políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

PT: entre espiar e expiar suas culpas

Posted by Pax em 30/10/2012

Terminadas as eleições municipais e a novela Avenida Brasil, voltamos ao dia-a-dia da nossa política corrupta, já com a cabeça levantada e o olhar no horizonte de 2014.

Mas o povo não pode ficar sem ganhar o pão e sem ver sangue derramado nas areias do Coliseu. Há que se substituir Carminha e Max por novos vilões a quem odiar e Rita e Tufão por quem torcer. Sem esquecer de Adauto, Leleco, Cadinho e suas três esposas entre tantos outros que formavam o melhor do molho servido.

A mídia não é boba. Ruim e tendenciosa sempre foi, mas não é boba. Sabe que o mensalão petista é o que tem de melhor para oferecer no fim deste ano em que não entramos profundamente na crise internacional, mas vamos crescer muito pouco. Não há abundância de pão. Então é melhor oferecer sangue em maior quantidade.

Segundo o noticiário, o PT prepara uma nota, um manifesto em defesa de seus réus do mensalão. Parece que acusarão a pressão da mídia como argumento para as condenações dos ministros do Supremo Tribunal Federal, à além das considerações sobre a garantia dos direitos individuais que exige provas concretas para a condenação dos réus.

Nada mais democrático que o PT exerça seu direito de opinar sobre as críticas dos seus eventuais pecados. Resta saber qual resultado colherá desta nota.

O povo, bravo povo brasileiro, espia as culpas petistas através do noticiário cotidiano do julgamento da Ação Penal 470. A mídia aproveita a audiência, fatura nos reclames publicitários e, de um lado ou de outro, estimula heróis e vilões desta novela brasileira, ou deste imenso bigbrother político.

Carminha, no final da Avenida Brasil, expiou suas culpas, salvou Rita e Tufão dos tiros que lhes matariam e o povo clamou para que o sinal de positivo no polegar do Imperador lhe salvasse da morte esperada.

Tudo indica que Lula, aos poucos, expia suas culpas. Dilma e Haddad deram certo em suas apostas de renovação nos desgastados quadros do partido.

O PT saberá se colocar nesta nota prometida para depois de amanhã? Qualquer grupo dirigente que esteja nos sapatos de revisor desta mensagem deveria se lembrar das cenas finais de Avenida Brasil antes de emiti-la.

Os ministros Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski prestam enorme serviço à necessária conscientização que a corrupção da política brasileira precisa ser mitigada. Todos os ministros estão obrigados a justificar seus votos entre duas teses possíveis e bem defendidas. Em nenhum outro momento da história brasileira houve tamanho acompanhamento de um julgamento como agora. O STF, independente de juízos positivos ou negativos de torcidas organizadas, segue seu rumo republicano.

Se há algum reparo a fazer no comportamento da nossa Suprema Corte, neste momento, é a ausência de informações sobre a definição da agenda para o julgamento do mensalão tucano, sem esquecer do julgamento da quadrilha de Arruda no DF. Há que se ter equilíbrio.

PT e PSDB são os melhores partidos brasileiros. Se expiarem suas culpas serão aplaudidos. Caso contrário a sorte estará lançada a eventuais aventureiros.

Anúncios

338 Respostas to “PT: entre espiar e expiar suas culpas”

  1. Michelle 2 said

    Minas, o mensalão está correndo:
    http://processual.trf1.jus.br/consultaProcessual/processo.php?secao=DF&proc=78070820114013400

    1030801 – DANO AO ERÁRIO – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA – ATOS ADMINISTRATIVOS – ADMINISTRATIVO
    Observação: ASSEGURAR O RESSARCIMENTO DOS DANOS CAUSADOS AO ERÁRIO NO MONTANTE DE R$ 9.526.070,64

    no link acima clique em PARTES

    e Marcos Valério vai abrir a boca:

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1177488-stf-recebe-fax-com-pedido-de-delacao-premiada-para-marcos-valerio.shtml

  2. Elias said

    “Se há algum reparo a fazer no comportamento da nossa Suprema Corte, neste momento, é a ausência de informações sobre a definição da agenda para o julgamento do mensalão tucano. Há que se ter equilíbrio. Sem esquecer no julgamento da quadrilha de Arruda no DF.” (Pax, boa praça, romântico, crédulo e sonhador, como sempre)

    Ausência de informações sobre a definição ou ausência de definições sobre as quais informar?

    Mas vou deixar pra falar do Joaquim Barbosa em 2013.

    Se no ano que vem ele der de aparecer no emprego quando este não estiver nas manchetes e, uma vez (ou duas, ou três) aparecendo, resolver trabalhar, e, ainda, uma vez (ou duas, ou três) trabalhando, produzir algo de útil ou, mesmo não tão útil, consiga ir além das habituais e ridículas pinimas com seus pares (e ímpares)… Aí, sim, falarei do Joaquim Barbosa…

  3. Edu said

    Elias,

    Por que a escolha do Joaquim Barbosa? Outros também votaram.

    Será que os demais são tão passíveis de influência de alguém com quem tão… “pinimbante”?

  4. Zbigniew said

    “Definições sobre o que informar”. Concordo com o Elias.

    Fiquemos em compasso de espera. O julgamento do mensalão com a etiqueta PT está definido. Vamos ver agora se pau que bate em Chico, bate em Francisco. E se a tal jurisprudência tão desejada vai se firmar no ordenamento jurídico.

    Talvez o Supremo pudesse até editar uma súmula já que os próprios ministros afirmaram que a Teoria do Domínio do Fato não é novidade no ordenamento jurídico pátrio. Aí sim eu queria ver.

  5. Pax said

    Erga Omnes já ! (Súmula Vinculante – decisões do STF que deverão ser adotadas por todos tribunais e juízes. A tal jurisprudência). Bem lembrado, caro Zbigniew.

    Caros,

    Pelo que me consta não foi o Supremo, nem muito menos o ministro Joaquim Barbosa, que mandou João Paulo Cunha apanhar R$ 50 mil na boca do caixa do Banco Rural. Também fiquei sabendo que nem mesmo participaram da decisão de mandar Marcos Valério em nome do PT para negociar telecomunicações em Portugal. Por mais que pareça inacreditável também não foram envolvidos nos epsódios das doações filantrópicas de punhados de milhões para Valdemar da Costa Neto, Bob Jefferson e outros.

    Como diz um caipira amigo meu: “escreveu, não leu, pra mim é analfabeto”.

  6. Michelle 2 said

    Tio Pax

    Enquanto isso o mensalão rola direto em Minas.
    Mensalão do PT 2- o caso BMG
    Genoíno e Delubio já foram condenados por falsidade ideológica.
    lula sendo processado por improbidade administrativa
    e o Marcos Valerio prometendo revelar tudo nos próximos dias…

    No STF zd,zg e o “nosso delubio” já condenados no Mensalão 1- o caso Banco Rural, aguardando o tamanho da pena.
    No mínimo vão dormir numa penitenciária.

    Veja vai deitar e rolar.
    Pax e seus jagunços irão “amenizar” …soberba e burrice…renovação, velha guarda, analfabetos que assinaram sem ler, etc.

    E o vício continua: merda alucinógena.

    Quem viver verá.

  7. Michelle 2 said

    Tio Pax

    merda alucinógena versão Haddad…hehehe

    Do jagunço da Veja …Reinaldo Azevedo:

    Agora vêm as outras mentiras. Dois dos cavalos de batalha do petista durante a campanha foram a implementação do tal Bilhete Único Mensal e o fim da taxa de inspeção veicular. Alegando dificuldades legais, o prefeito eleito diz que são promessas que ele deve cumprir só em… 2014! Ah, bom!

    “Meu compromisso é remeter essas iniciativas para a Câmara no primeiro momento e orientar a bancada o quanto antes”, disse. “Eu quero crer que, no segundo ano de governo [ou seja, em 2014], isso já esteja equacionado.”

    Haddad está, como posso dizer?, faltando com a verdade. Está enrolando os paulistanos. Está dando um truque.

    Para fazer a mudança prometida, Haddad, uma vez empossado, precisa apenas emitir um decreto, nada além!, cinco dias antes da entrada em vigor da mudança. É o que está na lei. Se ele quiser, o modelo pode ser implementado nos primeiros dias de governo. O resto é conversa mole.

    Quanto à inspeção veicular, dizer o quê? Espero que algum vereador da oposição — acho que restará alguns, não é? — apresente um projeto para extingui-la imediatamente. Vamos ver quais serão as vozes contrárias…

    Reinaldo Azevedo tem sim que ser odiado…ele é contra o vício da merda alucinógena…

  8. Michelle 2 said

    Agora homenagem especial ao pp:Augusto Nunes

    30/10/2012
    às 19:29 \ Direto ao Ponto
    O mensaleiro condenado pelo Supremo quer esperar na Câmara a chegada do camburão

    Condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha pelo Supremo Tribunal Federal, além de enquadrado por falsidade ideológica pela Justiça Federal de Minas Gerais, José Genoino foi assaltado por um surto de sensatez e, surdo aos apelos da presidente Dilma Rousseff, manteve a decisão de demitir-se do cargo de “Assessor Especial do Ministério da Defesa”. Neste domingo, animado com a derrota imposta a meia dúzia de jornalistas pela tropa de jagunços que o escoltou até a seção eleitoral, retomou a rotina da insanidade. E quer esperar no Congresso a fixação do tempo em que dormirá na cadeia.

    Reduzido a suplente pela eleição de 2010, o companheiro que presidia o PT quando o escândalo foi descoberto agora reivindica a vaga aberta na Câmara pela saída de Carlinhos Almeida, eleito prefeito de São José dos Campos .”O Genoino é o suplente e vai assumir sem problema nenhum”, endossa Rui Falcão, presidente do PT. “Genoino precisa recuperar a sua cidadania política”, avaliza o deputado paulista Paulo Teixeira, feliz com o regresso iminente do parceiro que manteve um gabinete por lá entre 1982 e 2002.

    Derrotado por Geraldo Alckmin na disputa pelo governo paulista, ele teria reincidido em 2006 se a repercussão da roubalheira descoberta um ano antes não o aconselhasse a conformar-se com mais uma temporada no Legislativo. Eleito com menos de 100 mil votos, não foi além da suplência quatro anos mais tarde. Sonhava com um desempenho menos pífio na próxima quando foi atropelado pelo Código Penal.

    Na Mansão dos Horrores, o deputado Genoino vai sentir-se em casa. Primeiro, porque conhece todo mundo. Segundo, porque na Câmara da Era Lula folha corrida vale muito mais que currículo, e o prontuário do companheiro condenado é bem mais impressionante que a biografia. Desde que foi condenado, por exemplo, ele recita que a Corte Suprema do Brasil democrático tem obrigação de inocentá-lo por ter lutado nos cafundós do Araguaia pela implantação da ditadura comunista. Esse argumento só recomenda uma internação no hospício.

    Bem mais convincentes são as anotações na capivara. Um quadrilheiro corrupto não é um deputado qualquer. Merece esperar a chegada do camburão na presidência da Câmara.

    Como diz meu gato americano que está aprendendo português:
    “Cheirou merda alucinógena e não enterrou, pra mim é corrupto”

    laughably laughable

  9. Patriarca da Paciência said

    “Na ilha deserta, Serra e Reinaldo já podem debater mensalão.

    247 – Desde o início da campanha municipal, apontamos aqui, no 247, que José Serra e Reinaldo Azevedo corriam o risco de terminar juntos, numa ilha deserta, onde poderiam debater o mensalão ad eternum. Nesta terça, Geraldo Alckmin e Fernando Haddad já se reuniram para discutir parcerias. Mas Reinaldo continua batendo na mesma tecla.”

    O netinho do vovô também, anda cheio de salameleques para a Dilma e o Lula. Fala em parcerias e manter bom diálogo.

    Até o Virgílio, outro que ia dar uma surra em Lula, só fala em fumar o cachimbo da paz. Também anda falando em parcerias e boa convivência.

    Acho que é a consequência natural do fim da era Serra no PSDB. Ninguém aguentava mais o vampirão!

    Agora, o vampirão e o reinaldinho não mudam. Continua com o mesmo papo indigesto de sempre. Acho que são aquele caso que o Elias fala dos cachorros que aprenderam alguns truques, ficaram velhos fazendos os mesmos truques e, depois de velhos, são incapazes de aprender truques novos.

    Fazer o quê?

    Mas agora estou acreditando que o PSDB está a caminho de se tornar um partido de oposição, com o netinho do vovô e Virgílio na liderança.

  10. Chesterton said

    sei de fonte segura que Joaquinzão não é muito chegado ao basquete…mas precisa?

  11. Patriarca da Paciência said

    “- São dezenas ou centenas de parlamentares que estão aqui cheios de processos nas costas. Está escrito na testa: ladrão. Estão ricos porque roubaram do povo – afirmou Couto, aos berros, como de costume, na tribuna do Senado.”

    E aí, meu caro Elias, viu só o que o Coutão anda aprontando!

    Acho que ele estava cheio do goró, mas o político de boteco foi longe demais desta vez.

    Dificilmente ficará sem resposta.

    Creio mesmo que é coisa para perda de mandato.

  12. Michelle 2 said

    laughably laughable
    Do primeiro Enem…
    Tutty Vasques

    Já está quase tudo pronto para estreia de Aloizio Mercadante à frente do Enem no próximo fim de semana.

    O ministro da Educação está confiante de que, se caprichar na lambança, poderá suceder Fernando Haddad também na Prefeitura de São Paulo em 2016!

  13. Patriarca da Paciência said

    Sobre o Joaquinzão Barbosão é uma figura que vai entrar para o folclore.

    …”e o homem que mudou o Brasil, segundo “Veja”, poderia acabar sendo o nosso primeiro presidente negro com o encargo da libertação dos brancos dessa escravatura que são governos voltados para a inclusão e o resgate dos pobres.”

  14. Pax said

    O PT vai voltar com o assunto de regulamentação da mídia.

    Caramba. Tem nada melhor pra fazer?

  15. Michelle 2 said

    #14

    Eles (o PT) só querem regulamentar a midia independente.
    A BESTA (Blogueiros Estatais) será poupada com patrocínios de empresas estatais…por relevantes serviços prestados ao fascismo petista.

    merda alucinógena dá nisso!

  16. Olá!

    E a viuvada mensaleira continua com o seu tradicional chororô. Chorem, viúvas do José Dirceu. Chorem, viúvas mensaleiras.

    Até!

    Marcelo

  17. Michelle 2 said

    # 13
    hehehe

    …”e o homem que mudou o Brasil, segundo “Veja”, poderia acabar sendo o nosso primeiro presidente negro com o encargo da libertação dos brancos dessa escravatura que são governos voltados para a inclusão e o resgate dos pobres.”

    Já ouviu falar da Lei Afonso Arinos? Dá cadeia!

    cheirar merda alucinógena dá nisso
    é perder a noção de limites…papagueia bobagens irresponsavelmente.

    Tio Pax por favor ensine o significado de racismo (a lei) a seus jagunços inconsequentes.
    dica: se o Ministro Joaquim Barbosa fosse da etnia caucasiana, a frase não seria nem pensada e nem pronunciada publicamente.
    pp anda cheirando demasiadamente…

    Repito:
    merda alucinógena dá nisso!

  18. Olá!

    Muito bom isso aqui:

    A Mente Profundamente Perturbada de José Serra

    Os inocentes acham que depois dessa derrota para a prefeitura de São Paulo José Serra vai desistir de assombrar a política brasileira, pegar o boné e finalmente aposentar. Ledo engano. A twisted mind do professor de economia da Unicamp jamais desistirá de ajudar a construir o socialismo lulo-petista no Brasil. A lógica de José Serra é a seguinte: Se Fernando Henrique Cardoso,que disputou a prefeitura de São Paulo em 1985 se dizendo ateu e a favor da maconha e achava que ia ganhar de lavada e levou uma surra histórica do pinguço desequilibrado Jânio Quadros, se elegeu presidente do Brasil 9 anos depois, então para José Serra a sua terceira candidatura `a presidência segue como consequência natural da sua ridícula derrota para o comuna incompetente Haddad.

    Até!

    Marcelo

  19. Olá!

    Eis o link.

    Até!

    Marcelo

  20. Pax said

    Michelle,

    Modere-se. Perder uma eleição não significa liberdade para ofender. Este espaço não é dedicado para isto.

  21. Chesterton said

    O presidente do PT, o deputado estadual por São Paulo Rui Falcão, disse que os membros do partido condenados pelo mensalão não serão expulsos da legenda, apesar de o estatuto prever essa punição em caso de “condenação por crime infamante ou por práticas administrativas ilícitas, com sentença transitada em julgado”. “

    chest- o PT não é mais um partido, é uma máfia.

  22. Chesterton said

    O PT vai voltar com o assunto de regulamentação da mídia.

    Caramba. Tem nada melhor pra fazer?

    chest- é a natureza maldita. O PT é a origem de todo mal.

  23. Chesterton said

    Sanatório Geral
    Resumo da ópera

    “Abaixo a ditadura! / Diretas já! / Lula lá! / Não existe mensalão / É só caixa 2! / Tucano também rouba! / Abaixo o STF!”

    Marcelo Tas, humorista, resumindo no Twitter a trajetória do PT.

  24. Chesterton said

    31/10/2012 | 00:00
    Bum!
    Separado da mulher e ex-sócia, falido e ameaçado por décadas na cadeia, Marcos Valério é uma bomba-relógio: só não falou porque negocia com o Supremo sua segurança pessoal se abrir a boca. CH

    chest- hummm, ele tem os números das contas bancárias…..

  25. Zbigniew said

    Pax,
    sei que é um assunto que te dá calafrios, mas é algo que está na ordem do dia aqui na AL.

    “Brasil 247

    Globo teme “epidemia” de leis de mídia no continente
    Jornal Nacional faz editorial contra a “repressão disfarçada de democracia” que estaria ocorrendo na Argentina, onde Congresso aprovou a “Ley de Medios”, e que poderia se alastrar, segundo a Globo, como uma epidemia pelo continente; nesta terça-feira, tanto Rui Falcão como José Dirceu defenderam que a democratização dos meios de comunicação entre na agenda do governo federal

    31 de Outubro de 2012 às 00:57

    247- Medo. Esta é a palavra que expressa o sentimento das Organizações Globo a respeito de uma eventual discussão sobre a democratização dos meios de comunicação no País. Na noite desta terça-feira, o Jornal Nacional, ancorado por William Bonner, exibiu longa reportagem sobre a “repressão disfarçada de democracia”, que estaria ocorrendo na Argentina.

    Lá, o governo da presidente Cristina Kirchner conseguiu aprovar uma “Ley de Medios”, que, para muitos analistas, irá democratizar os meios de comunicação no País, ao limitar o número máximo de concessões que pode ser detido por grupo econômico. No próximo dia 7 de dezembro, o grupo Clarín, o maior da Argentina, e equivalente à Globo no seu território, terá de se desfazer de parte de suas concessões. Outros acreditam que a nova legislação fora feita sob medida para prejudicar o tradicional grupo argentino de mídia.

    Apresentada por Dellis Ortiz, a reportagem da Globo informa que essa “epidemia”, que já teria contaminado Venezuela e Equador, pode se “alastrar pelo continente”. Em países desenvolvidos, como Estados Unidos e Reino Unido, há limites ao número máximo de concessões.

    A reportagem da Globo também abordou um seminário no Uruguai onde se debateu a proteção da “imprensa livre na era da internet”. Na lógica defendida pelos grandes grupos de comunicação brasileiros, a internet deve ser controlada e não deve haver qualquer limite para a ação dos conglomerados de mídia.

    Ao mesmo tempo em que a Argentina implanta sua lei, no Brasil, Rui Falcão e José Dirceu, do PT, têm defendido que o governo encampe o debate sobre a democratização dos meios de comunicação. Segundo a Globo, na Argentina, o governo Kirchner “pressiona até a suprema corte”.

    Bom, no Brasil, quem coloca pressão sobre o Supremo Tribunal é a própria Globo. Basta lembrar dos 18 minutos do Jornal Nacional sobre o mensalão às vésperas do segundo turno.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/84298/Globo-teme-epidemia-de-leis-de-mídia-no-continente-globo-medo-jornal-nacional.htm

  26. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Tanta pauta mais importante e mais urgente e o PT vai escolher essa como prioritária? Bem no momento em que está em evidência, ruim evidência. Péssima, aliás. Com a gota d’água da cena dos militantes acompanhando Genoino na votação do segundo turno e agredindo os jornalistas, por mais chatos que eles pudessem ser.

    Tem horas que acho que a direção do PT tenta desafiar todos os limites. Confesso que me incomoda um bocado. Muito mesmo.

  27. Jose Mario HRP said

    Muito se fala do PT e das esquerdas.
    Bom, o PSOL levou a capital do Amapá, com Lula apoiando, e o PT sozinho governa mais de 30 milhões de almas em se falando de prefeituras, e o gov. federal.
    Se alguém tem que abrir o olho é a turma dita da oposição.
    Como o velho velhaco Aloysio Nunes bem destacou será a vergonha suprema se em 2014 o pSDB perder de novo!
    Mas tudo indica que……

    Um detalhe de quem sempre se informa de modo alternativo:
    Se voce como alguns parentes meus se servissem da PIG para , do exterior, se por a par do Brasil atual, correria daqui.
    Mas sabemos do pleno emprego, das altas salariais, do mínimo sem par nos últimos 35 anos, dos esforços para elevar a qualidade da educação, apesar da trama sem vergonha de alguns governadores que entraram com ADIN contra os reajustes do piso nacional dos professores(Traso pilantra no meio).
    Realmente o país não é o que a PIG descreve.
    E baseado na choradeira pós eleições/mensalão a turma da oposição só se apruma na base do Lexotan e Rivotril, para não falar do velho Gardenal.

  28. Zbigniew said

    Pax,

    compreendo a sua preocupação, principalmente quando se observa que toda regulação pode trazer em si um componente autoritário. E com o Dirceu à frente de tais propostas, logo após sua condenação no julgamento do mensalão, com os ânimos acirrados, fica parecendo que há aí um quê de vingança ou revanche. No mínimo o PT não está sendo hábil na discussão deste tema.

    Outrossim eu pergunto: Não há no país um modelo de concessões que concentra poder demais nas mãos de poucos grupos de mídia? E quanto à propriedade em poder de políticos ou grupos políticos? Não seria interessante discutirmos a questão das rádios comunitárias e da distribuição de verbas publicitárias pelo governo? Ou tudo deve ficar como está em que apenas o mercado e o poder econômico devem dar as cartas neste sistema? Confesso que é algo que traz uma certa angústia, principalmente quando vimos situações de desproporcionalidade nas coberturas de fatos por alguns órgãos de comunicação. Não pela cobertura em si (direito do órgão), mas pela abrangência e alcance desses órgãos, quando observamos que estão prestando um desserviço ao país.

    Obviamente que não devemos admitir de forma alguma qualquer tentativa de controle de conteúdo. Isto jamais. A liberdade de expressão é princípio constitucional e só pode ser moderada ou mesmo inibida por conflito com outros princípios constitucionais, assim mesmo no âmbito do Poder Judiciário (ou talvez através das mediações por arbitragem, não sei.), mas é interessante a discussão, até para que a sociedade admita que o modelo deve ficar como está.

    Outro dia pudemos testemunhar uma empresa ligada ao grupo Folha ser apenada em milhões de reais por ter vazado provas do ENEM e ter provocado prejuízos ao Erário. Isto foi bom e demonstrou que o Judiciário funciona, mesmo contra grupos tão poderosos. Mas só isto é suficiente para proteger a sociedade de tais abusos? Confesso que não sei. Acho um bom tema para ser desenvolvido.

  29. Jose Mario HRP said

    As vezes sinto uma profunda vergonha de ser brasileiro, depois bate o arrependimento e , KKKKKK, me agarro a minha crença espirita de perdoar de qualquer forma, mas o caso do ataque ao Ministro Lewandowiski é a suprema confirmação de quão ridículos podemos ser nas nossas surtantes formas histéricas de exercermos nossa cidadania.
    O jovenzinho classe média baixa de dirigiu impropérios ao ministro na sua sagrada hora de votar pediu em carta mil desculpas ao juiz , talvez orientado das possiveis consequencias de se atacar a honra de tão alta figura de nosso país.
    Só um ignorante total poderia ser tão leviano e covarde assim, diante de alguém indefeso e desprotegido, no exercício de seu dever de brasileiro.
    Nem o sujeito , com a boca cheia de farofa, que atacou Zé Dirceu na churrascaria , teria feito ato mais indigno!

  30. Jose Mario HRP said

    OFF TOPIC:
    Em 05 semanas 124 pessoas foram assassinadas em são Paulo( baixada santista, ABCD, e região metropolitana de São Paulo Capital) pelos mesmos assassinos:
    homens encapuzados, de motos e carros pretos, possivelmente PMs de grupos de exterminio.
    Mais percentualmernte que os números de mortes mensais que a guerra do Afeganistão.
    E o governo paulista se nega a aceitar ajuda, demorou 01 mes para reconhecer que o PCC é o problema e a PM não consegue desarticulá-lo.
    Politica e ética?

  31. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Acho que você colocou bem.

    Evidente que há questões a serem discutidas. Regras devem ser estabelecidas. Alguns pontos são estruturais, outros são de interesse público e uma terceira área que estabeleceria regras para evitar concentração exagerada. Vou citar – sem muito compromisso – algumas coisas sobre estas áreas, iniciando a tal discussão do tema que você – gentilmente e educadamente – propõe.

    Estruturais: meios, cabos, bandas etc que devem ter regras para que não vire uma barafunda na infraestrutura de distribuição. E também para que eventuais comunidades pouco interessantes do ponto de vista comercial tenham direito de receber esta infra (aqui falo em causa própria e peço perdão antecipadamente).

    Interesse público: Regras para estabelecimento de programação voltada à educação (escola mesmo), conscientização (ex.trânsito, higiene, meio ambiente etc), propaganda eleitoral, pública (aqui, em especial, tínhamos que rever – hoje o uso das verbas governamentais me parece muito ruim – lembre do Visanet…) etc.

    Concentração: Aqui me parece que já temos o CADE – Conselho Administrativo de Defesa Econômica que tem por obrigação regular as práticas contrárias à ordem econômica.

    Acontece que, como você bem disse, este assunto é sempre elencado pela direção do PT. De forma sempre mal colocada e, ainda pior, nos momentos mais inadequados que se possa imaginar.

    Só para provocar a discussão e sendo um tanto “agressivo”, quando este assunto aparece me lembro da curiosidade que tenho sobre quem foi o “gênio” que mandou Marcos Valério “negociar” telecomunicações em Portugal em nome do PT.

    Com certeza não acho nem um pouco apropriado para a atual direção do PT invocar a si esta bandeira. Em especial acho que este momento deveria ser voltado para uma revisão de seu Código de Ética, uma análise de seus erros e alianças e, dadas as condições, as propostas para as necessárias reformas, em especial a política (parece que aqui está na pauta, sim) e a tributária, entre tantas outras.

    Aliás, se quer saber minha opinião sincera, não acho o PT competente para tratar deste assunto. De tudo que vi mais me assusto que me conforto.

    Mais uma vez, já escrevi sobre isto, há post neste blog: “Regulamentação da mídia pelo PT = tiro no pé”. Ainda mais agora.

  32. Pax said

    Notícia que enche de orgulho quem participa de movimentos pela internet. Neste caso em especial fico envergonhado de não ter participado mais ativamente.

    http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-10-30/suspensa-liminar-que-determinava-retirada-dos-guaranis-kaiowas-de-fazenda-em-mato-grosso-do-sul

  33. Chesterton said

    “Se ele [Dirceu] fez algum pecado, foi pagar para vagabundo que não aceita mudar o País sem ganhar um dinheiro (…) Se ele pagou, foi pelos projetos do Lula, que mudou o Brasil em 12 anos”. Referindo ao ex-marido e a Genoino, manda brasa: “Eles estão pagando pelo Lula. Ou você acha que o Lula não sabia das coisas, se é que houve alguma coisa errada? Eles assumiram os compromissos e estão se sacrificando”

    ex mulher do Zé

  34. Otto said

    Ótima análise:

    “E então alguma coisa nova parece ganhar estatura na política brasileira: Eduardo Campos, governador de Pernambuco pelo PSB.

    FHC falou em troca de gerações, numa alusão à permanência teimosa de Serra no topo do PSDB. Curiosamente, FHC se refere ao PSDB como se fosse o porteiro da sede do partido, numa impotência miserável. Ou melhor: como se fosse um acadêmico, trancado no ar refrigerado de uma sala numa universidade.

    Neto de Miguel Arraes, lendário homem da esquerda brasileira, Campos, 47 anos, nasceu na política. Tem uma qualidade essencial para um líder político moderno: faz parte do zeitgeist, do espírito do tempo. É um homem com visão social.

    Nisto se distingue de Aécio Neves, a grande esperança do PSDB pós-Serra, também ele neto de um avô ilustre na política nacional, Tancredo Neves. Em Aécio, social tem um outro significado: festas, farras. Visão social, à Aécio, é a observação detalhada da programação festiva da semana.

    Contra Eduardo Campos pesa o fato de ser, pelo menos até aqui, uma figura regional. Campos é pernambucano como Lula, mas Lula virou personagem nacional em São Paulo, 30 anos atrás, como líder metalúrgico de São Bernardo. É verdade que seu PSB teve um desempenho brilhante nas eleições municipais de 2012: elegeu 440 prefeitos, 42% mais que em 2008. Isso quer dizer alguma coisa, mas ninguém sabe exatamente ainda o quê, em termos de 2014.

    Terá Campos papel relevante nas eleições presidenciais? Ou seus olhos estão voltados para 2018?

    A oposição parece gostar de uma chapa Campos-Aécio para enfrentar a situação. Mas, admitindo a união dos netos, quem seria presidente e quem seria vice? É uma situação curiosa. Teoricamente, a primazia seria de Aécio. Mas o real fato novo seria Campos.

    Imaginemos que a razão prevaleça, e Campos seja o cabeça da chapa. Seria uma candidatura forte o suficiente para que o PT recorresse a Lula, no lugar de Dilma?

    Os dias longos dirão. Pode ser que Campos esteja pensando mais em 2018. Mas aí é possível que ele tenha então um adversário forte de sua própria geração, Haddad.

    Haddad, se fizer uma boa gestão em São Paulo, vai longe. Da prefeitura paulistana ao Planalto a distância pode ser incrivelmente curta.”

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?p=14673

  35. Otto said

    Pax:

    a regulação da mídia é algo premente. Tá ordem do dia. E regulação, como se sabe, não é controle, não é censura: é democratização, é fim dos oligopólios.

    Esta discussão está quente, por exemplo, na Inglaterra, que pelo que eu sei não é uma república bolivariana.

  36. Olá!

    Pax, sobre a discussão anterior acerca do Fernando Rodrigues e o falso Dossiê Cayman, considero que você foi muito bondoso e condescendente ao dizer que o dito jornalista apenas cometeu um erro nessa questão. É, no mínimo, mau jornalismo (ou mesmo crime) passar ao grande público leitor informações sobre fatos que nunca aconteceram e que tinham um potencial considerável para destruir a vida pública e pessoal de indivíduos que não haviam cometido os crimes listados no tal dossiê.

    Por quais razões, Pax, o rigor que você utiliza para classificar de “jagunçada” o pessoal do Revista Veja passa bem longe do Fernando Rodrigues, sendo que este já fez coisas bem piores do que todos os atuais jornalistas da Veja somados?

    Até!

    Marcelo

  37. Olá!

    “Esta discussão está quente, por exemplo, na Inglaterra, que pelo que eu sei não é uma república bolivariana.”

    E na Inglaterra também não há petistas.

    Até!

    Marcelo

  38. Pax said

    Caro Otto,

    Você me desculpe, mas não arredo um dedo no sentido do que afirmei: acho que a atual direção do PT perdeu qualquer credibilidade para tratar deste assunto, justamente quando seus pares estão na mídia por motivos que não me parecem nada elogiáveis. E é sempre assim, basta a mídia “espiar” os pecados do PT e este assunto volta na pauta desta turma da Chapa Majoritária.

    Lembre-se, um dos principais papéis da mídia é, sim, vigiar o poder. Mídia boa é aquele que, majoritariamente bate no governo. Basta nos fiarmos nas questões das ditaduras para enchermos esta afirmação de razão. Nelas, ditaduras, uma das primeiras atitudes que fazem é calar a mídia.

    Caro Marcelo Augusto,

    Você diz:

    Por quais razões, Pax, o rigor que você utiliza para classificar de “jagunçada” o pessoal do Revista Veja passa bem longe do Fernando Rodrigues, sendo que este já fez coisas bem piores do que todos os atuais jornalistas da Veja somados?

    .

    E eu digo, este é um juízo seu, não meu.

  39. Otto said

    Pax, Pax,

    você é um cara sério, sincero, bem-intencionado, um gentleman,
    mas como já lhe disse, excessivamente crédulo quanto ao que sai no PIG (desculpa, mas às vezes não há expressão mais adequada).

    Veja o outro lado da história as agressões dos militantes do PT quando da votação do genuíno:

    As verdades sobre a “confusão” na votação de Genoino noticiada pela mídia

    Como umas das cerca de 100 pessoas que estavam na porta da Universidade São Judas, em São Paulo, na tarde de domingo, dia 28 – portanto, testemunhas do que a imprensa está chamando de “agressão a jornalistas” durante o voto do ex-deputado federal José Genoino –, não podemos nos omitir diante da prevalência da versão mentirosa que tem circulado como real.

    Não é verdade que militantes petistas discutiam com militantes do PSDB na porta da universidade. Não havia militantes do PSDB na porta, mas apenas um casal identificado com adesivo do PSDB, acompanhado de uma criança, que passou todo o tempo ao lado do Vesgo, do programa Pânico, provocando os petistas. O humorista entregava ao casal cartazes alusivos ao “mensalão” para que fossem fotografados com ele. Assim, havia forte suspeita de todos os que acompanhavam o movimento que o casal havia sido contratado para provocar. Tanto que, com exceção dele, nenhuma outra pessoa foi hostil ao grupo de mulheres do PT que lá estava e que, de fato, pelas tantas, passou a trocar ofensas e xingamentos com o casal – único momento em que a polícia foi chamada para intervir. A suspeita de que o casal estava lá para provocar ficou mais evidente quando, com a chegada de mais petistas, ele decidiu ir embora, ela justificando: “Ah, vamos embora que o homem não vai vir votar não”. Foram sob os gritos de “contratada, contratada” e reagiram rindo.

    Não é verdade que, ao sair do carro, o ex-deputado José Genoino recebeu do grupo de apoiadores uma bandeira do Brasil para cobrir o rosto e não ser fotografado, como escreveu o jornal O Globo, em matéria assinada por uma jornalista não esteve no local. A bandeira foi ofertada a ele para que se enrolasse nela. Não fosse assim, não teriam sido publicadas tantas fotos dele, sempre de rosto descoberto.

    Não é verdade que houve vandalismo. Antes de o ex-deputado José Genoino chegar para votar, um representante dos apoiadores dele conversou com representante da diretoria da universidade e questionou se ela desejava que a polícia fizesse uma espécie de corredor para garantir mais segurança. Ela recusou, afirmando que “Genoino era um eleitor como outro qualquer”.

    Não e verdade que uma senhora que chegou para votar foi derrubada por militantes petistas, também como afirmou a imprensa. A senhora chegou (não à toa vestida de vermelho) para “apoiar e dar um abraço no Genoino”. Ela havia participado, duas semanas antes, da reunião dos amigos de 68, em que estiveram, entre outros, Genoino e Jose Dirceu. Ela caminha com o auxílio de uma bengala e, na entrada tumultuada dos militantes, caiu e foi socorrida imediatamente por vários deles. Alguns cinegrafistas se aproximaram e uma suposta jornalista perguntou a ela quem a havia empurrado: “Foram os fotógrafos, que passaram correndo”, afirmou. Mas isso não saiu em nenhum jornal! Além dessa senhora, uma jovem foi derrubada também pelos fotógrafos, e um cinegrafista, que estava no meio do tumulto, caiu. Nenhuma pessoa que entrou para votar sofreu qualquer lesão. .

    Não é verdade que houve “pancadaria” – palavra também recorrente na “grande mídia”. Houve, sim, o empurra-empurra típico das aglomerações, e a até agora alegação de agressão de um dos humoristas do programa CQC, que fez todo tipo de provocação e se postou (ele mesmo admite) diante do veículo onde supunha que Genoino estivesse (ele já havia ido embora àquela altura). No calor do conflito, com os ânimos acirrados, a insistência do humorista em falar com o ex-deputado teria irritado alguns militantes, o que, se ficar provado, terá sido o único incidente da manifestação.

    Assinam:

    Austriquiliano Lucena

    Daniela Antunes

    Danylo Bomtempo

    Natalina Ribeiro

    Marcia Barral

    Sergio de Carvalho

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/militantes-do-pt-falam-sobre-a-votacao-de-genoino

  40. Olá!

    Isso aqui é tosco e, ao mesmo tempo, cômico:

    “Neto de Miguel Arraes, lendário homem da esquerda brasileira, Campos, 47 anos, nasceu na política. Tem uma qualidade essencial para um líder político moderno: faz parte do zeitgeist, do espírito do tempo. É um homem com visão social.”

    Basta esperar e ver como o PT irá se comportar caso o Eduardo Campos decida ter uma candidatura própria à presidência em 2014. Se for o caso e ele se colocar em rota de colisão com o petismo, tenham certeza de que os petistas irão desenterrar o Caso dos Precatórios para aniquilar a candidatura do dito cidadão.

    Apenas para recordar: Na década de 1980, os petistas gritavam contra o Miguel Arraes: “Arraes caduco, Pinochet de Pernambuco!” O que é uma injustiça com ambas as pessoas, pois o Arraes não era um facínora assassino e o Pinochet não era adepto de idéias econômicas dos tempos jurássicos.

    “Nisto se distingue de Aécio Neves, a grande esperança do PSDB pós-Serra, também ele neto de um avô ilustre na política nacional, Tancredo Neves. Em Aécio, social tem um outro significado: festas, farras. Visão social, à Aécio, é a observação detalhada da programação festiva da semana.”

    É o velho problema da esquerda e dos esquerdistas: Sempre dando a si o poder de decidir quem é e quem não é de esquerda e quem é e quem não é de direita, atribuindo, logicamente, à esquerda tudo aquilo que os esquerdistas vêem como humanamente bom e dando à direita tudo aquilo que eles consideram deletério.

    Até!

    Marcelo

  41. Olá!

    Pax,

    “E eu digo, este é um juízo seu, não meu.”

    Então explique para nós qual seria o seu juízo e não fuja da questão principal.

    O que eu gostaria de saber é quais são os seus critérios para ter em boa conta um jornalista como o Fernando Rodrigues, que produziu várias matérias sobre fatos inexistentes, e, ao mesmo tempo, considerar “jagunços” pessoas que, até onde se sabe, nunca se prestaram a fazer o que o Fernando Rodrigues fez.

    Quais são os critérios, Pax?

    Até!

    Marcelo

  42. Zbigniew said

    Caro Pax,

    você disse algo que me fez refletir. Realmente o PT não deveria empunhar sozinho essa bandeira de regulação de mídia. Vai ficar passando recibo sem necessidade.

    Acho que essa discussão deveria se dar no âmbito do governo, com os partidos da base aliada (aí incluído o PT) e também com a oposição. Todos, de forma democrática, devem ser chamados a dar sua parcela de contribuição. Se se quer discutir tal assunto, não se deve e nem se pode abrir mão desse modelo, sob pena de perdermos legitimidade e representatividade num possível documento final. Na Argentina a Kichner encarou como uma disputa de poder (e no fundo é), contra um grupo empresarial (Clarín). Aqui não é necessário personalizar nem dar um tom de confronto.

    O processo de discussão deve levantar pontos relevantes, entre os quais alguns que você mesmo apontou, e aqui tomo liberdade de repetí-los e também analisá-los:

    – Estrutura: a democratização também passa pelo acesso à banda larga. Não sei a quantas anda o PNBL do governo federal, não estou acompanhando, mas já há estados que procuram oferecer tais serviços nas escolas públicas num esforço de universalização da inclusão digital. Além da busca de parcerias com empresas privadas almejando a redução de tarifas. O que pode ser feito para melhorar e acelerar este processo?

    – Politico: a utilização política de concessões de rádio e televisão por parte de parlamentares existe. Entretanto, embora haja impedimento de ordem constitucional para que políticos sejam proprietários de emissoras (CF 54 e 55), eles driblam tal proibição colocando parentes ou testas de ferro à frente dos negócios. Como combater tal situação?

    – Interesse Público: aqui algumas iniciativas já foram tomadas como a determinação para a indicação etária e o conteúdo nacional para os canais a cabo.

    E quanto à propaganda política e eleitoral? A sociedade quer continuar a subsidiá-las através de impostos? (uma vez que as emissoras são ressarcidas desse tempo utilizado pelos partidos e tribunais atravé do não pagamento de impostos, ou seja quem paga é a própria sociedade).

    – Concentração: você destacou o CADE, mas ao que parece tal entidade tem tido dificuldades em impor as regras da lei antitruste frente o poder econômico. Lembremo-nos de casos notórios como o da Perdigão-Sadia, do Pão de Açúcar-Casino, Kolynos-Colgate, Brahma-Antarctica (AMBEV – IMBEV), Nestlé-Garoto, entre outros. Tenho realmente dúvidas quanto à eficácia de tal órgão no combate à concentração dos mercados e no estímulo à concorrência.

    Observe-se o que acontece com a nossa indústria automobilística ou com a rede de postos de gasolina de qualquer cidade deste país. Há algum tipo de concorrência capaz de, particularmente para esses casos, reduzir preços? Não são sistemas reconhecidamente cartelizados?

    É neste ponto que se deve perquerir se é benéfico à sociedade brasileira, especificamente em relação aos grupos de mídia, que tais grupos detenham um amplo leque de atividades num mesmo espaço geográfico: editoras, tvs a cabo, tv aberta, portal de internet, jornais, revistas semanais, emissoras de radio AM e FM, etc. Isso é bom, é ruim, como encaramos esse modelo?

    E o mercado publicitário? Há notícias de que o Grupo Globo “paga” mesadas a publicitários e com isso (além disso, é verdade), abocanha mais de 80% do mesmo. É aceitável essa situação? Isto não inibe ou impede o surgimento ou fortalecimento de outras empresas de comunicação?

    Outras tantas questões devem e podem ser levantadas, mas espero que se dê de forma a trazer benefícios para o Brasil.

  43. Patriarca da Paciência said

    “Segundo informou por meio do Twitter a ministra da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Maria do Rosário (foto), o governo federal conseguiu suspender na terça-feira, dia 30, a liminar que determinava a reintegração de posse da tribo indígena Guarani Kaiowá em Mato Grosso do Sul.

    “Acabamos de receber decisão judicial q suspende reintegração de posse do território dos Guarani Kaiowá. Recurso do Gov. Federal foi acatado! (sic)”, comemorou a ministra. Na sequência, ela complementou a informação. “De acordo com essa decisão, os indígenas ficam onde estão! Agora lutaremos p/agilizar o processo de estudos p/ demarcação desse território”.

    http://novobloglimpinhoecheiroso.wordpress.com/2012/10/30/governo-federal-consegue-suspender-liminar-que-determinava-saida-dos-guarani-kaiowa-em-ms/maria_rosario02/

    Ou seja, o governo federal conseguiu reverter uma decisão equivocada do judiciário!

    O PT diz também que não vai excluir nenhum petista dos seus quadros em face das condenações pelo STF, pois quem aplica o estatuto do partido é o partido, não o judiciáirio.

    Decisões judiciais estão sujetas a revisões.

    Ninguém é infalível.

  44. Pax said

    Por partes (que estava tratando de assuntos veterinários por aqui…)

    1 – Ao caro Otto, em #39

    Caro Otto,

    Mais uma vez, perdoe-me, mas discordo desta nota emitida por estas pessoas que desconheço. Não as estou desqualificando, somente dizendo que as desconheço.

    Vi inúmeras reportagens sobre o episódio. Com certeza vi com olhos absolutamente críticos. Vi os vídeos e fotos que um lado e outro dsponibilizaram.

    Alguns itens desta nota até me parecem verdadeiros, como a afirmação que Genoino não utilizou a bandeira do Brasil para esconder seu rosto e a afirmação que muita gente foi empurrada mesmo por repórteres no empura-empurra da situação.

    Mas a nota omite que houve, sim, agressões a jornalistas. Por mais chatos que eles fossem, por mais que tenham recebido ordens de provocar, nunca deveriam ter sido agredidos. E foram, sim.

    Agora vamos um pouco além, na questão de Genoino com a imprensa. Temos exemplos anteriores para nos fiarmos, para olhar um pouco mais do alto, de helicóptero e não ficarmos no “calor” deste momento.

    O cara nunca soube lidar com a imprensa, sempre foi reativo, agressivo mesmo (não agressivo físico). Nunca soube aceitar e driblar a imprensa como acho que todo ser público, político, artista etc, tem que lidar. Quer atividade pública e não sabe que a imprensa vai cair em cima?

    Ou escolheu a profissão errada ou fica igual aquela mulher de César, a tal que tem que ser honesta e parecer honesta.

    2 – Ao caro Marcelo Augusto, em #41

    Caro Marcelo Augusto,

    Me fio em fontes minhas, relações pessoais, gente do meio. E prefiro não declinar que fontes são estas.

    Gostaria, neste momento, até de aprofundar este assunto com o próprio Fernando Rodrigues, mas não sei seu e-mail. Vou procurar, ver se escrevo para ele e pergunto. Mantenho você informado sobre a questão, quando houver novidade. De novo, agradeço a informação que você trouxe, sim. Aceito críticas. Às vezes prefiro elas que elogios. Desde que mantidos respeito e educação com que tento tratar todos. Não aceito é que entrem na minha casa com pés sujos e os coloquem na mesa de centro que a mulher gosta de cuidar, herança de família, se é que me faço entender. E não acho que você faça isso. Ok?

    3 – Ao caro Zbigniew,

    Caro Zbigniew,

    Mais tarde respondo sobre estas questões que estamos elencando. Agora não dá. Obrigado por desenvolver o tema.

  45. Otto said

    Pax:

    acho que você está confundindo o Genuíno com o Serra, este sim um verdadeiro truculento.

    Se houve realmente agressões à imprensa, eu gostaria que você me postasse os vídeos. Me refiro a agressões, e não encontrões, solavancos — que acontece sempre quando há multidões compactas, como na Estação da Sé em horários de pico.

    Algum jornalista saiu machucado?

  46. Otto said

    Aliás, Pax, essas “agressões” me lembram muito o atentado terrorista com a bolinha de papel.

  47. Pax said

    Ah, caro Otto,

    Você pede a mim a busca pelos vídeos do lance da votação do Genoino? Justo eu que vivo com um “link negociado pelo Marcos Valério” like?

    Poupe-me, por favor. Entre no Youtube e digite Oscar Filho. Provavelmente vais encontrar. Se não, tente como argumento “Genoino” “Agressão” “Militantes”. Com certeza acabará achando.

    Se achar e quiser trazer para cá, beleza, mas coloque um traço (“-“) ou qualquer outro caractere antes do link para não travar por aqui, lembrando desse meu drama do tal “link Marcos Valério”.

    E caro Otto, insinuar que eu faça parte desses que transformam bolinha de papel em objeto crânio-contundente não me parece muito justo. Vi os vídeos, vi na TV e quando estava com internet boa disponível.

  48. Pax said

    Caro Otto,

    Divirta-se (junte todas as partes…):

    —-http://www.youtube.com/results?search_query=Genoino+%2B%22agressões%22+%2B%22
    —militantes%22&oq=Genoino+%2B%22agressões%22+%2B%22
    —-militantes%22&gs_l=youtube.3…45817.56222.0.56909.39.25.0.0.0.0.0.0..0.0…0.0…1ac.1j4.

  49. Otto said

    Ah, Pax, agressão?

    Vi um monte de gente se acotovelando num espaço exíguo – e num clima acirrado pela imprensa venal.

    Isto é outro efeito “bolinha de papel”.

    O agredido foi fazer uma tomografia pra comprovar?

    Ou vão chamar outra vez o Molina pra provar o incomprovável?

  50. Pax said

    Ok, caro Otto,

    Assim é, se lhe parece. Me permito discordar.

    Um bocado.

  51. Chesterton said

    Me fio em fontes minhas, relações pessoais, gente do meio. E prefiro não declinar que fontes são estas.

    chest- ta bem acompanhado, hein?

  52. Pax said

    Ora, Chesterton, não sou importante, rico, nada disso. E cada vez mais prefiro meu cantinho e minhas viagens. Nem mais Facebook eu frequento.

    Mas estudei no primário com um jornalista que hoje é realmente importante no meio. Mantenho esta relação por mais de 40 anos. Muitas vezes ligo (difícil, mais em fim de semana) ou escrevo (mais fácil, responde rápido) para perguntar coisas. Quando posso encontro com o figura, uma ou duas vezes por ano.

    Afora outros que conheci por conta da blogosfera. Nada além disso. São bichos interessantes, quando o ego não sobe demais na cabeça.

  53. Chesterton said

    Ora, Pax, o cara pergunta com que base você prefere um jornalista comprovadamente desonesto a outro e voc~e diz que é porque ele é amigo de seu amigo? responda a pergunta direito.

    SI, LLORO POR TI ARGENTINA

    Artículo de Mario Vargas Llosa

    Argentina, un país que era democrático cuando tres cuartas partes de Europa no lo eran, un país que era uno de los más prósperos de la Tierra cuando América Latina era un continente de hambrientos, de atrasados.

    El primer país del mundo que acabó con el analfabetismo no fue Estados Unidos, no fue Francia, fue la Argentina con un sistema educativo que era un ejemplo para todo el mundo. Ese país que era un país de vanguardia. ¿Cómo puede ser que sea el país empobrecido, caótico, subdesarrollado que es hoy? ¿Qué pasó? ¿Alguien lo invadió? ¿Estuvieron enfrascados en alguna guerra terrible?.

    No, los argentinos se hicieron eso ellos mismos. Los argentinos eligieron a lo largo de medio siglo las peores opciones.

    Eso es. El peronismo es elegir el error, es el partido de los resentidos más aberrantes, llenos de odio, de rencores viscerales, fascistas, enfermos de rabia inexplicable hacia todo lo bueno que sea diferente a su manera radical y fanática de ver las cosas, son por lo general incultos, ignorantes, mediocres de mediocres!. El peronismo es perseverar en el error a pesar de manera masoquista, enfermiza, en las catástrofes que se le han ido sucediendo en la historia moderna del país.

    ¿Como se entiende eso? Un país con gentes cultas, absolutamente privilegiado, una minoría de habitantes en un enorme territorio que concentra todos los recursos naturales. ¿Por qué no son el primer país de la Tierra? ¿Por qué no tienen el mismo nivel de vida que Suecia, que Suiza?.

    Porque los argentinos no han querido. Han querido en cambio ser pobres. Seguir a “caudillos” de pacotilla, “salvadores” de porquería, locos, desquiciados por su mismo odio a todo lo que sea diferente a su locura. Han querido vivir bajo dictaduras, han querido vivir dentro del mercantilismo más espantoso. Hay en esto una responsabilidad del pueblo argentino.

    Para mí es espantoso lo que ha ocurrido en Argentina. La primera vez que fui allí quedé maravillado. Un país de clases medias, donde no había pobres en el sentido latinoamericano de la pobreza. ¿Cómo pudo llegar a la presidencia una pareja tan diabólica, manipuladora, populistas en grado extremo, corruptos de calle como los Kirchner gobernando ese país?. Al menos ya uno no está!. Esperemos que la que queda no pueda seguir hundiendo a ese otrora gran país argentino!.

    Sin embargo, a juzgar por sus diabólicas relaciones estrechísimas con el desquiciado, paria, bestia troglodita, de la extinta y queridísima República de Venezuela, todo parece indicar que ahora “Cristinita” se apegará aún más a ese escoria, aprendiz de dictadorzuelo, quien ya bastante le ha financiado su mandato a costa del noble pero incomprensiblemente inerte pueblo Venezolano. ¡Qué degradación política, qué degradación intelectual! Argentina y Venezuela, dos países extraordinarios vueltos pedazos por una sarta de demoniacos desquiciados!!!

    Por eso me pregunto ¿Cómo es eso posible?

    Mario Vargas Llosa
    (Madrid , España)

  54. Chesterton said

    EX-MULHER DE ZÉ DIRCEU DESABAFA SOBRE MENSALÃO: “ELES ESTÃO PAGANDO PELO LULA. OU VOCÊ ACHA QUE O LULA NÃO SABIA DAS COISAS?”
    A família do ex-ministro José Dirceu (Casal Civil) já se prepara para o pior: sua condenação em regime fechado por envolvimento com o mensalão. Enquanto o Supremo Tribunal Federal não decide a pena, parentes já planejam como serão as visitas na cadeia. A refeição da penitenciária é uma das preocupações, pois ele é reconhecido como um sujeito bom de garfo. “Meu medo é que ele se mate na prisão”, chora Clara Becker, 71 anos, sua primeira mulher e mãe de seu filho mais velho, o deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR).

    Dirceu com Clara Becker (foto Estadão)
    Casados por apenas quatro anos na época da ditadura militar, ela é amiga próxima do ex-marido há mais de três décadas e tem certeza de que “Dirceu não é ladrão”. “Se ele fez algum pecado, foi pagar para vagabundo que não aceita mudar o País sem ganhar um dinheiro (…) Se ele pagou, foi pelos projetos do Lula, que mudou o Brasil em 12 anos”, afirma, referindo-se ao pagamento a parlamentares da base aliada que receberam dinheiro para votar a favor de propostas do governo do ex-presidente Lula, segundo a denúncia do Ministério Público.

    Para ela, militantes do PT como Dirceu e José Genoino, ex-presidente do partido, estão sendo sacrificados. “Eles estão pagando pelo Lula. Ou você acha que o Lula não sabia das coisas, se é que houve alguma coisa errada? Eles assumiram os compromissos e estão se sacrificando”, indigna-se.

    “Sabe, é muito sofrimento. Uma vez peguei meu filho chorando de preocupação com o pai. E minha neta, Camila, também sente muito.”

    Desde que começou o julgamento da ação penal 470, Dirceu diminuiu sua exposição pública. Para se poupar de constrangimentos, ele evita circular com desenvoltura, ser visto em Brasília ou jantar fora – seu passeio predileto. Agora, o ex-todo-poderoso do governo Lula lista quem são seus amigos fiéis e os recebe em sua casa de São Paulo ou na de Vinhedo (SP). No fim de semana do dia 7 de outubro, eleição municipal, ouviu ao telefone uma ordem expressa:
    “Benhê, limpa a área que eu tô chegando”. Era Clara avisando que lhe faria uma visita na casa do interior paulista e deixando claro que não queria dividir a atenção do ex-marido com mais ninguém – nem com a atual namorada dele, Evanise Santos. Clara saiu de Cruzeiro do Oeste, no interior do Paraná, levando em um isopor uma peça de carneiro temperada no vinho branco e alecrim. Instruiu a empregada a deixar a carne três horas no forno, enquanto aguardava o anfitrião chegar em casa.

    Quando ele apontou no portão, ela ouviu também uma voz feminina. Chispou escada acima e se trancou no quarto, alegando enxaqueca. Só desceu quando seu filho bateu na porta e avisou que a “dor de cabeça” já havia ido embora. Depois do fim de semana de comilança e champanhe, Dirceu despediu-se dela, dizendo: “Preciso ir embora mais cedo para São Paulo, tenho que eleger o (Fernando) Haddad”.

  55. Pax said

    Comprovadamente desonesto é muito forte. Ainda não sei, não apurei, não consigo dizer isto. Tem muito jornalista que erra mesmo, nem sempre é com intenção.

    Comprovadamente mentiroso, outro caso, eu já mostrei aqui, por (a) + (b).

  56. Chesterton said

    Dinheiro para os blogueiros chapas-brancas, processos contra os independentes.

    O jornalista Fábio Pannunzio manteve um blog por algum tempo. Choveram tantos processos judiciais que ele desistiu. Já os blogueiros oficialistas não são incomodados: ganham até com anúncios estatais. Artigo na Folha:

    Em empresas de comunicação, fui processado uma vez em 31 anos. Já na internet, sozinho, é uma avalanche. Como bancar? Sobra só a blogosfera ‘estatal’… Como jornalista a serviço de empresas de comunicação, fui processado só uma vez em 31 anos de profissão -a despeito de ter trabalhado a maior parte desse tempo como repórter investigativo e de ter feito dezenas de denúncias graves. E ganhei. Há menos de quatro anos, criei um blog dedicado à reflexão política e à denúncia de iniciativas visando sufocar a liberdade de expressão, promover ou justificar a corrupção.

    Ao longo de sua existência, tornei-me alvo de uma avalanche de processos judiciais. Foram oito ao todo, que me obrigaram a gastar uma fortuna com a contratação de advogados. Como blogueiro, descobri a condição de vulnerabilidade em que se encontram dezenas de jornalistas que decidiram atuar independentemente na internet Jamais fui condenado, mas é fato inquestionável que o exercício das garantias constitucionais é excessivamente custoso para quem não está respaldado por uma estrutura empresarial -ou não vendeu a alma ao diabo. Contratar advogados, pagar custas e honorários, invariavelmente caríssimos, já constitui, em si, uma punição severa, mesmo para quem fatalmente será absolvido ao final de um processo sofrido e demorado. Foi o que me levou à decisão de parar de publicar no blog.

    Os dois primeiros processos vieram do Paraná, de onde uma quadrilha de estelionatários e traficantes de trabalhadores brasileiros para os EUA conseguiu censurar o blog durante alguns meses. A prisão dos denunciados fez com que a censura se extinguisse. Não satisfeitos e embora presos, passaram a pleitear uma indenização por danos morais. De Mato Grosso chegaram outras quatro ações. O autor é o deputado estadual José Geraldo Riva, réu em 120 processos por peculato, corrupção e improbidade administrativa. Seu mandato foi cassado duas vezes por compra de votos, mas Riva ainda preside a Assembleia Legislativa do Estado, mesmo proibido de assinar cheques e ordenar despesas.

    Boa parte dos textos teve como objeto o repúdio às práticas que o STF agora condenou como crimes praticados pelos mensaleiros do PT. O foco era o desvirtuamento ético, e não a questão partidária.
    Também critiquei o mata-mata na segurança pública de São Paulo, Estado governado pelo PSDB. Daí brotaram dois outros processos. O primeiro, uma queixa-crime do ex-comandante Paulo Telhada, que acaba de ser eleito vereador em São Paulo graças à imagem que ele alimenta de matador implacável. É o mesmo acusado de incitar no Facebook a campanha que culminou em uma série de ameaças ao repórter André Caramante, desta Folha. O segundo é uma ação por danos morais movida pelo secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, que novamente pôs o blog sob censura.

    Não fui o único blogueiro a ter a sua atividade jornalística impedida por uma sequência de ações judiciais. Outro caso exemplar é a mato-grossense Adriana Vandoni, do blog “Prosa & Política”. Desde 2009, a publicação está censurada judicialmente pelo mesmo José Geraldo Riva. Não defendo prerrogativas de qualquer natureza para o jornalismo irresponsável. O exercício do jornalismo se torna deletério quando há deslizes éticos, com prejuízos enormes para quem se vê caluniado, difamado ou injuriado. Também não me insurjo contra o direito dos ofendidos de pleitear reparação diante de distorções e erros da imprensa. O blog, aliás, sempre criticou o engajamento do jornalismo a soldo de políticos suspeitos, que atua como uma máquina de destruir reputações. Tal máquina ataca inclusive jornalistas, como Heraldo Pereira, da TV Globo, e Policarpo Júnior, da “Veja”, vítimas de uma campanha difamatória hedionda movida pela blogosfera estatal. Minha página eletrônica nunca aceitou qualquer forma de publicidade. Era mantida exclusivamente às expensas da minha renda pessoal auferida como repórter e apresentador da Rede Bandeirantes de Televisão. O exercício da liberdade de expressão, no ambiente cultural de uma democracia que ainda não se habituou à crítica (e a confunde com delitos de opinião), desafortunadamente, se tornou caro demais. Mas sou forçado a concordar com os que entenderam minha atitude como capitulação. Porque o silêncio compulsório, que é o que desejam os inimigos da liberdade de expressão, só fará agravar o problema

    FÁBIO PANNUNZIO, 51, jornalista, é repórter e apresentador da TV Bandeirantes
    Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

    (do blog do Tambosi)

  57. Otto said

    Chesterton…pra não falar da fAlha de São Paulo, processado pela Folha!!!

  58. Olá!

    Parafraseando o camarada liberal Mario Vargas Llosa, isso que vai abaixo bem que poderia explicar o Brasil de hoje e seus mensalões, aloprados, dólares na cueca, simpatias por facínoras assassinos e etc.:

    “Eso es. El petismo es elegir el error, PT es el partido de los resentidos más aberrantes, llenos de odio, de rencores viscerales, fascistas, enfermos de rabia inexplicable hacia todo lo bueno que sea diferente a su manera radical y fanática de ver las cosas, son por lo general incultos, ignorantes, mediocres de mediocres!. El petismo es perseverar en el error a pesar de manera masoquista, enfermiza, en las catástrofes que se le han ido sucediendo en la historia moderna del país.”

    Até!

    Marcelo

  59. Otto said

    Chupem que é de uva:

    “O Estado de S.Paulo

    Se as eleições de 2014 fossem hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seria o candidato favorito do eleitorado, de acordo com pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 3, pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). O petista aparece com 69,8% das intenções de voto. Neste cenário, ficaria em segundo o senador Aécio Neves (PSDB), com 11,9% e governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), com 3,2%.

    A pesquisa, realizada entre os dias 18 e 22 de julho, simulou dois cenários para as eleições presidenciais de 2014. Em um deles, com a presidente Dilma Rousseff no lugar de Lula, Dilma ficaria em primeiro com 59% das intenções de voto, seguida por Aécio Neves com 14,8% e Eduardo Campos com 6,5%. Duas mil pessoas foram entrevistadas em 134 municípios de cinco regiões do Brasil. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.

    A avaliação positiva do governo Dilma ficou em 56,6% em julho, contra 49,2% em agosto de 2011, segundo pesquisa. Para 35,5% dos entrevistados, a avaliação dada foi “regular”, ante 37,1% em agosto do ano passado, e para 7% foi negativa, contra 9,3% no levantamento anterior.

    O levantamento também apontou que a aprovação pessoal de Dilma está em 75,7%, contra 70,2% em agosto de 2011.”

    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2012/10/31/lula-nome-favorito-para-2014-aponta-pesquisa-cnt-472683.asp

  60. Chesterton said

    Os professores contra o mercado
    POR FLAVIO MORGENSTERN · 23/10/2012 ·
    EDUCAÇÃO, FEATURED, POLÍTICA, PRINCÍPIOS, ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES ·

    Não há que se duvidar que as pessoas adquirem sua ojeriza brutal pelo mercado principalmente a partir das aulas de História, Geografia e outros estudos sociais a partir do ensino médio.

    Useiros e vezeiros de um vocabulário de aparência científica, mas na verdade ideológico a ponto de servir como um cabresto, os jovens entram na faculdade com uma opinião sobre o mundo, e não mudam tal opinião até se formarem.

    Curiosamente, costumam acreditarem-se “críticos”, justamente por repetirem sem nenhuma crítica um discurso pronto. E raramente notam que, afinal, têm a mesma opinião desde a tenra adolescência, fugindo e escapando de estudos contrários à sua crença.

    Certos professores costumam ser vistos desde cedo como espécies de oráculos e exemplos a serem seguidos e obedecidos. Além do velho e falso discurso sobre a “exploração” capitalista, costumam pautar suas aulas sobre uma crítica da “desigualdade” provocada pelo livre mercado, que precisaria ser “corrigida” pelo Estado.

    Recentemente, um concurso público ofereceu vagas para ensino fundamental completo, oferecendo um salário para professores pouco maior do que o salário para operador de empilhadeira (ensino fundamental completo). Sem perceber, esse é exatamente o modelo de gestão que os professores que visam tanto acabar com a desigualdade defendem.

    Um mundo sem desigualdade é um mundo em que alguém que faça um trabalho que não exija instrução receba o mesmo que alguém que tenha uma profissão “importante”, no sentido de exigir muito estudo (um médico, um professor, um engenheiro). Qualquer plano de carreira mínimo imediatamente criará uma pequena desigualdade que, através de contas simples com juros compostos, criará um fosso intransponível entre aqueles no topo da carreira e os que não galgaram todos os níveis – que dirá a sorte para os filhos de cada um, e assim por diante.

    Por isso, Robert Nozick, quando critica a Teoria da Justiça de John Rawls em Anarquia, Estado e Utopia, define que muito mais importante do que saber qual a “faixa salarial” mínima de uma sociedade, é saber quem receberá o dinheiro. Os produtores de riquezas e bens intelectuais não podem receber menos do que os destruidores. É quase instintivo perceber que um médico deve ganhar mais do que um auxiliar em começo de carreira. Que um engenheiro deve ter seu esforço recompensado, podendo ganhar mais do que um entregador de pizza.

    Ou que um professor deve receber mais do que um operador de empilhadeira. E é exatamente nesse ponto em que alguns dos próprios professores pregam uma situação nociva a eles próprios através de um discurso platiforme sobre “desigualdade”, sem atentar para as consequências inescapáveis de tentar diminuí-la à força (ou seja, com o Estado “corrigindo” o mercado, que tende sempre a recompensar o esforço e a qualidade do trabalho).

    Ora, é claro que queremos uma sociedade com mais engenheiros do que entregadores de pizza. Porém, não se nasce engenheiro, e pode-se ter trabalhos mais simples quando se é mais jovem apenas para se adquirir experiência – ou mesmo trabalhos para jovens mesmo, como os famosos entregadores de jornais americanos, que apenas lhes deem um substituto à mesada, e algumas noções sobre responsabilidade que são o exato oposto de um “sub trabalho”.

    Porém, recompensar o professor, o engenheiro, o médico é, justamente, defender a “desigualdade”. Apesar de a palavra ser feia (o prefixo des- já passa uma errônea interpretação de que a igualdade veio antes, e é necessariamente vantajosa), é justamente o que os professores querem: ora, sendo uma profissão “importante”, que define os rumos dos jovens e fazem a ensinança das crianças, parece justo que sejam mais recompensados do que ladrões, corruptos, agiotas – ou mesmo do que a tia que faz pastel na cantina ou na feira, que não teve instrução e tem um trabalho tão repetitivo.

    Aí se vê que, muitas vezes, o trabalho “sem instrução” da tia do pastel é, apesar de tudo, bem recompensado – afinal, pastel é gostoso, e vende bem. Às vezes, mais do que aulas. E como um professor aceitaria com facilidade que ele, o instruído, receba apenas pouco mais, ou quiçá até menos, do que “a tia do pastel”?

    É preciso entender que o mercado recompensa boas ideias lucrativas – sejam elas telefones celulares com câmeras e joguinhos 4D ou pastéis bem feitos. E é justamente essa a vantagem do odiado mercado: independente de um planejamento central e de uma economia de comando ou intervencionista, todos podem aproveitar os seus talentos e lucrarem com ele – desde que saibam que nem todos os talentos ou ideias são lucrativos (os arcanos talentos para ler runas élficas ou ser vice-campeão interquarteirões de Super Mario Kart ainda são pouco recompensados em nossa injusta e impiedosa sociedade).

    Em uma economia planificada, a “igualdade” é, obrigatoriamente, apenas um achatamento dos vencimentos que o Estado devolve a cada indivíduo – e, obviamente, arredondados para baixo. Muito para baixo.

    E, na hora que veem o que isso significa na prática, poucos são os professores de viés anti-mercado que aceitam perceber como é a vida longe de uma privilegiada profissão de “respeito”, e notar como é a vida sem “desigualdade”.

    Infelizmente, essa é uma das muitas relações de causa e efeito que dificilmente consegue ser explicada a mentes já doutrinadas por uma ideologia que contamina os próprios signos linguísticos (e não apenas os conceitos e idéias) – ideologia dificilmente medicável mesmo depois de quilométricos tratados que já circularam mundo afora, e nunca passam sequer perto da religião acadêmica do estatismo.

  61. Chesterton said

    eu acho que Lula combina perfeitamente com o povo brasileiro.

  62. Olá!

    Pax,

    “Me fio em fontes minhas, relações pessoais, gente do meio. E prefiro não declinar que fontes são estas.”

    Poxa, Pax, me desculpe dizer isso, mas você está fugindo pela tangente da questão aqui levantada.

    É brincadeira dizer que o seu círculo de amizades representa os critérios para determinar se um jornalista produz ou não bom jornalismo.

    Quais são os critérios, Pax?

    “Gostaria, neste momento, até de aprofundar este assunto com o próprio Fernando Rodrigues, mas não sei seu e-mail. Vou procurar, ver se escrevo para ele e pergunto. Mantenho você informado sobre a questão, quando houver novidade. [. . .]”

    OK! Apenas gostaria que você, nas suas futuras e prováveis trocas de e-mail com o Fernando Rodrigues, não envolvesse minha pessoa, pois, no Brasil de hoje, mesmo para provar que uma pessoa é inocente, ela precisa gastar uma soma considerável de dinheiro com advogados e coisas tais. Eu sou pobre e não tenho dinheiro para bancar essas coisas.

    Faço essa observação porque, em uma certa ocasião, conversando com um típico apparatchik petista (não é o caso do Fernando Rodrigues), que ocupava um cargo muito bem remunerado em uma prefeitura perto da onde moro, ele começou a cobrar dos outros coisas que ele próprio nunca teve, como, por exemplo, admissão no serviço público via concurso.

    Eu chamei a atenção dele para essa questão e perguntei se o dito cujo tinha entrado na administração pública através de concursos. Aí, o apparatchik veio com aquela típica ladainha dessa gente quando confrontada com a realidade: “Qualquer imbecil sabe que a alocação de cargos como o meu não depende de concursos!” “Você quer me constranger em público!??!! É isso!?!?!” “É melhor parar de uma vez por todas com isso, senão. . . “ Senão eu receberia um processo judicial, ora essa!

    Aliás, é incrível como como essa gente tende a repetir os mesmos argumentos, ainda que em situações diferentes e em locais diferentes. Primeiro, eles começam tentando ridicularizar a pessoa (“Qualquer imbecil sabe. . .”) e, se a pessoa insiste nas questões, aí vêm as ameaças (“É melhor parar, senão. . .”).

    “[. . .] De novo, agradeço a informação que você trouxe, sim. Aceito críticas. Às vezes prefiro elas que elogios. Desde que mantidos respeito e educação com que tento tratar todos. Não aceito é que entrem na minha casa com pés sujos e os coloquem na mesa de centro que a mulher gosta de cuidar, herança de família, se é que me faço entender. E não acho que você faça isso. Ok?”

    De forma alguma, Pax, eu entraria na sua casa para brutalizá-la e vandalizá-la. Muito pelo contrário. Eu ficaria quieto na porta de entrada e só adentraria a residência caso o Sr. Pax ou a Sra. Pax assim o determinassem.

    Até!

    Marcelo

  63. Olá!

    A atual e tosca situação dos argentinos é decorrência direta do peronismo e, também, da maneira que a argentina se deixou consumir completamente por tal “ideologia”.

    Nos últimos 20 anos, houve duas grandes “viradas” “ideológicas” na América Latina: Do final dos anos de 1980 até, mais ou menos, 2002, houve uma adesão do continente latino-americano pelos ideais do livre mercado, ainda que isso tenha ocorrido de maneira um tanto tímida. De 2002 até hoje, houve uma conquista pela esquerda das posições de poder político nesses mesmos países. Em ambos os casos, o peronismo soube se adaptar, aderir, absorver e regurgitar os valores dessas duas grandes ondas ideológicas.

    No caso da onda liberal, o peronismo deu ao mundo um notório bandido, o Menem, que utilizou as privatizações e os mecanismos de livre mercado para enriquecer a si mesmo e, sobretudo, ao seu grupo político. Há indícios de que o Menem e sua curriola peronista tenham roubado uns U$ 10 bilhões nas suas maracutaias e jogadas.

    Na segunda onda, a onda estatizante e autoritária, o peronismo, mais uma vez, se adaptou e aderiu ferozmente aos valores dos novos tempos. O resultado é a Argentina que aí está, com uma onda de estatizações, expropriações, violência contra a imprensa livre, cerceamento à liberdade de expressão e coisas tais.

    É interessante notar como, em ambas as ondas, as empresas foram importantes para o enriquecimento da camarilha peronista. Peguem o caso da YPF, que ilustra bem o cerne da questão.

    No Governo Menem, a YPF foi privatizada e fez a fortuna de alguns políticos argentinos que participaram do negócio. Enquanto que, no Governo Cristina Kirchner, a mesmíssima YPF foi expropriada e estatizada, fazendo, novamente, a fortuna dos políticos envolvidos na maracutaia.

    Um analista político externo poderia achar que o Menem e a Cristina Kirchner são de partidos opostos. Mas não são. São, vejam que ironia, do mesmíssimo partido peronista, o Partido Justicialista.

    Em ambos os casos, o resultado final foi uma Argentina mais corrupta.

    Até!

    Marcelo

  64. Pax said

    Bingo

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1178633-dividido-pt-adia-manifesto-contra-condenacoes-no-stf.shtml

    Claro, temos que ler a notícia sempre com a desconfiança que os jornalistas erram. E muito. Neste caso trago porque há em outros veículos notícias semelhantes.

    Supondo que, neste caso, os jornalistas em questão não tenham errado tanto, parece que há uma indecisão, ou mesmo uma cisão, dentro do PT.

    Em especial neste ponto:

    Conforme interlocutores, o mais recente cálculo, já discutido com Lula e a presidente Dilma Rousseff, é que não se pode transformar 2013 numa batalha campal contra o Supremo nem trazer para o colo do partido o ônus dessa mobilização.

    Essa ponderação não casa com a expectativa de aliados dos réus Dirceu e Genoino, que pretendem conflagrar a militância contra o tribunal.

    E é necessário analisar outra parte da mesma notícia, esta aqui:

    Segundo um ministro petista, a ordem é agir com mais “cérebro” e menos “fígado”.

    Por ora, o único elemento capaz de reverter essa disposição seria a hipótese de o ex-presidente Lula virar alvo. Nesse caso, até mesmo a presidente Dilma tenderia a entrar no circuito para defender o antecessor.

    Parece fazer sentido. Em dois dias temos as notícias das declarações da ex-mulher de Zé Dirceu e o que me parece um requentamento de pedido de delação premiada do Marcos Valério, que supostamente quer abrir o bico e falar que tem muito mais a ser apurado. Parece requentamento pois são notícias de setembro trazidas para agora, só isso.

    Dá para levantar a hipótese que querem mesmo, passadas as eleições e já com foco num horizonte mais longo, tentar chegar em Lula, vincular decisões do esquema do mensalão ao ex-presidente. Seja por conhecimento ou ordem mesmo.

    Daí chego com calma em duas opiniões, minhas:

    1 – Acho mesmo um erro mobilizar todo o partido para atacar o STF para defender Dirceu e Genoino. Por vários motivos. Primeiro porque não são somente Dirceu e Genoino os condenados do PT. Segundo porque, das minhas relações, afirmo que nem todo mundo está assim tão comovido e injuriado. Há quem esteja injuriado com os réus, não com o STF.

    2 – Acho que a oposição, a imprensa, seja quem for, tem todo direito de querer chegar em Lula. Sim, claro que é um direito e a imprensa, em especial porque vimos discutindo isto aqui, tem que ser livre. Ainda mais nestes casos. E que responda em juízo toda e qualquer injúria, calúnia e difamação, se eventualmente incorrer nestes crimes. A questão mais importante é que se a oposição só tiver isso de bandeira para 2014 teremos que ver um filme já visto, reeditado e repetido. Ou a oposição arruma um projeto com programa e discurso convincente ou, na minha opinião, ficará mais uma vez falando grego para um público tailandês.

  65. Jose Mario HRP said

    Politica e ética?
    Tucanos abrindo as valvulas de fundo do seu navio:
    http://amoralnato.blogspot.com.br/2012/10/racha-tucano-arthur-ja-ve-aecio-como.html

    Do Amoral Nato, para dar boas risadas da oposição esperneante.
    Nem o Michelle me faz rir tanto!

  66. Jose Mario HRP said

    Novamente a politica e a ética?
    Mais risadas!
    Dedicado ao Pax, Zbig, Patriarca e Otto:

    http://esquerdopata.blogspot.com.br/2012/10/celso-de-mello-um-juiz-de-merda-ou-uma.html

  67. Zbigniew said

    Pax,
    é do jogo. Se Marcos Valério tem algo a dizer, que diga. E se o alvo é Lula vamos ver até que ponto as informações têm consistência.

    Há aqui um ponto que deve ser destacado. O PGR, para alguns réus, tem elaborado denúncias de forma política. E o STF tem agido politicamente com a adoção do Domínio do Fato. De fato se o Marcos Valério disser apenas que o Lula sabia de tudo sem trazer provas desse fato, ainda assim o STF terá que receber a denúncia, uma vez que Lula estava acima de Dirceu. E isso vai acontecer, mais cedo ou mais tarde.

    Então temos um problema do exercício de poder. De poder político. E o erro do PT se torna maior por não tê-lo exercido a contento. O erro estratégico dará munição para os inimigos políticos do ex-Presidente tentarem desconstruí-lo tendo em vista as eleições 2014 e, por tabela, enfraquecer a presidenta Dilma. Isso porque vai forçá-la a se posicionar sobre esse fato. Se assumir a defesa do Lula (o que é mais provável) poderá, para grande parcela da população, perder o apelo de ser contrária aos malfeitos. Se ficar inerte (bem menos provável) vai dar a impressão de fraqueza e ingratidão. Aí vai perder sustentação daqueles que apóiam o Lula.

    Enfim, havendo um possível julgamento com Lula como réu, não há como fugir ao recrudescimento do confronto entre poderes. O recuo momentâneo do PT em conjunto com a redução do prazo da CPI do Cachoeira é um movimento de bastidores na tentativa de acomodação de forças que, na minha opinião, não vai trazer os resultados esperados.

    Por fim acrescento que as esquerdas têm grandes problemas com o exercício do poder político. Quando Lula trouxe o Maluf para a aliança que elegeu o Haddad em São Paulo a Luíza Erundina alegou convicções de ordem ideológica para pular fora e foi dar entrevista nas páginas amarelas do Veja (panfleto da direita hidrofóbica).

    Na comunicação age sempre de forma defensiva. Não consegue fazer um contraponto eficiente ao consórcio midiático. Nesse problema de segurança pública de São Paulo o governo federal se vê colocado como co-responsável dos ataques a policiais daquele estado porque (pasmem!), não vigia corretamente as fronteiras. Isso numa briga particular entre a ROTA e o PCC e a irresponsabilidade do estado em aceitar o poder de uma facção criminosa e não aceitar ajuda do governo federal.

    A Dilma, ao assumir a Presidência da República, adotou gestos de distenção para com as forças conservadoras do país, chamando o ex-Presidente FHC para eventos políticos e até aceitando ir a almoços comemorativos ou seminários de empresas de comunicação notoriamente desfavoráveis ao governo. Só esqueceu de se posicionar quanto a questões inegociáveis do jogo de poder. O resultado será o inevitável enfraquecimento político do seu governo.

    Falta um articulador de poder no governo e no PT com características que não foram encontradas nem em Lula, na Dilma ou no Dirceu.

  68. Otto said

    De um comentário encontrado alhures:

    1) A Oposição anda tão ruim das pernas que está depositando todas as suas esperanças de vitória num aliado do Governo;

    2) A Oposição é tão caolha que nestá cortejando um político (Eduardo Campos) que tem menos votos que seu próprio candidato (Aécio Neves);

    3) A Oposição está tão desesperada que está fazendo fosquilhas a alguém que repetidamente diz que não vai disputar a presidência em 2014.

    Em suma: a Oposição acabou! E dessa vez com atestado passado por ela mesma!

  69. Patriarca da Paciência said

    Eu, sinceramente, considero o processo do “mensalão” muito semelhante àquela história da cobra engolindo a si mesma pelo rabo.

    Entre 1650 e 1750 houve uma célebre discussão filosófica sobre oque seria o espírito.

    Locke proclamou: Todo conhecimento provém da experiência, mediante nossos sentidos e nada existe no espírito que não existisse primeiros nos sentidos. O espírito ao nascer é uma página em branco.

    Berkeley proclamou: Tudo que conhecemos de alguma coisa são apenas sensações que a mesma coisa nos causa e as idéias derivadas dessas sensações.Uma coisa é apenas um feixe de percepções, ou seja, sensações classificadas e interpretadas.

    Aí veio Hume e proclamou: O espírito não é uma substância ou um órgão que tenha idéias, é apenas um nome abstrato para uma série de idéias; as percepões, as lembranças e os sentimentos é que são o espírito.

    Aí veio o pessoal gozador e proclamou: Pois muito bem, não existe matéria nem espírito, ou seja, simplesmente não existe nada.

    O embrulho que o STF criou, para mim, assemelha-se a essa discussão.

    A tese do “domínio do fato” é algo tão amplo que pode ser aplicada em todo e qualquer caso.

    Por exemplo. Os ministros do STF não tinham conhecimento que a política brasileira é cheia de corruptos?

    Como que um ministro do STF se submete à aprovação de um Congresso corrupto?

    Um ministro do STF aprovado por um Congresso corrupto teria legitimidade?

  70. Zbigniew said

    Exato, caro Patriarca. Por isso que esse julgamento é feito sob encomenda.
    Mas não podemos eximir o PT e Lula de terem deixado um vácuo de poder que agora está preenchido por um PGR oposicionista e uma Corte que se deixa levar pela pressão da mídia e pelas vaidades intelectuais, povilhadas com as convicções de um conservadorismo capaz de dar a um julgamento a conotação de exceção.

  71. Patriarca da Paciência said

    “Merval sugere a Genoino que não tome posse”

    Fantástico!

    Será que o Genoino terá coragem de deixar de atender a um pedido de um amigo tão maravilhoso?

    Seria muita ingratidão!

    Afinal, o Merval só quer o bem do Genoino!

  72. Patriarca da Paciência said

    “Em setembro, Marcos Valério prestou um depoimento secreto a Roberto Gurgel, relatando seu medo de ser assassinado; no mesmo mês, Veja dedicou capa ao empresário, atribuindo a ele frases como “Lula era o chefe”, supostamente ditas a terceiros, mas que não foram gravadas. Será que o interlocutor próximo do operador do mensalão, que fazia tabelinha com Veja, era o procurador-geral?”

    Informações privilegiadas?

    Ou bombasticamente privilegiadas?

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/84398/Terá-sido-Gurgel-o-entrevistado-de-Veja.htm

  73. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Você – com o Chesterton a tiracolo – me questiona sobre critérios para avaliar jornalistas.

    Enquanto Fernando Rodrigues me dá informações e análises que me parecem importantes, outros trazem o fígado estragado e querem que eu padeça da mesma hepatologia. Talvez este seja o maior critério.

    Um segundo me parece ser independência. Os jornalistas que mais gosto de ler são aqueles que, mesmo torcendo para algum lado, conseguem ter uma independência suficiente que os obrigue a fazer críticas também para o lado que torcem. O Kotscho é um destes, por mais petista que seja, e é. Do outro lado temos estes que são incapazes de escrever uma crítica que seja sobre os problemas do lado que adotaram por convicção pessoal, ou são pagos – de forma honesta ou não, para escrever.

    Um terceiro critério é o de deixar o ego em segundo plano. Alguns escrevem de forma indefinida. O pronome pessoal “EU” quase não existe em seus textos. Do outro lado temos estes que se acham deuses, superiores, defecadores de regras profissionais e morais, que tem como ataque a outros jornalistas uma de suas escadas principais.

    Um quarto critério é a questão de caráter mesmo, gente que assume que erra e corrige. Tem gente que não se emenda, quando erra fica preso neste erro como um barco em uma âncora ou poita e perdem um bom tempo tentando defender o ponto ou erro que cometeu. Afora a questão de afirmar ou não o lado que joga. De novo aqui o exemplo do Kotscho é bom, nunca nega pra quem torce, de quem é amigo etc. O outro lado?

    Acho que já são alguns critérios interessantes para que você me deixe voltar aos temas que gosto de discutir. Detesto ficar sem dar resposta a quem merece e por isso gostaria de sair desta tal “poita”.

    Caro Zbigniew, em #67. Parabéns. Brilhante.

    Caro José Mario, em #66. Só se for para dar risada mesmo. Mas se eu fosse petista de carteirinha e se é verdade que Lula sugere aos deputados do PT que não entrem neste assunto no Congresso, de atacar o STF, seguiria este conselho.

    Caro Patriarca em #69

    Provocação, chute na canela, vc sabe que gosto de filosofia. Mas o jogo lógico é provocativo, sim.

    Caro Otto, em #68,

    As provocações são válidas, mas não acho que a oposição acabou. Se quer saber, nem sei mesmo se o problema reside na oposição ou na “suposta” base aliada.

    Perdoem-me pelo atacadão de respostas. Há motivos.

  74. Pax said

    Acabo de ouvir numa reunião aqui – antigo dito popular chileno:

    “cuando la cagada está hecha, sólo hay que ponerle precio…”

    Ou seja, traduzindo para o português e para o contexto do post em questão (da tal nota que o PT pretende soltar):

    “A cagada está feita, agora é colocar o preço para o conserto”.

  75. Michelle 2 said

    Presidente do PT: ‘Não houve compra de votos’

    O STF fica aí apontando os crimes dos réus petistas, mas na verdade eles só merecem pena –comiseração, não pena de cadeia. Desempenharam um papel desgraçado. Está certo, tinham poder. Tinham muito poder. Tinham poder demais. E essa foi uma das suas misérias. Porque se não tivessem poder demais o governo Lula não atingiria seus objetivos. Precisavam do poder exorbitante para transformar o Brasil. E nem assim despertam a simpatia do Supremo.

    Como se fosse pouco, os magistrados ainda convertem Rui Falcão, o presidente do PT, num personagem surreal. Em entrevista a correspondentes estrangeiros, o companheiro negou, pela enésima vez, que o dinheiro do mensalão tenha comprado consciências. “Continuamos negando e vamos mostrar que nunca houve compra de votos.” Veja o que faz a insensibilidade do STF! Falcão diz ter o que “mostrar” e, desnorteado, deixa pra depois.

    Falcão disse aos representantes da mídia internacional que não há “demonstração material” da compra de votos. Claro que não. Todos aqueles milhões que Delúbio Soares mandou o Marcos Valério liberar, a grana sacada no Rural, os maços transportados em carro forte, a dinheirama distribuída em quartos de hotel… Tudo não passou de generosidade de um partido magnânimo com seus aliados altruistas.

    Mas isso não vai ficar assim. Falcão avisou aos repórteres que o PT vai se posicionar oficialmente depois que terminar o julgamento. O STF não perde por esperar. A legenda fará uma avaliação “crítica”, promoteu o dirigente. Natural, já que houve uma “tentativa” de processar a agremiação como um todo num processo em que os réus têm nome, sobrenome e CPF.

    Bem verdade que o PT associa-se aos condenados quando rasga seu estatuto para impedir que sejam expulsos. Mas, que diabo, alguém tem que demonstrar compaixão. Se o passado os abandonou, quem melhor do que os companheiros de partido para guiá-los nos obscuros becos de um mundo metamorfeado? Os antigos valores faliram, os heróis foram desmascarados, perderam-se as ilusões, nada era o que parecia. Mas, em meio às mortes de todos os nortes, sobrevive a solidariedade partidária.

    Pode-se acusar Falcão de tudo, inclusive de ilógico, mas ninguém tem o direito de duvidar de sua compaixão com o sofrimento alheio. De resto, houve momentos da entrevista em que o companheiro soou lógico. Avaliava o resultado das eleições quando fez uma referência a Lula. É um líder forte, reconheceu. Mas sua preponderância “não violenta a democracia” interna do PT.

    “Lula nunca se opôs a uma decisão partidária”, disse Falcão a alturas tantas. Nada mais sensato e verdadeiro. Até porque seria impossível. Pela boa e simples razão de que o PT não ousa tomar decisões que contrariem a vontade de Lula.

    Josias de Souza

  76. Edu said

    Zbig,

    Gostei do que escreveste em #67. Discordo de algumas partes, mas gostei. Só que eu acho que esse negócio de completar o vácuo de poder deixado é um tanto quanto arriscado. Em vez de forçar uma situação politicamente, por que simplesmente um partido não pode jogar limpo politicamente? Já que o PT tem tanta credibilidade com o povo, por que não pode simplesmente apelar para a transparência?

    Otto,

    Vc está feliz por parecer que a oposição acabou? Cuidado…

  77. Elias said

    Patriarca da Paciência

    O Mário Tapiocouto é bicheiro. Contraventor, portanto. Sonegador de impostos. Marginal.

    Mas se elegeu deputado estadual! E, na Assembleia Legislativa, se tornou presidente daquela casa de tolerância, digo, de leis.

    Aí se assucedeu de tudo. Fraudes na folha de pagamento, com toneladas de funcionários fantasmas, contratação fraudulenta de empresas fornecedoras de coisa nenhuma, fisgadas na “Operação Rêmora” da PF, etc. Mas a mais famosa operação do Tapiocouto foi a compra de dezenas de milhares de tapioca pra Assembléia Legislativa. Ele deve ter alimentado a população de uma cidade inteira, por um ano inteiro. Café da manhã, almoço e jantar… Só com tapioca do Tapiocouto!

    Mas então ele se elegeu senador! E, no Senado — essa instituição de inutilidade pública, que serve pra proporcionar vida boa pra senadores e seus dependentes, aí incluído parente de ministro do STF — Mário Couto critica a gatunagem generalizada que impera no país.

    O Brasil é um país doente, mesmo… Um cara que, em qualquer lugar que se desse a respeito, estaria na cadeia, se torna senador e ainda faz discurso reclamando da desonestidade de seus concorrentes na criminalidade…

    Aí está o tamanho da derrota política do PT… Levando lição de moral de delinquentes que ele, PT, deveria ter metido no xadrez.

    Agora, convém não ser trouxa, e achar que o delinquente é menos delinquente, só porque faz discurso criticando a delinquência de delinquentes petistas…

    Pra mim, é tudo farinha do mesmo saco. Farinha de tapioca podre…

  78. Chesterton said

    Presidente do PT diz\ que Valerio não é qualificado…..quem do PT é?

  79. Zbigniew said

    Obrigado, Pax.

    Caro Edu.

    Um partido pode ser um mosaico de tendências subordinadas a uma ideologia e com interesses políticos em comum capaz de uní-las para alcançar o poder e exercê-lo. Não é incomum que uma se sobreponha a outra e tenha mais influência sobre os destinos de uma agremiação, o que pode variar de acordo com as circunstâncias.

    Assim sendo quando nos impressiona o fato do PT, num momento de sua história no exercício do poder, ter aderido a políticas de cooptação e das chamadas “alianças espúrias”, é porque não nos apercebemos que com o PT na oposição havia uma tendência que tinha uma voz importante e bem adequada àquela situação, que pregava a ética e a mudança dos costumes políticos.

    Com o PT no poder essa tendência perdeu voz – e um dos resultados foi a saída de muitos filiados, ora para fundar outras agremiações, ora para migrar para outros partidos ou mesmo sair da vida política ou mesmo ficar em compasso de espera “para ver no que vai dar”- prevalecendo aqueles que entendiam o exercício da política, tendo em vista a qualidade do nosso parlamento, apenas pelos velhos métodos e pelas velhas práticas fisiológicas. Isso na relação do Executico com o Legislativo. Não que o governo não tenha ensaiado uma reforma política. Isso até aconteceu. Mas a vontade política desaparece fácil frente aos primeiros obstáculos o que nos faz acreditar que é menos oneroso utilizar-se de esquemas já instalados e em funcionamento.

    Quem tinha a razão? Digo que ambas as tendências. Aqueles que queriam uma mudança nos costumes políticos do país e viam no PT no poder a oportunidade de colocar em prática o objetivo, por óbvio; e aqueles que tinham um projeto de poder mais pragmático e que não admitiam o custo político de uma reforma naquelas circunstâncias, sob pena de perder sustentação no Parlamento (e eles tinham razão). Foi assim que o Marcos Valério cruzou com o Delúbio e entrou na vida do PT. Só que ao que parece o partido não tinha o “know how” que o PSDB tinha. Tampouco a cobertura de uma mídia poderosa, capaz de blindar autoridades envolvidas em escândalos. E isso aconteceu até onde pôde no governo FHC (vide o caso das privatizações).

    O que ocorreu, então? Uma circunstância específica representada pela contrariedade do deputado Roberto Jefferson, Presidente de um partido da base de sustentação do governo, no caso dos Correios, abriu brechas que se sucederam e que atingiram um ponto onde esse mesmo governo não tinha uma convergência de forças capazes de sustentá-lo politicamente. Esse ponto é representado pelo PGR, e o Judiciário “turbinado” por um consórcio de mídia poderoso. Esse ponto é o vácuo de poder que os governos Lula e Dilma não souberam ou não quiseram enxergar. Se só fosse o Jefferson mas não existisse o vácuo, o PT poderia ficar tranqüilo. Nem teria de se preocupar com a falta de “know how” em operar o esquema. Resultado? Tá aí – como disse o Elias – levando lição de moral de delinqüentes e correndo um sério risco de ver o seu maior ícone ser processado e condenado por uma jurisprudência erigida sob medida para uma circunstância que tem muito mais a ver com a disputa pelo poder do que mesmo com a moralização dos costumes políticos.

    Talvez agora o PT pense seriamente em dar voz àquela tendência que ficou esquecida lá no início.

  80. Chesterton said

    As tendências com vergonha na cara há muito se foram do PT.

  81. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Você conclui mais uma das tuas análises que brindam este blog com a seguinte frase:

    Talvez agora o PT pense seriamente em dar voz àquela tendência que ficou esquecida lá no início.

    E eu digo: tomara, por mais que minhas esperanças estejam enfraquecidas, ainda mais quando vejo o presidente do partido falando exatamente o que a sociedade não quer ouvir. Este post foi criado na expectativa de uma tal nota que parece que não saiu hoje. Saiu? Alguém viu? E tenho cá com meus botões um triste achismo que será uma nota péssima, um derramamento de bílis dos militantes mais chegados em Dirceu e Genoino que pouco se preocupam com a inteligência do povo brasileiro. Tomara, oxalá, quase chego a rezar pros santos do meu ateísmo que não cometam este erro.

    Insisto: expiar é diferente de espiar. O povo espia. É hora do PT expiar.

  82. Otto said

    Ó Pax, sobre aquele assunto do Genuíno quando foi votar, trago aqui a opinião de um jornalista insuspeito de ser petista:

    “É engraçada a tentativa de transformar o humorista Oscar Filho, do CQC, num mártir da liberdade de expressão.

    Basicamente, ele fez graça na hora errada e levou uns sopapos de amigos de Genoíno quando este foi votar em São Paulo. Nada de muito sério. Mas na cobertura jornalística o fato ganhou dimensões dramáticas.

    Hora errada porque Genoíno enfrentava um drama pessoal, depois de ter sido condenado no julgamento do Mensalão. Quanto isso lhe doeu se podia ver na bandeira brasileira que ele colocou nas costas ao votar.

    Também transtornados estavam os amigos que o cercavam. O julgamento foi controvertido. Muita gente, ao ver o julgamento, ficou com a impressão de que o sistema judiciário brasileiro tem que passar por uma reforma.

    A mim mesmo impressionou, pela falta de nexo, uma fala de um dos juízes, Marco Aurélio Mello. Num parágrafo, Mello dizia que a sociedade brasileira estava revoltada com os escândalos. Em outro, reclamava da apatia da sociedade. Ficou claro, no geral, que Mello tinha sido fortemente influenciado pelas “manchetes da mídia”. Mau sinal, dado que a mídia, num flagrante exagero, tentou dar ao caso ares de um novo “Mar de Lama”.

    Foi sob circunstâncias emocionalmente complicadas que Oscar Filho foi fazer piada com Genoíno. OF teria sido vítima de uma agressão de “milícias do PT”. Teria sofrido até violências em “cárcere privado”. O Globo falou em “vandalismo”. Isso porque, como é tão comum, as pessoas em torno de Genoíno gritavam o canto clássico ao ver as câmaras da emissora: “Fora, Globo. O povo não é bobo”.

    Há em mim a forte impressão de que as pessoas que exploram este episódio gostariam mesmo é de ver Oscar Filho morto. Teriam, aí sim, pretexto para falar – como tem dito Jabor – no perigo da “bolchevização” do país.

    Mas se salvaram todos, a começar pelo humorista.

    Para ele e para os editores do CQC pode ficar uma lição: humor tem limites. Transpostos eles, fica pateticamente sem graça.

    Lembro que, no enterro de Amy Winehouse, uma dupla do Pânico se infiltrou no velório para fazerem piada. Amy morreu aos 28. Mas mesmo assim os dois mentecaptos acharam que valia a pena embarcar num avião e explorar a dor alheia.

    Não levaram tapas, mas quem correria na defesa deles se levassem a chamada surra justa — aquela que, mais que tudo, leva você a meditar naquilo que fez?

    O que Oscar Filho e os rapazes do Pânico fizeram foi abjeto. Oscar Filho recebeu um corretivo – e isso pode ser muito mais útil para ele, na formação de caráter, do que a cantilena interesseira dos que tentaram fazê-lo de mártir.”

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?p=14929

  83. Pax said

    Caro Otto,

    Confesso que é assustador o que este cara escreve. Se quiser dar um passo adiante então até eu tenho que ficar esperando porque minha hora de receber um “corretivo” ou uma “surra justa” não tardará, isto porque não comungo completamente das teses de inocência geral que a turma do mensalão quer espalhar.

    Caramba, será que tenho que fechar o blog ou começar a escrever sobre o programa da Fátima Bernardes para evitar que minha hora chegue?

    Melhor eu mudar o tema do blog? Será, em outras palavras, que tenho que entrar em contato com a tal turma para saber o que eu posso ou não escrever para evitar os tais “sopapos dos amigos do Genoino”?

    Pensando bem, talvez seja melhor “os amigos do Genoino” me mandarem logo os textos prontos para que eu publique o que eles determinarem. Aí terei meu salvoconduto para andar pelo Brasil sem apanhar.

    Jamais faria o que o Oscar Filho fez, mesmo porque acho sem graça a forma como forçam a barra em muitas de suas reportagens “comédias”.

    Mas, de outro lado, defendo até o fim que Oscar Filho, o Pânico, Reinaldo Azevedo, Diogo Mainardi, Augusto Nunes e quem quer que seja escrevam e falem o que bem lhes der na cabeça, desde que não incorram em crimes (injúria, calúnia, difamação).

    Aí, escrevendo e pensando, chego nas seguintes perguntas: qual foi mesmo o crime que Oscar Filho cometeu, à além de fazer piada de bom ou mau gosto, dependendo do telespectador? E onde mesmo nosso Código do Processo Penal prevê julgamentos por turbas de miitantes e em suas dosimetrias considera penas como “surra justa”, “sopapos” e “corretivos de amigos de réus condenados pelo STF”?

    Caramba.

  84. Patriarca da Paciência said

    Aquela distorção do provérbio popular, qual seja, “de onde nada se espera, daí é que não sai nada mesmo” está comprovada que é apenas uma piada de mau gosto. A voz do povo, como sempre, está certíssima. De ondse menos se espera, muitas vezes, é de onde vem a solução.

    “Bahia247 – Finda a eleição municipal, é hora de equilibrar os discursos. Eleito em campanha que contou com a oposição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff, o prefeito eleito de Salvador, ACM Neto (DEM), agora prefere elogiar o governo Dilma. “O governo Dilma é melhor que o do Lula. Tem mais equilíbrio na posição institucional”, disse o democrata em entrevista ao “Poder e Política”, parceria da Folha de S.Paulo com o portal UOL.

    ACM Neto causou desconforto no Palácio do Planalto ao buscar interlocução com o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), cujo partido apoio sua candidatura em Salvador. A aproximação levou Temer a buscar a presidente nesta quarta-feira para explicar a situação e evitar desgastes entre PMDB e PT. Questionado sobre o assunto, o democrata disse que procuraria a presidente também. Agora, o democrata fala em criar pontes com a presidente e com o governador da Bahia, Jaques Wagner.”

    Arthur Virgilio aponto para o mesmo caminho!

    Acho que finalmente está caindo a ficha da oposição e estão vendo que ficar chamando o Lula de “apedeuta, pilantra, corrrupto, bêbado etc.etc.etc” só convence a claque do Reinaldinho e do Augusto Boçal, a qual, aliás, não precisa de convencimento algum, visto ser algo genético.

    Meu caro Elias,

    acho que os tapiocoutos, os vampirões etc.etc. vão finalmente vestir o pijama e um pessoal mais pragmático está surgindo.

    Espero que a tendência continue!

  85. Jose Mario HRP said

    EX Presidente (Collor(senador) pedindo a cabeça do Gurgel!
    Ninguém vai fazer nada?

    -http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=g0y9lGS6p7M

    Nota do moderador: caro HRP, tomei a liberdade de colocar um traço (“-“) antes do link, para não travar aqui. Rogo que me desculpe a invasão em teu comentário, pedindo desculpas pela fajuta banda (ou bunda?) larga que a Vivo me provê, com a anuância criminosa da Anatel que ontem fez mais uma regrinha para os ingleses verem que obriga as operadoras a entregar, no mínimo, 20% do que prometem. (Pax)

  86. Patriarca da Paciência said

    “Lembro que, no enterro de Amy Winehouse, uma dupla do Pânico se infiltrou no velório para fazerem piada. Amy morreu aos 28. Mas mesmo assim os dois mentecaptos acharam que valia a pena embarcar num avião e explorar a dor alheia.”

    Meu caro Pax,

    Sinceramente, acho que tudo deve ter limite. Total liberdade não deve significar total desrespeito.

    O que houve foi um claro desrespeito para com o Genoino.

    Se formos admitir que alguém tem liberdade de defender as idéias do Hitler em escolas fundamentais ou defender pedofilia em ambiente de trabalho ou ficar achincalando símbolos religiosos durante as liturgias, a coisa desgringola de vez.

    Há inúmeros casos em que a liberdade deve ser restringida.

    Total liberdade é tão perniciosa quanto a total falta de liberdade!

  87. Pax said

    Pesado o artigo de hoje do Merval, pescado no blog do Noblat

    Lula em seu labirinto
    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?cod_post=473193&ch=n

    A parte mais complicada, na minha opinião:

    Ex-mulher de Dirceu, Clara Becker disse à repórter do “Estadão” Débora Bergamasco que tanto ele quanto José Genoino “estão pagando pelo Lula”. E lançou a pergunta que está no ar há sete anos: “Ou você acha que o Lula não sabia das coisas, se é que houve alguma coisa errada? Eles assumiram os compromissos e estão se sacrificando.”

    Difícil crer que a mulher que viveu com Carlos Henrique, a persona vivida por Dirceu no interior do Paraná, sua amiga até hoje, mãe do deputado federal Zeca Dirceu, declare isso sem conhecimento de causa e, sobretudo, sem a autorização do próprio.

    E agora? Se houver lógica nesta ilação de Merval, que Clara Becker falou o que falou (? – sempre cabe a dúvida) com autorização de José Dirceu, este, então, estaria colocando Lula na fogueira como argumento de sua defesa, ou mesmo de redução da sua pena que eventualmente lhe seja imputada pela condenação na AP 470.

  88. Pax said

    Caro Patriarca,

    Esta é uma discussão muito profunda. A dos tais limites.

    Total limite me parece impossível de aceitar, sim. Um bom exemplo seria exibição de programas pornográficos dos mais picantes e obscenos às 10h da manhã, horário que tem uma criançada plantada à frente das tvs porque seus pais não tem como lhes prover melhor diversão. Aqui tenho que concordar.

    Outra é impor limite ao humor. E aqui a gente tem que se lembrar do caso Larry Flynt nos EUA. (Sim, vi o Manhattan Connection da semana passada que falou disso, mas conheço um pouco deste caso por ser emblemático para estas questões de liberdade de expressão nas democracias e porque vi um filme que conta essa história e vale a pena assistir).

    Neste caso, lá com os gringos, o cara, que está bem colocada no tal filme “O povo contra Larry Flynt”, depois de vários processos e tal, o cara leva para a Suprema Corte uma questão que foi censurado porque fez uma charge de um pastor (Jarry Falwell) transando com sua mãe.

    No final de tudo a Suprema Corte americana dá razão ao Flynt dizendo que humor não pode ser censurado. Algo assim.

    Aqui um pouco sobre o filme que fala disso: http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Povo_Contra_Larry_Flynt

    Agora vamos ao caso do Genoino.

    Discordo, em absuluto, que deva ter tais limites para este caso. Por mais nonsense ou inconvenientes que os repórteres e comediantes sejam. E acho que esta “jurisprudência democrática Larry Flynt” é meu maior argumento, sim.

    Neste caso específico do Genoino, acho ainda pior. Algo como que uma turma ligada ao ex-deputado, ex-presidente do partido, se autorizasse a dar corretivos, sopapos, empurrões etc em quem lhes convier, por “julgar” à revelia das leis brasileiras, que Genoino é um herói nacional por que causas forem, coerentes ou não.

    Limites deveriam existir, sim, caso os tais jornalistas, comediantes ou qualquer um, acusassem Genoino sem provas. Neste caso resolveram pegar a escada da sua condenação de agora e fazer suas piadas (de bom ou mau gosto).

    Eu acho de mau gosto, sim.

    Mas não me dou o direito de julgar, muito menos de condenar, e menos ainda de aplicar penas como “corretivos”, “surra justa” e “sopapos”, ainda mais que estas, graças ao bons deuses da democracia, milhões de deuses, um sem número de gente de todos os países que lutaram para estabelecer o que chamamos hoje de estado de direito democrático, embaixo da maior lei geral, a tal Declaração Universal dos Direitos do Homem que garante que ninguém vai apanhar dos outros, mesmo que sendo criminoso.

    Ainda mais, caro Patriarca, tudo indica e o STF já julgou que sim, que Genoino cometeu seus erros.

    Não é porque Genoino é um cara importante para o PT, que Genoino não enriqueceu à frente do poder legítimo que teve (deputado, ex-presidente do partido etc), que Genoino tem uma história luta pelos direitos das minorias, que Genoino nunca entregou seus pares nem embaixo de surras nas sessões de tortura etc etc etc… que Genoino não possa ser criticado.

    Pode sim. E estas críticas podem ser de bom gosto, de mau gosto, de gosto duvidável, o que seja: lição do caso julgado na Suprema Corte americana que devemos aprender com ela. Neste caso as garantias de opinião e expressão foram muito bem defendidas quando colocadas à prova em seu extremo.

    O que não pode é que os legítimos simpatizantes do Genoino chamem a si o “direito” de se tornarem justiceiros. Nunca. Se partirmos para este caminho, melhor rasgarmos todo termo “democracia” que está escrito em nossa Constituição.

    É a tal questão, é duro pra caramba ler uma série de jornalistas que não gostamos, que escrevem barbaridades, que nos chamam de burros etc, mas temos que não só aceitar com gosto amargo em nossas gargantas, como lutar para que tenham este direito.

  89. Otto said

    Pax,

    acho que no caso de Genoíno ele não pode ser culpabilizado se um militante agiu de maneira mais agressiva ao ser provocado.
    Isto acontece em todas as eleições quando militantes de campos opostos se encontram em clima quente (neste caso a turba oposta era a imprensa histérica querendo produzir um factóde negativo). A única diferença é o enfoque distorcido e tendencioso da imprensa para tentar mostrar o PT como um partido de baderneiros. Aqui no Paraná há um deputado – creio que do DEM – com dois assassinatos nas costas. Você viu a imprensa fazendo alarde disso? Agora imagina se o cabra fosse do PT…

    Mais um texto para a contribuição do blog:

    “O alvoroço provocado pela notícia de que Marcos Valério pode ter informações comprometedoras contra Lula, Antônio Palocci e até sobre o caso Celso Daniel chega a ser vergonhoso.

    Desde a denuncia de Roberto Jefferson que Valério tem demonstrado grande disposição para colaborar com a polícia.

    Foi ele quem entregou a relação de 32 beneficiários das verbas do mensalão, inclusive Duda Mendonça.

    Conforme os advogados de um dos réus principais, ao longo do processo Valério fez quatro tentativas de oferecer novas delações em troca de uma redução de sua pena. As quatro foram rejeitadas.

    O estranho, agora, não é a iniciativa de Valério, mais do que compreensível para quem se encontra numa situação como a sua. Não estou falando apenas dos 40 anos de prisão.

    As condenações de José Dirceu e José Genoíno se baseiam em “não é possível que não soubessem”, “não é plausível”, “um desvio na caminhada” e assim por diante.

    Eu acho legítimo pensar que deveriam ser questionadas em novo julgamento, o que certamente poderia ser feito se tivessem direito a uma segunda instância, como vai ocorrer com os réus do mensalão PSDB-MG que foram desmembrados nestes “dois pesos, dois mensalões,” na antológica definição de Jânio de Freitas.

    Parece muito difícil questionar o mérito das acusações contra Valério. Ele participava de um esquema para levantar recursos de campanha. Mas seu interesse era comercial, digamos assim. Pretendia levantar R$ 1 bilhão até o fim do governo, disse Silvio Pereira, secretário geral do PT, em entrevista a Soraya Agege, do Globo, em 2006.

    Era o titular do esquema, o dono das agências de publicidade, aquele que recolhia e despachava o dinheiro, inclusive com carros forte e conta em paraíso fiscal.

    O estranho, agora, não é o comportamento de Valério. São os outros.

    É a torcida, o ambiente de vale-tudo.

    Ele teve sete anos para apresentar qualquer informação relevante. A menos que tenha adquirido o costume de criar dificuldades para comprar facilidades até com a própria liberdade, o que não é bem o costume dos operadores financeiros, seu silêncio sugere a falta de fatos importantes para revelar. Ele enfrentou em silêncio a denúncia do primeiro procurador, Antônio Carlos Fernando de Souza, em 2006. Assistiu do mesmo modo à aceitação da denúncia pelo Supremo, em 2007. Deu não se sabe quantos depoimentos a Justiça e a Polícia. Seu advogado, Marcelo Leonardo, um dos mais competentes do julgamento, escreveu não sei quantas alegações finais no STF.

    Nem mesmo quando , preso por outras razões, tomava porrada de colegas de presídio numa cadeia, lembrou que podia contar algo para se proteger?

    A verdade é que os adversários de Lula não conseguem esconder a vontade de que Valério tenha grandes revelações a fazer. Deveriam estar acima de tudo desconfiados e cautelosos, já que as circunstâncias não garantem a menor credibilidade a qualquer denuncia feita DEPOIS que um réu enfrenta uma condenação de 40 anos e não se vislumbra nenhum atenuante para amenizar a situação.

    É preocupante porque nós sabemos que é possível transformar versões falsas em fatos verdadeiros.

    Basta que os melhores escrúpulos sejam deixados de lado, as versões anunciadas sejam convenientes e atendam aos interesses de várias partes envolvidas. O país tem uma longa experiência com essa turma. Ela denunciou um grampo telefônico que não houve. Falou de uma conta em paraíso fiscal – do próprio Lula e outros ministros – que eles próprios sabiam que era falsa. Também denunciou uma caixa de dólares enviados do exterior para a campanha de 2002 que ninguém foi capaz de abrir para dizer o que tinha lá dentro.

    Na prática, os adversários de Lula querem que Valério entregue aquilo que o eleitor não entregou.

    O próprio Valério sabe disso. De seu ponto de vista, qualquer coisa será melhor do que enfrentar uma pena de 40 anos, concorda? Qualquer coisa.

    Do ponto de vista dos adversários de Lula, também. Qualquer coisa é melhor do que uma longa perspectiva de derrotas, não é mesmo? Talvez não por 40 anos mas quem sabe mais quatro?

    É por isso que os interesses das partes, agora, coincidem. O mocinho da oposição tornou-se Valério.

    No mundo do “não é possível”, do “é plausível”, do “não pode ser provado mas não poderia ser de outra forma ” as coisas ficam fáceis para quem acusa. A moda ideológica, agora, é acusar de bonzinho quem acha que a obrigação da prova cabe a quem acusa.

    E eu, que pensei que a presunção da inocência era um direito constitucional e fazia parte das garantias fundamentais. Mas não. Isso é ser bonzinho, é se fazer de ingênuo.

    No novo figurino, as coisas parecem verdadeiras porque não podem ser provadas. É a inversão da inversão da inversão. O movimento estudantil tem uma corrente que se chama negação da negação. Estamos dando uma radicalizada…

    A experiência ensina que há um meio infalível de levantar uma credibilidade em baixa. É a ameaça de morte, o que explica a lembrança do caso Celso Daniel.

    Os advogados dizem que Valério sofreu ameaças de morte. Já se fala nos cuidados com a segurança pessoal e da família. Também li que a Polícia Federal “ainda “ não decidiu protegê-lo.

    Algumas palavras tem importância especial em determinados momentos. A morte de Celso Daniel foi acompanhada por várias suspeitas de crime político mas, no fim de três meses de investigação, a Polícia Civil de São Paulo concluiu que fora crime comum.

    Um delegado da Polícia Federal, que seguiu o caso e até participou das investigações a pedido de Fernando Henrique Cardoso, chegou a mesma conclusão. O caso parecia encerrado. Os suspeitos estavam presos, confessaram tudo e aguardavam julgamento. Quem fala em aparelho petista deve lembrar que a investigação tinha o respaldo do comando da polícia do governo Alckmin e da PF no tempo de FHC.

    O caso saiu dos arquivos quando um irmão de Celso Daniel alegou que sofria ameaça de morte. Fiz várias entrevistas com familiares e policiais e posso afirmar que nunca ouvi um fato consistente. Nem um grito ameaçador ao telefone. Nem um palavrão no trânsito. Nem um empurrão no bandejão da faculdade.

    Nunca. Respeito aquelas pessoas, fomos colegas de luta no movimento estudantil mas aquilo me pareceu uma história sem consistência. Eu ia fazer uma matéria sobre essa denuncia mas aquilo não dava uma linha. Não havia sequer um fato para ser narrado. Nem um boato para ser desmentido. Nada. Fiquei impressionado porque eu havia entrado na história achando que havia alguma coisa, seja lá o que fosse. Nada. Mas a família conseguiu o direito até de viver exilada na França. O caso foi reaberto e, embora uma segunda investigação policial tenha chegado a mesma conclusão, o suspeito de ser o mandante aguarda o momento de ir a julgamento.

    Nos últimos meses, com o julgamento no mensalão, os adversários de Lula pensavam que seria possível reverter o ambiente político favorável a Lula, no país inteiro. É este ambiente que coloca a reeleição de Dilma no horizonte de 2014, embora muita enxurrada possa passar por debaixo da ponte. Mas, no momento, essa perspectiva, para a oposição, é insuportável e dolorosa – até porque ela não foi capaz de reavaliar suas sucessivas derrotas do ponto de vista político, não fez um balanço honesto dos acertos do governo Lula, o que dificulta aceitar que o país tem um presidente popular como nenhum outro antes dele, a tal ponto que até postes derrotam medalhões vistos como imbatíveis. No seu apogeu, a ideia de renovação sugerida por FHC foi descartada como proposta petista por José Serra. Assim fica difícil, né.

    (Vamos homenagear os postes. Essa expressão foi cunhada por uma das principais vozes da luta pela democratização, Ulysses Guimarães, para quem “poste” era o candidato capaz de representar os interesses do povo e da democracia, mesmo que fosse um ilustre desconhecido. Certa vez, falando sobre a vitória estrondosa do MDB em 1974, quando elegeu 17 de 26 senadores, Ulysses falou que naquela eleição o partido elegeria “até um poste.” Postes, assim, são candidatos que entendem o vento da sua época.)

    Semanas antes da eleição do poste Fernando Haddad, o procurador geral Roberto Gurgel chegou a dizer que ficaria muito feliz se o julgamento influenciasse a decisão do eleitor. Muita gente achou natural um procurador falar assim.

    Eu não fiquei surpreso porque sempre achei a denuncia politizada demais, cheia de pressupostos e convicções anteriores aos fatos. Eu acho que a denuncia confunde aliança política com compra de votos e verba de campanha com suborno, o que a leva a querer criminalizar todo mundo que vê pela frente – embora, claro, tenha sido seletiva ao separar o mensalão PSDB-MG, como nós sabemos e nunca será demais lembrar. Mas não achei o pronunciamento do procurador natural. Em todo caso, considerando a liberdade de expressão…

    Mas a fantasia oposicionista era tanta que teve gente até que se despediu de Lula, lembra?

    Embora o julgamento tenha caminhado na base do “não é plausível”, “não poderia ter sido de outro jeito ”e outras considerações pouco conclusivas e nada robustas, faltou combinar com o eleitor.

    Em campanha própria, com chapa pura, os adversários de Lula tiveram uma grande vitória em Manaus. Viraram a eleição em Belém onde o PSOL não quis apoio de Lula. Ganharam em Belo Horizonte em parceria com Eduardo Campos, que até segundo aviso é da base de Lula e Dilma.

    O PT cresceu no número de prefeituras, no número de votos em escala nacional, e também levou o troféu principal da campanha, a prefeitura de São Paulo. Mesmo com a vitória em Salvador, os partidos conservadores, à direita do PSDB, tiveram a metade do eleitorado reunido em 2008. Isso aí: perderam 50% dos votos.

    É neste ambiente que Valério passa ter importância. Quem não tem voto caça com Valério.”

    -http://colunas.revistaepoca.globo.com/paulomoreiraleite/

  90. Zbigniew said

    Há que se tomar cuidado com o que os mervais escrevem. O que a ex do Dirceu afirmou todos nós podemos fazê-lo. Assim como o Marcos Valério, principalmente depois de condenado. O Merval, como uma boa pena amestrada, vai forçar o fato político que dê guarida à tese do Procurador. E assim todos os demais articulistas da mídia conservadora.
    Provas?! Às favas com as provas. Quem precisa delas quando o STF acaba de chancelar sua desnecessidade? O processo de desconstrução do Lula, que há muito já vem em andamento, chega numa fase crucial, para que o alijamento do PT do poder central seja consumado. Será que conseguirão?

  91. Patriarca da Paciência said

    “O que não pode é que os legítimos simpatizantes do Genoino chamem a si o “direito” de se tornarem justiceiros. Nunca. Se partirmos para este caminho, melhor rasgarmos todo termo “democracia” que está escrito em nossa Constituição.”

    Meu caro Pax,

    eu nunca tentaria fazer justiça com as próprias mãos, você também nunca tentaria fazer justiça com as próprias mãos, todas as pessoas de bom senso também não fariam.

    É uma grande sorte para o mundo que a maioria das pessoas tenham bom senso.

    Mas existe uma regrinha básica do direito que diz mais ou menos assim, ” uma resposta, equivalente à ofensa, sempre será considerada legítima defesa.”

    Eu acho que o pessoal que partiu para a violência em defesa do Genoino está tão errado quanto os humoristas que foram lá fazer agressão.

    A diferença é que um praticou agressão e o outro praticou legítima defesa.

  92. Patriarca da Paciência said

    Meu caro Otto,

    “É neste ambiente que Valério passa ter importância. Quem não tem voto caça com Valério.”

    Frase lapidar do PML.

    Sinceramente, eu não vejo ninguém da esquerda preocupado com as “novas declarações do Valério”.

    O Valério que fale o que bem entender.

    Mas eu também acho que os políticos tem todo o direito de não serem criminalizados pelo STF na base do “não é possível que não soubessem”, “não é plausível”, “um desvio na caminhada” e assim por diante.

    Terá que haver uma reação política.

    E com força máxima!

  93. Elias said

    Zibgniev,

    Lá, acima, tu disseste:

    “O que ocorreu, então? Uma circunstância específica representada pela contrariedade do deputado Roberto Jefferson, Presidente de um partido da base de sustentação do governo, no caso dos Correios, abriu brechas que se sucederam e que atingiram um ponto onde esse mesmo governo não tinha uma convergência de forças capazes de sustentá-lo politicamente.”

    Discordo!

    Roberto Jefferson é um ser desprezível. Um marginal de alto coturno, que não necessita da violência pra delinquir, como os ferrados que partem pro assalto à mão armada e outras formas mais primitivas de delinquência. Mas Jefferson não é menos delinquente que qualquer um deles. Assim como o capacho do Cachoeira & quejandos.

    Tudo isso é verdade. SÓ TEM UM PROBLEMA…! UM GRANDE PROBLEMA…!

    O problema é: Roberto Jefferson não inventou histórias da carochinha. Aqui, ali e acolá ele pode ter exagerado. Aumentado um ponto ou mais. Nenhuma novidade nisso. Bandido mente. Bandido sempre mente. Mas, no geral, ele falou a verdade. Embora nem sempre apenas a verdade… Ainda assim, a verdade…

    Pelo que vi até aqui, Roberto Jefferson mentiu no varejo… Mas, no atacado, falou a verdade.

    Carinha do PT se deixou corromper? Verdade! Roubou? Verdade! Desviou dinheiro público? Verdade! Usou o produto do roupo para finalidades pessoais? Verdade!

    Reconhecer isso — e não menos que isso! — é o ponto de partida para o PT recuperar, pelo menos em parte, o conceito de que antes desfrutava, junto aos brasileiros decentes.

    Roberto Jefferson não inventou nada disso. Se fosse tudo invenção, ele estaria mais ferrado do que está. Mas o fato é que ele não inventou. Ele dedurou, porque, além de tudo, é um marginal vira-lata, do c… frouxo, que acaba soltando o que sabe. É um cagueta! Bocudo! Aí abriu a bocarra e, com o catarro nojento que saiu dela, empesteou seus comparsas.

    Mas o fato do Roberto Jefferson ser um marginal vira-lata, um cagueta, um dedo duro bocudo, não faz dos comparsas dele menos delinquentes do que são.

    O PT usou a porcada? Sim. Terá que continuar usando a porcada? Sim. No Brasil, nenhuma força política é forte o suficiente pra conquistar o poder e governar sozinha. Qualquer que seja ela, terá que usar a porcada.

    Mas, uma coisa é usar a porcada. Tanger a porcada. Tirar a porcada da pocilga todos os dias e devolvê-la. Outra, bem diferente, é se juntar aos porcos e fuçar junto com eles, na pocilga ou fora dela. Além disso, tem que ser capaz de nanter a porcada dentro da pocilga, sempre que necessário.

    Acho que essa é a grande lição do mensalão, que Dilma parece ter aprendido…

    Do ponto de vista político, a sorte do PT — dentro do seu azar… — é que a oposição é incompetente, e absolutamente contaminada pela mesma espécie de porco com a qual o PT se juntou. Observa que, na maior parte dos casos, as denúncias da oposição acabam funcionando como escarradas catarrentas pro alto…

    É o caso, p.ex., do Mário Tapiocouto. Ele fala em “limpeza” no Senado. Isso a mim me parece propaganda falada. Mário Tapiocouto está oferecendo serviços a seus pares.

    Está oferecendo seus profundos conhecimentos em como fazer o dinheiro ficar limpo… Bem lavadinho…

  94. Elias said

    Zibgniev,

    Onde está escrito: “Um marginal de alto coturno”.

    Entenda: “Um marginal rico”.

    Ser um marginal rico não livra o delinquente da sina e da pecha de ser um cagueta, vira-lata, bocudo e dedo duro…

  95. Zbigniew said

    Concordo com você, Elias.
    Ele caguetou e foi desprezível.
    Andou até ensaiando alguns recuos, principalmente em relação ao Lula. Parece que quando as pessoas estão prestes a encarar o Tribunal Supremo (e não este supremo daqui, feito por humanos), um exame de consciência se faz presente. Mas são só impressões.
    Citei-o por ter sido o pivô de tudo isso que findou no julgamento do mensalão.

    A lição para o PT, para mim, é a da deficiência no exercício do poder.
    Essa foi a maior de todas.
    A segunda é a da necessidade de renovação e de novas formas de alianças. Uma reforma política se faz premente. Isto está se dando até por um efeito colateral.
    A Dilma e o Haddad, entendo representantes das maiores vitórias do PT e do Lula, este que teve a grande sacada de apostar na renovação do partido.
    Infelizmente o PT não só tangeu a porcada como se pode verificar nos casos do Delúbio e do Celso Daniel.

    Quanto à oposição é isso mesmo que você disse: incompetente e desprovida de qualquer projeto para o país. Ter como candidato senior o José Serra secundado por um séquito de raivosos (que o diga a Soninha e seus adjetivos para o Haddad) é o fundo do poço.
    Sinceramente a cegueira é tanta que não foram capazes de enxergar no Chalita uma oportunidade ímpar de, não só manter a prefeitura de São Paulo, mas também de iniciar um processo de renovação bastante salutar. Mas é aquilo do velho que sufoca o novo. São uns incompetentes e é pra essa gente que o PT tem que estar dando satisfações.

    Mas perceba. O Lula começou um processo que tende a ser demorado, mas vitorioso se levado adiante: o da renovação do partido. Com o governo federal e a prefeitura de São Paulo, ainda tem muito com que barganhar no jogo de poder. Talvez agora, mais experiente nesta seara (ele tem a vantagem de ser humilde e aprender com os próprios erros) possa encaixar as peças certas nos momentos certos para enquadrar os adversários.

  96. Pax said

    Caro Otto, em #89

    Sim, em momento algum culpei Genoino pelo episodio. Achei inapropriado, para dizer o mínimo, o comportamento dos militantes que o acompanhavam.

    E também já tinha lido este texto do PML logo cedo, antes mesmo da curruíra mais madrugadeira acordar aqui. Ela que normalmente me acorda, mas hoje eu me adiantei. Achei bom. PML é um dos que leio com gosto. Mesmo discordando. Neste caso mais concordei que discordei do seu texto.

    Caro Zbigniew, em #90

    Sempre leio Merval, como qualquer analista político, simpático ou antipático tanto à situação quanto à oposição, com um pé atrás, procurando as brechas lógicas que deixam com frequência. Por isso que disse que: “a confirmar a ilação…”

    Sobre o processo de descontrução de Lula, que se assemelha ao processo de desconstrução de FHC, há que se ter equilíbrio para este enfrentamento. É inevitável, segundo meu achismo.

    Caro Patriarca,

    Concordo muito com teu comentário #91. Me permito discordar da última frase.

    Caro Elias, reaparecido Elias, saudoso Elias de todos os tempos,

    Seu comentário #93 deveria nortear o PT. É como vejo a tal necessidade de “expiar” os pecados. Já ganhei o dia por aqui.

  97. Otto said

    Pax, em # 96:

    admiro a sua elegância e educação. Muito salutar no ambiente virtual.

  98. Otto said

    Do Nassif, agora há pouco:

    “O que Marcos Valério ganha com esse jogo de cena com a Veja? Nada. Oferece à mídia carne fresca falsificada, esperando não ser devorado pelos leões. Essa nova denúncia – agora tentando requentar o caso Celso Daniel -, além de esgarçada, nada tem a ver com o “mensalão”. Portanto em nada ajudaria na eventual redução de pena de Valério – que terá que responder às penas do julgamento do mensalão petista e do tucano.

    O jogo é mais em cima. O grande advogado Marcelo Leonardo, com essa manobra, planeja um fogo de encontro para seus futuros clientes, os empresários mineiros que montaram a tecnologia do Valerioduto.

    Aoenas isso. Valério sempre se julgou esperto. Seus advogados são mais.”

  99. Otto said

    Olha, Edu, pra desmistificar algumas informações sobre o Bolsa Família:

    “O impacto no desempenho escolar das crianças cujas famílias recebem recursos por meio do Bolsa Família é o efeito mais surpreendente da implementação do programa, há nove anos. De acordo com a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, essas crianças têm níveis maiores de aprovação e índices mais baixos de evasão escolar.

    Em entrevista nesta quinta-feira (1) ao programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência em parceria com a EBC Serviços, a ministra destacou que, em 2010, enquanto 75% dos jovens da rede pública foram aprovados, a média de aprovação entre os jovens do Bolsa Família atingiu 80%. Além disso, a evasão de toda a rede escolar foi 11% e entre os estudantes incluídos no programa, 7%.

    “É a primeira vez na história que temos indicadores para a população pobre melhores do que para o conjunto da população. Esse é o elemento que mais temos que comemorar”, disse.

    Segundo a ministra, os resultados em termos de educação mostram que “quando as famílias recebem os recursos do Bolsa Família se apegam à oportunidade”, e os jovens se esforçam porque compreendem que o benefício depende de sua participação.

    Para receber o Bolsa Família, crianças e adolescentes entre 6 anos e 15 anos devem estar devidamente matriculados e cumprir frequência escolar mensal mínima de 85% da carga horária. Já os estudantes entre 16 anos e 17 anos devem ter frequência de, no mínimo, 75%.

    A ministra enfatizou que os resultados do Bolsa Família também ajudaram a provar que as famílias mais pobres sabem empregar os recursos que recebem para melhorar as condições de vida. Ela ressaltou que o programa não incentivou as famílias a deixar de trabalhar.

    “Todos os dados mostram que o emprego no Brasil cresceu exatamente nas regiões onde há mais beneficiários do Bolsa Família. [O programa] não só não gerou o efeito preguiça, mas também ajudou a dinamizar a economia nessas regiões”, disse, ao acrescentar que os recursos são usados principalmente na compra de alimentos, medicamentos, vestuário, material de limpeza e de higiene, além de melhorias nas condições das moradias e em transporte.

    Ela também destacou que a média de filhos por família entre os beneficiários do programa é 2,01, muito próxima à nacional: 1,9.
    Lançado em 2003 e implantado em janeiro de 2004, o Programa Bolsa Família atende a 13,7 milhões de famílias brasileiras com renda mensal até R$ 140 por pessoa. Atualmente, o programa integra o Plano Brasil sem Miséria.

    De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mais de metade (51,1%) dos beneficiados do Bolsa Família se concentra na Região Nordeste. Até o final de 2011, os estados com mais famílias assistidas eram Bahia (1,75 milhão), São Paulo (1,21 milhão), Minas Gerais (1,16 milhão), Pernambuco (1,12 milhão) e Ceará (1,08 milhão).”

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-bolsa-familia-e-seus-efeitos-pouco-conhecidos

  100. Otto said

    Golpe paraguaio:

    “Essa situação [a de Marcos Valério buscar acordo para fazer delação premiada] me faz lembrar a morte do tesoureiro do Fernando Collor — o PC farias, ele estava envolvido em um sistema de corrupção
 no gov Collor … o PC Farias foi assassinado, muitos dizem que foi queima de arquivo, até hoje o caso não foi resolvido….

    Será que estão criando um clima para assassinar o Valério e colocar a culpa no Lula… voltaram a falar sobre a morte do Celso Daniel, afirmando que foi queima de arquivo por parte do PT…

    Vejam que estranho: a Veja afirmou que obteve informações de “parentes e amigos” do Marcos Valério que o Lula seria o chefe do mensalão… é um texto cheio de contradições, porque nessa reportagem o M.Valério afirma segundo os “parentes e amigos” que em troca do silêncio referente ao Lula, o PT deu garantia que ele teria uma punição mais branda … não tem nexo, se isso fosse realmente verdade o Dirceu e o Genuino seriam absolvidos e ele não pegaria uma pena de 40 anos…

    Resumindo: o golpe está anunciado, se o Marcos Valério for assassinado, o PIG vai colocar a culpa no Lula-PT.

    O PT tem que acordar e reagir antes que seja tarde, não podem continuar apáticos, os indícios mostram que a direita-elite-demotucanos-Globo-PGR-STF estão obstinados para derrubar o governo trabalhista do PT a qualquer custo.

    O modus operandi dos golpistas é o mesmo que usaram para levar o Getúlio ao suicídio e derrubar através do Golpe militar o Jango.

    Não podemos permitir que mais uma vez a classe dominante derrube um governo voltado para a justiça social e desenvolvimento nacional…”

    http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/jc-flertando-com-uma-teoria-da-conspiracao.html

  101. Otto said

    Antes urgente, julgamento do STF é suspenso com viagem do relator

    Barbosa zarpou para a Alemanha. Mas ministro cumpriu o script: condenou Dirceu e Genoino antes da eleição

    por Carlos Lopes, na Hora do Povo, sugerido pelo trombeta

    Aos meses de fuzarca, de repente, substituiu o silêncio no STF.

    O que houve para vir, sem aviso, essa súbita paz? Onde está o intimorato Barbosa e os outros (cáspite!) mosqueteiros? Será que, como em Varsóvia no século XIX, reina a paz por falta de sobreviventes? Mas, estranhamente, ninguém morreu, nenhum vampiro foi transpassado por uma estaca, e também não se moveu do lugar a estátua que Ceschiatti fez da Justiça – continua ela onde sempre esteve: do lado de fora do prédio do STF, na Praça dos Três Poderes.

    Assim, onde estão aqueles apressados que queriam condenar – e condenaram – dirigentes políticos a toque de caixa, sem outra razão que não seja a perseguição política? Aqueles que nem queriam dar o devido tempo ao revisor para apresentar o seu parecer, onde estão? Que não queriam esperar ou gastar tempo com os procedimentos formais que caracterizam a Justiça brasileira há mais de 100 anos, cadê eles?

    Aqueles mesmos que não podiam esperar 45 dias – tempo da campanha eleitoral – para dar sua sentença: onde estão? Sim, onde foram aqueles que, para condenar, dispensaram, em poucas semanas, as provas, o in dubio pro reo, e, por falar no Direito Romano, antes de tudo, passaram por cima do princípio de que “onde não existe justiça não pode haver direito” (ubi non est justitia, ibi non potest esse jus)?

    Onde estão? Não há fumaça, aqui, que anuncie o bom direito (fumus boni juris). Pelo contrário, aqui, se há fumaça, é porque o bom direito foi torrado no forno.

    Bastou as eleições encerrarem as apurações, que não há mais pressa entre os apressados do STF. Alguns já preveem que o processo vá durar mais uns três meses, outros nem se arriscam a uma aposta – ou prognóstico.

    E todos falam que é preciso que o relator volte, ou que ele vai voltar logo, para que se termine com o negócio. Naturalmente, o problema não é se o relator vai levar pouco ou muito tempo para voltar, mas o fato dele sumir do tribunal nesse processo, sem que ninguém sinta que há qualquer anormalidade nesse sumiço. Imaginemos algo sério – por exemplo, em Nuremberg, se um juiz soviético ou norte-americano, sem substitutos, resolvesse sumir por uma semana. Estaria criado um charivari capaz de derrubar o resto do Reichstag, se é que deste ainda havia algo em pé.

    Mas, na Ação Penal nº 470, o relator pode sumir sem problemas – contanto que seja depois das eleições. Simplesmente, não há nada sério nesse suposto julgamento, exceto a condenação de inocentes, o atentado à democracia, ao Direito, em suma, à liberdade.

    E onde está o relator?

    O relator Barbosa está em Düsseldorf, na Alemanha (foi só a gente falar em vampiro…), cidade que hoje tem péssima fama quanto ao gosto musical e que não é mais a sede da indústria do aço alemã – dos Krupp, Thyssen e outros bandidos –, mas um centro financeiro tentacular — dos Krupp, Thyssen e os outros mesmos bandidos.

    Os fanáticos pela poesia vão lembrar que Heine nasceu nessa cidade – mas isso foi há muito tempo, um pouco antes de Napoleão conquistá-la, quando um sujeito nascido judeu podia se tornar um grande poeta alemão e escrever que sua cidade era muito bonita, desde que lembrada de longe.

    Porém, Barbosa, que não é dado a essas frivolidades (poesia?), foi lá para tratar das vértebras, que, segundo garantiu, estão em péssimo estado, depois de sua atuação como relator da Ação Penal nº 470. Só em Düsseldorf, certamente, existe um médico capaz de cuidar da coluna de sua excelência.

    Naturalmente, estão faltando ortopedistas no Brasil. Por isso, o relator foi para a Alemanha com o espinhaço em pandarecos. Não podia confiar seus costados a um brasileiro. Tinha que ser a um alemão. Deve ser por via ortopédica que ele absorveu a teoria do domínio do fato e outras curiosidades nazistas que permitem, mesmo sem provas, condenar os réus que a mídia e os golpistas que seguem a mídia querem condenar.

    Já dizia o velho lente da ortopedia nacional, o inesquecível professor Dagmar Aderaldo Chaves, de quem o autor destas linhas foi aluno, que certas posturas causam muitos problemas para a coluna. Com efeito, mas o professor, apesar de catedrático de quatro faculdades de medicina, era cearense de Mombaça.

    O relator Barbosa não podia confiar a coluna a um discípulo do grande Dagmar. Sabe-se lá, era capaz de aparecer outro cearense…

    Portanto, arrumou um alemão que descobriu na Internet – e que se diz ex-médico do papa, como se Sua Santidade precisasse de médicos milagrosos, logo ele, que é administrador desse condomínio aqui na terra.

    Entretanto, leitores, a questão é: por que a coluna do relator Barbosa aguentou até agora, impavidamente? Se a situação era tão ruim e ele queria se submeter ao tratamento alemão, por que não foi antes, e começou o processo depois? Que diferença fazia?

    Pelo jeito, apenas uma.

    Quer dizer que, passada a eleição, o processo pode demorar à vontade? Se a questão era tão urgente que quase causou uma briga com outros colegas, por que agora deixou de ser urgente — exceto porque a eleição já passou? O relator, naturalmente, podia recorrer a um especialista daqui mesmo (e há muitos que são ótimos), ou, se fosse de sua preferência, usar um analgésico, uma pomada, ou mesmo o tradicional emplastro Sabiá – e, ainda, tomar o infalível chá de sucupira, que é tiro e queda para dores de coluna. Mas ele nem piscou para deixar o processo inconcluso e viajar para a Alemanha. Ora, a urgência do processo…

    Os leitores certamente convirão que há poucas coisas que apontem tanto para os inconfessáveis interesses que presidiram (e relataram…) as condenações de José Dirceu e José Genoino, quanto essa súbita, apesar de breve, incursão pós-eleitoral de Barbosa pelas margens do Reno. Quando se perde até o senso das conveniências, é porque a verdade, apesar de todas as tentativas de sepultamento, permanece viva e batendo como um coração denunciador, além da vontade dos — e em desafio — aos seus coveiros. E nem falemos no desrespeito ao povo, porque, realmente, parece escárnio e deboche.

    -http://www.viomundo.com.br/denuncias/carlos-lopes-passadas-as-eleicoes-pressa-do-stf-sumiu.html

  102. Elias said

    Otto,

    Essa história do Joaquim Barbosa viajar pro exterior — e faltar ao trabalho! — alegando tratamento de uma doença incurável, é antiga.

    Faça uma compilação das notícias sobre ele, veiculadas na imprensa antes de 2012. A maior parte tem como causa as viagens dele, sempre pra tratamento dessa doença… Ou de outra… Ou de outra… Sempre que era criticado por isso, ele saía distribuindo porrada pra tudo que é lado…!

    Aí veio o mensalão e o Joaquim Barbosa aproveitou pra dar uma recauchutada na imagem dele. Acabou saindo bem nas fotos, principalmente nas fotos publicadas pela Veja, que atribuiu a ele a inverossímel façanha de ter “mudado o país” (vai ver que o Brasil foi de (o cacófato é proposital) mudança para o Beco do Buraco Fundo, s/n — Fundos, fax-fone 77777-7777 — recados com a Noca, proprietária da casa da frente).

    Mas eu me enganei com o Joaquim Barbosa. Eu imaginei que ele fosse curtir um pouco a nova imagem, e somente em 2013 retomar as intermináveis viagens dele ao exterior — pra tratamento daquela doença, lembra? — e as faltas ao trabalho. Até escrevi um comentário sobre isso, mais acima.

    Pois o cidadão não esperou nem o fim do ano (e o início do recesso natalino, que antecede o recesso do final de ano, que é sucedido pelo recesso do carnaval, logo acompanhado pelo recesso da Quaresma, que…)!!!!

    Isso tudo porque o país mudou, né? Espero que o Joaquim Barbosa encontre o novo endereço, em seu breve regresso (o regresso terá que ser breve, a fim de que ele tenha tempo de viajar de novo, pelo menos mais umas duas vezes, antes do final do ano).

  103. Ana Isabel said

    Deixo aqui um vídeo detonando a rede globo, desmascarando essa farsa de empresa.
    -http://www.youtube.com/watch?v=oDvRxGNTs8k

    *** favor ver comentário #107 abaixo – moderador…

  104. Patriarca da Paciência said

    Fale-se o que quiser do Paulo Henrique Amorim, mas que ele acertou em cheio, acertou.

    O PHA vem alertando, desde o inínio do tal processo “mensalão”, que o alvo final de todo esse “MOVIMENTO” é o Lula e o PT.

    Vejam só o que já começa a acontecer:

    “As tentativas de tirar Lula do jogo recrudescem e estão concentradas, a partir de agora, no chamado “tapetão” – os diferentes ambientes judiciais para representações, investigações e julgamentos fraqueados a todos pela Justiça brasileira. Para a próxima terça-feira, o deputado Roberto Freire (PPS-SP) já anuncia a entrada de pedido formal à Procuradoria-Geral da República para que Roberto Gurgel e seus promotores iniciem um investigação específica contra o ex-presidente.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/84467/Cerco-sem-fim-empurra-Lula-a-candidatura-em-2014-Cerco-sem-fim-empurra-Lula-candidatura-2014.htm

    Infelizmente a tal “zelite” existe mesmo!

    Infelizmente o tal PIG existe mesmo!

    Infelizmente a tal “zelite” ainda ocupa boa parte dos postos de comando do Brasil, como já declarou o próprio Barbosão.

    Infelizmente a luta está apenas começando.

    Mas, felizmente, a contrário do que disse o Serra, quem saiu realmente RENOVADO dessas eleições foi o PT… e o Lula.

  105. Jose Mario HRP said

    Pax, entendido.

  106. Patriarca da Paciência said

    Minha cara Ana Isabel, comentário 103,

    muito interessante o vídeo.

    Eis aí uma prova mais que concreta que a Rede Globo manipula eleições.

    Uma prova cabal, incontestável e insofismável, muito ao contrário da tese do “domínio do fato”.

    Será que o STF não vai tomar nenhuma medida diante de uma prova tão gritante?

  107. Pax said

    Cara Ana Isabel, em #103

    Bem-vinda ao blog.

    Tive que colocar um traço antes do seu link do youtube que vc postou por problemas técnicos aqui. Desculpe-me, o problema é meu, não teu.

    Caro Elias, em #102,

    Me permito passar batido sobre as impressões pessoais que qualquer um tenha sobre os ministros Joaquim Barbosa ou Ricardo Lewandowski, ou mesmo qualquer outro, neste caso da AP 470.

    E deixo uma provocação: é possível apontar com objetividade as críticas ao trabalho realizado. Aqui que me parece mais relevante, ou que mereça consideração.

  108. Elias said

    Pax,

    Quando se trata de juízes, impossível separar o pessoal do profissional. Os atos profissionais dos juízes são, necessariamente, atos personalíssimos…

    Considero da mais alta relevância atentar para um ministro de Tribunal Superior que viaja para o exterior quando deveria estar trabalhando.

    Mais relevante, ainda, em se tratando de um ministro que foi várias vezes obvservado por seus pares, exatamente porque suas constantes ausências ao trabalho estavam prejudicando o funcionamento da Corte (segundo alguns ministros do STF declararam publicamente, os processos em mãos desse ministro simplesmente não tramitavam).

    Considero essas circunstâncias da mais alta relevância porque esse ministro está entre os servidores públicos mais bem remunerados do país. Ao que eu saiba, a remuneração de um ministro de Tribunal Superior do Brasil não é menor que a remuneração de seu congênere em países muito mais ricos. EUA, por exemplo.

    Também considero relevantes essas circunstâncias porque se trata de um ministro de Tribunal Superior que vem sendo apresentado à sociedade brasileira como alguém associado à moralização do país, o que implica, para esse servidor público, responsabilidades adicionais às que já lhe competem, pela alta relevância do cargo que ocupa.

    Se a doença de Sua Excelência é tal que o impede de trabalhar — tantas foram as vezes que o impediu — deve Sua Excelência pedir sua substituição no cargo, por alguém em melhores condições físicas…

    Ou, da forma como prefiro: quem não pode com o pote, não pega na rodilha…

    Quanto às críticas ao trabalho realizado, me preocupa que o Tribunal tenha deliberado com base no que não está no processo.

    Não que eu esteja convencido da inocência de qualquer dos condenados. Absolutamente não estou. Mas não confio em juiz que decide com base no que não está no processo. Pros meus valores, em processo judicial, o que não está no processo não existe.

    O mesmo critério será aplicado em julgamentos futuros? Quero ver.

    Os antecedentes — no TSE, p.ex. — não recomendam bem.

    O TSE cassou o mandato do Capiberibe (PSB-AP), com base na declaração de uma única pessoa, que alegou (e provou, ao que parece) ter recebido R$ 50,00 pra votar no dito cujo. Como estabelece a lei, o Capiberibe teve 24 horas pra se defender. Sua defesa não convenceu e ele perdeu o mandato de senador.

    Até aí, tudo bem.

    Só que, no mesmo ano (2002), a PF documentou sem sombra de dúvida (com filmagem, inclusive) o uso de avião do governo do Estado do Pará para servir à campanha de Simão Jatene (PSDB-PA). O TRE do Pará decidiu pela perda do mandato. O TSE decidiu que Simão Jatene necessitava, para sua defesa, de um prazo maior do que as 24 horas fixadas em lei. Daí que deu um prazo de 30 dias (a decisão não foi unânime, a bem da verdade).

    A partir daí, houve um verdadeiro festival de procrastinações. Houve, até mesmo uma tramitação equivocada, que implicou o reinício do processo desde o procedimento inicial.

    Aí o tempo foi passando, foi passando, até que… passou! O mandato do Jatene acabou, e o processo foi arquivado por esgotamento do objeto. Ele não poderia mais ser punido com a perda do mandato, né?

    Por que o tratamento ao Jatene foi tão diferente do tratamento ao Capiba, quando as provas contra o Jatene eram infinitamente mais contundentes, e com o selo da Polícia Federal?

    Não sei. Realmente não sei. Nunca soube de nenhuma justificativa do TSE. Pelo contrário, só soube de críticas de ministros do próprio TSE, que discordavam frontalmente das decisões majoritárias daquela Corte. Críticas que, ao que eu saiba, só foram divulgadas em alguns blogs, que reproduziram na íntegra as contundentes discordâncias desses ministros.

  109. Patriarca da Paciência said

    “Ficam as perguntas:

    – Que investigadores são estes que falam a Veja de depoimentos sob sigilo?

    – “Semanas antes do depoimento […]”, quem está mentindo, pois se o fax foi enviado em 22 de setembro e a reportagem saiu dia 15 de setembro (sabia-se antes dia 13 sobre a mesma), o período é de menos de uma semana entre reportagem “bomba” e fax para o STF e no meio disso tem o depoimento ao MPF e a briga intestina do advogado com a revista logo após a reportagem “bomba”.

    Fica muito evidente que se a entrevista “bomba” saiu logo após o depoimento de Marcos Valério ao MPF. Se isso ocorreu, a fonte de Veja está dentro do MPF e aí…

    Finalizando, a data do depoimento é fundamental para sabermos se o MPF é ou não a fonte de Veja.”

    http://novobloglimpinhoecheiroso.wordpress.com/

  110. Patriarca da Paciência said

    É, meu caro Elias,

    os poderes são harmônicos e iguais em direitos.

    Acho que o poder executivo e legislativo não devem se dobrar tão cordeiramente ao judiciário.

    Esse julgamento do tal “mensalão” realmente não foi convincente.

    A tese do “domínio do fato” é algo tão amplo que pode anular, até mesmo, a nomeação da maioria dos ministros do atual STF.

    Se não há provas cabais, como o próprio PGR admitiu, o procedimento correto seria manter as investigações até que as provas fossem definitivamente alcançadas.

    Aplicar teses, em processo criminal, não é algo sustentável.

    Respondendo ao Pax,

    se seria possível argumentar objetivamente contra o STF?

    O STF é que não foi objetivo ao recorrer a teses, em lugar de se basear em provas cabais e objetivas.

    Não foi apresentada uma única prova concreta, dentro dos autos, durante todo o julgamento, seja pelo PGR ou pelos ministros do STF.

  111. Michelle 2 said

    Chantagem no Palácio

    O empresário Marcos Valério sempre se comportou como um arquivo vivo.
    Todas as vezes que enfrentava dificuldades financeiras, ameaçava revelar os segredos que guardou do período em que era um dos homens mais influentes do governo Lula.
    Sempre que problemas cobriam o horizonte, ele o clareava lembrando os antigos camaradas das coisas que sabe e pode revelar.
    Nas circunstâncias em que era tomado pelo medo de que algo lhe acontecesse, saber muitos segredos o tranquilizava.
    Agora, condenado a quarenta anos de prisão por operar o maior esquema de corrupção da história, o mensalão, o empresário ameaça de novo contar o que sabe.
    Uma reportagem da última edição de VE JA mostrou que em setembro Valério mandou um fax ao Supremo Tribunal Federal pedindo proteção de vida em troca de informações.
    Ele também procurou o Ministério Público citando três personagens sobre os quais teria muito que dizer: o ex-presidente Lula, o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-prefeito de Santo André (SP) Celso Daniel. Valério diz ter muito a contar, inclusive sobre outros episódios que mancharam a reputação do PT e, assim como o mensalão, envolvem desvio de recursos públicos e corrupção.

    leia completo em http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/o-pais-quer-saber/chantagem-no-palacio/

    Eu não sei se o safado do Valerio fala a verdade ou está mentindo…mas a apuração da verdade interessa a todo mundo
    preocupado com política e ética.
    Ou não?

    O que sei é que lula anda muito quieto, se reunindo com MTB,ZD e ZG em Sampa,
    conforme afirmou o “insuspeito” 247 http://www.brasil247.com/+zq9xc
    O tempo dirá.
    hehehe

  112. Pax said

    Caros Elias e Patriarca,

    Se é possível argumentar objetivamente contra o STF? Talvez seja melhor recolocar a questão, na minha opinião, assim: É possível argumentar objetivamente contra a decisão condenatória de 8 a 2 para Genoino e Dirceu, considerando que foram julgados pela tal tese do “domínio do fato”?

    Sim, claro que é possível.

    Cá não tenho muito como entrar nesta seara, não conheço esse futebol, não entendo nada de leis. Sei o que vi do julgamento, a começar pela ministra Rosa Weber, a primeira vogal que votou após relator condenar e revisor absolver. Ela colocou a frase que ficou registrada, algo como: ao se juntar as provas materiais (e-mails, recibos, documentos, depoimentos, agendas de reuniões etc) monta-se um mosaico que tira qualquer possibilidade da existência de uma “dúvida razoável”. Ainda neste aspecto e sem me meter em jurisdiquês, se houvesse qualquer possibilidade da tal dúvida, seria mandatório que os juízes dessem o veredito de inocente, baseado na tal “na dúvida, o réu ganha” que me parece incontestável no tal estado de direito.

    E aí é que se entra na discussão objetiva. Existem fundamentos legais, doutrinas que permitem julgar a partir dessa tal tese?

    De novo, segundo o que vi do julgamento, vários ministros trouxeram um bocado de fundamentos dizendo que sim.

    O resto é discussão subjetiva. Nada impede que entremos nela, ora bolas. Mas vamos ficar nestas questões se fulano ou beltrano trabalha muito ou pouco, bem ou mal, se tem preferências por isso ou por aquilo, se gosta de cerveja ou vinho etc. E aí temos que “julgar 11 juízes”. Ou, pior, fazermos juízos sobre uma tal teoria da conspiração geral.

    Outro ponto é analisarmos o comportamento do Judiciário em qualquer instância. E claro que podemos fazer umas trezentas milhões de críticas de julgamentos que consideramos incorretos, ou empurrados de barriga até prescreverem etc etc etc. E existem mesmo. Às pencas.

    Tudo é válido. Claro que é.

    Mas o ponto é o ponto e acho interessante mesmo pensarmos sobre ele. Qual seja: houve ou não os tais erros do PT? Se houve, quem errou? Podia ter errado diferente? Valeu a pena o erro? (o caro Zbigniew fez uma análise super interessante acima) Tem como sair dessa?

    E ainda outra questão importante, baseada no tal ditado que uma chilena me disse ontem, sobre outro tema: com a cagada feita, o negócio é colocar o preço.

    Aliás, quer saber, aqui que me parece o grande ponto. Qual é este preço?

    E chego no ponto onde sempre quis chegar: o futuro do PT é um preço a se pagar?

    Me parece que não. Meia dúzia de mortos haverá. Mas a instituição deve ser preservada. É o que acho.

    E… lembro, de novo, a música “… sou feliz, sou um homem feliz… e quero que me perdoem, por este dia, os mortos da minha felicidade…”

    Agora mesmo tem gente morrendo. Pela boca, por besteira, fora de qualquer processo ou julgamento. Por conta dos absurdos que andam falando na imprensa sobre a AP 470. Estou vendo um bocado de mortes deste meu “ponto de observação”. Gente que, com certeza, nunca mais poderá estar na lista do plano de renovação de lideranças que parece se ensaiar.

  113. Michelle 2 said

    Concordo com o Pax.

    Mortos não enterrados começam a feder…cada dia mais!

  114. Olá!

    A bem da verdade é que os petistas estão inconformados que membros da alta cúpula do partido tenham sido condenados por coisas tão singelas como formação de quadrilha e peculato. Fossem os condenados de um outro partido, essa gente não estaria dando a mínima para seja lá qual fosse os procedimentos utilizados pelo STF e muito menos estaria buscando explicações alhures para justificar seja lá o que fosse.

    São as viúvas do Mensalão.

    Chorem, viúvas mensaleiras! Chorem, viúvas do José Dirceu!

    Mas podem ficar calmas, meninas! Vocês terão muito tempo para visitar o ídolo de vocês quando ele for encarcerado. Portanto, preparem aquela lingerie bem sensual, façam uma francesinha nas unhas, dêem um trato no cabelo, coloquem aquele salto-alto e depilem a baratinha (podem fazer também alguma coisa estilizada, tipo a estrela do PT), pois o homem é exigente.

    Ah, sim: Não esqueçam a refeição pós-nupcial. Caso o marido de vocês não estivesse em uma penitenciária, daria para levar algo mais sofisticado, como lagostas, um bom vinho e coisas tais. Mas como se trata de um presídio, levem o tradicional pão com mortadela, até porque os colegas de cela dele irão querer um pedaço também.

    Até!

    Marcelo

  115. Patriarca da Paciência said

    Especialmente para as viúvas do vampirão:

    Pres. Zezinho: meu kit gay é mais rosa que o do Haddad

    SIMPATIZANTE: O pres. Zezinho costuma levar seu pitta de estimação para passear na parada Gay, só para vê-lo abanar o rabinho satisfeito.
    O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, sabe que a luta política não é lugar para mariquinhas.

    Por isso, o Presidente de Nascença não tem medo de enfrentar os temas mais delicados, e age como entendido nesses assuntos.

    É o que ficou provado ao lançar hoje um desafio a seu oponente na eleição-treino para a prefeitura de São Paulo. O pres. Zezinho desafiou o poste do usurpador do planalto para participar de um campeonato de kits gays. E foi além, dando uma vantagem ao oponoente. Se o adversário ganhar, terá o direito de presidir a Parada Gay de São Paulo até 2015. Se o pres. Zezinho ganhar, vai presidir a Parada Gay de São Paulo apenas em 2013.

    Segundo o Almirante do Tietê, seu kit gay é mais rosa que o de seu oponente, e tem um estilo mais contemporâneo, seguindo as últimas tendências da Sheridan Square, em NY, e das ruas de Vauxhall, em Londres. O pres. Zezinho comparou conteúdos e disse que o kit gay tucano é muito melhor: esse kit gay petista não passa da Av. Vieira de Carvalho, teria afirmado.

    O pres. Zezinho revelou que, além de ser bem chinfrim, o kit gay petista continha celulares ultrapassados e dólares do mensalão.
    O Mais Tolerante dos Brasileiros aproveitou o desafio para criticar a política externa dos governos petistas, dizendo que o Brasil deveria abrir-se mais para as parcerias com os EUA, como o Acordo Caracu EUA-Brasil, proposto por ele, e no qual o Brasil entraria com a retaguarda. Por isso, disse que seu kit gay tem um poster do Village People e um DVD da Gloria Gaynor, enquanto o kit gay do PT tem apenas um CD dos Secos e Molhados e uma foto pequena da Elke Maravilha.

    Alguns setores da UDN assustaram-se com a destemida proposta do pres. Zezinho, temendo que ela afastasse a parte de seu eleitorado que está mais preocupada com o fiofó alheio do que com a qualidade de vida na Paulicéia.

    AMIZADE E FIDELIDADE: O pres. Zezinho mandou vir do RJ um pastor que gosta de perseguir a bicharada.
    Entretanto, dos caudalosos e fedorentos esgotos da Caverna do Ostracismos jorram versões tranquilizadoras. Na verdade, por trás da aparência tolerante e anti-homofóbica, o kit gay do pres. Zezinho conteria filmes com propaganda subliminar contra a bichice. Ao vê-los, adolescentes e professores passariam a ter vontade de discriminar os viados e assemelhados publicamente, e de chamar a bicharada de doente, possuído, pecador, anormal e outras verdades ensinadas pelo pastor $ilas Malacheia em suas prédicas cheias de caridade cristã e respeito ao próximo.

    QUADRILHA: A UDN paulista fez uma bela festa junina para comemorar o lançamento do kit gay do pres. Zezinho.
    Assim, na verdade, o kit gay do pres. Zezinho seria um kit anti-viadagem, em uma jogada sensacional concebida pelo seu Majestoso Encéfalo para a campanha anti-viadagem que ele vem travando ombreado (mas sem esfregar os braços) com o pastor $ilas Malacheia.

    Comentário da tia Carmela

    Não sei porque você ainda perde tempo querendo saber essas histórias do Zezinho quando era criança. Ele sempre foi assim, falava uma coisa e fazia outra e acusava os outros de fazer o que ele fazia.Não mudou nada…

    http://tiacarmela.wordpress.com/2012/10/15/pres-zezinho-meu-kit-gay-e-mais-rosa-que-o-do-haddad/

  116. Jose Mario HRP said

    Lula anda muito quieto?
    Depois de dois meses de comícios?
    Está é de molho por tantas viagens, mesmo ele, após tanto esforço, num pós cancer!

  117. Jose Mario HRP said

    Vendo Nelson Xavier, o ator, em entrevista no programa Starte, me peguei vendo -o falar sobre Joaquim Barbosa e sua obra no processo 470.
    Nelson elogia a Barbosa como uma fonte de esperança na reformulação da politica e da ética no país.
    Me perguntei pela primeira vez se Barbosa é mesmo um paladino, um ingênuo útil ou um belo cínico/hipócrita?
    Quem responde a essa pergunta?
    Nelson o elogia porque necessita , quer acabar com a bagunça que é a corrupção e a roubalheira de nossa politica, mas e Barbosa?
    O que o levou e a outros (menos Gilmar e Ayres Brito, um perfeito serviçal, outro madalena arrependida perante o “deus” PIG) a usar desses sistemas lógicos(sic) de enquadrar e julgar criminosos(?)?
    Amor a Pátria?
    Ou politica suja?
    Profissionalismo técnico ou perverso jogo de poder?
    O Congresso Nacional deve mudar as atribuições do STF?
    Suas prerrogativas?
    Devemos deixar tanto poder, incluso o normatizador, nas mãos de humanos que se mostraram tão sujeitos ao clamor de massas amorfas, iludidas pela má informação ou ao jeito de seletivamente informar e mostrar a mesma?
    Devemos dar a esse orgão o poder e e meios para tanto assim, não sendo nenhum deles representante legal e legitimamente eleito pelo povo?
    A massa está contente(mesmo que seja só parte do povo, a tal e tão moralista classe média, mal e porcamente informada .
    E nós que não caímos na esparrela encenada nesse julgamento, o que devemos exigir do Congresso?

  118. Chesterton said

    Pax, o PT não errou, o PT é criminoso. A instituição toda é uma máfia. A única coisa que itneressa ao país é o desaparecimento da Máquina do Crime.

  119. Zbigniew said

    HRP,

    Entendo que não se deva mudar as atribuições do STF.

    Deve-se sim equilibrar o jogo de poder que, inadmissivelmente, pende negativamente para um partido que tem feito um bom governo, reconhecido pela grande maioria da população, inclusive num momento de pleno emprego e de uma crise internacional sem precedentes. Acho que tem muito a ver com o custo das ditas alianças espúrias. O preço é bastante alto.

    Com essas credenciais era para o PT ousar mais, reconhecendo a dificuldade em circular por entre estruturas de natureza conservadora, erigidas e preponderantes desde a República. Mas nada é tão coeso que não possa se romper.

    Nesta seara o PT já vem vacilando há um bom tempo, e é bom ter em mente que só o voto ou o apoio popular não garantem a estabilidade de um governo. É necessário trabalhá-los em prol de um projeto do poder.

    Entretanto fez bem o Lula em não fomentar, por hora, um confronto direto com o STF e o consórcio midiático. A população não entenderia, e com a dificuldade de comunicação do governo (só a internet não daria sustentação para um tema tão complexo), a desvantagem seria grande.

    Acredito que a intuição política do Lula está dando as cartas e esperando o momento certo para dar o bote. Eu, sinceramente, torço para que isso aconteça.

  120. Chesterton said

    SÃO PAULO – Leitores ficaram bravos com a Folha por causa do editorial em que ela defendia que os mensaleiros não fossem para a cadeia, já que seus crimes não envolveram violência física. Acompanho a posição do jornal, mas admito que a questão é espinhosa. Tratamos aqui de um dos mais complicados problemas filosóficos da atualidade.

    Por que prendemos alguém? De uma perspectiva racional, há dois objetivos. A reclusão tira o criminoso de circulação, impedindo-o de voltar a delinquir, e serve de exemplo para que outros não o imitem. O problema é que, na maioria dos casos, podemos obter o mesmo efeito sem recorrer à prisão. Banir o sujeito do mercado evita que ele volte a cometer fraudes financeiras, e multas milionárias são um bom freio a imitadores.

    Essa hipotética solução, porém, não satisfaz à maioria. Aqui saímos do terreno da racionalidade para adentrar no reino das intuições morais. Em nossas mentes, o facínora que comete o delito intencionalmente merece um castigo especial.

    A dificuldade é que ainda não conhecemos suficientemente bem o cérebro para definir o que leva alguém a perpetrar um crime, mas já sabemos o bastante para dizer que a noção de intencionalidade com a qual nosso senso comum opera está errada. Uma série de experimentos neurocientíficos nos deixa perto de concluir que o livre-arbítrio é uma ilusão. Se aceitamos essa tese, a pena reservada ao sujeito que assassina a mulher não deveria ser diferente da do que a mata acidentalmente, e contra isso nossas mentes se revoltam.

    O paradoxo é inevitável. Um direito que ignore as intuições de seus jurisdicionados seria um fracasso, mas tampouco podemos abandonar a missão civilizacional de reduzir o sofrimento evitável. Resta lapidar o paradigma, tornando cada vez mais raras as penas privativas de liberdade, que não se distinguem muito da vingança, mas num ritmo que não destrua a credibilidade da Justiça.

    Hélio Schwartsman

    chest- certos erros só podem se cometidos por filósofos (de araque). Essa besta não percebe que o próximo passo é não a equivalência do acidente com o crime, mas sim a premiação do crime, com dinheiro, poder e prestígio, como se dá na selva.

  121. Pax said

    Bem, caro HRP,

    Vamos refletir um pouco.

    Como dizem os caiçaras, “antes tempo” (antigamente) reclamávamos da corrupção e usávamos este argumento ad nauseam. Quem era oposição afirmava que sem um governo mais ético e moral não haveria um futuro promissor. Essa era uma das principais bandeiras do PT.

    E não era só o PT que defendia esta bandeira. Oportunistas apareceram, foram escolhidos pelos barões e chegaram a derrotar Lula em eleiçõe com farsas históricas da política nacional. Depois, como madalenas arrependidas, descontruíram o mito que tinham acabado de criar. Chegaram – vamos nos lembrar – a promover um tal caçador de marajás para tal tarefa como opção para uma eleição que derrotasse um eventual governo que parecia querer quebrar a banca, desestruturar um sistema que tinha nos patrões financeiros, industriais e rurais a matriz geradora de toda e qualquer possibilidade de governo. Esta tal matriz jamais admitiria alguém que representasse o sindicalismo, a classe trabalhadora etc etc.

    Buenas, o povo, bravo povo brasileiro, cansou. A carestia venceu o modelo de poder e a sociedade chegou nas urnas e disse que não queria mais, pedia mudanças. Mesmo depois de uma moeda estabilizada que já melhorava um bocado a vida das pessoas. Mas não era suficiente. O povo queria mais, queria o direito de ter sua geladeira cheia, queria comer iogurte, ter queijo e presunto (prefiro mortadela), queria oferecer carne aos seus filhos, queria na verdade ter roupa e sapato novo, geladeira, tv, moto, carro, casa etc depois de resolvido o problema básico de passar fome.

    Lula chegou ao poder e não destruiu nada. Nem mesmo o modelão econômico, os bancos ganham ainda mais dinheiro, os industriais só pioraram porque eles mesmos (boa parte, não todos) esqueceram que viver nas costas do governo tem o risco de um dia o governo não aguentar mais carregar incompetência (no sentido mais puro da palavra, falta de capacidade de competir) e os grandes produtores rurais dispararam com o sucesso das exportações de commodities para alimentar um mundo cada vez mais populoso.

    Mas Lula teve sucesso, enorme sucesso. Enquanto seu antecessor saiu do governo com baixa aceitação, Lula, ao contrário, deixou o governo com alta aceitação e fez o sucessor. Dilma está aí. E está firme. Por mais que queiram atacá-la. Natural em política.

    Mas…

    Para governar Lula tinha duas opções. Como bem lembrou o Zbigniew acima, ou se dedicava mais profudamente às reformas ou se dedicava ao projeto que parece lhe ser nato: governar para melhorar a vida dos mais necessitados.

    Não vamos cair no erro de dizer que FHC nunca pensou assim. Não é verdade. Ele tentou e fez muita coisa positiva. Ele deve ser reconhecido (Itamar também) como o presidente que deixou o país pronto para Lula chegar e conseguir o que conseguiu. Nem, muito menos, vamos esquecer que Ruth Cardoso iniciou os programas assistenciais que depois foram melhor equacionados e implantados com mais eficiência.

    Mas FHC teve que ceder ao tal poder, e nem era tão afastado dele assim. As privatizações tiveram lá seus enormes “problemas”. A política era corrupta e exigiu de FHC toda sorte de pedágio, a reeleição cobrou do sociólogo honesto máculas, e o poder mais liberal não teve coragem maior de apostar numa classe consumidora que vinha da miséria com salários que não chegavam a saciar a fome e a economia o derrubou. Devíamos as calças, vendemos bons bocados do Brasil e continuamos devendo, enfim…

    Voltando ao Lula. A aposta foi buscar o sonho de melhorar a vida do povo em detrimento de se dedicar mais profundamente às reformas. (de novo, olhem os comentários do Zbigniew acima, os #67 e #79). E aí a opção passou da conta na questão ética e moral.

    O Congresso, faz tempo, adotou o modelo do “dá cá pra eu ver se você pode tomar lá”. E a cúpula petista achou que saberia “usar” tal modelo sem riscos. Tudo indica que sim. A contragosto ou não, não estou julgando pois não sei como foi a decisão de virada do botão para o modo “foda-se – vamos fazer o que viemos fazer e pronto”.

    Aí a coisa foi complicada mesmo. E houve, no meu entendimento, soberba e burrice. Para adotar o modelo viciado foram logo com muita cede ao pote. Ao ponto de nem se preocuparem em disfarçar muito. Tipo: pega lá aquele aquele modelão que a oposição inventou e manda bala. Chegaram ao absurdo de mandar o tal operador em viagens internacionais em nome do partido, para negociar propina de telecom para saciar sabe-se lá muito bem quem e porque. (toda vez que meu link me incomoda, ou seja, sempre, me lembro deste episódio …).

    Em outras palavras, não só se igualaram nas questões da corrupção, como colocaram o partido na situação que agora se coloca:

    É, então, mais corrupto que os governos passado? Se não for, é igual?

    Às vezes a verdade dói pacas, mas precisa ser espiada para ser expiada.

    A oposição é fraca, não conseguiu até agora uma bandeira para chamar de sua. Não existe proposta que comova (penso em escrever um post sobre isso, antes de reiniciarmos nosso acompanhamento do mensalão). E vai atacar Lula por todos os lados. Faz 10 anos que não tem mais o que fazer.

    Só que isto não quer dizer que Lula não tenha que se defender. Tem, sim. Não há ninguém à acima das leis.

    E a oposição esquece que quem vai disputar 2014 é Dilma.

    Provavelmente a presidente vai em defesa de seu criador e aí abaixará sua guarda e se exporá aos socos, que há muito deixaram quaisquer regras. Vale chute no saco, dedo no olho e cotovelada na nuca. Sem nunca esquecer que o próprio PT não tinha regras quando estava na oposição e socava da mesma forma.

    É o jogo.

  122. Pax said

    Este artigo do Hélio Schwartsman é bom para pensar.

    Cá do meu canto reclamo um bocado de corrupção. Acho que, no extremo, a corrupção mata de fome quando leva o dinheiro da merenda escolar para a compra do iate do deputado ou senador corrupto, ou do empresário que vende frango estragado para as escolas públicas.

    Mas a ponderação merece consideração, sim.

    Um torturador assassino merece a mesma pena de quem rouba um pacote de biscoito para dar ao filho com fome? Todos vamos concordar que não.

    O primeiro parece merecer cadeia sem o tal direito de progressão de pena, sei lá, me parece muito cruel a família do torturado morto ver um cara desses solto depois de somente 6 anos na cadeia.

    Um torturador assassino merece a mesma pena que um deputado corrupto que monta um esquema para levar 20% do dinheiro da construção da escola?

    Sei lá, mas esse tal deputado sair “limpinho da silva” sem passar ao menos umas férias de 30 dias na cadeia me parece muito leve. Depois dele saquear a construção da escola ele vai querer o dinheiro da tal merenda…

  123. Patriarca da Paciência said

    Me ocorreu uma “visão” meio fantasmagórica.

    Digamos que o Lula, desde que indiciado, resolva simplesmente falar toda a verdade, simplesmente a verdade, nada mais que a verdade.

    Alguém que duvida que todo o castelo de cartas do Legislativo, Executivo e Judiciário implodiria?

    Ou alguém acha que o Reinaldinho, o Augusto Boçal e toda a turma do PIG sejam puros e imaculados?

    Bom, acho que, realmente, a coisa está chegando no limite!

  124. Elias said

    Pax,

    1 – Não acredito na inocência de nenhum dos condenados. Pra mim, todos se sujaram.

    2 – Acontece que, pelo que ficou demonstrado, não foram “acostadas” (como esse pessoal diz) aos processos, provas contra alguns dos acusados. Por que? Sei lá! Por incompetência ou desídia de quem investigou, provavelmente…

    3 – Se não tem provas, rapaz, tem que inocentar, mesmo que, pessoalmente, tu e mais alguns milhões de pessoas — entre as quais me incluo — estejam convencidos da culpabilidade do réu. É nisso que se baseia a Justiça nos países civilizados. Todos são inocentes até que se prove o contrário. Não provou a culpa? Então o desgraçado deve ser declarado inocente, mesmo que não seja… Estado de direito é isso.

    4 – Quero ver se, nos casos que ainda há pra ser julgados, de pessoas acusadas do cometimento do mesmo crime, o STF também vai condenar sem provas. Isso se um dia julgar essas pessoas… (com base nos antecedentes dos Tribunais Superiores do Brasil, eu, Elias, duvido que o STF julgue esses casos, num horizonte de, pelo menos, 10 anos…!). E, condenando sem provas, quero ver se essa condenação será aplaudida pelas mesmas pessoas que aplaudem a condenação de agora.

    5 – Quanto às acusações ao Lula, duvido que o Valério tenha algo minimamente consistente. Ele tá ferrado, sabe que tá ferrado, e blefa. Se o mensalão tucano for julgado (o que duvido), o Valério vai se ferrar ainda mais. Ele está acabado, e sabe disso.

    6 – Provavelmente vai ser assassinado, ou vai sofrer algum acidente fatal, antes de depor contra os tucanos. Aí a vinculação dele com o assassinato do Daniel pode ajudar a embaralhar as coisas…

    7 – Do ponto de vista político, principalmente do ponto de vista político-eleitoral, creio que o PT não tem muito com que se preocupar. A oposição, sim, é que só tem o mensalão pra se agarrar. Mas, enquanto o mensalão tucano não for julgado, todas as vezes que os tucanos falarem no mensalão, será o mesmo que falar de corda em casa de enforcado.

    8 – Por que? Porque os mensaleiros petistas foram denunciados, processados, julgados, condenados e banidos da política partidária, enquanto que os mensaleiros tucanos — que, aliás, criaram e desenvolveram essa modalidade delinquente — continuam usando as trapaças de sempre pra evitar o julgamento.

    9 – Com o julgamento do mensalão rolando, e a mídia dando a ele o máximo de repercussão, o PT venceu a eleição para a Prefeitura de São Paulo, um dos municípios mais difíceis pro partido. Na semana da eleição, já no 2º turno, a TV Globo deu uma matéria de fundo no JN, como se o julgamento tivesse acontecido no dia anterior (tinha sido na semana anterior, né?). Mesmo assim, deu no que deu…

    10 – Onde e quando o PT perdeu, não foi por causa do mensalão. Aqui em Belém, p.ex., o PT nem passou pro 2º turno. É que, em 2012 o PT de Belém praticamente só jogou com o pessoal “dente-de-leite”. A maior parte dos candidatos a vereador nunca tinha disputado uma eleição na vida. O candidato a prefeito nunca havia disputado uma majoritária. Quando o PT venceu pela primeira vez em Belém, em 1996, ele nem havia participado de eleições. É o tal processo de rejuvenescimento do quadro partidário, que já começou. Se vai dar certo ou não é outro papo. Mas tá rolando…

    11 – Por fim, Pax, destaco:

    11.1 – A Dilma soube manter a si mesma e ao seu governo, longe das trapalhadas mensaleiras. Tanto que seu nível de aprovação não foi nem arranhado pelo julgamento do mensalão (no que a ajuda da oposição que tá se concentrando no Lula, como se ele e não a Dilma, fosse o adversário de 2014…).

    11.2 – O brasileiro não confia na mídia. Sabe que ela está comprometida partidariamente e não dá a menor bola pro que ela mancheteia. No frigir dos ovos, a grande imprensa faz muito sucesso junto à galera antipetista. Gente que não está nem aí pra moralidade, ética, justiça, etc. O que esse pessoal quer, mesmo, é ferrar com o PT, porque tem medo do PT. Sabe que o PT aprendeu a jogar o jogo do poder, e que, por isso, ficou difícil pra galera… A mídia joga pra essa galera, mas não agrega nada a essa campo político. É só analisar friamente o que aconteceu em 2010 e agora, em 2012.

    11.3 – O brasileiro não confia no Judiciário brasileiro. O brasileiro médio acha que o Judiciário é um dos mais avacalhados poderes da República. É lento, ineficiente e injusto. O brasileiro médio acredita firmemente que o Judiciário é o poder mais manipulável da República. É axiomática a afirmação de que, no Judiciário brasileiro, quem pode mais ($$$) sempre se dá bem. E sabe que o Judiciário é o poder mais difícil de se moralizar, porque é um poder que funciona em regime de autogestão, e usa o poder que tem para se proteger a si mesmo contra a fiscalização do cidadão. Isso garante a imunidade do Judiciário, mas não a credibilidade. Vai daí que é um poder desacreditado. Dificilmente produzirá alguma influência política, para o bem ou para o mal. Simplesmente não tem credibilidade. E, por suas ações em conjunto ou pelo proceder de alguns de seus membros, o Judiciário brasileiro só faz piorar as coisas.

    11.4 – Conclusão: estamos caminhando pra mais uma vitória do PT em 2014. A oposição não foi capaz de desenvolver novas lideranças, e as velhas (em mais de um sentido), não dão conta do recado. A oposição casou todas as suas fichas no mensalão. Acontece que, se ele não botou ovo agora, muito menos o fará em 2014. Do jeito que as coisas vão, daqjui a dois anos teremos o FHC, o Serra e sei lá quem mais, de bengala e fralda geriátrica, fazendo campanha eleitoral com base em histórias do tempo em que eles eram jovens, bonitos, garanhões e davam três sem tirar de dentro…

  125. Chesterton said

    Para governar Lula tinha duas opções. Como bem lembrou o Zbigniew acima, ou se dedicava mais profudamente às reformas ou se dedicava ao projeto que parece lhe ser nato: governar para melhorar a vida dos mais necessitados.

    chest- na verdade, a primeira opção é pré-requisito para a segunda, o crime de Lula foi jogar para a torcida em vez de fazer reformas que garantem a prosperidade a longo prazo.

  126. Pax said

    Nao confia no Judiciário ?

    Neste caso nao é o que parece. Aí a mídia mostrou seu valor. Questionável.

    Enviado via iPhone

  127. Chesterton said

    Me ocorreu uma “visão” meio fantasmagórica.

    Digamos que o Lula, desde que indiciado, resolva simplesmente falar toda a verdade, simplesmente a verdade, nada mais que a verdade.

    Alguém que duvida que todo o castelo de cartas do Legislativo, Executivo e Judiciário implodiria?

    Ou alguém acha que o Reinaldinho, o Augusto Boçal e toda a turma do PIG sejam puros e imaculados?

    Bom, acho que, realmente, a coisa está chegando no limite!
    ————————————————————————————————

    chest- Patriarca, me diz uma coisa. Você não tem realmente idéia das bobagens que diz, não é? Você é quase um inimputável.

  128. Chesterton said

    Elias, você já ouviu falar de provas testemunhais. Cinco pessoas dizem ter visto fulano dar 3 tiros no sicrano, que morreu….mas não há video, documentos, não foi encontrada a arma, nem assinatura. O juiz vai inocentar por falta de provas? Estranho esse raciocínio…

  129. Pax said

    Teu ponto nao deixa de ter um tanto de razão, Chesterton, velho e bom Chesterton.

    Enviado via iPhone

  130. Olá!

    “[. . .] Estranho esse raciocínio…”

    É o raciocínio que apenas vale para petistas, <b<Chesterton.

    A viuvada mensaleira vai continuar com o chororô pelas próximas semanas, no mínimo.

    Até!

    Marcelo

  131. Chesterton said

    Marcelo, Elias é inteligente, não é como o Patriarca. Espero dele coerência.

  132. Patriarca da Paciência said

    “Patriarca, me diz uma coisa. Você não tem realmente idéia das bobagens que diz, não é? Você é quase um inimputável.”

    Chesterton, você acha realmente que o Valério é uma dinamite? Ou você é mesmo inimputável?

    Pois eu acho que o Lula é uma bomba atômica!

  133. Pax said

    Meu comentário #129 se referia ao comentário #125 do velho Chesterton, quando disse:

    chest- na verdade, a primeira opção é pré-requisito para a segunda, o crime de Lula foi jogar para a torcida em vez de fazer reformas que garantem a prosperidade a longo prazo..

    É que este meu link “Marcos Valério like”…

    Caro Marcelo Augusto,

    Achei o e-mail do FR. É fernando.rodrigues@grupofolha.com.br

    Porque vc mesmo não escreve para ele e pergunta sobre as tais matérias do tal dossiê Cayman?

  134. Chesterton said

    Pax, meu ponto é 100%.

  135. Chesterton said

    Pax, você é que deve explicações sobre porque acha o FR tão ducaralho.

  136. Olá!

    Então tá, Chesterton.

    Até!

    Marcelo

  137. Otto said

    peço aos amigos que leiam o seguinte texto com atenção:

    A vertigem do Supremo

    A tese do “mensalão” como um dos maiores crimes de corrupção da história do país foi consagrada no STF. Veja-se o que disse, por exemplo, o presidente do tribunal, ministro Ayres Britto, ao condenar José Dirceu como o chefe da “quadrilha dos mensaleiros”: o “mensalão” foi “um projeto de poder”, “que vai muito além de um quadriênio quadruplicado”. Foi “continuísmo governamental”; “golpe, portanto”.

    Os ministros do STF deliraram: não houve o desvio de R$ 73,8 milhões do Banco do Brasil, viga mestra da tese do “mensalão”. Acompanhe a nossa demonstração

    Em outro voto, que postou no site do tribunal dias antes, Britto disse que o “mensalão” envolveu “crimes em quantidades enlouquecidas”, “volumosas somas de recursos financeiros e interesses conversíveis em pecúnia”, pessoas jurídicas tais como “a União Federal pela sua Câmara dos Deputados, Banco do Brasil-Visanet, Banco Central da República”.

    Britto, data venia, é um poeta. Na sua caracterização do “mensalão” como um crime gigante, um golpe na República, o que ele chama de Banco do Brasil-Visanet, por exemplo? É uma nova entidade financeira? Banco do Brasil (BB) a gente sabe o que é: é aquele banco estatal que os liberais queriam transformar em Banco Brasil, assim como quiseram transformar a Petrobras em Petrobrax, porque achavam ser necessário, pelo menos por palavras, nos integrarmos ao mundo financeiro globalizado.

    De fato, Visanet é o nome fantasia da Companhia Brasileira de Meios de Pagamento (CBMP), responsável, no Brasil, pelos cartões emitidos com a chamada bandeira Visa (hoje o nome fantasia mudou, é Cielo). Banco do Brasil-Visanet não existia, nem existe; é uma entidade criada pelo ministro Britto. E por que, como disse no voto citado, ele a colocou junto com os mais altos poderes do País – a União, a Câmara dos Deputados e o Banco Central da República? Com certeza porque, como a maioria do STF, num surto anticorrupção tão ruim quanto os piores presenciados na história política do país, viu, num suposto escândalo Banco do Brasil-Visanet, uma espécie de revelação divina. Ele seria a chave para transformar num delito de proporções inéditas o esquema de distribuição, a políticos associados e colaboradores do PT, de cerca de R$ 50 milhões tomados de empréstimo, de dois bancos mineiros, pelo partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    No dia 13 de julho de 2005, menos de um mês depois de o escândalo do “mensalão” ter surgido, com as denúncias do então deputado Roberto Jefferson, a Polícia Federal descobriu, no arquivo central do Banco Rural, em Belo Horizonte, todos os recibos da dinheirama distribuída. Delúbio Soares, tesoureiro do PT, e Marcos Valério, um empresário de publicidade mineiro, principais operadores da distribuição, contaram sua história logo depois. E não só eles como mais algumas dezenas de pessoas, também envolvidas no escândalo de alguma forma, foram chamados a depor em dezenas de inquéritos policiais e nas três comissões parlamentares de inquérito que o Congresso organizou para deslindar a trama.

    Todos disseram que se tratava do famoso caixa dois, dinheiro para o pagamento de campanhas eleitorais, passadas e futuras. Como dizemos, desde 2005, tratava-se de uma tese razoável. Por que razoável, apenas? Porque as teses, mesmo as melhores, nunca conseguem juntar todos os fatos e sempre deixam alguns de lado. A do caixa dois é razoável. O próprio STF absolveu o publicitário Duda Mendonça, sua sócia Zilmar Fernandes e vários petistas, que receberam a maior parte do dinheiro do chamado valerioduto, porque, a despeito de proclamar que esse escândalo é o maior de todos, a corte reconheceu tratar-se, no caso das pessoas citadas, de dinheiro para campanhas eleitorais. E a tese do caixa dois é apenas razoável, como dissemos também, porque fatos ficam de fora.

    É sabido, por exemplo, que, dos R$ 4 milhões recebidos pelo denunciante Roberto Jefferson – que jura ser o dinheiro dele caixa dois e o dos outros, “mensalão” –, uma parte (modesta, é verdade) foi para uma jovem amiga de um velho dirigente político ligado ao próprio Jefferson e falecido pouco antes. Qualquer criança relativamente esperta suporia também que os banqueiros não emprestaram dinheiro ao PT porque são altruístas e teria de se perguntar por que o partido repassou dinheiro a PTB, PL e PP, aliados novos, e não a PSB e PCdoB, aliados mais fiéis e antigos. Um arguto repórter da Folha de S.Paulo, num debate recente sobre o escândalo, com a participação de Retrato do Brasil, disse que dinheiro de caixa dois é assim mesmo e que viu deputado acusado de ter recebido o dinheiro do valerioduto vestido de modo mais sofisticado depois desses deploráveis acontecimentos.

    O problema não é com a tese do caixa dois, no entanto. Essa é a tese dos réus. No direito penal brasileiro, o réu pode até ficar completamente mudo, não precisa provar nada. É ao Ministério Público, encarregado da tese do “mensalão”, que cabe o ônus da prova. E essa tese é um horror. No fundo, é uma história para criminalizar o Partido dos Trabalhadores, para bem além dos crimes eleitorais que ele de fato cometeu no episódio. O escândalo Banco do Brasil-Visanet, que é o pilar de sustentação da tese, não tem o menor apoio nos fatos.

    Essencialmente, a tese do “mensalão” é a de que o petista Henrique Pizzolato teria desviado de um “Fundo de Incentivo Visanet” R$ 73,8 milhões que pertenceriam ao BB. Seria esse o verdadeiro dinheiro do esquema armado por Delúbio e Valério sob a direção de José Dirceu. Os empréstimos dos bancos mineiros não existiriam. Seriam falsos. Teriam sido inventados pelos banqueiros, também articulados com Valério e José Dirceu, para acobertar o desvio do dinheiro público.

    Essa história já existia desde a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios. Foi encampada pelos dois procuradores-gerais da República que fizeram os trabalhos da acusação, Antonio Fernando de Souza e Roberto Gurgel, e transformada num sucesso de público graças aos talentos do ministro Joaquim Barbosa na armação de uma historinha ao gosto de setores de uma opinião pública sedenta de punir políticos, que em geral considera corruptos, e ao surto anticorrupção espalhado por nossa grande mídia, que infectou e levou ao delírio a maioria do STF.

    Por que a tese do “mensalão” é falsa? Porque o desvio dos R$ 73,8 milhões não existe. A acusação disse e o STF acreditou que uma empresa de publicidade de Valério, a DNA, recebeu esse dinheiro do BB para realizar trabalhos de promoção da venda de cartões de bandeira Visa do banco, ao longo dos anos 2003 e 2004. E haveria provas cabais de que esses trabalhos não foram realizados.

    A acusação diz isso, há mais de seis anos, porque precisa que esse desvio exista, pois seria ele a prova de que os R$ 50 milhões do caixa dois confessado por Delúbio e Valério são inexistentes e os empréstimos dos bancos mineiros ao esquema Valério-Delúbio, falsos e decorrentes de uma articulação política inconfessável de Dirceu com os banqueiros. Ocorre, no entanto, que a verdade é o oposto do que a acusação diz e o STF a engoliu. Os autos da Ação Penal 470 (AP 470) contêm um mar de evidências de que a DNA de Valério realizou os trabalhos pelos quais recebeu os R$ 73,8 milhões.

    No site de Retrato do Brasil é apresentado, a todos os interessados em formar uma opinião mais esclarecida sobre o julgamento que está sendo concluído no STF, um endereço em que pode ser localizada a mais completa auditoria sobre o suposto escândalo BB-Visanet. Nesse local o leitor vai encontrar os 108 apensos da AP 470 com os trabalhos dessa auditoria. São documentos em formato PDF equivalentes a mais de 20 mil páginas e foram coletados por uma equipe de 20 auditores do BB num trabalho de quatro meses, de 25 de julho a 7 de dezembro de 2005, depois estendido com interrogatórios de pessoas envolvidas e documentos coletados ao longo de 2006.

    A auditoria foi buscar provas de que o escândalo existia, mas, ao analisar o caso, não o fez da forma interesseira e escandalosa da Procuradoria-Geral da República e do relator da AP 470, Joaquim Barbosa, empenhados em criminalizar a ação do PT. Fez, isso sim, um levantamento amplo do que foram as ações do Fundo de Incentivos Visanet (FIV) desde sua criação, em 2001.

    Um resumo da auditoria, de 32 páginas, está nas primeiras páginas do terceiro apenso (vol. 320). Acesse aqui.

    Fonte: Retrato do Brasil

    http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=198029&id_secao=1

  138. Olá!

    Patriarca da Paciência,

    “Digamos que o Lula, desde que indiciado, resolva simplesmente falar toda a verdade, simplesmente a verdade, nada mais que a verdade.”

    Os petistas apenas se esquecem de um detalhe: Toda vez que alguém conta uma mentira, o Lula ganha um royalty.

    Até!

    Marcelo

  139. Olá!

    Pax, logo mais irei reler com mais atenção os critérios que você utiliza para colocar o Fernando Rodrigues na classe dos bons jornalistas.

    Sobre enviar um e-mail para ele, eis uma possibilidade a ser considerada.

    Até!

    Marcelo

  140. Patriarca da Paciência said

    Chesterton,

    Em um dos seus delirantes textos, o reinaldinho escreveu que polimizou com o Vaticano e foi o Vaticano que reconheceu o erro e inclusive agradeceu pelos esclarecimentos.

    Ô Chesterton, com toda a tua inteligência, e como claque fiel do reinaldinho, tal como o dito cujo, você já deve ter fornecido luzes ao próprio Vaticano!

  141. Otto said

    O Miguel do Rosário, d’O cafezinho, continua mandando ver:

    A MÍDIA VAI PERDER TAMBÉM NO TERCEIRO TURNO?

    Era previsível. A oposição antipetista e o partido oculto que lhe defende, na mídia, tomaram uma surra nas urnas, e agora tentam uma revanche desesperada. O contra-ataque se dá em duas frentes. A mais importante é continuar sensacionalizando o mensalão. Ninguém mais tem saco, perderam votos até nos bairros tucanos de São Paulo, e persistem na estratégia. E agora a Veja aparece com um “depoimento” de Marcos Valério, dado em setembro, com denúncias contra Lula. Até o assassinato de Celso Daniel, cujas investigações, feitas pela Polícia Civil de São Paulo e pela Polícia Federal de FHC, apontaram crime comum, entrou novamente na roda.

    Merval Pereira, principal colunista político do Globo, passou os últimos meses ignorando quase completamente o processo eleitoral. O foco é mensalão. E continua. Agora com a estratégia de alto risco de concentrar os ataques na figura de Lula. Será divertido, não fosse seus contornos trágicos, observar a mídia converter Marcos Valério num herói republicano, a correr risco de vida.

    Entretanto, a manipulação da notícia se aprofunda de maneira apavorante. Os jornais não lembram aos leitores – pelo menos não com a ênfase necessária – que Marcos Valério era laranja de Daniel Dantas, o menino “brilhante” da privataria tucana, e que boa parte do dinheiro movimentado por Valério provinha de contratos superfaturados de publicidade com as operadores telefônicas que Dantas controlava.

    Todos esquecem também que, se os esquemas de Marcos Valério tiveram início, comprovadamente, na campanha de Eduardo Azerado, então candidato tucano ao governo de Minas Gerais, é lógico que qualquer nova informação dada por ele mencione esse período, a origem de tudo.

    Outra frente de ataque é desmerecer a CPI do Cachoeira. Tivemos dois governadores convocados, cujos sigilos foram quebrados por dez anos! Uma das maiores empreiteiras do país, a Delta, foi devassada e destruída (com razão de sê-lo, pelo visto). Dezenas, quiçá centenas de sigilos foram quebrados, e a investigação voltará ao Ministério Público Federal com um volume muito grande de informações novas e bombásticas. Ainda assim a mídia e oposição insistem em menosprezar os trabalhos da CPI? O PT tentou convocar Policarpo Júnior, o repórter da Veja envolvido com Cachoeira. Foi voto vencido. Paciência. Mas pelo menos, as relações espúrias e desavergonhadas entre a revista e o Clube Nextel foram expostas à luz. Globo, Estadão e Folha podem continuar dando moral para a Veja, mas a blogosfera agora sabe que lida com bandidos, que se mancomunaram com uma das mais sinistras máfias políticas de que se tem notícia.

    Até poucas semanas, a mídia ainda tinha a vantagem de poder chantagear e prejudicar eleitoralmente seus adversários políticos. Agora, nem isso. As eleições terminaram e o povo ignorou sabiamente as calúnias e as manipulações da grande mídia, que protege sistematicamente os verdadeiros bandidos.

    Agora, a classe política está com as mãos livres. A blogosfera está com sangue na boca. E o povo está de saco cheio. A mídia continua imensamente poderosa, sobretudo em função da influência que exerce sobre um Judiciário conservador e medroso. Mas o momento agora favorece o outro lado, dos progressistas. O pêndulo mudou de direção.

    Sim, a mídia vai perder também no terceiro turno.

    http://www.ocafezinho.com/2012/11/03/midia-vai-perder-tambem-no-terceiro-turno/

  142. Chesterton said

    lol

  143. Olá!

    Poxa, pessoal, não me levem a mal, mas seria legal se vocês parassem de colar esses textos quilométricos aqui na caixa de comentários. Ninguém os lê, ora.

    Façam melhor e ajudem a preservar a natureza: Passem apenas o link. OK?

    Até!

    Marcelo

  144. Patriarca da Paciência said

    “Elias, você já ouviu falar de provas testemunhais. Cinco pessoas dizem ter visto fulano dar 3 tiros no sicrano, que morreu….mas não há video, documentos, não foi encontrada a arma, nem assinatura. O juiz vai inocentar por falta de provas? Estranho esse raciocínio…”

    Meu caro Elias, permita-me a intromissão.

    Ô Chesterton, analfabeto jurídico, o juiz tem que se ater às provas contidas nos autos. Os depoimentos das testemunhas teriam que estar contidos nos autos e observados todos os trâmites legais. Não há nos autos um único depoimento que incrimine o Dirceu ou o Genoino.

  145. Olá!

    Questão do ENEM 2012:

    Questão: Você votou no Haddad? Se não, justifique sua resposta.

    É o ENEM progressista!

    Até!

    Marcelo

  146. Chesterton said

    Patriarca, você já ouviu falar em Pertinência?

  147. Patriarca da Paciência said

    Ô Chesterton,

    você já ouviu falar em Código Processual Criminal?

  148. Otto said

    O texto do Miguel acima vale a pena ser lido mesmo.

    Indico. Recomendo. Insisto até.

  149. Patriarca da Paciência said

    “Montados nos canhões do Instituto Millenium, os artilheiros do esquadrão Globo-Veja-Estadão miraram no julgamento do chamado mensalão, na esperança de “acabar com esta raça”, como queria, já em 2005, o grande estadista nativo Jorge Bornhausen, que sumiu de cena, mas deixou alguns seguidores fanáticos para consumar a vingança.

    A batalha final se daria no domingo passado, como consequência da “blitzkrieg” desfechada nos últimos três meses, que levou à condenação pelo STF de José Dirceu e José Genóino, duas lideranças históricas do PT.

    Faltou combinar com os eleitores e o resultado acabou sendo o oposto do planejado: o PT de Lula e seus aliados saíram das urnas como os grandes vencedores em mais de 80% dos municípios brasileiros. E as oposições continuaram definhando.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/84511/Morte-a-Lula-é-guerra-sem-fim-diz-Kotscho.htm

  150. Patriarca da Paciência said

    Ou seja,

    todo mundo está percebendo que a coisa é mesmo política, o Paulo Henrique Amorim estava certo desde o início e o alvo sempre foi o Lula a Dilma e o PT.

  151. Chesterton said

    Pax, 129, está abandonando a esquerda?

  152. Chesterton said

    “Esse pessoal que fala mal dos outros são intolerantes”.

    Dilma Rousseff, ensinando que, no dilmês erudito, não há diferença entre singular e plural.

    chest- em vez de estudar, estava na guerrilha urbana.

  153. Chesterton said

    Dita branda – A Associação Internacional de Radiodifusão (AIR) advertiu na quarta-feira (31) o governo da Argentina para que cesse a perseguição a jornalistas e grupos de comunicação, e denunciou “o grave prejuízo para a liberdade de expressão e demais garantias constitucionais” causado pela pressão exercida por autoridades do Poder Executivo sobre a Justiça daquele país.
    A resolução foi aprovada ao final da 42ª Assembleia Geral, em Montevidéu, que no dia anterior anunciou o envio de missão especial da entidade a Buenos Aires no dia 7 de dezembro. Nesta data, termina o prazo definido pelo governo da presidente Cristina de Kirchner para que empresas de comunicação cumpram a Lei de Mídia, sua mais dura ofensiva contra o Grupo Clarín.

  154. Michelle 2 said

    Sem medo de mistificar
    03 de novembro de 2012
    O Estado de S.Paulo

    É inacreditável a capacidade que o PT tem de mistificar quando a situação lhe é adversa, e de jogar abertamente com dois pesos e duas medidas quando se trata de defender seus próprios interesses. Nos últimos dias, os companheiros de Lula deram pelo menos dois magníficos exemplos de como não se encabulam de subestimar a inteligência do distinto público e fazer pouco do senso comum. O primeiro, ao avaliar o resultado das eleições municipais paulistanas. O segundo, ao afrontar mais uma vez a Suprema Corte a propósito do mensalão.

    A executiva estadual do PT, reunida para fazer uma avaliação do pleito, emitiu nota oficial em que afirma: “A sociedade falou em alto e bom tom que o PT não está e nunca esteve no banco dos réus”, porque o resultado das urnas “abafou as vozes daqueles que tentaram fazer do julgamento do Supremo Tribunal Federal – STF – (mensalão) um instrumento de desgaste e de destruição da sigla”. De fato, a Ação Penal 470 jamais colocou no banco dos réus o PT, mas apenas seus dirigentes máximos, pelo menos do número dois para baixo, durante o primeiro mandato presidencial de Lula. E condenou-os um colegiado constituído, na maior parte, de ministros nomeados por dois presidentes da República petistas. Esses juízes consideraram procedente a peça acusatória apresentada por dois chefes do Ministério Público Federal colocados no cargo por Lula: Antonio Fernando de Souza, que iniciou as investigações, e Roberto Gurgel, que formalizou a denúncia.

    Se, como quer o PT, sua vitória em São Paulo significa uma clara manifestação de desaprovação dos paulistanos às condenações do STF e um atestado de inocência conferido aos acusados petistas, isso quer dizer também, contrario sensu, que as derrotas do PT em Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre, Salvador, Fortaleza, Manaus, Belém, Campinas e outras centenas de municípios significam apoio às decisões da Suprema Corte. Por esse critério, as coisas vão muito mal para o PT, que afinal venceu as eleições com candidato próprio em apenas 635 cidades, que equivalem a uma população de 58 milhões dos 190 milhões de brasileiros. Fica combinado, então, que mais de 130 milhões de brasileiros condenam José Dirceu & Cia.

    Por outro lado, o presidente nacional do PT, o iracundo Rui Falcão, anunciou que o partido divulgaria um manifesto contendo críticas ao que classifica de “politização” do julgamento do mensalão pelo Supremo, que, pressionado pela mídia “de direita”, estaria ameaçando as liberdades individuais consagradas pela lei penal e pela Constituição. Os petistas estavam esperando apenas a realização do segundo turno do pleito municipal para saírem em defesa de seus dirigentes condenados por corrupção, peculato, lavagem de dinheiro e outros delitos. E Falcão deixou claro, ao arrepio do Estatuto do PT, que os apenados não serão expulsos. Afinal, os petistas consideram Dirceu, Genoino, Delúbio e João Paulo Cunha “prisioneiros políticos” julgados por um “tribunal de exceção” – todos eles cidadãos que têm “serviços prestados ao País”.

    Na verdade, é o PT quem está politizando o debate sobre o mensalão. Insistem os seguidores de Lula que os ministros da Suprema Corte estão julgando sob pressão da mídia e de uma opinião pública por ela manipulada. É quase um insulto à biografia dos ministros, a maioria dos quais passou pelo crivo do comando petista no processo de escolha para compor o STF. Além disso, o argumento tropeça em outra incongruência. Se a opinião pública está pressionando a favor da condenação do mensalão, por que teria colocado nas urnas, “em alto e bom tom”, um voto de absolvição dos mensaleiros?

    Persistindo nas incongruências, afirmam os petistas que o mensalão é “uma farsa”, ou seja, nunca existiu, mas asseguram que foi inventado, em Minas Gerais, em 1998, pelo mesmíssimo Marcos Valério, a serviço da campanha de reeleição do tucano Eduardo Azeredo. Esse escândalo já foi denunciado ao STF pelo Ministério Público e está entregue à relatoria do ministro Joaquim Barbosa. Só falta o PT – para manter-se coerente com sua incoerência – sair também em defesa dos mensaleiros tucanos, acusados das mesmas práticas criminosas que estão levando a cúpula petista à cadeia.

  155. Chesterton said

    cad~e os movimentos de rua que o Zé Dirceu prometeu?

  156. Pax said

    FHC parece buscar uma identidade para o PSDB na análise que faz das eleições municipais. (dica do blog do Josias)


    Ser jovem não assegura ser portador de mensagem renovadora e tê-la é a questão estratégica central. Carlos Mello em artigo publicado no jornal O Globo afirmou que o PSDB era originariamente “liberal na economia, social-democrata nas políticas públicas e progressista nos costumes”. Essa poderia continuar a ser a mensagem do partido, desde que se acrescente ao liberalismo econômico o contrapeso de um Estado atuante nas agências reguladoras e capaz de preservar instituições-chave para o desenvolvimento, como Petrobras e os bancos públicos, sem chafurdar no clientelismo e na confusão entre público e privado. O progressismo nos costumes implica a defesa da igualdade de gênero, no apoio às medidas racionais de compensação social e racial, bem como em políticas modernas de controle da violência e das drogas que não joguem as populações pobres contra os governos. Sem esquecer de que o crescimento do PIB só é satisfatório quando respeita o meio ambiente e beneficia maioria da população.

    Deve agradar os mais liberais aqui do blog.

    Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/colunistas/conteudo.phtml?tl=1&id=1314863&tit=Hora-de-balanco

    Acontece que:

    1 – Em São Paulo o que se observa, em muitas situações, é aumento de impostos e não o contrário. Essa contradição precisa ser não só esclarecida como, no dia-a-dia, praticada.

    2 – A parte das Agências Regulatórias é uma boa bandeira. A mim parece.

    3 – O progressismo dos costumes é uma faca de dois gumes. A liberação da maconha que parece uma bandeira interessante, uma discussão a ser aprofundada, é um tiro obscuro na hora do voto. Muita gente é contra.

    Sobre a análise que FHC faz das eleições, sei lá, já vi tantas que aqui a famosa frase do poeta Ramón Campoamor sempre se aplica:

    «En este mundo traidor / nada es verdad ni mentira / todo es según el color / del cristal con que se mira»

  157. Jose Mario HRP said

    Muito embora haja reclamações sobre textos longos e chatos(falando de verdades pouco agradáveis ao lado de lá) posto esse textinho edificante com o tema Don M.Valério e Sancho PIG:

    http://saraiva13.blogspot.com.br/2012/11/os-desesperados-esperneiam.html

  158. Pax said

    Provavelmente o PMDB cobrará do governo Dilma o apoio do PT à reeleição de Renan Calheiros para presidência do Senado.

    Pois é, não há escândalo que baste, agora teremos que pagar pelos novos boquetes de jornalistas para o que há de pior nesta “inutilidade pública” como diz o velho Elias de guerra.

    Cá confesso que ainda não tenho uma posição muito firme sobre a necessidade ou não do Senado. Há questões que devemos pensar um bocado sobre isso.

    O que tenho certeza absoluta é que o time de Senadores de hoje, apartados dois ou três, não ajuda em nada defender a existência dessa casa de tolerância que transformaram aquilo lá.

    E Renan não nos deixará na mão. Ajudará um bocado a afundar ainda mais a imagem da casa e do Congresso como um todo. A reboque ainda ajudará a oposição a bombardear a imagem desgastada do PT.

  159. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    sobre a “imagem desgastada do PT” eu fico com a afirmação do Kotscho, “Faltou combinar com os eleitores e o resultado acabou sendo o oposto do planejado: o PT de Lula e seus aliados saíram das urnas como os grandes vencedores em mais de 80% dos municípios brasileiros. E as oposições continuaram definhando.”

    Mas eu creio que já há “algo de novo no ar”.

    Antes, tanto o ACM neto, como o Arthur Virgilio, os quais falavam em “aplicar surra no Lula”, agora falam em parcerias e convivência civilizada com a presidente Dilma e com o PT.

    E até a antes “Apavoradinha do Brasil” quer se tornar a “Encantadinha do Brasil”!. Finalmente Regina Duarte perdeu o medo!

    Ou será que desistiu do Serra?

    247 – Regina Duarte perdeu o medo. Ela, que, em 2002, gravou um vídeo para a primeira campanha presidencial de José Serra, revelando seu pânico em relação a uma possível vitória do PT, já não tem o mesmo ponto de vista. Amadureceu e hoje está encantada com a presidente Dilma Rousseff. É o que revela a atriz, em entrevista a Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo. Leia alguns trechos:

    http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/84539/Regina-Duarte-perdeu-o-medo-em-relação-ao-PT.htm

  160. Pax said

    Caro Patriarca,

    Negar que o PT sai com uma imagem desgastada deste momento do julgamento da AP 470 não é muito real, no meu entendimento.

    De outro lado, as análises destas eleições são muito complexas e todos puxam as brasas para suas sardinhas. Nos permite insistir no tal dito do Ramón de Campoamor

    «En este mundo traidor / nada es verdad ni mentira / todo es según el color / del cristal con que se mira»

    O PT precisa expiar suas culpas, sim. Se o fizer vai ser difícil perder em 2014, mesmo que uma visão tão antecipada seja um enorme risco. Depende de como estará a economia … sempre é assim.

    Acontece que se o PT continuar com a toada dos simpatizantes de Genoino e Dirceu, com defesas tão absurdas, a imagem desgasta o partido permite ameaçar a imagem de Lula (já conseguiram?) e acaba batendo na porta de Dilma.

    Esses caras (alguns exemplos) como Vaccarezza, Gilmar Tatto, Rui Falcão etc só tem ajudado. A oposição.

  161. Elias said

    Chesterton,

    O Patriarca já respondeu por mim, e muito bem (brigadão, Patriarca).

    Mas não custa repetir: o tempo todo, estou me referindo aos “autos do processo”. O juiz deve julgar a partir do que os autos contêm. Sejam peças testemunhais, fotográficas, químicas, biológicas, ou o raio que os parta. Mas têm que estar nos autos. Se não está nos autos, não existe para o processo.

  162. Edu said

    Otto,

    #99

    Ando meio afastado do blog por questões pessoais.

    Cara, eu nunca disse que o bolsa-família era algo ruim. Sempre concordei que no curto-prazo seria interessante para resolver problemas relacionados à miséria. O que eu questiono é o que o governo reserva para o longo prazo, o “corpo-mole” provavelmente não acontecerá em 100% dos casos agora no curto-prazo. Nunca duvidei da vontade do brasileiro, de qualquer brasileiro: pobre, rico, burro, esperto. No entanto sempre há aquela meia-dúzia… aqueles que estragam as estatísticas. E, no longo prazo, eles podem gerar problemas.

    Então: o que o governo federal reserva para o longo-prazo?

    —X—

    Elias,

    E os demais juízes que condenaram a cúpula do PT? Nada a declarar sobre eles? Eles foram influenciados pelo JB? Como isso pode ter acontecido se o JB era tão agressivo assim com os colegas?

    Aliás, impressionante como vc é um bom julgador de caráter, não é mesmo? O ZD, o Genoínio et caterva são realmente ótimos caracteres…

    Deixa eu entender melhor o seu raciocínio: o Roberto Jefferson é um dos porcos com quem o PT deve se aliar? E depois chutá-lo, como os porcos devem ser tratados? E o que fazer com a boca dos porcos? Botar uma mordaça? Eu acho que essa solução deve estar sendo considerada no caso do Valério, não é mesmo? Já que vc tem tanto conhecimento do PT, por que não fala um pouquinho mais pra gente do que estão tramando para calar a boca desse porco tão gordinho que sustentou o PT por tanto tempo?

    —X—

    Pax,

    Vc percebe como o PT age na mente das pessoas? Alguém vai lá e diz umas verdades genuínas na cara do Genoíno e baixam a porrada! No Brasil do PT não é permitido falar a verdade mais! Senão o PT convoca suas hordas de militantes cegos, aí aparecem Ottos, Patriarcas, Zbigniews, HRPs para defender um ato de violência! Sob a alegação de legítima defesa!

    —X—

    Marcelo,

    Eu queria muito que vc enviasse esse e-mail para o jornalista mais correto do mundo! Só tomaria cuidado pois o cara pode te processar…

  163. Elias said

    Pax,

    PONTO 1
    Que o PT se desgastou terrivelmente, de 2005 pra cá, é algo mais que evidente.

    Ficou desgastado, diminuído e desnaturado, menos por causa da oposição a ele do que por obra e graça de dirigentes e militantes petistas.

    A questão é: numa perspectiva histórica para o país, ou, do ponto de vista dos mais altos interesses da sociedade brasileira, dá pra descartar o PT? A meu pensar, não! Infelizmente, não! Desgraçadamente, não! O país não tem nada melhor no espectro partidário. As alternativas existentes são piores, sem exceção.

    Assim é que, quem não tem cão que preste… Caça com o PT, mesmo…!

    PONTO 2
    Do ponto de vista eleitoral, as trambicagens mensaleiras causaram dano muito menor do que aquele com o qual a oposição sonhou. Não impediram a reeleição do Lula, a eleição da Dilma e o crescimento do partido em termos gerais. O que dá ao PT a oportunidade de, pelo menos, tentar se recuperar

    E isso tudo, principalmente, por causa da incompetência da oposição.

    Veja o drama do FHC, sujeito de sagacidade política absolutamente inquestionável.

    Num dia, ele lamenta a incapacidade do PSDB em se rejuvenescer. No outro, ele fax xixi pra trás, e começa a embaralhar seu próprio raciocínio, com o papo furado de “idéias velhas” e “idéias jovens”.

    Ora, um intelectual do naipe do FHC, deve estar cansado de saber que idéias não têm idade. E se tivessem, não haveria mérito nisso.

    Em se tratando de idéias, o que interessa é sua adequação ao contexto; sua capacidade de produzir os resultados que delas se espera, com sua adoção. Se a idéia se adequa, se as medidas dela decorrentes produzem os resultados esperados, tanto faz que ela tenha sido concebida, gestada e parida na semana passada, ou há 50, 60, 100, 150 anos.

    Não é disso que se está falando, caceta! O tema é: “rejuvenescimento (ou não) do quadro partidário”.

    O PSDB está se tornando um partido geriátrico. Uma gerontocracia gananciosa, arrogante e politicamente míope, que está impedindo o surgimento de novas lideranças. Um monte de gente de valor está se desencantando, e se afastando do PSDB (uma louvável exceção é o PSDB do Pará — quem diria? — que está lançando uma boa fornada de quadros jovens e de boa qualidade).

    Como petista, eu até que fico satisfeito com o embananamento do PSDB, porque assim fica mais fácil derrotá-lo.

    Como cidadão, isso me deixa preocupado. Há algum tempo, o PT vem exibindo sinais de fadiga de material. O partido tem que sair do poder, pra se reinventar (ou se esfrangalhar se não for capaz de se rever em seus próprios termos, né?).

    Aí, quem assumirá? A meu pensar, melhor para o país que seja uma força de centro-esquerda, ou seja, o PSDB.

    Mas, se o PSDB não se qualificar pra isso, como será?

    Quando um país não dispõe de alternativas partidárias ideologicamente estruturadas, ele se torna presa fácil para aventureiros. Os autoproclamados salvadores da Pátria, etc. e tal…

    E o Brasil já viu esse filme, né? Os brasileiros morrem no fim…

    De qualquer forma, parece que o FHC já apagou o facho. Desistiu de continuar na briga que ele meio que havia iniciado. Parece que já está preparando o espírito do eleitor pra ver as “esperanças jovens” do PSDB disputando eleição eleição em 2014 usando bengala e fralda geriátrica…

    Pena…

  164. Chesterton said

    Depende de como estará a economia … sempre é assim.

    chest- sempre é assim. Daí o esforço para o PT sabotar a economia antes de assumir o poder, coisa que ninguem mais tem estômago para fazer.

    É , Marcelo, minhas expectativas estavam acima da realidade.

  165. Pax said

    Caro Elias,

    Mas quem disse que eu descarto o PT? Ou mesmo o PSDB?

    Nem mesmo o PSOL, nem mesmo o tal PSB. Quem dera ainda pudesse torcer pelo PV, mas não dá mais. E o PSD, que sempre me lembra o voo de galinha, mas fez um bocado de prefeito agora, o tal que mais parece caminhão de recolhimento de lixo?

    Só que: qual é a cara desses outros partidos?

    Acho que o PT ainda tem uma cara, uma personalidade que podemos lhe atribuir. Desgastada? Sim, claro que sim. Só insisto, desde o texto do post, que não façam muito esforço para piorar a situação.

    Vamos lá, de novo:

    1 – O PT e o PSDB são os melhores partidos brasileiros.
    2 – O maior de todos é longe disso, é o PMDB. Esse que vai onde o poder vai. Esse que sempre estará com os maiores orçamentos às mãos, esse que se pagar bem fica de quatro, engole, faz parafuso, dá cambalhota, qualquer coisa, desde que esteja do lado de quem está por cima. Esse mesmo que obrigará o PT a pagar – de novo – os boquetes do novo presidente do Senado. O que fazer?
    3 – PT e PSDB se desgastaram um bocado. É ruim. Muito ruim. Mas vamos com calma nas críticas.
    4 – PSDB perdeu um bocado de sua cara. É o que fala o FHC. Precisa definir bem. Segundo o artigo que coloquei, FHC quer ser mais liberal, quer ter um lado social-democrata nas políticas sociais e quer ser moderno, liberar o back etc..
    5 – O PT tem a cara de ex-comunista arrependido, mas que dá certo. Libera, como os outros, o ganha pão dos bancos, não ajuda nem atrapalha a indústria, fica cada vez fica mais ao lado dos ruralistas, mas não nega fogo: quando pode dá sempre um refresco para o povão. E este “quando pode.. ” muda a cara do país.

    O artigo de hoje, do FHC, tem, em um trecho, a cara e o dedo de acalmar uma reclamação do Serra. Claro que sim. Ao mesmo tempo que aponta para onde o partido deve ir, responde aos reclames do derrotado Serra deve ter ligado para o ex-presidente e chorado um bocado o fato dele ter falado, antes do fim das apurações, que os tucanos precisavam se renovar e que Haddad era um homem respeitável.

    FHC sabe que não pode bater de frente com Serra, mesmo que queira. Este segundo faria um estrago ainda maior no PSDB.

    Algo parecido com Lula bater de frente com Genoino e DIrceur.

    Melhor, nos dois casos, deixar que os egos encontrem alguma paz, em seus enterros.

    Dilma está acima de tudo isso. Tá fazendo sucesso. Danado de bom. O caro Patriarca nos trouxe até a informação que tem gente traindo o PSDB nessa visão, gente que passou a “destemer” o sucesso do direcionamento do PT.

    Tem mesmo que continuar assim, se afastando de quem quer embrulha-la num problema que não é seu, continuar toreando o PMDB e quetais e tentando fazer o país andar.

    O PSDB é que precisa definir quem será o opositor de Dilma. Aécio? Tudo indica que sim.

    E aí concordo com você, o Marcos Valério é uma bomba que pode cair no colo do mineiro dentro de instantes. Já tem um bocado de jornalistas e, quem diria, até jagunços, falando que: (a) as penas do mensalão petista estão duras demais e (b) tá na hora de colocar o mensalão tucano na pauta.

    O melhor para nós, reles mortais?

    Que tanto PT quanto PSDB desistam de competir sobre quem é mais corrupto que quem. Elejam logo um terceiro para isto que não vão errar. E que definam plataformas, programas, propostas, discursos, que será, no meu exercício de futurologia, o que vai agradar na campanha de 2014.

    Exatamente quando a economia vai colocar todos em xeque.

  166. Patriarca da Paciência said

    O pessoal dos “blogs sujos”, é claro que visto pelas lentes sejas do Serra, fica cada vez mais afiado e escareve cada vez melhor:

    “O que seria desse mundo se os designos de Deus fossem levados ao pé da letra, como ordenou nosso Senhor ao Profeta Noé? Ora, Deus, na sua infinita sabedoria, sabia o que estava fazendo, quando ordenou a Noé que construísse a arca e nela colocasse um casal de cada animal habitante desse planeta. Deus pretendia que o mundo fosse habitado por cada criatura que havia criado, mesmo os dinossauros e TUCANOS, quando o PT, sob o comando de LULA e Genoíno, ordenou que José Dirceu desencadeasse a “OPERAÇAO DINO” e sequestrasse o casal de dinossauros que Noé havia capturado e deixado amarrados no pé da mesa da varanda, no quintal, pouco antes do GRANDE DILÚVIO. Assim não foi possível embarcar os animaizinhos. As consequências todos já sabem: EXTINÇÃO COMPLETA DOS ANIMAIS.

    Ao procurar a Revista Veja para colocar a boca no Trombone, Valério tinha em mente apenas cumprir seu dever como cidadão, pois não poderia quardar para si tamanha responsabilidade: a de revelar ao mundo a temeridade que é esse partido, o PT. Num ato de tamanha bravura e despojamento pessoal, procurou a REVISTA MAIS SÉRIA do UNIVERSO – A VEJA, para contar o que sabe sobre tudo isso que ficou por milhares de anos escondido.”
    http://blogdoonipresente.blogspot.com.br/

  167. Elias said

    “Regina Duarte perdeu o medo. Ela, que, em 2002, gravou um vídeo para a primeira campanha presidencial de José Serra, revelando seu pânico em relação a uma possível vitória do PT, já não tem o mesmo ponto de vista. Amadureceu e hoje está encantada com a presidente Dilma Rousseff.” (Patriarca)

    Sei não, Patriarca…

    Regina Duarte tem pava…!

    Sou judeu. Assim, não acredito em superstições… Dá azar!

    Eis porque prefiro a Regina Duarte torcendo contra. Se possível, trabalhando na campanha do Aécio, em 2014!

    Vai pra lá, vai, Regina…

  168. Patriarca da Paciência said

    Pra falar a verdade, caro Elias,

    eu também.

    E que o Aécio coloque em sua campanha o Reinaldinho e o Malafaia.

    Aí o time fica da pesada!

  169. Patriarca da Paciência said

    Tudo indica que, mesmo sem contar com uma única prova cabal nos autos, os ministros do STF vão apenar o Dirceu, o Genoino.

    E por que isso acontece?

    Simples.

    As instâncias superiores são justamente os órgãos encarregados de enquadrar os juízes nos Códigos Processuais.

    Como não há instâncias superiores ao STF, vai daí…

  170. Michelle 2 said

    O PT não consegue enterrar seus cadáveres.
    Usando o mesmo estilo elegante do Elias, eu comento:
    – Lembra-me aquele sujeito que sai do banheiro e fica exibindo o papel higiênico sujo e fedido ao invés de jogar no vaso e dar a descarga.
    Cagadas todo mundo faz todo dia…mas os únicos que ficam colecionando papel higiênico usado e exibindo ao público são os defensores de um partido que um dia representou o desejo de ética e honestidade no jogo político, em nome dos trabalhadores.
    Como ficou comprovado era tudo mentira.
    Quando no poder aperfeiçoaram o que antes criticavam e agora culpam os antecessores por terem lhes “ensinado” como praticar peculato, corrupção passiva e ativa, falsidade ideológica, etc. Ou soberba e burrice como quer o Pax.
    A culpa é sempre dos outros.
    Eles apenas, como alunos atentos e aplicados, exacerbaram na dose e finalidades do ato criminoso.
    hehehe
    Ficam aqui discutindo se matéria fecal é ou não é merda.
    Esqueceram que matéria fecal fede cada dia mais e quanto mais se mexe.
    Joguem o papel sujo e fedido de hoje no vaso e deem a descarga, pois amanhã haverá nova cagada e mais papel higiênico sujo e fedido.
    Simples assim!

  171. Chesterton said

    Com medo, Lula manda segurar nota de apoio aos mensaleiros. Não quer provocar STF e imprensa.

    A cúpula do PT está propensa a arquivar o plano de divulgar um manifesto em defesa dos réus do mensalão, mesmo depois de os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) fixarem as penas do ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, do ex-presidente do PT José Genoino e do ex-tesoureiro Delúbio Soares.Pragmáticos, dirigentes do PT dizem agora que “a vida continua” e querem transferir o desagravo para a Central Única dos Trabalhadores (CUT).

  172. Chesterton said

    para o Pax

    http://www.clarin.com/politica/programa-completo-TV-Publica-Brasil_3_803949618.html#.UJa9YbQ66U8.facebook

  173. Chesterton said

    Com todo o respeito à crença e às convicções alheias, precisamos ter em mente que a liberdade individual é o valor civilizacional mais importante a ser respeitado e consagrado numa sociedade livre e soberana. Ela se refere não ao fato de as pessoas saírem fazendo o que lhes dá na telha, mesmo porque a liberdade de cada um é naturalmente limitada pela liberdade dos demais, mas a perfeita compreensão de que os direitos provêm do cumprimento dos deveres e obrigações que os consubstanciam.

    No entanto, a estrutura da sociedade tem que garantir a criação de oportunidades para que as pessoas possam se preparar para lutar pela vida e vencer, na medida em que isso, ‘vencer na vida’, não significa exatamente ficar rico, mas realizar algo de construtivo, de participativo, no desenvolvimento e na manutenção da sociedade a que pertencem, algo que possa ser chamado de uma carreira de sucesso associada à probidade e a retidão de caráter.

    Obvia e infelizmente, não são todas as pessoas que chegam a tal resultado, mas é preponderante que isso não ocorra por falta de oportunidades geradas pelo próprio sistema social em que elas vivem.

    Assim sendo, o problema da sociedade não é o rico, ou aquele que cresce em família bem estruturada, capaz de lhe transmitir uma boa educação e uma escolaridade mais intensa e de melhor qualidade para a consecução do objetivo maior de transformá-lo num cidadão produtivo, participativo e consciente do exercício dessa cidadania.

    O problema consiste nas pessoas que crescem fora dessas condições ideais, ou seja, aquelas que vivem nos chamados “bolsões de pobreza e ignorância” (porque aquela é produto desta), e onde a sociedade – através de grupos, empresas, ONGs e até do organismo estatal – deve garantir a criação de oportunidades que realmente irão modificar seu triste status.

    Também é preciso compreender que essa dita ‘ação da sociedade’, seja por que veículo for, não pode se concretizar apenas pela mera distribuição de recursos financeiros e quaisquer outras benesses que não exijam uma contrapartida de resultados concretos e bem caracterizados dentro de seus objetivos sociais.

    Todo o esforço despendido e investido na geração dessas oportunidades tem necessariamente que produzir os respectivos resultados sociais, ou tudo terá sido feito em vão e as oportunidades desperdiçadas. Isso quer dizer, basicamente, que as chamadas “bolsas” têm que estar atreladas a metas e resultados sociais a que se propõem e não significar apenas um instrumento populista e demagógico de obtenção de popularidade e de compra de votos a “preço módico” com o dinheiro público pelos políticos da vez no poder.

    A solução do problema da melhoria social está na preparação e formação de uma cidadania de melhor qualidade, não apenas dentro das famílias mais abastadas e bem educadas, mas também e principalmente, entre as gentes que não estão em tais situações. Ou seja, a sociedade deve usar todos os mecanismos e veículos que dispõe para criar educação e ensino eficaz – coisas que são díspares, embora complementares – para essas pessoas do povo, criando para elas as oportunidades para que possam ‘vencer na vida’, e não apenas garantir o recebimento de esmolas que as tornarão dependentes delas e totalmente improdutivas.

    Para que isso ocorra, não se pode contar unicamente com o Estado Central Nacional, mas, principalmente, com os Estados Municipal e Estadual. Quanto mais ampla é a instância de governo, mais incompetente, corrupta e mal intencionada ela tende a ser.

    Assim sendo, é extremamente contraproducente a centralização política e econômica a que está sujeitada a nossa república, pela qual cerca de 70% de toda a arrecadação tributária vai para Brasília e mal retorna aos municípios em conta-gotas, sendo que o grosso desses recursos se esvai pelos ralos da corrupção, do desperdício, da malversação, do enriquecimento ilícito, e de uma série de mazelas oriundas da incompetência e da má-fé do ‘estado-empresário’ e do capitalismo estatal direcionado em beneficiar, acima de tudo, o politiburo governante, cujo cunho socialista acaba desenvolvendo uma burguesia restrita e parasitária empenhada em viver nababescamente a custa do esforço nacional.

    O país precisa de gente que gere renda e não apenas de gente que a consuma. A chamada concentração de renda resulta exatamente desse desequilíbrio entre o pequeno número de pessoas que geram mais renda do que a consomem e o grande número dos que a consomem mais do que geram e, por isso mesmo, tentam viver da renda produzida pelos primeiros.

    A solução, pois, é educar e ensinar as pessoas a produzir mais do que consumir a riqueza que geram e, quando isso ocorrer, naturalmente haverá uma grande desconcentração de renda e uma prosperidade muito maior de toda a sociedade.

    Não se pode lutar contra a pobreza criando leis que punam aqueles que geram mais riqueza do que consomem. O resultado será apenas a distribuição igualitária da pobreza e da miséria, em benefício apenas da burguesia restrita do politiburo socialista no poder.

    Isso não ocorre apenas no Brasil, mas em todo o mundo. A segunda metade do século XX mostra claramente essa preciosa lição de sociologia (política e econômica) que nos ensina o quão são errôneos e distorcidos todos, ou quase todos, os sistemas “socialistas” até hoje experimentados pelas sociedades humanas.

    Mesmo assim, não faltam os que foram incapazes de aprender essa lição básica da História humana e continuam a pregar que a liberdade individual deva ser cerceada ao máximo e a riqueza ser amplamente apropriada pelo estado construtivista e distributivista.

    Em nenhum lugar do mundo o socialismo produziu nada além “gigantes militares com pés de barro” (pois a nação só é verdadeiramente rica quando seus cidadãos são ricos), como ocorreu na autoextinta União Soviética e ocorre numa China que hoje tenta desesperadamente conciliar o capitalismo privado com o autoritarismo político e um decadente centralismo econômico estatal para alimentar quase um bilhão e meio de almas, na maioria, ignaras e despreparadas para um mundo globalizado.

    Essas pessoas são metodicamente ideologizadas e acreditam realmente em sua ilusão socialista, sem se darem conta de que o que defendem, na realidade, é exatamente a concentração muito maior da riqueza produzida por todos nas mãos de um grupo extremamente restrito que conforma o partido único governante. Ao povo, o que querem é que reste apenas o trabalho robotizado e a comida racionada, não importando que haja uma produção deficiente e que, ao invés de desenvolvimento, como muitos pregam, haja uma tendência ao retorno da vida tribal, desde que isso não se aplique ao grupo dirigente.

    Por isso são contra a liberdade individual de protestar ou simplesmente de emitir opinião contrária à oficial e escarnecem da democracia e, pior ainda, a subvertem.

    Não há, pois, como preparar as pessoas, sem uma educação que transmita a nítida compreensão e respeito aos nossos valores civilizacionais cristãos e ocidentais, e um ensino profissionalizante eficiente que permita que a pessoa se torne capaz e competitiva o suficiente para ‘vencer na vida’, enquanto a mentalidade dirigente for a socialista.

    Com esses propósitos, o socialismo pode ser visto como um desastre social, uma espécie de sociopatologia epidêmica, que as nações do mundo terão que erradicar, se pretendem construir uma humanidade mais equilibrada e feliz.

    Francisco Vianna

  174. Olá!

    Sobre esse lance de renovação dos partidos e etc., sinceramente, em mais de um sentido, isso não passa de pura retórica e, de certa maneira, demagogia.

    Vejam o caso do Haddad em São Paulo. Ele veio com o mesmo discurso que o PT utiliza desde a década de 1980: Um discurso anti-privatista, anti-liberal, autoritário em certos tópicos (nas questões de costumes, por exemplo, e o kit-gay, que foi uma imposição do MEC e sequer foi discutido com os cidadãos não-ONGueiros, é um singela amostra disso) e etc.

    Portanto, onde estão, de fato, as novidades? Do que adianta renovar os quadros partidários se as idéias continuam fora de sintonia com os novos tempos e são, no geral, dos tempos jurássicos?

    Aliás, nas cidades onde o PT ofereceu o “novo” e a população local se mostrava resistente à “novidade”, o partido mobilizou quadros do alto escalão, vide Lula e presidente Dilma, para passar à população local uma velha e manjada mensagem petista: A mensagem da ameaça. Era, mais ou menos, neste tom: Ou vocês votam no nosso candidato, ou a cidade de vocês terá dificuldades para receber recursos.

    Qual a novidade disso?

    Até!

    Marcelo

  175. Olá!

    “[. . .] Pragmáticos, dirigentes do PT dizem agora que ‘a vida continua’ e querem transferir o desagravo para a Central Única dos Trabalhadores (CUT).”

    Poxa, que coisa legal! A CUT, que um dia negou seu apoio ao Plano Real e buscou sabotá-lo, dá, hoje, seu carinhoso apoio a notórios bandidos condenados por coisas singelas tais como formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro.

    Até!

    Marcelo

  176. Patriarca da Paciência said

    “No entanto, a estrutura da sociedade tem que garantir a criação de oportunidades para que as pessoas possam se preparar para lutar pela vida e vencer, na medida em que isso, ‘vencer na vida’, não significa exatamente ficar rico, mas realizar algo de construtivo, de participativo, no desenvolvimento e na manutenção da sociedade a que pertencem, algo que possa ser chamado de uma carreira de sucesso associada à probidade e a retidão de caráter. ”

    Realmente, há algo de novo no ar. Para o Chesterton postar um artigo assim é porque as mentes mais cascudas realmete estão mudando!

    A ACM Neto e o Arthur Virgílio, os quais só falavam no Lula para prometer surras, agora falam em parcerias e convivência civilizada com a Dilma. E agora o Cesterton, finalmente, posta algo que se pode ler!

    Só uma perguntinha Chesterton!

    Você não acredita mais que uma pessoa que tenha sofrido um grave acidente, ou esteja extremamente enferma, possa lutar com suas próprias forças para se curar, não é mesmo?

    Ou você ainda acredita que uma pessoa analfabeta, faminta e enferma possa competir em igualdade de condições com pessoas bem alimetadas, bem treinadas, cultas e bem equipadas?

  177. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Você, insistentemente, tem provocado a turma chamando a galera petista de “viúvas dos mensaleiros”. Daí a pior.

    Direito teu.

    Mas nestes teus comentários acima, ou chororô, parece de criança que não conhece o pai (questão da inexistência de um partido que represente o teu ideal liberal) ou mesmo chega muito perto dos lamúrios das viúvas do poder. Aí essa indefinição confunde um bocado.

    Afinal, diga-nos, você torce para algum partido ou reclama por reclamar? É que, em se falando de chororô, parece eco dos tais “ditos” jornalistas, disfarçados cabos eleitorais, que a gente conhece bem.

    Veja, aqui não há nenhum problema que as pessoas assumam seus partidos. Aqui pode, incluindo o tal eco, incluindo defesa de quem quer que seja, o que for.

    Conte-nos.

  178. Chesterton said

    Pax, que resmungação…

  179. Pax said

    Resmungos? Não, caro Chesterton, velho e infalível Chesterton,

    Curiosidade.

    Você também parece cachorro que caiu de caminhão de mudança. Afinal, qual é o partido de extrema direita (você mesmo que se define assim) existe no Brasil? Conte-nos.

    O DEM?

    ** a figura de linguagem acima: “cachorro que caiu de caminhão de mudança” não deve ser interpretada como ofensa, ok? Se quiser troque por “filho de moça profissional em casa de tolerância no dia dos pais”.

  180. Pax said

    Aliás, caro Chesterton,

    Reparou que a turma de oposição tem uma vergonha danada de definir um partido para chamar de seu? Sinal que nossa estrutura partidária está falida. É verdade, sim. Não é ofensa a quem se perfila na oposição. É falta de por quem torcer mesmo.

    Veja, o mais natural seria o PSDB. E pouca gente assume em alto e bom tom: sou tucano. Não é verdade? Até tem, mas são poucos.
    Ou PSB, aí fica a pergunta: pra que lado sopra mesmo este partido?
    Ou PSD, e aí a constatação: mais parece aqueles caminhões que recolhem “coisa” nas cidades e que tem aquele compactador, saca?
    Ou PMDB, aí mesmo que fica um samba do tocado em 3, como nas valsas.
    Ou o DEM que, apesar de Salvador, mais parece aqueles corpos embalsamados cuja família teima em enterrar.
    Ou …

    Ah, sim, olhando mais para a esquerda, minha tendência, vejo o PSOL (que simpatizo, sim), mas tem um programa muito anacrônico, discurso socialista que vai quebrar a banca (no sentido de quebrar o sistema bancário mesmo), o PSTU ou PCO que vão daí a bem mais radical ainda.

    O PV foi-se e levou Marina. Parece que nem sobrou para Fênix. E olha que teimei um bocado e ainda me sinto órfão. Verdade.

    Será que se surgisse um partido meio PV meio PSOL daria alguma coisa?

    Chega-se ao ponto que cheguei, de torcer para que PT e PSDB expurguem suas culpas.

    Amém.

  181. Pax said

    Falando em partidos, ou seria melhor refrasear para “custo Brasil”, aqui vai informação importante do Fernando Rodrigues.

    http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2012/11/05/pt-e-pmdb-relancam-chapa-dilma-temer/

    Que diz: Dilma e Temer para 2014.

    Com Henrique Alves (PMDB-RN) como presidente da Câmara e Renan Calheiros (PMDB-AL) do Senado.

    Tem horas que dá vontade de escrever sobre o maravilhoso mundo do skate, ou sobre culinária nordestina. Sei lá…

  182. Patriarca da Paciência said

    Pois olha, meu caro Pax, que eu consigo ver algo de positivo nessa chapa Temer/Dilma, ou seja, fatalmente empurrará o Eduardo Campos para compor a chapa Aécio.

    E aí teríamos uma campanha política menos canibal.

    É claro que eu vou ficar ao lado da Dilma.

    Mas quem sabe aquela oposição que sempre reclamamos por aqui, principalmente você, o Elias e eu, ou seja, uma oposição que se qualifique, em vez de querer destruir o adversário, possa finalmente surgir.

    Acho que aos poucos o Brasil melhora sim… e muito.

    Como disse o Lula, dessa última eleição gostei de tudo, até da eleição em Taubaté!

  183. Otto said

    Oi, Pax, trago aqui mais uma informação sobre o incidente sobre a votação do Genuíno, pra mostrar como a gente tem que ler a grande imprensa com dois pés atrás.

    DO DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO:

    Brasil, conforme constatou agudamente um leitor do Diário, tem uma esquisitice humorística: os comediantes são reacionários. Não vou entrar no fato de que são essencialmente sem graça. Me atenho apenas ao conservadorismo. Comediantes, como artistas em geral, costumam, em todo o mundo, ser progressistas. Eles quase sempre têm uma forte consciência social que os leva a criticar situações de grande desigualdade e a ser antiestablishment.

    Os comediantes brasileiros fogem da regra, e esta é uma das razões pelas quais são tão sem graça. Marcelo Madureira é um caso extremo de conservadorismo petrificado e completo alinhamento com o chamado “1%”. Marcelo Tas é outro caso. De Londres, não o acompanhei, mas ao passar algumas semanas no Brasil, agora, pude ver – sem sequer assistir a um episódio de seu programa – o quanto ele é mentalmente velho.

    O que o CQC fez a Genoíno em nome da piada oscila entre o patético, o ridículo e o grotesco. Não me refiro apenas ao episódio em si de explorar o drama de Genoíno. Também a sequência foi pavorosa. Vi no YouTube Tas ter uma disenteria verbal ao falar de Genoíno. Corajosamente, aspas, chamou-o repetidas vezes, aos gritos, de “mequetrefe”.

    Não sou petista.

    Jamais votei uma única vez em Genoíno.

    Mas Tas tem condições morais — e conhecimento, pura e simplesmente — para julgar e condenar Genoíno? Várias vezes ele diz que Genoíno foi condenado pela justiça. E daí? Quem acredita na infabilidade da justiça brasileira acredita em tudo, como disse Wellington.

    O que me levou a procurar Tas no YouTube foi uma mensagem pessoal que recebi de Ana Carvalho. Ela estava no local em que houve a confusão entre o humorista Oscar Filho e amigos de Genoíno. Ana acabou sendo citada num texto que OF escreveu, e ficou tão indignada que decidiu escrever sua versão dos fatos numa carta aberta que ela, cerimoniosamente, me pediu que lesse. Li. Primeiro, ela esclarece: ao contrário do que OF escreveu, ela não é militante do PT. Estava apenas votando, com a família, no lugar do tumulto, e tentou ajudar a serenar os ânimos, como boa samaritana.

    Ana relata o que ouviu, na refrega, do produtor do CQC e de Genoíno. Do produtor, berros que diziam que os “mensaleiros filhos da puta” iam ser punidos: em vez de um minuto, o programa falaria horas do caso. De Genoíno, ela ouviu: “Calma, calma, sem bater, sem bater”. Mas quem publicaria o que ela ouviu? Essa pergunta Ana fez a si mesma, e é um pequeno retrato da maneira distorcida com que a grande mídia trata assuntos de política no Brasil. A resposta é: ninguém. Nem Folha e nem Estadão e nem Veja e nem Globo publicariam o relato de Ana – embora ela fosse testemunha privilegiada da confusão.

    Há formas e formas de violência. O que o pessoal do CQC fez foi uma violência mental, uma tortura. Não faz muito tempo, o mundo soube que presos nos Estados Unidos tinham sido torturados com sessões de música ininterrupta da série Vila Sésamo. Vinte e quatro horas, sete dias por semana. (O autor ficou perplexo com o uso dado a sua canções tão inocentes.)

    O que o CQC fez tem um nome: tortura moral. Humor não é isso. Citei, em outro artigo, os repórteres do Pânico que invadiram o funeral de Amy Winehouse para fazer piada. Tivessem sido pilhados, terminariam na cadeia – e teriam formidável dificuldade para convencer a justiça londrina de que a liberdade de expressão, aspas, os autorizava a fazer o que fizeram.

    Humor sem graça, como o feito no Brasil, é um horror. Mas consegue ficar ainda pior quando à falta de espírito se junta um reacionarismo patológico, uma completa desconexão com o povo brasileiro, e este é o caso de Marcelo Tas e seu CQC.

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?p=15088#comment-157409

  184. Patriarca da Paciência said

    “O que o CQC fez tem um nome: tortura moral. Humor não é isso. Citei, em outro artigo, os repórteres do Pânico que invadiram o funeral de Amy Winehouse para fazer piada. Tivessem sido pilhados, terminariam na cadeia – e teriam formidável dificuldade para convencer a justiça londrina de que a liberdade de expressão, aspas, os autorizava a fazer o que fizeram.”

    É bem isso aí, meu caro Otto,

    eu sempre achei estranha a morte súbita do Paulo Francis e a imprensa brasileira nunca dar destaque para a causa da morte. Agora se sabe que o dito cujo jornalista estava a caminho de pagar uma multa milionária à justiça norte-americana por fazer acusações falsas à Petrobrás e não comprovar e que isso o levou a um ataque cardíaco.

  185. Patriarca da Paciência said

    Correção:

    O Paulo Francis fez acusações que não foram comprovadas como falsas.

  186. Patriarca da Paciência said

    Ou seja,

    o Paulo Francis fez acusações falsas à Petrobrás e estava a caminho de pagar uma multa milionária à justiça norte-americana, o que o levou a um ataque cardíaco.

  187. Otto said

    Com o perdão do humor negro:

    Paulo Francis, do inferno, manda saudações aos mainardis. mervais, azevedos et caterva da vida!

  188. Chesterton said

    Paulo Francis fez afirmações falsas e estava pagando por isso. Calunia e difamação.

    Pax, a direita não tem representação política no Brasil, há de vir uma nova sigla ou nada. O que me espanta é o dono do blog Politca -ética apoiar para prefeito de SP um candidato que teve apoio do Maluf.

    Cadê a esquerda do Brasil?

  189. Chesterton said

    Alias, naquele link que te dei, o jornalista entrevistado p-elo Dines justamente fala que na AL a única oposição é o jornalismo, daí a perseguição que governos fazem aos jornais. Facismo, como fala Flavio Tavares para o Dines.

  190. Edu said

    Chest,

    To achando que o Pax tá com medo de surgir um partido de direita.

    Mas ele tem razão de ter medo disso: tem muita gente que se diz não representada por partido político nenhum.

    Correta a afirmação do Elias de que o PSDB está sem rumo. Sem rumo e sem clareza ideológica. Nem como menos pior o PSDB tem servido ultimamente.

    A resposta ao Pax, pelo menos para mim é: temos que analisar no caso-a-caso. Todos são muito ruins, dependendo do político, das suas propostas e do seu histórico, quem sabe, dá pra extrair algum caldo. Enquanto isso, aguardaremos um partido de direita.

  191. Otto said

    Se aparecer um partido de direita — e é bom que apareça para dar representatividade a uma parcela da sociedade — nunca terá chances majoritárias, pois o seu teto não passará de 10%, a não ser que migre pro centro.

  192. Otto said

    Eu sei que tem gente que não gosta de que se cole aqui longos textos “que ninguém lê”.

    Mas como o Pax se queixa de os links nem sempre funcionam, aqui vai um pra ajudar a compreender os bastidores da Veja:

    PORQUE ENTREI NA VEJA. E PORQUE SAÍ.

    Cynara Mendes

    No final de 1997, após minha aventura espanhola –economizei um dinheirinho e fui estudar Literatura Espanhola e Hispanoamericana em Madri–, voltei ao Brasil para morar em São Paulo. Desempregada, fui convidada por uma grande amiga a fazer um frila para a revista Marie Claire, onde ela era editora: uma entrevista com o pré-candidato a presidente Ciro Gomes que acabou sendo um dos mais marcantes trabalhos da minha carreira. Ciro abriu a alma, talvez mais do que gostaria, e a matéria de uma revista feminina surpreendentemente repercutiu em todos os jornais.
    O sucesso foi tão grande que aquela entrevista, publicada na edição de janeiro do ano seguinte, foi a responsável por minha reinserção no mercado brasileiro após dois anos fora. Fui sondada por alguns veículos e acabei sendo convidada para voltar à Folha de S.Paulo, onde havia trabalhado na sucursal de Brasília, para ocupar uma vaga na editoria de Cotidiano. Meses depois, mudei para a Ilustrada, que almejava quando fui para a Espanha. (Qualquer hora tiro um tempinho para digitar a entrevista com o Ciro e postar aqui para vocês. É muito divertida.)
    Sete anos mais tarde, em maio de 2004, eu estava havia apenas três meses trabalhando no Estadão quando a mesma querida amiga me procurou para fazer um convite: iria assumir a editoria de Brasil da revista Veja e queria que eu fosse para lá fazer coisas bacanas, reportagens especiais, entrevistas. “Quem você gostaria de entrevistar?”, ela perguntou. Respondi que sempre quis entrevistar Diego Maradona sobre política. Até hoje acho que seria uma entrevista e tanto. Ela ficou entusiasmada e eu também. Mas e hard news?, perguntei. Este nunca foi meu forte. “Ah, você vai ter que fazer, mas ocasionalmente”. Pensei uns dias e topei. Lembro que até comprei, num sebo de São Paulo, um livro de Oriana Falacci, a grande entrevistadora italiana, para me inspirar…
    Costumo dizer que existem dois tipos de repórteres: os que têm boas fontes e apuram muito, mas têm um texto apenas razoável, e os que não têm tantas fontes nem são incríveis apuradores, mas escrevem bem. Eu não tenho fonte nenhuma e apuro o suficiente; o texto é o diferencial. Portanto, o primeiro choque para mim após a estreia na Veja foi que a alentada matéria de capa sobre corrupção que eu e dois colegas apuramos não foi escrita por nós. Eu escrevi o texto inteirinho. E ele foi inteirinho modificado para publicação. Obviamente não recebi aquilo de bom grado, mas uma colega que estava lá há mais tempo me acalmou dizendo que logo eu “pegaria o jeito” para escrever no estilo da revista e não mexeriam tanto no texto.
    Bom, hoje sei que nunca iria “pegar o jeito” de escrever da Veja porque, para começo de conversa, não é o meu. Meus textos em geral têm bastante aspas, adoro colocar frases boas de entrevistados e especialistas para dar um colorido. Na Veja, podem reparar, os textos quase não têm aspas, é tudo assumido pelo redator. Além disso, tem uns clichês do tipo “os números impressionam” que eu não conseguiria incluir num texto meu nem que trabalhasse lá durante 100 anos.
    Vi, de cara, que tinha entrado numa enrascada, que só piorou quando me destacaram para cobrir a campanha de Marta Suplicy à reeleição em São Paulo. Não havia ninguém no PT que aceitasse falar com a Veja. As fontes das reportagens tinham que ser pessoas, mesmo dentro do partido, de oposição à prefeita. Eu fazia a apuração possível, mas absolutamente nenhum daqueles textos foi escrito por mim. Àquela altura, eu só pensava num jeito de sair da Veja sem ficar desempregada –afinal, eu acabara de entrar no Estadão quando decidi ir para lá. E tinha um filho para criar, não sou nenhuma filhinha-de-papai para me dar ao luxo de ficar sem trabalhar.
    Para driblar as dificuldades, minha amiga e chefe escalou outra repórter para trabalhar em parceria comigo: eu fazia a apuração pelo lado petista a partir de uma pauta sugerida por mim e ela redigia o texto e apurava o lado do PSDB, incluindo os obrigatórios elogios ao tucanato, como na reportagem dos políticos “picolés de chuchu”. Quem acompanha meu trabalho há mais tempo sabe que essa é uma pauta tipicamente minha, para tirar sarro de políticos. Foi transformada por Veja em uma peça de bajulação a Geraldo Alckmin –reparem que a reportagem em questão é assinada em dupla com outra pessoa, assim como várias outras do meu curto período na revista.
    Algumas alterações foram menos dramáticas: o perfil do advogado Kakay, apesar de nenhuma frase do texto ter sido escrita por mim, pelo menos manteve-se fiel ao que apurei, não tem nada do que me envergonhe ali. A hilária história do “embargo auricular” foi descoberta minha, e já foi citada em vários perfis dele depois. Mas o único texto integralmente meu, desde o título, é a ótima entrevista que fiz com a namorada do senador Eduardo Suplicy, Mônica Dallari. Um furo. Sou, antes de tudo, uma repórter. E minha maior especialidade (é a segunda vez que volto a elas neste texto) sempre foram as entrevistas. Tenho um belo portfólio, modéstia à parte: escritores, políticos, atletas, cineastas.
    Em revista, mais do que em jornal, pode acontecer de o redator-chefe modificar um pouco seu texto, isso não é incomum. Mas o difícil de tolerar em Veja, para mim, além de eles mexerem no texto todo, eram as torcidas de raciocínio. Certa vez, fui convocada a colaborar em uma reportagem sobre educação e me pediram alguém para falar sobre cotas. Lembrei de um antigo colega da faculdade que era do movimento negro, liguei para ele e peguei uma frase favorável às cotas. Qual não foi a minha surpresa quando a autora do texto simplesmente transformou a frase dele em contrária às cotas! Fiquei furiosa e felizmente, neste caso, consegui reverter. Mas o pior estava por vir.
    Quando as discussões com minha chefe começaram a desandar em gritaria na redação, decidi que estava na hora de sair. Escrevi um e-mail para ela dizendo que preferia manter sua amizade e me demiti da revista. Ela aceitou, me pediu um mês para arranjar outra pessoa e saiu de férias. Neste meio tempo, me pediram uma matéria sobre as dívidas que Marta Suplicy deixaria a seu sucessor na prefeitura de São Paulo, que não eram mesmo coisa pequena. Mas no texto aconteceu algo pelo qual nunca passei em mais de 20 anos de carreira: foi incluída uma frase, entre aspas, que não apurei.
    Em 14 anos de Folha de S.Paulo, entre indas e vindas, como repórter fixa ou colaboradora, jamais modificaram um texto meu desta maneira. Em seis anos de CartaCapital, muito menos. Em nenhum lugar onde trabalhei aconteceu algo nem sequer parecido. Está lá a frase, no primeiro parágrafo da matéria: “Parece a madrasta de Cinderela”. Não sei quem disse isto. Eu não a ouvi de ninguém, mesmo porque não tenho ascendência italiana nem conheço ninguém em Roma. Quando minha chefe chegou de férias, me encontrou arrasada. Tenho certeza que, se ela estivesse ali, a frase não teria aparecido magicamente no texto. Detalhe: não me importaria de fazer uma reportagem crítica ao PT ou a quem quer que fosse, desde que eu a tivesse escrito –e que fosse verdade. Isso se chama profissionalismo.
    Felizmente, almas boas me ajudaram a sair da Veja logo depois das férias coletivas de final de ano, e em fevereiro eu começaria na revista VIP, onde já havia atuado como colunista, no ano anterior. Passei dois anos e meio na VIP, de onde não tenho nenhuma queixa, pelo contrário. Voltei a ter a coluna, fiz matérias engraçadas e algumas entrevistas bobas com bonitonas da capa, mas também com pessoas interessantíssimas, como o cineasta Hector Babenco, o jogador Zico e o produtor musical Nelson Motta, entre outras. (Com o tempo, postarei elas aqui, na seção vintage do blog.) Ironia: enquanto na Veja o que escrevia era trucidado, na VIP uma coluna minha concorreu ao prêmio Abril de 2006 como melhor texto do ano na categoria artigo.
    Uma tarde, na VIP, uma das advogadas da editora Abril entrou em contato comigo para me comunicar que Marta Suplicy estava processando a Veja por conta daquela reportagem, e me perguntou quem foi o “jornalista italiano” que me disse a frase. Perguntei se tinha conhecimento de que as matérias da Veja eram mexidas depois de escritas, e ela me disse que sim. Falei, então, que não fora eu quem apurara aquela história e não tinha falado com jornalista italiano algum. Nunca soube o resultado do processo.
    Se você me perguntar: mas isso acontece com todos os jornalistas que trabalham na Veja e eles aceitam, são coniventes com essa prática? Não sei, só posso falar por mim. Não sou o tipo de jornalista que coleciona inimigos. Coleciono amigos, essa é minha natureza. Tenho amigos em todos os lugares em que atuei como repórter, inclusive na Veja. Posso dizer que tem vários jornalistas excelentes na revista, por quem tenho apreço genuíno – minha querida amiga, por exemplo. Mas desprezo o veículo onde trabalham. Tenho razões de sobra para isso. Sinto consideração e carinho por todas as redações por onde passei. Respeito a editora Abril. Veja, não.
    E sabem o que é pior disso tudo? Nunca entrevistei Maradona.

    http://www.socialistamorena.com.br/por-que-entrei-na-veja-e-por-que-sai/#idc-container

  193. Chesterton said

    solcialista morena, texto enorme… é, não dá para ler…

  194. Pedro said

    Não existe partido que se diga de direita, porque a direita não ganha eleições.

    Já é bem velha,a máxima:

    O poder é igual a violino, se toma com a esquerda mas se toca com a direita.

    Vide, FHC e privatizações, PT e suas privatizações travestidas de concessões, terceirizações, etc.

  195. Edu said

    Boa Pedro.

  196. Pax said

    Uai, e o Reagan, Bush pai, o Bush “cagalhofante” baby?

    Se não forem de direita, quem há de ser?

    E em Israel, o Kadima (se diz de centro, mas é à direita), o Likud (se diz de centro-direita, mas …) e o Yisrael Beitenu (se diz de direita, mas é extremo mesmo)?

    Por favor! Não deixem nosso velho e infalível Chesterton órfão nos “alhures”.

  197. Otto said

    Me perdoem novamente, mas este texto do PML é de arrasar.

    Queria saber a opinião do Pax:

    Se você já viu pessoas preocupadas com o tamanho das penas do mensalão, é bom prestar atenção numa coisa.

    Tanto Dirceu como Genoíno já foram presos durante a ditadura militar. Eram considerados perigosíssimos por um regime que não respeitava as liberdades nem os direitos fundamentais.

    Nenhum cumpriu pena semelhante às que podem receber agora, nesta semana em que o STF volta a definir as penas dos réus do mensalão.

    Temos réus, como Marcos Valério, condenados a 40 anos. Um de seus sócios, Ramon Hollerbach, já chegou a 14 anos. Não sabemos até onde isso vai chegar.

    (Francamente: nem Suzana Richthofen, que matou o pai e a mãe e fugiu com o namorado para o motel pegou pena tão larga. Nem o Nardoni, condenado por jogar a filha da janela do sexto andar.)

    A maioria dos estudiosos calcula que as penas de José Dirceu podem chegar ao infinito. Ele foi condenado 9 vezes por corrução ativa. Se pegar a pena mínima 9 vezes, já são 18 anos. Dirceu também foi condenado por formação de quadrilha. No ambiente de quem condena mais que tem animado debates que poderiam ser mais sóbrios, é difícil imaginar até onde os ministros podem ir.

    Muitos observadores calculam que José Genoíno pode ser condenado a 12 anos.

    São penas duríssimas, como você já deve ter reparado. Estamos falando da privação de liberdade de pessoas contra as quais não há assim provas “robustas”, para empregar uma linguagem de quem é especialista. Estamos no mundo do plausível, do acredito, do só pode ser assim.

    Mas também estamos numa democracia, onde todos tem direito a uma defesa e merecem ser considerados inocentes até prova em contrário, não é mesmo?

    Não deixa de ser curioso reparar o que aconteceu com Dirceu e Genoíno, quando foram presos pelo regime militar.

    Acusado de integrar o “núcleo político” do mensalão, Genoíno tinha lá sua hierarquia em 1972, quando foi preso na guerrilha do Araguaia. Foi acusado de ser “coordenador e chefe do grupo de guerrilheiros” da região da Gameleira. Esperou três anos para ser julgado e, no fim, recebeu a pena máxima. Sabe quanto? Cinco anos.

    Na sentença, os juízes militares ainda tiveram o cuidado de explicar que uma pena tão elevada se devia à “periculosidade do criminoso e não do crime.” Contribuiu para a severidade da pena o fato de que Genoíno denunciou ter sido torturado na prisão.

    Considerou-se que isso ajudava a definir Genoíno como “fanático guerrilheiro e político perigosíssimo.”

    Depois de cumprir três anos de cadeia, Genoíno tentou transformar a pena restante em liberdade condicional. Não conseguiu e ficou preso até o último dia.

    José Dirceu foi preso no Congresso da UNE, em Ibiúna, e só recuperou a liberdade porque, no ano seguinte, foi incluído no grupo de presos políticos trocados pelo embaixador Charles Elbrick. Até então, já havia ficado um ano na prisão, sem julgamento.

    Não interessava a ditadura levar Dirceu para o banco dos réus. O plano era que ficasse ali, no puro arbítrio.

    O único crime de que poderia ser acusado era de tentar reorganizar “entidade extinta”, o que não era grande coisa pelos parâmetros da ditadura. Teve gente condenada por isso que pegou seis meses de prisão. Era tão pouco tempo, na época, que a maioria já tinha cumprido a pena antes do julgamento.

    A pena de banimento de Dirceu, anunciada depois que foi trocado pelo embaixador, durou nove anos.

    Metade da pena que poderá receber caso o STF aplique a pena mínima para as nove condenações por corrupção ativa – apenas.

    E é claro que, no STF, estamos assistindo a um julgamento político.

    Como os julgamentos da auditoria militar, num tempo em que o Supremo convivia subjugado com um tribunal que usurpava a mais nobre das funções de um juiz, que é fazer o justo sem ameaçar a liberdade.

    Não acho que a Justiça militar seja exemplo de coisa alguma para alguma coisa. Tolerava a tortura, fingia não enxergar execuções, agia com docilidade perante a ditadura. Julgava com provas sem valor legal, pois obtidas sob tortura.

    Mas é lamentável constatar que nem um regime que não tinha o menor compromisso com a democracia, considerando-se no direito de suspender as liberdades públicas para combater a “subversão e a corrupção,” aplicou penas tão duras. Uma ditadura, como sabemos, trabalha na lógica da presunção da culpa.

    E vamos combinar. De armas na mão, vivendo no meio de agricultores miseráveis do interior do Pará, não havia como negar que Genoíno estivesse envolvido na guerrilha.

    Dirceu era candidato a presidente da UNE, fora presidente da UEE. Sua prisão, em Ibiuna, foi um flagrante, digamos assim. A lei era arbitrária, pois proibia uma entidade legítima. Mas a prova existia, certo?

    E aí chegamos ao Supremo, em 2102. Temos penas máximas, contra provas mínimas.

    Nenhuma história contra José Dirceu fechou. Até agora estão investigando o Banco Central para ver se aparece alguma coisa a mais na atuação de Marcos Valério. Já se passaram sete anos…

    Contra José Genoíno, tem-se a dedução de que o pedido de empréstimo que assinou era fajuto. Mas o empréstimo estava lá, registrado, foi renovado, mais uma vez, e outra.

    Um ministro já comparou os envolvidos no mensalão com o Comando Vermelho e com o PCC. Outro, falou que eles queriam dar um golpe de Estado. Mais de uma vez, entre uma sentença e outra, ouviram-se ironias sobre o Partido dos Trabalhadores, e até insinuações que envolviam Dilma Rousseff.

    Que dosimetria, não?

    http://colunas.revistaepoca.globo.com/paulomoreiraleite/2012/11/05/a-dosimetria-da-ditadura-e-o-mensalao/

  198. Pax said

    Caro Otto,

    Só acho que temos uma legislação vigente. Se quisermos mudá-la, temos que reclamar no Congresso.

    O STF só tem que preservar o que a Constituição e as leis (como no CPP) dizem.

    O que dizem? Quais são as penas previstas para os crimes julgados?

  199. Pedro said

    Será que entendi errado?
    Pensei que estivessem falando de partidos políticos no Brasil.

  200. Pedro said

    Da série: Tens tempo hein?

    Otto, vc realmente lê tudo que posta?

  201. Pedro said

    Pax, sobre a presidencia do senado, acho que o Tutty acerta na veia.

    “Entre Edison Lobão e Renan Calheiros, os dois postulantes do PMDB à presidência do Senado, quem você escolheria para a vaga de José Sarney?

    Cá pra nós, vamos combinar que tanto faz, né não?”

  202. Pax said

    Direita no Brasil, bem, tem o DEM e o PP.

    Entre Lobão e Calheiros… dura escolha. Fico, também, com o Tutty.

  203. Chesterton said

    Num país onde o povo “descobre” o estado como mamãe, pode desistir, nunca mais vai deixar de votar naquele que promete mais. Os norte-americanos este ano atingiram o índice onde 50% das familias tem alguem que recebe alguma coisa do estado, comida, bolsa, auxilio isso, auxilio aquilo. Prevém que nunca mais um projeto político com programa econômico racional seré eleito.
    Vão virar o Brasil? AQcho que não, virarão a Argentina
    (pena que o link do Pax não permite que assista o programa Observatorio da Imprensa gerado no O Clarin)

  204. Chesterton said

    Radical este…

    Petrobras a Vaca Sagrada dos Socialistas de Todos os Partidos Brasileiros
    A Petrobras sempre foi a fortaleza da roubalheira generalizada do Brasil, não é `a toa que foi criada pelo grande fascista, corrupto, safado, ladrão sem vergonha Getúlio Vargas e foi o quartel general da bandidagem do regime militar [Geisel e sua gang até importaram um japonesinho para dar um ar de seriedade para a estatal]. Sob o lulo-petismo serviu de cabide de empregos para doentes mentais, baianos e bitches incomíveis, mas continuou sendo uma lucrativa vaca ordenhada pelo partido e seus cronies. O banditismo é tão grande que tentou dar um golpe até mesmo na receita federal mas, felizmente, se deu mal: A Petrobras anunciou nesta segunda-feira que a 29ª vara federal da Justiça do Rio de Janeiro proferiu decisão contra a empresa que pode implicar em perda de R$ 4,78 bilhões.Segundo comunicado da estatal, a instância judicial julgou improcedente recurso da empresa para anular débito cobrado pela Receita Federal relativo a Imposto de Renda de remessas de pagamento de afretamento de plataformas de empresas situadas em “países com tributação favorecida”.
    POSTED BY SELVA BRASILIS

    chest- ai, as ações do Elias….

  205. Chesterton said

    Ignoring the Unseen Consequences of the Dole

    by Jacob G. Hornberger

    Mocking Mitt Romney’s shifting positions on the auto bailout, the New York Times editorializes that the bailout turned out to be a huge success because “nearly 1.5 million people are working as a direct result of the bailout. G.M.’s American sales continue to increase, and Chrysler said this week that its third-quarter net income rose 80 percent.”

    We begin with the proposition that thievery can sometimes be tremendously successful for the thief. Let’s assume that a penniless robber robs a bank of $10 million dollars and isn’t caught. Obviously he’s now able to do things he couldn’t do before. He buys two new cars, thereby increasing employment in the car industry. He does the same in the home-construction business by purchasing a new mansion. He opens a successful business, hiring dozens of people. He donates money to the poor.

    Defenders of the theft can point to the robber and say, “Look at all the good that has come out of that robbery. Praise theft!”

    Do you see anything wrong with this picture?

    One thing involves moral principles. Theft is wrong in a moral sense, even if the thief benefits from the money and does nothing but good things with it. The money belongs to the owner. He’s entitled to it regardless of how he uses it. The thief has no moral right to take the money from the owner, even if the thief plans to do wonderful things with the money.

    That’s a moral blind spot that afflicts statists, at least when government enters the picture. For them, if it’s the government doing the stealing and redistributing, then it’s not immoral at all. Instead, for the statists, it is the epitome of goodness.

    Consider the auto bailout. Where did the money come from? Contrary to popular opinion, the federal government is not a fountain of wealth. It doesn’t produce anything. Instead, it is parasitic in nature. It gets its money by confiscating (taxing) wealth from the private sector.

    Thus, in order to give money to the auto companies, the government must first take it from people who are working in the private sector. In doing so, it is taking money from people to whom it belongs in order to give it to big corporations to whom it does not belong.

    For statists, that’s no problem. For them, the taking and redistribution reflect how good the politicians and bureaucrats are. If anyone objects, he’s labeled a bad, selfish, no-good type of person.

    Moral principles are one of the major dividing lines between libertarians and statists. Libertarians adhere consistently to moral principles, not just with respect to private conduct but also governmental conduct. For statists, moral principles go out the window when government is doing the stealing (or murdering, kidnapping, torturing, assassinating, etc.).

    But that’s not the only blind spot that statists have. They are also unable to recognize the unseen economic consequences of a government dole. Their mindsets are focused on what is seen rather than on what is unseen.

    The Times’ position on the auto bailout is a classic example of this phenomenon. The Times’ editorial board points to the auto companies and exclaims: Look at how well they’re doing with the money that the government has given to them; this shows that taking money from people to whom it belongs and giving it to people who need it more really does work.

    But what about the people from whom the bailout money was taken? What happened to them as a consequence of having that money taken from them? How many marginal firms went out of business because that much-needed money was taken from them? How many people were put out of work owing to the fact that people in the private sector weren’t allowed to spend and invest their money they way they wanted.

    Let’s assume, for example, that thousands of people planned to buy new television sets. Before they made the purchases, the government took their money from them and gave it to the auto companies. What happened to the television industry? It didn’t make the sales. It didn’t expand production. It didn’t hire new people.

    Since those things never happened, we don’t see them. Even the new people who were never hired in the television industry don’t know how the bailout affected their lives. But through reason, thought, and analysis, we can see that a government dole has unseen economic consequences by virtue of taking money from one group of people and transferring it to another group of people.

    There is another factor to consider. Think of the hundreds of millions of dollars that the auto companies have paid in income taxes for the last several decades to fund the welfare-warfare state. If all that money had not been extracted from the auto companies, they would have a nest egg of billions of dollars to draw upon. With all that money, they wouldn’t have needed a government bailout. The fact that the government has taken all that money from them to fund its welfare-warfare operations for the past several decades has left the auto companies (and everyone else in the private sector) significantly poorer than they would be had there been no welfare-warfare state and income tax to fund it.

    Finally, we mustn’t forget the mindset of dependency that the statists have inculcated in the American people with the welfare-state way of life. As soon as things go wrong, as they inevitably do from time to time, the first thing many Americans now do is call on the government to take someone else’s money and give it to them. Thus the welfare state not only violates moral principles, it also damages the traits of self-reliance and independence as well as spirit of benevolence that comes in a libertarian society.

    The Times concludes, “What Mr. Romney cannot admit is that all this is a direct result of the government investment he would have rejected.”

    Maybe that’s true. But what the New York Times cannot acknowledge are the horrible consequences that the welfare-state way of life has had on the American people, morally, economically, and spiritually.

  206. Elias said

    Absolutamente inacreditável!

    Eu consegui concordar com uma coisa que o Marcelo Augusto escreveu!!!!!!!!!!!!!

    Eu também não acredito em “renovação” dos partidos brasileiros, até porque o Brasil é um deserto de idéias. Os partidos apenas repercutem as idéias que a sociedade elocubra. Como a sociedade brasileira não consegue elocubrar porróida nenhuma de coisa nova, segue-se que os partidos brasileiros são essa merdolência que se vê…

    Daí porque tenho preferido me referir ao “rejuvenescimento dos quadros partidários” (“quadro” no sentido de “liderança”).

    Se disso aí surgir alguma coisa realmente nova (do que eu, pessoalmente, duvido…), é algo a se ver.

    Tomara que sim… Mas é bom ter em mente que quem comanda o espetáculo não são os partidos, mas a sociedade.

    Se os partidos são medíocres, é porque quem os concebeu, gestou e pariu também não é lá grande coisa…

  207. Chesterton said

    Em resumo, Elias, povinho de araque? Um povinho que não é capitalista e não apóia revolucionários marxistas…..(rs)

  208. Pax said

    O velho e bom Chesterton quer viver num mundo sem governo. Nem sabia que era anarquista.

    Cada besteira que você consegue ler, infalível Chesterton…

    Consider the auto bailout. Where did the money come from? Contrary to popular opinion, the federal government is not a fountain of wealth. It doesn’t produce anything. Instead, it is parasitic in nature. It gets its money by confiscating (taxing) wealth from the private sector.

    Humor canalha…

    São Paulo é 10. Quer dizer, neste noite passada foram 13.

    E aqui, juro, não estou politizando nada. Estou é preocupado. Antigamente achava muito ruim ver esses programas que só falam de violência. Baixaria total.

    O que aconteceu? Os telejornais estão tomados dessas notícias. Agora metade ou mais do tempo dos jornais são para violência. Caramba.

  209. Chesterton said

    Pax, pelo amor de Deus, não dê tanto vexame. O governo federal não é uma fonte de riqueza ( a não ser para certos dirigentes petistas).
    Quero governos…mínimos, com poder de síndico de prédio.

  210. Jose Mario HRP said

    Valério ía falar?
    O que?
    Até o Gurgel o rejeita!

  211. Pax said

    Não é fonte de riqueza. Bem, nem sempre é assim. Existem empresas estatais. Lembra?

    E quando não é fonte de riqueza é parasita, como diz o teu maravilhoso texto?

    É, realmente estou dando vexame. E você, velho e infalível Chesterton, nos ensinando. Ainda bem que você tem essa enorme paciência.

  212. Chesterton said

    Empresas estatais que dão prejuizo e tem que reccorrer ao caixa do tesouro, que existe por causa do dinheiro que os pagadores de impsotos colocam lá, cáspita!!!!!!!!

    Mas você ainda não saiu desse nível?

  213. Otto said

    Pax, acho que a presunção de inocência está na base de qualquer constituição…

    Daniel Dantas oferece um milhão de dólares pra um delegado da PF (e foi gravado) e nunca foi preso.

    Dirceu e Genoíno receberão sentenças mais duras do quando foram condenados na ditadura com base em simples indícios…

    Na dúvida, pau no réu. Isto é direito?

  214. Chesterton said

    Por quem chora Otto? Otto, o STF foi nomeado em 70% por Dilma e Lula, voc~e está querendo dizer que o governo Dilma tem tribunais de exceção?

  215. Pax said

    BB e CEF dão prejuízo? Não sabia.

    Só o velho Chesterton… imbatível.

  216. Pax said

    Caro Otto,

    Não fui eu quem julgou Genoino e Dirceu. Lembre-se disso.

    Mas também não me envolva nesta batalha para inocentá-los. Pode me dar este direito?

  217. Chesterton said

    BB sempre teve cobertura do Tesouro Nacional, até no governo FHC se tornar um banco comercial agressivo. E o BB tem acionistas privados . Sua lucratividade vai cair muito por inteferencia da Dilma que força a queda dos juros a pontos quasi-inflacionários.

    Pô, Pax, assim não dá.

    __________________________________

    Exclusivo – A facção criminosa que tem hegemonia no Estado de São Paulo contrata matadores de aluguel bem pagos, para cumprir a missão de assassinar policiais fora do horário de serviço. Os atiradores profissionais seriam ex-militares e snipers com experiência em forças especiais de países estrangeiros e prática de ações terroristas, principalmente do Oriente Médio e do Leste Europeu.

    Além dos ataques aos policiais, alguns dos atiradores são também especialistas em bombas e ações assimétricas de guerrilha urbana. São eles quem coordenam ataques incendiários a ônibus. Também aprimoram os brasileiros na tática de difusão de boatos, para provocar medo na população). O PCC também trabalha com parceiros recrutados das FARC – Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – cujos membros são exportadores de pasta de coca e cocaína para o narcovarejo no Brasil.

    O esquema de recrutamento de matadores de aluguel pelo Primeiro Comando da Capital é sigilosamente monitorado por empresas transnacionais de segurança que atuam em São Paulo e contam com especialistas em ações anti-terror. Os analistas avaliam que os atuais “sicários” do PCC são os mesmos usados nas 251 ações urbanas de terrorrismo, em maio de 2006, em São Paulo. Na ocasião, PMs, guardas municipais, famílias de policiais, seguranças privados e civis também foram alvos dos ataques e ameaças.

    A especialidade dos matadores é tiro certeiro de pistola de grosso calibre, com precisão milimétrica, a partir da garupa de motocicletas. Este é o sistema mais comum e “seguro” empregado nas quase cem mortes de policiais em São Paulo. Só este ano foram assassinados 100 policiais – uns 90 PMs, sendo que apenas 5 deles em serviço fardado. O Estado responde por 43% das mortes de policiais em 2012. No Brasil, temos hoje a macabra média de um policial assassinado a cada 32 horas.

    A Polícia de São Paulo é vítima de uma guerra assimétrica. A Secretaria de Segurança Pública nem pode cometer o desatino admitir o assunto publicamente. Mas investiga o esquema do PCC, que também é monitorado, em sigilo, pelas inteligências das Forças Armadas, da Polícia Federal e de empresas privadas de segurança e gerenciamento de risco.

    Até agora, nenhum matador de aluguel foi apanhado em flagrante – o que dificulta a comprovação da “tese de emprego assimétrico do terrorismo urbano”. Por isso, não se tem nem ideia precisa de quanto custa a “terceirização” de um assassino pela facção hegemônica do crime organizado em São Paulo.

    O que a polícia sabe – e não divulga – é que o PCC também possuiu ramificações em milícias que promovem “serviços de segurança” em áreas perifericas da capital e cidades do interior. Neste “negócio”, o PCC “concorre” com empresas privadas de segurança ou com policiais que prestam tais serviços legalmente, nos seus horários de folga. Outro problema: o Estado se limita a praticar ações táticas contra os criminosos – e não contra a organização criminosa.

    O curioso é que a ação do PCC hoje muito se assemelha ao modelo de guerrilha urbana para implantação do comunismo que o Exército brasileiro conseguiu derrotar na década de 70. Além do tráfico de drogas e dos “serviços ilegais de segurança”, o PCC usa os recursos obtidos em assaltos e sequestros para financiar suas operações – tal qual a “luta armada” do passado, cujos membros da cúpula, muitas vezes, embolsavam a grana “expropriada dos burgueses e imperialistas”.

    A diferença agora é que, com o dinheiro arrecadado, o PCC presta serviços de assistência social aos seus filiados. A facção tem “planos” de assistência médica, dentária e funeral para seus membros e familiares deles. Boa parte do dinheiro também é investida em assessoria jurídica e em “bolsas de estudo” para formar estudantes de Direito. O PCC também promove melhorias nas condições de sobrevivência de seus filiados que se encontram nos presídios.

    Em suma, estruturado profissionalmente, o PCC tem chances de sustentar um movimento político-ideológico, inclusive financiando, ocultamente, candidaturas de vereadores, deputados e prefeitos. Para fugir do estigma de organização criminosa, o PCC adota o apelido de “partido”, cujo lema é “Paz, Justiça e Liberdade”. Seu líder mais famoso é Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, condenado a 44 anos de prisão por assalto a banco.

    O PCC usa a simbologia chinesa do ying-yang como bandeira. Também adota os números 15.3.3 como senha de identificação e tradução para as letras P, C e C. Com cerca de 130 mil “irmãos integrados” (terminologia que adotam entre si), o “partido” usa tatuagens específicas para qualificar seus membros. A facção tem até hino veiculado no YouTube, desde 4 de junho de 2010. Vide o link: http://www.youtube.com/watch?v=T3VAWPyXBdc

    “É só cena de terror, aqui não tem perdão. Paz, Justiça e Liberdade é o lema do ladrão”… (Serrão)

  218. Chesterton said

    CELG, estatal de energia de Goiás, à qual o BNDES decidiu repassar R$ 3,7 bilhões. A Caixa Econômica Federal também aprovou um empréstimo à empresa. o que informa Elida Oliveira, na Folha Online.
    *
    O Ministério Público Federal em Goiás quer suspender o repasse de R$ 3,7 bilhões do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) para a Celg, estatal de transmissão de energia elétrica. O valor é quase cinco vezes superior ao da empresa goiana, avaliada em R$ 800 milhões. A ação foi proposta na última terça-feira. O procurador da República Cláudio Drewes também encaminhou ao BNDES e à Caixa Econômica Federal (que fará a transferência do recurso) uma recomendação para que o dinheiro não seja repassado até que a Justiça julgue o caso.

    chest- vamos colecionar casos.

  219. Chesterton said

    Outra boca inquieta Lula e os mensaleiros, além de Marcos Valério: a do doleiro Toninho da Barcelona. Sabe tudo sobre a corretora Bônus Banval, a Havaí Turismo, o Banco Rural e a offshore Trade Link Bank.

    chest- vazou o que disse semana passada. 100 bi. Motivo para deixar até o Elias revoltado.

  220. Elias said

    “BB sempre teve cobertura do Tesouro Nacional, até no governo FHC se tornar um banco comercial agressivo. E o BB tem acionistas privados . Sua lucratividade vai cair muito por inteferencia da Dilma que força a queda dos juros a pontos quasi-inflacionários.” (Chesterton, claro…)

    PUTZ!

  221. Elias said

    I – 2011
    GLOBO ECONOMIA

    O Banco do Brasil anunciou nesta terça-feira (14) ter registrado lucro líquido recorde de R$ 12,1 bilhões em 2011, crescimento de 3,6% em relação a 2010. O desempenho corresponde a retorno anualizado sobre o patrimônio líquido (RSPL) de 22,4%. O resultado recorrente alcançou R$ 11,8 bilhões, evolução de 10,2% sobre o ano anterior.

    II – 2012
    UOL ECONOMIA

    O Banco do Brasil anunciou nesta quinta-feira (3) que teve lucro líquido recorde de R$ 9,2 bilhões de janeiro a setembro deste ano, resultado 18,9% maior que o obtido no mesmo período do ano passado.

    Com isso, obteve o terceiro maior lucro para o período na história dos bancos brasileiros de capital aberto, segundo levantamento da consultoria Economática. À frente do BB, aparece apenas o Itaú Unibanco, com os resultados obtidos em 2010 e 2011 (nota minha: R$ 9,4 bilhões e R$ 10,9 bilhões, respectivamente).

    É… O Chesterton tem razão, como sempre. A Dilma está ferrando com o Banco do Brasil. Depois de um resultado como esse até o 3º Tri de 2012, a conclusão, óbvia e inevitável, só pode ser essa do Chesterton: A LUCRATIVIDADE DO BANCO DO BRASIL VAI CAIR, PESSOAL!

    Brigadim Chesterton, pelo aviso. Como já te disse aqui, desde o meu primeiro emprego (na era trizozóicalafobética anterior…), que venho aplicando minhas merrequinhas em ações do BB (e da Petrossauro também).

    O que tu recomendarias? Migrar pras elétricas, talvez?

    Em tempo: o RSPL é o resultado que mais interessa a quem tem ações de qualquer empresa.

  222. Michelle 2 said

    1. vamos entender o comentário 221

    “Com isso, obteve o terceiro maior lucro para o período na história dos bancos brasileiros de capital aberto, segundo levantamento da consultoria Economática. À frente do BB, aparece apenas o Itaú Unibanco, com os resultados obtidos em 2010 e 2011 (nota minha: R$ 9,4 bilhões e R$ 10,9 bilhões, respectivamente).”

    Resultado: vou comprar ações do Itau-Unibanco…o BB é menos eficiente.É estatal.

    2.O país da piada pronta

    Juízes e desembargadores federais fazem paralisação nesta semana

    Carolina Brígido, O Globo

    Juízes e desembargadores federais e do trabalho planejam uma paralisação para quarta e quinta-feira em todo o Brasil. O protesto é pelo reajuste salarial em 28,86%. Segundo a categoria, desde 2005, o subsídio dos magistrados federais foi corrigido apenas uma vez.

    O percentual reivindicado seriam as perdas inflacionárias do período. Os profissionais também querem garantir gratificações e condições de trabalho nas mesmas condições da magistratura estadual e do Ministério Público. Nos dois dias, os juízes vão aos fóruns, mas não vão despachar, nem realizar audiência. A exceção é para casos de urgência, como pedidos de liberdade para réus presos.

    A viúva pagará a chantagem, ninguém tem dúvida.

  223. Jose Mario HRP said

    PÔ Chest!
    Toninho Barcelona?
    Requentado é pouco!
    07 anos e nada!
    Fala Valério fala!
    Fala sério!

  224. Jose Mario HRP said

    “Michelle 2 disse

    04/11/2012 às 17:43
    O PT não consegue enterrar seus cadáveres.”

    Ou será isso:
    Para a oposição só restam cadáveres!
    Do Serra, do Covas, do Sergio Mota, do Itamar, do Montoro, do Perillo, do Azeredo, etc etc e DEM/PEFELE (esse em avançadíssimo estado de putrefação!).
    Por onde anda o morto vivo número um?
    Marco Maciel?

  225. Olá!

    Vamos aos questionamentos, esclarecimentos e afins.

    Pax,

    “Você, insistentemente, tem provocado a turma chamando a galera petista de ‘viúvas dos mensaleiros’. Daí a pior.”

    Não acho que seja uma provocação. É a constatação de um fato. Só isso.

    É totalmente ridículo o que os esquerdo-petistas estão fazendo, parece que essa gente não tem um pingo de amor-próprio e gastam uma quantidade preciosa de energias para defender notórios bandidos, gente condenada por crimes singelos, tais como formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro. Agindo assim, os esquerdo-petistas ficam parecendo as esposas daqueles traficantes perigosos quando percebem que o marido delas vai ser encarcerado e, por causa disso, entram no mais profundo desespero, agem com histeria e etc. Parecem aquelas viúvas inconformadas.

    Dá só uma olhada na postagem frenética de alguns aqui. É uma gente que vai buscar nos cafundós da Internet textos obscuros para defender o indefensável e fazem o maior malabarismo mental para racionalizar/justificar atos que a justiça já condenou. Não sei o que essa gente ganha com isso, até mesmo desconfio que sejam pessoas pagas pelo PT para fazer esse tipo de coisa, pois acho difícil alguém jogar na lata de lixo a própria auto-estima e o amor-próprio por causa de ladrões.

    É, ao mesmo tempo, triste e asqueroso o que essa gente faz, pois elas estão choramingando a condenação de bandidos, de ladrões. Quando o Fernandinho Beira-Mar, o Marcola e demais delinquentes perigosos foram presos, não houve manifestações de ninguém na sociedade para reclamar do encarceramento deles, não houve pessoas em blogs e sites postando freneticamente textos que buscam deslegitimar as decisões dos órgãos de justiça democraticamente estabelecidos. Por quais razões isso apenas acontece quando os bandidos em questão são petistas?

    Acho que, nesse ponto em particular, vale a pena resgatar o que o Vilarnovo certa vez afirmou sobre a defesa apaixonada e fanática que a militância petista faz dos seus bandidos: É como se essa militância dissesse “É ladrão, sim!! Ele roubou mesmo!! E daí?!? É ladrão, mas é o MEU ladrão!!”

    Isso é asqueroso, Pax.

    “Mas nestes teus comentários acima, ou chororô, parece de criança que não conhece o pai [. . .].”

    Isso é baseado na velha fábula do filho da prostituta que jamais saberá quem é o pai. Pax?

    Não é chororô. É uma constatação. O PT ganhou as eleições em São Paulo com o Haddad. A vitória dele foi legítima, foi democrática e etc. No entanto, ele não trouxe nenhuma novidade em termos de idéias.

    “[I]nexistência de um partido que represente o teu ideal liberal [. . .].”

    A inexistência de um partido liberal no Brasil não ocorre por acaso. O Brasil é um país que nunca pôde experimentar e nem mesmo absorver valores liberais, Pax. Isso, de certa maneira, explica uma parte considerável do atraso e pobreza do Brasil.

    “[C]hega muito perto dos lamúrios das viúvas do poder [. . .].”

    E quem seriam elas, Pax? Qual foi a grande ruptura nas estruturas de poder que o PT trouxe na última década?

    Bem mais do que ruptura nessas estruturas, o que o PT fez realmente foi se instalar e se acomodar nelas. Hoje, alguns petistas estão entre as pessoas mais ricas e poderosas do país.

    “Afinal, diga-nos, você torce para algum partido ou reclama por reclamar?”

    Onde houve reclamações, Pax?

    Não, não torço para nenhum partido político, pois nenhum partido conseguiu, realmente, trazer rupturas que atingissem profundamente as estruturas da sociedade. O PT, até um tempo atrás, se mostrava com essa proposta e foi completamente absorvido pela cultura de corrupção. Bom, o resto é história.

    Considero que as mudanças mais importantes do Brasil virão por pressão da sociedade.

    “É que, em se falando de chororô, parece eco dos tais ‘ditos’ jornalistas, disfarçados cabos eleitorais, que a gente conhece bem.”

    Não sei de quem você está falando, Pax. Dê um exemplo.

    Até!

    Marcelo

  226. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Viúvas do poder = partidos que perderam o governo. Quer que desenhe?

    Você diz:

    O Brasil é um país que nunca pôde experimentar e nem mesmo absorver valores liberais, Pax. Isso, de certa maneira, explica uma parte considerável do atraso e pobreza do Brasil.

    Como assim? No fundo você tangenciou e não respondeu a pergunta: tem algum partido que você torça por ele?

    Não conhece jornalista cabo eleitoral? Tem pra todo lado…

    Mas você nos lembrou do Vilarnovo. É verdade. Por onde será que anda? Faz falta por aqui.

  227. Zbigniew said

    Sobre a questão do vácuo no poder. O STF é Corte Constitucional, órgão com conotação eminentemente política e só o PT não percebeu isto? Acham que um possível clamor das ruas (ou dar urnas) será suficiente para equilibrar um jogo de forças políticas? Não acreditam que aos primeiros sinais de desequilíbrio econômico as alianças se rompem com facilidade e os ratos abandonam o navio antes do primeiro piscar de olhos?

    “(…)
    O que está ocorrendo, agora, é o seguinte:

    1. Um relator, presidente eleito do STF, que tentou envolver a própria presidente da República, com menção a uma declaração dela totalmente fora do contexto.
    2. O decano do STF, comparando o partido do governo ao PCC.
    3. Um Ministro, Luiz Fux, que, para ser indicado Ministro, prometia até o que não devia: abafar o “mensalão” (“esse eu mato no peito”, era a frase dele, repetida com galhofa pelos colegas de Brasília). No julgamento, condenou até réus que foram absolvidos por um relator implacável.
    4. Um presidente de Supremo capaz de exibir uma ignorância política inadmissível, de condenação da própria política, ao definir como práticas ditatoriais a formação de coalizões e a busca da vitória nas eleições.
    5. Um procedimento de julgamento em bloco (no caso do mensalão petista) que não foi obedecido no caso do mensalão mineiro. E que atropelou toda sistemática de julgamento utilizada até então pelo Supremo.
    ***

    Agora, uma revista semanal permite-se acusar – sem provas – um ex-presidente da República de compactuar com um assassinato. E tem-se a nova doutrina do Supremo de que bastam indícios para se condenar.”

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/os-problemas-entre-o-executivo-e-o-supremo

    Pergunta-se: é ou não é um julgamento politico?

  228. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Nesta teoria 11 ministros (incluindo aqui o aposentado Cezar Peluso) se reuniram e decidiram: vamos detonar o PT.

    É isso que se quer colocar em pauta, que discutamos uma conspiração?

    Com todo respeito, me incluam fora dessa.

  229. Olá!

    Pax,

    “Como assim? No fundo você tangenciou e não respondeu a pergunta: tem algum partido que você torça por ele?

    Não, Pax, não torço por nenhum partido político.

    “Não conhece jornalista cabo eleitoral? Tem pra todo lado…”

    Não, não conheço. Você poderia citar alguns?

    Até!

    Marcelo

  230. Pax said

    Não vou citar, caro Marcelo Augusto. Se você não conhece, ok. Procure que talvez você ache. Tanto ao governo quanto à oposição.

  231. Elias said

    E vamos entender o comentário 222:

    *******************************************
    “Com isso, obteve o terceiro maior lucro para o período na história dos bancos brasileiros de capital aberto, segundo levantamento da consultoria Economática. À frente do BB, aparece apenas o Itaú Unibanco, com os resultados obtidos em 2010 e 2011 (nota minha: R$ 9,4 bilhões e R$ 10,9 bilhões, respectivamente).”

    Resultado: vou comprar ações do Itau-Unibanco…o BB é menos eficiente.É estatal.
    *******************************************

    Seria uma boa, antes de olhar o RSPL. Pra quem compra ações, não basta olhar o tamanho do lucro líquido. Tem que ver em que proporção ele remunera o capital próprio.

    É a diferença entre LUCRATIVIDADE e RENTABILIDADE…

    Pra quem tem ações de uma empresa, a torcida é pela rentabilidade, né? O que interessa é quem distribui mais lucros para cada R$ 1,00 de ação.

    Sendo assim, e feita a devida comparação, eu continuo preferindo o BB…

  232. Chesterton said

    Após um belíssimo desempenho das ações do Banco do Brasil nos últimos 2 meses, a mãozinha do Governo ajuda a sacanear os papéis.

    Segue a razão da queda:

    Em nova ‘cruzada’, governo decide cortar tarifas do BB
    ü O Banco do Brasil (BB) anuncia hoje a redução de um grupo de sete tarifas cujos valores foram reajustados no início do ano.
    ü O corte atende a uma decisão do Ministério da Fazenda, que pretende forçar os bancos privados, a partir do exemplo do BB, a também diminuir suas tarifas.
    ü A medida dá início a uma nova cruzada do governo para forçar a redução dos custos financeiros.
    ü Em reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, dirigentes do BB alegaram que não corrigiam suas tarifas desde 2008.
    ü O banco explicou que os reajustes, em alguns casos, não chegaram a repor a inflação do período.
    ü Mantega argumentou, por sua vez, que este não é o melhor momento para elevar tarifas.
    ü O governo desconfia que os bancos aumentaram suas tarifas depois que foram obrigados a reduzir os spreads bancários.
    ü Mesmo reconhecendo que o BB não fez isso – as tarifas foram aumentadas em janeiro, antes do início da queda dos spreads -, o Ministério da Fazenda acredita que o movimento do BB obrigará os bancos privados a seguir o mesmo caminho, uma vez que o banco estatal passará a oferecer vantagens, em termos de custos, para seus clientes.

    Fonte: Rico

    chest- Elias, como vão suas ações da Petrobras? Avisa quando venderes pois será hora de comprar.

  233. Zbigniew said

    Pax,

    não é conspiração. É na realidade um fato político. Um fato político grave tendo em vista a atuação dos ministros daquele Corte.
    Vamos falar francamente.

    O PT (aqui considerado na sua vertente de poder, de exercício do governo federal) descuidou das indicações ao STF e à PGR. Acredite: em nenhum lugar do mundo você indica ministro ou procurador pra morder teu calcanhar. Isto é primário em política. E não estou falando nem de não se apurar. Estou falando de indicações que criam jurisprudência nova nas tuas costas, principalmente esta, que não leva em conta provas.
    E olhe que o referido partido não está se esquivando de que se condene aqueles contra quem existam provas cabais. Sejam ou não da agremiação.

    Observe como o PSDB atuou na época de FHC. Lembremos de Geraldo Brindeiro e Gilmar Mendes. E em SP? Verifique as indicações dos Procuradores do Estado e dos Desembargadores do TJ local. Aliás, não só em SP, verifique isso em qualquer unidade da federação. É muito difícil a relação politica entre poderes sofrer um abalo como este, pela criação pelo STF de uma jurisprudência indubitavelmente feita sobre medida para alcançar o núcleo político do partido do poder. Nenhum governador vai, com a lista tríplice nas mãos, indicar quem quer que seja só porque é negro ou mulher. Ele vai questionar os assessores, vai ligar pros representantes das correntes políticas que se sucedem nos bastidores de um tribunal ou da Procuradoria; vai conversar com seus pares mais importantes e confiáveis, do seu partido e dos partidos da aliança, e daí tomar sua decisão. Aliás, antes mesmo de um nome chegar nesta tais listas já existe um filtro. É estranho, mas é do jogo. E acredite, do jogo democrático. É assim que o poder “de facto” atua nos regimes democráticos. Em outros regimes as indicações são diretas e não se cogita de qualquer tipo de escolha pelas categorias. Se concordo com isso? Pra mim tinha que ser tudo eleito pelo voto popular. Mas aqui não é, paciência.
    Isto é fato e não conspiração.

    Confesso que tenho extrema dificuldade de entender como isto aconteceu. Sinceramente custo a acreditar que tenha sido um mero erro de cálculo ou simples inocência do Lula. Realmente deste ponto em diante não consigo fazer uma leitura clara dos acontecimentos. Só posso debitar isto a algum erro de estratégia (do PT) ou acerto (de algum elemento da aliança que quer mais força no jogo). Relamente não sei, talvez esteja viajando. Bom, mas isso fica pra uma avaliação posterior e mais acurada.

    No mais, caro Pax, não censuro o teu entendimento sobre o fato. Parte do princípio de que todo castigo pra corrupto é pouco. Compartilho deste sentimento, principalmente quando nossa cara banda larga não funciona, nossos carros ou meios de transporte quebram ou se deterioram em nossas estradas porcamente mantidas ou remendadas, enquanto um burocrata de quinta se refestela com o dinheiro de nossos impostos, pagos com o suor do nosso rosto. Quando se morre na fila de espera do SUS ou se tem uma educação de péssima qualidade onde até desvio de merendas pode ser constatado.

    Mas também não se pode descartar o risco da nossa ira, quando se admite o justiçamento a qualquer custo, momento em que julgamentos são facilmente manipuláveis ao sabor dos subjetivismos o que traz o direito para muito mais próximo de um linchamento do que mesmo de um sentimento de justiça. E quando o exercício de poder está em jogo, esta combinação torna-se muito mais perigosa porque os princípios do direito são adotados para, justamente, evitar que tais subjetivismos sejam preponderantes e tornem o nosso sistema inseguro. A quantas anda o mensalão do PSDB?

  234. Pax said

    Dois momentos, para provocar nossas impressões:

    MOMENTO 1

    Para Fiesp, uso em educação elevaria PIB

    http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/11/6/para-fiesp-uso-em-educacao-elevaria-pib

    MOMENTO 2

    À luta pela regulação, reforma política e fim da farsa do mensalão

    blog do Zé Dirceu.

    E falam em chamar o povo às ruas etc.

    Me lembrei do lance que o Collor pediu para todos saírem de camisas brancas e a galera vestiu luto.

    Se entrarem nessa, a fundo, vou procurar um partido para votar em 2014 já excluindo um. Desde já.

    Simples assim. Ponto final.

  235. Olá!

    Pax,

    “Não vou citar [. . .].”

    Ué!? Se não vai citar, para que trazer o assunto, Pax?

    Até!

    Marcelo

  236. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Peguemos a sua premissa:

    O PT (aqui considerado na sua vertente de poder, de exercício do governo federal) descuidou das indicações ao STF e à PGR. Acredite: em nenhum lugar do mundo você indica ministro ou procurador pra morder teu calcanhar. Isto é primário em política. E não estou falando nem de não se apurar. Estou falando de indicações que criam jurisprudência nova nas tuas costas, principalmente esta, que não leva em conta provas.
    E olhe que o referido partido não está se esquivando de que se condene aqueles contra quem existam provas cabais. Sejam ou não da agremiação.

    Me permito achar que é premissa errada.

    1 – porque indicação para STF e PGR não deve ser para “amaciar”. Deve ser, sim e exclusivamente, para defender a Constituição e as outras leis, nestes casos de fórum privilegiado. De novo, me perdoe pois você sabe que não entendo nada disso. Mas acho que é por aí e ponto final. Qualquer desvio deste pensamento me parece muito ruim.

    2 – vocês insistem que os condenados Genoino e Dirceu foram perseguidos, que somente indícios foram trazidos etc etc.

    E eu me lembro do Marcos Valério pegando sua pastinha em direção ao aeroporto internacional, negociando “este meu link” e depois agendando reunião com ministros, no Palácio do Planalto. Afora mais umas trezentas dessas, assinaturas em contratos fajutos de um lado, reuniões e mais reuniões com diretoria do Banco Rural etc etc. Forma-se o tal mosaico. E, segundo entendi, há jurisprudência que justifique condenar quando se tem este quadro todo à frente, que tira qualquer dúvida razoável.

    Não, caro Zbigniew, sem premisssa muito forte, não sigo nesta discussão. Sinto muito e peço todas as vênias imagináveis.

  237. Elias said

    Pax,

    A meu pensar, não se trata de rifar os ministros do STF.

    Trata-se de reconhecer o óbvio: eles amarelaram; ficaram com medo da opinião pública. E foi isso que definiu a conduta deles.

    Pelo que sei, tu és leitor da “Piauí”. Então deves ter lido, há alguns meses atrás, uma entrevista com um advogado (ou ex-advogado, sei lá…) do Zé Dirceu, cantando essa pedra.

    Claro que a condenação de corruptos é uma boa. Não muda o país, mas abre o precedente para que outros corruptos tenham o mesmo destino.

    Se e quando isso acontecer — o que eu, Elias, duvido muito! — aí sim, o país terá começado a mudar.

    Mas o fato do advogado (ou ex-advogado) do Dirceu ter cantado a pedra do STF com meses de antecedência; ter antecipado que um Tribunal Superior iria amarelar; ter antecipado que ele faria algumas condenações, mesmo não dispondo de provas no processo, dá a medida da fragilidade desse Tribunal Superior.

    O STF estava desgastado, e escolheu o caminho mais fácil pra dar um polimento à sua imagem.

    Só que, ao fazer isso, se meteu numa sinuca de bico, porque: (a) abriu o precedente de condenar sem provas; (b) abriu, em relação a ele, uma expectativa que ele não tem a menor condição de satisfazer.

    Resultado: corre o risco de se desmoralizar, em menos de um ano.

    Quem apostar no STF como fator de moralização do país, quase que certamente vai acabar com papel micado. Igualzinho a quem apostou na Marina como alguém que redefiniria o PV, passando a ser — ela e o PV — uma alternativa de poder ao PT e ao PSDB.

    Em 2010, eu te disse várias vezes que, passada a especulação político-eleitoral com o aborto e a homofobia — e por causa disso mesmo! — Maria só encolheria, encolheria, encolheria… Lembra? Pois é, né? Nem com o real auxílio escancarado da família real inglesa a Marina consegue tirar o pé do poleiro de pato… (não sei quem disse a ela que dá jogo aceitar ajuda política daquela família problemática…).

    Pois o STF está para 2012 assim como a Marina e o PV estiveram para 2010…

    Pax, em verdade te digo: antes que cantes aquela cançãozinha do David Nasser, em homenagem ao falecimento do ano da graça de 2013, verás o STF em condição de descrédito maior que aquela em que ele se encontrava antes de subir na balsa do mensalão.

    O Joaquim Barbosa provavelmente dará uma enorme ajuda nisso, porque parece que ele tende à autodestruição. É como se ele não conseguisse — ou nem tentasse — evitar…

    Mais ou menos sei, desde já, o que a Veja dirá dele, num futuro não muito distante… Porque maior fora o abuso com que o abusara, do que o amor com que o amara…

    Juiz e holofote são coisas que não combinam…

  238. Elias said

    Chest,

    As ações do Petrossauro vão bem pra caramba!

    Há poucos dias, aliás, o Petrô anunciou que já reverteu o prejó do início do ano. Em junho ela concluiu o pagamento da antecipação do lucro de 2012 (poucas empresas pagaram antecipações neste ano).

    Vais comprar ações do Petrossauro agora? Justamente agora, quando elas estão em alta?

    Ruim…! Deverias ter comprado no início do ano, quando ela anmunciou o pagamento da antecipação (talvez exatamente pra reverter uma tendência despencante…).

    Pelo que li recentemente, quem despencou firme em NY foram as ações das elétricas brasileiras. Parece que não deu certo aquele lance com tarifas especiais para grandes clientes… Não sei exatamente como foi o negócio; só sei que as ações despencaram.

    De qualquer modo, Chester, não vivo comprando e vendendo ações. Infelizmente, não tenho grana pra viver fazendo isso. Quem me dera…!

    Pra mim, ações são como uma caderneta de poupança. É o meu “debaixo do colchão” de que tu falaste um tempo atrás…

    Por isso, e lembrando as ensinanças dos velhos e bons Décio Bazin e Maurício Cibulares, compro ações (aos pouquinhos, devagar e sempre… até porque a grana disponível não permite mais do que isso…), como a dona de casa compra tomates na feira.

    Até aqui — e lá se vão mais de 35 anos — não tenho do que me queixar.

  239. Elias said

    E, Chest,

    A tua fonte, o “Rico”… É pobre!

  240. Pax said

    Caro Elias,

    1 – (a) abriu o precedente de condenar sem provas;

    Não foi isso que vi, ou vimos duas versões diferentes do filme todo deste julgamento. Há um somatório de muitas provas. Um mosaico inteiro de provas.

    2 – (b) abriu, em relação a ele, uma expectativa que ele não tem a menor condição de satisfazer.

    Não coloco nenhuma expectativa no STF à além de que ele defenda a Constituição e julgue os réus com privilégio de fórum com rigor.

    3 – Juiz e holofote são coisas que não combinam…

    Concordo.

    Você me lembra do caso Marina. Tinha razão, já dei o braço a torcer. Será que daqui um ano vou fazer o mesmo com relação a esse caso? Sei lá, pode ser, mas não vou mudar de opinião porque um dia errei. Posso errar de novo.

    Só que neste caso acho um tremendo erro que queiram chamar o povo às ruas para “acabar com a farsa do mensalão” e “regulamentar a mídia” como se essa segunda grande bandeira não trouxesse em si o desejo implícito de revanche contra a mídia neste caso em específico.

    Não é a mídia que faz minha cabeça aqui. Em nenhum momento coloquei Joaquim Barbosa na condição de herói como muita gente fez e faz. Nem, de outro lado, coloquei Lewandowski na condição de comparsa. Nem acho que estas posições, tanto à Terra quanto ao Mar, fazem bem algum.

    E não foi a mídia que chamou o Marcos Valério para “ajudar” o Delúbio Soares a pagar as contas do PT. Foi?

    Nem muito menos me convenço que Delúbio agiu sozinho.

    De novo: o mosaico está muito bem provado. Chego a dizer que há abundância de provas, diversas extremamente concretas.

    Queriam o quê? Que passassem recibo de compra de deputado canalha?

    Caramba.

  241. Zbigniew said

    Caro Pax,

    Como disse, respeito seu posicionamento em relação ao caso, embora não concorde.

    Permita-me apenas acrescentar que a premissa é correta. É assim que funciona embora possamos contestar os valores éticos e morais por trás deste sistema. Também aqui não se trata de amaciar (embora isto seja a regra). Na realidade é não criar jurisprudências como essa. Por isso a ressalva final do texto que você destacou.

    Perceba o embasamento da condenação: reuniões, reuniões, encontros com Marcos Valério, viagem ao exterior, etc. Sim, e aí, onde está o pedido ou o oferecimento de dinheiro, as provas testemunhal e documental de que se recebeu valores para se votar a favor do governo, e a ligação com Dirceu e Genoíno?

    Permita-me encontrar aqui a imprecisão, a fragilidade dos argumentos jurídicos, que se apóia numa teoria que, até para este caso se revela extremamente limitada.

    É neste ponto, caro Pax, que entra o fator político. É neste ponto que as leis e os princípios que as norteiam são trocados pelo subjetivismo dos ministros, influenciados pelo conservadorismo típico da Corte, e pelos holofotes da mídia.

    E então é conveniente repetir o questionamento ao STF: há quantas anda o mensalão do PSDB?

  242. Pax said

    Aqui tem um ponto, caro Zbigniew:

    A quantas anda o mensalão tucano?

    Se… deixarem prescrever este crime (segundo a PGR), ou julgarem com tacape diferente, aí podemos inferir que esta tal “jurisprudência” é política.

    Até lá: (a) melhor aguardar os fatos que inferir sobre hipóteses e (b) cobrar que o pau bata em Francisco como bateu em Chico.

    Caso contrário podem me chamar que entro nas fileiras.

    Até lá afirmo desde já, ou reafirmo: se chamarem para ir às ruas defender sei lá quem deste caso, vou sim … para o botequim tomar uma brejas e ver o barco afundar de vez.

    O chato? É que com essas ações transloucadas, intempestivas e tempestivas acabarão prejudicando Dilma.

    (intempestivas – porque é muito fora de hora colocar qualquer assunto de regulamentação de mídia neste exato momento. Já discutimos aqui que há pontos a serem regulamentados, sim, mas agora? pelo PT? Pra mim parece burrice total)

    (tempestivas – porque vem de raios, trovões, relãmpagos… em outras palavras, ganhar no grito).

  243. Zbigniew said

    E aqui, saiu há pouco no Nassif, uma informação do próprio advogado do Marcos Valério endereçada ao blogueiro.

    “(…)
    Quanto ao chamado “mensalão mineiro”, o andamento do caso está em fase bem mais adiantada do que se imagina. A etapa das investigações já foi concluída e nela Marcos Valério forneceu todas as informações , inclusive os nomes dos políticos ligados ao PSDB (deputados e ex-deputados) que receberam, em contas bancárias pessoais, recursos financeiros para custear as despesas do segundo turno da tentativa de reeleição do então Governador Eduardo Azeredo, em 1998, tendo entregue as cópias dos depósitos bancários realizados.

    É importante saber que o ex-Procurador Geral da República, Dr. Antônio Fernando, ao oferecer denúncia no caso chamado de “mensalão mineiro” contra Eduardo Azeredo (hoje deputado federal), Clésio Andrade (hoje Senador) e outras quatorze pessoas, deixou de propor ação penal contra os deputados e ex-deputados que receberam os valores, porque entendeu, expressamente, que o fato seria apenas crime eleitoral (artigo 350 do Código Eleitoral – “caixa dois de campanha”), que já estava prescrito. Este entendimento não foi adotado no oferecimento da denúncia e no julgamento da AP 470.

    Sobre o “mensalão mineiro”, atualmente, correm três ações penais distintas. Duas no STF, uma contra Eduardo Azeredo e outra contra Clésio Andrade. A terceira, na qual é acusado Marcos Valério, tramita perante a 9ª Vara Criminal da Comarca de Belo Horizonte (Justiça Estadual), contra todos os demais denunciados que não tem foro por prerrogativa de função, pois neste caso o STF deferiu o pedido de desmembramento do processo, o que não ocorreu na AP 470. Aquela última ação penal encontra-se na etapa adiantada destinada a inquirição de testemunhas de defesa. Nela meu único cliente é Marcos Valério. Não atuo na defesa de qualquer outro acusado em nenhuma destas ações.

    Atenciosamente,

    Marcelo Leonardo”

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/leonardo-pgr-aceitou-tese-de-caixa-2-no-mensalao-mineiro

    Ao que parece o Ministério Público, para o caso do mensalão mineiro, aceitou a tese do caixa 2. Será que o STF vai por este mesmo caminho?

  244. Edu said

    Discutir compra de ações de estatais com o Elias é um mau negócio.

    Primeiro porque a formação dele permite que ele manipule esse tipo de informação melhor do que qualquer um aqui.

    Segundo porque sem estabelecer prazo para realização de lucro, não faz o menor sentido essa discussão.

    Ele vai escapar como ele quiser.

    —X—

    Eu acho interessante a postura do Elias sobre os criminosos e o STF.

    De um lado ele diz: que sejam todos presos porque são criminosos mesmo.

    De outro ele diz: o STF pagará um alto preço por tentar limpar a sua barra.

    Claramente ele tem um problema com o JB. Como se ele fosse o responsável pela condenação.

    Ultimamente o JB se saiu bem diante da exposição à mídia, e concordo com o Pax, nem tanto ao céu, nem tanto à terra: haviam fatos suficientes para configurar as ações criminosas; haviam 11 juízes totalmente capacitados para avaliar e julgar; o resultado é esse que se vê. Na verdade, deveríamos esperar que todos aprendessem com isso, e não ficarmos contando com uma “retaliação” popular ao STF.

  245. Chesterton said

    Elias é pato, alguem do governo mandou comprar Petrobras e ele ….? Foi lá!

  246. Elias said

    Pax,

    Mais uma vez: não creio, absolutamente, na inocência de nenhum dos condenados.

    Assim como não creio na inocência do Jader Barbalho, quanto à maior parte das acusações que se faz a ele.

    Mas, se quem de direito, quem é pago (e muito bem pago, diga-se) pra fazer isso, não consegue reunir provas contra Jader Barbalho e, com elas, embasar os respectivos processos, devem os juízes absolvê-lo. Não se pode condenar Jader só porque “todo mundo” acha que Jader é culpado.

    No Tribunal, o que vale é a prova que esteja no processo. Independentemente da convicção pessoal de quem quer que seja. O que interessa é que esteja provado, sem sombra de dúvida.

    Se não ficar absolutamente provado, se houver uma pequena lacuna, haverá dúvida. E, “in dubio, pro reo”, né?

    Os juristas que tenho lido, ou com quem tenho conversado — inclusive gente ligada a partidos da oposição — dizem que algumas condenações não se baseiam em provas “cabais”. Logo…

    Claro que a galera oposicionista tem mais é que vibrar. Trata-se de uma grande vitória política, pra quem vem empilhando derrota em cima de derrota, há mais de 10 anos. Numa hora dessas, tem mais é que festejar.

    Nenhum problema quanto a isso. Na verdade, a galera oposicionista está pagando mico, porque essa vitória chegou tarde, chegou bichada, e não produz rendimentos eleitorais. Acontece que galera é galera. Galera não pensa, mesmo quando pensa que pensa. Vai daí que ela ainda não sacou os desdobramentos. Quando sacar será tarde demais e, provavelmente, já estará seguindo outra miragem…

    E vida que segue…

    O problema é que juiz não é galera, né? Pelo menos, não deveria ser. Quando juiz começa a se portar como galera, ou como fabricante de leite em pó, com medo que uma publicidade negativa diminua o volume de venda do produto, ele está se metendo numa confusão de bom tamanho.

    Foi o que fizeram os ministros do STF, a meu pensar. Conseguiram os 15 minutos deles. Um porre! Agora, virá a ressaca…

  247. Olá!

    Ora, pessoal! E vocês ainda ficam surpresos com as reações dos esquerdo-petistas quanto às condenações dos mensaleiros e às decisões do STF?

    É a viuvada mensaleira em ação! São as viúvas mensaleiras! São as viúvas do José Dirceu e da sua gangue de mensaleiros! São as meninas que irão colocar uma lingerie bem sexy para visitar os homens delas quando eles estiverem encarcerados.

    Até!

    Marcelo

  248. Olá!

    O Pax trouxe um texto interessante do mensaleiro corrupto José Dirceu sobre quais devem ser as prioridades do PT para o ano que vem.

    O texto é interessante não pelo seu conteúdo em si, mas, sim, por uma outra razão: No texto o que há, de fato, fora as velhas diatribes petistas contra a democracia, é um mensaleiro condenado pela justiça dizendo quais devem ser as diretrizes de um partido político, o PT, para o ano que vem. Isso não seria em nada diferente se o Fernandinho Beira-Mar ou o Marcola publicassem um artigo dizendo quais deveriam ser as prioridades partidárias de um certa agremiação política.

    Quanta decadência ter um mensaleiro corrupto e condenado pela justiça dando as cartas no partido de vocês. Sendo assim, passem na penitenciária mais próxima e contratem toda uma cela para servir de assessores do partido de vocês.

    E a viuvada mensaleira continua com o chororô!

    Até!

    Marcelo

  249. Chesterton said

    O MEC (Ministério da Educação) vai fazer um estudo para tentar reduzir o número de candidatos que se inscrevem e faltam ao Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A taxa de abstenção neste ano foi de 27,9%, índice similar ao das duas últimas edições. Em um vestibular, essa taxa não costuma passar de 9%. O custo com os faltosos neste exame foi de R$ 90,4 milhões.

    O estudo foi um pedido pessoal do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, ao professor Luiz Cláudio Costa, presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão que organiza o Enem. A análise deve ficar pronta em 20 dias. “O ministro atentou para esse problema e já estamos produzindo o estudo. Tenho convicção de que é possível construir uma política para reduzir esses índices”, disse Costa.

    O órgão quer entender exatamente o perfil dos faltosos, cujo número chegou a 1,6 milhão no exame do fim de semana passado. O Inep quer identificar se existe variação da abstenção por região e idade e também se há predominância dos candidatos isentos ou treineiros. Neste ano, 70% dos 5,7 milhões de inscritos não pagaram a taxa de inscrição. São alunos de escola pública ou que pediram isenção por carência.

    O custo por aluno neste Enem foi de R$ 55,98, um aumento de R$ 8 em relação ao ano passado. Esse gasto tem sido crescente a cada ano e a taxa de abstenção se mantém estável. Em 2011, a média de faltas foi de 26,4% e, em 2010, de 28%.

    Apesar dos altos índices registrados nos anos anteriores, o Inep nunca fez um estudo para entender os motivos da abstenção. “Vamos fazer agora o recorte, levando em conta os dados deste ano e dos anteriores, para mostrar ao ministro o que aconteceu em cada edição”, disse o presidente do Inep.

    chest- como paguei 150 reais para meu filho fazer o enem, e 30% dos alunos pagam e ainda, o custo foi de 55 reais por aluno, se todos pagantes pagaram o que paguei (1:3) logo os pagantes custearam 90% do Enem. Ou estão mentindo…ou estão mentindo. É realmente foda viver num paisinho de “isentos”, pobristas, pseudo-carentes…..

  250. Elias said

    “É a viuvada mensaleira em ação! São as viúvas mensaleiras! São as viúvas do José Dirceu e da sua gangue de mensaleiros! São as meninas que irão colocar uma lingerie bem sexy para visitar os homens delas quando eles estiverem encarcerados.” (Marcelo Augusto. se enrolando com as imagens que ele mesmo cria)

    Cuméquié? Acuma?

    Então as viúvas vão visitar os homens delas, encarcerados? Mas não são viúvas? Os caras não deveriam estar mortos?

    Sei: os peixinhos responderam… Banana não tem caroço!

    Melhor: em casa de ferreiro… Tanto bate até que fura!

    A imagem ficaria menos doidona se ele colocasse as viúvas chorando e lamentando a viuvez junto às sepulturas dos “de cujus”… Os mensaleiros funerados pelo STF. Algo assim.

    “…Joaquim José / que também é, da Silva Xavié / queria ser dono do mundo / e se elegeu Pedro Segundo…”

    Saudade do Stanislaw…

    Além do samba, que era pra ser só irônico, mas acabou, também, sendo icônico, tinha o FEBEAPÁ…

    Ah, o FEBEAPÁ…

  251. Pax said

    Não deixa de ser curioso, Álvaro Dias, senador do PSDB do PR, deixa… o comando do PSDB no PR.

    E fala disso em seu blog:

    Afastei-me do comando do PSDB do Paraná porque coerência é respeito à população. Não poderia apoiar no Estado o que combato com veemência em Brasília. O modelo promíscuo de governo instituído em Brasília foi transplantado para o Paraná. Nepotismo, fisiologismo escancarado e loteamento sem escrúpulos engordando a estrutura da administração pública e comprometendo sua eficiência. Esse é o sistema vigente no país e que combato. Instala-se o balcão de negócios para a cooptação dos partidos políticos a pretexto de se garantir a propalada governabilidade. Rima-se governabilidade com promiscuidade. Com isso limita-se numericamente a oposição reduzindo a fiscalização, a crítica e a denúncia. Os governantes ficam confortáveis para errar. Gastam fortunas em publicidade enganosa para iludir a opinião pública e angariar popularidade. O povo paga caro por isso! Não compactuo e continuarei combatendo. Fiquei quase dois anos em silêncio esperando por mudança de postura. Quem governa o Paraná não mudou. Não posso mais ficar calado!

    Beto Richa fazendo uma devassa nos quadros?

    Gustavo Fruet, o melhor político tucano, foi enxotado do partido. Agora o Álvaro Dias sai com essa. A “coisa” por lá deve andar feia mesmo.

  252. Elias said

    Pax,

    Em bom português: Álvaro Dias foi deixado de lado na partilha do bu… Digo, do bolo.

    O pobre (pobre?) do Álvaro esperou por dois anos, e… Nada!

    Agora ele berra que vai embora… E o pessoal: “Oi, Álvaro! Cê indataí, cumpadre?”

    Sabe aquele vira dos falecidos Mamonas Assassinas? Pois é…: “Nesse raio de suruba…”.

    É a cara do Álvaro Dias…!

  253. Olá!

    Elias, veja bem, a questão das viúvas é apenas uma metáfora para exemplificar a atitude da militância esquerdo-petista perante as mais recentes condenações dos mensaleiros. Alguns nessa militância agem como se fossem viúvas inconformadas. É uma maneira de sacanear uma atitude. Só isso. Não é que sejam viúvas de fato. Sacou?

    Da mesma maneira que todos sabem que os mensaleiros não são maridos dessa galera.

    Mas, se for o caso de ter mais coerência, posso utilizar outra maneira para sacanear a militância esquerdo-petista que não aceita as decisões da justiça: As vagabundas mensaleiras estão inconformadas!

    Até!

    Marcelo

  254. Otto said

    “Revelação bombástica foi feita pelo advogado Marcelo Leonardo, que defende Marcos Valério, ao jornalista Luis Nassif. Em carta, Leonardo disse que Valério entregou os nomes de vários parlamentares tucanos que receberam recursos desviados de estatais mineiras no governo de Eduardo Azeredo. No entanto, nenhum foi denunciado porque o procurador-geral à época, Antonio Fernando de Souza, considerou que houve apenas caixa dois, um crime prescrito. No caso do PT, ele denunciou 40 e viu compra de votos.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/84734/PGR-protegeu-benefici%C3%A1rios-do-mensal%C3%A3o-tucano.htm

  255. Elias said

    Marcelo,

    Fica calmo, rapaz.

    E parece que foste tu que não me entendeste.

    Dizer que a viúva vai visitar o marido na prisão não é uma metáfora. Parece mais uma metida fora…

    O propósito metafórico não autoriza ninguém a meter tão fora assim…!

    Daí o porquê do FEBEAPÁ que citei, sacou?

  256. Otto said

    Muita gente tem uma fé comovente na infabilidade dos juízes, mas não é bem assim:

    “Existe, numa parcela expressiva da sociedade, uma fé quase comovente na justiça.

    É como se ela tivesse o dom da infabilidade. E não, como é a realidade, não fosse composta por homens como você e eu, expostos a manipulações e a outras tentações que podem, sim, influenciar um veredito.

    Estou numa capital do Brasil, num prédio de classe média alta de uma tia amada. No elevador, ela me conta que um desembargador e uma juíza infringem sistematicamente as regras ao acomodar carros em vagas de visitantes.

    Ela me diz que ligou um dia ao desembargador para perguntar se desembargadores tinham vantagens que permitissem o que ele fazia, e ele desligou o telefone em sua cara depois de dizer que ia retomar a leitura de um jornal.

    Um filho meu voltou de uma viagem a outra capital do Brasil, e me contou, com alguma surpresa, que conheceu a família de um juiz que, acumulando alguns cargos, tinha vencimentos de 90 mil reais mensais.

    É evidente que o Brasil tem um problema no sistema judiciário, e é decepcionante que tão pouco tenha sido feito por sucessivas administrações federais nos últimos vinte anos para enfrentar o atraso da justiça brasileira.

    Transparência seria, já, um ganho: quanto ganham os juízes, que benefícios têm etc etc.

    A justiça, infelizmente, é falível. Por isso tem que ser fiscalizada. Na União Soviética de Stálin, nos anos 1930 os tribunais condenaram à morte dezenas de líderes bolcheviques que Stálin entendia serem potenciais rivais. Todos eles confessaram crimes inomináveis.

    Bukharin, o jovem prodígio que era o favorito de Lênin, foi um dos executados pela justiça stalinista por crimes “anticomunismo”. Anos depois, descobriu-se uma carta que ele endereçara a Stálin na qual ele perguntava ao antigo companheiro, chamando-o pelo apelido dos velhos tempos: “Tinha que ser assim, Koba?”

    No livro A História do Povo Americano, o historiador Howard Zinn reproduz uma passagem que conta muito sobre a justiça americana.

    Um ativista chamado Jack White foi preso depois de fazer um discurso considerado subversivo, em 1912. Eram os dias dos “robbers barons”, os barões ladrões, e a iniquidade era extrema entre os americanos. (Depois, com o presidente Ted Roosevelt, seria inaugurada a era que os historiadores chamariam de “Progressista”. Roosevelt acabou, por exemplo, com os monopólios, e trouxe reformas que melhoraram a vida dos trabalhadores.)

    Jack White foi condenado a seis meses de cadeia, em regime de água e pão. O juiz lhe perguntou se tinha alguma coisa a dizer. Um funcionário do tribunal registrou, palavra a palavra, o que White disse, e isso está no livro de Zinn.

    “O promotor, em sua fala ao júri, me acusou de ter dito num palanque, num encontro público: ‘Para o inferno com os tribunais, sabemos o que é a justiça’. Ele disse uma grande verdade ao mentir, pois se ele tivesse pesquisado os recessos mais íntimos de meu cérebro ele poderia ter encontrado aquela expressão, nunca usada por mim, mas que eu utilizo agora: ‘Para o inferno com os tribunais, sei o que é a justiça’. Pois estou sentado nesta corte dia após dia e vejo pessoas de minha classe enfrentando isso, a assim chamada justiça. Vejo você, juiz Sloane, e outros do seu tipo, mandar aquelas pessoas para a prisão. Vocês se tornaram cegos a mudos ao direito do homem do povo de buscar a felicidade. E aí vocês me pedem para respeitar a lei. Não respeito. (…) O promotor mentiu, mas vou aceitar aquela mentira, juiz Sloane, e dizer de novo, de tal forma que o senhor não se equivoque sobre o que penso: ‘Para o inferno com seus tribunais, eu sei o que é a justiça’.”

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?p=15184

  257. Michelle 2 said

    M. Valério, o PGR e a pergunta a ser respondida…


    Mas caso Valério formalize uma denúncia contra quem quer que seja, e desde que ela seja minimamente fundamentada, o Procurador não poderá ignorá-la. É sua obrigação providenciar para que uma denúncia de crime seja apurada.

    Então talvez saberemos se Lula foi de fato apenas um idiota, um panaca, feito de trouxa por seus acólitos, alheio ao que se passava a poucos metros do seu gabinete no Palácio do Planalto.

    Ou então se Lula mente ao país até hoje.
    R. Noblat

  258. Chesterton said

    http://www.mises.org.br/FileUp.aspx?id=227

    não sei se Pax tem link para isso….

  259. Chesterton said

    http://www.implicante.org/artigos/a-une-nem-ama-nem-odeia-dirceu-segundo-seu-lider/

    chest- Dirceu achava que iria incendiar o país….

  260. Pedro said

    Otto, não é por nada não, mas…

    Desde quando, parlamentares receberem recursos desviados de estatais, é revelação bombástica?

    Parlamentares adoram uma estatal.

    Estatal é a igreja, na religião deles.

    ……………….

    Sei lá, sou tão descrente na pregação deles.

  261. Otto said

    Pedro;

    a revelação é que quando os desvios atingem o quintal tucano, a imprensa fica muda.

  262. Otto said

    Que beleza esta liberdade de imprensa, hein?

    JORNALISMO DE SUJEITO OCULTO

    Por Leandro Fortes, em sua página do Facebook

    Todo dia, em frente a diversos aparelhos de TV ligados na Rede Globo, tenho sido obrigado a assistir, com uma frequência assustadora, muitas edições do “Bom Dia Brasil” enquanto me exercito nas esteiras e bicicletas ergométricas da academia onde me enfiei para fazer ginástica.

    Assim, hoje bem cedo, pude notar a forma peculiar de o noticiário da Globo cobrir a onda

    de violência em São Paulo, onde foram registrados diversos assassinatos de policiais militares, de parentes de PMs, mortos por balas perdidas e ônibus incendiados.

    É mais ou menos assim:

    1) Bandidos decidiram matar policiais, mas não se tem a menor ideia do porquê dessa decisão. Parece ter havido uma espécie de geração espontânea.

    2) Não se toca no nome do governador Geraldo Alckmin, nem do secretário de Segurança Pública. Muito menos se fala em PSDB. “Governo tucano”, claro, nem pensar. Quem pega o noticiário pelo meio, pode imaginar que os fatos talvez estejam acontecendo em Pasárgada ou Xangrilá.

    3) Nenhum repórter ou apresentador do programa se deu ao trabalho de entrevistar um mísero analista ou especialista para falar da violência em São Paulo. E olha que a Globo não vive sem seu time de “especialistas”, sobretudo quando é para dar pau nos governos do PT. Para se ter uma ideia, na mesma edição da manhã de hoje, três especialistas foram chamados para dar pitaco sobre as eleições presidenciais dos EUA.

    4) Nem uma única palavra sobre a política de segurança pública em São Paulo, nem uma análise sobre a ação da PM, nem do histórico da violência local. Nem muito menos sobre a discrepância da valentia de Alckmin para enfrentar os movimentos sociais e expulsar famílias em Pinheirinho em comparação à tibieza com que enfrenta os criminosos que apavoram a capital.

    5) A intervenção do governo federal na crise, segundo o Bom Dia, foi feita a “convite” do governador, quando todo mundo sabe que uma das razões para a escalada de violência no estado foi a negativa de Alckmin em aceitar ajuda federal por motivos eleitoreiros.

    Não fosse Dilma enviar o ministro da Justiça a São Paulo para, finalmente, ajudar a população e a polícia local, a República de Higienópolis já estaria estocando comida enlatada para se esconder da turba.

  263. Chesterton said

    Dos Estados Unidos à Europa

    1. Os americanos vão hoje às urnas. Não sou vidente. Não vou cansar o leitor com análises detalhadas sobre os “swing states”, os votos colegiais, as últimas pesquisas. Tudo é possível.
    Mas, dentro do possível, confesso que gostaria muito que Mitt Romney ganhasse. Eu sei, heresia: lemos a imprensa “liberal” (no sentido americano da palavra, ou seja, esquerdista) e Romney é apresentado como um fanático que acredita em extraterrestres. Pior: um fanático que pretende entregar os Estados Unidos à plutocracia doméstica, de que ele faz parte.

    Barack Obama, pelo contrário, é a personificação da bondade e do realismo. Mesmo Guantánamo, que continua a funcionar, tem outro sabor com Obama: no tempo de Bush, a prisão era o inferno terreno e a prova da malignidade republicana. Com Obama, Guantánamo é um jardim de infância.

    Sejamos sérios: o julgamento sobre Obama, quatro anos depois, não pode ser brando ou entusiasmante. Fato: em 2008, Obama recebeu de herança uma nação quebrada. Novo fato: em 2008, Obama dispunha de condições incomparáveis –aprovação popular em níveis estratosféricos, Congresso favorável etc.– para fazer mais e melhor.

    Não fez. Um crescimento econômico que se arrasta penosamente nos 2% é tímido, para usar um eufemismo. O desemprego perto dos 8% seria o suficiente para que ele perdesse a reeleição. E a República, agravando o desvario iniciado por George W. Bush, continua dramaticamente endividada –e a endividar-se.

    Como escreveu certeiramente Tim Stanley, no “Daily Telegraph”, o problema de Obama não é ser o anti-Bush. É, ironia das ironias, repetir os erros de Bush ao permitir um Estado sem controle na despesa e disposto a infiltrar-se na vida comum do cidadão comum.

    É por isso que a eleição de hoje não é apenas mais uma eleição na história da América. É, como afirma Romney e sobretudo o seu candidato a vice, Paul Ryan, uma espécie de plebiscito sobre o tipo de sociedade que a América pretende ser no século 21.

    Para Obama, o ideal seria que a América se aproximasse da Europa e do modelo de bem-estar social.

    Infelizmente, alguém deveria explicar ao presidente Obama que a crise corrente que ameaça destroçar a União Europeia está diretamente relacionada com a insustentabilidade desse modelo social.

    Cuidado, América: para Europa, já basta a que temos.

    2. E por falar em Europa: leio no “Times Literary Supplement” uma passagem notável das memórias de Madame de Staël.

    Conto rápido: já depois da Revolução de 1789, o ministro de guerra Louis de Narbonne-Lara discursava na Assembleia Legislativa.

    A páginas tantas, o infeliz ministro introduziu no discurso a expressão “apelo aos mais distintos membros desta Assembleia”. Foi a revolta geral, com os jacobinos a relembrarem ao ministro que, naquela Assembleia, todos os membros eram igualmente distintos.

    A história é interessante para conhecermos a cabeça do fanatismo igualitário em ação. Mas mais interessante é a observação de Madame de Staël: “para os jacobinos”, escreve ela, “a aristocracia de talento era tão repugnante como a aristocracia de berço”.

    Relembro esta história, hoje, ao saber que na mesma França da Bastilha o presidente François Hollande pretende banir do sistema educativo os deveres de casa.

    Corrijo: Hollande não quer banir os deveres. Pretende apenas que eles sejam integralmente realizados na escola, não em casa. Isso permitirá que as diferenças socioeconômicas das famílias não tenham qualquer interferência no respectivo mérito escolar dos filhos. Todos iguais, todos na escola.

    Claro que, para sermos perversos, poderíamos perguntar ao senhor presidente o que tenciona ele fazer se alguns alunos, em manifesto desrespeito igualitário, violarem a medida. Como?
    Estudando na escola e, depois, estudando um pouco mais em casa, ou nos cafés, ou nas bibliotecas. Será permitida essa busca da excelência extracurricular?

    Ou o Estado francês, em nome da igualdade, também pretende instalar um policial em cada casa, café ou biblioteca, disposto a vigiar e punir o mais leve sintoma de curiosidade intelectual?

    Esperemos pelas cenas dos próximos capítulos.

    João Pereira Coutinho, escritor português, é doutor em Ciência Política.

  264. Otto said

    Esta é a última do português?

  265. Pedro said

    Entendi, quando o meliante é tucano, a revelação é bombástica.

  266. Chesterton said

    Petista roubar nem mais é notícia….

  267. Pedro said

    Chesterton , 265 kkkkkkkk

    Pois é, não entendi esta do Otto/Nasssif.

  268. Chesterton said

    Maria das Graças Foster está por um fio na presidência da Petrobrás. Investidores nacionais e estrangeiros prometem aumentar a pressão para que a Presidenta Dilma Rousseff tire sua amiga do comando da estatal de economia mista. Mas Dilma já avisou que não aceitará a pressão e, se graça tiver mesmo de sair, isto acontecerá “à francesa”, a partir de fevereiro, quando está prevista uma mini-reforma ministerial para amansar o PMDB e alojar no governo o PSD de Gilberto Kassab.

    Antes de mexer com a Graça – o que fará de tudo para não fazer -, Dilma tem assuntos mais delicados a resolver em relação à Petrobrás. Até o final do ano, o governo será forçado a autorizar o inevitável reajuste no preço dos combustíveis. A embromação sobre a decisão agrava ainda mais o risco de os prejuízos da Petrobrás aumentarem – o que agrava o mau humor dos investidores. A indecisão neste caso só faz crescerem as críticas de que o Palácio do Planalto interfere de mais na companhia e que Graça nada resolve sem a palavra final de Dilma.

    A pressão contra Graça agora fica ainda mais alta por um erro de avaliação cometido pela área jurídica da empresa. A Petrobrás não fez reserva em seu balanço para o pagamento de uma dívida fiscal estimada em R$ 4 bilhões 783 milhões. A juíza Sandra Barbosa de Campos, da 29ª Vara da Justiça Federal, decidiu que a petrolífera terá de pagar Imposto de Renda de remessas para pagamentos de afretamentos de plataformas de dezembro de 1999 a dezembro de 2002. Mesmo alegando que recorrerá no momento oportuno, a situação é desfavorável à empresa e refletirá, negativamente, no resultado aos irados acionistas.

    A Justiça detonou uma artimanha da Petrobrás para amansar a fome do Leão da Receita Federal. A empresa alegava que as plataformas são consideradas embarcações com direito a benefícios fiscais. Mas a juíza Sandra Barbosa de Campos interpretou que, apesar de a plataforma ser considerada embarcação, não tem a finalidade de transportar pessoas ou carga – fator necessário para a concessão dos benefícios fiscais. Como parece bem claro o inciso XIV do artigo 2º da Lei nº 9.537/97, a bobeada da área jurídica da Petrobrás pode ser a gota de óleo para derrubar Graça.

    O maior perigo para o governo é que a desestabilização da Graça leva o PMDB – tão ou mais voraz que o Leão da Receita – a fazer a graça de reinvidicar a presidência da Petrobrás. Como Dilma e o PT não aceitam entregar aos aliados a jóia máxima da coroa do império capimunista brasileiro, o desgaste contra o Governo e a campanha contra a Graça se intensificam.

  269. Otto said

    Em termos de cassações e fichas sujas tucanos vencem em muito os petistas. Isto é fato.

  270. Michelle 2 said

    ZD e ZG já foram.
    ZG já tinha sido defenestrado pelo PT que não o elegeu.
    Agora a pergunta mudou:
    E lula?
    Ele é um babaca que nada viu/vê ou está mentindo há 7 anos?
    Esse é o medo dos petistas.
    Perder o “bezerro de ouro” seria causa de suicídios generalizados na seara petista. (lembram de Jim Jones, na Guiana anos atrás? )
    Sem lula o pt acaba!
    2013, o ano que o pt acabou !

  271. Olá!

    Elias, estou calmo. Sempre que escrevo aqui não é em tom de raiva, ódio ou sentimentos afins. É sempre em tom de paciência e calma. Exceto, lógico, quando se trata de sacanear a viuvada mensaleira. Aí é avacalhação total com essa gente.

    Até!

    Marcelo

  272. Pax said

    É, deu Obama.

  273. Zbigniew said

    Fosse o Romney teríamos batalhas em Ormuz. Netanyahu certamente torcia por ele.

    Outrossim falar mal dos que dependem da ajuda oficial num momento de crise e criticar gastos com programas de combate a catástrofes às vésperas do Sandy (que azar, hein?), foi realmente bola fora.

    Interessante a visão dos estadunidenses representada pelos Republicanos.
    Os mais extremados rejeitam qualquer ajuda do Estado aos menos favorecidos.
    Entretanto são favoráveis a benesses aos ricos, como corte de impostos.

    O Obama, embora não represente tanta diferença assim, para os menos favorecidos certamente foi um referencial, um contraponto ao Republicano. Destaque-se ser o primeiro presidente a enfrentar tais níveis de desemprego e se reeleger.

  274. Patriarca da Paciência said

    É isso aí, caro Pax,

    Obama venceu e folgadamente!

    Como o PT aqui no Brasil.

    E falou em oportunidades para todos, inclusive para gays e muçulmanos!

    Reinaldinhos, malafaias, augustos boçais e neoliberais em geral, ficam mais uma vez frustrados.

    Eles não se conformam com o fato de terem de passar a própria roupa, fazer a própria comida, varrer a própria casa etc.etc.etc.

    A era da vassalagem já passou para sempre, pelo menos na maioria dos países.

    Se os neoliberais quiserem continuar com suas cortes de vassalagem, terão que ir viver nos países mais atrasados.

  275. Pax said

    E nossa Câmara resolveu que Educação não deve ser prioridade para as verbas do Pré-Sal. Mesmo sendo difícil encontrar um só brasileiro que não saiba e que não aposte que reside na Educação qualquer possibilidade de realmente termos um futuro melhor para o país. Não são os carros, as motos, a geladeira com carne e iogurte, os tênis e televisões novos que farão isso. Esse é um capítulo passado.

    Pois então, a Câmara, nossos representantes… não bastasse o Senado que muitos querem saber para que serve.

    E é o que temos para lidar.

    Henrique Alves deve substituir o insosso Marco Maia na presidência da Câmara e Renan Calheiros deve substituir José Sarney no Senado.

    O que quer dizer? Provavelmente vamos trocar 6 por meia dúzia menor, meia dúzia de 5, ou, em outroas palavras, provável que vamos piorar as coisas por lá.

    Agora um pequeno exercício para nossas úlceras estomacais: imaginem como são formadas as Assembléias Legislativas e Câmaras municipais.

    É ou não hora de parar para pensar?

    Mais tarde o STF retorna o capítulo “dosimetria” do mensalão petista. Sem nos dizer onde está a agenda para julgar o mensalão tucano.

  276. Zbigniew said

    Otto #262,

    o Leandro percebeu muito corretamente o “modus operandi” dos Marinho em relação ao PSDB em SP. Aliás, esse é um método bem conhecido do consórcio midiático encastelado naquele Estado. A blindagem é explícita. Na verdade eles chegaram ao descaramento de colocar o governo federal como co-responsável pela situação. Só baixaram um pouco a guarda quando o Cardozo amaciou o tom. Esse governo federal é uma mãe.

  277. Pax said

    Mas vamos nos divertir que não só de úlceras se vive, ainda mais que tenho que dar um pulo lá na cidade que o crime organizado mata 10 por dia …

    “Procura-se uma caixa de lenços tamango GG para um médico blogueiro…”

    E nem vamos citar nomes de velhos, bons e infalíveis blogueiros.

    4 more years.

  278. Pax said

    Sinceramente? Não consigo politizar a crise de segurança pública de Sampa.

    1 – porque acho que é um gravíssimo problema nacional mesmo, com diversas causas gerais e outras tantas regionais.

    2 – porque acho que se não nos preocuparmos com este problema como um todo, se politizarmos a questão, vamos fazer de tudo, um monte de coisas, e nada que venha a atacar as causas.

  279. Zbigniew said

    Meu Deus!

    Como a Globo é apaixonadamente USA!

    A declaração de amor do Obama à mulher, filhas e à nação foram retratadas quase como uma declaração da própria emissora agora no seu Bom Dia(?) Brasil.

    Acho que nem se um tucano fosse eleito aqui no Brasil eles se esmerariam tanto. Ô povinho provinciano.

  280. Zbigniew said

    Pax,

    A atitude do governo federal foi muito correta com relação a SP. Realmente a população não pode pagar pela incompetência e irresponsabilidade do governo tucano, nem ser colocada no centro de uma briga política. Além do que o PT já fincou uma estrela no coração do Estado, e quer o governo, o que lhe é legítimo.

    Mas que a Globo blinda o PSDB, lá isso ela faz (e como faz!). É só observar os questionamentos feitos pelo Leandro Fortes que o caro Otto trouxe em #262.

  281. Pax said

    Antes de fechar aqui e reabrir lá, onde matam…

    Não custa provocar o pensamento. Pensar não faz mal a ninguém. Vamos ao futuro embate de 2014…

    Neste momento Dilma prepara uma conversa com Kassab. As más linguas falam que o governo pode dar um ministério ao PSD em troca do apoio. (tomara que não envolvam nenhuma empresa de publicidade mineira nestes acordos)

    Pois bem, na real, o PT sai sim, desgastado deste capítulo de agora. E tem gente que quer mais desgaste ainda, quer conclamar o povo a “sair de camisa branca às ruas”, chamar a si a tal regulação da mídia e o escambau. Meus amigos sabem que sou contra. Opinião minha.

    Onde quero chegar? Bem, acho o PSD parecido com aqueles caminhões que recolhem coisas todos os dias nas cidades, aqueles que compactam para poder recolher mais. Paciência, penso assim.

    Já tenho minhas dúvidas sobre o PSB. Na dúvida – pró-réu.

    E se…

    O PT resolvesse pensar um pouco mais, se lembrasse dos seus primordios, e resolvesse fazer as pazes com gente como Chico Alencar, Freixo, Marina Silva etc?

    Não seria melhor que mimar Kassab, Kátia Abreu, Índio da Costa e quetais?

    Sei lá, pensem aí. Cá vestirei minha armadura, deixarei meu testamento pronto e vou dar um pulo lá, onde matam 10 por dia.

    Até.

  282. Zbigniew said

    Taí! Gostei da análise da Miriam. “O Romney foi muito pra direita”. “Ganhou a diversidade”. “O plano de saúde foi um diferencial”.

  283. Pax said

    Caríssimos Zbigniew e Patriarca,

    Meu link “Marcos Valério”, hoje de manhã, causa um descompasso. Enquanto eu escrevo meus comentários vocês colocam o de vocês e fica parecendo conversa de bebum em fim de noite.

    Vamos lá:

    1 – Sim, a Globo, Estadão e Folha são oposição. E daí? Eles não estão fora da lei.

    2 – Ao mesmo tempo Carta Capital e outras são situação. E daí? Eles não estão fora da lei.

    3 – Há um desequilíbrio? Há. Mas faz parte do jogo.

    4 – Imprensa oposição faz menos mal que imprensa situação. Tem que ter dos dois, mas um dos principais papéis da imprensa é fiscalizar, apontar erros, uma tarefa não explícita, não determinística, não oficial, mas importante pacas. Todas as não democracias têm imprensa crítica abafada. Faz bem? Não, não faz.

    5 – De novo: aqui no Brasil há um desequilíbrio entre a imprensa que faz oposição e a imprensa que apoia o governo? Há, mas… calma lá.

    6 – Alguém pode me mostrar claramente que essa nossa imprensa quer derrubar a Dilma?

    7 – Agora… a imprensa está cutucando os envolvidos no mensalão petista? Sim, com vara longa, média e curta. Faz parte. Quem não usa calça de veludo acaba com a bunda de fora.

    8 – A imprensa esquece do mensalão tucano? Sim. Aqui eu reclamo pacas.

    9 – Regulamentar a mídia é prioridade para o Brasil? Só na cabeça de gente que tem o que esconder seus malfeitos.

    etc etc

    Fui!

  284. Olá!

    Pax,

    “[. . .] [V]ou dar um pulo lá, onde matam 10 por dia. [. . .]”

    Pax, por quais razões tanto alarde? Você se esqueceu de que, no Brasil, aproximadamente, 50000 pessoas são assassinadas por ano?

    Faça os cálculos: 50000/365 = 136.98 pessoas assassinadas por dia!

    Talvez, muitos brasileiros gostassem de viver nesse lugar para onde você vai e onde a taxa de homicídios diários é mais de 10 vezes menor do que a taxa nacional.

    Aliás, Pax, qual é esse lugar?

    Até!

    Marcelo

  285. Patriarca da Paciência said

    Segundo já vi em estatísticas, o números de assassinatos nos Estados Unidos está bem próximo da calamidade brasileira.

    Em Israel, o percentual é bem mais elevado!

    Para uma população dae 2 milhões de palestinos, um percentual, pelos menos dez vez maior do que acontece no Brasil, é o saldo para o lado israelenses!

  286. Patriarca da Paciência said

    Por falar em se divertir, caro Pax, essa do Elias pegar o furo do Marcelo realmente foi demais!

    Olha que as viúvas irem visitar os maridos nas penitenciárias, realmente foi hilária! (a rima é proposital)

    Já estamos partindo para “outras dimensões”!

    Para quem reclama tanto de “rigor lógico”…

  287. Elias said

    Otto,

    “Existe, numa parcela expressiva da sociedade, uma fé quase comovente na justiça”?

    Certamente que não aqui, no Brasil.

    Para o brasileiro, “Justiça” é, na melhor das hipóteses, sinônimo de morosidade. Avançando um pouco mais no papo, o brasileiro dirá que, neste país, quem tem grana nunca vai em cana.

    E daí pra baixo.

    Nos Judiciários estaduais, então a coisa é braba. Há uns cinco ou seis anos, quase a metade do judiciário de um estado foi em cana, sob os auspícios da PF. Nem o presidente do TJ escapou…

    Aqui no Pará, posso contar casos assim:

    I
    Uma juíza sacou, para si mesma, uma grana braba dos depósitos judiciais sob sua custódia. Denunciada, ela respondeu PAD, que deu como culpada, apresentando provas esmagadoras. Sabe o que aconteceu a ela? O seguinte: (a) foi promovida ao desembargo; (b) foi aposentada.

    Aí ela teve que responder processo penal. Ela alega que, quando sacou a grana, não estava no domínio de suas faculdades mentais. Se o TJE aceitar essa alegação, terá que rever todas as setenças proferidas pela juíza durante o período em que ela fez os saques indevidos. Se não aceitar, terá que condená-la e metê-la no xadrez.

    Como não quer fazer uma coisa nem outra, o TJE do Pará vai enrolando, enrolando… Enquanto o crime cvaminha pra prescrição.

    II
    Um traficante procurado em vários estados brasileiros estava preso aqui no Pará. Ele tinha solicitado habeas corpus e o juiz da vara correspondente havia negado, claro. Mas esse juiz precisou se ausentar do estado. A juíza que o substituiu, em menos de 24 horas recebeu e despachou favoravelmente um novo pedido de habeas corpus. O cara foi libertado e, evidentemente, sumiu, reduzindo a nada um trabalho policial de vários anos.

    III
    Um cara que mora em Brasília, mecânico desempregado, entrou com vários processos contra o Banco do Brasil. Segundo o demandante, o BB deve a ele mais de R$ 2 bilhões. Isso mesmo: R$ 2 bilhões.

    Interessante é que o tal reclamante nem sabia da existência desses processos…!

    Trata-se, evidentemente, de uma quadrilha de vigaristas, especializada em mover processos contra organismos estatais, usando, para isso, a identidade de pessoas, obtida fraudulentamente. A pessoa “processa” o organismo estatal, é indenizada e nem sabe disso.

    Uma juíza daqui do Pará deu ganho de causa à quadrilha e mandou bloquear a grana braba no Banco do Brasil. Este já havia alertado a juíza, de que se tratava de uma bandidagem, mas ela fez cara de paisagem e foi em frente…

    A coisa só não prosperou porque o CNJ, exorbitando de suas funções, anulou a decisão da juíza.

    Ou seja: foi necessário que o CNJ cometesse uma ilegalidade, para evitar o cometimento de outra ilegalidade ainda maior.

    IV
    Pendenga entre o Estado do Pará e um conhecido escroque brasileiro, proprietário de várias grandes empresas. O escroque alega que é proprietário de uma área maior que a Bélgica, Suíça, Portugal e Mônaco, somados. De quem ele comprou essas terras? Provavelmente do rei de Portugal, no Século XVI, ou — quem sabe? — de Deus, no ato da Criação…

    Evidentemente que, pra sustentar suas alegações, o empresário/escroque falsificou uma porção de documentos, com a conivência de cartórios, etc e tal. A coisa só foi facilmente desmontada porque o cara foi com muita sede ao pote. Nunca ninguém foi proprietário de tamanhas extensões de terra no Pará, nas áreas por ele reclamadas. Logo, ninguém poderia vender tais extensões, a ele ou a quem quer que fosse.

    O cara entrou com uma petição de “reintegração de posse” das terras. Uma hora depois, uma juíza despachou favoravelmente.

    Teve dois problemas: (1) ela despachou o processo antes que ele fosse distribuído; (2) o processo não foi distribuído pra ela.

    Ao que parece, os advogados do cara tinham preparado a petição e redigido a sentença. Mas errou de juíza…

    Posso ficar até o fim do dia contando casos assim. O jornalista Lúcio Flávio Pinto organizou um dossiê registrando esses casos escabrosos. Até hoje, ninguém foi punido.

    *****************
    Não é fácil punir um juiz no Brasil, porque o Judiciário é um poder totalmente autônomo. Não presta contas a ninguém, a não ser a si mesmo. Não é fiscalizado por ninguém, exceto por ele mesmo. Não é controlado por ninguém, a não ser ele mesmo. É o barco, o barqueiro, a água e o porto… É o arqueiro, o arco, a flecha e o alvo.

    Executivo e Legislativo se vigiam mutuamente e, periodicamente, se submetem ao julgamento do eleitor.

    O Judiciário não. Seus membros não não eleitos e seus cargos são vitalícios. Em sua maior parte, são escolhidos por concurso. Hoje, esses membros controlam totalmente o mecanismo do concurso, e é cada vez maior a quantidade de parentes de membros dos Judiciários que é aprovada em concurso.

    Se nada for feito — e logo! — há o sério risco do Judiciário acumular a condição de poder com a condição de casta, o que representará grave dano institucional. Uma ameaça à democracia.

    Aí, pra desatar esse nó, será necessário um ato de força, anti-democrático, portanto.

    Lembra de que o FDR disse que era necessário proteger o país da Corte Suprema e a Corte Suprema dela mesma?

    Estamos mais ou menos na mesma situação, por motivos infinitamente piores…

  288. Chesterton said

    277, Pax, é a hora de oportunidades. Se nossas ideias não são hegemônicas, vamos agir por conta própria. Imagine você ser o único lúcido em uma festa de bêbados. meu filho estuda direito na PUC, e a questão de legalização das drogas está na pauta da PUC. Eu digo sempre que sou a favor de que todos advogados usem drogas menos ele…imagine o tribunal que molezinha.
    Quatro anos mais de mentiras e enganos, só espero que o Iran não resolva atacar Israel. E piadas mil a toda hora.

    De Novo

    P (PD)vccmc?

  289. Chesterton said

    Como a Globo é apaixonadamente USA!

    chest- Zbgn%$#@- na verdade a Globo é apaixonadamente democrat, a esquerda americana (equivalente aos fabianos ingleses) assim como o Pax. Globo, democratas, Pax, nada mais igual.

  290. Otto said

    Elias, é verdade: se você tiver uma contenda — no estacionamento do prédio, na fila do supermercado — torça para que não seja com um juiz…

  291. Otto said

    Pax, você não vê nada de anormal nessa memória seletiva?

    “Advogado de Marcos Valério, Marcelo Leonardo, faz uma revelação bombástica. Diz que entregou ao ex-procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, o mesmo que denunciou o PT, uma relação com nomes de 79 políticos que embolsaram recursos do mensalão tucano, de Eduardo Azeredo, “com valores recebidos e comprovantes”. Indagado a respeito, o ex-procurador teve um surto de esquecimento. “Faz tanto tempo que saí de lá, quase quatro anos, que sinceramente não tenho lembrança”, disse ele.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/84790/Quem-s%C3%A3o-os-79-de-Val%C3%A9rio-Dr-Antonio-Fernando.htm

  292. Pax said

    Caro Otto,

    Não sei, não conheço o caso do mensalão tucano mais amiúde.

    O mensalão petista conheço bem o mosaico. Eu e a sociedade brasileira, com mídia assim e assado, espiamos este caso.

    E, sim, gostaria – e muito – de conhecer o mensalão tucano em detalhes.

    Há a hipótese de ser somente caixa 2? Há. Posso até me entregar ao achismo e dizer que houve distribuição de dinheiro não ligado diretamente à campanha, mas aí estaria no campo da imaginação.

    No PT foi somente caixa 2? Segundo o tal mosaico, não foi.

    O PT não quer expiar suas culpas? Tudo indica que uma boa parcela do partido não quer. E eu, que nem petista sou, tenho que ficar do lado desta parcela? Ora, basta frequentar este insignificante blog para perceber que eu NÃO estou deste lado.

    O PT (lei-se Dirceu) acha que regulamentar a mídia é prioridade neste momento? Sim, está por escrito. O que EU acho disso?

    Quer mesmo que eu repita?

    O PT quer convencer que há uma conspiração contra o partido? Acho que os réus querem que o PT entre nessa. E eu acho que vão afundar o partido nessa. Se pedirem para eu vestir camisa branca, vou de verde para o botequim, tomar umas brejas e ver essa marola passar.

  293. Olá!

    Hehehehehehe. . .

    A viuvada mensaleira não se conforma! São as viúvas mensaleiras! São as Dirceuzzettes! São as viúvas do José Dirceu!

    Meninas, meninas. . . menos histeria, por gentileza. Muito em breve vocês poderão visitar o tão amado homem de vocês quando ele for mandado para alguma penitenciária.

    Já sabem! Preparem aquela lingerie bem sensual e o pão com mortadela, afinal de contas, não dá para ter requintes em um presídio.

    Isso aí!

    Até!

    Marcelo

  294. Chesterton said

    Interessante a visão dos estadunidenses representada pelos Republicanos.
    Os mais extremados rejeitam qualquer ajuda do Estado aos menos favorecidos.
    Entretanto são favoráveis a benesses aos ricos, como corte de impostos.

    chest- Que twist! Os menos favorecidos uma pinóia. Ninguem é mais ou menos “favorecido”. Todos tem que se virar, uns com mais sucesso que os outros. Cortar impostos (deixar o dinheiro ganho honestamente no bolso do dono) não é benesse alguma. E mais, os mais pobres sempre vão pagar mais impostos. Os mais ricos não precisam nem ganhar dinheiro tributável. mas se não o fazem, onde os mais pobres vão trabalhar? Afinal, os pobres trabalham nas empresas dos ricos.

  295. Patriarca da Paciência said

    “O PT não quer expiar suas culpas? Tudo indica que uma boa parcela do partido não quer. E eu, que nem petista sou, tenho que ficar do lado desta parcela? Ora, basta frequentar este insignificante blog para perceber que eu NÃO estou deste lado.”

    Caro Pax,

    o que boa parte do PT está convencida mesmo é que o julgamento do tal “mensalão” foi político.

    Recorreram a teses, paradigmas nuncas antes usados, deduções etc.

    Julgamento criminal tem que se manter nas provas do autos.

    Se há alguma dúvida o benefício é do réu.

    Está acontecendo justamente o contrário. O Barbosão age como inquisidor ou, no mínimo, promotor.

    Só resta ao PT oferecer uma reação política!

  296. Chesterton said

    Projeções alarmistas para o futuro

    – Todos os tiranetes lograrão manter-se no poder através de pantomimas eleitorais, como ocorreu agora há pouco na Venezuela.

    – O índio cocaleiro da Bolívia será reeleito por tempo indeterminado

    – Cristina Kirschner será a ditadora da Argentina e imporá a censura total à imprensa e as reações serão esmagadas com apoio das massas insufladas pela luta de classes. Agitarão bandeirinhas como agitaram nesta madrugada os eleitores de Obama quando a tropa de choque a bruxa argentina incendiar a sede do Clarin.

    – Dilma Rousseff será reeleita derrotando Aécio Neves por uma avanlanche de votos jamais vista na história deste país, como diria o vulgo Apedeuta.

    – Na Colômbia, sucederá Manuel Santos, um dos líderes do grupo narco-comunista-terrorista FARC, que será eleito com folgada margem de votos e amplo apoio popular.

    – No Uruguai, o Zé Mugica e seus maconheiros continuarão no poder curtindo adoidados um eterno barato.

    – No Paraguai, o bispo comunista deverá ser reconduzido ao poder, com direito a instalar um lupanar anexo à sede do governo.

    – O PT no Brasil terá um grande crescimento nas próximas eleições e abocanhará o governo do Estado de São Paulo.

    – No embalo da performance da Dilma, o PT ou seus satélites como o PSB, PDT, PCdoB, PSOL e demais nanicos se agigantarão e vencerão eleições para os governos dos principais Estados do Brasil.

    – Lula será o candidato vencedor ao governo de São Paulo. Em seu discurso de posse reafirmará que o mensalão jamais existiu e que nunca passou de uma piada de salão, o que arrancará gargalhadas da platéia.

    – Todas as drogas serão liberadas em todo o Ocidente.

    – Todos os cristãos serão obrigados a seguir a Teologia da Libertação.

    – As maternidade terão duas alas. Uma para nascimento e outra para o aborto.

    – A disseminação drogas, então completamente livres, será a pá de cal a ser atirada sobre a civilização ocidental. A ciência definhará, pois todos estarão entregues ao ócio em função da maconha, da cocaína, heroína e do álcool. O trabalho se reduzirá e os alimentos sumirão.

    – O tabaco será proibido definitivamente. Quem insistir no uso do fumo será preso. No Estado de New York e Califórnia, os fumante serão condenados à morte na forca em praça pública.

    – Israel será destruído não pelas bombas atômicas do Irã, mas corroído por dentro, pelos judeus traidores que, como boa parte dos americanos, conspiram contra seu próprio país.

    – O projeto de construção de um centro islâmico com mesquita e madraçais a uma quadra do Marco Zero em New York será retomada pelo prefeito Michael Bloomgerg, que anunciará a decisão com um turbante muçulmano na cabeça e o braço erguido com os dedos esticados num V de vitória!

    chest- do A.A. hilário…mas verdadeiro. Alguem duvida?

  297. Pax said

    É, caro Patriarca,

    E essa reação política está sendo um deleite. Para a oposição.

    Vejo o PT descer ladeira abaixo todo santo dia, para salvar dois afunda um partido inteiro. E a oposição, neste caso, nada de braçadas. Vão chegar no Lula e acabarão por conseguir aportar em Dilma.

    Para salvar 2 que não tem mais o menor capital político.

    Paciência, decisão do partido.

  298. Zbigniew said

    Chesterton – “Afinal, os pobres trabalham nas empresas dos ricos”

    Que podem ficar mais ricos se venderem para esses mesmos pobres, se estes deixarem de ser tão pobres, não?

  299. Otto said

    Pax:

    até agora não foi provado – nem será- que o “mensalão” petista tenha sido mais que caixa 2. Ora, pagar “mesada” pra deputado do seu próprio partido pra votar com o partido? Comparar o congresso sem comprar o senado?
    sabendo disso, o próprio STF passou a usar a expressão “compra de apoio político”, que é muito mais elástico e vago. Ora, compra de apoio político é o Serra e Alckmin fazem comprando milhares de assinaturas do famigerado PIG.

  300. Zbigniew said

    “Ora, compra de apoio político é o Serra e Alckmin fazem comprando milhares de assinaturas do famigerado PIG.”

    Isso sim é compra de apoio politico.

  301. Chesterton said

    Que podem ficar mais ricos se venderem para esses mesmos pobres, se estes deixarem de ser tão pobres, não?

    chest- exatamente, assim é o capitalismo, todos ganham, uns ganham mais que os outros, mas todos ganho. Agora…desde que, se saliente, que o governo não retire do bolso das pessoas grande quantidade de dinheiro.

  302. Zbigniew said

    Hmmmmm. Interessante. Parece que as bíblias dos liberais têm (convenientemente?) idéias bem contrárias às do Romney, que queria corte de impostos para os mais ricos. E os “nossos liberais”, ali, bem mais à direita do conservadorismo.

    “(…)
    Na sexta-feira (2/11), quando começou a circular sua última edição antes das eleições americanas, o semanário The Economist, com 169 anos de existência, surpreendeu a fina flor do empresariado global com o endosso à reeleição de Barack Obama. O entusiasmo não foi o mesmo do pleito anterior, mas a opção foi inequívoca e jornalisticamente audaciosa:

    “Muitos empresários americanos podem achar que nada seria pior do que conceder mais quatro anos a Obama. Pedimos licença para discordar. Por trás de suas intenções empreendedoras, Romney tem um plano econômico que só funcionará se não acreditarmos no que ele prega. Não é o tom apropriado para um executivo-chefe. E apesar de todas as suas deficiências, Obama tirou a economia da beira do desastre e exibiu posições decentes em política externa. Este jornal prefere continuar com o diabo que conhece e aposta na sua reeleição.”
    (…)

    Na segunda (5/11), repetiu-se a história com o anúncio do apoio do Financial Times, a bíblia cor de salmão do mundo econômico, a um presidente que na melhor das hipóteses seria classificado como “centrista”. Este segundo apoio foi mais enfático e destacado do que o do semanário publicado pelo mesmo grupo Pearson:

    “Obama é a melhor aposta para os EUA em crise. Romney não inspira confiança para tocar uma agenda clara. Seu plano de cortar impostos não vai reanimar a economia.”
    (…)”
    http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/midia_brasileira_a_direita_dos_conservadores

  303. Pax said

    Ufa, ainda bem…

    Sobre a imprensa, Dilma voltou a dizer que “mesmo quando há exageros”, é “sempre preferível o ruído da imprensa livre ao silêncio tumular das ditaduras”.

    http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-11-07/dilma-diz-que-combate-corrupcao-no-brasil-e-pratica-de-estado

  304. Chesterton said

    Zbg¨%$#, nem todo empresario é capitalista, por exemplo, desconfie de “empresarios” que vivem nas costas do estado (BNDES, por ex.) ou amigos do alheio.

  305. Chesterton said

    “Obama é a melhor aposta para os EUA em crise. Romney não inspira confiança para tocar uma agenda clara. Seu plano de cortar impostos não vai reanimar a economia.”

    chest- claro, ele não vai cortar gastos públicos, vai aumentar impostos e a arrecadação não vai subir, e então pedirá mais trilhoes de dólares emprestados. Vai em seguida acusar o congresso de maioria republicana de não permitir a expansão da dívida pública, que cederá a chantagem e cherá essa dívida a 20 trilhoes de dólares. E assim fará por tempo (in)determinado, até que os investidores (chineses principalmente) fiquem desconfiados e exijam juros maiores….até que tudo explode como na Grecia, Italia, Portugal, Irlanda, Espanha…..ai que tédio.

  306. Chesterton said

    Ufa, ainda bem…

    Sobre a imprensa, Dilma voltou a dizer que “mesmo quando há exageros”, é “sempre preferível o ruído da imprensa livre ao silêncio tumular das ditaduras”.

    chest- é, ela poderia dar uns conselhos para a Cristina.

  307. Pax said

    Até o Chesterton gosta da Dilma, quem diria.

    Infalível Chesterton, velho e bom Chesterton, de vez em quando pára e pensa. É por essas e outras que confio na Humanidade. Ela evolui.

    =)

  308. Pax said

    Viva Jorge Hage!!!

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1181697-julgamento-do-mensalao-traz-enorme-ajuda-no-combate-a-corrupcao-diz-ministro.shtml

    Leiam com atenção.

  309. Elias said

    I
    “Lula será o candidato vencedor ao governo de São Paulo…” (Chester, citando o @$$#!*&¨% — sei lá o que é isso!)

    Não, Chester. O Lula será o próximo presidente do Banco Mundial… Só pra deixar vocês ainda mais p… dentro das calças.

    II
    “Vejo o PT descer ladeira abaixo todo santo dia….” (Pax)

    Se a “ladeira” é moral, concordo. O PT perdeu o encanto prum monte de gente decente que ainda existe na pátria que me pariu… E deu de bandeja um ganha-pão fedorento pros analfabetos políticos que lhe fazem oposição. O PT faz m… Esse pessoal come e acha graça, feito hiena…

    Aí, quando chega a eleição, o PT… Cráu!

    Parece que a escada rolante da ladeira moral se move em sentido oposto ao da escada da ladeira eleitoral…

    III
    A galera petista sentiu a porrada do mensalão, e tá feroz, querendo ir à forra agora.

    Mas isso é bobagem…

    Do ponto de vista político-eleitoral, o PT nada tem a ganhar com o julgamento do mensalão tucano agora. Enquanto o mensalão tucano não for julgado, ele será sempre um monte de excremento a ser esfregado nos bicos dos tucanos.

    O que o PT tem que fazer é reunir e sistematizar todo o material existente sobre o mensalão tucano e relacioná-lo com o bolão babante que o FHC pagou pra conseguir a emenda da reeleição.

    É pegar isso e usar no momento oportuno e da forma certa. Nada de ficar falando nisso sem parar desde agora. Se fizer isso, vai banalizar, cansar e, no frigir dos ovos, não vai render votos.

    O alvo do discurso petista não é nem deve ser a oposição. O alvo do PT é o eleitor. Se o PT tratar a oposição como alvo, estará cometendo o mesmo erro que a oposição comete em relação a ele.

    IV
    Claro que, do ponto de vista técnico, o julgamento do mensalão foi injusto. É insustentável (no sentido de que a Corte não poderá sustentar, ou seja, aplicar, o mesmo critério em todos os julgamentos futuro, sob pena de virar bagunça).

    Foi injusto do ponto de vista técnico, mas foi justo do ponto de vista moral. Todos os condenados são culpados, sim.

    Daí que as críticas ao STF não podem tomar como base apenas o julgamento do mensalão.

    As críticas ao STF devem ter como base o fato de que: (a) o colegiado é medíocre, fraco, vulnerável à pressão da mídia; (b) já passa da hora de se fazer a reforma do Judiciário brasileiro.

    O Joaquim Barbosa é só um detalhe… Com a tendência autodestrutiva que ele tem, Joaquim Barbosa nem precisa de inimigos. Ele é o principal inimigo dele mesmo…

    V
    Regular a imprensa? Pro PT, isso é escarrar pra cima…!

    O que precisa ser feito é acabar com a imunidade tributária dos barões da imprensa. Absurdo que o dono da padaria pague duas vezes mais impostos do que deveria, só pra repor as perdas com as isenções fiscais aos grandes impérios de comunicação.

    Os incentivos fiscais a empresas não devem ser concedidos apenas com base no setor de atividade, e sim concomitantemente com o porte da empresa.

    É uma imoralidade que o dono do lava a jato da esquina pague mais impostos, EM TERMOS ABSOLUTOS, INCLUSIVE, que a Editora Abril e a Rede Globo juntas (já que estas não pagam absolutamente nada de IR, ISS, CSLL, etc.)

  310. Michelle 2 said

    #295

    Julgamento do Mensalão:
    “Não tenho dúvidas, não quero ouvir, já sei tudo, Deus me disse…!!”

  311. Olá!

    E a viuvada mensaleira continua com o tradicional chororô!

    Chorem, viúvas mensaleiras! Chorem, viúvas do José Dirceu!

    Até!

    Marcelo

  312. Olá!

    “Sobre a imprensa, Dilma voltou a dizer que ‘mesmo quando há exageros’, é ‘sempre preferível o ruído da imprensa livre ao silêncio tumular das ditaduras’.”

    Só falta o PT colocar isso como cláusula pétrea naqueles textos que o partido emite ao final dos seus congressos, pois sempre há ataques à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa.

    Mas é bom esperar chegar os momentos sombrios para saber se a presidente Dilma tem isso como um valor de fato ou se apenas se utiliza dos valores democráticos como estratégia de momento.

    Até!

    Marcelo

  313. Chesterton said

    Pax, até você sabe que gostar é uma coisa, e reconhecer um acerto é outra.

  314. Chesterton said

    Não, Chester. O Lula será o próximo presidente do Banco Mundial… Só pra deixar vocês ainda mais p… dentro das calças.

    chest- colocar o chefe do mensalão na presidência do Banco Mundial….é, não tinha pensado nessa tragédia, que coisa né? quando a gente menos espera, aí é que nada acontece mesmo.

  315. Chesterton said

    Pronta para
    julgamento ação
    em que Lula é réu
    Está nas mãos do juiz da 13ª Vara Federal de Brasília a ação Civil Pública em que o ex-presidente Lula e o ex-ministro da Previdência Amir Lando são réus por improbidade administrativa. Eles são acusados pelo Ministério Público Federal, autor da ação, de utilizar a máquina pública para realizar promoção pessoal e favorecer o Banco BMG, fortemente envolvido no escândalo do mensalão petista. As irregularidades aconteceram entre outubro e dezembro de 2004.

    07/11/2012 | 00:00
    Propaganda pessoal
    Segundo o MPF e o TCU, 10,6 milhões de cartas de propaganda pessoal foram enviadas aos segurados do INSS com dinheiro público.

    07/11/2012 | 00:00
    Prejuízo elevado
    A carta usava como pretexto o crédito consignado e a manobra custou aos cofres públicos R$ 9,5 milhões, gastos com impressão e postagem.

    07/11/2012 | 00:00
    Devolução
    O MPF pediu à Justiça Federal o bloqueiro de bens de Lula e Lando para garantir a devolução dos R$ 9,5 milhões aos cofres públicos.
    CH

  316. Pax said

    O Min Joaquim Barbosa está com problemas de equilíbrio. Isto é fato. Infelizmente.

    Só que não acho que isto afetou o seu voto.

    A questão é sobre trabalhar em grupo, que parece não ser um dom da excelência.

  317. Elias said

    Pax,

    O ministro Barbosa não “está” assim ou assado… Ele É assim…

    Mas claro que o equilíbrio (ou a falta de…) do ministro Barbosa não afetou seu voto.

    O voto — dele e de outros — foi afetado pelos holofotes. As excelências votaram jogando pra galera. É um colegiado fraquinho, híper-vulnerável a manipulações de fora pra dentro. Teve carinha lá mudando, da noite pro dia, posicionamentos que ele já havia revelado de público (sem ser obrigado a isso).

    Aliás, juiz — principalmente ministro de Tribunal Superior — que dá entrevista antecipando entendimentos sobre tal ou qual questão, deveria ser exonerado, depois de responder a PAD. Juiz deve falar no processo. Entendimento antecipado só respondendo a consulta “em tese”, formulada por quem de direito. Além do mais, consulta “em tese” deve ser respondida pelo TRIBUNAL, não por tal ou qual juiz.

    E juiz que joga pra galera não tem a menor condição de ser juiz. Pode até ser um bom jurista, mas será, sempre, um péssimo juiz. Um patrão minimamente rigoroso o demitiria.

    Mas isso praticamente não importa mais, agora. Jogo jogado.

    Vamos ver, agora, os desdobramentos.

    Na realidade, encerrado o julgamento do mensalão, e visto como não produziu para o PT os resultados eleitorais negativos que a oposição queria — até porque necessitava (e, agora, passou a necessitar muito mais) desesperadamente — abre-se uma baita oportunidade pro PT fazer política… Amarrar os cadarços e bater um bolão…

    Sabe-se que ele quer isso (até porque também precisa). Vamos ver se saberá fazer, né?

  318. Otto said

    De um comentarista alhures. Alguém que tem face pode confirmar?

    Se for verdade, é a revelação do engendramento do golpe:

    “Eduardo: É preciso investigar se essas informações tem procedencia, pois retirei do facebook do prof. Luiz Fernando Carceroni que é do PT de MG e foi um dos que denunciou a lista de Furnas. São informações gravíssimas por isso acho que deveriam ser investigadas:

    Marcos Valério, em gravação de 2011, fez acusação gravíssima sobre quatro ministros do STF

    Em gravação feita na residência de Marcos Valério, pelo Advogado Joaquim Engler Filho, em 19 de outubro de 2011 – ele não sabia estar sendo gravado – Valério afirmou que:
    – O FHC, Tasso Jereissati, Eduardo Azeredo, Arthur Virgílio e Álvaro Dias fecharam um acordo com os Ministros Gilmar Mendes, Marco Aurél
    io de Mello, César Peluso e o Aires Brito para julgar o Mensalão do PT no ano que vem [2012], bem próximo a eleição para Prefeito e vereadores.

    Em outra gravação, da mesma procedência, Claudio Roberto Mourão da Silveira, ex-secretário de Eduardo Azeredo, ambos do PSDB, confirmou a mesma história.

    São afirmações comprometedoras, quanto a isenção de julgamento do mais graduado Tribunal do país.

    Daí se explicaria:
    1 – A exigência de pressa do presidente do STF, César Peluso, para que o relator Joaquim Barbosa e o revisor Ricardo Lewandowski, apresentassem seus respectivos relatórios, exigência feita inclusive pela imprensa.
    2 – Também ficaria esclarecida a imutável sintonia dos votos destes quatro ministros e o absoluto empenho para que Peluso votasse no processo.
    ________________________________________
    Segue …

    Em outro trecho, Marcos Valério explica o comportamento de José Dirceu

    – O José Dirceu não fez nada de errado, ele não recebeu um puto sequer, não foi corrupto, não traiu em momento algum o Presidente Lula e não participou de nenhuma coisa errada.

    Claudio Roberto Mourão da Silveira segue perguntando:
    – E verdade Valério que você gravou várias fitas, falando tudo o que sabe?

    Marcos Valério responde:
    – Até o presente momento não gravei nada. É pura mentira destes jornalistas desqualificados das revistas VEJA, ISTOE, EPOCA, querem vender, usam de mentiras e factóides.”

  319. Chesterton said

    Marcos Valério, em gravação de 2011, fez acusação gravíssima sobre quatro ministros do STF..

    chest- mas não era esse que não tinha credibilidade alguma pois fora condenado?

  320. Otto said

    Ah, esqueci, acusação sem prova só vale pra petista…

    Tucano, com um catatau de provas (vide Privataria tucana) nem abre processo.

  321. Chesterton said

    Otto, você é parente do Dirceu? Nem a UNE dá essa bola toda a ele…

    Cotas quebram as universidades (acharam que iria ser molezinha?)

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,nao-ha-recursos-para-as-cotas-,956778,0.htm

  322. Otto said

    Não, não sou. Mas você tem toda a pinta de ser genro do Serra…

  323. Chesterton said

    Genro do Serra? Boa essa. Mas não dá, pela cara dele a filha deve ser meio feinha. Peraí, vou ver se ele tem filha.
    Verônica Allende Serra ? Allende? mas que diabos….ainda é parente do Allende? Deixe ver uma foto….arghhhhhhhhhh. (tu tá é de sacanagem comigo)

  324. Michelle 2 said

    Privataria Tucana?

    Ninguém do PT se interessou pelo assunto.
    O assunto morreu pois era totalmente falso.
    Nem na eleição de São Paulo foi usado contra o Serra.
    Comportamento típico:
    “Não tenho dúvidas, não quero ouvir, já sei tudo, Deus me disse…!!”

  325. Pax said

    Caro Otto,

    Ou você traz um link para teu comentário #318 ou, infelizmente, terei que retirar.

    Traz acusações super sérias que não posso deixar aqui sem arriscar a sermos processados, você e eu.

  326. Chesterton said

    A esquerda sempre sonhou com o declínio americano, com a derrota do tio Sam, com a vitória do socialismo….bem, cuidado, seus desejos estão a ponto de se cumprirem: que tal uma base aeronaval chinesa em pleno oceano Atlantico?

    http://www.nationalreview.com/articles/332454/red-flag-over-atlantic-gordon-g-chang

    os chineses estão chegando (aí quero ver o que é realmente bom para a tosse)

  327. Michelle 2 said

    A mim parece que o medo de que o “bezerro de ouro” ser processado e condenado está deixando “certas pessoas”, aqui e em outros blogs, com disenteria mental.
    Por que o jogo tão mal cheiroso?
    Essas “certas pessoas” parecem ter certeza que lula será desmascarado, tempestivamente. É o que penso.
    Parecem já ter condenado o embusteiro ex-presidente em processos que estão ocorrendo em outras instâncias.Tempestivamente.
    Eu não sei. Apenas quero a verdade e que os culpados sejam punidos.
    E ai adoradores…Lula será condenado?
    Não contem para mim. Contem aqui para o Tio Pax.
    hehehe

  328. Michelle 2 said

    A cúpula do PT no primeiro governo de lula, e demais condenados no julgamento do Mensalão Banco Rural, será obrigada a entregar o passaporte.
    Dúvidas
    1.Lula será condenado?
    2.Dona Lula da Silva irá usar o passaporte italiano para si e para seus filhos?
    3. E o filhote de lula já entregou o passaporte diplomático dele? Não tive mais informações.

  329. Patriarca da Paciência said

    “O Min Joaquim Barbosa está com problemas de equilíbrio. Isto é fato. Infelizmente”

    Caro Pax,

    muita gente anda com sérias dúvidas sobre a saúde mental do ministro Barbosa.

  330. Chesterton said

    Ja sei, a cura seria inocentar Dirceu….

  331. Michelle 2 said

    “muita gente anda com sérias dúvidas sobre a saúde mental do ministro Barbosa”.

    Eles estão surpresos porque Joaquim Barbosa não murmura “nhonho” e cai ajoelhado aos pés do “bezerro de ouro”.

    Chegam a afirmar/admitir que o embusteiro ex-presidente errou a escolher os Ministros do STF.
    Teria que ter nomeado mais “correligionários” independentes…altamente dependentes.
    Afinal DEVEM o cargo ao Presidente da República, que os indicou para aprovação no Senado Federal.

    Se isto não é o Samba do Crioulo Doido…o que será?

  332. Michelle 2 said

    Hoje…Dias Tofolli na dosimetria que é aritmética pura aliada a critérios estabelecidos por lei, não soube/ sabia o que significa 1/3 +2/3 dividido por 2 …esse cara é uma piada!

    mas ele murmura nhonho…bunitinho..hehehe

  333. Olá!

    Se há uma atitude sensata que um cidadão honesto pode tomar, é não dar trela para a viuvada mensaleira. É chororô do começo ao fim.

    Podem chorar, viúvas mensaleiras!

    Até!

    Marcelo

  334. Pax said

    Prezados,

    Mesmo com os arranca rabos entre os ministros e as tempestivas intervenções do ministro Joaquim Barbosa, se olharmos com calma temos:

    1 – a discussão sobre dosimetria tem uma lógica.
    2 – não foge do que está nas leis
    3 – há divergências sobre as penas bases e as questões de aumento da pena
    4 – no apanhado geral, as penas do relator é que estão prevalecendo no plenário.

    Também não gosto do vejo. Preferiria que houvesse mais cuidado com a liturgia.

    De outro lado, gostei muito da colocação do Jorge Hage. Será meu post de hoje.

  335. Pax said

    Caríssimo Otto,

    Continuo aguardando o link do comentário #318. Cá confesso enorme desconforto em:

    1 – manter este comentário sem que tenha um link

    2 – cortar o comentário, uma dificuldade enorme para quem tem na democracia o norte que define liberdade de opinião e expressão

    Por favor…

  336. Pax said

    Caro Elias, em #317

    Para o PT bater um bolão daqui para a frente, vai ter que jogar como Messi e Neymar ao lado de Pelé, Tostão, Rivelino e Clodoaldo.

    Porque na ponta direita estão para colocar o Kassab. Sem contar que na meia direita tem aquela galera toda… e tiraram a ponta esquerda, provavelmente achando que por este pedaço do campo não haverá mais gols a serem feitos.

    Se é que me entendes…

    Já eu colocaria na ponta esquerda algo como o PSOL, para equilibrar as ações em campo. Mesmo que a torcida seja pequena, mas é que tem aquela coisa do time original, aquela personalidade que a gente conhecia, saca?

  337. Chesterton said

    cortar o comentário, uma dificuldade enorme para quem tem na democracia o norte que define liberdade de opinião e expressão

    chest- democracia e liberdade nem sempre combinam….

  338. Thɑnks for sharing your thoughts about toss.

    Ɍegards

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: