políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

O Brasil e seu faroeste mafioso

Posted by Pax em 07/08/2012

Em vários municípios e estados brasileiros máfias se instalam nos poderes executivos, legislativos e até nas instituições judiciárias. Sabemos muito pouco como agem estas quadrilhas. O noticiário é repleto para as quadrilhas de traficantes, assaltantes e toda sorte de bandidos. Boa parte da televisão brasileira vive de um sangrento noticiário sobre os crimes comuns.

Mas há outros que talvez sejam ainda piores. Crimes cometidos pelos políticos locais, envolvendo ameaças, assassinatos, envolvimento com tráfico de drogas, grilagem de terras e um sem número de absurdos a que são submetidos os cidadãos brasileiros.

Este caso do Carlinhos Cachoeira é um exemplo de muitos. Agora sua bela esposa tem que depor na CPI. Ela foi acusada de tentar chantagear o juiz responsável pelo caso, Alderico Rocha.

Mulher de Cachoeira presta depoimento à CPI nesta terça-feira – no G1

Na semana passada, Andressa foi acusada de tentar chantagear juiz.
Advogado tentou adiar depoimento, mas presidente da CPI manteve.

A CPI Mista, que investiga as relações entre o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com políticos e empresários, ouve nesta terça-feira o depoimento da atual mulher do contraventor, Andressa Mendonça.

Segundo a secretaria da CPI, Andressa Mendonça poderá usar o direito de ficar calada, uma vez que está sendo investigada pela Polícia Federal, suspeita de participar do grupo de Cachoeira. Se viesse apenas na condição de testemunha, Andressa só poderia ficar calada se tivesse conseguido um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal.

O advogado de Andressa, José Gerardo Grossi, entrou com um pedido para adiar o depoimento, mas o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), presidente da CPI Mista, negou.

O advogado alega não ter havido intimação pessoal e informa que sua cliente se dispõe a comparecer em nova data a ser posteriormente definida pelos parlamentares. A intimação teria sido entregue ao motorista de Andressa. O depoimento de Andressa está marcado para às 10h15.

Na semana passada, a mulher do contraventor foi acusada de tentar chantagear o juiz responsável pelo caso, Alderico Rocha. Ela foi levada à sede da Polícia Federal de Goiânia para prestar depoimento, e teve de pagar fiança de R$ 100 mil para não ser presa. Além da fiança, Andressa foi proibida pela Justiça de visitar Cachoeira. (continua no G1…)

Anúncios

82 Respostas to “O Brasil e seu faroeste mafioso”

  1. Pedro said

    Pois é, parece que está ocorrendo um efeito ao contrario. A CPI que era pra esquecer o julgamento do mensalão, esta sendo esvaziada pelas atenções voltadas ao primeiro.

    Talvez o mais correto seja esta CPI dar um tempo até o fim do julgamento do mensalão. Depois disto, a sede de vingança será grande, e pode ser que vejamos mais alguns corruptos sendo cassados ou presos.

    Do jeito que está indo, acaba tudo em samba.

  2. Chesterton said

    O Capo de tutti capi é o Lula.

  3. hermenegildo coelho said

    isso que da, copiar a politica internacional do mal de amadinejade do iran, fidel castro de cuba,ulgo xaves da venezuela,inumeros ditadores, como esses e governos africanos que o povo e que paga o roubo.o abraço em paulo malufe.

  4. Michelle - A Besta Desvairada said

    Hey conterrâneos

    Enquanto o nobre “Ascensoristo da Paciência” se preocupa em jurar que não foram produzidas “provas cabais”( papéis assinados, memorandos, revolveres fumegando, testes de poligrafia, provas de DNA,Impressões digitais, baton na cueca, etc ) euzinha me preocupo mais com isto:

    http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/a-imagem-da-cruz-vermelha-mundial-foi-afetada-pelo-brasil

    É estarrecedor que algum brasileiro(a), como eusinha com muito orgulho, tenha desviado a grana da Cruz Vermelha, destinada à África.
    Poderia até acreditar que fosse mera incompetência…mas passo a acreditar que essa “incompetência” tem método.
    É o metodo petista de tentar “desgovernar o Brasil”.
    Corrupção de A a Z.

    Estamos na era da roubalheira, doa a quem doer!

    Ei AP explique de onde veio o $$ para o alegado “caixa 2”? Origem lícita? Contratos legais, porem fictícios.
    Banco empresta milhões sem garantia real.
    Banqueiro burro, nasce morto! Só na sua cabeça meu amigo/inimigo intimo.

    Garantia “patrimonial” de quem ? para ajudá-lo a pensar.

    Erenice foi inocentada por falta de provas…mas o filhos e associados não. O assunto não morreu.

    E no mais concordo como o Edu.br

    Pelear por conflito de classes pós lula é simplesmente loucura/burrice, como disse Goethe!

    P.S. Brasil matou a gigante russa! Estamos de parabéns ! Zanetti idem – OURO

    O PT é um saco de chumbo!

  5. Edu said

    O PAC é um exemplo de gestão pública mesmo…

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1128816-justica-suspende-com-2-liminares-assinatura-de-concessao-da-br-101.shtml

    Façam bom proveito.

  6. Edu said

    … e um exemplo sobre as políticas social-democratas bizarras que segregam racialmente e economicamente as pessoas, visando, é claro, a inclusão social.

    http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2012/08/08/cota-para-aluno-de-escola-publica-e-vista-com-reserva.htm

    Pra frente Brasil!

    Ps: Pena que o Elias não tem interagido mais. Eu gostaria de montar uma sociedade com ele para fundar algumas universidades particulares elitistas para dar conta dos alunos que estudaram em escolas particulares discriminados pelas políticas públicas. Não precisaremos ir muito longe: no médio prazo tenho certeza que os alunos de minhas universidades estarão melhor colocados profissionalmente que os alunos das universidades públicas federais.

  7. Edu said

    E olhem que interessante!

    Acho que discordo do que o Elias falava sobre o político representar a educação do povo….

    http://sujosuacara.tumblr.com/

  8. chesterton said

    O Elias está preocupado em administrar a estatal do pétroleo brasileiro muito lucrativa que nas mãos petistas virou instrumento de compra de votos….e entubou aquele prejuizo, o que mostra que realmente ele tem fé…

  9. Otto said

    Da Carta Capital

    O argumento da fraude caiu

    Leandro Fortes

    Por uma dessas coincidências do destino, coube ao advogado Dino Miraglia Filho (entrevista à pág. 36 da CartaCapital desta semana) se apresentar ao Supremo Tribunal Federal, em Brasília, na manhã da quinta-feira 2, justamente quando os 11 ministros da mais alta corte estavam reunidos para iniciar o julgamento do chamado “mensalão”. Miraglia estava lá por causa de outro escândalo praticamente idêntico nos métodos e absolutamente igual na fonte de abastecimento de recursos: o publicitário Marcos Valério de Souza.

    Miraglia havia embarcado de Belo Horizonte no dia anterior para entregar ao ministro Joaquim Barbosa o original da lista do valerioduto mineiro, ou melhor, tucano, um documento de 27 páginas com o registro contábil, registrado em cartório, de 104,3 milhões de reais movimentados por meio de caixa 2. Essa é a quantia, segundo o documento, gasta na fracassada campanha à reeleição do ex-governador e atual deputado Eduardo Azeredo, do PSDB, em 1998.

    Publicada na penúltima edição de CartaCapital, a lista inclui nomes de empresários, políticos, juízes, jornalistas e autoridades, quase todos tucanos, registrados no documento assinado por Marcos Valério, um dos principais réus do mensalão do PT. Também é do publicitário a assinatura de um documento de apresentação da lista, no qual ele garante ter repassado, apenas a Azeredo, 4,5 milhões de reais para a campanha.

    Brasília. Miraglia quer escapar do círculo de influência política na Justiça mineira

    Entre os beneficiários aparece o ministro do STF Gilmar Mendes. Por um erro de edição, o trecho no qual o nome de Mendes é citado na lista acabou suprimido da edição impressa da revista. Embora esse trecho em destaque, bem como a íntegra dos documentos, esteja disponível em nosso site desde a sexta-feira 27.

    Novos documentos, todos com firmas reconhecidas em cartório, revelados agora por CartaCapital, reafirmam a existência da transação. Um deles é uma “Declaração de Desembolso” assinada por Souza em 28 de março de 1999. Nela, o publicitário declara que as empresas SMP&B Comunicação e DNA Propaganda, principais escoadouros de dinheiro do chamado “valerioduto”, destinaram a Azeredo 4,5 milhões de reais em 13 de outubro de 1998. A intermediação do pagamento, segundo o documento, foi feita por Carlos Mourão, tesoureiro da campanha do ex-governador de Minas Gerais.

    A declaração do publicitário discrimina minuciosamente a origem dos 4,5 milhões de reais: Banco Bemge (350 mil reais), Cemig (estatal de energia, 500 mil reais), Comig (estatal de infraestrutura, 250 mil reais), construtora Andrade Gutierrez (500 mil reais), Construtora ARG (900 mil reais), Copasa (estatal de saneamento, 550 mil reais), Banco Credireal (350 mil reais), Loteria Mineira (estatal de loterias, 300 mil reais) e Banco Rural (800 mil reais).

    O outro documento é um recibo assinado por Azeredo, também em 13 de outubro de 1998, referente aos 4,5 milhões de reais, “para saldar compromissos diversos”. O tesoureiro Mourão é apresentado como intermediador do pagamento. Todas as assinaturas foram confirmadas por cartórios de Belo Horizonte.

    Logo após a divulgação da lista, Marcos Valério, por meio de seu advogado, apressou-se em afirmar a falsidade do documento. No mesmo caminho seguiram Azeredo e Mendes, que teria recebido 185 mil reais. A negativa do publicitário era mais do que esperada. Réu do processo do mensalão, ele não pode assumir a responsabilidade pela administração de outro esquema criminoso. O caso de Minas Gerais também está no STF, mas somente para os envolvidos com direito a foro privilegiado, Azeredo e o senador Clésio Andrade (PMDB-MG). Os demais serão julgados pela Justiça comum mineira.

    A reação de Mendes foi a de anunciar a intenção de processar (mais uma vez) CartaCapital. Por meio de acólitos na mídia a serviço da desinformação e da trapaça, tentou desqualificar a lista ao alegar que a sigla “AGU” (Advocacia-Geral da União) colocada ao lado do nome dele no documento não faz sentido, porque, em 1998, trabalhava na Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil no governo Fernando Henrique Cardoso. Ele só se tornaria advogado-geral da União em 2000, nomeado por FHC. Ocorre que a referida subchefia é uma unidade atrelada à AGU, conforme demonstra o site oficial do órgão, na internet.

    Leia também:
    Juiz? Não, réu

    A argumentação de Azeredo é ainda mais frágil. Em nota enviada à revista, o deputado afirma que a lista se assemelha “a outras comprovadamente falsas”. Acusa, com o cuidado de não citar o nome, o lobista Nilton Monteiro de ser o mentor da denúncia. E para desqualificar o denunciante, informa que Monteiro esteve preso por falsificação “até bem pouco tempo atrás”.

    Para azar de Azeredo, justo na semana em que a lista veio à luz, a procuradora da República no Rio de Janeiro, Andrea Bayão Ferreira, denunciou o ex-diretor de Planejamento de Furnas Centrais Elétricas Dimas Fabiano Toledo por participação, em parceria com um grupo de empresários e políticos, no esquema de arrecadação ilegal exposto na chamada Lista de Furnas. Divulgada em 2006, a lista assinada por Toledo e por Monteiro foi o primeiro documento a revelar os esquemas de caixa 2 do PSDB montados durante o governo FHC, particularmente no ano eleitoral de 2002.

    A denúncia do MPF, revelada pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr. no diário mineiro Hoje em Dia, reúne documentos da Polícia Federal e da Receita Federal. Entre eles, o resultado da perícia feita pela PF em 2006 que atestou a veracidade da lista. O caso será julgado pela Vara da Fazenda do Rio de Janeiro.

    A novidade sobre a Lista de Furnas derrubou boa parte da argumentação de Azeredo e do PSDB sobre a similaridade da denúncia de Miraglia e as tais “listas comprovadamente falsas”. Além disso, neutralizou a tentativa de desqualificar a informação a partir da participação de Monteiro na história. O lobista foi figura fundamental nos esquemas tucanos de arrecadação em Minas, mas caiu em desgraça quando começou a cobrar as faturas, muitas das quais mantém guardadas, da campanha eleitoral de 1998.

    Monteiro foi de fato preso em 2006, durante a investigação sobre a veracidade da Lista de Furnas, mas acabou solto quando saiu o laudo da PF. Também chegou a ser detido sob a acusação de intimidar uma testemunha, Gilmar Adriano Corrêa, em 2005, mas acabou liberado em seguida. O próprio Corrêa foi à Polícia Civil informar que jamais havia sido procurado pelo lobista. Essas ações contra Monteiro podem, inclusive, ter sido armadas pelo grupo de Azeredo, segundo afirma um novo documento entregue por Monteiro a Miraglia (o advogado assumiu a defesa do lobista faz 15 dias).

    Trata-se de um longo depoimento, registrado em 18 páginas, do advogado Joaquim Egler Filho ao delegado João Octacílio Silva Neto, da Divisão de Operações Especiais da Polícia Civil de Minas, em 1º de março de 2010. Egler Filho foi advogado de Monteiro em 2001, mas os dois se desentenderam por causa de dinheiro. O advogado entrou com uma ação de cobrança contra Monteiro na 1ª Vara Cível de BH em 7 de março de 2002. Ambos iniciaram uma guerra de acusações, sobretudo em relação a contratos de pagamento de honorários e notas promissórias.

    Egler Filho havia procurado a polícia mineira, em 24 de janeiro de 2008, para fazer uma série de acusações a políticos mineiros envolvidos em esquemas de financiamento de caixa 2, entre eles Azeredo. Naquele mesmo ano, segundo contou ao delegado Silva Neto, foi obrigado por Mourão a negar tudo que havia dito. Ao depor novamente em 2010, não só reiterou as acusações como fez outras. Informou, por exemplo, ter sido Mourão o responsável pela armação contra Monteiro no caso da falsa denúncia de intimidação à testemunha em 2005.

    No depoimento, disse ter participado de uma reunião agendada por Azeredo com a juíza Rosimere das Graças do Couto, da Vara de Inquéritos Policiais de Belo Horizonte, para tratar de uma estratégia para acelerar os inquéritos policiais em que Monteiro é réu e, assim, colocá-lo na cadeia. Todo esse ódio pelo lobista, disse ao delegado, vem da percepção de que a Lista de Furnas, divulgada em 2006 em meio à crise do mensalão, teria impedido os tucanos de levar adiante a estratégia de pedir o impeachment do ex-presidente Lula.

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/os-documentos-do-valerioduto-mineiro

  10. Otto said

    Edu #6:

    uma das críticas que se fazia às universidades públicas era de que era muito dinheiro público gasto com quem podia pagar universidades particulares. Agora que se tenta corrigir esse desiquilíbrio, vêm o chororó.

    Ora, quem paga escola particular, pode pagar universidade pública!

  11. Edu said

    Otto,

    Quem falou em chororô? Estou dizendo que a medida é uma excelente forma de segregação entre classes sociais e elitização do ensino. Os maiores prejudicados com certeza serão aqueles que permanecerem nas universidades federais e forem obrigados a assistir aulas com alunos incapazes…

    Lembra do que eu disse do nivelamento por baixo?

    Na verdade, eu estou comemorando, afinal, há uma oportunidade de se ganhar dinheiro com isso. As universidades particulares que conseguirem suprir a demanda de mercado por profissionais realmente competentes, coisa que as universidades federais não conseguirão, ganharão bastante dinheiro.

    Principalmente agora que, a demanda por conseguir concorrer no mercado internacional exigirá muito mais dos futuros profissionais brasileiros do que o que é exigido agora.

    Se eu puder, gostaria de contribuir para o ensino do Brasil!

    Alguém quer ser meu sócio?

  12. Otto said

    Edu:

    os 50% destinados a alunos oriundos de escolas públicas continuarão passando por uma concorrência acirrada. E assim como pesquisas recentes demonstram que os alunos cotistas ou do Prouni tem um desempenho similar ou superior aos outros, mais tarde veremos que esses 50% também se sairão bem.

  13. Michelle - A Besta Desvairada said

    Otto

    #12 Por favor mostrar as tais “pesquisas recentes”…e com comprovada qualidade.
    Nada de órgãos do governo.Independentes para ficar claro.
    Relembro que o tempo e o tamanho da amostragem contradizem suas expectativas.

    Seriedade é importante nesta assunto.Nada de Wikipedia, plz!

  14. Otto said

    Michelle:

    http://www.scielo.br/pdf/cp/v39n137/v39n137a14.pdf

  15. Patriarca da Paciência said

    É isso aí, meu caro Otto,

    achar que aluno pobre é algo estático, “uma sub-raça” humana destinada aos trabalhos que exigem menos “qualidade” mental, é típica de gente preconceituosa e elitista.

    Alguns anos de estudo deficiente podem ser compensados rapidamente.

    E o professor da UNB prova sua argumentação com pesquisa séria, números e gráficos.

    O que certas pessoas não conseguem mesmo é pensar em conviver sem empregados domésticos que “passem, varrem e lavem”.

    É o fruto da nossa cultura escravagista, a qual, como dizia Joaquim Nabuco, deixaria uma “herança maldita” para a sociedade brasileira, qual seja, o horror ao trabalho que exija qualquer esforço físico.

  16. Jose Mario HRP said

    Quando se falava do Brindeiro nos tempos de FHC nós nem imaginavamos que essas duas bestas quadradas pudessem ser piores que o Brindeiro!
    http://esquerdopata.blogspot.com.br/2012/08/caso-gushiken-um-momento-indigno-do-mpf.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+OEsquerdopata+(O+Esquerdopata)

  17. Otto said

    Michelle, mais informações aqui:

    http://www.ihu.unisinos.br/noticias/508842-cotastecnicassucessoacademicoedeintegracao

    “Mais de 1600 instituições superiores de ensino particular já adotaram cotas para negros através do ProUni. Os cotistas estão com média acadêmica superior aos que pagam suas mensalidades! A Ação Direta de Inconstitucionalidade ADI 3330, em julgamento no STF, vai revelar esses dados de sucesso. Por que este grande sucesso? E a imprensa, por que não dá espaço para debater os motivos desta vitória inesperada?”

  18. Otto said

    Pois é, Patriarca, de todas as elites a nossa é das piores!

  19. Otto said

    Outra citação do artigo citado acima:

    “Com as COTAS estimamos que, em 5 anos, foram incluídos mais negros/as nas universidades brasileiras do que nos 500 anos anteriores! No vestibular entram com notas baixas e, após um ano, tendo acesso à mesma estrutura educacional, os cotistas estão dando um belo show! Há cota para entrada, entretanto eles provam que não precisam de cotas para a saída! Com esforço próprio e mérito justo eles estão entre os melhores! Todo o Brasil é beneficiado com esta vitória!”

  20. Otto said

    Edu, leste os artigos elencados acima?

  21. Patriarca da Paciência said

    “A declaração do presidente do Paraguai, Federico Franco, de que seu país não continuará “cedendo” energia ao Brasil nem à Argentina, não preocupa o diretor-geral brasileiro da Usina Hidrelétrica de Itaipu, Jorge Miguel Samek. Segundo ele, a usina tem regras que definem claramente as formas de compra de energia e o seu funcionamento.”
    (Jornal do Brasil)

    O Jânio Quadros, se não me engano, falou que um dos grandes erros do Brasil foi não ter anexado o Paraguai e um pedaçõe do Chile, para ter acesso ao Pacífico.

    Acho que o Paraguai está querendo isso agora. Em Itaipu, o Paraguai entrou só com a natureza. Até hoje o Brasil paga dívidas de Itaipu.

    Acho que haverá, finalmente, um maciço apoio do povo brasileiro para a invasão de um país.

  22. Jose Mario HRP said

    Fanfarrão como esse presidente atual do Paraguai está dificil de encontrar!
    O que ele pretende fazer com a energia de Itaipu e da outra usina(dividida com a Argentina)?
    Vai guardar em baterias e acumuladores?

  23. Pedro said

    É uma boa pergunta HRP.

    Pelo que entendi, ele quer fornecer energia para indústrias que lá se intalarem, nos mesmos preços que vende pra Argentina e do Brasil. Segundo ele, estes preços estão defasados e se for pra vender barato pros vizinhos, é melhor vender internamente, pra desenvolver o país.

    Outra possibilidade é que vá distribuir energia “digrátis” pra população pobre do Paraguay.

    Tem outro aspecto também. O Brasil abriu as pernas pro Lugo, agora ele quer fazer uma pressão pra conseguir o mesmo.

  24. Edu said

    Aplausos!

    Vcs conseguiram um artigo acadêmico! A dúvida é: leram direitinho?

    Algumas observações sobre o estudo que o Otto apresentou em #14:

    1 – Como funcionam as cotas para a UNB?

    Nota número 5 (p. 625): “A inscrição de um candidato cotista que se autodeclarava negro dependia, para sua homologação, de parecer sobre fotografia feita pela universidade; recentemente a fotografia foi
    substituída por uma entrevista, que decerto será criticada pelos que corretamente entendem,
    como Carvalho (2005), que a auto-declaração da condição de negro (em vez de preto ou
    pardo) tem um sentido político que dispensa certificação posterior.” – Ou seja, até “recentemente”, um ano que o autor não define se é anterior ou não ao estudo, bastava uma foto escurecida para que a pessoa se enquadrasse dentro das possibilidades das cotas raciais. Ou seja, havia a possibilidade real de que brancos participassem do sistema de cotas da UNB.

    2 – Além disso, será que as cotas realmente atenderam os negros que não participaram do sistema privado de ensino, ou de classe social mais baixa, ou com condições inferiores?

    Na página 623 obtemos as respostas claramente:

    “Aqueles mesmos dados da UnB indicavam que os cotistas aprovados constituíam uma elite social no interior de seu segmento, ainda que uma segunda elite quando comparada à dos não-negros universitários.” (p. 623) – Isso significa que passaram no vestibular os negros cuja classe social já era superior.

    “Esse traço do perfil dos cotistas conferia a muitos estudantes condições de um bom rendimento na universidade, melhores do que antes se antecipava.” (p. 623) – Só para comprovar o que foi escrito acima: se o negro que entrou na universidade por sistema de cotas já era de uma classe social superior, ele teria mais facilidade nas matérias.

    “Com efeito, a seleção socioeconômica realizada pelo filtro do vestibular, amplamente documentada na
    literatura sobre o ingresso na educação superior, como reitera recente estudo de Dias et al. (2008) para a Universidade Federal de Minas Gerais, naturalmente se verifica também para os cotistas da UnB.” (p. 623) – Só para não dizerem que eu estou mentindo: o que está dito aqui é que a seleção socioeconômica contiuna!!!!! Ainda que com sistema de cotas, passa no vestibular quem é de classe social mais alta! Esse sistema de cotas é uma maravilha da social-democracia mesmo!!!!!! Incrível!!!!

    E apenas para garantir que eu não estou fazendo a interpretação de texto errada, como alegaria o HRP, na frase seguintee há um outro exemplo esclarecendo para quem tem um pouco mais de dificuldade de interpretar textos:

    “Processo semelhante foi documentado na Universidade de São Paulo, por exemplo, instituição na qual não existe reserva de vagas, mas onde a probabilidade de aprovação cresce conforme aumenta a classe socioeconômica de pretos e pardos, e também dos membros dos outros grupos de cor (Guimarães, 2003)”

    A partir desse ponto, nem é preciso dizer que o resultado da política social de cotas raciais é totalmente distorcido, afinal, não há garantia de que os negros aprovados no vestibular da UNB sejam negros de classe econômica inferior.

    Ou seja, a pergunta original:

    “As cotas raciais favorecem as classes sociais mais baixas?”, além de inválida para este estudo, é digna de um NÃO em letras maiúsculas como resposta.

    Ao passo que a minha colocação de que:

    “A medida é uma excelente forma de segregação entre classes sociais e elitização do ensino” continua sendo verdadeira.

    Aliás, eu, que havia lido superficialmente sobre o sistema de cotas, agora percebo que o sistema de cotas é ainda mais perverso que eu imaginava: as cotas estão segregando os negros pobres dos negros ricos. É o verdadeiro apartheid disfarçado: como há muito mais negros do que brancos, os negros se matarão disputando as vagas para cotistas enquanto os brancos terão uma concorrência menor.

  25. Edu said

    Agora vamos ver um artigo em que o sistema de reserva de vagas garante um mínimo de 20% de estudantes cotistas oriundos da rede pública de ensino (como pode ser observado nas páginas:

    http://www.anpae.org.br/iberolusobrasileiro2010/cdrom/121.pdf

    Vamos ao que interessa, as conclusões do estudo:

    Uma ressalva importante é feita, e claro que esta ressalva deve ser feita por motivos óbvios: “No decorrer do tempo, interferências de natureza diversas contribuíram para o não aprofundamento de algumas questões, o que reforça a necessidade de novos estudos desta natureza”

    Aqui está a conclusão claramente descrita: “Não obstante as limitações, os resultados obtidos demonstraram que, os alunos não cotistas apresentaram desempenho acadêmico mais alto, como também nas variáveis
    observadas relacionadas ao mesmo (autopercepção ou autoconceito como estudante, autoestima e integração na turma), contudo as diferenças entre os grupos não foram acentuadas, e o tempo na Universidade não as aumentou.”

    E mesmo nesse estudo, e antes que vcs acreditem que eu não li, há neste estudo o viés ideológico do pesquisador, que insiste em ensejar que cota = favorecimento aos pobres. NÃO É!!!!!!!!!

    Vejam só: “Os resultados deste estudo corroboram a afirmativa de Brandão e da Matta (2007, p.74), decorrente das conclusões de sua pesquisa: “ o mito de que os índices de desempenho de não cotistas e cotistas seria separado por um abismo cai completamente por terra…”. –

    Esse estudo não consegue de maneira nenhuma dizer isso!!!

    Se vcs lerem atentamente, verão que, de acordo com as páginas 1 e 2, 20% das cotas reservadas para alunos oriundos de escolas públicas, 20% para alunos que se autodeclaram negros e 5% para deficientes.

    Ou seja, 20% dos 45% apenas PODEM SER considerados de classe social inferior. Ou seja, o benefício social das cotas, mais uma vez, NÃO É GARANTIDO!!!!

    Como assim? Para que o benefício social seja garantido, teríamos que assumir que 100% dos alunos da rede pública são de classe social inferior. O QUE NÃO É VERDADE.

    —X—

    Uma vez exposto tudo isso, podemos tentar traçar um paralelo entre as 2 universidades:

    1 – UNB – em que 100% das cotas raciais NÃO SÃO cotas sociais

    2 – UENF – em que apenas 20% das cotas raciais PODEM SER cotas sociais

    Observamos que o desempenho dos alunos cotistas da UENF, com apenas 20% do que poderíamos considerar como cotas sociais, foi inferior ao desempenho dos alunos derivados da concorrência original.

    Aí vem a pergunta: Se 100% das cotas fossem realmente SOCIAIS e abrangessem apenas alunos oriundos do ensino público, essa diferença de desempenho aumentaria ou diminuiria?!

    Estou fazendo uma pergunta justa. Não quero mudar a opinião de ninguém, estou apenas apresentando a minha linha de raciocínio. Fiquem à vontade para virem com dados melhores do que os que conseguimos.

    Ah, e importante: eu não quero destruir as crenças de vcs não!!! Fiquem à vontade para acreditar que as cotas vão salvar a educação do país! Fiquem à vontade para continuar votando nas pessoas que vendem isso pra vcs como se fosse verdade! Eu vou atrás de alguém que queira construir uma universidade particular.

  26. Edu said

    E, aproveitando, vamos sair um pouco dos estudos (baseados na realidade) para dar uma olhada na realidade mesmo:

    http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1107604&tit=Baixo-desempenho-deixa-35-mil-alunos-sem-ProUni

    Lembram-se do que eu falei que se nós nivelarmos as ações por baixo, sempre teremos que baixar mais a barra?!

    Pois é, em vez de investirmos em educação fundamental de qualidade, e uma melhoria na qualidade do ensino no geral, estamos criando ações pontuais. Qual é o resultado?! Mais ações pontuais sem resultado prático nenhum, afinal, a evasão dos pro-uni continua!!!

    No texto estão apresentados mais e mais investimentos, sujeitos à corrupção:

    Dentre eles:

    – Aulas particulares de português, redação e matemática
    – Serviço de apoio psicopedagógico
    – Programas de nivelamento básico (incluindo aulas de matemática, português, química e física)
    – “entro didático pedagógico no qual profissionais especializados prestam auxílio a alunos com dificuldades de aprendizagem, fazendo inclusive triagem de problemas mais sérios que eventualmente devam ter encaminhamento a profissionais de saúde externos à escola.” – Impressionante!

    Além, é claro, de mais dinheiro gasto, por que não? Quem precisa de superávit fiscal é a Europa, não é mesmo?!

    http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1107605&tit=Apoio-deve-ir-alem-das-bolsas-de-estudo

    Pérolas extraídas do texto:

    “…o MEC também precisa fazer mais pelos universitários, em termos de apoio financeiro. “O ProUni é uma iniciativa louvável do governo, no sentido de trazer para a faculdade um aluno historicamente excluído. Mas, para que o estudante tenha uma formação superior minimamente razoável, ele também precisa ter acesso a livros e à internet, além de tempo para estudar.”

    ” “Temos estudantes que trabalham, estudam e apresentam um bom rendimento acadêmico. Mas outros, que têm deficiência de formação básica, precisam de um tempo maior para se dedicar aos estudos. A assistência estudantil, além da universidade gratuita, deve incluir moradia, restaurante universitário e bolsa-auxílio.”

    E assim caminha a educação no Brasil, jogando dinheiro no ralo com um monte de ações afirmativas que não resolvem e torrando o dinheiro do povo.

  27. Edu said

    Ou seja, estamos transformando as universdades públicas brasileiras em centros de ensino básico e médio, para suprir a ineficiência… do ensino básico e médio!!

    Onde está o dinheiro destinado às universidades para pesquisas científicas? Desenvolvimento tecnológico? Afinal, é isso que garantirá a sobrevivência da indústria, da economia e, tão importante quanto, do emprego brasileiro no longo prazo!!!!

    Mas… podem continuar votando em quem acredita que o pro-uni resolverá a desigualdade social do Brasil, sem problemas!

  28. Jose Mario HRP said

    Caberia perguntar porque os estados mantem seus primeiros e segundos graus em tão mediocre condição e qualidade?
    Que obriga a universidade federal a seguir esse comportamento alegado pelo Edu?

  29. Jose Mario HRP said

    Vou te contar, mas as vezes dá vergonha de ser homem!
    http://www.viomundo.com.br/politica/a-foto-que-deu-o-que-falar.html

  30. Edu said

    E a Grécia?!

    Olha só o presente de grego que os socialistas do governo deram pros imigrantes! hahahahah

    – Expulsando da Grécia 6.000 imigrantes ilegais.
    – Expulsando imigrantes que ocupam prédios abandonados

    Poxa vida! Onde foi parar a esquerda?! Onde foi parar o progressismo?!

    É isso o que a esquerda no longo prazo: sociedade em decadência por conta de déficit público e nazistificação da sociedade para compensar.

    http://www.dw.de/dw/article/0,,15920422,00.html

  31. Pax said

    Não consegui acompanhar muito bem a discussão, mas cabe uma pergunta:

    – melhor corrigir a deficiência do ensino básico e médio, nas universidades públicas, neste momento ou deixar como está e não dar esta chance a quem não teve boa escola?

    Claro que temos que sanear as causas (ensino Básico e Médio). Mas o que fazer com essa turma toda que está aí?

    Claro que critico sempre Educação no Brasil, mas temos que ter um pouco de lógica nestas críticas.

    Edu, procure entender este meu ponto, da melhor maneira. Ou, te provocando educadamente, qual seria, então, uma tua proposta melhor?

  32. Edu said

    HRP,

    Pô cara!!! Vc é o substituto do Elias? Vc é aquele cara que vai por a culpa nos estados e municípios agora?!

    ahahahahah

    Cara, pensem melhor antes de escolherem em quem irão votar.

    Vou dar uma dica: se eu votasse em SP, não votaria em quem estraga o país com essas idéias de pró-uni e cotas.

  33. Jose Mario HRP said

    Edu, tudo questão de opinião, discussão longa e meio árida!
    Mas o Pax fez as perguntas certas e deu respostas conclusivas e verdadeiras.

  34. Edu said

    Pax,

    Eu já disse: o ensino fundamental e médio estão nivelados por baixo. Todo ano recebemos estatísticas de analfabetos funcionais oriundos deste sistema.

    Pense comigo Pax:

    – as universidades estão dando oferecendo aulas de reforço em matemática, redação, física e química. A verba destinada para estas universidades privilegiam somente aqueles que entraram nas universidades. Onde é que esta verba deveria ser aplicada?

    – as universidade estão gastando sua verba com apoio psicopedagógico aos seus alunos. Novamente, onde é que esta verba deveria ser aplicada?

    Pô! Se o ENEM tem serventia para alguma coisa, é justamente para discutir com os Estados e Municípios os planos de ação que deverão ser tomados pelas escolas de ensino básico e médio, e o ponto de partida para a negociação de repasses federais e atuação em conjunto com o ministério da educação.

    Eu NUNCA li NENHUMA ação que tivesse vindo a partir de uma avaliação dessas.

    O que aparece de “inovação” no ensino brasileiro é:

    – Alunos passam de ano mesmo que não tenham nota para isso
    – Cartilhas de inclusão social distribuídas gratuitamente para TODOS os alunos de TODAS as escolas públicas (quanto será que custa uma cartilha dessas? Aliás, será que é melhor saber isso que português ou matemática? Olha o naipe da priorização dada pelo ministério da educação!!!!!)
    – Sistemas de cotas
    – ENEM
    – etc…

    Pelo pouco que li, o estado de SP tem um sistema de avaliação dos professores da rede pública que parece interessante, com a possibilidade de ganhar mais, já que um dos maiores problemas é o salário dos professores. Ao que parece, mesmo o glorioso estado de SP está muito longe de ter um bom sistema de ensino médio, mas, ao que parece, há ações concretas que vêm dando resultado… e tenho certeza que daria mais resultado não fossem os próprios professores queimando livros na frente do palácio do governo.

    Enfim, minha proposta não tem muito segredo, mesmo porque não tem milagre:

    1 – Usar o ENEM para alguma coisa: exemplo, planejar o futuro da educação do Brasil.
    2 – Usar esse plano de ação para discutir verbas
    3 – CONTROLE, CONTROLE, CONTROLE, CONTROLE: eu tenho certeza que se as verbas destinadas à educação forem controladas e os planos de ação forem implantados, os benefícios virão mais rápido do que imaginamos, e beneficiarão muito mais gente que estas ações pontuais.
    4 – A partir disso, buscar maior eficiência nesse ciclo a cada ano.

  35. Pax said

    Caro Edu,

    Ok, um bom plano, para o futuro. Concordo.

    Mas…

    Enquanto isso fazemos o qu? Quanto de dinheiro est sendo gasto para estes tais reforos em matemtica, redao, fsica e qumica como voc disse? Ser este oramento to significativo assim? Atrapalha o conserto do ensino fundamental e mdio?

    Quero crer que no.

    Uma coisa acertar o rumo, outra dar um jeito na catstrofe que temos, que aconteceu faz dcadas, desde a ditadura. Estudei em escola pblica e sei muito bem que era boa, sim.

    Em Aug 9, 2012, s 12:25 PM,

  36. Edu said

    Pax,

    Antes de tentar responder à sua pergunta:

    A catástrofe que temos pode ter começado lá na ditadura, mas nos últimos 8 anos justamente com essa história de cotas, universidades de papel, aprovação automática até a quarta-série, etc, terminou por enterrar o ensino básico e médio brasileiro.

    Pelo que eu sei, em SP, o PSDB conseguiu montar um sistema de remuneração que ainda tem muito o que mudar, mas remunera professores melhor que o Brasil todo.

    Só que os próprios professores paulistas conseguiram, por meio de greves, protestos e uma pesada influência PSOLista e PTista desviar os benefícios alcançados com esse sistema (ainda que estes benefícios sejam modestos).

    O resultado é que nenhum outro estado da federação se interessou em fazer algo similar, e pelo jeito nem sequer considerou.

    Os professores acreditaram na luta de classes do PT, pois aí está, o PT a mais de 8 anos no poder e o que encontramos? Greves no Brasil inteiro.

    Acho que está na hora dos próprios professores aprenderem uma lição: essa história de luta de classes é ridícula. Se eles são uma classe tão unida assim, eles devem usar essa união para fazer o sistema funcionar a favor deles e a favor dos alunos deles.

    E sobre a sua pergunta:

    O que fazer agora? Pois é! Agora que estamos gastando dinheiro com politicas fajutas como estas e a coisa toda não tem dado resultado teremos que apelar para o que?!

    DINHEIRO!

    E dá-lhe dinheiro, porque agora quem entra na universidade tem que se formar, afinal, se um cotista entra na faculdade, passa 2 anos se ferrando e tomando pau em tudo quanto é matéria, e acaba saindo da faculdade, o que ele fez?

    – Ele ocupou 2 anos de uma vaga de um outro aluno que poderia ser mais capacitado
    – Ele volta mais frustrado para um mercado de trabalho de ensino médio
    – Para cada ano que ele tomou pau, ele ocupou recursos de outros estudantes que poderiam estar recebendo ensino básico melhor

    Em outras palavras, aluno que entra em universidade pública e não se forma é dinheiro do país jogado fora.

    E o que vai acontecer, meu caro Pax, é que essa roda negativa não tem como parar. O Brasil terá que se responsabilizar por esses “cotados” até que a própria população entenda que este sistema mais prejudica do que beneficia o ensino.

    Sendo assim: continuemos pagando. E novamente: planos de ação. Pelas notícias já vimos depoimentos de diversos “especialistas”: uns pedindo aulas de reforço, outros apoio psicológico, outros até mesmo apoio financeiro. Mas para mim não é a opinião desses caras que a mídia tem que ouvir, é o Ministério da Educação que tem que ser cobrado e dizer o que vai fazer, em quanto tempo e quanto vai gastar. Afinal, é ele o órgão responsável por dar cabo do problema.

    Aliás, é um bom momento para uma pergunta pertinente: a Gerente Dilma, está cobrando alguma coisa desse ministério?

    Minha recomendação, enquanto cidadão, continua a mesma: não voto em ex-ministro da educação que tenha inventado essas aberrações justiifcadas por uma luta de classes.

  37. Edu said

    Outro ofitópique interessante:

    Eis o resultado do incentivo dado ao esporte pelo PT nos últimos 8!

    http://esportes.terra.com.br/jogos-olimpicos/londres-2012/noticias/0,,OI6065057-EI19410,00-Ingleses+veem+fracasso+do+Brasil+em+Londres+vive+de+sucessos+passados.html

    Viva o sucesso olímpico do Brasil!

  38. Otto said

    Edu:

    resumindo o que eu penso: já que o Estado gasta uma pequena fortuna, em termos absolutos, com a educação superior, acho correto reservar uma parte considerável das vagas do ensino público superior pra alunos oriundos da educação pública. Ora, quem paga escola particular, pode muito bem pagar faculdade particular. Aliás, nos Estados ceifados pelo neoliberalismo, como o Chile, já não existe educação superior gratuita.

    Bom, sobre as cotas, trago aqui algumas contribuições do Idelber Avelar, um brasileiro que mora nos EUA, e que conhece tanto a realidade de lá como de cá:

    http://revistaforum.com.br/idelberavelar/2012/05/05/a-midia-as-cotas-e-o-sempre-bom-e-necessario-exercicio-da-duvida-por-ana-maria-goncalves/

    http://revistaforum.com.br/idelberavelar/2012/05/21/uma-proposta-de-exercicio-e-de-etica-da-escuta-para-quem-nao-e-vitima-de-racismo/

  39. Jose Mario HRP said

    Acordo , dou uma passada de vistas pelos portais e tomo ciencia que alguns ” ministros” do STF, numa atitude ridicula, já antecipam julgamento, “anonimamente”, para Folha sp e estadão!!!!!
    Eles se dizem desanimados com as defesas de alguns réus, por fraqueza de argumentos!
    CARA PÁLIDA, E AS PROVAS?
    VOCES VÃO JULGAR DE ACORDO COM PROVAS E OU, SUAS AUSENCIAS?

  40. Jose Mario HRP said

    Mensalão?

  41. Otto said

    José:

    no caso das operações Castelo de Areia e Satiagraha, com provas abundantes, os réus foram inocentados. Agora, sem prova alguma, querem condenar. Se isto acontecer, o Paraguai é aqui.

  42. Otto said

    MINISTROS DO SUPREMO BURLAM A LEI

    Um grupo de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) está, com o compromisso de seus nomes não serem revelados, a falar em “off the record” sobre o Mensalão com jornalistas da Folha de S.Paulo, conforme matéria estampada na capa da edição de hoje do jornal. Ontem, eles falaram, sempre em “off”, ao jornal O Estado de S.Paulo.

    Os dois jornais “estão na deles”, para usar uma expressão muito empregada pelos jovens.

    Mas, enquanto os jornais publicam, “na deles”, o furo de antecipar opinião de ministros sobre a prova, o que dizer dos julgadores supremos?A resposta é fácil. Até os bacharéis em Direito que ainda não foram aprovados no exame da Ordem dos Advogados sabem que o magistrado não pode antecipar juízos. A lei estabelece que só o ministro, sobre questões “sub-judice”, pode falar nos autos e em determinados momentos processuais. Mais ainda, não pode prejulgar, nem dizer sobre validade de provas na formação do seu convencimento.

    Os ministros que falam a aparelhos desligados e com garantia de que os seus nomes não serão revelados burlam a lei.

    Como ministros do STF não têm corregedor e não estão sujeitos ao Conselho Nacional de Justiça, eles, no particular, abusam. E, pior, escondem-se covardemente ao falar apenas em “off”. Covardemente porque sabem que estão proibidos de falar por lei e desafiam a proibição recorrendo ao anonimato. São “moitas supremos”.

    Pano rápido. A que ponto chegamos. Os garantidores da Constituição e aplicadores da lei são seus descumpridores. No popular: em casa de ferreiro o espeto é de pau.

    Wálter Fanganiello Maierovitch

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/maierovitch-ministros-do-supremo-burlam-a-lei

  43. Otto said

    Um excelente texto:

    Não haverá outro resultado além da condenação dos réus na ação penal 470, midiaticamente chamada de “mensalão”. Anotem e guardem. Os ministros do STF capitularam ante uma pressão ilegítima dos meios de comunicação que a todo tempo buscam o confinamento dos réus numa prisão, embora absolutamente nada exista semelhante a um crime cometido tal como desenhado pela imprensa com base num suposto esquema de compra de votos de parlamentares da base aliada em troca de apôio ao governo.

    Uma farsa urdida pelo único partido verdadeiramente de oposição, a imprensa que sozinha nos últimos anos carrega a bandeira do neoliberalismo, ideologia política que defende e em nome da qual insurgiu-se aos avanços do governo Dilma, como já fizera com os governos Lula e agora segue em frente com seu projeto político de entregar o poder aos tucanos apesar de a população por 3 vezes ter dado seu veredicto de não querer vê-los mais no comando do governo central.

    Pelo menos no que diz respeito a mim não espero outro resultado. Aliás sempre defendi a posição de que o julgamento, na verdade um justiçamento, acobertado pela maior corte de justiça do país, para satisfazer as pressões de um poder paralelo que opera à margem do Estado influindo negativamente na agenda política do país, às vezes aliado até ao crime organizado, amplamente demonstrado na operação Monte Carlo da PF, na qual ficou mais do que evidenciado o acumpliciamento de alguns jornalistas e seus respectivos veículos de comunicação com o esquema Cachoeira, um dos maiores escândalo criminoso a envolver todos poderes da república.

    Agem em sintonia fina com a justiça maior do país, assim como uma dupla batedora de carteira: enquanto um distraí a vítima o outro apodera-se dos bens que está no bolso da incauta. Assim venderam a ação penal 470 como o maior escândalo de corrupção havido no país, ou no dizer do Procurador Geral da República, ou seria Prevaricador Geral? o mais atrevido ataque as instituições democráticas da nação.

    Na escala de valores outros escândalos maiores estiveram presentes no dia-a-dia da nação. A privataria tucana, a lista de furnas, o mensalão tucano e mais recentemente o esquema Cachoeira cujos vínculos partidários e políticos mancharam as instituições republicanas brasileiras porque vai além de um esquema regional, era um esquema articulado para embaraçar e se possível derrubar os governos progressistas do PT.

    A opinião pública a qual a imprensa diz representar tem se mostrado alheia ao que acontece no STF com relação a ação penal 470 segundo pesquisas realizadas. No entanto, nada pode parar a pauta jornalística da imprensa que insisti em apenar os reús num julgamento que realizou sem que tenha legitimidade para tanto e só aguarda a confirmação que seguramente virá daqueles homens que não terão a coragem necessária para desafiar um conceito de justiça preconcebido e que não se harmoniza com a constituição e com o Estado Democrático de Direito.

    Este julgamento que encaminha-se para um justiçamento é que é um verdadeiro ataque as instituições democráticas, um acinte que atenta contra a liberdade individual dos réus porque não será feito com imparcialidade, mas todo seu curso segue para o mesmo rumo de uma condenação há muito anunciada porque assim já determinou os meios de comunicação ideologicamente engajados com os partidos de oposição que no STF encontram também ecos para a causa que defendem.

    Não poderia deixar de cutucar o Ministro Gilmar Mendes. Quem o conhece de perto diz que o ministro é uma pessoa íntegra, honesta e que as posições que toma se dão em face da corrente filosófica a qual se alinha o garantismo. Com base neste alinhamento frequentemente o Ministro toma decisões favoráveis àqueles considerados criminosos pela sociedade, como Daniel Dantas por exemplo. Este conceito do garantismo, embora amplo, compreende-se como a garantia de que ninguém será condenado se não houver provas cabais que incriminem o acusado.

    Eu sempre enxerguei nesta posição de Gilmar Mendes um disfarce para justificar seus pendores em favor de Daniel Dantas e outros bandidos de colarinho branco. Se Gilmar for mesmo garantista, neste julgamento da ação penal 470 ele encontrará todas razões para sem nehum temor de desagradar a mídia ser voto favorável a absolvição do réus dadas a postura que sempre defendeu no STF.

    É bom não esquecer-se que quando Daniel Dantas estava para ser fritado a imprensa veio ao seu socorro a despeito do clamor público que exigia que fosse trancafiado numa prisão. Quem apareceu para atender aos desejos da grande imprensa? O grande ministro Gilmar que lançando mão da corrente filosófica garantista livrou Dantas por duas vezes de permanecer preso.

    Isto por si mostra que o garantismo do ministro Gilmar obedece a uma certa relatividade. Serve também para justificar ações que de outra forma o colocariam debaixo da mais vil suspeição. Se acreditasse genuinamente que Gilmar é um garantista apostaria que ele absolveria os réus dentro deste conceito que ele defende e que encontraria milhões de razões que apoiariam sua decisão.

    Como não acredito e avalio que Gilmar está até o pescoço comprometido com os grandes meios de comunicações que exigem a condenação dos réus ele sacrificará suas convicções para condenar os réus, se não o fizer deixará um rastilho de pólvora que poderá a qualquer momento explodir comprometendo definitivamente sua condição de Ministro do STF.

    http://www.pradiscutirobrasil.blogspot.com.br/2012/08/mensalao-e-coragem

  44. Jose Mario HRP said

    É Otto o Paraguai definitivamente é aqui!
    Politica e ética?
    http://amoralnato.blogspot.com.br/
    Sensacional!

  45. Jose Mario HRP said

    Vejam só se isso não é Paraguai?

  46. Edu said

    Otto,

    Que fique claro o que eu estou dizendo, pelos motivos já esclarecidos anteriormente:

    – Não sou contra a reserva de parte das vagas para candidados oriundos da rede pública
    – No entanto, sou TOTALMENTE contra cotas raciais

    Eu também acho que quem paga escola particular pode pagar faculdades particulares. Só que se esse cenário de notas mais baixas para as universidades federais continuar, logo logo as universidades particulares se destacarão em relação às públicas. O resultado disso é claro: mais segregação econômica. É esse tipo de segregação que a esquerda brasileira quer?

    Então vamos pensar direito como é que as universidades federais podem admitir (no sentido de inclusão) alunos da rede pública para estimulá-los, e não para nivelar por baixo o nível destas universidades.

    Como fazer isso?

    O limite de vagas a ser distribuído deve ser estudado com mais cuidado. Caso isso não ocorra e a quantidade de alunos oriundos da rede pública for muito grande, em vez de estimular a evolução dos mesmos, o desenvolvimento de todos será prejudicado, como apresentado anteriormente.

    E o que a esquerda brasileira fez?

    Eu sinceramente DUVIDO que o MEC tenha estudado o impacto da % de alunos da rede pública em universidades federais para determinar que 50% deveria ser de cotas, quaisquer que elas sejam. E o resultado é o que vemos: evasão, notas inferiores e necessidades de mais gastos do governo para “salvar” esses alunos.

    É isso que dá tomar decisões políticas sob a bandeira do social sem pensar, no impulso, só pra conquistar mais votos.

  47. Otto said

    Edu:

    eu não tenho aqui as estatísticas, mas já há uma porcentagem muito grande de alunos oriundos de escolas públicas nas universidades públicas. Não sei se este número chega a 50%. Mas não deve ser longe disto — falo isto porque já lecionei como substituto numa delas.

    Como que adivinhando nossa conversa, um xará seu escreveu há pouco sobre o assunto:

    http://www.blogdacidadania.com.br/2012/08/resistencia-a-cotas-explica-desde-a-desigualdade-ate-o-mensalao-2/

  48. Otto said

    Pax & Galera,
    um interessante off topic (não tão off assim):

    O TRISTE FIM DE POLICARPO JR.

    Por Leandro Fortes

    Na CartaCapital dessa semana há uma história dentro de uma história. A história da capa é o desfecho de uma tragédia jornalística anunciada desde que a Editora Abril decidiu, após a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002, que a revista Veja seria transformada num panfleto ideológico da extrema-direita brasileira. Abandonado o jornalismo, sobreveio a dedicação quase que exclusiva ao banditismo e ao exercício semanal de desonestidade intelectual. O resultado é o que se lê, agora, em CartaCapital: Veja era um dos pilares do esquema criminoso de Carlinhos Cachoeira. O outro era o ex-senador Demóstenes Torres, do DEM de Goiás. Sem a semanal da Abril, não haveria Cachoeira. Sem Cachoeira, não haveria essa formidável máquina de assassinar reputações recheada de publicidade, inclusive oficial.

    A outra história é a de um jornalista, Policarpo Jr., que abandonou uma carreira de bom repórter para se subordinar ao que talvez tenha imaginado ser uma carreira brilhante na empresa onde foi praticamente criado. Ao se subordinar a Carlinhos Cachoeira, muitas vezes de forma incompreensível para um profissional de larga experiência, Policarpo criou na sucursal da Veja, em Brasília, um núcleo experimental do que pior se pode fazer no jornalismo.

    Em certo momento, instigou um jovem repórter, um garoto de apenas 23 anos, a invadir o quarto do ex-ministro José Dirceu, no Hotel Nahoum, na capital federal. Esse ato de irresponsabilidade e vandalismo, ainda obscuro no campo das intenções, foi a primeira exalação de mau cheiro desse esgoto transformado em rotina, perceptível até mesmo para quem, em nome das próprias convicções políticas, mantém-se fiel à Veja, como quem se agarra a um tronco podre na esperança de não naufragar.

    A compilação e análise dos dados produzidos pela Polícia Federal em duas operações – Vegas, em 2009, e Monte Carlos, em 2012 – demonstram, agora, a seriedade dessa autodesconstrução midiática centrada na Veja, mas seguida em muitos níveis pelo resto da chamada “grande” imprensa brasileira, notadamente as Organizações Globo, Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e alguns substratos regionais de menor monta.

    Ao se colocar, veladamente, como grupo de ação partidária de oposição, esse setor da mídia contaminou a própria estrutura de produção de notícias, gerou uma miríade de colunistas-papagaios, a repetir as frases que lhes são sopradas dos aquários das redações, e talvez tenha provocado um dano geracional de longo prazo, a consequência mais triste: o péssimo exemplo aos novos repórteres de que jornalismo é um vale tudo, a arte da bajulação calculada, um ofício servil e de remuneração vinculada aos interesses do patrão.

    A Operação Vegas, vale lembrar, foi escondida pelo procurador-geral da República Roberto Gurgel, este mesmo que por ora acusa mensaleiros no STF com base em uma denúncia basicamente moldada sobre os clichês da mídia, em especial, desta Veja sobre a qual sabemos, agora, que tipo de fontes frequentava. Na Vegas, a PF havia detecdado não somente a participação de Demóstenes Torres na quadrilha, mas também de Policarpo Jr. e da Veja. Essa informação abre uma nova perspectiva a ser explorada pela CPI do Cachoeira, resta saber se vai haver coragem para tal.

    Há três meses, representantes das Organizações Globo e da Editora Abril fecharam um sórdido armistício com Michel Temer, vice-presidente da República e cacique-mor do PMDB. Pelo acordo, o noticiário daria um descanso para Dilma Rousseff em troca de jamais, em hipótese alguma, a CPI do Cachoeira convocar Policarpo Jr., ou gente maior, como Roberto Civita, dono da Abril. A fachada para essa negociata foi, como de costume, as bandeiras das liberdades de imprensa e de expressão, dois conceitos deliberadamente manipulados pela mídia para que não se compreenda nem um nem outro.

    No dia 14 de agosto, terça-feira que vem, o deputado Dr. Rosinha irá ao plenário da CPI apresentar um requerimento de convocação do jornalista Policarpo Jr.. É possível, no mundo irrreal criado pela mídia e onde vivem nossos piores parlamentares, que o requerimento caia, justamente, por conta do bloqueio do PMDB e dos votos dessa oposição undenista sem qualquer compromisso com a moral nem o interesse público.

    Será uma chance de ouro de todos nós percebermos, enfim, quem é quem naquela comissão.

    No mais, CartaCapital, já nas bancas.

    E, definitivamente, nem veja as outras.

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/veja-uma-tragedia-jornalistica-por-leandro-fortes

  49. Edu said

    Pois é Otto,

    Coincidentemente, parece que o RA também adivinhou nossa conversa, e escreveu um texto que considero bastante interessante.

    Vamos deixar o viés ideológico um pouco de lado e parar pra pensar na racionalidade do sistema que está sendo proposto: é um absurdo, como já dito anteriormente.

    Além disso, respondendo à sua dúvida, está no texto:

    “A deputada Nice Lobão (PSD-MA), mulher do ministro Edson Lobão (Minas e Energia), tem dois grandes feitos na carreira: é a campeã de faltas às sessões da Câmara em 2011 e é autora de um projeto, já aprovado também no Senado — só falta agora a sanção de Dilma — que determina que as universidades e os institutos técnicos federais reservem 50% das vagas para alunos oriundos das escolas públicas.”

    Peço que leia o texto e por favor, ignore quando o RA vem com o discurso ideológico dele. Leia com olhar crítico, e com os óculos da racionalidade Otto, afinal, é sobre o futuro dos nossos filhos e do país que estamos discutindo.

    Segue o link.

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/cotas-sociais-e-raciais-nas-universidades-chegam-a-fase-da-estupidez-absoluta-dilma-vai-endossar-um-crime-contra-a-educacao-e-contra-os-pobres-algumas-polianas-do-cotismo-agora-se-assustam-e-mesmo/

  50. Edu said

    Otto,

    Desculpe cara, mas esse Edu é mentiroso pra caramba:

    Eu vou começar pelo meio, porque cara, tem umas coisas que não dá pra acreditar. Como é que um cara que se propõe a mostrar um gráfico e dissertar sobre ele seja capaz de tamanha cara-de-pau! hahahaha

    E Otto, não sei qual é a sua formação, e não quero desmerecê-la cara. Mas quando vc lê a palavra correlação, o que lhe vem à cabeça? Como professor substituto de universidade, vc deveria saber que correlação prescinde de uma análise estatística que a comprove! Agora vejamos a frase do meu xará mentiroso:

    “Estabelecida a correlação entre a política de cotas e a queda da desigualdade mais intensa na era Lula…”

    Otto, pelo amor de Deus cara… como é que vc dá crédito para um argumento desses?!?!?! Que correlação?! Gostaria que ele demonstrasse estatisticamente a correlação que há em um aluno negro entrando numa universidade em 2001 e o índice de gini diminuindo de 0,59 para 0,53 entre 2000 e 2010! hahahaha

    Vc é inteligente cara, vc sabe fazer contas! Já discutimos que as cotas não favorecem pobres, e sim negros. Negros também podem ser ricos, como o próprio artigo da UNB apresentado por vc afirma! Se vc fizer uma conta ridícula vc vai perceber que cotas em 20% das universidades federais brasileiras não correspondem a nem 1% da população economicamente ativa do Brasil, e consequentemente, o enriquecimento de 1% da população economicamente ativa do Brasil NUNCA poderia ser responsável pela queda em 6% do índice de Gini!

    Pô Otto! Quantas vezes eu já falei pra ler direito, com olhar crítico, antes de virem argumentar?! Assim vc passa vergonha! hahahaha

    Além disso, olha a escala que o cara coloca o gráfico! Parece que houve realmente uma mudança drástica, mas não, o índice diminuiu apenas 6 pontos percentuais! hahahaha

    Que ridículo Otto… não dá pra brincar desse jeito. Como é q vc me dá uma dessas bem na hora que eu achava q vc estava indo pelo caminho certo: o caminho dos artigos acadêmicos…

    Só por desencargo, vou colocar aqui o resto das inconsistências do xará. Felizmente ele é só xará de nome, se fosse xará de sobrenome eu acho que buscaria algum meio judicial de me diferenciar dele, nunca aceitaria esse cara na minha família.

    1 – “A teoria demo-tucano-midiática era a de que, por terem formação escolar inferior, esses estudantes das escolas públicas – que, em maioria esmagadora no país, são negros – tornar-se-iam profissionais medíocres e não conseguiriam acompanhar os estudantes brancos egressos da escola particular, que proliferou durante a ditadura de forma a dar aos mais ricos chances melhores na vida.”

    Mentira: nunca li nada parecido. Nunca foi dito sobre estudantes negros de escolas públicas e estudantes brancos de escolas particulares. Mas sempre houve distinção entre escolas públicas e escolas particulares, INDPENDENTEMENTE DA RAÇA. Além disso, de onde que ele tira que isso se proliferou durante a ditadura?! hahaaha

    2 – “O DEM, aliás, chegou a entrar na Justiça contra as políticas afirmativas petistas (cotas e Prouni) alegando que o governo federal estaria cometendo uma injustiça contra os brancos ricos das escolas particulares. ”

    Eu não li sobre esse processo, e pra falar a verdade, nem gosto do DEM, mas meu ponto é justamente o oposto: colocar cotas pra negros só prejudica os brancos E negros pobres.

    3 – “Ao mesmo tempo, a teoria sobre “prejuízo acadêmico” que seria gerado por jovens negros e pobres às universidades de elite (que, no Brasil, são as públicas, ou seja, financiadas pelos impostos sobretudo dos mais pobres), desmoronou.”

    Mentira!!! Se vc ler os textos acima (#24, #25, #26) verá que não falo e nunca falei de prejuizo gerado por negros, e nem pobres. Mas vc verá que é o prejuízo de haver uma proporção grande demais de alunos oriundos de escolas públicas (que podem ou não ser negros e que podem ou não ser pobres), comprovados com um estudo feito #25 e reiterado em #46.

    4 – “niversidades como UFRG, UNB, UFRJ, UFBA e outras começaram a formar turmas de cotistas oriundos da escola pública e negros e o que se viu foi que não só tiveram o mesmo desempenho acadêmico que os egressos brancos das escolas particulares como, em alguns casos, até os superaram, sem falar que os cotistas abandonam menos os cursos, enquanto que os não-cotistas lideram as desistências.”

    Mentira! Como provado em #25 e #26.

    5 – “Simples assim.”

    Mentira! Cara, essa mania de achar que tudo isso é simples é uma das maiores barbaridades existentes. É justamente porque esses políticos malucos acham que tudo é simples que não se realizou 1 estudo sequer para verificar qual a % de cotas seria útil para a distribuição para alunos da rede pública. É justamente porque vcs acham que tudo é simples q vcs não vêem utilidade em superávit fiscal. É justamente pq vcs acham que tudo é simples que há essa percepção COMPLETAMENTE EQUIVOCADA de que a solução para os males do mundo se resumem a políticas sociais…

    Acorda Otto.

  51. Edu said

    E aproveitando esse blablablá de que o STF está julgando antes de julgar, aí vai um texto de uma professora de direito penal de uma universidade pública:

    A lei, para amigos e inimigos

    Propaga-se a ideia de que os réus, no processo do mensalão, tiveram garantias desrespeitadas, foram cerceados em suas defesas, acusados por meio de denúncia inepta, não sendo raro ler que estão submetidos a um tribunal de exceção.

    Independentemente de haver ou não prova suficiente para a condenação, alguns esclarecimentos precisam ser feitos.

    A denúncia ofertada pelo Ministério Público Federal é clara e responsável, na medida em que procura atribuir a cada um dos envolvidos a sua parcela de culpa, tomando o cuidado de estabelecer núcleos de atuação.

    Tivesse o órgão acusador realmente adotado a teoria de que os líderes da organização criminosa respondem por todo e qualquer crime por tal organização praticado, certamente os principais réus, além de serem acusados por corrupção ativa, quadrilha e peculato, teriam sido denunciados por lavagem de dinheiro e evasão de divisas, pois, ao estruturar a organização, sabiam como o suposto esquema iria funcionar.

    Igualmente parcimonioso foi o STF ao rejeitar algumas das imputações já no momento do recebimento da denúncia. Na maior parte dos processos criminais, o magistrado recebe a denúncia em sua íntegra para ao final dizer se absolve ou condena.

    O fato de ter recusado parte das imputações no nascedouro da ação mostra que o STF não está julgando com ira, com gana de condenar ou de dar respostas à sociedade.

    Também não procedem as ilações de que os réus estão tendo menos condições de defesa que outros acusados. É justamente o contrário.

    A ação penal referente ao mensalão tramitou por um bom tempo, todos os requisitos previstos na lei e no regimento estão sendo observados. E aos acusados foram garantidos meios de defesa que a maior parte dos réus, no Brasil, não consegue.

    Cito como exemplo o fato de terem obtido a expedição de carta rogatória para ouvir testemunhas de defesa no exterior. A lei assegura tal direito, mas dificilmente outros acusados conseguem ter deferido o mesmo meio de prova.

    É insustentável a alusão de que o ministro relator, Joaquim Barbosa, estaria impedido de presidir a ação penal por ter conduzido o inquérito.

    Procedesse esse argumento, todas as ações originárias estariam sob suspeita, e todos os casos em que houve quebra de sigilos se tornariam nulos, pois as decisões mais interventivas, durante qualquer investigação, são tomadas pelo juiz que normalmente preside a ação penal subsequente.

    O foro privilegiado, como o próprio nome diz, a vida toda foi tido como uma benesse. Agora, estranhamente, passa a ser apresentado como sinônimo de tortura.

    Se a ação referente ao mensalão for nula e se as cortes internacionais precisarem intervir em prol dos réus, todos os outros processos criminais em trâmite no país devem ser imediatamente encerrados.

    Que a defesa precise usar algumas figuras de linguagem, ao apresentar suas teses, é compreensível. Difundir, entretanto, que a maior corte do país está procedendo a um julgamento de exceção constitui desrespeito com o STF e com o Brasil.

    – Janaina Conceição Paschoal é advogada criminalista e livre-docente da USP

  52. Otto said

    Edu:

    vamos lá: correlação é, segundo, o Houais, “correspondência, similitude, analogia entre pessoas, coisas, ideias relacionadas entre si; interdependência de duas ou mais variáveis”.

    No texto do Eduardo Guimarães, um pouco antes da citação que você pinçou, ele diz, com respeito a diminuição da desigualdade “A correlação desses dados com a política é imensa”. Mais adiante ele menciona a importância do Bolsa Família. E eu acrescentaria o aumento constante do salário mínimo acima da inflação, a queda do desemprego, associado a uma série de políticas públicas, entre estas, evidentemente, as cotas.

    Você deve saber que um texto deve ser interpretado como um todo.

    Tudo bem, podemos discutir quais fatores ou variáveis foram mais ou menos importante na diminuição da desigualdade.

    Mas não podemos negar que:

    A ditadura militar foi extremamente danosa para o Brasil, sobretudo em termos sociais — e não foi por falta de crescimento econômico.

    A diminuição da desigualdade durantes os anos FHC foi inexpressiva.

    ” A partir de 2003, começou a cair em ritmo 3 vezes maior do que o preconizado pelo PNUD (ONU), chegando, ano passado, a 0,519 – inferior ao que vigia em 1960.”

    O Brasil é um dos poucos países do mundo em que a desigualdade de renda vem caindo, ao contrário da China, Índia, Rússia, EUA e grande parte da Europa.

    Ah, por que você acha que nos EUA há uma classe média negra mais expressiva do que no Brasil e do que havia lá há meio século?
    Você acha que este crescimento foi por geração espontânea? Ou não teria uma correlação com as políticas afirmativas?

    Meu filho estudou num Instituto Federal e mais de 90% dos alunos eram oriundos de escolas particulares. Acho um absurdo o Estado gastar tanto dinheiro com quem pode pagar escola particular, assim como o SUS atender planos de saúde como em São Paulo. Um professor no estado, aqui no Paraná, trabalhando pra danar, ganha não muito mais que R$ 2000,00. Num IF ele começa (se tiver doutorado) com 7.600,00, com oito horas semanais em sala de aula (o que eu acho muito pouco, não o salário, mas o tempo de aula).

    Cara, eu não acho que “a solução para os males do mundo se resumem a políticas sociais”. Mas penso que num país como o Brasil, um dos 15 mais desiguais do mundo (há 15 anos estava entre os três!), é impossível qualquer avanço verdadeiro sem políticas sociais.

    Simples assim.

    Ah, isto é uma expressão, uma brincadeira, uma citação paródica. Questão de interpretação de texto. Muito mais expressivo que os antipáticos “ahahahahah” ou “kkkkkkkkkk” tão abundantes na internet.

    Por fim, o que você acha do Policarpo Jr., caso ele tenha se envolvido promiscuamente com o Cachoeira (o que tudo leva a crer)?
    E a lista de furnas, que agora foi comprovada sua autenticidade, com doações para FHC e o impoluto Gilmar Dantas…

    Abraços, Edu. Vai dormir. :-)

  53. Otto said

    Do 247:

    “Ao contrário do que ocorreu com o processo sobre o ‘mensalão’ do PT no STF, ministro do Superior Tribunal de Justiça determina o desmembramento do processo do ‘mensalão’ do DEM, pelo qual são investigados 38 réus; também foi arquivada a denúncia por formação de quadrilha contra o ex-governador do DF Joaquim Roriz”

    Que diferença de tratamento, hein?

    O poder judiciário é o mais reacionário da república.

  54. Otto said

    O Jornal da Record teve acesso a novas escutas da Polícia Federal que revelam a estreita relação do diretor da revista Veja em Brasília (DF), Policarpo Júnior com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Outra gravação mostra o ex-senador Demóstenes Torres pedindo para Cachoeira interferir em uma reportagem da revista. Confira no vídeo!

    http://noticias.r7.com/videos/exclusivo-gravacao-mostra-relacao-entre-carlinhos-cachoeira-e-diretor-da-revista-veja/idmedia/502597046b713bdb68552db5.html

  55. Otto said

    Outro exemplo da diferença de tratamento:

    “Barbosa, que defendeu o desmembramento nos dois casos e foi voto vencido, acredita que o risco de prescrição no “mensalão mineiro” é até maior do que havia no “mensalão do PT”. E diz a interlocutores que, se no caso petista tudo quase sempre foi aprovado por unanimidade no STF, no mineiro as dificuldades foram maiores.”

  56. Jose Mario HRP said

    Abro a internet e vejo que o “presidente” paraguaio batreu pé e não venderá mais a energia de Itaipu ao Brasil.
    Próxima parada será a base norte americana no meio do paraguai, aliás os USA já estão treinando o exército paraguaio.
    Os ovos da serpente prestes a dar frutos!
    Essa história pode nos levar a um mundo que só vemos no oriente médio!
    Cortesia do Tio Sam!
    Parabéns Alvaro Dias!

  57. Jose Mario HRP said

    É, o ex presidente Cllor está coberto de razão!

  58. Jose Mario HRP said

    É jornalista ou chantagista?
    http://esquerdopata.blogspot.com.br/2012/08/gravacao-mostra-relacao-entre-carlinhos.html

  59. Pax said

    Sei não. Nunca gostei da tese desta defesa petista formada por:

    – desmerecer a Promotoria e a Suprema Corte
    – negar todas as acusações

    Sempre achei melhor uma outra, que afirmasse a tese de caixa 2 de campanha e, em cima deste ponto, montasse a defesa sem desrespeitar a Justiça.

    O PT resolveu tomar seu rumo, assumir a tese que adotou.

    Agora é ver se estas provocações são melhores que o respeito. O Brasil, no meu entender, tem que valorizar as instituições.

    Enfim, Alea Jacta Est!

  60. Otto said

    Veja adota tática do avestruz no caso Policarpo

    247 – Na próxima terça-feira, o deputado Doutor Rosinha (PT-PR) apresentará o pedido para convocação do jornalista Policarpo Júnior, chefe da revista Veja em Brasília, pela CPI da Operação Monte Carlo. Durante anos, o bicheiro Carlos Cachoeira, useiro e vezeiro de grampos clandestinos e ilegais, foi a principal fonte de Policarpo. O argumento pela convocação de Policarpo foi reforçado pela capa da revista Carta Capital deste fim de semana, que traz um grampo em que Policarpo pede a Cachoeira que levante algumas ligações de um deputado: o goiano Jovair Arantes, do PTB. O bicheiro promete resolver o assunto com o araponga Idalberto Matias, o Dadá, especializado em arapongagem clandestina.

    Há, no entanto, um pacto de silêncio na imprensa brasileira. Nenhum veículo que integra a chamada “grande mídia” – ou o chamado “Partido da Imprensa Golpista”, como alegam seus críticos – repercute notícias da revista Carta Capital. Foi assim, por exemplo, na lista recente sobre o mensalão mineiro e o mesmo ocorre no caso Policarpo. Alguns jornais, como a Folha de S. Paulo, por exemplo, já decretaram que há apenas uma relação “fonte-jornalista” no envolvimento Policarpo-Cachoeira.

    No resto do mundo, no entanto, escândalos que atingem a mídia são cobertos por todos os veículos – a começar por aqueles que são atingidos pelas denúncias. Nesta semana, por exemplo, a revista Time e a televisão CNN decidiram suspender o colunista Fareed Zakaria, um dos mais consagrados comentaristas norte-americanos, porque ele está envolvido num caso de plágio. Na Inglaterra, a ex-toda-poderosa Rebekah Brooks, que comandava o império de tabloides de Rupert Murdoch, terminou no banco dos réus porque estava envolvida, também, num escândalo de grampos ilegais contra celebridades. Murdoch pediu desculpas e fechou um jornal.

    Tática do avestruz

    No Brasil, o jogo é muito diferente. Embora o caso Policarpo-Cachoeira tenha se espalhado como pólvora na internet e nas redes sociais, a revista finge que não é com ela. Falou uma vez, no início da crise, citando um trecho parcial de um grampo, em que Cachoeira dizia que “Policarpo nunca vai ser nosso”, e na semana retrasada, quando Andressa Mendonça, esposa do bicheiro, chantageou um juiz, ameaçando soltar, pelas mãos de Policarpo, um dossiê negativo contra ele, em Veja.

    Nesta semana, seria natural que Veja voltasse a falar sobre o caso. Afinal, não é normal que um jornalista peça a um bicheiro que levante ligações de um deputado democraticamente eleito. O crime não pode ser colocado a serviço da agenda política de uma revista. Por mais que isso pareça óbvio, Veja decidiu se calar. E a Editora Abril, comandada pelo executivo Fábio Barbosa, antes um porta-voz da transparência corporativa, cada vez mais adota a estratégia do avestruz, enfiando a cabeça debaixo da terra.

    Mais do que simplesmente não se posicionar, há também um intenso jogo de pressões. Barbosa, no início do CPI, foi a Brasília e falou com líderes de vários partidos, para que nem Policarpo nem Roberto Civita fossem convocados. O vice-presidente, Michel Temer, foi também procurado por João Roberto Marinho, das Organizações Globo, que apresentou a mesma demanda: imprensa na CPI, jamais!

    Quem ganha com isso? A internet, que se consolida como terreno da liberdade, onde todos os assuntos podem ser tratados sem nenhum tipo de censura.

    Neste fim de semana, Veja não fala sobre o caso Policarpo-Cachoeira. Mas declara seu apoio à presidente Dilma Rousseff. A capa, que trata de um suposto “choque de capitalismo” promovido pelo governo, aborda o plano de concessões que será divulgado na quarta-feira. “Está aí uma batalha para a qual a presidente vai precisar do apoio da opinião pública. O de Veja fica desde já aqui hipotecado”, escreve Eurípedes Alcântara, em sua Carta ao Leitor.

    No momento em que sua imagem é abalada por um escândalo, Veja “dilmou”.

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/74747/Veja-adota-t%C3%A1tica-do-avestruz-no-caso-Policarpo.htm

  61. Michelle - A Besta Desvairada said

    A casa da mãe joana (ou dilma se preferirem)

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/fernandorodrigues/1135475-a-casa-da-mae-joana.shtml

    resumindo o governo não tema mínima ideia de quantos ou quem são os grevistas.

    Isso é gerência?

  62. Michelle - A Besta Desvairada said

    Otto
    Veja dilmou ou dilma, a governanta vai privatizar, como o gov FHC, o maldito, iniciou o processo.
    Capitalismo x falta de competência e corrupção no governo?
    Qual vc prefere?
    Qual é o futuro que vc deseja pra seus netos?
    ………………….

    Veja responderá à Carta Capital/247? …nem sonhando.
    Amanhã…o assunto sairá da pauta…como sempre.
    Carta Capital não tem credibilidade.Ponto.
    ……
    Mensalão está acontecendo e o quadro é ruim.
    Dirceu anda desesperado pelo provável resultado.
    Não será preso. Apenas condenado. Serviços sociais.

    Insatisfeito com o fracasso, Mino virou NOTICIAS POPULARES!
    Sua (dele) revista deve estar vendendo mais. $$$

  63. Otto said

    Michelle:

    só uma perguntinha: você já viu “Inside Job”?

  64. Patriarca da Paciência said

    “Outro exemplo de afirmação fundamental e em aberto, porque construída de palavras e não de comprovações, está na acusação agora apresentada por Roberto Gurgel ao STF: “Foi José Dirceu quem idealizou o sistema ilícito de formação da base parlamentar de apoio ao governo mediante pagamento de vantagens indevidas” -e segue.

    Seriam indispensáveis a indicação de como o procurador-geral soube da autoria e a comprovação de que José Dirceu “idealizou” o “sistema ilícito”. Não só por se tratar de acusação com gravidade extrema.

    Ocorre que o “sistema ilícito” foi aplicado já em 1998 por Marcos Valério, com suas agências de publicidade, e pelo Banco Rural para a frustrada reeleição de Eduardo Azeredo ao governo de Minas. Foi o chamado “mensalão do PSDB”, descrito pela repórter Daniela Pinheiro, como já indicado aqui, na revista “piauí” deste mês.

    Logo, para dar fundamento às palavras do procurador-geral Roberto Gurgel, só admitindo-se que José Dirceu “idealizou” tudo uns cinco anos antes do mensalão do PT. E, melhor ainda, que “idealizou” o “sistema ilícito” para beneficiar o PSDB de Eduardo Azeredo, hoje senador ainda peessedebista.

    Os votos dos ministros do Supremo não suscitam expectativa só por carregarem consigo a absolvição e a condenação, mas pela maneira como encarem as divergências perturbadoras entre acusação e defesas. ”
    (Janio de Freitas)

  65. Patriarca da Paciência said

    A afirmação do procurador geral é “totalmente insustentável por seus próprios méritos”.
    Um procurador geral jamais deveria fazer uma afirmação de tal gravidade sem apresentar as devidas comprovações.

    O Gurgel sim, praticou uma verdadeira afronta à Justiça.

  66. Jose Mario HRP said

    Yane Marques faz história e conquista medalha inédita no pentatlo moderno….. nordestina retada! A mais sofisticada prova da Olimpiada! PARABENS menina!

  67. Michelle - A Besta Desvairada said

    “O PT é, de fato, um partido interessante…

    Começou com presos políticos e vai terminar com políticos presos..”

    (Joelmir Betting)

  68. Otto said

    Vale a pena ler a seguinte entrevista publicada no 247:

    Mensalão foi conluio da imprensa contra Lula

    13 de Agosto de 2012 às 05:21

    Estrela do direito administrativo, o jurista Celso Bandeira de Mello falou sobre o processo do mensalão. Leia trechos de sua entrevista ao repórter Elton Bezerra, da revista Consultor Jurídico, na qual ele também falou sobre meios de comunicação e os governos Lula e FHC:

    ConJur — Como que o senhor vê o processo do mensalão?
    Celso Antônio Bandeira de Melo − Para ser bem sincero, eu nem sei se o mensalão existe. Porque houve evidentemente um conluio da imprensa para tentar derrubar o presidente Lula na época. Portanto, é possível que o mensalão seja em parte uma criação da imprensa. Eu não estou dizendo que é, mas não posso excluir que não seja.

    ConJur − Como o senhor espera que o Supremo vá se portar?
    Bandeira de Melo − Eu não tenho muita esperança de que seja uma decisão estritamente técnica. Mas posso me enganar, às vezes a gente acha que o Supremo vai decidir tecnicamente e ele vai e decide tecnicamente.

    ConJur − O ministro Eros Grau disse uma vez que o Supremo decidia muitos casos com base no princípio da razoabilidade e não com base na Constituição. O que o senhor acha disso?
    Bandeira de Melo − Pode até ser, mas eu acho que muitas vezes quem decide é a opinião pública.

    ConJur – E o que o senhor acha disso?
    Bandeira de Melo – Péssimo. A opinião pública é a opinião da imprensa, não existe opinião pública. Acho muito ruim decidir de acordo com a imprensa.

    ConJur – E como o senhor avalia a imprensa?
    Bandeira de Melo − A grande imprensa é o porta-voz do pensamento das classes conservadoras. E o domesticador do pensamento das classes dominadas. As pessoas costumam encarar os meios de comunicação como entidades e empresas cujo objetivo é informar as pessoas. Mas esquecem que são empresas, que elas estão aí para ganhar dinheiro. Graças a Deus vivemos numa época em que a internet nos proporciona a possibilidade de abeberarmos nos meios mais variados. Eu mesmo tenho uma relação com uns quarenta sites onde posso encontrar uma abordagem dos acontecimentos do mundo ou uma avaliação deles por olhos muito diversos; que vai da extrema esquerda até a extrema direita. Não preciso ficar escravizado pelo que diz a chamada grande imprensa. Você pega a Folha de S.Paulo e é inacreditável. É muito irresponsável. Eles dizem o que querem, é por isso que eu ponho muita responsabilidade no judiciário.

    ConJur – O que o Judiciário deveria fazer?
    Bandeira de Melo − Quando as pessoas movem ações contra eles, contra os absurdos que eles fazem, as indenizações são ridículas. Não adianta você condenar uma Folha, por exemplo, ou uma Veja a pagar R$ 30 mil, R$ 50 mil, R$ 100 mil. Isso não é dinheiro. Tem que condenar em R$ 2 milhões, R$ 3 milhões. Aí, sim, eles iriam aprender. Do contrário eles fazem o que querem. Lembra que acabaram com a vida de várias pessoas com o caso Escola Base? Que nível de responsabilidade é esse que você acaba com a dignidade das pessoas, com a vida das pessoas, com a saúde das pessoas e fica por isso mesmo? Essa é nossa imprensa.

    ConJur − O senhor é a favor da diminuição da maioridade penal?
    Celso Antônio Bandeira de Melo − Não consigo ser porque a vida inteira eu fui contra, mas hoje eu balanço. Eu era firme como uma rocha, achava um absurdo, achava que era necessário dar boas condições de vida para as crianças. Claro que devemos fazer isso, mas enquanto existir televisão e não for permitida a censura, nós vamos ter a continuidade dessa violência e as crianças vão assistir violência.

    ConJur − O senhor é a favor da censura na TV?
    Bandeira de Melo − Sou absolutamente a favor. Sou contra a censura ideológica. Essa eu sou visceralmente contra. Mas a censura de costumes eu sou a favor.

    ConJur − Como seria essa censura de costumes?
    Bandeira de Melo − Todo mundo é [a favor], só que não tem coragem de dizer. Você é a favor de passar filmes pedófilos na televisão? Eu não sou. Mas se passasse você se sentiria como? Você é a favor de censurar. As pessoas não têm coragem de dizer, porque depois do golpe virou palavrão ser a favor da censura. Você é a favor que passe um filme que pregue o racismo, não importa que tipo de racismo, nem contra que povo? Todo mundo é a favor da censura, mas as pessoas não têm coragem de dizer por que não é politicamente correto.

    ConJur − E a quem caberia exercer essa censura?
    Bandeira de Melo − Não precisa ser de funcionário público. Um corpo da sociedade escolhido por organismos razoavelmente confiáveis, como a OAB e certas entidades de benemerência.

    ConJur – Mas a censura não é vedada pelas leis do país?
    Bandeira de Melo − Você diria que é proibido. Eu diria que não é tão proibido assim. Pegue a Constituição e veja o que ela diz a respeito da defesa da criança, inclusive na televisão. Portanto, seria perfeitamente possível, mas a palavra ficou amaldiçoada.

    ConJur – Por que deveria haver censura?
    Bandeira de Melo − A imprensa escolhe o que noticia e usa uma merda de argumento que diz o seguinte: “Nós não somos responsáveis por essas coisas, isso existe, são os outros que fazem isso. Só estamos contando, nada mais.” Se fosse por isso, a humanidade não teria dado um passo, porque a humanidade adorava ver os cristãos sendo devorados pelos animais ou os gladiadores se matando. A humanidade adorava ver as supostas feiticeiras sendo queimadas. A humanidade sempre gostou de coisas de baixo nível e vis. Dizer que tem gente que gosta de assistir esses programas ordinários não é argumento válido. Você diz esse mesmo argumento para passar e acabou. A imprensa poderia dar notícias de coisas maravilhosas. Existe muita gente boa, que fazem coisas excelentes. Não. Ela noticia só o que há de pior, e você fica intoxicado por aquilo no último grau.

    ConJur − O senhor acha que a imprensa deveria ser obrigada a noticiar outras coisas?
    Bandeira de Melo − Acho que não dá para tolher a liberdade das pessoas nesse nível. Deveria haver uma regulamentação da imprensa importante.

    ConJur − Em todos os meios: impresso, eletrônico?
    Bandeira de Melo − Todos. De maneira que os que trabalham, os empregados, deveriam ter uma participação obrigatória e importante. O dono do jornal, da televisão tem direito ao dinheiro daquele lugar, mas não às opiniões. Porque do contrário não há mais a liberdade de pensamento. Há liberdade de meia dúzia de caras. O pensamento é dos que produzem o jornal, é dos jornalistas. Não é um problema de censura, é um problema de não entregar o controle a uma meia dúzia de famílias. Abrir para a sociedade, abrir para os que trabalham no jornal, ou na rádio ou na televisão, para que eles possam expressar sua opinião. E haver, sim, um controle ético de moralidade e impedir certas indignidades.

    ConJur − Algum exemplo de uma indignidade cometida pela imprensa?
    Bandeira de Melo − Mostrar crianças sendo torturadas ou mostrar corpos dilacerados. Isso incentiva [a violência], sim. O ser humano não é bonzinho. Você não tem que incentivar a maldade. Porque os EUA são desse jeito? Eles exportam para nós tudo o que há de pior. A boa imagem dos EUA no mundo quem dá é o cinema. Porque o cinema deles tem coisas muito humanas, muito boas também. Para cá vem o lixo, o povo gosta do lixo.

    ConJur − Na época do governo FHC havia um grande número de ações por improbidade administrativa, e de certa forma, durante o governo do PT isso deu uma diminuída. O senhor acha que o Ministério Público amadureceu, houve alguma mudança?
    Bandeira de Melo − No governo do Fernando Henrique houve muita corrupção, e essas ações eram uma demonstração disso. Houve corrupções confessadas, por exemplo, foi gravado o senhor Fernando Henrique dizendo que podia usar o nome dele numa licitação. O que aconteceu com ele? Nada. Ele está endeusado pela imprensa. Nada. O senhor Menem andou uma temporada na cadeia, o senhor Fujimori está [na prisão] até hoje, e com ele [FHC] nem isso aconteceu. Não estou dizendo que era para ele ir para a cadeia ou não. Mas foi um crime e não aconteceu nada. Olha os dois pesos e duas medidas. Pegaram aquele italiano [Salvatore Cacciola] e meteram na cadeia. Ele ficou algum tempo e agora está solto.

    ConJur – E no governo Lula?
    Bandeira de Melo − As pessoas podem dizer o que quiserem a respeito dele, mas só não se podem renegar fatos: 30 milhões de pessoas foram trazidas das classes D e E para as classes B e C. Basta isso para consagrar esse homem como o maior governante que esse país já teve na história. Mas não só isso. Foi, portanto, a primeira vez que começaram a ser reduzidas as desigualdades sociais, que a Constituição desde 1988 já mandava. E veja outro fenômeno tão típico: olha o ódio que certos segmentos da classe média têm deste governante, deste político. É profundo, visceral. É o ódio daqueles que não suportam alguém de origem mais modesta estar equiparado a ele.

    ConJur − Como o senhor vê a sucessão no STF, com a proximidade da aposentadoria dos ministros Ayres Britto e Cezar Peluso?
    Bandeira de Melo − Não tenho a menor expectativa a respeito de quem vem e quem não vem. Claro que eu queria um candidato, todo mundo sempre tem um. Mas o que eu penso não interessa.

    ConJur − O senhor já leu as poesias do ministro Ayres Britto?
    Bandeira de Melo − Claro. Gosto delas. São poesias despretensiosas como ele. O Carlos é uma pessoa maravilhosa, não é só um grande ministro, um grande juiz, um grande constitucionalista. Ele fez mestrado em Direito Constitucional com um ex-assistente meu, Celso Bastos. O Carlos eu já conhecia e fez Direito Administrativo, que era cadeira obrigatória, comigo. Nós já tínhamos um relacionamento pessoal muito bom. À noite em casa o Carlos tocava violão. Ele é um ser humano maravilhoso, e isso é a coisa mais importante que existe. Ele é uma pessoa para se tirar o chapéu. Se eu fosse espírita, diria que o Carlos não reencarna mais. Ele vai direto, de tão perfeito que é.

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/74912/Mensal%C3%A3o-foi-conluio-da-imprensa-contra-Lula.htm

  69. Edu said

    Otto,

    Bom dia!

    Então a queda de 6% no índice de desigualdade do Brasil é explicada por vários fatores… muito bem! Concordo totalmente, mas vc concorda que por esse mesmo motivo não faz o menor sentido atribuir essa queda por apenas 2 fatores?

    Ou seja, vc concorda que o xará tá falando besteira, então?! Por esse motivo esse texto não deve ser considerado.

    Simples assim (hehe).

    Eu defendi alguma coisa sobre a ditadura militar? É uma pena que o índice de desigualdade tenha aumentado nessa época… fazer o que…

    “O Brasil é um dos poucos países do mundo em que a desigualdade de renda vem caindo, ao contrário da China, Índia, Rússia, EUA e grande parte da Europa.”

    Vc tem certeza disso? Leu alguma coisa a respeito para poder afirmar assim tão categoricamente?

    De qualquer maneira não discordo de vc não (tudo o que eu vou dizer aqui são ilações baseadas no pouco conhecimento cultural e político que eu tenho do resto do mundo):

    – A China tem 1,3 bilhões de habitantes, não é com um crescimento de 8% há 1 década que a desigualdade será mudada… imagino que deva ser necessário mais tempo para o crescimento econômico se refletir em diminuição de desigualdade. Além disso, quem confia nas estatísticas chinesas?

    – Se a desigualdade na Índia aumenta, que seja por conta da sociedade de castas. A desigualdade faz parte da vida dos indianos… vcs esquerdistas, que são tão a favor da preservação cultural dos povos, deviam considerar isso: os indianos são acostumados e aceitam essa condição. Deve ser uma pena pro “partido dos trabalhadores” indiano. O índice de greves conseguida por um partido como esse lá deve ser bastante baixo!

    – A Rússia tem uma população descrescente e um índice de corrupção dos piores do mundo.

    – EUA só se for por conta da quantidade de imigrantes ilegais que entram no limite da linha da pobreza e começam a fazer parte das estatísticas americanas… Mas o Obama vai cuidar disso, não é mesmo?

    – Europa, só tem uma explicação pra esse aumento da desigualdade na Europa: o excesso de tempo que a esquerda passou no poder por lá. Evidentemente que as políticas sociais européias acabaram com o saneamento das contas dos países, evidentemente que quem repartiu garantiu a maior parte para si e deixou o resto do país no resultado do almoço de algum elefante branco…

    Sobre o Policarpo Jr. Eu estou totalmente por fora disso cara, mas se ele for pego com as calças na mão, ele tem que ser punido na medida que lhe couber ser punido, até mesmo sendo alvo de condenação midiática se for o caso. To nem aí. Como eu disse antes: aos que forem pegos, que sejam condenados, um a um, de qualquer lado, quem merecer, tem que tomar.

  70. Pax said

    A imprensa é um lixo? Nem sempre. Mas, muitas das vezes, é, sim.

    Tenho um exemplo bem recente. Sugeri uma pauta para um grande jornal, um dos três maiores do Brasil, sobre um problema de um município brasileiro, envolvendo uma quadrilha perigosa, envolvida em vários crimes (ameaças, assassinatos, grilagem de terras etc). E esta quadrilha envolve o prefeito, o ex-prefeito etc etc.

    Pois bem, enviaram um repórter (acho um absurdo chamá-lo por este título) e a notícia saiu. Ontem. Dia de maior circulação.

    Absolutamente errada. Não há um parágrafo sequer em que o tal quinta categoria de profissional tenha acertado.

    Pior de tudo, lendo a notícia vinculada parece que o prefeito é muito bom e que o problema são os munícipes e um órgão federal envolvido. E é justamente o contrário. O tal órgão federal está em negociações com os munícipes para solucionar um grave problema de grilagem de terras envolvendo quem? Pois bem… o prefeito e sua quadrilha. Sei disso com profundidade, passei dois meses trabalhando 5 dias por semana neste caso.

    Estou até agora atravessado. Achei que estaria fazendo um bem ao município e acabei prejudicando-o. É possível que esta notícia completamente errada ainda ajude a quadrilha do tal prefeito a eleger o poste que escolheram para continuar no poder e cometendo os crimes hediondos que deveriam ser reportados.

    Ou seja, a imprensa, meus amigos, tem lá um grave problema de qualidade, sim.

    —-

    De outro lado, melhor tê-la livre que qualquer outra opção.

  71. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    eu concordo que a imprensa deve ser livre, mas sempre resposável e responsabilizada por seus atos. Essa história de imprensa poder noticiar somente aqueilo que o dono do jornal deseja é, na minha opinião, totalmente errada.

    Como diz o Bandeira de Melo, imprensa livre seria:

    Bandeira de Melo − Todos. De maneira que os que trabalham, os empregados, deveriam ter uma participação obrigatória e importante. O dono do jornal, da televisão tem direito ao dinheiro daquele lugar, mas não às opiniões. Porque do contrário não há mais a liberdade de pensamento. Há liberdade de meia dúzia de caras. O pensamento é dos que produzem o jornal, é dos jornalistas. Não é um problema de censura, é um problema de não entregar o controle a uma meia dúzia de famílias. Abrir para a sociedade, abrir para os que trabalham no jornal, ou na rádio ou na televisão, para que eles possam expressar sua opinião. E haver, sim, um controle ético de moralidade e impedir certas indignidades.

  72. Patriarca da Paciência said

    Correção:

    eu concordo que a imprensa deve ser livre, mas sempre responsável e responsabilizada por seus atos. Essa história de imprensa poder noticiar somente aquilo que o dono do jornal deseja é, na minha opinião, totalmente errada.

  73. Otto said

    Oi, Edu,
    este artigo tem coisas interessantes sobre a diminuição da desigualdade de renda que nós falamos:

    http://observatorio-das-desigualdades.cies.iscte.pt/index.jsp?page=projects&id=123

  74. Olá!

    Um trecho da entrevista com o jurista Bandeira de Melo:

    “ConJur — Como que o senhor vê o processo do mensalão?

    Celso Antônio Bandeira de Melo − Para ser bem sincero, eu nem sei se o mensalão existe. Porque houve evidentemente um conluio da imprensa para tentar derrubar o presidente Lula na época. Portanto, é possível que o mensalão seja em parte uma criação da imprensa. Eu não estou dizendo que é, mas não posso excluir que não seja.”

    Poxa, aí não dá! Aí, o camarada deixa de lado as leis e passa a agir como o mais rasteiro dos militantes petistas. É lamentável que um jurista repita o tosco argumento do PT e da sua militância para afirmar que o Mensalão não passou de um conluio entre as elites e a imprensa para derrubar o Governo Lula.

    O que foi o Mensalão? Ei-lo, refresquem a memória: O Mensalão foi o mais grave esquema de corrupção que este país já viu ao longo da sua história democrática recente, um esquema onde um dos poderes da república subornava um outro poder para que este agisse segundo os caprichos do primeiro, mandando para o espaço um dos principais pilares que sustentam uma ordem social baseada na democracia: A separação entre os poderes. O Mensalão foi isso.

    O Mensalão explode, ao mesmo tempo, dois dos mais importantes fundamentos que regem as democracia modernas: Os próprios princípios democráticos e os valores republicanos (como separação entre os poderes).

    É estranho que o Bandeira de Melo não tenha chegado à mesma conclusão que o Procurador Geral da República, o Roberto Gurgel, chegou. Isso soa deveras estranho para alguém que é jurista e tem, até certa medida, conhecimento sobre as leis, a Constituição, os valores que fazem uma democracia republicana funcionar e etc.

    O Roberto Gurgel e o Ministério Público Federal chegaram à conclusão de que o Mensalão foi “o mais atrevido e escandaloso caso de corrupção, de desvio de dinheiro público flagrado no Brasil. Maculou gravemente a República. Foi um sistema de enorme movimentação financeira com objetivo de comprar votos de parlamentares nas matérias importantes para os líderes criminosos [. . .].

    O Mensalão foi um esquema tão atrevido que foi necessário até mesmo o uso de carro-forte para transportar a dinheirama que alimentava a corrupção petista.

    Deveriam avisar ao Bandeira de Melo que não foram as elites “preconceituosas” e nem mesmo a tal de imprensa “golpista” que mandaram chamar um carro-forte para transportar mais de R$ 500 mil reais em espécie destinados a alimentar o Mensalão. E outra, Bandeira de Melo: Não foram as elites “preconceituosas” e nem a imprensa “golpista” que assaltaram os cofres públicos para arrancar toda essa dinheirama que iria comprar votos no Congresso Nacional para atender aos caprichos do PT e do Governo Lula.

    Aliás, o Banco do Brasil foi uma peça importantíssima para que o fluxo de dinheiro funcionasse e chegasse aos criminosos envolvidos. É interessante observar que tal banco é propagandeado pelos petistas como sendo a excelência do estatismo, da superioridade do estatismo sobre o setor privado. Isso representa um sintoma de uma das mais fortes atitudes petistas: A mentalidade estatizante. Não é à toa que os petistas e o PT têm uma hostilidade muito grande ao sistema de livre iniciativa e ao livre mercado, pois os petistas sabem que tais valores dificultariam consideravelmente a implementação dos seus esquemas de corrupção.

    Aqui vale uma pergunta para pensar: Seria possível arrancar de um banco privado toda a dinheirama que foi saqueada tão facilmente do Banco do Brasil e utilizada para abastecer o Mensalão?

    Se o Brasil fosse um país verdadeiramente sério, o Mensalão apenas já seria motivo mais do que suficiente para encarcerar os envolvidos e, também, tirar de circulação todos os partidos políticos envolvidos nessa tramóia de dimensões colossais.

    Em termos de ataque às instituições democráticas, o Mensalão só perde para o Golpe de 1964. Isso é muito irônico, pois os petistas chegaram ao poder se considerando as últimas moças virgens do prostíbulo, enquanto que, na realidade, eles eram a mais arrombada das vagabundas do baixo meretrício.

    É. . .

    Até!

    Marcelo

  75. Olá!

    Sinais dos Tempos.

    Não dá para deixar passar em branco dois fatos muito interessantes que estão, neste exato momento, acontecendo no mundo civilizado e, ao mesmo tempo, compará-los ao acontecimento mais importante no Brasil de agora.

    Um dos fatos interessantes que acontece no mundo civilizado é o julgamento envolvendo duas gigantes da tecnologia: A Apple e a Samsung. Ambas estão nas cortes dos EUA combatendo ferozmente uma à outra para defender suas invenções e patentes tecnológicas. Frutos do sistema de livre iniciativa e das instituições de livre mercado.

    O outro fato foi o pouso em Marte da sonda espacial americana, Curiosity.

    Enquanto isso, no Brasil, o maior acontecimento recente é o julgamento do Mensalão e da quadrilha de criminosos que participaram desse esquema.

    Lamentável.

    Nos EUA, os profissionais de direito mais admirados são os juristas/advogados/juízes especializados em patentes. Enquanto que, no Brasil, o profissional mais admirado é um advogado criminalista.

    Essa é a síntese perfeita do que cada um dos países é: Os EUA são um país de inventores, engenheiros e empreendedores, daí o seu forte setor judicial de patentes e todo o prestígio que é fazer parte dele. O Brasil, por um outro lado, é um país de bandidos, ladrões, corruptos e criminosos, daí que um advogado criminalista é o profissional do direito mais admirado nestas terras.

    Lamentável.

    Até!

    Marcelo

  76. Pedro said

    E o Toffoli xingando o Noblat, hein!
    Então porque é ministro do STF, não pode ser criticado?
    Só por esta, já demonstrou que não tem isenção pra julgar o mensalão.

    Imagina se o Gilmar Mendes, tivesse este pití, toda vez que é criticado?
    Levaria para o plenario uma metralhadora embaixo da toga.

  77. Pedro said

    O mensalão segundo o delegado.
    Vale a leitura

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1136267-para-delegado-mensalao-e-maior-que-o-julgado-no-stf.shtml

  78. Olá!

    “Imagina se o Gilmar Mendes, tivesse este pití, toda vez que é criticado?
    Levaria para o plenario uma metralhadora embaixo da toga.”

    Muito bem lembrado, Pedro.

    Imaginem se tivesse sido o Gilmar Mendes que houvesse xingado um jornalista. A essa altura, a blogosfera governista já estaria em estado de polvorosa e pedindo o impeachment do ministro. A Carta Capital já teria preparado uma edição especial para avacalhar com o Gilmar Mendes, sem dizer que essa seria a pauta do panfleto estatal por, pelo menos, as cinco próximas edições.

    Apenas na época da ditadura militar é que se encontra uma autoridade do alto escalão do governo xingando um jornalista.

    São situações como essas que revelam a total falta de princípios da esquerda e das suas ramificações.

    Até!

    Marcelo

  79. Edu said

    Legal Otto,

    Eu acho que realmente o Brasil avançou na redução da desigualdade de renda e talz, mas o que isso tem a ver com as cotas raciais?

    Em algum momento eu reclamei disso? Ou vc chegou à essa conclusão por interpretação ampla do que eu escrevi? Se foi isso eu já disse aqui, mais de uma vez: eu tomo bastante cuidado ao escrever para evitar justamente as interpretações amplas.

    Como vc disse, “Segundo, o Houais, “correspondência, similitude, analogia entre pessoas, coisas, ideias relacionadas entre si; INTERDEPENDÊNCIA ENTRE DUAS OU MAIS VARIÁVEIS”. ”
    (letras maiúsculas por minha conta).

    Pergunto novamente: como é que vc prova a interdependência entre duas ou mais variáveis?

    Eu não sei como é feito na faculdade onde vc leciona, na minha terra uma coisa eu garanto: a interdependência entre duas ou mais variáveis não advém de uma “interpretação ampla”.

    Afinal, por interpretação ampla, poderíamos correlacionar a resistência a cotas raciais ao aquecimento global e à queda da população de antas na Antártida, simples assim (hehe), não é mesmo?

    Mas, já que o xará não consegue nem convencer seus próprios leitores (dei uma olhada nos comentários do blog dele, tá bem engraçado ele esbravejando com todos os que questionam a correlação baseada em interpretação ampla que ele fez), acho que vc deveria mostrar o último link que vc enviou a ele, e não pra mim. Afinal, concordo que talvez faça mais sentido analisar (e analisar é diferente de correlacionar, vc sabe, né?) o índice de Gini com a melhoria de grau de escolaridade, mortalidade infantil, etc.

    Além disso, sugiro que vc visite o wikipédia (página em inglês), para ver as limitações do índice de Gini…

    http://en.wikipedia.org/wiki/Gini_coefficient

    … cujas duas primeiras frases dizem:

    “Gini coefficient is inherently limited because of its relative nature. Its proper use and interpretation of income Gini coefficient is controversial.”

    Coincidentemente, a minha tese (tese porque eu não provei nada, e nem faço questão de provar ainda) de que os EUA tiveram o índice aumentado por conta dos imigrantes encontra apoio nesta página do wikipédia (talvez a minha “interpretação ampla” do contexto sócio-econômico dos EUA pelo menos encontre apoio no arcabouço teórico…).

    É uma boa leitura, principalmente para as pessoas que gostam de interpretações amplas e conclusões “simples assim”.

  80. Jose Mario HRP said

    CUIDADO TRABALHADOR DOS PORTOS!
    DILMA VAI PRIVATIZAR O RESTO DOS PORTOS!
    OS TRABALHADORES AVULSOS SERÃO DETONADOS!
    ESSE É O RESUMO DAS NOVIDADES DA dILMA PARA SALVAR SUA ECONOMIA…..NOS ENTREGAR AO CAPITALISMO SELVAGEM!
    Fiquem atentos aos pacotes da dILMA!
    Lula precisa ficar esperto a esse “momento” dILMA!
    Quer pular no colo da direita!

  81. Pax said

    De onde vem esta notcia de privatizao dos portos?

    boa? ruim?

    Porque?

  82. Jose Mario HRP said

    Só para começar!
    http://forum.lolesporte.com/viewtopic.php?f=8&t=13461

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: