políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Os recursos dos condenados

Posted by Pax em 02/05/2013

A Agência Brasil, única fonte utilizada neste blog para acompanhar Ação Penal 470, vulgo Mensalão do PT, publica uma série de notícias sobre os recursos que os réus condenados enviam ao STF.

Alguns deles estão abaixo:

Atualizada – Defesa de Dirceu apresenta recurso ao Supremo Tribunal Federal

Defesa de Delúbio compara acórdão do STF a “colcha de retalhos”

Recurso de Marcos Valério se apoia em 11 pontos para pedir correção do acórdão

Leia mais na própria Agência Brasil.

Este capítulo brasileiro – ou da ditadura da corrupção que se tornou o Estado brasileiro em todas as instâncias, União, Estados e Municípios – precisa ser encerrado. Sem pressa, sem atropelos, com todos os direitos de defesa dos réus garantidos, mas precisa ser encerrado.

Assim como outros capítulos também precisam de desfecho. O Mensaão tucano é o mais emblemático, mas repousam nas gavetas do STF inúmeros processos contra políticos corruptos que não andam.

Porquê?

Anúncios

262 Respostas to “Os recursos dos condenados”

  1. Zbigniew said

    Por que?!
    Advinha, Pax.
    Porque o STF tornou-se uma Corte eminentemente política. A ponto de alguns parlamentares irem prestar homenagens ao Gilmar Mendes que, numa ação política, determinou a suspensão da tramitação de um projeto de lei, quando se sabe que o Tribunal só pode agir no controle de constitucionalidade das leis. Nunca se intrometendo nos trabalhos de outro poder.
    No caso dos diversos mensalões, estica-se daqui, puxa-se dali, contorce-se dacolá, tudo para se conseguir a condenação tão almejada por parte do espectro político alijado do poder pelo PT, pela via legítima do voto popular. Enquanto isso, o mensalão tucano dormita nas várias gavetas das instâncias inferiores, esquecido pela mídia tão zelosa quanto aos mensaleiros petistas.
    Digo: isto não é fazer justiça, mas apenas política.

  2. Zbigniew said

    O Kotsho fez uma boa leitura do nosso momento político, STF à frente:

    “Gilmar Mendes assume o comando da “nova oposição”

    Já que as pesquisas e as urnas não têm sido generosas com as velhas siglas para apear o PT do poder, começa-se a armar uma “nova oposição” extrapartidária.

    É verdade que o esquema pouco tem de novo, já que há tempos vem atuando de forma organizada este aparato jurídico-midiático-financeiro armado pelos antigos donos do poder, mas agora já nem se procura disfarçar mais o que antes se tramava no aconchego dos gabinetes fechados e nas colunas dos seus porta-vozes. Nova é apenas a ousadia dos seus mentores e o surrealismo da situação.

    E quem surge como comandante em chefe deste movimento que agora faz questão de mostrar a sua cara e a sua força? É um ministro do Supremo Tribunal Federal, o ex-advogado-geral da União Gilmar Mendes, nomeado para o cargo pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que se notabilizou por dar dois “habeas-corpus” a Daniel Dantas e a permitir a fuga do médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por ter estuprado 58 mulheres..

    Depois de passar alguns meses longe dos holofotes e das manchetes, ofuscado pelo protagonismo do relator Joaquim Barbosa e do procurador-geral Roberto Gurgel no julgamento do mensalão, eis que Mendes volta solenemente à ribalta como o novo manda-chuva da República, mesmo sem ter conquistado nenhum voto.

    Nenhuma imagem dos últimos dias agitados em Brasília envolvendo membros dos três poderes foi mais emblemática do que aquela em que Gilmar Mendes aparece sorrindo à cabeceira da mesa para receber o aplauso de dez senadores em apoio à sua liminar de suspender no Congresso a tramitação do projeto que restringe a criação de novos partidos. Entre eles, estavam os senadores Rodrigo Rollemberg, de Brasília, o autor do pedido de liminar que organizou a visita, e Antonio Carlos Valadares, de Sergipe, ambos do PSB, partido de Eduardo Campos, que teoricamente ainda faz parte da base aliada do governo.

    A palavra de ordem que une a todos é uma só: permitir a criação do maior número possível de partidos para evitar que a eleição seja decidida já no primeiro turno, como apontam as pesquisas.

    Na véspera, o novo líder honorário da oposição, que chefiava no governo do PSDB a bancada pró-FHC no STF, já havia recebido em sua casa os presidentes da Câmara, Henrique Alves, e do Senado, Renan Calheiros, que foram discutir com ele iniciativas do Congresso Nacional sobre a limitação de poderes do Ministério Público e do Judiciário, que desagradaram a alguns membros do STF, além da questão dos novos partidos.

    Uma das poucas vozes destoantes na grande imprensa, Janio de Freitas, colunista da “Folha”, registra que, após o beija-mão, Henrique Alves “expôs a atitude contrária à Constituição, ao Estado de Direito e à democracia do grupo de senadores que foi aplaudir, em pessoa, a interferência com que Gilmar Mendes, em nome do Supremo Tribunal Federal, sustou a tramitação do projeto a meio do caminho”.

    Enquanto a liminar de Mendes não tem prazo para ser julgada pelo plenário do STF, estão em formação no país, que já tem 30 siglas, outros 27 partidos, além da Rede, de Marina Silva, e do Solidariedade, do deputado Paulinho da Força (PDT-SP), o líder surfista político- sindical, que está sempre em busca de uma boa onda.

    O colega Ilimar Franco revela em sua coluna de “O Globo” que “há partidos para todos os gostos” e cita alguns deles: PSPB (Partido dos Servidores Públicos e dos Trabalhadores da Iniciativa Privada), dois PMBs, um para as Mulheres do Brasil e outro para os Militares do Brasil e o singelo PN, “cuja sigla quer dizer, simplesmente, Partido Novo”. Só está faltando um agora para velhos, barrigudos e carecas…

    Nesta verdadeira festa do caqui em que se transformou o sistema partidário brasileiro, o senador Aécio Neves, principal líder da oposição oficial, aproveitou o 1º de Maio para subir no palanque do aliado Paulinho da Força, que também ainda faz parte da base aliada, para atacar o governo da presidente Dilma Rousseff. Em clima de campanha, Aécio finalmente encontrou um discurso: “Não podemos permitir que o fantasma da inflação volte a rondar a mesa do trabalhador”.

    Contra a inflação, Paulinho da Força chegou a propor a volta do gatilho salarial a cada três meses, um instrumento letal para a economia usado nos tempos da hiperinflação do governo Sarney, mas nem Aécio quis embarcar nessa canoa furada “Várias propostas vão surgir, inclusive essa da Força, que não é a minha”.

    Qual é a dele, Aécio não disse, mas o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral, que representou a presidente Dilma Rousseff no evento, respondeu a Aécio e Paulinho. “Não é verdade que a inflação vai subir. Ela teve, sim, um pico nos últimos meses. Agora, começou a cair. A presidente Dilma zela como uma leoa em defesa dos trabalhadores para que a inflação não coma os nossos salários”.

    À noite, em pronunciamento no rádio e na televisão, a presidente Dilma exaltou as conquistas trabalhistas dos governos do PT, lembrando os 19,3 milhões de empregos formais que foram criados nos últimos dez anos. Sobre o combate à inflação, Dilma garantiu: “Esta é uma luta constante, imutável, permanente. Não abandonaremos jamais os pilares da nossa política econômica, que tem por base o crescimento sustentado e a estabilidade.”
    http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2013/05/02/gilmar-mendes-assume-o-comando-da-nova-oposicao/

  3. Michelle 2 said

    Advogados dos mensaleiros querem que o STF se suicide …hehehe

    Antes de continuarmos com mais bobagens ideológicas…nada contra é claro, mas falando sério e logicamente:

    Algum advogado do mensaleiros acha realmente que o STF irá julgar o próprio STF?
    Parece que o único argumento é que “eles” não concordam com os resultados e que querem um “novo julgamento”. Eles desejam que os juízes decidam de acordo com seus critérios particulares de partes interessadas.
    Se não não vale…e começa tudo de novo.
    Só falta algum idiota petralha sugerir um plebiscito popular.
    ____________
    Comento: Podem tirar o equino da intempérie!
    Choldra de advogados “chicaneiros de alto preço”.
    Que vergonha senhores advogados criminalistas do Brasil!

  4. Pax said

    Off…

    Que pouca vergonha essa ditadura da corrupção. Gregos, troianos, fariseus, filisteus, tucanos e petistas.

    http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed744_dinheiro_de_todos_a_favor_de_poucos

  5. Michelle 2 said

    Esta daqui é pra alegrar o Pax que anda triste depois da tentativa de assalto em seu sítio:

    QUEM DISSE QUE GALINHA NÃO VOA ?

    As viagens de Rosemary Noronha a “queridinha” do “Grande Molusco”
    “E nóis, o Zé Povinho, pagando a conta…
    Obs: Nos eventos onde lê-se Cúpula, não seria cópula?

    Data País Evento
    Dez.2005 Uruguai (Montevidéu) Cúpula do Mercosul
    Jul.2006 Argentina (Córdoba) Cúpula do Mercosul
    Jun.2007 Portugal (Lisboa) Cimeira União Europeia-Brasil
    Jul.2007 Bélgica (Bruxelas) Conferência Internacional de Biocombustíveis
    Nov.2007 Chile (Santiago) Cúpula Ibero-americana
    Dez.2007 Argentina (Buenos Aires) Posse de Cristina Kirchner
    Dez.2007 Venezuela (Caracas) Visita de trabalho
    Dez.2007 Bolívia (La Paz) Declaração sobre o Corredor Bioceânico
    Dez.2007 Uruguai (Montevidéu) Cúpula do Mercosul
    Abr.2008 Gana (Acra) Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento
    Mai.2008 Peru (Lima) Cúpula da Alcue (Conferência de Ciência e Tecnologia)
    Jul.2008 Portugal (Lisboa) Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa
    Out.2008 Espanha (Madri) Visita oficial
    Out.2008 El Salvador Cúpula Ibero-americana
    Out.2008 Cuba (Havana) Visita oficial
    Mar.2009 Qatar (Doha) Cúpula América do Sul-Países Árabes
    Mar.2009 França (Paris) Encontro bilateral
    Abr.2009 Reino Unido (Londres) Cúpula do G20
    Mai.2009 El Salvador Posse presidencial
    Mai.2009 Guatemala Encontro bilateral
    Mai.2009 Costa Rica (San José) Encontro bilateral
    Ago.2009 Paraguai (Assunção) Cúpula do Mercosul
    Nov.2009 Venezuela (Caracas) Encontro bilateral
    Dez.2009 Ucrânia (Kiev) Visita de Estado
    Dez.2009 Portugal (Estoril) Cúpula Ibero-americana
    Dez.2009 Alemanha (Berlim) Visita de Estado
    Dez.2009 Alemanha (Hamburgo) Encontro empresarial
    Mar.2010 México (Cancún) Calc (Cúpula da América Latina e Caribe sobre Integração e Desenvolvimento) e Cúpula G-Rio
    Mar.2010 Cuba (Havana) Visita oficial
    Mar.2010 El Salvador (San Salvador) Visita oficial
    Mai.2010 Rússia (Moscou) Visita oficial
    Mai.2010 Portugal (Lisboa) Cimeira Brasil-Portugal
    Nov.2010 Moçambique (Maputo) Encontro bilateral
    Nov.2010 Coreia do Sul (Seul) Cúpula do G20

    Blog do Políbio Braga

    Nota do editor

    A lista acima corre nas redes sociais. O editor checou tudo e publica porque ela é verdadeira. São as viagens de Rosemary, uma mulher simples, ambiciosa, apanhada em flagrantes “malfeitos”, mas companheira de cama do ex-presidente Lula, de onde extraía seu poder.
    O que mais a galinha voadora poderia extrair, na cama, de um pinto bêbado?…

  6. Pax said

    Esse Cabral Cavendish …

    http://moglobo.globo.com/integra.asp?txtUrl=/pais/cabral-usa-dinheiro-do-estado-do-rio-em-festa-para-pezao-8246431

  7. Michelle 2 said

    O PT na sua melhor forma:

    http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/deputado-defende-prisao-de-ministros-do-supremo/

    O petralha é fascista e não sabe.
    O melhor é que foi “eleito suplente” democraticamente.
    Todo mundo tem o direito de falar o que quiser.
    Depois aguentar a consequência de seus atos e palavras.
    É a regra do jogo do Estado de Direito.
    Coisa que os petralhas – a Lei – querem desrespeitar.
    Toda hora.
    ____________

    Zib, Totó, hrpman e ottario hehehe

    e a “caxirola” hein? vexame federal
    dilma e marta envelhecidas, gordinhas e sem graça sacudindo a as respectivas caxirolas no palácio foi uma das cenas mais ridiculas publicadas pela NBR.
    (Não há como discordar. Santana quase mandou prender quem autorizou a veiculação do vídeo.
    Acho que por isso Dilma foi aconselhada a gravar vídeos em estúdio.
    Nada de discursos improvisados: o que ela fala ninguém alfabetizado entende.)

    No primeiro evento real…os jogadores foram agredidos com caxirolas de 30 reais pela torcida enfurecida.
    O ex-esperto C.Brown também vai ficar no mico…

  8. Michelle 2 said

    Reinaldo definitivo:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/em-materia-de-lewandowski-o-bom-mesmo-e-o-do-borussia-dortmund/

    Pax preste a atenção no comportamento vil do Levando …

  9. Michelle 2 said

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/05/1272188-balanca-comercial-registra-deficit-de-us-994-milhoes-e-pior-abril-da-historia.shtml
    ________
    Comentar o que? Os fatos falam por si mesmo.

  10. Jose Mario HRP said

    Politica e ética?
    Politica , ética e…..humor!

    http://www.viomundo.com.br/humor/lobao-diz-que-dilma-sequestrou-aviao-e-luana-que-e-pau-mandado.html

  11. Jose Mario HRP said

    Ampla defesa?
    Que nada!
    http://www.megacidadania.com.br/mensalao-47-documentos-nao-foram-analisados-pstf/

    Tá tudo dominado , de fato!

  12. Patriarca da Paciência said

    “CAIADO MONTA PALANQUE PARA CAMPOS EM GOIÁS”

    http://www.brasil247.com/pt/247/goias247/100620/Caiado-monta-palanque-para-Campos-em-Goi%C3%A1s.htm

    Como é que um cara joga sua carreira no esgoto desse jeito?

    Socialista junto com extrema direita?

    O Campos já “conversou” também com o Malafaia!

    Ou o Campos toma jeito ou vai fazer companhia pro Serra na Caverna do Ostracismo, ou quem sabe, “no píncaro da glória” como já o bem dizia o Big Bem de Propriá e promissor filósofo juridiquês quântico, Ayres Brito.

    Mas José Serra não deixa por menos. Influencia até o campo magnético da Terra!

    “Ciência udenista: Pres. Zezinho influencia campo magnético da Terra

    OBRIGADO! O pres. Zezinho é a última esperança para nos livrar da terrível tempestade de raios vermelhos cósmicos.
    O campo magnético da Terra, indispensável à existência da vida, é mais uma das contribuições do Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, ao engrandecimento da Pátria e da Humanidade.
    Sempre modesto, o Presidente de Nascença sempre evitou que esse segredo vazasse para o público, e o mantinha guardado no mesmo cofre onde seu priminho Preciado costuma guardar uns documentos.
    Entretanto, em um arroubo de admiração e quase veneração, seu assessor para assuntos propinoviários, Sr. Paulo Caixa Preta Dois, não se conteve e revelou ao público que o Almirante do Tietê possui inauditas propriedades magnéticas.”

    http://tiacarmela.wordpress.com/2012/08/09/ciencia-udenista-pres-zezinho-influencia-campo-magnetico-da-terra/

  13. Patriarca da Paciência said

    Comentário da tia Carmela (do link acima)

    “QUADRILHA: Importantes autoridades do MPE – Magnetismo Público Eleitoral também estão submetidas à magnética influência do pres. Zezinho e levarão um pratinho de curau para a festa junina da UDN.
    O Zezinho sempre gostou de brincar com ímãs. Uma vez, ele arrumou dois ímãs e colocou nas luvas que usou para ir à escola, era inverno e ele usou umas luvas de lã que a mãe dele tinha feito. Na hora do intervalo, os moleques iam comprar doce na cantina, cada um com suas moedinhas. O Zezinho mandou os moleques segurarem as moedinhas na palma da mão e começou a contar vantagem, dizendo que apostava que tinha o superpoder de atrair as moedinhas com as mãos. Aí ele ia passando a palma da mão sobre as mãos dos moleques e as moedinhas grudavam nas mãos dele. Ele encheu o bolso. Só que um menino ficou muito triste porque o Zezinho tomou a moedinha dele e foi contar para o irmão, que já estava no ginásio. O irmão logo entendeu qual era o truque e, no dia seguinte, esperou o Zezinho na saída da escola e fez ele devolver as moedinhas dos moleques todos. Só o Reinaldinho Cabeção que não quis que ele devolvesse, e falou: pra mim você não precisa devolver, Zezinho; eu acredito nos seus superpoderes magnéticos. Quando o pai do Reinaldinho Cabeção soube, deu uma coça no moleque para ele deixar de seu trouxa, mas o ele continuou repetindo, enquanto apanhava, que o Zezinho tinha superpoderes.”

  14. Pax said

    Morreu um amigo com quem gostava muito de conversar sobre política, cerveja, feijoada e tudo mais.

    Sempre o encontrava num boteco na esquina da Teodoro Sampaio com a Francisco Leitão, ou num outro que servia, segundo ele, a melhor feijoada em SP, na Cônego Eugênio Leite.

    Figura importante, valente, sindicalista emblemático, lendário. Foi, ainda moleque, líder da primeira greve, primeiro movimento operário contra a ditadura.

    Não o conheci por conta de política. Conheci na rua, era amigo de um amigo meu e nos tornamos amigos. Um papo delicioso, um cara cheio de história pra contar. Uma delas foi ter sido guerrilheiro, trocado pelo embaixador americano junto com outros. Viveu na Bélgica um tempão.

    Foi fundador do PT e depois mudou para o PDT.

    Enfim, um puta cara legal. Zé Ibrahim, o turco.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/05/1272429-sindicalista-jose-ibrahim-morre-aos-66-anos-em-sao-paulo.shtml

  15. Pax said

    “Brasil é um País que pune muito pessoas pobres, pessoas negras e pessoas sem conexões”

    “Uma pessoa poderosa pode contratar um advogado poderoso com conexões no Judiciário, que pode ter contatos com juízes sem nenhum controle do Ministério Público ou da sociedade. E depois vêm as decisões surpreendentes”

    “No Brasil tem algo chamado foro privilegiado, o que significa que, se um prefeito é acusado de cometer um crime, ele não terá o caso julgado por um juiz regular (…) Se o acusado é um ministro de Estado, membro do Congresso ou ministro do Supremo, o caso será decidido pela Suprema Corte (…) não tem tempo algum para decidir processos criminais”

    Quem será que diz isso?

    O próprio presidente do STF.

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,barbosa-critica-foro-privilegiado-a-politicos-e-excesso-de-recursos,1028193,0.htm

  16. Michelle 2 said

    Pax

    Lamento por sua perda.
    Mas fiquei curiosa com o fato de ele ter sido fundador do PT e depois ter se mudado para o PDT.
    Nas suas interessantes conversas de botequim ele disse por que?

  17. Pax said

    É, agora mesmo estava lembrando do turco.

    Nunca entrei a fundo nos motivos dele ter saído do PT. Era um sindicalista puro, nato. Atualmente trabalhava com sindicatos de trabalhadores em hotéis, restaurantes etc. Em alguns destes encontros na tal esquina vinham outros sindicalistas, petistas, não petistas, mas essa galera.

    Não era o meu papo com eles. O conheci através de um amigo que morava na mesma rua, na Francisco Leitão. O turco fazia “ponto” por lá, morava bem perto.

    As histórias é que eram gostosas. Quando esteve na Bélgica adorava o fato de trabalhar numa fábrica que fornecia cerveja para os trabalhadores durante o expediente.

    Gostava de breja demais. E fumava muito. Muito mesmo. Acho que foi isso que o matou, pelo que soube, tudo indica que foi um infarte.

  18. Pax said

    Acabei de achar uma declaração do próprio Zé Ibrahim, do motivo que o fez sair do PT.

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/100674/Z%C3%A9-Ibrahim-o-her%C3%B3i-sindical-que-o-PT-n%C3%A3o-quis.htm

    Saiu porque o PT endireitou.

  19. Pax said

    “Eu apontaria a fraca diversidade política e ideológica na imprensa. O Brasil tem hoje três principais jornais nacionais impressos, todos eles mais ou menos inclinados para a direita no campo das ideias”

    Quem disse?

    JB

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/05/1273161-na-costa-rica-barbosa-critica-falta-de-pluralismo-na-imprensa-brasileira.shtml

  20. Jose Mario HRP said

    No 007BONDeblog

    Quando a presidente Dilma foi até ROMA VER O PAPA FRANCISCO I ser “entronizado”, a imprensa brasileira caiu de “pau”. Usar o avião presidencial não pode, levar ministros também não pode, ficar hospedada em hotel e não na Embaixada foi ato condenado pela nossa Mídia.

    Pois bem, Barbosa foi em avião da FAB (gasta querosene da mesma forma), levou assessores e ainda um monte de jornalistas, para é claro, garantir os holofotes. Quanto custou tudo isso ?Alguém vai criticar ? Proporcionalmente ao evento e importância para a diplomacia e o país, esta viagem de Barbosa foi mais cara sem sombra de dúvida. Se ele gasta assim, como nunca outro presidente do STF gastou para se promover, imagina ele sendo presidente da República.

    Do Site 247

    Presidente do STF viaja à Costa Rica, leva um séquito de jornalistas e avisa que recursos impetrados pelos 25 condenados na Ação Penal 470 não conseguirão mudar sentenças; “Embargos podem não sobreviver”, decretou; lá, ele também condenou o racismo no Brasil e disse que a imprensa brasileira é de direita; com suas posições, ele atropela os demais colegas do STF e se coloca, mais uma vez, como paladino da Justiça; parecia não só um juiz em campanha para encerrar o julgamento, mas também um presidenciável em ação.

    Joaquim Barbosa chegou à América Central na quinta em um avião da Força Aérea Brasileira, que também levou assessores e jornalistas de veículos brasileiros. Ao desembarcar, foi recebido pela embaixadora do Brasil na Costa Rica, Maria Dulce Silva Barros. O ministro, porém, recusou o convite para uma recepção feito pela presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla. Segundo sua assessoria, preferiu ficar no hotel para terminar o discurso desta sexta-feira.
    Leia também no Justiceira da esquerda.

  21. Otto said

    Sobre EUA, mentiras e videotapes:

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/criticas-ao-jornalismo-comercial-profissional

  22. Patriarca da Paciência said

    “Espalha-se, como um rastilho de pólvora, pelos meios jurídicos, o artigo do jurista Virgílio Afonso da Silva, professor de Direito Constitucional da Universidade de São Paulo, sobre o caráter extravagante da decisão do ministro Gilmar Mendes que impediu a tramitação da lei sobre fidelidade partidária; de forma didática, precisa e também enérgica, ele define a decisão de Gilmar como “algo que parece não ter paralelo na história do STF e na experiência internacional”; liminar apoiada por um grupo pequeno de senadores deve cair na quarta, mas o ministro tem pedido ajuda aos colegas, antes da votação em plenário”

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/100779/Jurista-da-USP-reduz-a-p%C3%B3-a-liminar-de-Gilmar-Jurista-USP-reduz-p%C3%B3-liminar-Gilmar.htm

    Pois é,

    Com que cara fica agora o Pedro Simon?

  23. Michelle 2 said

    Uma imagem vale mais que 1000 palavras:


    leia mais no DCM
    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/a-vuvuzela-e-a-caxirola/caxirola/

    Nunca antes neste pais tivemos uma idiota como presidente.
    Essa mulher me envergonha!

  24. Patriarca da Paciência said

    CNJ pede exame psiquiátrico para juiz crítico da Justiça de Santa Catarina

    Só processava “PPP”
    O Ministério Público Estadual acusou o juiz de desrespeitar seus promotores e usar linguagem ofensiva – num despacho, Cordioli escreveu que um promotor deveria “se olhar no espelho”. Noutro, disse que um promotor engavetava acusações “contra a elite e os coronéis da política da cidade” e só processava “PPP” (pretos, pobres e prostitutas).

    Cordioli é juiz desde 2007 e assumiu a comarca de Otacílio Costa em 2010. Ele era citado na imprensa regional como “juiz coragem” porque nos autos dos processos registrava os desvios éticos e profissionais de colegas juízes, promotores, servidores e advogados. Estava prestes a ser promovido, quando foi afastado do cargo.

    A Corregedoria do TJ-SC, num ato sem precedentes contra um dos seus juízes, divulgou nessa terça (30) as 12 reclamações contra ele. Nesta quinta (2), Cordioli apresentou sua defesa.

    “Dizem que sou louco, mas não corrupto”
    Cordioli disse ao UOL, em Florianópolis, que é “vítima de assédio moral de gente que não aceita um juiz como eu” –ele se define como alguém que trabalhava “com independência dos chefes políticos da cidade e contra um MPE duro só com PPP”.

    O juiz disse que se tornou “o inimigo público do MPE ao denunciar que nos processos em que atuava “os ricos e poderosos raramente eram incomodados, quase sempre ficavam engavetados na Promotoria”.

    Ele deu um exemplo: “Um empresário poderoso foi processado por crime ambiental quando eu ainda estava na universidade, em 2003. Quando assumi como juiz, descobri tantas fraudes que tive que fazer diligências de surpresa, senão alguém soprava para os réus. O processo foi tirado da minha comarca por vias espúrias e até hoje está parado no Tribunal de Justiça”.

    Cordioli é solteiro, nascido em Lages (220 km de Florianópolis).

    Com frequência, ele fez piadas sobre seu estado mental: “Dizem que sou louco, mas pelo menos não me chamam de corrupto. Sou louco por querer fazer a máquina do Judiciário funcionar”.

    Ele anda num carro Ford Fiesta, mas tem um BMW na garagem de casa: “É uma pequena concessão que me fiz. Escolhi um carro de luxo para eles pensarem que também roubo, como eles”, diz, sem citar que são “eles”.

    Leilão de carro de ex-prefeito em praça pública
    Em 2012, Cordioli leiloou dois carros do prefeito de Palmeira em praça pública. O dinheiro era para pagar condenação por desvio de dinheiro público. Um terceiro carro, no qual o prefeito tentava viajar para Florianópolis, foi apreendido pela Polícia Rodoviária Federal depois que o juiz mandou uma ordem por fax para o posto de patrulha. O prefeito ficou a pé no acostamento.

    Quando a polícia pedia a prisão de alguém, o juiz despachava a mão no próprio requerimento, poupando toda burocracia: “É um recurso que está no Código de Processo Penal desde 1940”, afirma.

    Depois que o MP se recusou a pagar peritos num processo contra outro ex-prefeito, o juiz pediu auxílio do 10º Batalhão de Engenharia do Exército para avaliar a casa do réu. Um destacamento cercou a casa, fotografou tudo e a avaliou em R$ 500 mil. Em seguida, quando estava prestes a transformar a residência num abrigo municipal para órfãos, Cordioli foi afastado.

    Num processo ambiental, ordenou à Fundação de Amparo ao Meio Ambiente derrubar a casa de um vereador erguida em área de preservação. Como a ordem judicial não foi cumprida, Cordioli fez o serviço ele mesmo, com a ajuda de um operário.
    http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2013/05/02/cnj-pede-exame-psiquiatrico-para-juiz-critico-da-justica-de-santa-catarina.htm?cmpid=ctw-politica-news

  25. Patriarca da Paciência said

    http://noticias.uol.com.br/album/album-do-dia/2013/05/03/imagens-do-dia—3-de-maio-de-2013.htm?abrefoto=23

  26. Pax said

    Até Lula reconhece…

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2013/05/05/lula-agora-defende-politica-sem-promiscuidade/

    Tem volta? Boa pergunta para um domingo.

  27. Jose Mario HRP said

    Um video sobre a decadencia da cidade simbolo do desperdício:

    Se os EUA cairem como seria o mundo sobre o comando chines?

  28. Jose Mario HRP said

    O termo pré inconstitucionalidade existe?
    É, o Gilmar trabalhou muito para mostrar que ele existe!
    Não existiu nada parecido nos anais do STF e nem no mundo!

    Rapaz, as vezes dá vergonha de ser brasileiro.

  29. Jose Mario HRP said

    Cliquem, nem que seja só por curiosidade:

    http://www.blogdojefferson.com/index.aspx

  30. Otto said

    PSDB ASSASSINO:

    por Gustavo Costa, especial para o Viomundo

    Se não bastassem mais de três mil dias de lentidão da Justiça, em janeiro deste ano uma decisão da juíza Raquel de Vasconcelos Alves de Lima, da Nona Vara de Belo Horizonte, que julgaria o caso da Chacina de Unaí, transferiu o julgamento para a cidade dos acusados de serem os mandantes. Raquel declarou-se incompetente.

    O Superior Tribunal de Justiça cassou a decisão da juíza. Com isso, o julgamento deve mesmo acontecer em Belo Horizonte ainda este ano.

    Segundo a investigação das Polícias Federal e Civil, os auditores do Ministério do Trabalho Eratóstenes de Almeida Gonçalves, João Batista Soares e o motorista Aílton Pereira foram executados com tiros na cabeça apenas por acompanhar o alvo principal, o auditor Nelson José da Silva.

    Foi em 28 de janeiro de 2004.

    Nelson batia de frente com o latifúndio e fora ameaçado algumas vezes antes da chacina.

    Uma delas, por Norberto Mânica, acusado de ser um dos mandantes: “Só vou acabar com as perseguições à minha pessoa quando eu der um tiro na cabeça de um fiscal do trabalho”, teria dito.

    Norberto é irmão de Antério Mânica, outro acusado de encomendar o crime. Eleito duas vezes prefeito de Unaí pelo PSDB, ele nega participação e diz que hoje já não conversa com o irmão.

    Segundo o Ministério Público Federal, além dos irmãos Antério e Norberto Mânica, outras sete pessoas tiveram participação na chacina.

    Hugo Pimenta e José Aberto de Castro, o Zezinho, empresários de sucesso na produção de grãos, teriam sido os intermediários.

    Francisco Helder Pinheiro, conhecido como Chico Pinheiro, o homem que contratou os pistoleiros.

    Erinaldo Silva e Rogério Alan Rocha, os matadores.

    Willian de Miranda, motorista dos bandidos.

    E Humberto dos Santos, o responsável por tentar apagar os rastros da quadrilha.

    A seguir, uma entrevista com a procuradora Mirian Moreira Lima, do Ministério Público Federal.

    Como foi a investigação do crime de Unaí?

    Este caso, a própria investigação foi muito complicada porque o crime foi praticado sem testemunha ocular dos fatos. A Polícia Federal, a Polícia Civil e o Ministério Público Federal trabalharam de forma célere, de modo que o crime foi praticado em 28 de janeiro e em julho as investigações tinham sido encerradas de forma exemplar.

    Ou seja, foram descobertos os autores do crime e o Ministério Público, sempre dentro do prazo, ofereceu a denúncia, no mesmo ano da chacina. Ocorre que a defesa interpôs sucessivos recursos, intermináveis recursos que só foram encerrados no ano passado.

    Usaram de todas as instâncias, chegando ao Supremo Tribunal Federal, mas não tiveram êxito em nenhum dos recursos que interpuseram.

    Quem executou o crime?

    Conforme consta dos autos e as provas apuradas são dois os executores: o Rogério Alan e o Erinaldo.

    Um se posicionou de um lado do motorista e o outro do outro lado. Um deles conseguiu matar três. Um dos pistoleiros não conseguiu acertar fatalmente um dos passageiros do banco de trás, que se deitou no banco para se defender. E o outro fez a volta, contornando o veículo e acertou com a pistola 380, todos na cabeça, como foram ameaçados pelo mandante.

    Crime de encomenda?

    Crime de execução, a mando, mediante recompensa. Crime quádruplo, triplamente qualificado pelas circunstâncias em que ocorreu. Mediante recompensa e formação de quadrilha.

    Quem mandou matar?

    Segundo consta da denúncia e dos autos os mandantes foram os fazendeiros que estavam sendo fiscalizados: Norberto Mânica e Antério Mânica e teve os intermediários, Hugo e Zezinho.

    As provas são amplas. Foram ouvidas mais de 100 testemunhas pela Polícia Civil, Polícia Federal em força tarefa com Polícia Civil. Temos os depoimentos testemunhais, os laudos feitos pela perícia federal, vários cadastros de chamadas entre eles, entre os envolvidos.

    Alguns dos dos réus, inclusive, se registraram com os próprios nomes nos hotéis, as pessoas os reconheceram. Eles confessaram o crime para a Polícia Federal na época.

    E o carro onde estavam os pistoleiros?

    Eles haviam furtado o carro em Brasília e depois da chacina jogaram o veículo no lago Paranoá, em Brasília. Eles deram azar porque uma das vítimas, o motorista, levou tiros na cabeça, mas recobrou o sentido, conseguiu dirigir 7 quilômetros até a estrada, onde foi localizado por outras pessoas, inclusive um policial militar.

    Com isso, ele conseguiu relatar como os fatos acontecerem e falou do Fiat Strada. Os autos também dão notícia da existência de um veículo Marea, os próprios executores falam. Um dos mandantes apareceu bravo, que iam pagar o dobro e que era para matar todo mundo.

    Os próprios executores acharam que estava muito pesado, porque foram contratados para matar uma pessoa só, eles ponderaram “o Nelson não está sozinho”. Pois matem tudo, paga o dobro e acaba com isso. E neste Marea, segundo informações dos autos, estava o homem bravo que dizia para matar todo mundo, que pagaria em dobro.

    Também existem provas no sentido de que se reuniram na véspera do crime para tratar de como seria a execução, quais as ordens. Isso em Unaí, onde já estavam todos.

    Quanto foi pago?

    Na época houve a informação de 25 mil reais, era muito dinheiro para a época, em 2004. E eles dividiram o dinheiro entre eles, quanto maior a participação, maior foi a recompensa.

    [Clique aqui para ajudar Gustavo Costa a investigar a matança dos indígenas awa guajá no Maranhão]

    Chegaram a receber este dinheiro?

    Receberam, tem prova disso nos autos também.

    Por que os fiscais foram mortos?

    Foram mortos porque estavam incomodando no trabalho de fiscalização rural. O Nelson era o principal alvo e ele foi ameaçado de que ainda ia receber um tiro na cabeça.

    Foi ameaçado por quem?

    Pelo Norberto Mânica. E assim concretizou. Nelson era uma pessoa extremamente séria no que fazia, ele chamou mais fiscais para ajudar no trabalho e foi pior.

    Estas ameaças foram feitas quanto tempo antes?

    Um ano antes.

    O Nelson chegou a fazer um boletim de ocorrência?

    Chegou a fazer um relatório de ameaça, mas neste caso a pena para ameaça é muito pequena e prescreve rápido, antes que se consiga apurar o crime está prescrito.

    Todos foram mortos com tiros na cabeça?

    Todos, tal qual a ameaça. Estavam cumprindo uma função institucional e na medida em que são recebidos à bala e colocam fim à vida deles por conta do trabalho, isso é uma ofensa ao estado democrático de direito, à propria sociedade.

    Porque não são só vítimas, mas vítimas que estavam com a responsabilidade de fiscalizar o trabalho rural, este trabalho degradante que a imprensa internacional e os acordos internacionais tentam combater.

    Em síntese, o que aconteceu neste ato foi justamente uma ofensa ao estado democrático de direito. À medida em que a pessoa que está sendo fiscalizada não concorda com a multa, basta que entre na Justiça, recorra administrativamente ou em juízo.

    Como vê estes nove anos de espera pelo julgamento?

    Com relação ao atraso, não se pode imputar ao Ministério Público porque todos os prazos foram cumpridos. Estes anos todos foram gastos apreciando sucessivos e intermináveis recursos da defesa. Por isso, eram muitos réus, processo complexo, o Judiciário se esforçou ao máximo, mas a cada vez usavam de recurso. E esse tempo passou.

    É um prejuizo para as famílias das vítimas, mas também para a sociedade, porque o pensamento tende a trair, a memória tende a lembrar menos os fatos da época. São mais de 100 testemunhas e a gente teme que não lembrem de todos os detalhes da forma como os fatos aconteceram.

    Outras testemunhas morreram; o agenciador de pistoleiro [Chico Pinheiro], que sabia tantas informações, ele faleceu. Não podemos mais contar com as informações de Chico Pinheiro. Norberto foi preso, solto e preso de novo, porque estava pagando os presos para não falar.

    As pessoas que têm menos poder aquisitivo recorrem menos. Tanto é que neste caso os próprios executores interromperam os recursos. Os mandantes prosseguiram. Isso atrasa o julgamento.

    A senhora acredita que os mandantes serão responsabilizados?

    Com certeza. O Ministério Público fez o seu trabalho na crença da seriedade e da existência de provas. Contamos com os jurados, precisamos levar estas provas ao conhecimento deles com mais clareza. Mas não temos nenhuma dúvida da participação destas pessoas no que se denominou Chacina de Unaí.

    *****

    Veja no Domingo Espetacular, da TV Record, a partir das 20h30m, uma reportagem especial de 30 minutos com detalhes inéditos da Chacina de Unaí.

    http://www.viomundo.com.br/denuncias/bravo-homem-do-marea-queria-que-todos-fossem-mortos.html

  31. Olá!

    Pax,

    “Figura importante, valente, sindicalista emblemático, lendário. Foi, ainda moleque, líder da primeira greve, primeiro movimento operário contra a ditadura.”

    O sindicalista José Ibrahim, na eṕoca da ditadura militar, entrou para o grupo terrorista Vanguarda Revolucionária Popular, a VPR, que, entre seus “grandes feitos”, tem o assassinato covarde e asqueroso de um menino de 18 anos que acabara de ser admitido no serviço militar obrigatório. O nome do garoto morto pela VPR é Mário Kozel Filho. A patente dele era a de soldado.

    Os terroristas da VPR atiraram um carro cheio de explosivos contra o muro do quartel onde o soldado Kozel estava de serviço. Ele correu em direção ao veículo, talvez pensando se tratar de um acidente, quando as bombas detonaram, matando-o de imediato.

    É muito brutal para qualquer ser humano ter a sua vida interrompida covardemente aos 18 anos de idade.

    Aliás, e aqui não falo do seu amigo, Pax, há uma situação que acontecia com certa frequência nos grupos terroristas que atuaram durante o regime militar: Não raro, os integrantes desses grupos eram pessoas que vinham da elite econômica do Brasil da época. Há dois casos que merecem destaque: A atual presidente Dilma Rousseff e o Alfredo Sirkis.

    A jovem Dilma vinha de uma família de imigrantes búlgaros que se instalaram em Belo Horizonte e se tornaram pessoas muito prósperas. Filha de um advogado e empresário, ela era de classe média alta e teve acesso à uma educação que, mesmo hoje, menos de 1% dos brasileiros poderiam ter. Eis como a Wikipédia relata a formação educacional que ela recebeu na juventude:

    “Pedro Rousseff was a contractor for Mannesmann steel, in addition to building and selling real estate. The family lived in a large house, had three servants, and maintained European habits. The children had a classical education, and both piano and French lessons. After Pedro defeated the initial resistance of the local community to accept foreigners, the family began to attend traditional clubs and schools.”

    Tradução livre:

    “Pedro Rousseff [o pai da Dilma] tinha contratos com a [empresa alemã de aço] Mannesmann [S]teel, além de construir e vender imóveis. A família [Rousseff] vivia em uma grande casa, tinha 3 serviçais e mantinha hábitos europeus. As crianças receberam uma educação clássica, bem como aulas de piano e francês. Após Pedro vencer a resistência inicial da comunidade local de aceitar estrangeiros, a família começou a frequentar os clubes e escolas tradicionais.”

    Algum tempo depois, a Dilma entraria para o grupo terrorista VAR-Palmares.

    Agora, comparem a origem social de pessoas como a jovem Dilma e o jovem Sirkis, quando ambos eram terroristas, à origem social dos soldados que eram enviados para enfrentá-los. A esmagadora maioria desses soldados vinha de famílias pobres, recebiam, no máximo, 1 salário mínimo por mês e tinham de ajudar nas despesas da casa, coisas que a jovem Dilma nunca precisou se preocupar. Muitos desses soldados eram meninos cujo objetivo de vida era se tornar um militar ou, em certos casos, era a única saída para não viver na pobreza mesmo. Aliás, apenas um dos pianos que a jovem Dilma teve já era suficiente para sustentar várias famílias desses soldados.

    Eram meninos pobres, como o soldado Kozel, que tinham de ir para a rua e combater os filhos e filhas mimados da classe alta brasileira daqueles tempos.

    Pessoas como a Dilma e o Sirkis tomaram uma decisão moralmente asquerosa quando jovens: Ambos escolheram entrar para grupos terroristas que mataram pessoas que eram muito mais pobres do que eles dois.

    Até hoje a Dilma se orgulha do que ela fez durante sua época no terrorismo.

    Que o seu amigo Ibrahim, Pax, possa encontrar a paz que as vítimas do grupo do qual ele fez parte não puderam ter. Afinal de contas, nenhuma dessas vítimas teve o privilégio de morar na civilização e ser servida de cerveja belga durante o expediente de trabalho. Muito menos ter a chance de falecer em decorrência dos excessos dos pequenos prazeres da vida, como a cerveja e o tabaco. Pelo contrário: Essas vítimas encontraram seus respectivos fins por causa dos excessos ideológicos de meia dúzia de imbecis.

    Que descanse em paz. . .

    Até!

    Marcelo

  32. Otto said

    Os americanos também são terroristas — pois na sua luta pela independência mataram jovens soldados ingleses inocentes.

    Os israelenses também, pois antes da criação do Estado de Israel explodiram o Hotel Rei Davi, matando militares e civis inocentes.

  33. Patriarca da Paciência said

    Lula e Lúcia Hipólito: Nada como um dia atrás do outro
    Via mural de Leandro Fortes no Facebook

    Notícia retirada do Terra Magazine, de 2 de novembro de 2011, quando o câncer do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva havia sido diagnosticado:

    “A jornalista Lúcia Hipólito não se constrangeu ao atribuir, sem qualquer autoridade, a doença a um suposto alcoolismo do ex-presidente – que estaria pagando agora o preço por todas que tomou.”

    Lúcia Hipólito luta hoje, em um hospital público (mantido pelo governo federal) de Brasília, contra uma moléstia tão grave quanto o câncer, a Síndrome de Guillain-Barré, doença autoimune que causa a perda da habilidade de alguns grupos musculares.

    Não, eu não acredito que ela está pagando agora o preço por todas que tomou.

    Eu só acho que ela está pagando pela língua.

    Mas torço que ela se recupere logo e tenha uma vida longa, a tempo de refletir sobre o tipo de serviço que fazia.

    Compartilhe:

    http://novobloglimpinhoecheiroso.wordpress.com/2013/05/03/lula-e-lucia-hipolito-nada-como-um-dia-atras-do-outro/

  34. Pax said

    Caro Marcelo Augusto,

    Desculpe-me a sinceridade. Mas ou você foi criado por vó ou você pirou de vez. Talvez porque seja muito novo, nem sei, talvez porque tua experiência de vida não passe do playground. Também não sei. Talvez porque você ache que suas tabelas expliquem alguma coisa. Também não sei. Aliás, nos meus tempos eu te mandaria para uma aula de simplificação de dados e jamais permitiria que você fizesse uma apresentação se o tema estivesse sob minha gestão.

    Vou te poupar de contar o que houve com um conhecido, muito próximo, parente por afinidade. Nem vou entrar nos detalhes de como ele, ferido nas costas, apanhou até a morte sem direito a qualquer atendimento médico. Durante dois dias seguidos.

    Você não deve ter vivido a ditadura. Não é possível que tenha vivido a ditadura. Logo você que tanto abomina as ditaduras socialistas, onde chego a concordar.

    As ditaduras de direita foram iguais, no mínimo, na covardia absoluta.

    Hoje em dia sinto muito que tinha pouca idade à época. Caso contrário teria me envolvido muito mais que me envolvi na minha adolescência. Ditadura nunca mais. Jamais.

  35. Olá!

    Otto,

    “Os americanos também são terroristas — pois na sua luta pela independência mataram jovens soldados ingleses inocentes.

    Os israelenses também, pois antes da criação do Estado de Israel explodiram o Hotel Rei Davi, matando militares e civis inocentes.”

    Eis um comentário que resume exemplarmente a falta de norte moral da esquerda brasileira: Pega situações completamente díspares e coloca um sinal de igual entre todas elas, afirmando, assim, que são equivalentes.

    No caso da guerra de independência dos americanos, havia duas forças beligerantes combatendo uma à outra. Houve uma declaração formal de guerra entre ambas e o combate se deu entre militares americanos versus militares britânicos.

    Não foi um troço não-declarado e executado nas sombras em ataques covardes contra civis e militares, militares esses que, no geral, se encontravam de serviço, a exemplo do soldado Kozel, e não estavam equipados para lidar com a situação surpresa que os terroristas perpetravam (como carros-bomba).

    E outra: Tanto no caso dos americanos quanto no dos judeus, a luta era para se construir uma democracia, um regime de liberdades civis e etc. Muito diferente do que o Ibrahim queria implantar por aqui quando ele fez parte da VPR e quando foi fazer “cursos” sobre “democracia” na Cuba de Fidel Castro e na URSS.

    Aliás, Otto, você não deu a mínima demonstração de compaixão pelo soldado Kozel que foi morto aos 18 anos de idade pela VPR (que nunca lutou por democracia). Poderia ter dito, pelo menos, algo assim “Poxa, que triste isso. . .”, mas nada. Em vez disso, preferiu exercitar a alfafa ideológica de sempre.

    Para finalizar: Gostaria de ver você e os demais rebatendo ponto a ponto do que coloquei no meu comentário anterior.

    Até!

    Marcelo

  36. Otto said

    Marcelo: não havia exército americano antes da proclamação da independência, como haveria militares?

    Bom, os ingleses consideravam os judeus insurgentes da palestina como terroristas.

    Sim, eu lamento pela morte do Kozel. Gostaria de saber também se você lamenta pelas assassinatos e torturas da ditadura.

  37. Otto said

    Pax et alli:

    JB mentiu e PGR/MPF violou Lei

    http://www.ocafezinho.com/2013/05/04/jb-mentiu-e-pgrmpf-violou-lei/

  38. Michelle 2 said

    #33 O Totó sendo enrolado de novo:

    http://cbn.globoradio.globo.com/Player/player.htm?audio=2011/colunas/lucia_111029&OAS_sitepage=cbn/editorias/pais

    Escute com atenção o que a Lucia falou. Cade a frase fatídica que o idiota L.Fortes ouviu e interpretou para colocar palavras na boca da Lucia.
    ( e ainda sai do artigo ,cabotino que é, sentindo peninha da Lucia.
    Um grande fdp))

    e Totó (idiota da paciência) aproveite e leia também Não há limites para os corvos governistas sobre o assunto
    aqui:
    http://reaconaria.org/blog/reacablog/nao-ha-limites-para-os-corvos-governistas/
    ———-

    Patriarca da Paciência – vulgo Totó-
    Poderia me emprestar seu Senso de Ridículo?
    Não? Por que?
    Ah, você perdeu? Faz tempo? Nem lembra quando tinha?
    Tá bom, deixa para lá.
    Fica pra próxima. hehehe

  39. Otto said

    PSDB é campeão entre os barrados no Ficha-limpa:

  40. Pax said

    Caro Otto,

    A informação (em #39) é importante. Mas… cadê a fonte?

  41. Pax said

    No Facebook do Idelber…

    Idelber Avelar Guarani Kaiowá
    Mais informações de Belo Monte, graças ao grande Ruy Sposati, a quem todos nós devemos um baita agradecimento.

    Como vocês devem saber, a Justiça do Pará deferiu uma liminar contra a presença de não indígenas na ocupação de Belo Monte. Os não indígenas presentes lá eram alguns jornalistas, un poucos militantes e dois advogados. Todos eles foram expulsos.

    Hoje, o deputado Padre Ton (PT-RO) foi impedido pela Força Nacional de entrar no canteiro. Um advogado de Belém, o único branco com algum acesso à ocupação, foi ameaçado de prisão, caso permanecesse lá. Os jornalistas estão fazendo piquete na porta do canteiro e já foram ameaçados de prisão caso cruzem a cancela que divide a margem da Transamazônica e o sítio.

    Um assessor do governo disse aos indígenas que a pauta era “muito radical” e impossível de se negociar. Também disseram isso a eles a Norte Energia, a Força Nacional, a Casa de Governo em Altamira, a coordenação local da Funai e todos os outros que visitaram o canteiro.

    Começa a se articular um movimento que pede a maior divulgação possível da situação. Para lembrar mais uma vez: trata-se da obra mais cara da história do Brasil, feita com dinheiro público, com seríssimos impactos humanos e ambientais, escassa demonstração de sua utilidade inúmeras acusações de violação da lei e, neste fim de semana, a incrível novidade de jornalistas expulsos por forças policiais, em plena democracia. Cabe lembrar que Belo Monte foi inicialmente orçada em R$ 4,5 bilhões e já se encontra em quase R$ 30 bilhões. Farta documentação sobre violações dos direitos humanos ao longo da construção da usina pode ser consultada aqui: http://bit.ly/15cfiHa e aqui http://bit.ly/15cfma1

    Continuo aguardando que parlamentares, jornalistas, blogues e outros setores acordem para a situação. Não é todo dia que o aparato policial do Estado é mobilizado para expulsar meia dúzia de jornalistas de um protesto pacífico, autorizado pela Justiça, no sítio de construção da obra mais cara da história do Brasil. Quem faz mídia alternativa criticando os grandes meios de comunicação de massas e se cala ante uma situação dessas por conveniência partidária ou de patrocínio perde completamente a autoridade moral.

    Reiterando: não é trivial. É a expulsão de jornalistas, em plena democracia, pelo aparato policial do Estado, do sítio de construção da obra mais cara da história do Brasil.

    Algo de podre no reino da Dinamarca?

  42. Jose Mario HRP said

    O mundo da politica as vezes é abjeto.
    Do lado da jornalista a desnecessidade de suas afirmações , de outro lado essa matéria meio que tripudiando sobre a doença da mesma, algo inaceitável nos dois casos.
    Ou quando a politica cega e deforma nossos sentimentos.

    http://saraiva13.blogspot.com.br/2013/05/dia-atras-do-outro.html

  43. Zbigniew said

    Mas que o Idelber levou umas na caixa de comentários, há isso ele levou.

    A visão dele é meramente antropológica. Um problema dessa envergadura não pode ser visto apenas pelo viés da preservação indígena, especificamente para aquela área. É muito complicado contrapor política energética com direito dos índios. Há que se levar em conta, também, a ausência de dados técnicos mais apurados, principalmente no que se refere ao impacto ambiental, coisa que ele próprio reconheceu como, no caso dos dados por ele colacionados, unilaterais, partindo do pressuposto que os do governo não são confiáveis. E porque não? Ele não contrapôs tais dados. Só trouxe os que foram levantados pelas ONGs.

    Sim, os indígenas devem ser valorizados e preservados. Mas não dá para admitir que um obra dessa envergadura e importância, discutida desde 1975, seja evitada para que se mantenham 800 mil (segundo o Idelber) naquela área em “estado natural”. O governo diz que é importante para que o país evite apagões. Os ambientalistas e ecologistas entendem que não. Que o preço a se pagar é muito caro nestes termos. Enfim, quem está com a razão?

  44. Zbigniew said

    Eu queria entender esses meandros das particularidades de nossa República.
    Os caras são sentenciados por uma esdrúxula tese modulada à Teoria do Domínio do Fato. Aí vem o TSE e… aprova as contas do PT de 2003. TCU quietinho, quietinho… o Merval a reclamar do direito de recorrer dos condenados no mensalão petista e a bradar que vivemos uma “ditadura da maioria”, a falta de um melhor argumento para a incompetência da oposição que ele defende… e o Gilmar, há! o Gilmar… a aplicar a teoria da “pré-inconstitucionalidade”, como justificativa jus-filosófica para sua liminar impeditiva do funcionamento de um outro poder. Vivemos tempos interessantes, esses.

  45. Pax said

    Vamos começar pelo mais simples, caro Zbigniew

    Uma obra orçada em R$ 4,5 bilhões que já está em R$ 30 bilhões.

    Vou ficar só neste ponto, assunto do blog. Só por aí eu já pararia a obra.

    Precisa de mais?

    É claro que tem mais. Belo Monte é a curva do rio, perto da sua foz.. e as barrragens que farão a montante pra regular a vazão da usina? E o resto todo? Nem precisamos de muito pra saber que tem que parar a obra e colocar muita coisa com holofote em cima.

    Basta saber da roubalheira que já rola por lá, evidentemente.

    Ah, sim, vamos discutir matriz energética brasileira? Claro que temos que discutir. Sem energia o país pára mesmo.

    Mas não desta forma, com roubalheira e sintomas, indícios altíssimos de cagadas socio-ambientais.

  46. Patriarca da Paciência said

    “Personagem mais falado da semana, o cantor, compositor e escritor Lobão concedeu entrevista exclusiva ao 247, para comentar a reação a seu livro “Manifesto do Nada na Terra do Nunca”, que será lançado nesta segunda no Rio. “O Brasil nunca viveu uma patrulha ideológica tão intensa como agora”, afirma. “Querem interditar a divergência”. Sobre o ponto mais polêmico de suas aparições na mídia, a suposta frase de que a presidente Dilma Rousseff teria sido “torturadora”, colocada na entrevista à Folha, ele nega que a tenha dito. “Pode chacoalhar o livro que isso também não vai aparecer lá”

    http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/100863/Lob%C3%A3o-exclusivo-ao-247-Leiam-o-livro.htm

    O puta velha que vira beata parece que se deu conta das idiotices que falou.

    Se arvorou em “preso político” por ter sido preso enquanto estava drogado e em posse de uma monte de drogas.

    Fez acusações sem nenhuma comprovação.

    Parece que mesmo as putas velhas arrepenidas que viram beatas conservam um pouco de semancol !

  47. Zbigniew said

    Pax,

    se o Brasil deixar de andar porque tem que resolver o problema da roubalheira e de “cagadas sócio-ambientais”, vamos voltar à idade média.

    O combate à corrupção e o controle e proteção dos danos sócio-ambientais deve ser concomitante. Outrossim toda obra dessa envergadura importa em algum tipo de dano, mas não deveria importar em roubalheira. Neste ponto onde estão os órgãos de fiscalização? O MP, os Tribunais de Contas? Há algo de muito errado em tudo isto. E aí vamos entrar na questão do fisiologismo, das alianças para a governabilidade, no PGR engavetador, das prefeituras e da educação, etc.

    Quanto a obra estar orçada em R$ 30 bi, faço a mesma pergunta acima.

  48. Michelle 2 said

    Espasmos – VALDO CRUZ
    FOLHA DE SP – 06/05

    BRASÍLIA – Este é um governo que vive, muitas vezes, de espasmos. A prioridade de hoje cede lugar a outra no dia seguinte. O que foi urgente ontem pode não ser amanhã.

    A avaliação, em tradução livre, é de um assessor que segue de perto o vaivém de pedidos vindos do Palácio do Planalto. Visão compartilhada por outros colegas questionados sobre tal análise do cotidiano do governo Dilma Rousseff.

    Comum entre eles está o fato de destacarem que todas as encomendas da chefe são bem-intencionadas, mas falta uma certa paciência para aguardar os resultados de uma ação antes de partir para outra.

    Pior. Certas medidas levadas ao forno com recomendação expressa de fogo alto ganham a temperatura de banho-maria diante do surgimento de uma nova demanda.

    Até pouco tempo a montagem dos leilões de rodovias consumia toda a energia do governo. Hoje o foco está na máquina de lavar subsidiada do Minha Casa Minha Vida.

    Resultado: o programa de concessão de estradas ainda é visto como “prioridade”, mas já está atrasado por conta de indefinições na taxa de retorno dos investimentos.

    Enquanto isso um projeto de foco questionável, que dará subsídio para beneficiário do Minha Casa Minha Vida comprar fogão, geladeira e outros produtos, ocupa mais tempo na agenda dos técnicos.

    No balanço das prioridades, faria bem mais sentido dedicar muito mais atenção ao programa que vai elevar os investimentos no país até que ele estivesse pronto para decolar. Só que ainda não está.

    Algo difícil de compreender. Afinal, há consenso dentro e fora do governo de que o Brasil patinou nos dois primeiros anos da era Dilma Rousseff porque houve uma parada nos investimentos.

    No atual ritmo, o risco é o programa de concessão de rodovias e ferrovias virar realidade de fato só em 2014. Aí, além do país, quem também sofrerá é a candidata Dilma.

  49. Michelle 2 said

    Eu não tenho a menor dúvida que JB o presidente do STF é honesto e bem intencionado. Mas se revela a cada dia mais um rinoceronte em loja de cristal.
    Emprestando do Romário: Joaquim Barbosa calado é um poeta!

  50. Pax said

    E lá vamos nós…

    39o ministério, pra burocratizar a desburocratização… vai dar em nada.

    Quer dizer, claro que vai dar, mais cargos em comissão, mas grana pra lá, pra cá, e nada pros brasileiros, só mais um cabidão pra empregar uma galera pra fazer porcaria nenhuma e abrir as brechas de cofres públicos.

    tudo em nome da governabilidade.

    Agora com o Kassab, do DEM, quer dizer, do PSD.. e Afif Domingues, vice do Alckmin.

    Caramba. Dá um tempo aí que vou ali regurgitar um pouco.

  51. Michelle 2 said

    Pax devia ter começado a regurgitar antes: há 2 anos atrás – quando dilma foi eleita, numa eleição pra lá de viciada.
    Agora é tarde.Vá reclamar pro bispo! hehehe
    eu lamento.

  52. Michelle 2 said

    Pax
    P.S. A idiotice tem preço. hehehe

  53. Michelle 2 said

    Pax

    A idiotice tem preço. Veja o que lula fala, hoje:
    “Ao pregar o diálogo entre diferentes forças políticas, Lula diz que seu medo “é que se passe a menosprezar o exercício da democracia e se comece a aplicar a ditadura de um partido sobre os demais”. Hoje, o governo Dilma Rousseff enfrenta críticas por tentar aprovar uma lei partidária que prejudicaria potenciais adversários nas urnas de 2014, como a ex-senadora Marina Silva.”

    Pax vc é idiota ou foi enganado?

  54. Michelle 2 said

    Pax …acho que vc foi enganado!

    Amigos e amigas do blog, vejam a notícia abaixo publicada pela oficial Agência Brasil.

    Pergunto: por que médicos de CUBA? Ou, melhor: por que SÓ médicos de Cuba???

    A Europa vive uma crise brutal. Há médicos querendo emigrar em vários países, inclusive na Espanha, país muitíssimo mais adiantado do que Cuba, ou em Portugal, para não mencionar outros de idiomas mais distantes do português.

    Estarei paranoico se julgar que Cuba tem outros interesses — interesses políticos, ideológicos, doutrinários, estratégicos — ao enviar esse exército de profissionais para cá? Todos devidamente educados sob a feroz ditadura dos irmãos Castro?

    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/bolivarianismo-em-andamento-nao-faltava-mais-nada-o-governo-quer-trazer-6-mil-medicos-cubanos-para-o-brasil-pergunto-por-que-so-cubanos-ha-medicos-precisando-de-emprego-na-espanha-em-portugal/

    Não há como discordar…a cigana te enganou, Pax.
    Vc era puro e sincero e agora está assustado com a realidade
    hehehe

  55. Jose Mario HRP said

    Não me consta haver médicos ibéricos desempregados.
    Já os cubanos sim.
    Além disso portugueses e espanhóis não iriam querer trabalhar em favelas, hospitais paupérrimos e nas selvas.
    Questão até de racismo.

  56. Pax said

    De 2002 pra cá o que aconteceu com a telefonia? Móvel e fixa?

    Despencou a qualidade. Vendem mais do que tem, oferecem o que não tem, um lixo com tendência de piora.

    http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-05-06/piora-avaliacao-dos-usuarios-sobre-os-servicos-de-telecomunicacao

    É o que dá adotar modelos “Rosemary” nas agências regulatórias.

    A ANATEL é um lixo, assim como todas as outrs agências.

    Rumo ruim.

    Culpa?

    Peraí que vou ali perguntar pra “Rose”.

  57. Jose Mario HRP said

    Esse mesmo STF que julga tão célere e rigorosamente a 470, se nega a por na pauta centenas de ações de federações sindicais dos trabalhadores contra isto aqui:

    http://jus.com.br/revista/texto/9260/o-dissidio-coletivo-apos-a-emenda-constitucional-no-45

    Muito conveniente , certo?
    STF patronal?

  58. Jose Mario HRP said

    Pax, a telefonia é lixo antes e depois das privatizações do FHC e Sergio “GATO” Mota!
    Aí tem mais culpados!

  59. Zbigniew said

    Vamos ver se o PT tá aprendendo a exercer o poder “de factum”.
    Se o Zavascki melar o acórdão do Barbosão (o Zavascki defende a tese de que cabe ao Congresso a última palavra sobre cassação de parlamentares).
    Cassada a liminar do Gilmar, a emenda tramitar e conseguir ser aprovada, evitando que o Mobilização Democrática do Roberto Freire e o Rede Sustentabilidade da Marina Silva venham a tomar vida.
    O movimento à direita da Dilma (o Eduardo também o fez, com o Serra, o Aécio, o Roberto Freire, o Jarbas Vasconcelos e o Ronaldo Caiado) com a jogada no Afif para a Secretaria da Micro Empresa, com status de ministério.
    É assim que se joga. Pesado.
    Falta colocar o pé no pescoço da Globo. Entretanto não acho que a Dilma vá bancar esse movimento. A Globo realmente não é o Clarín. Ao contrário do congênere brasileiro, o grupo argentino não tinha políticos como sócios. Ou se os tinha, não eram tão importantes. E a Globo tem, e muitos. Basta ver quem são os retransmissores, as filiadas, e quais os políticos associados (seja de que forma for). Quebrar essas conexões importa em mexer com patrimônio e cultura política e econômica. Nessa linha, até para mexer com o futebol é difícil, porque ninguém quer perder audiência. Se a Globo perde, os políticos também. Pelo menos os caciques. Sobra apenas a propaganda oficial. Mas aí o PT acha que não vale a pena. Apela para o controle remoto. Até porque a Dilma é fã das novelas da emissora. Vai tentar no voto que é onde ainda está dando certo.

  60. Zbigniew said

    Ah! E usemos o arauto da imprensa brasileira para falar da… imprensa brasileira:

    “O Brasil tem hoje três principais jornais nacionais impressos, todos mais ou menos inclinados para a direita no campo das ideias”;

    “Eu não seria sincero se concluísse a apresentação sem trazer a público desvantagens que vejo em meu país acerca da informação, da comunicação, da liberdade de expressão e de imprensa: o problema está, basicamente, na falta de um pluralismo forte [na imprensa]”.

    “Entremeadas, citações à ausência de “pluralismo” e à “fraca diversidade política e ideológica da imprensa brasileira”.”

    Barbosão.

    Curioso que ele, tão sincero nas suas colocações quanto à nossa querida e zelosa velha mídia, não cansa de ser usado pela mesma. Ah! os holofotes… Ah! a vaidade, essa fraqueza humana…

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/101005/Direita-viu-em-Barbosa-atalho-para-o-conservadorismo.htm

  61. Zbigniew said

    A Globo é tão forte no nosso imaginário que a tratamos como um ser político, com personalidade e vontade próprias. Talvez fosse melhor nos referirmos aos irmãos Marinho: O João, o José e o Roberto Irineu.

  62. Jose Mario HRP said

    Pergunte por aí as pessoas sobre uma possivel lei dos médios.
    A resposta mais dada será que será uma lei para cercear a imprensa, e amordaçar os meios de comunicação particulares.
    A maioria das pessoas nem imagina o que é discutido sobre como seria e o que conteria uma possivel “lei dos médios” brasileira, mas a massificação desses mantras de controle e repressão por parte da PIG já fez a lavagem cerebral no povão.
    Mais uma vez o brasileiro marionete standart baseia suas opiniões no que “dá na Grobo, na Óia e na Fôia”!

  63. Jose Mario HRP said

    Xeque Mate na oposição?
    O jogo politico é para estômagos fortes, mas a oposição , se pudesse, faria o mesmo!
    KKKK

    http://nogueirajr.blogspot.com.br/2013/05/xeque-mate.html

  64. Patriarca da Paciência said

    “No Brasil, negros e mulatos representam 50% a 51% população. Mas não brancos são bem raros nas Redações, telas de televisão, sem mencionar a quase abstenção deles nas posições de controle ou liderança na maioria dos veículos. É quase como se não existissem no mercado das ideias. Raramente são chamados para expressar pontos de vista ou especialidades, salvo nas situações de estereótipos”;

    “As pessoas são tratadas de modo diferente de acordo com seu status, sua cor de pele e o dinheiro que têm”.

    Não poderia ser diferente em uma imprensa “inclinada para a direita” e com “fraca diversidade política e ideológica”. O conservadorismo político e ideológico é conservadorismo social que é conservadorismo também racial. Aqui, está tudo no mesmo trono. Sem que a raridade de não brancos seja uma peculiaridade da imprensa, e sem que haja nas Redações, em geral, uma predisposição pensada.

    Entre as inevitáveis respostas sobre o Judiciário, não muito menos críticas, o ministro mencionou, segundo uma das notícias a respeito, certo dado perturbador: “(…) a Suprema Corte, que tem 60 mil casos aguardando julgamento, casos que afetam a sociedade (…)”.

    A “imprensa se inclina para a direita” e o Judiciário se inclina para a inutilidade social, pois. O que dá no mesmo, como inclinação.”

    (Jânio de Freitas, apud Joaquim Barbosa)

    O Rola Bosta 100% idiota tem por costume pegar textos alheios e ficar “analisando” item por item.

    Taí uma boa sugestão para as “análises” do rola-bosta 100% idiota.

  65. Pax said

    Vocês estão falando da Globo… ok… mas olha só uma outra visão desta questão. No Facebook do Idelber.

    Idelber Avelar Guarani Kaiowá
    há 13 horas
    Os governistas adoram falar de “PiG” e de “Globo quer derrubar a Dilma” e coisas do gênero. E o que realidade continuamente nos mostra é que em tudo o que importa — modelo energético, modelo fundiário, Direitos Humanos etc. –, os grandes grupos de comunicação estão em absoluta sintonia com o governo e este em sintonia com eles. É por isso, caros amigos progressistas, que a Dilma não está nem aí para as reivindicações de vocês. Não é porque ela seja “ingênua” ou esteja “dormindo com o inimigo”.

    Querem dois exemplos? Exemplo 1, Jornal o Globo: http://glo.bo/16d16NW. “Governo acusa indígenas invasores de Belo Monte de ligações com garimpo ilegal”. OK, abstraia por um minuto a questão de se isso procede ou não. O mais elementar princípio jornalístico requer que você ouça os dois lados. Leia a matéria d’O Globo. São quatro parágrafos de pura assessoria de imprensa para o governo. “O governo diz que as lideranças não são legítimas”; “o governo diz que os índios têm ligação com garimpo ilegal”; “o governo diz que …” O que dizem os índios? Não sabemos, o Globo não nos conta. E não nos conta porque não foi lá saber, porque fez “jornalismo” baseado numa nota da Secretaria da Presidência da República. Ora, se eu quiser ler a nota da Secretaria da Presidência, leio por minha conta no site deles. Não preciso d’O Globo para repeti-la. Preciso que o jornal faça jornalismo, ou seja, que procure saber algo além disso.

    Exemplo 2, também das organizações Globo: http://glo.bo/11Os08H. “Polícia Federal abre investigação sobre ocupação em Belo Monte, no PA”. Agora são seis parágrafos, todos eles escritos do ponto de vista das assessorias de imprensa da Polícia Federal e do Consórcio Belo Monte: “cabe à Polícia Federal apurar a possível participação de não índios na ocupação”. Uai, por que “cabe apurar” isso? É verdade que o Juiz determinou que a PF apure a participação de não índios na ocupação, mas não se impõe um questionamento aqui? Por que haveria que se investigar alguém por participar em uma ocupação pacífica na qual não há sequer denúncia de crime nenhum? E, de novo, a PF diz, o Consórcio diz e … o que dizem os índios? Não sabemos, O Globo não nos conta, porque passa seis parágrafos fazendo assessoria de imprensa para o Consórcio Belo Monte.

    Eita, governistas, esse PiG anda realmente malvado e querendo derrubar o governo, hein?

    Será mesmo que a militância petista sabe o que rola na alta esfera petista?

    Tenho minhas dúvidas.

    Toda militância acaba sendo massa de manobra, vida de gado.

  66. Zbigniew said

    Não generalize, Pax. O Idelber está te induzindo.

    Obviamente que Organizações Globo e Governo podem falar a mesma língua. Depende dos interesses envolvidos.

    Na atual situação, se a Globo verificar que a oposição não vai ter forças para retomar o poder, e que, muito pelo contrário, corre um sério risco de perder o estado mais rico do país; tampouco a associação com o STF/PGR vai trazer os resultados esperados, ela vai mais é cuidar dos próprios interesses, porque poder de barganha ela tem, e muito.

    E, logicamente, o PT vai adorar não ter que enfrentá-la movimentando suas forças no Congresso, até porque não tem forças para isso. Digo mais. Muita gente dentro do PT queria ter a Globo como parceira, substituindo o PSDB na relação. Aí eu já acho que quem vai ter que mudar é o PT.

  67. Pax said

    O Idelber é parte das minhas leituras, caro Zbigniew. Pequena parte. E a parte que me interessa do que o Idelber fala atualmente é sobre as questões indígenas. Ele comprou uma briga que eu olho não tão de perto, mas não tão de longe, também.

    Acontece que o Idelber é obsessivo, ele vai fundo, sempre foi um blogueiro e um ativista da internet respeitado (e odiado tb). Porque? Exatamente porque disse acima, porque ele vai fundo.

    Então, pensa um pouquinho aí…

    A Globo e o PT têm uma relação simbiótica. É uma simbiose entre canalhas, ora um acusa o outro, ora o outro usa um, ora os papéis se invertem… mas estão sempre neste troca-troca.

    O PT precisa de uma cara para estimular a militância, e aí ele diz uma coisa e faz outra.

    Só o PT? Claro que não, a política brasileira é isso aí mesmo, jogo de canalhas, ladrões etc. A gente esperava que o PT renovasse um pouco este quadro vomitável. Não foi o que vimos.

    Agora você fica pensando, acho que… “pô, o Pax virou oposição…”. E aí eu te digo: “quem, eu?”. Você acha que um dia eu votaria nesta oposição que aí está?

    Entre a merda e o estrume, fico com o menos pior.

  68. Zbigniew said

    Respeito suas escolhas de leitura, caro Pax.

    Só não me deixo instrumentalizar. O PT não tem cheque em branco e um dia a fadiga de material vai dar lugar a um outro, novo, talvez o ideal para as mudanças que tanto ansiamos.

    No fundo o problema é mais de sociedade e menos dos partidos. E isso leva muito tempo para modificar, às vezes mais do que uma vida. Por isso nos desiludimos facilmente. Prefiro olhar pelo que de bom foi e pode ser feito. E criticar o que de ruim continua sendo feito. Lutar para mudarmos, a partir de nossa própria conduta.

    Globo, PT, PSDB, Sarney, Barbosão, PGR, o que for. Cada um tem seus interesses. Mas se olharmos entre todos esses e muito mais, eu te diria que o PT, com todos os seus desvios éticos e guinadas pela governabilidade, trouxe melhoras significativas para a sociedade brasileira. Comparando com o mundo ideal, concordo que é o menos ruim.

    Outra: o que estimula a militância é muito menos o PT e mais a própria oposição e todas as forças que se reúnem em seu entorno.

  69. Otto said

    Pax:

    o PT tem uma série de problemas, entre eles um certo endireitamento…

    Mas, atualmente, olhando à esquerda e direita, não há alternativa.

    À esquerda, só o PSTU (porque o PSOL é UDN travestida.)

    Todos os outros (Eduardo Campos, Marina) estão se posicionando à direita.

    E são brincadeira…

  70. Michelle 2 said

    Pax

    You can’t fix stupidity.

  71. Michelle 2 said

    You can’t fix stupidity.2

    http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2013/05/1274258-presidente-venezuelano-ironiza-uso-indevido-de-musica-de-roberto-carlos.shtml

  72. Zbigniew said

    Como o cara é um desonesto intelectual, teve que se sair com esta: ” a OMC é um organismo irrelevante”. Cada vez mais rola-bosta. Patético.

  73. Michelle 2 said

    Pax

    You can’t fix stupidity.
    O ZIB não leu. E se lesse não entenderia…hehehe.
    Mas como militonto já cagou suas regras petralhas!

    A ONU inteira é irrelevante, idiota.
    Já sabemos quem manda…ou não?
    Ou vc acha que algum dia a ONU vai falar alguma coisa contra os interesses americanos?
    Se fosse importante os US teriam eleito outra pessoa ( interesse) pois eles “mandam prender” na ONU.

    Sonho de idiota envelhecido. Não pode ser consertado.

    Pode remover o equino da intempérie! A OMC é irrelevante, sim.

  74. "You can’t fix stupidity" said

    Aviso ao Pax
    Estou trocando eu nick. Meu nick de agora em diante será:

    “You can’t fix stupidity”

  75. "You can’t fix stupidity" said

    Lmbra da Dilma tocando a “caxirola” do sem vergonha do C. Brown o genro do Chico (?) …poi é veja a sua brilhante ideia de onde surgiu:
    http://www.amazon.com/s/ref=nb_sb_noss_2?url=search-alias%3Daps&field-keywords=caxixi+&rh=i%3Aaps%2Ck%3Acaxixi

    E dilma e marta suplicy fazendo merchandising pra este sem vergonha, na NBR Hein?

    “You can’t fix stupidity”

  76. "You can’t fix stupidity" said

    http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2013-05-05/governo-gasta-menos-de-13-do-previsto-para-combater-violencia-contra-mulher.html

    “You can’t fix stupidity”

  77. Zbigniew said

    Olha,
    O choro é livre, bem como o esperneio.

    “COM AÇÃO DE DILMA, VITÓRIA NA OMC QUEBRA MITOS

    Ao ler, há seis semanas, notícias de que embaixador Roberto Azevêdo avançava na disputa por comando da OMC, presidente mandou chamá-lo de Genebra a Brasília; “O que o sr. precisa?”, perguntou-lhe Dilma Rousseff, em apoio, como apurou 247; “Voar muito, se possível com um avião à disposição, e três assessores”, respondeu o candidato; presidente, então, deu ordens para atendê-lo e determinou que coordenação de campanha fosse feita pelo ministro Fernando Pimentel; chanceler Antônio Patriota levou reprimenda por não informar antecipada e corretamente o quadro da disputa; triunfo brasileiro abate mitos de país comercialmente fechado, sem liderança política internacional e estrategicamente errático; mídia tradicional, desinformada, apostou na derrota e perdeu mais essa.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/economia/101130/Com-ação-de-Dilma-vitória-na-OMC-quebra-mitos.htm

  78. Pax said

    Um ministério… em troca

    Fernando Rodrigues ‏@FR_BSB 3m
    PSD completa amanhã 12 apoios estaduais para a reeleição de Dilma http://uol.com/bjc1SF

  79. Otto said

    Pax, leia com atenção e me diga se não houve mesmo dois pesos e duas medidas:

    Explicações devidas no mensalão

    “Cadeia para os mensaleiros!,” gritam com impaciência tantos comentaristas políticos.

    Sugerem que o breve ritual jurídico que antecede os capítulos finais da ação penal 470 pode se transformar num exercício de impunidade, quando não passa de uma estreita brecha para se tentar garantir – é apenas uma possibilidade, vamos combinar — o sagrado direito de defesa.

    Ao contrário do sujeito que sequestrou uma família ou mesmo um homicida com vários cadáveres no currículo, os condenados do mensalão não terão direito a uma segunda sentença por outro tribunal.

    Como se sabe desde o ano passado, as garantias dos condenados foram reduzidas de modo seletivo pelo próprio STF, que negou aos acusados do PT um direito que assegurou aos similares do PSDB – o desmembramento do processo. É uma decisão tão absurda que dificilmente será repetida.

    No mensalão do DEM, ainda em fase preparatória, tem-se como certo que se fará o desmembramento. Os condenados do PT, assim, serão os únicos a ter uma única chance de defesa, o que torna sua situação especialmente grave.

    Chegamos, então, ao momento da tragédia anunciada quando o plenário recusou o pedido de desmembramento.

    Em busca de uma nova chance para serem ouvidos, cinco réus lutam para ter um segundo relator.

    Seria uma solicitação legítima e razoável, em qualquer situação, a partir do princípio elementar de que a mente que condena não pode ser a mesma que avalia a condenação. O tribunal também não cultiva a tradição de manter um relator que acumula a presidência da casa.

    A solicitação torna-se ainda mais pertinente quando se recorda a atuação de Joaquim Barbosa durante a ação penal, claramente alinhada com a acusação, conforme assinalaram tantos observadores.

    Pelo que se apura no ambiente jurídico de Brasília, a troca de relator será uma empreitada dificílima e quase impossível. Não está garantido, na verdade, que os condenados terão direito a um debate produtivo, onde poderão apresentar seus pontos e argumentos com clareza.

    Joaquim Barbosa já pediu a opinião do procurador geral da República, aquele que queria mandar prender os condenados antes da publicação do acórdão da sentença, o que é pouco estimulante.

    Pelo mesmo motivo, é fácil adivinhar que, se tudo der errado em Brasília, mais tarde os condenados poderão enfrentar problemas semelhantes para serem ouvidos pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, na Costa Rica. Em várias oportunidades, ministros do STF já condenaram essa iniciativa. Eles estão atuando para isso.

    Lembro que, por motivos óbvios, uma denúncia à Corte Interamericana era motivo de preocupação de governos arbitrários e ditaduras escancaradas. Claro que, naquele período, estava em jogo a decisão de tribunais militares, onde os direitos do Direito não podiam expressar-se. Ninguém esperava decisões com base em métodos democráticos. Era a violência, a covardia, o abuso.

    O que se queria naquele tempo era o silêncio, a submissão. A pena do então preso político na Justiça Militar José Genoíno foi agravada porque ele denunciou que havia sofrido torturas.

    Em vez agradecer tamanha coragem numa hora tão difícil, abrindo imediatamente uma investigação a respeito, o que seria próprio de juízes dignos de seu trabalho, puniram a vítima.

    Sob um regime democrático, a Justiça não pretende mudar a história nem redesenhar a paisagem do mundo – missão que cabe ao povo de cada país, seja pela sua mobilização, seja pelo voto popular, pela aprovação de leis no Congresso.

    À justiça cabe aplicar a lei.

    O professor Celso Bandeira de Mello, responsável pela indicação de Carlos Ayres Britto para o Supremo, costuma explicar que a justiça é, essencialmente, conservadora. Ela deve confirmar o que está pactuado entre os homens.

    E é por isso que ela dá segurança ao cidadãos.

    Para cumprir sua missão, ela permite recursos, revisões e novos recursos.

    Aprendemos que — em última análise — é preferível ter um culpado solto do que um inocente atrás das grades. Se você acha que isso é receita de pizza, como sugere a turma do linchamento, precisa ler Voltaire.

    Num mundo sem santos, a ideia não se resume a lembrar que toda pessoa é inocente até que se prove o contrário.

    É dar todas as chances aos juízes – estes homens do Estado — para evitar uma injustiça, uma derrota vergonhosa da civilização.

    No mensalão, não estamos falando de penas leves nem punições passageiras, mas de gente condenada a 40 anos, como Marcos Valério, a 25 anos, como o publicitário Cristiano Paz, de José Dirceu, condenado a dez anos.

    Não consegui ler os embargos de todos eles.

    Mas li, por exemplo, o recurso de Henrique Pizzolato, que durante anos frequentou as páginas da imprensa como um dos vilões prioritários.

    Pizzolato é o diretor do Banco do Brasil que foi acusado de ter desviado R$ 73 milhões para as agências de Marcos Valério. Acabou condenado a 12 anos e 7 meses, além de R$ 1,3 milhão de multa.

    Está tudo 100% claro e confirmado em sua condenação?

    A leitura do embargo declaratório mostra que não. Nem de longe.

    A principal observação do embargo de Pizzolato é lembrar que diversos documentos – que constam dos autos – não foram levados em consideração pelo tribunal. Eram provas que poderiam ajudar em sua defesa. Não precisavam ser aceitas. Mas poderiam ter sido consideradas, avaliadas e respondidas – ainda que fosse para rejeitá-las de forma integral.

    Um julgamento não pode ser um ambiente de reações optativas, ao sabor de preferências pessoais e gostos do momento – como um debate sobre escolas literárias.

    Comecei a contar o número de vezes em que, conforme o recurso, o tribunal desconsiderou testemunhas e documentos, mas perdi a conta. Mais do que o registro numérico, vale a definição. O silêncio diante de contradições e episódios não explicados é um dado constante.

    Como observou Raimundo Pereira na revista Retrato do Brasil, são páginas e páginas que desmentem aquilo que se disse e se falou.

    Em vários momentos, os advogados de Pizzolato citam documentos oficiais e testemunhas críveis que podem dar sustentação a seus argumentos. Apresentam dados impressionantes e conclusivos, revelações chocantes e de impacto. O que aconteceu com isso?

    Nada. É o discurso único, unilateral e unidimensional. (Lembrando os anos 60, poderíamos recordar uma obra Herbert Marcuse, crítico da alienação na sociedade contemporânea, correto?)

    Claro que ninguém é obrigado a considerar que um determinado documento deve definir o rumo de um julgamento ou mesmo dar a base, isoladamente, para uma nova convicção. Você pode ler um documento – ou ouvir uma testemunha — e achar que é uma grande besteira ou mesmo uma falsificação marota. Isso acontece todo dia num tribunal.

    A questão é que, num julgamento, espera-se que os dois lados sejam pesados e avaliados. Mesmo quem despreza uma prova trazida pela defesa, ou pela acusação, deve dar explicações — com lealdade – em seu voto.

    Não pode fingir que não ouviu. Se o documento é pura malandragem, isso precisa ser explicado e argumentado.

    Se a testemunha é uma fraude, deve ser desmascarada. Até porque pode haver um novo crime aí, concorda?

    Pizzolato é acusado de desviar dinheiro publico, do Banco do Brasil, em troca de “vantagem indevida”. Seria o condenado ideal: abriu o cofre e pegou sua parte. Muitos petistas acreditaram nisso, na época.

    O embargo mostra que a partir das provas disponíveis após sete anos de investigação não há como sustentar uma coisa nem outra. Mostra que não há meio para sustentar que ocorreu desvio de dinheiro público. O Banco do Brasil, que teria sido a parte lesada, não acha isso. A Visa também não.

    Nenhuma dessas instituições solicitou a Pizzolato a devolução de recursos desviados – o que seria a obrigação de qualquer dirigente que se preze, sob o risco de ser acusado de cumplicidade numa ação na Justiça.

    Quanto à vantagem indevida, meus amigos, virou fumaça. A quebra de sigilo das contas pessoais, a evolução do patrimônio e dos investimentos de Pizzolato não apontaram para nenhuma irregularidade, nenhum centavo fora de lugar. Chato, né?

    Para quem ficou indignado com o desmembramento do mensalão, que garantiu que os acusados do PSDB-MG fossem julgados em primeira instância — sem falar, claro, de políticos com mandato — com direito a uma segunda sentença em tribunal superior, o embargo de Pizzolato apresenta uma informação espantosa. Mostra que a opção seletiva, que prejudicava petistas e confortava homens de confiança do PSDB, começou antes.

    Entre diretores e gerentes do Banco do Brasil, acusados de envolvimento no esquema, a denúncia encontrou cinco nomes. Desse total, quatro estão sendo investigados — em segredo — pela Justiça comum. Entre eles, até o responsável pela prorrogação dos contratos da DNA, de Marcos Valério, com o governo Lula, definida antes mesmo que Pizzolato fosse empossado.

    Outro dado. Em 2001, dois anos antes da posse de Lula no Planalto, a DNA começou a receber recursos da Visanet.

    Ou seja: se você acredita que havia um esquema para favorecer Valério no Banco do Brasil, precisa admitir que ele não esperou Pizzolato para começar a funcionar. E deve perguntar por que o ultimo a chegar foi o único a sentar-se no banco dos réus do STF. Mistério?

    Estes diretores eram remanescentes do governo FHC, e foi naquela época que o mensalão PSDB-MG desembarcou em Brasília, ainda em sua fase puramente tucana, procurando meios para pagar Valério pelas contas da campanha de Eduardo Azeredo, de 1998. O embargo deixa claro que dois deles, pelo menos, tinham uma responsabilidade funcional superior a Pizzolato.

    Eram homens de confiança do PSDB que foram mantidos na transição para Lula. Não foram importunados pelo STF, porém.

    Não há explicação razoável para um tratamento tão diferenciado, dizem os advogados de Pizzolato. A explicação jurídica é pueril: nenhum dos outros implicados era parlamentar nem ministro. Nenhum tinha direito ao “fórum privilegiado” do STF. Muito justo.

    Mas se esta era a razão, falta explicar por que essa regra não beneficiou Pizzolato.

    Outro dado espantoso. O desmembramento do mensalão mineiro foi uma decisão tomada em público.

    O desmembramento dos acusados do Banco do Brasil – todos os nomes foram apontados em 2005 pela CPMI dos Correios – só foi divulgado no final de 2012, quando o julgamento se aproximava do final. Naquele momento, uma reportagem da Folha de S. Paulo contou o que acontecia. Até então, a investigação era mantida em segredo – desde 2006.

    Os advogados de Pizzolato só tiveram acesso ao conjunto dos documentos desse inquérito sigiloso em 19 de abril de 2013, uma semana antes do prazo final para entrar com o pedido de embargo.

    Naquele momento, Pizzolato já fora condenado a 12 anos de prisão.

    A defesa de Pizzolato consegue sustentar, com consistência, a visão de que, pelo seu lugar no Banco do Brasil, a denúncia padece de uma falha de princípio. Ele não poderia ser acusado como autor de um crime – na pior das hipóteses, seria co-autor.

    Mais grave.

    O principal elemento para acusar Pizzolato eram notas técnicas favoráveis à agência de Marcos Valério. Mas ele nunca assinou uma nota sozinho. E não assinou todas as notas.

    Um diretor que assinou todas elas, aliás, não foi lhe fazer companhia no STF. Por quê? Ninguém sabe, ninguém explica.

    São fatos que dão o que pensar. Seria bom, para o país, que fossem devidamente analisados, explicados e respondidos , concorda?

    http://www.istoe.com.br/colunas-e-blogs/colunista/48_PAULO+MOREIRA+LEITE

  80. Zbigniew said

    Para além da questão da economia há um grande problema a ser enfrentado pelo governo Dilma. A comunicação. É patente que há problemas nesta seara e que a velha mídia tem tomado a dianteira da massificação de suas impressões, como a volta da inflação desenfreada, a leniência do governo, o possível apagão, a necessidade do aumento dos juros e até o do aumento do desemprego para reduzir a pressão dos salários que estariam valorizados e forçando o aumento da demanda interna (curiosamente num país cujo pib é retratado como ridículo por essa mesma mídia).

    Verdade que comunicação sem o dado de realidade não vale muita coisa, mas sua massificação como sói os meios de comunicação sabem fazer podem induzir a comportamentos muito comuns aos inocentes, incautos ou aproveitadores.

    Neste ponto é obrigação do governo posicionar-se firmemente no sentido de contrapor à fábrica de consensos. O Lula fazia isso muito bem. Não à toa que dia sim, outro também, era defenestrado pela nossa zelosa mídia.

    O texto é longo e peço licença ao Pax para aqui colocá-lo na íntegra (uma vez que se trata de um comentário ao post do Nassif) para quem quiser lê-lo e sobre ele refletir.

    “Por O.A. (comentário ao post http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-situacao-do-jogo-eleitoral-para-2014)

    Para além do “Fala, Dilma!”

    A presidenta Dilma Rousseff precisa melhorar a comunicação de seu governo. Há dois anos, quando iniciou seu mandato, esta parecia ser uma questão relacionada à diferença de estilo pessoal entre Dilma e Lula: enquanto o ex-presidente falava à vontade e abusava de improvisos, principalmente em seu segundo mandato, a nova mandatária, além de se dedicar mais ao trabalho interno necessário ao início de governo, não se via tão à vontade para exibir seus dotes como oradora. Passado este tempo, ficou claro que o problema não é apenas uma diferença pessoal de estilos.

    Os grandes veículos de imprensa brasileiros dedicam especial atenção a este aspecto dos governos, uma atenção que se renovou após o governo do presidente Lula. Logo após a posse de Dilma, um texto do caderno editorial da Folha de São Paulo avaliava o significado daquele momento: o diagnóstico era que Lula falava demais e com isso ocupou um espaço que a própria imprensa não conseguiu ocupar. Ou seja: Lula teria conseguido se comunicar diretamente com a sociedade, especialmente com aquela parcela da sociedade que apoiava seu governo. Daí porque, com o argumento de que as oposições estavam enfraquecidas e não cumpriam bem o seu papel, a grande imprensa brasileira optou por manter uma crítica de viés oposicionista ao governo petista, com direito a comentários raivosos sobre os erros de português e as metáforas do presidente Lula. Com a posse de Dilma, avaliava o mencionado editorial, a imprensa via aberta a oportunidade de resgatar o seu papel: assumir a frente na formação da opinião pública. Dilma, que viu pesar sobre si o fardo da comparação com o carisma de Lula, necessariamente falaria menos que seu antecessor.

    De certa forma, isso aconteceu. Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência, reconheceu em entrevista sobre os dez anos de governo petista que não há uma capacidade ampla de contrapor leituras da realidade, comentando a narrativa que afirma ser o PT o partido mais corrupto de nossa história. A posição de Dilma sobre liberdade de imprensa é inequívoca e é correta. É significativo que a representante de uma geração que viu sua posição política tornar-se clandestina afirme seu repúdio ao silêncio das ditaduras. Isso não deveria se traduzir numa atuação tímida ou mesmo na inércia do governo no campo da comunicação.

    De fato, a geração de Dilma não teve a oportunidade de se formar falando abertamente todo e qualquer discurso político. Falavam apenas entre os pares e, mesmo assim, de forma muito cifrada e contida. Dilma chegou mesmo a expor o quão doloroso pode ser o contexto de uma fala no dia em que o senador Agripino rememorou as mentiras que ela havia contado aos torturadores. Mas Dilma tornou-se presidenta da República. Isso significa que, mais do que outros que passaram pela mesma experiência de clandestinidade, ela não pode se dar ao luxo de ser inibida diante da obrigação de falar.

    O assunto não é trivial. Os críticos de Dilma estão sempre atentos aos discursos da presidenta. Ao lançar seu plano de erradicação da pobreza, Dilma preparou um discurso no qual pontuou a importância do tema e, visivelmente alegre com a ocasião, afirmou que, como presidenta, não poderia se dar ao luxo de ser refém do medo ou da timidez. No dia seguinte, algum grande jornal afirmaria que esta foi uma fala pueril para uma presdente da República. Ao lançar o programa “Viver Sem Limite”, ela disse que aquele era “um momento que valia a pena ser presidenta”. Na posse de Marcelo Crivela, Dilma referiu-se ao “fardo de governar”. Nenhuma dessas falas passou desapercebida pela imprensa: notaram nisso um certo desgosto de Dilma com os infortúnios do cargo.

    Em suma, cada vez que Dilma ensaia aparecer entabulando um discurso que, afinal, exponha sua personalidade, ela recebe uma rajada de críticas. Alguns observadores consideram que a imprensa, agora, iniciou uma nova fase: os ataques pessoais e a tentativa de desqualificar Dilma. A revista Época sugeriu à presidenta que falasse menos. Por outro lado, na blogosfera, é possível ver com frequência o seguinte apelo: “Fala, Dilma!”. Muitos analistas compartilham a percepção de que o governo toma decisões importantes sem conseguir explicá-las à sociedade. Houve quem se surpreendesse positivamente com o pronunciamento em rede nacional sobre a redução das tarifas de energia elétrica: Dilma fez uma fala firme, bem pontuada, não deixando de responder aos boatos que já ameaçavam serem tomados como verdadeiros. O resultado foi impressionante: a oposição manifestou publicamente sua insatisfação até mesmo com a cor da roupa usada: o terninho vermelho teria sido uma alusão imperdoável ao partido da presidenta.

    Apesar de eficaz, o tal pronunciamento, na verdade, chegou tarde. A imprensa vinha divulgando há meses um possível risco de apagão sem apresentar fundamentos. Chegaram a publicar que uma reunião ordinária do Ministério de Minas e Energia, prevista com grande antecedência, era uma reunião de emergência. A imprensa atuou contra o país, mais do que contra o governo. Diante dos chamados gargalos de infraestrutura, há um esforço coordenado pelo governo de atrair investimentos estrangeiros para o setor. Os investidores orientam-se por expectativas e pelo contexto de maior ou menor confiança. Os efeitos de um “risco de apagão” circulando como se fosse verdadeiro não é uma notícia neutra e imparcial numa situação como essa.

    Mas é na política econômica que o governo Dilma talvez menos comunique-se bem. Há uma orientação na política macroeconômica no sentido de induzir o crescimento sustentado, entendendo aí a importância da indústria local e dos investimentos. Há uma política clara de desoneração do setor produtivo. Toda uma retórica sobre inovação e agregação de valor. Há uma preocupação em criar condições de infraestrutura também para dar surporte à competitividade do país. E, sobretudo, uma coordenação bem sucedida de mudança no patamar da taxa básica de juros que regula a economia. Como disse uma vez o jornalista Jânio de Freitas, pode-se criticar este pacote, mas há que reconhecer nele uma coerência. O problema é que, uma vez realizado este esforço, o governo parece esperar que este reconhecimento se dê espontaneamente ou por uma súbita boa vontade da grande imprensa. Isso não vai acontecer. Quem só espera, nunca alcança, sugeria Chico Buaque em seu “Bom Conselho”.

    A conquista de um novo patamar da taxa de juro é noticiada diariamente como se significasse leniência do governo com a volta da inflação. Que a inflação tenha várias causas e que uma delas seja justamente a necessidade de elevação do nível de investimentos e da capacidade de oferta da economia, pouco se fala quando a discussão passa a coincidir com a agenda eleitoral da oposição. Sem dúvida, os recursos que o governo deixa de arrecadar com o conjunto de desonerações não estiveram desde sempre à disposição. Recentemente, um ministro de Dilma disse que a economia do governo com o pagamento de juros da dívida pública foi de aproximadamente 170 bilhões de reais em 2012. Ou seja: o governo não goza de uma situação confortável. A elevação da taxa de juros tem um coro a seu favor, engrossado por aqueles que ganham financeiramente com ela e também pelos que querem ganhar politicamente. Apesar disso, tal elevação é apresentada como o único remédio para a inflação. O governo sabe que juros mais baixos são duplamente úteis: liberam recursos do próprio governo para o investimento e fazem com com que o capital privado busque alternativas mais lucrativas que o rentismo. Ou melhor: faz com que o rentismo deixe de ser a alternativa mais lucrativa para o capital privado. Entretanto, não comunica isso de forma ampla e sistemática.

    De nada adianta a presidenta simplesmente indignar-se com a manipulação de suas declarações sobre inflação. Se essa indignação vier seguida de um recuo, será ainda pior. E isso tem muito a ver com a questão da comunicação. É curioso, a esse respeito, ouvir as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso num documentário que conta parte de sua trajetória política. A uma certa altura, FHC comenta sua ida para o Ministérioda Fazenda no governo Itamar Franco. Ele fala do Programa de Ação Imediata, que se desdobraria no Plano Real, e que tinha como objetivo o combate à inflação. Até aqui, nenhuma novidade. O curioso é o reconhecimento por parte de FHC que seu mérito foi essencialmente político. Ele contou com uma equipe de economistas que ele levou ao ministério e que tiveram a tarefa de desenvolver o plano. FHC diz que sua função foi importante pelo seguinte: os economistas têm ideias brilhantes, mas titubeiam na hora de colocá-las em prática, esperando que todas as variáveis estejam a favor. Seu papel foi explicar ao país, falar diariamente nas emissoras de rádio e televisão o sentido do programa. Ou seja, mais do que um grande mentor do Plano Real, FHC foi responsável por fornecer um discurso, justamente essa função que tantos, agora, queixam-se de faltar ao governo da presidenta Dilma.

    Ao longo destes dois anos, diversas críticas ao governo têm este ponto em comum: o governo se comunica pouco e, muitas vezes, se comunica mal. A comunicação afeta tanto a esfera estritamente política de um governo, quanto efeitos na economia e na sociedade. E não é uma questão de preferência: numa sociedade de massa a preocupação com a relação entre comunicação e opinião pública não é secundária. A Secretaria de Comunicação Social da Presidencia da República, hoje chefiada pela jornalista Helena Chagas, é responsável justamente por esta área do governo.

    Helena Chagas tem sua carreira ligada a grandes empresas de comunicação, tendo trabalhado no jornal O Globo e no SBT. Isoladamente, isso não representaria um problema para a comunicação do governo. Mas Dilma precisa de mais que uma gestão profissional a frente da comunicação. Como profissional, Helena Chagas parece ter sido uma jornalista que seguia estritamente a pauta colocada por seus patrões. Pesquisando um pouco, é possível encontrar sua participação no programa Roda Viva que entrevistou José Dirceu no auge das acusações do “mensalão” (a transcrição do programa encontra-se no site da FAPESP: http://www.rodaviva.fapesp.br/materia/146/entrevistados/jose_dirceu_2005.htm ). Ela foi uma das entrevistadoras mais atuantes a inquirir Dirceu. Em nenhuma questão, qualquer vestígio de independência. A presidência da República precisa ter uma comunicação capaz de formular uma comunicação própria, autônoma, de interesse público e não simplesmente ficar a reboque da pauta que interessa ao oligopólio da imprensa.

    Nas coletivas de imprensa, por exemplo, Helena Chagas atua como bombeira, tentando apagar qualquer sinal de incêndio entre Dilma e os jornalstas. Em coletivas mal organizadas, na qual os jornalistas assediam a presidenta de forma desordenada, ouvimos sempre a voz da ministra dizendo “agora ela tem que ir embora, gente, tchau e obrigada”. Em meio ao falatório sobre a volta da inflação, Dilma foi novamente questionada sobre inflação depois da tal fala manipulada. A ministra tentou pôr fim à entrevista. Dilma, irritada, cortou a ministra: “Não, não tem de dar tchau. O Brasil não flerta com a inflação…”. Está registrado para quem quiser ver e ouvir. Ficou a impressão de que a presidenta não trabalha em sintonia com sua própria equipe de comunicação. Orientar a presidenta a recuar, dizer tchar e mandar beijinhos, é pouco, é muito pouco para alguém que coordena a comunicação social. Embora recuar, neste campo, certas vezes, possa ser útil, há que se encontrar a melhor forma de avançar. Se Dilma não se sai bem em coletivas relâmpago, que se organize outro formato. Em entrevistas que exigem apresentação pessoal e dos veículos, os jornalistas tendem a elaborar melhor as questões, diminuindo o tiroteio de perguntas simultâneas e anônimas que deixam a presidenta acuada. Dilma deveria considerar a possibilidade de não apenas chamar o jornalista Franklin Martins para uma conversa esporádica, mas sim realizar uma troca de comando da SECOM.
    Dirigir-se a todos os brasileiros é uma prerrogativa de um governo democraticamente eleito. Não é uma escolha. E tampouco deve depender apenas da capacidade pessoal da presidente.”

    http://blogumlugar.blogspot.com.br/2013/04/para-alem-do-fala-dilma.html

  81. Pax said

    Olha o nível …

    http://oglobo.globo.com/rio/pastor-marcos-preso-acusado-de-estupro-8326282

  82. Pax said

    A oposição brasileira…

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2013/05/08/a-dez-dias-de-virar-presidente-do-psdb-aecio-neves-ainda-nao-se-entendeu-com-jose-serra/

    Mais ou menos como o time do meu Fogão, campeão carioca de 2013, jogasse com o time do asilo de velhos abandonados de uma cidade do interior.

    Quem ganhará?

    Aposto no Fogão. Claro.

    Ainda mais que no time do asilo da tal cidade, o goleiro briga com o zagueiro que quer fazer gol contra só de pirraça.

  83. "You can’t fix stupidity" said

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/101255/Caneta-de-Gilmar-pesa-como-os-tanques-de-1968.htm

    Pax: “Aposto no Fogão. Claro.” hehehe

    “You can’t fix stupidity”

  84. "You can’t fix stupidity" said

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,pt-se-divide-em-eleitoreiro-e-o-da-base-afirma-lula,1028247,0.htm

    E você vai votar em quem? No eleitoreiro ou no da base?

    “You can’t fix stupidity”

  85. Pax said

    Parece que os porcos não se entenderam ontem.

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2013/05/09/em-noite-reles-camara-vive-a-opera-dos-porcos/

  86. Jose Mario HRP said

    http://correiodobrasil.com.br/noticias/politica/revisao-do-julgamento-de-pizzolato-tende-a-mudar-os-rumos-da-ap-470/607365/

    Se “eles” não cederem, provavelmente a OEA vai ser acionada…….

  87. Jose Mario HRP said

    Essa medida provisória mexe com muitos interesses de graúdos!
    Daniel Dantas anda alucinado com o que será a concorrencia dos novos terminais portuários criados pela MP.
    Ele deve ter contribuido nesse show do milhão!

  88. Jose Mario HRP said

    Um pouco de humor somados a falta de boa politica e de ética:

    MENSALÃO PODE SER REVISTO
    Cai “quadrilha” e em “corrupção ativa” houve erro grosseiro.

    COMPARTILHE Vote: (+104) | Imprimir

    O ansioso blogueiro localizou Justiniano, autor de desprezível obra de Direito.

    Justiniano está em Bizâncio, a contemplar o Bósforo e o afundamento do julgamento do mensalão (o do PT):

    – Imperador, o Dirceu e o Genoino vão em cana.

    – Muito difícil.

    – Por que ?

    – O crime de quadrilha cai nos embargos.

    – E a corrupção ativa ?

    – Houve erro material.

    – O que é isso ?, perguntaria o Ataulfo (*).

    – Diga ao Ataulfo que houve erro grosseiro. Eles tinham que aplicar a pena da época do “crime”, que dá um ano. Foi o que fizeram com todos os outros. Menos com o Genoino e o Dirceu.

    – Quanto deram para o Genoino e o Diceu?

    – Dois anos.

    – Entao, os dois não vão em cana, como quer o Ataulfo.

    – Diga ao Ataulfo que, no caso do Genoino, pode haver até prescrição. E ele fica numa boa, lá na Câmara, atormentando o PiG (**).

    – E o Dirceu, prescreve ?

    – Pode até prescrever. Se não prescrever, ele fica em casa.

    – Como o Juiz Lalau ?

    – Não ! É diferente de “prisão domiciliar”.

    – O que é ?

    – Como o Estado não tem estabelecimento apropriado ao semi-aberto, ele fica em casa soltinho da silva.

    – Atormentando a Big House.

    – E o Ataulfo.

    – Exato, Imperador !

    – Ele só não pode ir ao exterior.

    – Não precisa. Basta ele assistir à Globo e ir ao shopping Iguatemi que ele pensa que está em Nova York.

  89. Jose Mario HRP said

    Sorry,
    Do Conversa Afiada.

  90. Patriarca da Paciência said

    “CERRA MORRE DE RIR DO GLOBO.
    E SE O PEPINO SUBIR ?
    Como se vê, o (a) Globo joga no time dos juros altos. Tomara que o Tombini não se deixe amedrontar …”

    (blog do PHA)

  91. Pax said

    Das descobertas do Idelber….

    Idelber Avelar Guarani Kaiowá
    Via Helena Palmquist, sempre ela, um pedacinho de informação relevante para vocês: a chefe da Polícia Federal em Altamira, que assina o relatório que fundamenta o despejo dos índios de Belo Monte, é casada com … o advogado de Belo Monte que requeriu o despejo!

    Viva o Brasil.

    Alguém ainda tem dúvidas que precisa parar a obra?

  92. Pax said

    Essa história de Belo Monte vai tirar um bocado de votos…

    O número é relevante? Não sei, acho que não.

    Mas estão mexendo com gente barulhenta. Gente que acaba formando opinião.

    Ontem propuseram um tuitáço pro Gilberto Carvalho ir até Belo Monte. Quem conhece Twitter sabe que não é fácil colocar um assunto nos Trends Topics.

    Pois bem, o #VaiLáGilberto – que foi a proposta, ficou em 2o dos trends.

    Vai brincando com essa gente … vai saber a surpresa lá na frente.

  93. Edu said

    Bom dia a todos!

    Depois de algumas viagens a trabalho, estou de volta! hehehehe

    O Totó não se aguenta, não é mesmo?!

    Totó! Vc disse que não ia comentar sobre meus comentários! Por favor, se abstenha, é covarde, mas ainda assim é menos feio.

    Não saber a implicação de bases diferentes no cálculo de variações percentuais é um erro de quarta série!

    Mostre suas contas aí:

    Quanto é a variação percentual de 0 para 1? Tá ok, isso dá divisão por zero, né? Vamos fazer assim, para “facilitar” a sua vida: de 0,00001 para 1. Não precisa ser muito inteligente, use uma calculadora comum!

    Quanto é a variação percentual de 100.000 para 101.000?

    Agora responda:

    O que é mais fácil? Aumentar o seu salário de 0 para 1 ou de 100.000 para 101.000?

    Agora, Totó, vamos combinar o seguinte, ou vc responde a essas perguntas, ou nem tente emitir mais opiniões sobre meus comentários cara. Vc é um contador, deveria conhecer os números… não faça feio.

    —X—-

    Otto,

    E aí, caro poeta?

    Como andam as perspectivas macroeconômicas do Brasil? To falando do Brasil, não to comparando com ninguém não! To falando só das decisões da Dilma e do Mantega sobre a economia brasileira, e um pouco do histórico do final do governo Lula.

    Vamos fazer um exercício e olhar alguns números, para tentarmos enxergar alguma coisa para o próximo ano da Dilma? Topa?

    Hoje e amanhã tenho agenda disponível pra gente poder levantar algumas informações e dar uma analisada.

    Conceito básico:

    PIB (ótica da demanda) = Consumo + Investimentos + Gastos do governo +ou- o resultado das transações correntes no Brasil

    Vamos dar uma olhada no consumo, nos investimentos e nos gastos do governo do último período da era Lula e do início da Dilma? Vc consegue imaginar o que aconteceu com esses números?

    Depois nós falamos das transações correntes.

  94. Otto said

    Tá bom, Edu. Vamos trazer os números. Inclusive de inflação, juros, desemprego, renda média etc. Mas vamos comparar com o período anterior, pra ter uma ideia se melhorou, piorou ou estagnou.

  95. Otto said

    Olha aí gente, Serra rompe com Aécio:

    http://www.ocafezinho.com/2013/05/09/serra-rompe-com-aecio-neves/

  96. Pax said

    Esse Paulo Bernardo… quem diria que chegaria neste fundo do poço. Hoje é um subjugado pelo poder das operadoras.

    Virou um capacho.

    http://blogs.estadao.com.br/link/4g-ameaca-melhoria-da-banda-larga-movel-atual/

  97. "You can’t fix stupidity" said

    Parte do editoria do Estadão
    (…)
    Emergentes votaram a favor de Azevêdo por suas qualidades pessoais e, além disso, porque isso lhes interessava politicamente neste momento. Foi certamente decisivo o apoio da China e da Rússia. Mas esses dois países têm objetivos próprios bem definidos, relações comerciais mais intensas com o mundo rico do que com o Brasil e nenhum compromisso terceiro-mundista.

    Atribuir esse resultado a algum acerto da geopolítica petista só pode ser má-fé ou ingenuidade. As consequências mais notáveis dessa política foram a sujeição dos interesses nacionais a um Mercosul emperrado, a perda de oportunidades nos mercados desenvolvidos e a submissão do País a uma relação colonial com a China.

    Como já sabemos. É impossível convencer estúpidos!

  98. Pax said

    Caramba. Vendo o Jornal da Band agora, Dilma numa cerimônia e o Henrique Eduardo Alves tascou um dedão em riste pra ela.

    É o que dá… quem muito se abaixa aos porcos, uma hora fica com a bunda de fora.

    Dilma passa por um péssimo momento, no meu entender.

  99. Pax said

    Obras do Maracanã 40% acima do previsto. Pois é… Sergio Cabral… pois é.

    Um passeio de helicóptero do Cavendish aqui, um jantarzinho em Paris, no Hitz ali, essas coisas. Sabe como é.

    E aí uma surprezinha de algo em torno de R$ 400 milhões.

    Então tá.

  100. "You can’t fix stupidity" said

    Edu

    : In hoc signo vinces” >>>You can’t fix stupidity!

    hehehe…ser edu.gov é pura perda de tempo!

  101. "You can’t fix stupidity" said

    # 98 Pax passa o link…não quero perder mais esta estupidez ao vivo e em cores.
    hehehe

  102. "You can’t fix stupidity" said

    # 98
    E quando dilma não esteve num mau momento?

  103. Otto said

    As oligarquias e o Poder Judiciário

    Tivemos nesta semana duas surpreendentes decisões do Poder Judiciário. A primeira foi a recusa do Supremo (STF) de aceitar a denúncia contra José Otávio Germano, acusado de chefiar desvios no Detran gaúcho (Operação “Rodin”), que somaram à época 44 milhões, hoje a preços corrigidos, mais de 60 milhões de reais. A alegação da nulidade do processo baseou-se num detalhe formal: as autorizações de escutas e quebras de sigilos foram concedidas por uma juíza federal e não pela Corte Suprema. Como Otávio Germano era na época deputado federal tinha foro privilegiado, só poderia ser investigado e julgado pelo Supremo.

    O interessante nessa estória é que os desvios ocorreram há quase dez anos; foram denunciados há mais de sete num processo com mais de 100 mil páginas e só agora as “excelências do STF” chegaram à conclusão que Otávio Germano não poderia constar na relação de réus. Um belo exemplo de lerdeza e incompetência. Outro exemplo: ao abrir o jornal nesta segunda feira, dia 6 de maio, leio que os acusados no episódio da morte de PC Farias começam a ser julgados nesta semana. Pequeno detalhe: o crime ocorreu há 17 anos!
    A “mais alta Corte” não tem cronologia nem critério: réus do PT foram condenados pelo STF, há poucos meses atrás, sem que, em muitos processos, existissem provas: utilizou-se a “tese do domínio dos fatos” Agora, num processo em que as provas não só existem, mas abundam, são consideradas nulas.

    Outra surpreendente – para não dizer absurda – decisão foi proferida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) gaúcho inocentando Cássio Trogildo, candidato a vereador do PTB, ex-secretário de Obras e Viação (SMOV), indiciado por uso da máquina pública nas eleições passadas. Assessores do então secretário foram flagrados, filmados e gravados oferecendo obras viárias em vilas (cobertura asfáltica) em troca de apoio na campanha do ex-secretário. O Procurador estadual Mauro Rockemback ofereceu denúncia e afirmou em entrevista que não tinha nenhuma dúvida de que as prerrogativas do cargo e o dinheiro público haviam sido utilizados na compra de votos.

    A mesma “generosidade” o TRE não teve com o candidato a prefeito de Novo Hamburgo, do PT. Ele havia perdido os direitos políticos por ter comparecido a uma inauguração de obra pública em período eleitoral há pouco mais de oito anos atrás. A eleição foi anulada e na nova eleição realizada no início de 2013. Mesmo já decorrido o prazo da punição, lhe foi negado o direito de concorrer.

    O nosso Judiciário foi erigido sob o princípio básico de defesa da propriedade, pilar básico do sistema legal brasileiro. O país foi ocupado e colonizado num modelo agrário assentado na grande propriedade: cana de açúcar, pecuária extensiva, café. Não é por acaso que até hoje ao país não conseguiu realizar uma verdadeira reforma agrária. Com a industrialização e a conseqüente urbanização, a oligarquia agrária perdeu algum espaço. Mas é, ainda, uma força política considerável. Os velhos coronéis se apresentam hoje numa versão “light”, modernizada. Dividem o comando político com os industriais, os banqueiros, os grandes comerciantes e as seis ou sete famílias que controlam a grande imprensa do país. Mas não descuidaram, nunca, da defesa dos seus interesses: mantém uma sólida bancada ruralista no Congresso Nacional.

    Durante sucessivos séculos e décadas mandaram seus filhos para as melhores faculdades de direito do país. Os “novos doutores” tinham, dentre outras, duas excelentes alternativas: entrar na política – com larga vantagem -, facilitados pelo nome de família e pelo dinheiro, ou na magistratura, espaço caracterizado desde sempre pelo prestígio, poder, estabilidade, além da boa remuneração.

    Enganam-se os que pensam que a reacionária oligarquia brasileira, simbolicamente representada pela figura do coronel seja coisa do passado, distante personagem dos séculos XVIII, XIX e primeira metade do século XX, bem caracterizados na nossa literatura nas obras de Jorge Amado, Graciliano, Lins do Rego, Josué e Érico Veríssimo, dentre outros. Eles estão até hoje aí – bem presentes –em versão “modernizada” e invariavelmente fazendo “maldades”. Se apresentam hoje nos sorrisos e na fala mansa de Sarney, no ar cínico de Collor, no deboche do turco Maluf e na carranca do Serra ou, ainda, no ar pseudo bonachão dos Neves e dos Magalhões. Com raras exceções, ao morrer deixam herdeiros, sucessores e que continuam a sua sagrada missão.

    Aqui nesta distante província do extremo sul o poder agrário foi defendido e representado pelos grandes proprietários, que deflagraram a Revolução Farroupilha cujo hino os gaúchos adoram. A maioria sem conhecer sua origem histórica oligárquica e separatista. Mais modernamente, no fim do “Estado Novo” e na redemocratização de 1946 as forças conservadoras ressurgiram sob a sigla UDN, tendo o PL como fiel escudeiro. Depois da ditadura militar o partido que a sustentou, a Arena depois PDS, mudou novamente de nome transformando-se no PP, hoje fielmente escudado pelo outrora PFL, hoje DEM.

    Os dois únicos gaúchos que chegaram ao topo do poder Judiciário brasileiro – o STF – e ocuparam sua presidência tem origem na oligarquia rural gaúcha. E isso não ocorreu por acaso: dela são legítimos representantes, expressão do seu prestígio e de sua força. Estão aí, velhos, mas atuantes e influentes. Defendem a preservação dos seculares valores e interesses de seus antepassados.

    Paulo Muzell é economista.

    http://www.sul21.com.br/jornal/2013/05/as-oligarquias-e-o-poder-judiciario/

  104. Jose Mario HRP said

    Desculpem -me pela ousadia, mas há alguns comentadores que tentam humilhar alguém chamando-o de “Totó”, numa absoluta falta de boa educação.
    Lamentável.
    Aqui um bom lembrete:

  105. Jose Mario HRP said

    Na verdade a Dilma está é com a bola toda, quem mostra a buzanfa é a oposição e o PMDB!
    Seus “interesseiros” membros tentam de toda forma cumprir seus compromissos com os seus patrocinadores, no caso da MP dos Portos, Daniel Dantas, Gerdau e outros picaretas.
    A popularidade da presidente está intacta, mesmo com esses partidos traíras ao seu lado.

  106. Patriarca da Paciência said

    Meu caro José Mário,

    Para que alguém se sinta ofendido, é necessário que a pessoa dê permissão ao agressor. É este um dos principais ensinamentos de Sócrates.

    Se houver alguma coisa que não me faz sequer cócegas, é xingamento de claque do rola-bosta 100% idiota.

    Para mim, todas as pessoas tem direito de falar o que bem entenderem, inclusive os cretinos!

    Pode deixar a claque do rola-bosta 100% idiota com suas “sabedorrências”.

    Como já dizia o Grande Carpinteiro, “bem-aventurado os pobres de espírito”, completo, eles são felizes porque “se acham”.

    Prefiro observar textos mais interessantes, como este:

    PAULO NOGUEIRA
    10 DE MAIO DE 2013 ÀS 08:06
    Faltam a ele charme, carisma e sinceridade de propósitos para ser o Beppe Grillo brasileiro
    (Originalmente publicado no Diário do Centro do Mundo)

    Roberto da Matta então decretou: Joaquim Barbosa ganha a eleição.

    E ganha no primeiro turno.

    É o que o grande frasista britânico Samuel Johnson definia como o triunfo da esperança sobre a experiência.

    Da Matta quer que JB ganhe.

    Mas daí a isso se tornar realidade vai uma distância simplesmente intransponível.

    Presumo que da Matta tenha partido de uma premissa correta: o cansaço da sociedade com a vida política como ela é.

    É um fenômeno mundial.

    Na Itália, isso foi dar em Beppo Grillo, um comediante que entrou para a política e carregou milhões de votos para seu partido recém-fundado.

    Basicamente, o que Grillo dizia é que a política como ela é já não faz sentido. Na Itália, você gira aqui, gira ali, e vai dar em Burlusconi.

    Muita gente concordou com Grillo, jovens sobretudo.

    Na Islândia, o prefeito da capital Reiquijavique se elegeu, saindo também do mundo da comédia, com uma plataforma em que prometia toalhas gratuitas depois dos banhos de piscina pública.

    Cansaço, absoluto cansaço dos eleitores de Reiquijavique com os políticos levou o humorista a se eleger.

    O Brasil já teve um caso parecido: Collor. Ele negou os partidos tradicionais, fundou o seu e acabou na presidência.

    Existe no Brasil desencanto com a política? Claro que sim. Mesmo petistas convictos provavelmente não gostem de ver Lula e Haddad com Maluf, ou Dilma com Afif. (Afif idolatra Olavo de Carvalho, que chama Dilma de terrorista.)

    Enquanto esses pactos são feitos em nome do pragmatismo político, o Brasil patina no avanço social.

    Claro, esses pactos têm seu preço: dou meu espaço da tevê, dou meus votos, dou minha bancada – mas não mexe em mim e nem em meus amigos.

    É mais ou menos assim que as coisas funcionam. Muitos privilégios – que traduzidos em dinheiro representariam ganhos sociais expressivos – se sustentam por causa dessas alianças.

    Isso quer dizer o seguinte: é possível, sim, que o eleitor brasileiro abraçasse um fato novo, como Grillo. Quem sabe ele fosse para o segundo turno com Dilma, dadas as alternativas miseráveis que estão no cardápio da oposição hoje.

    Mas este fato novo não é Joaquim Barbosa.

    Veja Grillo falando dois minutos, e depois repita a experiência com JB.

    Grillo tem charme, tem carisma, tem discurso – e não está atrelado ao 1% que comanda o mundo político.

    Joaquim Barbosa é pedante, se expressa com gongorismo, não tem carisma, não tem charme – e acabou sendo tragado pelo 1%.

    Quem acredita que JB não representa o 1% acredita em tudo, na frase magistral de Wellington.

    JB é o homem da elite predadora, aquele grupo minúsculo que tomou o Estado de assalto, com o golpe de 1964, e fez do país o campeão mundial da desigualdade.

    O povo brasileiro é melhor que o mundo político brasileiro, e muito melhor que essa elite que fez do Estado sua babá.

    O povo acordou. Entendeu, enfim, que seus interesses não coincidem com os da Globo, com os da Veja, com os da Folha, com os dos Mesquitas etc etc. E tem repetidamente mostrado isso nas urnas.

    Não vai ser enganado pelo velho que aparece como novo.

    Se aparecer alguém com uma proposta nova – basicamente, uma que acelere os avanços sociais que sob o PT vão em velocidade irritantemente baixa – tem boas chances de surpreender.

    Mas JB, definitivamente, não é esse cara.

    Aliás, é o oposto

  107. "You can’t fix stupidity" said

    ‘Vamos tocar caxirola, irmão’ por Fernando Gabeira

    Na economia, a galinha pousou e ainda cacareja com estridência, sob o impulso do contato com o solo. Na política, o edifício dominante começa a mostrar suas rachaduras. O PSB, por meio de Eduardo Campos, parte para a carreira solo; dentro do governo, tremem os alicerces da fraternidade.

    Alguns petistas acham que Dilma Rousseff, com os olhos verdes desenhados para a nova temporada, protege Erenice Guerra, seu ex-braço direito, e o ministro Fernando Pimentel. Em contrapartida, Dilma, segundo eles, persegue Rosemary Noronha e mantém certa frieza ante os condenados pelo mensalão. É um delicado tipo de fissura. Os acusados amigos de Lula são tratados com rigor, os acusados amigos de Dilma seguem sua trajetória milionária. Erenice é um pouco, no governo Dilma, o que foi José Dirceu no governo Lula: ela articula inúmeros negócios na área de eletricidade, representa poderosos grupos estrangeiros.

    A essência dessa intrincada luta interna não é estranha à História do Brasil: ou todos se locupletam ou restaure-se a moralidade. O ideal é de que todos se locupletem, não exista nenhuma distinção entre trambiqueiros da cota de Lula e da cota de Dilma. São todos irmãos, bro.

    Como se não bastassem os ácidos humores internos, a aliança do governo embarcou numa aventura contraditória. O PT quer se vingar do Supremo Tribunal Federal (STF). O PMDB pede paz. Por que tanta briga, se podemos continuar comendo de mansinho?

    O embate contra o STF era previsível. E não só pelas tintas bolivarianas que ainda colorem os sonhos da esquerda no poder. A tese de que o mensalão nunca existiu não deixa margem de manobra. É preciso desarticular o Poder que escreveu a narrativa do episódio. O edifício está condenado pela Defesa Civil. No entanto, a experiência das andanças pelas áreas de risco mostra que um edifício condenado nem sempre cai ou é abandonado pelos ocupantes.

    Surge aí o papel da oposição. Será capaz de se unir, apresentar uma alternativa, enfrentar a dura luta cotidiana contra um esquema que estendeu seus braços como um polvo, abraçando tudo o que lhe oferece ainda alguma resistência?

    Vamos tocar caxirola, irmão. Chegamos aos grandes eventos esportivos, uma aventura do novo Brasil mostrando ao mundo sua capacidade de organização, sua pujança. O edifício vizinho, o da cúpula esportiva, está literalmente ruindo. João Havelange deixou a presidência da honra da Fifa, em segredo. Ricardo Teixeira gasta seus dólares em Miami. Sobrou apenas José Maria Marin, enrolado com gravações em que estigmatiza Vladimir Herzog e prega em defesa da família brasileira.

    Alguns patriotas que defendem a família costumam pintar os cabelos e beliscar a bunda das secretárias, em Brasília. Marin só pinta os cabelos e rouba medalhinhas em eventos esportivos. É inútil esperar que as tribos de cabelo acaju e negro como as asas da graúna entrem em conflito mortal, numa batalha que tinja a verde grama da Esplanada.

    Vamos tocar caxirola! Soldados vestidos com capa de chuva protegerão nossa sinfonia na seca de Brasília, em estádio que nos custou os olhos da cara.

    A aventura política parte do mito de que somos os melhores no futebol. Os alemães, entre outros, têm mostrado como o nosso esporte precisa de uma renovação de craques, técnicos e dirigentes. Quando o edifício da cúpula esportiva cair, e com ele o mito de que somos os maiorais, vamos jogar caxirola, irmão. O impacto se fará sentir no outro edifício condenado.

    A caxirola é uma granada de plástico que explode no chão fazendo ploft. Toda uma tentativa de driblar a História, de transitar pelo atalho do consumo na economia, de trilhar os caminhos revoltantes do cinismo na política será reduzida à sua verdadeira dimensão.

    O Rio de Janeiro tem três prédios conhecidos como “balança, mas não cai”. Estão ali para lembrar que as previsões só se podem cumprir se houver uma vontade ampla de achar outros rumos para o País. O edifício pode não cair no próximo teste. Nosso único consolo será ver a presidenta do Brasil tocando de novo sua caxirola, símbolo de uma visão de mundo, de povo, de festa: caxirola, cartolas, a base do governo, tudo com mordomos a R$ 18 mil e garçons a R$ 15 mil por mês. E concluir, resignadamente: venceram, mas da próxima não escapam.

    A caxirola passa, o Brasil segue em frente. No momento, a política aparece como uma espetáculo distante e ridículo. Não por caso os programas humorísticos montaram tenda no Congresso. Mas o ano eleitoral necessariamente trará um debate sobre os rumos do País. Já devia ter começado, no momento surgem apenas alguns slogans.

    Eleições podem ser uma armadilha. Cortinas de fumaça costumam dar mais votos do que argumentos sérios. Quase ninguém lê programa. Debates na TV, entrevistas ajudam a conhecer as perspectivas dos candidatos, mas ensinam um pouco também sobre o que as pessoas estão pensando sobre o País. Mas as eleições serão uma excelente oportunidade para tomarmos o pulso do Brasil, esperando constatar, como na canção, que o pulso ainda pulsa.

    Vivemos grandes alianças ao longo do processo de democratização: a luta pelas diretas, o impeachment de Collor. Depois foi a vez dos dois grandes partidos experimentarem o poder. O governo Fernando Henrique Cardoso construiu as bases para a estabilidade econômica e a bonança internacional inspirou o PT a dinamizar o consumo.

    Em 2008 a crise internacional instalou-se para lembrar que as coisas não seriam mais como antes. E nos colheu ainda com uma educação medíocre, uma infraestrutura tosca e uma gigantesca e dispendiosa máquina administrativa. Para agravar nossos custos, a imensa corrupção, vendida como um mal necessário, uma pequena taxa no banquete do consumo.

    Isso já era realidade em 2010. Dilma Rousseff pegou o bonde andando e manteve o rumo, indiferente ao fim da linha. Ela troca com regularidade a cor dos olhos. Mas não consegue ver outro caminho.

  108. Otto said

    Mais um texto soporífero do ex-Gabeira.

  109. Pedro said

    E ainda dizem que se preocupam com os mais pobres.

    Agora só falta distribuir caxirola nos pontos de ônibus.

  110. "You can’t fix stupidity" said

    Mas antes de ir dormir assista ao Lobão:

    http://agoraetarde.band.uol.com.br/videos/agora-e-tarde/14444844/lobao-fala-sobre-seu-novo-livro-no-agora-e-tarde.html

    Bons sonhos, Ottario.

  111. Pax said

    Carlão, ou Michelle, ou sei lá…

    Vamos combinar que este blog não é um bom lugar para trollar?

    Cansa. Confesso que meu prazer de conduzir este blog reduz e não vejo razão para sustentar este tipo de atividade.

    Pode ser?

    Caso contrário poderemos resolver com pré-moderação dos seus comentários. Você decide.

  112. Pax said

    De novo, Idelber nos alerta:

    Idelber Avelar Guarani Kaiowá
    Um dos maiores juristas do país, o Prof. Dalmo de Abreu de Dallari, escreveu hoje no Jornal do Brasil um artigo que não deixa dúvidas: “Governo contra índios” é o título. Nele, Dallari desvenda o mecanismo básico da atual ofensiva contra a Funai. Privar-lhe de recursos, deixá-la à míngua, para depois usar sua inoperância como pretexto para transferir suas responsabilidades para empresas estatais e Ministérios controlados pelo agronegócio.

    Diz Dallari: “O dado novo é que a iniciativa ostensiva da nova investida contra os direitos indígenas vem da cúpula do governo federal, que é justamente o principal responsável pela defesa desses direitos, por expressa e muito clara determinação constitucional […] Quem aparece como propositora de um novo tratamento da questão da identificação e demarcação das terras indígenas pelo governo federal é a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que não tem a mínima familiaridade com o assunto, jamais tendo participado de qualquer atividade com ele relacionado.”

    Íntegra do artigo: http://bit.ly/133DB3d

    Caramba.

  113. Pax said

    E essa aqui do Cabralzinho Cavendish…?

    http://br.noticias.yahoo.com/blogs/3-por-4/tr%C3%AAs-vezes-vidigal-uma-jornalista-presa-na-favela-164856446.html

    Olhem o primeiro vídeo.

    A moça estava somente registrando a barbaridade de derrubarem uma quadra de esporte.

    Deu nisso, parece os tempos de outrora, que me lembro bem.

    Jornalistas apareciam “enforcados” em celas do DOI CODI.

    Ah, Cabralzinho, o que tinha naqueles vinhos caros lá em Paris que você tomava com o Cavendish?

    Conta aí, governador.

    O Vaccarezza daqui a pouco entra em ação: mexe com ele não, Cabralzinho é nosso!

  114. "You can’t fix stupidity" said

    Quem trolou quem, @#$%^?

  115. Jose Mario HRP said

    As vagabundas da Globonews estão batendo papo sobre o “Brilhante Ustra!” e sua missão !
    E a tortura se ilumina!

  116. Jose Mario HRP said

    “You Can’t Fix Stupidity” disse
    é um troll! sem dúvida!!!!!!!!!!!!!!
    Facista ou não!

  117. "You can’t fix stupidity" said

    1. “No Brasil nós temos de ter e de reconhecer que é necessário um processo de expansão para depois abrir um processo de redução e assinamento”. – Dilma, em dilmes castiço.

    2. “é um troll! sem dúvida!!!!!!!!!!!!!!
    Facista ou não!”
    Hrpman, o generoso, de dedo em riste, manifestando toda a sua sua caridade cristã.
    Mesa branca?

    3.O Pax deve ter tido um mau dia hoje.
    E pretendente descontar “ni mim”, coitadinha.
    É preconceito contra as mulheres, eu acho.
    Eu sou a única mulher aqui neste clube do bolinha.

    Pax…diga a verdade só para nós…vc odeia/ama o Carlão né?
    Ele é inesquecível pelo visto.Eu não posso competir com ele.
    Carlão virou um mito. O bicho papão que “trola” as criancinhas.
    Na próxima encarnação, prometo voltar como Carlão…rsrsrs
    Fica na sua, irmãozinho.

  118. "You can’t fix stupidity" said

    HRPMAN

    (…)
    A desenvoltura ingênua com que imaginam que basta carimbar um comentarista como “troll” para sepultá-lo sob dez toneladas de irrelevância mostra que eles não usam a linguagem como seres humanos, para representar e analisar o mundo, mas como cães que cheiram os órgãos genitais uns dos outros e, ali reconhecendo instantaneamente o membro do grupo ou o estranho, dão o assunto por encerrado.

    Seria isso é a mais alta atividade cerebral de que são capazes?
    (…)

    ______________
    Alguém já disse antes de mim.
    Eu apenas achei adequado para o momento.

  119. Pax said

    Parece filme de comédia.

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2013/05/11/alem-de-pc-e-namorada-assassinaram-a-logica/

  120. Pax said

    A infraestrutura está desestruturada?

    Pois é.

    A Ferrovia Norte-Sul com 26 anos de obras inacabadas (quer dizer, as fortunas de alguns estão muito bem acabadas, a obra é que não).

    Os portos, bem, melhor perguntar pro Valdemar.

    E as ruas do Acre do Tião Viana?

    Bem, melhor perguntar pra família do governador.

    http://noticias.terra.com.br/brasil/policia/escutas-telefonicas-apontavam-que-quadrilha-presa-no-acre-se-intitulava-g-7,bdf36f1b54f8e310VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html

    Mas deve ser coisa do PIG. É que aquelas ruas intransitáveis de barro são a nova forma de asfaltamento. De dinheiro público. O dinheiro sai, asfalta-se em cofres particulares e essa imprensa fica reclamando que a rua é puro barro onde não passa nem carro de boi.

    Deveriam censurar esses fotógrafos deste imprensa golpista. Como deixam esses caras registrarem essas ruas onde o asfalto do dinheiro público está tão bem concluído?

    É isso. Claro que sim. Vamos acabar com a imprensa que aí acabamos com a corrupção. Esse papo de ficar divulgando é absolutamente contra a governabilidade.

    (ok, modo ironia desligado a partir de agora, que o galo já cantou)

  121. Patriarca da Paciência said

    Meu caro Pax,

    minha opinião é que esse “encosto” que assume os mais diversos “pseudônimos”, deve ser alguém pago para fazer você desistir do blog. Acho que é o tal de Carlão mesmo e deve estar sob soldo.

    Espero que você resista, persista e nunca desista.

    Faz um bom tempo que mantemos os bate-papos sempre instrutivos.

    Esses encostos usam a tática chinesa do pingo d’água. A tática consiste em imobilizar totalmente uma pessoa e deixar um pingo d’água caindo sobre ela por dias seguidos. Dizem que é extremamente torturante que é um dos modos mais perversos de torturar.

    Mas vamos mostrar para essa claque de rola-bostas que sabemos como enfrentar essa corja.

  122. Jose Mario HRP said

    Na greve dos professores estaduais paulistas, + violencia desmedida da meganha paulista .
    Como gritaram os professores “Policia valente com professor covarde com o PCC!”
    No estado mais rico da federação um governo mais repressor e com a maior “caixa preta” do país!
    O que se encontrará nas entranhas do estado quando o PSDB for arrancado do poder?
    Quais segredos e desmandos vão ser achados?

  123. Jose Mario HRP said

    Patriarca, o mais famoso dessas aves da discórdia é o Mr.X!
    Sua teoria é bem plausível.

  124. Pax said

    Caros,

    Não vou desistir de fazer o blog por conta de outrem. Se desistir é porque perdi a vontade. O que acontece é que não quero perder a vontade por conta de outrem.

    Tento, desesperadamente, respeitar todas as opiniões. Tenho as minhas e respeito a de quem quer que seja. Qualquer que seja.

    Só que, para isso, há um mínimo de civilidade que precisa nortear o todo. Sem ela, melhor colecionar as notícias sem forma de blog, sem diálogo.

    Acontece que isso, pra mim, não faz sentido.

    Aqui tenho a liberdade de apontar o que sai na mídia que me parece relevante, no tema do blog. Doa a quem doer, pouco me importa qualquer torcida partidária ou mesmo partidarismo, que entendo serem expressões normais e naturais dentro de uma democracia.

    Me permito, outrossim, mudar de ideias, de opiniões, quando bem me der na telha, quando fatos e outras opiniões me levam a mudar o pensamento. Se há alguma coisa pela qual dedico tudo é a liberdade, principalmente a minha. E como poderia cercear a de outrem? Este é o ponto.

    E, para ter minha liberdade, preciso, é imperativo, que respeite a dos outros. Simples pacas.

    Por isso que volta e meia chamo a atencão para este ponto. Que desmereçamos opiniões, posições políticas, qualquer coisa. Mas não é necessário desmerecer pessoas por optarem pelo que querem optar. Por entenderem da forma que quiserem entender.

    Sobre a questão da costumeira porradaria que a PM paulista trata os professores, há algo mais neste angu. Na verdade houve um racha entre os professores e eles mesmo começaram a brigar entre si.

    A PM chegou e não soube controlar a situação de forma civilizada, pra variar. Sentou o sarrafo desnecessariamente. Procurei em várias fontes pra entender o bagulho que rolou.

    No site Terra a notícia está bem contada. Não achei mais a notícia.. procurem aí.

  125. Otto said

    Pax, sobre educação e moderação no Blog:

    como eu disse há tempos, se você for escolher direita ou esquerda pela civilidade dos que se manifestam aqui, a direita está perdida.

    A nossa direita tem a delicadeza do Ulstra!

  126. Otto said

    TSE aprovou contas do PT em 2003:

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/tse-aprovou-contas-do-pt-em-2003

    E agora, José?

  127. Pax said

    Caro Otto,

    Agora? Não sou José, mas posso te afirmar de cadeira.

    Agora o TSE fica com sua moral rebaixada. Já estava, faz tempo. Só uma piorada do quadro.

  128. Pax said

    E agora, meus amigos… na Guatemala o ditador genocida é condenado pela mesma teoria do domínio do fato:

    Um trecho:

    …- Diante de massacres, torturas, violações e translado de crianças, estamos totalmente convencidos da intenção de acabar com o grupo indígena ixil – disse a juíza antes de pronunciar a sentença. – O então chefe de Estado e do comando militar do Exército da Guatemala, Efraín Ríos Montt, tinha ciência de tudo o que acontecia e do planejamento das ações. Ele teve conhecimento de tudo que estava ocorrendo e não impediu. Seria ilógico pensar que o chefe de estado desconhecesse o que estava acontecendo nas aldeias.

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/rios-montt-condenado-80-anos-por-genocidio-crimes-contra-humanidade-8358267#ixzz2Szb8ZVQ3
    © 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

    O que vamos achar desta condenação? Que esta teoria só serve se não for para o lado que torcemos?

    Não seria – quase – o mesmo que dizer que Brilhante Ulstra é inocente porque somente uns 50 foram mortos e uns 20 afirmaram que ele participou ativa e decisivamente do espancamento e morte de uma rapaziada que lutava contra a ditadura militar no Brasil?’

    Pensa um pouquinho aí. Mas, pensa.

  129. Patriarca da Paciência said

    “247 – Voltamos à Guerra Fria. Pelo menos, é o que se depreende do tom adotado pela revista Veja, ao comentar a possível vinda de médicos cubanos para o Brasil. No índice, a revista já diz a que veio, com a seguinte chamada: “Por que a importação de médicos cubanos vai inundar o Brasil com espiões comunistas”.

    Internamente, o texto da repórter Nathalia Watkins não fica devendo. “Deixar o Partido dos Trabalhadores comandar a política externa dá nisso”, avisa ela, na primeira linha. A jornalista afirma que o governo brasileiro se vê obrigado a colocar os interesses nacionais em segundo plano e a ceder aos desejos dos “aloprados” do partido.

    O motivo da celeuma é a importação de 6 mil médicos cubanos, que atenderão a população brasileira em regiões distantes, num acordo anunciado pelos chanceleres Antonio Patriota e Bruno Rodríguez.

    Segundo a reportagem, o acordo colocará em risco a saúde dos pacientes, uma vez que Cuba teria um dos piores sistemas de saúde do mundo – o que é desmentido pelas estatísticas de mortalidade infantil e expectativa de vida.

    Mas o mais engraçado é a denúncia de que, por trás dos jalecos, estariam espiões comunistas disfarçados de agentes de saúde. Segundo Veja, para cada cinco médicos exportados, vai junto um espião do regime castrista. Portanto, se virão seis mil médicos ao Brasil, serão também 1,2 mil espiões da polícia secreta cubana.”

    Lembram que uma vez eu comentei aqui sobre a possibilidade do Brasil formar uma empresa de atendimento à saúde pública com médicos cubanos?

    Será que o Planalto me ouviu?

    Espero que venham ainda mais que 6 mil médicos!

    Se os médicos brasileiros não querem trabalhar no interior, creio que os médicos cubanos não terão o menor problema.

    E se os médicos cubanos são bons profissionais?

    Ora, se a Veja está dizendo o contrário, é sinal de que os médicos cubanos são ótimos, como aliás o comprova a saúde pública de Cuba!

  130. Jose Mario HRP said

    Paz , Patriarca e Zbig, vejam só o que está acontecendo no país da corrupção:

    http://www.naval.com.br/blog/2013/05/10/marinha-paraguaia-estaria-invadindo-o-brasil-e-atirando-contra-pfs-em-apoio-a-contrabandistas/#axzz2Szv6zHSH

  131. Patriarca da Paciência said

    Bom, meu caro José Mário,

    se a coisa for verídica mesmo, logo o Brasil vai tomar alguma providência e, quem sabe, realizar o sonho do Jânio Quadros e anexar o Paraguai de vez!

  132. Pax said

    Só faltava essa… Forças Armadas paraguaias atirando em agentes da PF brasileira para garantir o livre trânsito dos contrabandistas paraguaios.

    Por mim armava uma boa arapuca, jogava o tarrafo e pegava todo bando.

    E aí encarcera por aqui, jogando a chave fora.

    Quero ver se não aprendem rapidinho.

  133. Patriarca da Paciência said

    “É por essas outras que Veja faz por merecer o apelido InVeja e é sempre apontada como uma instrumento de combate aos interesses nacionais e como um veículo que torce contra o sucesso do País.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/101555/Caso-Azev%C3%AAdo-mostra-como-Veja-virou-InVeja.htm

  134. Patriarca da Paciência said

    Só que, não minha opinião, a “óia” não virou, ela sempre foi um poço de inveja e rancor, desde que o Lula foi eleito presidente do Brasil.

    A “óia” cada vez mais rumina, vomita e engole o vômito das suas canalhices!

  135. Otto said

    E agora, José? – II

    http://www.ocafezinho.com/2013/05/11/mensalao-a-historia-de-uma-farsa/

  136. Pax said

    Merece ser lido.

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/108531-brava-gente-a-brasileira.shtml

    Ps.: Tristes ironias

    1 – provável que a bandidagem queiram dizer feliz dia das mães para Geraldo Alckmin, ao menos aqui, na minha região. Faz um tempo que a PM sumiu, desapareceu… em menos de 1 mês, 4 assaltos perto da minha casa, a minha inclusa nesta triste estatística.

    2 – provável que as operadoras de telefonia queiram dizer feliz dia das mães para a ANATEL que as protege tão calorosamente.

    3 – provável que nossos congressistas queiram dizer feliz dia das mães para o povo brasileiro que sustenta esta corja toda que tomou de assalto nosso Congresso, em especial representado pelas suas lideranças (não vou citar nomes para não ser processado, mas sabemos bem onde estão as cabeças)

    4 – provável que estas tais cabeças, citadas acima, queiram dizer feliz dia das mães para nosso Executivo, que lhes deu todo apoio para assumirem as posições de assalto em que estão.

    enfim…

    feliz dia das mães

  137. Otto said

    Acusações contra Pizzolato lembram Dreyfus e Kafka

    A história de uma farsa – Capítulo 1

    Pizzolato, o único ”judeu” na diretoria do BB

    Para melhor entender um acontecimento que envolve pessoas, façamo-lo a partir do ponto-de-vista individual. Talvez possamos nos comunicar mais produtivamente se começarmos nossa história a partir de um personagem menos visado, como Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil. Iniciar uma abordagem sobre os erros no julgamento do mensalão a partir de Pizzolato tem a vantagem de evitarmos, por enquanto, a furiosa politização provocada pelos nomes de Dirceu e Genoíno, os mais graduados na hierarquia petista. E as falhas inúmeras encontradas na denúncia contra Pizzolato tem o potencial de fazer ruir um edifício acusatorio cada vez mais condenado por suas deficiências estruturais.

    A história de Pizzolato lembra a saga do tenente francês Albert Dreyfus, pintada com tintas kafkianas. Dreyfus era o único judeu entre os oficiais suspeitos de uma traição a um governo estrangeiro, e por isso foi apontado, com base em provas falsas e ilações enviesadas, como culpado de espionagem. Era inocente, mas virou um símbolo máximo do ambiente de guerra midiática que tomara conta da França ao final do século XIX, quando políticos e donos de jornais disputavam a primazia de quem melhor manipulava a opinião pública. O ódio profundo nascido das lides entre dryfusards e antidreyfusards, e o proselitismo político que se fazia em torno da questão, nos remete à deliberada campanha udenista deflagrada por setores da mídia e da oposição quando se percebeu o uso político que se poderia dar aos escândalos de caixa 2 protagonizados por Marcos Valério e PT.

    O nosso Dreyfus é Henrique Pizzolato. Era o único petista numa diretoria só de tucanos, todos indicados para seus cargos na era FHC, numa instituição antes e hoje controlada e presidida por executivos identificados com o PSDB. Foi capturado a dedo. Era o único “judeu” no grupo. A maneira como tudo acontece, por sua vez, lembra uma trama de Kafka: um suceder frenético, galopante, ininterrupto de acusações vagas, mal formuladas, confusas, embora invariavelmente pesadíssimas porque expostas com grande sensacionalismo midiático.

    Como se um procurador e um juiz tivessem o poder de dizer que você é chinês, e provar isso, independentemente de seu passaporte ser brasileiro, você ter cara de brasileiro e falar português fluentemente como só um brasileiro poderia fazer. Não importa, você é chinês e pronto, decreta o juiz, batendo o martelo. Os jornais todos divulgam no dia seguinte, em manchetes garrafais, que ficou provada sua origem chinesa. E ai de você se quiser protestar.

    A acusação contra Pizzolato é simplesmente surreal. Diferentemente de Dirceu e Genoíno, que ao menos incorporam fantasmagóricas responsabilidades políticas pelo “esquema” de compra de apoio político, contra Pizzolato há uma acusação bem direta: de ter sido o responsável pelo desvio dos R$ 73,8 milhões que a Visanet pagou a DNA Propaganda. A denúncia serviria para caracterizar os recursos que Marcos Valério, um dos sócio da DNA, distribuiu a parlamentares, como dinheiro público, com isso enfraquecendo a tese de caixa 2 defendida pelos réus.

    Entretanto, os documentos comprovam quatro erros crassos na denúncia. A Visanet é privada; Pizzolato não tinha qualquer ingerência no contrato entre a empresa e a DNA Propaganda; ele nunca foi o responsável pela relação entre o banco e o fundo de publicidade da Visanet; os serviços de publicidade foram realizados.

    A DNA Propaganda, hoje praticamente destruída, não era uma agência fictícia. Era a maior agência de publicidade de Minas Gerais, detendo praticamente todas as contas das estatais mineiras, da Telemig (então controlada por Daniel Dantas); havia crescido à sombra do tucanato. Vinha ganhando mercado, obtendo prêmios locais e internacionais, incomodando grandes firmas de São Paulo.

    O contrato entre a Visanet e a DNA era perfeitamente legal. Uma empresa que opera no mercado de cartões de crédito contrata uma das maiores agências do país para realizar campanhas publicitárias. As campanhas são realizadas. As auditorias não encontraram nenhuma irregularidade nas campanhas. Há gravações e documentos que comprovam a sua realização.

    Quanto aos bônus de volume pagos pelos meios de comunicação à DNA Propaganda, os quais foram considerados, irresponsavelmente, por Joaquim Barbosa, como uma transferência indevida de recursos pertencentes ao BB, também não houve irregularidade. O pagamento de bônus de volume, apesar de eticamente questionável, é uma prática regulamentada no país, e configura uma relação totalmente privada entre meio e agência. Ou seja, entre uma empresa como a Globo, por exemplo, e a DNA. O BB ou o Visanet sequer são informados sobre seus valores.

    “Eles estatizaram a Visanet”, ironiza Pizzolato, que vive hoje um período de recuperação moral e emocional.

    O lendário jornalista Raimundo Pereira comprou a briga de Pizzolato e vem usando a sua revista Retrato do Brasil para fazer uma denúncia duríssima, embasada em documentos, contra os erros flagrantes de Joaquim Barbosa quando analisa o caso Visanet. Alexandre Teixeira, combativo blogueiro carioca, faz o mesmo através do blog MegaCidadania.

    O acordo entre a Visanet e os bancos parceiros sugeria que estes indicassem um gestor com responsabilidade para propor campanhas publicitárias da Visanet e apontar nomes de agências. Aí temos outro intolerável erro de Joaquim Barbosa, porque ele sempre teve em suas mãos, e o ignorou, um laudo com os nomes dos gestores do fundo de 2001 a 2005. Todos “tucanos”. Pizzolato não estava entre eles. Durante o período em que se celebra contrato com a DNA, o gestor era Léo Batista, que assumiu o cargo em 2002, ainda no governo FHC, e ficou até abril de 2005. Trata-se do laudo 2828, mais um entre inúmeros documentos que, apesar de comprovarem a inocência de Pizzolato, foram sistematicamente ignorados, omitidos e até mesmo ocultos pela acusação.

    Por onde se olhe a denúncia de Barbosa contra Pizzolato no caso Visanet, se vê apenas um despudorado falseamento da realidade, e a única explicação para isso seria a tentativa de ajustar a realidade à teoria.

    Pizzolato, que há mais de sete anos vive um terrível pesadelo moral, acusado por um crime do qual não apenas é inocente, mas que seria impossível de cometer, procura transparecer serenidade e até um pouco de bom humor quando analisa os primeiros trovões que anunciaram a tempestade.

    Para a oposição udenista, Pizzolato foi uma vítima útil, uma peça importante no jogo para derrubar o governo. Mesmo no campo da esquerda, as preocupações sempre se voltaram apenas para Dirceu e Genoíno. Mas Pizzolato também era um quadro importante no partido, com uma bela história no processo de luta que culminou na vitória de Lula em 2002. Um dos fundadores do PT no Paraná, Pizzolato foi presidente do sindicato de bancários, da CUT e candidato a vice-governador em seu estado.

    Pizzolato testemunhou muita coisa em 2002, e seu depoimento ajuda a esclarecer uma série de pontos obscuros quando se procura entender o aparecimento de Marcos Valério.

    Continuamos nossa série na segunda-feira de tarde. Ainda estamos só aquecendo!

    http://www.ocafezinho.com/2013/05/12/a-historia-de-uma-farsa-capitulo-1/

  138. Pax said

    Caro Otto,

    Você quer que acreditemos que Pizzolato contratou Marcos Valério et sua corja com a maior das boas intenções e total lisura?

    Tem certeza que quer que a gente acredite nisso?

  139. Pax said

    Aqui um artigo bem escrito. Concordo com o texto quase em sua totalidade.

    http://www.cartacapital.com.br/revista/748/o-tempo-do-esgotamento

  140. Patriarca da Paciência said

    Meu caro Pax,

    se houve ou se não houve “segundas intenções”, é uma questão a ser debatida. O que está se tratando é a “prática do bom direito”.

    Processo criminal é uma coisa que rola desde os tempos gregos e romanos e está altamente regulamentado. O que seja prova, o que seja testemunha, o que seja documento, tudo está bem cristalizado dentro das normas processuais.

    O problema é que nosso STF andou fazendo coisas que não cabe ao juiz fazer.

    Dispensar provas é perfeitamente cabível quando há acordo entre as partes, mas dispensar provas para condenar é altamente condenável.

    Estes argumentos estão totalmente dentro da “prática do bom direito”:

    “Entretanto, os documentos comprovam quatro erros crassos na denúncia. A Visanet é privada; Pizzolato não tinha qualquer ingerência no contrato entre a empresa e a DNA Propaganda; ele nunca foi o responsável pela relação entre o banco e o fundo de publicidade da Visanet; os serviços de publicidade foram realizados.

    A DNA Propaganda, hoje praticamente destruída, não era uma agência fictícia. Era a maior agência de publicidade de Minas Gerais, detendo praticamente todas as contas das estatais mineiras, da Telemig (então controlada por Daniel Dantas); havia crescido à sombra do tucanato. Vinha ganhando mercado, obtendo prêmios locais e internacionais, incomodando grandes firmas de São Paulo.

    O contrato entre a Visanet e a DNA era perfeitamente legal. Uma empresa que opera no mercado de cartões de crédito contrata uma das maiores agências do país para realizar campanhas publicitárias. As campanhas são realizadas. As auditorias não encontraram nenhuma irregularidade nas campanhas. Há gravações e documentos que comprovam a sua realização.”

  141. Pax said

    Caro Patriarca,

    Então, ok (ironia ligada). Vamos combinar que o Eduardo Azeredo inventou um caminho legal, honesto de todo, e o PT foi lá e utilizou este caminho com galhardia.

    E aí a gente diz que é tudo normal, que o Daniel Dantas é um gênio que descobriu para sua controlada, a Telemig, empresas de classe mundial, como a DNA, para fazer propagandas inacreditavelmente boas.

    Sim… vamos nesta ironia.

    Desculpe-me (ironia desligada agora), mas não consigo acreditar em contos da carochinha.

  142. Otto said

    Estimado Pax: por que então os outros diretores do BB não foram indiciados junto com Pizzolato?

  143. Pax said

    Sei lá, caro Otto. Pelo que li do relatório Zampronha, as decisões foram esquisitas, mas não lembro bem… tem que perguntar pro Min Público.

  144. Otto said

    Simples, Pax:

    os outros diretores do BB à época foram indicados pelo PSDB…

  145. Otto said

    Pizzolato era o Dreifus da vez.

  146. Otto said

    “A DNA Propaganda, hoje praticamente destruída, não era uma agência fictícia. Era a maior agência de publicidade de Minas Gerais, detendo praticamente todas as contas das estatais mineiras, da Telemig (então controlada por Daniel Dantas); havia crescido à sombra do tucanato. Vinha ganhando mercado, obtendo prêmios locais e internacionais, incomodando grandes firmas de São Paulo.

    O contrato entre a Visanet e a DNA era perfeitamente legal. Uma empresa que opera no mercado de cartões de crédito contrata uma das maiores agências do país para realizar campanhas publicitárias. As campanhas são realizadas. As auditorias não encontraram nenhuma irregularidade nas campanhas. Há gravações e documentos que comprovam a sua realização.”

    Miguel do Rosário — do texto acima

  147. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    A maior ironia de todas, para mim, é que as investigações contra o Sr. Daniel Dantas foram consideradas ilegais simplesmente devido ao fato de não terem sido realizadas obedecendo rigorosamente todas as vírgulas da cartilha da cartilha processual, embora os fatos investigados sejam absolutamente concretos.

    Já as acusações contra o “núcleo político” do PT, até hoje, não foi mostrada, após sete anos, uma única prova concreta sequer e, mesmo assim, José Genoíno, José Dirceu e João Paulo Cunha foram, condenados com base numa “teoria”.

    É uma ironia e tanto!

    Coisa mesmo que só Kafka seria capaz de prever!

  148. Pax said

    Caro Otto,

    Eu li, me arrependi mas li.

    Caro Patriarca,

    José Genoino assinou os contratos fraudulentos. João Paulo Cunha mandou a mulher apanhar uns trocados, R$ 50 mil, na boca do caixa.

    São provas fictícias?

    Podemos voltar a mesma argumentação que já discutimos um bocado: há provas concretas contra o conhecido comando do José Dirceu?

  149. "You can’t fix stupidity" said

    Sem comentários.

  150. Patriarca da Paciência said

    Pois muito bem, caro Pax,

    admitamos que o João Paulo tenha sacada 50 mil reais e o José Genoíno assinado um cheque.

    São crimes para serem condenados pelo STF?

    Caramba!

    Se formos pensar assim, pelo menos a metade dos empresários estariam nas prisões.

    E contra o José Dirceu, até hoje, realmente acusaram apenas sua ex-mulher de ter conseguido um empréstimo na BMG.

    Se fazer reuniões políticas for crime, como disse o ministro Gilmar Mendes, seria melhor acabar com todos os cargos políticos!

  151. Pax said

    Caro Patriarca,

    Só o STF pode julgar deputados e senadores. Simples assim.

  152. "You can’t fix stupidity" said

    Quando o insucesso vira sucesso:

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/eliogaspari/2013/05/1277261-brava-gente-a-brasileira.shtml

    De cada 100 famílias sustentadas pelo Bolsa Família, após 10 anos de programa, 88 continuam bolsa-dependentes.

    No mundo real um remédio que testado por 10 anos não cura 88% dos “doentes” seria retirado do mercado para aperfeiçoamentos.
    Nunca seria chamado de sucesso. É mentira.

  153. "You can’t fix stupidity" said

    Quando o insucesso vira sucesso:

    Novo truque estatístico do governo: maioria dos negros na classe média
    Governo mudou critério e passou a considerar “classe média” quem ganha a partir de R$ 291 mensais. Ou seja R$ 9.70 por dia.

    Eis o segredo de um milagre que de fato não aconteceu.

    leia mais no implicante…

  154. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    José Dirceu não era deputado.

    E o objeto da tal ação era “compra de deputados”, não assinatura em cheque ou saque em caixa bancário.

    Aliás, essa “estória” de compra de deputados é outra coisa kafkiana.

    Lembro de um fato, acontecido faz algumas décadas, quando o Paulo Maluf “pagou”
    o então deputado Juruna para que votasse sobre determinada matéria. O deputado Juruna falou o que tinha acontecido para todo mundo, mostrou o bolo de dinheiro e não votou conforme os interesses do Maluf.

    Se não conseguem comprar sequer uma pessoa totalmente inexperiente nas lides políticas, imagina só velhas e calejadas raposas políticas!

    Além do mais teriam que aparecer, para que fosse efetuado o “bom direito”, nomes, endereços, RG e CPF de todos os deputados “comprados.”

  155. Pax said

    Opa, José Dirceu era deputado, sim senhor. E foi cassado pelos pares durante o processo.

  156. Pax said

    Assustador… http://earthengine.google.org/#intro/Amazon

  157. Otto said

    Pax:

    “Só o STF pode julgar deputados e senadores. Simples assim.”

    E o Pizzolato, e uma penca de réus, que não eram nem uma coisa nem outra?

  158. Pax said

    Ora, caro Otto, segundo a promotoria estavam no rolo. O plenário do STF acatou a tese. Ao menos é o que me parece. Pergunta técnica nào deveria vir para mim, não sou da área.

  159. Jose Mario HRP said

    A MP dos portos está fazendo a Dilma se aliar com os mais ” pilantras empresariais ” do país.
    Esses futuros terminais terão privilégios que enviabilizarão os portos tradicionais.
    Quem está rangendo os dentes são o Grupo Libra e o Santos Brasil do Daniel Dantas.
    Mas no final só os trabalhadores portuários avulsos vão sair no prejuizo.
    No Brasil é sempre assim.

  160. Pax said

    Caro HRP,

    Porque o Grupo Libra e o Santos Brasil estão rangendo os dentes? Porque vão perder a boquinha?

    Como vc entende mais do assunto que eu, pergunto mesmo.

    Mas, com certeza, Dilma está se aliando com o que tem de pior, seja no mundo empresarial como político, nesta MP.

    E o pior é que alguma solução tem que aparecer… o Brasil funciona mal nesta infra.

  161. Jose Mario HRP said

    Pax, estamos falando dos rotos e dos esfarrapados, ninguém presta nesse negocio de exploração portuária.
    Armadores e donos de terminais vivem numa concorrencia agressiva mundo afora, e por conta disso a exploração laboral é extensa e intensa.
    E , sim, a boquinha do DD e da Libra foi e é uma absurdo que FHC propiciou a quem se candidatou a arrematar fatias dos portos no governo tucano, assim como as teles e outros bichos.
    O fato é que os velhos terminais não podem contratar fora dos OGMOS, a não ser que os trabalhadores do OGMO não aceitem ser contratados, o que daria direito aos terminais a contratar fora, já nos novos a contratação é livre, o que fará despencar os já combalidos salários do trabalhadores.
    Mas a experiencia do Eike Batista e seu porto para ninguém lá no Rio deveria ser levada em consideração.
    Coisa mau pensada sempre dá em caca!

  162. Patriarca da Paciência said

    Caros Pax e HRP,

    sobre essa história dos portos eu fica com a ministra Gleisi,

    “VALDO CRUZ
    DE BRASÍLIA

    Principal negociadora no governo da medida provisória dos portos, a ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil) diz que defensores de uma reserva de mercado travam o setor portuário no país e dificultam a aprovação da proposta no Congresso Nacional.

    “Não podemos permitir que uma reserva de mercado fique em detrimento da eficiência do país”, disse em entrevista à Folha, acrescentando que “interesses setoriais (sic) não podem se sobrepor aos interesses nacionais” na votação da medida provisória.”
    (blog do PHA)

  163. Patriarca da Paciência said

    “Boff tem razão quando apelida homens e mulheres da imprensa de negócios privados de rola-bostas, porque a verdade é que muitos deles são mais do que isto. Eles são os legítimos exemplares dos complexados anacrônicos, pois totalmente colonizados, pois seus DNA possuem princípios químicos intrinsecamente ligados à subserviência, à subalternidade, à baixíssima estima, à pusilanimidade e ao desprezo por tudo o que é do Brasil e o que ele representa, ao ponto de torcerem contra o seu povo e professarem a equivocada ideia de que estamos fadados ao fracasso, como se o Brasil e o seu presente e futuro fossem, nada mais e nada menos, a própria resignação dos derrotados e dos que se satisfazem em atuar em um papel secundário, quando os governantes que assumiram o País há 11 anos e os seus eleitores, que são a maioria dos brasileiros, querem o Brasil no papel de protagonista, em um mundo multipolar, e, portanto, pertencente a todas as nações.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/101658/Vira-latas-do-contra-Brasil-na-OMC-e-diplomacia-dos-trabalhistas.htm

  164. Pax said

    Comecei por aqui, o Sergio Leo, nosso conhecido blogueiro e tuiteiro, chamando a atenção:

    sergio leo ‏@sergioleo 34m
    Muito colunista político devia tomar aulas com @zerotoledo. Dados, humor e profundidade sobre Dilma e o Congresso: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,procura-se-encanador-,1031284,0.htm

    E fui ler a notícia, no blog do Zero Toledo. Uma análise que merece mesmo ser lida.

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,procura-se-encanador-,1031284,0.htm

    Fica a sugestão.

  165. Jose Mario HRP said

    Particularmente sobre a Gleisi e o Paulo Bernardo, tenho dúvidas da proximidade deles e da Dilma de certo nicho do empresariado.
    São as mesmas pessoas que junto com a tucanagem tentaram impor ao trabalhador brasileiro as penas do neoliberalismo.

    Não confio muito nessa aliança esquizoide.

  166. Otto said

    Pax; “Ora, caro Otto, segundo a promotoria estavam no rolo”.

    No entanto, o mensalão mineiro foi desdobrado. Os sem cargo eletivo serão julgados na primeira instância.

    Exemplo típico de dois pesos e duas medidas.

    E não me venha com essa de “não sei, pergunta pra quem sabe”, porque os que sabem estão dizendo exatamente isto: que o julgamento da AP 470 foi cheio de furos e distorções.

  167. Pax said

    O PT caminhando para ser um futuro PSDB.

    Pois é…

    http://colunistas.ig.com.br/poderonline/2013/05/13/fortalecimento-de-mercadante-incomoda-a-setores-do-pt/

  168. Pax said

    “Os que sabem…”, caro Otto…

    Não seria melhor refrasear: “os que sabem e torcem para determinado lado…. dizem que…”. “Os que sabem e torcem pelo outro lado dizem outras coisas” ,… “e os que não sabem e não torcem, observam a histeria dos antes citados”.

    Acho que fica mais apropriado.

    Eu confesso torcida, sim. Que os condenados tenham todos os direitos aos seus recursos e que estes recursos sejam observados na mais estrita regra vigente.

    Do resto, observo.

  169. Edu said

    Otto,

    Infelizmente não poderei fazer a análise macroeconômica… não tem dado tempo.

    No MBA que estou fazendo recentemente passei por dois módulos de economia. Foi muito interessante, pois esclareceu como os agentes participantes pensam em relação à economia brasileira: empresários, investidores e governo.

    Como essas aulas foram interessantes, e dado o interesse do pessoal daqui discutir economia, a intenção era reproduzir alguns números usados para que vc, e quem mais se interessasse, tivesse outra visão, e o mais legal: uma visão baseada em números, em fatos.

    Mas não vai dar. Talvez em um outro momento.

    Desculpe-me.

  170. "You can’t fix stupidity" said

    Joaquim Barbosa:
    “Admitir o recurso de embargos infringentes seria o mesmo que aceitar a ideia de que o Supremo Tribunal Federal, num gesto gracioso, inventivo, magnânimo, mas absolutamente ilegal, pudesse crias ou ressuscitar vias recursais não previstas no ordenamento jurídico brasileiro, o que seria inadmissível, sobretudo em se tratando de um órgão jurisdicional da estatura desta Suprema Corte”.

  171. Otto said

    É longo mas vale a pena:

    A história de uma farsa – Capítulo 2

    Um petista no lugar certo, na hora certa

    Trazer o questionamento sobre a lisura no julgamento do mensalão para esta grande ágora pública, a internet, nos permite provocar um debate instantâneo, que nos ajuda a desenvolver nosso trabalho. Os dois primeiros textos já publicados geraram algumas reações negativas curiosas. Um internauta fez uma declaração emocionante: “O PT me fez desacreditar na política, e agora quer me fazer também descrer na Justiça”. Outro se pergunta, perplexo, como pode ser que alguém “não entender que partido político e seus governos, no Brasil, não passam de quadrilhas que vivem meramente de dinheiro público? Assim, o Executivo é o poder que estrutura a corrupção no Brasil. Resta ao Judiciário moralizar e colocar a política em seus trilhos”.

    Sem se dar conta, essas críticas apenas reforçam a argumentação central que procurarei expor aqui: a acusação usou e abusou de uma lógica de “linchamento”, que serviu para desqualificar o processo político e as entranhas da nossa jovem democracia. E tudo em prol de soluções de força a serem tomadas pelo Ministério Público e pelo Judiciário, tidos aqui na conta de instâncias “não políticas”. Só que não é verdade. Onde existe poder, existe política. É claro que existe política no MP e no Judiciário, só que de maneira mais obscura do que nas esferas do Estado vinculadas ao sufrágio.

    Como nasce um linchamento político? Pega-se uma comunidade revoltada com séculos de corrupção, aponta-se-lhe um culpado, de preferência uma figura pública. Que graça tem pegar um promotor corrupto ou um juiz incompetente. Como não votamos, não nos sentimos culpados por seus crimes. Já um político corrupto gera um sentimento de culpa coletiva. Como fomos idiotas em votar nesse calhorda! Daí para a catarse do linchamento, é o passo seguinte.

    Não vamos negar que existam políticos corruptos aos borbotões. E a missão republicana do Ministério Público, do Judiciário, da Polícia Federal, e das próprias institiuições políticas, é combatê-los. O que fazer, contudo, quando os próprios corruptos, numa jogada brilhante, assumem a responsabilidade pelo combate à corrupção e, ao invés de pegar os verdadeiros vilões, miram apenas em seus adversários políticos; e, no lugar de uma investigação séria, se aliam aos meios de comunicação para encetarem inquéritos fajutos, sensacionalistas e tendenciosos?

    Pois é, meu inocente amigo, se queres fazer alguma coisa concreta para combater a corrupção no Brasil, terás que se desvencilhar de toda ingenuidade. Existe luta de poder, política e corrupção em todas as instituições da República, incluindo MP e Judiciário. Não digo isso para sufocar a esperança do cidadão comum numa solução ética para o problema político brasileiro. Claro que há! Mas certamente não é linchando inocentes, nem manipulando inquéritos. A busca pela ética na política passa também pela exigência de investigações rigorosas e imparciais, e julgamentos justos, além do fortalecimento da consciência crítica do cidadão, que precisa estar devidamente vacinado contra a demagogia de setores corruptos do MP e do judiciário.

    Temos que pegar os corruptos, mas temos que pegar também os corruptos que simulam e manipulam investigações para desviarem a atenção da opinião pública.

    E aí voltamos para o caso Visanet e para o indiciamento de Henrique Pizzolato. Todos os laudos, auditorias e documentos à disposição do procurador geral da República, Antônio Fernando de Souza, e do relator da ação junto ao STF, Joaquim Barbosa, provavam a inocência de Pizzolato e, no entanto, ele foi indiciado e depois condenado. Por quê?

    Bem, o porque requer uma resposta mais complexa, pois trata de interesses políticos, e vamos discuti-la mais adiante. Por enquanto, podemos analisar outra questão: como? Como a procuradoria e o STF conseguiram a proeza de indiciar e condenar um inocente, à revelia de tantos documentos que provavam o contrário?

    Para isso, há uma resposta dura e direta: omissão e má-fé. Quando apareceu o nome da Visanet na CPI e no noticiário, o Ministério Público mandou a Polícia Federal investigar quem eram os responsáveis, dentro do Banco do Brasil, pela relação com a Visanet, sobretudo quem fiscalizava, no BB, as campanhas patrocinadas pelo Fundo de Publicidade da Visanet, nos anos de 2001 a 2005. A investigação foi rápida e fácil. A parceria entre Banco do Brasil e Visanet data de 1999. A partir de 2001, a Visanet cria um fundo de publicidade, alimentado por seus bancos parceiros. Esse fundo continuava sendo propriedade da Visanet, conforme provam todas as auditorias já realizadas. Mas os parceiros tinham direito de orientar campanhas, escolher as agências que as fariam e propor o pagamento das mesmas. Executivos do Banco do Brasil integravam o Conselho de Administração da Visanet, e havia um funcionário do BB com a função de “gestor” do Fundo de Publicidade Visanet.

    O nome de Pizzolato sequer aparece no laudo 2828, que reúne as informações coletadas pela Polícia Federal a pedido do Ministério Publico, sobre a relação da Visanet com o Banco do Brasil. Por uma razão simples: como diretor de marketing do BB, Pizzolato não tinha nenhum controle sobre o fundo da Visanet, cuja relação com o BB se dava através da diretoria de Varejo (que lida com cartões de crédito). Pizzolato nunca foi gestor do fundo Visanet. A investigação descobrira ainda que a Visanet mantinha relações com a DNA Propaganda ao menos desde 2001.

    Todos os funcionários do BB que mantinham relações com a Visanet (funcionários do BB que integravam o conselho de administração da Visanet, gestores do fundo Visanet, diretores de Varejo, vice-presidente de Varejo, e o próprio presidente do banco) eram remanescentes da era tucana. Todos haviam chegado aos respectivos postos através de nomeações feitas antes da eleição de Lula, e todos se alinhavam ideologicamente ao PSDB.

    Entretanto, o laudo2828, mesmo contendo informações vitais à defesa e à compreensão do processo, foi mantido em sigilo para os advogados de Pizzolato e para a opinião pública. O documento foi varrido para debaixo dos espessos tapetes da procuradoria e do STF. Quando a denúncia da Procuradoria foi encaminhada ao STF e começou a ser debatida pelos ministros, o laudo 2828 jamais foi mencionado. O relator da Ação, Joaquim Barbosa, ao arrepio das informações contidas num documento que ele mesmo havia deferido, declara em seu voto:

    “Assim, Henrique Pizzolato agiu com o dolo de beneficiar a agência representada por Marcos Valério, que não havia prestado qualquer serviço em prol dos cartões do Banco do Brasil de bandeira Visa, tampouco tinha respaldo contratual para fazê-lo. De fato o contrato entre a DNA Propaganda e o Banco do Brasil não fazia qualquer alusão à Visanet. “

    O voto de Barbosa merece um prêmio: conseguiu reunir num pequeno trecho uma quantidade tão grande de inverdades que pode arrumar um emprego fácil como editorialista do jornal O Globo:

    1 – Pizzolato não poderia ter agido “com dolo de beneficiar Marcos Valério” porque nunca teve o poder de propor pagamentos para a DNA Propaganda. Essa função era do gestor apontado pela diretoria de Varejo; na época de que trata a acusação, esse gestor era Léo Batista dos Santos.

    2 – A DNA Propaganda prestou, sim, serviços ”em prol dos cartões do Banco do Brasil de bandeira Visa”, e tinha total respaldo contratual para fazê-l0, desde 2001.

    3 – Havia diversos pareceres à disposição de Barbosa comprovando a relação entre a DNA, BB e Visanet.

    Todas essas informações constavam em documentos vários; no caso do Laudo 2828, serviria sobretudo para provar a inocência de Pizzolato, mas o laudo foi oculto. Os advogados de Pizzolato afirmam que, na denúncia da Procuradoria para o STF, o laudo sequer foi anexado. Meses depois, após a denúncia ser aceita pelo STF, o laudo é reintroduzido no banco de dados da acusação.

    Pizzolato surge nessa história da seguinte forma. Como diretor de marketing, seu nome aparece em três “notas técnicas”, que eram de circulação interna, sem nenhum poder autorizativo, tratando de questões laterais referentes aos pagamentos a serem emitidos à DNA com recursos do fundo da Visanet. O BB sugeria o pagamento, mas quem o fazia era a Visanet, mediante a apresentação de notas fiscais e comprovantes de realização de serviços por parte da DNA. E a pessoa responsável pela solicitação do pagamento, através de um documento efetivamente autorizativo, era o gestor indicado para essa função, não o diretor de marketing.

    Eram pareceres internos, e o nome de Pizzolato aparece, no mesmo grau de hierarquia, junto a outros três diretores. No total, são quatro notas técnicas, um das quais Pizzolato sequer aparece. Porque apenas Pizzolato foi indiciado? A explicação talvez esteja em sua história: tinha sido o primeiro diretor sindical eleito pelos próprios funcionários do banco, ainda antes da redemocratização. Mesmo sendo funcionário de carreira, e tendo ingressado via concurso, o talentoso sindicalista e combativo militante político do Partido dos Trabalhadores seguramente não era benvindo numa instituição dominada por tucanos de alta plumagem.

    Mais tarde, contaremos porque o PT entregou o Banco do Brasil ao PSDB.

    Ao menos um alto executivo do BB, um dos mais poderosos, também ligado aos tucanos, trabalhou ativamente para incriminar Pizzolato. É Antônio Luiz Rios da Silva, que havia sido vice-presidente de Varejo do Banco do Brasil em 2003, e responsável pela nomeação de todos os funcionários que tinham relação com a Visanet. Este cidadão, simplesmente, saiu do BB para se tornar presidente da… Visanet, função que exerceu no auge das comissões de inquérito que investigavam o mensalão! Um acaso não tão casual, que foi extremamente oportuno para a oposição e trágico para Pizzolato, porque Rios, como presidente da Visanet e ex vice-presidente de Varejo no BB, se recusou a fornecer os documentos que provariam a inocência do petista, nem fez qualquer declaração neste sentido. Descobriu-se também mais tarde mensagens do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim, avisando Rios de que a Polícia Federal faria investigações nos escritórios da Visanet. Ou seja, todos os tucanos, em todas as altas funções da república, estavam se dando as mãos, solidariamente. (Documentos neste link)

    São artimanhas como essas que explicam o indiciamento de Pizzolato. Possivelmente, em meio às turbulentas conspirações que aconteciam nos bastidores das CPIs que investigavam o mensalão, houve um decisão política sobre a trama e os personagens. O nome de Pizzolato aparece quando se projetam os holofotes sobre a relação do Banco do Brasil com a DNA Propaganda. Era o petista no lugar certo e na hora certa.

    Mas tudo começa com a figura de Marcos Valério. A oposição tinha que ligar Marcos Valério, suposto “operador financeiro” do mensalão, ao desvio de dinheiro público, e como a DNA Propaganda respondia por contas milionárias junto à Visanet, que por sua vez mantinha contratos com o BB, iniciou-se o esforço para encontrar um petista no BB que pudesse “fechar” a trama já armada por oposição e mídia.

    No próximo capítulo, falaremos deste personagem até hoje explosivo: Marcos Valério. De onde ele vem? Porque se torna de repente tão íntimo do PT? Pizzolato participou de reuniões com o alto comando da campanha petista de 2002, e me contou algumas histórias interessantes sobre a situação financeira do partido, e como Valério aparece como “salvador da pátria”.

    http://www.ocafezinho.com/2013/05/13/o-caso-visanet/#more-11127

  172. Otto said

    Edu: você não poderia mandar pelo menos um link com esses dados?

  173. Pax said

    Essa MP dos portos está saindo uma vergonha danada.

    Quiçá ainda pior que aquela emenda para reeleição, do tucanato.

    http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2013/5/13/r-1-bilhao-em-troca-da-mp-dos-portos

    Uma dinheirama derramada que chega a dar ânsia de vômito.

    E os tais aliados, aquela porcalhada da tal “governabilidade” chantageando tudo que podem de um governo que pouquíssima habilidade política.

    A fadiga de material chegou antes do que eu pensava.

  174. Pax said

    Aos poucos estamos afundando … um detalhe aqui, outro acolá… e o João Resende, presidente da ANATEL, no mínimo, se omite… por ordem de quem?

    O governo ficou de quatro para as operadoras. Só que o rabisteco que está em jogo é o do povo, não o do governo. O governo PT coloca o rabisteco do povo pros outros se satisfazerem.

    que vergonha.

    Fernando Rodrigues ‏@FR_BSB 3m
    Cara e ruim… Banda larga no Brasil é a 2ª mais cara entre 15 países, diz pesquisa http://uol.com/bkc2t8

  175. Jose Mario HRP said

    Ontem, 13 de maio, dia em que a princesa Izabel assinou a Lei Áurea, tão magnifica como singela , esquecida e talvez renegada pelos afro descendentes.
    Esquecida mas obra prima de muitos e valentes brasileiros como José do Patrocínio.
    O esquecimento beira a ingratidão pelos heróis da causa.

  176. Pax said

    Hiper Ego pouco é bobagem…

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2013/05/14/lula-enche-os-bolsos-para-falar-muito-bem-de-si/

  177. Patriarca da Paciência said

    Pois é, e Os Estados Unidos Maravilha?

    E o pessoal que vivia abestalhado com as maravilhas de lá?

    Parece que o que havia mesmo era um acordo com a “grande” imprensa para não divulgar os crimes mais hediondos e escabrosos de lá.

    E até parece que esse acordo foi quebrado.

    Nos últimos dias são só notícias de crimes hediondos que vem dos Estados Unidos Maravilha.

    É um sujeito que mantém três jovens encarceradas, como escravas sexuais, por dez anos, durantes os quais provocou vários abortos nas suas vítimas, da maneira mais cruel.

    E detalhe, nas barbas da polícia.

    Agora um doutor, proprietário de uma clínica eram realizados abortos e que inclusive assassinava as crianças que nasciam vivas.

    E detalhe, fazia 17 anos que a clínica não era fiscalizada.

    Se no Brasil ninguém vinha mais fazer turismo por causa daquele maluco da Kombi, será que alguém ainda vai ter coragem de fazer turismo nos Estados Unidos Maravilhas, depois da divulgação de todos esses crimes hediondos?

  178. Otto said

    Então, Pax, alguma coisa mudou?

    “Ontem, no mesmo dia em que se alinhou com Gilmar Mendes na questão dos partidos políticos, em favor de parlamentares como o senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP), que defendem o troca-troca de legendas, o procurador-geral Roberto Gurgel mandou arquivar uma denúncia de mensalão, com recibo, no Amapá; entre os beneficiários do esquema estaria o próprio senador Randolfe, que, segundo o ex-presidente da Assembleia, Fran Junior, recebeu depósitos de R$ 20 mil mensais; Gurgel concluiu não ser crível que um parlamentar pudesse assinar recibos e por isso avaliou que os documentos são falsos; será que o rigor do procurador-geral é seletivo?”

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/101799/Sem-per%C3%ADcia-Gurgel-arquiva-mensal%C3%A3o-de-Randolfe.htm

  179. Pax said

    Enquanto a turma do PT acha que há uma conspiração pra derrubar um governo que se entrega à corrupção e quer impunidade absoluta…

    Tem a turma do outro lado que acha que todo mundo é comunista… essa aqui é de chorar de rir…

    (dica do Idelber)

  180. Jose Mario HRP said

    Arrogância de JB negando recurso a Delúbio me trás as recordações de outros membros desse mesmo STF.
    Gilmar Mendes sempre gostou de falar na mídia, dando pitaco sobre tudo.
    Mas a mais arrogante era Ellen Gracie.
    Ficou marcada por haver sugerido no STF que se fizesse súmula vinculante proibindo qualquer cidadão de através da justiça requerer do sus remédios caros e ainda não inclusos nas listas do sus, sempre por serem de alto custo.
    A corte negou peremptoriamente essa vilania com os mais pobres.
    Claramente Gracie fazia eco da solicitação de alguns governadores tipo o de Sampa e do RS(os dois do PSDB).
    Posteriormente abandonou o STF para pleitear vaga numa corte internacional de comercio, ainda que avisada que o cargo lidaria com temas complexos, que ela nunca havia estudado.
    Dito e feito foi reprovada e deixou nosso país em situação de humilhação.
    Mas é como se diz, aqui se faz, aqui se paga.
    JB, Mendes e outros vão receber sua paga, seu soldo, aqui mesmo.

  181. Jose Mario HRP said

    Comentário 179 = Belo momento de humor!

  182. Pax said

    “Governabilidade….” pois bem, então tá…

    Jornal O Globo ‏@JornalOGlobo 6m
    Crivella usa cargo de ministro para atrair líderes sindicais e fatura com projeto de habitação. http://migre.me/exBrh

  183. Patriarca da Paciência said

    Pois é, caro Pax, 179

    é impressionante o “nível” desse pessoal!!!!

    Mas quem acreditaria que o nazismo, o regime político que praticou os maiores crimes contra a humanidade em toda a história, seria capaz de aparecer justamente no país mais desenvolvido da Europa?

    É aquela história, situações extremas, em pessoas privilegiadíssimas e raras, daquelas que contam-se nos dedos suas existências em milênios, provocam as reações mais nobres.

    Já nas pessoas comuns, situações extremas apenas despertam os instintos mais animalescos!

  184. Pax said

    O DEM, quer dizer… o PSD, do lado de Dilma.

    Tudo pela tal governabilidade! E se reclamar é que você é de direita! Não reclame. Relaxe, goze.

    Jornal O Globo ‏@JornalOGlobo 8m
    Kassab dirá a Eduardo Campos que PSD apoia Dilma. http://migre.me/exBzZ

  185. Pedro said

    Este chororô pelo zé Dirceu está enfadonho, já deu no saco.

    Poha, o cara foi cassado pelo Legislativo, defenestrado pelo Executivo e condenado pelo Judiciário. Querem mais o que? Que seja excomungado pelo Papa?

    Putz, muda o disco. Tem tanta coisa pra se melhorar neste país.

  186. Edu said

    Otto,

    Gostaria, mas veja só as dificuldades:

    1 – Para começarmos a conversar, eu preciso das séries anuais do PIB tanto pela ótica da produção quanto pela ótica da demanda. Além disso, eu preciso da abertura do PIB pelas duas óticas.

    2 – Essas informações estão disponíveis no banco de dados SIDRA do IBGE, porém elas são apresentadas trimestralmente, o que requer que sejam feitas somas, porque a análise que nos interessa é anual.

    3 – As contas do SIDRA não são didaticamente apresentadas, de modo que um leigo nunca vai saber quais selecionar para fazer a conta bater.

    4 – E ainda que eu queira te mandar o link de uma pesquisa feita por mim, o link não funciona…

    Fica difícil, não tenho tempo de fazer isso e checar as contas para podermos falar.

    Com esses dados eu conseguiria mostrar pra você quais foram os fatores principais de crescimento do PIB na era Lula, em 2009 e 2010, e também porque há essa preocupação com o crescimento do PIB para esses últimos anos.

    Dado esse contexto mais amplo, nossa conversa nos levaria à abertura de uma conta, que no curto prazo é importante para o governo gerenciar: a conta de transações correntes.

    Essa conta está aberta em detalhes no Banco Central, pelo menos esta está apresentada de uma forma um pouco mais didática, mas ainda assim é um arquivo em excel, e requer algum conhecimento para entender o que é importante dali.

    Enfim, mexer com esses sites e dados leva um tempo que ultimamente eu não tenho, e sem esses dados fica difícil de comprovar o que estou falando. Então entraremos naquelas famosas discussões circulares e sem fim… sob esses termos não me interessa conversar.

  187. Patriarca da Paciência said

    SEM PERÍCIA, GURGEL ARQUIVA “MENSALÃO” DE RANDOLFE
    Ontem, no mesmo dia em que se alinhou com Gilmar Mendes na questão dos partidos políticos, em favor de parlamentares como o senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP), que defendem o troca-troca de legendas, o procurador-geral Roberto Gurgel mandou arquivar uma denúncia de mensalão, com recibo, no Amapá; entre os beneficiários do esquema estaria o próprio senador Randolfe, que, segundo o ex-presidente da Assembleia, Fran Junior, recebeu depósitos de R$ 20 mil mensais; Gurgel concluiu não ser crível que um parlamentar pudesse assinar recibos e por isso avaliou que os documentos são falsos; será que o rigor do procurador-geral é seletivo?

    SEM PERÍCIA, GURGEL ARQUIVA “MENSALÃO” DE RANDOLFE

    http://www.brasil247.com/pt/247/poder/101799/Sem-per%C3%ADcia-Gurgel-arquiva-mensal%C3%A3o-de-Randolfe.htm

    Pois é, a coisa fica cada vez mais kafkiana!

    Como dizia o Millor Fernandes, “pessoas honestas são altamente suspeitas”

    Agora, é prova concreta que fica sob suspeição!

    Já teorias não merecem sequer discussão!

    Ou seja, depois do beija-mão, Randolfe obteve o perdão!

  188. Patriarca da Paciência said

    Pelas últimas declarações do Gurgel, Gilmar e Joaquim Barbosa, o trio está claramente mandando a mensagem ao povo brasileiro: ” correto e legal é aquilo que eu digo que é”

  189. Pax said

    Esse Brasil 247 está pendulando com a Veja.

    Os dois, cada um a seu lado, competem em perda de credibilidade?

    É isso?

  190. Jose Mario HRP said

    Patriarca esse link sobre o nosso pequenino Harry Potter desmascara mesmo o conluio de alguns do STF e o prevaricador.

    Prestes a findar seu segundo mandato ele fará seu sucessor, pois os tres indicados em lista do MPF são “amigos” de chopp do Gurgel e da sua aux. esposa!
    KKKK….
    Tá tudo dominado.

  191. Jose Mario HRP said

    Olha só o fim do mundo anunciado!

    http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2013-05-15/comissao-da-verdade-quer-acabar-com-a-familia-a-igreja-e-as-forcas-armadas.html

  192. Pax said

    Requião faz uma pergunta que me faço….

    Roberto Requião ‏@requiaopmdb 49m
    Afinal ainda ha esperança, nem a fórceps nasceu a MP dos Portos. Neoliberal, equivocada privataria. Por que,Dilma?este desvio de rumo?

  193. Jose Mario HRP said

    Um sinal preocupante da judicialização do processo legislativo no brasil:
    O CNJ determinou que os cartórios façam casamento civis entre homossexuais.
    A medida em si é válida, a necessidade e os direitos respeitados, mas essa tarefa é expressamente do Congresso, como o foi há um mes atrás na França.
    Caminhamos para uma ditadura de juizes?

  194. Jose Mario HRP said

    Na decisão de ontem, de um juiz da capital paulista, revogando a ordem da secretaria de segurança para não socorrer(a PM ou a Policia Civil) vítimas com ferimentos de bala ou de outra agressão , permite que outra pessoa possa, no uso do bom senso, socorrer também as vítimas.
    Estavamos voltando a idade das cavernas, uma gentileza desse desgoverno do PSDB!

  195. Patriarca da Paciência said

    Já eu estou começando a achar que com esse Congresso acovardado, não temos mesmo muita esperança!

    Um procurador, sem fazer qualquer perícia, declara um documento falso, pois “não é crível que um deputado assine um documento para deixar pistas” e arquiva um processo.

    Realmente estou começando a achar que a coisa anda braba mesmo !

  196. Jose Mario HRP said

    Tem bala para todo mundo!

  197. Pedro said

    Brasil o país da boquinha:

    Lí um comentario no clicrbs, não sei se os números estão exatos, mas é por aí…..

    “Dias desses fiz um cálculo, grosseiro mas por baixo,da quantidade de comissionados no país, em todos os níveis, poderes,estados e municípios. Baseado em números de alguns municípios , estados e poderes que , de forma transversa, acabam mostrando estes números, e extrapolando para todo o país, o número( repito, por baixo) é qualquer coisa de exuberante.
    Existem no Brasil, no mínimo, 1 (HUM) milhão de comissionados, aqueles que não prestam concursos públicos de qualquer espécie e ocupam posições no serviço público, ganhando muito mais do que aqueles funcionários de carreira. E ainda tirando dos nossos filhos a possibilidade de um concurso público.
    E o número financeiro é mais desconcertante ainda: drenam, mensalmente, mais de 12 (DOZE) bilhões de reais todos os meses dos cofres públicos.
    Só para comparar, nos EUA, em âmbito federal, existem apenas 183 comissionados, todos de alto nível e experiência em serviços públicos e muitos dos quais premiados até com o Nobel.
    Isto significa que , ao ano ,são drenados, sem necessidade ,mais de 150 ( cento e cinquenta) bilhões de reais, mais do que um PAC anualmente. Ainda bem que, no Brasil, os estados estão todos dentro da LRF, a saúde está uma beleza, a educação é sinônimo de excelência, e ninguém faz média com inaugurações de ampliações de hospitais.”

    Tem hora que dá um desanimo…….

  198. "You can’t fix stupidity" said

    Decisão do CNJ sobre casamento gay é escandalosamente inconstitucional

  199. Pedro said

    Está rolando na net. Faroeste cabloco com Santo Lula:

  200. Pax said

    Canalha que é canalha mesmo, na hora do “vamu vê”, encolhe….

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/05/1279479-apos-bate-boca-garotinho-e-caiado-ensaiam-tregua.shtml

    Caiadinho e Garotão…. eles se merecem, na covardia.

  201. Pax said

    Baranga indigesta.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/05/1279392-rosemary-noronha-sera-acusada-de-trafico-de-influencia.shtml

    Essa vai demorar pra sair, processar todo o ciclo digestivo.

  202. Pax said

    E aí completa-se a harmonia entre os três poderes

    (em #200, o legislativo, em #201 o executivo e agora…)

    o judiciário

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,juiz-do-fisco-paulista-desembolsa-r-71-mi-em-menos-de-seis-meses,1032184,0.htm

    tá tudo dominado… não resta mais nada a fazer.

  203. Jose Mario HRP said

    Pax, “pera aí”, é tudo fruto duma herança de uma titia avó!

  204. Jose Mario HRP said

    Construindo a base aliada, ou como se pode dizer também, mais e mais do mesmo!

    http://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/2013/05/marina-silva-defende-o-pastor-marco.html?view=classic

  205. Pax said

    Não entendi o #203 – titia avó?

    Só agora vi o #196, o Protógenes soltando o verbo sem qualquer estribeira.

  206. Jose Mario HRP said

    Politica e muito pouca ética:
    Tudo começou na guerra sem freios entre PCC e PSDB.
    Centenas de PMs e criminosos foram eliminados em seguidas represálias no passar de 2012.
    Tal qual criança mimada o governador paulista impos as policias paulistas a proibição de socorro as vítimas feridas em crimes e também de criminosos feridos, ficando ao Samu o socorro, tudo com base em que o socorro pela policia estragaria a cena do crime a ser periciada.
    Muitas pessoas morreram por serem atendidas depois de muito mais tempo do que deveriam ser para poderem sobreviver.
    Tolice que incorre em crime de omissão de socorro, tipificado no código penal.
    Agora uma guerra de liminares desmascara essa monstruosidade que é a vingança do PSDB diante da descoberta de que grupos de PMs assassinos, a paisana, praticam chacinas com foco em ex presidiários e pessoas com passagens policiais.
    Essa vergonhosa situação foi criada por que os métodos facistas desse atual governo tem como objetivo minar o PCC, mas no fundo só prejudica o povo das periferias.
    Está na hora de uma troca da guarda.

  207. Patriarca da Paciência said

    Ontem eu estava meio desanimado com os parlamentares mas hoje minha confiança voltou!

    Espero que o Senado também cumpra o seu papel.

    E espero que seja também um recomeço de confiança entre o Congresso e o povo, o qual foi tão abalado pela campanha sem trégua do PIG.

    Tenho até um mote para os novos dias do Parlamento Brasileiro: VAMOS COLOCAR O PIG NO SEU DEVIDO LUGAR.

  208. "You can’t fix stupidity" said

    “Chauí: classe média é fascista, violenta e ignorante”

    Interessante:Ela se considera o que?
    Como todos aqui somos classe média então somos
    fascistas,violentos e ignorantes.
    (Com exceção do PP, do Z, do HRP e do O, é claro).

  209. "You can’t fix stupidity" said

    A Guerra do Papel Higiênico: Revolução Bolivariana trava batalhas na retaguarda (e uma contribuição sobre o debate da orientação da ponta do rolo do papel higiênico)

    http://blogs.estadao.com.br/ariel-palacios/a-guerra-do-papel-higienico-revolucao-bolivariana-trava-batalhas-na-retaguarda-e-uma-contribuicao-sobre-o-debate-da-orientacao-da-ponta-do-rolo-do-papel-higienico/

    E para encerrar, o grupo cômico-musical argentino “Les Luthiers” canta ” Louvor ao banheiro”:

  210. "You can’t fix stupidity" said

    1. O SR. ALOYSIO NUNES FERREIRA (Bloco/PSDB – SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, eu acabei de protocolar um pedido de retirada de pauta desta matéria, porque a Câmara, como todos sabem, acabou de deliberar há cerca de meia hora. Meia hora atrás!

    Eu considero um desrespeito absoluto, inominável e sem precedente à atividade deliberativa do Senado que esta matéria seja imediatamente colocada em discussão, quando os Senadores sequer tiveram oportunidade de compulsar esse xerox que nós recebemos.

    Eu recebi agora, por uma gentileza especial, uma deferência especial do Líder Pimentel, um quadro comparativo entre aquilo que foi a medida provisória, o projeto que saiu da Comissão Mista, sob a relatoria do Senador Eduardo Braga, e o que foi aprovado ontem na Câmara.

    Eu não tive sequer ocasião de ler a primeira página desse quadro comparativo. V. Exªs vão querer que eu discuta algo que eu não li? Eu não estou aqui para isso e creio que nenhum Senador está aqui para isso.

    2. O SR. ALVARO DIAS (Bloco/PSDB – PR. Pela ordem. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, eu invoco um acordo celebrado há algum tempo, quando presidia esta Casa o Senador José Sarney. Há um acordo de Lideranças em que uma proposta de medida provisória só pode ser deliberada dois dias após a sua leitura pela Mesa do Senado Federal.

    V. Exª, como Presidente, há de ser um magistrado, administrando as divergências existentes na Casa e, sobretudo, fazendo prevalecer os acordos que são celebrados. Acordo existe para ser cumprido, ou a consequência é a desmoralização, o descrédito e certamente a anarquia institucional no Parlamento brasileiro.

    Nós entendemos, Sr. Presidente, que o que está ocorrendo é a consagração da incompetência política do Governo. O que está ocorrendo desde a discussão na Câmara dos Deputados até este momento é a substituição da articulação política pelo “tratoramento”. Não há respeito à minoria, não há respeito à oposição. O Governo se impõe, porque tem uma maioria esmagadora no Congresso Nacional, e atropela todos os procedimentos democráticos em vigor, todos os acordos políticos celebrados em vigor.

    Talvez jamais se tenha visto neste País Ministras tão incompetentes, as chamadas Ministras da Casa, responsáveis pela articulação política; talvez jamais se tenha visto neste País tanta incompetência em matéria de articulação política. E com isso o desgaste é do Parlamento. E com isso o desrespeito é ao Parlamento, que se transforma em almoxarifado do Executivo.

    (…) Nós não somos contrários à modernização dos nossos portos. Quem se posicionou contrariamente à modernização dos nossos portos foi a candidata à Presidência da República Dilma Rousseff, quando demonizou a privatização, quando responsabilizou o PSDB por privatizar o País. E, num verdadeiro estelionato eleitoral, se elege para depois desdizer o que disse e, na prática, fazer aquilo que negava.

    (…) Só nos resta o protesto. Nós sabemos que o Governo pode, que o Governo impõe. A Base Aliada do Governo é uma espécie de PRI mexicano; esmaga numericamente; nós somos submetidos a essa humilhação permanentemente. Mas o protesto não calará. Nós estaremos aqui, se necessário, até o fim do dia, para protestar contra esse “tratoramento” que quer o Governo nesta hora.
    ……………..

    B>Tenho até um mote para os novos dias do Parlamento Brasileiro: VAMOS COLOCAR A “PIGNORANTA” NO SEU DEVIDO LUGAR.

  211. Pax said

    É… o tal deputado Nazareno (PT-PI) continua fazendo seus estragos. Pediu a cassação de Joaquim Barbosa por regulamentar o casamento homoafetivo no CNJ.

    Até aí morreu o Neves, ou o Vaccarezza, ou o Odair, estes montes que caem mesmo pelo caminho, uns de apodrecidos, outros de afoitos. A maioria por mostrar que no fundo, no fundo, sempre foram tão canalhas quanto qualquer dos outros direitistas, fascistas e tudo mais que quisermos entender.

    Mas o Nazareno não, este insiste. E o pior de tudo é que não é repreendido por ninguém do PT, nenhuma liderança chama o cara num canto e dá o tom, e ele está nadando de braçadas. Porque? Ora, pensemos um pouquinho…

    Uma pena o que se tornou o partido que para abraçar evangélicos radicais e ruralistas de baixo calão está fazendo de tudo para se acabar.

    Pior é não ter opção alguma a não ser o voto nulo.

  212. Jose Mario HRP said

    Agripino, Randolfe outrem do PSDB chargeando o Renan!
    Com medo da MP dos portos!(“porcos”).
    O José Carlos Aleluia, o relator da Lei dos Portos. que ferrou os trabalhadores portuarios avulsos, capacho de ACM, e toda a direita, clamam com com Randolfe Canalha e traidor dos trabalhadores, lutando pela direita , agora, no Congresso Nacional, a esquerda Radical aliada do facismo dos piores direitistas do pais, o Neoliberalismo!

  213. Jose Mario HRP said

    ………………Roberto Requião discursou de forma magnifica no Senado sobre o que a MP fará com nossa soberania!
    Dilma ,Aloisio Nunes e outros pustulas querem por nossa soberania nas mãos da canalha neoliberal.
    Dilma acorda! Diga não a essa venda sórdida da soberania nacional.

  214. "You can’t fix stupidity" said

    1.Reclamar que a oposição faça oposição cada vez que é esmagada no Congresso revela a vocação fascista dos governistas de classe média, odiados pela Marilena Chauí.

    2.Dilma: Afinal pra que serve a gorda e gulosa base aliada?

    3. Sou favorável à MP do governo mas o fracasso das negociações na Câmara ( e talvez do Senado), com o próprio PT fazendo corpo mole, não é culpa nem da oposição nem da imprensa, como querem alguns comediantes, digo comentaristas do pedaço (Com exceção do PP, do Z, do HRP e do O, é claro).

    4. Sou favorável ao casamento homoafetivo mas não cabe ao CNJ -Joaquim Barbosa- decidir. Cabe ao Poder legislativo.

  215. "You can’t fix stupidity" said

    MP dos Portos aprovada no Senado.

    Em resumo: cada um tem o governo que merece.

    Como já foi dito que a Natureza odeia espaços vazios…o futuro a Deus pertence. Deus nos salve.

  216. "You can’t fix stupidity" said

    Tristeza do Jeca :-(

    Katia Abreu foi a grande vencedora na aprovação da MP dos Portos.
    hehehe :-)

  217. "You can’t fix stupidity" said

    Tristeza do Jecamunista :-(

    Gleisi agradece Congresso e diz que MP dos Portos é ‘vitória do Brasil’ :-)

  218. Patriarca da Paciência said

    “A explosão ocorreu durante a votação da reclamação 4335, apresentada pelo governo do Acre, quando se debatia o artigo 52 da Constituição Federal, em seu inciso X. Um artigo que permite ao Senado rever certas decisões do Supremo Tribunal Federal. “Vossa Excelência declara inconstitucional um artigo da Constituição?”, perguntou Marco Aurélio Mello ao colega. Com cara de espanto, Gilmar reagiu. “Vossa Excelência me respeite”.

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/102144/Pau-quebra-de-vez-no-STF-Mello-versus-Gilmar.htm

    O ministro Marco Aurélio Mello cunhou uma frase que vai entrar para a história:

    “Vossa Excelência declara inconstitucional um artigo da Constituição?”

    Pois não é? É bem isso que o ministro Gilmar Mendes “se acha” no direito de fazer.

    Ainda bem que os outros ministros não estão mais apoiando essas coisas tão kafkianas que tem acontecido ultimamente.

    O ministro Celso de Mello já mandou uma sinalização.

    Recusou o tapetão dos senadores “meninos chorões” que sempre vai se queixar a papaizinho Gilmar.

    Parece que as coisas, aos trancos e barrancos, vão voltando à normalidade!

  219. Patriarca da Paciência said

    Mais um incentivo para que os rola-bostas cortem os pulsos:

    “Para quem critica ou admira os périplos internacionais do ex-presidente, hoje é véspera de prato cheio; em Buenos Aires, nesta sexta-feira, Lula recebe nada menos que oito títulos de doutor honoris causa de universidades argentinas; na noite desta quinta-feira 16, ele janta com a presidente Cristina Kirchner, a quem manifestou apoio nas desavenças com o jornal Clarín; agora, já passam de 40 os reconhecimentos globais pela atuação dele no governo brasileiro; estofo para o Prêmio Nobel da Paz?”

    (site 247)

  220. Patriarca da Paciência said

    BARBARA GANCIA, (FOLHA) IRONIZA TEATRO DE BARBOSA

    “Só teatro

    Parece que Joaquim Barbosa anda irrequieto. Alega que um carro preto cheio de ho­mens deu para rondar sua casa. Hmmmm. Na minha modestíssima opinião, podem ser asseclas do Pinguim ou, quem sabe, do Coringa. Mas eu não descartaria algum estratagema terrível da Mulher Gato –nunca se sabe, daquela felina pode-se esperar qualquer coisa.

    Quinzão não anda vendo espectros gratuitamente. Teme a hipótese de que o plenário do STF decida em favor de recursos que favoreçam os réus do mensalão que tiveram quatro votos a favor.

    Joaquim Barbosa, super-herói da nação, salvador da pátria varonil, azul e anil, não admite hipótese que assegure os direitos dos 37 réus que ele reuniu em um só corpo e julgou simultaneamente. Batman quer jogar todos na cadeia já. Caso contrário estaríamos incorrendo em privilégio de poucos, estaríamos entrando no terreno da “impunidade”.

    Mas, vem cá: foram quatro os juízes que levantaram dúvidas razoáveis acerca da culpabilidade dos réus, não foram? E, que se saiba, há mais de 800 anos a possibilidade de recurso vem sendo assegurada por lei, certo? Não será a entrada desenhada de luva de Barbosa em campo na disputadíssima contenda do Fla-Flu que irá satisfazer a sede de punibilidade a qualquer custo por parte da torcida, não?

    Em 20 ou 30 anos, quando o contexto político for outro; a composição do STF for outra e, quem sabe, a temperatura for mais baixa nas áreas da banca em que ficam empilhadas as revistas semanais, as pessoas quem sabe se darão conta de que o acórdão, a sentença final do mensalão, é um documento sem pé nem cabeça, sem sustentação alguma, sem lógica interna, e que não foi a “impunidade” que o fez naufragar, mas sua falta de coerência.

    QUEM SABE.

    Desde o dia 1º venho martelando que a peça é capenga. Não, não entendo xongas de direito. Eu mais os milhões de fãs de Barbosa que ficaram meses com o nariz grudado na TV vendo o juiz em ação –sem revide da defesa, diga-se. Mas muito especialista que examinou a papelada reconhece que existe ali mais populismo jurídico do que competência de fato –foram 37 réus julgados de uma vez só por crimes diversos, onde já se viu uma coisa dessas?

    Ora, ora, por que será que vários ministros retiraram suas considerações da versão final da sentença, não é mesmo, juiz Fux? O caro leitor já tentou ler o documento? Também não li. Mas quem teve de se debruçar sobre a obra atesta que ela não diz lé com cré.

    Em sua sentença, um juiz precisa deixar claro para a sociedade os motivos que o levaram a chegar às suas conclusões. No processo do mensalão, Joaquim Barbosa fabricou um teatrinho que criou na sociedade brasileira uma série de falsas expectativas. Havia ali o papel do bandido, do mocinho, tinha a pecha de “maior julgamento da história” e havia até a certeza indiscutível de que viríamos um final feliz.

    Agora, quem criou todas essas esperanças, quem usou de fígado em vez de ciência, quem deu um chute no traseiro da oportunidade histórica e será o responsável pela frustração de um país inteiro, além de reforçar uma perigosa polarização entre correntes de esquerda e direita, é o mesmo homem capaz de se dizer tão desencantado com o sistema a ponto de abandonar a toga e se candidatar a presidente. Duvida? Bem, depois não diga que não foi avisado…”

  221. Pax said

    O que se viu esses dias… (opinião minha).

    Nosso governo, há 10 anos no poder, não gosta de fazer reforma. Não me lembro de ter feito qualquer uma importante.

    Fez o que fez, ganhou o que ganhou e pronto, não quer mexer muito pra não fazer marola. E o que fez não foi pouco, então enterrou completamente a oposição que já era um lixo e passou a jogar o jogo do esgoto.

    O jogo é o de sempre, se quer alguma coisa, vai lá e compra. Vai deputado, vai senador, vai partido inteiro, ou pela metade, o que for. Se o governo quer, vai lá e compra. Pronto.

    De tanto não fazer as reformas estruturais necessárias, os gargalos chegam ao ponto do infarte do miocardio nacional. É, bem isso, o miocardio.

    Enquanto a veia está somente entupida, o governo vai levando, arruma uma desculpa aqui, outra ali, deixa o Valdemar da Costa Neto cuidando de Grupos Libras e Grupos Santos, dos Gonzalos e Dantas, eles todos se merecem mesmo, e foda-se o cu do pardal (me perdoem, hoje estou com a macaca e me permito um pouco de descompostura, que não é para ninguém daqui).

    De quebra ainda arranjam uns camarotes para a Rosemary do Lula assistir um carnavalzinho com a bandidag, digo, turma da Libra. Sabe como é, melhor agradar a baranga senão ela coloca a boca fora dos boquetes oficiais.

    Pois bem, acontece que aquela veia entupida enfarta, pára a exportação que enche o cofre do Estado inchado e ineficiente e aí o calo aperta mais que o suportável e algo precisa ser feito. Claro que sim. E anuncia-se em trombetas:

    Precisamos urgentemente desta reforma dos portos!.

    Como se todos fôssemos imbecilizados e não víssemos que este quadro só se deteriora faz vários anos, décadas, mas ninguém tem culhão de mexer com a turma do Valdemar, dos Gonzalos, dos Dantas, das Libras e Santos etc etc.

    E aí entra a Dilma, que agora é ruralista desde criancinha, se alia ao Blairo Maggi, a Kátia Abreu e toda essa turma, ao Paulo Skaff e a turma do outro lado, enfim, patronato reunido, e Dilma coloca seu exército de brancaleoninhas em marcha de ridícula articulação política. A bonitinha e bem ordinária ministra de nariz de bonequinha fazendo seu papelzinho de nadinha, que lindinha. Pois bem…

    Vai-se 1 bilhão, aprovam-se as emendas de todos os canalhas de todas as corjas de todas as máfias de todas as bostas reunidas e num passe de mágica fajuta o congresso, esse grafado em minúscula, faz o papel de serviçal geral.

    E pronto, temos um governo reformista! Que maravilha.

    Os deuses patronais devem estar em festa, abrindo Moet Chandon em bateladas de caixas.

  222. Jose Mario HRP said

    Marina Silva, a terceira via, que prefere as arvores ao homossexuais.
    O pastor tem votos atrás dele, portanto pode hostilizar homossexuais e negros.
    Nada como um dia atrás do outro!

    http://esquerdopata.blogspot.com.br/2013/05/marina-silva-defende-racismo-e-homofobia.html

  223. Jose Mario HRP said

    Mais uma vez o STF é palco de troca de xingamentos , ameaças e quase chegou-se ao um “Teje preso”!
    Marco Aurélio X Gilmar Mendes.
    Sinaliza o STF que a lei eleitoral será devolvida ao Congresso para ser votada.
    Derrota da ala de JB e Gilmar.
    Pior, JB já admite que a ação 470 terá uma revira ,pelo menos “meia volta”, que ajudará e muito vários réus.

  224. Pax said

    “Se o Videla fosse brasileiro, estaria ‘compondo’ a base aliada.” (@g_jareta, no Twitter).

  225. "You can’t fix stupidity" said

    Pax estou curiosa.Sobre sua atitude aqui no blog.

    Você teria algum problema pessoal/social se criticasse o governo diretamente – dando nome aos bois e vacas – citando dilma e lula?
    Pra vc eles não tem nenhuma responsabilidade sobre o que está acontecendo no “desgoverno” atual?

    Pergunto isso porque noto em seus comentários que vc sempre “tangiversa” ( tergiversa pela tangente, como diria um ex-namorado meu).
    Seus comentários sempre são do tipo “nem/nem”. Tipo +2 – 2 = 0.
    Ex.Fulano (situação) fez isso mas beltrano (oposição) também.
    Cai de pau na Anatel mas esquece de criticar quem transformou as agencias reguladoras nesta bosta, desde 2003- 10 anos se passaram.
    lula e dilma não tem nenhuma responsa ? – accountability- ?
    Afinal quem é culpado pelo status quo? A oposição?
    Desde quando o rabo abana o cachorro?
    Estou curiosa.

  226. Pax said

    Alguém, algum dia, chegou a se enganar com o figura?

    http://oglobo.globo.com/pais/temer-nomeou-assessora-da-vice-presidencia-em-empresa-privada-8427553

    Confesso que nunca, nem por um segundo.

    Sempre soube que era da sepa de origem bem conhecida.

  227. Pax said

    Está na hora de devolvermos o Brasil aos brasileiros?

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2013/05/18/aecio-assume-o-psdb-a-cata-de-mote-e-unidade/

    É isso mesmo que ouvi? (bem no final, ouçam lá).

    Se o mote for esse vai ficar esquisito.

    1 – devolver quer dizer tirar do PT e entregar ao PSDB? Tucano é mais brasileiro que petista? Onde que mede?
    2 – devolver quer dizer tirar dos larápios petistas e entregar de volta aos larápios tucanos? Vai ser concorrência de quem rouba mais?
    3 – devolver quer dizer tirar destes socialistas comunistas vermelhos e entregar de volta aos patrões neoliberais entreguistas? (entrando no jogo infantilizado da militancia)
    4 – etc
    5 – etc etc

    Juro que não consegui entender a tal da última frase do brilhante mineiro.

    *** Mesmo que Dilma tenha virado ruralista de última hora, amiguinha da Fiesp de última hora e tudo mais que sabemos sobre seus amores aos indígenas brasileiros. Mesmo assim, mesmo vendo a presidente de mãos dadas com Katia Abreu, Kassab, Afif, Blairo Maggi e toda essa turma. (um segundo que vou ali vomitar um pouco).

    Mesmo assim, o que significa o tal “devolvermos o Brasil aos brasileiros”?

    Quais brasileiros? De quem estamos falando, brilhante mineiro?

  228. Patriarca da Paciência said

    É isso aí, meu caro Pax,

    já meu mote está à disposição para quem quiser usar: VAMOS COLOCAR O PIG NO SEU VERDADEIRO LUGAR.

  229. Patriarca da Paciência said

    Por incrível que pareça, o Fernando Henrique está mais uma vez certo e, mais uma vez, parece que ninguém vai ouvi-lo.

    O vídeo do Josías é impecável!

    Sensacional mesmo!

  230. "You can’t fix stupidity" said

    Nome aos bois

    “Nunca antes neste País foi tão difícil ser oposição ao maior canalha deste país”, disse Perillo na Convenção do PT, sobre lula.

    Perillo sabe do que está falando:
    Criação do Bolsa Família e aviso sobre a compra de parlamentares por ZD et caterva.

  231. "You can’t fix stupidity" said

    O “sonho” foi enterrado:

    “Ao aceitar o argumento neoliberal de que só o mercado é capaz de controlar o mercado, deixou-se de lado a alternativa de reconstruir a capacidade pública para ordenar um setor-chave da economia brasileira. Em outras palavras, aprofundando o viés liberalizante da política iniciada na década de 1990, Dilma pode ter enterrado o sonho de recuperar a soberania nacional em terreno estratégico.” A. Singer

    Como? recuperar a soberania nacional?

    Quem não sabe que a soberania nacional está nas mãos dos Gerdaus, dos Eikes, dos DDs e dos Odebrechts? Com a cumplicidade mercenária de lula, o canalha popular.
    Ele,Singer, ainda pensa que a Dilma governava.
    Ela só faz discursos eleitoreiros e quando discursa de improviso ninguém entende.
    Esse cara é verdadeiro um idiota!

  232. Patriarca da Paciência said

    Uma pessoa realmente sábia e ponderada:

    ISTOÉ – Qual o problema desse comportamento?
    Delaíde – A impressão que tenho é que o presidente do STF pode ter amargura no coração. Às vezes faz discursos duros contra tentativas de defesa de réus. A gente não sabe por que faz isso. Quem sabe Freud possa explicar.

    ISTOÉ – A sra. tem alguma amargura pelo sofrimento que passou?
    Delaíde – Nenhuma. Sou liberada, meu coração é livre. Quando me formei em direito, minha carteira foi assinada por um sindicato de trabalhadores com um salário bem pequeno. Fui fazer um cadastro para comprar roupa a crédito e a moça falou: “Olha quanto ela ganha, por isso eu não estudo.” Uma vez fui arrumar emprego em Goiânia e uma das moças que moravam comigo numa república disse que eu não poderia trabalhar em escritório porque não tinha roupas. Na verdade, eu tinha duas roupas, dava para enganar. Um dia usava uma. No outro, a outra.

    ISTOÉ – Seu passado como empregada doméstica a transformou em uma interlocutora de diversos setores nas discussões sobre a PEC 72. Como a sra. vê essas discussões?
    Delaíde – A discussão é saudável. O Congresso está preocupado com a multa de 40% em caso de demissão. Faz sentido. Uma empresa tem uma rubrica financeira para as despesas trabalhistas. Quando o empregador é uma pessoa física, isso fica mais complicado. É importante pensar na criação de um fundo com participação do poder público, mas não tenho uma fórmula. Haverá uma solução e acho que ela não demora.

    ISTOÉ – Os conflitos gerados pela PEC vão inundar a Justiça?
    Delaíde – Em 1988, milhares de empresas disseram que iriam à falência em função de alguns direitos trabalhistas. Agora não temos empresas reclamando, mas empregadores dizendo que não podem mais ter empregadas, que não vai ser possível suportar. Mas o ônus não é tão grande. Está havendo um superdimensionamento. O ponto principal é tomar cuidado para não criar condições de questionamentos judiciais em demasia, em especial quanto às horas extras. O resto ainda será discutido. Aposto muito no diálogo entre empregada e empregador.

    ISTOÉ – A PEC está sendo criticada porque foi aprovada sem prazo para regulamentação e sem recursos para cursos de profissionalização. A sra. concorda?
    Delaíde – Considero que o apoio de políticas públicas será fundamental. Será necessário abrir creches, escolas infantis de tempo integral e até criar uma política de incentivo para a aquisição de casa própria para empregados domésticos.

    ISTOÉ – Mas o governo não está conseguindo sequer cumprir as metas de construção de creches anunciadas antes da PEC…
    Delaíde – Esta é uma demanda de muitos anos. Não é possível fazer tudo ao mesmo tempo. Acho que o setor privado terá que ajudar. Não é possível imaginar que só o setor público dará vazão a essa demanda.

    ISTOÉ – A PEC é eleitoreira?
    Delaíde – Na minha opinião, pode ter um componente desse tipo. Todo avanço social, em tese, rende votos. Não tem como se aprovar nada no campo social ou previ­denciário que não se transforme de alguma forma em voto. Mas uma eleição é mais complexa e isso não vira voto diretamente. Quando for votar, a empregada não vai escolher alguém apenas porque aprovou uma emenda. Se houver vantagem eleitoral, será indireta.

    MÉRITO

    Delaíde nunca foi petista, mas admira o trabalho de Lula no governo

    ISTOÉ – A Justiça do Trabalho mudou de perfil nos últimos anos?
    Delaíde – Não há dúvida. É uma mudança que reflete as transformações recentes do Brasil. Elas permitiram que uma antiga empregada doméstica, como eu, fosse nomeada ministra do TST. Há alguns anos, isso seria quase impossível. Mas hoje somos um País preocupado com a pobreza. Isso se reflete no trabalho da Justiça e amplia o leque de quem conhece seus direitos e busca por eles. O Brasil presidido por um metalúrgico e depois por uma mulher não é o mesmo País de antes.

    ISTOÉ – A sra. é petista?
    Delaíde – Nunca fui petista, mas fui comunista por mais de 20 anos. Era uma militante de base do PCdoB, com um papel secundário no partido. Fui diretora da OAB, da associação dos advogados trabalhistas de Goiás e até hoje estou filiada à associação das mulheres de carreira jurídica. Eu me desfiliei para atender à lei da magistratura nacional. Também me desvinculei porque gosto de ser séria em tudo o que faço.

    (blog PHA)

  233. Patriarca da Paciência said

    http://esquerdopata.blogspot.com.br/2013/05/tucanao.html

  234. Patriarca da Paciência said

    “os jornalistas são petistas e os donos dos jornais são tucanos, não há lugar para terceiros nomes. Mas Mangabeira é uma referência incontornável e Marina é um peso político-eleitoral difícil de destruir. Não estou nem aí.”
    (Caetano Veloso)

    Mas….. heinnnnn! Diria o velho Chico Anísio se ainda fosse vivo.

    Dizem que as pessoas sempre voltam a ser o que um dia já foram!

    Saudade de Gal! Saudade de Betânia! É tudo lindo! É tudo muito lindo!

  235. "You can’t fix stupidity" said

    Da série “Dilma, a mentirosa. Que vergonha”

    Indicador defasado ‘esconde’ 22 milhões de miseráveis do país

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/05/1281132-indicador-defasado-esconde-22-milhoes-de-miseraveis-do-pais.shtml

  236. Patriarca da Paciência said

    “A declaração provocou reação da embaixada do Gabão, que emitiu a nota:

    Em reportagem publicada em 9/5, o Senador Aécio Neves (PSDB-MG) tomou a liberdade de fazer uma falsa declaração sobre a composição do governo da República do Gabão que, assim como a do Brasil, ele considera pletórica. De fato, o Senador sustenta, e cito: “O Senador tucano afirma que só o país africano (o Gabão) tem cerca de 40 ministros…” Reitero que o governo do Gabão é composto por 28 membros, além do primeiro-ministro, chefe do governo, totalizando 29. A declaração do Senador é infundada e a alusão é totalmente incompreensível, pois o Gabão e o Brasil, embora sejam países amigos, cada um tem a sua especificidade política. Da mesma forma, o governo do Gabão manifesta o seu firme apoio político ao governo brasileiro e, ao mesmo tempo, elogia a sabedoria de sua presidente, Sua Excelência a senhora Dilma Rousseff.

    JÉRÔME ANGOUO

    EMBAIXADOR EXTRAORDINÁRIO E PLENIPOTENCIÁRIO DO GABÃO NA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL”

    Pois é, acho que a única chance do PSDB é relançar o FHC, mesmo com seus oitenta anos!

    Aécio, chegado numas biritas e com alergia a bafômetros, sabe também como provocar crises internacionais!

  237. "You can’t fix stupidity" said

    Boatos sobre o bolsa família!

  238. Pax said

    Bem, aqui está um exemplo de como Dilma Rousseff tem agido na questão indigenista.

    Ela e seu ministro da Justiça.

    Idelber Avelar Guarani Kaiowá
    O vídeo que incluo neste post (http://bit.ly/160gfTz) mostra, mais uma vez, a Polícia Federal de Dilma Rousseff atuando ilegalmente contra a causa indígena. Chama-se Alcídio de Souza Araújo o delegado da PF que, sem motivo algum, do nada, confiscou o computador de Ruy Sposati, jornalista do Conselho Indígena Missionário, em exercício legal de sua profissão. O confisco aconteceu neste sábado, em Sidrolândia, Estado do Mato Grosso do Sul, enquanto Ruy cobria a ação de desocupação de indígenas Terena de uma fazenda.

    A inacreditável justificativa do delegado é que ele jamais tinha ouvido falar do CIMI — como se isso fosse razão para confiscar equipamento de jornalista. Bem, agora, certamente, o delegado Alcídio já deve ter ouvido falar do Conselho Indígena Missionário. Mas Ruy ainda não teve notícia de seu computador e nós andamos tendo cada vez menos notícias do que costumava ser aquele partido que dizia defender os trabalhadores. Não custa lembrar, né. A Polícia Federal é responsabilidade da Presidenta e de seu Ministro da Justiça.

    Todos os advogados consultados por mim coincidem em que as ações do delegado Alcídio de Souza Araújo são completamente ilegais.

  239. Pax said

    Esse vídeo acima… pois bem, eu afirmo com tranquilidade que vivi coisas parecidas nos tempos da ditadura. Este tal policial, Alcídio de Souza Araújo faz bem o papel de polícia política.

    Truculento, arrogante e, pior de tudo, ilegal.

    Se Dilma quer seguir este caminho, tá na hora dela e do PT saírem do poder.

    Simples assim.

    Ou esse cara é punido ou é hora de Dilma apear antes que a coisa fique pior. José Eduardo Cardozo, nosso ministro, sempre pareceu um capacho sem muito mando.

    Nota-se. Ao permitir que um subordinado direto, este truculento delegado, aja assim, com tanta arrogância e ilegalidade, cagando e andando para as câmeras que o filmavam, fica claro que, das duas uma:

    1 – a ordem veio mesmo de José Eduardo Cardozo que deve ter recebido determinação da Dilma

    2 – José Eduardo Cardozo não é respeitado pelos subordinados, o que é ainda pior

    Me parece mais provável que o caso seja (1) e não (2).

    E aí eu digo, ditadura nunca mais. Fora com essa turma.

  240. "You can’t fix stupidity" said

    Nada de pânico!

    O povo pode ficar tranquilo!
    Pelo que diz o governo, o Bolsa Família é como a corrupção no Brasil:
    Não vai acabar nunca! (Tutty Vasques)

  241. "You can’t fix stupidity" said

    Boato do Bolsa Família: Governo perde a seriedade, por Ricardo Noblat

    Ou o governo apresenta quem espalhou o boato sobre o fim do Bolsa Família ou o que quer que diga a respeito de suposta autoria não passa de grossa leviandade.
    Outro dia, Dilma Rousseff afirmou que para ganhar eleição se faz o diabo. Ela está em campanha, antecipada por Lula a seu pedido. E o diabo começou a ser feito.
    Gilberto Carvalho, também ministro, referiu-se a 2013 como o ano que o bicho iria pegar. Está pegando pelo visto.
    Como num dia o governo pode acionar a Polícia Federal para investigar a autoria do boato e no dia seguinte, pela boca de um dos seus 39 ministros, e sem apresentar provas, atribuir a autoria do boato à oposição?

    Quem se comporta assim não é sério – nem o governo que emprega a ministra, nem a ministra que resolveu irresponsavelmente culpar a oposição pelo boato.

  242. Patriarca da Paciência said

    Eu não entendi nada mesmo foi desse vídeo aqui:

  243. Patriarca da Paciência said

    Será que o José Nêumane Pinto começou a enxergar alguma coisa?

    Nem tudo está perdido!

  244. "You can’t fix stupidity" said

    Dilma vai acabar com o SUS?

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/96924-dilma-vai-acabar-com-o-sus.shtml

  245. Otto said

    COMEÇA-SE O DESMONTE DA FARSA:

    Nem tudo está como antes
    Quando li, no Valor Econômico, a entrevista em que Joaquim Barbosa denunciou um misterioso carro preto que ronda sua casa, perguntei: por que o presidente do STF não chama a Polícia em vez de denunciar o fato para dois jornalistas?

    Como lembrou um advogado que conhece essas coisas, bastaria um telefonema de uma autoridade da República para que a Polícia Federal entrasse em ação – até com helicópteros, se fosse necessário.

    Barbara Gancia foi mais rápida. Escreveu: “Hmmmm”.

    A verdade é que acho que a fase de embargos do julgamento do mensalão está trazendo surpresas desagradáveis para quem imaginava que seria um puro espetáculo midiático.

    Pontos fracos da denúncia se tornam mais evidentes, na medida em que pessoas interessadas em debater o que houve têm a possibilidade de refletir e elaborar sobre o que assistiram.

    Há pontos que chamam a atenção. Está demonstrado que as penas de corrupção ativa foram definidas a partir de um erro clamoroso de datas, permitindo que os réus fossem punidos a partir de parâmetros mais duros do que a lei determinava na época em que os fatos ocorreram.

    Há outros casos.

    Está cada vez mais difícil demonstrar, com base nos autos, que houve desvio de dinheiro público. As auditorias não apontam para desvios nem irregularidades. As notas fiscais que demonstram serviços fiscais estão lá, os gastos das agências também.

    Outro dado curioso. Existe um laudo elaborado por três peritos do Instituto de Criminalística que concluiu, após demorada apuração, que oito dirigentes do Banco do Brasil deveriam ser apontados como responsáveis pelos recursos que, conforme a denúncia, foram desviados para o esquema de corrupção.

    Não estou dizendo que isso ocorreu. Estou dizendo que essa era a narrativa da acusação.

    Curiosamente, o único condenado como gestor dos recursos do Visanet foi Henrique Pizzolato, que não foi acusado pelos peritos e não era o gestor daqueles recursos. O outro apontado, Luiz Gushiken, foi julgado e inocentado cinco anos depois.

    Veja-se, também, o que aconteceu com a tese de “compra de votos”.

    Até agora não apareceu um caso concreto de compra de votos no Congresso durante o governo Lula. Não há uma lei que teria sido aprovada com esse tipo de ajuda.

    Ao contrário da emenda da reeleição, em que pelo menos dois parlamentares admitiram que haviam vendido seus votos, no mensalão não apareceu um caso concreto.

    Acreditando naquilo que determinados ministros disseram durante o julgamento, insinuando que o mensalão servira para comprar votos para a reforma da previdência, o PSOL tentou entrar na festa pela porta dos fundos.

    Bateu às portas do Supremo para pedir que a reforma da previdência fosse anulada. Em teoria, era muito coerente. Se a reforma foi produto de crime, os bons princípios recomendariam que fosse revogada – algo semelhante a obrigar um ladrão a devolver o dinheiro depois de um roubo.

    A tese não conseguiu passar nem pelo procurador-geral Roberto Gurgel, aquele que no início do julgamento lançou a teoria da “compra de votos, compra de consciências”.

    Lembrando que é preciso distinguir entre prova e presunção, Gurgel rejeitou o pedido lembrando que “não se pode presumir sem que tenha havido a respectiva condenação, que outros parlamentares foram beneficiados pelo esquema e, em troca, venderam seus votos para a aprovação da Emenda numero 41”.

    É isso aí, meus amigos: presumir é diferente de provar.

    Mas ficou uma pergunta: se a presunção não vale para anular a reforma, por que pode valer para condenar aquilo que se chamou de “organização criminosa”?

    Nem vamos lembrar que só agora soubemos que, sob a presidência de Cármen Lúcia, ministra do STF, o Tribunal Superior Eleitoral aprova as contas de campanha do Partido dos Trabalhadores desde 2002.

    De duas uma: ou o TSE não fez o serviço direito, e deve ser questionado por isso; ou o TSE fez tudo certo e então são as denúncias contra o PT que merecem ser questionadas.

    É difícil negar que o comportamento de Joaquim Barbosa tem contribuído para diminuir a credibilidade das decisões do tribunal.

    Em entrevista a Isabelle Torres e Josie Jeronimo, publicada pela IstoÉ que acaba de chegar às bancas, a ministra Delaíde Arantes, do TST, faz várias afirmações que traduzem um sentimento que não é só dela. “Ele faz críticas à magistratura que eu não faria, pois não contribuem para alterar nada no Judiciário”. A ministra condena o comportamento de Joaquim Barbosa no julgamento do mensalão. “Preocupam-me as declarações que ele fez ao ministro Ricardo Lewandowski. Eu não critico um colega que vota diferente de mim. Não acho que tenho esse direito. Eu realmente tenho uma preocupação com a forma como ele fala e como se coloca”.

    É neste ambiente que o debate sobre os embargos terá início.

    A preocupação é tanta que pretende-se submeter o ministro Teori Zavascki, que acaba de assumir sua cadeira no Supremo, a um conhecido jogo de pressões em tom patriótico.

    Saudado de forma unânime quando foi indicado, Zavascki já não é festejado com o mesmo ânimo.

    Isso porque é um ministro que já criticou a “banalização” do crime de formação de quadrilha – postura que, se for mantida no exame de embargos, pode beneficiar vários condenados, a começar por José Dirceu. O novo ministro tem uma postura mais cautelosa em relação a outro crime, lavagem de dinheiro, e, numa demonstração de apego ao princípio da soberania popular, já deixou claro que, em sua opinião, apenas o Congresso tem o direito de interromper o mandato de políticos eleitos.

    Nesse ambiente, procura-se ressuscitar o coral cívico que fez a trilha sonora do julgamento.

    É um perigo.

    Os embargos são a última oportunidade para se evitar possíveis erros e contradições de um julgamento que terminou em penas pesadas, que implicarão em anos de perda de liberdade.

    É bom que os fatos sejam examinados com serenidade.

    Paulo Moreira Leite

    http://www.istoe.com.br/colunas-e-blogs/colunista/48_PAULO+MOREIRA+LEITE

  246. "You can’t fix stupidity" said

    1.Barbosão, presidente do STF, – o poderoso “deixa-que-eu-chuto”, em nota de sua assessoria sobre “partidos de mentirinha” e “submissão do Legislativo ao Executivo”:
    “A fala do presidente do STF foi um exercício intelectual feito em um ambiente acadêmico e teve como objetivo traçar um panorama das atividades dos Três Poderes da República ao longo da nossa história republicana. Não houve a intenção de criticar ou emitir juízo de valor a respeito da atuação do Legislativo e de seus atuais integrantes”, afirmou Barbosa em nota.
    x(versus)
    2.Maria do Rosario (Direitos Humanos), a singela ministra de dilma presidenta incompetenta, se desculpando sobre sua opinião sobre os boatos sobre o Bolsa Familia, ao tuitar pela manhã que a origem seria a oposição:
    “Gente, sobre tweet hoje pela manhã, quero dizer que não tenho nenhuma indicação formal da origem de boatos. Singela opinião. Não quero politizar.”

    Em resumo:
    1.Barbosa, o homem errado dizendo as coisas certas.
    2.A mais nova penúltima bobagem de Maria do Rosário.


    No Brasil do PT, estamos involuindo a cada dia!

  247. Pax said

    MP dos Portos…

    pois bem, entenda um pouco o que rola

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/05/1282096-donos-de-portos-financiaram-politicos.shtml

    entre outras palavras, tudo comprado, dominado..

  248. Pax said

    Vou repetir…

    Por mais que não consiga imaginar a ideia de votar em picolés de xuxu ou brilhantes cariocas travestidos de tutu de porco mineiro, deixo de votar em gente que decide que é melhor que os outros e pode tudo, inclusive disfarçar uma canalha tentativa de golpe democrático.

    Ou essa gente se reencontra com a democracia ou deve ser convidada a sentar no banco da escola novamente, mas sem qualquer poder as mãos, pra modo de não fazer cagada maior.

    Só lembrando daquele video onde o delegado da polícia federal apreende material de jornalista porque “se ele não conhece” então não presta.

    Debaixo da barba do ministro da Justiça e sob comando da nossa presidente que passou a ruralista a patronal num obscuro movimento.

  249. Jose Mario HRP said

    JB novamente falando “adoidado”!
    Partidos de mentirinha e outras pérolas.
    Collor usou esse expediente em 1989, e deu no que deu.

  250. Jose Mario HRP said

    Caso Alstom:
    Falar em Alstom aqui (SP) é falar em PSDB.
    Matéria da Folha sp de domingo passado: Brasil é o único que não puniu envolvidos no caso Alstom.
    At5é em Zambia e Indonésia já se pune os envolvidos locais.
    No Brasil, “NECAS”!

  251. Otto said

    Barbosão há tempos que perdeu o respeito:

    “O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Paraná, Juliano Breda, disse nesta segunda-feira (20), em ato político pela criação dos Tribunais Regionais Federais (TRFs), em Curitiba, que é impossível travar diálogo inteligente com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa.
    “O ministro Joaquim Barbosa é uma pessoa com qual nenhum diálogo inteligente pode ser travado”, afirmou Breda para o auditório lotado de lideranças políticas e empresariais.

    O presidente da OAB-PR foi ovacionado pelos presentes quando assegurou que o presidente do STF não entende nada de Direito.

    “Nós todos sabíamos que o ministro Joaquim Barbosa não sabia nada de Direito. Hoje nós descobrimos que ele não sabe nada de organização judiciária no país”, discursou.

    Juliano Breda afirmou ainda que a grande mídia no país vem poupando Joaquim Barbosa, pois terminado o julgamento do mensalão será absolutamente destruído pela imprensa brasileira, e com muita razão.”

    http://www.esmaelmorais.com.br/2013/05/nenhum-dialogo-inteligente-e-possivel-com-joaquim-barbosa-diz-presidente-da-oab-ouca-o-audio/

  252. Otto said

    Acusação contra Assange é falsa, revela inteligência britânica:

    http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=214130&id_secao=9

    E agora, hein?

  253. Jose Mario HRP said

    Depois dessa coisa toda fake / falsa em relação ao Assange(que eu sempre achei que eram acusações montadas/com prostitutas compradas tipo o caso do Robinho na Inglaterra, posteriormente retiradas) só resta aos EUA admitir que pressionou os governo britanico e sueco a montar a farsa.
    Aliás a Suéca se submeter ao vexame que é todo esse caso é mnuito estranho num país que é tradicionalmente neutro.
    Covardia e medo diante do gigante Rússia?

  254. Jose Mario HRP said

    É preciso relembrar que a origem de Joaquim Barbosa é o Ministério Público Federal.
    Acusador por vocação e carreira ele encontra nas companhias de caras como o Gurgel seu ninho preferido.
    Portanto quando o vemos constantemente se intrometendo nas falas dos colegas, irritando-se com as outras opiniões ele não faz mais nada do que faz um promotor costumeiro.
    Infelizmente esse tipo de comportamento não é o recomendado a juizes, em qualquer instancia.
    O culpado por esse senhor estar lá é Lula, e o senado federal, que não souberam avaliar bem as qualidades e o passado do JB.
    Como uma outra colega de JB, ele já demonstrou desconhecimento do direito quando da dosimetria de penas, o que preocupa quando se fala de um juiz de instancia máxima do judiciário nacional.
    Enfim temos um fardo que não podemos remover do meio da estrada e está anoitecendo.

    As próximas eleições talvez não tenham bolinhas de papel, mas uma verdadeira crise institucional por conta de sujeito tipo JB e Gilmar.
    E por trás de tudo o maior feiticeiro politico do país, Aloysio Nunes, agora senador, o nosso “El Brujo”.

  255. Edu said

    Ora ora…

    Pax, não desista da presidenta!

    Finalmente ela aterrisou!

    Agora, após por os pés no chão e lidar com certa dose de realidade, quem sabe ela passe a tomar decisões realistas antes de “fazer o diabo” pra ganhar as próximas eleições.

    Vamos acompanhar a economia!

    O PIB vai devagar

    Taxa de juros subindo
    Inflação ameaçada
    Câmbio quase-valorizado

    Consumo estável (o PIB não vai crescer por isso)
    Investimentos no brasil decrescentes (o PIB decresceria por isso)
    Mas o governo continua crescendo (sem mostrar resultados) (ainda assim, isso provoca a inflação)
    Conta corrente (hoje o Brasil é um país importador, e se aumentar o câmbio, provoca inflação)

    O Guido-malabarista-Mantega usará de quais superpoderes para resolver a equação?

    1 – Abandonar as metas de superávit fiscal?
    (isso já foi feito! Nenhum país sério do mundo faz isso, quem fez está lá na Europa pondo a polícia de escudo contra as pedras de manifestantes)

    2 – Abandonar a meta de inflação?
    (Eu acho que se o Guido estiver preocupado com o caminho da dívida bruta do Brasil, ele vai usar essa artimanha)

    3 – Vai continuar a farra da desoneração?
    (O problema dessa alternativa é que isso produz um efeito temporário na inflação)

    4 – Vai usar as reservas?
    (Isso pode ser feito, é claro! Só que passa uma mensagem significativa sobre o desajuste das contas do governo, que hoje se evita falar a todo custo)

    Esses 2 próximos anos prometem ser muito emocionantes!

    Um aviso importante: se segurem nos seus empregos, porque até o momento o Partido dos Trabalhadores ainda não começou a trabalhar.

  256. Edu said

    Eu gostei muito da amostra de civilidade que o povo deu:

    1 – Acho que foi semana passada ou retrasada, não sei. Voltava do trabalho animado. Como as reuniões do dia haviam sido boas e o clima estava ameno, abri as janelas do carro, botei um som que gostava do Dave Rolings no carro e toquei a vida. Ao cruzar a Av. Paulista, na altura da rua Bela Cintra, estava passando uma passeada dos professores. Eu estava parado no semáforo, também acho que os professores ganham mal, a passeata passava vagarosamente imediatamente à minha frente, e eu continuava ouvindo o som do meu carro, numa boa, aguardando. Até que alguém apontou meu carro, mostrou o dedo do meio e falou alguns impropérios, sendo acompanhado por mais um grupo de 2 ou 3. Eu não ouvi. Tentando decifrar a leitura labial do sujeito era algo como: playboy FDP, vai tomá no cu, bla bla bla… Eu continuei cantando minha música. Estava de bom humor. Eles seguiram na passeata.

    Dúvida: só pq eu não estava participando da manifestação eu era contra ela? Só pq eu não estava incomodado com eles, eles ficaram bravos?

    2 – Virada Cultural aqui em SP: como é possível que um evento criado para que o povo tenha acesso à cultura, o próprio povo é capaz de produzir arrastões, 9 feridos e 1 morto? Num regime de pleno emprego? Interessante… não era a falta de emprego que tornava os homens em animais? Gostaria muito de saber o que a esquerda tem a dizer sobre isso.

    —X—

    3 – Mas por outro lado eu gostei de ver o povo correndo aos caixas da Caixa para sacar o Bolsa Família. Sinal de que o povo ainda não confia no governo, ou só confia se o governo tiver pagando em dia.

    Vamos aguardar, vamos ver o que mais o partido do povo tem a dar em troca dessa falsa sensação de lealdade.

  257. "You can’t fix stupidity" said

    Edu

    Os genios do pt “trabalhando”

  258. Otto said

    Lula no NYT: reações nas redes sociais explicam porque a oposição está na oposição

    Algumas postagens nas redes socais sobre o fato do ex-presidente Lula virar colunista do jornal The New York Times comprovam que é absolutamente impossível para parte da classe média e quase a totalidade da elite brasileira aceitar, sem manifestações explícitas de incorrigível ódio de classe e peculiar preconceito, esse fato: Lula é um player dentro da política internacional!
    Seus artigos serão comprados, aposta o NYT. Por isso Lula foi contratado.
    No fundo esse é o sonho do tucano clássico. Por isso também o despeito. Lula é respeitado em todo mundo. É um fato, ora.
    Se a oposição partisse da realidade, e não de seu fígado, faria a leitura conjuntural que lhe possibilitaria mensurar as ações necessárias ao seu crescimento.
    Não obstante, esses setores preferem permanecer numa desqualificação que, a toda hora, é derrotada pela realidade. É nessa hora que Lula viva colunista do NYT. E a leitura errada é entornada no chão.
    Eles precisam diminuir o adversário para acreditar em sua própria vitória, diria Gramsci.
    Frágeis…tão frágeis. Há um preconceito atávico que a eles serve de explicação racional do Brasil. Sem esses preconceitos seus totens caem, como gotas de orvalho. Esses preconceitos explicam porque são superiores. E porque seres superiores devem viver em situação privilegiada.
    Há quem pergunte, triunfante, como se o argumento fosse definitivo:
    – Ora, mas como Lula escreverá para o NYT se não sabe o idioma inglês?
    Não é de se admirar que esse grupo social, incapaz de percebe que neste grau de relações a língua jamais será uma barreira, esteja há 10 anos na oposição.
    Lula os põe na palma da mão. Por isso ele está na linha de frente.
    É que na universidade do mundo eles são analfabetos políticos. E Lula é Doutor.
    Ou agora a meritocracia não vale?

    Charles Carmo

    http://www.oreconcavo.com.br/2013/04/24/lula-no-nyt-reacoes-nas-redes-sociais-explica-porque-a-oposicao-esta-na-oposicao/

  259. Otto said

    Sobre a Virada Cultural:

    A polícia do Alckmin simplesmente cruzou os braços (de propósito). Depois aparecem esses vídeos — feitos por profissionais (a soldo do PSDB, evidentemente).
    Quem não tem argumentos, vem com baixarias.
    Por isso que vão continuar na oposição.

  260. Edu said

    Otto,

    Se vc observar bem, o comentário não é sobre a participação do governo em nenhuma das situações, é simplesmente a atitude do povo.

    —X—

    Dito isso,

    Eu confesso que depois, em casa, fiquei pensando sobre a atitude dos 3 manifestantes que pararam diante do meu carro pra reagir contra a minha “não-reação” sobre a manifestação deles. Eu não vi nenhum policial acompanhando esses manifestantes, se esses 3 tivessem atacado o meu carro, eu simplesmente não teria como me defender, e eles teriam estragado o meu ótimo dia.

    No entanto, saiu nos jornais que a mesma polícia do Alckmin, que vc julga leniente, e que eu também julguei por não estar acompanhando esse pessoal claramente alterado, desceu o pau nos professores.

    Tudo, caro Otto, depende da ideologia de quem registra e de quem interpreta os fatos.

    Interprete como quiser, mas os fatos são: ameaça numa manifestação (de professores), arrastões num evento cultural, correria para sacar benefícios assistencialistas.

    A única coisa em comum entre os três eventos, além das demonstrações de violência, era o objetivo de “ajudar o povo” presente em cada uma das situações.

    Eu não me interesso mais por ideologia, não sobrevivi, ganhei dinheiro ou aprendi nada por seguir os passos ideológicos de ninguém, mas me parece bastante interessante a maneira que o povo trata assuntos do próprio interesse: com agressão, violência e roubo.

  261. Otto said

    Edu: o meu comentário não foi sobre o seu comentário.

  262. Jose Mario HRP said

    http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/05/21/assinatura-de-randolph-e-dele-e-agora-gurgel/

    Mais um na lista dos losers:

    HH, Gabeira, Roberto Freire, Babá, Plinio…….
    A lista só aumenta.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: