políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Paulo Vieira: ANA é cabide de empregos

Posted by Pax em 17/12/2012

Em entrevista concedida ao jornalista Fausto Macedo, do Estadão, Paulo Vieira abre o jogo. Segundo sua versão as autorizações para empreendimentos na Ilha dos Bagres, de interesse do ex-senador Gilberto Miranda, são de responsabilidade da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira e a sra. Gisela Damm Forattini, diretora do Ibama de Licenciamento Ambiental.

Segundo o acusado de ser o chefe da quadrilha dos pareceres a ANA – Agência Nacional de Águas – é um cabide de empregos que abriga protegidos do alto escalão de partidos da base aliada.

A temporada da fuzarca de acusações está apenas começando, ao que parece.

E as Agências Regulatórias bem que merecem uma verificação geral dos nomes de seus Conselhos, Superintendências e Diretorias.

Investigação ‘blindou’ ministra, diz acusado de chefiar quadrilha

Ele cita ‘pressão’ de titular do Meio Ambiente para aprovação de projeto de interesse de ex-senador

FAUSTO MACEDO – O Estado de S.Paulo

Paulo Vieira, alvo da Operação Porto Seguro e apontado como chefe de quadrilha que corrompia servidores de órgãos federais para compra de pareceres técnicos, saiu da trincheira do silêncio e acusa o Ministério Público Federal e a Polícia Federal de “blindarem a ministra Izabella Teixeira”, do Meio Ambiente. Ele afirma que a ministra fez “pressão” para que fosse aprovado projeto de interesse do ex-senador Gilberto Miranda, denunciado por corrupção ativa.

Ex-diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), cargo que assumiu em 2010 por indicação da amiga Rosemary Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo e acusada de integrar o grupo, ele nega que tenha pago propina a Cyonil Borges, do Tribunal de Contas da União, que delatou o esquema.

Vieira se apresenta como “um petista de baixo clero” e defende Rose categoricamente. Revela-se indignado e amargurado. Recorre a Deus frequentemente, a quem pede proteção nesta etapa difícil de sua vida.

Classifica a ANA de “cabide de emprego”. Desafia que provem contra ele prática de ilícitos e diz não ter intenção de delatar outros nomes – em conversas reservadas havia admitido a possibilidade de contar o que sabe, como divulgou o Estado.

Vai provar, avisa, sua inocência à Justiça. Aponta laços entre o ex-ministro dos Portos Pedro Brito e Miranda. “Tenho provas de tudo.”

Repudia o papel que lhe é imputado pela acusação. “Que quadrilha é essa que supostamente só participou de dois pareceres em anos de ‘atividades’? Onde está o dinheiro de propinas que recebi?”

Leia a entrevista completa no Estadão

Anúncios

38 Respostas to “Paulo Vieira: ANA é cabide de empregos”

  1. Otto said

    Desculpem o off-topic:

    DATAFOLHA, O DESCRÉDITO CAMUFLADO

    A pesquisa do Datafolha divulgada neste domingo envolve um contexto tão ou mais humilhante para a oposição e o seu dispositivo midiático do que os resultados que revela. A Folha só enviou seus pesquisadores a campo no dia seguinte ao vazamento das supostas acusações de Marcos Valério contra Lula. Coincidência ou uma aula de como tornar pesquisas ‘científicas’ uma extensão de manchetes opinativas? Não adiantou.Os números tabulados são devastadores: Lula ou Dilma, é indiferente, qualquer um dos dois venceria hoje as eleições presidenciais no primeiro turno. Depois de todo o bombardeio dos últimos meses,o PT tem dois candidatos para vencer; a oposição, nenhum. Há mais. A pesquisa mostrou uma queda de dez pontos percentuais na confiança da população na imprensa. A derrocada se deu justamente entre o início do julgamento da Ação 470 e a última 5ª feira, quando o neoudenismo midiático regorgitava vapor na caldeira.Coerente com o seu método, a ‘Folha’ camuflou esse dado.E destacou uma variação estatística muito menor referente à percepção popular sobre a corrupção na esfera federal. Conclusão:eles vão radicalizar.

    CARTAMAIOR

  2. Pax said

    Desculpe-me, caro Otto, mas esta sugestão da CartaMaior não faz sentido. Tem acusações do Marcos Valério, do Paulo Vieira, do Cachoreira e de um monte de outras fontes, muitas de confiabilidade baixa, que saem todos os dias praticamente.

    Ligar uma pesquisa com uma dessas acusações é como tentar ligar qualquer coisa com mais um assassinato que temos a cada minuto no Brasil.

    Não faz muito sentido. Parece mais uma tentativa.

    Aqui uma boa:

    Estadao ‏@Estadao
    3G está ‘congestionado’ no País, diz ministro das Comunicações: http://migre.me/cq8Qv

    O próprio Paulo Bernardo anuncia e ainda prevê um crescimento de 70% da utilização da banda 3G. A ANATEL e nada é quase a mesmíssima coisa.

    Estamos fritos e mal pagos. No post sugiro uma revisão geral nos cargos de direção de TODAS as Agências Regulatórias. Algo como uma implosão e recriação das mesmas com gente técnica e, tomara, ficha limpa.

    Vai, Dilma, vai.

  3. Pax said

    Fim de ano “festivo”

    Último Segundo ‏@ultimosegundo
    #mensalão Celso de Mello vota pela cassação automática dos mandatos e abre crise com a Câmara.

  4. Chesterton said

    O PT acabou com as agências reguladoras.

  5. Michelle 2 said

    Pax

    A bem da verdade dos fatos.
    Quem decidiu pela cassação automática como consequência da perda da cidadania e direitos políticos foi o STF.
    Por enquanto não há crise. Haverá se o Presidente da Câmara resolver não cumprir a decisão.
    Neste caso será processado, possivelmente por prevaricação.

  6. Michelle 2 said

    O Ministro Celso de Melo ao final de seu voto declarou em alto e bom som: O STF pela Constituição tem o monopólio da última palavra.
    Disse mais: “É inadmissível o comportamento de quem, não demonstrando o devido senso de responsabilidade, proclama que não vai cumprir a decisão do Supremo”.

    O Presidente petista da Câmara vai enfrentar o STF?

  7. Michelle 2 said

    Pax:“Estamos fritos e mal pagos. No post sugiro uma revisão geral nos cargos de direção de TODAS as Agências Regulatórias. Algo como uma implosão e recriação das mesmas com gente técnica e, tomara, ficha limpa”.

    Por que só das Agênias Reguladoras? O PT aparelhou tudo. De estatais a ministérios loteando cargos em troca de apoio político.

    Interessante notar que nem com todo este “aparelhamento geral e irrestrito”…dilma consegue governar.

    “Vai, Dilma, vai.”
    _______________________
    Acrescento – Vai pra casa!

  8. Chesterton said

    Só quero ver, hilários tempos vivemos.

  9. Pax said

    Cá entre nós, este jornalista já foi melhor…

    Blog do Noblat ‏@BlogdoNoblat
    A Lacombe, comentarista da Globo News, vive discordando do Joaquim Barbosa. E vive sendo surpreendida por ele. É muito engraçado.

    Critica a estudiosa e professora de direito Margarida Lacombe que comentou o julgamento do mensalão. Neste último dia ela demonstrou algumas surpresas com decisões tomadas, mostrando algumas contradições. Inclusive esta sobre a perda de mandato dos parlamentares. Enfim, a prof Lacombe tem todo direito de ter suas opiniões, aliás, bastante fundamentadas.

    Não tem nada de “engraçado”. Noblat perdeu uma boa oportunidade de não twittar.

  10. Chesterton said

    É engraçadíssimo ver petista se ferrando, sendo descoberto em suas falcatruas. Dizem que Marco maia vai recorrer à justiça contra a decisão do Supremo…. (essa é a piada do dia na CBN)

  11. Otto said

    Quero me apressar a sugerir uma linha de abordagem para enfrentar o facciosismo da maioria eventual do STF contra este governo e alguns de seus líderes, bem como de um dos maiores partidos que lhe dá sustentação, o PT, apesar de outros 4 estarem envolvidos.

    1 – É preciso deixar claro que a situação dos 3 deputados condenados pelo STF não tem a menor importância neste contencioso. O processo foi legítimo, ressalvados a falibilidade dos julgadores e o processo ainda remanescente de avaliação de embargos e outros instrumentos que ainda ocorrerão.

    Neste sentido o parlamento deverá, como reza a constituição, avaliar a cassação destes parlamentares que foram condenados por corrupção, mas também por terem atentado contra a higidez do sistema republicano, conforme diversas declarações políticas pronunciadas ao longo do julgamento. Diversas delas de forma abertamente preconceituosas e prejudiciais aos réus. Sugiro inclusive que os deputados requeiram afastamento da função e/ou o parlamento, depois do processo formal, declarem extintos os mandatos destes deputados.
    Isso é importante porque o objetivo dos facciosos é instalar, na linha da atual orientação da CIA, um judiciário acima dos demais poderes para poderem usá-lo na concretização de golpes, considerando que no voto a direita não tem ganho e eles estão desesperados.

    2 – Este posicionamento facilita a tentativa de obter maioria no congresso para deixar ainda mais clara a letra da constituição a respeito desta questão, enquadrando o STF nos seus limites legais. Deve-se inclusive utilizar o fato de que os ministros são escolhidos – não eleitos e não representam politicamente ninguém – da forma que conhecemos e podem, em diversas circunstâncias montar maiorias facciosas que intervirão negativamente no processo democrático.

    3 – Para provar o facciosismo, entre as diversas ocorrências que caracterizam este desvio, sugiro, além de apontar todos os discursos de manifestação polítoco, ideológico e faccioso, concentrar em :

    a) o Ministro Marco Aurélio de Mello afirmou em entrevista recente que o golpe de 64 foi um mal necessário, o que significa seu nenhum compromisso com a República e com a democracia. Acredito que se ele tivesse sido honesta a este respeito ele não teria sido indicado ao STF.

    b) o Ministro Celso Mello foi contraditório com seu próprio voto anterior que reconhecia o direito do parlamento ser a instituição certa para cassar mandatos

    c) o Ministro Fux defendeu a interpretação de que a letra da constituição pode ser considerada à luz da evolução da opinião pública e, implicitamente, defendeu a tese de que os membros do STF podem ser os intérpretes desta evolução, por mais que nunca tenham sido objeto de representação popular

    d) o Ministro Gilmar Mendes não só absolveu como interrompeu processos de acusados de crimes tão ou mais graves do que os considerados no processo 470

    e) o Ministro Joaquim Barbosa que incorporou a função de promotor voltado à condenação e não ao esclarecimento dos fatos e que, ao final do espetáculo que propiciaram, alegou que esta forma de julgamento juntando muitos réus que poderiam ser julgados em diferentes instâncias não deve mais acontecer, caracterizando, como tudo indica, este julgamento como um caso de exceção.

    4 – Finalmente, existem 6 casos de parlamentares condenados em última instância que continuaram e continuam, conforme o caso, no cumprimento de seus mandatos eleitorais. Confirmando de forma expressiva que a atual maioria do STF está agindo de forma facciosa e contraditória conforme a filiação política dos acusados ser a favor ou contra o governo eleito pela sociedade.

    Não convém declarações que isolem as hostes democráticas e republicanas afirmando apenas a defesa dos condenados e dando menor ênfase à questão do golpismo embutido nestas decisões e argumentações do STF.

    Este assunto não pode ser tratado de forma atabalhoada e amadorista. Trata-se do risco de organização de futuros golpes contra a representação popular, numa recidiva de que o povo não sabe votar.

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/como-reagir-ao-xeque-do-supremo

  12. Michelle 2 said

    Putz

    Nada como a orientação segura, de forma não atabalhoada e não amadorista do Nassif para nos proteger contra a atual orientação da CIA, que seria enfraquecer o Executivo e o Legislativo, para auxiliar na concretização de golpes.

    Entendeu? A CIA “comprou”o STF !!! para concretizar golpes contra o partido de lula, o beato.
    ____________
    Ou melhor dizendo eu não quero cheirar o que este cara anda cheirando (*) desde que se tornou petista regiamente pago pelo governo, digo pelo “goverro” do Brasil.

    Conheça o jornalista Nassif quando o governo era do PSDB:

    http://www.implicante.org/pig/as-opinioes-de-nassif-quando-o-psdb-era-governo-e-o-pt-oposicao/

    (*) Poderia ser a tal “merda alucinógena” à qual me referia como vício diário dos petralhas, nos tempos que fui submetida à censura prévia, no blog.
    Ou então ao “jaba cheiroso e gostoso” mensal recebido do BNDS e outras estatais aparelhadas.
    Mas não afirmo nada.
    Não quero comprometer o Pax.
    Não tenho provas..apenas senso comum e inteligência.

  13. Chesterton said

    o facciosismo da maioria eventual do STF contra este governo e alguns de seus líderes,

  14. Chesterton said

    Emporcalharam um sonho

    Projeto encaminhado por sete ministérios para a presidente Dilma Rousseff cria uma série de normas para evitar desvios de dinheiro pelas ONGs -os dirigentes devem passar pelo crivo da Ficha Limpa, para valores acima de R$ 600 mil deve existir auditoria externa, entre outras restrições. Quanto mais transparência, melhor. Por trás dessas medidas saneadoras, um fato: emporcalharam um sonho.

    Para quem não queria participar de partidos e fazer a diferença em suas comunidades, integrar uma Organização Não Governamental era uma espécie de sonho. Por esse motivo atraiu tantos jovens. Difícil achar uma política pública para crianças, idosos, mulheres, presos, negros, pessoas com deficiência, meio ambiente, que não tivesse começado com uma entidade não governamental.

    Sou dos que, desde a adolescência, sempre tiveram o maior prazer de apoiar voluntariamente projetos comunitários, afinal vemos o resultado na nossa frente.

    O sonho foi emporcalhado porque descobriram ali um jeito de desviar dinheiro público graças à falta de fiscalização. Para muitos, virou uma indústria, na qual a principal fonte de financiamento eram os cofres públicos. Previsível que explodissem escândalos, especialmente na gestão do PT, onde existe o hábito de aparelhar o que se vê pela frente. Mas nenhum partido fica de fora.

    Quem sabe essas normas ajudem a melhorar a relação com o setor público, o principal responsável pelo emporcalhamento. Assim preservam-se programas que ajudam quem não é ajudado por ninguém.

    É duro reconhecer, porém, que o estrago já está feito. Para muitos jovens, desiludidos com a política, não sobrou nem mais essa opção para agir coletivamente.
    Acabaram dando força a gente que, por preguiça ou falta de qualquer espírito coletivo, nunca quis fazer nada e fica apenas criticando.

    Gilberto Dimenstein

    chest- mas é a bondade em pessoa, a virtude em sua expressão máxima….o “coletivo” !

  15. Patriarca da Paciência said

    O gajo termina dizendo isto:

    “Repudia o papel que lhe é imputado pela acusação. “Que quadrilha é essa que supostamente só participou de dois pareceres em anos de ‘atividades’? Onde está o dinheiro de propinas que recebi?”

    E começa dizendo isto:

    “blindarem a ministra Izabella Teixeira”, do Meio Ambiente. Ele afirma que a ministra fez “pressão” para que fosse aprovado projeto de interesse do ex-senador Gilberto Miranda, denunciado por corrupção ativa.”

    E aí? Qual dos dois parágrafos é verdadeiro?

    Acho que o cara está “variando” bastante.

  16. Chesterton said

    SEGUNDA-FEIRA, 17 DE DEZEMBRO DE 2012

    Investidores da Petrobrás processam Dilma e Gabrielli por prejuízo de US$ 1 bilhão com refinaria nos EUA
    Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net
    Leia também o site Fique Alerta – http://www.fiquealerta.net
    Por Jorge Serrão – serrao@alertatotal.net

    Investidores estrangeiros e brasileiros da Petrobrás vão interpelar judicialmente, nos Estados Unidos, a Presidenta Dilma Rousseff, o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, a atual e o ex-presidentes da Petrobrás, Maria das Graças Foster e José Sérgio Gabrielli, além do diretor financeiro da empresa, Almir Guilherme Barbassa, e Nestor Cerveró, diretor financeiro da BR Distribuidora. Todos terão de explicar o que está por trás da lesiva compra de uma refinaria tecnologicamente ultrapassada, em Pasadena (Texas, EUA). Exemplo hediondo de “privataria petralha”, a negociata deve gerar um prejuízo de até US$ 1 bilhão à estatal de economia mista e seus acionistas. O escândalo gerencial é alvo de uma auditoria no Tribunal de Contas da União.

    O ato lesivo de desgovernança corporativa também é motivo de questionamentos de acionistas ao Conselho de Administração da companhia, que é presidido por Guido Mantega. A negociata foi fechada em 2006 na gestão de Gabrielli, quando a então chefe da Casa Civil de Lula da Silva, Dilma Rousseff, presidia o CA da Petrobrás. Na época, Dilma teria sido contra a operação feita por Gabrielli, mas a reclamação dela de nada adiantou, já que o presidente da empresa era (e continua sendo) homem de super-confiança do chefão Lula. Este foi um dos motivos que fez Dilma, quando assumiu o Planalto, substituir Gabrielli por Graça Foster – que agora tem um bilionário prejuízo para resolver, não bastassem os problemas de superfaturamento na refinaria Abreu e Lima (Rnest/PE) e no Comperj de Itaboraí, e dos questionáveis projetos de refinarias premium no Ceará e Maranhão.

    O caso ganha repercussão midiática com as recentes reportagens do Estadão e da revista Veja. Em janeiro de 2005, a empresa belga Astra Oil comprou a Pasadena Refining System Inc por US$ 42,5 milhões. Em 2006, os belgas venderam 50% das ações da empresa para a Petrobrás por US$ 360 milhões. Como a refinaria, defasada tecnologicamente, não tinha como processar o pesado petróleo brasileiro, belgas e brasileiros fizeram um contrato para dividir o megainvestimento de US$ 1,5 bilhão. Se houvesse distrato, uma das partes teria de reembolsar a outra. Em 2008, como houve briga, os belgas acionaram a Petrobrás a pagar U$ 700 milhões. Em junho deste ano, perdendo a causa, a Petrobrás se viu obrigada a torrar US$ 839 milhões para assumir o controle da Pasadena.

    O negócio ruim ficará ainda pior. Na gestão Graça Foster, a Petrobras tomou a sábia decisão de se livrar do mico texano – negócio articulado por Gabrielli e tocado por seu diretor financeiro Almir Barbassa (que continua no mesmo cargo na gestão Graça). Também participaram da operação que agora rende um megaprejuízo Nestor Cerveró, diretor financeiro da BR Distribuidora, e Alberto Feilhaber – que foi empregado da Petrobrás durante 20 anos e que agora é vice-presidente da Astra Oil (segundo a ficha dele no Linkedin).

    Graça Foster está na encruzilhada por causa da herança maldita deixada por Gabrielli. Colocada à venda, dentro da política de negociação de ativos para reduzir prejuízos, a Pasadena recebeu uma única e ridícula oferta de compra de US$ 180 milhões feita pela transnacional Valero, sediada nos EUA. Como as operações temerárias de Gabrielli-Barbassa-Cerveró torraram US$ 1,199 bilhão da Petrobrás, se a venda for bem sucedida, a estatal de economia mista tupiniquim amargará quase R$ 1 bilhão em perdas – o que vai afetar a péssima remuneração dos irados investidores nacionais e internacionais – que vão brigar na Justiça.

    O desgaste de tal ação pode alimentar ainda mais a briga intestina entre Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula da Silva – que agora é alvo de uma campanha de desconstrução de imagem gerada pelo envolvimento de pessoas íntimas dele em megaescândalos de corrupção. Não bastassem o Mensalão, o Celso Daniel e o Rosegate, Lula pode ter problemas com o Gabrielligate. Para piorar o cenário, Dilma Rousseff não tem mais teto para permitir que Almir Barbassa continue na diretoria financeira da Petrobrás, acumulando com a presidência da PFICO – o braço financeiro-internacional da companhia. Dilma identifica Barbassa como um braço de Gabrielli, mas não mexe com ele que é considerado o homem mais poderoso da Petrobrás, acima até a presidente Graça.

    Por que será que Dilma não mexe com o poderoso Barbassa? Talvez nem ela tenha condições de responder…

    Reação no Conselho

    O governo está em polvorosa com o teor de uma palestra ocorrida quinta-feira passada, no Clube de Engenharia, no Rio de Janeiro.

    O engenheiro Silvio Sinedino, primeiro representante dos empregados no Conselho de Administração da Petrobrás, proclamou uma verdade que doeu no Palácio do Planalto e adjacências:

    “O conselho não está decidindo os rumos estratégicos da Petrobrás. Isso é feito em outro lugar”.

    chest- estou realmente preocupado com Elias, seus investimentos na petrobras sendo tungados por petistas incompetentes e na empresa dele procurando o fim “social”…Aliás, qual o fim social das bijuterias?

  17. Chesterton said

    Aliás, quem foi o “amigo” do Elias que recomendou a compra de ações da Petrobras semanas antes de estourar esse escândalo? seria um petista, um insider petista?

  18. Chesterton said

    Fora, estrangeiros!

    Ao recusar a sugestão da revista Economist para que demitisse Guido Mantega e formasse nova equipe econômica, a presidente Dilma enumerou três argumentos:

    1. a revista é estrangeira e não tem que se meter em um governo eleito pelo povo brasileiro;

    2. o mundo desenvolvido, onde fica a sede da Economist, está em piores condições;

    3. Nunca se viu um jornal propor demissão de ministros.

    Os três argumentos estão equivocados.

    Sobre o primeiro: a presidente Dilma é estrangeira quando está na Europa, mas isso não a impede de criticar as políticas econômicas locais. No mundo globalizado, é natural que os todos estejam o tempo todo se avaliando. Além disso, o argumento da presidente é oportunista. Quando a mesma Economist fez uma capa dizendo “O Brasil decola”, o pessoal do governo jogou a matéria na cara dos críticos brasileiros.

    Sobre o segundo argumento: nem todo o mundo desenvolvido vai mal. A Alemanha, por exemplo, está em condições bem melhores, consegue ter uma indústria mais competitiva que a brasileira. Aliás, eis um modelo gringo que deveria ser copiado. Os EUA crescendo mais que o Brasil.

    Sobre o terceiro argumento: a presidente não está lendo os jornais, muito menos a Economist. A revista frequentemente sugere e recomenda a demissão de ministros dos mais variados países e até mesmo de presidentes e chefes de governo. A imprensa livre e independente faz isso o tempo todo, para o mundo todo.

    Na verdade, a única coisa que Dilma não fez – e deveria ter feito – foi analisar os argumentos da Economist. Não foi um simples “demita o ministro Mantega”. Foi uma ampla reportagem procurando entender por que o Brasil não cresce, enquanto outros emergentes vão muito bem. Mostra que faltam investimentos e reformas e que o ministro Mantega perdeu toda credibilidade para comandar essas mudanças por causa de seus prognósticos equivocados.

    Não há nada de ofensivo nisso. Mas a presidente não perde o jeito. Criticada, deixa escapar seus instintos, entre os quais o viés anti-estrangeiro, que antigamente se dizia anti-imperialista.
    Posted by Sardemberg

  19. Patriarca da Paciência said

    “Marco Aurélio Mello em seu blog DoLaDoDeLá

    Ficou claro para mim que a decisão do Supremo Tribunal Federal deve se transformar no debate desta semana que acaba de começar. Todos os portais destacam o fato. No entanto, é a Veja quem mais comemora a decisão.

    Mas cassar o mandato dos parlamentares condenados pelo escândalo apelidado de “mensalão”, ainda que pareça ser uma consequência natural da condenação, foge da alçada da Corte Suprema, ou não?

    Diante do Princípio da Independência dos Poderes, consagrado na Constituição e inspirado na Declaração da Revolução Francesa de 1798, os três poderes são autônomos e independentes entre si. No entanto, um poder complementa o outro, sendo o Legislativo o mais importante de todos eles.

    E por que está no Legislativo a prerrogativa de se impor sobre os demais? Porque ele é, ou deveria ser, um retrato fiel da sociedade (assembleia) e cabe a ele, o Congresso, legislar, ou seja, criar as leis. Ao Judiciário caberia então interpretar a lei e dirimir dúvidas.

    Claro que isso tudo é na teoria. Na prática é muito diferente. Desde a representatividade/legitimidade dos parlamentares, sua isenção e mesmo sua competência para legislar. Mas esta é outra discussão.

    Ao impor ao Congresso cassar um mandato, o Supremo está atropelando um rito que o Poder Legislativo não só tem, como pratica. São casos e mais casos de parlamentares cassados pelo Conselho de Ética, Conselho este que tem por hábito apreciar questões associadas ao decoro e à prática parlamentar.

    Por isso é que, independentemente da Corte ter sido justa ou não em sua decisão, ela acaba sim de abrir uma crise institucional no País, cujas consequências poderão ser graves, caso o Parlamento decida radicalizar.

    Uma das formas de radicalizar, por exemplo, seria aprovar uma lei que instituísse um controle externo ao Supremo ou que permitisse fiscalizar seus magistrados.

    Afinal, um poder supremo, sem controle e sem moderação, como tem-se desenhado o STF no Brasil, está a um passo do arbítrio e da exceção.!

    http://novobloglimpinhoecheiroso.wordpress.com/2012/12/17/stf-deixa-o-brasil-a-um-passo-do-arbitrio-e-da-excecao/

  20. Patriarca da Paciência said

    “Afinal, um poder supremo, sem controle e sem moderação, como tem-se desenhado o STF no Brasil, está a um passo do arbítrio e da exceção.!”

    É um ministro do STF quem está dizendo!

    Dizem também, eu não assisti, que o Marco Aurelio Mello se retirou quando o ministro Barbosa comoçou um discurso de agradecimento aos assessores.

  21. Patriarca da Paciência said

    Eis aqui o link do verdadeiro DoLaDoDeLa.

    Não tem nada a ver com o ministro Marco Aurelio Mello!

    http://maureliomello.blogspot.com.br/2012/09/meu-caro-fernando.html

  22. Chesterton said

    Direto ao PontoHistória em ImagensEntrevistaBaú de PresidentesSanatório GeralO País quer SaberHomem Sem VisãoFeira Livre
    17/12/2012 às 21:38 \ Sanatório Geral
    Torturador da verdade

    “Sou vítima inocente de um julgamento que, em muito pouco tempo, será citado em livros e em salas de aula como um exemplo a ser apagado da história de nosso direito”.

    José Dirceu, na mensagem de Natal enviada aos parentes, amigos e admiradores, informando que acredita em Papai Noel.(AN)

  23. Michelle 2 said

    #21

    Docemente constrangida constato:

    O idiota petralha não sabe a diferença entre “capitão de fragata” e “cafetão de gravata”.

    Foi reprovado no copy/taste.
    (hehehe minha gatinha Bibi de 3 anos não erra) .

    Anda cheirando todo dia o “mau cheiro”? Aquele?
    tsk! tsk! tsk! ( 3 muxoxos).
    Efeito colateral!

  24. Michelle 2 said

    Ah não! mais um….

    Consultoria da Copa-2014 obteve enriquecimento ilícito
    UOL
    hehehe

    Vai,Dilma,vai…pra casa!

  25. Jose Mario HRP said

    O confronto já está definido.
    Mas , no caso de Celso e Barbosa, a fatura paga os obrigava ao que assistimos.
    Esperar o que ?
    Confronto, recuos?
    Sei lá!
    O cheiro não é bom, e quando um congresso em plena atividade é desfeiteado dessa forma o que pode vir a seguir não pode ser previsível.
    A mesa da Camara já prepara recurso, e Sarney pediu reunião no STF.
    O que admira é que todos os envolvidos nesse processo de atritar o Congresso são homens com mais de 55 anos, todos já entrando na última etapa da vida, passados a ferro pela castração da ditadura e ainda assim não presam a intocabilidade das instituições politicas que sustentam nossa democracia e sistemas de governo.
    Irresponsabilidade, quem diria, não vai sumindo com a idade.

  26. Jose Mario HRP said

    P.Vieira tentou envolver N pessoas no imbróglio da ilha dos Bagres, mas esbarrou na PF, que negou qualquer manobra naquela instituição para livrar a ministra do meio ambiente.
    Mesmo por que o ministério não tem competencia no que tange aos laudos exigidos em qualquer nível quanto ao tipo de atividade que se pratica em terminais portuários.
    A agencia de aguas está tão aparelhada como estava o IPEA quando Lula mandou desancar todo aquele “team” psdbista entucanado que fustigava há mais de dois anos o governo de Lula(2003/2004, data quando foram exonerados os tucanos “técnicos que aparelhavam o IPEA).
    Segundo o diretor da agencia de aguas são tres os funcionários que ele colocou naquela instituição quando de sua chegada ao orgão.
    Dois assessores e um funcionário responsavel pelas relações internacionais.
    Ponto:
    Vieira vai falar?
    Valério falou e só trouxe novidades velhas.
    As fotos que tanto falaram aqui de Lula e sua “amante” onde estão?
    Os 25 milhões de euros do Garotinho , KD?
    A mega fazenda do filho do Lula, idem?
    Resta o STF.
    Bem , esse é um caso mais sério, que pode rachar o país, e sua respeitabilidade como tribunal definha.
    Gleise Hoffman perde força no gov. com esses imbróglios dos portos.
    Se cavocar mais chega no Daniel Dantas!

  27. Patriarca da Paciência said

    “O que admira é que todos os envolvidos nesse processo de atritar o Congresso são homens com mais de 55 anos, todos já entrando na última etapa da vida, passados a ferro pela castração da ditadura e ainda assim não presam a intocabilidade das instituições politicas que sustentam nossa democracia e sistemas de governo.
    Irresponsabilidade, quem diria, não vai sumindo com a idade.”

    Muito bom, meu caro HRP,

    essa história de pessoas que não dominam, nem mesmo precariamente, uma arte tão difícil como a política, se meterem a querer tutelar velhas raposas felpudas, não pode mesmo resultar em algo agradável.

    Os parlamentares são muito mais experientes e dispõe de inúmeros recursos para colocar o STF no seu devido lugar.

    Vamos ver o que acontece!

  28. Pax said

    Justiça nega prisão de Rosemary e determina apreensão de apartamento de Paulo Vieira

    http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2012/12/17/justica-nega-prisao-de-rosemary-e-determina-apreensao-de-apartamento-de-paulo-vieira.htm

    (post novo, sobre a decisão do STF de ontem)

  29. Jose Mario HRP said

    Vejam só esse trecho da matéria oferecida pelo pAX:
    “Eu recebi um recado pela minha secretária, [vindo] do atual advogado do Paulo [Rodrigues Vieira], quinta-feira ⎙], [dizendo que] ele teria interesse na delação premiada. Mas ainda não há nenhuma comunicação oficial disso no processo, no inquérito, e isso não altera em nada a situação de oferecimento da denúncia”, disse a procuradora na última sexta-feira.

    “[Para poder ter o benefício da delação premiada], ele tem que trazer informações novas, falar sobre pessoas novas. Se tiver dinheiro apurado em lícito, ele tem que devolver o dinheiro. É uma situação muito mais complexa do que a pessoa aparecer e dizer que quer ajudar no processo. Tem que ter provas”, acrescentou a procuradora.”

    Tem que ter provas, é fundamental , certo?
    Pois…..é!

  30. Chesterton said

    Denis Lerrer Rosenfield, (para deixar o Pax com dor de cabeça)

    “Corrupção Ideológica”.

    A corrupção desvendada no escritório da Presidência da República em São Paulo, no marco da Operação Porto Seguro, comandada pela Polícia Federal, mostra em ação uma forma de corrupção com marcas distintivas, que não podem ser simplesmente equiparadas à corrupção dita patrimonialista do Estado brasileiro. O mesmo vale para justificativas de que o PT, no dizer de dirigentes, caiu no erro de fazer o que todos os partidos fazem, como ocorreu no mensalão.
    As tentativas de nivelar essas formas de corrupção, tudo reduzindo a um mesmo sistema, terminam por encobrir o que as diferencia, produzindo uma espécie de geleia geral. E essa geleia geral é extremamente perniciosa, pois a sua resultante é uma desresponsabilização dos atores envolvidos, indivíduos ou organização partidária.

    No caso da Operação Porto Seguro, salta à vista o nível dos envolvidos: 1) a chefe do escritório da Presidência, Rosemary Nóvoa de Noronha, que se apresentava como “namorada” do ex-presidente Lula; 2) os irmãos Paulo e Rubens Vieira, diretores, um da Agência Nacional de Águas (ANA), o outro da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac); 3) José Weber Holanda, advogado-geral adjunto da União. Note-se que não se trata de personagens secundários, denominação que procura desqualificá-los, como se o PT não estivesse envolvido nessas indicações. A desqualificação tem o objetivo de produzir uma espécie de desresponsabilização partidária, como se o partido nada tivesse que ver com membros seus no alto escalão.

    Pior ainda, Lula tem alguém de sua intimidade amplamente envolvida em crimes. É bem verdade que a vida privada do ex-presidente lhe diz exclusivamente respeito, o que não significa que suas repercussões em tráfico de influência, pareceres forjados e falsidade ideológica não devam ser consideradas em suas consequências propriamente públicas. A vida privada do ex-presidente Lula tornou-se pública pelos ilícitos e crimes cometidos por sua “namorada” e companheiros.

    O caso dos irmãos Vieira é também emblemático, pois se trata de diretores de agências reguladoras, que deveriam zelar pelo cumprimento dos contratos e pelo interesse dos cidadãos em geral, em atividade técnica de cunho suprapartidário. Ora, com a chegada de Lula ao governo federal, essas agências foram literalmente aparelhadas partidariamente, perdendo progressivamente a sua função. O que estamos observando é o resultado desse processo de apropriação partidária do Estado, ganhando a corrupção um matiz propriamente ideológico.

    José Weber Holanda tampouco é um personagem qualquer, atuando como vice-ministro e falando em nome do titular. Trata-se, é evidente, de um cargo da maior importância na estrutura estatal.

    Logo, não podem ser todos esses personagens considerados como “secundários” ou “mequetrefes”, pois tal consideração seria um abuso para com os cidadãos deste país, incapazes de discriminar quem é quem. Na verdade, um desrespeito à coisa pública, à res pública, e à cidadania em geral.
    A questão central é: como chegamos a isso?

  31. Olá!

    Pax, sobre o seu comentário no outro post:

    “Talvez dos ídolos liberais brasileiros que temos em mente, tais como ACM, Efraim, Arruda, Demóstenes etc etc.

    É, pode ser. Dá até para entender.”

    É a típica resposta intelectualmente bolivariana. Em vez de mostrar contra-argumentos àquilo que foi exposto, você atribui ao outro uma coisa que este não escreveu.

    Nunca fui de admirar político brasileiro e nunca fui trouxa o bastante para chamar político de meu, a exemplo de uns e outros tolos que até um tempo atrás chamavam o Lula de “Meu Lula!“.

    Agora que alguns dos mais graves crimes do Governo Lula estão sendo revelados, talvez isso sirva de lição a alguns desses tolos que chamavam o Lula de “Meu Lula!“, mas só para aqueles que ainda têm algum parâmetro moral e um pouco de vergonha na fuça. Já para os demais, nem mesmo uma miríade de escândalos seria o bastante para lhes dar um pingo de noção do que seja decência, pois o preconceito, a tolice e o fanatismo ideológicos são tão profundos, que nem mesmo uma camarilha de crimes será o bastante para fazer tais pessoas mudarem de opinião e reconsiderarem suas posições anteriores. Esses daí estão perdidos mesmo.

    Até!

    Marcelo

  32. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Se a vida está muito ruim, mude-a.

    Não acredito que vir aqui ofender quem quer que seja vá resolver teus problemas. Procure algo que te agrade.

  33. Chesterton said

    ainda por cima se faz de ofendido…hilariamente bolivariano (rsrsrsrsr)

  34. Edu said

    Marcelo,

    Vamos mudar o assunto para a Dilma, a incompetenta-mão-pesada.

    O Lula já foi. O que ela está agregando de fato ao Brasil?

    O Pax me pediu calma quando ela entrou no governo, faz 2 anos que eu calmamente venho dizendo que ela é mal acessorada e que a equipe dela é ruim e/ou corrupta.

    Vc tem algo a comentar?

  35. Chesterton said

    Pax gosta do Bucci

    14/12/2012 13h40 TAMANHO DO TEXTO A- | A+
    “Apenasmente” Cajazeiras
    EUGÊNIO BUCCI

    inShare
    | |

    EUGÊNIO BUCCI
    é jornalista e professor da ECA-USP (Foto: Camila Fontana)
    As irmãs Cajazeiras entraram para a história da telenovela brasileira em 1973, com O Bem-Amado, uma das criações geniais de Dias Gomes. As Cajazeiras eram três solteironas mal-amadas e reprimidas que andavam emboladas, como um ente mitológico de seis pernas e três cabeças, esgueirando-se pelas calçadas estreitas da fictícia Sucupira. As três, Dorotéia (Ida Gomes), Dulcinéia (Dorinha Durval) e Judicéia (Dirce Migliaccio), perambulavam aos fuxicos íntimos, praguejando contra os outros personagens e declarando seu amor ardente, louco e platônico (que depois enveredaria pelas vias de fato) ao “coroné” que mandava na prefeitura, o impagável Odorico Paraguaçu (Paulo Gracindo). Elas bem que remoíam seus ressentimentos contra os desmandos de Odorico – desmandos amorosos, inclusive – mas, fiéis como cachorras, não o criticavam publicamente. Jamais.
    Agora, o espírito desgarrado das irmãs Cajazeiras parece querer sair da história da telenovela e ingressar na história do Brasil real. Os adoradores e as adoradoras que circundam a aura de Luiz Inácio Lula da Silva, como guardadores de uma imagem estacionada no meio-fio da política, carregam em silêncio eventuais dores e dissabores. Nunca ousam expressar em público uma letra, uma vírgula de discordância, mesmo que num discreto e mudo repuxar de sobrancelhas. A lealdade irracional e fervorosa desses (e dessas) tomadores (e tomadoras) de conta não cede. Todos e todas, possuídos e possuídas por sua devoção incondicional, numa idolatria que arrebata ateus e crédulos indistintamente, não deixam que se veja em seu ídolo um único lapso de um único desvio. O cenário é francamente grotesco. Blindaram Lula a tal ponto que o ex-presidente começa a lembrar, inadvertidamente, a figura caricata do bem-amado de Dias Gomes. Como um Odorico involuntário, cercado de elegias e apologias tão fanatizantes quanto patéticas, vê-se prisioneiro do culto de si mesmo. Tão refém que não tem o que dizer. Ou: não tem como dizer o que deveria dizer.
    Como um Odorico Paraguaçu involuntário, Lula se vê prisioneiro do culto de si mesmo
    De tudo o que vem explodindo em matéria de escândalos que arranham ou evisceram a reputação do PT e do governo federal, de mensalão a Rosemary, o que mais chama a atenção é exatamente isso: ninguém, ou quase ninguém, virtualmente ninguém no campo do lulismo esboça uma crítica aberta e de boa-fé. No máximo, quando muito, um ou outro considera que seria positivo se o supremo guia se pronunciasse, quem sabe?, mas ninguém parte para o debate franco, destemido, verdadeiro, em público. É como se, aos olhos da nova religião dos idólatras, a opinião pública fosse território inimigo. É como se, fora das hostes do partido, ninguém mais tivesse direito à verdade.
    O cajazeirismo vai se impondo como a doença senil do lulismo. Figuras públicas até outro dia respeitáveis por seu espírito livre e por sua inteligência ferina vão se rendendo ao silêncio que faz corar os mais ferrenhos adversários. Seria cômico se não fosse melancólico.
    O Odorico da ficção errava na ética e na gramática (era dado a expressões como “talqualmente” e “emborasmente”, além de “apenasmente”, evidentemente), mas tudo na maior empáfia, com empolação e galanteios. Demagogo e autoritário (pois servia de sátira contra o regime militar), fazia da pose o critério da verdade e da moral. Quando precisava acobertar suas trapalhadas, tinha até um assessor de nome Dirceu, o Dirceuzinho Borboleta, borboleteante demais para se prestar a qualquer semelhança com personagens dos tempos presentes. Odorico, em dupla com Dirceu Borboleta, encarnava a esculhambação em feitio de realismo fantástico. Bendita esculhambação. Desclassificado e vaidoso, demagogo e ignaro, fez muito bem aos telespectadores dos anos 1970: ajudou-os a rir dos opressores.
    Agora, a cena é distinta. Não há mais ditadura militar no país. Hoje, a assombração de Odorico retorna para zombar não mais de um tirano, mas de um formidável expoente do período democrático, sequestrado pelo culto à personalidade. O Lula real é muito, mas muito superior à adulação alienante que o sufoca. De líder metalúrgico a presidente da República, deixou uma obra que, em grande parte, orgulha todos os brasileiros. Teria tudo para enfrentar com grandeza as denúncias que dele se aproximam, sobretudo as mais recentes. Em vez disso, prefere se refugiar no mito de si próprio, um mito que, convenhamos, além de precocemente instalado, é oco.
    Lula, abduzido pelo cajazeirismo, dá sinais de fraqueza. Quanto às irmãs Cajazeiras, que fizeram o Brasil se dobrar de rir, talvez ainda façam o PT chorar.

  36. Chesterton said

    Teria tudo para enfrentar com grandeza as denúncias que dele se aproximam, sobretudo as mais recentes. Em vez disso, prefere se refugiar no mito de si próprio, um mito que, convenhamos, além de precocemente instalado, é oco.

    chest- vai ver é porque todo mundo já sabe …..

    Agora, será que Pax é Pax-Cajazeira?

  37. Pax said

    Muito bom o artigo do Bucci.

    Se continuarem nesta ideia de proteger e mascarar as mazelas, acho que só vai piorar a situação.

    Me admira o infalível Chesterton aceitar esta parte do texto:

    De líder metalúrgico a presidente da República, deixou uma obra que, em grande parte, orgulha todos os brasileiros.

    Estás concordando com a afirmação, Chesterton? Creio que não.

    Ao menos gosta do Bucci, um grande cara, sim. Aliás, trabalhou para o Lula por um bom tempo.

  38. Chesterton said

    Pois é, preste atenção, Bucci fala de um período que vai da década de 70 até 2002. Depois o que aconteceu ele relata no resto do texto….mais um que desembarcou do Lulla-lá.
    Cadê o patriarca-Cajazeiras para ler o texto? Será que foi dormir na pia?

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: