políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Gleisi e Paulo: fio de novelo que pode chegar longe

Posted by Pax em 26/08/2015

Paulo Bernardo era amigo íntimo de André Vargas que cuidava de suas campanhas a deputado estadual em Londrina. André Vargas montou esquemas com Alberto Youssef, operador envolvido nos maiores escândalos atuais, incluindo o atual da Lava Jato.

E chegaram na Gleisi Hoffmann, claro.

Os povos indígenas comemoram. Nunca houve uma política brasileira tão venal a esses povos como ela.

Paulo foi ministro do Planejamento de Lula, e das Comunicações de Dilma. Por onde passou deixou rastros de destruição.

Essa crise atual? Tem dedo dele. O desastre das Comunicações, o enterro na Anatel etc.

Esses links seriam levantados mais dia menos dia, mas o PT entende que Paulo deve ser preservado e premiado. Recentemente fui indicado para a presidência da Itaipu Binacional.

Juiz envia ao STF documentos da Lava Jato que citam Gleisi Hoffmann

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil*
O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, enviou hoje (25) ao Supremo Tribunal Federal (STF) documentos apreendidos no escritório do advogado Guilherme Gonçalves, em Curitiba, durante a 18ª fase da Lava Jato, por suspeitas de que a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) tenha recebido valores de “natureza criminosa”.

Em nota, a senadora informou que conhece Gonçalves “há muito tempo” e que todo o trabalho dele como advogado nas campanhas dela consta das prestações de contas, aprovadas pela Justiça Eleitoral. “Desconheço as relações contratuais que Guilherme Gonçalves mantém com outros clientes, assim como desconheço qualquer doação ou repasse de recursos da empresa Consist para minha campanha”, afirmou Gleisi.

No despacho publicado hoje (25), Moro destacou que, de acordo com provas colhidas no processo, há indícios de que a senadora tenha sido beneficiária de recursos da empresa Consist, investigada na Pixuleco 2.

“Havendo indícios de que autoridade com foro privilegiado seria beneficiária de pagamentos sem causa, é o caso de acolher o requerimento da autoridade policial e do MPF [Ministério Público Federal] e remeter o feito para o Egrégio Supremo Tribunal Federal”, disse Moro.

“Como a referida senadora é, aparentemente, apenas uma das beneficiárias de pagamentos sem causa efetuados a dezenas de outras pessoas, de todo oportuno que, se assim for este o entendimento do Supremo Tribunal Federal, o processo seja desmembrado, possibilitando a continuidade da investigação e da persecução, perante este Juízo, dos investigados destituídos de foro privilegiado”, acrescentou o juíz.

Em depoimento na Polícia Federal (PF), Guilherme Gonçalves alegou que utilizava recursos recebidos a título de honorários advocatícios da Consist, a fim de pagar despesas de clientes do escritório, como é o caso senadora e de pessoas a ela ligadas. Gonçalves disse ainda que os débitos seriam relativos a “despesas urgentes” dos clientes. De acordo com o advogado, nenhuma delas foi, posteriormente, ressarcida.

Moro afirmou que, conforme as investigações, os recursos sairiam do “Fundo Consist”, termo usado em uma planilha também apreendia no escritório de advocacia. “A planilha de fevereiro de 2015 apreendida no escritório de Gonçalves revela que, do assim denominado ‘Fundo Consist’, com crédito de R$ 50.078,00, foram efetuados diversos lançamentos de débitos em favor da senadora e de pessoas a ela ligadas”, diz outro trecho do despacho enviado ao STF.

Também constam da planilha apreendida pela Polícia Federal débito de R$ 1.344,51, a título de pagamento de multa relacionada ao nome de Gleisi Hoffmann, e débitos de Zeno Minuzzo e Hernany Bruno Mascarenhas, ligados à senadora paranaense, de acordo com a força-tarefa da Lava Jato. Conforme as investigações, Hernany Mascarenhas presta serviços de motorista à senadora e Zeno Minuzzo foi secretário de Finanças do Diretório Estadual do PT.

No despacho, o juiz Sérgio Moro lembrou que, na planilha apreendida, há registro de pagamento, em setembro de 2011, de R$ 50 mil de honorários pela Consist a Guilherme Gonçalves. Segundo o juiz, esse pagamento foi “acertado” com o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo, marido de Gleisi Hoffmann. Uma anotação de Gonçalves apreendida por agentes da PF descreve o suposto acerto para o pagamento de honorários advocatícios combinado com Paulo Bernardo.

“A anotação em questão, revelando que Guilherme precisaria da concordância de terceiro [Paulo Bernardo] para ficar com os honorários pagos pela Consist, indica que os valores não se tratavam, de fato, de honorários”, concluiu Moro.

*Colaborou Karine Melo

Anúncios

166 Respostas to “Gleisi e Paulo: fio de novelo que pode chegar longe”

  1. Chesterton said

    http://www.infomoney.com.br/mercados/politica/noticia/4246427/dilma-foi-alertada-sobre-necessidade-ajuste-ate-por-mantega-dizem

    Dilma foi alertada sobre necessidade de ajuste “até por Mantega”, dizem auxiliares –

  2. Elias said

    Chester,
    Estou esperando as contestações tuas de duas pequenas análises que fiz no post anterior.

    Diz aí qual o teu entendimento sobre a “lei do lucro decrescente”, de David Ricardo.

    Enquanto não fizeres isso, vou continuar te considerando um vigarista.

  3. Chesterton said

    Elias, continua estudando que um dia você chega lá.

  4. Chesterton said

    Agora, o país ter que ficar esperando alguma lógica no que faz (ou diz) essa energúmena é demais:

    Coluna da Mirian leitão

    Os antecedentes

    por Míriam Leitão
    26/08/2015 08:15
    Quem comparar o que a presidente Dilma falava há um ano e o que ela disse esta semana concluirá que são duas pessoas. O que dizia é o oposto do que diz. Os casos de divórcio entre a então candidata e os fatos foram muitos na campanha. No “Jornal Nacional” do dia 19 de agosto de 2014, Dilma afirmou que a inflação era zero e que pelos “indicadores antecedentes” o país estava retomando o crescimento.

    Em entrevista aos três maiores jornais na segunda-feira, Dilma disse: “Fico pensando o que é que podia ser que eu errei”. Ela mesma respondeu que o erro foi ter demorado tanto a perceber a crise. Em seguida, justifica o erro. “Não dava para saber em agosto. Não tinha indício de uma coisa dessa envergadura.”

    Exatamente naquele agosto, em que a presidente acha que não dava para saber, o jornalista William Bonner fez a seguinte pergunta para ela, com riqueza de dados e indícios de crise de grande envergadura:

    “A inflação anual, neste momento, está no teto daquela meta estabelecida pelo governo, está em 6,5%. A economia encolheu 1,2% no segundo trimestre deste ano e tem uma projeção de crescimento baixo para o ano que vem. O superávit deste primeiro semestre foi o pior dos últimos 14 anos. Quando confrontada com esses números a senhora diz que é a crise internacional. Aí, quando os analistas dizem que 2015 vai ser um ano difícil, um ano de acertos de casa, que é preciso arrumar a economia brasileira e, portanto, isso vai impor sacrifício, vai ser um ano duro, a senhora diz que isso é pessimismo. E aí eu lhe pergunto: a senhora considera justo, olhando para os números da economia, ora culpar o pessimismo, ora culpar a crise internacional pelos problemas? O seu governo não tem nenhum papel, nenhuma responsabilidade nos resultados que estão aí?”

    Dilma respondeu:

    “Bonner, primeiro, nós enfrentamos a crise, pela primeira vez no Brasil, não desempregando, não arrochando os salários, não aumentando os tributos, pelo contrário, diminuímos, reduzimos e desoneramos a folha. Reduzimos a incidência de tributos sobre a cesta básica. Nós enfrentamos a crise, também, sem demitir. Qual era o padrão anterior…”

    Bonner: “Mas o resultado, no momento, é muito ruim, candidata.”

    Dilma: “Não, o resultado no momento, veja bem…”

    Bonner: “Inflação alta, indústrias com estoques elevados, ameaça de desemprego ali na frente.”

    Dilma: “Veja bem, Bonner. Eu não sei, eu não sei da onde que estão seus dados, mas nós estamos…”

    Bonner: “Da indústria, candidata.”

    Dilma: “Nós temos duas coisas acontecendo. Nós temos uma melhoria prevista no segundo semestre. Vou te dizer por quê.”

    Bonner: “Isso não é ser otimista em contrapartida ao pessimismo que a senhora critica?”

    Dilma: “Não. Não. Você sabe, Bonner, tem uma coisa em economia que chama os índices antecedentes. O que que são os índices antecedentes? A quantidade de papelão que é comprada, a quantidade de energia elétrica consumida, a quantidade de carros que são vendidos. Todos esses índices indicam uma recuperação no segundo semestre, vis-à-vis ao primeiro. Além disso, a inflação, Bonner, cai desde abril, e, agora, ela atinge, hoje, se você não olhar pelo retrovisor e olhar pelo que está acontecendo hoje, ela atinge 0%. Zero.”

    Este é um exemplo. Em todas as entrevistas, Dilma foi confrontada com os dados, em todas ela os negou e atacou adversários que apontavam a necessidade de ajuste, que defendiam o corte de ministérios e a redução dos gastos do governo. Era possível saber. Difícil era ignorar os abundantes indicadores antecedentes de que o Brasil estava entrando numa crise pelos erros cometidos pelo governo.

    A distância da realidade continua, ainda agora. Na entrevista de segunda-feira, ela defendeu o ex-presidente Lula e disse que a oposição incentiva contra ele uma “intolerância inadmissível”. E acrescentou: “A intolerância é a pior coisa que pode acontecer numa sociedade, porque cria o “nós” e o “eles”. Isso é fascismo.” Quem mais incentiva essa divisão é o grupo político da presidente. Aliás, houve um comício em 2014 em que o ex-presidente Lula gritou do palanque: “agora é nós contra eles”. Isso depois de citar como sendo “eles” dois nomes de jornalistas: o de William Bonner e o meu.

  5. Patriarca da Paciência said

    Bovespa dispara e tem a maior alta diária do ano, amparada por bancos
    Ganhos das bolsas dos EUA também puxaram o índice para cima.
    O Ibovespa, principal indicador da bolsa, subiu 3,35%, a 46.038 pontos.

    http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/2015/08/bovespa-dispara-e-fecha-em-alta-amparada-por-acoes-de-bancos.html

    Ora vejam só, eu previ que a bolsa brasileira poderia se recuperar até o final desta semana e, hoje, já recuperou tudo !

    A “crise” brasileira é muito instável !

  6. Guatambu said

    Elias,

    Estamos falando a mesma língua, finalmente (preocupante?).

    A comparação com o período petelho versus o período tucano é menos importante para o que estamos nos propondo a analisar.

    A minha dúvida é sobre qual premissa a tese desenvolvimentista do PT se apoia, especificamente nos anos Dilma-Mantega.

    Minha modesta análise:

    Na era Lula-Palocci a tese desenvolvimentista do PT qualquer que fosse contou bastante com o apoio do cenário externo. O Brasil exportava o que queria ao custo que podia. A alta das commodities no mercado internacional suplantou o custo da infraestrutura logística e de produção brasileiros. Isso gerou capacidade de se re-financiar e dar suporte aos programas sociais e investimentos em infraestrutura que fizeram, que resultou num aumento do consumo interno. Finalmente o Brasil desenvolveu um pouco o seu mercado interno.

    Ok.

    Na era Lula-Mantega, o mercado externo balançou, mas a China e a Agricultura contribuiram para a sustentação de alguns setores, além, é claro, do mercado interno, que permanecia aquecido. Isso deu sustentação à plataforma da Dilma.

    Na era Dilma-Mantega, a tese desenvolvimentista deixou de ser clara: muito do que havia sido proposto de investimentos em infraestrutura, que melhorariam a competitividade do Brasil, acabaram atrasando, ou não aconteceram, ou foram parados na metade, ou resultaram em petrolões da vida. Soma-se isso à queda das commodities, soma-se a isso à desasceleração da China. Não havia como apostar no mercado externo, portanto. Mas e o mercado interno? Este ainda prevalesceu pelo primeiro mandato, com os números se degradando aos poucos, com crédito decrescendo, juros aumentando, inflação no teto da meta.

    Qual era o norte dessa dupla? Pior: os números se degradavam e parece que essa dupla só assistiu, sem fazer nada a respeito. Tanto que agora a Dilma vai a público dizer que não havia percebido… A função de qualquer líder que se preze é olhar para os cenários e montar estratégias para atuar com eles, sejam positivos ou negativos. Não parece que essa dupla fez isso.

    Inclusive, esse problema continua na dupla Dilma-Levy.

    O Brasil está totalmente à deriva se isso é problema exclusivo do Levy, se é da Dilma eu não sei. Para mim é muito claro o que vinha acontecendo desde a era Dilma-Mantega.

    Uma coisa é certa: economia é um jogo de bate e assopra. O ministro da fazenda tem diversos instrumentos que podem intervir mais cirurgicamente ou mais genericamente. Ele mesmo usou essa expressão. Mas pelo jeito ele tá patinando.

    Para mim o governo perdeu o propósito. A Dilma, que na minha modesta opinião já sabia muito pouco quando assumiu a primeira vez, está completamente perdida. A oposição, que nunca existiu na era Lula, tem um soluço de vida, mas nem de longe é páreo para a máquina que o PT montou.

    A Dilma vai perder para si mesma, e nós todos vamos assistir sem ter muito o que fazer, já que a alternativa troca o problema de mãos, e não resolve o problema.

  7. Daise 10.0 said

    DILMA SUBIU NO TELHADO…

  8. Daise 10.0 said

    CRISE INSTÁVEL…O PATRIARCA SÓ FALA ASNEIRA:

  9. Chesterton said

    A rainha pasmada e a economia nua
    26/08/2015 02h00

    Ainda em minha encarnação corporativa tive de entrevistar vários candidatos a uma posição nas diversas instituições em que trabalhei. Uma pergunta se mostrou particularmente reveladora: qual o seu maior defeito? Não era incomum que o entrevistado respondesse “perfeccionismo”, senha para que fosse, claro, rejeitado: ou não fazia a menor ideia de seus verdadeiros defeitos ou estava simplesmente tentando enrolar o entrevistador.

    Tive a mesma sensação ao ler trechos da entrevista da presidente em que, instada a reconhecer seus erros, respondeu ter sido a “demora em perceber que a situação era mais grave do que imaginávamos”.

    E segue: “Ninguém imaginaria que o preço do petróleo cairia de US$ 105 (…) para US$ 43”. Sobre o aumento do gasto público, argumenta que só no fim do ano passado é que teria percebido que a arrecadação caiu. Ou a presidente não faz a menor ideia dos (muitos) erros que cometeu ou está tentando nos enrolar. Talvez ambas as alternativas.

    Ela insiste na fantasia da origem internacional da crise que vivemos, capturada na semana passada pelas notícias de uma possível queda de 2% do PIB no segundo trimestre, do desemprego a 7,5%, o mais alto registrado em julho desde 2009, e pela destruição de quase 900 mil empregos formais nos últimos 12 meses.

    Parece se esquecer do que ocorreu no seu primeiro mandato, mas nada custa refrescar sua memória: o PIB cresceu ao estonteante ritmo de 2% ao ano, levando à alucinante expansão de 1% anual da renda per capita; a inflação, mesmo com controles de preços, superou 6% ao ano; a dívida pública aumentou de 51% para 59% do PIB; por fim, o deficit externo alcançou mais de US$ 100 bilhões (4,5% do PIB) no ano passado. Não há dúvida de que se trata de desempenho medíocre; em compensação, foi acompanhado de desequilíbrios macroeconômicos severos…

    Não se ponha a culpa no resto do mundo. Entre 2011 e 2014, o PIB mundial cresceu 3,6% anuais, marginalmente mais que os 3,5% ao ano registrados nos quatro anos anteriores. No mesmo período os termos de troca, a relação entre os preços das coisas que o Brasil exporta e as que importa, foram 12% melhores do que o observado no segundo mandato do presidente Lula, quando o país cresceu a 4,5% ao ano.

    As causas foram domésticas. O erro da presidente não foi a demora em perceber que a situação internacional mudou, mas sim ter sido incapaz de entender que a desaceleração da economia brasileira depois de 2010 se deveu a restrições do lado da capacidade de produção, da falta de mão de obra às carências de infraestrutura.

    Por causa disso tomou medidas para estimular a demanda, que não apenas falharam em acelerar o crescimento como levaram aos desequilíbrios macroeconômicos acima listados.

    É por esse motivo, não pela pressão de “ideólogos de inspiração neoliberal, com forte apoio no empresariado”, que foi forçada a adotar a atual política econômica. A verdade é que não restou opção ao governo que não fosse abjurar das práticas do período 2011-2014 e correr para evitar o ainda pior.

    Não é por outra razão que a presidente, outrora orgulhosa condutora da política econômica heterodoxa, é hoje forçada a se contentar com o papel de rainha da Inglaterra, tutelada em seu labirinto, contando os dias para se livrar do fardo que a persegue.

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandreschwartsman/2015/08/1673582-o-olho-da-crise-esta-no-bunker.shtml

  10. Chesterton said

    enquanto não colocar o chefe do bando em cana o país não cicatriza.

  11. Daise 10.0 said

    DILMA GERENCIANDO A CRISE

  12. Daise 10.0 said

    DILMA GERENCIANDO A CRISE 2

  13. Daise 10.0 said

    DILMA GERENCIANDO A CRISE 3

  14. Daise 10.0 said

    DILMA GERENCIANDO A CRISE 4

  15. Daise 10.0 said

    DILMA GERENCIANDO A CRISE 5

    STF vê fragilidade ‘sem precedente’ de Dilma após TSE abrir ação de cassação

    POR PAINEL

    Nunca antes Ministros do STF e o Palácio do Planalto reagiram com tanta perplexidade diante da abertura da ação de cassação de mandato contra Dilma Rousseff pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Ministros do Supremo que não atuam na Justiça Eleitoral avaliaram que a fragilidade política de Dilma é “sem precedentes”. A cozinha do governo foi pega de surpresa com a maioria pró-investigação, apesar de a ministra Luciana Lóssio ter pedido vista –prazo com o qual auxiliares da presidente contavam.

    Como assim? O pedido de Henrique Neves para antecipar seu voto mesmo com o pedido de prazo enfureceu o entorno de Dilma.

    Importação

    As primeiras providências da ação de cassação devem ser solicitar material da Operação Lava Jato, de onde ministros acreditam que podem vir provas de crimes eleitorais da petista.

  16. Daise 10.0 said

    DILMA GERENCIANDO A CRISE 6

    GOBVERNO MACACO(A) GORDO(A) :

    QUEBRAMOS QUALQUER GALHO!

  17. Elias said

    Guatambu,
    Não creio que estejamos falando a mesma linguagem.

    O governo Lula — não tem sentido falar em “era Palocci”, até porque este pouco ficou no governo (ainda bem!) — foi beneficiado pela demanda externa. Durante o governo Lula as exportações brasileiras mais do que quadruplicaram. O Brasil mudou de escala, tornando-se ociosa sua comparação com qualquer outro país da América do Sul.

    A partir de 2009 com o agravamento da crise econômica mundial, é que o Brasil passou a depender dramaticamente das importações chinesas, já que os demais mercados estavam devagar, quase parando. É só olhar a pauta de exportações, no detalhamento da balança comercial, pra ver que isso está escancarado.

    O impacto disso tudo, tá na cara. Dá uma olhada na evolução do PIB. Depois de ter crescido 6,10% em 2007, e 5,17% em 2008, o PIB brasileiro recuou em – 0,33% em 2009. Pela primeira vez, em muitos anos, o PIB brasileiro registrou um decréscimo!

    Lula procurou compensar as perdas no mercado externo com o aumento da demanda interna. O Delfin Netto tem uma série de artigos escritos na época, nos quais ele acompanha o desenvolvimento da estratégia e dá a opinião dele (nem sempre concordante). Foi a época da “renúncia fiscal temporária” em alguns produtos, pra segurar o preço, a demanda e o nível de produção e emprego.

    Como resultado, o PIB voltou a crescer bem em 2010. Foram 7,54% (que, aliás, facilitaram pra caramba a eleição da Dilma).

    Em 2011, ainda na esteira do que fizera Lula, o crescimento foi de 2,73% (passando pra 0,90% em 2012, 0,34% em 2013 e 0,10% em 2014, com expectativa de – 1,5% a – 2,0% em 2015).

    A avaliação de vários analistas (inclusive de oposição), com a qual eu concordo, é que Dilma errou por tentar manter a mesma estratégia usada com sucesso por Lula (de cuja formulação ela participou), focada no estímulo ao consumo.

    Para um monte de gente, Dilma deveria ter focado no investimento, e não no consumo.

    De que modo isso transparece na estrutura da despesa pública que eu expus? Na disparidade que existe, entre a evolução de ODC (Outras Despesas Correntes) e Investimentos de 2000 para 2012.

    Enquanto as ODCs passaram de 25% para 42% do orçamento, o Investimento passou de 2% para 4%.

    Percentualmente, a diferença favorece os investimentos (crescimento de 100%, contra 68% em ODC).

    Na prática, o papo é outro: 68% sobre 25% de um mega orçamento, como o do governo federal brasileiro, é uma montanha de dinheiro. Engole várias vezes o aumento de 100% no Investimento, porque este foi produzido em cima da merrequinha de 2% que FHC investia.

    Para o meu raciocínio, a comparação estrutural do gasto público brasileiro é, sim, fundamental para o entendimento da crise econômica brasileira e das diferentes estratégias até aqui usadas para enfrentá-la, mesmo porque, pelo menos num ponto, governistas e oposicionistas concordam inteiramente: o enfrentamento da crise passa, necessariamente, pelo comportamento das finanças públicas.

    Se não for assim, por que continuar falando em “ajuste fiscal”, “corte de gastos públicos” & quejandos?

  18. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    continua a mesma bobagem de sempre.

    A cadela hidrófoba e o discípulo do olavão postando seus amontoados de bobagens !

    Acho que vou dar um tempo.

    Seria uma boa solução e de simples execução, aceitar no blog apenas comentários !

  19. Elias said

    Guatambu,
    Há um troço super importante embutido na evolução das ODCs: esses gastos incluem as “transferências a pessoas”.

    São os gastos com programas emergenciais e compensatórios de combate à miséria.

    Há um tempo atrás, Patriarca e eu divergimos sobre esses programas. O Patriarca os elogiou. Já eu jamais gostei deles.

    Esses programas só funcionam se forem um apêndice de vigorosos programas de investimento, como foi feito nos EUA. Se for assim, os gastos com os programas compensatórios se mantêm estáveis. Não aumentam.

    É que, à medida que os investimentos vão gerando emprego, as pessoas absorvidas pelos novos postos de trabalho vão sendo retiradas dos programas compensatórios e substituídas por outras. E assim sucessivamente.

    Quando os programas compensatórios não são atrelados a programas de investimentos, eles se tornam esquemões de esmola governamental.

    Durante algum tempo eles proporcionam popularidade e voto. Mas são insustentáveis, porque se tornam uma bola de neve. Demandam cada vez mais recursos, jáque seus beneficiários nunca são absorvidos peloaumento daoferta deemprego. Aí, se a economia entra em crise, o orçamento público baqueia… Chega o momento em que os gastos com os programas compensatórios têm que ser cortados.

    É quando bicho vira fera! E, quem ontem beijou a tua mão, hoje te apedreja…

    Bem feitas as contas, é o que eu acho que aconteceu com o PT.

  20. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/leonardosouza/2015/08/1674087-dilma-deveria-contratar-a-analista-do-santander.shtml

    chest- que sacaneada, chamou a anta de mentirosa e ainda manda contratar a economista do Santander, despedida por pressão do planalto

  21. Chesterton said

    No relatório, o banco espanhol avaliava que se Dilma subisse nas pesquisas e vencesse a eleição, a Bolsa cairia e os juros subiriam. O Santander ressaltava também que a economia brasileira já estava muito mal, com baixo crescimento, inflação alta e déficit nas trocas comerciais com o mundo.

    Na ocasião, a presidente Dilma classificou a análise do banco de “inadmissível” e “lamentável”.

    O ex-presidente Lula disse que a autora do informe do Santander não entendia “porra nenhuma de Brasil” e que deveria ser demitida.

    Cedendo à pressão, o Santander demitiu a gerente de investimentos que escreveu a análise, além de dois de seus colegas e a superintendente da área, que aprovaram o texto.

    Desde a vitória de Dilma, o quadro não poderia ser pior. A inflação beira os 10% ao ano, a economia entrou em recessão, o desemprego bate recordes, o dólar está em sua maior cotação em 12 anos, o Banco Central não para de subir os juros…

    Não se sabe se a gerente de investimentos do Santander ainda está desempregada. Estando ou não, Dilma faria um bem muito grande para si mesma se a contratasse. Dificilmente correria o risco de vir a público novamente no futuro admitir que errou ao não compreender o óbvio sobre economia

  22. Chesterton said

    É quando bicho vira fera! E, quem ontem beijou a tua mão, hoje te apedreja…

    chest- É Elias, esse dom de prever o futuro que você tem permite sempre que saiba o dia de amanhã….com 2 dias de atraso. Mas há de lembrar as fotos de Mussolini e Clara Petacci de cabeça para baixo que eu postei.

  23. Elias said

    Cbester,

    Quem “previsão”, idiota?

    Eu estou me referindo aos balanços de 2000 e de 2012, bundão!

    Estou relacionando a gestão da despesa pública com acontecimentos PASSADOS, imbecil!

    Não fiz nenhuma “previsão”, beócio!

  24. Guatambu said

    Elias,

    Acho que estamos falando a mesma língua, exceto o ponto que vc diz que a diz que a Dilma manteve o foco de sua estratégia no consumo. Eu não estou tão certo disso, mais parece que a estratégia foi mudando e se degradando até não se tornar estratégia nenhuma.

    Mas de resto, concordo com tudo o que disseste.

  25. Elias said

    Chester,

    Te orienta, burrinho!

    Parte do que disse acima também faz parte das críticas da oposição aos governos petistas, de conceder auxílios financeiros a pessoas pobres (é o que, tecnicamente, se chama “programa compensatório”).

    Tu és tão burro, e estás tão preocupado em me atacar pessoalmente, que nem lembras que tu mesmo reproduziste exatamente essa mesma crítica (copiando e colando,comosempre…), e aqui mesmo, no blog do Pax (como já havias feito antes, no blog do PD).

    Os demais leitores já devem ter percebido o mico que estás pagando. E devem estar se divertindo às tuas custas…

    Não foi o que eu disse? Quando tu tentas desenvolver algum raciocínio TEU, és um desastre…

    Eestás piorando! Agora, não consegues nem fazer ataques pessoais com um mínimo de inteligência…

    Quando tentas parecer sério, te tornas involunariamente engraçado (caderneta de poupança = esquema Ponzi e, ao mesmo tempo, “bolha”).

    Quando tentas ser engraçado, te tornas ridículo (agora).

    Incapaz!

    Huá! Huá! Huá! Huá! Huá!

    Assim fica fácil demais, Chester… Pede ajuda a alguém mais inteligente do que tu. Ao porteiro do teu prédio,por exemplo…

  26. Elias said

    “Acho que estamos falando a mesma língua, exceto o ponto que vc diz que a diz que a Dilma manteve o foco de sua estratégia no consumo. Eu não estou tão certo disso.” (Guatambu)

    Então,dá uma olhada nos balanços orçamentários do governo, e compara a evolução dos itens de despesa.

    Checa se os percentuais que eu calculei estão errados, e me diz o que eles significam.

    Vê se a ênfase foi em investimento ou em consumo…

  27. Pedro said

    Pois é o Googlias faz umas análises e previsões econômicas, bem fundamentadas teoricamente, repletas de dados, mas também desdenhou do que disse esta funcionária do Santander, e outros que disseram coisa parecida.

  28. Daise 10.0 said

    A boa notícia do dia é q o Patriarca da P. vai dar um tempo.
    Sua ausência virá preencher uma lacuna.

    Ele até agora não entendeu que são as bobagens do feicibuqui que ele posta que atravancam o funcionamento do blog.
    Imagens ou youtubes entram direitinho e sem problemas, como comentários.

  29. Daise 10.0 said

    VEXAME: DILMA BARRADA NO PLANALTO

    Dilma se irrita ao ser impedida por funcionário de passar em trecho de cerimonial no Planalto

    O episódio ocorreu quando Dilma e os atletas se dirigiam do Salão Leste, onde a presidente os recebeu e os cumprimentou, para o Salão Nobre, local da cerimônia. Próximo à rampa do grande salão, o caminho afunilou e o funcionário se postou na frente de Dilma, abrindo os braços para que ela parasse, dando a oportunidade de os atletas cadeirantes e demais esportistas seguissem o caminho. Visivelmente contrariada, Dilma reclamou com ele.

    …………

    FINAL DE MANDATO ANTECIPADO ?

  30. Chesterton said

    Meu Deus, Elias, como eu digo você só sabe prever o passado. Você ri 3 vezes da piada, quando contam, quando explicam e quando entende.

    Que porra de judeu burro você me saiu? É o primeiro que eu conheço.

  31. Chesterton said

    http://www.valor.com.br/brasil/4096522/inchado-setor-publico-paga-salario-maior-que-setor-privado-diz-ibge

    chest- como fudeire um país….

  32. Chesterton said

    http://oglobo.globo.com/opiniao/os-porcos-entre-nos-17313153

  33. Chesterton said

    Pedro, Elias não só desdenhou do que falava a economista do Santander como comprou ações da Petrobras a 22 reais quando a Graça Foster deu uma declaração que a empresa estava muito bem com excelentes perspectivas.
    Não venha ele agora dizer que sabia isso e aquilo, tomou um belo prejuízo porque tinha fé na Dilma.

    Isso tem nome: Arrogância presunçosa!

  34. Chesterton said

    Mais um que diz que previu tudo: Delfim Neto

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/economia/delfim-diz-que-tudo-ia-bem-ate-2013-quando-governo-resolveu-abusar-para-se-reeleger/

  35. Chesterton said

    Os porcos, entre nós

    Os comunistas, primeiro, e os nazistas, em seguida, descobriram que a verdade objetiva é uma película fina, vulnerável aos golpes de uma propaganda sistemática

    ‘A revolução dos bichos’, publicado em agosto de 1945, faz 70 anos. Minha filha leu-o, avidamente, aos 11. No fim, anunciou o desejo de ler a “parte 2” — e ficou decepcionada quando informei-lhe que isso não existe. George Orwell não era um propagandista: no encerramento de sua alegoria, os porcos (os bolcheviques) já não se distinguem dos humanos (os capitalistas). A continuação que minha filha queria apareceu, porém, numa falsificação da CIA. O agente Howard Hunt comprou secretamente os direitos de adaptação cinematográfica e produziu uma versão em desenho animado. Nela, a trama ganha outro desfecho: os animais tomam de assalto a casa da fazenda ocupada pelos porcos e, com essa segunda revolução, libertam-se finalmente. Propaganda e verdade — os dois termos acompanham a trajetória de Orwell, conferindo-lhe atualidade.

    Orwell aprendeu menos com os livros que com a vida. “Dias na Birmânia”, publicado em 1934, é uma narrativa de descoberta do imperialismo. Mas, para o jovem policial numa província da Índia Britânica, imperialismo significava algo mais decisivo que um conceito político e econômico. A sua revolta pessoal dirigia-se contra a “sujeira do Império”: os hábitos dos colonizadores. Naqueles “dias”, um tempo empapado pela ideia de raça, Orwell tatuou, entre os nós dos dedos, símbolos usados pelos birmaneses.

    A jornada de libertação prosseguiu no East End londrino e na Rue du Pot de Fer, em Paris, depois da conversão do policial em escritor. “Na pior em Paris e Londres”, de 1933, que retoma o fio tecido por Jack London meio século antes, é o resultado de sua experiência nos pardieiros, entre os miseráveis. Nele, Orwell registra a presença de chineses, lascares de Bengala, dravidianos do Ceilão e sikhs do Punjab. Uma passagem menciona a beleza das mulheres e especula que seria fruto da “mistura de sangue”. Ele procurava a verdade, uma humanidade compartilhada, e jogava fora a armadura da “pureza racial”.

    O “ato de um idiota” — assim, num restaurante de Paris, Henry Miller crismou a decisão de Orwell, seu companheiro de mesa, que já estava a caminho, de engajar-se ao lado dos republicanos espanhóis antifranquistas. Miller era um cínico incorrigível; Orwell, um moralista e um asceta. Lutando na Espanha, de 1938, conta uma história clandestina, proibida, enterrada sob os espessos sedimentos de propaganda do comunismo oficial, que ganharia novos e pungentes detalhes no “Memórias de um revolucionário”, de Victor Serge, publicado apenas em 1951. Operando sob ordens de Moscou, o Partido Comunista Espanhol (PCE) preferia combater os anarquistas e trotskistas reunidos no Partido Operário de Unificação Marxista (POUM) a fazer a guerra contra as forças franquistas.

    “Aquela foi a primeira vez que eu vi uma pessoa cuja profissão era contar mentiras — a não ser que você inclua os jornalistas”, escreveu sobre um gordo agente soviético baseado em Barcelona que se dedicava a difamar os militantes do POUM, classificando-os como espiões. Orwell temia, mais que tudo, o “evanescimento” do conceito de verdade objetiva no mundo, destroçado pelas campanhas de propaganda partidária. Desse temor, nasceram “A revolução dos bichos” e “1984”, obras cujo foco não é tanto a política, mas a linguagem política e sua degeneração.

    Os porcos estão vivos — e entre nós. Os comunistas, primeiro, e os nazistas, em seguida, descobriram que a verdade objetiva é uma película fina, vulnerável aos golpes de uma propaganda sistemática organizada em torno de vetores abstratos, mas de fácil compreensão. “Trabalhadores” versus “exploradores”, “alemães” versus “judeus”, “nacional” versus “estrangeiro”, “Povo” versus “Elite”, “Nós” contra “Eles”: a partição de uma realidade complexa em polos antagônicos bem simples é capaz de produzir o milagre da substituição do fato pela versão. A lição da propaganda partidária do totalitarismo difundiu-se no mercado da política, inspirando a gramática e as fórmulas utilizadas no marketing eleitoral. “É tudo culpa de FHC”: ao mentiroso, as batatas.

    A difamação de Orwell ganhou tração no pós-guerra, logo após sua morte, por iniciativa do Grupo de Historiadores do Partido Comunista Britânico, que contava com figuras como Maurice Dobb, Cristopher Hill, Eric Hobsbawm e Edward P. Thompson. Eles não o perdoavam pela sua crítica implacável aos intelectuais de esquerda que, colocando um sinal de igual entre democracia e fascismo, tinham oferecido suporte ao Pacto Germano-Soviético de 1939.

    A operação difamatória funcionava menos como vingança e mais como uma queima de arquivo. Nas vésperas da guerra, os intelectuais comunistas britânicos distribuíram panfletos celebrando a aliança entre Stalin e Hitler. Crismar Orwell com a marca do traidor era um expediente destinado a incinerar os textos perigosos, lavando as reputações dos “amigos do povo”. Thompson, em especial, consagrou-se à missão purificadora. Aproveitando-se da circunstância de que um homem morto não pode retrucar, recorreu simplesmente à mentira, acusando-o de ser “obsessivamente” sensível à “menor insinceridade” da esquerda, mas surdo e cego à “desumanidade da direita”. A ideia era relegar o alvo ao esquecimento, o exílio mais pesado para um escritor.

    No fim, Orwell triunfou. É bem certo que os porcos ainda estão entre nós — continuam a se confundir com os humanos e, inclusive, se multiplicaram. Entretanto, a condenação ao exílio não funcionou. “A revolução dos bichos”, recusada por diversos editores britânicos e americanos que se curvavam aos interditos da esquerda oficial, converteu-se numa das obras definidoras do século XX. É uma obra especial, capaz de encantar uma criança de 11 anos que nunca ouvira falar da Revolução Russa, de Stalin, dos Processos de Moscou, da Guerra Civil Espanhola e de toda essa pilha de cadáveres insepultos nos campos de guerra das utopias ideológicas.

    Demétrio Magnoli é sociólogo

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/opiniao/os-porcos-entre-nos-17313153#ixzz3k3h3B8NT
    © 1996 – 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

  36. Daise 10.0 said

    Desnorteado, Planalto semeia o próprio desgaste
    Vinicius Torres Freire

    Nestes dias, tem-se a impressão de que um estrategista tucano tornou-se a cabeça oculta a planejar as reações do círculo presidencial à crise.
    Não há nada mais perfeito para os adversários de Dilma Rousseff, e eles a esta altura estão por toda parte, do que a proposta assoprada pelo Planalto de recriar a CPMF, o tributo sobre movimentações financeiras.

    Um cálculo simples de custos e benefícios, do que parece ser capaz até mesmo o brancaleônico séquito presidencial, teria evitado dar esse presente formidável aos inimigos. Imagine-se o sorriso que Eduardo Cunha, ferido de morte pela Lava Jato, deve ter produzido ao saber das novas intenções tributárias do governo. Pode tornar-se mais uma vez o algoz de uma ideia impopular surgida no Planalto.

    Será também um banho de água fria no que resta de apoio à permanência da presidente em alguns círculos empresarias, que o fazem mais por temor do desconhecido e cacoete de beliscar privilégios na xepa da crise que por amor a Dilma.
    Acenar com a CPMF, nesse caso, equivale a enxotar o médico que mantém o paciente vivo, ligado em aparelhos.

    Nem mesmo o então presidente Lula, com alta popularidade e em pleno boom econômico da década passada, logrou sustentar a cobrança da CPMF, que necessita do endosso de 60% dos congressistas em quatro votações, duas em cada Casa. Dilma, a presidente mais impopular desde a redemocratização, conta os votos na Câmara para não perder o mandato.

    Que tempestade mental faz alguém pensar que ela teria melhores condições de fazer passar a proposta de volta do tributo? A hipótese galhofeira de que existe um conselheiro tucano a assessorar a presidente ganha força.

    Nessa toada, o governo Dilma Rousseff não precisará de oposição para tornar-se inviável. Vai apodrecer e cair pela entropia do próprio metabolismo.

  37. Chesterton said

    E o Itaú dando risada…

    http://veja.abril.com.br/noticia/economia/cresce-o-numero-de-familias-que-acham-que-nao-pagarao-dividas

  38. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2015/08/27/derrota-no-tse-enfureceu-o-governo-stf-ve-fragilidade-sem-precedente-de-dilma-rousseff/

  39. Chesterton said

  40. Chesterton said

  41. Chesterton said

    http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/4245975/criticando-fala-papa-professor-harvard-questiona-capitalismo-causa-pobreza

  42. Daise 10.0 said

    PROGRAMA DE GOVERNO:
    Dilma agora se dedica a não ser “demitida” do poder…
    Resultado:
    Continua perdida entre mesas e cadeiras no salão de festas do pTitanic

    O Brasil que se vire….Vexame!

  43. Daise 10.0 said

    Reinaldo Azevedo:

    CPMF agora? A esta altura do campeonato? Talvez alguém lhe tenha proposto algo, assim, toscamente maquiavélico: “Presidente, arranque o couro do povaréu enquanto a senhora está com 7% de popularidade e use o dinheiro da brasileirada para tentar melhorar a sua reputação”.

    É um jeito de ver o mundo.

    Eu tendo a achar que o novo imposto esgarçaria a já frágil sustentação que o governo conseguiu junto ao empresariado. Já disse aqui: essa gente do PT não tem cura porque tem uma natureza.

  44. Daise 10.0 said

    #18 Patriarca da P.

    antes q eu me esqueça …
    Comentário de um velho aviadado pelo petismo!
    Seja homem babaca…pare de postar feicibuquis infames q atravancam o blog e se quiser comente..
    se for capaz.
    Deixe de ser somente um viado velho.
    Metido a puxa saco.
    Tenha vergonha!

  45. Daise 10.0 said

    PAULO BERNARDO E GLEISI NO BICO DO CORVO

    Lava Jato faz Dilma suspender indicação de ex-ministro para Itaipu

    A presidente Dilma Rousseff suspendeu a nomeação do ex-ministro Paulo Bernardo para a direção-geral brasileira de Itaipu Binacional. Segundo assessores presidenciais, a nomeação estava pronta na Casa Civil desde a semana passada, mas Dilma mandou segurar a indicação após o ex-ministro aparecer citado na Operação Lava Jato em um esquema de corrupção investigado no Ministério do Planejamento.

    Auxiliares de Dilma já comunicaram ministros e dirigentes petistas sobre a decisão. A presidente quer esperar os desdobramentos das investigações da Lava Jato antes de confirmar o petista à frente de Itaipu.

    Paulo Bernardo foi ministro do Planejamento do governo Lula e de ocupou a pasta das Comunicações no primeiro governo Dilma. Ele é casado com a senadora e ex-ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann (PT-PR), investigada na Lava Jato.

    Nesta segunda-feira (24), o juiz federal Sergio Moro, do Paraná, enviou despacho ao STF (Supremo Tribunal Federal) afirmando que as investigações da Lava Jato identificaram “indícios de que a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) seria beneficiária de valores de possível natureza criminosa”, recebendo “pagamentos sem causa”.

    De acordo com o documento, Gleisi teria se beneficiado do chamado “Fundo Consist”, empresa que teria atuado no desvio de recursos de empréstimos consignados do Ministério do Planejamento –que, à época, era comandado pelo seu marido, Paulo Bernardo.

    Pelo menos R$ 50 mil desse fundo em pagamentos do esquema teriam sido repassados também em favor da congressista e de pessoas ligadas a ela, além do ex-ministro.

    As apurações mostram que os desvios envolviam os escritórios do advogado Guilherme Gonçalves, responsáveis pela coordenação jurídica das campanhas da petista, e o pagamento de propina ligado à atuação da empresa de tecnologia Consist no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e ainda o uso de empresas de fachada.

    Um documento apreendido durante as investigações indica o pagamento feito pela Consist de R$ 50 mil de honorários a Gonçalves em novembro de 2011. Ele teria acertado a operação com Paulo Bernardo, que ficaria, segundo as investigações, com todo o valor.

  46. Daise 10.0 said

    DILMA BARRADA POR SEGURANÇA DO PLANALTO

    E O CAFEZINHO MATINAL VIRÁ FRIO…hehehe

  47. Chesterton said

    QUINTA-FEIRA, 27 DE AGOSTO DE 2015
    Com o país quebrado, Dilma quer a volta da CPMF.
    (Estado) O governo deverá encaminhar ao Congresso Nacional na próxima segunda-feira projeto recriando a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Deverá ser enviado por meio de Proposta de Emenda Constitucional (PEC), no mesmo dia em que será encaminhada a lei orçamentária de 2016.

    chest- Levy é muito neo-liberal….

  48. Chesterton said

    (Folha) Queixando-se de desgaste do PT e de falta de atendimento de suas demandas, 14 perfeitos de São Paulo já anunciaram ao partido a decisão de se desfilar do partido.Em números absolutos, a debandada representa 20% das 68 prefeituras que o PT comanda no Estado.

    Alegando que o número é pouco representativo se levado em conta a densidade eleitoral, o presidente estadual do PT, Emídio Souza, atribui esse desfalque ao assédio do vice-governador, Marcio França (PSB), e do ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD).

    Segundo Emídio, a exemplo de França, “Kassab está pescando em aquário petista”.Mais cedo, o petista disse que a decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que estabeleceu que cargos majoritários pertencem ao eleito, e não à sigla, permitiu a debandada de prefeitos do PT.
    “Eles perderam o medo. Essa é uma decisão que fragiliza a democracia”, disse ele.

  49. Daise 10.0 said

    #LulaNuncaMais

    Brasil 28.08.15 07:45
    Lula inflado, também conhecido como Pixuleco, em sua passagem por São Paulo ganhou até hashtag no Twitter:

    Entre a cadeia e o Planalto

  50. Elias said

    “chest – Levy é muito neolivberal…”

    Só os muito idiotas pensam que quem está no governo se deixa bitolar por babaquices pseudo-ideológicas.

    Quem está no governo se conduz por motivos práticos.

    A proposta de exumação da CPMF é a mais completa confissão de falência da estratégia do Levy, de realizar o ajuste fiscal pelo lado da despesa.

    Quando não dá pela despesa, o jeito é correr pro outro lado… Pela receita.

    Chester,
    Eu não comprei ações PETR a R$ 22,00, nem mesmo para agradecer os favores sexuais prestados por alguma mulher da tua família. Se ela disse isso pra ti, ela mentiu…

    Deve ter sido outro…

    Pedro,
    Vocês podem chiar o quanto quiserem, mas eu cantei essa pedra desde janeiro/fevereiro… Vocês não podem negar. Está nas caixas de comentário deste blog.

    Num debate com o Guatambu — e, depois, num ligeiro entrevero com o Pax — eu expliquei, tin-tin por tin-tin, por que a estratégia do Levy não daria certo.

    Não deu!

  51. Guatambu said

    Pedro,

    A analista do Santander, àquela altura, estava dizendo uma verdade que ninguém queria admitir. Por isso foi convidada a se retirar da empresa.

    Tive um professor que fazia parte do grupo de economistas que redigia o relatório focus. Depois de emitir algumas opiniões contrárias ao governo, e de receber algumas ligações mal educadas de um certo secretário, ele se retirou voluntariamente do grupo.

    O Elias fez uma análise muito interessante sobre finanças públicas, matéria que eu nem de longe domino (aliás, eu nem de longe domino economia), tem esse lado da moeda que foi interessante aprender. Estarei mais atento aos próximos movimentos do governo em relação a isso.

    Sei o suficiente pra ganhar uns caraminguás e me proteger dessa palhaçada que o governo cria com controle de informações.

    Três matérias que deveriam ser mto mais importantes que física, química e biologia no ensino fundamental deveriam ser administração, economia e direito.

  52. Elias said

    Esse papo da Dilma, de extinguir ministérios, demitir DAS, é menos que fogo de artifício: é fogo fátuo!

    Coisa exalada por matéria morta e em decomposição…

    A despesa com pessoal e encargos do governo federal consome 12% do orçamento.

    Mais de 95% dessa despesa é formada por pessoal estável — civil e militar — e aposentados, reformados e pensionistas do funcionalismo federal (também civil e militar).

    O pessoal estável só pode ser demitido se cometer alguma falta grave, e isso depois de responder ao devido Processo Administrativo Disciplinar, o PAD, no qual terá direito de ampla defesa, etc e coisa e tal.

    Os aposentados, reformados e pensionistas do serviço público federal (civil e militar) têm renda vitalícia. Os aposentados e reformados, aliás, mesmo depois que morrem, continuam gerando despesa (a renda dos pensionistas).

    O que resta pra Dilma, em termos de corte de despesa de pessoal? Menos de 5% da despesa de pessoal. 5%, arredondando pra cima.

    Segue-se,pois,que: 5% X 12% = 0,6%

    Se ela conseguir cortar metade disso — o que é altamente improvável, até porque ela disse que cortaria 2 mil DAS, dos mais de 22 mil que existem — daria uma economia de 0,3% do orçamento.

    Seria um parto da montanha… Um enorme rugido, terremotos e tudo o mais, pra parir um… camundongo!

    AGORA,SIM! TÔ FAZENDO UMA PREVISÃO,CHESTER!

    Anota aí, Drag Queen do blog do Pax…

  53. Pedro said

    É isso Guata, aprendo bastante com o Googlias, mas que ele desdenhou dos que anunciaram o desastre de 2015, ele desdenhou.

    É que de vez em quando baixa o caboclo brigador no judeu, filho de Ogum, devoto de santo Expedito, adorador de Iemanjá a rainha dos rios do Pará. Aí ele sai brigando até com a própria sombra.

  54. Pedro said

    Procurei rapidinho Googlias.

    Encontrei isto. Mas tem outros comentários na mesma linha.

    “46.Elias said
    28/10/2014 às 9:10
    E as ciganas tucanas, já começaram a vaticinar?

    Aquela explosão inflacionária que ia acontecer em 2003 (e que ficou pra 2004,depois pra 2005, 2006, 2007, 2008…), vai ou não ser prevista pra 2015? Ou será que será em 2016? Acuma? 2017…!?

    E o desemprego, volta ou não volta?

    Um vizinho meu diz que esse pessoal das previsões catastrofistas que nunca se realizam são bestas do Apocalipse que, por incompetência, foram expulsas do inferno…

    Já eu acho que elas são filhas adulterinas de Cassandra, a pitonisa troiana. Por serem bastardas, foram amaldiçoadas e condenadas a serem o inverso da mãe.

    Cassandra acertava todas previsões, mas ninguém acreditava nela. Já suas filhas bastardas conseguem convencer um monte de idiotas… Mas não acertam uma única previsão”

  55. Pedro said

    Outro comentário anterior a este, vc previu também um inferno na vida do Joaquim Barbosa.

    “45.Elias said
    28/10/2014 às 8:41
    Mais outro bolão: quando vão começar a abrir o saco de malvadezas que o Joaquim Barbosa vai ganhar neste final de ano?

    Ou vão deixar pro ano que vem?”

    Pelo que eu sei, o Barbosa tá numa boa.

    Faturando com palestras, que falam sobre como dormir numa palestra. :-)

  56. Pax said

    O bagulho tá ficando quente ,…

    http://naofo.de/73sj

  57. Elias said

    Falar nisso, uma coisa digna de registro é o silêncio dos quartéis, diante dessa embrulhada toda.

    As notícias que tenho das leituras de Ordem do Dia dão conta de uma disciplina férrea, e de um profissionalismo à prova de bala…

    Lá por volta de 1965, a coisa ficou braba!

    Um monte de generais começou a vociferar contra Octavio Gouveia de Bulhões e Roberto Campos, por terem parido uma recessão paquidérmica e levado o país à beira da falência.

    Entre eles, os generais Amaury Kruel,comandante do II Exército (sede em SP), e Justino Bastos, comandante do IV Exército (o maior e mais bem armado do país, com sede no RS). Num churrasco em uma fazenda de Assis Chateaubriand, Justino berrou um discurso em que pedia a prisão de Roberto Campos.

    Castelo Branco balançou… Mas não piscou: demitiu Justino no dia seguinte ao discurso! Amaury Kruel foi despachado logo depois de cumprir a segunda mais importante missão da vida dele: detonar o Ademar de Barros, que, embora tenha apoiado decididamente o golpe militar, se tornou descartável porque insistia em dar pitaco na sucessão de Castelo. Aí os fardados usaram contra Ademar o hangar de vidro que ele tinha: a roubalheira…

    Na esteira, Castelo também ferrou com Assis Chateaubriand, baixando um decreto que arrebentou com os cornos dos Diários Associados (para deleite de Roberto Marinho, que, no churrasco do Chatô, fora preconceituosamente chamado de “Roberto Africano, egresso do submundo de Chicago”, para o qual se pedia fosse metido na cadeia, junto com o “Roberto Americano”).

    Em compensação, Castelo perdeu a queda de braço para Costa e Silva, que, a exemplo da maioria dos oficiais superiores das Forças Armadas brasileiras, desprezava o entreguismo do Roberto campos; a pressa obsequiosa com que ele arriava as calças e se punha de quatro para os americanos…

    Costa e Silva assumiu, e nunca mais Roberto Campos colocaria as patas na formulação da estratégia econômica do Brasil.

    Ah,sim: pra tirar o país da recessão, os militares aumentaram os impostos, reduziram os benefícios dos aposentados (fundindo e nivelando por baixo os antigos IAPs), e aumentaram estupidamente a despesa pública, especialmente por meio de investimentos em habitação e saneamento, via BNH… Isso gerou emprego e consumo, tirando o Brasil da merda…

    Estou curioso pra saber como o pensamento militar brasileiro está processando os acontecimentos atuais. Acho que vou tentar obter algumas teses dos cursos da ESG, e também tentar sacar pra que lado o vento sopra…

  58. Elias said

    Pedro,

    Não creio que Joaquim Barbosa esteja tão assim… Numa boa.

    Ele teve que batalhar pra renovar seu registro na Ordem, e, ao que eu saiba, tá comendo capim. Ninguém entrega uma causa importante a ele.

    Logo ele, que se portava como se estivesse esperando bamburrar, tipo o Thomaz Bastos…

    O que não quer dizer que ele passe necessidade, obviamente. Com a aposentadoria que ele ganha…

    Mas eu mijei no pé quanto à reação do PT.

    O partido está completamente acovardado. A maior parte dos políticos petistas está com o rabo encostado à parede, e não o tira de lá de jeito nenhum.

    Dia desses eu cobrei isso de um deputado federal. Ele disse que o Barbosa não perde por esperar…

    Sei lá, né? Acho que quem está esperando é o PT… Esperando que aquela bicheira que o Barbosa tem no rabo vire câncer…

    MAS NEM TE ANIMA CHESTER…! Se a bicheira rabal do Barbosa virar câncer, dificilmente ele vai se tratar contigo! Barbosa não acredita em médico brasileiro. Pra extrair um simples botão de hemorróida (axi, porcaria!!!), Barbosa foi um porrilhão de vezes aos EUA…

  59. familiabopp said

    Em homenagem ao Elias

  60. Chesterton said

    Com base nos dados de segundo trimestre, aponte o culpado para a crise brasileira:

    EUA: +3,7%
    China: +7%
    Reino Unido: +0,7%
    Espanha: +1%
    Grécia: +0,9%
    Brasil: -1,9%

  61. Elias said

    Assim é, se lhe parece, rebento de Leonardo e Itamar (itapior…).

    De qualquer maneira, vou renovar minhas predições:

    1 – A estrfatégia de Levy, de fazer o ajuste fiscal via corte de despesa, vai continuar escoando pelo ralo.

    2 – A carga tributária vai aumentar (falar nisso, já estão levantando a lebre sobre a “taxação de grandes fortunas”, recorrente quando se quer obter uma taxação que NÃO afeta as grandes fortunas);

    3 – Se a bicheira rabal do Barbosa virar câncer, ele NÃO vai se tratar com o Chester.

    No mais, filhos de Itamar, saibam que, ao contrário do solitário na montanha, pra mim pouco importa se os bobos são ou não os outros.

    Como um porrilhão de outros brasileiros, passei boa parte da minha vida enfrentando inflação de mais de 20% ao mês.

    Vi, no dia a dia, que, se materializar a velha e eterna verdade de que crise é uma mistura de aneaças e oportunidades.

    Quem vê e vive só as ameaças,se ferra. Quem consegue ver as oportunidades e aprende a aproveitá-las, não só se defende da crise, como até ganha com ela.

    Entonces…

  62. Elias said

    # 60

    Burrim… Burrim… Burrim…

  63. Pedro said

    # 58

    kkkkk

    Poha, Googlias, me estragou o almoço.

    A cena do Chester examinando a bunda do Barbosa me fez vomitar antes de comer….

    Mudei até os meus conceitos sobre a boa vida do médicos.

  64. Pedro said

    # 56

    Pax, o escândalo já nem escandaliza mais.

    Neste caso, não arrisco previsão nenhuma. Não consigo prever que rumo a coisa vai tomar.

  65. Chesterton said

    credo, sou ginecologista então.

  66. Pedro said

    # 61

    Sim, na crise aparecem oportunidades.

    Os bancos, financeiras e agiotas em geral, estão rindo a toa.

  67. Daise 10.0 said

    Quem não está rindo à toa é o lula:

    Na internet, o boneco virou piada e aparece em montagens feitas com várias cenas icônicas, como na derrota do Brasil para a Alemanha na Copa do Mundo, em capas de álbuns como ‘‘Nevermind’’, do Nirvana, em cenas de filmes como “Titanic”, perdido na capa do livro “Onde está Wally”.

  68. Pedro said

    # 65

    É, bem melhor.

  69. Pedro said

    Do Diário Catarinense.

    “Crise do ódio

    Para o escritor Mario Prata, que mora em Floripa há 15 anos, e que entrevistei recentemente aqui no Jornal do Almoço, essa crise brasileira não é política e nem econômica. É do ódio. Ninguém mais se suporta, todo muito fala mal de todo mundo, é raiva, intriga, ciúme, perseguição, intolerância, mau humor, em casa, na rua, no trabalho, nas redes sociais.

    Até concordo com ele, mas esse ódio do povo vem de onde? Qual é a sua origem?”

    ……..

    To falando, um pouco de humor, só faz bem.

  70. Pedro said

    Dilma cria três ministérios para avaliar redução de ministérios.

    Em entrevista coletiva no Palácio do Alvorada a presidente da República comunicou à imprensa a criação de três novos ministérios para avaliar a redução da quantidade de ministérios, que hoje é de 39.
    Os ministérios criados já foram batizados e serão:
    1 – Ministério de Avaliação da Redução de Ministérios(MAR De M.) que avaliará a possibilidade de redução de ministérios.
    2 – Ministério de Fiscalização do Ministério de Avaliação da Redução de Ministérios, que irá fiscalizar as ações do anterior criado.
    3 – Ministério de Avaliação da Criação dos Ministérios 1 e 2.

    A presidente comentou sobre a criação: “Nós temos…nós…nós devemos… avaliar a possibilidade da redução do número de ministérios, no que se refere a número menor”.

    A presidente foi questionada se esta medida de criar três novos ministérios não seria contraditória já que cria mais ministérios. A presidente disse que o questionamento era pertinente e que iria criar um novo ministério para avaliar esta questão.

    http://sensacionalista.uol.com.br/2015/08/27/dilma-cria-tres-ministerios-para-avaliar-reducao-de-ministerios/

  71. Chesterton said

    62, Burrim, burrim….tá bom Elias, vou te contar.

    Esta pergunta foi feita pelo Felipe Miranda. Coloquei aqui para ver especificamente tua reação.

    Nestes tempos todos, desde alguns anos para cá, me informo com ele sobre todo tipo de investimento que faço, dólares, ações e imóveis.

    (é um serviço pago)

    Vamos dizer que eu tenho contribuído muito para a piora das desigualdades de renda e patrimonio no Brasil.

    Enquanto isso, você que é “ixpertu”, esta aí todo nervosinho.

  72. Chesterton said

    Até concordo com ele, mas esse ódio do povo vem de onde? Qual é a sua origem?”

    chest- no socialismo. É sempre assim.

  73. Chesterton said

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/08/1674800-consumo-do-governo-e-comercio-exterior-evitam-queda-maior-do-pib.shtml

    chest- não existe consumo do governo, a grana foi tirada do movo antes.

  74. Chesterton said

    Frase do dia:
    A mentira tem pernas curtas, barba e um dedo a menos nas mãos…

  75. Daise 10.0 said

    DILMA MERECE CONTINUAR NA PRESIDÊNCIA?

  76. Chesterton said

    http://exame.abril.com.br/economia/noticias/como-chavez-destruiu-a-economia-mais-rica-da-america-latina

  77. Daise 10.0 said

    FLAGRANTE: PIXULECO SOFRE ATENTADO

    Brasil 28.08.15 16:48
    Uma integrante do grupo que reúne os movimentos “Brasil Melhor, SOS Brasil e Movimento Brasil” enviou ao Antagonista vídeo que mostra a confusão no Viaduto do Chá e o momento em que o corpo do boneco tomba após ser esfaqueado por uma mulher ainda não identificada.

    O bonecão inflável começou o dia na Ponte Estaiada.

    Assista o vídeo exclusivo:

    Segundo relatos, a faca usada para furar o Pixuleco tinha resíduos de mortadela.

  78. Chesterton said

  79. Chesterton said

  80. Chesterton said

    http://oglobo.globo.com/brasil/eles-destruiram-as-financas-pela-reeleicao-diz-delfim-netto-apos-declaracoes-de-dilma-17315529

  81. Chesterton said

    http://www.oantagonista.com/posts/odebrecht-tenta-impedir-que-lava-jato-descubra-a-conta-suica

  82. Chesterton said

    O PT ainda não expulsou José Dirceu e nem o fará, mas daí a integrantes da legenda lançarem uma carta de apoio é uma afronta à sociedade e à Justiça. Humberto Costa, Lindbergh Farias e Paulo Rocha, entre outros, dizem que Dirceu “é vítima das elites descontentes com sua atuação em favor dos menos favorecidos”.

    Dirceu é vítima dele mesmo, de sua ganância, falta de ética e moral. Em sua vida, Dirceu só favoreceu a si mesmo e ao PT.

    Quem o apoia lhe deve favores.

  83. Daise 10.0 said

    A MANU DO LULA INFLADO

    Acusada de esfaquear boneco de Lula sofre linchamento virtual no Facebook

    Uma amiga de Manu da UJS avisou os revoltados: “E se encherem de novo a gente fura de novo”.

  84. Daise 10.0 said

    TEMER X DILMA: FUI!

    http://msalx.veja.abril.com.br/2015/08/28/2134/pe6Cx/abre-44-45-original.jpeg?1440808484

  85. Daise 10.0 said

    Companheiros

    Do alto da minha ignorância, já começo a tomar apostas que dilma irá pedir afastamento do cargo, por motivo de saúde.

    Motivo real:
    doença ou defeito mental e insanidade, uma PTSD, causada pela aguda percepção da mentira que “nunca soube de nada do que se passava à sua volta”.
    Uma perfeita idiota.Inútil e mentirosa.

    Siroi Libanês já está a postos, pra confirmar o estado avançado de idiotice mental.
    Sob sigilo médico é claro.

  86. Daise 10.0 said

  87. Daise 10.0 said

  88. Chesterton said

    A boca de jacaré que começou a abrir em 2014 é impressionante e choca o mais pessimista dos pessimistas. Nossa economia mergulhou no abismo, enquanto o nível de preços só faz subir, mesmo com a grave recessão (que deve piorar). A desculpa petista é culpar uma tal crise internacional.

  89. Chesterton said

    Crise mundial? Qual mesmo? Os países emergentes, à exceção de Rússia e Ucrânia (que vive quase uma guerra civil por culpa da Rússia de Putin), continuam crescendo bem, e mesmo países desenvolvidos, como os Estados Unidos, epicentro do furacão financeiro em 2008, também crescem de forma decente. Já o Brasil aponta para uma queda de até 3% para o PIB deste ano.
    Não dá para colocar a culpa nos gringos, como quer o PT. A culpa é do partido mesmo, que fez um estrago gigantesco no país. Diante disso, o que faz o PT? Clama por aumento de impostos, para ferrar ainda mais com os brasileiros, ou ameaça com uma volta de Lula em 2018, como se ele não fosse justamente o maior responsável por toda essa lambança.
    O PT só vai sossegar quando afundar de vez o Brasil no caos social e econômico, como fizeram seus camaradas bolivarianos na Venezuela. Por isso é fundamental tirar o partido do poder o quanto antes. Esperar até 2018 poderá ser tarde demais…
    Rodrigo Constantino

  90. Chesterton said

  91. Daise 10.0 said

    PIXULECO MOVIMENTA ECONOMIA

  92. Daise 10.0 said

    PIXULECO MOVIMENTA ECONOMIA – DETALHE DO PRODUTO

  93. Daise 10.0 said

    INFORMAÇÃO DE BOA QUALIDADE

    VISÕES SOBRE A CRISE ECONÔMICA ATUAL:

    Resultado= o governo só sai da crise ..se sair do governo!

  94. Elias said

    # 71

    Burrim… Burrim… Burrim…

  95. Elias said

    Bem, o rapaz disse que era necessário “desacelerar” a economia (que já estava devagar, quase parando), pra segurar a inflação.

    Taí no que deu…

    A Dilma resolveu seguir a cartilha econômica da direita.

    Resultado: continua levando porrada da direita, perdeu o apoio da esquerda, e ainda periga quebrar o país…

    O que é uma façanha e tanto! Poucos governos conseguiram quebrar um país com inflação de 10% e balanço de pagamentos credor…

    Depois que sair do governo — o quê, espero, não vá demorar… — Levy poderá ganhar uma grana braba, explicando como realizou essa façanha (mas os promotores das palestras sempre alertarão as platéias: “Meninos, por favor, não façam isso em casa!”).

    É como capotar um carro numa pista reta e plana, sem nenhuma interferência, seja do que for… Dirigindo a 10 Km/hora!

  96. Pax said

    Esse texto do Diego Viana está muito bom.

    Ninguém vai ler, ninguém lê textos maiores hoje em dia. Todo mundo virou juiz de boteco de esquina.

    Enfim, não custa tentar.

    https://vianadiego.wordpress.com/2015/08/27/na-comunidade-das-frustracoes/

  97. Chesterton said

  98. Elias said

    I
    Parece que descobriram irregularidades na campanha do Aécio (é que a Justiça brasileira tarda mas não tarda em falhar…).

    Alckmim deve estar sorrindo discretamente: “Foi mesmo? O Aécio? Mas quem diria, não? Logo agora… Estou chocado… CHO-CA-DO!”

    II
    O bolivarianismo defende, entre outras coisas, a integração econômica e a cooperação estratégica entre Venezuela, Colômbia e Equador (que, juntos, e antes da independência, formavam o Vice-Reino de Nova Granada).

    Pois eis que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, bolivariano, fechou a fronteira de seu país com a Colômbia.

    Como ironia e desgraça pouca é besteira, vale lembrar que o “vaso comunicante” entre Venezuela e Colômbia, é uma ponte chamada… Simón Bolívar!

  99. Elias said

    # 97

    Burrim… Burrim… Burrim…

    Pede ajuda pra alguém mais inteligente do que tu.

    O pessoal que faz faxina no teu prédio, por exemplo…

  100. Chesterton said

    A crise que só Dilma não viu
    31/08/2015 02h00

    De duas, uma: ou a presidente Dilma Rousseff é muito distraída ou mentiu na entrevista dada na semana passada à Folha, Globo e Estadão.

    Nela, afirmou: “A crise começa em agosto, mas só vai ficar grave, grave mesmo, entre novembro e dezembro [de 2014]”.

    Não, presidente, a crise já estava grave, muito grave, antes disso: a economia brasileira retrocedeu nos dois primeiros trimestres de 2014, o que, tecnicamente, significa recessão.

    Portanto, em agosto (o mês em que os dados do segundo trimestre foram dados a público), a situação já era “grave mesmo”. Ou recessão não é grave, presidente?

    Pior: o investimento vinha caindo desde o terceiro trimestre de 2013 e continuou caindo em todos os trimestres sucessivos até agora.

    Ora, qualquer criança escolarizada sabe que queda do investimento, ainda mais em série, é sinal de crise grave, porque o crescimento à frente fica anêmico ou desaparece (como de fato desapareceu).

    Tem mais: o site “Aos Fatos” justificou o nome e montou uma tabelinha sobre a arrecadação federal que mostra que, antes de agosto, a economia já estava estrebuchando: em julho/14, a arrecadação foi 0,23% inferior à de julho/13.

    Foi o terceiro mês consecutivo em que a arrecadação aumentou muito menos do que nos mesmos períodos de 2013 ou até retrocedeu, como em julho.

    Arrecadação crescendo pouco ou nada é óbvio sinal de problemas para as contas públicas.

    Problemas para a economia vinham de mais longe ainda, conforme se lê na Carta de Conjuntura do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) de dezembro de 2013, igualmente recuperada pelo “Aos Fatos”.

    O texto do Ipea dizia que “a perda de dinamismo da região [América do Sul] se deve basicamente a três fatores: a deterioração dos termos de troca; o menor crescimento da economia mundial, especialmente com a recessão na Europa e a desaceleração chinesa; e o esgotamento do impacto das medidas anticíclicas adotadas em toda a região em reação à crise financeira de 2008-2009. Aparentemente, os países do Mercado Comum do Sul (Mercosul) –em especial, a Argentina, o Brasil e o Paraguai– foram mais rapidamente afetados, de forma que o crescimento do PIB se desacelerou fortemente já em 2012”.

    De fato, a economia brasileira cresceu, em 2012, apenas 1% na comparação com o ano anterior.

    Uma gerente atenta teria acendido o sinal vermelho ante dados (oficiais) desse teor.

    No entanto, a gerente Dilma só viu algo um pouco preocupante no mês seguinte, agosto, mas esperou até novembro e dezembro para constatar algo “grave, grave mesmo”.

    Agora, a presidente diz que, “talvez”, a inflexão da política econômica devesse ter começado antes.

    Deveria, claro, mas havia no horizonte um obstáculo intransponível, a eleição de outubro.

    Você conhece algum governante, fora Winston Churchill, que se anime a pedir “sangue, suor e lágrimas”?

    Se, ocultando a verdade, Dilma venceu por pouco, imagine o que aconteceria se não a ocultasse. Ela ganhou o governo, mas arruinou a governabilidade.

    clovis, o rossi

  101. Chesterton said

    É Elias, burro e milionário, para você que é esperto:

    http://www.youtube.com/watch?v=tuvvW-QKneE

  102. Chesterton said

    Quem aguenta?
    31/08/2015 02h00

    BRASÍLIA – A imprudência e o voluntarismo do governo Dilma em seu primeiro mandato quebraram o Estado. A tal ponto que, numa atitude inédita, o Orçamento da União de 2016 será enviado ao Congresso Nacional com previsão de déficit.

    Fica difícil, neste momento, avaliar o que teria sido pior. Fazer mágicas para tapar o rombo previsto no orçamento do ano que vem ou admitir que o governo não tem dinheiro para bancar todas as suas despesas.

    No ano passado, a equipe de Dilma optou pelas pedaladas fiscais, uma maquiagem para tentar esconder o buraco nas contas públicas. Não deu. Fechou 2014 sendo obrigada a se endividar para pagar seus débitos. E nem pagou todos.

    O fato é que Dilma adora um gasto para chamar de seu. A presidente é adepta do Estado forte, intervencionista, dono e agente direto dos rumos da economia. Ela não se satisfaz em dar apenas as diretrizes.

    Deu no que deu. Imprevidente, gastou mais do que arrecada. Estimulou o aumento de alguns gastos e não tomou nenhuma medida para segurar outros. Torrou o colchão de poupança deixado para ela por Lula.

    Numa atitude de desespero, lançou de última hora a ideia de ressuscitar a CPMF, o imposto do cheque. A operação foi tão atrapalhada, com oposição à ideia vindo de dentro do próprio governo, que durou meros três dias. Teve vida curtíssima.

    Resultado, o governo Dilma tem hoje estreita margem de ação para: combater uma recessão que deve durar dois anos, uma inflação acima de 9% e um desemprego em alta.

    Aí, para tentar respirar, inventa não só a volta da CPMF como diz que vai cortar dez ministérios, no timing errado, na dose errada, espalhando medo e paralisia na sua equipe.

    Enfim, este é um governo que não precisa de oposição. A ponto de um aliado muito próximo de Dilma Rousseff desabafar: “Deste jeito, não sei se vamos aguentar. Se a gente quer destruir o nosso governo, estamos no caminho certo”.

    valdo cruz

  103. Chesterton said

    96, tentei ler, mas a choradeira é tão grande que escorreram lágrimas pelo monitor e embaçaram a tela.

  104. Pedro said

    # 96

    O que ele define como frustrações, pode ser definido como, constatação do óbvio.

  105. Chesterton said

    Antes que se arrebente
    31/08/2015 02h00
    Compartilhar65
    Ouvir o texto
    Mais opções
    SÃO PAULO – Há gente experta na política a vaticinar que o Brasil só escapará da encalacrada atual depois de esborrachar-se no muro. Não bastaria antever a aproximação do armagedom para mudar de rota. Seria preciso experimentá-lo.

    Souvarine, o sabotador anarquista do “Germinal” de Zola, era um esteta do gênero: “Ateiem fogo aos quatro cantos das cidades, ceifem os povos, arrasem tudo e, quando nada mais sobrar deste mundo podre, talvez surja dele um melhor”, dizia e praticava. A proclamação chega a ser esplêndida na literatura. Quando acontece na vida vivida, é apenas desgraça.

    É para a desgraça certa que se desenrolam os acontecimentos da política brasileira. Estivesse a crise resumida a quizilas de poder, não haveria razão para desespero, mas ela arrasta para o fogo a segurança material de 200 milhões de almas.

    O problema é como restaurar a responsabilidade dos atores políticos no momento em que o príncipe do nosso sistema, o presidente da República, reduziu-se a figura simbólica. A saída mais rápida seria repactuar forças em torno de Dilma Rousseff, o que no entanto tem sido dificultado pela inapetência da presidente e pela sua proximidade dos vetores desagregadores representados por Lula e pelo PT.

    Não será possível salvar o governo Dilma, o ex-presidente Lula e o PT. Se a presidente continuar conectada ao seu mentor e ao seu partido, ninguém mais chegará perto dela para negociar saídas. O isolamento ficará tão intenso que a renúncia se tornará um recurso de misericórdia.

    Outra opção seria organizar em torno de Michel Temer um governo de fato, fundado na partilha de responsabilidade com grupos dominantes no Congresso. A substância do acordo teria de conter reformas dolorosas nas despesas e nas receitas do Estado, além da “despetização” do Executivo. A um pacto forte assim, Dilma seria obrigada a submeter-se ou cair fora.

    vinicius.mota@grupofolha.com.br

  106. Elias said

    Bom o texto do Diego Viana.

    Destaco:

    I
    “…Assim, na falta das âncoras do que um dia foi o centro, sem ninguém investido de suficiente autoridade moral para, como dizia Fernando Henrique, “administrar o atraso”, o caminho da hegemonia e até, cruz credo, do poder está desimpedido para toda uma malta de fundamentalistas religiosos, saudosos da ditadura, adoradores da truculência policial e qualquer grupelho de desvairados pretensamente politizados, desses cujos cartazes os sensatos – porém órfãos – se comprazem em ironizar, como se esse sarcasmo todo fosse conter a enxurrada do retrocesso.”

    Tirando a literatice do texto estiloso, e indo ao que interessa: quando os políticos profissionais se revelam incapazes de formular alternativas, o ambiente fica pronto para o aventureiro da ocasião.

    É o que eu venho dizendo há um porrilhão de tempo…

    Mas faltou o Diego Viana dizer que esse aventureiro tanto pode ser de direita como de esquerda. E falta dizer, também, qual o potencial porradal de cada hipótese.

    II
    (Sobre o extremismo de direita)
    “…Que está estranhamente misturado a grupos ultra-liberais em economia, composto por jovens incultos que importaram suas ideias de neo-conservadores americanos, já desqualificados em seu próprio país.”

    Só estranho o “estranhamente”…

    No Brasil, nunca foi novidade a extrema direita se misturar aos liberais (e não só aos “ultra”) em economia. E vice-versa… A ponto de — como na fábula de Gorge Orwell (e no roquinho da Yoko Ono) — um simples olhar pela janela ser incapaz de distinguir quem é quem…

  107. Chesterton said

    De Jesus podemos fazer piadas, né? (pondé)
    31/08/2015 02h01
    Compartilhar100
    Ouvir o texto
    Mais opções
    Tem muita gente com medo dos evangélicos. Acho que deve ser trauma de infância. Talvez essa gente tenha sofrido na escola bullying de algum evangélico mais forte ou de alguma evangélica mais bonita.

    A tentativa de criar uma lei multando quem fizesse piada com ícones religiosos (leia-se Jesus) deixou os inteligentinhos com medinho.

    O assunto é sério. Primeiro, deixo claro que sou contra essa lei. E mais: sou contra toda e qualquer forma de proibição sobre o humor. Mas aqui é que a coisa pega. Os inteligentinhos só defendem a liberdade de expressão no que interessa a eles. Por isso, quando reclamam contra essa lei absurda, soa “fake”. Vou explicar o porquê de soar “fake”.

    Óbvio: a falha nos inteligentinhos não é intelectual, mas ética. Sócrates já nos ensinou que o problema do conhecimento é, antes de tudo, ético. Para ele, saber é descobrir a própria ignorância. Quanto mais sei, mas sei que nada sei. É a atitude ética que define o sujeito do conhecimento na maiêutica socrática. Mas voltemos a coisas mais mundanas.

    Lembremos o que muitos inteligentinhos corretinhos falaram quando aconteceu a tragédia do jornal francês “Charlie Hebdo” em janeiro.

    Na época, os bonitinhos disseram coisas como: os cartunistas não respeitaram “o outro”. Adoro excepcionalmente essa coisa do “outro”. Disseram também coisas como: só se pode fazer piadas com opressores. Ao longo dos anos fui percebendo que uma das maiores falhas de caráter hoje em dia, no que se refere ao debate público, é gente que sempre coloca essa coisa de “oprimidos x opressores” quando vai analisar o mundo. Gente séria não usa isso como argumento. Em 200 anos rirão desse argumento. Outros disseram que a função da mídia é proporcionar a vida harmoniosa entre as diferentes culturas.

    Mas, se isso for a missão da mídia (eu não concordo, acho essa ideia uma forma de censura sem vergonha travestida de bom mocismo), então por que proibir piadas com Jesus estaria errado? Por que não se deve “provocar” os muçulmanos, mas pode-se “provocar” os cristãos?

    Quer dizer que piadas com Jesus tá valendo, mas com o profeta não? Claro, o cristianismo é o “opressor” e blablablá. Eis a evidência máxima da incoerência de quem critica piadas com o islamismo, mas acha que tudo bem piadas com o cristianismo.

    Minha hipótese é mais embaixo: bonitinhos são normalmente medrosos e, por isso, têm medo (com uma certa razão) do islamismo, porque essa moçada não vota no PSOL e não “cobra multa” para quem ofender o profeta.

    Há mais um problema a ser analisado nesse assunto. Há anos, inclusive entre nós no Brasil, criou-se a moda de processar humoristas e proibir piadas com X e Y (não vou citar grupos porque a maré não está para peixe).

    Os evangélicos apenas estão aprendendo a se mover no mundinho da censura travestida de “direitos” e “dignidades”. Perceberam que há uma tendência puritana no mundo e estão querendo pegar carona no papinho dos “direitos a dignidade”.

    Quem é contra piadas com X e Y ou quem acha que devemos respeitar os ícones islâmicos não tem moral para se posicionar contra qualquer tentativa de proibir piadas com Jesus. Pelo contrário, deveria ser completamente a favor de qualquer lei que proíba piadas com Jesus.

    Mas aqui surge a última questão: o fato é que os bonitinhos acham legal falar mal do cristianismo porque se movem por meio de argumentos do tipo “piadas só com os opressores”, e, com isso, garantem seu mercado particular de piadas, mas complica o mercado dos outros.

    “Follow the money” sempre é uma boa ideia para descobrir motivações escondidas. Principalmente quando tratamos com gente que trabalha “contra a opressão”.

    Preste atenção numa coisa: quando alguém disser que faz alguma coisa por alguma razão superior a dinheiro, saiba que ela faz o que faz, antes de tudo, por dinheiro. Mesmo que seja apenas para evitar que você ganhe dinheiro.

    Acho uma lástima que a arte, a filosofia e as ciências humanas resolveram “construir um mundo melhor”. A hipocrisia, então, se oferece como virtude. Todos perdemos.

  108. Chesterton said

    Organizações Tabajara
    30/08/2015 02h00
    Compartilhar8,9 mil
    Ouvir o texto
    Mais opções
    BRASÍLIA – Um ex-ministro de Dilma Rousseff costuma chamar seu governo de Organizações Tabajara. Assim como a empresa fictícia do “Casseta & Planeta”, diz ele, o Planalto está sempre bolando alguma ideia mirabolante fadada ao fracasso.

    A ameaça de ressurreição da CPMF foi o novo produto dessa fábrica de trapalhadas. Ao propor o retorno do imposto, o governo voltou a irritar a classe média e, ao mesmo tempo, afugentou empresários que se aventuravam a defender a presidente.

    Na política, as reações também foram desastrosas. A oposição reforçou o discurso de que a sociedade está pagando a conta da crise, e o petismo se recolheu em silêncio envergonhado. O vice Michel Temer, cortejado por conspiradores, ganhou um motivo para se afastar ainda mais de Dilma.

    O tiro no pé poderia ter ser evitado com uma simples avaliação do cenário. Se a CPMF foi derrubada em 2007, quando Lula batia recordes de popularidade, a chance de aprová-la agora seria próxima de zero. Por que gerar tumulto com uma ideia que jamais sairia do papel?

    Nunca antes um governo espalhou tantas cascas de banana na calçada em que pisa. No início da semana, Dilma já havia transformado uma possível boa notícia em armadilha, ao anunciar os cortes na Esplanada.

    Como ela não informou os alvos da navalha, criou-se um novo terremoto na base aliada. Partidos que se estapeavam por cargos de segundo escalão agora estão em pânico com a ameaça de perder ministérios.

    Na sexta, um ministro petista lamentava a sucessão de trombadas: “Estávamos saindo da mira, mas terminamos a semana com todos os canhões apontados para nós”.

    Na noite de sábado, o governo se rendeu ao óbvio e desistiu da ideia funesta de retomar a CPMF. Mesmo assim, Dilma será criticada pelo recuo. Sua política econômica voltou à roleta do improviso, e o buraco nas contas públicas continua aberto. As Organizações Tabajara não fariam pior.

    (o filho do Afranio)

  109. Elias said

    Um babaca que vem a público proclamar sua condição de “milionário”, é mesmo um consumado idiota…

    Diz a sabedoria popular: “quem sai aos seus não degenera…”.

    No Brasil, a direita jamais se reivindica “de direita”, as elites nunca se dizem elites, e os muito ricos de nenhum modo admitem que sejam pelo menos ricos…

    O trouxa que vem a público, proclamar, orgulhoso e gabola, sua condição de “milionário”, não é só um imbecil, portanto…

    É, também — e por definição! — um degenerado!

    Burrim… Burrim… Burrim…

  110. Chesterton said

    Elias: quack, quack….. você é pato.

  111. Chesterton said

    Ganhei uma grana apostando contra o Mantega…..aconselhado por profissionais….

    (quack, quack….vai cantando)

  112. Elias said

    Outro lanmce a destacar, no textop do Diego Viana,é quando e como ele se refere à hidrelétrica de Belo Monte.

    O que pode ser proposto em substituição?

    FHC, por exemplo, não construiu hidrelétricas.

    Mas, qual a consequência disso? Um monumental apagão, um consumo de petróleo altíssimo, e um endividamento externo cuja amortização e serviços garfava mais de 60% do orçamento federal (o que revela uma estranhíssima “responsabilidade fiscal”, né mesmo?).

    Por outro lado, hidrelétricas “a fio d´água”, como as do Rio Madeira (Sto.Antônio e Jirau, construídas no governo Lula), renderam elogios de ecologistas, mas, logo em seus primeiros anos de vida, mostraram sua debilidade. Uma barragem baixa não suporta as cheias de rios como o Madeira (cuja entrada no Rio Amazonas é que dá a este a condição de “rio-mar”).

    Vai daí que não só o funcionamento das hidrelétricas teve que ser interrompido, como viveu-se a expectativa de uma capital brasileira simplesmente sumir do mapa, debaixo deuma lâmina d´água de algumas dezenas de metros de espessura…

    Esse é o tipo da coisa que não pode ser ignorada ou esquecida, né? (Até porque aconteceu há tão pouco tempo…).

    Uma barragem como a de Belo Monte (será que vai ser só uma, mesmo?) alaga mais. Um prato feito pra quem quer trombetear o “ecocídio”.

    Mas, será pior do que abrir mão da energia que ela vai gerar? Ou será melhor partir para centrais nucleares?

    Se a resposta indicar a preferência por hidrelétricas, o que seria mais seguro: Belo Monte e seu(s) lago(s) ou Sto. Antônio eJirau?

    Sei lá…

  113. Elias said

    “Ganhei uma grana apostando contra o Mantega…..aconselhado por profissionais….” (Chester, mentirinha)

    Foi mesmo? Vendendo PETR4 quando ela despencou, e perdendo a recuperação de mais de 30% logo em seguida?

    Deixa de ser mentiroso, Chester!

    A quem tu pensas que estás enganando?

    Tu não tens grana pra comprar PETR diretamente.

    Qem tem pouca grana, investe em fundos.

    E não existe fundo monomaníaco! Principalmente no Brasil… Fundo trabalha com “cestas”.

    Se tu vais, mesmo, continuar mentindo, aprende a contar mentiras mais inteligentes.

    Pede ajuda porteiro do teu prédio,burrim…

    Burrim… Burrim… Burrim…

  114. Daise 10.0 said

  115. Chesterton said

    113… ai, ai, ai, não aprende nada

    Canta comigo: ” Lá vem o pato, patati patacolá….”

  116. Chesterton said

    http://oglobo.globo.com/economia/mais-pobres-sao-os-mais-afetados-por-recessao-17354752

    chesto votaram na Dilma….

  117. Pedro said

    # 115

    Agora vão cantar juntos?

    É a nova dupla milionário e zé rico?

    :-)

  118. Jose Mario HRP said

    Gilmar o “enviadoo” do PSDB vai passar por cima do pedido de arquivamento do Jannot!?
    Comas contas já aprovadas?
    E as doações das mesmas empreiteiras para o DEM, PSDB, PPS e outras casas de caboclo/e ou outras arapucas de direita??????

  119. Daise 10.0 said

  120. Chesterton said

    117, Milionário e Pato Manco….

  121. Chesterton said

    mais uma homenagem ao Elias…

  122. Pedro said

    José Dirceu fica calado por 3 horas em CPI e vence campeonato de Vaca Amarela

    Ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, provou ser um exímio jogador. Além de ser campeão de “Rouba Monte” e “Xadrez”, nesta manhã, após ficar calado por 3 horas em sessão de CPI, Dirceu venceu também o Campeonato de Vaca Amarela.

    O advogado de José Dirceu disse que atualmente, esse é o jogo mais popular entre os membros do partido. “Ao contrário de outros jogos que viciam, como o “Delação Premiada”, o campeonato de Vaca Amarela não prejudica ninguém”, complementou.

    http://sensacionalista.uol.com.br/2015/08/31/jose-dirceu-fica-calado-por-3-horas-em-cpi-e-vence-campeonato-de-vaca-amarela/

  123. Chesterton said

    Dilma triplicou a meta de quebrar o BrasilPetista cobra da população o rombo bilionário deixado pela campanha mais suja da história

    Por: Felipe Moura Brasil 31/08/2015 às 20:56

    Dilma Rousseff mentia em campanha dizendo que FHC quebrou o Brasil três vezes. Para superá-lo, Dilma quebrou o Brasil de uma só vez.
    A previsão de rombo de R$ 30,5 bilhões nas contas públicas em 2016 mostra que o governo que diz procurar a austeridade fiscal (o rigor teórico no controle de gastos) não a encontra nem em seus 39 ministérios, o que ainda pode levar as agências de classificação de risco a cortar o grau de investimento no país.
    A previsão de arrecadação é de 1,18 trilhão de reais com os nossos impostos, mas as despesas devem chegar a 1,21 trilhão de reais, de modo que o déficit orçamentário decorre justamente da recusa do governo em cortar gastos – não da queda de receita.
    Que importa?
    Embora o vice-presidente Michel Temer tenha defendido diante de uma plateia de empresários o corte de gastos do governo, Dilma insiste em cobrar dos brasileiros a conta, por meio de uma reforma tributária “ampla e estruturante”.
    Segundo a Folha, “haverá revisão da desoneração de PIS/Cofins para computadores, tablets e smarphones, mudança no IOF sobre operações de crédito do BNDES, revisão da tributação de bebidas quentes (como vinhos e destilados) e revisão do Imposto de Renda sobre direitos de imagem” – mudanças que devem render R$ 11,2 bilhões aos cofres públicos.
    Outros R$ 10 bilhões virão da concessões de portos, aeroportos e rodovias; e mais R$ 27,3 bilhões em operações com ativos. Até a CPMF, da qual Dilma supostamente desistiu após a repercussão negativa da ideia, ainda poderá voltar sorrateiramente.
    Tudo para cobrir as pedaladas fiscais e os contingenciamentos da campanha mais suja de todos os tempos, quando a petista atrasou repasses obrigatórios a bancos públicos e privados para fingir que tinha mais dinheiro em caixa do que realmente tinha.
    O governo “fez qualquer coisa para vencer as eleições”, disse o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE).
    “É uma irresponsabilidade fiscal que foi praticada com fins eleitorais e que hoje produz uma situação grave do ponto de vista do desequilíbrio nas contas públicas”, disse o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE).
    “Hoje estamos assistindo ao definitivo atestado de incompetência desse governo que, ao gastar de forma perdulária e irresponsável para vencer as eleições, não consegue fazer o que é essencial”, disse o senador Aécio Neves (PSDB-MG). “O Brasil está hoje em recessão técnica, com dois trimestres consecutivos de crescimento negativo. Já anunciávamos e alertávamos para esse risco durante o processo eleitoral, mas a resposta do governo foi um desdém absoluto em relação a essa questão. Não tomaram as providências que deveriam ter sido tomadas para minimizar, pelo menos para uma parcela da população, os efeitos gravíssimos que hoje ela sofre. Lamentavelmente, temos que afirmar que o Brasil não tem mais governo”, concluiu o tucano.

  124. Chesterton said

    Põ, Pedro, me venceu por segundos…. (122)

  125. Pedro said

    Vou exigir adicional de agilidade. :-)

  126. Daise 10.0 said

  127. Chesterton said

    para o Elias não ficar “di-mal”…

    Quality, Not Quantity
    The commanding officer at the Russian military academy (the equivalent of a 4-star general in the U.S.) gave a lecture on Potential Problems and Military Strategy. At the end of the lecture, he asked if there were any questions.
    An officer stood up and asked, “Will there be a third world war? And will Russia take part in it?”
    The general answered both questions in the affirmative.
    Another officer asked, “Who will be the enemy?”
    The general replied, “All indications point to China.”
    Everyone in the audience was shocked. A third officer remarked, “General, we are a nation of only 150 million, compared to the 1.5 billion Chinese. Can we win at all, or even survive?”
    The general answered, “Just think about this for a moment: In modern warfare, it is not the quantity of soldiers that matters but the quality of an army’s capabilities. For example, in the Middle East we have had a few wars recently where 5 million Jews fought against 150 million Arabs, and Israel was always victorious.”
    After a small pause, yet another officer – from the back of the auditorium asked, “Do we have enough Jews?”

  128. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/noticia/economia/setor-de-servicos-encolhe-pela-1-vez-desde-1990-estimam-economistas?utm_source=redesabril_veja&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_veja&utm_content=feed&

    chest- não, não é culpa da Dilma.

  129. Chesterton said

    126…se ela quebrou uma lojinha de 1,99…..

  130. Daise 10.0 said

    HOMO LUSCUS

  131. Daise 10.0 said

  132. Daise 10.0 said

  133. Chesterton said

    A dificuldade é que, para costurar um pacto, é preciso que existam lideranças políticas e, no momento, este é um produto em falta. O presidente da República, que seria a figura natural a quem recorrer em situações como essa, é Dilma Rousseff, que é a principal responsável pela crise –e isso não lhe confere muita credibilidade para liderar o processo. Para agravar o quadro, sempre que as coisas parecem melhorar um pouquinho para seu lado, ela comete um erro político que volta a alijá-la.

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2015/09/1676157-produto-em-falta.shtml

  134. Chesterton said

  135. Daise 10.0 said

  136. Guatambu said

    A estratégia de queimar Levy está funcionando bem.

    De quebra está queimando o Tombini também…

    O Lula já recuou: de uma candidatura certa passou para “se for necessário”. Ele sabe que ele é totalmente desnecessário.

    Mas desnecessária mesmo é a Dilma.

    Para o Lula conseguir se candidatar com sucesso, não basta atacar o Levy, teria que criticar a Dilma.

    Lula vai mesmo é ficar em casa.

  137. familiabopp said

    a única coisa que segura Dilma é o apego ao cargo……dos petistas nos escalões inferiores.

  138. Pedro said

    Pois é, a coisa só piora

    http://www.valor.com.br/opiniao/4203906/congresso-tera-de-achar-saida-para-o-rombo-do-orcamento

    Esperar que o congresso resolva a encrenca, é uma piada.

  139. Pedro said

    Até o Patriarca abandonou a Dilma.

    Imagina a deputadaiada.

  140. Chesterton said

    A presidente mais estúpida da história

    Economia 31.08.15 07:29

    A CPMF durou um dia.

    Vamos ver quanto tempo vai durar o reconhecimento de que o Brasil terá déficit primário em 2016.

    Segundo O Globo, o “Planalto acha que expor o rombo terá um efeito pedagógico entre os parlamentares”.

    Se até ontem Dilma Rousseff e Joaquim Levy atribuíam o rombo fiscal de 2015 ao Congresso Nacional, agora eles contam com esse mesmo Congresso Nacional para tapar o rombo de 2016.

    Eduardo Cunha está rindo à toa.

    Dilma Rousseff é a presidente mais estúpida da história do Brasil.

    Espera-se ao menos que essa calamidade tenha um “efeito pedagógico” entre os eleitores.

    http://www.oantagonista.com/posts/a-presidente-mais-estupida-da-historia

  141. Chesterton said

    Parece que todo mundo abandonou a Dilma….

  142. Chesterton said

    Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT, vai entrar com um pedido de impeachment contra Dilma Rousseff.

    Falta um Ulysses? Não importa, temos Bicudo.

  143. Chesterton said

    do Anta….gonista.

  144. Daise 10.0 said


    O Estado quebrou
    O flerte eleitoral com a irresponsabilidade fiscal levou à quebra do Estado. Despesas floresceram numa etapa de receita declinante. No Tesouro sobram faturas pendentes

    01/09/2015 – 15h02
    José Casado, O Globo

    Na sexta-feira 17 de janeiro do ano eleitoral de 2014 chegou uma carta ao escritório dos procuradores federais que atuam no Tribunal de Contas da União, em Brasília. Cinco páginas descreviam detalhes dos “truques e maquiagens” usados pelo governo Dilma Rousseff para fechar o Orçamento com superávit.

    Advertiam: a “contabilidade criativa” corroía a confiança de investidores na estabilidade da economia. Eles exigiam remuneração cada vez mais elevada para comprar os títulos governamentais, que sustentavam o endividamento em espiral do setor público.

    Foi a primeira denúncia formal das pedaladas fiscais.

    Passaram-se 19 meses e 13 dias.

    Dilma jogou a toalha, ontem. Confessou má gerência ao apresentar uma exuberante meta de déficit de R$ 30,5 bilhões no Orçamento da União para 2016. O vice Michel Temer gastou o dia recitando pecados compartilhados, e até imolando-se em lamento de impotência diante de uma plateia de empresários paulistas: “Nem eu nem o governo temos uma estratégia”.

    Cinco quilômetros ao sul do Palácio do Planalto, numa casa simples em Brasília, quatro pessoas passaram o dia em reunião. Compõem o efetivo da organização não governamental Contas Abertas. Ela não recebe dinheiro público, mantém uma página na internet sobre transparência orçamentária e tenta sobreviver com esquálida receita de pesquisas (R$ 48 mil mensais) inferior à remuneração de assessor ministerial com jeton de conselho de empresa estatal.

    Foram esses integrantes do Contas Abertas que, no verão da reeleição presidencial, pesquisaram, revelaram e denunciaram, por escrito, as consequências das pedaladas do governo Dilma. Viram com olhos de ver o Orçamento, enquanto nas universidades, bancos e consultorias a maioria dos economistas se mantinha crédula, genuflexa e cegamente viciada na interpretação de boletins do Banco Central.

    A linguagem do BC é sempre dogmática, propositalmente cifrada para permitir múltiplas e variadas possibilidades de escolhas. Suas publicações costumam torturar até fazer gritar o idioma. Em geral, incitam à construção de uma espécie de teologia da economia brasileira.

    Desta vez, o Banco Central resolveu omitir. Manteve um volume crescente de bilhões de reais em passivos da União fora dos registros sobre a dívida pública. Ocultou, deliberadamente, o rombo nas contas federais.

    O Tribunal de Contas comprovou, depois de 17 meses de auditoria sobre as pedaladas provocada pela Contas Abertas: “O BC deixou à margem de suas estatísticas passivos da União que, de acordo com os seus próprios critérios, deveriam compor a dívida líquida do setor público.” E assim, concluiu, “faltou com a diligência e transparência esperada no desempenho de suas atribuições”.

    O flerte eleitoral com a irresponsabilidade fiscal levou à quebra do Estado. Despesas floresceram numa etapa de receita declinante. No Tesouro sobram faturas pendentes.

    Uma delas (“restos a pagar”) é de R$ 227 bilhões — sete vezes mais que a meta de déficit para 2016. Outras são mais recentes, como o aumento (21,3%) para todo o funcionalismo.

    Devem resultar em aumento de carga tributária, com peso maior para os pobres, dependentes de serviços públicos cada vez mais precários e frequentemente indisponíveis, por sucessivas greves

  145. Daise 10.0 said

    A MULHER ROMBO !

  146. Daise 10.0 said

  147. Daise 10.0 said

  148. Daise 10.0 said

    Bicudo: “Golpe será permitir que o estado de coisas vigente se perpetue”

    Brasil 01.09.15 16:16
    O pedido de impeachment elaborado por Hélio Bicudo é o primeiro a abordar todos os ilícitos cometidos por Dilma Rousseff.
    É uma peça que alcança também, sem meias-palavras, o criador da criatura — Lula. Para Hélio Bicudo, “de fato, antes de o candidato do PT para a eleição de 2014 estar definido, quando perguntada acerca da possibilidade de o ex- Presidente voltar, a atual Presidente respondeu que ele (Lula) não iria voltar porque nunca havia saído, frisando que ambos seriam indissociáveis . Ora, se a Presidente era (e é) indissociável de Lula, muito provavelmente, sabia que ele estava viajando o mundo por conta da Construtora Odebrecht, que coincidentemente sagrou-se vencedora para realizar muitas obras públicas, no Brasil e no exterior!”

    A seguir, destacamos os pontos principais:

    Lava Jato

    “Para a infelicidade do país, os prejuízos havidos com Pasadena ficaram pequenos diante do quadro de descalabro que se descortinou. Reforça-se, a cada dia, a convicção de que algumas empresas foram escolhidas para serem promovidas internacionalmente e, a partir de então, participando de irreais licitações, drenar a estatal, devolvendo grande parte dos valores por meio de propinas, ou de doações aparentemente lícitas.”

    Lula e Dilma

    “Não há mais como negar que o ex- Presidente se transformou em verdadeiro operador da empreiteira, intermediando seus negócios junto a órgãos públicos, em troca de pagamentos milionários por supostas palestras, dentre outras vantagens econômicas. (…) Os contornos de crime de responsabilidade ficam mais salientes, quando se verifica que Lula é muito mais do que um ex- Presidente, mas alguém que, segundo a própria denunciada, lhe é indissociável e NUNCA SAIU DO PODER. De fato, antes de o candidato do PT para a eleição de 2014 estar definido, quando perguntada acerca da possibilidade de o ex- Presidente voltar, a atual Presidente respondeu que ele (Lula) não iria voltar porque nunca havia saído, frisando que ambos seriam indissociáveis . Ora, se a Presidente era (e é) indissociável de Lula, muito provavelmente, sabia que ele estava viajando o mundo por conta da Construtora Odebrecht, que coincidentemente sagrou-se vencedora para realizar muitas obras públicas, no Brasil e no exterior!”

    Medida constitucional

    “O caso é grave e, por isso, lança-se mão de medida drástica, extrema, porém, CONSTITUCIONAL. Apresentar esta denúncia constitui verdadeiro dever de quem estudou minimamente o Direito, sobretudo em seus ramos Constitucional, Administrativo e Penal. Golpe será permitir que o estado de coisas vigente se perpetue.”

    Rodrigo Janot

    “Parte dos fatos objeto do presente feito pode constituir, além de crimes de responsabilidade, crimes comuns. A Procuradoria Geral da República já está de posse de representação pelos crimes comuns contrários à fé pública e às finanças públicas. Por razões desconhecidas dos ora subscritores, a representação ainda não foi avaliada pelo Procurador Geral da República, Dr. Rodrigo Janot, recém-reconduzido ao cargo. (…) A esta altura, portanto, parece superada a exegese de que a reeleição constituiria verdadeira anistia aos crimes perpetrados no primeiro mandato, muitos dos quais, há que se dizer, intentados com o fim de garantir a reeleição. Importante deixar bem claro que esta convicção não se deve apenas a uma vontade política, decorrendo da análise sistemática da ordem jurídica.”

    Pedaladas 2015

    “De todo modo, não resta excessivo lembrar que, muito embora a grande maioria dos atos criminosos tenha ocorrido no primeiro mandato, já no curso do segundo mandato, houve desrespeito para com a Lei de Responsabilidade Fiscal, mediante a prática das chamadas pedaladas fiscais; sendo certo que, por um bom tempo, a denunciada insistiu em defender e manter a diretoria da Petrobras, apegando-se à tese, sempre revisitada, de perseguição.”

    Assassinato da LRF

    “A Presidente da República, novamente, feriu a honorabilidade do cargo e, pode-se, sem exagero, dizer: assassinou a Lei de Responsabilidade Fiscal, a duras penas conquistada. Como consequência, cometeu crime de responsabilidade (…)Os atentados ao orçamento e à probidade administrativa são tantos que resta impossível, em uma única denúncia, narrar todos (…) O expediente conhecido por pedaladas seria mais do que suficiente para ensejar o impedimento da Presidente da República. No entanto, a sucessão de escândalos e o comportamento por ela reiteradamente adotado revelam dolo, consubstanciado na adoção, no mínimo, da chamada cegueira deliberada.”

    Pedido

    “Os ora denunciantes, por óbvio, prefeririam que a Presidente da República tivesse condições de levar seu mandato a termo. No entanto, a situação se revela tão drástica e o comportamento da Chefe da nação se revela tão inadmissível, que alternativa não resta além de pedir a esta Câmara dos Deputados que autorize seja ela processada pelos crimes de responsabilidade previstos no artigo 85, incisos V, VI e VII, da Constituição Federal; nos artigos 4º., incisos V e VI; 9º. números 3 e 7; 10 números 6, 7, 8 e 9; e 11, número 3, da Lei 1.079/1950.”

  149. Daise 10.0 said

    Renan : o novo ministro da economia

  150. Daise 10.0 said

    José Dirceu e os 13 indiciados

    Brasil 01.09.15 18:34
    Relatório indica que o esquema comandado por José Dirceu pode ter movimentado mais de R$ 84 milhões.
    Até a filha de Dirceu entrou no rolo.
    Veja a lista de 13 indiciados pela PF com o ex-ministro na operação Pixuleco.

    . José Dirceu de Oliveira

    . Luiz Eduardo de Oliveira (irmão)

    . Roberto (Bob) Marques (ex-assessor)

    . Júlio Cesar dos Santos (ex-sócio)

    . Milton Pascowitch (operador da Engevix)

    . José Adolfo Pascowitch (irmão e sócio de Milton)

    . Fernando Antonio Horneaux de Moura (lobista)

    . Olavo Horneaux de Moura (irmão e sócio de Fernando)

    . Camila Ramos de Oliveira (filha de Dirceu)

    . Renato Duque (ex-diretor de Serviços da Petrobras)

    . João Vaccari Neto (ex-tesoureiro do PT)

    . Gerson Almada (ex-VP da Engevix)

    . Cristiano Kok (ex-presidente do Conselho da Engevix)

    . José Antunes Sobrinho (ex-presidente da Engevix)

  151. Daise 10.0 said

    Depois de dar aulas ao STE sobre como deve se comportar…ele recebe um justa homenagem :

  152. Daise 10.0 said

    JD Consultoria era para pagar ‘blogs sujos’

    Brasil 01.09.15 18:49
    A Polícia Federal concluiu que os recursos desviados da Petrobras para a JD Consultoria foram usados para pagamento de empregados, despesas de filhos e ex-mulheres, assim como TODA A “GUERRILHA” MIDIÁTICA À ÉPOCA DO JULGAMENTO DO MENSALÃO que visava desqualificar as autoridades.

    Um exemplo claro para a PF foi o site Brasil 247, de Leonardo Attuch, que recebeu R$ 120 mil.
    A única atividade desenvolvida pela JD foi “albergar uma esquadra de jornalistas voltados a polir a imagem do ora investigado e seu grupo político”.

  153. Daise 10.0 said

    Alvo de investigações da Lava Jato, Renan prestou depoimento à PF

    e é o novo ministro da economia da dilma.
    Levy já pediu demissão. Semanas atrás.
    Dilma segura porque não tem quadros competentes.
    Só barnabés tipo “merrecadantes”, elias, o judeu burro e patriarcas da punheta ideológica.

    Sugestão: Delata a corrupção toda, põe o bravateiro homo lusco na cadeia e por dignidade pessoal, renuncie…

  154. Chesterton said

    A Polícia Federal concluiu que os recursos desviados da Petrobras para a JD Consultoria foram usados para pagamento de empregados, despesas de filhos e ex-mulheres, assim como TODA A “GUERRILHA” MIDIÁTICA À ÉPOCA DO JULGAMENTO DO MENSALÃO que visava desqualificar as autoridades.

    Um exemplo claro para a PF foi o site Brasil 247, de Leonardo Attuch, que recebeu R$ 120 mil. A única atividade desenvolvida pela JD foi “albergar uma esquadra de jornalistas voltados a polir a imagem do ora investigado e seu grupo político”.

    http://www.oantagonista.com/posts/jd-consultoria-serviu-apenas-para-pagar-sites-e-blogs-sujos

  155. Chesterton said

    Da atriz Mônica Fraga, no face, sobre o lance dantesco de ontem na CPI da Petrobras, tocada pela petelândia para acabar em pizza:

    “A Maria Limão Azedo do Rosário é tão cara de pau, mas tão cara de pau, que foi defender, na CPI da Petrobras, o mensaleiro condenado, enquanto os outros deputados faziam perguntas pertinentes para esclarecimentos dos ilícitos dentro da empresa, embora nenhuma delas tenha sido respondida. Perguntou-se inclusive se ele era líder de organização criminosa, mas a amiguinha de partido estava presente apenas como advogada de defesa de José Dirceu. Que feio, eu teria vergonha”.

  156. Chesterton said

    INDICIADOS:
    1. JOSE DIRCEU DE OLIVEIRA E SILVA;
    2. LUIZ EDUARDO DE OLIVEIRA E SILVA;
    3. ROBERTO MARQUES;
    4. JULIO CESAR DOS SANTOS;
    5. MILTON PASCOWITCH;
    6. JOSÉ ADOLFO PASCOWITCH;
    7. FERNANDO ANTONIO GUIMARAES HORNEAUX DE
    MOURA;
    8. OLAVO HORNEAUX DE MOURA FILHO;
    9. CAMILA RAMOS DE OLIVEIRA E SILVA;
    10. RENATO DE SOUZA DUQUE;
    11. JOÃO VACCARI NETO;
    12. GERSON DE MELO ALMADA;
    13. CRISTIANO KOK
    14. JOSE ANTUNES SOBRINHO

  157. Chesterton said

    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/opiniao-2/merval-pereira-nunca-antes/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+augustonunes+%28Augusto+Nunes%29

  158. Chesterton said

    http://www.oantagonista.com/posts/bicudo-golpe-sera-permitir-que-o-estado-de-coisas-vigente-se-perpetue

    chest- esse cara pelomenos tenta limpar a merda que fez, fundando esse partido fascista que é o PT.

  159. Chesterton said

    O ministro Gilmar Mendes acaba de responder ao parecer de Rodrigo Janot solicitando a reanálise do caso VTPB. O Antagonista foi informado que Mendes teve o apoio da maioria dos ministros do TSE, inclusive de Dias Toffoli.

    Em seu despacho, o ministro atacou as “impropriedades do arquivamento” de Janot, especialmente “negativa de investigação” por parte do procurador-geral.

    Mais informações em instantes.

  160. Chesterton said

  161. Daise 10.0 said


    Líder do PT afirma ao TCU que se Dilma cometeu crimes em 2012 e 2013 também tinha direito de cometer em 2014. Isso é a cara do PT corrupto!

    José Pimentel, o mais bem acabado exemplo do corrupto petista. Para ele, se o TCU não julgou os crimes de Dilma em 2012 e 2013, não deveria julgar em 2014. Dilma teria direito adquirido em cometer pedaladas fiscais.

    (Folha) O procurador do Ministério Público no TCU (Tribunal de Contas da União), Julio Marcelo de Oliveira, afirmou que a presidente Dilma Rousseff se beneficiou eleitoralmente das irregularidades nos gastos públicos identificadas pelo órgão no ano passado.

    Oliveira está prestando depoimento com outros técnicos do tribunal à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado para explicar a decisão de pedir explicações ao governo sobre esses atos, não aprovando assim as contas de gestão da presidente Dilma em 2014.

    “O governo deixou livre para execução despesas não obrigatórias, que teria que cortar [devido à queda na arrecadação]. O que ocorre em 2014 é que o governo federal aumenta programas não obrigatórios que têm forte impacto eleitoral”, disse o procurador.

    Ele citou que os gastos do Fies, programa de bolsas para universitários, aumentaram de R$ 5 bilhões para R$ 12 bilhões, lembrando que isso só foi possível por causa das irregularidades apontadas, que ficaram conhecidas como “pedaladas fiscais”.

    O procurador lembrou que a Lei de Responsabilidade Fiscal tem preocupação específica com o ano eleitoral porque foi criada para acabar com a “farra” de gastos públicos que ocorria nesses anos, levando a prejuízos para toda a sociedade.

    FANTASIA
    Segundo ele, o governo já sabia desde o início do ano que não teria recursos para seus programas e, só após o período eleitoral, fez cortes de despesas. “Até agosto, o governo não se comportou de maneira coerente com a realidade. Viveu uma fantasia. Após a eleição, veio a realidade”, disse Oliveira.

    Segundo o procurador, o dolo, que seria a culpa da presidente, “grita nos autos” devido ao fato do governo ter aumentado despesas até agosto e mantido a informação que faria um superavit fiscal de R$ 80 bilhões e, após o fim das eleições, informa que terá um déficit de R$ 20 bilhões.

    “Essa mudança de panorama de agosto para outubro, na opinião do ministério público, caracteriza um dolo evidente de manifestar uma situação fiscal irreal no período pré-eleitoral e só trazer a realidade após o período eleitoral”, afirmou o procurador.

    15 IRREGULARIDADES
    Os representantes do TCU explicaram aos senadores quais são as 15 irregularidades que foram apontadas pelo tribunal nas contas de 2014 e que a presidente Dilma terá que apresentar defesa. Caso os ministros do tribunal entendam que ela não cumpriu itens das leis de Responsabilidade Fiscal e Orçamentária e da Constituição, as contas poderão ser reprovadas, reforçando a corrente que defende o impeachment da presidente no Congresso, que dará a palavra final sobre as contas públicas.

    O procurador também fez questão de contestar perguntas do senador Fernando Bezerra (PSB-PE) de que o uso dos bancos públicos para pagar despesas é prática comum e antiga. Segundo ele, jamais os saldos do governo com os bancos públicos para pagar despesas do governo ficaram por praticamente um ano, diariamente, deficitários.

    O senador José Pimentel (PT-CE) contestou o procurador e lembrou que o TCU referendou contas de 2012 e 2013 com as mesmas irregularidades apontadas nas contas de 2014. Oliveira informou que, pelo fato de não ter sido contestado antes, não há razão para o TCU não fiscalizar as contas.

  162. Daise 10.0 said

    Elio Gaspari

    Levy saiu do prazo da garantia
    A questão agora é saber se ele ou a sua relação com a doutora Dilma estourarão também o prazo de validade

    O Joaquim Levy “mãos de tesoura” não existe mais. Havia algo de fantasia na figura do banqueiro sorridente e severo que daria um novo rumo ao desastre econômico produzido pela doutora Dilma. Ele parecia o tal porque todo ministro da Fazenda que entra é o imperador Napoleão chegando a Moscou. Quando as coisas dão errado, a menos que vá embora porque não aguenta mais, sai como o general Bonaparte, ferrado, voltando para Paris.

    Levy saiu do prazo de garantia. Não é mais o que seria, mas, na verdade, nunca chegou a sê-lo. Resta saber qual o prazo que lhe resta para sair do prazo de validade. Guido Mantega, seu antecessor, nunca teve certificado de garantia ou de validade e tornou-se o primeiro caso de ministro apreendido, publicamente dispensado em setembro para deixar o cargo em janeiro.

    Levy sempre foi um estranho no “bunker” dos comissários. O que ninguém esperava é que fritassem a gestão da economia com episódios vulgares. O senador Renan Calheiros, genericamente abençoado pelo Planalto, propôs cobrar o atendimento no SUS. Dois dias depois, desistiu. O ministro Nelson Barbosa soltou a ideia do retorno da CPMF. Durou dois dias e o recuo se deu enquanto Levy defendia a medida numa palestra em Campos de Jordão. Nesse episódio encapsula-se algo maior. Faltou alguém que lhe mandasse ao menos um tuíte: “Saltamos da CPMF”.

    Coisas desse tipo só acontecem quando outras coisas já aconteceram. Mandar ao Congresso um Orçamento prevendo um deficit de R$ 30,5 bilhões sem dizer mais nada é uma cenografia irresponsável. O que o governo chama de uma peça realista e transparente significa apenas que parou de mentir.

    Se um presidente e seu ministro da Fazenda caminham na mesma direção, as coisas podem funcionar. Isso sucedeu com Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, ou com FHC e Pedro Malan. Dilma e Guido Mantega mostraram que essa regra é falível, pois formaram uma inédita dupla de fracasso. Quando caminham em direções diferentes, não há a menor chance de dar certo.

    Levy já se deu conta de que se meteu numa encrenca. Tendo perdido a garantia, fica diante do risco de uma característica dos ministros com validade vencida. Quando ela caduca, a iniciativa de ir embora sai das suas mãos. Transformado em lenço de papel, acaba voltando para casa e seu sucessor é homenageado pela Fiesp, com direito a um jantar no Alvorada com os empresários habituais.

    Entre esses dois momentos, todos os ministros vivem num dilema. Percebem que chegou a hora de ir embora, mas temem que isso piore a situação do país, o que nem sempre é verdade. A maioria fica e pioram os dois.

    Assim como Dilma nunca se associou à Operação Lava Jato (“não respeito delator”) ela nunca se associou a Levy. De certa maneira, nem ele a ela. Contudo, adotou o mantra roussefiano da “crise transitória”. Isso não quer dizer nada, pois tudo é transitório, inclusive os dois e até mesmo a rainha Elizabeth 2ª.

    As pedaladas retóricas em que se meteram Dilma e Levy colocam o país diante de um retorno ao pesadelo que foi a Década Perdida. Não se sabe direito quando ela começou, mas terminou em 1993 quando o presidente Itamar Franco botou Fernando Henrique Cardoso no ministério da Fazenda e os dois andaram juntos.

  163. Daise 10.0 said

    O TAMANHO DO ROMBO

  164. Daise 10.0 said

    O ministro da Saúde, Arthur Chioro, marcou reunião com deputados nesta quarta-feira para tratar do financiamento da área. A agenda foi vista como sinal de que o governo não abandonou totalmente a ideia de um substituto à CPMF.(Painel FSP)

  165. Daise 10.0 said

    ORÇAMENTO DEFICITÁRIO

  166. Chesterton said

    Juiz condena Odebrecht por trabalho escravo e tráfico de pessoas em Angola
    João Fellet – @joaofellet
    Da BBC Brasil em Washington

    http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150831_odebrecht_angola_condenacao_pai_jf.shtml?ocid=socialflow_facebook

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: