políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

CPMI: Perillo recebeu R$ 1 milhão de Cachoeira

Posted by Pax em 22/11/2012

Em 17 de maio passado o deputado Cândido Vaccarezza reforçou a tese da oposição que a CPMI era uma vingança de Lula sobre o mensalão. Num inacreditável e imperdoável vacilo colocou em seu Twitter a frase que deixa marcada sua biografia, escrevendo para o governador Sérgio Cabral: “A relação com o PMDB vai azedar na CPI. Mas não se preocupe você é nosso e nós somos teu”.

Em outras palavras, ou, numa livre interpretação, avisava o governador carioca que ele estaria blindado pela base aliada, maioria na CPMI. Suas relações “íntimas” com Fernando Cavendish, então presidente da Delta, não seriam devidamente investigadas. O foco era outro. O foco estava em Goiás. No governo de Goiás. Segundo rege o noticiário, Marconi Perillo avisara Lula dos descaminhos agora julgados no mensalão do PT, na Ação Penal 470, e este teria marcado Perillo como alvo político. A vingança chegaria e seria degustada como se deve, num prato frio.

O tucano de alta plumagem Perillo deve mesmo uma série de explicações. Também estava envolvido com Carlinhos Cachoeira, segundo o relatório final da CPMI.

Demóstenes Torres, antigo vestal do DEM, caiu. Era da patota do bicheiro-mafioso de Goiás. Perillo se complica. Cabral, segundo a CPMI, não precisa se preocupar, como havia anunciado o trapalhão Vaccarezza em 17 de maio.

Por mais desmoralizada que esteja esta comissão parlamentar, o que se nota, se ratifica, é que nossa política continua como sempre, agora com novos jogadores graúdos, conforme as condenações da Ação Penal 470.

O verbete “realpolitik” precisa ser atualizado na Wikipédia. Lá diz que o termo é freqüentemente utilizado pejorativamente, indicando tipos de política que são coercitivas, imorais ou maquiavélicas.

No Brasil precisa acrescentar o sentido de corrupto mesmo.

CPI afirma que Marconi Perillo recebeu R$ 1 milhão de Cachoeira

Localização dos celulares usados pela quadrilha do bicheiro aponta que parte do dinheiro foi entregue na chácara do governador, em Goiás

MURILO RAMOS E MARCELO ROCHA – Revista Época

Em 13 de julho, ÉPOCA publicou reportagem sobre o envolvimento do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), com a organização criminosa chefiada por Carlinhos Cachoeira. Com base em informações da Operação Monte Carlo, deflagrada pela Polícia Federal, a reportagem mostrou que Perillo assumiu um “compromisso”, por intermédio de Cachoeira, para que a construtora Delta recebesse em dia pagamentos pela prestação de serviços ao estado. Em contrapartida, segundo a PF, Perillo exigiu R$ 500 mil da empreiteira. Esse valor foi negociado em meio à venda da casa do governador, num condomínio de luxo de Goiânia, para Cachoeira em março de 2011. Cachoeira pagou R$ 1,4 milhão a Perillo por meio de três cheques emitidos por uma empresa-laranja. Os R$ 500 mil restantes, segundo o relatório final da CPI do Cachoeira, apresentado nessa quarta-feira (21), foram entregues ao governador no dia 11 de junho de 2011. O portador da quantia foi o ex-vereador de Goiânia e braço-direito de Cachoeira, Wladmir Garcêz. Segundo novos dados obtidos pela CPI, e só revelados agora no relatório, Garcez fez a entrega na chácara do governador, localizada no município de Pirenópolis (GO). “O dinheiro foi efetivamente entregue na chácara de Marconi no dia 11.06.11 por Wladmir Garcez, conforme determinado por Carlos Cachoeira”. Segundo a agenda divulgada pela própria assessoria do governador, Perillo estava em Pirenópolis no dia da entrega do dinheiro. (continua na Revista Época…)

Anúncios

178 Respostas to “CPMI: Perillo recebeu R$ 1 milhão de Cachoeira”

  1. Patriarca da Paciência said

    A reação do “quarto poder” foi uníssona: “Em menos de 24 horas, relatório de Odair Cunha (PT-MG) conseguiu provocar uma reação inédita dos grandes meios comunicação brasileiros: editoriais do Estado, de Francisco Mesquita Neto, e da Folha, de Otávio Frias, uma capa do Globo, de João Roberto Marinho, além de artigos de Merval Pereira e Ricardo Noblat. Tudo por conta da proposta de indiciamento do jornalista Policarpo Júnior, de Veja, de Roberto Civita, por formação de quadrilha, em razão de seu estreito vínculo com o bicheiro Carlos Cachoeira”

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/85950/Mídia-proclama-somos-todos-Policarpos.htm

    Pois é, vamos ver como reage o “segundo poder”. O quarto poder é informal, já o segundo poder é totalmente formal e constitucional.

    Será que o nosso Congresso, o segundo poder, vai abaixar a cabeça e aceitar ser rotulado de criminoso e corrupto?

    As velhas raposas merecem mesmo ser tuteladas pelo terceiro poder ?

    Depois das retumbantes homenagens ao ministro Ayres Britto, vem aí o capitulo, “como reagirá nosso congresso?

  2. Patriarca da Paciência said

    “Eu fui presidente da República; e daí? Se eu matar alguém, tenho de ir para a cadeia. Essa igualdade perante a lei é fundamental para uma sociedade decente”, disse o ex-presidente durante palestra a pesquisadores da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP) em Águas de Lindóia, interior de São Paulo”

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/85930/FHC-julgamento-do-mensalão-é-o-todos-somos-iguais-FHC-julgamento-mensalão-todos-somos-iguais.htm

    E o “quarto poder”, caro Sr. Fernando Henrique Cardoso, também é igual a todo mundo?

    Por que será que o “quarto poder” não pode ser investigado ou regulamentado?

    Como dizia aquele sábio rei da França, “onde ficou escrito, no testamento de Adão, que o quarto poder estaria “livre de qualquer apreciação judicial” (como o célebre AI-5), e também , inclusive, acima de qualquer suspeita?

    Seria o “quarto poder” aquela entidade fabulosa, da qual se referiu a nossa presidenta, que está “acima dos erros e das paixões humanas”?

  3. Edu said

    Pax,

    Coercitivas não, mas imorais e maquiavélicas, com toda a certeza. hehe

  4. Patriarca da Paciência said

    “Ao pedir o indiciamento do jornalista de VEJA Policarpo Júnior, o relator Odair Cunha, do PT de Minas Gerais, não conseguiu esconder sua submissão às pressões da ala radical de seu partido que, desde a concepção da CPI, objetivava atingir a credibilidade da imprensa livre por seus profissionais terem tido um papel crucial na revelação do escândalo do “Mensalão” – o maior e mais ousado arranjo de corrupção da história oficial brasileira. ”

    Ou seja, o Policarpo Junior não tinha “o domínio do fato” sobre as atividades do Sr. Carlos Cachoeira.

    Em anos e anos de estreita relação, o Sr. Policarpo Junior nada falou sobre as atividades do Sr. Carlos Cachoeira.

    Conivências ou descaramento?

    Ou, dois pesos e duas medidas?

  5. Patriarca da Paciência said

    O link do comentário 4,

    http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/cpi-do-cachoeira-nota-de-esclarecimento-da-revista-veja

  6. Patriarca da Paciência said

    “Esquema do Cachoeira envolveu R$ 7,7 bilhões, em 10 anos, em todo o país”

    http://www.jb.com.br/informe-jb/noticias/2012/11/21/esquema-do-cachoeira-envolveu-r-77-bilhoes-em-10-anos-em-todo-o-pais/

    Ou seja, 50 vezes a quantia envolvida no ” maior e mais ousado arranjo de corrupção da história oficial brasileira. ”, conforme a revista “óia”.

  7. Zbigniew said

    Patriarca,

    todo esse teatro também tem a ver com o vácuo de poder que o próprio PT e o governo deixaram acontecer. A imprensa, agindo como oposição, tem que responder por seus excessos e crimes. Se os indigitados jornalistas estão envolvidos de alguma forma em irregularidades, têm sim que ser investigados, inclusive o órgão a que pertencem. Ninguém está acima da lei, tampouco a democracia admite atores privilegiados.

    O problema é o nosso legislativo. De alguma forma parte da imprensa (a mais poderosa) consegue uma forte influência sobre os parlamentares e acho que isto tem muito a ver com as concessões de tv e repetidoras. Mas só isso não seria o suficiente. Por que tanto medo da imprensa? Será que todo mundo tem rabo preso? E se assim é, a imprensa não teria nada a ver com tais esquemas, como a Veja demonstrou ter? O que está faltando para um enquadramento desse pessoal?

  8. Pax said

    Por que tanto medo da imprensa?

    Sei lá, mas minha bistataravó dizia: calça de veludo ou bunda de fora. Será, por um absurdo, que as excelências têm algo a dever? Claro que isso não existe no Brasil, mas vamos supor, só por exercício.

    Seja jornalista, senador, deputado, presidente, pedreiro, ministro, ex-presidente, diretor, dono ou editor de revista, diretor de Agência Regulatória (me dá uma comichão de pedir para colocar alguns da Anatel nessa lista… sei lá por que cargas d’água) etc. Coloquem os farejadores atrás. Nos conformes, sem um deslize sequer nas investigações. Não inventem nem aumentem. Mas investiguem o detalhe do detalhe.

    Seja do lado dos fariseus, dos filisteus, de qualquer lado. Também vamos dar uma olhada nesses contratos de estatais com veículos e o que for, por favor.

    Só nessa CPMI, sinto muito a opinião – mas desmoralizada sim – tem uma penca de alvo. Ok, não listaram rapaziada da Anatel. Parece que não era foco. Mas já tem uma penca de alvo bom, alvo gordo. De prefeito a governador de vários sotaques, de senador a empreiteiro, de gente de todo canto, basta colocar os olhos pra ver se Veja bem visto. De novo, não inventem nem aumentem, mas investiguem, sim. Ninguém, como já disseram por aí, deve ser julgado diferente. Muito menos investigado.

    Antes de ser prioridade para um partido em triste evidência, a Regulação da Mídia, que por uma enorme coincidência sempre volta à superfície quando …. muito antes disso, quem sabe propor umas emendas nas leis de injúria, calúnia e difamação? Exacerbar um bocado as penas previstas e fazer o bagulho funcionar bem, com rigor, direito de resposta dobrado em tamanho e permanência no veículo condenado… sei lá, mas sem desequilíbrio nem abrindo chance para perseguição nem restrição das liberdades de opinião e expressão.

    Questão de opinião, cada um tem a sua.

  9. Chesterton said

    Querem criminalizar jornalista por fazer trabalho de jornalista…hum….isso é grave.

  10. Chesterton said

    Petista que manipulou relatório da CPI será processado por danos morais.
    O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e um dos seus aliados mais próximos, Jayme Rincon, resolveram partir para o ataque contra o relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT). Eles anunciaram à Folha que irão entrar com processos por danos morais contra o relator.O relatório de Cunha pede a responsabilização criminal de Perillo e Rincon, por crimes como formação de quadrilha, tráfico de influência e advocacia administrativa. O governador chamou o relatório de “peça de ficção” e “inconsistente”.

    Para Perillo, seu indiciamento é um troco por conta do julgamento do mensalão. “A farsa foi desmascarada. O relator, a serviço do mentor do mensalão e na ânsia de agradar o seu chefe, produziu o mais mal feito e inconsistente relatório na história das CPMIs do Congresso”, disse Perillo à Folha. “Repudio de forma veemente essa peça de ficção elaborada exclusivamente como instrumento de vingança.”

    Também acusado no relatório, o presidente da Agetop (Agência de Obras), Jayme Rincon, é outro que promete processar Odair Cunha. Segundo a CPI, Rincon direcionou licitações para a Delta.”Sou o pior direcionador de licitações do Brasil, pois de todas as licitações feitas por mim e que somam maia de R$ 1 bilhão, a Delta concorreu e ganhou apenas 4%”, disse. “Se o relator tiver o mínimo de dignidade, ele deve ir a público pedir desculpas a Goiás pelas asneiras ditas ao longo dos últimos oito meses e pelo relatório pífio e inconsistente que ele elaborou.” (Folha Poder)

  11. Chesterton said

    Pedido para indiciar Gurgel é alvo de crítica dos ‘independentes’ da CPI
    Grupo votará contra relatório final apresentado pelo deputado Odair Cunha e entregará ao procurador uma representação incluindo o pedido de indiciamento do governador Cabral

    Luciana Lima – iG Brasília | 21/11/2012 20:25:48

    A inclusão do nome do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, entre os 46 pedidos de indiciamento no relatório final apresentado pelo deputado Odair Cunha (PT-MG) foi o fator principal para que o texto não recebesse o apoio do grupo de deputados e senadores chamados de independentes na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito do Cachoeira.

    Cachoeira: CPI adia para quinta-feira a leitura do relatório final

    A decisão do relator, na opinião do grupo, “tem as digitais” da cúpula do PT, insatisfeita com a posição de Gurgel no julgamento do mensalão. “É uma completa inversão de valores. É colocar o investigador na condição de investigado. É uma atitude de retaliação que não tem relação nenhuma com o conteúdo da investigação”, disse o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

    Ontem, Randolfe e Cunha se reuniram para tratar das demandas do grupo. O relator tentou atender ao máximo as reivindicações, no entanto, a convocação de Gurgel, segundo Randolfe, foi insuperável. “Ele fez um relatório procurando agradar a todos e acabou desagradando a todos”, destacou.

    Assista ao vídeo: Randolfe diz que Cachoeira tinha “cota” no governo de Goiás

    Leia também: Carlinhos Cachoeira tem ‘dia de folga’, afirma advogado

    Fazem parte do grupo, além de Randolfe, os senadores Pedro Taques (PDT-MT), Pedro Simon (PMDB-RS), e os deputados Onyx Lorenzzoni (DEM-RS), Miro Teixeira (PDT-RJ) e Rubens Bueno (PPS-PR). O grupo decidiu entregar ao procurador uma representação na qual também pedem a inclusão do nome do governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), poupado no relatório de Odair Cunha, entre os indiciados.

    Leia mais: Tucanos se articulam para livrar Perillo de indiciamento na CPI do Cachoeira

    “É por isso, por não indiciar o governador Sérgio Cabral e por não ter quebrado o sigilo das empresas que receberam recursos da construtora Delta, que o nosso voto não pode ser favorável a esse relatório”, disse Randolfe Rodrigues, que criticou o texto de aproximadamente cinco mil páginas entregue hoje aos parlamentares.

    “Da forma que está, a alegoria é nota 10, o enredo é nota zero. Tem muito papel. As únicas criminalizadas foram as árvores, que foram derrubadas para fazer o relatório e pouco conteúdo. O conteúdo do relatório não diz a que veio”, ironizou.

    CPI: Patrimônio ilegal de Cachoeira chega a R$ 160 milhões, aponta relatório

    A não adesão dos independentes pode ser cara ao relator já que outro texto, livrando Marconi Perillo, governador de Goiás, da acusação está sendo elaborado por deputados e senadores do PSDB. Randolfe fez questão de diferenciar os dois movimentos existentes na comissão.

    “É como água e vinho. Nós partimos do pressuposto de que o governador Marconi Perillo permitiu que em seu governo tivesse uma cota de participação do senhor Carlinhos Cachoeira. O governador Marconi Perillo foi leniente, permissivo à participação da organização criminosa de Carlos Cachoeira e Delta em seu governo”, argumentou.

  12. Zbigniew said

    Pax,

    regulação não tem nada a ver com controle de conteúdo. Nem na Argentina, aqui cantada em prosa e verso, junto com a Venezuela, como exemplos do Estado-Leviatã contra os pobres barões da mídia.

    Há regulação em outros países. Que tal darmos uma pesquisada nesses modelos? Seria interessante para sabermos se realmente isto é possível e dá certo. A princípio acredito que uma mídia regulada, como de todo o resto que atende a um marco regulatório, atenderia aos reclamos da sociedade pela democratização da informação.

  13. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Que tal, determinados agentes promotores, colocarem este pauta após resolverem algumas questões pendentes?

    O que me estranha, chega a me incomodar, são as coincidências temporais.

    Cá do meu cantinho, quero mais é que todos sejam investigados. Todos e tudo. Inclusive histerias carregadas de ofensas. Não acredito que neste tom o elemento básico da imprensa, a tal da informação, seja devidamente privilegiada.

    Esta é uma opinião pessoal.

    Mas, conforme conversamos longamente no post passado, temos que atender, em primeira e todas as instâncias, os princípios maiores das liberdades. Assim me parece.

    Tem hora pra tudo, em outras palavras.

  14. Chesterton said

    Dólar subindo de cotação rapidamente. Risco de inflação aumentando no curto e médio prazos. Grandes empresas estatais (de economia mista) – como Petrobrás e Eletrobrás – perdendo muito valor de mercado e descumprindo metas. Desaceleração nos investimentos privados, por desconfiança na conjuntura e por insegurança jurídica. Sinal de provável queda de consumo, já que famílias se endividam cada vez mais e começam a enfrentar dificuldades de crédito para fazer compras.

    Eis o resumido panorama do Capimunismo brasileiro – repleto de problemas de má gestão, por incompetência ou excesso de corrupção governamental e empresarial. Tudo é uma herança dos 16 anos de poder de Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva. O pepino, estragando, está há dois anos na mão da Presidenta Dilma Rousseff – que tem tudo para ser atrapalhada por uma crise nunca antes enfrentada por seus antecessores na História deste País.

    O Governo Dilma aposta no ilusionismo e na constante propaganda enganosa de que o Brasil avança e por nada será afetado. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, finge tranquilidade e alega que o movimento de valorização do dólar está relacionado ao aumento da apreensão no mercado internacional em relação ao desempenho das economias europeias e norte-americana. Curiosamente, o Banco Central do Brasil não intervém no mercado, e deixa o dólar flutuar. Em apenas duas semanas o dólar saiu de R$ 2,03 indicando que deve ficar em R$ 2,10 ou subir ainda mais.

    Dilma pode ser vítima do clima virando na economia. Nunca custa lembrar que as crises de verdade, sentidas no bolso pela pela massa ignara, são capazes de desestabilizar governos sem objetivos concretos, como o dela. O Brasil não promove uma reforma tributária de verdade. Fica apenas na ilusória concessão de isenções pontuais de impostos. O Governo coveiro continua se metendo demais nos negócios – liberando crédito, a juros ainda altos, apenas para os parceiros que farão a grana retornar, na forma de mensalões, para os mesmos corruptos de sempre no plantão da politicagem.

    Aliás, Dilma também tem tudo para se dar muito mal com modismo globalitário de “combater a corrupção custe o que custar”. A desgraça corruptora sempre beneficiou os grandes negócios nas áreas pública e privada. Mas agora, como prejudica os grandes oligopólios transnacionais, se transformou em ação de marquetagem global. Dilma moldou seu discurso ao modismo, mas pode acabar vítima das suas próprias palavras falso-moralistas em um governo hegemonicamente dominado por mensaleiros profissionais.

    Todo mundo sabe como funciona o prostíbulo capimunista tupiniquim segundo a vontade do cafetão globalitário. Um governo corrupto como o nosso pode ser derretido a qualquer momento. Mas a turma do Governo do Crime Organizado não precisa ficar tão tensa. Afinal, o atual esquema será substituído por outro novo esquema, também corrupto, só que em menos intensidade e aparentemente mais sob controle dos patrões da oligarquia financeira transnacional.

    Os controladores são como donos de cassino. Nunca perdem, porque simplesmente tomam conta do jogo. Apenas para iludir os incautos apostadores, ou jogadores viciados, fingem que ocorrem crises econômicas – por eles fabricadas. Quando a massa ignorante e os especialistas que pensam saber alguma coisa caem no conto do vigário, os controladores promovem a mudança das peças da jogatina. E tudo parece que muda, para ficar a mesma coisa.

    A crise preocupa Dilma. Por isso, a missão pessoal dela, imediata, é se credenciar como “confiável” ao Poder Real Mundial. Nessa conjuntura, sua tendência é cada vez mais se descolar da turma de tradicionais mensaleiros petralhas que sobrevivem e se locupletam em seu entorno. O dilema concreto da Dilma é que tal missão se torna praticamente impossível. Se fugir do PT, ela cai (refém) no colo do PMDB. E como é uma mera peça de tabuleiro pode ser facilmente trocada por outra, sem problemas, na hora que for conveniente ao sistema globalitário.

    Serrão

  15. Michelle 2 said

    Dilma, a incompetenta presidenta mostrou na posse do JB no STF que ela governa o Brasil para o PT, os outros que se fodam.

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/86004/Dilma-foi-mas-n%C3%A3o-foi-Dilma-foi-mas-n%C3%A3o.htm

    Planeta dos Macacos! O “ex- gorila alfa” tem que ser protegido a qualquer custo.

    Pax isso não é uma total falta de Ética?

  16. Chesterton said

    Diante da presidente Dilma Rousseff e do petista Marco Maia (RS), presidente da Câmara, declarou a independência do STF e afirmou que o tribunal não teme o eventual conflito com quaisquer forças. Foi ainda mais explícito: “Nós, os juízes, não tememos nada nem ninguém”, pouco importa, destacou, se a campanha é dirigida contra o tribunal como um todo ou contra um de seus membros.

    chest- minha convicção é que se Lula não tivesse tentado atingir Gilmar com chantagem Dirceu teria se livrado da pena…..

  17. Patriarca da Paciência said

    “Depois de ler neste blog a nota “Para o ministro Jaquim Barbosa, pergunta tem cor”, o novo presidente do Supremo Tribunal Federal desabafou irritado em conversa com amigos:

    – Canalhas.

    Referia-se aos jornalistas com os quais conversara em “off”. Detestou o vazamento da conversa.

    Joaquim costuma ser antipático com jornalistas, embora seja paparicado por eles.

    Quando se digna a dizer alguma coisa aos que cobrem rotineiramente as atividades do tribunal, quase sempre se despede com a advertência:

    – É “off”.

    Quer dizer: se publicarem o que ele disse não podem lhe atribuir nada.

    Dessa vez não foi assim. ”

    Pelo jeito, já começou a “fritagem” do Barbosão.

    Aquilo que todo mundo sabia, menos o Barbosão!

  18. Patriarca da Paciência said

    O texto em aspas, do comentário 17, é do blog do Noblat

  19. Pedro said

    Vamos ver até onde chegarão as criticas ao Barbosão.

    http://novo-jornal.jusbrasil.com.br/politica/103783157/joaquim-barbosa-da-prazo-para-mensalao-do-psdb

    ………

    Pax, sei lá, mandei outro comentário e ficou perdido no limbo cibernético. Tinha um link sobre corrupção nas agencias reguladoras. (Anatel e etceteras). Será?

  20. Pax said

    Caro Pedro,

    Não há nenhum comentário retido no WordPress.

    Agora, sobre a Anatel, bem, me permito dizer que tudo é possível.

    Excelente a notícia do encaminhamento do Mensalão do PSDB. Obrigado.

  21. Elias said

    “Ao pedir o indiciamento do jornalista de VEJA Policarpo Júnior, o relator Odair Cunha, do PT de Minas Gerais, não conseguiu esconder sua submissão às pressões da ala radical de seu partido que, desde a concepção da CPI, objetivava atingir a credibilidade da imprensa livre por seus profissionais terem tido um papel crucial na revelação do escândalo do “Mensalão” – o maior e mais ousado arranjo de corrupção da história oficial brasileira. ”

    Acuma!?

    É… Este país tá ferrado, mesmo…

    No tempo da ditadura, se alguém acusasse publicamente um major, ou mesmo um capitão, de trapacear no biriba, isso era considerado ofensa às Forças Armadas Brasileiras… Por mais que o indigitado milico fosse um trapaceiro compulsivo no biriba…

    Aí os políticos aprenderam. O Chico Anysio foi obrigado a tirar do ar um quadro do programa “Chico City”, em que ele interpretava um prefeito ladrão até a medula. Uma associação de prefeitos considerou o quadro ofensivo a todos os prefeitos brasileiros.

    Quer dizer que se o Policarpo for condenado por alguma coisa, toda a imprensa estará condenada, também?

    Se ele for preso, todos os profissionais da imprensa também estarão presos?

    E se o Policarpo for corneado, todos os jornalistas brasileiros se sentirão chifrudos?

  22. Otto said

    Começou a fritura do Barbosa.

    Por enquanto é só um aviso através do blog do Noblat.

    Se ele não andar na linha, estas críticas migram pros portais, revistas e jornalões e, depois, se for necessário, pro Jornal Nacional.

    Assim, a mídia amestra os seus juízes.

    Taí, Pax, um exemplo de manipulação da mídia.

    Há uma denúncia de agressão do Barbosa à sua ex-mulher. Isto é fato, não é fofoca, há inclusive um BO.

    Se o mensalão mineiro ou outro processo qualquer de interessa da Casa Grande midiática não andar do jeito que ela gosta, eles vão sacar esta denúncia. O Joaquim Barbosa, vaidoso do jeito que é, vai resistir?

    Tenho minhas dúvidas.

  23. Elias said

    Esse Odair não sabe nada sobre as novas regras em vigor no Brasil…

    Então ele pegou indícios e… Pediu o INDICIAMENTO do Policarpo Metacarpo Cascatinha?

    Porra, Odair! Vai no STF aprender o quê e como se faz com indício…

    Indício condena, rapaz! Principalmente se apoiado por 2 ou 3 testemunhas…

    Né Chesterton?

  24. Elias said

    Ninguém precisa fazer nada contra o Barbosa.

    Até as pedras sabem que ele tem uma incontida tendência à autodestruição.

    Não precisaremos esperar muito, pra ver o fim da lua-de-mel dele com certa área da mídia.

    E aí, repito: “maior o abuso com que o abusara, do que o amor com que o amara…”.

  25. Michelle 2 said

    É por aí:

    – O Poder Legislativo como todos estamos fartos de saber é um lixo.Uma casa dos horrores.
    -O Poder Judiciário realiza julgamentos de exceção e ousa condenar à cadeia altos dirigentes do PT, subvertendo a própria Constituição Federal.
    -O Poder Executivo comprova a cada dia a incapacidade de promover o desenvolvimento necessário, mesmo após 10 anos no poder.
    Alguns ministros de Estado, preferem morrer diante do status quo, e continuam nada fazendo.Só discursos politiqueiros.

    Sobrou nada.

    É por isso que digo:
    Chegamos ao Planeta dos Macacos!

  26. Otto said

    Bom mesmo era nos tempos de FHC: inflação e desemprego de dois dígitos, empréstimos gigantescos do FMI, desprezo internacional…

  27. Michelle 2 said

    Isso era antes…
    10 anos se passaram e agora
    Chegamos ao Planeta dos Macacos

  28. Elias said

    Vamunessa Chesterton!

    Explica aí pra gente o que a CPMI pode e deve fazer com alguns indícios e um punhado de testemunhos.

    Seria mais ou menos assim?

    Um indício + um testemunho e meio = um domínio do fato, que, somado ao duplo produto de um siricoteio diante de cãmaras de tevê, por dois deboches = ou parecido a 3 condenações.

    Sobram 2 testemunhos e meio, que poderão ser aproveitados para juntada a 4 indícios e 33 livres convicções, que…

  29. Chesterton said

    Indicio+ 2 testemunhas= processo. Não acho que jornalistas estejam imunes à lei. Agora, vamos ver o que vai acontecer. Cuidado com calunia e difamação. Que é crime…dá processo.

  30. Jose Mario HRP said

    Ninguém dos politicos ou jornalistas indiciados, possivelmente, pela CPMI, serão denunciados pela procuradoria federal!
    Os senhores procuradores federais de Brasilia já acalmaram os pobres injustiçados dizendo que não há pelo que denuncia-los!
    Viva o Brasil.

  31. Jose Mario HRP said

    Otto disse

    22/11/2012 às 23:10

    Caro Otto, o BO onde a esposa de JB acusa-o de agressão foi modificado para agressão mútua, depois de algumas sessões de contorcionismo policial, algumas carteiradas e uns tres “sabe com quem está falando” em cima do pobre delegado que lavrou o flagrante.
    Coisas de Brasil.

  32. Pax said

    Caros Otto e HRP,

    Por favor coloquem links destas notícias(?) para ficarmos dentro das regras do blog.

    Provavelmente vocês viram por aí, então, de novo, por favor tragam os links.

  33. Pax said

    Bora tornar a discussão mais objetiva. As críticas ao relatório, segundo a oposição, que era minoritária na bancada, são sobre, principalmente, 3 pontos (dou a fonte no final, estes itens abaixo foi meu apanhado desta notícia que li):

    1 – Pede que o Procurador Geral da República seja investigado pelo Conselho Nacional do Ministério Público: alegação de omissão e prevaricação.

    2 – Pede o indiciamento de 5 jornalistas, entre eles o Policarpo Jr, chefe da sucursão da Veja em Brasília: como apareceram conversas de Policarpo com Carlinhos Cachoeira, o relatório da CPMI o indicia por formação de quadrilha.

    3 – Não pede a quebra de sigilo de 15 empresas fantasmas que receberam dinheiro da Delta.

    Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-11-22/relatorio-da-cpmi-do-cachoeira-tem-leitura-adiada-para-proxima-semana

  34. Pax said

    Caramba, me parece constrangedor, sim. “Pular o corguinho” é lá termo apropriado no juridiquês?
    No Josias:

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2012/11/23/juiz-da-monte-carlo-acusa-desembargador-de-impor-constrangimentos-e-favorecer-cachoeira/

    Bem, eles que são juízes, que se entendam. Mas o céu não parece de brigadeiro nem o mar de almirante.

    Como envolve o famoso bicheiro goiano, agora churrasqueando em comemoração da sua soltura com sua bonita esposa, vale a pena acompanhar. Segundo consta, o bicheiro, que muitos da CPMI chamaram de mafioso, gostava de presentear senadores e distribuir fartos agrados para todos os lados. Incluindo, aqui, pautas e mais pautas para determinada imprensa.

    Que apurem tudo. E não nos poupem dos detalhes.

  35. Jose Mario HRP said

    PAX, sobre o JB e sua mulher.

    http://refletindomuito.blogspot.com.br/2012/11/coisas-do-stf.html

  36. Jose Mario HRP said

    Pax, sobre o Policarpo aqui:
    http://aposentadoinvocado1.blogspot.com.br/
    Tudo resolvido e todo mundo saindo livre!
    Viva o Brasil.

  37. Otto said

    Oi, Pax, o HRP postou um link acima. Se não me engano, eu já tinha há tempo trazido este assunto do BO à tona.

    No mais, uma ótima análise do Miguel do Rosário sobre a CPMI do Cachoeira:

    PIZZAS TÓXICAS ATERRORIZAM BRASÍLIA

    Os capangas entraram em ação.

    O relatório da CPI do Cachoeira, apresentado esta semana por seu relator, o deputado federal Odair Cunha (PT-MG), enfureceu os barões da mídia, que não perderam tempo. Seus leões de chácara travestidos de colunistas vociferaram pesadamente contra a audácia do parlamentar petista de tocar nos intocáveis.

    Todos, todos, todos os capangas gritaram em uníssono. Noblat, Merval, Dora Kramer, Cantanhede, editoriais, manchetes.

    Não vou me estender muito sobre o assunto, nem linkar ninguém. Todos dizem a mesma coisa, fazem as mesmas distorções. Vamos elencar as mentiras mais gritantes:

    Que a CPI indiciou o tucano Perillo e “poupou” Agnelo. Ora, os próprios jornais onde estes colunistas escrevem publicaram dezenas de denúncias gravíssimas contra o governador de Goiás. Contra Agnelo, não apareceu nada consistente. O Cachoeira foi preso na casa do Perillo, ora bolas!
    Que um policial disse que não encontrara nada de ilegal nas conversas entre Policarpo e Cachoeira. Ora, a função da CPI é justamente investigar aspectos políticos, o que não compete a um policial comum. O relatório diz, com abundâncias de provas (não há nenhum domínio de fato aqui), que a organização criminosa utilizava a mídia para chantagear políticos e autoridades, visando facilitar seus negócios escusos.
    Que a CPI fracassou ou acabará em pizza. Uai. A CPI indicia um montão de gente, governador, prefeitos, jornalistas importantes, policiais, altos servidores públicos, e um dos homens mais ricos do país, o proprietário da Delta, Fernando Cavendish. Que pizza é essa?
    Que a CPI não acrescentou nada ao trabalho da Polícia Federal. Mentira. A CPI vai entregar à PF e ao Ministério Públicos centenas ou milhares de sigilos bancários, telefônicos, fiscais, eletrônicos. A começar do próprio Marconi Perillo. Como assim não acrescentou nada?
    Que o relatório da CPI representou uma vingança política contra o julgamento do mensalão. Ué, cadê a curiosidade, a sede por justiça, o espírito ético? A mídia e seus colunistas não estão indignados com o esquema montado por Cachoeira, mafioso goiano, e Demóstenes Torres, senador do DEM, o mosqueteiro da ética?
    Condenaram Dirceu porque uma de suas ex-mulheres conseguiu um empréstimo para comprar o apartamento onde mora. Um empréstimo! Enquanto isso Perillo ofereceu sua própria casa ao maior bandido de seu estado, e ninguém fica indignado?
    Quanto a Roberto Gurgel, o Jornal Nacional o entrevistou nesta quinta-feira. Vimos um homem debochado, a responder com um sorriso cínico, sem demonstrar nenhum respeito pelo Congresso Nacional e pelo trabalho dos parlamentares que dirigem a CPI.
    Disseram que a CPI é instrumento de minoria. Balela. CPI é para investigar corruptos, e a CPI interrogou e investigou Perillo, Cachoeira e Cavendish.
    Que a CPI blindou a Delta. Caramba! A Delta foi declarada inidônea pela CPI, perdeu bilhões em contratos, está sendo processada por diversas instâncias do governo, e não pode mais participar de nenhuma licitação pública. Logo nos primeiros dias da CPI, a presidente Dilma mandou a Casa Civil publicar na internet todos os contratos da Delta com o Executivo. A notícia de que ela ainda é uma das companhias que mais recebe recursos do governo falseia a realidade. Ela recebe por obras já contratadas, em andamento ou já realizadas.

    Não cabe à CPI do Cachoeira, à nenhuma CPI, resolver todos os problemas do país. CPI tem de ter foco, e ir fundo nele, e entregar um relatório ao final, que deverá ser encaminhado ao Ministério Público para que este, ajudado pela polícia, faça o seu trabalho, que é investigar.

    Agora, é claro que o PT usou a CPI como forma de revidar politicamente ao tratamento que recebeu no mensalão. É do jogo democrático. É a razão de ser da democracia: o povo elege seus representantes também para que estes façam o bom combate político. O sujeito não vota num deputado do PT para vê-lo apanhar de colunistas tucanos. Essa é uma equação simples que a mídia não parece entender. Quando a mídia ataca Lula e o PT, ataca milhões de brasileiros que admiram o ex-presidente e seu partido, e estes mesmos brasileiros, quando votam, quando transferem seu poder para um representante político, o fazem para que este os defendam.

    Pelo menos o PT fez o dever de casa e suas acusações são munidas de áudios, vídeos, documentos. Não tem nenhuma ilação, nenhum domínio do fato.

    *

    Acho maravilhoso termos um negro como presidente do Supremo Tribunal Federal. Considero Joaquim Barbosa um sujeito íntegro, firme e corajoso. Mas não é um juiz competente. No julgamento do mensalão, vimos um magistrado destilar absurdos lógicos, incongruências jurídicas e agir apenas como acusador. Ele entrou no processo com ânsia de condenar, vestiu alegremente a fantasia de vingador e mostrou-se deslumbrado com as luzes de uma mídia obviamente engajada. Tenho opinião parecida de vários outros juízes. Não sei se os réus do mensalão são inocentes, se usaram crack na adolescência, se batem na mulher, se tem dinheiro em contas no exterior, se já roubaram roupa em lojas de departamento. O que me incomoda é ver juízes elaborando teorias escalafobéticas baseadas numa teoria alemã interpretada de forma indigente. É ver juízes condenando com base em ilações inconsistentes. A CPI do Cachoeira acaba de mostrar que é possível sim obter provas de crimes cometidos por graúdos.

    http://www.ocafezinho.com/2012/11/23/pizzas-toxicas-aterrorizam-brasilia/

  38. Chesterton said

    pronto, recomeçou a choradeira….

  39. Pax said

    Obrigado, caro HRP. O link original da notícia sobre JB é este abaixo, que achei depois de ler o blog que você indicou e fiz uma pesquisa no Google:

    http://www.horadopovo.com.br/2012/11Nov/3109-16-11-2012/P3/pag3a.htm

    É que descompromete este minúsculo blog nosso.

    Tempos atrás encontrei com um jornalista do antigo NoMínimo – que conheci e considero amigo (não, não é o PD dessa vez) – que me disse sobre o políticAética (algo assim, não vou lembrar as palavras exatas):

    “Tenha muito cuidado ao escrever qualquer coisa no teu blog. O assunto é delicado e você pode ser processado. E você não é jornalista, não apura e não está amparado por uma estrutura jurídica como os jornais estão. Então diga da seguinte forma: Segundo tal fonte …. “.

    Bem, o cara é conhecido pelas aulas de jornalismo que dá. É um mestre. E aproveitei todos os encontros e conversas que tive com ele. Aprendi um bocado, confesso.

    Como aqui é coleção de notícias – e discussão sobre elas – e tem o compromisso assumido no “Sobre o blog” de “, procuro não me expor mais do que o necessário, sem que, em qualquer momento, me prive de dar minhas opiniões, baseadas no noticiário em geral. É isso.

    Um exemplo que o tal amigo me deu foi do Maluf. Diz que o deputado é rápido no gatilho em processar quem quer que seja. E, segundo a Justiça das Ilhas Jersey, publicado na Folha de São Paulo e em inúmeros outros veículos, tudo indica que o cidadão tem alguns milhões de dinheiro público sobrando em suas contas, segundo esta notícia recente: http://www1.folha.uol.com.br/poder/1186434-justica-de-jersey-considera-maluf-culpado-por-desvio-de-us-22-milhoes.shtml

    Não custa repetir a declaração/compromisso:

    Este blog não cria notícias. Este blog coleciona notícias vinculadas com a corrupção, desvios ou anomalias no tratamento da coisa pública. Tece alguns comentários sobre algumas das notícias colocadas. Sobre os comentários sou responsável. Sobre as notícias colecionadas aqui não. A responsabilidade é dos jornais que as publicaram. Em todos os posts há os links de onde a matéria selecionada foi colhida.

    .

    Agora, claro, as minhas opiniões estão fartamente amparadas nos princípios democráticos das liberdades que felizmente conquistamos. E sou, sim, responsável pelas minhas.

    E me obrigo, da forma que posso, a manter os comentários dos amigos, com os quais compartilho o blog, dentro do razoável. Nunca censurando, cortanto, impedindo a participação. É a tal questão democrática. Temos que aceitar opiniões diversas das nossas. Somos obrigados a isso. Ou, diferente de alguns jornalistas questionáveis que se acham “reis da cocada democrátca” mas censuram comentários por serem de opiniões diferentes das suas, teríamos que nos expor ao ridículo de nos acharmos defensores das liberdades.

    Também me reservo o direito de cortar troll e ofensa pessoal desnecessária e agressiva a meus familiares.

  40. Zbigniew said

    Muito bom o texto do Miguel do Rosário.

    A verdade é que temos um embate político e o relatório final da CPI do Cachoeira já é um posicionamento por parte do PT e do governo. Não podem e não devem recuar. Tem que ir com gosto de gás pra cima do PGR. Esse tem rabo preso a não mais poder. E deve ter vários desafetos. Não tem mídia velha, nova, o que for, que segure o poder bem exercido pelo governo. Depois é não admitir que os jornalistas que participaram do esquema criminoso se safem. E daí seguir até a Veja. Esse é o caminho a seguir. Tem que ter coragem. A conferir se os atores terão competência para dar seus lances. Por enquanto tá 1 x 0 para a Velha Midia. E se assim permanecer teremos parte do Estado tutelado politicamente, amparado sim pelas urnas, mas com poder dividido com a mídia (a velha) o que não faz nenhum sentido.

  41. Chesterton said

    My God, Zig, a premissa não é verdadeira nem a conclusão segue a premissa.

  42. Zbigniew said

    Chest,

    a “premissa” está oculta.

  43. Jose Mario HRP said

    Esse Fla X Flu da politica brasileira as vezes me dá sono.
    Agora descubro que o Aécio Neves anda mexendo os pauzinhos para empastelar a medida provisória que reduz a carga tributária nas nossas contas de energia elétrica!
    Pode?
    Pode!

    http://saraiva13.blogspot.com.br/2012/11/empresarios-denunciam-aecio-por-sabotar.html

  44. Zbigniew said

    Isso não é um jogo para amadores. Em tempos de ditadura da mídia, a perda de poder político é fatal. Se o governo não se impor vai var implodir seu poder de barganha, ainda que tenha 100% de apoio popular. Tem mais é que usar esse apoio para chancelar os seus lances. Por isso não devia temer a velha mídia. Por hora os parlamentares se acovardarão. Mas se souber jogar, ninguém vai querer ficar ao lado de perdedores.

  45. Pax said

    Qual é, então, a premissa, caro Zbigniew?

    Do que li do teu comentário acima, #40, me permito:

    1 – é um embate político: sim, claro que é. É o jogo do poder. É uma CPMI, comissão mista, deputados e senadores que disputam o poder. Mas as acusações devem ser independentes do jogo, ser absolutamente responsáveis. Se puder ter algum equilíbrio o resultado fica ainda mais acreditado e as consequências podem ser de melhor proveito para quem interessa: Os eleitores que são donos de seus mandatos.

    2 – Ir pra cima do PGR: se tem fundamento, não vejo problema.

    3 – Ele tem rabo preso: precisa provar.

    4 – Não tem mídia velha, nova, o que for, que segure o poder bem exercido pelo governo: se não tiver deslize, se não cometer crime. E concordo, se o poder for bem exercido, não há o que temer. Mas precisa de (a – bem exercido) para (b – não temer).

    5 – Jornalista e revista: idem, precisa provar. E se provar, tem mais é que punir mesmo. Não existe nada nem ninguém acima das leis. O que me incomoda é a fraqueza das nossas leis sobre injúria, calúnia e difamação, de direito de resposta etc. Aqui poderíamos pensar em melhorar, em endurecer, acho eu. Desde que seja somente para cobrar responsabilidade. Nunca para restringir liberdade de investigar e denunciar.

    Mas volto a pergunta: qual é a premissa?

  46. Elias said

    “Indicio+ 2 testemunhas= processo.” (Chesterton, mais uma vez provando que não cursou ou não foi aprovado em ICD).

    Não, Chesterton…

    “Indício” e “indiciamento” fazem parte do “processo”. Quando se chega a esse ponto, já existe processo.

    O cara é “indiciado”, Chester, quando há “indício” de que ele cometeu um crime (ou uma irregularidade, se a questão for administrativa).

    Quando ele é indiciado, ele fica sabendo que será acusado de alguma coisa. E passa a ter acesso às peças que dão suporte ao indiciamento.

    Ou seja: na prática, o indiciamento oportuniza a defesa.

    É assim que procedem as pessoas civilizadas, Chesterton.

    Não é pegar “indício”, somar com “circunstâncias” e, quem sabe, algum “testemunho”, e já partir pra condenação.

    Quando há “indício” Chester, o acusado tem é que ser “indiciado”, como está sendo feito na CPMI.

    Não precisas ficar com medo pelo teu querido Policarpo Cascata…

    O Policarpo Cascata será indiciado não porque ele é jornalista, mas porque há “indícios” de uma relação promíscua entre ele e um chefe do crime organizado. Há indícios de uma ligação dele com a prática de atos criminosos, que nada têm a ver com jornalismo.

    Vou ser mais claro, ainda: se um médico oncologista sonega impostos e é acionado pela Receita Federal, ele é acionado pela Receita Federal não porque é médico oncologista, mas porque sonegou impostos.

    Entendeu, Chesterton?

    Nem mesmo os Civita precisam ficar com medo… A menos que o Policarpo Cascata, sentindo-se na condição de bode, resolver dar com a língua nos dentes e começar a dizer coisas que impliquem seus patrões.

    Nesse caso, sim, os Civita terão alguma razão em ficar nervosinhos, como estão agora.

    Mas isso não tem a ver com liberdade de imprensa, viu Chester?

    Quem não se envolveu em relações surubáticas com o Cachoeira, não tem do que ter medo…

  47. Elias said

    “…precisa provar. E se provar, tem mais é que punir mesmo.” (Pax)

    Isso, Pax…!

    Assim é que se fala…!

    Foi o que eu disse, reiteradamente, em meus comentários no post anterior.

    Provar…! Tem que provar!

    “Indício” não é “prova”. “Indício” não prova nada.

    Por isso mesmo, quando há “indício”, tem que “indiciar”.

    Assim como “indício” não é “prova”, “indiciar” não é “condenar”.

  48. Edu said

    Eu acho que a coisa pode tomar proporções bem mais sérias do que uma condenação ou outra.

    Talvez eu esteja exagerando na dosimetria da teoria da conspiração, mas, lendo a conversa parece que a coisa está mais ou menos assim:

    O PT teve alguns de seus líderes condenados pelo STF por causa do mensalão, e como o STF é a última instância, o PT não tem muito o que fazer, nem muito o que reclamar do STF, afinal, a maioria do STF foi indicada pelo próprio PT.

    Como de praxe, quando o PT se rebosteia, ele normalmente empurra a sujeira na ordem padrão: oposição, mídia, partido aliado de menor importância.

    Se o STF não tivesse sido indicado pelo PT seria mto fácil desqualificar o STF. Não dá, o STF está na ponta do dedo do Lula e, pensando bem, quando o Elias diz que os juízes do STF são considerados fracos, dá pra entender: pra que indicar juízes fortes, se os fracos são mais influenciáveis? Ao que parece, o PT os juízes não eram tão fracos assim. O vácuo no poder que o Zbig gosta de citar na verdade nunca existiu: aparentemente o PT tentou, mas não sei se o judiciário é um poder mais fechado a influências ou mais independente mesmo. O fato é que no final não deu certo.

    Mas o conhecimento prévio dessa fraqueza dá uma ideia ao PT: dar um jeito de provar essa fraqueza ligando o STF à mídia. Até aqui o realpolitik não está coercitivo, mas dá pra ver o tanto que está imoral e maquiavélico.

    Se a opinião pública começa a caminhar nessa direção, o PT fica com a faca e o queijo na mão para matar 2 inimigos: a lei, nesse caso representada pelo STF, e a mídia, além de salvar os companheiros, porque o julgamento passa a ser político e a primeira coisa que os sujeitos de passaporte cassado vão fazer é se enfurnar numa embaixada de algum “país aliado”.

    O PT sabe que isso é um processo demorado, que exige esforço, no entanto esse esforço está andando de vento em popa: o processo de desvincular o judiciário do PT e botar este poder “nos trilhos” foi iniciada, e temos 2 alvos: o JB e o PRG. E a mídia? Já estamos vendo vários sinais de tentativa de controlar a mídia, mas por enquanto o PT está fazendo aquele “jogo de corpo” costumeiro.

    Por isso que o PT nem tá ligando muito pro mensalão mineiro. A oposição já está morta e deitadinha na cova, os inimigos do PT são outros. Nesse ponto, a CPMI do cachoeira rende muito mais material para o objetivo definido contra estes 2 inimigos. São estes 2 que devem deixar os ovos dos petistas ainda mais estrelados.

    Se o PT conseguir fazer estes 2 alvos iniciais caírem e colocarem quem eles querem no lugar, o próximo alvo será a mídia, e aí teremos transformado o Brasil na Argentina, definitivamente.

    O que acham desse pequeno lapso de lucidez ou loucura que tive?

  49. Pax said

    Respondo mais tarde, caro Edu.

    Tem pontos que me parecem corretos. Outros não.

    Enviado via iPhone

  50. Edu said

    Elias,

    Quais são os critérios para um juiz condenar um mandante em um crime, ou o líder de uma operação criminosa?

  51. Zbigniew said

    A premissa, caro Pax, é a do exercício do poder.

  52. Chesterton said

    “premissa” está oculta.

    chest- rsrsrs, ou foragida?

  53. Chesterton said

    É preciso deixar claro, inicialmente, que o indiciamento é uma prática policial não prevista na legislação processual pátria, sendo que o ordenamento jurídico não se refere expressamente ao ato de “indiciar” o autor de uma determinada infração penal, contudo, faz referência ao “indiciado”, como ocorre, v.g., no artigo 6º, incisos V, VIII e IX e artigos 14 e 15, todos do Código de Processo Penal.
    Muito embora seja juridicamente inexistente, o indiciamento pode ser definido como a imputação a alguém, nos autos do inquérito policial, da prática de um ilícito penal.

    http://jus.com.br/revista/texto/18271/o-ato-de-indiciamento-como-causador-de-constrangimento-ilegal

  54. Chesterton said

    Em tempos de ditadura da mídia

    chest- onde? Onde? No governo Dilma?

  55. Chesterton said

    Elias está nervosinho para caramba…a coisa deve estar ruim pro PT.

  56. Zbigniew said

    E digo que o Barbosão está prestes a precipitar o conflito entre poderes. Aí sim teremos o confronto. O Fux já falou grosso. Vamos ver quem tem mais bala na agulha.

  57. Edu said

    Zbig,

    Se houver um conflito entre poderes, quem mais sofrerá será o povo, bravo povo brasileiro, e minha previsão de sermos a próxima Argentina será verdade.

  58. Zbigniew said

    Edu,
    O vácuo existe.
    O Poder Judiciário independente?!
    Em que planeta vc está?
    Ainda que o Lula tenha buscado indicações por critérios técnicos e políticos, deveria ter se acautelado principalmente na indicação do PGR. Afinal é ele o autor das ações penais. Ali era muito mais fácil de controlar a sanha conservadora do STF associado à mídia. Aliás, vc não faz idéia da relação mídia e Poder Judiciário. E não estou falando só do STF.

  59. Zbigniew said

    O povo?!
    Ele nem vai perceber como não percebeu o conflito que foi quando a oposição (quando ainda tinha alguma força) tentou um movimento político pelo impeachment do Lula. Agora o problema é com a velha mídia. Desmoralizada como ela está, vc acha que o povo vai dar trela para uma Veja e um PGR como esse? Não tem JN que dê jeito.

  60. Chesterton said

    Logo Zig estará falando em ditadura do Judiciário….

  61. Edu said

    Zbig,

    Se pra vc vácuo de poder = independência entre os poderes, aí concordo contigo.

    Sim Zbig, o povo. Não vai perceber agora, como eu disse ao Patriarca, por enquanto no longo prazo, mas se o que vc está colocando acontecer mesmo, isso tende a virar médio prazo rapidinho.

  62. Michelle 2 said

    Missão cumprida
    23 de novembro de 2012 | 2h 14
    Dora Kramer – O Estado de S.Paulo

    O desrespeito do cidadão Luiz Inácio da Silva pelo Congresso ficou conhecido quando qualificou a Casa como reduto de “300 picaretas”. Faz quase 20 anos.

    Sua indiferença pelo Legislativo já ficara patente na atuação displicente e inexpressiva passagem como deputado constituinte.

    Quando Lula ganhou a eleição para presidente, logo ficou claro que além do desdém havia o intento de investir na desqualificação do Parlamento. Fazê-lo servil, enquadrá-lo de vez ao molde da presumida vigarice.

    Não é conjectura, é fato: foi a partir de 2003 que o chamado baixo clero passou a assumir posição de destaque, a dominar os postos importantes, a assumir posições estratégicas.

    Era uma massa até então quase incógnita, em sua maioria bastante maleável às investidas do Executivo e disposta a fazer do mandato um negócio lucrativo.

    Note-se que na época o encarregado de fazer a “ponte” entre o Parlamento e o Planalto era ninguém menos que Waldomiro Diniz, o braço direito de José Dirceu na Casa Civil, cujos métodos ficariam conhecidos quando apareceu um vídeo onde extorquia o bicheiro Carlos Cachoeira.

    A maneira como seria tratado o Congresso era perceptível no tom das lideranças petistas recentemente investidas no poder, quando a conversa era a formação da base governista.

    Não se falava em compra financeira de apoio tal como se viu depois quando Roberto Jefferson rompeu a lei da Omertà e denunciou o mensalão, mas se dizia abertamente que a cooptação seria fácil agora que estavam na posse do aparelho de Estado.

    Uma das consequências dessa inflexão ladeira abaixo foi o isolamento gradativo e por vezes voluntário, de deputados e senadores de boa biografia, com nome a zelar e atuação legislativa relevante.

    Ao longo dos dois mandatos de Lula o Parlamento “caiu” na mesma proporção em que a figura do presidente se sobressaiu, em franca evidência de desequilíbrio entre Poderes.

    Com o patrocínio da CPI que se encerra em grau inédito de desmoralização, cujo sentido vexativo não será eliminado com um remendo no relatório final, o ex-presidente conseguiu completar sua obra e cumprir o vaticínio sobre os “300 picaretas”.

    Não que não existam. Existem e pela degeneração do desempenho é possível que seja esse o número aproximado. Mas o Congresso não é só isso e disso dá notícia outra época em que ali a regra era a atividade política. As transações condenáveis se não chegavam a ser exceção, ao menos ficavam relegadas a um segundo plano.

    Embora quem não acompanhe de perto o Parlamento seja cético quanto a isso, as coisas por lá já foram muito diferentes. E se foram melhores podem voltar a ser.

    Cabe ao Poder Legislativo compreender a gravidade da derrocada nesse poço que parece não ter fundo, reunir as parcas forças ali ainda existentes e de alguma maneira reagir para o bem da saúde democrática.

    Supremacia. Consistente, firme, autônomo, convicto de seus valores. Assim pareceu o novo presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, em seu discurso sem enfeites.

    Defendeu uma Justiça que não tarde, não falhe e preserve a independência do juiz. Assim como ele.

    Celebrá-lo pelo quesito cor da pele é olhar só a parte de fora de uma obra sólida.

    Desfeita. Se com o semblante fechado a presidente Dilma Rousseff quis demonstrar contrariedade em relação ao ministro Joaquim Barbosa, conseguiu destacar-se pela deselegância em momento de homenagem.

    Queira o bom senso que a presidente não tenha escolhido a fisionomia zangada pelo mesmo critério que o deputado Odair Cunha escolheu os indiciados no relatório da CPI: para dar uma satisfação a Lula.

  63. Pax said

    Caro Edu, meus “achismos” com relação ao teu comentário #48. Por partes e reproduzindo elas.

    O PT teve alguns de seus líderes condenados pelo STF por causa do mensalão, e como o STF é a última instância, o PT não tem muito o que fazer, nem muito o que reclamar do STF, afinal, a maioria do STF foi indicada pelo próprio PT.

    Como de praxe, quando o PT se rebosteia, ele normalmente empurra a sujeira na ordem padrão: oposição, mídia, partido aliado de menor importância.

    Aqui tem duas partes na verdade. Dizer que o PT não tem muito o que fazer não me parece lá muito coerente com a realidade. Tanto tem o que fazer que está fazendo. O PT é o partido, a instituição. Soltou a nota, está fazendo uma campanha através dos pronunciamentos de seus líderes e outra através de sua militância. O PT está cuidado da sua imagem. Que é atacada, como qualquer partido que esteja no poder. E reage, como qualquer partido que esteja no poder. Aqui, ali e alhures.

    A parte dois não é muito diferente de todos. Quando o Serra e o PSDB viram que iam perder, a jagunçada da mídia começou a colocar a culpa em quem? Na mídia. E nos partidos menores (DEM disfarçado, quer dizer, PSD). E, claro, na oposição. Então onde mesmo está a diferença?

    Se o STF não tivesse sido indicado pelo PT seria mto fácil desqualificar o STF. Não dá, o STF está na ponta do dedo do Lula e, pensando bem, quando o Elias diz que os juízes do STF são considerados fracos, dá pra entender: pra que indicar juízes fortes, se os fracos são mais influenciáveis? Ao que parece, o PT os juízes não eram tão fracos assim. O vácuo no poder que o Zbig gosta de citar na verdade nunca existiu: aparentemente o PT tentou, mas não sei se o judiciário é um poder mais fechado a influências ou mais independente mesmo. O fato é que no final não deu certo.

    Mas o conhecimento prévio dessa fraqueza dá uma ideia ao PT: dar um jeito de provar essa fraqueza ligando o STF à mídia. Até aqui o realpolitik não está coercitivo, mas dá pra ver o tanto que está imoral e maquiavélico.

    Faz tempo que reclamo, também, deste caminho de desqualificação. Não me parece bom. Sempre disse que se expiasse algumas culpas tenteria a achar um caminho melhor. Opinião minha. Mas tomaram o rumo de desqualificar o STF e a PGR. Bem no momento do julgamento. No meu entendimento, por mais que tenham obrigação de se ater às leis…. será que não pesaram um pouco na mão? Sei lá. Vai saber. Aqui é tão subjetivo que não consigo passar desse achismo.

    Bem que o PT poderia esperar terminar o julgamento antes de fazer o que bem lhe desse na cabeça. Não quis esperar. Aí é questão de livre arbítrio, de análise de risco, enfim. Confesso, de novo, que tentaria outros caminhos. Principalmente esses de expiar algumas coisas.

    Coercitivo, imoral, maquiavélico (e eu acrecento corrupto): esta é a nossa política. Não difere muito em outras grandes democracias. E não só o PT pratica esse poder.

    E não é só na política. No mundão empresarial tem muita coisa, digamos, malocada.

    Ontem, caso não esteja enganado, o presidente da Telefonica/Vivo foi almoçar na sede da Folha. E é público e notório que as telefônicas prestam um serviço péssimo aos usuários. Muitas vezes com enormes irregularidades. E que gastam fortunas em marketing. Na mídia impressa também. Vá e levante quantas notícias sobre os péssimos serviços da Telefônica/Vivo estão em notícias da Folha e depois nos conte aqui. Vá e tente abrir um processo contra eles na Anatel. Vá e tente abrir um processo contra eles na Procuradoria onde você mora. Eu já fui. E me ferrei. Fui até ameaçado de eu sofrer um processo por querer abrir um processo.

    Se a opinião pública começa a caminhar nessa direção, o PT fica com a faca e o queijo na mão para matar 2 inimigos: a lei, nesse caso representada pelo STF, e a mídia, além de salvar os companheiros, porque o julgamento passa a ser político e a primeira coisa que os sujeitos de passaporte cassado vão fazer é se enfurnar numa embaixada de algum “país aliado”.

    O PT sabe que isso é um processo demorado, que exige esforço, no entanto esse esforço está andando de vento em popa: o processo de desvincular o judiciário do PT e botar este poder “nos trilhos” foi iniciada, e temos 2 alvos: o JB e o PRG. E a mídia? Já estamos vendo vários sinais de tentativa de controlar a mídia, mas por enquanto o PT está fazendo aquele “jogo de corpo” costumeiro.

    O PT matar o STF? Só se fizer uma revolução. Somos uma democracia republicana. Se o PT for nesse caminho a sociedade vai topar? Acho que não. Aí vou às ruas, contra o PT.

    O PT quer controlar a mídia? Acho que não, quer é ferrar com o poder dos tais donos da mídia principal, em especial: Folha, Estadão, Globo e Veja. Cá do meu canto acho ruim esse caminho. Porque não incentivar outros a surgirem? Vai nos EUA e em Israel e vê como funciona. Tem veículo grande, pequeno, que está do lado (a), do lado (b)… não gosto nem um pouco desse assunto de controle social da mídia. Ainda mais nestes momentos.

    A oposição está morta e deitadinha…

    Não é bem assim. Tudo que estamos vendo já compõe o cenário de 2014. Assim me parece. E em 2014 a oposição pode, na minha opinião:

    1 – Juntar forças com Aécio

    2 – Explodir qualquer possibilidade se colocar o Alckmin

    3 – Se enterrar de vez se deixarem o Serra entrar na disputa.

    Afora (2) e (3), a opção (1) não me parece morta e deitadinha. Ainda mais se trouxerem o PSB nessa junção de forças. Porém, como em tudo que é lugar, vai depender muito de como estiver a economia.

    Hoje eu diria que Dilma seria imbatível.

  64. Chesterton said

    Dilma sem o PT seria imbatível?

  65. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/noticia/economia/eletrobras-vale-em-bolsa-10-de-seu-patrimonio

    chest- hummmm…..

  66. Edu said

    Pax,

    Obrigado pela boa resposta. Segue a tréplica (tentarei ser o mais breve possível):

    1 – “PT não tem muito o que fazer” – quis dizer juridicamente, porém concordo com vc: está lá fazendo o seu trabalho, e até aí eu não me importo. Só me dói saber que esse trabalho é feito às minhas custas (mas isso é outro papo).

    2 – Quando digo que o PT “empurra a sujeira na ordem padrão”, quero dizer ordem padrão de qualquer partido. Sempre foi assim no Brasil: político não erra; e o PT aprendeu tanto a fazer isso que nem se importa em disfarçar quando executa este procedimento.

    Um parêntesis sobre as empresas de telefonia: Quem é o cliente não-rentável para uma empresa dessas? Eu duvido que haja algum que não seja rentável. Então qual o motivo para o descaso com o cliente? Eu não chamaria de descaso porque eu duvido que as áreas de marketing e vendas não queiram conquistar o Brasil inteiro. O problema deve ser operacional mesmo: investimento, construção e manutenção das antenas. Vc é do ramo de tecnologia deve saber mto melhor que eu. Outra possibilidade é a falta de foco de investimentos: vc não acha que as empresas estão sendo atropeladas pela convergência? Empresas misturando telefonia móvel, fixa, internet, TV e conteúdo. Como a coisa foi rápida demais e as empresas estavam preparadas de menos, elas viraram grandes ornitorrincos. A Anatel contribui, lógico, se tem um modelo de regulação que não deve servir de exemplo é a Anatel, mas pô concorrência tem e nitidamente não há nenhum acordo de não-agressão entre elas.

    3 – Matar o STF não significa acabar com ele. Significa, em primeiro lugar, fazer o povo acreditar que eles não julgam direito, acabando com a credibilidade da justiça. Se não houver credibilidade na justiça, quem será o detentor supremo da credibilidade? O dono da verdade absoluta? Aí teremos o primeiro problema sério.

    4 – Quanto à mídia, ela incomoda qualquer governante. Mas aí vem uma pergunta: se o governo estiver fazendo o que é certo, do jeito certo, dentro da lei, a mídia vai falar o que? Como isso não acontece existe esse esforço do PT tirar a credibilidade da mídia que aponta essas coisas. Não precisa controlar, não precisa taxar, não precisa matar, basta tirar a credibilidade. Aí teremos o segundo problema sério.

    5 – O Aécio talvez seja a única saída para o PSDB no momento, mas precisa comer muito feijão pra conseguir a projeção que a Dilma está sustentando. A oposição conseguiu fazer uma exploração fraca do mensalão, e, inclusive, nem conseguiu deixar claro o contraste da administração do PT com a do PSDB, obtendo resultados medíocres nas eleições. Por isso ainda acho que a oposição está morta e deitada na “Covas”. Só espero que em vez de renascer não se levante como um zumbi-Serra. hehe

  67. Pax said

    Às suas custas, caro Edu. Como assim?

    off: caiu Mano Menezes.

  68. Otto said

    Atualmente os melhores comentaristas de política estão na blogosfera. Mais uma na veia do Cafezinho:

    INVERSÃO DE VALORES

    A maior fomentadora de corrupção, a maior violentadora dos princípios éticos mais básicos, no Brasil, é a nossa mídia. Reacionária, corrupta, aética, manipuladora. A nossa mídia não apenas apoiou o golpe militar, ela foi a sua principal articuladora. Reuniões entre golpistas aconteciam em escritórios do Estadão, e Folha e Globo emprestavam suas páginas para todo tipo de diatribe pró-golpista, como foram as manifestações “populares” contra o governo João Goulart, que foram financiadas com dinheiro público, pelos governadores de São Paulo, Minas e Rio, aliados dos jornalões. E foi a ditadura que destruiu a estrutura mínima de combate à corrupção que vinha sendo construída no Brasil desde que Getúlio Vargas instituiu concursos públicos, dentre outras medidas saneadoras.

    Tribunais de contas, judiciário independente, auditorias internas, polícia orientada pra combater crimes de colarinho branco, todo o sistema de contrapesos, toda a máquina de investigação, foi desmontada pela mesma ditadura que era sustentada pela grande mídia.

    E durante o período democrático, mais uma vez, vimos a mídia sustentando grandes máquinas de corrupção, como foi a privataria, onde vimos a transferência irresponsável de patrimônio público para mãos de aventureiros como Daniel Dantas, estatais européias corruptas e especuladores.

    A malandragem continua. Enquanto a mídia faz terrorismo financeiro, em conluio com grandes bancos privados, pra derrubar as ações da Petrobrás, os mesmos bancos lideram as compras de papéis da estatal.

    O pior, no entanto, é outra coisa. É a cumplicidade da mídia com a política de extermínio do governo de São Paulo.

    Aí que entra a inversão de valores.

    O chefe da polícia civil de São Paulo, Marcos Carneiro de Lima, levanta suspeitas, com base em indícios concretos (não ilações, como virou moda no STF) de que as dezenas de chacinas realizadas nos últimos meses em São Paulo vem sendo cometidas por servidores públicos do governo Alckmin.

    Estamos falando de centenas de mortes, em número superior ao que acabamos de ver nos bombardeios de Israel à Faixa de Gaza. Onde estão os paladinos da ética?

    A cara de pau não tem limites. Silvio Pereira ganha um Land Rover. Está errado, e merece ser punido. Mas um funcionário da prefeitura de São Paulo, responsável pelo licenciamento de imóveis na cidade, compra (compra, não ganha de presente) uns 60 apartamentos, e ninguém fica escandalizado.

    No mesmo dia em que o chefe da polícia civil do estado de Sâo Paulo desnuda a existência de uma milícia fascista e homicida, que faz “justiça” com as próprias mãos, encrustrada dentro do estado, Dora Kramer, principal colunista do Estadão, faz um editorial criticando … Lula!

    Não é apenas cara de pau, é safadeza. É falta de vergonha na cara. Falta de ética. Bandidagem midiática.

    Não estamos falando aqui de teorias esquizóides, baseadas numa interpretação tropicalista do “domínio de fato”,
    e sim na morte de centenas de pessoas, e a criação de um ambiente de extrema insegurança na região mais populosa do Brasil. Deixemos bem claro uma coisa: São Paulo, antes de pertencer a São Paulo, pertence ao Brasil. Na hierarquia dos valores republicanos, a pátria vem em primeiro lugar. Se há montagem de uma estrutura fascista em São Paulo, isso é um crime que merece atenção de todo país.

    O mais alto patrimônio de um ser humano é a sua vida. E o mais alto patrimônio de um país é a vida de seus cidadãos. Se há uma onda descontrolada de homicídios em São Paulo, e se a responsabilidade por isso é do governo de São Paulo, este deve ser responsabilizado sem compaixão. Não é função da imprensa fiscalizar e criticar governos?

    A corrupção é um crime hediondo. Deve ser combatido impiedosamente. Mas o crime capital sempre será o homicídio, porque só ele rouba uma coisa que não é possível recuperar jamais: a vida. Se temos o governo de São Paulo, através de sua corporação policial, envolvido em ações de extermínio e chacinas, muitas das quais tem características inclusive sociopatas, com fuzilamento aleatório de vítimas, isso é razão para criação de CPIs e impeachment.

    Nem venham falar que não podemos falar em politização da tragédia. A falta de politização do problema é justamente o que tem bloqueado o surgimento de respostas consistentes. O problema da segurança pública tem de ser resolvido com inteligência, o que é um ativo que somente o bom e saudável debate político pode fornecer. As condições carcerárias em São Paulo tem de ser melhoradas. É preciso ampliar dramaticamente os programas sociais nas áreas violentas. Estabelecer parcerias verdadeiras e republicanas com todas as esferas de poder. Oferecer melhores condições de trabalho para a polícia militar e para a polícia civil.

    Quando a Folha, covardemente, deixa de criticar duramente o governo de São Paulo, o PSDB, José Serra, e o coronel Talhada, que ameaçou um jornalista da própria empresa, então ela é conivente com a matança, com a corrupção, com a injustiça. Seus editoriais sobre ética escorrem para o bueiro de sua hipocrisia.

    O governador Geraldo Alckmin, por sua vez, apenas intervêm no debate para confirmar sua responsabilidade. Ele diz somente platitudes idiotas, tipo “matar policial é grave, muito grave”, as quais, todavia, apenas ajudam a incitar a violência, porque mencionadas sem uma necessária contextualização sobre um planejamento estratégico. Vendo que o governo não faz nada para interromper a matança de policiais, os mesmos, desequilibrados pelo terrorismo do PCC, organizam esquadrões da morte. Alckmin parece apoiar tacitamente essa estratégia, que além de criminosa é burra, porque gera insegurança generalizada, revolta popular por causa das vítimas inocentes, e espírito de vendeta entre a bandidagem, que tem muito menos a perder que policiais ou cidadãos comuns.

    Essa é a gestão competente de que a mídia tanto fala? Buracos de metrô, pontes caindo, matança generalizada, espancamento de professores e alunos? A blindagem dos problemas no Bandeirantes pela imprensa paulista dá nisso: problemas se acumulam, autoridades não se mobilizam para resolvê-los, gerando uma explosão de sangue e violência na maior e mais rica cidade brasileira.

    No afã de defender o PSDB e atacar o PT, a mídia paulista está conseguindo o contrário, numa dialética bizarra, quase divertida, que apenas um ambiente democrático poderia produzir. Mesmo no poder, o PT continua exercitando diariamente a luta política, como se ainda estivesse na oposição. E o PSDB, mesmo na oposição, engorda e perde agilidade no conforto da blindagem que a mídia lhe oferece.

    *

    Na CPI do Cachoeira, a guerra ainda não está ganha. E temos uma situação curiosíssima. Os mesmos que gritam “pizza” são os verdadeiros pizzaiolos, aí incluindo a mídia, visto que são estes que pressionam para que o relatório final da CPI não seja aprovado. O espetáculo de hipocrisia que vemos nos atacam a CPI é deprimente. Criticavam a CPI porque não convocava o dono da Delta, Fernando Cavendish. Pois bem, não só convocaram, como o governo, através da CGU, declarou a empresa inidônea, o que a impede automaticamente de entrar em qualquer licitação pública. Disseram que a CPI não quebraria o sigilo da Delta nacional, limitando-se à sua filial em Goiás. A CPI aprovou a quebra do sigilo da Delta nacional e de mais dezenas de empresas ligadas à construtora, e Cavendish foi indiciado.

    Os hipócritas, querendo jogar pra platéia, em vez de apoiarem o relator, e focarem na quantidade monstruosa de documentos e sigilos já disponíveis, dizem que pretendiam quebrar mais 500 sigilos e convocar mais não sei quanta gente, e prorrogar a CPI por mais não sei quanto tempo. Agora, é claro que a oposição vai chiar. A mídia, como sempre, vai chantagear pesadamente os parlamentares. A tensão nos bastidores deverá atingir um grau máximo até o dia da votação do relatório, na quarta-feira que vem.

    De qualquer maneira, CPI é um órgão político, portanto não tem importância capital se o relatório será aprovado ou não. Quer dizer, seria ótimo, para o bem da justiça, que fosse aprovado como está. O essencial, todavia, é que ele foi produzido, contém provas e argumentos consistentes. Está aí para todo mundo ver. Os sigilos serão encaminhados ao Ministério Público e à Polícia Federal. Tirando ou não o nome de Policarpo Júnior, redator-chefe da Veja, do relatório, a sociedade agora sabe que o repórter se envolveu com o esquema Cachoeira. A luta política contra os desmandos golpistas e criminosos da Veja não teve início com a CPI do Cachoeira e não vai terminar com seu relatório final. Na verdade, quem está jogando terra sobre a cova da mídia não é nenhum petista, nem Dirceu, nem blogueiro. É o povo, através do voto, quem está fazendo o trabalho mais difícil, que é apear do poder, um a um, seus amiguinhos políticos. Assim como o julgamento do mensalão será usado, por muitos anos, para fustigar petistas, o relatório de Odair Cunha, aprovado ou não, será usado – democraticamente – como uma arma política para abater tucanos, nos partidos e na mídia. Os campeões ou perdedores das escaramuças de hoje só serão conhecidos em 2014.

    http://www.ocafezinho.com/2012/11/23/inversao-de-valores/

  69. Chesterton said

    é mais antigo o problema

  70. Pax said

    Fala, Carlinhos, fala mesmo. Tudo. E não nos poupe dos detalhes, por favor.

    Queremos todos ficar orgulhosos de você, Carlinhos. Solta o verbo. Abre tudo. Doa a quem doer, Carlinhos.

    Cachoeira rompe silêncio e diz que vai colocar os pingos nos ‘is’
    Bicheiro deu entrevista de menos de 3 minutos em Anápolis, onde visitou o túmulo da mãe: ‘Povo goiano terá orgulho de mim’

    Agência Estado | 23/11/2012 17:05:40

    http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-11-23/cachoeira-rompe-silencio-e-diz-que-vai-colocar-os-pingos-nos-is.html?utm_source=twitter&utm_medium=posts&utm_campaign=social

  71. Zbigniew said

    Perfeito o texto trazido pelo Otto.

    E aí?! Todos indignados com o Dirceu e o Genoíno, aplaudindo de pé a condenação pelo mais novo herói dos barões midiáticos.

    E as chacinas em São Paulo? E o caso Cachoeira? Teremos as mesmas indignações contra a postura da mídia (que tem todo o direito de ser corrupta, vendida, mentirosa, calhorda, inclusive, ao que parece, até de envolver-se com o crime organizado)?!!!

    Digo, repito, repiso: o jogo é de poder. Se um poder não exerce suas faculdades a contento vai ser, ou cooptado ou destruido por outro. Não existe espaço para romantismo ou inocência neste jogo.

  72. Pax said

    Caro Otto,

    Não me candidato ao grupo dos tais hipócritas. Mas..

    O relator sempre falou que não investigaria o Sérgio Cabral porque o foco da investigação era em Goiás. Ok, uma resposta indigesta. Mas, quem sabe, aceitável. Quem sabe. Posso não concordar.

    Aí a gente fica sabendo que vão realmente investigar o sigilo da Delta em âmbito nacional. Ok, começamos a melhorar. Mesmo porque a fantasmagórica coleção de empresas sem endereço que receberam milhões merecem essa atenção. Tudo indica que sim, há farto noticiário dando conta que o relatório da CPI aponta para um conjunto grande de CNPJ esquisito pacas, com movimentações financeiras idem.

    Mas, a trapalhada do trapalhão Vaccarezza nos impede de esquecer: e o Sérgio Cabral? Aliás, esse Vaccarezza é de uma competência inacreditável, né não? E a gente tem que se lembrar do tal acidente em que morreu a namorada do filho do Cabral, sul da Bahia, na trágica queda de um helicóptero. Do Cavendish. Coitada da moça. Aí a gente puxa da memória e lembra dos jantares em Paris, guardanapos do Ritz (?) à cabeça, essas coisas, chatas, mas que a gente acaba lembrando. E junta tudo, num copo de liquidificador, Cachoeira, Delta, Cavendish, Cabral e liga o aparelho na eletricidade. Fica um líquido muito estranho não? Indecifrável. A ponto que dá uma vontade danada de clarear, de separar o joio do trigo, os elementos contidos neste suco. E só poderíamos fazer isso se, e somente se, investigássemos, infelizmente, as relações de Cabral com Cavendish e as obras do Estado do Rio de Janeiro. Parece que foram muitas. O noticiário e as contabilidades dizem que sim.

    Cá, somente cá entre nós.

    Mas sobre o papo da violência em Sampa acho que tem muitos pontos importantes. Tem muita morte com indício esquisito. Calibre das armas empregadas sempre a tal .40, enorme coincidência com armas empregadas pelas forças oficiais, agora ficamos sabendo que antes de alguns assassinatos houve pesquisa no banco de dados da polícia sobre os mortos, antes dos crimes, coisas pra lá de esquisitas.

    E, claro, a jagunçada da mídia acusando ….. a mídia. Acontece que não vi nenhum assassinato em que a arma utilizada tenha sido uma folha de jornal, ou uma onda de rádio em forma de raio gama. Nem mesmo uma letra mal escrita, pontiaguda, ou uma palavra mortal lançada. Essa jagunçada da mídia não mede esforços para defender seus preferidos. Preferem acusar quem acusa.

    Aqui não posso deixar em branco. Antes tinha despolitizado. Agora não consigo mais. Só não entra na pauta daqui porque não a acompanho e já me basta falar de corrupção política para me preocupar. Com polícia não tenho estômago, não.

  73. Chesterton said

    Quem soltou o cachoeira foi o PT ( a origem de todo mal).

  74. Otto said

    Pax:

    Se o Cabral tinha que ser investigado eu entendo, os “indícios” (olha aí a tal palavrinha) são suficientes…
    Mas será que o espaço seria nesta CPMI? Não tiraria o foco? E porque só o Cabral, no Rio, e não o Sérgio Preto, em São Paulo?
    Não seria muito pano pra pouca manga?
    O foco da CPI era o Cachoeira e suas podres relações com os políticos. A Delta entrou no foco por conta de suas relações espúrias com o bicheiro. O Cabral tem relações com a Delta, mas não com o Cachoeira. Puxando o fio, acaharíamos também inúmeras relações tenebrosas com a Delta. Mas aí o foco principal não ficaria perdido? Cachoeira, Perilo, Marconi…
    Que a oposição faça então uma CPI da Delta. Será que ela tem mesmo interesse — ou só joga pra torcida?

    Mas o que o Miguel do Rosário chama a atenção é para a diferença brutal e tratamento entre a cobertura chocha das chacinas paulistas e, por exemplo, a AP 470…

  75. Chesterton said

    O Miguel do Rosario (seja lá quem for) tem interesse em aterrorizar a população de SP e por isso quer propaganda para o surto de violencia na Cidade que menos mata no Brasil. Suspeito que MR esteja por trás dessa violência.

  76. Otto said

    MR mora no Rio.

  77. Otto said

    Pois é, Lula dando palestras, sendo homenageado e recebendo prêmios na África e na Índia e a nossa mídia faz de conta que não tem nenhuma relação com o Brasil…

    Ah, se fosse o FHC…

  78. Chesterton said

    Otto, você só pode ser comediante.

  79. Pax said

    Caro Otto,

    Sei não, a questão do Cabral. É que o Vaccarezza fez o favor de colocar relevância para o governador carioca na pauta. Lembra? Trapalhão pouco é bobagem. E continua, firme e forte, soltando a língua. Livre arbítrio do partido. Me permito questionar.

    Cobertura chocha das chacinas paulistas? Não é fato. A cobertura está farta. A questão é se está ou não correta.

    A jagunçada da mídia fala isso que o nosso infalível Chesterton fala aí acima, que é a melhor polícia etc etc. Coisa de quem não admite quando a notícia ruim é para o lado dos que defendem.

    A reclamação que me parece mais objetiva e real é sobre a a cobertura que deixou de investigar a fundo, isso sim, a participação de policiais nesta triste lista de mortos dos últimos meses. E aí infelizmente fica a suspeita de uma mídia desequilibrada, ou seja, quando é para apontar problemas de um determinado partido, melhor “aliviar” o noticiário e puxar para o lado mais policial, evitando a questão política.

  80. Otto said

    Paz, o Vaccarezza é um boquirroto, concordo.

    E quanto à cobertura das chacinas paulistas, eu falo chocho no sentido de não contundente, quase oficialista…
    Imagina se o governador fosse petista, nas mesmas circunstâncias…

    Lembra quando caiu aquele avião em SP e a Folha estampou na capa chamada pra um artigo que culpava o Lula pelas mortes?
    Como a Infraero é de responsabilidade federal, forçando a mão, tem certa lógica. Mas quando se descobriu que a culpa foi da companhia, a sanha punitiva da mídia se esvaiu por encanto.

    Agora, que há centenas de assassinatos em São Paulo, quando há pouco tempo o governador disse que “quem não reagiu está vivo”, e há indícios (e provas, como filmagens) de que a polícia paulista está fazendo execuções, com muito mais razão o Alckmin é responsável…

    E a esta diferença que me refiro.

  81. Michelle 2 said

    O Coringa cumprimentando Batman…rsrsrs

    Uma foto vale mais que mil palavras…
    Chegamos ao Planeta dos Macacos

  82. Elias said

    “Se o STF não tivesse sido indicado pelo PT seria mto fácil desqualificar o STF. Não dá, o STF está na ponta do dedo do Lula e, pensando bem, quando o Elias diz que os juízes do STF são considerados fracos, dá pra entender: pra que indicar juízes fortes, se os fracos são mais influenciáveis?” (Edu)

    Tolinho…

  83. Chesterton said

    PF apreende documentos no escritório da Presidência da República em SP
    Operação tem como alvos a chefe de gabinete da Presidência em SP e o número 2 da AGU
    23 de novembro de 2012 | 18h 19

    O Estado de S. Paulo – Texto atualizado às 20h
    A chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Novoa de Noronha, e o advogado geral da União adjunto, José Weber Holanda Alves, braço direito do advogado geral da União, Luís Inácio Adams, são os dois principais alvos da Operação Porto Seguro da Polícia Federal (PF), deflagrada nesta sexta-feira, 23, em Brasília e São Paulo. O objetivo é desarticular uma organização criminosa infiltrada na máquina federal para a obtenção de pareceres técnicos fraudulentos em benefício de interesses privados.

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,pf-apreende-documentos-no-escritorio-da-presidencia-da-republica-em-sp,964272,0.htm

  84. Michelle 2 said

    Mais uma da série
    Chegamos ao Planeta dos Macacos

    23/11/2012
    às 20:45
    Alvo da PF em escritório da Presidência em SP é faz-tudo de Lula e pessoa de confiança de José Dirceu, a quem serviu por 12 anos

    Entre os locais visitados pela Polícia Federal na operação Porto Seguro está o escritório da Presidência da República em São Paulo, que fica no 17.ª andar do prédio do Banco do Brasil, na avenida Paulista. O alvo da apuração é Rosemary Nóvoa de Noronha, chefe de gabinete do escritório. A PF a acusa de corrupção ativa.

    E quem é Rosemary? Eis o busílis. Trata-se de pessoa da mais absoluta e estrita confiança de… Luiz Inácio Lula da Silva. Poucos se lembram, mas a mulher integrou as comitivas do Apedeuta mundo afora e tinha, em seu governo, um razoável controle sobre nomeações para o segundo e terceiro escalões — incluindo as agências reguladoras. Uma delas, a de Águas, está sendo investigada agora.

    E como é que Rose chegou a Lula? Tchan,tchan, tchan… Por intermédio de José Dirceu, de quem foi assessora por longos 12 anos. Rose conseguiu emplacar o próprio marido, José Cláudio de Noronha, na assessoria especial da Infraero, em São Paulo.

    Quando estourou o escândalo dos cartões corporativos, descobriu-se que Rosemary era uma das funcionárias com direito a “gastos secretos”, como se, sei lá, operasse com questões que dissessem respeito à segurança nacional…

    Chegou ao topo pelas mãos de Dirceu e lá foi mantida na cota pessoal de Lula.
    Por Reinaldo Azevedo

  85. Chesterton said

    Que policia, pax?

  86. Chesterton said

    O presidente egípcio acaba de dar um golpe .

  87. Pax said

    A paulista, caro Chesterton. Quer que desenhe?

    Você fica acreditando em jornalista que mente e dá nisso.

  88. Pax said

    Leia, Chesterton:

    Aqui:

    http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2012/11/novo-secretario-de-seguranca-publica-toma-posse-em-sp.html

    E aqui:

    http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/a_terra_das_chacinas

    Se continuar não entendendo, eu desenho pra você, tá?

  89. Chesterton said

    Mas eu não disse isso. Acho até que o estado que menos mata deve ter a policia que mais mata. …os bandidos. Você sabe, eu sou maniqueísta, tem bandido e tem mocinho (rs)

  90. Chesterton said

    Jornalista que mente? Você ainda não superou aquele fato de que RA não publica teus comentários?

  91. Michelle 2 said

    Chesterton

    Peça pro Pax desenhar…estou muito curiosa. rsrsrs

  92. Pax said

    Caro Chesterton, velho e bom Chesterton,

    Militamos em lados opostos do pensamento. Isso é normal. Às vezes um critica e o outro aceita. Às vezes não. Isso é normal.

    E, às vezes, temos impulsos humanitários, que nos permitem ajudar até mesmo nossos opositores. Dentro de um momento assim, tomo a liberdade de te mostrar algo que você deveria ler, todos os dias.

    Vai, é para teu bem.

    http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm

    Esse papo de matar bandido só é bom pra quem não se lembra da merda que dá quando se estimulam esquadrões da morte.

    =)

  93. Otto said

    Pax, eu te chamei de Paz acima. Vai ver porque você é muito pacífico, rsrs…

    Mas continue assim!

  94. Michelle 2 said

    Porra cadê o desenho prometido?
    Continuo curiosa…o que tem a ver o $$ com as calças?
    Esquadrão da Morte?
    Deve ser o efeito Anatel…
    rsrsrs

  95. Michelle 2 said

    PF indicia chefe de gabinete da Presidência em SP por corrupção (Globo)

    247
    Deflagrada pela Polícia Federal nesta sexta-feira, Operação Porto Seguro, que prendeu seis e indiciou 18, fez busca e apreensão no escritório paulista da Presidência da República.
    A investigação levou a Rosemary Novoa de Noronha, chefe de gabinete da Presidência em SP, que era o braço-direito de Lula em São Paulo e teria sido responsável por nomeações na Agência Nacional de Aviação Civil e na Agência Nacional de Águas

    Comento:
    Dilma não sabia. Estava cuidando do neto.
    Lula não sabia. Estava na Africa e depois na Índia.
    Zé Dirceu não sabia. Estava num almoço de desagravo. Não há provas.

    Chegamos ao Planeta dos Macacos

  96. Michelle 2 said

    Sei não, mas parece que Odair…aquele .. da renovação do PT… tomou um “cipó de aroeira” nas costas do…velho PT.
    247
    Após adiar três vezes a leitura de seu texto de mais de 4 mil páginas, o relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), decidiu recuar e deve tirar jornalistas e o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, do relatório final. Tendência é encaminhar tudo para que o Ministério Público decida o que fazer, mas isso não deve melhorar a posição do relator nem dentro ou fora do PT.

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/86100/Odair-deve-livrar-Gurgel-e-Policarpo-do-relat%C3%B3rio-Cunha-negocia-relat%C3%B3rio-para-aprova%C3%A7%C3%A3o-CPI.htm

  97. Michelle 2 said

    Da Veja:

    “A chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha, usava o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para fazer tráfico de influência, indicam escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal.
    Rosemary foi indiciada nesta sexta-feira por corrupção ativa e passiva.
    A investigação da PF começou há mais de um ano. Rosemary foi flagrada negociando suborno em dinheiro e favores, como uma viagem de cruzeiro (que ela depois reclamou não ser luxuoso o suficiente) e até uma cirurgia plástica. Na última conversa dela gravada antes da deflagração da operação, a ex-assistente de Lula pediu 650 000 reais pelos serviços prestados”.

    Chegamos ao Planeta dos Macacos”

    Comento:
    E a culpa é da mídia.
    Ela dá nome aos macacos.

  98. Chesterton said

    Onde está escrito nessa declaração que as pessoas podem praticar assaltos a mão armada? E que a policia não pode atirar de volta? Ora, pax, que coisa mais juvenil.

    -http://www.youtube.com/watch?v=o4t1a_v9sG4&feature=related

  99. Chesterton said

    oops, foi mal aí, esqueci

    -http://www.youtube.com/watch?v=FDrY5nh7zpk

    outro que resolveu aterrorizar com uma granada.

  100. Chesterton said

    mais um que achou que podia barbarizar..

    -http://www.youtube.com/watch?v=re2iYb_sgWQ&feature=related

  101. Chesterton said

    caraca, tá cheio de video de defesa a tiros…

    -http://www.youtube.com/watch?v=FvZgXDh5sOw&feature=related

  102. Chesterton said

    cadê os direitos humanos?

    -http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&v=RyujzoCOVK8&NR=1

  103. Chesterton said

    Cadê os direitos humanos para os policiais?

    -http://www.youtube.com/watch?v=UJdbgJgwvn4&feature=related

  104. Patriarca da Paciência said

    Sinceramente, eu estou impressionado com o “poder de fogo” dos herdeiros das capitanias hereditárias.Eles são bem mais astutos e organizados do que pareciam.

    Fica cada vez mais claro que a coisa é mesmo uma guerra para a manutenção dos velhos privilégios. E nessa guerra eles estão dispostos a tudo.

    O Policarpo manteve estreita relação com o Carlinhos Cachoeira, por anos e anos, mas não detinha o tal “domínio do fato”, apesar da torrentes de “fatos engedrados” pelo bicheiro e publicado pela “óia”.

    O PSDB, que agora também pode ser chamado de “partido criminoso” com quadrilheiros, chefes de quadrilha etc., sai em defesa da “grande imprensa” com unhas e dentes.

    Realmente impressionanate!

  105. Patriarca da Paciência said

    “Quem soltou o cachoeira foi o PT ( a origem de todo mal).”

    Isto é humor kafkiano… dos bons!

  106. Patriarca da Paciência said

    “Cachoeira rompe silêncio e diz que vai colocar os pingos nos ‘is’
    Bicheiro deu entrevista de menos de 3 minutos em Anápolis, onde visitou o túmulo da mãe: ‘Povo goiano terá orgulho de mim’”

    Não duvido nada. Há muitas pessoas que são fãs do Don Corleone, o famoso “poderoso chefão”, atualmente destronado pelo goianinho caipira. O tal bicheiro superou, em muito, qualquer chefe mafioso que tenha existido.

    Há pessoas que são fãs até do reinaldinho cabeção, 4% dos brasileiros são fãs do reinaldinho cabeção!

    Então, minha gente, neste mundo de Deus, tudo é possível!

  107. Patriarca da Paciência said

    “Digo, repito, repiso: o jogo é de poder. Se um poder não exerce suas faculdades a contento vai ser, ou cooptado ou destruido por outro. Não existe espaço para romantismo ou inocência neste jogo.”

    Meu caro Zbigniew, 71,

    concordo mesmo! E digo mais, essa coisa já ultrapassou o simples “jogo”, agora é guerra declarada mesmo! E, como em toda guerra, a primeira vítima é sempre a verdade.

    O que há são apenas opostos!

    E que vença o que apresentar a melhor estratégia.

  108. Patriarca da Paciência said

    O pessoal da direitona, Edu e Marcelo e, o pessoal da ultra-direitona, Michelli e Chesterton, vive reclamando de honestidade intelectual.

    Pois solicito um mínimo de honestidade intelectual para responder a seguinte pergunta.

    Seria possível o Policarpo desconhecer as atividades do Carlinhos Cachoeira?

    Seria possível o ministro Joaquim Barbosa desconhecer as atividades do PT e declarar que sempre votou no PT?

    Eu gostaria muito que o ministro Ayres Britto, caso tomasse conhecimento, respondesse também a estas perguntas.

  109. Jose Mario HRP said

    Caiu o Mano e o Guardiola se ofereceu para fazer o Brasil ser novamente Campeão.
    Time ele já tem, só falta dar forma tática.
    Perilo saiu atirando, o PT assumiu a bandeira dos indiciamentos da CPMI!
    Agora é esperar o que o Gurgel vai fazer com seus manos procuradores.
    Alguns de Brasilia já disseram que não há base para processos.
    Agora só falta manobrar no Congresso, acionando a sua maioria(do PT) e colocar limites nesse judicialismo do STF.

  110. Jose Mario HRP said

    Patriarca, desconhecendo ou não ele pode ter o Cachoeira como fonte mas o que não pode é fazer uso politico do que sua fonte lhe trazia.
    Lucrando com sua fonte criminosa.

  111. Patriarca da Paciência said

    “O caminho da salvação para o deputado Odair Cunha (PT-MG), que relatou a CPI do caso Cachoeira, seria denunciar as supostas pressões que sofreu da “falconaria petista” para que o jornalista Policarpo Júnior fosse denunciado por formação de quadrilha. Segundo a revista, Odair pode sair “engrandecido do episódio” denunciando a “coerção que sofreu”. Veja diz ainda que no “coração e mente dos brasileiros de bem sempre cabe mais um Joaquim Barbosa”; e, então, Odair, vai recuar?”

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/86134/Veja-sugere-que-Odair-denuncie-PT-ao-STF.htm

    Pois é, a estratégia funcionou com o Joquim Barbosa.

    Será que vai funcionar com o Odair?

  112. Elias said

    Patriarca,

    Como deves saber, o Reinaldo Azevedo era portador do “Mal de Convergência”.

    Ele só não participou da fundação do PT porque havia surtado. Aí os outros nove convergentes o mantiveram dentro da Kombi, espumando, babando e grunhindo palavras de ordem amalucadas. Mas parece que deixaram um macaco tomando conta dele, pra ele não destruir a Kombi, achando que ela era um símbolo da dominação capitalista.

    Um dia, o doido acordou mais doido do que de costume, atravessou a rua e contraiu “Direitorréia”, que é uma patologia infecto-contagiosa, diarreica e parasitária, provocada por uma mutação do mesmo vírus causador do “Mal de Convergência”.

    A bem da verdade, a “Direitorréia” é praticamente a mesma coisa que o “Mal de Convergência”, só que bem mais purulenta e fétida. Por isso, o Reinaldo continua a apresentar os mesmos sintomas de antes: babar, espumar pela boca, rosnar insanidades e destilar ódio por todos os poros (só que, agora, com sinal trocado…).

    Tal como o “Mal de Convergência”, a “Direitorréia” é uma espécie extremada de Transtorno de Personalidade Anti-Social. O portador desse tipo de patologia não consegue viver sem ódio. Ele precisa odiar e ser odiado, pra se sentir vivo.

    O infectado pelo “Mal de Convergência” vive mergulhado no ódio a tudo o que ele considera “de direita”. Seu irmão siamês o soropositivo de “Direitorréia”, dedica um ódio histérico a tudo o que lhe parece “de esquerda”.

    No frigir dos ovos (os nossos ovos, de pessoas mentalmente saudáveis), são, ambos, a mesma merda…

    Eu estava estranhando a ausência de transcrições de textos de Reinaldo Azevedo, aqui, no blog do Pax. Cheguei a pensar que o sociopata tinha morrido, envenado, ao chupar o dedo logo após retirá-lo do próprio rabo…

    Aí deu-se a jerda! Um dia, ao entrar na minha caixa de e-mails, deparei com um texto usando aquele mesmo estilo que Adolf Hitler e Goebbels popularizaram. Pensei: “Putz! Não é possível! Será uma metástese?”.

    Não era… Era mais um vômito do Reinaldo Azevedo, poluindo minha caixa postal!

    Com aquele palavrório de sempre, Rainaldo se dizia puto dentro das calças com o Tarso Genro, a quem chamava de “anti-semita”, porque o gaúcho apoia a criação do Estado Palestino.

    Alguém deve ter dito a ele que Tarso Genro é judeu, filho de ventre judaico… Mas Reinando manteve sua acusação. “E daí? Tem muito judeu que é anti-semita, sabia?”, aloprou o doido… Sem se dar conta de que, no caso, seria um improvável “anti-pró” (o quê, pra falar a verdade, não faria a menor diferença na cabeça de um doidivanas desvairado….).

    Imagina se essa porra fosse a Israel, e se deparasse com oficiais superiores das Forças Armadas criticando publicamente a política do Estado em relação aos palestinos, defendendo a criação do Estado Palestino e se recusando a cumprir missões nos territórios ocupados…

    No mínimo, Reinaldo diria que esses generais, coronéis, majores, etc. (todos heróis de guerra, multi-condecorados por bravura em combate), são comunistas covardes, a serviço de Hugo Chavez e do Foro SP…

    E olha que o “Mal de Convergência” já foi considerado doença infantil…

  113. Otto said

    Genial, Elias!

  114. Pax said

    Buenas… vamos comer o boi do dia em partes, como gostavam Descartes e o Jack, o estripador.

    1 – Chesterton, caro e diligente Chesterton, do oeste longínquo, o tal farwest que tanto parece gostar:

    Onde foi mesmo que eu disse que polícia não pode revidar tiro? Não lembro. O que disse é que há provas e uma fartura de indícios que há execuções praticadas por policiais neste triste momento que São Paulo (e SC) vive. Em Sampa chega a ter aquele vídeo gravado onde o preso na operação recebeu 3 tiros depois de capturado, dominado e de ter apanhado dos policiais que já o tinham sob custódia. Esse foi o caso mais provado, uma erro colossal, um desvio monumental. Que, infelizmente, não é tão incomum em todo território nacional. Infelizmente temos que nos render à essa realidade. Mas há mais. Há outros crimes com fortíssimos indícios que policiais consultavam banco de dados, depois partiam em diligências nada oficiais e executavam criminosos. Aqui precisa de investigação, precisa de postura do comandante em chefe. Quem é essa figura em São Paulo hoje? Pois bem, estamos somente falando que o quadro é delicado e exige atenção, exige investigação. Como disse, não gosto dessa pauta e não a acompanho (como não acompanho esportes, internacional, cultura etc – aqui). Mas um tema recorrente em nossas discussões é sobre a imprensa e o poder. E aí chegamos no segundo ponto dessa nossa discussão. Jornalistas jagunços acompanharam este caso amiúde. Desses jornalistas que são incapazes de ter qualquer equilíbrio. E aí percebemos que, não só a grande mídia não fez o trabalho que deveria fazer, no meu entendimento, aprofundando as notícias sobre estes outros crimes com características de execução, como os tais jagunços ficaram o tempo todo defendendo “seus lados políticos”. É simples Chesterton, infalível Chesterton. Quer mesmo que eu desenhe? E é por essas e outras que prefiro não só me informar em veículos diversos, como fazer uma “média ponderada” até tirar as minhas conclusões. É uma questão de escolha, de livre arbítrio. Cada um acompanha como quer. Não estou dizendo para você fazer qualquer coisa, ser qualquer coisa diferente do que você é. Só estou contrapondo, tentando argumentar com alguma lógica que pretendo que seja com algum equilíbrio. E, se não for, o espaço é aberto ao debate exatamente por isso. Mesmo porque uma das formas que – tenho que confessar – procuro melhorar minhas informações – é exatamente aqui, quando leio opiniões diametralmente opostas às minhas. Junta esses cacos todos e a gente tende a ter uma informação melhor. Simples pacas, mas trabalhoso.

    2 – Essa questão da prisão do Paulo Rodrigues Vieira, e da investigação da tal Rosemary Novoa de Noronha e outros tantos.

    Bem, parece que colocaram o dedo em alguma ferida que precisa ser tratada. Aqui em casa gosto de lidar com machucados da forma mais tradicional possível. Tendo não deixar feridas infeccionarrem da forma mais primária da tua ciência, velho e bom Chesterton, e trago os ensinamentos mais primários que o Ignaz Semmelweiss deixou de herança, sem mesmo ter se apercebido da descoberta que deixou para Pasteur concretizar. Espero, sinceramente, que você conheça essa parte que diz respeito ao teu ofício: http://en.wikipedia.org/wiki/Ignaz_Semmelweis . Curiosamente o cara foi considerado louco, internado em asilo e morreu de… septicemia. Enfim, ironias trágicas da vida. Buenas, aqui, pego escovinha, água corrente, sabão e esfrego até sair sangue limpo. Quando chega nesse ponto deixo secar e começo a aplicar bactericidas. Mas só depois de limpar a bagaça toda. Se precisar, e isso é comum, repito a operação até quando for necessário. Aos poucos o corpo recupera o dano, livre da tal infecção. E minha vontade, em algumas situações políticas, é que processos semelhantes acontecessem.

    Até o momento, do que consegui ler, parece-me que quem estudou o problema um pouco mais a fundo foi o Josias de Souza. E trago para cá seu post:

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2012/11/24/servidor-preso-pela-pf-foi-aprovado-no-senado-gracas-a-pressao-de-lula-e-manobra-de-sarney/

    3 – Tirar investigações sobre veículos e jornalistas da CPMI?

    Bem, já faz um tempo que declarei minha preocupação com a desmoralização da CPMI. A trapalhada trágica, à além da comicidade preocupante do Vaccarezza, fez um enorme desserviço. Inegável. Ficou lá, ao vivo e à cores. E daí pra frente a coisa degringolou. Triste. E ninguém gosta do tal verbo expurgar, a mim parece. Delúbio tá lá, nem sei exatamente porque não chamaram de volta o Silvinho Jeepinho Inglês, sei lá. Livre arbítrio da instituição. Me permito todas as críticas. Nenhuma que quis fazer deixei para trás.

    Mas…

    Se há o que investigar, que investiguem, pô. Os indícios não são suficientes?

    E agora uma viagem minha, que também tenho direito. Bastou uma pequena ameaça para que esta investigação fosse levada à profundidade e imediatamente se observa uma reação em cadeia. É todo mundo da mídia blindando todo mundo da mídia, ou uma parte dela. E o que resulta isso? Ora, quem não expurga seus males, quem não limpa suas feridas, acaba tendo que se render? Como a prática da tal “realpolitik” foi desastrosa – e continua – há muita infecção espalhada. Quase uma septicemia. Claro que essa septicemia não escolheu um único indivíduo. O conjunto todo praticou mal o exercício da medicina, sujou as mãos e adentrou intimidades de mulheres (Semmelweiss). Mas a mídia, sim, a mídia que os médicos tais querem apontar como o paciente mais infectado, pode escolher somente um paciente para explorar suas infecções.

    E, quer saber, dentro dos tais princípios de liberdade, a mídia pode exercer a medicina assim, parcial, ou, nesta metáfora, pode querer salvar um infectado deixando o outro morrer, até ajudando neste processo.

    Ou aprendemos com Semmelweiss e lavamos nossas mãos, ou ficamos sujeitos à septicemia geral.

    4 – Dilma e Semmelweiss – conclusão utópica

    Difícil pacas governar um país onde os pontos de infecção se espalharam e foram deixados para trás. São bactérias diferentes, lugares diferentes, espalhados por vários cantos do corpo.

    É lógico que tem que tratar o mais grave. As vias respiratórias e as vias circulatórias em primeiro lugar. Os primeiros socorros. Mas há infecções pequenas que podem matar. Semmelweiss, e aqui posso ser traído pela memória, acabou morrendo porque teve um leve ferimento num dedo que… infeccionou.

    Às vezes o machucado parece pequeno, o risco da pequena infecção aumentar a ponto de se tornar a maior gravidade dentre todas as enfermidades não parece óbvio. Mas…

    Podemos ter um hospital maravilhoso, completo em equipamentos, com equipe médica de ponta, gente especializadíssima em todas as áreas, desde o pronto atendimento na emergência até o tratamento intensivo mais equipado possível, remédios de última geração, enfim, tudo, mas uma maldita bactéria resistente vai lá e pimba, joga tudo isso fora e o paciente morre por causa de um nada, de um corrimão mal limpo onde uma mão infeccionada deixou o problema para outra mão infeccionada que acaba por chegar no cara que foi salvo de um TCE aliado a múltiplas fraturas e rompimentos de órgãos, tudo resolvido nos centros cirúrgicos de última geração e o escambau a quatro.

    Salvaram o indivíduo de todos os males que ele teve no acidente. Mas a maldita bactéria resistente foi lá e cobrou o preço do descuido e, até, da incapacidade da ciência de lidar com novidades que aparecem todos os dias.

    Pronto, cansei.

  115. Pax said

    Não sabia que o Tarso é filho de uma judia.

    Saudades do Weblog.

    Se não criarem e repeitarem um estado palestino, como haverá uma solução por lá?

  116. Pax said

    E também não vou tratar do paciente que o Elias já tratou acima, em #112. Esse caso é para doutores como Rosenzweig, Breuer e Freud.

    Quem quiser se aprofundar clique aqui.

  117. Jose Mario HRP said

    É Pax, Tarso tem mãe judia, então técnicamente é judeu.
    E a Associação Israelita Brasileira está “P” da vida com o congresso pró palestina lá em Porto Alegre!
    E sobre o Reinaldo da Veja, fique bem claro que ele não tem alguns parafusos na caixa de cima do pescoço.
    Digamos assim:
    Se ele fosse adulto em 1964, estaria na linha de frente na Marcha da Senhoras Católicas.

  118. Jose Mario HRP said

    A quem possa interessar, essas estarrecedoras conclusões de uma pesquisa lá em Israel:
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/1189087-o-inferno-de-dante-e-israel.shtml

  119. Chesterton said

    Não sabia que o Tarso é filho de uma judia.

    chest- judeu quinta coluna, e Tarso é herdeiro. milionario.

    Se não criarem e respeitarem um estado palestino, como haverá uma solução por lá?

    chest- se um dia Israel desaparecer do mapa, Jordania, Siria e Egito entram para ocupar a Palestina matando (como já mataram) a resistencia .

    http://en.wikipedia.org/wiki/Black_September_in_Jordan

  120. Otto said

    Quando um Macarrão, por um crime hediondo e confesso, pega 15 anos, e um Dirceu, por “crimes” sem provas, pega 11, há alguma coisa de podre em nossa Dinamarca…

  121. Chesterton said

    um massacre de árabes por árabes menos conhecido

    http://en.wikipedia.org/wiki/Hama_massacre

  122. Chesterton said

    http://en.wikipedia.org/wiki/1947_Aleppo_pogrom

  123. Chesterton said

    Exodo judeu de países árabes quando a ONUn decidiu pela partição da palestina em 2 estados

    http://en.wikipedia.org/wiki/Jewish_exodus_from_Arab_and_Muslim_countries

    chest- nunca ninguem pensou em indenizar os judeus.

  124. Chesterton said

    24/11/2012 – 6:26
    Servidor preso pela PF foi aprovado no Senado graças a pressão de Lula e manobra de Sarney 399
    Josias de Souza

    Preso pela Polícia Federal na Operação Porto Seguro, Paulo Rodrigues Vieira, diretor de Hidrologia da ANA (Agênca Nacional de Águas), foi guindado ao cargo graças a uma forte pressão de Lula e a uma manobra patrocinada por José Sarney (PMDB-AP). Como ocorre com todos os indicados para diretorias de agências reguladoras, o nome de Paulo Vieira teve de passar pelo Senado. Uma pesquisa nos anais do Legislativo revela que, neste caso, a aprovação foi tumultuada, atípica e violou as regras regimentais.

    Assinada por Lula, a mensagem presidencial que indicou Paulo Vieira para uma poltrona da agência de águas teve tramitação relâmpago. Em sabatina precária, o indicado foi aprovado pela Comissão de Meio Ambiente do Senado em 16 de dezembro de 2009. No mesmo dia, o nome seguiu para o plenário. Ali, realizaram-se duas votações. Numa, houve empate. Noutra, o nome de Paulo Vieira foi rejeitado por diferença miúda: 26 votos contra, 25 a favor e uma abstenção.

    Como manda o regimento, o Senado enviou ao Planalto ofício comunicando a Lula que seu escolhido não passara pelo crivo dos senadores. Não restava ao presidente senão sugerir outro nome. Passaram-se quatro meses. E nada. De repente, quando se imaginava que o jogo estivesse jogado, Sarney valeu-se de sua autoridade de presidente do Senado para reinserir na pauta de votações o nome de Paulo Vieira.

    Na tarde do dia 14 de abril de 2010, uma quarta-feira, a indicação de Paulo Veira foi votada pela terceira vez. O nome foi, então, aprovado por 28 votos a 15. Houve uma abstenção (a foto lá do alto exibe o resultado no painel). A votação foi atípica porque o Senado não poderia ter aprovado o nome que rejeitara. Foi antiregimental porque a decisão anterior jamais foi revogada. Foi tumultuada porque um parecer da Comissão de Justiça tachara a ‘revotação’ de ilegal.

    Descobre-se agora que aquilo que começou errado terminou em desastre. Na operação deflagrada nesta sexta (23), a Polícia Federal indiciou 18 pessoas e prendeu seis. Entre os presos estão Paulo Vieira e um irmão dele, o diretor de Infraestrutura da Agência Nacional de Aviação Civil Rubens Carlos Vieira (também indicado por Lula e aprovado pelo Senado e 7 de julho de 2010, sem manobras). Entre os indiciados está Rosemary Novoa de Noronha, a Rose, chefe de gabinete do escritório regional da Presidência da República em São Paulo.

    Descobriu-se que foi Rose, uma servidora nomeada por Lula e mantida por Dilma Rousseff, quem patrocinou as indicações dos irmãos Vieira. Mais: os três participavam de um esquema de venda de pareceres de interesse de empresas nas agências reguladoras e em outros órgãos públicos. Pior: suspeita de corrupção, tráfico de influência e falsidade ideologica, Rose é investigada por ter supostamente exigido e recebido por intermédio dos Vieira vantagens monetárias e favores que vão do custeio de uma cirurgia plástica a viagens.

    Além dos indiciamentos e das prisões, a PF realizou batidas de busca e apreensão de documentos e computadores em Brasília e São Paulo. para constrangimento do governo, varejaram-se inclusive os gabinetes de Rose, de Rubens Vieira e de Paulo Vieira. No caso deste último, o diretor que o Senado aprovou na marra, sua sala na ANA foi varejada por quatro horas e 15 minutos –das 6h30 às 10h45. Depois de coletar papéis e computador, a PF lacrou o recinto.

    De passagem pela Índia, Lula foi informado pelo telefone sobre a encrenca que engolfou sua ex-assessora Rose e os dois diretores que ela indicou e ele patrocinou no Senado. Os arquivos do Senado revelam que Lula empenhou-se pelos Vieira com um interesse revelador do prestígio de Rose, a quem conhecera na década de 90. Por 12 anos, ela assessora José Dirceu na máquina partidária do PT. Eleito, Lula fez de Rose, em 2003, assessora especial da Presidência em São Paulo. Em 2005, promoveu-a a chefe de gabinete.

    Em toda a história do Senado, só havia dois casos de autoridades que, tendo sido rejeitadas pelo plenário, foram aprovadas em votações posteriores –Alexandre Morais, para o Conselho Nacional de Justiça; e Diaulas Costa Ribeiro, para o Conselho Nacional do Ministério Público. Num dos casos, a segunda votação fora precedida de decisão da Mesa diretora do Senado. Noutro, fora referendada pela unanimidade dos líderes partidários. No episódio de Paulo Vieira, Sarney decidiu sozinho pela realizaçã de uma terceira votação.

    Líder de Lula no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) recebera ordens do Planalto para reverter a rejeição ao nome de Paulo Vieira. O senador alegara que obtivera o assentimento dos líderes. Foi com base nesse suposto entendimento que Sarney devolveu o nome ao plenário. Os desdobramentos revelariam que Jucá mentira. Em 15 de abril de 2010, um dia depois da violação das regras, o PSDB e o DEM entregaram a Sarney um pedido de anulação da pantomima. Assinaram a peça os líderes do DEM, José Agripino Maia; e do PSDB, Arthur Virgílio, hoje prefeito de Manaus. Ficou entendido que o alegado acordo de lideranças era lorota.

    “Não havia nenhuma justificativa para que essa matéria voltasse ao Plenário”, disse Agripino, conforme os registros da sessão. “Para surpresa de todos, a proposição rejeitada foi arbitrariamente colocada novamente em votação na sessão deliberativa de ontem. Trata-se de uma ilegalidade jamais vista na história desta Casa Legislativa”, ecoou Virgílio, segundo registram as notas taquigráficas.

    Decorridos cinco dias, Sarney enviou o recurso de Agripino e Virgílio à Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Nessa época, presidia a comissão um ainda respeitado Demóstenes Torres. Em 27 de abril de 2010, esse Demóstenes pré-Cachoeira emitiu seu parecer. Considerou que não era atribuição da Comissão de Justiça dirimir a querela. Por quê? A presidência do Senado só poderia acionar a comissão em casos que envolvessem interpretações do texto constitucional.

    Demóstenes anotou: “Evidentemente que a questão de ordem ora analisada não diz respeito à interpretação de qualquer dispositivo constitucional. Questiona-se o atendimento, ou não, a preceito regimental. Portanto, incabível a apreciação dessa matéria pela CCJ”. No mesmo documento, Demóstenes apontou “falhas gritantes” no processo que levou à aprovação da indicação de Paulo Vieira. Recordou que a Comissão de Justiça já havia se manifestado sobre a matéria.

    Lembrou que, na sequência da rejeição do indicado de Lula, o senador Magno Malta recorrera à Mesa presidida por Sarney. Um recurso não previsto no regimento do Senado. Foi “por absoluta falta de previsão legal”, escreveu Demóstenes, que a Comissão de Justiça rejeitara esse primeiro recurso, assinado por Malta. Evocando os dois únicos precedentes disponíveis nos anais do Senado, Demóstenes aventou a hipótese de o plenario deliberar sobre a conveniência de realizar ou não uma nova votação no plenário. Porém…

    Demóstenes realçou que seria preciso que a Mesa ou os líderes aprovassem a realização da nova votação. “Embora […] o senador romero Jucá tenha afirmado que a matéria legislativa já havia sido objeto de ‘entendimento entre os líderes’, quer me parecer que tal entendimento não ocorreu. Sustento-me na iniciativa dos líderes Agripino e Virgílio, que subscreveram essa questão de ordem”, anotou Demóstenes. “Não concebo que precedente tão grave, que atropela o regimento interno, possa ser adotado sem o acordo de todos os líderes partidários.”

    De resto, Demóstenes enfatizou que a aprovação de Paulo Viera ocorrera sem que a rejeição ao nome dele tivesse sido anulada. “Uma decisão do plenário [a rejeição da indicação de Paulo Vieira] estava em pleno vigor, inclusive dela já estava informada a Presidência da República, e sobre ela outra foi tomada, sem sequer se discutir as razões pelas quais aquela deveria ser anulada. Nem é o caso de se dizer que a segunda votação revogou tacitamente a primeira.”

    Em sessão realizada no dia 4 de maio de 2010, já munido do parecer do Demóstenes pré-clube Nextel, Sarney deu por encerrada a querela. Rejeitou o pedido de Agripino e Virgílio e deu por válida a aprovação do agora encrencado Paulo Viera. Alegou que não tinha poderes para se subrepor à decisão do colegiado. “Não aceito a questão de ordem por não ter competência para agir em nome do plenário”, disse.

    Sarney comprometeu-se a editar um ato regulamentando a votação de autoridades. Algo que evitasse a repetição das anomalias. Virgílio foi ao microfone: “Devemos tomar isso como lição para adotar medidas de responsabilidade. A Mesa deve impedir que fatos semelhantes ocorram daqui pra frente.” Agripino ecoou-o: “O episódio foi lamentável. Temos que ter a devida instrução da Mesa. Que permaneça a cautela em episódios futuros, para que não seja repetido esse fato.” E a coisa ficou nisso. Passados dois anos e meio, a Polícia Federal entra em cena.

  125. Elias said

    Jose Mario HRP,

    I
    Posso te garantir que a rejeição à criação do Estado Palestino não é unanimidade na comunidade “Juca” (aliás, no dia em que houver unanimidade entre judeus, a respeito do que quer que seja, pode ficar certo que o mundo está prestes a exalar seus últimos suspiros).

    Não é por acaso que um governador de origem judaica apoia o evento.

    Aguarda a realização do evento e tomarás conhecimento de manifestações de organizações judaicas (e sionistas!) em apoio à criação do Estado Palestino.

    Falar nisso, em Israel existem dois partidos árabe-israelenses (de esquerda, claro…), ambos com representação no Parlamento.

    II
    Só um imbecil completo ainda acredita que, se houver um Estado Palestino, Israel desaparecerá do mapa. Existindo o Estado Palestino, do ponto de vista militar ele não poderá nem ser equiparado à Jordânia. Militarmente, na melhor da hipóteses (pra eles), esse Estado estará entre o Líbano e a Jordânia.

    Egito é freguês velho de porrada e, hoje, é um dos principais interlocutores de Israel na região. Pra quem não sabe: a maior parte das melhores negociações entre Israel e os Palestinos foi mediada pelo Egito (inclusive a que se encerrou há alguns dias…)..

    Jordânia tem tanta chance de representar um perigo militar pra Israel quanto la Republica de Garrotal de Mierda tem chance de ocupar militarmente o Brasil, depois de vencer a Copa do Mundo derrotando o mesmo Brasil por 8 X 1.

    Já a Síria… Bem, primeiro vamos ver o que vai restar da Síria, depois desse fuzuê que tá havendo por lá. Aí teremos condições de saber se Israel pode aniquilar a Síria em 10 dias ou em 12 dias. Por ora, há controvérsia a esse respeito. Impossível estabelecer um prazo corretamente (há até quem diga que o “Expresso para Damasco” israelense liquidaria a fatura em 3 dias…). Mas o fato é que o assunto é polêmico. Se abrir o debate, logo teríamos cerca de 4 ou 5 opiniões para cada 3 judeus, e… Não nem estar perto, quanto mais participar…

    III
    Na realidade, do ponto de vista político, não é uma boa idéia organizações judaicas — principalmente sionistas — se oporem à criação do Estado Palestino.

    Esse é um assunto que compete, exclusivamente, aos palestinos.

    A ONU já autorizou a criação desse Estado. Ou seja, ele terá o reconhecimento automático de todos os países membros (Israel incluso). A União Européia já está concedendo auxílios financeiros a fundo perdido, pra ajudar na criação desse Estado. Não há mais o que discutir, quanto a isso.

    Qual o problema?

    O problema, hoje, é mais interno. Fatah ou Hamas? Esses dois vivem se mordendo (e se matando), não chegam a um acordo, e, enquanto isso não ocorrer, o Estado Palestino não sai.

    Por que os judeus devem se meter nesse embrulho? Israel já tem problemas suficientes. Não precisa buscar mais na casa do vizinho (que, pra completar, é primo e desafeto…).

  126. Chesterton said

    Achar que os palestinos não tem um estado POR CAUSA de Israel é desconhecer a história. Os palestinos não tem um estado porque os países árabes vizinhos não deixam.

    mas voltando ao petismo, só rindo: W. Waack espião da CIA? (rsrsrsrs)

    http://www.conjur.com.br/2012-nov-23/record-indenizara-william-waack-dizer-ele-espiao-cia

  127. Pax said

    Acho que vale nos lembrarmos que:

    Bibi vai concorrer. E Bibi precisa de medo, de sangue, pra se eleger. Bibi é, por acaso, de direita.

    E Bibi se apoia em voto. E quem dá voto para Bibi? Aqueles caras de roupas escuras, que fazem filhos no atacado. Que hoje já tem idade para votar. E esses caras adoram fazer mais e mais assentamentos.

    O caro Elias, por questões consanguíneas, faz uma boa análise acima.

    Só me parece ter esquecido este ponto, as futuras eleições lá. A coligação de Bibi precisa de uma campanha sólida. Este é outro tempero neste caldeirão que não pode ser desconsiderado, pra modo de equilibrarmos a discussão.

    A galera jovem, antenada, inteligente, culta, moderna, está vendida hoje em dia, nos tempos de Bibi.

  128. Chesterton said

    The official position of the Israeli government is that Jews from Arab countries are considered refugees, and it considers their rights to property left in countries of origin as valid and existent.[125]
    In 2008, the Orthodox Sephardi party, Shas, announced its intention to seek compensation for Jewish refugees from Arab states.[126] In 2009, Israeli lawmakers introduced a bill into the Knesset to make compensation for Jewish refugees an integral part of any future peace negotiations by requiring compensation on behalf of current Jewish Israeli citizens, who were expelled from Arab countries after Israel was established in 1948 and leaving behind a significant amount of valuable property. In February 2010, the bill passed its first reading. The bill was sponsored by MK Nissim Ze’ev (Shas) and follows a resolution passed in the United States House of Representatives in 2008, calling for refugee recognition to be extended to Jews and Christians similar to that extended to Palestinians in the course of Middle East peace talks.[127]
    The type and extent of linkage between the Jewish exodus from Arab countries and the Palestinian Exodus has also been the source of controversy. Advocacy groups have suggested that there are strong ties between the two processes and some of them even claim that decoupling the two issues is unjust.[128][129][130]
    Holocaust restitution expert Sidney Zabludoff has published a calculation that the losses sustained by the Jews who fled Arab countries since 1947 amounts to $6 billion, in contrast to the losses of the Palestinian Arab refugees which he estimates at $3.9 billion (both sums in 2007 dollars).[131]

    link acima

  129. Chesterton said

    A galera jovem, antenada, inteligente, culta, moderna, ….

  130. Chesterton said

    E Bibi precisa de medo, de sangue, pra se eleger.

    chest- então os palestinos que jogam milhares de foguetes em Israel elegeram Bibi?

  131. Jose Mario HRP said

    Pois é Elias, a realidade é que muitos não estão nem aí para tantas mortes, gostemos eu, voce, ou não.
    A guerra e as mortes já não assustam as pessoas por lá.
    E os contornos de uma sociedade desumanizada, agressiva, cultuando as armas e insensivel ao diferentes já se mostram no Israel de hoje.
    E nesse confronto , ele , Israel , era a civilização contra a bárbarie.
    Já não parece mais ser.

  132. Michelle 2 said

    No caso em discussão o termo apropriado é sePTicemia.

    Infecção generalizada causada pelo vírus “corruPTos petensis” que se manifesta passiva ou ativamente. Foi isolado e descoberto em 2005 em Brasília.
    Sintomas: Burrice, soberba e total falta de escrúpulos.

    Mal curado pode se transformar com o passar dos anos até em câncer na garganta.

  133. Jose Mario HRP said

    Esta semana quase cai da cadeira quando abri a Folha SP e dei de cara com a foto de motoqueiros na Faixa de Gaza arrastando um possivel traidor amarrado pelas pernas, num verdadeiro circo de horrores.
    Esse tipo de fanatismo e radicalismo até posso esperar nesses radicais islamicos e fanaticos do Hamas, mas da sociedade israelense no geral esperava muito mais do que ódio e indiferença.
    Se a sociedade palestina está doentiamente embriagada pelo ódio, a israelense tende agora a nivelar-se nesse quesito.
    Até mais tarde.

  134. Otto said

    Pax, como que a sua “fé” fica diante de dados como este:

    “A Justiça que está para prender José Dirceu sem que contra ele pese um grama do que pesa contra Perillo, pôs em liberdade um mafioso como Cachoeira. Essa é a “nova era” que o julgamento do mensalão (do PT) inaugurou?”

    -http://www.blogdacidadania.com.br/2012/11/midia-moralista-sai-em-defesa-da-quadrilha-de-perillo-e-cachoeira/

  135. Pax said

    Infalível Chesterton,

    Onde você (des)aprendeu interpretação de texto? Teu comentário #129 fala de outro público que cito no meu comentário. Falo da galera moderna de Israel.

    Antiquados, anacrônicos, belicistas etc tem de todos os lados.

    Mas, diga lá, onde você (des)aprendeu interpretação de texto?

    Ou só está mal do fígado hoje? Leia as coisas com mais calma, Chesterton. Não faça como os histéricos que tiram conclusões através de células diferentes das localizadas no cérebro.

  136. Chesterton said

    me conta da galera descolada de Israel.

  137. Michelle 2 said

    Justiça
    TSE defende fim de doações de empresas a candidatos
    Ministra Cármen Lúcia foi taxativa:
    ‘Pessoa jurídica não é cidadão e não vota’

    http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/tse-defende-fim-de-doacoes-de-empresas

    Adivinhem se o Congresso vai topar?

  138. Elias said

    Pax,
    Os principais cabos eleitorais da direita israelense não são os caras de preto. São os radicais palestinos.

    Em retribuição, a direita hidrófoba israelense faz o que pode pra ajudar os radicais palestinos.

    Eles gostam de fingir que se detestam, mas, na realidade, se amam.

    O Baby Bush tinha pavor de que matassem Obama. No fundo, ele era agradecido. Quando ele estava ferrado eleitoralmente Obama mandou uns doidos se explodirem junto com aviões, prédios, etc. Aí o Bush se reelegeu fácil, não foi?

    Ele aprendeu isso com a direita israelense. Se ela começa a despencar, pede uns misseiszinhos pros radicais palestinos, que não se fazem de rogados…

    Aí é só industrializar na publicidade: “Tão vendo? Tão vendo? Se a gente sair daqui eles vão destruir Israel. Vão aniquilar o sistema capitalista e, até — Heresia! Heresia! — VÃO ESTATIZAR O CONSULTÓRIO DO CHESTERTON!

    Aí o pessoal fica apavorado… Estatizar o Consultório do Chesterton!?!?!?!/!? Nem pensar! Não podemos permitir tamanho disparate! Assim o eles vão acabar destruindo o planeta! Quem sabe, até… Vão destruir a própria Via Láctea, Nestle, Nestogeno, Itambé e Mococa!!

    Aí a turma vota na direita, que, agora, atende pela alcunha de Bibi… Uma espécie de Esdras com furúnculo no cérebro…

  139. Pax said

    Caro Otto, em #134,

    Mas quem soltou Cachoeira foi o que determina a lei. Foi condenado a menos dos tais 8 anos. Por enquanto. Tem mais crime para encarar pela frente. Pelo que li, não lembro onde, se Cachoeira pegar todas as penas previstas pelos crimes cometidos, segundo a acusação, o cara fica com mais meio século de condenação.

    Estamos discutindo as leis ou a aplicação das leis?

    Uma coisa é no Congresso, outra é no Judiciário.

    Caro Chesterton, em #136.

    Não precisa. Você conhece.

  140. Pax said

    “Esdras com furúnculo no cérebro…”. Boa essa.

    Dá no que dá.

    Já eu prefiro este aqui, do Shalom Akhshav

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Amos_Oz

    Mas o Chesterton desconhece a galera descolada. Enfim, o infalível Chesterton. É o que é. “Não pode ser julgado como uma pessoa qualquer”. Afinal ele lê quem ele lê, por seu próprio e livre arbítrio. E assim forja esta condição especial, digamos assim. Temos que respeitá-lo. Deixa passar e não mexe que às vezes fica calmo.

    Quando fica, até pensa.

  141. Elias said

    Pax,

    Pra encerrar minha participação no ófitópique:

    Os caras de preto não formam um bloco monolítico. Entre eles, há os que são totalmente contrários à existência do atual Estado de Israel. Daí porque são isentos do serviço militar (em Israel, ser isentado do serviço militar é um evento e tanto, certo?).

    E mesmo os que são contrários à existência do atual Estado de Israel não formam um bloco.

    Entre eles, há os que acreditam que Israel deve, sim ser restaurado. Porém só o Messias poderá fazer isso. Logo, o atual Estado de Israel é uma heresia. Destruí-lo talvez seja, apenas, fazer a vontade de Deus (essa corrente de pensamento é muito popular no Irã. Alguns rabinos ligados a ela costumam discursar e ser muito aplaudidos nos comícios organizados pelos aiatolás).

    Mas há, também, os acreditam que o Messias não será uma pessoa, e sim uma era de paz e felicidade para toda a humanidade. Assim, a existência ou não do Estado de Israel nenhuma diferença faz. Para essa corrente, como localização geográfica, Israel já cumpriu seu papel na trajetória da humanidade.

    Finalmente, há aquele outro pessoal de preto que não reconhece o Estado de Israel, não paga impostos, mas fica pareasitando o Estado, invadindo e ocupando áreas que devem pertencer aos palestinos e exigindo que o mesmo Estado que eles não reconhecem lhes dê proteção.

    Se eu pudesse, mandaria o Chesterton passar uns dois meses vivendo com esse pessoal, pra ele saber com quantos paus se faz uma jangada capaz de deslizar na areia, contra o vento…

  142. Chesterton said

    Elias, 138, não sei nem por onde começar…comeu algo estragado no almoço?
    Mas se o Hamas parar de jogar foguetes em Israel a esquerda israelense vai ter chance sim senhor. Nas horas que a sobrevivência está em jogo, todo mundo se vira para a direita.

  143. Chesterton said

    tem razão, Pax, aqui a galera jovem, antenada, inteligente, culta, moderna, ….

  144. Chesterton said

    eu adoro a galera jovem e culta e descolada de Israel

  145. Chesterton said

    mais juventude feminina descolada de israel…

  146. Chesterton said

    Guarda da fronteira israelense-palestina (que é isso minha gente, me prende)

  147. Chesterton said

    Finalmente, há aquele outro pessoal de preto que não reconhece o Estado de Israel, não paga impostos, mas fica pareasitando o Estado, invadindo e ocupando áreas que devem pertencer aos palestinos e exigindo que o mesmo Estado que eles não reconhecem lhes dê proteção.

    chest- já sei, Elias, esses são os petistas de Israel (rsrsrsrs)

  148. Chesterton said

    Mais um super-herói social – GUILHERME FIÚZA

    O GLOBO – 24/11

    Joaquim Barbosa tomou posse no STF com discurso militante, para delírio dos progressistas que o veneram pela cor da pele

    José Dirceu acertou uma: disse que o populismo chegou ao Supremo Tribunal Federal. E chegou mesmo. Não no mérito do julgamento do mensalão, que é o que Dirceu quer desclassificar. Mas nas maneiras e nos discursos afetados dos ministros, em especial o presidente que a Corte acaba de empossar, Joaquim Barbosa — o novo herói brasileiro.

    O presépio está ficando completo: a “presidenta”, afilhada do ex-operário, que indicou o negro para a elite do Judiciário. Negro como Barack Obama, o presidente da nação mais rica, que ganhou o Nobel da Paz sem fazer nada — não por seus belos olhos, mas pela cor da sua pele. O mundo politicamente correto é racista.

    Depois do Nobel “étnico”, Obama começou a trabalhar e mostrou enfim quem era: um líder fraco, canastrão, tentando se equilibrar entre o conservadorismo americano e seu símbolo de defensor dos fracos. Não agradou verdadeiramente a ninguém. Conseguiu uma reeleição apertada contra um dos piores candidatos republicanos dos últimos tempos. E já saiu anunciando aumento de impostos para os “ricos” — a única coisa que os populistas sabem fazer: garfar quem produz e quem investe para engordar a burocracia estatal.

    Claro que Obama não vai produzir bem-estar social nenhum desse jeito, sangrando uma economia asfixiada a pretexto de distribuir renda. Os esquerdistas que emergiram na Europa panfletando contra o rigor fiscal alemão já começaram a dar com os burros n’água. As sociedades cresceram demais, e o que pode salvá-las é mais dinamismo, e não mais impostos e gastos estatais. Mas o mito do governante bonzinho que vai salvar a todos parece indestrutível.

    O Brasil vive esse sonho de ter um governo mais humano por ser presidido por uma mulher. As pessoas acreditam em qualquer coisa. Basta ver os argentinos dando corda para os delírios autoritários de Cristina Kirchner (o presépio progressista tinha que ter uma viúva profissional). Cristina e Dilma são irmãs gêmeas em certas decisões maternais, como a redução na marra das tarifas de energia. O desastre decorrente dessa bondade já se consumou na Argentina, e começa a se consumar no Brasil, com as ações das empresas do setor desabando vertiginosamente. É comovente como o populismo arruína as estruturas de um país sem perder a ternura.

    Enquanto a propaganda do oprimido funcionar, o governo sabe que não precisa governar. A última pérola é a campanha publicitária da Infraero. Como se sabe, o governo Dilma não planeja nada (não dá tempo), e aí vem a Copa do Mundo jogar um holofote nos remendos da infraestrutura. O que faz então o governo? Propaganda. Após anos de escárnio no Aeroporto Internacional do Galeão, onde já se viu até passageiro arrastando bagagem pela escada por falta de elevador, o contribuinte tem que ouvir agora a mensagem de que a Infraero está trabalhando pelo seu conforto etc. Podem zombar, os brasileiros não ligam.

    Nem se importam que o ministro da Justiça faça comício contra as prisões brasileiras, quando seus companheiros mensaleiros se encaminham para elas. José Eduardo Cardozo disse que preferia morrer a ir preso no Brasil. Aparentemente, também prefere a morte a ter que descer do palanque e administrar as prisões. Com a crise de violência em São Paulo, um preposto do ministro apareceu para declarar que ofereceu uma maleta detetora de celulares ao governador paulista. O mais importante era avisar à imprensa que o governo tucano não respondera à generosa oferta. Em meio à onda de mortes, a estratégia do governo popular era fazer pegadinha partidária.

    Cardozo disse que as prisões brasileiras são medievais. Em seguida, por coincidência, Dias Toffoli, o ministro do PT no Supremo, declarou que as penas de prisão para os mensaleiros são medievais. Os brasileiros não se incomodam de ter um juiz partidário fingindo que julga seus companheiros, e aí ficam achando que o que julga de verdade é herói.

    Onde está o heroísmo de Joaquim Barbosa? Ele foi o relator de um processo julgado sete anos depois do fato — e nesse intervalo o partido dos réus fez a festa em três eleições. A estratégia petista de fazer o mensalão sumir no retrovisor só não deu certo porque a imprensa gritou contra o escândalo do escândalo — e praticamente empurrou o STF para o julgamento.

    Joaquim fez bem o seu trabalho. Mas também fez bravatas, mostrou pouca serenidade em bate-bocas com colegas (tivera um embate público quase infantil com Gilmar Mendes), se empolgou às vezes com sua própria mão pesada, mostrou-se intolerante e preconceituoso ao dizer a jornalistas que eles estavam fazendo “pergunta de branco”. Tomou posse no STF com discurso militante, para delírio dos progressistas que o veneram por sua origem pobre e pela cor da sua pele.

    O Brasil mimou o ex-operário e não aprendeu nada com isso. Continua em busca do seu super-herói social. Os parasitas da nação agradecem. Eles se saem muito bem no reino da fantasia.

    chest- para o pax, que não tem acesso ao O Globo.

  149. Chesterton said

    patrulha marítma da juventude israelense

    clique aqui

  150. Chesterton said

    vou me alistas no exército israelense

  151. Chesterton said

    e do outro lado?

    como é que alguem de sã consciência pode ficar do lado dessa massa ignara barulhenta

  152. Michelle 2 said

    A faxineira voltou:
    Dilma demite chefe do escritório da Presidência em São Paulo
    Presidente também exonera o advogado geral da União substituto; diretores da ANA e ANAC serão afastados.

    A petezada está triste: A Veja não tem nada com isso, desta vez.

  153. Pax said

    Em cada traço o desenho vai se formando, afinal.

    http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-11-23/policiais-podem-ter-sido-omissos-em-chacina-na-zona-sul-de-sao-paulo-dizem-testemunhas

  154. Pax said

    Para que Semmelweiss seja bem lembrado, falta burilar um pouco as bactérias da ANATEL.

    http://www.cartacapital.com.br/politica/presidente-demite-chefe-de-gabinete-em-sp-e-outros-cinco/

    Já chegaram em alguns poucos da Agência Nacional de Águas (ANA), Agência Nacional de Avião Civil (Anac), Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antac).

    Sem esquecer que, neste caso pegaram também da AGU, SPU, TCU e MEC.

    Mas… e a ANATEL?

    Não, por favor, não esqueçam da ANATEL !

  155. Pax said

    Bora pensar num nome para uma eventual (oxalá) operação na ANATEL. Bem, se essa que pegou gente lá dos portos (que me lembra tanto o Valdemar e outros canalhas) foi batizada de Operação Porto Seguro, então vamos pensar… para a ANATEL poderíamos propor:

    – Operação Fale Bem
    – Operação Bit Solto
    – Operação Ping Livre
    – Operação Solta o Link
    – Operação Fibra de Luz

    Alguma outra sugestão?

  156. Pax said

    E fica uma promessa. Se este humilde blogueiro tiver a graça alcançada, poderemos ter um avanço, juntar este blog aqui com aquele outro abandonado com Fotos e Poesias Eróticas, filmes, fotos, animações, e muito, muito mais informação.

    Oremos, irmãos, oremos para que o foco antibactericida volte seus olhos para a ANATEL.

    Vai, Dilma, vai! Solte os farejadores bit afora.

  157. Chesterton said

    O Supremo Tribunal Federal encomendou ontem um telefone celular de última geração, que criptografa as conversas, para que não sejam bisbilhotadas pela manjada arapongagem de Brasília. O aparelho será usado pelo Presidente do STF, Joaquim Barbosa para contatos imediatos e sem grampo com a Presidenta Dilma Rousseff. Promete ser forte o clima de conspiração na Praça dos Três Poderes, onde fica o Palácio do Planalto e o STF.

    A aproximação entre a cúpula do Judiciário e do Executivo pode ter alguns significados. Ou Barbosa quer ter uma relação menos conflituosa com Dilma. Ou Barbosa quer prestigiar e preservar Dilma para que ela não fique desgastada ou inviabilizada politicamente com as ações judiciais que serão movidas contra a cúpula petista, Lula e e as pessoas mais próximas a ele. Que Dilma deseja se descolar do PT não é novidade para ninguém, e um pacto, mesmo que não revelado, com o popular Barbosa pode lhe ser imprescindível na hora em que o Big-Bang da corrupção estourar.

    Fato objetivo é que a Justiça fecha o cerco sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. É quase certa a intensificação das investigações sobre a relação entre Lula, PT e o banco BMG, no desdobramento do Mensalão (Processo Investigatório 2.474, no STF, em segredo judicial, desde 2007). Para piorar o quadro, ontem a Polícia Federal indiciou, por corrupção ativa, a melhor amiga de Lula: Rosemary Novoa de Noronha, chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, cujo salário é de R$ 11.179,36.

    A Presidenta Dilma Rousseff deve esperar o retorno urgente de Lula ao Brasil para exonerar a servidora do coração dele. Lula terá de se esforçar muito para alegar que a “Doutora Rose” (como é conhecida a indiciada) fez coisas erradas sem que ele soubesse. Certamente, com o cinismo costumeiro, Lula alegará que “foi traído” pela Rose. A mentira ficará inviabilizada porque, nos bastidores petistas, todo mundo sabe que Rose talvez só seja menos importante para Lula que a ex-primeira dama Mariza Letícia. Literalmente, Lula tomou ontem um tiro no coração.

    Em ação surpreendente, que pegou o governo Dilma de saia curtíssima, a Polícia Federal, cumprindo ordens da Justiça Federal, promoveu a Operação Porto Seguro. A PF constatou que Rose era uma das cabeças um esquema de fraudes em pareceres técnicos feitas por agências reguladoras e órgãos federais, para favorecer empresas parceiras. Em troca, Rosemary receberia agrados, como viagens e até camarotes em carnaval. A PF investiga se rolava grana também nos esquemas de tráfico de influência.

    Dilma promoveu ontem à tarde uma sessão de esculacho nos ministros José Eduardo Cardozo, da Justiça, e no Advogado-Geral da União, Luis Inácio Adams. Além do gravíssimo indiciamento da chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, a PF também indiciou ninguém menos que o segundo homem na hierarquia da AGU: José Weber Holanda Alves. Será que o Luis Inacio (com S) repetirá a costumeira artimanha do Luiz Inácio (com Z), alegando que nada sabia sobre o que seu imediato fazia de errado? Alvesdeve ser detonado por Dilma.

    Doutora Rose era poderosa. Na década de 90, foi assessora de José Dirceu de Oliveira e Silva. Naquela época, conheceu Luiz Inácio. Rose começou a trabalhar no governo Lula em 2003 como assessora especial do gabinete da Presidência em São Paulo. Em 2005, virou a “Doutora Rose”, ao ser nomeada chefe de gabinete do escritório regional da Presidência, na Avenida Paulista. Rosemary é tão ligada Lula que costumava participar da maioria de suas viagens internacionais, nos oito anos de governo.

    O escândalo é pesadíssimo e envolve vários órgãos do governo. Foram indiciados 12 servidores da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), da Anac, da Superintendência do Patrimônio da União (SPU), do Tribunal de Contas da União (TCU), da Advocacia Geral da União (AGU) e do Ministério da Educação (MEC). A organização criminosa atuava também agilizando processos em órgãos públicos e fraudando documentos em troca de dinheiro e vantagens. Esses pareceres fraudados eram usados por empresas interessadas em processos de licitação junto ao governo.

    Foram presas seis pessoas: os irmãos Paulo Rodrigues Vieira, diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), Rubens Carlos Vieira, diretor de Infraestrutura Aeroportuária da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e Marcelo Rodrigues Vieira, também da Anac. Os irmãos Vieira foram indicados por Rosemary Novoa de Noronha – indiciada por corrupção ativa. Também foram presos o empresário Marco Antonio Negrão Martorelli, Carlos César Floriano e Patricia Santos Maciel de Oliveira.

    Entre os famosos, a PF indiciou José Weber Holanda Alves, o segundo da Advocacia-Geral da União (AGU), e o ex-senador Gilberto Miranda Batista.Também foram indiciados: Esmeraldo Malheiros Santos, consultor jurídico do MEC, e Márcio Alexandre Barbosa Lima, do banco de dados do ministério, foram indiciados, assim como Lucas Henrique Batista (Correios). Da Antaq foram indiciados Enio Dias Soares, chefe de gabinete e Glauco Alves Cardoso Moreira. Evangelina de Almeida Pinho, assessora da Secretaria de Patrimônio da União, também entrou na dança.

    A investigação da PF começou em março de 2011, depois que um servidor do TCU procurou a PF para relatar que integrantes de um esquema lhe ofereceram R$ 300 mil para que elaborasse um parecer técnico em benefício de uma empresa do setor portuário. O servidor contou que recebeu R$ 100 mil, fez o parecer, No entanto, como ficou arrependido, devolveu o dinheiro para o corruptor e procurou a PF em São Paulo para denunciar o esquema. A casa começou a cair.

    O superintendente da PF em São Paulo, Roberto Troncon Filho, será alvo de grandes pressões. A próxima fase será pedir a autorização da Justiça para o compartilhamento das provas da investigação com as corregedorias dos órgãos envolvidos para que possam aplicar suas medidas administrativas. O superintendente já aliviou a barra do governo Dilma, alegando que os servidores agiam por conta própria e que não houve conivência dos órgãos, que ajudaram nas investigações.

    serrão

  158. Chesterton said

    O negócio é tão delicado que, no final da manhã de ontem, a Polícia Federal divulgou um resumo das investigações, como costuma fazer em todas as operações, mas não mencionou o escritório da Presidência entre os alvos de buscas e apreensão de documentos. Só no começo da tarde, quando o Alerta Total divulgou, em primeira mão, que o o alvo tinha sido o gabinete da Doutora Rose, o escândalo se tornou público. Delegados da PF fizeram cópias dos arquivos pessoais da “Doutora Rose”. O telefone celular funcional dela também teria sido apreendido pelos agentes. O grande risco é que haja fotos comprometedoras nos arquivos do telefone e do computador da servidora.

    A conclusão mais objetiva de todo esse rolo é: o Porto está nada Seguro para Luiz Inácio e sua turma…(serrão

  159. Chesterton said

    CÚMPLICE DOS MENSALEIROS
    ASSUME PRESIDÊNCIA DO STF

    O país todo parece estar obnubilado pelo brilho da careca de Joaquim Barbosa. Por sua atuação no julgamento do mensalão, já foi lançado por ingênuos como candidato à Presidência da República. A imprensa toda, demonstrando um racismo empedernido, saúda o primeiro ministro negro do STJ. Que interessa a cor da pele? O que importa é que tenha competência, isenção, cultura jurídica.

    Outros, mais apressados, defendem que a nomeação de Barbosa evidencia o absurdo da lei de cotas: o afrodescendentão teria sido nomeado por seus próprios méritos. “O novo presidente tem origem humilde. Filho de pedreiro, aos 16 anos viajou sozinho à capital federal, onde trabalhou como faxineiro e em uma gráfica. Formou-se em Direito pela Universidade de Brasília, foi oficial de chancelaria e advogado de órgãos públicos até iniciar sua carreira como procurador”.

    Devagar com o andor, gente. Como por seus próprios méritos? Barbosa pode ter chegado à magistratura por seus próprios méritos. Mas foi nomeado ministro exatamente por ser negro. Lula quis ser o primeiro presidente a colocar um negro na Suprema Corte e hoje deve estar se arrependendo amargamente de sua idéia.

    Ao assumir a Presidência do STJ, Barbosa defendeu o tratamento igualitário das pessoas que apelam ao Judiciário. “É preciso ter honestidade intelectual para dizer que há um grande déficit de justiça entre nós. Nem todos os brasileiros são tratados com igual consideração quando buscam o serviço público da Justiça. O que se vê aqui e acolá, nem sempre, é claro, é o tratamento privilegiado, o by-pass (ignorar, em inglês), a preferência desprovida sem qualquer fundamentação racional”, disse Barbosa durante seu discurso.

    Quem está afirmando isto é o homem que votou pela instituição das cotas raciais. Isto é, defendeu a idéia de que negro tem mais direitos que branco só por ser negro. Votou pelo tratamento privilegiado, pela preferência desprovida sem qualquer fundamentação racional. Pior ainda, rasgou a Constituição ao fazer letra morta do artigo que versa sobre a igualdade de todos perante a lei. A bem da verdade, desta decisão racista participaram todos os demais membros do egrégio sodalício – como eles, ministros, adoram definir o STF.

    Não bastasse esta manifestação evidente de racismo às avessas, Barbosa criou agora uma nova categoria, a dos jornalistas brancos. Quando o jornalista Luiz Fara Monteiro, da TV Record, perguntou-lhe se estava “mais tranquilo, mais sereno”, após a sua primeira sessão presidindo o STF, Barbosa reagiu com animosidade.

    “Logo você, meu brother! Ou você se acha parecido com a nossa Ana Flor [repórter da agência Reuters, que é loira]? A cor da minha pele é igual à sua. Não siga a linha de estereótipos porque isso é muito ruim. Eles [os demais jornalistas, majoritariamente brancos] foram educados e comandados para levar adiante esses estereótipos. Mas você, meu amigo?”

    Fara é negro. Ou seja, há perguntas que um jornalista negro não pode fazer. Só são admissíveis em jornalistas brancos. Assim é o homem que a imprensa hoje saúda como salvador da pátria.

    Os jornalistas esquecem – e parece que sou o único a lembrar – que o juiz que hoje pune a compra de votos é o mesmo que ratificou a legislação decorrente da compra de votos. O Joaquim Barbosa que hoje é visto como herói é o mesmo Joaquim Barbosa que votou pela improcedência da ADI 3104/07, sacramentando assim a compra de votos. O STF que hoje envia mensaleiros para a cadeia é o mesmo que um dia rasgou a Constituição, avalizando a tunga dos aposentados e negando o direito adquirido.

    Ora, direis, o ministro não sabia. Difícil não saber, quando o mensalão foi denunciado em 2005. Mesmo que Joaquim Barbosa – aliás, como Lula – de nada soubesse, Joaquim Barbosa votou contra o direito adquirido. Será por isso que o STF faz boquinha de siri quando se fala em anular a lei comprada. Afinal seus juízes avalizaram a compra de parlamentares.

    Barbosa, caríssimos, foi cúmplice dos mensaleiros. E jornal algum fala nisso.

    – Enviado por Jane

  160. Chesterton said

    janer cristaldo

  161. Elias said

    Pô, direitopatas!

    Vocês já estão querendo linchar o Joaquim Barbosa?

    Deixa, pelo menos, passar o Ano Novo…

  162. Pax said

    Quando criaram o Caçador de Marajás demoraram um pouco mais para dispensar.

  163. Chesterton said

    Não atacamos o homem, atacamos e elogiamos as idéias. (rs)

  164. Chesterton said

    O PT defende, sim, o negro, desde que esse negro carregue a bandeira do partido – se não for assim, o sujeito é acusado de “preto de alma branca”. O PT defende, sim, a mulher, desde que ela carregue a bandeira do partido – se não for assim, ela é acusada de agente de machismo. O PT defende, sim, os gays, desde que o gay carregue a bandeira do partido; se não for assim, ele será acusado de bicha reacionária.
    Reinaldão impecáVEL

  165. Chesterton said

    pqp, mICHEL mOORE ABRIU A BOCA:

    http://www.alternet.org/news-amp-politics/michael-moore-10-things-obama-should-do?paging=off

  166. Michelle 2 said

    Imperdível
    Reinaldo jogou a isca e o 247 mordeu…entregou o ouro. rsrsrs

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/86168/Reinaldo-avan%C3%A7a-o-sinal-e-d%C3%A1-conota%C3%A7%C3%A3o-sexual-ao-caso-Rosemary.htm

    A chefa de gabinete da Presidência era amante de lula??? Tchan tchan tchan !
    O 247 suspeita que sim e menciona o caso de Miriam Dutra, da Globo, amante de FHC.

    Este caso está ficando cada dia mais interessante.

  167. Michelle 2 said

    Corrijo: a cada hora mais interessante.

    ESTADO.COM.BR – Internacional
    /Nacional
    Chefe de gabinete de Dilma em SP foi elo de esquema com autoridades, diz PF

    Rosemary Noronha intermediou reuniões com Fernando Pimentel e com o governador da Bahia, Jaques Wagner, a pedido de empresários que foram presos em operação
    24 de novembro de 2012 | 18h 43

    Relatório da Operação Porto Seguro revela que Rosemary Nóvoa de Noronha, chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, intermediou reuniões de “autoridades públicas” com integrantes da organização criminosa que corrompia servidores para emissão fraudulenta de pareceres técnicos. O documento assinala que Rosemary promoveu encontro “do governador da Bahia para Alípio Gusmão e César Floriano”.
    Denise Andrade/Estadão – 27/11/2008
    Denise Andrade/Estadão – 27/11/2008
    Após operação da PF, Dilma exonerou Rosemary Noronha do cargo

    Alípio Gusmão é conselheiro da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa). Carlos César Floriano, empresário, foi preso sexta-feira pela Polícia Federal em São Paulo e indiciado formalmente por corrupção ativa. A PF imputa a ele papel de destaque no grupo que pagava até R$ 300 mil por laudo forjado e se infiltrou em três agências reguladoras, no Tribunal de Contas da União, na Advocacia-Geral da União, na Secretaria do Patrimônio da União e no Ministério da Educação.

    A PF coloca Rosemary no mesmo plano do grupo que foi indiciado por formação de quadrilha – dois servidores da Agência Nacional de Águas (ANA) e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), três advogados e um empresário. Todos estão presos.

    Rosemary foi indicada para o cargo pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A presidente Dilma Rousseff, a pedido de Lula, a manteve no escritório da Presidência na capital. Dilma, porém, decidiu demiti-la após a operação da PF, que enquadrou criminalmente a escolhida de Lula em dois crimes: corrupção passiva e tráfico de influência – ela é acusada de “receber diversas vantagens” e fazer gestões para nomear apadrinhados, entre eles Paulo Rodrigues Vieira, apontado como cabeça da organização.

    A PF destaca que Rosemary, “valendo-se do cargo de chefe de gabinete da Presidência da República”, atendia interesses de Vieira, nomeado pelo ex-presidente Lula diretor de Hidrologia da Agência Nacional de Águas (ANA). Vieira foi indiciado por corrupção, tráfico de influência, falsidade ideológica e falsificação de documento.

    O relatório assinala que Rosemary também cuidou do “agendamento de reunião do ministro Pimentel no interesse de Alípio Gusmão – Bracelpa”.

    Foro privilegiado. A PF não atribui nenhum ilícito ao governador, nem ao ministro. Apenas reproduz citações a essas autoridades que constam da agenda de Rosemary. Para não contaminar a investigação e provocar a nulidade da missão – vez que não pode investigar aqueles que detêm foro privilegiado, exceto se autorizada por tribunal competente – a PF abriu expediente à parte.

    Esse procedimento será remetido pela Justiça Federal a instâncias superiores – Superior Tribunal de Justiça, no caso do governador, e Supremo Tribunal Federal, em relação ao ministro -, que podem ou não instaurar inquérito.

    A Porto Seguro prendeu seis investigados. A Justiça autorizou a força tarefa a vasculhar os escritórios de Rosemary e do ministro adjunto da Advocacia-Geral da União (AGU), José Weber Holanda Alves, sob suspeita de ligação com a quadrilha. Ele também será exonerado.

    Um capítulo do relatório da PF, à página 37, imputa a Rosemary corrupção passiva e mostra passo a passo a conduta da chefe de gabinete da Presidência durante três anos. “Há indícios de que, pelo menos, no período entre 2009 e 2012, Rosemary Nóvoa Noronha solicitou e recebeu, direta ou indiretamente, diversas vantagens para si, para amigos, familiares, tais como: viagem de navio, emprego para terceiros, serviços para terceiros, ajuda jurídica pessoal, pagamento de boleto.”
    A PF produziu uma tabela específica em relatório de análise com os mimos para Rosemary.

    Ela empenhou-se em atender solicitações de agendamento de reuniões com autoridades para outros dois nomes sob suspeita: o advogado Marco Antonio Negrão Martorelli, que atua em Santos e está preso, e Esmeraldo Malheiros Santos, da Consultoria Jurídica do Ministério da Educação. A agenda de Rosemary mostra que ela marcou “reunião com deputado Paulo Teixeira com pessoa não identificada”.

    Até bolsas de estudo ela providenciava para familiares de integrantes da organização. O relatório informa que Rosemary “ainda que fora da função, mas em razão dela” – corrupção passiva -, arrumou bolsa para Natalie Soares Aguiar Moura, “filha” de Esmeraldo Malheiros.

    Outra bolsa teria ido para uma “indicada da Evangelina” – a PF diz que Evangelina de Almeida Pinho, assessora da Secretaria de Patrimônio da União, tem relação com a organização.

    Ao atribuir a Rosemary tráfico de influência, a PF narra sua dedicação em fazer nomeações e indicações para cargos da administração pública federal. “Agindo como particular, e valendo-se de sua amizade e acesso com pessoas em diversos órgãos públicos para atuar e influir ao menos: a) na nomeação de José Francisco da Silva Cruz para REFFSA; b) a indicação de Paulo Vieira para o cargo de diretor de Hidrologia da ANA; c) indicação de Rubens Vieira para diretor de Infraestrutura Aeroportuária da Anac.”

    A PF aponta indícios de que Rosemary “solicitou, cobrou e obteve” dos três irmãos da quadrilha – Paulo, Rubens e Marcelo – “diversas vantagens ou promessas de vantagens para si, empregos no setor público e no setor privado, pagamento de boleto no valor de R$ 13.805,33”.

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,chefe-de-gabinete-de-dilma-em-sp-foi-elo-de-esquema-com-autoridades-diz-pf,964681,0.htm

  168. Patriarca da Paciência said

    “Quando criaram o Caçador de Marajás demoraram um pouco mais para dispensar.”

    Pois não é, caro Pax, o “caçador de mensaleiros” parece que está sendo dispensado igual a operário de construtora, ou seja, “acabou a obra – rua”.

    É claro que não vão esperar pela caçada aos mensaleiros do PSDB.

    E aos quadrilheiros da “óia”. Afinal, a partir do momento em que foram encontrados indícios contra o José Dirceu, ele passou a ser tratado como chefe de quadrilha. Espero que as montanhas de provas contra o Policarpo sirvam pelo menos para indiciá-lo.

  169. Patriarca da Paciência said

    Elias, 138, cada vez mais inspirado!

    Ótimo comentário!

    Eu sempre achei muito estranho essa história de Israel, com tantos compatriotas sábios e competentes, locais e espalhados pelo mundo, não encontrar uma solução para o problema palestino!

    Acho que você está certo, meu caro Elias.

    O problema é que o “negócio” é a galinha dos ovos de outro, não só da direita israelense como também da direita norte-americana.

    É bem isso aí, caro Elias.

    Para esses malucos, a solução é que causa problemas!

  170. Patriarca da Paciência said

    Correção:

    O problema é que o “negócio” é a galinha dos ovos de ouro, não só da direita israelense como também da direita norte-americana.

  171. Michelle 2 said

    Crise de histeria no blog?
    NUNCA!

    Citar o “caçador de marajás” ao qual o PT se aliou, ultimamente, é o que?
    Histeria não pode ser. Nem pensar.
    Pax já assegurou que histéricos aqui não tem vez Pode ser esquizofrenia ou …simples sePTcemia?
    Sei lá.

    Pax explica pra gente, por favor.
    Ilumine o pedaço.

  172. Chesterton said

    Essa de vitimizar o Collor realmente foi ótima. Aliado do Mulla.

  173. Michelle 2 said

    Estou chocada…
    será que aquela perua (Rose) “apontava o lápis” do lula?
    e a dilma…?
    Medeus…Virgem Santa!
    Zé Eduardo Cardoso será demitido?

  174. Michelle 2 said

    Fotografadas em cores as viúvas do Zé Dirceu…aqui no blog

  175. Pax said

    Quem pariu Rosemary que a embale. Post novo na correria. Mas de boa cepa.

  176. Pax said

    O jovem Odair provavelmente não se elege mais.

    Relator admite retirar procurador-geral da República do relatório da CPMI do Cachoeira

    http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-11-27/relator-admite-retirar-procurador-geral-da-republica-do-relatorio-da-cpmi-do-cachoeira

  177. Pax said

    Uma pena que Odair e a CPMI tenham caído no baixo crédito.

    O relatório traz uma barbaridade sobre a atuação do mafioso e de seus prepostos, senador, governador e… um caminhão de dinheiro da Delta.

    Caminhão que daria para terminar as obras de transposição do São Francisco.

    Ah, Vaccarezza. Que trapalhada imperdoável.

  178. Katherine said

    An actual hair transplant is an excellent way to
    restore lost hair naturally and permanently.
    Hair Growth Inhibitor is FDA Approved and Safe to Use.

    This means you need to drink at least 12 to 14 glasses of water a day to keep
    you hydrated.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: