políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Delcídio do Amaral na cadeia

Posted by Pax em 25/11/2015

O senador Delcídio do Amaral, líder do PT no Senado, está preso. Ele e o banqueiro André Esteves.

São acusados de obstruir a justiça oferecendo mesada e plano de fuga do país para o delator Nestor Cerveró da Operação Lava Jato.

O banqueiro, cabe lembrar, pagou as passagens e hotel de luxo para a lua de mel de Aécio Neves, senador e presidente do PSDB,  em 2012.

Leia aqui, na Folha de São Paulo.

Anúncios

51 Respostas to “Delcídio do Amaral na cadeia”

  1. Elias said

    O Delcídio já estava bichado há muito tempo.

    Mesmo assim, assumiu a liderança do governo.

    Que coisa…!

  2. Elias said

    Guatambu,

    A quase unanimidade das grandes consultorias econômicas diz que as maiores economias do planeta voltam a crescer em 2016. Das 12 gigantes, só o Brasil vai registrar PIB negativo.

    Se tem alguém entre o pessoal que conta, discordando disso, tá fazendo questão de manter o bico bem fechado.

    Neste momento, das 12 gigantes, só o Brasil continua adotando política recessiva. As demais 11 estão tocando políticas francamente expansivas.

    O Brasil está na condição daquela mãe que vai ver a parada militar e sentencia: “Tá todo mundo marchando errado… Só meu filho marcha certo!”

  3. Elias said

    E o “Programa de Proteção ao Emprego” da Dilma virou lei, sancionada na semana passada.

    É um programa direcionado a grandes empregadores que usam mão-de-obra especializada.

    Quando esses grandes empregadores demitem, por turbulências na economia, eles perdem mão-de-obra especializada. Mais a frente, a reposição dessa mão-de-obra custa uma grana braba (em treinamentos, aliciamentos, etc.). Por isso, às vezes eles preferem manter os operários mais especializados, mesmo sem produzir ou subproduzindo, custe o que custar, desde que seja por pouco tempo. E tome de antecipação de férias…!

    O programa da Dilma, que agora é lei, já estava em vigor, à força de Medida Provisória. Ele permite a redução da jornada de trabalho, com redução provisória de até 30% do salário do empregado. O governo usa recursos do FAT pra bancar até metade da redução (a outra metade sai do bolso do empregado, mesmo, que sacrifica os dedos pra não perder o braço…).

    No Congresso, o prazo de adesão ao programa foi ampliado de 31/DEZ/2015 para 31/DEZ/2016, mantendo-se o prazo de 2 anos para permanência da empresa no programa, que, por isso, ficará no ar até dezembro de 2018.

    A Dilma sancionou a lei sem veto.

    Isso tudo significa o seguinte:

    1 – O governo reconhece que tão cedo o Brasil não verá nem sombra de retomada do emprego (diferentemente do ocorrido no governo Lula, que, em 2008/2009, no auge da crise mundial, gerou até 2 milhões de postos de trabalho por ano…). Agora, pelo contrário, governo continuará apertando o garrote vil no pescoço das empresas.

    2 – Metade do custo do paliativo montado para as grandes empresas sairá das burras do Estado, só que pelo desvio (literalmente desvio, mesmo…) de um Fundo, ou seja, sem afetar formalmente as metas de resultado fiscal, já que o FAT, sendo fundo contábil, não integra o orçamento fiscal. É uma pedalada digna dos melhores (piores, para o país) momentos do FHC, com a vantagem (para o país, desvantagem) de ter sido transformada em lei.

    3 – Abre-se mais uma avenida pra corrupção velha de guerra… Quem viver pode esperar futuros escândalos envolvendo o uso fraudulento dos recursos do FAT, via Programa de Proteção ao Emprego.

    4 – O governo federal continuará de braços cruzados, esperando a esperada retomada de crescimento econômico mundial em 2016. Se ela realmente acontecer, o Brasil voltará a crescer a partir de 2017, embalado pelas exportações de commodities… Aí o Levy escreverá um livro, dizendo que o país voltou a crescer graças e ele, e não apesar dele e graças ao crescimento das exportações…

  4. Elias said

    Joaquim Barbosa, no Twetter, ontem, pouco antes do Senado manter na prisão o Delcídio Amaral (ou Amoral? ou Imoral?):

    ==================
    “Estão em jogo no Senado esta noite duas cruciais instituições da democracia moderna: 1) rule of law 2) political accountability.”

    “A depender do que venha a decidir, o Senado poderá: 1) autodestruir-se institucionalmente 2) jogar uma pá de cal na nossa jovem democracia.”
    ==================

    Joaquim Barbosa ainda é desses que acredita que, se escrever algumas expressões em idioma estrangeiro, o texto dele ganha alguma credibilidade.

    Pra que “rule of law” e “political accountability”? Por que não dizer “estado de direito” e “responsabilidade política”?

    Debaixo desse lixo cultural, um lixo de apreciação política… O que demonstra uma incapacidade surpreendente, partindo de quem ocupou um dos quatro mais altos postos da República.

    Qualquer chipanzé bem treinado daria de barato que não havia a menor possibilidade do Senado se pronunciar contra a prisão do Delcídio, até porque as provas coletadas contra ele são esmagadoras. Todas as projeções davam um mínimo de 50 votos a favor da prisão. No frigir dos ovos, o escore foi ainda mais alto, porque até senadores que estão sendo investigados — e que, por isso mesmo, as projeções computavam como abstenções — votaram a favor da manutenção da prisão.

    Só o Joaquim Barbosa não sacou isso.

    “Pá de cal na nossa jovem democracia?”. Babaquice monumental!

    Não existe no Brasil nenhum grupo capacitado a tomar o poder pela força, e que esteja reinvindicando o direito ou o dever de tutelar o processo político em nosso país, em nome da moralidade.

    Dá-se o exato oposto: nas avaliações de quem conta, diz-se que, pela primeira vez no Brasil, a corrupção está sendo combatida com rigor.

    E que, pela primeira vez no Brasil, o aparato do Estado tem atuado com total independência no combate à corrupção, sem interferência do governo, mesmo quando os alvos do aparato estatal são aliados do grupo político que chefia o governo.

    Isso sim, é novidade no Brasil!

    A análise política do Joaquim Barbosa é tão profunda e precisa quanto a minha análise sobre o comportamento pré-nupcial da porca e suas repercussões sobre a psicologia dos leitõesinhos.

  5. Pedro said

    Lula quebra CD de Rita Lee que tocava “agora só falta você…”

    Amigos mais próximos de Lula revelaram que o ex-presidente teve uma crise nervosa durante uma reunião em sua casa. Após as últimas prisões, Lula estaria muito tenso e os amigos organizaram uma social para tentar acalmar os ânimos. Mas no meio da festinha o clima teria esquentado quando algum desavisado colocou pra tocar um CD da Rita Lee. Quando a faixa “agora só falta você” começou a tocar, Lula arrancou o CD do aparelho, quebrou e atirou pela janela. Irritado, mandou todos embora e disse que aquilo era provocação.

    Segundo pessoas mais próximas, Lula estaria trancado em casa sem receber ninguém. Um amigo mais chegado ao ex-presidente brincou sobre a reclusão de Lula: “é pra ir se acostumando”

    http://sensacionalista.uol.com.br/2015/11/26/lula-quebra-cd-de-rita-lee-que-tocava-agora-so-falta-voce/

  6. Pedro said

    Sabe porque o Chester sumiu?

    Primeiro aplicou em ações da Vale, aí veio aquela lama toda e consequentemente o prejuízo.

    Tirou da vale e aplicou em ações do BTG. aí veio mais lama e ……….

    Poha Chester, tá na hora de acertar uma.

  7. Pedro said

    E o fdp do Delcídio vivia em Floripa nas festanças do tal José Antunes Sobrinho da Engevix, que está preso também.

    É um balio de siri, puxa um vem um monte agarrado…

  8. Pedro said

    “E que, pela primeira vez no Brasil, o aparato do Estado tem atuado com total independência no combate à corrupção, sem interferência do governo, mesmo quando os alvos do aparato estatal são aliados do grupo político que chefia o governo.”

    Acho que só o que mudou foi a tecnologia.
    Hoje todo mundo é vigiado praticamente o tempo todo.
    Tá cada vez mais difícil esconder as falcatruas, sejam elas pequenas ou grandes.

  9. Pax said

    Lula já promoveu o “descarte conveniente”

    http://nfde.tk/82pt

    Chamou o colega de “articulaçôes” digamos políticas de idiota e tudo.

    Pedro, meu caro, eu não colocaria muitas fichas no aparato do Estado.

    Pra começar, já vimos algum tucano preso?

    Veja, não estou advogando lado nenhum, muito menos o do PT que resolveu ir pelo caminho que foi e agora que assuma suas responsabilidades, mas dizer que o aparato do Estado está 100% já é um salto que eu não daria.

    Pra começar esse tal aparato ainda mantém essa maior casa de inutilidade pública, o SENADO.

    Só isso me basta pra dizer… esse aparato do Estado pra mim, não presta não.

  10. Pedro said

    Pax, leia mais devagar, ou pare de injetar cerveja artesanal na veia. :-)

    Os direitos autorais desta frase são do Googlias

  11. Pedro said

    Eh, o humor, sempre ele….

    http://sensacionalista.uol.com.br/2015/11/26/brasileiros-se-chocam-ao-ver-que-o-fundo-falso-do-poco-tambem-tem-um-fundo-falso/

  12. Pedro said

    # 10

    “desta frase”, não ………”daquela frase”

    Pera lá, “daquela frase” , não……da frase a que vc se refere,Pax.

    Resumindo, eu não escrevi o que vc comentou :-)

  13. Guatambu said

    Pedro,

    “Tá cada vez mais difícil esconder as falcatruas, sejam elas pequenas ou grandes.”

    Concordo, e a tecnologia e as redes sociais estão contribuindo muito pra isso.

    Eu já vinha falando isso faz tempo: transparência, que será cada vez mais cobrada pela grande web.

  14. Pedro said

    É a lama, é a lama………

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/11/1711882-andrade-gutierrez-acerta-multa-de-r-1-bi-e-vai-confessar-suborno-em-obras-da-copa.shtml

    Multa por fraude nas obras da copa, foi calculada na base do 7 por 1.

    Pra cada 7 desviados, 1 de multa.

  15. Zbigniew said

    Concordo com o Pax.
    Não há essa independência institucional capaz de, agora sim, engendrar um efetivo e geral combate à corrupção.
    Até porque os esquemas não são lineares. Eles têm ramificações, embora o tronco sob as luzes seja o do PT e governo federal.
    Isso é uma questão bem complexa e que tem no Yousseff e Cunha exemplos de sobrevivência e do vício que alimentam toda esta situação.
    É cultural, político.
    A Lava-Jato é antes de tudo política, embora esteja amparada no protagonismo do Judiciário, e, acredito, no do Ministério Público. Porque não há vácuo no poder.
    Mas, ao final, quando o PT estiver definitivamente alijado do poder, e o Lula totalmente anulado, as coisas tenderão a se normalizar, agora com o PMDB no comando. Pelo menos até as próximas eleições gerais. Mas os esquemas apenas mudarão de lugar ou de faceta. Porque não se muda da noite pro dia o que está entranhado no trato da coisa pública brasileira.

  16. Elias said

    Mantenho isso:
    “…pela primeira vez no Brasil, o aparato do Estado tem atuado com total independência no combate à corrupção, sem interferência do governo, mesmo quando os alvos do aparato estatal são aliados do grupo político que chefia o governo.”

    Isso não significa dizer que “o aparelho de Estado está 100%”.

    Nem tampouco, significa dizer que há uma “independência institucional capaz de engendrar um efetivo combate à corrupção”.

    Significa, apenas, dizer que o governo não está interferindo nas investigações, mesmo quando elas são direcionadas a aliados políticos do governo.

    Isso é novidade no Brasil. Não é o hábito.

    1 – O aparelho de Estado está “100%”? Claro que não!

    Em primeiro lugar, são praticamente nulos os mecanismos de prevenção à corrupção. Nem vou entrar em detalhes, porque é desnecessário.

    Em segundo, a PF — que é fundamental no combate à corrupção — é um campo minado de politicagem, arapongagem, e daí pra baixo… Se a Lava Jato dependesse só da PF estaria ferrada (e tome grampo na cela de prisioneiros, no fumódromo da PF, e por aí afora…).

    Em terceiro, o MPF nada fica a dever à PF. As apurações são cheias de furos. Se não fosse pela lei do acordo de leniência (aliás, iniciativa da gestão Dilma), não sairia quase nada que se aproveitasse. A apuração do mensalão só chegou onde chegou porque virou um carnaval político. No frigir dos ovos, o MPF não conseguiu apresentar uma única prova contra o réu mais importante, o Dirceu. Isso depois de mais de 3 anos de “trabalho”! Na carnavalização que se seguiu, o STF acabou se rendendo a figuras jurídicas que não existem no Direito brasileiro, a concepções de mesa de bar sobre raciocínio lógico (como se o próprio uso jurídico do raciocínio lógico não fosse matéria tecnicamente disciplinada, especificando os requisitos que necessitam estar presentes para a formulação de induções, deduções ou abduções), e um extenso etc. Tecnicamente, o trabalho do MPF costuma ser uma grande bosta…

    Poderia ficar expondo o quarto lugar, o quinto, o sexto… Mas seria ocioso, porque o assunto não está em causa.

    2 – Independência institucional? Nem pensar!

    Um outro grupo político no poder poderá, se quiser, interferir nas investigações da PF ou do MPF. No Brasil, não há nenhum mecanismo que impeça isso.

    Tanto que já foi feito, e não uma nem duas duas vezes.

    Ainda não vai longe o tempo em que o Procurador Geral da República era chamado de “Engavetador Geral da República”, pelos recorrentes “embargos de gaveta” a que ele submetia qualquer processo que ameaçasse alguém ligado ao governo ou aos seus aliados.

    Ou vocês já esqueceram disso?

    Atualmente isso não acontece, mas nada institucionalmente impede que volte a acontecer.

    O que acontece atualmente é, apenas, uma louvável característica do governo Dilma Roussef. Uma das poucas elogiáveis, a meu pensar.

  17. Elias said

    O “efetivo combate à corrupção” só se estabelecerá quando isso realmente entrar para a agenda da sociedade brasileira.

    Algo que até agora não aconteceu.

    Na maior parte dos casos, as manifestações contra a corrupção até aqui acontecidas têm propósitos político-partidários.

    Alguém aqui é tão tolo a ponto de ignorar isso?

    O “efetivo combate à corrupção”, se e quando acontecer, não será obra do Estado nem de partidos políticos. Será por iniciativa da sociedade.

    Nas democracias, não é o Estado quem organiza e dá forma à sociedade.

    É o inverso. Nas democracias, a sociedade é que organiza e dá forma ao Estado, às instituições, etc.

    Enquanto a sociedade brasileira continuar a se lixar pra corrupção; achar que as coisas são como são, que é assim mesmo e não há jeito pra dar, a corrupção vai continuar imperando, soberana.

    Até que a sociedade brasileira — não uns poucos gatos pingados — se declare cansada disso, e resolva dar um basta, a corrupção continuará como está, entranhada até à alma de rigorosamente todas as instituições brasileiras.

  18. Chesterton said

    5. Hilário.

    A única coisa que funciona do Judiciário é o Moro. O resto torce contra.

  19. Chesterton said

    http://www.oantagonista.com/posts/natal-com-delcidio

    chest- só o suicídio de alguns petistas acaba com esse melê todo…

  20. Chesterton said

    http://www.oantagonista.com/posts/odebrecht-pagou-no-exterior-pelos-servicos-prestados-por-joao-santana

    chest- xiii, mais um em cana e outra sem dormir.

  21. Chesterton said

    com o perdão da expressão, mas quem defende hoje Dilma e Lulla, só pode ser um filho-da-puta.

  22. Chesterton said

    Além da imaginação
    POR MÍRIAM LEITÃO28/11/2015 09:00
    A decisão de congelar R$ 10 bilhões, parar a máquina pública, fazer o shutdown da administração é tardia e insuficiente porque o rombo do país é 10 vezes maior. O governo deveria ter tomado providências há mais tempo para aprovar uma meta fiscal realista. Mas deixou para o fim do ano e aí aconteceu o terremoto de quarta-feira que paralisou o Congresso Nacional.

    O país chega ao último mês do ano em situação lastimável, em grande parte por culpa de quem nos governa. Tudo o que pesa sobre esta administração é resultado dos seus atos passados e das escolhas que fez. O governo Dilma se transformou em um morto-vivo que pesa sobre o país. Ele ainda tem três anos pela frente e nenhuma perspectiva de melhora.

    O governo desgovernou na largada deste segundo mandato. O espanto que nos acompanhou durante todo o ano chegou ao auge na quarta-feira, com a prisão do líder do governo no Senado. A sessão histórica da Casa foi um retrato da tensão institucional. O país acompanhou cada minuto da sessão que começou com tudo preparado para ser uma votação secreta que relaxaria a prisão preventiva e terminou sendo aberta e mantendo o senador preso.

    A ficção não seria tão caprichosa. Pareceria inverossímil para um roteirista de série ter tantos investigados no mesmo processo naquele plenário, inclusive um ex-presidente da República que já sofrera impeachment. Nem colocaria na presidência daquela sessão um dos investigados. E o senador Renan Calheiros equilibrou-se entre seu desejo explícito de votação secreta e relaxamento da prisão e a maioria que foi se formando, no balanço das horas, pela votação aberta e manutenção da prisão.

    Durante a maior parte do ano a base parlamentar ficou à deriva, tendo apenas alguns momentos de aglutinação. A presidente Dilma mostrou toda a sua incapacidade de liderar os políticos da coalizão. O líder do Senado era um dos poucos pontos de apoio. Sua prisão deixou o governo diante do fato de que perdeu o último prazo para a aprovação da meta fiscal de 2015 e isso cria um impasse institucional. O governo entrou em segundo desrespeito às leis orçamentárias. A primeira foi com as pedaladas de 2014 e agora com o descumprimento do prazo de aprovar a autorização para ter um déficit de R$ 120 bilhões.

    No primeiro mandato, a presidente Dilma gastou demais, concedeu subsídios a empresários, erodiu as finanças públicas e manipulou as estatísticas fiscais através das pedaladas que levaram o TCU a recomendar a rejeição das contas de 2014. Como isso virou um risco político ao seu mandato, a presidente precisa quitar as dívidas com os bancos estatais e evitar, a qualquer custo, ficar novamente em conflito com a lei orçamentária. Se o risco era tão alto, por que a presidente não fez esforços mais cedo e mais enérgicos pela aprovação? Foi assim que se chegou ao último mês do primeiro ano deste mandato: com a administração podendo fechar para balanço.

    O primeiro governo Dilma começou com a fantasia de que ela faria uma faxina ética. Depois das demissões de sete ministros, a presidente desistiu do projeto limpeza. Tudo voltou a acontecer como sempre ocorrera nos governos petistas, mesmo após o julgamento dos acusados do Mensalão ter dado o sinal de que poderosos podem ir para a cadeia.

    O mais revelador da impressionante conversa gravada por Bernardo Cerveró é a confirmação de como se conspira, dentro dos poderes da República, contra a Operação Lava-Jato. O planejamento da fuga de Nestor Cerveró e a tentativa de interferir nas investigações, suprimindo partes da delação premiada do ex-diretor da Petrobras, foram os fatos que os levaram à prisão. Mas o que ainda ecoa é o momento em que Delcídio Amaral revela que teria falado com ministros do STF e que, se recebesse o habeas corpus, outros também conseguiriam. E assim se desmontaria a operação em andamento. A prisão do senador foi tão forte que saiu do foco a prisão do amigo do ex-presidente Lula, José Carlos Bumlai.

    Se tudo isso fosse ficção, algum crítico diria que é exagero. E nós, que no Brasil vivemos, concordamos: os acontecimentos deste ano, que ainda não terminou, estão além da imaginação.

  23. Chesterton said

    PT é “que nem” intestino, se não está preso está fazendo merda.

  24. Chesterton said

    Lula é o criador da gigantesca roda de fogo da corrupção que destrói o Brasil
    Boa parte da população do Brasil já sabe que Lula é uma fraude. É difícil acreditar que alguém ainda defenda um homem que usou o próprio filho, envolvendo-o em esquemas de corrupção e depois lavou as mãos quanto ao destino do garoto.
    Luís Claudio Lula da Silva tem 99 por cento de chances de ir em cana por culpa do pai, que orientou seu amigo, Mauro Marcondes, a repassar até R$ 4 milhões ao filho em um esquema fraudulento de consultoria.
    Embora atue nos bastidores para livrar Luís Claudio da enrascada que o meteu, publicamente, Lula já tirou o corpo fora e afirmou que caberá ao filho arcar com as consequências de uma eventual condenação. Lula usou o filho, assim como usou outros companheiros e abandonou quando foram presos.
    Lula fala em Democracia, mas nos bastidores, tenta sabotar os processos democráticos.
    Praticamente todos os brasileiros sabem que Lula, o PT e seus aliados tentam influenciar investigações da justiça que persegue punir corruptos ligados ao ex-presidente e ao seu partido.
    Na prática, trata-se de uma organização criminosa que atua de forma sistemática para burlar a justiça e a democracia. Está mais do que claro que são todos corruptos contumazes. Hábeis em manipular o sistema em favor próprio visando a impunidade e a perpetuação no poder.
    A corrupção é uma cultura no partido liderado por Lula, onde os membros supostamente seguem orientações para desviar recursos onde quer que estejam, desde os vereadores, prefeitos, governadores e detentores de cargos na administração pública. A sensação das pessoas é a de que votar em candidatos do PT pode ser o mesmo que pedir para ser roubado.
    A liderança suína sobre o comportamento bovino.
    A conclusão a que se chega é que nem todo brasileiro é honesto, pois não há como explicar a hipocrisia de algumas pessoas que ainda tentam aliviar as coisas para o lado do ex-presidente, de Dilma e do PT, a não ser as migalhas que recebem em troca da destruição do país. A conivência de alguns setores é mesmo inexplicável, após tantas evidências, prisões, desvios bilionários e denúncias de corrupção envolvendo Lula, seus amigos, familiares e a cúpula do partido.
    @muylaerte

  25. Chesterton said

    http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/11/justica-bloqueia-bens-de-tarso-e-mais-quatro-4918521.html

    chest- vai sobrar alguem deste bando?

  26. Pax said

    O que mais me impressiona é a distância entre a pauta do aparelho do estado (em todos âmbitos – União, Estados e Municípios) da pauta do mundo real, do dia a dia das pessoas.

    A crise se aprofunda, o desemprego se acentua, e a pauta das cortes continua a pauta das cortes, quem fez a festa de debutante mais chique pras filhotas aos 15 anos, quem tem o melhor jatinho, quanto foi que fulano levou aqui e acolá, quais são os cargos cobiçados pelos seus cofres fartos.

    Afora isso a gente tem uma outra questão corolária, decorrente, que nos indica que essa distância se enraíza. O corporativismo geral. Pega um exemplo, dos servidores da Justiça. Ou de algum ministério qualquer, ou dos servidores do Congresso, dos militares e por aí vai.

    A pauta dessa “segunda” turma, da leva debaixo do aparato, é outra. Como aumentar seus salários, seus benefícios, como conseguir o 14o, o 15o o 16o salário, como aumentar as férias de 30 para 90 dias e por aí vai. Sempre dou uma carregadinha nas tintas pra puxar a brasa pra minha sardinha, ou meu ponto.

    Se analisarmos amiúde as pautas dessas turmas e a tal pauta da sociedade aqui debaixo, percebemos que há uma distância tão grande no ângulo ínicial da rota para o destino que o andar de tantos anos gerou uma distância enorme entre os objetivos, que seria, pra quem ainda se preocupa com o país, com o planeta, com a sociedade que estamos desenvolvendo, que hoje em dia fica difícil exercer algum otimismo.

    Mas, calma, há alguns pequenos indícios, alguma velinha acesa lá no final dessa enorme túnel… alguns itens que reforçam o que digo, três exemplos simples:

    1 – O Ocupe Estelita teve uma enorme vitória recentemente – esses dias – no Recife. O povo foi lá, se mobilizou, ocupou, apanhou um bocado e agora as decisões são todas favoráveis, parece que os investidores darão com os burros n’água. É de se acompanhar. A cada 100 derrotas (Belo Monte, leis reguladoras da atividade de mineração em MG, todas essas PL contra os povos indígenas e suas terras, laicidade do estado, derrota atrás de derrota..) e aparece uma vitória a ser comemorada e tirada com exemplo.

    2 – Segundo pesquisas a corrupção passou a uma posição de destaque na pauta da sociedade. O que isso vai dar não sei, mas até pouco tempo não era top nas pesquisas.

    3 – Em São Paulo a garotada está apanhando da polícia do Alckmin ocupando as escolas, a sociedade foi chegando, chegando e agora o movimento parece que tomou caldo.

    Três pequenos exemplos que, dentro uns 300 ou 400 anos, talvez tenhamos um mundo um pouco melhor que esse que temos no Brasil de agora, esse que desmoronou, que a economia fica esperando a pauta das cortes que não resolve nada enquanto todos das cortes não tiverem enchido os burros com o dinheiro público. E parece que a gula deles ainda está longe de se saciar.

  27. Elias said

    Guatambu,

    Presta atenção pra confirmação do que eu disse há algum tempo atrás, em outra lista.

    Saiu a lista 2015 do CWUR (World University Rankings, que seleciona anualmente as 1.000 melhores universidades do mundo).

    O Brasil comparece com apenas 18 universidades, e somente a partir da 132ª posição. Daí salta pro 322º lugar e, logo em seguida, para o 404º posto.

    Taí a listagem das 18 brasileiras (os números em parênteses se referem à colocação delas no ranking).

    Universidade de São Paulo – USP (132); Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ (322); Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP(404); Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG (526); Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (583); Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP (589); Universidade Estadual de São Paulo – UNESP (664); Universidade Estadual do Reio de Janeiro – UERJ (826); Universidade Federal Fluminense – UFF (915); Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (918); Universidade de Brasília – UnB (919); Universidade Federal do Paraná – UFPR (934); Universidade Federal de Pernambuco – UFPE (939); Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR (941); Universidade Federal do ABC – UFABC (961); Universidade Federal de Santa Maria – UFSM (974) ; Universidade Federal da Bahia- UFBA (992); Universidade Federal do Ceará – UFC (998).

    Das 18 universidades brasileiras ranqueadas, nada menos que 14 são universidades federais.

    Lembra do que eu disse? As universidades federais brasileiras são minoria quantitativa e maioria qualitativa.

    E as universidades particulares brasileiras? Por que não aparecem no ranking do CWUR?

    Em tempo: segundo o CWUR das 10 melhores do mundo, 8 são americanas e 2 são inglesas. Ei-las: 1 – Harvard (USA); 2 – Stanford (USA); 3 – MIT (USA); 4 – Cambridge (RU); 5 – Oxford (RU); 6 – Columbia (USA); 7 – Berkeley (USA); 8 – Chicago (USA); 9 – Princeton (USA); 10 – Cornell (USA).

  28. Elias said

    I
    Pois eu acho que a “velinha acesa no fim do túnel” é uma velhinha incendiada por filhinhos de papai entediados.

    II
    Chester, vai lá e explica pro pessoal do CWUR que o ranking tá errado quanto às brasileiras. Que, cá por estas bandas, o melhor do que é bom são as privadas.

    Defende o que teu, cara… Afinal, tu ganhas ou não ganhas a vida numa privada?

  29. Elias said

    Sejamos realistas: a sociedade brasileira não está realizando nenhum debate sobre os problemas do país.

    Pior: não existe nenhuma organização da sociedade civil com respaldo nem mesmo pra dar um pontapé inicial em qualquer debate minimamente decente e consequente.

    Nesse particular, houve um retrocesso em relação, p.ex., aos últimos anos do regime militar.

    Naquela época, havia ums mobilização política independente dos partidos (embora às vezes infiltradas por eles), tocando uma luta pelo retorno ao Estado de Direito. Havia as “Sociedades de Defesa dos Direitos Humanos”, as “Comunidades Eclesiais de Base”, as associações de moradores, etc.

    Havia, sim, uma pauta, que englobava, dentre outras bandeiras, a anistia para os presos políticos, a eleição direta para Presidente da República, prefeitos das capitais e governadores estaduais, liberdade e autonomia sindical, e um amplo etc.

    Lembro que, em debates dos quais participei, volta e meia eu interpelava palestrantes amigos — alguns dos quais, no futuro que se avizinhava, se tornariam próceres tucanos — nos seguintes termos: “Um exercício teórico: a maior parte da atual liderança fardada já deixou claro que o AI-5 foi um equívoco brutal; que a caserna está de saco cheio dessa porra toda e que ela, a liderança fardada, não vai mover uma palha pra prolongar a sobrevida do moribundo regime militar. Se é isso mesmo, pergunto eu: qual o passo seguinte? E o outro?”

    A resposta, invariavel, era: “Bem, aí nós nos sentaremos em torno de uma grande mesa, pra organizar o país que nós queremos: democrático, moderno e focado na progressiva redução das desigualdades interssociais e interregionais.” Praticamente todos concordavam com isso, independentemente da posição política e/ou ideológica.

    Ou seja: todo mundo apostando todas as fichas na “grande mesa”, que atendia pela alcunha de Assembleia Nacional Constituinte.

    Ingenuidade? Claro. Agora a gente sabe. Mas o negócio é que havia um entendimento não só acerca de um propósito, um ponto de chegada, mas também do caminho que conduziria o país a esse propósito. No caso, a Assembléia Constituinte.

    Hoje não há nada parecido, salvo alguns espasmos.

    E as instituições da sociedade civil que poderiam fazer algo pra romper com o marasmo imperante, parecem ter se recolhido à pequenez de sua insignificância política, e se recusam, terminantemente a tirar as respectivas bundas gordas das confortáveis poltronas instaladas em gabinetes refrigerados. É o caso da OAB, da SBPC e da própria CNBB, pra ficar só em 3 exemplos de instituições não estatais que tiveram uma belíssima participação no processo de restabelecimento das liberdades democráticas, mas que hoje se destacam pela mudez e pela inação, mesmo agora, com o país mergulhado numa terrível crise econômica, política e, sobretudo, moral.

    É a geléia geral, como nos versos do Gilberto Gil: “ano que vem, mês que foi / é a mesma dança, meu boi.”

  30. Pax said

    Na Argentina tão pegando mais leve que aqui no Brasil… a fortuna da Cristina só subiu 9 vezes com as sortes que teve.

    http://oglobo.globo.com/mundo/cristina-deixa-cargo-muito-mais-rica-apos-12-anos-de-governo-kirchner-18179369

  31. Pedro said

    Sobre Cristina Kirchner fico com a sinceridade do Mujica:

    “Esta vieja es peor que el tuerto”

  32. Pedro said

    # 29

    É bem isso Googlias.

    ………….

    Sei lá, parece que o sentimento é de que a nossa democracia não deu certo.
    O sistema político implodiu.

    E agora?
    Apoiar uma ditadura? De jeito nenhum.
    Acreditar nos políticos que se apresentam? É difícil.

    Estamos no salve-se quem puder.
    É cada um por si……..

    Assim sendo, lá vou eu defender o meu. :-)

  33. Chesterton said

    A democracia não deu certo? Cumequié? Saudades dos milicos? O que não dá certo é o SOCIALISMO, ainda mais esse socialismo de compadres destas bandas.

  34. Elias said

    Chester,

    E as universidades particulares do Brasil, cuja qualidade tu tanto elogiaste?

    Por que elas nem aparecem no ranking do CWUR?

  35. Elias said

    Pedro,
    Pois eu acho que a democracia brasileira está dando certo, sim. Apesar dos pesares.

    Em primeiro lugar, ela está se mantendo, sem nenhum “avalista” poderoso.

    Na segunda metade dos anos 1950, p.ex., o processo democrático só foi mantido graças ao pulso forte do marecham Teixeira Lott. No início dos anos 1960, a democracia se manteve por obra e graça da coragem de Leonel Brizola e de alguns chefes militares, destacadamente o general Machado Lopes. E assim por diante.

    Agora, não. A democracia brasileira tem se mantido por si só. Nossas crises têm natureza política, e não institucional. Surpreendentemente, a corrupção generalizada não gerou uma crise institucional.

    O golpe de Estado virou discurso de gueto. Ficou reduzido à condição de palavra de ordem de alguns escassos doentes mentais que cagam pelas ruas suas bajulações aos fardados, pedindo por um golpe militar quie mascare a incompetência de uma direita politicamente burra.

    Há algum tempo, li uma entrevista do Arnaldo Jabor ao Estadão. Nessa entrevista, Jabor fala sobre o livro dele (“Pornopolítica”). A partir de caminhos completamente diferentes (e antagônicos), as conclusões de Jabor combinam com as minhas: aos trancos e barrancos, o brasileiro está se tornando um animal educado politicamente. Aos poucos, ele está aprendendo a separar o joio do trigo.

    Observa que o discurso extremado, porralouca, típico dos radicais de direita e de esquerda, faz barulho mas não ganha adeptos no Brasil. Acaba no gueto que lhe cabe, à direita e à esquerda. Quem se deixou embalar por esses discurso, agora está mijando pra trás. É o caso do PSDB.

    O que aconteceu? Aconteceu que, ao contrário do que esse pessoal esperava, a massa não se deixou manipular. Está descontente com quem ela colocou no poder, mas não está nem um pouco disposta a se entregar a iniciativas golpistas.

    No mais, o Brasil se tornou uma das maiores potências econômicas do planeta. O analfabetismo regrediu, tornando-se praticamente residual. As desigualdades sociais também estão se reduzindo, embora não com a intensidade que se desejava, há algum, tempo.

    Há, enfim, um enorme saldo positivo desses 30 anos de democracia.

    Minha preocupação é com a ausência de uma agenda política da sociedade brasileira.

    A agenda política é importante, porque ela delineia os passos que serão seguidos no futuro imediato e mediato.

    O que nós estamos vendo, agora, são os resultados concretos de uma agenda política delineada na segunda metade dos anos setenta e primeira metade dos anos oitenta.

    O problema é que aquela agenda se esgotou, e a sociedade brasileira, por uma porrada de razões, não está conseguindo estruturar uma agenda política para o contexto atual.

    Isso é uma josta, porque, pra agravar tudo, o Brasil é um país cuja sociedade civil é fraca e desorganizada. Idem os partidos políticos, que, além do mais, são corruptos.

    Como em política não existe espaço vazio, a sociedade civil frágil e partidos políticos sem substância acabam permitindo que as instituições do Estado ocupem um espaço enorme. Muito maior que o recomendável, e que seria razoável ocupar, caso a sociedade civil e os partidos políticos fossem mais organizados, atuantes e consequentes.

    É aí que mora o perigo…

  36. Elias said

    “marecham” Teixeira Lott?

    Marechal, claro.

  37. Elias said

    O que não está dando certo é o LIBERALISMO econômico, principalmente o liberalismo de araque destas bandas, que só consegue aumentar a inflação e o desemprego.

  38. Elias said

    Falar nos Kirchner, quem for à Argentina não deve dispensar uma visita de pelo menos 2 dias ao Centro Cultural Nestor Kirchner.

    Fica num prédio monumental feito no Século XIX, pra abrigar os correios da Argentina.

    Ao que parece, o prédio ficou abandonado por algum tempo. Aí foi restaurado e requalificado pra centro cultural. Salvo engano, é o maior e mais completo da América Latina. Sem dúvida, o mais bonito.

    Vale a pena conhecer essa obra prima miguelita…

  39. Elias said

    Diz o despacho de uma agência de notícias:

    “O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deu indicações ao Planalto de que, se os três petistas que integram o Conselho de Ética da Casa votarem pela abertura do processo por quebra de decoro, ele vai retaliar e dar prosseguimento a pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Diante disso, o governo intensificou a pressão sobre os petistas, apesar de, oficialmente, alegar que não irá interferir nos votos dos deputados.”

    O presidente da Câmara Federal, base do Poder Legislativo, se porta como um chantagista qualquer (só não é um chantagista barato, porque está custando dezenas de milhões de reais, surrupiados aos cofres públicos).

    E a Chefe do Poder Executivo se submete ao ataque do chantagista.

    Já o STF assiste de camarote, inerte, quando já deveria ter expedido mandado de prisão para Eduardo Cunha, por obstrução à Justiça (com o agravante de que, para esse fim, ele está se servindo do cargo público que exerce).

    Sei que o Brasil não é pra amadores, e que a política brasileira só comporta cobra criada, mas… Um pouco de dignidade, só pra variar, de vez em quando, até que cairia bem, né?

  40. Pedro said

    Acho que não fui claro, pra variar…

    Quando digo que ha um sentimento de que a democracia não deu certo, é neste sentido #39

    As pessoas de bem estão se afastando cada vez mais da política.

    Principalmente da política partidária.

    Os partidos só atraem gente com má intenção.

    É o que eu observo aqui, na pequena política (politica regional).

    E na política nacional, quer exemplo melhor? (A presidente refém de um bandido, porque também tem o rabo preso).

    E Chester, não estou com saudades dos milicos.
    Não me inclua nas suas perversões sexuais…. :-)

  41. Chesterton said

    Pedro, os milicos foram estatistas, esta perversão não tenho

    Agora, as pessoas de bem há muito se afastaram da política, o que parece é que estão voltando.

  42. Elias said

    Caiado disse que “Lula tem postura de bandido. E bandido frouxo! Igual à época [em] que instigava metalúrgicos a protestar e ia dormir na sala do delegado Tuma!”.

    Lula ingressou no STF com quaixa-crime contra Caiado, por calúnia, injúria e difamação.

    Como se sabe, a queixa-crime por calúnia, injúria e difamação não implica condenação a priori. Basta que o réu apresente provas do que disse.

    A 1ª Turma do STF rejeitou a queixa-crime do Lula, por 3 votos a 1. Votaram contra a queixa-crime, o relator, Edson Fachin, e os ministros Luiz Fux e Rosa Weber. A favor da queixa-crime votou o ministro Marco Aurélio Mello.

    Os 3 que votaram contra, lamentam o “baixo nível” das declarações de Caiado, mas entendem que elas “estão relacionadas com sua atividade política e, portanto, protegidas pela imunidade parlamentar, prevista na Constituição.”

    Textuais do relator: “Embora reprovável e lamentável o nível rasteiro com o qual as críticas da suposta conduta do ex-presidente da República foram feitas pelo querelado, entendo que as declarações guardam pertinência com a atividade parlamentar.”

    Já Marco Aurélio Mello disse que as declarações de Caiado nada têm a ver com atividade parlamentar.

    O voto do relator é um primor de mediocridade. Um festival de sabedoria jurídica de botequim, depois da 10ª dose de uísque vagabundo, importado do Paraguai.

    Dentre outras imbecilidades, ele firma o entendimento de que perpetrar ofensa pessoal faz parte da atividade parlamentar.

    Como no STF nada é tão ruim que não possa ser piorado, o relator fala de “suposta conduta do ex-presidente da República”.

    Ora, se ele mesmo diz que a conduta é “suposta” (parece texto copiado de lide de jornalista em início de carreira), então ele admite que a conduta do reclamante pode não ser aquilo que dela diz o reclamado. Logo, este pode estar mentindo, ou seja, caluniando. Como a declaração do reclamante foi pública, segue-se que a calúnia que ela implica é, também, difamatória, motivo pelo qual o reclamante tem o direito de se considerar ofendido, ou seja, injuriado.

    Em miúdos: o texto do voto do ministro é tão mal redigido, que acaba funcionando como uma contrafação de si mesmo. Pra ter um mínimo de coerência interna, deveria ter outra redação. Sobretudo, jamais poderia ter usado a palavra “suposta”, cujo significado o ministro parece desconhecer.

    Aí, basta lembrar que a imunidade parlamentar garantida pela Constituição Federal não se estende à prática de ilícitos penais. O parlamentar tem imunidade, mas não para a prática de crimes. Tanto que, há poucos dias, o próprio STF meteu na cadeia um senador, flagrado em pleno cometimento de ato criminoso.

    De modo geral, o Judiciário brasileiro é uma merda, mas o STF consegue ser pior.

    E os processos ainda não examinados preliminarmente no STF por “Turmas”.

    Nunca esse termo foi tão bem empregado. No pior dos sentidos.

  43. Elias said

    E os processos ainda SÃO examinados preliminarmente no STF por “Turmas”.

  44. Elias said

    Chester,

    Por que as universidades particulares do Brasil, cuja qualidade tu tanto elogiaste, nem aparecem no ranking do CWUR?

  45. Elias said

    O Zé Geraldo (PT/PA), membro da Comissão de Ética da Câmara, diz que quem está sendo chantageado pelo Eduardo Cunha é o governo, não o PT.

    Sem essa, Zé!

    Então, por que a admissibilidade não foi votada?

    Não é, apenas, que o governo E O PT estejam sendo chantageados. O pior é que a chantagem está funcionando.

    Vendo a questão somente no quadro de um padrão moral minimamente aceitável, isso é inaceitável.

    É inaceitável, porque significa que o Eduardo Cunha, sapateando bêbado numa corda bamba estendida acima de um mar de facas peixeiras com a ponta virada pra cima, depois de ter tomado um copo duplo de veneno pra rato, tem mais estabilidade política que o PT e o governo juntos.

    Olhando a coisa pelo ângulo estritamente político, idependentemente de quaisquer considerações de ordem moral, pra que é que serviu a merda da articulação política do governo, com sua generosa distribuição de cargos aos tidos e havidos como aliados?

    Se essa merda de articulação política do governo não consegue nem mesmo evitar que o PT e o governo, juntos, sejam publicamente humilhados por um político moribundo, que sapateia bêbado numa corda bamba estendida acima de um mar de facas peixeiras com a ponta virada pra cima, depois de ter tomado um copo duplo de veneno pra rato, então passa da hora de descartar os merdas dos articuladores políticos do governo.

    Recomendo substituir os merdas dos articuladores políticos do governo, por uma equipe de chipanzés bem treinados… Ou por um barril de amebas.

    Qualquer merda é melhor do que isso…

  46. Pedro said

    Filhote de Chester deixa a esquerda enraivecida…. :-)

    O moleque é corajoso…..

  47. Elias said

    A Portaria Conjunta STF/TSE/TST/STM/TJDF nº 3/2015 promoveu o retorno ao voto de papel nas eleições municipais de 2016.

    Motivo: falta de dinheiro. O Judiciário brasileiro só tem grana pra pagar salários milionários pra juiz, além do 14º, do salário educação, do auxílio educação, das férias duplas, etc.

    É que foi, finalmente, aposentado, o sistema de urnas eletrônicas usado até o ano passado, tão moderno quando os ultra modernos micros 386, dotados de tecnologicamente revolucionários monitores com telas monocromáticas âmbar, e que tinham como principal periférico a inovadora impressora matricial de 9 agulhas… Todos os países que testaram esse sistema (Índia, Paraguai, Argentina, Holanda e Alemanha), o declararam extremamente vulnerável a fraudes.

    O correto seria partir pro sistema que combina voto eletrônico com a impressão do dito cujo, o que garante a rapidez na apiração e, ao mesmo tempo, permite a recontagem física dos votos em cada urna, na hipótese de impugnação da apuração por suspeita de fraude.

    Mas é exatamente isso que a Portaria Conjunta 3/2015 não deixa fazer, porque contingenciou os recursos do TSE destinados a esse fim.

    Resultado: voto no papel, em 2016!

  48. Chesterton said

    46 hilario

  49. Chesterton said

    O gordinho é corajoso….

  50. Chesterton said

    É, de tédio não morreremos neste país.

  51. Pax said

    novo post da abertura do processo de impeachment

    realmente, tédio é o que não temos por aqui, Chesterton

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: