políticAética

Notícias da Corrupção, Desvios, Anomalias, Eleições e Meio Ambiente

  • Sobre o blog

    Uma coletânea das notícias da corrupção, desvios, anomalias, eleições e meio ambiente que aparecem na mídia todos os dias a partir de agosto de 2008.
  • Categorias

  • Arquivos

  • Páginas

  • Meta

Operação Triplo X

Posted by Pax em 27/01/2016

Imóveis da OAS são alvos da Lava Jato em sua vigésima segunda fase, chamada de Operação Triplo X.

Entre os imóveis está o triplex que estava reservado para a família de Lula.

A Bancoop faz parte desse notíciário há algum tempo.

Chega à PF terceira pessoa presa em nova fase da Lava Jato

Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil

Chegou há pouco à sede da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, Renata Pereira Brito, a terceira pessoa presa na 22ª fase da Operação Lava Jato. A Operação Triplo X foi deflagrada no início da manhã de hoje (27) em São Paulo e Santa Catarina. Nesta fase, a operação investiga apartamentos da empreiteira OAS que podem ter sido usados para repasse de propina do esquema de corrupção da Petrobras.

Além de Renata, ligada à empresa Mossack Fonseca, foram presos em São Paulo Nelci Warken e Ricardo Honório Neto. Até então, não foram localizados Maria Mercedes Riano Quijano, Ademir Auada e Luiz Fernando Hernadez Rivero. Ao todo, a Polícia Federal tem 23 mandados judiciais para cobrir, sendo seis de prisão.

A empresa Mossack Fonseca é responsável pela offshore Murray, que adquiriu um condomínio imobiliário no Guarujá, litoral paulista, inicialmente construído pela Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), presidida entre 2005 e 2010 pelo ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso em abril do ano passado, numa das fases da Lava Jato. O empreendimento foi repassado para a empreiteira OAS em 2009, em função de uma crise financeira da cooperativa.

O nome da operação faz alusão à Murray, que mantém um triplex no condomínio. A Polícia Federal apura se houve ocultação de patrimônio na operação e se as unidades foram usadas como repasse de propina.

Segundo a Polícia Federal, os presos serão levados para Curitiba ainda hoje.

Anúncios

311 Respostas to “Operação Triplo X”

  1. Chesterton said

    Lula é a pessoa mais honesta do Brasil.

  2. Guatambu said

    Elias,

    Trazendo nossa conversa do outro post pra esse:

    Primeiro ponto: “incentivos” – sim, entre aspas porque pelo jeito isso não é incentivo, isso é uma migalha que o governo devolve ao assaltar o empresário.

    Da maneira que você coloca, há tantos incentivos que correspondem a uma renúncia fiscal ou a uma isenção fiscal (eu não lembro direito a diferença entre os termos) para tantos setores que na verdade, parece que esses “incentivos” são uma regra.

    A regra parece ser estabelecida em cima de uma outra regra, que é: cobrar impostos.

    Mas os empresários parecem não conseguirem sobreviver.

    Por que? Porque eles não são competitivos.

    Por que eles não são competitivos? Porque eles não podem investir? Não. Porque:

    1. É caro investir: as taxas de juros são altíssimas. Responsável? Governo.
    2. É caro contratar: mão-de-obra no Brasil é desqualificada e caríssima. Responsável? Governo.
    3. É caro importar novos equipamentos que favoreçam a competitividade, porque o Real é desvalorizado, e porque há impostos de importação! Responsável? Governo.
    4. Ainda que o empresário faça tudo isso, ainda tem que recolher: IR, ICMS, IPI, entre outras taxas etc.

    Solução brilhante do Governo: em vez de fazer a reforma tributária e tirar taxas de contribuição para empregados, que, por si só já teriam um baita resultado para os empresários, não!

    O governo resolve “incentivar”.

    Na verdade, “incentivar” significa abrir exceções às regras e aos valores absurdos de tributação e interferência à liberdade de empreender.

    Incentivo Elias?

    Faz o seguinte: o dia que houver 1 imposto único e ainda assim o governo resolver “incentivar”, aí vc volta a conversar comigo e vamos discutir se isso é incentivo ou “incentivo”.

  3. Guatambu said

    Elias,

    Sobre os exemplos de empresas de software. No Brasil temos aos montes empresas pequenas de desenvolvimento de software para os mais diversos públicos:

    Todas essas que você vê hoje: Totvs, Tivit, Stefanini, Benner sistemas, Itautec, Senior, etc etc (e põe etc nisso), ou são brasileiras ou são consolidações de várias empresinhas brasileiras que começaram desenvolvendo software para empresas: ERPs, sistemas de automação, protocolos de infraestrutura, etc etc (e põe etc nisso).

    Mas o ponto não é esse, o ponto é como o governo gosta de interferir!

    E por isso citei Uber e Neftlix.

    Mas já saiu um projeto de lei, não se exatamente de onde veio isso, de cobrar o ISS de empresas de aplicativos de celulares e outros serviços como Uber e Netflix.

    Daí empresas brasileiras, como a 99taxi, easytaxi, vajanet, vagas.com, etc, começam a sumir…

    E o que vai acontecer?

    O governo vai resolver “incentivar”. Fazendo o que? Isentando essas empresas de ISS, ou selecionando as empresas com lobystas mais fortes, ou com lobystas com mais dinheiro e isentando apenas essas.

    Daí vem você, Elias, falar groselha pra mim, dizendo que isso é incentivo!

    Sim, o raciocínio é de segunda série mesmo! O problema é que mesmo num raciocínio de segunda série vc tem uma dificuldade enorme para explicar por que o governo insiste em querer “dar incentivos” em vez de simplesmente liberar (como eu havia dito).

  4. Guatambu said

    E finalmente, Elias,

    Eu to andando e andando para o FHC! Ele é tão estatizante quanto o PT!

    Vc não respondeu à minha pergunta: aumenta de 2 pra 4% os investimentos na sua empresa, e aumenta de 23 pra 33% as despesas, do total de despesas da sua empresa. O que acontece?

    Acontece Elias, que o problema não é o tal dos “incentivos” do governo.

    O melhor mesmo é que o governo fique quietinho, na dele, apenas observando (urubuservando como dizem na minha terra).

    Deixa o pessoal que entende e sabe o que fazer com dinheiro, fazer o que sabe com dinheiro!

    O governo tem se mostrado péssimo ao cuidar do dinheiro do contribuinte.

    Eu nunca disse que eu queria que o governo investisse mais de 4% ou 10%, ou 20%.

    Eu queria (e infelizmente esse é o verbo correto) que o governo faça uma reforma tributária de modo a devolver ao empreendedor esses 4%, 10% ou 20%.

    E que o governo se sustentasse com muito menos impostos. Assim pelo menos todos os contribuintes, inclusive as pessoas físicas, que, no frigir dos ovos são as mais abusadas de toda essa parafernalha, teríamos mais liberdade de escolha.

  5. Patriarca da Paciência said

    Sobre o post,

    As únicas “provas” apresentadas para difamar o Lula é o fato de que a dona Marisa e os filhos do Lula estiveram algumas vezes olhando o apartamento.

    Qualquer pessoa que tenha interesse em adquirir um apartamento, principalmente se é um apartamento de grande valor, é muito natural que vá verificar se está dentro do seu gosto e das suas condições etc.etc..

    O Lula tinha a opção de comprar o apartamento, preferiu não fazê-lo, mas o simples fato da família ter visitado o apartamento algumas vezes se transformou em crime.

    É realmente algo impressionante.

    Isso está parecendo inquisição mesmo ! Ou pode ser até coisa pior !

  6. Pax said

    Bem, eu sei que não sei, mas ouço os dois lados do imbroglio.

    Lula repudia.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/01/1734370-em-nota-lula-repudia-tentativa-de-envolver-seu-nome-na-lava-jato.shtml

    Josias de Souza levanta algumas questões

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2016/01/28/explicacoes-de-lula-sobre-triplex-nao-tem-nexo/

    Só acho que as explicações devem ser dadas.

    Nada além disso.

  7. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    perguntas que o Josias não tem o menor interesse em responder:

    Por que um helicóptero aprisionado, pela polícia federal, com meia tonelada de cocaína, não gerou nenhum julgamento, ninguém foi punido e realmente nada aconteceu ?

    Por que um delator diz que entregou 100 milhões para o governo FHC e nada acontece ?

    Por que dois delatores dizem que Aécio Neves recebeu propinas e nada acontece ?

    Por que a filha e a mulher do Cunha, com provas cabais de que tem contas ilegais no exterior, não são presas e a cunhada do Vaccari, por uma simples suspeita, acabou na cadeia ?

    São apenas algumas das perguntas que ninguém responde.

    Realmente há algo parecido com inquisição no ar… ou ainda coisa pior !

  8. Pax said

    Caro Patriarca,

    Também gostaria dessas respostas. Uma coisa não exclui a outra.

    Simples assim.

  9. Pax said

    O meu resultado foi: 19,4 % esquerda e 63,9% liberal.

    Faz o teste aí e conta pra todos.

    http://www.celebritytypes.com/pt/chart.php?n1=55.6&n2=0&n3=63.9&n4=0

    Faz aí caro Patriarca. Gostaria de ver o teu resultado. O do velho e rabugento Chesterton também. Aliás, de todos fico curioso.

    =)

  10. Elias said

    “Vc não respondeu à minha pergunta: aumenta de 2% pra 4% os investimentos na sua empresa, e aumenta de 23 pra 33% as despesas, do total de despesas da sua empresa. O que acontece?” (Guatambu)

    Respondi, sim, idiota! Tu é que não sabes ler.

    I
    Eu disse um porrilhão de vezes (há pelo menos uns sete ou oito anos venho dizendo isso… desde os tempos do Weblog), que eu defendo um investimento de 10% (DEZ POR CENTO, em caixa alta, pra ti), sobre o valor da despesa total. E que, no caso brasileiro, as ODCs deveriam ficar em 33% do mesmo valor, e não 41%, como passaram a ser (tu estás fazendo uma cagalhada tão grande com essas taxas que já não estás mais dizendo coisa com coisa).

    Logo, estou absolutamente discordante dos 4%. Ainda não deu pra entender? Pede ajuda ao porteiro do teu prédio…

    II
    Agora, secundarista, presta atenção. ATENÇÃO, Guri!

    Não confunde orçamento público com orçamento privado. As lógicas são totalmente distintas.

    Na minha empresa, em qualquer empresa, a gente só aumenta os investimentos para expansão da produção ou para reposição da capacidade instalada. Aumenta-se investimento quando há a expectativa de que ele produzirá retorno.

    Não deve causar estranheza se uma empresa, em um determinado momento, aumenta pouco, ou, simplesmente, não aumenta o investimento e, ao mesmo tempo, aumenta os custos. Isso acontece, p.ex., quando o aumento da produção se dá por ocupação de capacidade instalada pré-existente.

    No caso dos governos, especialmente em países como o Brasil, a história é outra. Há uma grande deficiência de infraestrutura produtiva (geração de energia elétrica, estradas, ferrovias, hidrovias, etc.); de infraestrutura urbana (abastecimento de água, redes de esgoto pluvial e sanitário, estações de tratamento de efluentes, unidades habitacionais, etc.); infra estrutura de segurança pública (equipamentos para polícia científica e para policiamento ostensivo, presídios, etc); e um porrilhão de outros etc.

    Com tanta deficiência infraestrutural acumulada, só um completo idiota pode pensar numa redução do investimento estatal.

    O “retorno” do investimento estatal assume várias formas: (i) o aumento da demanda para o setor privado, em vista dos insumos demandados para a construção de hidrelétricas, pontes, rodovias, ferrovias, hidrovias, sistemas de abastecimento de água, sistemas de esgotamento sanitário, redes de distribuição de energia elétrica, etc.; (ii) o aumento ou a manutenção do emprego no setor privado, em decorrência do atendimento da demanda; (iii) a melhoria das condições infraestruturais de produção e de circulação da riqueza, o que torna a economia mais competitiva.

    Também não deu pra entender? Pede ajuda a um auxiliar de serviços gerais da empresa onde tu finges que trabalhas.

    III
    Agora, responde à minha pergunta: qual foi o negócio que tu tentaste abrir, e que foste impedido por causa da “interferência estatal”?

    (Não vale responder que tentaste abrir o teu “negócio” da parte de trás em praça pública, porque aí já não é mais problema econômico. É problema policial! Me inclui fora, porque não trabalho com esse produto…).

  11. Patriarca da Paciência said

    Fiz o teste, caro Pax,

    meu resultado foi: 36,1% esquerda e 41,7% liberal.

    Mas eu achei algumas perguntas muito mal formuladas, principalmente esta que não respondi: “O governo deveria redistribuir a fortuna dos ricos para os pobres ?”

    É uma pergunta, inclusive, bastante tola. Parece até coisa do Chesterton. Só radicais pensariam numa coisa dessa. A pergunta deveria ser, “Deveria haver uma melhor distribuição de renda entre ricos e pobres” ?

  12. Elias said

    Patriarca,
    Talvez seja o caso de dizer que o teu argumento não trata de uma coisa EXCLUIR a outra, e sim, numa abordagem ética, de uma coisa INCLUIR a outra.

    No caso, há algo sendo excluído, sim.

    Especificamente, estão sendo sistematicamente excluídas as investigações sobre denúncias envolvendo tucanos e outras figuras da oposição.

    Por outro lado, espanta a facilidade com que esse juiz Moro manda prender pessoas que têm residência fixa e conhecida, sem esclarecer de que modo essas pessoas poderiam interferir na apuração dos fatos, dificultando-a ou impedindo-a.

    Não estou dizendo que essas pessoas são inocentes. Na verdade, acho até que não são. Apenas creio que o uso da preventiva, em vários casos, é absolutamente arbitrário e ilegal. Em boa parte dos casos, a investigação está sendo feita em materiais que já estão em poder do juiz ou do MPF. De que modo essas pessoas poderiam atrapalhar a análise desse material?

    Pela legislação brasileira, se não for em flagrante delito ou depois de julgada e declarada culpada, a pessoa só pode ser presa se, comprovadamente, sua manutenção em liberdade concorrer para a dificultar ou impedir a investigação ou para a prática reincidente e/ou continuada do delito. Notoriamente isso não está sendo obedecido, e já foi objeto de denúncia por vários advogados, promotores, juízes, etc.

    A meu ver, esse juiz está se empenhando em carnavalizar o processo, gerando continuamente novos fatos políticos, ao promover a prisão arbitrária de pessoas que possam, direta ou indiretamente, ser ligadas ao PT.

    Ao mesmo tempo, ele faz vista grossa quando os envolvidos são ligados à oposição.

    Em agosto do ano passado, ele teve que mandar um ofício ao STF, explicando por que ele omitiu a informação de que o Eduardo Cunha havia sido dedurado por um dos delatores da operação Lava Jato.

    Em seu ofício, o juiz disse que “não sabia” dessa delação. Que só soube dela um mês depois (quando ela se tornara de domínio público, até porque já fora noticiada em alguns — só alguns… em “outros” não… foi excluído — órgãos da imprensa).

    Como “não sabia”? Ele tapou os ouvidinhos no momento em que o delator mencionou o Eduardo Cunha?

  13. Pax said

    Obrigado pela resposta, caro Patriarca. Também achei algumas perguntas meio bobas e pulei as respostas, deixei no centro.

    grave essa acusação aqui:

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/01/1734403-governo-de-sp-cancelou-contrato-para-forcar-propina-diz-delator.shtml?cmpid=facefolha

  14. Elias said

    “Então, Elias, responda: quem emprega? O Estado, que gasta mais do que ganha? Ou o empresário, que gera riqueza através de investimentos eficientes?” (Guatambu)

    Deverias não ter colocado a vírgula depois de “empresário”. Aí o texto teria um sentido restritivo: “o empresário que gera riqueza através de investimentos eficientes”.

    Com a vírgula, o texto generalizou, tornando as coisas mais fáceis pra mim.

    Que empresário é esse, “que gera riqueza através de investimentos eficientes”? O da construção civil? Não é o que parece, Guatambu.

    Os caras estão levando farelo. Tem incorporadora vendendo com desconto de mais de 40% , pra tirar do fogo o que puder.

    Aliás, taí uma boa opção pra esses tempos bicudos… (Aos navegantes, um aviso: pra estabelecer uma base de negociação, chequem os preços de 2014 e 2015. Façam uma escolha e apliquem a taxa de desconto. Nunca tomem por base os preços de 2016, porque tem gente aumentando os preços, antes de oferecer os descontos).

    Já sei: eles estão se ferrando por causa da “interferência estatal”. E até 2013, quando eles estavam bamburrando, não havia “interferência estatal”? A “interferência estatal” só existe quando a empresa passa pro vermelho?

    Uma das características do sociopata é essa: ele sempre culpa os outros pelos seus insucessos. Nunca é a incompetência, a temeridade ou a irresponsabilidade dele… O inferno são os outros…

    Aproveitando a oportunidade, renovo a pergunta: qual foi o negócio que tu tentaste abrir, e que foste impedido por causa da “interferência estatal”? Onde, quando, como?

  15. Elias said

    Guatambu,
    Nenhuma empresa existe pra gerar emprego.

    Empresa existe pra dar lucro. A gente emprega, sempre, o mínimo possível, até porque emprego gera custos, que são repassados aos preços, o que pode prejudicar a competitividade do produto. Para a empresa, a economia é fim, e o social, uma consequência. Uma espécie de efeito colateral “do bem”.

    Quem tem interesse na geração do emprego é o Estado. Inversamente ao que acontece com a empresa,. a finalidade do Estado é — ou, pelo menos, deve ser — predominantemente social. Para o Estado, a economia é meio, e o social fim.

    Na interação entre os dois agentes, dá-se a compatibilização de propósitos. Ao investir (em hidrelétricas, pontes, portos, rodovias, ferrovias, hidrovias, etc, etc, etc), o Estado cria ou potencializa oportunidades de negócio no setor privado, à montante e à jusante. Sem esses investimentos, tais oportunidades simplesmente não existiriam. Para aproveitar as oportunidades de negócio, o setor privado realiza seus próprios investimentos e gera empregos, o que concorre para elevar o nível geral de vida da população, que é o objetivo do Estado.

    É possível viver sem o Estado. Os anarquistas, os comunistas e os liberais dizem que sim (no frigir dos ovos, os comunistas nada mais são que liberais radicalizados…).

    Quem não é comunista nem liberal, acha que não. É o meu caso. Pelo que se vê, infelizmente, e ao contrário do que se pensava há algumas décadas, está cada vez mais enraizado o senso nacionalista.

    Ao contrário do que se esperava, coisas como a globalização e a União Europeia em nada enfraqueceram o conceito de Estado Nacional.

    Como se sabe, o Estado Nacional e o capitalismo nasceram juntos. Parece que é assim que vão — se é que vão — morrer.

  16. Elias said

    No # 15.

    “É possível viver sem o Estado?”

    É uma pergunta. Faltou “?”

  17. Chesterton said

  18. Chesterton said

    Mas eu achei algumas perguntas muito mal formuladas, principalmente esta que não respondi: “O governo deveria redistribuir a fortuna dos ricos para os pobres ?”

    É uma pergunta, inclusive, bastante tola. Parece até coisa do Chesterton. Só radicais pensariam numa coisa dessa. A pergunta deveria ser, “Deveria haver uma melhor distribuição de renda entre ricos e pobres” ?

    chest- Patriarca, Patriarca… renda não se distribui, renda se produz. A pergunta séria seria essa; ” A vida dos pobres melhoraria com o desaparecimento dos ricos?” Eu acho que não, inclusive acho que pioraria, outro inclusive, acho que os pobres precisam dos ricos mais do que os ricos precisam dos pobres.

  19. Chesterton said

    Estou do lado do Reagan

    “Comunitarismo de Direita (Conservadorismo): indivíduos neste quadrante procuram manter a ordem social e econômica tradicionais e defender a soberania do estado. Eles tendem a se ver como defensores do que os seus antepassados gostariam, favorecendo leis estritas de imigração, valores tradicionais e forte poder militar. Enquanto eles tipicamente veem um papel para o Estado em questões de segurança nacional e cultural, eles tendem a ser mais céticos em relação ao envolvimento estatal na economia.”

  20. Patriarca da Paciência said

    “Ao juiz Sérgio Moro, procuradores da Lava Jato afirmaram que “não foram gravados” alguns trechos dos depoimentos prestados pelo lobista e delator Fernando Moura; Moura afirmou ao magistrado que havia trechos de sua delação que ele não havia dito no momento em que prestou os depoimentos de sua delação premiada; entre os pontos, um que isenta o ex-ministro José Dirceu; “Consultado, o MPF presente afirmou que, relativamente a esses depoimentos, não houve a gravação de áudio e vídeo. Em vista do informado, fica o pedido prejudicado”, despachou Moro”

    http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/214887/MPF-depoimento-de-lobista-que-isentou-Dirceu-n%C3%A3o-foi-gravado.htm

    Veja aí, caro Elias, como a coisa está atingindo um nível espantoso !

    Como lembra você, não vem ao caso se o Dirceu é culpado ou não, mas os advogados alegaram que o depoimento era importantíssimo para a defesa, crucial mesmo. Aí o Dr. Moro diz simplesmente que ” como partes do depoimento não foram gravadas, o pedido fica prejudicado”.

    Coisa mesmo de uma arbitrariedade incrível !

    De onde o juiz Moro está recebendo tamanho poder ?

    Realmente há algo muito estranho no ar !

    Chesterton,

    “que riquezas não se distribui” é uma opinião totalmente pessoal sua. A maioria acha que, como riqueza é uma criação totalmente coletiva, muito pelo contrário, deveria ser sempre distribuída.

    Ninguém pode dizer, sem que esteja dizendo uma tremenda bobagem, que alguém sozinho pode criar alguma riqueza.

    Riqueza é um bem social e que só existe enquanto existe a sociedade.

  21. Chesterton said

  22. Chesterton said

    Riqueza é um bem social e que só existe enquanto existe a sociedade.

    chest- fala da produção de riqueza

    Ninguém pode dizer, sem que esteja dizendo uma tremenda bobagem, que alguém sozinho pode criar alguma riqueza.

    chest- fala com o Bill Gates

    “que riquezas não se distribui” é uma opinião totalmente pessoal sua. A maioria acha que, como riqueza é uma criação totalmente coletiva, muito pelo contrário, deveria ser sempre distribuída.

    chest- é fato, tem gente que produz e gente que não produz

  23. Elias said

    Guatambu,

    Em entrevista à FSP, o presidente da CSN, Benjamin Steinbruch, defendeu a desvalorização do real como estratégia para retomar as exportações (medida já adotada e que, segundo ele, já está produzindo resultados).

    Mas Steinbruch centra força no mercado interno (Qualquer pessoa com um mínimo de bom senso faria o mesmo. Um país, qualquer país, de qualquer parte do planeta e a qualquer tempo, só tem duas alternativas para venda de seus produtos: para o mercado externo ou para o mercado interno. Se mercado externo está comprando menos, resta o quê?).

    Para revitalizar o mercado interno, Steinbruch defende:

    1 – A flexibilização do crédito, com o refinanciamento das dívidas familiares e a redução das taxas de juros.

    2 – A retomada do investimento público.

    Guatambu, de um milhão a zero, eu acho que as opiniões do Steinbruch representam muito mais o ponto de vista dos empresários — destacadamente os empresários do agronegócio, da indústria e do comércio — do que as tuas.

    As tuas opiniões apenas papagaiam — e mal! — as opiniões de um grupelho ideológico, encastelado em algumas universidades e redações brasileiras. Gente que não produz nem lâmpada queimada…

  24. Chesterton said

    http://www.implicante.org/noticias/ex-secretario-de-comunicacao-do-pt-do-parana-e-preso-na-argentina-acusado-de-assaltar-mulheres/

    chest- está na veia….aí, patriarca, assaltar é produzir ou distribuir riqueza?

  25. Chesterton said

  26. Chesterton said

  27. Pedro said

    Agora entendi porque o assessor para assuntos internacionais Marco Aurelio Garcia, apoia tanto o governo Chavista….

  28. Pedro said

    Até a mídia chapa branca tá criticando.

    Diga aí Googlias, procede ou não?

    Petrobras adota a pior opção: vender ativos a preço de banana

    A encruzilhada da Petrobras

    Por Paulo César Ribeiro Lima*, no Desenvolvimentistas

    Com os sobrepreços e os superfaturamentos, além da desvalorização do Real, o endividamento líquido da Petrobras atingiu um nível muito alto de US$ 101 bilhões. Para manter os investimentos e o aumento da produção no Brasil, é necessária uma capitalização da empresa por parte da União.

    Se quiserem utilizar “jogadas” com o BNDES para não aumentarem a dívida pública líquida, que o façam. Eu prefiro uma capitalização convencional.

    Essa capitalização, feita com o dinheiro do povo brasileiro, exige uma mudança de postura da Petrobras: a transparência e a publicidade das licitações e contratações, entre outras.

    O famigerado Decreto nº 2.745/1998 tem que ser enterrado. Sem isso, é difícil defender que a União capitalize a Petrobras. No entanto, o atual governo continua, ao que tudo indica, promovendo negociatas.

    A capitalização, contudo, exige credibilidade do governo. Parece que a Presidente não tem mais credibilidade.

    A principal medida a ser tomada neste momento é a interrupção da venda de ativos. O baixo preço do petróleo é consequência, principalmente, de uma “guerra entre Estados”.

    Importa ressaltar o “avanço tecnológico” nos Estados Unidos que transformou rochas de baixíssima permeabilidade em reservatórios de petróleo. Isso gerou um grande aumento de produção nesse país.

    No entanto, se não houvesse essa “guerra entre Estados”, o preço não estaria tão baixo. Essa “crise artificial” do petróleo reduziu o valor dos ativos.

    Vender ativos da Petrobras neste momento é crime lesa-pátria. O Brasil não está entra os principais Estados dessa “guerra entre Estados”. Entretanto, a “destruição da Petrobras” interessa a alguns Estados.

    Se a venda de ativos não for interrompida, é preciso, pelo menos, manter o controle das empresas semi-privatizadas.

    Também melhor que vender ativos das áreas de transporte, gás natural, distribuição, petroquímica, fertilizantes etc, é a Petrobras buscar sócios nas área da cessão onerosas.

    A Petrobras ficou sozinha em uma área que tem 20 bilhões de barris. Com um preço de US$ 100 o barril e com um endividamento menor, a “supercarteira” da Petrobras da época do Gabrielli poderia até ser factível. Hoje não é mais.

    O Gabrielli cometeu um grande erro: a Petrobras não é o Estado. O grande erro dele começou com a cessão onerosa. Esse erro foi agravado pela corrupção, pela queda do preço do petróleo e pela desvalorização do Real.

    No atual cenário, é difícil a Petrobras investir sozinha para produzir os 20 bilhões de barris das áreas da cessão onerosa e, além disso, investir em refino, logística, fertilizantes, gás natural, energia elétrica etc.

    A Petrobras está fazendo uma aposta arriscada. O foco é apenas no Pré-Sal. Com isso, a empresa está sendo desintegrada. O problema é que, no futuro, a “Petrobras do Pré-Sal” tem grande chance de ser privatizada.

    Por isso, julgo importante a Petrobras continuar sendo uma empresa integrada e diversificada, de modo a contribuir, de fato, para o desenvolvimento nacional.

    O foco não deve ser apenas nas áreas da cessão onerosa do Pré-Sal que, diga-se de passagem, foram “roubadas” da União.

    Sempre fui contra o leilão de Libra, mas dadas as circunstâncias, é melhor buscar parceiros nas áreas da cessão onerosa. É melhor perder um dedo que a mão inteira. O melhor parceiro para Petrobras seria a União. Mas também não acredito nessa hipótese. O modelo norueguês é bom demais para ser usado no Brasil.

    As prioridades para a Petrobras seriam:

    1ª buscar a União para dividir os investimentos nas áreas da cessão onerosa e interrupção da venda de outros ativos;

    2ª a capitalização e interrupção da venda de ativos;

    3ª buscar parceiros para dividir os investimentos nas áreas da cessão onerosa e interrupção da venda de outros ativos;

    4ª venda de ativos sem perder o controle acionário;

    5ª venda de ativos com perda de controle acionário.

    A quinta e pior opção, venda de ativos com perda de controle, parece estar a caminho.

    A venda do controle acionário poderia valorizar o ativo. Esse será o argumento do governo para a quinta opção, que, na verdade, representa a destruição da Petrobras.

    *Paulo César Ribeiro Lima é consultor legislativo e ex-funcionário da Petrobras.

    http://www.viomundo.com.br/denuncias/petrobras-adota-a-pior-opcao-vender-ativos-a-preco-de-banana.html

  29. Patriarca da Paciência said

    “Ninguém pode dizer, sem que esteja dizendo uma tremenda bobagem, que alguém sozinho pode criar alguma riqueza.

    chest- fala com o Bill Gates”

    Chesterton,

    como explica Noam Chomski, em vídeo que postei no post anterior, tanto Bill Gates, quanto Steve Jobs nunca criaram nada, Simplesmente se apropriaram, com a conivência do governo norte-americano, de patentes relativas a produtos desenvolvidos, e financiados por décadas pelas forças armadas de diversos países.

    Computadores e sistemas foram desenvolvidos por décadas e décadas, senão séculos, visto que Pascal e Leibnitz também são grandes precursores.

  30. Pedro said

    Tá no UOL,

    “Na recessão, todos somos perdedores, diz chefe do Bradesco.”

    E a notícia logo abaixo:

    Lucro do Bradesco em 2015 é o 2º maior da história entre bancos no país

  31. Pax said

    Barbaridades pra todos os lados…

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/01/1734573-promotoria-ve-fraude-de-r-71-mi-em-obra-de-ampliacao-da-marginal-tiete.shtml

  32. Patriarca da Paciência said

    Poucas pessoas definiram tão bem a atual situação do Brasil:

    Por Tico Santa Cruz, em seu Facebook

    Acho estranho quando alguém vem a mim e diz:

    “Você não está do lado do povo!!!”

    Imediatamente meu cérebro começa a fazer uma busca para localizar a qual povo o indivíduo se refere.

    O Povo dos bancos?

    O Povo que sempre teve comida no prato, dinheiro para viajar, empregada doméstica, condições de colocar seus filhos numa escola boa e pagar plano de saúde?

    O Povo que jura de pé junto que é contra a corrupção mas que sonega imposto, ultrapassa farol vermelho, fecha cruzamento, fura fila, falsifica carteira de estudante, paga grana para passar na frente dos outros onde existe burocracia, que compra produto pirata?

    O Povo que diz que bandido bom é bandido morto e quer fazer justiça com as próprias mãos e que fala que direitos humanos é coisa feita pra proteger vagabundo e que quer colocar criminosos menores de idade misturados com adultos em penitenciárias entupidas e quer dar porte de arma para qualquer cidadão para que o mesmo possa se defender sozinho?

    O Povo que acredita que estamos a beira de um Golpe Comunista, e que o foro de São Paulo é uma organização que vai implementar junto com outros países da América Latina uma política bolivarianista e transformar o Brasil em Cuba ou na Venezuela?

    De que Povo estamos falando?

    Do Povo que é a favor de intervenção militar e que elogia ditadura e aposta em viúvos da Ditadura como opção para presidência desse país?

    O Povo que aplaude a violência da Polícia Militar contra estudantes que estão lutando para que sejam fechadas suas escolas?

    O Povo que bate panela no alto da sacada do seus apartamentos bacanas enquanto um monte de gente não tem nem comida pra comer?

    O Povo que pensa que corrupção começou há 14 anos e que bom mesmo era quando Negro não entrava na Universidade, quando Gay não tinha direitos, quando lugar de mulher era na cozinha e quando pobre não viajava de avião ou frequentava o mesmo shopping?

    Que Povo é esse que essas pessoas dizem que não estou ao seu lado?

    O Povo que acredita que democracia é pesquisa de opinião pública e que isso seja o suficiente para acabar com a democracia?

    Porque se for esse povo, realmente eu não estou ao seu lado.

    Alias, estamos bem distantes e em lados bem opostos.

    Agora se for o Povo que entende que o Brasil está passando por um momento difícil, que o Governo não vem desempenhando um papel esperado e que inclusive não aprova a forma como vem sendo administrado. Que sabe que é preciso punir TODOS os corruptos de TODOS os partidos e investigar os casos de forma justa e correta, sem pender de forma manipulada a uma direção só, que não quer perder os avanços que foram feitos nos últimos anos e percebe que hoje no Congresso existe uma campanha para travar politicamente esse país e inviabilizar qualquer tentativa de melhorias, para que com isso AQUELES que antes estavam no poder possam voltar ao comando e esse Povo sabendo disso, mesmo sem concordar com o Governo, está lutando arduamente pela democracia, porque entende e sabe que não existe mágica em política, nem santo, nem herói e que será preciso muita força e muita luta para que não sejamos engolidos por um SISTEMA QUE SEMPRE PRIVILEGIOU OS MAIS RICOS – ainda privilegia – e que é pautado por gente que só pensa no próprio umbigo.

    Bom, com esse povo estou de mãos dadas.

    O Brasil tem lados amigos. Sempre teve, mas dessa vez ficou evidente. E realmente não estou ao lado de quem quer entregar meu país para um GRUPO DE BANDIDOS que se fingem de Santos e que usa a massa revoltada para tentar voltar ao poder a qualquer custo.

    Podem me xingar a vontade, tentar me humilhar, me difamar, inventar mentiras, ameaçar.

    Do lado dessa gente que acha que política é futebol, realmente não estou e não esperem algo diferente de mim.

    Estou do lado do Povo que sempre foi invisível, e que talvez por isso nem seja considerado Povo por quem diz quem é ou não é o Povo.

    É tanto Povo, que fica realmente confuso escolher qual deles nós pertencemos.

  33. Pax said

    Tá ficando feio o conjunto da obra

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/01/1734827-odebrecht-fez-obra-em-sitio-ligado-a-lula-diz-fornecedora.shtml

    Sem que eu fique satisfeito com isso, muito menos com a ausência de investigações tão profundas para o outro lado.

    Por mim que sejam todos despidos, devidamente. Dentro do processo legal.

  34. Chesterton said

    27- hilário

    29- como explica Chomsky? Ora, esse cara nada explica, porque ninguem fez o Windows antes do gates?

  35. Chesterton said

    33, Pax, me explica como é que alguem pode ter queirdo vender uma coisa que agora diz nunca ter sido sua?

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/12/1568072-lula-estuda-se-desfazer-de-triplex-no-litoral.shtml?cmpid=compfb

  36. Pax said

    Não sei as respostas, caro Chesterton.

    Se fosse o advogado de defesa diria que é a venda da tal opção.

    Como não sou polícia, nem promotor, nem advogado, acompanho o noticiário a respeito.

  37. Chesterton said

    http://selvabrasilis.blogspot.com.br/2016/01/os-sertanejos-da-tundra.html

    Uma economia em depressão crônica, desemprego em alta e uma aversão a reformas de livre mercado. Parece uma história europeia conhecida?

    Mas não é a Grécia, nem a Espanha nem Portugal. É a Finlândia.

    Os países endividados e com problemas da região sul da zona do euro estão saindo trabalhosamente de sua crise de seis anos, alguns com mais sucesso que outros, ao passo que a Finlândia está sucumbindo à sua crise.

    A economia do país, que se contraiu todos os anos desde 2012, teve o pior desempenho na zona da moeda comum durante os primeiros três trimestres de 2015, segundo dados do Eurostat.

    Seu déficit é relativamente maior que o da Itália, apesar de a Finlândia ser a quarta colocada no ranking da União Europeia pelos impostos e encargos sociais que cobra de seus cidadãos, e sua taxa de desemprego supera a dos vizinhos nórdicos. Os mais novos dados, publicados nesta quarta-feira pela Statistics Finland, mostraram que a taxa de desemprego subiu para 9,2 por cento em dezembro, o nível mais alto desde junho de 2015.

    O ministro de Finanças, Alexander Stubb, começou a se referir ao seu país como o mais novo “doente da Europa”.

    “A Finlândia se transformou em uma economia que funciona com um déficit” e está “10 por cento ou 15 por cento atrás da Suécia ou da Alemanha” quanto à competitividade, disse o ministro da Economia, Olli Rehn, em uma entrevista neste mês.

    “É por isso que temos de ajustar”.

    O declínio no número de pedidos da vizinha Rússia, o enfraquecimento do setor de papel local e o colapso da divisão de produtos eletrônicos para consumidores da Nokia se combinaram para socavar a que foi uma das economias mais fortes da Europa Ocidental.

  38. Pax said

    Disse que disse, não disse, disse de novo…

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/01/1734869-delator-agora-diz-que-jose-dirceu-sabia-de-esquema-de-corrupcao.shtml

  39. Chesterton said

    Você sabe a resposta, pax, só não quer admitir que o PT é uma quadrilha criminosa organizada para saquear o Brasil.

  40. Pax said

    Chesterton, eu não sou juiz.Depois de acusado, julgado e condenado eu posso dizer isso ou aquilo.

    Mas que o somatório de notícias tá esquisito está.

    Como também tem somatório pra todos os lados que praticam o poder no Brasil.

    Você coloca tua mão no fogo pelos outros? Pelo PSDB? Pelo DEM? Pelo PMDB etc? Eu não.

  41. Chesterton said

    Bullshit. Pior que o PT, não tem. Dizer que não coloca a mão no fogo, ora….o PT é o “mais pior”.

  42. Pedro said

    Pra descontrair a sexta.
    Uma muxquinha pro Chester cantar pro Lula.

    “Tua culpa nos convence
    Não arranjes um culpado”

  43. Guatambu said

    Pax,

    Meu resultado: 77.8% Direita, 38.9% Liberal

  44. Pax said

    Valeu, Guatambu.

    Pedro, o Chesterton, velho, bom e rabugento Chesterton, quer um culpado desde que ele seja do outro lado da sua torcida.

    Mas é assim mesmo. Todos distorcemos ao torcer.

  45. Elias said

    R$ 111,2 bilhões. R$ 111.200.000.000,00.

    Esse é o tamanho do rombo nas contas do governo federal em 2015.

    É, também, o resultado do “ajuste fiscal” do Levy.

    Nisso ele superou o mestre dele, Octávio Gouveia de Bulhões.

    Agora, haja imposto pra tapar esse buraco!

    Política econômica liberaloide (liberadebiloide) sempre termina assim: produção em baixa, desemprego em alta, idem inflação e dívida, falências generalizadas, colapso na arrecadação de impostos, aumento do déficit público…

    Foi assim com o doidim Rui Barbosa. Foi assim com Octávio Gouveia de Bulhões. Agora, foi assim com o Levy.

    Consequências? Mais impostos (a conta dos que morrem acaba no colo dos sobreviventes), pra financiar mais gastos públicos e, assim, relançar a economia.

    Foi assim depois que o país se livrou do Rui Barbosa (neste caso, com a agravante da intervenção inglesa, que sucateou os sistemas de geração e distribuição de energia elétrica, de abastecimento de água e de transporte ferroviário do país). Foi assim depois que os militares se livraram de Octávio Gouveia de Bulhões. E está sendo assim depois que Dilma se livrou do Levy. Pelo menos a primeira parte já começou: aumento de impostos é coisa que não faltou no segundo semestre de 2015…

    A segunda parte — aumento dos investimentos públicos — já começa a ser implorada pelos empresários. A partida foi dada pelo Benjamin Steinbruck, da CSN. Agora, parece que a CNI começa a se mexer, pra apresentar uma pauta…

    Aí tem aquele papo de dizer que a coisa se repete como farsa. Pois é… Mas isso só piora, né?

  46. Chesterton said

    Um cara de esquerda que não se faz de idiota.

    http://oglobo.globo.com/opiniao/uma-alma-desonesta-18555887#ixzz3ydkYve9k

    A melhor coisa do Brasil é Lula, segundo Lula. “Se tem uma coisa de que eu me orgulho neste país, é que não tem uma viva alma mais honesta do que eu”, confessou o ex-presidente a uma plateia de blogueiros aduladores. Na conversa, ninguém produziu uma tentativa de distinção entre honestidade pessoal e honestidade política. Mas são conceitos diferentes. No plano pessoal, o julgamento da honestidade de Lula não cabe a ele — e permanece em suspenso. No plano político, provavelmente “não tem uma viva alma” mais desonesta que ele “neste país”.

  47. Chesterton said

    O presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Rui Falcão, foi assaltado quando estava em um restaurante da Vila Planalto, em Brasília.
    O crime ocorreu na madrugada da última quarta-feira (30), no Figueira da Vila, um dos mais antigos estabelecimentos do bairro, conhecido por receber políticos e servidores do Congresso Nacional.
    Além de Rui Falcão, o militante do PT Francisco Rodrigues também foi vítima do assalto. De acordo com o boletim de ocorrência, eles estavam saindo do restaurante quando foram rendidos por dois homens armados.
    Os assaltantes levaram os Rui Falcão e Francisco Rodrigues de volta para o estabelecimento e os obrigaram a deitar no chão. As vítimas foram agredidas com chutes e tiveram que entregar todos os pertences.

    http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2013/11/presidente-nacional-do-pt-e-assaltado-em-restaurante-em-brasilia.html?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar

    chest- para ele 100 anos de perdão.

  48. Chesterton said

    Os bebês do PT
    29/01/2016 02h00

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/reinaldoazevedo/2016/01/1734802-os-bebes-do-pt.shtml

    A Bolsa Microcefalia é a cara da nossa miséria moral. É a cara da nossa solidão ética. É a cara do nosso desatino civilizacional. Não que eu seja contra. Como ser? O governo diz que vai pagar um salário mínimo por mês a bebês acometidos pela doença que pertençam a famílias com renda per capita de até R$ 220.

    Parece exagero o que vou escrever, impróprio para o meio, mas a notícia me deu enjoo físico mesmo, não metafórico. É preciso saber a hora de dar um murro na mesa da isenção técnica. Sem um pouco de indignação, leitor, é bom que você nem se levante da cama. Fique lá enterrado nos humores do sono.

    Imaginem as dificuldades que um bebê com microcefalia traz para qualquer família. Aí multipliquem isso pela pobreza –e os filhos da pobreza já não nascem embalados pela melhor sorte. Se saudáveis, no entanto, podem ser socorridos pelo incerto, que ainda é a mais certa de todas as coisas. Com um mal que lhes cause severas limitações intelectuais, tem-se um destino.

    O mosquito Aedes aegypti, que transmite a dengue, a chikungunya e o vírus zika, voltou a ser um problema de saúde pública no Brasil no fim dos anos 1990 e início dos anos 2000. De lá pra cá, o que se vê é o agravamento contínuo do quadro.

    O PT está no seu 14º ano de governo. Só no fim de 2015, dada a explosão de casos de microcefalia –provocada, é praticamente certo, pelo zika–, o governo federal se deu conta de que o mosquito voa e de que o combate não poderia ficar apenas sob a responsabilidade dos municípios. A intervenção federal se fazia necessária.

    O zika é o mais triste e terrível símbolo dessa gente asquerosa que usou as urnas para assaltar o poder; que violou não apenas uma penca de dispositivos do Código Penal, mas também os fundamentos mais comezinhos do Estado de Direito. E o que é pior: ela o fez em nome de uma utopia, de uma redenção, de um valor alternativo.

    Os petistas merecem, sim, o repúdio mais veemente por terem conspurcado a legalidade. Mas têm de ser verdadeiramente execrados por destruir as esperanças honestas de milhões de pessoas num “outro mundo possível” –ainda que eu, pessoalmente, jamais tenha lidado com essa perspectiva porque, em política, só me interessam as coisas deste mundo.

    No fim das contas, a que se resumiu o lado virtuoso do “modelo petista” de gestão? À parte as circunstâncias que não eram de sua escolha –como a elevação do preço das commodities, que propiciou um simulacro de redistribuição de renda–, os companheiros decidiram usar o Estado para aplicar medidas compensatórias, que, para que sejam honestas, não podem estar atreladas a uma perspectiva político-eleitoral. O PT privatizou a pobreza para que o povo, lembrando a carta demagógica de Getúlio, não fosse escravo de mais ninguém, só do partido.

    No seu 14º ano de poder, não houve vício do atraso, do patrimonialismo, do mandonismo, do compadrio e, sim, da safadeza a que o partido não tenha emprestado uma dimensão superior, profissional, verdadeiramente técnica. O lulo-petismo buscou calar os pobres com caraminguás também de cidadania, enquanto os esquerdistas pançudos se refestelavam no poder. Os porcos de George Orwell gritam à margem do meu texto, e tenho de lembrá-los.

    Agora o partido atinge o seu estado de arte. Os bebês com microcefalia, tornados bolsistas permanentes, são um testemunho de um modo de fazer política.

    Eles são a evidência de que o petismo é também uma abominação moral.

  49. Guatambu said

    Elias,

    Toda nossa discussão anterior se resume a 2 pontos de vista distintos sobre exatamente essa frase que vc disse: “A segunda parte — aumento dos investimentos públicos — já começa a ser implorada pelos empresários.”

    Implorado pq? Onde foi parar a grana dos empresários?

    A sua frase pinta um quadro mostrando os empresários como reféns do Estado.

    É esse o ponto: eu não acho que deveria ser assim.

  50. Pax said

    O que me parece, de tanta notícia com dados… é que acharam que estavam acima de qualquer punibilidade…

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/01/1734940-ministerio-publico-intima-lula-a-depor-sobre-triplex-como-investigado.shtml

    esse Vaccari é um B.O. ambulante, caramba

  51. Guatambu said

    Elias,

    Mudando de assunto um pouco, vc viu isso aqui?

    http://www.businessinsider.com/switzerland-might-end-fractional-reserve-banking-2016-1

    O que vc acha sobre acabar com esse sistema bancário “fracionado”?

    O “Chicago Plan” parece ter resultados interessantes… mas que por outro lado drenaria o volume de dinheiro mundial, e quem precisa de crédito estaria f…

  52. Pedro said

    # 50

    O que me parece é que tem coisa muito mais grossa.
    Este AP aí, é café pequeno, nem deram muito importância.

  53. Pedro said

    Googlias, quando tiver tempo dá uma olhada no # 28.

  54. Patriarca da Paciência said

    “Ibovespa dispara 4,60%, impulsionado por PIB norte-americano e juros no Japão”

    http://www.jb.com.br/economia/noticias/2016/01/29/ibovespa-dispara-460-impulsionado-por-pib-norte-americano-e-juros-no-japao/

    Faz algum tempo que eu acompanho o comportamento esquizofrênico da Ibovesp.

    Ridículo mesmo são as “explicações” que dão para as subidas e descidas repentinas.

    “Aprofundamento das investigações da Lavajato”. impeachment da Dilma. Juros japonês. PIB norte-americano. etc.etc .etc.

    Sendo que de um dia para o outro esses fatos parecem surgir e desaparecer por completo, pois que num dia a bolsa sobe vertiginosamente e no outro cai desesperadamente.

    Como já dizia o Delfim Neto, ” Não há nada mais ridículo que comentarista econômico”.

  55. Patriarca da Paciência said

    Sai a primeira condenação de Lula na justiça
    by Vassaly D’Amyddiah • 28 de agosto de 2015

    Íntegra da decisão:

    Luis Inacio da Silva, operário de profissão, mais conhecido pela alcunha de “ Lula” foi regularmente processado nesta Comarca como incurso nas sanções do Código Penal Pátrio do Bananal, pois consta que intencional e reiteradamente, ao longo de um decêndio, no período compreendido entre os anos de 2002 a 2010, no exercício do cargo de Presidente da República, entre outros crimes conforme se verá adiante, promoveu reformas e atos que levaram a proporcionar melhores condições de vida e saúde aos menos favorecidos até então excluídas da vida nacional. Também consta que, com seu proceder criminoso aumentou o salário mínimo com um aumento real de 74%; acumulou um superávit comercial de US$ 252 Bilhões (2003/2010) e não contente saldou toda a dívida com o FMI e com o Clube de Paris e o Brasil se tornou credor daquele bondoso representante internacional de good men.

    Nesta data foi realizado o julgamento oportunidade em que os jurados ao votarem a primeira serie de quesitos por 7 ( sete ) votos unânimes reconheceram a materialidade dos fatos supra elencados e a autoria dos delitos. Foi afastada a tese de participação de menor importância e reconhecida a qualificadora do motivo nobre, unanimemente negado o quesito absolutório.

    O réu mostra o tamanho da encreca em que meteu o bananal
    Na segunda série de quesitos quanto aos crimes de ampliar a capacidade de investimento do Estado; aumentar as exportações acumulando crescimento; aumentar as reservas internacionais líquidas para US$ 285 Bilhões ; por 07 (sete) votos reconheceram a materialidade e autoria sendo negado o quesito absolutório.
    Na terceira série de quesitos quanto aos delitos hediondos de anular portaria do governo FHC que proibia a construção de escolas técnicas federais e iniciar a construção de dezenas de novas unidades; criar o Reuni, que iniciou um novo processo de expansão das universidades públicas; reduzir os gastos públicos com pagamento de juros da dívida pública para 5,9% do PIB , por 07 (sete ) votos reconheceram a materialidade e autoria negado o quesito absolutório.

    Lula manifestando-se sobre o teor da sentença exarada
    Na última serie de quesitos, considerados os crimes contra as empresas, bancos e industrias, ocasião em que os lucros do setor produtivo cresceram quase 200% em relação ao governo anterior; O BNDES emprestou R$ 137 Bilhões em 2009 para o setor produtivo, contra cerca de R$ 22 Bilhões em 2002; fez o Brasil se tornar credor externo, com um saldo positivo de US$ 65 Bilhões; Fez o Estado voltar a atuar como importante investidor da economia; elevou o volume de crédito na economia brasileira, culminando essa serie de crimes hediondos com a o inicio de novas grandes obras de infra-estrutura (rodovias, ferrovias, usinas hidrelétricas, etc) financiadas tanto com recursos públicos como privados.

    Assim exposto e considerando a vontade soberana do Júri dos Homens Bons do Bananal, declaro o réu Luis Inacio Lula da Silva incurso nas sanções de todos os dispositivos violados e já elencados.

    Documentos dos autos que comprovam os crimes do réu
    As investidas e ações do reu em favor dos menos favorecidos ficaram cristalinas bem como o interesse em suprimir a fome e a miséria proporcionando uma vida digna a toda a população ao criar programas sociais inclusivos, como o Bolsa-Família, ProUni, Brasil Sorridente, Farmácia Popular, Luz Para Todos, entre outros, que beneficiaram aos pobres e miseráveis e contribuíram para melhorar a distribuição de renda.

    Conforme se infere das folhas de Antecedentes Criminais bem como Certidões de Antecedentes Criminais o réu embora tecnicamente primário já conta com a pratica de atos quando na direção de sindicatos de trabalhadores nos anos 80 e atuação na câmara dos deputados, de modo que não pode ser tido como de bons antecedentes. As circunstâncias atinentes à conduta sempre obstinada em proporcionar uma vida digna a milhões não lhe favorece, eis que há informações nos autos de que tinha envolvimento com a geração 15 milhões de empregos formais entre 2003/2010 e com a redução da taxa de desemprego de 10,5% (Dezembro de 2002) para 6,8% (Dezembro de 2013)

    No tocante à personalidade tal circunstância, igualmente não favorece ao acusado, uma vez que demonstrou ser pessoa cordial, sensata, sempre bem humorado e atento ao sofrimento da população carente. Essa personalidade é desvirtuada e foge dos padrões mínimos de normalidade exigida nos homens bons. Tem incutido na sua personalidade uma total subversão dos valores vez que considera que um homem bom vale tanto quanto um da gentalha. Os motivos dos crimes apreciados para efeito de reconhecimento da qualificadora do motivo torpe, tendo em vista reduziu a inflação de 12,5% (2002) para 4,3% (2009) ao ano;

    As circunstâncias não o favorecem uma vez que criação do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) que prevê investimentos públicos e privados de R$ 646 Bilhões entre 2007/2010 gerou funestas consequências, eis que que reduziu o percentual da população do Bananal que vive abaixo da linha de pobreza de 28% (2002) para 19% (2006), segundo o IPEA;

    A cúmplice que será julgada oportunamente
    Com tal diagnóstico, condeno o réu a passar a ser conhecido doravante como brilhante Estadista e o melhor presidente que este Bananal já conheceu não havendo atenuantes, havendo a agravante de proporcionar que sua obra fosse continuada por outra criminosa Dilma Vana Roussef, acunha Vanda, conhecida integrante de organizações que defendiam a luta armada contra o regime militar constitucional dos homens bons, que também deverá ser processada e julgada por este juízo em ocasião oportuna.

    Comunique-se a condenação aos jornalões da imprensa tradicional e golpista. Registre-se.

    Sala de Sessões do Tribunal do Júri.
    Comarca do Bananal, 08 de agosto de 2015
    (a) Juíz de Direito”

  56. Patriarca da Paciência said

    O texto acima é do blog Professor Hariovaldo de Almeida Prado

  57. Pax said

    a tempestade em POA foi braba mesmo

    e há uma chacina em Londrina que parece não ter fim

    o país não está preparado para as intempéries

    e cria as suas tragédias

    nossa evolução mais parece involução

  58. Chesterton said

    isto é PT!

  59. Chesterton said

  60. Pedro said

    Começando o mês com uma segunda de muita chuva, tumultuada, complicada.

    As notícias sobre o Brasil, parecem boletim de hospital: ” O paciente continua internado sem previsão de alta”.

    E nas noticias internacionais o destaque é:

    http://noticias.terra.com.br/mundo/africa/boko-haram-queima-criancas-vivas-em-atentado-na-nigeria,3a3dd45b5522076f635cf230b704eed9kgzs5pwn.html

    Pelamordedeus!

    “Pode mandar o meteoro de novo, que mais uma vez não deu certo.”

  61. Chesterton said

  62. Elias said

    Pedro,
    Li o comentário # 28.

    Já disse algo sobre o assunto, ironizando um texto que o Chester havia copiado e colado.

    Tomara que o tal Paulo se saia melhor como consultor legislativo. Como analista financeiro ele é um nada!

    Nenhuma empresa lança ações no mercado, num momento em que ela não está operando com lucros crescentes.

    Põe a bundinha pra pensar:

    1 – Supõe que a quitanda do avô do Chester, tenha o capital dividido em 10 quotas, cada uma valendo R$ 10,0 mil, distribuídas tais quotas entre os dois sócios do empreendimento: vovô e vovó Chester.

    2 – Agora, supõe que o lucro líquido médio anual a distribuir seja de R$ 20,0 mil (isso não inclui, evidentemente, o “pro labore” que o vovô Chester retira mensalmente, como remuneração pelo seu trabalho diuturno na quitanda).

    3 – O lucro líquido a distribuir apurado anualmente, significa uma rentabilidade do capital próprio de R$ 2,0 mil, ou seja, 20%, por quota. Em aproximadamente 5 anos, vovô e vovó Chester terão se ressarcido do capital investido na quitanda.

    4 – Agora, supõe que vovô e vovó Chester resolvam admitir como sócio um netinho deles, que ganhou uma baba maneira, sem trabalhar, se locupletando com dinheiro público francês (para o que se valeu de um traficozinho de influência familiar no Itamarati…). Esse neto entrou com mais 5 quotas de capital, que, agora, passou a ser constituído por 15 quotas de capital de R$ 10,0 mil.

    5 – Acontece, cara, que o momento não era lá esse chocolate todo. As vendas não renderam mais, só porque o capital aumentou. No fim do ano, o lucro líquido a distribuir foi R$ 22,5 mil.

    6 – Pega esse lucro, e divide pelas 15 quotas de capital. Dá R$ 1,5 mil. A rentabilidade do capital próprio caiu de 20% para 15%.

    Sacaste?

    É por isso que empresas na situação da Vale e da Petrobras não estão lançando ações neste momento. A empresa só deve lançar novas ações — expandindo o capital próprio — quando há um aumento — ou há a perspectiva de um aumento — do lucro MAIS QUE PROPORCIONAL em relação ao aumento do capital próprio. Caso contrário, a rentabilidade do capital próprio vai cair, e, consequentemente, o valor de mercado da empresa também.

    Imagina a Petrobras fazer isso no momento em que o valor de mercado das ações dela despencou, e não chega nem a 20%, talvez, do valor patrimonial. Seria suicídio!

    Num momento assim, a empresa prefere partir pra outras alternativas. As clássicas são: (i) o lançamento de debêntures (algo que a Petrobras e a Vale fizeram em 2015); (ii) venda de ativos (que a Petrobras e a Vale estão fazendo desde o ano passado). A venda de ativos, principalmente, permite que a empresa consiga dinheiro pra bancar investimentos produtivos, sem aumentar o endividamento, sem prejudicar a liquidez (já que ela não mobilizará o dinheiro que já dispõe), e, sobretudo, sem alterar a composição do capital próprio.

    É por isso que os sócios privados NÃO QUEREM que o governo injete dinheiro público NO CAPITAL da Petrobras. Isso teria o mesmo efeito do ingresso do neto Chester no capital da quitanda do vovô Chester. No caso da Petrobras, a empresa poderia se recuperar rapidamente, mas o valor da ação despencaria.

    É por isso que o preço de mercado da ação da Petrobras despenca ainda mais, diante do mais leve boato de que o governo vai meter grana na empresa. Normalmente a coisa funciona assim: (i) o governo “empresta” dinheiro à empresa; (ii) o valor do “empréstimo” fica contabilizado no exigível a longo prazo; (iii) no ano seguinte, DEPOIS de fechado e aprovado o balanço, o valor do empréstimo é transformado em participação societária (o valor sai do passivo exigível a longo prazo e passa para o passivo não exigível, ou seja, para o capital próprio). É assim que vivem 15, em cada 10 “companhias” de saneamento do Brasil, sociedades de economia mista da carochinha.

    Isso é bê-a-bá da administração financeira. É coisa que se aprende pra início de conversa.

    Esse “analista” que tu transcreveste, tem que voltar pro ensino médio…

    No comentário sobre o texto que o Chester CtrlC + CtrlV, eu citei outro dono imaginário de quitanda, o Takeo Tapa Nakara, que, depois de explicar essa mecânica simplíssima dos primeiros passos da administração financeira, entregou: “É por isso que não coloquei meu primo como sócio da quitanda, apesar de comer a mulher dele…”.

  63. Chesterton said

    O inimigo do Brasil

    São cerca de 30 anos em que Lula age contra os interesses nacionais, prejudicando o país, perpetuando nossas misérias e corroendo nossas instituições republicanas

    “Quem espera que o diabo ande pelo mundo com chifres será sempre sua presa.” (Schopenhauer)

    Menino de família pobre chega do Nordeste e acaba se tornando operário no ABC paulista, até virar líder de um partido de esquerda temido pelas “elites”. Insiste em virar presidente e, após três tentativas fracassadas, consegue, para finalmente realizar o sonho da “justiça social”. É uma narrativa sedutora demais, não só para “intelectuais” inspirados em Rousseau que precisam de mascotes para aplacar suas angústias existenciais; mas para muita gente.

    Agora a máscara de Lula caiu para a maioria. Mas muitos repetem que ele foi corrompido pelo poder, que sua “pureza” se perdeu. Novamente, trata-se de uma narrativa sedutora, para que os românticos possam preservar as ilusões. Lula não mudou tanto no poder; este apenas revelou sua essência. A própria sede insaciável pelo poder demonstrava o que estava por trás, e não era o desejo de ajudar os pobres.

    Alguns podem achar que isso é chutar cachorro morto, mas discordo. Primeiro, pois já faço tais críticas há mais de década; segundo porque Lula ainda não está morto politicamente. Continua vivo, ameaçando voltar em 2018, causando estragos ao país, o que parece ser sua grande vocação.

    Senão, vejamos: já no começo da vida de metalúrgico, Lula percebeu que trabalhar dava… trabalho. Preferiu o caminho das bravatas, incitando greves, tentando paralisar o país como se a pressão sindical fosse mesmo benéfica aos trabalhadores. Mas todas as “conquistas trabalhistas” verdadeiras são fruto do avanço capitalista, não de máfias sindicais inspiradas na luta de classes marxista. Basta comparar a qualidade de vida dos trabalhadores de países mais liberais com a dos brasileiros, que vivem numa verdadeira república sindical.

    Depois, com o PT, Lula descobriu novamente o caminho do “quanto pior, melhor”. Quanto mais seu partido atrapalhava o país, melhor era para seu projeto pessoal de poder. O PT lutou contra todas as reformas importantes das últimas décadas. Plano Real, que derrotou a inflação (agora de volta); Lei de Responsabilidade Fiscal, que tentou trazer o bom senso de qualquer dona de casa para a gestão pública; privatizações, que tornaram os serviços melhores e bem mais acessíveis (linha telefônica era declarada como patrimônio no Imposto de Renda); etc.

    Quando finalmente chegou ao poder, Lula teve um lapso de bom senso e preservou as conquistas que seu partido tinha dificultado ou quase impedido. Mas foi por pouco tempo. Logo seu lado populista falou mais alto, e um oportunismo pérfido fez com que todos os pilares fossem derrubados em prol de seu projeto de poder. Tivemos o mensalão, depois o petrolão, e seu governo “fez o diabo” para que sua criatura fosse eleita e reeleita. Todos sabiam quem realmente mandava.

    Sim, é verdade que a economia cresceu bem por um período, mas, como os economistas sérios cansaram de avisar, isso se deu a despeito de Lula, não por causa dele. Não houve “avanços sociais” como boa parte da imprensa ainda insiste. O que aconteceu foi o fenômeno China, puxando o preço das commodities e enchendo os cofres do governo. Lula pegou esse bilhete de loteria e usou para a compra de votos, para fomentar uma bolha artificial, para endividar o Estado e as famílias brasileiras.

    Em resumo, são cerca de 30 anos em que Luiz Inácio Lula da Silva age contra os interesses nacionais, prejudicando o Brasil, perpetuando nossas misérias e corroendo nossas instituições republicanas. E não pense que é exagero: o poder de um indivíduo, para o bem ou para o mal, não pode ser desprezado. Thatcher e Reagan fizeram muito para salvar seus respectivos países, enquanto Fidel Castro, camarada de Lula, destruiu e escravizou uma nação inteira por mais de meio século!

    Nada disso seria possível, vale notar, sem a ajuda dos “intelectuais”, que sempre alimentaram o monstro. E isso inclui Fernando Henrique Cardoso. O sociólogo deixou seu lado marxista falar mais alto e ficou animado com a chegada do “homem do povo” ao poder. Mesmo depois de ser massacrado pela campanha de difamação petista, continuou com postura pusilânime, sem reagir à altura. A falta de uma oposição verdadeira deixou o caminho livre para as mentiras e o cinismo de Lula e seu PT.

    Agora o ex-presidente pode acabar preso. Está todo enrolado com a Justiça. Seria um momento histórico para o país: do messianismo populista ao cárcere. Tenho certeza de que o Brasil iria parar, e as ruas seriam tomadas por gente esperançosa. Lula não virou; ele sempre foi o inimigo do Brasil.

    Rodrigo Constantino é economista e presidente do Instituto Liberal

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/opiniao/o-inimigo-do-brasil-18586861#ixzz3z0sdvqJn

  64. Chesterton said

  65. Patriarca da Paciência said

  66. Patriarca da Paciência said

    2 DE FEVEREIRO DE 2016 ÀS 16:02

    247 – O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato, determinou nesta terça-feira 2 a suspensão dos prazos para a apresentação das alegações finais na ação contra a Odebrecht.

    A decisão acontece logo após a Justiça da Suíça ter considerado irregular o envio de provas contra a empreiteira pelo Ministério Público daquele país ao Brasil.

    Moro decidiu pela suspensão dos prazos até que ele tenha acesso à decisão da Justiça suíça. Para a advogada Dora Cavalcanti, que representa um dos ex-executivos da Odebrecht, a decisão suíça deve mudar os rumos do processo contra seu cliente e os outros executivos presos.

    Apesar de os juízes suíços não terem determinado a devolução das provas pelo Brasil, o que inviabilizaria o uso dos documentos na Operação Lava Jato, a Odebrecht vê a decisão como uma vitória, uma vez que tenta anular as provas obtidas pela investigação no exterior.

    A pergunta agora é: o que acontece com Marcelo Odebrecht e outros dois executivos ligados à empresa, presos preventivamente em junho de 2015?

  67. Chesterton said

    65, esse da figura está em cana.

  68. Patriarca da Paciência said

    Nota do Sindicato dos Bancários:

    “A Bancoop foi criada em 1996 por militantes bancários, com apoio do Sindicato e o objetivo de possibilitar aos trabalhadores realizar o sonho da casa própria. Como cooperativa, não visava o lucro e conseguia construir empreendimentos de qualidade a preço de custo. Atualmente, 5.698 famílias vivem em casas ou apartamentos feitos pela Bancoop.

    A partir de dezembro de 2004, com a morte de Luiz Malheiro, presidente da cooperativa desde sua fundação, e integrantes do departamento financeiro, num acidente de carro, assume uma nova diretoria que tem de fazer uma reorganização administrativa na Bancoop. De acordo com o formato de cooperativa, qualquer eventual diferença entre o custo estimado do imóvel e o efetivamente gasto seria rateada entre os cooperados. A recusa em aceitar esse rateio em alguns casos gerou um déficit que acabou por dificultar a conclusão de algumas unidades.

    A situação foi agravada pela guerra política travada em torno da Bancoop, principalmente em anos eleitorais. Muito se diz, sem nada ser comprovado. A cooperativa passou por duas CPIs (na Assembleia Legislativa e no Senado) e nenhum desvio foi constatado. Um procedimento no Ministério Público foi arquivado por falta de provas.

    A partir de 2007, o promotor José Carlos Blat, do MP de São Paulo, faz denúncias contra a Bancoop por cerca de um ano via imprensa, sem efetivar inquérito no qual a cooperativa tivesse oportunidade de apresentar defesa. Mesmo infundadas, essas denúncias divulgadas pela mídia assustaram cooperados que desistiram de pagar, abalando a estrutura da cooperativa.

    Quando o processo foi instalado e pode enfim se defender, a Bancoop apontou 593 erros do promotor, que estão sendo questionados judicialmente. Dentre eles, o pilar da denúncia: um suposto cheque de R$ 38 milhões que, na verdade, era de R$ 38 mil. Uma das muitas inconsistências apontadas pela Bancoop, que sempre deu todas as explicações solicitadas pela Justiça (confira também no http://www.bancoop.com.br).

    Dados – Em assembleia com bancários e por solicitação dos trabalhadores, o Sindicato se comprometeu a acompanhar a situação e a solução dos problemas. Em 2005, havia 14 empreendimentos para serem concluídos e atualmente são três. No total, 25 foram entregues.

    A partir da deliberação dos cooperados, em assembleias homologadas pela Justiça, construtoras passaram a trabalhar para finalizar os empreendimentos. Os acordos que levaram às transferências desses empreendimentos para as construtoras (são quatro empresas) ocorreram a pedido dos próprios cooperados: sem um mínimo de 90% de adesões, os acordos não eram concretizados.

    Parte dos que desistiram de empreendimentos passados a outras construtoras tiveram restituído os valores pagos, faltam 173. Além das 5.698 moradias entregues, outras 644 foram concluídas via acordos de transferência de empreendimentos aprovados em assembleias pelos cooperados.

    O apartamento de Lula e a Bancoop – A mais recente denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva refere-se a um apartamento adquirido por sua esposa, D. Marisa, num empreendimento da Bancoop no Guarujá. Como outros tantos trabalhadores, Lula e sua família queriam ter um espaço na praia para descansar, mas desistiram diante do assédio da imprensa e, como outros cooperados, aguardam para receber de volta o montante empenhado.

    Para quem governou o Brasil por 500 anos achando que trabalhador tem de ser explorado, esperando crescer um tal bolo que nunca seria dividido, Lula incomoda e muito. Foi o presidente que mais distribuiu renda, tirou o Brasil do mapa da fome, fortaleceu a economia e o mercado interno, feitos reconhecidos internacionalmente.

    Os jornais estão travando uma disputa política que tem por único objetivo evitar que Lula seja candidato em 2018. Nós, do Sindicato, repudiamos a falta de compromisso da imprensa tradicional com a verdade e queremos que a disputa seja travada nas urnas, único espaço onde deve ser julgado o projeto político que governa o Brasil desde 2003.

    Repudiamos um jogo sujo que atinge empresas, nomes, reputações, famílias inteiras e paralisa o país. Não por acaso, a maior parte dos atingidos representa a luta dos trabalhadores por mais direitos nesse Brasil tão desigual. É o caso do presidente da CUT, Vagner Freitas. O Sindicato repudia também esse ataque (leia mais aqui).

    Entenda e divulgue a verdade – . A denúncia apresentada pelo promotor Blat conta com 593 ERROS sobre a Bancoop. Ele menciona, por exemplo, o cheque nº 012400, emitido e compensado no valor de R$ 38.804,66 como tendo o valor de R$ 38.804.366,00.

    . É MENTIRA que seis mil famílias ou três mil famílias não tenham recebido seus apartamentos ou casas da Bancoop. Na verdade 5.698 estão usufruindo de seus empreendimentos em algumas das principais regiões de São Paulo e Osasco.

    . Não há dinheiro desviado da Bancoop. Todo dinheiro foi investido nos empreendimentos finalizados a partir de acordos definidos pelos cooperados em assembleias, todos homologados pela Justiça.

    . A cooperativa teve seu sigilo bancário quebrado e nada de errado foi encontrado.”

  69. Patriarca da Paciência said

  70. Patriarca da Paciência said

    POR FERNANDO BRITO
    Vejo no jornal mineiro Hoje em Dia que saiu mais uma “parcelinha” de atrasados do “auxílio-moradia” dos membros do Ministério Público de Minas Gerais.
    Coisa “pouca”, só R$ 13,9 milhões de um total de mais R$ 1 bilhão “devido” a suas excelências em atrasados, segundo valores divulgados pelo jornal O Estado de Minas: R$ 946.483.179,57, em valores de fevereiro do ano passado, calculados a partir de 1994.
    Não inclui os senhores juízes, que no dia 5 de janeiro tiveram a liberação de um naco de R$ 180 milhões, correspondente a uma parcela de R$ 125 mil para cada um dos 1,4 mil juízes e desembargadores mineiros. O TJ de Minas não fornece os números totais dos gastos, mas é de crer que sejam maiores que aqueles, porque para os juízes há atrasados desde 1988.
    Dois bilhões e pico, a serem verdadeiros os números – e não tenho porque achar que não sejam – publicados pelo jornal mineiro.
    Como Minas Gerais tem 10% da população brasileira, não é absurdo supor que tenha 10% dos juízes, desembargadores, promotores e procuradores. E, como o “auxílio” é nacional, valendo a partir das mesmas datas e com os mesmos valores, pode-se extrapolar seus custos totais.
    Mais de 20 bilhões de reais.
    Agora some os ministros, juízes, desembargadores, e promotores federais, além de outros que vão “de carona”, como os membros dos Tribunais de Contas e quejandos.
    Tem aí uns R$ 30 bilhões de atrasados, afora o pinga-pinga mensal, sem imposto e livre para gastar, mesmo morando no local de trabalho e possuindo imóvel próprio?
    É um valor que deixa no chinelo as estimativas de perdas com a corrupção surgida na Lava Jato, estimada em R$ 6,2 bi pela auditoria da Petrobras e em R$ 19 bi pela Polícia Federal.
    Ou, se acaso os números não sejam exatamente estes, algo bem próximo, o que deixo para que a grande imprensa, com seus fartos meios, apure com exatidão, se, claro, vier ao caso.
    Valores a serem pagos “de acordo com a lei”, ao menos com a lei examinada pelos próprios beneficiários.
    Pagamento, aliás, que vai dar panos para manga, com a notícia de que as associações de juízes e promotores vai se insurgir contra a regra imposta por Dilma de que “será preciso apresentar o recibo do gasto com aluguel ou hotel, requisito até então não exigido de magistrados e membros do Ministério Público”, segundo o Congresso em Foco registra.
    Eu acho que é melhor parar de fazer contas antes que o japonês da Federal resolva baixar aqui em casa, pedindo a nota fiscal do “iate de soprar”, inflável, que eu comprei, tempos atrás, para meu filho pequeno. É que eu não tenho mais a nota fiscal, das Lojas Americanas. Como se sabe, isso hoje é motivo de suspeitas.
    Compartilhe!

  71. Pedro said

    Googlias, penso que o ponto principal do artigo não é o lançamento de ações.
    O ponto principal é a venda de ativos a preço de banana.

    “Vender ativos da Petrobras neste momento é crime lesa-pátria. O Brasil não está entra os principais Estados dessa “guerra entre Estados”. Entretanto, a “destruição da Petrobras” interessa a alguns Estados.”

    Achei sensato.

  72. Pedro said

    Enquanto isso:

    PROTESTO DOS ACIONISTAS DA PETROBRAS…. :-)

  73. Pedro said

    #66

    “A pergunta agora é: o que acontece com Marcelo Odebrecht e outros dois executivos ligados à empresa, presos preventivamente em junho de 2015?”

    Agora Patriarca, eles vão desfrutar dos milhões roubados do povo brasileiro, com a conivência dos políticos que dizem defender este mesmo povo que foi roubado.

    E tem pateta que gosta……

  74. Patriarca da Paciência said

    Pedro,

    explica aí o fato de que uma ação da vale já chegou a valer R$ 50,00 reais e hoje vale pouco mais de R$ 7,00 Uma desvalorização bem maior do que aquela acontecida na Petrobrás Você também acha, como o Chesterton, que é porque foi a Dilma indicou o presidente da Vale ?

    Eu trabalhei como contador, em várias empresas, inclusive no tempo dos governos miliares e, nunca, mas nunca mesmo, trabalhei em alguma que fosse imaculada.

    Trabalhei numa construtora, no governo Figueiredo, que “liberava” propinas para vários níveis das “hierarquias”, ou seja, pessoal que media a obra, pessoal que liberava o pagamento, pessoal que efetuava o pagamento etc.etc.etc.

    O capitalismo, em qualquer parte do mundo, funciona assim, através de “jeitinhos” e “vantagens”.

    É claro que isso tem que ser combatido e pessoas punidas.

    Mas o que tem se criado no Brasil é uma inquisição odiosa que prejudica o país numa desproporcionalidade sinistra.

    Que se coíba, que se obrigue as emprega a ressarcir os prejuízos etc.etc.etc.

    Mas falar em 100 anos de prisão para um diretor de construtora é delírio e fanatismo total. É busca de uma imacularidade que não existe em qualquer parte do mundo.

    Além do mais, apenas um lado é punido, através de espetáculos e alardeios.

    Isso está cheirando muito mal !

  75. Pedro said

    Pois agora, se o presidente não tem responsabilidade pela administração da empresa, quem teria?

    Busquei uma frase do Googlias sobre a peleja: petróleo x ferro

    “Com a crise, a demanda por aço despencou, mas o consumo de combustíveis nem tanto… Este último não aumenta como antes, mas também não despenca no curto prazo, porque os veículos já existentes continuam rodando, né?”

    O presidente da Vale pode usar este argumento, e nem sequer mencionar “cagadas gigantescas”, como o desastre da Samarco.

    E o presidente ainda pode ficar quieto e não dizer nada, afinal ele é presidente indicado pela Dilma e não tem nada a ver com a empresa. (segundo vc).

  76. Chesterton said

    Hummm, esse Patriarca aí não é aquele de antes…..

  77. Patriarca da Paciência said

    Pedro, a Vale é uma empresa privada desde o tempo do FHC. A Dilma não tem o menor poder em indicar presidente !

  78. Chesterton said

    “Lula e seus fiéis escudeiros, tendo à frente o notório José Dirceu, sempre se apresentaram como heróis ao povo brasileiro. Nunca passaram de homens comuns, daqueles que se deixam corromper pelas circunstâncias. Ao contrário deles, heróis mudam as circunstâncias e conservam suas virtudes. Lula e a tigrada nunca foram nem serão heróis – não passam de homens ordinários. Ordinaríssimos”, Estadão, em editorial sobre “a alma mais honesta do Brasil”.

    A Farsa desmontada- Estadão

  79. Patriarca da Paciência said

    Emir Sader

    A trajetória da elite brasileira e da construção do Brasil como o país mais desigual do continente mais desigual pode ser acompanhada diretamente pela própria trajetória da mídia brasileira, que sempre esteve do lado dessa elite, comprometida pelo lado pior da história do Brasil. A mídia esteve contra as transformações econômicas e sociais conduzida por Getúlio, como o maior estadista brasileiro do século XX; esteve com todas as tentativas de derrotá-lo eleitoralmente, em 1945 e em 1950; esteve a favor de todas as tentativas de golpe contra o Getúlio e a democracia. Não por acaso, assim que o povo do Rio de Janeiro soube da morte de Getúlio, saiu em milhões às ruas da cidade, atacando as sedes dos jornais, centro das campanhas contra o maior líder popular da época.

    A mídia seguiu as tentativas golpistas durante o governo de JK e apoiou a golpe que se tramou contra a posse Jango, em 1961. Foi brecada pela reação popular e pela resistência dirigida pelo Brizola. A mídia esteve pela manutenção do parlamentarismo, como forma de diminuir a capacidade de governo do Jango e mais uma vez foi derrotada.

    Em um momento significativo da sua história, a mídia promoveu ativamente o movimento de desestabilização política que levou ao golpe e saudou o golpe que terminava com a democracia no Brasil, como um movimento que, ao contrário, salvaria a democracia. Apoiou a ditadura na sua selvagem repressão contra a oposição. A Folha de S. Paulo chegou a emprestar seus carros para que, disfarçados de jornalistas, policiais da sangrenta Operação Bandeirantes prendessem, matassem, levassem à tortura milhares de opositores à ditadura.

    A mídia apoiou o modelo econômico da ditadura, centrado no arrocho salarial, na intervenção em todos os sindicatos e no fim das campanhas salariais. Elogiou permanentemente o “milagre econômico”, que super explorou os trabalhadores e mais concentrou renda na nossa história. A mídia estava, mais uma vez, do lado oposto ao povo e à democracia.

    Diante da possibilidade de que um candidato do campo popular – Lula ou Brizola – fosse eleito, em 1989, a mídia apoiou e promoveu a imagem do Collor, como seu novo preferido. Deu cobertura às operações de marketing midiático que acobertavam um governo com medidas duramente antipopulares e antinacionais.

    A mídia apoiou com todas as suas forças a candidatura de FHC, como meio de impedir a vitória do Lula. Cantaram, em prosa e em verso, o governo do FHC como a redenção maior do Brasil, o avanço para um país do futuro. A Folha chegou a criar um caderno chamado A Era FHC, para saudar os novos tempos, que foi desaparecendo melancolicamente aos poucos e teve fim. A mídia escondeu os processos de desigualdade social que o Plano Real promovia, enquanto apoiavam o maior escândalo de corrupção da história do país, com as privatizações a preços irrisórios do patrimônio público de empresas estatais. Mais uma vez a mídia estava contra o povo e contra o Brasil.

    O governo Lula resgatou a economia brasileira da profunda e prolongada crise recessiva a que o governo FHC a havia jogado, com inflação de 12%, com desemprego de 18%. Lula conduziu o Brasil ao período de maior auge econômico e social da sua história, elevando como nunca a imagem do país diante dos próprios brasileiros e projetando a imagem mais positiva do Brasil no mundo. A mídia fez oposição feroz ao melhor governo que o Brasil já teve. Lula terminou seu mandato com mais 80% de referências negativas na mídia, mas com mais de 80% de apoio popular. Lula representava o Brasil que dava certo e a mídia estava contra.

    Quando ataca Lula com a mesma ferocidade com que fazia contra o Getúlio e contra o governo Lula, a mídia dá continuidade à sua trajetória que se identifica com o Brasil que não deu certo: o Brasil golpista, o Brasil da concentração de renda, o Brasil da subserviência aos EUA, o Brasil dos monopólios antidemocráticos dos meios de comunicação, o Brasil da ditadura, o Brasil da repressão, o Brasil da calúnia, da impunidade, da submissão da mídia aos grandes grupos econômicos que a financiam, o Brasil do ódio ao povo e à democracia.

    São dois Brasis que se enfrentam hoje: o Brasil do Lula, que deu certo, para o seu povo, para a democracia, para sua auto-estima, e o Brasil que deu errado, que só favoreceu suas elites conservadoras e hoje quer impedir que o Brasil que deu certo volte a se impor. Lula representa o Brasil que dá certo, a mídia representa o Brasil que sempre deu errado. E que quer impedir que seja o povo que decida, pelo voto democrático, que Brasil os brasileiros preferem: o que deu certo ou o que sempre deu errado para o povo e para a democracia.

  80. Pedro said

    # 77

    A mídia chapa branca que vc vive colando aqui, diz que sim.

    http://www.conversaafiada.com.br/pig/2011/04/05/presidenta-decepciona-o-pig-e-escolhe-presidente-da-vale

  81. Patriarca da Paciência said

    Eu continuo achando que a Vale tem um conselho de acionistas que elegem o presidente, já que é uma empresa privada.

  82. Patriarca da Paciência said

    Pax,

    olha só que coisa estranha. Eu digo que o Paulo Henrique Amorim se enganou com a história da escolha da presidência da Vale e o Chesterton e o Pedro dizem que o Paulo Henrique Amorim está falando a verdade.

  83. Patriarca da Paciência said

    E a Bovespa esquizofrênica continua fazendo das suas.

    Em um dia tem alta de quase 5%.

    No outro cai quase 5%.

    Hoje está em alta de quase 2%.

    Hoje não se falou em juros japonês ou PIB norte-americano. Fala-se em petróleo. Como que a influência dos juros dos japas e o PIB norte-americano perdem a influência da noite para o dia ?

    O que eu acho mesmo é que isso é um jogo e, como todo jogo, nem sempre é a lógica que comanda !

  84. Patriarca da Paciência said

    http://g1.globo.com/mundo/eleicoes-nos-eua/2016/noticia/2016/02/trump-acusa-cruz-de-fraude-em-iowa-e-pede-nova-votacao.html

    Ora vejam só, os Estados Unidos também tem o seu Aécio Neves !

  85. Patriarca da Paciência said

    Bolsa avança 2,86%

    mais negociadas

    Empresa Variação (%) Cotação (R$)
    D30 |BRADESCO PN
    BBDC4.SA
    +5,32% 18,80
    D30 |ITAUUNIBANC
    ITUB4.SA
    +3,70% 24,11
    Petrobras
    PETR4.SA
    +3,72% 4,46
    D30 |CIELO ON
    CIEL3.SA
    +3,08% 32,16
    D30 |VALE PNA
    VALE5.SA
    +4,72% 6,88 (Globo)

    Apesar da ação da Vale ter valorizado em 4,72%, continua abaixo dos R$ 7,00, ou seja, R$ 6,88

    E sob a mesma direção a qual as ações alcançaram R$ 50,00. A mesma presidência foi responsável pelo pico da alta e pelo pico da baixa.

  86. Chesterton said

    81, Patriarca, tudo que você “achar” por aqui devolve que é do Pax.”

  87. Chesterton said

  88. Chesterton said

  89. Elias said

    Pedro,

    Vê lá o que diz o texto que tu transcreveste, do tal Paulo César:

    ===========================================
    “As prioridades para a Petrobras seriam:
    1ª buscar a União para dividir os investimentos nas áreas da cessão onerosa e interrupção da venda de outros ativos;
    2ª a capitalização e interrupção da venda de ativos;
    3ª buscar parceiros para dividir os investimentos nas áreas da cessão onerosa e interrupção da venda de outros ativos;
    4ª venda de ativos sem perder o controle acionário;
    5ª venda de ativos com perda de controle acionário.
    A quinta e pior opção, venda de ativos com perda de controle, parece estar a caminho.
    A venda do controle acionário poderia valorizar o ativo. Esse será o argumento do governo para a quinta opção, que, na verdade, representa a destruição da Petrobras.
    *Paulo César Ribeiro Lima é consultor legislativo e ex-funcionário da Petrobras.
    ===========================================
    I
    Nem levei em consideração a 1ª opção, porque ela é totalmente idiota! Esse cara quer que o governo enterre mais dinheiro público dentro da Petrobras?

    Isso é loucura, rapaz! A Petrobras tem amplas condições de se recuperar sem se amuletar nos cofres públicos, que, por sinal, não estão lá jogando esse futebol todo.

    Os recursos que o governo tem pra investir agora, devem ser direcionados pra outras áreas. De preferência, áreas que impactem positivamente sobre a geração de emprego. A Petrobras deve sair d buraco, andando com suas próprias pernas.

    Parece carma! Nas poucas vezes que a Dilma age com alguma sensatez, logo aparece um doido de direita falando merda…

    II
    Aí vem a segunda opção. A capitalização. Foi a opção na qual me concentrei, porque tem vários doidos propondo a mesma coisa.

    É outra loucura. Se a Petrobras capitalizar agora, com os lucros estagnados, ela vai empurrar ainda mais pra baixo o valor das ações, como na quitanda do vovô Chester.

    Só um doido varrido faria isso, num momento em que o valor de mercado das ações despencaram pra menos de um terço do que era até bem recentemente.

    III
    “Venda de ativos com ou sem perda do controle acionário”? Acuma? Isso é um samba do afro-descendente mentalmente prejudicado. Coisa de quem não sabe o que está dizendo.

    Ninguém perde o controle acionário da própria empresa vendendo ATIVOS, pela simples e definitiva razão de que as ações não ficam no ativo, e sim no PASSIVO. Mais especificamente no Passivo não Exigível, também conhecido como Capital Próprio.

    Só se perde o controle acionário de uma S/A, quando se vende (ou se dá ou se troca), a maioria das AÇÕES ORDINÁRIAS, ou seja, do capital votante da empresa.

    As únicas ações que ficam no ATIVO da empresa, são as ações de outras companhias, de cujo capital a empresa participe. A Petrobras poderia, p.ex., ter comprado quotas do capital da quitanda do vovô Chester. Se assim fosse, essas quotas de capital estariam no ativo da Petrobras. Se a Petrobras vendesse as quotas de capital da quitanda do vovô Chester (venda de ativo), ela estaria perdendo a participação — ou o controle, se fosse o caso — da quitanda, não da Petrobras.

    IV
    A venda do controle acionário NÃO valoriza o ativo. O ativo vale pelo que ele é, pelo que ele tem, pelo que ele faz. Toma como exemplo rasteiro o prédio da Petrobras na Av. Chile, centro do RJ. Esse prédio é um ativo da Petrobras. Ele não vai valer mais nem menos, só porque o controle acionário da empresa foi ou deixou de ser vendido.

    O mesmo pode ser dito de uma frota de navios, de uma plataforma de exploração ou de prospecção e do diabo a quatro.

    A quitanda do vovô Chester — cujas quotas de capital estariam no ATIVO da Petrobras — não perderia nem ganharia valor, caso a União perdesse o controle acionário da Petrobras. O que agrega (ou não) valor à quitanda do vovô Chester, é o desempenho da quitanda do vovô Chester…

    V
    “Busca de parceiros…”, blá, blá, blá… Retórica! Pura flatulência… As parcerias já existem, desde que foram adotados os “contratos de risco”.

    A Petrobras vem fazendo leilões há décadas. Se o cara achar óleo, ele tem o direito de lavra, e comprador garantido pra toda produção dele. Se não achar, vai perder o dinheiro que investiu na prospecção. Daí porque o contrato é “de risco”. Hoje o risco é mínimo, porque são leiloadas áreas que já foram geologicamente esmiuçadas pela própria Petrobras, e, assim, o investidor sabe mais ou menos o que está comprando. Mas o risco continua existindo. Tanto que o Eike Batista teve que fechar mais de um poço que ele estava explorando.

    Mas o investimento de que a Petrobras está tratando, no momento, não é desse tipo. Estamos falando do investimento que deve ser realizado pela própria empresa, não pelos parceiros, Vários dos projetos, são do tipo que precede a própria busca do parceiro (na prática, procedimentos preparatórios à realização dos leilões).

    E assim por diante…

    Esse tal Paulo César Ribeiro é um vigarista, Pedro.

  90. Elias said

    Pedro,
    Queres ver outra sandice do tal de Paulo César Ribeiro?

    Ele está elencando opções para recuperação da Petrobras, certo?

    Lá pelas tantas, ele cita “a venda do controle acionário” (que, no delírio dele, “valoriza” o ativo).

    Como até o reino mineral sabe, a simples venda do controle acionário de uma empresa não interfere na economia interna da dita cuja.

    Trata-se, apenas, de uma operação entre acionistas. Alguém vendeu as ações; um outro alguém as comprou. Em decorrência disso, não entrou um único centavo na empresa. Assim como não entra um único centavo daquilo que é negociado nas bolsas de valores, salvo se a própria empresa lançar novas ações.

    O dinheiro referente às ações já existentes, entrou na empresa quando essas ações foram lançadas (e no valor pelo qual elas foram lançadas). Daí pra frente, essas ações podem ser negociadas pelo décuplo desse valor, que nem um centavo dessa venda aportará a empresa. Assim como nem um centavo sairá da empresa, se as ações forem vendidas pela decima parte do valor original. Pertence exclusivamente aos acionistas o lucro ou o prejuízo decorrente da compra e venda de ações já existentes (descontados do lucro os respectivos impostos, por sinal leoninos).

    O dinheiro sai da empresa na venda de ações, quando ela própria compra ações nas bolsas ou fora delas.

    Isso ocorre quando, p.ex., uma empresa de capital aberto resolve fechar o capital. Há alguns anos, família Openheimer, na África do Sul, fez isso, revertendo o que Harry Openheimer fez lá por meados do século passado.

    No caso dos magnatas do diamante, o capital foi fechado como parte de um amplo processo de reengenharia. Mas há empresas que usam as reservas de lucro pra comprar ações delas mesmas. Depois, essas ações são canceladas formalmente. Objetivo? Reduzir o valor do capital (ou seja: descapitalizar), pra aumentar a rentabilidade do capital próprio e, por extensão, aumentar o lucro por ação.

    Lembra da quitanda do vovô Chester? O capital dela era de 10 quotas de R$ 10 mil cada, certo? Um lucro líquido a distribuir de R$ 20,0 mil, produzia um lucro por ação de R$ 2,0 mil, ou seja, 20%.

    Agora, imagina que vovô e vovó Chester resolvam reduzir próprio para 8 quotas de R$ 10,0 mil. Se o lucro for mantido em R$ 20,0 mil, o lucro por quota vai subir para R$ 2,5 mil, vale dizer, 25%.

    Aí entraria outra coisa em jogo: a liquidez. Não existe alta liquidez com alta rentabilidade. Essas criaturas estão sempre na razão inversa entre si. A chave do êxito está em saber quais os níveis de liquidez e de rentabilidade com que se deve operar, a cada momento.

    Isso não é fácil… Se fosse, todo mundo seria um sucesso como dirigente de empresa.

    P.S.: Eu falei em “rentabilidade”, e não em “lucratividade” (que é outra coisa…).

  91. Patriarca da Paciência said

    Vejam aí, caros colegas do blog.
    Esta é uma denúncia de peso, feita por um delegado da Polícia Federal, o qual foi presidente da Associação dos Delegados da Polícia Federal.

  92. Elias said

    Patriarca e Pedro,

    Sobre a Vale:

    1 – A União continua detendo o controle acionário da Vale, por causa das ações ordinárias que continuam em poder da própria União ou de estruturas de propriedade dela ou por ela controladas: Fundos de Pensão de estatais, BNDES, Banco do Brasil, etc.

    2 – Quando da privatização, foi feito um “acordo de acionistas” (isso é comum nas S/A), em que o majoritário — no caso, a União — abre mão do poder que tem, quando da composição do Conselho de Administração, que elege o presidente e os demais diretores da companhia. Neste caso, tal poder passou para o testa de ferro, que, em seguida, transferiu tudo para o Bradesco (que não podia participar abertamente do leilão, porque ele é que estava conduzindo o leilão).

    3 – Aí o Bradesco assumiu o controle do Conselho de Administração da Vale, e, por extensão, assumiu o poder de eleger o presidente e demais membros da diretoria da companhia. Em geral, quando isso ocorre, há sempre uma negociação por baixo dos panos com o acionista majoritário. É muito comum que o majoritário mantenha, informalmente, o poder de veto sobre uma indicação que ele, eventualmente, não aprove. Assim, Roger Agnelli foi eleito presidente da Vale com a concordância do governo FHC, e, mais adiante, foi mantido com a concordância do governo Lula.

    4 – Agnelli perdeu o placê do governo Lula quando ele começou a achar que não precisava desse placê. Ele se aliou abertamente ao PSDB, em cujas campanhas eleitorais enfiou dinheiro da Vale a rodo, e, pra completar, passou a tomar decisões em rota de colisão com a política econômica do governo. Ele provocou uma perda de US$ 4 bilhões, na associação com os noruegueses (que compraram o altamente lucrativo circuito alumínico paraense — Albras, Alunorte, ALPA, MRN, etc — dando em troca ações de uma companhia, norueguesa bichada).

    5 – Além disso, Agnelli extinguiu a também altamente lucrativa Docenave, e, em seguida, passou a pagar a companhias de navegação chinesas, um frete que cobrava, por tonelada transportada, um preço mais alto que a tonelada da mercadoria. Teve, ainda o problema da jazida Onça-Puma, e, por fim, o caso dos supernavios que ele comprou da China, quando deveria ter comprado de estaleiros brasileiros, num momento em que o Brasil fazia das tripas coração pra manter o nível de emprego, com a economia mundial entrando em parafuso. Logo depois de vender esses navios à Vale, os chineses proibiram que os tais navios usassem portos da China, alegando o risco ambiental que eles significavam. Aí os navios ficaram vários anos parados, enferrujando (na Europa, nos EUA e no Canadá, o uso desse tipo de navio já está proibido há décadas….), até que foram vendidos de volta pra China, com prejuízo, só pra desempatar o dinheiro. Aí, tão logo comprou os supernavios de volta, a China cancelou a proibição de uso de seus portos. Fazer o Agnelli de otário parece ter se transformado num passatempo pra executivo chinês…

    6 – Aí o Lula acabou engrossando, e forçou o Bradesco a tirar o Agnelli de lá. O atual presidente deve ter sido negociado, já que o “acordo de acionistas” continua em vigor.

    7 – Ninguém sabe o tamanho do prejuízo que o Agnelli deu. As estimativas variam entre 15 e 20 bilhões de dólares. Pode ter sido isso, pode ter sido menos ou mais. Talvez nunca se saiba.

  93. Elias said

    Patriarca e Pedro,

    Outra da Vale:

    Agora em janeiro de 2016, a a agência de classificação de risco Standard & Poor´s, a famigerada S&P, rebaixou a nota de crédito da Vale, de “BBB” pra “BBB menos”. E anunciou aos quatro ventos que pode tirar da Vale o grau de investimento.

    Consequência imediata? Simples: a Vale passa a pagar juros mais altos no mercado externo.

    O que pode estar por trás disso? Um porrilhão de coisas.

    A Vale investiu US$ 16 bilhões pra instalar a estrutura de mineração da área sul da Serra de Carajás, no Pará. Os platôs da “serra sul” têm o melhor minério de ferro do mundo. É a única jazida do planeta que ainda tem minério de ferro com essa qualidade.

    Pra fazer esse investimento, a Vale se endividou. A S&P exige que o grau máximo de endividamento seja o valor de 5 vezes o EBITDA. A Vale ultrapassou esse limite. Por isso foi rebaixada, embora esteja em dia com seus compromissos junto a credores internos ou externos. A S&P pressiona pra Vale se enquadrar no limite, sob pena de novo rebaixamento, o que aumentaria ainda mais o custo financeiro da companhia.

    Qual o lance da Vale? Ela conta com a qualidade do minério da “serra sul” pra restabelecer os níveis de lucratividade. É que a extração desse tipo de minério custa substancialmente menos, e, dada a sua pureza, rende substancialmente mais. Uma vez iniciada a extração na “serra sul”, a Vale atingirá um nível de competitividade impossível de ser alcançado por qualquer outro concorrente.

    Só para se ter uma ideia: o custo médio da tonelada de minério de ferro é de 40 dólares. A tonelada do minério da “serra sul” custará em torno de 10 ou 11 dólares. Essa diferença é crucial pra Vale, porque a crise econômica mundial reduziu a demanda para menos de 70% do que era até bem pouco tempo atrás. Na prática, o que a Vale quer é quebrar alguns concorrentes, pra avançar na fatia deles.

    Daí porque o lance da S&P está sendo visto como uma jogada da concorrência, que luta pra continuar viva.

    O que se imagina que seja a jogada da concorrência? É o seguinte: ela sabe que não tem condições de competir com o minério da “serra sul”. Ninguém tem. O lance, então, é ser convidado a se associar à Vale, na exploração desse minério.

    Pra isso, é necessário inviabilizar a estratégia da Vale. O aumento do custo financeiro incidente sobre uma dívida de bilhões de dólares,é um excelente começo.

    Daí uma S&P maneira, maneirando com muita maneirice o que precisa ser maneirado. O momento é oportuno, porque o governo brasileiro é politicamente frágil e sem iniciatva. Só se mantém no poder porque a oposição é incompetente e fragmentada pela ambição desenfreada de pessoas ou grupos. Um governo mais forte, chutaria discretamente alguns testículos internacionais e faria a S&P recuar, como aconteceu tantas vezes, nos últimos 14 anos…

    Enfim, é o jogo bruto de sempre, que preside as relações entre países.

    Mas o melhor, mesmo, pra concorrência, sera ter um governo mais identificado com esses propósitos, né não?

    Do lado de cá, não faltará o apoio dos lambe-sacos de sempre…

  94. Elias said

    No comentário # 92, item 4, onde está escrito ALPA, leia-se CAP (Companhia de Alumina do Pará).

    A ALPA é outro projeto do Programa Grande Carajás, destinado à produção de aço laminado.

    É que acabei de escrever um trabalho sobre a ALPA e a porra do projeto não me sai da cabeça… Mesmo quando venho relaxar neste blog.

  95. Pedro said

    Valeu pelas informações Googlias.

    Hoje o dia tá corrido, mas fiquei curioso, que trabalho é este?

  96. Patriarca da Paciência said

    É bem isso aí, caro Elias,

    são problemas gigantescos e complexos.

    A Vale vem se recuperando um pouco, na bolsa, nesses últimos dias. As ações já estão encostando em R$ 8,00. Alguma coisa dos planejamentos por lá já estão funcionando, mas ainda está muito longe de recuperar o “valor de mercado”.

    A Petrobrás continua patinando. Suas ações sobem e descem quase no mesmo percentual dos preços do petróleo.

    O “preço do petróleo” também é um problema para lá de complexo, ou confuso.

    A tal “crise”, não brasileira, como pensam alguns simplórios e como maquiavelicamente pregam outros, mas a verdadeira CRISE internacional, ainda vai longe.

    Espanha e Itália se arrastam em recessão faz décadas. Na Europa parece que só a Alemanha tem algum fôlego. E agora chegou também na Ásia, quer dizer, China, porque Japão já se arrasta também faz décadas.

    Eu concordo com o David Attenborough, quando diz, “acreditar em crescimento infinito, num planeta finito, é estupidez”

  97. Elias said

    É, Patriarca…

    Claro que a crise mundial influi. Mas não dá pra ficar se amuletando nela pra justificar a inação. A inércia. Muito menos pra chancelar estratégias econômicas que nunca deram certo em nenhum lugar do planeta, em nenhuma época.

    Transcrevo a seguir a notícia sobre a qual já me referi antes, que trata de um artigo do empresário Benjamin Steinbruch, publicado na FSP. Um pouco de lucidez não faz mal a ninguém:

    ===========================
    SÃO PAULO – Ninguém tem a fórmula mágica para tirar o Brasil do atual momento de crise econômica, mas é preciso agir em vez de aguardar sentado a melhora das condições globais. Este é o tom da coluna do diretor-presidente da CSN (CSNA3), Benjamin Steinbruch, escrita ao Folha de S. Paulo. No texto, o executivo defendeu a desvalorização do real como fator importante para o incremento das exportações, mas não como a solução de todos os problemas do país. Ele também ressaltou a importância do mercado doméstico para a recuperação da economia nacional e a importância do crédito para tal, pondo mais lenha na fogueira da discussão da política econômica implementada nos últimos anos.

    “A desvalorização do real, uma das maiores entre as moedas emergentes, já começou a ajudar as exportações. É indispensável incentivá-las ainda mais, especialmente nas áreas em que o país é competitivo, como em produtos agroindustriais. Não se pode esperar, porém, que a recuperação da economia venha apenas do impulso exportador. Até porque, segundo todas as previsões, a demanda global vai se retrair ainda mais no curto prazo com a queda do petróleo”, escreveu Steinbruch.

    Complementando a iniciativa além-mar, mesmo em um momento de menor ímpeto chinês — país que manteve a maior parte das trocas que o Brasil teve no cenário internacional de comércio –, o executivo aposta no aproveitamento do vasto mercado interno. “Reativá-lo é possível, apesar do pessimismo e das críticas injustas ao modelo adotado na crise de 2008. É obrigatório também retomar investimento em infraestrutura e construção”, observou. “A receita para reaquecer o consumo interno passa pelo crédito. Às famílias endividadas e inadimplentes pode ser oferecida a renegociação dos empréstimos com juros civilizados. E às empresas combalidas, refinanciamentos para que possam levantar e andar”.

    No tema de juros, Steinbruch ainda opinou sobre a decisão do Banco Central, que, na semana passada, manteve a Selic a 14,25% ao ano, apesar de sinalizações anteriores apontarem para um novo ciclo de altas. O anúncio agradou o executivo, assim como boa parte do setor produtivo. “Na semana passada, prevaleceu o bom senso (…) Um país arrasado pela recessão não pode aumentar sua taxa básica de juros, a menos que queira ser motivo de chacota global”.
    =============================

    Lembrando da simplicidade com que meu pai analisava o ambiente econômico (ele dizia: “Se a análise complicar, não presta. Pode descartar!”), há muito eu venho insistindo em que o Brasil deve enfrentar a crise apostando no mercado interno, já que o mercado externo se retraiu. Steinbruch defende a mesma ideia, como se vê acima.

    Se isso não acontecer, não só a superação da crise vai demorar mais, como, pra piorar tudo, será revertida grande parte dos avanços sociais realizados a partir de 2003.

    Por conta da atual política econômica, um grande número de empresas está falindo (há alguns dias, o Guatanbu disse que, em São Paulo, os grupos empresariais que mais se expandem são o “Passo o Ponto” e o “Alugo esta Loja”, ou algo assim).

    A par do desemprego que isso representa, ainda cabe perguntar: quem está falindo? Principalmente as micro, pequenas e médias empresas. Quem sobra? As grandes.

    Por outras palavras: a atual política econômica do governo favorece a concentração de renda, num país como o Brasil, que já tem uma das piores distribuições de riqueza do planeta.

    E a redução da miséria, juntamente com a expansão da classe média, era um dos principais pontos positivos dos governos petistas, pra se colocar no prato oposto, na balança que pesa a imensa coleção de negatividades, desmandos e roubalheiras realizadas ou toleradas por próceres petistas (com especial destaque para os “petistas” de ocasião, que se tornaram “petistas desde criancinha” depois que o PT chegou ao poder…).

  98. Elias said

    Patriarca,
    Observa que Steinbruch se refere às “críticas injustas ao modelo adotado na crise de 2008.”

    Já o modelo adotado a partir de 2015 não produziu um único resultado positivo. A inflação aumentou (quase igualando com a inflação de quando o PT assumiu o poder), o déficit público ficou absurdamente mais elevado, a economia andou pra trás, o desemprego subiu estupidamente e os juros básicos retornaram aos patamares elevadíssimos de há alguns anos. E assim por diante.

    Na verdade, nunca apareceu ninguém pra explicar como o modelo adotado em 2015 funcionaria. Os defensores dessa estratégia se limitaram a dizer: “O remédio é amargo, mas os resultados serão compensadores…”, ressuscitando as mesmas baboseiras retóricas usadas pelo Roberto Campos, pra defender a mesmíssima coisa feita pelos militares,logo depois do golpe de 1964, com resultados igualmente desastrosos.

    Sabes por que a argumentação se limitava à retórica? Porque nunca se soube ao certo como aquilo iria funcionar. Não havia como explicar o inexplicável.

    No fim de tudo, tal como aconteceu no imediato pós-1964, ficou demonstrado que o “remédio amargo” nem era remédio… Era veneno!

    E o paciente quase sifu…

  99. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    você viu os noticiários dos telejornais de ontem ?
    Finalmente, a mídia brasileira descobriu que há realmente uma crise em todo o mundo. A bolsa alemã caiu mais que a brasileira, bolsas asiáticas caem vertiginosamente e os economistas estão preocupados com os bancos europeus. Estados Unidos já falam até em “juros negativos”, tal como o japas.
    Os grandes trunfos da economia brasileira eram os investimentos da Petrobrás e a construção civil.
    De um modo estranho que até hoje não consegui entender, os preços do petróleo voltaram ao patamar dos tempos em que “a gasolina era barata”.
    As ações da Petrobrás, eu acompanho isso faz um bom tempo, sobem e descem quase no mesmo percentual dos preços do petróleo. Então a crise na Petrobrás é internacional mesmo. Se os preços do petróleo voltassem a 120 dólares o barril, todos os problemas da empresa estariam resolvidos, assim como os problemas da Venezuela. Então há realmente algo de muito estranho no ar.

    As cúpulas de todas as grandes construtoras brasileiras estão na cadeia, fato que, simplesmente travou a construção civil no Brasil.
    Alguém poderia argumentar que as empresas não dependem apenas de algumas pessoas.
    Mas foi só o André Esteves ser preso e o Banco Pactual caiu vertiginosamente. Foi uma queda bem mais rápida e acentuada que a Petrobrás. Então eu acho um grande feito que a Petrobrás continua de pé com toda a ação predatória que sofreu.

    A Vale do Rio Doce teve queda ainda mais acentuada que a Petrobrás, apesar de privatizada desde os tempos do FHC, tendo como causa o preço do minério, coisa que a mídia ignora totalmente.

    A política adotada pela Dilma, que todos acusam de erada, vi ser defendida por muitos economistas.

    “Desoneração de folha de pagamento estimula a contratação de pessoal.”

    “Redução de impostos incentiva a produção e consumo”. etc.etc.

    Isto era quase unanimidade entre empresários e boa parte dos economistas.

    A Dilma apostou alto e a aposta não saiu premiada. Para mim foi isso, mas a intenção foi boa.

    Aí veio a sequela, ou seja, inflação, cujo combate, até hoje, só é efetivo através dos meios clássicos, ou seja, controle das contas públicas e “controle dos meios de pagamento” como dizia o ex-ministro Simonsen.

    Entendo que O Brasil conseguiu contornar a crise por um bom tempos mas todos os recursos se esgotaram.

    É assim que entendo a “atual conjuntura” (termo que esteve muito em moda alguns anos atrás).

    Mas como dizia o Millôr Viola Fernandes, ” O Brasil não cai no buraco porque é muito maior que o buraco”,

    Acredito que sairemos desta e de muitas outras que ainda virão.

    Minha mãe gostava de contar que, quando era menina e ajudava o pai na loja de “secos e molhados”, ouvia sempre o pessoal comentar: “Tudo está pela hora da morte. Ninguém consegue comprar mais nada. O Brasil vai acabar. político é tudo ladrão” etc.etc.etc. E minha mãe completava. ” E o Brasil não acabou, todo mundo continua comprando, ainda bem mais que antes. e a política continua a mesma coisa”

  100. Chesterton said

    Engraçado que as melhores notícias que chegam do Governo são quando ele desiste de fazer alguma coisa.

    Por exemplo:

    Governo deve desistir de tributar LCIs e LCAs. Obaaaa!

    Ou:

    Governo deve desistir de tributar debêntures de infraestrutura. Aeeeee!

    Do que mais Dilma poderia desistir para fazer nossa Bolsa subir?

    autor?

  101. Chesterton said

    http://drunkeynesian.blogspot.com.br/2015/12/o-tamanho-do-buraco-na-economia.html

  102. Elias said

    Patriarca,
    Vamos continuar discordando.

    1 – Não se trata de reconhecer ou não a existência da crise, independentemente do que dizem os jornais, a TV, etc., até porque a imprensa brasileira nunca primou pela qualidade da análise.

    2 – Trata-se do quê fazer pra enfrentar a crise. Há alguns dias, o FMI divulgou um relatório dizendo que a crise econômica mundial vai estar mais perto do fim, quando o Brasil encontrar um meio eficaz para enfrentá-la. O negócio, Patriarca, é que o Brasil se tornou uma das principais economias do planeta, e o que acontece aqui influencia no que acontece com um monte de outros países. Em outras palavras: o Brasil não pode mais ficar esperando que a crise mundial acabe, como se fosse uma republiqueta qualquer. Ele agora é uma das chaves para o fim ou a continuidade da crise.

    3 – Se o Brasil não consegue fazer parte da solução, ele fica fazendo parte do problema…

    4 – No quesito “o quê fazer”, a Dilma tem ido de muito ruim a pior ainda. Ela não tem que fazer “aposta”, porque gestão a econômica de um país não é cassino e a vida das pessoas não é ficha de jogo. Ela tem que formular e executar políticas eficazes. Algo capaz de ser entendido pelas pessoas. Algo em que as pessoas, tendo entendido, acreditem e se disponham a trabalhar pelo êxito. Lula fez isso em 2008. Dilma não soube fazer isso em 2015. Simples assim.

    5 – A construção civil não está parada porque alguns empresários corruptos estão na cadeia (e eu nem concordo com a prisão deles… Isso é só o Moro carnavalizando o trabalho dele, como ele sempre fez. Se eu pudesse, recomendaria a alguns magistrados brasileiros que, no carnaval, desfilassem nus com um espanador de pena de pavão enfiado no rabo… Talvez isso aplacasse a sede de popularidade que lhes consome as entranhas…).

    6 – Mas, dizia, a construção civil está parada desde o primeiro semestre de 2015, antes do primeiro empresário corrupto entrar em cana. Cerca de 41% dos imóveis comercializados em 2014 foram devolvidos em 2015. E isso não aconteceu porque alguns empresários corruptos foram presos, mas sim porque um monte de pessoas honestas não conseguiu pagar os imóveis que compraram. E essas pessoas não conseguiram pagar porque perderam o emprego ou porque faliram. E perderam o emprego ou faliram por causa do fracasso de uma política econômica ineficaz e irresponsável, cujos efeitos deletérios desabam mais pesadamente sobre a cabeça daqueles que não têm como se defender.

    7 – Um banco não serve pra ser usado como analogia para a construção civil, até porque bancos e construtoras vivem em mundos diferentes, sob lógicas diferentes.

    8 – A construtora opera no lado REAL da economia, produzindo bens palpáveis, que necessitam ser vendidos para agregação ao PIB, E só são vendidos se forem comprados e pagos, como diria o Conselheiro Acácio,,,

    9 – Já os bancos operam no lado NOMINAL da economia. Banco não fabrica nada. Nem lâmpada queimada. Apenas intermedia a circulação de um dinheiro que não é dele. O banco é o parasita necessário. Tu és contador, e sabes que o capital de um banco nunca passa de 20% do patrimônio total. Banco vive de mexer com o dinheiro alheio. É por isso que banco lucra tanto, mesmo nas economias onde os juros são baixíssimos. Vai daí que o principal item do patrimônio de um banco é a CREDIBILIDADE. Nenhum banco resiste a uma “corrida” (no jargão, “corrida” é quando os principais correntistas de um banco retiram seu dinheiro do dito cujo, ao mesmo tempo, por acreditarem que ele vai falir, sofrer intervenção do governo, etc.). O maior dos bancos, na maior das economias, não resiste a uma “corrida”. E, quando um presidente de banco é preso, é como disparar aquele tiro que autoriza o início de uma corrida…

    10 – A Petrobras não está, nem nunca esteve, no centro da estratégia econômica. Ela está no centro da crise política e moral.

    Etc.

  103. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    o faturamento das grandes construtoras, com venda de apartamentos, representa bem pouco das receitas. O grande faturamento mesmo são com obras públicas, ou seja, as grandes obras da Petrobrás (que foram paralizadas), construção de portos, rodovias, pontes, hidrelétricas etc.etc.etc. Tudo isso ficou travado com a tal de lavajato.

    Há estudos que apontam a paralização dos investimentos na Petrobrás como representando a queda de, pelo menos, 1,5% do PIB.

    O travamento das construtoras, outros 1,5%.

    O governo vem sendo sabotado mesmo, é um fato inegável.

    Irrigar o mercado com crédito fácil só iria provocar inflação.

  104. Elias said

    O link que o Chester postou (# 101), me deu a ideia de comparar a evolução do PIB durante os mandatos dos 3 últimos presidentes. O resultado é o seguinte (valores em R$ trilhões, atualizados para 2014):

    1994: R$ 3,003 (último ano do Itamar)
    1998: R$ 3,397 (fim do 1º mandato FHC)
    2002: R$ 3,701 (fim do 2º mandato do FHC)
    2006: R$ 4,247 (fim do 1º mandato Lula)
    2010: R$ 5,074 (fim do 2º mandato Lula)
    2014: R$ 5.521 (fim do 1º mandato Dilma)

    Durante os 8 anos do FHC, em termos REAIS, o PIB cresceu 23,2%. Nos 8 anos do Lula, e nos mesmos termos, o PIB cresceu 37,1%.

    Goleada do Lula, com desempenho 59,9% melhor que o do FHC!

    Comparando apenas o 1º mandato das 3 figuras, temos: Lula na liderança, com 14,7%; FHC em segundo lugar, com 13,1%; Dilma na lanterna, com raquíticos 8,8%.

    Até que o Fernandinho HC não se saiu mal: 2º num rankng de 3… (Huá! Huá! Huá!). Agora, a Dilma… Tenha paciência… (E haja paciência!). Só ficou em terceiro porque não tem 4º lugar. No espaço que há entre ela e o FH do C do Chester, dava pra encaixar pelo menos mais um…

  105. Elias said

    Patriarca.
    Duvido que a quebra de investimentos da Petrobras represente 1,5% do PIB.

    Como demonstrado acima, em 2014, o PIB brasileiro era R$ 5,521 trilhões. 1,5% disso dá R$ 82,815 bilhões. É areia demais pro caminhão da Petrobras….

    Não foi só a Petrobras que parou de investir. Todo o Estado brasileiro parou de investir. E, se obedecida a LOA encaminhada ao Congresso, em 2016 vai continuar tudo na lesma lerda: o governo está propondo a manutenção dos gastos em ODC lá no alto, mantendo o pé no freio dos investimentos. Isso não tem nada a ver com a prisão de empresário corrupto. Tem a ver com política econômica.

    A Vale também travou os investimentos dela. Não deu andamento à implantação da planta de aço laminado nem na segunda planta de alumina (e nem vou falar do Onça-Puma porque aí já é sacanagem…).

    A Vale está entrando com força somente na lavra dos platôs sul da Serra dos Carajás, porque, devido à altíssima qualidade do minério, ela vai baixar o custo da extração para um nível que não pode ser acompanhado por nenhum outro concorrente, neste planeta. A expectativa da Vale, claramente falando, é “desalojar” — ou seja, falir — concorrentes. Mas isso tem um custo e um risco. É só ler o relatório do S&P sobre a Vale. Tá todo mundo sacando as armas, e vai voar bicho bala pra tudo que é lado…

    Por que isso? Porque o mercado externo não só parou de crescer, como ficou menor. Quem quiser crescer, ou até mesmo manter o tamanho que tinha, terá que esmagar a cabeça de algum concorrente. A Vale está vendendo menos. Pra restabelecer o antigo nível de venda (e de rentabilidade), ela terá que mandar alguns concorrentes pro sacrifício.

    É assim que a coisa funciona. Quando o pirão não dá pra todos, alguém acaba passando fome…

    Se o mercado externo está assim, o que resta? O mercado interno, né não?

    E me diz, Patriarca, o que o governo está fazendo, pra reativar o mercado interno? Ou menos, ainda, o que ele está fazendo, que, no frigir dos ovos, NÃO prejudica o mercado interno? (Até aqui, só tenho visto a Dilma ferrar e ferrar com o mercado interno, mesmo porque nenhum mercado interno se revitaliza com desemprego crescente).

  106. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    Os investimentos da Petrobrás eram multiplicadores, gerando muitos outros investimentos. Eram a locomotiva que puxava o trem da economia. Assim como as demais obras públicas são multiplicadoras. A construção de uma hidrelétrica gera toda uma cadeia de investimentos. Não podemos contar apenas com aquilo que é produzido dentro da própria Petrobrás ou de cada obra.

    E as últimas ações do governo tem sido no sentido de reativar o mercado interno. Há alguns projetos nesse sentido, como a utilização do FGTS como garantia de crédito. Só que a coisa tem que ser cautelosa, para não trazer mais inflação.

    Os juros também pararam de subir.

    A saída do Levy representou uma mudança de rumo.

  107. Elias said

    Patriarca,
    Sei o que é efeito multiplicador. Passei boa parte de minha vida profissional fazendo cálculos de efeitos à montante, à jusante, etc.

    Meus pontos:
    1 – A Petrobras, como quase todas as petroleiras do mundo, não está investindo, porque: (i) não tem sentido investir com o preço do petróleo em queda livre, provocada pela desaceleração da demanda; (ii) além do mais, a Petrobras não tem grana pra investir, e, como está com o endividamento batendo com a cabeça no teto, só consegue empréstimos a juros altíssimos. Tanto é que a empresa — corretamente — está se desfazendo de ativos pra financiar os parcos investimentos que está disposta a fazer no curto prazo.

    2 – Além do mais, um aumento da oferta de derivados e combustíveis no momento em que a economia anda pra trás é pra lá de esquisito, né não?

    3 – Moral: se o Brasil está, mesmo,. dependendo tanto assim do investimento da Petrobras… Tá ferrado!

    4 – Os juros não pararam de subir como parte de uma política de governo. O governo só desistiu de aumentar os juros depois de muita pressão do empresariado e do PT, que assumiu a tarefa da oposição, enquanto os merdinhas da oposição ficaram no terreiro, catando pulgas nas respectivas mamãezinhas.

    5 – O PIB brasileiro andou de lado ou pra trás nos últimos anos. Quando isso acontece, o aparelho produtivo passa a operar com capacidade ociosa. A inflação de demanda só acontece quando o aparelho produtivo estoura a capacidade instalada e não consegue atender a demanda de bens. Aí os bens se tornam escassos e os preços sobem. É a inflação. Não há sentido ficar com medo disso, num contexto de brutal recuo da demanda. Na construção civil, p.ex., tem incorporadora dando desconto de até 40% (ou seja: quer vender de qualquer jeito, pra desempatar o dinheiro investido). Aliás, agora é um bom momento pra investir em imóvel.

  108. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    então é isso aí mesmo.

    Dizer que os problemas da Petrobrás são por causa de corrupção é a mais pura e deslavada demagogia. Os problemas da Petrobrás tem origem no preço do petróleo, , tanto que as petroleiras do mundo inteira estão com problemas, até piores. Nos Estados Unidos já tem petroleiras falindo,

    E a Vale do Rio Doce, privatizada desde os tempos de FHC, enfrenta problemas ainda piores que a Petrobrás. Além do mais, como dizia o Paulo Francis no tempo de FHC: “A Petrobrás é a maior quadrilha que já existiu no Brasil”. O que acontece é que, apenas agora, no governo do PT, está havendo combate à corrupção, mas os problemas dão empresa são realmente de origem externa.

    E como era a Petrobrás que “puxava” os investimentos brasileiros, tudo começou a andar para trás, principalmente porque outras empresas, tipo a Vale, começaram a ter problemas também.

    Aí começou a faltar dinheiro na praça e as pessoas começaram a comprar menos.

    E a arrecadação caiu !

    É por aí !

  109. Pax said

    Elias disse…

    ˜4 – No quesito “o quê fazer”, a Dilma tem ido de muito ruim a pior ainda. Ela não tem que fazer “aposta”, porque gestão a econômica de um país não é cassino e a vida das pessoas não é ficha de jogo. Ela tem que formular e executar políticas eficazes. Algo capaz de ser entendido pelas pessoas. Algo em que as pessoas, tendo entendido, acreditem e se disponham a trabalhar pelo êxito. Lula fez isso em 2008. Dilma não soube fazer isso em 2015. Simples assim.˜

    Dilma é um desastre que nem Lula quer salvar. Na verdade Lula quer salvar a própria pele.

    Isso quer dizer que a oposição que existe é alguma solução?

    Não. E não é mesmo. Ela é um fracasso completo, absoluto.

    Mas quer dizer, sim, que o governo Dilma é um dos piores que este país já viveu.

    Não é culpa da mídia, não é culpa da crise internacional, não é culpa de nada além da própria Dilma.

    Que é um desastre.

    A defesa do PT é somente dividir o público, sabendo da incompetência da oposicão e tentar transpor a culpa que é dele mesmo, de ter escolhido essa presidente que está afundando o país, muito além do partido.

  110. Chesterton said

    Aí, Pax, se Dilma é ruim, a oposição é ruim, quem é bom?

  111. Chesterton said

    da internet

    “Sensacional. Quem ainda defende Lula e PT é ou canalha ou débil mental. Nāo há terceira opçāo…”

  112. Pedro said

    # 110

    O Bernie Sanders.

    :-)

  113. Patriarca da Paciência said

    E áí, Pax,

    Foi a Dilma que afundou também a Itália, a Espanha, a Grécia, Portugal, todos países com mais de uma década de recessão ?

    Será que é a Dilma que está afundando a Ásia e a Europa inteira agora ?

    O Japão, com quase três décadas de recessão ?

    Teus argumentos estão ficando parecidos com os do Chesterton, simples adjetivos !

  114. Chesterton said

    Meu Deus, Patriarca, você nem percebe o caráter falacioso de seus supostos argumentos?

  115. Chesterton said

    Pedro, olha o Bernie

    http://i2.wp.com/diariodebiologia.com/files/2010/02/4801152191_47aef3df53_z.jpg?resize=700%2C350

  116. Pedro said

    Kkkkk ….. Acho que este aí é o Trump……

  117. Pedro said

    Parece que o Patriarca ta comentando de dentro da gaiola das loucas……

  118. Patriarca da Paciência said

    Fato concreto é o seguinte:

    O barril de petróleo custava 120 dólares e hoje varia de 26 a 30 dólares. Todas as petroleiras estão com problemas, inclusive algumas dos Estados Unidos já estão pedindo falência. Dizem que a Petrobrás será a única petroleira que apresentará um resultado razoável !

    Alguém duvida de que se o barril do petróleo voltasse a 120 dólares todos os problemas da Petrobrás estariam resolvidos, inclusive também todos os problemas da Venezuela ?

    Vocês não respondem nada. Ficam só xingando ou usando adjetivos vazios. Já vi um dicionário que tinha uma página e meia de sinônimos para a palavra jeque. Eu poderia xingar vocês com uma página e meia de sinônimos, mas sei que isso é pura babaquice. A gramática ensina que o uso de palavras, principalmente de adjetivos e sinônimos, deve ser sóbrio, pois quem os usa em demasia é porque está querendo esconder um discurso vazio.

    Respondam a fatos.

    A Vale está em dificuldades porque foi privatizada pelo FHC ou porque os preços dos minérios também caíram a valores aviltantes ?

    Se o Paulo Francis denunciou, em 1996, que a diretoria da Petrobrás era a “maior quadrilha que já existiu no Brasil”, faz alguma sentido ficar dizendo demagogicamente que foi o PT que acabou a Petrobrás ?

    Até agora você não apresentaram um único argumento válido para rebater esses fatos.

  119. Patriarca da Paciência said

    Correção: Até agora vocês não apresentaram um único argumento válido para rebater esses fatos.

  120. Chesterton said

    Patriarca,todo mundo sabia que uma hora a demanda por commodities pela China iria acabar, diminuir, frear, que a festa iria acabar, que a hora era de diminuir o endividamento . O que o PT e a Dilma fizeram? Sairam oferecendo crédito adoidado de forma demagógica e populista. Irresponsavel. Compareceram a um tiroteio armados de faca e agora põe a culpa nos outros. A cagada foi enorme, não se prepararam. Espero que você pelo menos não tenha feito nenhuma dívida irresponsavel.
    Entendeu?

  121. Patriarca da Paciência said

    “O maior dos bancos, na maior das economias, não resiste a uma “corrida”. E, quando um presidente de banco é preso, é como disparar aquele tiro que autoriza o início de uma corrida…”

    Elias,

    eu já trabalhei numa construtora, em Brasília, no tempo de general Figueiredo.

    O capital próprio de uma construtora também é bem pequeno, tal como os bancos, Construtora vive de crédito. Pega empréstimo para realizar a obra e salda a dívida com a realização da obra. Em caso de prisão da cúpula, além dos problemas administrativos que causa, banco nenhum vai querer mais liberar financiamento. É um desmonte total, tal como uma corrida bancária.

  122. Chesterton said

    A Vale está em dificuldades porque foi privatizada pelo FHC ou porque os preços dos minérios também caíram a valores aviltantes ?
    chest- Patriarca, o Elias ja te explicou isto.

    Se o Paulo Francis denunciou, em 1996, que a diretoria da Petrobrás era a “maior quadrilha que já existiu no Brasil”, faz alguma sentido ficar dizendo demagogicamente que foi o PT que acabou a Petrobrás ?

    chest- tecnicamente sim, pois uma grande quadrilha, a maior delas até então, pode muito bem ter uma ambição menor do que a ambição suficiente para matar a galinha dos ovos de ouro, coisa que o PT fez.

  123. Chesterton said

    Patriarca, você comete erros lógicos de pré-adolescente.

  124. Patriarca da Paciência said

    Chesterton,

    finalmente você apresenta algum argumento racional, embora errado.

    Quem saiu oferecendo crédito adoidado foram os bancos norte-americanos, em 2008, transformados em verdadeiros cassino, os quais causaram a crise que perdura até hoje.

    Isso não aconteceu no Brasil.

    Tanto que não há noticiários sobre o endividamento drásticos das família brasileiras. Não há brasileiros devolvendo suas casas porque não pode pagar as prestações. Não aumentou a população de rua. Nos Estados Unidos o aumento da população de rua foi drástico e também o aparecimento de favelas em cidades como Detroit.

    O PT lançou as bases para um crescimento constante e duradouro, ou seja, investiu na educação e na melhora das condições de vida da população pobre.

    Estávamos conseguindo contornar a crise internacional, mas aí os sabotadores internos começaram a atuar de maneira agressiva e predatória, partindo para o vale tudo, o que tornou tudo mais difícil.

    Mas o Brasil sairá dessa crise, como já saiu de muitas outras do passado e como sairá de outras que virão no futuro.

    Todos os países tem ciclos de autos e baixos.

    Respondendo a tua preocupação, eu trabalho apenas com capital próprio. Utilizo o cartão para pagamento em 30 dias. Nunca paguei um centavo de juro no cartão. Às vezes faço um financiamento mais longo, mas apenas no limite que não paga juros.

    Então é isso aí.

    Eu usei a expressão errada ao me referi que a “Dilma apostou alto”. Na verdade, a Dilma confiou demais naquilo que os empresários e economistas tanto pregavam, ou seja, “que desoneração de folha de pagamento gera emprego e que redução de impostos aumenta produção de consumo”.

    Foi isso que gerou o desequilíbrio nas contas, não “gastança”.

    É que os empresários não cumpriram a parte deles, utilizando as desonerações e reduções de impostos em proveito próprio !.

  125. Patriarca da Paciência said

    Correção:
    Quem saiu oferecendo crédito adoidado foram os bancos norte-americanos, em 2008, transformados em verdadeiros cassinos, os quais causaram a crise que perdura até hoje.
    Não há brasileiros devolvendo suas casas porque não podem pagar as prestações.
    Todos os países tem ciclos de altos e baixos.
    Eu usei a expressão errada ao me referir que a “Dilma apostou alto”.
    que desoneração de folha de pagamento gera emprego e que redução de impostos aumenta produção e consumo”.

  126. Patriarca da Paciência said

    “Secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse que as sanções impostas à Rússia pela crise na Ucrânia devem ser mantidas pelo tempo necessário, apesar de diversos países europeus defenderem o seu fim; “Estou confiante em que a Europa e os Estados Unidos continuem unidos tanto para a manutenção das sanções enquanto for necessário como para conceder a assistência necessária à Ucrânia”, disse Kerry; União Europeia decretou sanções econômicas contra a Rússia devido à anexação da Crimeia em um conflito que levou à morte de mais de 9 mil pessoas” (247)

    Durante muito tempo a esquerda latino-americano falou que os Estados Unidos patrocinaram, é claro que com a conivência interna, as ditaduras militares. A imprensa sempre alardeou que isso era apenas paranóia.

    Agora há uma forte suspeita que os Estados Unidos estão financiando a imprensa e políticos para o tal “golpe democrático”.

    Acho que essa “crise” das Commodities tem tudo a ver com ‘as sanções impostas à Rússia” por Europa e Estados Unidos.

  127. Patriarca da Paciência said

    Vamos recapitular um pouco.

    Tivemos o boom do governo JK e logo após a famigerada “revolução” e recessão no início dos governos militares.

    Tivemos o boom dos governos militares e, ainda no final dos governos militares, inflação e recessão.

    Tivemos o governo Sarney, com o boom vertiginoso do “cruzado” e também a sua queda vertiginosa.

    Aí tivemos o governo Collor, pura crise do começo ao fim.

    Aí tivemos o governo Itamar, com estabilização econômica e relativo crescimento.

    Aí tivemos os oito anos de FHC (com eleição comprada e tudo), um boom no começo e final com inflação e recessão.

    Aí tivemos o governo Lula, com recessão e inflação no começo e crescimento e inflação baixa no final.

    Aí tivemos o governo Dilma, com pleno emprego no começo, coisa nunca vista no Brasil e crise agora.

    A coisa não funciona sempre por ciclos ?

    Não já deveríamos estar acostumados com “crises” ?

  128. Patriarca da Paciência said

    http://www.ptnacamara.org.br/index.php/component/k2/item/26059

    Assim como o Bolsa Família, Prouni, Minha Casa minha Vida e outros, mais um programa vitorioso do governo PT, o Mais Médicos !.

    A nota média dada pelos médicos entrevistados ao programa foi de 9,1, ou seja, excelente !

    E médicos brasileiros ocuparam todas as vagas oferecidas !

  129. Patriarca da Paciência said

    http://www.jb.com.br/economia/noticias/2016/02/13/o-terremoto-bancario-uma-nova-ameaca-para-a-economia-mundial/

    Ora, vejam aí.

    parece que os prudentes e sóbrios bancos europeus saíram “gastando adoidado” e estão entrando no maior fuzuê.

    Será que foi a Dilma que também provocou tudo isso nos bancos europeus ?

  130. Chesterton said

    Quem saiu oferecendo crédito adoidado foram os bancos norte-americanos, em 2008, transformados em verdadeiros cassino, os quais causaram a crise que perdura até hoje.

    chest- Patriarca, isso começou bem antes com o Clinton que forçava os bancos a darem emprestimos subprime, isto é, para quem não poderia pagar, o pobre, como medida populista, de igualdade, etc, essas idiotices de esquerda.

  131. Chesterton said

    O PT lançou as bases para um crescimento constante e duradouro, ou seja, investiu na educação e na melhora das condições de vida da população pobre.

    chest- isso parece que não deu certo, resultou na recessão mais profunda. Faltou alguma coisa, né Patriarca? Vamos ver em quem você coloca a culpa

  132. Chesterton said

    Estávamos conseguindo contornar a crise internacional, mas aí os sabotadores internos começaram a atuar de maneira agressiva e predatória, partindo para o vale tudo, o que tornou tudo mais difícil.

    chest- hilário, sabotadores internos…mas isso é papo de leninista. Assim não dá, Patriarca. Mas continue tentando, quem sabe um dia…..

  133. Pax said

    Patriarca, meu caro,

    Não estou dizendo que Dilma é responsável pela crise na China, no petróleo, nem mesmo na Conchinchina.

    Estou dizendo, afirmando, que Dilma é responsável pelo governo dela. Que é uma crise sem fim.

    Ela é um desastre absoluto.

    Essa é minha opinião. E você tem todo direito de ter a tua completamente diferente da minha, claro que sim.

  134. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    como opinião, tudo bem, cada um tem a sua.

    Mas existem fatos concretos. É um fato concreto que o barril de petróleo era vendido por 120 dólares e, hoje, está entre 26 a 30 dólares.

    É um fato concreto que as ações da Petrobrás sobrem e descem conforme o preço do petróleo.

    É um fato concreto também que a corrupção na Petrobrás é coisa mais antiga do que “cagar de cócoras” como diz o Elias e a Petrobrás sempre se manteve altamente lucrativa, apesar da corrupção.

    Então você não acha que é pura demagogia essa história de dizer que o PT “acabou” com a Petrobrás ?

    Ainda mais que a Petrobrás não acabou coisa nenhuma.

    E a Vale do Rio Doce está em situação bem parecida com a Petrobrás, apesar de privatizada.

    E a Petrobrás vai ser uma das poucas petroleiras a apresentar um resultado viável no exercício 2015.

    Fale com honestidade.

    Os problemas da Petrobrás tem ou não tem causa externa ?

    Caso o barril de petróleo voltasse a ser vendido a 120 dólares, todos os problemas da empresa não estariam resolvidos ?

    Com o barril de petróleo a 120 dólares, todos os problemas da Venezuela também não estariam resolvidos ?

  135. Patriarca da Paciência said

    Olha só isso aí, Chesterton,

    é a própria oposição que está admitindo que sabotou o governo:

    “E agora temos uma confissão de remorso surpreendente, partindo do PSDB, que, imaginava-se, não precisava fazer penitência porque nunca pecara. O deputado baiano Antonio Imbassahy, novo líder do partido, reconheceu que o PSDB optou por sabotar o ajuste fiscal e cometeu o que chamou de ‘outras extravagâncias’ com a única intenção de atrapalhar o governo, mesmo prejudicando o país”, comenta o escritor Luis Fernando Verissimo; “Ou seja, quando perdeu a eleição, o PSDB ficou maluco, mas já passou” (247)

    http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/216948/Verissimo-ironiza-PSDB-por-seu-recente-mea-culpa.htm

  136. Patriarca da Paciência said

    Lagarde. diretora do FMI.

    “(…) É óbvio que o Brasil enfrenta sérias dificuldades econômicas. A previsão é que a economia sofra forte contração este ano (2015) devido à queda do investimento e do consumo, sendo provável que permaneça em território negativo em 2016. Além disso, a crise política provocada pela investigação em curso na Petrobras criou incertezas que, por sua vez, afetaram a confiança de consumidores e empresas. Portanto, não há dúvida de que o país atravessa tempos difíceis e que isso já está se traduzindo em um aumento das taxas de desemprego e na deterioração das condições creditícias (…)”

    E aí, gente, até o FMI está declarando que o Brasil vem sendo sabotado !

  137. Chesterton said

    Patriarca, quem sabotou o Brasil por 20 anos foi o PT. O que o PT sofre agora, segundo o Pax, é uma não-oposição.

    “Mas existem fatos concretos. É um fato concreto que o barril de petróleo era vendido por 120 dólares e, hoje, está entre 26 a 30 dólares.”

    chest- é é um fato que o minerio de ferro, e todas comodities caíram de preço, e é um fato que todo mundo avisou o governo que a festa iria acabar, e é um fato que o PT chamou todos de pessimistas e é um fato que o desastre que ora ocorre vem desse “otimismo” que é outro nome para irresponsabilidade e incompetencia.

  138. Chesterton said

    O PSDB diz que sabota o ajuste fiscal porque é socialista. O que tem que fazer para ajustar a situação fiscal é diminuir aposentadorias, diminuir salários de funcionarios publicos e mandar 30% deles para casa. Não aumentar impostos. Como o Macri está fazendo.

  139. Chesterton said

    O Gabeira diz que o governo Dilma fez o Brasil perder a cabeça…literalmente (microcefalia)

    http://oglobo.globo.com/cultura/um-pais-enlouquecido-18670182

  140. Chesterton said

    Um ameaçando o outro…tsc, tsc, tsc

    http://estadao.site/lula-teria-dito-para-dilma-se-eu-cair-voce-vai-junto-contou-um-funcionario-do-hotel/

  141. Patriarca da Paciência said

    “O PSDB diz que sabota o ajuste fiscal porque é socialista. O que tem que fazer para ajustar a situação fiscal é diminuir aposentadorias, diminuir salários de funcionarios publicos e mandar 30% deles para casa. Não aumentar impostos. Como o Macri está fazendo.”

    Você, como sempre, entendeu tudo ao contrário, Chesterton, veja oque o PSDB realmente disse:

    247 – O novo líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy reconheceu que a bancada errou em votações com impacto nas contas públicas: “Cometemos algumas extravagâncias no ano passado. Foi uma coisa fora da nossa história, nós reconhecemos isso”, diz ele, na coluna de Bernardo Mello Franco.

    Segundo o tucano, não cabe à oposição fazer coisas malucas e promete atitude diferente em 2016: “Não faremos nada para sabotar o ajuste.

    Vamos facilitar o que for necessário para revigorar a economia, com a condição de não apoiar a criação de novos impostos, como a CPMF”
    Imbassahy também promete defender a queda de Eduardo Cunha, com quem o PSDB manteve uma aliança branca em 2015. “Nosso entendimento é que ele não tem mais condições de permanecer na presidência da Câmara”, afirma. E ainda defende o impeachment de Dilma Rousseff (leia aqui).

    http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/216427/Imbassahy-reconhece-%E2%80%98erro-danoso%E2%80%99-do-PSDB-na-C%C3%A2mara.htm

  142. Pax said

    Caro Patriarca,

    Em algum momento eu disse que o problema de Dilma é a Petrobras? Leia de novo, por favor.

    Não, eu disse que o problema de Dilma é seu governo que é um absoluto desastre. A Petrobras é parte desse desastre que contém, sim, o problema do preço do petróleo.

    Mas como você gosta de fatos, some o total de dinheiro devolvido pelos diretores da Petrobras. Só um devolveu mais de 280 milhões. E aí vocë vai dizer que ela não tem culpa de nada. Nem mesmo por ter sido presidente do conselho da Petrobras por tanto tempo.

    Mas o problema, de novo, de Dilma, não é a Petrobras. O problema é o Brasil como um todo.

    Tudo que andou pra frente está andando mais rápido ainda pra trás.

    Ou você acha que isso não é fato, ou você deve estar vivendo em outro país.

  143. Elias said

    “chest- Patriarca, isso começou bem antes com o Clinton que forçava os bancos a darem emprestimos subprime, isto é, para quem não poderia pagar, o pobre, como medida populista, de igualdade, etc, essas idiotices de esquerda.” (Chester)

    Doido!

    “Empréstimo subprime”? Adondeque? Nos EUA? Acumaentãoces? Clinton obrigava os bancos a pagarem pras pessoas pedirem emprestado?

    Babaca, o estouro americano já foi analisado por milhares de pessoas milhões de vezes mais competentes do que tu. Inclusive o Henri “Hank” Paulson, que não tem nada de marxista, socialista ou mesmo social democrata. E não passa nem perto do besteirol que tu escreveste.

    Se é assim, porque o Bush (ou seja, Hank Paulson no comando do ataque), em oito anos, não acabou com a “obrigação” de dar empréstimo “subprime”.

    Vigarista!

  144. Elias said

    Patriarca,
    Se o petróleo subitamente voltar a ser vendido a 120, NÃO estarão resolvidos todos os problemas da Petrobras.

    Haverá, ainda, a bicheira da roubalheira bilionária desenfreada.

    Haverá, ainda, a bicheira da incapacidade da empresa, de desenvolver mecanismos internos de controle, capazes de detectar procedimentos espúrios, possibilitando as medidas corretivas. Especialmente as medidas punitivas.

    Haverá, ainda, o bicheira que não é só brasileira, dessas bostas de auditorias externas, que recebem remuneração milionária pra não fazer porra nenhuma que se aproveite. Exemplo? Price Waterhouse, que, durante todos esses anos, “auditou” a Petrobras, e só se manifestou contra a aprovação de um balanço quando o escândalo da roubalheira já estava nas ruas, não graças a essa auditoria de merda, mas apesar dela.

    Uma multinacional da auditagem que ganha milhões de dólares conferindo credibilidade e respeitabilidade às empresas que audita, mas que, vista de perto, é tão respeitável quanto a divulgação que o Chester faz da cultura francesa, supostamente retribuindo a mamata que ele desfrutou na Europa, bancada com dinheiro público.

    Pensando bem, acho até que o Chester é mais respeitável, travestido de Paulette Malhounête, fazendo performances de beijo francês com detentos dos manicômios judiciários…

  145. Patriarca da Paciência said

    Caro Pax,

    não tenho a mínima intenção de provocar sua ira ou criar conflitos. Como discípulo de Sócrates, quero apenas fazer o difícil parto de algumas verdades.

    Valor lá, então.

    Você acha que o Bolsa Família é um completo desastre ?

    Você acha que o Minha Casa Minha Vida é um completo desastre ?

    Você acha que o Pronatec é um completo desastre ?

    Você acha que o Mais Médicos é um completo desastre ?

    Você acha que a Dilma é responsável pela corrupção no Brasil ?

    Enem, Prouni etc. todos são desastres ?

    Só observando, caro Pax, o cavalo de batalha, não só da oposição, mas também da Justiça, do Ministério Público e da Polícia Federal tem sido a Petrobrás.

    Observando também, a Petrobrás encerrou o exercício de 2014 com 69 bilhões de reais em caixa. O dinheiro recuperado pela Lavajato é ínfimo, para o que a empresa tem em caixa, dinheiro vivo.

    Gostaria que você pontuasse em que cada um é um completo desastre e nas demais coisas em que você acha que a Dilma é um completo desastre.

    Naquilo que você tiver opinião, tudo bem, é sua opinião, que respeito. Mas vamos tratar as coisas com fatos concretos.

  146. Chesterton said

    “Empréstimo subprime”? Adondeque? Nos EUA? Acumaentãoces? Clinton obrigava os bancos a pagarem pras pessoas pedirem emprestado?

    chest- exatamente, os bancos tinham uma cota de emprestimos para mau pagadores, ou pessoas com crédito ruim. Aí os bancos diziam: mas se o cara não pagar eu quebro. O governo (Fredimequi fanimeinhe) dizia,: pode emprestar que eu garanto….buuuummmmmmm

    Leia sobre “Community Reinvestment Act”

    http://reason.com/archives/2012/10/14/clintons-legacy-the-financial-and-housin

  147. Chesterton said

    Tem mais, Elias bundão, o Brasil está tecnicamente quebrado (matematicamente) por causa da Dilma.

  148. Elias said

    “chest- é é um fato que o minerio de ferro, e todas comodities caíram de preço, e é um fato que todo mundo avisou o governo que a festa iria acabar, e é um fato que o PT chamou todos de pessimistas e é um fato que o desastre que ora ocorre vem desse “otimismo” que é outro nome para irresponsabilidade e incompetencia.”

    Imbecilidade, como sempre…

    “Todo mundo avisou que a festa ia acabar”…

    “Todo mundo” quem, doido?

    Há mais de 40 anos que a economia brasileira foi estruturada tendo como base a exportação de minérios e de produtos intermediários eletrointensivos.

    Não existe outra opção formulada. Quem tu achas que bancou o crescimento do PIB durante os governos Figueiredo, Sarney, Collor/Itamar e FHC?

    Foram essas mesmas commodities, bundão!

    E foram elas que mudaram a escala econômica do Brasil, com um crescimento do PIB de mais de 280% em 12 anos.

    Se tu achas que isso não tem nada a ver com o dinheiro que tu recebes no teu consultório, é porque, além de idiota, tu és um imbecil, e, às vezes, o teu volume de imbecilidade supera o de idiotice…

    Que a derrubada do preço das commodities ferrou com a economia brasileira é constatação acaciana. Quero ver é montar uma estratégia pra enfrentar isso.

    Até agora, só quem delineou algo parecido com uma estratégia, foi o Benjamin Steinbruch. Fora daí, só aparece flatulência…

  149. Chesterton said

    a Petrobrás encerrou o exercício de 2014 com 69 bilhões de reais em caixa.

    chest- e devendo 300 bilhoes

  150. Chesterton said

    Que a derrubada do preço das commodities ferrou com a economia brasileira é constatação acaciana. Quero ver é montar uma estratégia pra enfrentar isso.

    chest- na isto que me refiro, quando falo que o PT compareceu ao tiroteio armado de faca, saiu gastando, dobrando salarios de funcionarios da PETR4, e dando benesses para todos, ativos, aposentados, e o escambau…seu “esteato-pigeo”.

  151. Chesterton said

    E o que a porra do Lulla fez para nos livrar da condições de exportador de comodities? Porra nenhuma, surfou nos preços altos por causa da China e foi aquela festa. Cadê o liberalismo economico que propicia o progresso científico? Foi pras cucuias, pro bolsa isso, bolsa aquilo, pras saúvas como você.

  152. Elias said

    “chest- exatamente, os bancos tinham uma cota de emprestimos para mau pagadores, ou pessoas com crédito ruim. Aí os bancos diziam: mas se o cara não pagar eu quebro. O governo (Fredimequi fanimeinhe) dizia,: pode emprestar que eu garanto….buuuummmmmmm”

    Chester, isso não aconteceu no governo Clinton, e sim no governo Bush. A grana (trilhões de dólares) foi liberada pessoalmente pelo Hank Paulson, quando o inadimplemento já havia estourado, e o BOA já estaval levando farelo.

    Houve presidentes de bancos que disseram que não queriam esse dinheiro (o do Fargo foi um deles, segundo ele mesmo disse em uma extensa entrevista). Paulson retrucou: “Não chamei vocês aqui pra pedir opinião nem pra perguntar o que vocês querem. Chamei pra comunicar uma decisão de governo.”

    Isso foi no governo Bush, seu bundão.

    Hank Paulson — o guru neoliberal que bancou a maior de todas as intervenções estatais na economia americana — nunca fez parte do governo Clinton.

  153. Chesterton said

    Bush’s first budget, written in 2001 — seven years ago — called runaway subprime lending by the government-sponsored enterprises Fannie Mae and Freddie Mac “a potential problem” and warned of “strong repercussions in financial markets.”

    In 2003, Bush’s Treasury secretary, John Snow, proposed what the New York Times called “the most significant regulatory overhaul in the housing finance industry since the savings and loan crisis a decade ago.” Did Democrats in Congress welcome it? Hardly.

    “I do not think we are facing any kind of a crisis,” declared Rep. Barney Frank, D-Mass., in a response typical of those who viewed Fannie and Freddie as a party patronage machine that the GOP was trying to dismantle. “If it ain’t broke, don’t fix it,” added Sen. Thomas Carper, D-Del.

    Unfortunately, it was broke.

    In November 2003, just two months after Frank’s remarks, Bush’s top economist, Gregory Mankiw, warned: “The enormous size of the mortgage-backed securities market means that any problems at the GSEs matter for the financial system as a whole.” He too proposed reforms, and they too went nowhere.

    In the next two years, a parade of White House officials traipsed to Capitol Hill, calling repeatedly for GSE reform. They were ignored. Even after several multibillion-dollar accounting errors by Fannie and Freddie, Congress put off reforms.

    In 2005, Fed chief Alan Greenspan sounded the most serious warning of all: “We are placing the total financial system of the future at a substantial risk” by doing nothing, he said. When a bill later that year emerged from the Senate Banking Committee, it looked like something might finally be done.

    Unfortunately, as economist Kevin Hassett of the American Enterprise Institute has noted, “the bill didn’t become law, for a simple reason: Democrats opposed it on a party-line vote in the committee, signaling that this would be a partisan issue. Republicans, tied in knots by the tight Democratic opposition, couldn’t even get the Senate to vote on the matter.”

    Had they done so, it’s likely the mortgage meltdown wouldn’t have occurred, or would have been of far less intensity. President Bush and the Republican Congress might be blamed for many things, but this isn’t one of them. It was a Democratic debacle, from start to finish.

    chest- e não adianta culpar o Bush

    http://www.realclearmarkets.com/articles/2008/12/dont_blame_bush_for_subprime_m.html

  154. Chesterton said

    152, Elias, tu é burro para caralho.

  155. Elias said

    Patriarca,
    Desoneração de folha de pagamento tem a mesma eficácia que teria caçar elefante com baladeira (que vocês chamam “estilingue”), e peteca (que vocês chamam “bola de gude”).

    As empresas voltarão a empregar quando elas voltarem a vender o que produzem.

    Para que elas vendam, é necessário que alguém compre.

    Esse “alguém” só pode estar em um de dois lugares: no Brasil ou no exterior.

    O “alguém” do exterior não está comprando, certo? Resta, então, o “alguém” do Brasil, né não?

    Isso, trocando em miúdos, é o raciocínio do Benjamin Steinbruch. É a partir daí que ele delineia uma estratégia.

    Desonerar folha sem que, preliminarmente, tenha se implementado estratégias para restabelecimento da demanda interna, é inócuo em termos macroeconômicos.

    Sabes o que vai acontecer? As empresas vão usar a desoneração da folha não pra empregar mais (já que não há a expectativa de que vão vender mais). Elas vão usar a desoneração pra melhorar o lucro, mesmo com as vendas andando de lado.

    Isso é humano, Patriarca. É o mesmo que eu faria, que tu farias, que qualquer outro faria.

    O governo tem — porque tem que ter — preocupações sociais, macroeconômicas, e o escambal a quatro. A empresa não. A empresa tem — porque tem que ter — uma preocupação, que é sua oração principal absoluta: maximizar lucro.

    O dirigente de empresa que coloca o objetivo macroeconômico acima desse propósito essencial da empresa, é um doidivanas. Um desvairado. Pra ele a repercussão macroeconômica é o resultado da soma de milhões de desempenhos microeconômicos, cabendo-lhe gerenciar do melhor modo possível uma parte desse conjunto de desempenhos.

    A abordagem do dirigente de empresa é essencialmente INDUTIVA: transita do particular, que é o interesse dele, para o geral, que é o interesse do país. É o inverso da abordagem do governo, que deve ser necessariamente DEDUTIVA: transita do geral, que é o intersse do país, para o particular, que são os interesses dos diferentes segmentos da população.

    São duas lógicas diferentes, e o governo precisa levar isso em conta, quando aplica medidas de política econômica.

  156. Elias said

    Chester,

    Tu és um imbecil.

    Pegas um artiguinho marca merda e — só porque ele favorece tuas preferências políticas — achas que o tal artiguinho marca merda tem a chave do entendimento do universo.

    Vigarice…

    A bolha imobiliária explodiu no segundo mandato do Bush. Ele teve tempo de sobra pra corrigir a “subprime” do Clinton. Por que não o fez?.

    A história foi outra. Senta aí, e pede pra alguém te explicar o que eu vou dizer.

    Como os juros americanos são baixos, o aumento do lucro de financiamento se dá por escala. É preciso vender mais, pra lucrar mais.

    Pra turbinar suas operações a maior parte dos bancos americanos — não todos! — flexibilizou a concessão de empréstimos. A nota de crédito caiu de 60 para 50 pontos. Alguns passaram a emprestar nos 40 pontos. Nenhum governo tem porra nenhuma com isso (deveria ter…).

    Pra completar, o governo Bush desregulamentou a área financeira, o que permitiu que as seguradoras passassem a comprar títulos das operações que elas mesmas estavam garantindo. É a operação “circular”, proibida em muitos países.

    Quando o inadimplemento estourou, as seguradoras não puderam bancar o prejuízo, já que elas próprias estavam amarradas aos papeis micados. As fusões (bancos/incorporadoras/seguradoras), também permitidas na desregulamentação, fizeram o resto.

    Qualquer papo fora disso aí, é pura vigarice. Esse processo todo foi minuciosamente descrito no relatório da Secretaria do Tesouro americano, que, honestamente, adotou uma abordagem de autocrítica (nem se poderia esperar algo diferente, em se tratando de alguém, com a estatura moral de Hank Paulson).

    Ah, sim: o teu artiguinho de merda não explica por que muitos bancos americanos — como o Wells Fargo, p.ex. — não adotaram o mesmo procedimento dos que se ferraram… O governo Clinton (e, depois, o governo Bush) obrigava uns, e outros não?

    Chester, és um beócio! Um muar!

  157. Chesterton said

    A bolha imobiliária explodiu no segundo mandato do Bush. Ele teve tempo de sobra pra corrigir a “subprime” do Clinton. Por que não o fez?.

    chest- porque dependia do Capitolio, não da Casa Branca, quadrúpede. Leia os links se puderes compreeender que não vou traduzir para você.

  158. Patriarca da Paciência said

    “a Petrobrás encerrou o exercício de 2014 com 69 bilhões de reais em caixa.

    chest- e devendo 300 bilhoes”

    Chsterton,

    se você tivesse a mínima noção de contabilidade, saberia que as grandes quantias das empresas não estão no Caixa, dineiro vivo, e sim no Realizável, tanto a curto quanto a longo prazo.

    A Petrobrás tem uma Realizável de 4,5 trilhões… de dólares.

    Esse é o grande motivo da agressão predatória que a Petrobrás vem sofrendo !

  159. Patriarca da Paciência said

    “Desonerar folha sem que, preliminarmente, tenha se implementado estratégias para restabelecimento da demanda interna, é inócuo em termos macroeconômicos.”

    Elias,

    nisso aí eu reconheço que a Dilma errou, mas errou de boa fé, acreditando no empresariado nacional.

    Era quase unanimidade entre os empresários e boa parte dos economistas.

    Eu reconheço que o PT também tem sido de uma inabilidade inacreditável em se defender.

    O Gilmar Mendes age abertamente contra o PT, não se comporta como juiz, é partidário, histriônicos etc.etc.etc.

    O PT já deveria ter aberto, pelo menos, uns cem processos contra ele. E nada fez !

    É realmente inacreditável !

  160. Chesterton said

    http://linkis.com/diariodobrasil.org/yS2UR

    Montadoras pagaram R$ 36 milhões para aprovar medida provisória no governo Lula, diz Estadão
    01/10/2015

    Patriarca, tá, 4,5 trilhoes…..claro, ora, ora…..

  161. Chesterton said

    Esse artigo é incrível em vários aspectos, pois desnuda os neokeynesianos. Eles simplesmente não toleram a liberdade dos agentes de mercado, pois esses resolvem, pasmem!, fazer aquilo que lhes dá na cabeça, e não o que os “ungidos” gostariam. Logo, as medidas de estímulo, para “funcionar”, precisam vir acompanhadas de autoritarismo, da imposição de onde usar a liquidez excessiva criada pelas autoridades. Os bancos devem ser obrigados a emprestar mais, as famílias devem ser forçadas a consumir mais, e os governos, claro, devem gastar mais como se o endividamento não fosse um problema futuro. (Constantino)

    http://rodrigoconstantino.com/artigos/os-neokeynesianos-nunca-aprendem-o-caso-de-joseph-stiglitz-ou-o-problema-e-o-maldito-mercado/

  162. Chesterton said

    Ricardo Noblat, em sua coluna de hoje, descreve os detalhes que colocam Lula em posição bastante delicada com o sítio e o tríplex, fatos divulgados pela imprensa que tornam mais do que inverossímil qualquer tentativa de aliviar a barra do ex-presidente; seria simplesmente ridículo tentar fazê-lo. E conclui:

    O problema? De volta ao futuro: a gentileza de construtoras clientes do governo em beneficiar imóveis de um ex-presidente. Cheira mal. Aí tem…

    Como Lula, logo Lula que denunciou a existência de 300 picaretas no Congresso, chamou Sarney e Collor de ladrões, subiu a rampa do Palácio do Planalto como se fosse o mais imaculado dos políticos, diz-se a alma mais honesta do país; como ele poderá admitir que pediu ou aceitou favores de construtoras, e que foi promíscuo, sim, ao misturar o público com o privado? Logo ele? Também Lula?

    Pois é disso que se trata – por enquanto. Seus correligionários querem transformá-lo em vítima de um complô urdido para destruir a maior liderança popular que o país jamais teve. Ora, faça-me o favor… Lula é uma vítima dos seus próprios erros, de sua ambição desmedida, de sua vaidade, e de sua falta de compromisso com princípios e valores. A máscara dele caiu.( constantino

  163. Chesterton said

    http://www.oantagonista.com/posts/azul-corta-voos-devolve-20-avioes-e-da-licenca-para-evitar-demissoes

    chest- o pobre não estava voando? …

  164. Chesterton said

    Aí sua antena, Pax.

    http://www.oantagonista.com/posts/o-caso-foi-revelado-anteriormente-pelo-site-o-antagonista

  165. Patriarca da Paciência said

    O Chest voltou ao seu velho “modus operandi”, ou seja, antagonista, Noblat, rodrigo constantino etc.etc.etc.

    Logo virão os bonecos pixuleco, bonecos da Dilma etc.etc.etc.

    Isto é Chesterton

  166. Chesterton said

    Léo e Lula são bons amigos. Mais do que por amizade, eles se uniram por interesses comuns. Léo era operador da empreiteira OAS em Brasília. Lula era presidente do Brasil e operado pela OAS. Na linguagem dos arranjos de poder baseados na troca de favores, operar significa, em bom português, comprar. Agora operador e operado enfrentam circunstâncias amargas. O operador esteve há até pouco tempo preso em uma penitenciária em Curitiba. Em prisão domiciliar, continua enterrado até o pescoço em suspeitas de crimes que podem levá-lo a cumprir pena de dezenas de anos de reclusão. O operado está assustado, mas em liberdade. Em breve, Léo, o operador, vai relatar ao Ministério Público Federal os detalhes de sua simbiótica convivência com Lula, o operado. Agora o ganho de um significará a ruína do outro. Léo quer se valer da lei sancionada pela presidente Dilma Rousseff, a delação premiada, para reduzir drasticamente sua pena em troca de informações sobre a participação de Lula no petrolão, o gigantesco esquema de corrupção armado na Petrobras para financiar o PT e outros partidos da base aliada do governo.
    Por meio do mecanismo das delações premiadas de donos e altos executivos de empreiteiras, os procuradores já obtiveram indícios que podem levar à condenação de dois ex-ministros da era lulista, Antonio Palocci e José Dirceu. Delatores premiados relataram operações que põem em dúvida até mesmo a santidade dos recursos doados às campanhas presidenciais de Dilma Rousseff em 2010 e 2014 e à de Lula em 2006. As informações prestadas permitiram a procuradores e delegados desenhar com precisão inédita na história judicial brasileira o funcionamento do esquema de sangria de dinheiro da Petrobras com o objetivo de financiar a manutenção do grupo político petista no poder.
    É nessa teia finamente tecida pelos procuradores da Operação Lava-Jato que Léo e Lula se encontram. Amigo e confidente de Lula, o ex-presidente da construtora OAS Léo Pinheiro autorizou seus advogados a negociar com o Ministério Público Federal um acordo de colaboração. As conversas estão em curso e o cardápio sobre a mesa. Com medo de voltar à cadeia, depois de passar seis meses preso em Curitiba, Pinheiro prometeu fornecer provas de que Lula patrocinou o esquema de corrupção na Petrobras, exatamente como afirmara o doleiro Alberto Youssef em depoimento no ano passado. O executivo da OAS se dispôs a explicar como o ex-presidente se beneficiou fartamente da farra do dinheiro público roubado da Petrobras. VEJX

  167. Chesterton said

    A esquerda se enfurece com a realidade que teima em contrariar suas teses, Patriarca.

  168. Chesterton said

    Patriarca, no seu tempo livre, nesta nova fase, poderia ler este livro.

    http://pt.scribd.com/doc/203047735/Tempos-Modernos-Paul-Johnson#scribd

  169. Patriarca da Paciência said

    “Presidente mundial da companhia anglo-holandesa (Shell), Ben Van Beurden, também defendeu nesta segunda-feira 15 a abertura do pré-sal a empresas internacionais, um dia depois de editorial do Globo nessa mesma linha; governo admite mudar a regulação do setor, mas “sem abrir a porteira”; durante evento no Rio de Janeiro, o executivo da Shell afirmou: “Esse é um assunto que diz respeito ao governo e aos congressistas, mas se me perguntar (se a abertura a outras empresas) faz sentido, eu diria que faz sentido. Ajudaria a dividir os riscos e a trazer mais investimentos”; o executivo disse acreditar na competitividade do pré-sal, mesmo no cenário atual, com o preço do petróleo registrando baixas históricas” (247)

    Veja aí, Chesterton,

    Esse é o Realizável da Petrobrás, uma reserva, apenas no pré-sal, estimada em 80 bilhões de barris de petróleo.

    Isso é que provoca os ataques predatórios e a cobiça no mundo.

    E com custo de extração estimado entre 8 a 12 dólares.

  170. Chesterton said

    estas estimativas otimistas é que derrubam a empresa, contam com o ovo no cu da galinha, se endividam e ficam depois esperando o que sai da cloaca da penosa….isto é incompetência, patriarca. A Arabia Saudita passou a PETR4 para trás, PT compareceu a tiroteio armado de faca.

  171. Pedro said

    “compareceu a tiroteio armado de faca.”

    Boa Chester.

  172. Pedro said

    E a Empiricus joga mais uma bomba pra desanimar qualquer um.

    O calote.

    Tentei colocar o link, mas o filtro não deixa. Enfim é só procurar……

  173. Chesterton said

    A maior perda do homo sovieticus é sua separação do coletivo. (…) Sua alma está na sua participação na vida coletiva (…). Até mesmo a rebelião contra a sociedade soviética ocorre dentro de uma perspectiva coletiva (…). A ideologia unifica a consciência individual e une milhões de pequenos “Eus” num imenso “Nós”.
    Alexander Zinoviev, em Homo Sovieticus.

    http://www.amazon.com/Homo-Sovieticus-Alexander-Zinoviev/dp/0871130807

  174. Chesterton said

    172, ou dá o calote ou corta despesas…o que o Chavez – Maduro fizeram? Dilma vai levar até o fim sua loucura anencéfala? Ou será solicitada a se retirar? Aguardem os próximos capítulos.

  175. Patriarca da Paciência said

    http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/02/pib-do-japao-encolhe-mais-que-o-esperado-em-2015.html

    Ora vejam só, o PIB do Japão encolhe 1,4% ! E faz décadas que o PIB japonês anda encolhendo ou andando de lado. Já foi três vezes maior que o PIB da China, hoje não passa de um terço !
    Será que é a Dilma que está governando o Japão ?

  176. Patriarca da Paciência said

    Ontem, assisti no telejornal da TVE, que os Estados Unidos são, atualmente, os maiores produtores de petróleo, graças ao xisto, deixando a Arábia em segundo lugar. Há estudos que apontam o incremento de até 2% do PIB dos Estados Unidos, graças à produção de xisto.
    Acontece que o custo do barril de xisto anda aí por 56 dólares.
    Ou seja, se os Estados Unidos são os maiores produtores é porque o subsídio anda campeando solto. Mas como dizem os economistas, “um dia essa conta tem que ser paga”.

    “O preço que torna a produção de xisto inviável varia de acordo com a região, mas certamente, em Bakken, o valor atual faz com que a produção não seja lucrativa”, afirma o analista sobre a área responsável por pouco menos da metade da produção americana de óleo de xisto, com cerca de 1,1 milhão de barris por dia de pouco mais de 2,4 milhões de barris diários, segundo estimativas da Agência Internacional de Energia. Nas contas do Energy Aspects, um preço de US$ 60 por barril já faz com que os produtores de Bakken tenham perda de 4%. Com o preço a US$ 90 por barril, conseguiriam retorno de 13% para o investimento.

    Em Nesson North e de Williams (West), os produtores também deixam de ter viabilidade econômica com o barril do petróleo em US$ 60. Nesses dois casos, o retorno com a cotação a US$ 90 por barril é de 21% e 12%, respectivamente. Já as áreas de Nesson South, Parshall e Sanish continuam com retornos positivos com o preço de US$ 60 por barril, com 5%, 8% e 11%, respectivamente. Apesar de ficarem com as operações no azul, os retornos são muito inferiroes aos de 45%, 40% e 47% com o preço a US$ 90 por barril, segundo os cálculos da Energy Aspects.

    Considerando o preço atual do barril na casa dos US$ 50, a maior parte dos produtores fica em situação ruim e, por isso, suscetível a reduzir suas atividades de perfuração, princialmente em áreas periféricas. O analista ressalva que em locais específicos a produção continua atraente e que a desacelerações de investimentos deve ser mais substancial no segundo semestre, já que parte dos produtores do óleo de xisto já está com o orçamento comprometido para a primeira metade de 2015.

    http://www.fecombustiveis.org.br/clipping/preco-atual-do-petroleo-inviabiliza-xisto-nos-eua/

  177. Patriarca da Paciência said

    Vamos recapitular:

    1 – Os atuais problemas da Petrobrás tem causa externa, ou seja, o preço do petróleo.
    2 – Tudo indica que seja uma situação temporária, pois os preços estão sendo mantidos arfiicialmente baixos para prejudicarem as companhias de xisto norte-americanas.
    3 – O custo da barril de petróleo das companhias de xisto gira aí pelos 56 dólares, bem mais que os custos do pré-sal.
    4 – Se o Brasil foi imprevidente, os Estados Unidos o foram muito mais, visto que seus custos são bem mais altos.
    5 – A “melhora” da economia norte-americanos nos últimos anos, deveu-se ao xisto e pode ser revertida rapidamente.
    6- Conclusão: O que a oposição e Ministério Público do Brasil estão fazendo mesmo é demagogia !

  178. Patriarca da Paciência said

    Viu aí, Chesterton,

    a atual “crise” nada tem a ver com “mão invisível do mercado”. É tudo fruto de acordos e conchavos, nada mais !

  179. Patriarca da Paciência said

    ” A explicação é simples: o petróleo extraído do xisto é, tecnicamente, considerado como … Em 2014, equivalem a 1% do PIB norte-americano.”
    http://www.rumo.co.ao/2015/06/15/petroleo-a-revolucao-do-xisto-norte-americano/

    Veja aí, Elias,

    E a estimativa é que poderia chegar a representar de 3 a 4% do PIB norte-americano.

    Qual a surpresa de que o pré-sal pode representar de 1,5 a 2% do PIB brasileiro ?

  180. Chesterton said

    1 – Os atuais problemas da Petrobrás tem causa externa, ou seja, o preço do petróleo.

    chest- negativo, iniciaram com os preços lá em cima, roubo e corrupção

    2 – Tudo indica que seja uma situação temporária, pois os preços estão sendo mantidos arfiicialmente baixos para prejudicarem as companhias de xisto norte-americanas.

    chest- que se sobreviverem jogarão o preço lá para baixo. A Arabia Saudita não quer preço, quer clientes, sabe que o petroleo dificilmente volta àqueles preços altos (a não ser se a India resover fazer o papel da China).

    3 – O custo da barril de petróleo das companhias de xisto gira aí pelos 56 dólares, bem mais que os custos do pré-sal.

    chest- ninguem sabe o custo do pré-sal, tende a cair, mas o do xisto idem.

    4 – Se o Brasil foi imprevidente, os Estados Unidos o foram muito mais, visto que seus custos são bem mais altos.

    chest- os EUA não estatizaram o petroleo, é da economia privada, lucros e prejuizos são de empresas privadas.

    5 – A “melhora” da economia norte-americanos nos últimos anos, deveu-se ao xisto e pode ser revertida rapidamente.

    chest- hein?

    6- Conclusão: O que a oposição e Ministério Público do Brasil estão fazendo mesmo é demagogia !

    chest- melhor internarem você

  181. Patriarca da Paciência said

    Veja aí, Chesterton, é o ex-presidente da associação de delegados da polícia federal e também um delegado federal aposentado quem diz: “Não há combate à corrupção no Brasil, o que existe é uma guerra declarada ao PT”.

  182. Chesterton said

    claro, a culpa do estupro é da estuprada…ora, P_atriarca…

    mas veja, como sou um cara muito bacana vou traduzir para voc~e um trecho do livro Tempos Modernos, do paul Johnson.

    “Não havia nada de miraculos neste “milagre (falava do Japão pós-guerra). Foi um caso concreto de economia a la Adam Smith com um leve toque de keynesianismo. Alta capitalização (juntar para distribuir depois), muito pouco deste capital em investimentos não produtivos. . Impostos moderados.Baixo custo com defesa e gastos governamentais. Altíssimos níveis de poupança pessoal, eficientemente canalizada para a industria através do sistema bancario. Importação de tecnologia estrangeira inteligente sob licensa. Contenção de salários, com a produtividade bem maior que os salários. Trabalho abundante por causa do êxodo rural e mão de obra qualificada muito bem educada, porque o Japão e outros países asiáticos engendraram uma educação voltada às necessidades da indústria e não para ciências soaciais ideológicas. Por falar niusto, os países asiáticos foram os únicos a se beneficiarem economicamente do revolução educacional dos anos 60, enquanto a Europa e os EUA provaram-se prejudicados…”

    Fala, tem texto mais lindo?

  183. Patriarca da Paciência said

  184. Patriarca da Paciência said

    É tudo ao contrário, Chesterton,

    tem que contar com o fato de que o Japão deixou de ter despesas com forças armadas, que era o grosso do seu orçamento e passou a investir tudo em refazer os escombros que o fascismo deixou.
    Adam Smith pouco, nada ou coisa nenhuma tem a ver com a restauração do Japão.
    Foi tudo obra e investimento do Estado.
    Modelo que agora se esgotou e o Japão amarga décadas de andar de lado ou recessão.

  185. Patriarca da Paciência said

    Complementando, Chesterton,

    assim como preço do petróleo tem pouco, nada ou coisa nenhuma com Adam Smith. É tudo obra de acordos e conchavos entre Estados !

  186. Patriarca da Paciência said

    A perseguição desenfreada contra o Lula está servindo para provar uma coisa, ou seja, a tal de “Zelite” existe mesmo e é ainda mais preconceituosa e arrogante do que se supunha.

  187. Chesterton said

    Ok, o petroleo não é uma commodity, não existe mercado de petroleo, é tudo culpa do Bush…….tenha a paciência, Patriarca, o simples fato de existir um cartel que tenta controlar os preços do petroleo é uma prova de que o mercado existe. Se assim não fosse o petroleo estaria custando 4 dolares, ou preços praticados antes da formação da OPEP.

    Sei, o Japão pós guerra era socialista…ai, ai, ai…

  188. Chesterton said

    Lulla conseguindo fugir da policia…..

  189. Chesterton said

    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/merval-pereira/2016/02/16/DOCUMENTO-DE-MORO-MOSTRA-QUE-PT-USOU-O-TSE-PARA-LAVAR-DINHEIRO.htm

    chest- pt , partido ou gangue?

  190. Chesterton said

    Sou repetitivo. Há, confesso, temas que recorrem neste espaço bem mais que gostaria, mas, mesmo admitindo minhas obsessões, o problema maior é com o país, que insiste em ser ainda mais repetitivo do que eu.

    Veja agora o pleito de governadores por mais uma rodada de renegociação de suas dívidas com a União. Desde que o governo federal assumiu as dívidas estaduais, na segunda metade dos anos 1990, governadores (e também prefeitos) vêm brigando para não pagar o que devem. O que ocorre agora não é diferente, exceto que, desta vez, parece que irão vencer, com consequências potencialmente desastrosas para as finanças públicas.

    A narrativa é conhecida: como as dívidas com o governo federal são tipicamente indexadas ao IGP, pagando ainda uma taxa de juros elevada, governadores reclamam que se tornaram impagáveis, em geral comparando a dívida anos atrás com a atual. Por exemplo, o conjunto das dívidas interna e externa dos Estados atingia R$ 216 bilhões em dezembro de 2001; já em dezembro de 2015 esse valor havia subido para R$ 646 bilhões, praticamente três vezes maior do que em 2001 e, portanto, impagável.

    Ou não. Quem costuma apresentar os números dessa forma espertamente deixa de mencionar que o PIB e as receitas estaduais cresceram no período, pela força combinada da inflação e da expansão real da atividade econômica. O PIB nominal (sem a correção pela inflação) aumentou 4,5 vezes, praticamente a mesma magnitude de crescimento das receitas, seja pelo lado da arrecadação, seja pelas transferências federais.

    Assim a dívida estadual –que era equivalente a 15,5% do PIB em 2001– caiu para 11% do PIB em 2015. Da mesma forma, a dívida equivalia a 1,5 ano de receitas em 2001, caindo para 1 ano em 2015.

    Isso dito, a comparação acima (2015 contra 2001) não captura a piora observada a partir de meados de 2014, quando a dívida estadual saiu de 9% do PIB para os atuais 11% do PIB. O notável, porém, é que esse aumento não resultou das dívidas reestruturadas nos anos 1990, isto é, do que é devido ao governo federal, mas principalmente de outras duas modalidades: a dívida com bancos locais (+0,6% do PIB) e dívida externa (+1,0%), esta última em parte impulsionada pela valorização do dólar no período.

    Posto de outra forma, o aumento observado nos últimos 18 meses não parece ter resultado das regras associadas à dívida com o governo federal, mas da assunção de novas dívidas, devidamente autorizadas pelos (ir)responsáveis de plantão.

    Embora, ao menos em tese, Estados possam ter incorrido em novas dívidas para pagar à União, na prática esse pagamento se manteve constante como proporção da receita líquida dos Estados, sugerindo que o endividamento adicional ocorreu por outros motivos, a saber, gastos mais altos, em especial associados ao funcionalismo. Em alguns casos as perspectivas de receitas mais elevadas, por exemplo, royalties da exploração de petróleo, induziram governadores a gastar por conta, contando com o proverbial ovo já na galinha.

    Apesar do comportamento gastão, o governo federal agora acena com a possibilidade de novamente resgatar os pródigos, gerando incentivos para mais irresponsabilidade à frente. E mais uma coluna apontando os erros dessa política… Alexandre Schwartzman

    chest- viu Patriarca, contando com o cu da galinha para gastar adiantado,…..a receita do desastre.

  191. Chesterton said

    Talvez o mais difícil problema que resolvemos foi o do processo inflacionário quando ele atingiu o seu paroxismo no governo Collor.

    O seu sucessor, Itamar Franco –uma personalidade mercurial–, realizou um governo de boa qualidade: 1) crescimento médio de 4,9% em 1993-94; 2) superavit primário de 5,6% do PIB em 1994 e 3) negociou a dívida externa que se arrastava havia anos.

    Com isso construiu as condições internas e externas para um bem sucedido programa de estabilização monetária. Iniciado pelo ilustre ministro da Fazenda Rubens Ricupero e terminado por Fernando Henrique Cardoso (que com ele se elegeu presidente), será sempre lembrado como um corajoso e ousado ato político de um modesto presidente que incorporou e executou o Plano Real, uma fina joia que honrará para sempre os economistas que o conceberam.

    Estamos hoje numa situação parecida. O desequilíbrio fiscal em que nos metemos não será resolvido sem uma retomada do protagonismo do Poder Executivo e da volta do crescimento.

    Dilma tem de convencer o PT que não há outra saída que não a de aprovar as medidas constitucionais e infraconstitucionais capazes de garantir o equilíbrio das contas públicas no prazo de alguns anos.

    Quanto mais crível, isso é, quanto mais rápida for a reconstrução da confiança da sociedade, mais rápida será a volta do investimento e do crescimento. Não há mais tempo! Como diz o velho ditado “se alguma coisa não pode continuar para sempre, em algum momento ela, por bem ou por mal, vai parar”.

    Esgotou-se o tempo de políticas populistas refratárias às limitações físicas impostas pela realidade qualquer que seja a organização da sociedade: o capitalismo “real” ou o socialismo “real”.

    Só no pensamento mágico do inexistente socialismo “ideal” da vulgata marxista (pobre Marx, nas mãos da nossa “esquerda”!) ensinado na disciplina de história nas nossas escolas, é que elas podem continuar para sempre…

    O PT precisa de um “aggiornamento” como está sendo imposto aos socialistas franceses pelo ministro das finanças Emmanuel Macron.

    A presidente sabe o que fazer, dispõe de bons quadros técnicos e tem tempo para enfrentar nossas adversidades. Indo pessoalmente ao Congresso mostrou a sua disposição de assumir o protagonismo que o Brasil dela espera.

    A oposição sabe que diante do saudável “principismo” do Supremo Tribunal Federal a probabilidade do seu impedimento é mínima. E a presidente sabe que sem apoio do Congresso, reconstruir o equilíbrio fiscal estrutural é impossível. A nação espera, angustiada, um ataque geral de lucidez!

    Delfim Netto

    chest- gastou demais, deve demais, se recusa a parar de gastar, enfim, quebrou o país, nem precisa assinar a Empiricus para saber disso….

  192. Chesterton said

  193. Chesterton said

  194. Patriarca da Paciência said

    Repetitivo é você, Chesterton,

    com suas chargezinhas idiotas contra o Lula e a Dilma, seus pixulecos, bonequinhos e os artigos mais idiotas ainda desse pessoa da direita paranóica.

    Acho que você não entenderá nada nunca.

    Eu escrevo as coisas apenas porque sei que outras pessoas também leem. Quanto a você, sei que é totalmente inútil !

  195. Guatambu said

    Descobri que dos esquerdistas, o Pax é o mais bobo!

    Ele é super esquerdista e não conseguiu nem uma antena de celular perto da casa dele…

    Já os amigos dos reis de esquerda….

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/02/1740246-amigo-de-lula-conseguiu-antena-para-sitio-em-atibaia.shtml

    Isso aí Pax!! Vai votando no Lula! Huá Huá Huá!!!!!

    Ahhh mais que isso… vote na solução “mais à esquerda”

    Huá huá huá!!!

  196. Elias said

    “A bolha imobiliária explodiu no segundo mandato do Bush. Ele teve tempo de sobra pra corrigir a “subprime” do Clinton. Por que não o fez?.” (Elias)
    “chest- porque dependia do Capitolio, não da Casa Branca, quadrúpede. Leia os links se puderes compreeender que não vou traduzir para você.” (Chester)

    E o Capitólio só passou a existir depois que Bush assumiu o poder, muar?

    E porque o Bush não propôs nada ao Capitólio, no segundo mandato, quando os republicanos se tornaram maioria?

    Idiota!

    O governo americano pouco interferia na atividade bancária. Os bancos americanos sempre tiveram plena liberdade pra emprestar a quem quer que queiram.

    Ao contrário, sua besta: no governo Bush passaram a ter muito mais liberdade, com a desregulamentação, que escancarou as portas para as fusões. E também para as operações “circulares”, que, antes, eram proibidas (as operações circulares eram consideradas crime).

    O que o Bush mandou para o Capitólio, imbecil, foi a lei da desregulamentação, que, aliás, foi aplaudidíssima pelos liberais, porque consagrava a liberdade de empreender.

    Falar em intervenção do governo, mesmo quando Paulson empurrou goela abaixo dos bancos vários trilhões de dólares do governo, para que fossem emprestados a juros quase “zero” (pra reativar o consumo), os bancos preferiram fazer cara de paisagem. Mais de um ano depois, menos da metade desse dinheiro havia sido emprestado… E o governo ficou a ver navios.

    Liberais e comunistas são irmãos siameses, frutos da mesma árvore. Quando a realidade contraria suas fantasias, eles tentam reescrever a história…

    A besta considera sagrado todo e qualquer texto escrito em inglês. E nele se refugia pra esconder sua incapacidade de argumentar usando suas próprias palavras.
    ============================

    “Educação gratuita de qualidade”?

    Tu bem que gostaste, seu vigarista… Educação de qualidade no exterior, bancada com dinheiro público!

    Sociopata é assim: adora desfrutar dos privilégios que ele adora negar aos outros.

    Pervertido!

  197. Chesterton said

  198. Chesterton said

    Ui, ui, Elias ficou chateadinho. Ó, até o deputado Obama processou o Citybank por não emprestar pros “mano”.

    In 1994 Barack Obama was a plaintiff in a class action lawsuit that alleges that Citibank had engaged in practices that discriminated against minorities. This lawsuit forced Citbank to ease its lending policies.

    http://www.liveleak.com/view?i=431_1314157066

  199. Chesterton said

    http://freedomoutpost.com/2012/09/so-it-was-bushs-fault-eh-obama-pushed-banks-for-subprime-loans/

    chest- vai te informar Elias.

  200. Chesterton said

    Usa o tradutor do Google se tiver qualquer dificuldade

  201. Elias said

    Patriarca,

    Insisto: a questão não é reconhecer ou não a existência de uma crise mundial.

    O problema é: o quê fazer pra enfrentar a crise.

    Vê só o tal do “ajuste fiscal”. No ano passado, vendeu-se a ideia de que ele seria possível sem mexer na Constituição.

    Aqui mesmo, no PolíticAétca, ou seja, em conversa de botequim, foi dito (pelo menos por mim), que essa era uma ideia fantasiosa. Que a despesa pública é amarrada constitucional e legalmente, e que não é possível mexer nela, com o vigor necessário, sem antes fazer ajustes jurídicos. Que qualquer tentativa nesse sentido se limitaria aos “gastos discricionários”, dos quais a economia brasileira depende pra funcionar. E que, por causa disso, a recessão se agravaria, a arrecadação tributária cairia ainda mais, e, como a despesa pública continuaria inalterada, o déficit público aumentaria ainda mais.

    Pega meus comentários de janeiro/fevereiro de 2015. Eu disse isso várias vezes. E repeti outras incontáveis vezes ao longo do ano.

    E não deu outra: a recessão aumentou, o desemprego e a inflação idem, a arrecadação despencou e o déficit público explodiu. Triplicou!

    Tu achas mesmo que a Dilma não sabia disso? Cara, ela é macaca velha de administração pública (muito mais do que eu, que trabalhei uns 15 anos no setor público, somando os tempos de assessoria parlamentar — inclusive no Congresso Nacional — e de direção de órgãos públicos). Dilma tem, a serviço dela, alguns dos melhores técnicos do mundo, na área de administração pública, atuando no Banco Central, na STN, na SRF, etc. Todos eles quadros profissionalizados, muito bem remunerados e sem nenhum vínculo partidário. Um monte deles com esmerada formação acadêmica, pós-graduação no exterior, etc.

    Tu achas, mesmo, que ela nunca foi alertada para o fato de que a proposta do Levy era uma jogada temerária, quase suicida?

    Então, por que diabos ela entrou nesse lance? Não sei. Nunca ouvi ou li uma explicação crível. Como não sei, posso apenas supor. E minha suposição é de que Dilma resolveu apostar numa jogada política, que não deu certo, nem como estratégia política, nem como política econômica. E isso está custando caro ao país.

    O que é pior é que ao longo de todo esse tempo, a oposição demonstrou a mais absoluta incapacidade de fazer uma crítica consistente ao desbunde da Dilma.

    Tirando o Delfin Netto, o que sobra é um monte de gente dizendo que chuva molha…

  202. Elias said

    Freedom Outpost?

    Putz!

    Sou mais o Reinaldo Azevedo…

    Chester, tu sempre foste mais idiota do que imbecil.

    Agora, estás na função inversa…

  203. Elias said

    “chest- gastou demais, deve demais, se recusa a parar de gastar, enfim….” (Chester)

    Idiota!

    Em 2002, a dívida pública líquida era 60% do PIB. Hoje, é menos de 35%.

    O imbecil lê um artigo do Delfin, não entende lhufas, e repete o bordão de 30 anos atrás…

  204. Chesterton said

    Ok, Elias, gasta, Dilma, mas gasta mesmo … Estamos quebrados, mas Elias é “otimista”.

  205. Chesterton said

    http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2016/02/cubanos-do-mais-medicos-fogem-para-os-eua-e-avisam-por-whatsapp.html

    chest- o navio afunda…

  206. Chesterton said

    Tu bem que gostaste, seu vigarista… Educação de qualidade no exterior, bancada com dinheiro público!

    chest- Elias, você não entendeu, já falei mil vezes, eu fui bolsista do governo francês, não recebi “educação de graça”, fui pago para estudar pelo governo francês. Recebi moeda forte , no bolso, entendeu? Ou vou ter que desenhar?

  207. Chesterton said

    depois não entendem porque o país está quebrado..

    http://www.claudiawallin.com.br/2016/02/17/o-milagre-da-multiplicacao-dos-salarios-na-camara-r-22-mil-para-trabalhar-na-xerox/

  208. Pax said

    tá tão enorme essa crise que eu ainda nutro a esperança que uma hora o povo parta mesmo pro quebra geral, pra cima deles todos

    seja legislativo, judiciário ou executivo

    seja no município, no estado ou lá na corte

    mas eu sou besta mesmo

  209. Chesterton said

    Pax, e os principais culpados, o PT, a Dilma, você não nomeia?

    http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/verba-para-aa-a-es-teve-corte-de-60/338249

    chest- Dilma parece ter se associado ao mosquito.

  210. Chesterton said

    Cravou 13? Agueeeentaaa….

    https://alfredopassos.wordpress.com/2016/02/16/justica-decreta-falencia-da-mabe-e-duas-fabricas-sao-fechadas/

  211. Pax said

    Nomeio todos, caro Chesterton, seu rabugento

    desde os caras que roubam merenda escolar, aos que fazem aeroportos nas terras da família com dinheiro público, até os que ganham tudo das empreiteiras e estatais

    todos eles

    seja o vagabundo sem vergonha que for, de que lado for

  212. Chesterton said

    http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2015/09/construcao-civil-vai-demitir-mais-de-meio-milhao-de-trabalhadores.html

    chest- mais um da série: “Cravou o 13? Aguenta”.

  213. Chesterton said

    http://www.abcdmaior.com.br/materias/economia/mais-800-trabalhadores-da-volks-serao-afastados-na-segunda-feira

  214. Chesterton said

    http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2015/04/rhodia-encerra-producao-e-demite-129-trabalhadores-em-jacarei-sp.html

    chest- sei não, que se cuide o Lulla……(mas tem idiota que morre e não dá o braço a torcer…)

  215. Chesterton said

    outra esposa de petroleiro narrando o “loteamento” que foi a PETR4 no governo Lulla…. ai, ai, ai

  216. Chesterton said

  217. Guatambu said

    Elias,

    Poxa vida… é muito triste ver a iniciativa estatal tomar tanta porrada de uma vez só.

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/02/1740167-as-moscas-aeroporto-na-serra-da-capivara-e-internacional-so-no-nome.shtml

    Como vc diz: se o Estado não fizer nada, nenhum particular vai fazer.

    Sim! Este é o caso desse aeroporto.

    Olha que excelente resultado para o turismo e para o desenvolvimento.

    18 milhões que poderiam ser gastos em saúde e educação foram enterrados em ativos de um aeroporto praticamente desativado.

    Pra que fazer parcerias com empresas privadas de turismo? Pra que envolver análises de viabilidade?

    O Estado do Piauí é rico mesmo, não é verdade?!

    Então deixemos os “investimentos” nas mãos do Estado!

  218. Patriarca da Paciência said

    “Para o colunista do 247 Paulo Moreira Leite, “a decisão de Valter Araújo, membro do Conselho Nacional do Ministério Público, que suspendeu o depoimento de Lula marcado para esta quarta-feira no Fórum da Barra Funda, em São Paulo, merece um aplauso demorado”; “Pelo caráter arbitrário e exibicionista, típico da Justiça do Espetáculo, a audiência de Lula seria um espetáculo indecente”, avalia o jornalista; PML acrescenta que, “embora não seja definitiva, a decisão representa um revés importante nas investigações contra Lula, que têm acumulado um impressionante conjunto de contradições”; apesar da suspensão do depoimento, uma comitiva de deputados do PT foi a São Paulo em desagravo a Lula” (247)

    Espetáculo indecente e vergonhoso !

  219. Patriarca da Paciência said

    O deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), aliado da presidente Dilma Rousseff, acaba de ser reeleito líder do PMDB na Câmara; com isso, a possibilidade de impeachment se torna muito remota; vitória contra Hugo Motta (PMDB-PB), que era o candidato do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), se deu por 37 votos a 30; apoio do PMDB é vital para encaminhar reformas, como a da Previdência, e também medidas do ajuste fiscal, como a aprovação da CPMF (247)

  220. Patriarca da Paciência said

    “Depois de 30 anos de silêncio, a jornalista Miriam Dutra, que teve um caso com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, falou pela primeira vez sobre a relação entre os dois; em entrevista à revista BrazilcomZ, ela conta como foi seu “exílio” decretado pela Globo, quando vazaram as notícias de que FHC tinha um filho fora do casamento; “Eu passei muita dificuldade, muita solidão, focada nos meus filhos, e tentando muito sempre trabalhar e pedindo pra Globo, pelo amor de Deus pra fazer alguma coisa, e eu era sempre cortada, sempre cortada”, conta; ela revelou ainda que FHC a obrigou a conceder uma entrevista a Veja, dizendo que o pai da criança era um biólogo – e não o ex-presidente (o que depois não se confirmou com o teste de DNA); “Foi Fernando Henrique com Mario Sergio Conti”, afirmou, apontando o ex-diretor da revista (hoje na Globonews) como responsável pela armação; em relação ao ex-presidente, ela o qualificou como uma pessoa que gosta de “fazer tudo sorrateiramente e posar de bom moço”

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/217314/Miriam-Dutra-detona-FHC-Globo-e-Mario-Sergio-Conti.htm

    Ela inclusive acusa o FHC de ter falsificado o exame de DNA. Para mim isso é gravíssimo ! Tem que haver investigação e processo !

  221. Mona, a das antigas said

    Não resisti, caríssimo Patriarca, ao seu comentário 220… se a própria criatura Mirian (caramba, Mirian Cordeiro, Miriam Dutra… essas Mirian são terríveis, não?) já disse que não vai atrás desse assunto, quem mais poderia ir? O Paulo Teixeira, que agora deu pra atuar em nome de terceiros?

  222. Patriarca da Paciência said

    Então, Mona, essa é a sua ética ?

    Não importa se há crime, o importante é não ser descoberto, ou punido. É isso ? Eu também não resisti !

  223. Patriarca da Paciência said

    Além do mais, Mona, de onde você tirou que Miriam Dutra disse que “não vai atrás desse assunto”.

    Veja o que ela diz:

    “O prejuízo na carreira é a coisa que mais lhe dói nessa história, admite à repórter. “Agora meu trabalho sempre foi tão importante pra mim, isso me dói. Ter lutado tanto e de repente, por um homem completamente manipulador e por ter trabalhado em um grupo de comunicação tão… eu queria usar um verbo, mas não me permito usar esse verbo… eu fui prejudicada”. (247)

    É bem capaz que ela esteja preparando um processo por perdas e danos, milionário, contra o FHC. O que seria de inteira justiça !

  224. Chesterton said

    217, Guatambu, ora, ora, se a iniciativa privada gerir acabam as gordas comissões para os políticos.

  225. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    governar um país é algo para lá de complexo. Apenas ditadores fazem valer a sua vontade a qualquer custo. Numa democracia tem que haver negociação e mais negociações.

    Eu sempre achei e, continuo achando, que o PMDB ainda representa boa parte do povo brasileira. Como dizia o Luiz Gonzaga, em sua célebre homenagem ao jumento, “herói do povo brasileiro”, “quer queira, quer não, o jumento é nosso irmão”.

    O PT não tinha nem tem condições de governar sozinho.

    Finalmente, “depois de um longo e tenebroso inverno”, parece que uma base mínima de sustentação política está sendo reconstituída.

    Hoje foi um dia de vitórias para o governo !

  226. Mona, das antigas said

    Patriarca, minha ética é ser honesta. Creio que alguém nessa história mentiu. 2 exames de DNA deram negativo para a paternidade do FHC. O cara vem sendo chamado pelas esquerdas de “corno”… a mulher fala, ao longo da entrevista, que não vai atrás do assunto. .. (pode até se sentir prejudicada…)na boa, creio que os fatos tão meio ruins para ela. Mas, o direito de cobrar as compensações devidas é inalienável. O Paulo Teixeira já deve estar com o processo pronto…

  227. Pedro said

    Tem horas que a Dilma parece uma retarda.
    Só rindo mesmo.

    http://sensacionalista.uol.com.br/2016/02/17/standard-and-poors-rebaixa-novamente-nota-do-brasil-apos-ver-dilma-dizendo-mosquita/

  228. Chesterton said

    como assim, tem horas…? Essa mulher não tem os neuronios se comunicando.

  229. Patriarca da Paciência said

    “Jornalista Mirian Dutra afirma que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) mandava dinheiro para ela e seu filho, Tomas Dutra, no exterior, através da empresa Brasif S.A. Exportação e Importação; em entrevista à colunista Mônica Bergamo, ela diz que a transferência foi feita por meio da assinatura de um contrato fictício de trabalho, celebrado em dezembro de 2002 e com validade até dezembro de 2006; “Eu não quero morrer amanhã e tudo isso ficar na tumba. Eu quero falar e fechar a página”, afirma; segundo a jornalista, FHC disse ter depositado US$ 100 mil na conta da Brasif no exterior: “O dinheiro não saiu dos cofres da Brasif e sim do bolso do FHC”, diz; em nota, o tucano nega que tenha utilizado a empresa para enviar recursos; admite, no entanto, manter contas no exterior, ter mandado dinheiro para Tomás e ter lhe presenteado recentemente com um apartamento de € 200 mil em Barcelona, na Espanha” (247)

    Olha só, a coisa está fedendo cada vez mais para o FHC.

    Tal como o Renan, uma empresa bancou a amante do FHC para ele. A diferença é que o Renan teve que renunciar à presidência do Senado, já com o dito cujo, nada aconteceu.

    E um presentezinho de quase um milhão de reais, não merece ser investigado ?

    Os podres do sonso que gosta de “fazer tudo sorrateiramente e posar de bom moço” estão vindo à tona.

  230. Patriarca da Paciência said

    Pedro,

    caso você não saiba, “O Sensacionalista” é um blog de humor. Isso não é notícia, é simples piada .

  231. Patriarca da Paciência said

    “Patriarca, minha ética é ser honesta. Creio que alguém nessa história mentiu. 2 exames de DNA deram negativo para a paternidade do FHC.”

    Mona,

    A Miriam diz justamente que esses exames nunca existiram, ou melhor, existiram apenas na forma de falsificações. É a sua palavra contra a dela. Mas pelo jeito você foi nomeada procuradora do FHC.

    Quanto ao Paulo Teixeira, é deputado pelo PT, aliás, líder, e é muito natural que o defenda. Todos os deputados federais do PT foram ao ato de desagravo ao Lula, não apenas o Paulo Teixeira. Creio que daqui para a frente será assim.

  232. Patriarca da Paciência said

    Pedro, veja essa daqui, é ótima:

    http://sensacionalista.uol.com.br/2016/02/16/direita-atrasa-o-calendario-do-iphone-para-1964-e-trava-o-pais/

    É bem um retrato da direita brasileira !

  233. Patriarca da Paciência said

    Pedro,
    tem uma página satírica do facebook, “sensacionalista”, dizendo que, ” o FHC declarou que o filho da sua amante, em verdade, é filho do Lula”.

    Muito boa essa “

  234. Patriarca da Paciência said

    Ora vejam só, a coisa é pra lá de cabeluda mesmo, empresa com sede nas ilhas Cayman e tudo.

    Será que não tem “desvio da Petrobrás” por aí ?

    “No contrato com a Eurotrade Ltd., empresa da Brasif com sede nas Ilhas Cayman, a jornalista deveria prestar “serviços de acompanhamento e análise do mercado de vendas a varejo a viajantes”, fazendo pesquisas “tanto em lojas convencionais como em duty free shops e tax free shops” em países da Europa.

    “Eu trabalhava na TV Globo e tive um corte de 40% no salário em 2002. Me pagavam US$ 4.000. Eu estava superendividada, vivia de cartões de crédito e fazendo empréstimo no banco. Me arrumaram esse contrato para pagar o restante”, afirma Mirian, que disse que “jamais pisou” em uma loja convencional ou em um duty free para trabalhar.

    “Ele (FHC) me contou que depositou US$ 100 mil na conta da Brasif no exterior, para a empresa fazer o contrato e ir me pagando por mês, como um contrato normal. O dinheiro não saiu dos cofres da Brasif e sim do bolso do FHC”, diz.” (247)

  235. Patriarca da Paciência said

    Mona,

    a título de esclarecimentos, eu não tenho compromisso com a mentira. Eu considerava o FHC um “corno manso”, pois era o que as evidências apontavam e ele mesmo aceitava.

    Agora a coisa mudou totalmente de figura.

    Quem tem ideia fixa é psicopata. Sempre considerarei que a verdade está acima de qualquer opinião.

    Para mim, a verdade agora é que o FHC é um sonso que gosta de “fazer tudo sorrateiramente e posar de bom moço” .

  236. Patriarca da Paciência said

    Sobre a constatação de que existe mesmo uma “zelite” no Brasil.

    Eu acho muito correto e justo que pessoas bem preparadas tenham que competir, andar com as próprias pernas etc.etc.etc.

    Acontece que o que a “zelite” brasileira quer mesmo é restaurar a competição entre pessoas bem preparadas e pessoas fracas, famintas, doentes e com baixo ou nenhum nível de instrução.

    O nome disso para mim é covardia !

  237. Pax said

    Olha, tento me lembrar de um governo tão ruim como esse da Dilma Rousseff. Sei lá, Sarney talvez…

    http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-02/atividade-economica-tem-queda-de-408-diz-bc

  238. Patriarca da Paciência said

    “Ao comentar o exílio” de Mirian Dutra, ex-amante de Fernando Henrique Cardoso, Kiko Nogueira, do Diario do Centro do Mundo, fala do “grau de manipulação de FHC, que usou toda a companheirada da mídia e da política para limpar o terreno para seu projeto de poder”; ‘Quanto custou esse “apoio”? Quanto ele deu de retorno à Editora Abril pela nota na Veja dizendo que o filho com Mírian era de um biólogo? Quanto custou em publicidade oficial a fraude perpetrada em conluio com o ex-diretor de redação Mario Sergio Conti’, questiona”

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/217528/DCM-quanto-custou-o-pacto-de-FHC-com-a-m%C3%ADdia.htm

  239. Pedro said

    # 230

    Patriarca, agora foi vc que deu uma de retarda.

    É claro que o Sensacionalista é um site de humor, fui eu que apresentei ele a vc. (Já botei umas tintas por lá)

    E a tal agência S&P, realmente voltou a rebaixar o nota do Brasil, por conta da previsão de mais um ano de forte recessão, e não por causa da “mosquita” da Presidanta.

    A piada era essa. (taix tolo taix)

  240. Pedro said

    (Quanto custou esse “apoio”? Quanto ele deu de retorno à Editora Abril pela nota na Veja dizendo que o filho com Mírian era de um biólogo? Quanto custou em publicidade oficial a fraude perpetrada em conluio com o ex-diretor de redação Mario Sergio Conti’, questiona”)

    Deve ter custado o mesmo que o atual governo paga ao 247.

  241. Mona, a das antigas said

    Patriarca, acerca do seu comentário 234:
    Depois dessas revelações bombásticas feitas pela Mírian Dutra, deve estar se formando uma fila quilométrica de candidatas a amantes do FHC. Que cavalheiro! O “corno manso” banca a a mulher – que trabalha por 35 anos na Globo, sem fazer nada (e podia sair a qualquer momento e cuidar de sua vida), mas passando por 4 países nesse exílio “forçado”. Ganha um Ap do “corno manso”, recebe um contrato de U$$ 100.000,00 (para o qual não é necessário apresentar contrapartida), tem abortos pagos por esse mesmo corno manso (sem deixar claro se os seres gerados eram dele ou não…). Caramba! Esse homem non ecxiste! Ah… e, agora, ela tá questionando os exames de DNA feitos… Vá ser passiva assim na China! Paternidade é um “crime” imprescritível. A qualquer momento ela podia/pode mover uma ação de reconhecimento dessa paternidade. Ah, sim: e o corno manso e o filho não-filho ainda são amigos… Pô, FHC. Se todos os rapazes assim se comportassem… E, detalhe:ele poderia ter dado um cargo a ela, com o poder de indicar diretores de agências reguladoras,a exemplo de um certo outro presidente … mas não o fez. A mulher permaneceu “trabalhando” onde sempre trabalhou. Ele nunca andou por aí dizendo ser o homem mais honesto do mundo, nem se achando o bastião da moralidade; pelo contrário. Assume posicionamentos bastante questionáveis para um homem público, que tem de medir todos os seus passos tendo em mente sempre a opinião pública. A defesa da liberação da maconha é um desses posicionamentos. O próprio relacionamento que houve com a Mirian Dutra, nunca negado por ele, é outro exemplo.
    Esse homem é demais, mesmo.

  242. Chesterton said

    237, e vai piorar….muito.

  243. Zbigniew said

    Dilma é um desastre!
    Tanto à esquerda quanto à direita.

  244. Chesterton said

    239, esperar o que?

  245. Chesterton said

    243, voltou o Zig%$#@#$%*&*%$…..à direita onde?

  246. Chesterton said

  247. Patriarca da Paciência said

    241,

    é isso aí, Mona, essa é a sua ética elástica, ou “hímen complacente”, como diz o Elias.

    Não importa se o FHC pagou para a ex-amante fazer dois abortos. Não importa se o FHC falsificou exames de DNA. Não importa se o FHC usou de empresas com sede nas ilhas Caymã para sustentar a amante na Europa. Não importa se o FHC tem contas não declaradas no exterior.
    O que importa mesmo é que o FHC é um bom amante !
    Caramba ! Vivendo e aprendendo !

    Já o Lula, se comer presunto em vez de mortadela, é um escândalo de proporções gigantescas !

  248. Elias said

    “O próprio relacionamento que houve com a Mirian Dutra, nunca negado por ele, é outro exemplo.” (Mona)

    Negatowsky Mona!

    FHC escondeu não só o relacionamento, mas também — e principalmente — a “relacionada”. Tanto que ela foi retirada de cena (no caso dela, literalmente inclusive), e mandada pra lá de bem distante.

    Também pelo que se sabe, FHC só assumiu a paternidade do rebento depois que a professora Ruth morreu.

    E não existe lei nenhuma que impeça o homem casado de assumir formalmente a paternidade de filhos adulterinos, gerados antes ou depois do casamento. Ao contrário, a legislação brasileira OBRIGA o poeta a assumir, mesmo contra a vontade, a paternidade dos adulterinos, quando comprovada por meios legalmente aceitos. O Pelé, p.ex., já encarou esse lance mais de uma vez. Nada obsta, legalmente, que a paternidade seja assumida espontaneamente.

    FHC deve ter tido lá as razões dele, pra não assumir a paternidade do garoto enquanto sua esposa estava viva. E, ao que parece, ele apoiou materialmente a criança, mesmo sem assumir a paternidade. Mas o fato de não ter assumido a paternidade logo depois que a criança nasceu, é um claro indicador de que ele negou não só o relacionamento, mas também a suposta consequência dele.

    Para as finalidades do que está sendo discutido, o fato do filho ser ou não do FHC é acessório. E, dadas as circunstâncias, nada mais compreensível que o rapaz tenha FHC em alta estima.

    Essa história do FHC ser ou não corno é simplesmente ridícula. Em primeiro lugar, porque, antes de ser corno, FHC é um grande filho da puta. Em segundo, é como eu sempre digo ao Chester: “Chifre não existe. Chrifre é só uma coisa doida que meteram na tua cabeça”…

  249. Patriarca da Paciência said

    Pois é, Pedro,
    E o FHC declarou que o filho da sua amante, em verdade, é filho do Lula”.

    Será que é verdade ?

  250. Pedro said

    Claro que é mentira.

    Todos sabem que Lula não tem amante, não tem sítio, não tem apto, não tem celular, não tem CPF, nem nome ele tem……

  251. Patriarca da Paciência said

    Jornalista Mirian Dutra afirma que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso mandava dinheiro para ela e seu filho, Tomas Dutra, no exterior, através da empresa Brasif S.A. Exportação e Importação; ela disse ainda que o contrato foi viabilizado pelo lobista Fernando Lemos, um dos mais influentes de Brasília durante o governo FHC, e que políticos como Jorge Bornhausen e Antônio Carlos Magalhães agiram para que ela permanecesse em silêncio e não atrapalhasse a carreira política de FHC; segundo ela, FHC disse ter depositado US$ 100 mil na conta da Brasif no exterior: “O dinheiro não saiu dos cofres da Brasif e sim do bolso do FHC”, diz; “Por que ninguém nunca investigou as contas que o Fernando Henrique tem aqui fora?”, questiona Mirian; quando engravidou ela conta ainda que FHC disse que ela poderia ter o filho de qualquer pessoa, menos dele; “ele também pagou dois abortos que fiz”.

    Após quebrar o silêncio de 30 anos sobre sua relação extraconjulgal com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a jornalista Mirian Dutra afirma que o tucano mandava dinheiro para ela e seu filho, Tomas Dutra, no exterior, através da empresa Brasif S.A. Exportação e Importação.

    Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, ela afirma que a transferência foi feita por meio da assinatura de um contrato fictício de trabalho, celebrado em dezembro de 2002 e com validade até dezembro de 2006.

    “Eu não quero morrer amanhã e tudo isso ficar na tumba. Eu quero falar e fechar a página”, afirma.

    No contrato com a Eurotrade Ltd., empresa da Brasif com sede nas Ilhas Cayman, a jornalista deveria prestar “serviços de acompanhamento e análise do mercado de vendas a varejo a viajantes”, fazendo pesquisas “tanto em lojas convencionais como em duty free shops e tax free shops” em países da Europa.

    “Eu trabalhava na TV Globo e tive um corte de 40% no salário em 2002. Me pagavam US$ 4.000. Eu estava superendividada, vivia de cartões de crédito e fazendo empréstimo no banco. Me arrumaram esse contrato para pagar o restante”, afirma Mirian, que disse que “jamais pisou” em uma loja convencional ou em um duty free para trabalhar.

    O acordo foi mediado pelo lobista Fernando Lemos, morto em 2012, que era casado com Margrit Dutra Schmidt, irmã de Mirian.

    “Ele (FHC) me contou que depositou US$ 100 mil na conta da Brasif no exterior, para a empresa fazer o contrato e ir me pagando por mês, como um contrato normal. O dinheiro não saiu dos cofres da Brasif e sim do bolso do FHC”, diz. “Por que ninguém nunca investigou isso? Por que ninguém nunca investigou as contas que o Fernando Henrique tem aqui fora?”, questionada Miriam.

    O empresário Jonas Barcellos, dono da Brasif, não nega o acerto. Mas diz não se lembrar de detalhes.

    Em nota, FHC negou que tenha utilizado a empresa Brasif S.A. Exportação e Importação para enviar recursos para ajudar a jornalista. Ele admite, no entanto, manter contas no exterior, ter mandado dinheiro para Tomás e ter lhe presenteado recentemente com um apartamento de € 200 mil em Barcelona, na Espanha.

    Em trechos de outra entrevista concedida à colunista Natuza Nery, Miriam relata detalhes do seu sofrimento na época: “Quando disse que estava grávida, ele disse “você pode ter este filho de quem você quiser, menos meu”. Eu falei: “não acredito que estou escutando isso de uma pessoa que está há seis anos comigo”. Ela revela ter feito outros abortos a pedido de FHC.

    Miriam diz ainda que foi ajudada pelo ex-senador Jorge Bornhausen e que ACM agiu pedindo para a Globo para ela não voltar ao Brasil
    (Blog do Esmael Morais)

  252. Mona, a das antigas said

    Uma coisa, caro Elias, é esconder… outra coisa é negar. Alguém, à época dos fatos, questionou a existência da criatura ao FHC e ele respondeu que não conhecia? Até onde eu sei, não. Agora, se ele fez com que a Mírian saísse à francesa do País, com ajuda de trouxentas pessoas, para preservar sua imagem de marido, pai e homem público consciencioso… aí, como diria o Zé Dirce: uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Problema de quem não perguntou, problema de quem se deixou sair, problema de quem não foi atrás dos fatos e os colocou ao público. e se colocou, problema de quem não alimentou esse escândalo delicioso.

  253. Pedro said

    O que não faz a recessão.

    Com a falta de serviço, o povo passa a discutir quanto os políticos gastaram do nosso dinheiro pra comer as “marias mandatos”.

  254. Patriarca da Paciência said

    Links da reportagem na Folha, inclusive com xerox do contrato fajuta que a Miriam Dutra assinou e da entrevista:

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/02/1740563-fhc-usou-empresa-para-me-bancar-no-exterior-afirma-ex-namorada.shtml

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/02/1740584-nao-quero-morrer-e-isso-ficar-na-tumba-diz-jornalista-sobre-fhc.shtml

  255. Zbigniew said

    Vamos deixar de hipocrisias!

    O cara comeu a mulher e recebeu de uma empresa para escondê-la enquanto PRESIDENTE. Não pegaram ele porque não quiseram e também porque uma coisa que o PSDB sempre soube fazer foi exercer poder e enquadra o MP e o Judiciário.

    O Lula pode ter utilizado de uma empreiteira para dar uma melhorada lá no sítio dele. Ou utilizado de sua influência para colocar uma antena de internet próxima da propriedade. E querem encarcerar o cara!

    Uma coisa que o LULA nunca entendeu é que ele nunca fará parte da Casa Grande. Um governo que tem uma PF a lhe comer os calcanhares não merece ser governo.

    O Brasil definitivamente é uma republiqueta de bananas.

  256. Patriarca da Paciência said

    É Pedro,

    como é podridão do FHC, não tem nenhuma importância mesmo.

    O que importa se o FHC se utilizou de uma empresa fajuta para sustentar a amante no exterior ? Já o Renan Calheiros, porque uma empresa brasileira e legal, sustentava sua amante, perdeu a presidência do Senado.

    Que importância tem se o FHC pagou para a amante fazer dois abortos ?

    Que importância tem se o FHC tem contas não declaradas no exterior ?

    Que importância tem se o FHC pode ter falsificado exames de DNA ?

    Realmente, sem querelas sem qualquer importância !

  257. Elias said

    Certo, Mona.

    Mil perdões.

    FHC escondeu a teúda e manteúda com o propósito de não negar o relacionamento.

    Putz!

  258. Patriarca da Paciência said

    “Uma coisa que o LULA nunca entendeu é que ele nunca fará parte da Casa Grande. Um governo que tem uma PF a lhe comer os calcanhares não merece ser governo.”

    Nisso aí eu concordo, Zbigniew,

    é uma coisa quase inacreditável que o governo viva acuado pela Polícia Federal. Uma polícia que coloca o nome de uma operação de Triplo-X, demonstrando claramente sua intenção.

    Um ministro da justiça que não comanda seus subordinados !

    Realmente o PT não tem sabido exercer o poder !

  259. Elias said

    Elias (para Chester): “Tu bem que gostaste, seu vigarista… Educação de qualidade no exterior, bancada com dinheiro público!”

    chest- “Elias, você não entendeu, já falei mil vezes, eu fui bolsista do governo francês, não recebi “educação de graça”, fui pago para estudar pelo governo francês. Recebi moeda forte, no bolso, entendeu? Ou vou ter que desenhar?”

    Puta merda, Chester! DESCULPA CARA! Mil perdões!

    De vez em quando eu esqueço que tu és um sociopata que adora se fingir de imbecil….

    Deixando um pouco de lado o sociopata que tu és, vou me dirigir agora à tua persona metade idiota/metade imbecil.

    Tanto faz se o favor público veio por meio da prestação de serviços gratuitos (ensino grátis), ou da concessão de uma bolsa de estudos. Em ambos os casos, a educação estará sendo bancada com recursos públicos.

    Entendeste, muar?

    E o fato da tua bolsa de estudos ter sido bancada pelo governo francês — como fruto de uma intermediação do Itamarati, onde pontificou um traficozinho de influência familiar, pois não? — de modo algum serve de atenuante pra ti. Antes, agrava!

    E o que tem a ver “moeda forte” com questão de princípio? Nada, né Chester?

    Até porque tu não tens princípios, como sociopata que és. Tu és contra a educação grátis para os outros. Pra ti e os teus, não só és a favor como já te locupletaste. E ainda tives a desfaçatez de dizer, aqui no boteco do Pax, que tu retribuirias ao governo francês, divulgando a cultura francesa no Brasil.

    Se a cultura francesa dependesse de ti pra ser mais conhecida no Brasil, estaria ferrada, né seu vigarista?

    Vai Chester! Continua divulgando a cultura francesa travestido de Paulette Malhounête, a virtuose de performances do beijo francês, com internos dos manicômios judiciários cariocas.

  260. Pedro said

    # 256

    É importantíssimo Patriarca.

    CPI da putaria já!

    Vamos desvendar os bastidores do poder e as mocinhas assanhadas que rondam os gabinetes de Brasília.

    Já não basta sustentarmos os políticos FDP, ainda temos que sustentar as putas e os filhos delas……

  261. Elias said

    Patriarca,
    Lembra das musiquinhas que os políticos mandavam compor, pra agitar as campanhas eleitorais? A melhor de todos os tempos foi “Varre, vassourinha”, da campanha do Jânio (“Varre, varre, varre vassourinha / varre, varre a bandalheira…”).

    Com a redemocratização, voltaram as musiquinhas… Até que o PT acertou na veia com o “Lula-lá” (e pra completar, ainda veio aqula variação do Gil com o Chico). Lembra o que aconteceu já na eleição seguinte? A Justiça Eleitoral proibiu as musiquinhas…

    …Mas deixou os “showmícios”. Só que, em 2002, o PT arrebentou a boca do balão com showmícios espetaculares… Não deu outra: a Justiça Eleitoral proibiu os showmícios.

    A rapidez com que o STF agiu em relação ao PT, só é comparável à lerdeza com que se porta com Eduardo Campos. O carnavalesco Moro, aliás, tanto se deu em carnavalizar tudo o que faz, que acabou “esquecendo” de comunicar ao STF, que Eduardo tinha sido dedurado por um dos meliantes envolvidos na Lava a Jato. Moro só “lembrou” do oficializar os dedurados petistas… O Eduardo só foi “lembrado” pelo Moro depois que o governo suíço liberou a folha corrida do elemento…

    Por falar nisso, cadê a “Operação Zelote”? Segundo o Luiz Flávio Gomes, ela deu “cavalo de pau”, e, agora, trafega no sentido oposto… E olha que são bilhões de reais naquele embrulho…

    E etc.

    Tudo isso é verdade.

    Só tem um probleminha, do tamanho dos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico, juntos.

    O probleminha é: pouca coisa está sendo inventada a respeito do PT e de próceres petistas. Quase tudo é verdade.

    Exceções são poucas. Uma delas é daqui do Pará: o hoje senador Paulo Rocha. Ele era deputado federal há vários mandatos. Foi um dos destaques na Constituinte, e, durante seguidas legislaturas, liderou o ranking dos parlamentares mais influentes e atuantes no Congresso Nacional. Só que o nome dele apareceu entre os envolvidos no mensalão. Teve que renunciar ao mandato pra não ter seus direitos políticos cassados. Em seguida, foi brigar na Justiça. Venceu! Foi retirado do processo. Não é que ele tenha sido absolvido. Ele nem foi julgado. Foi retirado do processo, porque não havia absolutamente nada que o ligasse ao mensalão. Então, por que diabos o nome dele foi incluído no processo, pelo filho da puta que o incluiu? Até que provasse sua inocência, Paulo Rocha sofreu um baita linchamento moral e político, e seus filhos sofreram o diabo na escola, no clube, etc.

    Como ele, há outras exceções. Mas são exceções, não a regra. A regra é que um monte de gente ocupando posição de destaque no PT meteu a mão na merda. Se juntou aos porcos da iniciativa privada e de outros partidos políticos. Gente que chafurda na lama, em troca de retribuições ilícitas, que vão desde uma Land Rover usada até milhões de dólares da Petrobras, passando por aquele rebotalho humano, flagrado com um punhado de dólares enfiado na cueca.

    Nada disso é mentira, Patriarca.

    A Justiça brasileira poderia continuar a ser a merda que é; a PF poderia continuar sendo a bosta que nunca deixou de ser; a imprensa poderia permanecer a cloaca fétida, onde quem paga deposita seus dejetos; os partidos políticos, etc., e tal, e tal, e tal…

    Nada disso justifica que o PT tenha passado pro lado de dentro do chiqueiro. Hoje, já tem até porco se dizendo menos porco que o PT…

  262. Elias said

    ” Problema de quem não perguntou, problema de quem se deixou sair, problema de quem não foi atrás dos fatos e os colocou ao público. e se colocou, problema de quem não alimentou esse escândalo delicioso.” (Mona)

    Estás errada, Mona. Errada de novo.

    Uma conduta não se torna menos suja, nem deixa de ser imoral, só porque não chegou ao conhecimento público.

    Infelizmente essa é a “moral” brasileira. Uma “doutrina” segundo a qual não é errado roubar. Errado é se deixar apanhar roubando. Quem notoriamente roubou, mas nunca foi apanhado, vira herói, e até se permite oferecer ensinamentos morais, como o FHC da emenda da reeleição, da privatização e da cornice consentida.

    Nada justifica a roubalheira e a desfaçatez petista, mas nem de longe pensa em usar isso pra negar a roubalheira e a desfaçatez das demais farinhas-do-mesmo-saco.

  263. Mona, a das antigas said

    Prezado Elias,
    quem tem o costume de usar as putarias dos outros para justificar as próprias é o pessoal do PT, se sempre tendo como referência comportamental o paradigmático FHC para justificar seus mal feitos. O presente caso é um saboroso exemplo dessa mania… Como eu falei antes, não é o FHC que saí por aí dizendo que o homem mais honesto do mundo. Se bem que, a se confirmar essa séria de ações que ele fez em relação ao Tomás e sua mãe, é um dos mais cavalheiros e decentes dos que habitam esse país. Quanto ao abafamento do adultério cometido, já dizia o poeta: a hipocrisia é o tributo que o vício paga à virtude. E, tenho para mim, que ele vai se sair muito bem da história. Se fosse ele, faria um novo teste de DNA. Mas, cavalheiro do jeito que ele está se mostrando ser, na certa não vai fazer isso, para não expor a Mírian (e nem o Tomás). Mas, por que será que ela não o solicita? Estranho…

  264. Patriarca da Paciência said

    Elias,

    sinceramente, eu não sei em que essa autoflagelação possa ajudar em alguma coisa.

    Desde que o mundo é mundo e que a humanidade começou a se arrastar por este vale de lágrimas chamado planeta Terra, que a humanidade é imperfeita, falha, cheia de dúvidas etc.etc.etc.

    Como disse aquele célebre carpinteiro, o qual foi julgado e condenado num processo absolutamente “legal”, “aquele que não tiver pecado, que atire a primeira pedra”

    Conforme a Bíblia, os primeiros homens já erraram. A narrativa do povo judeu é uma sequência de barbaridades, traições, assassinatos. O grande Davi, para ficar com a mulher de um coitado, o enviou para a frente de batalha. E olha que o Davi já tinha mais de 900 mulheres, conforme a própria Bíblia !

    É claro que o PT cometeu muito erros, mas não é por isso que deve consentir em ser imolado em sacrifício, em nome de uma suposta imacularidade que não existe, nem existiu, em qualquer outro lugar.

    Faz apenas 70 anos que a Europa foi palco das maiores corrupções, dos maiores roubos, dos maiores crimes, de tudo que a humanidade já fez de pior em toda a sua história.

    A Universidade de Berlin concedeu o diploma de doutora para Eva Justin, pela tese de que “crianças ciganas jamais atingiriam o grau de pessoas civilizadas”. Ela “estudou” algumas crianças ciganas durante a preparação da sua tese e as crianças depois foram “descartadas”

    Nem por isso a Europa vive se autoflagelando, muito pelo contrária, até posa de grande ´heroína.

    Acho que o PT deve reconhecer seus erros, mas o PT tem também muito de positivo para apresentar.

    Os programas Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Mais Médicos, Prouni, Enem, Pronatec etc.etc.etc., se tiverem continuidade, mudarão o Brasil para sempre.

    O PT não deve consentir que todos os avanços já conseguidos sejam perdidos.

    Tem mais é que lutar bravamente.

  265. Mona, a das antigas said

    Parabéns à Tereza Cruvinel, jornalista e ptetistóide de mão cheia, pelos pingos nos IIIIS:

    “Estamos diante de mais uma visita da hipocrisia nacional, e especialmente, da hipocrisia midiática. Para os donos e para os profissionais da imprensa nacional, não há surpresa alguma, não há novidade alguma no que a jornalista Miriam Dutra contou em duas entrevistas – uma à revista BrazilcomZ, outra à jornalista Monica Bérgamo, na Folha de S. Paulo, sobre seu relacionamento com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Ao longo dos últimos 30 anos este foi o maior segredo de polichinelo de Brasília nas colmeia que reúne o jornalismo e a política. Todos sempre souberam e muitos testemunharam tudo isso que agora surge como notícia, seja porque os fatos, de tão velhos, não podem mais morder os envolvidos, seja porque o ex-presidente entrou para o Olimpo histórico onde nada mais pode atingí-lo.

    Ao longo dos últimos 30 anos, esta foi uma questão tratada como pertinente ao domínio da vida privada. Pessoalmente, continuo pensando assim. Não posso concordar é com a hipocrisia, com o falso espanto.

    Não há um só jornalista com atuação em Brasília, e mesmo fora da capital, mas sintonizado com a política nacional, que não tenha acompanhado ou sabido dos fatos que Miriam narra. Com exceção, talvez, da história de dois abortos, questão que ela só revelou às amigas mais íntimas ao longo destes anos.

    No mais, fomos todos cúmplices, assim como ela. Nunca ninguém sequer cogitou, em nenhuma redação de Brasília, de escrever sobre o assunto. Nem os chefes e muito menos os repórteres. Nunca se ignorou que Fernando Lemos, então marido da irmã de Miriam, fosse o encarregado da parte financeira do problema. Ela tinha muitos e gordos contratos pela Esplanada afora na era FHC. Ele já se foi mas a morte não interdita a verdade. Nunca se ignorou que a TV Globo mantinha Mirim contratada mas não a pautava. Até há dois anos atrás, quando veio à baila a história do DNA com afirmação em contrário, Thomaz Dutra era por todos, inclusive pelo próprio, tido como filho do ex-presidente. Nunca se ignorou que dona Ruth Cardoso, em vida, aborreceu-se tanto com a historia que um reconhecimento, enquanto ela vivesse, tornou-se inviável.

    Quando a revista “Caros Amigos” fez uma matéria sobre o assunto, há alguns anos, talvez uns dez ou doze, a reação da grande mídia foi um silêncio obsequioso.

    Então não me venham, caros colegas, com estes ares de novidade.

    Miriam quer falar e tem todo o direito de falar sobre suas dores e mágoas. O ex-presidente falará se quiser. No mais, a história confirma a relação preferencial e obsequiosa da mídia com o PSDB e reitera que o método de resolver problemas pessoais da elite política sempre foi o mesmo: passando pelo Estado ou pelas conexões empresariais.

    No mais, o amor faz das suas em todos os ambientes. Ou como eu ouvia em Minas, incrédula, quando era menina, uma velha tia dizer: o amor é uma flor roxa que nasce no coração dos trouxas.”

  266. Mona, a das antigas said

    No que se refere às conexões empresariais, ok: o cara é dono da grana e faz dela o que bem entender. Se acha de fazer favores a quem ele acha que um dia no futuro os irá retribuir, que seja. Aposta de alto risco. O chato é quando se mistura o público com o privado estando no poder…

  267. Patriarca da Paciência said

    Como FHC enganou o país

    Palmério Doria

    Muito antes das expressões “bullyng” ou “assédio moral” se tornarem corriqueiras, pude comprová-las na pele. Inicialmente na forma de sutis consultas, telefonemas despretensiosos, convites para almoços ou cafés.

    Eu, o saudoso Sérgio de Souza, o grande editor de Caros Amigos, e todos os colegas envolvidos na apuração da histórica matéria que revelaria ao Brasil a proteção da imprensa a Fernando Henrique Cardoso no caso de seu filho de 8 anos com Miriam Dutra, jornalista da Rede Globo.

    Era o verão de 2000. Entre a definição da pauta, em fevereiro, e a publicação da reportagem que entrou para a história do jornalismo independente em nosso país, em abril, meu caráter foi submetido a leilão. Reportagem, aliás, classificada pelo jornalista Ricardo Setti ainda outro dia no Roda Viva como “irresponsável”, sem qualquer contestação dos colegas ali reunidos.

    Instalado, durante todo o mês de março, num hotel de luxo dos Jardins, o lobista Fernando Lemos ofereceu dinheiro, empregos, sinecuras e distribuiu ameaças. Tudo para que a tal reportagem não fosse publicada. Eu (ou meus companheiros de Caros Amigos) poderia ter ficado rico, me tornado alto funcionário da Petrobras (como propuseram, e hoje “defendem” a Petrobras), resolvido os crônicos problemas de caixa de Caros Amigos ou o que pedisse. Tudo me foi oferecido, sem rodeios.

    Contei tudo isso em detalhes no livro “O Príncipe da Privataria” com Mylton Severiano, outro mestre soberano (Geração Editorial, várias edições), responsabilizei o lobista Fernando Lemos, cunhado de Miriam Dutra e “operador” de FHC, em inúmeras matérias aqui e acolá. Uma delas, em 27 de junho de 2011, no Brasil 247, sob o título A Última Exilada, com o qual Miriam Dutra hoje se apresenta. De nada.

    Nem Lemos (morto em 2012), nem FHC, nem Miriam me processaram. Fernando Lemos morreu biliardário e não se deu ao trabalho de gastar um mísero centavo para tentar provar que seu comportamento, por mim relatado, não havia sido nefasto e corruptor. Enfim, faz 16 anos e estou sentado, na cadeira de balanço, debaixo da jaqueira, na curva do rio e sequer uma interpelação judicial.

    Com um atraso de exatos 15 anos e 10 meses, Miriam Dutra resolve contar o que revelamos no outono de 2000. Antes tarde do que nunca.

    Hoje, nas páginas da Folha – que à época, em discreta nota na coluna Painel justificou seu tumular silêncio, apelando para a surrada tese de que seria uma questão relativa à vida pessoal de FHC e de sua ex-amante – explode a entrevista bombástica de Miriam. Está tudo lá. Um repeteco ampliado e pormenorizado do que há 16 verões publicamos diante do silêncio indecente da grande imprensa.

    E há acréscimos importantes: aparece uma das tais empresas nas Ilhas Cayman que arrepiam as penas do tucanato; o nome da Brasif, empresa detentora do negócio bilionário dos Free-shop nos aeroportos fazendo favor financeiro ao presidente da República (imaginem se fosse o Lula); as contas recheadas de FHC em bancos no exterior; a bolsa família paga com dinheiro arrecadado pelo lobista entre empresários que tinham relação promíscua com o governo de FHC; a relação lodosa com o filho que ele teria reconhecido e não teria reconhecido; um apartamento de milhares de euros na cara Barcelona presenteado ao filho que é filho e não é filho; a grave declaração de Miriam de que houve fraude no exame de DNA (quem comprou um Congresso Nacional para se reeleger não compraria um funcionário de laboratório? Entra na dança Mario Sergio Conti, aquele que entrevistou o sósia do Felipão como se fosse o próprio treinador em plena Copa do Mundo, que em 2000 me brindou com impropérios pelo telefone. Agora como o jornalista que usou sua condição de diretor de redação de Veja para lançar um cortina de fumaça sobre a gravidez da jornalista, em conluio com Fernando Henrique, além engavetador-geral de matérias.

    Resta uma pergunta à própria imprensa, aos justiceiros do Ministério Público, aos irrequietos delegados da Polícia Federal, aos plutocratas de São Paulo que viajam em seus jatinhos até Nova York e vestem seus smokings cheirando naftalina em regabofes cafonas organizados pelo João Dória (pausa para sonora e gostosa gargalhada) para louvar o presidente que quebrou o Brasil três vezes; às “senhoras” de Higienópolis; aos Marinho, aos Frias, aos Saad e aos falidos Civita e Mesquita, além dos patéticos paneleiros de todo o Brasil:

    Vocês não se envergonham de dizer que não sabiam de tudo isso?

    Lembra aquela foto do FHC pedante, imperioso, deslumbrado. “Umbigo delirante” (licença, Millôr). Retrato em branco e preto de alguém que não amadureceu. Apodreceu. Muito longe do cicerone de Sartre no Brasil dos anos 50, ou do exilado no Chile, ou do aplicado professor auxiliar do mestre Florestan Fernandes.

    Não se pode negar que FHC enfim caiu na boca do povo. Não enganou só Dona Ruth. Nem só a amante, por ele abandonada. Ele enganou todo um país.

  268. Zbigniew said

    Tem que falar mesmo do PSDB e de todos aqueles que querem apontar o dedo sujo para o PT.

    O PT errou e aqueles que estiverem envolvidos em falcatruas devem pagar exemplarmente, mas, como disse o Elias, não pode e não deve ser imolado.

    Isso se chama guerra pelo poder, com fortes pitadas de hipocrisia, que é o que estamos presenciando hoje. O Sérgio “não vem ao caso” Moro, a título de estar buscando a melhoria de nossas instituições pelo combate à corrupção, invocando a “mani pulite” italiana, do Giovanni Falcone, na realidade está se prestando a um trabalho de eliminação política.

    Ele devia começar pelo poder que representa. Ah! e não esquecer de furnas, “triplex” de paraty-mirim em área de preservação ambiental, e outras cositas que, como não estão relacionadas ao alvo principal da lava-jato que é a anulação política do Lula, não vem ao caso.

  269. Patriarca da Paciência said

    Leandro Fortes

    “Fernando Henrique Cardoso usou uma empresa de fachada, uma offshore nas Ilhas Cayman, para remunerar a amante.

    Depositou, nessa falsa empresa, do tipo que corruptos e traficantes usam para lavar dinheiro, 100 mil dólares, de uma única vez – aparentemente, quando ainda era presidente da República.

    Usou a Brasif, uma concessionária de free shops, para costurar essa operação ilegal.

    O dono da Brasif confirma ter feito a operação, mas não lembra direito como foi.

    Ah, tá bom.

    O sujeito faz uma operação de crédito em uma empresa falsa em um paraíso fiscal PARA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA e não lembra como foi…

    FHC e os tucanos têm uma relação íntima com as Ilhas Cayman, e agora talvez se explique porque ele entrou em pânico quando surgiram papéis falsos sobre a existência de uma conta dele por lá, nos anos 1990.

    Eu persegui essa história como jornalista, estive nos Estados Unidos e no Caribe juntando os cacos do chamado Dossiê Cayman, sobre o qual escrevi um livro: “Cayman: o dossiê do medo”.

    Na época, FHC botou a Polícia Federal e o Ministério Público para me processar.

    Até os informantes da PF em Miami me processaram, bandidos comuns e golpistas de quinta categoria usados pelo governo para calar um jornalista.

    Ganhei todas, na Justiça.

    Mas o caso Cayman foi abafado, como tudo nos governos do PSDB, onde reinava Geraldo Brindeiro na Procuradoria Geral da República, o famoso “engavetador-geral”.

    Agora, é a vez das autoridades fiscais, do Ministério Público e da Polícia Federal investigarem um presidente da República que usou uma lavanderia de dinheiro em um paraíso fiscal para mandar dinheiro para a amante que a TV Globo escondia na Europa.

    E de onde vieram esses 100 mil dólares disponibilizados para Mirian Dutra.

    Porque está cada vez mais claro que FHC, dono de um apartamento de 11 milhões de euros em Paris, tinha outras e maiores rendas que não provinham do salário de presidente.

    Dessa vez, se o Ministério da Justiça não se movimentar, irá se configurar um caso de deboche contra o contribuinte, contra a nação.

    Nação que acompanha, perplexa, uma perseguição implacável da mídia, da Justiça, do Ministério Público e da Polícia Federal a um outro ex-presidente acusado de levar cervejas demais para um sítio em Atibaia.”

  270. Chesterton said

    263, puxa, fiquei emocionado Mona.

  271. Chesterton said

    Lá vem treta…

    Nesta semana, discutiu-se bastante no mercado uma saída heterodoxa para salvar a Petrobras: converter as dívidas dos bancos públicos em ações da petroleira.

    Seria uma maneira indireta do governo, que está quebrado pela farra fiscal, resgatar a companhia.

    A ideia foi esmiuçada pelo BTG em relatório. Pelas contas do banco, a estatal deve uma bolada às instituições estatais: R$ 87 bilhões – R$ 26 bilhões para o Banco do Brasil, R$ 11 bilhões para a Caixa e R$ 50 bilhões para o BNDES.

    A quantidade de dinheiro é significativa, mesmo para a dívida da Petrobras, que chega a cerca de US$ 100 bilhões ou R$ 400 bilhões.

    Alguns altos funcionários da Petrobras negam com vigor a operação, enquanto outros admitem em conversas reservadas que é uma possibilidade.

    A lógica do negócio combina com o governo Dilma: vamos comprar as ações desvalorizadas por esse injusto mercado e esperar que descubram o real valor da empresa que foi o “orgulho” dos brasileiros.

    Não podia ser um raciocínio mais equivocado. A Petrobras é uma empresa inchada, gerida por anos em prol dos interesses dos políticos e que foi assaltada por corruptos.

    Para piorar, o preço do petróleo despencou e há dúvidas se nesse patamar é viável explorar as reservas do pré-sal, cujo custo de extração ficou altíssimo.

    Sem dúvida, a operação reduziria o peso da dívida da Petrobras como um passe de mágica, mas não resolveria seus problemas de má gestão.

    Além disso, a solução é ruim para os atuais acionistas, como as milhares de pessoas que investiram o FGTS, porque seriam diluídos, ou seja, seu investimento automaticamente valeria ainda menos.

    É também um péssimo negócio para os bancos públicos, que aumentariam muito sua exposição à uma companhia com graves problemas. Saem da fila de credores e se tornam sócios, ou seja, afundam junto com o barco.

    O Banco do Brasil nega publicamente, altos funcionários da Caixa dizem em conversas reservadas que nunca ouviram falar, enquanto no BNDES parece que existe mais simpatia à proposta.

    Esse resgate só é realmente bom para os bancos privados e para os investidores internacionais que também são credores da petroleira.

    Isso porque, com a ajuda do governo, eles passariam na frente dos bancos públicos e sentariam na janela para tentar receber o seu quinhão.

    E, claro, também interessa ao partido no poder dizer nas eleições de 2018 que protegeu a Petrobras da perversidade do mercado, desviando o foco das atrocidades que cometeu na gestão da companhia.

    Tomara que realmente essa história não passe de especulação.

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/raquellandim/2016/02/1740814-as-razoes-para-os-bancos-publicos-nao-resgatarem-a-petrobras.shtml

  272. Patriarca da Paciência said

    Pela 1ª vez, Sanders ultrapassa Hillary em uma pesquisa nacional (Revista óia, ou veja)

    E aí, Chesterton, o que você diz de um socialista sendo presidente dos Estados Unidos ?

    A “guinada à esquerda” do mundo, dessa vez, será liderada pelos Estados Unidos.

    Nada como um dia atrás do outro !

  273. Pedro said

    Já pensou se fica Bernie x Trump.
    Aí tem tudo pro Bernie levar essa.

  274. Chesterton said

    272- a insanidade um dia iria chegar lá, mas ainda assim no lo creo, o Bicho Berne é muito geriátrico. E tem democratas votando no Trump.

    Agora, uma coisa, esse lance do PT contra o FHC…..tiro no pé. O povão não gostou.

  275. Chesterton said

    Leia Mais:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,o-silencio-dos-bons,10000016765
    Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
    Siga @Estadao no Twitter

    O silêncio dos bons. Publicado n’O Estadão.

    Na Bancoop, os dirigentes pintaram e bordaram, deixando centenas de famílias a ver navios e tríplex no Guarujá. No Petros (Petrobrás), no Postalis (Correios), na Previ (BB) e na Funcef (CEF), os presidentes e diretores também fizeram a maior farra, deixando milhares de funcionários com uma aposentadoria incerta e uma dívida já estimada em R$ 46 bilhões.

    O que uma cooperativa de bancários de São Paulo tem a ver com os fundos de pensão das principais estatais brasileiras? Todas viveram o mesmo aparelhamento, com o mesmo modo de fazer as coisas e personagens que têm origens parecidas: os presidentes da Bancoop e dos fundos de pensão eram do PT, ou indicados pelo partido de Lula, e fizeram carreira em sindicatos. Exemplo: João Vaccari Neto, da Bancoop, ex-tesoureiro do PT e hoje preso na Lava Jato.

    É preciso reconstituir essa história e mostrar o que há de tão intrigantemente igual na escolha dos dirigentes, na origem sindical e partidária de cada um, na ausência de limites entre público e privado, na forma invertida de tirar da maioria para favorecer a minoria do poder. Como lembrou o chefe da Casa Civil, o também petista Jaques Wagner, “quem nunca comeu melado, quando come…” A turma encheu a pança.

    Há muitos detalhes cruéis nessa trama, mas o principal deles é que os governos passam, os partidos passam, os presidentes dos fundos de pensão passam, mas as vítimas ficam e se tornam vítimas para sempre. Aí, entra uma curiosidade, resvalando para uma cobrança: como tudo isso pôde acontecer, durante tanto tempo, atingindo tanta gente, prejudicando tantas instituições, e ninguém meteu a boca no trombone?

    Funcionários do Banco do Brasil, da Petrobrás, dos Correios, da Caixa Econômica Federal são historicamente reconhecidos e admirados por vestirem a camisa e defenderem suas instituições. Por que, depois da posse de Luiz Inácio Lula da Silva, eles passaram a também não ver, não ouvir, não saber e não falar?

    Um mistério.

    Vejamos a Petrobrás. O desastre e o escândalo que marcaram para sempre a história da maior empresa brasileira refletiram diretamente sobre a gestão do fundo de pensão dos funcionários, desenrolando-se dia após dia, semana após semana, anos após anos, à luz do sol, envolvendo bilhões de reais, dólares, euros. E não havia um só diretor, gerente, engenheiro, secretária, telefonista, garçom, servente, motorista, para defender a companhia e impedir que o Titanic afundasse?

    A bem da verdade, registro aqui que, em outubro de 2011, dois anos e meio antes do início da Lava Jato, recebi o e-mail de um engenheiro da Petrobrás que, obviamente, assinava com um pseudônimo, “Miamoto Kojuro”: “Causa espanto o que vem acontecendo nas obras de expansão das refinarias e de construção das novas, na verdade, em praticamente todos os empreendimentos que levam o nome Petrobrás”.

    Segundo esse engenheiro, “se a corrupção no Ministério dos Transportes chocou a opinião pública, levando a uma pseudo faxina do governo, motivada por denúncias da imprensa, o que acontece na Petrobrás excede em muito as irregularidades dos Transportes”. E acrescentava algo que o juiz Sérgio Moro agora diz claramente: “Notadamente empresas doadoras de campanha para o PT são bem aquinhoadas na Petrobrás. (…) Mesmo que orcem as obras baixo, elas nunca perdem dinheiro mediante os mais diversos expedientes”.

    “Kojuro”, se você estiver me lendo, entre em contato, por favor! Aliás, senhores funcionários da Petrobrás e da Petros, do BB e da Previ, da ECT e do Postalis, da CEF e da Funcef, é hora de falar. Além das suas instituições, os atingidos são o País e cada um de vocês. Como ensinou Martin Luther King Jr. (1929-1968), o pior não é o grito dos violentos, corruptos, desonestos e sem caráter. “O que preocupa é o silêncio dos bons.”

  276. Patriarca da Paciência said

    Olhem só o que o Claudio Humberto, colunista preferido do Chesterton, anda publicando:

    A coluna de Claudio Humberto ontem deu o nome, hoje dá o endereço da fonte: a própria mãe do outro filho pobre de FHC.

    Diferente da filha rica de FHC, que era “fantasma” e ficava em casa recebendo salários do gabinete de Heráclito Fortes, esta mãe trabalha dando expediente como copeira, e o filho pobre com carregador. Segue o texto de Cláudio Humberto:

    “Príncipe da sociologia brasileira”, FHC disse uma vez que tinha “um pé na cozinha”. Maria Helena Pereira, a negra que o impressionou pela formosura e lhe deu outro filho fora do casamento, continua com o pé na copa. A mãe de Leonardo, o filho mulato de FHC, ainda é a copeira do gabinete 22, do senador Roberto Cavalcanti (PRB-PB), na Ala Teotônio Vilela do Senado. Trabalha todo dia lá, no período da tarde.

    Leonardo, 20, o filho de FHC que esta coluna revelou ontem, também trabalha no Senado, como a mãe. É um modesto carregador.

    Ruth Cardoso demitiu Maria Helena da casa de FHC, após conhecer Leonardo. Achou o menino muito parecido com seu marido.

    Com ajuda de FHC, a ex-empregada Maria Helena, mãe do filho dele, comprou duas quitinetes e uma loja em Riacho Fundo (DF), que aluga.

  277. Patriarca da Paciência said

    Chesterton,

    até a direita está gostando de, finalmente, conhecer as infinidades de podres do privata do Brasil. Que o diga o Claudio Humberto !

  278. Patriarca da Paciência said

    Vejam aí que “hímen elástico” são os tais tucanos:

    “O senador ex-tucano Alvaro Dias (PV) disse nesta sexta (19) que exonerou a irmã da ex-amante de FHC do Senado porque ela não cumpria expediente; Margrit Dutra Schmidt, irmã de Mirian Dutra Schmidt, estava lotada no gabinete da senadora Lucia Vania (PSDB) quando Alvaro assumiu o cargo de líder da oposição no Senado; “Ela estava à disposição de um gabinete, mas eu fui informado pela Lucia Vania que ela não estava trabalhando, por isso eu exonerei”, disse; ela foi readmitida como funcionária fantasma no gabinete de José Serra (PSDB/SP)” (247)

    Ainda tem a cara de pau de posar de moralistas !

  279. Patriarca da Paciência said

    Alguém se lembra da Nicéia Pitta, ex-esposa do falecido Celso Pitta ?

    Pois então, será que foi o PT que induziu a Nicéia a fazer as denúncias que fez, ou foi o fato do Celsão ter arrumado uma tremenda louraça e andar desfilando publicamente com ela ?

    Será que o fato do FHC ter assumido e legalizado publicamente seu “amore”, como é tratado na intimidade, conforme vídeo que ele mesmo publicou em apoio à candidatura do aecim, não tem nada a a ver com as denúncias de Miriam Dutra ?

    A Miriam teve que viver 30 anos escondida e exilada !

    O Novo “amore” é assumido, legalizado e presenteado publicamente ?

    Qual mulher ficaria satisfeita com um negócio desse ?

  280. Chesterton said

    Patriarca, entenda, FHC é socialista, só porque o plano dele deu certo apesar de combatido pela escória petista não quer dizer que ele é liberal, ou de direita. Que se fodam todos, como diz o Pax.

  281. Chesterton said

    Sera mesmo que foi o C Buarque que escreveu este texto excelente?

    Desconstrução da esquerda
    20/02/2016 – 02h33
    Os constantes noticiários sobre a Lava-Jato têm levado militantes dos partidos do governo a dizerem que está em marcha uma campanha de desconstrução do PT e da imagem do ex-presidente Lula, cujo objetivo seria a desconstrução da esquerda.

    É até possível que as oposições estejam usando as notícias com esta intenção; mas a desconstrução foi feita pela própria esquerda, contando com a colaboração do Lula, do PT e demais partidos de apoio ao governo.

    A desconstrução da esquerda ocorreu por causa da aceitação da corrupção, sob o argumento de que todos a praticam; pela perda do vigor transformador e o consequente acomodamento; a falta de imaginação para formular nossas alternativas para avanço social; a incapacidade para perceber e entender a vertiginosa transformação tecnológica e política no mundo e o desprezo por compromissos programáticos e ideológicos.

    A esquerda não foi capaz de entender o pleno significado da queda do Muro de Berlim, do fim do socialismo pela distribuição da produção e o consumo industrial depredador; a consolidação do poder sindical da aristocratização do proletariado em contraposição aos interesses das grandes massas; não entendeu a dimensão da crise que vai além da luta de classes e contesta a própria base da civilização industrial; não tem proposta para a ampliação do bem-estar, combinado com o equilíbrio ecológico; não percebe a força da globalização implantando o livre comércio, quebrando as fronteiras nacionais; nem a realidade da economia atual, onde o principal fator de produção é o conhecimento, não o capital financeiro, nem os recursos naturais.

    A esquerda desconstruiu-se ao adotar a voracidade pelo poder e seus cargos e privilégios, envenenando os músculos de sua militância por estupidez e imoralidade. Faz parte também deste esforço da autodestruição, a anulação, pela cooptação, dos movimentos sociais como UNE, CUT, MST.

    Somado à irresponsabilidade fiscal que provoca a maldade da inflação; o aparelhamento e a má utilização do Estado; a degradação de estatais símbolos da nação, como a Petrobras e os Correios; o desmantelamento do funcionamento do Estado e a desnacionalização do parque produtivo por causa da desvalorização cambial.

    No lugar de criar novas utopias, formular novas propostas, a esquerda preferiu cair nos braços do sistema tradicional, reduzindo seus programas a meras transferências de renda já implantadas por governos anteriores; colocou o poder como meta suficiente, não como etapa necessária; aceitou qualquer aliança, desconstruindo a própria imagem.

    A foto de Lula no jardim de um palacete para eleger seu candidato poderá ser um dia mostrada como marco da desconstrução da esquerda no Brasil, tanto quanto as fotos de jovens derrubando as pedras do Muro de Berlim significou a desconstrução do socialismo real na Europa.

    A esquerda se auto desconstruiu sobretudo ao não perceber seus erros e jogar a culpa da desconstrução nos adversários.

  282. Patriarca da Paciência said

    Chesterton,

    O FHC é socialista ? Caralho ! Grande descoberta ! E daí ?

    Alguém se lembra também daquele famoso filme ” O Incrível Exército de Brancaleone” ?

    Em uma das partes do filme, certa mocinha que eles levavam para casamento com um grande senhor feudal, ficou doidinha para dar para o Brancaleone. Acontece que, em nome da honra da Cavalaria, o gajo resistiu bravamente. A mocinha então deu para um dos companheiros do “Incrível Exército”.
    Quando o Brancaleone ficou sabendo, entrou em pânico. E o garanhão falou ironicamente: “Fêmeas rejeitadas se vingam”.

    Ou seja, uma mulher rejeitada é perigosíssima !

    A maioria dos homens sabe disso. Parece que o FHC não sabia.

  283. Patriarca da Paciência said

    247 – A disputa pela sucessão de Barack Obama nos Estados Unidos promete. Nova pesquisa mostra que os eleitores norte-americanos apoiam Bernie Sanders contra os candidatos republicanos por uma margem de 4 a 10 pontos percentuais nas disputas presidenciais diretas.

    Por outro lado, o trabalho descobriu que Hillary Clinton meramente empataria e, em alguns casos, perderia para as lideranças republicanas na eleição de novembro de 2016.

    Quando comparado com Donald Trump, Sanders sai por cima, com 48% contra 42%. A margem de Clinton contra Trump é muito mais estreita: 44% contra 43%.

  284. Pedro said

    Quem é o verdadeiro socialista,
    Bill Gates o “suprassumo do capitalismo”, que doa o próprio dinheiro, ou os demagogos que pregam a divisão do dinheiro dos outros apenas pra se manter no poder e ” enricar ” a companheira da?

  285. Pedro said

    http://jornalportalsul.com.br/bill-gates-doou-quase-toda-a-sua-fortuna/

    Faltou o link.

    É a eisenbah digitando :-)

  286. Patriarca da Paciência said

    Pedro,

    a ONU publicou um estudo, tempos atrás, que uma pessoa para ser feliz não precisa ter um rendimento maior que 5 mil dólares.

    A pesquisa dizia que as pessoas, geralmente, partindo de uma renda pequena, vão ficando cada vez mais satisfeitas até atingir 5 mil dólares. A partir daí, a felicidade que o dinheiro compra é mínima.

    O Bill Gates, como uma pessoa inteligente que é, deve ter chegado a essa conclusão.

    Apesar de que a fortuna que ela ainda ficará garantirá um rendimento mensal bem superior a 5 mil dólares.

  287. Chesterton said

    284, Pedro você deve trocar a palavra “socialista” pela palavra “benfeitor”. Socialismo é o oposto.

  288. Chesterton said

    5 mil dolares x 200 milhoes de pessoas x 12 = 12 trilhoes de dólares….por ano…..que PIB seria necessário?

  289. Patriarca da Paciência said

    Chesterton, você não sabe fazer conta mesmo !

    5 mil dólares X 200 milhões de pessoas, é igual a um trilhão de dólares, não 12 trilhões !

    O PIB brasileiro já passa de 2 trilhões de dólares !

  290. Pedro said

    A sua teoria explica muito Patriarca.
    Por isso que o Chester, o Googlias e o preguiçoso do Pax são a felicidade em pessoa.
    Esta cambada ganha mais de 5 mil dólares por rmes e não quer dividir.
    Bernie Sanders neles….
    Como diria o filosofo Luís Inácio, o que é teu nosso e vice não versa

  291. Patriarca da Paciência said

    A teoria não é minha, Pedro.

    Também não é teoria, é um estudo da ONU.

    E a conta do Chesterton está certa, seria necessário 60 mil dólares por ano para o gajo se feliz.

    Mas como diz o papa Francisco, felicidade pouco ou nada tem a ver com muito dinheiro.

  292. Patriarca da Paciência said

    “No artigo do site é citado também um estudo de 2010 da Universidade de Princeton que mostrou que, até a faixa de 75.000 dólares por ano, cada elevação na renda contribui para o aumento da felicidade dos entrevistados. Mas depois disso, o aumento de renda deixa de fazer diferença na satisfação com a vida em geral.”

    http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/para-ser-feliz-bastam-50-000-dolares-por-ano-diz-estudo

  293. Patriarca da Paciência said

    “São Paulo – Uma recente pesquisa feita por um instituto de pesquisas americano, o Marist Institute for Public Opinion, revelou que pessoas que ganham uma média salarial anual de 50.000 dólares são mais satisfeitas com a vida, – levando em consideração fatores que vão desde amizade, saúde e até as maneiras de gastar o tempo -, do que aqueles que ganham entre 35.000 a 40.000 dólares e entre 60.000 a 65.000 dólares por ano.”

    Do mesmo link acima

    Ou seja,

    50 mil dólares seria o “ponto de equilíbrio”.

  294. Chesterton said

    289…ai, ai, ai não confunda renda com PIB.

  295. Chesterton said

    5 mil dólares, DEPOIS de pagar as contas e obrigações não é ruim.
    A questão que os estatólatras e funcionarios publicos não entendem é que um empresario vai crescendo e assumindo obrigações com outras pessoas, funcionarios, acionistas, etc… que tornam essa quanti irrisória.

  296. Chesterton said

    da série votou 13? Agora agueeeentaaa.

    É o fim do sonho do primeiro automóvel da “classe média emergente”, a conhecida por “classe C”. Muitos têm sido obrigados a devolver aos bancos o carro financiado ou deixa-los parados. Além das prestações intermináveis, os compradores de carros na classe C já não suportam o custo do combustível. O governo reduziu o IPI para melhorar as vendas e agora sufoca o comprador com os preços da gasolina e do álcool.

  297. Patriarca da Paciência said

    “289…ai, ai, ai não confunda renda com PIB.”

    É isso aí mesmo, Chesterton, eu queria só ver a tua reação.

    Votou PSDB ? Aguenta !

    Serra declara que sua funcionária fantasmas trabalha em “projeto sigiloso”.

    Hipocrisia e cinismo são predicados dos políticos do PSDB !

  298. Patriarca da Paciência said

    Um empresário que edifica uma empresa sólida, que cumpre com suas obrigações legais e sociais, que remunera bem os seus colaboradores e exige boa produtividade, mas que é justo e compreensivo etc.etc.etc., eu o vejo quase que num papel místico, seriam os modernos “chefes de tribo”.

    Já empresários que vivem desesperadamente correndo atrás de lucro a qualquer custo, eu os vejo apenas com paranóicos !

  299. Patriarca da Paciência said

    Correção:

    Já empresários que vivem desesperadamente correndo atrás de lucro a qualquer custo, eu os vejo apenas como paranóicos !

  300. Pedro said

    Boa texto do Nelson Motta

    http://noblat.oglobo.globo.com/geral/noticia/2016/02/quando-o-barato-sai-caro.html

  301. Chesterton said

    Patriarca, é lucro ou demissões e dívidas.

  302. Chesterton said

    O ex-presidente Lula atuou fortemente como lobista da Odebrecht no exterior, é o que diz reportagem da edição desta semana da revista Época. De acordo com a revista, centenas de documentos das empresas de Lula, da Odebrecht e até do BNDES foram analisadas por peritos na investigação sobre as suspeitas de tráfico de influência internacional do petista para favorecer a Odebrecht. Após analisar telegramas diplomáticos, cruzar dados de viagens de Lula e de executivos da empreiteira, os procuradores concluíram que o ex-presidente cometeu sim o crime de tráfico de influência.
    Para os procuradores, havia um “modus operandi criminoso” na atuação de Lula, dos executivos da Odebrecht e dos diretores do BNDES para liberar dinheiro do banco à empreiteira. O ex-presidente praticou o crime de tráfico de influência em favor da Odebrecht, vendeu sua “influência política” por R$ 7 milhões e o contrato de palestras com uma uma empresa do petista serviu para “dar aparência de legalidade” ao crime.

    Sobre o BNDES, a matéria afirma que o banco aprovava com “velocidade incomum” os financiamentos que envolviam gestões de Lula e interessavam à Odebrecht, além de liberar dinheiro indiretamente à construtora.

    Os investigadores confirmaram que Lula viajava em jatinhos da Odebrecht para se encontrar com os presidentes amigos e o pagamento era feito por meio de “palestras”, justificando, em tese, a necessidade das viagens. Relatos de diplomatas que acompanhavam as reuniões confirmaram que Lula fazia lobby em favor da Odebrecht e ainda prometia aos chefes de Estado que convenceria a presidente Dilma Rousseff a “ajudar”. Isso aconteceu em Cuba, Venezuela e República Dominicana, para citar alguns exemplos.
    Durante o “contrato” de Lula com a Odebrecht, a empreiteira recebeu US$ 7,4 bilhões em financiamentos do BNDES por meio de 52 contratos no exterior. Durante esse tempo, a construtora pagou R$ 4 milhões à L.I.L.S., empresa de Lula, além de bancar despesas no valor de US$ 1,2 milhão e mais de 40 mil fretamento de aeronaves, carros e hospedagens. Análise do MPF verificou que o BNDES leva em média 488 dias para aprovar um processo de financiamento de obra no exterior, mas 17 das 30 transações da Odebrecht periciadas ficaram abaixo do prazo. A obra do porto de Mariel em Cuba levou pouco mais de um terço desse tempo (176 dias).

    Ajuda bilionária

    Uma das atuações mais rentáveis do ex-presidente petista foi junto à Venezuela, durante a presidência de Hugo Chávez. O BNDES liberou US$ 747,1 milhões em 2009 para a Odebrecht construir duas linhas de metrô na Venezuela, mas os pagamentos antecipados não correspondiam ao avanço do projeto, algo fora dos padrões de financiamentos do BNDES. Em meados de 2011, as dívidas do governo venezuelano com a Odebrecht chegavam a US$ 1 bilhão e, como num passe de mágica, Lula teve uma “palestra” contratada pela empreiteira a ser realizada na Venezuela e a dívida foi quitada.

    da Época

  303. Chesterton said

    A Procuradoria Geral da República (PGR) e o Supremo Tribunal Federal (STF) arquivaram falsa denúncia feita por “Ceará” no final do ano passado. As falsas declarações de “Ceará” foram desmentidas em depoimentos do presidente da UTC, Ricardo Pessoa, e de Alberto Yousseff. Segundo a PGR, “os elementos iniciais não se confirmaram”.

    Declaração do presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves

    “Essa decisão da PGR ratificada pelo Supremo Tribunal Federal desmascara mais uma torpe tentativa de envolver nomes da oposição no mar de lama que envolve o PT e o governo e que a operação Lava Jato tem mostrado ao país.

    O mesmo já havia acontecido com os senadores Anastasia e Randolfe. Não foi a primeira tentativa e provavelmente não será a última.

    Mas, para mim, essa decisão, por mais importante que seja, não é suficiente. É preciso que se investigue o que está por trás dessas falsas e criminosas citações de nomes da oposição sem indícios mínimos que as comprovem e que têm o claro objetivo de confundir as investigações em curso no país.

    A operação Lava Jato tem cumprido um papel fundamental na construção de um novo Brasil e, por isso, sempre teve e continuará tendo todo o apoio do PSDB e das oposições que reagirão sempre que tentativas como essa ocorrerem.”

  304. Patriarca da Paciência said

    O Chesterton acredita na honestidade e sinceridade do Aécio Neves !

    Prá lá de chocante !

    Foi arquivada apenas uma das inúmeras acusações que pesam sobre o aecim. As propinas de Furnas vem aí com tudo !

  305. Chesterton said

    não entendo como é que o PT não arruma nada consistente contra Aécio….

    da série, votou no 13? Agueeeentaaaa:

    http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2015/03/volks-poe-42-mil-operarios-em-ferias-coletivas-partir-desta-segunda-30.html

  306. Patriarca da Paciência said

    Fala aí, Chesterton,

    você também acredita que a irmã da Mirian, funcionária fantasma do Serra, trabalha num “projeto sigiloso” ?

    O que eu acredito mesmo é que o aecim está sendo investigado, mas com a mídia comprada que temos, nada vaza.

    A coisa virá à tona quando explodir a tampa da panela, tal como no caso do velho hipócrita FHC.

  307. Patriarca da Paciência said

    “Jornalista Jorge Bastos Moreno, um dos principais analistas políticos do Globo, aponta, nas redes sociais, um fenômeno, para ele, incompreensível: o crescimento do Partido dos Trabalhadores: “Apesar de todos os escândalos envolvendo estrelas do partido, cresce vertiginosamente o nº de filiação ao PT entre o público jovem. Nem na época de ouro do PT ocorreu tal fenômeno. Este é um fato importantíssimo, paralelo à política”, postou ele no Twitter; “Desconheço explicações que justifiquem esse fenômeno. Mas ele existe. Deveria estar acontecendo o contrário, ou seja, saída em massa”, acrescentou” (247)

    O babaca não entende ! Acha inexplicável !

    A coisa é muito simples – a maioria das pessoas já percebeu de que lado está a verdade.

    Vão acabar mesmo a globo, a óia et caterva ! O PT continua firme e forte !

  308. Patriarca da Paciência said

    “A semana que passou, marcada pelo escândalo FHC-Mirian Dutra, revela que a direita no Brasil tem um desafio a superar: como chegar ao poder num mundo de informação muito mais democrática do que no passado; quando FHC se elegeu e se reelegeu presidente, em 1994 e 1998, foi protegido por praticamente todos os meios de comunicação que existiam naquele momento – veículos que, ainda hoje, na era da internet, tentam protegê-lo; no passado, bastava combinar o jogo com quatro ou cinco famílias; o jogo, agora, mudou e Lula dialoga melhor com os meios eletrônicos do que seus adversários” (247)

    A explicação simples que o babaca colunista (ou colonista) da globo não entende !

  309. Patriarca da Paciência said

    Lavajato vaza apenas para a “grande” mídia comprada !

    Mas a batata do aecim está assando !

  310. Patriarca da Paciência said

    NOTA ENVIADA À REDE RECORD SOBRE A CAPA DA REVISTA VEJA

    O ex-presidente Lula já comprovou com documentos — inclusive sua declaração de Imposto de Renda — que jamais ocultou patrimônio.

    Lula não é e nunca foi dono de imóveis em Guarujá, Atibaia, Paraty ou outros lugares aprazíveis. Nunca registrou propriedade pessoal em nome de empresas fantasmas ou em paraísos fiscais.

    A repetição de teses caluniosas sobre Guarujá e Atibaia tem o objetivo de ligar o ex-presidente a processos em que ele não é investigado e sequer citado. Lula reside em São Bernardo, no mesmo apartamento em que morava antes de ser presidente da República. Nunca desrespeitou a lei, antes, durante ou depois de governar o pais.

    É ilegal e vergonhosa a invasão de privacidade a que Lula e sua família vêm sendo submetidos por determinados agentes do estado e veículos da imprensa.

  311. Pax said

    A despencada de Lula não é pequena não. É grande pacas. Incluindo o NE.

    http://m.politica.estadao.com.br/noticias/geral,o-menor-cacife-de-lula,10000017549

Faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: