seu comentário.

    Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. É parte deste trabalho.

    Vc nega este trecho?

    Em especial:

    “Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. ”

    No trecho Google que coloquei acima, há inúmeros, dezenas, o fulano diz em todas as letras que “petralhas” nao podem comentar em seu blog.

    Nao haveria, então, uma contradição entre as duas “falas” do fulano?

    Ele afirma que há muitos blogs onde os petralhas podem se expressar, mas nao no seu.

    É um direito dele, sim. Claro que sim.

    Assim como é um direito meu capturar essa, digamos, contradição, ou falta de adequação com a realidade dos fatos, ou, em outras palavras..,, mentira.

    Tenha a santa paciência. Titio nao vale tanta defesa assim. O cara só mentiu e foi pego. Quis parecer o bacana e escorregou no teclado com uma mentira sobre seu comportamento, sua prática em seu ofício, que eu tenho todo direito de criticar.

    Ele nao gosta de liberdade de opinião e expressão em seu blog e pronto. Mentiu e pronto.

    Chega.

  455. Chesterton said

    Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. É parte deste trabalho.”

    “Como vocês sabem, a divergência, neste blog, desde que civilizada, como é o caso, é não só aceitável como bem-vinda. ”

    No trecho Google que coloquei acima, há inúmeros, dezenas, o fulano diz em todas as letras que “petralhas” nao podem comentar em seu blog.

    chest- Pax, sei que você está alterado com tudo que se passa, mas entenda de uma vez por todas: petralhas não são civilizados! Qual a dificuldade afinal de entender isso?

    PETRALHAS= BÁRBAROS

  456. Chesterton said

    Ele nao gosta de liberdade de opinião e expressão em seu blog e pronto.

    CHEST- AIMEUJISUCRISTIN!!! Pax, liberdade de expressão é uma garantia pública, na sua casa quem decide o que é tolerável e o que não é tolerável é VOCÊ!! O blog é dele e não é liberado (como o do Fiuza, por exemplo-infrequentavel). E isto nada tem a ver com democracia , que é apenas um sistema de governo, não é norma de conduta privada.

    (tô vendo que não vai aceitar as realidades dos fatos..)

  457. Otto said

    Pax,

    o suor do Gilmar, no Blog do Mello, é apenas um detalhe humorístico, já que é esta a veia desse blog.

    Agora, uma análise mais séria você tem em Miguel do Rosário.
    Vou colar aqui, mas se não vier tudo, vá lá pelo link que ponho no final.

    Mídia e oposição tentam a última cartada
    29/05/2012

    Tudo leva a crer que a acusação de Gilmar Mendes à Lula foi uma jogada ensaiada com a oposição e Veja. O Clube Nextel tenta a última cartada contra a CPI do Cachoeira. Algumas observações:

    Nos dias que antecederam a criação da CPI, a mídia brandiu ameaças pesadas, nada sutis, contra o governo. A relação da Veja com o esquema já tinha vazado, junto com trechos do relatório da Polícia Federal, o que, seguramente, deflagrou movimentos e contatos desesperados entre editores da revista e caciques da oposição.
    Gilmar Mendes, logo após o encontro com Lula e Nelson Jobim, correu para o encontro do presidente do DEM, Agripino Maia, conforme relatado por Moreno.
    Mendes disse que ficou “perplexo”. Jobim declarou que Lula saiu antes e Gilmar não comentou nada com ele.
    Em matéria do Estadão publicada hoje, encontro a seguinte declaração de um membro da oposição:“Para o líder do PSDB na Câmara, Bruno Araújo (PE), o episódio desmoraliza os governistas na apuração do caso Cachoeira. “A CPI nascia contaminada e isso se confirma agora, com esse grau de ingerência. A maioria deve explicar se está disposta a seguir qualquer ordem de um ex-presidente”, provocou.”
    Os jornalões desta quarta-feira amanheceram com sangue na boca. Os colunistas políticos compraram, sem hesitar, a versão de Mendes e usam todas as velhas artimanhas para pintá-la como verdade absoluta, a começar pela desqualificação de Nelson Jobim, cujas declarações, que desmentem a Veja, atrapalham sua estratégia. O simples bom senso de termos a opinião de dois, Jobim e Lula; contra um, Mendes, não parece valer nada.

    A artilharia disparou unida, como uma tropa organizada: Editorial do Estadão, editorial da Folha, coluna de Merval, de Cantanhede, de Helio Schwartsman, de Dora Kramer.
    No entanto, ficam várias suspeitas no ar:

    Por que o Globo ocultou a versão de Jobim em sua edição impressa de segunda-feira?
    Por que exigiu a Moreno que escrevesse uma matéria reconstruindo o encontro com base em “rastros de conversa”, e publicou-a no lugar de outra, que tinha muito mais valor, em termos jornalísticos, na qual Jobim nega, com firmeza, a veracidade da denúncia publicada em Veja?
    Por que Mendes escolheu justamente a Veja, órgão enrolado com a CPI do Cachoeira, para fazer sua denúncia?
    Voltamos à teoria ventilada no início do post. Tudo leva a crer a um plano ensaiado da oposição. Gilmar relata a conversa com Lula a Agripino Maia, e diz que poderia, distorcendo aqui e ali, transformá-la numa “tentativa de chantagem”.

    Até o chargista do Globo entrou na guerra de informação:

    Repare uma coisa. A charge traz um erro. Segundo Gilmar, foi ele quem bateu no joelho de Lula, não o contrário. A versão de Mendes, contada por Moreno, é que Lula teria dado um tapinha nas costas de Gilmar, que retribuiu com um tapinha no joelho do ex-presidente. No afã de agradar o patrão, Chico sequer pensou nesse detalhe.

    Agora assistam à entrevista de Gilmar Mendes ao Jornal Nacional, que é um pouco diferente daquela feita à Globo News. E totalmente diferente do teor da reportagem da Veja, que fala em chantagem bastante explícita do ex-presidente. Repare que Gilmar recua. Agora afirma que não houve nenhum pedido específico de Lula para adiar o mensalão.

    Enfim, todos os fatos convergem para uma tentativa de Gilmar Mendes de se blindar contra possíveis revelações da CPI contra sua pessoa, visto que ele sempre foi muito ligado a Demóstenes Torres.

    Na verdade, Mendes tem vários rabos aparecendo na CPI do Cachoeira. Em inúmeras gravações, Demóstenes Torres e Cachoeira citam Gilmar como seu aliado. Sem esquecer que Gilmar Mendes, quando presidente do STF, trouxe Jairo Martins, principal operador de Cachoeira, para dentro da instituição, contratando-o como seu “personal araponga”. E que foi o tal “grampo sem áudio” da conversa entre Mendes e Demóstenes, o causador de uma grave crise institucional que teve como consequência a demissão de Paulo Lacerda, um dos mais brilhantes policiais da história da república, da direção da ABIN, a central de inteligência do governo federal.

    O que vemos hoje, de qualquer forma, é um fato muito triste. A grande mídia, assustada com a CPI do Cachoeira, a qual tenta sistematicamente desqualificar, decidiu apelar para o sentimento antilulista de um determinado setor social. Lança-se uma suspeita no ar, produzindo um clima de conspiração e irracionalidade. Tentemos trazer um pouco de oxigênio à essa loucura irrespirável:

    O que está em jogo agora é a CPI do Cachoeira, não o mensalão. Ela traz criminosos de verdade, bandidões cinco estrelas, com envolvimento de um senador, deputados federais, vereadores, procuradores, governadores, empresas de mídia e uma grande construtora. Este é o assunto da ordem do dia.
    O mensalão é um processo já terminado. A data está inclusive marcada. Não há possibilidade de adiamento. A denúncia de Gilmar só teria sentido se o adiamento (que aliás não seria nenhuma monstruosidade jurídica) estivesse em discussão. Os réus já apresentaram sua defesa, e agora espera-se apenas a decisão dos juízes. Não há mais nenhuma polêmica.
    A quem interessa desqualificar a CPI, e associar o seu ímpeto investigativo à tentativa de “vingança” contra a mídia, ou ao esforço de “melar o mensalão”? Resposta: o DEM, envolvido por causa de Demóstenes Torres; o PSDB, atolado no crime organizado em função das ligações do seu governador, Marconi Perillo, com o esquema; a Veja, cuja relação de longa data com Cachoeira e Demóstenes gerou pesadas suspeitas de que incorreu em crime de formação de quadrilha; outros órgãos de mídia que pactuavam e pactuam com a Veja.
    O deliberado envenenamento do ambiente político é uma ação de cunho antidemocrático. Lembro que estudei isso nos livros do professor Wanderley Guilherme dos Santos, que tratavam das crises políticas dos tempos de de Vargas até a ditadura. A oposição, sempre que não conseguia conduzir o debate político da forma convencional, através de argumentos e disputa eleitoral, apelava para a desqualificação moral do adversário. É uma tática espúria que provavelmente existe desde o início da democracia no mundo. Hitler não queria debater política com seus adversários, então mandou incendiar a sede do parlamento (o Reichstag) e botar a culpa nos comunistas. É sempre mais fácil chamar o adversário político de “terrorista”, ou de “chantageador”, do que participar de um debate político transparente.

    Com isso, não há discussão de políticas públicas, não há debate sobre as razões que levam o povo a preferir este ou aquele candidato, nada é dito acerca das mazelas sociais, e se passa ao largo da difícil guerra que precisa ser feita para a superação do subdesenvolvimento. Discute-se apenas se fulano é honesto ou não. O país inteiro fica a mercê das suspeitas sobre a idoneidade de Getúlio Vargas ou Lula. Quanto ao mérito das ações de seu governo, não se fala nada. É uma estratégia antiga, ultraconservadora, que visa paralisar ou atrasar as mudanças. A mídia, e não só a radiofusão, que é concessão pública, mas também a imprensa escrita, que recebe milhões de reais de verbas públicas através de publicidade institucional, promovem o empobrecimento do debate político e cultural do país, degradando a democracia e retardando o debate urgente sobre medidas urgentes que devemos tomar para superar o atraso econômico e social.

    Só que desta vez a mídia perdeu o monopólio do debate público. E suas estratégias, que já foram desmascaradas por historiadores que estudaram os golpes e as tentativas de golpes de 1954 até hoje, hoje estão ainda mais em evidência em função da internet. Crises como essa, criadas por Gilmar Mendes e Veja, apenas servem para incendiar a revolta e a indignação de milhões de brasileiros que não aceitam ver seu sonho, mais uma vez, ser interrompido. Ainda mais por esta verdadeira máfia política, um monstro híbrido, multicéfalo, comandado por setores golpistas e inescrupulosos da mídia, lideranças políticas conservadoras, membros corruptos do Judiciário, e chefões do crime organizado.

    Eles venceram em outros momentos; desta vez, no pasarán. Ou como diria Quintana, traduzindo a engenhosidade e o sentimento com que os artistas (e os povos) se libertam de seus tiranos e abrem sua asas, ganhando a história:

    Todos estes que aí estão
    Atravancando o meu caminho,
    Eles passarão.
    Eu passarinho!

    http://www.ocafezinho.com/2012/05/29/midia-e-oposicao-tentam-a-ultima-cartada/

  458. Michelle - A Besta Desvairada said

    O ensurdecedor silêncio de Lula

    :: O sujeito que mais falou na História do Brasil de repente fecha a boca. Por Sérgio Vaz

    O silêncio de Lula está impressionantemente, absurdamente ensurdecedor.

    O cara é um falastrão. Um tagarela compulsivo, talvez doentio. Fala pelos cotovelos, fala mais que a boca. Começou a falar no palanque da Vila Euclides, nas assembléias dos metalúrgicos de São Bernardo, e não parou mais. Perdeu três eleições seguidas e, entre uma outra, andava pelo país falando feito pregador no púlpito, feito camelô da Praça XV quando chega a barca. Eleito, o que mais fez foi falar. Passou oito anos na Presidência fazendo no mínimo um discurso por dia. Às vezes três.

    Mal foi liberado pelos médicos após o tratamento do câncer, voltou a falar.

    Aí, a partir do meio-dia de sábado para cá, silenciou.

    Um ministro da mais alta Corte de Justiça do país contou que, em conversa privada, Lula disse a ele que era melhor adiar o julgamento do mensalão. Na conversa privada, Lula falou sobre viagem dele, o ministro Gilmar Mendes, a Berlim – uma insinuação clara de chantagem.

    A revista Veja começou a circular no início da tarde de sábado com as afirmações de Gilmar Mendes.

    Lula, boca de siri. Caladinho. Nem um pio.

    Se alguém me acusa de chantagem, de interferir em um julgamento do STF, e sou inocente, saio berrando pra quem quiser ouvir. Falo que nem Lula nos palanques de onde ele jamais saiu. Nego tudo de pé junto, uma, duas, mil vezes. Isso eu, humildérrimo jornalista aposentado. Ao Lula, bastaria fazer um sinal e teria diante de si, para ouvi-lo, toda a imprensa nacional, mais os 300 blogueiros progressistas na ocasião reunidos em convescote pago por entidades públicas na Bahia.

    Lula, boca chiusa. Fechadinha.

    Nélson Jobim desmente a Veja. Gilmar Mendes desmente o desmentido.

    Lula, boca fechada.

    Aí, na segunda-feira à tarde, 48 horas depois, o Instituto Lula divulga nota. “Meu sentimento é de indignação”, diz a nota do Instituto Lula.

    A nota não diz que Gilmar, o amigo dele, mentiu. Diz que seu sentimento é de indignação contra a revista que revelou a conversa.

    E diz não em uma nota sua. Lula, o que sempre falou mais que a boca, não falou em nota pessoal. Não falou em uma nota da sua assessoria, mas do Instituto Lula, como se o Instituto Lula fosse ele. Um instituto, uma fundação, não pertence a quem lhe empresta o nome. Mas Lula e o lulo-petismo sempre confundiram o público com o privado, sempre privatizaram para si o que é público, então não é de se espantar.

    O que é de espantar é o silêncio do político que mais falou diante de um microfone em toda a História do Brasil, do Mundo, do Universo.

    Um sîlêncio ensurdecedor. E eloquente.
    Tremendamente eloquente.

    http://50anosdetextos.com.br/2012/o-ensurdecedor-silencio-de-lula/

  459. Otto said

    Pax. leia mais esta:

    Por Weden

    As duas “teses” da grande imprensa (a partir da matéria da Veja) sobre o suposto “crime de chantagem” praticado por Lula contra Gilmar Mendes foram desmentidas, ontem, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal em entrevista para a Globo.

    As declarações ganharam edições distintas.

    As teses eram: 1) Lula pediu o adiamento do julgamento do “mensalão”; 2) Em troca, ofereceu blindagem a Gilmar Mendes.

    O problema é que, no jornalismo, quando se quer sustentar a propaganda, até a notícia é sacrificada.

    Vamos à decupagem do Jornal Nacional:

    “Não houve nenhum pedido específico do presidente em relação ao mensalão. Manifestou um desejo, eu disse da dificuldade que o tribunal teria. Ele não pediu a mim diretamente. Disse: ‘O ideal era que isso não fosse julgado’. Então eu disse: ‘Não, vamos torcer para que haja um julgamento, e é tudo que o tribunal quer, e essa é a minha posição em matéria penal, é muito conhecida.”

    Ou seja, uma conversa comum. Lula expressou o desejo de que o julgamento não fosse esse ano. Gilmar manteve sua opinião de que deveria ser logo.

    Cadê a pressão? Cadê o pedido de adiamento?

    Já na Globonews, Gilmar diz textualmente que não houve oferta de blindagem. Vamos às transcrições:

    (A repórter pergunta): “Em algum momento (houve) a situação realmente de oferecer uma blindagem em relação às investigações que ocorrem no c