políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Dirceu: do pixuleco ao xilindró

Posted by Pax em 03/08/2015

Segundo o noticiário, Pixuleco era como Vaccari, tesoureiro do PT, chamava os agrados que pedia gentilmente aos empresários.

É o nome da Operação da Polícia Federal que prendeu hoje, mais uma vez, José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil de Lula.

Polícia Federal prende José Dirceu em nova fase da Operação Lava Jato – Agência Brasil

O ex-ministro José Dirceu foi preso hoje (3) em Brasília, pela Polícia Federal, na 17ª fase da Operação Lava Jato.

Segundo Roberto Podval, advogado de Dirceu, o ex-ministro ainda está em casa e deverá ser levado para a sede da Polícia Federal, para a prisão temporária, que será cumprida na capital da República ou em Curitiba.

A 17ª Fase da Operação Lava Jato, denominada Pixuleco, em alusão ao termo utilizado pelos acusados para denominar a propina recebida em contratos, foi deflagrada hoje pela Polícia Federal

Cerca de 200 Policiais Federais cumprem 40 mandados judiciais, sendo 26 mandados de busca e apreensão, três mandados de prisão preventiva, cinco mandados de prisão temporária e seis mandados de condução coercitiva, em Brasília e nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Foram decretadas ainda, a partir de representação da autoridade policial que preside os inquéritos policiais, medidas de sequestro de imóveis e bloqueio de ativos financeiros.

A atual fase da operação se concentra no cumprimento de medidas cautelares em relação a pagadores e recebedores de vantagens indevidas. Entre os crimes investigados estão corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) onde permanecerão à disposição do juízo da 13ª Vara da Justiça Federal.

Anúncios

382 Respostas to “Dirceu: do pixuleco ao xilindró”

  1. Guatambu said

    A mesma praça…. o mesmo bancoo…

  2. Pedro said

    Não sei o que é pior pro grande, poderoso e arrogante Zé.

    Ser preso, ou a operação se chamar píxuleco.

  3. Elias said

    Disse o Levy: “temos um desafio em relação ao superávit primário deste ano, porque as receitas caíram muito”.

    Claro, né neném? Com o aparelho produtivo rodando pra trás, querias o quê?

    Mas, dito o que ele disse, o que fará o Levy, diligentemente em busca de um resultado primário de 0,0001% do PIB?

    Reduzirá ainda mais os investimentos públicos…

    O que reduzirá ainda mais o nível de produção e aumentará o desemprego.

    Em consequência, haverá menos vendas, menos consumo e… Menos impostos, né? Menos arrecadação. Menos receitas.

    Com ainda menos arrecadação, o que fará o Levy, para, finalmente, chegar a um resultado primário de 0,00000000000001% do PIB?

    Simples: ele reduzirá ainda mais os investimentos públicos , né Levy?

    Só que isso provocará nova redução no nível de produção, o que, como já visto…

    Vai um encilhamentozinho aí?

    De qualquer modo, as principais metas do Levy já estão sendo alcançadas. Senão, vejamos:

    I – a inflação já está chegando aos 10%, o que constitui uma espetacular melhoria em relação à mixuruquice de 6% de 2014;

    II – com um pouco mais de esforço, o PIB de 2015 será pelo menos 2% menor que o de 2014;

    III – O melhor de tudo é que a Selic não precisou esperar o fim do ano, pra superar a marca dos 14% e os juros ao consumidor já superaram os 350% a.a.

    Quem realmente conta neste país não tem do que se queixar…

    Não por acaso, o Bradesco venceu a corrida pelo HSBC, com singelos R$ 17,6 bilhões…

  4. Elias said

    “Pixuleco”?

    Putz!

    Que decadência…

  5. Pax said

    Ainda há cabeças que pensam no PT. Hoje aparecerão notícias de todas as formas destemperadas e indefensáveis, sobre a prisão do tal Guerreiro do Povo Brasileiro, novamente no xilindró por conta dos pixulecos que auferia, segundo farto noticiário. Notícias de fontes inacreditavelmente reproduzidas por gente que gosto, mas me sinto ferido ao ver amigos indicando leitura para PHA, Nassif, Diário do Centro do Mundo, 247, Dilma Bolada etc, nessa linha. Gente que fatura para fazer um jornalismo de quinta categoria, pra não entrar em questões morais e éticas. Anverso da mesma moeda de Reinaldo Azevedo, Mainardi, Constantino, Veja etc, turma cheirosa que fica do outro lado da mesma faceta irresponsável do vilipendiado quarto poder.
    Aqui Tarso Genro solta o verbo. Pena que sua voz ainda não é forte o suficiente para produzir a mudança mais que necessária.
    Não advogo o fim do PT, nem do PSDB. Por piores que sejam, o que está para surgir tende a ser ainda pior, como surgiram os partidos do Kassab e Paulinho da Força, conhecidos pelo seu tipo de política. Quando a gente pensa que um PP do Maluf ou um PR do Valdemar da Costa Neto seriam o fim do abismo, assombrações ainda maiores surgem.
    Advogo o surgimento de novos como a Rede da Marina. Tomara que venha, tomara que entrem em campo novidades como essa que já deveria estar no ar.
    Antes que um PMDB do Eduardo Cunha se alie com um Bolsonaro, um Fidelix, um Everaldo e essas bancadas da bala, do 171 da fé, dos ruralistas do agrotóxico etc tomem o país de assalto. Bolsonaro chega a anunciar que “— Eu tenho simpatia por evangélicos, Forças Armadas, aqueles que querem reduzir a maioridade penal, os que entendem a necessidade de uma política de planejamento familiar, outros que já chegaram à consciência do crime que são as demarcações de terras indígenas no País.”. Cá para nós, os evangélicos não merecem pessoas dessa triste categoria os representando.
    Ao mesmo tempo que advogo, sim, um agrupamento das esquerdas mais ideológicas como PSOL e PSTU que não conseguem dialogar por conta dos velhos egos das esquerdas.
    E se há quem possa representar uma direita neoliberal, que não seja o lixo que se apresenta. Todos têm direito de existir, todos têm direito de defender o que acham melhor na política. Mas o que estamos presenciando é a destruição de toda representação partidária por bandidos de ocasião.

    http://naofo.de/6ac0

  6. Chesterton said

    Falta um….

  7. Chesterton said

    “Aqui Tarso Genro solta o verbo. Pena que sua voz ainda não é forte o suficiente para produzir a mudança mais que necessária.”

    chest- sei, mudar as leis da aritmética: 1+1=5

  8. Chesterton said

    Temperamento é destino. Uma ideia fora de moda. Um preguiçoso semeia o vazio à sua volta. Um covarde destrói a vida à sua volta. Um mesquinho faz o mundo ficar feio. Um invejoso o faz irrespirável. Um vaidoso engana o amor das mulheres.

    “Temperamento é destino” significa que, se você é preguiçoso e não consegue acordar cedo, é provável que não consiga fazer muita coisa na vida. Claro que isso não é uma regra universal: você pode ser preguiçoso e ser… rico! Ou ter uma mulher que te sustenta. Ou um marido que te sustenta. Ou ganhar na loteria. Mas, na maioria dos casos, quem não gosta de acordar cedo, ou quem inventa dificuldades para justificar a própria preguiça, tende a não realizar muita coisa na vida. Ponto.

    Vê? Completamente fora de moda. Uma coisa simples assim trai uma visão de mundo fora de moda. Quer outro exemplo?

    Gente covarde. Piorou, né? Piorou porque hoje todo mundo é legal. Ou, se não é, é por culpa de alguma forma de opressão. Até mesmo a psiquiatria e as neurociências estão virando desculpa para temperamentos sem muitas virtudes justificarem seus fracassos. Dia desses, as pessoas virão com “manual de funcionamento”, e, por exemplo, aprovações em escolas e faculdade serão dadas por juízes e psiquiatras, e não mais pelos professores.

    Bem feito para eles, os professores, que são bem culpados por isso tudo, uma vez que têm ensinado o “culto da vítima” há algumas décadas para os alunos. As crianças nem sabem mais as capitais dos Estados e dos países porque seus professores estão mais preocupados em pregar todo tipo de ideologia salvacionista. Quem diria que a sala de aula iria virar uma igreja?

    Mas voltemos à covardia. Em épocas de guerra é mais fácil enxergar a covardia e ver que ela é uma epidemia. Em tempos de paz, ela fica mais disfarçada. Mas, ainda assim, você a vê aqui e ali. A covardia gosta de andar em bandos. Fala sempre “nós” e adora ser parte de algum “coletivo” ou “instituição”. A covardia é incapaz de sair do protocolo. Sente-se em casa num protocolo. Por isso é prolixa e, assim, enche o saco da coragem que tende a ser impaciente com ela. A coragem é sua inimiga mortal, inclusive porque é mais bonita e inteligente do que ela. A covardia adora ouvir o som da própria voz.

    A originalidade é terra estranha para a covardia, que prefere copiar. Ela, a covardia, costuma se dar bem quando a regra é obedecer a mediocridade. É sempre um risco enfrentar a mediocridade porque ela tem a maioria em seu exército. Covardia e mediocridade são irmãs gêmeas. Uma se reconhece na outra. Uma defende a outra com uma fúria que só miseráveis de caráter sentem. Normalmente, essa fúria é alimentada pela inveja, prima irmã da covardia e da mediocridade. Todas as três são feias de doer. Diria, em gíria popular: três barangas de matar!

    E a mesquinhez? Se você é mesquinho, mesmo se ficar rico, permanecerá pobre de espírito. Olhará para o mundo assim como quem olha para uma casa vazia. Difícil será confiar em alguém. Sem confiança, respira-se mal. Come-se mal. Beija-se mal. Imagine só um mesquinho lambendo a boca de alguém por dentro? Ele morre de nojo. O maníaco por saúde é um mesquinho disfarçado. Sexo? Se lamber a boca dela por dentro o mataria de medo, imagine lambê-la entre as pernas? Mulheres generosas dão com gosto. Homens generosos tomam com amor. A generosidade é uma forma de confiança. E a confiança não sobrevive sem aquilo que Nietzsche chamava de Eros.

    E a vaidade? Ah! A vaidade! A mais bela das fraquezas. Um pouco de vaidade faz parte do contrato social de elegância entre as pessoas. Só pessoas deselegantes dizem a verdade socialmente. E a mulher sem vaidade é como o homem sem coragem. Ambos não servem para quase nada. Pelo menos não servem um para o outro.

    Temperamento é destino. Se você perder uns minutos olhando no espelho, verá como o destino está mais dentro de você do que pode parecer. Você também pode pensar em caráter como destino. Ideias fora de moda, mas que deviam voltar a ser usadas nas escolas e nas famílias.

    Pondé

  9. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/08/1663789-prisao-de-jose-dirceu-recoloca-pt-na-mira-da-operacao-lava-jato.shtml

  10. Pax said

    Editora investigada
    Um dos investigados nesta fase é um jornalista da Editora 247. Segundo despacho do juiz Sergio Moro, Leonardo Attuch é suspeito de receber dinheiro por serviços não executados. O ex-tesoureiro do PT teria articulado o repasse de R$ 120 mil para oficializar o “apoio” do partido ao blog do jornalista.
    O MPF chegou a pleitear algumas medidas contra o jornalista, mas o Moro negou. O juiz destacou, em sua decisão, que ainda são necessários maiores esclarecimentos sobre o caso.

    http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2015/08/dirceu-montou-esquema-na-petrobras-enquanto-era-ministro-diz-mpf.html

  11. Chesterton said

    Mais Pixuleco…

  12. Chesterton said

  13. Daise 10.0 said

    PRÓXIMO PASSO

    http://msalx.veja.abril.com.br/2015/07/03/2138/pVhut/alx_lula-pt_original.jpeg?1435970290

  14. Chesterton said

  15. Chesterton said

    O Partido dos Trabalhadores refutou, por meio de seu presidente, Rui Falcão, em nota oficial, as acusações de que teria recebido R$ 10 milhões em espécie, como declarou o lobista Milton Pascowitch, delator da Operação Lava Jato. As revelações de Pascowitch, que cumpre prisão domiciliar, provocaram a Operação Pixuleco, 17.º capítulo da Lava Jato, cujo alvo maior é o ex-ministro-chefe da Casa Civil (Governo Lula), José Dirceu.

    Segundo Pascowitch, de um total de R$ 14 milhões em propinas do esquema Petrobrás, R$ 10 milhões foram pagos na sede do PT em São Paulo. Rui Falcão, presidente nacional do PT, reagiu enfaticamente às suspeitas contra seu partido. Ele disse, na nota oficial, que o PT não realizou ‘operações financeiras ilegais’. O partido do governo também rejeita a suspeita de que teria participado de esquema de corrupção.

    “Todas as doações feitas ao PT ocorreram estritamente dentro da legalidade, por intermédio de transferências bancárias, e foram posteriormente declaradas à Justiça Eleitoral”, destaca Rui Falcão.

    http://coturnonoturno.blogspot.com.br/2015/08/pt-abandona-jose-dirceu-oficialmente.html

  16. Chesterton said

  17. Daise 10.0 said

    AGORA CHEGOU A VEZ DO HOMO LUSCO

    Chega de intermediários…

  18. Daise 10.0 said

    Chega de intermediários…

    HOMO LUSCO NA PRISÃO PREVENTIVA E DEFINITIVA.

  19. Pedro said

    # 8

    Bom texto.

    Mas, porque será que o Pondé não falou da soberba? :-)

  20. Pedro said

    Correm boatos na blogosfera, que o Patriarca está organizando uma vaquinha pra pagar a defesa do Dirceu.

  21. Elias said

    Notícias do 2T2015 mostram o Levy mostrando serviço:

    1 – O Itaú registra o maior lucro de banco em toda a história do país: R$ 5,98 bi (“Nunca dantes…”).

    2 – A Grendene emplacou um lucro operacional de R$ 37 milhões. Aí acrescentou o resultado financeiro, e o lucro saltou para R$ 97 milhões. O não operacional foi quase o dobro do operacional. Umas poucas pessoas, movimentando inteligentemente recursos dentro da ciranda, produziram mais lucro do que 4 fábricas, somadas: em Fortaleza, Crato e Sobral (CE), e em Teixeira de Freitas (BA).

    Uma inflação de quase 10% a.a. não justifica juros ao consumidor de mais de 350% a.a.

    Os bancos, a quem Levy continua servindo com fidelidade canina, vão bem e cada vez melhor.

    Já o resto do país, que ainda usa a cabeça pra pensar, nem tanto…

    Dilma e Levy estão empurrando para o parasitismo o que ainda resta da economia brasileira. Pra que trabalhar? Pra que produzir?

    Concordo com o Tarso Genro, quando ele diz que, se Dilma não reorientar a política econômica, o PT estará ferrado em 2018.

    Mas isso é o de menos… Aliás, o PT já está pronto pra se ferrar bem antes de 2018, independentemente da política econômica…

    Pior é essa destruição que eles estão fazendo, do aparelho produtivo brasileiro.

    Não vai ser fácil restabelecer o que, neste momento, Dilma e Levy estão fazendo escoar pelo ralo…

  22. Pedro said

    Assim vamos pro buraco mesmo:

    Enquanto as indústrias vão parando, os bancos vão lavando.

    http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/08/04/producao-industrial-no-brasil-cai-03-em-junho-e-32-em-um-ano-diz-ibge.htm

    http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/08/04/lucro-do-itau-sobe-22-a-r-59-bi-calotes-voltam-a-subir-apos-11-quedas.htm

    Ué, não era a Marina das Selvas a candidata do Itáu???

  23. Elias said

    Mas não concordo nem um pouco com a avaliação que Tarso faz da Polícia Federal.

    Que a PF sempre foi marcada por disputas internas, não é nem nunca foi segredo (dentro da PF, bicho-bala voa todo dia, o dia todo e em todas as direções…).

    Que essas disputas internas ganharam contornos político-partidários, também não é de hoje…

    Aí, é só somar 2 + 2…

    Dá 35…

  24. Pedro said

    Ops, demorei pra postar.

    Repeti o Googlias……

  25. Chesterton said

    Patriarca enfiou a cabeça na areia.

  26. Pedro said

    Se existe esta disputa política na Policia Federal, um lado tá ganhando de 7 a 1.

  27. Elias said

    O problema do lucro não operacional, é que ele não funciona pra todos…

    É que o financeiro não cria riqueza. Ele apenas a movimenta e redistribui.

    No financeiro, se alguém ganhou é porque alguém perdeu.

    Essa realidade implacável acaba chegando ao “mercado”…

    Um analista do mercado está usando a imagem da separação das águas do Mar Vermelho em duas bandas… No caso, uma banda é a que tem caixa… A outra não tem.

    Uma delas vai se ferrar!

    A banda que tem caixa, compensa a redução (e até o sumiço…) do lucro operacional, com o lucro não operacional. O que ela deixa de ganhar na produção, ganha no financeiro…

    A outra banda não consegue fazer isso. Logo…

    Exemplos: (i) os supermercados costumam comprar a prazo e vender à vista… (ii) já quem fornece aos supermercados, nem sempre…

  28. Chesterton said

    Olha aqui Pedro:

    Petistas receberam informações de que integrantes da Polícia Federal e do Ministério Público estariam dizendo aos presos: “Se você entregar o Lula, sairá rapidinho.” Estadão

  29. Chesterton said

    Irritado com acusações da oposição, que tentaram associar Dirceu a Lula e Dilma, o senador Jorge Viana (PT-AC) partiu para o ataque…..

    chest- ???? será que eles nem se conhecem?

  30. Chesterton said

    http://www.oantagonista.com/posts/a-nova-leva-de-delacoes

  31. Daise 10.0 said

  32. Elias said

    Um fotógrafo chamado Aram Pam está fazendo um ensaio sobre as companhias aéreas do mundo.

    Recentemente foram divulgadas 44 fotos que ele tirou, de voos da Air Koryo, a estatal norte-coreana ranqueada como a 5ª pior companhia aérea do mundo (maiores informações no site de negócios “Business Insider”).

    Dei uma passada nas fotos do cara, esperando vê-lo baixar o pau nas aeronaves do presídio de Kim Jong-un.

    Fiquei frustrado…! Aram Pam diz que as poltronas dos aviões norte-coreanos são limpas e bem cuidadas, e acomodam confortavelmente uma pessoa com 2 metros de altura. Ele também diz que os toaletes são limpos e não exalam mau cheiro, que a refeição de bordo é de boa qualidade…

    Caceta!

    Como é que o diabo dessa companhia é a 5ª pior do mundo??? O Brasil não tem mais de 4?

    Falar no Kim Jong-um, quando ele se afasta do governo, para qualquer razão, é substituído pela irmã, Kim Yo Jong.

    Realmente, ela é a cara do irmão… Mas, quem os conhece bem, diz que ela tem seios menores que os dele…

  33. Daise 10.0 said

  34. Chesterton said

    Trocadalho do carilho

    O PT desMOROna…..

  35. Chesterton said

    uma pergunta para a peto-petralhada:

    O PT expulsou ou pretende expulsar o Zé Dirceu?

  36. Chesterton said

    Quem se baseia na postura de José Dirceu no mensalão para achar que desta vez ele também não falará esquece dois detalhes nada insignificantes que podem mudar tudo.

    As investigações do petrolão chegaram ao irmão de Dirceu, Luís Eduardo, e à sua filha, Camila, citada como beneficiada com a compra de um apartamento.

    A pergunta que meio PT faz agora é: com sua família podendo ser responsabilizada e sob o risco de passar a velhice preso, Dirceu vai ficar novamente calado?

    Por Lauro Jardim

  37. Pedro said

    Vai.

  38. Daise 10.0 said

  39. Daise 10.0 said

    Pedro

    Vai.
    Vai por que?
    Gostaria de entender melhor.

  40. Pedro said

    Dirceu cometeu muitos outros crimes, se ele chutar o balde e começar uma guerra interna, estes outros “pecados” vão aparecer.
    Só vai piorar a situação dele.

    Eu acredito que o Zé vai seguir a linha de vítima da elite.
    Ele já tem uma certa idade e não deve ficar muito tempo preso.
    Vai tentar passar pra historia como vítima, e não como o sujeito que entregou os podres do PT.

    Mas, é só um palpite meu.

  41. Pedro said

    Saiu uma nota no DC, sobre isto:

    Complexo

    A vida do Zé Dirceu é uma grande aventura. Estudante libertário, esquerdista convicto, guerrilheiro, deputado, ministro e mentor da ascensão do PT ao governo central. Conduziu Lula em vários momentos, aproximou o PT ao PMDB e deu suporte para o projeto Dilma presidenta. Durante anos viveu com sua mulher, com quem teve um filho, sem revelar sua verdadeira identidade. Coisa de profissional.

    Montou uma estrutura de arrecadação de dinheiro para sustentar o poder e financiar a longevidade de um projeto político. Preso, pela segunda vez, na fase PT no poder, está diante de um dilema: Ou morre calado e assume toda a responsabilidade pela engrenagem da máquina de corrupção instalada na República ou abre a boca e presta um grande serviço ao Brasil. Sua decisão é imponderável.

  42. Pedro said

    A sorte está lançada, façam suas apostas……… :-)

  43. Pedro said

    Na mesma linha, Noblat botando pilha nos nervos dos petistas.

    O PT deve estar pronto para tudo

    Ricardo Noblat

    O que dirá o PT se João Vaccari, ex-tesoureiro preso em Curitiba, firmar acordo de delação premiada e contar tudo ou grande parte do que sabe?

    E se ele admitir que de fato roubou para encher as burras do partido e o próprio bolso? O PT dirá que não sabia?

    Dirá que, a exemplo de Delúbio Soares, um dos mensaleiros condenados, Vaccari era o único responsável pelas finanças do partido?

    E que todos confiavam nele, todos o tinham como honesto, e todos, por isso mesmo, estão agora perplexos?

    Quem acreditará mais nisso?

    É bom que o partido monte vários cenários e se prepare para todos eles. No caso da nova prisão de José Dirceu, não parecia preparado.

    Olho no Renato Duque, ex-diretor da Petrobras, ligado a Dirceu. Ele vai abrir o bico. E promete entregar políticos graúdos.

    Duque operava para o PT como é público. É dono de segredos preciosos. Sua capacidade de produzir estragos não deve ser subestimada.

    Não aposte tudo no silêncio de Marcelo Odebrecht. Ele é muito jovem e ambicioso para aguentar calado a ameaça de uma longa pena.

    Prepare-se, também, para a eventualidade de Lula ser chamado a prestar esclarecimentos. Não falo em prisão, mas em depoimento.

    O presidente do PT disse que todos são inocentes até prova em contrário e condenação final. Vale para Dirceu. Deve valer para Lula.

    Como observou um procurador da Lava Jato, qualquer cidadão pode ser investigado e deve prestar as informações que a autoridade lhe peça.

    Por suposto, vale para Lula, cidadão que é.

    Não me venham depois com choramingas. Nem com teorias conspiratórias. Se avisados não foram, avisados estão.

  44. Elias said

    Sei não…

    Pelo que eu vi, até aqui, a maior parte das delações premiadas tem tido efeito somente político, e de promoção pessoal de juiz doido pra ser capa de revista.

    É preciso lembrar que o acordo de leniência só pode ser celebrado se o delator, além de confessar o crime, fornecer provas suficientes para a condenação do(s) acusado(s).

    Só a palavra do delator não vale…

    Se os delatados não forem condenados, o acordo micha… Se forem, mas não com base nas delações, idem…

    Pelo que chequei até o momento, grande parte das delações do pessoal do Lava Jato só incrimina a eles mesmos. Pelo que vi, publicado na imprensa, poucas provas eles apresentaram, exceto contra arraias miúdas.

    O dinheiro da Odebrecht, p.ex., foi para o PT tanto quanto foi para o PSDB. A prestação de contas do Aécio, que está no site do TSE, não deixa dúvida. O mesmo pode ser dito da Andrade Gutierrez & muitos mais.

    Como o Judiciário vai fazer, pra separar o dinheiro que foi pro PT do dinheiro que foi pro PSDB, e demonstrar que um tem origem desonesta, e o outro não?

    Acho difícil provarem alguma coisa contra o Dirceu. Não provaram nada no mensalão. Esperto como ele é, e escaldado pela experiência anterior, em qualquer lance que ele tenha se envolvido, terá sido infinitamente mais cauteloso.

    O Judiciário vem, sistematicamente, deixando vazar para a imprensa o conteúdo da delações, quando isso é manifestamente ilegal. O conteúdo da delação só pode ser divulgado depois de comprovado em juízo, o que não aconteceu, até porque os processos ainda estão em fase de instrução.

    Pra mim, isso é indício de fragilidade dos autos. Os caras tentam compensar a fragilidade técnica com a exploração política. A carnavalização do processo.

    Até aqui, só o que está provada é a falência total do PT como proposta política. “Refundar”? Agora é tarde… Isso tinha que ser feito desde 2005.

    O que se pode esperar disso tudo?

    A meu pensar, só uma coisa: a radicalização do processo político brasileiro.

    Com a fragilidade político-ideológica do centro-direita (PSDB) e a completa desmoralização do centro-esquerda (PT), ficam só as sobras nos extremos do espectro político: a extrema direita e a extrema esquerda.

    É de se ver no que vai dar, já que nenhum dos dois extremos tem qualquer coisa a oferecer, que se aproveite… É só o discursinho pseudomoralista, hipócrita e vazio.

  45. Chesterton said

    Pedro, o que v. descreve é coisa de funcionário (hit man) da máfia.

  46. Chesterton said

    que maldade…

  47. Chesterton said

    O argumento da esquerda de que cadeia não resolve a criminalidade se baseia no caso do Dirceu: preso 3 vezes e não aprende nada!!!!

  48. Chesterton said

    Política nacional contada em cervejas: prenderam o Kaiser do PT. Agora falta o seu Bud, mais conhecido como Brahma, e também a Stella. Todos vão ver o Sol nascer quadrado. É a Skol do partido atrás das grades. Vai parar no Guiness. Moro fez uma verdadeira Devassa no partido. Já eu vou para Itaipava celebrar com uma Heineken a destruição do Partido dos Trambiqueiros…RC

  49. Pedro said

    # 45

    Acho que é isso mesmo, não temos partidos, temos máfias brigando pela chave do cofre…….

  50. Chesterton said

    Aí discordo, máfia é uma só e se veste de vermelho…

  51. Chesterton said

    Dirceu manda mensagem cifrada e apavora Lula et caterva
    O mensaleiro e chefe do petrolão deixou “escapar” ontem a informação de que é mais fácil ele morrer ou ser morto do que fazer delação. Na verdade a mensagem é cifrada. Zé Dirceu se sente abandonado e não pretende amargar 20 anos de cadeia para defender os companheiros. Para ele só resta a delação. Assim que contar o que sabe, Dirceu terminará de enterrar a biografia de Lula.

  52. Chesterton said

    Só não entendo do texto aí de cima, que diabos de biografia ainda existe para enterrar….

  53. Chesterton said

    A coluna Painel, da Folha, informa:

    “A velocidade das últimas fases da Operação Lava Jato e o ápice atingido com a nova prisão de José Dirceu causaram perplexidade no Palácio do Planalto. A equipe da articulação política de Dilma Rousseff relata dificuldade em lidar com uma crise política considerada ‘sem precedentes’. A constatação é que o principal agente – a Justiça Federal no Paraná – é ‘externo’ e alheio aos recursos de que o governo normalmente dispõe para tentar conter danos à sua imagem.”

    Em outras palavras:

    O PT não pode comprar o juiz Sergio Moro.

    O PT não pode comprar o procurador da República Deltan Dallagnol.

    Eles não são como o empresário Ronan Maria Pinto, do caso Celso Daniel.

    Eles não agem como os parlamentares vendidos do mensalão, nem apoiam o governo com a liberação de emendas como a base aliada.

    Eles não foram indicados por Lula e Dilma Rousseff como a maioria dos ministros do STF, nem chegaram ao cargo fazendo carreira de advogado do PT como três do TSE.

    Eles não devem favores.

    Eles não se deixam intimidar pelos ataques da organização criminosa.

    Eles são movidos por ideais de Justiça que fogem à compreensão de quem tem apenas um projeto criminoso de poder.

    O desespero do PT é não ter controle sobre eles. É não ter controle sobre a operação que lava a jato a alma do Brasil.

    Tic-tac, tic-tac…

    FMB

  54. Pax said

    O velho, bom e rabugento Chesterton diz:

    “Aí discordo, máfia é uma só e se veste de vermelho…”

    E aí eu digo o que ele disse a primeira vez que dirigiu seu teclado para este pobre amador:

    – Vá estudar, caro Chesterton!

    Aqui mesmo no blog você pode fazer uma tremenda pesquisa.

    =)

  55. Pedro said

    # 50

    Repassei o teu email pra torcida do Inter, agora aguenta. :-)

  56. Pedro said

    # 51

    Continuo convicto que o Zé Desceu não abre o bico.

  57. Chesterton said

    mafia não é a única maneira de praticar o crime, mafia é crime organizado, diferente dos larápios habituais da política brasileira.

  58. Chesterton said

    56- é uma boa aposta….mas, quem sabe?

  59. Pax said

    Não abre o bico nem a pau. Talvez seu irmão os o tal assessor…

  60. Zbigniew said

    Elias #44
    boa análise.

    É óbvio que o que estamos presenciando é um processo político-jurídico para inviabilizar o PT e, mais especificamente, o retorno de Lula ao Planalto.

    E isto só é possível em face dos problemas econômicos e de corrupção que atingem o partido e o governo com o empenho ímpar da tríade Judiciário-PF-imprensa.

    Esse é o único caminho já que o PSDB não conseguiu apresentar ideias minimamente aceitáveis como alternativa ao projeto petista, isto para a maioria dos eleitores brasileiros.

    Entretanto os arranjos políticos, hoje, afastam-se dos extremismos. Isto porque figuras proeminentes da República começam a aparecer como envolvidas nos escândalos de corrupção, incluindo aí próceres do PMDB.

    Por isso a situação do Aécio é tão delicada uma vez que para ele o “impeachment” seria o caminho mais seguro para sua manutenção como alternativa da oposição, o que se caracterizaria como uma atitude extrema. E o impeachment alcançaria o PMDB também.

    Como ele nunca foi muito palatável aos tucanos paulistas, no que se refere a ser a primeira alternativa do partido, haja vista as derrotas de Serra e Alckmin, conseguiu viabilizar-se. Mas acabou sendo derrotado. Assim sendo, ou grita, ou vai pro final da fila. Para os outros dois, principalmente o Alckmin, a grita não interessa. É muito melhor fazer o governo sangrar através das delações seletivas e se puder envolver o Lula, melhor ainda.

    Só que o PMDB também tá com o dele na reta e, embora não tenha vocação para ser titular, vai cobrar um preço cada vez mais caro pelo seu apoio, seja ao PT, seja a quem se apresentar como sucessor de Dilma. E pode ter certeza, vai sair muito caro.

    Definitivamente, o Brasil não é para amadores.

  61. Pedro said

    Pax, coloca aí na historia do minifúndio blogal.

    Sessenta comentários, e ainda não houve xingamentos entres os participantes, recorde.

    Zé Dirceu une as pessoas……

  62. Chesterton said

    59- talvez medo de cruzar a linha de tiro de alguma pistola cubana….

    61- hilário.

  63. Chesterton said

    Em um contraponto ao comando nacional petista, que decidiu não fazer um desagravo público ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, intelectuais e artistas de esquerda saíram em defesa nesta terça-feira (4) do petista e criticaram sua prisão no rastro da Operação Lava Jato.

    Para o cineasta Luiz Carlos Barreto, a detenção do petista foi “redundante”, uma vez que ele já cumpria prisão domiciliar pelo mensalão. Para ele, sem poder fazer grandes deslocamentos, José Dirceu não tinha condições de fugir do país ou de pressionar ninguém.

    chest- redunde na cana…

    “Nós estamos caminhando por um caminho muito perigoso. É claro que é preciso extirpar ou diminuir a corrupção, que é universal. Agora, há exagero e é preciso que as pessoas saibam que existe um estado de direito democrático e uma Constituição Federal vigente”, afirmou o cineasta, para quem as garantias individuais “estão sendo atingidas”.

    chest- prender o Zé não é agredir o estado de direito.

    Na avaliação dele, é necessário ser respeitada a história de vida e a trajetória política do petista.

    chest- ça vá sans dire

    “José Dirceu não é um bandido. Ele lutou e arriscou a vida dele pela democracia, conduziu um partido ao poder e estabeleceu um projeto [para o país]”, enumerou.

    chest- hilário. É um bandido treinado em Cuba, arriscou a vida para impor a ditadura do proletariado, e consuziu a máfia ao poder.

    Para o escritor Fernando Morais, o petista foi “vitimado” por uma tentativa de se atingir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para ele, José Dirceu é uma espécie de “degrau” em uma escalada para tentar prejudicar o antecessor da presidente Dilma Rousseff (PT).

    chest- podem ser 2 escadas tambem

    “Na verdade, não é nem o Dirceu nem a Dilma que querem, mas o Lula. O problema é 2018. Eu acho que ele acabou sendo vitimado por isso”, avaliou.

    chest- cama que os outros chegam lá na prisão.

    Na avaliação do ator José de Abreu, é uma “piada” prender alguém que já foi condenando sob a alegação de que ele continua a praticar crimes.

    chest- vai cuidar da novela

    “O juiz Sérgio Moro é o único juiz do mundo que prende preventivamente preso condenado”, criticou.

    Segundo o escritor Luis Fernando Veríssimo, “pelo que o José Dirceu significa, mesmo que sua prisão não fosse politica, seria política”. Para ele, que apoiou publicamente a reeleição de Dilma no ano passado, o PT “ainda não usou todo o seu poder de reação. Ou talvez não o tenha mais”.

    chest- imoral esse conterrâneo, que saudades de seu pai.

    “A estratégia do PT nesse imbróglio todo eu não sei qual é”, disse.

    O ator Paulo Betti reconheceu que ficou “perplexo” com a prisão do petista e avaliou que apenas no futuro será possível fazer uma avaliação do atual momento.

    chest- putz (como diaria o Pax)

    “No fundo, sempre desconfio que só mais adiante vamos saber. A história vai dizer o que está acontecendo nesse momento”, disse.

    chest- esse frase tem influência da Dilma

    Como disse o cara no show do caetano: ” Cala a boca e canta!”

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/08/1664608-em-contraponto-a-pt-artistas-e-intelectuais-defendem-dirceu.shtml

  64. Pedro said

    Smiles lançará cartão de milhagem para petistas na cadeia.

    A nova prisão de José Dirceu e as outras detenções que se anunciam, quem diria, poderão movimentar a economia brasileira. Fontes no mercado dão como certo o lançamento do Cartão Smiles PT, que dará milhagem aos petistas presos. Os benefícios gerados pelo cartão são contas secretas na Suiça, sistema de vaquinha entre militantes e muito mais. O produto será chamado de “PT Smiles, o cartão guerreiro do povo brasileiro”.

    “Temos que estar atento a esse importante grupo de clientes que está surgindo. Eles são endinheirados e talvez seja o maior segmento do mercado que surgiu no momento de crise”, disse um diretor da empresa, que pediu para não ser identificado.

    A Smiles descarta lançar um cartão semelhante para tucanos. “Esses aí nunca vão presos. Seria perda de tempo”.

    http://sensacionalista.uol.com.br/2015/08/05/smiles-lancara-cartao-de-milhagem-para-petistas-na-cadeia/

  65. Daise 10.0 said

  66. Chesterton said

  67. Chesterton said

    Não sei se a piada é dele, mas é boa.

  68. Chesterton said

    http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2015/08/duque-do-pt-diz-que-vai-delatar-dirceu.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+BlogDoAluizioAmorim+(BLOG+DO+ALUIZIO+AMORIM)

  69. Daise 10.0 said

    O PT E O ZÉ DIRCEU

    FOI DADA A DESCARGA!

  70. Chesterton said

    “Nunca fiz nada que Lulla não soubesse”…(quem disse isso mesmo?)

  71. Chesterton said

    Catanhede

  72. Chesterton said

    Achei o Patriarca.
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .

  73. Pedro said

    :-)

    Ta com vergonha ou procurando a aprovação do governo?

  74. Chesterton said

    agora fudeu:

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/08/1664881-temer-faz-apelo-publico-por-unidade-e-diz-que-crise-pode-se-agravar.shtml

    Após se reunir com os líderes da base aliada e ministros do governo Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer reconheceu o agravamento da crise política e disse que o país precisa de “alguém [que] tenha a capacidade de reunificar a todos”.

    Visivelmente nervoso, balançando o corpo para frente e para trás enquanto discursava a jornalistas, Temer fez um apelo público a partidos políticos e setores da sociedade para que, juntos, “todos se dediquem a resolver os problemas do país”. Após dizer que o país precisa de alguém capaz de uni-lo, apresentou-se como esse agente político. “Caso contrário, podemos entrar em uma crise desagradável para o país”, sentenciou.

    “Não vamos ignorar que a situação é razoavelmente grave, não tenho dúvida que é grave, e é grave porque há uma crise política se ensaiando, há uma crise econômica que está precisando ser ajustada mas, para tanto, é preciso contar com o Congresso Nacional”, disse o vice-presidente. “Como articulador político do governo, quero fazer esse apelo”, completou.

  75. Pax said

    O Collor chamando o Janot de “filho da puta” na tribuna do Senado

    O Temer nervoso dizendo que “alguém” precisa acalmar o país

    A pesquisa de aprovação de Dilma raspando o chão

    é… agosto de 2015 é um mês difícil

    vejamos o capítulo de hoje.

    Ontem o Congresso já deu sinais que vai aumentar um bocado o fardo para o povo carregar.

    O Congresso…

  76. Elias said

    O STF é a cara do Judiciário brasileiro. Ninguém mais representativo.

    Agora mesmo, a mais alta Corte do país acaba de produzir uma deliberação à sua altura. O STF julgou e condenou 3 ladrões, cujos crimes foram: (a) ladrão 1: furtou um par de chinelos, no valor de R$ 16,00; (b) ladrão 2: furtou 2 sabonetes, no valor de R$ 48,00; (c) ladrão 3: furtou 15 bombons no valor de R$ 30,00. Soma dos três ilícitos: R$ 94,00.

    Ao comentar o uso de tiro de canhão pra matar beija-flor, o ex-juiz Luiz Flávio Gomes lembra que, há mais 2 mil anos, os romanos já diziam: “do que é mínimo não deve se encarregar o juiz”.

    Pelo andar da carroça, será necessário esperar pelo menos mais 2 mil anos, para o STF chegar no Direito Romano de há 2 mil anos…

    Por detrás disso, está a organização melequenta do Judiciário, perpetrada por uma Constituição bocó, que já nasceu caduca há 25 anos.

    Luiz Flávio diz que, nos clubes e escolas classe alta ou média alta, filhos de gente rica cometem pequenos furto. Ninguém chama a polícia por causa disso. Resolve-se a coisa “caseiramente”, com advertências, punições e, quase sempre, a ajuda de psicólogos, orientadores educacionais, etc.

    Já a vítima pobre não tem a quem chamar, a não ser ao 190. Disso resulta a “policialização” e a “judicialização” de todos os conflitos, inclusive os mais insignificantes, ensina Luiz Flávio Gomes.

    Sem mais rodeios, indo ao que interessa: a organização do Judiciário brasileiro tinha que incluir uma instância para solução alternativa — não judicial — de pequenos conflitos, como existe num porrilhão de países civilizados.

    Isso desatravancaria o Judiciário, que teria maiores chances de funcionar melhor e mais rápido (especialmente se forem banidos os injustificáveis e inaceitáveis “recessos” e porradais de folgas de que desfrutam os juízes brasileiros), além de tornar desnecessárias quantidades porrilhômicas de aprisionamentos.

    O problema é que a Constituição Federal brasileira foi escrita por típicos políticos profissionais brasileiros, ou seja, que pensam com a cabeça fincada na realidade de, pelo menos, 80 anos atrás, e acham que isso é o fino da modernidade contemporânea do mundo atual de hoje em dia.

    Pena de prisão para delitos insignificantes e para delitos não violentos, num país que, além de não saber como tratar a roubalheira de alto coturno, ainda amarga uma crônica superpopulação carcerária, é burrice elevada à quinquagésima potência…

    Só que os tais típicos políticos profissionais brasileiros foram eleitos por voto livre, direto e secreto. São, portanto, pessoas que, de fato e de direito, representam a maneira de pensar e os anseios representativos do brasileiro.

    Em suma: o político brasileiro é a cara do cidadão brasileiro. Já o Judiciário brasileiro é a cara do político brasileiro. E o STF é a cara do Judiciário brasileiro. Logo, o Judiciário brasileiro e o STF são a cara do cidadão brasileiro…

    Então, está tudo bem…

  77. Pedro said

    Bah, estes ladrões foram injustiçados mesmo.
    O comum é o ladrão de pequenos furtos ser pego e ser solto, ser pego, e ser solto, ser pego e ser solto.
    Ficam 24 horas na delegacia, levam um esporro e são soltos sem pena de nenhum tipo.
    Pelo menos é esta a reclamação que mais escuto de comerciantes, e famílias que tem suas casas assaltadas constantemente.

    Googlias, já não existem estes tribunais de pequenas causas?

  78. Pedro said

    Gzuis, tá ficando deprimente abrir páginas de economia…..

  79. Elias said

    Zbigniew,

    Eu me referi à tendência geral do embate político nos próximos anos.

    A meu pensar, Alckmim, Aécio, Marina ou qualquer nome do PMDB, em 2018 virão imantados pela extrema direita.

    Alckmim e Aécio dispensam maiores considerações. Já a Marina…

    Desde 2010 venho dizendo que Marina só se sustenta no cenário político dentro de duas fardas: (a) linha auxiliar de um grupo político bem estruturado; (b) aventureira de direita (do tipo Jânio Quadros em 1960 ou Collor em 1989).

    Marina poderia ter evitado isso (assim como o Gabeira, antes dela), se, em vez de partir pro imediatismo carreirista da candidatura dela à Presidência da República (tornou-se uma obsessão…), ela houvesse se dedicado à construção da alternativa partidária que ela dizia querer (e continua dizendo, só que, agora, ninguém mais acredita nela).

    Perdeu o trem… Perdeu os ex-militantes petistas que a acompanharam quando ela saiu do partido, e não os substituiu por ninguém.

    Restou a ela entregar a alma ao diabo, ou seja, à direita… Que não confia nela de jeito nenhum. Tanto que a abandona facilmente, sempre que se dá conta que pode substituí-la por alguém mais qualificado.

    Em 2014, falou-se à exaustão que o PT havia “desconstruído” a candidatura de Marina.

    Isso é o típico papo de quem quer desviar a atenção para o que realmente aconteceu. Uma breve análise da evolução das pesquisas, já revelará aquilo que as urnas gritaram: quem canibalizou Marina foi o Aécio. Ele foi quem se beneficiou do despencamento dela.

    Fiquei impressionado com o que vi e ouvi, em algumas gravações da participação de Marina nos comícios do PSDB, no 2º turno de 2014. Ela parecia uma agitadora da extrema direita, rosnando o breviário preconceituoso e semipornográfico dos bate-paus pentencostais…

    Marina — assim como os “pixuléricos” da vida — são bem representativos daquilo que o PT tinha e tem sob a superfície…

  80. Elias said

    ” já não existem estes tribunais de pequenas causas?” (Pedro)

    Pedro, eu escrevi “instância para solução alternativa — não judicial — de pequenos conflitos, como existe num porrilhão de países civilizados”.

    Tribunais de pequenas causas NÃO É uma instância “não judicial”. Tribunais de pequenas causas são instâncias JUDICIAIS. São autoridades judicantes, certo?

    Ao julgar delitos penais, o tribunal de pequenas causas aplica o CPB, né?

    Estou me referindo a outra coisa…

    Estou me referindo a instâncias “não judiciais” e “não policiais”, que evitem a “policialização e a judicialização de todos os conflitos” de que reclama Luiz Flávio Gomes, e que representam mais da metade de todas as demandas que chegam ao Judiciário brasileiro.

    Estou dizendo que MAIS DA METADE das demandas que chegam ao Judiciário brasileiro NÃO NECESSITAM ser “policializadas” nem “judicializadas”.

    Se o Brasil tivesse uma estrutura judiciária moderna e operacional, nem necessitaria ter tantos juízes… Nem esses MPs paquidérmicos…

  81. Chesterton said

    vendo o Sartori tendo que lidar com o rombo no tesouro deixado pelo ignóbil Tarso Genro, me vem a seguinte lembrança:

    Imaginem a barulheira que essa cambada de criminosos que se auto-denominam petistas estaria fazendo caso o Aécio tivesse vencido as eleições! Aécio nasceu com o cu para a Lua……

  82. Chesterton said

    Voltando ao mau humor, observaria que as citações filosóficas e as frases de efeito, em Godard (no mínimo, desde “Filme Socialismo”), parecem servir para dar a um espectador medíocre e inculto a sensação de estar meditando profundamente, se não (pior) a ilusão de navegar na alta cultura –enquanto ele está apenas naufragando nos clichês.

    chest- um pouco de honestidade de um intelectual raro (posto que honesto)

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/contardocalligaris/2015/08/1664862-acossado.shtml

  83. Pedro said

    # 80

    Calma Googlias, não precisa gritar, não sou surdo.

    Em primeiro lugar concordo com vc, o nosso judiciário é uma coisa louca.
    Todos somos vítimas desta merda lerda.
    Exemplo:
    Faz mais de um ano que entrei com uma ação de cobrança, e até agora o devedor não foi sequer citado.
    Contratou o serviço, não pagou, e sabe lá Deus se vou conseguir cobrar um dia.

    Só não sei, como é que uma instancia não judicial e não policial vai solucionar um conflito.
    No caso citado por vc.
    Se não houvesse a ação da polícia, os sujeitos pegos no furto, iriam de boa vontade lá resolver o conflito com o dono das coisas?
    Acho muito difícil, praticamente impossível.

    O Luiz Flávio Gomes deve ser um baita jurista, e com certeza deve saber o que está falando, mas, na minha opinião ele está sendo utópico.

    ………..

    Bom, utopias a parte, vou encarar a minha realidade, inté.

  84. Pax said

    dólar a R$ 3,53…

    O estrago Dilma / Levy não para de crescer.

  85. Chesterton said

    Em visita à Câmara, Mercadante surpreendeu ao reconhecer que o governo cometeu erros, mesmo sem identificá-los. O ministro fez um inusitado elogio ao PSDB. Disse que a oposição é “muito elegante” e que os tucanos são responsáveis por conquistas “importantes para o país”, como o controle da inflação.

    chest- patético.

  86. Chesterton said

    O estrago não é Dilma/ Levy, é Dilma /Mantega, caro Pax. E vai a 4….

  87. Chesterton said

    Collor, Marin, Teixeira, Maluf, jamais me enganaram.

    O Zé sim. E como!

    É imperdoável.

    chest- Juca Kfuri se fazendo de idiota.

  88. Elias said

    Putz.

    Luiz Flávio Gomes é advogado e professor, foi promotor, foi juiz… Suas palestras são concorridíssimas, em qualquer parte do país. Ele escreve no JusBrasil…

    As instâncias “não judiciais” não são utopias. Elas existem em todo o mundo civilizado. São instâncias de conciliação (e não de julgamento).

    Se o indivíduo convocado por uma instância de conciliação deixa de comparecer sem motivo justo e comprovado, o caso dele pode se tornar um caso policial e judicial, etc., etc.

    Não vou entrar em detalhes, até porque há uma farta quantidade de informações sobre o assunto, nas estantes técnicas, na internet, etc., etc., etc…

    No frigir dos ovos — e como bem lembra o Luiz Flávio Gomes — não são muito diferentes dos esquemas disciplinares que existem nas escolas privadas e nos clubes de classe média alta pra cima…

  89. Elias said

    É…

    O dólar estourou os R$ 3,50. A Selic estourou os 14%. O juro do cartão estourou os 350%. O juro do cheque especial estourou os 240%. A inflação estourou os 9%.

    Agora só falta o PIB estourar os 2,5% negativos… E o superávit primário NÃO ATINGIR a estonteante marca de 0,000001% do PIB…

    Grandes Levy/Dilma!!!

    Nessa esteira de êxitos, a Usiminas divulgou o resultado do 2T2015 (e, portanto, 1S2015): PREJU líquido de R$ 1,01 bilhão (no mesmo período, em 2014, lucro de R$ 350,0 milhões…).

    Mas é isso mesmo: todo mundo sabe que, com o país produzindo menos e desempregando mais, ele resolve qualquer problema econômico…

    Principalmente se a inflação continuar aumentando, mesmo com os juros reais na estratosfera!

    Todo mundo sabe que a combinação de juros altíssimos com inflação crescente, é o que há de melhor em termos de política econômica.

    Além do mais, é claro que o Mantega estava errado… Todo mundo sabe que, numa economia saudável, o setor produtivo não deve dar lucro. A coisa só entra nos eixos quando as empresas do setor produtivo começam a dar prejuízo, deixando o lucro apenas para o setor financeiro…

  90. Pedro said

    Putz, digo eu.

    “Se o indivíduo convocado por uma instância de conciliação deixa de comparecer sem motivo justo e comprovado, o caso dele pode se tornar um caso policial e judicial, etc., etc”

    Pode esperar, o sujeito que roubou o botijão de gás do seu zé, e trocou por crack, vai aparecer. Putz, de novo.

    Alguma dúvida que isto vai acontecer? Putz, mais uma vez.

    Aí o caso vai se tornar policial e judicial. Vai usar toda a estrutura paquidérmica da justiça, e ainda mais aquela criada pra que isto não acontecesse.

    ……..

    Escolas privadas, clubes de classe média alta?
    Putz.

    Depois desta, só me resta ir comer ovos fritos com minestra.
    ……………..

    Pronto agora pode começar a gritar e me xingar.
    SÓ NÃO OFENDE A MÃE, PORQUE AÍ VAMOS NOS ENCONTRAR NUMA INSTANCIA DE CONCILIAÇÃO, E VOU TE PROVAR QUE ELAS NÃO FUNCIONAM. :-)

  91. Pax said

    Quando o PT fazia um governo de centro-centro, alguns chamariam de centro-esquerda, a aprovação do governo chegava a mais de 80% no fim de Lula 2.

    Claro que vivíamos um boom das commodities com a China comprando até pum.

    E aí o PT resolveu gastar mais e mais, esqueceu o que era ser de origem de esquerda que cambou seu rumo em direção ‘a direita a coisa foi degringolando.

    Agora pedem que os esquerdistas se unam de novo, para sustentar um governo de direita, insustentável.

    Que lasca o relho no lombo do povo, perde sustentação política e o baixíssimo clero do Congresso toma-lhe as rédeas.

    Não consegue colocar um projeto em pé, nem mesmo esse neoliberal do Levy.

    Que agrada um bocado. Os bancos riem como nunca.

    Mas a turma tá lá, “Dirceu, guerreiro, dos pixulecos brasileiros”.

    E ofendem qualquer um que ouse dizer o que deve ser dito.

    O PT se phoddeu ao cambar à direita.

    Que se lasque.

    Fizeram uma campanha horrível, Elias nem saiu dela ainda, destruindo qualquer um que se oponha ao PT, esse tal PT que deveria trocar o nome para PB.

    De partido dos trabalhadores para partido dos banqueiros.

    Levy… Levy não, Levy ninguém conhecia, Dilma, sim, Dilma, esse poste de Lula é pior que o Pitta de Maluf.

    Que se abracem nesse afogamento.

    O custo final disso tudo é um horror. A esquerda brasileira vai levar um longo tempo até se recompor.

    Até o PSOL já avinagrou, ao abraçar o afogado.

    Em quase todas as praças o PSOL afunda a olhos vistos.

    AM, MG, RS etc.

    Uma pena.

  92. Pax said

    Acabo de assistir o programa que o Santanna fez para o PT passar hoje à noite.

    Só não vou fazer panelaço porque as galinhas não vão entender pixuleco de nada.

    Caramba, como podem dizer o que estão dizendo.

    De PT a PB. Dos Trabalhadores aos Banqueiros.

    Que se lasquem.

    O povo não aguenta mais.

  93. Chesterton said

    E aí o PT resolveu gastar mais e mais, esqueceu o que era ser de origem de esquerda que cambou seu rumo em direção ‘a direita a coisa foi degringolando.

    chest- como é que é? Cambou à direita quando?

  94. Chesterton said

  95. Chesterton said

  96. Chesterton said

    Tombini é o gaucho mais mineiro de que se tem notícia. Seu silêncio e anuência durante o desastroso primeiro mandato de Dilma indicam que ele concordou em entrar para a história como o presidente do Bacen que trouxe a inflação de volta. Conspurcou ainda mais sua reputação pela postura yes madam que adotou quando Dilma e Mantega implementavam e aceleravam as velhas tolices nacional socialistas campineiras sugeridas por Beluzo, Delfim e outros dinossauros da estupidez econômica que sempre caracterizou as escolas paulistas de economia [Unicamp-USP-FGVSP-PUCSP]. Hoje, mineiramente, Tombini dá uma rasteira em Dilma, que já estava caída, e pretende deixar de ser seu dileto e aplicado Tombini. Estranhamente, parece que Tombini tomou um guaraná ou redbull de boa teoria econômica. Mas é tarde para pretender recuperar o que perdeu em definitivo. Pior ainda, quem paga o pato por seus erros é a sociedade: BC prevê juros altos por um tempo “suficientemente prolongado”.

    http://selvabrasilis.blogspot.com.br/2015/08/ate-tu-tombini.html

  97. Chesterton said

    http://internacional.estadao.com.br/blogs/radar-global/venezuelanos-saqueiam-prefeitura-e-queimam-quadros-de-chavez-e-maduro/

  98. Chesterton said

    Estou pronto para o panelaço…
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .












  99. Pax said

    Buenas… o dolar bateu nos R$ 4

    http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/2015/08/dolar-turismo-chega-r-397-em-casas-de-cambio.html

  100. Daise 10.0 said

    ESTE VIDEO É INCRÍVEL ( SE NÃO FOR PEGADINHA PETISTA)

  101. Chesterton said

    panelazasso aqui…

  102. Chesterton said

    panelaçozasso?

  103. Chesterton said

    A grave recessão de 2015 nos trouxe a percepção de que o Brasil perdeu — se algum dia deteve — o rumo do crescimento sustentado. E mais. Finalmente, caiu a ficha sobre o estrago do avanço do Estado na economia e sua clara ligação com o estancamento do setor privado e dos investimentos. É que, para gastar sempre mais — como tem feito nos últimos 20 anos —, o Estado precisa arrecadar cada vez mais. O que era uma carga tributária de 25% do PIB na partida do Plano Real alcançou mais de 35% no ano passado. O dinheiro que vira impostos e, portanto, deixa de ser preponderantemente reinvestido por milhões de pequenas e grandes empresas, na mão do governo vira predominantemente consumo.

    O gasto não financeiro do governo federal saltou, de 1991 a 2014, de 11% a 20% do PIB. A carga tributária crescente retornou para a sociedade sob a forma de mais empregos públicos, benefícios de toda ordem, subsídios e os mais altos juros no planeta. A constatação desse circuito econômico improdutivo, à exceção da menção à nefasta conta de juros, foi feita por três renomados economistas, num documento em que ressaltam, com razão, a inviabilidade da distorção apontada, cinco anos antes, por Raul Velloso, em colaboração com o Movimento Brasil Eficiente, ao cunhar a expressão “modelo de expansão continuada dos gastos públicos”, usada para expressar nosso modo mal definido de insistir num capitalismo estatal. O remédio para isso está proposto no recente editorial do GLOBO: “Um novo Plano Real para o gasto público”.

    Este novo plano é essencial e urgente. Essencial, porque o Real de 1994, que nos devolveu certa estabilidade, liquidando a hiperinflação, não foi capaz de pactuar com a sociedade a maneira de conter o Estado brasileiro num orçamento equilibrado e dar ao setor produtivo a primazia dos investimentos para o país crescer e distribuir melhor a renda. Aqui, o Estado se mete em tudo e faz quase tudo muito mal. Daí o enorme desperdício de energias (portanto, menos produtividade). É essencial a transformação do modelo econômico brasileiro, que começa pela reforma do próprio Estado, tornando-o eficiente.

    Tal decisão da sociedade, de ter o poder público transformado, bem diferente de mero “ajuste fiscal”, é tarefa inadiável. A profundidade do atual recuo recessivo nos mostra um setor privado em estado de desconfiança, desalento e inanição. Na ausência de medidas ousadas e bem coordenadas, ainda neste segundo semestre, é quase certo que a estagnação prevista para 2016 se projetará como recessão agravada e crise político-institucional, cuja repercussão será arcada pelos mesmos políticos que não terão sabido controlá-la no início do processo, que é agora. Partidos tradicionais poderão até desaparecer do mapa político em 2018 em função da indignação do povo nas eleições gerais. Até lá, a crise agravada pelo empobrecimento geral alimentará extremismos ruinosos.

    Um plano para atacar a essência do desequilíbrio orçamentário deve conter, no caso brasileiro, três componentes básicos: um programa emergencial, de impacto imediato, para limitar despesas correntes por uma regra estabelecida em lei; um programa estrutural, que reformará o funcionamento da máquina pública de alto a baixo, produzindo economias de quase R$ 300 bilhões, embora de modo gradual; e um programa financeiro, de modo a rever a composição e o custo de rolagem da dívida pública, que hoje produz um gasto estéril superior a 7% do PIB, em completo desalinho com a experiência de outros países, inclusive os muito endividados. Esse programa de três vetores de ação se complementará com a realocação e eventual desmobilização de ativos estatais, cujos recursos extraordinários, daí advindos, lastrearão o futuro fundo do INSS dos trabalhadores, numa ampla reforma trabalhista e previdenciária.

    Um anteprojeto do que se pode chamar de Lei Emergencial de Controle Orçamentário (Leco) foi desenvolvido pelos economistas Thiago Biscuola e Marcel Caparoz, inspirado nos bem-sucedidos programas de controle de gastos implantados na Alemanha (2011) e nos EUA (2013). A Leco será objeto de discussão por entidades civis e movimentos populares nas próximas semanas, com vistas a se formar uma onda de pressão sobre as autoridades para que saiam do presente estado de inércia.

    O Congresso precisa assumir sua responsabilidade em votar prontamente uma Leco, sob pena de atrair sobre o universo dos políticos profissionais a ira incontrolável de uma população farta de desmandos e roubalheiras. Este é o último trem que parte com destino à transformação fiscal do país e à recuperação do direito coletivo a maior consumo e à prosperidade trazida por investimentos ampliados e partilha justa da riqueza do nosso país. O Brasil pode tudo isso. Resgatar o direito do país de crescer e prosperar com capital e rendas bem distribuídas está no âmago da democracia que os cidadãos e cidadãs desta grande pátria querem defender. Em nome desse bem comum, é preciso agir já, começando pelo controle efetivo do gasto público.

    Paulo Rabello de Castro é coordenador do Movimento Brasil Eficiente

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/opiniao/brasil-pede-um-novo-plano-real-17099483#ixzz3i5DeXuVD
    © 1996 – 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

  104. Chesterton said

  105. Daise 10.0 said

    Cadê o Fedorento?
    Deve estar em Orlando, procurando emprego.
    Arrumar prateleiras dev supermercado é um must pra quem não fala inglês.
    dirceu#frtarosovodele

  106. Chesterton said

  107. Daise 10.0 said

    PRÁ NÃO ESPANTAR AS GALINHAS DO PAX…

  108. Chesterton said

    Nasci numa família petista. Acho que já escrevi isso antes, mas é uma lembrança muito forte: eu morava no Tatuapé, de frente para a fábrica de eletrodomésticos Philco, e o Lula comandava as greves lá. Eu acordava com ele berrando, irritada, mas minha mãe me mandava ter respeito pelo homem que mudaria o país. Quando o Lula foi eleito pela primeira vez e subiu a rampinha pra abraçar o Fernando Henrique, lembro da minha mãe no meio da sala, chorando mais do que quando eu voei da bicicleta, quebrei a clavícula e fiquei desacordada por longos segundos.

    Sempre votei em todos eles: Suplicy, Marta, Mercadante, Lula, Dilma, Haddad. Mas de uns dois anos pra cá, minha família fez como a Marta: me abandonou, pegou horror ao partido. Se tornaram magoados vingativos. Os xingamentos vão de pinguço ladrão a escória da humanidade. Ela virou a típica senhorinha reaça das redes sociais, postando “Revoltados On Line”, ajudando a viralizar vídeos terríveis de ministros sendo vaiados acompanhados de suas famílias. Senti um soprinho de esperança em recuperar meus pais quando num almoço o tema foi difamar o Cunha. Mas, no cafezinho, eles voltaram com força total, mostrando um clipezinho musicalizado da Dilma saudando a mandioca. E o milho também.

    Fiquei sozinha nessa. Segui defendendo a ciclovia. Mesmo aturando 80% dos meus amigos falando que na periferia o Haddad deixou a desejar, que a faixa termina em lugar nenhum, que é malfeita, que antes a cidade deveria dar segurança pras pessoas andarem de bicicleta, que quem mandou comprar carro pra aquecer a economia foi o próprio PT. Que ciclovia é coisa pra agradar os alunos “de esquerda, mas com dinheiro” dele, que moram no centro expandido. Perdi uma quantidade enorme de amigos (que nunca fiz) quando comemorei a reeleição da Dilma. Tudo bem que fui meio sem noção e escrevi “Chupa Itaim” e “pega no meu pau Vila Nova Conceição” no Facebook. Muitos outros, esses sim importantes, me deram apenas “hide” e avisaram por inbox: “Quando você se curar dessa doença maligna chamada ignorância política, voltamos a falar”. Não se “cura” com facilidade algo que se aprendeu a amar na infância. Sigo me agarrando aos poucos amigos que acreditam. Lendo os poucos articulistas que acreditam. Pedindo a um amigo que trabalha com o Haddad que me coloque em contato com ele, pra que eu possa conversar mais, entender mais, e não perder a fé. Mas a cada dia, um bom combatente entrega os pontos. Ligo para um colega escritor intelectual de esquerda e ele me aconselha: “Não escreve sobre isso não, tá feia a coisa, eu não acredito mais”.

    Está cada dia mais difícil responder “mas tanto foi feito pelos pobres” a cada 765 motivos para deixar de ser petista. Zé Dirceu armou o maior esquema de propina da história e mesmo depois de ser pego, armou de novo! Mas tanto foi feito pelos pobres! Os discursos da Dilma nunca falam com clareza sobre pedaladas fiscais e Petrolão! Mas tanto foi feito pelos pobres! Daí tento “mas nunca em um governo se colocou tanto bandido na cadeia! É a democracia!”. Mas Dilma foi uma péssima gestora, olha como está o dólar, a inflação, o desemprego, os cortes na educação, na saúde, na grana dos aposentados! Mas nunca em um governo se colocou tanto bandido…Mas os bandidos estavam mancomunados com o PT ou, em grande parte, ERAM do PT. Mas nunca em… É… Veja bem… Que tristeza tudo isso.

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/tatibernardi/2015/08/1665596-como-continuar-petista.shtml

  109. Elias said

    Pedro,
    Há décadas faço parte do quadro de um clube cujos associados têm renda um tanto acima da média nacional…

    Ao longo dessas décadas, o clube já teve um monte de pequenos problemas com vandalismo, furtos de coisas de pequeno valor, etc. Em geral, os autores são pré-adolescentes, adolescentes e até mesmo jovens adultos, de famílias classe média alta. No episódio mais recente estavam envolvidos, além de outros, os netos de um desembargador de reputação inatacável. O cara ficou morto de vergonha…

    Todos esses problemas foram resolvidos sem interferência da polícia, que nunca foi acionada. No episódio mais recente a que me referi, participou do processo um psicólogo, que é associado, filho e neto de associados, e que, há alguns anos, se viu envolvido, como autor, em ocorrência bem parecida.

    É disso que Luiz Flávio Gomes fala. E eu também.

    Nunca vista nada parecido acontecer, em clube do qual faças parte, nas escolas onde estudaste ou onde estudam teus filhos?

    Paciência… É a tua experiência de vida…

    Mas, só porque essas coisas não fazem parte da tua experiência de vida, isso não quer dizer que elas não existam nem sejam comuns.

    Taí… Nem te chamei de idiota, apesar das besteiras que disseste…

  110. Elias said

    Pedro,
    Tu te vês diante de um assunto com o qual jamais te preocupaste, sobre o qual jamais refletiste, nem estudaste… E já achas que podes estabelecer juízos definitivos, capazes de anular a opinião de gente como o Luiz Flávio Gomes, considerado, atualmente, um dos maiores juristas vivos do país, com uma vida inteira dedicada ao estudo e ao aperfeiçoamento da estrutura judiciária brasileira.

    Entrando assim, de trivela, é inevitável que digas besteira. Como, aliás, fizeste.

    Existem dezenas de estudos feitos pelo Conselho de Magistratura, pela OAB, pelo CNJ, e pelo escambal a quatro, demonstrando, sem sombra de dúvida, que mais da metade das demandas apreciadas pelo Judiciário brasileiro poderiam, perfeitamente, ser resolvidas em instâncias de conciliação extrajudiciais.

    Entende, Pedro, ninguém aqui está dizendo que TODAS as ocorrências de pequeno porte devem ser resolvidas sem policialização ou judicialização. Estou dizendo, acompanhando o que já disseram, reiteradamente, o Conselho de Magistratura, a OAB, o CNJ, e — claro! — o Luiz Flávio Gomes, que mais da metade das demandas ao Judiciário brasileiro PODEM ser resolvidas em instâncias de conciliação, extrajudiciais.

    Eu mesmo já me vi, obliquamente, envolvido num episódio desse tipo.

    Minha esposa vendeu um automóvel a um cidadão que disse estar comprando o carro para a irmã dele. A venda foi feita contra a minha vontade, porque eu já havia mandado avaliar o carro numa concessionária, onde ele seria dado em pagamento parcial na compra de um carro novo. Acontece que o cara apareceu dando uns trocados a mais, e minha esposa acabou fazendo a venda, achando que estava fazendo um bom negócio.

    Mais ou menos uns 3 anos depois, recebemos uma intimação judicial em casa. É que o carro que minha esposa vendeu, conduzido por não sei quem, havia batido um outro carro. O condutor fugiu, mas a vítima anotou a placa, e entrou com um processo no juizado de pequenas causas. É que, por negligência minha e de minha esposa, o automóvel ainda estava no nome dela.

    Fui à audiência preliminar, conversei com a vítima e fechei acordo. Paguei R$ 800,00. Quando a assistente do juiz deu início à sessão de conciliação, não havia mais caso. Ela preparou o recibo e o termo de acordo, todos assinamos e o juiz arquivou o processo (depois eu catei o comprador do carro, e fiz o sacana me pagar o novo e o velho…).

    Desde o momento em que a vítima deu entrada no processo, até o dia da sessão de conciliação, se passaram dois meses, consumidos com os procedimentos cautelares, típicos do processo judicial. Esses procedimentos custam uma grana aos cofres públicos, mas necessitam ser feitos, porque é fato comum que os réus, quando não resta dúvida sobre sua culpa ou dolo, costumam, por seus advogados, vasculhar os processos em busca de erros de procedimento, disto se valendo para provocar sua anulação. Fui membro, fui presidente e fui relator de um monte de PADs, e sei exatamente como isso funciona.

    No caso do processo a que me referi, a coisa ficou mais fácil porque a vítima é um advogado. Se não fosse assim, o prejudicado teria que contratar um advogado e o acordo ficaria mais difícil, porque teria que envolver os honorários do patrono da vítima. Aí eu teria que contratar um advogado também, e, mais que provavelmente, o processo se arrastaria por um bom tempo mais, custando tempo e dinheiro ao demandante, ao demandado e ao aparelho judiciário.

    Não se trata de dizer que TODAS as pequenas demandas podem e devem, necessariamente, ser liquidadas em conciliação extrajudicial. Trata-se de estabelecer filtros, para não judicializar os casos que podem ser resolvidos sem judicialização.

    Entendeste, agora?

    É assim que funciona em quase todo o mundo civilizado.

    É uma estrutura formada por círculos concêntricos. Os círculos externos funcionam como filtros, liquidando os casos de menor complexidade. Somente os casos de maior complexidade chegam aos círculos internos.

    Mal comparando, é o mesmo desenho estrutural que deve ter o sistema de saúde pública. O círculo externo deve ser formado pelos ambulatórios de baixa complexidade. O círculo intermediário contém as unidades de média complexidade. No círculo central devem ficar os hospitais de alta complexidade.

    Uma das causas do péssimo funcionamento dos pronto socorros brasileiros, é que eles tomam a forma de unidades de alta complexidade, que não têm o apoio de “filtros” de baixa e média complexidade. Aí o pronto socorro se vê obrigado a atender problemas como uma febre alta causada por uma gripe forte, que deveria ter sido atendida em um ambulatório de baixa complexidade, mas que, no pronto socorro, acaba drenando esforços profissionais que deveriam, com muito mais propriedade, ser dirigidos a casos de maior gravidade (os quais, por isso mesmo, resultam subatendidos…).

    Deu pra entender?

    PUTZ!!!!

  111. Elias said

    O Credit Suisse já está operando com a expectativa do dólar a R$ 4,00…

    Mais uma grande realização da dupla Dilma/Levy…

  112. Elias said

    O Société Générale também!

    Começou o fechamento do cerco…

  113. Chesterton said

    Elias, está na hora de cair na real.

  114. Pedro said

    OK Googlias

    Torço pra que as idéias dele melhorem o judiciário.

    Tiriricando…….Pior do que tá não fica

    PUTZ….:)

  115. Chesterton said

    José Simão inspirado hoje na Folha de SP:
    “Se a popularidade da Dilma cair mais um pouco ela vai acabar explorando o pré-sal sozinha, sem sonda! Rarará!”

  116. Pedro said

    Sozinha não. Esqueceu que o Patriarca tá quase lá…….

  117. Pedro said

    No meio de um oceano de más noticias, uma gota de bom senso.

    “O prefeito Cesar Souza Júnior e o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), Carlos Chiodini, bateram o martelo e até o final do ano Florianópolis terá a Praça do Empreendedor. A instalação envolve Junta Comercial (Jucesc), Vigilância Sanitária, Bombeiros, Polícia Civil, Fundação do Meio Ambiente (Fatma) e entidades da classe empresarial para facilitar a vida dos empreendedores.”

  118. Guatambu said

    Puerto RRRRiiiiico…

    Puerto Pobre…

    http://www.businessinsider.com/how-puerto-rico-got-in-over-its-head-2015-8

  119. Chesterton said

    Aos amigos petistas

    Petistas inteligentes sabem que o sonho acabou, ‘game over’, zé fini, pelo baixo nível e alta voracidade dos seus quadros

    Nunca perdi um amigo por causa de política. Tenho vários amigos petistas que merecem meu afeto e respeito, alguns até minha admiração, e convivemos bem porque quase nunca falamos de política, talvez por termos assuntos mais interessantes a conversar. Mas agora o assunto é inevitável. E eles estão mais decepcionados do que eu.

    Também tenho amigos tucanos, comunistas, conservadores, não meço a qualidade das pessoas pelo seu time, religião ou suas crenças políticas, em que sonhos, idealismo e equívocos se misturam com ambição, desonestidade e incompetência para provocar monstruosas perdas de vidas, dignidade e dinheiro ao coitado do povo que todos eles dizem amar.

    O PT está caindo aos pedaços, depois de 13 anos no poder, com grandes conquistas e imensos desastres, mas a perspectiva de ser governado pelo PMDB ou pelo PSDB não é animadora. Claro que há gente decente e competente nos dois partidos, mas a maioria de seus quadros e dirigentes não é melhor do que os piores petistas, e vice-versa.

    Chegamos finalmente ao “nós contra eles” que Lula tanto queria … quando era maioria … e agora se volta contra ele, perseguido como os judeus pelos nazistas e os cristãos pelos romanos … rsrs.

    Se não fosse tão arrogante e autoritária, Dilma mereceria pena, porque não é desonesta, mas é mentirosa e sua incompetência nos dá mais prejuízos do que a corrupção. Suas falas tortuosas são a expressão da sua confusão mental.

    E se Lula não fosse tão vaidoso e ambicioso, tão irresponsável e inescrupuloso, não teria jogado a sua história na lama por achar que está acima do bem e do mal e que nunca descobririam que ele sempre soube de tudo.

    Petistas inteligentes e informados sabem que o sonho acabou, game over, zé fini, não por uma conspiração da CIA, dos coxinhas ou da imprensa golpista, mas pelos seus próprios erros, pelo baixo nível e alta voracidade dos seus quadros, pela ganância e incompetência que nos levaram ao lodaçal onde chafurdamos.

    É triste, amigos petistas, o sonho virou pesadelo, mas não foi a direita que venceu, foi o partido que se perdeu. O medo está dando de 7 a 1 na esperança.
    Nelson Mota

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/opiniao/aos-amigos-petistas-17110141#ixzz3i9HRPBpj
    © 1996 – 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

  120. Chesterton said

    Mas antes ela tem que fuder com a paciência da população…

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/saude/governo-dilma-apronta-mais-uma-contra-medicos-brasileiros/

  121. Chesterton said

  122. Elias said

    “Elias, está na hora de cair na real.” (Chester)

    Cair na real até que é fácil… O problema é que O real também tá caindo…

  123. Elias said

    “Decreto 8.497/2015, publicado em 5 de agosto: Cria o Cadastro Nacional de Especialistas, que dentre outros absurdos. Obriga o cidadão médico a trabalhar onde o governo determinar e ainda a querer interferir na especialização dele. Isso funciona bem… Em ditaduras! “Registra os profissionais médicos habilitados para atuar como especialistas no SUS” – Invade competência do CFM. “O profissional médico só poderá ser registrado como especialista nos sistemas de informação em saúde do SUS se a informação estiver de acordo com o que consta no registro efetuado neste Cadastro.” – Só vai trabalhar quem o Ministério da Saúde desejar. Já estou preparando Projeto de Decreto Legislativo para sustar esse decreto de Dilma.” (Rodrigo Constantino, citado pelo Chester)

    Esse Rodrigo Constantino é um bostinha se achando grande merda.

    “´Registra os profissionais médicos habilitados para atuar como especialistas no SUS´ – Invade competência do CFM.”

    Idiota! A regulamentação das profissões é atribuição PRIVATIVA da União, por meio do governo federal. Os conselhos profissionais, realizam o registro de profissionais por DELEGAÇÃO da União.

    Quem pode o mais, pode o menos.

    Estruturar um cadastro de especialistas que prestam serviços ao SUS invade tanto a competência do SUS quanto a estruturação dos cadastros de fornecedores nos ministérios invade a competência da Receita Federal (onde funciona o CNPJ), das Secretarias Estaduais de Fazenda e das Secretarias Municipais de Finanças.

    É um “cadastro de fornecedores”, imbecil!

    O cadastramento por especialidade evita uma bandalheira há muito tempo praticada no Brasil: o profissional prestar serviços fora de sua especialidade, por vezes usando o paciente como cobaia…

    Esse Rodrigo Constantino é um bosta!

    No Brasil de hoje, esse merda proclama, cheio de empáfia, que já está preparando um decreto legislativo pra sustar uma das poucas iniciativas da Dilma que merecem o apoio das pessoas de bem…

    Num Legislativo que se desse a respeito, o papel que o Constantino usasse pra imprimir esse tal “decreto legislativo” não seria usado nem pra limpar a bunda!

    Bundão!

  124. Elias said

    “Só vai trabalhar quem o Ministério da Saúde desejar.” (Rodrigo Bostantino)

    Idiota! Os governos brasileiros (federal, estaduais e municipais) IMPLORAM que os médicos trabalhem pra eles.

    Uma grande parcela dos médicos simplesmente se recusa a trabalhar para os governos. Motivos: o governo paga mal e ainda atrasa o pagamento.

    Ora se o governo está em condições de fazer bochecha pra médico…

  125. Chesterton said

  126. Daise 10.0 said

  127. Daise 10.0 said

    CARTA-RENÚNCIA ESTÁ PRONTA, DIZEM FONTES DO PLANALTO

    Apesar de ter declarado que “suporta a pressão”, a presidente Dilma já teria preparado uma carta-renúncia. Fontes do Palácio do Planalto garantem que a redação da carta não foi um ato solitário, como é comum nesses casos: Dilma teria contado com a ajuda de dois dos seus ministros mais próximos, Aloizio Mercadante (Casa Civil) e José Eduardo Cardozo (Justiça), apesar de ambos serem contrários à ideia.
    D.P.

  128. Daise 10.0 said

    Voto não garante impunidade

    Brasil 07.08.15 16:23
    Dilma Rousseff: “Voto é a fonte da minha legitimidade e ninguém vai tirar essa legitimidade que o voto me deu”.

    Fernando Collor também teve votos para presidente e o PT batalhou pelo seu impeachment.

    Voto garante legitimidade, mas não impunidade.

    O.A.

  129. Elias said

    Lei Federal 6.932, de 7 de julho de 1981:

    ==============================
    Art. 1º – A Residência Médica constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada a médicos, sob a forma de cursos de especialização, caracterizada por treinamento em serviço, funcionando sob a responsabilidade de instituições de saúde, universitárias ou não, sob a orientação de profissionais médicos de elevada qualificação ética e profissional.

    § 1º – As instituições de saúde de que trata este artigo somente poderão oferecer programas de Residência Médica depois de credenciadas pela Comissão Nacional de Residência Médica.

    § 2º – É vedado o uso da expressão residência médica para designar qualquer programa de treinamento médico que não tenha sido aprovado pela Comissão Nacional de Residência Médica.

    § 3º A Residência Médica constitui modalidade de certificação das especialidades médicas no Brasil. (Incluído pela Lei nº 12.871, de 2013)

    § 4º As certificações de especialidades médicas concedidas pelos Programas de Residência Médica ou pelas associações médicas submetem-se às necessidades do Sistema Único de Saúde (SUS). (Incluído pela Lei nº 12.871, de 2013) (Regulamento)

    § 5º As instituições de que tratam os §§ 1o a 4o deste artigo deverão encaminhar, anualmente, o número de médicos certificados como especialistas, com vistas a possibilitar o Ministério da Saúde a formar o Cadastro Nacional de Especialistas e parametrizar as ações de saúde pública.
    ==============================

    Como qualquer pessoa alfabetizada pode facilmente perceber, a formação do Cadastro Nacional de Especialistas foi instituída pelo § 5º, do artigo 1º da Lei Federal nº 6.932, de 7-7-1981.

    A Dilma, num de seus raros acertos neste segundo mandato, apenas fez o que seus antecessores deveriam ter feito: regulamentou a lei, tornando possível a formação do cadastro.

  130. Pax said

    Gostei muito desse texto

    https://moysespintoneto.wordpress.com/2015/08/07/a-estrategia-zumbi-e-o-fim-de-um-projeto/

    aqui um meu, bem mais implório:

    Não me chamem para sair às ruas no dia 16. Não acredito nesses que organizam essa manifestação.

    Não me chamem para sair às ruas no dia 20. Não acredito nesses que organizam essa manifestação.

    Que se vayan todos.

    Se estes dois lados resolverem se juntar para derrubar Eduardo Cunha e Renan Calheiros e ensaiarem um pacto mínimo sobre uma pauta realmente brasileira, então podem me chamar.

    Começando essa pauta por acabar com esse plano neoliberal que só agrada os banqueiros.

    Imediatamente depois um pacto nacional, apartidário, pétreo, para a Educação, aí sim, estarei lá.

    Com a bandeira Ambiental às mãos.

  131. Elias said

    Além de “registrar os profissionais médicos habilitados para atuar como especialistas no SUS” (inciso IX do artigo 4º, do Decreto Federal nº 8.497), o Cadastro Nacional de Especialistas tem por objetivo servir de fonte de informação para a formulação de políticas públicas de saúde, em especial quanto à formação de mão-de-obra.

    O cadastro dimensionará o quadro nacional de especialistas e sua distribuição pelo território brasileiro, o que possibilitará o direcionamento de esforços, no sentido da formação de profissionais nas especialidades em que se constata maior carência, etc. (incisos I a VIII do mesmo artigo).

    E a besta do Chester, já assinando embaixo das bostices do Rodrigo Constantino…

    No fundo, o Constantino está certo. É um demagogo a serviço da oposição. Tá fazendo a parte dele

    Já o Chester, que assina embaixo do que o Constantino escreve, mesmo sem entender do que se trata, é só um membro do rebanho…

    Gado besta… Gado bom…

    Imaginem só um médico tipo o Chester, influindo na formulação da política pública de saúde no Brasil.

    Seria o mesmo que um chipanzé bêbado e enfurecido, solto numa loja de cristais…

  132. Elias said

    E a Petrobras divulgou os números do 2T2015: lucro líquido de R$ 531 milhões. Bem abaixo do que foi o lucro do 2T2014, mas, no semestre, a companhia já acumula um lucro líquido de R$ 5,86 bilhões, ou seja, em um semestre, e com o país em recessão, ela já positivou um lucro que chega perto dos R$ 6 bilhões da roubalheira.

    Mesmo com a dupla Levy/Dilma se esmerando em chutar contra o próprio gol, já não está, assim, tão longe da realidade, a expectativa de que o petrossauro emplaque um lucro líquido de, pelo menos, R$ 8 bi, em 2015…

    Não será fácil, acho, mas, também, nada absurdo.

  133. Elias said

    Comprar moeda forte, agora, seria uma boa?

    O pessoal do BC diz que não… Diz que, quem fizer isso agora, terá motivos para chorar. mais à frente…

    Nove entre 10 corretores dizem que o pessoal do BC fala em causa própria, no momento em que o banco dos bancos torra 100 bi em dólares, só pra segurar a cotação das verdinhas… Que, mesmo assim, teima em subir.

    Quem não é diretor do Bacen nem corretor do mercado de capitais, está com multidões de pulgas perturbando o pé do escuta-samba…

  134. Chesterton said

    Elias, quem decide quem é especialista ou não, as sociedades médicas ou o PT?

  135. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/saude/psiquiatras-reagem-a-decreto-de-dilma-com-nota-de-repudio-que-tal-uma-camisa-de-forca-logo-de-uma-vez/

    Em nome dos milhares de psiquiatras do Brasil, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) protesta contra as colocações do Decreto nº 8497-2015, da Presidência da República, sobre residências médicas. Em conjunto com outras medidas adotadas pelos Ministérios da Educação e da Saúde, este documento compromete a formação e o cadastramento de médicos especialistas no Brasil.

    As medidas defendidas pelo Decreto transformam o Sistema Único de Saúde (SUS) em um modelo de atenção que interfere diretamente na capacitação de médicos especialistas e coloca em risco o atendimento de qualidade aos pacientes. Trata-se de mais um exemplo de atitudes autoritárias que o governo federal vem tomando sem diálogo ou consulta às entidades médicas representativas do país, que conhecem profundamente a realidade da Saúde brasileira e entendem de que maneira uma gestão equivocada pode afetar a população.

    A ABP não medirá esforços para, integrada às entidades de saúde, impedir os efeitos desastrosos deste Decreto.

    Antonio Geraldo da Silva

    Presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP)

  136. Chesterton said

    http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2015/08/07/doentes-recorrem-a-remedios-veterinarios-ante-escassez-na-venezuela.htm

  137. Daise 10.0 said

    OS PETISTAS HOJE

  138. Chesterton said

    para quem puder entender

  139. Pax said

    Referência filosófica dos tucanos puxa a orelha… dos tucanos.

    http://brasil.elpais.com/brasil/2015/08/07/politica/1438902995_519278.html

  140. Pax said

    E quando o Globo decide “apoiar” o governo e tascar o pau no Eduardo Cunha e Renan Calheiros…

    http://oglobo.globo.com/opiniao/manipulacao-do-congresso-ultrapassa-limites-17109534

    realmente o Brasil não é nem monótono, muito menos para amadores.

  141. Pedro said

    Diria que não e tascar pau.
    É apenas bom senso.
    Coisa que o PT nunca teve também.

  142. Chesterton said

    ESCLARECIMENTOS À SOCIEDADE BRASILEIRA
    As entidades médicas nacionais (Associação Médica Brasileira, Conselho Federal de Medicina, Federação Nacional dos Médicos, Federação Brasileira das Academias de Medicina, Associação Nacional dos Médicos Residentes, Associação dos Estudantes de Medicina do Brasil e Associação Brasileira das Ligas Acadêmicas de Medicina) vêm a público se manifestar a respeito do Decreto nº 8497, da Presidência da República, o qual, em articulação com outras medidas adotadas pelos Ministérios da Educação e da Saúde, compromete o processo de formação e cadastramento de médicos especialistas no Brasil.
    Diante das normas, publicadas em 5 de agosto de 2015, a AMB, o CFM, a Fenam, a FBAM, a ANRM, a Ablam e Aemed-BR ressaltam que:
    1) Estas medidas representam uma interferência autoritária por parte do Poder Executivo na capacitação de médicos especialistas no País, caracterizando-se, mais uma vez, pela ausência de diálogo com os representantes das entidades médicas, das universidades e dos residentes;
    2) De forma integrada, as representações médicas já estão desenvolvendo todos os esforços para impedir os efeitos deletérios desse Decreto. Os quais determinam mudanças no aparelho formador de especialistas, com destruição do padrão ouro alcançado pela Medicina do País, após quase seis décadas de contribuições das entidades e da academia, em detrimento do nível de excelência do atendimento oferecido pelos médicos brasileiros, reconhecido internacionalmente;
    3) Uma análise rigorosa dessas normas está em curso com o objetivo de identificar possíveis rumos a serem adotados na esfera judicial, com base em suas fragilidades e inconsistências;
    4) Os riscos e os prejuízos gerados pela edição deste Decreto também estão sendo discutidos com parlamentares federais, sensibilizando-os para a importância de ampliar o acesso à assistência de forma adequada, oferecendo aos cidadãos profissionais devidamente qualificados e em condições de cuidar bem de todos os agravos da saúde;
    5) A sociedade brasileira deve permanecer atenta aos informes das entidades médicas, que agirão com transparência e celeridade em defesa do exercício da Medicina e contra as medidas abusivas desse Governo que comprometem a própria qualidade e eficácia dos serviços a serem oferecidos, em especial no Sistema Único de Saúde (SUS).
    Finalmente, as entidades médicas alertam a sociedade para os efeitos do Decreto, recentemente publicado, que representará a transformação do SUS num modelo de atenção desigual, marcado pela iniquidade ao oferecer aos seus pacientes assistência com médicos de formação precária, com consequentes riscos para valores absolutos, como a vida e a saúde.
    Associação Médica Brasileira
    Conselho Federal de Medicina
    Federação Nacional dos Médicos
    Federação Brasileira das Academias de Medicina
    Associação Nacional dos Médicos Residentes
    Associação dos Estudantes de Medicina do Brasil
    Associação Brasileira das Ligas Acadêmicas de Medicina

  143. Chesterton said

  144. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/08/1665963-medicos-ameacam-entrar-na-justica-contra-decreto-de-dilma.shtml?cmpid=compfb

  145. Chesterton said

  146. Chesterton said

    Num encontro no mês passado com senadores em Brasília, Lula desabafou, desolado, sobre o clima de ódio contra o PT.

    Relatou que deixou a Presidência com uma aprovação nas alturas, mas que hoje não tem mais condições de ir com a mulher a nenhum restaurante do país – “nem em São Bernardo”, ressaltou.

    Por Lauro Jardim

  147. Chesterton said

    http://gustibuseconomia.com/2015/08/07/a-sociedade-escolheu-o-tamanho-do-estado/

    Em algumas ocasiões, governos podem muito bem “enganar” os eleitores.

    Buchanan (1967) e Tanzi (2011) descrevem várias estratégias usadas pelos governos para criar ou explorar a ilusão fiscal. Entre as estratégias mais estudadas na literatura empírica, estão: arrecadação via tributos indiretos – já mencionada –, complexidade da estrutura tributária, deficit orçamentário e o mecanismo associado ao efeito flypaper. [p.49]

    Interessante é a chamada hipótese de Mill:

    A origem da proposição de que a participação de impostos que permanecem “encobertos” nos preços dos produtos – os chamados tributos indiretos – na arrecadação leva o contribuinte a subestimar a carga tributária que recai sobre ele é atribuída a John Stuart Mill, que, já no século XIX, observou: “If all taxes were direct, taxation would be much more perceived than at present; and there would be a security which now there is not, for economy in the public expenditure”12 (Mill, 1848 apud Sausgruber e Tyran, 2005, p. 39). E ainda: “If our present revenue were all raised by direct taxes, an extreme dissatisfaction would certainly arise at having to pay so much”13 (Mill, 1848 apud Tanzi, 2011, p. 153). [p.50]

  148. Chesterton said

    Dirceu abre o bico

  149. Chesterton said

    https://fbcdn-sphotos-g-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpt1/v/t1.0-9/s480x480/11816998_874112445969921_2564877265365790457_n.jpg?oh=9cbb974fadf4b65d0afd176811c6f097&oe=563E97B5&__gda__=1451280019_208131303c5f4cd9abd8ed5c04e22bc4

  150. Chesterton said

  151. Daise 10.0 said

    Estrela Comunista o escambau.

    É a logomarca da Macy’s, a mais que centenária loja de departamentos mais famosa do mundo!
    Fundada em 1858 nem NY.

  152. Pax said

    Muito bom esse texto do Mario Sergio Conti, na Ilustríssima – Folha de São Paulo.

    José Dirceu desce ao inferno
    A nova queda do ex-líder estudantil e homem forte do governo Lula
    MARIO SERGIO CONTI
    RESUMO Figura de destaque na militância estudantil durante a ditadura militar, o ex-ministro do governo Lula voltou à prisão na semana passada, desta vez sob suspeita de ter recebido propinas de empreiteiras. Cumprindo pena em regime domiciliar após caso do mensalão, José Dirceu, 69, parece distante do jovem preso em 1968.

    É bom conversar com José Dirceu. Ele analisa a conjuntura à maneira de Fernando Henrique Cardoso, que enraíza querelas brasilienses no solo mundial. Como Delfim Netto, pensa primeiro em objetivos nacionais e só depois na casta dos profissionais da política. À semelhança de Fernando Haddad, é realista e evita lero-lero numa conversa a dois. O ex-ministro compartilha com Valério Arcary a cicatriz de quem esteve com as massas em movimento: o dirigente do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado tem tatuagens da Revolução dos Cravos na psique; o militante preso na segunda-feira passada traz na pele queimaduras dos incêndios de 68.
    O próprio José Dirceu abriu a porta da mesma casa onde a polícia foi buscá-lo nesta semana. Era uma manhã de domingo do fim do ano passado. Estava de calção azul, camiseta vermelha e calçava chinelos. Rijo e bronzeado, parecia mais saudável do que nas fotos dos jornais, nas quais era flagrado indo para o trabalho. Apresentou-me Simone Pereira, sua quarta companheira, e lhe fez um afago no rosto.
    Atravessamos o saguão, duas salas sombrias, saímos para o sol raivoso de Brasília e nos sentamos no terraço, à beira do jardim, da piscina e do salão de ginástica. Logo apareceu Maria Antônia, sua filha de quatro anos. Ela recebeu esse nome em homenagem à rua paulistana onde Dirceu teve o seu batismo político.
    A menina estava com uma engenhoca eletrônica que emitia silvos insistentes. O pai lhe disse que ficasse um pouco mais longe, mas Maria Antônia se aninhara a seu lado e só saiu quando quis.
    Ele conversou primeiro sobre o PT. Falou que, mesmo com a vitória recente de Dilma Rousseff, haveria uma debandada nos quadros e na base do partido. A Lava Jato não cheirava bem, e lhe dava a impressão de causar calafrios em possíveis candidatos pela legenda. Aparentemente, a investigação não o alarmava.
    “Já reviraram minhas contas bancárias, meus telefonemas e declarações de renda”, afirmou. “Nunca encontraram nada. Tenho uma consultoria, presto serviços para empresas e recolho impostos.” Durante o encontro, que se estendeu até o meio da tarde, Dirceu não tocou em álcool, proibido no regime de prisão domiciliar: “Não dou mole de jeito nenhum”.
    O governo recém-reeleito lhe parecia velho, exausto, sem rumo. “O PT sofrerá uma derrota de proporções históricas nas eleições municipais”, vaticinou. Ele nunca se deu bem com Dilma. Chamou-a de “camarada de armas” no discurso de despedida no Congresso, mas intramuros a critica desde sempre.
    Questionado sobre o que faria se voltasse ao poder, fez uma longa peroração, coalhada de cifras, sobre a vocação do Brasil na América Latina: construir estradas, aeroportos, usinas, linhas de ferro, portos, a infraestrutura inteira do continente. Não disse palavra sobre desigualdade, classes, lucros e interesses nacionais contraditórios, muito menos socialismo.
    GUINADA
    Sem transição, como lhe é comum, mudou de assunto e deu uma guinada abrupta à esquerda: disse que trabalharia para o PT apoiar a candidatura à prefeitura carioca de Marcelo Freixo, do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade). “O Rio é a única grande cidade brasileira com garra para eleger um prefeito de esquerda”, disse (ignorando a eleição do petista Haddad em São Paulo) enquanto checava o celular, deitado na mesa à frente, gesto que repetia de cinco em cinco minutos.
    Há dez anos, Dirceu tivera papel preponderante na expulsão do PT de ativistas que viriam a criar o PSOL, a começar por Luciana Genro. Antes mesmo, na década de 1990, agira com mão pesada para que a esquerda não concorresse ao governo do Rio. O candidato em potencial era Vladimir Palmeira, que não só pertencia ao PT como se formara em radicalismo na turma de 1968. Ele tinha a sustentação firme da seção fluminense do partido no Rio, mas a direção nacional –leia-se: Lula e José Dirceu– impôs o voto em Anthony Garotinho. Deu no que deu. O celular não tocou nenhuma vez.
    “As pessoas mudam, e os líderes políticos também”, disse-me Valério Arcary, pedindo desculpas pelo clichê. “O José Dirceu de 1980 e o de 2015 não são a mesma pessoa.” O líder do PSTU ficou boquiaberto com o relato, publicado na terça-feira pela Folha, de que Dirceu se ajoelhara diante de uma imagem de Nossa Senhora.
    Eles conviveram na década de 1990, quando integraram a comissão executiva nacional do PT. Ainda que tivessem posições conflitantes, davam-se bem. Dirceu fora preso e banido na ressaca de 1968. Passara anos em Cuba, vivera clandestino no interior do Paraná, onde abandonou política, e chegara relativamente tarde ao Partido dos Trabalhadores. Defendia as posições de Fidel Castro e de Cuba.
    Já Arcary morava em Lisboa quando estourou a Revolução dos Cravos, em 1974. Voltou ao Brasil anos depois e foi um dos fundadores da Convergência Socialista, grupo trotskista cujos militantes se filiaram ao PT para cooptar novos adeptos. Ele se lembra de várias virtudes de Dirceu: “Era assertivo, não se metia em intrigas, acreditava num projeto, comprava a discussão política e a fazia às claras”.
    Ou seja, era quase o contrário de Lula e dos sindicalistas que o seguiam. O presidente do PT relutava em divergir frontalmente, tentava conciliar o inconciliável e volta e meia ocultava o que de fato pensava. Dirceu e Lula tinham deficits semelhantes: não escreviam e nunca estiveram em minoria no partido. O político que escreve ordena as ideias; estar em minoria é didático, fortalece quem tem princípios e paciência.
    Um belo dia, as virtudes de José Dirceu se voltaram contra Arcary. Foi quando o movimento pela derrubada de Fernando Collor ganhou corpo, em 1992. Manifestações continuadas juntavam centenas de milhares de pessoas. O presidente estava por um fio, mas o mundo político, jurídico e empresarial não chegara a um acordo quanto ao que fazer.
    A Convergência Socialista defendia a derrubada de Collor, mas não queria que o vice, Itamar Franco, tomasse posse no lugar –por não ter sido eleito e por defender o programa liberal do titular. Seu objetivo era seguir com as passeatas e atos públicos até que se abrisse uma crise revolucionária.
    José Dirceu partiu para cima da Convergência. Defendeu que a organização não tivesse vida independente e o seu jornalzinho semanal fosse proibido. “Quero ser secretário-geral do PT contra a palavra de ordem ‘fora Collor'”, repetia. No seu raciocínio, o partido deveria esperar até 1994, vencer as eleições e só então entrar no Planalto. Não deu outra: a direção do partido ficou com Dirceu, e milhares de trotskistas foram expulsos.
    O PT tornou-se uma organização eleitoral. Arcary não guarda mágoa. “Dirceu optou por uma política e a defendeu com lealdade, sem dar golpes baixos”, disse ele. O PT não chegou ao poder em 1994 nem quatro anos depois. Empalmou o Planalto só em 2002, com José Dirceu na condição de hiperministro e candidato óbvio à sucessão de Lula.
    As mutações de Dirceu e do PT não se deram num buraco negro a-histórico. O “big bang” do processo foi a queda do Muro de Berlim. Desmoronou o “socialismo real” (que de socialismo não tinha nada), com o qual boa parte da esquerda latino-americana cultivava relações ambíguas. Esboroaram com ele a via insurrecional para a tomada do poder e a perspectiva de revolucionar a sociedade.
    A vaga eleitoralista, com a adoção de um programa palatável à ordem do capital, pôs em polvorosa a Frente Sandinista de Daniel Ortega, na Nicarágua, os Tupamaros de José Mujica, no Uruguai, e o PT de Lula e José Dirceu. Os três partidos deixaram de falar em socialismo até nos dias de festa, como mandava a etiqueta social-democrata. Vieram os showmícios.
    Mesmo o róseo reformismo feneceu. Ele deu lugar às ditas políticas compensatórias, mais ao gosto dos poderes centrais. Não por acaso Obama disse que Lula era “o cara”, o “político mais popular na Terra”.
    A transfiguração foi testemunhada por Frei Betto. Ele conheceu José Dirceu nos idos de 1968. Estudava antropologia na USP da Maria Antônia, teologia no convento dos dominicanos, nas Perdizes, e era repórter da “Folha da Tarde”, para a qual cobria o movimento estudantil. “Foi o ano em que não dormi”, disse-me Betto.
    Conheceram-se melhor na ocasião em que o estudante se refugiou no convento. Aproximaram-se mais quando aderiram à Aliança Libertadora Nacional, a ALN de Carlos Marighella. A década de prisões e exílios os separou. Tornaram a se encontrar no início dos anos 1980. Por achar que a esquerda consistia de sabichões que queriam manipulá-lo, Lula a evitava. Mas gostava de Betto por ser frade e fazer parte da Pastoral Operária. Foi ele quem apresentou José Dirceu a Lula.
    FOME ZERO
    Os caminhos de Betto e Dirceu voltaram a se cruzar quando subiram a rampa do Planalto. O frei foi encarregado por Lula de construir o Fome Zero. Na sua concepção, o programa seria gerido em conjunto por técnicos do governo e pelos próprios beneficiários, que se reuniriam periodicamente. Ao longo de três anos, os favorecidos seriam treinados num ofício, passariam a trabalhar e prescindiriam da bolsa estatal.
    Houve resistência de prefeitos de todo o Brasil. Eles queriam organizar o cadastro, de modo a parecer que concediam a benesse. Assim, poderiam encabrestá-los e cobrar votos. José Dirceu, que pelejava para aproximar o governo de políticos de todos os partidos, comprou a ideia. “Como era ele que controlava o orçamento do governo, durante dois anos Zé Dirceu nos deixou a pão e água, não destinou um real ao Fome Zero”, conta Betto. O frade reclamava com Lula, que lhe dizia que tomaria providências. Nunca as tomou.
    O cadastro dos prefeitos foi instituído, o Fome Zero virou Bolsa Família, e Betto deixou o governo. “O que era uma política emancipatória virou uma política compensatória”, avalia o religioso. “Milhões de pobres continuam sem emprego, só que agora são consumistas.” A gênese do Bolsa Família está historiada em “Calendário do Poder” (Rocco, 2007), no qual relata de maneira crítica e desapaixonada como funcionou o primeiro governo Lula.
    Mas nem o livro de Frei Betto dissolve o denso mistério das relações entre José Dirceu e Lula. Graças ao primeiro, o PT se tornou uma máquina eleitoral a serviço do segundo. Eles nunca deixaram entrever como se dava na prática a relação entre ambos. Observando de fora, percebe-se que Lula respeitava Dirceu, mas jamais o teve por mentor. Por sua vez, Dirceu nunca disse uma frase reveladora a respeito de Lula.
    O máximo a que chegou foi resmungar “Lula, Lula, Lula” com a fisionomia contrafeita, quando lhe perguntei como ia o ex-presidente. Estávamos no seu apartamento na rua Estado de Israel, na Vila Mariana, em São Paulo. Víamos na televisão a transmissão de uma das sessões do Supremo Tribunal Eleitoral, que julgava o mensalão.
    O imóvel não tinha nada de mais: dois quartos, mobiliário de hotel duas estrelas, sinal de internet capenga. Dirceu mencionou que o apartamento passara por uma reforma. Na acusação dos procuradores de Curitiba, revelada na semana passada, tal reforma foi paga por uma empresa acusada de corrupção.
    LODO
    Ao se preparar para entrar no Planalto, Lula disse a Dirceu que forjasse a aliança do PT com os partidos de aluguel para formar a base do governo. Dirceu foi contra, queria que o PMDB fosse o aliado preferencial. Mas cumpriu as ordens. A semente do mensalão germinou nesse lodo.
    Mas o mensalão só floresceu com exuberância devido a uma particularidade nacional: o Brasil tem uma das campanhas eleitorais mais caras do planeta. Bilhões de reais trocam de mãos a cada dois anos. Há inúmeros motivos para isso: o peso da TV e da propaganda; a longa duração e despolitização da ditadura militar; a ausência de vida partidária consistente; as mazelas da educação básica; a importância do Estado na economia.
    Essa dinheirama faz com que as eleições tenham se tornado uma forma de acesso a verbas estatais, manipuladas por partidos em benefício de empresas, com as empreiteiras e bancos puxando a fila. É um jogo de leva e traz com poucos perdedores. Nada impede que um candidato derrotado desvie para a própria conta parte do que lhe foi doado por empresários.
    É virtualmente impossível que um partido chegue ao poder sem manter relações com grandes companhias, sejam essas relações promíscuas, de favor, comerciais ou decorrentes do tráfico de influência. O sistema não é exclusivo do PT e tampouco começou com ele. O pedágio político está disseminado porque a economia brasileira funciona assim há décadas.
    José Dirceu prestou serviços a grandes corporações, da OAS à Ambev, da Camargo Corrêa à Parmalat. O que fazia para elas? “Faço estudos, prospecto investimentos, dou sugestões, participo de reuniões”, respondeu ele. Estávamos na sede da sua consultoria, a JD, num casarão com jeito de mal- assombrado ao lado do parque Ibirapuera. Os móveis eram esparsos, e várias salas estavam desertas. Argumentei que nada disso era propriamente trabalho, criação de valor. Ele insistiu que era, e o diálogo não foi adiante.
    Pouco depois de escrever uma resenha que apontava a má-fé e dezenas de erros de uma biografia de Dirceu, fui convidado por ele a almoçar na sua casa de campo. Ela fica num condomínio aprazível em Vinhedo, no interior paulista. A consultoria voltou à baila. “Ajudo na criação de empregos de empresas brasileiras”, disse ele. Pode ser. Mas quem cria empregos recria a exploração dos fracos pelos fortes, aufere lucro e perpetua a desigualdade entre as pessoas.
    Tarso Genro também esteve com José Dirceu, na casa de Brasília. Como as relações entre eles se deram apenas no PT, o ex-governador gaúcho não chegou a ter conhecimento íntimo da personalidade ou da vida pessoal do companheiro. “Eu o via como uma pessoa extremamente obstinada, que nunca demonstrou desejo de tirar proveito pessoal da sua atividade política”, disse-me Tarso. “Depois de mais de dez anos sem conversarmos, minha visita teve finalidade humanística. Encontrei uma pessoa bastante deprimida, mas com enorme vontade de voltar a viver normalmente.”
    Foi outra a minha última impressão de Dirceu. Numa hora lá, ele se afastou e foi ao fundo do jardim. Parecia perdido, amargurado, sem saída. Mudara tanto que talvez não soubesse quem era. Exilado de si mesmo, escorava-se nos próprios restos, na sua ruína. Lembrava o poeta peregrino, improvável sombra florentina sob os mil sóis do Planalto Central.
    A derrocada de um homem tem uma dimensão moral que a sociologia e a psicologia não alcançam. Mas a poesia pode fornecer imagens que propiciam o seu entendimento. No primeiro canto da “Divina Comédia”, Dante se depara com o leopardo, o leão e a loba na selva selvagem da vida.
    O significado das bestas é matéria de debate entre eruditos desde a Idade Média. No caso de José Dirceu, o leopardo é a fraude, o leão, a soberba, e a loba, a incontinência, o deixar-se levar pelos sentidos mais prementes. Encurralado pelas três feras, ele desce agora ao fundo do inferno.
    Ilustríssima / FSP

  153. Chesterton said

  154. Chesterton said

    “Ajudo na criação de empregos de empresas brasileiras”, disse ele. Pode ser. Mas quem cria empregos recria a exploração dos fracos pelos fortes, aufere lucro e perpetua a desigualdade entre as pessoas.

    chest- sinuca.

  155. Chesterton said

  156. Chesterton said

  157. Daise 10.0 said

  158. Chesterton said

  159. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/saude/medico-nao-e-escravo-do-povo-ou-ayn-rand-e-o-socialismo-na-medicina/

  160. Chesterton said

    gol da Alemanha!….êpa, é gol do Grêmio!

  161. Elias said

    “Elias, quem decide quem é especialista ou não, as sociedades médicas ou o PT?” (Chester, o Doido)

    Chester, sei que tu costumas fingir ser mais burro do que realmente és.

    Em todo caso, antes de começar a desenhar pra ti, vou, novamente, transcrever o texto inicial da Lei Federal 6.932, de 7 de julho de 1981:

    Lá vai:

    ==================================
    Art. 1º – A Residência Médica constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada a médicos, sob a forma de cursos de especialização, caracterizada por treinamento em serviço, funcionando sob a responsabilidade de instituições de saúde, universitárias ou não, sob a orientação de profissionais médicos de elevada qualificação ética e profissional.

    § 1º – As instituições de saúde de que trata este artigo somente poderão oferecer programas de Residência Médica depois de credenciadas pela Comissão Nacional de Residência Médica.

    § 2º – É vedado o uso da expressão residência médica para designar qualquer programa de treinamento médico que não tenha sido aprovado pela Comissão Nacional de Residência Médica.

    § 3º A Residência Médica constitui modalidade de certificação das especialidades médicas no Brasil. (Incluído pela Lei nº 12.871, de 2013)

    § 4º As certificações de especialidades médicas concedidas pelos Programas de Residência Médica ou pelas associações médicas submetem-se às necessidades do Sistema Único de Saúde (SUS). (Incluído pela Lei nº 12.871, de 2013) (Regulamento)

    § 5º As instituições de que tratam os §§ 1o a 4o deste artigo deverão encaminhar, anualmente, o número de médicos certificados como especialistas, com vistas a possibilitar o Ministério da Saúde a formar o Cadastro Nacional de Especialistas e parametrizar as ações de saúde pública.
    =======================================

    Isto posto, começo a desenhar, para o teu nível de entendimento:

    1 – Quem estabelece as regras básicas para disciplinamento da residência médica NÃO É o Decreto Federal nº 8.497, e sim a Lei Federal 6.932, de 07-07-1981, como qualquer alfabetizado pode facilmente perceber, pela leitura do que foi transcrito.

    2 – Quem institui o Cadastro Nacional de Especialistas NÃO É o o Decreto Federal nº 8.497, e sim a Lei Federal 6.932, de 07-07-1981 (mais especificamente, o § 5º do artigo 1º da Lei 6.932), como qualquer alfabetizado pode perceber, pela leitura do que foi transcrito.

    3 – Ao organizar o cadastro de especialistas, o governo NÃO ESTÁ decidindo quem é especialista ou não. Ele está, apenas, CADASTRANDO os especialistas formados e certificados por quem de direito.

    4 – Quem decide se o cara é ou não especialista, são as “instituições de saúde, universitárias ou não, sob a orientação de profissionais médicos de elevada qualificação ética e profissional”, a que se refere a Lei Federal nº 6.932, em seu artigo 1º.

    5 – O que a lei estabelece é que, uma vez que essas instituições FORMEM e CERTIFIQUEM os especialistas, elas devem comunicar, anualmente, ao Ministério da Saúde, as certificações expedidas, a fim de constituir o Cadastro Nacional de Especialistas.

    6 – Ou seja: nem a Lei 6.932, nem o Decreto 8.497, estão determinando que o governo DECIDA quem é especialista ou não. A Lei e o Decreto estão instituindo o CADASTRO DE ESPECIALISTAS, formados pelas instituições universitárias ou não, a que alude o arito 1º da Lei Federal 6.932, de 07-07-1981.

    7 – Não acredito que tu sejas tão burro, que não tenhas entendido isso.

    8 – A Lei Federal 6.932, estabelece que somente poderão programas de residência médica as instituições de saúde credenciadas pela Comissão Nacional de Residência Médica, e impede o uso da designação “residência médica” por programas não credenciados por essa Comissão. Medida mais do que justa, porque dificulta a proliferação de “residências médicas” de araque.

    9 – A resistência à formação do Cadastro Nacional de Especialistas serve a propósitos inconfessáveis (tanto que necessitam ser mascarados pela manipulação de ignorantes — ignorantes médicos inclusive, como tu, Chester).

    10 – Não é por outra razão que, tendo sido instituído por lei desde JULHO DE 1981 (quando o PT mal havia nascido, né Chester?), o Cadastro Nacional de Especialistas até hoje, 34 anos depois, ainda não saiu do papel, para demérito de todos os governos que se sucederam nesse período, e para desserviço ao país.

  162. Elias said

    De fato, muito bom o texto do Mário Sérgio Conti sobre o Dirceu.

    Jamais simpatizei com o Dirceu, mas sempre o admirei e respeitei.

    Por outro lado, sempre gostei pessoalmente do Genoíno, com quem tive o primeiro contato pessoal num bate-papo nos jardins do Ginásio Taquaral, em Campinas. Por essa época, Genoíno era um ativista político magro e maltrapilho, recém-saído da prisão, com as unhas das mãos arrebentadas pela tortura, nos porões da ditadura. Como dirigente do PRC, dissidência do PC do B, Genoíno tentava fazer a cabeça de alguns estudantes…

    Numa tare de 2005, cheguei em casa no momento em que a tevê transmitia uma sessão da CPI do mensalão, e no exato instante em que o senador Pedro Simon dizia a Genoíno que, para ele, Simon, era extremamente doloroso vê-lo naquela situação (ele e Genoíno eram — e talvez ainda sejam — amigos de longa data).

    Não gosto nem um pouco de Pedro Simon… Detesto nele o sentimentalismo barato e a irresistível compulsão pra bancar a virgem no puteiro, mas, nesse dia, o que ele disse foi a expressão do que eu pensava e sentia.

    Pra mim, é melancólico ver pessoas como Dirceu e Genoíno chegarem à velhice descendo aos infernos, como disse Conti…

  163. Elias said

    “Finalmente, as entidades médicas alertam a sociedade para os efeitos do Decreto, recentemente publicado, que representará a transformação do SUS num modelo de atenção desigual, marcado pela iniquidade ao oferecer aos seus pacientes assistência com médicos de formação precária, com consequentes riscos para valores absolutos, como a vida e a saúde.” (Associação Médica Brasileira, Conselho Federal de Medicina, Federação Nacional dos Médicos, Federação Brasileira das Academias de Medicina, Associação Nacional dos Médicos Residentes, Associação dos Estudantes de Medicina do Brasil, Associação Brasileira das Ligas Acadêmicas de Medicina)

    Ora, nem a lei nem o decreto interferem sobre a quem cabe e como formar os especialistas. Estes vão continuar a ser formados por quem sempre os formou e os vem formando.

    Se as instituições signatárias realmente consideram que essa formação será “precária”, devem vociferar essa acusação olhando-se no espelho…

    O decreto estabelece que os profissionais médicos somente poderão prestar serviços ao SUS nas especialidades nas quais estiverem cadastrados.

    Isso impede que um sujeito com formação em clínica médica preste serviços e seja remunerado como cardiologista.

    Claro que medidas como essa, assim como várias outras, desagradam um monte de gente, né nenéns?

    E elas não têm nada a ver com “oferecer aos seus pacientes assistência com médicos de formação precária”.

    É o exato oposto!

    Se a Associação Médica Brasileira, o Conselho Federal de Medicina (principalmente o CFM), acham que tem instituições formando precariamente médicos, deveriam mais é denunciar essas instituições.

    Se o Conselho Federal de Medicina consegue identificar “médicos de formação precária”, deve providenciar a cassação do registro profissional desses médicos.

    Não proceder desse modo, além de acarretar “riscos para valores absolutos, como a vida e a saúde…”, constitui OMISSÃO CRIMINOSA, de quem tem, entre suas principais obrigações, exatamente a de credenciar o profissional para o exercício da ocupação de médico…

  164. Elias said

    “Já estou preparando Projeto de Decreto Legislativo para sustar esse decreto de Dilma.” (Rodrigo Constantino, citado pelo Chester)

    O Rodrigo Constantino entende tanto de processo legislativo quanto eu entendo do método babilônico de tocar harpa paraguaia com o dedão do pé direito…

  165. Pedro said

    Tocar com o dedão do pé ESQUERDO é mais fácil. :-)

    Sempre soa melhor……

  166. Pedro said

    Procurando noticias boas, pra ver se anima a segunda, encontrei esta.

    http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/politica/noticia/2015/08/na-contramao-da-crise-santa-catarina-e-exemplo-a-outros-estados-4821114.html

    Dá pra acreditar?

  167. Elias said

    Mas tocar com pé esquerdo é pelo método sânscrito… Que eu entendo tanto quanto o Chester entende de interpretação de texto legal…

    Mudando de pau pra cacete:

    Com base em misteriosas “premissas e variáveis”, revisitadas à luz das “novas condições macroeconômicas”, parece que a Petrobras vai rever seu “Plano Estratégico 2030”. A meta de produção para o período de 2020 a 2030 será reduzida de 4 milhões de barris de petróleo/dia para 2,8 milhões de barris/dia.

    “Metas para o período 2020 a 2030”?

    Será que tem quem acredite nessa baboseira?

    Minhas previsões para o período 2020 a 2030 são as seguintes:

    (1) Os anos se iniciarão em 1º de janeiro e terminarão em 31 de dezembro.

    (2) Os dias serão, alternadamente, ímpares e pares.

    (3) A Previdência Social brasileira ficará pior do que era no período 2010 a 2020, quando ela se tornou pior do que era no período 2000 a 2010, época em que ela piorou relativamente ao período 1990 a 2000, e assim por diante…

    (4) As semanas terão 7 dias, de domingo a sábado (ou de segunda a domingo, conforme a religião…).

    (5) Os liberais brasileiros continuarão a dizer que os principais problemas do país são: (a) a despesa pública; e (b) os altos impostos e os direitos trabalhistas; e intensificarão sua luta pela modernização do Brasil, por meio do banimento da legislação trabalhista, a instituição da jornada de trabalho de 20 horas/dia, de segunda a sábado, o fim do 13º salário, das férias anuais, do vale transporte, do vale refeição e do vale alimentação, a liberação do trabalho infantil e o retorno ao sistema escravocrata.

    (6) O Chester, já matusa e completamente caduco, ingressará no PACPC do B (Partido Anti Comunista Pra Caralho do Brasil), fundado pelo Olavo de Carvalho, pouco antes deste se suicidar, em protesto contra a infiltração de comunistas no Partido Republicano dos EUA.

    (7) Pelo PACPC do B, o Chester se candidatará a Presidente da República, Senador, Governador, Deputado Federal, Deputado Estadual, Prefeito e Vereador, sem nunca ser eleito. Inconformado, Chester se candidatará a síndico do prédio em que mora e a presidente do bloco carnavalesco “Muchachos de Lisboa, Ohio!”. Também não será eleito.

    Dou de barato que minhas previsões têm muito mais chance de se tornarem realidade do que o “Plano Estratégico 2030” da Petrobras…

  168. Pedro said

    kkkkkkkkkk

    ………………

    Sabe lá se haverá 2030…..

  169. Pedro said

    E qual a previsão sobre o Lula se tornar ministro da Dilma, como querem alguns setores do PT e da imprensa amiga?

    Eu aposto 10 contra 1, que ele não aceita.

  170. Elias said

    Antes que alguém (não seria o Chester…), diga que o tal Constantino se refere ao “decreto legislativo”, tomando como base o que estabelece o inciso “V” do artigo 49 da C.F., esclareço: a exorbitância do poder normativo só estaria caracterizada caso o Cadastro Nacional de Especialistas não houvesse sido — como de fato foi — instituído por lei (no caso, a Lei Federal 6.932, de 7 de julho de 1981, artigo 1º, § 5º). Uma vez que o cadastro foi instituído em lei, a providência administrativa de materializá-lo não pode ser considerada exorbitante.

    Vai daí que a sustação dos efeitos do Decreto Federal nº 8.497 não deve se dar por meio de decreto legislativo, e sim por emenda à lei ordinária, retirando, do Poder Executivo (via Ministério da Saúde), o poder de constituir o Cadastro Nacional de Especialistas.

  171. Elias said

    Não creio que o Lula deva ter qualquer participação direta no governo Dilma.

    Ela foi eleita. Cabe a ela governar. Os ministros devem ser subordinados a ela. Devem executar aquilo que ela determina, em linhas gerais.

    Se a opção dela é governar pela direita, caberia ao PT tomar uma atitude. No caso, desvincular-se do governo, no sentido de não mais apoiá-lo automaticamente.

    Mas… O PT faria isso com que autoridade moral?

    No próximo ano, nas eleições municipais, o eleitor vai dizer o que ele acha da “autoridade moral” do PT…

    Tá na cara que o Levy falhou, como era de se esperar. As medidas neo-lib nunca funcionam em países onde o aparelho produtivo depende tanto do investimento público. Uma coisa é cortar gasto público na Inglaterra ou na Alemanha. Outra, bastante diferente, é fazer o mesmo no capitalismo periférico…

    Se Levy ficar até o fim do ano, duvido que a Dilma ainda se recupere.

  172. Chesterton said

    http://www.tribunadabahia.com.br/2015/08/07/medicos-ameacam-entrar-na-justica-contra-decreto-de-dilma

  173. Pedro said

    Mais uma da série tamufu…..

    “Era o que faltava: você paga a defesa do Cunha

    Aos pouquinhos, o espírito de corpo do Legislativo vai se convertendo em espírito de porco. E o anormal assume ares de doce normalidade. Não bastasse a presença de um investigado por corrupção no comando da Câmara, um pedaço da defesa de Eduardo Cunha foi espetado no bolso do contribuinte.

    A Câmara protocolou no STF um recurso no qual pede a anulação de provas contra Cunha recolhidas nas suas dependências em maio. Alega-se que o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato, violou a imunidade do Legislativo ao determinar a busca do papelório sem pedir permissão à direção da Câmara.

    Repetindo: a Câmara acha que, antes de mandar recolher as provas contra Eduardo, o STF deveria ter pedido autorização ao Cunha. Ou vice-versa. É algo tão apropriado quanto pedir ao rabo para morder o próprio cachorro. Ou vice-versa.

    Chama-se Fernando Luiz Albuquerque Faria o signatário da petição. Trata-se do advogado-geral da União substituto. Cunha disse que não acionou a Advocacia-Geral da União. O advogado-geral Luiz Inácio Adams informou que a presidência da Câmara acionou, sim, a AGU.

    Pelo Twitter, Cunha se reposicionou em cena. “Como faz tanto tempo do fato, sinceramente, não tenho condições de afirmar se na época [há três meses] a Câmara solicitou algo”, escreveu o morubixaba do PMDB. “Mas, se solicitou, foi na defesa da prerrogativa da Câmara, jamais para qualquer ato que fosse utilizado para minha defesa.”

    Agora mesmo é que a coisa ficou clara: a direção da Câmara toma decisões como um cirurgião que recolhe num recipiente em que está escrito fígado, um coração para ser transplantado num doente que espera na fila por um novo rim. Tudo isso com você pagando a conta do hospital.

    Já imaginou que país maravilhoso seria o Brasil se, de repente, baixasse uma epidemia de ridículo no Congresso Nacional?”

    by> Josias de Souza

  174. Chesterton said

    Pedro, sem apoiar o Cunha, que é do P_MDB, que é da base aliada e cúmplice do PT e Lulla, ver um legislativo com toda essa independência dá gosto.

    ANoruega do Pax parece que támeioo enrrolada.
    http://www.bloomberg.com/news/articles/2015-08-10/for-norway-oil-at-50-is-worse-than-the-global-financial-crisis

  175. Pedro said

    Quale Chester, deu uma inveja desta crise norueguesa.
    É um dilema, usar ou não usar 875 bi, que tem guardado
    Gzuis! Quando será que vamos enfrentar uma crise deste nível?

  176. Pedro said

    Hoje to contrariando tudo. :-)

    Não é legislativo independente.
    É apenas chantagem.

  177. Chesterton said

    Instituições são necessárias, personagens vão e vêm.

  178. Chesterton said

    Os noruegueses não só poupam, tem gastos enormes com o welfare state, acabando a renda do óleo a molezinha acaba.

  179. Patriarca da Paciência said

  180. Patriarca da Paciência said

    Pois é, gente, estou de volta.

    Acabei de presenciar uma civilização nova que estou nascendo no coração do nosso querido Brasil, que, felizmente, não está acabando e… não acabará tão cedo, muito pelo contrário.

    O sonho de Dom Bosco e de Darcy Ribeiro realiza-se a pleno vapor.

    Brasília é uma realidade maravilhosa !

    Incrível, para que viveu a experiência do começo e, agora, pode ver a esplêndida cidade que encanta o mundo !

  181. Patriarca da Paciência said

    Os norte-americanos também gostam de “livre competição”, mas constroem muros para manterem os competidores fora.

  182. Patriarca da Paciência said

    http://oglobo.globo.com/brasil/agu-cunha-cobrou-tres-vezes-pedido-de-anulacao-de-provas-da-lava-jato-ao-stf-17140946

  183. Patriarca da Paciência said

  184. Daise 10.0 said

    PUTZ! O FEDORENTO VOLTOU !!!

    É mentira de Adams: ‘AGU faz serviço para o Planalto’, diz Eduardo Cunha

    http://veja.abril.com.br/multimidia/video/e-mentira-de-adams-agu-faz-servico-para-o-planalto-diz-eduardo-cunha

  185. Elias said

    “É mais uma medida autoritária de um governo que se inspira no bolivarianismo latino-americano, o intervencionismo petista.” (A turma do Chester)

    É isso mesmo!

    Todo mundo sabe que, em 1981, o Brasil era governado pelo general João Baptista de Figueiredo, conhecido agitador bolivarianista latino-americano, intervencionista petista, formado pela notória organização comunista denominada Exército Brasileiro, popularmente conhecida como “Verde-Oliva”…

    Não sei o que é maior: se o oportunismo de uns ou a imbecilidade de outros…

  186. Patriarca da Paciência said

    “Três movimentos praticamente simultâneos liquidaram o esboço de golpe que vinha sendo liderado pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), derrotado na última eleição presidencial; o primeiro ato foi a declaração de João Roberto Marinho, um dos sócios da Globo, de que o sucessor da presidente Dilma Rousseff será quem vencer a disputa presidencial de 2018; em seguida, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou que ‘a questão do impeachment não está colocada’; ontem à noite, no terceiro ato, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Congresso Nacional, sinalizou que o Brasil tem condições de retomar a governabilidade, ao lançar a Agenda Brasil, que prevê reformas fiscais de longo prazo; com seu estilo incendiário, que é a negação do espírito de Tancredo Neves, Aécio sairá da crise atual menor do que entrou e dificilmente conseguirá ser o candidato tucano em 2018”

    (247)

    Elias,

    A “inspiração” do Chester é o Olavão !

    Um discípulo do Olavão ! Que nivel !

  187. Elias said

    Aliás, o Congresso Nacional, que, em julho de 1981, aprovou a Lei Federal 6.932, também o fez sob inspiração bolivarianista…

    Chester, seu idiota:

    1 – Uma das finalidades do bolivarianismo, é, exatamente se CONTRAPOR à hegemonia brasileira na América do Sul.

    2 – Em sua época, Bolívar via com preocupação a fragmentação dos antigos vice-reinos espanhóis em pequenos países. Ele achava que essa pulverização criaria países pequenos e frágeis, que seriam oprimidos pelos EUA e pelo Brasil.

    3 – Bolívar queria a formação de 3 países com mais ou menos a mesma configuração dos antigos vice-reinos espanhóis: um desses países seria formado pelo que hoje é a Venezuela, a Colômbia e o Equador (antigo Vice-reino de Nova Granada); outro pelos atuais Peru e Bolívia (antigo Vice-reino do Peru); e um terceiro pela Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai (antigo Vice-reino do Rio da Prata).

    Na verdade, isso só não aconteceu por causa da ganância política de caudilhos locais, que criaram países sob seu domínio, aproveitando a situação de fraqueza econômica, política e militar em que se encontrava a Espanha (Napoleão Bonaparte havia sequestrado a família real espanhola — mantendo-a prisioneira na França — e nomeado um irmão seu como rei da Espanha. Napoleão estava andando e andando para as possessões espanholas na América. Vendeu a Louisiania aos EUA e deixou as demais entregues a si mesmas. O negócio dele era Europa… Carlota Joaquina, mulher do regente português — futuro D. João VI — que havia fugido de Portugal para o Brasil, ensaiou de reivindicar “direitos dinásticos” sobre os vice-reinos espanhóis, já que ela era filha do Rei da Espanha. Isso apenas contribuiu para acelerar o processo de independências desses países, que, se não queriam continuar sendo vice-reinos espanhóis, menos, ainda, desejavam ser colônias portuguesas…).

    4 – Nisso, basicamente, consistiu o “bolivarianismo”, designação vulgar para a “Doutrina do Equilíbrio Continental”, formulada por Bolívar (o fundador do comunismo, Karl Marx, considerava essa doutrina uma babaquice…).

    5 – Os atuais bolivarianistas substituíram a ideia da formação de países grandes pela formação de blocos econômicos de países sul americanos independentes, de fala espanhola. O bolivarianismo se opõe ao MercoSul, p.ex., por considerar que esse bloco apenas formaliza uma zona de mercado cativo para o Brasil, e a dominação econômica brasileira sobre as nações platinas, que já existe independentemente da formação de blocos econômicos.

    6 – “Bolivarianismo” não tem a ver com intervenção na economia. Tem a ver com alianças estratégicas entre países. Nada impede que governantes “bolivarianistas” adotem políticas intervencionistas em seus respectivos países. Mas o intervencionismo — e, muito menos, o socialismo — não é inerente ao bolivarianismo.

    7 – Rotular um governante ou grupo político brasileiro de “bolivarianista”, é um exercício aplicado de burrice extremada.

    8 – Mas a manada gosta de rótulos, porque rótulos exoneram a manada da atividade de pensar…

    Não é Chester Guzerá?

  188. Elias said

    Patriarca,

    Em meu comentário 167, ao fazer previsões para o período 2020 a 2030, eu me refiro à estreita ligação entre o Chester e o Olavo de Carvalho. Eis o trecho em que abordo essa ligação:

    “(6) O Chester, já matusa e completamente caduco, ingressará no PACPC do B (Partido Anti Comunista Pra Caralho do Brasil), fundado pelo Olavo de Carvalho, pouco antes deste se suicidar, em protesto contra a infiltração de comunistas no Partido Republicano dos EUA.”

    “(7) Pelo PACPC do B, o Chester se candidatará a Presidente da República, Senador, Governador, Deputado Federal, Deputado Estadual, Prefeito e Vereador, sem nunca ser eleito. Inconformado, Chester se candidatará a síndico do prédio em que mora e a presidente do bloco carnavalesco ´Muchachos de Lisboa, Ohio!´. Também não será eleito.”

    De sacanagem, construí a sigla do partido do Chester, fazendo a junção de 2 siglas que ele deve detestar: PAC e PC do B.

  189. Patriarca da Paciência said

  190. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    concordo plenamente !

    O “futuro” do Chester é ingressar no PACPC do B, onde será “feliz” pra caralho !

  191. Patriarca da Paciência said

  192. Patriarca da Paciência said

  193. familiabopp said

    http://www.institutoliberal.org.br/blog/desencantei-me-com-a-esquerda-e-agora/

  194. Chesterton said

  195. Chesterton said

  196. Daise 10.0 said

    O único judeu burro que leio, de vez em quando, não é o Fedorento…rsrsrs
    O Fedorento apenas fede de cumplicidade com a corrupção desenfreada.
    Tenha vergonha, estúpido!

  197. Daise 10.0 said

  198. Daise 10.0 said

  199. Patriarca da Paciência said

  200. Patriarca da Paciência said

    Não em nosso nome

    A respeito da notícia divulgada pela imprensa de que a Câmara dos Deputados teria solicitado à Advocacia-Geral da União ação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para não considerar os fatos e informações investigados no setor de informática da Casa que podem comprovar o envolvimento do presidente Eduardo Cunha, o PSOL afirma que:

    1. Nenhuma iniciativa em nome da Câmara deve ser tomada sem se ouvir, ao menos, a Mesa Diretora;

    2. É praxe também nesses casos consultar o Colégio de Líderes;

    3. A atitude mínima esperada seria informar na reunião das lideranças e em plenário sobre essa iniciativa – o que jamais foi feito.

    Para o PSOL, a Câmara dos Deputados não tem donos e, em relação à Operação Lava Jato, tem o dever de apoiá-la integralmente – e não se utilizar de corporativismo e tentar blindar parlamentares que estejam sendo investigados.

    Deputado Chico Alencar
    Líder do PSOL na Câmara dos Deputados

  201. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/08/1667333-proposta-de-cobranca-no-sus-nao-e-viavel-nem-tem-eficacia-diz-ministro-da-saude.shtml

    chest- ué, os cubans não resolveram?

  202. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/08/1667049-faltam-remedios-e-estrutura-diz-cubano-simbolo-do-mais-medicos.shtml?cmpid=facefolha

    chest- ah é, né?

  203. Chesterton said

    chest- o voto elege, mas o cu paga….

  204. Chesterton said

    http://www.joselitomuller.com/dirceu-e-flagrado-tentando-furar-a-fila-do-banho-de-sol/

  205. Chesterton said

  206. Chesterton said

    Duas grandes redes de lojas estão aproveitando a criuse paratomar conta do mercado no Rio de Janeiro. São elas:

    “ALUGA-SE”

    “PASSO O PONTO”

  207. Patriarca da Paciência said

    Deu no Correio do Brasil
    A íntegra do processo, o qual a Receita Federal alega ter desaparecido de seus arquivos, que contém detalhes sobre as possíveis sonegação e fraude contra o sistema financeiro nacional, promovidas pelas Organizações Globo, será divulgado, na íntegra, no próximo domingo, na página Mostra o Darf Rede Globo, mantida no Facebook. Segundo Alexandre Costa Teixeira, editor do blog Megacidadania, em entrevista aoCorreio do Brasil, “foram feitas várias cópias de segurança, a partir do original, distribuídas aos principais blogs brasileiros”.

    – Trata-se da prova que faltava para mostrar a imensa sonegação promovida pela Globo – afirmou ao CdB.

    AÇÃO BILIONÁRIA

    No ano passado, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) do Ministério da Fazenda publicou a decisão final da ação bilionária que a Rede Globo perdeu na Receita Federal. O processo, já em fase de execução, cobra da emissora impostos por operações feitas entre 2005 e 2008, que resultaram em um recolhimento menor de impostos. A autuação original, feita em 2009, era de cerca de R$ 700 milhões, mas com a correção monetária ultrapassa a casa de R$ 1 bilhão. O processo tramitava há quatro anos e já não cabem mais recursos.

    O fato chegou a público em julho do ano passado, em reportagem do site Consultor Jurídico, assinada pelo jornalista Alessandro Cristo, que pode ser lida adiante:

    “As Organizações Globo perderam recurso administrativo contra uma cobrança de R$ 713 milhões do Fisco federal. O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda, que julga contestações a punições fiscais, rejeitou argumentos contra autuação da Receita Federal sobre aproveitamento de ágio formado em mudanças societárias entre as empresas do grupo.

    “Em uma delas, a Globo Comunicação e Participações S.A. (Globopar) foi condenada por amortização indevida no cálculo do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). A amortização dos tributos usou o chamado ágio, valor embutido no preço de uma companhia vendida equivalente à estimativa de sua rentabilidade futura. De acordo com a lei, a empresa que compra outra tem direito de abater da base de cálculo de seus tributos o valor que desembolsou a título de ágio. Mas a Receita Federal alega que o valor da Globopar é artificial. A empresa espera análise de Embargos interpostos e ainda pode recorrer à última instância do Carf.

    “O desfecho do julgamento é esperado pela advocacia tributária por ser uma das primeiras vezes que o Carf se debruça sobre a existência de efeito fiscal do conceito contábil de patrimônio líquido negativo — origem da maior parte do ágio em discussão no processo da Globo. A autuação se refere aos anos de 2005 a 2008, nos quais a empresa usou o ágio para pagar menos tributos. A Receita Federal lavrou o auto de infração em dezembro de 2009, no valor de R$ 713.164.070,48.

    “Foram os advogados Carlos Alberto Alvahydo de Ulhôa Canto e Christian Clarke de Ulhôa Canto, sócios do escritório Ulhôa Canto, Rezende e Guerra Advogados, os responsáveis por defender a transação. Na impugnação, eles destacaram o uso do patrimônio líquido negativo — chamado de ‘passivo a descoberto’ — na construção do ágio que gerou as deduções. Ou seja, a empresa compradora ‘adquiriu’ o prejuízo da comprada, assumindo sua dívida, e contabilizou essa aquisição como investimento. ‘Não há norma, de natureza fiscal ou contábil, que determine o expurgo do valor negativo do PL (patrimônio líquido) da investida na quantificação do ágio’, diz o recurso dos advogados.

    DIVULGAÇÃO SERÁ DOMINGO

    Leia, a seguir, o texto publicado no blog Megacidadania:

    O​ Núcleo Barão de Itararé RJ acaba de confirmar que a íntegra do processo “sumido” de dentro da Receita Federal será divulgado a partir deste domingo 13/07.

    Apareceu a íntegra original do processo da Receita Federal que estava sumido. Com aproximadamente duas mil páginas ele contém documentos comprovando o envolvimento da própria família Marinho na fraude contra o sistema financeiro além da já conhecida sonegação bilionária.

    O Núcleo Barão de Itararé RJ irá nesta sexta-feira, dia 11/07, ao Centro Aberto de Mídia do RJ distribuir informativo à imprensa internacional informando a existência deste explosivo material.

    É importante destacar que no recente encontro nacional de blogueiros realizado em SP, mais de 500 participantes aprovaram a campanha MOSTRA O DARF REDE GLOBO
    Já foram feitas diversas cópias do material que está sendo distribuído aos principais blogs brasileiros para divulgação ao distinto público a partir do fim da Copa.

    No momento em que o tema corrupção é tratado como aspecto central para a eleição de outubro, fica evidente que a divulgação desta monumental documentação, com toda certeza, poderá ser um balizador para se entender como funciona e se sustenta o império Rede Globo e suas relações com a FIFA e o submundo do crime internacional.

    https://luizmullerpt.wordpress.com/2014/07/10/aparece-processo-da-globo-que-estava-sumido-e-mostra-sonegacao-da-empresa/

  208. Chesterton said

    Enquanto o Brasil se ferra sustentando um monte de vagabundos de todas as idades com o dinheiro de impostos, (descontada a comissão do PT) na China…

  209. Chesterton said

  210. Patriarca da Paciência said

  211. Elias said

    Chester # 208

    Mas, logo a China, rapaz?

    Aquilo ali está à beira de um mega desastre! (*)

    Não te contaram?

    (*) O que é péssimo para o Brasil, que depende da retomada das importações chinesas pra tirar os pés da m…

  212. Patriarca da Paciência said

  213. Elias said

    As principais consultorias brasileiras já estão trabalhando com uma expectativa de encolhimento de 1,97% do PIB brasileiro, em 2015.

    Parece que essa o Levy vai perder… A meta dele parece ser uma redução de 2,5% do PIB…

    Em compensação, tudo faz crer que a taxa de inflação vai, mesmo, chegar aos 10% (essa meta pode até ser ultrapassada!).

    Como a Selic passou dos 14%, e os juros ao consumidor romperam os 240% no cheque especial (e 350% no cartão), pode-se dizer que Joaquim Levy cumpriu mais que satisfatoriamente sua missão, de fazer com que os banqueiros lavassem a burra nesses tempos de crise econômica.

    Num momento de crise econômica, nada como ferrar o setor produtivo e fortalecer o setor financeiro/especulativo…

  214. Daise 10.0 said

  215. Chesterton said

    Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa…

  216. Chesterton said

    Mega desastre na China é o fim do mundo no Brasil, não te contaram?

  217. Elias said

    Patriarca,
    Falar na Globopar, vasculhando a minha memória, lembrei que, ao final do mandato do FHC, essa holding suspendeu o pagamento de suas dívidas.

    A pressão era para que o governo Lula ajudasse as principais empresas de comunicação do país, que estavam, todas, ruins das pernas.

    Lembro que o Zé Dirceu deu uma entrevista, dizendo que a situação das empresas de comunicação, assim como das empresas aéreas, deveria ser analisada com carinho e cautela pelo novo governo. Mas descartou a continuidade da ajuda governamental às supracitadas.

    Desde então teve início uma campanha anti-Dirceu, que se intensificou com o tempo…

    É que, até então, essas empresas vinham contando com o decidido apoio do BNDES (BNDS, à época). A principal beneficiária dessa muleta financeira era a Globopar, então ironicamente chamada pelo Hélio Fernandes de AFUNDAÇÃO Roberto Marinho.

    No poder, Zé Dirceu fechou as portas do BNDES para essas empresas, que passaram também a atacar sistematicamente o banco.

    Em 2013, a coisa estava pegando fogo. A dívida vencida e não paga da mídia brasileira chegava a R$ 10 bilhões, dos quais, 55% ou 56% cabiam à Globopar. Li um resumo de relatório do BNDES que afirmava que o prejuízo anual do setor, em 2002, estava por volta de R$ 7 bilhões. Esse relatório citava um outro relatório, do Ministério do Trabalho, segundo o qual o setor havia demitido mais de 17 mil empregados.

    Como a Globopar havia atrasado o pagamento de sua dívida desde 2002, a dívida total do grupo ficou sujeita ao resgate imediato. Em 2013, três fundos de investimento norte-americano (GMAM, HUFF e WRH — se não me falha a memória…), entraram na Justiça com um pedido de falência involuntária contra a Globopar.

    Mais de 80% da dívida dessas empresas são em dólar. É que elas acreditaram na estabilidade do câmbio nos anos 1990, e se endividaram no exterior pra expandir seus negócios no Brasil.

    Como a estabilidade cambial não aconteceu, a dívida dessas empresas em R$ explodiu! Aí elas se penduraram no governo FHC, que as apoiou até o último minuto.

    Com a posse do Lula, a coisa ficou preta. Quando essas empresas viram que não conseguiriam nada (mas a Globo bem que andou, sim, tirando umas casquinhas no BNDES…), elas passaram a fazer campanha sistemática contra Lula e, principalmente, contra o Zé Dirceu, a quem elas responsabilizam diretamente por suas desventuras.

    A história da dívida externa da mídia brasileira, mais do que qualquer outras coisa, explicam o fervor oposicionista da dita cuja… E a garra com que elas têm feito campanha eleitoral pelos tucanos…

  218. Elias said

    “Mega desastre na China é o fim do mundo no Brasil, não te contaram?” (Chester)

    “(*) O que é péssimo para o Brasil, que depende da retomada das importações chinesas pra tirar os pés da m…” (meu comentário # 211)

    O gajo não sabe ler…

  219. Chesterton said

    você acha que eu perco tempo leio esse monte de merda que você escreve? HAHAHAHAHAHAHA

  220. Elias said

    Patriarca,
    Confirmei na internet as informações que usei de memória, ainda há pouco.

    O pedido de Falência Involuntária contra a Globopar ingressou na Corte de Falências do Distrito Sul de Nova York.

    Autores:

    1 – HUFF (Fundations For Research), credor em US$ 175 milhões, vencidos e não pagos.

    2 – WRH (Global Securities Pooled Trust), credor em US$ 63 milhões, vencidos e não pagos.

    3 – GMAM (Investiment Funds Trust), credor em US$ 30,5 milhões, vencidos e não pagos.

    O relatório do BNDES (não estou com ele, no momento) contém números dramáticos sobre a queda de circulação de jornais e revistas, e sobre a redução dos investimentos em publicidade na mídia impressa.

    Há um outro relatório — este feito por uma instituição ligada às empresas de publicidade — que analisa o custo/benefício da mídia televisiva. Esse relatório se refere ao imenso desnível que existe entre os preços cobrados pela Globo e afiliadas, em relação aos demais concorrentes. Segundo o relatório, o retorno efetivo não justifica a diferença.

  221. Elias said

    “ocê acha que eu perco tempo leio esse monte de merda que você escreve? HAHAHAHAHAHAHA” (Chester, o desmiolado desmemoriado)

    Então por que escreveste um comentário sobre o “mega desastre” na China, a que me referi?

    Huá! Huá! Huá! Huá! Huá! Huá!

  222. Chesterton said

    Faz o seguinte Elias, junta todos os textos massudos que você escreve, salva em PDF, e publica o livro: ” Idéias de um comerciante anticapitalista patrício”, e me manda.

  223. Chesterton said

  224. Chesterton said

    o PT é a hérnia de disco do Brasil ( Caiado)

    chest- hilário!!!

  225. Elias said

    Da ADVFN:

    “A agência de classificação de risco Moody s rebaixou a nota de crédito do Brasil em um nível, mas manteve o País dentro da escala chamada de grau de investimento. A perspectiva da nota é estável. Para a agência, a queda na atividade econômica combinada com a dívida pública crescente do Brasil são suas maiores preocupações, principalmente após o governo não conseguir emplacar no congresso medidas para redução de gastos e gerar um superavit primário robusto. Ao manter a perspectiva estável para a nota, a Moody s entende que o País ainda possui habilidade para reverter o rumo no campo econômico e fiscal e não acredita que a atual dinâmica da política brasileira pressione ainda mais esses fatores. Joaquim Levy, ministro da Fazenda, afirmou que as notas explicativas da Moody s indicam claramente quais são as prioridades para manutenção da qualidade da dívida pública brasileira.”

    É isso aí!

    Mantendo a atividade econômica em queda, é claro que a arrecadação de impostos vai aumentar, o que facilitará a geração de um enorme superávit primário, possibilitando a gradual e constante redução do endividamento público.

    Parece coisa de professor do hospício onde o Chester recebe aulas de economia política…

  226. Chesterton said

  227. Chesterton said

    Elias, o Keynes tupiniquim….

  228. Chesterton said

    que sujeito patético

    http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/nacional/online/dilma-mentiu-para-a-populacao-afirma-ciro-gomes-1.1359545

  229. Chesterton said

  230. Pedro said

    Ciro Gomes uma ova.

    Minha candidata a presidente é esta:

    http://veja.abril.com.br/noticia/mundo/conhecam-a-candidata-presidencial-mais-sexy-do-mundo

  231. Elias said

    Chester,

    Tupiniquim não, sua besta…

    Tupinambá!

  232. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    a História do Brasil, muito em breve, será recontada. José Dirceu, sem a menor sombra de dúvidas, será um dos mártires da nossa história – o homem que ousou combater de frente as velhas oligarquias. Pagou e está pagando um preço altíssimo, como o fizeram todos os heróis da Pátria.

    Mas não há como fugir ao próprio destino.

    Conta a História que Sócrates se recusou a fugir. Estava tudo preparado para a sua fuga, inclusive a conivência dos guardas, mas Sócrates argumentou que nada ganharia com a fuga, visto que ninguém sabe se a morte é uma grande bênção ou um grande castigo.

    Então é isso aí. Apesar de tudo, “a Terra se move”.

  233. Patriarca da Paciência said

    Vi o vídeo postado pelo Chesterton no 226. Uma simplificação grosseira e babaca da história. Quem diria que, também na Rússia, há discípulos do Olavão.

    O cara é um típico discípulo do Olavão, tal como o Chesterton !

  234. Pedro said

    “a História do Brasil, muito em breve, será recontada. José Dirceu, sem a menor sombra de dúvidas, será um dos mártires da nossa história – o homem que ousou combater de frente as velhas oligarquias. Pagou e está pagando um preço altíssimo, como o fizeram todos os heróis da Pátria.”

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    O piadista voltou com tudo.

  235. Pedro said

    Em breve um novo livro de historia na praça:

    Nome: Reconsultando a Historia do Brasil

    Autor: Filósofo Pixuleco.

    Patrocínio: Odebrecht
    OAS
    Andrade Gutierrez e outras

    Editora: Gráfica Fantasma

    171 Páginas

  236. Chesterton said

    234, tsc, tsc, tsc….

  237. Chesterton said

    A história é essa:

    http://www.implicante.org/blog/bomba-na-lava-jato-dinheiro-de-doleiro-ligado-ao-predio-de-lula/

  238. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/a-farsa-em-frangalhos-o-guerreiro-do-povo-brasileiro-era-so-um-cacador-de-pixuleco/

  239. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2015/08/12/os-medicos-contra-dilma-rousseff-entidades-se-unem-a-deputados-para-barrar-cadastro-nacional-de-especialistas/#.VcuU29x5pEw.facebook

  240. Daise 10.0 said

    #232

    Além de Fedorento ..ele é burro.
    ZD é o corrupto operador do lula, o cancer!

  241. Patriarca da Paciência said

  242. Chesterton said

    http://www2.camara.leg.br/a-camara/presidencia/noticias/plenario-podera-votar-urgencia-de-projeto-que-susta-cadastro-de-especialistas-medicos

  243. Patriarca da Paciência said

    Não à revista Veja

    Para professores, professoras, alunos e alunas do Ensino Superior

    Diante das inúmeras notícias de imprecisões jornalísticas praticadas pela Revista Veja nos últimos anos, os/as Professoras, Professores e intelectuais abaixo-assinadas/os pedem à comunidade acadêmica brasileira e internacional e se comprometem pessoalmente a não servirem de fonte para a Revista Veja, recusando-se a falar para seus repórteres e profissionais, e a não manterem colunas ou blogues ligados a esta publicação para evitar conferir credibilidade intelectual a uma publicação que abandonou as práticas jornalísticas do contraditório e da investigação profunda e imparcial.

    imprensa-fascistaOs/as abaixo assinados/as também pedem a todos os/as Professores, Professoras, alunos e alunas de graduação e pós-graduação que, ao assinarem este documento, se comprometam a não utilizara Revista Veja como fonte de informação em qualquer trabalho, dissertação ou tese, a menos que esta publicação seja seu objeto de estudo.

    Alessando Martins Prado – Professor da UEMS

    Dimitri Dimoulis – Professor da Escola de Direito de São Paulo da FGV

    Fabiana Severi – Professora de Direito da USP de Ribeirão Preto/SP

    Fábio Balestro Floriano – Professor de Direito e Relações Internacionais

    Fernando Costa Mattos – Professor de Filosofia na Universidade Federal do ABC/SP

    Gisele Araújo – Doutora em Sociologia, Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    José Carlos Moreira da Silva Filho – Professor no Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais e na Faculdade de Direito da PUC-RS e Vice-Presidente da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça

    Sergio Graziano – Doutor em Direito, Professor da Universidade de Caxias do Sul (RS), do Programa de Pós Graduação em Direito (Mestrado). Advogado Criminalista em Santa Catarina.

    José Heder Benatti – Doutor em Ciência e Desenvolvimento Sustentável, Professor de Direito Agroambiental da Universidade Federal do Pará.

    João Ricardo W. Dornelles – Professor PUC-Rio. Coordenador-Geral Núcleo Direitos Humanos PUC-Rio, Membro Comissao Estadual Verdade do Rio de Janeiro

    José Rodrigo Rodriguez – Doutor em Filosofia pela UNICAMP. Professor do PPG da UNISINOS/RS e Pesquisador do CEBRAP – Núcleo Direito e Democracia/SP.

    José Soares Filho – Juiz do Trabalho do TRT da 19ª. Região, Aposentado. Professor Universitário.

    Katya Kozicki – Professora da UFPR e PUCPR

    Marcella Beraldo de Oliveira – Doutora em Ciências Sociais – UNICAMP, Professora Adjunta de Antropologia na Universidade Federal de Juiz de Fora

    Marcelo Cattoni – Professor da UFMG

    Márcio Gontijo – Advogado em Brasília

    Maria Cristina Cardoso Pereira- Profa. Adjunta do curso de direito da Universidade Federal de Goiás – CAJ

    Marta Rodrigues Assis Machado – Professora Escola de Direito de São Paulo da FGV

    Rogerio Dultra dos Santos – Doutor em Ciência Política, Professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense

    Taysa Schiocchet – Professora do PPG da UNISINOS/RS

    Uirá Menezes de Azevêdo – Professor de Direito da Univ. do Estado da Bahia (UNEB)

    Vera Karam de Chueiri – Professora da UFPR

    http://daoquepensar.com.br/universidades-se-unem-contra-a-revista-veja-e-o-inicio-do-fim/

  244. Patriarca da Paciência said

  245. Daise 10.0 said

    Pixuleco II …ainda não foi desta vez que lula foi preso.

    Zé Dirceu! Dia 16 Eu Não Vou! na Folha

  246. Daise 10.0 said

    Cunha questionou Dilma em 2003 sobre contratos suspeitos na Lava Jato

    http://jota.info/cunha-questionou-dilma-em-2003-sobre-contratos-suspeitos-na-lava-jato

  247. Daise 10.0 said

    POLICIA FEDERAL NO INSTITUTO LULA

    AGUARDE NA SEMANA QUE VEM

  248. Patriarca da Paciência said

  249. Patriarca da Paciência said

  250. Chesterton said

  251. Elias said

    Patriarca,
    Eu não tenho esse apreço todo pelo Zé Dirceu.

    Menos, ainda, por esse bando de ladrões que vivem metendo as patas sujas nos cofres públicos.

    Sou da velha guarda. Pra mim, bandido é bandido! E, a meu pensar, bandido tem que ser tratado na porrada.

    Vejo poucas diferenças entre o assaltante, o sonegador e o servidor público corrupto.

    A meu pensar, a principal diferença é que o delinquente pobre exercita formas mais primitivas de delinquência: assalto, arrombamento, por aí… Já o delinquente rico ou que tem algum poder, pratica formas mais sofisticadas de delinquência: sonegação de impostos, fraudes em licitações, fraudes em produtos, subornos, etc.

    Pra mim, é tudo a mesma matéria podre: um individualismo patológico, um egoísmo exacerbado, que, pra satisfazer sua ganância, não hesita em se apropriar do que não lhe pertence.

    Atuei num monte de PADs, como relator e como presidente da comissão processante. Vários desses processos resultaram na demissão (alguns na demissão e prisão) dos respondentes. Invariavelmente os respondentes que foram punidos tinham como características comuns um egoísmo extremado, e uma confiança exacerbada na própria capacidade de enganar, que lhes alimentava a ilusão de que sairiam impunes (por causa disso, era comum que, no início do processo, esses “border lines” assumiam uma atitude arrogante, superior, de quem se considerava acima de nós, membros da comissão processante). Com o tempo, a gente ia quebrando os escudos e, do meio pro fim, vários deles se tornavam delatores solícitos, bajulando a comissão processante, que, inicialmente, diziam desprezar…

    No fundo, eram uns pobre diabos desonestos… Só isso.

    Falar nisso, sabe o Chester?

    Pois é… Na tua ausência, ele acabou confessando que foi estudar na França sustentado por uma bolsa de estudos… ESTATAL!

    Isso mesmo: dinheiro público pagando o vinho nacional que o Chester consumiu à tripa forra, na França!

    Aí fui questioná-lo, e sabe o que ele disse? Disse que era moeda forte, então não tinha problema.

    Ou seja, não é uma questão de princípio moral, né não? A menos que os “princípios morais” do Chester só funcionem com moeda fraca…

    (Alguém da direita deveria dar a essa anta pelo menos umas noções básicas de argumentação… Na minha remota juventude, em escola pública, a gente aprendia retórica, e era posto a funcionar, como acusação ou defesa, em “julgamentos” de figuras históricas, tipo D. Pedro I, Simon Bolívar, etc. Aí, a gente tinha que se preparar, seja do ponto de vista do conhecimento histórico, seja quanto à capacidade de verbalizar pensamento…).

  252. Chesterton said

    A crise vai fechar “o lochinia”, Elias?

  253. Chesterton said

    “…dinheiro público pagando o vinho nacional que o Chester consumiu à tripa forra, na França!”

    chest- dinheiro público francês, abestado, um visto no passaporte BGF, que não era pouca coisa, fui convidado deles para estudar e espalhar os conhecimentos lá adquiridos, fora da França, ajudando a difundir a cultura e a ciência francesas.

    Não é pouca coisa, não é para qualquer um, nem muito menos para você um biscateiro que se aboleta no tesouro nacional, estadual e municipal, através do PT, para lesar o contribuinte BRASILEIRO!!!!

    Entendeu, ou precisa desenhar?

  254. Chesterton said

  255. Chesterton said

    Comunicado AMB
    Uma semana de dissimulações, mentiras e uma confissão.
    A Associação Médica Brasileira (AMB) vem a público alertar para mais uma manobra do Ministério da Saúde. A pasta terminou a semana da pior forma possível: mentindo. Nota divulgada no início da noite de sexta-feira (7/8/15) afirma que “as entidades médicas participaram do processo de discussão da proposta”, claramente querendo encontrar cúmplices para o crime que está cometendo contra a saúde do Brasil.
    Diante disso e para evitar que estas mentiras virem verdades, como tem sido comum diante do esforço da máquina de propaganda na qual se transformou o Ministério da Saúde, a AMB esclarece e alerta que:
    a) A AMB não participou desta discussão: o fórum deveria ser a Comissão Mista de Especialidades, respeitada por todos que trabalham na área da saúde e agora totalmente ignorada pelo Governo Federal.
    b) Quebra de confiança: diante da conduta do governo em torno do tema, as entidades médicas já decidiram que não mais participarão de reuniões com o atual “staff” do Ministério da Saúde. Caso convidadas para reuniões com o atual Governo, somente participarão se for com interlocutores que não tenham este péssimo hábito de usar versões diferentes sobre um mesmo assunto.
    c) Cavalo de Tróia: o Decreto para criar o Cadastro Nacional de Especialistas é um cavalo de Tróia, um embuste. Foi criado para conter artigos que permitam ao Governo interferir unilateralmente na formação de especialistas. Se o Ministério da Saúde realmente precisa criar cadastro novo para o que quer fazer, é confissão de ineficiência da gestão desastrosa. Todos os especialistas com título válido precisam estar registrados no CFM e o Governo tem acesso.
    d) Confissão: matérias publicadas na última sexta-feira, trazem “confissão” do secretário do Ministério da Saúde, Hêider Aurélio Pinto sobre os reais objetivos do Decreto 8.497:
    {A proposta em estudo no governo é a de que profissionais que fazem mestrado e doutorado, respeitadas determinadas condições, recebam também esse título. O mesmo valeria para especialistas receberem título de mestrado: “Seriam estabelecidas pré-condições”, disse Heider Pinto}.
    e) Dando nomes iguais a coisas diferentes: o objetivo final do Governo é claro. Quer poder chamar de especialista qualquer médico que passar por curso de carga horária reduzida e sem aula prática, nivelando por baixo, para atingir artificialmente metas eleitoreiras de oferta de médicos especialistas para a população carente. O foco é aumentar a quantidade de especialistas com apenas uma canetada, sem a mínima preocupação com a qualidade na formação. Assim como foi feito aos médicos estrangeiros que não tiveram seus diplomas revalidados, nem traduzidos. Para a população o governo diz que são médicos, juridicamente que são “intercambistas”, para não ter que exigir diploma. Popularmente falando, o governo vende gato por lebre.
    f) Pirotecnia: qual a motivação de anunciar mais três mil bolsas de residência, direcionando-as para Medicina de Família e Comunidade, quando só se preenchem cerca de 25% das já existentes? Sobram vagas por culpa do Governo que emite sinais contrários entre seus diversos programas.
    g) Menos Propaganda/Política: se a estrutura do Ministério da Saúde fosse usada estrategicamente para resolver questões cruciais para a saúde brasileira, sem demagogia ou espertezas, haveria uma pauta bastante extensa para trabalhar. Com certeza não sobraria tempo para invenções que resultam em números maquiados que não refletem a realidade do atendimento à população. Abaixo, três exemplos:
    i. Pesquisa clínica: a pesquisa no Brasil também sofre e vive a reboque do que se realiza em outros países, pela total incompetência do Governo. Muitos de nossos pacientes perdem oportunidade de serem tratados com melhores medicamentos. Pesquisadores brasileiros estão desmotivados, perplexos e sem vislumbrar expectativas, alguns deixando o Brasil para trabalhar noutros países. Seria excelente o governo repatriar médicos brasileiros, muitos deles com elevado destaque (exemplo: o governo paga altos valores para mandar fazer transplante multivisceral nos Estados Unidos, feito por um médico brasileiro, formado no Brasil, que fez residência médica no Brasil). São muitos médicos brasileiros vivendo no exterior e agora ainda mais;
    ii. Hospitais Universitários: o atual Ministério da Saúde, junto com o Ministério da Educação freou em 2014 e 2015 a recuperação dos Hospitais Universitários Federais, a maioria sucateada e, nesse momento, muitos em greve de servidores. O caos atual impacta no atendimento aos pacientes e na formação dos residentes (e o Governo ainda diz que se preocupa coma formação de especialistas);
    iii. Ensino médico: regulamentado pelo Governo, vem piorando em qualidade, padecendo devido à desenfreada abertura de novas escolas, quando algumas das existentes são mal avaliadas inclusive pelo Ministério da Educação. Que o Ministério da Educação coloque publicamente quem são todos os professores das Escolas de Medicina, com as respectivas titulações e carga horária (a remuneração é vergonhosa nas escolas federais para professores em início de carreira, mesmo aqueles com Mestrado e Doutorado);
    A Associação Médica Brasileira não permitirá que o Ministério da Saúde siga o caminho de destruição da saúde brasileira, nessa motivação midiática e eleitoreira que comanda a pasta. Estamos atentos e agindo dentro dos limites e possibilidades que a democracia oferece.
    O porvir mostrará a verdade e a justiça. A AMB estará esta semana em Brasília, com diversas entidades médicas e lideranças políticas para defender a saúde brasileira e o direito à verdade. E lutará para que não se crie uma categoria de médicos especialistas para pobres e outra para ricos, como está fazendo o Governo Federal.

  256. Pedro said

    O noticiário político tá parecendo o programa do Datena.

    Manchete: “Chambinho é preso na Pixuleco II”

  257. Daise 10.0 said

    Brasil sem pai nem mãe

    “É lógico que ela pode errar, como eu errei e como qualquer um erra enquanto mãe. Nem sempre a gente faz as coisas que são 100% aceitas pelos filhos”, disse Lula na terça (11). “Mas quando ela errar, ela é nossa mãe e temos de ajudá-la a consertar”.

    Há algo de mais atrasado vindo de uma pessoa que já foi o presidente mais popular de uma democracia de 200 milhões de habitantes?

    A regressão política faz com que Lula parta agora para uma tentativa de regressão psíquica da sociedade.

    Para que essa sociedade, assustada e perdendo empregos, os veja como papai e mamãe que só pisaram na bola. Que espere, suporte, se conforme e ajude o PT e a presidente mais impopular do Brasil a tirá-los dessa situação.

    Lula acha que sabe o que faz e que conhece seu público: o país da “Pátria Educadora”, de maioria pobre e educação ruim.

    Mas nesse processo de regressão, Lula e Dilma estão sendo obrigados a se fechar só no que ainda resta: a base social do PT “hardcore”; agora financiada com dinheiro de toda uma sociedade que desaprova em massa o governo.

    Como a tal Marcha das Margaridas em Brasília na quarta (12). Contraponto aos prováveis protestos de domingo e recebida por Dilma, teria reunido 30 mil pessoas, segundo a PM. Ao custo de R$ 855 mil da Caixa Econômica Federal, do BNDES e da Itaipu Binacional.

    Apesar da grande popularidade de Lula e Dilma nos seus melhores momentos, eles pouco fizeram para transformar estruturalmente o Brasil que governam há 12 anos e meio.

    Lula surfou na onda das commodities em alta e no maior ciclo de crescimento global (até 2007) do pós-Segunda Guerra. Não fez reformas que pudessem ajudar a melhorar as contas públicas no longo prazo. Só ampliou gastos.

    Dilma pegou o bastão com o país crescendo 7,5% e com problemas à época relativamente fáceis de resolver. Inventou estratégias econômicas extravagantes e também nada produziu de novo para mudar o estrutural. Só ampliou gastos.

    Vivemos um longo período sob gastos públicos, crédito e consumo em alta. Enquanto a indústria perdia a metade de sua participação no PIB, investia-se pouco e importávamos para valer, criando empregos lá fora.

    Só agora, pelas mãos de um ministro adotivo, mamãe impopular quer passar no Congresso, a toque de caixa, reformas que poderiam ter sido feitas em três longos mandatos populares. Como perdemos tempo.
    Fernando Canzian

  258. Chesterton said

    Só tem ladrão

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/08/1668133-advogado-da-campanha-de-gleisi-recebeu-r-72-mi-de-alvos-da-lava-jato.shtml?cmpid=facefolha

  259. Chesterton said

    só dá PT…. na cadeia

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/08/1668090-pf-deflagra-mais-uma-etapa-da-lava-jato.shtml

  260. Patriarca da Paciência said

  261. Daise 10.0 said

    Pixuleca 2 ou Narizinho de pinóquio

    Brasil 13.08.15 16:07
    Chegou a hora de Gleisi Hoffmann, que andou posando de vestal da moralidade. A Operação Pixuleco 2 descobriu que o escritório do advogado Guilherme Gonçalves recebeu R$ 7,2 milhões de empresas de fachada do petrolão e com contratos com o Ministério do Planejamento, então comandado por seu marido Paulo Bernardo. Gonçalves foi responsável pela coordenação jurídica das campanhas da petista em 2008, 2010 e 2014.

    Boa parte dos pagamentos de propina começaram após a assinatura de um acordo de cooperação técnica entre a empresa Consist, a Associação Brasileira de Bancos, o Sindicato das Entidades Abertas de Previdência Privada e o Ministério do Planejamento.

    O escritório de advocacia Guilherme Gonçalves & Sacha Reck Advogados recebeu R$ 4,65 milhão entre setembro de 2010 e janeiro de 2013 diretamente da Consist Software. Mais R$ 423 mil, entre janeiro e abril de 2012. A SWR Informática, do grupo Consist e citada em post anterior, realizou repasses de R$ 1,2 milhão, entre fevereiro de 2013 e janeiro de 2014. O escritório Gonçalves, Razuk, Lemos & Gabardo Advogados recebeu mais R$ 957 mil, entre maio de 2014 a março de 2015.

    Sacha Reck, guardem este nome!

  262. Pedro said

    # 260

    Aí o Genofreu vendeu o taxi, comprou dólares.
    E agora com a valorização comprou um ônibus de turismo.
    Da-lhe Genofreu…..

  263. Patriarca da Paciência said

  264. Patriarca da Paciência said

    “Aí o Genofreu vendeu o taxi, comprou dólares.
    E agora com a valorização comprou um ônibus de turismo.
    Da-lhe Genofreu…..”

    Isto aí é o delírio do Genofreu depois de fumar aquele baseado !

    Realidade:

    Genefreu se reúne com seus comparsas, na calada da noite, para agredir os concorrentes do Uber !

    Vários casos já foram confirmados !

  265. Pedro said

    Genofreu é empreendedor.

    Alugou o ônibus pra PF.

    Com o dinheiro que ganhou levando petistas para Curitiba, comprou vários veículos.

    Agora além do ônibus, os quatro filhos de Genofreu faturam trabalhando com o Uber.

    Genofreu só lamenta não ter outro ônibus, nele caberiam todos eleitores que continuam apoiando a Dilma.

  266. Daise 10.0 said

    Putz

    O Fedorento é uma coisa muito boa, viu! (dimandioca)

  267. Chesterton said

    Mas Patriarca, você afinal é a favor do UBER? (Haveria esperança para essa pobre alma viúva de Estaline e Lenine)

  268. Chesterton said

    LUIZ EDUARDO DE OLIVEIRA E SILVA, O IRMÃO DE JOSÉ DIRCEU: O CADERNO FOI APREENDIDO NA CASA DELE. (FOTO: JÚNIOR PINHEIRO/ESTADÃO CONTEÚDO)
    A Polícia Federal apreendeu na casa do irmão de José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil do Governo Lula, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, um caderno com indicações de pagamentos vinculados a obras da Petrobras e empreiteiras cartelizadas. Os federais também encontraram uma planilha de controle de valores provenientes da empreiteira Engevix, além de notas fiscais emitidas pela JD Assessoria e Consultoria – empresa de Dirceu.

    http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=37533895622

  269. Chesterton said

    http://www.implicante.org/blog/nao-da-para-esperar-toda-2a-feira-e-ver-se-mais-alguem-foi-preso-disse-lula/

    chest- calma, que já chega tua vez…

  270. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2015/08/13/lula-obedece-ao-papai-de-marcelo-odebrecht/

  271. Chesterton said

    esse aqui quer dar tirinhos

    http://www.implicante.org/blog/em-evento-com-dilma-presidente-da-cut-fala-em-sair-as-ruas-com-arma-na-mao/

  272. Patriarca da Paciência said

    Dizem que Genofreu também dá o maior apoio aos muros que os norte-americanos constroem para manter os concorrentes da “livre iniciativa” bem segregados.

  273. Patriarca da Paciência said

    “Em manifestação enviada nesta quinta (13) ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usou o cargo para solicitar a intervenção da Advocacia Geral da União e tentar se beneficiar no inquérito da Operação Lava Jato; de acordo com Janot, Cunha usou a AGU “sob o parco disfarce do discurso da defesa de prerrogativa institucional”; “O agravo em questão evoca, em pleno século XXI, decantado vício de formação da sociedade brasileira: a confusão do público com o privado. O inquérito em epígrafe investiga criminalmente a pessoa de Eduardo Cunha, que tem plenitude de meios para assegurar sua defesa em juízo. Apesar disso, o investigado solicitou a intervenção da advocacia pública em seu favor, sob o parco disfarce do discurso da defesa de prerrogativa institucional”, diz Janot”
    (247)

    Cunha cada vez mais sifu !

    Será que o Cunha ainda dura uma semana ?

  274. Daise 10.0 said

    A VENEZUELA SE MUDOU PRO PALÁCIO DO PLANALTO

    FORA DILMA ! FORA PT!

  275. Patriarca da Paciência said

    “Representantes de várias centrais sindicais (Força Sindical, CUT, UGT, CTB, Nova Central e CSB) se uniram para assinar um manifesto, por meio de seus principais sindicatos, em defesa da presidente Dilma Rousseff; o texto será publicado nesta sexta-feira (14) nos principais jornais do país; o manifesto prega o respeito ao “calendário eleitoral” e à “estabilidade institucional”; “É necessário desmontar o cenário político em que prevalecem os intentos desestabilizadores”, afirma o documento claramente contrário às tentativas de golpe; os sindicatos pregam ainda “o diálogo, compromisso com o País, com a democracia e com a necessária afirmação de um projeto de desenvolvimento nacional ancorado na produção, em uma indústria forte, um setor de serviços dinâmico, um comércio vigoroso, uma agricultura pujante e em um Estado indutor e coordenador das estratégias de crescimento econômico e de desenvolvimento social”
    (247)

  276. Patriarca da Paciência said

    Um esplêndido exemplo da Cultura Nova que está nascendo no Brasil – legítimos brasileiros e brasileiras, com cara de brasileiros e brasileiras, executando maravilhosamente a legítima música brasileira:

  277. Elias said

    “chest- dinheiro público francês, abestado, um visto no passaporte BGF, que não era pouca coisa, fui convidado deles para estudar e espalhar os conhecimentos lá adquiridos, fora da França, ajudando a difundir a cultura e a ciência francesas.” (Chester)

    Dinheiro público é dinheiro público, seu vigarista!

    Se é uma questão de princípio, a nacionalidade é irrelevante. Não deixa de ser dinheiro público só porque é francês, seu sociopata!

    Quem te “convidou”, seu mentiroso?

    Tás pensando que eu não sei como é que essas coisas são arranjadas?

    E onde é que tu espalhas “conhecimentos”, “ajudando a difundir a cultura e a ciência francesas” fora da França?

    As únicas coias que tu difundes são as virulências direitopáticas do Reinaldo Azevedo, do Constantino & afins.

    É isso que tu consideras “cultura e a ciência francesas”, cabra desonesto?

    Parasita de dinheiro público!

    Sociopata!

  278. Chesterton said

    HAHAHAHA, ficou brabinha Elisa? Caia na real, não é para seu bico chinelão.

  279. Chesterton said

    ELISA!!!! Um erro de digitação transformado em apelido.

  280. Elias said

    Cometeu suicídio o general chileno Hernán Rurange, um dos homens fortes da famigerada DINA o órgão de “inteligência” nacional da ditadura de Pinochet.

    Rurange decidiu ir para o inferno por suas próprias mãos — um tiro na cabeça — depois de ser condenado a 20 anos de prisão, pelo assassinato de Eugenio Berríos, outro assassino profissional da DINA.

    Rurange e Berríos estavam envolvidos no assassinato de Orlando Letelier, diplomata chileno que foi Ministro das Relações Exteriores e Ministro do Interior no governo Allende.

    Em Washington, onde morava (era professor de uma universidade americana), Letelier se tornou um incômodo adversário para a ditadura de Pinochet. Por isso, foi assassinado em setembro de 1976, num atentado à bomba que também matou sua assistente, a americana Ronni Muffet, e feriu gravemente o marido desta, Michael.

    O corpo destroçado de Orlando Letelier foi sepultado na Venezuela, porque Pinochet não permitiu seu sepultamento no Chile.

    Como o atentado foi cometido em território americano, matando e ferindo cidadãos americanos, ele provocou uma enorme repulsa nos EUA. Em consequência, o governo americano retirou seu apoio à “Operação Condor”, esquema de assassinatos políticos do qual faziam parte a Argentina, a Bolívia, o Brasil, o Chile, o Paraguai e o Uruguai. Mas foi mantido o apoio dos EUA à ditadura chilena.

    Dos países membros da “Operação Condor”, Argentina, Chile, Uruguai e Bolívia executaram assassinatos de oposicionistas políticos no exterior. Já o Brasil e o Paraguai preferiram cometer esses assassinatos somente dentro de seus próprios territórios (mas o Brasil ajudou as ditaduras dos países membros da “Operação Condor”, sequestrando oposicionistas políticos que estavam em território brasileiro e recambiando-os clandestinamente aos seus países de origem, onde foram assassinados).

    Com o restabelecimento da democracia no Chile, o assassinato de Orlando Letelier foi apurado, e os assassinos e mandantes foram levados a julgamento. Eugenio Berríos decidiu depor contra seus ex-companheiros na DINA. Acabou sendo sequestrado, levado para o Uruguai e, depois, assassinado. Isso tudo sob as ordens de Rurange.

    Salvo engano, Rurange era o último sobrevivente dentre os participantes da operação que resultou no assassinato de Orlando Letelier.

    Já foi tarde…

  281. Elias said

    Claro que não é pro meu bico, parasita de dinheiro público!

    Isso é para o bico de vigaristas e hipócritas, como tu.

    E tu não respondeste à minha pergunta: onde e como tu divulgas a “cultura e a ciência francesas”?

    Como é que alguém como tu, que mal sabes escrever, com enormes dificuldades pra verbalizar pensamento, poderia divulgar a “cultura francesa”? Que tipo de atividade cultural francesa tu divulgas, e onde e como fazes essa divulgação? Copiando e colando textos do Reinaldo Azevedo?

    Responde lá, vampiro de dinheiro público…

  282. Elias said

    “Elisa” é?

    Queres mesmo encarar por esse viés?

    Se quiseres, é só repetir a gracinha, pra ver o que vais tomar pelos cornos…

  283. Elias said

    E a Petrobras não cansa de fazer bem…

    Agora mesmo ela assumiu mais um pepino: um passivo tributário líquido de R$ 2 bilhões!

    Na verdade, são bombas tributárias que vêm desde os tempos do FHC, de 1999 a 2002. Além dessas, outras mais foram acrescentadas por Lula e Dilma: 2004, 2005, e 2007 a 2012.

    Ao todo, R$ 6 bilhões, convertidos pelo balcão do REFIS em R$ 3 bilhões. Aí os depósitos judiciais e os prejuízos fiscais, de aproximadamente R$ 1 bilhão, reduziram o pepino pra R$ 2 bilhões.

    Fato gerador: remessas da companhia para o exterior sem o devido recolhimento do IRRF.

    As figuras jurídicas da empresa pública e da sociedade de economia mista, são mesmo um achado…

    No Direito Privado, a empresa é considerada ré pelas malfeitorias de seus gestores. No Direito Público, o réu é apenas o gestor. Numa autarquia, p.ex., em caso de malfeitoria do gestor, a instituição é considerada vítima, tanto quanto qualquer outra pessoa que tenha sido prejudicada pela dita malfeitoria.

    A inclusão de atividade econômica (via empresas públicas e sociedades de economia mista), na Administração Indireta brasileira, criou esse aleijão jurídico: o gestor faz melecada com dinheiro público e passa a conta para os acionistas (ou para a sociedade), beneficiando-se da maior flexibilidade vigente para a empresa privada.

    Em 2015, a Petrobras simplesmente apropriou como prejuízo o rombo da Lava Jato, quando seria de se esperar a apropriação do rombo do Ativo Realizável, a ser transformado em disponibilidade conforme fossem ocorrendo os desfechos das ações de regresso em cima dos marginais que saquearam a empresa. Esse Paulo de Tal, p.ex., que é réu confesso, já deveria estar sendo processado pela Petrobras, pra devolver aos cofres da empresa a parte que lhe coube na roubalheira que ele ajudou a perpetrar.

    Aí, supondo que o tal Paulo de Tal devolva o dinheiro que ele confessou ter roubado, pergunto: é justo que o valor da devolução permaneça à conta de prejuízo, reduzindo o rendimento dos acionistas, quando a empresa de fato se ressarciu dessa parte do prejuízo?

    Se a legislação vigente para as empresas públicas e sociedades de economia mista fosse a mesma que rege as autarquias, a Petrobras estaria obrigada a promover ações de regresso contra os gestores que produziram o rombo de R$ 6 bilhões desde 1999.

    Claro que isso não acontecerá. E claro que a grande mídia não dirá nada, apesar do tamanho do rombo: R$ 6 bilhões, mesmo tamanho da Lava Jato…

    É que, agora, estariam envolvidos tucanalhas, tanto quanto petralhas…

    Ninguém quer cuspir pra cima, né?

  284. Chesterton said

    Ensino cirurgia, Elias Mimimi Blablabla, cirurgia, técnicas que lá aprendi, e divulgo a enologia. (rsrsrsrsr)

    Não adianta espernear, Elias, você foi, é e sempre será um ressentido.

  285. Elias said

    Já o Banco do Brasil deu lucro de R$ 3 bilhões no 2T2015. Retorno de 14,1% sobre o PL. No semestre, lucro líquido de R$ 8,8 bilhões, dando retorno de 20,9% sobre o PL.

    Já começou a distribuir a montanha de dinheiro aos acionistas: juros s/CP e dividendos. (Em boníssima hora!!!).

    Os ativos do banco estão em R$ 1,53 trilhão. O maior do setor financeiro em toda a América Latina.

    É sempre bom ganhar alguma coisa num momento como esse, mas…

    …Não sei de nenhum país que tenha dado certo, enchendo as burras do setor financeiro enquanto o setor produtivo escoa pelo ralo…

    É uma coisa que não se sustenta. Quando o parasita mata o hospedeiro, o parasita morre também…

  286. Elias said

    “Ensino cirurgia, Elias Mimimi Blablabla, cirurgia, técnicas que lá aprendi, e divulgo a enologia. (rsrsrsrsr)” (Chester, o Parasita de Dinheiro Público)

    E desde quando ensinar cirurgia em universidade caça níquel é “divulgar a cultura e a ciência francesas”?

    Isso é só um emprego, Chester… Para o qual tu te credenciaste apresentando o diploma que teu pai comprou pra ti e o pós-graduação que fizeste parasitando dinheiro público.

    A tua referência a “enologia” é a única parte sincera do que tu dizes. É quando tu assumes o que verdadeiramente és: um vigarista.

    Aliás, em que horário tu “ensinas” alguma coisa, sociopata?

    Tu passas o dia zanzando pela internet, copiando bostices pra colar no blog do Pax…

    Vampiro de dinheiro público!

  287. Patriarca da Paciência said

    “Ensino cirurgia, Elias Mimimi Blablabla, cirurgia, técnicas que lá aprendi, e divulgo a enologia.”

    É isso aí, Elias, o cara é um legítimo discípulo do Olavão.

    Aprendeu técnicas de cirurgia e “ensina” ciência de beber vinho – “enologia”.

  288. Chesterton said

    Não, energúmeno, a cultura do vinho, a ciência é a ciência médica. Patriarca, a viúva de Stalin e o Elias, pós-moderno ressentido….que dupla.

  289. Chesterton said

    e por falar em governar para os pobres…

    não, nada disso me afeta, repasso para os preços, AUMENTO os preços para dar conta desta diferença.

    Votou com o dedo. Mas é o c.u que paga.

  290. Pedro said

    Blog voltando a temperatura normal. :-)

    ……………………..

    Porque hoje é sexta:

    Gentil, Eurico cede a vez para Dilma: “pode cair primeiro, a gente cai em segundo”

    O encontro entre Dilma e Eurico Miranda foi marcado pela troca de gentilezas. Gentil como sempre, o ex-deputado fez questão de ceder a vez para a presidenta: “pode cair primeiro, a gente cai em segundo. Como de costume”, brincou o presidente do Vasco.

    Em outro momento, Eurico também foi cortês com a dignatária e declarou: “gostaria de ostentar o título de pessoa menos popular nesta sala, mas nesse quesito a presidenta Dilma Roussef ganha disparado de mim”.

    A reunião seguiu tranquila e os dois presidentes trocaram experiências sobre como decepcionar milhões de pessoas e gerir mal suas instituições.

  291. Patriarca da Paciência said

    Olha aí, Chesterton, para você matar a saudade do seu mestre:

  292. Patriarca da Paciência said

  293. Daise 10.0 said

    Recado para os golpistas: nós somos trabalhadores. Somos defensores da unidade nacional. Isso implica ir para as ruas entrincheirados, de armas na mão, se deitar [na rua] e lutar, se tentarem tirar a presidente. Nós teremos o exército que vamos enfrentar essa burguesia

    WAGNER FREITAS, PRESIDENTE DA CUB, EM SOLENIDADE NO PALÁCIO DO PLANALTO

    “Eu quero dizer ao presidente da CUT, e principalmente aos brasileiros, que nós não vamos nos entrincheirar, nós vamos de cabeça erguida para as ruas de todo o Brasil e levando, como nossa única arma, a Constituição do Brasil.”

    AÉCIO NEVES PRESIDENTE NACIONAL DO PSDB

  294. Daise 10.0 said

    Armados de pixuleco

    Brasil 14.08.15 16:44
    Vagner Freitas, presidente da CUT, disse que os trabalhadores pegariam em armas para defender Dilma Rousseff, depois recuou ridiculamente afirmando que se tratava de uma “figura de linguagem”.

    Mentira. Não era figura de linguagem, não.

    Gerson Camarotti, do G1, informa que emissários do Palácio do Planalto tiveram de trabalhar até a noite de quinta-feira para obter um desmentido do pelego.

    A CUT talvez não pegue em armas para defender Dilma Rousseff, mas certamente vai pegar para defender o pixuleco.

  295. Patriarca da Paciência said

    Fernando Brito, do Tijolaço:

    O “MOVIMENTO DOS SEM-GOLPE”

    A semana termina com três forças cambaleantes, depois do surpreendente acordo expresso do Governo com o “conservadorismo” do “não chacoalhem minha galinha dos ovos de ouro”.

    Eduardo Cunha não apenas se vê em situação complicada com a iminência do oferecimento de denúncia pela acusação de achaque de fornecedores da Petrobras como perdeu sua espada para reagir a Rodrigo Janot, que poderia ser Renan Calheiros, a quem compete colocar a voto a recondução do Procurador-Geral da República.

    Como perdeu sua espada contra Dilma ao ver determinado pelo Supremo Tribunal Federal que é no Congresso, cuja presidência é de Renan Calheiros e não na “sua” Câmara que se devem votar as contas presidenciais e, portanto, não é ele quem pode dizer se a votação de correria, para criar fatos consumados, vá ocorrer com um seu estalar de dedos.

    O outro estropiado é Aécio Neves, que está procurando algum programa para o final de semana que o possa fazer “ir sem estar” ou “faltar com presença” na manifestação coxinha de domingo. O pobre menino ficou pendurado no pincel, logo depois de ter partido para o tudo ou nada.

    Aécio pode ter, ainda, maioria formal dentro da bancada do PSDB, sobretudo na Câmara, onde os tucanos são os mais fiéis “cunhistas” do momento, malgrado a contradição entre se apresentarem como “campeões da moralidade” e serem áulicos de alguém que, neste campeonato, está na “zona de rebaixamento”.

    E a terceira força declinante é o próprio movimento “coxinha”, que só se havia tornado importante enquanto as forças políticas institucionais e a mídia o puderam utilizar como ferramenta para atingir o Governo.

    Agora, disse bem o Paulo Nogueira, no Diário do Centro do Mundo, “os protestos tenderão a ser coisa de lunáticos, gente como Lobão, Kim Kataguiri, Reinaldo Azevedo, Batman do Leblon, Bolsonaro e, à distância, Olavo de Carvalho”.

    A dinâmica deste processo indica o surgimento de um partido de extrema direita no Brasil, sem as afetações tucanas e com um candidato à altura (por menor que esta seja) da mediocridade mental que os move, muito provavelmente Jair Bolsonaro.

    O movimento dos que ficaram sem golpe já não requer os arroubos de se falar em “exércitos legalistas”, “entrincheirados” ou “em armas” pela defesa da legalidade institucional.

    Acontece com eles o que dizia de certos guris o “Tio Ivo”, um “coroa” cardíaco que, para desespero do seu filho Sérgio, teimava em jogar de “beque parado” nas peladas de futebol naquela vila do Lins de Vasconcellos onde passei a adolescência . Lá de trás, entre o poste e a parede que nos serviam de “gol”, gritava, quando pegavam a bola:

    – Larga, deixa sozinho que a natureza marca!

    Sábio Tio Ivo.

  296. Patriarca da Paciência said

  297. Chesterton said

    http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/leia-a-transcricao-do-grampo-entre-lula-e-executivo-da-odebrecht/

  298. Chesterton said

  299. Daise 10.0 said

    O FEDORENTO ESTAVA EM ORLANDO ENQUANTO ISSO, DILMA SAUDAVA A MANDIOCA:

  300. Daise 10.0 said

    A Veja que sai às bancas neste sábado traz matéria-bomba mostrando que o ex-presidente Lula faturou R$ 27 milhões com sua empresa L.I.L.S. Palestras, Eventos e Publicações Ltda. Do total, R$ 10 milhões foram pagos por empreiteiras investigadas no Petrolão.

    As palestras de Lula não valem nada.
    O nome disso é tráfico de influência.
    O nome disso é crime.

  301. Daise 10.0 said

    LULA O OPERÁRIO PADRÃO:
    Em maio de 2013, ele falou para 5 000 operários durante 29 minutos.
    Ganhou 13 000 reais por minuto.

    O documento, ao qual VEJA teve acesso, está em poder dos investigadores da Operação Lava-Jato. Da mesma forma que a conversa do ex-presidente com Alexandrino Alencar foi parar em um grampo da Polícia Federal, as movimentações bancárias da LILS entraram no radar das autoridades porque parte dos créditos teve origem em empresas investigadas por corrupção. Diz o relatório do Coaf: “Dos créditos recebidos na citada conta, R$ 9  851 582,93 foram depositados por empreiteiras envolvidas no esquema criminoso investigado pela Polícia Federal no âmbito da Operação Lava-­Jato”. Seis das maiores empreiteiras do petrolão aparecem como depositantes na conta da empresa de Lula (veja a tabela na pág. 51).
    O ex-presidente tem uma longa folha de serviços prestados às empreiteiras que agora aparecem como contratantes de seus serviços privados. Com a Odebrecht e a Camargo Corrêa, por exemplo, ele viajava pela América Latina e pela África em busca de novas frentes de negócios junto aos governos locais. Outro ponto em comum que sobressai da lista de pagadores da empresa do petista é o fato de que muitas das empresas que recorreram a seus serviços foram aquinhoadas durante seu governo com contratos e financiamentos concedidos por bancos públicos. Uma delas, o estaleiro Quip, pagou a Lula 378 209 reais por uma “palestra motivacional”. Criada com o objetivo de construir plataformas de petróleo para a Petrobras, a empresa nasceu de uma sociedade entre Queiroz Galvão, UTC, Iesa e Camargo Corrêa – todas elas investigadas na Lava-­Jato. No poder, Lula foi o principal patrocinador do projeto, que recebeu incentivos do governo. Em maio de 2013, ele falou para 5 000 operários durante 29 minutos. Ganhou 13 000 reais por minuto.

  302. Daise 10.0 said

    E AI, JANOT?
    https://video-mia1-1.xx.fbcdn.net/hvideo-xft1/v/t42.1790-2/11835561_745459662224649_1040887583_n.mp4?efg=eyJybHIiOjMwNCwicmxhIjo1MTJ9&rl=304&vabr=169&oh=9b0e8e26729cf358e8ef25f00c5cd0a4&oe=55CECD99

  303. Daise 10.0 said

    O FEDORENTO FEDE E É BURRO!

    Lula desautoriza presidente da CUT: ‘Plano Nacional de Educação é a grande arma’ da central
    Vagner Freitas ameaçou pegar em armas para defender mandato de Dilma
    POR FERNANDA KRAKOVICS, LUIZA DAMÉ E MARIA LIMA

    BRASÍLIA – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desautorizou, na noite desta sexta-feira, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, que ameaçou ir para as ruas “com armas nas mãos” defender o mandato da presidente Dilma Rousseff. Em ato do PT sobre educação, Lula disse que essa é a melhor forma de fazer uma revolução no país.

    – Quero dedicar esse meu discurso ao companheiro Vagner da CUT, que ontem cometeu uma frase que não queria cometer. Queria dizer para o Vagner que o Plano Nacional de Educação é a grande arma que a CUT tem que usar. Não existe nada mais importante do que a educação para fazer a revolução nesse país – afirmou o ex-presidente em discurso.

  304. Daise 10.0 said

    ESCLARECIMENTO AOS NAVEGANTES :

    “FEDORENTO” É O PP , O PATRIARCA DA PUNHETA. (foi aposentado a bem do serviço público)

    “BADASS” É ELIAS, O JUDEU BURRO, O ÚNICO Q CONHEÇO.(AKA ELISA)

    “PAX” É O MANOEL DA PIADA. rsrsrs

    “CHESTERTON” É CIRURGIÃO E ANTI PT!

    “PEDRO” … APENAS UM HUMORISTA OCASIONAL

  305. Patriarca da Paciência said

  306. Patriarca da Paciência said

  307. Daise 10.0 said

    Às vésperas dos protestos de 16 de agosto, circula pelo Whatsapp o vídeo do sambista Boca Nervosa, no balcão de um bar, cantando o Pagode da Dilma, que resume com bom humor a crise no país.

    Ah, essa “elite branca”!

  308. Chesterton said

  309. Daise 10.0 said

  310. Chesterton said

    Lula ganhou R$ 27 milhões, 10 deles de construtoras investigadas no petrolão

    Lula apareceu no caderno do irmão de José Dirceu, na anotação “Depósito avião (Lula)”.

    Lula apareceu no grampo da Operação Lava Jato discutindo a defesa dos empréstimos do BNDES com um executivo da Odebrecht hoje preso.

    Lula aparece agora como tendo recebido 27 milhões de reais, 10 deles de construtoras investigadas no petrolão.

    Lula e seus comparsas querem fazer você acreditar que ele recebeu essa fortuna por palestras, não por tráfico de influência.

    Lula quer fazer você e o Ministério Público Federal acreditarem que ele deve continuar solto.

    A República dos Pixulecos tem dessas coisas. FMB

  311. Patriarca da Paciência said

    Transitou em julgado a ação em que o ex-presidente Fernando Collor reclamava indenização da Editora Abril por ofensas publicadas em Veja. STF fixou a indenização em R$ 500 mil que, corrigida, ultrapassa R$ 1 milhão

    http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/04/fernando-collor-ganha-indenizacao-historica-da-veja.html

  312. Chesterton said

    Bonito, hein?

  313. Chesterton said

    Patriarca, 311, e agora? O Collor vai devolver o dinheiro pra VEJA?

  314. Patriarca da Paciência said

  315. Patriarca da Paciência said

    “Patriarca, 311, e agora? O Collor vai devolver o dinheiro pra VEJA?”

    Para você, acho que sim, Chesterton, visto que, como bom discípulo do Olavão, você entende tudo ao contrário.

  316. Daise 10.0 said

  317. Daise 10.0 said

  318. Daise 10.0 said

    REUNIÃO DE LULA COM DILMA SURA 5 HORAS

  319. Chesterton said

    Ué, Patriarca virou “Collorado”?

  320. Chesterton said

    Tenóbio
    Por causa de sua estupidez e burrice, sua professora estava sempre gritando com ele:
    – Você me deixa louca, Tenóbio! Você não tem jeito!
    Um dia a mãe do Tenóbio foi até a escola para verificar como seu filho estava indo.
    A Professora disse honestamente para a mãe que seu filho era um desastre, tinha notas muito baixas e que ela nunca viu um menino assim tão estúpido em toda sua vida profissional ensinando crianças.
    A mãe ficou tão chocada com esta sincera conversa que ela tirou seu filho da escola e mudou-se para fora do Nordeste e foi para São Paulo.
    25 anos depois, esta mesma Professora foi diagnosticada com uma grave enfermidade no coração quase incurável.
    Todos os médicos de sua região indicaram a ela que necessitava de uma cirurgia do coração, mas que este tipo de operação somente um médico em São Paulo era capaz de fazer.
    A Professora decidiu então tentar esta última esperança.
    Ela foi para São Paulo e num hospital de lá realizou com sucesso a tal operação.
    Quando ela abriu os olhos voltando da cirurgia ela viu um belo e jovem doutor a sua frente sorrindo para ela.
    Ela queria agradecer a ele, mas não pôde falar.
    Sua face se tornou azul, ela levantou sua mão, tentou gritar sem conseguir e rapidamente ela morreu.
    O Doutor ficou chocado tentando entender o que aconteceu de errado.
    Então ele olhou para o lado e viu que o maldito faxineiro Tenóbio que trabalhava no hospital, desligou os equipamentos de suporte a vida da tomada no quarto para ligar seu aspirador de pó para limpar o corredor.
    VOCÊ PENSOU QUE O TENÓBIO HAVIA SE TORNADO UM CIRURGIÃO CARDÍACO???

  321. Daise 10.0 said

    oops!

    REUNIÃO DE LULA COM DILMA DURA 5 HORAS

  322. Daise 10.0 said

  323. Chesterton said

    Empregada passou no Enem? Mas eu acho que você realmente surtou, Patriarca. Não seria o filho da empregada? Esse sim passa no vestibular.

  324. Patriarca da Paciência said

  325. Daise 10.0 said

    LULA CONVOCANDO PARA 16/08

  326. Daise 10.0 said

    PATRIARCA DA PUNHETA

    NUMA DAS PRÓXIMAS SEGUNDA-FEIRAS ….
    O RATÃO ( HOMO LUSCUS) SERÁ PRESO:
    PRISÃO TEMPORÁRIA.
    APURADAS AS PROVAS:
    PRISÃO PREVENTIVA

    NÃO SE ARREPENDE DO CRIME, PÕE A CULPA EM FHC
    E APÓS ALGUMAS SEMANAS:
    CONDENADO POR TRÁFICO DE INFLUÊNCIA, ENRIQUECIMENTO ILÍCITO, CORRUPÇÃO ATIVA E PASSIVA E CHEFE DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA.

    Volte pra Orlando pra mais um período de férias do blog!

  327. Chesterton said

    http://www.implicante.org/noticias/cervero-entregara-o-brahma/

  328. Patriarca da Paciência said

  329. Daise 10.0 said

    se manca ou se manda !

    Cada vez q esse idiota, o Patriaraca da Punheta, posta um feicibuqui de merda, que só afirma asnices, o blog demora o triplo pra baixar completo.

    Patriarca da Punheta…se manca ou se manda !

  330. Daise 10.0 said

    ANTES E DEPOIS DA COPA…CORRUPÇÃO

  331. Patriarca da Paciência said

  332. Patriarca da Paciência said

  333. Patriarca da Paciência said

  334. Patriarca da Paciência said

    Algo de esquisito está acontecendo, caro Pax. Acho que está sendo atacado por ratos !

  335. Patriarca da Paciência said

  336. Patriarca da Paciência said

  337. Chesterton said

  338. Daise 10.0 said

    HOMO LUSCUS FOI…PRESO!

  339. Daise 10.0 said

    LULÃO ROUBOU!
    Lulão roubou a cena em Brasília:

  340. Chesterton said

  341. Patriarca da Paciência said

    Beto Hitler cada vez mais truculento ! Quando será que esse fascista será defenestrado do governo ?

  342. Patriarca da Paciência said

    Enquanto em todo o Brasil os saudosistas da ditadura proferem as maiores baixarias contra Dilma e Lula, no Paraná, por simplesmente fazer uma piada com Beto Hitler, a polícia prende um Palhaço no meio de uma apresentação.

    A polícia do Paraná não deve ter mesmo o que fazer, ou então, o Beto Hitler se julga mesmo a reencarnação do famigerado Hitler !

  343. Daise 10.0 said

  344. Daise 10.0 said

  345. Daise 10.0 said

  346. Chesterton said

    e sem mortadela….

  347. Patriarca da Paciência said

    Blog 247, uma entrevista com uma pessoa realmente esclarecida:

    O autoritarismo dos Estados que viveram as ditaduras do século passado não acabou, mas mudou de forma. Antes, o despotismo era facilmente identificado em governantes como Adolf Hitler, Benito Mussolini, Francisco Franco ou os militares brasileiros. Hoje, ele se manifesta em funcionários públicos como juízes, delegados de polícia, auditores fiscais. Nesses casos, os servidores acreditam que representam fielmente a lei, e, com esse fundamento, aplicam de forma repressiva suas visões de mundo em atos que deveriam ser isentos de valoração. Essa é a opinião do criminalista José Roberto Batochio, sócio do José Roberto Batochio Advogados Associados.

    Para ele, esse “novo autoritarismo” é mais perigoso, porque os inimigos das liberdades e dos direitos fundamentais são mais difíceis identificar e enfrentar, uma vez que o poder não está concentrado. Além disso, por se dizerem representantes da lei, têm apoio popular para fazer o mal em nome de um bem maior.

    Segundo Batochio, essa mudança foi acelerada após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001. E um dos maiores prejudicados com isso foi o direito de defesa, que está sendo “levado às cordas”. E a operação “lava jato” é o maior exemplo dessa mentalidade atualmente no Brasil. Segundo o criminalista, é inadmissível que uma investigação se baseie no tripé “prisão de suspeito antes de culpa formada; encarceramento dele para forçá-lo a delatar os outros; e vazamento seletivo de informações para conquistar a opinião pública”.

    Batochio possui uma longa e premiada carreira, não só na advocacia, mas também no exercício de funções públicas. Ele foi presidente da Associação dos Advogados de São Paulo (de 1985 a 1986), da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (de 1991 a 1993), e do Conselho Federal da OAB (de 1993 a 1995). Nesta entidade, ele foi responsável pelo Estatuto da Advocacia (Lei 8.906/1994), que assegurou diversas prerrogativas da profissão. A seu ver, o Estatuto da Advocacia ainda cumpre sua função, mas poderia receber atualizações pontuais.

    Depois de receber um convite do ex-governador do Rio de Janeiro Leonel Brizola para se filiar ao PDT, Batochio se elegeu deputado federal em 1998, cumprindo mandato até o fim de 2002. A experiência foi positiva, avalia, mas não o motivou a continuar na política. Ele considera os deputados de sua época superiores aos de hoje. Na sua análise, a Câmara tinha, no período, parlamentares mais “técnicos” do que os atuais. Mais de dez anos depois de ter dito que não voltaria à política, Batochio candidatou a vice-governador de São Paulo, em 2014, na chapa de Paulo Skaf, devido às propostas do presidente da Federação das Indústrias de São Paulo.

    O escritório de Batochio fica no coração da Avenida Paulista, em São Paulo, e tem ares das bancas de filmes clássicos. Ou seja, nada de ambientes amplos, sem paredes, visualmente claros, e altamente digitalizados, como se vê em anúncios de escritórios modernos. No escritório dele, predominam móveis escuros de madeira, coletâneas de jurisprudência, tapetes refinados e incontáveis honrarias que ele recebeu ao longo da vida.

    Seis advogados e dois estagiários trabalham com Batochio. Em seu 48º ano de advocacia, ele confessa que não tem mais a velocidade e a intensidade dos tempos de juventude. No entanto, sua rotina está longe de ser leve: geralmente, inicia o serviço às 9h30 e só o encerra por volta das 20h.

    Em todos os casos que assume, Batochio se reúne com seus colegas e indica os caminhos a serem seguidos, citando teses, normas e jurisprudência. Após a elaboração das minutas das petições, o advogado as revisa e faz as correções necessárias para protocolá-las junto ao Judiciário.

    Nessa supervisão, o ex-presidente da OAB tem o auxílio de seu filho, Guilherme Batochio. O pai diz que ele é “muito veemente” na defesa de seus pontos de vista, que nem sempre coincidem com os seus. Mas Batochio considera “gratificante” trabalhar com o filho.

    A vida do criminalista não se resume ao Direito. Batochio possui uma vasta cultura, constantemente demonstrada em citações de acontecimentos históricos ou ideias de grandes pensadores. Para alimentar seu conhecimento, ele está sempre consumindo “literatura extrajurídica”. No momento, o criminalista está lendo Número Zero, de Umberto Eco. A obra conta o caso de um grupo de jornalistas que funda um veículo que não serve para informar, e sim para chantagear, difamar, e favorecer seu editor.

    Em entrevista à revista Consultor Jurídico, Batochio ainda defendeu a extinção do crime de desacato, analisou o Estado de Direito no Brasil e criticou as propostas de redução da maioridade penal.

    Leia a entrevista:

    ConJur — O Estado brasileiro hoje é autoritário?
    José Roberto Batochio — Eu diria que não só o Estado brasileiro, mas também as democracias consolidadas da Europa e do Hemisfério Norte de um modo geral. Todos estão efetiva, surpreendente e lamentavelmente, marchando a passos largos para um sistema em que há manifesto estreitamento das liberdades e das garantias pessoais, em nome das eternas — e jamais cumpridas — promessas de aperfeiçoamento social. É deveras preocupante a persistência dessa proposta de troca das liberdades fundamentais por uma mirífica promessa de segurança em pleno século 21.

    O que temos hoje são pequenas, múltiplas, milhares de células como centro de emanação de autoritarismo fracionado, a tornar enfermo todo o corpo do sistema.

    Até um passado não muito remoto, o autoritarismo era encarnado, materializado, na pessoa de um déspota, de um ditador, de um tirano ou, então, em um grupo restrito de pessoas que enfeixava todo o poder. A História fornece incontáveis exemplos. Mas tal modelo mostra-se superado, eis que o senso comum dos povos não convive mais com o governo de pessoas no lugar do impessoal governo das leis com as alternâncias determinadas pelo voto direto, que é, no final das contas, o Estado de Direito. Extrai-se, pois, que este modelo de autocracia, de que foram exemplo acabado os governos de [Benito] Mussolini, de [Adolf] Hitler, de [Francisco] Franco e de [Oliveira] Salazar, não tem mais espaço na sociedade contemporânea (ressalvadas as tristes exceções da África Subsaariana), o que não significa, todavia, que sua patológica essência tenha morrido. Não! Qual moderna Fênix teima sempre o arbítrio em rebrotar, sob distintos formatos: bien puede ter se enfermado, pero no murió de todo [pode ter ficado doente, mas não morreu completamente] diria o pensador ibérico. O autoritarismo moderno encontrou nova morfologia. Com o Estado de Direito, foi centrifugado, atomizado, mas mostrou-se resiliente, reinventando-se como arbítrio fracionado, setorial e exercido com conotação de aparente legalidade. É o chefe de repartição arbitrário, o policial violento, o magistrado que se imagina a quintessência da própria lei, o agente fiscal que se entende a exação em pessoa, em suma, são células institucionais doentes desse incurável mal. Entendem-se não agentes, mas o próprio Estado, e exercem um cruel despotismo com relação ao usuário ou sujeito passivo, sempre em nome da lei… Realizam uma catarse e, claro, sempre em detrimento das liberdades.

    ConJur — E como o senhor compara esses dois tipos de autoritarismo?
    José Roberto Batochio — O autoritarismo fragmentário e insular é muito mais insidioso, porque é dissimulado e exercido sob a aparência de legalidade, ou seja, a pretexto da execução da lei, da realização concreta da vontade normativa. Os muitos tiranos desta espécie podem se ver aclamados como heróis pela turba multa desinformada… Além disso, como se contrapor a esse tipo de força de forma eficaz e organizada se ela não está definida, não vem identificada institucionalmente? Fundamentalmente, os advogados são — e sempre foram — os perenes combatentes, adversários, irreconciliáveis inimigos do arbítrio e da tirania, sempre empreenderam essa luta a favor das liberdades. A batalha continua sendo essa e haverá de ser vencida em uma arena diferente. É preciso exercitar sua vocação e cumprir o seu dever de declarar permanente hostilidade à lei da força e ao arbítrio, provenham de onde vierem. No passado recente, o despotismo aqui era o dos militares, o arbítrio tinha até uma cor: verde oliva. Hoje não, esses inimigos das liberdades, dos direitos fundamentais, estão dissolvidos e, por isso, mais difíceis de identificar.

    ConJur — O fim do crime de desacato poderia ser uma forma de combater essa arbitrariedade?
    José Roberto Batochio — Sim, máxime quanto aos advogados, que são a voz que clama contra as ilegalidades. O nosso Código Penal de 1940, que definiu aqui o crime de desacato à autoridade, mostra-se desatualizado. À época, havia uma preocupação quase fetichista em tutelar esse bem jurídico que é o prestígio da autoridade pública (aliás, em nenhum lugar do mundo, salvo nos EUA talvez, autoridade é mais autoridade do que no Brasil…), resquício de uma política de sustentação colonial. Crime de desacato existe exatamente para reprimir aquele que ofende a autoridade em razão da função exercida. Até a metade do século passado, sofríamos ainda influência do período colonial, em que os representantes da Coroa tinham direito de vida e morte sobre os colonizados. As autoridades investidas de poderes absolutos não podiam ser contrastadas por questão de política de dominação. Recordemo-nos da Inconfidência Mineira, da derrama, em que essa realidade se consolidou tragicamente. Não quero dizer que a autoridade pública deve ficar totalmente desguarnecida quanto ao respeito que se deve à função que exerce, mas seria razoável deslocar a conduta que hoje vem tipificada como crime de desacato do âmbito do Direito Penal para a regência de normativo extrapenal, com outra espécie de sanção, talvez apenas pecuniária, qualquer coisa assim. Seria um passo adiante contra os abusos de autoridade e em favor da cidadania. É claro que os que exercem autoridade vão se opor a isso veementemente, como sempre.

    ConJur — O senhor conhece bem essa oposição, não é?
    José Roberto Batochio — Quando lutávamos para aprovar o Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil, queríamos que no capítulo das imunidades funcionais do advogado estivesse o crime de desacato. Isso provocou enorme celeuma. No Supremo Tribunal Federal, questionou-se: “Onde já se viu conceder-se liberdade para advogados fazerem críticas inconvenientes e ofensivas?” Ora, muito mais importante para a coletividade é conferir-se ao advogado liberdade para levar, sem receios, a verdade a julgamento, ainda que ela possa malferir a autoridade, que permitir que os fatos fiquem ocultos nas dobras soturnas do receio de sofrer processo-crime por vivacidade ou excessiva virilidade de linguagem. Quantas vezes não pereceu a verdade, e com ela a realização de justiça, sob ilegal ameaça de prisão por desacato?

    ConJur — E a quem que interessa esse autoritarismo estatal disseminado de hoje em dia?
    José Roberto Batochio — Lord Acton disse que “o poder absoluto corrompe absolutamente”. E também se retroalimenta, diríamos. Quem exerce uma parcela minúscula de autoridade se compraz em fazê-lo e quer sempre hipertrofiá-la, aumentá-la, distendê-la. De outro lado — e isto é um fenômeno interessante —, o discurso contra a impunidade, contra o crescimento exacerbado das taxas de criminalidade e pela necessidade de se estabelecerem soluções draconianas para a sua repressão, diariamente martelado pelos órgãos de comunicação social, acabou por intoxicar a opinião pública. Avassalaram-se mentes e corações, a ponto de ser certo que se fizermos hoje uma pesquisa sobre instituição da pena de morte no Brasil— que é um país cristão, humanitário e pacífico por natureza —, a proposta de pena de morte seria aprovada por acachapante maioria de pessoas, que obviamente não estão suficientemente informadas sobre tudo que isso significa. É curioso e desconcertante, por exemplo, que a França, que exportou os ideais de “igualdade, liberdade e fraternidade” para o mundo, tenha um dos sistemas processuais penais mais autoritários da atualidade. Ao investigado não é dado saber o que contra ele se investiga… É uma coisa terrível. A Itália também recrudesceu o rito estabelecido para a persecução penal. O episódio do World Trade Center, em Nova York, fez os EUA deflagrarem uma guerra – justificável – contra o terrorismo e disseminarem uma doutrina segundo a qual dinheiro não contabilizado, o dinheiro que circula sem controle, é mais perigoso que o próprio tráfico de drogas, porque ele pode acabar nas mãos e financiar as ações dos inimigos do Estado norte-americano. E nós fomos contaminados, por essa doutrina autoritária (veja-se o Patriotic Act do período George W.Bush. e A Lei de Defesa do Estado, do período Barack Obama). Há autoridades brasileiras que são levadas para o território de Tio Sam para serem iniciados nessa doutrina. Voltam embevecidas…

    ConJur — E o que isso causa?
    José Roberto Batochio — Você acha razoável o Maníaco do Parque ter sido condenado a vinte ou trinta anos por haver estuprado várias pessoas e matado várias mulheres, enquanto um doleiro, que remeteu divisas, o Barcelona por exemplo, ser condenado a mais de 60 anos? Quais os bens jurídicos penalmente tutelados nos dois casos e quais deles merecem proteção legal mais enfática?

    ConJur — Como o senhor avalia que está o direito de defesa no Brasil?
    José Roberto Batochio — No Brasil — e no mundo —, o direito de defesa está sendo, digamos assim, levado às cordas. Cada vez mais se faz esse discurso dito pragmático de que para combater o indesejável ilícito penal todas as providências são aceitáveis (o citado Patriotic Act americano admitia a tortura, por exemplo) e, para impedir que haja impunidade, é preciso reduzir o direito de defesa. Ouve-se: “Para quê tanto recurso?”, mas não se faz uma reflexão séria sobre quem são e como estão preparados os juízes de primeiro grau por este Brasil. Qual é o seu preparo humanístico, filosófico e sociológico? Qual seu grau de amadurecimento? Como se propor a eliminação de recursos ou o imediato cumprimento da pena fixada no primeiro grau, com a privação de liberdade do acusado? Ah bom, se o acusado for outro que não nós mesmos, ou uma mera abstração, tudo parece bem, asséptico e eugênico. A realidade, porém, é outra.

    ConJur — Quando, na história do Brasil, tivemos realmente o direito de defesa consolidado?
    José Roberto Batochio — Sob a égide da Constituição de 1946 até o Golpe Militar, eu acho que nós tivemos um período de democracia digno dessa conceituação.

    ConJur — E depois de 1988?
    José Roberto Batochio — Esta também é uma Constituição modelar; aliás, ambas são as melhores que tivemos. Mas, mesmo depois de 1988 testemunhamos, mais que isso, protagonizamos passivamente, esses outros fenômenos autoritários a que me referi, a despeito de estarem assegurados em incisos de seu artigo 5º o devido processo legal, o direito ao contraditório e a amplitude do direito de defesa. Na interpretação das leis de hierarquia inferior, procura-se diluir essas garantias constitucionais. Até o manejo Habeas Corpus, que está assegurado na Constituição, já é objeto de restrições nos tribunais superiores.

    ConJur — E o que é que o senhor pensa da operação “lava jato”?
    José Roberto Batochio — No Brasil, as investigações passaram a ter nome folclórico. Não se pode aprovar uma investigação criminal que se baseie no repudiável trinômio: “prisão de suspeito antes de culpa formada; seu encarceramento nas condições subanimalescas do sistema penitenciário brasileiro (para quebrar-lhe toda a possibilidade de autodefesa e obrigá-lo a apontar crimes de outras pessoas); e o vazamento criminoso e seletivo do que interessa aos investigadores para formar na opinião pública (ou publicada?) um ambiente favorável às medidas de arbítrio que são a seguir desencadeadas”. Esse método não é democrático nem legítimo. Prender (às vezes basta ameaçar de prender) para forçar delação não é Justiça criminal democrática. Na Justiça criminal democrática, é constatado um fato delituoso, investiga-se a materialidade, para ver se ele realmente existiu, e, a partir disso, busca-se a sua autoria, através de métodos investigativos civilizados e sem prender suspeitos por boatos de outrem. Porque prisão processual antes da sentença tem previsão, é verdade, ela é necessária em alguns casos, mas excepcionalíssimos, em situações em que se não se segregar o suspeito contra o qual se produziram indícios veementes, sérios e idôneos, de autoria, poderá reiterar a prática de crimes graves e violentos, ou embaraçar a seara das provas ou se furtar aos efeitos da decisão em perspectiva. Aliás, a prisão física, a reclusão corporal, deveria estar reservada apenas aos crimes de extrema gravidade, sobretudo aqueles que implicam violência de um modo geral. Há outras e eficazes formas de resposta penal.

    ConJur — Tem também quem defenda esses métodos, argumentando que se a polícia e o Ministério Público não usarem grampos e delações premiadas, e nem relativizarem o direito de defesa, o crime organizado vai tomar conta do país. Isso faz sentido?
    José Roberto Batochio — Façamos uma progressão deste raciocínio: “Se não grampearmos, se não monitorarmos, se não quebrarmos todos os sigilos, se não prendermos para depois investigar, se não prendermos suspeito para obter delação premiada, vamos ficar socialmente desarmados e o crime vai prosperar e vai acabar tudo dominando”. Em contraposição, coloque-se este outro raciocínio: “Se todos os cidadãos não tiverem nenhuma liberdade para agir, nunca haverá crime”. Valeria a pena? É uma hipótese sofista, extrema. Conta a História que todo tirano sempre se valeu desse discurso para se estabelecer: sem respeito a nada e com todo rigor, combater a corrupção, combater o crime, combater a impunidade, caçar marajás, varrer sujeira, mãos limpas etc. Nelson Hungria ensinou, no século passado que o crime é um fenômeno social. Seria desejável que ele não existisse? Seria. Mas, infelizmente, ele anda à ilharga da sociedade. Cabe, civilizadamente, combate-lo para que se mantenha em índices suportáveis, essa a dura e desconversável realidade.

    ConJur — Mas a solução seria não fazer nada?
    José Roberto Batochio — Também não podemos nos render à impotência. Vamos buscar, após tanto enforcamento, fuzilamento, guilhotina, sangue e morte, registrados na evolução das sociedades, soluções civilizadas, não para eliminar o crime porque isso é tarefa impossível, mas para mantê-lo em taxas mínimas, aceitáveis. Não acabaremos com estas “sucursais do inferno” que são os presídios dos países que se esforçam pelo desenvolvimento, mas podemos fazer com que deixem de ser “sucursais do inferno” e sejam alçados a institutos de custódia de pessoas humanas em que seja respeitado o mínimo de sua dignidade. E vamos reservar essas prisões para as pessoas violentas e que realmente não estão habilitadas para conviver em sociedade.

    ConJur — O senhor é o pai do Estatuto da Advocacia. O estatuto completou 20 anos no ano passado. O senhor acha que ele precisa de mudanças?
    José Roberto Batochio — É claro, toda a lei é como um organismo biológico, ela nasce, amadurece e se torna obsoleta, às vezes totalmente, outras, apenas em alguns aspectos. E o Estatuto da Advocacia e da OAB é texto legal que se propõe a disciplinar os sistemas de seleção, disciplina, e proteção dos profissionais da advocacia, mas esta também vai se transformando ao longo do tempo. Quando tratamos de colocar em vigor esse Estatuto, a Lei 8.906/1994, vínhamos de um Diploma Estatutário (Lei 4.215/1963), que não contemplava as sociedades de advogado, não existiam as law firms, grandes sociedades de advogados. Não havia regramento para a atuação e proteção do advogado público, em suma, uma série de novas fisionomias que foram acrescentadas à advocacia e que se encontravam em estado de anomia, sem regulamentação. Cuidamos então desse regramento. Agora, depois de 20 anos, certamente haverá outros fenômenos emergentes, relativos ao exercício da advocacia que precisam ser disciplinados. Portanto, a lei pode e deve ser aperfeiçoada para que sofra o necessário aggiornamento, mas o resultado que tivemos nestes quatro lustros foi auspicioso. O que garantimos com esse estatuto foi a independência dos advogados de poderem (a despeito de haver o STF suprimido (na ADI da Associação dos Magistrados Brasileiros) o desacato das hipóteses de imunidade elencadas no texto), denunciar as ilegalidades e abusos, de pleitearem sem embaraços em juízo. O diploma foi um escudo e foi um sabre com que os advogados travaram a sua antiga e sempre nova luta contra a opressão, a tirania, contra o abusos e contra os que querem suprimir as liberdades da pessoa humana. Ele cumpriu e cumpre a sua função.

    ConJur — O senhor acha que as prerrogativas estão correndo perigo?
    José Roberto Batochio — Penso que elas estão permanentemente sob ataque de investidas autoritárias. É inadmissível que se chame um advogado para explicar qualquer aspecto das suas relações com seus clientes. O dia em que isso ocorrer não haverá mais privacidade do cidadão usuário de seus serviços e muito menos democracia. De outro prisma, pretender confundir o advogado com seu cliente, no que diz respeito ao ato sub judice ou a qualquer outro a ele vinculado, tê-lo por suspeito de qualquer coadjuvância por mera suspicácia, isso é, digamos assim, democraticamente escandaloso. Não tem o menor sentido. Por que é que não se pergunta para o Estado arrecadador brasileiro qual é a origem do dinheiro que paga o imposto que ele arranca com voracidade de cada um, com fome-sem-fim? Isto é, como diziam os romanos: Para arrecadar tributos, “pecunia non olet”, ” dinheiro não tem cheiro”. Agora, para o advogado que está defendendo a liberdade é preciso que faça compliance para que saiba, e explique, não só este aspecto da remuneração, mas outras relações profissionais que tenha com o cliente, no empenho de executar a defesa. Temos que lembrar o que sempre dissemos ao longo de toda a nossa história a estes tiranetes que, com essas exigências, querem nos intimidar e que se renovam feito erva daninha: “Tomem tento. Aqui estão os advogados brasileiros, artífices das liberdades e da democracia neste país”.

    ConJur — O que o senhor pensa sobre a redução da maioridade penal?
    José Roberto Batochio — Isso poderia ser definido como uma involução geométrica. Vamos reduzir de 18 para 16 [anos], porque temos um grande contingente de menores entre 16 e 18 anos que estão a praticar crimes violentos. Aí surgirá um largo contingente de crianças entre 14 e 16 anos que também praticam alguns crimes — como já ocorre. Nova redução? Qual o limite? Temos que trabalhar as causas criminogênicas. Ensino fundamental de período integral, nutrição, higiene, profissionalização média, sociabilidade, dignidade e oportunidade de vida decente, penso, seriam mais eficazes. É uma via de mão dupla, a criança acaba levando cultura para casa, higiene, conceitos da escola… Essa é a forma séria, científica de se encarar o problema, não é a proposta simplista e leiga de se introduzir pena de morte ou reduzir maioridade penal, que se vê no Legislativo.

    ConJur — E por falar nisso, como que o senhor avalia sua experiência como deputado?
    José Roberto Batochio — É uma experiência rica e, digamos assim, decepcionante na exata medida. Quem decide o que vai ser votado na Câmara e no Senado Federal são os presidentes das mesas diretoras. Não existe uma prioridade de urgência ou assunto ou uma ordem cronológica. O sistema realmente deixa a desejar. Então, o parlamentar pode apresentar um grande número de projetos úteis, projetos de interesse da coletividade, mas se o presidente da Casa não colocar em votação, nada é feito. A falta de democracia interna do processo legislativo é realmente decepcionante, porque o congressista pode ter uma produção extraordinária como propositor de iniciativas legislativas, mas quando vence o seu mandato, todos os seus projetos que não foram apreciados são automaticamente arquivados.

  348. Patriarca da Paciência said

  349. Patriarca da Paciência said

  350. Patriarca da Paciência said

    Como diria o Boechat, “eles estão querendo é rola”.

  351. Daise 10.0 said

    x50

    O punhetão, Patriarca, sabe o que o Boechat e ele gostam mesmo. De rola!
    Boi preto conhece boi preto.

  352. Daise 10.0 said

    O TAMANHO DA ROLA QUE O PUNHETEIRO GOSTA

  353. Chesterton said

    tava vazio

  354. Daise 10.0 said

    O FRACASSO !

  355. Chesterton said

  356. Chesterton said

  357. Chesterton said

    “Relatório de órgão de fiscalização do governo mostra que a empresa de Lula faturou 27 milhões de reais — sendo 10 milhões apenas das empreiteiras envolvidas no escândalo de corrupção da Petrobras”

    O ex-presidente que, junto com Dilma Roussef, de forma hipócrita prega a distribuição de riqueza, é agora desmascarado, e se revela como ávido por concentrar dinheiro. A humildade e gentileza para com os pobres são apenas máscaras que encobrem negociatas milionárias.

    Lula, desesperado com a divulgação desses dados, na manhã desse sábado já estava reunido com Dilma e outros membros do primeiro escalão do governo.

    A empresa de palestras de Lula recebeu os seguintes repasses de empresas envolvidas no esquema desbaratado pela operação lava-jato.

    Odebrecht: 2,8 milhões

    Andrade Gutierrez: 1,9 milhão

    OAS: 1,9 milhão

    Camargo Corrêa: 1,4 milhão

    Queiroz Galvão: 1,2 milhão

    Quip: 378 mil

    UTC: 357 mil

    Em uma das palestras, pela qual recebeu mais de 370 mil reais, Lula disse:

    “eu vim hoje por “n” razoes, mas uma delas é que um homem publico, esteja ele no cargo ou não, o que importa é que a gente não se esqueça que temos compromisso com esse país, com essa nação… ”

    Que mentiroso né? O compromisso de LULA era com o dinheiro. Foi lá por causa dos 377 mil reais que ganharia pra falar as besteiras de costume e, quem sabe, depois intermediar um grande negócio para seus “patrões” empreiteiros.

    Só com muita boa vontade, ou por mamar em alguma “teta” petista, alguém admite qiue se pague mais de 1 real para ouvir Luis Inácio “palestrar”.

    Por que será que as grandes empreiteiras davam tanta grana pra Lula?

    Você e eu sabemos.

    Observador.

    Observatório da Rede. Original e mais em: http://observatoriodarede.com.br/lula-cai-na-vespera-de-uma-grande-manifestacao-veja-divulga-dados-das-contas-milionarias-do-ex-presidente.html

  358. Patriarca da Paciência said

  359. Patriarca da Paciência said

  360. Patriarca da Paciência said

  361. Chesterton said

  362. Chesterton said

    http://ireport.cnn.com/docs/DOC-1264178

  363. Chesterton said

    Brazil’s President Dilma Rousseff has left the U.S territory without paying for V.I.P presidential Limousine services provided in San Francisco.
    By Mack2308 | Posted 15 hours ago | Miami, Florida 3K
    Share

    Brazil’s Rousseff comes to the U.S and head back home without paying for V.I.P Limousine services provided in San Francisco carrying an estimate over than $ 100.000,00 dollars.

  364. Patriarca da Paciência said

  365. Patriarca da Paciência said

    “Cineasta Cacá Diegues denuncia ‘traição à democracia’ da oposição; “O choque a que estamos assistindo no Brasil hoje é um conflito de ódios selvagens que mal merece ser chamado de crise política”, diz; segundo ele, ‘sem provas concretas de seus alegados crimes, Dilma não tem nada que aceitar seu impeachment e muito menos renunciar’; “Ela tem é a obrigação de governar, corrigir os erros cometidos e vencer seu inferno astral, evitando a velha perversão do regime de exceção (formal ou não), provocado sempre pelo tradicional voluntarismo machista latino-americano”, afirma”
    (247)

  366. Patriarca da Paciência said

  367. Patriarca da Paciência said

  368. Elias said

    Mas essa oposição é mesmo uma merda…

    Nem se pode dizer que o governo existe. É um desgoverno de bosta…

    E, ainda assim, esse bando de incompetentes não consegue fazer uma manifestação decente… Cada dia menos gente… E num domingo!

  369. Pax said

    Opa…. ainda vou fazer um post melhor, mas o que me parece claro é:

    1 – O PT despencou levando Lula junto

    2 – ninguém assumiu a posição, nem partido nem líder

    O que detona a máxima que não existe vácuo em política.

    Aqui um dado antigo, dois na verdade.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/02/1587139-71-dos-brasileiros-nao-tem-partido-de-preferencia.shtml

    http://blog.estadaodados.com/tag/preferencia-partidaria/

    seria muito interessante uma pesquisa dessa atualizada

    — Eu fui ontem… pra praia. Peguei a moto e me mandei na sexta de tarde.

    — A crise pegou a tal nova classe C, mas ainda não bateu forte na antiga classe C e B

    — A classe A só dá gargalhada mesmo, viúva alegre.

  370. Elias said

    Chester,

    Para de enrolação!

    Diz aí onde e como tu divulgas a “ciência e a cultura francesas”, em retribuição aos tempos que passaste mamando nas tetas de uma bolsa de estudos paga com dinheiro público.

    Não vem com esse papo de “ensinar cirurgia”, porque isso é emprego (pior: emprego em universidade caça níquel!).

    Emprego (pior: emprego em universidade caça níquel!), é só mais uma forma de usufruir ainda mais da bolsa de estudos paga com dinheiro público. Usaste o certificado de pós-graduação pra emprenhar currículo e conseguir o emprego.

    Parasita do dinheiro público!

  371. Elias said

    Na verdade a ausência de preferência partidária é algo péssimo para o país.

    O PT se desmantelou, e não existe nenhum outro partido político pra ocupar o espaço.

    Ou seja, há um descrédito generalizado em relação aos partidos políticos e aos políticos em geral.

    Acontece que em política não existe espaço vazio. Quando algum espaço se abre, ele acaba sendo ocupando, se uma forma ou de outra, por bem ou por mal.

    Quando os políticos caem em descrédito, aumentam as oportunidades para um aventureiro, de esquerda ou de direita. Ele é que acaba ocupando o vazio deixado pelos partidos e pelos políticos.

    O Brasil está pronto pra um aventureiro.

    A Marina está se esforçando pra exercer esse papel. Neste momento, ela se pôs à sombra, e, assim, não se expõe ao desgaste (diferentemente do Aécio…). Tá na cara que a estratégia é esperar que a coisa continue piorando, para, no fim, se apresentar como a salvadora da lavoura (ou da pátria…).

    A maioria das pessoas com quem converso sobre política está cravando seco na Marina, em 2018.

    Eu ainda estou em dúvida… Pra mim, a Marina é fraca.

    A meu pensar, o aventureiro de 2018 ainda não mostrou a cara…

  372. Pedro said

    Já mostrou: Ciro Gomes.

  373. Pedro said

    # 304

    Faltou sua alto definição, ó grande sábia.

    ………………..

    # 320

    Tenóbio….kkkkkkkkkk

    ……………..

    Pax, vamos trabalhar um pouco neste blog.
    O sindicato tá de olho em vc. :-)

  374. Pax said

    Ciro é destemperado e vai da valsa. Não acredito que levante voo alto.

    Marina pode ser, mas conseguiu se queimar um bocado.

    O PSDB vai tentar, mas é ruim pacas, vão brigar entre si. Se for Aécio de novo perde. Se for Alkmin não sei, esse desastre pode levar. É pimpão. Se a crise hídrica não estourar, pode até conseguir alguma coisa. Aí seu maior adversário será Serra.

    O PT acho que não emplaca. Até agora não sabe ler o que rola, está com uma militância rábica, perdida, sem graça para defender o neoliberalismo adotado junto com a roubalheira desvendada.

    Que é igual a do PSDB, só que este é teflon.

    O PMDB, campeão, não tem vocação para outra coisa a não ser sanguessuga.

    Mas pode arvorar uma candidatura própria. Eduardo Paes, talvez. Um lixo de político. Que xingava Lula de tudo, virou amiguinho, e agora pode voltar a xingar pra ganhar alguns caraminguás.

    As esquerdas esfrangalharam-se. Isso é o pior legado do pós-PT.

    Vai demorar um bocado pra aparecer uma nova esquerda forte, pós PT.

    O ruim disso tudo é ter um pato manco por 3,5 anos. Um governo perdido, cedendo tudo pra não morrer de morte matada.

    E ainda temos as eleições municipais ano que vem. Que são outra história, muito regionalizada.

    Pouco relacionada com o todo federal.

    Mas que dará uma medida geral, sim.

    Principalmente da queda do PT.

    Em lugares como SP onde Haddad faz um bom governo, é provável que perca por conta do partido.

    E há vários outros municípios semelhantes. Bom governo local (ou médio, que já é bom num país como o nosso) mas que pode perder por conta do partido.

  375. Pax said

    Sindicato hoje em dia é fácil, caro Pedro.

    É só dar uns pixulecos pras diretorias que tudo rola.

    =)

    Aliás, viram a foto da presidente da UNE com a Kátia Abreu?

    Uma lindeza…

    triste.

  376. Pax said

    A foto de ontem, a que mais me comoveu…

  377. Pedro said

    Faz sentido.

  378. Patriarca da Paciência said

  379. Pax said

    novo post;…

  380. Patriarca da Paciência said

    É Pax, o Al Capone deveria ter usado esse argumento em sua defesa !

    Mas parece que os norte-americanos não concordam

  381. Chesterton said

    O que acho engraçado é que alguns que ainda apóiam Lulla mesmo sabendo dos milhões de sua conta corrente, posavam de “insiders” e compravam ações da Petrobras a 22 reais, levando no lombo o prejuizo.

    Elias, vai tratar da “bubalinocultura, que é só o que te resta.

  382. Pedro said

    É um telha corrida este Patriarca.

    Não bastasse colocar Al Capone na conversa, ainda distorce tudo e compara Lula a Jesus.

    Devia ajoelhar no milho até o Dirceu sair da cadeia.

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: