políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Adir Assad: o homem que sabe demais

Posted by Pax em 02/10/2013

Segundo a Polícia Federal, Adir Assad é o operador das falcatruas da Delta, de Fernando Cavendish. Provavelmente seus links serão investigados. Há muitos envolvidos. Partidos, políticos, relações pessoais. Muita gente com, segundo farto noticiário, rabo preso com o “novo Marcos Valério” brasileiro.

PF diz que Delta tem ‘operador’ da propina – Estadão
Investigações apontam empresário como ponte entre verbas públicas e pagamentos ilícitos

Luciana Nunes Leal e Fausto Macedo – O Estado de S. Paulo
Rio e São Paulo – A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 1º, uma série de ações contra aquele que é apontado como o “operador” dos esquemas evolvendo a empreiteira Delta. Trata-se de Adir Assad, que aparece como sócio majoritário ou gestor de empresas de fachada usadas, segundo as investigações, para pagar propina e financiar campanhas com recursos de obras públicas.

Segundo os agentes federais, a Delta e seu controlador, Fernando Cavendish, transferiram R$ 300 milhões para 19 empresas de fachada entre 2007 e 2012. O dinheiro era sacado em espécie, nos bancos, por pessoas que tinham procurações das empresas fictícias.

Na Operação Saqueador, deflagrada ontem de manhã, 100 policiais federais cumpriram 20 mandados de busca e apreensão no Rio, São Paulo e Goiás.

Amparada na quebra do sigilo bancário de cerca de 100 pessoas físicas e jurídicas, autorizada em 2012 pela CPI do Cachoeira – contraventor Carlinhos Cacheira, apontado como sócio oculto da Delta -, a Polícia Federal constatou que Assad aparece como laranja de quase uma dezena de empresas de fachada, por meio das quais fazia emissão de notas frias de serviços e locação de máquinas e equipamentos para a empreiteira.

O sistema, segundo os federais, permitia que recursos desviados de obras públicas retornassem ao caixa da empreiteira e, depois, eram usados para duas finalidades: corromper servidores para ganhar licitações e financiar campanhas eleitorais por meio de caixa 2. (continua no Estadão…)

Anúncios

144 Respostas to “Adir Assad: o homem que sabe demais”

  1. Jose Mario HRP said

    Roubalheira em fase de deslinde ?????

    http://www.viomundo.com.br/denuncias/homem-bomba-dinheiro-nao-faltava-para-o-operador-do-esquema.html

  2. Jose Mario HRP said

    Vamos ´pedir o impeachment do Joaquim!

    Barbosa pede que mulher de repórter deixe cargo no STF
    Presidente do Supremo diz a Lewandowski que permanência de servidora casada com jornalista do ‘Estado’ no gabinete é ‘antiética’
    03 de outubro de 2013 | 2h 03
    Notícia
    Email Print A+ A-
    Assine a Newsletter

    O Estado de S.Paulo
    BRASÍLIA – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, encaminhou ofício ao vice-presidente da Corte, Ricardo Lewandowski, pedindo que este reconsiderasse a decisão de manter em seu gabinete uma servidora que atua no tribunal desde o ano 2000.

    Veja também:
    link Magistrado diz que não vai mandar novo ofício

    Adriana Leineker Costa é funcionária efetiva do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e está cedida ao STF. Ela é mulher do jornalista Felipe Recondo, repórter do Estado, que cobre poder Judiciário. Lewandowski disse que não vai reconsiderar a decisão de manter a servidora.

    No ofício, o presidente do STF afirma que a manutenção de Adriana seria “antiética” pela relação dela com o jornalista. O ofício não cita o repórter do Estado, tratando-o como “jornalista-setorista de um grande veículo de comunicação”. Sustenta que a permanência da funcionária poderia “gerar desequilíbrio” na relação entre jornalistas que cobrem a Corte.

    “Reputo antiética sua permanência em cargo de comissão junto a gabinete de um dos ministros da Casa, além de constituir situação apta a gerar desequilíbrio na relação entre jornalistas encarregados de cobrir nossa rotina de trabalho”, diz Barbosa. “Estando a servidora lotada no gabinete de Vossa Excelência, agradeceria o obséquio de suas considerações a respeito”, complementa.

    Felipe Recondo venceu o prêmio Esso de Jornalismo de 2012, na categoria Regional Sudeste, com uma série de reportagens em parceria com Fausto Macedo intitulada “Farra Salarial no Judiciário”. Atua no Estado desde 2007, fazendo a cobertura do Judiciário. Trabalhou na cobertura do julgamento do processo do mensalão.

    Em março deste ano, Barbosa o chamou de “palhaço” e o mandou “chafurdar no lixo”. A agressão ocorreu após o Estado requerer, via Lei de Acesso à Informação, dados sobre despesas com recursos públicos de ministros da Corte com passagens aéreas, reformas de apartamentos funcionais, gastos com saúde, entre outras. Na ocasião, o presidente pediu desculpas pelo episódio e o atribuiu ao cansaço e a fortes dores na coluna após uma sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

    Formada em Direito pelo Centro Universitário de Brasília, Adriana atua no STF desde 2000, quando foi aprovada em concurso de nível médio. Em 2011 foi aprovada em concurso de nível superior do TJ-DF e cedida para continuar trabalhando no STF. A cessão vence neste ano e um ofício do vice-presidente ao TJ-DF pedindo a renovação motivou a reação de Barbosa. Adriana atuou no gabinete de Carlos Velloso até 2006, quando este se aposentou, passando, então, a trabalhar com Lewandowski.

    Em resposta ao Estado, por meio de sua assessoria, Lewandowski afirmou não ter sido registrado ao longo dos anos de atuação da servidora nenhum episódio relativo a sua relação com o jornalista que tenha interferido no trabalho. Disse que vai manter a servidora em seu gabinete e que não vê motivo justificável para o ofício do presidente da Corte.

  3. Patriarca da Paciência said

    “Formada em Direito pelo Centro Universitário de Brasília, Adriana atua no STF desde 2000, quando foi aprovada em concurso de nível médio. Em 2011 foi aprovada em concurso de nível superior do TJ-DF e cedida para continuar trabalhando no STF. A cessão vence neste ano e um ofício do vice-presidente ao TJ-DF pedindo a renovação motivou a reação de Barbosa. Adriana atuou no gabinete de Carlos Velloso até 2006, quando este se aposentou, passando, então, a trabalhar com Lewandowski.”

    Barbosão está mesmo pra lá de Bagdá!

  4. Jose Mario HRP said

    Olha isso aqui:

    Xeque – Marcelo Bancalero

    Olha só como é o destino…
    Postamos aqui sobre a possibilidade disso acontecer numa provável denúncia do Wikeleaks…
    Ai como disseram que era mentira deixamos quietos…

    Mas hoje já não sei se era mentira…

    Em menos de 10 dias duas panes no helicóptero da Dilma?
    Leia,

    Helicóptero usado por Dilma sofre pane e obriga presidente a ir de carro
    Presidente utilizaria a aeronave, que não chegou a decolar, para se deslocar do Palácio da Alvorada à Base Aérea

    A Força Aérea Brasileira (FAB) informou, em nota divulgada à imprensa, que o helicóptero colocado à disposição da presidente Dilma Rousseff teve um “problema no motor de partida” na manhã desta quarta-feira, 2. A presidente utilizaria o helicóptero para se deslocar à Base Aérea de Brasília, mas acabou fazendo o trajeto de carro oficial.
    “Por volta das 8:00 da manhã de hoje, 2 de outubro, a aeronave H-34 (Super Puma), que realizaria o transporte da comitiva presidencial do Palácio da Alvorada para a Base Aérea de Brasília, apresentou um problema no motor de partida durante o acionamento de um dos motores”, informou a FAB, em nota.
    De acordo com a FAB, a aeronave não chegou a decolar e “não houve qualquer risco à segurança dos ocupantes do H-34, que já se encontra novamente em operação, após ter passado pela devida manutenção”.
    Dilma viajou nesta quarta-feira ao Rio Grande do Norte para participar da cerimônia de formatura de 4.500 alunos do Pronatec e de inauguração de novas instalações do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN).
    O Grupo de Transportes Especiais da Aeronáutica dispõe de duas aeronaves VH-34 (Super Puma) e duas VH-35 (EC135). Na semana passada, houve um problema na bateria de um dos helicópteros que transportou a presidente Dilma Rousseff da Base Aérea de Brasília ao Palácio da Alvorada. A FAB não soube informar se os dois episódios envolvem a mesma aeronave.
    http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2013-10-02/helicoptero-usado-por-dilma-sofre-pane-e-obriga-presidente-a-ir-de-carro.html

    BOMBA! Wikileaks vaza conspiração militar que visa tomar a presidência do Brasil
    “Nos foi repassado o plano de Golpe de Estado mais sofisticado da história do Brasil. Sem armas e sem exército nas ruas! Se o gigante realmente acordou é necessário que lave logo o rosto.”

    Muito se comenta que as manifestações ocorridas nos últimos dias podem rumar numa direção de violência sem controle. A tendência é que a situação se agrave até que o cenário político torne-se insustentável e sobrevenha um golpe militar com o pretexto de recolocar a nação em ordem. Aparentemente, a conjuntura descrita não passava de mera paranoia coletiva que, para a surpresa geral, acaba de ser tornar real e efetiva. Uma lei aprovada de última hora sobre morte e vacância do presidente e a fundação relâmpago do PMB (Partido Militar brasileiro), já davam certos sinais de um clima conspiratório rondando o país. Um whistleblower brasileiro, que ainda não se assumiu publicamente, vazou ao Wikileaks, organização internacional que dá publicidade a documentos extraoficiais, um arquivo de áudio que expõe a descoberta de uma conspiração militar reacionária de Direita que visa tomar o poder no Brasil. O áudio, ainda sendo descriptografado pela equipe de Julian Assange, detalha passo a passo a ação. Os interlocutores do diálogo conspiratório ainda não foram identificados. “Forjarão a necessidade de uma reunião emergencial entre as principais lideranças brasileiras. Alguns deles irão em conjunto num helicóptero rumo a um destino não revelado. Dentro da aeronave estarão Dilma, a presidente, Temer, o vice, Henrique Eduardo Alves, presidente da Câmara dos Deputados e Renan Calheiros, atual presidente do Senado. Este helicóptero sofrerá falhas mecânicas, caindo no oceano e levando a óbito todos os passageiros. Uma vez que é o atual presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa assumiria compulsoriamente a Presidência da República. Barbosa está em processo de filiação ao PMB, Partido Militar Brasileiro, que acaba de nascer! O Brasil está diante de um dos golpes mais sofisticados da história dado que nenhum tiro precisará ser disparado e nenhum soldado sequer precisará ir às ruas. Não será necessário nem mesmo acionar a lei da vacância, que curiosamente acaba de ser suscitada”, afirmou Julian Assange, direto da embaixada do Equador em Londres.

    http://www.diariopernambucano.com.br/noticias/bomba-wikileaks-vaza-conspiracao-militar-que-visa-tomar-a-presidencia-do-brasil/
    http://xeque-mate-noticias.blogspot.com.br/2013/10/helicoptero-de-dilma-da-pane-wikileaks.html
    Postado há 13 hours ago por Blog Justiceira de Esquerda

  5. Jose Mario HRP said

    Minha homenagem ao grande heoi da `Patria Vietnamita! General GIAP!

  6. Jose Mario HRP said

    A Marina no PSB!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    TUDO igual , no mais e mais do mesmo!!!!!!!!!!!!!!!!
    O JB vai se filiar tambem????????????
    OS Vingadoiros???????????????????

  7. Jose Mario HRP said

    `PQP!

    http://blogdoprotogenes.com.br/fbi-nao-quebra-criptografia-de-hds-de-daniel-dantas/

  8. Otto said

    Gente, o PSDB acabou de acabar!

  9. Patriarca da Paciência said

    “O ingresso da ex-ministra Marina Silva no PSB, com a possibilidade dela vir a ocupar a vaga de vice em uma chapa presidencial pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, pode ter pego muito gente de surpresa, mas o “namoro” entre eles começou cerca de três meses; “Foi assim, a decisão da Marina foi de estadista, um gesto nobre, e não de um quadro partidário que queria disputar as eleições a todo custo”, disse o líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque; o elogio a marina, porém, não se estende ao marqueteiro oficial do PT, João Santana, que disse que os adversários da presidente Dilma (PT)eram todos “anões”. “Agora, ele (João Santana) vai ter que engolir tudo o que falou. Este desrespeito, esta soberba, não tem mais espaço. O João Santana pode entender muito de marketing, mas não sabe de xadrez”, disse”
    (blog 247)

    De minha parte eu continuo achando a Marina fraquinha, fraquinha! Uma pessoa que teve o comando de um ministério por longos anos e nada fez de extraordinário, em nada se destacou, não pode ser grande política!

    Agora, que essa jogada de se unir ao Campos muda um pouco o jogo político, lá isso muda.

    Mas não acho que o mérito seja todo dela, muito pelo contrário, acho que o Campos é que está mexendo os cordéis.

    A Marina sempre dizia que não tinha plano “B”, pois é, não tinha mesmo! Com a eficiência que trabalhou para a criação do tal “Sustentabilidade”, tanta “eficiência” que simplesmente deixou o seu companheiro Sirkis para lá de furioso, o plano “A” dela sempre foi o PSB! Tanto é que ele parecia mesmo é estar bem aliviada depois da negatória do registro do tal Sustentabilidade!

    E ela continua lépida e faceira. Ninguém sequer comenta mais a tala de “recorrer ao STF”.

    Mas repito, a Marina é fraquinha, fraquinha!

    Seria uma temeridade colocá-la como presidente! Tanto quanto o Barbosão!

    Justamente porque os dois tem a mesma característica, são fracos, mas profundamente convictos em suas posições e radicais ao extremo!

  10. Patriarca da Paciência said

    Comentário interessante no blog do PHA: 06/10/2013
    maria aparecida jube
    A Bláblábláblábláblá se acha tão poderosa que ligou para o Dudu traíra e perguntou se ele queria ser o presidente do Brasil, se quisesse ela o faria presidente; ela está se achando, é como se fosse no tempo do voto de cabresto, a coronela manda e o povo obedece, ou então ela está pensando que o dinheiro dos seus bilionários apoiadores vai comprar a consciência do povo. Assim sendo para que tempo de televisão?

  11. Patriarca da Paciência said

    SUZANA SINGER ombudsman@uol.com.br @folha_ombudsman facebook.com/folha.ombudsman

    Arauto das más notícias

    Folha destaca apenas dados negativos da Pnad, apesar de a pesquisa ter apontado aumento de renda em 2012

    A edição que a Folha fez da pesquisa Pnad, que traça anualmente um quadro social do país, é um prato cheio para quem acha que o jornal só publica más notícias. Todos os destaques pinçados no levantamento eram negativos.

    O título na capa informava que “Analfabetismo e desigualdade ficam estagnados no país” (28/9). Em “Cotidiano”, havia o aumento da diferença de renda entre homem e mulher, os salários inchados pela falta de mão de obra especializada e o celular como o único tipo de telefone em mais da metade dos lares. A análise dizia que o resultado da pesquisa pode significar “o fim da década inclusiva”.

    Outros jornais optaram por manchetes do tipo uma no cravo outra na ferradura: “Renda média sobe, mas desigualdade para de cair” (“O Globo”), “Analfabetismo para de cair no país; emprego e renda sobem” (“Estado”), “Em todas as regiões houve aumento de renda, mas a desigualdade ficou estagnada” (Jornal Nacional).

    Com seu característico catastrofismo, a Folha fez uma leitura míope da pesquisa, que é muito importante pela sua abrangência -são 363 mil entrevistados respondendo sobre escolaridade, trabalho, moradia e acesso a bens de consumo.

    O dado mais surpreendente era que a renda do brasileiro cresceu em 2012, ano em que o PIB subiu apenas 0,9%. Na Folha, esse fenômeno só foi citado no meio de uma reportagem sobre a desigualdade.

    Coube ao colunista Vinicius Torres Freire, no dia seguinte, chamar a atenção para o fato de que o Brasil estava mais rico “e não sabíamos”. “É possível dizer que a taxa de pobreza deve ter caído bem no ano passado”, escreveu Freire.

    Pelos cálculos de Marcelo Neri, 50, presidente do Ipea, 3,5 milhões de brasileiros saltaram a linha de pobreza em 2012. “No conjunto das transformações, foi a melhor Pnad dos últimos 20 anos”, diz Neri.

    A desigualdade parou mesmo de cair, mas foi porque os muito ricos (1% da população) ficaram ainda mais ricos (a renda subiu 10,8%), num ritmo mais rápido do que os muitos pobres (10% na base da pirâmide) ficaram menos pobres (ganho de renda de 6,4%). É claro que não se deve desprezar o abismo social, mas não dá para ignorar que houve uma melhora geral no ano passado, o que é um mistério a ser explicado pelos economistas.

    Se o jornal subestimou o dado da renda, deu espaço demais para o fato de o analfabetismo ter parado de cair. Teve nesse ponto a companhia dos outros jornais e da TV.

    Depois de 15 anos de queda contínua, a taxa de analfabetismo variou de 8,6% para 8,7%. A diferença, irrisória, pode ser apenas uma flutuação estatística. Nem o fato de a taxa ter parado de cair é importante, segundo os especialistas.

    Os analfabetos brasileiros concentram-se, principalmente, na faixa etária mais alta (60 anos ou mais). Os mais velhos, que não tiveram acesso à escola na infância, são mais difíceis de serem alfabetizados. “Entre os jovens, a proporção de analfabetos continua caindo. A conclusão é que, embora nossa educação tenha muitos problemas, este não é um deles”, explica Simon Schwartzman, 74, presidente do Iets.

    O destaque dado à diferença entre a remuneração de homens e mulheres também foi descabido. Em 2011, a brasileira recebia 73,7% do salário de um homem. No ano passado, era 72,9%.

    Além de não ser uma variação muito significativa, pode ser um problema amostral. “As mulheres não estão necessariamente ganhando menos do que os homens. Se elas já têm uma renda média menor, basta crescer a participação feminina no mercado de trabalho para aumentar a diferença entre os sexos”, afirma Marcio Salvato, 44, professor de economia do Ibmec.

    Entre os bens de consumo, o jornal destacou o celular e as motos. Wasmália Bivar, 53, presidente do IBGE, ressalta a máquina de lavar roupa, presente em 55% das casas. “Para a vida das famílias mais pobres, é um bem de grande significado, porque dá mais tempo livre para as mulheres.”

    Não é fácil escolher o que há de mais relevante em uma pesquisa extensa como a Pnad, mas não dá para adotar o critério dos piores números. O jornalismo deve ter como primeira preocupação o que vai mal, apontar os problemas, só que o necessário viés crítico não pode impedir que se destaque o que é de fato o mais importante.

  12. Patriarca da Paciência said

    “Escritor exigiu auditório para 2 mil pessoas para dar conferência – quando só há um para 180 lugares – e recusou participar de mesa com colegas; queria influir na curadoria, mas não conseguiu; além disso, tentou ser o orador na abertura do pavilhão brasileiro, mas privilégio recaiu sobre Ana Maria Machado, presidente da ABL; mago magoou-se”
    (blog 247)

    Pois não é?

    O cara tá se achando!

    Mas há males que vem para bem.

    Sem a menor sombra de dúvidas, a participação brasileira na feira de livros alemã terá bem melhor qualidade com a ausência de Paulo Coelho!

  13. Chest said

    Em 2007, o BNDES ressuscitou o zumbi da anabolização de empresários amigos e anunciou que o governo queria criar um núcleo de “campeões nacionais”, inserindo-o no mundo das grandes empresas mundiais. Nesse lance, botou perto de R$ 20 bilhões em empresas companheiras.

    Numa mesma semana, dois fatos mostraram o tamanho do fracasso dessa política. O conglomerado da OGX, produção megalomaníaca de Eike Batista na qual o BNDES financiou R$ 10,4 bilhões, está no chão. A “supertele” Oi, produto da fusão pra lá de esquisita e paternal da Telemar com a Brasil Telecom, tornou-se uma campeã nacional portuguesa, fundindo-se com a Portugal Telecom. Em 2010, o BNDES e os fundos de pensão tinham 49% da empresa. A nova “supertele” nasce com uma dívida de R$ 45,6 bilhões. Novamente, receberá recursos do BNDES e dos fundos companheiros. O ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, garante que essa fusão é uma “estratégia”. Vá lá, desde que ele acredite que o Unibanco fundiu-se com o Itaú.

    A carteira de ações do BNDESPar caiu de R$ 89,7 bilhões em 2011 para R$ 72,8 bilhões em 2012. A campeã do ramo de laticínios chamava-se LBR e quebrou. A Fibria, resultante da fusão da Aracruz (chumbada) com a Votorantim, atolou. O frigorifico Marfrig tomou R$ 3,6 bilhões no banco e acabou comido pela JBS, cujos controladores movem-se num perigoso mundo onde convivem a finança internacional e a política goiana. Já o Bertin teve que ser vendido logo depois de o BNDES entrar na empresa. (Até 2013, esse setor recebeu a maior parte dos investimentos do BNDES.)

    O BNDES anunciou há meses que abandonou a estratégia da criação dos campeões nacionais. Falta só explicar quanto custou, quanto custará e que forças alavancaram os afortunados. Essa tarefa será fácil para alguns petistas e para o doutor Luciano Coutinho. Eles conhecem a história do banco.

    Elio Gasperi

  14. Pax said

    há um amontoado de arrazoado acertado neste texto do Elio Gaspari, sim.

  15. Patriarca da Paciência said

    “Os países democráticos precisam de uma direita conservadora e de uma esquerda progressista. Mas cada uma deve ter um discurso que faça sentido, em vez do mero moralismo (hipócrita) que a direita vem exibindo.”

    (Luiz Carlos Bresser Pereira)

    Acho que o Bresser resumiu bem aquilo que eu, o Elias e vários comentaristas por toda a internet estamos escrevendo faz muito tempo.

    Até o FHC!

    Meu conceito sobre o FHC caiu muito depois das suas últimas declarações!

    A direita, no Brasil, não tem futuro mesmo!

    É a mesma lenga-lenga de sempre, ou seja, “mar de lama, mar de lama”

    Eu discordo até que o Carlos Lacerda tivesse algum talento – era um simples arrivista tentando chegar ao poder a qualquer custo, coisa que o ministro Fux conseguiu!

    Mas depois da internet, esse discurso de “mar de lama, mar de lama”, tem passado, mas futuro não tem nenhum!

  16. Pax said

    Quase três dias, de novo, sem internet.

    Muito chato. Muita incompetência agrupada sem qualquer ação do governo. Tem relação com o texto acima, do velho, bom e rabugento Chesterton.

    Preciso colocar a nova reportagem da Isto É e, talvez, inaugurar a TAG Eleições 2014 com essa jogada do PSB com a Marina. Mexeu com o cenário, sim. Sem qualquer juízo de valor. Só uma constatação.

    Só deixo uma pergunta muito provocativa:

    Vão tirar o Paulo Bernardo e a Gleisi dos ministérios? E não vão abraçar a Kátia Abreu? Hum…

    Silas Malafaia está exultante em seu Twitter, o que assusta um bocado, de outro lado.

  17. Patriarca da Paciência said

    Outro resumo lapidar:

    “Situações extremas não podem perdurar por muito tempo. O jornalismo chapa branca que se faz hoje nas redações brasileiras – um ofício em que você faz pouco mais que beijar as mãos dos donos – é a negação do real jornalismo.

    A beleza do jornalismo é dar voz a quem não tem. O jornalismo brasileiro dá voz a quem tem o monopólio da voz.

    Uma hora a gaiola fica incômoda demais, por maiores que sejam os salários.”
    (Paulo Nogueira)

  18. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    Então o Silas Malafaia vai entrar de cabeça na campanha Campos/Marina?

    Ótima notícia para a Dilma!

  19. Pax said

    Off topic:

    Soube por diversas fontes, gente de dentro, gente de fora, gente da área (representante das associações de bairros, engenheiros, arquitetos…):

    O que o Miguel Haddad está fazendo com o Plano Diretor de São Paulo ganha em baixaria do que Kassab fez.

    Que pena.

    A caixa de coleta parece que está a todo vapor. Como se nada disso um dia tenha o troco político. De novo: que pena. A sociedade não é tão estúpida, Haddad. Se liga.

  20. Pax said

    Sem dúvida, caro Patriarca. Silas Malafaia apoiando Campos/Marina é um trunfo para Dilma.

    Assim como Kátia Abreu, Paulo Bernardo e Gleisi Hoffman, só pra citar 3, são trunfos para qualquer campanha de oposição.

    O jogo está duro de ruim. O Brasil, no meu entender, merece muito mais do que se coloca à mesa.

  21. Elias said

    Patriarca,

    Só agora estou começando a ler a PNAD.

    Um monte de gente já havia me alertado para o festival de desinformação intencional promovido pela “grande” mídia, de resto desmascarado pela ombudsman da FSP, Suzana Singer.

    Realmente, quando se analisa taxa de analfabetismo, o que interessa é o comportamento das faixas etárias mais jovens.

    Um país começa a vencer a guerra contra o analfabetismo quando ele começa a impedir que a criança de hoje se torne o adulto analfabeto de amanhã.

    Se o cara chega aos 30 anos analfabeto, dificilmente ele conseguirá se alfabetizar.

    A ONU tem estudos realizados em mais de 8 países da África, Ásia e América Latina (Brasil incluso), que desenvolveram programas massivos de alfabetização funcional de adultos. Segundo esses estudos a taxa de regressão ao analfabetismo (o chamado “analfabetismo de retorno”) é de aproximadamente 80%. Estudo realizado pelo Ministério da Educação,ainda durante o regime militar (esse estudo foi apresentado durante a “CPI do Mobral”), chegou à mesmíssima conclusão, o que acabou motivando a extinção do Mobral.

    Em geral, quando o país executa programas massivos de alfabetização funcional de adultos, ele registra uma queda acentuada da taxa de analfabetismo após o primeiro ano de execução. Dois anos depois, a taxa volta a subir. É quando o “analfabetismo de retorno” começa a se manifestar.

    Nunca soube de uma explicação científica para isso: se a pessoa for alfabetizada nos primeiros anos de vida, ela nunca regride ao analfabetismo. Se for alfabetizada depois de adulta, a chance de reverter à condição de analfabeta cresce assustadoramente. Se for alfabetizada depois dos 50 anos, a regressão será a regra, contrapondo-se às raríssimas exceções em que isso não ocorre.

    Acho que uma análise mais precisa deve levar em conta a evolução da taxa de longevidade, em especial se o país investiu pesado em educação básica, como é o caso do Brasil.

    Se, p.ex., há vários anos o país consegue colocar na escola mais de 95% das crianças em idade escolar, e, ao mesmo tempo, a longevidade de sua população aumenta, isso pode provocar, por alguns anos, a estagnação da taxa de analfabetismo.

    Em português de botequim: nessas condições, a taxa de analfabetismo cairá à medida que os idosos analfabetos forem morrendo, já que as gerações subsequentes terão cada vez menos analfabetos.

  22. Elias said

    Patriarca,

    O Lacerda era um direitista obcecado pela ambição de se tornar presidente do Brasil e disposto a qualquer coisa pra alcançar esse objetivo: conspirou contra a ordem democrática; tentou golpes de Estado; mentiu; forjou acusações falsas (chegando ao máximo com a “Carta Brandi”); perseguiu opositores políticos; quando governador do extinto Estado da Guanabara, empastelou jornais e rádios que se opuseram à tentativa de golpe militar de 1961, e um monte de etc.

    Mas Lacerda era inteligente, culto e capaz. Como governador da Guanabara ele implantou melhorias urbanísticas da maior importância, de que são exemplos o Aterro do Flamengo e o novo sistema de abastecimento de água do Rio de Janeiro (que, salvo engano, é, até hoje, quase meio século depois, a espinha dorsal da distribuição de água do RJ).

    Lacerda era peitudo, também. Foi o único político com coragem suficiente pra denunciar a mistificação de Octávio Gouveia e Bulhões e, principalmente, Roberto Campos, os quais, sob o pretexto de combater a inflação, quase quebraram o Brasil, mergulhando o país numa brutal recessão (para sair dela, o governo militar teve que torrar bilhões em despesa pública — especialmente programas habitacionais).

    Fora da política profissional (depois de cassado), ele esbanjou talento empresarial à frente da Editora Nova Fronteira, que ele fundou em 1965, e que, até Lacerda morrer, combinou quantidade com qualidade editorial a dar com os pés.

    Do Lacerda, podemos criticar a ausência de uma visão mais profunda do país, o alheamento em relação aos nossos problemas sociais, etc., e, sobretudo, a subordinação de todos os seus atos ao propósito obsessivo de se tornar Presidente da República.

    Fora isso, Lacerda era, simplesmente, genial! Os discursos parlamentares dele são verdadeiras aulas de oratória brilhante, de estrutura retórica impecável e de combate político feroz e eficaz. Um cracão!

    (Sempre que falo ou escrevo sobre Lacerda, lembro da gravação de um debate dele, então deputado federal pela UDN, com a também deputada federal Ivete Vargas (PTB). Ivete na tribuna, seguidamente espicaçada por Lacerda, nos apartes. Lá pelas tantas, ela desabafa: “Vossa Excelência é um purgante!”. E ele, em cima da bucha: “E Vossa Excelência é o efeito…”).

  23. Zbigniew said

    E a oposição mais viável nasceu da base de apoio do governo como era previsto. Enquanto que a outra tá preocupada em dar uma faceta mais séria ao candidato boêmio que foi passar uma lua-de-mel lá pela bandas dos éua. Essa não tem mais jeito.

    O projeto do Eduardo não é tão simplista quanto parece.
    Ele, em verdade, está se cacifando e nada melhor do que uma eleição para Presidente, onde, pelo menos por hora, tem como principal efeito ajudá-lo a engrossar as fileiras do partido e dar-lhe musculatura eleitoral. Se conseguir decolar, nada mau.

    Esse processo é muito importante e ele sabe que não tem nada a perder. Essa da Marina ir para o PSB foi um presente e tanto e que veio de forma surpreendente a reforçar o seu projeto nacional, afinal de contas não tem como se desprezar mais de vinte milhões de votos, com todas as reservas circunstanciais que nós possamos apontar nesta constatação, como por exemplo o fato da Marina estar se aliando a caciques como o Bornhausen, e possivelmente ao Roberto Freire, entre outros próceres da direita hidrofóbica. Ainda que se possa contrapor aos fatos de que o PT também soube se aliar ao que temos de pior neste espectro da política brasileira (tanto a nível nacional como local), nem todos vão ter estômago para manter a intenção de votos nela. Principalmente se se confirmar seu interesse na vice-presidência (o que, particularmente, acho bem sintomático da questão pessoal que se interpõe entre ela, o PT e Lula).

    Um outro aspecto é que o discurso do Eduardo vai numa direção que a oposição capitaneada pelo PSDB nunca soube ou quis assumir. Enquanto o discurso da velha oposição se baseava (e ainda se baseia) na total desqualificação das políticas implantadas pelo PT além de um pseudo-moralismo que só aqueles que têm um raciocínio político muito raso são capazes de engolir, o Eduardo está se propondo a reconhecer os avanços que as políticas do governo foram capazes de trazer mas sem abrir mão de criticar onde elas falharam. É um discurso válido e só o tempo dirá se será suficiente para seduzir o eleitorado brasileiro a ponto de mudar a correlação de forças e provocar a saída do PT do poder. E ainda, está mandando o PSDB e seus associados cada vez mais para a extrema-direita ou para a irrelevância uma vez que não vai dar para o Aécio assumir um discurso que, nem ele, nem o seu partido, algum dia quis assumir.

    Existe outro porém que é o fator Minas Gerais. Estaria o Aécio preparado para um quadro em que perderia força no seu Estado de origem, com o Pimentel indo bem para o governo local, e ele indo mal na esfera nacional? Será que vai sobrar de novo pro Serra? Aí vai ser prego batido e ponta virada no caixão dessa oposição sem proposições.

  24. Chest said

    Custo alto do novo pacto social tira competitividade do país
    Forte aumento da carga tributária foi necessário para financiar conquistas

    MANSUETO ALMEIDA
    ESPECIAL PARA A FOLHA
    A Constituição Federal da República Federativa do Brasil de 1988, a chamada Constituição cidadã, está completando vinte e cinco anos. Essa nova Constituição trouxe vários avanços, em especial na área social.

    O regime de universalização de atendimento aos idosos e inválidos do meio rural, o estabelecimento do piso de um salário mínimo para as aposentadorias, a universalização do sistema público de saúde, a garantia de acesso à educação pública e gratuita e a montagem de uma ampla rede de assistência social são exemplos do novo pacto social estabelecido na Constituição de 1988.

    Naquele momento, a sociedade fez opção por um Estado de bem estar social mais amplo, ante a promoção do investimento público e privado que havia caracterizado o esforço modernizador do Estado brasileiro na ditadura militar, quando o Brasil cresceu, em média, 6,2% ao ano com taxas de investimento superiores a 20% do PIB.

    O novo pacto social, firmado na segunda metade da década de 1980 e confirmado nas eleições posteriores, teve uma consequência indesejável que foi a forte elevação da carga tributária de 25% para 36% do PIB, aliada a uma baixa poupança doméstica. Esta carga é muito elevada para o nosso nível de desenvolvimento e nos tira competitividade frente a outros países emergentes. Adicionalmente, não temos elevada produtividade para compensar esse peso dos impostos, como ocorre com países desenvolvidos.

    Assim, o Brasil passou a ser uma economia cara e de baixa produtividade, que depende excessivamente dos preços das commodities para crescer.

    Do lado do gasto público, temos uma despesa com previdência de 12% do PIB, quase o dobro do que seria esperado pela nossa estrutura etária, e já gastarmos com educação e saúde (em % do PIB) o equivalente à média dos países da OECD (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, inglês), apesar de problemas conhecidos da qualidade do gasto.

    Adicionalmente, custos com saúde e educação estão protegidos em todos os níveis de governo por regras de vinculação constitucional, ou seja, são gastos prioritários independentemente da vontade do prefeito, governador e presidente da República.

    Um agravante do nosso pacto social é que, apesar da queda da desigualdade de renda e da pobreza desde a estabilização da economia, em 1994, o nosso gasto social ainda é pouco distributivo, ou seja, gastamos muito para ter uma redução pequena na desigualdade de renda.

    E a mudança demográfica em curso é um novo fator de pressão sobre gastos da previdência e de saúde.

    Assim, é provável que a manutenção da estabilidade econômica com crescimento e inclusão social exigirá um ajuste do nosso pacto social, como, por exemplo, uma reforma da previdência, redefinição da regra atual de reajuste do salário mínimo e de alguns programas sociais (seguro desemprego e abono salarial).

    Sem esses ajustes, será difícil aumentar o investimento público, reduzir a carga tributaria e manter as conquistas sociais da Constituição cidadã no século 21.

    MANSUETO ALMEIDA é economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)

  25. Jose Mario HRP said

    UNICAMP, U la la!

    http://educacao.uol.com.br/noticias/2013/10/07/alunos-pedem-explicacao-sobre-vinhos-encontrados-na-reitoria-da-unicamp.htm

  26. Jose Mario HRP said

    A direita na cadeia?
    E esses canalhas que de mascaras destruiram ontem a motinho de um segurança de bancos, cuja agencia covardemente destruiam?
    Aquela moto, fruto de suor e trabalho , um sonho talvez do segurança, destruida por filhinhos de papai fascistas e golpistas!
    No dia de ontem pessoas que protestavam em Heliopolis com barricadas de fogo, sequestraram um carro tipo vanzinha com o motorista dentro e o jogaram com a pessoa dentro , no fogo, e mesmo que o motorista tenha escapado na hora H, o veiculo explodiu machucando muitos dos vandalos fascistas que gratuitamente destruiram o ganha pão do pobre motorista!
    Bem feito aos machucados/feridos?
    Pode ser, bem feito!

  27. Chest said

    Diretamente da ilha de Fidel para o norte de minas!
    Tem uma medica cubana em uma cidade perto de Espinosa MG com 27 anos de
    formada! Ela está atendendo no mesmo Posto que um medico brasileiro e ela
    discute absolutamente todos os casos com ele. Praticamente uma acadêmica. E
    entre outras barbaridades deem uma olhada nessa lista:
    1) Ela nunca tinha ouvido falar de amoxicilina.
    2) Não sabe fazer PCCU.
    3) Nunca pediu e tb nunca viu um aparelho de US.
    4) Viu um Rx de mão e achou que os ossículos eram multiplas fraturas.
    5) Não sabe fazer lavagem auricular.
    6) Viu uma drenagem de uma bartolinite e passou mal.
    Agora me fala Dilma… São profissionais assim que você oferece como a
    solução dos problemas de saúde do Brasil, presidente?? A Dilma só pode
    achar q povo brasileiro é muito burro mesmo!!!

    chest- e não é?

  28. Chest said

    http://www.implicante.org/blog/projeto-ministerio-desenvolvimento-agrario-site-humoristico-fonte/

  29. Patriarca da Paciência said

    Chest, 28,

    Eu achei bem interessante!

    O site humorístico descreve com notável exatidão a história do município! Por que será que a verdade ofende a certas pessoas?

    Alguém duvida que aconteceu exatamente da maneira como está descrito no site humorístico?

    A resposta é, certas pessoas preferem acreditar em “profetas” e santos paramentados com ricas vestimentas bordadas a ouro e cravejadas de diamantes.

    É por isso que Rembrandt foi estigmatizado quando passou a retratar os santos e profetas como eles na realidade foram.

  30. Elias said

    Chest # 27

    Já sei onde essa cubana maluca se formou.

    Olhaí, do UAI:

    “Cartão vermelho para o CURSO DE MEDICINA da Universidade Vale do Rio Verde (Unincor) do campus de Belo Horizonte. Depois de a graduação ficar anos na berlinda na avaliação federal que mede a qualidade do ensino superior no país, com índices abaixo do aceitável, o Ministério da Educação (MEC) abriu processo administrativo para acabar com o curso. A instituição tem prazo de 15 dias para apresentar defesa. Enquanto isso, os 433 estudantes matriculados não sabem sequer se voltarão às aulas, no mês que vem. Caso haja fechamento, as turmas terão de ser transferidas para outras faculdades.”

    “O imbróglio na Unincor começou em 2009, quando o MEC abriu procedimento de supervisão, instaurado para a apuração de denúncias de má qualidade na questão didático-pedagógica e do corpo docente. Há anos a universidade é avaliada no Índice Geral de Cursos (IGC) com nota 1, figurando entre as piores de Minas. O índice é medido a partir do Exame Nacional do Desempenho dos Estudantes, que avalia o rendimento dos alunos que estão entrando ou se formando na graduação, e do Conceito Preliminar de Curso, que mede a qualidade dos cursos de graduação. Também há avaliações feitas por especialistas in loco, sobre as condições de ensino, em especial o corpo docente, as instalações físicas e a organização didático-pedagógica.”

    “A mensalidade atual do curso, também oferecido em Três Corações, no Sul do estado, é de R$ 3,8 mil. Durante o processo de supervisão, a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC constatou deficiências graves na graduação. Em 28 de janeiro de 2011 foi fixado prazo para que as deficiências fossem sanadas e proibido o ingresso de alunos no curso. Desde então, o vestibular para medicina não é realizado. Mas o relatório final da comissão que verificou o cumprimento das medidas constatou que as deficiências persistiam e até mesmo se agravaram durante o período proposto de recuperação.”

    “Outro fato que agravou a situação da Unincor junto ao MEC foi o despejo da faculdade, que funcionava na capital oferecendo cursos de medicina, enfermagem, fisioterapia, nutrição, odontologia e tecnólogo em radiologia em um prédio do Hospital Luxemburgo, no bairro homônimo, na Região Centro-Sul. O Instituto Mário Penna, dono do imóvel, pediu o espaço de volta no início do ano passado e firmou acordo para desocupação em julho, o que não foi cumprido. A Unincor só liberou o local no dia 11, diante de decisão judicial. O instituto esclarece que não tem relação com as atividades de ensino da universidade.”

    “Caso haja a desativação do curso, de acordo com o MEC, a Unincor deve tomar todas as providências sobre a documentação e garantir a conclusão do curso de todos os matriculados. No ano passado, quatro instituições de outros estados foram descredenciadas, e, atualmente, 1.385 processos de supervisão estão em andamento. O MEC não soube informar quantos se referem a faculdades e universidades mineiras.”

    “Uma aluna que pediu para não ser identificada diz que os estudantes estão revoltados. “Pagar uma mensalidade dessas para não saber nem se teremos um diploma é um absurdo. É pisar em cima de nossos sonhos”, diz. A Unincor foi procurada, mas até o fechamento desta edição não havia respondido aos questionamentos.”

    ===========================

    E bom não cuspir pro alto, Chest…

    O Brasil tá cheio de “médicos” fajutos, formados por esses caça níqueis privados, que, durante décadas, funcionaram criminosamente, protegidos pela omissão também criminosa do governo federal.

    Só nos últimos 3 anos, foram fechados mais de 14 “cursos de medicina” vagabundos, que operavam fajutamente há anos, com total apoio — inclusive financeiro — do MEC, e, todos os anos, colocavam no mercado de trabalho centenas de “médicos” vagabundos, os quais, até hoje, estão por aí, ganhando os tubos pra colocar em risco a vida de milhares de infelizes que têm o azar de ser atendidos por eles.

    Entre esses cursos, alguns de propriedade do Demóstenes, em associação com o Cachoeira (Isso mesmo: o zooempresário e pauteiro da Veja é, também, educador emérito, proprietário de várias faculdades e de mais de uma universidade).

    Aliás, Demóstenes e Cachoeira parecem ter se envolvido, também, no fechamento de uma universidade particular em São Paulo, cujo proprietário é ex-marido de uma virtuosa senhora, a qual mantinha um — digamos… — relacionamento pessoal/negocial com Demóstenes, que, associado a Cachoeira, tinha interesse em implantar outra universidade no mesmo local.

    Aí o ex-marido botou a boca no trombone, e o conteúdo fétido do pacote acabou vindo à tona, embora não tenha recebido muito destaque da “grande” mídia (por motivos óbvios, né?).

    E, porque presente se dá completo, tenho que dizer que a universidade desse ex-marido inconformado era, também, uma grande porcaria, que, tal como a Unicor, cobrava caro e funcionava precariamente, dando formação vagabunda e colocando no mercado de trabalho pessoas sem a menor condição para exercer a profissão para a qual haviam sido supostamente qualificadas. Entre elas, dezenas de falsos médicos por ano.

  31. Elias said

    O UAI, citado acima, faz parte do portal EM (Estado de Minas), órgão dos Diários Associados.

  32. Pedro said

    “Alguém duvida que aconteceu exatamente da maneira como está descrito no site humorístico?”

    Patriarca, leia mais dois artigos e vamos ver se vc continua concordando com a desciclopedia.

    http://desciclopedia.ws/wiki/Dilma

    http://desciclopedia.ws/wiki/PT

    :-)

  33. Patriarca da Paciência said

    Pedro,

    eu continua achando que, em relação à cidade de Mato Grosso, a coisa se aproxima muito da realidade!

    Você já pensou seriamente de como seria a vida dos bandeirantes?

    Aquela multidão de verdadeiros bárbaros, comandando uma multidão de homens, mulheres, crianças e escravos pelo meio do mato, dormindo ao relento e se alimentando do que encontravam?

    O verdadeiro heroísmo dos seres humanos é bem diferente daquele retratado nos livrinhos de história do ensino básico!

  34. Elias said

    Fora do tópico, do noticiário da ADVFN:

    “Vários meios de comunicação noticiam a demissão em massa de funcionários da OGX Petróleo (OGXP3) hoje. Segundo a coluna Radar on-line da revista Veja, foram demitidas 150 pessoas. Já o jornal Folha de S.Paulo conta cerca de 60 funcionários, 20% da força de trabalho da companhia. A coluna Radar on-line ainda noticia que a OGX mudará de sede, assim como outras empresas do Grupo EBX, e alugará salas em um prédio do centro do Rio de Janeiro.”

    A EBX saiu silenciosamente do Serrador, na Cinelândia, pouco depois do Eike ter dito que não sairia de lá… Parece que o proprietário do prédio vai aproveitar a má hora pra dar chute em cachorro morto. No mínimo, vai querer o pagamento de alguns meses — talvez anos — de aluguel, já que Eike rescindiu unilateralmente o contrato de locação.

    Eike sabe que, se for negociar a desocupação dos imóveis, os locadores vão arrancar a pele dele com as unhas, feito chipanzés famintos. Melhor sair na marra, e esperar que o pessoal se queixe na Justiça…

    Só que, quando uma empresa chega a esse ponto, é porque está, mesmo, no fim da linha.

    É o Eike entrando com tudo na “fase 5”.

    Como não existe “fase 6″…

  35. Elias said

    “Assim, é provável que a manutenção da estabilidade econômica com crescimento e inclusão social exigirá um ajuste do nosso pacto social, como, por exemplo, uma reforma da previdência, redefinição da regra atual de reajuste do salário mínimo e de alguns programas sociais (seguro desemprego e abono salarial).”

    “Sem esses ajustes, será difícil aumentar o investimento público, reduzir a carga tributaria e manter as conquistas sociais da Constituição cidadã no século 21.” (MANSUETO ALMEIDA, economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, citado pelo Chester)

    Pegue-se um artigo desse pessoal — economistas neolib, com mestrado na Casa do KCT e Doutorado no Garrotal do Xunda — lá pelo início dos anos 1980, com a inflação dobrando o Cabo da Boa Esperança…

    Sabe o que eles diziam? Que a Previdência Social estava ferrando com o Brasil, e que era necessário rever os benefícios previdenciários e demais programas sociais (que eles, evidentemente,consideravam excessivos), para que o Brasil recuperasse sua “capacidade de investimento público” e, ao mesmo tempo, reduzisse a carga tributária.

    Aí chegamos à segunda metade dos anos1980, com a nova Constituição Federal chegando no pedaço…

    E o que diziam os economistas neolib? Que a Previdência Social estava ferrando com o Brasil, e que era necessário rever os benefícios previdenciários e demais programas sociais (que eles, evidentemente,consideravam excessivos), para que o Brasil recuperasse sua “capacidade de investimento público” e, ao mesmo tempo, reduzisse a carga tributária.

    Vieram os anos 1990 e os economistas neolib alertaram que… A Previdência Social estava ferrando com o Brasil, e que era necessário rever os benefícios previdenciários e demais programas sociais (que eles, evidentemente,consideravam excessivos), para que o Brasil recuperasse sua “capacidade de investimento público” e, ao mesmo tempo, reduzisse a carga tributária.

    Mas, então, FHC & adjacências sacaram o Plano Real, reduzindo a pó a mega inflação que, por anos a fio, assombrava o país. Nossos amigos economistas neolib gostaram, porém ressalvaram que… A Previdência Social estava ferrando com o Brasil, e que era necessário rever os benefícios previdenciários e demais programas sociais (que eles, evidentemente,consideravam excessivos), para que o Brasil recuperasse sua “capacidade de investimento público” e, ao mesmo tempo, reduzisse a carga tributária.

    E, no final dos anos 1990, o que diziam os economistas neolib? Ora, eles diziam que… A Previdência Social estava ferrando com o Brasil, e que era necessário rever os benefícios previdenciários e demais programas sociais (que eles, evidentemente,consideravam excessivos), para que o Brasil recuperasse sua “capacidade de investimento público” e, ao mesmo tempo, reduzisse a carga tributária.

    Ao longo de toda a primeira década dos anos 2000, e dos primeiros 3 anos da segunda década, o que dizem os economistas neolib? Que a Previdência Social está ferrando com o Brasil, e que era necessário rever os benefícios previdenciários e demais programas sociais (que eles, evidentemente,consideram excessivos), para que o Brasil recupere “capacidade de investimento público” e, ao mesmo tempo, reduza a carga tributária.

    Minha proposta: que o Brasil aumente sua capacidade de investimento público AUMENTANDO A CARGA TRIBUTÁRIA E,M 700 POR CENTO, em cima de tudo que for neolib encontrado no país, recitando a josta dessa cantilena chata, repetitiva e burra, feito um monomaníaco, enchendo o saco de todo mundo.

    A sobretaxa tributária incidente sobre os neolib, como punição pelo enchimento de saco em escala nacional, só deverá ser suspensa quando o neochato provar que aprendeu a articular um raciocínio original.

  36. Chest said

    Um jogo previsível
    ESCRITO POR JEFFREY NYQUIST | 08 OUTUBRO 2013
    INTERNACIONAL – ESTADOS UNIDOS

    Raramente uma intervenção governamental rende bons resultados. Na maior parte das vezes ela degrada e desmoraliza. Assim foi a intervenção que produziu a bolha imobiliária. Assim foi a “guerra contra a pobreza”.

    O presidente Barack Obama disse que Wall Street deveria estar preocupada com o fechamento do governo. Entretanto, esse fechamento é apenas parcial e os efeitos não são tão medonhos ou ameaçadores quanto o presidente quer nos fazer acreditar. A verdadeira ameaça para Wall Street são os déficits nos gastos governamentais e nossa gradual caminhada rumo ao socialismo, isto é, rumo a um cenário de intervenção governamental cada vez maior na economia. Uma intrusão maciça do governo no ramo da saúde por meio do Patient Protection and Affordable Care Act (de 2010) é a razão do atual fechamento do governo. Alguns dos membros do Congresso desejam adiar as consequências dessa legislação que pode colocar todo o sistema à beira do abismo socialista.

    “Para o socialista, o advento do socialismo significa a transição de uma economia irracional [para uma racional]”, escreveu o economista austríaco Ludwig von Mises. “Sob o socialismo, o gerenciamento planejado da vida econômica toma o lugar da anarquia na produção…”. Aqui o socialista não sabe diferenciar racional de irracional. Em termos de plano de saúde, o governo propôs que todo americano venha a ter um seguro de saúde independentemente do custo que isso possa vir a ter para o governo ou para os contribuintes individuais. Por conta de tal decreto, o governo está provocando uma subida nos preços de plano de saúde, pois ele está forçando a entrar no mercado milhões de pessoas que até então não tinham seguro ou plano de saúde. Com efeito, isto se parece com o que o governo fez ao comprar e vender casas familiares durante a última década (quando o governo encorajou uma quantidade gigantesca de empréstimos a pessoas que outrora não se qualificariam, provocando assim uma bolha no mercado imobiliário).

    Raramente uma intervenção governamental rende bons resultados. Na maior parte das vezes ela degrada e desmoraliza. Assim foi a intervenção que produziu a bolha imobiliária. Assim foi a “guerra contra a pobreza”. Assim será o resultado por oferecer a todos plano de saúde de alta qualidade pela via legislativa. Dizendo de modo claro e sem rodeios, o Affordable Care Act não garante um aumento no número de doutores para atender uma demanda maior de assegurados. Mas se fosse o caso, o aumento de doutores se daria sobre uma falsa base, pois a economia não pode sustentar o que ela não pode proporcionar.

    A inviabilidade do Affordable Health Care Act significa a sua iminente derrota no Congresso? A esse respeito, podemos prever com um alto grau de certeza que a atual tentativa de parar o Obamacare falhará. Como observou Mises algumas décadas atrás em seu livro Socialismo, os socialistas acreditam na excelência da intervenção e controle governamental. Além disso, disse ele, “É falso imaginar que a ideologia socialista domina apenas aqueles partidos que se intitulam socialistas ou… ‘sociais’. Todos os partidos políticos atuais estão saturados de ideias socializantes”. Essa é a situação de hoje.

    Até os oponentes do socialismo acreditam que o socialismo é “mais racional” e, portanto, “inevitável”. Pode se dizer que a propaganda do igualitarismo dos tempos modernos e a constante bajulação do povo depõem em favor dessa inevitabilidade. Se Mises estivesse vivo hoje, ele citaria suas próprias palavras para se referir aos republicanos no Congresso que estão tentando impedir o Obamacare: “em seus corações eles estão convencidos que a resistência é inútil”. E isso é a despeito do fato de o socialismo ser “nada mais que uma grandiosa racionalização de sentimentos pequenos”, nas palavras de Mises. “Nenhuma das teorias [socialistas] pode resistir a uma crítica científica e todas suas deduções são inválidas. A concepção que se tem no socialismo da economia capitalista já foi há muito provada como sendo falsa; o plano para a futura ordem social mostra-se intrinsecamente contraditório e, portanto, impraticável”.

    Cada passo rumo ao socialismo significa uma redução na totalidade de meios econômicos e no consumo de capital. Como previu Mises, “ver a fraqueza de uma política que aumenta o consumo das massas ao custo dos bens capitais existentes, e assim sacrificando o futuro no presente… requer um entendimento mais profundo que aquele concedido a estadistas, políticos ou às massas que os colocaram no poder”. A destruição da riqueza não está visível ao cidadão médio. Essa destruição é sentida mais gradualmente através de uma queda no padrão médio da qualidade de vida. E o demagogo, conforme observa Mises, “conquistaria sucesso mais facilmente aumentando o consumo per capita ao custo da formação de capital adicional e em detrimento do capital existente”.

    Com efeito, esse é o significado econômico do Obamacare nos dias de hoje. A análise de Mises continua a ser atual, mesmo considerando a degeneração do cenário político americano ao longo dos anos. Nosso declínio para o socialismo, entretanto, é apenas um aspecto nessa longa tendência de queda. Há uma passagem interessante na obra Democracia e Liberdade de William Lecky escrita quase 120 anos atrás onde o grande sociólogo coloca em dúvida o futuro da América nos seguintes termos: “A decadência do convívio familiar, em algumas partes da América, dá-se graças à excessiva facilidade de se divorciar; a alarmante prevalência da desonestidade financeira em larga escala; o estranho e sinistro aumento de crimes comuns… a libertinagem que ainda reina na vida política e municipal e a indiferença com que essa libertinagem é contemplada, propicia muito espaço para o pensamento melancólico”.

    Seria quase risível comparar a decadência e a libertinagem dos anos 1890 com a de hoje. Mas toda tendência tem um início, e o atual curso da América não começou ontem. Estamos viajando por essa estrada há mais de 100 anos e é seguro dizer que viajaremos até o amargo fim (que certamente não levará outros cem anos). Aqueles que pensam serem risíveis as preocupações de Lecky acerca da ‘libertinagem que reinou na vida política e municipal’ em 1890 devem considerar que a dívida nacional está se aproximando de 17 trilhões de dólares. É fácil ver como nossa indiferença para com a libertinagem nos trouxe até a atual charada do fechamento do governo, com toda essa cuidadosa retórica e impostação. Quem seriamente acredita que os gastos governamentais serão controlados?

    É o caso de perguntar quem acredita em Coelhinho da Páscoa ou em Fada do Dente.

    Publicado no Financial Sense.

  37. Patriarca da Paciência said

    “Minha proposta: que o Brasil aumente sua capacidade de investimento público AUMENTANDO A CARGA TRIBUTÁRIA E,M 700 POR CENTO, em cima de tudo que for neolib encontrado no país, recitando a josta dessa cantilena chata, repetitiva e burra, feito um monomaníaco, enchendo o saco de todo mundo.

    A sobretaxa tributária incidente sobre os neolib, como punição pelo enchimento de saco em escala nacional, só deverá ser suspensa quando o neochato provar que aprendeu a articular um raciocínio original.”

    Apoiado, meu caro Elias,

    Tomara que os nossos parlamentares te ouçam!

    Assim os neochatos vai aprender a pensar um pouquinho melhor!

  38. Chest said

    A capacidade de investimento depende da poupança dos brasileiros, como pode alguem em são consciência acreditar que ao acabar com a poupança dos brasileiros vai aumentar a capacidade de investimento ao longo dos anos? Acreditam que a poupança dos estrangeiros continuaria a vir para cá?

    Pax, estou tentando corresponder ao teu pedido, mas tá muito difícil.

  39. Patriarca da Paciência said

    “Usando de argumentos frágeis, o TSE negou indevidamente o registro do Partido da Neo Mulher Boa, Marina Silva, uma grande perseguida pelo bolchevismo ateu, por ser uma mulher de fé. Primeiro foi Marco Feliciano, agora ela, discriminada pela religião, vítima dos que querem impor a força o comunismo e o ateísmo em nosso país, um péssimo sinal, um claro demostrativo do nível que chegamos sob o desgoverno dessa búlgara usurpadora que aí está.

    Apoiando-se erradamente em fatos menores, tipo “faltam milhares de assinaturas”, “cabe ao partido comprovar a validade das assinaturas”, e outras bobagens, o Tribunal perdeu a chance de se posicionar nessa grande cruzada pela derrubada do lulismo no Brasil, que tanto mal trouxe a essa Pátria carente de pessoas do bem, como Marina Silva. E além disso, o que são poucas milhares de assinaturas se a Rede conseguir milhões de curtidas no Facebook e o apoio de Caetano Veloso? Isso supera qualquer falta e deveria obrigatoriamente ter sido levado em consideração pela Corte.

    Perdemos uma batalha, mas não a guerra. Marina haverá de contornar a situação e auxiliar novamente os homens de bem na grande luta contra o petismo atroz nas próximas eleições. Alvíssaras!

    E agora, uma canção.”

    http://www.hariovaldo.com.br/site/2013/10/04/forcas-ocultas-obrigam-tse-a-negar-partido-a-marina-silva/

  40. Patriarca da Paciência said

    “Denúncia foi feita pelo deputado Chico Vigilante: “mesmo residindo em Recife, capital do Pernambuco, presidente do PPS abocanhou mais de R$132 mil como integrante do Conselho Administrativo da Terracap, durante o governo de José Roberto Arruda; arrogante em seu discurso de ética e moralidade, não se afastou da função nem mesmo durante o maior escândalo político do país, que culminou na prisão do então governador, a Caixa de Pandora do DEM”
    (blog 147)

    Esta é de lascar!

    Então o moralista Bob II foi pego com a boca nas botija?

  41. Jose Mario HRP said

    Corrupção?

    http://flitparalisante.wordpress.com/2013/10/03/associacao-dos-oficiais-da-pm-chama-geraldo-alckmin-de-ladrao/

  42. Elias said

    “A capacidade de investimento depende da poupança dos brasileiros…” (Chester, mostrando que se formou em economia pela Unicor)

    Capacidade de investimento de QUEM, cara pálida?

    O investimento PRIVADO depende da poupança do cidadão.

    Já o investimento PÚBLICO, depende da capacidade de arrecadação tributária pelo Estado, e da maneira como os governos gerenciam esses recursos.

    No Brasil, especialmente a partir da metade do Século XX, o investimento PÚBLICO sempre foi maior que o investimento privado.

    As ferrovias, as siderúrgicas, os grandes projetos de mineração, a prospecção, a exploração e a industrialização do petróleo, para citar alguns poucos exemplos, só se estabeleceram no Brasil por causa de investimentos PÚBLICOS (A criação da Petrobrás aconteceu sob forte reação contrária do que diziam que o setor petrolífero não tinha futuro no Brasil, e que criar a Petrobrás seria jogar dinheiro fora. Para mais detalhes sobre essa argumentação, é só pegar as antigas edições de órgãos da “grande” imprensa que, hoje, berram, grasnam e cacarejam pela privatização da Petrobrás. O Estadão, por exemplo.

    O Lúcio Flávio Pinto e o Elio Gaspari, em diferentes contextos, narram a visita de um Primeiro Ministro japonês ao Brasil, na época do “milagre” do Delfin Netto, com o PIB brasileiro crescendo a taxas japonesas (hoje chinesas).

    E lá tava o Delfin contando vantagens, até que o japonês perguntou: “E qual a taxa de poupança do brasileiro, ministro?”. A resposta foi um silêncio ensurdecedor. Naquela época, a poupança do brasileiro era praticamente nula…

    Delfin ficou “boca de abiu” por algum tempo… Depois, desandou a falar na Amazônia… Disse que, mesmo sem muita poupança privada, o Brasil continuaria investindo e crescendo, com base no setor mínero metalúrgico — majoritariamente estatal — na exportação de commodities, etc. e tal.

    Qualquer semelhança com o Brasil dos 43 anos seguintes, é meramente proposital.

    Façam as contas de quanto o país investiu, de lá pra cá.

    Depois, procurem saber qual foi a evolução da poupança privada, no mesmo período.

    Aí vocês terão — mais ou menos — uma noção do quanto os neochatos são incapazes de entender o Brasil…

    Discordar de uma estratégia econômica, por considerá-la injusta ou qualquer outra razão, é uma coisa… Deve-se respeitar essa discordância, mesmo sem apoiá-la.

    Agora, dizer que é impossível acontecer algo que está acontecendo, ininterruptamente, há mais de 7 décadas, é BURRICE elevada à quinquagésima potência…

    Insisto: os neochatos devem ser sobretaxados, pelo crime de encher o saco dos cidadãos normais, com esse blá-blá-blá repetitivo e burro. Essa punição deve ser mantida até que os neopentelhos encravados demonstrem que são capazes de formular um raciocínio original, favorável à redução da carga tributária.

    Como concessão à sua (deles) limitada capacidade de raciocínio, deve ser permitido aos neochatos brasileiros argumentar como os liberais ingleses, que conseguiram reduzir a tributação sobre rendimentos pessoais britânicos, que, nos anos 1960, chegou a alcançar, a estratosférica e imoral taxa de 94% (daí o indignado protesto do Beatle George Harrison, em “Taxman” — álbum “Revolver” –, uma justa crítica ao capitalismo de Estado: “Vou te dizer / vai ser assim / é um pra você, 14 pra mim / Porque eu sou o homem dos impostos…”).

    Todavia, qualquer neochato verde-amarelomalária que insista em repetir a emburrecente e sacal cacarejação neolibpatropical de 50 anos atrás, deve ter, imediatamente, elevada sua carga tributária em 350%. Se reincidir, deverá ter aumentos sucessivos de 50 pontos percentuais, até atingir 700% acima da carga tributária média dos seres humanos normais, cujos sacos os neochatos não param de agredir.

  43. Patriarca da Paciência said

    Bons comentários no blog 247:

    Militância Petista (feliz da vida!) 9.10.2013 às 10:39
    Véio, 2014 tá muito fácil, puta que pariu. Dilma vai ganhar ANTES do primeiro turno…

  44. Elias said

    Uma dica pros neochatos do pedaço:

    Tributação pode ser encarada como “poupança forçada”, transferida ao Estado.

    Ao tributar, o Estado impede que uma parte da renda seja transformada em consumo. Só que, essa parcela da renda não consumida (poupada, portanto), em vez de ficar em poder do cidadão, vai para o Estado, aumentanbdo a capacidade de realização da despesa pública, seja em custeio, seja em investimento.

    Mas a maior parte do investimento estatal é, mesmo, realizada por meio do ENDIVIDAMENTO.

    O ENDIVIDAMENTO é o modo mais inteligente e justo de se financiar o investimento público.

    Quando o Poder Público constrói uma ponte, p.ex., está criando um equipamento público que vai durar muito tempo: 80 anos, 100 anos ou mais.

    Trata-se, portanto, de um equipamento público que será usufruído por várias gerações de contribuintes.

    Será burrice, do ponto de vista econômico, e injusto, do ponto de vista social, que apenas uma geração de contribuintes pague por um benefício que será usufruído por várias gerações.

    Mais inteligente e justo será distribuir o custo desse investimento pelo maior número possível de gerações.

    O que viabiliza isso é o ENDIVIDAMENTO. São as OPERAÇÕES DE CRÉDITO de longo prazo.

    Essa é uma das linhas de raciocínio que fundamentam a gestão pública…

    E eu estou só tentando ajudar os neochatos… Pra que eles dêem uma maneirada nas burrices burrinhas emburecidas e emburrecentes que vomitam por aqui…

  45. Patriarca da Paciência said

    “Será burrice, do ponto de vista econômico, e injusto, do ponto de vista social, que apenas uma geração de contribuintes pague por um benefício que será usufruído por várias gerações.

    Mais inteligente e justo será distribuir o custo desse investimento pelo maior número possível de gerações.

    O que viabiliza isso é o ENDIVIDAMENTO. São as OPERAÇÕES DE CRÉDITO de longo prazo.”

    Concordo totalmente, caro Elias.

    Por que será que certas pessoas tem uma dificuldade tão grande em aceitar verdades tão evidentes?

    Acho que o velho e bom Dostoievski já respondeu a esta indagação, um século e meio atrás, “as pessoas não acreditam porque veem, as pessoas acreditam porque querem acreditar”.

  46. Patriarca da Paciência said

    Ou seja, se a pessoa quiser acreditar naquilo que tem lógica e faz sentido, ela acredita, mas se ela prefere acreditar naquilo que agrada aos seus interesses, ela também acredita, apesar de todas as evidências em contrário !

  47. Jose Mario HRP said

    VIVA!

    http://www.viomundo.com.br/politica/juiz-indefere-reintegraca.html

  48. Patriarca da Paciência said

    “No Rio Grande do Sul, ex-governador tucano diz que Estado brasileiro sofre por ter sido “apropriado por um partido e seus sócios”, no que classificou como um “patrimonialismo bolchevique”; ele também criticou o “troca-troca eleitoral” e deixou em aberta a possibilidade de disputar a presidência em 2014; em artigo, criticou a “balcanização do Estado brasileiro”; até março do ano que vem, quando o PSDB oficializará seu nome, ele ainda fará o possível e o impossível para tomar o lugar de Aécio Neves”.

    Serra saiu do armário?

    Resolveu expor abertamente suas convicções?

    Então o PT é um partido bolchevique?

    Quá quá quá quá!!!!!!!!

    É o Serra cada vez mais “moderno”!

    O homem não toma jeito mesmo.

    Vá ser persistente no erro assim no raio que o parta!

  49. Patriarca da Paciência said

    O parágrafo entre aspas do comentário 48 é do blog 247.

  50. Patriarca da Paciência said

    “A situação de Eduardo Campos não deixa de ter graça. Ele começa a mostrar-se a verdadeira Dilma Rousseff imaginada nas tantas loas à jogada “brilhante e inovadora” de Marina Silva ao incorporar-se à candidatura do PSB, contra a da presidente à reeleição. Ao menos desde ontem pela manhã, quando publicada a entrevista de sua nova associada, Eduardo Campos só pode ser um exemplo de apreensão. Mas sorridente, muito sorridente. Obrigado a sorrir, a repetir-se feliz com o acordo e, claro, absolutamente confiante no apoio de Marina. E, quanto mais se mostre assim, mais será o contrário.

    Até por uma possível dor nas costas.”
    (Jânio de Freitas)

    Pois é, o Dudu não aceitou ser vice da Dilma e aceita, achando que fez uma “grande jogada”, ser uma “criatura” da Marina?

    O telefonema da Marina não deixa dúvidas, “você quer ser presidente?”

    Política é mesmo uma caixinha de surpresas.

    Apesar de que, no caso da Marina, não foi nenhuma surpresa. Vários jornalistas já haviam escrito de que, “quando a Marina começar a falar… vai ser um desastre!”

  51. Patriarca da Paciência said

    Furo de reportagem do Luiz Antonio:

    Ministério Marina-EC

    Casa Civil – J. Bornhausen

    Justiça – Gilmar Dantas

    Agricultura – R. Caiado

    Defesa – Bolsonaro

    Direitos Humanos – Feliciano

    Economia/Fazenda – junta do Itaú

    Meio-Ambiente – junta da Natura

    Comunicações – Ataulfo

    Secretaria da Receita Federal – quem a Globo indicar

    Relações Exteriores – quem tirar o sapato mais rápido

    SECOM – Ali Kamel

    ABIN – Cerra

    Saúde – Pres. CRM Ceará

    Banco Central: Daniel Dantas

    (Blog do PHA)

  52. Elias said

    Patriarca,

    E tem mais!

    O Estado pode empanturrar o CIDADÃO de impostos, sem que, com isso, ele reduza a capacidade de investimento PRIVADO.

    Basta que esse mesmo Estado cumule as empresas de “benefícios” fiscais: redução ou isenção de tributos diretos ou indiretos.

    Aí o cidadão vai continuar pungado, mas os investimentos PRIVADOS vão continuar rindo pras paredes e fazendo cara de paisagem…

    Será que ninguém nunca viu algo assim acontecer em um certo país da América do Sul?

    Tanto o Estado pode fazer isso de modo geral (o que é raro), como pode — como acontece mais comumente — direcionar o investimento privado para certos setores, concedendo a estes os tais benefícios.

    Tome como exemplo o setor mínero-metalúrgico, dste país tropical. A União concede isenção de ICMS para a exportação de minérios e de produtos intermediários derivados de minérios (como o ferro gusa, o lingote de alumínio e a alumina).

    Oficialmente, esses benefícios são concedidos pra tornar os preços brasileiros “competitivos” no mercado internacional. Na prática, pelo volume de lucro distribuído por empresas como a Vale, dá pra gente perceber que o ICMS isentado está, na verdade, financiando o LUCRO dos acionistas (com o ICMS, os preços poderiam ser mantidos, só que o lucro seria ligeiramente menor…).

    Esse tipo de “benefício” fiscal tem ferrado com Estados como Minas Gerais e Pará, os dois maiores exportadores mundiais de minério e PIs derivados de minérios. A “compensação” produzida pela imoralissima “Lei Kandir” não repõe nem a centésima parte do que esses Estados perdem por causa das barretadas que a União dá com chapéu alhieo…

    Coisas assim passam léguas do raciocíniozinhozinhozinho dos neochatos

  53. Zbigniew said

    Entre tantas críticas que podemos fazer ao Poder Judiciário brasileiro está a forma como os juízes vêm julgando as causas que envolvem as companhias telefônicas no país.

    Não é à-toa que tais empresas estão entre as mais demandadas nos procons e juizados especiais pelo Brasil a fora, sem, no entanto, se conseguir uma melhoria nos serviços, bem como a satisfação dos cidadãos com as decisões proferidas.

    Em parte isto se dá porque o que os juízes entendem que o enriquecimento sem causa se sobrepõe ao caráter pedagógico de uma multa que possa desestimular uma empresa a reincidir em irregularidades ou na prática dos serviços mal prestados. Sendo assim há casos em que a condenação em míseros R$ 2.500,00 (o que é isso para empresas desse porte?!!) leva mais de 6 anos para ser efetivada, a espera de uma decisão definitiva.

    Em sendo assim o que é melhor para tais empresas? Continuar pagando valores irrisórios em condenações que não servem para coisa alguma, ou melhorar a prestação dos serviços sob pena de ter que arcar com prejuízos financeiros impostos pelo Estado? Claro que é o primeiro caso.

    Ou seja, além da irresponsabilidade de se ter agências reguladoras que não regulam p… nenhuma, temos um Poder Judiciário que, com seu entendimento, estimula o mal serviço e a lucratividade com a desonestidade. Realmente, trata-se de um processo kafkiano, bem aos moldes da nossa civilização. É o que é demonstrado pelo relato a seguir:

    “Iniciei processo a Telebahia Celular em 2003, por uma cobrança indevida de R$350,00 na época.

    O processo demorou, até eu receber a indenização, 6 anos. Recebi entre resarcimento e danos morais, mais correção monetária, algo assim como R$2.500,00.

    Para isso, tive que contratar um advogado, e acabei levando os trámites eu mesmo, no juizado da causa, levando o expediente de uma sala a outra, senão nunca o expediente iria ser movimentado dentro do juizado (!).

    O que mais me chamou a atenção foi o argumento da juíza na sentença inicial (obviamente recursada pela TBC) e a quantia da indenização, totalmente contraditória com a sentença:

    Em relação à forma de fixação do valor de indenização por danos morais, o Des. Luiz Gonzaga Hofmeister do TJ-RS no proc. 595032442, esclarece de forma meridiana:

    “O critério de fixação do valor indenizatório, levará em conta tanto a qualidade do atingido,como a capacidade financeira do ofensor, de molde a inibi-lo a futuras reincidências, ensejando-lhe expressivo, mas suportável, gravame patrimonial.”

    Ora, acaso R$2.500,00 seriam capazes de inibir a companhia de reincidir na má prestação do serviço a mim ou outros clientes? Após 6 anos de processo? A indenização e o processo inibiu, não a companhia, e sim a mim, de tentar alguma outra vez a via judicial para dirimir um caso de má prestação de serviços por parte de concessionárias públicas.

    Essa foi a lição que a justiça me deixou.”
    http://jornalggn.com.br/noticia/o-relato-de-um-processo-contra-a-telebahia-celular

  54. Patriarca da Paciência said

    “Quando Marina começar a falar vai ser um desastre! Quando começar a agir, pior ainda!

    NATUZA NERY
    MÁRCIO FALCÃO
    Folha de S. Paulo

    O deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), um dos representantes e defensores do agronegócio no Congresso, considera-se uma espécie de primeira vítima da união firmada entre Eduardo Campos (PSB-PE) e Marina Silva.

    Vetado publicamente pela ex-senadora, ele desabafou em entrevista à Folha. “Eu botei o pé na calçada e um carro a 300 Km/h me atropela. Não deu nem para ver [a placa]”.

    Folha – O sr. foi rifado?
    Ronaldo Caiado – Eduardo Campos me recebeu em Pernambuco, em sua residência. Assumi, em março, a candidatura dele à Presidência. Fui o único do meu partido, um dos poucos do Brasil [naquele momento]. Ele disse que iríamos sair do duelo [governo/oposição], dessa política de identificar inimigo para ser eleito e prometeu trazer todas as tendências.

    Está magoado?
    Decepcionado, um balde de água fria. Não temos mais como estar juntos em Goiás. Não vou ter o pé em duas canoas. Quando conversei com Eduardo, não havia esse preconceito. Não imaginei esse gesto agressivo da ex-senadora. Essa tese de inimigo histórico é política talibã.

    Haverá consequências?
    É espantoso alguém querer pleitear a Presidência e ter essa visão tão excludente do setor, nacionalmente o maior pilar da economia. Como vou conviver com uma chapa de candidato a presidente que é preconceituosa com o setor primário [agronegócio]? Eu sempre fui muito coerente, mas nunca intolerante. Hoje, não sei identificar se o candidato é Eduardo ou Marina.

    O sr. ainda votaria nele para presidente?
    [Silêncio] Não. Dispensou meu voto e está excluindo o setor que represento. Não tenho como me posicionar favorável a candidato que diz: ‘Olha, existe aqui uma barreira para o produtor rural’. Senti nele uma posição tíbia. Não o reconheço. Não foi a Marina quem aderiu ao Eduardo, foi ele quem aderiu à Marina.

    O sr. carrega o símbolo ruralista, mas não é exagero dizer que isso foi um veto ao setor?
    Não consigo entender uma pessoa querer governar o Brasil e não querer conversar com representantes de um segmento que é alicerce do país. Eles poderiam, ao menos, ter me avisado que eu fui vendido.

    Vendido ou trocado?
    Isso me faz lembrar do Afonsinho, jogador de futebol. Ele foi substituir Gerson numa partida no Maracanã. Entra em campo, começa com tudo. Vem o lateral, dá uma trava nele e diz: ‘Ô, seu babaca, você não sabe que esse jogo foi vendido, não?’. Podiam ao menos ter me dito que eu tinha sido vendido na noite de sábado. Eu fui atrás da bola, busquei apoio para ele, fiz campanha naquela euforia toda e, de repente, levo o tranco. Deviam ter me dito: Caiado, acorda, você já foi vendido! Faltou sinceridade.

    O sr. colocou algum veto à Marina no sábado?
    Eles telefonaram para mim eufóricos de alegria. Eu disse que não tinha preconceito.

    E depois, o que houve?
    Não sei se foi uma virose, uma bactéria [risos]. Sábado me ligaram até para dizer que o governador futuramente me queria ministro da Agricultura. Veja, eu não estou desenhando algo que não quis ver, não. Eu botei o pé na calçada, e um carro a 300 Km/h me atropela. Não deu nem para ver [a placa].

  55. Pax said

    10 dias praticamente sem internet.

    E um conhecido próximo, petista, me diz que eu ultrapassei o limite ao ficar reclamando do Paulo Bernardo, da ANATEL e da máfia das operadoras.

    Que o governo não pode fazer nada, que Dilma está muito distante destes problemas, que o Paulo Bernardo, ministro, não tem acesso direto para resolver os problemas e que a ANATEL é um problema criado pelo tucanato.

    arrâm…

  56. Zbigniew said

    Vejam que não há muita diferença quando se trata de torcidas. Por um lado, mesmo que haja a constatação de um serviço porco como esse das telefônicas o problema nunca é do governo. Na realidade é de um governo anterior. Isto é um absurdo.

    Esse teu colega, Pax, repete o mesmo padrão dos direitobas que se empedirnam e não conseguem enxergar um palmo a frente do nariz quando a questão é do sucesso eleitoral do PT confirmado a cada eleição. Sendo assim, além de não conseguirem mais retornar ao poder central há quase doze anos, vêem-se às voltas com a possibilidade real de perderem o governo do estado mais rico do país (porque a capital já perderam) e que governam há quase vinte anos.

    Mas o que me deixa perplexo é o cara dizer que Dilma está distante de tudo isso e que o Ministro não tem capacidade para resolver o imbróglio. Por quê? Que entidade mística-esotérica é essa, a ANATEL, que não pode ser dominada ou reformada pelo governo (o mesmo vale para a ANVISA)? Tem algo a ver com a tal da governabilidade? Ou de que os fins justificam os meios? Ou de que são problemas menores que garantem que os maiores possam ser resolvidos? Ou de que o aparelhamento garante o cabide da cumpanheirada? Pelo amor de Deus!

    São essas distorções que se eternizam que demonstram que um modelo está fadigado, ou seja, não vai mudar enquanto as mesmas pessoas estiverem no comando. Por isso a democracia é importante. Para que possamos ter a possibilidade de uma alternância que admita uma outra maneira de ver a coisa, se possível mais avançada, mais correta e digna com os anseios da sociedade.

    Este é um dos pontos do governo Dilma que está deixando muito a desejar. Não vislumbramos uma resposta efetiva, a não ser alguns casos isolados em que o Ministério Público, em alguns poucos Estados, impediu que uma ou outra operadora comercializasse linhas sem a devida contraprestação em infra-estrutura. No mais ficam as empresas livres para jogar com o patrimônio e a paciência das pessoas, sabendo elas que mais vale o lucro com desonestidade do que a honestidade com o lucro. Porque neste segundo caso ele vem mais devagar, mas é o único legítimo. E o povo, ó…

  57. Pax said

    Liguei de novo para a ANATEL, hoje, pedi para ver o andamento do meu protocolo.

    Pois bem, a VIVO havia fechado, pela décima vez, DÉCIMA!!! o protocolo, alegando que havia “transferido o problema para área responsável” e me mandado email colocando os serviços de atendimento à minha disposição.

    Caramba. É revoltante. Revoltante demais.

    As operadoras mentem, descaradamente (não recebi email algum, não recebi atendimento algum, já tem mais de 20 protocolos só na OUVIDORIA da VIVO e nada, absolutamente nada). E a ANATEL vai e fecha o processo, ou seja, a operadora dá um retorno para a ANATEL que fecha o protocolo que a vítima abriu.

    De novo reabri o mesmo protocolo na ANATEL, pela DÉCIMA PRIMEIRA VEZ.

    Mas o Paulo Bernardo não tem acesso, nem responsabilidade, nem possibilidade de resolver o problema, segundo este meu amigo, petista que, segundo ele, eu “passei do limite” ao continuar reclamando de algo que Dilma não tem nada com isso.

    De novo… arrãm…

    Caro Zbigniew, esse patrulhamento que o petismo faz atualmente é uma das coisas mais lastimáveis, não democrátivas e perigosas que vi nestes últimos tempos. Não se pode dizer um “ai” sobre qualquer coisa que você é taxado de direitoba, fascista, entreguista etc.

    Onde isso vai parar eu não sei. Só sei que cada vez que vejo – e sinto na pele – este patrulhamento, a imagem do PT cai mais um bocado, se é que é possível ainda cair mais.

    Isso quer dizer que voto em Aécio ou Campos ou Marina? Nada disso. Isso quer dizer que o PT se perdeu, faz um bom tempo.

    Tenho nos meus alfarrábios, guardei, as promessas de Dilma durante a campanha de 2010. Entre outras coisas a inclusão digital, a transposição do São Francisco, o término da refinaria Abreu e Lima, o término da ferrovia Norte Sul e por aí afora… pois é.

    De tanta “governabilidade” o PT se iguala ao PMDB em marcha acelerada. Mas não se pode falar nada… triste.

  58. Pax said

    Aqui os alfarrábios que guardei numa reportagem do jornal Zero Hora – Promessas da campanha de Dilma em 2010

    Tem muito mais, aqui, abaixo só sobre Infraestrutura

    Concluir todas as grandes obras em andamento do PAC 1 e cumprir todas as metas do PAC 2 Concluir o PAC Cidade Melhor, que aplicará R$ 57 bilhões em saneamento, prevenção de enchentes, pavimentação e melhoria do transporte coletivo

    Concluir as ferrovias Transnordestina e Norte-Sul

    Conclusão do complexo petroquímico do Rio

    Conclusão da refinaria Abreu e Lima (PE)

    Modernização do porto de Santos (SP)

    Construção do arco rodoviário do Rio

    Concluir a duplicação da BR-101 nas regiões Sul e Nordeste

    Criar novos parques eólicos

    E a pergunta que fica:

    O que foi feito e o que não foi feito?

  59. Zbigniew said

    Pax,
    e ao que parece essa ideia de projeto de poder tem desvirtuado os valores que estiveram na gênese do partido. O PT está cada vez mais parecido com as demais agremiações, fisiológico e institucionalizado. Mas, ainda assim, tudo pode ser admitido, menos o entreguismo.

    Estava pesquisando sobre o pré-sal e a fórmula de partilha utilizada pelo governo para garantir que a exploração reverta em benefícios para o país. Um tema extremamente complexo envolvendo grandes somas de investimentos e interesses poderosíssimos. Encontrei uma entrevista com o vice-presidente da AEPET (Associação dos Engenheiros da Petrobrás) na TV Senado e o que ele falou foi muito, mas muito grave. Embora o tema seja bastante complexo, principalmente no que se refere à questão dos bônus de exploração e da sua relação com as metas do superavit primário e controle de inflação, muita coisa que foi dita passa um quadro que deixa no ar alguns questionamentos: por que a ANP tem mentido sobre os percentuais que serão revertidos para a União nesse processo de partilha a ser aplicado na exploração do Campo de Libra? Teria sido o elevado valor estipulado para o bônus de exploração utilizado para afastar empresas nacionais do certame? Com qual intuito? Apenas o de ser mais um instrumento de controle de inflação com o objetivo de atrair dólares para o mercado interno? É verdadeira a afirmação do entrevistado de que na visita do Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, a Presidente brasileira foi pressionada a oferecer condições favoráveis de exploração para empresas estadunindenses? (aqui soa até estranho porque ao que parece apenas as chinesas é que se interessaram pela exploração); Estamos realmente fazendo um bom negócio e adotando o modelo certo como foi feito pela Noruega que soube aproveitar bem a descoberta de petróleo em suas águas territoriais?

    O pior foi ouvir o engenheiro afirmar que a Dilma está sendo tão entreguista quanto foi o Fernando Henrique. Aí foi de lascar.

    A entrevista completa nos links a seguir:

    Parte 1: http://www.senado.gov.br/noticias/tv/videos/cod_midia_290027.flv

    Parte 2: http://www.senado.gov.br/noticias/tv/videos/cod_midia_290028.flv

    Parte 3: http://www.senado.gov.br/noticias/tv/videos/cod_midia_290029.flv

  60. Zbigniew said

    E aqui um pdf com artigo do mesmo engenheiro:

    http://www.aepet.org.br/site/uploads/noticias/arquivos/09-10-Le-Monde-Diplomatique-Fernando-Siqueira.pdf

  61. Pax said

    Triste, caro Zbigniew. Triste mesmo.

  62. Pax said

    Segundo a BandNewsFM, agora de manhã, a prefeitura de São Paulo está comprometendo R$ 600 milhões para reformas em hospitais do município.

    E outros R$ 700 milhões de reais para instalação de novos radares, verdadeiros caça-níqueis cheios de histórias de desvios e corrupção em sua contratação.

    É isso mesmo ou ouvi mal?

  63. Pax said

    O pior? É que é verdade, ao menos no noticiário. Fui procurar. Saca só:

    Radares em SP – 704 milhões

    http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/07/sp-preve-r-700-milhoes-para-radares-que-fazem-blitz-e-monitoram-trafego.html

    Obras nos hospitais em SP – 685 milhões

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/10/1356707-com-haddad-dilma-investe-3000-a-mais-na-saude-de-sp.shtml

  64. Pax said

    Para quem estava preocupado com o posicionamento…

    Lindeberg Farias deu o tom: o poço não tem fundo!

  65. Jose Mario HRP said

    Que conveniente..~.~.~.~.~.~. um ano da eleião!~

    http://saraiva13.blogspot.com.br/2013/10/globo-enche-bola-de-alckmin-por-seus.html

  66. Pax said

    Também estou achando muito esquisita essa exposição, caro HRP. É o jogo… de O Globo.

    Mas a parada do Lindeberg com o Malafaia também é um tanto esquisita. Muito esquisita. Difícil de aceitar.

    E a turma aceita caladinha. Porquê?

  67. Pax said

    É mais sério que imaginava. O braço direito do pastor foi trabalhar no gabinete do senador…

    http://noticias.gospelmais.com.br/pre-candidato-lindeberg-faria-recebe-oracao-pastor-silas-malafaia-61415.html

  68. Elias said

    (1) Prefeitura de São Paulo prevê um investimento de até R$ 740 milhões no sensoriamento eletrônico do trânsito…

    Mas que coisa absurda! Isso é corrupção! Tudo em nome da “governabilidade”… Assim não dá…! É por isso que estou me preparando pra fazer campanha pra Jânio Collor… digo, pra Marina…

    (2) “Os repasses da União para a construção e reformas de unidades na gestão Fernando Haddad deverão aumentar 3.162%, quando comparados com a verba de investimento disponibilizada pelo governo federal neste ano.”

    Tá vendo só? Tá vendo só? CORRUPÇÃO! CORRUPÇÃO! É o que eu digo… Pra que isso, meu Deus? Pra que tanto hospital? Quem precisa disso? É o tal projeto de poder! De poder…! É a tal da governabilidade! Eu não disse? É por isso que eu vou votar na Collor de Quad…, digo, na Jân… Perdão, na Marina…

  69. Pax said

    O caro Elias acha (insinua constantemente, farto conjunto de provas escritas…) que eu faço campanha pra Marina… com Eduardo Campos, que acho um perigo.

    Julga sem provas, supõe e afirma.

    Eu reclamo um bocado. Do rumo que foi adotado.

    E reclamo, mais que tudo, de uma militância e conjunto de simpatizantes que pararam de reclamar, que passaram a aceitar Maluf, Collor, Kátia Abreu, Kassab, e … agora…. Malafaia.

    Eu gostaria de reverter o rumo do PT. Mais que tudo.

    Só não sei se tem volta possível. Pelo que tenho visto em farto noticiário, parece que está cada vez mais difícil.

    Mas, diga, caro Elias, você apoia o apoio do Malafaia ao Lindeberg? Só tenta não sair deste foco.

    A questão da verba dos radares e dos hospitais está aí, não foi inventada.

  70. Elias said

    Pax,
    “Faço” é uma coisa; “farei”, outra.

    No meu comentário # 68, fiz uma INFERÊNCIA… E usei os verbos no futuro do presente (a carapuça te caiu como uma luva, né?).

    Daí porque o pedido de “prova” de Vossa Excelência é impertinente. Não se pode provar o que AINDA não aconteceu.

    Se eu “apoio o apoio” do Malafaia ao Lindeberg?

    Não tenho nada com isso, Pax.

    Mas não esqueça que, em 2010, o Malafaia apoiou a Jáni… Digo, Marina…

    Principalmente quando ela entrou naquelas questões do aborto, casamento entre pessoas do mesmo sexo, etc.

    Lembra? Não…? Sim…?

    Ah, sei… Naquela época o Malafaia tinha as asinhas brancas… Elas só ficaram pretinhas depois que o pastor passou a apoiar o Lindeberg…

    Falar nisso, duvido que esse “apoio” dure mais que alguns meses… Enfim, o Lindeberg é adulto e conhece o pau no qual está se roçando…

    E o que têm as notícias, Pax?

    Desde quando virou crime de lesa Pátria anunciar aumento nos investimentos em sensoriamento eletrônico de trânsito e recuperação da rede pública de proteção à saúde?

    Tá vendo só? Tá vendo? É por isso que vou fazer campanha pra Jânio de Mello Col…, digo, Marina…

  71. Pax said

    Caro Elias,

    Eu tenho feito uma campanha incansável, sim. Confesso – prova confessional.

    Para que o PT não acelere seu fim.

    Se você não percebeu isto, problema não é bem meu.

    Não, não faço campanha para Marina. Depois que ela foi colher assinaturas num evento evangélico eu desisti de pensar em qualquer participação.

    Agora você é livre pra acusar. Mesmo que sem provas. Me entristece um pouco. Mas essa é outra questão.

  72. Pax said

    São Paulo precisa de mais radares? Hum… quem anda na cidade, ao menos por onde eu ando, zonas norte, oeste, sul (confesso que vou pouco na Leste, mas passo por lá, sim), não acha isso. Há radares para todos os lados.

    O que questionei e vou continuar questionando é:

    700 milhões para novos radares e 680 milhões para equipar e reformar hospitais parece algo lógico?

    E não esqueça, caro Elias, que acompanho amiúde algumas entidades paulistas, associações de moradores de bairros. Coisa de base, saca? E é de lá que vem minhas maiores críticas. O que o Plano Diretor da cidade está sofrendo não é nada elogiável.

  73. Chest said

    Elias, vi só agora teu comentario. Me responde uma coisa, quanto custa uma ponte construida pelo estado e quanto custa uma ponta construida pela iniciativa privada?

    mais, os impostos no Brasil não são cobrados para investimento em infra-estrutura, (estradas, pontes, aeroportos, hospitais, etc, etc), são cobrados para sustentar a máquina pública. Tres (3) vezes mais custa a maquina publica do que sobre apra investimento. Até um petista como você deve farejar alguma coisa errada aí. S´[o com pessoal custa 192 bilhoes por ano. O custeio do executivo vai a 611 bilhoes. A economia real (de quem produz não suporta esse inchaço).

    Mas você sabe disso, é apenas um cínico,

    O PT é a origem de todo mal.

  74. Otto said

    O Chest é o próprio mal.

  75. Zbigniew said

    E aí o Senado aprova projeto de lei (de autoria do Sen. Valdir Raupp – PMDB) que autoriza os Estados a criarem novos municípios, coisa que não acontecia desde os idos de 1996.

    Acho que os nobre senadores entenderam que já faz muito tempo e que está na hora de (convenientemente às vésperas de uma eleição) enchermos o país de novos municípios já que a experiência com os que já temos nos dá o “know-how” suficiente para esse esforço tão importante para o desenvolvimento do Brasil.

    Mas, falando sério, deveríamos fazer os seguintes questionamentos: Qual é o motivo para que se aprove uma lei dessa natureza? Apenas a necessidade de disciplinar a matéria ou uma real necessidade de se criar novas cidades? E por que ao invés de se criar não se promove a fusão de municípios? Há assim tão grande disparidade cultural ou econômica que impeça tal medida?

    Seguindo o mesmo raciocínio sabemos de todo o investimento que acarreta a criação de um município e, hoje, o que o país busca, como doutrina adotada pelo Poder Executivo, à frente o PT, é a eliminação de gastos desnecessários, tampouco a criação de novos nos termos apresentados por este projeto. Mas o próprio relator justifica a iniciativa nos seguintes termos:

    “Não vai aumentar um centavo nem para União nem para os estados. Vai sair (recurso) dos municípios de cada estado. Vai ser desmembrado um pequeno percentual das cotas do fundo de participação […] e de arrecadação com ICMS. O ‘município-mãe’ vai perder percentual, isso é natural”, disse Raupp.
    http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/10/senado-aprova-projeto-que-permite-criacao-de-novos-municipios.html

    Mas vai tirar do que estaria destinado aos demais municípios? Ou seja, o cobertor torna-se cada vez mais curto para dar poder aos caciques da vez (governadores e lideranças regionais).

    Cá pra nós, o problema não é de técnica ou de lei. O problema é de execução e de intenção. Ainda que se façam todos os estudos de viabilidade previstos (baseados em critérios frouxos que podem ser convenientemente ponderados pelas lideranças políticas para anular uma possível atuação, digamos… mais rigorosa dos TCEs) ou que se aplique o critério da “arrecadação superior à média de 10% dos atuais municípios do Estado.” (quais municípios? os mais ricos? os mais pobres?), é difícil acreditar na seriedade de tal projeto.

    E aí? Será que Dilma vai sancionar? Em nome da tal governabilidade?

  76. Elias said

    “…quanto custa uma ponte construida pela iniciativa privada?” (Chest)

    Tu tá ficando mais doido, Chester?

    Onde é que existe ponte construída pela iniciativa privada pra uso público?

    Ora, Chester, para com essa criancice, rapaz! Tu já passaste da idade de dizer essas besteiras… O que tu estás querendo dizer? Que não deve existir Estado?

    É mesmo? O que tu estás fazendo aqui, rapaz? Por que não te internas numa dessas florestas que ainda existem por aí?

    (Já sei: agora ele tá pensando em argumentar com aquele papo de “ame-o ou deixe-o”, pra dizer que isso é papo de ditadura, e nem vai se tocar para o fato de que a frase é plágio de “love it or leave it”, slogan criado nos EUA, que só gosta de ditadura quando enfiada no rabo alheio…).

    Além disso, Chest, meu caro bebum, nosso debate não era sobre custo. Nosso debate era sobre a “poupança do cidadão” como condição para o investimento.

    Eu demonstrei o que qualquer não-bebum não-doidim sabe por amarga experiência própria: a “poupança do cidadão” como condição para o investimento é só mais um mito dos neo-chatos. Tem o mesmo valor científico da crença no Sacy Pererê, na Matinta Perêra & afins. Em resumo:

    1 – O imposto pode funcionar como “poupança forçada”. O Estado confisca renda do cidadão para criar receita pública, que banca o investimento (seja via aplicação direta, seja respaldando operações de crédito internas e externas para financiamento de investimentos). Neste caso, o excesso de impostos não reduz o investimento público, mas até o incrementa).

    2 – A tributação excessiva sobre o cidadão também pode não interferir negativamente sobre o investimento privado, se ela for compensada com incentivos (fiscais, infraestruturais e creditícios) para a empresa privada.

    Exemplos de incentivos:

    FISCAIS: (a) isenções ou reduções, permanentes ou temporárias, de impostos diretos (IR, CSL, etc), e/ou indiretos (ICMS, IPI, etc); (b) financiamento a juros subsidiados, com recursos de fundos criados a partir de impostos (FINAN, FINOR, etc);

    INFRAESTRUTURAIS: por meio de Distritos ou Áreas Industriais, ZPEs (que combinam incentivos infraestruturais com fiscais), etc.

    CREDITÍCIOS: por meio de balcões como BNDES e linhas especiais de crédito operadas pela rede bancária de modo geral (aliás, o próprio BNDES costuma operar algumas linhas de crédito — inclusive o “cartão BNDES” — usando a rede bancária privada).

    Essa é a razão, bebum, pela qual, nos últimos 70 anos, a tributação sobre o CIDADÃO brasileiro só fez aumentar e, mesmo assim, a capacidade de investimento — seja ela pública ou privada — não só não se reduziu, como aumentou exponencialmente (até porque, quanto maior a receita pública, maior o tamanho no balcão, né bobim?).

    3 – Até as pedras — desde que sejam pedras não-bebum e não-doidim — sabem que, por motivos óbvios e já expostos, o Estado DEVE PREFERIR bancar o investimento público em infraestrutura com recursos do ENDIVIDAMENTO. Tanto quanto possível, esse endividamento deve ser alongado no tempo, para evitar que uma duas gerações de contribuintes paguem pelo benefício que será usufruído por várias gerações de contribuintes.

    Custando muito, ou custando pouco, é assim que deve ser feito, entendeu doidim?

    E, por fim…

    …Até as pedras — desde que sejam pedras não-bebum e não-doidim — sabem que, em qualquer país do mundo, o custeio estatal é MUITO MAIOR que o investimento estatal.

    Claro pirocas: em qualquer nível da administração pública, e em qualquer país, a maior parte das responsabilidades do Estado se relaciona a custeio e não a investimentos. Na maior parte dos casos, o investimento apenas proporciona condições para que essas atividades sejam executadas.

    Por outras palavras: manter uma universidade, por exemplo, custa várias vezes mais do que aquilo que foi gasto para instalar essa universidade. O mesmo vale para um hospital, e assim por diante.

    E isso independe da universidade ou do hospital ser público ou privado (vais saber muito bem disso, no dia em que alguém mais doido do que tu, num momento de total insanidade, te der um hospital pra administrar…).

  77. Elias said

    Pax,

    Eu não disse que ESTÁS FAZENDO campanha pra Marina. Eu disse que VAIS FAZER.

    E nem vem com esse papo de evangélico… Marina era evangélica antes de entrar na política. Boa parte dos votos delas sempre saiu do meio evangélico. E isso não tem nada demais.

    Se 700 milhões para novos radares e 680 milhões para equipar e reformar hospitais parece algo lógico?

    Por que não seria? Dá pra explicar com teu próprio raciocínio?

    Aliás os 684 milhões não estão destinados a “reforma de hospitais”, e sim a “reforma de unidades de saúde”, o que inclui hospitais, postos de atendimento, reposição de unidades móveis (inclusive UTIs rodoviárias), etc.

    Tu achas que é muito, pra São Paulo? Interessante… Por que, mesmo?

    Tu sabes quantas unidades móveis de saúde o município opera? Sabes em que estado elas se encontram? Sabes quantas necessitam ser substituídas? Sabes quanto custa uma UTI móvel? Sabes quantos postos de saúde o município dispõe? Sabes qual é o déficit?

    Sabes mesmo?

    Deixa de ser egoísta, Pax, e conta pra gente…

    Além do quê, Pax, previsão orçamentária é uma galáxia; EXECUÇÃO orçamentária, outra…

    Queres saber, mesmo, do que estou falando?

    Vai ao site “Contas Abertas”, e procura saber qual o índice de execução do PAC, por meio de projetos tocados por Estados e Municípios…

    Nunca passou de 50%. Aliás, nem sei se, alguma vez, chegou a 50%.

    Pelo que sei, se a prefeitura de SP investir, em 2014, R$ 300 milhões em sensoriamento eletrônico e R$ 300 milhões em recuperação, adaptação e ampliação de unidades de saúde, será uma tremenda vitória. Poucas vezes um município brasileiro terá alcançado tamanha proximidade entre previsão e execução…

  78. Elias said

    E, Pax,

    Aliás, investir em sensoriamento eletrônico de trânsito em ano eleitoral é metade de uma boa bronca…

    Se me permites uma sugestão, desconfia de quem berra contra o sensoriamento eletrônico do trânsito.

    Com o sensoriamento eletrônico não tem conversa, não tem acerto… Ele simplesmente detecta a infração e fotografa teu carro.

    O sensoriamento eletrônico do trânsito é detestado por quem costuma ultrapassar a velocidade máxima permitida, parar sobre faixa, não dar preferência a pedestre nas faixas preferenciais, avançar sinais, estacionar em áreas com faixa amarela, etc, etc.

    Evidentemente que os sacanas que fazem isso nunca dizem que detestam o sensoriamento eletrônico do trânsito porque são maus cidadãos, que não respeitam as leis, não respeitam os direitos de outras pessoas, e, com sua conduta irresponsável, inconsequente e criminosa, vivem colocando em risco a vida alheia.

    Nada disso! Os pilantras dizem que são contra o sensoriamento de trânsito porque isso é uma “fonte de corrupção”, etc., e tal. Além de maus cidadãos, são hipócritas, e mentem, como todo bandido mente.

    Sinto o fedor dessa escumalha a léguas de distância…

    O policiamento do trânsito no Brasil ainda nem chegou perto do que deve ser. A meu pensar:

    1 – O sensoriamento eletrônico, p.ex., deve se generalizar, em unidades fixas e móveis (os carros dos agentes de solo, assim como de unidades das guardas municipais e da PM, devem dispor de sensoriamento eletrônico).

    2 – O Judiciário deve dispor de varas específicas para delitos de trânsito. Uma vez multado, o infrator deve ter um prazo pra se apresentar em juízo e contestar a multa. Se não comparecer, deve ser declarado foragido.

    3 – A condição de “foragido” deve implicar o automático cancelamento da habilitação do infrator, impedindo-o de conduzir veículos automotores em todo o território brasileiro, e tornando-o passível de prisão em flagrante, se for encontrado dirigindo veiculo automotor. O não pagamento da multa deve implicar igual tratamento.

    E assim por diante (eu defendo cerca de duas dezenas de alterações na legislação em vigor).

    No Brasil, morre mais gente em acidentes de trânsito, por ano, do que em muitas guerras que existem por aí…

    E sabes quem são as principais vítimas do trânsito, no Brasil? São, nesta ordem: pedestres crianças, pedestres idosos, ciclistas e motociclistas. Depois é que vêm os motoristas e passageiros de veículos automotores.

    É preciso parar com essa matança.

    E o sensoriamento eletrônico do trânsito é uma excelente ferramenta pra isso.

  79. Pedro said

    Pax # 58, sobre a promessa de duplicação da BR 101, quero dizer que estamos evoluindo.
    O Lula fez a mesma promessa duas vezes, e não cumpriu.
    A Dilma prometeu uma vez só.

    É uma evolução….. :-)

  80. Jose Mario HRP said

    Do Esquerdopata!

    quinta-feira, 17 de outubro de 2013
    Uma bomba armada nas ruas
    Por Luciano Martins Costa – Observatório da Imprensa

    Ouça aqui:

    O leitor ou leitora que escrutinar o noticiário desta quinta-feira (17/10) poderá achar um pouco confusa a descrição das ações do Estado, no Rio e em São Paulo, contra manifestantes acusados de promover depredações a atacar policiais.

    Em São Paulo, dos 60 detidos após as manifestações violentas ocorridas na noite de terça-feira, 59 foram soltos por falta de provas e apenas um foi indiciado, por porte de maconha.

    No Rio, metade dos 190 detidos continuavam presos e 27 haviam sido autuados pela nova Lei de Crime Organizado.

    A diferença no comportamento das autoridades nos dois Estados, assim como a abordagem da imprensa, dificulta a compreensão do que se passa nas ruas.

    Basicamente, o governo paulista demonstra estar fazendo um esforço para identificar os adeptos da tática conhecida como “Black Bloc”, para compreender suas motivações e seus objetivos.

    Já o governo do Rio parece mais preocupado em conter a onda de violência, na tentativa de amenizar o estrago que o fenômeno poderá provocar em suas pretensões eleitorais do próximo ano.

    O sistema de inteligência da polícia paulista registrou cerca de 400 suspeitos de protagonizar atos de vandalismo e está estudando seus perfis para tentar identificar lideranças e separar os diferentes grupos que se organizam e se desfazem continuamente durante as manifestações.

    Os especialistas reunidos numa espécie de conselho procuram montar um quebra-cabeças em busca de um sentido para o comportamento desses jovens, considerando, de antemão, que eles precisam ter algo mais em comum do que o simples impulso da destruição para organizar suas ações aparentemente espontâneas, que, no entanto, revelam uma característica de sofisticada mobilidade e eficiência.

    Pelo que se pode depreender das reportagens, a estratégia do governo de São Paulo é usar essas informações para tomar medidas práticas, como obrigar os reincidentes a se apresentar a uma autoridade policial no horário dos protestos.

    O modelo é semelhante àquele que é aplicado contra os integrantes de torcidas organizadas de futebol que se envolvem continuamente em conflitos nos estádios.

    Mistura explosiva

    Pressionado por uma campanha avassaladora que promoveu até mesmo o bloqueio da rua onde mora, o governador do Rio, Sergio Cabral, é movido pela urgência: se quiser sobreviver politicamente, ele não pode chegar ao fim do ano sitiado pelos manifestantes.

    As palavras de ordem dos primeiros protestos eram contra o custo e a má qualidade dos transportes públicos, depois evoluíram para a exigência de investigação sobre o desaparecimento do pedreiro Amarildo Alves de Souza e atualmente têm como estopim as reivindicações salariais dos professores do Estado.

    No entanto, o alvo pessoal dos manifestantes segue sendo o governador Cabral.

    A perspectiva de eleições no horizonte próximo instiga à urgência e limita a disposição das autoridades para entender a natureza desse fenômeno.

    Afinal, o que move centenas, eventualmente milhares de jovens a arriscar sua integridade física e seu futuro por uma pauta de demandas difusa e quase irreconhecível?

    Pesquisadores reconhecidos pela imprensa apresentam teses eventualmente conflitantes, mas no geral há certo consenso em que o conjunto denominado genericamente de “Black Bloc” tem como objetivo chamar a atenção para o distanciamento entre o Estado e o cidadão.

    Segundo essa tese predominante, baseada em entrevistas selecionadas no calor dos protestos, há um mosaico de racionalidade por trás das atitudes destrutivas desses manifestantes.

    No entanto, seria aconselhável que os pesquisadores e jornalistas tivessem algum cuidado ao analisar declarações feitas aos gritos, no meio do tumulto, por jovens bombados pela adrenalina do momento.

    Da mesma forma que ninguém vai considerar que o pacato pai de família que se manifesta nas arquibancadas contra o juiz de futebol acredite mesmo que a mãe do árbitro seja necessariamente uma prostituta, não se pode interpretar linearmente o que diz um manifestante enquanto se desvia de uma bomba de efeito moral e acende seu “coquetel molotov”.

    Esse é talvez o maior desafio para se compreender o momento por que passam as maiores cidades do País: encontrar um terreno sólido no campo da racionalidade para entender o comportamento aparentemente irracional.

    Há uma enorme dose de concessão nas análises de acadêmicos e jornalistas sobre a natureza dessa violência.

    A mistura de universitários, mendigos, meninos abandonados e delinquentes profissionais no confronto com policiais viciados na arbitrariedade compõe uma receita explosiva.

    Quem poderia desejar um desfecho trágico para esse enredo?

  81. Jose Mario HRP said

    Exercito, Força Nacional , PM, meganhas mil, no momento FHC da Dilma:
    RIFANDO NOSSO PATRIMONIO DE LIBRA!

  82. Pax said

    Caro HRP,

    O texto do Luciano Martins Costa é muito bom.

    Antes de ontem o Alckimin sentou o cacete num sobrinho da USP, naquela loja da Tock Stock na marginal Pinheiros. O moleque passou mal pacas, por conta da sua asma. E foi parar no IML por conta das porradas que tomou na cabeça e nas costas, com gosto, pela polícia da Opus Dei.

    Caro Elias

    Você pode defender o quanto quiser que o orçamento para novos radares em São Paulo seja maior que o orçamento para equipamentos e reforma no sistema de saúde. E eu nunca vou concordar com isso. NUNCA.

    Fernando Haddad chegou a ser uma esperança, uma aposta. Mas o andar da carruagem mostrou que ele:

    1 – aderiu e se enfileirou com Alckmin em junho para surrar o povo. Estava em Paris neste momento. Não dá para esquecer uma fraqueza de um governante, uma atrocidade como a que ele cometeu. Depois voltou atrás, rabo entre as pernas. Mas o dito ficou registrado. Problema dele.

    2 – nesta questão dos radares não há, para mim, qualquer justificativa.

    3 – mas o pior eu já disse, é com relação ao Plano Diretor da Cidade.

    Fernando Haddad mais parece um desses petistas com cara de peemedebistas, infelizmente. Tá mais parecido com um Vaccarezza que com um petista de raiz, cada vez mais raro de encontrar.

    Eu sinto muito se minha sinceridade o afeta, caro Elias. Mas não consigo mudar minha forma de pensar.

    Talvez Carlito Maia, um dos fundadores do PT, é que tivesse sempre com razão ao afirmar que largaria o partido no exato momento que este subisse ao poder.

  83. Pax said

    Caro Pedro, em #79

    Pois é, há promessas que ficam pelo caminho dos descaminhos, das anomalias, dos desvios e da mais pura corrupção mesmo.

    Este guardado que tenho aqui é da Zero Hora. Que aponta a construção da nova ponte do Guaíba como uma das promessas de Dilma, de 2010. Que se repete… e se repete…. e eu não vi esta ponte quando estive por lá mês passado. (ou retrasado?)

  84. Otto said

    Vejam esta:

    Folha desinforma e presta desserviço à população para macular imagem do “Minha Casa Minha Vida”

    17/out/2013 . 21:48

    por Renato Luz, de Vitória da Conquista, publicado no blog do Paulo Nunes e sugerido pelo Vagner Santos

    Foi vinculado nesta semana no Jornal Folha de São Paulo e reproduzido no Blog conquistense da Resenha Geral uma reportagem com o título “Dilma multiplica viagens e entrega casas sem água e luz”.

    Na matéria, a funcionária pública Fabiana Oliveira Lira é citada na abordagem da ausência da ligação de energia elétrica nas unidades habitacionais entregues pela presidente Dilma na última terça-feira, 15, em Vitória da Conquista-Ba.

    Segundo conta Fabiana em entrevista ao programa “Conquista Meio Dia”, da rádio Brasil Fm, ela sequer sabia que se tratava de uma reportagem e o repórter usou de má fé e expôs sua imagem sem o seu consentimento na referida matéria.

    “Quando eu recebi a chave da casa no dia 09, eu em seguida dei entrada no pedido da luz e da água, eles me disseram que eu tinha o prazo de cinco dias úteis pra efetivar a ligação. Quando o entrevistador apareceu na minha casa, a luz não estava ligada, mas ainda estava no prazo, e ele (o entrevistador) usou isso de má fé nessa informação”, disse.

    De acordo com informações da Coelba, concessionária do serviço de energia elétrica na Bahia, a solicitação deve ser feita pelo próprio morador da unidade residencial.

    A Coelba já registrou 1.070 solicitações de ligação deste empreendimento em Vitória da Conquista (BA). Destas, 562 unidades foram ligadas e as demais o serão até sábado (19).

    Uma agência móvel está no local para facilitar o atendimento e realizar cadastros na tarifa social de energia.

    Fabiana, nova moradora do empreendimento Jequitibá, disse que pretende acionar ao jornal Folha de São Paulo por danos morais devido ao uso de sua imagem.

    “Eu não sabia que era um repórter, que era uma reportagem, fiquei sabendo quando fui à Coelba ontem, pois agora todos me conhecem como ‘a denunciante’, (…) pretendo acionar a Folha por danos morais sim, porque isso esta me gerando grandes transtornos, eu morava de aluguel, era para ser um momento de alegria, porque pela casa eu só tenho a comemorar, agora por essas palavras erradas deles (a Folha de SP), fui prejudicada dessa forma”, declarou.

    A moradora diz ainda que também vai pedir direito de resposta e que não autorizou a exposição de sua imagem.

    ”Eu disse que na minha casa tinha água, e eu disse a ele que a luz ainda estava no prazo de ligar, eu cheguei a falar bem da casa, mas os elogios não foram publicados, então eu me sinto lesada, me sinto prejudicada, eu não sabia que era uma reportagem, que era um repórter, não sabia de nada, então eu quero sim o direito de resposta, porque o que esta escrito ali não foi nada do que eu falei”, e conclui.

    “Eu sou pessoa anônima, não sou pessoa pública pra minha imagem ta sendo usada dessa forma”, finaliza.

    Bem, todos sabem que é de responsabilidade do próprio usuário de pedir a ligação da luz e da água para a concessionária do serviço quando muda para uma casa nova.

    Menos a Folha, é claro. Ela está mais preocupada em macular a imagem do maior programa de habitação popular que o Brasil já viu.

    http://www.viomundo.com.br/denuncias/denunciante-da-folha-diz-que-vai-acionar-jornal-por-danos-morais.html

  85. Jose Mario HRP said

    No Rio os juizes estão voltando a sanidade e ignorando a lei estadual, inconstitucional, que levou a prisão de dezenas nos protestos.~
    Somente o congresso tem a prerrogativa de legislar nessa area!

  86. Otto said

    E agora, Pax?

    Ministros do STF agiram com má fé no uso do domínio do fato.

    Luis Nassif

    uis Greco, 35, e Alaor Leite, 26, apresentados na Folha como “doutor e doutorando, respectivamente, em direito pela Universidade de Munique (Alemanha), sob orientação de Claus Roxin, traduziram várias de suas obras para o português” escreveram o artigo “Fatos e mitos sobre a teoria do domínio do fato”.

    Nele, liquidam com a versão da teoria engendrada pelo Ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

    O artigo é duro: “Desde o julgamento do mensalão, não há quem não tenha ouvido falar na teoria do domínio do fato. Muito do que se diz, contudo, não é verdadeiro. Nem os seus adeptos, como alguns ministros do Supremo Tribunal Federal, nem os que a criticam, como mais recentemente o jurista Ives Gandra da Silva Martins, parecem dominar o domínio do fato.
    Talvez porque falte o óbvio: ler a fonte, em especial os escritos do maior arquiteto da teoria, o professor alemão Claus Roxin. Mesmo os técnicos tropeçam em mal-entendidos, de modo que o público merece alguns esclarecimentos”.

    A explicação sobre a teoria é radicalmente oposta à que foi vendida ao público pelos Ministros do Supremo. Pelo STF, o “domínio do fato” visaria alcançar mandantes de crimes cuja culpabilidade não pode ser levantada por provas. Seriam culpados meramente diante da presunção de que, sendo chefes, os crimes não poderiam ter passado ao largo deles.

    Os autores mostram como a lei brasileira trata as autorias: “O Código Penal brasileiro (art. 29 caput), embora possa ser compatibilizado com a teoria do domínio do fato, inclina-se para uma teoria que nem sequer distingue autor de partícipe: todos que concorrem para o crime são, simplesmente, autores”.

    A verdadeira teoria do dominio do fato diz exatamente o contrário: “Para o domínio do fato, porém, o autor, além de concorrer para o fato, tem de dominá-lo; quem concorre, sem dominar, nunca é autor. Matar é atirar; emprestar a arma é participar no ato alheio de matar. Na prática: a teoria do domínio do fato não condena quem, sem ela, seria absolvido; ela não facilita, e sim dificulta condenações. Sempre que for possível condenar alguém com a teoria do domínio do fato, será possível condenar sem ela”.

    Quando esteve no Brasil, Roxin deu entrevista rebatendo as interpretações dadas pelo Supremo. De volta à Alemanha foi alvo de terrorismo por parte dos alunos, possivelmente insuflados por algum Ministro do STF que domina o alemão. Insinuaram que ele estaria sob suspeita de vender pareceres para réus. Sem familiariedade com o vale tudo de alguns Ministros do STF acumpliciados com a mídia, Roxin mandou desmentidos débeis.

    Agora, seus alunos e tradutores trazem os fatos. E escandalizam-se com o uso da presunção de culpa: “A teoria do domínio do fato não é teoria processual: ela nem dispensa a prova da culpa, nem autoriza que se condene com base em presunção –ao contrário do que se lê no voto da ministra Rosa Weber, que fala em uma “presunção relativa de autoria dos dirigentes”.

    Por piedade, evitaram mencionar o Ministro Luiz Fux que chegou ao cúmulo de afirmar que cabia aos réus demonstrar sua inocência.

    Não se trata de uma disputa de interpretação entre Gilmar e companheiros e Roxin: trata-se de entender as teses que Roxin desenvolveu. Fica claro que houve uma mistificação, na qual entraram vários Ministros do Supremo. E o dolo é tanto maior quando maior foi o descaso com que receberam as explicações de Roxin.

    Como é possível que um episódio dessa amplitude tenha contaminado a maioria dos Ministros do mais alto tribunal brasileiro? Onde estava o desconhecimento, onde a malícia?

    Durante meses, a defesa da Constituição esteve nas mãos solitárias de Ricardo Lewandowski, único defensor da legalidade. Lewandowski foi duro nas sentenças, insurgiu-se contra um percentual pequeno das condenações. Mas com sua posição, consolidou uma trincheira de dignidade, mais tarde reconhecida. Não se tratava de condenar ou absolver, mas de não manipular a lei.

    Agora, gradativamente o mundo jurídico retorna ao leito da legalidade. Juristas conservadores, como Ives Gandra e Cláudio Lembo se uniram às vozes dos que se indignaram com os abusos. A reação do mundo jurídico provocou até a reviravolta oportuna de Celso de Mello, épico ao atropelar a lei e promover o linchamento, e, quando a poeira baixou, épico ao refugar o linchamento. É um amante das epopeias.

    Luis Roberto Barroso e Teori Zavaski vieram se juntar a Lewandowski, na recomposição da dignidade perdida do STF. O Ministério Público Federal está em mãos responsáveis.

    Mas a verdadeira história ainda está para ser contada.

    http://jornalggn.com.br/noticia/ministros-do-stf-agiram-com-ma-fe-no-uso-do-dominio-do-fato

  87. Pax said

    off topic, no Facebook do Idelber Avelar… somente para reflexão (calma, Elias, calma, foi a Camila que escreveu, o Idelber só compartilhou)

    Idelber Avelar Guarani Kaiowá
    Camila, inspirada: “E se na década de 1990, no auge da privatização das teles, o Michael J. Fox chegasse do futuro e contasse que em 2013 o PT leiloaria a maior reserva de petróleo do Brasil a empresas estrangeiras, convocando o Exército para garantir a realização da bagaça?

    Responderíamos, com a inigualável doçura da ignorância, que seria mais fácil acreditar que em 2013 Chico Buarque estaria defendendo a censura.”

  88. Pax said

    Mas, caro Otto,

    O Zé (que eu amo) era “subalterno”? De quem?

    Sempre achei que o Zé (que eu amo), quer mesmo é condenar um outro, mas à acima. Mas aí já é teoria da conspiração da minha parte.

  89. Otto said

    Tergiversas, Pax.

    O problema é que a teoria do domínio de fato foi utilizada, ainda por cima, de maneira equivocada — de ma fé por alguns, por ignorância por outros.

  90. Patriarca da Paciência said

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/118247/iFHC-na-mira-policial-dos-boatos-contra-Lulinha.htm

  91. Patriarca da Paciência said

    Barbosão sumiu e nem pensa mais em ser presidente. Agora se contenta em ser um simples governador.

  92. Jose Mario HRP said

    Esqueletos no armario!!!!!!

    http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/stf-faz-triagem-de-dados-divulgados-em-site

  93. Patriarca da Paciência said

    Pax, não precisa “amar” o José Dirceu. Basta apenas reconhecer a verdade mais evidente:

    MIGUEL DO ROSÁRIO
    19 DE OUTUBRO DE 2013 ÀS 10:10
    A tarefa mais difícil agora será desintoxicar uma opinião pública envenenada por sete anos de mentiras, sensacionalismo e manipulação
    O artigo de dois jovens e brilhantes estudiosos de Direito, alunos do ilustre Claus Roxin, publicado na Folha hoje, demole completamente a condenação de José Dirceu, visto que esta foi inteiramente baseada da teoria do domínio do fato, desde a acusação da Procuradoria, passando por Joaquim Barbosa, até o voto da maioria dos ministros, com ênfase especial em Gilmar Mendes.

  94. Pax said

    Deixa ver se entendi direito, caro Patriarca,

    De um lado tem a turma petista que diz: “o ZD é culpado mas ninguém pode condená-lo porque não existem provas”

    e de outro vem outra turma e diz: “a opinião pública foi envenenada por sete anos de mentiras e sensacionalismo para denegrir a imagem do ZD”.

    não seria melhor a turma optar por uma só linha de defesa?

  95. Pax said

    confesso incômodo por leiloarmos um belo bocado do Brasil hoje…

    quando era moleque usaram o Exército para garantir que as multinacionais ganhassem parcelas enormes do Brasil

    agora, depois de adulto, vão utilizar o Exército para garantir que as multinacionais ganhem uma parcela enorme do Brasil

    sei lá, ainda por cima considerando que quem está no comando desse leilão é o Edison Lobão, sabidamente braço direito do famoso bigodão, o coronel do Maranhão

    pergunta aos colegas: não os incomoda em nada?

  96. Patriarca da Paciência said

    “Suas expressões aparentemente nada significam, porém procuram suscitar a simpatia de pessoas que aderem ao politicamente correto. Mas só aparentemente nada significam, pois carregam toda uma bagagem teórica que, se aplicada, faria do Brasil um país não de sonháticos, mas de pesadeláticos”, diz Denis Lerrer Rosenfield, professor de filosofia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; ele aponta algumas consequências do “marinês”: menos hidrelétricas, menos energia, menos minérios, menos portos e estradas e a transformação do agronegócio em bode expiatório.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/118343/Filósofo-disseca-uma-nova-língua-o-marinês.htm

  97. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    eu sempre falei o seguinte: o grande azar do José Dirceu foi despertar os instinto s primitivos do Bob Jeff e, considerar o José Genuíno como bandido, chega a ser uma infâmia e ainda, aquilo que os políticos tradicionais não perdoam mesmo no PT é o fato de ter aprendido a “fazer política” e ter quebrado o monopólio dos políticos tradicionais. O resto são apenas disputas de poder e arrivismos!

  98. Patriarca da Paciência said

    Otto disse

    17/10/2013 às 9:39
    O Chest é o próprio mal.

    É isso aí, caro Otto, faz alguns anos eu falei para o Chest a mesma coisa, ou seja, dizer que “o PT seja a fonte de todo o mal e, dizer que o Chest seja a fonte de todo o mal, tem a mesma fundamentação lógica”.

    Mas parece que o cara não é mesmo muito chegado a pensamentos lógicos!

  99. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    A China tem três trilhões de dólares em reservas! Não sei qual o mal em atrair um pouco desse capital para o Brasil! Acho que o PT nunca incentivou capitalismo de Estado e sim, socialização do lucros e, não apenas do prejuízos, como acontecia no Brasil por séculos! Grandes empresários faziam grandes empréstimos em bancos estatais, rolavam as dívidas por décadas, até que estas fossem “perdoadas”.

  100. Pax said

    Caro Patriarca,

    1 – Misturar a questão do Genoino com a do ZD é muita sacanagem. Desculpe-me a sinceridade.
    2 – Meter a mão na cumbuca passou a ser sinônimo de “aprender a fazer política”? Então, ao menos, deviam mudar um pouco o estatuto do partido.
    3 – O campo de Libra é a 17a reserva mundial de petróleo…. e vamos “dividir”. Em outros tempos o pessoal da esquerda ficaria muito bravo com isso. Em tempos de PT a coisa mudou um bocado. É o tal “aprender a fazer política”?

    São só curiosidades…

  101. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    Para mim, José Dirceu e José Genoíno são dois companheiros do mesmo quilate, ou seja, sempre lutaram pela democracia e pela justiça social. Já foi mais que provado que os tais 73 milhões da Visanet não foram nenhum desvio de recursos públicos e sim gastos normais de empresas. Inclusive a Globo foi quem ficou com a maior fatia desses gastos!

    Então, onde é que está o “crime” do José Dirceu? Será que o José Dirceu é tão ingênuo a ponto de pensar que poderia “comprar” o voto de velhas raposas felpudas?

    Lembro que uma vez o Paulo Maluf tentou “comprar” o voto do falecido deputado Juruna e entrou pelo maior cano! O Juruna ficou com o dinheiro e votou contra o Paulo Maluf!

    Para mim, o cúmulo da ingenuidade mesmo, é o Barbosão se arvorar em tutelar velhas raposas felpuldas!

    E já está provado que o Barbosão não é ingênuo! O que ele queria mesmo era ficar famoso, como de fato ficou!

    Em sete anos, nenhuma prova concreta! E ainda tem gente que acredita!

  102. Patriarca da Paciência said

    Veja aí, caro Pax, sinceramente, eu não vejo como alguém pode ser contra:

    -” Libra vai provocar uma onda inédita de investimentos, da ordem de US$ 180 bilhões em 35 anos, disse Mantega em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que repercutiu fortemente nas agências noticiosas.

    Ele garantiu que o Tesouro não irá colocar nenhum recurso para ajudar a Petrobras a fazer frente aos investimentos que, como parceira de todos os concorrentes, terá de fazer nos próximos anos.

    – O Tesouro não dará nem nunca deu ajuda para a Petrobras. Não cabe a ele fazer isso. O Tesouro não vai participar da operação de Libra, insistiu Mantega. Neste ano, a companhia deve investir ao todo R$ 97 bilhões, e no primeiro semestre captou US$ 11 bilhões”, completou. Acentuou que a empresa está bem de caixa: “eu sei porque sou presidente do conselho. Há várias dezenas de bilhões de reais lá”.

    Classificando o campo de Libra como “maravihoso, que será um dos mais rentáveis do mundo”, Mantega calculou em nada menos que US$ 180 bilhões os volume de investimentos diretos que o Brasil atrairá, no setor e suas adjacências, nos próximos 35 anos.

    O ministro mostrou confiança nos resultados, apesar de análises apontaram grandes chances para a participação efetiva de um consórcio concorrente, formado pela Petrobras e a estatal China National Petroleum Cororation (CNPC). Também participa a outra estatal do país no setor, a China National Offshore Oil Corporation (CNOOC).

    – A Petrobras não tem o monopólio como tinha no passado. Ela tem 30%, pode até ter um pouco mais , e deverá se juntar a grupos privados para a exploração desse poço maravilhoso que é um dos mais rentáveis do mundo.”
    (blog 247)

  103. Patriarca da Paciência said

    Fábula moderna e… ótima:

    “Um passarinho voava para o Sul, para passar o inverno lá. Voou até uma região gelida e não podendo mais voar caiu no chão. Quando estava quase morrendo congelado, uma vaca cagou em cima dele.
    Aquela substância quente o salvou, o passarinho feliz, começou a cantar. Mas um gato viralata ouviu aquele canto, seguiu, e tirou o passarinho dali e o comeu!

    Moral da Historia:

    Nem sempre quem caga em você é seu inimigo.
    Nem sempre quem te tira da merda é seu amigo.
    Quem esta na merda não canta.”

    Coisa de italiano:

    Un uccellino era in volo per andare a svernare al Sud. Ma il freddo era tale che l’uccellino cadde a terra congelato. Una vacca di passaggio gli scodellò addosso una bella FINESSE fumante. Scongelato e riscaldato, l’uccellino si mise a cantare di gioia. Ma un gatto randagio lo sentì, lo trovò, lo tirò fuori da lì e se lo mangiò!

    Morale della storia:

    Non tutti quelli che ti coprono di cacca sono tuoi nemici.
    Non tutti quelli che ti tirano fuori dalla merda sono tuoi amici.
    Quando sei nella merda, tieni chiuso il becco.

    http://www.brasileitalia.info/forum/topic.asp?TOPIC_ID=8461

  104. Elias said

    Patriarca,

    Nem perca tempo tentando justificar o leilão do campo de Libra.

    Qualquer brasileiro semialfabetizado sabe que a prospecção e a perfuração de petróleo no Brasil está aberta à participação de empresas privadas HÁ DÉCADAS.

    Qualquer indivíduo minimanente informado sabe que o LEILÃO é a modalidade de licitação fixada por lei para viabilizar a prospecção e a perfuração de poços de petróleo por empresas privadas.

    Qualquer animal racional medianamente inteligente sabe que isso não significa abrir mão do monopólio estatal, já que o petróleo extraído só pode ser usado para qualquer fim — da exportação “in natura” à produção de combustíveis e demais derivados — se por meio da Petrobrás, com os preços básicos fixados pelo governo, etc, etc.

    Qualquer adolescente que costuma ler jornais, revistas ou, simplesmente, o abundante noticiário da internet, sabe que, sair vencedor em leilões de lotes de um campo petrolífero não é garantia de sucesso pra ninguém. Trata-se de um contrato de alto risco. O cara pode acabar comprando os direitos de uma área cuja vazão não compensa o investimento. Aí ele dança… Como aconteceu com o Eike Batista e um porrilhão e meio de outros menos falados, ao longo dos últimos 20 anos ou mais…

    Se o governo não fizesse o leilão, de qualquer modo seria criticado, chamado de comunista e burro, porque o petróleo está com seus dias contados; porque daqui a mais uns 20 ou 30 anos os combustíveis fósseis serão usados apenas pelos países do rodapé da economia mundial; porque se perder o trem agora vai morrer de fome na estção, etc, etc.

    Estamos em campanha eleitoral: se o governo não fizesse o leilão, cairiam de pau por não ter feito; como vai fazer, caem de pau por isso.

    Além do mais, é sempre bom lembrar: o nacionalismo é o último refúgio do canalha, certo?

  105. Elias said

    “Classificando o campo de Libra como “maravihoso, que será um dos mais rentáveis do mundo”, Mantega calculou em nada menos que US$ 180 bilhões os volume de investimentos diretos que o Brasil atrairá, no setor e suas adjacências, nos próximos 35 anos.” (Patriarca)

    Os “35 anos” não estão aí por acaso…

  106. Elias said

    “O Zé (que eu amo) era “subalterno”? De quem?”. “Sempre achei que o Zé (que eu amo), quer mesmo é condenar um outro…” (Pax)

    Lá pelos 1967/8, o Zé Dirceu passava por ser o maior comilão do movimento estudantil.

    O fdp — com aquela cara e o cabelo de Ronnie Von arrependido — papava todas! As sacanas — quase todas na faixa dos 18 aos 22 anos — viviam assediando o péssimo… E ele não se fazia de rogado: mandava ver!

    Agora, depois de velho, feio e barrigudo, Dirceu passou a despertar os instintos primitivos de marmanjões passados dos cinquenta…

    O primeiro a confessar publicamente foi o Roberto Jefferson… Agora, o Pax não perde uma oportunidade pra dizer que ama o cara…

    Fico pensando: será que o Barbosão, no fundo, no fundo (epa!), não anda querendo dar alguma coisa pro Dirceu?

    Só que o negócio desses caras (epa! epa!) é meio doentio, né? Quanto maior o amor, maior a dor… E o ódio!

    Me faz lembrar os versos do Chico Buarque: “Te adorando pelo avesso, pra mostrar que ainda sou tua…”.

    Como se diz aqui, em Nova Déli: “Égua, xiri… Tem termo!”

  107. Pax said

    Facebook de um cara que mantém alguma integridade…

    Idelber Avelar Guarani Kaiowá
    21 de outubro de 2013: dia em que a Presidenta ex-torturada coloca nas ruas o Exército que a torturou para garantir que se realizem as privatizações contra as quais o seu próprio partido surgiu.

    Voltas que o mundo dá.

    Mas, sabe como são as coisas… o mundo dá voltas, como diz Idelber.

    =)

    E vamos em frente que atrás vem o Zé, pegando todos…

    =)

  108. Elias said

    “…E vamos em frente que atrás vem o Zé, pegando todos…” (Pax)

    “ATRÁS vem o Zé”, é Pax?

    (Eu não disse?)

    =)

  109. Pax said

    Então, estava somente reforçando teus sentimentos, caro Elias.

    =)

  110. Elias said

    “Meus” sentimentos?

    Acho que os sentimentos são mais de quem os declara várias vezes ao dia.

    Mas que bom que tu achas que o Idelber mantém “alguma” integridade…

    “Alguma”, é Pax?

    É a tal coisa… Alguns oposicionistas acabam se tornando cabos eleitorais do PT.

    A oposição é tão ruim, que a gente acaba votando no menos pior…

  111. Pedro said

    Calma senhores, não briguem pelo zé desceu. O saco dele já é do Patriarca. :-)

    ………………

    Falando em pegador, quando penso em leilão, sempre lembro do “quem dá mais?”.

    Tá muito estranho, este “leilão” de uma proposta só.

    – Proposta foi pelo mínimo (lógico, um interessado só).
    – 15 bi de bônus (não sei em quanto tempo será pago)
    – Mas, o mais estranho, foi que colocaram investimento mínimo de 600 milhões. Não estavam falando em US$ 180 bilhões?

    Sei não…………

  112. Pax said

    Lance mínimo, caro Pedro, com Edson Lobão à frente do leilão…

    deu no que deu… nem um centavinho para os brasileiros

    já para alguns…. sei não.

    imagina você saber que só tem um concorrente? quanto vale essa informação? e aí, juntando a com b e com a moral e ética do Lobão

    a gente fica um pouco chateado

    mas não pode falar nada

    senão os coxinhas vão te chamar de coxinha.

  113. Patriarca da Paciência said

    Prefiro mais as “veinhas pegadoras”:

  114. Jose Mario HRP said

    André Richter
    Repórter da Agência Brasil

    A defesa do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato recorreu hoje (21) ao Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando a revisão do acórdão da primeira fase de recursos da Ação Penal 470, o processo do mensalão. Pizzolato foi condenado a 12 anos e sete meses de prisão, pelos crimes de lavagem de dinheiro, peculato e formação de quadrilha.

    Pizzolato foi condenado por ter autorizado repasses de dinheiro público do Banco do Brasil em favor das empresas do publicitário Marcos Valério, apontado como operador do esquema. O STF entendeu que os desvios ocorreram de duas formas. A primeira, por meio da apropriação de cerca de R$ 2,9 milhões do bônus de volume (bonificações a que o banco tinha direito) pelas empresas do publicitário, e a segunda, pela liberação de R$ 73 milhões do Fundo Visanet. Segundo os ministros, Pizzolato recebeu R$ 326 mil de Valério em troca do favorecimento.

    No recurso, o advogado de Pizzolato, Marthius Sávio Cavalcante, alegou que há contradições no acórdão, pois as provas apresentadas pela defesa não foram consideradas pela Corte. “Não está se requerendo o revolvimento de fatos e provas, mas aplicação do necessário conteúdo valorativo das provas citadas será fixada o entendimento de que as antecipações que foram realizadas no período da gestão do embargante [Pizzolato] foram legais e regulares, conforme entendimento do próprio Banco do Brasil”, argumentou a defesa.

    O prazo para apresentação dos embargos de declaração da segunda fase de recursos termina hoje (21).

    Edição: Carolina Pimentel.

    HRP diz:
    Os tres patetas, Fux, JB e Gilmar Dantas com a palavra………

  115. Pax said

    Mas, caro HRP,

    Pizzolato recebeu R$ 326 mil a título de quê mesmo?

    Porque é um homem da mais alta integridade? 326 mil, nota sobre nota, virou “normalidade”?

    Caramba.

  116. Zbigniew said

    Bom,
    essa questão de Libra é bem complexa, por isso precisamos confrontar dados.

    O que temos é o seguinte:

    Tecnicamente 81,67% do petróleo extraído ficarão no país. Isso porque o lance mínimo oferecido à União foi alcançado, no total de 41, 67%, ficando a Petrobrás com outros 40% e pra Shell, Total, CNPC e CNOOC o resto. E de que toda a operação vai ficar nas mãos da Petrobrás, ainda que em parceria com as demais empresas.

    Pesa a favor desse argumento o fato de que empresas com a Exxon, BP, Chevron não se interessaram pelo modelo e saltaram fora. Mesmo assim duas grandes empresas privadas e duas estatais, todas estrangeiras, se interessaram pelo leilão.

    Já outros entendem que não serão 81,67%, mas 74%, uma vez que os 41,67% que ficarão com a União deverão ser calculados pelo total menos o que pertenceria à Petrobrás (porque aqui já se considera União). Entretanto fica aqui a dúvida porque a Petrobrás é uma sociedade de economia mista, ou seja, não é só União. Então pode ser até menor que 74%? Se sim o governo soltou uma informação inocente ou deliberadamente inocente?

    Outros reclamam porque entendem que o país deveria ter ficado com 100%. Que a Petrobrás poderia ter se capitalizado apenas com o potencial do campo, sendo despicienda a entrada de players estrangeiras em parceria com a estatal.

    Por outro lado, de cara, vai-se recolher R$ 15 bilhões em face do bônus de assinatura, para resolver, entre outros problemas, o do superávit primário. No mais é a questão dos royalties e sua efetiva aplicação em educação e saúde, e ainda, sua distribuição para os milhares de municípios pelo país a fora. Tem também o desenvolvimento da indústria nacional, que vai exigir a construção de pelo menos mais duas refinarias a se juntar à Abreu e Lima já em fase de conclusão em Pernambuco, além, logicamente, da indústria naval.

    De toda a forma o modelo está anos-luz à frente das concessões do período tucano e sua sanha privatista, observando-se que, apesar das dissensões referentes aos percentuais apresentados, os royalties (que são cobrados em cima do preço do barril) e os impostos sobre os lucros vêm se somar a toda essa equação. Minha impressão é que, no geral, foi um bom negócio, mas ainda não está bem claro o porquê da Petrobrás não ter ficado com tudo, e da necessidade dessas sócias estrangeira. Se só pela formação de caixa e formação de superávits, não daria para a petroleira nacional e o potencial comprovado do pré-sal serem fiadores suficientes para garantia do pagamento das dívidas?

  117. Pedro said

    Zbigniew, vi contas diferentes em vários sites, uma delas:

    ” A Petrobras tem 40% do campo de Libra. Os demais sócios têm os restantes 60%. O Brasil receberá, em petróleo, 41,65% do que for extraído. Sobram 58,35% para ser distribuído entre os sócios. É sobre 58,35% que a Petrobras tem 40%. Isso dá 23,34% sobre o petróleo total. Somando 41,65% com 23,34%, a soma dá 64,99%. E não 85% como afirma, de forma maliciosa e mal intencionada, a Presidente Dilma Rousseff.”

    Há controvérsias……

  118. Elias said

    Do noticiário de hoje, da ADVFN:

    “As ações da Petrobras (PETR4) registraram forte alta de 5,3% logo após o resultado do leilão do campo de Libra ontem. O motivo? A companhia irá ficar com 40% do campo, acima dos 30% exigidos por lei e ainda entregará 41,65% do óleo produzido ao governo, o mínimo previsto para o leilão, já que apenas houve um consórcio interessado. O consórcio é formado pela Petrobras, a inglesa Shell (LSE:RDSA) com 20% de participação, a francesa Total (EU:FP) com 20%, e as estatais chinesas CNPC e CNOOC (NYSE:CEO) com 10% de participação cada uma. ”

    Ou seja: o campo foi arrematado por um consórcio liderado pela própria Petrobrás.

    Espero, agora, que o Pax & quejandos comecem a dizer que isso foi um péssimo negócio! Que a Petrobrás jamais deveria ter se metido nisso! Que isso vai gerar um enorme prejuízo para o país! Que houve mutreta no leilão! Que o governo manipulou o leilão pra espantar os demais concorrentes e, assim, beneficiar a Patrobrás! Ou, então… Que a Petrobrás teria que entrar sozinha no leilão, bancando tudo e dispensando os 50% franceses, americanos e chineses, sei lá…

    Reconheçam, bobinhos: vocês ouviram o galo cantar, sem saber adonque… E, aí, como sempre, terão que morder a própria língua.

    Êta oposiçãozinhazinha ruinzinha da porra!

  119. Elias said

    Retifico:

    Onde está escrito: “dispensando os 50% franceses, americanos e chineses, sei lá… ”

    Leia-se: “dispensando os 50% ingleses, franceses e chineses, sei lá…”

  120. Pax said

    Imagina que vou achar que houve mutreta num leilão conduzido pelo Edison Lobão, assecla do José Sarney…

    Uma coisa é reclamar da corrupção, outra é acusar gente ilibada, da mais alta estrutura moral e ética.

    Quem te conheceu antes, caro Elias, repara, sim, a mudança do discurso.

  121. Patriarca da Paciência said

    Dor de corno escancarada:

  122. Patriarca da Paciência said

    “Área onde está o poço de Libra já havia sido leiloada no passado, quando a Agência Nacional do Petróleo era comandada por David Zylbertajn, genro do ex-presidente FHC; bônus de assinatura foi irrisório; “era tão barato que, mesmo com esse preço, a Agip arrematou a área por R$ 134 milhões, ágio de 53.564%”, diz o texto de Fernando Brito”

    http://www.brasil247.com/pt/247/economia/118459/Tijola%C3%A7o-FHC-leiloou-Libra-por-apenas-R$-250-mil.htm

  123. Elias said

    O leilão versou sobre 60% do campo.

    Os 40% que pertenciam à Petrobrás não foram leiloados. Nem faria sentido a Petrobrás disputar, via consórcio, em leilão, a propriedade de algo que lhá lhe pertence.

    Dessa forma, a taxa de 41,65% deve incidir sobre o objeto do leilão, ou seja, os 60% do campo.

    Logo: 60% X 41,65% = 24,99%

    Como a Petrobrás pertence majoritariamente à União, segue-se que: 40,0% + 24,99% = 64,99%.

    Os restantes 35,01% do campo (ou 58,35% x 60% = 35,01% // 100,0% — 64,69% = 35,01%) correspondem à parte que o consórcio pode negociar livremente, pra quem quiser, pelos preços de mercado (os 41,65% obrigatoriamente fornecidos ao país, têm seu preço fixado unilateralmente pela União).

    Em geral, isso não significa que o óleo será exportado. Significa que ele será vendido pelo preço de mercado. A própria União poderá comprá-lo. Só que, diferentemente dos 41,65%, para os quais ela impõe o preço a ser pago, nos 35,01 restantes ela se submete ao preço de mercado.

    É bom lembrar que a lei estabelece a venda obrigatória para a União de, no mínimo, 30% do óleo produzido. No leilão de Libra, a União ficou com 41,65%. Bem acima, portanto, do limite mínimo, ainda mais em se tratando de leilão com um único interessado… Quando há um único interessado, o normal é que a proposta fique no limite mínimo (vai ver que foi mutreta, NÉ PAX?).

    De qualquer modo, como a Petrobrás é proprietária de metade dos 35,01 restantes, ela vai lucrar um pouco mais com a venda dessa parcela a preço de mercado.

    Acho que a taxa final de participação da União, para fins de propaganda, soma a metade desses 35,01% com os 64,99% apurados da forma acima.

    Fica: 64,99% + 17,51% = 82,50%.

    Não tem nada a ver, né? Mas, para fins de propaganda, não deixa de ter alguma lógica.

  124. Elias said

    Pax,
    Nos comentários 118 e 123, apresentei dados concretos.

    Fiz questão de registrar a memória de cálculo, instrumentalizando o que dizem a legislação em vigor e o edital que disciplinou o leilão.

    Quero ver tu me contestares, apresentando algo assim… Desconstruindo os meus argumentos, em vez de depreciar a minha pessoa.

    Do contrário, e com muito mais propriedade, poderei dizer o mesmo de ti. De pessoa razoável que aparentavas ser, passaste a raciocinar com o intestino, desde que teu enlace na internet começou a levar farelo…

    E desde que passaste a raciocinar com o intestino, passaste a adotar métodos de discussão tipicamente reacionários, atacando quem argumenta, em vez de atacar o argumento.

    Os meus argumentos estão aí, acima. Vem de lá com os teus…

  125. Pax said

    Caro Elias,

    Meus argumentos? Ora, são fáceis demais.

    Sobre Edison Lobão (12 notícias colecionadas)

    https://politicaetica.com/category/edison-lobao/

    Sobre José Sarney (146 notícias colecionadas)

    https://politicaetica.com/category/jose-sarney/

    Deixei de ser razoável? Podes me dizer as razões? Só porque nós discordamos do julgamento da AP 470? Porque eu acho que houve um desastre no caminho petista ao chafurdar na lama da mais profunda corrupção estabelecida no país?

    Ora, caro Elias, poupe-me.

    Se não posso reclamar que um Edison Lobão esteja à frente do leilão/privatização da maior fortuna brasileira encontrada nos últimos tempos e que este Edison Lobão seja homem laranja de José Sarney eu passei a ser um des-arrazoado?

    Eu reclamo, sim, que o PT tomou um rumo que discordo. E reclamo com veemência. Tenho todo esse direito. Tenho uma coleção de notícias tão grande que me causa estranheza que você ache estranho que eu reclame, justamente num blog que fala de corrupção, desvios e anomalias no trato da coisa pública.

    Agora, se você quer que eu fique calado, ou que somente colecione notícias da corrupção desde que não sejam do PT, aí temos, sim, um enorme problema. A começar pela declaração de existência do blog que teria que mudar, coisa que não faço desde seu nascedouro. E não farei.

    Coloca uma coisa na tua cabeça, Elias, não sou eu o culpado pelo caminho de corrupção adotado PT. É o próprio PT o culpado.

    Não posso reclamar do Fernando Haddad, não posso reclamar do Zé Dirceu, não posso reclamar das alianças do PT com Kassab, Maluf, Kátia Abreu, não posso reclamar da incompetência suspeitíssima do Paulo Bernardo, não posso reclamar de nada que se refira ao governo PT que eu é que estou errado?

    Isso mais me parece um descaminho democrático que qualquer outra coisa. E é este caminho que vejo cotidianamente que me incomoda profundamente.

    Dá-me licença, caro Elias, eu desconfio, sim, que este leilão/privatização tenha ocorrido com mutretas. Vou mais longe, acho que onde há Lobão e Sarney é praticamente impossível, haja vista o fartíssimo noticiário, que tudo tenha ocorrido no mais correto modelo de leilão.

    Basta-me a história. Nunca vou achar que Sarney é honesto, caro Elias. Não é possível isso acontecer. Se os petistas passaram a morrer de amores por qualquer um deste naipe, isto não é um problema nem um caminho meu.

    Precisamos de mais argumentos?

    E não me acuse do que não disse. Ou aponta que eu reclamei que deveriam ou não leiloar, onde, data, post, comentário, ou, caro Elias, pare de me acusar do que não disse, de opinião que não emiti. Isso é chato pacas. E feio demais da parte de um homem da tua altura.

  126. Patriarca da Paciência said

    Ives Gandra Martins ama o José Dirceu:

    “Lembro que, se há prova material contra quem comanda uma ação, a teoria é despicienda. As provas por si só já servem para condenar e, conforme o nível da participação do protagonista na condução dos atos delituosos, as penas serão agravadas. Quando as provas materiais inexistem, havendo apenas indícios ou provas testemunhais, é que se lança mão de uma teoria agregadora do comando.

    A aplicação de teoria do domínio do fato a Rafael Videla (Argentina) e a Alberto Fujimori (Peru) decorreu de serem presidentes da República. Embora os crimes tenham sido praticados por seus subordinados, estavam estes sob seu comando.”
    http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/118461/Gandra-refor%C3%A7a-dom%C3%ADnio-do-fato-traz-inseguran%C3%A7a.htm

    E aí, caro Pax, para que a tal teoria do domínio do fato seja aplicada de forma correta, torna-se necessário que a pessoa que praticou o crime esteja diretamente subordinada, sob o comando, de maneira hierárquica, àquele que passa a ser o “mandante”. Quem do suposto mensalão estava diretamente subordinado a José Dirceu? Não estou aqui reconhecendo que houve crime, estou apenas colocando as coisas em termo de lógica jurídica. Ou, como coloca o Ives Gandra, sob pena de se criar insegurança jurídica, visto que cada um poderia “interpretar” as normas jurídicas como bem entendesse.

    Pela lógica jurídica, no mínimo, os “outros” deveriam estar sob a subordinação hierárquica de Dirceu. Quem estava?

    Então a tal de “teoria do domínio do fato” foi aplicada de forma totalmente contrária às normas jurídicas!

    É isso aí, quem quiser persistir no erro, que persista. Afinal, o José Serra teve milhões de votos!

  127. Pax said

    Bem, se Genoino e Delúbio não respondiam para Dirceu para a montagem da base, respondiam a quem? Ao Lula?

    Fica a pergunta, caro Patriarca.

    Já faz um tempo que Dirceu bombardeia essa ideia que não teve nada a ver com o pato, mesmo tendo se reunido com o presidente da Portugal Telecom, com os presidentes dos bancos envolvidos nos desvios etc.

    E nós sabemos, sim, que ele comandava as articulações políticas no Planalto.

    Pode ser que queiram culpar o Waldomiro Diniz, mentor intelectual do Dirceu. Será?

  128. Elias said

    Pax,

    Me poupa, tu!

    Eu não estou falando dos teus problemas sexuais com Sarney, Lobão ou os 3 porquinhos.

    Eu estou falando do leilão do campo de Libra, Pax… Do leilão, Pax! Do leilão!

    Tirando as tuas fulanizações (até esse cacoete direitorréia tu absorveste), tenta demostrar, por meio de indícios, domínio do fato ou o que quer que seja, onde está a mutreta no leilão.

    Mais uma vez não vais demonstrar nada, Pax.

    Tu vais apenas continuar a fazer eco a tudo o que for dito pela oposição direitopata.

    Vais apenas seguir o boi de cabeceira…

    So isso.

  129. Elias said

    “Bem, se Genoino e Delúbio não respondiam para Dirceu para a montagem da base, respondiam a quem? Ao Lula?” (Pax)

    “Responder” com pergunta, é PHO…a!

    Ora, caceta 1: não há nenhuma linha hierárquica ligando o Chefe da Casa Civil da Presidência da República ao presidente de um partido político, seja qual for, até porque os partidos políticos não fazem parte da Administração Pública brasileira, direta, indireta, fundacional ou do raio que o parta.

    Ora, caceta 2: CONSEQUENTEMENTE, quem tem que provar a existência de subordinação, seja de quem for a quem quer que seja, é quem está usando o conceito de subordinação para condenar alguém.

    Ora, caceta 3: quem nega a subordinação não precisa provar nada, até porque: (a) a inexistência de subordinação entre o Chefe da Casa Civil da Presidência da República e o presidente de um partido político, seja qual for, é expressamente estabelecida na Constituição brasileira e no porrilhão de leis, decretos, resoluções, etc, correlatas; (b) não se faz prova de fato negativo (pelo menos entre pessoas mentalmente saudáveis).

  130. Pedro said

    Aproveitando o barulho do leilão, Dilma atropela, STF, PGU, TCU, e coloca um mercado de 10 bi por ano, na mão da Geap, que tem como dirigentes, quadros do PT.

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,uniao-abre-brecha-para-fundacao-privada-dominar-planos-de-saude-dos-servidores,1088319,0.htm

    Realmente, o mensalão é dinheiro de gorgeta.

  131. Pedro said

    Quanto ao leilão, eu estava errado.

    Para um governo que já tentou licitar o trem bula, digo, trem bala, diversas vezes, sem nenhum interessado.

    Oras bolas, aparecer 1 interessado, num “leilão”, é um sucesso tremendo.

  132. Pax said

    Vamos combinar que direita é Sarney, Lobão, Collor, Maluf, Kátia Abreu, Kassab, Valdemar da Costa Neto etc?

    Quem endireitou não fui eu, caro Elias, para de tentar me atribuir as culpas do PT, ora bolas.

    Caramba. Não tem limite isso não?

  133. Zbigniew said

    Pedro,
    os percentuais são apenas uma face da problemática do leilão.

    Pela leitura das razões do governo, o que se argumenta é que a Petrobrás não teria cacife para bancar a exploração sozinha. Principalmente porque utiliza-se a empresa como instrumento estratégico importante para a aplicação de políticas sócio-econômicas, segurando o preço de derivados como a gasolina, diesel e gás de cozinha. Hoje a Petrobrás não teria como atuar no pré-sal sem a parceria de empresas de envergadura econômica. Se atuasse sozinha não daria a resposta que o governo espera (de imediato) sem comprometer a sua própria saúde financeira.

    Isso vai de encontro ao que o Rockfeller afirmava: que o melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo bem administrada, e o segundo melhor, uma mal administrada. Com a segurança de um ativo monstruoso no subsolo marinho e tecnologia suficiente para extraí-lo, porque a Petrobrás não poderia atuar sozinha, inclusive por ter a tecnologia de ponta para extrações deste tipo? Justificam as necessidades de ordem fiscal do governo? Essas dúvidas ficam porque a comunicação neste episódio foi falha e a sociedade permanece com muitas versões e com muitas dúvidas também, afinal ninguém é obrigado a conhecer a fundo de engenharia financeira em questões de petróleo.

  134. Otto said

    Desenhando para o Pedro:

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/10/1360300-uniao-e-petrobras-ficarao-com-85-da-renda-de-libra-estima-epe.shtml

  135. Otto said

    Pax.
    o Ministro Edson Lobão foi apenas o mestre de cerimônias do leilão.

    Algo dessa envergadura não passaria sem a fiscalização minuciosa da Dilma.

    Tanto que o Leilão foi bem sucedido.

    Agora, se fosse há 12 anos, o campo de Libra seria entregue de bandeja para as Três irmãs petroleiras.

  136. Chest said

  137. Chest said

  138. Otto said

    AOS INCAUTOS – É BOM RELEMBRAR:

    – DILMA – cobrou SÓ pela assinatura do contrato de Libra US$6,8 bilhões;

    – PSDB – VENDEU (doou) inteira, toda a Vale por US$3,1 bilhões.

    IMPOSSÍVEL ESCONDER ISTO!

  139. Chesterton said

    Ninguem mais vai reclamar das privatizações, é só uma questão de preço, de mercado? DILMA TUCANOU!

  140. Zbigniew said

    Não, a Dilma não tucanou.

    Na verdade os tucanos JAMAIS flertariam, nem de perto, com o modelo de partilha.

    Os tucanos encetariam, sem pestanejar, com o processo de concessão e uma boa e velha privatização da Petrobrás à la Margareth Tatcher, bem ao gosto das irmãs Exxon Mobil, BP, Chevron e quejandos, que por sinal saltaram fora do leilão, justamente por não aceitarem os termos do mesmo.

    Aliás, para chegar perto do que tecnicamente se entende por privatização só passando pela ideia de concessão tão cara à ideologia “liberalizante” tucana.

  141. Pax said

    Abri um novo post… inaugurei a Categoria: Eleições 2014 com a informação da PF: 50% de tudo que apuram de corrupção está diretamente ligado com financiamento de campanhas.

    Ponto onde TODOS os partidos chafurdam com profissionalismo.

    Claro que coloquei PT e PSDB como os principais, haja vista que são os principais partidos brasileiros.

  142. Jose Mario HRP said

    Pax……Do Pizzolato nada sei sobre esses supostos 326, mas porque ele foi o unico do BB condenado pela liberação dos emprestimos.
    Aliás dois discipulos do criador do dominio do fato,formados na Alemanha, brasileiros, já deixaram claro em artigo recente que de dominio do fato, se esse processo fosse cavalo, estava sem ferraduras e com quatro pernas quebradas.

  143. Elias said

    Deu hoje, no noticiário da ADVFN:

    “Um aumento no preço dos combustíveis, na faixa de 5% a 7%, é iminente segundo reportagem do jornal o Estado de S.Paulo. Após a Petrobras (PETR4) vencer o leilão do campo de Libra, o Ministério da Fazenda pressiona a equipe executiva do governo para que a companhia reajuste o preço da gasolina e do diesel já nos próximos dias. A pressa é decorrente da necessidade de pagamento do bônus de assinatura no valor de 15 bilhões pelo consórcio vencedor do campo de Libra, do qual a Petrobras participou com 40%. O pagamento precisa ocorrer em até 40 dias.”

    Agora é que os direitopatas (inclusive os neo) vão ficar p… da vida, mesmo!

    Desencaixe de 6 bi (40% de 15 bi) transferido diretamente pros nossos bolsos (sem usar nem a triangulação do BNDES…).

    De qualquer modo, são 15 bi a mais no caixa da União em novembro, faltando um mês pra começar mais um ano eleitoral.

    É disso que a oposição tá com medo.

    O resto é conversa pra boi dormir…

  144. Pedro said

    Otto, existem desenhos para todos os gostos:

    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2013/10/23/dilma-privatizou-libra-sim-por-carlos-tautz-512865.asp

    Depois do “sucesso” do “leilão” de um lance só, Dilma inventou a licitação sem participantes, em benefício da Geap.

    Este desenho explica melhor:

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,uniao-abre-brecha-para-fundacao-privada-dominar-planos-de-saude-dos-servidores,1088319,0.htm

    Sobre este desenho escabroso, nem uma palavra?

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: