políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

PGR pede 22 anos de prisão para Eduardo Azeredo

Posted by Pax em 07/02/2014

O Mensalão tucano, desmembrado, atrasado, com fortes indícios de tratamento diferente do Mensalão petista, reaparece no noticiário.

Janot pede condenação de ex-governador mineiro a 22 anos de prisão

André Richter – Repórter da Agência Brasil Edição: Nádia Franco

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu hoje (7) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a condenação do deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG) na Ação Penal 536, o processo do mensalão mineiro. Janot pede que o parlamentar cumpra pena 22 anos de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Na ação penal, são investigadas denúncias de desvio de dinheiro público durante a campanha do então governador de Minas Gerais, que disputava a reeleição, em 1998.

De acordo com denúncia da procuradoria, aceita pelo Supremo em 2009, o parlamentar é acusado dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Segundo a procuradoria, o então candidato teria se beneficiado de recursos oriundos de um esquema que envolvia a empresa SMP&B, de propriedade do publicitário Marcos Valério, condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão. Outros acusados repondem a acusações na primeira instância da Justiça de Minas, porque não têm foro privilegiado.

Na época em que a denúncia foi recebida, Azeredo negou todas as acusações e disse que não há qualquer documento que confirme o uso de recursos de caixa 2 na sua campanha à reeleição. O parlamentar também disse que nunca autorizou repasses para dinheiro para as empresas de Marcos Valério.

Anúncios

215 Respostas to “PGR pede 22 anos de prisão para Eduardo Azeredo”

  1. Patriarca da Paciência said

    Sinceramente, eu não levo muito fé nesse tal “mensalão mineiro” ou “valerioduto”, como está sendo tratado pelo PIG, nunca “mensalão do PSDB”. Dois réus já foram absolvidos por prescrição e outros já estão a caminho, inclusive o Azeredo. Sem contar que o processo foi desmembrado, coisa negada ao PT. Para mim é uma simples “satisfação” ao povo brasileiro!

  2. Otto said

    Também acho isso, Patriarca.

    Já começou com dois pesos duas medidas desde o início.

  3. Chesterton said

    Mais uma vez, sem apurar os fatos, sem uma prova técnica/pericial e sem qualquer indício de autoria, muita gente se adiantou e culpou a Polícia Militar pelo atentado gravíssimo contra o repórter da Rede Bandeirantes, atingido covardemente durante mais um protesto violento nas ruas do Rio.

    Embora o artefato não tenha nenhuma semelhança com bombas de efeito moral (essas sim, usadas pela PM), a polícia foi julgada sumariamente, e o veredito, revelado: a culpa pela tragédia é da PM: a PM despreparada, a PM violenta, a PM assassina…

    Infelizmente, esse é, hoje, o retrato falado e distorcido da Polícia Militar Brasileira.

    Mas, quem é que ganha com o linchamento moral das forças armadas e das polícias, que garantem o pouco de ordem e de segurança que resta a este país?

    Vândalos, baderneiros, criminosos, black-blocs, e todos os grupos – políticos ou não – que os manipulam.

    A pergunta que não quer calar: a que interesses servem os mascarados que se infiltram num protesto pacífico e transformam uma passeata numa guerra civil?

    Porque eles jogam a população contra suas polícias e não contra os bandidos?

    Quem são os senhores desta guerra?

    Assista ao comentário em:
    http://www.sbt.com.br/sbtvideos/media/ef19d6aae782fdcba6d73ae0bc57afb7/Rachel-fala-sobre-acidente-com-cinegrafista-durante-protesto.html

  4. Pax said

    Caro Chesterton,

    Li por aí a seguinte frase irônica: “a esquerda fuma erva e a direita cheira Sheherazade”.

    Andas cheirando droga malhada, caro Chesterton? Fica só no vinho, cara. Faz menos mal à saúde.

  5. Pax said

    Caros Patriarca e Otto,

    Neste blog o tema está catalogado como Mensalão do PSDB. Aliás, se procurarem nas categorias na coluna da esquerda do blog, podem ver todas as notícias sobre essa categoria, ou sobre um nome etc.

  6. Patriarca da Paciência said

    É isso aí, caro Pax,

    felizmente boa parte da internet não faz parte do PIG e, o seu blog, tem sido um ótimo lugar para discutirmos ideias realmente honestas.

    Lembra quando apareceu aquela louca, a Besta Desvairada, escrevendo pornografias e banalidades a todo vapor, eu sempre dizia, “persista, caro Pax, faz muito tempo que tempo que temos uma “convivência” realmente democrática ?!

  7. Patriarca da Paciência said

    Fora do tema:

    “Testemunha de ataque a cinegrafista no Rio diz que black bloc lançou rojão”

    http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2014/02/testemunha-de-ataque-cinegrafista-no-rio-diz-que-black-bloc-lancou-rojao.html

    Acho que agora a “grande” imprensa vai para de defender os tais ” black bloc”

  8. Patriarca da Paciência said

    Correção:
    Acho que agora a “grande” imprensa vai parar de defender os tais ” black bloc”

  9. Patriarca da Paciência said

    É mesmo de estarrecer! Vejam só esta:

    “Estou em estado de choque com essa lembrança do Tijolaço. Agora a gente entende porque inventaram o mensalão. O escândalo serve para acobertar todas as falcatruas protagonizadas pelos protegidos da mídia. Enquanto a população é bombardeada com páginas e páginas sobre Pizzolato, informada sobre se ele comia espaguete al sugo, carbonara ou bolonhesa, ninguém fala nada de Gilmar Mendes, o “vigilante de doações”.

    Fernando Brito inicia o post com um comentário melancólico, explicando que não tem muita esperança de que o ministro será devidamente investigado pelo Conselho Nacional de Justiça, por esse escândalo recente envolvendo o tribunal da bahia, que contratou o IDP, de Gilmar, sem licitação, por R$ 12 milhões. O desalento de Brito tem uma razão: Gilmar já esteve envolvido em outra denúncia cabeluda e não aconteceu nada. Ele integra o rol dos “intocáveis”.

    Confira esse trecho de denúncia (cuja íntegra está aqui) feita pelo Procurador Luíz Francisco de Souza contra Gilmar Mendes, em 2002. É estarrecedor, sobretudo se pensarmos que a ação foi extinta, e a imprensa jamais disse nada. Bem, talvez agora com a blogosfera em cima, o MP seja um pouco mais combativo. Ou será que o MP só funciona movido a reportagens da Globo?

    *

    A AGU efetuou, com o conhecimento e a anuência tácita do Dr. Gilmar, 451 ( quatrocentos e cinqüenta e um) contratos informais ímprobos, com a empresa do próprio Dr. Gilmar, locupletando-o, enriquecendo-o ilicitamente. Os responsáveis por tais despesas eram membros da AGU, subordinados ao Dr. Gilmar e dependentes do mesmo para manterem cargos de chefia e funções gratificadas ( DAS etc).

    O primeiro réu, Dr. Gilmar, permitiu que seus subordinados usassem o poder da entidade e do órgão que dirigia para beneficiar-se, para que sua empresa obtivesse, ilicitamente, receitas e lucros, recursos oriundos da AGU. Beneficiou-se com 451 contratos ilícitos, cada um destes, um ato de improbidade.

    O Dr. Gilmar, com a ajuda do Dr. Barletta, permitiu e/ou promoveu contratações informais e pagamentos irregulares e ímprobos, efetuados pela AGU, por serviços do Instituto Brasiliense de Direito Público – IDP Ltda., empresa pertencente ao Dr. Gilmar Ferreira Mendes, contrariando o artigo 9º da Lei de Licitação (que proíbe ao dirigente de órgão ou servidor contratar, direta ou indiretamente, com o órgão onde trabalha ou dirige), violando também vários artigos da Lei de improbidade administrativa, na medida em que ele era ao mesmo tempo Ministro de Estado Titular da Advocacia-Geral da União e professor e sócio do referido instituto, que é uma empresa privada que visa lucros.

    Além disso, o Dr. Gilmar lecionava em sua própria empresa, no horário de trabalho, e permitia a liberação de subordinados para assistirem as aulas em sua empresa, no horário do trabalho, ganhando, destarte, pró-labores indevidos e ainda fazendo atividades privadas durante o expediente, onde teria que ter dedicação exclusiva.
    http://www.ocafezinho.com/2014/02/07/gilmar-e-seus-escandalos/#sthash.kKLGRArR.dpuf

  10. Chesterton said

    grande Sheherazade!

  11. Chesterton said

    A imprensa está sob censura. Não é mais aquela ditada por um regime de força. Não é a censura institucional. Não é a censura determinada por um governo tirano. A imprensa está sob a censura de milicianos que se organizam nas redes sociais. Repórteres, hoje em dia, veem, mas já não enxergam. O jornalismo chega a uma encruzilhada. Vai para que lado? Continua a buscar a verdade ou segue uma agenda ditada pelo alarido das redes sociais, que, por sua vez, têm “donos” e centros de irradiação de boatos?

    O Jornal Nacional fez nesta sexta um ótimo e detalhado trabalho de reportagem, demonstrando que estava errado aquele repórter da GloboNews que afirmou que o artefato que atingira o cinegrafista Santiago Andrade, da Band, tinha partido da polícia. Não! Por A + B, evidenciou-se que não. A simples análise das fotos ainda na quinta à noite já dizia o óbvio. Mas não vou me estender sobre esse particular, sobre o qual já escrevi bastante. Eu quero é falar da encruzilhada. Eu quero é falar sobre rumo.

    O JN entrevistou, e acertou ao fazê-lo, o fotógrafo que fez uma sequência de imagens que deixava claro que Andrade fora vítima de um morteiro — provavelmente adaptado para a circunstância —, armado a coisa de um metro e meio ou dois de onde ele se encontrava com a sua câmera. Mais do que registrar, ele testemunhou o ocorrido. Não posso assegurar, mas me parece certo que o rapaz não é um amador. A fala, alguns jargões, tudo, enfim, sugere que ele é um profissional da área — da imprensa. Ainda que não exerça formalmente uma função no setor, isso não muda a essência do que vou escrever aqui.

    Vejam a reportagem se não viram. Ele aceitou falar desde que não mostrasse a cara; desde que seu nome não fosse divulgado; desde que pudesse permanecer no anonimato, com aquela imagem em alto contraste e a voz distorcida. Por quê? Porque ele está com medo. Medo de quem? De bandidos que são candidamente chamados pela nossa imprensa de “manifestantes”. A imprensa, que existe para revelar, hoje tem de se esconder.

    E tem de se esconder também nas ruas, não canso de observar isso. Repórteres já não podem se identificar nem deixar claro para que veículos trabalham. Têm de se fantasiar de discípulos do Capilé para não serem linchados por vândalos, por criminosos mascarados, por vagabundos que se arvoram em donos da verdade e estão convictos de que os jornalistas estão nas ruas para mentir.

    ENTENDAM BEM: O FOTÓGRAFO QUE DOCUMENTOU UM CRIME, QUE TESTEMUNHOU UM ATO IMPRESSIONANTE DE VIOLÊNCIA, TEM DE SE ESCONDER. E DE QUEM ELE SE ESCONDE?
    Da ditadura?
    Da governo?
    Do poder?
    Não! Ele se esconde é dessa corja de extremistas, de minoritários, de fascistoides.

    É incrível!
    Releio os textos que escrevi a respeito do assunto de junho para cá. Sei o quanto apanhei até de alguns leitores fiéis, que achavam que eu não estava entendendo o que estava em curso. Ouso dizer, com a modéstia de que sou capaz (e, vá lá, não é a minha característica mais saliente, eu sei), que eu estava entendendo tudo, sim. Desde o princípio.

    O que nós, da imprensa, ganhamos ao chamar de pacíficos os violentos? O que nós, da imprensa, ganhamos ao negar o caráter autoritário de certas manifestações? O que nós, da imprensa, ganhamos ao satanizar a polícia quando ela acerta e quanto ela erra? O que nós, da imprensa, ganhamos ao afirmar que os manifestantes é que reagem com paus, pedras e coquetéis molotov às bombas da polícia quando, na esmagadora maioria das vezes, acontece o contrário? Mas essas perguntas ainda não são boas. Há uma melhor: O QUE A POPULAÇÃO DO BRASIL GANHA COM ISSO? E há uma pergunta ainda mais pertinente: O QUE A VERDADE GANHA COM ISSO?

    Apanhei
    Sim, eu apanhei na rua — e outros tantos também (por isso, inclusive, conheço de perto bomba de gás e bomba de efeito moral) — foi para poder dizer o que penso e o que considero verdade MOSTRANDO A MINHA CARA, não para ter de me esconder de mascarados asquerosos, protegidos pelas babás de terno da OAB do Rio.

    Boa parte dos que temos certa idade — estou com 52 — corremos riscos, uns mais, outros menos, para que a imprensa pudesse ser livre, não tendo de se submeter a ninguém, nem a essas milícias.

    Os tempos que vivemos são tão cinzentos em certos aspectos que as pessoas, mesmo eventualmente de boa-fé, não se dão conta quando dizem barbaridades. O fotógrafo que concedeu a entrevista ao JN presta um serviço à verdade, mas como eu poderia ignorar este trecho da sua fala (prestem atenção ao destaque)?

    “E reparei que nessa hora eu vi um homem com um lenço no rosto preto, calça jeans, com uma camisa cinza, arriado, tentando acender um artefato, um foguete, um foguetezinho, nesse momento. Quando eu levantei a câmera pra fazer essa foto, o homem conseguiu acender esse artefato e saiu correndo. Logo em seguida, esse morteiro disparou e atingiu o nosso companheiro cinegrafista. Eu vi que naquele momento o homem na verdade, ele estava tentando, ele posicionou o artefato em direção aos policiais. Mas, infelizmente, pegou no nosso companheiro.”

    Talvez ele não tenha querido dizer o que acabou dizendo, mas o fato é que disse. Era para os policiais, mas acabou dando errado, infelizmente… Eu me obrigo a lembrar que policiais também são pais, maridos, filhos, irmãos, namorados… Também têm família. Mesmo quem está a serviço da verdade, em alguma medida, parece ver com naturalidade que um canalha possa armar um artefato contra policiais. Se um PM estivesse no lugar de Andrade, também seria “infelizmente”?

    Há mais coisas aí. Eu ainda nem chamei Franklin Martins para essa conversa, o homem que vai cuidar da área de imprensa da campanha de Dilma Rousseff à reeleição. Ainda não chamei os blogs sujos, financiados por estatais. Ainda não chamei a súcia que estimula, direta ou indiretamente, a agressão a jornalistas. Vai ficar para outro texto.

    Encerro este post reiterando: os veículos de comunicação e os jornalistas nunca foram tão livres do ponto de vista legal e institucional. E raramente estiveram sob tamanha censura. E o pior inimigo da imprensa livre é o medo, aquele medo que chega a escorrer das notas oficiais de entidades de jornalistas e de empresas ao se referir ao caso e, covardemente, se negar a identificar o grupo agressor.

    Chegou a hora: ou a imprensa se levanta e se compromete com os fatos ou segue de joelhos e se rende de vez a seus algozes. Não há Alternativa C.

    Texto publicado originalmente às 5h02

    Por Reinaldo Azevedo

  12. Chesterton said

    Acho que agora a “grande” imprensa vai parar de defender os tais ” black bloc”

    chest- você é como relógio parado, 2 vezes por dia mostra a hora certa.

  13. Patriarca da Paciência said

    “chest- você é como relógio parado, 2 vezes por dia mostra a hora certa.”

    E você é como um relógio estragado, que nunca marca a hora certa!

    Nem eu, nem o PT, nem qualquer simpatizantes do PT, nem as pessoas de bom senso, nas quais me enquadro, defendemos esses malucos!

    Agora, o reinaldo rola-bosta sim, é tal qual um relógio parado!

    Finalmente ele descobriu que os tais “mensalões” são apenas caixa 2… mas só no caso dos mensalões do PSDB!

    O sujeiro, ( não está errado, o cara é mesmo um sujeiro) é mesmo PROFUNDAMENTE RIDÍCULO ! RIDÍCULO, PRIMÁRIO E SIMPLÓRIO!

  14. Patriarca da Paciência said

    “Apanhei
    Sim, eu apanhei na rua — e outros tantos também (por isso, inclusive, conheço de perto bomba de gás e bomba de efeito moral) — foi para poder dizer o que penso e o que considero verdade MOSTRANDO A MINHA CARA, não para ter de me esconder de mascarados asquerosos, protegidos pelas babás de terno da OAB do Rio.”

    Pior que um ex-petista só um ex-comunista (vide Roberto Freire) e… pior ainda que todos, só o reinaldo rola-bosta!

  15. Chesterton said

    chora!!!

  16. Patriarca da Paciência said

    É, mas o procurador pediu 22 anos e meio para o Azeredo! Pelo jeito ele discorda totalmente do reinaldo rola-bosta!

  17. Elias said

    A Sherazade não é aquela do “adote um bandido”?

    Como é crime fazer apologia de crime, segue-se que Sherazade é bandida. Adotável, portanto…

    Desde já me coloco ao dispor pra adotar a Sherazade… Tentarei ressocializá-la num esquema de trabalhos forçados, especialmente estruturado para bem aproveitar as melhores aptidões dessa bela bandida…

  18. Elias said

    Falar em adotar bandido…

    Bem que o Chester poderia adotar uns caras do STF…

  19. Otto said

    A censura do PSDB:

  20. Otto said

    Tem um tucano que recebeu 110 mil do Azeredo e nem foi mencionado pela acusação.

    Ademais, não dá pra comparar a forma de tratamento. Cadê o tesoureiro Cláudio Mourão? E o Mares Guias? E os dirigentes das estatais mineiras que desviaram os recursos? E os políticos que receberam as doações?

    Sobrou só o Azeredo e mesmo assim eu DUVIDO que será execrado pela mídia e ficará um só dia no presídio (se é que será condenado).

  21. Otto said

    E então, Pax?

    MENSALÕES DIFERENTES
    Ao contrário do que ocorre na AP 470, é fácil apontar desvio de dinheiro público no mensalão PSDB-MG

    Se você é daqueles que acredita que o mensalão PSDB-MG é igual ao esquema financeiro da AP 470 pode despedir-se de mais uma ilusão.

    A leitura das alegações finais de Rodrigo Janot, procurador geral da República sobre o mensalão PSDB-MG mostra uma verdade difícil de negar. Tudo aquilo que se disse – e não se provou – sobre o esquema de Valério-Delúbio pode ser dito e provado no mensalão PSDB-MG.

    A polêmica principal sobre o mensalão dos petistas diz respeito ao desvio de recursos públicos. O procurador geral Antônio Carlos Fernando, seu sucessor Roberto Gurgel e o relator Joaquim Barbosa sustentam, desde o início, que o esquema Valubio baseou-se no desvio de R$ 73,8 milhões de recursos públicos. Dizia-se, no começo, que esse dinheiro fora desviado do Banco do Brasil. Uma apuração mais acurada mostrou que o dinheiro pertencia ao Fundo de Incentivo Visanet, destinado a divulgar o cartão Visa, que é uma empresa privada. Hoje não há a mais leve dúvida a respeito.

    Embora uma única testemunha tivesse dito que – qualquer que fosse sua natureza — os recursos destinados a DNA eram desviados para campanhas petistas, a contabilidade mostra que o desvio – se houve – está longe de ter sido demonstrado.

    As contas batem, conforme várias auditorias.

    E tanto é assim que nesta semana, teremos uma novidade neste item. Enquanto os réus da AP 470 já estão cumprindo penas longas, em regime fechado, seus advogados começam a distribuir uma notificação judicial aos veículos que receberam as verbas da DNA. Estamos falando da TV Globo, Editora Abril, Estadão, Folha, Editora Três.

    Convencidos de que irão colher um dado que ajudará a demonstrar a inocência dos réus, os advogados querem que as empresas confirmem – ou desmintam – a informação de que os recursos da DNA chegaram a seus cofres. Estes dados, a rigor, encontram-se nos documentos da AP 470. Mas ficaram ali, congelados nos arquivos, sem que fosse possível examinar seu significado e extrair todas implicações.

    A consulta às empresas, que será feita agora, deveria ter ocorrido em 2005 ou 2006, na época da denúncia. Era o tempo certo para uma checagem tão importante, decisiva, até.

    Mas não interessava questionar uma teoria que agradava tantas pessoas e tantos interesses, vamos combinar.

    A leitura das alegações finais de Janot sobre o mensalão do PSDB descreve fatos muito mais graves. Ele fala de desvio de milhões de reais de empresas estatais do governo de Minas Gerais. Fala da Copasa, Codemig, Comig. Ao contrário do que acontecia com a Visanet, que se definia como “empresa de capital privado”, em seus estatutos e também num questionário enviado a CPMI dos Correios, aqui estamos falando de empresas públicas, controladas pelo governo do Estado, com funcionários concursados e tudo mais.

    A Copasa é a Companhia de Saneamento do Estado. A Codemig dedica-se ao desenvolvimento econômico e obras de infraestrutura. A Comig é a estatal de mineração.

    Não há comparação possível com a Visanet, criada pela multinacional dos cartões Visa, uma das maiores empresas do mundo.

    Com notas e depoimentos, Janot descreve cenas tão didáticas que poderiam estar num filme. O dinheiro sai das estatais, chega às agências e, em vez de ser gasto em publicidade, é despachado para os cofres da campanha estadual do PSDB em 1998. Porções mínimas das verbas destinadas a publicidade chegaram a seu destino. A maior parte ficou no meio do caminho, diz ele.

    Muitas pessoas diziam, quando Roberto Jefferson fez a denúncia, que o PT apenas repetia o que o PSDB fizera antes. O próprio Lula disse em Paris que seu partido nada fazia de diferente daquilo que ocorria “sistematicamente” na política brasileira.

    Parecia uma forma do PT tentar proteger-se atrás dos erros do adversário, o que levou a acusação de que o partido queria justificar seus erros através dos erros dos outros. Talvez seja mais correto afirmar o contrário. A construção de uma visão distorcida na AP 470 ajudou a encobrir erros e desvios — mais graves — da AP 536-MG.

    Embora o próprio Janot se permita, nas alegações finais, lembrar as semelhanças – e algumas distinções – entre os dois mensalões, as diferenças são muito maiores do que se quer acreditar. O Banco Rural é o mesmo, um personagem central – Valério – também. Até as secretarias eram as mesmas.

    Mudava a natureza da mercadoria.

    A existência do mensalão PSDB-MG chegou ao STF Supremo em 2003 mas ficou em segredo até a denúncia de Roberto Jefferson contra o PT. Foi então que se descobriu que Marcos Valério, o parceiro que se aproximou de Delubio – o Carequinha, nas palavras de Jefferson — nos meses finais da campanha de 2002, havia sido formado e treinado nas campanhas tucanas desde 1998.

    Veio daí a teoria de que o segundo mensalão era uma cópia do primeiro. As diferenças no ponto essencial – dinheiro público – permitem pensar em outra hipótese. A teoria do segundo mensalão serviu para justificar o primeiro.

    É como se, já tendo conhecimento anterior do mensalão PSDB-MG, a acusação tenha feito o possível para vestir o esquema de Delúbio-Valério com as mesmas roupagens e a mesma gravidade, fazendo uma denúncia igual para casos substancialmente diferentes. Isso explica porque se forçou a barra para dizer que as verbas saiam do Banco do Brasil e, quando se verificou que sua origem era a Visanet, para dizer, num exercício espantoso, aque os recursos seguiam publicos embora fossem propriedade de uma empresa privada.

    http://www.istoe.com.br/colunas-e-blogs/colunista/48_PAULO+MOREIRA+LEITE

  22. Chesterton said

  23. Chesterton said

    Rachel Sheherazade sobre nota de repúdio: “Irresponsável e inidôneo”

    Rachel Sheherazade foi alvo de fortes críticas ao longo da última semana. A apresentadora do “SBT Brasil” se posicionou na última terça-feira (04) sobre o caso do rapaz de 16 anos, que supostamente roubou, e, como punição, foi amarrado nu a um poste no Rio de Janeiro e espancado por um grupo chamado de “Justiceiros”. Entre os comentários, Rachel sugeriu que os defensores dos Direitos Humanos adotassem um bandido.

    s

    :

    A repercussão foi instantânea. Tanto que o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e a Comissão de Ética da entidade divulgaram uma nota de repúdio à apresentadora, alegando que ela cometera uma “grave violação de direitos humanos e ao Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros”. Depois das grandes proporções, o SBT abriu espaço para que Rachel se defendesse e a emissora se eximiu dos comentários emitidos por ela.

    Em entrevista ao iG, Rachel comentou sobre a nota de repúdio e classificou o Sindicato de “irresponsável e inidôneo”, já que ela tem o direito constitucional da livre expressão. A apresentadora também falou sobre as recorrentes ameaças que tem sofrido pelas redes sociais e voltou a defender a justiça com as próprias mãos, desde que não haja o uso da violência. Confira abaixo a entrevista com Rachel Sheherazade.

    iG: Você está sendo ameaçada depois dessa polêmica? Em decorrência disso, está com medo de sair nas ruas?

    Rachel Sheherazade: Graças às denúncias que faço contra os desmandos do Governo e dos políticos corruptos, sempre recebo ameaças pela internet, mas não tenho medo de sair nas ruas. Nunca estou sozinha.

    iG: Quando você faz um comentário como esse do menino acorrentado ao poste, imagina as consequências que pode gerar?

    Rachel Sheherazade: Imagino que toda opinião gera discussão e retaliações, principalmente se ela tocar em temas tabu ou envolver denúncias contra políticos e o Governo. Vivemos num Estado policialesco, onde o Governo vigia cada opinião livre, e ataca, através de seus braços na sociedade, na mídia e no Poder público, cada jornalista, intelectual ou artista com pensamento independente e contrário a todo esse estado de coisas. Quem fala a verdade, quem denuncia os abusos, se expõe, entra na mira dos poderosos. Por isso, eles não esquecem o projeto de controle da mídia. Em plena democracia querem ressuscitar a perseguição aos oponentes, a mordaça, a censura. O totalitarismo agora só mudou de bandeira.

    iG: Alguns internautas dizem que você tem um posicionamento muito conservador/reacionário e, com isso, incita a violência. Acredita que sua análise seja capaz de incitar algum tipo de violência?

    Rachel Sheherazade: Desconheço qualquer correlação entre conservadorismo e violência. Conservadores estão muito mais dispostos à não violência, porque sabem preservar valores e instituições que eles ajudaram a construir ao longo do tempo, principalmente a paz. Governos totalitários, como as ditaduras comunistas e socialistas, é que se valem da violência para se impor à sociedade. Segundo o Museu Global do Comunismo, o regime matou mais de 100 milhões de pessoas em todo mundo. Na China, foram 65 milhões de vítimas, na antiga União Soviética, 20 milhões. A Coréia matou 2 milhões pessoas. O regime vermelho ainda fez um milhão e meio de vítimas no Afeganistão, um milhão no Vietnã, e em Cuba mais de cem mil acabaram mortos.

    iG: Na noite dessa quinta (6), você deu uma resposta à repercussão do seu comentário na bancada do “SBT Brasil”. Acha que você foi incoerente no discurso, uma vez que diz que o cidadão tem o direito de se defender, já que o Poder Público não faz a parte dele? Isso não seria fazer justiça com as próprias mãos e uma incitação à violência?

    Rachel Sheherazade: Não vejo incoerência nenhuma no meu discurso. Disse no comentário e reafirmo: compreendo a atitude desesperada de pessoas desarmadas, abandonadas à própria sorte pelo Estado, sem segurança, sem policiamento, de se defender. A legítima defesa é uma prerrogativa de qualquer indivíduo. Os jovens que se intitulam ‘Justiceiros’ também exerceram um outro direito, previsto no artigo 301 do Código de Processo Penal, que reza: ‘Qualquer do povo pode prender quem quer que seja encontrado em flagrante delito!’. O erro dos “justiceiros” foi usar da violência para deter o infrator. Mas, nós também não sabemos em que circunstâncias essa prisão foi feita. Se o infrator estava armado, se reagiu, se tentou se evadir… Embora não defenda a violência, defendo, sim, e sempre defenderei o direito de qualquer cidadão proteger seus bens, sua propriedade e sua vida.

    iG: Você recebeu alguma orientação por parte do SBT para pegar mais leve nas análises depois da proporção que tomou?

    Rachel Sheherazade: Não recebi nenhuma orientação do SBT em relação aos meus comentários. Eles seguirão no mesmo tom que me é peculiar. Doa a quem doer.

    iG: O que você achou sobre a nota de repúdio divulgada pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e da Comissão de Ética da mesma entidade?

    Rachel Sheherazade: Quanto à nota de repúdio, acredito que o Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro foi irresponsável e inidôneo ao exigir que uma profissional da imprensa seja punida por exercer seu direito constitucional e irrevogável de livre expressão. Acredito que basearam seu repúdio no ‘ouvi dizer’, sequer tendo lido o texto ou assistido ao meu vídeo. Caso contrário, não teriam redigido uma nota desinformada e descabida como aquela. Aproveito para perguntar ao mesmo Sindicato dos Jornalistas (que também deveria me representar) porque não se mobilizou em meu favor, quando, em 30 de dezembro de 2013, um professor da UFRRJ publicou e replicou ofensas gravíssimas sobre mim, com mensagens de intolerância religiosa, e incitação ao estupro? Estou aguardando uma nota de repúdio do Sindicato até hoje. Também me pergunto se o Ministério Público não vai representar contra o professor Paulo Ghiraldelli, meu ofensor, pois já ofereci denúncia junto à Delegacia competente, mas tudo que obtive até agora foi o silêncio das autoridades. Que espécie de Justiça seletiva é essa?

  24. Otto said

    Chesterton: em muitos países de UE negar o Holocausto dá cadeia.

    Vá falar bem da Jihad nos EUA também.

    Livres expressão tem limites éticos.

  25. Otto said

    Pax, como às vezes eu tenho a impressão de que você não lê os posts que trago, gostaria mui respeitosamente que você lesse este:

    Ontem, quando falei da bomba que atingiu o cinegrafista da Band tive o cuidado de registrar que ela fora lançada por black blocs , mas com a ressalva de que eram, até ali, as informações disponíveis.

    Hoje, isto está superado com a confissão do tatuador Fábio Raposo, de 23 anos, de que teria pego um rojão, dado a outro homem que passava e que este disparou-o.

    Imagens recém reveladas pelo Terra, gravadas pela TV Brasil, que reproduzo abaixo, mostram claramente Fábio e outro homem, que ele próprio admite que tinha a cabeça coberta conversando e, em seguida, este segundo homem colocando a bomba no chão para dispará-la.
    Acompanhei, durante a tarde de ontem as páginas dos Black Blocs afirmando que a bomba fora lançada por policiais.
    Hoje, não têm mais o que dizer, a não ser que o rapaz não é um black bloc, embora portasse uma máscara antigases.

    Está visivelmente apavorado.
    O outro homem, por tudo o que já se sabe, será rapidamente identificado.
    Não era sequer intenção dele atirar a bomba contra algum grupo de policiais, pois não havia nenhum por perto.
    Não se pode afirmar que tenha deliberadamente tentado acertar o cinegrafista.
    O que não o exime de responsabilidade e não torna em nada menos condenável o que fez.

    Há 33 anos atrás, o sargento Guilherme do Rosário e o capitão Wilson Machado foram atingidos pela bomba que eles próprios carregavam no Riocentro. Provavelmente não visavam atingir ninguém, especificamente, apenas semear o pânico e a confusão, embora soubessem e assumissem o risco de com isso provocar ferimentos e morte.
    Na ocasião, também, tentaram negar a origem do atentado dizendo que um “guerrilheiro” teria posto a bomba no carro.

    Não estou dizendo que todos os meninos e meninas que estão nessas manifestações sejam terroristas e muito menos que queiram ferir ou matar pessoas.
    Mas todos estão sendo, voluntária ou involuntariamente cúmplices dos que são, e alguns são e não têm limites na sua, até agora, tolerada irresponsabilidade.

    Tomara que o Santiago, o cinegrafista, se recupere, e há sinas de ligeira melhora em seu estado.
    Mas esse é o fim dos blocs, como movimento “aceito” pela mídia como “parte” das manifestações.
    Um atitude que deve partir, se isso fosse possível, dos próprios manifestantes.

    Agora, o anonimato, a falta de organização e de líderes, a ausência de qualquer tipo de comando que torna possível – bloc ou não – que qualquer um dispare um petardo na direção de pessoas inocentes, os iguala a um bando de agressores, diante dos olhos da população.
    Os filhos do ódio político, da irracionalidade coxinha, da mídia que os saudou como “abre-alas do futuro” passaram da conta em suas traquinagens.

    Santiago está entre a vida e a morte.
    Como eu disse ontem, falando da jovem negra Keshia Thomas, que se atirou sobre um neonazista para evitar que fosse linchado, alguém tem de dizer: não, isso não.

    E fechar a porta do inferno.

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=13608

  26. Chesterton said

    Otto, você não é tão burro assim, tá certo que é petista, mas leia de novo o que ela diz. Livre expressdão não tem limites, ainda mais quando ela se manifesta justamente contra bandidos.

  27. Patriarca da Paciência said

  28. Patriarca da Paciência said

    Minha opinião é que a Sheherazade representa justamente o lado mais inculto, mais grotesco, mais simplório do ser humano. Já o Silvio Santos, pelo menos no vídeo aí, está representando justamente a civilização, a cultura, o bom senso!

  29. Patriarca da Paciência said

    Caro Otto,

    o Chesterton é tão simplório que ele pensa que chamar alguém de burro significa alguma coisa!

    Ao contrário, diz muito sobre si mesmo. Alguém muito burro, sempre pensará que os outros são burros!

    Isto é quase um dogma da psicologia!

  30. Chesterton said

    O Dogma da burrice

    Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
    Por Fabrizio Albuja

    Cansei de ouvir: “ele será bom para o povo porque veio do povo”. Isso é uma das expressões mais preconceituosas, carregada de orgulho da ignorância e de distúrbio de valores morais.

    Lamentavelmente vivemos num país em que a variável de acesso à comunicação é gigantesca. Gente que em 2014 nunca viu imagem na televisão, quando assiste só tem uma opção de canal. O acesso à internet é restrito a regiões de movimentação econômica e turística.

    Dessa forma, a manipulação de mentes despreparadas conceitualmente, não por falta de intelecto, senão por falta de conteúdo para reflexão é muito simples. É como um adestramento, ao invés de biscoito, um benefício qualquer a fim de satisfazer a baixa autoestima.

    Em que momento da história o poder é dado a um ignorante? No império Persa, Alexandre Magno, um dos maiores estrategistas militares e governantes de um império, era discípulo de Aristóteles. Todos os grandes Césares de Roma tiveram educação e preparo para a governança. Reis e rainhas eram doutrinados para ter conhecimento científico, político, econômicos e graças a muitos deles tivemos o desenvolvimento naval, econômico, científico, artístico e cultural.

    A igreja católica dominou o mundo por mais de 500 anos justamente porque tinha o conhecimento. E sobrevive até agora, pois esse conhecimento foi disseminado mediante a criação de Grupos escolares e Universidades.

    Volto a repetir o questionamento: em que momento da história o poder é dado a um ignorante? Simples, aconteceu em Outubro de 2001. Quando aquela frase infeliz do começo do texto tomou força nas urnas.

    Eu lembro muito bem do dia que recebi meu diploma universitário, eu não chorei, apenas fiquei feliz, pois me esforcei muito e estava lá eu com um título conquistado pelo conhecimento.

    Em 2002 temos a cena de um ignorante que recebe um diploma de Ensino Superior apenas porque foi eleito por uma maioria mais ignorante ainda. Sem mérito algum, sem esforço algum, sem horas perdidas de sono para a próxima prova, sem nenhum trabalho a entregar, apenas porque ele “veio do povo”.

    Muita gente vem do povo e estuda, se esforça, trabalha e consegue o sucesso por mérito e não por coitadismo social. Seja ele no mundo dos negócios, no esporte ou na arte.

    Obviamente o que está sendo comentado neste texto não é apenas um golpe de sorte, é a imposição da ignorância em troca de uma empatia social é uma estratégia política muito bem articulada por anos para colocar a esperteza à frente do racional.

    Tudo se resolveria se, para ser eleito, qualquer cidadão antes de iniciar uma campanha tenha feito um teste, do tipo concurso público. Ao ser aprovado, ele teria chance de se candidatar pelos próximos cinco anos. Em seguida uma nova prova de competência.

    Não tem cabimento dar poder do Brasil a quem não conhece o Brasil. Isso não é exclusividade de um partido ou outro, é uma regra generalizada a todos os partidos. Deputados, senadores, governadores, prefeitos, que provavelmente não conheçam a letra do nosso Hino Nacional.

    O Plano é simples:

    1 – Desvalorizar a educação e os professores.
    2 – Criar meios de impedir que as pessoas trabalhem e sintam a sensação de dignidade.
    3 – Valorização da impunidade (há uns 20 anos bandido tinha vergonha de aparecer na TV, hoje eles fazem até pose).

    O resto é consequência. A corrupção é só uma ferramenta de uso comum para quem não está a fim de conhecer o Brasil. Conhecer Cuba é mais fácil, até pelas dimensões geográficas. É a lei do menor esforço.

    Fabrizio Albuja é Jornalista e Professor Universitário.

  31. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/ferreiragullar/2014/02/1408980-mudaria-o-natal-ou-mudei-eu.shtml

  32. Chesterton said

    Fuga das galinhas petistas para CUBA
    Terminou não se resolvendo a questão da espionagem americana. Em verdade o pavor e o reboliço que Dilma e o petismo estavam era que queriam esconder a planejada “fuga das galinhas petistas” para Cuba.

    Temos que pedir prisão IMEDIATA dos colaboradores deste assalto aos contribuintes brasileiros.

    Informantes lá de Cuba nos alertam para a grande debandada de petistas, que não creem na vitória da Dilma, reeleição em out/2014.

    A verdade a meia boca, e dizem os infiltrados, é que nem Lula e nem mesmo a Dilma acreditam nisto. Vão manter a FARSA da Campanha Eleitoral, para captar mais dinheiro de otários e corruptos, e dar CALOTE em fornecedores, colaboradores, marketeiros, investidores e outros abestados…

    A “migração” petista para cuba tem seu planejamento secreto desde o julgamento do mensalão. Transferiram “renda”, operações e empresas para Cuba. Empresas de laranjas e de parentes de petistas, tendo em vista a aposentadoria de muitos deles.

    Vão fugir de perseguição e do revanchismo já prometidos, por muitos militares e simpatizantes da revolução de 1964. Temem a impiedade e o maltrato (para não se falar em torturas), e até a perseguição aos parentes e aliados.

    Sabem que o excesso de aberrações e atos bizarros administrativos, econômicos e sub-estratégicos despertaram uma ira incontida, em face do examinado nas manifestações de junho/2013.

    Mandaram muito dinheiro para Cuba e outros centros de isenções fiscais.

    Dinheiro desviado do Brasil dos cofres do país, vindo dos Impostos, incidentes nos contribuintes e assalariados.

    Convenções de patriotismo apontam para crimes sujeitos à corte marcial e tribunal de exceção, para militares e civis envolvidos nestas maracutaias.

    E agentes argumentam que somente estes objetivos fariam criminosos, a beira do abismo, assumirem este risco lesa-pátria. O que realmente motiva este insuportável crime lesa-pátria? A fuga das galinhas petistas e coligados, para não virarem tortas de frangos socialistas.

    Não há nenhum critério ideológico, social, econômico, tecnológico e geopolítico que motive a administração Petista a “doar” tanto dinheiro para Cuba.

    Financiaram o porto construído com vistas a uma abertura para o comércio e o turismo – transatlânticos – dando dinâmica de mercado Capitalista para Cuba – e várias vantagens geopolíticas. Virão aeroportos e hotéis de classe, melhores do que aqueles da época de Fulgêncio (o ditador cubano anterior a Fidel Castro).

    Informaram-nos que os petistas de alta estrela serão sócios do governo local.

    Todos vão se arranjar. E ainda contam com a fuga dos mensaleiros presos, situação suspeita pelo interesse dos crápulas em trabalharem “fora da prisão”. E todos irão viver lá.

    CUBA será o paraíso paradisíaco dos bandoleiros petistas e demais perseguidos. Será o balneário de ratos petistas e lulistas.

    Esta informação veio através de zum, zum, zum do serviço de inteligência americano – retaliando Dilma, Lula e outros meliantes. Por sistema de comunicações antigo e sem RASTREABILIDADE…

    Abraços,

    Lewton

    http://www.militar.com.br/artigo-2988-Fuga-das-galinhas-petistas-para-CUBA#.UvffumJdXYH

    chest= não acredito

  33. Pax said

    Caro Otto,

    Li o teu #25,

    E …?

  34. Patriarca da Paciência said

    o post 32 é profundamente hilário!

    O Cara deve ter tomado uma overdose de cocaína, fumado alguns baseados, ingerido alguns compridos de LSD e ainda bebido algumas doses de bom malte.

    É um delírio realmente psicodélico!

  35. Otto said

    Prezado Pax:

    nada, era só pra ler…

    E sigamos atentos.

  36. Pax said

    Sei é que está muito esquisito…. esse lance do rojão que atingiu o jornalista. Quando todo mundo sai acusando, quando você vê governo se unindo com a grande mídia acusando todas as manifestações de vandalismo e baderna, alguma coisa tem por detrás.

    Agora todo mundo passou a acusar o tal Marcelo Freixo etc.

    Pois bem, o tal advogado que acusa o Freixo é advogado dos milicianos. E Freixo é ameaçado de morte por eles. É uma de suas bandeiras.

    Aí vc vê JN, Fantástico, blogueiros da direita e blogueiros petistas, todos juntos acusando os manifestantes…

    eu fico com pé atrás, sim.

    Por mim o povo não sairia das ruas. Tomara que isso aconteça e acho que vai acontecer. Tomara que seja sem violência alguma, não apoio violência, saques, banditismo, nada disso, mas acho que o povo tem que ir pras ruas mudar esse rumo nojento em que estamos.

    Rumo esse que adentraram a situação e a oposição. Que, neste aspecto, se igualam. Todo mundo com medinho de manifestação por conta das eleições.

    Quero que se danem.

    Sou completamente favorável às manifestações. Que não parem, que o povo não saia das ruas.

  37. Zbigniew said

    Manifestações de rua são importantíssimas. Feitas de forma ordeira, pacífica, mas firme e organizada, acelerariam mudanças expressivas e necessárias. Pena que no Brasil não tenhamos a profundidade política suficiente para termos um movimento robusto capaz de encetar uma verdadeira reforma nas instituições da República. Estamos bem longe disso.

    Hoje sabemos que tais manifestações estão mais para reforçar a criminalização da política e dos petistas do que mesmo de pedir uma reforma que alcance a todo o espectro político da nação.

    Certamente que as pessoas têm todo o direito de irem às ruas reclamar dos gastos com a Copa e a falta de uma contraprestação do Estado em setores tão importantes quanto saúde, educação e segurança pública.

    Mas fica o questionamento: esse mote é suficiente para gerar mudanças ou será utilizado apenas para tentar apear o PT do poder nas próximas eleições?

  38. Otto said

    Parabéns, Pax, começou a guerra civil.

    Os BlackS BlocS já tem o seu primeiro cadáver.

    Agora falta o golpe da turma do Chesterton pra “por ordem na casa”.

    Ontem a Síria, hoje a Ucrânia, amanhã o Brasil.

  39. Pax said

    Você está me acusando de alguma coisa, caro Otto?

    Alto lá, por favor.

    Caro Zbigniew,

    Esse papo que as manifestações são para “reforçar a criminalização da política e dos petistas do que mesmo de pedir uma reforma que alcance a todo o espectro político da nação.” não me convence.

    —> a política entrou por si na criminalidade… não me consta que os manifestantes tornaram os políticos corruptos.

  40. Pedro said

    Otto, eu amigo do azeredo?
    hahahahahahaha
    Quero mais que ele se phoda. Se ele for condenado, gostaria até que vc pudesse decidir a pena:

    – Suar na Papuda, ao lado do zé dirceu.
    – Ser amarrado num poste e levar uma surra em praça pública.
    – Ser deportado pra Cuba, onde será tratado a ração de jumento.

  41. Zbigniew said

    Bom,
    então se no Brasil política é sinônimo de crime, mais do que justificado qualquer movimento para neutralizá-la.

    Aliás, este é o tipo de discurso perigoso, capaz de justificar atitudes que podem descambar para o extremismo. É o tipo do raciocínio que não admite contestação, inclinado ao simplismo e avaliação rasa da realidade que nos cerca.

    É a partir dele que se admitem discursos como o da Rachel Sheherazade, a nova musa da direita e dos decepcionados e indignados, da massa de manobra e da boiada, que é contra “tudo isso que aí está”, em especial o PT. E que, no final, vai aceitar “tudo isso que aí está”, desde que seja sem o PT.

    Não que o PT seja esse balaio todo, mas, para quem quer mudar, ajudar o Brasil a ser melhor, a jihad contra um partido é muito, mas muito pouco. Aliás, neste caso não chega nem a ser nada. É o nosso ethos falando mais alto.

  42. Zbigniew said

    Um comentário interessante sobre a indignação da Rachel Sheherazade indicado por MG no facebook:

    “Rodrigo Almenda: O Crime de Rachel

    O comentário da jornalista Sheherazade é um claro exemplo do que a doutrina chama de descriminante putativa por mau entendimento do alcance do instituto da legítima defesa (CP, art. 25).

    Explico: conforme a âncora do jornal do SBT, a conduta de amarrar, humilhar e lesionar um adolescente acusado da prática de infrações penais estaria acobertada pela “legítima defesa social”. Ao que parece, ela (e muitos outros) acredita que a citada justificante, que tem por fundamento o Princípio da Preponderância de Interesses Contrapostos com Unilateralidade de Legitimação, pode ser utilizado para o exercício de uma vingança privada (ou, justiça com as próprias mãos). Não é verdade, sabemos.

    Todavia, não ignoro que desde os mais remotos tempos, é do paladar social presenciar o sacrifício daqueles que incorporam a figura do mal e do pecado. Esse entendimento social, mesmo em 2014, é bem vivo (…).

    O fato é que ao defender publicamente o ato covarde e violento dos que amarram o menor infrator, Rachel incorreu no tipo penal do art. 287 do Código Penal, mas sua culpabilidade pode ser minimizada ou mesmo esvaziada…”

    Em verdade o que a Sheherazade propões é a vingança. Nem tanto contra o infrator, mas contra o Estado, principalmente este, liderado na esfera federal pelo PT.

    Por fim é de afirmar que violência gera mais violência e que, sim, todos temos responsabilidades nesta seara. Neste ponto nunca é demais lembrarmos de Hobbes, para quem o homem é o lobo do próprio homem. Principalmente sem o respeito aos ditames legais.

  43. Otto said

    Pax,

    lembro-me que num comentário você até falou que preferia uma guerra civil!

    É isto que você quer mesmo?

    Você acha que desse bando de fascistinhas pode sair alguma coisa boa?

  44. Pax said

    Caro Zbigniew,

    A gente tem que tomar cuidado com as colocações. O que digo é:

    1 – o modelo político brasileiro é corrupto, sim
    2 – todos os partidos que assumiram o poder cederam ao modelo
    3 – temos dois bons exemplos recentes, os governos do PSDB e do PT (em âmbito nacional)
    4 – para governar tiveram que ceder ao modelão, PSDB com o pilar mestre do ACM do DEM e o PT com o pilar mestre do PMDB de Sarney
    5 – esses são os pilares mestres que puxaram os dois partidos, PSDB e PT para dentro do modelão, que, de novo, é corrupto, sim
    6 – desde sempre que digo que quem tanto cede, acaba igual
    7 – aconteceu com o PSDB, aconteceu com o PT
    8 – ambos partidos hoje estão mais comprometidos com o modelo que qualquer outra coisa, incluindo aqui até suas ideologias

    E o povo, caro Zbigniew, sabe. O noticiário é farto, para o âmbito nacional e o âmbito estadual. Mas o cidadão vive o dia-a-dia das cidades e aí a coisa é ainda pior.

    Reclamar, se manifestar contra esse modelo, chega a ser obrigação da sociedade. Caso contrário vira gado.

    Daí a afirmar que as manifestações são para derrubar a ou b, a viagem, na minha percepção, é grande.

    Em junho do ano passado, caricaturizando, o que aconteceu foi que as manifestações chegaram às reclamações contra corrupção, claro que sim.

    E o que o PT fez, na minha análise, “estão falando de corrupção, é conosco mesmo!”.

    Não sem motivos, vamos ser fiéis à verdade.

  45. Otto said

    Olhem que interessante. Qualquer semelhança com o os blacks blocs não é mera coincidência:

    “A Sturmabteilung (SA) constituíram, em certo momento, uma das instituições mais ativas da vida pública da Alemanha, e um dos esteios do poder político de Adolf Hitler. Deve-se ressaltar que elas não funcionavam como um exército ou uma tropa organizada, sendo sua atividade muito mais a de baderneiros do que a de um exército. O próprio Hitler via a SA como uma tropa de pressão política (…).”

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Sturmabteilung

  46. Pax said

    Se for necessário uma guerra civil para mudar o rumo do país, se chegarmos neste extremo, acho que faz parte, sim.

    Se eu quero que isso aconteça, se eu apoio black blocs, se eu apoio saques e vandalismos, aí já passa a ser uma viagem que sugiro não adentrar.

    Mesmo porque eu não faço nada disso.

    Só acho que a situação atual e o rumo (não é um privilégio exclusivo do PT, o PT é que gosta de assumir todas as culpas do que ele passou a praticar igualzinho os outros, sem tirar nem por), é insustentável, não existe condição de continuar assim e nada acontecer.

    E a culpa, sinto muito, não é dos manifestantes.

    E acho uma tremenda burrice associada a uma tremenda canalhice quem afirma isso, que a culpa deste caos nacional é dos manifestantes.

    Não é.

  47. Otto said

    Entreouvido por aí:

    “O PSOL é de extrema-esquerda, e a OTAN sabe operar com os extremos do espectro ideológico, desde anarquistas até neonazistas.

    Mas cada estupidez se lê por aí… O PSOL defendendo a propriedade privada e os valores tradicionais…

    Por que o PSOL e a OTAN operam juntos então?
    Pela simples razão de combaterem o mesmo inimigo e terem objetivos táticos semelhantes (o caos e a mudança de regime).”

  48. Otto said

    Faltou dizer o seguinte: a Globo, mais uma vez, tentou falsificar os fatos. Garantiu que o rojão fora acionado pela Polícia Militar. Tentaram proteger os mascarados. Felizmente a TV russa (!!!) e a TV Brasil tinham vídeos desmentindo a falsificação. Vergonha!

    Globo e black-blocs: TUDO A VER!

  49. Zbigniew said

    Pax,
    admitir uma guerra civil é admitir o rompimento da ordem vigente. E muito mais. É buscar a eliminação de ideias contrárias às nossas pela eliminação física daqueles que pensam ou agem diferente de nós.

    Será que em todo o mundo ocidental, de todos os países que se dizem democráticos, vamos partir para a solução final em pleno séc. XXI? Não somos hoje uma democracia? Não teríamos condições de resolvermos através de manifestações pacíficas, ordeiras e organizadas?

    O perigo é o extremismo. O discurso que já vejo tomar forma, de que vivemos uma ditadura do PT, de que temos o perigo do comunismo, de que o PT é a origem de todo o mal, de que o PT não tem mais jeito, abre espaço para se admitir a possibilidade de conflitos, inclusive armados, conforme se pode depreender do teu comentário acima.

    Esse clima é bem parecido com o que antecedeu a revolução de 64 e sabemos como tudo terminou. Precisamos aprender com o passado que não existem soluções simples para problemas complexos e que a simples eliminação do diferente não vai resolver um problema de ordem estrutural de toda uma sociedade, e não só de um partido.

  50. Chesterton said

    O Freixo está todo enredado, ele é do PSOL, partido fascista de nosso país, de ESQUERDA.

    O resto é fantasia do Otto.

  51. Otto said

    É longo, Pax, mas eu gostaria que você lesse.

    Quem sabe tomar certa distância e ver o que acontece em derredor não nos abra mais os olhos para compreender melhor nossa conjuntura.

    O golpe na Ucrânia
    Miguel do Rosário

    Eu sempre gostei do blog Castorphoto, porque ele oferece traduções de artigos incríveis sobre política internacional. O brilhante Pepe Escobar, que escreve em inglês para o Asian Times, aparece frequentemente por lá.

    A única coisa que se podia criticar no Castorphoto era uma visão algo paranóica do imperialismo americano e suas mídias corporativas.

    Bem, depois das revelações do Wikileaks, ou mesmo antes delas, com a constatação de que o Iraque foi invadido à tôa, pois não tinha armas de destruição em massa, depois de Snowden e a revelação do grau de sofisticação da espionagem da NSA, com programas capazes até de prever comportamentos, não há mais espaço para ingenuidade.

    Todas as teorias paranoicas se revelaram, em verdade, tímidas.

    Mais recentemente, as revoltas no mundo árabe foram completamente manipuladas pelo imperialismo americano e europeu. Usaram-se manifestações espontâneas e legítimas para derrubar governos incômodos. A quantidade de desinformação que rolou durante a primavera árabe é assustadora. Lembro-me das histórias terríveis que circulavam contra Kadafi, na Líbia. Até eu balancei. Só que, perto da situação atual, a Líbia de Kadafi era um paraíso. Hoje se tornou uma colônia de EUA e Europa.

    A coisa fica ainda mais estranha, porém, quando vemos manifestações dita populares querendo derrubar governos eleitos, como se vê na Tailândia e Ucrânia. Isso é um perigo, que ocorre em países onde não há um sistema interno de comunicação maduro e onde há influência excessiva de alguns valores ocidentais – não necessariamente democráticos, mas imperialistas – na cabeça da juventude.

    A presença da violência é um elemento chave para identificar o germe golpista. Manifestações genuinamente democráticas não costumam apelar à violência. Quando a violência aparece, desperta uma espiral que não tem fim, e faz abrir o olho do dragão: os mafiosos da indústria bélica internacional, sempre interessados em fomentar guerras civis mundo à fora para venderem mais armas.

    Então, pessoal, olho vivo! Ainda mais porque todos os grupinhos de extrema-direita presentes no Brasil andam um bocado excitados com o que ocorre na Ucrânia, e são os mesmos que apoiam o movimento #naovaitercopa.

    Segue mais um artigo atento do Moon of Alabama, traduzido pelo pessoal da Vila Vudu.

    *

    EUA e União Europeia juntos para derrubar a democracia na Ucrânia

    8/2/2014, no blog Moon of Alabama
    “U.S. EU United To Overthrow Democracy In Ukraine”
    Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu, no blog Castorphoto.

    O barulho em torno da declaração da secretária-assistente de Estado Nuland, dos EUA, para a qual “Foda-se a União Europeia”, está, de certo modo, ajudando a mascarar a questão real.

    Um telefonema feito por linha não encriptada, entre Nuland e o embaixador dos EUA em Kiev foi, ao que parece, gravado pelos serviços de segurança da Ucrânia. Enquanto o Departamento de Estado tentava (como já é rotina nesses dias) culpar os russos, o tuíto de um funcionário russo lembrava que a gravação só apareceu mais de 24 horas depois de outra fonte ter distribuído, pelo Twitter, o link correspondente. O funcionário russo, portanto, não era a fonte original.

    O telefonema gravado revela várias questões:

    1. Os EUA estão, inegavelmente, tentando derrubar um governo democraticamente eleito e o presidente da Ucrânia; e querem pôr lá, no governo, um dos fantoches da “oposição”, como preposto dos norte-americanos. A própria Nuland diz (vídeo, em 7’26 a seguir) que os EUA, desde os anos 1990s, “investiram” mais de $5 bilhões para a tal “democratização” da Ucrânia. É altamente provável que os EUA, como o governo ucraniano tem dito, esteja pagando muitos dos “manifestantes” em Kiev.

    2. Alguns países da União Europeia (Alemanha, Polônia e países do Báltico) também querem derrubar o governo da Ucrânia; esses (especialmente Merkel) também querem um fantoche, lá, como o boxeador Klitschko, no posto de manda-chuva. Mas os demais países da União Europeia não querem ter de pagar para comprar um novo governo para a Ucrânia, em troca de saquear país já muito pobre; esses países da União Europeia que também querem um golpe têm pouco a oferecer; e não têm meios para ameaçar a Ucrânia com sanções nem com qualquer outro tipo de chantagem.

    O “Foda-se a União Europeia” é coisa, só de diferença de estilo. Os EUA querem, primeiro, impor sanções contra governo legal e contra o povo ucraniano, para, depois, instalar lá um fantoche dos EUA; e os países da União Europeia querem fantoche diferente; e querem golpe menos barulhento e escandaloso.

    O barulhão no proscênio também está ajudando a esconder outra questão importante que se desenrola nas coxias. Os protestos na Ucrânia estão sendo liderados por movimentos e grupos de extrema direita, que não se deterão ante nenhum tipo de brutalidade e podem levar até à guerra civil:

    Pravy Sector
    Grupo ucraniano do Pravy Sector (Setor de Direita). Notem a semelhança do símbolo estampado nas bandeiras com a Cruz Nazista (Gamada)

    “A organização física dos protestos, a construção de barricadas em torno das praças, grande parte do acampamento já construído e o policiamento, e as furiosas batalhas contra a polícia são, quase integralmente, ação da extrema direita. Em algumas cidades menores do interior da Ucrânia, os “protestos” locais e a tomada de prédios públicos parecem ser trabalho, exclusivamente, do Pravy Sektor.

    Aqui em Kiev, alguns membros do exército de mascarados com capacetes dizem que apoiam o principal partido de direita dos nacionalistas ucranianos, o Partido Svoboda (Liberdade), que recebeu apenas 10% dos votos nas eleições parlamentares de 2012, e cujo líder Oleh Tyahnybok, é conhecido por insultar judeus.

    Mas o pessoal que forma os grupos maiores e mais agressivos, que em geral recusam-se a falar com jornalistas, são membros do Pravy Sektor, grupo guarda-chuva no qual se reúnem fascistas, nacionalistas, torcidas organizadas de times de futebol e gangues de extremistas de direita – alguns com história de militância em grupos neonazistas –, considerado em geral como à direita do Partido Svoboda e que opera como gangue extremamente fechada, cheia de segredos. Até agora, o Pravy Sektor ainda não se apresentou como partido político.

    Quer dizer, então, que os EUA e a União Europeia parecem acreditar que conseguirão manter sob controle essas forças? Ou as estão pagando? Mas… Exatamente como os terroristas na Síria, os fascistas na Ucrânia logo estarão mandando no jogo, tão logo a pressão pelos EUA e a União Europeia contra o governo legal dê àqueles grupos fascistas qualquer pequena chance de assaltar diretamente o poder. Eles já ameaçaram, até, com iniciar uma guerra civil.

    Encurralando o presidente eleito da Ucrânia e empurrando-o na direção de renunciar, os EUA e a União Europeia estão visivelmente – por razões que só interessam a EUA e União Europeia – criando o perigo de lançar a Ucrânia numa guerra interna que EUA e União Europeia não conseguirão controlar.

    O barulho que a imprensa-empresa está fazendo sobre o “Foda-se a União Europeia” está ajudando a encobrir esses outros aspectos desses planos enlouquecidos.

    – See more at: http://www.ocafezinho.com/2014/02/10/o-golpe-na-ucrania/#sthash.RrJUKUB1.dpuf

  52. Pax said

    Desculpe-me, caro Otto, mas já te disse inúmeras vezes que cansei desse blog… hora que der dou uma vista d’olhos, mas nem prometo.

    Caro Zbigniew,

    Vamos pela ironia e maiêutica do Sócrates. Vamos desconstruir verdades…

    Você diz que vivemos uma Democracia. Vivemos, sim, em tese. Se você for no extremo da situação atual, você começa a questionar. De novo, vá numa viagem extrema do caminho que estamos.

    Hoje em dia toda eleição é corrupta até os esses. Certo ou errado?

    Ou seja, partidos e políticos se abastecem de uma grana preta, desviada, dinheiro público, impostos não pagos, e se abastecem. No extremo podemos dizer que esse dinheiro acaba “comprando” voto. Em algumas casos nem é extremo não, há compra descarada de votos mesmo.

    E o nosso Congresso como funciona? Ora, sabemos muito bem, é um toma lá, dá cá danado, são mafias e mais máfias atuando. Pagou, leva. Orçamento? Só se o cara e o partido levar algum. E nem é levar ao extremo, a coisa é feia. Muito feia.

    E o executivo? Ora, precisa do Congresso. O que faz? Partilha, dá sesmarias, algo como “olha, vou te dar esse pedaço pra você roubar mas você me apoia aqui e ali” ou, quase, “e você apoia meus roubos aqui e ali”.

    E o Judiciário? Mais um poder, e sabemos que parte dele também funciona na boca do caixa, quem tem dinheiro se safa, quem não tem….

    E o quarto poder? A imprensa? Funciona bonitinho? Ninguém compra notícia, compra pauta? Nada disso acontece?

    Então, caro Zbigniew, se você levar o exercício ao extremo, você pode afirmar de cadeira que vivemos uma democracia plena?

    As instituições, que todos dizem estar garantidas, não estão lá tão firmes assim. E aí, dentro desse exercício que estou propondo, olhando a situação e o rumo, pode-se (veja, pode-se) desenvolver um raciocínio que nossa Democracia está bastante abalada. (de novo, do de novo, pode-se chegar, através de um exercício, em uma suspeição que as coisas não estõa lá funcionando como deveriam.

    O caro Chesterton insiste no mantra que o PT é origem de todo mal. Esquece da roubalheira dos outros. Só vê a do PT. Direito dele, de olhar errado.

  53. Otto said

    Pô, Pax, o cara tá reproduzindo um post de um site gringo!

    Dê uma olhada! Sem preconceito!

  54. Chesterton said

    O PT é a origem de todo mal no mundo. A esquerda mata inocentes, a direita prende culpados. O PT já deu ramificações como o PSOL.
    Chico Alencar- era PT
    Ivan Valente- era PT
    Randolfe Rodrigues- era PT
    Jean Wyllis- sei lá

    http://psol50.org.br/site/

  55. Zbigniew said

    Também acho que a sociedade tem todo direito de querer um recall na nossa República, que, repito, surgiu de um golpe contra a monarquia, feita por uma oligarquia atrasada com o apoio de um exército titubeante na figura de um marechal moribundo, e só foi confirmada 103 anos depois pela sociedade como um todo, e da forma como foi. Ou seja, a população pouco participou, politicamente falando, da construção dessa estrutura. Sempre esteve alijada das principais decisões, e aqueles que as tomaram pensaram nos seus próprios interesses.

    Mas não dá para querer mudanças aceitando apenas o alijamento de um partido do poder. Até poderia se aceitar isso. Mas desde que esta fosse apenas uma etapa inicial de um processo permanente em que a sociedade tomasse as rédeas desse movimento, que deveria ser longo e permanente.

    Se não somos capazes (e não somos!) de iniciar um movimento dessa magnitude, não há como mudar de forma brusca este estado de coisas. Um rompimento drástico e dramático será só isso, drástico e dramático, para, acredite, não mudar nada!

    Outra: não descartaria assim tão rápido as informações trazidas pelo caro Otto. É verdade que a importância geopolítica da Ucrânia é bem diferente da do Brasil, mas é melhor um gigante rico e dócil a interesses outros do que vê-lo independente e pensando por si mesmo.

  56. Elias said

    O Pax já está querendo guerra civil?

    Mas que desespero é esse…?

    Só porque vai perder mais uma eleição?

    Taí… Topo uma guerra civil, com a seguinte ordem de combate:

    1 – Pega-se esse pessoal que faz apologia da guerra civil, e enfia-se os péssimos num enorme curral.

    2 – Divide-se esses pirados em duas equipes.

    3 – Dá-se um terçado rabo de galo 128 pra cada um dos retardoidos.

    4 – Autoriza-se o início dos combates.

    5 – Duas horas depois, a guerra civil será declarada encerrada. Os sobreviventes terão direito a uma temporada de ressocialização, de 10 anos, no presídio da família Castro, que os vulgos chamam Cuba.

    6 – Os ex-guerreiros civis que sobreviverem ao programa de ressocialização da família Castro, serão encaminhados ao Afeganistão, onde adotarão como trajes permanentes algumas das mais elegantes fantasias criadas pelo falecido Clóvis Bornay (tipo “O Embaixador do Imperador Ming Tsao Leng na Corte de Xan-Gri-Lá-Ali-e-Acolá”), e desfilarão em frente às madrassas locais, cantando: “Paz e amor / Paz e amor / Guerra não senhor, não senhor”.

    Se é pra babaquizar o debate…

  57. Chesterton said

    Black blocs, PSOL, raposas e sininhos: alguém ainda acredita em “manifestação” espontânea?

    Um “manifestante” black bloc
    Muitas perguntas ficam no ar. Por exemplo: qual o real grau de envolvimento do deputado do PSOL Marcelo Freixo nesse vandalismo todo orquestrado pelos black blocs? O deputado nega qualquer envolvimento, claro. Mas as suspeitas existem, seu nome foi mencionado pelo advogado do rapaz acusado de ter ajudado a jogar o rojão que ameaça tirar a vida do cinegrafista da Band, Santiago Andrade.

    Eliza Sanzi, cuja “profissão” é ser manifestante, ofereceu ajuda (de que tipo?) às pessoas ligadas a Marcelo Freixo. Sininho, como é conhecida, já esteve presa por baderna em frente à Câmara dos Vereadores, em outubro. Talvez essa gente sofra da Síndrome de Peter Pan, e nunca tenha amadurecido. Se acham os eternos rebeldes sem causa, que ainda precisam confrontar todo tipo de autoridade para se provar na vida.

    De onde vem o dinheiro que sustenta tanto vagabundo mascarado? Qual o envolvimento do próprio PSOL nisso tudo? Freixo, que virou herói em filme de ficção e é idolatrado pela esquerda caviar, precisa se explicar. A mãe de Fábio Raposo, o tatuador preso por entregar o rojão ao comparsa, disse acreditar que o filho tenha algum tipo de ligação com Freixo sim.

    Alguém ficaria realmente surpreso se ficasse comprovado o envolvimento do partido? Um partido, não custa lembrar, que já deu todo apoio até para terrorista assassino, como o italiano Cesare Battisti. E que tem, entre seus fundadores, outro terrorista italiano, o socialista Achille Lollo. Alguém acha mesmo que o PSOL é digno de alguma confiança?

    O PSOL é apenas o PT de ontem. Mesmo ainda minúsculo, já tem sua cota de escândalo de corrupção, como aquele envolvendo a deputada Janira Rocha no Rio. Imaginem com mais poder! Quem ainda acredita no PSOL como um partido puro? É preciso ser muito ingênuo mesmo. Até podemos desculpar quem um dia acreditou no PT. Mas quem ainda acredita no PT hoje, ou em seu filhote PSOL, não tem desculpa: é idiota útil mesmo.

    Raposo, Sininho, Freixo, black blocs: alguém ainda acredita em “manifestação” espontânea? Alguém realmente acha que não há interesse político nisso tudo? A esses, aviso que Papai Noel não vai levar presente no Natal deste ano, por mau comportamento ou por abusar do direito de ser néscio.

    Por fim, fica um puxão de orelha na própria imprensa, que ajudou a alimentar o monstro que agora quer devorá-la. Ajudou a enaltecer os vagabundos mascarados, a criar a falsa imagem de que o gigante havia acordado, de que a polícia era o problema na questão da violência.

    A esquerda caviar, então, nem se fala! Quantos “intelectuais” e artistas defenderam os black blocs? Alguns até se fantasiaram para ajudar a vender a ideia de que eram revolucionários em nome da justiça e liberdade. Não é verdade, Caetano Veloso?

    O resultado está aí: um cinegrafista entre a vida e a morte. Pergunto: se fosse um policial, a reação seria a mesma? Se fosse um transeunte, um cidadão comum passando por ali, a reação seria a mesma? São muitas perguntas…

    PS: E por favor, vamos parar de chamar criminoso de “ativista”, caramba?!

    Rodrigo Constantino

  58. Chesterton said

    A morte de Santiago Andrade: o país marcou um encontro com a tragédia

    Santiago Andrade, o cinegrafista da Band, teve morte cerebral. Desde junho, o Brasil tinha um encontro marcado com a tragédia. Era uma questão de tempo. E outras acontecerão desde que se repitam os mesmos procedimentos. Quem são os culpados? Obviamente, devem responder por essa morte aqueles que acenderam o morteiro. Mas, se querem saber, é preciso ampliar o leque de culpas. Também nesse caso, mais do que o alarido dos maus, o que constrange é o silêncio dos bons — ou suas palavras e gestos irresponsáveis.

    Todos aqueles que assistiram de boca fechada à progressiva violência das manifestações; todos aqueles que passaram a considerar a depredação, o quebra-quebra e o confronto como liberdade de manifestação; todos aqueles que se negaram a reconhecer o caráter congenitamente autoritário desses ditos “protestos”, todos esses têm sua parcela de culpa.

    As elites políticas e intelectuais brasileiras, ignorando os fundamentos da uma sociedade democrática, passaram a flertar com a desordem — especialmente setores importantes da imprensa, que se conformaram em trabalhar de maneira clandestina, tendo de se esconder desses vagabundos. Saibam, leitores: os jornalistas têm de esconder suas respectivas identidades. Ou são linchados.

    Ainda assim, por temor da patrulha nas redes sociais, ocupadas por esses milicianos, sempre fizeram uma cobertura favorável aos protestos e hostil à polícia — que, na esmagadora maioria das vezes, apenas reagiu à violência, não a promoveu.

    Durante todo esse tempo, onde esteve José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça? Onde esteve Maria do Rosário, ministra dos Direitos Humanos? Onde esteve Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência e homem responsável pelo diálogo com os chamados movimentos sociais?

    Por incrível que pareça, toda essa gente, cada um à sua maneira, estava dando a sua dose pessoal de contribuição à barbárie, pondo mais lenha na fogueira. Não custa lembrar que Cardozo é um dos primeiros incitadores, ainda que não tivesse sido essa a pretensão, dos confrontos de rua, que os feiticeiros do Planalto imaginavam que ficariam restritos a São Paulo.

    Ainda voltarei a esse tema muitas vezes. Não dá mais! É intolerável! Há homicidas nas ruas disfarçados de manifestantes. É preciso que a gente comece a chamar esses caras pelo nome que eles têm.

    Por Reinaldo Azevedo

  59. Elias said

    “Sininho, como é conhecida, já esteve presa por baderna em frente à Câmara dos Vereadores, em outubro. Talvez essa gente sofra da Síndrome de Peter Pan, e nunca tenha amadurecido.” (Rodrigo Constantino, citado pelo… Chester, claro!

    Alguém deve, urgentemente, dizer a esse rapaz que “Sininho” é o codinome que a cambada costuma dar às garotas que transportam o… pó, ora…

    “Durante todo esse tempo, onde esteve José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça? Onde esteve Maria do Rosário, ministra dos Direitos Humanos? Onde esteve Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência e homem responsável pelo diálogo com os chamados movimentos sociais?” (Reinaldo Azevedo, citado pelo… adivinhem!)

    Essa direita é uma bosta, mesmo… Um dia desses estava tendo orgasmo com o pingolim alheio, achando que o badernão lumpem ajudaria a desgastar e derrubar o PT (o Pax ainda acredita nisso).

    Agora, que o inevitável aconteceu, os direitopatas já estão satanizando o pessoal do badernão…

    E aí faz as perguntas idiotas, das quais só os muito idiotas ainda acreditam que podem tirar algum proveito.

    Quem quer que saiba somar 2 + 2 em política, sabe que Gilberto Carvalho (de quem não gosto, pessoalmente), fez um trabalho de mestre. Ele conseguiu negociar a retirada do núcleo das manifestações a maior parte das organizações políticas sérias, com efetivo respaldo nos movimentos sociais. Foi um trabalho silencioso, que tomou todo o segundo semestre do ano passado, e, segundo me disseram, continua a pleno vapor.

    Resultado: sobrou só o pessoal da baderna, mesmo. Uns poucos gatos pingados, cujo número não é maior que a torcida do América, como disse o Rui Castro.

    É só esse pessoal e… o Pax! Que, prudentemente, participa apenas com apoio (i)moral…

    Agora, com o que aconteceu ao cinegrafista, esse pessoal vai mirrar ainda mais. Quem quer que se dê a respeito não se prontifica a participar de uma “manifestação democrática” já chega armado com um artefato capaz de provocar a morte de alguém.

    O manuseio de artefatos letais deve ser restrito a pessoas treinadas para isso, minimizando tanto quanto possível o risco de vitimar pessoas inocentes, como o cinegrafista, pai de família, assassinado por um irresponsável quando fazia seu trabalho, o qual, aliás, em nada obstaculizava a tal “manifestação” (o que retira do assassino a mais remota possibilidade de alegar “legítima defesa”).

    De minha parte, espero que esse cão danado apodreça na cadeia, até o fim de sua vida miserável.

    Isso será quase nada, em comparação com a vida que ele tirou…

  60. Elias said

    “O termômetro da nossa insanidade coletiva, incluindo os setores radicais da mídia, está subindo, paralelamente à violência desbragada. Onde falta ética e educação de qualidade, ou seja, um bom IDH (índice de desenvolvimento humano), sobra a marcha tribal da insensatez. Em ano eleitoral, é de se imaginar que o clima quente da reação emotiva contra a violência, tal qual o do verão, vai bem longe. O Brasil continua na contramão da história civilizatória.”

    “Está chegando a conta dos 514 anos de colonialismo teocrático (herança maldita), autoritarismo (arquétipo do Pai), parasitismo dos dominadores (escravidão, corrupção e neoescravidão), selvagerismo (violência epidêmica), ignorantismo (3/4 da população é analfabeta ou semialfabetizada – ver Inaf) e segregacionismo (apartheid sócio-étnico-econômico). ”

    Isso aí é só o início de um excelente artigo de Luiz Flávio Gomes, jurista, professor, ex-Juiz de Direito.

    No JusBrasil.

    Vale a pena ler. Um pouco de integridade intelectual faz bem…

  61. Chesterton said

    Assassinos covar des e seus cúmplices.

  62. Chesterton said

    NOTA OFICIAL DA REDE BANDEIRANTES

    A tragédia que envolve a morte do cinegrafista Santiago Andrade – e que nos deixa arrasados diante da perda de um companheiro querido – é mais uma evidência de que a desordem está imperando nas ruas de nossas cidades.

    O desvairado que soltou a bomba assassina é um exemplar conhecido de baderneiro, como tantos que vêm espalhando o terror, infiltrados entre manifestantes. A força de reação que encontram não tem sido suficiente para intimidá-los. Pelo contrário, estão cada vez mais ousados e seguros nas suas ações violentas.

    A Band vai acompanhar e exigir, passo a passo, as investigações, o processo e a condenação desse assassino e de seu grupo. E, ao fazer isso, estará solidária não só com a família de Santiago Andrade. Mas com toda a família brasileira, que já não suporta viver cercada de tantas e variadas ameaças, sentindo-se numa terra de ninguém.

  63. Chesterton said

    O PT é a real imagem do mal na terra. Reinstituiu a escravidãono Brasil. Em pleno século 21.

    ———————

    0/02/2014 às 18:55
    Ministério Público do Trabalho diz que “Mais Médicos” é ilegal e sacrifica valores constitucionais

    Por Marcela Mattos na VEJA.com.
    Após tomar o depoimento da médica cubana Ramona Rodriguez nesta segunda-feira, o procurador do Trabalho Sebastião Caixeta afirmou que o programa federal Mais Médicos “sacrifica” as relações de trabalho e foi “desvirtuado” para suprimir a falta de profissionais nos rincões do país.

    A lei que criou o Mais Médicos, sancionada em outubro do ano passado, carrega a bandeira de profissionalização dos participantes, o que justificaria a ausência de direitos trabalhistas e a remuneração em formato de bolsa. Diz a lei: “O programa visa aprimorar a formação médica no país e proporcionar maior experiência no campo de prática médica durante o processo de formação”.

    Para o procurador, apesar de tentar afastar as relações trabalhistas, o Mais Médicos tem todas as características de um emprego formal. “O que nós constatamos é que ao se suprimir a necessidade de médicos no país, há o desvirtuamento genuíno das condições de trabalho”, disse Caixeta. “Esse projeto está sendo implementado de maneira a sacrificar outros valores constitucionais que também são caros, como os da relação de trabalho.”

    Ramona, que há uma semana abandonou o programa federal, afirmou ao procurador que, apesar de integrar o programa desde outubro, somente em meados de janeiro foi submetida a um curso de especialização – em duas sextas-feiras. Ramona disse ainda desconhecer o médico responsável pela “supervisão profissional”, conforme previsto em lei. Para Caixeta, o fato de ter passado por um curso não descaracteriza a relação trabalhista, já que a médica trabalhava oito horas por dia, com pausa de duas horas para almoço.

    O depoimento de Ramona integrará inquérito civil público instaurado em agosto do ano passado pelo Ministério Público do Trabalho. O procurador vai pedir ao governo federal a correção das ilegalidades do programa, como a diferença salarial entre os cubanos e demais participantes e a falta de garantias trabalhistas – férias e 13º salário. Enquanto todos os participantes recebem 10.000 reais mensais, os cubanos ganham 400 dólares, cerca de 1 000 reais.

    Caixeta afirma ter tentado acesso ao contrato entre cubanos e a Organização Panamericana de Saúde (Opas) – órgão vinculado à Organização Mundial da Saúde (OMS) que, segundo o governo brasileiro, intermediou a vinda dos profissionais de Cuba –, mas que não conseguiu. A Opas alega que há uma “cláusula de confidencialidade exigida pelo governo de Cuba”.

  64. Patriarca da Paciência said

    “As contas batem, conforme várias auditorias.

    E tanto é assim que nesta semana, teremos uma novidade neste item. Enquanto os réus da AP 470 já estão cumprindo penas longas, em regime fechado, seus advogados começam a distribuir uma notificação judicial aos veículos que receberam as verbas da DNA. Estamos falando da TV Globo, Editora Abril, Estadão, Folha, Editora Três.

    Convencidos de que irão colher um dado que ajudará a demonstrar a inocência dos réus, os advogados querem que as empresas confirmem – ou desmintam – a informação de que os recursos da DNA chegaram a seus cofres. Estes dados, a rigor, encontram-se nos documentos da AP 470. Mas ficaram ali, congelados nos arquivos, sem que fosse possível examinar seu significado e extrair todas implicações.

    A consulta às empresas, que será feita agora, deveria ter ocorrido em 2005 ou 2006, na época da denúncia. Era o tempo certo para uma checagem tão importante, decisiva, até.

    Mas não interessava questionar uma teoria que agradava tantas pessoas e tantos interesses, vamos combinar.”
    (Paulo Moreira Leite)

  65. Pax said

    Caro Elias

    Você está me acusando?

    Elias: “Essa direita é uma bosta, mesmo… Um dia desses estava tendo orgasmo com o pingolim alheio, achando que o badernão lumpem ajudaria a desgastar e derrubar o PT (o Pax ainda acredita nisso).”

    Elias: “É só esse pessoal e… o Pax! Que, prudentemente, participa apenas com apoio (i)moral…”

    Acredito, caro Elias, que você poderia ter um pouco mais de cuidado.

    Diga-me onde foi que apoiei quebradeiras, vandalismos, saques etc? Mostre onde?

    O que digo e repito é: o Brasil está repleto de insatisfações. E o povo tem todo o direito de reclamar. Digo ainda mais, acho muito bom que o povo vá às ruas reclamar de suas insatisfações.

    Se nessas insatisfações a questão da corrupção está presente, e está sim, se isso atinge também o PT, e inclui sim, se o PT fica fazendo biquinho e achando que todos só reclamam de sua corrupção, e isso acontece sim, se o PT quer que seus crimes não sejam comentatos, e quer sim, isso não é um problema meu.

    O PT quer que Dirceu, João Paulo Cunha, Pizzolato etc sejam declarados inocentes, não admite qualquer crítica, não aceita o povo às ruas reclamando que há uma copa que cria um país de exceção (e isso é verdade, sim), este problema não é meu. É um problema do PT e não só do PT, mas o PT comprou tudo para si dentro de sua loucura pelo poder.

    E, nessas condições, quando o PT se afasta do povo, eu me afasto do PT e fico com o povo, sim.

    Daí a dizer que eu apoio as badernas, apoio quebra quebra, apoio saques e vandalismos, há um abismo enorme.

    Peço-te um pouco de aproximação com a realidade que produzo aqui, com palavras. Não é pedir muito.

  66. Chesterton said

    Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2014/02/1410284-rachel-sheherazade-ordem-ou-barbarie.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo.

    chest- só o óbvio ululante

  67. Chesterton said

    O fenômeno da violência é tão antigo quanto o ser humano. Desde sua criação (ou surgimento, dependendo do ponto de vista), o homem sempre esteve dividido entre razão e instinto, paz e guerra, bem e mal.

    Há quem tente explicar a violência, a opção pela criminalidade, como consequência da pobreza, da falta de oportunidades: o homem fruto de seu meio. Sem poder fazer as próprias escolhas, destituído de livre-arbítrio, o indivíduo seria condenado por sua origem humilde à condição de bandido. Mas acaso a virtude é monopólio de ricos e remediados? Creio que não.

    Na propaganda institucional, a pobreza no Brasil diminuiu, o poder de compra está em alta, o desemprego praticamente desapareceu… Mas, se a violência tem relação direta com a pobreza, como explicar que a criminalidade tenha crescido em igual ou maior proporção que a renda do brasileiro? Criminalidade e pobreza não andam necessariamente de mãos dadas.

    Na semana passada, a violência (ou a falta de segurança) voltou ao centro dos debates. O flagrante de um jovem criminoso nu, preso a um poste por um grupo de justiceiros deu início a um turbilhão de comentários polêmicos. Em meu espaço de opinião no jornal “SBT Brasil”, afirmei compreender (e não aceitar, que fique bem claro!) a atitude desesperada dos justiceiros do Rio.

    Embora não respalde a violência, a legislação brasileira autoriza qualquer cidadão a prender outro em flagrante delito. Trata-se do artigo 301 do Código de Processo Penal. Além disso, o Direito ratifica a legítima defesa no artigo 23 do Código Penal.

    Não é de hoje que o cidadão se sente desassistido pelo Estado e vulnerável à ação de bandidos. Sobra dinheiro para Cuba, para a Copa, mas faltam recursos para a saúde, a educação e, principalmente, para a segurança. Nos últimos anos, disparou o número de homicídios, roubos, sequestros, estupros… Estamos entre os 20 países mais violentos do planeta. E, apesar das estatísticas, em matéria de ações de segurança pública, estamos praticamente inertes e, pior: na contramão do bom senso!

    Depois de desarmar os cidadãos (contrariando o plebiscito do desarmamento) e deixá-los à mercê dos criminosos, a nova estratégia do governo, por meio do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, é neutralizar a polícia, abolindo os autos de resistência.

    Na prática, o policial terá que responder criminalmente por toda morte ocorrida em confronto com bandidos. Em outras palavras, é desestimular qualquer reação contra o crime. Ou será que a polícia ousará enfrentar o poder de fogo do PCC (Primeiro Comando da Capital) ou do CV (Comando Vermelho) munida apenas de apitos e cassetetes?

    Outra aliada da violência nossa de cada dia é a legislação penal: filha do “coitadismo” e mãe permissiva para toda sorte de criminosos. Presos em flagrante ou criminosos confessos saem da delegacia pela porta da frente e respondem em liberdade até a última instância.

    No Brasil de valores esquizofrênicos, pode-se matar um cidadão e sair impune. Mas a lei não perdoa quem destrói um ninho de papagaio. É cadeia na certa!

    O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Estatuto da Impunidade, está sempre à serviço do menor infrator, que também encontra guarida nas asas dos direitos humanos e suas legiões de ONGs piedosas. No Brasil às avessas, o bandido é sempre vítima da sociedade. E nós não passamos de cruéis algozes desses infelizes.

    Quando falta sensatez ao Estado é que ganham força outros paradoxos. Como jovens acuados pela violência que tomam para si o papel da polícia e o dever da Justiça. Um péssimo sinal de descontrole social. É na ausência de ordem que a barbárie se torna lei.

    RACHEL SHEHERAZADE, 40, jornalista pela Universidade Federal da Paraíba, é âncora do telejornal “SBT Brasil”

  68. Chesterton said

  69. Chesterton said

  70. Elias said

    Pax,

    E a “guerra civil” que disseste querer, acima (no contexto em que disseste, ou seja, considerando que o badernão lumpem é um ato dessa guerra que tu queres)?

    Ou vais, agora, fazer que nem o Reinaldo Azevedo, que encosta o fiofó na parede, criticando o badernão lumpem que ele próprio elogiou, (achando que isso facilitaria a derrota do PT em 2014)?

  71. Elias said

    I
    “Na semana passada, a violência (ou a falta de segurança) voltou ao centro dos debates. O flagrante de um jovem criminoso nu, preso a um poste por um grupo de justiceiros deu início a um turbilhão de comentários polêmicos. Em meu espaço de opinião no jornal “SBT Brasil”, afirmei compreender (e não aceitar, que fique bem claro!) a atitude desesperada dos justiceiros do Rio.” (Sheheheherazarada, citada pelo Chester, claro)

    Outra que põe o fiofó na parede…

    O que significa o “compreender” dela? É “entender”?
    Após profunda reflexão ela finalmente “compreendeu” que o cara tinha sido amarrado nu a um poste?

    Já sei! É que, inicialmente, ela pensou que o cara tinha tirado a roupa pra subir no poste. Aí ela pensou, pensou, pensou, e, finalmente “compreendeu” que não era bem isso…

    Então, tá…

    II
    “Na prática, o policial terá que responder criminalmente por toda morte ocorrida em confronto com bandidos. Em outras palavras, é desestimular qualquer reação contra o crime. Ou será que a polícia ousará enfrentar o poder de fogo do PCC (Primeiro Comando da Capital) ou do CV (Comando Vermelho) munida apenas de apitos e cassetetes?” (Sheheheherazarada, citada pelo Chester, claro)

    Mesmo com o marquês de rabicó na parede, a Sheheheherarararazarada não pode negar a própria natureza…

    Em qualquer país civilizado — e até mesmo nos países não civilizados, como o Brasil — é assim. E é assim que tem que ser: todo e qualquer policial TEM (e não “terá) que responder CRIMINALMENTE por toda e qualquer morte que ele causar, em confronto com qualquer pessoa.

    Só uma mentalidade doentia, pervertida, destituída de qualquer senso de responsabilidade, uma espécie de idiota violento(a), pode conceber um policial com licença para matar, sem responsabilidade criminal.

    Só um(a) completo(a) idiota, pervertido(a) e animalesco(a) não consegue entender que um policial é um ser humano como qualquer outro, e, por isto mesmo, portador das virtudes e imperfeições própria do ser humano.

    Um policial desonesto poderia, p.ex., intencionalmente ou não, matar o irmão ou o filho da Sheheheherarararadoidada, e simplesmente alegar que se tratava de um bandido, flagrado em plena atividade criminosa, e que resistiu à prisão.

    Mesmo tendo que responder criminalmente pelas mortes que provoca, não falta policial fazendo isso. Neste ano, mesmo, a crônica policial registra várias ocorrências de pessoas que foram assassinadas por policiais, só porque estavam usando a roupa errada…

    Essa Sheheheherarararabilolada só não é simplesmente ridícula, porque é muito mais repugnante…

    Mudei de ideia… Não quero mais adotar esse traste!

    Vou oferecer adoção a uma bandida menos nojenta…

  72. Pax said

    Caro Elias,

    Se você olhar com um pouco de honestidade o que escrevi… só um pouquinho…

    Aqui está, comentário #46 — MEU COMENTÁRIO

    Se for necessário uma guerra civil para mudar o rumo do país, se chegarmos neste extremo, acho que faz parte, sim.

    Se eu quero que isso aconteça, se eu apoio black blocs, se eu apoio saques e vandalismos, aí já passa a ser uma viagem que sugiro não adentrar.

    Mesmo porque eu não faço nada disso.

    Só acho que a situação atual e o rumo (não é um privilégio exclusivo do PT, o PT é que gosta de assumir todas as culpas do que ele passou a praticar igualzinho os outros, sem tirar nem por), é insustentável, não existe condição de continuar assim e nada acontecer.

    E a culpa, sinto muito, não é dos manifestantes.

    E acho uma tremenda burrice associada a uma tremenda canalhice quem afirma isso, que a culpa deste caos nacional é dos manifestantes.

    Não é.”

    AGORA

    É demais pedir um pouco de honestidade para um petista?

    Se é para agredir, vamos nessa (não vale colocar mãe e parente no meio e toda mentira será apontada)!

  73. Pedro said

    Falando em agressão.

    Parece que os jornalistas cansaram de apanhar:

  74. Pax said

    Agora mesmo tem uma lei em tramitação no Congresso. Vou falar de orelhada, não li o projeto. Mas as críticas que estou lendo alhures, nas redes sociais, dizem que prevê tipificação de terrorismo para quem se manifestar às ruas. Pena de 30 anos de reclusão.

    Quer dizer que —- se isso for assim mesmo —- que todos devem dizer amém aos senhores do poder?

    Se uma lei dessa passa, é aprovada, não é motivo pra todo mundo ir às ruas? Entendo que sim, claro que sim.

    Ah, mas os petistas vão reclamar, ainda mais se estiverem apoiando a aprovação dessa lei fascista.

    Ainda mais se for por conta da Copa 2014 e Olimpíadas 2016, só pro governo aparecer bem na foto.

    De novo, isso pra mim é fascismo. Quem estiver dentro deste projeto no Congresso e no Executivo, apoiando ou aprovando um estrupício de lei desse tipo, merece o quê mesmo? Merece que análise?

    O povo está repleto, vou repetir, repleto, lotado, de motivos para reclamar. Mal pode andar às ruas, a Educação neste país é um crime contra as gerações na idade escolar, a Saúde é negócio e roubalheira pra todo lado, os impostos para as estradas vão “para o bolso do Valdemar da Costa Neto” e seus comparsas, as agências regulatórias são advogados de defesa das operadoras criminosas… e por aí vai.

    E o povo não pode reclamar?

    Então tá. Sentem à sombra e vejam o quanto vou parar de reclamar.

  75. Chesterton said

    Pax, você quer uma guerra civil? Enlouqueceu de vez.

    ““Se for necessário uma guerra civil para mudar o rumo do país, se chegarmos neste extremo, acho que faz parte, sim.”

    chest- falou, tá falado.

    ——————————

    Fiz uma enquete informal e cheguei a conclusão de que 80% das pessoas apoiam os justiceiros. Quanto mais educado formalmente, menor o apoio. Se querem democracia, isto é , a vontade da maioria, a pena de morte e o justiçamento terá apoio do povo (que aliás, já o pratica). Agora talvez a esquerda perceba que não é só democracia que importa, mas o Estado de Direito, este sim com leis que impedem a justiça com as próprias mãos.

    Uma dúvida, Dilma quando assaltava bancos estava cometendo uma injustiça ou fazendo justiça com as próprias mãos?

    Resumindo, eu compreendo as pessoas que fazem justiça com as próprias mãos, mas como tenho curso superior, não aceito. Já Pax compreende a necessidade de uma guerra civil para “mudar” (cruz credo) o país. Acho que Pax quer ver sangue.

  76. Zbigniew said

    Elias,
    a Sheherazade defende uma atitude violenta do particular pelo que ela entende por ausência do Estado. Ou seja, a volta à autotutela, ou, cada um por si.

    Não se engane. Este é o tipo de raciocínio que revela o objetivo político de desacreditar a possibilidade de pacificação social por intermédio das leis e do aparato estatal.

    Mais uma vez surge o nosso ethos pelo comportamento de nossa elite. É a forma como encaramos o espaço público, como propriedade privada. É a herança do velho patrimonialismo brasileiro. Isto se torna mais evidente em momentos de paroxismos, em especial toda vez que governos populares conseguem chegar ao poder. O status quo parte para a ofensiva com base na inapetência e incompetência do governo. No nosso caso, hoje, com o acréscimo da criminalização da política e do PT.

    Ora, sabemos que, por si só a oposição política ao governo federal é um zero à esquerda (se muito). Sem o GAFE (Globo, Abril, Folha e Estadão) simplesmente não teria qualquer expressão de relevo (no sentido das ideias e propostas políticas), e sem o STF não teria expressão de poder “de facto” para emparedar o PT que fez o favor de indicar os próprios algozes.

  77. Chesterton said

    73, Pedro, o bravo se escondeu atrás das mulheres…..

  78. Chesterton said

    Hilario, justiça com a própria câmera.

  79. Chesterton said

    Zbgn%¨&*(,——— vocês não pensem que o povo aguenta bagunça muito tempo. Nada mais violento que reação popular.

  80. Chesterton said

    O povo está repleto, vou repetir, repleto, lotado, de motivos para reclamar. Mal pode andar às ruas, a Educação neste país é um crime contra as gerações na idade escolar, a Saúde é negócio e roubalheira pra todo lado, os impostos para as estradas vão “para o bolso do Valdemar da Costa Neto” e seus comparsas, as agências regulatórias são advogados de defesa das operadoras criminosas… e por aí vai. (para Cuba)

    chest- aqui concordo com a opinião do Pax

  81. Zbigniew said

    Aí eu já não acho que seja questão de dizer algo ridículo ou não. É caso de idiotia mesmo.

    “Um partido que tem Álvaro Dias e Carlos Sampaio entre os principais expoentes, alimentando diariamente o noticiário político com frases vazias e declarações ridículas, aspira a quê?

    A última de Álvaro Dias foi a comparação entre o PSDB e o PT na questão do mensalão. Em entrevista ao Estadão, declarou que o PSDB cumpriu seu dever denunciando o mensalão do PT. Mas o PT prevaricou, ao não denunciar o mensalão do PSDB.”
    http://jornalggn.com.br/noticia/alvaro-dias-na-caca-incessante-ao-ridiculo

  82. Otto said

    Impagável o texto de Jânio de Freitas hoje. É com este tipo de manifestante SA que o Pax quer mudar o rumo do país.

    UM AMARILDO SEM POLÍCIA

    O disparo do rojão foi muito esclarecedor da índole criminosa que muitos ainda negam ao ‘black bloc’

    A razão que levou Fábio Raposo Barbosa a se apresentar à polícia, por conselho de um advogado, é perceptível: está no seu braço. Ao usar manga comprida em sua apresentação à polícia, ele quis, e conseguiu, que ninguém prestasse atenção no seu braço, ali ou depois. O braço já dizia tudo a seu respeito. Sua agressividade já se expõe no tipo de imagem escolhido para tatuar-se: arma, punhal e lâmina de ataque. Estavam à vista no dia da baderna e terminariam por ser observadas para a busca de identificá-lo. Melhor apresentar-se com uma ficção e tatuagens à vista.

    O disparo do rojão foi muito esclarecedor da índole criminosa que muitos ainda negam ao “black bloc”, use ou não esse nome. As imagens móveis mostram que Fábio e seu comparsa caminham em direção determinada, não ao acaso. O segundo avança para depositar o rojão em certo lugar do solo. E, é nítido, ajeita-o para ficar precisamente assim: em direção a uma pessoa de pé, sozinha, tão desprevenida que nem percebe o que se passa ali – está de costas, e é para suas costas que aponta o artefato conduzido por Fábio Raposo e apontado por seu comparsa.

    Uma poderosa bomba de fogo e som em velocidade fulminante, dirigida, deliberadamente, contra uma pessoa indefesa. “Não havia a intenção de matar¨ E precisaria haver? O que foi decidido fazer, o que foi feito, como foi feito e por que foi feito dispensava qualquer consideração sobre consequências.

    Um Amarildo sem a PM. Foi esse o primeiro aspecto.

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=13864

  83. Elias said

    Pax,

    Tu pensas que estás enganando quem?

    Teus comentários estão registrados, nesta e em outras listas. Foram lidos por um monte de gente.

    Tu colocaste a hipótese da guerra civil no contexto da mais recente baderna, da qual resultou a morte do cinegrafista da Rede Bandeirantes.

    Foi uma atitude burra e irresponsável.

    A merda em que se encontra este país não provém apenas da desonestidade. O ignorantismo também tem sua parte (que é a parte que te toca…).

    Pede honestidade de quem tu quiseres.

    Por ora, devolvo-te o privilégio: deves começar pedindo honestidade intelectual e política de ti mesmo… (Vives desqualificando tal ou qual blog, mas… Olha o que tu estás fazendo com o teu, em tuas desatinadas participações nas caixas de comentários…).

  84. Pax said

    Vocês estão se apegando numa frase que escrevi. E eu a repetiria ad nauseam.

    A frase está aqui:

    Se for necessário uma guerra civil para mudar o rumo do país, se chegarmos neste extremo, acho que faz parte, sim.

    mas ela estava com duas outras na sequência…

    Se eu quero que isso aconteça, se eu apoio black blocs, se eu apoio saques e vandalismos, aí já passa a ser uma viagem que sugiro não adentrar.

    Mesmo porque eu não faço nada disso.

    E é isso mesmo. Eu ratifico, confirmo, digo de novo.

    Imagine duas situações:

    1 – o povo do poder de hoje, PT com PMDB (do Sarney, do Renan, enfim, dessa cambada), PP (do Maluf etc), PSD (do Kassab etc), do PR (do Valdemar da Costa Neto etc), etc etc resolve que a partir de agora todo mundo que reclamar deve ser preso (aliás, anda um cheiro bem ruim neste sentido).

    2 – eles mesmo decidem que a partir de agora vão aprofundar as roubalheiras gerais que, segundo fartíssimo noticiário, o caminho não para.

    etc…

    Imaginem uma situação dessas?

    É claro que eu partiria para uma guerra civil. Estaríamos adentrando numa ditadura e eu já vivi ditadura e não quero mais. Claro que partiria para uma guerra civil.

    Agora vamos para outra situação: só trocar PT por PSDB ou PSB e idem ibidem, o povo fica proibido de reclamar e eles resolvem saquear o pouco que ainda não foi saqueado?

    Quem, com um mínimo de razão, não partiria para uma guerra civil?

    Agora eu repito o que disse, de novo: Não quero que isso aconteça, não apoio black bloc, não apoio saque, qualquer vandalismo. Acho que o povo em massa, às ruas, é capaz de pressionar governo, congresso, judiciário etc. É, sim. Sem precisar quebrar nada. É só se juntar aos milhões às ruas, impedir que esses protestos sejam apropriados por a ou b ou c, permitir, sim, que partidos estejam presentes mas não se adonem dos movimentos, enfim, isso já aconteceu, Diretas Já foi assim, Fora Collor foi assim etc etc.

    Se o PT tá com medinho, confesso que estou pouco me lixando. Se o PSDB está com medinho em SP, confesso que estou pouco me lixando.

    O povo está repleto, lotado de razões para reclamar. A começar pela corrupção deslavada que todos, repetindo TODOS praticam.

    Alckmin tá nervosinho porque o povo reclama dos trens e metrô de SP… e uma roubalheira de bilhão sendo descoberta, cada dia mais, o povo se ferrando como gado nas estações, idem ibidem no Rio e a tal SuperVia do Inferno, nos hospitais, escolas caindo aos pedaços e esses governadores só sabem colocar polícia e mais polícia contra manifestações. Sequer apresentam respostas decentes com obras e planos fiscalizáveis. Só polícia.

    E nós todos sabemos muito bem que é bastante fácil infiltrar gente nas manifestações, policiais atiçando, ou se ausentando, tem de tudo, Cabral e Alckmin já fizerem isso sim, já deram tiro em olho de jornalistas. não morreram por sorte.

    Agora estamos (EU ESTOU, SIM), consternados com a morte do cinegrafista da Band. É um horror, uma tragédia, destruíram uma família além da morte de um trabalhador, juro que escondi o olho cheio d’água. Mas… e se os jornalistas que foram atingidos pelas balas de borracha tivessem morrido? E se meu sobrinho tivesse morrido no ataque de asma que teve por estar na manifestação. Só porque o moleque é do PSTU? Não pode ser oposição a governo, seja ele do PSDB ou do PT? Ou quem quer que seja, ora bolas!

    Me poupem. Se o rumo for esse, de proibir oposição, não há outra saída a não ser guerra civil. Ditadura nunca mais!

  85. Elias said

    Usei o termo “ignorantismo” ainda há pouco, me referindo ao Pax e seus volta e meia desmiolados comentários.

    Nem a propósito, logo a seguir, topei com o mais recente artigo do Luiz Flávio Gomes, no JusBrasil.

    Só o primeiro parágrafo:

    “O assassinato gratuito e escabroso (de forma intencional, no mínimo dolo eventual) de um cinegrafista da Band num protesto contra o aumento das passagens de ônibus no Rio de Janeiro reforça a ideia de que vivemos no país das belezas naturais inigualáveis, mas também da mais escrota e irresponsável bandidagem (seja fraudulenta, seja violenta), que constitui uma das heranças malditas do colonialismo extrativista e saqueador, que ao povo transmitiu a cultura do autoritarismo, do IGNORANTISMO, do parasitismo, do desigualitarismo (segregacionismo) e do cruel selvagerismo.” (Luiz Flávio Gomes é jurista, professor e ex-Juiz de Direito).

    Uma desmiolada intelectualmente desonesta que coloca um sinal de igualdade entre “policial responder criminalmente pelas mortes que provoca no exercício da profissão” e “policial enfrentar bandidos desarmado”, assim como um tolo que acha que uma guerra civil tem alguma coisa a ver com a solução dos problemas brasileiros, contribuem para a merdolência tanto quanto os males que eles pensam (ou pensam que pensam) combater.

    O país precisa disso tanto quanto o tolo e a desmiolada intelectualmente desonesta precisam de um tiro na cabeça…

    Putz!

  86. Elias said

    “Se for necessário uma guerra civil para mudar o rumo do país, se chegarmos neste extremo, acho que faz parte, sim.”

    Que coisa mais boba…

    Guerra civil, garoto, é uma luta pelo poder.

    Pra que ela exista, é necessário que haja pelo menos duas concepções de condução do Estado antagônicas e inconciliáveis, estruturadas organicamente, etc., etc.

    Podias, pelo menos, consultar uma dessas enciclopédias que há por aí, pra dar uma olhada nas definições de guerra civil, antes de dizer (e o que é pior, reafirmar um porradal de vezes) semelhante tolice.

  87. Elias said

    I
    “1 – o povo do poder de hoje, PT com PMDB (do Sarney, do Renan, enfim, dessa cambada), PP (do Maluf etc), PSD (do Kassab etc), do PR (do Valdemar da Costa Neto etc), etc etc resolve que a partir de agora todo mundo que reclamar deve ser preso (aliás, anda um cheiro bem ruim neste sentido).”

    Esqueceu do PSDB, neném? Tá no “etc.”?

    II
    “É um horror, uma tragédia, destruíram uma família além da morte de um trabalhador, juro que escondi o olho cheio d’água. Mas… e se os jornalistas que foram atingidos pelas balas de borracha tivessem morrido?”

    E se houvesse ocorrido um terremoto, a terra abrisse e tragasse todos os manifestantes? E se um maremoto de 150 metros de altura houvesse afogado todo o pessoal — manifestantes, policiais, jornalistas, etc.? E se o cretino que lançou o rojão houvesse desistido de ir ao badernão, porque voltou pra casa dele, interessado no que a mulher dele estava fazendo com o vizinho, na cama?

    Tem até graça, citar de passagem uma tragédia acontecida, pra fechar a ênfase em algo que não aconteceu…

    Chega a ser desrespeitoso para com o cinegrafista assassinado… (O “olho cheio d´água” tem, no texto, a mesma função da manteiga usada pelo Marlon Brando em “O último tango em Paris”).

    É preciso ter muita fé na idiotice alheia pra usar um artifício desse tipo…

    Ora, Pax, falemos do que aconteceu, não do que poderia ter acontecido.

    E o que aconteceu foi um assassinato, cometido por um criminoso que, de moto próprio, e com a colaboração de outro facínora, saiu de casa com o propósito de agredir alguém.

    Isso não tem nada a ver com democracia nem com o direito de fazer oposição.

    É desonesta e mentirosa tua afirmação de que existe, no Brasil, algum obstáculo ao exercício da liberdade política, principalmente a liberdade de fazer oposição.

    Tá na cara o que está acontecendo: uma oposição politicamente incompetente, medíocre, desarticulada, incapaz de se organizar para conquistar o poder, e que resolveu apelar pra ignorância, sonhando não com uma guerra civil, mas com um golpe de Estado.

    Aí perdeu o controle da situação, até porque a situação política brasileira é fluída. Complexa.

    No Brasil, o poder político está distribuído entre os principais partidos, e é impossível montar um “protesto nacional” digno desse nome, sem chamuscar todos esses partidos.

    A “manifestação” em Minas Gerais, p.ex., acaba afetando mais o PSDB do que o PT. Em São Paulo, capital, acaba sobrando pra ambos… E assim por diante.

    Nessas circunstâncias, a coisa perde o foco… E os tolinhos acabam perdendo o norte…

    É o teu caso, percebe?

    II
    Teus sobrinhos tiveram problemas de asma, numa manifestação?

    E se eles tiverem um ataque de asma num estádio de futebol, sufocados pelo fumacê daquele foguetório todo?

    E se esse ataque de asma se manifestar na praia, por excesso de esforço, nadando, jogando frescobol ou futebol de areia?

    Tem dó, rapaz…!

    Estás ficando mais pirado que o Chester… Que, pelo menos, tem a atenuante de ser português… (E, como sempre disse o Ruy Guerra, cidadão português: “ninguém é português impunemente…”).

  88. Chesterton said

    84, é Pax, me parece que tens razão.

  89. Chesterton said

    Pra que ela exista, é necessário que haja pelo menos duas concepções de condução do Estado antagônicas e inconciliáveis, estruturadas organicamente, etc., etc.

    chest- PT e Exército.

  90. Chesterton said

    11/02/2014 às 21:00
    Passageiros de ônibus hostilizam “Sininho” e a impedem de entrar no veículo. Está provado: pobre não gosta de bagunça

    Por Pâmela Oliveira, na VEJA.com:
    Elisa Quadros, conhecida como Sininho, sentiu na própria pele a reação contrária da população às manifestações violentas que voltaram a tomar conta do Rio de Janeiro nos últimos dias. Ao deixar a 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão) nesta terça-feira, ela fez sinal para um ônibus no ponto mais próximo, mas o motorista do coletivo se recusou a parar. O condutor não quis contrariar um grupo que, de dentro do coletivo, gritou: “Aqui você não entra”.

    “Chega de hipocrisia”, gritaram alguns dos passageiros da linha 474 (Jacaré-Jardim de Alah), depois de vê-la vestida com uma camiseta com os dizeres “Favela não se cala”. A agora famosa black bloc também foi chamada de “assassina” por um homem que passava pela rua e precisou ser contido por um policial militar. Assustada, ela chegou a pedir até o auxílio de um profissional da imprensa que seu grupo tanto critica.

    Sininho foi à delegacia prestar depoimento a respeito de uma oferta supostamente feita por ela em nome do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) ao advogado de Fábio Raposo, preso sob a acusação de ter repassado o rojão que atingiu a cabeça de Andrade. O estagiário do defensor Jonas Tadeu Nunes afirma ter recebido uma ligação dela dizendo que os advogados do parlamentar poderiam auxiliar na defesa de Raposo.

  91. Chesterton said

    Vai acabar mal

  92. Pax said

    Caro Elias, tento te entender, da melhor forma possível, tento mesmo. Tento, neste blog, olhar para todos os lados, os bons, que não é meu feitio de ficar elogiando governo, e os ruins, aí sinto até um certo prazer, de mostrar o que o noticiário publica – e que acho coerente reproduzir – da corrupção deslavada que rola.

    Até entendo, caro Elias, que você se incomode, que eu não repita os mantras de “julgamento político, estado de exceção!” e todas essas bestagens.

    Claro que entendo.

    Quando o poder vira de um conceito púlblico para um conceito privado, não há muito o que fazer, a não ser agredir quem mostra o que rola.

    Mas você me desculpe, caro Elias.

    Eu não estou do lado do poder que rola. Nunca estive. Estou do lado de quem, honestamente, gere a coisa pública para o público.

    É simples. Simples pacas.

    Não, não esqueci do PSDB, não voto no PSDB… neném. Olhe o blog e reflita sobre as ofensas que fazes, neném.

  93. Pedro said

    Calma senhores…… estas agressões verbais, ainda vão provocar uma guerra civil aqui no blog.

    ……………………….

    Googlias, vc força a barra quando vem com este tipo de afirmação:

    “Tá na cara o que está acontecendo: uma oposição politicamente incompetente, medíocre, desarticulada, incapaz de se organizar para conquistar o poder, e que resolveu apelar pra ignorância, sonhando não com uma guerra civil, mas com um golpe de Estado.”

    Trago um comentário de outro blog pra refrescar a memória:

    “A manifestação do ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República Gilberto Carvalho (chefe do gabinete pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seus dois mandatos) sobre a morte do repórter cinematográfico Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, que teve sua morte cerebral decretada ontem (10 II), é análoga ao meliante que furta a bolsa de uma senhora octogenária e sai gritando “pega ladrão”.

    Investigação da Polícia Civil do Distrito Federal apontou servidores lotados na Presidência da República, subordinados ao ministro Carvalho, como líderes da manifestação e da queima de grande quantidade de pneus que bloqueou, na manhã do dia 14 de junho de 2013, as seis faixas da via N1, no Eixo Monumental de Brasília.

    Quem comprou os pneus, contratou o caminhão para transportá-los e pessoas para incendiá-los, segundo a Polícia Civil: Mayra Cotta Cardozo de Souza, assessora especial da Secretaria Executiva da Presidência da República, João Vitor Rodrigues Loureiro, assessor da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Presidência da República, Gabriel dos Santos Elias, até maio/2013 assessor da Subchefia de Assuntos Parlamentares e Danniel Gobbi Braga da Silva, assessor internacional da Secretaria Geral da Presidência, com salário de R$ 11,3 mil.”

    O comentário todo está aqui

    http://www.deolhonacapital.com.br/2014/02/11/reflexoes-sobre-a-morte-do-cinegrafista/

    Esta de jogar a responsabilidade da bagunça no colo da oposição, não cola.
    Que a oposição tente tirar uma casquinha da situação, é do jogo. Agora, dizer que a oposição incentiva a baderna, pra conquistar o poder com um golpe de Estado. Sei não, parece escrita que saiu do fígado e não do cérebro.

  94. Chesterton said

    Elias tenta manter uma coerência lógica no apoio ao governo. Aí, fica doido.

  95. Pax said

    são todos iguais…. quando os seus são apontados…

    assesseor do Aécio é réu do mensalão tucano, ora pois

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/02/1410881-reu-do-mensalao-tucano-assessora-aecio-neves.shtml

  96. Chesterton said

    Não falei que o PT é a origem de odo mal?

  97. Otto said

    Ora pois, a origem do mal é a máfia do jaleco branco.

  98. Chesterton said

    A histeria dos comissários

    12/02/2014 03h40

    Os surtos histéricos diante da violência urbana dão em nada. Se dessem, ela já teria acabado há décadas. Já os surtos de histeria política, quando dão em alguma coisa, acabam mutilando as liberdades públicas.

    O senador Jorge Viana defendeu a aprovação em regime de urgência de um projeto de seu colega petista Paulo Paim que classifica como terrorismo os atos de violência física praticados durante manifestações de rua. Depredações e mesmo desacato à autoridade policial são delitos previstos no Código Penal. Isso para não se mencionar o homicídio do cinegrafista Santiago Andrade.

    O projeto petista define assim o ato terrorista:

    “Provocar ou difundir terror ou pânico generalizado mediante ofensa ou tentativa de ofensa à vida, à integridade física ou à saúde ou à privação da liberdade de pessoas”.

    A pena iria de 15 a 30 anos de prisão. Se a ação resultar em morte, sobe de 24 a até 30 anos. Fica por aí porque esse é o limite máximo da pena de reclusão nas leis brasileiras.

    Deixando-se de lado o caráter vago do que seria “provocar ou difundir terror ou pânico generalizado” e a precisão da pena mínima (15 anos de reclusão), pode-se buscar um caso semelhante de histeria, com danos historicamente conhecidos.
    Que tal assim?

    Será crime “comprometer a segurança nacional, sabotando quaisquer instalações militares, navios, aviões, material utilizável pelas Forças Armadas, ou ainda meios de comunicação e vias de transporte, estaleiros, portos, aeroportos, fábricas, depósitos e outras instalações:

    Pena: reclusão de 8 a 30 anos.”

    Essa era a redação do artigo 11º da Lei de Segurança Nacional, baixada a 21 de outubro de 1969, no auge da ditadura, pouco depois do sequestro do embaixador americano Charles Elbrick.

    A pena mínima para um sabotador de quartel ou aeroporto (imputações específicas) era de 8 anos. Para assalto a banco ou sequestro de avião ela ia de 10 a 24 anos. Nos dois casos, as penas eram inferiores às que prevê o surto petista. Caso o delito resultasse em morte, a pena seria de fuzilamento. Apesar de ter havido uma condenação, ninguém foi executado dentro das normas legais.

    O comissariado quer expandir a definição de terrorismo precisamente numa época em que sexagenários que militaram em organizações da esquerda armada aborrecem-se quando alguns de seus atos são chamados de ações terroristas. O atentado do aeroporto dos Guararapes, por exemplo, quando explodiu uma bomba no saguão, matando duas pessoas e ferindo 14. Ele ocorreu em 1966, dois anos antes da edição do Ato Institucional nº 5. Oito meses antes do AI-5, um documento do Comando de Libertação Nacional, o Colina, dizia que “o terrorismo, como execução (nas cidades e nos campos) de esbirros da reação, deverá obedecer a um rígido critério político”. Assim, quatro meses antes da edição do AI-5 mataram um major alemão que pensavam ser o capitão boliviano que estivera na operação que resultou no assassinato do Che Guevara. Nessa organização militava, com o codinome de Wanda, a doutora Dilma Rousseff. Tinha seus 20 anos e nunca foi acusada de ter participado de ação armada.

    Como diria Ancelmo Gois: “Calma, gente”.

    Elio Gaspari

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/eliogaspari/2014/02/1410951-a-histeria-dos-comissarios.shtml

  99. Pax said

    o mundo pode melhorar, sim, basta constatar que o velho, bom e rabugento Chesterton não lê só porcaria, lê Elio Gaspari.

    poxa, emocionei!

    =)

  100. Chesterton said

    O Gasperi mandou ver. A lei que a Dilma quer a colocaria na prisão a Wanda.
    Vem cá, Dilma quando assaltava bancos fazia injustiça ou justiça com as próprias mãos?

  101. Chesterton said

    O povo brasileiro quer médico de graçahttp://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/02/1410927-desertor-do-mais-medicos-deu-pista-de-fuga-para-os-estados-unidos.shtml

  102. Chesterton said

    Esses cubanos contam com todo o apoio dos brasileiros decentes, que torcem para que consigam a tão sonhada liberdade – bem completamente escasso em Cuba. Fugir para os Estados Unidos é bem mais seguro do que pedir asilo ao Brasil, como fez Ramona. Algo que nos envergonha muito, mas é o fato: temos um governo conivente com a ditadura cubana, cúmplice, que atua até como seu “capitão do mato”.

    A nossa esquerda adora enaltecer as “conquistas sociais” de Cuba, principalmente na área da saúde. Mito. Puro mito. A ilha caribenha se especializou em “produzir” médicos em série, na verdade enfermeiros treinados que dificilmente passariam no teste Revalida, e tampouco conseguem atuar como médicos nos Estados Unidos. Mas viraram “produto” de exportação dos irmãos Castro, como se escravos fossem. Há quem compre, como o governo do PT.

    Faço meus votos para que mais e mais cubanos tentem fugir, pedir asilo, desertar do programa “Mais Médicos”, que é desde o começo ilegal, imoral e puramente eleitoral – se não for instrumento corrupto de transferência de recursos para o “paraíso fiscal” cubano, que retornarão depois para financiar a campanha do partido.

    Fujam, cubanos! Nós brasileiros compreendemos perfeitamente esta sede por liberdade. Boa sorte nos States!

    Rodrigo Constantino

  103. Chesterton said

    na mosca

    É, pelo visto está difícil o governo conseguir um “cavalo de Tróia” para enganar o mercado. Parece que finalmente os empresários acordaram! Mesmo os mais próximos do governo… Vejam notícia do GLOBO:

    O empresário Abílio Diniz, presidente do conselho administrativo da BRF, foi convidado pelo Palácio do Planalto para assumir o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) no lugar de Fernando Pimentel, que deixará o cargo para se candidatar ao governo de Minas Gerais. Segundo fontes, o nome de Diniz surgiu há cerca de duas semanas, como alternativa a Josué Gomes da Silva, filho caçula do falecido vice-presidente José Alencar, que recusara o convite para assumir a pasta.

    Diniz confirmou a pessoas próximas ter recebido o convite. E disse ter ficado lisonjeado com a lembrança de seu nome. Mas explicou que não aceitaria o convite por considerar que, neste momento, pode “colaborar mais com o país” ficando na iniciativa privada.

    A substituição do novo titular do MDIC tem sido um desafio para a presidente Dilma Rousseff. Além de Abílio Diniz e Josué Gomes da Silva, também disseram não o atual ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif, e o ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa.

    Que dureza, dona Dilma! Aceita um Dreher? Pelo visto não será tarefa trivial acalmar o mercado apenas no gogó e com algum troféu no ministério. Após tanta burrada e intervenção, a turma está como São Tomé: quer ver para crer. Ninguém tem coragem – ou insanidade – para se expor dessa maneira e virar bucha de canhão. Credibilidade é algo que se leva anos para construir, mas dias para destruir.

    Como não sou da turma do “quanto pior, melhor”, vou tentar colaborar. Eis dois nomes de empresários que provavelmente aceitariam o convite: Benjamin Steinbruch e Eike Batista. O primeiro, pois basta ler seus artigos na Folha para ver como aplaude seu governo incompetente; o segundo porque deve (ou deveria) ter um sentimento de gratidão por toda a ajuda que recebeu do BNDES no governo do PT.

    Só acho que nenhum dos dois nomes serviria para acalmar o mercado. Mas isso já é outra história…

    Rodrigo Constantino

  104. Pax said

    Rodrigo Constantino? pulo…

    (quer dizer, não sei se posso reclamar de alguém que não gosto de ler, o caro Elias anda bravo comigo porque não gosto do tal Cafezinho… era só o que me faltava, nessa idade ser patrulhado)

    Na Folha chamaram o mensalão Tucano de … mensalão Tucano. Na Band (ouvindo aqui), chamaram o mensalão Tucano de … mensalão Tucano.

    Até que enfim.

    Nada de mensalão de MG, mensalão mineiro, mensalão de Eduardo Azeredo. É bom que se dê o nome certo aos bois.

    Agora voltando ao comentário que me emocionou, do velho e bom Chesterton, o recuperável Chesterton, que nos brindou com o artigo de hoje do Elio Gaspari.

    E não é que a gente tem escancarado que é o PT, sim, que quer implantar uma lei mais dura que as da própria Ditadura!

    Caramba, onde isso vai parar.

    se for preso, por favor, infiltrem um computador com 3G dessa qualidade Paulo Bernardo/Dilma Rousseff para que possa continuar a falar mal do que me der na telha, pode ser galera?

    se não leram o artigo do Gaspari, vou colocar de novo e de novo até que leiam, como o caro Otto já me ensinou (e não reclamo não, gosto quando o Otto faz isso)

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/eliogaspari/2014/02/1410951-a-histeria-dos-comissarios.shtml

  105. Chesterton said

    gasperi de vez em quando abre o olho

  106. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/a-cada-enxadada-uma-minhoca-ou-esta-explicada-a-indignidade-do-sindicato-dos-jornalistas-do-rio-ou-basta-procurar-um-pouco-e-sempre-se-chega-a-marcelo-freixo/

  107. Chesterton said

    http://blogcasamata.blogspot.com.br/2009/01/quem-achille-lollo-pergunte-ao-psol.html

    fundador do PSOL

  108. Otto said

    Chesterton, pena que os médicos cubanos fugidos pros States não possam trabalhar em medicina:

    “Médicos cubanos são “livres” nos EUA, mas não para serem médicos.”

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=13903

  109. Chesterton said

    pagina do PSOL removida

    http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache%3A6QCuHmuM0MQJ%3Apsol50.org.br%2Fsite%2Fartigos-e-entrevistas%2F583%2Ftatica-black-bloc-condenar-conviver-ou-se-aliar+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=us

  110. Otto said

    Adote você também um neonazista:

    “Anjos-linchadores” da Barbie têm ficha criminal. A senhora que adotar um deles, D. Raquel?

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=13909

  111. Chesterton said

    Claro, Otto, para trabalhar como médico é preciso ser médico. Alguns conseguem depois de alguns anos, outros ainda conseguem trabalhar como paramedicos e ganhar 150 mil dolares por ano. Que tal comparar com o salario de “médico” em Cuba?

  112. Chesterton said

    URGENTE! VENEZUELA À BEIRA DE UMA GUERRA CIVIL. POPULAÇÃO RECHAÇA O REGIME COMUNISTA E VAI PARA AS RUAS DESAFIANDO OS BANDOS ARMADOS DO TIRANETE NICOLÁS MADURO!

    A situação política na Venezuela voltou a ferver e os cidadãos estão saindo às ruas em diversos pontos do país para exigir a saída do tiranete Nicolás Maduro, títere de Fidel Castro e seu irmão Raúl. Como uma panela de pressão pronta para explodir a Venezuela pode viver uma guerra civil. O país, segundo a deputada Maria Corina Machado, já vive um regime comunista cubano.
    A deputada oposicionista concedeu entrevista por telefone ao jornalista Antonio Maria Delgado, do jornal El Nuevo Herald de Miami (EUA). Segundo Maria Corina, já não existe, na realidade, nenhum mecanismo institucional que funcione na Venezuela. Há uma ditadura pura e simples e todas as eleições são uma pantomima, um jogo de cartas marcadas. O chavismo que embala o tiranete Maduro não aceita qualquer resultado eleitoral que divirja do oficialismo.
    Pelo Twitter e demais redes sociais há fotos e vídeos que revelam o clima de alta tensão que vive a Venezuela e a tese do diálogo e a busca do poder democrático por meio de eleições, segundo prega Henrique Capriles, não tem qualquer chance de obter resultados.
    Segundo Maria Corina, aos venezuelanos só resta ir para as ruas em massa exigir a renúncia de Nicolás Maduro.
    Constata-se pelas notícias que vêm da Venezuela que o clima realmente ferve. Há bandos de mascarados pilotando motocicletas e armados espalhando o terror. São os ditos “coletivos chavistas”, conforme se pode verificar no vídeo acima quando invadem um conjunto residencial e destroem todos os veículos atirando sem parar. Ouve-se claramente sucessivos disparos de armas de fogo.
    Transcrevo como segue, no original em espanhol, a entrevista concedida pela deputada Maria Corina Machado. Leiam:

    Deputada Maria Corina Machado
    EN ESPAÑOL – La diputada de la oposición María Corina Machado lanzó el martes un nuevo llamado a los venezolanos a salir a las calles para exigir pacíficamente que Nicolás Maduro salga del poder, señalando que ya se han agotado todas las demás instancias para combatir a “un régimen militar y militarista que opera bajo el tutelaje de Cuba”.
    “Ya no hay tiempo que perder. ¿Qué es lo que tenemos que esperar para salvar a Venezuela y para reaccionar? Partamos de la base de que en Venezuela hoy no hay democracia”, dijo Machado a el Nuevo Herald en una entrevista telefónica.
    Los comentarios refuerzan las decisiones adoptadas por Machado junto con los dirigentes Leopoldo López y Antonio Ledezma de desmarcarse del liderazgo ejercido hasta ahora por el ex candidato presidencial Henrique Capriles, quien ha calificado el camino de las manifestaciones callejeras como un “atajo al poder”.
    Capriles, quien hasta hace unas semanas era considerado como el máximo líder de la oposición, ha estado insistiendo en la necesidad de evitar la violencia y de competir por el poder políticamente a través de las elecciones, lo que implicaría esperar hasta los comicios del 2015 y 2019.
    Pero Machado insistió en que Venezuela no tiene ese tiempo, enfatizando que el derecho a la manifestación pacífica está consagrada en la Constitución.
    “Quienes creen que la única opción es esperar el 2015 o el 2019 (para competir electoralmente), subestiman lo que es la acción del gobierno en estos tiempos para aniquilarnos”, sostuvo.

    Estudante baleado pelas tropas de assalto do tiranete comunista Nicolás Maduro, é socorrido em Mérida. Foto do site Noticiero Digital
    “El régimen en el poder es un régimen militar y militarista con, obviamente, un tutelaje del castro comunismo”, insistió.
    Pero Machado reiteró que la propuesta electoral de Capriles no es viable porque el chavismo simplemente no está dispuesto a aceptar una derrota electoral.
    El sistema electoral venezolano, controlado totalmente por el chavismo, ha sido reducido a un instrumento “perverso” que solo está allí para legitimar el fraude cometido en las urnas, dijo.
    “Todos vimos como podemos ser mayoría y ganar una elección y no lograr un cambio político. Eso ocurrió el 14 de abril. De modo que para poder lograr un cambio político por la vía electoral hay que lograr primero una presión y un cambio profundo en el diseño electoral, producto de la movilización y las presiones ciudadanas en las calles”, dijo.
    Eso sí, las manifestaciones de protesta no pretenden ser violentas.
    Machado enfatizó que no hay forma de que sean de otra manera.
    “Las armas la tiene el gobierno. Lo que nos queda es la protesta y la organización cívica no violenta. Y a eso es lo que estamos convocando hacer, a toda la sociedad”, enfatizó.
    La diputada, quien al igual que López compitió contra Capriles en las primarias presidenciales de la oposición del 2012, dijo que los venezolanos atraviesan actualmente por días muy oscuros.
    No solo enfrentan las repercusiones de la crisis económica y social, padeciendo una aguda escasez de productos y una de las tasas de inflación más altas del planeta, sino que ahora es víctima de un régimen que está haciendo uso de instrumentos cada vez más represivos para tratar de controlar el descontento social.
    Esos mecanismos, por ejemplo, está llevando a Maduro a encarcelar bajo cargos de terrorismo a estudiantes que protestan en las calles.
    “Vemos lo que parecerían tremendas contradicciones. Tenemos sueltos los miembros de la banda de Los Orejones (que hace unos días asaltaron un cuartel policial con armas de guerra), pero los muchachos que protestan en contra de la injerencia cubana son sancionados y tratados como terroristas y criminales”, comentó.
    “Esa es la evidencia de que el régimen necesita acallar y apaciguar a como de lugar a la sociedad”, dijo.

    http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2014/02/urgente-venezuela-beira-de-uma-guerra.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+BlogDoAluizioAmorim+(BLOG+DO+ALUIZIO+AMORIM)

  113. Pax said

    Não sabia que o Paulo Bornhausem tinha cambado para o PSB e para a Rede.

    Mais um motivo para criticar essa opção. Forte motivo. Fortíssimo.

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2014/02/12/em-sc-rede-de-marina-silva-convive-em-harmoniosamente-com-paulo-bornhausen/

  114. Pax said

    Concordo!

    Freixo também diz que a crítica deve ser veemente. “Houve uma escalada da violência de todos os lados, do Estado e de parte dos manifestantes. Isso trouxe enorme prejuízo para a democracia, afastou as massas e o debate ficou secundário.”

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,psol-reconhece-erro-em-nao-condenar-extremistas,1129290,0.htm

  115. Chesterton said

    Concorda porra nenhuma, Freixo é um meliante.

    ———————

    ROBIN VOLTA DO SEMINÁRIO DO POLITICAMENTE CORRETO.

    Batman: Olá Robin. Como foi lá no seminário?
    Robin: Bem, bem, aprendi muitas coisas.
    Batman: Ótimo, voce me conta durante a ronda.

    JÁ NAS RUAS

    Batman: Veja, Robin, aquele homem esta assaltando aquela mulher. Vamos interceder.
    Robin: Tá, mas sem violência.
    Batman: Oi?!
    Robin: Eu disse, sem violência contra o suspeito.
    Batman: Suspeito?! o homem esta com a arma na mão, Robin, é notório que ele é culpado. E que papo é esse de sem violência? nós sempre batemos nos bandidos e depois amarramos eles nos postes.
    Robin: Pois é, em primeiro lugar, não temos poder para julgar legalmente a culpabilidade do cidadão sem a apresentação de um caso por um promotor. Segundo, a sua suposta vítima não prestou nenhuma queixa formal contra o suspeito. Terceiro, bater nos suspeitos e amarra-los nos postes é humilhação, e tortura.
    Batman: Robin, isso não faz sentido. Olha lá, ele ta com mascara de palhaço, é do bando do Coringa. A gente dá umas bordoadas nele e descobre onde o Coringa esta pra ir atras dele.
    Robin: Hum, sim, além de prisão ilegal, agressão e tortura, você quer adicionar perseguição política a essa sopa?!
    Batman: PERSEGUIÇÃO POLÍTICA?!?! o Coringa é um maníaco homicida!!
    Robin: Só porque você não concorda com as opiniões dele, você se acha ‘superior’.
    Batman: Robin… ele MATA pessoas por DIVERSÃO…
    Robin: Ele é um cidadão, e tem os direitos dele. Como por exemplo não sofrer abusos por parte de foças policiais ou de um “poder paralelo”, que é o seu caso, Batman.
    Batman: Pronto, o cara matou a mulher e roubou a bolsa dela. Satisfeito, Robin?
    E agora, o que você vai falar pra família dela?
    Robin: Eu? Nada, não é problema meu.
    Batman: Como não? ela foi morta porque você ficou me apurrinhando sobre os direitos do facínora, que agora esta livre, leve e solto, enquanto ela esta ali, estirada no meio da calçada.
    Robin: Isso é fruto da sociedade vil, injusta e desigual de Gotham. Essa mulher ai mesmo, devia ser uma patricinha de classe média consumista e alienada. O pobre rapaz estava apenas tentando sobreviver, ja que cresceu nas ruas e passou necessidade.
    Batman: Está insuportável tentar levar justiça a Gotham com essa sua faceta defensora de criminosos.
    Robin: “Justiça” não, Batman, vingança. Você tem motivos pessoais pra achar que todo ladrão e assassino é má pessoa. Porque você não vai atrás dos políticos? Porque você é bilionário, e precisa proteger os interesses obscuros da empresa, claro. Mas desconta sua raiva e frustração nos pobres. E nos imigrantes, ou você pensa que essa sua guerra contra a máfia não soa racista?
    Batman: Robin… eu desisto. Vamos voltar para a Batcaverna. Vou pedir ao Alfred pra preparar nossa janta.
    Robin: (silêncio)
    Batman: (silêncio)
    Robin: O Alfred nunca tira ferias ou folga nos fins de semana. Isso é exploração de trabalho escravo.
    Batman: Chega, Robin! (clica no botão do assento ejetor)

    recebido via email

  116. Pax said

    uai! vixe, agora estou patrulhado de todos os lados?

    Freixo é um meliante, rabugento Chesterton? Conte-nos os seus crimes, por favor.

  117. Chesterton said

    Cumplice de criminosos. Apoia a violencia dos blaquibloquis.

    —————————–

    Uma lei antiterrorismo contra o povo.

    Quem diria. Faltando 120 dias para a Copa do Mundo, o Congresso corre para aprovar uma lei contra terrorismo. Tudo para blindar o evento contra as manifestações de rua. A iniciativa comprova que vivemos num país sem lei. Um país onde a segurança pública foi rendida pelos ditos “movimentos sociais”, sempre protegidos por esta esquerda carcomida que os usa para pressionar a Imprensa, a Justiça e o Estado de Direito.

    O evento, que deveria ser uma celebração ao país do futebol, à simpatia do povo brasileiro, ao potencial turístico da nação e até mesmo ao famoso jeitinho, transforma-se em espetáculo de medo. Não são black blocs, pois contra estes basta dar poder à polícia para reagir com a força necessária. Esta lei antiterrorismo é contra o povo que não enxerga o tal legado prometido, que justificava um investimento de mais de R$ 30 bilhões.

    As obras de mobilidade urbana não saíram do papel. Os cerca de R$ 150 bilhões que seriam injetados na economia viraram pó. Os sofisticados sistemas de segurança, a começar por Brasília não funcionam, basta ver a criminalidade que toma conta da capital do país. Os estádios superfaturados não estão prontos. As pessoas saíram às ruas para pedir que o “padrão Fifa” também fosse estendido às escolas, hospitais, transporte e para os eventos diários das cidades. Só isso bastou para que o “terror” tomasse conta de um governo que faz promessa, mas não entrega.

    Esta lei antiterrorismo é uma lei contra o povo brasileiro. Para atemorizar. Para impedir que o grito preso na garganta saia para as ruas. Para que a Copa do Mundo mostre ao mundo um Brasil fake, fruto da propaganda oficial. Tanto é contra o povo que o PT, neste momento, tenta impedir que grupos como o MST, por exemplo, sejam enquadrados pela nova legislação. Porque estes são os “movimentos sociais” que podem ser convocados para defender o governo. Para golpear a segurança jurídica sitiando o STF e o Congresso Nacional. A lei antiterrorismo tem como objetivo aterrorizar o povo cansado de tanta mentira, cassando o direito à livre manifestação . E nada mais.

    coturno noturno

  118. Pax said

    apoia a violência dos black blocs, o Freixo? conte-nos de onde você tira essa informação, caro Chesterton…

    mal me entusiasmei com você de manhã, lendo Gaspari, e me apareces com uma recaída?

    e pede pra esses teus amigos de blogs da extrema pararem de ter minha opinião sobre o povo às ruas. isso é plágio e eu não aceito direitopatas do meu lado ! nem esquerdopatas !

    sou centro-esquerdopata declarado.

    motivo pelo qual me afasto cada vez mais deste triste PT que vejo se afundar por vontade própria…

    guinou à direita, perdeu meu respeito, sim.

  119. Chesterton said

    outro meliante

    —–

    O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) causou alvoroço ao ler uma carta do movimento Black Bloc no Plenário. O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) chegou a se irritar por conta de um trecho em que o grupo defende o fim da ação da Polícia Militar para defender ”a sociedade civil, a juventude e os trabalhadores indignados, por trás de um capuz negro”. Segundo ele, Suplicy leu uma mensagem”fascista” que vai contra a ordem democrática. “Eles querem se impor pela violência, na marra, são brucutus cuja atuação é incompatível com a ordem democrática”, disse. “Com paus, pedras e marretas, eles estão criando deliberadamente uma ocasião para agir nas manifestações e protestos”, completou.

    Para Suplicy, porém, a leitura da carta é necessária para ampliar a compreensão sobre o sentimento desses manifestantes. Segundo ele, apesar de serem considerados vândalos mascarados por aqueles que condenam as depredações, é notório que eles “buscam justiça” e, por isso, ganharam a simpatia de boa parte da população. “As boas intenções deles, pelas práticas violentas, terminam sendo contraproducentes ao seu próprio objetivo”, defendeu – apesar de garantir ser contra os atos de vandalismo do grupo.

  120. Guatambu said

    Pax,

    Acho que não será necessário que o povo saia às ruas.

    A tendência do governo, assim como seus militantes, é ficar mais agressiva, conforme o apoio vai secando. Como você bem observa: agora, de repente, todo mundo é culpado pela perda de popularidade do governo, menos o próprio governo.

    Mas a verade é que o governo não está mais com a corda toda (o dinheiro todo) para construir mais apoio. A Petrobras tem que arrumar a casa, o BNDES (a bolsa empresário) está quase no limite, empreiteiras brasileiras estão evitando pagar por concessões.. e por aí vai.

    Os partidos maria-vai-com-as-outras começam a por as barbas de molho.

    O mercado não está com sorriso no rosto.

    O povo pode até se manifestar, o resultado só vai ser uma distração sobre o real problema, que é o dinheiro rolando pra todos os lados (com os impostos que eles pagam). Mesmo assim, o povo contribui com algum barulho.

    A Dilma iniciou uma modesta dança de cadeiras, mas a decisão mais dolorosa ainda está por vir: substituir o Guido Mantega, em uma tentativa desesperada de provar ao mercado que sua política econômica ainda tem salvação.

    Se há algum suco disso tudo é a politização. Precisa-se politizar mais as coisas. O debate político precisa amadurecer no Brasil.

  121. Chesterton said

    Em outubro, quando Raposo foi detido pela polícia em uma manifestação, foi defendido pela ONG Instituto de Defensores de Direitos Humanos (DDH), que nos últimos meses passou a dar plantões em delegacias para atenuar a situação de quem é detido em quebra-quebras, furtos e portando material proibido nas manifestações. O DDH é dirigido por Thiago de Souza Melo, funcionário do gabinete de Freixo na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

  122. Chesterton said

    A conexão entre o deputado e os indiciados pelo homicídio de Santiago Andrade se deu com um telefonema de uma black bloc. Elisa Quadros, a “Sininho”, ofereceu ajuda “do gabinete do Freixo” ao tatuador Rafael Raposo.

    A oferta de ajuda foi feita a um estagiário de advocacia do escritório de Jonas Tadeu Nunes. Nunes foi à 17ª DP (São Cristóvão) e à imprensa para apresentar o que não é uma ilegalidade, um crime, nada disso. Mas que inevitavelmente liga uma figura pública a autores de um crime. Nunes disse, na segunda-feira, estar “apaixonado pela causa (a defesa de Raposo)” e ter ficado com o “orgulho ferido” com o fato de alguém oferecer serviços jurídicos a um cliente seu.

  123. Guatambu said

    Onde está política econômica, leia: política econômica e fiscal.

  124. Chesterton said

    Na manhã desta quarta, Jonas Tadeu Nunes, advogado de Fábio Raposo e Caio Silva de Souza, que acenderam o morteiro que matou o cinegrafista Santiago Andrade, concedeu uma entrevista à rádio Jovem Pan. Participei da equipe que conversou com ele. Nunes faz uma acusação muito grave: segundo diz, jovens, a exemplo de seus clientes, estão sendo financiados “por grupos” — recebendo dinheiro mesmo! — para promover a baderna país afora. Nas suas palavras: “Eles recebem até uma espécie de ajuda financeira, de mesada, para participar dessas manifestações, com o intuito de terrorismo social”.

    Segundo o advogado, tanto a imprensa como a polícia devem investigar a atuação de diretório de partidos políticos. A denúncia é muito grave. Segundo o advogado, ao chegar às manifestações, os jovens são municiados com máscaras de gás, explosivos etc. Nunes sugere que a vida de seus clientes está correndo risco. Para ouvir a íntegra da entrevista, clique aqui.

    http://jovempan.uol.com.br/noticias/brasil/policia/exclusivo-jovens-suspeitos-de-acender-rojao-que-matou-cinegrafista-sao-aliciados-afirma-advogado.html

  125. Patriarca da Paciência said

    “E veja que eram apenas 30, contra três rapazotes de 15 ou 16 anos, perceba que coragem!

    Agora, começamos a conhecer a identidade destes “bibelôs”.

    Dois foram identificados. Ambos têm ficha criminal.

    Um deles por acusação de estupro, lesão corporal, furto e ameaça.

    Está, D. Raquel, para usar suas próprias palavras na TV, “mais sujo do que pau de galinheiro”.

    A senhora fica chateada se eu lhe der o mesmo conselho que a sua turma dá a quem defende que o ser humano não é para ser acorrentado nu a um poste?

    Por que a senhora não o adota?

    Quem sabe assim a senhora não ganha o seu Justin Bieber privê, apenas um menino com quem se tem de “pegar leve”?”

    Do link 110 postado pelo Otto.

    É isso aí, muito boa ideia, assim a dona Raquel fica abastecida e deixa de falar bobagens em público.

    Todo o apoio à campanha, “Dona Raquel, adote pelo menos um dos “garotões” que amarraram o adolescente pobre num poste.

    A senhora vai relaxar e gozar!

    E os outros… o Chesterton adota!

  126. Chesterton said

    “Confirmo com toda a veemência [que a militante Sininho diz ter falado em nome do deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL-RJ]. Eu ouvi isso dela. Eu ouvi [de Sininho] que os dois rapazes eram conhecidos de Marcelo Freixo. Ela me disse que estava ligando a mando do deputado Marcelo Freixo, oferecendo assistência jurídica”.

  127. Chesterton said

    A jornalista Heloisa Seixas escreveu um corajoso e sincero artigo hoje no GLOBO fazendo uma mea culpa geral da imprensa e questionando até que ponto o silêncio em relação aos black blocs foi cúmplice na morte do cinegrafista Santiago Andrade. Diz ela:

    “Desde que começaram os movimentos de junho do ano passado, temos assistido à crescente violência nas manifestações. Essa escalada de violência tem sido atribuída quase sempre à maneira truculenta de agir por parte dos policiais. […]

    Jovens advogados, políticos progressistas, instituições que sempre defenderam os direitos humanos, todos têm saído em defesa dos manifestantes, na presunção de que, entre perseguidos e policiais, os primeiros têm sempre razão. Mas os black blocs, ou seja lá que nome tenham, vinham dando sinais nos quais devíamos ter prestado mais atenção: havia tintas neonazistas no comportamento deles, inclusive na hostilidade à imprensa.

    Mas parecia retrógrado, uma coisa velha, de direita (como se dizia antigamente), ser contra os manifestantes. Poucos de nós, na imprensa, tivemos coragem de escrever contra eles com a força necessária. […]

    E agora estamos assim, como o meu amigo da Bandeirantes. Com esse nó na garganta, essa pergunta presa no peito: será que nosso silêncio constrangido nos faz cúmplices na morte de Santiago?”

    Constantino

  128. Elias said

    Chester, meu quitandeiro de estimação!

    Dá uma olhada nisso (do noticiário de hoje da ADVFN):

    “Dados econômicos acima do esperado na China, reacenderam o apetite dos investidores, fazendo as principais bolsas de valores mundiais abrirem o dia com ganhos. As exportações da China cresceram 10,6% no mês de janeiro, muito acima do 0,1% esperado pela maioria dos economistas, com um saldo comercial de US$ 32 bilhões, o maior em cinco anos e desafiando os sinais de desaceleração da segunda maior economia do mundo. ”

    Entendeu, ó pá?

    É disso que eu estava a te falaire, puto.

    Aquele “estrategista econômico” que estabas a citaire, segundo o qual a China iria desaceleraire, não sabe o que está a bostejaire pela cachola.

    A partir de 2014, China e EUA vão comandaire o processo de recuperação econômica mundial. China sai na frente. EUA virá depois… Mas virá!

    Foi esse o cenário que a Vale projetou, quando fez, há alguns meses, um mega lançamento de debêntures NÃO CONVERSÍVEIS em ações. Um lançamento desse tipo só faria sentido se a empresa estivesse esperando uma gigantesca geração de caixa. Como o maior cliente da Vale é a China…

    É só somaire 2 e 2.

    Sacou, gajo?

    Em tempo: O Henrique Meirelles foi um dos que “projetou” para a China uma expansão nas exportações menor que 0,5%. Deu 10,6%. Henrique Meirelles está, portanto, plenamente qualificado a fazer companhia ao astrólogo da Veja/FSP… Aquele que previu que, tendo Saturno entrado em conjunção carnal com Urano, e posto que estavam, ambos, alinhados às proximidades da vagina de Vênus, Serra venceria fácil as presidenciais de 2010…

  129. Chesterton said

    Com estão as ações da Petrobras?

  130. Otto said

    Chest: engraçado que o Dr. Paulo de Argollo Mendes, presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, cotra o Mais Médicos, tem dois filhos formados em Cuba.

    http://www.viomundo.com.br/denuncias/simers.html

  131. Otto said

    Você acha ainda, Pax, que a AP 470 não foi um julgamento de exceção?

    “Ao contrário dos demais réus, ele não terá prazo para pagar a multa imposta pela Justiça, que era de dez dias; decisão foi tomada pelo juiz Bruno Ribeiro, da Vara de Execuções Penas do Distrito Federal; objetivo é evitar que João Paulo possa organizar uma vaquinha, assim como fizeram, com sucesso, Delúbio Soares e José Genoino; ao que tudo indica, o interesse do juiz não é o pagamento da multa, mas sim garantir que João Paulo Cunha seja inscrito na dívida ativa da União e perca talvez até a casa onde residia antes de ser preso, um modesto sobrado em Osasco (SP); valor foi atualizado de R$ 250 mil para R$ 372 mil.”

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/129981/Jo%C3%A3o-Paulo-vira-alvo-de-persegui%C3%A7%C3%A3o-judicial.htm

  132. Chesterton said

    Argoolo é notório petista ligado ao esquerdismo gaucho. Grandecíssimo fdp. A esquerda domina os sindicatos medicos do Brasil quase todo. Agora sob pressão, está rolando feito dado.

  133. Chesterton said

    hoje na radio gaguejando para se explicar, todo bonzinho.

  134. Otto said

    Bomba! Batman, anonymous e black blocs cantando o hino da Globo!

    Infelizmente, não é piada. Agora está tudo explicado.

  135. Otto said

    Tem coisa por trás destes black blocs. Será o pessoal do Chesterton?

    O primeiro detido pelo ataque a Santiago Andrade, Fábio Raposo, disse que “achou no chão” o rojão que acabaria provocando a morte do cinegrafista.
    E que a entregou ao segundo preso, Caio de Souza, que o disparou.
    De onde veio aquele rojão, até agora, ninguém sabe e não há também muita curiosidade da imprensa.
    Fogos como aquele não são fáceis de comprar.
    Embora já seja um absurdo que se vendam explosivos com essa potência no varejo.
    As lojas têm de ter, além do alvará de localização (dificílimo de conseguir, para comércio de fogos), registro na Polícia, nos Bombeiros e no Exército.
    Por isso, quase todas, aqui no Rio, ficam distantes, na Baixada, até por herança de um tempo, antes da fusão, onde o comércio só era permitido fora da extinta Guanabara.
    Não podem vender este tipo de artefato sem registro do comprador.
    E não custa barato.
    É vendido por caixa, entre 80 e 120 reais.
    Se Caio o recebeu de Fábio, não foi ele, uma pessoa de vida paupérrima, quem o comprou.
    O rojão foi levado por acaso para a Central do Brasil.
    Quem levou? Quem distribuiu?
    Talvez seja esse o caminho para descobrir quem é que coordena o grupo que diz que não é grupo.
    A entrevista do rapaz preso na Bahia mostra que ele parece estar com medo de represálias, se falar.
    E as insinuações do advogado de que eles “foram municiados” e “aliciados” não devem ser descartadas.
    Há cheiro de pólvora no ar.

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=13934

  136. Otto said

    Pax, tem cheiro de Síria e Ucrânia aí.

  137. Otto said

    Olha, como começa uma guerra civil, Pax.

    Primeiro vídeos na internet conclamando uma “revolução”. Vídeos, alguns destes, como nós vimos, fitos em inglês, nos EUA, ou por quem esteve lá.

    Depois o incentivo da mídia. O aliciamento de pessoas. O envio de armas. A montagem da milícias, sobretudo com neonazistas e elementos do lupemproletariado.

    Depois, o governo reage. Acontecem mortes. Os black blocs iniciais viram “rebeldes”, “insurgentes”.

    Depois uma votação no Conselho de Segurança da ONU. Sanções, embargos. Mais mortes. A deposição da presidente. Cassação dos partidos políticos. E a montagem de uma comissão de ilustres para conduzir a “transição”.

    Nesta comissão, empresários, generais, juízes — sob a direção do Batman, ou seja, Joaquim Barbosa.

    Resultado: Mais 21 anos de ditadura.

    E o Pax se lamentando: aonde foi que eu errei?

    Vejam essa:

    “Repórter: Quando você viu a imagem,, você sabia que era você?
    Caio: Não. Não me mostraram.
    Repórter: Mas depois quando começaram a mostrar?
    Caio: Eu fiquei com medo de me matarem. A verdade é essa.
    Repórter: Quem poderia te matar?
    Caio: Pessoas envolvidas nas manifestações.

    O suspeito preso pediu ainda desculpas pela “morte de um trabalhador, como ele próprio, sua mãe e seu pai”. Na conversa, que foi ao ar no RJTV, Caio disse que há jovens que são atraídos por terceiros a participarem do protesto: “Alguns vão aliciados sim, outros não”. Questionado sobre quem seriam os aliciadores, ele não deu detalhes. “Isso eu não sei dizer à senhora. A polícia tem que investigar”.

    http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2014/02/em-entrevista-suspeito-admite-que-acendeu-artefato-e-diz-ter-sido-aliciado.html

  138. Pax said

    Caro(a)? Guatambu, #120,

    Discordo. Primeiro porque acho saudável o povo ir às ruas. Se comprar a pauta de “Tudo para Educação” não poderia ficar mais feliz. Se aumentarem essa pauta para “abaixo essa estupidez de tanta corrupção” aí diria que já posso aposentar o blog. Se somar esses dois itens com um “Implodam as Agências Regulatórias, expulsem os apaniguados políticos, amantes etc e coloquem gente técnica, fiscalizadas pelo povo usuário”, aí acho que já posso até morrer que estarei no Céu mesmo.

    Só que essas coisas que quero (talvez tenha esquecido muita coisa, Reforma Política, Reforma tributária e fiscal etc) não dependem só do governo federal.

    E não é só o governo federal que é corrupto até não poder mais. É em todos os âmbitos. É uma chaga nacional. Federação, Estados, Municípios, órgãos públicos, tudo. Virou, como disse, uma chaga que se espalho pra todos os lados. Incluindo a própria sociedade civil, em especial um bocado de empresários que adora sustentar o modelo.

  139. Pax said

    Caro Otto,

    Cheiro de Síria, Ucrânia, golpe da CIA? Caramba. Desculpa aí, mas me inclua fora dessas teorias.

    Conspirar contra quem? Contra o PT que é cada vez mais de direita, cada vez mais liberal, cada vez mais afastado do povo?

    Alto lá, nessa viagem não entro.

  140. Elias said

    Vejam só a falta de rumo.

    Num momento, o Chester copia e cola texto do coturno, que defende o badernão lumpem contra o governo.

    Noutro, o Chester xinga o Freixo, que apoia o badernão.

    Já o Pax quer uma guerra civil (segundo terceiros, para que um conflito seja considerado uma “guerra civil” é necessário que dele tenham resultado pelo menos 1.000 mortos; já segundo quartos, basta que haja 100 mortos de cada lado).

    Mas o Pax, que acha que uma guerra civil conserta alguma coisa, continua querendo uma guerra civil. Mas uma guerra civil onde só quem morra sejam os outros. Os sobrinhoszinhoszinhos dele não devem ter nem ataque de asma, entende?

    Tal como o estrategista político do PSDB, estão mais perdidos que filhos de puta em festa do Dia dos Pais…

  141. Otto said

    Sigam o dinheiro!

    Segundo Caio, o que acendeu o rojão, os manifestantes eram pagos a 150,00 por dia para irem a manifestação.

    Políticos estão envolvidos. De onde? PSTU, PSOL, Rede, PSDB?

    Pax, também pensaram que o envolvimento dos EUA no Golpe de 64 era teoria da conspiração.

  142. Chesterton said

    Polícia investigará financiadores dos black blocs no Rio

    Na VEJA.com, deDaniel Haidar, do Rio de Janeiro:

    A prisão e o indiciamento dos dois acusados de matar o cinegrafista Santiago Ilídio Andrade pode levar a Polícia Civil a identificar o mecanismo que sustenta e financia ações terroristas e ataques de mascarados em manifestações. Em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, o chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso, e o delegado titular da 17ª DP (São Cristóvão), Maurício Luciano, afirmaram que a investigação da morte de Andrade está concluída, e que outros inquéritos, em seguida, tratarão das conexões do grupo e de quem financia e alicia jovens para esse tipo de ação. Os dois delegados revelaram detalhes da prisão de Caio Silva de Souza, identificado como o homem que acendeu o rojão que matou o cinegrafista.

    “O inquérito está acabado. Vamos juntar peças técnicas e, na sexta-feira, os réus serão encaminhados ao judiciário”, disse Luciano. Também está preso e indiciado o tatuador Rafael Raposo Barbosa, que confessou ter passado o artefato explosivo para Souza. “Posteriormente vamos investigar outras questões, como financiamento, outros crimes ligados às manifestações e quem alicia”, afirmou o delegado.

    Segundo Luciano, Souza não confessou. No entanto, uma imagem exibida pela TV Globo, afirma que acendeu o rojão que vitimou Andrade. Oficialmente, Souza optou por só falar em juízo e não deu declarações sobre o crime. Ele não ofereceu resistência à prisão.

    O advogado Jonas Tadeu Nunes afirmou, em entrevista à rádio Jovem Pan (veja link no post abaixo), pela manhã, que tem informações de que Souza, assim como outros jovens que atuam mascarados em protestos, são “aliciados”. “Esses jovens… Esse Caio, por exemplo, é miserável. Esses jovens são aliciados por grupos. Eles recebem até uma espécie de ajuda financeira, de mesada, para participar dessas manifestações, com o intuito de terrorismo social”, disse, sem dar detalhes sobre o aliciamento.

  143. Chesterton said

    è, o Freixo é do DEM….

  144. Zbigniew said

    Quem estará por trás dos black blocs (quem os financia e estimula)? E dos discursos indignados e raivosos, a la Sheherazade? E da instalação do discurso pessimista da inflação descontrolada e do sempre iminente apagão energético e falência do sistema elétrico brasileiro? Da falência da Petrobrás? A quem, afinal, interessa o discurso do caos e da “fadiga de material” do PT no governo federal, que tem sido capaz de seduzir até aqueles que já se manifestaram pela moderação e que agora já admitem o confronto entre irmãos para a solução daquilo que está entranhado, não apenas em um partido, mas em todas as instituições do país?

    Ainda sobre os black-blocs, a mim sempre pareceu que não poderiam, em nenhuma hipótese, funcionar como se por combustão espontânea. Tem caroço nesse angu.

    “Advogado da dupla responsável pela morte do cinegrafista Santiago Andrade afirmou que jovens eram pagos para irem a protestos e promoverem baderna; “eles recebem até uma espécie de ajuda financeira, de mesada, para participar dessas manifestações, com o intuito de terrorismo social”, disse Jonas Tadeu Nunes; situação financeira de Caio de Souza, que acendeu o rojão, é bastante precária; por trás estariam “vereadores e deputados estaduais”, indica o advogado; governador Sérgio Cabral diz que ato que matou o profissional da Band pode ter cunho político; “esses dois jovens estão inseridos em um contexto maior”, sugeriu.

    http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/129989/Pr%C3%B3ximo-passo-%C3%A9-saber-quem-financia-black-blocs.htm

  145. Pax said

    Caro Otto, neste vídeo de #134,

    1 – sei lá quem são essas pessoas, mas Anonymous etc não fazem parte do meu grupo de simpatia. É gente de direita.

    2 – mesmo assim acho que vc não se deu ao trabalho de ver o vídeo, analisa… vi o que pude, até uns 2 min… aí meu #LINK_PADRÃO_DILMA, padrão Rosemary Novoa Noronha, segundo alguns a primeira amante que ganhava viagens a embaixadas e nomeava diretoria em agência regulatórias, coisas do PT como sabemos, me impediu de ver o resto.

    3 – não sei se você reparou, mas no 1min e 39 segundos aparece um cartaz do tal grupo, do tal vídeo… e diz: “Não penso, logo assisto” com a logo da ……Globo. E você acha que é a Globo… arrâm.

    —-

    Caro Elias,

    desisto de te pedir um pouco de honestidade com o que eu digo.

    —-

    PT pedindo lei mais rígida que a da ditadura porque não quer ninguém às ruas em ano eleitoral, Dilma não vai visitar estádio com medo de vaia, PT se aliando a Cabral e Alckmin pra colocar polícia e mais polícia até pra resolver problema de verão de muito calor…

    E sou eu quem está perdido.

    Arrâm…

    Pô, logo o Paulo Paim é o autor dessa maldita lei ditatorial. Sacanagem. Sempre gostei de sua dedicação aos aposentados e pensionistas, um cara que mantinha uma linha decente, uma briga boa… foi-se. Caiu na tentação de toda ditadura: crítica não! Oposição não! Cadeia braba pra quem reclamar.

    Era só o que me faltava.

    Daqui a pouco não vai sobrar um petista sequer, que não tenha aderido ao projeto do poder mais canalha que possa existir.

    Enfim, PT vai acabar mais à direita que o PSDB. Caramba.

  146. Pax said

    Caro Zbigniew,

    Suponha que essa tese de defesa se comprove, que os dois envolvidos eram pagos para irem a protestos etc.

    Aí sim, teremos uma boa linha de investigação. Seria muito bom que esse tese seja ou provada como certa ou provada como furada.

    (a mim parece uma tese de defesa que vai dar em nada, posso estar errado, mas desconfio, sim)

    Só que, acho melhor esperar colherem provas aos autos.

  147. Chesterton said

    Pô, logo o Paulo Paim é o autor dessa maldita lei ditatorial. Sacanagem. Sempre gostei de sua dedicação aos aposentados e pensionistas, um cara que mantinha uma linha decente, uma briga boa… foi-se. Caiu na tentação de toda ditadura: crítica não! Oposição não! Cadeia braba pra quem reclamar.

    Era só o que me faltava.

    Daqui a pouco não vai sobrar um petista sequer, que não tenha aderido ao projeto do poder mais canalha que possa existir.]

    chest- estou emocionado.

  148. Otto said

    Pax, o vídeo só mostra como essas caras são alienados!

  149. Elias said

    Otto,
    Boa parte do material em inglês divulgado na internet, ensinando a organizar e gerenciar manifestações contra governos, é material elaborado pela equipe do Gene Sharp e/ou pessoas ou instituições que apoiam o trabalho dele.

    A base desse material é o livro do Gene Sharp, “Da ditadura à democracia”. É um libelo contra regimes autoritários, seja de que coloração forem.

    Sharp foi atacado por Mubarak, pelo Assad, pelo Hugo Chavez e o raio que os parta. Ninguém jamais exibiu uma evidência mínima de que ele tenha alguma ligação com o governo americano. Aliás, Sharp não perde oportunidade pra baixar o pau no governo americano. Ele diz, com todas as letras, que a CIA tentou se aproximar dele, e que, se ele aceitasse essa aproximação, isso significaria renunciar a tudo aquilo pelo qual ele lutou a vida inteira. Ele simplesmente detesta a CIA!

    Gene Sharp está no fim da estrada. Velhinho, mal consegue andar… E, no fim da vida, viu frutificarem as ideias que ele agitou durante décadas. Não se vendeu quando era mais jovem. Duvido que o faça agora, no fim do caminho…

    Na prática, Gene ensina como derrubar uma ditadura, por meios pacíficos.

    Na Sérvia, o “manual Sharp” foi aplicado literalmente.

    Já no Egito a coisa não andou como Sharp gostaria. Ele diz que o objetivo deve ser a QUEDA do governo, e não a renúncia do governante, como aconteceu no Egito.

    De qualquer modo, Sharp é visceralmente contra que se atire uma única pedra numa vidraça. O método que ele propõe é totalmente pacífico.

    No que respeita às forças armadas, p.ex., ele propõe a cooptação, ou seja, os manifestantes tentam convencer as forças armadas de que há lugar para elas, na nova ordem que pretendem implantar. Na Sérvia, colou. As forças armadas simplesmente aderiram às manifestações e passaram a dar proteção a quem, por ordem do governo, elas deveriam reprimir.

    Para Sharp, o grande problema é quando pequenos grupos organizados se infiltram ou se incorporam às manifestações, com o propósito de desencadear a violência. Isso pode desmoralizar todo o processo.

    O “manual Sharp” se espalhou pelo mundo, e tem muita gente usando as técnicas que ele desenvolveu, independentemente do país viver ou não sob uma ditadura.

    É, notoriamente, o que está ocorrendo no Brasil, mas não apenas aqui.

    Com a morte do cinegrafista, algumas coisas deverão ser realinhadas.

    Desde o início do ano, estava claro que as organizações com respaldo nos movimentos sociais estariam fora das manifestações de 2014.

    Há um monte de razões para isso. Destaco: (a) em 2013, essas organizações perderam o controle das ações e ainda não dispõe de meios para evitar isso em 2014; (b) em 2014, a mobilização poderia ser usada para favorecer partidos políticos; (c) as manifestações na época da copa podem resultar em repúdio e não em apoio da população, etc., etc., etc.

    Daí porque eu ironizei a declarada disposição do Pax de participar das manifestações em 2014…

    Para as manifestações de 2014, sobrou exatamente aquele pessoal cuja participação nas manifestações o “manual Sharp” prefere evitar.

    Duvido que haja algum interesse americano em provocar uma desestabilização institucional no Brasil.

    É preciso lembrar que, o que quer que ocorra no Brasil, vai se alastrar pela maior parte do continente, da Patagônia ao México. Nos 1960 já era assim. Agora ficou muito mais, porque o Brasil cresceu muito mais que proporcionalmente em relação à maioria dos seus vizinhos. Aumentou, também, enormemente, a dependência da esmagadora maioria desses países em relação ao Brasil.

    Uma desestabilização institucional no Brasil, agora, daria uma melecada cujo fedor seria sentido rigorosamente em todo o planeta.

    Esse papo me faz lembrar a tal “internacionalização da Amazônia”. Morro de rir quando alguém chega com esse papo de que os americanos vão acabar “invadindo” a Amazônia.

    Invadir pra quê, porra? Eles já tiram daqui o que querem, quanto querem, como querem e quando querem, sem gastar um centavo com intervenções militares…

    Por que a gringolândia decidiria pagar caro por aquilo que ela já têm de graça, sem fazer força?

    É o mesmíssimo que ocorre com o resto do país…

  150. Pax said

    a entrevista com o tal Caio

    http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2014/02/em-entrevista-suspeito-admite-que-acendeu-artefato-e-diz-ter-sido-aliciado.html

    sei não… sei não.

    o tal advogado dos dois envolvidos na explosão, desculpem-me dizer, mas me parece bastante esquisito, essa história do envolvimento do Freixo que uma tal Sininho diz ter oferecido para um tal estagiário do tal advogado – que por sinal, direito dele, mas foi advogado do tal miliciano que o Freixo combateu – sei não

    tem realmente caroço no angu

    Sérgio Cabral, segundo fartíssimo noticiário, corrupto de marca, amigão do Lula, está em êxtase. O cara que manda comprar helicóptero de luxo porque a mulher não gosta do helicóptero de um pouco menos luxo que o povo paga para irem para sua mansão na praia, várias viagens, pro casal e pimpolhos, depois volta e vai buscar a manicure, depois outra pra buscar cachorro (segundo o noticiário), e o povo apanhando feito gado na SuperVia, reclamando por se ferrar de quatro todos os dias neste absurdo que é o transporte público, tanto no Rio quanto em SP, Cabral e Akckmin devem estar adorando tudo que aconteceu com essa trágica morte.

    E a Globo? Claro, já julgou, já condenou, já arrumou editoriais, já tem desculpa pra chamar o Arnaldo Jabor de novo pra dizer que os manifestantes brasileiros não valem centavos…

    E agora juntam-se todos, de novo, segundo farto noticiário, corruptos, governadores, governo federal, mídia, militância, estão babando com toda a história, todo mundo querendo colocar o povo de novo em currais, calados, apanhando quietos, seja da polícia ou dos serviços de quinta categoria que recebem por conta de tanta roubalheira e incompetência.

    Sei não… sei não.

    só tem uma coisa que me parece muito lógica: a união dos corruptos.

    Corrupto unido, jamais será vencido.

    até que….

    corrupto, seja ele de que cor for, azul, vermelho, de direita, de esquerda, não tem qualquer compromisso com porcaria nenhuma.

    basta uma tossida, uma mudança da aragem, e eles mesmo se traem.

  151. Chesterton said

    Tá, Pax, e o governo Dilma? Você fala em todos politicos e se nega a falar do PT.

  152. Chesterton said

    Acendi, sim. Não sabia que era rojão”, diz Caio Souza a jornalista
    Suspeito de acender rojão que matou cinegrafista da Band foi preso nesta quarta-feira (12) de madrugada na Bahia

    REDAÇÃO ÉPOCA COM ESTADÃO CONTEÚDO E AGÊNCIA BRASIL
    12/02/2014 13h25 – Atualizado em 12/02/2014 13h49
    Kindle
    Caio Silva de Souza (Foto: Reprodução/TV Globo)
    Caio Silva de Souza em entrevista à TV Globo (Foto: Reprodução/TV Globo)

    Em entrevista rápida e exclusiva à repórter da TV Globo Bette Lucchese, ainda na delegacia de polícia em Feira de Santana (BA), Caio Silva de Souza disse nesta quarta-feira (12), em voz baixa, que acendeu o rojão que atingiu e matou o cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, na manifestação contra a tarifa de ônibus, no Rio de Janeiro. “Acendi, sim”, disse em resposta à pergunta da jornalista.
    No entanto, o suspeito disse na entrevista que embora tivesse aceso o artefato explosivo, desconhecia seu poderio. “Nem sabia que era um rojão”, disse, acrescentando que pensava tratar-se de um “cabeção de nego”. Depois, o acusado afirmou que teve muito receio de ser assassinado. “Fiquei com medo de me matarem”. Ao ser questionado quem poderia matá-lo, só disse: “Pessoas”.
    Caio Silva de Souza não apresentou ao delegado Maurício Luciano, presidente do inquérito, a mesma confissão transmitida pela emissora. Segundo o policial, ele não quis prestar declarações a respeito do crime. Disse que só fala em juízo.
    O suspeito de acender o rojão que matou o cinegrafista foi preso nesta madrugada (12) em uma pousada na cidade baiana de Feira de Santana (a 100 km de Salvador). Caio Silva de Souza, de 23 anos, foi levado ao Rio pela Polícia Civil do Estado em um voo convencional. Do aeroporto, foi encaminhado direto para a Cidade da Polícia (Jacaré, zona norte).
    Souza foi localizado às 2h no quarto da pousada, próximo à rodoviária de Feira de Santana. Também presente no momento da captura, o advogado Jonas Tadeu afirmou, em entrevista à TV Globo, que o cliente e o outro suspeito, Fábio Cardoso Barbosa (preso no fim de semana), são “jovens que são aliciados, jovens que são manipulados”, mas não disse por quem. Sobre Souza, o advogado disse tratar-se de “jovem miserável financeiramente, de baixo discernimento”.

    O chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso, disse que a viagem de Caio ao Nordeste vinha sendo monitorada pelos investigadores. O destino dele seria a cidade de Ipu, no Ceará, onde mora um de seus avôs. Segundo ele, o suspeito decidiu saltar em Feira de Santana depois que conversou por telefone com o advogado e com a namorada.

    “Foi uma operação complexa”, disse Veloso, que enviou o delegado e três agentes para a Bahia a fim de localizar e apreender o suspeito. A namorada de Souza acompanhava o advogado no momento da prisão.
    “Não há dúvidas”, diz delegado
    O delegado responsável pelo caso, Maurício Luciano, disse que o inquérito já está quase concluído e há provas suficientes de que Caio Silva de Souza acendeu o rojão que atingiu o cinegrafista. “As provas são contundentes e não deixam margens a dúvidas. A confissão seria apenas para corroborar”, disse ele, complementando que vídeos da manifestação contra o aumento das passagens de ônibus no município do Rio, ocorrida na semana passada, mostram que o suspeito usava a mesma roupa que o homem que acendeu o artefato.
    O delegado afirmou ainda que há a prova testemunhal de Fábio Raposo, que confessou à polícia que entregou o rojão para Caio.
    Para a conclusão do inquérito, faltam apenas os laudos periciais e o depoimento de um colega de trabalho de Caio. O delegado Maurício Luciano disse que os autos deverão ser entregues à Justiça até a próxima sexta-feira (14).

    http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2014/02/acendi-sim-nao-sabia-que-era-um-rojao-diz-caio-souza-jornalista.html

  153. Chesterton said

    Guerra psicológica, fraude real
    O Brasil é mulher de malandro. Mas nem o malandro encolheria a pensão em dois terços

    GUILHERME FIUZA
    29/01/2014 07h00 – Atualizado em 29/01/2014 07h54
    Kindle

    A virada do ano mostrou que é uma injustiça manter os mensaleiros presos. Ao apagar de 2013 e ao raiar de 2014, o Brasil mostrou que aprova a picaretagem como forma de governo. Não é justo, portanto, em se legitimando os picaretas de hoje, manter os picaretas de ontem encarcerados, sendo todos correligionários. Basta de desigualdade. Liberdade para todos.
    A picaretagem inaugural do governo popular em 2014 teve como porta-voz o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Como se sabe, o PT se especializou na arte de mentir para a coletividade – e depois descobriu que não precisava de especialização nenhuma, porque o Brasil engole qualquer mentira tosca. Por isso é que Lula diz que o mensalão era caixa dois de campanha e não se desmoraliza perante a opinião pública. Está provado que o mensalão foi roubo de dinheiro público cometido pelo PT, e está provado que mentir no Brasil não tem o menor problema. Com essa jurisprudência, o ministro da Fazenda não tem por que não se espalhar.

    Guido Mantega anunciou, triunfante, que o governo cumpriu a meta de superavit primário em 2013. O ministro disse que o resultado oficial sairia no fim de janeiro, mas ele decidira antecipar a divulgação para “acalmar os nervosinhos”. Assim é o PT hoje: como as mentiras colam facilmente, elas passaram a vir acompanhadas de zombaria. O governo cumpriu a meta de superavit depois de reduzi-la em R$ 35 bilhões – de R$ 108 bilhões para R$ 73 bilhões. Se fizesse isso com pensão alimentar, o ministro estaria preso.

    Como já foi dito neste espaço, o Brasil é mulher de malandro. É lesado pelo bando e continua votando nele. Devendo-se ressalvar que mesmo uma mulher de malandro não aceitaria este trato: o malandro paga só dois terços da pensão porque ele mesmo resolveu encolhê-la em um terço. É o tipo da malandragem que só cola no matrimônio petista com o eleitorado masoquista.

    O superavit para acalmar os nervosinhos tem outros truques espertos. Mais alguns bilhões de reais em despesas de 2013 serão contabilizados pelo governo popular depois da virada do ano. Malandragem de playground. Fora a contabilidade criativa no Tesouro Nacional – hoje devidamente aparelhado pelos companheiros –, expediente picareta já notado e repudiado mundo afora, mas tolerado Brasil adentro. É com esse arsenal de trampolinagens que os companheiros desviam o dinheiro público para a propaganda política e a rede de facilitações populistas. Por que só os mensaleiros têm de pagar?

    O anúncio esperto do ministro da Fazenda foi feito poucos dias depois de um pronunciamento da presidente da República em cadeia nacional – o pronunciamento “de fim de ano” de Dilma Rousseff. Como um país que se diz diferente da Venezuela chavista tolera um “pronunciamento de fim de ano” da presidente em rede obrigatória de rádio e TV? Onde está o senso crítico e a vergonha na cara dos brasileiros para repudiar essa praga do comício oficial em tudo quanto é data comemorativa? Onde estão os manifestantes nervosinhos, a oposição, a OAB, as ONGs da cidadania e todas essas vozes estridentes que vivem panfletando bondades cívicas por aí?

    Pois bem: no comício oficial e obrigatório de Réveillon, Dilma Rousseff denunciou – eles continuam denunciando – a existência de uma “guerra psicológica” para afugentar investimentos e desestabilizar a economia nacional. É muita modéstia do PT achar que alguém pode desestabilizar a economia melhor do que eles.

    Que repelente contra investidores poderia ser mais eficiente do que um governo que mente a céu aberto sobre suas contas? Que fabrica superavit e esconde dívida? Que atropela a meta de inflação e tenta mascará-la amarrando preços de tarifas, que ninguém sabe quando e como serão liberados? Que faz declarações ideológicas sobre a política monetária e cambial do Banco Central, ora baixando os juros no grito, ora jogando impostos na lua para tentar conter a fuga de dólares? Qualquer guerra psicológica dos inimigos da pátria seria brincadeira de criança perto da lambança real dos amigos da onça.

    Não é justo que a turma do valerioduto assista a essa orgia de trás das grades. Pelo grau de tolerância do Brasil 2014, Dirceu, Delúbio, João Paulo Cunha (o Mandela brasileiro) e companhia são uns injustiçados.
    saiba mais
    Mais colunas de Guilherme Fiuza

  154. Otto said

    Ah, Pax, você está um verdadeiro lacerdinha! Por trás da corrupção está o capital, o opressão de classes. Este é o problema.

    Aqui, uma boa análise do video que postei:

    A dica chegou pelo twitter. Ao ver as imagens (clique aqui para ver), fiquei na dúvida se devia rir ou chorar.

    No vídeo, aparece aquele mesmo Batman que foi destroçado pelo cineasta numa rua da zona sul carioca. E aparece um monte de manifestante sorridente, cantando a musiquinha de fim de ano da Globo: “hoje é um novo dia, de um novo tempo…” Lá pelas tantas, vem a sacada genial dos manifestantes de butique: “hoje a rua é sua, hoje a rua é nossa…”

    Rua no lugar de festa. A “festa” das ruas. Sacaram?

    É um simulacro de protesto. E tudo muito bem produzido e coreografado: um “vídeo institucional” dos manifestantes – alguns mascarados, anônimos.

    Freud talvez explique: para se sentir importante, o manifestante canta a música que vê na TV. Alguns até carregam cartazes (“Globo é o caralho”), mas na verdade não há qualquer afronta ao verdadeiro poder. Há a vontade de ser não ator de mudanças, mas “artista” de uma rua transformada em palco.

    Simulacro de rua. Simulacro de protesto.

    Será que estou sendo muito duro? Quem sou eu pra “julgar” o protesto dos outros. De fato. Vamos nessa. Vale tudo.

    Mas me permito observar que o “poder” a ser combatido, na cabeça de tantos que vejo e ouço por aí, é apenas o “governo”. O poder não é o capital, a mídia. As relações de dominação viram um simulacro. Basta protestar contra o “governo”.

    Desde 2009, 2010, muita gente dizia que a despolitização do lulismo cobraria um preço. Esse é o preço. Batman e “um novo tempo, um novo dia”. Ou não.

    Santa ingenuidade.

    Impressionantes também são os comentários no vídeo postado no Youtube:

    – “Emocionante!!!É de arrepiar.Acompanhei a gravação ,não imaginei que ficaria essa belezura.O Presidente de Penélope Charmosa…

    – Parabéns a todos !!!Que Deus os abençoe, proteja e ilumine hoje e sempre!!!”

    – “ESSE É FOI O MELHOR SHOW DE TODOS OS TEMPOS.”

    De fato. É show!!!

    E mais: acabam de me avisar que a tal Sininho (amiga do Freixo e que teria ligado pro primo da tia do estagiário do advogado do black block) aparece no vídeo.

    Ou seja: falta só o Capitão Gancho…

    http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2014/02/12/rodrigo-e-a-coreografia-da-sininho/

  155. Otto said

    Ora, de onde será que vem essa grana pra essa gurizada fazer bagunça?

    Provavelmente duma ONG estadunidense bancada pela CIA.

    Quem financia são os mesmos de sempre, os mesmos de 64.

  156. Chesterton said

    e a KGB?

  157. Pax said

    Caro Chesterton, rabugento Chesterton, injusto Chesterton,

    Me nego a falar do governo desastroso da Dilma?

    De tanto falar o Elias já me chama de inútil, imprestável, que sou agente de campanhas das pândegas oposições.

    Ficaste maluco, caro Chesterton? Não basta ser velho e rabugento?

    =)

    O governo do PT fez coisas boas, sim. Mas deixou muito a desejar logo em seguida.

    Como outros governos, não só virou corrupto como de tanto se abaixar para o modelão, fazer aliança com todo e qualquer corrupto comprável com sesmarias do governo ou bufunfa mesmo, dinheiro vivo, boca do caixa, nota sobre nota, que ficou igual.

    Só não se sabe se não ficou pior. E os indícios são assustadores.

    Basta ver essa lei ditatorial que querem implantar. Essa que prevê 30 anos para quem se manifestar da forma x ou y, tipificando de terrorismo.

    Em outras palavras, quem não disser amém aos senhores e senhoras da corrupção, é terrorista.

    Não é motivo para ir às ruas, somando a todo o resto?

    Claro que é.

    E aí vem a idiotice de quererem que todos manifestantes sejam organizados, que tenham um plano, que tenham liderança identificável etc etc. Acontece que nem sempre isso é assim.

    O que tenho insistido é que o povo está repleto de motivos para se revoltar, se manifestar. E tem todo o direito de fazer isso. Mais que isso, que acho bom que aconteça. Mesmo que este povo não esteja ligado a nenhum movimento, nenhum partido. É reclamar do que incomoda. Vá andar de metrô e trem em SP ou no Rio e veja se não há motivo pra reclamar. AInda mais quando se sabe que tem um caminhão de dinheiro roubado nesta área. Vá tirar quilos de arroz e feijão da despesa do mês porque tem que pagar mais caro a passagem de ônibus lotado. E aí vem caminhão de notícia que há máfias e mais máfias nesta área em todo o Brasil. Vá ser atendido num hospital público pra ver como um ser humano pode ser tratado pior que lixo. Idem para escolas caindo aos pedaços. E quer entrar no assunto segurança pública? E comunicações? E estradas?

    Esse povo não pode mais reclamar porque está sujeito a uma arbitrariedade qualquer de algum filho da puta dizer que o cara colocou alguém em risco e o cidadão manifestante, lotado de razão para isso, é tipificado como terrorista porque os corruptos querem se proteger em seus castelos de roubalheira?

    Ah, pera lá.

    Se o povo for às ruas, acaba se politizando. Alguém, algum projeto, pode conseguir convencê-lo que é melhor que os outros. Seja esse projeto o que for mais competente para isso. Se vivemos numa democracia tudo deve ser permitido, qualquer movimento político deve ser estimulado livremente. Que vença quem convencer a maioria, ora bolas.

    Se isso se fizer às ruas, que seja às ruas. Já faz um tempo que os próprios políticos estão desgarrados, partido idem, não tem o link que deveriam ter com o povo.

    E, cá entre nós, querer culpar o povo disso é mais canalha que o pior dos canalhas, desses coronéis bigodudos que roubam faz décadas e são bajulados como imperadores do país, por gente que se torna igual no crime, sem tirar nem por.

    mas vou devagar que daqui a pouco bate a polícia política por aqui pelo fato de eu falar mal de governos…

  158. Pax said

    Agora virei imprestável, terrorista e lacerdinha.

    Tá ficando bom isso aqui.

  159. Pax said

    Marcelo Semer… pois bem, gosto de ler esse cara. Dica do Idelber.

    http://terramagazine.terra.com.br/blogdomarcelosemer/blog/2014/02/12/demagogia-na-lei-e-oportunismo-com-morte-de-reporter/

  160. Chesterton said

    O que o PT fez de bom Pax?

  161. Pax said

    ora, caro Chesterton,

    subir dezenas de milhões da linha da miséria para o plano do consumo, vai me dizer que isso é ruim?

    problema que:

    1 – não tinha mais nada a oferecer… esses mesmo, dezenas de milhões, muitos estão insatisfeitos com toda razão. Não é porque o cara conseguiu comprar comida (em primeiro lugar), depois fogão, geladeira, roupa, móveis, tv, carro, moto, passagem de avião etc que ele vai suportar o resto todo falido que o Estado oferece. Seja Estado considerado em todos os âmbitos: União, Estados e Municípios.

    2 – adentrou demais na corrupção, aparelhou o que tinha que aparelhar, não só não resolveu os problemas de incompetência (afora a corrupção) como acentuou (basta ver as agências regulatórias como um excelente exemplo do que digo) essa incompetência.

    enfim, nota-se claramente que não há um plano, uma direção…

    e fica nesse encimadomurismo, não sabe se quer ser desenvolvimentista, se quer ser estado do bem-estar-social, faz meia boca aqui, meia boca ali, se perde nesse emaranhado de corrupção, não reforma porcaria nenhuma.

    deu no que deu

    e agora quer que todo mundo não reclame, senão vira coxinha, imprestável, lacerdinha etc.

    arrâm…

  162. Chesterton said

    1. deu de mão beijada, sem aumento de produtividade ou outra contrapartida. Para tanto aumentou os impostos tirando dinheiro do setor produtivo que poderia ter sido investido para aumentar a produção e aumentar a renda de modo real e duradouro.

    2.mesmo você admite que eumentaram os problemas em vez de solucioná-los.

  163. Chesterton said

    Otto, ninguem aqui sabe quem dá dinheiro para esses assassinos. mas você sabe. E está nervoso porque podemos descobrir a qualquer momento. Por isso essas suas manobras diversionistas.

    obs: se for o DEM juro que vou fazer tudo para que sejam processados e percam o direito de existirem como pártido.

  164. Chesterton said

    o governo do PT é muito bom para Cuba

    http://ucho.info/porto-cubano-embargado-atropelou-governo-dilma-que-tenta-vender-gato-por-lebre

  165. Chesterton said

    Aí petistas pestilentos, essa é da boa

    O Presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, tinha pleno conhecimento da sigilosa investigação feita pela Interpol (envolvendo a Polícia Federal do Brasil, da Argentina, da Espanha e a Guarda de Finança da Itália) para localizar e prender Henrique Pizzolato – foragido após condenação a 12 anos e 7 meses de prisão por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro. Foi para não atrapalhar a caça a Pizzolato que Barbosa não teve pressa em determinar a prisão do deputado João Paulo Cunha, antes das férias do Judiciário.

    Barbosa foi comunicado por seus assessores de inteligência no STF que a Polícia Federal estava monitorando comunicações entre Pizzolato e a cúpula petista, principalmente alguns condenados na Ação Penal 470. Por sorte, a Interpol interceptou pelo menos uma ligação telefônica feita do Brasil para Pizzolato, na Itália, no dia 16 de janeiro. Quem ligou foi ninguém menos que o deputado João Paulo Cunha. Na interpretação da conversa interceptada pela Polícia Federal, Cunha teria pedido um depósito em dinheiro na conta de uma prima.

    Tal ligação entre o deputado e o foragido foi fundamental para a polícia italiana localizar Pizzolato. Mas o ato fatal para pegá-lo – segundo versão vazada da investigação – foi uma doação de 50 mil euros feira na Europa para a conta, no Brasil, do ex-tesoureiro petista Delúbio Soares. O dinheiro veio em nome de italianos e marroquinos usados como “laranjas”. Agora, a Procuradoria Geral da República e a Polícia Federal, com a ajuda do Coaf, investigam se houve doações semelhantes para José Genoíno.

    Os investigadores analisam dados de dois computadores apreendidos na casa do sobrinho de Pizzolato, no momento da prisão em Pozza de Maranello. A Interpol também investiga detalhes de viagens feitas por Pizzolato pela Europa – principalmente pela França e pela Suíça – para realizar transações bancárias. Caso se confirmem tais movimentações financeiras, haverá evidências de que Pizzolato teve ajuda dos companheiros petistas para fugir do Brasil com o objetivo de cuidar do que sempre fez: gerenciar recursos do esquema do Mensalão – e, possivelmente, de outras falcatruas.

    No interrogatório à Guarda de Finança da Itália, Pizzolato repetiu a mentira de que é completamente inocente das acusações no processo do Mensalão e reiterou que “agiu apenas cumprindo ordens superiores como funcionário do Banco do Brasil” (do qual foi diretor de Marketing). Pelas investigações, Pizzolato continua fazendo parte do time. Seu descontentamento com a cúpula petista, no entanto, pode não ser uma mera encenação, como pode parecer á primeira vista. Pizzolato protagoniza, certamente, um jogo de pressão.

    O Alerta Total já tinha antecipado na edição extra de ontem que, em um cofre bancário no exterior, Henrique Pizzolato tem uma caixa com três HDs (Hard Disks) contendo um arquivo completo de todas as negociações feitas entre 2003 e 2007 com o esquema do publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza. Pizzolato confia que tais documentos – que podem ser colocados à disposição das autoridades italianas – serviriam como seu “seguro de vida”.

    Por isso, os petralhas não têm o menor interesse que Henrique Pizzolato seja extraditado pela Itália (país no qual tem cidadania). Farão de tudo para atrasar a resolução final pela justiça italiana. Enquanto isso, já corre nos bastidores do poder uma operação abafa para que dê em nada a investigação sobre a origem do dinheiro doado a Delúbio Soares e José Genoíno. Na tática de despiste, o presidente do PT, Rui Falcão, já entrou ontem com uma representação no STF contra Gilmar Mendes. Falcão alega que o ministro cometeu uma “ofensa à honra do partido, ao sugerir que houve lavagem de dinheiro nas doações a Delúbio e Genoíno”.

    Pizzolato participa hoje, ás 11 horas, de uma audiência na Corte de Apelação de Bolonha, quando repetirá que não deseja a extradição para o Brasil. Assim, o caso tende a uma providencial embromação. O assunto pode parar na Corte de Cassação de Roma, demorando uns seis meses até uma decisão final. O advogado italiano dele, Lorenzo Bergami, pedirá a liberdade do cliente ou, no máximo, uma prisão domiciliar, com uso de bracelete eletrônico. Formalmente, Pizzolato está preso por falsidade ideológica (tinha um passaporte falso em nome do falecido irmão Celso Pizzolato).

    Aliás, tal falsificação tende a agravar o julgamento contra Pizzolato, favorecendo sua extradição, caso seja formalmente pedida pelo Brasil. As investigações deixam claro que Pizzolato premeditava uma fuga desde 2007. Difícil vai ser demonstrar que Pizzolato não contou com a ajuda da máquina petralha para montar a falsificação documental que viabilizou sua fuga do Brasil, via Argentina, seguindo pela Espanha, até chegar a Itália.

    O jornal O Globo relata que, para conseguir obter um passaporte brasileiro em nome do irmão Celso, morto em 1978, Henrique Pizzolato apresentou à Receita Federal, ainda em 2007, uma Declaração Anual de Isento em nome do irmão — 29 anos depois de ele ter falecido. A Receita não se deu ao trabalho de verificar por que um homem, que na época teria 53 anos, havia ficado tanto tempo sem informar nada ao Leão.

    Com a situação fiscal regularizada, Pizzolato tratou de regularizar o CPF de Celso. Na página da Receita, é possível ver que a situação cadastral em nome do falecido está regular, o que significa que, para a Receita, ele não deve nada e é um cidadão vivo. Em Santa Catarina, também em 2007, o Instituto de Identificação do estado expediu uma carteira de identidade em nome de Celso Pizzolato. A falsificação foi possível porque em 1978, quando Celso morreu num acidente de carro, a família não enviou o atestado de óbito aos cartórios.

    De posse do RG falso, Pizzolato partiu para a confecção de novos documentos. O próximo passo foi regularizar a situação de Celso no Tribunal Superior Eleitoral porque, para a emissão de passaporte são exigidos, entre outras coisas, RG e título de eleitor com comprovante de regularização. Pizzolato procurou a Justiça Eleitoral do Rio, onde morava, em janeiro de 2008. Por se alistar fora do prazo — na época, Celso deveria ter 54 anos — ele teve de pagar R$ 3,51. Após se recadastrar, “Celso” faltou ao 1º e 2º turnos das eleições de 2010. Mas, Pizzolato, preocupado em não fazer do irmão um inadimplente, pagou, em março de 2011, a multa pelo não comparecimento: R$ 7,02.

    A PF em Santa Catarina instaurou inquérito policial para investigar toda essa safadeza. Mas, como de costume, a tendência é que o caso corra com a máxima lentidão, até cair no tradicional esquecimento. No Brasil da corrupção e da impunidade, sob governança do crime organizado, só haverá punição rigorosa se e quando o PT for tirado do poder.

    http://www.alertatotal.net/2014/02/barbosa-protelou-decisao-sobre-prisao.html

  166. Chesterton said

    Delação premiada em troca de informações comprometedoras contidas em mais dois computadores, com teor bem mais explosivo que os três HDs já apreendidos pela Justiça Italiana. Eis a moeda de troca oferecida pela defesa de Henrique Pizzolato para tentar convencer o governo da Itália a não extraditá-lo para o Brasil. A outra briga imediata do mensaleiro, hospedado na Penitenciária de Modena, é conseguir a prisão domiciliar. A petralhada finge o contrário, mas não quer o retorno de Pizzolato ao País.

    O advogado Lorenzo Bergami pretende apresentar à Corte de Apelação de Bolonha novas provas de que o retorno de Pizzolato ao Brasil vai colocar em risco a vida de seu cliente. A prioridade máxima do Ministério da Justiça do Brasil é pedir aos italianos que a Polícia Federal também tenha acesso às informações contidas nos três computadores aprendidos no momento da prisão dele. O Departamento de Recuperação de Ativos do MJ pedirá que o material, junto com as informações de cartões de crédito de Pizzolato, seja enviado para a Superintendência da Polícia Federal em Santa Catarina – que investiga a fuga de Pizzolato.

    Pizzolato é um dos principais arquivos vivos do Mensalão. Outro que segue o mesmo procedimento de “seguro de vida” é Marcos Valério Fernandes de Souza. O publicitário sempre deixou claro que, se algo acontecer com ele ou sua família, informações comprometedoras vão vazar. Valério ainda deu um sustinho na petralhada denunciando à Polícia Federal que o ex-Presidente Lula da Silva sabia de todo o esquema do Mensalão. Mas o inquérito que apura a revelação do operador do mensalão segue em segredinho…

    O caso Pizzolato é ainda mais complicado. O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil sempre foi figura intimamente ligada à cúpula petista. Na Itália, ele está preso por falsificação do passaporte. Lá, a tese é que ele contou com a ajuda de gente poderosa, provavelmente na máquina governamental, para forjar documentos e fugir do Brasil – conforme já estaria planejado desde 2007.

    Como a Justiça italiana deve demorar uns seis meses para decidir pelo retorno dele ao Brasil, Pizzolato pode voltar bem no inferno da campanha eleitoral. Este é o maior temor dos petistas, fora o que os italianos podem descobrir e revelar sobre os movimentos, no exterior, de um dos “gerentes” do esquema do Mensalão. Os italianos farão de tudo para dar o troco no governo petista, por causa da proteção ao ex-terrorista Cesare Battisti. Por isso, na Itália, é grande a aposta de que Pizzolato será extraditado – independentemente da vontade do governo brasileiro.

    Alguns petistas avaliam que é melhor trazer Pizzolato para perto – onde seria mais fácil manter seus segredos bem guardados. Mas todos concordam que é inoportuna a chegada dele no meio da reeleição de Dilma Rousseff. Por isso, o movimento é para a extradição imediata. Ou, então, para que o processo só comece a andar a partir de 2015, de preferência bem depois da eleição.

    Laços de Família

    Pizzolato já causa confusão na sucessão presidencial.

    O Ministério Público Federal sustenta a tese de que a gestão dele no marketing do BB causou danos de R$ 5,5 milhões ao erário, na operações com as agências de publicidade de Marcos Valério.

    Acontece que um parecer dado em 2012 pela conselheira Ana Arraes, do Tribunal de Contas da União, que foi acompanhada pela maioria de ministros do TCU, isentou as agências de devolverem a grana ao BB.

    Ana Arraes é mãe do presidenciável Eduardo Campos, do PSB, um ex-aliado petista que agora quer o lugar de Dilma Rousseff, no UFC presidencial de 2014.

    Alerta Total
    http://www.alertatotal.net/2014/02/pizzolato-oferece-mais-dois.html

  167. Otto said

    Pax, Estadão você lê, não é? ;-)

    Documentos do processo do mensalão que comprovariam que o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato não cometeu crimes foram entregues a Lorenzo Bergami, advogado do ex-dirigente do BB (preso desde a semana passada na Itália), informou a mulher do condenado, Andrea Haas, com exclusividade ao Estado. A papelada está sendo traduzida para o italiano, supostamente para ajudar a enfrentar o pedido de extradição que o Brasil se prepara para encaminhar ao governo local.

    Veja também:
    link PF pede computador de Pizzolato em busca de dados sobre mensalão
    link Petistas tentam isolar Pizzolato para não comprometer tese de ‘julgamento injusto’

    Andrea Haas na saída da penitenciária onde Pizzolato está preso – Jamil Chada/Estadão – 08.02.2014
    Jamil Chada/Estadão – 08.02.2014
    Andrea Haas na saída da penitenciária onde Pizzolato está preso
    O objetivo da defesa seria demonstrar que o ex-dirigente do BB sofre perseguição política no País, onde não teria tido um julgamento justo, nem legal, no Supremo Tribunal Federal. Pizzolato foi condenado a 12 anos e sete meses de prisão por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro. Sempre negou os crimes e, diante da impossibilidade de evitar a cadeia e detentor de nacionalidade brasileira e italiana, fugiu do Brasil em setembro, com passaporte em nome do irmão, Celso, morto em 1978.

    “Estamos enfrentando tudo isso”, afirmou ela em entrevista na Corso Vittorio Emanuele, depois de visitar o marido na prisão em Sant’Anna, nos arredores de Modena, e passar cerca de meia hora no escritório de Bergami, no centro histórico da cidade italiana. Vestida de preto e de óculos escuros, apesar do dia frio e do tempo que alternava pouco sol com chuva fina, Andrea – arquiteta sem formação jurídica – expôs com calma sua visão do processo, que estudou por mais de um ano, na tentativa de ajudar o marido a evitar a cadeia.

    Citando documentos de memória, disse que o marido não liberava recursos do Fundo Visanet, cujo dinheiro não seria público (o que descaracterizaria o peculato), nem teria sido desviado, já que os pagamentos têm comprovantes. “Este processo é político”, disse ela, que criticou os ex-procuradores-gerais da República Antonio Fernando de Souza e Roberto Gurgel e o presidente do Supremo Tribunal Federal e relator do processo, Joaquim Barbosa, além de citar dirigentes do Visanet e do BB à época que não foram chamados pela Justiça.

    Como está o seu marido?
    Ele está bem. Não está feliz, mas estamos enfrentando tudo isso. Foram encaminhados para o advogado documentos do processo no STF.

    Pizzolato se sente abandonado pelo PT?
    Ele… Todos os réus foram injustiçados. O PT não tem posição. São pessoas do partido que falam.

    Que documentos foram encaminhados ao advogado?
    O regulamento do Fundo Visanet, o Laudo 2828 da Polícia Federal, as auditorias no fundo e outros. Estão sendo traduzidos.

    O que diz o regulamento do Fundo que favoreceria a defesa de Pizzolato?
    Diz que o dinheiro era da Visanet, um fundo de marketing. Mostra que não é um fundo de investimento. Quando foi feita a denúncia em 2006, o procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza escreveu que o Visanet era um fundo de investimento. Qual foi o documento em que Antonio Fernando se baseou para dizer que o Visanet era um fundo de investimento? Desde quando a Visa tinha fundo de investimento? Ela não era credenciada para isso… Dizer que o Visanet era um fundo de marketing é uma mentira. E o procurador que sucedeu a Antonio Fernando, Roberto Gurgel, manteve isso.

    E quanto ao Laudo 2828 da PF?
    Está muito claro. Tem até uma tabelinha, dizendo quem eram os responsáveis por gerir os recursos da Visanet. Esse laudo era do conhecimento do procurador Antonio Fernando e do ministro Joaquim Barbosa. Já sabiam em 2007, antes da aceitação da denúncia pelo STF. Eles colocaram esse laudo em um inquérito paralelo, o 2474. Esconderam esse laudo no Inquérito 2474, para que não aparecesse para os advogados. Ocultaram uma prova. Dois dias depois da publicação da decisão de levar os acusados a julgamento, o procurador Antonio Fernando tirou o laudo 2828 e o colocou na já Ação Penal 470, com uma carta de apresentação. O que diz essa carta? O procurador escreve o seguinte: conforme o laudo 2828 demonstra, a denúncia estava correta. Aponta que Henrique Pizzolato e Luis Gushiken foram responsáveis. É um documento de 59 páginas; os nomes de Pizzolato e de Gushiken não aparecem no laudo…

    Pizzolato não era o responsável pelo Fundo Visanet?
    Os nomes dos funcionários do Banco do Brasil responsáveis pela Visanet estão lá no laudo. Dizer que eram Pizzolato e Gushiken é falsear um documento. Ele não informa isso, não fala.

    Mas não há documentos com a assinatura de Pizzolato liberando recursos do Visanet?
    Não. Dentro do Banco do Brasil, quando uma diretoria quer fazer um trabalho com outra diretoria, é feito um documento estritamente interno do banco. Esse documento é interno, não pode sair. Nunca foi para a Visanet. É um acordo de trabalho entre duas diretorias. Ou seja, dentro do Banco do Brasil. O Banco do Brasil tem um presidente, sete vices e mais de 30 diretores. E esses diretores se subdividem em negócios e operacionais. Esses operacionalizam as decisões que os diretores de negócios demandam. A diretoria de negócios responsável pelo relacionamento com a Visanet era a de varejo, que cuidava dos cartões de crédito e de débito. Todas as informações sobre as relações com a Visanet eram do conhecimento exclusivo da área de varejo. A Visanet informava que estava disponibilizando para o Banco do Brasil um valor “X” para campanhas publicitárias com a marca Visa. A informação ia para o BB Banco de Investimento, que a encaminhava para o diretor de Varejo. A diretoria de varejo podia tomar três decisões. Uma era dizer: não queremos. Segunda, podia dizer: vamos só nós do Varejo fazer uma campanha para os clientes. Por exemplo, vai ter um show do Luciano Pavarotti, vamos convidar para ele só os clientes private e colocar a marca Visa. E tinha a terceira: a diretoria de Varejo podia fazer uma campanha com qualquer outra diretoria do Banco do Brasil. A parceria que foi feita foi com a diretoria de Marketing. Havia ainda uma quarta alternativa: em vez de usar as agências licitadas para fazer publicidade para o Banco do Brasil, contratar uma agência sem licitação. Por quê? Porque não era dinheiro do Banco do Brasil, era de uma empresa privada.

    Como assim?
    Existe um parecer da área jurídica do Banco do Brasil que diz que, como o dinheiro do Visanet não pertenceria ao Banco do Brasil, não está sujeito à lei de licitações, como as empresas públicas. O Tribunal de Contas da União não tem nada sobre o dinheiro da Visanet. Por quê? Porque o dinheiro da Visanet não é público. Isso quer dizer que o Ministério Público se imiscuiu diante de uma empresa privada, diz que houve crime. Isso, legalmente, não poderia ser feito. Se houve crime em uma empresa privada, ela é que teria de fazer a queixa. Mas nunca a Visanet relatou qualquer problema. Nunca o Banco do Brasil falou em desvio de dinheiro. Não existe nenhum documento no processo no qual o Banco do Brasil diz que houve desvio de dinheiro.

    Se não era Pizzolato, quem liberava o dinheiro do Fundo Visanet?
    Só existe um documento de liberação de dinheiro do Visanet, segundo o Regulamento do fundo. Somente o gestor do Visanet, Leo Batista dos Santos, podia liberar. Ele era funcionário do Banco do Brasil, gerente de Cartões. Aliás, os executivos da diretoria de Varejo faziam parte do Conselho de Administração da Visanet, inclusive o atual presidente do Banco do Brasil, Ademir Bendine, na época dos fatos. Por que nunca foi ouvido no inquérito ninguém da Visanet, sendo dela o dinheiro? Por que esses executivos do Banco do Brasil nunca foram chamados a responder? Se os documentos do Banco do Brasil eram sempre assinados por quatro executivos, sendo dois diretores e dois gerentes, por que o Supremo Tribunal Federal pinçou apenas uma assinatura e condenou? Com o documento efetivo,legal, jurídico, para que a Visanet pagasse diretamente à DNA, o dinheiro não passava pelo Banco do Brasil. Não existe dinheiro da Visanet que tenha passado pelo Orçamento do Banco do Brasil. Não existe.

    Também estão sendo traduzidas auditorias?
    As auditorias falavam que os procedimentos podiam ser melhores… Mas tem uma auditoria, de 5 de dezembro de 2005, no Item 7, Conclusões. É clara: o dinheiro era da Companhia Brasileira de Meios de Pagamento, Visanet. Também diz que o responsável pelo dinheiro era a diretoria da Visanet. E a Visanet fornece os comprovantes dos pagamentos. A responsável por fiscalizar as campanhas era a Visanet, ela era a dona do dinheiro. A comprovação de que as campanhas foram feitas… A primeira coisa que o procurador da República tinha de ter feito era saber se as campanhas tinham sido realizadas. Isso nunca foi feito! Apesar disso, dentro do processo tem 11 volumes, fora os apensos, cada volume e cada apenso com 300 páginas em média. A comprovação de que os serviços foram feitos está lá. São notas fiscais, fotografias, relatórios de inserção na TV… Por que os ministros do STF ignoraram essa prova? Existem 93 detalhamentos de campanhas publicitárias. O detalhamento da campanha Festival de Cinema Isto É… Do Encontro da Magistratura na Bahia, em que, inclusive, havia representantes do STF… Pagamentos da Visanet à Globo, R$ 5 milhões… Ao Estadão, por propaganda da marca Visa… A Festa do Peão Boiadeiro, exposições no Centro Cultural Banco do Brasil.

    Como a senhora se sente, com seu marido preso por essas acusações?
    Não me sinto abandonada. Tenho base para lutar. Quando falo para qualquer italiano sobre esse processo, compreendem na hora. Este processo é político. Ignorou totalmente as leis e o procedimento jurídico correto. Pizzolato não teve direito a nenhum recurso. Quando digo isso para os advogados italianos, dizem: não acredito.

    A senhora cita de cor trechos do processo. Estudou-o muito?
    Fiquei mais de um ano estudando, um ano e meio. Eu, uma arquiteta, não tenho nada a ver com a área de direito. É só mostrar o que aconteceu. Entendem na hora.

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,para-mulher-de-pizzolato-todos-sao-injusticados,1129343,0.htm

  168. Pax said

    Chesterton, velho e bom Chesterton, rabugento e leitor de porcarias diversas, Alerta Total ?

    E quer que eu dê crédito?

  169. Pax said

    Caro Otto,

    A esposa do Pizzolato só esqueceu R$ 326.000 razões para ele ser considerado, como foi, corrupto. Uma mixaria qualquer que o motoboy lhe entregou porque Marcos Valério e seus sócios tinham adoração pela sua conduta ilibada.

    sei…

  170. Chesterton said

    Pax, eu não quero nada, você que pediu para\ eu voltar, lembra.
    Mas que a explicação sobre a não assinatura do Barbosa antes viajar faz sentido, ah, faz.

  171. Chesterton said

    brincando com fogo…

    __________________________________

    WEDNESDAY, FEBRUARY 12, 2014

    Terroristas do MST Assaltam Policiais e Gilberto Carvalho Certamente Gargalha
    Gilberto Carvalho deve estar gargalhando de felicidade, o bicho está pegando como ele mandou, principalmente quando seus assalariados, do grupo terrorista MST, partem para a violência: Confronto entre MST e PM na frente do Planalto deixa 8 policiais em estado grave. Ao menos 33 pessoas ficaram feridas, sendo 30 policiais; MST diz que 3 manifestantes ficaram feridos.
    POSTED BY SELVA BRASILIS

  172. Pax said

    Lembro sim, escrevi para você para ver se você voltanto o Elias dividia seu rancor pelo aprodecimento do PT e minhas críticas a esse processo fossem divididas.

    Não deu certo.

    O Elias não aceita qualquer crítica que indique que o PT já foi.

    Vai continuar como uma máquina eleitoral. Claro que vai. Dilma será reeleita. Quase certo que no primeiro turno.

    Apesar de todos os absurdos que estão cometendo, como essa lei antiterrorismo pra quem reclamar. Aliás, devo estar na lista. 30 anos de cadeia por fazer um blog que aponta a corrupção que aparece no noticiário.

    E tudo começou, lembro bem, quando não entrei na trincheira para defender a turma corrupta que a AP 470 colocou em cana.

    Mas… caramba, eu não apanhei dinheiro algum na boca de caixa algum, não conheço Marcos Valério como Azeredo (do post) e Dirceu conhecem…

  173. Pax said

    Caro Chesterton,

    Veja as fontes que você usa. Nem a PM de BSB disse que há 8 feridos graves na manifestação do MST (aliás, foi bem grandinha…).

    Mas a tua fonte já inventou, pra ficar bacana.

    Sacou porque há que se selecionar fontes, velho e rabugento Chesterton.

    Mas não posso falar de cafezinho e outros blogs da esquerda, porque viro inútil, lacerdista e terrorista… sacou?

  174. Chesterton said

    QUARTA-FEIRA, 12 DE FEVEREIRO DE 2014

    PM do DF é COVARDEMENTE agredida pelo MST
    O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, conhecido por MST, é claramente um movimento de índole terrorista. Invasão e destruição de propriedades, cárcere privado, agressões físicas e ameaças são apenas alguns dos expedientes comumente adotados pelo MST. Eu pergunto: até quando toleraremos esse movimento terrorista? Até quando esses marginais destruirão vidas e propriedades e sairão impunes. Por que? Por que tolerar um grupo que invade e agride? Quem tem medo do MST?

    Hoje a polícia militar do Distrito Federal foi COVARDEMENTE agredida pelos integrantes do MST. O STF esteve perto de ser invadido, sendo que foi obrigado a interromper sua sessão sob a ameaça de invasão iminente. Depois de quase invadir o STF, depois de ferir 30 policiais militares (8 deles estão em estado grave), adivinhem o que o MST fez? Por mais incrível que pareça, o MST voltou para seu acampamento e lá permanece, como se nada tivesse ocorrido. Sabem onde eles estão acampados? Numa área pública cedida pelo governo do Distrito Federal!!! Eles estão acampados em frente ao ginásio Nilson Nelson!!!

    Pergunto ao Governador do Distrito Federal: quais medidas o Sr. vai tomar? Vai continuar permitindo que agressores, que feriram 30 policiais militares, continuem acampados em área pública? Aliás, quem está pagando por esses custos de acamapamento? Quanto de dinheiro público está bancando este acampamento?

    Pergunto a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, o que a senhora tem a dizer? A senhora vai se solidarizar com as famílias dos policiais militares agredidos? A senhora vai ao menos mandar uma mensagem de agradecimento aos policiais militares que mesmo cercados pelos terroristas do MST mantiveram seu profissionalismo?

    As imagens são aterradoras: a PM foi cercada e esteve há um passo de ser dizimada pelos terroristas do MST. Até quando? O STF quase foi invadido, o que o governo esta esperando para prender esses bandidos?

    De minha parte deixo aqui meu agradecimento e minha solidariedade aos policias militares do DF. E, de maneira equivalente, deixo aqui meu repúdio aos marginais que puserem em risco a vida de trabalhadores honestos. Deixo aqui meu repúdio a Gilberto Carvalho, que mesmo presenciando a situação, foi até os líderes do MST conversar com eles, como se o MST fosse um movimento legítimo, e não uma associação ilegal estruturada em forma de guerilha. Onde estão as palavras de Gilberto Carvalho de solidariedade aos policias covardemente agredidos? Onde estão as palavras de Gilberto Carvalho criticando a ação do MST?
    POSTADO POR ADOLFO SACHSIDA

  175. Chesterton said

    http://oglobo.globo.com/pais/confronto-entre-mst-pm-na-frente-do-planalto-deixa-8-policiais-em-estado-grave-11584163

  176. Pax said

    hum… será? não vi isso no Jornal da Band nem no JN e o O Globo dá… será?

    (ok, retiro o lance da fonte, apesar de …)

  177. Chesterton said

    oglobo serve de fonte (interroga)

  178. Pax said

    nem sempre, Chesterton, sabemos disso…

  179. Chesterton said

    e a Folha de Sao Paulo

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/02/1411387-balanco-aponta-ao-menos-30-pms-feridos-em-ato-do-mst-em-brasilia.shtml

  180. Chesterton said

    tem a VEJA

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/brasil-surrealista-comandante-da-pm-de-brasilia-livra-a-cara-do-mst-mesmo-com-30-policiais-feridos-e-apenas-2-sem-terra-ja-o-mst-na-pratica-assume-o-confronto/

  181. Chesterton said

    tem o Estadão

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,mst-protesta-contra-dilma-supremo-e-americanos-tumulto-deixa-24-feridos,1129602,0.htm

  182. Chesterton said

    e o site Terra

    http://noticias.terra.com.br/brasil/cidades/protesto-do-mst-tem-confronto-com-a-policia-em-brasilia,023124c6c7724410VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html

  183. Chesterton said

    a CBN

    http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/pais/2014/02/12/TRINTA-POLICIAIS-FICAM-FERIDOS-EM-MANIFESTACAO-DO-MST-EM-BRASILIA.htm

  184. Chesterton said

  185. Chesterton said

    O MST na vanguarda do atraso

    Militantes do MST “negociando” com a polícia. Fonte: Pedro Ladeira/Folhapress
    Uma “manifestação” violenta com quase 20 mil militantes do MST tomou conta de Brasília hoje. Mais de 20 policiais ficaram feridos no confronto com os sem-terra (que já ganharam mais de uma França em território doado pelo governo), cujo “argumento” costuma ser o porrete ou a foice.

    O que quer o MST? Mais terra, ora. E mais subsídio estatal, pois mesmo com toda a terra que já recebeu, seus assentamentos não são produtivos. Quer, também, implementar o regime socialista no Brasil. Ou seja, quer colocar o nosso país na liderança dos mais jurássicos do planeta.

    À medida que uma economia avança, a tendência é a mão de obra migrar do campo para a cidade. A agricultura passa a ser mecanizada, o investimento em tecnologia aumenta sua produtividade, liberando grande contingente para trabalhar nas indústrias e serviços.

    Os Estados Unidos, que já tiveram mais de 90% de sua mão de obra no campo, hoje não têm nem 1% dos trabalhadores neste setor. Não obstante, o país é um dos grandes produtores de grãos do mundo, e tem uma renda per capita próxima de US$ 50 mil. Empresas capitalistas dão conta do recado, e o grosso do PIB acaba vindo do setor de serviços (é que o valor agregado de um iPhone tende a ser maior do que o de um saco de arroz).

    Fiz um rápido estudo, usando como fonte o CIA World Factbook, que mostra de maneira inequívoca a correlação entre desenvolvimento econômico e redução da mão de obra rural. Vejam o resultado de alguns países selecionados por mim:

    Fonte: CIA World Factbook
    Fonte: CIA World Factbook

    O Brasil tem mais de 15% da força de trabalho atuando no setor agrícola. Com cerca de 30% estão países como Bolívia e Equador, camaradas bolivarianos idolatrados pelo MST (um benchmark, quem sabe). A Índia miserável, tadinha!, ostenta o último lugar, com mais da metade da força de trabalho no setor agrícola (o sonho do MST?).

    Já Estados Unidos, Alemanha, Bélgica, Canadá, Holanda, Dinamarca e Suíça não chegam a ter nem 4% do total de trabalhadores neste setor. A média é a metade na verdade, de apenas 2%. Mesmo Austrália e Nova Zelândia, fortes na agricultura, têm apenas 3,6% e 7%, respectivamente.

    O sonho do MST é ignorar o progresso, a tecnologia, o avanço capitalista, e levar o Brasil mais para perto da Bolívia e do Equador, quiçá da Índia. Pelo MST, o governo tirava mais e mais gente das cidades e mandava para o campo, em “favelas rurais” improdutivas sustentadas por nossos impostos.

    Por isso digo sem medo de errar: o MST está mesmo na vanguarda do atraso. O Brasil não precisa dos invasores de terra. Precisa de mais capitalismo, de mais livre mercado, de mais tecnologia e, sim, de mais latifúndios produtivos!

    Rodrigo Constantino

  186. Otto said

    Pax. só precisa provar a relação dos R$ 326.000,00 com a Visanet, que nem o Joaquim nem o clone do Jô Soares conseguiram provar.

  187. Pax said

    Caro Otto,

    Admiro tua persistência em defender um corrupto condenado por maioria do plenário do STF, indicado pelo PT, baseado em farto conjunto probatório. E ainda mais, defender um cara que embolsa descaradamente os tais trezentos e tais.

    Caro Chesterton,

    Nenhuma notícia de hoje confirma 8 feridos graves. Pra você ver que nem sempre O Globo, Estadão, Folha, Veja etc noticiam fatos. Às vezes distorcem, exageram. E o pior, às vezes erram. Pior que pior? Às vezes exageram, inventam, criam factóides.

  188. Chesterton said

    e se as noticias de hoje estão erradas|?

  189. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/02/1411532-governo-da-venezuela-pede-prisao-de-lider-opositor-apos-protesto-com-tres-mortos.shtml

  190. Chesterton said

    eu simplesmente não encontro nenhuma matéria hoje sobre a tenativa de invasão do MST ao STF. Será auto-censura?

  191. Chesterton said

    Dilma fugiu.

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/painel/2014/02/1411482-avisada-do-iminente-protesto-do-mst-dilma-resolveu-despachar-do-alvorada.shtml

  192. Elias said

    “O Elias não aceita qualquer crítica que indique que o PT já foi.” (Pax)

    Estás vendo como és intelectualmente desonesto?

    Todos os comentadores do PolíticAética sabem que já declarei, um porrilhão de vezes, que o PT se desnaturou, que ele já deu o que tinha de dar (de bom e, principalmente, de ruim), que ele padece de fadiga de material, que as razões históricas que deram causa ao PT já foram superadas, etc., etc.

    Todos os comentadores do PolíticAética sabem que já declarei, um porrilhão de vezes, que a única justificação histórica para a permanência do PT é o fato de que todos os demais partidos brasileiros são muito piores do que ele, sob qualquer aspecto (moral, ético, político, de capacidade gerencial, etc.). Tanto são inferiores que praticam os mesmos atos de improbidade e, de quebra, não conseguem se articular politicamente para se tornar uma alternativa de poder em âmbito nacional. Ou seja, são desonestos e, de quebra, politicamente incompetentes. De qualquer modo, a única razão para a subsistência do PT não está mais nele, e sim nos adversários (característica principal de uma instituição que não diz mais nada ao seu próprio tempo).

    Já declarei isso um porradal de vezes, nas caixas de comentários deste blog e até em mensagem pessoal, por e-mail, que trocamos recentemente.

    Então, tu, como todos os demais comentadores deste blog, conhecem perfeitamente minha opinião e minha conduta em relação ao PT, que não é essa merda que escreveste, aí acima.

    No entanto, escreveste a merda aí acima.

    É ou não é desonestidade intelectual?

    Também já disse que não sou leitor do Blog do Cafezinho, nem do leitinho, nem do chazinho… Leio apenas o teu blog e o do Lúcio Flávio Pinto.

    Apenas acho que, diante de tua conduta recente, não tens moral pra questionar a credibilidade do tal Blog do Cafezinho…

    Farias melhor se ficasses mais atento à tua própria credibilidade, antes de tentar atuar no papel de palmatória do mundo…

  193. Chesterton said

    Alguns integrantes do movimento derrubaram as grades laterais do Congresso e avançaram em direção ao prédio. Parte dos manifestantes chegou a jogar pedaços de pau e pedras nos policiais, que revidaram com bombas de efeito moral. Segundo a PM, 30 policiais foram feridos, sendo oito com gravidade. O MST, por sua vez, disse que o confronto deixou 12 manifestantes feridos.

    terra, ontem

    http://noticias.terra.com.br/brasil/cidades/protesto-do-mst-tem-confronto-com-a-policia-em-brasilia,023124c6c7724410VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html

  194. Chesterton said

    Elias, o PT é a origem de todo mal, e Lulla seu pastor.

  195. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/painel/2014/02/1411482-avisada-do-iminente-protesto-do-mst-dilma-resolveu-despachar-do-alvorada.shtml

    Apos a morte do cinegrafistas a federalização de crimes contra jornalistas voltou a pauta do governo.

    chest- ah, outros profissionais podem ser mortos a vontade, pqp

  196. Pax said

    Sim, caro Elias,

    Você tem razão. Eu admito que fui desonesto intelectualmente contigo. E peço, sim, desculpas. Temos isso registrado em nossas conversas por aqui e nos emails que trocamos.

    De novo, peço desculpas.

    Mas…

    Você passou a me chamar de inútil, inocente útil, de direita etc etc etc. Também está nos “autos”. E sabemos os porquês disso. Pelo menos tento entender, acho que sei.

    Cipó vai, e volta.

    Mas eu não vou entrar nessa. Não é o feitio que mais me agrada. Portanto, caro Elias, aqui, em público:

    Desculpe-me.

  197. Pax said

    Ah, sim, complementando: não, não sou palmatória do mundo. Apenas mantenho um blog sobre o noticiário da corrupção. E ele está aí, sua declaração mal escrita do mote do blog “Sobre o Blog” se mantém firme desde que nasceu, em agosto de 2008.

    e todos estão cansados de saber que considero a corrupção uma chaga que impede este país de andar à frente.

    seja de quem for, do cidadão, do DEM, do PSDB ou, também, do PT.

    meu compromisso, assumido em 2008, foi não livrar a cara de ninguém.

    e sempre pedi, insistentemente, que me alertassem se este compromisso fosse desviado.

  198. Chesterton said

    corrupção? O Elias se ferrou nesta daqui

    ____________________________

    A holandesa SBM Offshore, que aluga plataformas flutuantes a companhias petrolíferas, entre as quais a Petrobras, está sob investigação de autoridades da Holanda, Inglaterra e do Departamento de Justiça dos Estados Unidos desde 2012, por supostos pagamentos de suborno a empresas, inclusive estatais, e autoridades na Guiné Equatorial, Angola, Malásia, Kazaquistão, Itália, Iraque e Brasil. Sediada na Holanda, a SBM tem operações em Mônaco e Estados Unidos e é proprietária de uma das maiores frotas de plataformas flutuantes de produção, armazenamento e transferência (FPSO) do mundo.

    Detalhes da investigação se tornaram públicos a partir de denúncias de um ex-funcionário da SBM, publicadas no Wikipedia no ano passado. Segundo o ex-funcionário, entre 2005 e 2011 a SBM pagou US$ 250 milhões em subornos, dos quais mais da metade, precisamente US$ 139 milhões, teriam sido desembolsados por meio de “comissões” a intermediários e a funcionários da Petrobras, para obter contratos junto à estatal. A SBM tem participação majoritária em nove plataformas atualmente alugadas ou encomendadas pela estatal.

    Segundo a denúncia, os pagamentos teriam sido feitos por intermédio do representante comercial da SBM no Brasil, Julio Faerman, e empresas ligadas a ele, entre elas a Faercom Energia Ltd., JF Oildrive Consultoria em Energia Petróleo, Bienfaire, Jandell, Journey Advisors e Hades Production Inc. Das “comissões” (sempre mencionadas entre aspas) de 3% pagas a Julio Faerman (ou JF), 1% seria destinado a ele e suas empresas e “2% a funcionários da Petrobras”. Não são informados nomes.

    Em um trecho da denúncia, o ex-funcionário descreve uma conversa que teria tido com o presidente da SBM, Bruno Chabas (identificado como BC), em que ele teria dito, sobre os pagamentos a Faerman, que não era possível excluir a possibilidade de os pagamentos no Brasil terem tido como objetivo financiar partidos políticos. O Valor não conseguiu entrar em contato com Julio Faerman.

    Procurada pelo Valor, a Petrobras respondeu que não comentaria o caso. Também procurado, José Sergio Gabrielli, atual secretário de Planejamento da Bahia e que presidiu a estatal na época dos fatos alegados, disse por meio de sua assessoria que não iria se manifestar sobre este assunto.

    Nem a Petrobras nem a SBM informaram o valor dos contratos entre as duas empresas atualmente em vigor. No seu último balanço, a SBM informa que tem portfólio de encomendas de US$ 23 bilhões, incluindo as plataformas Cidade de Paraty, Cidade de Maricá e Cidade de Saquarema, em construção para a estatal brasileira.

    O ex-funcionário da SBM faz menção a documentos obtidos pela auditoria interna da companhia detalhando os pagamentos e acusa vários escalões da SBM de tentar acobertar evidências dos crimes. Ele afirma que em março de 2012, em entrevista com uma pessoa identificada como HT (a inicial remete a Hanny Tagher, que seria um ex-diretor de marketing e vendas da SBM), foram dadas explicações a respeito de um documento que alterava o contrato de 2 de Julho 1999 e assinado em 7 fevereiro de 2007 com a Faercom Energia.

    Segundo a denúncia, nessa entrevista, HT teria “confirmado que na divisão da comissão de 3%, 1% [seria] para JF (Julio Faerman) e 2% para os funcionários da Petrobras”. A menção anterior a Hanny Tagher (HT na denúncia) é que ele seria controlador de uma empresa nas Ilhas Virgens Britânicas por meio da qual teriam sido pagos subornos na Guiné Equatorial.

    Procurada pelo Valor em Mônaco, a assessoria da SBM Offshore respondeu por email que a investigação ainda está em andamento e, portanto, a companhia não tem informações adicionais às que foram fornecidas nos dias 7 e 10 de fevereiro. Na primeira nota afirma que foi vítima de extorsão pelo ex-funcionário antes da primeira publicação das denúncias na internet, em 18 de outubro de 2013. E que um representante do ex-funcionário, que deixou a empresa em junho de 2012, teria cobrado € 3 milhões para que as informações não fossem reveladas.

    A SBM informa ter tomado conhecimento em abril de 2012 de “certas práticas comerciais envolvendo terceiros que podem ter sido indevidas”. Iniciou uma investigação interna e informou os fatos às autoridades competentes. Foram contratados advogados externos e contadores que se reportavam a Sietze Hepkema, que assumiu a chefia do Conselho de Administração de Governança e Compliance (CGCO), criado naquele ano.

    A nota da companhia publicada no dia 10 menciona que, em março de 2013, a SBM informou ao mercado ter identificado “indícios de que pagamentos substanciais foram feitos, principalmente por meio de intermediários, que parecem ter sido destinados a funcionários de governos”. E que, “no curso da investigação, foram feitas alegações de pagamentos indevidos em países fora da África, mas, até o momento, nenhuma prova conclusiva de tais alegações foi estabelecida.”

    A SBM informa ainda que foram identificadas práticas comerciais “potencialmente impróprias em certos países africanos no período de 2007 até 2011 que estão sendo investigadas a fim de determinar se esses supostos pagamentos violaram as leis anti-corrupção”. A nota da SBM se preserva afirmando ainda que, quando cita “intermediários, se refere a agentes de vendas” e que não existem indicação de que os pagamentos, se tiverem sido feitos, foram feitos a funcionários de governos.

    Ao admitir a investigação de “práticas comerciais potencialmente impróprias”, a companhia nunca mencionou o Brasil, dizendo apenas que elas ocorrem em “dois países da África” e em um país “fora da África”.

    A SBM Offshore teve receitas de US$ 4,8 bilhões em 2013 e o valor de mercado da companhia é de US$ 3,3 bilhões. Desde o início do ano, as ações da companhia caíram 20,34%, grande parte resultado das investigações na Europa e Estados Unidos.

    Sozinha ou com sócios, a SBM tem atualmente nove contratos de construção e posterior aluguel de plataformas assinados com a Petrobras. Algumas já estão conectadas a campos gigantes no pré-sal de Santos, como Lula Nordeste (Cidade de Paraty) e Baleia Azul (Cidade de Anchieta) e outras estão em construção. Unidades estão instaladas nos campos de Roncador, Cachalote, Baleia Azul, Marlim Sul e Jubarte, na Bacia de Campos. Outra plataforma, a Cidade de Ilhabela, está em construção no estaleiro Brasa, em Niterói, e vai para o campo de Sapinhoá (antigo Guará).

    No ano passado, a empresa holandesa assinou, junto com sócios, os contratos para construção das plataformas Cidade de Maricá e Cidade de Saquarema, que estão em fase inicial de construção na China e serão instaladas no campo de Lula. A Petrobras tem sócios não operadores nesses campos, como a inglesa BG, a sino espanhola Repsol Sinopec e a portuguesa Petrogal. As investigações judiciais sobre as práticas comerciais da companhia holandesa podem ter efeito sobre essas petroleiras, já que nas leis anti-corrupção dos países sede dessas empresas, os sócios têm responsabilidade objetiva sobre esses pagamentos. (Valor Econômico)

  199. Elias said

    Por que estás a dizeire que me ferrei, ó puto?

  200. Elias said

    Pax,

    I
    Uma coisa é atribuir a alguém, palavras que esse alguém não disse ou atos que esse alguém não praticou.

    Outra, completamente diferente, é emitir um juízo de valor com base em algo que alguém efetivamente disse ou fez.

    II
    Uma coisa é te chamar de inútil (coisa que eu não fiz).

    Outra, completamente diferente, é dizer que tal ou qual coisa que tu fizeste ou disseste, é inútil para os propósitos da oposição. Ou que, por teres dito ou feito tal ou qual coisa, estás te tornando inútil para os propósitos da oposição.

    No mesmo comentário — E TE REFUTANDO! — eu disse que, para o PT, estavas ótimo. E expliquei: “para o PT, quanto mais burra a oposição, melhor!”.

    Vê só o Chester: já pensou se toda a direita brasileira fosse igual a ele? A esquerda faria festa todos os dias…

    Se eu pudesse, se meu dinheiro desse… Eu pagaria pro Chester ministrar cursos de formação de direitopatas politicamente ineptos.

    Já pensou a ala direita do espectro político brasileiro todinha formada só por clones intelectuais do Chester?

  201. Zbigniew said

    É assim que as coisas funcionam.

    “(…)
    Por Guilherme Scalzilli

    O Tribunal de Contas do Município vetou os corredores de ônibus. O Tribunal de Justiça impediu o aumento do IPTU. A Polícia Civil avacalhou a Operação Braços Abertos. Não há uma iniciativa da administração Fernando Haddad a salvo de alguma interferência saneadora milagrosa.

    Qual foi a última vez que um órgão fiscalizador estadual vetou programas de Geraldo Alckmin? Ou que o Judiciário paulista retirou centenas de milhões de reais dos cofres tucanos? Ou ainda que a soldadesca entrou numa obra assistencial de qualquer prefeitura descendo o cacete nos beneficiários?

    Claro que nada é casual nisso tudo. Um sucesso do PT em São Paulo, principalmente na sensível área dos transportes, soa como hecatombe às sanguessugas paulistanas. O mesmo vale para tantos projetos sociais que nasceriam de um vultoso aporte financeiro. E para a revitalização das áreas centrais, somada ao alívio da calamidade que atinge os dependentes químicos (área de atuação de Alexandre Padilha, pré-candidato petista ao governo, que esteve no local horas antes da chegada dos paisanos de Alckmin).

    Mas o que assombra nos episódios é o porte institucional da sabotagem.
    (…)”
    http://jornalggn.com.br/blog/guilherme-scalzilli/todos-contra-haddad

  202. Elias said

    “Elias, o PT é a origem de todo mal, e Lulla seu pastor.” (Chester)

    …E nada te faltará, à retaguarda…

  203. Elias said

    E, Pax,
    Claro que nem precisarias pedir desculpas…

    Vamos acertar essas coisas mais cedo ou mais tarde, quando tomarmos uns chopes geladíssimos, tirando o gosto com bolinhos de piracuí, molho de pimenta de cheiro ao tucupi e azeite de oliva extra virgem…

  204. Pax said

    Se você quebrar essa promessa, caro Elias, do chope, aí parto para as vias de fato. Não tenhas dúvida. Vou inventar provas, dizer que cuspiu no olho, xingou mãe, e parto pra cima…

    =)

  205. Chesterton said

    Estão “de bem” de novo, que bom.

  206. Pax said

    Mas, caro Chesterton,

    Você também prometeu tomar umas comigo. Lembra? Só não digo dos outros amigos daqui porque não me convidaram.

    Se você, velho e rabugento Chesterton, não for tomar umas comigo, também parto pra briga, ora bolas.

    Ou você acha que é o único “conservador”/”de direita”/”liberal” que considero um amigo. Só alerto um bocado para os lixos que lê. Que não é um privilégio só da oposição, claro que não.

    Esse tal O Cafezinho que comentávamos, que eu passei a não dar mais crédito, escrevia coisas boas, sabendo que tinha lado, direito dele. Quando entrou de cabeça nessa história que os condenados do mensalão eram inocentes, no meu entender se perdeu, sim. E aí fica chato, quando se parte para uma leitura achando que o cara carrega “demais” nas tintas para o lado que defende.

    É por isso que gosto um bocado do Kotscho (agora de braço quebrado e parado por uns tempos). Nem sempre concordo com ele, mas o cara é firme, até para bater no PT quando precisa.

    (pra quem não sabe, já recorri ao Chesterton sobre um amigo com câncer na face, um caiçara com quem pesco faz uns 30 anos. E o velho e rabugento Chesterton não se negou a qualquer ajuda, foi de uma delicadeza e atenção com o assunto muito legal, enfim…. só pra não deixar esse assunto em aberto, o caiçara fez tratamento completo, rádio e quimioterapia, 6 meses se ferrando um bocado mas super bem atendido na UNICAMP e… curou. Já fomos pescar algumas vezes depois da cura. Vem de 2 em 2 meses para acompanhamento na universidade e está tudo certo com ele).

  207. Chesterton said

    até para bater no PT quando precisa.

    chest- agora está claro porque quebrou o braço, afinal o PT PRECISA apanhar sempre.

  208. Pedro said

    Olha só, a cotação das ações do Chesterton subindo…….bom gosto musical, e agora descobrimos que ele tem coração.

    Pena que perdeu o pescoço….por sua causa, Pax. :-)

  209. Chesterton said

    sou malvado…

  210. Pax said

    Não mesmo, é velho, rabugento e brinca de forte apache com o filho. ( essa é do fundo do baú da blogosfera )

    E lê porcaria adoidado. Chega a ser viciado nessas drogas.

    =)

    Enviado via iPhone

    >

  211. Pax said

    Caro Pedro, em #208,

    Esse papo de ações do Chesterton, velho e rabugento Chesterton, subindo, é coisa com o Elias. Eles ficam jogando bolita às claras e fazendo sei lá o quê às escuras.

    Nem venha me colocar neste enrosco que eu não me meto em briga de casal.

    =)

  212. Chesterton said

    SEXTA-FEIRA, 14 DE FEVEREIRO DE 2014
    PT incitou MST a invadir o STF.

    O acampamento do PT diante do STF…

    Infiltrado na passeata do Movimento dos Sem Terra (MST) realizada anteontem, em Brasília, o serviço de inteligência da Câmara dos Deputados avisou à segurança do Supremo Tribunal Federal que petistas estavam incentivando a invasão da Corte. Imediatamente, o ministro Ricardo Lewandowski, que presidia a sessão, decidiu suspendê-la. Ele avisou que tinha recebido um alerta da segurança e que havia, de fato, risco de invasão. De acordo com o serviço de segurança da Câmara, quando os manifestantes chegaram ao local onde o PT montou um acampamento para protestar contra a condenação de ex-dirigentes do partido no processo do mensalão, houve uma onda de incentivos para que se dirigissem ao STF. O acampamento é feito por filiados ao PT do Distrito Federal, que desde novembro se revezam nas barracas. O ex-deputado João Paulo Cunha (PT-SP) almoçou com eles no dia 3, véspera da prisão. (Estadão)

  213. Patriarca da Paciência said

    “Elias, o PT é a origem de todo mal, e Lulla seu pastor.” (Chester)

    …E nada te faltará, à retaguarda…

    É Elias,

    Pois a vara e o cajado consolam o dito cujo.

  214. Chesterton said

    Um fdp é um fdp, é um fdp…

    ============================

    O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, responsabilizou nesta quinta-feira à noite a Polícia Militar (PM) do Distrito Federal pelo confronto de quarta-feira entre militantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) e policiais, em passeata na frente do Palácio do Planalto que deixou mais de 40 feridos. Carvalho afirmou que o conflito teve origem numa informação errada que levou a PM a avançar entre os manifestantes, até um ônibus do MST estacionado no local, onde haveria porretes que poderiam ser usados contra os policiais.

    — Estava tudo na mais perfeita ordem até que a Polícia Militar teve uma informação, que eu não sei da onde veio, de que um ônibus que estava ali estacionado estava com porretes que podiam ser usados contra a policia. E o comandante, eu não vou criticá-lo porque eu não conversei com ele, toma uma decisão de fazer um grupo entrar para dentro da multidão para ir lá trancar o ônibus. Na verdade foi um erro de informação — afirmou o ministro.(coturno)

  215. Chesterton said

    Sininho é do partido da estrelinha?

    Alguém confirma se Elisa de Quadros Pinto Sanzi, a Sininho, é filiada ao partido da estrelinha? Corre nas redes que ela receberia dinheiro do partido da estrelinha para atuar nas manifestações. Seria uma infiltrada, a exemplo do Barba. Alguém confirma?
    POSTADO POR O EDITOR

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: