políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

João Paulo Cunha a caminho da prisão

Posted by Pax em 06/01/2014

João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados entre 2003 e 2005, deputado federal do PT de SP, foi condenado na AP 470 por três crimes:

Corrupção passiva: recebeu R$ 50 mil para favorecer a SMP&B. Pena de 3 anos de prisão.
Peculato: mesmo contrato com a SMP&B. Pena de 3 anos e 4 meses de prisão.
Lavagem de dinheiro. Pena de 3 anos de prisão.

Entrou com embargos e seu caso estava em análise. Hoje os dois primeiros crimes foram considerados transitados em julgado. Pelo crime de lavagem de dinheiro ainda não há esta decisão.

Deve ser levado à prisão a qualquer momento.

Barbosa determina prisão do deputado João Paulo Cunha

André Richter – Repórter da Agência Brasil

Brasília – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, negou hoje (6) recurso e determinou o fim da Ação Penal 470, o processo do mensalão, para o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP). A decisão vale para as penas de corrupção e peculato, que somam seis anos e quatro meses e para as quais não cabe mais recurso. Com a decisão, Cunha pode ser preso a qualquer momento.

Para determinar a execução das penas, Barbosa considerou protelatórios os recursos referentes às penas de corrupção passiva e peculato. Pelo crime de lavagem de dinheiro, Cunha recebeu pena de três anos de prisão, mas ainda pode protocolar recurso. “Por faltar-lhe requisito objetivo essencial de admissibilidade e por considerá-lo meramente protelatório, determino, como consequência, a imediata certificação do trânsito em julgado quanto a essas condenações”, decidiu Barbosa.

Anúncios

87 Respostas to “João Paulo Cunha a caminho da prisão”

  1. Pax said

    Quero ver as desculpas que darão para a esposa do deputado ter apanhado R$ 50 mil, nota sobre nota, na boca do caixa do Banco Rural.

    Lá vem mimimi, chororô e repetição ad nauseam que isso é a coisa mais normal do mundo. Tem até cartilha do próprio explicando item por item…. pois, sim.

    Concoentão, na mão da fiel esposa. Dinheirinho do povo para o “pobre deputado”.

  2. Chesterton said

    Só falta o chefe.

  3. Chesterton said

    http://www.theminorityreportblog.com/2014/01/03/obama-busted-birth-cert-contains-wordsplaces-that-did-not-exist-in-1961-african-american-kenya/

  4. Otto said

    Pax, não me respondeste a última pergunta.
    Acho que quem tá nas cordas é você.

  5. Pax said

    Qual pergunta, caro Otto?

  6. Pax said

    off topic:

    boa crítica do Clovis Rossi

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/2014/01/1394121-quem-deveria-ficar-nervosinho.shtml

  7. Pax said

    off topic:

    para quem já pensava em atirar pedra por conta do link do Clovis Rossi, antes disso, leiam o Kotscho

    http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2014/01/06/1964-1984-o-que-estas-datas-significam-em-2014/

    Mas:

    1 – concordo com o Rossi, quem ri deveria chorar, quem chora deveria rir

    2 – concordo com o Rossi (2), Dilma vai levar em primeiro turno

    3 – concordo com o Kotscho, Rossi é um raro analista que parece não engajado com ditames editoriais. Escreve o que lhe dá na telha.

    4 – discordo um pouco do Kotscho que o movimento que chama o povo às ruas, contra a Copa, seja um movimento golpista. Do que já vi tem gente que vota no PT, tem gente que vota contra o PT e tem aquela gente de esquerda, a tal frente PSTU, PSOL etc.

    5 – não vejo, como o Kotscho, alto parecido com a Marcha das Famílias em 64. Uma coisa é a “ameaça” comunista. Outra, bem diferente, é a “ameaça” do que se tornou o estado das coisas. Pessoas irão às ruas não só contra Haddad como contra Alckmin, não só contra a Copa como contra a Corrupção, as pessoas irão às ruas porque há, sim, um descontentamento latente, mesmo daqueles que estão felizes e votarão em Dilma.

    Este número 5, coloca uma sinuca de bico em toda classe política. Como separar as coisas?

    Mas que 2014 será um ano de povo às ruas, acho que vai ser, sim. O pior que pode acontecer para quem estiver candidato será ser vinculado com repressão policiai à força bruta.

    Mas é um puro achismo da minha parte, sobre as duas análises, do Rossi e do Kotscho.

  8. Chesterton said

    Chile: adeus à “economia social de mercado”.
    Interessante artigo do economista Axel Kaiser sobre o espectro socialista que ronda o Chile. Ele fala do alemão Ludwig Erhard, pai da “economia social de mercado”, um ilustre desconhecido no Brasil – e na América Latina, off course.

    Ludwig Erhard es conocido como el “padre de la economía social de mercado” que diera origen al milagro económico alemán, gracias a la radical reducción del Estado que él impulsó. “Nada es más antisocial que el Estado de bienestar, que anula la responsabilidad de las personas conduciendo a la reducción del desempeño personal”, escribió.

    Con el triunfo de la Nueva Mayoría, Chile ha hecho el primer paso en sacrificar su activo más preciado: la economía social de mercado (ESM). Para entender lo que está en juego resulta necesario conocer primero el origen histórico y los fundamentos intelectuales de la ESM.

    Desde la época de Bismarck hasta la era nazi, Alemania tuvo una economía fuertemente intervenida por el Estado. Como sabemos, Bismarck, inspirado en las ideas socialistas de la escuela histórica alemana, fundó el primer Estado de bienestar en Occidente. Él mismo definiría su sistema benefactor como “socialismo de Estado”.

    La República de Weimar que siguió a la Primera Guerra Mundial se caracterizó también por una economía intervenida y un Estado de bienestar sobre extendido. Las enormes cargas sociales, las reparaciones de guerra y la Gran Depresión, llevaron al colapso total del sistema económico en la década del 20 y al ascenso del nacional socialismo. Como partido obrero, el NSDAP (Partido Nacional Socialista Obrero Alemán) tuvo dentro de sus objetivos centrales la fundación de lo que hoy se denomina “Estado social de derechos”. En su famoso discurso frente a los trabajadores de la Rheinmetall-Borsing en Berlin, en octubre de 1940, Hitler diría que su programa buscaba “crear un Estado socialmente justo” que “continúe erradicando las barreras sociales”. Como todos los socialistas, los nazis rechazaban el capitalismo y la cultura liberal sobre la que descansaba. Según Hitler, solo la destrucción del capitalismo anglosajón podría liberar a los trabajadores. Siguiendo esa lógica, los nazis ejercieron un control casi total sobre la economía, incluyendo fijación de precios, cartelización forzada de empresas, dirección de la producción e inflación diseñada desde el gobierno.

    Más importante aun fue la creación de un Estado de bienestar de generosidad sin precedentes. Según el historiador Götz Aly, la expansión de un masivo sistema de transferencias sociales permitió a Hitler literalmente “comprar” el apoyo del pueblo alemán. (Aly, 2005). Luego de la Segunda Guerra Mundial, los aliados optaron por continuar administrando la economía estatizada de Hitler mientras gran parte de la élite intelectual y política alemana todavía rechazaba el capitalismo. Fue en ese contexto adverso que la genialidad de un hombre absolutamente convencido del libre mercado logró cambiar la suerte del ahora motor de Europa: Ludwig Erhard.

    Erhard es conocido como el “padre de la economía social de mercado” que diera origen al milagro económico alemán. Contrario a lo que parecen creer algunos académicos (Eugenio Yañez, La Tercera, 24/11/2013), Erhard entendía la ESM como un sistema de mercado libre en el cual el Estado se limita a intervenir para garantizar la competencia y ayudar a quienes, por sus medios, no han podido salir adelante. Es más, a Erhard nunca le pareció bien el concepto “social de mercado” acuñado por el economista Alfred Müller-Armack, adoptándolo solo por razones de estrategia política. (Merz, 2008). El mismo Erhard diría: “cuando hablo de economía social de mercado, quiero decir que el mercado en sí mismo es social, y no que haya que hacerlo social”. (Erhard, Das Prizip Freiheit, 2009). Más aun, según Erhard, “el concepto ‘libre’ y el concepto ‘social’ se cubren mutuamente. Mientras más libre sea la economía, más social es”. (Id).

    Como bien notó el biógrafo de Erhard, Alfred Mierzejewski, el ex canciller rechazaba el igualitarismo y la idea de justicia social en un sentido redistributivo. Más aun, Erhard pensaba que solo el mercado podía distribuir la riqueza de manera justa. (Mierzejewski, 2004). En su opinión, una sociedad donde “todos tienen su mano en el bolsillo de todos los demás” era abusiva y condenable. En ese contexto, denunció que pocos conceptos se usaban para justificar más abusos que el de “justicia”. En su best seller Bienestar para todos, sostuvo: “Esforcémonos por no ponerle tan rápido el nombre ‘justicia’ o ‘social’ a nuestras demandas del Estado, pues en realidad muchas veces no se trata más que de deseos particulares”. Siguiendo esa línea, Erhard insistiría en que “no existe beneficio otorgado por el Estado que no implique una privación para el pueblo”.

    Erhard también instó a sus compatriotas a no dejarse llevar por la envidia, en su opinión un mal típicamente alemán que fomentaba anhelos redistributivos por hacer “imposible soportar que a otro le vaya mejor”. La solución a los problemas sociales, pensaba Erhard, no se alcanzaba con la “división” sino con la “multiplicación” del PIB. En Bienestar para todos escribió: “es mucho más fácil que cada uno obtenga un pedazo de un Kuchen que crece permanentemente que querer sacar una ganancia de una lucha por la repartición de un Kuchen más chico”. Según Erhard, “nada es más anti social que el Estado de bienestar, que anula la responsabilidad de las personas conduciendo a la reducción del desempeño personal”. (Erhard, 2009). Fueron estas ideas liberales las que estuvieron detrás del milagro económico alemán, el que solo fue posible gracias a la radical reducción del tamaño del Estado realizada por Erhard.

    El modelo de Erhard, por cierto, no es equivalente al estado benefactor alemán de hoy, cuyo desarrollo Erhard criticó hasta el fin de sus días y cuyo gasto social, según diversos expertos, es insostenible. La revolución económica de Erhard tuvo por objeto precisamente desmantelar el intervencionismo estatal benefactor. Fue una revolución liberal, no en el sentido del laissez- faire, sino en el sentido moderno de pensadores como Hayek. El mismo Erhard reconocería a Hayek como el origen de la fuerza intelectual detrás del milagro económico alemán: “Hayek fue el primero que demostró de manera teóricamente exacta lo que nosotros realizamos, esto es, que el manejo de problemas económicos y la superación de necesidades solo se pueden satisfacer en un orden social libre.” (Hennecke, 2000). La economía de Erhard entonces, no fue contraria a las ideas de pensadores como Hayek y Friedman, sino su realización. De ahí que ambos la celebraran.

    Hace 30 años, Chile, tras la crisis total producida por décadas de estatismo, optó por el camino de la ESM alemana. Y como Alemania, tuvimos nuestro milagro económico. Lamentablemente, en lugar de profundizar la ESM con mayor competencia, productividad y focalización del gasto público, los estatistas de todos los partidos pretenden reemplazarla por un sistema históricamente fracasado. do bblog do Tambosi

  9. Chesterton said

    SEGUNDA-FEIRA, 6 DE JANEIRO DE 2014
    Bispo de Humaitá culpa Governo Dilma pela tragédia entre índios e brancos.

    Dom Meirand Francisco Merkel é alemão. É o Bispo de Humaitá. É papo reto. É na jugular do Governo Dilma e do PT. Acompanhou com desespero o conflito entre índios e brancos, que resultou no desparecimento de três inocentes cujos corpos até agora não foram encontrados. A análise de Dom Francisco põe o dedo na ferida e aponta a responsabilidade dos Paulo Maldos da vida, da Funai e das ONGs interacionais no fomento à tragédia. Leiam, abaixo, o artigo de Dom Francisco, publicado na página da CNBB. Pode ser que agora os bispos do Brasil enquadrem o famigerado Conselho Indigenista Missionário, um dos maiores responsáveis pelos conflitos entre índios e brancos no país.

    Irmãos e Irmãs de caminhada:
    Paz e Bem!

    Escrevo este artigo nas vésperas do Ano Novo – chocado ainda pelos acontecimentos que lançaram sombras sobre as festas natalinas nesta Diocese. Todo mundo sabe do sumiço de três cidadãos na BR 230 depois do dia 15 de 12. Mas ninguém sabe precisamente o que aconteceu. Sabemos da dor dos familiares que ficaram sem notícias sobre o paradeiro de seus parentes e se ainda estavam com vida ou se já morreram.

    Da parte da Polícia Federal e da FUNAI não houve empenho convincente na elucidação dos fatos. Não é a primeira vez que fatos tristes ficam sem a devida atenção por parte das autoridades constituídas para cuidar da segurança pública.

    A lentidão ou o desinteresse da Polícia Federal, da Fundação Nacional do Índio, da Promotoria Pública frustraram familiares, parentes e amigos. Esgotou-se a paciência de uma boa parcela da população e gerou-se o plano de uma manifestação pacífica. Bloqueou-se a travessia sobre o Rio Madeira. Ora, o acesso à Transamazônica é vital para quem quer viajar às cidades de Apuí e Santo Antônio do Matupí, às aldeias indígenas ou chegar à sua casa à beira da Estrada BR 230 – todos ficariam penalizados com este bloqueio.

    A intenção foi clara: Chamar a atenção dos governantes em nível Estadual e Federal: Os cidadãos desta parte do Amazonas merecem a mesma atenção e o mesmo amparo que os outros cidadãos neste vasto país. Desde a demarcação das terras, o pedágio imposto sem negociação (outubro 2006) até o desaparecimento de várias pessoas se criou a sensação de impotência e de ausência do Estado. Também os povos indígenas reclamam de uma política antiindigenista! – Até onde o Estado cumpre seu papel? E quem pode pedir satisfação dele no momento do descumprimento¿

    Dá para perceber que a revolta não foi – simplesmente – de Brancos contra Índios. Explodiu a frustração também contra um aparato anônimo que se chama Estado. Quantas vezes a população se depara com funcionários que mal atendem, não informam corretamente, não zelam pelo encaminhamento de documentação, não prestam conta dos recursos públicos, enfim parece que ninguém é responsável por nada. A computatorização aumenta esta sensação de impotência. Parece que o cidadão só é bom para pagar impostos…

    Ora, o potencial que se descarregou nestes dias causando destruição do patrimônio público, poderia ser empregado para a reorganização de nossa sociedade local. De certa forma vivemos em clima de paz, somos cristãos, não passamos por uma situação de miséria material, temos estruturas e instituições que, embora não perfeitas, prestam alguma ajuda para um convívio decente.

    O que falta? Quero apontar alguns itens que me parecem importantes: Precisamos de lideranças que continuamente aperfeiçoam seu papel, que têm agudo grau de consciência ética, que juntam coragem com persistência. Devem ser pessoas que sabem escutar, refletir, partilhar com outras pessoas de bem, elaborar uma estratégia para conseguir os objetivos e que sempre prestam a informação necessária (transparência) para contar com o povo como aliado. E também da parte do povo precisamos das atitudes de escuta e reflexão, debate e participação – da fiscalização das obras e da prestação de contas.

    Recordo com saudade da matéria de Organização e Política (OSPB), Moral e Cívica nas escolas. Ou da instituição de Ouvidorias. É urgente repensar a maneira de fazer política e elaborar leis. – O ano eleitoral está aí. Vamos testar o grau de consciência e ética dos nossos representantes antes de dar nosso voto. Somente um belo programa de partido não basta!
    POSTADO POR O EDITOR coronel

  10. Otto said

    Para o Chest:

    Ataque midiático à Coreia do Norte termina em patético desmentido

    http://correiodobrasil.com.br/destaque-do-dia/ataque-midiatico-a-coreia-do-norte-termina-em-patetico-desmentido/675407/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=b20140107

  11. Otto said

    =) Atendendo a pedidos:

    EIS O DESAFIO QUE NENHUM COXINHA TOPA!

    “Deixo de votar no PT no dia que vocês me apresentarem dados estatísticos de outro governo nos últimos 40 anos que tenha realizado mais que o PT em 12 anos”. Se não puderem apresentar dados, enfiem seus argumentos sabem onde!

  12. Pax said

    Caro Chesterton,

    Prefiro minha interpretação, abaixo:

    No país do Imperador Don Sarney, o corrupto, a lei é degola nos presídios. A cria do Imperador, Dona Roseana, governa o estado do Maranhão apoiada pelo novo PT, o mesmo que estimula massacres de índios nos grotões, capitaneados pela musa Dona Gleisi. A filósofa Kátia Abreu, nova líder intelectual e desenvolvimentista do país, acredita que nós, homens inteligentes, venceremos a luta contra estes atrasados silvícolas que absurdamente querem florestas para viver. A pensadora deste modernismo progressista mal saiu do DEM, o partido irmão do PSDB, que prefere surrupiar verbas do Metrô, dos trens e superfaturar os pedágios e anéis viários necessários para fluir o êxodo rural proporcionado pela moderna vida sustentada nas favelas criadas para suprir mão de obra barata para as indústrias falidas. Marina, com Campos, diz que só a religião salvará todos deste atraso e o casamento com o tucanato deve ser disfarçado aos olhos dos incultos fiéis. E para que todos não saibam bem do que acontece, em tempo real, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, apoia toda e qualquer falcatrua das operadoras para que os vídeos das tais degolas do início do texto só sejam exibidos um mês depois, e só pelos poucos que têm acesso a uma internet de primeiro mundo, movimento que, infelizmente, Paulo, o arrecadador, não conseguiu conter.

    =)

    Ontem mantive diálogo com mais um moleque da USP. Tem meu sobrinho que é do PSTU, este que é mais “à direita” e votará no PSOL, ambos dizem que querem uma aliança das esquerdas mas acham que somente suas esquerdas é que podem representar um futuro melhor e estão prontas para o racha geral…

    Ontem, também, mantive diálogo com uma professora aposentada, petista até à além de sua alma. Casada com um sindicalista amigo meu, pais de um jovem sindicalista também. Reclamou que disse que Kátia era a nova amiga de infância de Dilma. Aí mostrei a ela, pela Internet, as fotos de Dilma com Kátia, tem várias no Google Images. Reclamou, falou que eram fotomontagens da mídia, em especial de O Globo. Argumentei que algumas das fotos eram da Agência Brasil. Bufou e reclamou que a coisa tá dura mesmo, mas que precisam manter as conquistas alcançadas. Argumentei que “manter conquistas” do povo com os ruralistas, com o coronelato e com os pastores não me parecia muito coerente. Desistiu e me convidou para um chope. Que aceitei e vamos tomar qualquer hora dessas.

    E assim vamos em frente, que é ano de eleições. Só espero a primeira convocação para uma passeata contra a Copa para comprar uma garrafa de bom vinagre e ir às ruas.

    Neste mar de lama, que vença quem mais desviou para os caixas 2 de campanha e faça os melhores filmes roliudianos na propaganda eleitoral.

    O povo está feliz, então não há do que reclamar, ora bolas.

  13. Chesterton said

    mas o Otto realmente defende a Coreia do Norte….caiu na armadilha

  14. Pax said

    Ah, caro Otto, essa foi a tua pergunta. Pois bem, vou te responder.

    Não há. O PT continua sendo o menos pior do que se apresenta.

    Só que este mesmo PT fez o favor de piorar ainda mais o rumo da podridão política brasileira. E disso reclamo, sim. Ad nauseam.

  15. Chesterton said

    O povo está feliz, então não há do que reclamar, ora bolas.

    chest- e vivas ao relativismo moral!

  16. Chesterton said

    “Deixo de votar no PT no dia que vocês me apresentarem dados estatísticos de outro governo nos últimos 40 anos que tenha realizado mais que o PT em 12 anos”. Se não puderem apresentar dados, enfiem seus argumentos sabem onde!

    chest- roubaram o programa economico do PSDB, roubaram o ministro do PSDB Meireles, surfaram nas instituições criadas pelos governos anteriore (inflação controlada), surfaram no maior boom da economia mundial e deixarão tudo destruído em programas de transferencia de renda e dinheiro para os amigos.

  17. Pax said

    o caro Chesterton, velho, bom e rabugento Chesterton, depois que começou a ler o “filósofo” Olavão, precisa que os textos venham com figurinhas para entender as ironias.

    mas, enfim, é o velho e bom Chesterton, que ama Kátia, que é amada por Dilma

    fazer o quê, são anos de convivência, quando se ausenta a gente sente falta

    =)

    (putz, o desengonçado Mr X, que entrou na viagem direitopata alucinógena, desistiu de seu blog é?)

  18. Patriarca da Paciência said

    Bom, voltando ao post,

    O João Paulo Cunha não vai renunciar. O que isso significa? Significa exatamente que a Câmara vai ter que abrir um processo de cassação e o João Paulo e seus apoiadores vão ter uma tribuna livre para dizerem tudo o que pensam!

    Acho que agora é que vai acontecer o verdadeiro julgamento da famigerada ação penal 470.

    Acredito que vão ocorrer embates memoráveis! José Genoíno não tem mais saúde para isso. José Dirceu, por ter arrumado briga com todo o PIG, (via marco regulatório da imprensa) também não teria condições de encarar tal batalha.

    Mas o João Paulo tem saúde e disposição!

    Vamos ver até onde vai a temeridade do D. Joaquim I !

  19. Chesterton said

    Ironia se responde com ironia.

  20. Chesterton said

    Mas o João Paulo tem saúde e disposição!

    chest- isso ainda vai ser motivo de muita risada.

  21. Chesterton said

    q12, Pax, você lembra uma larva que virou borboleta mas insiste em manter as amizades do tempo “larval”.

  22. Pedro said

    Ô Pax #1, João Paulo também é herói de uma guerra. A mulher dele foi no banco só buscar as medalhas desta guerra. :-)

  23. Pax said

    Caro Patriarca,

    Se João Paulo comprar a briga, quem perde é o PT. É um filhote do Jim Jones do post passado.

    Cincoentão na mão da esposa não tem samba que acerte o ritmo.

    Mas, como sempre digo, o arbítrio é livre. Deve estar causando insônia no marketeiro de Dilma 2014.

    Lembre-se, caro Patriarca, 87% (ou 83, não lembro) dos que votaram no PT acharam ótimas as condenações da AP 470… lembre-se deste pequeno mas significativo detalhe.

    O ano é eleitoral, caro Patriarca…. esses mantras mal temperados serão bem-vindos? Me parece que não.

    Que os afogados afundem sozinhos, é o que acho que João Santana deve estar pensando.

  24. Pax said

    Caro Pedro,

    Medalhinha um pouco suja, não?

    Cincoentão… pois, sim.

  25. Chesterton said

    Se João Paulo abrir muito a boca periga o PT enchê-la de formigas.

  26. Chesterton said

    Os decapitados de Roseana Sarney e José Eduardo Cardozo

    Parece que Deus se esqueceu do Maranhão e deixou o estado entregue às forças de José Sarney — o preposto, ou preposta, da hora no comando do estado é sua filha, Roseana, que governa com o apoio do PT — uma imposição de Luiz Inácio Apedeuta da Silva. Circula na rede o vídeo com os horrores no presídio de Pedrinhas. Os presos decapitaram colegas de cela e exibem orgulhosos as cabeças das vítimas e seus corpos dilacerados com facas e estiletes. E o fazem sem nenhuma cerimônia — ou, para ser preciso, com os rigores cerimoniosos que o demônio exige para seus banquetes.

    Um apressado, que esquecesse de olhar os números, poderia dizer: “Vejam aí no que resulta essa política de encarceramento excessivo! Presídios superlotados são mesmo um convite às artes demoníacas…”. Pois é. Sabem qual é o estado que tem A MENOR TAXA DE ENCARCERAMENTO DO BRASIL POR 100 MIL HABITANTES? Acertou quem chutou o… Maranhão! É o que informa a página 54 da 7ª Edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, com dados de 2012. O Maranhão não prende demais, não senhores! Prende de menos.

    Há, no estado, apenas 128,5 presos por 100 mil habitantes — para comparar: em São Paulo, são 633,1. Assim, o Maranhão prende pouco — 5.417 pessoas em 2012 — e trata seus detentos como bestas-feras. O resultado é o que se vê.

    A edição desta terça da Folha informa que um contrato firmado em 2011 entre o governo do estado e o Depen — órgão do Ministério da Justiça que coordena a política penitenciária nacional — foi cancelado. Ele previa o repasse de R$ 20 milhões para a construção de dois presídios, com capacidade para abrigar 513 detentos. Segundo o governo maranhense, “um mês e sete dias depois de o Estado do Maranhão ter cumprido as últimas exigências do Depen”, um decreto invalidou “todos os restos a pagar não liquidados até o dia 30 de junho [de 2013]”. E o dinheiro não apareceu.

    Cadê José Eduardo Cardozo, o Garboso, ministro da Justiça? Cadê Maria do Rosário, dos Direitos Humanos? Cadê Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência e homem encarregado de fazer a tal “interlocução” com os chamados “setores organizados da sociedade”? Desapareceram. Sumiram. Uma ocorrência como essa em um estado que fosse governado pela oposição geraria uma falação dos diabos. Desde 2004, só dois dos sete contratos do Depen com o Maranhão foram concluídos.

    Cabe ao departamento, meus caros, acompanhar as execuções penais Brasil afora. Outra de suas atribuições é justamente fiscalizar as instituições prisionais. Mas quê… No ano passado, o governo federal investiu em presídios 34,2% menos do que em 2012: caiu de R$ 361,9 milhões para R$ 238 milhões. E tal queda se deu num ano em que a violência explodiu no país.

    A incompetência oficial sempre cobra seu preço. Em regiões pobres ou atrasadas, a moeda de troca são vidas humanas. Quem liga para os desgraçados do Maranhão? O que importa é garantir o devido conforto àqueles almas nobres da área VIP da Papuda.

    Por Reinaldo Azevedo

  27. Elias said

    I
    R$ 50,0 mil?

    Tá braba, a crise!

    3 anos? Acho é pouco…!

    O Capiba, do PSB do Amapá, perdeu seu mandato de senador eleito em 2002. Teve 24 horas pra se defender, junto ao TSE, da acusação de ter pago R$ 50,00 para um cara votar nele. Sua defesa não convenceu. Foi cassado.

    Simão Jatene, do PSDB, foi acusado pela Polícia Federal (ainda no governo FHC), de usar a máquina do Estado pra fazer a campanha eleitoral que o elegeu governador pela primeira vez, em 2002. A PF apresentou provas irrefutáveis, como fotos do avião do governo do Estado, material apreendido dentro do avião e um extenso etc.

    Jatene também teria que apresentar defesa em 24 horas, como o Capiba. É o que manda a lei. Mas essas 24 horas foram transformadas em 30 dias, os 30 dias em 60 dias, depois 180 dias. Os seis meses foram transformados em um ano, que passaram a ser dois, depois três anos, e, por fim, quatro anos. Houve até mesmo um estranhíssimo “erro de tramitação”, que fez o processo retornar ao protocolo da portaria do TSE (é que o pessoalzinhozinho do TSEzinhozinho inda é muito bebezinho, tadinhozinho, e inda num aplendeu a fajer um dispatchozinhozinho direitinhozinhozinho, né toizinha linda du paipai…?). E o tempo, foi passando, foi passando… Até que o mandato acabou e o processo foi extinto por esgotamento de objeto.

    Ou os advogados do Capiba foram muito incompetentes, ou os advogados do Jatene foram muito competentes…

    …Ou, então, foi outra coisa, que eu direi que não sei qual é…!

    Até as pedras sabem como esse jogo é jogado.

    O bundão que se sujou mandando a mulher se sujar com R$ 50 mil deveria ser condenado a 30 anos, pra deixar de ser fajuto. Junto com ele, aquele outro merda que se deixou subornar com uma caminhoneta importada de segunda mão…

    Uma professora de minha infância dizia: “Junta-te aos bons, e serás um deles… Junta-te aos maus, e serás o pior deles…”.

    II
    O Barbosão vai dar o que puder, em 2014.

    Mas daqui a um ano ele perde o guarda chuva. Sai na compulsória.

    2015 promete…

  28. Pax said

    Ao menos concordamos em 2 pontos, caro Elias.

    – João Paulo cometeu crimes imbecis, deixou rastros mais imbecis ainda e tem mais é que ser punido.

    – Temos, sim, que exigir que a Justiça use a mesma vara para quem quer que seja.

    Periga não sobrar muita gente caso este sonho se realize. De todos os lados. Incluindo, aqui, os capos de todos os poderes, partidos e – sem esquecimento – da própria Justiça.

  29. Elias said

    Patriarca,
    A meu pensar, não tem esse papo de dizer que “os afogados devem afundar sozinhos”.

    Esse é o jogo que a direita gostaria de ver jogado…

    O PT deve continuar chamando a atenção da população para as manipulações que estão acontecendo em alguns tribunais superiores do Brasil.

    Se o réu é de esquerda, ou petista, ou seja lá que diabo for, que se oponha às forças políticas conservadoras, aplique-se a ele os rigores da lei. Se, o dito cujo for do outro lado, oferte-se a ele os favores da lei.

    FHC notoriamente comprou os votos dos congressistas que tornaram possível sua reeleição e a privatização. Nenhuma investigação foi feita pra apurar isso. Comprar voto de congressista só passou a ser considerado crime depois que o PT foi acusado de fazer isso. E, assim mesmo, só foram processados os supostos pagantes. Propositadamente faz-se vista grossa para quem foi subornado, porque isso é moeda político-eleitoral.

    São fartas as provas já disponíveis sobre a corrupção do metrô paulista, que envolve valores infinitamente superiores ao valor do mensalão. Mas o judiciário e os falsos moralistas estão fazendo o que podem pra tratar o assunto como se ele fosse uma questão menor.

    Não se deve passar a mão na cabeça dos petistas que se deixaram corromper.

    Mas também não se deve deixar de denunciar as sacanagens do Judiciário, o poder mais corrupto do Brasil, especialmente quando uma parte dele se rebaixa à condição de milícia político-partidária, condenando sem provas e oferecendo seu vasto hímen complacente à penetração da canalha conservadora, assim garantindo impunidade aos marginais de direita.

    Vários tribunais superiores do Brasil foram transformados em ferramentas partidárias. É preciso fazer com que isso acabe. E é preciso fazer com que as pessoas que tornaram isso possível, paguem por isso.

    No embalo, devemos, de igual modo, expressar nosso nojo à turminha do rodapé moral que, conscientemente ou não, aplaude a podridão que hoje campeia no Judiciário.

    Nada de deixar que “os afogados afundem sozinhos”!

    Devemos colocar mais — muito mais! — pessoas nesse mesmo barco. Que essas outras afundem, também…

    A meu pensar, essa deve ser uma das principais metas políticas do PT, para os próximos dois anos.

    Se o PT fizer isso, ele pode até cortar na carne, mas também esquartejará toda a banda podre das forças conservadoras (o que, politicamente, será bom para o Brasil, e, partidariamente, será ainda melhor para o PT).

    E, se fizer isso — quem sabe? — o PT pode até justificar historicamente sua própria permanência no processo político brasileiro, por mais alguns anos…

    Ao contrário do que nossos adversários pensam, a conjuntura é favorável ao PT. É certo que o partido sofreu um enorme desgaste, mas a verdade é que os partidos de oposição estão completamente desarticulados. Sem rumo. Do ponto de vista estrutural os partidos de oposição se esfrangalharam. Hoje, só resta à oposição apostar em um(a) aventureiro(a), alguém que encarne o papel de “salvador da pátria” (para o que é necessário vender a noção de que “a pátria está em perigo”, o que remete ao mega badernão lúmpen com que a oposição conta, em 2014, que o tem na conta de principal cabo eleitoral).

    Hoje, a oposição é totalmente dirigida e operada não pelos partidos de oposição, mas pela mídia conservadora, que, na prática, assumiu a direção do Judiciário. Mas essa mídia não consegue mais influenciar a maior parte do eleitorado. Ela tem muito poder, e é supereficiente na gestão de sua hegemonia institucional. Mas é um poder enquistado, enclausurado, fechado em si mesmo, que não consegue ampliar sua influência na sociedade, porque não tem credibilidade.

    O que o PT precisa fazer é combinar vitória eleitoral com vitória política.

    É a velha história: “crise” = ameaças + desafios + oportunidades.

    Tá como o diabo gosta!

  30. Pax said

    Caro Elias,

    Ias muito bem no teu comentário acima de #29, até que escorregas no coitadismo, aqui:

    “Hoje, a oposição é totalmente dirigida e operada não pelos partidos de oposição, mas pela mídia conservadora, que, na prática, assumiu a direção do Judiciário.”

    Hã?

    Quer dizer que o Judiciário, representado ao alto pelo plenário do STF, 80% nomeado pelos governos petistas, hoje pratica a Justiça que a mídia conservadora determina?

    NananinaNÃO!

    Não foi a mídia quem apanhou os R$ 50 mil na boca do caixa do Banco Rural. Não foi a mídia quem ganhou o tal Land Rover Defender 90 verde escuro. Não foi a mídia quem fez os acordos e abasteceu os presidentes (de fato e/ou de direito) dos partidos, não foi a mídia quem colocou Rosemary na direção de direito de algumas agências, nem mesmo reservou os melhores aposentos em embaixadas para a baranga.

    Agora, se a mídia é conservadora, pendida etc, temos 2 questões importantes aqui, ou 3…

    – é, sim, a mídia coloca o povo às ruas para apoiar golpe militar, altera resumo de debate eleitoral para que Collor seja eleito de última hora, faz e acontece.
    – não é ilegal ter mídia que se declare a favor de partido a ou b
    – já faz 12 anos que o PT poderia ter proposto algo para alterar este quadro, mas resolveu ir pelo caminho do Jim Jones do post passado e batizou absurdamente o projeto como “controle social da mídia” quando deveria ser “democratização dos veículos de comunicação”.

    O PT, meu caro, teve 12 anos para fazer uma série de coisas que poderiam ter melhorado o quadro nacional. Com maioria absoluta no Congresso, alguma parte comprada, sim. Não fez somente porque não quis. Resolveu adotar o jogo jogado, chafurdar, esqueceu das reformas, se encostou às cordas, não teve culhão de peitar o que deveria ter peitado.

    E agora fica nesse mimimi coitadista.

    Ora, coitadismo de um lado, aliança com coronéis de outros, novas alianças com ruralistas e os piores pastores evangélicos e quer que o povo não reclame.

    Do que tenho visto em outros foruns, principalmente no Twiiter e no Facebook, uma turma que não é a massa dos degraus inferiores, o PT está num enorme xeque, quase mate. Inclusive com seus próprios militantes. (veja a história da professora casada com um sindicalista que falei acima –> é verdade, sim).

    Se tirasse meu furado futurologismo desse espaço amostral, diria que Dilma não leva no primeiro turno. Só que não sou besta. Prefiro olhar as pesquisas. Dilma leva no primeiro turno, sim, exatamente dessa turma que melhorou de vida.

    Mas essa turma, também, anda insatisfeita com roubalheira, assiste a tal mídia viciada, não acredita em promessa de partidos como PSDB e DEM que não tem nada a apresentar, mas anda muito puta da vida com cincoentão aqui, Land Rover acolá e esse próprio mimimi. Vou repetir mais uma vez: pesquisas indicam que mais de 80% dos eleitores do PT aplaudem as prisões da AP470. Ninguém cai nessa de julgamento político, trinunal de exceção etc. Este bordão não pegou. A não ser para os habitantes de Jonestown.

    Mas este povo vota, além do que sente na pele, pelas campanhas. E aí teremos róliudianas pagas com dinheiro de gordos caixas 2 mostrando água fluindo nos canais da transposição do São Francisco, trens trafegando na Ferrovia Norte-Sul abastecidos de minérios, Refinaria Abreu e Lima abastecendo de gasolina e diesel os postos do Brasil, portos e aeroportos operando maravilhosamente bem, telecomunicações 5G no país do futuro e índios pedindo pelo amor de todos que se façam mais leilões para pagar as milícias que os matarão.

    Aqui, caro Elias, vou reclamar desta fonte de campanha, assim como reclamarei do outro lado, abastecido com trens, metrôs, pedágios, rouboanéis e tudo mais.

    Se tiver capacidade vou investir em saber todas as verbas declaradas de campanhas e perguntar para os conhecidos quanto é um orçamento para cada peça publicitária colocada para o engana-bobo.

    O PT, caro Elias, entrou no processo de auto-destruição, não foi por conta da mídia. Foi por conta dele mesmo.

    E, o pior de tudo, é que continua sendo o menos ruim.

    Só não me impede de ver a verdade com o cristal que me pertence.

  31. Chesterton said

    O PT, caro Elias, entrou no processo de auto-destruíção, não foi por conta da mídia. Foi por conta dele mesmo.

    chest- Pô, Pax, que bacana.

  32. Pax said

    Ah, caro Chesterton, não desmerece meu comentário, pô!

    =)

  33. Otto said

    Chest:

    “roubaram o programa economico do PSDB”

    Ah é, é?

    http://jornalggn.com.br/noticia/o-mito-da-continuidade-da-politica-economica-por-rafael-dubeux

    “surfaram nas instituições criadas pelos governos anteriores (inflação controlada)”

    Inflação a 12% ao ano em 2012 é inflação controlada? Sem falar que esta inflação era com juros estratosféricos…

    “surfaram no maior boom da economia mundial”

    2008 – a maior crise econômica desde 1929!

    “e deixarão tudo destruído em programas de transferencia de renda e dinheiro para os amigos”

    Aposentadorias e pensões de militares custa mais aos cofres públicos (e para atender 300 mil apaniguados) do que o Bolsa Família, que atinge 13 milhões de pessoas…

  34. Otto said

    Pax #14:

    “Só que este mesmo PT fez o favor de piorar ainda mais o rumo da podridão política brasileira.”

    Me prove isso com dados, como por exemplo, número de políticos cassados etc..

    Se não, é mero achômetro de quem tem a cabeça feita pelo mesmo PIG que denegriu Getúlio, Juscelino e Jango.

  35. Pax said

    Provo, sim, caro Otto,

    Basta ver o número de militantes que hoje apoiam o jogo putrefato e o número de militantes que apoiavam, em público, o mesmo jogo no passado.

    É algo como contar grãos de areia numa praia, ou o número de estrelas que está no céu em determinado momento, mas se for por este parâmetro, confesso que nunca vi tanta gente defendendo corrupto como agora.

  36. Patriarca da Paciência said

    “Lembre-se, caro Patriarca, 87% (ou 83, não lembro) dos que votaram no PT acharam ótimas as condenações da AP 470… lembre-se deste pequeno mas significativo detalhe.”

    Sinceramente, eu gostaria de saber de onde “extraíram” tal estatística!

    Quem sabe foi pesquisado numa reunião onde estavam presentes os adeptos do Roberto Freire!

    Ou de D. Joaquim I. Ele também declarou que votou no Lula!

  37. Otto said

    Pax, puro “impressionismo” seu…

  38. Patriarca da Paciência said

    O que eu entendo mesmo, e todos as pessoas que entendem um pouco de direito tem a mesma opinião, é que a famigerada ação penal 470 é um crime sem cadáver, ou seja, até hoje não foram apresentados os nomes e endereços completos, CPFs, RGs e quantias recebidas de todos os parlamentares comprados!

    Sem isso, é impossível levar a sério a famigerada ação.

    Então agora, durante o processo de cassação do João Paulo Cunha, é possível que apareçam os cadáveres, ou seja, nomes e endereços completos, CPFs RGs e quantias recebidas, de todos os parlamentares “comprados”.

    Se a mulher do João Paulo Cunha recebeu os tais 50.000,00, que seja julgado dentro daquilo que o fato realmente representa, ou seja, que seja claramente esclarecido a origem e a aplicação de tão vultosa quantia.

    Sinceramente, eu acho que milhões de brasileiros tem condições de sacar 50.000,00 num caixa bancário!

    Assim como eu acho que milhões de brasileiros e brasileiras tem condições de financiar um modesto apartamento, como o fez a ex-mulher do Dirceu.

    E essa famosa história do Land Rover também, parece que inclusive já foi julgado dentro da verdadeira proporção jurídica do “crime”.

  39. Patriarca da Paciência said

    Como disse uma vez o Pedro Simon, “os “crimes” do Collor poderiam ser julgados num Juizado de Pequenas Causas.

    O único fato sério mesmo é a tal “compra” de parlamentares!

    E até agora não apareceu um único parlamentar “comprado”.

  40. Patriarca da Paciência said

    Essa história do Pax querer a todo custo que o PT assuma o papel de bode expiatório, me lembra muito a interpretação que H.G. Wells apresentou sobre o nascimento do Catolicismo. Lembra o grande escritor que o “Cristianismo Real” é uma dura e rigorosa doutrina. Exige praticamente um “renascimento”, um formidável domínio do espírito sobre o egoísmo, a ira, o medo, a inveja, a vaidade, a luxúria etc.etc.etc. Algo que está muito além das forças do povo em geral.

    Então o que fizeram os sacerdotes romanos? Simplesmente deram nova roupagem à antiga religião “pagã” , aquela dos sacrifícios representados simbólica e teatralmente. “É muito mais fácil raspar a cabeça e borrifá-la do sangue de algum cordeiro, do que limpar o cérebro dos seus pensamentos mesquinhos e egoístas.

    E a “Roda da Fortuna” continua girando!

    É, caro Elias,

    Minha ideia é que a única “purificação” real e válida seria os parlamentares fazerem uma formidável e verdadeira lavagem de roupa suja. “Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra”.

    Como naquelas cenas pavorosas dos romances de Dostoiewski quando os personagens se libertam de toda e qualquer repressão!

    Seria formidável!

  41. Chesterton said

    è, Otto, FHC pegou uma inflação de 950%.

  42. Chesterton said

    E Otto, todo país tem um exército, ou o seu ou de um país invasor.

  43. Chesterton said

    “O que o governo fez com a Petrobras foi uma tragédia”, diz Delfim Netto – InfoMoney
    Veja mais em: http://www.infomoney.com.br/onde-investir/acoes/noticia/3086396/que-governo-fez-com-petrobras-foi-uma-tragedia-diz-delfim

  44. Patriarca da Paciência said

    Só para complementar o meus post,

    mas H.G. Wells vê um real e grande milagre nas religiões cristãs, é que, apesar do todos os rituais, paramentos, plumas e sacrifícios simbólicos, é possível encontrar a verdadeira doutrina de Jesus nos Evangelhos, os quais foram mantidos através dos séculos!

  45. Chesterton said

    Como os cortes de despesas do governo salvaram da depressão a Suecia.
    http://mises.org/daily/6619/How-Government-Cutbacks-Ended-Swedens-Great-Depression

  46. Pax said

    Caro Patriarca, em #36. É de pesquisa realizada e divulgada não faz 2 meses. Se conseguir achar coloco o link. Ou foi Ibope, ou DataFolha, se não me engano.

    Caro Otto, em #37. É, sim.

    Caro Patriarca, em #38, mas você está duvidando que a esposa do cara sacou a grana no Banco Rural, por ordem de pagamento fajuta emitida pela secretária da empresa do Marcos Valério? Báh, aí fica difícil.

    Acabo de vir de uma reunião de bairro por aqui. Ainda pratico essas coisas, associação de moradores. Pois bem, encontrei com amigos eleitores petistas e fiz minha enquete particular. Estão enojados e não votarão em Dilma em 2014. Motivo maior: Kátia Abreu e Silas Malafaia. Como já havia anunciado.

  47. Pax said

    Caro Patriarca,

    Aqui está a tal pesquisa, conforme prometido…

    http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2013/12/01/aprovacao-a-acoes-de-joaquim-indica-cansaco-com-politica-tradicional/

    Foram 87% de aprovação dos eleitores petistas.

  48. Chesterton said

    esses seus amigos toleraram o PT com Sarney, Maluf, Collor de Mello, etc….

  49. Pax said

    Não, caro Chesterton. Nem todos. Tenho constadado, não é notícia de jornal, é pesquisa informal minha mesmo, que muitos eleitores do PT estão largando o barco.

    Pelo que sinto é um processo.

    Opção do PT. Triste opção.

    Perdendo o apoio desse tipo de eleitor, antes fiel, onde vai parar?

    Para mim está claro, num modelo PMDB. Vai ter um discurso que não liga nada com coisa alguma, dizendo-se sindicalista e aliando-se com o que há de pior do coronelato, forças religiosas que sabemos pra lá de complicadas e os tais ruralistas que se acham.

    Mas, enfim, de novo. É opção de poder pelo poder, abandonando um monte de valores e ideologias.

    O mais incrível é que, mesmo neste estado de putrefação em adiantado momento, o que tem de opção, de alternativa, até agora só parece ser ainda pior.

    Continuo afirmando até este momento: Dilma leva no primeiro turno. Baseado nas pesquisas que rolaram até agora e na falta de qualquer oposição que preste.

  50. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    muitos eleitores do PT estão abandonando o barco?

    Apenas 4% dos “eleitores do PT” discordam de D. Joaquim I ?

    Permita-me discordar frontalmente de tal pesquisa! No meu círculo de conhecimento não vejo nada disso, muito pelo contrário !

    Não sei qual o método que o Datafolha usou, mas como já o dizia o filósofo Protágoras, através de silogismos, pode-se provar até que o dono de um cão, seja filho do seu cão !

    “Dizes que tens um cão?
    Sim
    E que esse cão é pai de outros cãezinhos!
    Sim
    Então o cão é um pai e é teu?
    Sim
    Podemos dizer então que o cão é o teu pai?
    Sim
    Logo se o cão é teu pai, os filhotes são teus irmãos!”

    Por falar nisso, D. Joaquim I entrou de férias hoje sem sequer tocar na prisão do Bob Jeff!

    Você poderia me dizer se acha correto esse tratamento diferenciado entre o José Genoino e o Bob Jeff por parte do D. Joaquim I ?

    Ou será que 87% dos eleitores do PT também concordam com isso?

    E o tal “suposto mensalão” do PSDB caminha célere para a prescrição!

    Daniel Dantas continua livre, leve e solto, apesar das provas mais concretas contra si.

    Fernando Henrique Cardoso dá uma de santinho do pau oco e diz que apenas o pessoal do PT é corrupto!

    A Dilma continua cada vez mais bem avaliada!

    Apesar de toda a chuva que caiu e cai, a Globo continua noticiando que o Rio São Francisco vai secar!

    A Globo noticia também que a produção de veículos caiu no Brasil, mas hoje corrigiu e disse que, ao contrário, a produção aumentou em 9,6%, apenas as vendas internas caíram 1,6%, ou seja, na verdade o que aconteceu é que o Brasil se tornou um exportador de veículos! Provavelmente a indústria de veículos exigiu uma reparação da Globo!

    Para mim, esse negócio de tentar usar o PT como boi piranha, ou bode expiatório, não vai pegar mesmo e a Dilma vai ser reeleita !

  51. Patriarca da Paciência said

    “247 – O advogado do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), Alberto Zacharias Toron, afirmou nesta terça-feira que o petista, condenado na Ação Penal 470, ainda não se apresentou à Polícia Federal porque não foi expedida ordem de prisão por parte do Supremo Tribunal Federal (STF).

    “Não há mandado de prisão, não há ordem de prisão expedida, por isso ele ainda não se apresentou à PF”, disse Toron ao jornal Folha de S.Paulo. Nesta segunda-feira, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, determinou o fim do julgamento para Cunha e a prisão imediata pelos crimes de corrupção e peculato. O deputado ainda tem direito a recurso por formação de quadrilha.

    O advogado de João Paulo Cunha havia informado antes que seu cliente se entregaria espontaneamente à PF em Brasília, assim que fosse expedido o mandado de prisão. Segundo Toron, o parlamentar está em sua casa e só não se entregou ainda porque “não tem nenhum sentido fazê-lo sem o mandado”.

    Barbosa antecipou hoje suas férias, que começariam na próxima sexta-feira 10 ”

    Soa meio esquisito!

    Barbosão vai para sei apartamento em Miami, comprado por uma empresa de sua única propriedade, com sede em apartamento funcional do STF, criada especialmente para pagar menos impostos?

    E o mais surrealista é que o seu apartamento vai pagar um IPTU reajustado pelo mesmo índice que ele negou à Prefeitura de São Paulo!

  52. Pax said

    Caro Patriarca,

    Claro que você pode discordar da pesquisa Datafolha. Cada um olha o copo como quer, às vezes meio vazio, às vezes meio cheio.

    O bom da Democracia é, também, que haja divergências de opinião, de vontades. Cada um escolhe o que bem lhe agrada.

    Só peço que faça um apanhado de tudo que venho dizendo que pode se resumir em:

    – mesmo este PT, ou novo PT, que adotou este caminho que desgosto em absoluto, estando como está, e que me causa ojeriza, sim, não vejo nada melhor que seja minimamente viável

    – aposto um grapete que Dilma ganha as eleições de 2014

    – estes mantras, que me parecem errados, mal fundamentados, serão, em breve, abandonados pela turma, a pedido do pessoal do marketing eleitoral de Dilma que já deve estar de orelhas em pé percebendo que este discurso é canoa mais que furada

    – a única coisa que me comove, ultimamente, é a possibilidade de uma união das esquerdas socialistas utópicas, mesmo não sendo minha opção programática mas, como conheço as esquerdas, sei que a possibilidade de se unirem eleitoralmente é praticamente impossível

    – acredito que haverá muitas manifestações às ruas em junho/julho, não só acredito como dou meu apoio, pouco me importando que a mesma turma que brada os bordões furados afirme que este é um movimento quinta coluna enquanto acho que a realidade é que há insatisfações latentes na sociedade, uma represa cheia que apresenta rachaduras em suas paredes

    – estas manifestações serão, caso aconteçam, uma continuidade das manifestações de junho do ano passado, algum estopim e a sociedade querendo despejar suas reclamações às ruas, sendo a corrupção uma das principais delas

    – serão imediatamente manipuladas pelas forças do establishment, de todos os lados

    – mas é um movimento que tende a crescer até onde não sei

    – só sei que gosto muito do povo às ruas exigindo que os políticos corram atrás de novas propostas

  53. Chesterton said

    Pax, tu estás ferrado, não sabe que partido de esquerda não tolera quem questiona seus dogmas? Ganhe asas. Largue as larvas. Suba o nível.

  54. Chesterton said

    Os rumos que seguimos apontam para a probabilidade de guerra intestina. Falta ainda homologar no Congresso e unir as várias reservas indígenas em uma gigantesca, e declarar sua independência. Isto não poderemos tolerar. Ou se corrige a situação agora ou nos preparemos para a guerra.

    Quase tão problemática quanto a questão indígena é a quilombola. Talvez desejem começar uma revolução comunista com uma guerra racial.

    O MST se desloca como um exército de ocupação. As invasões do MST são toleradas, e a lei não aplicada. Os produtores rurais, desesperançados de obter justiça, terminarão por reagir.

    Talvez seja isto que o MST deseja: a convulsão social. Este conflito parece inevitável.

    O ambientalismo, o indianismo, o movimento quilombola, o MST, o MAB e outros similares criaram tal antagonismo com a sociedade nacional, que será preciso muita habilidade e firmeza para evitar que degenere em conflitos sangrentos.
    […]

    A crise econômica e a escassez de recursos naturais poderão conduzir as grandes potências a tomá-los a manu militari, mas ainda mais provável e até mais perigosa pode ser a ameaça de convulsão interna provocada por três componentes básicos
    — a divisão do povo brasileiro em etnias hostis;
    — os conflitos potenciais entre produtores agrícolas e os movimentos dito sociais;
    — e as irreconciliáveis divergências entre ambientalistas e desenvolvimentistas.
    […]

    A ameaça de conflitos étnicos, a mais perigosa pelo caráter separatista

    A multiplicação das reservas indígenas, exatamente sobre as maiores jazidas minerais, usa o pretexto de conservar uma cultura neolítica (que nem existe mais), mas visa mesmo a criação de “uma grande nação” indígena. Agora mesmo assistimos, sobre as brasas ainda fumegantes da Raposa-serra do Sol, o anúncio da criação da reserva Anaro, que unirá a Raposa/São Marcos à Ianomâmi. Posteriormente a Marabitanas unirá a Ianomâmi à Balaio/Cabeça do Cachorro, englobando toda a fronteira Norte da Amazônia Ocidental e suas riquíssimas serras prenhes das mais preciosas jazidas.

    O problema é mais profundo do que parece; não é apenas a ambição estrangeira. Está também em curso um projeto de porte continental sonhado pela utopia neomissionária tribalista. O trabalho de demolição dos atuais Estado-nações visa a construção, em seu lugar, da Nuestra América, ou Abya Yala, idealizado provavelmente pelos grandes grupos financistas com sede em Londres, que não se acanha de utilizar quer os sentimentos religiosos quer a sede de justiça social das massas para conservar e ampliar seus domínios.
    […]

    Falta ainda homologar no congresso e unir as várias reservas em uma gigantesca e declarar a independência, e isto não poderemos tolerar. Ou se corrige a situação agora ou nos preparemos para a guerra.

    O perigo não é o único, mas é bastante real. Pode, por si só, criar ocasião propícia ao desencadeamento de intervenções militares pelas potências carentes dos recursos naturais — petróleo e minérios, quando o Brasil reagir.

    Quase tão problemática quanto a questão indígena é a quilombola
    […]

    Tem gente se armando, tem gente se preparando para uma guerra. Temos de abrir o olho também para esse processo, que conduz ao ódio racial. Normalmente esquerdistas, talvez desejem começar uma revolução comunista com uma guerra racial.

    Certamente isto vai gerar conflitos, mas até agora o movimento quilombola não deu sinal de separatismo.

    Os Conflitos Rurais — talvez os primeiros a eclodir.

    O MST se desloca como um exército de ocupação, mobilizando uma grande massa de miseráveis (com muitos oportunistas), dirigidos por uma liderança em parte clandestina. As invasões do MST são toleradas e a lei não aplicada. Mesmo ciente da pretensão do MST de criar uma “zona livre”, uma “república do MST” na região do Pontal do Paranapanema, o Governo só contemporiza; finge não perceber que o MST não quer receber terras, quer invadi-las e tende a realizar ações cada vez mais audaciosas.

    É claro que os produtores rurais, desesperançados de obter justiça, terminarão por reagir. Talvez seja isto que o MST deseja; a convulsão social, contando, talvez, com o apoio de setores governamentais como o Ministério do Desenvolvimento Agrário. Segundo Pedro Stédile: “O interior do Brasil pode transformar-se em uma Colômbia. A situação sairá de controle, haverá convulsões sociais e a sociedade se desintegrará.”
    Este conflito parece inevitável. Provavelmente ocorrerá num próximo governo, mas se ficar evidente a derrota do PT antes das eleições, é provável que o MST desencadeie suas operações antes mesmo da nova posse.
    […]

    A três passos da guerra civil

    O ambientalismo, o indianismo, o movimento quilombola, o MST, o MAB e outros similares criaram tal antagonismo com a sociedade nacional, que será preciso muita habilidade e firmeza para evitar que degenere em conflitos sangrentos.
    […]

    Uma vez iniciado um conflito, tudo indica que se expandirá como um rastilho de pólvora. Este quadro, preocupante já por si, fica agravado pela quase certeza de que, na atual conjuntura da crise mundial o nosso País sofrerá pressões para ceder suas riquezas naturais — petróleo, minérios e até terras cultiváveis — e estando dividido sabemos o que acontecerá, mais ainda quando uma das facções se coloca ao lado dos adversários como já demonstrou o MST no caso de Itaipu.

    Bem, ainda temos Forças Armadas, mas segundo as últimas notícias, o Exército (que é o mais importante na defesa interna) terá seu efetivo reduzido. Será proposital?
    Que Deus guarde a todos vocês.

    Gelio Fregapani é escritor e Coronel da Reserva do EB, atuou na área do serviço de inteligência na região Amazônica, elaborou relatórios como o do GTAM, Grupo de Trabalho da Amazônia.

  55. Pax said

    Caro Chesterton,

    O texto do teu coronel acima (aliás, como os conservadores gostam dos militares, não? reforça o ponto da minha amiga, dra em História na Unicamp, que diz que o conservadorismo brasileiro é muito vinculado à nossa execrável ditadura militar) esquece de citar o governo dentre os atores com culpas neste quadro.

    Só diz que a culpa é dos movimentos sociais, os ambientalistas, os indigenistas de um lado e dos, pasme pelo absurdo da análise, coitados dos produtores rurais que querem justiça.

    Não sei como você consegue dar ouvidos a esse tipo de análise.

    1 – esquece que o governo fomenta as crises ao se esquivar de tomar as decisões necessárias para o apaziguamento nestas áreas
    2 – o mesmo governo que só faz alguma coisa quando o estopim já está aceso (e isso não é privilégio deste governo, vem de vários, este só continuou a fazer as besteiras de sempre)
    3 – esquece que ambientalistas, indigenistas e os movimentos sociais têm demandas que nem sempre são “fora” da Justiça, pelo contrário
    4 – esquece de citar que muitos ruralistas cometem crimes bárbaros, devastam áreas indígenas, etc. Todos? Claro que não, mas onde o ilustre “teu” coronel cita os crimes desta turma?

    De chofre é o que vejo de furo na análise do cidadão. Desconsidero.

    Leia coisa melhor, caro Chesterton, leia dos dois lados, procure se informar em fontes melhores. Vá estudar, caro Chesterton.

    =)

  56. Pax said

    Fica lendo titio da Veja, filósofo de botequim, Kátia Abreu e acha que pode montar uma tese conservadora aceitável? Ora, caro Chesterton, depois ficam choramingando pelos cantos dizendo que ninguém os representa.

    Só arrumam lixo como ídolos… dá no que dá.

  57. Otto said

    Chest;

    quem pegou a inflação a 950% foi Itamar, depois traído pelo FHC.

    Quanto às despesas do exército, eu me referi somente às aposentadorias e pensões, como o caso da Maitê Proença, que não casou no papel pra não perder a pensãozita equivalente a mais de uma centena de bolsas famílias!

    Justo, né?

  58. Otto said

    “Graças ao Eduardo Guimarães, ficamos sabendo por onde anda o senador Demóstenes Torres, a quem a imprensa ‘esqueceu’.

    Passou o reveillon em Firenze, na Itália.

    Com direito a parar com a namorada e admirar a vitrine de uma loja da Louis Vuitton.

    Goza de um otium cum dignitate, como diria Cícero, o rival em oratória de seu patrono grego, afastado do cargo de promotor, com seus vencimentos assegurados, R$ 25 mil, nada maus.

    Porque é tratado com a dignidade de um nobre pela máquina judicial, tão feroz em outros casos e pela mídia, um coliseu romano quando o deseja.

    Os processos contra ele dormitam nos escaninhos da Justiça e do Conselho do Ministério Público.”

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=12351

  59. Pax said

    O jogo está pra lá de interessante. Eduardo Campos moveu seus peões em direção ao PSDB. O PT reagiu empurrando-o para ainda mais longe, chamando-o de tolo para baixo. O divórcio está declarado e público.

    Tudo indica que teremos uma polarização entre o PT, desgastado com a tradicional classe média e muitos de seus antigos apoiadores, mas relativamente bem com a chamada nova classe C, e, principalmente com as classes D e E, mesmo esta turma bombardeada pelas notícias concretas de corrupção e ineficiência. Soma-se neste desgaste o vínculo que alguns mais interessados em política farão com as alianças estapafúrdias com os ruralistas e o que há de pior na bancada religiosa.

    Contra um PSDB aliado com o PSB, ambos sem ter muito o que falar à além da putrefação do PT, que eles mesmos não podem se diferenciar.

    O tabuleiro está aí, e parece ser este, sim.

    Resta saber se quem apeou do barco do PT vai apoiar esta aliança PSDB-PSB, se dividir, ou, numa terceira possibilidade, procurar solução diferente das opções colocadas. Só não se sabe qual, mesmo porque não existe e nem tem tempo hábil e legal para entrar no jogo.

    Meu chute é que a turma desgostosa vai se dividir, o que será bom para o PT.

    Lá, de azarão e não vai passar disso, as esquerdas brigando entre si, tentando um acordo historicamente inexistente, fazendo traço ou cócegas no cômputo geral.

    Neste momento continuo achando que dá Dilma em primeiro turno.

    O que pode mudar o quadro, as tais manifestações às ruas. Talvez possa balançar um pouco a mesa de jogo. E, por incrível que pareça, o PT que nasceu de greves e passeatas, quer distância dessa possibilidade. Prefere os ditames de Joseph Blatter, presidente da mais corrupta entidade internacional.

    Fosse Dilma ou pediria para Blatter adoecer durante a copa, ou não iria a nenhum destes compromissos. A jiripoca vai piar e as vaias serão ensurdecedoras. Mesmo porque quem estará nos estádios tem 300, 500, 1.500 reais para pagar os ingressos.

  60. Otto said

    Resumo da ópera, aqui do meu ponto de vista:

    Não vai ter manifestações (assim como não houve Indignados II, Occupy Wall Street II etc.), salvo uns gato pingados.

    A Dilma vai ser vaiada nos estádio e vai se reeleger no 1º turno.

    O PSDB vai acabar.

  61. Pax said

    Caro Otto,

    acho muito difícil que não haja manifestações.

    eu mesmo, na minha absoluta grisalhice, estou louco para ir às ruas.

    com certeza não será para defender bandeiras da direita ou neoliberais e, muito menos, como inocente útil

    quero porque quero ir às ruas

  62. Chesterton said

    Pax, esse país existe graças aos militares, seria uma colcha de retalho se não fosse assim. quem anda gostando de militares são os bolivarianos que tem em Chaves seu ídolo.
    A coisa ta ficando preta

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,pre-sal-vai-da-euforia-a-realidade–,1116075,0.htm

    Pax, você já é inocente útil

  63. Chesterton said

    Eu não gosdto deste militar

    https://encrypted-tbn2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRFwwcNk1p8xnQRDmGZFW9mXMkCqwdKVVzONhE6i1HYaU4Y7vX3YQ

  64. Chesterton said

    nem destes

    https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&docid=20DpOnOYJJdkdM&tbnid=3tE-8zaccjilhM:&ved=0CAUQjRw&url=http%3A%2F%2Fwww.dailymail.co.uk%2Fnews%2Farticle-2077506%2FKim-Jong-Il-dead-Heir-Kim-Jong-Uns-Swiss-school-days-revealed.html&ei=1tjNUr2HOdHpkAflzoCQAg&bvm=bv.58187178,d.eW0&psig=AFQjCNHsQrmk6RWviVig5ewcLvx8Rdo7Cw&ust=1389308492013848

  65. Chesterton said

    mas sou fã desxtes

    https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&docid=8DbdkJBIBeq5BM&tbnid=SHCTM6uZ54mWUM:&ved=0CAUQjRw&url=http%3A%2F%2Fwww.robsonpiresxerife.com%2Fnotas%2Fseduzidos-pelos-salarios-da-iniciativa-privada-oficiais-largam-a-farda%2Fattachment%2Fforcas-armadas%2F&ei=DtnNUouSC4e7kQfUioGYAg&bvm=bv.58187178,d.eW0&psig=AFQjCNEm9n7Q_EK5erpzKF16kGpQqgJLFQ&ust=1389308544019342

  66. Chesterton said

    aqui maior

  67. Chesterton said

    quem ser´sa o reaça que escreveu isto..

    O Tiranossauro do Tom

    Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
    Por Pedro Dória

    Ao fechar do ano, o governo federal puxou para 6,38% o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de quem gasta no exterior com cartões de débito, faz saques com o cartão do banco ou compra traveller checks. Para cartões de crédito, o nível já era esse. Mas para estas novas modalidades de pagamento, a taxa anterior era de 0,38%.

    O ministro da Fazenda, Guido Mantega, explicou ao GLOBO que o IOF é regulatório. Seu objetivo é fazer as pessoas pensarem duas vezes antes de comprar, só isso. “Os gastos dos turistas brasileiros estavam muito elevados,” disse. Tem analista que acha outra coisa. Regulatório nada, querem mesmo é fazer caixa. O aumento é gigante mas, no bolso do consumidor, R$ 5 a mais não fará ninguém deixar de comprar o tênis bacana. De tostão em tostão, o governo faz seu quinhão. Nada disso, porém, é importante. Importante mesmo é o tiranossauro do Tomás.

    Tom tem três anos, vai fazer quatro. Já é, como faz questão de frisar, um menino “enorme”. (Diz isso estendendo o Ó com vontade: enoooorme.) É também um naturalista. Tudo que é ou foi vivo lhe interessa. Bichos grandes ou pequenos, gosta de pegar insetos, não sai à rua sem catar um galho aqui, uma flor ali. Coleciona sementes bonitas. Gosta de dinossauros. Certo dia viu na loja um que era fora de série. O T-Rex alemão. De plástico, porém pesado. Não enorme, médio. Mas que detalhes. Cada escama da pele, a cor dos olhos, a cara feroz. Bicho feio. Pediu um ao Papai Noel. No Brasil, afinal, o brinquedo custa R$ 163.

    Composição de preço não é arte para os fracos. É feito na China, mas não só a manufatura barata deve ser levada em conta. Por trás de qualquer brinquedo sofisticado há um designer. Não lhe basta fazer o molde. É preciso viajar à fábrica, escolher os materiais. Selecionar as tintas por usar — sua qualidade e suas cores. Indica como pintar com as máquinas para que o amarelo e o verde se encontrem em tais pontos, com tal efeito. Neste T-Rex, a mandíbula é móvel. Como funciona o encaixe, o que lhe dá resistência, tudo é uma decisão, um teste. Há que ter controle de qualidade. Os alemães o têm.É um brinquedo bonito, dá prazer de ver. Tem custo real para fazer. Na Amazon americana sai por US$ 18. Seria quase R$ 43 aqui.

    O importador brasileiro precisa de um corretor que sirva de intermediário. O navio da China para o Brasil ou para os EUA não sai tão mais caro assim. Mas as lojas de brinquedo não estão com margens de lucro tão altas que lhes permitam luxos. Os impostos pesam. O que quer o governo?

    Não está claro o que quer. O ministro da Fazenda deseja que o brasileiro gaste menos com importados. O mercado acha que deseja fazer caixa. Não deve ter combinado com os russos, porque os cortes de gastos na alfândega, segundo informou o GLOBO ontem, deve aumentar o contrabando em 50%. Número do governo. A política para os importados, afinal, qual é?

    O T-Rex do Tom é um luxo, dirão alguns. Mas não é. Ele é um padrão. A R$ 50, mais crianças poderiam ter um brinquedo de qualidade. Se uma camisa polo Ralph Loren custa num outlet vagabundo de Miami os mesmos R$ 50 é porque ela pode custar isso. Se um jeans GAP chega a R$ 40 na ponta de estoque, a gente paga tão mais por coisa de pior qualidade por quê? No mundo do comércio eletrônico global, o imposto brasileiro não pune a classe média alta. Pune a classe C. São eles os excluídos. São eles que são obrigados a pagar mais do que podem por produtos piores.

    Um tablet Galaxy Tab 3 de 7 polegadas sai por R$ 700 no Brasil e R$ 400 lá. Na aritmética federal, e isso não era diferente antes de o PT chegar ao Planalto, o imposto alto coíbe em parte as importações e isso devolve uma balança comercial mais generosa. Coíbe também o desenvolvimento da indústria nacional, que não precisa concorrer.

    Quem acha que o T-Rex do Tom é um luxo não entendeu o mundo. A política inibe acesso a produtos de qualidade e a tecnologia de ponta. É um mercado menor e menor arrecadação de impostos aqui. Pior é o futuro: quando só a elite tem tecnologia de ponta, só a elite terá os empregos de ponta. O que querem os governos não se sabe. Mas sabemos como termina

    Pedro Dória é Jornalista. Originalmente publicado em o Globo em 7 de Janeiro de 2014.

  68. Patriarca da Paciência said

    “Ministros criticam a falta de critério objetivo do presidente do STF na AP 470, que antecipou férias e deixou a prisão de dois condenados em aberto; para um deles, o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), apenas a exposição midiática do caso justificaria a demora para a expedição de um mandado de prisão, reforçando a tese de que Barbosa tem agido mais como candidato do que como juiz; também incomoda a corte o fato de José Genoino ter sido preso, enquanto outro condenado, Roberto Jefferson, segue livre, leve e solto; nessa confusão, até um dos principais aliados de Barbosa, o jornal O Globo, se mostrou incomodado com seu esquecimento na charge de Caruso”

    Para mim o Barbosão não “é lá muito certo das idéias, como dizem os colonos catarinenses!”

    Acho que os seus pares, depois de tantas grosserias e insultos, deram corda para ver até onde ele ia e ele acabou indo mesmo!

    Mostrou quem ele é mesmo, ou seja, rancoroso, vingativo, arrogante, vaidoso e populista! E quem ele não é, ou seja, certamente o Barbosão nunca será um bom juiz e também não dispõe de notável saber jurídico!

    Ou seja, sob todos os aspectos, o Barbosão não está no lugar certo! Foi mesmo um grande, enorme erro do Lula! O poste que trouxe a escuridão, em vez de iluminar! No máximo ele é um promotor sofrível, o que tem demonstrado durante todo o processo do “suposto mensalão”, agindo como tal desde o inícios do processo!

  69. Patriarca da Paciência said

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/01/1395177-acoes-de-barbosa-criam-mal-estar-no-stf.shtml

  70. Patriarca da Paciência said

    “Um dos ministros ouvidos pela Folha disse que o mensalão é um processo delicado, por isso, qualquer ação que crie confusão ou turbulência no caso é prejudicial.

    Outro reclamou que as incertezas de procedimento geram desconforto psicológico desnecessário aos presos.

    Um terceiro ministro, por sua vez, fez críticas duras a Barbosa. Para ele, que como os colegas pediu anonimato, apenas a exposição midiática do caso justifica a demora para a expedição de mandados de prisão.

    A defesa de João Paulo criticou a situação a que seu cliente é submetido. De acordo com o advogado Alberto Toron, essa indefinição cria uma situação “desumana”.

    Na opinião do advogado, Cármen Lúcia só pode dar decisões em casos urgentes e não poderia expedir um mandado de prisão em um processo que não relatou. Ministros ouvidos pela Folha, no entanto, acreditam que tanto ela quanto o próprio Barbosa poderiam assinar o termo. Mas consideram pequena a chance de a interina dar decisões no processo.”
    (Do link acima)

  71. Pax said

    Quem tiver estômago que assista e depois venha me dizer que não tenho motivos para ir às ruas durante a copa:

  72. Pax said

    Enquanto isso, na terra dos Sarney…

    http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2014/01/08/os-dois-lados-do-absurdo-na-terra-de-roseana/

    Ricardo Kotscho só esquece de dizer que muitos petistas pularam fora do barco porque Roseane foi eleita com o apoio do “comitê central”, dirigido por… Lula. Isso mesmo.

    Desculpa aí, é que sou coxinha e reclamo mesmo.

  73. Otto said

    Ah, Pax, muitos dos que marcharam em março de 64 também não queriam o golpe.

  74. Chest said

    2. Só existem dois tipos de pessoas que se preocupam genuinamente com Deus: os crentes e os ateus. Os primeiros por razões óbvias. E os segundos por razões ainda mais óbvias: a não crença, sobretudo quando levada a excessos de negação, converte-se sempre numa forma de crença e até de afirmação.

    O escritor Kingsley Amis é um bom exemplo. Um dia perguntaram-lhe por que motivo ele não acreditava em Deus. Amis corrigiu a pergunta e ripostou: “Não é bem não acreditar; é mais detestá-lo”. Haverá forma mais sofisticada de fé na transcendência?

    Não admira por isso que já existam igrejas ateias nos quatro cantos do mundo ocidental. Leio que a moda começou em Londres, com a Assembleia de Domingo. A autora do artigo publicado no site Salon, Katie Engelhart, foi assistir a uma “celebração”. E encontrou um mimetismo perfeito das celebrações religiosas tradicionais, com um “pastor”, um “sermão”, momentos de “oração” -no fundo, a busca de um sentido de “comunhão” para o rebanho ateu.

    A coisa fez sucesso em Londres, espalhou-se pelo Reino Unido, emigrou para os Estados Unidos (e para a Austrália) e, palavra de honra, até já teve a sua primeira “reforma protestante”: em Nova York, dissidentes da Assembleia de Domingo resolveram fundar a sua própria “igreja” por entenderem que a original não era suficientemente ateia.

    Imagino que, no futuro, outras “igrejas” se seguirão, dispostas a espalhar a “palavra” (mas qual “palavra”?) em adoração ao “não-deus”. O fenômeno é interessante e só confirma o que os clássicos da ciência política sempre escreveram sobre o assunto: a negação da religião estabelecida não liberta os homens da sua condição de “animais religiosos”.

    Que o diga o filósofo Raymond Aron, por exemplo, para quem o nazismo e o comunismo não eram mais do que “religiões seculares”, dispostas a oferecer aos seus “fiéis” o Reino da Raça (ou do Proletariado) em substituição do Reino dos Céus.

    As igrejas ateias, pelo menos, sempre me parecem mais inofensivas e até divertem na sua óbvia palhaçada.
    Coutinho

  75. Patriarca da Paciência said

    Um texto que escrevi já faz uns bons dez anos:

    Um pouco de Religião

    Deus não é nenhum contratante ou negociante. Não há povos escolhidos ou favoritos no Reino de Deus. É o pai de todos, incapaz de preferências ou favores, tal como o Sol. Diante Dele, todos são iguais, pecadores, mas filhos amados.(H.G.Wells, fls. 188/189). A nossa lealdade deve ser com todos, independentemente de países, laços familiares diretos, castas ou condição econômica.(pg. 195) Não haveria propriedade, privilégios, orgulho ou precedência. Nenhum motivo de recompensa, exceto o amor.
    “Os deuses da maioria das nações pretendem haver criado o mundo. Os (deuses gregos) do Olimpo não. O máximo que faziam, era conquistá-lo… E, após conquistar seus reinos, que é que faziam? Atendiam ao governo? Incentivavam a agricultura? Praticavam o comércio e a indústria? De modo algum. Por que haveriam de trabalhar honestamente? Achavam mais fácil viver dos impostos e aterrorizar com trovões aqueles que não o pagavam. Eram chefes conquistadores, piratas reais. Lutavam, realizavam festas, divertiam-se e faziam música. Bebiam muito e riam-se às gargalhadas dos pobres diabos que os serviam. Não temiam coisa alguma, exceto seu próprio rei. Jamais mentiam… exceto no amor e na guerra”.
    História da Filosofia Ocidental, fls. 38, sobre Pitágoras: “Somos estrangeiros neste mundo, e se o corpo é o túmulo da alma; não obstante, não devermos fugir por meio do suicídio, pois somos rebanhos de Deus, que é nosso pastor, e, sem que ele o ordene, não temos o direito de desaparecer.” Já há aqui, dualidade entre espírito e matéria, sensação que somos rebanhos de um pastor e obediência ao Criador, muito semelhante às religiões de hoje. Pitágoras viveu entre 600 e 500 anos antes de Cristo. Sócrates usa também esses argumentos em sua apologia.
    (pg. 205) O que Jesus pregou foi um novo nascimento da alma humana; o que Paulo pregou foi a antiga religião sacerdotal, do derramamento de sangue para aplacar a ira divina, do extremo sacrifício do cordeiro pascal.
    (pg. 209/210) Jesus havia chamado a humanidade para uma empresa gigantesca, a renúncia de si mesma e o nascimento no reino do amor. A classe sacerdotal transformou esta simples e aberta doutrina, mas dura e nua empreitada, em racionalizações por meio de complicadas teorias e cerimônias que preservassem o “espírito substancial” das velhas crenças. Quão mais fácil é borrifar-se de sangue que purgar-se da malícia e da competição; dar velas e círios que o próprio coração. Raspar a cabeça e manter dentro dela seu cèrebrozinho egoísta e calculista!
    O cristianismo completamente emplumado, embora conserve, como núcleo, os ensinamentos de Jesus, é principalmente, uma religião sacerdotal, já conhecida por milhares de anos, estabelecida e desenvolvida através de hierarquias. O que realmente o torna novo é a preservação dos ensinamentos de Jesus, apesar de tudo!

  76. Patriarca da Paciência said

    Um texto que escrevi já faz uns bons dez anos:

    Um pouco de Religião

    Deus não é nenhum contratante ou negociante. Não há povos escolhidos ou favoritos no Reino de Deus. É o pai de todos, incapaz de preferências ou favores, tal como o Sol. Diante Dele, todos são iguais, pecadores, mas filhos amados.(H.G.Wells, fls. 188/189). A nossa lealdade deve ser com todos, independentemente de países, laços familiares diretos, castas ou condição econômica.(pg. 195) Não haveria propriedade, privilégios, orgulho ou precedência. Nenhum motivo de recompensa, exceto o amor.

    “Os deuses da maioria das nações pretendem haver criado o mundo. Os (deuses gregos) do Olimpo não. O máximo que faziam, era conquistá-lo… E, após conquistar seus reinos, que é que faziam? Atendiam ao governo? Incentivavam a agricultura? Praticavam o comércio e a indústria? De modo algum. Por que haveriam de trabalhar honestamente? Achavam mais fácil viver dos impostos e aterrorizar com trovões aqueles que não o pagavam. Eram chefes conquistadores, piratas reais. Lutavam, realizavam festas, divertiam-se e faziam música. Bebiam muito e riam-se às gargalhadas dos pobres diabos que os serviam. Não temiam coisa alguma, exceto seu próprio rei. Jamais mentiam… exceto no amor e na guerra”.

    História da Filosofia Ocidental, fls. 38, sobre Pitágoras: “Somos estrangeiros neste mundo, e se o corpo é o túmulo da alma; não obstante, não devermos fugir por meio do suicídio, pois somos rebanhos de Deus, que é nosso pastor, e, sem que ele o ordene, não temos o direito de desaparecer.” Já há aqui, dualidade entre espírito e matéria, sensação que somos rebanhos de um pastor e obediência ao Criador, muito semelhante às religiões de hoje. Pitágoras viveu entre 600 e 500 anos antes de Cristo. Sócrates usa também esses argumentos em sua apologia.

    (pg. 205) O que Jesus pregou foi um novo nascimento da alma humana; o que Paulo pregou foi a antiga religião sacerdotal, do derramamento de sangue para aplacar a ira divina, do extremo sacrifício do cordeiro pascal

    .
    (pg. 209/210) Jesus havia chamado a humanidade para uma empresa gigantesca, a renúncia de si mesma e o nascimento no reino do amor. A classe sacerdotal transformou esta simples e aberta doutrina, mas dura e nua empreitada, em racionalizações por meio de complicadas teorias e cerimônias que preservassem o “espírito substancial” das velhas crenças. Quão mais fácil é borrifar-se de sangue que purgar-se da malícia e da competição; dar velas e círios que o próprio coração. Raspar a cabeça e manter dentro dela seu cèrebrozinho egoísta e calculista!

    O cristianismo completamente emplumado, embora conserve, como núcleo, os ensinamentos de Jesus, é principalmente, uma religião sacerdotal, já conhecida por milhares de anos, estabelecida e desenvolvida através de hierarquias. O que realmente o torna novo é a preservação dos ensinamentos de Jesus, apesar de tudo!

  77. Elias said

    “Caro Elias, Ias muito bem no teu comentário acima de #29, até que escorregas no coitadismo, aqui: “Hoje, a oposição é totalmente dirigida e operada não pelos partidos de oposição, mas pela mídia conservadora, que, na prática, assumiu a direção do Judiciário.”

    “Hã?”

    “Quer dizer que o Judiciário, representado ao alto pelo plenário do STF, 80% nomeado pelos governos petistas, hoje pratica a Justiça que a mídia conservadora determina?”

    “NananinaNÃO! Não foi a mídia quem apanhou os R$ 50 mil na boca do caixa do Banco Rural” e etc., etc, etc. (Pax)

    Pax,
    De novo, eu digo barafunda e tu entendes furabunda…

    Que o Judiciário virou joguete nas mãos da midia, é algo que nem os ministros do STF negam. No julgamento do mensalão, mais de um deles se declarou pressionado pelo que chamou de “opinião pública” (referindo-se, na verdade, à “opinião que é publicada”).

    Coisa que qualquer juiz com vergonha na cara jamais diria.

    Mas tudo bem, se queres ser mais monarquista que o rei…

    O que eu disse não nega a corrupção petista, Pax. É até desonesto da tua parte insistir nisso, quando, nesta mesma lista — e a exemplos de centenas de outros comentários que já fiz — eu critico duramente os petistas que chafurdam na mesma lama em que se encontram os políticos e os partidos adversários.

    O que eu disse tem a ver com a maneira SELETIVA com que o Judiciário brasileiro trata a corrupção.

    Se o Judiciário baixasse a porrada na corrupção petista e fizesse o mesmo com a corrupção de outros partidos, não haveria problema.

    Daí por que eu disse que, pra uns, o Judiciário reserva os rigores da lei. Para outros, oferece os favores da lei.

    Tu mesmo já disseste a mesma coisa, Pax, em outras ocasiões.

    É que, nos últimos tempos, não tens te mostrado muito coerente. Num determinado comentário, dizes uma coisa. Em outro, defendes outra idéia inteiramente oposta àquela que apresentaste no comenário anterior. Na lista anterior, eu chamei atenção pra isso.

    O fato do PT ter nomeado a maior parte da atual composição do STF não muda a minha constatação. Ao contrário, a agrava, porque mostra a enormidade dos erros que esse partido cometeu. Barbosão, p.ex., foi nomeado para o STF graças à insistência do Lula. Barbosão não se converteu no que é depois que foi nomeado para o STF. Uma superficial avaliação de sua trajetória já indicaria que que ele é pessoal e profissionalmente inadequado para o cargo. Não obstante, Lula insistiu nele, exclusivamente por populismo.

    Bem feitas as contas, isso poderia até contar a favor do PT, se fosse possível transformar burrice em ponto a favor. Ninguém pode dizer que o PT aparelhou o STF. Ao contrário, o PT indicou para o STF juízes que estão fazendo o que podem — inclusive condenar sem provas — para prejudicar o PT.

    No mínimo, o PT deveria ter indicado para o STF juristas que estivessem se destacando na formulação de doutrinas. Pessoas que elevassem o nível de debate naquela Corte, já tão prejudicado pelos espetáculos deprimentes e desabonadores protagonizados por pessoas como Gilmar e sei lá quem mais…

    Mas isso é um parênteses, Pax.

    Eu estava me referindo ao Judiciário como um todo. Por maior que seja a minha antipatia pelo Barbosão — e posso garantir que ela é enorme — seria burrice culpá-lo por todas as mazelas do Judiciário brasileiro. Barbosão é só um pouquinho pior do que os piores…

    Se o Barbosão morresse hoje, o Judiciário brasileiro ficaria mais honesto, ou menos corrupto? Não. Ficaria menos injusto? Não!

    Tu mesmo já roeste um pedaço desse osso, quando procuraste o Judiciário pra te queixar que uma tele estava fazendo contigo. Tu achas que o Judiciário foi justo contigo? Achas? Se achas, por que te queixaste? Foi “coitadismo” teu?

    O que eu disse, Pax, foi o seguinte:

    1 – O Judiciário é o poder mais corrupto do Brasil. E acrescento: agrava o fato de não estar submetido a nenhum tipo de controle externo, diferentemente do Executivo e do Legislativo, sobre os quais são exercidos dois tipos de controle externo: (a) administrativa e tecnicamente, por órgãos especializados e (b) politicamente, pelo voto popular.

    2 – O Judiciário brasileiro é controlado pela mídia (não estou me referindo apenas ao STF, Pax, e sim ao Judiciário Brasileiro como um todo; ou seja: a coisa é muito pior do que já seria, se fosse apenas o STF, entendeu agora?).

    3 – Ao fazer isso, a mídia faz — com muito mais competência — o trabalho de oposição que os partidos oposicionistas não conseguem fazer.

  78. Elias said

    Claro que a oposição está apostando alto no badernão lumpem que ela espera que aconteça durante a copa.

    A oposição torce para que, com o badernão lumpem, os índices de aprovação de Dilma caiam, dando um novo alento à esperança de derrotá-la nas urnas.

    E o fato da oposição, num ano de eleições presidenciais, depositar a maior parte de suas fichas eleitorais num badernão lumpem, diz muito a respeito dela mesma.

    Conversei com alguns dirigentes petistas a esse respeito. Pelo menos dois se disseram preocupados.

    Não acho que o badernão lumpem seja motivo de preocupação.

    Em primeiro lugar, o badernão não conta com o apoio da maior parte da população. A maioria das pessoas fica puta da vida, porque o badernão lumpem atrapalha o trânsito e ameaça a propriedade particular de uma porção de gente.

    Em segundo, quanto maior for a bagunça que o badernão lumpem provocar, maior será a conta política que se poderá debitar na conta da oposição. Com uma publicidade bem feita, o governo poderá responsabilizar a oposição pela baderna, pelos ataques e os saques às lojas, pelos danos em veículos particulares, etc, etc. Mesmo que não queiram, os meios de comunicação de massa vão acabar ajudando.

    Observem que, em 2013, nenhum partido de oposição ganhou lhufas com o badernão lumpem.

    Se o badernão lumpem prejudicar o andamento da copa, vai ser pior pra oposição. Mais de 35 em cada 10 torcedores, vão ficar putos da vida com quem atrapalhar a Copa do Mundo. Milhões de pessoas torcem, há décadas, para que a Copa do Mundo seja realizada no Brasil. Essas pessoas compram ingressos com meses de antecedência. O melhor que se pode fazer pra deixá-las putas da vida, é interromper o trânsito exatamente no momento em que elas se dirigem ao estádio, pra ver um jogo da copa.

    Enfim, o pessoal do badernão lumpem terá seus 15 minutos (ou 15 dias) de porre.

    Depois, virá a ressaca…

  79. Elias said

    “maior será a conta política que se poderá debitar na conta da oposição” = “maior será o rombo político que se poderá debitar na conta da oposição.”

  80. Elias said

    E mais:

    O badernão lumpem não constrangerá apenas o governo federal.

    Os primeiros afetados serão os governos estaduais, a quem compete operar o sistema de segurança pública. Aliás, boa parte das “reivindicações” do badernão lumpem é dirigida aos governos estaduais.

    Logo, nos Estados governador pelo PSDB…

    Em 2013, no Pará, o governador tucano Simão Jatene e o prefeito da capital, Zenaldo, igualmente tucano, deram discreto apoio à primeira manifestação do badernão.

    Sifu! O pessoal do badernão baixou o cacete no Jatene, por causa da insegurança, e no Zenaldo, por causa do lixo nas ruas, da porcaria do transporte público, e assim por diante.

    Nas manifestações seguintes, Jatene e Zenaldo meteram o rabo entre as pernas e cuidaram de minimizar os transtornos do badernão… Que não lhes proporcionou nem um milionésimo de milímetro de benefício político…

  81. Pax said

    hum…. sei não, caro Elias.

    Que mania de achar que é a oposição que montará o badernão às ruas. Agora chamam manifestação de badernão.

    Bem, quem odiava Sarney e elegeu Roseana no Maranhão (sim, foi o apoio do PT, não me venham negar esta verdade), mudou mesmo, não foi? Se não me falha a memória era a mesma turma que ia às ruas, fechava fábricas para reclamar direitos para os trabalhadores. Agora aplaudem Kátia Abreu agarrada debaixo das saias abertas de Dilma, lambendo sei lá o quê mesmo, liderando a turma da motoserra e de uns genocidiozinhos pra satisfazer alguns “prazeres obscuros”. Ora, paguem o preço das opções adotadas. Caramba, querer calar manifestação é o cúmulo do cúmulo. E é justo isto que o governo e os coxinhas de plantão estão fazendo.

    As pessoas, as criaturas e os partidos mudam ao sabor dos ventos, é impressionante.

    Eu vou às ruas para reclamar que este governo está, sim, se perdendo em ritmo pra lá de acelerado. Não só em corrupção própria e de seus aliados como adotando um rumo que não me agrada nem um pouco, este rumo ruralista, genocida indígena, religioso e, acima de tudo, absolutamente incompetente contra os crimes que as oligarquias, maiores grupos empresariais brasileiros, estão cometendo.

    Basta olhar as agências. Em especial, as que vejo mais ferrarem brasileiros de norte a sul, a ANS dos planos de saúde, a ANEEL da energia do Sarney e a ANATEL que já me cansei de reclamar. Hoje foram mais 45 minutos ao telefone com a ANATEL e a Ouvidoria da Vivo. A josta, aqui, parou de novo. Funciona como pisca-pisca.

    E, veja a tremenda falta de coerência. Mesmo reclamando com todo direito, quem vai às ruas não quer dizer que não vai votar em Dilma.

    Esse papo que reclamar é coisa da oposição é coisa de coxinha que chama os outros de coxinha se falar um ai do governo.

    —–

    Tem post novo, demorei outro bocado para conseguir publicar. Quero ver os coxinhas, que chamam os outros de coxinhas, dizerem que é da mídia criminosa. A fonte é a Folha de SP.

  82. Elias said

    Também não acho que os badernões de nossos dias tenham alguma coisa a ver com as “marchas da família” de 1964.

    As “marchas da família” foram organizadas — e muito bem organizadas — pela direita, em apoio ao golpe militar que, a essa altura, já estava estruturado (vinha sendo preparado há mais de um ano), e já estava até com data marcada.

    Em outras palavras: as “marchas da família” fizeram parte do golpe.

    Desde meados da década anterior, a direita havia tentado vários golpes: (1) para impedir as eleições que levaram Juscelino ao poder (liderado por Lacerda); (2) para impedir a posse de Juscelino (novamente liderado por Lacerda, que acabou se exilando em Cuba, então governada por Fulgêncio Batista); (3) para depor Juscelino (golpe tentado pelo brigadeiro Haroldo Veloso, que, por ironia, acabou morrendo em consequência de um ferimento a baioneta, feito covardemente por um marginal da PM do Pará, exatamente num momento em que Veloso defendia, desarmado, a legalidade — no caso, a defesa do mandato de Elias Pinto, pai do jornalista Lúcio Flávio Pinto); (4) nova tentativa de golpe para depor Juscelino (agora liderada pelo Burnier, que, depois, faria coisas muito piores…); (5) para impedir a posse de João Goulart (golpe tentado pelos 3 ministros militares).

    Depois de 5 tentativas frustradas em menos de 10 anos, a direita brasileira houve por bem se preparar adequadamente.

    Nos anos 1950, p.ex., o marechal Lott se opôs ao golpe, e chegou a mandar bombardear o “Tamandaré”, onde os golpistas haviam se refugiado. A precipitação de 1961, p.ex., novamente rachou o Exército: Machado Lopes ficou com a legalidade e sua magistral movimentação de tropas, a partir do RS criou um impasse militar, que teve de ser resolvido politicamente (Machado Lopes, do lado legalista, e Cordeiro de Farias, do lado golpista, deram uma aula magistral de como se deve movimentar tropas — dois chefes militares geniais se entestando, deram um espetáculo à parte…).

    A direita golpista aprendeu com seus erros. Em 1964 fez uma preparação cuidadosa. Os chefes militares colocaram de lado as lideranças políticas de direita e assumiram o controle da situação. O processo foi cuidadosamente planejado. As “marchas da família” foram organizadas com pelo menos um mês de antecedência, e quase sempre com o apoio dos governos estaduais. Em SP, p.ex., Adhemar de Barros se envolveu pessoalmente, nas “marchas” daquele Estado, e nas de outros Estados cujos governadores não estavam apoiando o golpe. O mesmo fez Magalhães Pinto, em MG. E assim por diante.

    O pretexto oficial das “marchas” de 1964, era a oposição às “reformas de base” propostas por Jango, que nada tinham de marxistas, ou de socialistas. Mas isso era o que menos importava. O que interessava era colocar um monte de gente nas ruas, com palavras de ordem de conteúdo idológico (“Verde e amarelo sem foice nem martelo”), porque, se fosse criticar as propostas de Jango propriamente ditas, isso atrairia a antipatia de muita gente. Com palavras de ordem ideológicas, a coisa ficava suficientemente imprecisa, sem deixar claro que era um ato de oposição às propostas de Jango. Ao mesmo tempo, respaldava politicamente o golpe que já estava a caminho.

    Enfim, em 1964 o que se viu foram várias jogadas de mestre…

    Nada a ver com os badernões de 2013. E os de 2014, se acontecerem.

  83. Elias said

    “Que mania de achar que é a oposição que montará o badernão às ruas. Agora chamam manifestação de badernão.” (Pax)

    De novo, Pax, eu digo Nabucodonosor, e tu entendes nabonocudossenhor…

    EU NÃO DISSE que a oposição montará o badernão.

    EU DISSE que a oposição CONTA com o badernão, pra derrotar Dilma.

    A oposição acha que vai capitalizar politicamente o badernão.

    Eu chamo de badernão, sim.

    Então, há uma manifestação para reivindicar coisas ao governo. Aí um monte de marginais começa a quebrar vitrines de lojas, saquear lojas, etc.

    Tu consideras isso “manifestação”?

    Na verdade esse papo de fazer “manifestação política” bloqueando o trânsito, é tática de quem NÃO TEM apoio popular.

    Se tivesse apoio popular, faria um ato público, com discursos, etc., afunilando para propostas concretas. A campanha pelas diretas, p.ex., reuniu milhares de pessoas nas ruas, sem quebraquebra de carros ou de lojas.

    Acontece que, com 200 pessoas, dá pra obstruir uma avenida ou uma rodovia, provocando uma repercussão muito maior que teria um ato público ou um comício com o triplo de manifestantes.

    Essa tática é mais velha que a posição de fazer cocô…

  84. Pax said

    Colocar gato com laranja no mesmo saco foi o que fez Arnaldo Jabor ao afirmar que os manifestantes de junho não vaiam R$ 0,20 centavos….

    Por favor, caro Elias, não faça o mesmo. Você é bem mais que essa análise rasteira.

  85. Chesterton said

    O meu amigo petista diz que as manifestações foram coisa organizada pela CIA….

  86. Elias said

    Pax,

    I
    As “marchas da família” de 1964 foram organizadas pra apoiar o golpe que já estava com data marcada.

    Atestando isso, existem no Brasil, publicados, centenas de depoimentos de gente que participou diretamente disso (políticos, jornalistas, oficiais superiores das Forças Armadas, empresários, líderes religiosos, inclusive de parte da hierarquia católica, etc.). Foi um trabalho político feito — aliás, muito bem feito — pela direita.

    Há uma farta bibliografia contando essa história em detalhe, e sob diferentes pontos de vista.

    Tenho, em meu poder, algumas fotografias de reuniões articulando as “marchas”. Várias delas com a participação do então tenente-coronel, depois coronel, governador, senador, Ministro do Trabalho, da Educação e da Justiça, Jarbas Passarinho, além de outros militares.

    A bebida servida nessas reuniões foi um guaraná chamado Guara-Suco, cuja garrafa era diferente de todos os demais refrigerantes brasileiros. Nas fotos, aparecem várias garrafas de Guara-Suco sobre a mesa. Quem me permitiu escanear algumas dessas fotos foi um participante das reuniões, que, na época, era presidente da fábrica que produzia o Guara-Suco. Aliás, várias dessas reuniões aconteceram na fábrica.

    Algo completamente diferente dos badernões de 2013, antes de mais nada, porque não há golpe de estado sendo articulado, nem pelo governo, nem pela oposição. Além disso, a principal organizadora desses eventos — a Consulta Popular — nada tem de direitista. Muitíssimo pelo contrário…

    Onde é que estou “misturando” alguma coisa, Pax? Estou SEPARANDO, rapaz!

    É a tal coisa: eu digo, “pato no tucupi”. Tu entendes “entupir o cu do pato”.

    Muito conveniente, por sinal… É só dar uma de desentendido, que aí não precisa argumentar…

    A propósito:

    Acho que um dos militares que aparecem nas fotos que tenho, é o general Taurino, que chefiaria a super-poderosa CGI (Comissão Geral de Investigação), e indicaria o tenente-coronel Jarbas Passarinho para o Governo do Pará, e o major Alacid Nunes para a Prefeitura de Belém. Meses depois, um filho do general Taurino (chamado Sérgio, se não me engano), seria preso e torturado em Pernambuco, pelo general Justino Mendes, por criticar as violências que estavam sendo cometidas pelos golpistas. O filho do general Taurino só foi libertado graças à intervenção do advogado Justo Rangel, bisavô do Pedro Dória (era avô materno do pai do PD).

    Parece que Rangel também foi o inspirador da ordem que Taurino deu, de libertar todos os prisioneiros políticos que estivessem detidos há mais de 50 dias sem culpa formada. Isso cumpria o que estabelecia o CPB, e acabou salvando a vida de muita gente, mas também causou a demissão de Taurino, pelo ex-amigo e contemporâneo de colégio militar, marechal Castelo Branco, que, mais adiante, também mandaria o general Justino pro pijama, antes do tempo. É que Justino, picado pela mosca azul, já estava querendo ser governador biônico do Rio Grande do Sul e, no desenho político que estava sendo montado, nem se cogitava de colocar um general 4 estrelas em governo estadual. Se colocasse, o governador estadual ia acabar falando de igual pra igual com o Presidente da República. Nem pensar! Nos governos estaduais se admitiria, no máximo, coronéis. General 4 estrelas só na Presidência da República, e, nesta, só general 4 estrelas, para quem os governadores — civis ou militares — teriam que bater continência.

    II
    Acrescento, sem mudar uma linha do que disse até aqui:

    Ocorreu foi que a própria Consulta Popular perdeu o controle da situação, quando a coisa degenerou em vandalismos e saques.

    Aí, o que era pra ser uma manifestação política se tornou um badernão lumpem…

    Os partidos políticos brasileiros — governistas e oposicionistas — foram pegos de surpresa pela iniciativa da Consulta Popular. Nenhum deles nem tentou seriamente capitalizar politicamente em cima disso.

    Aliás, as áreas de inteligência das PMs e das GMs também mostraram o tamanho de sua incompetência. Pelo que sei, quando os “secretas” das PMs conseguiram detectar que havia algo em andamento, já estava em cima da hora. Todo mundo saiu correndo atrás do prejuízo.

    Pior: os serviços de inteligência das PMs não dialogaram entre si, trocando informações. Como se tratava de uma iniciativa política de âmbito nacional, as medidas preventivas e dissuasórias de excessos também deveriam ser deflagradas coordenadamente, em todo o território nacional. Nem o governo federal nem as polícias estaduais sequer tentaram fazer isso. Deram a impressão de que foram, todos, apanhados de calça curta.

    Dificilmente uma situação assim vai se repetir, daqui pra frente.

    Os governos estaduais estão muito mais experientes e preparados. O governo federal montou uma estratégia para os Estados que vão sediar jogos da copa.

    Casualmente, tomei conhecimento das providências que o governo do Estado de São Paulo está adotando, idoladamente ou em colaboração com o governo federal. A estratégia do governo paulista também já está toda montada.

    Acho que, com maior ou menos grau de eficiência, coisa parecida está acontecendo nos demais Estados que sediarão jogos da copa.

    Daí porque acho que as manifestações de 2014, durante a copa, se acontecerem, serão bem mais civilizadas que as de 2013.

  87. yoga said

    acesse nosso canal no youtube e tenha acesso a muitos materias de audio book acesse nosso site também http://www.escolhavencer.com

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: